Page 1


02 EDITORIAL

Um ano incomum Este novo ano nos reserva algumas coisas diferentes, aulas começando mais cedo, a Copa do Mundo, eleições, expectativa de melhoras do mercado e muitas coisas que ainda nem sabemos. Temos muitos compromissos para este novo ano, mas nem tudo muito definido. Quem sabe consigamos, a contento, definir tudo o que se deve. Para 2014, devemos confiar em Deus, somente Ele sabe os planos para o futuro

ÍNDICE

EXPEDIENTE

03 devocional

Ano 18 - Edição 217 - Janeiro/2014

04 cultura

realizada pelos membros da IBB.

a Copa, a economia, os gastos públicos, a corrupção desenfreada, as aulas começando mais cedo e como preparar as crianças para isso e como ficará o Brasil após a Copa. Na minha mente são muitas perguntas e estas são apenas algumas delas. Já que o futuro pertence a Deus, não temos controle dele. Então porque se preocupar tanto com o futuro? Os planejamentos são importantes, é claro, mas sem a nossa fé em Deus tudo pode ser em vão. No ano que se começa vamos agir para melhorar aquilo que está ao nosso alcance: nossos relacionamentos com amigos, familiares e colegas de trabalho. Afinal, é muito importante ter amigos e pessoas que andem com a gente, pessoas com as quais possamos compartilhar alegrias e tristezas. Vamos trabalhar para sermos bem

Essa edição do Nosso Jornal tem algumas matérias falando destes assuntos e tenho certeza que vão te dar algumas diretrizes e definições, principalmente em relação às aulas e como a lei encara certas determinações legais. Fred Branco traz, como sempre, um relevante assunto sobre saúde e cuidados com “nossa casa”. Nestes tempos de indefinições e projeções instáveis nada melhor do que cuidar do que realmente interessa para que enfrentemos as intempéries da vida fisicamente melhores preparados. Em 2013 tivemos um crescimento bastante saudável na ONG ABC Vida e isto está relatado na excelente matéria preparada para mostrar

importantes instituições em nossa cidade. Falamos também de Copa do Mundo e da situação das torcidas organizadas no Brasil, esclarecendo os acontecimentos e suas implicações legais, junto com a opinião do povo brasileiro sobre o tema. Temos um espaço especial dedicado para os adolescentes e jovens, que estão na idade de fazer um intercâmbio ou até mesmo ingressar no mercado de trabalho. Espero que você goste do Nosso Jornal e que as matérias sejam interessantes e somem em seu conhecimento. Em 2014, desafiamos você que tem empresa ou é autônomo a anuciar seu negócio no Nosso Jornal, expanda seu negócio e faça parte do Projeto Nosso Jornal. Entre em contato com nossojornal@ibb.org. br para saber mais informações! Um abençoado 2014 e que a paz de Cristo esteja sempre contigo. Lehí Humberto Illescas, membro da Igreja Batista do Bacacheri

Marli S. Ciaramella (MTB - 24.450 104 72/SP)

06 saúde

COLABORADORES DA EDIÇÃO

Renato Mendonça Ana Letícia Pie

Chica Baptista Dongley Martins Fernando Silvado

07

ação social

08

capa

09

vida universitária

Fred Branco Marinês Mendonça Osmahir Pereira Rosa Nathaniel Brandão Paulo Ernesto Ormerod Penha Lustosa Priscila Aguiar Laranjeira Priscila Heringer de Oliveira Waldir Fabrício dos Santos PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO

10 culinária

Lehi Humberto Illescas CAPA Fabio Vinicius

11 opinião

COMERCIAL

12 atualidades

REGISTRO DO INPI

13 14

finanças

15 16

Lucas Granzoti Olga Gomes

825022495 TIRAGEM

destaque

5 mil exemplares IMPRESSÃO Grupo RBS CONTATO Nosso Jornal (Igreja Batista do Bacacheri) Rua Amazonas de Souza Azevedo, 134 -

finanças

Bacacheri - Curitiba - Paraná Telefone: (41) 3363-0327

a você o quanto esta instituição é importante. Desejamos que em 2014 o sucesso da ABC Vida cresça mais ainda e se torne uma das mais

JORNALISTA RESPONSÁVEL

EDITORES

sucedidos naquilo que fazemos, com seriedade, honestidade, integridade e muito esforço.

do Bacacheri (IBB). Distribuição gratuita

05 educação

e o que nos aguarda, apenas temos que confiar e fazer nossa parte. Talvez você se pergunte o que é mais importante neste momento:

Jornal mensal produzido pela Igreja Batista

E-mail: nossojornal@ibb.org.br

assistência social

Site: www.ibb.org.br/nossojornal *Parte das fotos utilizadas são meramente ilustrativas. Os conteúdos e opiniões contidos nesse material são de responsabilidade de seus autores.


DEVOCIONAL

03

Quanto falta pai? Viagem à praia é sempre uma aventura. Depois de tudo arrumado e do atraso básico, pois sempre alguém esquece alguma coisa, ela começa e as crianças fazem perguntas. Geralmente as fisiológicas de praxe (alimentares, excretoras 1 e 2), mas uma pergunta inevitável - envolvendo distância, velocidade, Leis de Newton, georreferenciamento, Global Position System... - é sintetizada em três palavras: “Quanto falta, Pai?” Para chegar ao destino, evidentemente. Não perguntam sobre o espaço percorrido até à posição atual e não esperam coordenadas precisas. Interessa mesmo é o tempo que falta para chegar. As respostas também variam no mesmo formato: “Ainda está longe; logo chegaremos; quase chegando; quem será o primeiro a ver o mar?” Chegamos!

A vida também pode ser comparada a uma viagem. Por exemplo, quantos anos você tem? No meu caso, descontado o tempo da gestação, 55 anos + “x” dias referenciados do nascimento, um sábado gelado, às 17h do dia 21 de junho de 1958. Os dias são contados a partir do marco do nascimento, mas é preciso lembrar que cada dia afastado dele significa um dia mais próximo do marco da partida para a eternidade. São duas contagens na mesma escala. Será que no relacionamento com o Pai celestial você tem a mesma inquietação a respeito do que ainda falta para se encontrar com Ele? Está ansioso fazendo a mesma pergunta: Quanto falta, Pai? Ele sabe muito bem, mas é bom saber que hoje é o primeiro dia do resto da sua jornada por aqui.

Mais um ano está aí e com ele expectativas, sonhos, desejáveis e possíveis realizações. Faço votos que você possa atingir os objetivos e ter um ano realmente abençoado e feliz. Mas lembre-se que pode estar mais perto do que imagina aquele inexorável dia. Então, faça como Moisés, o legislador hebreu, que assim orou: “Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos corações sábios. Salmo 90.12”. Saiba que, para Deus, o que vai mesmo contar são os dias que você vai viver de acordo com a vontade Dele, cumprindo os Seus propósitos. Então, inclua na lista das pretensões, uma a respeito de uma melhora nas relações com Ele. Sabe como é que é, por precaução, é bom deixar o passaporte pronto.

Waldir Fabrício dos Santos, Engenheiro Civil e pastor na Igreja Evangélica Congregacional em Toledo/PR


04 CULTURA

Luto, esperança e consolo O que exatamente acontece aos cristãos quando morrem? O que eles experimentam logo após a morte? Como é a sua existência agora? O que lhes acontecerá quando Cristo voltar? O autor Albert N. Martin, responde a essas perguntas em seu livro da Editora Vida Nova, perguntas que podem ser especialmente angustiantes para aqueles que perderam um ente querido. Que consolo e garantia as Escrituras têm a oferecer? O que você pode realmente saber com certeza a respeito deste assunto? O autor enfrentou essas mesmas perguntas e preocupações após a morte de sua esposa. Ele tinha consciência de que, para viver seu luto de forma que glorificasse a Deus, precisava obter diretamente das Escrituras as respostas mais claras possíveis. Este livro, portanto, é fruto de sua dor, suas lágrimas, angústias, orações e de seu estudo concentrado da Palavra de Deus.

Um encontro de grandes amigos Esta é uma daquelas histórias que acontecem todos os dias, em qualquer lugar e a qualquer hora. Quando você encontra alguém e pensa que nem tinha visto quem vinha em sua direção, logo não deu tempo pra pensar em algo agradável pra dizer ou talvez uma daquelas batidas palavras do tipo: Está frio hoje? Novamente um daqueles dias preguiçosos, não é mesmo? Que pena que o final de semana já acabou e por aí afora. Mas você pode ter sido surpreendido, quando essa pessoa olhou pra você, que cheio de dentes, usou a expressão: “Hoje amanheci com - os calcanhar pra trás!”. Um segundo, uma eternidade de pensamentos. O que teria acontecido com seu companheiro de discussões, exatamente, seu amigo, com quem você compartilha ideias. Companheiro de caminhadas, as vezes juiz, as vezes júri ou muitas vezes

Capitão Phillips O longa adapta “A Captain’s Duty”, livro escrito pelo Capitão Richard Phillips, que em 2009 teve seu cargueiro, o Maersk Alabama, sequestrado por piratas somalis. Tom Hanks interpreta Phillips, e a desproporção já se estabelece desde as primeiras cenas: o capitão está preocupado com a sua carga horária, assim como seus marujos, enquanto na Somália as relações de trabalho - se é que dá pra chamar assim a convocação à ação armada que presenciamos no início - são bem distintas. O que impede Capitão Philllips de se tornar um filme panfletário contra o descaso com que o mundo trata a África, em boa medida, é que não há muito espaço para discursos - depois que a premissa se estabelece, o resto é ação. E então as oposições desproporcionais se tornam físicas mesmo: o cargueiro contra o bote dos somalis, o corpo subnutrido dos africanos contra a muralha de músculos que são os fuzileiros navais (Greengrass filma os militares nus, antes de vesti-los, para deixar essa oposição bem clara). Capitão Philllips é um filme muito particular, por conta dessa questão das desproporções. E o diretor encontra em Tom Hanks, a representação perfeita dessa fisicalidade que o filme almeja. O Phillips interpretado pelo ator vai da mais plena ordem (o domínio do seu ofício, suas normas) à completa desarticulação (é capaz que ele ganhe o Oscar só por causa da cena final), e não seria exagero dizer que o capitão Phillips se despedaça por perceber, de repente, que neste mundo a ordem econômica e política, com seu suposto igualitarismo, é só uma grande ilusão.

apenas ouvinte, eis aí sua maior importância, o seu melhor predicado. Teria ocorrido algo que nem fiquei sabendo? Pensando bem, claro, não é totalmente normal amanhecer com os calcanhares pra trás? Afinal todo mundo tem calcanhar pra trás e dedos do pé pra frente, ainda bem! Então qual seria a intenção, de com palavras ríspidas, alguém dizer: “amanheci com os - calcanhar pra trás”. Ao olhar pro rosto desse amigo havia lá um sorriso de sarcasmo. Ele atingiu o objetivo, provocou-lhe ao ponto de rirem juntos. Vocês continuaram seus trajetos, certamente, o dia de ambos não foi mais igual. Pequenas decisões que tomamos sobre como enfrentaremos algumas novas situações certamente impactam aqueles que nos cercam. Alguns vão sorrir, outros se sentirão mais seguros, outros mais protegidos, outros te protegerão com orações e pensamentos, mas certamente, nenhum de nós será mais o mesmo. O desafio é que para esse ano que começa você tenha um amigo verdadeiro para caminhar contigo. Para te ouvir e para você escutá-lo, para compartilharem experiências boas e ruins. Para que vocês possam crescer juntos e nunca estarem sozinhos. Isso é muito importante e como faz diferença em nossas vidas.

Livraria e Locadora da Igreja Batista do Bacacheri - (41) 3363-0327 Osmahir Pereira Rosa, membro da Igreja Batista do Bacacheri


EDUCAÇÃO 05

O calendário escolar na loucura da Copa do Mundo Esse ano, será um ano atípico, aulas iniciando mais cedo que os anos anteriores, feriado de carnaval em março, férias escolares em junho em algumas escolas devido a Copa do Mundo. Mas não podemos perder de vista o calendário escolar e os conteúdos a serem cumpridos. Férias escolares durante a Copa poderão antecipar começo das aulas em 2014, este é o titulo do artigo de Bruna Scirea e Marcelo Gonzatto para o Jornal Zero Hora, segundo opinião, a razão das escolas se preocuparem com o calendário é por causa do artigo 64 da Lei Geral da Copa, que determina recesso de um mês em escolas e universidades durante a competição, entre 12 de junho e 13 de julho de 2014. Cumprir a norma exigiria o início do ano letivo logo no começo de fevereiro ou até mesmo em janeiro, comprometendo as férias de muitas famílias no próximo verão, e levanta críticas de que a interrupção prolongada no inverno traria prejuízos pedagógicos aos estudantes - além de questões práticas, como onde deixar as crianças. Como o Mundial dura um mês, escolas e instituições de Ensino Superior estariam fechadas pelo dobro do período máximo normal de férias. Entretanto, após muitas discussões sobre o assunto, a Lei Geral da Copa, lei no 12.663 de 5 de junho de

2012, prevê no seu artigo 64, que as escolas deverão ajustar os calendários para que as férias que marcam o encerramento do primeiro semestre coincidam com o período entre a abertura e o encerramento do Mundial. Mas um parecer do Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação (CNE/MEC) afirma que o artigo 64 é inconstitucional, porque não pode se sobrepor a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da Educação. Ou seja, a Lei Geral não pode definir datas das férias escolares. O parecer do CNE, de 5 de dezembro de 2012, afirma que as instituições de ensino devem seguir o que diz a LDB: “sem prejuízo ao estabelecimento de 800 horas/aula ano, distribuídas em pelo menos 200 dias letivos”. Mas o documento também afirma que o calendário das escolas deve se adequar à realidade de cada local por conta da Copa. Como em Curitiba, que segundo a Secretaria de Estado da Educação definiu, com outras instituições da área educacional, o calendário escolar para 2014, com recessos especiais por causa da Copa do Mundo. O calendário estabelece o ano letivo para as mais de 2 mil escolas estaduais e conveniadas e garante aos estudantes as 800 horas distribuídas, no mínimo, em 200 dias letivos. Na maioria do país, as aulas começam em 10 de

fevereiro e terminam em 17 de dezembro. Durante a Copa, as escolas não terão aula no dia 12 e no período de 16 a 23 de junho. Na capital paranaense, também não haverá aula no dia 26, devido ao jogo que ocorre na cidade. As aulas do primeiro semestre acabam dia 27 de junho e do segundo, começam em 14 de julho. Caso o Brasil passe para as próximas fases, os jogos acontecem durante o recesso. A definição das datas foi discutida com representantes da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, Sindicato das Escolas Particulares do Paraná, Conselho Nacional de Educação, Secretaria Municipal da Educação de Curitiba e APP-Sindicato. “Como é um ano atípico para todos em função da Copa do Mundo, principalmente para Curitiba, uma das cidades-sedes, fizemos questão de construir um calendário que não traga prejuízos ao ano letivo dos estudantes”, destacou o secretário de estado da Educação e vice-governador, Flávio Arns. Os dois calendários escolares de 2014 e a legislação pertinente estão disponíveis na internet, pelo Governo do Estado. Use seu aparelho android ou apple para ler o QR Code ao lado e ver os calendários.

Marinês Mendonça, psicopedagoga e Ministra do Ministério Infantil da Igreja Batista do Bacacheri


06 SAÚDE

Já começou o projeto verão? Quero te fazer uma proposta. Vamos iniciar o ano cuidando um pouco melhor de nosso patrimônio? Se você pensou na sua casa e seu carro, eu acho que não me entendeu. Também não falei de matrimônio, apesar de que é um investimento digno de menção. Eu me refiro ao nosso mais valioso bem: a nossa saúde. O que você consegue fazer sem desfrutar de boa saúde? Quais são os sonhos de consumo de nossa sociedade? Casa própria, carro do ano, viagens? Como tirar proveito de tudo isso sem gozar de boa saúde? Trabalhamos um ano inteiro com nossa atenção voltada a nossos estudantes e leitores. O objetivo maior em nossas atividades é o de conscientizar as pessoas de qualquer faixa etária, que o investimento na saúde é uma das prioridades em nossas vidas. Cada vez mais o termo qualidade de vida está presente nas rodas de discussão. Muita gente está envolvida neste processo, e é bom que cada vez mais, pessoas venham somar forças no combate aos fatores que levam nosso povo aos desleixos na área de saúde. Aproveito a oportunidade de início de ano, em que as pessoas estão mais abertas a formulação de compromissos, promessas e determinação de metas. Coloque entre as mesmas uma de vital importância: No ano de 2014 vou cuidar melhor de minha saúde. Aproveitarei melhor os meus dias, não só de férias como também os de trabalho. Terei mais energia para desfrutar os momentos de lazer com minha família

e amigos; Enfrentarei meu trabalho com mais disposição física e mental. Não pense que é um “bicho de sete cabeças” atingir tal condição. Espero que você não vise correr a Maratona de Curitiba, todavia não é impossível, só que você terá que trabalhar um pouco mais pesado. Se visamos pura e simplesmente alcançar ou manter uma boa aptidão física, tudo o que precisamos ter em mente é que há três áreas que precisamos atender: capacidade cárdio respiratória; força; e flexibilidade muscular. CAPACIDADE CÁRDIO RESPIRATÓRIA Poderíamos dizer que este é, sem dúvida, o componente chave para o sucesso do seu planejamento. Se vocês estão lembrados; os exercícios aeróbicos são os responsáveis pelo incremento na condição de resistência geral do organismo. Editamos matéria completa sobre os aeróbicos tempos atrás; só relembrando: caminhadas, corridas, trotes, bicicleta e natação. FORÇA Não podemos entretanto dizer que a força tem papel secundário na boa saúde, pois todo movimento, por mais simples que seja, envolve musculação, e, quanto mais preparada a musculatura estiver para suportar as cargas menor será o dispêndio energé-

tico e solicitação biomecânica da estrutura. Simples exercícios com o uso do peso corporal ou pequenos halteres como sobrecarga são suficientes para manter boa tonicidade muscular. FLEXIBILIDADE MUSCULAR Assim como a força, é muito importante que os músculos tenham boa elasticidade. Uma movimentação mais ampla não é só mais graciosa como muitos pensam, é também mais segura. Pense num movimento amplo de perna, por exemplo, um chute no futebol. Se a musculatura não está preparada (alongada) este movimento brusco pode danificá-la (distensão muscular). Qualquer movimento muscular torna-se mais potente a partir do momento em que o músculo é capaz de propiciar maior amplitude inicial. Movimentos passivos com ou sem ajuda de parceiro, são indicados para melhoria da flexibilidade. O músculo ou grupamento muscular deve estenderse até um ponto onde comece a apresentar ligeiro desconforto (sem dor) a posição deve ser sustentada por 20 a 60 segundos (reflexo miotático). Procure não fazer movimentos bruscos. Meus amigos gostaria de desejar um ano novo com muita saúde. Não perdendo de vista que a saúde integral compreende: Mente – Corpo – Espírito. A saúde nunca será completa sem o equilíbrio dos três aspectos.

Fred Branco, membro da International Church of Curitiba


AÇÃO SOCIAL 07

ABC Vida cresce 30% no último ano e tem grandes desafios para 2014 A ABC Vida é uma organização social que atua no bairro Bacacheri há 20 anos, atendendo os que mais necessitam por meio de projetos nas áreas de capacitação profissionalizante, geração de emprego e defesa e garantia de direitos básicos. Não podemos terminar o ano sem agradecer a Deus, pois permitiu que sua caminhada fosse estabelecida de forma a viver os valores do cristianismo na prática e moveu pessoas e recursos para que a instituição pudesse cumprir o propósito para o qual foi criada: amar ao próximo; agradecemos aos que investiram tempo e dinheiro para a manutenção dos mais de 20 projetos executados; a todos os apadrinhamentos de aprendizes, praticado por mais de 50 empresas parceiras deste projeto; a todos aqueles que foram alvo de nossas ações, pois nos ensinaram a fazer mais e melhor e nos motivaram reconhecendo nosso trabalho. Entre as realizações do ano que passou o Programa de Aprendizagem que é uma política pública, que objetiva a inserção do adolescente e jovem no mercado de trabalho, que respeita sua condição de pessoa em desenvolvimento e garanta seus direitos trabalhistas e previdenciá-

rios, sem deixar de instigar seu desenvolvimento profissional, garantindo, contudo o estimulo ao estudo. A assistente social da ONG, Adriana Santos conta: “Quando iniciei no acompanhamento com adolescentes na ABC Vida, em 2009, não fazia ideia do quanto isso seria importante para o meu crescimento profissional e principalmente pessoal. No dia a dia lidamos com histórias de vidas difíceis, que por muitas vezes nos fazem pensar.” São atendidos mais de 1.000 aprendizes por ano na ABC Vida. O sustento financeiro da instituição também tem sido um desafio, o representante institucional Maxon Prestes, conta das grandes coisas que aconteceram esse ano: “Um exemplo é o fato de Deus ter me capacitado a ser representante institucional, antes eu era instrutor, e o fruto disso é que estávamos com 46 empresas parceiras e em apenas 4 meses crescemos 30%.” Tem-se confiança para o ano de 2014, de que a ONG continuará crescendo. O voluntariado também foi peça importante no ano anterior. Para Cristina Saus, que cuida de toda a essa área da ABC Vida o sentimento é de gratidão: “Somos gratos aos nossos voluntários que chegam a ultrapassar 120, os quais são fundamentais para

o desenvolvimento dos nossos projetos. Pessoas que se dedicam completamente ao que fazem com tanta qualidade pois trazem consigo amor”. Os desafios para 2014 são imensos, mas temos plena convicção que é Deus que nos move e nos supre para continuar atendendo mais de 12 mil pessoas por ano. Se você é da área de saúde, da educação, da 3ª idade, faz artesanato, seja você também um agente de transformação, faça parte da nossa equipe, entre em contato com atendimento@abcvida.org.br para saber como participar. E você pode começar esse novo ano apoiando a ABC Vida, direcionando seu imposto de renda para um de nossos projetos. Para saber como faz acesse nosso site www.abcvida.org.br ou use o QR code no final da matéria. As pessoas físicas que declaram com base no modelo completo podem direcionar 6% e as pessoas jurídicas que declaram com base no lucro real podem direcionar 1% do IR devido. Você pode ajudar a ABC Vida e fazer diferença na vida de alguém. Mais informações pelo telefone (41) 3024-6155.

Márcia Suss, coordenadora da ABC Vida e membro da Igreja Batista do Bacacheri


08 CAPA

Elefante branco é uma expressão idiomática para uma posse valiosa da qual seu proprietário não pode se livrar e cujo custo (em especial o de manutenção) é desproporcional à sua utilidade ou valor. O termo é utilizado na política para se referir a obras públicas sem utilidade. Contam lendas que quando alguém prestava um grande favor a um rei ou monarca indiano, como maneira de demonstrar gratidão, a pessoa era presenteada com um raro elefante branco. Considerado sagrado o paquiderme em pouco tempo tornava-se um grande estorvo, pois precisava ser alimentado, não podia ser morto e nem doado. Tal presente tornava-se um grande problema! Em 2014 acontecerá no Brasil, a Copa do Mundo de Futebol e várias obras estão sendo realizadas. A maior parte delas é em estádios. Algumas obras têm planos para o futuro, tais como abrigar artistas nacionais e internacionais e tornarem-se palcos para grandes eventos, outras, no entanto, são em recantos ermos do país e ficarão esquecidas tão logo utilizadas em jogos de menor importância. Para os entendidos tanta obra acontecendo é caminho certo para o desvio de dinheiro. Há também aqueles que afirmam que o atraso nas obras (e põe atraso nisso) é normal, o que ainda justifica o aumento dos custos. O acidente no Itaquerão e as feias e graves brigas nos estádios mostraram que nem tudo vai bem no país do futebol e a opinião pública internacional está de olho em cada incidente que acontece por aqui. Já há aqueles que dizem que “não é seguro uma

seleção vir jogar no Brasil”. Há possibilidade de novas manifestações e protestos contra os elevados valores investidos na preparação para a Copa, que não é para o povo brasileiro, basta olhar o preço dos ingressos: totalmente proibitivos! Países que receberam as copas anteriores herdaram o tal elefante branco e o desafio no Brasil é que isso não aconteça. Deu vontade de rir? Então, ria muito, porque no país do propinoduto é certo que, além de herdar obras faraônicas também herdaremos dívidas astronômicas. O mais interessante, no entanto, são os prognósticos quanto aos campeões da Copa de 2014. Todos parecem indicar a seleção brasileira como favoritíssima! Assim como eleição só se ganha voto a voto nas urnas, futebol se ganha passe a passe no campo. Não é para cantar a vitória antes da hora. Talvez, o melhor investimento, quando o assunto é futebol, seja em um televisor de boa qualidade, bom tamanho e alta resolução. Ficar em casa em tempos de violência nos estádios é muito sábio e prudente. Também teremos no próximo ano as eleições para presidente. As eleições prometem ser as mais acirradas dos últimos tempos, pois o partido que está no poder não quer perder a vaga de maneira nenhuma. Infelizmente, até o momento, não surgiu nenhum candidato consistente e convincente. Temos mais do mesmo de sempre e esta mornidão desanima os que apreciam política e deixam espaço aberto para que a cabeça da grande maioria seja feita por quem tem maior tempo de exposição pública nas rádios e nas emissoras de tevê

aberta. Falar de campanha eleitoral é um tema realmente polêmico, pois o jeitinho brasileiro se interpõe na arrecadação de verbas para as campanhas e aí surge o já conhecido “caixa dois”, que tem rendido processos e agora dá até cadeia! Mudou o Brasil ou mudaram os brasileiros? Um pouco de cada coisa, mas veremos se a mudança veio para ficar no dia da apuração, quando o vencedor for aclamado nas ruas e nas urnas. Outro evento muito aguardado são as tradicionais liquidações de início de ano. Janeiro é tradicionalmente o mês das grandes liquidações e desta vez elas vêm com força total, afinal, o comércio cresceu menos que os esperados 10% e os estoques, apesar de menores, não tiveram a saída almejada. Vale à pena sair às lojas e garimpar os melhores preços e as peças mais duráveis. Também é hora de investir nas compras de material escolar e, mais uma vez, os produtos estão com valores cada vez mais altos. Esqueçam a grife e as logomarcas de personagens famosos e sejam mais práticos na hora da escolha. Os economistas dizem que o crescimento econômico será ainda mais modesto, por isso, é hora de reavaliar investimentos e pensar mais no orçamento familiar. Há dezenas de planilhas à disposição na Internet, pesquisa a que mais lhe agrada e favorece e utilize-a. Mesmo os mais reticentes e resistentes irão perceber os benefícios de se organizarem para um ano de desafios. Grandes eventos estão planejados para o ano que se inicia, mas o maior deles é estar junto com a família, valorizando o maior presente que Deus nos deu: a vida!

Priscila Aguiar Laranjeira, membro da Igreja Batista do Bacacheri


VIDA UNIVERSITÁRIA 09

Quero fazer um intercâmbio Muitos sonham fazer um intercâmbio, mas poucos realizam. Talvez a primeira razão a ser apontada seria a questão financeira, mas preciso discordar. Acredito que a grande diferença entre sonhar e realizar o sonho de fazer um intercâmbio está relacionada a uma palavra muito importante: planejamento. É comum levar a rotina baseada em prioridades, pensando em trabalho, faculdade, pagar contas, comprar carro, e tantas coisas que você precisa começar a pensar quando está virando adulto, que os sonhos podem acabar sendo esquecidos. Então se você quer viajar daqui um ou dois anos, decida o quanto antes, pois assim você

pode programar, parcelar a sua viagem, e quem sabe, se bancar sem depender dos seus pais. Por isso acredito que quando existe um sonho, é preciso colocar metas. Pensar o que você quer fazer, quer estudar e trabalhar, ou fazer um voluntariado. Existem muitas opções, portanto saber o que quer é o primeiro passo. Escolher para onde ir também é fundamental, pois é bom levar em consideração o clima, o estilo de vida das pessoas e até mesmo a moeda. Muitos intercambistas sofrem quando vão para algumas cidades dos Estados Unidos, pois ficam a mercê de um sistema de transporte público fraco. Isso já não é problema para quem vai para

a Europa. Mas quem não gosta de frio pode sofrer bastante se escolher o Reino Unido ou a Irlanda como destino. Outro fator muito importante é escolher uma agência de intercâmbio de confiança. Marque um horário, converse e exponha suas preocupações, é muito bom ver se a agência compartilha das suas prioridades. Nunca tente fazer um intercâmbio sozinho, achando acomodação e escola pela internet, isso é muito perigoso. Crie metas, pesquise e busque realizar seu sonho de fazer um intercambio. Essa é uma experiência que não tem preço, e os frutos são incontáveis.

Chica Baptista, formada em Relações Internacionais e membro da Igreja Presbiteriana do Guabirotuba

Um calouro no mercado de trabalho É no período de estágio que o estudante deverá adquirir a prática necessária para o mercado de trabalho e verificar se a escolha que fez da profissão foi a melhor. Quem estuda e faz estágio desenvolve suas habilidades dentro da profissão, adquire conhecimento e tem a possibilidade de descobrir novas habilidades. Também é recomendável que o estudante procure se adaptar a cultura interna da empresa e conhecer seu funcionamento, é o que dizem especialistas no tema. Pesquisa realizada pela InterScience indica que 64% dos estagiários são efetivados pelas empresas após o estágio. Sair da faculdade direto para o mercado sem essa experiência é muito difícil. Além do conhecimento formal, o estagiário precisa adquirir outros conhecimentos para estar preparado para o mercado de trabalho. Temas como idiomas e redes sociais, cultura geral e trabalho voluntário, são requisitadas em função da área de atuação desejada. Também são valorizadas competências individuais como inicia-

tiva, criatividade, trabalho em equipe, comunicação verbal e ética. As vagas podem ser encontradas em feiras educacionais, em integradores de estágios como o IEL e o CIEE ou no site das próprias empresas. Os murais das universidades também são uma boa fonte. Cuidados para ter uma boa participação em entrevista de estágio: - Não chegar atrasado; - Não usar roupas informais demais; - Não saber nada sobre a empresa ou o setor; - Expressar-se mal, com gírias e frases sem sentido; - Vangloriar-se de suas conquistas pessoais; - N ã o p e rg u nt a r n a d a durante a entrevista; Sorria, dê bom dia a todos, diga sempre, por favor e obrigado. Pessoas agradáveis são sempre mais bem avaliadas.

Dongley Martins, empresário e membro da Igreja Batista do Bacacheri


10 CULINÁRIA

Receitas e temperos para suas férias ficarem mais gostosas

É verão, hora de preparar receitas deliciosas, refrescantes e saudáveis. Que tal experimentar as sugestões desta edição? Elas vão surpreender e agradar a todos, principalmente a garotada que está em férias!

Ponche de frutas Ingredientes • 2 litros de refrigerante sabor uva • 2 litros de guaraná • 2 litros de suco de uva branca (garrafas com um litro cada) • 1 garrafa de cidra • Frutas bem picadinhas: pêssego (se for em calda, colocar também a calda no ponche) • Abacaxi, manga, maçã e uvas inteiras sem caroço. Modo de fazer Misturar tudo e colocar em uma poncheira. Deixar os litros com bastante antecedência na geladeira para que o ponche fique bem gelado.

Torta de nozes Ingredientes • 6 ovos grandes • 300 g de nozes sem casca moídas (deixar 6 inteiras para decorar) • 250 g de açúcar • 100 g de farinha de rosca (ou pão) Cobertura de chocolate • 1 lata de creme de leite sem soro • 1 tablete de chocolate meio amargo de 180 g • Levar ao fogo em banho-maria e depois de frio colocar sobre o bolo. Modo de fazer Bata os ovos como preparo de pão de ló (Bata os ovos com as gemas até dobrar de volume) Coloque o açúcar e bata bem, acrescente as nozes e a farinha de rosca e mexa delicadamente. Asse em duas formas de 30 cm aproximadamente. Coloque o bolo em pratos próprios e recheie com geleia a gosto. Cubra de chocolate, e enfeite com nozes.

Torta folhada de frango Ingredientes: • 1 pacote de massa folhada • 1 gema para pincelar • 3 colheres (sopa) de azeite • 1 cebola pequena picada • 4 tomates sem pele e sem sementes picados • Sal e pimenta a gosto • 500 g de peito de frango temperado, cozido e desfiado • Orégano a gosto • Salsa picada a gosto • 150 g de mussarela de búfala cortada em rodelas Modo de fazer • Use a massa folhada de acordo com as instruções da embalagem. • Corte um círculo de 22 cm de diâmetro, pincele a gema e leve ao forno, pré-aquecido, a 200 ºC até dourar. • Em uma panela, aqueça o azeite, doure a cebola e acrescente o tomate. Tempere com o sal, a pimenta e deixe cozinhar por 5 minutos. • Junte o frango e refogue por mais 5 minutos. Deixe esfriar e recheie a massa já fria. • Polvilhe o orégano, a salsa e distribua as rodelas de mussarela de búfala. • Leve ao forno preaquecido a 220 ºC até a mussarela derreter. • Na hora de servir, regue com azeite. • Substitua a mussarela de búfala por queijo prato ralado.

Penha Lustosa, membro da Igreja Batista do Bacacheri


OPINIÃO 11

Será que o ano começa só depois do Carnaval? Dizer que o ano começa somente depois do Carnaval já é uma tradição brasileira. Independente da veracidade da afirmação, nosso país consegue passar essa mensagem com excelência. Para quem não trabalha e para quem só estuda pode ser que seja verdade. Mas nesse ano de 2014, para quem só estuda, tudo começará antes, afinal temos Copa do Mundo. Universidades e escolas, algumas em janeiro e início de fevereiro já iniciam seu ano letivo. E o Carnaval acontece em março. Será que essa camada da população sobreviverá nesse ano atípico? Para aqueles que trabalham, e não tiram férias nessa época, o ano simplesmente mudou no papel. Apesar das comemorações do final de ano e dos dois feriados que temos, quem trabalha, geralmente não para, com exceção às empresas que têm férias coletivas. Quem para, agradece pelos poucos dias que consegue descansar, mas no dia 2 de janeiro a vida continua. Essa seria a realidade brasileira dos últimos anos. Mas mesmo assim, há um discurso “espalhado por aí” que insiste em dizer que só depois do Carnaval as coisas acontecem. Um exemplo que demonstra o equívoco deste discurso são as grandes empresas e

corporações, e até mesmo as pequenas e médias, que utilizam janeiro e fevereiro para implantar os novos projetos e definir metas para o novo ano e trabalho. Ou seja, a vida começa sim no início do ano. Para quem chega no mercado de trabalho procurando um novo emprego, janeiro é quando as oportunidades surgem. Ainda assim insiste-se na propaganda de que o ano começa depois do Carnaval. É fácil contestar esta falácia: Imagine um funcionário de uma empresa, um gerente, um supervisor, um presidente com essa mentalidade. Isso significaria que durante os dois primeiros meses do ano não haveria trabalho de verdade. Todos vão se encontrariam para conversar, comer, jogar vídeo game, fazer a unha, tudo isso dentro da empresa durante o horário comercial, enquanto lá fora o mundo continua girando. Nesses dois meses também não terá lucro, não terá dinheiro para pagar os salários, os fornecedores serão esquecidos e os clientes então, nem se fala. Tomara que essa não seja uma companhia aérea, porque se fosse, complicaria a vida de milhões de brasileiros que só viajam “até começar o ano”, em março. Isso sem falar no que aconteceria com as famílias e o que os pais fariam com as crianças dentro de casa por todo esse

tempo em que nada funciona. O raciocínio pode ter sido um pouco extremo, mas vale para demonstrar o que não acontece. Todas as pessoas ainda existem, comem em restaurantes, viajam, trabalham, tiram férias, andam no shopping, vão ao mercado e fazem tudo aquilo do seu quotidiano normal. O ano começa dia 01 de janeiro e você participa desse evento todo ano. Essa história de que o Brasil só funciona depois do Carnaval é um pensamento equivocado no mínimo, e uma mensagem cultural que contribuiu para destruir qualquer sonho de excelência que nós brasileiros possamos ter. Para evitar isto devemos ser proativos para mudar o discurso e a atitude, começando em cada um de nós. Somos sim o país tropical, abençoado por Deus, e bonito por natureza, onde a vida é mais tranquila para alguns, mais corrida para outros. Uma nação que embora venha avançando, ainda abriga muitas desigualdades que precisam ser resolvidas. Também somos um país alegre, mas que precisa ser levado a sério e necessita de muito, mas muito trabalho e compromisso para ser o gigante propalado nas propagandas e promessas que ouvimos. Tomara que esse ano ninguém surja como a ideia de que o ano começa só depois da Copa do Mundo, vai que acreditam?

Ana Letícia Pie, jornalista e membro da Igreja Batista do Bacacheri


12 ATUALIDADES

Com 12 anos de idade, curitibana é campeã panamericana de judô

Monica Tortato pratica Judô fazem apenas quatro anos. Mas nesses quatro anos ela trilhou um caminho vitorioso. A atual campeã Panamericana precisou passar por torneios locais, regionais, estaduais até que, finalmente consagrou-se campeã brasileira em sua categoria. Apenas aqueles que chegam a este patamar tem o direito de representar o país nesta competição internacional. O caminho até El Salvador, país que sediou a competição, não foi fácil. Mônica treina seis vezes por semana, em média três horas por dia. Ela treina com meninos e meninas de sua idade e algumas vezes até com os adultos. Mesmo com a rotina de treinos intensa, ela não tem moleza com os estudos. Mônica também é vencedora na sala de aula e tem boas notas pra comprovar. Quando Kátia, mãe orgulhosa, fala da experiência, a emoção nas palavras é facilmente percebida. “Ela estava bem mais calma do que o de costume. Muito confiante”, conta a mãe. “Eu não esperava vencer, mas eu treino pra ganhar”, disse com palavras simples e diretas e sem nenhum tom de arrogância a jovem Monica, explicando como foi conquistar este título. Na mesma conversa ela ainda contou como foi legal fazer novas amizades, inclusive com as meninas com quem competiu, de como aprendeu algumas palavras em espanhol e de como sonha em um dia ser campeã Olímpica e Mundial. Se continuar neste caminho, em alguns anos teremos mais matérias para escrever ao seu respeito. Fernando Silvado, pastor do Ministério de Pré-Adolescentes da Igreja Batista do Bacacheri

As desorganizadas Nos jogos de futebol, os maiores destaques deveriam ser os times e seus jogadores, suas conquistas, derrotas e o grito da torcida. Aqui no Brasil, como em outros países, algumas vezes isso é bem distorcido. Estamos em um ano que o mundo inteiro irá nos ver torcendo nos estádios. A Copa do Mundo é uma ótima oportunidade para mudar a visão que as pessoas tem das nossas torcidas, tanto dentro como fora do país. Segundo pesquisa divulgada pelo jornal O Estado de São Paulo, os confrontos vistos nas arquibancadas de alguns estádios no Brasileirão de 2013 foram motivados por integrantes de torcidas organizadas e/ou torcedores fanáticos. Ao menos essa é a percepção de 84,5% dos brasileiros, de acordo com pesquisa realizada no fim do mês de agosto pela Stochos Sports & Entertaiment, empresa especializada em pesquisa e análise do mercado de esporte. Normalmente associado a comportamentos violentos, o consumo de álcool e outras drogas é visto como o motivador da violência por apenas 0,9% dos entrevistados. A pesquisa entrevistou 8.112 pessoas de todo o país e envolveu torcedores de 16 a 60 anos. A margem de erro é de 1,1% para mais ou para menos. Nas divisões da pesquisa encontram-se os torcedores dos dois principais times do Paraná, o Coritiba e o Atlético Paranaense. Esses torcedores que vão ao estádio com suas famílias e sem intenção de brigas, culpam as torcidas organizadas, em uma média de 82%, como responsáveis pelas brigas. Ainda existe uma minoria dos entrevistados que culpam o poder público/ segurança pública (8,4%); dirigentes dos clubes (1,3%); falta de educação (1,1%); álcool/drogas (0,9%); Confederação Brasileira de Futebol - CBF (0,8%); outros motivos (3%). Com esses números é possível atribuir a responsabilidade ao sistema, mas principalmente a falta de responsabilidade, educação, bom senso e humanidade dos torcedores das organizadas. O papel do Ministério do Esporte é questionável, pois com os dados e com a realidade vivida continua permitindo que as torcidas organizadas participem desses eventos. Para tentar amenizar os últimos acontecimentos os representantes das torcidas organizadas de todo país, no dia 07 de dezembro, assinaram um manifesto pela paz no futebol elaborado pelo Ministério do Esporte. No documento, eles se comprometem a atuar no combate à violência nos estádios, respeitar o Estatuto de Defesa dos Direitos do Torcedor, divulgar as ações do manifesto às torcidas e cadastrar seus membros no site do ministério. Ao ministério caberá zelar pelo cumprimento da legislação esportiva e do Estatuto de Defesa dos Direitos do Torcedor, além de disponibilizar a ouvidoria para o recebimento e encaminhamento de denúncias. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, defendeu a existência desses grupos. “Por que proibir a torcida? Se há uma briga, o melhor seria encontrar quem brigou, o responsável pela agressão. Responsabilidade coletiva é uma coisa que só vi no nazismo”, disse o ministro, ao criticar o fato de se querer atualmente punir as organizadas por causa de atos de violência cometidos de forma individual. Supervisionar a torcida organizada, com medidas e processos objetivos e eficazes, juntamente com a punição individual dos agressores pode ser o princípio da resolução do problema. É necessário que o sistema seja reformulado para proteger aqueles que vão aos estádios torcer, em paz, para seus times. Em 2014, temos a chance de mostrar essa diferença e o respeito pelo esporte e por quem participa dele. Ana Letícia Pie, jornalista e membro da Igreja Batista do Bacacheri


DESTAQUE 13

Para onde nós vamos? Ao começar um novo ano sempre é bom pensar em como viveremos e transformaremos nossos sonhos em realidade. Infelizmente a maioria das famílias vai de um mês ao outro, de um contra cheque ao próximo, de um ano ao outro guiados pelo comportamento da sociedade, pensando muito pouco nos seus sonhos e objetivos. Estas famílias ainda não descobriram que esforço concentrado e até sacrifício são essenciais para atingir objetivos e sonhos comuns. As pessoas que usam seu tempo só para atividades sem pensar nos resultados que pretendem alcançar, estarão muito ocupadas mas, não necessariamente, realizando o que é importante. Alguém já disse que: “Planejarmos o uso do tempo e recursos é uma forma de economizar os dois”. O objetivo maior do planejamento de alvos familiares é fortalecer o relacionamento dos seus membros através do diálogo e permitir que Deus se revele como um Pai bondoso, abençoando a família ao longo do ano. Famílias precisam projetar para si o tipo de futuro que desejam ter. Estabelecer alvos, na direção dos quais usarão sua energia, dão propósito à vida. A adoção de objetivos realistas encorajam o crescimento pessoal e do grupo. Uma das consequências imediatas é a estabilidade familiar, porque todos sabemos em que direção estamos indo. Objetivos revelam prioridades “pois onde estiver o seu tesouro, aí estará o coração de vocês.” Resultados incríveis ocorrem com famílias que tem como estilo de vida atingir objetivos comuns. Esta tem sido a sua experiência pessoal e familiar? Quer reconheçamos ou não todos nós temos objetivos pessoais, conjugais e familiares. Podemos tê-los consciente ou inconscientemente. Se eles são inconscientes, ou não verbalizados, provavelmente não serão atingidos, o que produzirá muita frustração. Quando temos consciência dos nossos alvos podemos agir e buscar ajuda de outros para alcançá-los. Determinar alvos como família, providencia oportunidades para que os todos participem do processo de priorização. Todo este caminho deverá ser percorrido acompanhado de oração e da compreensão de que “as pessoas podem fazer seus planos, porém é o Deus Eterno quem dá a última palavra”. Um processo simples que pode ser utilizado é o seguinte: 1. Oração e tempestade de ideias – Escreva uma lista de desejos e/ou necessidades percebidas no

momento por cada membro da família. Uma lista de sonhos sem que existam limitações. Este exercício produzirá alvos de curto, médio e longo prazo. 2. Oração e Classificação – Classifique agora as muitas ideias por áreas da vida como: profissão, lazer, saúde, filhos, casal, etc. Este procedimento facilitará um equilíbrio na utilização de recursos disponíveis (tempo, dinheiro, oportunidades, etc). Vide planilha ao final deste artigo. 3. Oração e priorização – Agora é o momento para conversar e orar juntos sobre as prioridades pessoais e da família. A identificação dos recursos existentes ajudará a determinar as prioridades. Para alguns objetivos os recursos já estão disponíveis, para outros, precisaremos de recursos adicionais. Neste estágio virão à superfície as diferentes atitudes com relação ao uso do tempo, energia e dinheiro. 4. Oração e planejamento - Utilizando mais uma vez a planilha serão distribuídas responsabilidades, datas para alcançar os objetivos e datas no meio do processo para avaliação do planejamento. 5. Oração e acompanhamento/avaliação - Neste estágio avalia-se os objetivos que foram atingidos ou não, buscando a renegociação de objetivos e prioridades afetados pela dinâmica da vida. Muitas famílias e pessoas vivem frustradas, com sonhos não realizados, esquecendo-se até dos sonhos que foram realizados, tudo porque nunca fizeram uma avaliação. E se não der certo? Muitas pessoas preferem não planejar e fazem tudo na última hora para não correr o risco de seu planejamento não dar certo e elas terem que lidar com a frustração do fracasso. Fracasso em si mesmo é insignificante. O que fazemos com o fracasso é que faz a diferença. Use a experiência negativa como oportunidade para crescer e ser vitorioso no futuro. O Wall Street Journal publicou o seguinte poema no final do ano de 1988. E SE EU FALHAR? Você já falhou muitas vezes embora já nem se lembre mais. Você caiu na primeira vez que tentou andar. Você quase se afogou quando pela primeira vez tentou nadar. Você errou o chute quando

começou a jogar bola. Pelé perdeu muitos gols entre os mais de mil que ele acertou. O escritor inglês, John Creasey teve seus manuscritos rejeitados 733 vezes antes de publicar seus 564 livros. Não se preocupe com os seus fracassos. Preocupese com as oportunidades perdidas porque você nem tentou aproveitá-las! Comece o ano fazendo planos para ter uma experiência diferente em 2014. Sonhe sonhos que poderão se tornar realidade, porque Deus os surpreenderá durante o novo ano. Veja como desenvolver metas: Áreas (Objetivos a alcançar com relação a ....) Propósitos (Objetivo geral a ser alcançado) Alvos (Objetivos específicos que permitirão alcançar o objetivo geral. Devem ser específicos, mensuráveis, realistas, tangíveis, alcançáveis) Planos de Ação (Como os alvos poderão ser atingidos no período proposto)

Use o modelo base que está no final texto, pegue um papel e faça uma lista de alvos para seu ano. Lembre das áreas importantes para estebelecer metas e objetivos: vida com Deus; crescimento pessoal (emocional); cônjuge; filhos; finanças; trabalho; igreja/ sociedade; lazer, esporte, saúde; e outras áreas que são importantes para você. Pedimos a Deus que você e sua família tenham um abençoado 2014!

ALVOS PARA 2014 Nome: ____________________________________________________________________________________ ÁREAS

PROPÓSITOS

ALVOS PLANOS DE AÇÃO

Deus Crescimento pessoal (emocional) Cônjuge Filhos Finanças Trabalho Igreja/Sociedade Lazer, esporte, saúde Outra: ______________________

L. Roberto Silvado, pastor coordenador da Igreja Batista do Bacacheri Hedy Silvado, membro da Igreja Batista do Bacacheri


14 FINANÇAS

Previdência privada: qual o melhor plano? Nas próximas edições vamos falar mais sobre como fazer uma previdência privada, sobre o perfil ideal, como aplicar e outros conhecimentos importantes para quem quer investir, em quatro passos. Na última edição você aprendeu sobre o por que deve-se investir em uma previdência privada. As principais razões eram: liquidez imediata; flexibilidade e autonomia; possui incentivo fiscal; é impenhorável; não entra em inventário. Também conheceu o seu perfil de investidor, se é arrojado, moderado ou conservador. Se você perdeu veja em nosso blog o início da matéria ibb.org.br/nossojornal. Tudo isso para garantir um futuro mais tranquilo por meio de uma aposentadoria, como também proporcionar a realização de sonhos que dependam de planejamento financeiro para se concretizarem, ou ainda como uma opção para diversificação de investimentos. Agora vamos aprender um pouco sobre a opção de plano que atenda melhor as suas necessidades: PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e/ou VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) O PGBL e o VGBL são planos de previdência de acumulação de recursos que visam garantir uma renda para aposentadoria, ou se desejar, a reserva acumulada poderá ser retirada de uma única vez. Em ambos os casos, não há uma rentabilidade pré-determinada. A maior distinção entre eles está na forma de tributação, no resgate, no recebimento da renda ou na declaração do seu Importo de Renda. Veja tabela abaixo:

PGBL

VGBL

Ideal para quem ...

... declara o IR pelo modelo completo, e contribui para o INSS.

... é isento ou declara o IR pelo modelo simplificado.

Na declaração anual de Imposto de Renda ...

... os valores investidos no plano podem abater até o limite de 12% da base de cálculo.

... os valores investidos no plano não são dedutíveis.

No momento do resgate e/ou no pagamento do benefício ...

... o Imposto de Renda incide sobre o valor total investido (depósitos mensais + rendimentos).

... o Imposto de Renda incide apenas sobre os rendimentos. Ou seja, os valores das contribuições realizadas não são tributadas.

Paulo Ormerod, empresário e membro da Igreja Batista do Bacacheri


FINANÇAS 15

Organize-se financeiramente para o próximo ano Não existe receita mágica para que possamos ter um controle sobre as nossas finanças. O que existe é bom senso e equilíbrio familiar. Talvez você possa achar estranho eu falar que o controle financeiro está ligado diretamente ao se ter bom senso e equilíbrio familiar, pois em particular, posso afirmar que essa é a melhor “receita”, se é que podemos chamar assim, a melhor forma de se manter um equilíbrio nas finanças de cada família. Para explicar melhor tudo isso, antes que se confundam as coisas, vamos conceituar, no meu ponto de vista, o que vem a ser “bom senso” e o que eu quero dizer com “equilíbrio familiar”. Pegando carona no nosso novo amigo – o Google, temos que “bom senso” é: Usar noções próprias de sabedoria e de razoabilidade, e que define a capacidade média que uma pessoa possui, ou deveria possuir, de adequar regras e costumes a determinadas realidades, e assim poder fazer bons julgamentos e escolhas. Para a definição de equilíbrio familiar, usarei meu próprio conceito, que diz que equilíbrio familiar é: Manter um diálogo aberto e franco com todos

os membros da família, sobre finanças e tudo o mais que aconteça na família, dentro e fora de casa. Bom, depois de definidos os nossos tópicos, vou tentar agora exemplificar a melhor forma de se manter as finanças equilibradas no dia a dia, começando agora no início do ano. Primeiramente, sente com a família nos primeiros dias do novo ano para conversar sobre tudo e também sobre finanças, que neste caso especificamente vai englobar, as contas da casa e os gastos de cada um. Vou usar como exemplo uma família de 4 pessoas – pai, mãe, filho (16) e filha (13) – uma típica família com dois filhos adolescentes. Começaremos listando as despesas e gastos da casa, classificando-as em grandes grupos como: Manutenção da casa: aluguel ou prestação, IPTU, seguro, água, luz, telefone, internet, TV a cabo e gás; Educação: escola dos filhos, livros, material escolar e aulas de reforço; Alimentação: compras do mês, lanches na rua, refeições fora e pizza de sexta; Lazer: cinema, passeio no shopping, passeio no

parque e visita a casa da sogra; Vestuário: compra de roupas e sapatos para os membros da família; Automóvel: seguro, IPVA e combustível; Diversos: dízimos, ofertas, farmácia, presentes de aniversário e outras. Fora os investimentos em poupança Previdência Privada, e demais opções. Diante de tudo isso, o que você tem a fazer é conversar e muito sobre cada despesa e/ou gasto que sua família tem e de como o dinheiro ganho por toda a família pode se encaixar nisso tudo. É aí que entra o bom senso e equilíbrio familiar, pois devemos sempre usar nosso bom senso para saber onde e como gastar e/ou investir nosso dinheiro e o equilíbrio familiar entra quando, através de um diálogo aberto entre toda a família, dá a direção de como usar melhor esse dinheiro. Na minha coluna de Finanças, assim que terminarmos a série sobre Previdência Privada, vamos conversar diretamente sobre como organizar as finanças de cada família. É um tema muito interessante e importante para o nosso dia a dia.

Paulo Ormerod, empresário e membro da Igreja Batista do Bacacheri


LAR BATISTA ESPERANÇA 16

Um voluntariado que faz diferença na vida de crianças Ajudar bebês que foram abandonadas e prover um lar, com uma estrutura básica para o crescimento e desenvolvimento dessa criança, até que se torne adolescente e depois complete seus 18 anos. O Lar Batista Esperança (LBE) existe desde 1988, quando o Juizado de Menores enviou a primeira criança ao lar da família Brandão. Com seu primeiro berçário official voluntário, conhecida como Casa 01, o LBE começou a receber bebês, e ao longo dos anos crianças e adolescentes. Nesses 25 anos foram atendidas 648 crianças, jovens e adolescentes, dando-lhes a esperança de um mundo mais humano. A capacidade de acolhimento e abrigo da instituição é de 120 pessoas entre as crianças, adolescentes, pais sociais e seus filhos e mães solteiras e seus filhos, além do trabalho realizado gratuitamente com as famílias carentes do estado. Hoje o LBE tem nove casas atendendo a meninas e meninos carentes e em situação de risco total e parcial, em todas as idades da infância e adolescência. O orçamento do LBE é quase todo composto

por doações voluntárias de pessoas físicas, jurídicas, igrejas e voluntários. Isso representa 50% da renda, o restante é obtido por meio de eventos beneficentes e com a Fundação de Ação Social (FAS). A estrutura do LBE é formada por 22 missionários (pais e mães sociais) e seis funcionários. Atualmente são 25 voluntários fixos, em diversas áreas de atendimento. Nossos recursos humanos incluem pastores, médicos, psicólogos, assistentes sociais, professores e apoio das equipes técnicas da FAS, dos Conselhos Tutelares e Vara da Infância e da Juventude de Curitiba. Dentro desse cenário, o voluntariado é fundamental para que o trabalho continue acontecendo. Se você deseja fazer a diferença na vida de alguém e ser um voluntário essa é uma grande oportunidade. O LBE precisa de qualquer tipo de voluntário com atendimento no mínimo uma vez por semana, dispondo de duas a quatro horas. Também precisase de pedreiros, carpinteiros, pintores, jardineiros, professores e mães sociais voluntárias. Para ser um

de nossos voluntários entre em contato com (41) 3077-7989 e marque uma entrevista com nosso escritório. Sua ajuda é muito importante! Você também pode ajudar com doações durante todo o ano. O que o LBE sempre precisa são: alimentos; material de higiene e limpeza; material escolar; roupas; calçados; remedios; vale transporte; brinquedos; e material de construção. Uma necessidade mais urgente são telhas ecológicas, por determinação legal, temos que trocar todos os telhados. Se você quiser ser um de nossos mantenedores, existe necessidade para pagar os 22 missionários, combustível, seguros, FGTS e manutenção das casas. Além de manter as crianças e adolescentes. Para saber mais como ajudar e participar entre em contato (41) 3077-7989 ou lbe@lbe.org.br. Conheça mais da nossa instituição no site www.lbe.com.br. E o mais importante, também precisamos das suas orações. Nossos pedidos são todos esses acima. Você pode fazer diferença e nos ajudar de muitas maneiras!

Nathaniel Brandão, presidente do Lar Batista Esperança e membro da Igreja Batista do Bacacheri

Espaço dedicado a divulgação do Lar Batista Esperança – Uma entidade social que atende crianças e adolescentes em situação de risco. Atualmente atende, aproximadamente, 120 crianças e mantida por doações espontâneas. Conheça mais sobre esta entidade acessando o site www.lbe.org.br.

Nosso Jornal - Janeiro 2014 - Edição 217  

Jornal mensal feito pela Igreja Batista do Bacacheri.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you