a product message image
{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade

Page 1

2019

1


2


Como foi este ano

?

A ANIME.PAF conseguiu em 2019 manter a sua capacidade de atuação na comunidade e diversificar o seu portefólio de competências, projetos e atividades, através dos seus polos de Almada e Sertã, do apoio dos voluntários do Programa SVE – Erasmus+ e à excelente articulação com os nossos parceiros. Foi um ano de novos desafios em que o foco, a criatividade e a persistência se revelaram fundamentais para dar seguimento a todos os projetos e atividades planeadas e que implementámos com sucesso e impacto no decorrer deste ano. Conseguimos reforçar projetos já existentes e iniciar outros, dando especial destaque ao CineArte, Horticultura de Palmo e Meio, HISE e Momentos com Histórias. Queremos agradecer a todos os colaboradores, voluntários, parceiros e clientes que durante o ano de 2019 reforçaram a nossa capacidade e motivação. A todos o nosso muito e profundo obrigada. Um bem haja!

A Presidente da Direção Liliana Dias

3


4


Breve Cronologia Estratégia Competências Organizacionais

Animação

Intervenção Sociocultural

Formação

Facilitação e Consultoria Social

Voluntariado

Internacional, Nacional e Local

Projetos

Desenvolvimento Local, Ambiente e Cidadania Ativa

Núcleos Almada | Sertã

Plano de Comunicação Internet

Destaques 2019 Livraria Digital e Estatísticas

Quadros Síntese Quadro Comparativo

Organização Biénio 2019-2021

Parceiros

Nacionais, Internacionais

Contactos

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Ficha Técnica

6 7 8 9 13 16 20 33 35 36 37 38 39 41

5


Breve Início dos Projetos Horticultura de Palmo e Meio e Momentos Com Histórias.

Nascimento dos Núcleos de Almada e Sertã. Lançamento dos Livros Horticultura de Palmo e Meio e Futuro de Pernas para o Ar, pelo projeto Fio 2019 de Histórias.

2018

Dinamização do *PEV: Ecoférias e FESTIVÁRZEA Festival da Terra, Artes e Bio-Diversidades.

2017

Lançamento do Guia de Recursos das Organizações da Sociedade Civil da Quinta do Conde. Lançamento do Livro SVE - A Experiência Portuguesa.

2012

Lançamento do Livro “Da Arrábida ao Tejo Um Corredor Ecológico para Conhecer”. Projeto CINEArte no Cineteatro João Mota, Sesimbra.

Abertura da Guesthouse Anime | Cultural Seeds for Inclusion & Solidarity. Lançamento da Oferta Educativa. 015

2016

2

Parcerias no Parque da Ribeira e no Parque Ecológico da Várzea*. Projeto Hortas Solidárias ‘Talhão Escola’

Chondrostoma lusitanicum na Ribeira de Coina.

2013

Nascimento do Clube Unesco Anime.

Criação do Mercado Jovem Loja de apoio ao empreendedorismo e à criação artística juvenil. Abertura do CIPA - Centro de Inovação e Participação Associativa 11

2014

Redesign da Imagem Anime.PAF

Percursos Pedestres da Ribeira de Coina. Lançamento do Guia de Campo das Árvores do Parque da Vila

2010

20

Renovação da imagem PIPA e aberturada loja no mercado municipal da Quinta do Conde.

2008

Visita e reconhecimento do Presidente da República, classificando o PIPA como um projecto de boas práticas juvenis. Medalha de Mérito Municipal Grau Bronze. Criação da Marca Astroanime. Lançamento do PUNKARTE.

2009

Expedição ao Annapurna, Nepal. Projecto PIPA apresenta a produção “Vamos Fazer uma Ópera”no Anfiteatro da Boa Água.

Entidade convidada pelo IV Congresso das Associações Juvenis dos Açores, em Ponta Delgada. Participação no SOHO Internacional.

Campos de Férias em Ovar, Serra da Estrela e Almada em parceria com o C.S. Palmela.

2002

2001 Expedição “Marrocos 2000 Desertos”. Exploração das Minas de São Domingos em Mértola (recolha de amostras da água).

6

2000

Lançamento do Livro de BD “Quinta do Conde, Uma Aventura no Tempo”.

Participação no intercâmbio na Polónia. Participação no programa “Muda de Atitude e Mexe-te”. Primeira participação no programa AV.

2007

Projecto PIPA apresenta a produção “Cubo Romântico” no Anfiteatro da Boa Água.

2006

2005

2003

Participação no Learning Forum for EVS Trainers em Weimar, Alemanha. Raid Aventura em caiaque na Serra da Arrábida, Sesimbra.

Intercâmbio Internacional. Subida ao Monte Olimpo, na Grécia, com 14 jovens do Distrito de Setúbal. Formação Intercultural e Integração Social no âmbito S.V.E. Mais 80 jovens europeus passaram por estas formações.

1999

Projecto “O Céu é para Todos” e Projecto PIPA em protocolo com a C.M. Sesimbra. Projecto “Centro de Educação à Participação”.

2004

Formação Nacional em Relações Humanas e Comunicação para Guardas e Vigilantes da Natureza (I.C.N.).

1998

Nascimento do PIPA | Pojecto de Inclusão pela Arte.

Ano da fundação da Anime Projecto de Animação e Formação.

1997


estrategia

visão

missão

Ser referência na inovação social, na qualidade dos serviços prestados e na relevância social da sua atuação.

valores

Melhoria da qualidade de vida dos cidadãos promovendo o associativismo e a participação cívica através de atitudes e práticas colaborativas.

de solidariedade e de equidade como um processo formativo de homens e mulheres livres e participativos, fomentando atitudes e comportamentos não discriminatórios. de educação intercultural como expoente da relação entre povos e culturas, respeitando as diversidades culturais.

crescimento sustentado

de defesa e preservação do meio ambiente, como atitude de vida geradora de futuros sustentados e inclusivos.

• Desenvolver a pesquisa e a educação ambiental; • Expandir seletivamente a área de intervenção, através da investigação e produção de conhecimento que fomente contextos de mudança; • Integrar estrategicamente a experiência internacional no desenvolvimento de oportunidades com a comunidade local.

qualidade • Desenvolver o modelo de organização e de gestão com padrões adequados: efetividade, confiança e capacidade de resposta; • Promover continuamente a qualidade da formação e ações desenvolvidas; • Rever e atualizar permanentemente os projetos pedagógicos e de intervenção;

sintonia social

• Desenvolver o conhecimento através de boas práticas comunitárias; • Fortalecer o trabalho em parceria, rentabilizando os recursos associativos da comunidade local; • Intensificar a atuação nacional e internacional.

• Qualificar o quadro permanente de colaboradores.

7


competencias voluntariado

Org. de Acolhimento Erasmus + SVE; Org. de Envio Erasmus + SVE; Org. Coordenadora; Formação de Voluntariado.

Voluntários

consultoria social

Público

3.º Setor

Autarquias

Estudos; Diagnósticos; Capacitação e Intervenção Organizacional.

Agências

3.º Setor

animação

Performativa e Artística, Desportiva e Aventura, Científica e Cultural

Público

facilitação não formal

Privado

Produção de recursos pedagógicos; Formação à medida; e-books; Job shadowing.

formação Permanente e por Medida

voluntariado

Internacional, Nacional e Local

áreas de intervenção animação

8

Intervencão Sociocultural

projetos

Desenvolvimento Local, Ambiente e Cidadania Ativa


Animação Intervenção Sociocultural ão no número Este foi um ano de grande expans de participande ações desenvolvidas, no número tes geografias tes envolvidos e ainda das diferen Destacamos a e parcerias das ações realizadas. vés da Compaparticipação no Dia da Família atra a ‘CineArte’ e o nhia de Teatro Escola Performativ que promove a projeto Momentos com Histórias as‘. Ambos os leitura através das artes performativ a de conversão projetos passaram por uma etap que tem como numa nova Associação parceira ar através da objetivo integrar e continuar a form iremos de futuro educação pela Arte e com a qual idade. desenvolver uma relação de proxim

c rti

pa

158

õe

s

ipantes

4677

Animação e Educação Ambiental na Quinta Velha Queijeira Mercado Jovem promoção de trabalhos artísticos e vendas de materiais handmade Observações do Sol Participação nas Reuniões do Movimento Associativo Momentos com Histórias Participação na Festa da Família e das Tradições - Junta de Freguesia Ferias Com Arte Mercado Histórias e Filosofia Projecto Piloto Fio de Histórias Companhia Teatro Escola Performativo Cinearte

9


10


3858 es açõ

e juventude Escola Performativa, para a infância CineArte - Companhia de Teatro os públinov de o açã form da cultura juvenil e da que surge no âmbito da promoção , que jeto pro um é Arte logia de educação pela PAF, cos, no âmbito de uma metodo ME. ANI a e ra imb Câmara Municipal de Ses PAF resulta de uma parceria entre a ME. ANI a que em 2014. Este foi o último ano para que desenvolve atividade desde sará pas 0, 202 em jeto, dado que o mesmo teve a responsabilidade pelo pro a colaborar no PIPA, com a qual temos vindo a responsabilidade da Associação tes projetos ren dife nos s ão dos jovens formado sentido da sua autonomia e integraç . ME.PAF na última década artísticos desenvolvidos pela ANI

121

n tes cipa rti

pa

11


ME.PAF e a Associação PIPA, que Projeto em parceria entre a ANI em especial pelos contos. Anivisa fomentar o gosto pela leitura, Patrícia REIS, que faz sair de uma mado pela contadora de histórias pertar os sentidos e a imaginamala de viagens histórias para des Ao ritmo das canções e com as ção de todos quantos participam. ns ou adultos são transportados palavras contadas, crianças, jove projeto itinerante, que se insere numa viagem imaginária. É um livro, a leitura e a educação pelas no universo da mediação entre o artes performativas. diferentes expressões artísticas e

246 es açõ

12

10

n tes cipa rti

pa


Formação Facilitação e Consultoria Social iversidade do oldo PEV com a cartografia e biod env des e o isiçã aqu na star apo a Continuamos Parque Ecológico da Várzea). ntes e parceiros mover a biodivimento de competências dos age as Discutiu-se ainda, formas para pro mos taca des ano este , mos cula as de tornar com quem arti os versidade em contexto urbano, form vem esti e ond al, cion rna inte ito a, fomentar o ações de âmb as cidades mais sustentáveis e aind das olvi env des o açã acit cap de es açõ com a melhoria envolvidos as os espírito comunitário, juntamente alun os com zea Vár da co lógi s que lá vivem. no Parque Eco da qualidade de vida das pessoa dois dos I) (CE ual ivid Ind co ecífi Esp João Martins e de Currículo de. Participante: Pedro Felix, Maria Con do nta Qui da es olar esc agrupamentos Joana Peixoto. Biodiversidade açao internacioBIOLIFECITY - Ourense curso de ia Estivemos presentes numa form che e ada anim to mui ana sem uma pelo programa Urbana. Foi nal, Body in Action, financiada ões ciaç asso das hia pan com na ão es. de boa disposiç Erasmus+, 24 participantes, 8 pais Itália, Polónia e izagem atraend vindas de Portugal, Espanha, apr de as form O curso explorou idade rtun opo a mos tive dia eiro contemporânea Brasil. No prim vés do corpo, movimento, dança ntaese apr a num a tine Sus a er hec potenciando o de ficar a con a desenvolver junto da juventude sobre ente cam ecifi esp de, sida iver e reforçar a sua ção sobre biod seu desenvolvimento, expressão re a sob ate deb num se dolizan insectos, fina auto-confiança. ados. Ainda no ME.PAF e trouxe temática e outros tópicos relacion er A Liliana Dias representou a ANI hec con de e idad rtun opo a mos tive icas exploradas, primeiro dia muitas das ferramentas kinestés tal como, es, açõ aniz org ras out das as formações a o trabalho no sentido partilhar nas próxim ME.PAF ANI pela o izad real alho trab o l. mostrámos desenvolver com a juventude loca por parte dos que suscitou grande curiosidade tanto o livro participantes (foi um grande sucesso como a brochura de Horticultura de Palmo e Meio

c rti

Workshop do Projeto Europeu ABLE:​​Avaliar as BorboLetas na Europa pa Training course “Mentoring Mentors” em Malta; BIOLIFECITY- curso de Biodiversidade Urbana em Ourense Espanha Formação internacional, Body in Action na Eslovénia Estágio Académico no âmbito do Mestrado de Psicologia Social e das Organizações; Formação Linguística “Português Básico para Estrangeiros”; Consultoria Social; Currículos Específicos Individuais + Plano Individual de Transição; Workshop de Papel Reciclado; Workshop de Pinturas Faciais; Workshop de livro Miniatura; Workshop de pintura de Azulejos; Workshop de Banda Desenhada

91

õe

s

ipantes

836

13


14


15


Voluntariado Internacional, Nacional e Local ANIME.PAF ao Sendo uma das áreas chave da ia o voluntênc exis sua da longo dos já 22 anos grande com te, sen pre pre tariado tem estado sem cional. rna inte iado ntar evidencia para o volu estrauma uido seg os Nestes últimos anos tem ito âmb no ios ntár volu de tégia de acolhimento tilha par e o raçã inte a ite do erasmus + que Perm de diferentes de experiencias entre voluntários l e Local), iona Nac nal, programas (Internacio s jovem e mai ade unid divulgando junto da com te da particiinstituições sociais o papel relevan do desenvolncia ortâ imp pação voluntária e sua este ano mos taca Des a. vimento e educação cívic ours Le Parc ção ocia Ass a a parceria efetuada com so de ces pro o nov um iar Monde, que permitiu inic rtuopo ores men com ios capacitação de voluntár ural Cult “ + mus Eras do nidades e ainda o projeto e idad tinu con deu que n” Seeds Natural Inclusio al desenvolvido ao trabalho de educação ambient ciativa local. asso e olar com a comunidade esc to especial aos Deixamos um agradecimento mui ano apoiaram do o long ao voluntários locais que arte e Horticulos diferentes projetos como o Cine tura de Palmo e Meio.

Erasmus+ Serviço Voluntário Europeu; Cultural Seeds Natural Inclusion; I CAN | SVG; 365 Do IT |CS; Serviço Voluntário Europeu no PEV; EVS School Trip; 97 Voluntariado Jovem para a Natureza e Florestas - Voluntariado no PEV; Mentoria Social - Voluntários Erasmus+; Voluntários Erasmus+ na Quinta do Conde; Participação no Prémio de Boas Práticas de Voluntariado - IPDJ Setúbal Visita cultural “Roteiro da Arrábida”; Visitas às Escolas e Associações Locais Melhoria do Espaço “O Quintal” do CCQC

16

Acreditação | PIC no.943225188


testemunho

coiquecedora que me permitiu des Esta é uma experiência muito enr am inar ens me de novas pessoas que brir a cultura portuguesa através coisas novas. tas na área do ambiente cuidar de hor Confirmei que gosto de trabalhar s ante e os idos e s alho com criança e jardins. Descobri também o trab com ndo alha trab ável, mas uma vez pensava que não me sentia confort s a sorrir, dá-nos inspiração para soa pes s eles é algo genial. Ver esta ça) continuar a trabalhar. (Henry - Fran

17


, aprovada e m, decorreu de uma candidatura jove iado ntar volu de e idad ativ A bolsa a cada um J, através da atribuição de uma IPD pelo ente iram nce fina iada apo idades: que desenvolveram diferentes ativ dos quatro jovens participantes, eadamente na ícola e Ambiental da Várzea nom Agr tro Cen do ção uten man à io Apo e viveiro de espécies autóctones, gestão da estufa de germinação de estudo das va (acompanhamento das visitas Apoio nas ações da Oferta Educati antes). Escolas da Freguesia e grupos visit

es da Ribeira de a e flora nos percursos pedestr Ações de monitorização de faun com vigilância de incêndios. Coina e percursos interpretativos ção dos trilhos écies exóticas/ Invasoras, manuten Identificação e marcação de esp anal de árvores eiros e remoção de lixo), rega sem e áreas de lazer (limpeza de carr por zonas.

18


Adrianna ia Polón

Semper Avanti

Claudia lia Itá

Younet

Anna lia Itá

Xena

Maria nça Fra

Parcours Le Monde

Cecília ha Espan

Fundació Catalunya Voluntària

Elisa nça

Fra

Parcours Le Monde

Enzo nça Fra

Parcours Le Monde

Henry nça Fra

Parcours Le Monde

Allan nça Fra

Parcours Le Monde

19


Projetos Desenvolvimento Local, Ambiente e Cidadania Ativa O projeto “Horticultura de Palmo e Meio Ambiente, Agricultura e Alimentação”, surgiu com o objetivo de estabelecer uma maior proximidade entre os jovens, a terra, o meio que os envolve, a sustentabilidade e a alimentação. O “Palmo e Meio”, estimado em cerca de 30 centímetros, que estabelece o nome e conceito do projeto, assenta em três premissas: os circuitos curtos (proximidade entre o local de produção alimentar e o local de consumo); a relação de proximidade Intergeracional, tendo em vista a transmissão de práticas de vida sustentáveis; a profundidade da camada de solo utilizada pela maioria das culturas hortícolas, que corresponde aproximadamente a um palmo e meio (30 centímetros).

Percursos Pedestres no Parque Ecológico da Várzea; Percurso Pedestre Longo da Ribeira de Coina; Gestão e Manutenção do Talhão-escola (HSQC); Horticultura de Palmo e Meio; Semana da Primavera Biológica 2019; 4265 Ecoférias (Páscoa, Verão e Grupos); Dia do Associativismo Jovem pelo Ambiente; 170 Planeamento e layout das agendas mensais das atividades no PEV; Oferta Educativa | Visita HPM EB1 n.º 3 da Quinta do Conde; Oferta Educativa | Visita HPM EBI da Quinta do Conde; Oferta Educativa | Visita Pedagógica EB1 JI Casal do Sapo; FESTIVÁRZEA - IV Festival da Terra, Artes e Bio-Diversidades;; Conselhos Eco-Escolas; HPM – Limpezas das hortas e Plantações de inverno; Florestar Portugal; Projeto HISE - Horticultura Social Integradora e Educativa

20


21


22


Projeto Piloto

A prática de Horticultura Social para estruturas residenciais para idosos assume um papel de atividade de lazer, com vantagens na melhoria e na manutenção da saúde dos utentes participantes. Promovendo benefícios ao nível físico, psicológico e social, pode ser um precioso auxílio na superação das vicissitudes associadas ao envelhecimento e isolamento social. Relacionar de forma integrada esta prática de horticultura em hortas municipais, conjuntamente com iniciativas de promoção e inclusão escolar de crianças e jovens, medidas de integração de jovens com dificuldade de aprendizagem e integração social e ainda o envolvimento de jovens voluntários e técnicos, é o desafio do conceito de Horticultura Integradora Social e Educativa. Falar de envelhecimento e ambiente é por si só um desafio que se coloca ao nível do indivíduo, as profundas alterações desta fase de vida frequentemente isolam o idoso da sociedade, numa solidão sem partilha que altera a sua ecologia física e humana. Atualmente, o conceito de horticultura urbana abrange, a produção de alimentos saudáveis, os circuitos curtos, contribuindo igualmente para a proteção dos recursos naturais, gestão do espaço rural e promoção do bem-estar das sociedades. A Horticultura Integradora Social e Educativa permite relacionar a sua multifuncionalidade, com diferentes áreas como inclusão e reabilitação social, educação, terapia e lazer.

23


População idosa institucionalizada com poucas possibilidades de desenvolvimento de ações práticas em contexto natural; Inexistência de atividades e respostas intergeracionais devidamente enquadradas; Frágil articulação entre entidades que possuem respostas sociais para estes grupos alvo da população;

fra

gil

?

ida

o

op

de

s

es

d

a d i n

rtu

Poucas oportunidades para desenvolver atividades em contexto natural e intergeracional por parte dos profissionais que dão apoio social a estes grupos alvo; Escassez na resposta a jovens com dificuldades de aprendizagem e integração social; Oportunidade em criar um modelo de intervenção passível de ser disseminado em contextos de hortas municipais nomeadamente no distrito de Setúbal; Inovar Socialmente, aproveitando os investimentos já desen­volvidos em infra-estruturas verdes; Possibilidade de criação de redes e parcerias de capacitação e partilha de saberes entre técncios e instituições; Aumento do bem-estar biopsicossocial de utentes, técnicos e instituições.

objetivo geral Identificadas estas situações e aproveitando a existência de hortas municipais com potencial para o desenvolvimento de práticas hortícolas e de contacto com a natureza, ou a eventual criação de estruturas nos diferentes espaços que viabilizem a construção de uma horta/jardim, pretende-se promover a socialização, satisfação pessoal, saúde e bem-estar e a partilha de saberes, que envolva diferentes públicos menos favorecidos e com maiores dificuldades de interação e integração, com especial atenção para os idosos e pessoas portadoras de demência.

24


objetivos específicos Desenvolver e testar uma metodologia inovadora e integradora de grupos socialmente desfavorecidos em atividades intergeracionais em contexto de hortas/jardins urbanos ou institucionais; Promover a saúde e bem-estar do idoso através de atividades que estabelecem contacto e interação com a natureza e meio ambiente; Ajudar o idoso a sentir-se útil e ativo no meio sociocultural em que vive e estimular a socialização dos idosos, com outros públicos mais jovens; Proporcionar um conjunto de atividades relacionadas com a horticultura, desenvolvendo capacidades, e permitindo um regresso a vivências no meio rural; Criar e testar modelos de trabalho em rede colaborativa entre instituições de apoio aos grupos mais desfavorecidos e/ou em necessidade de integração social; Possibilitar a realização de atividades em grupo, com idosos, crianças e jovens, fomentando a comuni­cação e convívio intergeracional e interinstitu­cional; Promover ambientes mais ecológicos e de contato com a natureza em instituições geriátricas ou da promoção da saúde mental; Criar e desenvolver uma oferta formativa que capacite técnicos e animadores em metodologia e contextos HISE; Capacitação de técnicos das áreas social, hortícola e ambiental, para que de uma forma mais esclarecida e conhecedora, possam acompanhar futuramente estes grupos e ou desenvolver esta metodologia noutros locais; Refletir, validar e promover metodologias HISE em diferentes contextos nacionais e internacionais.

metodologia Desenvolve-se através de atividades temáticas, ajustadas à condição física e cognitiva do grupo constituído, com duas horas de duração média em contacto com a natureza, em particular através de práticas hortícolas diversificadas devidamente calendarizadas e desenvolvidas de acordo com protocolo de monitorização e processos de acompanhamento da equipa do projeto e do grupo em atividade. As ações desenvolvem-se sempre que possível com a participação de jovens voluntários ou grupos de crianças, estimulando o contacto e convívio entre gerações, promovendo um conjunto de benefícios comuns a ambos os grupos, como capacidades de comunicação, socialização, auto-estima, apoio emocional, troca de experiências, vivências, aquisição de conhecimentos e reconhecimento das suas atividades por amigos e familiares.

25


programa de atividades As atividades HISE estão especialmente pensadas para estimular as capacidades sensoriais. O elevado número de formas, cores, texturas e fragrâncias das plantas, permitem ao máximo o uso dos sentidos, como a visão, o olfato, o tato e o gosto.

1

2

3

5

Planear e criar com arte, planificações e execução de trabalhos com plantas, criação de arranjos florais;

Identificar e colher, identificação das características morfológicas de determinadas espécies vegetais e determinação do momento de colheita;

Multiplicação de plantas por propagação vegetativa de estacas de folha e de caule;

6

7

8

26

4

Plantação de flores comestíveis em vasos e floreiras, transformação de plantas na alimentação, preparação de saladas e outras receitas, com flores comestíveis;

Plantar e transplantar, plantações e transferência de plantas para o local definitivo onde decorrerá o seu desenvolvimento;

9

Identificação de sementes de espécies hortícolas e de plantas aromáticas e medicinais, sementeira em tabuleiros e em variados recipientes;

Percursos Interpretativos na Natureza, identificação de fauna e flora;

Capacitação e treino para técnicos e animadores no acompanhamento de atividades de horticultura integradora social e educativa com estas populações;

A utilização das plantas aromáticas na cosmética, culinária, estética e saúde.


resultados e evidências ações realizadas

10 177 9 12 7

8 no Parque Ecológico 2 em Instituição

Benefícios observados nos participantes, pelos técnicos das instituições que participaram no projeto piloto HISE

9 8 7

total de participantes

voluntários

técnicos envolvidos

instituições alvo

Bem-estar psicológico Estimulação ambiental Orgulho e sentido de produtividade

6

Interação social Sensação de bem-estar Motivação para a prática da horticultura

5

Auto-estima e autoconfiança Sensação de valor pessoal e de identidade

4

Mobilidade e flexibilidade Autoexpressão Aumento da atividade física

3

Diminuição da percepção de solidão Diminuição de sintomas da depressão (tristeza e humor negativo) Motivação para o exercício físico

2

Estimulação da memória Sentido de responsabilidade Perceção de controlo e de autonomia

A avaliação efetuada pelos técnicos (8) mín. A coordenação do projeto

1 2 3 4 5

máx.

1 7

Os técnicos de apoio

1 7

Os jovens voluntários

1 5

As condições disponibilizadas no Parque Ecológico A sua participação enquanto técnico

1 1 6

2 6

galeria de imagens

27


avaliação dos técnicos Desenvolvimento de competências, partilha de experiências entre técnicos.

Foi-me dada a oportunidade de estabelecer pontos de convergência e de vislumbrar o inicio de um trabalho colaborativo e em rede na área mais alargada da sensibilização e educação ambiental.

O contacto e a partilha com técnicos de áreas de intervenção diferentes, a participação em atividades inovadoras, o privilégio do trabalho em contacto com a natureza.

De que forma a participação nas ações piloto do projeto HISE foi importante para os técnicos e instituições participantes?

Uma experiência nova com um público-alvo que requer algum cuidado e atenção, onde o mais importante passou pela abordagem e tipo de relação;

Foi muito importante contactar com outras pessoas e outras realidades;

Enquanto técnica de Serviço Social foi muito importante participar no projeto HISE, proporcionar aos nossos utentes o contacto com outras instituições e com um projeto diferente do habitual… “Conheci” os nossos residentes num contexto que não conhecia… sentido de alguma forma a felicidade sentida por todos…

…Realização técnica enquanto fisioterapeuta da atividade física em contexto de ar livre… Trata-se de uma área daquelas em que a minhas condições e recursos permitem trabalhar com os utentes, pelo que foi uma atividade facilitadora do conhecimento dos utentes, dos seus gostos, interesses e história de vida. Senti-os felizes ao reviverem as suas vidas, recordando um passado onde também eles praticaram horticultura.

Algo inovador que conseguiu envolver e cativar os utentes, quase na sua totalidade, inclusivamente aqueles que habitualmente não participam das atividades (realizem-se elas dentro ou fora da instituição). O Facto de sentirem que fazem parte de um projeto novo e dinâmico, que os colaça em contacto com a natureza e abriu o caminho para o inicio do “trabalho de campo” na área do voluntariado ambiental. A possibilidade de sairmos da instituição e participar em atividades de ar livre.

Que mais-valias trouxe para os utentes a participação neste projeto?

Os passeios no parque e o contacto com a natureza, acalma-os, relaxa-os e descontrai. Traz-lhes paz, alegria e bem-estar físico e psicológico

O Carinho e os conhecimentos que demonstram com a participação neste projeto;

Permitir interagir e conhecerem-se num contexto diferente, o convívio intergeracional e o reforço da sua auto-estima.

28

…Cada ação pelas suas particularidades e objetivos, foi sempre única, especial e fez a diferença na vida dos utentes.

Conhecem-se num ambiente diferente, viverem e reviverem tradições e culturas.

As atividades no PEV permitiram que saíssem do seu ambiente habitual;

…O reviver de tradições, o contacto com outros residentes, e ainda o contacto com o ambiente…quase que nos ensinaram a plantar a nós mais jovens.

Os alunos sentiram-se mais auto-confiantes, produtivos e responsáveis, contribuiu para o desenvolvimento da sua personalidade, estimulando-os a serem mais generosos e sociáveis.


O tratamento e a atenção dispensada pelos técnicos e voluntários, envolvidos na dinamização das ações.

O que mais valorizou na participação dos seus “utentes” nas ações HISE?

A promoção do sentimento de pertença e a valorização do contributo de cada um dos participantes. Neste ponto sentimos a mudança da abordagem (a qual aplaudimos), no sentido em que os utentes envolvidos são identificados enquanto participantes de algo, retirando-se o peso do diagnóstico clínico e promovendo o processo de empowerment.

O impacto com a natureza, o convívio intergeracional, e por ultimo recebe-los na nossa instituição juntamente com os voluntários foi importante…

A possibilidade de usufruirmos (utentes e técnicos que os acompanham), do contacto com a natureza, com todos os benefícios que dai advêm, na área da saúde mental.

Sentirem-se incluídos no meio populacional onde se insere a residência; o reviver de memórias e tradições antigas.

O Contacto com a Natureza, que foi bastante importante e enriquecedor. Também a relação com outros utentes e principalmente o contacto intergeracional com as crianças da escola. A Valorização deste projeto foi o culminar de várias situações “fora” do ambiente habitual.

A mudança de atitude perante a ação que os integrava e os fazia sentir-se úteis e prestáveis;

Foi muito importante o intercâmbio de saberes e gerações, ver como se fazia o magusto antigamente, fazer a fogueira e comer castanhas;

O sentirem-se úteis a “ajudar” adultos;

Os benefícios do contacto com a natureza, o convívio entre eles e intergeracional.

O contacto com outras instituições, outras realidades, e ainda o avivar de memórias de infância em muitos dos participantes (técnicos e utentes).

O contacto direto com a natureza, o semear e plantar, e ver o desenvolvimento daquilo que plantam.

Trabalho de equipa e valorização conigitiva.

O “desbloqueio” que a maioria sentiu e o ambiente facilitador à sua adesão e participação nas atividades. Melhoria das relações interpessoais, desenvolvimento dos aspectos cognitivos e sociais. Relação melhorada com o ambiente.

Observar utentes que por norma, demonstram mais resistência a participar, a colocar “mãos à obra” e a trabalhar em equipa, com ânimo e boa disposição, em todas as atividades propostas.

29


Este projeto contribuiu para o enriquecimento pessoal e também profissional, permitiu que na prática laboral existisse contacto com a natureza…

Avaliação geral da participação neste projeto piloto, e sugestões futuras para ações neste âmbito? Projeto Interessante e de integração social com potencial de estimulo ao envelhecimento ativo; Devem-se fazer mais ações deste género, onde os utentes das instituições interagem com estes jovens;

Continuidade e parceria com futuras instituições que possam usufruir desta oferta diferenciada;

Muito positiva, os passeios no Parque da Várzea estão sempre na memória de todos os residentes.

Como sugestões continuem a fazer um ciclo de ações, não só para descobrir os ciclos da natureza, as estações do ano, percursos migratórios das aves e outras espécies, como também para facilitar o convívio entre utentes e intergeracional, celebração de datas festivas como: chegada da primavera, dia da árvore, sensibilização para cuidados ambientais, meditação e reforço de competências…

A minha avaliação é muito positiva, muito importante e de enorme beneficio para todas as faixas etárias.

Bastante positiva, em termos da satisfação dos utentes quer em termos pessoais…é gratificante quando eles estão bem e felizes… seria engraçado fazer um pic-nic mais caminhadas pelo parque aproveitando a natureza.

30

A nossa avaliação não poderia ser mais positiva. Agradecemos a oportunidade que nos foi dado de participar no projeto piloto. Para nós seria muito importante continuar a fazer parte deste ou outro projeto semelhante, pois para além da enorme importância que o contacto com a natureza tem na promoção da saúde mental… neste sentido, seria muito interessante possibilitar o desenvolvimento de ações e dinâmicas direccionadas para os técnicos das diferentes instituições envolvidas por forma a permitir a partilha de experiências e a promoção do trabalho em rede e ainda, o estabelecimento de parcerias.


31


32


Núcleos Almada | Sertã scientes que a Atento às novas realidades e con e a ANIME. idad xim pro intervenção deve ser de leos autónúc ir abr de PAF, lançou-se no desafio abriram ano Este os. celh nomos em diferentes con plano um com tã Ser da os Núcleos de Almada e ção rela uma iar inic por de trabalhos que passou endes de ntes age tes ren de parceria com os dife lida ncia pote as dar estu volvimento do terreno e nais acio aniz org s ncia petê des que as nossas com hor desenvolpossam vir a contribuir para um mel entamos e lem imp nos e vimento das regiões ond . trabalhamos diariamente

Núcleo de Almada: - Festival ReadOn | Construção do jogo e dinamização do workshop “Jogo Glória da Leitura” | Solar dos Zagallos (maio); - Festa do Solar | Oficina de jogos tradicionais | Solar dos Zagallos (junho); - Oficinas para toda a família | Oficina de reciclagem de papel; Oficina de embrulhos de papel e Oficina de Centros de Mesa de 165 Natal | Solar dos Zagallos (dezembro);

5

Núcleo da Sertã: - Momentos com Histórias | Maratona da Leitura - 24 horas a ler Biblioteca Municipal da Sertã (julho); - Formação em Biblioterapia | Biblioteca Municipal da Sertã (novembro).

33


34


Internet

homepage www.animepaf.org

issuu.com/animepaf.org Blogosfera

Redes Sociais

www.facebook.com/Animepaf

www.facebook.com/Mercado-Jovem historicoanime.blogspot.pt/ www.facebook.com/groups/161032563932768

projectopipa.blogspot.pt/ www.facebook.com/eufuisve

projetos

www.facebook.com/groups/203234483137644/

projects www.facebook.com/musicarteanime

animenatura.blogspot.pt/ www.facebook.com/punkarte astro-anime.blogspot.pt/ https://www.facebook.com/groups/970609516348766/

mercadojovemqc.blogspot.pt/

clubeunescoanime.blogspot.pt/

twitter.com/animepaf

www.youtube.com/user/animepaf

35


estatística de utilização 8104 95069 18 36

Leituras

Impressões

Seguidores

18

69

170

Likes

Partilhas

Ligações


Síntese Áreas

Ações

Participantes

Animação

158

4677

Formação

91

836

Voluntariado

97

365

Projetos

170

4265

Núcleos

5

165

521

10308

Intervenção Sociocultural

Facilitação e Consultoria Social

Internacional, Nacional e Local

Desenvolvimento Local, Ambiente e Cidadania Ativa Almada e Sertã

Totais:

Subvenções

Locais de Intervenção Quinta do Conde, Sesimbra, Alfarim, Lisboa, Azeitão, Seixal, Palmela, Setúbal, Almada, Sertã

9

Câmara Municipal de Sesimbra Programa Erasmus+ Instituto Português do Desporto e Juventude

............... ............... ...............

24 999,70 € 19 225,55 € 820,00 €

Quadro Comparativo Anos

Receita Total

2019

49 134,66 €

45 045,25 €

4 089,41 €

2018 2017 2016 2015 2014 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007

66 802.56 97 105.76 37 047.71 50 150.04 24 453.18 39 362.40 168 732.70 135 700.00 134 416.00 162 770.00 136 015.00 101 479.00

60 240.50 84 861.86 33 183.71 33 733.99 20 881.63 14 361.00 155 050.00 135 238.00 128 805.00 155 966.00 114 978.00 67 279.00

6 562.06 12 243.90 3 864.00 16 416.05 3 571.55 25 001.40 13 681.70 427.00 5 611.00 6 803.00 21 037.00 34 199.00

Legenda:

€ € € € € € € € € € € €

Subsídios

comparação de valores entre anos

Outros Proveitos

€ € € € € € € € € € € €

€ € € € € € € € € € € €

37


Biénio 2019 - 2021

Direção

Liliana Dias

Lic. em Psicologia Clínica e Mestre em Gestão de R.H.

António Mourão Lic. em Química

Assembleia Geral

Rui Camoesas

Lic. em Desporto e Mestre em Gestão do Desporto e das Organizações Desportivas

Conselho Fiscal

Pedro Pereira

Ana Castro

Eugénia Patrício Estudante de Filosofia

Lic. em Contabilidade e Finanças

Patrícia Reis

Lic. em Animação e Intervenção Sociocultural

Fernando Pinto

Paulo Pires

Kristina Leong

Augusto Figueira

Pedro Oliveira

José Oliveira

Ana Suspiro

João Andrade

Júnior Wagner Músico

Lic. em Psicologia e Mestre em Psicologia Social e das Organizações

Cristina Duarte

Vicente Camelo

Renato Mirão

38

Lic. em Serviço Social

Isabel Ferreira

Clara Pinto

Lic. em Psicologia Músico-terapeuta

Rita Machado

Francisco Magro

Eng.ª Agrónoma e Mestre em Energia e Bioenergia

Lic. em Bioogia

Lic. em Eng.ª Agrónoma

Equipa de Colaboradores

Lic. em Química

Lic. em Psicologia

David Cordeiro

Lic. em Psicologia Social e das Organizações

Artesão

Lic. em Biologia

Lic. em Animação Cultural

Lic. em Direito

Lic. em Psicologia

Lic. em Design e Tecnologia das Artes Gráficas

Eng.º Aeronáutico

Frequência do 2.º ano de Eng.ª Informática


Com quem colaboramos

este ano

?

financiadores

nacionais

39


internacionais

40


Ficha Técnica Direção Liliana Dias, António Mourão, Rui Camoesas Design Gráfico Fernando Pinto Gestão Executiva Paulo Pires ISBN 978-989-97978-4-0 © 2020 animepaf.org

Contacto GUESTHOUSE | ESCRITÓRIO | OFICINA Rua Rio Ardila, Lt 388 Boa Água 1 2975-135 Quinta do Conde - Sesimbra Telef.: 210 809 666 Tm.: 928024068 Tm.: 962 517 700 E-mail: anime.paf@gmail.com

MERCADO JOVEM Mercado Municipal da Quinta do Conde Telef.: +351 211 818 093 Horário: de quarta-feira a sábado, das 10h00 às 13h00

CAAV - Centro Agrícola e Ambiental da Várzea Parque Ecológico da Várzea da Quinta do Conde Horário: de segunda-feira a sexta-feira, das 9h00 às 13h00

41

Profile for Anime Projecto de Animação e Formação

Anime.PAF Manual de Bordo + Relatório de Atividades 2019  

Principles and Activity Report of the Year 2019

Anime.PAF Manual de Bordo + Relatório de Atividades 2019  

Principles and Activity Report of the Year 2019

Advertisement