Queda Livre - Contextualização

Page 1

Aceite para publicação em 11 de Janeiro de 2011.

Queda Livre de um Corpo A actividade, “Queda Livre de um Corpo”, insere-se na disciplina de FísicoQuímica, no currículo do 9.º Ano de Escolaridade do 3.º Ciclo do Ensino Básico, na unidade – “Movimentos e Forças”. A actividade foi planeada tendo em vista a sua aplicabilidade eficiente no processo ensino-aprendizagem e surge como uma tentativa de abordar este tema de uma forma motivadora e interessante, para os alunos, de modo a que permita uma aprendizagem efectiva. O planeamento e a organização desta proposta tomou em linha de conta não só a necessidade de aprofundar os conhecimentos já adquiridos pelos alunos, mas também atender às experiências do seu dia-a-dia e à interpretação dos fenómenos que, sendo do quotidiano, o aluno pretende compreender e saber explicar. Todas as actividades propostas têm em vista não só familiarizar os alunos com as pequenas investigações como com o conhecimento e análise da forma como a ciência consegue avançar através da experimentação. Em Físico-Química uma das utilizações do software educativo é a simulação que permite observar e medir os fenómenos representados no ecrã por intermédio de modelos matemáticos. São particularmente interessantes para reproduzir experiências perigosas como o choque de dois carros a uma velocidade elevada, experiências dispendiosas ou simplesmente inconcebíveis no âmbito escolar, por exemplo, a colocação em órbita de um satélite à volta da Terra. O programa de apoio utilizado na actividade foi o Modellus, desenvolvido por Vítor Duarte Teodoro foi desenhado para simulação e modelação de fenómenos físicos e matemáticos, para utilização em contexto didáctico e tem amplas possibilidades de aplicação no âmbito das Ciências Experimentais. A licença de utilização definida pelo autor deste recurso explicita que ele pode ser utilizado livremente em qualquer contexto educacional e que não pode ser vendido em condição alguma.


Aprendizagens que se pretende promover Capacidades: ♦ Obter registos de observação; ♦ Fazer previsões; ♦ Manipulativas; ♦ Delinear investigações incluindo o planeamento de variáveis; ♦ Inferir conclusões; ♦ Analisar argumentos; ♦ Identificar e lidar com irrelevâncias.

Conteúdos: ♦ Movimento Uniformemente Acelerado: - aceleração não depende do tempo; - o valor da velocidade é directamente proporcional ao tempo; - a distância percorrida é directamente proporcional ao quadrado do tempo. ♦ Representação gráfica: - posição - velocidade

em função do tempo.

- aceleração ♦ Componentes horizontais e verticais da velocidade e aceleração; ♦ Resistência do ar. A actividade de investigação “Queda Livre de um Corpo” permite de facto associar cada uma das capacidades identificadas anteriormente nos conteúdos apresentados. Contudo senti necessidade de estabelecer esta “divisão”, uma vez que não se sabe à partida quais as diferentes associações que vão acontecer. Sendo esta actividade realizada antes de se abordar em sala de aula os conteúdos identificados, dificilmente se saberá se os alunos nas suas previsões relacionam a queda livre de um


corpo com o movimento do corpo quando cai com aceleração gravítica, ou até mesmo com a resistência do ar. Casos haverá em que os alunos nem relacionam com nenhum dos conceitos apresentados anteriormente. Desta forma, não se pode garantir que quando se solicita aos alunos a formulação de previsões, eles relacionam com o conceito A, B ou C, contudo as capacidades são constantemente solicitadas explicitamente nas várias questões que constituem os guiões. Através do apelo às capacidades identificadas, o professor consegue saber que concepções alternativas os alunos possuem e se têm algum conhecimento acerca dos conteúdos que envolvem a actividade.

Estratégia de ensino Sugiro que a actividade seja realizada na sala de aula ou no centro de recursos, uma vez que se trata de uma actividade individual a utilização de computadores é imprescindível. O aluno irá trabalhar de forma independente, de acordo com um plano previamente traçado e no prosseguimento de um projecto próprio. O professor pode orientar o aluno na exploração do software no caso de surgirem dúvidas, mas o objectivo da actividade é que o aluno desenvolva a capacidade de explorar o software de forma independente. Após a realização da tarefa existirá uma discussão entre os alunos acerca das suas conclusões de modo a atingir os objectivos estabelecidos pelo professor. Na impossibilidade de os alunos usufruírem da sala de recursos, estes poderão utilizar os computadores (ou computador) existentes em sala de aula de forma rotativa e o professor terá que criar uma estratégia de maneira a que os alunos possam realizar outras actividades. Nesse sentido, o professor ao planificar as suas aulas deverá equacionar diferentes estratégias e reunir previamente a informação acerca do tipo de condições de sala de aula. O documento onde o aluno irá fazer o registo estará publicado na Plataforma Moodle, em endereço a indicar pelo professor. A partir deste, o aluno terá a capacidade de aceder ao software educativo, uma vez que aí se encontram todas as indicações necessárias. Os registos escritos dos alunos, publicados na Plataforma Moodle, são um elemento primordial para a avaliação destes.