Canguru | SP | Maio de 2017 | número 01

Page 1

www.canguruonline.com.br | mai 2017 | nº 01

Criando filhos em SP

E X E M P L AR G R ATU ITO PAR A E S C OL AS PAR C E IR AS

É preconceito, sim! Ainda hoje, mulheres PERDEM O EMPREGO POR SE TORNAREM MÃES

Até que ponto

PODEMOS CONFIAR NO

dr. Google?

Conheça a história POR TRÁS DO

Mundo Bita

DISCIPLINA

positiva

Saiba quais são os princípios e as estratégias que estão mudando as relações com os filhos – e que prometem amenizar as explosões emocionais e birras dos pequenos




O ÚNICO LANÇAMENTO DO BUTANTÃ. FAÇA PARTE DESSE SUCESSO.

O ENDEREÇO IDEAL ENTRE OS SHOPPINGS ELDOR ADO E BUTANTÃ.

Visite o decorado: Rua Comendador Elias Assi, 126 Trisul Pradosia Empreendimentos Imobiliários SPE Ltda. Memorial de Incorporação registrado sob no 02, na matrícula no 237.010, em 2/3/2017 no 18o Cartório de Registro de Imóveis. Intermediação imobiliária: Trisul Vendas Consultoria em Imóveis Ltda. – Creci: J 20186 – Av. Paulista, 37 – 18o andar Bela Vista – São Paulo – CEP 01311-902 – Tel.: (11) 3147-0001. Todas as áreas serão entregues conforme Memorial Descritivo do empreendimento. Os ambientes poderão sofrer pequenos ajustes decorrentes do desenvolvimento dos projetos executivos de estrutura, arquitetura e instalações. Os acabamentos, revestimentos, quantidade de mobiliário, equipamentos e paisagismo serão entregues conforme Memorial Descritivo do cliente.


Foto do Apartamento Decor ado

2e3 Tor r e ú nic a

- Caxingui

dorms. com suíte

L a z e r com pl e t í s si m o

(travessa da Av. Francisco Morato, altura do n o 1.828) INTERMEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA:

3721-4770

eldoradobutanta.com.br

REALIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO


4nesta edição

seções Primeiras palavras www.canguruonline.com.br Missão Instagram Eles dizem cada coisa Canguru viu e curtiu Corrente do bem Mundo Kids Moda Comprinhas Para ler com seu filho, por Leo Cunha Viagens, modo de usar, por Luís Giffoni Passeios kids, por Cá e Tatê Padecendo no Paraíso, por Bebel Soares e Tetê Carneiro

34

Artigo, por Bruno Araújo e Sérgio Gomes da Silva Crônica, por Cris Guerra

Inspiração | Proposta quer trazer Dia da Gratidão para as escolas brasileiras Cidade | Vila Madalena ganha novo espaço para comprar orgânicos; veja várias opções

28

Comportamento| Conheça os princípios da disciplina positiva

34

Especial | Em pleno século XXI, mulheres ainda são dispensadas das empresas porque se tornaram mães

40

Saúde | Até que ponto podemos confiar no Dr. Google?

42

Entretenimento | Com mais de 700 milhões de visualizações no YouTube, Mundo Bita não para de crescer

44

Estilo | Crianças cacheadinhas e crespas estão empoderadas

6

Paz em família: Mateus, de 10 anos, e Lucas, de 5, vivem rotina de disciplina positiva dentro de casa

Artigo, por Marilena Flores Martins

Reportagens 25 26

[1]

[2]

Sem justa causa: Fernanda Nascimento foi demitida após engravidar pela segunda vez e teve que se reerguer apesar do preconceito

44 [3]

Fazendo a cabeça: Pollyana Farias, 7, se arrependeu de alisamento e aprendeu a valorizar o cabelo crespo

Nossa capa Luiza, de 4 anos, é filha de Yara Tropea e Luciano Bergamaschi Foto: Moacyr Lopes Junior/Malagueta

Canguru

. MAIO 2017

FOTOS: [1] RICARDO BORGES; [2] MOACYR LOPES JUNIOR/MALAGUETA; [3] GUSTAVO ANDRADE

8 12 14 15 16 18 20 22 24 46 48 49 50 51 52 54

28


por quem sabe o que é sentir amor incondicional com

R$ 400 ,00 em compras De 26/04 a 14/05

1

Ganhe 1 cupom para concorrer a

Jeep Compass Sorteio dia 15/05, às 19h

Certificado de Autorização CAIXA nº 6-0612/2017

1

Ganhe

pingente com cristais Swarovski

1 menino ou 1 menina, a sua escolha. Limite de 2 por CPF. A promoção Comprou-Ganhou poderá ser encerrada antes de 14/05, caso se esgote o estoque de 19.000 pingentes (9.500 meninas e 9.500 meninos). Promoção não sujeita à autorização.

Consulte regulamentos e lojas participantes em www.shoppinganaliafranco.com.br Participação para maiores de 18 anos, residentes no Brasil, com CPF válido. Imagens e cores dos prêmios meramente ilustrativas.


FOTO: GUSTAVO ANDRADE

4primeiras palavras

Criando filhos melhores para o mundo Ivana e os filhos Pedro e Gabriel Meus dois filhos já estão grandinhos. Pedro fez 13 anos, Gabriel já está às vésperas dos 9. Ser mãe desses dois meninos tem sido uma aventura para lá de radical, uma montanha-russa de emoções. Felicidade, orgulho, angústia, medo. Tudo junto e misturado, o tempo todo. Eles são inspiração diária para o meu trabalho à frente da Canguru, essa plataforma de conteúdo sobre primeira infância, voltada para pais e educadores, que foi lançada em outubro de 2015. Tão maravilhoso quanto assistir ao meu Pepê e ao meu Biel virando rapazinhos é testemunhar a Canguru crescendo, atingindo um número cada vez maior de leitores. Até abril, nossa atuação era restrita a Belo Horizonte, atingindo 25 000 famílias e 150 escolas de educação infantil. Neste mês, estamos dando um imenso salto: aterrissamos no Rio de Janeiro e em São Paulo, com a missão de levar nossa mensagem a um total de 100 000 famílias e mais de 500 estabelecimentos de ensino nas três cidades. Estou me sentindo, mais uma vez, como uma mulher à porta de saída da maternidade com um recém-nascido nos braços. Cheia de incertezas, inseguranças. O que vai ser daqui para frente? Será que as famílias cariocas e paulistanas vão acolher nossa proposta com tanto carinho quanto as belo-horizontinas? Como uma mãe que está sempre pronta a fazer o que for preciso pelo filho, estou cheia de disposição para trabalhar duro e merecer a confiança da nova audiência. A Canguru é muito mais do que essa revista impressa que você tem nas mãos. É uma plataforma que reúne diversos canais gratuitos de comunicação on-line e off-line. Leia a revista, navegue no nosso site, siga nossas redes sociais, ouça nossos podcasts, assista aos nossos vídeos, participe das nossas promoções, frequente nossos eventos. Tenho certeza de que você encontrará, em algum desses espaços, inspiração para cumprir o que acredito ser a principal missão dos pais: criar filhos melhores para o mundo. Afinal, são os meus filhos e os seus filhos que construirão o futuro. Se pudermos fazer deles adultos melhores do que nós mesmos temos sido, aí sim daremos uma contribuição grandiosa para que este seja um mundo melhor para todos. Concorda comigo? Discorda? Escreva para mim! Sugestões e críticas são sempre muito bem-vindas.

Ivana Moreira, DIRETORA DE CONTEÚDO ivana@canguruonline.com.br

8

Canguru

. MAIO 2017



DIRETOR EDITORIAL: Eduardo Ferrari DIRETORA DE PROJETOS ESPECIAIS: Ivana Moreira

www.canguruonline.com.br

A Canguru é uma publicação mensal da Scrittore Comunicação e Editora Ltda. CNPJ 12243254/0001-10 (Rua Alberto Bressane, 223. Belo Horizonte/MG. CEP 30240-470)

CONSELHO EDITORIAL Eduardo Ferrari, Guilherme Sucena, Ivana Moreira, Márcio Patrus e Suellen Moura DIRETORA DE CONTEÚDO Ivana Moreira (ivana@canguruonline.com.br) EDITORA-CHEFE Cristina Moreno de Castro (cristina@canguruonline.com.br) EDITORAS Luciana Ackermann (luciana@canguruonline.com.br) e Sabrina Abreu (sabrina@canguruonline.com.br) REPÓRTERES Rafaela Matias (rafaela@canguruonline.com.br) e Verônica Fraidenraich (veronica@canguruonline.com.br) ESTAGIÁRIAS Catarina Ferreira (catarina@canguruonline.com.br), Daniele Franco (daniele@canguruonline.com.br) e Gabriela Willer (gabrielawiller@canguruonline.com.br) EDITORA DE ARTE Aline Usagi (aline@canguruonline.com.br) PROJETO GRÁFICO Chris Castilho (Mondana:IB) (www.mondana.net) EDITORA DA TV CANGURU Juliana Sodré (juliana@canguruonline.com.br) REVISORA Shirley Souza Sodré COLABORADORES DESTA EDIÇÃO Cris Guerra, Leo Cunha, Luís Giffoni e Isabella Grossi FOTÓGRAFOS Gustavo Andrade, Moacyr Lopes Junior/Malagueta e Ricardo Borges GERENTE DE COMUNICAÇÃO E MARKETING Camila Capone (camila@canguruonline.com.br) ESTAGIÁRIO DE MARKETING Filipe Cerezo (filipe@canguruonline.com.br) GERENTE ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Roberto Ferrari (roberto@canguruonline.com.br) DIRETORA COMERCIAL Suellen Moura (suellen@canguruonline.com.br) EQUIPE COMERCIAL Janna Souza (janna@canguruonline.com.br), Laura Ramos (laura@canguruonline.com.br), Marcelo Moraes (marcelo@canguruonline.com.br), Simone Dianni (simone@canguruonline.com.br), Luiz Póvoa (steve@canguruonline.com.br) e Vera Belini (vera@canguruonline.com.br) DIRETOR DE NOVOS NEGÓCIOS Guilherme Sucena (guilhermesucena@canguruonline.com.br) ATENDIMENTO A LEITORES E ESCOLAS PARCEIRAS Gabriela Linhares (gabriela@canguruonline.com.br)

PARA FALAR COM A REDAÇÃO Belo Horizonte Avenida Flávio dos Santos, 372, Floresta CEP 31.015-150

Rio de Janeiro Ladeira da Glória, 26, Glória CEP 22.211-12

São Paulo Alameda Santos, 1773, Jardim Paulista, CEP 01.419-000

Brasília (Representação) Roberto Pinheiro robertopinheiro@rcpinheiro.com.br

(31) 3656-7818

(21) 3864-6281

(11) 4081-1021

(61) 99625-7794

TIRAGEM TOTAL: 100.000 exemplares (BH: 25.000 exemplares, Rio: 25.000 exemplares, SP: 50.000 exemplares) IMPRESSÃO: O Lutador DISTRIBUIÇÃO: SM Log* * Distribuição gratuita para as Escolas Parceiras Canguru, uma rede de instituições particulares de educação infantil que se comprometem a enviar a revista aos pais de seus alunos na mochila dos estudantes. A relação das escolas parceiras em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo pode ser consultada por anunciantes.

Artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores e não representam, necessariamente, a opinião da revista e de seus responsáveis.

Acompanhe-nos nas redes sociais Facebook canguruonline Twitter @canguruonline Instagram canguruonline YouTube TV Canguru


Anúncio Menino - 001701 - JUNHO/2015

Kwell elimina piolhos e lêndeas o compartilhe e evita que seu filho essa rede nada social ças. com outras crianças.

KWELL - permetrina 1%

SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

INDICAÇÃO: Tratamento contra a infestação por piolhos e lêndeas (ovos de piolhos). M.S.: 1.0107.0244. Produto fabricado e comercializado por Aspen Pharma Indústria Farmacêutica Ltda; registrado por GlaxoSmithKline Brasil Ltda. SAC: 0800 0211529 | 0800 0210600 - Abril 2017

KWELL É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE O MÉDICO E O FARMACÊUTICO. LEIA A BULA.

www.aspenpharma.com.br


www.canguruonline.com.br www.cangurubh.com.br

[3]

Promoção Dia das Mães

Uma tarde de compras com Cris Guerra Participe da promoção que pode dar uma renovada no seu guarda-roupa Moda pode ser um jeito de acentuar sua individualidade (e não de uniformizar pessoas). Pode ser simplesmente um jeito bonito de viver. É o que diz nossa colunista Cris Guerra, autora do livro Moda Intuitiva. No mês das mães, uma de nossas leitoras vai ganhar de presente a oportunidade de descobrir o próprio estilo com a ajuda da Cris. Criadora do primeiro blog de look do dia do país (o Hoje Vou Assim), ela dedicará uma tarde de junho a escolher roupas para uma de nossas leitoras. E o melhor: quem vai pagar a conta é a Canguru. Uma oportunidade e tanto para renovar o guarda-roupa. Acesse www.canguruonline. com.br e confira as regras para participar desta promoção. Os papais também podem se inscrever! Mas, se um deles for sorteado, terá de indicar uma mamãe para ser beneficiada. Porque o mês é delas, não é?

App da Canguru chega em junho Fique atento! A partir de junho será possível baixar o aplicativo da Canguru, nas versões Android e iOS. Além de ter acesso a conteúdo exclusivo, será possível participar de promoções como sorteio de convites para filmes, peças de teatro e parques. E ainda fazer uma busca avançada, com sistema de geolocalização, para encontrar os melhores programas para as crianças.

12

Canguru

. MAIO 2017

[4]

Pluralidade

Site ganha novos blogueiros

[5]

Nosso time de blogueiros cresceu neste mês de maio! Direto de Orlando, Silvia Cervi vai compartilhar tudo sobre a terra da magia — não só sobre a Disney, mas também outros passeios que as famílias com crianças pequenas podem fazer por lá! Mamãe de primeira viagem, a DJ Carol Ramiro vai compartilhar a experiência de educar a pequena Malena junto com o papai, Jesus Luz. Já a blogueira Vanessa Ribeiro, criadora do Programa Mamãe de Sucesso, abordará as dores e os prazeres que envolvem o empreendedorismo materno. E o advogado Bernardo Monteiro escreverá sobre os direitos das crianças. Fique por dentro dos novos posts em www.canguruonline.com.br.

FOTOS: [1] GUSTAVO ANDRADE; [2] DIVULGAÇÃO; [3] HÉLIO MONTEIRO, [4] THAMIRES MACEDO [5] ARQUIVO PESSOAL

Vem aí


Todos os meses, a Canguru promove seminários gratuitos sobre temas relacionados à educação dos filhos. Fique atento à programação dos próximos eventos.

Palestra

Como estimular o potencial empreendedor do seu filho? Fernando Dolabela é o convidado do Encontro Canguru de maio [2]

Autor do best-seller O Segredo de Luísa e um dos mais respeitados estudiosos de empreendedorismo no Brasil, Fernando Dolabela diz que toda criança nasce com potencial empreendedor — não o de ser dono do próprio negócio, mas, o mais importante, de pensar fora da caixa. São os pais (e os educadores) que acabam por tolher a crença de que é possível realizar os

próprios sonhos. O professor fará a palestra “Como estimular o potencial empreendedor do seu filho”, no Encontro Canguru de maio, que será realizado no dia 27 (sábado), às 10h30, no Cubo (Rua Casa do Ator, 919, Vila Olímpia). O evento é gratuito, mas as vagas são limitadas. Faça sua inscrição no www.canguruonline.com.br.

Tv Canguru

Novidades na tela Uma TV Canguru reformulada estará no ar neste mês de maio, cheia de surpresas e estreias

[1]

Quer ouvir a opinião de especialistas renomados sobre temas relacionados à criação dos filhos? Assista a Canguru Entrevista, o programa semanal que será apresentado pela jornalista Ivana Moreira na TV Canguru, todas as quintas, a partir do dia 18. Quer dicas de moda, comportamento e outro assuntos para ser uma mamãe cheia de estilo e autoestima? Não perca 50 Crises, com nossa colunista Cris Guerra, todas as terças, a partir do dia 9. Assine nosso canal no YouTube (TV Canguru) e acompanhe, além dos programas semanais, reportagens especiais e bastidores de matérias da revista.

MAIO 2017 .

Canguru

13


Criança sabe desenhar canguru? Claro que sabe! Veja só o capricho destas artes que chegaram até nós pelo Instagram!

João Paulo, 5, teve sua arte publicada na conta de @bello5672. Parabéns!

As irmãs Letícia, de 6 anos, e Gabriela, de 8, fizeram estas belezuras, postadas no Instagram de @claudia_antonini_rizzuto. E é claro que a mamãe entrou na brincadeira também! “Adoramos desenhar juntas!”, diz Cláudia.

Isabela Santos, de 9 anos, fez o desenho junto com a vovó Zélia. Clique de @leandro_malacco.

Próxima missão: Preparados para o inverno O inverno começa em 21 de junho. Seu filhote já está devidamente preparado para o friozinho? Faça uma foto de sua criança agasalhadinha, vestindo algum acessório típico da moda de inverno (gorro, pantufa, luvas, cachecol etc.) ou se aquecendo numa fogueira ou lareira! Ao postar a foto no Instagram, marque a hashtag #canguruonline para a gente escolher as imagens que vão sair na revista de junho, viu?

14

Canguru

. MAIO 2017

FOTOS: REPRODUÇÃO INSTAGRAM

E tem mais em nossas redes sociais, viu?


POR Rafaela

Matias

Não tem p o ovo de roblema se Páscoa e caro. Na stá m gente nã inha casa a o coelho tr compra, o az pra ge nte! CECÍLIA, 6 anos, filha de Carolina M.M. Oliveira Lucchesi e Rodrigo Lucchesi. GUILHERME AUGUSTO, 4 anos, filho de Mirian Prata do Nascimento Barros e Leonardo Augusto do Val Barros.

Mamãe, seus cabelos são da cor do céu quando está de noite.

Papai, eu sou o filho primogênito ou um irmãogênito?

Uber l a cid ândia é a fácil p de mais ra ch a Uber mar !

Mamã e, des cobri você c por q hama mãe, é a vovó ue porqu d só min e ela n e ha vov ã oé ó, e é sua mãe, ig la também u minha al você é mãe.

MIGUEL, 5 anos, filho de Juliana Fagundes Ferreira e José Roberto Ferreira, após refletir um pouco sobre o nascimento de seu primeiro irmão, previsto para o fim de abril. WAGNER JR., 5 anos, filho de Andréa Vaz e Wagner Oliveira.

GIOVANA, 4 anos, filha de Alessandra Rosa Petrassi e Wagner Petrassi.

Se seu filho também diz pérolas, envie a frase para o e-mail redacao@canguruonline.com.br.

MAIO 2017 .

Canguru

15


EDIÇÃO Camila

Capone

O QUE ESTÁ ROLANDO DE ÚTIL, DIVERTIDO OU CURIOSO NA WEB E NAS REDES SOCIAIS

Cordel Animado Pequenos bichinhos Mais fofo do que bichinhos, só bebês vestidos de bichinhos. Morra de amores por essas fotos.

[1]

Cordel para crianças? Isso mesmo! Essa é a proposta do canal do YouTube Cordel Animado. Uma mistura de cordéis infantis com muita música e sonoplastia. Uma delícia de projeto, para aproximar as crianças do universo rico da literatura de cordel.

Conheça esse projeto usando nosso QR Code Canguru ou acessando o link: http://bit.ly/CordelAnimado

Use nosso QR Code ou acesse: http://bit.ly/ PequenosBichinhos

Brincando com sombras Um patinho, um coelhinho, um cachorrinho. Quem nunca brincou de fazer animais com as sombras? Assista a este vídeo e divirta-se com seu filho criando histórias com personagens animados na parede. Use o nosso QR Code ou acesse: http://bit.ly/BrincandoDeSombras

16

Canguru

. MAIO 2017 [3]

IMAGENS: [1] REPRODUÇÃO FACEBOOK; [2] REPRODUÇÃO YOUTUBE; [3] REPRODUÇÃO FACEBOOK

[2]



POR Catarina

Ferreira

Solidariedade contra a crise A CASA DO ZEZINHO atende crianças e adolescentes, de 6 a 18 anos, em situação de vulnerabilidade social. Para continuar o trabalho, a instituição precisa de ajuda, pois passa por dificuldades financeiras, que estão colocando em risco o atendimento. Apesar de ser parceira da prefeitura e receber doações de empresas e de pessoas físicas, a crise nacional diminuiu drasticamente o auxílio financeiro que chega até lá. Como consequência, 600 zezinhos, como são carinhosamente apelidados os alunos, foram desligados do projeto. Ainda restam 900 atendidos, que participam de oficinas de arte e atividades físicas, além de receber assistência social de diferentes tipos. Iniciado há 24 anos pela psicopedagoga Dagmar Rivieri, ou Tia Dag, o projeto é voltado para moradores de comunida-

des da Zona Sul de São Paulo e hoje ocupa uma sede própria, conquistada de modo curioso. Em 1995, uma das crianças se machucou e, depois de ser levada ao hospital, fez um lanche no McDonald’s. A notícia da visita à rede de fast-food se espalhou rapidamente. Resultado: vários outros coleguinhas tentaram se machucar só para poder entrar na lanchonete pela primeira vez. Depois de perceber o que aconte-

cia, Tia Dag juntou dinheiro e levou a turma toda para comer um lanche. E foi dentro da lanchonete que um empresário ficou curioso com aquela meninada e se ofereceu para ajudar, garantido a sede própria. Desde então, a Casa do Zezinho fica na Rua Anália Dolácio Albino, 30, Parque Maria Helena. Os interessados em contribuir com o projeto podem entrar em contato pelo telefone 5818-0878. =

CRIADO HÁ 22 anos, o grupo MENSAGEIROS DA ALEGRIA leva a terapia do riso a hospitais, casas de repouso, creches e orfanatos, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O projeto foi idealizado pelo casal Arlete Inacio e Krishnamurti de Abreu e se mantém financeiramente por meio da venda de cartões postais produzidos por um de seus fundadores. A receita gerada pelos cartões arca com as despesas de aluguel, figurino, materiais utilizados, entre outras. As doações recebidas pela instituição — diretamente na sede do projeto — são repassadas às casas de apoio que o grupo visita. O Mensageiros da Alegria oferece cursos de ludoterapia certificados pelo Centro de Voluntariado de SP e, após a certificação, é possível entrar para a equipe e se apresentar junto com o grupo. Para fazer doações ou se inscrever no curso, basta comparecer à sede, na Rua Conselheiro Crispiniano, 40, sala 407. Informações pelo telefone 3159-2995. =

18

Canguru

. MAIO 2017

FOTO: DIVULGAÇÃO

Alegria a favor da cura


a r e f e vc, é em

quê?

É UM, DOIS, TRÊS E JÁ!


POR Rafaela

35%

é o porcentual de crescimento do cérebro nos primeiros 1 000 DIAS do bebê, que vai da concepção até os 2 anos de idade.

Papá saudável para o bebê MAMÃES! PAPAIS! Vejam só que boa notícia! O Senac acaba de lançar um curso a distância que ensina a preparar comidinhas saudáveis para os bebês. As aulas do “Preparo de Papinhas” são divididas em quatro módulos, com duração to[1] tal de vinte horas, e dão dicas para preparar refeições balanceadas para crianças entre 6 e 12 meses. As videoaulas contam com a participação de nutricionistas, que oferecem detalhes sobre o preparo e a transição de alimentos pastosos para sólidos. Para se inscrever, acesse www.ead.senac.br/cursos-livres. O valor é R$ 82,30.

Matias

Uma ajuda para enxergar o mundo Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem cerca de 1,4 milhão de crianças com deficiência visual no mundo. O dado é preocupante já que, segundo a Sociedade Mineira de Pediatria, 85% do relacionamento de uma criança com o ambiente é feito por meio desse sentido. Neste aspecto, os óculos de grau as[2] sumem um papel importante. Alguns sintomas de que seu pequeno pode fazer parte do grupo de 15% das crianças que precisam usar óculos: ›› Dores de cabeça ou mal-estar durante ou depois de um esforço visual (leitura, aula etc.); ›› Franzir a testa para olhar a distância; ›› Aproximar-se muito de livros ou cadernos para ler; ›› Desinteresse por leitura.

(Bem) pequenos aprendizes conteúdos de português e matemática. A expectativa é que a Base Nacional Comum Curricular chegue às salas de aula a partir de 2019. Veja o que será exigido:

[3]

A ONDA DE APRENDIZADO precoce que se alastra pelas escolas particulares parece ter chegado também à rede pública de ensino. Novas definições, apresentadas pelo MEC na primeira semana de abril, determinam que as crianças de todo o país tenham acesso desde cedo a

20

Canguru

. MAIO 2017

2º ano do ensino fundamental (7 anos): além de já saberem ler e escrever, os estudantes aprenderão conteúdos de estatística e probabilidade. Eles devem ser capazes de coletar, classificar e representar dados em tabelas simples e em gráficos de colunas, e classificar eventos cotidianos como pouco ou muito prováveis, improváveis e impossíveis.

FOTOS: [1, 2, 3] PIXABAY

Educação infantil (até os 5 anos): devem ser desenvolvidas "a oralidade e a escrita". Caberá às creches garantir que as crianças até 1 ano e 6 meses reconheçam seu nome quando chamadas e demonstrem interesse ao ouvir a leitura de poemas e a apresentação de músicas.


eu já fui

criança Marcelo Jeneci

TODOS OS PAIS se preocupam quando os pequenos têm a temida febre. Veja algumas dicas da médica Mariane Franco, presidente do Departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), para lidar com o problema sem pânico e saber quando é preciso procurar um especialista.

#1 Fique atento a sintomas como prostração e sonolência. São indicativos de febre;

#2 Caso a criança esteja com febre (temperatura acima de 37,5°C), dê um banho com água morna;

#3 Se a temperatura estiver em torno de 37,8°C, ofereça o antitérmico de rotina para prevenir a elevação da temperatura – com a dosagem indicada pelo pediatra;

#4 Se a criança já teve convulsão febril, é possível que o quadro se repita. Não se apavore: elas são benignas e não causam danos neurológicos se ocorrerem entre os 6 meses e os 6 anos da criança;

#5 A princípio, não existe restrição alimentar quando a febre se manifesta isoladamente;

#6 Se a febre não ceder em até cinco dias ou se aumentar após 48 horas, é necessário atendimento pediátrico.

MAIO 2017 .

Canguru

FOTOS: REPRODUÇÃO / INSTAGRAM.

Deu febre! E agora?

Ele já fez turnês mundiais e tocou com alguns dos maiores nomes da música brasileira, como Arnaldo Antunes, Vanessa da Mata e Zélia Duncan. Mesmo assim, suas canções ainda são um pouco mais conhecidas que seu rosto. Talvez pelo jeito tímido e reservado que carrega do menino nascido em 1982, na Cohab Juscelino, em Guaianases, Zona Leste de São Paulo. Criado pela mãe, paulista, e pelo pai, pernambucano, Jeneci aprendeu a tocar sanfona bem pequeno e cresceu cercado por músicos. O pai, Manoel Jeneci, era famoso entre os sanfoneiros locais por ter criado um sistema de captação de som para o instrumento e não se cansava de mostrar aos amigos os talentos do filho do meio. Apesar do pai sanfoneiro, Jeneci gostava mesmo era de tocar teclado e sua rotina se dividia entre ir à escola, praticar o instrumento e frequentar a igreja evangélica duas vezes por semana, ao lado da mãe. Nas férias, o passeio era na casa dos avós paternos, em Sairé, no interior de Pernambuco — local escolhido para gravar o clipe da música Felicidade. Nostálgico, Marcelo já declarou que grande parte de suas músicas é uma tentativa de voltar para casa, retornar à infância, mesmo que de forma inconsciente. Orgulhosa, a família Jeneci faz questão de se reunir periodicamente para ouvir as novas canções do artista, dar palpites sobre os acordes e, claro, elogiar o grande compositor que ele se tornou. =

21


4moda

Preparados

para o

inverno

No dia 21 de junho começa oficialmente o inverno brasileiro, mas as temperaturas baixas não esperaram a estação mais fria do ano para dar as boas-vindas. E é um charme usar roupinhas com a cara dessa estação, não é mesmo? Vejam como ficou uma graça Larissa Almeida Noronha, de 7 anos, com as peças da loja Vila Mells. POR Rafaela

Matias

[1]

GORRO, R$ 49,90 Vila Mells www.vilamells.com.br

COLETE FEMININO, R$ 155,99 Carinhoso www.carinhosokids.com.br

FOTOS: DIVULGAÇÃO; [1] GUSTAVO ANDRADE.

BOTAS FEMININAS, R$169,90 | Marisol www.clubemarisol.com.br

22

Canguru

. MAIO 2017


COLETE MASCULINO, R$ 99,99 Malwee Kids www.malweekids.com.br

BOTAS MASCULINAS, R$ 159,99 PUC www.puc.com.br

GORRO E SAPATINHO DE URSO, Gorro: R$ 35,90 Sapatinhos: R$ 25,90 BB Básico www.bbbasico.com.br

CACHECOL, R$ 99,00 Lilica Ripilica www.lilicaetigor.com Preços pesquisados em abril de 2017. A Canguru não se responsabiliza pela alteração de preços ou pela falta de produtos. Imagens ilustrativas.

MAIO 2017 .

Canguru

23


Para a mamãe, com carinho Além de um abraço bem apertado e um “eu te amo” verdadeiro, elas merecem ganhar uma lembrança no segundo domingo de maio, não é mesmo? Veja algumas sugestões de presentes criativos! CANECA

25,00

R$ Elo7

www.elo7.com.br

QUADRO DE RECORDAÇÕES

98,90

R$ Fun Stock

www.funstock.com.br

ALMOFADA

69,00

R$ Dajuju

www.dajuju.com.br

R$

70,00 Vivara

PORTA-RETRATO R$

49,90 Uatt?

www.uatt.com.br

www.vivara.com.br Preços pesquisados em abril de 2017. A Canguru não se responsabiliza pela alteração de preços ou pela falta de produtos. Imagens ilustrativas.

24

Canguru

. MAIO 2017

FOTOS: DIVULGAÇÃO

PINGENTE


4inspiração

Um dia para

agradecer! Projeto quer incentivar escolas ao redor do mundo a promoverem a noção de gratidão entre seus alunos POR Rafaela

A

que você é grato? Já pensou nisso hoje? Pois o Jubilee Centre for Character and Virtues, da Universidade de Birmingham, na Inglaterra, lançou uma iniciativa que propõe uma reflexão a respeito. A ideia é instituir o Dia da Gratidão nas escolas, oferecendo um kit de ideias que direcione professores e alunos a desenvolverem diversas atividades voltadas para a temática. A proposta foi trazida para o Brasil pelo Instituto Brasileiro de Psicologia Positiva (IBRPP) e o dia 19 de maio foi o escolhido para colocar o projeto em prática. As escolas interessadas devem entrar no site bit.ly/gratidaoescolas e se cadastrar para receber o kit de inspiração, para baixar em formato PDF. Nele, haverá ideias como construir uma árvore da gratidão com fotos e textos selecionados pelos alunos e assistir a filmes sobre o tema. Quando estiver com o material em mãos, o representante da escola deve se reunir com professores, diretores, alunos e outros funcionários para discutirem as práticas que mais se

Matias

aplicam àquela instituição e começar a se organizar. Lembrando que o kit é apenas uma inspiração, e novas ações também podem ser propostas durante os debates. Com tudo pronto, basta convocar alunos, pais e colaboradores para celebrar, juntos, a gratidão no dia 19 de maio. A participação é gratuita e os requisitos são simples: 1) Trabalhar o tema gratidão nas ações; 2) Registrar, com fotos, filmes e depoimentos, a ação na escola e enviar até o dia 22 de maio de 2017 pelo email contato@ibrpp.com.br. O material enviado pelas escolas será colocado no site do IBRPP com uma mensagem especial de agradecimento e também será enviado à Universidade de Birmingham. A ideia é que todas as instituições participantes, ao redor do mundo, possam ver as ações promovidas e se inspirar para o próximo ano. Além de desenvolver e celebrar a gratidão nas escolas, o projeto quer mostrar que é possível transformar o mundo pela educação, desenvolvendo nas crianças as suas virtudes e força de caráter. = MAIO 2017 .

Canguru

25


4cidade

Vila Madalena mais saudável Espaço recém-inaugurado no bairro tem produtos orgânicos, de hortifrúti a vestuário POR Sabrina

Abreu

PAIS E MÃES sabem: as crianças costumam fazer comentários inesperados, que rendem histórias e risadas, mesmo anos depois de terem sido ditos. Para o casal Alessandro e Naíla Duarte, uma dessas experiências não se limitou a virar mais um caso divertido para contar. Em 2012, Naíla preparava uma sopa para a família, enquanto Alessandro brincava com o filho Heitor, hoje com 6 anos. Ela comentou com o marido que, mesmo incluindo vários vegetais na refeição, não

Orgânicos na mesa: Alessandro e Naíla passaram a se preocupar mais com a alimentação depois que se tornaram pais de Heitor e Gael

26

Canguru

. MAIO 2017


FOTO: MOACYR LOPES JUNIOR

tinha certeza de que isso fosse o suficiente para fazer um jantar saudável. “Não sabemos de onde vêm os alimentos, podem estar cheios de veneno”, disse. Com a sopa pronta, serviu o garotinho, que empurrou o prato de volta, recusando-se a comer. E disparou: “Não quero, tem veneno”. Alessandro conta que ele e a mulher passaram a se preocupar mais com a alimentação depois que se tornaram pais de Heitor e do caçula, Gael, de 3 anos. O casal relembra o episódio da “sopa envenenada” como um marco, que tem tudo a ver com o fato de terem aberto, no último mês, a Casa Orgânica, mercado na Vila Madalena dedicado exclusivamente à venda de produtos orgânicos certificados. E não apenas hortifrútis. Em dez quiosques, com oferta de mais de 100 pequenos produtores das cinco regiões do país, há itens de mercearia, limpeza, vestuário, maquiagem, entre outros. Arquiteto, o proprietário do estabelecimento admite que a crise na construção civil cooperou para que ele abrisse o negócio, como uma alternativa ao mercado desaquecido, que fez com que perdesse trabalhos. Mas a inspiração principal foi mesmo a dieta das crianças. A ideia de colocar itens de diferentes tipos lado a lado nas gôndolas, por exemplo, surgiu enquanto fazia compras para casa, semana após semana. “Não era fácil achar, porque a oferta de orgânicos estava pulverizada por São Paulo, às vezes com poucos produtos vendidos numa feira, outros num mercado, em pontos distantes um do outro. Dava trabalho encontrar”, conta. Para a alegria das crianças (e, o.k., dos adultos também), além dos vegetais livres de agrotóxicos, na Casa Orgânica há pizzas, pães de queijo, sorvetes e pães de mel artesanais, geleias, doce de leite, entre outras guloseimas feitas sem agrotóxicos e fertilizantes químicos. São vendidas até roupas infantis produzidas com algodão orgânico e tingimento natural. O local conta um espaço kids, para os pequenos brincarem enquanto os adultos fazem compras. 4CASA ORGÂNICA

Rua Fidalga, 346, Vila Madalena, tel.: 3813-0800. De segunda a sexta, das 11h às 19h, e aos sábados, das 9h às 15h.

Onde mais você pode encontrar orgânicos em São Paulo 4QUITANDA TOMIO Neste tradicional endereço paulistano, encontramse legumes, frutas e verduras orgânicas, além de produtos de mercearia, como mel, azeite, café, açúcar e molho de tomates. Rua dos Três Irmãos, 626, Jardim Guedala, tel.: 3721-2186. De segunda a sexta, das 7h às 20h30, aos sábados, das 7h às 19h, e aos domingos, das 8h às 14h 4INSTITUTO CHÃO Os preços ao consumidor são os mesmos praticados pelos produtores. Mas a casa, sem fins lucrativos, estimula que o cliente pague um valor maior (quanto quiser e se quiser) para garantir que o espaço continue funcionando. Rua Harmonia, 123, Vila Madalena, tel.: 3530-0907. De terça a sexta, das 8h às 15h 4CASA SANTA LUZIA Há treze anos o supermercado tem um setor dedicado a alimentos especiais, que inclui, além de mais de 1500 produtos orgânicos, integrais, linha light e diet, itens sem glúten ou sem lactose. Cereais e conservas, matinais, geleias e doces, bebidas, chás, cafés e massas estão entre as categorias disponíveis. E isso sem contar os hortifrútis. Alameda Lorena, 1471, Jardim Paulista, tel.: 3897-5000. De segunda a sábado, das 8h às 20h45 4SITE DOS ORGÂNICOS A empresa trabalha com o envio mensal de cestas de produtos, mediante assinatura, e opção de compras avulsas. Atende a mais de 100 bairros da capital (o mapa para consulta de endereços está disponível no site). As entregas são feitas duas vezes por semana, às terças e quintas. Os pedidos devem ser feitos com 48 horas de antecedência. sitedosorganicos.com.br 4CAMINHOS DA ROÇA Legumes, frutas, verduras, sucos, doces, produtos de higiene pessoal e de limpeza podem ser pedidos pelo site. Entregas em todas as regiões da capital e também na Granja Viana, às terças, quartas e sextas-feiras. caminhosdaroca.com.br/produtos.html =

MAIO 2017 .

Canguru

27


[1]

4comportamento

Educação com

conexão

Nem rígida nem permissiva, a disciplina positiva traz princípios e estratégias que ajudam a estreitar e aprimorar as relações entre a família POR Verônica Fraidenraich POR

28

Canguru

. MAIO 2017

Nova atitude: Maria Luiza, de 4 anos, definiu como meta não mais chorar na hora de ir à aula


FOTO: [1] GUSTAVO ANDRADE, [2] MOACYR LOPES JUNIOR/MALAGUETA, [3] RICARDO BORGES

5paraperguntas Jane Nelsen TER DE IR à escola todos os dias da semana nem sempre é visto com bons olhos pelas crianças. Sono, vontade de ficar em casa brincando ou junto com o irmão são alguns dos motivos que levam os pequenos a reclamar dessa rotina. Com Maria Luiza, 4 anos, não era diferente. Não raro, ela chorava e resistia quando tinha de se arrumar para sair. Até que, na primeira reunião familiar promovida pela mãe — a pediatra mineira Juliana Ribeiro de Melo Franco, 44 anos —, a criança decidiu mudar de comportamento. Maria Luiza definiu como meta não mais chorar na hora de ir à aula. E conseguiu cumprir a promessa. Depois, feliz com o feito, quis contar na escola que amava aquele lugar — o que o fez junto com a mãe. Isso aconteceu há nove meses, quando a pediatra passou a usar em casa a disciplina positiva, uma abordagem pedagógica baseada em respeito mútuo e cooperação, que visa a ajudar os pais na educação dos filhos. Considerada um meio-termo entre a forma rígida e a permissiva de educar, tal proposta defende a liberdade com ordem — os pais dão limites aos filhos, porém, sempre que possível, com opções de escolhas — que demonstrem respeito por todos. A abordagem foi criada há mais de trinta anos pela americana Jane Nelsen, uma terapeuta de casais e famílias da Califórnia, que é doutora em educação, mãe de sete filhos e avó de dezoito netos. Segundo Jane, a chave do programa é a não punição. “A disciplina positiva propõe tratar as crianças com dignidade e respeito, usar o encorajamento para que desenvolvam o sentimento de pertencimento e a noção da importância de ensinar a elas habilidades para que se sintam capazes de contribuir em casa e com a sociedade”, disse a terapeuta por e-mail a Canguru (leia ao lado a entrevista com a autora). Jane e diversos coautores já escreveram dezoito livros sobre o assunto, dois deles traduzidos no Brasil pela Editora Manole — Disciplina Positiva, em 2015, e Disciplina Positiva em Sala de Aula, no mês passado. 4

Em entrevista à Canguru, a terapeuta norte-americana Jane Nelsen, criadora da disciplina positiva, fala a seguir sobre critérios da abordagem, punição e desafios para os pais

Para quem nunca usou a disciplina positiva, qual o maior desafio? Ajudar as pessoas a entender que, mesmo que a punição e as recompensas funcionem a curto prazo, elas não ensinam os valores sociais nem as habilidades de vida de que as crianças necessitam a longo prazo para se tornarem membros bemsucedidos da sociedade. Levando em conta que a disciplina positiva exige tempo para a prática, como pais que passam poucas horas por dia com seus filhos podem usar o programa com sucesso? A qualidade do tempo é tão importante quanto a sua quantidade. Crianças podem aprender a se sentir capazes e conectadas em poucas horas por dia. Por que a educação com punição é uma prática tão comum? E como a disciplina positiva sugere substituí-la? Para muitos pais e professores o pensamento funciona, mesmo que haja um custo a longo prazo. Várias crianças que são punidas se tornam rebeldes ou complacentes. A disciplina positiva ensina ferramentas que são mais eficazes a curto e longo prazo. Quando os pais e professores aprendem (e realmente entendem) isso, eles ficam felizes em deixar as punições de lado. Desde que a disciplina positiva surgiu, há mais de 30 anos, a sociedade mudou muito, assim como o comportamento das pessoas. Como a abordagem faz para se manter atual nos dias de hoje? O fato é que todas as pessoas, inclusive as crianças, querem ser tratadas com dignidade e respeito, bem como aprender as habilidades que as ajudarão a ser bem-sucedidas na vida. Há dados sobre quantas pessoas usam a disciplina positiva no Brasil e no mundo? Eu não sei bem ao certo. A disciplina positiva tem crescido por todo o mundo. Acabou de acontecer a primeira conferência sobre o tema na Europa, em Barcelona, com 130 treinadores certificados, de 24 países. Em maio, a China fará a quinta conferência a respeito do assunto. E no último evento, nos Estados Unidos,º havia representantes de dezenove países.


Os adolescentes, os primeiros três anos de vida e os pais solteiros são o alvo de algumas das outras obras da série.

Ferramentas práticas

refa — lavar a roupa, por exemplo — e dá aos filhos outras opções entre as demandas existentes. Juliana diz que a disciplina positiva a transformou. “Percebo que estou mais calma e meus filhos também. Maria Luiza até brinca dizendo que não me vê mais nervosa”, afirma a médica e coordenadora do pronto-socorro pediátrico do Hospital Felício Rocho, em Belo Horizonte, que já deu palestra sobre o tema em um dos Encontros Canguru. Para a consultora em educação Bernadette Rodrigues, que participou da tradução dos dois livros de disciplina positiva para o português, são muitos os benefícios dessa abordagem. “As crianças e os adolescentes

Baseada no trabalho de dois psiquiatras vienenses – Alfred Adler (1870-1937) e Rudolf Dreikurs (18971972), essa maneira de educar não apresenta um passo a passo nem uma fórmula pronta, mas sim critérios e ferramentas práticos para as situações mais comuns que a criança enfrenta segundo sua faixa etária — como as explosões emocionais, entre 2 e 3 anos. No livro Disciplina Positiva, Jane Nelsen afirma que, à medida que os pais se apro[2] fundam nos princípios básicos, as aplicações se tornam mais fáceis. Ela orienta para que as pessoas tentem um método de cada vez. “Use apenas o que fizer sentido para você.” Entre as várias ferramentas disponíveis estão envolver as crianças na definição de limites, focar nas soluções e promover reuniões familiares (leia mais sobre as ferramentas no quadro no final do texto). Na casa da pediatra Juliana, os encontros ocorrem às sextas-feiras, com a participação do marido — o ginecologista Júnio Ribeiro, 44 anos — e dos filhos, Rafael, 15 anos, João Pedro, 13 anos, e Maria Luiza. A ideia é que a conversa sirva para incentivar a colaboração entre a família, repartindo tarefas domésticas que permitam dar responsabilidades aos filhos e discutindo problemas que cada um enfrenta para tomar soluções em consenso. Foi a partir de uma reunião que o filho mais velho se dispôs a lavar a louça nos fins de semana e Maria Luiza a arrumar os brinquedos. Quando eles não queAlternativa positiva: Lucas, de 5 anos, bate na almofada quando rem fazer nada, a mãe define a taprecisa descarregar a raiva

30

Canguru

. MAIO 2017


aprendem a desenvolver habilidades sociais e de vida, como autoconhecimento, autodisciplina, empatia, trabalho em equipe e capacidade para decidir e resolver problemas.” Ela estuda o assunto desde 2008, é membro e certificada como formadora da Positive Discipline Association — a associação americana de disciplina positiva — e também atua como palestrante, coach e professora universitária.

[3]

Tarefas domésticas: Luiza, de 4 anos, ajuda a colocar a mesa e arrumar o quarto e sua mãe, Yara Tropea, reconhece o esforço da pequena

Praticando a empatia Validar os sentimentos dos filhos é uma das ferramentas que a carioca Juliana Cidade Cardoso, 41 anos — mãe de Mateus, 10 anos, e Lucas, 5 anos —, incorporou ao cotidiano da família há quatro anos. Em momentos de birra, como quando Lucas queria comer um chocolate antes do almoço, ela passou a dizer que entendia o seu desejo e a sua raiva, mas não dava o doce e explicava que aquilo era ruim para a saúde dele. “Lucas tem um temperamento forte, então ele gritava e às vezes até queria bater em mim, mas eu percebi que não adiantava apagar o fogo com mais fogo.” Em vez do castigo ou da palmada, Juliana preferiu mostrar ao filho formas positivas de se expressar — batendo numa almofada para descarregar a raiva, por exemplo. A conversa fica para depois, quando todos estão mais calmos. “Não queria mais seguir modelos baseados em punição e recompensas e me identifiquei completamente com essa abordagem baseada em empatia, conexão e vínculo.” Tamanha paixão fez com que Juliana se tornasse consultora de educação positiva certificada pela associação norte-americana. Hoje, ela ministra workshops e palestras e coordena um grupo de estudos sobre o tema, entre outras atividades. “Vejo quanto meus filhos sentem-se felizes de serem tratados de modo amoroso e empático, e eles reproduzem esse comportamento em outros ambientes, pois é o que vivenciam em casa.” Em geral, as mães descobrem a disciplina positiva enquanto buscam informações que as auxiliem na criação dos filhos. Foi assim com a professora de inglês paulistana Yara Tropea, 36 anos, mãe de Pedro, 10 anos, e Luiza, 4. “Eu assistia a um programa na televisão sobre o cotidiano das famílias e sabia que não queria aquele tipo de educação, mas não conhecia outros modelos e me sentia perdida.” Na internet, ela encontrou textos relacionados à proposta, gostou do que leu e decidiu pôr em prática

com a família. Por coincidência, a escola de línguas onde foi trabalhar tempos depois também seguia a abordagem. Yara relata que costuma ressaltar as atitudes positivas dos filhos, de seus alunos e até dos amigos. “O mais comum é chamar a atenção para o que não deve ser feito, mas acho válido praticar o encorajamento — se Luiza arruma o quarto, por exemplo, comento o que ela fez e reconheço o seu esforço.” Ensinar a ser colaborativo e ajustar as expectativas são outros preceitos seguidos pela professora. “Quando vamos sair, explico o que vamos fazer, quais são as regras do lugar – no cinema não dá para conversar — ou mesmo a que horas vamos voltar, pois isso ajuda a evitar frustrações e desentendimentos.” Na casa de outra Yara, desta vez uma bebê de 10 meses que vive na capital paulista, foi o pai, Yuri Faiani Branco, 29 anos, quem se encantou com a temática. 4 Proprietário de

MAIO 2017 .

Canguru

31


uma livraria, ele soube do assunto por meio da sócia, que fez um curso com a consultora Bernadette Rodrigues. “Se ela chora, procuro entender suas necessidades e sempre que possível evito dizer o ‘não’, direcionando sua atenção para outro atrativo, como quando ela quer mexer em algo que não pode.” Yuri ressalta que a mulher, Lígia, 31 anos, trouxe outras abordagens relativas à maternidade e eles acabam mesclando um pouco de tudo que acreditam fazer sentido para a família.

Conheça as ferramentas #1

Envolver as crianças na criação de limites

“Crianças são mais dispostas a respeitar limites que elas ajudaram a criar.”* Definir em conjunto as regras de momentos como ver TV, a hora de brincar e de dormir. Discutir a importância dos limites, como eles devem ser e as responsabilidades de cada um.

#2 Praticar

a crença de que erros são boas oportunidades para aprender

“De onde tiramos a ideia de que para uma criança agir melhor precisamos fazê-la se sentir pior?” Os adultos têm de aprender e ensinar as crianças a se animar com os erros, vendo-os como oportunidade de aprendizado. Nas reuniões familiares ou durante o jantar, vale contar um erro cometido no dia e o que aprenderam com ele.

#3

Promover reuniões semanais com a família

“As reuniões permitem aumentar a cooperação e a proximidade entre os membros da família.” Organizar encontros regulares para falar sobre coisas boas e ruins ocorridas nos últimos dias, as tarefas domésticas e as * Citações do livro Disciplina Positiva, Editora Manole, 2015.

32

Canguru

. MAIO 2017

Tanto em casa quanto na escola, a mudança do clima para melhor e a busca por soluções — e não pelos culpados — são outros frutos dessa filosofia educativa, relata Fernanda Lee, que é treinadora certificada em disciplina positiva para pais e professores. Ela vive em San Diego, na Califórnia, Estados Unidos, e também ajudou a traduzir o livro Disciplina Positiva em Sala de Aula. “Ao ver que o adulto se importa com ela, a criança sente-se valorizada, e isso favorece a atmosfera do ambiente, que fica mais agradável, um dando suporte ao outro.” =

Comoestimular estimular nas nas crianças crianças Como habilidadesvaliosas valiosas habilidades

metas para a semana seguinte. Após a conversa, fazer uma brincadeira ou um jogo com todos para descontrair e deixar memórias felizes.

#4 Dar um tempo positivo “Quando as crianças se sentem melhor, elas podem trabalhar em uma solução ou fazer reparos.” Sair de cena na hora do conflito ajuda a tranquilizar-se e recompor-se para conversar depois sobre o ocorrido. Para tanto, vale organizar um canto — o adulto pode deixar um livro de humor na mesa de cabeceira e a criança pode criar uma área para ler ou brincar.

#5

Focar nas soluções

“O sentimento de responsabilidade cresce se as pessoas podem escolher uma solução em vez de alguém lhes dizer isso.” Em vez de ensinar as crianças o que não fazer, convide-as a refletir sobre a situação e a buscar uma solução com respeito e disposição. Ao pegar uma esponja e uma toalha para limpar o leite derramado na mesa, a criança pode perceber que é capaz de resolver aquele problema.


apresenta

Uma história que merece ser contada Projeto que doa cadeiras de rodas é tema de livro publicado por meio de financiamento coletivo

FOTO: FREEPIK

Três anos, 155 pessoas beneficiadas e milhares de cidadãos engajados em uma corrente do bem. Assim é possível resumir a história do Lacre do Bem, um projeto criado por Julia Macedo quando ela tinha apenas 9 anos. Mesmo tão nova, Julia descobriu uma forma de contribuir para um mundo mais solidário. Tudo começou quando uma instituição que cuida de crianças com paralisia cerebral presenteou a família da menina em agradecimento a uma doação. Esse gesto a tocou profundamente e despertou nela a vontade de ajudar. Foi aí que Julia descobriu a possibilidade de juntar lacres de latas de alumínio para comprar cadeiras de rodas e começou a recolher todos os lacres que encontrava, contagiando outras pessoas a seguir seu exemplo. PROJETO COLETIVO Hoje, o Lacre do Bem já chegou à marca de mais de 16 toneladas de lacres reciclados e 155 cadeiras de rodas doadas. Esta história já rendeu até um livro, que será lançado em 11 de maio. A obra, intitulada Julia do Lacre do Bem, é fruto de um crowdfunding — ou financiamento coletivo — e leva o selo “Pedagogicamente Responsável”. A chancela é concedida pela Associação Educore a conteúdos que despertem nas crianças a vontade de fazer o bem e a segurança de fazer o que é certo.

Após o lançamento, o livro Julia do Lacre do Bem poderá ser adquirido no site Infancia.com.br. Toda a renda obtida com a venda da obra será revertida para o projeto. Além disso, a cada livro vendido, outro será doado a instituições voltadas à infância e à juventude.

Para mais informações, acesse o site: www.educore.org.br

MAIO 2017 .

Canguru

33


4especial

Dois filhos e uma demissão: nove meses após o nascimento de seu primeiro filho, Fernanda Nascimento engravidou de novo e passou a ser afastada de projetos

Temos de vencer o

preconceito! Em pleno século XXI, mulheres ainda são dispensadas das empresas porque se tornaram mães POR Isabella

34

Grossi

Canguru

. MAIO 2017


Com a Revolução Industrial, ocorrida entre os séculos XVIII e XIX, as mulheres ganharam espaço no mercado de trabalho, embora recebessem menor remuneração — ainda hoje, em média, o salário das mulheres é 24% inferior ao dos homens na mesma função, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU) — e fossem subjugadas em suas funções. Após muita luta e resistência, aos poucos o cenário foi mudando, especialmente com a promulgação da CLT no Brasil, em 1943. Em relação às gestantes, além da estabilidade provisória, a legislação trabalhista estabeleceu uma série de regras (veja o quadro ao lado) para proteger as mães do preconceito e da discriminação. “É importante ficar claro que o fato de uma mulher estar grávida não significa que ela não possa ser demitida. É diferente, ela não pode ser demitida porque está grávida”, pontua a advogada Tarsila Neiva. “Se uma empresa estiver reduzindo o quadro de funcionários ou passando por uma reestruturação, as gestantes poderão ser desligadas, mas, além da verba rescisória, elas terão de receber a indenização pelo período de estabilidade.” Foi o que aconteceu com a relações-públicas Luísa Alves, de 34 anos. Pouco tempo depois de entrar em um dos maiores grupos têxteis do Brasil, com filial em São Paulo, ela descobriu a gestação. “Fiquei insegura de dar a notícia, porque eu não tinha a intenção de engravidar naquele momento”, afirma. Embora tenha aumentado a carga horária para organizar todas as pendências e trabalhado até uma semana antes do nascimento de Aurora, que está prestes a completar 2 anos, Luísa voltou da licença-maternidade e imediatamente foi demitida. “A desculpa foi a crise, mas eles já tinham contratado outra pessoa para ficar no meu lugar”, conta. Sua chefe nem ao menos esperou a estabilidade. “Ela me disse que achava justo que eu fosse para casa ficar com a minha filha e preferiu me indenizar pelo tempo que restava.” Com o dinheiro do Fundo de Garantia, a relações-públicas empreendeu e lançou o Guia Fora da Casinha, com dicas de eventos para pais e filhos na cidade de São Paulo. A realidade para quem não trabalha no regime CLT é ainda mais dura. A designer niteroiense Cristiane Biolchini, de 32 anos, que o diga. Assim que completou três meses de gravidez, ela contou a novidade aos gestores da empresa de live marketing focada em esportes na 4

MAIO 2017 .

Canguru

35

FOTOS: [1], [2] MOACYR LOPES JUNIOR / MALAGUETA

[1]

QUANDO COMPLETOU SEIS anos de carreira em uma multinacional alemã que pertence a um grupo americano, a puvblicitária paulistana Fernanda Nascimento, hoje com 44 anos, fez fertilização in vitro. “Me planejei e foi tudo muito organizado”, conta. “Eu tinha bastante proximidade com o board da empresa e conversava com eles sobre família.” Não demorou muito para que as obrigações do trabalho interferissem em sua rotina. “Tive uma reunião na China e fiz banco de leite”, lembra. “Passei sete dias viajando e deixei meu filho de 5 meses com o meu marido, a minha mãe e a babá. Eu tinha boas perspectivas.” Nove meses após o nascimento de Bernardo, no entanto, Fernanda engravidou de Vicente. “A segunda vez foi demais para a empresa. Quando voltei de licença, vi sinais de mudança. Nas reuniões, minhas ideias eram rechaçadas e eu fui afastada de vários projetos.” Até acabar o período de estabilidade — direito assegurado pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) que garante a permanência no emprego desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto —, a publicitária amargou, inclusive, um processo de seleção interno. “Foi como se tivessem armado um teatro, então fui ao meu chefe e perguntei: ‘Dá para falar que vou ser demitida?’.” Não deu outra. Mãe de dois filhos pequenos, a profissional, que atualmente é dona da Stratlab, agência especializada em comunicação integrada, estava na rua.


qual trabalhava havia três anos. “Todo mundo ficou muito feliz por mim”, afirma. “Eles beijavam minha barriga, faziam carinho e chegaram até a preparar um chá de fraldas.” A alegria durou pouco. “Descobri que era uma gravidez de risco e, por isso, precisei trabalhar de casa alguns dias na semana.” A ausência do escritório não prejudicou a produtividade de Cristiane, que cumpriu o cronograma até uma semana antes dar à luz João Vitor, hoje com 2 anos. Quase no fim da licença-maternidade, ela colocou o filhote na creche e organizou seu dia a dia para conciliar os compromissos profissionais com a responsabilidade materna. Um mês após o retorno, veio a notícia. “O diretor me chamou na sala dele e disse que eu não me enquadrava mais no perfil da empresa.” Embora fosse contratada como pessoa jurídica (PJ), a instituição respeitou o período de estabilidade e pediu o adiantamento de quatro notas fiscais. “Eles me pagaram cerca de 9 000 reais a mais, alegando uma espécie de rescisão”, diz. “Pelos cálculos feitos com o meu advogado, se fosse pela CLT, a diferença seria de quase 100 000 reais.” Cristiane encontrou dificuldades para se reinserir no mercado de trabalho e acabou optando por abrir a própria empresa, de moda praia infantil, a Le Infanti. “Acho engraçado eles usarem a gravidez como motivo de dispensa”, argumenta. “Quando você é mãe, o seu rendimento não cai, pelo contrário. Sua performance melhora, porque você quer entregar tudo mais rápido para evitar virar a noite e pegar o seu filho acordado, por exemplo.” Assim como Fernanda e Luísa, Cristiane deu a volta por cima e hoje consegue passar mais tempo com o pequeno enquanto comanda o próprio negócio. Mas nem todas as histórias de discriminação a gestantes têm um final feliz.

Baque na carreira Rafaela (nome fictício), de 23 anos, natural de Guarulhos (SP), passou no programa de estágio da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) em meados de 2015, mas negou a oportunidade porque descobriu que estava enfrentando uma gravidez de risco. Em 2016, todavia, ela participou do processo seletivo para trainee, mas não conseguiu avançar nas análises de currículo. “Cheguei a conversar com uma responsável pelo RH e ela disse que, assim que tivesse uma oportunidade, me chamaria pelo LinkedIn”, lembra. “Quando enviei meu currículo

36

Canguru

. MAIO 2017

para a tal vaga, ele não passou nem na triagem. Seu filho, hoje, está com 1 ano e 2 meses e só agora Rafaela está conseguindo, aos poucos, voltar ao mercado. “Isso porque eu mudei completamente o foco de atuação, de psicologia organizacional para clínica.” De acordo com a advogada Ana Paula Braga, do escritório Braga e Ruzzi, em São Paulo, nesse caso, o interessante é fazer uma denúncia ao Ministério Público do Trabalho. “O MPT pode averiguar e inclusive tem poderes para aplicar multas”, ressalta. Vale lembrar que, pela legislação, a mulher não é obrigada a informar sobre a gravidez no processo seletivo.

O outro lado A CSN informou, em nota, que “não pratica qualquer tipo de discriminação em seus processos seletivos para vagas”. “Nas diversas áreas em que atua (mineração, siderurgia, cimento, logística e energia), a Companhia mantém um processo seletivo justo, priorizando sempre a qualidade dos profissionais. Quanto à contratação de mulheres, para se ter ideia, na CSN Mineração nos últimos dez anos o número de mulheres trabalhando triplicou, inclusive nas áreas operacionais.”

O relato de Joyce (nome fictício), de 30 anos, demonstra que atitudes discriminatórias também podem vir de onde menos se espera. Formada em letras, com experiência internacional em marketing, ela trabalhou como revisora numa agência de conteúdo publicitário em São Paulo até descobrir que estava grávida. Detalhe: o diretor da empresa é o pai de seu filho, que hoje tem 9 meses. “Ele me disse que havia perdido o cliente que eu atendia. Como eu era PJ, fui demitida e recebi apenas o acerto referente aos dias trabalhados naquele mês”, explica. “Eu tinha acabado de alugar um apartamento, mas, com a demissão, tive de entregar e, ainda, pagar multa. Fiquei sem nada e precisei voltar para a casa dos meus pais, no interior do estado.” As portas se fecharam para a profissional, e, a cada entrevista de emprego, aumentava o sofrimento. “Diziam que não podiam assumir uma estabilidade de dois anos.” Joyce consultou um advogado e


[2]

está em vias de entrar com um processo na Justiça para que a agência reconheça o vínculo trabalhista e lhe garanta todos os direitos. Entre 2014 e 2016 ocorreram 25 634 novos casos envolvendo gestantes na Justiça do Trabalho de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, conforme levantamento da Coordenadoria de Estatística e Pesquisa do Tribunal Superior do Trabalho (CEST). Ainda assim, muitas mulheres, nessas circunstâncias, preferem se calar. Executiva da área social do setor de mineração, a mineira Raquel (nome fictício), de 46 anos, viu seu currículo de vinte anos de experiência ser massacrado quando resolveu adotar uma criança. “Não estava nos meus planos, até que eu conheci minha filha no programa de voluntariado da empresa em que eu trabalhava. Me apaixonei na hora”, recorda. No início, ela recebeu o apoio dos seus gestores, mas, assim Demitida logo após a licença: que deu entrada ao processo a chefe de Luísa Alves nem ao de adoção, a coisa mudou de menos esperou o período de estabilidade para afastá-la figura. Pela legislação, as mães adotivas possuem exatamente os mesmos direitos que as mães biológicas. “Cheguei a dizer que eu não precisava sair uma opção pessoal e por isso eu teria de arcar com as de licença, que poderia trabalhar remotamente, já que consequências.” eu tinha toda a infraestrutura em casa.” O apelo não foi Raquel recebeu a indenização, mas, quase um ano considerado, e Raquel foi obrigada a tirar a licença-mae meio depois, continua desempregada, prestando ternidade. Passados dois meses, a conta do seu e-mail foi desligada e a profissional soube, por colegas de trabalho, serviços como PJ, embora seu currículo contenha que já havia outra pessoa em seu lugar. “Fiquei sabenpós-graduação pela PUC-Minas, MBA pela Fundação do que eu não retornaria. Disseram que a adoção era Getúlio Vargas e mestrado pela Universidade Federal 4

MAIO 2017 .

Canguru

37


de Minas Gerais (UFMG). “Tudo isso me abalou muito, principalmente porque minha carreira foi construída na área de responsabilidade social”, declara. “O objetivo é o lucro, muito se prega e pouco se pratica. Hoje, quero trabalhar para uma empresa que tenha a real intenção de

ser transformadora.” A despeito da injustiça, a passagem pela companhia foi um fenômeno na vida da executiva. “Ela me colocou no caminho da pituca”, diz, referindose à filha, que completou 2 anos e meio ao lado dos pais adotivos. =

Direitos assegurados às gestantes ou mães adotantes Estabilidade

É um direito constitucional assegurado desde a concepção até cinco meses após a chegada da criança. Se a mulher for demitida nesse período, independentemente de estar cumprindo aviso prévio ou em período de experiência, pode ser readmitida ou receber indenização.

Salário-Maternidade

O benefício é concedido às mães, por meio do INSS, durante o período de afastamento. Vale tanto para CLT quanto para microempreendedor individual (MEI) ou pessoa jurídica (PJ).

Licença-Maternidade

São 120 dias contados a partir do nascimento da criança ou do momento da adoção. O prazo pode ser estendido para 180 dias se a empresa contratante é adepta do programa Empresa Cidadã. Nesse caso, a instituição pode deduzir de impostos federais o total da remuneração integral da funcionária nos dois meses de extensão voluntária do salário-maternidade.

Licença-Amamentação

Consiste em dois intervalos de trinta minutos, por dia, até a criança completar 6 meses. Por causa da complexidade na logística, muitas empresas optam por liberar a chegada uma hora mais tarde ou a saída uma hora mais cedo. O período é remunerado.

38

Canguru

. MAIO 2017

Creche ou Auxílio-Creche

A legislação trabalhista obriga os estabelecimentos que têm mais de trinta mulheres acima de 16 anos em seu quadro de funcionários a oferecer creche em suas dependências. Caso contrário, a empresa deve pagar auxílio-creche até que a criança complete 6 meses. O valor é determinado conforme negociação coletiva na empresa.

Exames e consultas médicas

Durante a gestação, é permitida a dispensa do horário de trabalho pelo tempo necessário para a realização de, no mínimo, seis consultas médicas e demais exames complementares, sem prejuízo do salário e de outros direitos.

Troca de função

A mulher grávida tem o direito de mudar de função temporariamente quando as condições de saúde exigem, especialmente se houver esforço físico acentuado capaz de prejudicar o desenvolvimento da gravidez.


3 perguntas para Sofia Vilela de Morais e Silva

Procuradora do Trabalho e vice-coordenadora da Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho – COORDIGUALDADE, do Ministério Público do Trabalho (MPT)

Por que é tão comum a discriminação de gestantes no mercado de trabalho? Toda a nossa legislação visa a proteger não só a mulher, mas a própria criança. E, ainda assim, existe a discriminação. Para os empregadores, a gravidez não é vista como algo normal ou natural, mas como um obstáculo ao comprometimento da mulher com a empresa. Sua dedicação é posta em xeque quando ela engravida. Persiste a noção de que a mulher é uma figura sensível, que vai dar prioridade à família? Temos que romper com esse preconceito de que a função de cuidar de um filho é inerente à mulher. Você preserva a questão biológica, porque é a mulher quem vai engravidar e amamentar, mas, fora isso, é responsabilidade de todo o círculo familiar, dos pais aos avós. Precisamos mudar a mentalidade. De que maneira? Denunciando, sempre. O MPT tem um sistema de recebimento de denúncias, e elas podem ser sigilosas. Não podemos admitir que empresas tenham atitudes discriminatórias. Por essa razão é tão importante o empoderamento. A mulher tem de ter consciência de que o fato de poder engravidar não a inferioriza. Pelo contrário, justamente por isso ela precisa ser valorizada e preservada.

Na Justiça

Casos novos nas varas trabalhistas (1ª instância), conforme dados da Coordenadoria de Estatística e Pesquisa do Tribunal Superior do Trabalho (CEST)

Reintegração / Readmissão ou Indenização de Gestantes

RJ SP MG

2.276

2.570

2.210

4.819 2.439

3.175

2.654

2.288

1.388

2014

2015

2016

Licenças / Afastamentos de Gestantes (Aborto Espontâneo - Repouso Remunerado)

RJ SP MG

145

125 94

571 440 94 99 77 35

2014

2015

2016

Período de Referência: 2014 a 2016 MAIO 2017 .

Canguru

39


4saúde

Podemos confiar no

Dr. ggoo o g le ?

Número elevado de buscas relacionadas a doenças movimenta a comunidade médica para produzir resultados mais confiáveis

ANTIGAMENTE ERA ASSIM: se as crianças ficavam doentes, as suposições pipocavam entre os pais e avós e usava-se aquela receita caseira que foi passada por gerações e costumava ser "batata". Se não desse certo, uma ligação para o pediatra para relatar os sintomas e, se necessário, uma consulta. O segundo passo permanece o mesmo até hoje, mas a evolução tecnológica mudou a forma de especular. Hoje, ao constatarem sinais de mal-estar nos pequenos, os pais — é quase certo — correm para tirar suas dúvidas e buscar sugestões de tratamento no oráculo do século XXI: o Google. De acordo com a empresa, cerca de 1% das buscas na plataforma está relacionada a sintomas de doenças. Se considerados todos os sites de busca, uma em cada vinte pesquisas (ou 5% delas) é sobre saúde. É provável que o número elevado esteja relacionado a duas características do ambiente virtual: rapidez e praticidade. Tudo o que um pai com filho doente almeja. É o caso, por exemplo, do publicitário paulista Thomás Callas, de 26 anos, referindo-se ao filho Noah, de 1 anos e 3 meses: “Eu corro para o Google quando aparece alguma coisa estranha nele, algo diferente, que não consigo identificar o que pode ter causado”. O problema é que nem todas as informações são

40

Canguru

. MAIO 2017

confiáveis, e a maior parte dos leigos não tem as habilidades necessárias para filtrar as fontes. Mas o Google sabe disso e tratou de resolver a questão. Em meados de 2015, o site de buscas firmou uma parceria com a Mayo Clinic, nos Estados Unidos, para que os profissionais da saúde produzissem descrições confiáveis das doenças com maior índice de procura na internet. Agora, foi a vez de o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, fazer o mesmo papel em terras brasileiras. Desde fevereiro deste ano, quem procura por sintomas no aplicativo do Google para dispositivos móveis encontra resultados que foram escolhidos e revisados por médicos. Painéis informativos em português apontam as possíveis condições para os sintomas pesquisados, quais são os tratamentos e as orientações para procurar um médico. Indicações sobre métodos contraceptivos também estão disponíveis. Ao todo, 400 doenças e 200 sintomas já foram catalogados pela equipe do Albert Einstein, e outras 350 doenças serão incluídas até o fim deste ano. Uma boa notícia para mães de primeira viagem como a belo-horizontina Fernanda de Oliveira Dias Carvalho, de 36 anos. Se antes e durante a gravidez a servidora pública já era uma pesquisadora assídua de todos os de-

FOTO: ISTOCK

Por Rafaela Matias


talhes sobre a própria saúde, depois do nascimento da pequena Ana Beatriz, hoje com 3 anos, não desgrudou mais do dr. Google. "Li sobre o teste do pezinho, icterícia, viroses. Gosto de me informar sobre tudo.” Mas, às vezes, a abundância de informações traz preocupações desnecessárias. “A Ana Beatriz teve refluxo e li que poderia estar associado a outras doenças mais sérias. Fiquei apavorada, mas fomos a pediatras e a um gastroenterologista e eles explicaram que o caso dela não era grave. Me desesperei à toa”, lembra. É por isso que grande parte da comunidade médica frisa a importância de sempre procurar um profissional. “Um mesmo sintoma pode ser sinal de diversas doenças, desde resfriados até patologias mais graves. O pediatra vai saber analisar o contexto e pedir exames mais profundos, se for necessário”, afirma o médico Joel Lamounier, membro do Comitê de Nutrologia Pediátrica da Sociedade Mineira de Pediatria. Mesmo assim, ele defende as pesquisas feitas pelos pais a título de curiosidade e pela vontade de se informar. “Nesses casos, o ideal é selecionar sites confiáveis e não apenas clicar no primeiro que aparece.” Um exemplo é o pediatriaparafamilias.com.br, criado pela Sociedade Brasileira de Pediatria para responder às dúvidas dos pais conectados. Na lista da plataforma aparecem respostas para perguntas como: “O que é microcefalia e quanto devemos nos preocupar?” e “Quando o refluxo se torna doença?”. Assim como Lamounier, a médica Juliana Aparecida Soares, uma das responsáveis do Hospital Israelita Albert Einstein pela parceria com o Google, defende a disseminação de informações de qualidade, que orientam o paciente e facilitam a sua relação com o médico. “A partir do momento em que a pessoa dispõe de informações acerca da sua condição de saúde, é possível, além de compreender melhor sua situação, argumentar junto ao profissional de saúde, esclarecer dúvidas e entender de forma mais clara quais os próximos passos do tratamento”, diz. Propostas como as da Sociedade Brasileira de Pediatria e do Hospital Albert Einstein não apenas mostram um movimento da comunidade médica para disseminar informações corretas sobre doenças e seus tratamentos, mas também evidenciam, mais uma vez, que a tecnologia pode ser maravilhosa. Basta encontrar a medida. =


4Entretenimento

o mundo dentro da

Com letra e desenhos educativos, Mundo Bita alcança mais de 700 milhões de visualizações no Youtube e se prepara para o mercado fora do Brasil POR Cristina

Moreno de Castro

Quando a primogênita Anabel estava prestes a nascer, Chaps Melo e Ivana de Souza fizeram o que todos os pais fazem: pensaram com carinho na decoração do quarto da bebê. Ela deu ideias, que ele transformou em desenhos e, em uma semana, o tema circense estava pronto, com direito a picadeiro, nuvens no céu e um apresentador de terno, cartola, sorriso bonachão e um imenso bigode laranja no rosto. O casal não fazia ideia que estava dando vida ao que viria a se tornar um dos principais personagens infantis do país, exatos sete anos mais tarde. O bigodudo em questão foi depois batizado de Bita e seu “Mundo Bita” já possui quatro DVDs (com disco de ouro pela Sony Music), está na grade do Discovery Kids e da Netflix, tem espetáculos teatrais, shows e produtos licenciados, aplicativos e seu maior trunfo: mais de 700 milhões de

42

Canguru

. MAIO 2017

visualizações no YouTube. O carro-chefe da produtora Mr. Plot, sediada no Recife, se tornou concorrente de pesos-pesados do segmento 0 a 6 anos, como Galinha Pintadinha, Patati Patatá e o veterano Palavra Cantada. Neste ano, vai alçar voos maiores: além do quinto DVD, “Bita e a Natureza”, que já vem sendo divulgado, com uma música inédita por mês no Youtube, a marca “Mundo Bita” também está em fase de pré-produção de uma série em dramaturgia, com episódios de 5 minutos, prepara novos aplicativos, e uma versão em espanhol dos clipes musicais, para tentar atingir o mercado externo. Mas nada disso aconteceu de repente. “Estamos colhendo os primeiros resultados financeiros e atraindo atenção das grandes marcas só agora”, revela o diretor de criação Chaps Melo, 36, em entrevista à Canguru. A Mr. Plot nasceu, em 2011, para ser uma empresa de tecnologia, com a ideia de produzir aplicativos educativos para crianças. O bonachão Bita entrou como personagem de um desses apps, mas o negócio não dava lucro. Foi só quando a equipe resolveu inserir um clipe musical ao “Bita e os Animais”, em 2013, que o personagem descobriu a que veio. O clipe bombou no Youtube, e logo foi firmado contrato com a Discovery Kids e a Sony Music, que encomendou um primeiro DVD feito às pressas. “A Mr. Plot nasceu para ser de tecnologia, não de economia

FOTO: DIVULGAÇÃO

cartola mágica


criativa, não de audiovisual. Nasceu de uma forma e nos descobrimos de outra por acaso”, resume Chaps. Ele se tornou o sócio responsável pelas músicas. Filho de professora de piano, o empresário só tinha tocado em bandas por hobby, mas começou a compor letras e canções para o repertório do “Mundo Bita”, com arranjos de Walman Filho. É ele também quem faz o vocal de “s” puxado – em parte por sua origem carioca, em parte por seu sotaque já forte de Pernambuco, onde mora há 19 anos. As letras são o ponto forte dos clipes de Bita. “Cozinheira de ideias, costureira de sonhos, onde se fabrica o pensamento. (...) E ela é rainha, comanda e desmanda e o corpo da gente obedece bem. Ouça e obedeça que a cabeça vai mandar” – diz a música “Onde é que se fabrica o pensamento”, do DVD “Bita e o Corpo Humano”. A canção “Ela e Ele” prega direitos iguais a meninos e meninas: “Garota, garoto, espelho do outro, somos diferentes demais. Menino, menina, respeito e estima, nós temos direitos iguais.” Os versos não se repetem exaustivamente, como em algumas canções infantis: as letras são longas, com rimas não muito óbvias, e acompanhadas por ritmos que trafegam pelo rock, samba e country. “No começo recebíamos críticas de que as letras eram muito complexas para crianças, mas vinha dos pais, não dos pequenos. A gente não trata a criança como um bobinho. Comunicamos com a criança como uma pessoinha, que vai entender, vai processar aquilo e transformar em alguma coisa”, diz Chaps. Os temas tratados pelas canções vão desde coisas corriqueiras, do dia a dia, como a escovação de dentes (“Xic, Xic, Xic”), até, na letra de “A Diferença É o que nos Une”, o respeito às outras crianças que têm necessidades especiais (veja alguns temas no quadro ao lado). A equipe da Mr. Plot tem mais liberdade ao criar os clipes com temas mais simples, mas tem que discutir mais a fundo os conteúdos que podem gerar alguma polêmica. A esposa de um dos sócios, que é pedagoga, é uma das principais procuradas nessas horas. Para a canção “A Diferença é o que nos Une”, o grupo buscou consultoria da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente), que acompanhou não só a criação da letra, mas também da animação. “Queríamos que eles vissem se, na nossa ignorância, tínhamos feito algo que pudesse ferir sem intenção”, diz Chaps. “A gente procura ser bem caxias, Ouça as músicas e veja a agenda de shows em nosso site: www.canguruonline.com.br

para o conteúdo realmente engrandecer a criança, não ser apenas um conteúdo vazio.” Assim como as letras, os desenhos também são politicamente corretos e educativos. Bita ganhou a companhia das crianças Lila (loira), Dan (negro) e Tito (ruivo), que têm personalidades próprias. Os pequenos estão sempre alegres, são educados, se respeitam, brincam juntos tanto de boneca quanto de dragão. Mesmo assim, o conteúdo também é alvo de críticas: já teve gente questionando o Bita por abordar “esse negócio de gênero”, já teve corrente religiosa radical vendo mensagem subliminar nos clipes ou pais interpretando errado algum trecho de música. “Mas a gente nunca se atrita com o público. Se não agrada, pode agradar em outra canção. Só queremos passar nossa mensagem positiva.”=

Seleção da Canguru Veja alguns temas tratados nas músicas do “Mundo Bita” DESFRALDE Música “Ai, que vontade!” Trecho: “O xixi sai bem quentinho, expresso e direto pro peniquinho. Pois eu não uso mais fralda!”

IMPORTÂNCIA DE ESCOVAR OS DENTES Música “Xic, xic, xic” Trecho: “Xic, xic, xic, para lá e para cá, da escova quando escova o nosso dente. Toda vez que a gente se alimentar é preciso fazer isso novamente”

DIREITOS IGUAIS PARA MENINOS E MENINAS Música “Ela e ele” Trecho: “Garota, garoto, espelho do outro, somos diferentes demais. Menino, menina, respeito e estima, nós temos direitos iguais”

CONVIVÊNCIA COM AS DIFERENÇAS Música “A diferença é o que nos une” Trecho: “Tantas são as formas de cruzar a imensidão demonstrando pro mundo nossa superação”

PASSEIO NA PRAIA Música “Chuá Tchibum!” Trecho: “Eu cruzo as marés maravilhas e surfo numa onda encantada. Eu viro um marujo maroto e navego meu navio pirata”

MEDO DAS CRIANÇAS Música “Não existem de verdade” Trecho: “Alô, bicho papão, venha pra cá, me dê a mão, pois quando anoitecer, montado num cavalo alado, eu vou te achar engraçado” MAIO 2017 .

Canguru

43


[1]

4Estilo

Meu cabelo

enrolado, todos querem querem imitar imitar todos

Com muita personalidade e beleza, as crianças com fios cacheadinhos e crespos estão chegando com tudo em um movimento que, mais do que moda, é de resistência POR Daniele

Franco

DEPOIS DE MUITO tempo de puxa, alisa e prende, é hora de deixar os cabelos livres, leves e soltos. E isso vale para a criançada também. Há pelo menos dez anos, segundo especialistas – psicólogos, antropólogos e empresários do mercado da beleza – ouvidos pela reportagem, a cultura do liso está dando lugar às vistosas cabeleiras crespas e cacheadas, com os mais variados cortes e penteados, sempre carregados com muito orgulho. Ou seja, uma geração inteira de crianças, que se beneficia dos resultados do empoderamento dos cachinhos. Para a psicóloga belo-horizontina Magali Figueiredo, o crescimento do movimento de valorização dos cabelos naturais traz uma onda positiva de autovalorização para as crianças, que mudam em si mesmas uma ótica de inferioridade imposta por uma sociedade cheia de preconceito. “As características das crianças devem ser enaltecidas e cultivadas desde o seio da família, para que elas respeitem sua individualidade e se orgulhem de ser quem são”, afirma Magali, que ainda destaca a importância de as crianças terem a possibilidade de perceberem sua própria beleza, força e poder e aprenderem que seu

44

Canguru

. MAIO 2017

INSPIRAÇÃO nas redes sociais: Elis, de 5 anos, incentiva outras crianças a gostarem dos cabelos crespos

valor existencial vai muito além da aparência. Doutora em antropologia social pela USP, com uma tese que abordou justamente cabelo, beleza e construção da identidade, a professora da UFMG Nilma Lino Gomes, que também é ex-ministra de Igualdade Racial do governo de Dilma Roussef, aprofunda a discussão e coloca a forma de uso dos cabelos como símbolo de resistência, principalmente no caso das crianças negras. “Corpo e cabelo são símbolos muito fortes da construção da identidade negra e, com a valorização desses símbolos, a comunidade se fortalece, se identifica e se aceita”. Foi pensando em criar referências de beleza para as crianças negras que a carioca Renata Morais, 32, criou a campanha “7 meninas crespas”, que viralizou na internet em 2015 ao trazer sete garotinhas superestilosas munidas de seus black powers enfeitados com os acessórios da marca que produziu o editorial, a Lulu & Lili. Fundadora da marca e também dona da Crespinhos S.A., uma produtora de modelos infantis negros no Rio de Janeiro, Renata acredita que o crescimento da adoção dos fios naturais é um passo enorme para que as crianças que


FOTO: [1] RICARDO BORGES, [2] GUSTAVO ANDRADE

CACHINHOS DOURADOS: Joana, de 6 anos, adora os elogios que recebe na escola e o apelido de contos de fadas que recebeu

não têm o padrão de cabelo liso imposto pela sociedade tenham referências de beleza como a sua própria: “A criança precisa se amar, se entender, para exigir respeito. Naquela campanha, eu quis mostrar às meninas negras e de cabelos crespos, inclusive à minha filha, que elas podem ser lindas do jeitinho que são”. A filhota de Renata captou bem a lição. Elis, de apenas 5 anos, já atraiu mais de meio milhão de visualizações em seu canal de YouTube (Elis MC), em que é sempre categórica ao falar de seu cabelo crespo e incentivar outras crianças a gostarem dos seus. Desenvolta que só, a garotinha conta que recebe muitos elogios na rua e nas escolas, mas se alguém fala algo ruim do seu cabelo, ela já tem a resposta na ponta da língua, parafraseando a mãe: “Eu adoro o meu cabelo do jeitinho que ele é”. Em seu primeiro vídeo que bombou, com 56 mil views, a garotinha dispara: “Meu cabelo não é ‘peluca’, ele não é liso e eu só uso ‘cleme’ se for pra deixar ele pro alto”. Elogios e agradecimentos no Instagram da pequena, que tem mais de 36 mil seguidores, mostram que sua mensagem de inspiração surte efeito e estimula cada vez mais pessoas, crianças e adultos, a fazerem as pazes com seus cabelos naturais. Reconciliação que nem sempre é fácil, como mostra o caso da belo-horizontina Pollyana Farias, de 7 anos: ela cresceu vendo a mãe, Ludmilla da Silva Farias, 25, alisando os cabelos quimicamente – “desde sempre”. Com apenas 6 anos, quis que seus cachinhos também fossem alisados. Um mês depois, a pequena se arrependeu. Agora, a criança acaba de sair de um longo processo de transição capilar, que durou seis meses. Quando a reportagem se encontrou com Pollyana, ela tinha acabado de cortar as últimas pontinhas de cabelos alisados. O tratamento foi no salão Beleza Negra, que atua há 30 anos em Belo Horizonte, sob a batuta da empresária Betina Borges. Ela chama atenção para a importância de procurar um profissional qualificado e que trate os cabelos da criança de acordo com as particularidades que cada um tem e lembra que “química no cabelo é só a partir dos 13 anos – e com ressalvas”. Profissionais de beleza, como Betina, têm exercido

um trabalho de conscientização e valorização dos cabelos naturais. Salões de beleza de todo o Brasil se concentram, agora, muito mais em tratamento sem transformação da forma natural dos fios. A carioca Lola Monteiro, proprietária do espaço que leva seu nome, diz que é comum receber pais reclamando que o cabelo da criança “é difícil”. “O que nós fazemos é orientar e ensinar como cuidar mais facilmente, pois o que essas mães não sabem é que a falta de tempo gera ainda mais perda de tempo”. Na zona Sul de São Paulo, a Clínica dos Cachos, do empresário Almiro Nunes, recebe cerca de 40 crianças por mês e os pais dos pequenos assistem ao trabalho dos cabeleireiros, para aprender o correto tratamento dos cachos infantis. Não que seja exatamente um mistério tratar os cachinhos. A consultora belo-horizonta Nathália do Nascimento, 40, mãe da pequena Joana, de 6 anos, dá a receita: “Não tenho nenhuma dificuldade de tratar do cabelo dela, é só passar o xampu adequado e, para manter os cachinhos, umedecer na hora que ela acorda”. Joana é conhecida na escola como Cachinhos Dourados e diz que seus coleguinhas dizem que seu cabelo “é lindo, maravilhoso e bonito”. Pensa em acabar com os cachinhos algum dia? “Nunca! Quero deixar meu cabelo assim pra sempre!” =

MAIO 2017 .

Canguru

45


FOTO: GUSTAVO ANDRADE

4para ler com seu filho

De olho nas letras LER UM LIVRO em voz alta é uma delícia para o adulto que conta a história e para a criança que escuta. É nessa hora que a gente percebe a musicalidade do texto, seu ritmo, seus silêncios, seus segredos. Os escritores (muitos deles, pelo menos) se preocupam com cada palavra, cada letra até. Muitas vezes quem está lendo nem percebe o trabalho minucioso por trás de textos aparentemente simples.

leo cunha e os filhos Sofia e André

À primeira vista, Medonho, de Rosana Rios, parece ser apenas uma história de monstros. Uma história divertida de monstros, curiosidade e solidão. E realmente o livro é assim. Mas experimente ler em voz alta para seu filho, sobrinho, ou para você mesmo. Surpresa! Você vai descobrir, também, uma história perfeita pra saborear a nossa língua, especialmente um detalhe peculiar do português: o som das letras "nh". Essa sonoridade tão bacana, que muitos estrangeiros nem conseguem pronunciar, atravessa o livro todo. Afinal de contas, Medonho, no banhado, cozinha nhoque e bolinho, mas é tristonho pois não tem vizinhos. Então sobe a montanha, cruza o riozinho e... Leia para descobrir! SOBRE OS AUTORES: Rosana Rios, paulista, é escritora e tradutora, com mais de 100 livros publicados e diversos prêmios. Juan Chavetta, argentino, é ilustrador e designer gráfico.

POEMINHAS DA TERRA. Texto de Márcia Leite, imagens de Tatiana Móes. Editora Pulo do Gato, 2016.

MEDONHO. Texto de Rosana Rios, ilustrações de Juan Chavetta. Editora Jujuba, 2014.

Márcia Leite, no livro Poeminhas da Terra, também explora a sonoridade das palavras. Não só do português, mas também do tupi, língua que já se espalhou por muitos estados e povos indígenas, e que deixou muitas palavras de herança para o nosso dia a dia. Os poemas são curtos e recheados de termos do tupi, como em Comilança: “Na boca: pipoca, tapioca, farinha de mandioca, paçoca de amendoim, pamonha, biju, aipim”. O projeto gráfico do livro ressalta, em cores, algumas vogais que se repetem, ou mesmo palavras inteiras, levando a gente a prestar mais atenção no som e na origem desses termos.

Leo Cunha é escritor e publicou mais de 50 livros, como "Um dia, um rio" (Ed. Pulo do Gato) e "Cachinhos de Prata" (Ed. Paulinas). Recebeu os principais prêmios da literatura infantil brasileira, como Jabuti, Nestlé e João-de-Barro. Na Canguru, dá dicas de livros para crianças. leocunha@canguruonline.com.br

46

Canguru

. MAIO 2017

IMAGENS: REPRODUÇÃO

SOBRE OS AUTORES: Márcia Leite, paulista, é escritora e editora de livros para crianças e jovens. Tatiana Móes, pernambucana, é artista plástica, ilustradora e professora de artes.



4viagens, modo de usar

[1]

Cabrais do sertão Luís Giffoni

48

Canguru

. MAIO 2017

[2]

nio Cultural da Humanidade. Há animais gravados na rocha que não mais existem no Brasil, como a lhama ou estranhos cavalos selvagens. Há covas onde se resgataram os restos mortais, que podem ser visitados no Museu do Homem Americano, na sede do Parque Nacional. Há um brinde especial: os macacosprego, considerados os mais espertos de sua família, capazes de construir ferramentas para quebrar cocos, o que comprova sua inteligência. O parque possui trilhas entre árvores ou abertas para a caatinga. Paredões feitos com pedregulhos podem ser escalados para se obter melhor visão do panorama. A Pedra Furada desafia-nos a descobrir como a natureza escavou um buraco no meio da rocha. Riachos convidam para banhos refrescantes. Cavernas e grutas mostram os segredos da Terra. Adolescentes com espírito aventureiro se sentirão em casa. Sobretu-

do quando descobrirem que aqueles primeiros habitantes não viviam, em média, além dos 18 anos, e que portanto todos aqueles desenhos foram feitos por adolescentes. A identificação entre gerações separadas por milhares de anos se consolida. São Raimundo Nonato possui estrutura básica para o turismo. Os guias são competentes. A região pode ser visitada o ano inteiro. O primeiro coração do Brasil bateu por lá, no peito dos nossos verdadeiros descobridores. Cabrais cujos nomes a História esqueceu. =

Luís Giffoni é cronista, romancista e palestrante. Autor de 26 livros, tem nas viagens uma de suas paixões. Nelas aprende a diversidade do mundo e das pessoas, experiência que acaba traduzindo em suas obras. Neste espaço, dá dicas sobre como aproveitar o mundo com os pequenos. giffoni@canguruonline.com.br

FOTOS: [1] GUSTAVO ANDRADE [2] SERRA DA CAPIVARA WIKIMEDIA COMMONS

Estamos tão influenciados pela Europa que nossos filhos ainda aprendem que Cabral descobriu o Brasil. Raramente nos lembramos de que os índios aqui chegaram milênios antes. Se examinarmos melhor, houve gente que desbravou nosso país muito antes dos índios. Luzia, o famoso fóssil de Lagoa Santa, com 11.500 anos, é uma prova. Ela possui traços africanos, muito diferentes das tribos da Amazônia. No entanto, Luzia já não é nosso mais antigo habitante. Pesquisas mostram que, 12.500 anos antes dela, havia brasileiros no Piauí. Talvez muito antes disso. Foram os mais antigos colonizadores das Américas. A busca por esses pioneiros no sertão piauiense, perto de São Raimundo Nonato, quase na divisa com a Bahia, é uma aventura para nossos filhos mais crescidos que lhes trará diversão e conhecimento. Aventura de fato. Significa um mergulho no passado distante, na arte da sobrevivência, num modo de vida extinto, na cultura ancestral, na fauna e na flora da Idade do Gelo. Sem falar na beleza do lugar. Nossos antepassados deixaram milhares de pinturas no Parque Nacional da Serra da Capivara, cada uma mais interessante que a outra. Mostram seu dia a dia com caçadas, danças, cerimônias xamânicas. Há, ainda, desenhos que ninguém consegue interpretar direito. Formam o maior acervo rupestre do mundo, com mais de 700 sítios catalogados. Não por outro motivo a Unesco transformou o conjunto em Patrimô-


4passeios kids

FOTOS: [1] ANDRÉ HOFF; [2] DIVULGAÇÃO.

Cores de Frida Kahlo para crianças UMA DAS MULHERES mais inspiradoras da história da arte moveu a realização de uma exposição incrível com total foco nas crianças. Quem é essa mulher? Frida Kahlo, a pintora mexicana que quebrou todos os paradigmas da sua época e se transformou em um ícone do feminismo já na década de 1950, fazendo com que sua paixão, força e luta perpetuassem ao longo do tempo. Na mostra Frida e eu, as crianças têm a chance de visitar uma exposição na qual conhecem mais sobre Frida ao mesmo tempo em que podem tocar, brincar e sentir tudo o que envolve o universo da artista. Em cartaz na Unibes Cultural até 30 de junho, a exposição já fez sucesso no Rio de Janeiro (recebeu mais de 40000 visitantes em dois meses) e também em cidades da França, Inglaterra, Espanha e México. Frida e eu é tão fantástica que agrada desde bebês até adolescentes, uma riqueza de informações que não se vê normalmente, ainda mais de forma tão criativa e divertida. Isso porque a mostra tem como foco as crianças e não os adultos, que, certamente já tiveram a oportunidade de ver, em diferentes momentos, as obras da artista, que inclusive não são encontradas na exposição. Aos sábados, acontecem ainda diversas oficinas, todas ligadas ao

[1]

tema da mostra. A nossa dica é ir com tempo para conhecer a Unibes Cultural, que oferece várias atividades para toda a família. Ponto de vista da Juju e Lulu, de 3 anos: curtiram tanto que não queriam ir embora. Passaram mais de uma hora na exposição e não se cansaram de ir e voltar algumas vezes nos espaços. Um dos preferidos foi a cama adaptada com espelho no teto. =

[2]

QUER CONHECER? Rua Oscar Freire, 2500 (ao lado do metrô Sumaré) Funcionamento: Segunda a sábado, das 10h30 às 19h30. Aos domingos não abre. Preços: R$ 30 (sábado) e R$ 24 (terça a sexta).Grátis às segundas. Telefone: 11 3065-4333

Cá é fisioterapeuta apaixonada por leitura e escrita. É mãe da Júlia, de 3 anos. Tatê é jornalista de formação, blogueira por paixão. É mãe da Luiza, de 3 anos.

MAIO 2017 .

Canguru

49


4padecendo no paraíso

Amor não tem erro Soares

JÁ SE FOI o tempo em que a mulher virava mãe e dedicava toda a sua vida aos filhos. Hoje a gente sabe que ter o nosso tempo é muito importante. A mulher não morre quando nasce uma mãe e estamos aprendendo isso. Mães felizes, filhos felizes. Quer se dedicar aos filhos? Dedique-se! Quer trabalhar fora? Trabalhe. Quer deixar a criança na escola em horário integral? Deixe. Quer ter babá? Tenha. Nenhuma dessas escolhas nos torna mães melhores ou piores.

50

Canguru

. MAIO 2017

O que a torna uma boa mãe? Talvez nada. Pode ser que você nunca chegue lá. Talvez baste saber ouvir além das palavras e entender o que seu filho está sentindo. Nem todo o amor que você sente será suficiente para fazer um filho feliz, porque a felicidade de cada um está dentro de si mesmo e não nos outros. O primeiro passo para acertar a mão na criação dos filhos é entender que eles não surgiram de uma receita de bolo. Provavelmente eles não vão se tornar as pessoas que nós imaginamos, mas eles vão superar nossas

expectativas e vão nos ensinar mais do que aprendemos na vida. A gente sempre vai errar quando tenta acertar — e tudo bem! Amor não tem erro.

Padecendo no Paraíso é uma plataforma de apoio a mães coordenada pela arquiteta Bebel Soares e pela designer Tetê Carneiro. O grupo de discussão tem hoje mais de 7.000 membros. Na Canguru, as diretoras do Padecendo discutem assuntos como saúde, alimentação, sexo, viagens, inclusão e educação. www.padecendo.com.br

FOTO: PIXABAY

POR Bebel


FOTO: DIVULGAÇÃO

4artigo | Marilena Flores Martins

As descobertas da neurociência e o brincar BRINCAR ESTÁ VOLTANDO ao centro das atenções, tanto nos meios acadêmicos e científicos quanto por parte dos gestores de políticas públicas. Podemos afirmar que, finalmente, os adultos, sejam pais, profissionais ou agentes públicos, estão começando a valorizar as brincadeiras como meio fundamental para o desenvolvimento integral das crianças e das relações sociais pacíficas e cidadãs. Cientistas de várias disciplinas já compreenderam a importância do ato de brincar, pois ele abrange um amplo leque de experiências e comportamentos que influenciam diretamente o desenvolvimento das habilidades e competências das crianças, não somente em relação ao aprendizado, mas também em relação ao desempenho afetivo-emocional e social. As teorias que estudam as crianças concordam que brincar é importante. Algumas dizem que a criança aprende pela brincadeira, tornando-se emocional e fisicamente saudável. Além de saudável, a atividade é natural para os pequenos. Eles brincam o tempo todo, em qualquer lugar e não precisam dos adultos para isso. No entanto, algumas interferências podem ajudar. Por exemplo: professores podem utilizar jogos para desenvolver habilidades importantes para o currículo escolar; especialistas podem usar brinquedos para tornar a estada de crianças no hospital mais amena e comunicar a elas o que irá acontecer enquanto estiverem lá. A formação do vínculo positivo e harmonioso entre os seres humanos se inicia entre a mãe e o filho,

Adultos que têm sucesso na sua vida pessoal e profissional são os que tiveram uma infância com muitas oportunidades para brincar

com as primeiras trocas de sorriso, carinho e alegria, que geram confiança e produzem um modelo que se replicará por toda a vida. À medida que as crianças crescem e se desenvolvem, suas habilidades e competências começam a emergir pela exploração das brincadeiras, principalmente as que promovem a estimulação sensorial. Assim, brincar com objetos coloridos, de diferentes texturas e sons na primeira infância, pode contribuir para o surgimento de pessoas bemsucedidas, criativas e talentosas, fato já comprovado por pesquisas científicas, em vários países. Os adultos que têm sucesso na vida pessoal e profissional certamente são os que tiveram uma infância com muitas oportunidades para brincar e conviver alegremente com seus pares, além da própria família.=

Marilena Flores Martins é assistente social, autora e consultora na área do brincar e do desenvolvimento social. Cofundadora da Associação Brasileira pelo Direito de Brincar e à Cultura (www.ipabrasil.org), entidade que administra a Rede Brincar (facebook.com/redebrincar)

MAIO 2017 .

Canguru

51


A nutrição e o esporte na boa formação do cérebro A NUTRIÇÃO INADEQUADA ou deficiente, particularmente durante a infância, pode prejudicar o funcionamento normal do cérebro e dos processos cognitivos, como a memória, a atenção, a percepção, a linguagem, o raciocínio, a imaginação e o pensamento. Bilhões de células nervosas e novas conexões são adicionadas conforme o cérebro se desenvolve e serão esses os componentes responsáveis por enviar e receber os sinais que ajudarão no desenvolvimento do QI (quociente de inteligência), da linguagem e da atividade motora das crianças. Tais fatos só reforçam a relação que há entre uma boa alimentação e o desenvolvimento do sistema nervoso. O período vital de maior crescimento do cérebro humano se inicia na 13ª semana de gestação e vai até o terceiro ou quarto ano de vida. Após o nascimento, o cérebro do bebê continua em pleno desenvolvimento. Durante os seis primeiros meses de vida, o leite materno é o único alimento do recém-nascido. Com o passar do tempo, novos hábitos alimentares são incorporados, da ampliação do cardápio à definição de horários para as refeições. Muitas vezes, porém, os pequenos não aceitam bem essa rotina e podem “pular”, por exemplo, o café da manhã, refeição que é considerada a mais importante do dia para a manutenção de uma boa atividade cognitiva. Apesar disso, uma pesquisa americana relata que aproximadamente 60% das crianças nos Estados Unidos vão para a escola diariamente sem comer, ficando um longo período em jejum — do jantar, por volta das 18h30, ao almoço do dia seguinte. Embora não haja estudos epidemiológicos no Brasil a esse respeito, acredita-se que tal realidade também seja comum em nosso país. Pesquisas recentes mostram a importância do café

52

Canguru

. MAIO 2017

Crianças que participavam do programa de café da manhã da escola obtiveram rendimento melhor na leitura e na resolução de problemas lógicos

da manhã nas atividades de aprendizagem, memória e atenção em crianças com idade escolar. Relatórios atuais descrevem que o consumo da refeição matinal (o mesmo vale para o almoço) pode beneficiar positivamente o aprendizado em atividades acadêmicas. Por exemplo, crianças da 3ª a 6ª série (atuais 4º ao 7º ano) que participavam do programa de café da manhã oferecido pela escola obtiveram rendimento significativamente melhor na leitura e na resolução de problemas lógicos, bem como apresentaram um decréscimo nas ausências e no atraso na entrega de tarefas escolares. O exercício físico também é importante para o desenvolvimento das crianças, pois melhora a atenção e a memória, além de estimular a cidadania. Muitos trabalhos científicos comprovam a potencialização do aprendizado daqueles que praticam atividade física regularmente, proporcionando também benefícios preventivos que culminarão na saúde global do indivíduo.=

Bruno Araújo é nutricionista, doutor em neurociência pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Pós-doutor pela University of California, San Diego (UCSD). Pesquisador do Laboratório Nacional de Biociência (LNBio).

Sérgio Gomes da Silva é fisioterapeuta, mestre em engenharia biomédica pela Universidade de Mogi das Cruzes e doutor em neurologia e neurociências pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

FOTOS: DIVULGAÇÃO

4artigo | Bruno Araújo e Sérgio Gomes da Silva


Classificados

PARA ANUNCIAR

(11) 4081-1021 As mensagens dos Classificados sĂŁo de responsabilidade de quem as assina.

Contato: (11) 98262.6744 ritandrade2004@yahoo.com.br


FOTO: FLÁVIO DE CASTRO

4crônica

Minha vida sem mim Há pouco conheci a expressão “mãe solo”. Finalmente compreendi que o conceito de “mãe solteira” não fazia sentido — difícil notar o absurdo quando nunca estivemos fora dele. Em meio à tristeza de perder o pai do Francisco em plena gravidez, foi um susto me encaixar no tal estereótipo. Não me preocupavam olhares preconceituosos, e sim o medo de assumir sozinha um papel para o qual eu não me sentia madura, mesmo aos 36. Ainda não me sinto, embora o Fran já tenha 10 anos, mas não há como negar: já andamos um bocado. Das lanternas que iluminaram meu caminho, minha mãe e minhas avós acenderam sins e nãos. Eu poderia dizer que minha grande inspiração foi Dora, mãe da minha mãe, que também perdeu o marido grávida — aos 23 anos e tendo já duas meninas pequenas para cuidar. Mas ela precisou ter tanta força, que carregou a mão. Passei a vida citando sua história, impactada pela viuvez eterna que ela se impôs. Foi meu exemplo a não seguir. Já minha mãe, que como meu filho não pôde conhecer o pai, viveu levando a palavra altruísmo às últimas consequências — herdou o heroísmo da mãe e um peso a mais. As duas tinham luz de sobra, mas falhavam quando voltavam os holofotes para si mesmas. Sei que tenho muito das mães que elas foram, mas busco a todo custo ser outra mulher. Francisco sabe que seu coração bateu por mim quando o meu ficou sem voz. Que cavou em mim talentos escondidos, vindos à tona para que eu reagisse. Sabe também que não foi só para que eu desse conta de sustentá-lo — dar conta é pouco para o meu gosto. Eu queria saborear a trajetória. Por isso me foi tão importante o exemplo da outra avó, a paterna, cujo forte não era a maternidade, e sim quebrar paradigmas. Não imaginava que isso me seria tão necessário. Com o tempo percebi que justamente as mães que não estão sozinhas na tarefa de criar seus filhos são

54

Canguru

. MAIO 2017

cris guerra e o filho francisco

O abandono de si mesma compromete a autoestima, ameaça que chega rápido à relação com os próprios filhos e com o parceiro as que muitas vezes se abandonam durante a viagem. Mitifica-se o papel materno a tal ponto que parece irresistível tornar-se mártir em nome do amor a um filho. As consequências, porém, podem ser devastadoras. O abandono de si mesma compromete a autoestima, ameaça que chega rápido à relação com os próprios filhos e com o parceiro. De uma coisa, eu tinha certeza: eu só seria boa mãe sendo feliz. Não hesitei em lutar pela mulher que havia em mim, certa de que passar pelo luto não é morrer junto. Acordava sozinha nos fins de semana pra cuidar do Francisco, mas ia dormir pensando em como produzir o prazer que seria meu combustível. E a moda, que havia sido tão importante na construção da minha identidade, não largou da minha mão nem por um minuto. Não pude seguir sem mim. Mãe e mulher se uniram de forma definitiva, e assim não me faltou sequer um pedaço. A perspectiva absolutamente particular de maternidade me mostrou que podemos, sim, ser mulheres inteiras (e deliciosamente imperfeitas), desde que isso seja prioridade. Se é um desafio aceitar que nossos filhos não nos pertencem, a boa notícia é que eles também não são nossos donos. E na leveza do não pertencimento mora o prazer do voo. =

Cris Guerra é publicitária, escritora e palestrante. Fala sobre moda e comportamento em uma coluna na rádio BandNews FM e a respeito de muitos outros assuntos em seu site www.crisguerra.com.br. Na Canguru, escreve sobre a arte da maternidade. crisguerra@canguruonline.com.br