Page 1

Antonio Cabral Filho

MEUS HAICAIS PREFERIDOS

Matsu Bashô

Edição Letras Taquarenses 2012


Quase Prefácio * Segundo Humberto Del Maestro diz, em matéria publicada na Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Estado do Espírito Santo, nº52, “ Reza a tradição que o mais antigo exemplo de haicai*1 escrito, de que se tem notícia, tem como autor o poeta Fugiwara-no-Sadaye ( 11621242 ), que viveu no tempo do imperador Gotoba ( 1180-1239 ), cujo texto é o seguinte: “Espalhadas flores Quer pegar e pega apenas O vento da chuva.” E, ainda segundo o mesmo autor, “ Consta que o primeiro haicai produzido no Brasil é de autoria de Hyôkotsu, escrito momentos após desembarcar no porto de Santos, em 18.06.1908, do navio Kasato Maru, que trazia os primeiros imigrantes japoneses ( 793 ) para o nosso país. Eis o poema: “ A nau imigrante Chegando: vê-se lá no alto A cascata seca.” Como podemos ver, entre o primeiro “raicai” de que se tem notícia no mundo e o primeiro no * *1 “Raicai”, pronúncia correta, segundo HdM.


Brasil, há uma caminhada considerável, na qual se incluem destacados nomes desta pérola japonesa. É aí que vamos encontrar o nome que faz a diferença no universo “raicáico”: Estamos falando de Matsu Bashô, que vem na capa como nosso sendeiro luminoso. Matsu Bashô ( ou à moda ocidental: Bashô Matsu ) é natural de Ueno, nascido em 1644, e, “Bashô” foi seu último nome literário, que tinha como nome da nascimento Kinkasu. É filho de samurai a serviço da família TODO e aos nove anos foi enviado à casa senhorial como pajem do herdeiro Yoshitada, dois anos mais velho que Bashô, o que ocasionou rápido entrosamento compartilhado pela poesia. Ambos estudaram a arte da poesia com Kitamura Kigin (1624-1703 ),discípulo de Teitoku e ele mesmo poeta distinguido. Ainda encontra-se poemas assinados por Sengin e Sobo, nomes literários do jovem senhor e de seu pajem e amigo. Sengin morre em 1666 e Bashô, então com 22 anos, não resiste à perda e foge para Kioto. Aí empreende estudos de poesia, leitura dos clássicos chineses e japoneses, entre outros. Se instala em Edo ( Tóquio ) em 1672 e em 1675 conhece o poeta Soin, onde, por algum tempo, é membro de sua escola poética, Danrin. Troca seu nome literário para Tosei e muda sua linguagem poética para uma mais fluida e menos literária, publica várias antologias.


Sentindo-se autoconfiante e livre de influências, cria pouco a pouco uma nova poesia e logo o rodeiam discípulos e admiradores. Como bem demonstra sua literatura, a influência do zenbudismo, a busca interior, a reflexão, levam-no a anos de meditação com o mestre Bucho ( 1643-1715 ). Nesse período, um de seus admiradores, Sampu, homem de posses, presenteia-o com uma pequena casa, perto de um rio denominado Sumida, em 1680, então com 36 anos. Outro discípulo lhe oferece uma muda de bananeira ( Bashô), a planta que batiza a ermida e depois ao próprio poeta. Em 1689, com 45 anos, empreende a peregrinação da qual resulta “Oku no Hosomichi”, um diário de seis meses de andanças. O crescimento de sua influência, o sucesso de suas antologias, individuais e coletivas, nas quais inclui discípulos como Kikaku, Sora, Sampu, Boncho, Kiori, Joso, Ransetsu, emtre outros, vão semeando sua estética cheia de suavidade e a tal ponto que se torna marca da poesia japonesa, que graças sobretudo a Bashô, alcança uma liberdade e um frescor desconhecidos até então. É Otávio Paz quem se emociona ao destacar que Bashô, ante o mundo vertiginoso e colorido, opõe seu haiku como um círculo de silêncio e recolhimento, manancial, poço de água escura e secreta... Mas é Bashô quem nos informa: “Não sigo o caminho dos antigos; busco o que eles buscaram.” Transformando as formas populares


de sua época em veículos da mais alta poesia. Seu caracter inovador se destaca quando se faz uma observação panorâmica sobre o haicai e se depara com declarações do tipo “ Se não fosse Soin, estaríamos lambendo os pés do velho Teitoku”, para opor-se à poesia “conceitualista das “escolas”. Informe Bibliográfico: 1- Sendas de Oku, Matsu Bashô, Roswitha Kempf/Editores, 1983; 2Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, nº52;Humberto Del Maestro. 3A Poesia de Matsu Bashô, Otávio Paz, citado por Olga Savary na tradução de Senda de Oku. *** A presente coletânea tem como objetivo apenas divulgar os autores aqui incluídos, independente de tendências e “ quetais ”. A ordem é aquela em que os trabalhos foram chegando e farei apenas uma enumeração. Minha idéia inicial era criar uma série anual, mas preocupa-me o compromisso; pensei ainda numa sequência temática, mas considero restritivo; de modo que prefiro ir levando o barco... Quem pintar no pedaço, será bem recebido, mais nada. BEM VINDO À GRANDE RODA... 1 – Humberto Del Maestro, poeta, contista, cronista e dramaturgo capixaba, autor de dezenas de livros nas mais variadas áreas da


atividade literária; é, na minha modesta opinião, um dos maiores haicaístas do Brasil. Edita o alternativo cultural LITERATURA&ARTE e possui diversos sites na web, tais como http://www.oocities.org/humbertodelmaestro... HAICAIS * Vejo da montanha A lua imersa no mar. - Um banho de luz. & Dia de sol quente – Parapentes coloridos Enfeitam a tarde. & Trânsito moroso E agitação nas calçadas: Um sol escaldante. 2 – JOSÉ APARECIDO BOTACINI, poeta paulista... site WWW.sitedepoesias.com/poetas/jose+aparecid o+botacini HAICAIS * Espelho cruel Refletindo janeiros: Rugas na face. &


O vento sopra, São dias de outono: A luz suspira. & Beijo roubado, Lábios tremulando: Rosto corado. 3 –JOSÉ HERCULANO DA NÓBREGA, poeta cearense de Juazeiro do Norte www.sitedepoesias.com/poetas/Jose+Herculano +da+Nóbrega... HAICAIS * Em poucas palavras, Mistério da longa vida: Mestre Goga Haicai. & Rosa agiu rápido Com clemência no jardim De fazer vida. & Luiz Bacellar beija Na testa cunhatã bela! Lua cheia de inverno. 4 – ANDERSON BRAGA HORTA, mineiro de Carangola, poeta, contista, cronista, ensaísta e professor universitário; mora em


Brasília desde sua fundação. Tem vasta obra teórica e literária publicada. Email bragahorta@superig.com.br HAICAIS * De repente descubro A lavada beleza de teus olhos: Céus que choveram. & O canto são dois rios Confluindo nos olhos: E o teu olhar desata as minhas fontes. & Teus olhos na treva Cintilam. Fecho a janela, Que não saia o sol. 5 – JOÃO BATISTA SERRA, poeta cearense, editor do alternativo cultural O PATUSCO, Caixa Postal 95 Cep 61.600.000 Caucaia – CE HAICAIS * No jardim florido, Incansável colibri: Beijos à granel. & Azulão contempla O firmamento azulado: Deseja ser livre. &


Ótimo palhaço Faz platéia gargalhar: Em casa, desgosto. 6 – FRANCISCO DE ASSIS NASCIMENTO, é goiano; poeta, contista, romancista, cronista e professor universitário e editor do alternativo cultural FRANCISLETRAS. HAICAIS * FRANCISLETRAS é Ativo. Alternativo, Caminhar com fé. & Letras em fulgor E solenes trilham. Compor com amor. & Cuidado! Cão bravo Avisa, mas suavisa. No jardim, um cravo. 7 – MARIA JOSÉ MENEZES, é contista, cronista, poeta, professora e co-editora do alternativo cultural capixaba AS ACADÊMICAS. Email reginamenezesloureiro@gmail.com HAICAIS *


Palavras ao vento Podem revelar segredos: Machucar alguém. & Calar tem valor: Palavras, muitas palavras, Lembram roupas velhas. & Menina brejeira: Cabelos soltos ao vento, Pés livres no chão. 8 – ANGÉLICA VILLELA SANTOS é paulista de Guaratinguetá, poeta, cronista, professora e dirigente cultural. Email angelicamvrsantos@gmail.com HAICAIS * Tinido metálico Na vastidão do cerrado: Grito de araponga. & Cachecóis e mantas Amontoados sobre a cama: Frente fria que chega. & Fumegam no prato Os roletes semi-abertos De macio aipim. 9 – MIGUEL MALTY é


poeta e tudo que sei é que mora em Brasília; edita o jornal O ESTRO. HAICAIS * Clarão de cristais: Das brumas emerge a terra Na luz da alvorada. & Tua grande ausência Se transformou em presença Na carta que chega. 10 – FERNANDO VASCONCELOS, é mineiro, poeta, contista, cronista, exparlamentar e jornalista, faleceu em abril de 2010, após radicar-se em Ponta Grossa-Pr e desfrutar seus últimos dias. HAICAIS * Arrulhos no galho: Rolinhas embevecidas Em prosa de amor. & Noel passa reto E é o menino de rua O próprio NATAL... & Casinha no poste, Lar de canoro engenheiro... Doutor João de Barro.


11 – VIDAL IDONY STOCKLER é paraense, poeta recordista em trovas e haicais. HAICAIS * Matas do sertão Com a linda florescência: A cachoeira rindo. & Sabiá da palmeira Cantando sua canção: Vive na colina. & Na campina verde Pasta o mimoso bezerro: A cigarra canta. 12 – MURILO TEIXEIRA é mineiro, militar, poeta, editor do jornal BALIO POÉTICO. HAICAIS Penso em ti... Pra melhor sentir, Fecho os olhos. & Eu acho tão triste Ver-te soluçar, chorar Quando o amor existe. & Ontem, ao te ver Notei, sem querer, prazer E fiquei feliz.


13 – ANTONIO LUIZ LOPES TOUCHÉ é paulista de Guarulhos, poeta, blogueiro, editor do http://fanzineversoslivres.blogspot.com.br HAICAIS * A paixão revigora, Faz o outono primavera Na hora. & Passageiros do eterno, Os raios e o sol Viajam no renascer. & A Maria-sem-vergonha Como a rosa e a margarida, Cumpre a sina: floresce. 14 – OEFE DE SOUZA é paulista de Ribeirão Preto, poeta, editor do alternativo cultural KOISALINDA.Av Liberdade, 182 Cep 14085.250 R.Preto-Sp HAICAIS * Voto digitado Com a mente e o coração: Brasil feliz. & A lua assistiu Todo o parto do meu verso: Filho iluminado.


15 – EUNICE MENDES é paulista de São Vicente, até aonde se sabe, poeta e blogueira; edita o http://www.revistapoetizando.blogspot.com.br em parceria com Walmor DS Colmenero. HAICAIS * Alegre portão – Derramadas nas grades Pencas de flores. & Dança leve Baile de folhas secas – Sino dos ventos. & Copos de chuva Escondidos nos ramos – Poças nas folhas. 16 – SILVÉRIO DA COSTA é português, naturalizado brasileiro, mora em Santa Catarina, é poeta, contista, cronista, autor de literatura infantil, com vasta obra publicada. Edita a coluna FRONTE CULTURAL, Caixa Postal 262 Cep 89801.970 Chapecó-Sc HAICAIS *


Não deves ter pressa, Pois quando a vida termina, A morte começa. & Calo e não resmungo. O jeito é ir logo embora Pra não virar fungo. & Os teus lindos seios Não foram nunca o meu fim, Mas somente os meios. 17 – ALMIR DE CARVALHO FILHO, poeta,mora no Rio de Janeiro,edita o http://carpediemaproveitemavida.blogspot.com br HAICAIS * Chuva de granizo: Na casinha de cachorro Um gato escondido. & Cai chuva miúda: A menina da janela Tem água nos olhos. 18 – ESCOBAR FRANELAS é poeta, videomaker e editor; denomina seus textos de HAICAOS http://escobarfranelas.blogspot.com.br HAICAIS *


“Unção” Deleite da unção: O coração dos dois? Um só são. & “Prece do sol e chuva” Regai-nos Um e outro Amém & “Distração” É covardia: Seu sorriso embebeda Minha alegria. 19 – OLIVALDO JUNIOR é poeta, paulista de Mogi Guaçu, contista, cronista, formado em letras pela FIMI, editor do http://caeseubt.blogspot.com.br... E integra diversas entidades. HAICAIS * Tardinha singela, Começando, enfim, o outono, Se faz amarela. & Roseira crestada, Sem botões, nem folhas verdes: Floreira sem nada. &


Caminho de pedra No jardim de minha mãe: Pedregulho e pétala. 20 – ANTONIO CABRAL FILHO é mineiro de Frei Inocêncio, poeta, contista, cronista e editor de coletâneas com os amigos, é radialista e jornalista sem diploma, técnico em contabilidade e publicitário; tem quatro livros editados individualmente e participa de diversas coletâneas, entre as quais POETAS EM/CENA 6 BELÔ POÉTICO 2012; edita o http://blogdopoetacabral.blogspot.com.br com material pessoal e o http://letrastaquarenses.blogspot.com.br para promover aquilo em que acredita. HAICAIS * Estrelas cintilam Como os olhos das meninas: Paixão pelos poros. & Palavras solteiras Driblam sentidos casados: Cupido perdeu! & Versos coralinos, Prendas da vida de Cora: Felizes leitores.

Meus haicais preferidos (1)  

Coletanea de haicai incluindo autores brasileiros entre os mais ativos no movimento literario contemporaneo