Page 1

ÓLEOS ESSENCIAIS Terapias de saúde e beleza

Fernando Amaral

Fernando Amaral é formado em Osmologia pelo Center für Ganzheitliches Heilen CGH, na Suíça. Especialista em plantas aromáticas e em óleos essenciais, fundou e administra a Fazenda das Lavandas em Monte Verde – MG, especializada no cultivo e extração de óleos essenciais. CEO da World’s Natural Fragrances, atua como professor e palestrante em cursos de graduação e pós-graduação sobre o tema óleo essencial.

A obra está distribuída em capítulos que abordam questões como: O que é óleo essencial?, As bases do uso de óleos essenciais em técnica de aromaterapia, Óleos vegetais, Técnicas de aplicação, Protocolos de saúde e beleza com óleos essenciais, além de Indicações terapêuticas. Aplicações – Livro texto para os cursos Aromaterapia e Aplicação de óleos essenciais, nas disciplinas Química, Botânica e Fármacia. Leitura complementar para os cursos de graduação em Farmácia, Química, Biologia; e de pós-graduação em Cosmetologia, Fitocosmetologia, Fitoterapia, Terapias de Beleza, Visagismo, Estética, Spaterapia, Balneoterapia, Podologia, Fisioterapia, Terapias Holísticas nas disciplinas Química Orgânica, Farmacologia, Farmacognosia, Cosmetologia, entre outras.

TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

O universo dos óleos essenciais é maravilhoso e sábio. Desde 1995, agora com mais de 20 anos de experiência, Fernando Amaral pretende desvendar esse universo para todos os profissionais ligados às áreas de saúde e beleza e em técnicas que promovam a qualidade de vida e a saúde da pessoa, de sua pele, dos cabelos aos pés, em uma filosofia de vida para a manutenção do corpo saudável.

Fernando Amaral

TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE

TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE

ÓLEOS ESSENCIAIS

Terapias de saúde e beleza

Fernando Amaral

OUTRAS OBRAS DICIONÁRIO DE INGREDIENTES DE PRODUTOS PARA CUIDADOS COM O CABELO John Halal FISIOLOGIA DAS PLANTAS Tradução da 4ª edição norte-americana Frank B. Salisbury e Cleon W. Ross CURSO BÁSICO DE MASSAGEM – Um guia para técnicas de massagem sueca, shiatsu e reflexologia Milady® - Mark F. Beck, Shelley Hess e Erica Miller TRICOLOGIA E A QUÍMICA COSMÉTICA CAPILAR Tradução da 5ª edição norte-americana John Halal FUNDAMENTOS DE ESTÉTICA 2: Ciências gerais Tradução da 10ª edição norte-americana Milady’s

ISBN 13 978-85-221-2214-1 ISBN 10 85-221-2214-8

Para suas soluções de curso e aprendizado, visite www.cengage.com.br

Tecnicas_aplicacao_oleos_essenciais.indd 1

9 788522 122141 24/03/2015 14:27:45


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS Terapias de saúde e beleza

Fernando Amaral

Austrália • Brasil • Japão • Coreia • México • Cingapura • Espanha • Reino Unido • Estados Unidos

R3_OleosEssenciais.indd 3

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução

AGRADECIMENTOS

Às diversas entidades de ensino que confiaram em meu trabalho, por me permiti‑ rem transmitir meus conhecimentos em suas escolas, pois isso me proporcionou cada vez mais conhecimento e prática. Aos professores, coordenadores e profissionais independentes que tiveram contato comigo e, de alguma forma, fazem parte deste livro, pois suas dúvidas e experiências aju‑ daram a compor o conhecimento que ele encerra. À equipe Técnica WNF — Samanta K. Alves, Maira Jardim, Luciano Gentil, Cristiane Pagliuchi Silveira —, por assumirem as minhas funções durante os momentos de pesquisa e ausência para a conclusão deste livro. Ao pessoal da administração, da produção, do comercial e da logística da WNF, pelo empenho e fidelidade! À equipe Fazenda das Lavandas, pela força e empenho demonstrados sob sol e chuva — vocês são demais! À equipe Symrise, pelos trabalhos cromatográficos que desenvolvemos em parceria nos últimos anos. A Hans und Marlen Hürlimann, Silvio und Krista Frigoli, Peter Richard — vielen dank! A Cristiane, Iara, Louise e Victória, minha família, pela compreensão e paciência du‑ rante o longo período de trabalho com este livro, pelo carinho, pelo interesse e pela partici‑ pação de vocês em minha vida. A todos os meus demais familiares.

R3_OleosEssenciais.indd 5

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução Agradeço especialmente ao sr. Antônio Florêncio Teixeira, pela transmissão dos profun‑ dos conhecimentos sobre o ser humano e sobre alimentação e saúde, e dedico eterna grati‑ dão ao mestre Abdruschin, pelos ensinamentos contidos em sua obra Na Luz da Verdade, os quais esclarecem sem lacunas a existência e a finalidade do ser humano na Criação. Por fim, agradeço a Deus, por minha existência e pela permissão para trabalhar em Sua natureza! A profunda gratidão que sinto por tudo e por todos é o sentimento que preenche o meu vazio. Viva a vida! Nada supera a natureza!

R3_OleosEssenciais.indd 6

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução

SUMÁRIO

Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . IX Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XIII

CAPÍTULO 1 • O QUE É ÓLEO ESSENCIAL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O que é um princípio ativo natural? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quais os principais princípios ativos naturais? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Óleos essenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Diferença entre os óleos essenciais e essências sintéticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A importância do nome científico da planta para a aplicação correta de óleos essenciais. A natureza funcional dos óleos essenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cuidados ao adquirir óleos essenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pontos de interesse. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

.1 .2 .3 .3 19 21 22 26 35

CAPÍTULO 2 • AROMATERAPIA: ORIGENS E TÉCNICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A origem da aromaterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Óleos essenciais na História. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A descoberta do perfume é a descoberta do óleo essencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . A aromaterapia e o uso dos óleos essenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estudos e pesquisas sobre os óleos essenciais e sua ligação com a aromaterapia Osmologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aromacologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O olfato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

37 37 39 43 45 48 49 51 52

R3_OleosEssenciais.indd 7

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

. . . . . . . . .

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução Como produzimos os odores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 Pontos de interesse. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

CAPÍTULO 3 ­• ÓLEOS VEGETAIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Principais diferenças entre óleos vegetais e óleos essenciais.. Composição dos óleos vegetais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como escolher o óleo vegetal correto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Argilas e águas termais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Argilas.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pontos de interesse. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

. . . . . .

62 63 67 83 84 92

CAPÍTULO 4 ­• CONHECENDO OS ÓLEOS ESSENCIAIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Os principais óleos essenciais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 Seleção de óleos essenciais — portfólio de terapias de saúde e beleza. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 CAPÍTULO 5 ­• TÉCNICAS DE APLICAÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O conceito da aromaterapia.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A escolha da técnica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As principais técnicas da aplicação de óleos essenciais. . Massagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Banhos de imersão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fricção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Compressas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Escalda­‑pés.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Inalação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sauna. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Máscaras de argila corporais e faciais.. . . . . . . . . . . . . . . Óleos essenciais em aparelhos de estética. . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . .

151 152 154 155 162 170 177 179 182 183 183 184 186

CAPÍTULO 6 ­• PROTOCOLOS DE SAÚDE E BELEZA COM ÓLEOS ESSENCIAIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193 O protocolo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193 Protocolos de aplicação da cabeça aos pés. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198 Palavras finais.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229 Bibliografia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231

R3_OleosEssenciais.indd 8

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução

PREFÁCIO

Caro leitor, é com grande satisfação que recebo seu interesse sobre óleos essenciais. O objetivo deste livro é esclarecer as principais dúvidas sobre o tema e alinhar o co‑ nhecimento técnico às boas práticas de aplicação profissional, ensinando, de forma sim‑ ples, terapias e tratamentos 100% naturais — é nesses aspectos que os óleos essenciais se encaixam perfeitamente! Atualmente, os óleos essenciais são amplamente utilizados em diversas práticas pro‑ fissionais. A diversidade nas áreas de atuação e sua eficácia inquestionável levaram vários setores da saúde e beleza a desenvolver esse novo nicho de mercado: aquele formado por consumidores que buscam por produtos com menos substâncias químicas e que sejam menos agressivos ao ambiente, além de ser eficazes e de trazer benefícios de forma rápida e prazerosa. A fim de atender a essa demanda de consumo e ao crescente interesse sobre esse rico assunto, os óleos essenciais, hoje, estão presentes em praticamente todos os segmentos li‑ gados a terapias de saúde e beleza, não só por serem produtos naturais, ecologicamente simpáticos, mas também por sua eficácia inquestionável. Cabeleireiros e visagistas se iniciam na utilização de óleos essenciais em técnicas para a saúde dos cabelos, do couro cabeludo e das hastes do cabelo. Profissionais de estética avançam rumo à integração do uso de óleos essenciais na ele‑ troestética, em drenagens linfáticas, vapor de ozônio, peelings, ultrassom e endermoterapia. Massoterapeutas utilizam o produto em seus tratamentos no combate ao estresse, contra dores, e na busca do equilíbrio.

R3_OleosEssenciais.indd 9

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

Psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas holísticos, médicos, farmacêuticos, naturólo‑ gos, podólogos, enfim, dezenas de profissões, das mais tradicionais às mais modernas, buscam nos óleos essenciais mais uma ferramenta de trabalho. Com o crescimento das profissões e a divulgação de estudos com suas respectivas publi‑ cações científicas nas áreas de saúde e beleza, aliado à facilidade na aquisição dos óleos es‑ senciais, hoje encontrados na maioria das farmácias de manipulação em todo o país, esta‑ mos prestes a vivenciar no Brasil o mesmo desenvolvimento ocorrido na Europa no final dos anos 1990 — o chamado “boom da Aromaterapia” —, o qual ainda se mantém em pleno cres‑ cimento, atrelado ao conceito da aplicação de óleos essenciais nas terapias de beleza, o seg‑ mento que mais cresce em desenvolvimento profissional no setor dos cuidados pessoais. O Brasil é um país que possui um perfil avançado e inovador na produção de capital humano. O grande número de escolas especializadas, faculdades e universidades com seus diversos cursos de formação profissional coloca todos os anos milhares de profissionais no mercado de trabalho ligado a terapias de beleza. Neste ponto, o desenvolvimento é rápido e a diversidade profissional que temos é única em comparação com outros países. No Brasil, formam­‑se esteticistas, podólogos, visagistas, naturólogos, fisioterapeutas, massoterapeu‑ tas, médicos e farmacêuticos de altíssimo nível; sendo assim, faz­‑se necessário aprimorar e alinhar as informações sobre a aplicação dos óleos essenciais de acordo com a realidade profissional brasileira, bem como conhecer as práticas de aplicação como realidade atual do mercado de saúde e beleza. Os óleos essenciais já se tornaram uma ferramenta de trabalho, sendo procurados e desejados pelos consumidores nos tratamentos de saúde e beleza. A terminologia “terapia de beleza” enquadra­‑se perfeitamente à aplicação dos óleos essenciais. Vemos que eles, mais que um tratamento de beleza, são realmente eficazes e recuperam o quadro da saúde e o equilíbrio das funções no local da aplicação, um resulta‑ do muito mais terapêutico do que estético. Devemos olhar para os óleos essenciais como poderosas ferramentas de tratamento. Quando aplicados corretamente, aceleram os trata‑ mentos de forma interessante e satisfatória para o cliente, que, contente, se torna fiel e di‑ vulga o trabalho bem realizado em sua esfera pessoal. A melhor vitrine para um profissio‑ nal de saúde e beleza é o seu cliente satisfeito, e a melhor propaganda é sempre aquela feita por esses clientes, que divulgam de forma apaixonada os bons resultados que obtive‑ ram, ainda mais quando o tratamento é natural e não invasivo. O material técnico deste livro é oriundo de 20 anos de experiência com óleos essen‑ ciais — experiência comprovada de que eles entregam um resultado que vai além do satis‑ fatório! Mas, para que isso aconteça, é necessário ter óleos essenciais certos, de qualidade boa e controlada, ter competência para selecionar, entre os diversos óleos essenciais dispo‑ níveis, os mais adequados para cada tratamento, ter pleno conhecimento das dosagens em gotas para cada tipo de aplicação e, por fim, querer levar esse grande poder da natureza para dentro do seu método de trabalho e tornar­‑se um profissional mais natural. Quando um profissional escolhe utilizar óleos essenciais em suas rotinas e técnicas, ele se torna um mediador dessa energia vegetal concentrada, benéfica para seu ambiente de trabalho e para os seus clientes. Isso é absoluto e verdadeiro. Consulte um profissional que já tenha utilizado corretamente óleos essenciais em suas técnicas e constate que ele confirmará imediatamente isso. X

R3_OleosEssenciais.indd 10

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução PREFÁCIO

Com os óleos essenciais, a saúde vem em primeiro lugar, constituindo a base funda‑ mental para a beleza, ou seja, a beleza torna­‑se um resultado da saúde. Essa nobre proposta alinha­‑se a tudo o que um cliente procura nos dias de hoje: trata‑ mentos naturais, menos riscos de contaminação e de intoxicação do profissional e dos clientes, formas sustentáveis e duradouras de tratamento, melhor relação custo/benefício em cada tratamento. Óleos essenciais de boa qualidade podem representar um investimento relativamente alto para quem não sabe utilizá­‑los, mas o seu rendimento é insuperável, e o custo de cada aplicação torna­‑se rentável. Quando se sabe aplicar de forma correta o óleo essencial, diluindo­‑o ou misturando­‑o a outros óleos, a relação custo/benefício torna­‑se tão vantajo‑ sa que o custo de aquisição passa a ser irrelevante perante seus benefícios. Este material didático foi desenvolvido com o intuito de alinhar as informações distribuí‑ das em centenas de publicações e livros, definindo quais óleos essenciais são mais seguros e acessíveis, quais apresentam melhor custo/benefício dentro da realidade brasileira, quais as dosagens e possíveis preparações para diversos tipos de tratamento. Trata­‑se de um material simples, com o qual se pretende atingir entidades de ensino que ofereçam cursos ligados a terapias de beleza, bem como seus professores e alunos, e também levar a síntese literária a uma aplicação prática, eficaz e segura, colocando em uma posição de destaque a carreira de todos os profissionais que utilizam os óleos essenciais como ferramenta de trabalho. Com a absoluta convicção do grande diferencial que um profissional agrega em seus serviços com a aplicação de óleos essenciais, pretendo, com este livro, transmitir com a máxima objetividade um resumo de experiências adquiridas em diversos setores de trata‑ mentos de saúde e beleza em que atuo como professor e consultor desde 1995. Este livro possui caráter educacional; seu conteúdo foi desenvolvido para ser utilizado por profissionais ligados às áreas de saúde e beleza e em técnicas que promovam a quali‑ dade de vida e a saúde da pessoa, de sua pele, dos cabelos aos pés, em uma filosofia de vida para a manutenção do corpo saudável. Não se trata de uma obra com teor medicinal, tampouco seus ensinamentos preten‑ dem substituir tratamentos médicos, mas as informações aqui contidas podem comple‑ mentar terapias com benefícios para a saúde e a beleza das pessoas por meio de um traba‑ lho compartilhado entre profissionais. Esperando contribuir para o aprimoramento profissional de todos os leitores, alunos, professores e profissionais que buscam uma forma de tratamento mais natural e eficiente, convido cada um a mergulhar neste trabalho com a finalidade de desenvolvimento pessoal e profissional. O universo dos óleos essenciais é maravilhoso e sábio. Quando o conhece‑ mos mais intimamente e nos aprofundamos em sua dimensão, sabemos que temos mais do que simples produtos, pois eles se tornam nossos companheiros, nos ensinam confor‑ me a tarefa e são excelentes parceiros, prontos para trabalhar e mostrar resultado. Boa leitura para quem já conhece o assunto e bom aprendizado para quem inicia a carreira. E, a todos, desejo todo Sucesso, Saúde e Sabedoria.

XI

R3_OleosEssenciais.indd 11

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução

INTRODUÇÃO

O potencial dos óleos essenciais nas terapias de beleza falar em “poTencial”, como um conceito para algo novo, pode levar a uma sensação abs‑ trata e indefinida que faz o contato com esse “algo novo” tornar‑se superficial, muito se perdendo com isso. Para desenvolver um bom trabalho com óleos essenciais é preciso profundidade na percepção e no entendimento da dimensão e do conceito englobado pelo tema. Quando usados de forma correta, os óleos essenciais possuem um potencial que exce‑ de a expectativa da aplicação, superando a maioria das opções conhecidas como trata‑ mentos convencionais de saúde e beleza. São substâncias 100% naturais, com enorme ver‑ satilidade, muito seguras e eficientes na aplicação. Contudo, para poder aplicá‑los correta‑ mente é necessário estudo e prática.

Áreas de aplicação dos óleos essenciais óleos essenciais podem ser aplicados tanto pela via olfativa quanto pela cutânea, esta poden‑ do ser em quase todas as partes do corpo humano, exceto nos olhos, que se irritam facil‑ mente em contato com essas substâncias. Pode‑se tratar cabelos, couro cabeludo, pele, musculatura, vias respiratórias, sistema nervoso, sistema circulatório, unhas; enfim, quase todas as partes do corpo podem receber

R3_OleosEssenciais.indd 13

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

óleos essenciais: a técnica de aplicação leva­‑os à parte do corpo que estiver necessitando de tratamento e eles, em si, funcionam por meio de seus princípios ativos. Este livro descreve de maneira generalizada as características e propriedades dos óleos essenciais e também apresenta o uso de cada um deles como estratégia terapêutica, lembrando que o profissional que os utiliza corretamente como ferramenta de trabalho é capaz de tornar­‑se uma referência em sua profissão e um ícone de excelência em seu seg‑ mento. Isso acontece porque os óleos essenciais aceleram o resultado dos tratamentos, colocando em evidência o profissional que os aplica. O objetivo deste livro é transferir um importante conhecimento a estudantes do tema, a fim de ajudá­‑los a alcançar um nível superior em sua atividade profissional, para o bene‑ fício de seus clientes. Para desenvolver­‑se nessa área, é fundamental que o interessado lan‑ ce um olhar profundo para o conteúdo deste e de outros livros que tratam do universo dos óleos essenciais. E para aprender é necessário aplicar as práticas, pois é no uso cotidiano que se desenvolvem a habilidade e a qualificação profissional.

O universo dos óleos essenciais Assim que se começa a estudar o tema, percebe­‑se um mundo aromático invisível, que se es‑ conde em produtos de saúde e beleza, o qual vai sendo desvendado a cada aplicação, a cada dia em que se aprende, se aperfeiçoa e se desenvolve. Percebe­‑se a presença silenciosa dos óleos essenciais em perfumes, cremes dentais, produtos de higiene do corpo e da casa, cos‑ méticos e até em medicamentos. Milhares de produtos utilizam óleos essenciais em suas fórmulas. Estamos vivendo um momento de redescoberta desse poderoso ingrediente, principalmente pelos grandes labo‑ ratórios, e isso tem ajudado a divulgar e a ampliar o conhecimento sobre os óleos essenciais que estão por toda a parte, melhorando a qualidade dos produtos que consumimos. Óleos essenciais são substâncias naturais vivas que imediatamente diferenciam os produtos e as marcas que os contêm, passando a ser percebidos pelas pessoas mais aten‑ tas, que lançam um olhar mais profundo a cada produto com o qual entram em contato. É por meio desse contato que se pode aprender e se desenvolver. O potencial dos óleos essenciais tem chamado a atenção do mercado, e seu uso está em plena expansão.

A busca pela beleza baseada na saúde A busca pela saúde e beleza é o objetivo principal deste livro; no entanto, pretender adquiri­ ‑las instantaneamente, de forma mágica e milagrosa, não faz parte da lógica de um traba‑ lho sério. Quanto mais se promete um milagre, maior a frustração quando não se vê o re‑ sultado. Quando o resultado tarda ou a pessoa tem de lidar com a sua realidade biológica, seguindo regras específicas para manutenção do corpo, a impaciência e a desconfiança brotam, a lógica perde seu lugar, e ocorre a desistência do tratamento. Querer que maus­ ‑tratos impressos durante anos ao organismo desapareçam de uma hora para outra ou decidir­‑se por um estilo de vida saudável e esperar que isso, milagrosamente, apresente XIV

R3_OleosEssenciais.indd 14

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução INTRODUÇÃO

resultados no dia seguinte é uma exigência sem fundamento. A cura de verdade é sempre mais demorada que o processo que levou ao problema que tem de ser curado. Um corte ocorre em segundos, já a cicatrização leva semanas. Em um segundo a pessoa cai e fratura um osso, mas a recuperação deste pode demorar meses para acontecer. Enfim, essa é uma regra orgânica universal. Um tratamento eficaz requer estratégia, aplicação e ajustes durante o processo, pois o corpo é vivo, a natureza é viva, e, todos os dias, tanto o corpo quanto a natureza se en‑ contram diferentes. Nada se repete na natureza. Mesmo que comamos o mesmo prato todos os dias, a cada dia ele estará diferente, com alterações de sabor, de temperatura, mesmo sendo sempre preparado com os mesmos ingredientes. É assim que deve ser. Quando olhamos para um cliente, temos de ver o ser humano, sentir a sua pele, a sua musculatura, o seu estado de espírito, e conduzir o tratamento de uma forma que a pes‑ soa possa absorvê‑lo da melhor maneira possível. Uma pessoa estressada absorverá me‑ nos o tratamento do que outra mais relaxada, a pele de uma pessoa idosa é mais flácida que a de um jovem... É nessas observações simples que se encontram as chaves para o sucesso de um tratamento. A maneira correta para aplicar as terapias de beleza consiste em também se adaptar um pouco à pessoa que receberá o tratamento, o que é feito quan‑ do o profissional, em contato com ela, decide se a massagem deve ser mais pesada ou mais leve ou se o tempo do tratamento tem de ser mais curto ou mais longo em cada sessão, por exemplo. Hoje, vive‑se uma pressão social por beleza. Sofre‑se uma exigência tanto pessoal como social, em maior ou menor escala, com a beleza sendo buscada de forma externa, no corpo e na moda. A pressão vem de todos os lados: da TV, das revistas, dos amigos, dos fa‑ miliares e de nós mesmos... Essa pressão, muitas vezes, nos leva a correr riscos! O mais importante para quem quer ter a beleza verdadeira é a saúde por trás dessa beleza! O corpo segue regras naturais. Se quisermos modificar e melhorar nosso organismo, teremos de respeitar o tempo dele para a recuperação, tempo esse que depende do estado em que o corpo se encontrar, do nosso estilo de vida, de como nos alimentamos, nos movi‑ mentamos e repousamos. Ter saúde e beleza é um sonho para a maioria das pessoas. Não deveria ser assim. Ter saú‑ de e beleza deveria ser natural, mas não é, e agora já está se tornando uma necessidade real. É possível alcançar saúde e beleza com os óleos essenciais, bastando que se una aos tratamentos de beleza um estilo de vida mais saudável e natural. É preciso entender o que é beleza de verdade e o que é ter saúde. Saúde é ter o corpo funcionando perfeitamente e seguir bons hábitos de vida, e beleza não é só o que está na revista de moda, mas sim no que nos proporciona autoestima, amor‑próprio, autoconfiança e bem‑estar. Não coloque a sua saúde em risco acreditando em tratamentos milagrosos. Cuide dela e conquiste uma beleza duradoura, com todos os aspectos benéficos que uma vida saudá‑ vel pode trazer!

A saúde é a base fundamental da beleza. XV

R3_OleosEssenciais.indd 15

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

O sentimento de beleza Beleza não é somente o que se vê, mas o que se sente! Isso é um fato, pois na base da maioria das buscas por tratamento de beleza reside a alegação de que a pessoa não está se sentindo bem consigo mesma ou com sua aparência. Onde se processam as sensações e os sentimentos de bem­‑estar e de beleza? No cére‑ bro humano, em uma área conhecida como sistema límbico, considerada a responsável por nossas emoções e sentimentos. O sistema límbico responde também pelo sentido do olfato, onde, sem barreiras, os óleos essenciais despertam sensações e memórias. Os maravilhosos aromas dos óleos essenciais são capazes de evocar sensações positi‑ vas de relaxamento e equilíbrio, de nos motivar e nos energizar, e de buscar por lembran‑ ças que desencadeiam funções físicas, como a melhora da digestão, da circulação e da res‑ piração. Assim, é recomendado um aprofundamento desse estudo, aliado a um bom co‑ nhecimento das técnicas de aplicação, sabendo, de antemão, que o poder dos óleos essen‑ ciais vai além do físico, alcançando o íntimo da pessoa, a sua central de sentimentos, de humor, de equilíbrio e de harmonia É por isso que os óleos essenciais são perfeitos em terapias de beleza, pois alcançam, sem barreiras, o sistema nervoso central e criam as mais deliciosas sensações, capazes de modificar o humor e o estado de espírito das pessoas. Junte­‑se a isso sua eficiência como comunicadores celulares naturais, disponíveis para as terapias de saúde e beleza, e se ob‑ terá um magnífico resultado holístico. Pele, corpo, emoção e mente recebem, simultaneamente, os benefícios dos óleos essenciais.

O preparo profissional Os profissionais de saúde e beleza devem estar preparados para cuidar da demanda crescen‑ te por cuidados em todas as partes do corpo, pois esse mercado, hoje, está muito aquecido, com especialistas sendo procurados para tratar desde cabelos até unhas dos pés. Essa de‑ manda tem sido atendida por profissionais ligados à área da saúde, como dermatologistas ou podólogos, mas também por profissionais de estética. Mas, no futuro, é de imaginar que essas duas áreas se fundirão: não se cuidará da beleza sem, ao mesmo tempo, se cuidar da saúde, assim como não se cuidará da saúde sem se pensar em um resultado estético. O profissional de beleza será um profissional de saúde e vice e versa. Saúde e beleza são irmãs, sendo a saúde a irmã carinhosa que cuida da delicada irmã beleza!

O futuro das terapias de beleza é natural É fato que, em muitos casos, a busca pela beleza ultrapassa os princípios da saúde, como no caso do uso clandestino do formol em alisamentos capilares ou de outras substâncias tó‑ xicas, que, muitas vezes, colocam em risco tanto a saúde da pessoa que recebe o tratamen‑ to quanto a do profissional que o aplica, buscando obter um resultado estético imediato. No mundo cada vez mais informado, não caberá mais pôr em risco a saúde em prol da be‑ XVI

R3_OleosEssenciais.indd 16

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução INTRODUÇÃO

leza; isso nem será mais necessário, pois já existe a possibilidade de trabalhar com estraté‑ gias de produtos naturais saudáveis ao organismo, que promovem tanto a saúde quanto a beleza de forma pura e duradoura. Nosso organismo responde muito melhor quando não é agredido com químicas desnecessárias e ineficientes, e comumente aplicadas em exces‑ so. Com o conhecimento das técnicas de aplicação de óleos essenciais evitamos o efeito rebote; a beleza é conquistada com produtos naturais de alta tecnologia, tornando‑se efe‑ tiva e integrada à pessoa, ou seja, a beleza se mantém, e esse é o grande diferencial. Com um mesmo óleo essencial é possível desenvolver diversos tratamentos. O mes‑ mo óleo essencial que utilizamos para o cabelo ou o couro cabeludo pode ser aplicado em outra região do corpo, como pés ou pernas. Vejamos o óleo essencial de alecrim, por exem‑ plo: ele tem propriedades vasodilatadoras, tônicas e estimulantes, e seu objetivo principal em um tratamento é estimular a atividade circulatória, fortalecendo‑a no local da aplica‑ ção. Então, podemos aplicar esse mesmo óleo essencial em todos os tratamentos cujo ob‑ jetivo dependa de uma melhora da circulação, seja em tratamentos dos cabelos e do couro cabeludo, em que ele estimulará a circulação periférica, seja em tratamentos de celulite, em massagens modeladoras, em drenagens linfáticas ou em tratamento dos pés, nos quais, igualmente, a circulação periférica será estimulada. Ou seja, o óleo essencial de ale‑ crim favorece a circulação periférica em qualquer área do corpo, essa é uma propriedade dele e não muda. Do mesmo modo, o óleo essencial de eucalipto atua de maneira singular sobre o sistema respiratório de qualquer ser humano ou animal, de qualquer idade, descongestionando‑o — essa é a sua característica principal. A versatilidade na aplicação está presente em todos os óleos essenciais, é uma de suas características: eles são naturalmente versáteis, servem para diversas áreas do corpo e para várias técnicas e objetivos. Tomemos o óleo essencial de lavanda para dar outro exemplo de que um mesmo óleo oferece diversas opções de aplicação e trata várias partes do corpo, podendo ser usado em diversas estratégias terapêuticas. Esse óleo essencial atua particularmente sobre o siste‑ ma nervoso, sendo eficiente em casos como estresse e insônia, mas também é excelente no tratamento de queimaduras solares ou por combustão, podendo ser considerado um dos maiores cicatrizantes entre os óleos essenciais conhecidos. Na pele, ele estimula a recuperação em casos de lesão; e no sistema nervoso central, por via olfativa, age como supressor, acalmando e relaxando o estado emocional, assim como os músculos e os ner‑ vos do corpo. É necessário compreender bem a ferramenta que temos em mãos para podermos tra‑ balhar bem com ela. Os óleos essenciais têm um potencial muito abrangente e superior.

Cada óleo essencial é uma ferramenta destinada a diversas finalidades físicas e emocionais.

XVII

R3_OleosEssenciais.indd 17

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

O blend, ou a mistura dos óleos essenciais Outro aspecto importantíssimo no conhecimento dos óleos essenciais é a capacidade de solu‑ bilização natural entre si, ou seja, eles facilmente podem ser misturados uns com os ou‑ tros. Com isso, pode­‑se aumentar ainda mais a abrangência dos óleos essenciais e alcançar resultados mais seguros e rápidos. A maioria dos óleos essenciais conhecidos permite que sejam misturados uns aos ou‑ tros, existindo fórmulas com mais de 50 óleos essenciais em sua composição. A essas solu‑ ções de óleos essenciais dá­‑se o nome de “blend”, ou seja, “mistura”. Blend é a mistura que ajuda tanto a potencializar o aspecto positivo de cada óleo ligado ao tratamento quanto a minimizar um efeito indesejado de determinado óleo no tratamento. O óleo essencial de melaleuca (tea tree), por exemplo, é um excelente cicatrizante; mui‑ tos usuários e conhecedores desse óleo utilizam­‑no para diversas finalidades, uma das quais o tratamento de frieiras. Porém, quando aplicado puro, esse óleo proporciona uma cicatrização mais superficial e rápida do que profunda, pois ele age de fora para dentro da pele e mais rapidamente que o estímulo para o surgimento de células novas na lâmina basal, o que pode provocar coceiras e fazer o ferimento rachar. Já quando aplicamos um blend de óleo essencial de melaleuca e de lavanda, temos uma modulação da velocidade de cicatrização, tornando o processo mais uniforme, o que evita a coceira e o ressecamento no local, pois o óleo de lavanda estimula o desenvolvimento de células novas, sua ação na lâ‑ mina basal dá cobertura à falha do óleo de melaleuca, e o resultado é melhor e mais praze‑ roso, sem perder a velocidade e eficácia do tratamento. Imagine 20 óleos essenciais e a possibilidade de misturá­‑los entre si, bem como as di‑ versas proporções que as misturas permitem. Agora, imagine quantos tratamentos podem ser produzidos e, facilmente, você chegará a centenas de blends diferentes, podendo, com eles, criar tratamentos personalizados e diferenciados.

Os quatro pilares da aromaterapia Convém ressaltar que óleos essenciais são substâncias vivas com comportamentos específicos; assim, existem algumas restrições a serem conhecidas e respeitadas tanto para as misturas de óleos essenciais como para as bases de diluição, as doses, as técnicas e o tempo de aplica‑ ção. Por isso, o ponto mais importante na aplicação dos óleos essenciais consiste em saber misturá­‑los, dosá­‑los, diluí­‑los e aplicá­‑los, tanto que nisso reside a estrutura da aromatera‑ pia, com seus quatro pilares — dosar, misturar, diluir e aplicar —, detalhados a seguir: 1]

Dosar. Inclui saber quais são as proporções de cada óleo essencial dentro da estratégia de tratamento, priorizando­‑se o efeito de cada óleo essencial na proporção do objetivo esperado. Se o tratamento for cicatrizante, por exemplo, óleos essenciais com tal pro‑ priedade devem aparecer em maior proporção. 2] Misturar. Inclui saber quais óleos combinam entre si e quais as bases adequadas para a técnica a ser utilizada, podendo elas variar entre creme neutro, óleos vegetais, argi‑ las, vapor de ozônio e compressas com água, entre outras. XVIII

R3_OleosEssenciais.indd 18

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução INTRODUÇÃO

3] Diluir. Inclui saber qual é a quantidade de óleo adequada para a base escolhida e misturá­‑los na seguinte ordem: primeiro, os óleos essenciais; depois, os óleos vegetais ou creme neutro. Quando se prescindir da utilização de uma base, os óleos essenciais devem apenas ser misturados e aplicados conforme a técnica escolhida. 4] Aplicar. Inclui ter domínio sobre a técnica de aplicação e saber por quanto tempo e com qual frequência se deve adotá­‑la para a obtenção do resultado pretendido. Conhecendo bem esses quatro pilares, o profissional estará apto a desenvolver um trabalho seguro e eficiente!

A importância do atendimento personalizado Para prover os clientes com tratamentos 100% seguros e personalizados, é importante co‑ nhecer bem os quatro pilares: a dose de óleos essenciais para a técnica, o domínio das es‑ colhas na mistura, a diluição na base correta e o tempo de aplicação — tudo isso é impres‑ cindível para o resultado. As regras que garantem os bons resultados serão apresentadas ao longo do livro, faci‑ litando todo o processo. O cliente, muitas vezes, pode assistir ao preparo dos produtos que serão aplicados em seu tratamento — o momento da adição dos preciosos óleos essenciais lhe oferecerá uma experiência única e inesquecível, tornando­‑o mais conectado ao tratamento. É muito positivo para a imagem do profissional demonstrar o cuidado personalizado, bem como o seu conhecimento e interesse no bem­‑estar do cliente. É o profissional quem busca as substâncias naturais mais eficientes para o seu cliente; cabe­‑lhe, portanto, mos‑ trar que possui esses diferenciais.

Regras básicas para a aplicação de óleos essenciais As regras são simples e sempre se repetem, formando a estrutura básica para aplicação dos óleos essenciais e trazendo eficiência e segurança aos tratamentos. Conhecê­‑las é o pri‑ meiro passo para o profissional trabalhar dentro de uma margem de segurança, reduzindo substancialmente as possibilidades de ter algum problema com a aplicação dos óleos es‑ senciais. Essas regras estão descritas em capítulo específico sobre técnicas de aplicação, no qual detalharemos as seguintes: difusão aérea, massagens, banhos, fricções, compres‑ sas, máscaras de argila faciais e corporais, esfoliações, podologia e eletroestética.

Pontos de interesse Seguem­‑se alguns pontos interessantes sobre o potencial dos óleos essenciais nas terapias de saúde e beleza. •

Com poucos óleos essenciais é possível desenvolver diversas formulações terapêuti‑ cas que podem ser aplicadas em várias partes do corpo. XIX

R3_OleosEssenciais.indd 19

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

• • • • • • • • • • •

Os óleos essenciais podem ser misturados entre si, em álcool ou em óleos vegetais, gerando uma infinidade de possibilidades terapêuticas. Todos os óleos essenciais abordados neste livro são considerados não tóxicos ou de baixa toxicidade dentro das dosagens recomendadas. Alguns óleos essenciais possuem fototoxicidade, devendo­‑se evitar a exposição solar quando aplicados. Os óleos essenciais que possuem algum grau de toxicidade dentro das dosagens mais comuns foram excluídos deste material. A única parte do corpo que não deve ser envolvida em tratamentos com óleos essen‑ ciais são os olhos! Com algumas restrições, os contornos dos olhos podem ser tratados. Com a aplicação de óleos essenciais no ambiente faremos o que se chama “difusão aérea”, cuja finalidade principal é o bem­‑estar emocional. O sistema límbico reage às emoções provocadas pelo olfato, e os óleos essenciais pe‑ netram sem barreiras nesse sistema. Alguns óleos essenciais, quando aplicados aos cabelos, promovem o aumento da densi‑ dade da haste capilar, limpam o bulbo capilar e fortalecem todo o sistema bulbo/haste. Existem óleos essenciais que, na pele, possuem funções lipolíticas e desintoxicantes. Todos os óleos essenciais são conservantes. Cada óleo essencial possui uma personalidade própria que define a sua eficácia.

O universo dos óleos essenciais é gigantesco e maravilhoso, e o conhecimento técnico sobre eles trará resultados ainda mais positivos para os profissionais de saúde e beleza.

XX

R3_OleosEssenciais.indd 20

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução Capítulo 1

O QUE É ÓLEO ESSENCIAL

Óleo essencial é um princípio ativo natural proveniente de plantas medicinais e aromáticas. Na verdade, é todo um grupo de princípios ativos naturais encon‑ trados em milhares de plantas, principalmente nas aromáticas, que participam em primei‑ ra linha de funções biológicas do vegetal do qual se originam, ou seja, o óleo essencial, na planta, possui várias atividades importantes para o metabolismo, a proteção e a conserva‑ ção da espécie vegetal em que se encontra. Cada óleo essencial recebe o nome da planta de origem. Assim, temos, por exemplo, óleo essencial de eucalipto, óleo essencial de lavanda, óleo essencial de alecrim, cujas plan‑ tas de origem são eucalipto, lavanda e alecrim, respectivamente. Acredita‑se que na natureza, em todo o planeta, existam mais de 30 mil espécies vege‑ tais produtoras de óleos essenciais. Mas vale ressaltar que óleos essenciais são apenas as substâncias naturais que se formam dentro de plantas. Quando cópias desses óleos são feitas em laboratórios, estas são chamadas de essências e podem ser identificadas com o nome da planta da qual se extraiu o óleo essencial original. Assim, a cópia do óleo essencial de eucalipto pode se chamar essência de eucalipto; a do óleo essencial de lavanda, essência de lavanda; e assim por diante. Somente os óleos essenciais naturais, que atendam a determinados critérios de quali‑ dade, têm funcionalidade para a aplicação terapêutica. As essências não possuem tal fun‑ cionalidade, podendo ser utilizadas apenas como agente de perfumação de produtos de higiene pessoal, de perfumes e de saneantes. 1

R3_OleosEssenciais.indd 1

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

Óleo essencial, na terminologia relacionada à aromaterapia aplicada às terapias de be‑ leza, é o princípio ativo de plantas aromáticas extraído pelo método de destilação por arraste a vapor, e o de cascas de frutos cítricos, extraído pelo método de prensagem a frio, para citar apenas os métodos de extração mais tradicionais. Existem métodos de extração de óleos essenciais a partir de solventes ou dióxido de carbono, mas os óleos extraídos dessa forma costumam ser destinados à indústria farmacêutica, de perfumaria e de cosméticos. A aromaterapia se vale de óleos essenciais puros, que seguem determinados padrões de qualidade internacional, os quais estão alinhados com a literatura global seguida por este livro. O mais importante, aqui, é entender que as propriedades dos óleos essenciais são pro‑ venientes de sua formação original dentro de uma planta, que é um organismo vivo, e que, quando extraídos de forma a preservar essa qualidade terapêutica original da planta, os óleos essenciais propagam essa atividade e transferem seus princípios ativos naturais para outros organismos vivos, como o de animais e de humanos, alinhando‑se à tendência e à crescente demanda por tratamentos naturais para a manutenção da saúde e da beleza.

Os óleos essenciais são um princípio ativo natural!

O que é um princípio ativo natural? dá‑se o nome de princípio ativo natural às substâncias que podem ser extraídas e isoladas de plantas consideradas medicinais que possuem propriedades terapêuticas distintas e cien‑ tificamente comprovadas. Os princípios ativos naturais são objeto de estudo de várias áreas científicas, e aquela dedicada aos estudos das plantas dentro das ciências farmacêuticas é a Farmacognosia, área que compreende atividades como a organização, a seleção e o agrupamento dos co‑ nhecimentos de química e de botânica relacionados a plantas e dirigidos ao uso farmaco‑ lógico, e uma das matérias de graduação da faculdade de Farmácia. Quando quisermos informações sobre princípios ativos naturais, deveremos nos apoiar em referências bibliográficas e nos estudos da farmacognosia. Vale citar, como referência para estudos posteriores, a contribuição dada ao mundo científico pela farmacognosia alemã. O óleo essencial no universo da farmacognosia, como grupo de princípios ativos, posiciona‑se ao lado de outros princípios ativos, dado que, em uma mesma planta, pode‑ mos detectar diversos princípios ativos associados. Há plantas que possuem taninos, fla‑ vonoides e saponinas, como a calêndula, assim como há aquelas que possuem óleos essen‑ ciais e flavonoides, como a malva. Ou seja, uma planta pode desenvolver um ou mais prin‑ cípios ativos diferentes, entre os diversos grupos de princípios ativos conhecidos, os quais podem ser isolados ou não por meio de técnicas de extração apropriadas. No caso específico da extração de óleos essenciais para aromaterapia, utiliza‑se prin‑ cipalmente a técnica da destilação por arraste de vapor (na seção Critérios de qualidade, ainda neste capítulo, abordaremos essa técnica em detalhes). 2

R3_OleosEssenciais.indd 2

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução O QUE É ÓLEO ESSENCIAL

Quais os principais princípios ativos naturais? A Tabela 1.1 indica de forma sucinta os principais grupos de princípios ativos naturais, mas há muitos outros grupos, subgrupos e classes, formando a estrutura da farmacognosia. Os exemplos a seguir ilustram os principais grupos e suas substâncias mais conhecidas para um melhor entendimento pelos profissionais de saúde e beleza. Cada um dos princípios ativos da tabela abaixo abrange grandes setores das ciências farmacêuticas. »» TABELA 1.1 • PRINCÍPIOS ATIVOS NATURAIS MAIS COMUNS GRUPO

GENERALIDADE ILUSTRATIVA

Alcaloides

Cafeína, nicotina

Precipitação de proteínas, tratamentos em mucosas

Barbatimão, hamamélis

Atividade laxante, desintoxicante, estimulante

Sene, cáscara­‑sagrada, ruibarbo

Atividade ligada ao sistema vascular, metabolismo gasoso

Cítricos, gingko, maracujá

Taninos Quinona Flavonoides

CONHECIMENTO POPULAR

Atividade ligada ao sistema nervoso

Mucilagens

Capacidade de retenção e de transferência de água

Babosa, plantas suculentas

Glucosídeos

Transferência de energia para processos metabólicos

Maioria das plantas medicinais

Saponinas

Atividade detergente resistente a ácidos minerais diluídos

Calêndula, quilaia, alcaçuz

Atividade protetora e umectante

Amêndoa doce, semente de uva, girassol

Antissépticos, cicatrizantes, metabólicos, fungicidas, neurossupressores

Lavanda, eucalipto, alecrim, citronela

Óleos vegetais Óleos essenciais Fonte: Elaborada pelo autor.

Os óleos essenciais são um grupo distinto entre os grupos de princípios ativos natu‑ rais. Ao compará­‑los, como elemento terapêutico, com outros grupos de princípios ativos naturais, constata­‑se que são mais concentrados e versáteis para a utilização em trata‑ mentos para saúde e beleza, além de serem mais aromáticos, proporcionando bem­‑estar e sensações agradáveis quando aplicados.

Óleos essenciais A FORMA MAIS CONCENTRADA DE PRINCÍPIO ATIVO VEGETAL PARA USO HUMANO Iniciando esta seção, vejamos quanto de planta, em média, se utiliza para a obtenção de 1 litro de óleo e de 1 litro de extrato.

Quantidade média de planta para a extração de 1 litro de óleo essencial

Quantidade média de planta para a extração de 1 litro de extrato glicólico

100.000 G

100 G

Os óleos essenciais podem concentrar em média mil vezes mais plantas do que um extrato.

3

R3_OleosEssenciais.indd 3

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

Essa representação mostra que os óleos essenciais são substâncias extremamente con‑ centradas, o que leva à conclusão de que, para uma boa prática na sua aplicação, devemos entender sua força concentrada e aplicá­‑los de acordo com recomendações corretas de uso. Normalmente, aplicamos os óleos essenciais em gotas. Em estética, as concentrações nunca podem ser superiores a 2% de óleo essencial aplicado a um óleo base (óleos vegetais, como de semente de uva ou de girassol) ou a um creme base não iônico, ou em máscaras de argila, mas, nesse caso, a concentração deve ser ainda menor. Para uma boa atividade dos óleos essenciais não é preciso aplicar grandes doses; algu‑ mas gotas já são muito interessantes para o desenvolvimento de protocolos profissionais, principalmente para aqueles destinados à manutenção da saúde e beleza. Além de ser uma força viva presente nas plantas aromáticas, são cheirosos e fornecem muito prazer duran‑ te os tratamentos. Utilizar óleos essenciais é criar experiências inesquecíveis para clientes ou pacientes, é valer­‑se de uma parte da própria natureza, aplicando­‑a de acordo com uma técnica específica para o benefício de quem recebe o tratamento. Para entendermos bem a força que existe nos óleos essenciais, devemos começar a ter noções básicas da concentração dele na planta e no tratamento.

CONCENTRAÇÃO NA PLANTA Os óleos essenciais estão presentes nas plantas de sua origem em pequenas concentrações para ser extraídos de acordo com os métodos apropriados. Cada planta possui um percen‑ tual diferente de óleo essencial. Analisemos, como exemplo, a média em torno de 1% de óleo essencial por quilo de material vegetal, o que significa que, para cada litro de óleo essencial extraído, foram ne‑ cessários aproximadamente 100 kg de plantas aromáticas. A proporção de 1% é encontrada em plantas como o lemongrass e a citronela, mas na pétala da rosa, por exemplo, encontra‑ mos somente 0,0003% de óleo essencial, o que significa que são necessários 3.500 kg de pétalas de rosa para extrair 1 litro de seu óleo essencial (ver a Tabela 1.2). »» TABELA 1.2 • RENDIMENTO: PERCENTUAL DE ÓLEO NA PLANTA E A RELAÇÃO ENTRE SEU PREÇO E SUA ORIGEM ÓLEO ESSENCIAL

GRAMAS DE PLANTA POR GOTA

PREÇO MÉDIO DE 1 ML EM DÓLARES NORTE­‑AMERICANOS

ORIGEM

Rosa

140 g de pétalas por gota

US$ 50,00

Marrocos

Lemongrass

4 g de folhas por gota

US$ 1,00

Brasil

Gerânio

20 g de folhas por gota

US$ 4,50

Egito

Lavanda

6,5 g de flores e folhas por gota

US$ 2,00

França

Fonte: Elaborada pelo autor.

Cada espécie vegetal possui um percentual médio de óleo essencial esperado para sua espécie. Quando extraímos o óleo essencial da planta, obtemos uma quantidade pequena dele, e é esse rendimento, somado à distância que o óleo terá de percorrer para chegar ao seu destino, o que determina sua precificação. Naturalmente, os percentuais de rendimen‑ to variam de acordo com o local de cultivo, a época de colheita, as condições climáticas e o método de extração. Isso significa que se espera que determinada espécie possua um per‑ 4

R3_OleosEssenciais.indd 4

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução O QUE É ÓLEO ESSENCIAL

centual de óleo aproximado; as expectativas são sempre aproximadas, uma vez que na na‑ tureza nada se repete. Cada planta possui um percentual próprio de sua espécie, o qual é monitorado com a técnica de destilação em laboratório chamada de Clevenger, como se vê na Figura 1.1, a seguir. ENTRADA DE ÁGUA FRIA SAÍDA DE ÁGUA QUENTE AMIANTO DE COBRE PARA EVITAR A CONDENSAÇÃO CONDENSADOR

VAPOR E ÓLEO ESSENCIAL

ÓLEO ESSENCIAL ÁGUA ROLHA DE VEDAÇÃO TUBO GRADUADO EM ML

© THIAGO HENRIQUE CLÉRICI

VAPOR COM ÓLEO ESSENCIAL PLANTA AROMÁTICA EM ÁGUA BANHO DE ÓLEO QUENTE

»» FIGURA 1.1 DESTILADOR CLEVENGER PARA MONITORAR, AO LONGO DAS SAFRAS, A QUANTIDADE DE ÓLEO E DEFINIR A MELHOR ÉPOCA DE COLHEITA.

O destilador Clevenger foi projetado para separar o óleo essencial da planta em labo‑ ratório, e seu papel é simular o processo da destilação com pequenas quantidades de plan‑ tas. Funciona assim: o material vegetal é colhido e pesado — normalmente, aplicam­‑se 100 g de planta no balão juntamente com quantidade de água suficiente para cobri­‑la. Com a água aquecida, inicia­‑se o processo de evaporação. Como os óleos essenciais são voláteis, eles se evaporam com a água, que, com o óleo essencial desprendido, se condensa em um condensador acoplado ao aparelho (esse condensador tem a forma de tubo graduado em mililitros). Como o óleo essencial é mais leve que a água, ele se acumula no tubo graduado, demonstrando a quantidade dele presente na planta. O processo todo dura algumas horas, até que o volume de óleo extraído se estabilize no tubo graduado. Por fim, tem­‑se alguns mililitros de óleo essencial; por exemplo, 1 ml extraído de 100 g de planta. Isso significa que, para cada 100 kg de planta, teremos aproximadamente 1 litro de óleo essencial. 5

R3_OleosEssenciais.indd 5

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

»» FIGURA 1.2 DESTILADOR CLEVENGER.

FOTO: ACERVO DO AUTOR

0,6 ml de óleo essencial extraído de 100 g de planta

Essa relação entre concentração e rendimento na extração é uma parte dos fatores da precificação do óleo essencial, que puxa o preço para cima ou para baixo. Outros fatores, como a demanda de mercado e a atividade terapêutica do óleo essencial, juntamente com a quantidade de material vegetal que será destilada e a posição da origem do óleo em relação a região do mercado em que ele será comercializado, contribuem para o seu preço final subir ou descer. É a soma de todos esses fatores que leva cada óleo essencial a ter um preço distinto. Para obter os melhores óleos essenciais e um bom rendimento, os produtores devem cuidar de suas plantações e monitorá­‑las com técnicas especiais.

DOSAGEM E CONCENTRAÇÃO EM TRATAMENTOS DE SAÚDE E BELEZA Em saúde e beleza, os óleos essenciais, como já foi dito, são usados em gotas; em geral, protocolos e literaturas do mundo todo assim descrevem sua aplicação. A quantidade de gotas recomendada em uma aplicação deve ser respeitada para garantir a segurança e também para evitar desperdício, pois, como vimos na Tabela 1.2, uma gota pode represen‑ tar muitos gramas de planta. Ter uma noção da concentração de óleos essenciais de acordo com o tipo da aplicação que se pretende é imprescindível para uma boa prática terapêutica. Para aumentar a cons‑ cientização a esse respeito, analisemos três indicadores de concentração dos óleos essenciais: a] b] c]

Concentração de óleo essencial na planta. Concentração de material vegetal em uma gota de óleo essencial. Concentração de óleo essencial em uma aplicação terapêutica.

Concentração de óleo essencial na planta Na Figura 1.3, a seguir, os pontos claros são o brilho das glândulas de óleo essencial, e na Figura 1.4 vê­‑se uma ilustração em que os pontos na flor e na folha que representam a quantidade pre‑ sente de óleo essencial no tecido vegetal; porém, os óleos essenciais normalmente encontram­ ‑se no interstício celular. Esses pontos, conforme mostrado na imagem, são as glândulas produ‑ toras que existem praticamente em todos os tipos de planta que produzem óleo essencial. 6

R3_OleosEssenciais.indd 6

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução

FOTO: ACERVO DO AUTOR

O QUE É ÓLEO ESSENCIAL

© THIAGO HENRIQUE CLÉRICI

»» FIGURA 1.3 FOTO MICROSCÓPICA DE UMA FOLHA DE LAVANDA NA QUAL SE VEEM AS GLÂNDULAS DE ÓLEO ESSENCIAL.

»» FIGURA 1.4 PRESENÇA DO ÓLEO ESSENCIAL EM PARTES DO VEGETAL.

Concentração de material vegetal em uma gota de óleo essencial

© THIAGO HENRIQUE CLÉRICI

Cada planta produtora de óleo essencial possui uma quantidade percentual desse óleo em sua estrutura. Assim, uma gota de óleo essencial de lavanda é obtido de 6,5 g de flores e folhas da planta; uma gota de óleo essencial de gerânio, de, em média, 20 g de folhas; e uma gota de óleo essencial de lemongrass, de mais ou menos 4 g de folhas. O mais importante, nesse caso, é en‑ tender que, após extraído o óleo essencial da planta, independentemente da quantidade de material vegetal que estiver concentrada na gota, todos os óleos possuem a mesma concentra‑ ção (veja isso esquematicamente na Figura 1.5.) pois todos são compostos pelas mesmas subs‑ tâncias estruturais organizadas em famílias químicas. A diferença de um óleo essencial para outro reside na proporção desses componentes dentro de cada óleo individualmente (ver a estrutura química dos óleos essenciais ainda neste capítulo).

»» FIGURA 1.5 PROPORÇÃO DE MATERIAL VEGETAL POR GOTA DE ÓLEO ESSENCIAL. 7

R3_OleosEssenciais.indd 7

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

Sendo assim, a quantidade de planta existente em cada gota de óleo essencial não in‑ terfere na medição de dosagem porque, depois de extraídos, todos os óleos essenciais pos‑ suem a mesma concentração. Podemos dizer que, estruturalmente, todos são iguais; eles são “separados das plantas” pelo método adequado de extração, e o fato de serem necessá‑ rias mais plantas para determinado óleo essencial do que para outro não implica que um seja mais concentrado que o outro. Após a extração, enfatizo, todos os óleos essenciais possuem a mesma concentração. A quantidade de planta necessária para a produção de um óleo essencial interfere mais em seu preço final e na disponibilidade de mercado do que na potência ou qualidade deste. Hoje, a maioria dos óleos essenciais comercializados globalmente é extraída de plantas com mais de 1% de óleo essencial em sua constituição, como mostra a Tabela 1.3, a seguir. »» TABELA 1.3 • VARIAÇÕES NO PERCENTUAL DE O. E. DE ACORDO COM A PLANTA PRODUTORA ÓLEO ESSENCIAL

PERCENTUAL DE ÓLEO ESSENCIAL NA PLANTA

QUILO DE PLANTA POR LITRO DE ÓLEO ESSENCIAL

Alecrim

0,7% a 1%

100 kg a 130 kg

Cedro

3,1%

30 kg

Cipreste

1%

100 kg

Cravo

1,5%

65 kg a 75 kg

Erva­‑doce

0,3%

300 kg

Gengibre

3%

50 kg

Gerânio

0,25%

500 kg

Grapefruit

2%

50 kg

Laranja doce

1%

100 kg

Lavanda

0,65%

160 kg

Lavanda Brasil

0,7%

155 kg

Lemongrass

1%

100 kg

Menta piperita

2%

50 kg

Flor de laranjeira

0,1%

1.000 kg

Palmarosa

2,5%

40 kg

Rosa

0,00035%

3500 kg

Sândalo

1,7% a 2,8%

35 kg a 60 kg

Melaleuca

2%

50 kg

Tomilho

1,50%

65 kg a 75 kg

Verbena

2%

50 kg

Ylang­‑ylang

2%

50 kg

Zimbro

0,7 a 1,4

75 kg a 150 kg

Fonte: Elaborada pelo autor.

Concentração de óleo essencial em uma aplicação terapêutica A noção sobre a concentração e a toxicidade do óleo essencial dentro da técnica de aplica‑ ção é o aspecto mais importante para o profissional que quiser utilizar óleos essenciais em seus tratamentos. Mas, atenção: não é porque os óleos essenciais são substâncias naturais 8

R3_OleosEssenciais.indd 8

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução O QUE É ÓLEO ESSENCIAL

© THIAGO HENRIQUE CLÉRICI

que as doses recomendadas podem ser negligenciadas. Caso não se respeite a dose correta, o tratamento pode ser colocado em risco, assim como a saúde do cliente ou paciente; por‑ tanto, respeite a dose na aplicação. Afinal, como já disse Paracelso, médico e físico do sécu‑ lo XVI, “A diferença entre um remédio e um veneno está só na dosagem”. A Figura 1.6, a seguir, ilustra a dosagem de uma aplicação corporal.

»» FIGURA 1.6 RESPEITE A DOSE EM GOTAS PARA CADA TIPO DE APLICAÇÃO.

A Tabela 1.4, a seguir, mostra a quantidade indicada em cada aplicação. Respeitando­ ‑se as quantidades recomendadas, o profissional diminui o risco de qualquer adversidade e obtém resultados surpreendentes no tratamento, em todos os âmbitos. Estude com calma as informações dessa tabela para compreender bem toda a versati‑ lidade na aplicação dos óleos essenciais. »» TABELA 1.4 • NOÇÕES BÁSICAS DE DOSAGEM EM TRATAMENTOS COM ÓLEOS ESSENCIAIS NAS 25 TÉCNICAS MAIS COMUNS

TÉCNICA 1

Argila corporal

2

Argila facial

3

Banho de assento

4

Banho de banheira

5

Compressa fria

6

Compressa morna

7

Compressa quente

8

Difusão aérea

BASE/VEÍCULO CARREADOR

DOSAGEM EM GOTAS

DESCRIÇÃO Máscara corporal com argila para Argila verde ou branca umedecida Até 5 gotas desintoxicação, reposição mineral, anticelulite, tônus. Máscara facial rejuvenescedora, Argila facial Até 1 gota antirrugas, clareadora, desintoxicante, acne. Técnica para tratamentos 10 ml óleo vegetal e 20 ml de leite Até 8 gotas na região genital. Técnica para tratamento de pele, 10 ml óleo vegetal e 20 ml de leite Até 10 gotas musculatura, circulação, sistema nervoso e vias respiratórias. Técnica para cicatrização, tratamentos Água fria suficiente para o 1 gota a cada 100 ml até 1l, pós­‑cirúrgicos, peelings físicos, tratamento da área da face ou do máx. de 10 gotas queimaduras, queimadura solar, corpo (de 100 ml a 3 l d’água) inchaços, pancadas. Emoliente, desintoxicante, alívio Água morna suficiente para o 1 gota a cada 100 ml até 1l, de dores inflamatórias, analgesia tratamento da área da face ou do máx. de 10 gotas local pré­‑extração na limpeza corpo (de 100 ml a 3 l d’água) de pele e depilação. Dores musculares, problemas Água quente suficiente para o 1 gota a cada 100 ml até 1l, circulatórios, tensão nervosa, tratamento da área da face ou do máx. de 10 gotas pinçamentos, dores articulares, corpo (de 100 ml a 3 l d’água) cólicas estomacais e menstruais. Aromaterapia, tratamentos emocionais, tratamentos das vias Recipiente cheio d’água até 200 ml Até 10 gotas respiratórias, desinfetante aéreo, proteção contra contaminações no ambiente, relaxamento. »» 9

R3_OleosEssenciais.indd 9

3/5/15 3:36 PM


Proibida reprodução TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

»»

TÉCNICA

BASE/VEÍCULO CARREADOR

DOSAGEM EM GOTAS

9

Drenagem linfática

5 ml de óleo vegetal ou 10 ml de creme neutro

Até 4 gotas

10

Endermoterapia

Óleo vegetal

Até 4 gotas

11

Escalda­‑pés

Sal grosso

Até 10 gotas

12

Fricção

Óleo base

Até 2 gotas

13

Inalação

3 litros d’água fervente

Até 3 gotas

14

Massagem anticelulite

15

Massagem na coluna vertebral

16

Massagem corporal

17

DESCRIÇÃO Drenagem linfática com 5 ml de óleo base ou creme neutro aplicado somente nas mãos do terapeuta. Aplicar antes do equipamento no corpo todo. Para dores, calos, frieiras, inchaços. Para dores, torcicolos, pancadas, câimbras, aquecimento muscular. Tratamentos das vias respiratórias, dos sinus e da nasofaringe. Massagem modeladora desintoxicante e lipolítica. Massagem relaxante, circulatória e oxigenadora. Massagem estética e terapêutica conforme a técnica. Massagem relaxante, tônica, equilibrante, drenante, antirrugas, equilíbrio da oleosidade. Antiqueda, tônus, densidade da haste, brilho, maciez e umectação. Verrugas plantares, verrugas em geral, calos, espinhas e queimaduras pequenas, cortes com lâmina. Reflexologia sobre pontos meridianos na planta dos pés com óleos adequados aos órgãos. Acne, pústulas, pápulas e comedões. Aplicar 2 sessões de 3 minutos. Para desintoxicação, relaxamento, combate à ansiedade. Aplicar antes do equipamento na região da aplicação.

5 ml a 10 ml de óleo vegetal ou creme neutro 5 ml a 10 ml de óleo vegetal ou creme neutro 10 ml a 20 ml de óleo vegetal ou creme neutro

Até 4 gotas

Massagem facial

2,5 ml de óleo vegetal ou creme neutro

1 gota

18

Massagem no couro cabeludo

7,5 ml de óleo vegetal

4 gotas

19

Puro

Aplicação direta sobre a pele

1 a 2 gotas

20

Reflexologia podal

5 ml de óleo vegetal ou creme neutro

Até 4 gotas

21

Sauna facial

3 litros d’água fervente ou compressa e vapor de ozônio

De 1 a 3 gotas

22

Sauna seca ou úmida

500 ml d’água

Até 10 gotas

23

Ultrassom

Óleo vegetal

4 gotas

24

Vapor de ozônio

Esponja da saída de vapor umedecida com água, ou compressa fria

De 1 a 3 gotas

Acne, pré­‑extração, desintoxicação, tônico, calmante pós­‑tratamentos.

25

Vaporização

100 ml de álcool de cereais

25 gotas

Spray pulverizador para desinfecção de ambientes, relaxamento, purificação, renovação.

Até 4 gotas

Até 8 gotas

Fonte: Elaborada pelo autor.

Desenvolvida para permitir uma melhor visualização da dosagem apropriada de óleos essenciais nas aplicações terapêuticas e estéticas, essa tabela tem como objetivo pre‑ parar os leitores para escolher os óleos adequados de acordo com a estratégia do trata‑ mento e definir a dosagem que será usada. No capítulo “Técnicas de aplicação” nos apro‑ fundaremos em cada uma dessas técnicas.

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS Quando ouvimos a palavra “óleo”, imediatamente imaginamos uma substância viscosa, es‑ corregadia ou grudenta; na verdade, os óleos essenciais não possuem nada que se associe 10

R3_OleosEssenciais.indd 10

3/5/15 3:36 PM


ÓLEOS ESSENCIAIS Terapias de saúde e beleza

Fernando Amaral

Fernando Amaral é formado em Osmologia pelo Center für Ganzheitliches Heilen CGH, na Suíça. Especialista em plantas aromáticas e em óleos essenciais, fundou e administra a Fazenda das Lavandas em Monte Verde – MG, especializada no cultivo e extração de óleos essenciais. CEO da World’s Natural Fragrances, atua como professor e palestrante em cursos de graduação e pós-graduação sobre o tema óleo essencial.

A obra está distribuída em capítulos que abordam questões como: O que é óleo essencial?, As bases do uso de óleos essenciais em técnica de aromaterapia, Óleos vegetais, Técnicas de aplicação, Protocolos de saúde e beleza com óleos essenciais, além de Indicações terapêuticas. Aplicações – Livro texto para os cursos Aromaterapia e Aplicação de óleos essenciais, nas disciplinas Química, Botânica e Fármacia. Leitura complementar para os cursos de graduação em Farmácia, Química, Biologia; e de pós-graduação em Cosmetologia, Fitocosmetologia, Fitoterapia, Terapias de Beleza, Visagismo, Estética, Spaterapia, Balneoterapia, Podologia, Fisioterapia, Terapias Holísticas nas disciplinas Química Orgânica, Farmacologia, Farmacognosia, Cosmetologia, entre outras.

TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE ÓLEOS ESSENCIAIS

O universo dos óleos essenciais é maravilhoso e sábio. Desde 1995, agora com mais de 20 anos de experiência, Fernando Amaral pretende desvendar esse universo para todos os profissionais ligados às áreas de saúde e beleza e em técnicas que promovam a qualidade de vida e a saúde da pessoa, de sua pele, dos cabelos aos pés, em uma filosofia de vida para a manutenção do corpo saudável.

Fernando Amaral

TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE

TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE

ÓLEOS ESSENCIAIS

Terapias de saúde e beleza

Fernando Amaral

OUTRAS OBRAS DICIONÁRIO DE INGREDIENTES DE PRODUTOS PARA CUIDADOS COM O CABELO John Halal FISIOLOGIA DAS PLANTAS Tradução da 4ª edição norte-americana Frank B. Salisbury e Cleon W. Ross CURSO BÁSICO DE MASSAGEM – Um guia para técnicas de massagem sueca, shiatsu e reflexologia Milady® - Mark F. Beck, Shelley Hess e Erica Miller TRICOLOGIA E A QUÍMICA COSMÉTICA CAPILAR Tradução da 5ª edição norte-americana John Halal FUNDAMENTOS DE ESTÉTICA 2: Ciências gerais Tradução da 10ª edição norte-americana Milady’s

ISBN 13 978-85-221-2214-1 ISBN 10 85-221-2214-8

Para suas soluções de curso e aprendizado, visite www.cengage.com.br

Tecnicas_aplicacao_oleos_essenciais.indd 1

9 788522 122141 24/03/2015 14:27:45

Profile for Cengage Brasil

Técnicas de aplicação de óleos essenciais: terapias de saúde e beleza  

Técnicas de aplicação de óleos essenciais: terapias de saúde e beleza  

Advertisement