Page 1

marรงo de 2017 - Jร - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 1


Índice ::

14

3 Fala a Diretora

Da arte de empreender

4 Reflexões de um Diretor de Turma A Arte e a Estética

5 Notícias e atividades Parlamento dos Jovens Cantar os Reis Congresso dos jovens Geocientistas Portugal Scholarship Competition 2017 Audição de Natal + Presépios de barro Alunos de Humanidades em zona Internacional Darwin, Darwinismo e Pós - Neodarwinismo Dia do dador de sangue Um desejo para 2017 ERSUC –Curso EFA Rádio Miúdos Dia de S. Valentim - 2ºB EBnº1 Germinação– 3ºB EBnº1 Sala de Estudo da EBnº2 CARNAVAL Visita às Instituições - 1º/2º ano EB1 Belide Dia Mundial da Justiça Social - Clube Europeu Parabéns à AEFN

14 16 18 20 23

Desporto Escolar Os 3 grandes atletas do nosso Agrupamento

PNC - Plano Nacional do Cinema

ARTES Na biblioteca acontece... Em memória das vítimas do Holocausto - BEFN Concurso Nacional da Leitura Noite dos livros do Harry Potter Literacia 3D - Fase Distrital “É hora de saber+!” Dia da Mulher + corre, corre cabacinha Miúdos a VOTOS! REMIX Poético - Motivação para a Poesia VII Concurso de Poesia na Escola Bibliotecas escolares muito animadas

32 LEMOS+ escrevemos melhor 34 Os livros que eu lia quando tinha a tua idade 36 Produção de textos 37 Diversões 38 A força das palavras, por Ana Paula Amaro Obra de Arte (crónica V) Orçamento Participativo das Escolas

39 Ainda não sabiam? Empreendedorismo nas Escolas

40 Olha para mim a LER+

março de 2017 Direção do Jornal Ana Rita Amorim Isabel Neves Grafismo Ana Rita Amorim

EDITORIAL Sentimo-nos sempre exaustos de cada vez que termina mais um trimestre escolar. Principalmente um período de 3 meses recheado de muita dedicação e empenho na dinamização de atividades, na lecionação de conteúdos, na avaliação de competências e conhecimentos, na organização de materiais, artigos e fotografias para o nosso jornal, entre mil e muitas tarefas, algumas bastante burocráticas, que todos nós, professores, temos que realizar no nosso dia-a-dia. Mas é sempre com muito orgulho e satisfação que vemos mais uma obra feita! A 14ª edição do JÁ está a rebentar pelas costuras… com tanta participação, tanta atividade, tanta vontade de mostrar e de contar tudo o que de Muito Bom se faz neste Grandioso Agrupamento. E já não é preciso pedir por artigos, já não é preciso ir relembrando os prazos,… temos todos muito gosto de ver as nossas atividades registadas neste pequeno/grande jornal… de dar a conhecer à Comunidade o que de muito e de excelente se faz por aqui,… para um dia mais tarde recordar! O tema de capa escolhido neste período foi Artes… mas infelizmente os artigos que nos chegaram (apenas 5), embora muito interessantes, não fazem jus à quantidade de trabalho desenvolvido, nesse âmbito, pelos professores e alunos deste agrupamento. Temos pena que essa contribuição não tenha sido maior. No entanto chamaria à atenção para o artigo Grandioso Espetáculo da turma A do JI da EBnº1 (pág. 21), bem como para a carta, que o nosso querido professor de música, Mário Alves, dedica a todos os alunos de orquestra do nosso Agrupamento (pág. 22)… Grandes exemplos do magnífico trabalho que se realiza por aqui, sem desmerecimento de todas os outras contribuições! E porque Artes não são apenas as plásticas, cénicas ou musicais, não podemos deixar de nos congratular com a enorme qualidade dos poemas premiados no VII Concurso de Poesia na escola. Apreciem-nos vós mesmos, nas páginas 29 e 30 do nosso jornal. Continuamos a marcar pontos no Desporto Escolar, e temos muito orgulho em vos contar que temos entre nós, 3 grandes atletas, a estudar! A Diana Oliveira, o André Costa e a Inês Rodrigues, exemplos de força de vontade, espírito de sacrifício e determinação. Mais uma vez Parabéns aos Campeões pela distinção atribuída na III Gala do Desporto do nosso município. As bibliotecas escolares continuam a refletir o grande investimento humano, das diferentes equipas que diariamente acolhem os alunos nos diferentes espaços, e que têm vindo a proporcionar momentos de grande qualidade e diversidade de atividades relacionadas com o livro e a leitura, mas também com as diferentes Literacias (Digitais, da informação, Tecnológica,…) trabalho que desenvolvemos em prol dos nossos alunos e do progresso das suas competências e aprendizagens. Espreitem, na página 9, o projeto Rádio Miúdos que já está no ar na EBnº1 e fiquem a conhecer, na página 27, o projeto Miúdos a Votos! Uma experiência de cidadania a repetir! Por último, e porque é na penúltima página do nosso JÁ que o poderão encontrar, não deixem de conhecer mais dois projetos em desenvolvimento no Agrupamento, e que muito nos enchem de orgulho – Empreendedorismo nas escolas, um projeto que tem sido desenvolvido há mais de 4 anos no nosso agrupamento, e Orçamento Participativo, neste primeiro ano de implementação, mas já com muitas participações cívicas construtivas. É bom ver como somos muitos, como temos um ensino muito diversificado, e realizamos atividades muito interessantes, motivadoras que fazem crescer os nossos alunos em saber+, em saber fazer+,… e em ser+! Boas férias… que nós por aqui, estamos delas, desejosas!

2 JÁ - O Jornalaec.jornal@aecondeixa.pt do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017


::Fala a Diretora

Da arte de Empreender Venho relatar-vos um dos momentos mais aprazíveis que vivi, enquanto diretora do Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova, na última semana. Esse momento foi a final municipal do projeto Empreendedorismo nas Escolas. Depois de algumas tentativas mal sucedidas de “matar aulas” para preparar as apresentações, os nossos jovens apresentaram-se, enérgicos e decididos, para divulgar os seus projetos de empresa e a suas ideias de negócio. E que apresentação? Dir-se-ia que, mesmo que o júri não se deixe convencer pela ideia apresentada, haverá sempre carreira na rádio ou na televisão na função de locução, pois as capacidades vocais, a desenvoltura e o sentido de humor auguram carreiras promissoras como as de uma Ellen Degeneres ou de um José Rodrigues dos Santos. E as ideias? O cubo do 7ºA, o jogo de cartas do 8ºC e a roupa do 9ºC são tudo ideias magníficas que aliam património e lazer, de uma forma tão conseguida, que nos deixariam hesitantes se tivéssemos de comprar uma lembrança de Condeixa para dar a um amigo ou familiar. Num registo diferente, mas igualmente bem disposto foram as apresentações dos rapazes do curso profissional de Eletrónica, Automação e Comando, que associaram a robótica aos utilitários domésticos e à saúde, passando pelo turismo: pratos que nos ensinam a fazer refeições saudáveis, cafeteiras que convidam à preguiça, superdrones, próteses diversas e um posto de turismo eletrónico. As claques estavam organizadas nas vertentes família e colegas de turma, e aí o 3º ciclo mostrou a sua supremacia

mobilizadora. A música também esteve presente, e os artistas caseiros, que nos presentearam com um alegre pot pourri musical, tiveram um desempenho emocionado que oscilou entre a euforia e o desespero! Já o júri, altamente qualificado, viveu momentos de grande ansiedade, procurando ajuizar, rigorosa e imparcialmente, todos os projetos apresentados. No fim de um serão bem passado deixo duas notas de resumo: a primeira para dizer que o empreendedorismo,

mais do que uma parceria bem sucedida entre a autarquia, o agrupamento e as diversas entidades envolvidas, é uma atitude que pretendemos incutir nos nossos jovens de perseverança, de esforço, de coragem para enfrentar o futuro, futuro esse em que, dizem alguns, 60% das profissões ainda estão por inventar; a segunda para dizer que os professores deste agrupamento são uns gigantes que carregam aos seus ombros dezenas de miúdos e os levam a “acreditar que são capazes de vencer o futuro” e que, neste super contexto, é fácil ser diretora de um agrupamento! Anabela Rodrigues de Lemos Diretora do Agrupamento (Mais informações sobre esta sessão final podem ser encontradas na página 39 ) março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 3


Reflexões de um Diretor de Turma:: Ao

A Arte

olharmos,

cheirarmos,

apreensão do mundo que nos rodeia, vivemos. Se alguém cantou o poder das sensações foi Fernando

Quem já leu a biografia de Calouste Gulbenkian sabe como toda a sua vida ele perseguiu o conceito do belo. Talvez, por isso, possamos hoje apreciar na Fundação, em Lisboa, a sua coleção, quer de

Pessoa, através do seu heterónimo Alberto Caeiro (“Por

isso quando num dia de calor/ Me sinto triste de gozá-lo tanto,/ E me deito ao comprido na erva,/ E fecho os olhos quentes, Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,/ Sei a verdade e

arte antiga, quer moderna.

sou feliz.”).

Ainda hoje as divergências sobre

Por isso, é pena que, à

esta ideia são comuns. Afinal, como

semelhança

se define o que é belo, estético e

levadas pelas escolas aos

vimos como a definição do objeto

museus

artístico variou. Se houve períodos do equilíbrio das formas, da sobriedade da cor e da como,

no

período

seguinte, o seu oposto era verdadeiro e aí imperava a

exuberância, o trabalhado, a cor, o disforme. Ainda hoje, quando se pretende obter um efeito espetacular na em

detrimento

da

funcionalidade da obra, chama-se Santiago Calatrava para conceber a mesma e extasiar o olhar. As artes (e elas são tantas… da pintura, à escultura, ao cinema, à dança, à música, ao teatro, à fotografia, à literatura,

à

arquitetura,

ao

canto,

à

moda,

à

gastronomia…) servem o nosso sentido do belo. Como seria

uma

vida

apenas

assente

para

se

aperceberem da beleza das

em que a regra da proporcionalidade,

contemporânea,

se

desde o pré-escolar, são

Ao longo da História da Humanidade,

arquitetura

que

europeus onde as crianças,

Haverá uma regra?

vimos

do

observa em vários países

aprazível ao olhar, e o que não é?

predominou,

saborearmos,

sentirmos, todos os nossos instintos despertos na

E A Estética

dimensão

ouvirmos,

na

lógica

da

argumentação ou da matemática sem fazer uso dos

artes, fazerem workshops de manualidades, e, sentadas no chão, frente a objetos, experienciarem as diferentes perspetivas do mundo, não se veja a mesma experiência em Portugal, embotando-

se a criatividade e o espírito crítico dos jovens. Se não queremos um mundo de clones cinzentos de pensamento

unívoco,

temos

de

proporcionar

experiências diversas aos jovens. Há toda uma realidade a ser desfrutada sob diferentes formas e perspetivas e essa apreensão tem de ser estimulada através, não só do conhecimento cerebral, mas também do sensorial. Aprendamos com Caeiro, antimetafísico por excelência, e vivamos o dia guiados, também, pela simplicidade dos sentidos!

sentidos? Fria e pobre!

A EB1 de Belide foi cantar os Reis à comunidade, desejando um Bom Ano a todos! Como já vem sendo habitual foi recebida com muito carinho e alegria! 4 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

Maria João Cura Mariano Coordenadora dos Diretores de Turma do Ensino Secundário


:: NOTÍCIAS / ATIVIDADES

Tema desafiante não impede os jovens de Condeixa de participar ativamente no projeto

Com a entrega das listas oficialmente concluída a 13 de janeiro, o resto do mês mostrou-se preenchido para todos os membros das listas concorrentes ao projeto Parlamento dos Jovens de Condeixa-aNova. Nos dias seguintes, procedeu-se à campanha eleitoral, onde não faltou criatividade, desde a “aprovação” de famosos atuais, a aulas de zumba, os alunos afirmaram-se como persistentes na luta pelos lugares na sessão escolar. No dia 23, 2ª feira, pelas 14h30h, no auditório da escola básica, teve lugar o debate com a Sr.ª deputada da Assembleia da República, Dr.ª Fátima Ramos. Este encontro não só resultou em inúmeras fotos e conselhos, como completou o esclarecimento feito pelo professor Rui Valentim, que, por excelente iniciativa da coordenadora do projeto, Prof.ª Sónia Vidal, realizou uma sessão de esclarecimento para diminuir a distância entre os alunos e a Constituição da República, um tema difícil de explorar. José Maria Antunes do 11ºC completa esta questão da melhor forma: “Adorei a sessão de hoje. Esclarecedora e didática são as melhores palavras que consigo arranjar para uma sessão cheia de participação tanto do secundário como do básico. Agradeço desde já a ótima explicação que a Dr.ª Deputada nos pôde dar sobre os diversos órgãos que funcionam no Parlamento. Embora eu considere o tema deste ano muito bom, mesmo que considerado um pouco

"seca" por alguns, reconheço que é uma ótima forma de aprender uma coisa que QUALQUER cidadão que se orgulhe de ser Português deverá saber.” Inês Filipa, por outro lado, discorda, considerando “que o tema deste ano é muito complicado porque é difícil arranjar medidas que o suportem.” Diz ainda que “ o bullying era um tema melhor”, talvez, pela sua proximidade aos nossos jovens. Depois das votações no dia 24, os alunos procederam à sessão escolar, onde os representantes do agrupamento para o ensino básico e secundário foram selecionados na ordem de primeiro deputado efetivo, segundo deputado efetivo, terceiro deputado efetivo (no caso do básico), deputado suplente, eleito à mesa, respetivamente: Andreia Sousa, Mafalda Vilão, Bruna Martins e Carolina Bilheta, no secundário, e João Campos, Francisco Botelho, Carolina Sá, João Botelho e Mariana Janeiro, no básico. Desta sessão partiram medidas como a concretização da divisão em regiões administrativas e o reforço da juventude, fortemente vincados pelo secundário, que coloca a juventude como O FUTURO DA NAÇÃO. Os nossos alunos vingaram ainda nas sessões distritais. Os alunos do ensino secundário classificaram a escola na 4ª posição, tendo ficado colocados como deputados suplentes à sessão nacional. Enquanto os nossos alunos do básico vincaram as suas ideias e garantiram acesso à fase nacional, onde estarão os alunos: João Campos e Francisco Botelho, na qualidade de deputados, e João Botelho, na qualidade de jornalista. Boa sorte aos 3! Andreia Sousa, 10ºC

Canção

“Nós somos os 3 Reis" Nós somos os 3 Reis Nós somos os 3 Reis Baltazar e Gaspar, Que vimos do Oriente, Também o Belchior Trazer as Boas Festas O veio adorar. Com paz p’ra toda a gente. Nós somos os 3 Reis Guiados por uma luz, Adoramos Deus Menino que se chama Jesus.

Alunos do básico em sessão distrital

A minha visão para o futuro Durante a minha presença e participação na sessão distrital, Nós somos os 3 Reis Guiados por uma luz, eu vi o quão inspirados, E trouxemos 3 presentes interessados e determinados P'ró Menino Jesus. estão os nossos jovens, e a vontade deles para participar, 2ºB da EBnº3

lutar e proteger as nossas liberdades civis e individuais. Especialmente agora, em que as rodas dentadas da História estão a rodar mais uma vez na nossa existência, é altura de atuar! João Campos, 9ºD

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 5


NOTÍCIAS / ATIVIDADES:: Congresso dos Jovens Geocientistas

No passado dia 10 de março os alunos do 10º B apresentaram o seu trabalho ao Congresso dos Jovens Geocientistas, que se realizou no auditório do Departamento de Ciências da Terra da Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra. "O Geoturismo das Buracas do Casmilo" foi o tema escolhido por estes alunos para apresentar um pequeno trabalho de investigação. Os objetivos a que se propuseram com a realização deste trabalho passam por dar a conhecer a importância do património geomorfológico das “Buracas”, bem como da necessidade da sua conservação, e criar competências na comunidade educativa que permitam exercer uma cidadania crítica, construtiva e esclarecida, por forma a que sejam capazes de questionar e analisar as relações existentes entre os avanços científicos e tecnológicos e o progresso social. De entre as metodologias usadas para realizarem o projeto, os alunos realizaram: pesquisa bibliográfica sobre o tema, em especial sobre a geologia e geomorfologia da área Os alunos do 7º ano, em ARPL, realizaram presépios com barro vermelho, utilizando a técnica da lastra e da bola. A exposição, “Presépios em barro”, esteve presente no hall dos professores da Escola Básica nº2 até à segunda semana de janeiro para ser apreciada também pelos encarregados de educação, quando foram à escola receber as avaliações dos seus educandos, e por toda a comunidade escolar, tendo todos manifestado a sua satisfação em relação aos trabalhos expostos. Profª Isabel Campos

em estudo, e a problemática associada a questões de geoconservação; observação das geoformas, in loco, para recolha de fotografias; aplicação de dois inquéritos: um dirigido às empresas de desporto aventura, lazer e turismo, que operam na região (foram consultadas 9 empresas) e outro, aplicado à população residente no concelho de Condeixa tendo totalizado 83 inquéritos, tratamento de dados (ainda não está completo); recolha de dados do GAA (Gabinete de Apoio ao Associativismo), cedidos pela Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova, com posterior análise desses mesmos dados relativos aos planos de atividades de 2014, 2015 e 2016 das várias Associações Culturais e Recreativas, distinguindo as suas atividades por diferentes categorias (culturais, religiosas, desportivas, natureza e outras). Apesar de o trabalho ainda não estar completo, é possível constatar que o Património Geomorfológico é pouco conhecido ou mesmo desconhecido por parte da população residente: apenas uma percentagem muito baixa de residentes revela conhecer as formas cársicas da área de estudo. Neste sentido, torna-se fundamental desenvolver estratégias para dar a conhecer o património natural singular, existente no concelho. A proposta apresentada no projeto propõe a colocação de painéis de sinalização nas principais vias rodoviárias que atravessam o concelho de Condeixa (EN1, A1; ER347-1, EN342) e a criação de um espaço interpretativo da paisagem cársica e do património geomorfológico, onde as "Buracas" se inserem, e promoção de ações que visem a divulgação deste património. Os alunos e a docente responsável pela coordenação do projeto, Dr.ª Carmo Barros, agradecem à Câmara Municipal de Condeixa pela colaboração que foi prestada até ao momento, nomeadamente, na cedência de transporte e disponibilização de dados do GAA, à Dr.ª Liliana Pimentel, Vice-presidente da Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova, à Geógrafa Dr.ª Sofia Bernardino, que colaborou em todas as fases de desenvolvimento deste trabalho, e à Dr.ª Matilde Azenha, professora no Agrupamento de Escolas de Soure.

Profª Carmo Barros

Portugal Scholarship Competition 2017

Decorreu no passado dia 8 março, pelas 14 horas 30 minutos, o concurso IH Portugal Scholarship Competition 2017 que contou com a presença de 3 alunos do 8º ano, da turma B, 2 alunos do 9ºano, da turma D e uma aluna do 9º ano, da turma C. desta escola. A prova visava estimular o interesse dos alunos da escola pública pelo estudo da língua e, ao mesmo tempo proporcionar a 2 alunos, Cursos de Inglês de elevada qualidade no Reino Unido e Irlanda. Adicionalmente, cada escola IH oferece, localmente, uma bolsa anual e uma bolsa de curso de Verão (2º e 3ºprémios) A competição constou de uma composição com um máximo de 170 palavras, realizada em 45 minutos, sob a frase "The day everything changed". Desejamos aos nossos alunos a melhor sorte! Professora de inglês, Ana Paula Amaro

AUDIÇÃO DE NATAL

“Jingle Bells Rock” a “21 Guns” dos Green Day e de “Rolling In The Deep” da Adele a “Menuet in G” do compositor Petzold. No dia 14 de dezembro, por volta das 18 horas, na escola E.B 2,3 de Interpretados pelos meus colegas Matilde Cordeiro, Carolina Condeixa, na sala C104 realizou se a Audição de Natal de 2016. Jerónimo, Beatriz Diogo, Maria Carolina, Beatriz Figueiredo, Rita Uma hora repleta de talentos e momentos musicais diversos, desde Simões, Maria Ana, Ana Vintém, Leonor Santos, Rita Monteiro, Maria Inês, Inês Ferreira, Diana Batista, Pedro Lameiras, Sara Rodrigues, Lucas Ferreira, Maria Beatriz, Bruno Vilas-Boas, Joana Pimentel, Joana Pimenta, Pedro Santos, Miguel Carvalho, Pedro Gonçalves, Rodrigo Machado, Diana Baptista, João Gonçalves, Tiago Marcelo e por mim, Bruna Brito. Tudo isto não teria sido possível sem a sapiência, a ajuda e paciência do nosso professor Mário Alves, que nos guiou no nosso percurso musical e atuações. Não me posso esquecer das pessoas que estavam presentes na nossa plateia, familiares, amigos, professores e pessoal não docente que nos apoiou e ouviu. A eles agradeço em nome de todos. Convido, ainda, todos os leitores a comparecerem na próxima Audição que se realizará no próximo dia 29 de março, no mesmo local e hora. Contamos convosco! 6 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

Bruna Brito, 9ºC


:: NOTÍCIAS / ATIVIDADES

Alunos de Humanidades em zona internacional

controlo das exportações e importações. Tiveram ainda a oportunidade de refletir sobre aquilo que consideram ser o “dever cívico” de um porto, e dos projetos nele desenvolvidos para que a Os alunos de Humanidades, do nosso agrupamento, 10º e população em seu redor possa ser o menos influenciada possível 11º anos pisaram solo internacional numa visita guiada ao pela presença desta infraestrutura. interior do Porto de Leixões – que continua a bater recordes No contexto da disciplina de Filosofia, foi tempo para a visita à exposição de Joan Miró, seguindo-se um almoço nos belíssimos de mercadoria transacionada. jardins da casa de Serralves que abriga, por enquanto a exposição Os alunos das turmas do 10º e 11ºC realizaram uma visita de visitada. estudo ao Porto, no passado dia 12 de janeiro onde visitaram em O dia findou com um passeio primeiro lugar o Porto de pelo centro histórico da cidade Leixões. Nesse espaço do Porto, passeio este que tiveram a oportunidade de resultou em belíssimas fotos aprender sobre as diferentes nas redes sociais. Um dia a não forças de autoridade que esquecer. agem dentro de um porto Andreia Sousa, 10ºC marítimo, as suas funções no

Darwin, Darwinismo, Neodarwinismo e Pós-Neodarwinismo No dia 17 de janeiro de 2017, pelas 10h20min, na biblioteca da escola sede do agrupamento, o Professor Doutor Jorge Paiva proferiu uma palestra destinada aos alunos do ensino secundário, turmas A e B do 11º ano, sobre «Darwin, Darwinismo, Neodarwinismo e PósNeodarwinismo». Sendo um tema de abordagem obrigatória, não deixa de ter um cariz especial quando apresentado pelo investigador e naturalista que tem, prontamente, partilhado com os alunos, professores e auxiliares de ação educativa os seus conhecimentos científicos e experiência profissional acerca desta e outras temáticas.

Darwin imaginou como seria a relação entre todos os organismos da Terra. Imaginou uma árvore que desenvolvia ramos em todas as direções. O "eu acho", que Darwin escreveu acima,

apresenta-se hoje como uma certeza para os evolucionistas. A cladística preocupa-se em relacionar os organismos vivos em uma grande árvore da vida. Os professores do grupo ciências naturais

Uma vez mais, soou mais alto o sentido de solidariedade! Vindos, um pouco de todos os lugares concelhios, os dadores deslocaram-se à Escola EB23, em número significativo, deixando de lado, por momentos, a comodidade do dia a dia, mas com a convicção de ajudar os outros. Gestos bonitos e de grande valor humano, cujo exemplo é fundamental para os mais novos nesta sociedade em que cada vez mais se privilegia o egocentrismo. O sangue é vida! A vida só é plena quando sentimos que fazemos os outros felizes.

um desejo para 2017 A Tradição do dia de Reis celebrou-se no dia 6 de janeiro, partindo-se do princípio que foi neste dia que os Reis Magos chegaram finalmente junto do Menino Jesus. Em alguns países é neste dia que se entregam os presentes.

Como proposta da Biblioteca, os alunos da EB nº3 de Condeixa, para celebrar este dia, elaboraram, com a ajuda dos seus professores e pais um pequeno cartão em que registaram individualmente, um desejo para 2017. O objetivo desta iniciativa foi despertar e consciencializar os alunos para uma reflexão em termos de Cidadania e esforço pessoal para a possível concretização de desejos, pelos quais terão de trabalhar para poderem ser atingidos. Esses desejos foram colocados, neste dia, num Baú e, posteriormente, afixados, tal como se pode ver na imagem. Desta forma, suscitou uma troca de opiniões entre os alunos que, ao lerem os desejos uns dos outros, reforçaram as exigências desta iniciativa. Educadora Amélia Oliveira, Biblioteca escolar EBnº3 março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 7


NOTÍCIAS / ATIVIDADES::

ERSUC – Curso EFA Visita ao Centro Integrado de Tratamento e Valorização de Resíduos Sólidos Urbanos (ERSUC) do Litoral Centro, de Coimbra)

A ERSUC abrange uma área de 7000 km2 em território nacional, serve uma população de aproximadamente um milhão de habitantes e trata de cerca de 430 000 toneladas de resíduos por ano. No âmbito de uma atividade de PRA, da visita realizada no dia 08/02/2017, pelos alunos do curso EFA, resultaram as seguintes apreciações: Após a visita de estudo ao Centro Integrado de Tratamento e Valorização de Resíduos de Coimbra, fiquei a admirar ainda mais as pessoas que lá trabalham. Não é um trabalho fácil e talvez não seja para todas as pessoas, mas, pelo que vi, todos os trabalhadores que exercem a sua profissão neste centro cumprem o seu dever de forma exemplar de modo a termos um ambiente mais limpo e saudável. É verdade que o primeiro passo cabe a todos nós para começar a separar os resíduos, com vista à sua recolha seletiva mas, infelizmente, ainda existe muita gente que não faz a separação dos resíduos, no entanto acredito que aos poucos tudo se irá resolver. O que achei mais interessante na visita foi o facto de termos evoluído tanto em termos de maquinaria em todos os processos que lá existem, pois, quando quase tudo era feito manualmente, seria certamente muito doloroso. Um aspeto “negativo” é o cheiro, mas quem é que vai para uma “lixeira” a pensar que o cheiro é bom? Na verdade, ninguém e fiquei chocada com a quantidade de lixo que deitamos fora. Somos uma comunidade extremamente poluidora e isso assusta-me e faz-me pensar como será daqui a alguns anos. O Senhor Engenheiro explicou-nos os processos sucintamente e também nos apresentou um vídeo de uma forma geral do que este Centro faz. Achei uma visita bastante interessante e acabamos por ficar com outra noção e outro ponto de vista acerca deste assunto. É muito bom ver que há pessoas que fazem o bem para termos um país mais “verde”. Inês Dias O que me pareceu mais interessante foi a forma como tratam da separação dos recursos que lhes chegam, porque é por causa desta mesma separação que se podem fazer outros materiais a partir de outros que já existiam. O que me incomodou mais foi o cheiro intenso e o facto de termos que estar lá ao pé a conversar e a ouvir explicações. Daniela Ramos O mais interessante desta visita foi ficar a conhecer a maneira organizada como são separados os resíduos de

diferentes materiais, assim como a utilização de resíduos orgânicos para produzir biogás. O que mais me aborreceu nesta visita foi o cheiro desagradável na zona dos resíduos indiferenciados. Andreia Duarte O que pareceu mais interessante foi a forma como os resíduos são separados e o que me incomodou mais foi o cheiro da parte dos resíduos indiferenciados. Tiago Alves Nesta visita, observámos e aprendemos os métodos de tratamentos e valorização de todos os resíduos dos municípios de Águeda, Albergaria-a-Velha, Alvaiázere, Anadia, Ansião, Arganil, Arouca, Aveiro, Cantanhede,

Castanheira de Pêra, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Estarreja, Figueira da Foz, Figueiró dos Vinhos, Góis, Ílhavo, Lousã, Mealhada, Mira, Miranda do Corvo, Montemor-o-Velho, Murtosa, Oliveira de Azeméis, Oliveira do Bairro, Ovar, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penacova, Penela, S. João da Madeira, Sever do Vouga, Soure, Vagos, Vale de Cambra e Vila Nova de Poiares. Achei muito interessante pois não tinha conhecimento do que era feito ao “lixo” depois de sair das nossas casas. Aborreceu-me bastante ver todo o tipo de lixo indiferenciado que é colocado nos contentores verdes pelas pessoas, desde pacotes de leite a sofás e máquinas de lavar roupa/louça. Mas, pelo contrário, gostei bastante de ver toda aquela organização das máquinas a identificar e separar o lixo, evitando o contacto com os operadores, e facilitando, assim, o trabalho. Bruno Conde Com a ERSUC e a separação de resíduos por matérias, conseguimos reutilizar matérias usadas para fazer novos produtos e ainda para criar energia. Se fizermos a reciclagem e ajudarmos nestas causas, conseguimos um melhor aproveitamento do ambiente. Gostei da visita, aprendemos coisas importantes sobre reciclagem e tratamento de resíduos, bem como o funcionamento da ERSUC.

8 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

João Barreto


:: NOTÍCIAS / ATIVIDADES

DE S.VALENTIM A RÁDIO CHEGOU À DIA Para comemorar o dia de S. Valentim, os alunos do 2º B da EBNº1 de Condeixa, realizaram vários trabalhos NOSSA ESCOLA sobre a história "O sapo apaixonado", no âmbito das Começámos a dinamizar na nossa Biblioteca, o “Clube da Rádio” que se encontra atualmente integrado num projeto do Ministério da Educação, por sugestão da professora bibliotecária, Anabela Costa. A rádio miúdos é a primeira rádio portuguesa para crianças e foi premiado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Para dar corpo a esta iniciativa tivemos o apoio da Associação Pais na compra e aquisição do material necessário para complementar o que já existia nesta escola. Depois da aparelhagem montada, os alunos selecionados tiveram uma ação de formação promovida pelo radialista Bernardo Baptista que nos ensinou a trabalhar com o microfone e com a mesa de mistura. Com este projeto pretendemos divulgar atividades que desenvolvemos na Escola: entrevistas interessantes; explorar animações diversificadas, ler, contar histórias, lendas, anedotas e adivinhas, despertar a curiosidade, falar sobre o ambiente, divulgar o património local, motivar para a música. Outro objetivo importante é o do envio mensal das atividades realizadas e divulgadas pela Rádio da Escola para radiomiudos.pt que depois serão divulgadas pela Internet, para que o público veja o trabalho desenvolvido nas escolas aderentes. De salientar que da nossa turma foram selecionados os alunos Ana Almeida, Maria Amaro, Miguel Pires e Nelson Brízida que alegram os nossos intervalos às 3ª e 6ª feiras de manhã e de tarde. Trabalho coletivo do 3º B da EBNº1

disciplinas de Português, Estudo do Meio, Expressões (plástica, musical e dramática). Gostámos muito de estar a pares no momento da leitura. "Brincámos" um pouco ao "Agora leio eu, a seguir lês tu..." e foi muito divertido! Com esta história aprendemos que "O amor não conhece barreiras". A partir do adjetivo (APAIXONADO) construímos um acróstico com nomes de animais selvagens. Fizemos pesquisas individuais com a ajuda dos pais, irmãos,... sobre vários animais que se encontram em vias de extinção. Elaborámos trabalhos sobre esses animais (as suas características, habitat, alimentação, locomoção e reprodução). Agora, cada um de nós apresenta à turma o seu trabalho. No final da apresentação, colocamos questões e dúvidas. E assim vamos aprendendo muitas coisas novas e interessantes sobre a vida animal. Descobrimos que a extinção pode ocorrer por vários motivos: destruição do habitat, competição, doenças, caça e matanças deliberadas, mudanças ambientais drásticas e catástrofes ambientais. É importante que o Homem proteja os animais, bem como todo o planeta! 2ºB - EBnº1

SALA DE ESTUDO DA EB2

A Sala de Estudo da EB2 tem funcionado, este ano letivo, em ambiente educativo diferente daquele a que os alunos estão habituados a vivenciar nas áreas curriculares disciplinares, com o objetivo de lhes ser proporcionada a oportunidade de aproveitarem o seu tempo livre de forma construtiva e enriquecedora. Assim, os alunos têm, na sua maioria, procurado este espaço, de forma autónoma e de livre vontade, para realização dos seus estudos e de trabalhos, no âmbito das várias disciplinas, com possibilidade de acesso a um conjunto de materiais, como dossiês com materiais pedagógicos, manuais, dicionários e computadores com acesso à internet com vista à realização de atividades de pesquisa. Neste espaço, os alunos receberam, sempre que se tornou necessário ou o solicitaram, um apoio 5º ANO

6ºANO

7º ANO

8º ANO

TOTAL 1ºPERÍODO

TOTAL

%

TOTAL

%

TOTAL

%

TOTAL

%

202

90

45

48

24

47

23

17

8

individualizado proporcionado pelo professor presente, na tentativa de serem auxiliados na superação das suas dificuldades. Número de presenças por ano de escolaridade: Na Sala de Estudo, estiveram expostos e foram divulgados alguns trabalhos realizados pelos alunos, no âmbito das disciplinas de CN, Inglês, Artes Plásticas e Português. Professor António Almeida (Coordenador da Sala de Estudo)

GERMINAÇÃO Na nossa sala começámos a fazer experiências com diversas sementes. Foi com muita surpresa e satisfação que todos os dias olhávamos para as nossas sementes e reparávamos no seu desenvolvimento. Aprendemos e verificámos que, com o processo de germinação das sementes, o que realmente as plantas gostam e necessitam para verem satisfeitas as suas necessidades básicas são o fornecimento de água, luz, calor e também de ar. Passados alguns dias, colocámos as pequeninas plantas na horta para assim desfrutarem dos nutrientes do solo para crescerem fortes e saudáveis. Texto coletivo do 3º B da EBNº1

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 9


NOTÍCIAS / ATIVIDADES::

Viva o “Entrudo” O nosso Carnaval Foi uma grande animação! Recordámos o “Entrudo”, Uma bela tradição! Agradecemos às famílias Que gostam de colaborar. Os nossos trajes eram lindos Foi tão bom, em Condeixa, desfilar. 3.º/4ºC

Foi com grande entusiasmo que o 2º B, da EBNº1 de Condeixa desfilou com entusiasmo e alegria, pela ruas de da vila, na companhia do "pintor Mário".

O desfile de Carnaval na nossa escola foi fantástico! Os nossos trajes estavam muito ecológicos, bonitos e criativos! Foram feitos pelos nossos pais e avós, com muita imaginação e carinho, a partir de materiais reutilizados, a pedido dos nossos professores. Havia animais, bailarinas, entrudos, frutos, um índio, um mimo, princesas, uma televisão e muitos robôs. Desfilámos pelas ruas de Belide e de Casével, cantando, tocando

instrumentos e lançando serpentinas. No cruzeiro de Belide havia muita gente para nos ver. Aí fizemos uma passagem de modelos. Na pastelaria Primavera deram-nos bolos sortidos e água. Junto à fonte de Casével também estavam algumas pessoas à nossa espera. Aí brincámos e descansámos um pouco. Por fim, regressámos à escola, um pouco cansados, mas muito felizes! EB1 de Belide, profs Regina Costa e Nelson Silva

10 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

EBNª1


:: NOTÍCIAS / ATIVIDADES

A alegria, a festa e a diversão chegaram à nossa escola. Foi com muita surpresa que olhámos uns para os outros e nos fartámos de rir! Afinal, a nossa turma, o 3º B da EBNº1, tinha envelhecido de um dia para o outro! Estávamos todos velhinhos e curvados… Vestidos de entrudo, foi uma animação pelas ruas de Condeixa, onde deixámos a nossa marca com canções, serpentinas e muita, muita alegria! Viva o Carnaval! Texto coletivo do 3º B da EBNº1

ruas da aldeia com os alunos do Jardim de Infância e fomos animar um pouco os idosos ao Centro do Dia. Cantámos canções No dia 24 de fevereiro, a EB1 de Ega fez um desfile carnavalesco alegres e brincámos bastante no jardim da aldeia. Quando regressámos à escola, fizemos um baile de máscaras. Foi super março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 11 alusivo ao tema “Heróis de cinema e televisão”. Desfilámos pelas divertido (e cansativo)!


NOTÍCIAS / ATIVIDADES::

O clube europeu assinalou o

Dia Mundial da Justiça Social No dia 27 de janeiro fomos visitar algumas instituições / serviços públicos do concelho. Em primeiro lugar fomos visitar os Bombeiros de Condeixa. O Subchefe Nuno Duarte mostrou-nos os carros e as ambulâncias e explicou-nos para que tipos de socorro serviam. Fizemos uma festinha à cadela Petra e visitámos a sala de estudo deles. Aí, ele mostrou-nos como se faz o suporte básico de vida. Adorámos!

Atravessámos a rua e visitámos os Correios. Aprendemos muitas coisas. Ficámos a saber que para além de podermos enviar cartas, telegramas, vales de postal e encomendas também podemos depositar dinheiro, investir em Títulos do Tesouro e Certificados de Aforro. Visitámos a sala onde se separa a correspondência por giros. Cada carteiro tem um giro. Compreendemos melhor a diferença entre correio azul e correio normal.

De seguida, visitámos a Câmara Municipal e fomos guiados pela Dr.ª Adelaide Montenegro. Primeiro mostrou-nos o Salão Nobre, onde estava a estátua da República e 3 bandeiras: a do Concelho de Condeixa, a de Portugal e a da União Europeia. Explicou-nos que nessa sala é que se fazem as reuniões e é aí que se recebem as pessoas importantes. Logo de seguida, fomos recebidos pelo Senhor Presidente no seu gabinete. Foi muito simpático, ofereceu-nos um lápis e um marcador de livros com motivos das Ruínas de Conímbriga. Já em cima da hora, fizemos uma visita rápida à Casa Museu Fernando Namora. Vimos alguns livros, retratos e objetos pessoais do escritor. Foi uma aula de Estudo do Meio diferente e muito interessante! EB1 de Belide, 1º e 2º A

12 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

No dia 20 de fevereiro, Dia Mundial da Justiça Social, o Clube Europeu organizou um debate na Biblioteca Escolar da Escola Secundária Fernando Namora, no qual a minha turma, 9ºC, participou. A principal questão que debatemos foi “Devemos ajudar, ou não, no desenvolvimento dos Países Em Desenvolvimento?” Foram selecionados sete alunos para desempenharem funções no debate. Um deles foi o moderador, outros três defenderam a ajuda aos países em desenvolvimento e os restantes três deveriam estar contra esta cooperação. Na plateia estavam os restantes membros da turma, os professores que nos acompanharam, a professora Alda Cardoso, dinamizadora do projeto, a professora de Filosofia, Graça Gonçalves, que nos esclareceu sobre algumas questões de ética e moral e, ainda, a professora bibliotecária Ana Rita Amorim. Por volta das catorze horas e quinze minutos demos início ao debate, após termos assistido a dois documentários sobre o tema.

Os elementos que estavam a favor da ajuda apresentaram argumentos, como: “sem os países em desenvolvimento não conseguiremos sobreviver”; “Se os ajudarmos, mais tarde eles retribuirão o favor”; Se não os ajudarmos a mudar as suas mentalidades, as guerras acabarão por chegar até nós”; “A pobreza relativa existente nos países desenvolvidos é muito diferente da pobreza extrema existente nos países em desenvolvimento”, entre outros. Por outro lado, aqueles que estavam contra tiveram uma tarefa mais árdua, pois contra-argumentaram com pontos de vista, muitas vezes, opostos aos deles mesmos, tais como: “Se os ajudarmos, eles poderão vir a impor os seus ideais às nossas sociedades”;” Por que razão os iremos ajudar a desenvolverem-se, se nos nossos países ainda existe pobreza?” “Os recursos do planeta são finitos e, por uma questão da nossa sobrevivência, devemos deixá-los à mercê da Natureza, para que esta faça a seleção natural”, entre outros. Após algumas intervenções, foram colocadas questões por parte da plateia e, no final, os meus colegas e eu votámos no grupo que considerámos que tinha desempenhado melhor o seu papel. Os vencedores do debate foram aqueles que defendiam a ajuda aos países em desenvolvimento. Após o debate, todos concluímos e concordámos que o melhor a fazer é ajudar os países em desenvolvimento para que o bem comum possa ser amplamente concretizado. Bruna Brito, 9º C


:: NOTÍCIAS / ATIVIDADES PARABÉNS à Associação de estudantes Fernando Namora A AEFN celebrou, no ano que passou, um ano de mandato e a sua primeira atividade neste ano letivo foi precisamente assinalar esta data. Juntamo-nos na sala do aluno e saboreámos um lanche, estilo “coffee break” com o qual todos os nossos alunos tiveram a oportunidade de se deliciar, gratuitamente. O futsal juntou-se a uma causa solidária e, pela segunda vez no mesmo ano, a AEFN organizou um evento desportivo-solidário, a II edição do torneio solidário Fernando Namora. A adesão a este torneio viu-se superada, sendo que pela primeira vez se juntaram oito equipas de alunos-atletas, que durante a tarde de 12 de dezembro de 2016, encheram o pavilhão e deram um sorriso a três famílias do agrupamento com os cabazes

No passado dia 20 de Fevereiro foi celebrado o Dia Mundial da Justiça Social. Para tal o Clube Europeu dinamizou uma atividade relacionada com o tema. Os alunos do 9ºB e do 9ºD, das 8h30 às 10h, assistiram a uma palestra realizada pelo presidente da associação S.O.G.A., com a colaboração de um membro dessa associação sem fins lucrativos. Os alunos do 9ºA e do 9ºC participaram num debate sobre os prós e os contras do apoio ao desenvolvimento por parte da União Europeia. Sendo aluna do 9ºD e membro do Clube Europeu, tive o prazer de participar na atividade destinada à minha turma e de realizar o papel de moderadora no debate do 9ºA. Das 8h30 às 10h ouvi uma palestra sobre a associação sem fins lucrativos, S.O.G.A.. Fiquei a saber que tem como objetivo ajudar no desenvolvimento de uma das ilhas mais desfavorecidas da Guiné-Bissau. Essa ilha chama-se Soga, daí a associação “Servir Outra Gente com Amor”, aproveitando o nome da ilha, o tornou como sua sigla. Nessa ilha encontram-se cinco aldeias, onde tudo o que é impensável na Europa acontece., tal como proliferação de doenças que na Europa já estão erradicadas, onde a instrução é de tal forma insuficiente que não permite, por exemplo, saber como obter água potável, onde a alimentação diária consiste apenas numa dose de arroz com óleo de palma, sendo a mesma durante todos os meses. Graças à cooperação da S.O.G.A. esta ilha, sem acesso direto, conseguiu ótimos progressos. Viu baixar as elevadas taxas de mortalidade e de mortalidade infantil. Conseguiu construir uma escola, onde agora dão aulas professores formados com bolsas de estudo pagas pela S.O.G.A., um centro de saúde com cinco médicos, construiu latrinas e colocou dois compressores para o óleo de palma em duas das aldeias, para aliviar o trabalho destinado às mulheres.

angariados. No dia 16 de março de 2017, a presidente da associação de estudantes deslocou-se a Coimbra, em representação da mesma onde foi eleita representante das associações de estudantes do ensino básico e secundário no Conselho Consultivo da Região Centro. Ainda antes do final do mês de março, a AEFN irá concretizar a III edição do concurso “Talentos na escola”, que, para além dos seus 8 concorrentes, contará com a presença de uma exaluna do Agrupamento, Lara Cardoso, a diretora do Agrupamento, Dr.ª Anabela Lemos, e o Vereador do Desporto e da Câmara Municipal de Condeixa, Carlos Canais, na função de júri. A 31 de Março, por volta das 18h30, mais uma vez, todos os caminhos irão dar a Condeixa, ao II Baile de Primavera da AEFN. “Esperamos por ti”-

Andreia Sousa, 10ºC, presidente da AEFN

Dia Mundial da Justiça Social Apesar das grandes evoluções, o papel de S.O.G.A. não acaba aqui. Ainda tem como objetivo conseguir filtros de potência máxima para as cinco aldeias, um barco para ligar a ilha, para que esta deixe de estar praticamente isolada, mais latrinas, mais três compressores para o óleo de palma para as outras três aldeias e uma cooperativa para promover o comércio justo e facilitar a venda dos seus produtos, com vista à sua autonomia. Todos nós podemos prestar a nossa ajuda. Infelizmente, os menores de 18 anos não podem viajar até lá e fazer trabalho no terreno, mas todos podem organizar e recolher fundos para ajudar a associação. Podem também apadrinhar uma criança. Podemos ainda inscrevernos como sócios. Afinal, ajudar custa pouco. Às 15h25 preparei-me para ser moderadora do debate, um papel difícil, sobretudo por ser um pouco tímida, mas principalmente por ser a minha primeira vez que desempenho este papel. No entanto, as professoras ajudaram muito. Eu preparei-me bem, mas a minha irmã ainda melhor, estávamos tão prontas que até podíamos debater o tema como profissionais, o que se revelou um problema, pois, como moderadora, devo ser imparcial, apesar de, conscientemente, ser mais correto apoiar a ajuda ao desenvolvimento, e de querer, constantemente, intervir. A tarefa foi, ainda, mais difícil pelo facto de os participantes nem sempre pedirem a palavra. Ser moderador é de facto uma tarefa difícil., mas foi uma ótima experiência e, sem dúvida, diferente. Assim, aprendi que, embora difícil, o papel de moderador é muito importante para facilitar a intervenção de ambas as partes, de forma a que cada uma apresente com clareza os seus argumentos. Emília Rebelo, 9ºD

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 13


DESPORTO ESCOLAR::

CLASSIFICAÇÃO DO CORTA-MATO ESCOLAR 2016/2017

Prova Aberta Turma 2ºA 2ºA 2ºA

Feminino

Class

Masculino

Maria de Deus

Simão de Sá

Francisca China

Duarte Figueira

Maria Rainho

Andrij Bodnarchuk

Turma 2ºB 2ºA 2ºA

Infantil A

CORTA-MATO ESCOLAR 2016/2017 No dia 6 de janeiro realizou-se mais um corta-mato escolar. O evento teve como palco a Escola Básica do 2º e 3º ciclos de Condeixa-a-Nova, tendo como participantes cerca de 177 alunos, distribuídos pelos diferentes escalões. Esta prova desportiva serviu ainda para selecionar os alunos que representaram o Agrupamento de Escolas de Condeixa-aNova, no dia 27 de janeiro, no corta-mato distrital, que se realizou na Praça da Canção (Coimbra). Este ano, como novidade, realizou-se uma prova aberta para os alunos do 1º, 2º e 3º anos da escola básica nº1 de Condeixa-a-Nova, que foi bastante participada. A todos os alunos que participaram na atividade, desde já o nosso agradecimento. Prof. Mário Teixeira - Coordenador do Desporto Escolar

Turma 5ºB 4ºA 3ºB

Feminino

Class

Masculino

Anita Costa

Bernardo Santos

Natacha Valada

Bernardo Lobo

Ana Almeida

Pedro Lopes

Turma 5ºA 4ºA 3ºB

Infantil B Turma 7ºB 7ºC 7ºA

Feminino

Class

Masculino

Maria Lima

Tiago Rodrigues

Daniela Mendes

Miguel Nunes

Beatriz Diogo

Dinis Diogo

Turma 7ºA 7ºC 7ºA

Iniciados Turma 8ºB 9ºC 8ºE

Feminino

Class

Masculino

Inês Rodrigues

Rafael Silva

Beatriz Figueiredo

Francisco Valente

Francisca Leitão

Mário Rosa

Turma 9ºB 9ºD 8ºB

Juvenis Turma Feminino 10ºA Virgínia Gonçalves 11ºB Diana Oliveira 10ºA

Sara Rodrigues

Corta-Mato Distrital do Desporto Escolar Realizou-se no dia 27 de janeiro de 2017, na Praça da Canção (Coimbra), o corta-mato distrital do Desporto Escolar, tendo a organização do evento estado a cargo da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, Direção de Serviços Região Centro, Desporto Escolar de Coimbra. Foi ao longo de toda a manhã que cerca de um milhar de alunos dos vários estabelecimentos de ensino do distrito de Coimbra disputaram os lugares que davam acesso à participação no campeonato nacional.

O nosso agrupamento esteve representado por 38 alunos nos diferentes escalões etários. Todos eles tiveram um desempenho e um comportamento muito meritório. Em termos de classificações individuais, há a destacar os seguintes alunos: Inês Rodrigues, (nº12/8ºB) - 2º lugar e Virgínia Gonçalves, (nº27/10ºA) – 8º lugar. Em termos coletivos, o nosso agrupamento também obteve resultados de relevo, nomeadamente nos escalões de infantil A feminino e infantil B masculino, em que obtiveram o 8º e 6º lugares respetivamente. Prof. Mário Teixeira - Coordenador do Desporto Escolar

14 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

Class 1º 2º 3º

Masculino

Turma 10ºA João Ferreira 8ºD Miguel Mascarenhas Leonardo da Costa

9ºC


::DESPORTO ESCOLAR

Class

INFANTIL A - MASC. Nome

Tempo

13

PEDRO LOPES

0:04:25

31

BERNARDO LOBO

0:04:36

44

LUCAS CARVALHO

0:04:40

143

BERNARDO SANTOS

0:05:10

168

AFONSO BARROS

0:05:15

170

RODRIGO SILVA

0:05:16

INFANTIL A - FEM. Nome

Tempo

14

ANITA COSTA

0:04:49

30

NATACHA VALADA

0:05:03

61

ANA ALMEIDA

0:05:23

95

CAROLINA LOPES

0:05:37

112

JOANA PIMENTA INFANTIL B - MASC.

0:05:41

Class

Class

Nome

Tempo

12

DINIS DIOGO

0:05:25

13

TIAGO RODRIGUES

0:05:27

48

MIGUEL NUNES

0:05:48

78

CARLOS SILVA

0:05:59

JOAO BISPO

0:06:05

97 Class

INFANTIL B - FEM. Nome

Tempo

13

DANIELA MENDES

0:06:10

59

MARIA RODRIGUES

0:06:49

71

BEATRIZ DIOGO

0:06:59

73

MATILDE PIMENTA

0:07:00

INICIADOS - MASC. Nome RAFAEL SILVA

Tempo

Class 21

0:09:45

70

FRANCISCO VALENTE

0:10:36

100

JOSE BORGES

0:11:03

115

MARIO ROSA

0:11:15

202

SAMUEL GONGALVES

0:12:40

215

EDUARDO AMADO

0:09:45

INICIADOS - FEM. Class

Nome

Tempo

2

INES RODRIGUES

0:09:15

85

BEATRIZ FIGUEIREDO

0:11:32

154

BRUNA BRITO

0:13:34

172

FRANCISCA LEITCO

0:15:57

173

JENI FERNANDES

0:15:57

178

NICOLE VALADA JUVENIS - MASC. Nome

0:09:15

111

MIGUEL MASCARENHAS

0:15:05

118

FILIPE SANTOS

0:15:19

119

JOAO FERREIRA

0:15:19

Class

Class

JUVENIS – FEM. Nome

MegaSprinter fase distrital O dia 22 de fevereiro foi a data agendada para a realização da final distrital do Projeto “MegaSprinter” 2017. Cerca de setecentos alunos, em representação de quarenta escolas e agrupamentos escolares do distrito de Coimbra, disputaram com muito afinco os títulos distritais nas provas de 40 metros, salto em comprimento, lançamento do peso e 1000m. A delegação do Agrupamento de escolas de Condeixa-a-Nova marcou presença com vinte e dois alunos, distribuídos pelos diferentes géneros e escalões etários. Os resultados alcançados pelos nossos alunos foram muito positivos, destacando-se o 1º lugar de Inês Rodrigues (8ºB); o 4º lugar de Tiago Rodrigues (7ºA) e Rafael Silva (9ºB); o 5º lugar de Virgínia Gonçalves (10ºA); o 6º lugar de Anita Costa (5ºB) e o 9º lugar de Pedro Lopes (3ºB), na prova de 1000 metros. Na prova de 40m destacou-se o aluno Gonçalo Costa (9ºD), que alcançou o 8º lugar na final. Já na prova de salto em comprimento, a aluna Sofia Cruz (8ºD) e o aluno Gonçalo Costa (9ºD) alcançaram o 7º e 4º lugares respetivamente nos seus escalões. Como vencedora da sua competição, a aluna Inês Rodrigues foi selecionada para representar o agrupamento nos dias 31 de março e 1 de abril de 2017, em Elvas, na fase final nacional. Aos alunos participantes, que muito se esforçaram na defesa das nossas cores, PARABÉNS pelos resultados obtidos. Prof. Mário Teixeira Coordenador do Desporto Escolar

Tempo

Tempo

8

VIRGÍNIA GONGALVES

0:11:40

23 80

DIANA OLIVEIRA SARA RODRIGUES

0:12:51 0:16:27

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 15


OS 3 GRANDES ATLETAS DO NOSSO AGRUPAMENTO

Os alunos Diana Oliveira do 11ºB , André Costa do 10ºA e Inês Rodrigues do 8ºB, receberam no passado dia 11 de março na Gala do Desporto de Condeixa os Prémios para Jovem Atleta Feminina e Masculino do Ano e Revelação Feminina do Ano. Olá Diana! Olá André! Olá Inês! Soubemos que no dia 11 de março ganharam um prémio na III Gala do Desporto de Condeixa, nas categorias de jovem atleta do ano, feminina e masculino e revelação feminina do ano, respetivamente. Primeiro que tudo queremos dar-vos os Parabéns e dizer que ficámos muito contentes e orgulhosos por termos três grandes atletas entre nós! Gostaríamos de saber algumas coisas sobre a vossa vida académica e desportiva, pode ser? JÁ- Já estudas no nosso agrupamento há muito tempo?

D (Diana) - Desde sempre! A (André) - Estudo no AECDX desde o quinto ano. I (Inês) - Sim, há 8 anos.

JÁ- Há quanto tempo praticas futebol, Diana? E tu

André, a natação? E tu Inês, há quanto tempo corres? D - Quando entrei para a escola primária, entrei também para o futebol. Tinha 6 anos. Ou seja, jogo futebol (num clube) há mais tempo do que sei ler e escrever, mas lembro-me que, mesmo antes disso, já jogava à bola na rua com os rapazes.

raciocínio rápido. Temos que tomar decisões importantes a cada segundo. Temos que ser inteligentes taticamente, evoluídos tecnicamente, saber jogar em equipa, aprender a fazer parte de um grupo. É uma escola da vida! A - Como já expliquei anteriormente, foi um bocado a natação que me foi escolhendo a mim… foi-se impondo o meu jeito e o meu gosto e acabei por ficar por aqui…

A - Desde pequenino, quando comecei a aprender a nadar, mas nessa altura não gostava de natação, achava uma seca ter de nadar de um lado para o outro a contar azulejos… por volta dos 9 anos entrei para o polo aquático, porque os meus vizinhos e amigos andavam lá todos. Eu adorava o polo aquático e jogava muito bem, mas toda a gente me dizia que nadava muito bem e que dava um grande nadador, mas, como eu não gostava de nadar, não ligava ao que me diziam… Aos 13 anos comecei a ficar desinteressado pelo polo aquático porque este desporto exige ter um bom corpo por ser um desporto de muito contacto e eu era um magricela… no final do sétimo ano mudei para o Triatlo e o meu treinador dizia que eu nadava muito bem e eu comecei a reparar que as pessoas até tinham razão e eu também comecei a gostar mais. Entretanto participei numas provas e ganhei e, então, deixei a corrida e a bicicleta e fiquei apenas pela natação! Portanto, pratico este desporto desde os meus 13 anos!

I - É a correr que me sinto mesmo bem. Esta modalidade fazme acreditar no impossível, no fundo faz-me ser uma pessoa melhor e feliz.

I - Há cerca de 3 anos.

JÁ- Consideras que a vida de desportista é uma vida

JÁ- Onde praticas o teu desporto? D - No Clube Condeixa (desde sempre!!). Foi o clube que me viu crescer e, principalmente, que me fez crescer! A - Pratico este desporto cá em Condeixa, nas Piscinas Municipais e represento o Condeixa Aqua Clube.

I - Em Condeixa, no campo Sotto Mayor.

JÁ- Porque escolheste este desporto? D - O meu irmão também jogava futebol e talvez tenha sido um pouco influenciada por isso. Juntava-me sempre aos rapazes nas brincadeiras de rua. Sempre gostei de futebol, mas desde que entrei para o clube e comecei a integrar uma equipa, apaixonei-me completamente pela modalidade. O futebol é um desporto incrível. É matemática em movimento, é

JÁ- Quantos treinos fazes por semana? D - Neste momento, treino 4 vezes por semana e jogo ao domingo (todos convidados!). A - Faço 9 treinos por semana, treino todos os dias da semana, das 17h45 às 21h e faço bi-diários às terças, quintas, dias em que me levanto às 5h30 da manhã para ir treinar antes das aulas das 8h30. Aos sábados tenho treino às 9h00 e às 16h30. Aos fins-de-semana tenho ainda muitas competições, que por vezes ocupam o sábado à tarde e o domingo de manhã. I - 3 Treinos. fácil?

D - Não é fácil, mas, se fosse, talvez não fosse tão apaixonante como é. O desporto obriga-nos a encontrar os nossos limites, a enfrentá-los e a superá-los. É necessário abdicar de algumas coisas. O tempo que temos para estar com a família ou com os amigos talvez não seja o que desejávamos, mas todos os sacrifícios recompensam.

A - Não. É uma vida complicada, cansativa e muito preenchida… tenho pouco tempo para estudar e acabo às vezes por nem me ir divertir com os meus amigos, porque tenho de ir treinar,… mas nadar é o que eu gosto mais de fazer! I - Não é uma vida fácil. Temos de treinar muito para alcançar os nossos objetivos, saber lidar com as lesões, as derrotas, as rivais, o nervosismo, mas estamos a fazer aquilo que gostamos, a ganhar importantes conquistas, a crescer enquanto pessoas.

16 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017


JÁ- Como consegues conciliar a tua modalidade com a escola e os estudos?

D - Como já referi, jogo futebol desde que estudo. Ou seja, não sei o que é ter que estudar sem ter que conciliar os treinos e os jogos com isso. A minha única realidade é esta, por isso considero que é algo normal. Há que saber gerir o tempo e o esforço.

A - Este ano entrei no secundário e está a ser um pouco difícil conciliar as duas coisas e tirar boas notas. Tento estudar em todos os buracos que tenho no meu horário, mas nem sempre o faço, porque ou tenho preguiça ou estou muito cansado. I - Os estudos estão em primeiro lugar, só depois o atletismo.

JÁ- Quais foram até agora as tuas maiores conquistas/prémios?

D - A nível individual, o prémio de melhor guarda-redes do Interassociações (torneio disputado entre os distritos de Portugal) em 2016 foi algo memorável, assim como o 3º lugar conseguido no ano anterior no mesmo torneio. A conquista do Torneio de Desenvolvimento (pelas sub-16) e a passagem à Ronda de Elite (pelas sub-17) foram também muito marcantes. Sem dúvida que conseguir trazer o futebol feminino para o nosso concelho foi uma das maiores conquistas. Orgulho-me imenso ao ver que Condeixa está também a apostar no futebol feminino. Este ano está a ser fantástico e a equipa é fenomenal. Até agora (e como ainda estamos a meio da época) não posso falar de nenhuma grande conquista, mas acredito que se me fizerem essa pergunta daqui a uns meses, a resposta será bem diferente. A - As minhas maiores conquistas foram no ano passado quando fui campeão nacional de Juvenis B aos 100 e 200 mariposa. Também no ano passado fui o melhor a nível nacional numa prova chamada Nadador Completo, em que temos que nadar 100 mts em costas, bruços, mariposa e livres e ainda uma prova de 200 mts estilos. A nível de equipa conseguimos fazer o nosso clube subir de divisão, tínhamos uma equipa muito jovem e batemo-nos contra equipas seniores, o que foi considerado um grande feito.

I - Para já, conseguir participar no Olímpico jovem Nacional. E quem sabe… algum dia.. Ir aos jogos Olímpicos.

JÁ- Podem explicar aos

nossos leitores porque acham que se deve praticar desporto?

D - O desporto, para além de ser obviamente benéfico para a nossa saúde física, é também fundamental para a nossa saúde mental. Acaba por ser um verdadeiro refúgio da vida e dos problemas (“mens sana in corpore sano”). Para além disso, transmite-nos ideais fundamentais para as nossas vidas. Como já disse anteriormente, é uma escola da vida! A - Eu acho que praticar desporto é bom para nos mantermos saudáveis e em forma, mas principalmente, pelo menos para mim, quando nado esqueço tudo e é uma maneira de desanuviar. Claro que não têm de praticar um desporto em que dediquem tanto tempo como eu, mas praticar um desporto 2 a 3 vezes por semana já é ótimo. I - O desporto ajuda-nos a ter uma vida mais saudável, a sentirmo-nos bem física e mentalmente, mas também é uma forma de aliviar a pressão diária tanto do trabalho, como dos estudos.

JÁ- Diana, que podes dizer a uma

jovem que queira começar a praticar futebol feminino? E tu, André, quais são as vantagens de praticar natação? Inês, porque achas que praticar atletismo é tão bom?

D - Dir-lhe-ia para, acima de tudo, disfrutar de tudo o que o futebol tem para lhe dar. Para se divertir a fazer aquilo que gosta. Dizem muitas vezes que as vitórias não são importantes... Penso que qualquer atleta nega completamente isso. As vitórias são importantes, claro que sim. Não há nada como a sensação de vencer. Mas mais importante do que tudo isso, são os I - As mais importantes, crescer como pessoa, ultrapassar os motivos que estão por detrás dessa felicidade quando meus medos, lesões, etc.. Conseguir ir aos Nacionais de Corta- vencemos algo. Só damos importância à vitória porque aquilo mato, MegaKm e Regionais. que ganhámos é importante para nós. E se é assim tão importante que nos pode deixar extremamente felizes ou JÁ- Quais são os teus objetivos para o futuro? destroçados, então, nunca, mas NUNCA podemos desistir disso. Esta seria a minha mensagem principal. Nunca desistas D - Para ser sincera, não penso muito nisso! Quero aproveitar do que te faz feliz! o presente e dar o melhor de mim nas competições em que estiver envolvida. Penso que, se nos preocuparmos A - Diria: “Se te quiseres integrar nesta vida de nadador, vais demasiado com o que vamos fazer a seguir, acabamos por ter de te esforçar muito e dar tudo, mas, acima de tudo, vaisnão dar o nosso melhor no que estamos a fazer agora. te divertir bastante e vais ser aceite, com muito orgulho, por parte dos teus colegas de equipa! Apesar de ser um desporto A - O meu grande sonho é um dia ir a uns Jogos Olímpicos e individual, existe sempre um grande espirito coletivo e um bom Campeonatos do Mundo, mas neste momento o meu grande ambiente, até com os adversários. Puxamos sempre todos uns objetivo é nestes próximos 3 anos fazer mínimos para os pelos outros e apoiamo-nos mutuamente para conseguirmos os Campeonatos da Europa de Juniores. nossos objetivos! Para mim, os meus colegas de equipa e até alguns adversários são como uma segunda família!!!”

I - O atletismo é uma modalidade complicada, passa-se uma época inteira a sofrer, mas, no final, ver as vitórias conquistadas e o reconhecimento do nosso trabalho é a melhor sensação do mundo.

Obrigada, Diana, André e Inês ! Boa sorte para as futuras conquistas. E mais uma vez, parabéns pelo prémio de reconhecimento das vossas qualidades e capacidades! São mesmo três Grandes Campeões! março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 17


PLANO NACIONAL DO CINEMA:: No dia 23 de fevereiro a minha turma esteve umas horitas a aprender coisas divertidas. Como a turma pertence ao PNC (Plano Nacional de Cinema), a professora Rita Amorim veio à nossa sala ensinar-nos como se faziam filmes de animação. Aprendemos muitas palavras novas e conhecemos muitos objetos antigos, que eram usados para fazer os filmes. É o caso do TAUMATRÓPIO que, ao rodar uma imagem, parece que ela se movimenta. Vimos o filme “A suspeita”, usando o FLIP BOOK, fizemos jogos óticos, conhecemos o CROMA KEY, o FOLIOSCÓPIO, o ZOOTRÓPIO, o PRAXINOSCÓPIO e o FENACISCISTOCÓPIO. Por fim assistimos a alguns filmes animados: o primeiro filme de animação que já foi feito, o primeiro filme do Mickey Mouse, um filme do Charlin Chaplin, … Foi muito divertido. A professora também mostrou muitos exemplos, com várias técnicas para realizar filmes de animação: trapos, desenhos, plasticina,… Ah! Já me esquecia… a professora também nos mostrou pequenos filmes realizados pelas turmas dos seus filhos. Um deles foi feito quando a Anita, a filha mais nova da professora, estava dentro da sua barriga. Chama-se “A Aventura da Pirata Anita”. Gostei muito de ver e ouvir aquelas coisas novas.

Workshop de jogos óticos na EB1 de Anobra No passado dia 21 de fevereiro, no âmbito do Plano Nacional de Cinema, a turma B da EB1 de Anobra participou num workshop de jogos óticos, dinamizado pela professora Ana Amorim. Neste workshop realizámos uma “viagem” ao mundo do cinema de animação e à descoberta de como tudo começou. A noção de movimento foi explorada com a observação de um Taumatrópio, um Folioscópio, um Zootrópio e, também, com a observação de flipbooks. O momento mais divertido foi a construção do nosso próprio Folioscópio. Na segunda parte deste workshop vimos filmes produzidos com diferentes técnicas: recortes de papel, plasticina e pixilação. Também assistimos a alguns filmes bem divertidos do cineasta português, José Miguel Ribeiro: “O ovo”, “Coisas lá de casa” e “A suspeita”.

Francisca Ferreira, 3ºB da EBnº3

Finalizámos com o visionamento do surpreende filme intitulado “O presente”. Este é um filme que todos deveriam

ver pela mensagem que transmite e que está relacionada com a importância de se ultrapassar os obstáculos da vida. Há sempre alguém pronto a ajudar, nem que seja um presente… Eb1 Anobra, turma 3º/4º ano, professora Sara Aires

Sessão de cinema no PO.RO.S No dia 8 de março fomos assistir a uma sessão de cinema no auditório do Museu PO.RO.S em Condeixa-aNova. Assistimos a 9 curtas-metragens. Os filmes de que mais gostámos tinham uma lição de moral: não desistir, apesar das dificuldades da vida. O filme Kung-Fo era sobre um macaco que tinha aprendido Kung-Fo e procurava um adversário à sua altura, mas todos os adversários que ele encontrou eram mais fortes e era sempre derrotado. O macaco, apesar de derrotado, nunca

desistiu levantando-se sempre. O último filme era sobre a relação entre um menino e um cão deficientes. O menino vivia em casa, preso aos jogos e à televisão, porque não tinha uma perna e não gostava de sair. A mãe resolveu oferecer-lhe um cão sem uma pata. O menino, inicialmente, não aceitou o cão. Dava-lhe muitos pontapés, porque não se aceitava a si próprio. Desprezava o cão, que nunca desistia. O cão deficiente ia sempre chamar o menino para brincar. No final o menino aceitou-se a si próprio e aceitou o cão, tendo ido brincar com ele. Estes filmes foram importantes, pois permitiram-nos aprender uma lição: nunca devemos desistir, apesar de no nosso caminho, surgirem dificuldades e contratempos.

18 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

Trabalho coletivo Turma B 3º/4º EB1 de Belide


:: PLANO NACIONAL DO CINEMA

(Plano Nacional do Cinema) A nossa professora faz parte do grupo do PNC (Plano Nacional de Cinema) do nosso agrupamento, e no âmbito deste projeto, no dia 22 de fevereiro, contámos com a presença da professora bibliotecária Ana Rita Amorim para nos explicar de uma forma simples, acessível e adequada, como se faz o cinema de animação. Todos tivemos a oportunidade de ver e manusear objetos interessantes, também chamados de Jogos Óticos, que permitem ao olho humano ver o movimento, movimento esse que não é mais do que uma sequência de imagens. Taumatrópio, Fenacistoscópio, Praxinoscópio e Folioscópio, nomes complexos, mas que despertaram o nosso interesse e curiosidade. Passamos a explicar melhor: O Taumatrópio é um objeto composto por um círculo de papel preso nas duas extremidades por fios, com duas imagens diferentes desenhadas. O objetivo é que as imagens se sobreponham ao torcer e destorcer os fios, fazendo que o círculo gire com rapidez. Assim, vimos as duas figuras sobrepostas como o exemplo do pássaro na gaiola. Trata-se de uma ilusão de ótica. O Fenacistoscópio é um dos mais antigos aparelhos de animação. É composto por um disco dividido em secções, cada qual com um desenho representando uma etapa do movimento. Girando-se o disco em frente a um espelho e olhando-se através de uma fresta no disco, é possível apreciar a ilusão de uma imagem em movimento. Usámos um e divertimo-nos muito. Também demos movimento a um Folioscópio (ilusão de um pássaro a voar). No Praxinoscópio, o visionamento das “tiras animadas” não se faz espreitando pelas ranhuras do aparelho, mas, sim, pela sua projeção num espelho circular colocado no interior do “tambor”. Gostámos muito de tudo! E ficámos cheios de vontade de experimentar, fazer nós mesmos, alguns destes brinquedos tão divertidos! 2ºB da EB nº1

OS ALUNOS DO PRÉ ESCOLAR E 1º CICLO FORAM AO CINEMA! No âmbito do projeto do PNC decorreram entre os dias 6 e 10 de março, no auditório do museu PO.RO.S. ,12 sessões de cinema para os alunos do pré-escolar e do 1º ciclo do nosso agrupamento. Os filmes visionados integram uma coletânea reunida pelo CINANIMA, num programa para crianças, e o objetivo principal destas sessões foi o de dar a experienciar ao público infantil o visionamento de cinema de animação de qualidade e em sala com som e projeção apropriados. Os alunos gostaram muito, tendo apreciado o conforto da sala e a magia que a sétima arte nos provoca. Algumas das Curtas (denominação de filmes de pequena duração) foram muito divertidas, algumas fizeram-nos pensar, com muito apelo às questões da Solidariedade. Uma atividade a repetir… porque no CINEMA também aprendemos MUITO! Gostaríamos mais uma vez de agradecer a disponibilidade da autarquia, que nos permitiu a utilização deste espaço a estrear! Profª bibliotecária Ana Rita Amorim

O Plano Nacional de Cinema (PNC) está previsto como um plano de literacia para o cinema e de divulgação de obras cinematográficas nacionais junto do público escolar e pretende formar públicos escolares, despertando nos jovens o hábito de ver cinema, bem como valorizá-lo, enquanto arte, junto das comunidades educativas.

OBJETIVOS:

-Formar professores na área da literacia fílmica, sendo um eixo prioritário de intervenção no conjunto de ações a desenvolver pelo PNC.

-Integrar as atividades da Escola relacionadas com o PNC no Plano de Turma (PT) das turmas. -Organizar e operacionalizar em sala própria para o efeito a deslocação das turmas à sessão ou sessões de Cinema.

SABIAM QUE...

...para se fazer apenas 1 segundo de desenhos animados é preciso desenhar 24 imagens diferentes? E para 1 minuto de animação quantas imagens diferentes precisamos de ter? Fizemos as contas… e são… 24 x 60 = 1440 imagens… E quantas imagens diferentes serão precisas para termos 1 hora inteirinha de desenhos animados? Alguém sabe?

1440 x 60 = 86 400 imagens 2ºB da EBnº1

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 19


ARTES :: Arte

(do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) pode ser entendida como a atividade humana ligada às manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada por meio de uma grande variedade de linguagens.

À descoberta da ARTE no Jardim de Infância de Ega

Iniciámos o projeto “Patrimónios: a arte, os sentidos e a natureza”, comum a todos os Jardins de Infância do Agrupamento, na sequência do projeto “Heróis da Fruta”. Com ele, a nossa descoberta dos artistas, neste caso, de pintores famosos. Alguns artistas pintaram grandes pinturas de igrejas, rios ou outras paisagens naturais. Outros fizeram retratos muito realistas. E alguém que pinta o que usamos todos os dias, como uma banana? Andy Warhol era uma dessas pessoas. Andy Warhol foi um artista americano que via arte nas pequenas alegrias da vida diária, nos objetos e nas pessoas. A maioria das suas obras incluem imagens do americanismo clássico, como, por exemplo, figuras de Hollywood. A sua pintura é designada como estilo "Pop Art". Ele trabalhou com uma grande diversidade de técnicas, incluindo a impressão, a fotografia, a serigrafia e outras. Além disso, o seu trabalho atravessou outras áreas artísticas como a música, o cinema, a escultura e a literatura. Realizámos pesquisas, em livros e na internet, e descobrimos algumas das suas técnicas e características que depois usámos: desenhar com risco preto, pintando os espaços de forma pouco precisa, repetição da mesma imagem no mesmo quadro e pintura de gatos. Os gatos eram o seu animal preferido. Em baixo estão algumas das pinturas que fizemos. Vamos continuar a nossa descoberta de artistas famosos, percebendo, através deles como, com os sentidos e a natureza, podemos criar arte. Educadora Ana Guadalupe Nunes do JI da EGA

Jogos do SURREALISMO

No âmbito a disciplina semestral de Artes Plásticas, 8.ºAno, Turmas C|D|F, foram desenvolvidas várias atividades no sentido de desenvolver a criatividade. De entre os vários jogos desenvolvidos no âmbito do surrealismo, o jogo do Cadavre-exquis foi um dos mais populares e amplamente praticado pelos surrealistas. O método do Cadavre-exquis na sua vertente gráfica e visual, consistia em criar num qualquer suporte, geralmente papel, um desenho coletivo. O desenho era dobrado em tantas partes quantos os participantes que, sem verem o que o outro desenhou, apenas pegando nalgumas linhas e formas que chegavam ao limite da dobra, tinham de lhes dar continuidade e realizar no espaço que lhe foi atribuído um desenho. O resultado, fruto do acaso na construção desta composição visual, afirmava-se como um ato de liberdade que procurava eliminar o controlo exercido pela razão. As características importantes no processo criativo do Cadavre Exquis – Cadáver esquisito são a criação coletiva, a surpresa, o imprevisível, o acidental, a fragmentação e perda de unidade, o padrão Coletivo, e a mística das coincidências. Professora de Artes Plásticas, Dina Ferreira

20 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017


:: ARTES

GRANDIOSO ESPETaCULO Gostamos muito de cantar… e dançar… e “fazer teatros”… E, por isso, decidimos fazer um ESPETÁCULO! Turma A da JI da EBnº1 de Condeixa, Educadora Isabel Hipólito 1. FIZEMOS UM “PLANO” … QUE FOMOS “AJUSTANDO” E MELHORANDO…

2. FOMOS CENÓGRAFOS… FIGURINISTAS… E TÉCNICOS DE SOM…

3. PREPARÁMOS BILHETES (que vendemos por uma peça de fruta) e fizemos O CARTAZ DE DIVULGAÇÃO…

4. FOMOS CANTORES… DANÇÁMOS HIP HOP… E DANÇÁMOS “ORA VIVA A BORGA” (Rancho Folclórico de Eira Pedrinha)

5. FIZEMOSTEATRO!

6. ETIVEMOS PÚBLICO QUE NOS APLAUDIU! ADORÁMOS FAZER ESTA ATIVIDADE!

“Projetos de aprendizagem – Têm como ponto de partida uma curiosidade ou interesse de uma ou várias crianças que, com o apoio do/ a educador/a preveem o que vão fazer e como, realizam os processos e ações previstas, sintetizam o que aprenderam e comunicam a outros essas aprendizagens. São meios privilegiados de participação das crianças no planeamento e na avaliação e de articulação de conteúdos.”

“Domínio da Educação Artística – engloba as possibilidades de a criança utilizar diferentes manifestações artísticas para se exprimir, comunicar, representar e compreender o mundo. A especificidade de diferentes linguagens artísticas corresponde à introdução de subdomínios que incluem artes visuais, dramatização, música, dança.“ In Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar, Min. da Educação, abril de 2017

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 21


ARTES ::

Carta aberta a todos os alunos de orquestra do agrupamento de escolas de Condeixa

Terá sido no longínquo ano letivo de 2003/2004 (?) que comecei a engendrar a ideia de que seria muito "fixe", muito interessante e deveras enriquecedor para todos, formar um grupo de alunos que gostassem de música e que possa representar a nossa escola perante a sua comunidade em festas, convívios escolares, etc... Assim, e depois de se terem adquirido diversos instrumentos e equipamentos musicais com a preciosa ajuda das várias direções/conselhos executivos da escola bem como de projetos sociais tutelados pela autarquia de Condeixa, foi possível iniciar a aprendizagem musical e todos os processos inerentes ao arranque de um grupo com estas características. Recordo que uma das primeiras atuações realizadas foi precisamente na inauguração da "nova escola amarela", a EB 2,3, perante o Ministro da Educação da altura, ente outras individualidades. A "BigBand", como era então conhecida, era maioritariamente constituída por instrumentos de sopro de madeira - flautas transversais, clarinetes, saxofones, e de metal - trompetes e trombones, contando com o apoio de uma secção rítmica constituída por guitarra e baixo elétricos e bateria. Claro está que também havia os cantores, sempre contando com a alegria e entusiasmo de diversos jovens com muito talento e garra para aprender.

Já mais recentemente, este grupo foi enriquecido por jovens executantes de cordas, primeiro os violinos e depois os violoncelos, que lhe vieram dar um ar mais clássico, mas também jovem e irreverente, contando, por outro lado, com a participação de novos instrumentos musicais como os saxofones tenor ou o euphonium. Assim sendo, este grupo musical alargado ganhou, e muito bem, o pomposo nome de Orquestra do Agrupamento de Escolas de Condeixa. Ao longo destes anos desenvolveram-se muitas atividades e concertos em outras localidades, escolas e eventos. Não posso deixar de destacar o apoio que sempre senti por parte das diversas direções, da colega de grupo disciplinar e demais estruturas de coordenação educativa. Não querendo destacar nenhum aluno, por receio de me esquecer de vários, não posso deixar de referir a Tânia Dias, hoje professora de AEC - música, que ainda hoje participa nos nossos saraus como executante convidada, os alunos do Avenal, O Manuel, o Pedro, o Góis e tantos outros que passaram na orquestra BigBand e deixaram a sua alegria e gosto por aprender. A todos o meu obrigado por esta experiência incrível, em que quem mais aprendeu fui eu próprio. Cabe agora aos meninos do 5º ano continuar este legado, esta história, esta aventura! Todos com muita vontade me aprender... MÚSICA!!! Mário Alves, Professor de Música

A disciplina de Artes Plásticas Sendo uma área artística opcional, de caráter obrigatório, de acordo com a oferta de escola , a disciplina de Artes Plásticas pretende contribuir para a organização de atividades artísticas no sentido do desenvolvimento de ações que contribuam para a promoção integral dos alunos. Nas Artes Plásticas, a manipulação com os materiais, com as formas e com as cores permite que os alunos desenvolvam formas pessoais de expressar o seu mundo interior e de representar a realidade através da identificação das linguagens 22 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017


::Na biblioteca acontece

Noite e Nevoeiro corresponde à tradução de Nacht und Nebel, expressão cujo referente direto é o decreto nazista promulgado por Hitler, em 7 de dezembro de 1941 (Nacht und Nebel Erlass). Esse normativo prescrevia o célere desaparecimento daqueles que se opusessem, em qualquer parte da Europa, ao III Reich, os quais, de forma imediata, deveriam ser conduzidos a prisões situadas na Alemanha. Tanto a detenção quanto o transporte eram procedidos durante a noite, a fim de facilitar a inexistência de provas de desaparecimento das vítimas capturadas. Precisão, eficácia, agilidade, no silêncio da noite, entrelaçavam, portanto, a cumplicidade nebulosa das operações do Nacht und Nebel.

qual se inspirou o filme. De Michel Bouquet é a impressionante voz off que se ouve ao longo do filme. Noite e Nevoeiro faz uma edição de filmes de diversos arquivos sobre o nazismo, utilizando imagens chocantes dos campos no momento da sua libertação. O colorido das imagens atuais dos campos cobertos pela relva contrasta com os longos travellings (movimentos nos quais a câmara se desloca no espaço) nos tenebrosos espaços interiores filmados a preto e branco. Estas imagens também impressionaram os nossos alunos, pois realmente, é sempre difícil recordar, com imagens reais, um dos acontecimentos mais tristes da nossa História. Seguiram-se excelentes momentos de discussão sobre a importância da preservação da memória, da necessidade de conhecermos a fundo a História, no que de bom e de mau ela nos apresenta. Estarmos preparados para o Futuro passa por aceitarmos os erros do passado e lutarmos para que eles não voltem a acontecer! Foi ainda uma excelente oportunidade para a biblioteca escolar promover a leitura dos muitos recursos que tem na sua coleção sobre esta temática.

Em memória das vítimas do

Holocausto

No passado dia 27 de janeiro a biblioteca escolar da ESFN assinalou, mais uma vez, o Dia Internacional de comemoração em memória das vítimas de Auschwitz. Desta feita, a atividade foi pensada na continuidade das atividades realizadas em anos anteriores pela professora Ana Paula Amaro, tendo sido preparada para todos os alunos das turmas do 9º ano e para as turmas do 10º e 11ºC, turmas de Humanidades. Foi apresentado o documentário "A Noite e o Nevoeiro" (1955) realizado por Alain Resnais, filme da lista de referência do Plano Nacional do Cinema. O filme foi uma encomenda feita pelo Comité d’Histoire de la Seconde Guerre Mondiale, organismo criado em 1951 pelo governo francês para lançar luz sobre o fenómeno da deportação, do extermínio, do Holocausto. Em 1951 foi a primeira vez que as imagens chocantes do Shoá foram apresentadas ao Mundo! O realizador, um dos nomes maiores da Nouvelle Vague, procurou a colaboração de Jean Cayrol, combatente da Resistência Francesa e ex-prisioneiro de Mauthausen e que retratou a sua experiência no livro “Poémes de la nuit et du brouillard” (1945), no

professora bibliotecária, Ana Rita Amorim

das artes, ajudando-os a desenvolver novos saberes e conferir novos significados aos seus conhecimentos. A exploração livre dos meios de expressão gráfica e plástica não só contribui para despertar a imaginação e a criatividade dos alunos, como lhes possibilita o desenvolvimento da destreza manual e da capacidade de expressão e comunicação. Nesta perspetiva, a disciplina de Artes Plásticas propõe-se abrir espaço à experimentação e realização do projeto artístico. Desde 2002 que esta disciplina existe na nossa escola como oferta de escola, mas neste momento, circunscrita a uma disciplina de opção para os 7º e 8º anos de escolaridade de caracter semestral. As professoras do grupo 600, Artes Visuais

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 23


Na biblioteca acontece:: CONCURSO NACIONAL DE LEITURA - fase de escola

Este ano, pela segunda vez consecutiva, o Agrupamento de Escolas de Condeixa-aNova inscreveu-se no Concurso de Leitura, com o objetivo de incentivar os alunos do 3ºciclo e ensino secundário à leitura. Eu decidi participar neste projeto por duas razões. Primeiramente, já me tinha inscrito no concurso o ano passado e consegui chegar à segunda fase, a fase distrital, e adorei a experiência, o que me fez ambicionar chegar mais longe. Por outro lado, uma das minhas atividades de ocupação de tempos livres favorita é ler, logo não podia deixar passar esta oportunidade! A primeira fase deste concurso consistiu numa fase de escola, ou seja, cada escola teve de apurar três alunos de cada ciclo. No meu ciclo, tivemos de escolher entre dois livros para lermos: “O fantasma de Canterville” de Óscar Wilde ou “Uma escuridão bonita” de Ondjaki De seguida, respondemos a um questionário sobre o livro que escolhemos na plataforma Kahoot. No final, ficámos a conhecer os resultados relativos ao nosso conhecimento da obra que lemos, mas como eram dois livros, só no dia seguinte é que soubemos os resultados globais. O livro pelo qual eu optei foi “Uma escuridão bonita”, pois já me tinham dado impressões muito positivas sobre ele. Como o livro é pequeno eu já estava à espera de um questionário pormenorizado, não achei a prova muito difícil. Já com os resultados dos meus colegas de ciclo considerados, fiquei apurada em terceiro lugar, passando à segunda fase. Estou muito curiosa com os próximos livros que teremos que ler, e ansiosa pelo dia do concurso distrital! Não posso deixar de apelar à participação dos meus colegas, no próximo ano, neste concurso, não só pela experiência pessoal que é fantástica, mas também pelo tempo bem passado! Bruna Brito do 9ºC

Oliveira do Hospital receberá os alunos do distrito de Coimbra na 11ª edição do CNL

No dia 11 de janeiro, os alunos do 3º ciclo e Ensino Secundário do Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova participaram na 11ª edição do Concurso Nacional de Leitura, promovido pelo Plano Nacional de Leitura em articulação com a Rede de Bibliotecas Escolares e a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB). Na fase de escola, organizada pelas professoras bibliotecárias deste agrupamento, 27 alunos destes níveis de ensino prestaram provas sobre as obras selecionadas, a saber: Uma escuridão bonita, de Ondjaki e O fantasma de Canterville, de Oscar Wilde, para os alunos do 3º ciclo e para os do secundário Ilha Teresa de Richard Zimler e O velho que lia romances de amor, de Luís Sepúlveda.

A convite da Editorial Presença, no dia 2 de fevereiro comemorou-se a nível mundial a "Noite dos Livros do Harry Potter - Os Professores de Hogwarts". Segundo a editora, a iniciativa tinha por objetivo "transmitir a magia dos espantosos livros de J K Rowling à próxima geração de leitores, bem como celebrá-la com os fãs mais fiéis." Para assinalar a ocasião, a Biblioteca Escolar e o CATL da Fernando Namora tiveram um

Provas prestadas, através da ferramenta digital Kahoot, foram apurados para representarem o agrupamento na fase distrital, os alunos que, a seguir se referem: a Beatriz Diogo (7º A); a Joana Lamas (7º F) e a Bruna Brito (9º C) representarão o 3º ciclo. Ao Philippe Simões e à Inês Rodrigues do 12º ano cabelhes a representação do ensino secundário. Vamos torcer por eles no dia 27 de abril, altura em que, na Biblioteca Municipal de Oliveira do Hospital, prestarão provas sobre as obras A Pérola, de John Steinbeck e Vamos comprar um poeta, de Afonso Cruz (3º ciclo) e A Sombra do vento, de Carlos Ruiz Zafón e Morreste-me, de José Luís Peixoto (ensino secundário). Estamos convosco, leitores exemplares! A professora bibliotecária Anabela Costa

extenso programa de atividades em que toda a comunidade escolar esteve convidada a participar. As atividades decorreram entre os dias 26 de janeiro e 2 de fevereiro e incluíram: Torneio de Monopólio ed. Harry Potter; Torneio de Quidditch DIY; Vai uma foto?; H.P. - Professores de Hogwarts Confronto direto. Ficámos ainda a saber que as diversas iniciativas ilustradas pelo trabalho de fotorreportagem enviado foram premiadas, tendo a Editorial Presença oferecido à Biblioteca escolar 1 exemplar da novidade "Monstros Fantásticos e onde encontrá-los" e 1 exemplar de "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada".

24 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

Vera Alves, ATL da ESFN


::Na biblioteca acontece

+

FASE DISTRITAL… É HORA de SABER ! Tal como noticiado na edição anterior deste jornal, os alunos da EB nº2 participaram no desafio nacional lançado pela Porto Editora, Literacia 3. Após a divulgação dos resultados obtidos pelos nossos alunos, na fase de escola, foram apurados para representarem este agrupamento, na fase distrital, os alunos: Diana Canais e Matilde Simões do 5º B, Guilherme Barros, do 6º E e Ricardo Pedrosa do 7º A, que prestaram provas, respetivamente, a Português, Matemática e Ciências Naturais. Assim, no dia 08 de março, na Escola Quinta das Flores, em Coimbra, estes quatro brilhantes alunos, de quem nos orgulhamos, representaram este agrupamento, mostrando que quem sabe, sabe… Agora basta aguardar os resultados, mas, independentemente dos mesmos, a verdade é que esta tarde foi muito bem passada e divertida! Muito obrigada a estes jovens, às suas professoras de Português, Matemática e Ciências Naturais e aos respetivos encarregados de educação, que tanto os apoiaram e um agradecimento especial à gentileza da Câmara Municipal de Condeixa, que lhes facultou o transporte. Professora bibliotecária Anabela Costa

Corre, corre cabacinha No final de fevereiro deslocámo-nos à Biblioteca Escolar para ouvirmos mais uma história contada pela professora bibliotecária Anabela Costa no âmbito do concurso “ Conta-nos uma história“. Foi muito interessante, pois ouvimos com muita atenção a história “Corre, corre cabacinha“. Mas foi ainda mais divertido quando alguns colegas a dramatizaram: a Mafalda fez de velhinha, o Sérgio de lobo e o Guilherme de vendedor de cabaças. O entusiasmo foi ainda maior quando a Teresa recontou a história, ao mesmo tempo que os colegas faziam a dramatização e nós todos juntos repetíamos, com muita animação, o refrão: Não vi velha nem velhinha Não vi velha nem velhão Corre, corre cabacinha Corre, corre cabação. Temos andado a ensaiar para que o dia da gravação corra muito bem e assim podermos ficar todos muito satisfeitos. 1ºA da EBnº1

DIA DA MULHER O dia 8 de março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher. Assim, a Biblioteca Escolar não podia deixar de assinalar esta data com uma atividade que lembre a longa luta das mulheres para conseguir a igualdade de direitos perante a lei. Apesar disso, as mulheres ainda são alvo de discriminação. A turma do 12º TAP foi uma das que participou nas atividades desenvolvidas pela BE, participando num jogo de papéis, simulando atuações em que os direitos das mulheres foram violados e a respetiva defesa. Por que é que devemos continuar a comemorar o Dia Internacional da Mulher? Porque…

“As mulheres são os arquitetos reais da sociedade”.

(Harriet Beecher Stowe)

“A maneira mais rápida de transformar a sociedade é mobilizando as mulheres do mundo”. (Charles Malik) “Se você quer algo, pergunte a um homem, se você quer que algo seja feito, peça a uma mulher”. (Margaret Thatcher)

Professora de Área de Integração, Justina Almeida março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 25


Na biblioteca acontece::

Miúdos a votos Quais os livros mais engraçados?

Numa iniciativa inédita, a Rede de Bibliotecas Escolares e a Visão Júnior organizaram a eleição dos livros preferidos das crianças e jovens portugueses. A estes será dada a possibilidade de votarem no livro de que mais gostaram até hoje, através de uma eleição realizada em todas as escolas. A nossa turma escolheu o “O Gigante Egoísta” de Oscar Wilde que é uma bela história que nos transmite uma mensagem muito importante, “saber partilhar.” A turma do 4.º A, também envolvida neste projeto, escolheu a obra “A Maior Flor do Mundo” de José Saramago e está a disputar connosco os votos dos jovens eleitores. Para fazermos campanha ao nosso livro, enfeitámos a escola com cartazes e fizemos o reconto da história em quadras que adaptámos à música “As pombinhas da Catrina”. Agora andamos a cantar para dar a conhecer de uma forma divertida e original, a história que escolhemos. Partilhamos, nesta página, a letra da nossa canção para os leitores do nosso jornal que quiserem cantar. Durante a campanha, jornalistas da revista “Visão Júnior” vieram ver o trabalho que as turmas envolvidas neste projeto estão a desenvolver e entrevistaram as alunas responsáveis. Elas defenderam as histórias escolhidas, responderam às questões que lhes foram colocadas, apresentaram o que tinham preparado e a campanha continua com toda a força até ao dia da eleição. Na revista “Visão” e na “Visão Júnior” online podem ver a bela reportagem que fizeram sobre o nosso trabalho e que publicaram este mês. Sabemos que é muito importante desenvolver hábitos de leitura e, desta forma, queremos incentivar os alunos a ler e a descobrir novas histórias. 3.º/4.ºC da EBNº1

Os Miúdos foram a VOTOS! De um a 15 de março vivemos nas Escolas Básicas nº 1 e nº2, viveu-se uma iniciativa inédita, proposta pela Rede de Bibliotecas Escolares e a Visão Júnior e apoiada pela Comissão Nacional de Eleições, da Direção-Geral da Educação, do Plano Nacional de Leitura, da PORDATA e da Rádio Miúdos e que consistiu na eleição dos livros preferidos das crianças e jovens portugueses, dando-lhes a possibilidade de votarem no candidato/livro de que mais gostaram até hoje. O programa “Miúdos a Votos” foi idêntico ao das

gigante egoísta O gigante egoísta Era grande e assustador. Não tinha muitos amigos, Não sabia dar amor.

Do seu enorme jardim, As crianças expulsou. Acabou com a alegria E ninguém mais lá voltou.

O gigante sempre só Ficou triste e doente. Quando as crianças voltaram, Tudo ficou diferente. A primavera apareceu, O jardim ficou florido. As crianças já sorriem, O gigante é amigo.

É tão bom partilhar Quando ficou sem crianças, E um amigo ajudar. Se souberes ser generoso, A natureza morreu. O amor vais conquistar. O inverno instalou-se E o gelo não derreteu. 26 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

(Música “As Pombinhas da Catrina” ) 3.º/4.ºC da EBNº1


::Na biblioteca acontece O debate “Miúdos a Votos”

eleições políticas, visando promover a leitura e a cidadania. Houve recenseamento, apresentação de candidaturas, campanha eleitoral, votação, escrutínio dos votos, organizados e participados pelos alunos. Seis alunas das turmas 4º A, 3º/4º C, da EB nº1 e das turmas 5º B e 6º D, abraçaram esta iniciativa, pelo que houve seis candidatos/livros. Eis os candidatos e as suas porta-vozes: -A maior flor do mundo, de José Saramago, Joana Pimenta do 4º A; -O gigante egoísta, de Oscar Wilde, Matilde Fontes. do 4º C; -As gémeas no Colégio de Santa Clara, de Enid Blyton, Anita Costa do 5º B; -O rapaz de Bronze, de Sophia de Mello Breyner, Leonor Baptista do 5º B; -Os piratas, de Manuel António Pina, Laura Lourenço do 6º D; -Pedro Alecrim, de António Mota, Ana Francisca Vicente do 6º D; Mas elas não estiveram sozinhas nesta campanha eleitoral, que decorreu exemplarmente, pois contaram com o total apoio dos alunos das respetivas turmas e das suas professoras, Manuela Franco, Fátima Antas e Elvira Marinho. Ao longo da campanha junto dos alunos de 1º e segundo ciclos das respetivas escolas, as estratégias foram muitas e diversificadas. Afixaram-se cartazes, fizeram-se comícios e sessões de esclarecimento para todas as turmas, teatro, dança, tempos de antena nas rádios escolares, entrevistas. e tiveram ainda a presença de jornalistas da revista Visão e Visão Júnior. Foram entrevistadas e as propostas que defendiam foram divulgadas na revista Visão e no site da Visão Júnior (vide in: https://tinyurl.com/ l4rw2h8, https://tinyurl.com/kgs6w9x)

No dia 17 de março, realizaram-se as eleições dentro de um calmo clima de consciência cívica, tendo sido eleito pelos alunos do 1º ciclo, o candidato A maior flor do mundo e pelos do 2º ciclo Os Piratas. Mas a verdade, é que todas as representantes, apoiantes e eleitores estão de parabéns, pois deram uma excelente lição de capacidade de trabalho, responsabilidade, civismo, companheirismo e tolerância, valores que, infelizmente, por vezes, falham nas campanhas eleitorais dos mais crescidos. Viveram-se emoções intensas! As opiniões das representantes foram unânimes: “Apesar do muito trabalho, a experiência foi maravilhosa

Hoje, dia seis de março, eu fui ao auditório para participar no debate sobre “Miúdos a Votos”. Gostei, porque houve algumas surpresas e despertei a minha curiosidade de leitor. O debate foi interessante e animado. Fiquei a conhecer as razões pelas quais as quatro alunas, duas do 5ºB e duas do 6ºD, escolheram e defenderam os seus livros preferidos. Na minha opinião todos os alunos aprenderam que se têm de esforçar muito para conseguirem alcançar os seus objetivos. Eu interessei-me por um especial (mas não vos digo porque o voto é secreto) … Não se esqueçam: leiam, leiam, leiam e, no dia dezassete de março, votem, votem, votem!!! Jaime, 5ºB O debate foi animado e participado! Tanto as alunas do 5ºB como as do 6ºD defenderam bem os seus livros preferidos. Eu gostei do debate, porque as candidatas se expressaram bem, os quatro livros eram interessantes e até fiquei muito curiosa para os ler. Os aspetos positivos, na minha opinião, são a amizade pelos livros, a determinação e a coragem das alunas. O meu livro preferido do 5º ano foi “As Gémeas no Colégio de Santa Clara” e o do 6º ano o “Pedro Alecrim”. Diana Canais, 5ºB Eu fui uma das alunas dinamizadoras do debate “Miúdos a Votos”, porque escolhi e defendi o livro “O Rapaz de Bronze”, neste concurso nacional. Na minha opinião, o debate teve muito interesse. Foram apresentados os quatro livros candidatos e esclarecidas todas as dúvidas colocadas pelos alunos presentes no auditório. Como aspeto mais positivo destaco o interesse dos participantes, que colocaram muitas perguntas e estiveram atentos, embora com algum “ruído”. Eu e a Anita estávamos nervosas e isso dificultou o nosso raciocínio… Pessoalmente, gostei imenso da dança contemporânea da aluna Francisca, defensora do livro “Pedro Alecrim” e do teatro sobre a obra “Os Piratas”. Aconselho todos os alunos a lerem os quatro livros e a votarem no seu favorito. Leonor, 5ºB

e é para repetir!”

Eu gostei de todas as apresentações sobre os livros do concurso “Miúdos a Votos”. Os resultados, a nível nacional, serão divulgados no dia 21 de abril No debate, as duas alunas do 6º ano, impressionaram no qual se celebra o Dia Mundial do Livro. com as suas surpresas, dança e teatro, e as alunas do 5º ano (ou seja, a minha turma) fizeram uma pequena, mas A professora bibliotecária Anabela Costa esclarecedora entrevista conduzida pelo Manuel. As minhas colegas estavam nervosas… É complicado estar lá à frente, com muitas pessoas a olharem na sua direção, mas tudo correu lindamente. Na minha opinião, houve aspetos muito positivos, pois todas as concorrentes se ajudaram, quando necessário, e até chegou a haver barulho e excitação. Elas são concorrentes ferozes e qualquer uma tem bastantes razões para ganhar!! No final de cada apresentação, houve um período de debate com perguntas sobre os quatro livros escolhidos: “As Gémeas no Colégio de Santa Clara”, “O Rapaz de Bronze”, “Os Piratas” e “Pedro Alecrim” Aconselho-vos a lerem estes livros. Irão gostar. Anais, 5ºB março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 27


Na biblioteca acontece::

MOTIVAÇÃO PARA A POESIA

REMIX POÉTICO No âmbito da sensibilização para a participação no VII Concurso de Poesia na Biblioteca, promovido pela Rede de Bibliotecas de Condeixa, realizou-se em meados de fevereiro uma atividade colaborativa entre a biblioteca escolar e a disciplina de Português em diferentes turmas do nosso agrupamento do 2º e 3º ciclos e ensino secundário. A proposta da biblioteca escolar foi a de “forçar” os alunos a experimentarem a produção de escrita poética! Organizaram-se grupos em cada turma, sendo os alunos surpreendidos, ao entrar na biblioteca, por versos espalhados por todo o espaço (colados nas mesas e janelas, nas estantes e na árvore das palavras), poemas cortados às fatias... Estes serviram de mote à escrita de poemas, ao estilo de um DJ*... Os alunos escolheram os versos e misturaram o que queriam, como queriam... Podendo ou não acrescentar palavras deles no seu novo poema! Deixámos para o final a surpresa de ouvir os versos, que eles misturaram (mas no sítio certo!). E o agrado com a obra realizada foi sentido por todos… que passaram a gostar um bocadinho mais de poesia. Inspirem-se com a leitura destes belos REMIX, pois... temos poetas!

VII CONCURSO POESIA NA ESCOLA Vencedores da 7ª edição do Concurso de Poesia revelados a 18 de março, numa cerimónia que se distinguiu sobretudo pela intensa multiplicidade cultural Inserida numa programação pensada especialmente para assinalar as comemorações do Dia Mundial da Poesia (que se comemora a 21 de março), decorreu na Biblioteca Municipal Engº Jorge Bento a entrega dos prémios aos vencedores de mais uma edição de um concurso que pretende, acima de tudo, criar e consolidar hábitos de leitura e escrita e de promover a poesia em língua portuguesa. No que diz respeito ao concurso Poesia na escola, foram distinguidos neste ano, nas 4 categorias, um primeiro prémio e 2 menções honrosas, num total de 12 poemas de muita qualidade, riqueza de conteúdo e reveladores de muita sensibilidade individual. Gostaríamos de dar os parabéns à Mara Neves (4ºC da EBnº3), à Ana Bárbara Martins (5ºA Ebnº2), à Emília Rebelo (9ºD da ESFN) e à Sara Silva (12ºA da ESFN) pelo destaque alcançado! Esta atividade, que já conta com 7 edições, tem contribuído necessariamente, ao longo destes anos, para o crescimento dos nossos alunos o nível cultural, pessoal e de desenvolvimento das suas distintas personalidades, o que muito nos orgulha. Continuem o bom trabalho. Para o ano queremos mais!

As professoras bibliotecárias Ana Rita Amorim e Anabela Costa * trabalho de seleção e edição dos DJ´s que adicionam e cruzam instrumentos e músicas numa única nova faixa.

28 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

Professora bibliotecária Ana Rita Amorim


::Na biblioteca acontece POEMAS PREMIADOS Vais-me deixar? POESIA na ESCOLA 2017

Se eu, alguma vez, me afogar Contigo, No profundo mar, Era uma vez... Vais deixar-me Era uma vez... Nada! Puxar-te? Eram muuuitas vezes... Tudo! Puxar-te Todas as vezes que eu estou Até estares a salvo? mal Vais deixar-me E não posso brincar Encarregado da tua alma? Aparece a mamã Vais deixar-me Sempre para ajudar! Encarregado da tua vida? Beijinhos tem para me dar Vais deixar-me Abraços de muitas cores Salvar-te, Colinho e até flores! Enquanto atravessas Com tudo, fico a pensar... Um fundo azul?

Era uma vez…

Que era uma vez... Era uma vez... Nada! Eram muuuitas vezes... Tudo!

1º prémio do 1º escalão (6 aos 10 anos) Autoria: Mara Neves (4º C – EB nº3)

Um mero ponto Eu sou um ponto pequenino, A Terra é apenas um risquinho, Na imensidão do espaço, Um mero traço. Um movimento estacado, Um planeta parado, Um mero traço. No enorme espaço, Um mero acaso. Por onde passo Tanto tempo Num contínuo movimento, De subir para o chão. De repente, Onde subia, somente Vácuo e ilusão. És tão pequenino E no entanto sozinho Estás no topo, mas não. Vês tudo abaixo do teu ser Mas nunca consegues ver O quão baixo podes ser Tu, um simples ser! Um mero acaso No tempo, No espaço, Um pontinho Num traço. 1º prémio do 3º escalão (13 aos 15 anos) Autoria: Emília Rebelo (9º D –ESFN)

Se eu me tornar cega, Vais deixar-me Guiar-te? Guiar-te, No escuro, No meio da noite, No silêncio? Guiar-te, Quando não tens Ninguém ao teu lado, Enquanto atravessas Um fundo preto? Quando eu for embora, Vais deixar-me Perdoar? Perdoar Todos aqueles momentos Que não foram os mais perfeitos? Aqueles que correram pior? Vais deixar-me Levar-te? Levar-te Comigo, Para remendar os lugares Que estão destruídos No nosso coração? Ou vais deixar-me? 1º prémio do 2º escalão (11 aos 12 anos)

Autoria: Ana Bárbara Martins (5º A – EB nº2)

Colateral

A criança está cansada, Quer adormecer e sonhar, Com uma casa que não é cinza, Com o pai a regressar. Quer render-se a alguma estrela distante, Àquelas que agora tem por teto, Já pesa o seu olhar inquieto, Teima por fechar - a terra negra não o há de recordar. O invólucro arrefece E os seus sentidos também. Em murmúrio, canta uma prece, Ensinou-lha sua mãe. Ouve os vidros estilhaçar Sob as botas dos revolucionários - passaram por outros tantos como ele, Da causa, efeitos secundários. Agora sente já a calma perto, As memórias queridas vêm sem querer. No meio da anarquia, Sente a alma adormecer. E sob os brados penosos que soam E os projéteis que traçam malhas no ar, No lençol escarlate a criança repousa, E finalmente deixa-se sonhar. 1º prémio do 4º escalão (16 aos 17 anos) Autoria: Sara Silva (12º A – ESFN)

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 29


Na biblioteca acontece:: Germinação

Condeixa

No parapeito da janela Com o sorriso do sol, Aquece com o calor e a luz Um lindo feijão Repousado num pedaço de algodão.

Condeixa-a-Nova, Vila Portuguesa Situada no distrito de Coimbra Cheia de riqueza!

Bem alimentado com água De um grande garrafão Um brotinho já nasceu, Esperto e vivaço, Rebentinho verde Esguio e curioso. Tratado com carinho, Conversa e música É vê-lo crescer todos os dias À procura da luz e calor E do nosso sorriso Cheio de amor. Plantado na nossa horta Com terreno franco e fofo Cresce em direção ao sol Forte, vigoroso e verde Até nascer a sua flor. Aguardamos ansiosos O aparecimento da vagem Onde aconchegados Os feijões estarão E depois tudo recomeça Na próxima estação!

Soure e Montemor-o-Velho, Coimbra, Miranda do Corvo e Penela São seus vizinhos mais próximos Quase que os podemos ver da janela! As Ruínas de Conímbriga Do tempo dos romanos, São muito procuradas Por muitos humanos! Vila Portuguesa, Com mais casas apalaçadas Que esperam por nós, Para ser visitadas! Só palácios tem seis. Queria tanto poder entrar Para ver qual o mais bonito E me imaginar a reinar!

A nossa vila teve grandes personalidades: Dr. Deniz Jacinto, Dr. João Antunes, Dr. Simão Cunha, Artur Barreto e Fernando Gonçalves Namora. Pessoas estas com grandes qualidades.

O Cabrito e a Chanfana São dois pratos tradicionais. São tão bons, tão bons… Que é de comer e chorar por mais! Temos o queijo do Rabaçal E a deliciosa escarpiada, Para a nossa sobremesa Para que não nos falte nada. O nosso Feriado É dia 24 de julho, Dia de Santa Cristina, Condeixa com muito orgulho!

Uma alma, só uma alma Fria e escondida De tudo foge De todos esconde a dor Só quer ser amada.

Caminhos da liberdade Quem diz ser o melhor Não conhece o seu caminho. Quer voar, Mas está preso ao chão, A alma está presa! A liberdade, catalisadora, É o caminho Que nem o mais astuto, por vezes, Consegue encontrar. O essencial está oculto… Aquilo que nos rodeia, Aquilo que queremos, O nosso caminho… Quem o tenta ver nunca consegue Sem que se abram os olhos e a mente E a alma se engrandeça. Somos apenas seres Com a alma corrompida O desejo e o sonho, Ilusão…

Menção Honrosa do 3º escalão (13 aos 15 anos)

Autoria: João Campos (9º D –ESFN)

Autoria: Salvador Vilão (4º C – EB nº3)

Uma palavra, uma alma

Menção Honrosa do 1º escalão (6 aos 10 anos)

Autoria: Miguel Pires (3º B – EB nº1)

Menção Honrosa do 1º escalão (6 aos 10 anos)

Mas, se a alma abrirmos, Tudo podemos encontrar Desde que não paremos de acreditar. Menção Honrosa do 3º escalão (13 aos 15 anos)

Autoria: Maria João Marques (8º B –EB nº2) 30 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

Sem amor Sem outra vida para amar É só mais uma alma A contemplar a luz lunar. Foge de si e do que é Pensa se vale a pena sonhar Vida tão insegura Tanto medo de mudar. Um pensamento Só mais um pensamento Que quer voar mais alto Que quer ser maior do que o momento. Um pensamento que muda tudo Muda a razão de viver Muda a sensação de ter e ser Assim, pela mão do poeta Nasce um novo dia Nasce um novo alvor. Menção Honrosa do 2º escalão (11 aos 12 anos) Autoria: Anaís Duro (5º B – EB nº2)


::Na biblioteca acontece O voar dos sonhos No meio da escuridão, Há uma luz a brilhar. Por entre o nevoeiro, Há uma voz a chamar.

Estas Bibliotecas Escolares são mesmo animadas Como acontece no seu programa

anual, são constantes as iniciativas de animação de leitura levadas a cabo pela equipa das Bibliotecas Escolares das Escolas com Jardim de Infância e 1º ciclo com biblioteca escolar, ou seja, a EB nº1 e EB nº3. Este período e como apoio ao currículo dos vários anos, os alunos das diversas turmas divertiram-se e aprenderam muito com as histórias como o Cuquedo, Valéria e a Vida, Os ovos misteriosos, O dia em que a mamã ficou com cara de chaleira, O casamento da gata, Corre, corre cabacinha, O fato novo do sultão, O casamento da gata, A galinha medrosa, o Lobo feroz, A casa da Mosca Fosca, entre tantas outras. Para além destas atividades, desenvolvem-se atividades de Expressão Plástica

Naquela tela branca, Mergulhada na solidão, Foi pintado um arco-íris, Foi pintado de emoção. Daquela batalha perdida De que lá saímos vencidos, Continuaremos de cabeça erguida Venceremos a guerra unidos. Sem água no deserto imenso, Andando dias a fio, Vejo ao longe a água, A água que brota do rio. Da vida que sabemos Que está prestes a acabar Não podemos desistir, Não a podemos abandonar. Por entre o silêncio, Oiço gritar: “Nunca desistas, Não deixes os teus sonhos voar.” Menção Honrosa do 2º escalão (11 aos 12 anos) Autoria: Laura Henriques

ligadas ao tema do projeto da Escola: Água, e outros temas relacionados com a comemoração de dias festivos. Mas não ficamos por aqui, esta animação é levada às escolas que se localizam fora da vila, quer através do Projeto “30 Dias, 30 Livros”, quer através da vinda mensal das turmas à Biblioteca Municipal. As professoras bibliotecárias Ana Rita Amorim e Anabela Costa

Recordo Recordo, deleitada, Como o teu sorriso me aquece, Como o teu corpo ao meu se molda Como os teus beijos de mel e de fogo me consomem, como o teu espírito pueril me fascina como és meu e eu sou tua, tua, sem receios. E o resto do mundo esfuma-se… Recordo os sentimentos que me suscitas, pois és o fruto proibido e me tentas com esse encanto, esse doce amar, que continuo a almejar, todos os dias. Menção Honrosa do 4º escalão (16 aos 17 anos)

Autoria: Filipa Carvalho (10 C – ESFN)

Equilíbrio Talvez o melhor seja observar a vida, e toda a sua clareza, com uma lente de nostalgia. E não, não se trata de desmotivação, ou tristeza. Para mim, o Equilíbrio da vida, é o equilíbrio perfeito entre a dor do amor, e a sua escassa alegria.

Menção Honrosa do 4º escalão (16 aos 17 anos) Autoria: Andreia Sousa (10 C – ESFN) março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 31


LEMOS+ escrevemos melhor :: MARY JOHN, de Ana Pessoa Ana Pessoa escreveu três livros, O caderno vermelho da rapariga Karateca, Supergigante e Mary John, os quais eu li e adorei pela maneira como escreve, em especial pela sua capacidade de caracterizar cada uma das personagens. O livro que eu li mais recentemente de Ana Pessoa foi “Mary John”. Este livro está escrito em forma de carta (romance epistolar), em que a personagem principal, a Maria João, escreve à sua primeira

Leandro, rei da Helíria, de Alice Vieira A nossa história começa no jardim do palácio real de Helíria, onde o rei e o bobo conversam acerca de um sonho que o monarca teve e que o preocupa. Neste sonho, Leandro perde o reino. Ele interpreta-o como um aviso dos deuses para deixar de governar e decide dar o seu reino à filha que demonstrasse maior amor por ele. Leandro tem 3 filhas: Amarílis e Hortência, as filhas mais velhas, são raparigas falsas, ingratas e oportunistas, embora sempre consigam convencer o pai de que são tão bondosas como a irmã mais nova, Violeta, que é amorosa e preocupada com os outros, sendo a única que realmente gosta do pai. Com o objetivo de escolher uma herdeira para o trono de Helíria, o rei chama as filhas, que vão ter com o pai acompanhadas pelos respetivos noivos: Felizardo, pretendente de Amarílis é um príncipe rico, materialista, fanfarrão e interesseiro, passa a vida a gabar-se da sua grande fortuna e julga as pessoas pelas suas posses, não dando qualquer importância ao verdadeiro amor. Simplício, pretendente de Hortência, vive na sombra do irmão, Felizardo, e o seu vocabulário resume-se a uma simples frase: “Tiraste-me as palavras da boca!”. Por fim, Reginaldo, pretendente de Violeta, é um príncipe menosprezado pelo pai e pelas irmãs da jovem princesa, contudo, o seu amor por Violeta é verdadeiro, sendo um homem generoso e bondoso, ao contrário dos noivos das filhas mais velhas de Leandro.

paixão, o Júlio Pirata. Nesta carta Maria João fala dos anos vividos na praceta que ambos partilharam durante a infância e a adolescência. Neste livro Ana Pessoa escreve de uma forma mais ousada, falando sobre a adolescência , abordando temas como as primeiras paixões, com algum sentido de humor. Eu aconselho muito a lerem este livro, pois levou-me a pensar em como a adolescência é uma loucura normal, mas, aleluia!… é também um loucura passageira.

Joana Machado, 9ºC

Quando o rei anuncia que dará o reino à filha que demonstrar maior amor por ele, Amarílis diz querer ao pai mais do que ao Sol que a ilumina, Hortência diz amar o pai mais do que a si própria, enquanto que Violeta apenas diz que o quer como a comida quer o sal. O rei, zangado, expulsa Violeta do reino e divide o seu território pelas duas filhas mais velhas. Então, ele decide que iria viver seis meses com cada filha, das que herdaram o reino. Contudo, as filhas, depois de conseguirem o reino, expulsam-no. Anos mais tarde, Leandro encontra-se numa gruta, com o seu amigo bobo. Está pobre e cego, perdeu toda a sua riqueza, todo o seu poder e toda a sua família… o único que não o abandonou foi o velho bobo… Será que Leandro voltará a encontrar a felicidade?... Lê “Leandro, rei da Helíria” e descobre tudo… Na minha opinião, “Leandro, rei da Helíria” é um livro interessantíssimo, pois conta uma história de bondade, lealdade e de verdadeiro amor. Além disso, é uma adaptação de um conto da tradição popular, o que nos permite conhecer melhor a cultura do nosso país para nunca esquecer as nossas verdadeiras raízes! Eu, sem dúvida, recomendo esta obra a qualquer aluno a quem apeteça uma leitura leve e enriquecedora! Beatriz Diogo, 7ºA

Um menino diferente de Mª João Lopo de Carvalho Este livro fala sobre o Afonso, que é um menino diferente e muito especial, pois consegue fazer coisas que os outros não conseguem. As árvores, as flores, as nuvens e até os cães… são diferentes uns dos outros, tal como o Afonso é diferente de todos os meninos. O Afonso foi o primeiro da aula a aprender a ler, com uma rapidez nunca vista, o único a descobrir coisas impossíveis de encontrar… até um tesouro capaz de transformar a sua escola na mais bonita do mundo! Mas, para o Afonso brincar no computador, lavar a cabeça ou fazer festinhas ao seu cão, pode ser um verdadeiro problema … Porque será o Afonso um menino diferente? Eu gosto do livro porque gosto de conhecer outras maneiras de ser. Inês Diogo, 4ºC da EBnº3 32 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017


::LEMOS+ escrevemos melhor Mistério da Pirâmide de Queijo, de Geronimo Stilton Achei este livro muito divertido e inspirador. O autor Gerónimo Silton é incrível e também adorei as ilustrações de Larry Keys, Giuseppe Facciotto e Dairia Cerchi. Este livro trata de um roedor um pouco distraído chamado Gerónimo Stilton que trabalha no Diário dos Roedores para descobrir criminosos e desmascará-los, e aí começa esta aventura… mas, atenção, não é só o Gerónimo que faz isto, tem ajuda de mais três Stiltons: A Tea, o Esparela e o Benjamim. Nesta história, Gerónimo Stilton vai desvendar o Mistério da Pirâmide de Queijo. Se querem saber mais sobre este livro de que falo, ele está na nossa Biblioteca à vossa espera! Beatriz Oliveira, 4ºC da EBnº3

Adivinha Quanto Eu Gosto de Ti, de Sam McBratney e Anita Jeram Às vezes, quando gostamos muito, muito, de alguém, queremos encontrar uma maneira de descrever como os nossos sentimentos são grandes. Mas, como descobrem a Pequena Lebre Castanha e a Grande Lebre Castanha, o amor não é coisa fácil de medir! Neste caso o filho não consegue dizer o quanto gosta do seu pai, e tenta dizê-lo mas de formas tontas, como por exemplo, esticando-se. Eu gosto deste livro, porque também gosto muito do meu pai e a Pequena Lebre Castanha também. Duarte Jerónimo, 4ºB da EBnº3

O Incrível Rapaz que comia Livros de Oliver Jeffers Este livro conta a história de um rapaz chamado Henrique que adorava livros. Sei que pode ser um pouco difícil de acreditar, agora no início, mas ele até os comia. Primeiro o Henrique tentou comer uma palavra, depois uma frase e logo a seguir o livro todo, e ao fim de três dias já o tinha comido todo. Ele até se tornou o Incrível Rapaz que Comia Livros, pois já conseguia engolir um livro inteiro. O Henrique gostava de todo o tipo de livros, mas os que ele mais gostava eram os vermelhos. E o que o Henrique não sabia era que quantos mais livros comia, mais esperto ficava. O Henrique já sabia o que dar ao seu peixinho, já ajudava o pai nas palavras cruzadas do jornal e até já era mais esperto do que a professora. E o Henrique só sonhava em ser o Rapaz Mais Esperto do Mundo, então ele continuou a comer livros e continuava a ficar cada vez mais esperto. E aí as coisas começaram a correr mal, muito mal, ele só dizia disparates, trocava tudo, e o problema é que ele já não estava assim tão esperto e toda a gente lhe dizia para ele parar de comer livros. E finalmente chegou o dia em que ele encontrou um livro no chão, e não é que ele começou a lê-lo, e percebeu que era muito bom ler livros e percebeu que mesmo assim ele podia tornar-se o rapaz mais esperto do mundo. A primeira vez que eu li este livro, fiquei surpreendida porque achei, e continuo a achar, que o livro tem muita imaginação e é preciso ter muito trabalho, confiança e inspiração para escrever um livro espetacular, como este. Jéssica Mateus,4ºB da EBnº3

Uma Baleia no Quarto de João Miguel Tavares e Ricardo Cabral Era uma vez uma menina que chorava por tudo e por nada. Um dia o seu quarto ficou inundado de lágrimas. Até começaram a aparecer bichos e peixes. Um dia uma baleia entrou no quarto dela, enquanto ela dormia. Ela assustou-se e gritava e gritava e chorava, mas os pais não podiam fazer nada, porque a porta, estava trancada, e o quarto inundado. A baleia começou a ficar com dores de cabeça com tanta choradeira, até que engoliu a Carolina e a água toda que estava lá, no quarto dela. Então ela parou de chorar e pensou que aquela confusão toda foi feita pelas lágrimas falsas dela. Foi ai que pela primeira vez chorou com lágrimas verdadeiras. A baleia mandou-a pelo buraco que tinha na cabeça, e ela nunca mais chorou mais do que 33 cl…. Expeto, daquela vez que o hipopótamo a ia esmagando. Ana Carolina 4ºB, ebnº3

Expressões com História de Alice Vieira Este livro mostra que há muitas expressões que podem ser usadas para explicar só uma coisa. Como por exemplo: ”Eureka”, ”Tirar o pai da forca”, ”Com sete pedras na mão”, ”Fazer ouvidos de mercador”, ”Quem tem boca vai a Roma”, ”Cor de burro quando foge”... Neste livro contam-se as histórias que deram origem a estas expressões! Eu gosto deste livro que está cheio de histórias, porque é interessante e mostra a origem das expressões que nós, portugueses, usamos hoje em dia! Lurdes Branco, 4ºB da Ebnº3

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 33


Os livros que eu lia quando tinha a tua idade ::

OS LIVROS… amigos para a vida Os livros sempre fizeram parte da minha infância, acompanharam a minha adolescência e posso dizer, que, ainda hoje, fazem parte integrante da minha vida. Sempre devorei livros pois, através deles, podia incarnar qualquer personagem, viver as suas aventuras como se fossem minhas, viajar, conhecer lugares exóticos, desvendar crimes… O livro era e sempre foi um mote para escapar à rotina, sonhar… Ainda me lembro da hora do conto no infantário. Era sempre um momento fantástico, em que a história era sempre muito divertida, em que as personagens saltavam para a sala… Tudo era mágico. Mais tarde, com os meus professores do 1º Ciclo, recebíamos sempre um conto ou uma poesia de Jacques Prévert ou de La Fontaine, caso obtivéssemos uma boa nota nalgum teste ou trabalho e erámos convidados a lê-lo perante a turma. Sentia-me superimportante. Era um momento de orgulho. Em casa, lia algumas histórias tradicionais e infantis, lembro-me das histórias do Capuchinho Vermelho, do João Pé de Feijão, da Martine... Contudo, as histórias que recordo com mais carinho eram, sem sombra de dúvida, as que a minha mãe inventava, acrescentando sempre um ponto, o que as tornavam tão fascinantes, nunca eram iguais, havia sempre algo surpreendente. Eram únicas. Chegada a adolescência, lia, essencialmente, livros que retratassem os meus dilemas, as minhas crises existenciais tão típicas dessa fase, tentando sempre encontrar pontos de encontro com a realidade, por forma a solucionar algumas das minhas ânsias, pois conseguia estabelecer paralelos com as vivências das várias personagens. Os livros foram, sem dúvida, uns dos meus melhores amigos naquela época, nunca me criticaram, nem me julgaram. Adorava escapulir-me para o meu quarto e

deitada na cama, enroscada, lia como se não houvesse amanhã, embrenhava-me na trama, identificava-me com as desilusões, as paixões dos meus heróis. Ria, por vezes, ficava triste, vibrava com tudo aquilo. Porém, isso não significava que estivesse isolada, pelo contrário, ler permitia-me partilhar aquelas vivências com as minhas amigas, falávamos sobre o que liámos, sobre os livros de que gostávamos ou detestávamos. Assim, sempre que elas, ou algum professor, me recomendavam um livro acabado de publicar, era mais um motivo para continuar a ler para, no final, discutir sobre o que tinha lido. Um dos livros que mais me marcaram, naquela época, foi o Diário de Anne Frank, pelo facto de retratar uma época muito negra da nossa Humanidade, onde uma rapariga nos conta como é viver escondida com a família, sempre com o receio de ser descoberta e enviada para qualquer campo de extermínio, onde ela expõe os seus sentimentos, os seus receios e os seus desejos futuros. No entanto, autores como Marcel Pagnol, Daniel Pennac, Boris Vian, Le Clézio, Sempé & Goscinny, Hergé, Quino, Sophia de Mello Andresen, Alice Viera, Saramago, Lídia Jorge, Jorge Amado, entre outros, fazem hoje parte das minhas leituras favoritas. Hoje em dia, sei que, sempre que leio, estou a servir de exemplo para os meus filhos, o que não é nada de negativo, pelo contrário. A experiência da leitura e até da audição de histórias, poemas, por mais incríveis que sejam, serão sempre enriquecedoras, uma vez que o livro, em qualquer formato ou suporte, é uma mais valia, é sinónimo de prazer, aventura e conhecimento em qualquer momento…um amigo para a vida. Susana Brito, mãe da Bruna do 9ºC, da Inês do 2ºA da EBnº1 e do Dinis da turma B do JI da EBnº1

LER… uma coisa que eu não consigo imaginar deixar de fazer Quando eu tinha a vossa idade, eu adorava o dia em que vinha à minha aldeia a Biblioteca Itinerante, ou seja, uma carrinha carregadinha de livros. Era literalmente uma festa, podíamos ficar durante algum tempo dentro da carrinha a ler ou a escolher os livros que queríamos requisitar. Havia livros para todas as idades, mas também havia alguns que não podiam sair da carrinha. Eles eram assinalados com uma tira de fita-cola vermelha na lombada, 34 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017


::Os livros que eu lia quando tinha a tua idade Condeixa-a-Nova, Abril de 2017 Queridos filhos, Fui convidada a escrever um texto sobre os livros que lia quando tinha a vossa idade. Pois aqui vai… Queria começar por vos dizer que hoje em dia a escola é muito diferente da escola da minha geração. Durante a escola primária (atual EB1) não tínhamos acesso a tantos livros como há atualmente. Os nossos pais apenas adquiriam os livros escolares, e alguns pais nem esses conseguiam comprar. De vez em quando a professora emprestava-nos um livro dela para nós folhearmos. Era uma emoção. Só quando transitei para o 5º ano é que conheci pela primeira vez uma Biblioteca Escolar. Até aí só tínhamos acesso a pequenos excertos de livros. Nem imaginam o que senti quando me vi rodeada de tantos livros. Uma verdadeira felicidade! Nessa altura apaixonei-me pelos livros da Coleção “Uma Aventura” da autoria de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. Lembro-me de ter lido o primeiro livro dessa coleção “Uma Aventura na Cidade” e de ter imaginado todas as peripécias como se realmente fosse eu a vivê-las. A partir daí era uma emoção de cada vez que era editado um novo volume. Ainda hoje estou curiosa por ler o novo volume “Uma Aventura em Conímbriga”. A partir daí comecei a frequentar a Biblioteca Municipal e a ler outro tipo de livros. De todos os que li até hoje o que mais me marcou foi “O Principezinho” de Antoine de Saint-Exupéry. Vou ser muito sincera, da primeira vez que o li não entendi bem o significado de algumas partes mas frases como “O essencial é invisível aos olhos, e só se pode ver com o coração” ajudaram-me compreender a verdadeira importância de sentimentos como a amizade e o amor. Espero que vocês continuem a gostar tanto de ler como eu e aproveitem as bibliotecas escolares e municipal para experimentarem leituras diferentes das que estão habituados. Nesses lugares há um mundo para descobrir! Sandrina Diogo, mãe da Inês do 4ºC da EBnº3 e do Dinis do 7ºA

só era permitido ler na carrinha. Mais tarde no ciclo, já frequentava a

através do exemplo, nos despertam a curiosidade

Biblioteca Municipal, no último andar do quartel dos bombeiros, mas não era a mesma coisa, a aventura era diferente. Tinha muitos mais livros, tinha

da leitura, quando nos leem histórias na hora de deitar. Mas comigo não foi assim. Foi o meu irmão

filmes, mas faltava alguma coisa, não sei explicar, modernices…. De todos os que ficaram na minha memória alguns são os Cinco, Uma

que me pegou o vício, desculpem, de “falar”, “escrever”, assim, não é um vício, mas parece, porque eu sinto a necessidade de

Aventura…. Enfim, ler foi e será sempre uma alegria, cada história uma aventura, porque a minha vida sempre foi rodeada de livros. Em pequena,

ler, de estar a viver uma história só minha em que eu, apesar das descrições do autor, eu recrio-a de uma maneira muito própria, por vezes, dou por mim a achar que certa personagem deveria ter outro destino, ou se

devorava banda desenhada de cowboys, na vossa idade já eram livros com mais enredo. Hoje devoro de tudo um pouco, pois não consigo estar sem ter alguma leitura na minha mesa-de-cabeceira. O gosto pela leitura é uma coisa que se vai criando ao longo da vida. Por vezes, são os nossos pais que,

fosse eu a escrever, o fim não seria aquele, enfim, manias! Mas, sabem, ler é sem dúvida alguma, por mais idosa que eu possa estar a ficar, uma coisa que eu não consigo imaginar deixar de fazer. Boas leituras! Helena Gonçalves, mãe da Emília e da Maria do 9ºD

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 35


Produção de textos... ::

Poetando…

Seguindo aquela que não consigo atingir, procuro a minha amada e os nossos corações unir-se-ão.

Ai, vento do norte frio, trazes saudades do meu amigo. Amigo da minha infância!

No meu destino apareceste e, num piscar de olhos, tu desapareceste. Agora vagueio à tua procura.

Quem procura sempre encontra, mas no dia em que te encontrei nunca mais consegui olhar para ti, pois eu vi-te saindo com outro.

Brincadeiras na manhã de outono na rua lá da aldeia… O meu destino era outro. Amigo da minha infância! No profundo vazio te fui encontrar para depois te perder para sempre. Trazes saudades do meu amigo, Eras perfeita de mais! vento frio vindo do norte. Joaquim Ferreira, 10.º TEAC

Estória do Gato e da Lua

Ela aparecia, branca e cinzenta, com um belo brilho no rosto, claro e redondo. Quando olhava para mim, os seus olhos escuros pareciam crateras… Eu esperava por ela todos os dias. Já me tinha cansado de correr, pelas ruas e telhados da cidade, para ir ter com ela, por isso, preferia esperar… Todas as noites ela vinha, iluminando todos os bairros com a sua beleza, e era a única que se via naquela escuridão. Eu pensava que um dia iríamos estar juntos… Passaram dias, semanas, sempre à espera… Ela aparecia, via-me, mas não se aproximava, não me tocava… Um dia pensei numa forma de ir ter com ela. Acreditei, mas não resultou! Tive então outra ideia: subir à montanha mais alta para lhe tocar. Subi, subi, subi até que lhe toquei… de mansinho… Ela corou de vergonha, mas eu disse-lhe com amor: “Eu gosto muito de ti”. Ela sorriu… E, agora, todas as noites eu olho para ela e ela olha para mim… E, quando a saudade é muita, eu volto a subir a montanha… Matilde Santos, 5ºB

Era uma vez uma mentira Certo dia, numa tarde de muito sol, no cimo de um vale, Tomás brincava animadamente com Valentim, quando de repente começaram a correr, sabe-se lá bem porquê. Tomás intimidou Valentim, dizendo que lhe ia bater e foi assim que a correria começou. Chegaram rapidamente à quinta onde Tomás vivia com a sua avó. Vendo os dois a correr tão rapidamente um atrás do outro e à luta, a avó, que era uma senhora com sabedoria, perguntou ao Tomás: -Mas por que carga de água andam vocês à luta? Tomás, como sabia que ia levar um sermão, mentiu: -Foi ele, quando estávamos a brincar às apanhadas, começou a bater-me! – disse ele com uma cara de inocente, mas com um coração preto como o carvão. O Valentim, que era um rapaz medricas, não teve coragem nem sequer para dizer “não, não fui eu”. Coitado, foi ele que levou o sermão… -Nunca pensei, Valentim, vindo de ti, um rapaz tão bondoso, como foste tu capaz de fazer isso ao meu neto?!? – disse a senhora triste e muito zangada. Mas o pior é que o Tomás ainda teve a coragem de fazer um sorriso maldoso e trocista ao pobre Valentim.

Amigo da minha infância!

Na rua lá da aldeia brincávamos todo o dia! Amigo da minha infância! Vento frio vindo do norte, sabes do meu amigo? Amigo da minha infância! Rodrigo Carvalho, 10.º TEAC

Foram passando os dias, devagar, devagarinho, cada dia mais longo para o Tomás, cada mentira mais longa. Tomás já sentia saudades das longas tardes de brincadeira com o seu antigo amigo… Até que um dia, Valentim ganhou coragem e foi a casa de Tomás e disse à avó do amigo traiçoeiro: -Peço desculpa, Dª Clotilde, por não ter dito antes, mas não fui eu que bati ao Tomás, foi ele que me bateu a mim! – disse o Valentim, ainda magoado. -Achas alguma vez que eu vou acreditar nisso, depois do que o meu neto me disse! Olha que ele é de confiança! -Na verdade,… - começou Tomás - o que ele está a dizer é verdade, avó. Fui eu que lhe bati e não o contrário, desculpa! A avó, desonrada, deu um sermão ao neto e obrigou-o a pedir desculpa ao Valentim e assim acabou a estória. Ainda havia uma coisa que incomodava o Valentim. Será que se ele não tivesse ido falar com a Dª Clotilde, o Tomás teria tido a coragem de dizer a verdade?

36 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017

Anaís Duro- 5ºB


A Ú E A E

U I I

E

U

::DIVERSÕES

A

A O

U

I U I E A A A O E I A

U A

Pablo Picasso

Beethoven

Leonardo da Vinci

Steven Spielberg

Chopin

Luciano Pavarotti

Alfred Hitchcock

A

Completa as palavras com as consoantes adequadas de modo a formares nomes de algumas atividades consideradas arte. “Não é divertido ser artista. Beethoven, Van Gogh, todos eles: se tivessem psiquiatras nós não teríamos esses génios.” John Lennon "Coração sem arte, não cura maldade" "Arte de agradar, arte de enganar" “Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte ou é tolo ou não tem arte.” “O apreço exterior pela arte é a sobrecasaca da inteligência. Quem se quererá apresentar diante dos seus amigos com uma inteligência nua?” Eça de Queirós “O fim da arte inferior é agradar, o fim da arte média é elevar, o fim da arte superior é libertar.” Fernando Pessoa “As obras de arte dividem-se em duas categorias: as de que gosto e as de que não gosto. Não conheço outro critério.” Anton Tchekhov

“A vida, para a vida, é sempre longa; mas para a arte é sempre breve; só quando se não faz nada há sempre tempo.” Agostinho Silva

Arte feita de lixo e luz do casal inglês Tim Noble e Sue Webster

Trabalho feito com lixo do artista brasileiro Vik Munis

“Recycled Toy Sculptures” do escultor britânico Robert Bradford março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 37


Crónica:: A força das palavras

Obra de arte

por Ana Paula Amaro

Professora de Inglês do nosso Agrupamento Escritora e Poetisa

(Crónica V ) “Uma obra de arte é boa quando nasce de uma necessidade: é a natureza da sua origem que a julga.” Rainer Maria Rilke A classificação de uma obra de arte é extremamente subjetiva, como quase tudo na vida. A unanimidade quanto à sua qualidade é uma missão árdua e penosa. Existem muitos fatores que nos levam a considerar uma obra de arte e nem sempre todos eles são explicáveis ou entendíveis. A adesão emocional e as circunstâncias externas do momento que rodeiam a altura do contacto com uma peça de escultura, um quadro, uma partitura de música ou uma antologia poética, só para mencionar algumas vertentes da arte, são fortemente condicionantes na formação da opinião pessoal e/ou geracional. Existem, inclusive, situações em que, perante a mesma obra, mas em contextos diferentes, a opinião de quem a julga muda, por vezes, de forma radical. Como explicar que amor e ódio nos liguem, visceralmente, a determinado livro ou filme, em diferentes épocas da vida? Aqui chegados, várias perguntas se impõem. Com que critérios se avalia a arte? O que eleva uma peça à exposição e outra ao anonimato? Por que razão artistas há que desfrutam de uma fama meteórica e depois desaparecem no buraco negro do futuro? Ou por que demoram certas estrelas a serem descobertas num firmamento, no qual concorrem com outras super novas? Como explicar a existência de estrelas anãs? E as constelações que se encontram tão longe que não se revestem de importância maior no lugar do planeta, a partir do qual olhamos as estrelas? Tantas perguntas e órbitas de dúvidas em seu redor! Não existe, obviamente, uma resposta única, una e plenamente satisfatória. Critérios estéticos da época, novidade, maquinarias oleadas de marketing e publicidade, agentes diligentes ou ociosos, ou mera sorte de surgir no lugar certo à hora certa. Existem escritores que publicam apenas um livro considerado como uma obra de arte, como Truman Capote. Parece que a genialidade se esgotou num único produto de excelência. Outros parecem ter o condão de transformar em ouro tudo o que tocam, num toque de Midas que se eterniza. Mencione-se o caso de Haruki Murakami e o seu inesgotável manancial de romances, sempre aclamados pela crítica e devorados pelos leitores. Saramago só tardiamente se tornou num autor reconhecido e Fernando Pessoa só depois de morto foi elevado à categoria de um dos nomes maiores da literatura lusa. Muitos escritores tiveram vidas intensas, repletas de peripécias

Realizaram-se, no dia 24 de março, as votações para o Orçamento Participativo no nosso Agrupamento. Recorde-se que se encontravam a votação propostas para o terceiro ciclo e para o ensino secundário, o que implicou a existência de duas mesas eleitorais. Uma na Escola Secundária Fernando Namora, em que se encontravam a votação quatro propostas, nomeadamente: uma sala interativa, o

algo picarescas e viveram sempre à margem da chamada mainstream. É o caso de Herberto Helder. E no entanto são reconhecidos como génios. Outros, porém, nasceram e cresceram no seio de famílias privilegiadas e não deixaram de merecer igualmente esse título. Sophia de Mello Breyner Andresen, com seu nome burgês (palavra em desuso nos tempos que correm), sua vida social instalada e o conforto do ócio por companheira de escrita, não gera grande conflitualidade quanto ao carácter da sua escrita. O que liga então estes autores? O que os torna numa espécie de irmandade dos nomes que reúnem, grosso modo, consenso na classificação das suas obras? Será a verdade com a qual as escreveram, assim tão diversas e tão unas, no sentido em que não perfilam dogmas ou correntes literárias em voga? Será o trabalho de artífice na arte de talhar a palavra, diligentemente feito longe dos olhares, na reclusão do corpo e do espírito? Será aquela solidão inerente às almas sensíveis, cuja palavra transborda para lá do prolongamento da mão? Talvez seja o apelo da alvura do suporte vazio à espera de outra vida, mais completa, mais com(sentida). Reconhecem-lhes algumas características comuns: a formação contínua, a prática sistemática, a avidez de outras leituras, a reflexão e introspeção quanto à forma e ao conteúdo do verbo (no seu sentido bíblico). E também, por que não admitilo, o ócio sem o qual os gregos nunca poderiam dedicar-se às artes supremas. Sem ócio, tempo ou disponibilidade física e mental, nunca poderá haver arte maior. De qualquer forma, no âmago destas questões está a natureza da origem da obra de arte. Quando o artista cria por uma necessidade imperiosa que não consegue deter, quando a torrente da vida interna se sobrepõe à rotina da vida externa e não se cala no peito, quando ao artista não resta outra alternativa senão criar, então estamos perante uma boa obra de arte. Há momentos em que uma força cósmica irrompe, alheia a modas, adulações, imitações, encomendas sociais e económicas ou receitas estéticas de sucesso garantido. A obra surge e diz: eis-me aqui. Sou real, concreta e duradoura. Vim para ficar. Julgar? Julgue quem possa, quem saiba ou quem sinta em quantidade e qualidade suficiente para me entender.

26 de Agosto 2010

Fórum de Coimbra

espaço lounge, um kit de primeiros socorros e a calafetagem de janelas da referida escola. Já na Escola Básica foram a votação as seguintes propostas: comandos Epson para os projetores, toalhas de mãos e suporte para o refeitório, material de higiene e fechaduras para os WC e aquisição de uma mesa de matraquilhos. A votação decorreu entre as 10h e as 15h25, com normalidade e com grande afluência dos alunos, em ambas as escolas. Os vencedores desta iniciativa foram: No Ensino Secundário a proposta B: Lounge, com 141 votos. No Terceiro Ciclo a proposta D: Mesa de Matraquilhos, com 69 votos. Professora coordenadora do projeto, Graça Gonçalves

38 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017


:: Ainda não sabiam?

Empreendedorismo nas Escolas A Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova, em parceria com a CIMRC (Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra) lançou o repto ao Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova, para a participação no programa “Empreendedorismo nas Escolas da Região de Coimbra” e concretamente no “Concurso de ideias de Negócio”. O desafio foi aceite e várias turmas, sob a coordenação de diferentes professores, propuseram-se a desenvolver o projeto. Depois de sessões de esclarecimento e motivação aos alunos, proferidas pela Dra. Ana Mineiro, foram submetidas ao concurso 24 ideias de negócio (12 no ensino básico e 12 no ensino secundários) das quais 5 de cada nível de ensino foram ao Concurso Municipal de Ideias, para aí, selecionar aquele que, na final intermunicipal, representaria a Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova. Os critérios de avaliação foram: o grau de inovação da ideia, a exequibilidade da ideia, a qualidade da apresentação, o desenvolvimento da ideia (maturação do projeto) e o impacto para o território da CIM-RC. Os projetos "Condeixa 3D" e "Point" foram os grandes vencedores do Concurso Municipal de Ideias de Negócio de Condeixa-a-Nova. O primeiro, desenvolvido pelas alunas do 3.º CEB, Inês Marques e Carolina Sá Pinto, com o apoio da docente Teresa Coelho. O segundo, dos alunos de nível secundário/profissional, Miguel Carvalho, Ivo Alves e Ana Beatriz Fernandes, acompanhados pelo professor Manuel Judas. Para além destes, estiveram a concurso os seguintes projetos:

Uma das componentes essenciais do Programa “Empreendedorismo nas Escolas da Região de Coimbra” são os Concursos de Ideias de Negócio, criados com o objetivo de facilitar um maior contacto com o mundo real, permitir aos jovens em idade escolar uma experiência real na área do empreendedorismo e incentivar o desenvolvimento local. No passado dia 24 de março, foram apresentadas 4 ideias de negócio no concurso municipal com o objetivo da seleção da equipa finalista do ensino secundário/profissional do município de Condeixa, à 4.ª edição do Concurso Intermunicipal de Ideias de Negócio, que se realizará nos próximos dias 1 e 2 de abril, em Tábua. Os projetos a concurso foram os seguintes:

CareVest (Ana Cordeiro e Beatriz Figueiredo), Lojas das Coisas Práticas (Alexandre Pinto e Alexandre Agra), TurTrain (Joana Machado, Maria Garrido e Mariana Caridade), Umbrag (Bruna Brito, Joana Andrade e Emília Rebelo), MotarHelmet (Alexandre Matias, Bruno Carvalho e Renato Craveiro), Park Finder (Pedro Martins, Tomás Ribeiro e Vasco Abreu), Peralta (Bárbara Morim, Erica Wallberg, Francisca Rodrigues) e PilloWatch (Beatriz Simão, Inês Silva e Philippe Simões), acompanhados pelos docentes Teresa Coelho, João Sacramento e Manuel Judas. Os projetos vencedores do 3º ciclo e do ensino secundário representarão o município de Condeixa-a-Nova na Figueira da Foz e em Arganil nos dias 4 e 5 de junho, respetivamente. Será importante referir que a implementação deste projeto junto das diferentes turmas do Agrupamento de Escolas de Condeixa, contou ainda com a colaboração de alguns intervenientes municipais, nomeadamente a Eng.ª Ana Bela Mallo, do Gabinete de Apoio ao Empreendedor, e da equipa do CLDS 3G, a Dr.ª Marta Branco. O que disseram os alunos: “Como foi esta experiência... Só existem duas palavras para a descrever: uma oportunidade inesquecível, que foi uma mão estendida para pôr em prática a nossa ideia!" Bruna Brito “Gostei muito de participar neste projeto, embora às vezes tivesse vontade de desistir, mas optei por não o fazer, pois a partir deste projeto sabia que ia ter uma nova experiência. Este projeto proporcionou-me a aprendizagem de como devemos ser inovadores e ter ideias para revolucionar o mundo! Alexandre Pinto Profª Teresa Coelho

Projeto: Coffe Alarm Promotores: Joaquim Ferreira | Adriano Lopes | David Martins Professor: Victor Paranhos Curso: 10º TEAC (Curso Profissional de Técnico de Eletrónica, Automação e Comando) Projeto: Eletro Dish! Promotores: David Gomes | Paulo Lamas | Pedro Jimenez Professor: Victor Paranhos Curso: 10º TEAC (Curso Profissional de Técnico de Eletrónica, Automação e Comando) Projeto: Protesite Promotores: Rodrigo Carvalho Professor: Victor Paranhos Curso: 10º TEAC (Curso Profissional de Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Projeto: Galactic Drone (Vencedor) Promotores: José Mota | Tiago Paiva | Diogo Oliveira Colaborador: José Antunes Professor: Victor Paranhos Curso: 10º TEAC (Curso Profissional de Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Parabéns aos vencedores! Boa sorte para a próxima prova. Na próxima edição do nosso jornal daremos conta dos resultados.

Prof. Vítor Paranhos

março de 2017 - JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa 39


O projeto aLER+ no agrupamento de escolas de Condeixa

A Alice Lopes, do 9º C, leu o livro “Uma escuridão

Bonita” de Ondjaki e aconselha a sua leitura porque “É um livro fantástico, maravilhoso, com uma história de amor inocente, mas palpável. Nesta história podemos sentir milhares de coisas ao mesmo tempo.”

A Gabriel Monteiro, do 9º D já leu os 4 livros da coleção de B.D. Walking Dead que temos na nossa biblioteca. Agora descobriu que temos mais dois: “Estou ansioso para ler o 5º volume “A melhor defesa”. Já vi a série e agora acho muito interessante ler a B.D.!”

“Estou muito entusiasmado para começar a ler este livro. Sou fã do Harry Potter e na nossa biblioteca existem todos os livros dele.” disse o Tomás Ribeiro do 9ºD quando viu o novo livro na nossa mesa das Novidades. “Monstros Fantásticos e Onde Encontrá-los” de J.K. Rowling foi um prémio da Editorial Presença que a Biblioteca ganhou por ter participado na atividade "Noite dos Livros do Harry Potter Os Professores de Hogwarts" A Emília Rebelo, do 9º D, leu o livro “Caderno Vermelho da Rapariga Karateca” de Ana Pessoa e recomenda-o referindo “Adorei este livro. Um livro não é só um livro tal como A Bruna Brito, do 9º C, vai levar o livro “Porque Escolhi Viver, a Minha Fuga da Coreia do Norte” de Yeonmi Park, para casa nas férias da Páscoa. E disse-nos “Aconselharam-me este livro e quero muito lê-lo para conhecer melhor a vida das mulheres noutros países com culturas muito diferentes da nossa.”

Olha para mim aLER+

um caderno não é só um caderno vermelho. É muito mais… é um amigo.”

O Daniel Lameiras, do 9º D, tem em casa o livro da biblioteca que anda a ler “Quando a neve cai” de John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle outros. Em relação ao livro “Will & Will” do mesmo autor comentou: ”Recomendaram-me este livro e 40 JÁ - O Jornal do Agrupamento de Escolas de Condeixa - março de 2017 eu adoro o John Green. Estou em pulgas para o ler!” .

14 JÁ jornal do agrupamento de escolas de condeixa mar 17  
14 JÁ jornal do agrupamento de escolas de condeixa mar 17  
Advertisement