Page 1

Relatório 2014 Associação Acorde


Carta de  Apresentação         Antes  de  Começar:  qual  a  razão  de  ser  da  Acorde?     O  que  chamou  a  atenção  da  coordenação  pedagógica  neste  ano?   Programa  Recreação           Programa  Ca>varte         Programa  Centro  Cultural  Comunitário       Desenvolvimento  Ins>tucional       Par>cipação  Polí>ca  Regional         Par>cipação  Polí>ca  Nacional         Cer>ficados,  Diretoria  e  Conselho       Agradecimentos            

3    5    6    8    13    46    56    64    67    69    70  


O vir a ser da Acorde

  Uma  tarefa  desafiadora  na  vida  de  uma  organização  social  é  aprender.  Para  aprender  é  preciso  conseguir  ver,  ouvir  e  estar  aberto   para   mudar.   Três   coisas   que   parecem   óbvias,   mas   que   não   são.   O   aprender   é   um   ato   cria>vo   em   si   mesmo   -­‐   ele   revela   novos   aspectos   do   mundo   e,   assim,   permite   que   o   mundo   se   torne   mais   do   que   era,   ampliando   a   consciência.   É   um   movimento   de   expansão.  Mas  uma  vez  que  algo  foi  aprendido,  com  o  tempo  passamos  a  dá-­‐lo  como  certo  e,  como  vemos  o  mundo  através  dele,   passamos  a  não  mais  ver  de  fato  o  mundo.  A  organização  social  vai  ficando  presa  a  uma  imagem  específica  de  si  mesma  e  de  seus   modos  de  fazer,  e  sua  consciência  encolhe  novamente.¹       Este  expandir  e  encolher  da  consciência  se  dá  por  meio  do  aprender,  e  este,  por  sua  vez,  precisa  de  espaço  para  acontecer.  Para   abrir  o  espaço  para  o  novo  é  preciso  abrir  mão  do  velho,  e  este  é  um  processo  ruidoso  e,  muitas  vezes,  dolorido.  Aqui,  importante   ressaltar  a  importância  do  movimento  para  a  manutenção  da  evolução  e  aprofundamento  do  estado  de  consciência,  sem  deixar  que   o   que   chamamos   de   velho   seja   considerado   ruim,   e   o   novo,   bom.   Esta,   aliás,   é   uma   polaridade   que   o   mundo   contemporâneo   planta   em  nossas  mentes,  mas  que    resume  o  velho  e  o  novo  enormemente,  a  ponto  de  diminuir  a  importância  de  um  versus  o  outro.  O   novo   é   construído   sobre   e   com   base   no   velho,   alavancando-­‐se   sobre   ele   para   um   novo   espaço,   que   conversa   com   uma   realidade   externa  diferente  daquela  existente  quando  o  velho  era  o  novo.         O  movimento  gera  ruído,  e  este  foi  um  ano  em  que  o  ruído,  na  Acorde,  se  manteve  alto.  Em  sua  busca  por  aprender;  desaprender  foi   um  grande  desafio.  A  sensação  era  de  um  cansaço  generalizado  que,  em  muitos  momentos  pareceu  levar  cada  um  dos  integrantes   do  grupo  de  gestão  e  equipe  pedagógica  a  jogar  a  toalha.  Mas  cá  estamos.         ¹KAPLAN,  Allan.  Ar>stas  do  Invisível.  São  Paulo,  Peirópolis,  2012.  p.  110  

3


Em nossas  reflexões  surgiu  a  imagem  de  uma  organização  passando  de  seu  estágio   pioneiro  e  inicial,  imerso  em  criação  e  insights,  para  um  momento  de  construção   de  estruturas,  fluido,  com  a  habilidade  de  encontrar  caminhos  e  prevalecer  sobre   os  grandes  desafios.     Provocados   por   estes   ruídos,   escrevemos   este   relatório.   Acreditamos   que   os   nossos   desafios   de   atuação   social   e   de   desenvolvimento   ins>tucional   podem   ser   reconhecidos   e   inspirar   outras   organizações,   bem   como   inves>dores   sociais   e   doadores  e,  ao  fazermos  isto,  estamos  apoiando  o  desenvolvimento  um  do  outro  e   permi>ndo  que  cheguemos  juntos  em  nosso  obje>vo  maior,  como  terceiro  setor,   que  é  o  fortalecimento  da  democracia  brasileira.         Desejamos  uma  boa  leitura  e  se  quiserem  saber  mais,  estamos  aqui.      

Joana Lee Ribeiro Mortari      

Desenvolvimento Ins6tucional  

4


Antes de começar:  

qual a razão de ser da Acorde?

A Acorde  foi  idealizada,  originalmente,  sobre  a  demanda  de  um  espaço  para  que   as  crianças  e  jovens  da  comunidade  >vessem  um  lugar  seguro  para  ficar  no  contra   turno  da  escola,  onde  não  es>vessem  expostos  aos  perigos  da  rua.  Foi  com  esta   premissa   que   estudamos,   conhecemos   outras   organizações   e   construímos   as   bases   de   nossa   proposta   pedagógica.   Ao   longo   dos   anos,   ajustamos   o   “como”   fazer,  mas  o  “o  que”  se  manteve  sólido.  Assim,  o  que  hoje  chamamos  de  nossa   área   pedagógica,   que   atende   crianças   de   6   a   17   anos,   está   dividida   em   dois   programas:  o  Programa  Recreação  e  o  Programa  Ca>varte.   Com  o  passar  dos  anos,  fomos  apreendendo  mais  sobre  a  realidade  local  com  a   comunidade   e   logo   ficou   claro   que   para   trabalhar   com   crianças   e   jovens   e   propor   algo  novo,  precisávamos  -­‐  e  ainda  precisamos  -­‐  da  confiança  dos  pais.  Foi  assim   que   começamos   a   trabalhar   também   a   comunidade   com   conversas,   grupo   de   geração  de  renda  e  eventos.  Deste  embrião  nasceu,  em  2013,  o  Centro  Cultural   Comunitário  como  um  terceiro  programa  da  Acorde.   Também   durante   este   processo,   percebemos   que   esta   confiança   trás   responsabilidade,   e   para   que   possamos   de   fato   estar   em   posição   de   apoio   das   crianças   e   suas   famílias,   precisamos   estar   inseridos   em   uma   rede   local.   E   assim   começamos  um  trabalho  polí>co  na  região,  em  seu  sen>do  mais  abrangente.   Por   fim,   olhamos   para   nós   como   uma   organização   da   sociedade   civil   e,   inserida   neste  contexto,  buscamos  também  uma  atuação  ins>tucional.  

   

5


Para o   UNICEF,   a   adolescência   representa   para   os   próprios   adolescentes   uma   oportunidade   de   socialização,   construção   da   iden>dade   e   autonomia.   (…)   O   Brasil   é   um   país   jovem:   30%   dos   seus   191   milhões   de   habitantes   têm   menos   de   18   anos   e   11%   da   população   possui   entre   12   e   17   anos,   uma   população   de   mais   de   21   milhões  de  adolescentes.  Por  isso,  é  essencial  que  o  Brasil  atenda  às  necessidades   específicas  da  adolescência  nas  suas  polí>cas.  Caso  contrário,  corre-­‐se  o  risco  de   que  um  grupo  tão  significa>vo  e  estratégico  para  o  desenvolvimento  do  País  fique   invisível   em   meio   às   polí>cas   públicas   que   focam   prioritariamente   na   primeira   fase  da  infância  e  na  fase  seguinte  da  juventude.  –  Situação  Mundial  da  Infância   2011,  Caderno  Brasil,  UNICEF.    

O que chamou a atenção da Coordenação Pedagógica neste ano?

Durante este  ano,  a  cultura  popular  brasileira  foi  intensamente  trabalhada  com  as  crianças  do  Programa  Recreação  por  meio   das  oficinas  de  brincadeiras  e  can>gas  populares,  muito  do  conteúdo  trazido  pela  assistente  de  coordenação,  Mauren  Picelli  de   Godoy.     Também   >vemos   grandes   avanços   no   es>mulo   à   consciência   ambiental   em   parceria   com   a   ONG   S.O.S   Mata   Atlân>ca,   sobre  a  qual  discorremos  abaixo.  

6


Em relação   ao   Programa   Ca>varte,   no   começo   do   segundo   semestre   >vemos  que  parar  a  oficina  de  Capoeira  e  subs>tuir  o  educador,  fato  este  que   influenciou   nega>vamente   a   dinâmica   de   atendimento   da   Acorde.   Em   contrapar>da,   conseguimos   construir,   neste   ano,   a   Mostra   Acorde,   com   a   exposição  dos  trabalhos  de  todas  as  oficinas  da  Acorde  e  o  espetáculo  de  final   de   ano,   encenado   e   escrito   por   todos   os   par>cipantes   do   Teatrando   e   que   contou   com   a   par>cipação   de   outras   oficinas   dos   programas   Ca>varte   e   Recreação,  inclusive  o  Projeto  Canto  do  Canto,  que  tocou  todas  as  músicas  do   espetáculo  ao  vivo,  emocionando  o  público.     Percebemos,   neste   ano,   as   crianças   mais   tranquilas   em   relação   às   suas   escolhas.  Parece  que  se  encontraram  nas  opções  que  fizeram.  Mas  o  processo   não  foi  sem  curvas.  Em  vários  momentos,  ao  longo  do  ano,  as  vimos  tentando   desis>r   e   conversamos   com   cada   um,   individualmente.   O   esqmulo   parece   ter   rendido   frutos,   porque   hoje   nos   parecem   menos   resistentes   ao   novo,   e   mais   autônomas  

Missão Pedagógica:   Promover  o  desenvolvimento  humano  em   crianças  e  jovens  de  Embu  das  Artes  e  Co>a,   por  meio  de  oficinas  de  arte  e  esporte,   fortalecendo-­‐os  para  o  futuro.      

Em um  olhar  para  fora  da  organização,  >vemos  um  ano  desafiador  do  ponto  de   vista  financeiro  e,  para  nos  prepararmos  para  o  que  entendemos  que  será  mais   um   ano   de   grandes   desafios   econômicos,   que   refletem   na   nossa   capacidade   de   mobilizar  recursos  e  executar  os  programas,  decidimos  que  começaremos  2015   sem   os   projetos   Canto   do   Canto,   Esportomé   e   Percussão,   até   que   recebam   algum   financiamento   específico,   bem   como   dois   dos   quatro   grupos   do   Programa   Recreação.   Assim,   começaremos   o   ano   de   2015   com   os   projetos   Papelada,  Culinarte,  Teatrando  e  Capoeira,  bem  como  os  projetos  em  parceria   com  o  Colégio  Dante  Alighieri  e  Albert  Sabin.      

7


Programa Recreação

Educadoras  Lucilene  Rosa  e  Aurineide  Ferreira  

O que  é?  Para  quem  e  qual  a  proposta?     Para   crianças   entre   6   e   8   anos,   colabora   com   o   processo   de   sociabilização   e   desenvolvimento   pessoal   dos   pequenos   na   construção   de  sua  iden>dade  e  no  relacionamento  em  grupo,  tendo  o  brincar  como  principal  ferramenta.  Adaptando  à  demanda  do  começo  do   ano,   abrimos   uma   segunda   turma   no   período   da   tarde,   totalizando   duas   em   cada   período,   com   25   vagas   em   cada.   Em   2014   o   Programa  Recreação  atendeu  100  crianças,  com  500  atendimentos  diretos  semanais.   Durante  as  oficinas  as  crianças  são  ins>gadas  a  desenvolverem  suas  habilidades  motoras  e  mentais  através  de  exercícios  corporais   que  exercitem  a  voz,  a  audição,  a  visão,  o  tato,  o  olfato,  o  paladar,  o  equilíbrio,  o  ritmo,  a  motricidade  e  a    locomoção,  sempre  promovendo  a  reflexão  consciente  dos  limites  do  corpo  e  as  possibilidades  de  ampliação    destes  limites,  através  da  repe>ção  e  da  dedicação.  E  sempre,  respeitando  o  limite  e  o  tempo  de  cada  um.     Neste  ano,  uma  parte  do  Programa  Recreação  foi  financiado  pela  AES  Eletropaulo  por  meio  de  doação     direcionada  de  imposto  sobre  a  renda,  através  do  Conselho  Municipal  da  Criança  e  do  Adolescente  do     Município  de  Embu  das  Artes.       Por  fim,  a  Acorde  mantém  sua  intenção  de  que  as  crianças  das  turmas  da  tarde  possam  experimentar  as     oficinais  do  Programa  Ca>varte,  entrando  em  contato  com  temas  culturais  mais  específicos  e  com  as   crianças  mais  velhas.  No  primeiro  semestre  os  grupos  visitaram  o  Projeto  Percussão,  o  Projeto  Culinarte  e     o  Projeto  Hip  Hop.  No  segundo,  >veram  a  oportunidade  de  passar  pelo  Acorda  Corpo  -­‐  Percussão  e     Capoeira,  Canto  do  Canto,  EsporTomé  e  Culinarte.        

8


Chegando de  mansinho...     O   período   de   adaptação   foi   marcado   pela   vontade   das   crianças,   que   já   conheciam   a   Acorde,   de   ensinar   e   cuidar   dos   recém   chegados.   As   conversas   em   roda   trouxeram   o   relato   das   crianças   sobre   o   encantamento   em   relação   à   sala   de   informá>ca   e   à   cozinha.  Em  meados  de  março  o  grupo  se  mostrava  unido,  formado.  O  primeiro  tema  da  formação  cultural  do  semestre  foi  uma   homenagem   ao   poeta   Solano   Trindade,   natural   de   Embu   das   Artes,   feita   durante   o   cortejo   de   carnaval.   Em   sua   homenagem,   as   crianças  montaram  a  ala  “Gravata  Colorida”.    

 

“Ros>nhos novos  e  outros  já  conhecidos,  turma   interessada  e  cheia  de  energia  para  aprender!”      Lucilene,  educadora  

Solano Trindade

Nasceu no   dia   24   de   julho   de   1908,   no   bairro   de   São   José,   no   Recife   (PE).   Além   de   poeta,   foi   pintor,   teatrólogo,   ator   e   folclorista.   Legí>mo   poeta   da   resistência  negra  por  excelência.     Em   1954,   está   em   São   Paulo,   criando   na   cidade   de   Embu,   um   pólo   de   cultura   e   tradições   afro-­‐americanas.   Em  São  Paulo  também  funda  o  Teatro  Popular  Brasileiro   –   TPB,   onde   desenvolveu   intensa   a>vidade   cultural   voltada   para   o   folclore   e   para   a   denúncia   do   racismo.   Em   1955,   viaja   para   a   Europa,   com   o   TPB,   onde   dá   espetáculos  de  canto  e  dança.  Faleceu  no  Rio  de  janeiro,   em  19  de  fevereiro  de  1974.    

9


A terra  é  nossa  morada,  onde  habitam  nossos  pares     Inserida  na  área  de  mananciais  da  Bacia  Hidrográfica  do  Tietê,  a  região  onde  vivem  as  crianças  atendidas  pela  Acorde  é  importante   e   privilegiada.   No   primeiro   semestre   o   tema   foi   extensivamente   abordado,   começando   pela   visita   da   SOS   Mata   Atlân>ca   que   contou  com  uma  roda  de  conversa  e  com  a  análise  da  água  do  Córrego  Po>um,  que  passa  atrás  da  Acorde.  Em  seguida  olharam   para   o   mapeamento   dos   córregos   da   região,   iden>ficaram   onde   estão   e   seguiram   com   conversas   sobre   o   momento   atual   de   seca   e   a  importância  de  combater  o  desperdício.  Um  painel  sobre  água  foi  elaborado  e  histórias  sobre  o  tema  foram  contadas  e  discu>das.  

   

-­‐  João,  como  foram  as  conversas  sobre  a  água?   -­‐  Temos  que  economizar...  Se  a  gente  ficar  três  dias  sem  beber   água,  a  gente  morre!     -­‐  É  mesmo?  Nossa!  E  você  está  cuidando  da  água?     -­‐  Tô!  Aqui  na  Acorde  e  na  minha  casa…     Conversa  entre  Joana,  39,  e  João,  6      

A   parceria   com   a   SOS   Mata   Atlân>ca   con>nuou   no   segundo   semestre,   e   originou   o   projeto   AcordÁgua.   Cesar   Pegoraro,   responsável   pela   parceria,   deixou   como   missão   para   as   crianças   a   coleta   e   o   teste   da   água.   Feita   a   análise,   elas   inseriram   o   resultado   no   site   da   SOS   Mata   Atlân>ca,   na   página   Analisando   Rios,   dados   que   passaram   a   fazer   parte   do   levantamento   geral   da   Bacia.         Durante  uma  das  idas  ao  córrego  Po>um,  as  crianças  observaram  que  havia  muito  lixo  jogado  na  mata  ciliar.  Televisão,  privada,   la>nhas   de   cerveja,   entulho   e   todo   o   >po   de   embalagem   chocaram   as   crianças,   que   começaram   a   organizar   um   mu>rão   para   recolher  (o  que  era  possível).  Após  a  coleta,  par>ciparam  de  rodas  de  conversa,  assis>ram  a  vídeos,  par>ciparam  de  contação  de   histórias  e  confeccionaram  murais  sobre  os  cuidados  que  devemos  ter  com  o  meio  ambiente.  Durante  a  roda  uma  das  crianças   ergueu  o  dedinho  e  contou  que  havia  outro  córrego  que  precisa  da  atenção  deles.      

10


O outro   rio,   chamado   Rio   das   Pedras,   está   localizado   na   divisa   de   Embu   das   Artes   e   Co>a   e   sofre   com   os   maus   cuidados   dos   moradores   das   duas   cidades.   Nossas   crianças   não   gostaram   do   que   viram   e   se   empenharam   para   mudar   esta   situação,   solicitando   a   limpeza   e   corte   dos   matos   que   dificultavam   a   passagem   da   água.   A   Prefeitura   de   Co>a   atendeu   ao   chamado   e   apoiou  o  trabalho  iniciado  por  nós.   Para   chamar   a   atenção   dos   moradores   da   comunidade,   o   Recreação   saiu   pelas   ruas   cantando   a   música   “Não   jogue   lixo   no   chão”,   composta   por   Vital   Farias,   com   uma   faixa   gigante   e   plaquinhas  com  mensagens.  Este  movimento  de  conscien>zação   chamou   a   atenção   dos   moradores   e   mostrou   que   existem   pessoas  preocupadas  com  o  bairro  e  com  o  meio  ambiente.      

A Morte  do  Boi     No   meio   do   ano   os   grupos   realizaram   diversas   a>vidades   sobre   o   Bumba   meu   Boi,   que   foi   o   tema   escolhido   para   a   Festa   Junina.   Entre   elas,   a   pesquisa   de   tema   com   as   educadoras  e  a  elaboração  do  painel  exposi>vo,  como  uma   forma   de   nutrição   esté>ca   a   todos   da   Acorde.   Em   junho   vivenciaram   a   história   do   boi   ao   ensaiarem   a   dança   para   a   apresentação,  cantando  “Meu  Boi  Morreu”.     11  


Depois das  férias,  reaquecendo  a  musculatura  

“Brincar de  roda   Cantar  a  trova     Cair,  subir,  dançar   Crescer,  crescer,  crescer...”     Trecho  da  Música  da  Acorde,    composta  pelo  educador   Wagner  Dias  e  pelo  Fabio   Maganha.  

As a>vidades   do   segundo   semestre   foram   relacionadas   ao   desenvolvimento   da   cooperação,   convivência   grupal,   respeito   e   aceitação   de   opinião,   valores   familiares   e   consciência   ambiental.  Para  ajudar  a  criançada  a  falar  de  si,  foi  introduzido  o  objeto  de  fala,  que  foi  um   importante  amigo  de  roda.  Com  o  tempo,  foram  entendendo  que  era  mais  fácil  ser  escutado   enquanto  usavam  o  objeto  de  fala  nas  rodas  de  conversa,  e  foram  se  soltando.       O  grupo  se  mostrou  mais  unido  e  coopera>vo  na  montagem  e  organização  dos  painéis  e  nas   a>vidades   cole>vas   na   oficina.   Aceitar   as   regras   parecia   estar   menos   “doloroso”   e   algumas   crianças   surpreenderam   as   educadoras   com   tamanha   evolução,   pois   já   conseguiam   dividir   o   mesmo   espaço,   os   brinquedos   e   os   materiais.   As   brincadeiras   na   quadra   e   no   pá>o   foram   grandes  aliadas  destas  conquistas.       A   turminha   foi   apresentada   à   música   da   Acorde,   composta   e   produzida   pelo   educador   do   Canto   do   Canto,   Wagner   Dias   e   pelo   voluntário,   Fabio   Maganha.   A   canção   se   fez   presente   em   quase   todos   os   encontros   e   os   pequenos   logo   estavam   cantarolando   pelos   cantos   da   organização.       As  crianças  receberam  a  primavera  com  um  mu>rão  de  coleta  de  papéis  de  balas  que  estavam   espalhados  pela  Acorde,  criaram  cartazes  de  conscien>zação  sobre  a  importância  de  cuidar  do   espaço   e   confeccionaram   brinquedos   a   par>r   de   garrafas   pets   e   rolos   de   papel   higiênico.   Quem  esteve  no  VII  Acorde  Gastronômico,  neste  ano,  pode  ver  expostos  as  criações.       O   ano   também   esteve   cheio   de   brincadeiras   para   apoiar   o   desenvolvimento   da   mente,   da   motricidade  e  trabalhar  o  respeito  às  regras  e  aos  combinados.  Entre  elas,  futsal,  futebol  de   mão,   pega-­‐pega,   pula   corda   e   mesmo   as   brincadeiras   livres,   desenvolvidas   antes   e   após   as   a>vidades  em  oficina,  também  ajudaram  a  apaziguar  os  pequenos,  sempre  cheios  de  energia.       12    


Feliz Natal,  Natal...     Nas   úl>mas   semanas   de   atendimento   as   crianças   dedicaram   alguns   momentos   das   oficinas   para   a   confecção   de   enfeites   natalinos.   Enquanto  desenhavam,  recortavam  e  pintavam,  as  crianças  compar>lhavam  saberes,  cooperavam  e,  acima  de  tudo,  se  diver>am!   O  empenho  não  ficou  apenas  na  decoração  do  espaço.  A  turminha  esteve  presente  na  gravação  da  música  do  cartão  de  Natal  2014  .  

Programa Cativarte

    Para   crianças   e   jovens   entre   9   e   17   anos.   Colabora   com   o   processo   de   formação   de   um   jovem   capaz   de   perceber   a   importância   de   estudar,   confiante   na   sua   capacidade   de   escolher   e   realizar,   consciente   de   suas   vocações   e   aberto   a   diferentes   culturas.   O   Programa   Ca>varte   é   composto   por   diversos   projetos   de   música,   dança,   esporte   e   culinária,   que   podem   ser   escolhidos   pelos   educandos   conforme   suas   vontades   e   vocações.   Cada   criança   e   jovem   escolhe   um   ou   mais   projetos   que   gostaria   de   par>cipar,   montando  uma  grade  de  a>vidades  culturais.  Em  2014,  o  Programa   Ca>varte   ofereceu   os   seguintes   projetos,   e   fez   800   atendimentos   diretos  semanais,  para  150  crianças  e  jovens.           13  


Projeto Acorda Corpo – Percussão | Educador  Rubens  Rossin   Novas   crianças   e   jovens   compuseram   o   Projeto   de   Percussão   e   Maracatu   neste   ano   e,   assim,   foi   preciso   igualar   saberes.   Os   mais   experientes  ficavam  angus>ados  por  terem  que  repe>r  as  ba>das  e  can>gas  populares  e,  para  facilitar  o  processo  de  aprendizagem  de   todos,  o  educador  dividiu  a  turma  em  dois  grupos,  direcionando  a>vidades  de  acordo  com  o  nível  de  aprendizado  de  cada  um.       Com  o  grupo  já  em  sintonia,  os  ensaios  para  o  Cortejo  da  Acorde  se  iniciaram  e  o  Baque  de  Luanda  tomou  conta  das  oficinas  e  dos   cantos  da  organização.  Como  referência,  Rubens  os  levou  para  par>cipar  do  Cortejo  do  Quintal  Cultural  de  Carapicuíba.  A  experiência   proporcionou  a  integração  das  nossas  crianças  com  as  do  Projeto  OCA  de  Carapicuíba.  Mais  experientes  e  desenvoltos  no  Maracatu,  as   crianças  da  OCA  foram  uma  inspiração  em  relação  a  tudo  que  compõe  um  cortejo:  organização,  fantasias,  ritmos,  relação  em  grupo...       Na   avaliação   do   Cortejo   da   Acorde,   algumas     crianças   reclamaram   de   terem   tocado   por   pouco   tempo  –  é,  eles  amam  tocar!     Convidados   para   par>cipar   do   Bazar   do   Bem   Possível,   evento   anual   que   acontece   no   Esporte   Clube   Pinheiros,   o   empenho   nas   oficinas   aumentou,   afinal,   o   desafio   também.   Os   educandos   mais   seguros   em   tocar   determinados   instrumentos   foram   convidados   e   orientados   a   ensinar  os  menos  experientes.    

14


Para a  Festa  Junina,  pra>caram  ritmos  já  conhecidos,  o  maracatu  funkeado  e  um  novo   ritmo,  o  coco  de  roda.  Neste  momento,  Rubens  propôs  uma  roda  de  conversa  sobre  a   história  desta  manifestação  popular  e,  saindo  da  teoria  para  a  prá>ca,  experimentaram   a  dança  e  o  ritmo  dos  três  >pos  de  coco:  o  coco  tradicional,  o  coco  de  obrigação  e  o   coco   contemporâneo.   Também   pra>caram   o   passo   do   coco,   que   é   mais   conhecido   como  pisada.      

O Coco  é  uma  dança  tradicional  do   Nordeste.  Tem  sua  origem  na  união   da  cultura  negra  com  a  dos  povos   indígenas  do  Brasil.  Acredita-­‐se  que   o  Coco  surgiu  no  interior,   provavelmente  no  Quilombo  dos   Palmares,  a  par>r  do  ritmo   originado  pela  quebra  do  coco  para   a  re>rada  da  amêndoa.  

Durante o   processo   musical,   os   educandos   escolheram   a   “Roda   Moreninha”,   de   Serrinha   e   Caboclinho.  A  par>r  da  base  rítmica  e  melódica  da   canção,  a  turma  criou  versos  e  rimas.  A  maioria  dos   educandos   mostrou   que   já   estavam   desinibidos   e   que   a   >midez   de   criar   e   improvisar   na   frente   dos   colegas   havia   diminuído   significa>vamente.   E   lá   estavam   eles,   pron>nhos   para   a   Festa   Junina   da   Acorde.    

15


A turma   da   percussão   acolheu   os   ingressantes   do   segundo   semestre   e   par>u   para   o   Baque   VirAção,   de   Jandira,   par>cipando   de   oficinas   de   dança,   ciranda   e   percussão   corporal.   A   par>cipação   neste   projeto   in>tulado   de   “Maracatu   Tradição”   proporcionou   aos   nossos   educandos  a  oportunidade  de  conhecer  o  Mestre  Gilmar,  sua  nação  “Estrela  Brilhante  de  Igarassu”,  de  Pernambuco,  além  de  permi>r   que  os  educandos  vivenciarem  outros  costumes,  baques,  danças  e  loas.  Após  a  par>cipação  no  Baque  VirAção,  os  encontros  ganharam   novos  facilitadores:  o  aquecimento  corporal  e  as  loas  e  baques  da  “Estrela  Brilhante  de  Igarassu”.    

Mão na  massa.  Ou  melhor,  na  cabaça!     No   Acorda   Corpo   Percussão   buscamos   envolver   ao   máximo   nossas   crianças   e   jovens   no   universo   de   cada   projeto.   Com   a   galera   da   percussão   não   foi   diferente!   Antes   de   iniciarem   os   novos   ensaios   os   educandos   par>ciparam   de   rodas   de   conversa   sobre   a   origem   do   novo   instrumento   que   iria   fazer   parte   dos   encontros,   o   xequerê.   Após   a   troca   de   saber   com   o   educador,   os   educandos   iniciaram   a   construção   deste   que   é   um   dos   instrumentos   de   condução   rítmica   do   Maracatu   de   Baque   Virado.   Durante   várias   oficinas   os   educandos   se   dedicaram   aos   ensaios   e   a   confecção   do   xequerê.   Em   uma  das  oficinas  a  turminha  pôde  contar  com  o  apoio  do   educador   Pedro,   do   OCA   de   Carapicuíba,   na   amarração   do  instrumento.        

“A apresentação  foi  tão  boa  que  os  meninos   saíram  felizes  e  orgulhosos,  e  os  pais  também!”   Rubens  Rossin,  educador.  

16  


De forma  descontraída  e  lúdica,  nossos  pequenos  do   Programa   Recreação   também   par>ciparam   de   alguns  encontros  do  Projeto  Percussão,  e  gostaram!   As   crianças   da   Acorde   costumam   nos   surpreender   com   alguns   desejos   e   propostas.   Isso   geralmente   ocorre   quando   estão   familiarizados   com   o   grupo   e   com  o  educador  e  capazes  de  apresentar  e  defender   uma   ideia.   O   grupo   de   Percussão   já   está   assim   e,   como   exemplo   disso,   propôs   ao   educador   a   composição   de   uma   música   em   ritmo   de   Rock,   que   fez   parte   do   repertório   musical.   Após   esta   etapa,   visitaram  a  OCA  de  Embu  das  Artes  junto  ao  projeto   Canto  do  Canto.         Nos  úl>mos  encontros  do  ano,  as  crianças  e  jovens  revisaram  todos  os  baques  aprendidos  no  ano  e  mostraram  sua  evolução.  O  corpo   estava  mais  solto  enquanto  tocavam,  dançavam  e  cantavam.       Ao  receber  o  convite  do  grupo  Casa  de  Brincar,  os  educandos  par>ram  para  a  úl>ma  apresentação  do  ano,  no  Estádio  do  Pacaembu.  Ao   som   do   Maracatu   Imperial,   as   pessoas   eram   convidadas   a   se   acomodarem   no   auditório   do   estádio.   Um   fim   de   ano,   no   mínimo,   majestoso!         A   par&cipação   das   crianças   do   Programa   Recreação   em   oficinas   do   Programa  Ca&varte  tem  por  obje&vo  que  os  pequenos  experimentem  as   oficinas   do   Ca&varte,   facilitando   a   escolha   por   afinidade,   quando   for   a   vez  deles,  além  de  trabalhar  o  cuidado  com  a  comunidade,  promovendo   um  espaço  para  que  os  mais  velhos  sejam  os  tutores  dos  pequenos.    

17


Projeto Acorda Corpo - Capoeira | Educador  Adriano  Birajara   O  Projeto  Capoeira  iniciou  o  ano  com  um  grande  número  de  interessados,  quase  30  crianças  e  jovens  por  dia  de  atendimento!   Para   atender   a   todos,   sem   dificuldade,   o   educador   iniciou   o   processo   de   aprendizagem   dividindo   o   grupo   em   duplas   e   trios,   sempre  juntando  jovens  mais  experientes  com  os  novatos,  para  que  houvesse  a  troca  de  saberes.  

Eleita para  compor  a  comissão  de  frente  do  Cortejo  da  Acorde,  a  turma  se  empenhou  em  criar  uma  coreografia  e  estabelecer   combinados  para  que  tudo  ocorresse  da  maneira  que  gostariam.  A  vontade  de  apresentar  algo  à  comunidade  era  tão  grande   que   eles   ensaiavam   na   quadra,   na   rua,   e   em   diversos   cantos   da   Acorde.   O   cortejo   foi   marcado   pela   linda   coreografia   criada   por   eles,   pelo   cumprimento   dos   combinados   e   pelo   empenho   de   alguns   educandos   que,   par>cipantes   de   mais   de   um   projeto,   se   revezavam  para  cumprir  todos  os  seus  papéis.      

18


Após o  êxito  no  Cortejo  da  Acorde,  as  crianças  e  jovens  iniciaram  mudanças  no  Maculelê:  planejaram  o  novo  figurino,  personagens,   escolheram   músicas   e,   o   mais   di~cil,   pensaram   em   como   preencher   o   lugar   do   educando   que   alcançou   a   idade   limite   de   par>cipação  no  programa  e  saiu.  O  Educador  Adriano  conta  que  foi  muito  di~cil  para  ele  e  para  o  grupo.  Para  se  despedirem,  as   crianças   e   jovens   organizaram   uma   festa,   onde   todos   se   responsabilizaram   em   tornar   este   momento   o   mais   especial   e   menos   doloroso   possível.   Na   verdade,   todos   nós   sen>mos   falta   do   Bolacha!   Fizeram   homenagens,   prepararam   um   lanche   comunitário,   entregaram  um  cer>ficado  e  o  presentearam  com  os  instrumentos  que  ele  mais  gostava:  um  berimbau  e  um  tamborim.       Os  educandos  novos  chegaram  empolgados  e  cheios  de  energia  para  montarem  a  nova  formação  acrobá>ca  para  a  apresentação   na   Festa   Junina   da   Acorde   e   na   do   Templo   Zu   Lai.   Na   finalização   dos   treinos,   muitos   educandos   se   destacaram   na   sequência   de   movimentos   giratórios.   Ao   ver   que   todos   estavam   se   desenvolvendo,   Adriano   os   convidou   para   par>ciparem   da   Festa   Julina   do   Centro  de  Educação  Luminar  em  conjunto  com  as  crianças  e  jovens  de  lá.       Dado  o  início  à  confecção  das  ves>mentas  do  Maculelê,  os  educandos  se  dedicaram  à  nova  formação  da  percussão  para  àqueles   que  >nham  interesse  em  aprender  a  tocar  os  instrumentos.  Dois  educandos  se  responsabilizaram  em  acolher  os  novos  integrantes,   novos  instrumentos  foram  adicionados  e  o  tempo  dos  ensaios  recebeu  mais  5  minutos,  totalizando  15  minutos  de  performance.   Nesta  fase  os  educandos  receberam  seus  nomes  no  Maculelê,  >rados  de  um  dicionário  africano  e  de  um  indígena.  O  momento  foi   muito   especial,   pois   despertou,   no   grupo,   o   interesse   em   saber   um   pouco   mais   sobre   o   maculelê,   levando   os   educandos   a   pesquisarem  tudo  a  respeito  desta  dança.          

Semestre de  adaptações  e  decepções...  

E   tudo   parecia   bem   no   Projeto   Capoeira,   até   que   em   julho   o   educador   se   desligou   da   Acorde.   Sem   seu   grande   líder   e   educador   de   referência,   o   grupo   sofreu.   No   curto   prazo   que   a   Acorde   teve   para   tentar   subs>tuir,  um  amigo  de  Adriano  assumiu  seu  lugar,  na  esperança  de  que  alguém  conhecido  pudesse  pular   alguns   degraus   na   escada   da   confiança.   E   funcionou.   Mas   o   novo   mestre   trouxe   uma   técnica   mais   tradicional   do   ensino   da   arte,   menos   focada   no   processo   educa>vo   e   mais   ligada   no   condicionamento   ~sico  e  na  técnica.  O  grupo  foi  desanimando,  muitos  jovens  saíram.    

19


Projeto Culinarte |  Educadora  Alessandra  Soares   No  primeiro  encontro  do  Culinarte,  os  educandos  que  desejaram  con>nuar  no  projeto  tomaram  a  frente  e  pediram  à  educadora   para  recepcionarem  os  novos  com  um  prato  preparado  por  eles.  Enquanto  cuidavam  do  acolhimento,  os  ingressantes  no  projeto   de   culinária   >nham   o   primeiro   contato   com   as   regras   de   higiene   na   cozinha   e   com   as   de   higiene   pessoal.   No   momento   da   confraternização,  todos  sugeriram  pratos  para  prepararem  durante  o  ano.     Outras   a>vidades   do   semestre   foram   a   deliciosa   preparação  de  seus  próprios  ovos  de  Páscoa  e  a  confecção   de  biscoitos  para  receber  com  carinho  no  Café  das  Mães.   Com   a   agenda   cheia,   ofereceram   para   os   pequenos   do   Programa   Recreação   uma   oficina   de   mousse!   Resultado?   Visitas   à   administração   para   perguntar   qual   era   idade   mínima  para  entrar  no  Culinarte...     Para   começar   o   aquecimento   para   o   VII   Acorde   Gastronômico,  o  grande  evento  do  ano  onde  o  Culinarte  é   destaque,   os   educandos   par>ciparam   de   uma   visita   técnica  na  Vinheria  Percussi.  Todos  se  encantaram  com  o   local   e   com   a   maneira   com   a   qual   foram   recepcionados.   Além  de  >rar  dúvidas  a  respeito  das  profissões  existentes   na  área  da  gastronomia,  os  educandos  lembraram  de  uma   grande   dificuldade   que   haviam   >do   em   um   evento   da   Acorde  e  pegaram  dicas  de  como  preparar  corretamente  a   massa  de  nhoque!    

Aqui com  o  desafio  de  preparar  um  lanche  especial  para  a   convidada  ilustre  do  Cortejo,       Raquel  Trindade,     filha  do  homenageado.  

20


Mas nem   tudo   foi   fácil   neste   ano   na   cozinha   da   Acorde...   Em   alguns   encontros,  os  jovens  estavam  exaltados  e  pouco  a  fim  de  par>cipar   das  oficinas.       Houve   então   uma   série   de   conversas   individuais   com   os   jovens   e   com   a   educadora   Alessandra   junto   ao   Coordenador   Pedagógico,   seguido   de   um   trabalho   em   grupo   em   forma   de   dinâmica,   que   versava  sobre  importância  da  união  do  grupo,  do  valor  do  respeito,   es>mular  a  paciência  e  mostrar  que  todos  são  diferentes.     Após   a   conversa,   o   momento   de   reflexão   e   a   dinâmica,   os   educandos   se   propuseram   a   melhorar   o   desempenho   na   oficina.   Dito   e   feito!   A   dedicação   e   a   responsabilidade   tomou   conta   deles,   a   postura   mudou   em   quesitos   como:   horário   do   intervalo,   apoio   às   funcionárias   da   cozinha   (preparo   do   lanche,   contagem   diária   da   quan>dade  de  educandos)....       Mesmo   com   poucas   aulas,   por   conta   da   Copa   do   Mundo,   os   educandos   do   Culinarte   se   dedicaram   à   preparação   das   comidas   qpica   nordes>nas,   para   a   tão   esperada   Festa   Junina   da   Acorde.   Prepararam   curau,   milho   verde,   arroz   doce,   canjica,   chá   de   amendoim...    

21


No   Restaurante  Vedhanta,  parceiro  no  Ciclo  de  Aulas   de     Culinária  Revista  Jd’  e  Acorde,  os  educandos  se     despediram   do  semestre  e  realizaram  a  úl>ma  visita     técnica.  A  recepção  calorosa  deixou  todos  à  vontade   para  fazerem  perguntas,  conhecer  todos  os   profissionais  do  local  e  macetes  do  restaurante.       Prontos  para  o  Desafio     A   equipe   do   Culinarte   retornou   das   férias   um   tanto   quanto   preocupada   e   ansiosa   por   causa   o   VII   Acorde   Gastronômico.    Para  aliviar  a  tensão  Alessandra  levou   a   turma   para   par>cipar   das   “Oficinas   de   Receitas   Gastronômicas”   um   evento   de   culinária   no   shopping   Butantã.     Mas   o   que   deixou   todos   mais   tranquilos   foi   o   bate   papo   com   o   Chef   Diego   Sacilo•o,   responsável   pelo   evento   neste   ano,   que   respondeu   a   perguntas   e   compar>lhou   suas   experiências   gastronômicas   no   Brasil   e   no   exterior.   Diego,   vendo   o   entusiasmo   da   garotada,   convidou   os   jovens   para   par>ciparem   do   pré-­‐preparo   dos   pratos.   Após   a   roda   de   conversa,   o   foco   foi   passar   para   a   turma   o   que   já   haviam   acumulado   de   conhecimento   e   experiência   sobre   o   evento.   Aliás,   o   foco   era   tanto   que   abriram   exceção   apenas  para  o  aniversário  da  Acorde.      

22


O tema  do  sé>mo  aniversário  da  Acorde  foi  a  família  e,  pensando  em  proporcionar  uma  experiência  diferente  para  os  seus  familiares,   os   educandos   do   Culinarte   criaram   uma   oficina   de   sucos   naturais   no   es>lo   da   oficina   que   eles   par>ciparam   no   início   do   semestre,   no   shopping  Butantã,  e  se  transformaram  em  professores!       Ansiedade,   nervosismo,   preocupação,   vontade,   felicidade...   todos   estes   sen>mentos   borbulhavam   entre   os   jovens   do   Culinarte   responsáveis  pela  organização  e  eficiência  do  salão.  Uma  conversa   de   apoio   e   revisão   de   procedimentos   entre   eles,   Alessandra   e   o   Chef  Diego  fez  toda  a  diferença.         O  evento  aconteceu  da  forma  como  planejado,  a  equipe  Culinarte   se   fez   presente   de   corpo   e   alma,   >rando   aplausos   e   elogios   de   todos  os  convidados.     O  grande  dia!     O  grupo  finalizou  o  ano  cuidando  da  horta  e  se  empenhando  para   criar  algo  que  simbolizasse  o  projeto  Culinarte,  na  Mostra  Acorde   2014.   Resolveram   expor   manequins   com   roupas   de   Chefs,   um   varal   com   fotos   de   acontecimentos   importantes   e   alguns   utensílios   de   cozinha,   como   panela,   escumadeira,   concha...   Na   panela   colocaram   as   palavras   companheirismo,   respeito,   diversidade   cultural,   cooperação   e   as   in>tularam   de   “temperos   de  aprendizagem”.  Eba,  missão  cumprida!  

“Foi uma  experiência  marcante  pra  minha   vida.  O  Chef  >nha  paciência  para  ensinar...   Ele  se  tornou  um  amigo  dentro  da  cozinha!”       Guilherme,  14,  1ª  par>cipação  no  Acorde   Gastronômico  

23


Projeto Papelada |  Educadora  Talita  Sannalber    

O que   vem   na   sua   cabeça   quando   escuta   a   palavra   “grupo”? As   crianças   e   jovens   iniciaram   a   vivência   no   projeto   de   artes   plás>cas,  o  Papelada,  com  esta  pergunta,  a  confecção  de  dobraduras   de   papel   e   uma   roda   de   conversa   para   compar>lhar   o   que   haviam   criado.   No   bate   papo   apareceu   a   diferença   entre   grupo   e   equipe.     Vista  a  diferenciação,  escolheram  serem  chamados  de  grupo.     No   começo   de   ano,   o   grupo   se   uniu   aos   projetos   Acorda   Corpo   -­‐     Capoeira  para  a  sensibilização  do  tema  e  do  figurino  para  o  Cortejo   da   Acorde,   e   passaram   para   a   confecção   das   máscaras,   gravatas,     cartolas,   estandarte   e   figurinos   para   o   evento.   Para   a   alegria   de   todos,   na   semana   do   evento,   a   equipe   já   havia   finalizado   tudo   o   que   havia  combinado  com  os  demais  projetos.  Vendo  que  haviam  cumpri

do o   prazo   e   que   os   figurinos   da   ala   “Tem   gente   com     fome”,   do   Programa   Recreação,   não   estavam   prontos,   decidiram   ajudar   os   pequenos  colegas  na  finalização.      

Cuidando do  material     Após  observar  a  falta  de  zelo  por  alguns  materiais,  durante  os  prepara>vos  do  Cortejo  da  Acorde,  a  educadora  iniciou  o  processo  de   conscien>zação  a  fim  de  despertar  o  cuidado  pelos  materiais  (muitos  recebidos  por  meio  de  doações)  e  pelo  espaço  de  convivência  e   aprendizado.  Estabeleceram  combinados  e  se  propuseram  a  cuidar  mais  do  espaço.     24    


Novos ambientes,  novas  experiências  

“O trabalho  com  as  crianças  foi  algo  realmente  delicioso!   No  começo  exis>u  a  >midez,  mas  em  pouco  tempo  eles  se   soltaram  e  criaram  uma  cumplicidade  com  o  ato  cria>vo.   Foi  uma  experiência  cria>va  e  carinhosa  e  acho  que  eles   se  sen>ram  muito  orgulhosos  também!”       Sheila  Natchigall,  Ar>sta  Plás>ca      

O projeto   Papelada   foi   contemplado   pela   Associação   Vida   Plena  com  oficinas  no  ateliê  da  Ceramista  Sheila  Natchigall.   Por  quatro  encontros  os  educandos  >veram  contato  com  o   universo  das  esculturas  em  cerâmica.       As  experiências  foram  marcantes  e  o  aprendizado  adquirido   por   todos   não   ficou   apenas   com   o   grupo,   eles   desejaram   compar>lhar   o   que   aprenderam,   organizando   uma   exposição.  A  turma  se  dividiu  em  funções  para  organizar  as   peças,  fazer  as  legendas,  convidar  os  educandos  dos  outros   projetos,   auxiliar   no   monitoramento   da   visita...   Crianças,   jovens  e  os  funcionários  da  Acorde  passaram  pela  exposição   e   puderam   entender   como   as   obras   foram   feitas,   >rar   dúvidas   e   ver   o   quão   orgulhosos   eles   estavam   por   terem   realizado  este  trabalho.  Para  agradecer  a  ar>sta  plás>ca  os   educandos  criaram  um  agradecimento  em  vídeo.     No   final   do   primeiro   semestre   a   educadora   notou   a   evolução   do   grupo   em   relação   aos   cuidados   com   os   materiais,  elegendo  isso  como  a  grande  conquista  do  mês.     No  segundo  semestre,  durante  as  oficinas  de  criação  livre,  o   grupo   u>lizava   e   reu>lizava   espelhos   de   mosaico,   isopor,   palha,   pequenas   madeiras,   mini   bonecos   de   argila,   materiais   que   estavam   há   muito   tempo   no   armário,   para   criar  maquetes  de  casas.     25      


Entre uma   oficina   e   outra,   a   educadora   percebeu   o   retrocesso   da   turma   em   relação   ao   cuidado   com   os     materiais   –   Hora   de   retomar   combinados!   Em   todos   os   encontros,   antes   de   iniciar   as   a>vidades     do   dia,   Talita   retomava   os   combinados,   resgatando   a   conscien>zação   e   o   diálogo  que  havia  gerado  no  primeiro  semestre.       Para   que   a   proposta   de   cada   encontro   acontecesse,   a   turma  foi  dividida  em  grupos  e  cada  um  ficava  responsável   por  organizar  alguma  parte  da  sala.       Responsáveis   pela   curadoria   da   Mostra   Acorde   2014,   os   educandos   do   Papelada   iniciaram   os   preparos   para   o   evento   junto   a   educandos   das   outras   oficinas.   Algumas   dificuldades   como   falta   de   interesse,   pensamentos   individualistas,   falta   de   materiais   e   agitação   tornaram   a   organização  desafiante,  e  geraram  mais  oportunidades  para   o  trabalho  em  grupo.          

Mostra Acorde    

Em 2014,  notamos  o  envolvimento  de  todos,  a  vibração  das  crianças  e  jovens  durante  a  preparação  do  material.  A  mostra  estreou   junto   com   a   “Macarronada   da   Acorde”,   evento   do   Centro   Cultural   Comunitário   para   as   famílias   da   comunidade,   e   ficou   em   exibição   por  uma  semana,  dando  a  todos  os  convidados  a  oportunidade  de  vê-­‐la.    

26


Com o   obje>vo   de   apresentar   às   famílias   e   à   comunidade   os   trabalhos   desenvolvidos   na   Acorde,   criamos   a   “Mostra   Acorde”,   que   acontece   no   final   de   cada  ano.     Todas  as  oficinas  são  convidadas  pelo  Projeto  Papelada   a   compar>lhar   as   a>vidades   que   desejam   que   seus   pais,  amigos,  vizinhos  e  pessoas  da  comunidade  vejam.   Feita   a   primeira   etapa   de   pesquisa   e   exercício   de   escolha,   os   educandos   do   Papelada   se   responsabilizam   pela  curadoria  da  mostra.      

As crianças   e   jovens   se   despediram   de   2014   confeccionando,   a   par>r   de   materiais   recicláveis,   enfeites   natalinos   para   decorar   a   Acorde.   Enquanto   produziam,   era   possível   notar   a   cole>vidade   fluindo.   Todos   estavam   colaborando,   ajudando   o   colega   a   terminar   o   trabalho,   ajudando   a   organizar   a   sala...   A   magia   do   Natal   e   a   constante   mostra   da   importância   do   trabalho   cole>vo   mostrou   tamanho   desenvolvimento   dos   pequenos   ar>stas,   a   semente   de   pequenos   cidadãos.        

“A parte  mais  bonita  da  mostra  foi  que  ela   conseguiu  unir  as  ações  do  Centro  Cultural   Comunitário  com  as  pedagógicas,  em  um   grande  evento  mobilizador  dos  diversos  atores   comunitários”       Marta  Junqueira,  Coordenadora  de  Projetos.  

27


Projeto Teatrando

|    Fabiana  Mina  

No  segundo  semestre  retomamos  o  Projeto  Teatrando  com  a  chegada   da   nova   educadora.   Fabiana   deu   início   às   a>vidades   propondo   aquecimentos  corporais,  com  foco  nas  ar>culações,     exercícios  vocais,  leitura  de  poesia  e  trava  língua,  roda  de  conversa     sobre  criminalidade,  violência,  cuidado  com  o  meio  ambiente,  violência   animal,  bullying  e  preconceito.       Este   início   de   processo   costuma   ser   custoso   para   um   novo   educador,   pois  as  crianças  fazem  comparações  e  demoram  a  aceitar  a  pessoa  que   está   chegando.   Mas,   após   alguns   encontros,   Fabiana   já   havia   conquistado  o  grupo.  O  vínculo  tornou  o  grupo  menos  disperso  e  mais   par>cipa>vo.  Assim  já  estavam  prontos  para  criar  cenas  de  improvisos   dos  temas  discu>dos  durante  as  rodas  de  conversa.       Para   animar   ainda   mais   a   turminha   e   apresentar   algo   novo,   a   educadora   propôs   oficinas   de   acrobacias   circenses   e   trouxe   uma   lira.   Era  possível  ver  a  alegria  das  crianças  brincando  e  fazendo  movimentos   circenses  no  pá>o  da  Acorde.      

28


Respeitável Público...           Todos  sabem  que  nos  finais  de  ano  a  Acorde  apresenta  um  espetáculo  teatral  para  os  pais  e  moradores  da  comunidade.  O  povo   marca   presença   e   sempre   espera   a   nossa   apresentação   final.   Para   a   peça   de   encerramento,   o   grupo   criou   cinco   esquetes   que   falavam  sobre  mudanças,  violência  animal,  amor,  respeito,  racismo,  preconceito,  empa>a...  tudo  aquilo  que  havia  gerado  reflexão   durante  as  oficinas.      

“Eu gostei  do  jeito  que  ela   ensina!”   Leccia,  educanda  

“As aulas  são  diferenciadas,  a   educadora  tem  paciência,  ensina   muito  bem  as  acrobacias...”    Giovana  Carla,  educanda  

29


Avaliação do  Espetáculo  “Co6diano”     Com   experiências   teatrais   e   circenses,   a   educadora   Fabiana   Mina   tornou   o   processo   educa>vo   muito   mais   sa>sfatório  em  comparação  a  2013.  Apesar  de  ter  >do  apenas  um  encontro  por  semana,  durante  três  meses,   com   as   crianças   do   projeto   Teatrando,   a   educadora   conseguiu   ins>gar   os   pequenos   a   criarem   um   espetáculo   para  todos  os  pais  e  pessoas  da  comunidade.     No  dia  da  apresentação,  pudemos  ver  o  trabalho  cole>vo,  de  fato,  com  todos  se  ajudando  durante  a  transição   das   cenas   e   alterações   no   cenário.   A   plateia   de   pais   e   amigos   ficou   contente   em   ver   os   filhos   transmi>ndo   mensagens  sobre  desperdício  de  água,  respeito,  racismo,  empa>a,  preconceito...   Na  avaliação  final,  o  grupo  destacou  que  as  esquetes  poderiam  ser  melhores  se  houvesse  menos  brincadeiras   nega>vas,  faltas  e  mais  encontros  semanais.  Em  2015  pretendemos  dar  con>nuidade  ao  trabalho  desenvolvido,   focando  em  a>vidades  circenses  para  os  mais  jovens  e  a>vidades  com  outra  linguagem  para  os  mais  velhos.   Douglas  Campos,  Coordenador  Pedagógico              

30


Projeto EsporTomé Combinar,  manter  e  reforçar.  

|    Educador  Lourival  Junior

Com   estas   três   palavrinhas   o   Esportomé   deu   o   chute   inicial   de   2014.   Com   a   chegada   do   Junior,   novo   educador   do   projeto,   os   primeiros  momentos  foram  de  estabelecimento  de  combinados  para  que  tudo  corresse  bem  durante  o  ano.  A  observação  tomou   conta   deste   início   de   trabalho   com   as   crianças   e   jovens.   O   educador   verificou   o   que   o   grupo   conhecia   a   respeito   das   regras,   posicionamento,  técnicas  e  tá>cas  desta  modalidade  para  elaborar  o  planejamento  dos  treinos.  A  confiança,  o  trabalho  em  equipe   e  o  respeito  também  fizeram  parte  da  observação  inicial.  Após  este  primeiro  momento,  deu-­‐se  o  início  aos  treinamentos.         Para   fortalecer   o   aprendizado   e   proporcionar   novas     situações   cole>vas   e   individuais,   o   educador   ofereceu     prá>cas   em   outros   colégios   e   com   outras   equipes   da       região.  O  Colégio  Viver  foi  o  primeiro  a  receber  os  nossos     educandos   para   amistosos,   treinamentos   cole>vos   e     individuais.         Após   os   diversos   encontros   e   o   trabalho   conqnuo   na     integração   do   grupo,   os   educandos   do   Esportomé   estavam   se   respeitando   mais,   cumprindo   as   regras   dos   jogos   e   os   combinados,   sendo   mais   honestos   e   as   discussões  nos  treinos  e  nos  amistosos  havia  diminuído,   melhorando   a   convivência   grupal.   A   parte   técnica   cole>va   também   havia   evoluído.   A   organização   na   quadra   estava   melhor   e   o   pensamento   cole>vo   estava   mais  visível.     31    


Os treinamentos   foram   produ>vos   e   os   educandos   pediram   novos   desafios.   Vendo   que   era   possível   atender   o   anseio   das   crianças   e   jovens,   Junior   inscreveu   o   >me   na   Copa   SESI   e   na   Futcup   –   Campeonato  que  visa  es>mular  a  prá>ca  espor>va,  unindo  a>vidade   ~sica,   educação   e   diversão,   além   de   promover   a   confraternização   entre   escolas,   alunos,   educadores   e   familiares.   Na   Copa   SESI   a   Acorde   conquistou   o   vice   campeonato   “O   capitão   do   >me   me   surpreendeu   nesta   compe>ção!   Ele   mostrou   que   era   uma   liderança,   que   >nha   responsabilidade...  Alavancou  o  grupo  durante  os  jogos!”,  diz  Junior.   Os   educandos   deixaram   o   educador   contente   durante   os   campeonatos.   A   cada   par>da   e   encontro,   eles   mostravam   o   avanço   nos   quesitos   respeito,   trabalho   em   grupo   e   individualidade.   O   respeito   ao   educador   também   havia   aumentado.   Com   a   chegada   da   Copa   do   Mundo   a   quan>dade   de   encontros   diminuiu   e   um   grande   número  de  faltas  tomou  conta  das  oficinas...  Afinal...       No   segundo   semestre   o   interesse   pelo   EsporTomé   aumentou   e   mais   educandos   integraram   os   treinos   de   futsal.   Crianças   do   Programa   Recreação   com   9   anos   completos   também   estavam   entre   os   interessados.   Por   conta   da   quan>dade   de   educandos,   os   encontros   foram   divididos   em   dois   períodos:   Sub   13   e   Sub   15.   Enquanto   um   grupo   treinava   o   outro   realizava   pesquisas   sobre   temas   diversos   relacionados  ao  esporte.  No  outro  dia  de  oficina  acontecia  o  inverso.   Este   revezamento   prevaleceu   até   o   final   de   ano   e   mostrou   aos   educandos  que  as  prá>cas  espor>vas  vão  além  da  quadra.         32  


Os trabalhos  com  os  novos  integrantes  do  Sub  15  >nha  o  obje>vo  de  mostrar  as  regras  de  convívio  estabelecidas  e  colocar  o  grupo   em  sintonia,  mostrando  que  existe  um  cole>vo  de  jogadores  com  o  mesmo  obje>vo.      Variações   de   jogadas,   transições   de   defesa,   ataque,  rodízio  de  jogadores  e  outros  quesitos   da  parte  tá>ca  eram  o  foco  dos  treinos  após  a   par>cipação  da  equipe  no  Torneio  da  Amizade   de   Co>a,   realizado   no   ginásio   de   Co>a.   Durante   o   desenvolvimento   dos   treinos   dificilmente   era   visto   um   educando   faltando   com   respeito   aos   demais.   As   reclamações   também   diminuíam   significa>vamente   a   cada   par>da.       No  final  do  ano,  nossos  espor>stas  mostraram   o   quanto   haviam   evoluído   e   que   estavam   preparados   para   todo   e   qualquer   >po   de   desafio  neste  esporte.      

33


Projeto Canto do Canto

| Educador  Wagner  Dias  

Os  mais  avançados...    

O  grupo  responsável  por  nos  emocionar  ao  tocar  a  música  da  Acorde,  suavemente  em  violões,  iniciou  o  ano  sem  um  ambiente   apropriado   para   os   encontros.   Mesmo   com   esta   dificuldade   retomaram   o   repertório   do   ano   anterior   e   buscaram   ampliar   o   conhecimento   teórico.   Porém,   para   ter   as   apos>las,   os   educandos   precisavam   trazer   folhas   sulfites   –   o   que   demorou   para   acontecer.   Enquanto   as   apos>las   não   ficavam   prontas,   o   grupo   trabalhava   a   criação   musical,   a   ampliação   cultural   e   noções   e   técnicas  de  canto.      

“Acorde, bom  encontro   Na  voz,  no  violão   Imagem  e  movimento   Sonora  criação"     34  


Com o  obje>vo  de  proporcionar  espaços  para  a  mostra  de  produção,  relacionando  as  a>vidades  de  música  com  os  aspectos  da   vida  social,  Wagner  ministrava  as  oficinas  tranquilamente,  respeitando  o  limite  e  atendendo  as  necessidades  técnicas  de  cada  um   dos  educandos.  Com  o  tempo,  alguns  acordes  aplicados  de  MPB  foram  fazendo  parte  dos  encontros.     Vendo   que   o   grupo   tocava   lindas   canções   pelos   corredores   da   Acorde,   os   educandos   foram   convidados   a   fazer   o   que   seria   a   primeira   apresentação   deles,   durante   o   Café   das   Mães.   Apesar   de   alguns   problemas   técnicos   e   do   ambiente   externo   estar   demasiadamente  ruidoso,  os  educandos  se  mostraram  bastantes  confiantes.    

O grande  momento!     No  ano  anterior,  a  Acorde  havia  sido  contemplada   por   um   Edital   do   Conselho   Municipal   de   Direitos   da   Criança   e   do   Adolescente   para   construção   de   uma  sala  acús>ca,  que  finamente  ficou  pronta!     Pensando   em   comemorar   da   maneira   que   mais   gostam   (tocando   e   festejando),   os   educandos   concentraram   esforços   para   a   apresentação   de   inauguração   do   mais   novo   espaço   de   vivências   musicais  da  nossa  organização.       Com  a  chegada  da  Copa  do  Mundo  e  do  início  das   férias,  a  oficina  fechou  o  úl>mo  mês  do  semestre   com  apenas  dois  encontros,  nos  quais  incluíram  a   composição   feita   por   um   dos   colegas   de   grupo   e   avaliaram  as  a>vidades  do  semestre.    

“Desempenharam o  planejado  com    muita  competência!”     Wagner  Dias,  educador    

35


Os educandos   retornaram   ao   segundo   semestre   com   o   desafio   de   preparar   repertório   para   o   encontro   com   os   violeiros   da   Associação   São   Joaquim,   organização   social   localizada   em   Carapicuíba   que   trabalha   terceira   idade.   Rapidamente   o   grupo   se   mobilizou   relembrando   canções   e   acrescentando   duas   novas   na   construção   da   apresentação.   Dois   educandos   se   responsabilizaram   pelo   arranjo   instrumental   da   música   Wave,   de   Tom   Jobim,   demonstrando   facilidade   na   execução   musical.   Durante   a   visita,   o   grupo     se   envolveu   com   a   Orquestra   de   Violeiros,   apresentando   canções   e   ajudando   a   proporcionar   uma   experiência   única   a   todas   as   gerações  presentes.     A  turma  do  Canto  do  Canto  se  empenhou  para  organizar  uma  apresentação  para  o  VII  Acorde  Gastronômico.  No  dia  do  evento  os   jovens  se  apresentaram  com  maestria,  encantando  a  todos  os  convidados  e  equipe  da  Acorde.       Com  o  obje>vo  de  proporcionar  novas  experiências  com  a  cultura  tradicional  brasileira,  as  crianças  e  jovens  (avançados  e  iniciantes)   par>ciparam   das   a>vidades   do   XVIII   Revelando   São   Paulo.   Por   meio   da   diversidade   das   manifestações   culturais,   todos   >veram   contato  com  uma  variedade  de  a>vidades  relacionadas  à  música,  dança,  às  artes  visuais,  à  culinária  qpica  e  a  exposições.          

E  não  menos  importante,  os  iniciantes...  

Com   idades   entre   9   e   13   anos   os   educandos   do   Canto   do   Canto   iniciaram   as   primeiras   noções   do  estudo  de  violão:  postura,  primeiros  acordes,  histórias  relacionadas  à  memória  ou  tradição.   Juntamente   com   as   primeiras   noções,   vieram   as   primeiras   músicas   embaladas   pelo   grupo:   Paz   e   Amor   –   Jorge   e   Matheus,   Velha   Infância   –   Tribalistas   e   Lenha   –   Zeca   Baleiro.   Também   introduziram   mais   um   instrumento   às   aulas:   o   teclado.   Para   tocar   o   mais   novo   instrumento,   o   educando  deveria  ter  vontade  de  aprender,  ter  compromisso  com  as  a>vidades  e  assiduidade.        

36


Para tornar   os   encontros   mais   lúdicos   Wagner   introduziu   instrumentos   como   a   flauta   doce,   cavaquinho   e   o   teclado.   Algumas  crianças  mostraram  mais  interesse  pelo  teclado  do  que   pelo   violão   e   o   educador   deu   espaço   para   que   todos   experimentassem   todo   e   qualquer   >po   de   instrumento   disponibilizado  na  oficina.       Enquanto   alguns   educandos   optavam   por   tocar   instrumentos,   outros   optavam   por   cantar   e   compor.   Mesmo   sendo   iniciante,   uma  das  educandas  do  projeto  se  destacou  como  compositora.   A  música  de  Ana  Julia  era  tocada  com  frequência  nas  oficinas.         A   par>r   de   rodas   de   conversas,   o   educador   planejou   uma   futura  oficina  de  mosaico,  para  enfeitar  a  lateral  da  sala,  e   iniciou   a   agravação   do   vídeo   sobre   as   primeiras   experiências  das  crianças  nas  aulas  de  violão.  In>tulado  de   “Percurso  de  Oficina”,  o  filme  con>nha  respostas  de  alguns   educandos   a   par>r   da   pergunta   “O   que   você   mais   gosta   e   menos  gosta  na  oficina?”       Os   úl>mos   encontros   do   primeiro   semestre   foram   marcados   pelo   grande   número   de   ausências   devido   à   mudança   do   calendário   de   férias,   em   virtude   da   Copa   do   Mundo.       No   segundo   semestre   o   grupo   iniciou   as   a>vidades   dividido   em   duplas   e   trios,   conforme   a   afinidade,   para   melhor   aproveitamento   dos   estudos.   Com   o   decorrer   das   oficinas   alguns   educandos   já   haviam   ampliado   o   repertório   de   acordes,   por   meio   de   canções,   geralmente   escolhido   por   eles.      

37


Os úl>mos   encontros   do   Canto   do   Canto   es>veram   voltados   para   a   Mostra   Acorde   2014  e  para  o  “Co>diano”.     Durante   os   ensaios   era   possível   ver   que   o   comportamento   de   alguns   educandos   havia  mudado.       Em   2014   o   Canto   do   Canto   esteve   aberto   para   novas   experimentações.   As   crianças   e   jovens   não   tocaram   apenas   violão,   fizeram   uso   do   teclado,   cavaquinho,   okulelê,   bateria,  flauta,  instrumentos  de  percussão...  Todos  estes  instrumentos  contribuíram   para  que  a  oficina  fosse  o  sucesso  que  foi.    

Projeto AcorDante

| Parceria  com  o  Colégio  Dante  Alighieri  

Formada  em  2008,  a  parceria  entre  a  Acorde  e  o  Colégio  Dante  Alighieri  tem  como  obje>vo  proporcionar  vivências  de  trocas  entre   nossos  os  educandos  e  os  alunos  voluntários  do  colégio.  Os  encontros  acontecem  no  colégio,  uma  vez  por  semana,  e  são  ministrados   pelos  adolescentes  e  jovens  estudantes,  que  se  voluntariam  sob  a  supervisão  de  seus  professores.  Um  dos  muitos  ônibus  da  frota  do   colégio  vem  da  Alameda  Jaú,  perto  da  Paulista,  até  a  Estrada  do  Moinho  Velho,  em  Embu  das  Artes.       O   processo   acontece   já   na   saída   da   Acorde   para   o   Dante,   quando   nossos   educandos   são   solicitados   a   se   organizarem   para   entrar   no   ônibus,  levar  o  lanche  que  recebem,  sentar-­‐se  e  preparar-­‐se  para  o  trajeto.  Neste  ano  começou  com  o  trabalho  de  conscien>zação   da   importância   e   obrigatoriedade   do   uso   do   cinto   de   segurança.   Com   dificuldade   de   entendimento   e   aceitação,   este   assunto   foi   tratado  com  persistência  pelos  educadores  de  ambas  ins>tuições.  A  observação  através  da  janela  também  trouxe  temas  interessante   para  a  conversa  durante  a  viagem,  dando  oportunidade  de  reflexão  sobre  questões  sociais,  ambientais  e  comportamentais.       38  


Em todos   os   encontros   a   troca   de   afe>vidade   é   explícita.   Ninguém   economiza   no   abraço,   beijo   e   troca   de   olhares   e   gen>lezas.   Os   alunos   voluntários   são   muito   preparados   neste   quesito,   estabelecendo   um   vínculo   afe>vo   entre   as   nossas   crianças   e   jovens   do   colégio.     Durante  os  encontros,  que  aconteceram  nos  laboratórios  de  química  e  ~sica,  no  de  informá>ca,  no  museu  de  história  natural,  na   quadra   de   esportes   e   no   ateliê   do   colégio,   as   disciplinas   formais   são   trabalhadas   com   os   educandos   de   forma   lúdica   e   carinhosa   e   acreditamos   ser   esta   mistura   de   oportunidade   e   de   troca   que   faz   com   que   este   seja   um   dos   projetos   mais   procurados   pelas   crianças  da  Acorde,  ano  após  ano.       “Sempre  somos  muito  bem  recebidos  pelos  professores   e  alunos  do  colégio  que,  gen>lmente,  trocam  suas   experiências  e  ideias  conosco,  criando  uma  atmosfera   de  amizade  e  parceria.”   Mauren  Picelli,  Assistente  de  Coordenação  Pedagógica  

39


Projeto Acorde Dante em Foco

|      Parceria  com  o  Colégio  Dante  Alighieri  

O  Acorde  Dante  em  Foco  tem  por  obje>vo  diminuir  a  defasagem  de  comunicação  oral  e  escrita  dos  jovens  da  Acorde,  trabalhadas   por  meio  de  ferramentas  de  comunicação.  Neste  ano,  os  jovens  iniciaram  o  ano  par>cipando  de  dinâmicas  de  expressões  faciais  e   improvisos,   que   exercitava   a   verbalização   e   a   concentração,   criando   um   vídeo   simulando   o   encontro   com   algum   personagem   famoso.                                     As  oficinas  também  os  ajudam  a  conhecer  e  se  integrar  às  artes  visuais,  realizando  pesquisas  sobre  ar>stas  e  reproduzindo  o  que   apreenderam  em  telas  de  pintura,  no  ateliê  do  colégio.    Uma  dificuldade  deste  ano,  além  da  copa  do  mundo,  foram  os  protestos  na   Cidade  de  São  Paulo,  que  em  muitas  ocasiões  impediu  o  transporte  dos  jovens,  que  >veram  assim  o  número  de  encontro  reduzido.   Mesmo   assim,   o   começo   do   ano   mostrou   uma   turma   interessada   e   cria>va   ao   produzir   fotografias   u>lizando   técnicas   de   perspec>va  e  ao  inserir  legendas  em  vídeos.     40  


As propostas  do  projeto  ficaram  ainda  mais  desafiadoras  no  segundo  semestre,  proporcionando  momentos  marcantes  e  de  grande   aprendizado.  Os  exercícios  de  comunicação  desafiaram  os  jovens  superarem  a  >midez  e  o  medo  de  se  expressarem.    

Em tempo  de  eleição...     Durante  o  segundo  semestre,  o  tema  dos  encontros  se  voltou  às  eleições,  trabalhando  o  exercício  da  cidadania.  Descrevendo  como   seria  o  presidente  ideal  para  o  país,  dividiram-­‐se  em  três  grupos,  cada  um  com  um  candidato,  e  foram  desafiados  a  organizarem  uma   campanha  eleitoral  para  cada  candidato.  Um  deles  compar>lhou  com  o  grupo  que  estava  assis>ndo  ao  horário  polí>co  para  auxiliar   na  criação.  As  reflexões  sobre  o  presidente  ideal  facilitaram  a  elaboração  de  cada  proposta.  Como  o  projeto  faz  uso  das  ferramentas   de  comunicação,  os  educandos  já  >nham  base  para  escolher  os  veículos  para  melhor  a>ngirem  os  eleitores,  e  gravaram  campanhas   polí>cas  para  rádio  e  TV.       Enquanto   alguns   jovens   faziam   parte   da   fa>a   polí>ca,   os   demais   faziam   parte   da   fa>a   de   eleitores,   responsáveis   por   colher   depoimentos   sobre  o  que  era  esperado  de  cada  polí>co.  Ao  fim,   gravaram   um   programa   de   rádio   dando   dicas   de   como  escolher  um  bom  candidato.       A   penúl>ma   etapa   deste   tema   contou   com   a   gravação   de   um   debate,   mediado   por   uma   das   professoras,   onde   alguns   dos   jovens   mostraram   emergir  do  processo  conscientes  da  importância  da   escolha   que   lhes   é   dada.   Um   dos   jovens   chegou   a   criar  um  relatório,  muito  bem  escrito,  a  respeito  do   debate...   brilhando   os   olhos   de   todos   os   responsáveis  do  projeto.       41  


Por fim,  assis>ram  e  ouviram  ao  horário  polí>co  que  haviam  criado  e  chegou  o  dia  da  eleição.  Ao  fim  desta  experiência,  notamos   que   os   jovens   se   mostravam   mais   confiantes   para   se   comunicar   e   que   perceberam   a   importância   de   uma   boa   argumentação.   Além   de  estarem  mais  interessados  e  preparados  para  o  cenário  real  das  eleições.         Em   seu   úl>mo   mês   de   a>vidades,   o   grupo   Acorde   Dante   em   Foco   par>cipou   de   dinâmicas   e   a>vidades   intera>vas   baseadas   em   técnicas  de  redação  e  argumentação,  fazendo  com  que  percebessem  a  forma  como  se  comunicavam.  Ao  final  do  úl>mo  encontro   desta  temá>ca,  os  jovens  foram  presenteados  com  livros  de  literatura  infanto-­‐juvenil.      

Reconhecendo os  erros...     Mas   neste   ano   enfrentamos   um   grande   desafio   com   o   Projeto   Acorde   Dante   em   Foco.   Por   diversos   encontros   os   jovens   não   cumpriram   as   regras   estabelecidas   pelo   Dante   e   pela   a   Acorde,   durante   o   trajeto.   A   Acorde   foi   chamada   para   uma   conversa   no   colégio  e  trouxe  a  conversa  para  a  comunidade,  convocando  pais  e   educandos   para   a   discussão.   Poucos   apareceram.   Decidiu-­‐se,   então,  pelo  encerramento  precoce  do  projeto  neste  ano.     A  decisão  abalou  o  grupo  par>cipante,  que  se  organizou  para  fazer   uma  roda  de  homenagens  e  de  pedidos  de  desculpas  para  as  três   pessoas,   do   Dante,   que   dedicavam   suas   tardes   a   eles:   Verônica,   Bárbara   e   Luana.   Juntos,   os   educandos   foram   dizendo   o   quanto   haviam   aprendido   par>cipando   do   projeto,   o   tanto   que   as   oficinas   provocaram   cada   um   deles.   A   emoção   tomou   conta   de   todos   os   que   estavam   presentes   e   o   momento,   eternizado   em   vídeo,   rendeu  a  decisão  de  volta  da  turma  ao  colégio  em  2015.        

42


Projeto Teatro

|    Parceria  com  o  Colégio  Albert  Sabin  

Em  2012  começou  uma  conversa  entre  a  Acorde  e  o  Colégio  Albert  Sabin   sobre  educação,  formas  de  atuação  conjunta  e  oportunidades  de  trabalhar   jovens  do  ensino  médio  do  colégio  com  jovens  da  Acorde.  A  ideia  envolve   oportunidade,  uma  proposta  verdadeira  de  convivência  e  possibilidade  de   trabalhar  de  forma  a  acolher  a  diversidade  social  de  nosso  país,  com  todas   as  lições  que  esta  experiência  nos  ensina.       Foi   assim   que,   a   par>r   de   2013,   o   colégio   abriu   5   (cinco)   vagas   para   que   nossos  jovens  par>cipem  juntos  aos  alunos  do  ensino  médio  do  colégio,  do   projeto  de  teatro  que  acontece  no  contra  turno  da  escola.       Reunindo-­‐se   duas   vezes   por   semana,   o   grupo   iniciou   as   a>vidades   construindo   sua   própria   ideia   para   apresentação   de   fim   de   ano,   e   decidiram   por   “Panos   e   Lendas”.   Durante   os   encontros,   os   jovens   coletaram  ideias  e  intenções,  fizeram  debates  sobre  o  formato  da  história,   pois  enquanto  alguns  desejavam  um  peça  elaborada,  outros  a  queriam  o   mais   simples   possível.   No   começo,   as   discussões,   focaram   no   folclore   brasileiro  mas,  no  fim,  decidiram  retratar  a  formação  do  povo  brasileiro  e   da  cultura  nacional.       A   discussão   final,   para   que   pudessem   iniciar   os   ensaios,   se   baseou   na   pergunta   “Como,   de   fato,   o   brasileiro   é?”   Após   escutarem   a   opinião   de   todos,  os  atores  chegaram  num  personagem  que,  para  eles,  é  a  resposta   para  a  pergunta:  Macunaíma,  de  Mário  de  Andrade.      

43


Mantendo algumas   cenas   originais   da   peça   e   inserindo   algumas   de   Macunaíma,   os   jovens   iniciaram   os   ensaios   divididos   em   subgrupos   pelos   temas:   festa,   futebol,   sofrimento,  perseverança,  religiosidade  e  malandragem.  Após   diversos  ensaios  cada  subgrupo  se  apresentou  ao  restante  da   turma.     Com   o   desejo   de   apresentarem,   no   palco   da   Acorde,   a   peça   “Caleidoscópio”,  que  havia  sido  um  sucesso  no  Fes>val  Sabin   de   Teatro,   do   ano   anterior,   os   educandos   adicionaram   um   ensaio   semanal   extra.   Infelizmente,   os   ensaios   se   tornaram   exaus>vos   para   os   jovens,   fazendo   com   que   cancelassem   a   apresentação   em   nossa   organização   –   Fica   para   a   próxima,   pessoal,  agradecemos  o  esforço!     Após  as  apresentações  das  “sub  cenas”  os  jovens  iniciaram  o   processo   de   lapidação   do   que   havia   sido   apresentado   e,   a   par>r  daí,  surgiu  o  novo  nome  para  a  peça  “De  Retalhos,  um   País”.   Pronto!   Já   >nham   concluído   a   primeira   etapa   do   processo  de  criação  teatral  e  logo  par>ram  para  a  definição  de   papéis,  levando  para  o  palco  tudo  o  que  já  havia  no  roteiro.       Em  setembro  iniciaram  as  passagens  das  músicas,  receberam   o  roteiro  e  os  papéis  defini>vos  de  cada  ator  para  estudarem   nos   encontros   e   em   casa.   As   dificuldades   foram   surgindo   durante   os   ensaios   cole>vos   e,   por   conta   disso,   introduziram   dinâmicas  entre  as  passagens  de  cena.      

44


Esta inicia>va  gerou  um  entrosamento  ainda  maior  entre  um  ensaio  e  outro.  No  dia  31  de  outubro  o  momento  tão  esperado  havia   chegado.       Os   jovens   apresentaram   4   vezes   o   espetáculo   “De   retalhos,   um   país”.   Na   úl>ma   sessão   os   pais   e   outros   convidados   puderam   apreciar  e  se  emocionar  com  a  atuação  da  turma.    Na  premiação,  feita  por  um  corpo  de  jurados  e  por  voto  popular,  Edgar  Ernesto,   jovem  da  Acorde  e  o  personagem  principal  da  peça,  foi  eleito  como  o  melhor  ator.       “Não  há  como  mensurar  o  quão  prazeroso  foi  fazer   teatro  no  Albert  Sabin.  Desde  o  primeiro  ensaio,   lembro  que  fiquei  vislumbrado  com  tudo...  e  não   me  refiro  apenas  ao  edi~cio  e  a  estrutura.  Falo  das   pessoas  -­‐  principalmente  das  pessoas.  Fomos   recebidos  com  carinho  e  acolhimento  por  todos,   dos  funcionários  aos  alunos  do  grupo.  Foi  meu   primeiro  ano  de  teatro,  >ve  a  sorte  de  ser  muito   bem  orientando  pelo  Ricardo  e  por  colegas  mais   experientes,  alguns  que  posso  até  chamar  de   amigos.   Gostaria  de  aproveitar  esse  momento  para   agradecer  a  todos  os  envolvidos  e  dizer  que  as   experiências  que  vivi  ficarão  guardadas  para  sempre   num  lugar  especial  de  minhas  lembranças.  Eu   sempre  soube  que  a  arte  tem  o  poder  de  mudar  o   mundo.  Neste  ano  percebi  o  quanto  ela  mudou  e   con>nua  mudando  o  meu.  Obrigado  Acorde  e  Sabin   pela  oportunidade”      Edgar  Ernesto,  nomeado  melhor  ator  

45


Programa Centro Cultural Comunitário

Este   foi   o   primeiro   ano   de   um   trabalho   planejado   para   a   comunidade,   formatado   em   um   programa   que   chamamos   de   Centro   Cultural   Comunitário.   Ainda   com   um   qmido   orçamento,   ele   consolida   duas   intenções   da   Acorde:   a   de   estar   mais   perto   da   comunidade  do  Jardim  Tomé,  Colibri  e  região,  e  a  de  nos  abrirmos  para  a  comunidade.        

Missão: Colaborar  com  resgate  da  convivência  comunitária   da  região,  promovendo  a  cole>vidade,  a   cooperação  e  a  cultura,  por  meio  de  oficinas   temá>cas,  aulas  de  dança  e  esporte  e  eventos   culturais.    

A 6midez  e  a  superação  

  O   Centro   Cultural   Comunitário   da   Acorde   começou   o   ano   >midamente,   com   3   oficinas   abertas   recorrentes   para   a   comunidade  no  período  da  noite:  dança  sertaneja,  dança  de  salão  e  ginás>ca.  Com  a  divulgação  boca  a  boca  das   oficinas,   foram   se   tornando   sucesso   de   público,   superando   nossas   expecta>vas!   Os   números   chegaram   a   70   pessoas   por   aula.   Além   das   recorrentes,   aconteceram   durante   o   ano   diversas   oficinas   pontuais,   dos   mais   diversos   e  variados  assuntos.  

46


47


A dança  de  salão,  um  desafio  em  qualquer  comunidade,  começou  com  4  casais,  mas,  de  repente,  só  ficaram  as  mulheres.  Mudamos   então  para  aulas  de  ritmos,  as  mulheres  gostaram  e  o  número  de  pessoas  quadruplicou.     Na  Oficina  Aberta  de  dança  sertaneja,  eram  tantas  pessoas  que  >vemos  que  dividir  as  turmas  entre  iniciantes  e  avançados.  Neste  ano,   os   alunos   se   organizaram   para   fazer   um   evento   e   um   campeonato   de   dança.   Para   apoiá-­‐los,   a   Acorde   reciclou   alguns   troféus   que   recebemos  de  doações.  Os  jurados  eram  professores  das  academias  de  dança  de  Co>a  e  Embu  das  Artes.  Entre  os  critérios  estavam   postura,  figurino,  desenvoltura  e  comportamento.  Para  evitar  um  campeonato  desigual,  foi  realizado  sorteio  para  formação  de  casais.           “Foi  bem  bacana!  As  meninas  que  estavam  acostumadas  com  o  pancadão  do  funk...     mudaram  bastante  uma  vez  que  os  juízes  avaliaram  o  decote  das  roupas,  a  mas>gação     de  chiclete....    E  o  melhor  de  tudo  foi  que  não  teve  álcool,  nem  drogas.  Foram  100  jovens,     apreciando  a  dança,  os  movimentos  do  corpo,  se  diver>ndo,  cur>ndo  a  vida”.            Salete  Oliveira,  Coordenadora  do  Centro  Cultural       Comunitário  e  moradora  do  Jardim  Tomé  

O  caminho  para  a  abertura  

No   exercício   de   dividir   responsabilidade   com   a   comunidade,   que   é   sempre   um   desafio   para   todos,   inclusive   para   a   Acorde,   dois   episódios   nos   chamaram   a   atenção   e   nos   deixaram   orgulhosos.   Em   um   certo   momento,   as   caixas   de   som   da   Acorde   quebraram.   Sem   elas,   as   aulas   ficaram   prejudicadas.   No   entanto,   também   neste   momento,   a   Acorde   enfrentava   um   resultado   financeiro   extremamente  nega>vo  no  primeiro  semestre  e  lutava  para  conter  despesas.  Assim,  o  que  em  outros  tempos  era  “um  problema  da   Acorde”  se  tornou  um  problema  da  comunidade  e  a  turma  da  Oficina  Aberta  de  Dança  Sertaneja  mobilizou  recursos  na  comunidade   para  o  conserto  da  caixa  de  som.    Uma  nova  realidade  suprimiu  o  vigia  responsável  pelo  fechamento  do  Centro  Cultural  Comunitário,   à   noite.   Porém,   as   oficinas   não   foram   prejudicadas   graças   a   construção   cole>va   dos   papéis   e   responsabilidades   de   membros   da   comunidade.     48  


O cuidado  consigo  e  com  o  outro     Os   professores   são   atenciosos   e   têm   muita   paciência   para   ensinar.   Muitas   das   mulheres   são   donas   de   casa   que   aproveitam   a   oportunidade   para   se   diver>rem,   se   exercitarem,   o   que   acarreta   uma   melhora   tangível   da   autoes>ma.  Risadas  e  bocas  cheias  de  batom  são  os  primeiros   sinais  de  mudanças.  

Aproximando de  outros  líderes  da  comunidade     Neste  ano  também  houve  uma  aproximação  importante  com  a  Sociedade  Amigos  de  Bairro,  grupo  formado  por  doze  pessoas  da   comunidade  e  liderada  por  Marcelo  Rodrigues  de  Souza.  Salete,  Coordenadora  de  Comunidade  da  Acorde,  par>cipa  das  reuniões   e  começou  a  notar  que  a  comunidade  não  >nha  uma  compreensão  exata  sobre  o  que  a  Acorde  faz  na  área  pedagógica.  Assim,   marcamos  uma  reunião  onde  a  Marta  Junqueira,  Coordenadora  de  Projetos  da  Acorde,  teve  a  oportunidade  de    explicar  como  é  o   trabalho  da  Acorde  com  as  crianças  e  com  as  famílias,  e  conversou  sobre  a  importância  do  envolvimento  e  confiança  das  famílias   para  que  o  projeto  de  desenvolvimento  humano  da  Acorde  possa  acontecer  em  sua  plenitude.      

Informação é  poder     Neste   ano   recebemos   de   presente,   de   Célia   Bernardes   e   Vânia   Araújo   Evangelista,   uma   oficina   de   mediação   de   conflitos   para   ensinar  para  as  famílias  da  comunidade  a  técnica  de  lidar,  de  forma  pacífica,  com  conflitos-­‐  como  usamos  na  Acorde.  Além  disso,   as   famílias   foram   orientadas   sobre   seus   direitos   de   pensão,   onde   procurar   advogados,   entre   outras   ações   com   intuito   de   fortalece-­‐las.     49  


Os aprendizados  do  caminho  

    O   movimento   noturno   na   Acorde,   gerado   pelas   Oficinas   Abertas   do   Centro   Cultural   Comunitário,   também   fez   surgir   voluntários     interessados   em  ajudar  a  Acorde  no  seu  trabalho  com  a  comunidade,  bem  como  com  as  crianças.  Um  deles,  por  exemplo,  ofereceu  uma     oficina    de  pão  de  mel  e  as  alunas,  empreendedoras,  saíram  vendendo  até  pela  internet!         Com  as  Oficinas  Abertas  vimos  que  o  número  de  adultos  e  adolescentes  ficou  grande,  assim  como  os  namoros  pelos  cantos  da  Acorde.   Fizemos   duas   rodas   de   conversa   sobre   sexualidade.   Percebemos   que   os   adolescentes   têm   muitas   dúvidas   e   curiosidades   e   não   tem   coragem  de  perguntar  para  os  pais.  A  ideia,  então,  é  trazer  para  dentro  do  espaço  dos  grupos  de  dança,  conversas  como  esta,  onde  são   >radas   as   dúvidas,   passado   ensinamentos   sobre   prevenção   de   doenças   sexualmente   transmissíveis   e   cuidados   para   evitar   a   gravidez   indesejada.       A   relação   masculino   e   feminino   também   é   trabalhada   nas   aulas,   conforme   aparecem   os   preconceitos,   por   exemplo,   de   um   homem   ensinar   outro   a   dançar.   O   machismo   dos   meninos   aparece   em   forma   de   piadas   e   brincadeiras   e   são   provocados   a   par>cipar   dos   ensinamentos  de  outros  meninos,  quebrando  os  paradigmas  que  carregam.          

50


A aproximação  com  as  escolas  da  região       No   início   do   ano   a   diretora   da   Escola   Municipal   Deusnil,   de   Co>a,  nos  procurou  para  pedir  ajuda,  pois  uma  das  salas  estava   ruindo  e  precisava  ser  reformada,  o  que  deixaria  as  crianças  sem   aula   durante   vários   meses.     Conhecendo   nosso   espaço,   a   diretora   se   aproximou   e   nos   pediu   uma   sala   emprestada   por   quatro  meses.  Crianças,  merendeira  e  auxiliar  de  limpeza  foram   redirecionadas   para   a   Acorde,   assim   como   o   transporte   das   crianças  foi  providenciado.  Recebemos  a  visita  da  Secretária  de   Educação   e   da   Supervisora   de   Ensino   da   região,   para   selar   a   parceria.  No  fim,  usaram  o  espaço  por  sete  meses,  conheceram   a  Acorde  e  muitos  gostaram  e  ficaram  no  contraturno.       Também   estreitamos   conversas   com   a   Escola   Estadual   Carlos   Ferreira   de   Moraes,   de   Co>a,   que   nos   procurou   para   pedir     pois  muitos  dos  alunos  da  escola  moram  no  Município  de   ajuda,     das  Artes,  o  que  dificulta  a  conversa  da  escola  com  a  rede   Embu   de  apoio,  como  o  Conselho  Tutelar.  Com  um  problema  em  mãos   e   precisando   da   ajuda   do   conselho   de   Embu   das   Artes,   intermediamos   uma   reunião   entre   conselho,   escola   e   pais   das   crianças   envolvidas,   para   ajudar   dez   adolescentes   que   não   estavam  estudando.     Ainda   temos   como   obje>vo   uma   relação   mais   afinada   com   a   Escola    Estadual  Hugo  Caro>ni,  a  mais  próxima  da  Acorde.    

Bazares e  Bou6ques     Bazares  e  bou>ques  da  Acorde  sempre  >veram  duas  finalidades,  para   nós.   Mobilizar   recursos   para   nossas   a>vidades,   claro,   mas   também   e   mais  importante  passar  para  a  comunidade  itens  de  boa  qualidade  por   preços   simbólicos.   Neste   ano,   os   bazares   e   bou>ques   da   Acorde   mobilizaram  mais  de  R$  20.000,00.  Mas  o  maior  resultado,  sem  dúvida   alguma,  são  depoimentos  como  o  de  uma  moradora  do  Jardim  Tomé   que   nos   procurou   para   contar   que,   passando   por   dificuldades   financeiras,  conseguiu  comprar  no  Bazar  as  roupas  que  ela  e  os  filhos   precisavam  sem  ter  que  pedir  a  ninguém,  e  estava  orgulhosa.     51  


Grupo Musical Acorde pro Ritmo

| Educador  Douglas  Campos  

Talvez hoje   o   mais   estruturado   de   nossos   projetos   para   a   comunidade   –   até   porque   é   o   mais   an>go   –   o   Acorde   pro   Ritmo   começou   quando   a   Acorde   foi   uma   das   finalistas   em   um   edital   da   Fundação   Itaú   Social   e,   ainda   que   não   tenhamos   sido   selecionados,   soubemos   da   possibilidade   de   captar   uma   verba   para   a   compra   de   equipamentos,   então   escolhemos   os   instrumentos   de   percussão.   Liderado  pelo  Coordenador  Pedagógico  do  Programa  Ca>varte  e  Recreação,  Douglas  Campos,  o  grupo  começou  como  um  programa   da  área  pedagógica  e,  algum  tempo  depois,  quando  passou  a  receber  recursos  do  Ponto  de  Cultura,  abriu  suas  portas  para  outros   membros  da  comunidade,  através  de  processo  sele>vo,  e  entrou  para  o  Centro  Cultural  Comunitário.  O  nome  e  a  logomarca  foram   eles   que   criaram,   e   também   ocupam   espaços   da   rede   de   computadores   com   vídeos,   um   grupo   no   Facebook   e   mais.   Assim,   não   é   de   se  entranhar  que  eles  têm  bastante  história  para  contar!      

Vai girar  o  catavento  novamente  na  Avenida       O   grupo   de   percussão   (samba)   dedicou   os   primeiros   ensaios   de   2014   ao   Cortejo   da   Acorde.   Para   que   os   ritmistas   retomassem   a   “energia”,   Douglas   propôs   ensaios   que   exercitassem   a   resistência   durante   a   performance.   As   saídas   de   outras   crianças   e   jovens   prejudicaram   o   processo,   mas   a   turma   se   empenhou   bastante  ao  longo  das  passagens  de  ritmos  para  suprir  as   ausências.     No   dia   do   evento,   alguns   ritmistas   também   fizeram   parte   das   demais   alas.   Isto   fez   o   número   do   grupo   musical   diminuir   de   20   integrantes   para   10   tocando   no   Cortejo!      

52


De acordo   com   avaliação   final,   o   resultado   foi   bem   melhor   do   que   o   esperado.   O   ritmo   ficou   excelente   e   a   afinação   estava   ó>ma.   Os   ritmistas  também  ressaltaram  pontos  a  serem  melhorados:  relataram  que  os  ensaios,  na  semana  do  evento,  foram  exaus>vos,  que   par>cipar  de  outro  evento  no  mesmo  dia  do  Cortejo,  desgastava  bastante  e  que  não  ensaiar  junto  ao  cantor,  pode  dificultar  o  ritmo   da  percussão.     Durante  as  apresentações  externas,  Douglas  observou  que  o  grupo  estava  descaracterizado  e  que  os  ritmistas  inexperientes  ansiavam   tocar  um  instrumento  diferente  do  de  costume.  A  primeira  ação  para  saciá-­‐los  foi,  em  roda,  estabelecer  combinados  e  permi>r  que   cada   ritmista   escolhesse   o   instrumento   que   gostaria   de   tocar.   Assim,   após   a   escolha,   o   iniciante   era   convidado   para   compor   um   subgrupo   junto   a   outros   ritmistas   experientes.   Esta   dinâmica   tornou   os   encontros   mais   calorosos,   diver>dos   e   repleto   de   troca   de   aprendizado.  “Sen>  que  todos  estavam,  de  fato,  gostando  dessa  troca.”,  diz  Douglas.       Com   os   ensaios   mais   animados,   mais   jovens   se   interessaram   pelo   projeto.   O   grupo,   que   estava   exercitando   a   troca   de   saberes,   recebeu   os   pais   do   Colégio   Vera   Cruz   (OPS)   e   numa   bela   manhã   de   sábado,   apresentaram   a   Acorde,   contaram   suas   experiências   e   ensinaram  a  turma  do  OPS  a  tocar  percussão.     Mesmo  com  o  número  de  encontros  reduzidos  por  causa  da   Copa   do   Mundo,   o   grupo   fechou   o   primeiro   semestre   realizando  uma  avaliação  na  qual  pediram  a  inclusão  de  mais   breques   e   mais   rigidez   em   relação   às   frequências   e   horários   nos   ensaios.   Dois   integrantes   ficaram   responsáveis   pela   criação   dos   breques,   após   a   apresentação   de   algumas   referências  feitas  pelo  educador.  

53


Depois de   ver   que   o   grupo   estava   preparado,   dedicado   e   afim   de   um   novo   desafio,   Douglas   sugeriu   a   criação   de   uma   banda.   Nem   todos  os  integrantes  quiseram  par>cipar,  mas  o  que  decidiram  ser  parte  do  novo  desafio,  ficaram  empolgadíssimos!       In>tulada  de  “Banda  Acorde  Pro  Ritmo”  o  grupo  iniciou  os  ensaios.  Agora  eles  não  tocariam  apenas,  cantariam  também!  Mesmo   com  uma  bateria  improvisada  feita  por  uma  meia  lua  e  uma  caixa,  a  banda  montou  um  pot-­‐pourri  das  canções  Gostava  tanto  de   você/Do  leme  ao  Pontal/  Você/  Não  quero  Dinheiro,  do  cantor  Tim  Maia.  Os  educandos  se  familiarizaram  com  as  canções,  com  os   ritmos  e,  com  o  passar  do  tempo,  com  o  cantar  e  tocar  ao  mesmo  tempo.  

Os ritmistas  iniciaram  a  segunda  etapa  do   ano   recebendo   um   feedback.   Após   este   primeiro   importante   passo,   o   grupo   e   a   Banda   se   dedicaram   à   apresentação   musical  na  festa  de  aniversário  da  Acorde.   No   dia   do   evento   o   nervosismo   tomou   conta   da   galera   e   isso   fez   com   que   muitos   se  atrapalhassem  durante  a  performance.     No   final   do   evento   aconteceu   uma   avaliação   na   qual   observaram   que   os   erros   ocorreram   por   não   terem   feito   a   passagem   de   som   no   dia   anterior   ao   evento.   Decidiram,   também,   se   dedicar   e   cooperar   mais   para   que   os   ensaios   acontecessem  mais  cedo.    

54


O Acorde   Pro   Ritmo   marcou   presença   em   mais   um   Acorde   Gastronômico.   A   batucada   e   a   afinação   estavam   perfeitas   comovendo   o   Educador   que   até   chorou  ao  final  da  apresentação.       No  final  do  ano  o  grupo  se  apresentou  na  Festa  das   Crianças,   na   UBS   Eufrásio,   no   Dante   Digital,   na   Faculdade   Anhanguera,   no   Museu   do   Futebol,   na   Escola  da  Granja,  na  Escola  São  Domingos,  no  Centro   Cultural   Mestre   Assis.   Além   de   apresentações   em   diversos  lugares  o  grupo  recebeu  a  visita  dos  atletas   da  natação  do  Esporte  Clube  Pinheiros  e  do  Sr.  Luiz   de  Paula,  que  realizou  uma  oficina  de  cuíca  para  os   jovens.   Durante   este   encontro   os   jovens   aprenderam   algumas   ar>manhas   para   consertar   o   instrumento.       Em  uma  das  úl>mas  apresentações  do  ano,  Douglas   convidou  três  ritmistas  para  assumir  o  seu  lugar.  Um   deles  se  sen>u  confortável  o  bastante  para  conduzir   a   turma,   o   deixando   completamente   orgulhoso   enquanto  assis>a,  na  plateia,  o  show  e  a  fascinante   evolução  do  seu  tão  amado  Acorde  Pro  Ritmo.           55  


Desenvolvimento Institucional

O  desafio  de  ter  controle  financeiro  sem  ser  controlado  por  ele  

Em   tese,   parece   simples.   Como   qualquer   outra   organização,   as   OSC   têm   que   ter   planejamento   financeiro,   sistemas   de   controle   e   transparência.  No  setor  privado,  estas  são  ferramentas  necessárias  para  que  o  produto  final,  ou  serviço  prestado,  tenha  um  valor  tal  que   pague   sua   estrutura   e   garanta   um   “a   mais”.   Desta   forma,   a   empresa   exerce   a   plenitude   de   sua   função   social:   o   lucro.   Esta   lógica,   no   entanto,  não  se  aplica  ao  terceiro  setor.       Para   organizações   como   a   Acorde,   resultado   é   o   fortalecimento   democrá>co   por   meio   da   oferta   de   oportunidades   verdadeiras   de   desenvolvimento,  e  chegar  lá  não  está  tão  in>mamente  ligado  a  ter  ou  não  uma  eficiência  financeira,  tanto  na  mente  de  organizações,   como   de   inves>dores.   Talvez   este   seja   um   dos   mo>vos   pelos   quais   é   gritante   a   diferença   entre   a   oferta   de   recursos   para   inves>mento   na   a>vidade  fim  das  organizações,  em  detrimento  à  sua  a>vidade  meio  (dentre  as  quais  está  a  área  financeira).       No  entanto,  uma  organização  é  frequentemente  avaliada  com  base  no  seu  custo  de  gestão.  Curiosa  a  existência  deste  duplo  padrão:  exigir   eficiência  sem  querer  inves>r  nela.  Nas  organizações,  ele  é  tão  profundo  que,  em  muitos  casos,  gera  uma  tensão  e  uma  dificuldade  em   inves>r   em   equipe   de   desenvolvimento   ins>tucional,   um   medo   de   encarecer   a   gestão,   uma   pressão   para   manter   o   meio   pequeno.   Acredito   que   este   tenha   sido   o   caso   da   Acorde   nos   úl>mos   anos.   Foi   di~cil   perceber   este   padrão,   olhar   para   ele   e   tentar   entende-­‐lo.   É   di~cil,  ainda,  usar  o  dinheiro  doado  para  inves>r  em  sustentabilidade,  em  comunicar,  captar,  gerir.  Este  ainda  é,  para  nós,  um  lugar  que   por  vezes  é  confortável,  por  vezes  não.     Tropeçamos,   sem   dúvida.   Fizemos   tenta>vas   diversas   e   sabemos   que   demos   passos   em   direções   opostas.   Vamos   a   eles.   No   Relatório   Anual  de  2013  citamos  a  pareceria  com  a  Brasil  Wealth  Management  (BWM)  como  um  dos  passos  principais  neste  processo,  e  con>nua   sendo.   O   uso   gratuito   do   sistema   de   gestão   financeira   da   BWM   nos   fez   subir   alguns   importantes   degraus   na   escada   da   aprendizagem.   Começamos   a   ser   perguntados   sobre   onde   fazer   lançamentos,   e   descobrimos   que   cada   decisão   -­‐   a   princípio   simples   -­‐   pode   nos   levar   a   grandes  reflexões.       56  


Alocar despesas   de   manutenção   e   sistema   de   monitoramento   de   alarme,   por   exemplo,   trouxe   para   o   grupo   uma   grande   conversa  sobre  o  público  e  o  privado,  sobre  que  >po  de  espaço  queremos  ser,  sobre  como  queremos  que  seja  nossa  relação   com  a  comunidade  e  os  passos  para  construí-­‐la.     Quando  todos  nós,  do  Grupo  de  Gestão,  começamos  a  olhar  constantemente  para  os  números,  entendemos  que  as  contas,   como  foram  propostas  no  passado,  não  nos  davam  a  imagem  que  precisávamos  da  organização  e,  para  2015,  propusemos  à   BWM   um   sistema   de   contas   diferente.   Desta   forma,   estamos   construindo   juntos   um   processo   pedagógico   e   financeiro,   e   não   duas   áreas   desatreladas   e   em   conflito.     Para   o   ano   de   2015,   precisamos   aprimorar   nosso   sistema   de   controle   de   gastos   e   trazer  mais  pessoas  da  organização  e  da  comunidade  para  conversas  sobre  a  saúde  financeira  da  organização.    

Trazendo a  Comunidade  para  perto  do  desafio  financeiro     O  primeiro  semestre  de  2014  fechou  com  um  déficit  orçamentário  de  R$  40.000,00.  O  susto  foi  o  despertador  para  uma  série   de  mudanças  duras  e  necessárias  na  organização,  mas  também  trouxe  à  tona  uma  conversa  que  já  havia  aparecido  mas  ainda   não  havia  borbulhado,  a  percepção  da  comunidade  em  relação  a  saúde  financeira  da  Acorde.       Tendo  sido  fundada  por  uma  família  da  região,  a  Acorde  sempre  foi  vista  pela  comunidade  como  uma  propriedade  da  família,   e   por   ela   man>da.   De   certa   forma,   estávamos   replicando   uma   percepção   parecida   com   a   do   modelo   assistencial   dos   programas  de  governo.  Há  três  anos  atrás,  quando  começou  o  processo  de  desinves>mento  da  família,  a  gestão  da  Acorde   não  trouxe  esta  conversa  para  a  comunidade,  que  con>nuou  com  a  mesma  percepção.       Em   meados   de   outubro   fizemos   uma   reunião   com   pais   e   comunidade   onde   contamos   sobre   as   mudanças   dos   úl>mos   três   anos  e  respondemos  às  questões  trazidas.  Em  pouco  tempo  sen>mos  e  nos  emocionamos  com  a  mudança  de  postura.  Caixas   de   som   queimadas   viraram   um   problema   de   todos   e   não   da   Acorde.   Pais   e   avós   mandavam   alface   de   suas   hortas   para   complementar  a  alimentação  das  crianças.  Deixamos  de  ser  uma  simples  fornecedora  de  serviços  para  nos  tornarmos  algo  a   ser  cuidado  e  apoiado,  algo  que  faz  parte.      

57


Mobilização de  recursos  e  resultado  financeiro       Como   estratégia   de   mobilização   de   recursos,   con>nuamos   acreditando   que  lutar  por  dinheiro  livre  é  a  melhor   forma   de   permi>r   que   a   Acorde   se   mantenha   próxima   e   atenta   às   demandas   da   comunidade   atendida,   flexível  para  adaptar  ideias  que  podem   não   ter   apresentado   o   resultado   esperado.       Assim,  nossas  estratégias  con>nuaram   sendo   o   aumento   da   rede   de   apoiadores   mensais,   a   realização   de   eventos,   marke>ng   relacionado   à   causa   e   campanhas   de   arrecadação.   D u a s   a ç õ e s   n o v a s   f o r a m   implementadas   este   ano,   aulas   de   gastronomia   e   enologia   e   uma   c a m p a n h a   d e   m a t c h i n g   f u n d   relacionada   ao   #diadedoar,   cuja   implementação,   no   Brasil,   teve   a   Acorde   como   parte   essencial   -­‐   falaremos  a  seguir.       58  


A experiência  do  Ciclo  de  Aulas  Revista  Jd.  e  Acorde  e  do  Ciclo  de  Vinhas     As   aulas   de   gastronomia,   em   parceria   com   a   Revista   Jd.,   trouxeram   chefs   da   região   da   Granja   Viana   para   dar   aulas,   voluntariamente,   na   Acorde.   Cada   aula   foi   precedida   de   um   pouco   de   história   sobre   a   organização   e   um   convite   para   que   os   alunos  permanecem  próximos.  Ar>cular,  com  a  ajuda  da  Thais  Roji,  foi  a  parte  mais  fácil!  Nada  como  trabalhar  com  alguém  que   tem   carisma   e   carinho   dos   chefs.   Dos   7   voluntários,   alguns   já   conheciam   a   Acorde,   muitos   se   encantaram   e   alguns   ofereceram   con>nuar  a  parceria  no  ano  que  vem,  com  apoio  dos  mais  diversos  >po.  Os  alunos,  uma  mistura  entre  pagantes,  comunidade  e   educandos  do  Projeto  Culinarte,  relataram  em  geral  uma  experiência  diver>da,  única  em  relação  à  conexão  com  o  social  e  com  a   Acorde.  Na  coluna  avalia>va  do  que  precisamos  melhorar,  estão  o  próprio  controle  de  presença  e  financeiro,  para  que  possamos   manter  contato  com  esta  nova  turma  que  se  aproxima  de  nós  e  controlar  nossas  ações  de  forma  a  criar  uma  inteligência  aplicável   às  próximas,  mas  também  o  sempre  enorme  desafio  de  atrair  o  público  pagante.       Em     um   formato   um   pouco   diferente,   mas   igualmente   elogiado   e   financeiramente   mais   eficiente,   a   Acorde   e   a   escola   de   enologia     Ciclo  das  Vinhas,  da  sommelier  Alexandra  Corvo,  desenvolveram  um   projeto   para   que   a   escola   abrisse   quatro   aulas   anuais,   a   preço   de   custo,  e  a  Acorde  pudesse  vender  as  vagas  e  cobrar  um  valor  acima   do   custo,   para   financiar   seus   projetos.   Todas   as   aulas   lotaram   em   vendas,  mas  não  em  presença.  Na  avaliação,  Alexandra  Corvo,  que   há   tempos   nos   apoia   na   seleção   de   vinhos   para   o   Acorde   Gastronômico,   ques>onou   a   forma   como   as   pessoas   consideram   comprar   o   convite   como   uma   doação   e   não   se   comprometem   a   estar   presentes,   como   em   outras   aulas   que   ela   ministra   e   vende   diretamente.   Achamos   a   provocação   muito   interessante   e,   sinceramente,   não   sabemos   ainda   como   mudar   esta   perspec>va.   Do   ponto   de   vista   dos   alunos,   só   recebemos   elogios.   Alexandra   é   uma   professora   qualificada   e   envolvente,   que   traduz   o   mundo   do   vinho  de  forma  simples  e  intrigante.    

59


Em ambas   as   experiências,   juntas,   percebemos   que   é   di~cil   ter   um   “serviço”.   É   como   se   >véssemos   o   atendimento   e   mais   um   negócio  paralelo,  para  o  qual  precisamos  nos  programar,  anunciar,  vender.  O  resultado,  além  do  financeiro,  é  a  possibilidade  de   construção   de   uma   rede   de   apoio.   Neste   sen>do,   a   interação   dentro   da   Acorde   é   sempre   mais   di~cil   de   conquistar,   até   pela   distância,  mas  é  sempre  mais  envolvente.    

  Em  busca  da  capacidade  de  sustentar  de  forma  duradoura     Apesar  do  esforço,  bem  diverso,  a  Acorde  não  alcançou  a  meta  de  captação  do  ano,  que  era  de  R$  1.282.818,25.  Sendo  assim,   fechamos  2014  usando  não  uma  fa>a  correspondente  a  R$  118.107,10  do  fundo  de  reserva.  Como  relatamos  em  2013,  esta  era   mesmo  a  imagem  que  qnhamos  para  2014:  de  que  ainda  precisaríamos  de  tempo  para  construir  uma  estrutura  que  nos  permita   andar  de  forma  financeiramente  equilibrada,  sempre  considerando  a  diminuição  do  inves>mento  semente  da  família  fundadora.       No  frigir  dos  ovos,  a  equipe  da  Acorde  foi  responsável  por  mobilizar  38,4%  do  total  de  receitas  do  ano,  sendo  a  diferença  a  soma   dos  53,1%  doado  pela  família  fundadora  e  dos  8,5%  ob>do  através  da  rentabilidade  do  fundo  de  reserva,  sobre  a  qual  não  incide   imposto  sobre  a  renda.      

“A sustentabilidade  de  uma  organização  é  a  capacidade  de  sustentar  de  forma   duradoura  o  valor  social  de  seu  projeto  polí>co-­‐ins>tucional,  a  par>r  da   interação  cria>va  com  contextos  mutáveis”.       Domingos  Armani,  Organizações  da  Sociedade  Civil:  Protagonismo  e   Sustentabilidade.    

Sustentar de   forma   duradoura   o   valor   social   de   uma   OSC   é,   no   Brasil   de   hoje,   um   enorme   desafio.   Ter   88,2%   da   receita   como   recursos   livres   é   uma   conquista   significa>va   nesta   direção,   já   que   é   esta   flexibilidade   que   permite   a   interação   cria>va   com   contextos  mutáveis.    

60


Recursos não-­‐financeiros     Ao  analisarmos  a  força  de  mobilização  de  recursos  de  uma   OSC,  é  preciso  olhar  para  além  dos  números  e  lembrar  dos   produtos   e   serviços   que   são   doados.   É   di~cil   es>mar   quanto   a   Acorde   economizou   em   o   que   chamamos   de   recursos   não-­‐financeiros.   Fizemos   neste   ano   uma   tenta>va   de   manter   uma   es>ma>va   viva   destes   valores   mas,   com   as   mudanças   no   departamento   financeiro,   infelizmente   perdemos   a   mão.   Ainda   que   sem   valorá-­‐los,   podemos   citar   os   produtos   e   serviços   que   nos   foram   doados  neste  ano.        

banda de  internet     sistema  de  marke&ng  direto    pacote  de  contas  de  e-­‐mail     advocacia  pro  bono   produtos  de  limpeza   alimentos   material  de  construção  para  reforma  e  manutenção  predial    roupas  e  objetos  para  bazar     horas  e  horas  de  trabalho  voluntário  

Percepção de  Valor     Achamos  importante  contar  que  percebemos,  neste  ano,  um  aumento  de  reconhecimento  do  trabalho  da  Acorde  perante  vários   públicos  de  interesse,  inclusive  a  comunidade  beneficiada,  inves>dores  e  outras  organizações  do  setor  social.  Assim,  a  Acorde  foi   convidada   a   par>cipar   de   eventos,   falar   sobre   seu   trabalho   com   as   crianças   e   comunidade   e   sobre   seu   trabalho   no   fomento   à   cultura  de  doação  no  País.  Houve,  também,  um  aumento  nas  doações  espontâneas,  via  sites  que  permitem  e  es>mulam  doações.    

61


Comunicar sempre,  entediar...  jamais     Nestes  tempos  de  grandes  mudanças  nos  hábitos  da  sociedade,  transmi>r   informação   significa>va   e   com   algum   diferencial,   por   si   só,   é   um   desafio   para   organizações   de   qualquer   setor,   inclusive   as   jornalís>cas.   Para   o   terceiro   setor,   no   Brasil,   com   sua   diversidade   de   públicos   de   interesse   (comunidade,   equipe,   conselho,   parceiros,   apoiadores,   poder   público,   potenciais  parceiros),  falta  de  verba  para  inves>mento  em  a>vidades  meio,   como   comunicação   e   mobilização   de   recursos,   e   dificuldade   de   contratação   e  manutenção  de  talentos,  o  desafio  é  hercúleo.     Até   2013   manqnhamos   uma   página   do   Facebook,   onde   publicamos   o   dia-­‐a-­‐ dia   da   Acorde   com   fotos,   convites   para   eventos   e   algumas   ações   em   parceria  com  outras  organizações  ou  empresas.  No  nosso  site,  que  apesar   de  extremamente  elegante  está  muito  desatualizado,  estão  as  informações   gerais   sobre   a   organização.   No   Vimeo,   o   vídeo   ins>tucional   e   outros   produzidos  para  comunicar  eventos,  campanhas  e  agradecimentos.  No  Issu,   nosso  relatório  anual.  Ainda  que  espalhadas  e  até  confusas,  o  conteúdo  do   que   a   Acorde   produz   tem   sido   pensado   e   aprofundado   sempre.   Quando   publicamos  no  Facebook,  tentamos  extrair  da  história  o  resultado  de  nosso   trabalho  de  forma  intui>va  para  quem  lê.  Também  passamos  a  desenvolver   um  bole>m  mensal  exclusivo  para  apoiadores  recorrentes,  com  histórias  de   crianças   e   jovens   que   passaram   pela   Acorde,   suas   experiências   e   suas   visões.   No   formato   de   contação   de   história,   como   fazemos   com   nossas   crianças,   o   bole>m   tem   por   obje>vo   manter   nosso   apoiador   próximo   e   transmi>r   o   resultado   do   trabalho   da   Acorde   de   uma   forma   prazerosa   e   lúdica.    

A construção  deste  relatório...  

Durante  alguns  anos  fomos  provocados  a   fazer  e  publicar  um  relatório.  Primeiro  nos   disseram  que  era  importante  por  uma   questão  de  transparência,  para  mobilizar   recursos,  para  estar  no  radar.  Mas  só   quando  entendemos  qual  a  real  finalidade   de  um  relatório  foi  que  ele  começou  a   nascer.  Relatar  é  reviver.  Relatar  é  avaliar.   Relatar  é  contar  para  que  outros  possam   saber  e  usar  nossas  experiências  boas  e   ruins.  Para  que  aqueles  que  se  iden>ficarem   com  o  que    estamos  contando  se  aproximem   verdadeira  e  profundamente.  Mais  do  que   tudo,  relatar  é  crescer.       Um  sincero  agradecimentos  aos  que,  das   mais  diversas  formas,  es>veram  presentes   para  que  este  relatório  nascesse.  Os  que  nos   provocaram.  Os  que  o  escreveram.  Os  que  o   revisaram.  Os  que  o  cri>caram.  Os  que  o   estão  lendo.         Joana  Mortari,     Desenvolvimento  Ins>tucional     62  


Mas não  há  nada  mais  eficiente  para  uma  comunicar  com  verdade  e  sinceridade  o  processo  da  Acorde   do   que   por   meio   das   palavras   de   quem   dele   par>cipou.   Foi   este   o   salto   de   qualidade   que   ganhamos   este   ano   quanto   uma   das   primeiras   educandas   da   Acorde,   a   Marília   Maris,   chegou   na   equipe   de   comunicação.       Do  ponto  de  vista  gráfico  inves>mos  em  um  trabalho  muito  delicado  e  cuidadoso  da  Duas  Xícaras,  que   passou   conosco   boa   parte   do   ano.   São   eles   os   responsáveis   pelo   design   do   relatório   de   2013   e   pelas   campanhas  deste  ano.  Este  também  foi  um  ano  de  estabelecer  procedimentos  para  a  comunicação  com   voluntários,  ainda  que  não  tenhamos  implementado,  ainda,  uma  peça  exclusiva  para  eles.      

Comunicação para  a  comunidade       Sempre  foi  um  desafio  para  nós  a  comunicação  com  a  comunidade.  Levamos  alguns  anos  para  entender  quais  eram  os  hábitos  de  mídia   dos   moradores.   O   que   funciona   melhor.   Dentro   de   nossas   possibilidades   financeiras?   De   tempos   em   tempos   tentamos   novas   estratégias.  O  que  tem  funcionado  são  cartazes  impressos  em  pontos  de  ônibus,  murais  de  minimercados  e  outros  comércios  locais.       Para  comunicar  passeios,  reuniões  e  outras  a>vidades  das  crianças,  bilhetes  nas  agendas  dos  educandos  pequenos  con>nuam  sendo  o   que   melhor   funciona.   O   desafio   é   eles   entregarem,   e   assim   trabalhamos   a   responsabilidade...   Também   temos   feito   um   trabalho   constante  de  chamar  as  pessoas  para  a  página  da  Acorde  no  Facebook,  marcando  as  famílias  nas  fotos.  É  importante  acompanharem   nossas  postagens  pois  é  como  convidamos  para  eventos,  pedimos  ajuda  voluntária  e  contamos  o  nosso  dia  a  dia.       63  


Participação Política Regional

Presidência do  Conselho  Municipal  da  Criança  e  do  Adolescente  de  Embu  das  Artes  (CMDCA)     Este   segundo   ano   de   mandato   na   presidência   do   CMDCA   consolidou   o   entendimento   da   Acorde   sobre   o   papel   e   forma   de   atuação.  Marcado  por  intensa  fiscalização  a  organizações  sociais  cadastradas,  através  de  visitas,  foi  um  trabalho  infindável  e,  em   muitas  vezes,  gerador  de  inimizades.  Aqui,  em  especial,  sen>mos  na  pele  a  importância  da  par>cipação  e  controle  da  sociedade   civil,  e  seus  riscos.  Dividido  em  grupos  de  trabalho,  estes  atuaram  initerruptamente  dando  fluidez  ao  Conselho.       Pela   primeira   vez   o   conselho   se   inscreveu   em   Edital   da   Fundação   Itaú   Social   para   inves>mento   em   abrigos,   que   gerou   um   grande   desafio   de   mobilização   dos   integrantes   do   fundo   junto   à   Secretaria   de   Assistência   Social   e   aos   abrigos   para   estudarem   a   ideia   e   a   viabilidade   do   projeto.   Infelizmente   o   município   não   foi   selecionado,   mas   o   processo   teve   como   resultado   o   despertar   para   a   possibilidade   de   captação   de   recurso   através   de   editais   para   solução   de   an>gos   problemas,   além   das   alianças   geradas   pela   ar>culação.  Em  um  segundo  momento,  o  CMDCA  apresentou  um  projeto  para  um  edital  da  AES  Eletropaulo,  e  foi  selecionado   para  inves>mento  de  R$  47.000,00  para  formação  e  fortalecimento  da  rede  de  atendimento  à  criança  e  ao  adolescente.      Com   o   obje>vo   de   consolidar   a   polí>ca   pública   de   atenção   à   criança   e   ao  adolescente  no  município,  o  Governo  de  Embu  das  Artes,  por  meio   da  Secretaria  Municipal  de  Assistência  Social,  Trabalho  e  Qualificação   Profissional   realizou,   em   agosto,   um   workshop   para   a   efe>vação   de   mais   uma   etapa   de   elaboração   do   Plano   Municipal   para   a   Infância   e   Adolescência   (PMIA).   O   evento   sucedeu   as   nove   plenárias   realizadas   entre   de   julho   e   agosto,   com   o   apoio   do   CMDCA,   a   par>cipação   da   população   e   de   profissionais   das   20   áreas   administra>vas,   para   o   levantamento  de  propostas.  

64


“É dever  do  tripé  Estado,  sociedade  civil  e  família,  garan>r  a   concre>zação  da  polí>ca  pública  da  Infância  e  Adolescência.  Estamos   estruturando  um  plano  ousado  para  10  anos,  não  estamos  preocupados   com  esse  mandato,  mas  em  estruturar  uma  polí>ca  pública  da  qual  a   sociedade  civil,  servidores  e  empresários  se  apropriem  e  deem   con>nuidade”     Prefeito  Chico  Brito,  em  discurso  sobre  a  reestruturação  do  PMIA.  

Em  dezembro  o  Plano  foi  divulgado  para  a  população  após  ser    aprovado  pelos  Vereadores.    O  plano  contempla  155  propostas   nas   áreas   de   saúde,   educação,   assistência   social,   esporte   e   lazer,   cultura,   obras   e   meio   ambiente,   com   prazos   de   execução   definidos  como  curto,  médio  e  longo,  além  de  nomear  a,  ou  as  áreas  responsáveis  pela  execução.       A  Acorde  também  foi  protagonista  no  fortalecimento  do  fundo  do  ponto  de  vista  financeiro,  provocando  as  discussões  para  que  o   fundo  permi>sse  a  doação  direcionada  de  imposto  sobre  a  renda  para  OSCs.  Com  isso,  não  apenas  possibilitou  a  diversificação  da   estrutura  de  financiamento  das  organizações  da  região,  com  esta  importante  ferramenta  que  já  é  conhecida  e  amplamente  usada   em   outros   municípios,   mas   também   fez   com   que   o   CMDCA   abrisse   um   fundo   independente,   com   personalidade   jurídica   própria,   e  aplicasse  neste  10%  de  todo  inves>mento  direcionado  a  OSCs,  gerando  um  caixa  próprio  importante.    

Sociedade Amigos  de  Bairro  Jardim  Tomé     Durante  os  úl>mos  anos,  o  relacionamento  da  Acorde  com  a  Sociedade  Amigos  de  Bairro  do  Jardim  Tomé  permaneceu  em  um   estado  de  dormência.  A  relação  estava  desgastada  com  ambas  as  partes,  entendo  estarem  em  uma  parceria  com  a  outra,  mas   sem   um   senso   comum   do   que   seria   uma   parceira   para   cada   um.   Ao   tomarmos   consciência   desta   potencial   discrepância,   convidamos    para  uma  conversa  o  presidente,  Sr.    Marcelo  Rodrigues  de  Souza.  O  resultado  da  aproximação  foi  o  fortalecimento   do   Centro   Cultural   Comunitário,   da   Acorde   e   da   SAB.   Estamos   aprendendo   a   respeitar   a   individualidade   de   cada   uma   das   organizações,  tendo  a  comunidade  como  obje>vo  comum.     65    


Rede Socioassistencial     A   Rede   Socioassistencial   de   Proteção   à   Criança   e   ao   Adolescente   se   reúne   desde   novembro   de   2013   e   tem   por   obje>vo   ser   um   espaço   de  discussão  entre  os  atores  que  trabalham  com  a  proteção  da  criança  e  do  adolescente  no  município  de  Embu  das  Artes.  Par>cipam   de  rede  a  Promotoria  de  Jus>ça,  o  Serviço  Social  do  Fórum,  o  CMDCA,  a  diretoria  de  Ensino  de  Taboão  da  Serra  (o  ensino  médio  de   Embu  responde  à  esta  diretoria),  a  Secretaria  Municipal  de  Assistência  Social,  o  Centro  de  Referência  Especial  de  Assistência  Social,  o   Centro  de  Referência  da  Juventude,  o  Núcleo  de  Violência,  associações  e  as  unidades  básicas  de  saúde.  Com  quatro  reuniões  a  cada   semestre,  em  ins>tuições  diferentes  para  conhecer  o  trabalho  realizado  pelos  par>cipantes  da  rede,  são  discu>das  questões  bastante   per>nentes  sobre  a  infância  e  juventude  das  crianças  e  jovens  de  Embu  das  Artes,  tal  como  a  violência  na  escola  associada  ao  uso  de   drogas  e  ao  abandono  familiar.    

Conselho de  Segurança  (CONSEG)     Dinâmico   em   sua   atuação,   as   reuniões   do   CONSEG   acontecem   uma   vez   por   mês   e   representam   uma   oportunidade   para   que   os   cidadãos  se  informem  sobre  o  funcionamento  de  órgãos  do  município  que  colaboram  para  a  segurança,  tais  como  trânsito,  assistência   social,  saúde,  iluminação,  etc.  Par>cipam  da  reunião  a  polícia  civil,  militar  e  a  guarda  civil  metropolitana.  É  interessante  observar  que  os   temas   levantados   são   encaminhados   para   providências   e   na   reunião   seguinte   é   feita   a   prestação   de   contas   por   parte   do   órgão   que   foi   in>mado.  Como  os  recursos  financeiros  e  de  pessoal  da  polícia  não  são  suficientes  para  atender  a  todas  as  demandas,  a  par>cipação   constante  Acorde  beneficia  o  Jardim  Tomé.      

Conselho Gestor  de  Saúde    

A  Acorde  par>cipa  a>vamente  do  Conselho  Gestor  da  Unidade  Básica  de  Saúde  Eufrásio  Pereira  da  Costa.  As  discussões  versam  sobre  o   atendimento  do  posto,  ações  de  promoção  à  saúde  e,  em  alguns  casos,  o  histórico  de  pacientes  para  a  consolidação  de  informações   que  possam  auxiliar.  Terminamos  o  ano  com  a  data  da  intervenção  no  Galpão  do  Jd  Silvia  para  o  dia  8  de  janeiro.  Para  a  Acorde,  há   ainda   um   bene~cio   importante   que   é   acumular   informações   sobre   as   famílias   das   crianças   que   a   Acorde   atende,   o   que   contextualiza   a   sua   realidade   e   nos   ajuda   no   desenvolvimento   humano.   Por   fim,   há   uma   relação   de   respeito   mútuo,   com   pedido   de   ajuda   para   a   Acorde  na  relação  com  crianças  e  famílias  da  comunidade.   66  


Participação Política Nacional

O papel  de  a6vismo  desenvolvimen6sta  da  Acorde  e  o  Movimento  por  uma  Cultura  de  Doação       Desde   seu   nascimento,   no   ano   passado,   o   Movimento   por   uma   Cultura   de   Doação   deu   passos   largos.   A   área   de   desenvolvimento   ins>tucional  da  Acorde  par>cipou  a>vamente  na  manutenção  de  um  grupo  vivo,  atento  ao  que  à  importância  da  promoção  de  cultura  de   doação  no  Brasil,  ins>gando  reflexões  e  trazendo  referências  e  outros  países.  Destas  reflexões,  ficou  claro  para  o  grupo  a  necessidade  de   dois  passos:  uma  pesquisa  nacional,  que  possa  ser  repe>da  a  cada  2-­‐3  anos,  para  termos  dados  atualizados  e  confiáveis  sobre  o  valor  doado   pelo  brasileiro,  os  mo>vos  que  o  levam  a  doar,  suas  causas  preferidas,  dados  demográficos  sobre  o  doador,  etc.  O  IDIS  –  Ins>tuto  para  o   Desenvolvimento   do   Inves>mento   Social,   que   cujas   conversas   já   havia   detectado   a   necessidade,   se   interessou   em   liderar   esta   ação.   Seguiram-­‐se  conversas  sobre  seu  formato,  ar>cularam-­‐se  parcerias.     O  segundo  passo  seria  uma  campanha  nacional  de  conscien>zação   da   importância   da   doação,   falávamos   em   tornar   a   doação   algo   importante  na  vida  do  cidadão  brasileiro,  algo  valorizado  desde  a   infância,  como  em  outros  países.  Depois  de  explorarmos  algumas   opções,   iniciamos   uma   conversa   com   o   movimento   #GivingTuesday,   uma   campanha   iniciada   nos   Estados   Unidos   e   já   espalhada   pelo   mundo   para   promover   o   que   chamam   de   give   back,   ou   devolver   à   sociedade.   Não   por   acaso,   a   campanha   acontece  na  primeira  terça-­‐feira  depois  do  feriado  americano  mais   importante,   o   Dia   de   Ação   de   Graças,   e   do   grande   dia   de   descontos   e   pontapé   inicial   da   a>vação   econômica   de   natal:   a   Black  Friday.   67      


Ainda o   Dia   de   Ações   de   Graças   não   faça   parte   da   história   brasileira,   a   Black   Friday   já   foi   ins>tuída   por   aqui   e   tem   um   impacto   significa>vo  nas  vendas  de  fim  de  ano.  Por  isso,  o  Movimento  decidiu  se  juntar  ao  movimento  global  para  promoção  de  cultura  de   doação  e,  na  pessoa  da  ABCR  –  Associação  Brasileira  de  Captadores  de  Recursos,  trouxe  oficialmente  para  o  Brasil  o  #DiadeDoar  |   GivingTuesday  Brasil.       A   campanha,   gerida   ao   longo   de   todo   o   ano,   contou   a   ar>culação   da   Acorde,   da   ABRC,   do   Ins>tuto   Doar,   do   Movimento   Arredondar,   da  Sitawi  –  Finanças  do  Bem,  da  Base  Colabora>va,  do  Centro  de  Voluntariado  de  São  Paulo,  da  Juntos.com.vc,  do  IDIS  e  de  outras   organizações  e  pessoas  que  es>veram  próximas  durante  o  processo.  No  dia  2  de  dezembro,  a  primeira  terça  feira  depois  do  Dia  de   Ação  de  Graças,  a  campanha  já  ocupava  mídia  digital  e  impressa,  poder  público,  terceiro  setor  e  setor  privado.      

Alguns  números  sobre  o  #diadedoar     593  cadastrados  no  site,  no  total   365  organizações  da  sociedade  civil   47  empresas   1  órgão  público   27  outros  (movimentos,  grupos  e  redes,  etc.)   152  embaixadores  sociais   23  estados  federa>vos  representados        

68


Certificações Válidas

Diretoria até 2016

    Governo  Federal  

   

CEBAS –   Cer>ficado   de   En>dade   Beneficente   de   Assistência   Social   (publicado  em  27/01/15)   U>lidade  Pública  Federal    

Estado de  São  Paulo  

En>dade Promotora   dos   Direitos   Humanos   e   Declaração   de   Reconhecimento  de  Imunidade  ao  ITCMD   Cadastro  na  Secretaria  Estadual  de  Desenvolvimento  Social   (permite   captação   de   créditos   de   ICMS   via   Nota   Fiscal   Paulista)   Cer>ficado  de  Regularidade  Cadastral  de  En>dades  

Município  de  Embu  das  Artes   Registro  no  CMDCA  n.  026/2004   Registro  no  CMAS  n.  46  

Anamaria Germano  Ribeiro   Carlos  Augusto  Cyrillo  de  Seixas   Joana  Lee  Ribeiro  Mortari  

       

Conselho Fiscal até 2016  

Titulares

Ana Paula  Ribeiro  Tozzi   Fábio  Mercadante  Mortari   Klaus  Berndt  Brutscher      

Suplentes

Marcello Geraldes  Chiasso   Maria  Rivania  de  Sousa  Nishi   Marceli  Maria  de  Moura  Santa’Anna    

69


Agradecimentos    

Equipe

Adriano Birajara   Alessandra  Soares   Aurineide  Ferreira   Douglas  Campos   Edgar  Ernesto   Fabiana  Mina   Francisco  Lucas   Janete  de  Paula   Joana  Lee  Ribeiro  Mortari   Josiene  Gomes   Lourival  Junior   Lucilene  Rosa   Maria  Salete   Marília  Maris   Mario  Conceição   Marta  Junqueira   Mauren  Picelli   Michael  Jordan     Núbya  Barbosa   Priscila  Fonseca   Reni  Pereira   Rubens  Rossin   Salete  Oliveira   Talita  Sannalber   Wagner  Dias    

Voluntários Alemães   Claudia  Breschinski   Mark  Socha   Nicole  Wrobel   Sofia  Moser      

Apoiadores e  Patrocinadores  do     VII  Acorde  Gastronômico   AGR  Consultoria   Agrobonfim   Alexandra  Corvo     Colégio  Dante  Alighieri   Companhia  das  Folhas   Companhia  do  Pescado     Condomínio  Vila  Real  do  Moinho  Velho   Diego  Sacilo•o   Editora  Trip   Espaço  Granja  Viana     Gráfica  IBEP   Lavanderia  Lavasecco  |  Granja  Viana   Padaria  Barcelos   Papoula  BakerHouse   São  Cassiano  –  Palmito  Pupunha   Vinheria  Percussi   Yealands  (Importadora  de  Vinho)                            

Parceiros do  Ciclo  de  Aulas  de  Culinária   Revista  Jd  ‘  e  Acorde   Augusto  Cruz  |  Felix  Bistrot   Coné>ca  Administração  de  Condomínios     Giovanna  Salvia  |  Salvia  a  Vida   Maria  Antonieta  |  Lêle  Gourmet   Maria  José  da  Silva  Ribeiro  |  Chez  Maria   Nazaré  Peixoto  |  Vedhanta   Ney  Laux   Salute  Festas   Thais  Roji  |  Revista  Jd’        

Voluntários

Adelmara Amorin  Pereira  Nascimento   Adriele  Sacramento         Alessandra  Valesco   Ana  Claudia  Valerio   Ana  Luiza  Campelo   Aracy  Lopes  Zedoit   Ariadne  Oliveira   Atores  da  Brasilis  Play  Back  Theatre   Aurora  Chung   Bruna  Nogueira   Camila  Ayumi  Onishi              

70


Carlucio Soares  Ferro   Carminha  Pereira  Gomes     Célia  Bernardes   Cilene  Simone  Lopes  Silva   Damião  Pereira  Silva   Debora  Marcolin   Dona  Jura   Eduardo  Camargo   Eduardo  Gomes  Brilgas  de  Magalhães   Elisangela  Rosana  da  Silva   Fabiane  Candiani  Soldera   Fabio  Cornibert   Fabio  Maganha   Fernanda  Carnio  Papini   Gabriel  Simona>   Gisa  Picosque   Gisele  Caetano   Gislene  Cavalcan>   Giuliano  Paganini   Guilherme  Micheline  Rodrigues  Geraldo   Helena  Pa>giorgi         Heloisa  Helena  Toledo  Cunha   Ines  Micheline  Rodrigues   Izildinha  Moraes  Cintra   Jaqueline  Marfina>  Ba>sta   João  Paulo  Miller   Jose  Aparecido  Alves  de  Souza   Karen  Maganha   Laila  Valois   Leão  Roberto  Machado  de  Carvalho     Lincon  Procópio  dos  Santos    

Lourdes Tímpano   Luigi  Trevisioli   Luis  Carlos  de  Oliveira   Luiz  de  Paula     Marcela  Ananda   Maria  Cecília   Maria  Cecília  Brandão   Maria  das  Dores  de  Souza   Mariana  Celes>no  Nogueira   Marli  Pietrobon   Miriam  Soberon   Nathalia  S.  Cavallari  Nunes   Paolla  Minotelli   Patricia  Ribeiro  de  Almeida     Pedro  Luis  Alexandre   Regina  Müller   Ricardo  Pedro   Rosa  Aparecida  Frank  Vasconcelos   Samantha  Biajiluo   Sandra  copeira   Sandra  Regina  do  Amaral   Silvio  Henrique  Felix   Sueli  Romualdo  dos  Santos  Correia   Svendla  Chaves   Ta>ana  Nunes   Vanda  Felix   Philip  Touhey                                    

Parceiros |  Nota  Fiscal  Paulista  

A. Niemeyer   Bayard  |  Morumbi   Bayard  |  Vila  Lobos   Bayard  |  Higienópolis   Bayard  |  Iguatemi   Cacau  Show  |  Eldorado   Cacau  Show  |Granja  Viana   Café  do  Ponto  |  Granja  Viana   Casa  Bauducco  |Shop.  Eldorado   Casa  Bauducco  |  GRU   Casa  Bauducco  |  João  Cachoeira   Casa  Bauducco  |  Shop.  Morumbi   Casa  Bauducco  |  Shop.  Vila  Olímpia   Casa  de  Doces  Takeda   Casa  Palla   Casa  Rovigo  |  Consolação   Cristallo  Open  Mall  |  Granja  Viana   De  Dormir|  Granja  Viana   Divino  Fogão  |  Granja  Viana   Ellus  |  Shopping  Morumbi   Empório  Granja  Gourmet   Espe>nhos  Mimi  |  Granja  Viana   Expand  |  Empório  Santa  Maria   Felix  Bistrot  |Granja  Viana   Frans  Café  Open  Mall   Hotel  Itapemar  |  Ilha  Bela   J.P  Morgan   Lacoste  |  Granja  Viana   Laura  Marchi  Joalheiros  |  Vila  Lobos   Laura  Marchi  Joalheiros  |  Vila  Nova   Le  Bon  Pain  |  Granja  Viana  

71


Levis |  Shopping  Morumbi   Loja  da  Fábrica  Bauducco  Viscon>  |  Ipiranga   Loja  do  Clube  Pinheiros   Lupo  |  Granja  Viana   M.  Officer  |  Shopping  Morumbi   Mentha  Pimentha  |  Granja  Viana   Miguel  Gianini  |  Jóquei   Moldura  Minuto  |  Shopping  Eldorado   Moldura  Minuto  |  Shopping  Morumbi   Moldura  Minuto  |  Shopping  Vila  Olímpia   Moldura  Minuto  |  Vila  Lobos   Mr  Kitsch  |  Granja  Viana   Mr.  Beer  Open  Mal  l  Granja  Viana     Mr.  Cat  |  Granja  Viana   Mundo  Verde  |  dentro  de  co>a   Pizzaria  Basílica   Pizzaria  Merca•o   Pizzaria  Veridiana   Raville  Bordado   Restaurante  Deli  Deli   Restaurante  Eat   Restaurante  Grile•o  |  Granja  Viana   Robin  de  Bois   Sagrado  Vino    Open  Mall|  Granja  Viana   Santa  Luzia   Sodiê  |Embu  das  Artes   Solene  Sabor  |  Embu  das  Artes   Spina  Materiais  de  Constru   Sushiris  Temakeria   Tortula  Open  Mall  |  Granja  Viana   Uncle  K  |  Granja  Viana   Vila  dos  Sonhos  |  Granja  Viana   Yogini  |  Shopping  Morumbi   Zona  Cria>va    

Empresas Parceiras  |  Apoiadoras  

Academia Adrenalina   AES  Eletropaulo   Agência  Black  Box   Aprendix   Associação  Vida  Plena   Box  Mania   Brasil  Wealth  Management   Ciclo  das  Vinhas   CIESP   Cinemateca   Claudeedeca   Clearing  House  “Wave  Net”   Companhia  La  Mínima   ComTato  Agência  Cultural   Cultura  Inglesa   EcoRodovias  Grupo   Éricon   Hotel  Hilton   Koury  Lopes  Advogados   Laura  Marchi  Joalheiros   Mortari  Advogados   PáIdeia   Pepper   Pet  Zoo   Pizzaria  Merca•o   Restaurante  Ser  Afim   SAC  Online   SESI  Co>a   SOS  Mata  Atlân>ca   The  Square  Open  Mall  |  Granja  Viana   Trevisioli  Consul>ng  &  Couching                        

Parceiros |  Apoiadores  

Fabio Ribeiro   Luis  Bura•o   Nossos  queridos  apoiadores  recorrentes  

Organizações  Parceiras  

Atados Centro  de  Educação  Luminar   Colégio  Albert  Sabin   Colégio  Dante  Alighieri   Colégio  São  Domingos   Colégio  Viver   Creche  Recanto  da  Fraternidade   Doare   Escola  da  Granja   Esporte  Clube  Pinheiros  -­‐  Bazar  do  Bem  Possível   Freunde  der  Erziehungskunst  Rudolf  Steiners   Juntos.com.vc   Movimento  por  uma  Cultura  de  Doação   OCA  de  Carapicuíba   OCA  de  Embu  das  Artes   Sociedade  Amigos  de  Bairro  do  Jardim  Tomé   SOS  Mata  Atlân>ca   Welt  Wärts      

Entes Públicos  

Administração Regional  da  Prefeitura  de  Co>a   CMDCA  Embu  das  Artes   Conselho  Tutelar  I     DivTran  de  Embu  das  Artes   Secretaria  de  Assistência  Social  de  Embu  das  ARtes        

72


Editorial

Joana Lee  Ribeiro  Mortari   Marília  Maris    

Conteúdo Ins6tucional  

Joana Lee  Ribeiro  Mortari       Marta  Junqueira    

Conteúdo Pedagógico  

Douglas Campos      Educadores    

Conteúdo Comunidade   Salete  J.  Oliveira    

Projeto Gráfico   Joana  Lee  Ribeiro  Mortari   Marília  Maris   Michelle  Marcelino    

Ilustrações Projetado  por  Freepik.com    

Fotos Acervo  da  Acorde   Acervo  do  Colégio  Albert  Sabin   Acervo  do  Colégio  Dante  Alighieri   Acervo  da  São  Joaquim   Lincon  Procópio   Marília  Maris            

73

Relatório 2014 | Associação Acorde  

Relatamos o ano de 2014 com carinho e sinceridade para dividir com você nossos aprendizados.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you