Page 1

1


Modelo de Organização da Formação Competências Áreas de Intervenção Sócio Educativas Técnicas e Recursos Expressão e Criação Especialização Equipa Pedagógica Locais da Formação Contactos da Anime

3 5 6 7 11 19 24 28 29 30

2


lo Mode ação aniz g r O o de maçã r o F da

A formação da Anime é organizada segundo o modelo ADORA. • Análise dos contextos de partida - onde é encontrada a razão da formação por necessidades sentidas ou por solicitação de entidades/ instituições externas. São identificados e descritos os objetivos gerais e específicos da formação onde são tidos em conta os resultados esperados e identificados os indicadores de avaliação de cada um dos objetivos; • Desenhar a proposta formativa - delinear os itinerários de aprendizagem por domínios de aprendizagem, adequando os modelos de formação ao grupo-alvo e a construção de todo o itinerário pedagógico a desenvolver, bem como a avaliação do mesmo; • Organizar sequências pedagógicas - definição das sequências e conteúdos e respectivos saberes a adquirir e desenvolver, com estrutura e definição, a sequência de modelos e metodologias de formação que pretendemos aplicar; • Realizar cursos técnico-pedagógicos e preparar equipamentos de apoio. Para tal, pretendemos proceder à conceção, validação e produção de recursos técnico-pedagógicos e à estruturação, validação e produção de guiões pedagógicos de apoio ao formador e aos formandos; • Avaliar a estratégia pedagógica - avaliar segundo a forma prevista na proposta pedagógica.

3


As metodologias participativas que a Anime utiliza nas suas ações formativas, qualquer que seja a sua duração, concorrem para a construção ética das intervenções e passam pelos seguintes processos: • Planificação adequada de toda a formação; • Escolha adequada de formadores competentes, certificados, com experiência técnica e/ ou científica comprovada; • Divulgação feita sempre de forma clara e objetiva recorrendo aos meios adequados para o efeito; • Assegurar que todas as ações de formação da responsabilidade e implementação da Anime são regidas pelos regulamentos internos; • A Anime confere um certificado de formação a todos os formandos que concluam a formação com aproveitamento. A Anime tem uma metodologia de planeamento e avaliação de modo a permitir, com medições frequentes, o cálculo dos desvios e a aplicação de práticas adequadas.

4


cias

tĂŞn e p m Co

5


Áreas de ção n e v r Inte

• Formação em análises teóricas e concetuais que ofereçam marcos de interpretação e valorização de contextos, programas e atualizações sociais; • Formação teórica que acresce à prática sócio-cultural de uma dimensão transformadora a partir da reflexão crítica; • Formação prática baseada na aprendizagem grupal e na metodologia participativa que incida no desenho e na criação de programas de intervenção; • Formação em metodologias, ferramentas e técnicas de intervenção social participativa.

6


Têm como objetivo informar, sensibilizar e criar correntes de opinião sobre problemas de incidência social e educacional, proporcionando estratégias e modelos de informação e formação para trabalhar conteúdos em distintos âmbitos de intervenção. São usadas metodologias participativas e expositivas.

7


Sócio Educativas

Curso de Iniciação ao Voluntariado Objetivos

Aproximação ao conceito de Voluntariado e à sua realidade através do (a): • Reflexão, discussão e definição de algumas linhas básicas associadas ao seu significado; • As motivações individuais para o voluntariado; • Seu enquadramento na sociedade actual; • Conhecimento do seu percurso histórico; • Abordagem da atual legislação portuguesa que o enquadra.

Conteúdos programáticos • • • • •

Motivação e expectativas dos voluntários; A promoção da mudança social através do voluntariado; Ambiente histórico de voluntariado; Perfil do voluntário; Enquadramento legal do exercício de voluntariado em Portugal.

Destinatários

Voluntários a desenvolver projetos de voluntariado nacional e que não tenham tido formação inicial de voluntariado e ou pessoas que estejam interessadas em desenvolver algum projeto de voluntariado.

Sensibilização para o Serviço Voluntário Europeu Objetivos

• Sensibilizar e informar os jovens para o Serviço Voluntário Europeu (Acção 2 do Programa Juventude em Acção).

Conteúdos programáticos

• O que é ser voluntário; • Explicação sobre o funcionamento do funcionamento do Serviço Voluntário Europeu; • Como me candidatar ao SVE?

Destinatários

Jovens dos 18 aos 30 anos que queiram desenvolver um projeto de voluntariado entre 6 a 12 meses noutro pais da Europa.

8


Sócio Educativas

Competências Parentais Objetivos

• Desenvolver competências parentais através da educação, sensibilização de novas atitudes, dinamização e treino de estratégias de controlo comportamental, visando a melhoria das interações pais-filhos.

Conteúdos programáticos

Desafios dos 0 aos 3. (7 horas) O recém-nascido. Quem é? O Choro é Comunicação! Amamentar, Cuidar e Alimentar. O Sono, os seus Problemas e a Cama Proibida. Desafios dos 3 aos 6. (7 horas) Controlo das necessidades. Manipulação Emocional, Birras e Disciplina. Rivalidade entre Irmãos. Preparar o Pré-Escolar. A entrada para a escola - 6 aos 11/12. (7 horas) Novas regras, Horários e Responsabilidade. TV, Jogos e Actividades de Complemento Curricular. Motivação Escolar e Auto-Estima. A adolescência. (7 horas) Comunicação, Negociação e Liberdade. Internet versus Actividades Desportivas e ao Ar Livre.

Destinatários

Público em geral.

9


Sócio Educativas

Igualdade de Oportunidades Objetivos

• Desenvolver a observação e análise crítica da realidade quotidiana tendo em conta a igualdade de oportunidades; • Avaliar a utilização do tempo livre por ambos os sexos e os fatores que contribuem para o sexismo na prática da educação não formal; • Conhecer e utilizar recursos adequados para a sensibilização desta problemática, eliminando a discriminação e desigualdade em função do sexo.

Conteúdos programáticos

• Diferença Sexual e Igualdade de Oportunidades; • Contexto Familiar e Educacional; • A Linguagem; • Relações Interpessoais entre os dois sexos - Afetividade e Sexualidade; • O tempo livre infantil e juvenil e diferentes necessidades; • Análise de programas e atividades de educação não formal atendendo à dimensão da igualdade de oportunidades (atividades, conteúdos, monitor/ monitora, relações dentro da equipa de trabalho, etc.).

Destinatários

Público em geral.

10


Têm como objetivo a abordagem de áreas e conteúdos específicos partindo de uma metodologia eminentemente prática, privilegiando o saber fazer, ancorada no saber ser e no saber, saber.

11


Técnicas e Recursos

Animação na Infância e na Juventude Objetivos

• Descobrir as possibilidades do tempo livre como espaço educativo; • Dominar ferramentas e estratégias essenciais no desenvolvimento da animação de crianças e jovens; • Aprofundar as atitudes básicas de um animador em atividades de tempo livre; • Desenvolver a participação ativa e trabalho em equipa.

Conteúdos programáticos • • • • • • • •

Atividades e Técnicas de Animação; Definir conceitos: Tempo Livre, Animação, Associativismo; Atitudes e competências do Animador/ Monitor; Planificação e avaliação de atividades; Desenvolvimento da Criança e do Jovem; Métodos de trabalho com infância e juventude; Trabalho de equipa; Segurança nas atividades.

Destinatários

Público em geral.

Técnicas de Animação na 3.ª Idade Objetivos

• Dar a conhecer diversas técnicas de animação que permitam aos profissionais que trabalham com idosos, desenvolverem atividades em contexto de lar ou centro de dia.

Conteúdos programáticos

• Sensibilizar para a importância da criatividade; • O papel do dinamizador na atividade; • A importância da planificação e avaliação para o sucesso da atividade; • Atividades e exemplos práticos de atividades de expressão plástica, dramática, música e jogos que podem ser dinamizados com idosos.

Destinatários

Profissionais a tabalharem em lares ou centros de dia com a 3.ª idade.

12


Técnicas e Recursos

Coaching de Projetos Juvenis Objetivos

• Desenvolver competências de coaching de projetos juvenis; • Potenciar a participação ativa dos jovens em iniciativas através do Coaching; • Compreender o papel do Coaching no desenvolvimento das iniciativas jovens no âmbito do programa europeu da juventude.

Conteúdos programáticos • • • • •

Facilitando a participação ativa em iniciativas jovens; Espelho, espelho meu: Serei eu um coach? O Processo de Coaching; Melhores Práticas e ir Mais Além; Ferramentas e Metodologias de Coaching.

Destinatários

Técnicos de juventude e/ou animadores juvenis que queiram dinamizar e desenvolver o Coaching em projetos juvenis.

Iniciação à Astronomia Objetivos

• Familiarizar os participantes com os conceitos e equipamentos usados em observações astronómicas.

Conteúdos programáticos

• Origens do Sistema Solar; • Mecânica Celeste; • Eclipses Solares e Lunares; • Sol – Observação Solar; • Lua – Observação Lunar; • Planetas e cometas; • Identificar as constelações e as estrelas brilhantes; • Objetos Messier e do Céu profundo (e.g. Nebulosas, Binárias, Galáxias, Enxames, Supernovas, Quasar e Buracos Negros).

Destinatários

Público em geral.

13


Técnicas e Recursos

Criatividade Objetivos

• Dar a conhecer as capacidades, criativas de cada participante e ensinar a aplicação da criatividade na prática profissional; • Ensinar a desenvolver e potencializar a criatividade dos públicos alvo da área de trabalho dos participantes.

Conteúdos programáticos

Conteúdos teóricos: • Criatividade e pensamento lateral; • Desbloqueio mental; • Saltos desconexos; • Imaginários como meio de aprendizagens; • Técnicas de aplicação da criatividade (análise SWOT; Registo de Brainstroming, 6 chapéus; 7X7, etc.). Conteúdos práticos: • Brainstorming (chuva de ideias); • Atividades criativas; • Exercícios de desbloqueio mental (quebra-cabeças); • Exercícios de estimulação do pensamento lateral (estórias incompletas); • Exercícios de aplicação prática da criatividade (estória rasgada, problemas); • Técnicas criativas de avaliação de acividades (alvo; sapo no escadote; alvo humano, etc. – outras realizadas pelos formandos).

Destinatários

Público em geral.

14


Técnicas e Recursos

Eu - Empresa Objetivos

• Promover a aquisição de novos modelos de empregabilidade, desenvolvendo competências de promoção e marketing pessoais, auto-motivação e de empreendorismo pessoal.

Conteúdos programáticos • • • • •

A Nova Empregabilidade; Desenvolver uma Marca Pessoal; Marketing, Auto-Promoção e Networking; Flexibilidade, Adaptação e Desenvolvimento do Meu Potencial; Empreendorismo Pessoal e Iniciativa.

Destinatários

Para todos os procuram emprego e/ ou queiram desenvolver um projeto de auto-emprego, desenvolvendo as suas competências empreendedoras.

Jogos Cooperativos Objetivos

• Dotar os formandos de competências para criar e dinamizar jogos cooperativos; • Sensibilizar para importância de que os jogos cooperativos contribuem fortemente para o desenvolvimento do sentido de pertença a um grupo.

Conteúdos programáticos • • • •

A Definição e caracterização dos jogos Cooperativos; A importância do jogo cooperativo na construção de uma identidade de grupo; A diferença entre jogos cooperativos e jogos competitivos; Exemplificação e criação de jogos cooperativos.

Destinatários

Público em geral.

15


Técnicas e Recursos

Gestão de Iniciativas Jovens Objetivos

• Desenvolver competências básicas de gestão de projetos; • Potenciar a organização, planeamento e eficácia da realização de projetos por jovens; • Promover a candidatura a Iniciativas Jovens no âmbito do Programa Youth in Action 07-13.

Conteúdos programáticos • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

O que é uma Iniciativa Jovem? O que um Projeto não é? O Projeto: Passo a Passo A Gestão; A Definição de um Projecto: Análise de Necessidades; Definição de Objetivos; Estratégia e Metodologia; Planeamento de Atividades; Implementação de um Projeto; Gestão do Tempo; Recursos Financeiros, Angariação de Fundos; Recursos Técnicos e Materiais; Gestão de Pessoas; Trabalho em Equipa; Avaliação e Monitorização Contínuas; Avaliação do Projeto; Relatório Final.

Destinatários

Técnicos de juventude, estudantes e/ ou animadores que queiram desenvolver as suas competências no âmbito da gestão de projetos e iniciativas juvenis.

16


Técnicas e Recursos

Gerir Conflitos Objetivos

• Dotar os formandos de competências específicas para saber identificar e gerir o conflito através de metodologias de resolução.

Conteúdos programáticos • • • • • • • • • • • • • • • •

Competências para gestão de conflitos; A comunicação não directiva; Papel do poder na gestão de conflitos; A Inteligência Emocional; Descodificar para agir; Metodologia de resolução de conflitos; Anatomia dos conflitos; Separar pessoas de conflitos; Identificar interesses; Centre-se em posições; Seja objetivo mas flexível; Estratégias de Resolução; A capacidade para ouvir; Negociação e Agressividade; A importância de reconhecer os erros; Sair dos conflitos.

Destinatários

Público em geral.

17


Técnicas e Recursos

Metodologias Participativas Objetivos • • • •

Promover/ Reforçar competências para trabalhar com grupos; Identificar e resolver conflitos pedagógicos; Reforçar a comunicação com o grupo através da Inteligência Emocional; Reforçar a competência no domínio da estratégia pedagógica.

Conteúdos programáticos Comunicação Pedagógica • A pedagogia; • A androgogia; • A relação pedagógica; • O contrato pedagógico; • A construção de regras; • A Inteligência Emocional. Dinâmicas de Grupo • A construção do grupo; • O trabalho de grupo; • Os conflitos de grupo; • A participação; • Aprendizagem e poder; • Liderança e aprendizagem. Estratégias Pedagógicas • O programa e a aprendizagem; • A construção de materiais pedagógicos; • O uso e a construção de casos; • Papel da simulação pedagógica.

Destinatários

Público em geral.

18


Têm como objectivo a sensibilização para técnicas e dinâmicas artísticas e de intervenção com grupos, utilizando uma metodologia lúdica e participativa.

19


Expressão e Criação

Comunicação e Expressão Teatral Objetivos

• Favorecer e facilitar o desenvolvimento social, cultural e físico do jovem através da elaboração de exercícios e jogos teatrais; • Permitir aos jovens descobrirem as suas capacidades expressivas, criativas e comunicativas; • Possibilitar a aprendizagem da linguagem dramática como meio de expressão e comunicação; • Promover a criação de um espaço de expressão dramática e comunicação teatral.

Conteúdos programáticos • • • • • • • •

Capacidades de expressão, criação e comunicação; A comunicação teatral como meio para o desenvolvimento da criatividade A descoberta das capacidades de expressão corporal; Aprendizagem da linguagem dramática como meio de expressão e comunicação; Técnicas vocais e colocação de voz; Técnica de Construção do Personagem; Técnica do Texto; Criação de um espaço de expressão dramática e comunicação teatral.

Destinatários

Para todos os interessados em aprofundar as técnicas de comunicação e expressão teatral.

Marionetas e Figuras Animadas Objetivos

• Sensibilizar para o reaproveitamento de materiais na construção de marionetas e fantoches.

Conteúdos programáticos • • • •

A marioneta, sua importância e aplicação na educação e animação; Construção de Marionetas e figuras animadas; Ensinar a construir e manipular marionetas e fantoches; Manipulação e representação com as marionetas e figuras animadas.

Destinatários

Profissionais na área da educação e da animação.

20


Expressão e Criação

Iniciação às Artes Circenses Objetivos

• Desenvolver competências no domínio das artes circenses, enriquecendo as actividades de animação sócio-cultural; • Conhecer o circo enquanto arte; • Estimular a criatividade, concentração, paciência, descoberta do corpo, confiança em si próprio e no outro e auto-estima; • Dominar técnicas pedagógicas relativas ao ensino das artes circenses.

Conteúdos programáticos

• Equilíbrio sobre objectos (e.g., bola de equilíbrio, monociclo); • Trapézio e Tecido Vertical; • Acrobacias diversas (e.g., acrobacias dinâmicas, pirâmides humanas); • Manipulação de objectos ou malabarismos (e.g., massas, bolas, diábolos); • Outras ferramentas complementares (e.g, expressão corporal, movimento, dança, mimo, etc.).

Destinatários

Para todos quanto queiram desenvolver competências na metodologia de animação através de técnicas das artes circences.

Movimento e Expressão do Corpo Objetivos

• Levar os participantes a tomar consciência do seu corpo e do espaço que ocupa, aprendendo a ler o que o corpo do “outro” nos quer transmitir algo apesar de qualquer palavra pronunciada.

Conteúdos programáticos • • • • •

Apresentação e integração no grupo; Tomada de consciência e reconhecimento do corpo e do espaço; Concentração e atenção; Reconhecer e a transmitir emoções; Criatividade e espontaneidade.

Destinatários

Público em geral.

21


Expressão e Criação

Iniciação ao Desenho e Pintura Objetivos

• Aprendizagem e experimentação de técnicas de desenho e pintura; • Desenvolvimento dos níveis de sensibilidade e consciência critica e o entendimento das relações entre a expressão, no domínio das Artes Visuais e das tecnologias que as informam.

Conteúdos programáticos • • • • • • • • •

Técnicas de desenho: lápis preto, lápis de cor, lápis de cera; Técnicas de pintura: acrílico e guache; Breve estudo da cor; Estudo de contrastes: simples; quente-frio; cores complementares; Estudo da forma: volumes, contraste claro-escuro; Estudo da forma abstracta; Estudo de texturas; Estudo de estruturas: equilíbrio visual, movimento e ritmo; Organização formal: a superfície, modulo e padrão, volume.

Destinatários

Público em geral.

22


Expressão e Criação

Organização de Festas de Aniversário Objetivos

• Capacitar os participantes para a identificação e aplicação das várias técnicas e estratégias de organização de festas infantis. Promover a necessidade de observar as festas como um conjunto de ações articuladas e enquadradas num contexto lúdico-pedagógico.

Conteúdos programáticos • • • • • • • • • • • • •

O que é uma festa? Tipos de festas; Em que contextos; Grupos alvo/ situações especiais; Metodologias de intervenção; Visão cliente/ convidados; Escolha do tema central; Plano da festa/ organização; Apresentação do orçamento; Plano de ação; Dinamização/ segurança; Materiais e locais de compra; Simulação.

Destinatários

Para profissionais de animação sóciocultural, para profissionais na área da educação – professores, educadores, auxiliares de ação educativa, para docentes ligados a projetos de ocupação de tempos livres, para os pais e outros interessados nesta temática.

23


Propõem um desenho curricular com conteúdos teóricos e práticos que abordam: • Formação em analises teóricas e conceptuais que ofereçam marcos de interpretação e valorização dos contextos, programas e actualizações sociais; • Formação teórica que acrescente à prática sociocultural uma dimensão transformadora a partir da reflexão crítica; • Formação prática baseada na aprendizagem grupal e na metodologia participativa, que incida no desenho e criação de programas de intervenção; • Formação em metodologias, ferramentas e técnicas de intervenção social participativa. As sessões serão dinamizadas através de metodologias essencialmente vivenciais e participativas tendo como base um modelo andragógico.

24


Expressão e Criação

Gestão Associativa Objetivos • • • • • •

Conhecer o Movimento Associativo; Adquirir informações no sentido da consciência legal e o rigor de uma associação; Adquirir técnicas de trabalho nas vertentes da gestão associativa; Desenvolver competências de uma gestão participante, clara e objetiva; Desenvolver competências de elaboração e gestão de projetos; Criar uma consciência de análise, programação, ação e avaliação de projetos.

Conteúdos programáticos Dinâmicas de grupos; Comunicação e Liderança; Conceção de Projetos, O Movimento Associativo.

Destinatários

Para técnicos e dirigentes associativos que queiram desenvolver competências de gestão no seio das organizações sem fins lucrativos .

Formação Não-formal e Informal - Formação de Formadores Objetivos

• Desenvolver competências de conceção, dinamização e avaliação de sessões em formato de formação não formal e informal.

Conteúdos programáticos • • • • • •

Modelo Formativo da Educação Não-Formal e Informal; Papel de Facilitador de Aprendizagem; Metodologias Experienciais e Ativas; Laboratório de Desenvolvimento de Recursos e Técnicas; Simulações Finais; Avaliação de Modelos Interventivos Não-Formais e Informais.

Destinatários

Para profissionais que procuram aprofundar os métodos e técnicas de formação em contextos de formação não formal e informal.

25


Expressão e Criação

Monitores de Tempos Livres, Campos e Colónias de Férias Objetivos

• Dotar os futuros monitores de colónias e campos de férias, de competências técnicas e dinâmicas de animação para grupos em contextos de tempo livre; • Incentivar a criatividade e promover atitudes e comportamentos responsáveis, respeitante o quadro legal em vigor para o exercício desta atividade; • Aprofundar as diferentes metodologias de intervenção do monitor; • Capacitar para o exercício das funções de monitor e para a intervenção educativa e pedagógica.

Conteúdos programáticos

Intervenção nos Tempos Livres (Campos e Colónias de Férias) • Dinâmicas de Grupo; • Enquadramento legal da atividade; • Deontologia do Monitor. Intervenção Pedagógica • Comunicação Pedagógica; • Desenvolvimento psicomotor; • Comportamento e intervenção do monitor em situações de conflito. Técnicas de Animação • Jogos e dinâmicas para a infância e juventude; • Expressão plástica e dramática; • Grandes atividades de ar livre. Segurança e Higiene • Noções Básicas de Socorrismo; • Segurança nos diferentes tipos de atividades; • Segurança na Praia e Piscina. Planeamento e Avaliação • Planeamento e Avaliação de atividades de tempos livres; • Exercício prático – elaboração de programas de férias.

Destinatários

Jovens adultos que queiram desenvolver competências e vir a participar como monitores em campos e ou colónias de férias, preferencialmente com o 12.º ano.

26


Expressão e Criação

Curso de Gestão de Voluntariado Objetivos

Desenvolvimento de competências de apoio, orientação e gestão de voluntários: • Contextualização do conceito e tipos de voluntariado; • Conhecimento da legislação portuguesa que enquadra o voluntariado; • Reflexão, discussão e definição de direitos e deveres do voluntário; • Papel do tutor e sua relevância na integração, desenvolvimento e realização do voluntário; • Conhecer os perfis e motivações dos voluntários e adequar o projeto e as atividades do voluntário; • Fomentar o compromisso dos voluntários;

Conteúdos programáticos

• O Voluntariado: Conceito, Evolução e Diferenciação; • Direitos e Deveres do Voluntário e Legislação Portuguesa; • O Papel do Tutor no Voluntariado. • Integrar, Desenvolver e Realizar o Voluntário; • Perfis e Motivações dos Voluntários; • Compromisso e Consistência – Fatores Chave do Voluntariado.

Destinatários

Técnicos ou profissionais que estejam envolvidos na coordenação e gestão de voluntários, ou de atividades de voluntariado a um nível local, nacional ou internacional.

27


Licenciado em Psicologia. Mestre em Psicologia Social e das Organizações pelo I.S.E.I.T. Instituto Piaget Almada. Pós-Graduação em Gestão de Empresas – Especialização em Recursos Humanos pela FCEE da Universidade Católica Portuguesa.

Licenciada em Engenharia Agronómica pela Escola Superior de Agronomia de Santarém. Mestranda em Energia e Bioenergia pela FCT-UNL.

Paulo Pires

Licenciada em Animação e Intervenção Sóciocultural pela Escola Superior de Educação de Setúbal.

Ana Castro

Licenciado em Desporto pela ESE de Setúbal. Mestre em Gestão do Desporto e Organizações Desportivas pela Faculdade de Motricidade Humana - ISEC.

Pedro Pereira

a Equip ca gógi Peda Patrícia Reis

Rui Camoesas

Licenciado em Engenharia Química pela FCT-UNL. Mestre Executivo em Direção Comercial.

Licenciada em Psicologia pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa. Mestre em Gestão de RH pela Escola de Gestão do ISCTE e PósGraduada em Gestão da Criatividade e do Design para a Inovação Empresarial pelo IADE.

Liliana Dias

Carlos Nunes

Susana Câmara

Licenciado em Sociologia pela Faculdade Nova de Lisboa. Pós-Graduado em Sociologia Histórica realizada na FCSH-NL.

Licenciada em Psicologia pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada. Mestre em Psicologia Clínica pelo ISPA.

Fernando Pinto Licenciado em Design e Tecnologia das Artes Gráficas pela Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico de Tomar.

28


boa Lis orte n

Quinta do Conde

Estrada Nacio nal 10

Ave

al

incip

Pr nida

1.ª rotunda

2.ª rotunda

3.ª rotunda

l

ba tú l e S su

CIPA - Centro de Inovação e Participação Associativa Quinta do Conde

Centro de Lazer de São João da Caparica Costa da Caparica

s Locai da ação Form

Pousada de Juventude do Parque das Nações Lisboa

Pousada de Juventude de Almada Almada

29


www.animepaf.org e-mail: anime.paf@gmail.com telef.: +351 210809669 tlm.: +351 962517700 fax: +351 210874655

30

Oferta Formativa  

Apresentação dos cursos de formação.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you