__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

1


Modelo de Organização da Formação Competências Áreas de Intervenção Sócio Educativas Técnicas e Recursos Expressão e Criação Especialização Equipa Pedagógica Locais da Formação Contactos da Anime

3 5 6 7 11 19 24 28 29 30

2


lo Mode ação aniz g r O o de maçã r o F da

A formação da Anime é organizada segundo o modelo ADORA. • Análise dos contextos de partida - onde é encontrada a razão da formação por necessidades sentidas ou por solicitação de entidades/ instituições externas. São identificados e descritos os objetivos gerais e específicos da formação onde são tidos em conta os resultados esperados e identificados os indicadores de avaliação de cada um dos objetivos; • Desenhar a proposta formativa - delinear os itinerários de aprendizagem por domínios de aprendizagem, adequando os modelos de formação ao grupo-alvo e a construção de todo o itinerário pedagógico a desenvolver, bem como a avaliação do mesmo; • Organizar sequências pedagógicas - definição das sequências e conteúdos e respectivos saberes a adquirir e desenvolver, com estrutura e definição, a sequência de modelos e metodologias de formação que pretendemos aplicar; • Realizar cursos técnico-pedagógicos e preparar equipamentos de apoio. Para tal, pretendemos proceder à conceção, validação e produção de recursos técnico-pedagógicos e à estruturação, validação e produção de guiões pedagógicos de apoio ao formador e aos formandos; • Avaliar a estratégia pedagógica - avaliar segundo a forma prevista na proposta pedagógica.

3


As metodologias participativas que a Anime utiliza nas suas ações formativas, qualquer que seja a sua duração, concorrem para a construção ética das intervenções e passam pelos seguintes processos: • Planificação adequada de toda a formação; • Escolha adequada de formadores competentes, certificados, com experiência técnica e/ ou científica comprovada; • Divulgação feita sempre de forma clara e objetiva recorrendo aos meios adequados para o efeito; • Assegurar que todas as ações de formação da responsabilidade e implementação da Anime são regidas pelos regulamentos internos; • A Anime confere um certificado de formação a todos os formandos que concluam a formação com aproveitamento. A Anime tem uma metodologia de planeamento e avaliação de modo a permitir, com medições frequentes, o cálculo dos desvios e a aplicação de práticas adequadas.

4


cias

tĂŞn e p m Co

5


Áreas de ção n e v r Inte

• Formação em análises teóricas e concetuais que ofereçam marcos de interpretação e valorização de contextos, programas e atualizações sociais; • Formação teórica que acresce à prática sócio-cultural de uma dimensão transformadora a partir da reflexão crítica; • Formação prática baseada na aprendizagem grupal e na metodologia participativa que incida no desenho e na criação de programas de intervenção; • Formação em metodologias, ferramentas e técnicas de intervenção social participativa.

6


Têm como objetivo informar, sensibilizar e criar correntes de opinião sobre problemas de incidência social e educacional, proporcionando estratégias e modelos de informação e formação para trabalhar conteúdos em distintos âmbitos de intervenção. São usadas metodologias participativas e expositivas.

7


Sócio Educativas

Curso de Iniciação ao Voluntariado Objetivos

Aproximação ao conceito de Voluntariado e à sua realidade através do (a): • Reflexão, discussão e definição de algumas linhas básicas associadas ao seu significado; • As motivações individuais para o voluntariado; • Seu enquadramento na sociedade actual; • Conhecimento do seu percurso histórico; • Abordagem da atual legislação portuguesa que o enquadra.

Conteúdos programáticos • • • • •

Motivação e expectativas dos voluntários; A promoção da mudança social através do voluntariado; Ambiente histórico de voluntariado; Perfil do voluntário; Enquadramento legal do exercício de voluntariado em Portugal.

Destinatários

Voluntários a desenvolver projetos de voluntariado nacional e que não tenham tido formação inicial de voluntariado e ou pessoas que estejam interessadas em desenvolver algum projeto de voluntariado.

Sensibilização para o Serviço Voluntário Europeu Objetivos

• Sensibilizar e informar os jovens para o Serviço Voluntário Europeu (Acção 2 do Programa Juventude em Acção).

Conteúdos programáticos

• O que é ser voluntário; • Explicação sobre o funcionamento do funcionamento do Serviço Voluntário Europeu; • Como me candidatar ao SVE?

Destinatários

Jovens dos 18 aos 30 anos que queiram desenvolver um projeto de voluntariado entre 6 a 12 meses noutro pais da Europa.

8


Sócio Educativas

Competências Parentais Objetivos

• Desenvolver competências parentais através da educação, sensibilização de novas atitudes, dinamização e treino de estratégias de controlo comportamental, visando a melhoria das interações pais-filhos.

Conteúdos programáticos

Desafios dos 0 aos 3. (7 horas) O recém-nascido. Quem é? O Choro é Comunicação! Amamentar, Cuidar e Alimentar. O Sono, os seus Problemas e a Cama Proibida. Desafios dos 3 aos 6. (7 horas) Controlo das necessidades. Manipulação Emocional, Birras e Disciplina. Rivalidade entre Irmãos. Preparar o Pré-Escolar. A entrada para a escola - 6 aos 11/12. (7 horas) Novas regras, Horários e Responsabilidade. TV, Jogos e Actividades de Complemento Curricular. Motivação Escolar e Auto-Estima. A adolescência. (7 horas) Comunicação, Negociação e Liberdade. Internet versus Actividades Desportivas e ao Ar Livre.

Destinatários

Público em geral.

9


Sócio Educativas

Igualdade de Oportunidades Objetivos

• Desenvolver a observação e análise crítica da realidade quotidiana tendo em conta a igualdade de oportunidades; • Avaliar a utilização do tempo livre por ambos os sexos e os fatores que contribuem para o sexismo na prática da educação não formal; • Conhecer e utilizar recursos adequados para a sensibilização desta problemática, eliminando a discriminação e desigualdade em função do sexo.

Conteúdos programáticos

• Diferença Sexual e Igualdade de Oportunidades; • Contexto Familiar e Educacional; • A Linguagem; • Relações Interpessoais entre os dois sexos - Afetividade e Sexualidade; • O tempo livre infantil e juvenil e diferentes necessidades; • Análise de programas e atividades de educação não formal atendendo à dimensão da igualdade de oportunidades (atividades, conteúdos, monitor/ monitora, relações dentro da equipa de trabalho, etc.).

Destinatários

Público em geral.

10


Têm como objetivo a abordagem de áreas e conteúdos específicos partindo de uma metodologia eminentemente prática, privilegiando o saber fazer, ancorada no saber ser e no saber, saber.

11


Técnicas e Recursos

Animação na Infância e na Juventude Objetivos

• Descobrir as possibilidades do tempo livre como espaço educativo; • Dominar ferramentas e estratégias essenciais no desenvolvimento da animação de crianças e jovens; • Aprofundar as atitudes básicas de um animador em atividades de tempo livre; • Desenvolver a participação ativa e trabalho em equipa.

Conteúdos programáticos • • • • • • • •

Atividades e Técnicas de Animação; Definir conceitos: Tempo Livre, Animação, Associativismo; Atitudes e competências do Animador/ Monitor; Planificação e avaliação de atividades; Desenvolvimento da Criança e do Jovem; Métodos de trabalho com infância e juventude; Trabalho de equipa; Segurança nas atividades.

Destinatários

Público em geral.

Técnicas de Animação na 3.ª Idade Objetivos

• Dar a conhecer diversas técnicas de animação que permitam aos profissionais que trabalham com idosos, desenvolverem atividades em contexto de lar ou centro de dia.

Conteúdos programáticos

• Sensibilizar para a importância da criatividade; • O papel do dinamizador na atividade; • A importância da planificação e avaliação para o sucesso da atividade; • Atividades e exemplos práticos de atividades de expressão plástica, dramática, música e jogos que podem ser dinamizados com idosos.

Destinatários

Profissionais a tabalharem em lares ou centros de dia com a 3.ª idade.

12


Técnicas e Recursos

Coaching de Projetos Juvenis Objetivos

• Desenvolver competências de coaching de projetos juvenis; • Potenciar a participação ativa dos jovens em iniciativas através do Coaching; • Compreender o papel do Coaching no desenvolvimento das iniciativas jovens no âmbito do programa europeu da juventude.

Conteúdos programáticos • • • • •

Facilitando a participação ativa em iniciativas jovens; Espelho, espelho meu: Serei eu um coach? O Processo de Coaching; Melhores Práticas e ir Mais Além; Ferramentas e Metodologias de Coaching.

Destinatários

Técnicos de juventude e/ou animadores juvenis que queiram dinamizar e desenvolver o Coaching em projetos juvenis.

Iniciação à Astronomia Objetivos

• Familiarizar os participantes com os conceitos e equipamentos usados em observações astronómicas.

Conteúdos programáticos

• Origens do Sistema Solar; • Mecânica Celeste; • Eclipses Solares e Lunares; • Sol – Observação Solar; • Lua – Observação Lunar; • Planetas e cometas; • Identificar as constelações e as estrelas brilhantes; • Objetos Messier e do Céu profundo (e.g. Nebulosas, Binárias, Galáxias, Enxames, Supernovas, Quasar e Buracos Negros).

Destinatários

Público em geral.

13


Técnicas e Recursos

Criatividade Objetivos

• Dar a conhecer as capacidades, criativas de cada participante e ensinar a aplicação da criatividade na prática profissional; • Ensinar a desenvolver e potencializar a criatividade dos públicos alvo da área de trabalho dos participantes.

Conteúdos programáticos

Conteúdos teóricos: • Criatividade e pensamento lateral; • Desbloqueio mental; • Saltos desconexos; • Imaginários como meio de aprendizagens; • Técnicas de aplicação da criatividade (análise SWOT; Registo de Brainstroming, 6 chapéus; 7X7, etc.). Conteúdos práticos: • Brainstorming (chuva de ideias); • Atividades criativas; • Exercícios de desbloqueio mental (quebra-cabeças); • Exercícios de estimulação do pensamento lateral (estórias incompletas); • Exercícios de aplicação prática da criatividade (estória rasgada, problemas); • Técnicas criativas de avaliação de acividades (alvo; sapo no escadote; alvo humano, etc. – outras realizadas pelos formandos).

Destinatários

Público em geral.

14


Técnicas e Recursos

Eu - Empresa Objetivos

• Promover a aquisição de novos modelos de empregabilidade, desenvolvendo competências de promoção e marketing pessoais, auto-motivação e de empreendorismo pessoal.

Conteúdos programáticos • • • • •

A Nova Empregabilidade; Desenvolver uma Marca Pessoal; Marketing, Auto-Promoção e Networking; Flexibilidade, Adaptação e Desenvolvimento do Meu Potencial; Empreendorismo Pessoal e Iniciativa.

Destinatários

Para todos os procuram emprego e/ ou queiram desenvolver um projeto de auto-emprego, desenvolvendo as suas competências empreendedoras.

Jogos Cooperativos Objetivos

• Dotar os formandos de competências para criar e dinamizar jogos cooperativos; • Sensibilizar para importância de que os jogos cooperativos contribuem fortemente para o desenvolvimento do sentido de pertença a um grupo.

Conteúdos programáticos • • • •

A Definição e caracterização dos jogos Cooperativos; A importância do jogo cooperativo na construção de uma identidade de grupo; A diferença entre jogos cooperativos e jogos competitivos; Exemplificação e criação de jogos cooperativos.

Destinatários

Público em geral.

15


Técnicas e Recursos

Gestão de Iniciativas Jovens Objetivos

• Desenvolver competências básicas de gestão de projetos; • Potenciar a organização, planeamento e eficácia da realização de projetos por jovens; • Promover a candidatura a Iniciativas Jovens no âmbito do Programa Youth in Action 07-13.

Conteúdos programáticos • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

O que é uma Iniciativa Jovem? O que um Projeto não é? O Projeto: Passo a Passo A Gestão; A Definição de um Projecto: Análise de Necessidades; Definição de Objetivos; Estratégia e Metodologia; Planeamento de Atividades; Implementação de um Projeto; Gestão do Tempo; Recursos Financeiros, Angariação de Fundos; Recursos Técnicos e Materiais; Gestão de Pessoas; Trabalho em Equipa; Avaliação e Monitorização Contínuas; Avaliação do Projeto; Relatório Final.

Destinatários

Técnicos de juventude, estudantes e/ ou animadores que queiram desenvolver as suas competências no âmbito da gestão de projetos e iniciativas juvenis.

16


Técnicas e Recursos

Gerir Conflitos Objetivos

• Dotar os formandos de competências específicas para saber identificar e gerir o conflito através de metodologias de resolução.

Conteúdos programáticos • • • • • • • • • • • • • • • •

Competências para gestão de conflitos; A comunicação não directiva; Papel do poder na gestão de conflitos; A Inteligência Emocional; Descodificar para agir; Metodologia de resolução de conflitos; Anatomia dos conflitos; Separar pessoas de conflitos; Identificar interesses; Centre-se em posições; Seja objetivo mas flexível; Estratégias de Resolução; A capacidade para ouvir; Negociação e Agressividade; A importância de reconhecer os erros; Sair dos conflitos.

Destinatários

Público em geral.

17


Técnicas e Recursos

Metodologias Participativas Objetivos • • • •

Promover/ Reforçar competências para trabalhar com grupos; Identificar e resolver conflitos pedagógicos; Reforçar a comunicação com o grupo através da Inteligência Emocional; Reforçar a competência no domínio da estratégia pedagógica.

Conteúdos programáticos Comunicação Pedagógica • A pedagogia; • A androgogia; • A relação pedagógica; • O contrato pedagógico; • A construção de regras; • A Inteligência Emocional. Dinâmicas de Grupo • A construção do grupo; • O trabalho de grupo; • Os conflitos de grupo; • A participação; • Aprendizagem e poder; • Liderança e aprendizagem. Estratégias Pedagógicas • O programa e a aprendizagem; • A construção de materiais pedagógicos; • O uso e a construção de casos; • Papel da simulação pedagógica.

Destinatários

Público em geral.

18


Têm como objectivo a sensibilização para técnicas e dinâmicas artísticas e de intervenção com grupos, utilizando uma metodologia lúdica e participativa.

19


Expressão e Criação

Comunicação e Expressão Teatral Objetivos

• Favorecer e facilitar o desenvolvimento social, cultural e físico do jovem através da elaboração de exercícios e jogos teatrais; • Permitir aos jovens descobrirem as suas capacidades expressivas, criativas e comunicativas; • Possibilitar a aprendizagem da linguagem dramática como meio de expressão e comunicação; • Promover a criação de um espaço de expressão dramática e comunicação teatral.

Conteúdos programáticos • • • • • • • •

Capacidades de expressão, criação e comunicação; A comunicação teatral como meio para o desenvolvimento da criatividade A descoberta das capacidades de expressão corporal; Aprendizagem da linguagem dramática como meio de expressão e comunicação; Técnicas vocais e colocação de voz; Técnica de Construção do Personagem; Técnica do Texto; Criação de um espaço de expressão dramática e comunicação teatral.

Destinatários

Para todos os interessados em aprofundar as técnicas de comunicação e expressão teatral.

Marionetas e Figuras Animadas Objetivos

• Sensibilizar para o reaproveitamento de materiais na construção de marionetas e fantoches.

Conteúdos programáticos • • • •

A marioneta, sua importância e aplicação na educação e animação; Construção de Marionetas e figuras animadas; Ensinar a construir e manipular marionetas e fantoches; Manipulação e representação com as marionetas e figuras animadas.

Destinatários

Profissionais na área da educação e da animação.

20


Expressão e Criação

Iniciação às Artes Circenses Objetivos

• Desenvolver competências no domínio das artes circenses, enriquecendo as actividades de animação sócio-cultural; • Conhecer o circo enquanto arte; • Estimular a criatividade, concentração, paciência, descoberta do corpo, confiança em si próprio e no outro e auto-estima; • Dominar técnicas pedagógicas relativas ao ensino das artes circenses.

Conteúdos programáticos

• Equilíbrio sobre objectos (e.g., bola de equilíbrio, monociclo); • Trapézio e Tecido Vertical; • Acrobacias diversas (e.g., acrobacias dinâmicas, pirâmides humanas); • Manipulação de objectos ou malabarismos (e.g., massas, bolas, diábolos); • Outras ferramentas complementares (e.g, expressão corporal, movimento, dança, mimo, etc.).

Destinatários

Para todos quanto queiram desenvolver competências na metodologia de animação através de técnicas das artes circences.

Movimento e Expressão do Corpo Objetivos

• Levar os participantes a tomar consciência do seu corpo e do espaço que ocupa, aprendendo a ler o que o corpo do “outro” nos quer transmitir algo apesar de qualquer palavra pronunciada.

Conteúdos programáticos • • • • •

Apresentação e integração no grupo; Tomada de consciência e reconhecimento do corpo e do espaço; Concentração e atenção; Reconhecer e a transmitir emoções; Criatividade e espontaneidade.

Destinatários

Público em geral.

21


Expressão e Criação

Iniciação ao Desenho e Pintura Objetivos

• Aprendizagem e experimentação de técnicas de desenho e pintura; • Desenvolvimento dos níveis de sensibilidade e consciência critica e o entendimento das relações entre a expressão, no domínio das Artes Visuais e das tecnologias que as informam.

Conteúdos programáticos • • • • • • • • •

Técnicas de desenho: lápis preto, lápis de cor, lápis de cera; Técnicas de pintura: acrílico e guache; Breve estudo da cor; Estudo de contrastes: simples; quente-frio; cores complementares; Estudo da forma: volumes, contraste claro-escuro; Estudo da forma abstracta; Estudo de texturas; Estudo de estruturas: equilíbrio visual, movimento e ritmo; Organização formal: a superfície, modulo e padrão, volume.

Destinatários

Público em geral.

22


Expressão e Criação

Organização de Festas de Aniversário Objetivos

• Capacitar os participantes para a identificação e aplicação das várias técnicas e estratégias de organização de festas infantis. Promover a necessidade de observar as festas como um conjunto de ações articuladas e enquadradas num contexto lúdico-pedagógico.

Conteúdos programáticos • • • • • • • • • • • • •

O que é uma festa? Tipos de festas; Em que contextos; Grupos alvo/ situações especiais; Metodologias de intervenção; Visão cliente/ convidados; Escolha do tema central; Plano da festa/ organização; Apresentação do orçamento; Plano de ação; Dinamização/ segurança; Materiais e locais de compra; Simulação.

Destinatários

Para profissionais de animação sóciocultural, para profissionais na área da educação – professores, educadores, auxiliares de ação educativa, para docentes ligados a projetos de ocupação de tempos livres, para os pais e outros interessados nesta temática.

23


Propõem um desenho curricular com conteúdos teóricos e práticos que abordam: • Formação em analises teóricas e conceptuais que ofereçam marcos de interpretação e valorização dos contextos, programas e actualizações sociais; • Formação teórica que acrescente à prática sociocultural uma dimensão transformadora a partir da reflexão crítica; • Formação prática baseada na aprendizagem grupal e na metodologia participativa, que incida no desenho e criação de programas de intervenção; • Formação em metodologias, ferramentas e técnicas de intervenção social participativa. As sessões serão dinamizadas através de metodologias essencialmente vivenciais e participativas tendo como base um modelo andragógico.

24


Expressão e Criação

Gestão Associativa Objetivos • • • • • •

Conhecer o Movimento Associativo; Adquirir informações no sentido da consciência legal e o rigor de uma associação; Adquirir técnicas de trabalho nas vertentes da gestão associativa; Desenvolver competências de uma gestão participante, clara e objetiva; Desenvolver competências de elaboração e gestão de projetos; Criar uma consciência de análise, programação, ação e avaliação de projetos.

Conteúdos programáticos Dinâmicas de grupos; Comunicação e Liderança; Conceção de Projetos, O Movimento Associativo.

Destinatários

Para técnicos e dirigentes associativos que queiram desenvolver competências de gestão no seio das organizações sem fins lucrativos .

Formação Não-formal e Informal - Formação de Formadores Objetivos

• Desenvolver competências de conceção, dinamização e avaliação de sessões em formato de formação não formal e informal.

Conteúdos programáticos • • • • • •

Modelo Formativo da Educação Não-Formal e Informal; Papel de Facilitador de Aprendizagem; Metodologias Experienciais e Ativas; Laboratório de Desenvolvimento de Recursos e Técnicas; Simulações Finais; Avaliação de Modelos Interventivos Não-Formais e Informais.

Destinatários

Para profissionais que procuram aprofundar os métodos e técnicas de formação em contextos de formação não formal e informal.

25


Expressão e Criação

Monitores de Tempos Livres, Campos e Colónias de Férias Objetivos

• Dotar os futuros monitores de colónias e campos de férias, de competências técnicas e dinâmicas de animação para grupos em contextos de tempo livre; • Incentivar a criatividade e promover atitudes e comportamentos responsáveis, respeitante o quadro legal em vigor para o exercício desta atividade; • Aprofundar as diferentes metodologias de intervenção do monitor; • Capacitar para o exercício das funções de monitor e para a intervenção educativa e pedagógica.

Conteúdos programáticos

Intervenção nos Tempos Livres (Campos e Colónias de Férias) • Dinâmicas de Grupo; • Enquadramento legal da atividade; • Deontologia do Monitor. Intervenção Pedagógica • Comunicação Pedagógica; • Desenvolvimento psicomotor; • Comportamento e intervenção do monitor em situações de conflito. Técnicas de Animação • Jogos e dinâmicas para a infância e juventude; • Expressão plástica e dramática; • Grandes atividades de ar livre. Segurança e Higiene • Noções Básicas de Socorrismo; • Segurança nos diferentes tipos de atividades; • Segurança na Praia e Piscina. Planeamento e Avaliação • Planeamento e Avaliação de atividades de tempos livres; • Exercício prático – elaboração de programas de férias.

Destinatários

Jovens adultos que queiram desenvolver competências e vir a participar como monitores em campos e ou colónias de férias, preferencialmente com o 12.º ano.

26


Expressão e Criação

Curso de Gestão de Voluntariado Objetivos

Desenvolvimento de competências de apoio, orientação e gestão de voluntários: • Contextualização do conceito e tipos de voluntariado; • Conhecimento da legislação portuguesa que enquadra o voluntariado; • Reflexão, discussão e definição de direitos e deveres do voluntário; • Papel do tutor e sua relevância na integração, desenvolvimento e realização do voluntário; • Conhecer os perfis e motivações dos voluntários e adequar o projeto e as atividades do voluntário; • Fomentar o compromisso dos voluntários;

Conteúdos programáticos

• O Voluntariado: Conceito, Evolução e Diferenciação; • Direitos e Deveres do Voluntário e Legislação Portuguesa; • O Papel do Tutor no Voluntariado. • Integrar, Desenvolver e Realizar o Voluntário; • Perfis e Motivações dos Voluntários; • Compromisso e Consistência – Fatores Chave do Voluntariado.

Destinatários

Técnicos ou profissionais que estejam envolvidos na coordenação e gestão de voluntários, ou de atividades de voluntariado a um nível local, nacional ou internacional.

27


Licenciado em Psicologia. Mestre em Psicologia Social e das Organizações pelo I.S.E.I.T. Instituto Piaget Almada. Pós-Graduação em Gestão de Empresas – Especialização em Recursos Humanos pela FCEE da Universidade Católica Portuguesa.

Licenciada em Engenharia Agronómica pela Escola Superior de Agronomia de Santarém. Mestranda em Energia e Bioenergia pela FCT-UNL.

Paulo Pires

Licenciada em Animação e Intervenção Sóciocultural pela Escola Superior de Educação de Setúbal.

Ana Castro

Licenciado em Desporto pela ESE de Setúbal. Mestre em Gestão do Desporto e Organizações Desportivas pela Faculdade de Motricidade Humana - ISEC.

Pedro Pereira

a Equip ca gógi Peda Patrícia Reis

Rui Camoesas

Licenciado em Engenharia Química pela FCT-UNL. Mestre Executivo em Direção Comercial.

Licenciada em Psicologia pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa. Mestre em Gestão de RH pela Escola de Gestão do ISCTE e PósGraduada em Gestão da Criatividade e do Design para a Inovação Empresarial pelo IADE.

Liliana Dias

Carlos Nunes

Susana Câmara

Licenciado em Sociologia pela Faculdade Nova de Lisboa. Pós-Graduado em Sociologia Histórica realizada na FCSH-NL.

Licenciada em Psicologia pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada. Mestre em Psicologia Clínica pelo ISPA.

Fernando Pinto Licenciado em Design e Tecnologia das Artes Gráficas pela Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico de Tomar.

28


boa Lis orte n

Quinta do Conde

Estrada Nacio nal 10

Ave

al

incip

Pr nida

1.ª rotunda

2.ª rotunda

3.ª rotunda

l

ba tú l e S su

CIPA - Centro de Inovação e Participação Associativa Quinta do Conde

Centro de Lazer de São João da Caparica Costa da Caparica

s Locai da ação Form

Pousada de Juventude do Parque das Nações Lisboa

Pousada de Juventude de Almada Almada

29


www.animepaf.org e-mail: anime.paf@gmail.com telef.: +351 210809669 tlm.: +351 962517700 fax: +351 210874655

30

Profile for Anime Projecto de Animação e Formação

Oferta Formativa  

Apresentação dos cursos de formação.

Oferta Formativa  

Apresentação dos cursos de formação.

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded