Issuu on Google+

Pequenos Artistas

Escola André Soares Braga Fevereiro – 2012 O Jornalinho da turma 5.º C 4.ª Edição

2º Período Liliane

Editorial Olá a todos! “A cidadania não é atitude passiva - mas ação permanente - em favor da comunidade.” (Tancredo Neves). O acto de ser professor não é apenas ensinar, é, também, acender a luz que guiará os passos de um ser humano por toda sua infância, adolescência até à fase adulta. A docência deve ser o farol que nos orienta perante as adversidades que o mundo nos apresenta diariamente e para que isso aconteça, é necessário muita dedicação e empenho por parte do professor, mas também por parte dos alunos e seus Encarregados de Educação. Eu particularmente devo muito aos meus professores, e agradeço de coração o empenho deles, que muito contribuíram para a minha formação como pessoa, que por sua vez procuro transmitir os valores universais de cidadania aos meus alunos, facilitando o processo do ensino e aprendizagem, promovendo a sua contínua e sustentada aquisição de competências que os tornará certamente em cidadãos e profissionais de excelência. Agora chegou o momento dos alunos refletirem da necessidade de fazerem um esforço acrescido, com o envolvimento dos respetivos Encarregados de Educação, no sentido de melhorarem as suas prestações, quer na realização das suas tarefas escolares quer na assimilação e prática diária dos valores subjacentes à cidadania, como sejam, o respeito pelos professores e restante comunidade escolar, o sentido de entreajuda, de solidariedade e de sã convivência, que muito facilita a difícil missão de ser professor. Gostaria de relembrar aos pais que se encontra a decorrer o projeto: “Eu e a minha família” e como tal gostaríamos de apelar de novo à vossa colaboração, partilhando connosco aquilo que conhecem dos vossos filhos, isto é, como veem as suas qualidades e defeitos e o seu relacionamento com a família). Escrevam algumas frases, produzindo um texto ou fazendo algumas quadras, enviadas por eles, até porque ainda só uma mãe o fez, conforme publicação nesta edição. Não se esqueçam de nos presentear com as vossas mensagens!

Encontro com a escritora Isabel Alçada Temos a destacar a vinda da escritora Isabel Alçada, no dia 14 de fevereiro de 2012. Em articulação com a Biblioteca Escolar, na aula de Língua Portuguesa, deslocámo-nos à Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, tendo vivenciado momentos belos, de partilha de leituras e experiências com a escritora Isabel Alçada. Até tivemos direito a um autógrafo.


Jornalinho da turma 5.º C - Pequenos Artistas- página 2 O Meu Livro Preferido

A propósito de Uma aventura na Quinta das Lágrimas de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada, Lisboa, Caminho, 4ª edição. A história começa quando os 5 amigos e os 2 cães que protagonizam esta coleção vão a um acampamento em Coimbra e o instrutor lhes falou da lenda da Quinta das Lágrimas. Curiosos, foram verificar a mancha vermelha que supostamente seria o sangue de Inês de Castro, o grande amor de D. Pedro, cujo romance era proibido pelo rei, seu pai, que determinou mandar matar Inês, por ser considerada uma ameaça política para o reino. Na Quinta das Lágrimas, os miúdos começaram a ouvir uns risinhos e uns beijinhos. Pensaram que eram dos espíritos de Inês e de Pedro. Foram investigar e descobriram que pertenciam a um casal que lá estava. Por coincidência, também eram Pedro e Inês e iam casar nessa mesma quinta. Chegou entretanto um empregado e anunciou a Inês que o vestido de casamento já lá estava. Inês convidou as gémeas para verem o vestido e pediu aos rapazes que nada dissessem ao noivo. As meninas descobriram então o marajá, convidado da Inês para o casamento, pois ela era a sua advogada. Os rapazes, por seu lado, entraram na biblioteca, no momento em que dois homens saiam, e travaram conhecimento com uma menina, a Sátia, filha do marajá, muito parecida com as gémeas, que lhes pediu ajuda. Pensava que aqueles homens a queriam matar. O grupo ficou com ela durante a noite, na Quinta das Lágrimas, onde estava hospedada. Antes do jantar, a Sátia descobriu que o tio Rustum tinha chegado para o casamento. O Pedro e o Chico foram ao acampamento para que ninguém suspeitasse que eles não estavam lá e, no caminho, encontraram o empregado do marajá com uma pedra preciosa, chamada Sangue de Tigre. Um ladrão roubou-lhe a joia que, mais tarde, foi recuperada pelo Chico. O empregado pediu-lhes que nada contassem ao marajá. No dia seguinte, conheceram o marajá e almoçaram com a família dele. Uma das gémeas reparou que o botão de pulso do tio Rustum tinha um intercomunicador. Na noite seguinte, dois dos rapazes foram ao quarto do Rustum e trocaram um dos botões de pulso por um dos de Sátia, pois eram iguais. Enquanto isso, o Rustum ouviu uma mensagem do assassino que ele contratara e os rapazes também a ouviram. Mais tarde, nessa noite, o assassino, que era o secretário do marajá, encontrou-se com o Rustum e os rapazes descobriram que o alvo era de facto o marajá e não a filha. Ia ser morto no dia seguinte com um veneno. Contaram tudo a Sátia e, na manhã seguinte, impediram o assassínio. O Chico entrou pela janela do marajá e impediu que o secretário desse o chocolate quente envenenado ao marajá. O tio Rustum, autor moral do crime, foi preso e o secretário assassino também.

No entanto, as aventuras não ficaram por aqui. A Sátia desapareceu, bem como uma das gémeas. Os raptores exigiram a joia e disseram que tinham uma bomba que explodiria se não cumprissem as suas exigências. O empregado que tratava da joia levou-a para o sítio combinado, a fonte das lágrimas, mas demorou muito tempo, apesar de o local ser perto. Os raptores enviaram outra mensagem a exigirem que se despachassem na entrega da joia. O João usou o faro do seu cão para descobrir as raparigas e atirou a bomba para longe. Os raptores foram descobertos e presos. O empregado afinal estava caído no chão por ter sido agredido. Na verdade, não tinha o rubi com ele, pois esta tido rebolado sozinho e ido parar ao fundo do rio, onde se encontrava camuflado pela mancha de sangue de D. Inês de Castro. O casamento ocorreu no dia seguinte e finalmente tudo correu bem. Mais um final feliz para estes jovens heróis. Raul Jorge da Costa Guimarães Alves dos Reis, nº19, 5ºC

CANTINHO DOS PEQUENOS ESCRITORES

Poesia de S. Valentim Um ramo de flores Veio parar à minha mão. Não sei quem me deu. O meu amor cresce de ansiedade, Sem saber o dono do meu coração. As pombas que pousaram no meu coração Deixaram uma mensagem doce Fizeram com que eu ficasse contente Com a mensagem que o meu amor me trouxe. Liliane Sophie Rodrigues Silva, n.º14, 5º C


Jornalinho da turma 5º C - página 3 Poema à Mulher

O CANTINHO DAS ANEDOTAS …

Eu quis fazer um poema, Cantar em verso a mulher, Mas veja só meu dilema, Meu tormento e agonia: Como fazer um poema Para a própria poesia? Antonio Manoel Abreu Sardenberga (escritor brasileiro) Homenagem pelo Dia Internacional da Mulher (Pesquisado por Sara Sá em colaboração com a mãe) PROVÉRBIOS Vamos ler alguns provérbios da obra de António Mota. Completem os provérbios com as seguintes palavras: gorda, razão, tece, bebida, simpatia, dente, sabedoria, perto, duros, dizer, fraco, montanhas, obrigar.

Para rir … - Senhor doutor, estou com perda de memória. - E desde quando é que sente a memória fraca? - Desde quando o quê? Ao chegar da escola, a Elisa diz à mãe: - A professora disse-nos que são precisas quatro ovelhas para fazer uma camisola. - Ah sim? - responde a mãe. - Eu não sabia que as ovelhas tricotavam! Numa loja de animais, uma senhora diz: - Bom dia, eu quero comprar uma gaiola para peixes. - Uma gaiola? Deve estar enganada. Para os peixes, o que a senhora precisa é um aquário. - Então quero um aquário-gaiola. - Um aquário-gaiola? Que animal é que a senhora tem? - Tenho um peixe voador. … E ADIVINHAS …

A afeição cega a …………………… A açorda faz a menina famosa e a velha ………………………… A água é a melhor ……………………… A alegria atrai …………………………….. A amar e a rezar, ninguém pode ………………..

É uma erva aromática. O seu sabor não é mau. Entra em muitos cozinhados E nos pastéis de bacalhau. Água a ferver, Em chávenas a condizer. O que vem a ser?

A experiência é a mãe da ………………………….. A fome aguça o ……………………………… A aranha vive do que ………………………………

Tenho muitos piquinhos, Seu fruto se adora, Porque és tão pretinho, E chama-se …

A boa vontade faz do longe ……………………. A língua resiste porque é mole; os dentes cedem porque são ……………………………….. A melhor palavra é a que fica por ……………… A força da corrente está no elo mais ………… A fé remove ……………………………………

Parece uma campainha, Por fora toda verdinha, Por dentro toda branquinha, E tem lá dentro a sementinha. Suas folhas são brilhantes E o seu fruto dourado. Sua flor leva a noiva No dia do seu noivado.


Jornalinho da turma do 5º C - página 4 O Cantinho das Ciências da Natureza CANTINHO DE EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA TECNOLÓGICA

Os nossos pequenos artistas estiveram trabalhar o rosto, vejam as suas belas criações!

a

Nas aulas de Ciências da Natureza, os alunos fizeram pesquisas sobre alguns animais e elaboraram o bilhete de identidade dos mesmos, entre outros trabalhos. Podem consultá-los no blog da turma. Parada nupcial dos golfinhos

As capas:

Os golfinhos vivem e deslocam-se em grupo. A estrutura do grupo é sempre igual. Nos subgrupos dispõem-se segundo um esquema préestabelecido no interior do mesmo território, com as fêmeas no centro para ficarem mais bem protegidas. As estratégias de caça, sem dúvida, mas também a possibilidade de melhor, de se defenderem dos predadores, parecem ser as razões principais dessa organização em grupos. Durante a época do acasalamento, a hierarquia no interior do grupo reforça-se. Acontece também os grupos juntarem-se, facilitando assim os encontros entre os seus membros. Os machos aproximam-se dos grupos das fêmeas e os mais fortes procuram impressionar as mais jovens. Os golfinhos são polígamos, mas não vivem em haréns. As fêmeas acasalam frequentemente com mais do que um macho na mesma época. Entre os roazescorvineiros, os machos são sexualmente adultos por volta dos 10 anos, mas frequentemente só acasalam depois dos 15 anos. As paradas nupciais podem durar várias semanas, ao longo das quais os machos realizam inúmeras proezas acrobáticas. Depois, as fêmeas aptas para serem fecundadas aproximam-se e formam-se os pares. Desejosos de carícias, os golfinhos esfregam-se nas barbatanas peitorais das suas parceiras. A seguir, a cópula dura apenas 15-20 segundos e realiza-se debaixo de água. A gestação dura entre 10-12 meses, conforme a espécie. Na altura do nascimento, a cria mede entre 70-120 cm. Outra fêmea do grupo assiste a progenitora: juntas, levam-na delicadamente para a superfície para que possa respirar o ar pela primeira vez. Além disso, a «madrinha» cuida do pequeno golfinho quando a progenitora vai à caça. Os jovens socializam rapidamente. Há também exemplares que levam uma vida solitária: trata-se sempre de adultos, mas não se sabe se foram afastados pelos membros do grupo ou se eles próprios escolheram viver dessa forma. Fonte:http://www.portaldascuriosidades.com/forum/i ndex.php?topic=54017.0 Ana Rita Simões, n.º4, 5ºC


Jornalinho da turma do 5º C - página 5

Curiosidades: No Rio Sado, neste momento há apenas perto de 31 golfinhos. Os inimigos naturais dos golfinhos são as orcas e os grandes tubarões. Os

golfinhos

brincar

à

gostam

volta

dos

muito barcos

de e

escorregar nas ondas.

Nome do animal: Golfinho. Grupo a que pertence: Pertence ao grupo dos mamíferos. Respiram por pulmões, fora de água. Onde vive: Nos oceanos e não em águas frias. Cor e tamanho: A cor é azul acinzentada o ventre é claro e o dorso é escuro. Tem 0,85-1,30m. Tipo de revestimento: Tem uma pele grossa e lisa. De que se alimenta: Peixes e lulas. Como se reproduz: O período de gestação é de aproximadamente 12 meses. As fêmeas parem uma única cria em cada três ou quatro anos. Alice, n. º 2, 5. º C Sabias que... ... para além do plástico, papel, metal e vidro, a madeira pode reciclar-se. Esta prática também contribui para a preservação das florestas e das árvores, até que reduz o consumo de árvores naturais. Ao reciclar uma tonelada de resíduos de madeira, evita-se que cerca de 40 árvores sejam abatidas. Cada um de nós pode fazer a sua parte. Obrigado! Eduardo Sant'Anna Nogueira, n.º 10, 5º C


Jornalinho da turma do 5º C - página 6

CANTINHO DO INGLÊS CANTINHO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

No âmbito do concurso dinamizado pelo grupo de professoras de Inglês de 2º Ciclo, realizámos trabalhos com material reciclado, inspirados pela ternura do Dia de S. Valentim que oferecemos à Biblioteca. Visitem o nosso blog, pois todos os trabalhos se encontram lá. A vencedora do concurso na nossa turma foi a Ana Inês, n.º 3 pela originalidade e materiais utilizados, mas todos estão de parabéns! Aqui estão os trabalhos premiados das turmas que participaram. Vejam como se portaram os nossos meninos no salto em comprimento!

Outras paragens …

Liliane, n.º14, 5º C


Jornalinho da turma do 5º C - página 7

Receita para um autorretrato

CANTINHO DA FORMAÇÃO CÍVICA

Em Formação Cívica continuámos a desenvolver o projeto da família. A este propósito vejamos o que a mãe do Raul escreveu sobre o seu filho e a receita para um autorretrato da Diana.

Ingredientes: 500 gr de responsabilidade 200 gr de comunicação 2 kg de amizade 100 gr de curiosidade 50 gr de egoísmo 20 kg de atividade 2 kg de simpatia 100 gr de inveja 2 kg de esperteza 5 kg de alegria 20 kg de extroversão Preparação:

Raul Luar: Filho primogénito bem-amado, Milagre de paz num dia fatídico, Doce no trato e no convívio, Meigo, dedicado e atencioso no lar, Ora sensato, lúcido, responsável e calmo, Ora rendido à alegria, à brincadeira, à preguiça. Amante quer de livros e suas coleções, Quer de disfarces e adereços de teatro. Seduzido pelas artes, Sobretudo o teatro e a música, Sente-se atraído pela investigação criminal, Almejando à profissão de detetive na PJ, A fim de que o bem prevaleça e se protejam os inocentes e as vítimas. Protetor e carismático para os irmãozinhos, Defensor dos animais e ativo ecocidadão, Empenhado e colaborativo nas grandes causas, Aprecia a tranquilidade do campo, da pesca, do seu espaço. Apologista da harmonia, foge do conflito e da confusão. Raul, a luz de uma promessa de esperança, Movido pela crença positiva na construção de um mundo e futuro melhores. Helena Guimarães, mãe do Raul

Juntamos numa bacia bem grande 2kg de simpatia com 2kg de amizade, obtendo 4kg de graça. Numa panela pomos 500gr de responsabilidade e 70gr de comunicação. Os restantes ingredientes põem-se na bacia, junta-se tudo e bate-se muito bem (1 hora no mínimo) e leva-se ao forno. Ao fim de estar bem cozido põem-se em cima 5kg de alegria e 20kg de extroversão para alegrar o bolo. Que é para quem o comer ficar enérgico (como eu!). Tempo de cozedura: 1 ano, 1 min. e 1 seg. Diana Pereira, n.º 9, 5º C


Jornalinho da turma do 5º C - página 8

Desafio do mês de fevereiro:

CANTINHO DA MATEMÁTICA

O animal escondido 1ª

Solução do desafio do mês de janeiro: Resolução

do

desafio

do

mês

de

janeiro: Dado vermelho Dado preto

1

2

3

4

5

6

1

2

3

4

5

6

7

2

3

4

5

6

7

8

3

4

5

6

7

8

9

4

5

6

7

8

9

10

5

6

7

8

9

10

11

b) Faz a planificação da superfície deste

6

7

8

9

10

11

12

cubo a partir da face já desenhada de aresta

1. A pontuação mínima que se pode obter é 2 pontos. 2. A pontuação máxima que se pode obter é 12 pontos. 3. Pode-se obter 4 pontos de três formas diferentes: - obtendo 1 ponto num dado e 3 pontos no outro; - obtendo 3 pontos num dado e 1 ponto no outro; - obtendo 2 pontos em cada um dos dados. 4. Pode-se obter 10 pontos de três formas diferentes: - obtendo 4 pontos num dado e 6 pontos no outro; - obtendo 6 pontos num dado e 4 pontos no outro; - obtendo 5 pontos em cada um dos dados. 5. Ao lançar dois dados existe a mesma probabilidade de se obterem ou 4 pontos ou 10 pontos.

a) Qual é o animal desenhado na face de baixo da terceira representação desse cubo? _____________________

2 cm = 4. c) Faz a planificação da superfície deste cubo a partir da face já desenhada de aresta 2 cm = 4.

d)

E, assim, terminámos esta 4.ª edição, não se esqueçam de nos enviar alguns trabalhos para publicarmos e de visitar, também, o nosso blog.

Até breve!


Jornalinho 5º C - Fevereiro