Page 1

Teoria e prática Tradução da 14ª_ edição norte-americana

O objetivo desta obra clássica é fazer que os estudantes e administradores entendam o papel das finanças na economia global, em sua empresa e em sua vida. O texto traz um aprofundado estudo para mostrar as aplicações na vida real, começando com conceitos básicos, incluindo informações sobre o ambiente econômico e financeiro, demonstrações financeiras (com ênfase em fluxos de caixa), valor temporal do dinheiro, avaliação de títulos, análise de riscos e avaliação de ações. Nesta edição, bem como nas anteriores, houve revisão e atualização de todo o conteúdo, além de terem sido incluídos novos exemplos e abordagem das mudanças recentes no ambiente financeiro e na teoria financeira. Considerando a importância vital deste tema para a saúde econômica das empresas, da nação e do mundo, Administração financeira: teoria e prática ajuda os leitores a entender e a resolver os problemas enfrentados pelas empresas atualmente, em especial os advindos da crise econômica mundial. Aplicações: Livro-texto para os cursos de Administração, Economia e Contabilidade. Pode ser utilizado, também, em cursos introdutórios de MBA em finanças. Trata-se de uma obra muito útil para investidores, executivos e gestores financeiros.

ISBN 13 978-85-221-2391-9 ISBN 10 85-221-2391-8

Para suas soluções de curso e aprendizado, visite www.cengage.com.br

AdministracaoFinanceira.indd 1

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Eugene F. Brigham Michael C. Ehrhardt

Eugene F. Brigham Michael C. Ehrhardt

Eugene F. Brigham Michael C. Ehrhardt

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Teoria e prática Tradução da 14ª edição norte-americana _

OUTRAS OBRAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE EMPRESAS MULTINACIONAIS: ABORDAGEM INTRODUTÓRIA Clóvis Luís Padoveze INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 2a edição Clóvis Luís Padoveze FINANÇAS PARA EXECUTIVOS: GESTÃO PARA A CRIAÇÃO DE VALOR Tradução da 3a edição norte-americana Gabriel Hawawini e Claude Viallet FINANÇAS E MERCADOS DE CAPITAIS- MERCADOS FRACTAIS: A NOVA FRONTEIRA DAS FINANÇAS Carlos José Guimarães Cova (org.)

9 788522 123919

1/26/16 3:55 PM


Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Brigham, Eugene F.     Administração financeira: teoria e prática/ Eugene F. Brigham, Michael C. Ehrhardt; tradução Noveritis do Brasil, Pólen Editorial, Solange Aparecida Visconti; revisão técnica James R. Hunter,Peter Edward Mr. Wilson. 3. ed. -São Paulo : Cengage Learning, 2016.        

       

Título original: Financial management: theory and practice 14ª ed. norte-americana”. Bibliografia ISBN 978-85-221-2391-9

    1. Administração financeira 2. Corporações – Finanças 3. Empresas – Finanças I. Ehrhardt, Michael C. II. Título. 15-10228                                                    CDD-658.15

Índice para catálogo sistemático:               1. Administração financeira: Empresas 658.15


Administração

Financeira

Teoria e prática

Tradução da 14a edição norte-americana

eugene f. brigham University of Florida michael c. ehrhardt University of Tennessee

Tradução Noveritis do Brasil Pólen Editorial Solange Aparecida Visconti Revisão técnica James R. Hunter Professor de Administração da Brazilian Business School e Business School São Paulo (BSP). Graduado e mestre pela Yale University.

Peter Edward Mr. Wilson Professor de Avaliação de empresas, Finanças corporativas e Estratégia da Business School São Paulo (BSP). Formado pela Escola de Economia Fundação Getulio Vargas (EESP-FGV). Sócio da Managrow Consultoria e conselheiro de Administração de várias empresas de Capital Aberto.

Austrália   •  Brasil  •  Japão  •  Coreia  •  México  •  Cingapura  •  Espanha  •  Reino Unido  •  Estados Unidos


Administração financeira: teoria e prática Tradução da 14a edição norte-americana 3a edição brasileira Eugene F. Brigham e Michael C. Ehrhardt

Gerente editorial: Noelma Brocanelli Editora de desenvolvimento: Salete Del Guerra Editora de aquisição: Guacira Simonelli Supervisora de produção gráfica: Fabiana Alencar

©2014, 2011, South-Western, Cengage Learning. ©2017 Cengage Learning Edições Ltda. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, sejam quais forem os meios empregados, sem a permissão, por escrito, da Editora. Aos infratores aplicam-se as sanções previstas nos artigos 102, 104, 106, 107 da Lei no 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Esta editora empenhou-se em contatar os responsáveis pelos direitos autorais de todas as imagens e de outros materiais utilizados neste livro. Se porventura for constatada a omissão involuntária na identificação de algum deles, dispomo-nos a efetuar, futuramente, os possíveis acertos.

Especialista em direitos autorais: Jenis Oh

Título original: Financial Management: Theory and

A editora não se responsabiliza pelo funcionamento dos links contidos neste livro que podem estar suspensos.

Practice, 14th Edition ISBN 13: 978-1-111-97220-2 ISBN 10: 1-111-97220-6

Para informações sobre nossos produtos, entre em contato pelo telefone

Revisão Técnica: Peter Edward (Capítulos 1 a 3, 5, 12 a 23 e Apêndices)

Para permissão de uso de material desta obra, envie seu pedido para

James R. Hunter (Capítulos 4, 6, 7 a 11, 24 a 26, Glossário e Prefácio)

direitosautorais@cengage.com

0800 11 19 39

Copidesque: Maria Alice da Costa e Mônica de Aguiar Rocha

© 2017 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.

Revisores: Maria Alice da Costa, Mônica de Aguiar Rocha e Marileide Gomes

ISBN: 13- 978-85-221-2391-9 ISBN: 10- 85-221-2391-8

Projeto gráfico e Diagramação: Triall Composição Editorial Ltda.

Cengage Learning Condomínio E-Business Park Rua Werner Siemens, 111 – Prédio 11 – Torre A – Conjunto 12 Lapa de Baixo – CEP 05069-900 – São Paulo – SP Tel.: (11) 3665-9900 Fax: (11) 3665-9901 SAC: 0800 11 19 39

Indexação: Joana Figueiredo Capa: Buono Disegno Imagem de capa: vs148/shutterstock

Para suas soluções de curso e aprendizado, visite www.cengage.com.br

Impresso no Brasil Printed in Brazil 12345 18 17 16 15


Prefácio Quando escrevemos a primeira edição de Administração financeira: teoria e prática, tínhamos quatro objetivos: (1) criar um texto que pudesse ajudar os estudantes a tomar melhores decisões financeiras; (2) fornecer um livro que pudesse ser utilizado em um curso introdutório de MBA, mas que fosse completo o bastante para servir como texto de consulta em cursos subsequentes e depois da pós-graduação; (3) incentivar os estudantes mostrando-lhes que finanças são interessantes e importantes; e (4) fazer um livro bastante claro para que os estudantes consigam entendê-lo sem gastar seu próprio tempo e o de seus professores tentando compreender o que está escrito. O colapso do mercado imobiliário, a crise financeira e a crise econômica mundial tornam ainda mais importante que estudantes e administradores entendam o papel das finanças na economia global, em suas empresas e em suas vidas. Assim, além dos quatro objetivos mencionados, esta edição tem mais um: preparar os estudantes para um mundo diferente.

Valor intrínseco como tema comum Nossa ênfase em todo o livro é sobre as ações que um administrador pode e deve tomar para aumentar o valor intrínseco da empresa. Estruturar o livro sobre a questão do valor intrínseco melhora a continuidade e ajuda os estudantes a enxergar como vários tópicos estão relacionados entre si. Como o próprio título sugere, este livro combina teoria e aplicações práticas. Um entendimento da teoria de finanças é absolutamente essencial para qualquer um que desenvolva e/ou implemente estratégias financeiras efetivas. Porém só teoria não é suficiente, por isso fornecemos vários exemplos para mostrar como a teoria é aplicada na prática. Na verdade, acreditamos que a capacidade de analisar problemas financeiros utilizando o Excel é absolutamente essencial para um estudante na busca bem-sucedida por um emprego e em sua carreira subsequente. Portanto, muitas exposições se originam diretamente de planilhas complementares do Excel. Várias planilhas também fornecem breves ‘tutoriais’ por meio de comentários detalhados sobre características do Excel que consideramos serem especialmente úteis, como Busca de Objetivos, Tabelas e muitas funções financeiras. O livro começa com conceitos básicos, incluindo informações sobre o ambiente econômico e financeiro, demonstrações financeiras (com ênfase em fluxos de caixa), valor temporal do dinheiro, avaliação de títulos, análise de risco e avaliação de ações. Com esses dados, podemos prosseguir com a discussão sobre como técnicas específicas e regras de decisão podem ser usadas para maximizar o valor da empresa. Essa organização traz quatro importantes vantagens: 1. Os administradores devem tentar maximizar o valor intrínseco de uma empresa, que é determinado pelos fluxos de caixa registrados nas demonstrações financeiras. Nossa cobertura inicial das demonstrações financeiras ajuda os estudantes a enxergar como decisões financeiras específicas afetam as várias partes da empresa e o fluxo de caixa v

financeira.indb 5

01/02/2016 14:17:13


vi

Administração financeira – Teoria e prática

resultante. A análise de demonstrações financeiras também é um excelente meio de mostrar a utilidade das planilhas. 2. O tópico do valor temporal do dinheiro no início ajuda os estudantes a ver como e por que fluxos de caixa futuros esperados determinam o valor de uma empresa. Os estudantes levam um tempo para digerir os conceitos do valor temporal do dinheiro (TVM) e para aprender a fazer os cálculos necessários, então é bom apresentar os conceitos de TVM logo no início e repetidas vezes. 3. A maioria dos estudantes – mesmo aqueles que não planejam fazer uma especialização em finanças – está interessada em investimentos. A capacidade de aprender depende de interesse e motivação pessoal, assim a apresentação inicial do livro sobre títulos e mercados de títulos é didaticamente válida. 4. Uma vez que os conceitos básicos tenham sido estabelecidos, fica mais fácil para os estudantes entenderem como e por que as empresas tomam decisões específicas nas áreas de avaliação de investimentos, captação de recursos, gestão de capital de giro, fusões e questões similares.

Mercado pretendido e uso O livro Administração financeira: teoria e prática é destinado principalmente ao curso introdutório de MBA em finanças e como texto de consulta em cursos subsequentes e depois da pós-graduação. Há material suficiente para dois semestres, especialmente se for complementado com casos e/ou leituras selecionadas. O livro também pode ser usado como texto introdutório de curso de graduação com estudantes avançados, ou quando o curso introdutório é dado em dois semestres.

Melhorias nesta edição Como em toda revisão, atualizamos e esclarecemos materiais em todo o texto, revisando o livro inteiro para que seja completo, de fácil apresentação e uso. Fizemos centenas de pequenas mudanças para atualizar o texto, com ênfase especial na atualização de exemplos reais e na inclusão das mudanças recentes no ambiente financeiro e teoria financeira. Também realizamos outras mudanças mais significativas. Algumas afetam todos os capítulos, outras envolvem a reorganização de seções entre os capítulos, e outras modificam o material apresentado dentro de capítulos específicos.

Mudanças que afetam todos os capítulos A seguir, apresentamos algumas das mudanças que afetam todos os capítulos. A crise econômica mundial. Em todos os capítulos, utilizamos exemplos do mundo real para mostrar como os tópicos estão relacionados, em algum aspecto, com a crise econômica mundial. Além disso, muitos capítulos têm novas seções de “A crise econômica mundial” que tratam de assuntos especialmente importantes relacionados à crise. Na edição anterior, começamos a utilizar a crise econômica mundial para ilustrar importantes pontos de aprendizado. Continuaremos a utilizar esse método nesta edição. Maior integração com o Excel. Em cada capítulo, continuamos a integrar o material do livro a modelos de planilha, do Excel. Melhorias referentes à MicroDrive. Assim como nas edições anteriores, utilizamos uma companhia hipotética, a MicroDrive, como nosso exemplo prático para proporcionar continuidade e ajudar os estudantes a prosseguir em sua curva de aprendizado com maior eficiência. Contudo, nesta edição, fizemos diversas mudanças nas demonstrações financeiras da MicroDrive. Em primeiro lugar, agora, os valores são todos números inteiros e, na maioria dos casos, terminam com zero, o que facilita muito os cálculos. Essa mudança aparentemente sem importância auxilia os estudantes a aprender tópicos de finanças sem se distrair com cálculos complicados. Em segundo, dividimos os custos operacionais em custos de bens vendidos (excluindo depreciação), outros custos operacionais e depreciação. Isso possibilita maior flexibilidade na definição de ín-

financeira.indb 6

01/02/2016 14:17:13


Prefácio

vii

dices e na previsão de demonstrações financeiras. Em terceiro, alteramos os valores nas demonstrações financeiras, de modo que a MicroDrive pode ser utilizada como companhia ilustrativa em mais capítulos e em mais tópicos do que nas edições anteriores, especialmente, na medição sistemática de risco e na estimativa de valor intrínseco com o modelo de fluxo de caixa livre.

Modificações importantes em determinados capítulos Realizamos também tantos pequenos aperfeiçoamentos dentro de cada capítulo que fica difícil mencionarmos todos aqui, mas alguns deles são mais importantes, e os discutiremos a seguir. Capítulo 1. Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro. Acrescentamos um quadro sobre negociações em alta frequência, “Vida a 1.000 por hora: negociação de alta frequência!”, e um quadro relativo a títulos hipotecários, denominado “Anatomia de um ativo tóxico”. Também aumentamos nossa abordagem a respeito da crise econômica mundial, a fim de refletir as mudanças ocorridas nos últimos três anos, incluindo a seção sobre a Lei Dodd-Frank. Capítulo 2. Demonstrações financeiras, fluxo de caixa e impostos. Reorganizamos e integramos melhor as seções sobre demonstrações de fluxos de caixa, fluxo de caixa operacional e fluxo de caixa livre. Agora temos uma única seção com foco no uso do fluxo de caixa livre e seus componentes como mensuradores de desempenho. Adicionamos dois novos quadros. “Atendendo ao GAAP” descreve a convergência planejada entre GAAP e IFRS; “Quando se trata de impostos, a história sempre se repete” aborda os atuais impostos (ou a falta deles) pagos por muitas organizações. A MicroDrive é a companhia utilizada como exemplo prático ao longo de todo o livro. Modificamos suas demonstrações financeiras, de modo que forneça pontos de aprendizado adicionais quando abordamos a avaliação e a previsão, no Capítulo 12. Capítulo 3. Análise de demonstrações financeiras. Atualizamos e revisamos o texto de abertura para descrever o anúncio de ganhos da Macy’s e a reação ao preço de suas ações. Nas edições anteriores, definimos o índice de rotatividade de estoque utilizando vendas, em vez de CPV, porque alguns compiladores de estatísticas de índices financeiros, como a Dun & Bradstreet, empregam a proporção entre vendas e estoque. Entretanto, atualmente, a maior parte das fontes reporta o índice de rotatividade recorrendo ao CPV, por isso, modificamos nossa definição para nos adequarmos à maioria dos relatórios de organizações, e agora definimos o índice de rotatividade de estoque como CPV/Estoques. Além disso, para sermos mais coerentes com muitas companhias que divulgam seus relatórios na Web, atualmente definimos o índice de endividamento como o débito total pelo total de ativos; o índice de endividamento no mercado como o débito total dividido pelo débito total mais o valor do patrimônio do mercado, e a razão entre endividamento e patrimônio como o débito total dividido pelo patrimônio ordinário total. A MicroDrive é a companhia utilizada como exemplo prático ao longo de todo o livro, e modificamos suas demonstrações financeiras (o que altera seus índices), de modo que a MicroDrive fornece pontos de aprendizado adicionais quando abordamos a avaliação e a previsão, no Capítulo 12 Capítulo 4. O valor do dinheiro no tempo. Acrescentamos um novo quadro, “É uma questão de confiança”, que descreve o valor futuro de diversas relações de confiança de vários séculos. Outro quadro novo, “O que você sabe é o que você recebe: não em empréstimos salariais” , descreve os efeitos da melhor divulgação das decisões de empréstimos a consumidores. Colocamos a seção sobre perpetuidades antes da referente a anuidades, porque além de serem mais simples do que as anuidades, as perpetuidades são os “blocos de construção” das anuidades. Também modificamos o exemplo das consolidações para serem denominadas em libras, em vez de em dólares, como parte de nossa iniciativa de apresentar mais exemplos internacionais em cada capítulo. Incluímos uma discussão referente a pagamentos hipotecários, na Seção 4.17, comparando o total de juros pagos em uma hipoteca de 30 anos com os juros de uma hipoteca de 15 anos. Capítulo 5. Títulos, avaliação de títulos e taxas de juros. Redefinimos o foco do texto de abertura no montante de endividamento mantido pelas corporações, empresas não corporativas e proprietários de imóveis. Atualizamos o quadro, “Apostando a favor do governso dos Estados Unidos ou contra ele: O caso dos swaps de créditos de títulos do Tesouro”, para refletir a crise quanto ao limite de dívida de julho de 2011. Adicionamos outro novo quadro

financeira.indb 7

01/02/2016 14:17:13


viii

Administração financeira – Teoria e prática

descrevendo as muitas companhias classificadas no padrão AAA, “As poucas e orgulhosas companhias classificadas com o índice AAA”. Revisamos o quadro, “Medo e racionalidade”, incluindo spread de TED, assim como o spread de títulos de alto rendimento. Também adicionamos uma breve discussão quanto à sua duração e seu uso como uma medida de risco. A MicroDrive é a companhia utilizada como exemplo ao longo de todo o livro. Modificamos suas ofertas de títulos empregadas para que sejam consistentes com as demonstrações financeiras revisadas, da MicroDrive. Capítulo 6. Risco e retorno. Como parte de nosso esforço para integrarmos a companhia ilustrativa, MicroDrive, em todo o livro, fizemos alterações importantes neste capítulo. Iniciamos com a análise das distribuições de probabilidade discretas envolvendo diferentes situações de mercado e, então, prosseguindo com as distribuições contínuas, médias estimativas e desvios padrão, utilizando dados históricos para a MicroDrive. Discutimos as carteiras com duas ações e o impacto da diversificação, empregando informações referentes à MicroDrive e outra companhia. Isso estabelece o estágio para uma discussão do risco de mercado versus risco diversificável e a medida apropriada do risco de mercado, beta. Descrevemos, então, a relação entre risco e retorno, descrita pelo CAPM, e o conceito básico de equilíbrio de mercado. Isso proporciona uma transição natural para a hipótese de mercado eficiente (anteriormente, no Capítulo 7, dedicado à avaliação de ações). A nova organização consolida nosso tratamento do risco e do retorno e também ilustra esses conceitos com a MicroDrive, fornecendo experiência de aprendizado mais efetiva para os estudantes. Capítulo 7. Avaliação de ações e empresas. Transferimos a abordagem dos mercados eficientes para o Capítulo 6, que é uma extensão natural do tema risco e retorno. Essa modificação possibilita que o Capítulo 7 tenha seu foco na avaliação de ações. Além do modelo de crescimento de dividendos, movemos a análise do modelo de avaliação de fluxo de caixa livre do final do livro para o Capítulo 7; agora o capítulo oferece uma abordagem abrangente da avaliação de ações por meio do modelo de crescimento de dividendos e do modelo de avaliação corporativa de fluxo de caixa livre. Capítulo 9. Custo de capital. Criamos um novo texto de abertura focalizando a importância do custo de capital para as empresas que fazem compras de equipamentos. Um novo quadro, “Quanto a taxa do imposto efetivo da empresa é eficaz ?”, mostra as diferenças entre a taxa legal e a taxa efetiva ao longo do tempo, e também compara a taxa legal e a taxa efetiva com as de outras economias desenvolvidas. Para proporcionarmos melhor integração, agora utilizamos a MicroDrive em nosso exemplo para ilustrar a estimativa de custo de capital. Agora, utilizamos a abordagem de rendimentos excedentes de títulos e análise de prêmio de risco na seção em companhias privadas, porque este geralmente é o método empregado. Capítulo 10. Noções básicas de orçamento de capital: avaliando fluxos de caixa. O novo texto de abertura descreve os planos de expansão de John Deere e seu compromisso com o orçamento de capital disciplinado. Aperfeiçoamos a integração com o Capítulo 11 revisando o exemplo numérico no Capítulo 10, de modo que os fluxos de caixa para o Projeto L agora sejam os fluxos de caixa que estimamos no Capítulo 11. Reunimos todo o material relativo ao IRR (como a possibilidade de diversos IRRs) em uma única seção, a fim de tornar nossa cobertura mais coesa. Capítulo 11. Estimativa de fluxo de caixa e análise de risco. Um novo texto de abertura descreve como diversas empresas utilizam a análise de risco quando tomam decisões sobre orçamento de capital. Revisamos o exemplo numérico para que o fluxo de caixa que estimamos neste capítulo fosse o mesmo utilizado no Capítulo 10 para o Projeto L. Capítulo 12. Planejamento financeiro e projeção de demonstrações financeiras. Dividimos o processo de planejamento financeiro em duas atividades. Primeiro mostramos como prever a parte operacional de um plano financeiro, incluindo fluxos de caixa livres e estimativas de valor

financeira.indb 8

01/02/2016 14:17:13


Prefácio

ix

intrínseco. Em segundo lugar, demonstramos como combinar a previsão operacional com a política financeira preliminar, a fim de prever as demonstrações financeiras completas. Essa estrutura facilita a compreensão por parte dos alunos e dá aos instrutores a opção de abordar apenas a previsão operacional ou a projeção completa das demonstrações financeiras. Capítulo 13. Conflitos da agência e governança corporativa. Mudamos o material da edição anterior para o capítulo sobre avaliação de ações (Capítulo 7) e para o capítulo referente a previsões financeiras (Capítulo 13). Além de integrar melhor os tópicos nesses capítulos, essa mudança nos permitiu focar nos conflitos entre agências e na governança corporativa. Acrescentamos um novo texto de abertura descrevendo a rejeição do acionista ao plano de remuneração proposto pelo Citigroup nas reuniões anuais de 2012. Capítulo 14. Distribuições aos acionistas: dividendos e recompras. Acrescentamos um novo texto de abertura que descreve a iniciação de dividendos da Apple e um novo problema de autoavaliação que trata do impacto dos dividendos em relação a recompras. Capítulo 15. Decisões sobre estrutura de capital. Ao mesmo tempo em que atualizamos a Seção 15-4 para incluir resultados dos testes empíricos mais recentes, também reorganizamos o material e adicionamos subtítulos para facilitar a síntese para os estudantes. Mudamos a atual avaliação da Strausburg, a companhia ilustrativa, de modo que ela precede imediatamente a recapitalização de Strausburg, o que fornece uma melhor sequência na avaliação dos efeitos da recapitalização. Capítulo 16. Cadeias de suprimento e gestão de capital de giro. Adicionamos dois novos quadros, “Seu cheque não está no correio” e “Repreensão ou congratulação? The Colbert Report e as condições de pagamento das pequenas empresas”. Reescrevemos a primeira seção do capítulo para uma melhor distinção entre caixa (incluindo equivalentes de caixa e títulos negociáveis) utilizado como suporte aos atuais investimentos e operações de curto prazo (incluindo títulos negociáveis) mantidos para possíveis usos futuros. Prosseguimos com a distinção ao longo de todo o capítulo em nossas análises sobre gestão de caixa e gestão de investimentos de curto prazo. Lembre-se de que no Capítulo 3 atualizamos nossa definição de índice de giro de estoque para CPV/Estoque, para sermos consistente com a maioria dos métodos de relatório, e mantivemos essa definição no Capítulo 16. Capítulo 17. Administração financeira multinacional. Um novo texto de abertura descreve a interconexão dos mercados financeiros globais e inicia uma discussão sobre a crise na eurozona, que prossegue ao longo do capítulo. Adicionamos uma seção sobre a notação de moedas estrangeiras para assegurar que todos os leitores entendam melhor os valores relativos das moedas, conforme é relatado pela imprensa financeira. Acrescentamos uma nova figura mostrando o valor do índice em dólares em relação às principais moedas, a fim de mostrar como a demanda pelo dólar e seu valor relativo têm modificado com o passar do tempo. Adicionamos uma nova seção referente à dívida soberana, incluindo uma breve discussão sobre a atual crise envolvendo a dívida da Grécia. Capítulo 18. Financiamento público e privado: ofertas públicas iniciais, ofertas sazonais e bancos de investimento. O novo texto de abertura descreve a IPO no Facebook e os eventos seguintes do mês. Incluímos também uma seção que explica como o preço de oferta é definido em uma IPO. Capítulo 19. Financiamento de arrendamento. Modificamos a definição da vantagem líquida de arrendamento (NAL) para Valor atual de arrendamento – Valor atual da titularidade. Ambos os valores presentes são negativos, portanto, um NAL positivo significa que se deve optar pelo arrendamento. Os resultados do uso desta definição de NAL não se modificaram em comparação com os das edições anteriores, mas nossos estudantes consideram que esta é mais intuitiva. Capítulo 20. Financiamento híbrido: ações preferenciais, bônus de subscrição e títulos conversíveis. Adicionamos um novo quadro, denominado “Os híbridos não são apenas para as empresas” que descreve a dedutibilidade dos dividendos preferenciais pelas cooperativas, na Seção 521. Capítulo 21. Estruturas de capital dinâmicas. Acrescentamos um novo texto de abertura que descreve mudanças na estrutura de capital da Hewlett-Packard. Reescrevemos o capítulo e o organizamos em torno do conceito fundamental de que o valor alavancado de uma

financeira.indb 9

01/02/2016 14:17:13


x

Administração financeira – Teoria e prática

empresa é igual ao seu valor não alavancado mais quaisquer efeitos colaterais em virtude da alavancagem. A partir desse conceito geral, examinamos casos especiais, incluindo os modelos de MM e o modelo de APV (valor presente ajustado) compactado. Além do caso estático de uma estrutura de capital constante e de crescimento constante, aplicamos o modelo de APV a situações com estruturas de capital dinâmicas que variam de um ano para outro, antes de se tornarem constantes. Mantivemos as comprovações de MM e as colocamos em uma seção separada, que proporciona flexibilidade para os instrutores na escolha dos assuntos a serem abordados. Capítulo 23. Gestão de risco corporativo. Reescrevemos grande parte do capítulo, modificando-o de uma abordagem sobre derivativos com aplicações em gestão de risco para uma que trata da gestão de risco corporativo com aplicações de derivativos como uma das diversas ferramentas na gestão de risco. Adaptamos a estrutura geral de gestão de risco corporativo do Comitê das Organizações Patrocinadoras (COSO), da Comissão Treadway, porque ela atende aos requisitos da Lei Sarbanes-Oxley e a Lei contra Práticas de Corrupção no Exterior (FCPA). Atualmente incluímos o uso da simulação de Monte Carlo como técnica para identificar riscos. Empregamos os resultados de uma simulação completa para ilustrar as medidas de VaR e déficit esperado, recomendadas pelo acordo Basileia III. Capítulo 24. Falência, reestruturação e liquidação. Acrescentamos uma nova seção descrevendo os eventos que levam ao auxílio governamental, falência e IPO da GM. Apêndices no site. Os apêndices trazem as soluções dos problemas de autoavaliação, soluções dos problemas de final de capítulo, equações e dados selecionados e valores das áreas. Nesta edição, este conteúdo está disponível na página do livro, no site da Cengage, em www.cengage.com.br.

Agradecimentos Este livro reflete o trabalho de um grande número de pessoas ao longo de muitos anos. Primeiro, gostaríamos de agradecer aos seguintes revisores da 13ª Edição pelas sugestões apresentadas:

Loreto Peter Alonzi Michael H. Anderson T. Homer Bonitsis Alka Bramhandkar Bill Brunsen Deanne Butchey Manfen W. Chen Ting-Heng Chu Simona S. Citron Robert M. Donchez Anne Drougas David A. Dumpe Ibrahim Elsaif Suzanne Erickson Gary Engle Eliezer Fich Jane Finley Stuart I. Gillian

Axel Grossman James D. Harris Mary Hartman Rodrigo Hernandez Amy Ho Biqing Huang Robert Irons Ashok Kapoor Brian Kluger Karen Eilers Lahey Angeline M. Lavin K. Sunny Liston Raymond H. Lopez Neil Mathur M. Imtiaz Mazunder Michael McBain Ronald W. Melicher Terrilyn Morgan

Edward Morris Mark Pate Bruce C. Payne Armand Picou Gerard Ras William C. Sarsfield Amy K. S. Scott Arnav Sheth James L. Slaydon Steven Slezak Gordon Smith Richard D. C. Trainer Tim Khiem Tran Gary P. Tripp Kudret Topyan Irena Vodenska Elizabeth J. Wark Alex Wilson

Além disso, gostaríamos de agradecer aos muitos comentários e sugestões úteis fornecidos por outros instrutores, incluindo Greg Faulk, Anthony Gu, Andrew Mose, Chee Ng e John Steven. E queremos agradecer especialmente a Serge Wind, que forneceu muitas dicas para melhorar os aspectos de aprendizado em nosso livro.

financeira.indb 10

01/02/2016 14:17:13


Prefácio

xi

Muitos professores e profissionais que são especialistas em tópicos específicos revisaram as versões preliminares de capítulos individuais ou grupos de capítulos e somos gratos pelas suas contribuições; gostaríamos ainda de agradecer àqueles cujos comentários e revisões sobre edições e livros anteriores contribuíram para esta edição: Mike Adler, Syed Ahmad, Sadhana M. Alangar, Ed Altman, Mary Schary Amram, Anne Anderson, Bruce Anderson, Ron Anderson, Bob Angell, Vince Apilado, Henry Arnold, Nasser Arshadi, Bob Aubey, Abdul Aziz, Gil Babcock, Peter Bacon, Kent Baker, Tom Bankston, Les Barenbaum, Charles Barngrover, Michael Barry, Bill Beedles, Moshe Ben-Horim, Omar M. Benkato, Bill Beranek, Tom Berry, Bill Bertin, Roger Bey, Dalton Bigbee, John Bildersee, Raul Bishnoi, Eric Blazer, Russ Boisjoly, Keith Boles, Gordon R. Bonner, Geof Booth, Kenneth Boudreaux, Helen Bowers, Oswald Bowlin, Don Boyd, G. Michael Boyd, Pat Boyer, Ben S. Branch, Joe Brandt, Elizabeth Brannigan, Greg Brauer, Mary Broske, Dave Brown, Kate Brown, Bill Brueggeman, Kirt Butler, Robert Button, Chris Buzzard, Bill Campsey, Bob Carleson, Severin Carlson, David Cary, Steve Celec, Don Chance, Antony Chang, Susan Chaplinsky, Jay Choi, S. K. Choudhury, Lal Chugh, Jonathan Clarke, Maclyn Clouse, Margaret Considine, Phil Cooley, Joe Copeland, David Cordell, John Cotner, Charles Cox, David Crary, John Crockett, Roy Crum, Brent Dalrymple, Bill Damon, Joel Dauten, Steve Dawson, Sankar De, Miles Delano, Fred Dellva, Anand Desai, Bernard Dill, Greg Dimkoff, Les Dlabay, Mark Dorfman, Gene Drycimski, Dean Dudley, David Durst, Ed Dyl, Dick Edelman, Charles Edwards, John Ellis, Dave Ewert, John Ezzell, Richard Fendler, Michael Ferri, Jim Filkins, John Finnerty, Susan Fischer, Mark Flannery, Steven Flint, Russ Fogler, E. Bruce Frederickson, Dan French, Tina Galloway, Partha Gangopadhyay, Phil Gardial, Michael Garlington, Sharon H. Garrison, Jim Garvin, Adam Gehr, Jim Gentry, Stuart Gillan, Philip Glasgo, Rudyard Goode, Myron Gordon, Walt Goulet, Bernie Grablowsky, Theoharry Grammatikos, Ed Grossnickle, John Groth, Alan Grunewald, Manak Gupta, Sam Hadaway, Don Hakala, Janet Hamilton, Sally Hamilton, Gerald Hamsmith, William Hardin, John Harris, Paul Hastings, Patty Hatfield, Bob Haugen, Steve Hawke, Del Hawley, Hal Heaton, Robert Hehre, John Helmuth, George Hettenhouse, Hans Heymann, Kendall Hill, Roger Hill, Tom Hindelang, Linda Hittle, Ralph Hocking, J. Ronald Hoffmeister, Jim Horrigan, John Houston, John Howe, Keith Howe, Hugh Hunter, Steve Isberg, Jim Jackson, Vahan Janjigian, Kurt Jesswein, Kose John, Craig Johnson, Keith Johnson, Steve Johnson, Ramon Johnson, Ray Jones, Manuel Jose, Gus Kalogeras, Mike Keenan, Bill Kennedy, Joe Kiernan, Robert Kieschnick, Rick Kish, Linda Klein, Don Knight, Dorothy Koehl, Theodor Kohers, Jaroslaw Komarynsky, Duncan Kretovich, Harold Krogh, Charles Kroncke, Lynn Phillips Kugele, Joan Lamm, P. Lange, Howard Lanser, Martin Laurence, Ed Lawrence, Richard LeCompte, Wayne Lee, Jim LePage, Ilene Levin, Jules Levine, John Lewis, James T. Lindley, Chuck Linke, Bill Lloyd, Susan Long, Judy Maese, Bob Magee, Ileen Malitz, Phil Malone, Terry Maness, Chris Manning, Terry Martell, D. J. Masson, John Mathys, John McAlhany, Andy McCollough, Tom McCue, Bill McDaniel, Robin McLaughlin, Jamshid Mehran, Ilhan Meric, Larry Merville, Rick Meyer, Stuart E. Michelson, Jim Millar, Ed Miller, John Mitchell, Carol Moerdyk, Bob Moore, Hassan Moussawi, Barry Morris, Gene Morris, Fred Morrissey, Chris Muscarella, Stu Myers, David Nachman, Tim Nantell, Don Nast, Bill Nelson, Bob Nelson, Bob Niendorf, Tom O’Brien, Dennis O’Connor, John O’Donnell, Jim Olsen, Robert Olsen, Frank O’Meara, David Overbye, R. Daniel Pace, Coleen Pantalone, Jim Pappas, Stephen Parrish, Pam Peterson, Glenn Petry, Jim Pettijohn, Rich Pettit, Dick Pettway, Hugo Phillips, John Pinkerton, Gerald Pogue, Ralph A. Pope, R. Potter, Franklin Potts, R. Powell, Chris Prestopino, Jerry Prock, Howard Puckett, Herbert Quigley, George Racette, Bob Radcliffe, Allen Rappaport, Bill Rentz, Ken Riener, Charles Rini, John Ritchie, Jay Ritter, Pietra Rivoli, Fiona Robertson, Antonio Rodriguez, E. M. Roussakis, Dexter Rowell, Mike Ryngaert, Jim Sachlis, Abdul Sadik, A. Jon Saxon, Thomas Scampini, Kevin Scanlon, Frederick Schadler, James Schallheim, Mary Jane Scheuer, Carl Schweser, John Settle, Alan Severn, Sol Shalit, Elizabeth Shields, Frederic Shipley, Dilip Shome, Ron Shrieves, Neil Sicherman, J. B. Silvers, Clay Singleton, Joe Sinkey, Stacy Sirmans, Jaye Smith, Steve Smith, Don Sorenson, David Speairs, Ken Stanly, John Stansfield, Ed Stendardi, Alan Stephens, Don Stevens, Jerry Stevens, G. Bennett Stewart, Mark Stohs, Glen Strasburg, Robert Strong, Philip Swensen, Ernie Swift, Paul Swink, Eugene Swinnerton, Robert Taggart, Gary Tallman, Dennis Tanner, Craig Tapley, Russ Taussig, Richard Teweles, Ted Teweles, Jonathan Tiemann, Sheridan Titman, Andrew Thompson, George Trivoli, George Tsetsekos, Alan L. Tucker, Mel Tysseland, David Upton, Howard Van Auken, Pretorious Van den Dool, Pieter Vanderburg, Paul Vanderheiden, David Vang, Jim

financeira.indb 11

01/02/2016 14:17:13


xii

Administração financeira – Teoria e prática

Verbrugge, Patrick Vincent, Steve Vinson, Susan Visscher, Joseph Vu, John Wachowicz, Mark D. Walker, Mike Walker, Sam Weaver, Kuo Chiang Wei, Bill Welch, Gary R. Wells, Fred Weston, Norm Williams, Tony Wingler, Ed Wolfe, Larry Wolken, Don Woods, Thomas Wright, Michael Yonan, Zhong-guo Zhou, David Ziebart, Dennis Zocco e Kent Zumwalt. Nossos agradecimentos especiais a Dana Clark, Susan Whitman, Amelia Bell e Kirsten Benson pelo apoio editorial inestimável; para Joel Houston e Phillip Daves, cujo trabalho desenvolvido conosco em outros livros está refletido nesta obra; e para Lou Gapenski, nosso antigo coautor, pelas muitas contribuições. Nossos colegas e nossos alunos nas Universidades da Flórida e Tennessee nos deram muitas sugestões úteis, e a equipe da Cengage/South-Western – especialmente Kendra Brown, Scott Fidler, Holly Henjum e Mike Reynolds – ajudou muito em todas as fases do desenvolvimento, produção e marketing do livro.

Conclusão Finanças, no sentido real, é o pilar do sistema de gestão empresarial livre. Uma boa administração financeira tem, portanto, importância vital para a saúde econômica das empresas, da nação e do mundo. Devido à sua importância, finanças corporativas devem ser entendidas por completo. Entretanto, é mais fácil dizer do que fazer – a área é relativamente complexa e está sofrendo mudanças constantes por conta de mudanças nas condições econômicas. Tudo isso torna a área de finanças corporativas estimulante e emocionante, mas também desafiadora e às vezes confusa. Sinceramente, esperamos que Administração financeira: teoria e prática ajude os leitores a entender e a resolver os problemas enfrentados pelas empresas atualmente. Michael C. Ehrhardt University of Tennessee Ehrhardt@utk.edu

Eugene F. Brigham University of Florida Gene.Brigham@cba.ufl.edu

Dezembro de 2012

financeira.indb 12

01/02/2016 14:17:13


Sumário Prefácio v Parte 1 – Conceitos básicos de finanças corporativas  1 Capítulo 1 Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro......................... 3 Quadro: A crise econômica mundial.................................................................................................................4 MBA em cinco minutos....................................................................................................................... 4 O ciclo de vida de uma organização ................................................................................................... 5 Quadro: Colombo estava errado – o mundo É plano! E quente... E lotado!.....................................................6 O objetivo principal da sociedade anônima: maximização do valor.................................................... 8 Quadro: Ética para pessoas e empresas.............................................................................................................9 Quadro: Escândalos corporativos e a maximização dos preços das ações.......................................................11 Visão geral do processo de alocação de capital.................................................................................. 12 Títulos financeiros............................................................................................................................. 13 O custo do dinheiro.......................................................................................................................... 16 Instituições financeiras...................................................................................................................... 20 Mercados financeiros........................................................................................................................ 24 Procedimentos de negociação nos mercados financeiros............................................................................. 25 Quadro: Vida a 1000 por hora: negociação de alta frequência!......................................................................26 Tipos de transações no mercado de ações ......................................................................................... 27 Os mercados secundários de ações.................................................................................................... 27 Quadro: Medição do mercado........................................................................................................................29 Retornos nos mercados de ações....................................................................................................... 30 A crise econômica mundial................................................................................................................ 32 Quadro: A crise econômica mundial...............................................................................................................39 Visão geral........................................................................................................................................ 40 Resumo............................................................................................................................................. 41 Perguntas.......................................................................................................................................... 42 Estudo de caso.................................................................................................................................. 42 Capítulo 2 Demonstrações financeiras, fluxo de caixa e impostos.................................... 45 Quadro: Valor intrínseco, fluxo de caixa livre e demonstrações financeiras....................................................46 Demonstrações financeiras e relatórios.............................................................................................. 46 Balanço patrimonial.......................................................................................................................... 47 Quadro: A crise econômica mundial...............................................................................................................49 Demonstração do resultado .............................................................................................................. 49 Demonstração do patrimônio líquido ............................................................................................... 51 Fluxo de caixa líquido....................................................................................................................... 52 Quadro: Análise financeira na web.................................................................................................................53 Fluxo de caixa líquido....................................................................................................................... 55 Quadro: Atendendo ao GAAP........................................................................................................................56 xiii

financeira.indb 13

01/02/2016 14:17:14


xiv

Administração financeira – Teoria e prática

Fluxo de caixa livre: fluxo de caixa disponível para distribuição entre os investidores.................. 57 Quadro: Sarbanes-Oxley e fraudes financeiras................................................................................................61 Avaliação de Desempenho................................................................................................................. 63 O sistema de imposto de renda federal.............................................................................................. 67 Quadro: Quando se trata de impostos, a história sempre se repete! ...............................................................69 Resumo............................................................................................................................................. 72 Perguntas.......................................................................................................................................... 74 Problema de autoavaliação................................................................................................................ 74 Problemas......................................................................................................................................... 74 Problema de planilha......................................................................................................................... 77 Estudo de caso.................................................................................................................................. 78 Capítulo 3 Análise de demonstrações financeiras............................................................. 81 Quadro: Valor intrínseco e análise de demonstrações financeiras....................................................................82 Análise financeira.............................................................................................................................. 82 Indicadores de liquidez...................................................................................................................... 83 Índices de gestão de ativos................................................................................................................. 85 Quadro: A crise econômica mundial...............................................................................................................88 Índices de gestão de dívida................................................................................................................ 88 Índices de lucratividade..................................................................................................................... 91 Quadro: O mundo pode ser plano, mas a contabilidade mundial é irregular! O caso das Normas Internacionais de Informações Financeiras (IFRS) versus Conselho de Normas de Contabilidade Financeira (Fasb)............................................................................................................................................92 Índices de valor de mercado.............................................................................................................. 94 Análises de tendências, tamanho comum e mudança percentual........................................................ 96 Atrelando índices: equação de DuPont.............................................................................................. 99 Índices comparativos e benchmarking (parâmetros)........................................................................ 100 Usos e limitações de análise de índices ............................................................................................ 101 Quadro: Análise de indicadores na Web.......................................................................................................102 Olhando além dos números............................................................................................................. 102 Resumo........................................................................................................................................... 103 Perguntas........................................................................................................................................ 103 Problemas de autoavaliação............................................................................................................ 104 Problemas....................................................................................................................................... 104 Problema de planilha....................................................................................................................... 108 Estudo de caso................................................................................................................................ 109

Parte 2 – Títulos de renda fixas  113 Capítulo 4 Valor do dinheiro no tempo......................................................................... 115 Quadro: Avaliação de empresas e valor do dinheiro no tempo.....................................................................116 Linha do tempo .............................................................................................................................. 117 Valores futuros................................................................................................................................ 117 Quadro: Sugestões para utilização de calculadoras financeiras.....................................................................121 Valores presentes............................................................................................................................. 124 Quadro: É uma questão de confiança...........................................................................................................125 Encontrando a taxa de juros, I........................................................................................................ 127 Encontrando o número de anos, N.................................................................................................. 128

financeira.indb 14

01/02/2016 14:17:14


| Sumário

xv

Anuidades perpétuas....................................................................................................................... 129 Anuidades....................................................................................................................................... 130 Valor futuro de uma anuidade ordinária......................................................................................... 130 Quadro: O poder dos juros compostos.........................................................................................................132 Valor futuro de uma anuidade devida............................................................................................. 133 Valor presente de anuidades ordinárias e devidas............................................................................ 134 Quadro: Anuidades variáveis: bom ou mau negócio?...................................................................................136 Encontrando pagamentos, períodos e taxas de juros de anuidades.................................................. 136 Fluxos de caixa desiguais ou irregulares.......................................................................................... 139 Valor futuro de um fluxo de caixa desigual..................................................................................... 141 Resolvendo I com fluxos de caixa irregulares.................................................................................. 142 Períodos semestrais e outros períodos de capitalização.................................................................... 143 Quadro: Proteção de crédito ao consumidor: quanto realmente custam os empréstimos?.............................146 Períodos de tempo fracionários....................................................................................................... 147 Empréstimos amortizados............................................................................................................... 148 Quadro: O que você sabe é o que você recebe: não em empréstimos salariais...............................................148 Anuidades crescentes....................................................................................................................... 150 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................151 Resumo........................................................................................................................................... 153 Perguntas........................................................................................................................................ 154 Problemas de autoavaliação............................................................................................................ 155 Problemas....................................................................................................................................... 155 Problema de planilha....................................................................................................................... 159 Estudo de caso................................................................................................................................ 160 Capítulo 5 Títulos, avaliação de títulos e taxas de juros................................................ 163 Quadro: Valor intrínseco, risco e retorno......................................................................................................164 Quem emite títulos?........................................................................................................................ 164 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................165 Principais características dos títulos................................................................................................ 166 Avaliação dos títulos ...................................................................................................................... 169 Variações nos valores dos títulos ao longo do tempo....................................................................... 173 Quadro: Bebendo seus cupons......................................................................................................................175 Títulos com cupons semestrais........................................................................................................ 176 Rendimentos dos títulos ................................................................................................................. 177 Custo de dívida antes de impostos: determinantes de taxas de juros de mercado............................. 179 Taxa de juros real livre de riscos, r.................................................................................................. 180 Prêmio de inflação (inflation premium – IP).................................................................................... 181 Taxa de juros livre de riscos nominal ou cotada, rRF........................................................................ 182 Prêmio de risco de inadimplência (DRP)......................................................................................... 183 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................184 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................187 Prêmio de liquidez (LP)................................................................................................................... 188 Prêmio de risco de vencimento (MRP)............................................................................................. 189 Quadro: As poucas e orgulhosas empresas classificadas como AAA.............................................................188 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................190 A estrutura de prazos das taxas de juros......................................................................................... 191

financeira.indb 15

01/02/2016 14:17:14


xvi

Administração financeira – Teoria e prática

Financiamentos com títulos de alto risco......................................................................................... 193 Falência e reestruturação................................................................................................................. 193 Resumo........................................................................................................................................... 194 Perguntas........................................................................................................................................ 195 Problemas de autoavaliação............................................................................................................ 196 Problemas....................................................................................................................................... 196 Problema de planilha....................................................................................................................... 199 Estudo de caso................................................................................................................................ 199

Parte 3 – Ações e opções  201 Capítulo 6 Risco e retorno............................................................................................. 203 Quadro: Valor intrínseco, risco e retorno......................................................................................................204 Retornos e risco de investimento .................................................................................................... 204 Como medir um risco para distribuições discretas .......................................................................... 205 Risco em uma distribuição contínua................................................................................................ 208 Uso de dados históricos para medição do risco............................................................................... 209 Quadro: O que o risco realmente significa?..................................................................................................210 Risco no contexto de carteira.......................................................................................................... 212 Quadro: O equilíbrio histórico entre risco e retorno.....................................................................................213 O risco relevante de uma ação: o modelo de precificação de ativos de capital (CAPM)................... 216 Quadro: Os benefícios da diversificação internacional..................................................................................221 Relação entre risco e retorno segundo o modelo de precificação de ativos de capital ...................... 222 Quadro: Outro tipo de risco: a história de Bernie Madoff............................................................................229 A hipótese dos mercados eficientes.................................................................................................. 229 O modelo de três fatores, de Fama-French...................................................................................... 233 Finança comportamental................................................................................................................. 236 O CAPM e a eficiência de mercado: implicações para gerentes corporativos e investidores............. 238 Resumo........................................................................................................................................... 239 Perguntas........................................................................................................................................ 240 Problemas de autoavaliação............................................................................................................ 241 Problemas....................................................................................................................................... 242 Problema de planilha....................................................................................................................... 244 Estudo de caso................................................................................................................................ 244 Capítulo 7 Avaliação de ações e empresas...................................................................... 247 Quadro: Avaliação de empresas e ações........................................................................................................248 Direitos e privilégios legais dos acionistas ordinários...................................................................... 248 Tipos de ações ordinárias................................................................................................................ 249 Relatórios para a Bolsa de Valores.................................................................................................. 250 Avaliando ações ordinárias.............................................................................................................. 251 Avaliando o crescimento constante de ações.................................................................................... 253 Estimando as ações de crescimento não constante........................................................................... 258 O modelo de avaliação de fluxo de caixa livre................................................................................. 261 Análise múltipla de mercado........................................................................................................... 266 Ações preferenciais.......................................................................................................................... 266 Resumo........................................................................................................................................... 267

financeira.indb 16

01/02/2016 14:17:14


| Sumário

xvii

Perguntas........................................................................................................................................ 269 Problemas de autoavaliação............................................................................................................ 269 Problemas....................................................................................................................................... 270 Problema de planilha....................................................................................................................... 272 Estudo de caso................................................................................................................................ 273 Capítulo 8 Opções financeiras e aplicações em finanças corporativas............................ 275 Quadro: O valor intrínseco de opções de compra de ações...........................................................................276 Resumo das opções financeiras........................................................................................................ 276 Quadro: Relatório financeiro para opções de compra de ações concedidas a funcionários............................279 Abordagem binomial de precificação de opções para um único período ......................................... 280

Fórmula binomial de precificação de opções para período único..................................................... 284 Modelo binomial de precificação de opções para vários períodos.................................................... 286 Modelo de precificação de opções de Black-Scholes (OPM)............................................................ 288 Quadro: Impostos e opções de compra de ações...........................................................................................292 Avaliação de opções de venda......................................................................................................... 293 Aplicações da precificação de opções em finanças corporativas ...................................................... 295 Resumo........................................................................................................................................... 297 Perguntas........................................................................................................................................ 298 Problemas de autoavaliação............................................................................................................ 298 Problemas....................................................................................................................................... 298 Problema de planilha....................................................................................................................... 299 Estudo de caso................................................................................................................................ 299

Parte 4 – Projetos e sua avaliação  301 Capítulo 9 Custo de capital........................................................................................... 303 Quadro: Valor de empresas e custo de capital...............................................................................................304 O Custo médio ponderado de capital.............................................................................................. 304 Escolhendo pesos para o custo médio ponderado do capital........................................................... 306 Custo de dívida, rd(1 - T) e rstd (1 - T).............................................................................................. 307 Quadro: Quanto a taxa do imposto efetivo da empresa é eficaz?..................................................................309 Custo das ações preferenciais, rps..................................................................................................... 311 Custo da ação ordinária: o prêmio de risco de mercado, Rpm......................................................... 311 Usando o CAPM para estimar o custo das ações ordinárias, rs........................................................ 314 Abordagem do rendimento de dividendo mais taxa de crescimento ou fluxo de caixa descontado (DCF) .......................................................................................................................... 316 Custo médio ponderado ou composto de capital, CMPC.....................................................................318 Quadro: Variações globais no custo do capital.............................................................................................320 Ajustando o custo de capital próprio para o custo de flutuação...................................................... 321 Empresas privadas e pequenas empresas......................................................................................... 322 Problemas de gestão e de custo de capital........................................................................................ 323 Quatro erros que devem ser evitados............................................................................................... 327 Resumo........................................................................................................................................... 328 Perguntas........................................................................................................................................ 329 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 330

financeira.indb 17

01/02/2016 14:17:14


xviii

Administração financeira – Teoria e prática

Problemas........................................................................................................................................ 330 Problema de planilha....................................................................................................................... 333 Estudo de caso................................................................................................................................ 333 Capítulo 10 Noções básicas de orçamento de capital: avaliando fluxos de caixa............. 335 Quadro: Avaliação de empresas e orçamento de capital................................................................................336 Visão geral de orçamento de capital................................................................................................ 336 A primeira etapa na análise de projeto............................................................................................ 338 Valor presente líquido (NPV).......................................................................................................... 339 Taxa interna de retorno (IRR)......................................................................................................... 341 Taxa de retorno interna modificada (MIRR)................................................................................... 347 Índice de lucratividade (PI).............................................................................................................. 349 Período de retorno de investimento................................................................................................. 350 Como usar os métodos de orçamento de capital.............................................................................. 352 Outras questões sobre orçamento de capital.................................................................................... 354 Resumo........................................................................................................................................... 359 Perguntas........................................................................................................................................ 360 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 360 Problemas........................................................................................................................................ 361 Problema de planilha....................................................................................................................... 365 Estudo de caso................................................................................................................................ 365 Capítulo 11 Estimativa de fluxo de caixa e análise de risco............................................. 369 Quadro: Avaliação de empresas, fluxos e análises de risco............................................................................370 Identificação de fluxos de caixa relevantes....................................................................................... 370 Análise de um projeto de expansão................................................................................................. 374 Análise de risco na avaliação de investimentos................................................................................ 380 Mensurando o risco autônomo....................................................................................................... 381 Análise de sensibilidade................................................................................................................... 382 Análise de cenários.......................................................................................................................... 384 Simulação de Monte Carlo.............................................................................................................. 386 Conclusões do risco do projeto....................................................................................................... 389 Análise de substituição.................................................................................................................... 390 Opções reais.................................................................................................................................... 390 Decisões em fases e árvores de decisão ........................................................................................... 393 Resumo........................................................................................................................................... 396 Perguntas........................................................................................................................................ 397 Problemas de autoavaliação............................................................................................................ 398 Problemas....................................................................................................................................... 398 Problema de planilha....................................................................................................................... 403 Estudo de caso................................................................................................................................ 404 Apêndice 11A.................................................................................................................................. 406

Parte 5 – Avaliação e governança corporativa  409 Capítulo 12 Planejamento financeiro e projeção de demonstrações financeiras................ 411 Quadro: Avaliação de empresas e planejamento financeiro...........................................................................412

financeira.indb 18

01/02/2016 14:17:14


| Sumário

xix

Visão global do planejamento financeiro......................................................................................... 413 Plano financeiro da MicroDrive, Inc................................................................................................ 414 Operações de previsão..................................................................................................................... 415 Projetando as demonstrações financeiras da MicroDrive................................................................... 419 Análise e revisão do plano preliminar.............................................................................................. 422 Método fundos adicionais necessários (AFN) ................................................................................. 426 Projeção de variação de índices ...................................................................................................... 428 Resumo........................................................................................................................................... 431 Perguntas........................................................................................................................................ 432 Problemas de autoavaliação............................................................................................................ 433 Problemas........................................................................................................................................ 434 Problema de planilha....................................................................................................................... 437 Estudo de caso................................................................................................................................ 438 Capítulo 13 Conflitos da agência e governança corporativa............................................. 441 Quadro: Governança corporativa e valorização corporativa.........................................................................442 Conflitos de agência........................................................................................................................ 442 Governança corporativa.................................................................................................................. 445 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................449 Quadro: A Lei Dood/Frank e o “Say on Pay”..............................................................................................450 Quadro: A Lei Sarbanes-Oxley de 2002 e governança corporativa...............................................................451 Quadro: Governança corporativa internacional............................................................................................454 Planos de participação acionária (Esops)....................................................................................... 455 Resumo........................................................................................................................................... 458 Perguntas........................................................................................................................................ 458 Estudo de caso................................................................................................................................ 459

Parte 6 – Distribuições de caixa e estrutura de capital  461 Capítulo 14 Distribuições aos acionistas: dividendos e recompras................................... 463 Quadro: Usos do fluxo de caixa livre: distribuições a acionistas...................................................................464 Procedimentos para distribuição de caixa........................................................................................ 464 Procedimentos para distribuição de caixa........................................................................................ 466 Distribuições de caixa e valor de empresa....................................................................................... 468 Efeito clientela................................................................................................................................. 471 Hipótese de conteúdo de informação ou sinalização....................................................................... 471 Implicações para estabilidade dos dividendos.................................................................................. 472 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................473 Definindo o nível de distribuição-alvo: o modelo de distribuição residual....................................... 473 Modelo de distribuição residual na prática ..................................................................................... 475 Dois exemplos de distribuições de caixa: dividendos versus recompra de ações............................... 476 Prós e contras de dividendos e recompras........................................................................................ 484 Quadro: Rendimentos de dividendos em todo o mundo...............................................................................485 Outros fatores que influenciam as distribuições............................................................................... 485 Resumo da decisão de política de distribuição................................................................................. 486 Desdobramento de ações e dividendos em ações............................................................................. 488 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................489 Planos de reinvestimento de dividendos........................................................................................... 490

financeira.indb 19

01/02/2016 14:17:14


xx

Administração financeira – Teoria e prática

Resumo........................................................................................................................................... 491 Perguntas........................................................................................................................................ 492 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 492 Problemas....................................................................................................................................... 493 Problema de planilha....................................................................................................................... 495 Estudo de caso................................................................................................................................ 495 Capítulo 15 Decisões sobre estrutura de capital............................................................... 497 Quadro: Avaliação de empresas e estrutura de capital..................................................................................498 Visão geral da estrutura de capital.................................................................................................. 498 Risco do negócio e risco financeiro.................................................................................................. 499 Teoria da estrutura de capital.......................................................................................................... 503 Quadro: Yogi Berra e a proposição de MM..................................................................................................505 Evidências e consequências da estrutura de capital.......................................................................... 510 Estimando a estrutura de capital ideal............................................................................................. 513 Análise da recapitalização............................................................................................................... 518 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................522 Resumo........................................................................................................................................... 523 Perguntas........................................................................................................................................ 524 Problemas de autoavaliação.............................................................................................................. 525 Problemas........................................................................................................................................ 525 Problema de planilha....................................................................................................................... 527 Estudo de caso................................................................................................................................ 528

Parte 7 – Gestão de operações globais  529 Capítulo 16 Cadeias de suprimento e gestão de capital de giro........................................ 531 Quadro: Avaliação de empresas e gestão de capital de giro...........................................................................532 Visão geral da gestão do capital de giro.......................................................................................... 532 Utilizando e financiando os ativos circulantes operacionais............................................................. 533 Ciclo de conversão de caixa............................................................................................................ 538 Quadro: Algumas empresas operam com capital de giro negativo!...............................................................542 Orçamento de caixa........................................................................................................................ 542 Gestão de caixa e saldo de caixa-alvo.............................................................................................. 545 Técnicas de gestão de caixa............................................................................................................. 546 Quadro: Seu cheque não está no correio.......................................................................................................548 Gestão de estoque........................................................................................................................... 549 Quadro: Gestão da cadeia de suprimentos....................................................................................................550 Gestão de contas a receber.............................................................................................................. 550 Quadro: Financiamento da cadeia de suprimentos........................................................................................552 Provisões e contas a pagar (crédito comercial)................................................................................. 554 Quadro: Repreensão ou congratulação? The colbert report e as condições de pagamento das pequenas empresas.......................................................................................................................................................555 Gestão de investimentos a curto prazo............................................................................................ 558 Financiamento de curto prazo......................................................................................................... 559 Empréstimos bancários de curto prazo............................................................................................ 559 Papel comercial............................................................................................................................... 562 Utilização de garantia em financiamento de curto prazo................................................................. 563

financeira.indb 20

01/02/2016 14:17:14


| Sumário

xxi

Resumo........................................................................................................................................... 564 Perguntas........................................................................................................................................ 565 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 566 Problemas....................................................................................................................................... 567 Problema de planilha....................................................................................................................... 570 Estudo de caso................................................................................................................................ 570 Capítulo 17 Administração financeira multinacional....................................................... 575 Quadro: Avaliação de empresas em um contexto mundial............................................................................576 Empresas multinacionais ou globais................................................................................................ 576 Administração financeira multinacional vs. nacional....................................................................... 578 Taxas de câmbio............................................................................................................................. 579 Taxas de câmbio e comércio internacional...................................................................................... 583 Sistema monetário internacional e políticas de taxa de câmbio....................................................... 584 Negociação de câmbio.................................................................................................................... 588 Paridade da taxa de juros................................................................................................................ 589 Paridade do poder de compra.......................................................................................................... 591 Inflação, taxas de juros e taxas de câmbio....................................................................................... 592 Quadro: Louco por um Big Mac? Vá para a Malásia...................................................................................593 Mercados internacionais monetários e de capitais........................................................................... 593 Quadro: Facilitando as coisas nas negociações internacionais.......................................................................594 Quadro: Índices do mercado de ações no mundo..........................................................................................598 Avaliação de investimentos multinacionais...................................................................................... 598 Quadro: Crédito aos consumidores na China...............................................................................................599 Quadro: Irlandês duplo com uma virada holandesa......................................................................................601 Estruturas de capital internacionais................................................................................................. 603 Administração de capital de giro multinacional............................................................................... 604 Resumo........................................................................................................................................... 607 Perguntas........................................................................................................................................ 608 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 608 Problemas....................................................................................................................................... 608 Problema de planilha....................................................................................................................... 610 Estudo de caso................................................................................................................................ 611

Parte 8 – Decisões táticas de financiamento  613 Capítulo 18 Financiamento público e privado: ofertas públicas iniciais, ofertas

sazonais e bancos de investimento................................................................ 615 Ciclo da vida financeira de uma nova empresa em fase inicial de operação (start-up)...................... 616 Decisão de abertura de capital......................................................................................................... 617 Processo de abertura de capital: oferta pública inicial..................................................................... 618 Cisões parciais do patrimônio: tipo especial de IPO........................................................................ 627 Outras maneiras de captar recursos nos mercados de capitais......................................................... 628 Quadro: Onde há fumaça, há fogo...............................................................................................................631 Atividades de bancos de investimento e seu papel na crise econômica mundial............................... 632 Quadro: A crise econômica mundial.............................................................................................................634 Decisão de fechar o capital ............................................................................................................. 634

financeira.indb 21

01/02/2016 14:17:14


xxii

Administração financeira – Teoria e prática

Administrando a estrutura de vencimento de dívida ....................................................................... 636 Operações de refinanciamento ........................................................................................................ 638 Quadro: TVA reduz suas despesas com juros................................................................................................641 Administrando a estrutura de risco da dívida com financiamento de projeto................................... 643 Resumo........................................................................................................................................... 645 Perguntas........................................................................................................................................ 645 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 646 Problemas....................................................................................................................................... 646 Problema de planilha....................................................................................................................... 648 Estudo de caso................................................................................................................................ 649 Capítulo 19 Financiamento de arrendamento.................................................................. 651 Tipos de arrendamentos.................................................................................................................. 652 Efeitos fiscais................................................................................................................................... 654 Efeitos nas demonstrações financeiras............................................................................................. 655 Avaliação pelo arrendatário............................................................................................................ 657 Quadro: Financiamento fora do balanço patrimonial: isto vai acabar?.........................................................658 Avaliação pelo arrendador.............................................................................................................. 662 Outras questões relacionadas à análise de arrendamentos..............................................................................664 Quadro: O que você não conhece pode prejudicá-lo!....................................................................................665 Quadro: Securitização do arrendamento.......................................................................................................667 Outros motivos para o arrendamento............................................................................................. 668 Resumo........................................................................................................................................... 669 Perguntas........................................................................................................................................ 670 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 671 Problemas........................................................................................................................................ 671 Problema de planilha....................................................................................................................... 673 Estudo de caso................................................................................................................................ 673 Capítulo 20 Financiamento híbrido: ações preferenciais, bônus de subscrição e títulos

conversíveis 675 Ações preferenciais.......................................................................................................................... 676 Quadro: O romance não tinha química, mas tinha muitas ações preferenciais!............................................677 Quadro: Instrumentos híbridos não servem só para empresas......................................................................678 Bônus de subscrição........................................................................................................................ 680 Títulos conversíveis......................................................................................................................... 685 Comparação final de bônus de subscrição e títulos conversíveis...................................................... 691 Divulgação de lucros quando bônus de subscrição ou títulos conversíveis estão em circulação....... 692 Resumo........................................................................................................................................... 692 Perguntas........................................................................................................................................ 693 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 693 Problemas....................................................................................................................................... 694 Problema de planilha....................................................................................................................... 696 Estudo de caso................................................................................................................................ 696

financeira.indb 22

01/02/2016 14:17:14


| Sumário

xxiii

Parte 9 – Finanças estratégicas em um ambiente dinâmico  699 Capítulo 21 Estruturas de capital dinâmicas.................................................................... 701 Quadro: Avaliação de empresas e decisões de estrutura de capital................................................................702 O impacto do crescimento e do benefício fiscal sobre o valor.......................................................... 703 Os modelos de Modigliani e Miller e o modelo compactado de APV (Valor Presente Ajustado)...... 705 Estruturas de capital dinâmicas e o modelo de APV (valor presente ajustado) ................................ 712 Risco da Dívida e do patrimônio como uma opção......................................................................... 715 Introdução a impostos de pessoa física: o modelo de Miller............................................................ 718 Teoria de estrutura de capital: provas de arbitragem dos modelos de Modigliani-Miller................. 721 Resumo........................................................................................................................................... 727 Perguntas........................................................................................................................................ 728 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 729 Problemas....................................................................................................................................... 729 Problemas de planilha..................................................................................................................... 731 Estudo de caso................................................................................................................................ 732 Capítulo 22 Fusões e controle da empresa....................................................................... 735 Lógica das fusões............................................................................................................................ 736 Tipos de fusão................................................................................................................................. 738 Nível de atividade de fusão............................................................................................................. 739 Aquisição hostil versus Aquisição amigável..................................................................................... 740 Regulamentação da fusão................................................................................................................ 741 Visão geral da análise de fusão........................................................................................................ 742 Abordagem de fluxo de caixa livre para acionistas (FCLA)............................................................. 743 Ilustração das três abordagens de avaliação para uma estrutura de capital constante...................... 744 Determinação do preço de oferta.................................................................................................... 749 Análise com uma mudança permanente na estrutura de capital....................................................... 751 Impostos e a estrutura da oferta de aquisição.................................................................................. 753 Quadro: Tempestade em copo d’água?.........................................................................................................754 Relatórios financeiros de fusões....................................................................................................... 756 Análise de uma “verdadeira consolidação”..................................................................................... 759 Papel dos bancos de investimento.................................................................................................... 759 Quem ganha: evidência empírica..................................................................................................... 760 Quadro: Erros nas fusões..............................................................................................................................761 Alianças empresariais...................................................................................................................... 762 Desinvestimentos............................................................................................................................. 762

Holdings......................................................................................................................................... 763 Resumo........................................................................................................................................... 764 Perguntas........................................................................................................................................ 765 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 766 Problemas....................................................................................................................................... 766 Problema de planilha....................................................................................................................... 768 Estudo de caso................................................................................................................................ 768

financeira.indb 23

01/02/2016 14:17:14


xxiv

Administração financeira – Teoria e prática

Capítulo 23 Gestão de risco corporativo.......................................................................... 771 Quadro: Avaliação e gestão de risco corporativo..........................................................................................772 Razões para gerenciar riscos............................................................................................................ 772 Visão geral da gestão de risco corporativo...................................................................................... 775 Uma estrutura de gestão de risco corporativo.................................................................................. 776 Categorias de eventos de risco......................................................................................................... 779 Risco cambial (FX ou foreign exchange)......................................................................................... 780 Risco do preço de commodity ........................................................................................................ 781 Risco de taxa de juros .................................................................................................................... 784 Quadro: O jogo da verdade, ou LIBOR........................................................................................................789 Riscos na escolha de um projeto...................................................................................................... 791 Gestão de riscos de crédito.............................................................................................................. 794 Risco e segurança humanos............................................................................................................. 795 Resumo........................................................................................................................................... 796 Perguntas........................................................................................................................................ 797 Problemas de autoavaliação............................................................................................................ 797 Problemas....................................................................................................................................... 798 Problema de planilha....................................................................................................................... 798 Estudo de caso................................................................................................................................ 799

Capítulo 24 Falência, reestruturação e liquidação............................................................ 801 Dificuldades financeiras e suas consequências.................................................................................. 802 Problemas enfrentados pela empresa em dificuldades financeiras.................................................... 803 Ajustes sem passar pelo processo formal de falência........................................................................ 804 Lei federal de falência...................................................................................................................... 806 Reestruturação em situação de falência........................................................................................... 806 Liquidação em caso de falência....................................................................................................... 814 Quadro: Um país de inadimplentes?.............................................................................................................817 Anatomia de uma falência: transformando a GM Corporation em GM Company......................... 818 Outras motivações para a falência................................................................................................... 819 Algumas críticas à Lei de Falências.................................................................................................. 819 Resumo........................................................................................................................................... 820 Perguntas........................................................................................................................................ 821 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 821 Problemas....................................................................................................................................... 822 Problema de planilha....................................................................................................................... 824 Estudo de caso................................................................................................................................ 825

Parte 10 – Temas avançados  827 Capítulo 25 Teoria da carteira e modelos de precificação de ativos.................................. 829 Quadro: Valor intrínseco da empresa, risco e retornos..................................................................................830 Carteiras eficientes ......................................................................................................................... 830 Escolhendo a melhor carteira.......................................................................................................... 834 Premissas fundamentais do modelo de precificação de ativos financeiros ....................................... 837 Linha de mercado de capital e linha de mercado de títulos.............................................................. 838

financeira.indb 24

01/02/2016 14:17:14


| Sumário

xxv

Calculando os coeficientes beta....................................................................................................... 841 Quadro: Experiência ou sorte?.....................................................................................................................842 Testes empíricos do CAPM............................................................................................................. 848 Teoria da precificação por arbitragem............................................................................................. 850 Resumo........................................................................................................................................... 853 Perguntas........................................................................................................................................ 853 Problema de autoavaliação.............................................................................................................. 854 Problemas........................................................................................................................................ 854 Problema de planilha....................................................................................................................... 856 Estudo de caso................................................................................................................................ 856 Capítulo 26 Opções reais................................................................................................. 859 Avaliando opções reais.................................................................................................................... 860 Opção de espera para investir: uma ilustração................................................................................ 861 Opção de crescimento: uma ilustração............................................................................................ 869 Considerações finais sobre opções reais........................................................................................... 872 Resumo........................................................................................................................................... 875 Perguntas........................................................................................................................................ 875 Problema de autoavaliação – A solução está no Apêndice A........................................................... 876 Problemas – As respostas dos problemas estão no Apêndice B........................................................... 876 Problema de planilha....................................................................................................................... 878 Estudo de caso................................................................................................................................ 878

financeira.indb 25

Glossário

..................................................................................................................... 881

Índice

..................................................................................................................... 905

01/02/2016 14:17:14


financeira.indb 26

01/02/2016 14:17:14


pa r t e

1

Conceitos básicos de finanças corporativas

  C apítulo 1

Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro.............................. 3   C apítulo 2

Demonstrações financeiras, fluxo de caixa e impostos......................................... 45   C apítulo 3

Análise de demonstrações financeiras................................................................81

1

financeira.indb 1

01/02/2016 14:17:14


financeira.indb 2

01/02/2016 14:17:14


capítulo

1

Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro Em um concurso mundial de beleza de empresas, a vencedora é a Apple Computer. Ou, pelo menos, ela é a empresa mais admirada no mundo, de acordo com uma pesquisa anual feita pela revista Fortune. Entre as outras dez melhores empresas do mundo estão Google, Berkshire Hathaway, Southwest Airlines, Procter & Gamble, Coca-Cola, Amazon.com, FedEx, Microsoft e McDonald’s. Segundo uma pesquisa realizada com executivos, diretores e Analistas de segurança de informação, elas têm a maior média de pontuação em nove quesitos: 1. inovação, 2. qualidade de gestão, 3. valor de investimento no longo prazo, 4. responsabilidade social, 5. talentos profissionais, 6. qualidade de produtos e serviços, 7. solidez financeira, 8. utilização de ativos da empresa e 9. eficiência na realização de negócios internacionais. Após remover as empresas mais fracas, a classificação final é determinada por mais de 3.700 especialistas de diversas indústrias. E o que essas empresas têm em comum? Primeiro, elas possuem um foco incrível no uso da tecnologia para entender seus clientes, reduzir custos e estoques e agilizar a entrega de produtos. Segundo, essas empresas inovam continuamente e investem em formas de diferenciar seus produtos. Algumas são conhecidas por seus produtos capazes de virar o jogo, como o iPad da Apple. Outras apresentam pequenas melhorias de forma contínua, como os procedimentos de embarque agilizados da Southwest Airline. Elas não só são inteligentes no uso de tecnologia e no atendimento ao cliente, mas também são líderes em se tratando de treinamento de funcionários e oferecimento de possibilidade de crescimento aos profissionais. Antes da crise econômica global, essas empresas mantiveram níveis razoáveis de dívida e evitaram pagar a mais por aquisições. Isto permitiu que elas resistissem à crise e as posicionou para um desempenho subsequente mais forte do que muitos de seus concorrentes. Em suma, elas reduzem custos com processos de produção inovadores, criam valor para os clientes com serviços e produtos de alta qualidade e criam valor para os funcionários com treinamento e um ambiente em que eles possam utilizar todos os seus conhecimentos e talentos. Conforme será visto ao longo deste livro, o fluxo de caixa e o rendimento maior sobre o capital resultante também geram valor para os investidores. Este capítulo dará uma ideia geral de administração financeira, incluindo um panorama dos mercados financeiros em que as empresas atuam. Antes de entrar em detalhes, vejamos a situação como um todo. Provavelmente você estuda porque deseja ter uma carreira interessante, gratificante e com vários desafios. Para saber onde as finanças se encaixam, apresentamos um MBA em cinco minutos.

3

financeira.indb 3

01/02/2016 14:17:15


4

Parte 1 | Conceitos básicos de finanças corporativas

A CRISE ECONÔMICA MUNDIAL A crise econômica global A crise econômica global é como o convidado de uma festa que toma um drinque e fica interessante e divertido, mas, ao tomar muitos drinques, passa mal e fica na festa mesmo depois de todos irem embora. Correndo o risco de ser muito simplista, eis o que aconteceu nos últimos dez anos: vários indivíduos, instituições financeiras e governos do mundo pegaram muito dinheiro emprestado e usaram esses fundos para fazer investimentos especulativos. Esses investimentos acabaram por valer menos do que os valores que os mutuários deviam, provocando falências generalizadas, compras e reestruturações, tanto para os mutuários quanto para os credores. Isso, por sua vez, reduziu o fornecimento de fundos disponíveis que instituições financei-

1-1

ras geralmente emprestam a indivíduos, fabricantes e varejistas solventes. Sem acesso ao crédito, os consumidores passaram a comprar menos, os fabricantes a produzir menos, e os varejistas a vender menos — o que levou a demissões. De acordo com o Birô Nacional de Pesquisa Econômica, a recessão resultante durou de dezembro de 2007 até junho de 2009. Mas até 2012, quando este livro foi escrito, a economia norte-americana ainda não crescia rapidamente. Conforme prosseguimos com este capítulo e com o resto do livro, discutiremos diferentes aspectos da crise. Para informações em tempo real, acesse o Global Economic Watch (GEW) Resource Center em <www.cengage.com/thewatch>.

MBA em cinco minutos Tudo bem, sabemos que você não consegue um MBA em cinco minutos. Mas, da mesma forma que um pintor faz o esboço de sua obra antes de se dedicar aos detalhes, nós podemos traçar os principais elementos do programa de MBA. O principal objetivo do MBA é transmitir aos administradores os conhecimentos e as qualificações de que eles necessitam para gerir empresas bem-sucedidas; portanto, começamos com algumas características comuns de empresas bem-sucedidas. Todas as empresas bem-sucedidas conseguem atingir duas metas em especial: 1. Todas identificam, criam e oferecem produtos ou serviços bastante valorizados pelos clientes – tão valorizados que os clientes preferem adquiri-los dessas empresas do que da concorrência. 2. Todas vendem seus produtos/serviços a preços que são altos o suficiente para cobrir os custos e compensar os proprietários e credores pelo uso do dinheiro deles e pela exposição ao risco. É muito fácil falar sobre satisfazer clientes e investidores, mas não é tão fácil atingir essas metas. Se fosse fácil, todas as empresas seriam bem-sucedidas, e você não precisaria ter um MBA!

1-1a As principais qualidades das empresas bem-sucedidas Em primeiro lugar, as empresas bem-sucedidas possuem funcionários qualificados em todas as áreas da empresa, inclusive líderes, gerentes e mão de obra capacitada. Em segundo, elas possuem relações sólidas com grupos externos. Por exemplo, essas empresas desenvolvem relações de ganho mútuo com fornecedores e se destacam na gestão de relacionamento com o cliente. Terceiro, esse tipo de empresa possui fundos suficientes para realizar seus planos e bancar seus processos. A maioria das empresas necessita de dinheiro para adquirir terrenos, edificações, equipamentos e materiais. As empresas podem reinvestir uma parte de seus lucros, contudo a maioria das empresas em crescimento também precisa levantar recursos adicionais externos por meio da venda de ações e/ou de empréstimos nos mercados financeiros. Assim como um tripé, uma empresa bem-sucedida precisa ter três elementos: pessoal qualificado, relações externas sólidas e capital suficiente.

1-1b MBA, finanças e sua carreira Para ser bem-sucedida, uma empresa precisa atingir sua primeira meta principal: identificar, criar e oferecer produtos e serviços de alto valor para seus clientes. E, para tanto, é necessário possuir todos os três elementos principais já citados. Portanto, não surpreende o fato de a maioria dos cursos de MBA estar diretamente relacionada com esses elementos. Por exemplo: os cursos de economia, comunicação, estratégia, comportamento

financeira.indb 4

01/02/2016 14:17:15


Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro | Capítulo 1

5

organizacional e recursos humanos devem preparar o aluno para um cargo de liderança e possibilitar que este administre com eficiência a mão de obra de sua empresa. Já outros cursos, como marketing, administração de produção e tecnologia da informação, ampliam o conhecimento em disciplinas específicas, possibilitando que o aluno desenvolva processos de negócios eficientes e relações externas sólidas de que sua empresa necessita. Parte deste curso de finanças abordará o levantamento do capital de que sua empresa necessita para implementar seus planos. Em suma, o curso de MBA fornece as qualificações necessárias para ajudar uma empresa a atingir sua primeira meta: produzir bens e serviços que os clientes desejam. Apesar disso, lembre-se de que não basta ter somente produtos altamente valorizados e clientes satisfeitos. As empresas bem-sucedidas também precisam atingir sua segunda meta principal, que é gerar fundos suficientes para remunerar os investidores que forneceram o capital necessário. Para ajudar sua empresa a atingir essa segunda meta, é necessário avaliar qualquer proposta, seja ela relacionada a marketing, produção, estratégia ou qualquer outra área, e implementar somente os projetos que agreguem valor aos seus investidores. Para tanto, é preciso ter experiência em finanças, independentemente de sua especialização. Logo, as finanças são uma parte essencial do programa de MBA, o que será muito importante no decorrer de sua carreira.

Autoavaliação 1. Quais são as metas das empresas bem-sucedidas? 2. Quais são as três principais qualidades comuns a todas as empresas bem-sucedidas? 3. De que modo a experiência em finanças pode ajudar uma empresa a ser bem-sucedida?

1-2 O ciclo de vida de uma organização Muitas empresas importantes, como a Apple Computer e a Hewlett-Packard, iniciaram suas atividades em uma garagem ou em um porão. Como elas conseguiram crescer e se tornar os gigantes que são hoje? Nenhuma empresa se desenvolve exatamente da mesma forma que outra, mas as seções a seguir descrevem algumas fases comuns do ciclo de vida de uma organização.

1-2a Iniciar como firma individual Muitas empresas iniciam suas atividades como firma individual, que é um negócio sem personalidade legal, tendo somente um proprietário. Começar como uma firma individual é fácil – basta dar início às operações comerciais depois de obter os alvarás de funcionamento municipais ou estaduais necessários. A firma individual oferece três vantagens importantes: (1) é formada de maneira fácil e não muito cara, (2) está sujeita a determinados regulamentos governamentais e (3) sua renda não está sujeita à tributação de empresas, mas é tributada como parte da renda pessoal do proprietário da firma. A firma individual, entretanto, também possui três restrições importantes: (1) pode ser difícil obter o capital necessário para crescer; (2) o proprietário possui responsabilidade pessoal ilimitada pelas dívidas da firma, o que pode acarretar prejuízos que excedam o capital nela investido (os credores podem até mesmo tomar a casa ou outras propriedades pessoais do proprietário!); e (3) a vida de uma firma individual limita-se à vida de seu fundador. Por esses três motivos, as firmas individuais são utilizadas basicamente para pequenos negócios. Na realidade, as firmas individuais representam somente 13% de todas as vendas, com base em valores em dólar, embora aproximadamente 80% de todas as empresas sejam firmas individuais.

1-2b Mais de um proprietário: uma sociedade limitada Algumas empresas iniciam suas atividades com mais de um proprietário, e alguns proprietários decidem ter um sócio quando a empresa cresce. Uma sociedade limitada passa a existir quando duas ou mais pessoas ou entidades se associam para conduzir uma sociedade despersonalizada com fins lucrativos. As sociedades podem atuar em vários níveis de formalidade, desde os tratos orais e informais aos acordos formais registrados na secretaria do Estado em que a sociedade foi estabelecida. Os acordos de sociedade em nome coletivo definem como os lucros e prejuízos serão divididos entre os sócios. As vantagens e desvantagens normalmente são semelhantes às de uma firma individual. Quanto à responsabilidade, os sócios podem vir a perder todos os seus bens pessoais, mesmo ativos não investidos na sociedade, pois, de acordo com a lei norte-americana de sociedades, cada sócio é responsável pelas dívidas da sociedade. Portanto, caso a sociedade vá à falência e qualquer sócio não consiga cumprir sua

financeira.indb 5

01/02/2016 14:17:15


6

Parte 1 | Conceitos básicos de finanças corporativas

 uniquely índia/Getty Images

Colombo estava errado – o mundo é plano! e quente... e lotado! Em seu best-seller, O mundo é plano, Thomas L. Friedman (Objetiva, 2009) afirma que muitas das barreiras que protegeram as empresas e os funcionários por tanto tempo da concorrência mundial foram quebradas pelas grandes melhoras nas tecnologias de comunicação e transporte. O resultado é um campo de jogos nivelado, que abrange o mundo todo. À medida que entramos na era da informação, qualquer trabalho que possa ser digitalizado circulará para quem puder fazê-lo com o menor custo, não importa se estão localizados no Vale do Silício, em San José ou em Bangalore, Índia. Em se tratando de produtos físicos, as cadeias de fornecimento atuais abrangem o mundo inteiro. Por exemplo: as matérias-primas podem ser extraídas na América do Sul, transformadas em componentes eletrônicos na Ásia, os quais depois serão utilizados em computadores montados nos Estados Unidos, e, por fim, o produto final é vendido na Europa. Mudanças semelhantes ocorrem em mercados financeiros, conforme o capital flui ao redor do globo e chega até os que

melhor sabem usá-lo. De fato, China e Hong Kong acumularam mais dinheiro por meio de ofertas públicas de ações em 2011 do que a Europa e os Estados Unidos juntos. Há mudanças semelhantes ocorrendo nos mercados financeiros, com o capital circulando no mundo para aqueles que podem utilizá-lo da melhor maneira. Aliás, a China levantou mais dinheiro por meio de ofertas públicas iniciais do que qualquer outro país em 2006, e o euro está se tornando a moeda de escolha para emissões de títulos globais. Infelizmente, um mundo dinâmico pode gerar um crescimento desenfreado, que, por sua vez, pode levar a sérios problemas ambientais e falta de energia. Friedman descreve esses problemas em seu outro sucesso de vendas, Quente, plano e lotado (Objetiva, 2010). Em um mundo plano, os segredos para o sucesso são: conhecimento, qualificação e uma excelente ética no trabalho. Em um mundo quente, plano e lotado, esses fatores precisam ser combinados com inovação e criatividade para lidar com problemas verdadeiramente mundiais.

responsabilidade proporcional, os outros sócios terão de pagar o débito restante, recorrendo aos seus bens pessoais conforme necessário. Para evitar isso, é possível limitar as responsabilidades de alguns sócios constituindo uma sociedade limitada, em que alguns são nomeados sócios administradores, e outros, sócios investidores. Em uma sociedade limitada, os sócios investidores podem vir a perder somente o valor que investiram na sociedade, ao passo que os sócios administradores possuem responsabilidade ilimitada. Todavia, os sócios investidores normalmente não possuem controle algum – que fica por conta dos sócios administradores – e os retornos daqueles também são limitados. Esse tipo de sociedade é bastante comum nos setores imobiliário, petrolífero, de empreendimentos de locação de equipamentos e de capital de risco. No entanto, geralmente esse tipo de sociedade não é muito utilizado, visto que nenhum sócio se dispõe a ser o sócio investidor e, portanto, aceitar a maior parte dos riscos do negócio. Além disso, ninguém deseja ser um sócio investidor e abrir mão do controle total. Nesse tipo de sociedade, pelo menos um dos sócios fica responsável pelas dívidas da sociedade. No entanto, em uma sociedade de responsabilidade limitada (limited liability partnership – LLP), todos os sócios possuem responsabilidade limitada com relação às responsabilidades do negócio, e seus possíveis prejuízos ficam limitados ao investimento feito por eles na LLP. Obviamente, esse tipo de organização aumenta o risco dos credores, clientes e fornecedores das LLPs.

1-2c Diversos donos: sociedade anônima A maioria das sociedades limitadas tem dificuldade de atrair quantias substanciais de capital. Normalmente, isso não é problema para negócios de crescimento lento; entretanto, se os produtos ou serviços de uma empresa obtiverem sucesso e houver a necessidade de levantar grandes quantias de capital para financiar suas oportunidades, essa dificuldade de atrair capital se tornará um grande obstáculo. Assim, muitas empresas em crescimento, como a Hewlett-Packard e a Microsoft, iniciaram suas atividades como firmas individuais ou sociedades limitadas, mas, em dado momento, seus fundadores decidiram transformá-las em sociedades anônimas. Por sua vez, algumas empresas, já prevendo seu crescimento, iniciam suas atividades como sociedades anônimas. Sociedade anônima é uma pessoa jurídica criada de acordo com as leis de um Estado, sendo separada e distinta de seus proprietários e administradores. Essa separação proporciona três vantagens importantes à sociedade anônima: (1) período de vida ilimitado – uma sociedade anônima pode continuar a existir mesmo após o falecimento de seus proprietários e administradores originais; (2) fácil transferência da participação societária – a participação societária é dividida em ações, podendo, assim, ser transferida com muito mais fa-


Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro | Capítulo 1

7

cilidade em relação às firmas individuais e sociedades em nome coletivo; e (3) responsabilidade limitada – os prejuízos limitam-se somente aos fundos efetivamente investidos. Para dar um exemplo de responsabilidade limitada, suponha que você tenha investido $ 10 mil em uma sociedade limitada que foi à falência e tinha uma dívida de $ 1 milhão. Uma vez que os proprietários são responsáveis pelas dívidas de uma sociedade em nome coletivo, você poderia ser responsabilizado pelo pagamento de parte delas, ou ainda da quantia total de $ 1 milhão, caso seus sócios não conseguissem pagar as partes deles. Porém, caso você tivesse investido $ 10 mil em ações de uma sociedade anônima que foi à falência, seu possível prejuízo ficaria limitado ao seu investimento de $ 10 mil.1 Existência ilimitada, fácil transferência de participação e responsabilidade limitada facilitam bastante que as sociedades anônimas – diferentemente das firmas individuais e sociedades em nome conjunto – levantem verbas no mercado financeiro e se tornem grandes empresas. A organização da sociedade anônima proporciona vantagens importantes sobre as firmas individuais e sociedades em nome coletivo, mas também possui duas desvantagens: (1) os lucros da sociedade anônima podem ficar sujeitos à dupla tributação – os lucros da sociedade anônima são tributados na condição de pessoa jurídica e os lucros que venham a ser pagos como dividendos aos acionistas são tributados mais uma vez como renda destes; (2) para constituir uma sociedade anônima, é necessário elaborar um contrato social, redigir o estatuto social desta e registrar diversos relatórios estaduais e federais exigidos, o que é bem mais complexo e demorado do que constituir uma firma individual ou sociedade em nome conjunto. O contrato social contém as seguintes informações: (1) nome da sociedade anônima proposta, (2) tipo de atividades que serão realizadas, (3) valor do capital social, (4) número de conselheiros e (5) nomes e endereços destes. O contrato será registrado na Junta Comercial do Estado no qual a empresa será constituída, e, a partir do momento em que for aprovado, a sociedade anônima existirá oficialmente.2 Quando a sociedade iniciar sua atuação, relatórios trimestrais e anuais sobre funcionários, finanças e impostos deverão ser registrados nos órgãos estaduais e federais. O estatuto social é um conjunto de normas redigidas pelos fundadores da sociedade anônima e abrange os seguintes aspectos: (1) a forma como os conselheiros são eleitos (eleições anuais de todos os diretores ou de um terço destes, com mandatos de três anos); (2) a possibilidade de os acionistas existentes terem prioridade na compra de quaisquer novas ações que a sociedade venha a emitir; e (3) procedimentos para alteração do próprio estatuto, caso seja necessário. Na realidade, há diversos tipos de sociedades anônimas. Muitas vezes, profissionais como médicos, advogados e contadores formam uma sociedade de profissionais (professional corporation – PC) ou uma associação profissional (professional association – PA). Esses tipos de sociedades anônimas não isentam os participantes de responsabilidade profissional (imperícia). Na verdade, a motivação principal por trás da sociedade de profissionais é proporcionar um meio para que grupos de profissionais possam se associar e, desse modo, evitar determinados tipos de responsabilidade ilimitada, mas ainda tendo responsabilidade profissional. Por fim, caso determinadas exigências sejam satisfeitas, em especial com relação ao tamanho e ao número de acionistas, os proprietários podem constituir uma sociedade anônima, mas com a escolha de serem tributados como se a empresa fosse uma firma individual ou sociedade em nome coletivo. Essas empresas, que não são diferentes quanto à forma organizacional, mas somente na forma como seus proprietários são tributados, são denominadas corporações S.

1-2d Crescimento e administração da sociedade anônima Depois que uma sociedade anônima for constituída, como ela evoluirá? Quando os empresários iniciam as atividades de uma empresa, normalmente o financiamento é feito com recursos pessoais, que podem incluir economias, empréstimos imobiliários ou até mesmo cartões de crédito. Conforme a sociedade anônima crescer, ela precisará de fábricas, equipamentos, estoque, entre outros recursos necessários para sustentar seu crescimento. Com o tempo, os empresários geralmente esgotam seus próprios recursos e precisam recorrer a financiamentos externos. Muitas empresas novas são consideradas alto risco pelos bancos; portanto, os fundadores têm de vender ações para pessoas que não fazem parte da sociedade, inclusive amigos, família, investidores 1 No caso de sociedades anônimas muito pequenas, a responsabilidade limitada pode ser irreal, pois os credores normalmente exigem que os acionistas prestem garantias pessoais. 2 Mais de 60% das mais importantes sociedades anônimas dos Estados Unidos estão registradas em Delaware, que vem proporcionando um ambiente jurídico favorável a elas ao longo dos anos. Não é necessário que a empresa possua uma sede ou mesmo atue no Estado ou município em que foi constituída.

financeira.indb 7

01/02/2016 14:17:15


8

Parte 1 | Conceitos básicos de finanças corporativas

privados (também conhecidos como investidores anjos) ou investidores de risco. Caso a sociedade anônima continue a crescer, pode vir a ser bem-sucedida o bastante para os bancos concederem crédito ou pode até levantar fundos adicionais por meio de uma oferta pública de ações (initial public offering – IPO), vendendo ações ao público em geral. Depois de uma IPO, as sociedades anônimas mantêm seu crescimento tomando empréstimos bancários, emitindo títulos de dívida ou vendendo ações adicionais. Em suma, a capacidade de crescimento de uma sociedade anônima depende de suas interações com os mercados financeiros, que serão descritas mais detalhadamente no decorrer deste capítulo. Em firmas individuais, sociedades limitadas e sociedades anônimas pequenas, os proprietários da empresa também são seus administradores. Isso normalmente não acontece com grandes sociedades anônimas, ou seja, os acionistas delas, que também são seus proprietários, têm um grande problema. O que fazer para evitar que os administradores ajam a favor de seus próprios interesses, em vez de visar aos melhores interesses dos acionistas/proprietários? Isso se chama problema de agência, pois os administradores são contratados como agentes que agem em nome dos proprietários. É possível resolver problemas de agência com uma governança corporativa, que é um conjunto de normas que controla o comportamento de uma empresa com relação a seus conselheiros, administradores, funcionários, acionistas, credores, clientes, concorrentes e comunidade. Há muito a ser dito sobre problemas de agência e governança corporativa neste livro, em particular nos capítulos 13, 14 e 15.

Autoavaliação 1. Quais são as principais diferenças entre firmas individuais, sociedades em comandita e sociedades anônimas? 2. Descreva alguns tipos especiais de sociedades em comandita e sociedades anônimas e explique as diferenças entre elas.

1-3 O  objetivo principal da sociedade anônima: maximização do valor Os acionistas são os proprietários da sociedade anônima e compram ações porque desejam obter um bom retorno sobre seu investimento, sem exposição de risco indevida. Na maioria dos casos, os acionistas elegem os conselheiros, que, por sua vez, contratam administradores que gerenciam a empresa no dia a dia. Considerando que os administradores devem trabalhar de acordo com os interesses dos acionistas, eles precisam buscar políticas que aumentem o valor para esses acionistas. Por conta disso, no decorrer do livro, baseamo-nos no pressuposto de que o objetivo principal dos administradores é a maximização da riqueza dos acionistas. O preço de mercado é o preço da ação observado nos mercados financeiros. Adiante, daremos uma explicação mais detalhada sobre como os preços das ações são determinados, mas, por enquanto, basta dizer que o preço de mercado da empresa incorpora as informações disponíveis aos investidores. Se o preço de mercado reflete todas as informações relevantes, o preço observado também passa a ser o preço intrínseco ou fundamental. No entanto, raramente os investidores têm acesso a todas as informações relevantes. Por exemplo, as empresas divulgam a maioria de suas decisões importantes, mas, às vezes, elas retêm determinadas informações para evitar que os concorrentes tenham vantagens estratégicas. Além disso, os gerentes podem tomar medidas que estimulem bônus ligados a ganhos atuais maiores, ainda que realmente diminuam fluxos de caixa futuros, como a redução da manutenção programada. Como mostramos no Capítulo 7, o foco em curto prazo pode reduzir o preço intrínseco, mas pode acabar aumentando o preço de mercado se tais ações forem difíceis para os investidores discernirem imediatamente. Assim, o preço de mercado pode divergir do preço intrínseco. Nesse exemplo, o preço de mercado inicialmente subiria em relação ao preço intrínseco, mas cairia no futuro, conforme a empresa enfrentasse problemas de produção devido a equipamentos mal cuidados. Assim, quando dizemos que o objetivo é maximizar a riqueza dos acionistas, isso, na verdade, significa maximizar o preço fundamental das ações ordinárias da empresa, e não apenas o preço de mercado corrente. Naturalmente, as empresas possuem outros objetivos – em especial, os administradores que tomam as decisões efetivas estão interessados em sua satisfação pessoal, no bem-estar de seus funcionários e no bem da comunidade e da sociedade como um todo. Ainda assim, pelos motivos expostos nas seções a seguir, maximizar o preço fundamental das ações é o objetivo mais importante para a maioria das sociedades anônimas.

financeira.indb 8

01/02/2016 14:17:15


Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro | Capítulo 1

9

Ética para pessoas e empresas O comprometimento de uma empresa com a ética nos negócios pode ser medido pela tendência que seus funcionários, de cima a baixo, têm de obedecer a leis, regulamentos e padrões morais que dizem respeito a fatores como qualidade e segurança dos produtos, práticas justas trabalhistas, práticas justas de marketing e vendas, uso de informações confidenciais para ganho pessoal, envolvimento da comunidade e pagamentos ilegais para conseguir fechar negócios.

Dilemas éticos Quando surgem conflitos entre lucro e ética, as considerações éticas e legais tornam a escolha óbvia em alguns casos. Em outros, a escolha certa não está clara. Por exemplo, suponha que os administradores da Norfolk Southern saibam que seus trens estão poluindo o ar, todavia o nível de poluição ainda está dentro dos limites legais e reduzir a emissão de poluentes geraria custos altos, o que prejudicaria seus acionistas. Os administradores dessa empresa devem reduzir a poluição adotando a ética? Do mesmo modo, eles não devem agir de acordo com os melhores interesses de seus acionistas? Esse é claramente um exemplo de dilema.

Responsabilidade ética Nos últimos anos, os lapsos éticos ilegais levaram a uma série de falências que levantaram esta questão: “As empresas eram antiéticas ou a culpa foi somente de alguns funcionários?”. A Arthur Andersen, uma firma de contabilidade, auditou a Enron, World-

Com e diversas outras empresas que cometiam fraudes contábeis. O Ministério da Justiça dos Estados Unidos concluiu que a Andersen era culpada, visto que ela incentivava um ambiente em que o comportamento antiético era permitido, além de ter criado um sistema de incentivos que tornou esse comportamento lucrativo tanto aos transgressores como à própria firma. Consequentemente, a Andersen fechou as portas. Mais tarde, ela foi considerada inocente, mas, na época em que a sentença foi dada, a empresa já havia fechado as portas. As pessoas simplesmente não querem ter relações comerciais com uma empresa de contabilidade que possui um nome manchado.

Proteção dos funcionários éticos Caso os funcionários percebam atividades questionáveis ou recebam ordens suspeitas, eles devem obedecer às ordens do chefe, não obedecer ou informar a situação a uma autoridade superior, como o conselho de administração, os auditores da empresa ou um promotor de Justiça Federal? Em 2002, o Congresso norte-americano aprovou a Lei Sarbanes-Oxley, que prevê a proteção para denúncias de irregularidades. Se um funcionário denunciar que a empresa violou a lei e for penalizado no futuro, será possível solicitar que a Administração de Segurança e Saúde Ocupacional investigue a situação e, caso seja constatado que esse funcionário foi punido incorretamente, pode-se exigir que a empresa o read­mita e pague uma indenização retroativa considerável. Muitas indenizações altas foram pagas desde a aprovação dessa lei.

1-3a M  aximização do valor intrínseco da ação fundamental e bem-estar social Caso uma empresa tente maximizar o valor intrínseco de suas ações, será bom ou ruim para a sociedade? Normalmente, é bom. Contanto que não seja por meio de atos ilícitos, como fraudes de contabilidade, abuso de poder de monopólio, violação dos códigos de segurança e descumprimento das normas ambientais, as mesmas medidas que maximizam o valor intrínseco das ações também geram benefícios à sociedade. Eis alguns motivos: 1. De modo geral, os proprietários das ações são a sociedade. Há 75 anos, a realidade não era essa, visto que a maior parte das ações estava concentrada nas mãos de um grupo relativamente pequeno da sociedade, composto pelas pessoas mais ricas. Mais de 44% de todas as famílias dos Estados Unidos hoje detêm fundos mútuos, em relação a apenas 4,6% em 1980. Quando a posse direta ou indireta de ações também é considerada por meio de fundos de pensão, muitos membros da sociedade apresentam participação importante no mercado de ações, seja direta ou indiretamente. Portanto, quando um administrador toma medidas para maximizar o preço das ações, ele melhora a qualidade de vida de milhões de cidadãos comuns. 2. Benefícios ao consumidor. A maximização do preço das ações exige empresas eficientes e de baixo custo que produzam mercadorias e serviços de alta qualidade ao menor custo possível. Ou seja, as empresas devem criar produtos e serviços que os consumidores queiram e de que necessitem, o que leva a novas tecnologias e novos produtos. Além disso, as empresas que maximizam o valor de suas ações devem gerar

financeira.indb 9

01/02/2016 14:17:15


10

Parte 1 | Conceitos básicos de finanças corporativas

crescimento em vendas, criando valor aos seus clientes na forma de serviços eficientes e atendimento cordial, estoques adequados de mercadorias e uma boa localização comercial. Às vezes, as pessoas afirmam que as empresas, na tentativa de aumentar os lucros e o preço de suas ações, sobem os preços dos produtos, enganando o público. Em uma economia até certo ponto competitiva como a nossa, os limites são impostos aos preços por conta da concorrência e da resistência dos consumidores. Caso uma empresa aumente seus preços além do nível considerado aceitável, simplesmente perderá sua participação no mercado. Até mesmo gigantes, como a Dell e a Coca-Cola, perderiam espaço no mercado para concorrentes nacionais e estrangeiros se fixassem seus preços acima do nível necessário para cobrir os custos de produção somados a um lucro “normal”. É claro que as empresas querem lucrar mais e sempre tentam reduzir custos, desenvolver novos produtos etc., para que obtenham lucros acima do normal. Contudo, observe que, se elas obtiverem êxito e alcançarem os lucros acima do normal, os lucros atrairão a concorrência, o que levará à redução dos preços. E, mais uma vez, os beneficiados em longo prazo serão os consumidores. 3. Benefícios aos funcionários. Há casos em que o preço das ações aumenta quando a empresa anuncia planos de corte de funcionários, todavia isso é mais uma exceção do que uma regra. Normalmente, as empresas que conseguem aumentar o preço de suas ações também crescem e contratam mais funcionários, beneficiando a sociedade. Observe ainda que muitos governos do mundo todo, inclusive os governos federal e estadual norte-americanos, estão privatizando algumas de suas atividades estatais, vendendo-as aos investidores. Não é de admirar que as vendas e os fluxos de caixa das empresas privatizadas há pouco tempo geralmente melhorem. Além disso, estudos demonstram que essas empresas tendem a crescer e, portanto, necessitam de mais funcionários quando são administradas visando à maximização do valor das ações.

1-3b M  edidas administrativas para maximizar a riqueza dos acionistas Que tipos de medidas os administradores podem tomar a fim de maximizar a riqueza dos acionistas? Para responder a essa pergunta, é necessário perguntar primeiro: “O que determina o valor de uma empresa?”. De modo geral, é a capacidade que uma empresa tem de gerar fluxos de caixa no presente e no futuro. Esse assunto será abordado detalhadamente e de diversas perspectivas no decorrer do livro, mas podemos expor três quesitos básicos: (1) qualquer ativo financeiro, inclusive as ações de uma empresa, possui valor somente enquanto gerar fluxo de caixa; (2) o tempo oportuno dos fluxos de caixa é importante – quanto mais cedo o capital é recebido, melhor; e (3) os investidores não querem correr riscos; portanto, em condições de igualdade, eles pagarão mais por uma ação cujos fluxos de caixa sejam relativamente garantidos do que por uma ação cujos fluxos de caixa ofereçam mais riscos. Graças a esses três fatores, os administradores podem fazer o preço das ações de sua empresa subir com aumento do volume previsto dos fluxos de caixa, aceleração de receitas e redução de riscos. Os fluxos de caixa importantes são denominados fluxos de caixa livres (free cash flows – FCF) não porque são livres, mas porque estão disponíveis (ou livres) para distribuição a todos os investidores da empresa, inclusive credores e acionistas. Você aprenderá como calcular os fluxos de caixa livres no Capítulo 2. Mas, por enquanto, você deve saber que o fluxo de caixa livre é FCL =

Receitas – Custos – Impostos de vendas operacionais operacionais

Novos investimentos – necessários em capital operacional

Os gerentes de marcas e de marketing podem aumentar as vendas (e os preços) compreendendo realmente as necessidades de seus clientes e oferecendo as mercadorias e os serviços que eles desejam. Os gerentes de recursos humanos podem melhorar a produtividade por meio de treinamentos e retenção dos funcionários. Já os gerentes de produção e logística podem melhorar as margens de lucro, reduzir o estoque e melhorar a produção nas fábricas por meio da implementação da gestão da cadeia de fornecimento, gestão do estoque dentro do prazo e produção enxuta. Na verdade, todos os gerentes e administradores tomam decisões que podem aumentar os fluxos de caixa livres. Uma das funções dos gerentes financeiros é ajudar os outros a perceber como as ações destes afetam a capacidade que a empresa possui de gerar fluxos de caixa e, portanto, seu valor intrínseco. Os gerentes financeiros também precisam decidir como administrar as finanças da empresa. Para ser mais exato, devem escolher que relação de dívida e capital será utilizada e quais tipos específicos de títulos de capital e dívida serão emitidos. Também devem decidir que porcentagem dos lucros atuais será retida e reinvestida em vez de ser distribuída na forma de dividendos. Além dessas decisões financeiras, o nível geral das taxas de juros da economia, o risco

financeira.indb 10

01/02/2016 14:17:15


Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro | Capítulo 1

11

Escândalos corporativos e a maximização dos preços das ações A lista de escândalos corporativos parece não ter fim: Sunbeam, Enron, ImClone, WorldCom, Tyco, Adelphia... À primeira vista, dá vontade de dizer: “Veja só o que acontece quando os administradores se importam apenas com a maximização do preço das ações”. Porém, analisando mais detalhadamente, a história muda de figura. Na verdade, se esses administradores estavam tentando maximizar o preço das ações, o resultado foi deplorável, considerando os valores que essas empresas apresentaram. Embora os detalhes variem entre as empresas, há alguns elementos em comum. Primeiro, a remuneração da administração estava vinculada ao desempenho em curto prazo do preço das ações por meio de programas mal projetados de opção de compra de ações e concessão de ações. Isso foi um grande incentivo para que os administradores elevassem o preço das ações no dia em que seria concedida a opção de compra delas sem se preocupar com o futuro. Segundo, é praticamente impossível tomar medidas legais e éticas que elevem o preço das ações no curto prazo sem prejudicá-lo no longo prazo, pois o valor da empresa tem como base todos os fluxos de caixa livres futuros, e não somente fluxos de caixa no futuro muito próximo. Uma vez que não existiam medidas éticas para elevar rapida-

mente o preço das ações (além daquelas que todos conhecem, como aumentar vendas, cortar custos ou reduzir exigências de capital), esses administradores começaram a se desviar de algumas regras. Terceiro, como eles conseguiram se desviar das regras, parece que o ego e a insolência cresceram a tal ponto que eles se sentiam acima de todas as regras. A partir daí, começaram a violar ainda mais regras. Realmente os preços das ações subiram – pelo menos temporariamente – mas, como disse Abraham Lincoln: “Não se pode enganar a todos o tempo todo”. Quando os escândalos foram descobertos e divulgados, os preços das ações despencaram e, em alguns casos, as empresas ficaram arruinadas. Podemos tirar muitas lições importantes desses exemplos. Primeira: as pessoas respondem aos incentivos, mas, se eles forem mal projetados, os resultados podem ser desastrosos. Segunda: as violações de ética normalmente começam com pequenos delitos; portanto, se os acionistas desejam que os administradores não cometam violações graves de ética, não se deve deixar que os pequenos delitos ocorram. Terceira: não há atalhos para a criação de valor duradouro. É preciso trabalho árduo para aumentar as vendas, cortar custos e reduzir exigências de capital, mas essa é a fórmula para o sucesso.

das atividades da empresa e as atitudes dos investidores do mercado acionário quanto aos riscos determinam a taxa de retorno necessária para satisfazer os investidores de sua empresa. Do ponto de vista do investidor, essa taxa de retorno é o que a empresa considera um custo. Portanto, a taxa de retorno exigida pelos investidores chama-se custo médio ponderado de capital (CMPC), em inglês, weighted average cost of capital (WACC). A relação entre o valor fundamental de uma empresa, seus fluxos de caixa livres e o custo de seu capital é definida pela seguinte equação:

Valor =

FCL1 (1 + CMPC)1

+

FCL2

+

FCL3

(1 + CMPC)2 (1 + CMPC)3

+...+

FCL∞ (1 + CMPC)∞

(1-1)

Explicaremos o uso dessa equação nos próximos capítulos, mas, por enquanto, observe que (1) uma empresa em crescimento muitas vezes precisa levantar recursos externos nos mercados financeiros; e (2) o preço efetivo das ações de uma empresa é determinado nesses mercados. Portanto, o resto deste capítulo abordará os mercados financeiros.

Autoavaliação 1. 2. 3. 4.

financeira.indb 11

Qual deve ser o principal objetivo da administração? Como a maximização do preço das ações fundamentais pode beneficiar a sociedade? Quais são os três fatores de que o fluxo de caixa livre depende? Como o valor fundamental de uma empresa está relacionado aos seus fluxos de caixa livres e ao custo de capital?

01/02/2016 14:17:15


12

Parte 1 | Conceitos básicos de finanças corporativas

1-4 Visão geral do processo de alocação de capital Muitas vezes, as empresas necessitam de capital para implementar planos de crescimento, os governos precisam de fundos para financiar projetos de construções, e as pessoas normalmente fazem empréstimos para comprar carros, casas ou financiar a educação. E onde eles podem conseguir esse dinheiro? Felizmente, há pessoas e empresas cujas rendas são maiores que os gastos. Ao contrário do que aconselhou William Shakespeare, a maioria das pessoas e empresas é financiador e mutuário ao mesmo tempo. Por exemplo, uma pessoa pode financiar um carro ou uma casa própria, mas também pode emprestar dinheiro por meio de sua conta poupança. Em geral, as pessoas físicas são credoras líquidas e fornecem a maioria dos recursos que acaba sendo utilizada por sociedades anônimas não financeiras. Embora a maioria das sociedades anônimas não financeiras possua alguns títulos financeiros, como Letras do Tesouro Nacional, elas geralmente são credoras líquidas. Não é de admirar que, nos Estados Unidos, normalmente os governos federal, estadual e municipal também sejam devedores líquidos (apesar de muitos governos estrangeiros, como dos chineses e dos países produtores de petróleo, na verdade serem credores líquidos). Os bancos e outras sociedades anônimas financeiras levantam recursos com uma mão e os investem com a outra. Por exemplo, um banco pode levantar recursos da conta poupança de uma pessoa física e, em seguida, emprestar essa quantia às empresas. Em linhas gerais, as sociedades anônimas financeiras mais tomam emprestado do que emprestam. As transferências de capital entre os poupadores e os que necessitam dele ocorrem de três maneiras diferentes. As transferências diretas de dinheiro e títulos, conforme ilustrado no Esquema 1 da Figura 1-1, ocorrem quando uma empresa (ou governo) vende seus títulos diretamente aos poupadores. A empresa distribui seus títulos diretamente aos poupadores, que, por sua vez, oferecem à empresa o dinheiro de que ela precisa. Por exemplo, uma sociedade de capital fechado poderia vender ações diretamente a um acionista ou o governo norte-americano poderia vender um título do Tesouro diretamente a um investidor que seja pessoa física. Conforme o Esquema 2, as transferências indiretas podem passar por um banco de investimentos como o Goldman Sachs, que coordena a emissão. Um coordenador funciona como intermediário e facilita a emissão de títulos. A empresa vende suas ações ou títulos ao banco de investimentos, que, por sua vez, os vende aos poupadores. Visto que há novos títulos envolvidos e a sociedade anônima recebe os lucros da venda, essa é uma transação de mercado “primário”. Também é possível realizar as transferências por meio de um intermediário financeiro, como um banco ou fundo mútuo, conforme o Esquema 3. Aqui, o intermediário obtém recursos de poupadores em troca de seus próprios títulos. Em seguida, o intermediário utiliza esse dinheiro para comprar e deter os títulos das empresas. Por exemplo, um poupador pode pagar uma quantia a um banco e receber um certificado de depósito bancário. FIGURA 1-1 Diagrama do processo de alocação de capital 1. Transferências diretas Títulos de empresa Empresa

Poupadores

$

2. Transferências indiretas por meio de bancos de investimentos Títulos da empresa Empresa

Empresa

$

Títulos da empresa Bancos de investimentos

$

Poupadores

3. Transferências indiretas por meio de um intermediário financeiro Títulos da Títulos da empresa empresa Intermediário Poupadores $ $ financeiro

© Cengage Learning 2014

financeira.indb 12

01/02/2016 14:17:16


Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro | Capítulo 1

13

Depois disso, o banco pode emprestar esse capital a uma pequena empresa, recebendo um empréstimo assinado em troca. Portanto, os intermediários literalmente criam novos tipos de títulos. Há três características importantes do processo de alocação de capital. Primeira, são criados novos títulos financeiros. Segunda, normalmente há instituições financeiras envolvidas. E terceira, a alocação entre quem oferece e quem utiliza os recursos ocorre nos mercados financeiros. As seções a seguir abordam cada uma dessas características.

Autoavaliação 1. Identifique três maneiras pelas quais o capital é transferido entre os poupadores e os tomadores de empréstimo. 2. Diferencie os papéis desempenhados pelos bancos de investimentos e intermediários financeiros.

1-5 Títulos financeiros A variedade de títulos financeiros limita-se somente à criatividade e à perspicácia humana, além dos regulamentos governamentais. Em linhas bem gerais, podemos classificar a maioria dos títulos financeiros pelo tipo e pelo tempo restante até seu vencimento. Além disso, alguns títulos são, na verdade, criados com pacotes de outros títulos. Os principais aspectos dos títulos financeiros serão abordados nesta seção.

1-5a Tipos: título de dívida, de capital ou derivativos Os títulos financeiros são simplesmente papéis com disposições contratuais que conferem direitos e créditos especiais aos seus portadores em relação a fluxos de caixa ou valores específicos. Os títulos de dívida normalmente possuem pagamentos e vencimento especificados. Por exemplo, um título da Alcoa pode prometer o pagamento de 10% de juros pelo período de 30 dias, quando ela promete efetuar o pagamento do principal, no valor de $ 1.000. Caso a dívida vença em mais de um ano, é denominada título de longo prazo. Logo, o título da Alcoa é um exemplo de título de longo prazo. Caso a dívida vença em menos de um ano, é denominada título de curto prazo. Por exemplo, é possível que a Home Depot receba $ 300.000 dentro de 75 dias, mas ela precisa de caixa agora. A empresa poderá emitir uma nota promissória, que basicamente é um vale. Nesse exemplo, a Home Depot poderia concordar em pagar $ 300.000 dentro de 75 dias em troca da quantia de $ 297.000 hoje. Portanto, a nota promissória é um título de curto prazo. Ações são um resgate do valor residual. Por exemplo, os acionistas têm direito aos fluxos de caixa gerados pela Alcoa após a satisfação dos créditos de seus debenturistas e outros credores. Como as ações não possuem data de vencimento, elas são um título de longo prazo. Observe que os títulos de dívida e as ações representam resgates dos fluxos de caixa gerados por ativos reais, como os fluxos de caixa gerados pelas fábricas e operações da Alcoa. Por sua vez, os derivativos são títulos cujos valores dependem ou derivam dos valores de outros ativos negociados. Por exemplo, futuros e opções são dois importantes tipos de derivativos e seus valores dependem dos preços de outros ativos. Uma opção de compra das ações da Alcoa ou um contrato de futuros para compra de toucinho são exemplos de derivativos. As opções serão abordadas no Capítulo 8. Alguns títulos são uma combinação de dívida, ações e derivativos. Por exemplo, as ações preferenciais possuem algumas características semelhantes aos títulos de dívida, e outras, aos de ações. Já o título de dívida conversível possui características de dívida e de opções ao mesmo tempo. Abordaremos com mais detalhes esses e outros títulos financeiros no decorrer do livro, mas a Tabela 1-1 possui um resumo dos títulos financeiros tradicionais mais importantes. Adiante neste capítulo, trataremos das taxas de retornos, mas observe que, na Tabela 1-1, as taxas de juros tendem a aumentar com o vencimento e o risco do título.

financeira.indb 13

01/02/2016 14:17:16


14

Parte 1 | Conceitos básicos de finanças corporativas

TABELA 1-1

Resumo dos principais títulos financeiros Título

Principais participantes

Risco

Aceite bancário das Letras do Tesouro Nacional dos Estados Unidos

Vendidas pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos.

Aceites bancários

Baixo, se for garantida Uma promessa de pagamento feita por uma empresa, com garantia dada por um banco sólido. por um banco.

Nota promissória

Emitida por empresas com solidez financeira para grandes investidores.

Certificados de Depósito Emitidos pelos principais bancos a Bancário (CDB) negociáveis grandes investidores.

Sem risco de inadimplência.

Baixo risco de inadimplência.

Depende da reputação do emissor.

Vencimento original

Taxas de retorno em 24/1/2012a

De 91 dias a 1 ano

0,7%

Até 180 dias

0,28%

Até 270 dias

0,15%

Até 1 ano

0,37%

Não há vencimento específico (liquidez imediata)

0,51%

Até 1 ano

0,20%

Variável

Variável

Até 7 anos

Vinculados à taxa de juros básica (3,25%) ou à Libor (0,56%)b

De 2 a 30 anos

3,15%

Fundos mútuos do mercado monetário

Investimentos em dívidas de curto Baixo risco. prazo por pessoas físicas e jurídicas.

Depósitos a prazo em eurodólar

Emitidos por bancos fora dos Estados Unidos.

Crédito pessoal

Risco variável. Empréstimos feitos por bancos/ cooperativas de crédito/financeiras.

Empréstimos comerciais

Empréstimos feitos por bancos a empresas.

Depende do tomador do empréstimo.

Títulos e obrigações do Tesouro dos Estados Unidos

Emitidos pelo governo dos Estados Unidos.

Sem risco de inadimplência, mas o preço cairá se as taxas de juros subirem.

Hipoteca

Empréstimos garantidos por um bem imóvel.

Risco variável.

Até 30 anos

4,11%

Títulos municipais

Emitidos pelos governos estaduais e municipais a pessoas físicas e instituições.

Risco maior do que os títulos públicos dos Estados Unidos, mas são isentos da maioria dos impostos.

Até 30 anos

4,08%

Títulos corporativos

Emitidos pelas sociedades anônimas a pessoas físicas e instituições.

Risco mais alto que os títulos públicos dos Estados Unidos; dependem da reputação do emissor.

Até 40 anosc

5,33%

Arrendamentos

Semelhante à dívida. As empresas arrendam os ativos, em vez de tomarem emprestado, e depois os compram.

Risco semelhante ao dos títulos corporativos.

Normalmente de 3 a 20 anos

Semelhante à rentabilidade dos títulos

Ações preferenciais

Emitidas pelas sociedades anônimas a pessoas físicas e instituições.

Risco mais alto do que os títulos.

Ilimitado

De 6% a 9%

Ações ordináriasd

Emitidas pelas sociedades anônimas Risco mais alto do que as ações a pessoas físicas e instituições. preferenciais.

Ilimitado

De 9% a 15%

Depende da reputação do emissor.

Dados extraídos do The Wall Street Journal (http://online.wsj.com) ou da Federal Reserve Statistical Release (http://www.federalreserve.gov/releases/H15/ update). Em relação aos aceites bancários, considera-se um vencimento de três meses. As taxas do mercado monetário são para o Merrill Lynch Ready Assets Trust. A taxa dos títulos corporativos é para títulos com classificação AAA. b Os bancos norte-americanos aplicam a taxa preferencial aos seus melhores clientes. A Libor (London interbank offered rate [taxa interbancária de Londres]) é a taxa oferecida entre os bancos britânicos. c Algumas sociedades anônimas emitiram títulos de 100 anos, porém a maioria emitiu títulos com vencimento máximo de 40 anos. d Espera-se que as ações ordinárias proporcionem um “retorno” na forma de dividendos e ganhos de capital, em vez de juros. Obviamente, se você comprar uma ação, seu retorno real poderá ser consideravelmente maior ou menor do que o retorno esperado. a

© Cengage Learning 2014

financeira.indb 14

01/02/2016 14:17:16


Visão geral de administração financeira e ambiente financeiro | Capítulo 1

15

Alguns títulos são criados com pacotes de outros títulos, um processo chamado de securitização. O mau uso dos ativos securitizados é uma das principais causas da crise econômica mundial; assim, abordaremos a securitização a seguir.

1-5b O processo de securitização É possível securitizar diversos tipos de ativos, mas daremos ênfase aos financiamentos habitacionais, pois eles desempenharam um papel crucial na crise econômica. No passado, a maioria das hipotecas era feita por associações de poupança e empréstimo (savings and loan associations – S&Ls), que recebiam a grande maioria dos depósitos de pessoas que moravam numa região. As S&Ls acumulavam esses depósitos e emprestavam dinheiro às pessoas da região na forma de financiamentos com taxas fixas, que eram papéis assinados pelos tomadores do empréstimo em que prometiam efetuar os pagamentos especificados à S&L. Os novos proprietários pagavam o principal e os juros à S&L, que, por sua vez, pagava juros aos seus depositantes e reinvestia as amortizações do principal em novos financiamentos. Isso era claramente melhor do que uma pessoa física fazendo empréstimos diretamente a quem desejava ter a casa própria, pois uma pessoa só talvez não tivesse capital suficiente para financiar uma casa inteira nem experiência para saber se o tomador era digno de crédito. Observe que as S&Ls eram instituições constituídas pelo governo, recebiam dinheiro na forma de depósitos que podiam ser sacados imediatamente e investiam a maior parte desses depósitos em financiamentos com taxas de juros fixas e em casas. Além disso, não era permitido que as S&Ls possuíssem filiais – ficavam limitadas a um escritório para manter a atuação local. Essas restrições tiveram consequências importantes. Primeiro, na década de 1950, houve uma grande migração de pessoas para o oeste; então, havia uma grande demanda de recursos naquela região. Porém, os poupadores mais ricos estavam na região leste. Isso significa que as taxas de juros dos empréstimos hipotecários eram muito mais altas na Califórnia e em outros Estados do oeste do que em Nova York e na região leste. Isso criou um desequilíbrio, algo que não pode existir para sempre nos mercados financeiros. Segundo, observe que os ativos das S&Ls eram compostos basicamente por empréstimos hipotecários de longo prazo e com taxas fixas, mas seus passivos eram na forma de depósitos que poderiam ser sacados imediatamente. A combinação de ativo realizável em longo prazo e passivo circulante gerou outro problema. Se o nível geral das taxas de juros aumentasse, as S&Ls também precisariam aumentar as taxas que pagavam sobre os depósitos; caso contrário, os poupadores procurariam outro lugar para depositar seu dinheiro. Entretanto, as S&Ls não tinham meios de aumentar as taxas sobre as hipotecas em aberto, uma vez que estas tinham taxas de juros fixas. O problema culminou na década de 1960, quando a Guerra do Vietnã causou a inflação, elevando as taxas de juros. Nessa época, nascia o setor de “fundos do mercado monetário”, que literalmente tirou todo o dinheiro das S&Ls, levando muitas delas à falência. A resposta do governo foi dar poderes de empréstimo mais amplos às S&Ls, permitindo franquias por todo o país e que elas obtivessem recursos como dívidas de longo prazo, além dos depósitos de resgate imediato. Infelizmente, essas mudanças trouxeram mais consequências inesperadas. Os administradores das S&Ls antes lidavam com uma pequena parcela de investimentos e escolhas de financiamento nas comunidades locais. De repente, foi permitido que suas atividades tivessem proporções bem mais amplas. Muitos desses administradores inexperientes tomaram decisões comerciais equivocadas, e o resultado foi desastroso – o setor inteiro de S&L praticamente ruiu, inúmeras associações foram à falência ou acabaram sendo adquiridas por bancos comerciais em incorporações relâmpago. O fim das S&Ls criou outro desequilíbrio financeiro: uma demanda para financiamentos maior do que a oferta de crédito disponível do setor. As economias começaram a se acumular em fundos de pensão, seguradoras e outras instituições, e não em S&Ls e bancos, que eram os agentes financiadores tradicionais. Essa situação levou ao desenvolvimento da “securitização de empréstimos hipotecários”, um processo em que os bancos, as S&Ls que restaram e novas empresas especializadas em hipotecas iriam criar hipotecas e vendê-las aos bancos de investimentos, que as agrupariam em pacotes e então utilizariam esses pacotes como garantia para os títulos que poderiam ser vendidos a fundos de pensão, seguradoras e outros investidores institucionais. Assim, os empréstimos individuais eram agrupados em pacotes e utilizados para garantir um título – “valor mobiliário” – que pudesse ser negociado nos mercados financeiros. O Congresso norte-americano facilitou esse processo ao criar duas entidades de capital aberto, mas patrocinadas pelo governo: a Federal National Mortgage Association (Fannie Mae) e a Federal Home Loan Mortgage Corporation (Freddie Mac). Fannie Mae e Freddie Mac foram financiadas com a emissão de uma quantidade relativamente pequena de ações e uma quantia enorme de dívidas. Para ilustrar o processo de securitização, imagine que a S&L ou o banco esteja pagando 5% aos seus depositantes, mas cobrando 8% sobre os empréstimos de seus devedores. A S&L pode pegar centenas desses

financeira.indb 15

01/02/2016 14:17:16


16

Parte 1 | Conceitos básicos de finanças corporativas

empréstimos hipotecários, colocá-los em um fundo e vender esse fundo à Fannie Mae. Os credores ainda podem realizar os pagamentos à S&L original, que, por sua vez, encaminha os pagamentos (após descontar uma pequena taxa de administração) à Fannie Mae. Considere o ponto de vista da S&L. Ela pode utilizar o dinheiro que recebe das vendas das hipotecas para fazer empréstimos adicionais a outros que desejam ter uma casa própria. Além disso, a S&L não ficará mais exposta ao risco de possuir hipotecas. O risco não desapareceu – apenas foi transferido da S&L (e de suas seguradoras de depósito federal) à Fannie Mae. Essa é nitidamente uma situação melhor para quem deseja adquirir uma casa própria e talvez até mesmo para os contribuintes. A Fannie Mae pode pegar as hipotecas que acabou de comprar, colocá-las em um grande fundo e vender títulos garantidos por esse fundo aos investidores. O proprietário da casa pagará à S&L, esta encaminhará o pagamento à Fannie Mae, que utilizará os fundos para pagar juros sobre os títulos emitidos, dividendos sobre suas ações, além de comprar hipotecas adicionais das S&Ls, que então poderão fazer mais empréstimos a pessoas que desejam ter sua casa própria. Observe que o risco das hipotecas foi transferido da Fannie Mae para os investidores, que agora possuem títulos garantidos por hipotecas. Qual é a situação do ponto de vista dos investidores que detêm os títulos? Em teoria, eles têm participação em um grande fundo de hipotecas oriundas do país inteiro; logo, um problema no mercado imobiliário ou no mercado de trabalho de uma região específica não vai afetar o fundo todo. Portanto, a taxa de retorno esperado deve estar bem próxima dos 8% pagos pelos credores hipotecários. (Será um pouco menos por causa das taxas de administração cobradas pela S&L e Fannie Mae e da pequena quantia de prejuízos previstos, decorrentes da inadimplência por parte dos proprietários.) Esses investidores depositariam o dinheiro na S&L e lucrariam 5% praticamente sem riscos. Em vez disso, eles preferiram aceitar mais riscos com a esperança de ter um retorno maior de 8%. Observe que os títulos garantidos por hipotecas são mais líquidos que os empréstimos individuais garantidos; assim, o processo de securitização aumenta a liquidez, o que é interessante. O ponto principal é que os riscos foram reduzidos pelo processo de fundos e alocados àqueles que desejam aceitá-los em troca de uma maior taxa de retorno. Assim, trata-se, teoricamente, de uma situação que beneficia todos: há mais dinheiro disponível para quem deseja ter sua casa própria, as S&Ls (e os contribuintes) têm menos risco e há oportunidades para os investidores que desejam assumir mais riscos para obter possíveis retornos mais altos. Embora o processo de securitização tenha começado com os empréstimos hipotecários, agora ele é utilizado com financiamentos de carros, financiamentos a estudantes, dívidas de cartão de crédito, entre outros. Os detalhes variam para os diferentes tipos de ativos, mas os processos e os benefícios são semelhantes aos da securitização de empréstimos hipotecários: (1) aumento na oferta de recursos que podem ser emprestados, (2) transferência do risco àqueles que desejam assumi-lo e (3) aumento da liquidez para os detentores da dívida. A securitização de empréstimos hipotecários era uma situação com benefícios para todos, contudo virou uma situação com prejuízos para todos quando foi colocada em prática nos últimos dez anos. Abordaremos com mais detalhes a securitização e a crise econômica mundial ainda neste capítulo, mas antes vamos analisar o custo do dinheiro.

1-6 O custo do dinheiro Em uma economia livre, o capital das pessoas que possuem fundos disponíveis é alocado pelo sistema de preços aos usuários que necessitam de fundos. A interação entre a oferta dos fornecedores e a demanda dos usuários determina o custo (ou preço) do dinheiro, que é a taxa que os usuários pagam aos fornecedores. Em se tratando de dívidas, esse preço é denominado taxa de juros. Quanto ao capital, é chamado de custo do capital próprio e é composto pelos dividendos e ganhos de capital esperados pelos acionistas. Tenha em mente que o “preço” do dinheiro é um custo do ponto de vista do usuário, mas um retorno do ponto de vista do fornecedor. Observe que, na Tabela 1-1, a taxa de retorno de um instrumento financeiro normalmente aumenta de forma proporcional ao seu vencimento e ao seu risco. Há muito mais a ser dito sobre as relações entre características, riscos e retorno dos títulos no decorrer do livro, mas há alguns fatores e condições econômicos que afetam todos os instrumentos financeiros.

1-6a Fatores básicos que afetam o custo do dinheiro Os quatro fatores básicos que afetam o custo do dinheiro são: (1) oportunidades de produção, (2) preferências de tempo para consumo, (3) risco e (4) inflação. Por oportunidades de produção, entende-se a capacidade de transformar capital em benefícios. Se uma empresa levantar capital, os benefícios serão determinados pelas taxas de retorno esperado sobre suas oportunidades de produção. Caso um estudante faça um

financeira.indb 16

01/02/2016 14:17:16


Teoria e prática Tradução da 14ª_ edição norte-americana

O objetivo desta obra clássica é fazer que os estudantes e administradores entendam o papel das finanças na economia global, em sua empresa e em sua vida. O texto traz um aprofundado estudo para mostrar as aplicações na vida real, começando com conceitos básicos, incluindo informações sobre o ambiente econômico e financeiro, demonstrações financeiras (com ênfase em fluxos de caixa), valor temporal do dinheiro, avaliação de títulos, análise de riscos e avaliação de ações. Nesta edição, bem como nas anteriores, houve revisão e atualização de todo o conteúdo, além de terem sido incluídos novos exemplos e abordagem das mudanças recentes no ambiente financeiro e na teoria financeira. Considerando a importância vital deste tema para a saúde econômica das empresas, da nação e do mundo, Administração financeira: teoria e prática ajuda os leitores a entender e a resolver os problemas enfrentados pelas empresas atualmente, em especial os advindos da crise econômica mundial. Aplicações: Livro-texto para os cursos de Administração, Economia e Contabilidade. Pode ser utilizado, também, em cursos introdutórios de MBA em finanças. Trata-se de uma obra muito útil para investidores, executivos e gestores financeiros.

ISBN 13 978-85-221-2391-9 ISBN 10 85-221-2391-8

Para suas soluções de curso e aprendizado, visite www.cengage.com.br

AdministracaoFinanceira.indd 1

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Eugene F. Brigham Michael C. Ehrhardt

Eugene F. Brigham Michael C. Ehrhardt

Eugene F. Brigham Michael C. Ehrhardt

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Teoria e prática Tradução da 14ª edição norte-americana _

OUTRAS OBRAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE EMPRESAS MULTINACIONAIS: ABORDAGEM INTRODUTÓRIA Clóvis Luís Padoveze INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 2a edição Clóvis Luís Padoveze FINANÇAS PARA EXECUTIVOS: GESTÃO PARA A CRIAÇÃO DE VALOR Tradução da 3a edição norte-americana Gabriel Hawawini e Claude Viallet FINANÇAS E MERCADOS DE CAPITAIS- MERCADOS FRACTAIS: A NOVA FRONTEIRA DAS FINANÇAS Carlos José Guimarães Cova (org.)

9 788522 123919

1/26/16 3:55 PM

Profile for Cengage Brasil

Administração Financeira - tradução da 14a ed. norte-americana  

O objetivo desta obra clássica é fazer que os estudantes e administradores entendam o papel das finanças na economia global, em sua empresa...

Administração Financeira - tradução da 14a ed. norte-americana  

O objetivo desta obra clássica é fazer que os estudantes e administradores entendam o papel das finanças na economia global, em sua empresa...

Advertisement