Page 1

Junho de 2013 - JĂ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 1


EDITORIAL ::

O Triunfo do Medo!

O JÁ publica o seu terceiro número num momento difícil para a Escola Pública e, de um modo geral, para a ideia do que em geral se entende por Estado: uma comunidade política de pessoas unidas por objetivos comuns, pela exigência de equidade e de justiça distributiva para os diversos bens existentes, por um conjunto definido de direitos e deveres fundamentais, 2 Editorial nomea da mente a que le s que sã o considerados essenciais para uma vida digna 3 Reflexões de um Diretor de Turma e com qualidade – especificamente os Mia Couto, Prémio Camões 2013, ou a arte de desarrumar a língua e inventar direitos em áreas como a saúde, a palavras educação, a cultura, a segurança social. 4 Notícias e atividades As políticas que a Comunidade Europeia, e Campanha Alcoolismo—PES particularmente o Governo de Portugal, 5 Alunos livres de Fumo! - Prémio têm seguido, são, explicitamente, uma 6 II Encontro de Técnicos de Turismo 7 Desporto ameaça a estes valores que acreditámos, 10 Adotar uma rua, acender as estrelas! durante o último século, serem um 11 Dia do Pai e trabalhos do 1ºciclo património irrevogável da civilização 12 Associação de Pais na s Escolas: C3 - Crianças com Ciência (C. Ed.) europeia. Estávamos enganados. Afinal, O mar longe da Costa (EB1) estão de volta à Europa os tempos do 13 ARTES - tema medo: medo de não ter trabalho, ou medo 14 As Andorinhas de ser despedido, medo de não ter Texto e imagem, 2 faces da mesma moeda 15 Planificação em Teia: Tecendo um mapa de recursos para o médico, medo de não ter conhecimentos (Literacia financeira na Pré) recursos para pagar os estudos dos filhos, 16 ESPECIAL Dia do Agrupamento medo de não ter uma reforma digna, medo 21 Arte na Informática simplesmente por existir. 21 Na Biblioteca acontece… O triunfo do medo é coetâneo do 24 Entrevista com... regresso de velhos problemas da sociedade 26 Produção de textos e imagens portuguesa, que acreditámos terem sido 32 Diversões ultrapassados depois da Revolução de Abril 30 Crónica de Ana Paula Amaro – a emigração dos mais jovens e capazes, a A força das palavras Joana Vasconcelos, precarização das relações laborais, a cultura ou um outro campeonato reduzida aos três F (Fátima, fado e futebol), 31 Ainda não sabiam? o abandono das políticas ativas de 32 (Re)encapar Fernando Namora qualificação ao longo da vida, a opção por políticas de desenvolvimento assentes em mão-de-obra barata e na monocultura do Junho de 2013 turismo, o aumento da desigualdade social Direção do Jornal (aumento da pobreza, destruição das classes Ana Rita Amorim médias, aumento da riqueza dos mais ricos) Isabel Neves e a explícita receita do individualismo e do Fernando Pascoal Paulo Carregã «triunfo dos mais fortes» como estratégias Editores legítimas de ascensão social, com a paralela Isabel Neves receita da caridade e da solidariedade das Paulo Carregã famílias para os mais pobres. Grafismo Nas escolas assiste-se à progressiva Ana Rita Amorim instauração de políticas de seleção e de aec.jornal@aecondeixa.pt hierarquização dos estudantes, quer através

03

Índice ::

2 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013

da criação de cursos profissionais subordinados aos interesses imediatos do mercado, limitando-se assim a possibilidade de uma qualificação capaz de acompanhar a complexidade da economia moderna e de uma possível alteração do percurso escolar do aluno, quer através da instauração de um ensino fortemente académico e formal, totalmente orientado para os exames nacionais. Além disso, de forma progressiva e silenciosa, assiste-se à desvalorização e destruição de todos os percursos em áreas não imediatamente rentáveis como as humanidade e as artes. Nas humanidades, c r ia ra m-s e c on d i ç õ e s p a ra o desaparecimento do latim, do grego e da filosofia; nas artes, desistiu-se de uma autêntica e séria reforma do ensino da música, erradicou-se quase completamente a presença da expressão dramática e corporal no ensino regular e limitou-se a p r ese nç a da e x pr ess ão p lá st ica . Paralelamente, assiste-se à tentativa de tornar a escola pública uma escola «low cost», aumentando o número de alunos por turma, limitando as escolhas e cursos oferecidos, reduzindo os assistentes operacionais e os professores, seja através do “incentivo” à aposentação, seja através do aumento do horário de trabalho e, anuncia-se agora, do despedimento puro e simples. Tudo isto, segundo o que nos é garantido por governantes, comentadores televisivos, escribas de jornal, técnicos da Troika, g ove rn an te s e ur ope u s e out r os especialistas, para nosso bem. Devemos acreditar nisso? A loucura faz com que, escrevia Erasmo de Roterdão, ajudada pela ignorância, tanto quanto pela irreflexão, o povo esqueça as sua misérias e se iluda com esperanças vãs, de tal modo que «quanto menos razões teria para querer tais ilusões, tanto mais a elas se agarram». Neste número, procurámos tratar o tema da arte, dando conta das atividades realizadas no agrupamento neste âmbito e entrevistando um jovem artista de Condeixa, António João Silvestre; E noticiamos as atividade que, apesar de todas as dificuldades, temos desenvolvido no agrupamento de modo a enriquecer a


:: Reflexões de um Diretor de Turma Mia Couto, Prémio Camões 2013, ou a arte de desarrumar a língua e inventar palavras A propósito de arte e da arte de inovar a língua, lembrei -me do laureado deste ano com o Prémio literário por excelência da língua portuguesa, o escritor moçambicano Mia Couto. Num dos seus contos, “A infinita fiadeira”, da obra “O Fio das Missangas”, Mia conta a história de uma aranha que gostava de tecer teias sem o objetivo comum de

acasalamento, mas apenas pelo facto de serem belas no ” rebrilho das manhãs”. Tal feito levou-a a ser rejeitada pelos seus pares e a ser transformada, pelo Deus dos bichos, em ser humano. Ora, quando a história parecia chegada ao seu desfecho, também os humanos quiseram

saber o que ela fazia e à resposta dada- “ Faço arte.”-

Não nos podemos admirar, pois, se pensarmos um

estes ficaram intrigados até um mais velho se recordar pouco, onde é que vemos, em Portugal, educadoras

que “houvera um tempo , em tempos de que já se perdera pegarem em crianças em idade pré-escolar, levá-las a um memória,

em

que

alguns

se

ocupavam

de

tais museu, uma galeria de arte, sentá-las no chão, rodeadas

improdutivos afazeres. Felizmente, isso tinha acabado, e de obras e falar-lhes sobre elas, pô-las a desenhar, a os poucos que teimavam em criar esses pouco rentáveis imaginar histórias a partir dos quadros, estátuas, objetos. produtos—chamados de obras de arte – tinham sido Este cenário é habitual quando visitamos algum espaço

geneticamente transmutados em bichos. Não se lembrava deste género além fronteiras. Por que não fazê-lo cá? bem em que bichos. Aranhas, ao que parece.”

Tal como uma língua estrangeira é mais facilmente

Vem esta história a propósito da falta de sentido apreendida quando a criança frequenta o 1ºciclo, também estético e de educação para o belo das gerações mais o sentido do belo se inculca desde a mais tenra idade. novas. Perguntar a um aluno o que vê numa estátua de Para os críticos da artista Joana Vasconcelos, que Fernando Botero é ouvir a resposta “um(a) gordo(a)”. consideram as suas exposições pouco fidedignas para Questioná-lo acerca de um quadro de Monet será “meros serem

borrões desfocados de tinta” a resposta.

grande

consideradas arte, estas têm, senão outra, a

mais-valia

excentricidade,

de,

pela

sua

exuberância

e

levarem milhares de pessoas, jovens e

menos jovens, a acorrerem ao Museu

da Fundação

Berardo ou ao Palácio da Ajuda para as verem. Da ideia do belo na arte chegamos à do belo em literatura e regresso ao início deste texto para dar os parabéns ao escritor Mia Couto e à sua necessidade de

desarranjar a norma gramatical do português que o leva a criar palavras originais nos seus textos como - “E ambos se alfabetiam”- a propósito de uma discussão sobre alfabeto e acordo ortográfico de duas personagens de “Cronicando”. Maria João Cura Mariano, Coordenadora dos Diretores de Turma do Ensino Secundário Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 3


NOTÍCIAS / ATIVIDADES ::

Um copo a mais pode mudar o teu destino…

Se conduzir, não beba ! Carlos Cardoso, Ismael Freitas, João Leite e João Frota d 9º C

Bruno Leite, João Fonseca e Ruben Dinis do 9º B

4 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013

Em Portugal os números ainda falam por si. A Sinistralidade Rodoviária continua a marcar de forma penosa muitas jovens e famílias Portuguesas. Cabe também à escola alertar e sensibilizar os agora peões e futuros condutores para esta problemática. Integrado na disciplina de Físico-Química os alunos do 9º ano idealizaram uma campanha de alerta da qual destacamos o cartaz e o panf le to e l ab or ad os , respetivamente, por um grupo de alunos da turma C e B. Paula Cruto


ALUNOS LIVRES DE

FUMO!

:: NOTÍCIAS / ATIVIDADES No dia 31 de Maio, Dia Mundial do Não Fumador, decorreu, na Escola Básica Nº 2 do Nosso Agrupamento, a entrega dos prémios referentes ao concurso do logótipo "Comunidades Escolar Livres de Fumo"- 2012-13 e "Carta a um Familiar Fumador" do biénio 2011-13 . As referidas atividades foram desenvolvidas no âmbito do programa (in)dependências e envolveram alunos do 6º e 7º ano. A problemática tratada preocupa e mobiliza toda a comunidade educativa que trabalha no sentido de possibilitar aos nossos jovens escolha de percursos de vida realmente independentes. As ações decorreram no âmbito da Escola Promotora de Saúde em

Olá, mãe!

Escrevo-te esta carta para ver se, desta vez (e desta forma), te consigo convencer a fazer uma coisa que te imploro que faças já há muito tempo: deixar de fumar. Eu sei que é difícil e que requer muita força de vontade mas tu consegues! O que falta para dares esse passo é saber as desvantagens de fumar e como deixar esse vício. Por isso, eu passo a explicar-te tudo: Tu fumas porque, assim, ficas muito menos stressada, podes fazer algumas pausas no trabalho para fumar um cigarro com as amigas, conversar, e para, pensas tu, manteres a linha, sem engordar; Mas por detrás destes poucos aspetos, que pensas bons, de fumar, estão muitos outros maus aspetos: pode provocar cancro, envelhece e desidrata a pele, faz perder a capacidade respiratória, provoca problemas no coração, os dentes ficam amarelos, o paladar e o olfato ficam quase inexistentes e faz com que os fumadores precisem de dormir mais e que tenham um sono muito menos descansado que os não fumadores, etc. Convencida a deixar de fumar? Ainda não? Então passo a explicar mais umas coisinhas… Como deixas de fumar? Primeiro, tens de te mentalizar de que queres mesmo isto, depois prepara-te para modificar os teus hábitos que tenham a ver com o tabaco e, por fim, escolhe o método que mais se adequa a ti: deixar de fumar de uma só vez ou gradualmente. Nas duas primeiras semanas vais sentir-te mais irritada, ansiosa, cansada, desconcentrada, mas com o tempo todos estes sintomas desaparecerão e sentir-te-ás mais saudável e com mais energia! Espero ter conseguido convencer-te a largares este vício, e, se não é o caso, pelo menos tenho a certeza de que sabes o mal que te faz o tabaco. Muitos beijinhos

parceria com o Centro de Saúde de Condeixa promotor do programa. A aluna Sara Centeio, número dezoito do 6ºD, foi a vencedora do concurso do logótipo que representará o programa durante dois anos e ganhou uma bicicleta oferecida pela Câmara Municipal de Condeixa, parceira educativa destes projetos. Em 2º e 3º lugar ficaram, respetivamente, a aluna Ana Beatriz Gorgulho do 6ºC e Catarina Pimentel do 6º D, tendo ambas ganho uma bola assinada por toda a equipa de futebol Académica de Coimbra. A vencedora do concurso da melhor "Carta a um familiar Fumador- 2012-13" foi a aluna Joana Braga do 7ºF e o referente ao concurso do ano transato foi o aluno João Francisco Letras Ferreira. Estes alunos receberam um vale-prémio Fnac oferecido pelo Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova. Agradecemos o empenho de todos os envolvidos na certeza que serão veículos ativos da mensagem trabalhada. Paula Cruto PES (Programa de Educação para a Saúde)

Joana

da esquerda para a direita: Concurso Carta a um familiar fumador Joana Braga (7ºF) Concurso do logótipo "Comunidades Escolar Livres de Fumo” Sara Centeio (6ºD) - 1º lugar Ana Beatriz Gorgulho (6ºC) - 2º lugar Catarina Pimentel (6ºD) - 3º lugar

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 5


NOTÍCIAS / ATIVIDADES ::

“Notas para uma Reportagem…”

inscritos. No fim do dia, decorreu o lançamento das

Atas

do

O Secretariado deste 2º Encontro, registou perto de duas centenas de Encontro Regional de participantes de diferentes pontos da região e do país, oriundos dos Técnicos de Turismo meios académicos (escolas profissionais, secundárias, universidades (outubro 2011) e foi

e institutos politécnicos) dos cursos de turismo e empresariais servida (hotelaria, restauração, animação turística, profissionais de turismo...).

uma

“Escarpiada de Honra”,

A sessão de abertura foi presidida pelo Presidente da Comunidade acompanhada por um Intermunicipal do Baixo Mondego e edil de Condeixa, Engenheiro Momento Artístico com Jorge Bento, ladeado pelo Presidente da Entidade Regional de a intervenção de um

Turismo do Centro, Dr. Pedro Machado, Presidente da Câmara de grupo

musical

Penela, Dr. António Alves, Vereadora do Município de Ansião, Dra. declamação

e de

Célia Freire, Diretor do Museu de Conímbriga, Doutor Virgílio Correia e poemas. Diretora do Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova, Dra. No sábado, dia 11, as mesas-redondas subordinadas ao título Anabela Lemos. As palavras de boas-vindas e cumprimentos “Profissionais de Turismo no séc. XXI - que formação, que couberam ao Dr. Rui Damasceno Rato, em nome da Comissão desempenho? As propostas do ensino superior e do mundo Organizadora e na qualidade de Diretor do Curso Profissional Técnico empresarial” contaram com intervenções de académicos das

de Turismo da Escola Secundária Fernando Namora. Com merecida Universidades de Aveiro, de Coimbra e Lusófona e dos Institutos atenção foram escutadas as palavras do Presidente de ER Turismo do Politécnicos de Coimbra, Leiria e Bragança, dos respetivos Cursos de Centro e da Diretora do Agrupamento, tendo encerrado a sessão o Turismo. Do setor empresarial estiveram presentes a Confederação do anfitrião concelhio Engenheiro Jorge Bento. A imprensa regional, Turismo Português, ANQEP e Grupo Rumos/Profitecla. A presença de reconhecendo a importância do evento, dedicou destaques de um elevado número de participantes e os debates subsequentes

significativa importância em diferentes dias de suas edições diárias.

demonstraram o interesse e oportunidade dos temas em questão. O circuito regional turístico, deste mesmo dia, iniciou-se pelo concelho

de Condeixa-a-Nova, tendo infletido pelo concelho de Penela. Os cerca de sessenta participantes visitaram diferentes pontos de interesse turístico (Duecitânia Hotel-visitas às instalações pormenores construtivos de influência romana e SPA), Centro Interpretativo Sistema Espeleológico do Dueça (Turismo de Natureza), Ferrarias de

S. João (Turismo em Espaço Rural), Vila do Espinhal (Centro histórico e edificado civil e religioso) e Castelo de Penela (Turismo histórico e cultural). A Sessão de Encerramento decorreu no Salão Nobre dos Paços de Penela e foi presidida, em representação do Exmo.

Presidente, pelo Senhor Vereador Dr. Emídio Domingues. A mesa foi constituída pelo Dr. Paulo Amaral, adjunto da direção

do Agrupamento de Escolas de Condeixa, Dra. Helena Araújo e Dr. Rui Damasceno Rato, membros da Comissão Organizadora.

O Curso Profissional de Técnico de Turismo - EscAs

sessões

temáticas de 6ªfeira registaram elevada participação e debate dos

6 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013

Sec.F.Namora-Condeixa-a-Nova


:: NOTÍCIAS / ATIVIDADES Vencedores do Prémio de Mérito Desportivo do Clube de

Torneio de Voleibol Foi com grande surpresa que constatámos a presença de 61 alunos organizados em 24 equipas mistas que se defrontaram nos torneios de 5º e 6º anos. Com algumas adaptações às regras oficiais, dada a fase de iniciação em que se encontram em termos curriculares de Educação Física, os alunos rapidamente integraram a competição, que foi, desde o início, bastante aguerrida. Jogo após jogo, foram apurados os vencedores de cada grupo e chegámos às finais que ditaram os seguintes resultados:

Desporto Escolar do Agrupamento Apraz-nos registar que este ano letivo atingimos plenamente os objetivos a que nos propusemos no Clube de Desporto Escolar relativamente ao Projeto Educativo, como comprovam os 420

No dia 5 de junho realizou-se o torneio do 7º e 8º anos, na Escola Básica, e do 9º ano e secundário no Pavilhão Municipal e contámos com a participação de um total de cerca de 60 alunos.

registos de alunos participantes em pelo menos uma das diversas atividades realizadas ao longo do ano. As atividades com maior adesão foram o Torneio de Natação (185 alunos), o Torneio Inter-Turmas de Futsal (241 alunos) e o Torneio Inter-Turmas de Voleibol (120 alunos). Do balanço de participações salientaram-se os seguintes alunos:

individuais

5º ANO: 1º DRAGON FORCE – 5ºB - Pedro Ferreira, Guilherme Amado, Leonardo Pita 2º JUST GILRS AND A BOY – 5ºADaniel Santos, Thayná Santos 3º OS BRINCALHÕES – 5ºC - João Simões, Diogo Santos e Renato Fernandes

6º ANO: 1º OS MATRECOS – 6ºA - Afonso Cruz, Fábio Duarte, Francisco Silva, Tiago Narciso 2º 6 G 2– 6ºG - Miguel Santos e Catarina Mendonça 3º 6 G 1 – 6ºG - Carlos Fernandes e Bruno Travassos

7º ano 1º SERHIY TEAM – 7ºA – Fernando Torres, Serhiy Burkevych e Tiago Simões 2º 7º G – 7ºG – André Diogo, Luís Jordão, Mariana Fonseca e Raquel Melo 3º 7º A – 7ºA – Beatriz Cruz, Filipa Lopes, Joana Barros, João Oliveira e Raquel Simões 8º ano 1º 8º D 2 – 8ºD – Hugo Pereira, João Pires e Rodrigo Palrilha 2º 8º F 1 – 8ºF – Francisco Góis, Gonçalo Nunes e Ruben Baptista 3º 8º C 1 – 8ºC – Gonçalo Ramos, Tiago Ramos e Tomás Ribeiro Secundário 1º 11º B - Rodrigo Azevedo, Bruno Ramos e Ivo Ferreira 2º TONINHOS – 10º B - Carlos Correia, Diogo Domingos, André Cordeiro e Ana Tenente 3º ESPINAFRES – 10º B - Henrique Gaspar, Tiago Pessoa, Heitor Rosa e Miguel Amado

Todas as informações e fotos do Clube de Desporto Escolar em: http://efdeaecondeixaanova.blogspot.pt/

Estes alunos irão receber um prémio de reconhecimento da participação e mérito nas atividades desportivas do Clube, que consiste em dois dias de atividades aventura com alojamento numa Quinta da Figueira da Foz e um Passeio de Canoagem no Rio Mondego.

Saudações desportivas!

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 7


NOTÍCIAS / ATIVIDADES :: Mais rápido, mais forte… mais longe Fases Distrital e Nacional do Mega Foi com muito entusiasmo e empenho que, mais uma vez, os nossos MegaAtletas participaram na Fase Distrital. Este evento decorreu no dia 13 de março, no Estádio Cidade de Coimbra. O Agrupamento de Escolas de Condeixa foi representado por uma comitiva de 11 alunos a competir no MegaSprinter (40m), 6 alunos no MegaKilómetro (1000m) e 6 no MegaSalto em comprimento e que primou pelo desportivismo. Foi com grande orgulho que vimos alunos nossos subir ao pódio por duas vezes. Tratou-se do aluno Gonçalo Costa, que conseguiu, de forma muito prestigiante, terminar em 3º lugar, nas finais da prova de velocidade e do aluno João Fonseca que, realizando uma prova espetacular, foi campeão na corrida de 1 quilómetro, reunindo condições para integrar a comitiva de Coimbra, na fase nacional. Relembramos que o João já havia ficado em 2º lugar no ano passado e este ano foi campeão distrital no Corta-Mato e obteve o décimo sétimo lugar no Corta Mato Nacional, o que prova a sua excelente forma atual.

O Basquetebol espetáculo!

Fase Distrital do “Compal Air 3 x 3”

Medalha de Bronze no

Mega Kilómetro Nacional Pela primeira vez representado nesta prova nacional, realizada a 5 e 6 de maio em Vila Nova de Gaia, o Agrupamento destacou-se pela notável prestação do João Fonseca. Salientamos, com orgulho, o terceiro lugar conquistado pelo João nesta fase, orgulho esse que nos levou a propor um louvor, aquando das comemorações do Dia do Patrono, proposta logo acarinhada pela Direção do Agrupamento. Foi com emoção que o João e a família viram reconhecido o seu percurso desportivo durante o Sarau do Dia do Patrono no dia 12 de abril.

No dia 7 de março, o Agrupamento competiu, no Pavilhão Mutidesportos de Coimbra, na fase local do Compal Air 3 x 3 com as equipas apuradas no nosso torneio interno, nos escalões: infantis femininos, infantis masculinos, iniciados femininos, iniciados masculinos e juvenis femininos. Quem esteve presente, quer como participante, quer como espetador, teve oportunidade de assistir a um torneio cheio de entusiamo e energia, com bastantes alunos a darem cor e movimento àquele evento. A abrilhantar a competição estiveram atletas da equipa de séniores masculinos da Académica que jogaram, lado a lado, com os alunos que os foram desafiando. Os nossos alunos, como sempre, tiveram uma atitude ambiciosa e procuraram dar o seu melhor em cada jogo. A equipa de juvenis femininos alcançou o 2º lugar no seu grupo, sendo apurada para a Fase Distrital, que se realizou no dia 24 de abril, no mesmo Pavilhão. As Equipas do Clube de Desporto Escolar do Agrupamento

Basquetebol

Prof.ª Teresa Cadete Realizou-se na Escola Básica, no dia 8 de maio, o 3º encontro em que a nossa escola participou no quadro competitivo de infantis femininas de Basquetebol. Recebemos as Escolas Básicas João de Barros, da Figueira da Foz, e Eugénio de Castro, de Coimbra, tendo-se realizado 3 jogos entre as equipas participantes. As nossas alunas não estiveram tão concentradas no 1º jogo contra a equipa da Figueira da Foz, deixando-se afetar pela ansiedade de competir na sua escola e defrontando uma equipa muito mais experiente. No segundo jogo da nossa equipa, as alunas preocuparam-se em cumprir os aspetos táticos mais trabalhados nos treinos e conseguiram ter sucesso. A equipa classificou-se em 3º lugar da sua série. Ocuparam os lugares cimeiros do pódio a Escola

Básica João de Barros e a Escola Básica Martim de Freitas. Fica a perspetiva dos professores presentes de que as alunas têm evoluído significativamente, quer em termos técnicos, quer em termos táticos, pelo que se prevê uma grande margem de progressão, sobretudo tendo em conta a idade que apresentam. Salientamos ainda o compromisso, responsabilidade e espírito de entrega demonstrados pelas alunas Diana Alexandre (5ºD) e Catarina Mendonça (6ºG) – com 52 treinos realizados – e Angélica Simões (6ºG), Raquel Simões (7ºA) e Carolina Simões (5ºD) – com 46 treinos assistidos. Assim, resta-nos desejar continuação de bons treinos a todas!

Depois de quase um ano de treinos regulares, colhemos os frutos do nosso esforço: três atletas (Diogo Santos do 7ºB, Catarina Portugal do 9ºE e Ana Tenente do 10ºB) do nosso agrupamento foram apurados à fase distrital de Ténis de Mesa que se realizou na Escola Prof.ª Susana Guerra Básica de Arazede, no dia 13 de abril. Esta fase do campeonato foi ainda mais renhida. A Ana Tenente do 10ºB seguiu até à fase regional, que se realizou no Agrupamento de Escolas João Roiz, em Castelo Branco, nos dias 26 e 27 de abril. Muitos parabéns a todos os atletas da equipa de ténis de mesa, em especial, a estes três que chegaram um pouco mais à frente. Esperemos que, no próximo ano, tenhamos ainda melhores resultados. As Equipas do Clube de Desporto Escolar do Agrupamento

Ténis de Mesa

8 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013


:: NOTÍCIAS / ATIVIDADES Torneio de Badminton 10 de abril e 15 de maio

Na tarde de 10 de abril, os 32 alunos dos escalões de infantis A e B, deram provas nesta modalidade de raquetes, para muitos, até então desconhecida. As aprendizagens foram muitas e

os resultados e as classificações finais foram, no fim de contas, o menos importante. No dia 15 de maio realizámos o 2º momento do torneio de badminton. Participaram 22 alunos nos escalões de iniciados e ainda de juvenis e juniores femininos. Os jogos foram entusiasmantes e foi notória a alegria e satisfação de todos os alunos. Parabéns aos vencedores nos respetivos

escalões e a todos os participantes que demonstraram uma vontade enorme de se superar! Fica o convite, para aqueles que gostaram, de integrar a equipa de Desporto Escolar, para que possam aprender mais. Um agradecimento especial ainda aos alunos da equipa de Desporto Escolar presentes que colaboraram de forma preciosa na arbitragem

Vencedores do Torneio de Badminton Infantis A femininos Infantis A masculinos Infantis B femininos Infantis B masculinos Iniciados femininos Iniciados masculinos Juvenis e Juniores femininos

No ano letivo 2012/2013, decorreram as atividades do grupo equipa de futsal do Agrupamento de escolas de Condeixa-a-Nova. A importância destas atividades na vida escolar dos nossos alunos deve ser valorizada. A atividade física e desportiva assume particular importância na dimensão da saúde, ajudando ao desenvolvimento de práticas e estilos de vida mais saudáveis, hoje ainda mais importante face ao problema do excesso de peso e da obesidade nas faixas etárias mais baixas. Assume também importância na dimensão cívica: a atividade física e desportiva permite aos alunos um contacto direto com elementos da cultura desportiva, essenciais para lá das fronteiras do desporto e da escola – a aprendizagem das regras da cooperação e da competição saudável, dos valores da responsabilidade e do espírito de equipa. Como professor deste grupo equipa de futsal, tenho que realçar o empenho dos alunos nos treinos e nos jogos realizados durante este ano letivo. As competições desportivas decorreram no dia 20 de fevereiro de 2013, nas quais, a nossa equipa iniciou a sua participação nas concentrações de futsal. Este convívio decorreu no Agrupamento de Escolas da Pedrulha, em Coimbra. Participaram nestes jogos a nossa escola, a escola EB 2,3 da Pedrulha e o Colégio Bissaya Barreto de Coimbra. No dia 6 de março de 2013, a nossa equipa deslocou-se ao Colégio Bissaya Barreto, em Coimbra. Participaram nestes jogos a nossa escola, a escola EB 2,3 Carlos Oliveira, Febres e o Colégio A nossa escola recebeu, no dia 24 de abril a Prof.ª Teresa Cadete competição de infantis e juniores de Badminton, tratando-se do último encontro nesta modalidade, e servindo para apuramento para a fase distrital nestes escalões. Participaram cerca de 28 alunos dos escalões referidos, salientando-se a competição em infantis B masculinos. Quanto aos nossos alunos envolvidos, apresentaram bons resultados e demonstraram que são o reflexo do empenho nos treinos. Agradecemos ainda a colaboração na arbitragem, dos alunos presentes da nossa equipa dos outros escalões, que contribuíram para que a competição se desenrolasse com sucesso. No dia 8 de maio, os nossos alunos, Nuno Correia e André Henriques, participaram na fase distrital desse escalão, que se realizou na E.S. c/ 3º ciclo D. Dinis, na Pedrulha. Ambos integraram este ano, As Equipas do Clube de Desporto Escolar do Agrupamento

Badminton

1º Maria Francisca Garrido (5ºD); 2º Leonor Simões (5ºD); 3º Carolina Simões (5ºD) 1º Diogo Santos (5ºC); 2º João Nujo (5ºC); 3º Leandro Pires (5ºB) 1º Raquel Simões (7ºA); 2º Lara Cardoso (6ºD); 3º Bruna Carvalheira (6ºC) 1º Fernando Torres (7ºA); 2º Miguel Santos (6ºG); 3º Bruno Travassos (6ºG) 1º Maria Francisca Rodrigues (8ºA); 2º Inês Isusi (8ºA); 3º Ana Leonor Miranda (8ºE) 1º Tomás Ribeiro (8ºC); 2º Rodrigo Janeiro (8ºA); 3º David Coelho (9ºD)

1º Andreia Marques (8ºA); 2º Daniela Dinis (12ºB/C); 3º Patrícia Santos (11ºTAL)

As Equipas do Clube de Desporto Escolar do Agrupamento Bissaya Barreto de Coimbra. A nossa escola acolheu a última jornada da Prof. Luís Santos competição no dia 17 de abril de 2013. Participaram nestes jogos a nossa escola, a escola EB 2,3 da Pedrulha e o Colégio Bissaya Barreto de Coimbra. Os alunos de todas as escolas participantes nesta competição estão de parabéns, visto que participaram nos jogos com muito entusiasmo, demonstrando um grande espírito de equipa e competitividade. É de realçar a presença de familiares dos nossos alunos, que prestaram um grande apoio no decorrer dos jogos. Os alunos que participaram nas diversas concentrações foram: Bernardo Taborda (5ºA); Rodrigo Fernandes (5ºE); José Pinto (7ºG); David Simões (5ºB); Eduardo Amado (5ºB); Gabriel Monteiro (5ºB); Francisco Botelho (5ºE); João Botelho (5ºE); Jorge Lopes (7ºF); Mauro Tomé (7ºE); Renato Fernandes (5ºC); Rafael Silva (5ºA); José Ferreira (5ºB);

Futsal

pela primeira vez, a equipa e, apesar de a vivência competitiva durante a fase local ter sido muito pouca, a experiência foi bastante positiva pois foram defrontando adversários com prática regular na modalidade. Nesta perspetiva, foi muito interessante verificar que em determinadas fases conseguiram equilibrar as partidas e que, apesar de não terem conseguido passar à fase final, entenderam que estão no bom caminho. Uma palavra de reconhecimento para os alunos mais comprometidos em termos de treino com maior índice de assiduidade (48 ou 49 sessões de treino), demonstrando também uma grande vontade de evoluir, particularmente, Filipa Lopes (7ºA), Maria Francisca Rodrigues (8ºA) e Tomás Ribeiro (8ºC).

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 9


NOTÍCIAS / ATIVIDADES ::

Os alunos do 1.º B da EB n.º 3 de Condeixa-a-Nova participaram, neste ano de 2013, no projeto DSR (Dark Skies Rangers), através do

Fig. 1 – O Francisco tira as fotos aos candeeiros.

concurso promovido NUCLIO – Núcleo Interativo de Astronomia , em colaboração com o National Optical Astronomy Observatory, o EcoEscolas e o Galileo Teacher Training Program, e no âmbito do

projeto Discover the COSMOS. “O projeto internacional Dark Skies Rangers pretende promover a luta contra a poluição luminosa, alertando as populações para a possibilidade de haver soluções inteligentes de iluminação exterior, economicamente viáveis e em harmonia com o ambiente, e contribuir para devolver às

pessoas e aos seres vivos o céu noturno, o maior património da

Fig. 2 - Desenho da rua do Francisco

Humanidade, que deve ser preservado.” As crianças, com a ajuda dos seus pais meteram mão à obra,

adotaram uma rua e foram observar como era a sua iluminação. Fizeram registos (a Auditoria) e começaram a juntar informação para o trabalho final. Leram, viram filmes e pesquisaram tudo sobre qual deveria ser a forma correta de iluminar uma rua, como poderão confirmar pelas fotos.

Finalmente, depois de dias e noites a trabalhar e a estudar a

Fig. 3 - Desenho da rua do Tomás Loureiro, com legenda.

iluminação da sua rua, estas equipas completaram os seus trabalhos para concurso e chegaram a conclusões muito interessantes. Esta atividade integrou-se numa outra ideia desenvolvida ao longo do ano que foi a colaboração escola/família, através do envolvimento e

participação efetiva dos encarregados de educação e outros familiares na formação dos seus filhos, denominada “Da vida para a escola/da escola para a vida”. Com cerca de onze sessões/atividades formativas e

performativas realizadas até final do ano, desde a culinária, ao teatro, passando pelas histórias (muitas), pela segurança, educação ambiental e educação financeira, os pais foram os atores principais num espaço educativo vivo e integrado - a escola dos seus filhos.

Fig. 5 – Foto da Luana Montenegro (iluminação errada)

Conceição Manaia,

Professora do ensino básico *Para saberem mais vão a: http://dsr.nuclio.pt/

“Concluímos que os candeeiros em forma de globo (USGL) são uma forma de iluminação incorreta, apesar de consumirem pouca energia, e, por isso, serem económicos, são uma fonte de poluição luminosa, iluminam não só o chão, mas também o céu e os prédios que estão em redor Francisco Correia Roque, trabalho

sobre uma rua de Nova Conímbriga

Energia gasta no ano na nossa rua= 8 candeeiros x 0,25 potência kw/H x 10 horas/dia x 365 dias/ano = 7,300 kw/H A substituição das lâmpadas tradicionais por lâmpadas de leds (baixo consumo), que podem ser alimentadas por energia solar ou eólica, faria com que o consumo de energia/ano na nossa rua pudesse ser = 8 x 0,10 x 10 x 365 = 2.920 kw/ H (Poupança = 4.380 kw/H) Estas lâmpadas não contém mercúrio, preservando o meio ambiente Trabalho de Sofia e Nuno Simões

10 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013

“Os candeeiros observados, (...) não são os mais adequados, pois a iluminação não está direcionada apenas para a estrada, mas também um pouco para os lados. Poderiam ser substituídos por outro modelo que direcionasse apenas a luz para a estrada.” Sofia e Nuno Simões, irmãos, trabalho sobre Rua de Pontypool.

Fig. 4 - A Laura Murtinho bem tentou ver as estrelas mas apenas conseguiu ver a Lua...

Fig. 6 – Foto do Tomás Loureiro (iluminação correta).


:: NOTÍCIAS / ATIVIDADES PARABÉNS

Os alunos da turma D do 3º/4º anos da EB1 de Condeixa Nº 3, de forma a nunca esquecer o quanto é importante a família e os seus laços, realizaram algumas atividades para mais tarde recordar e fortalecer o sentimento que a todos une... o amor.

aos nossos pequenos “GRANDES ASTRÓNOMOS”

Notícias fresquinhas: O aluno Francisco Roque, do 1º B do Centro Educativo, venceu Concurso Nacional DSR Portugal no escalão 1.º ciclo. O aluno Tomás Loureiro ficou em segundo lugar, e as alunas Luana Montenegro e Laura Murtinho ficaram em 3.º lugar. O primeiro classificado receberá um Tablet, o segundo classificado terá como prémio um Telescópio Skywatcher e os terceiros lugares receberão um Kit Telescópio. Os alunos vencedores e a professora responsável, Conceição Manaia, foram convidados a estar presentes na Festa das Estrelas, no dia 29 de Junho, na Casa Museu Paula Rego, em Cascais, organizada pelo NUCLIO – Núcleo Interactivo de Astronomia, com o apoio da Câmara Municipal de Cascais. Conforme se pode ler na página oficial deste projeto:

No Dia do Pai, dia 15 de março, no jardim-de-infância do Sebal, os pais das crianças vieram ao jardim-de-infância para uma atividade conjunta entre eles e os filhos. Foi uma tarde muito proveitosa, no âmbito da articulação escola-família.

"Este evento destina-se a promover a partilha de sucessos e experiências em projetos, desenvolvidos por professores e alunos durante o ano letivo de 2012/2013. Nesta edição, serão apresentados os trabalhos desenvolvidos no âmbito do Dark Skies Rangers, com a presença da sua coordenadora internacional, a Dra. Constance Walker (NOAO – National Optical Astronomical Observatories), que irá entregar os certificados de participação nos projetos a alunos e professores. Durante este ano letivo, várias foram as escolas que contribuíram com os seus excelentes trabalhos para uma mudança de mentalidades e a promoção da preservação do nosso céu noturno. O trabalho desenvolvido pelas escolas portuguesas tem sido apresentado como pioneiro a nível internacional, estimulando as escolas de todo o mundo a inovar as suas atividades." Mais informações em: http://dsr.nuclio.pt/

OS ARTISTAS DO CENTRO EDUCATIVO

Nas aulas de Apoio ao Estudo, com a professora Anabela Raimundo, os alunos do Centro Educativo desenvolveram atividades de expressão plástica, tendo explorado diversas técnicas. Os mais pequenos surpreenderam, muitas vezes, pela sua criatividade enquanto os alunos do 3º e 4º ano conseguiram executar traçados geométricos e construções com enorme perfeição. Ao longo do ano letivo, professora e alunos, realizaram cartazes de grandes dimensões e exposições que embelezaram os espaços da escola.

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 11


NOTÍCIAS / ATIVIDADES ::

C3 – Crianças com Ciência A turma D do 3º/4º da Escola EB1 de Condeixa Nº 3 tem participado em todas as atividades promovidas pela Associação de Pais - C3 – Crianças com Ciência. Iniciámos com a visita de estudo ao CNC – Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, onde aprendemos como se realizam as sinapses cerebrais. Depois, com o estudo da Biodiversidade nas poças de maré, descobrimos os diferentes seres vivos que fazem do seu habitat as rochas e poças de água. Para a concretização desta atividade, tivemos o apoio informativo e prático do professor João, do Exploratório – Centro de Ciência Viva de Coimbra. Tem sido, realmente, fantástica toda a panóplia de experiências e aprendizagens retidas.

Desde fevereiro de 2012 que o projeto Ciência Viva, “O Mar longe da Costa”, iniciou na Escola Básica nº1. Neste projeto houve um envolvimento de biólogos marinhos, pois um cientista não se deve resumir somente a realizar investigação científica, deve dar o seu contributo para a divulgação do conhecimento e promoção de uma cultura científica junto da comunidade e sobretudo junto dos mais jovens. Foi nesse sentido que os biólogos marinhos, Sónia Cotrim Marques e Sérgio Leandro, decidiram integrar este projeto, demonstrando um elevado empenho para o seu sucesso. Neste ano letivo dinamizou-se um conjunto de ações dirigidas aos mais novos, sendo de destacar: CLUBE DAS CIÊNCIAS DO MAR: tem a supervisão pedagógicocientífica de um investigador que fornece o material de suporte às atividades realizadas e funciona no intervalo da manhã de quintafeira. VISITAS A LABORATÓRIOS DE INVESTIGAÇÃO RECURSOS MARINHOS, nomeadamente a Peniche, com as temáticas “Conhecer para compreender”, “Conhecer para proteger“ - sensibilização e educação ambiental para os valores e importância dos ecossistemas marinhos. Estas visitas, distribuídas por três dias contaram com o apoio e a presença de investigadores da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche. As visitas realizaram-se a 22 de maio, DIA INTERNACIONAL DA BIODIVERSIDADE , a 6 e 12 de junho, respetivamente. O MAR É UM LABORATÓRIO : dinamização de atividades laboratoriais nas instalações da Escola Básica nº1, promovidas pelos investigadores Sónia Cotrim e Sérgio Leandro. Nestas seis sessões foram abordados diversos temas e foram respondidas muitas questões, tais como: O que comem os peixes? Como são os animais da Antártida? Que tamanhos podem ter os peixes? O que faz um biólogo marinho? Será que se pode comer qualquer peixe? Há tubarões em Portugal? Foram representados os icebergs e uma das sessões contou com a presença de um convidado especial: um caranguejo. Ainda aprenderam a fazer origamis de peixes e peixes de esponja….

CIÊNCIA TROCADA EM MIÚDOS: Foram realizadas duas palestras asseguradas por investigadores e docentes do ensino superior na Escola Básica nº1, com os temas: “O mar de Polo a Polo! “ e “Berlenga um laboratório natural“! A primeira palestra foi assegurada pelo biólogo marinho, José Xavier, um dos poucos portugueses que estuda os pinguins no Polo Sul, já indo na sua oitava campanha científica na Antárticd. Na sua palestra falou dos pinguins, das focas, dos albatrozes e da sua vida na Antártida, enquanto cientista. Na segunda palestra o biólogo marinho, Sérgio Leandro, veio falar da sua experiência nas BERLENGAS - RESERVA DA BIOSFERA DA UNESCO, das espécies que aí poderemos encontrar e ainda dos navios afundados nessa zona do nosso mar. É de realçar que esta palestra foi realizada no dia 20 de maio, DIA EUROPEU DO MAR. Para o próximo ano letivo continuaremos com estas e outras atividades, palestras e saídas de campo… ATÉ LÁ! ASSOCIAÇÃO DE PAIS DA ESCOLA BÁSICA Nº 1

12 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013


Artes Plásticas no Jardim de Infância de Ega

:: ARTES

Ao longo do ano fizemos inúmeros trabalhos de expressão plástica: pintura, modelagem, recorte, colagem, desenho… Experimentámos diferentes materiais, explorámos diversas técnicas, divertimo-nos e fizemos trabalhos muito interessantes!

TEMOS ARTISTA!

Felizmente, estamos numa escola onde nos podemos orgulhar de ter uma biblioteca toda quase à nossa disposição. Utilizamo-la bastante e além das consultas necessárias para realizar trabalhos, para requisitar livros, também temos tido oportunidade de ouvir histórias. A última foi com a ajuda do "Tapete contador de histórias" e chamava-se "O beijo da palavrinha" de Mia Couto.

A aluna do 6ºF, Mariana Siva, tem realizado autênticas obras de Arte… Esta aluna, de Currículo Específico Individual, tem apoio na disciplina de Educação Visual com a professora Teresa Pereira, com quem se vai expressando através de muitas cores e formas… Temos muito gosto em apreciar tamanho empenho e qualidade nos trabalhos que esta aluna tem realizado. Parabéns à ARTISTA!

Gostámos imenso.

Turma D do 3º/4ºanos da EB1 de Condeixa Nº 3

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 13


ARTES :: Depois de observarmos os ninhos das andorinhas, fomos pesquisar e aprendemos muitas coisas: —as andorinhas comem insetos enquanto voam, têm asas longas, uma cauda que se divide em duas, bico e patas curtas; —as andorinhas andam em grandes grupos (bandos) à procura do calor. São aves migratórias; —as andorinhas constroem ninhos em sítios abrigados, com lama e palha e conseguem voltar sempre para o mesmo ninho onde põem 4 a 5 ovos de cada vez; —as andorinhas-bebés só saem do ninho com um mês de vida, quando estão prontas para voar. Calcula-se que cada andorinha necessita de aproximadamente mil e quinhentos insetos por dia para se desenvolver! Maio 2013 Centro Educativo Jardim de infância: turma E

Texto e imagem, as duas faces da mesma moeda É a literatura para a infância uma das mais produtivas dimensões de anexação de textos visuais e verbais. Dado que as crianças contactam com estas obras em idades em que a aquisição da literacia verbal e visual está em franco desenvolvimento, parece-nos que merecem verdadeiramente a nossa atenção, pois vão certamente constituir-se como um dos polos promotores da literacia visual. Atualmente, interessa perceber como estas mensagens se articulam para transmitir informação mas, no caso da literatura para a infância, interessa perceber também como se articulam para transmitir emoções. Como se interligam, como dependem uma da outra, de modo a que sejamos capazes de organizar um fio condutor quando as olhamos, e de gerar com elas sentidos ainda para além daqueles que os textos nos proporcionam. As imagens invadiram o nosso quotidiano e estão obviamente disponíveis para a fruição estética, mas também para utilizações pragmaticamente determinadas. Dar luz ao entendimento, instruir e civilizar, são aceções da palavra “ilustrar”, que, junto com a puramente ornamental, definem uma atividade que vincula a expressão plástica ao desenho, a arte aplicada a uma função concreta: a informação. A função que cumpre a ilustração transcende, na maioria dos casos, o puramente ornamental para se converter em informação não escrita, um meio de expressão que prescinde de barreiras linguísticas, facilitando a compreensão de uma mensagem. Ler uma imagem é também ter acesso a um conjunto de convenções gráficas próprias da nossa cultura

e da nossa sociedade. As imagens devem corresponder ao núcleo do eu / mundo para que a criança as identifique e permitam uma progressão ajustada ao seu desenvolvimento. Folhear as páginas do livro é a metáfora do desenrolar do tempo que a própria sucessão das ilustrações realça; ao fazê-lo, a criança brinca com o tempo, fazendo-o avançar ou recuar. Na linguagem verbal, as figuras de estilo alteram ou enfatizam o sentido das palavras e possuem correspondentes similares na linguagem visual, como a hipérbole, a metáfora, a metonímia e a personificação. Alguns exemplos: Personificação: Atribuição de caraterísticas humanas a seres inanimados bem como a ideias abstratas O CUQUEDO – PERSONIFICA O MEDO Metáfora: Corresponde a transformações na imagem, através de relações de similaridadeSALVADOR DALI – A PERSISTÊNCIA DA MEMÓRIA Relógios derretidos, metáfora para a liquidez do tempo.

Hipérbole: Processo de exagero; expressão de uma ideia de forma exagerada. Fernanda Raposo, Educadora de Infância - C. Educativo

14 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013


:: ARTES

Planificação em Teia: Tecendo um mapa de conhecimentos Enquanto estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico da Escola Superior de Educação de Coimbra, amavelmente acolhidas neste Centro Educativo e com a capital colaboração da Educadora Cooperante e da Turma A do JI, empreendemos a desafiante implementação do

Projeto de Educação Financeira - O Dinheiro na Nossa Vida Foi partindo de descobertas realizadas por meio de investigação no terreno, bem como da resolução de problemas propostos, que as crianças puderam construir, etapa a etapa, o mapa de conceitos que demonstra todo o percurso percorrido, desde o sistema de trocas à moeda, passando pelo valor do trabalho, da poupança e do consumo comedido. Este mapa de conceitos, por muitos conhecido como rede ou teia, permite uma verdadeira conexão entre todos os conceitos apropriados pelas crianças, tornando as suas aprendizagens mais significativas e permitindo uma constante revisão do percurso percorrido, patrocinando o desenvolvimento da sua memória a longo prazo. Através desta prática, pudemos aplicar um sistema de práticas integradas, no qual nenhuma área foi esquecida, desde a formação social e pessoal, no que toca às diversas expressões, não esquecendo a matemática e o domínio da linguagem oral e abordagem à escrita, como também a área de conhecimento do mundo, numa perfeita harmonia inter-relacional entre todas as áreas. Isabel Duque e Patrícia Carvalho (as estagiárias)

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 15


Especial Dia do Agrupamento :: FERNANDO NAMORA

SERÁ QUE SABEM TUDO SOBRE ELE? No dia 15 de abril, os alunos do agrupamento puderam responder a um questionário on-line sobre Fernando Namora, nas Salas da Tecnologia, tanto na Escola Básica nº2 como na Escola Secundária Fernando Namora. As perguntas realizadas foram: Fernando Namora nasceu em 15 de abril de

[1909, 1919, 1929]; Em Coimbra, ele estudou na escola

[Avelar Brotero, Infanta D. Maria, José Falcão]; O primeiro romance que publicou foi [Domingo à tarde, Fogo na noite escura, As sete partidas do Mundo]; Concluiu a licenciatura na Universidade de Coimbra em

Parabéns aos três alunos

[1940, 1941, 1942];

que acertaram em todas as questões:

Começou a exercer medicina em

Alexandra Ventura

7ºD

João Francisco Letras Ferreira

8ºD

Francisca Esteves

9ºA

[Condeixa-a-Nova, Monsanto da Beira, Pavia]; Em 1988, pouco antes de morrer, é agraciado com a [Ordem do Mérito Empresarial, Grã Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, Ordem de Santiago da Espada]. Houve um total de 336 alunos que, durante o dia 15,

responderam ao formulário:

3º Ano 4º ano 5º ano 6º ano 7º ano 8º ano 9º ano 11º ano

Ainda pode responder em: https://docs.google.com/spreadsheet/viewform? formkey=dHFGaW0wamhzSG10d0lkR3N1c2dUOXc6MQ

38 33 40 30 104 86 2 3

16 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013


::Especial Dia do Agrupamento

O Dia do Agrupamento constituiu uma atividade cultural transversal,

motivadora da vinda dos pais ou encarregados

de

educação

à

escola dos seus filhos ou educandos, facilitadora do diálogo Escola – Família e da abertura dos portões da escola à comunidade em que está inserida.

A sua comemoração visa, por um lado, dar a conhecer aos nossos alunos a vida e obra de Fernando Namora, patrono da escola secundária e personalidade singular da nossa terra. Por outro, procurou-se estreitar a ligação escola-família-meio, consolidando um histórico de sucesso

que este género de atividades tem vindo a alcançar ao longo dos últimos anos e que tem contribuído para definir e fortalecer a identidade da nossa escola. No dia 12 de abril pelas 21h00 no cineteatro municipal, realizou-se um sarau cultural recheado de música, poesia, atividades gímnicas,… No dia 15 de abril, durante todo o dia, decorreram na Escola Secundária Fernando Namora, e

Escola

Básica

nº2,

ateliers,

palestras,

workshops,

exposições temáticas ou de âmbito disciplinar, promovidas por clubes ou entidades exteriores à escola (Associações

de Pais). Laboratórios abertos, o Roteiro do Patrono, Salas de jogos educativos, torneios desportivos, apresentações

musicais, coreografias gímnicas foram outras atividades que ocuparam os alunos.

Desta forma, procurou-se envolver o maior número possível de alunos, professores, funcionários e pais ou encarregados

de

educação,

mostrando

trabalhos

desenvolvidos ao longo do ano que reforçam a vertente artística identificada como um ponto forte.

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 17


Especial Dia do Agrupamento :: O Dia do Agrupamento é um daqueles dias em que andas de um lado para o outro, numa série de atividades ou clubes que nem sabias que a escola tinha. Alguns consideram-no um dia cansativo e chato, e outros ficam simplesmente encantados pelo facto de não terem aulas um dia inteiro. Seja qual for a opinião sobre este dia, tenho quase a certeza de que não sou a única a dizer que são dias como este que fazem a diferença. Uma pausa no período de aulas e uma diferente interação com os professores e as restantes personagens que vemos no dia-a-dia, trazem sempre uma versão diferente daquilo que as pessoas são quando estão mais descontraídas e menos atentas às regras do “normal."

Andreia Sousa - 7ºB

Gostei muito de pesquisar coisas no globo terrestre porque quero ser investigador. Leonardo 2ºA EB1

Gostei muito de fazer experiências - João Gonçalves 2ºA EB1

Gostei dos jogos de matemática porque fizemos atividades com materiais diferentes. - Leonor 2ºB EB1

Acho muito importante recordar Fernando Namora que foi um grande escritor da terra. As experiências foram divertidas e gostava de poder voltar a repetir este dia. - Bernardo 2ºB EB1 Foi um dia bom porque fizemos muitas coisas novas. Gostei muito de fazer o emblema do agrupamento e de fazer origamis. - Afonso Barros JI EB1

Gostei de ouvir histórias. - Tomás Tarrafa JI EB1

Gostei muito do torneio de futebol. - João Pedro 3ºA EB1

Foi um dia muito divertido porque pudemos

Gostei muito deste dia e gostava de repetir - Tiago 3ºA EB1

18 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013


::Especial Dia do Agrupamento Adorámos a parte das experiências (fazer papel reciclado) e da tecnologia. Gostámos da palestra que teve a colaboração da Associação Salvador e de participar, sobretudo, nas atividades ligadas às artes. Achámos as pinturas muito divertidas! A turma do 7ºG

Nesse dia fizemos experiências científicas. Vimos exposições com trabalhos de educação tecnológica e de educação visual. Nessa sala havia uma caixa que tinha dois fios que, quando se ligavam, acendia uma lâmpada. Lá fora, no telheiro, havia um prato cheio de tinta e pintámos com as mãos. Foi bué de fixe! Também estivemos nos computadores a responder a questões sobre Fernando Namora porque é o Patrono da Escola Secundária. A turma do 7ºF

No dia 15 de abril de 2013 festejou-se o Dia do Patrono, no nosso Agrupamento. Neste dia realizaram-se várias atividades destinadas a todas as turmas do agrupamento. Entre elas, destacamos “Sala de Tecnologia 1”, “Exposição de trabalhos de EV”, “Praça da Música”, “Matemática a abrir” e muitas outras, que, não fora corrermos o risco de ocupar mais que meia página, aqui podemos referir. A atividade que mais nos agradou foi a visita à exposição “Viagem das Plantas nas caravelas e nas naus dos portugueses” porque conhecemos e cheiramos vários tipos de plantas. Sugeríamos que, para o ano, disponibilizassem mais tempo para cada uma das atividades visto ser esta uma forma de a Escola ser fonte de conhecimentos diversificados. Por fim, gostaríamos apenas de dizer que gostámos muito do Dia do Patrono! Inês Ramos e Mª Inês Valente, 5ºD

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 19


Foi um dia giro e engraçado. Vimos um senhor a fazer magia e estivemos nos insufláveis, e eu gostei, mas demorava muito tempo porque estavam lá muitos meninos. Vimos um filme dos Smurfs na biblioteca. Leonor Duarte, 1º/2ºD Ced.

Foi um dia de atividades. Andei nos insufláveis e fui ao Desafio Marshmallow. Tínhamos que fazer uma estrutura para segurar os Marshmallow. Gostei muito e consegui acabar a tempo e foi uma das torres mais altas. Fomos ver um curso de eletricistas. Havia antenas e motores com ventoinhas e interruptores de teste …foi um aluno que nos explicou tudo. Foi um dia diferente. João Lourenço Freitas,

No dia 15 de abril do corrente ano, eu e três colegas participámos nas atividades do dia do Patrono, Fernando Namora. Estivemos presentes na Biblioteca Municipal, um dos locais do roteiro do patrono. Lá, falámos sobre a sua vida e obra às turmas de nono ano da nossa escola. Realizei esta atividade pela terceira e última vez, com muito orgulho. No entanto, o nosso trabalho nunca foi reconhecido e nunca tivemos nenhum elemento da direção a assistir, mas são atividades como estas que levo no coração e que vão deixar saudades… Filipa Lopes 12ºC

“O amor é a invenção de tudo, uma originalidade inesgotável.” (Fernando Namora, no Jornal sem Data) Foi com amor e dedicação que nos esforçámos para, mais uma vez, recordarmos o nosso patrono, cada um dando o seu melhor. Também eu tentei dar o meu melhor ao dar a conhecer mais detalhes da sua vida, na casa Museu Fernando Namora, aos meus colegas do 9º ano. Espero que tenha sido suficiente para o honrar, tal como merece. Micaela Rodrigues, 10ºA

No passado dia 15 de abril assinalou-se o “Dia do Agrupamento”, evento destinado a honrar o grande poeta condeixense, Fernando Namora. Começámos este dia por visitar a Escola Secundária Fernando Namora. Assistimos a várias exposições de ciências, física e química, nas quais realizámos várias experiências. Observámos também trabalhos de arte de alguns alunos. Nesta visita pudemos também deliciar-nos com as mais variadas sobremesas à base de chocolate. Verdadeiras iguarias! De regresso à escola, já depois do almoço, foi realizada uma pequena coreografia para simbolizar o agrupamento de escolas, da qual fiz parte, que fora antecedida pela entrega de prémios dos vencedores do torneio de xadrez. Para finalizar este dia, assistimos a uma palestra de um membro da Associação Salvador, com o tema “Vamos criar espaço para todos”, que nos alertou para a importância das acessibilidades e de como é a inclusão de pessoas com incapacidades na sociedade. Celebrou-se também esta data, sexta-feira à noite, dia 12, realizando-se um Sarau, apresentado pela professora Anabela Costa e pelo aluno Philippe Simões, em que participaram o grupo gímnico da Academia Norton de Matos e o da nossa escola, assim como a Orquestra e o Rancho Folclórico. Foram todos eventos muito interessantes e agradáveis. Sara Silva, 8ºA

20 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013


::Na Biblioteca acontece... A ARTE NA INFORMÁTICA O Modding é um movimento em tudo semelhante ao tuning, mas aplicado a computadores e não a carros. O espírito do Modding é criar algo único, pessoal, e de preferência, mais eficiente que o original. O Modding pode ser algo apenas estético como ventoinhas de cores, néons, caixas totalmente modificadas ou algo para melhorar a eficácia, como arrumação de cabos, aberturas maiores ou extra para novas ventoinhas em locais estratégicos.

BIBLIOTECA ESCOLAR Hora de despedida… “Saber quem somos, como e para onde vamos”, poderia ser o usado como lema do Agrupamento de Escolas de Condeixa, A escola é, com efeito, não só um local de saberes académicos, mas de educação para os valores, para a cidadania, para o encontro com o eu e com os outros. É também na escola que a personalidade dos jovens se vai modelando, ao longo do caminho. Alguns podem, até, chegar ao fim da caminhada, neste caso do Secundário, e não saberem muito bem que porta querem abrir; outros terão já alguma expetativa do que estará por detrás dessa(s) porta(s), sabendo muito bem como e para onde querem voar. A caminhada nem sempre é fácil, os desafios são constantes, as derrotas e as vitórias coexistem. No entanto, a escola cumpre a sua missão, apoiando, todos que “meio perdidos” ainda não sabem o que querem da vida e também os outros, cujos horizontes não têm limites. A Biblioteca Escolar, recurso essencial da escola, é parte integrante dessa viagem, apoiando todos na partida, no percurso e na chegada até às merecidas palmas da vitória! Anabela Costa (Coordenadora BE )

Encontro com o escritor/ilustrador

Pedro Seromenho

http://mais-digital.blogspot.pt/2012/04/os-melhores-projectos-de-modding.html

Para o Dia do Agrupamento os alunos António Nunes e Diogo Pessoa, do 1º ano do CEF de Instalação e Operação de Sistemas de Informáticos, puseram mãos à obra e criaram dois computadores diferentes. Com algumas luzes e alguma imaginação, montaram duas máquinas realizando, assim, uma espécie de Mooding. As máquinas eram computadores antigos, mas em perfeito estado de funcionamento, continuando a funcionar, mesmo após a montagem técnica, como puderam testemunhar os alunos e professores que visitaram as Salas da Tecnologia.

Sessão de encerramento do Projeto

“30 Dias, 30 Livros” 2013

Nos dias 3 e 4 de junho, verificou-se a sessão de encerramento da iniciativa “30 dias, 30 livros”, projeto conjunto das bibliotecas concelhias de Condeixa (BM e BE). Depois de um ano pleno de excelentes leituras, muitas viagens e animação da leitura nos JI e EB1, fora da sede de concelho, a iniciativa encerrou com uma grande “festa” de celebração do Livro e da Leitura, realizada na Biblioteca Municipal e cujo convidado especial foi o escritor/ ilustrador Pedro Seromenho, excelente comunicador, escritor/ ilustrador e ser humano que mais uma vez tivemos a honra de receber. As gargalhadas e perguntas foram muitas, as sugestões também e foi com imensa satisfação e um enorme brilho nos olhos que os participantes se despediram de nós com um “Até breve”!

3ª Edição - Concurso “Poesia na Biblioteca Escolar” 2013

De 3 a 7 de junho, as bibliotecas da FN e da EB 2,3 dinamizaram a “Feira/ Troca do Livro Usado”, na Escola Secundária Fernando Namora”. Deste modo, toda a comunidade escolar pôde ter momentos de empatia, descontração, amizade, curiosidade e, claro, adquirir livros a preço simbólico através de troca.

Embora um pouco tardiamente, este ano letivo devido à paragem letiva do 2º período, celebrou-se, no dia 05 de abril, mais um Dia da Poesia, com a entrega dos prémios aos grandes poetas e poetisas deste Agrupamento. A cerimónia que se realizou em conjunto com a do Concurso de Poesia destinado ao público adulto, promovido pela Biblioteca Municipal de Condeixa, pautou-se pela qualidade das composições dos vencedores e pelos momentos poéticos mágicos que aí se viveram. Os participantes foram muitos e muitas das composições poéticas apresentadas a concurso tinham uma grande qualidade. Parabéns a todos! Todavia, apenas podia ser selecionado um poema de cada ciclo de ensino e um do Ensino Secundário, pelo que chegou o momento de partilhar convosco essas obras magníficas. - ler os poemas “A vida com leitura”; “Preciso do teu amor”; “Sonho”; “Amor” Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 21


Na Biblioteca acontece… :: Dia do Agrupamento e Semana da Leitura 15 a 19 de abril O terceiro período continuou a decorrer “em grande” com as atividades de comemoração do Dia do Agrupamento (15.04) e da Semana da Leitura 2013, cuja temática era O Mar e que decorreu de 15 a 19 de abril. Foram muitos os que connosco celebraram o Prazer de Ler +, desde miúdos a graúdos. Entre a Praça do Livro (EB nº2); Concursos de Pesquisa; Mini Bibliopaper (EB nº2), Feira do Livro (8 a 25, nas instalações da BM); momentos de partilha de leituras e de escrita, encontro com a escritora Milú Loureiro (18 e 19); 2ª eliminatória do Concurso de Leitura (17); Hora do Conto (EB nº2 e EB nº3); Palestras (ESFN); exposição de documentos/ trabalhos dos alunos (desenhos, poemas e outros textos); elaboração de murais subordinados à temática do Mar, onde estiveram expostos os trabalhos plásticos e de escrita dos elaborados pelos alunos, bem como adágios populares (EB nº1 e 2); visionamento de filmes/ documentários sobre a temática do mar; trabalhos em origami e outras técnicas plásticas destinadas aos alunos (EB nº 1 e 2); exposição curiosidades sobre o mar e espécies marinhas em perigo (EB nº2); e uma sessão de poesia, realizada no auditório da EB nº2, destinada a todas as turmas de i8º ano, numa iniciativa conjunta entre as professoras Anabela Louro e Anabela Costa (também PB) e alguns dos alunos do 8º D. Mas, é óbvio que um evento desta envergadura só conseguiria ter o sucesso que alcançou por contar com a participação, o envolvimento, a diversidade e a capacidade de inovar de todos os que se empenham em tornar a leitura um bem precioso. Muito obrigada a todos, em especial à maravilhosa equipa da BE da qual fazem parte os seus monitores, à Biblioteca Municipal de Condeixa, nossos parceiros tão próximos e a todos os alunos e professores voluntários, que tanto nos auxiliaram! Vocês Praça do Livro

Concurso de Leitura 2ª eliminatória

Alguns dos momentos inesquecíveis que se viveram…

Janela do Mar – BE EB nº2

Ora vejam…

Exposições

Alguns dos monitores/ colaboradores

Atividades plásticas e pesquisa

O 25 de abril e a biblioteca Na data em que o povo celebra a liberdade, nós também a comemorámos. Durante uma semana, juntou-se à celebração Zeca Afonso, através do visionamento de um dos seus concertos, enquanto se observava uma exposição sobre esta temática, bem como apresentações em forma digital. Na Be da Eb nº2 fez-se um Concurso de conhecimentos sobre a temática. 22 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013

Animação da Leitura (BE EB nº2) – Os meninos do JI da EB nº1 divertiram-se e aprenderam bastante com a história “Um medo chamado Adamastor”, que foi contado com o tapete elaborado pela educadora Nina Raposo. Depois da história, foram “viajar” pelo mundo, conhecendo a cultura e produtos oriundos dos continentes onde os nossos antepassados navegadores “aportaram”, exposição preparada pelas colegas de História e Geografia de Portugal.


:: Na Biblioteca acontece... Campanha “Adota o teu bichinho de estimação” Durante duas semanas de maio, a BE da EB nº2 e a EB nº1 deram bichos-da-seda aos alunos que estavam desejosos de adotarem o seu “bichinho de estimação”. Desde Fofinha a Rastejante e até Bobby, muitos foram os nomes que os alunos deram às suas novas mascotes, as quais levaram carinhosamente para casa, não sem antes serem devidamente instruídos acerca dos cuidados a ter e todo o

Nos dias 7 e 10 de maio, as Bibliotecas Escolares da EB nº2 e da ESFN receberam os alunos de 1º ao 3º ano das turmas da EB nº3, tendo sido preparadas várias atividades, tais como a hora do conto, atividades plásticas. As nossas monitoras do 5º ano ajudaram-nos bastante, como sempre, aliás!

processo de metamorfose que iriam observar. Resta-nos agradecer ao Miguel e ao David do 6º B, que tiveram a brilhante ideia e generosidade de partilhar com os outros algumas dos seus simpáticas lagartas.

Concurso de Leitura Ouvir ler? Que Prazer! 2013 No dia 15 de maio, a sala multiusos da Biblioteca Municipal esteve repleta de alunos, docentes e pais que se encontravam a assistir à final do Concurso de Leitura 2013, promovido em parceria pela Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas de Condeixa e a Biblioteca Municipal. Alunos dos vários ciclos de ensino e de várias escolas foram à última eliminatória do Concurso em questão e encantaram-nos com as suas leituras. Apesar da escolha ter sido difícil para o júri, consagraram-se vencedores os seguintes alunos, a quem damos os parabéns, bem como ESCALÃO

ALUNO

1º CEB

Beatriz Henriques Diogo Rita Alexandra da

(1º lugar Ex équo) 2º CEB 3º CEB

Dia da Mãe

Atividades para os alunos de 1º CEB da EB nº3

Costa Pita Inês Escaroupa Sobral Diogo Gonçalves

A Biblioteca Escolar Fernando Namora não pôde esquecer o mês de maio, mês de Maria, mãe de Jesus. Quando se fala em Maria, pensamos logo na nossa mãe, exemplo de generosidade, de entrega, de dedicação e de amor: imagem viva para ser continuada em toda a nossa existência. Assim, a equipa da BEFN fez questão de marcar a ocasião com a exposição de cartazes alusivos ao tema e a oferta de separadores de leitura.

Dia Mundial da Criança Comemorou-se na semana de 03 a 07 de junho o Dia Mundial da Criança, com Hora do conto, atividades plásticas, elaboração de origami e marcadores de página, filmes, música, exposições de trabalhos dos alunos e da equipa BE… Aproveitámos e expusemos os excêntricos e lindos chapéus elaborados pelos alunos da professora Conceição Cachado, no âmbito da atividade do Departamento de Inglês “Bonnet Parade”. Foi maravilhoso e todos nos divertimos muito!

Projeto SOBE – Teatro de fantoches “Dentinho, Dentola, Dentão”de José Fanha

Ano/Turma

Escola

3º B

EB 1 Sebal

4º B

EB nº3

6º A

EB nº2

9º D

ESFN

As Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas de Condeixa, em parceria com a Biblioteca Municipal, desenvolveram atividades de animação da leitura com um teatrinho de fantoches, baseado na obra de José Fanha, acima referida. Esta atividade havia sido precedida por sessões de sensibilização, esclarecimento e um Concurso de ilustração na BE da EB nº2 acerca da higiene dentária. Esta atividade encontra-se inserida no Projeto Saúde Oral na Biblioteca Escolar e é uma iniciativa conjunta entre a RBE e o Ministério da Saúde. Assim, nos dias 30 e 31 de maio estivemos com as crianças da Educação Pré-escolar e 1º CEB da EB nº3 e no dia 7 de junho, com as da EB nº1. E que bem que eles sabiam as regras para ter dentinhos saudáveis!!!!

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 23


ARTES :: Entrevista a António João Silvestre

Equipa do jornal JÁ (alunos do Curso TAP) as questões colocadas foram elaboradas na disciplina de Animação Sociocultural.

JÁ: Quando é que percebeu que o seu futuro estaria ligado à arte? Foi uma decisão fácil? O que o levou a interessar-se pela arte? R:Desde sempre soube que o meu futuro passaria pela Arte. Já tentei fazer outras coisas, mas além de não ter sucesso noutras áreas, também não tenho qualquer paixão. O que me leva a interessar-me por Arte é o simples facto de que para mim tudo é indissociável da Arte. JÁ: Qual é a sua formação escolar e pessoal? O trabalho de um artista deve mais ao que aprende na escola ou ao “jeito” ou “dom” que se tem? R: Eu sou licenciado em Artes Plásticas – Pintura e Intermédia; frequentei também os cursos de Arquitetura, Design de Equipamento, Cerâmica e Arte e Design. Nunca fui muito de acreditar em dons ou jeito, acho que o trabalho sério e o esforço resultam invariavelmente em sucesso JÁ: Quando pinta ou desenha parte de um sentimento, de uma imagem ou ideia mentais ou de um objeto ou realidade exterior? R:Já não pinto muito. Quando o fazia penso que ambas

as situações se adequavam.

JÁ: Das obras que fez até agora, qual é a que destacaria? Porquê? Provavelmente a Instalação que faz parte do meu projeto eferHumansect. O tema (efemeridade), a

relação de escalas e a imensidão da peça, pois era composta por mais de 600 figuras, fazem dela a obra que mais destaco no meu trabalho. Se bem que mesmo esta peça não tem muito sentido senão acompanhada das restantes elaboradas no mesmo projeto. (ver fotos abaixo)

JÁ: O que é, para si, a arte? E qual é o valor (ou valores) da arte? R:Esta pergunta não é fácil… Para mim, o principal valor da arte é o do progresso humano; as pessoas vivem, nos tempos que correm, obcecadas com o desenvolvimento tecnológico e confundem isso com progresso. Mas, para mim, é na Arte e na Cultura que assentam as bases do progresso e desenvolvimento humanos. JÁ: A arte, na sua perspetiva, tem alguma função – social, moral ou cognitiva – para além do seu valor puramente estético? R:Claro que sim… cada vez mais! Já referi isso anteriormente, mas acrescentarei que a arte também desempenha um papel importante no campo etnográfico, social e político. A Arte dos nossos tempos não se prende apenas com os valores estéticos clássicos, é muito mais do que isso, e julgo também que assim o é devido às novas capacidades que a reprodutibilidade técnica trouxe à arte. JÁ: Considera que a arte pode ter um papel importante na educação? No seu trabalho como artista ou galerista tem alguma atividade ligada à educação pela arte? R: Acho que a Arte na educação e desenvolvimento tem um papel fulcral tão importante como a Matemática ou o Português. Tenho pena de ainda viver num pais em que a arte é subvalorizada e vista como algo que vem em segundo ou terceiro lugar na educação. Basta considerarmos a importância que tinha a Arte em

24 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013


:: ARTES plano bem definido, custos reduzidos, um espírito de “do-it-yourself” e uma enorme capacidade de trabalho e muita paixão. Tudo acompanhado de uma contínua aposta na minha formação e na unicidade do nosso projeto. JÁ: Qual o objetivo da sua galeria? Que tipo de obras e de

tempos passados e o quanto evoluímos enquanto assim foi, e estou a falar de exemplos como Leonardo DaVinci ou Alexander Rodchenko (pintor russo que criou a base para a invenção do pixel). Respondendo á segunda parte da pergunta, de momento estamos a implementar uma série de atividades (workshops, conferências, tertúlias e aulas de pintura) na galeria para fomentar a aprendizagem e a experimentação dentro de variados campos artísticos. JÁ: Considera que a arte pode ter um papel importante no trabalho com pessoas com deficiência ou incapacidades e mesmo com pessoas doentes (física ou mentalmente)? Que contributo que parece que a arte pode dar nestas situações? R: Eu penso que sim, mas não serei a pessoa mais indicada para responder a esta questão, pois nunca fiz investigação, nem nunca trabalhei nesta área. JÁ: O facto de ter nascido em Condeixa, uma vila relativamente afastada de centros artísticos importantes como Lisboa e Porto, torna mais difícil a um artista conseguir tornar-se conhecido? R: Se me perguntassem o mesmo à 20 anos atrás, eu diria que sim, mas hoje em dia, com a internet e os bons transportes que temos, com o acesso ao ensino superior, não penso que venha daí a maior dificuldade. Além disso, Condeixa já tinha pintores conhecidos, nacionalmente e internacionalmente, falo de Manuel Filipe e António Pimentel. JÁ: Tendo em conta a situação atual do país, a abertura de uma Galeria é um risco; o que o le va a acreditar que vai ter sucesso nesta área? R: Temos um

artistas estão expostos? Que público pretende servir? R: O objetivo principal é devolver a Coimbra o fervilhar de ideias que acontecem quando se juntam artistas em prole de um mesmo objetivo. Ajudar jovens a potenciar as suas capacidades; também pretendo desenvolver a minha experiência enquanto curador. Represento, na Mercearia de Arte, cerca de 40 artistas com os mais variados suportes e te mas de trabalho. relação

Em aos

públicos... bom... todos... todas as pessoas que queiram mais arte, mais conhecimento e mais progresso, essas pessoas são o meu público. Não consideramos a Arte algo das elites, mas sim algo de massas e lutamos contra esse estigma. A Arte pode tornar-se acessível a todos, mesmo de um ponto de vista económico. JÁ: Tendo em conta a sua experiência no mundo da arte, que conselho daria a um jovem que quisesse seguir uma profissão na área das artes plásticas? R: A aposta numa sólida formação e nunca desistir... Só perdem os que desistem, portanto a minha mensagem é: Inauguração – esq para a direita – Gabriela Mihai, António João Silvestre, Hugo Gomes, Filipa Marecos, Hamilton Francisco, Pedro Beja Alves e Ricardo Madeira.

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 25


Produção de textos ::

Apontamentos de Mafra Já se murmurava que nunca mais chegava a tão desejada e prometida visita de estudo / aula prática de Português, “insinuação muito resguardada de orelhas e bocas delatoras e que só entre íntimos se confia.” Que caiba a culpa à mestra, já que os alunos nunca têm culpa de nada, muito menos da não realização de uma atividade... Sete horas da manhã: está para sair a “procissão” da escola. No entanto, como não podia deixar de ser, houve uns pequenos atrasos que em nada podem ser criticados, pois, como sabemos, “a quaresma, como o sol, quando nasce é para todos.” A viagem até Mafra foi bastante tranquila e até tivemos o prazer de ouvir a nossa colega Joana Pereira e a prof. de Português a aguçarnos o apetite (até recordaram algumas passagens do romance que deveriam ter uma bolinha vermelha no canto superior direito do ecrã!) para, dali a pouco, em Mafra, devorar ainda mais conhecimentos... À chegada, deparámo-nos com a grandeza e a imponência do Convento e logo pudemos constatar que a vila vive, sente e transborda Memorial do Convento.

A visita ao Palácio, tendo em consideração as explicações da guia e as ligações que ia fazendo com passagens da obra, fez-nos viajar no tempo e “encarnar” as personagens do romance. Também o almoço foi bastante agradável, pois pudemos contemplar o Jardim do Cerco, um espaço muitíssimo bem tratado e aproveitado, e usufruir de momentos de bem-estar e partilha. À tarde, assistimos à “Leitura encenada de Memorial do Convento”, um excelente e hilariante espetáculo teatral, durante o qual experienciámos variadas sensações, parecendo até que estávamos a participar na ação. Chegou, então, ao fim a nossa visita... E regressámos a casa, se a Condeixa pertencíamos e aos nossos pais... Registo aqui o meu agradecimento ao rei D. João V, visto que foi graças a um dos seus caprichos que nasceram duas obras fantásticas: o Palácio/Convento de Mafra, monumento deslumbrante do Barroco Joanino, e Memorial do Convento, do nosso Prémio Nobel da Literatura. Este romance, na minha opinião, deve ser considerado, a par d’ Os Lusíadas, a melhor obra nacional e José Saramago deve ser para sempre relembrado e enaltecido, tal como Luís de Camões, por ter imortalizado o povo português! Daniel Silva (12.º BC)

26 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013


:: Produção de textos José Saramago: visão peculiar da sociedade em Memorial do Convento

Ao

longo

do

livro,

Saramago se fazia sentir através da Inquisição,

condena os casamentos contratuais, condenando

quem

não

agia

de

ao contrastar o relacionamento do acordo com os seus dogmas. casal real, cuja intenção é apenas

Sarcasticamente, José Saramago

procriar para garantir descendência, e inseriu na sua obra uma personagem a ligação afetiva do par Blimunda e do clero, o padre Bartolomeu de Baltasar,

arquétipo

do

amor Gusmão, que pretendia construir uma

incondicional, puro e verdadeiro. Contrariamente

aos

livros

máquina voadora, a passarola, tendo de sido perseguido pelo Santo Ofício, visto

História, que relatam os enormes feitos que voar era considerado uma heresia.

dos

supostos

grandes

portugueses, Assim, o escritor demonstra que nem os

Memorial do Convento tem como membros do clero estavam imunes ao principal

objetivo

imortalizar

o

Povo,

enaltecer

porque,

e poder Igreja-Rei, já que também eram

na perseguidos e condenados.

realidade, foi o esforço de todos os homens, obrigados a sujeitar- -se a Saramago distingue-se pelo seu condições precárias e degradantes, singular e caraterístico estilo de escrita, dando o corpo (e, por vezes, até a muitas vezes criticado exaustivamente, própria vida) para garantir a à semelhança das suas ideias e construção do Convento, que pensamentos controversos: “Vivo permitiu a D. João V cumprir a sua desassossegado,

escrevo

para

desassossegar”. Em Portugal, o escritor foi/é

frequentemente

referido

com

desprezo e indiferença.

No

entanto,

a

análise

desenvolvida, nas aulas de Português,

promessa:

Prometo,

pela

minha

palavra real, que farei construir um convento de franciscanos na vila de Mafra se a rainha me der um filho no prazo de um ano.

A megalomania do monarca está com a leitura de textos, o visionamento patente na dimensão exagerada do de filmes e documentários e a visita de Convento que, inicialmente, estava estudo ao Palácio Nacional de Mafra, destinado a apenas treze franciscanos

Saramago revela, em Memorial do Convento e em muitas das suas obras e intervenções públicas, o seu ceticismo e a sua aversão pela religião,

o que constituiu o principal foco das a e depressa se transformou numa críticas de que foi alvo. compreensão do autor e para a Em Memorial do Convento, gigantesca obra do Barroco Joanino, condenação da atitude de muitos com materiais muitíssimo dispendiosos Saramago denuncia igualmente as portugueses em relação ao NOSSO e estrangeiros, até porque “em injustiças da época, criticando e revelou--se

crucial

para

Nobel da Literatura. Efetivamente, o

Portugal não há artífices de tanto evidenciando os problemas e as contacto com os lados humano e primor, e, se os houvesse, sem dúvida deficiências da sociedade pessoal de Saramago permitiu vê-lo ganhariam menos” (os portugueses com outros olhos e passar a admirar sempre revelaram uma inexplicável “Pecados, o que é isso, pá? Quem é que veementemente o seu trabalho. inventou o pecado? A partir do momento tendência para esbanjar e uma falta em que se inventa o pecado, o inventor Na minha perspetiva, o facto de de patriotismo incrível!...). passa a dispor de um instrumento de me ter aproximado mais do autor e da A ambição desmedida de D. domínio sobre o outro, tremendo. Se tu história do Palácio possibilitou um João V reflete-se, ainda, no facto de o metes na cabeça de uma pessoa a ideia de que pecou, podes fazer dessa pessoa envolvimento diferente, mais profundo Palácio ostentar uma varanda aquilo que quiseres. E foi o que a Igreja e intimista, pelo que a obra Memorial semelhante à da Basílica de S. Pedro, fez, e já não faz tanto porque, coitados, já do Convento tomou outras onde, equiparando-se ao Papa e, até, não têm nem metade do poder proporções. a Deus, exibia a sua autoridade a uma que tinham. É mais Este romance saramaguiano sociedade submissa e espezinhada por uma farsa, mais encontra-se, indiretamente, repleto de uma aliança entre os poderes uma farsa trágica, que a Igreja fortes críticas sociais, magistralmente eclesiástico e político. Também a representa todos os articuladas, direcionadas e focadas no Basílica do Convento, dada a sua dias.” propósito de levar o leitor a interpretar imensidão e ostentação, evidencia o Jose Saramago, Filme

e a refletir.

domínio da Igreja que, naquela época, Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 27


Produção de textos ::

José e Pilar Ambos

marxistas

convictos,

comunistas

e

apaixonados pela literatura, José e Pilar acabam por casar

-se em 1988 e, mais tarde, instalam-se em Lanzarote. Duas vidas que se cruzaram e não mais se separaram.

Um amor sem receios, nunca escondido, que cresceu e se fortaleceu até ao último dia da vida de Saramago, homem com pensamento superior e verdadeiramente humano, homem que, merecidamente, foi agraciado com o prémio Nobel da Literatura, o qual reconheceu a importância do

Costumava pensar, em tempos, que não existem romance Memorial do Convento, que lhe proporcionou amores perfeitos, que esses romances já só os há nos tanta paixão e sorrisos e que lhe trouxe, também, o seu livros, esses baús preciosos, guardiões de mundos porto de abrigo, Pilar del Rio. Este amor sem reservas, tal como o de Baltasar Seteparalelos. Como eu disse, costumava, verbo conjugado no pretérito, que até é imperfeito, num pretérito em que Sóis e Blimunda Sete-Luas, proporcionou a comunhão Saramago e a sua odisseia ainda não tinham na minha perfeita de duas almas e dois corpos. Foi o acaso que vida qualquer valor ou interesse. Mas, hoje, existem dois permitiu o seu encontro, pois foi após um mero olhar e “eus”: o eu antes de Saramago e o eu depois de um mero contacto que a ligação se deu. De facto, há Saramago.

coisas

inexplicáveis,

tanto

nos

livros, como

na

Tudo começou com um livro. Um simples livro, de realidade!... Talvez, quem sabe?, os Fados tenham “iluminado” o nome nada cativante, Memorial do Convento, e capa muito menos, mas cujo conteúdo surpreende logo após a escritor, levando-o à criação / conceção de Baltasar e primeira passagem de olhos sobre o início do enredo. Foi Blimunda, enquanto prenúncio do encontro com o esse livro que conduziu Pilar del Rio até ao seu destino, verdadeiro amor da sua vida, Pilar. E, mesmo após a sua morte, Saramago não subiu aos aquele que “tanto tardou a chegar”. Foi um livro, um vulgar amontoado de folhas repletas de letras e sentidos, céus, porque os céus, para ele, ateu convicto, não tinham que ligou para sempre duas pessoas e mudou qualquer sentido... Não! Saramago aqui permanece, com completamente as suas vidas. Pilar del Rio, uma mulher os seus livros, o seu génio, o seu pensamento, a sua de personalidade forte, apaixonou-se inicialmente pela personalidade, pois pertence à terra, e a Pilar. Também

literatura de José Saramago e, depois, pelo homem com Baltasar “não subiu aos céus, se à terra pertencia, e a quem esteve casada, vinte e quatro anos de intimidade, Blimunda.” amizade e companheirismo incondicional. Foi ela a procurá-lo, iniciando então a mais feliz jornada da sua vida.

28 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013

Vélia Carvalho (12º BC)


:: Produção de textos

EXPOSIÇÃO FERNANDO PESSOA Às vezes, não é fácil ser criativo. Porque apetece menos, porque sabemos que nos vai tirar tempo a outras atividades, porque estamos sem energia... Para a realização da EXPO FERNANDO PESSOA, foi necessário procurar bastante motivação e encontrar razões e sentimentos para exprimir nas nossas “obras”. As razões estéticas costumam prevalecer sobre as outras, mas, neste caso, foi a criatividade que sobreveio, pois tivemos que dar azo à imaginação. De facto, os objetivos acabaram por ser atingidos na totalidade, surtindo efeitos bastante positivos. O que realmente faz perdurar a vontade para continuar este tipo de trabalho é gostar verdadeiramente de desafios, mas, também, superar limites pessoais e alcançar as saborosas sensações propiciadas por um dever cumprido! Foi a nossa professora, Helena Paula Santiago, que nos traçou a meta e nos incentivou a criar trabalhos originais que mostrassem o nosso entusiasmo e admiração por Fernando Pessoa e que, ao mesmo tempo, refletissem os conhecimentos que fomos adquirindo ao longo das aulas de Português. A EXPO FP pôde, assim, contar com uma panóplia de “obras” alusivas ao MAIOR poeta português do séc. XX, destacando-se desenhos, caricaturas, montagens, poemas, um Fernando Pessoa em miniatura (fig. 1, da autoria do Daniel Silva – 12.º A), o Curriculum Vitae (elaborado pela Ana Carolina Ferreira – 12.º BC), uma criativa apresentação multimédia baseada num videojogo (trabalho efetuado pelo Henrique Raimundo – 12.ºBC), e até uma originalíssima página de facebook (obra deveras criativa da colega Célia Gonçalves – 12.º A)! Como não podia deixar de ser, não faltaram referências aos heterónimos pessoanos, sendo de destacar o original vaso (fig. 2, da autoria da nossa colega Maria Flor – 12.º BC), onde Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos “floresciam”. A professora disponibilizou, para a exposição, muitos documentos do seu espólio (fotografias, livros, louças, cartas,...) – o que está diretamente relacionado com o facto de

ela ser

Figura 1

uma incondicional fã do seu “Nandito”, como carinhosamente o trata –, colocando igualmente, junto ao vaso com flores da Flor, um livrinho de opinião, para registo das impressões causadas por esta atividade, no qual pudemos ler apreciações muitíssimo elogiosas! É ainda de mencionar uma outra atividade, também relacionada com Fernando Pessoa, apresentada no Sarau (dia 12 de abril), no Salão dos Bombeiros: a professora e alguns alunos dos 11.º (turma A) e 12.º (turmas A e BC) anos tocaram/ cantaram, a música Sorte Grande numa nova versão, com letra da autoria da Ana Carolina Ferreira e do Daniel Silva (12.º BC), dedicada ao NOSSO poeta e intitulada “Já só penso em ti”. Alcançados os objetivos deste grande desafio, seguiu-se o prazer de saborear a certeza de uma missão plenamente cumprida pois, de facto, todos nós – alunos e professora – pudemos experimentar essa extraordinária sensação de haver atingido (superado?!?) as expetativas... Julgamos ser importante voltar a estabelecer metas semelhantes que permitam descobrir a vossa criatividade e, simultaneamente, criar boas memórias da vossa passagem pelo Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova!

Figura 2

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 29


Produção de textos ::

Transformação

Menina bonita

Transformei-me numa caneta Com um dia de duração, Nesse tempo aprendi Que escrever é uma paixão.

Menina bonita, não sobe à janela. Pode vir um vendaval e levar com ela. Menina bonita, eu bem avisei! Caiu para o chão quase em cima do cão.

De manhã em minha casa, Muitas aventuras passei Quando comecei a escrever Nunca mais me cansei.

Menina bonita, porta-te bem! Estuda com os livros Não batas em ninguém. Menina bonita, é a artista mais linda do mundo. Menina bonita!

Escrevi muitos textos, Um monte de histórias, Tudo isto é importante Para recordar as nossas memórias.

Mafalda Tavares, 2º ano EB1 Belide

Preciso do teu amor!

A vida com a leitura Ler é aprender de uma forma divertida. Ler é vivenciar

o que ainda não fizemos na vida. A existência é cheia de emoções Alegria e tristeza. Se ela nos dá livros,

Passa a ter mais beleza. O mundo da magia

Entra na nossa vida E há que aproveitar

O real e a fantasia. Escrevi esta poesia

Para os meus leitores, Leiam, por favor, leiam E pintem a vida de várias cores! Carolina Matias Bernardes, nº5, 5ºB

És a âncora Que não me deixa naufragar,

O tesouro que carrego E esvazia o mar.

Durante esta aventura Senti-me muito bem, Ainda bem que consegui Ter aquilo que sonhei. Miguel Domingues Nunes 3.ºA - EBn.º3

Preciso do teu amor!

Sem ti sou A praia sem o mar, Um pobre barco,

A vaguear…

Gabriela Miranda - 7ºE

Preciso do teu amor! És o meu porto sentido

Nesta tempestade De sofrimento

Que me faz vacilar E me deixa sem alento.

Preciso do teu amor! Joana Filipa Gonçalves Pereira, do 12ª ano, turma A

30 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013

Catarina Ferreira - 7ºC


Joana Pereira - 12ºA

:: Produção de

Prof. José Carlo Teixeira

AMOR O Amor é como uma linda flor Que brilha todo o dia Até ao Sol se pôr Como se fosse magia. O Amor é leve como uma pena Que voa com o vento Numa conversa serena Cheia de sentimento. O Amor sente-se no despertar do dia Ao ouvir os pássaros a chilrear Com o canto da cotovia Ouve-se uma canção de embalar.

O Amor é a liberdade Da borboleta que voa sem parar Sem destino e graciosidade Deixa-se pela brisa levar.

Centro Educativo Miguel Batalha - 8ºD

Francisco Miguel Ribeiro Leandro, 4ºB, nº6, EB de Condeixa nº3

Sonho Fantasia tão real… De tão grande imaginação. Inevitável e involuntária, Como palpitar do coração. Palpável e tingido Com suave cor-de-rosa. Este mundo desconhecido E de origem misteriosa, Intriga qualquer um Que se entregue ao seu enredo. Na nossa mente é brinquedo, Pedaço de barro moldável, Que tem, como molde, aprazível viagem

A que chamamos vida. Espelho da alma do dono, Pintura animada do subconsciente. Agradável, indecifrável, Medonho, surpreendente. Tão natural como o ser, De complexidade extrema Tenho-o vindo a descrever, Neste infindável poema. Palavra tão pequena Tão imensa de significado, Que expressa, bem expressado Todo este texto enfadonho. Isto só com a autenticidade Que cabe na palavra sonho. Sara Alexandra Costa Silva, nº 14, 8º A

Catarina Ferreira - 7ºC

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 31


DIVERSÕES :: Receita do AMOR Ingredientes: - duas pessoas (um rapaz e um rapariga) - cinco corações - amizade q. b. - 1 tonelada de respeito - 1 kg de beijinhos - uma panela grande - uma pomba da paz Instruções: Meta o rapaz e a rapariga na panela e junte quatro corações. Corte o outro coração ao meio e guarde-o para mais logo. Acrescente na panela a tonelada de respeito e amizade a seu gosto. Mexa tudo muito bem e deixe cozer durante dez minutos, sem queimar! Tire o casal da panela, ponha-o num tabuleiro e salpique com os beijinhos. Para consertar o coração partido, chame a pomba da paz… E tenha uma boa vida!

Texto coletivo, turma A, EB1 Belide

Eu já te disse para parares de rabiscar nas paredes da caverna com estes desenhos horríveis!

O eletricista entra na sala do hospital onde estão os doentes ligados aos

ventiladores e diz: ─ Boa tarde! Venho informar que vou cortar a eletricidade desta sala e os vossos ventiladores vão ser desligados. Os doentes ─ Ai, meu Deus! O que vai ser de nós? Chegou a hora. Vou contar até três e, quando acabar, inspirem e não deitem o oxigénio fora, diz o eletricista, começando a contar: um, dois, três. Puf! Foi- -se a eletricidade. Os doentes acenaram positivamente para indicarem que estavam bem. O eletricista, já com a avaria reparada e pronto para voltar a ligar a eletricidade, perguntou se alguém tinha deitado o ar fora. Todos gritaram que não, deitando o ar fora nesse momento, e acabaram por morrer. Ivo Oliveira, N.º 14 ─ 9.º EI

32 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013


:: DIVERSÕES

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 33


Joana Vasconcelos ou “um outro campeonato” por Ana Paula Amaro Agora que acabou temporariamente o calendário dos jogos de futebol, talvez possa haver lugar a outros interesses. Nos dias cinzentos do cidadão português, aconselho uma explosão de cor e de alegria de uma artista que é considerada como um “talento vivo e prodigioso” (Bernardo Pinto de Almeida). Falo, claro está, de Joana Vasconcelos, já conhecida no mundo inteiro pela marca JV. “Odiada por tantos quantos a apreciam, Joana Vasconcelos é hoje uma das mais importantes figuras da arte contemporânea mundial”, assim inicia o seu artigo o jornalista Bruno Vale, na Revista C. Ela é hoje uma artista incontornável, após ter sido o primeiro artista não francês a expor no Palácio de Versailles com um recorde de milhão e meio de visitantes. Goste-se ou não, é obra! A sua nova exposição pode ser visitada no Palácio da Ajuda de 23 de março a 25 de agosto. Eu já fui e fiquei rendida à arte desta artista plástica que não teme os epítetos nem a

polémica instalada à sua volta. A artista afirma “Não é por dizer bem ou mal que vou alterar parte da minha personalidade, da minha forma de estar ou do meu trabalho”. Gosto de pessoas assim: desassombradas, não deslumbradas pelo sucesso, porém não intimidadas pelo azedume daqueles que lhe invejam a projeção e, quiçá, o talento. Mesmo que não o admitam. E o que há mais neste país, em tudo pequenino, são os pequenos rancores e as grandes invejas. Não é fácil serse Gulliver em terras de Lilliput! Acusada por uns de ser demasiado feminista e ativista, é simultaneamente acusada por outros de ser demasiado populista e comercial. Vejam lá se se decidem, está bem? Ao menos, no contraataque, definam a tática antes do jogo começar… JV, num esquema defensivo, classifica a sua obra como diversa, abordando diferentes temas e preocupações, como o sentido crítico e social, o sentido do belo e um

A todo o vapor (vermelho) - 2012 (ferros de engomar Bosch) 34 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013

A Noiva - 2001-2005 (Tampões OB, aço inoxidável, fio de algodão, cabos de aço)

Crónica:: A força das palavras

lado mais sentimental. Todos sabemos, como bons treinadores de bancada que somos, que o conceito de valor de uma obra de arte se perde no tempo e dificilmente alguma vez terá uma resposta única, plena e comumente aceite. A obra de arte que se pode arrogar de assumir essa designação tem que transcender o real, desassossegar mentalidades e preconceitos instalados, ultrapassar barreiras, “abrir portas”, acrescentar alguma novidade ao senso comum. JV usa objetos quotidianos prosaicos como panelas ou gravatas, que permitem ao visitante identificar-se com eles mas que, ao mesmo tempo, causam aquele efeito de estranhamento Brechtiano que incita à problematização do real. A Arte, tantas vezes, considerada como inacessível e inatingível, contagiou as bancadas e trouxe de volta o entusiasmo das massas. Este é um dos fatores que agrada a JV, pois ela considera que “A obra de arte tem de ser capaz de comunicar e a comunicação não deve ser só para uns, deve ser entendida por aqueles que quiserem absorver aquele objeto e pensar sobre ele.” Já lá vai tempo em que o artista vivia a vida inteira como um indigente e era sepultado numa vala comum. Ou recebia subvenções do Estado para realizar filmes que ninguém via. A Arte deve ter público embora esse não seja o seu objetivo primordial. As obras de


:: Ainda não sabiam? Coração Independente - 2005 (colheres em plástico vermelho translúcido, ferro pintado, corrente metálica, motor, instalação sonora)

JV têm o condão de atrair pessoas dos mais variados quadrantes sociais, culturais, económicos ou etários. Ela possui o verdadeiro toque de Midas… Ousadia, originalidade, escala, visibilidade são algumas das muitas caraterísticas desta artista intergaláctica. A sua obra é inteligente, porém sedutora. É sagaz, porém divertida. Como ela. Ela popularizou e internacionalizou a iconografia portuguesa com as suas rendas dos Açores, os azulejos lisboetas ou os corações de Viana, mas deulhes uma dimensão contemporânea muito para além dos tradicionais Galos de Barcelos e do Fado. Eis uma artista que não se envergonha das suas raízes e que hasteia bem alto a sua nacionalidade, sem contudo se tornar um bastião do poder instituído e da imagem de marketing que os nossos governantes pretendem vender, aos estrangeiros. É a arte portuguesa virada do avesso, trasvestida de sentidos múltiplos e criatividade singular. Esta desconstrução, este efeito surpresa são, sem dúvida, os trunfos que JV sabe tão bem jogar. Mesmo quando a partida parece perdida, logo à partida. A diferença entre um jogo de futebol e uma exposição de JV é que a segunda remete sempre para uma vitória. Sem árbitros comprados nem jogadas viciadas. Apenas com o entusiasmo das bancadas e o talento da jogadora.

Parabéns ao nosso aluno João Letras Ferreira, da turma D do 8ºano, pelo 2º Prémio do 3º ciclo do concurso Nacional de Leitura 2012/2013 na categoria “Faça Lá um Poema” .

"Um livro é

como uma caixa"

Um livro é como uma caixa Onde guardamos segredos, Onde fechamos escondidos As alegrias e os medos. Um livro é como uma caixa Onde tudo tem lugar Uma aventura, um mistério, Tudo consegue contar. Um livro é como uma caixa Com palavrinhas lá dentro, Todas juntas, com sentido, São a voz do pensamento. Um livro é como uma caixa Com desenhos e gravuras Coloridos a carvão, Dos grandes às miniaturas. Um livro é como uma caixa Desperta a curiosidade, Antes de aberto é desejo, Depois de lido, saudade.

Nota: autora

Marilyn - 2011 (panelas e tampas inoxidável, cimento)

JV é a do

Pavilhão de Portugal, patente na Bienal de Veneza que teve início a 31 de maio de 2013. A artista reconstruiu um velho cacilheiro chamado TrafariaPraia e transformou-o num pavilhão de exposições flutuante. O Pavilhão tornou-se, ele mesmo, também numa obra de arte. A artista afirma que se inspirou no espírito de aventura, conquista e determinação que sempre caraterizou o povo português para quem o mar simboliza uma saída e uma esperança.

Um livro é como uma caixa Nunca perde utilidade, Se um dia acolhe tristezas, Noutro exibe a felicidade. Autor: João Francisco Letras Ferreira

Junho de 2013 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 35


(RE)ENCAPAR Fernando Namora A ideia partiu do Departamento do Pré-escolar. Foi lançado o desafio aos alunos do nosso Agrupamento: “De uma história contada com emoção, de uma obra lida num certo momento da vida fica, muitas vezes, a memória de um cheiro, de um som, de um local ou de uma imagem. Escolhe um título e dá cor, alegria e um outro olhar sobre as capas das suas obras. Fernando Namora iria gostar!” …a estima por um autor resulta sobretudo de ingredientes que nos impressionaram a sensibilidade, o que equivale a dizer: o privilégio de durar na memória dos homens tem, em regra, um substrato afetivo.

Fernando Namora, in 'Jornal sem Data'

36 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - Março de 2013

03 ja jornalde condeixa jun13finalissu  

3º número do Jornal do Agrupamento de escolas de Condeixa - MAR 2013

03 ja jornalde condeixa jun13finalissu  

3º número do Jornal do Agrupamento de escolas de Condeixa - MAR 2013

Advertisement