Issuu on Google+


Arte Alexandre De Maio

Reportagens Beatriz Monteiro CarlosCarlos Clara Caldeira Keila Baraรงal Suzanna Ferreira Wilheim Rodrigues


Povos indígenas, Brasil

Ládio, liderança indígena, fala sobre as mortes na tribo Guarani Kaiowá O cacique Ládio Verón que vive do Mato Grosso do Sul, região Centro-Oeste do Brasil, relata como seu povo vem sofrendo inúmeros ataques de pistoleiros às suas aldeias. “Todos os povos indígenas do Brasil vêm sendo massacrados por essas terras desde 1500…” relata o indio que teve o pai assassinado no guerra pela posse de terra.

Página 8-15

Depois de Cidade de Deus

Após livro sobre origem do trafico, Paulo Lins remonta as raízes do samba

O escritor carioca fala sobre a crise criativa depois do sucesso mundial de Cidade de Deus e sua inspiração para o novo livro que traz começo do samba e sua relação com a Umbanda no Rio de Janeiro da década de 20.

Página 8-15

Favela pega fogo, mas favela não apaga Incêndios em favelas no centro de São Paulo causa indignação Entrevistamos o morador da favela do Moinho, Milton Sales, que relata como é viver em condições precárias no coração da cidade mais rica do país. Milton também relata a pressão que a especulação imobiliária faz com os moradores além da politica higienista da prefeitura de São Paulo.

Página 8-15

Crack, caso de polícia ou de saúde pública ? Morador da cracolândia traz uma visão crítica de quem vive o drama

Página 8-15


Ecos de Corumbiara

Fugitivo da Policia Federal fala sobre sua versão do massacre Claudemir Gilberto Ramos, uma liderança sobrevivente ao Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995, em Corumbiara, Rondônia, região norte do Brasil. O militante que pede socorro e clama para que o governo brasileiro enxergue a sua situação. Claudemir também luta por justiça pelo assassinato de seu pai, Adelino Ramos, militante na luta por reforma agrária e regularização fundiária no país.

Página 8-15

Moradia digna, direito da população Cidade se prepara para a Copa do Mundo mas população ainda sofre com enchentes criminosas Renata Nery, integrante de movimentos sociais (MULP e Terra Livre) e moradora do Jardim Pantanal, no extremo leste de São Paulo, fala sobre as remoções e despejos de várias famílias por causa da realização da Copa do Mundo no Brasil em 2014

Página 8-15

Odisseia Urbana De trás das grades para a frente de uma empresa inovadora Conheça a história de Angelo Canudo que de dentro da penitenciária de Guarulhos superou os limites e montou uma empresa especializada em entrega e distribuição de produtos em areas de risco.

Página 8-15

Genocídios na periferia de São Paulo: na conta de quem? assassinatos na perferias cresce 40%, de quem é a culpa? Lideranças comunitárias relatam a tensão que vive o morador da periferia assustado com a onda de assasinatos e com a guerra entre o trafico e a polícia.

Página 8-15


Sistema carcerário no Brasil: Solução ou tiro no pé? Coordenador da Pastoral Carcerária fala sobre a situação alarmante do sistema carcerário no Brasil. Entrevista com padre Valdir João Silveira, que atua há mais de 20 anos em penitenciárias alerta que entre 1995 e 2010, a população carcerária brasileira saltou de aproximadamente 148 mil para cerca de 496 mil e a falta de políticas públicas tem tornado a situação insustentável.

Página 8-15

Arte para libertar: Sarau do Binho Centro de cultura, espaço para manifestação politicas, palco para artistas, os saraus são a nova referência na periferia. Na periferia da zona sul de Sâo Paulo os saraus se multiplicam e se consolidam como um espaço verdadeiramente democrático onde as pessoas podem se expressar e resignificar o bairro onde moram. Entrevista Binho um pioneiro na luta pela literatura na periferia.

Página 8-15

Rapadura: Um Brasil além dos disfarces

o ativismo musical da mistura perfeita entre rap e o repente

O rapper cearense mostra que as raizes do hip hop vão além do eixo Rio/São Paulo e prova que boa música pode ser contestadora. Rapadura valoriza as raízes nordestinas e resgata nomes como de Luiz Gonzaga para a nova geração.

Página 8-15

Sabotage – Maestro do Canão a história do rapper assasinado no auge da sua carreira Considerado uma lenda da música brasileira o rapper Sabotage morreu quando começava a fazer sucesso no cinema e na música. Morto por inimigos da época em que era envolvido com o tráfico, Mauro Mateus, revolucionou a música misturando o rap com personalidade a diverso estilos. No cinema participou e colaborou com o roteiro de o “O Invasor” e “Carandiru”.

Página 8-15


Pixação: Uma questão de classe? Pixador fala da ideologia do movimento artistico mais provocador da arte comtemporanea

Cripta Djean mostra porque os pixadores atacaram a Faculdade Belas Artes, a Bienal de Arte, a galeria Choque Cultural e a Birnal de Berlim de 2012. O artista também desconstrói e questiona o conceito de vandalismo associado a arte da pixação.

Página 8-15

A história pelo Jornal do Brasil imortalizando os Registros dos momentos mais importantes do páis Acesso livre a acervo com aproximadamente 18 mil edições digitalizadas. É esse o resultado de parceria entre Google e Jornal do Brasil: um banco de dados com publicações que noticiam o cotidiano brasileiro de 1930 a 1999.

Página 8-15

Sob o calor da densas cortinas do sertão Ariano suassuna fala sobre a identidade de um povo Dramaturgo, romancista e poeta brasileiro, Ariano é autor do clássico Auto da Compadecida e em entrevista fala sobre cultura “Eu quero que o lugar em que eu viver, seja um lugar de resistência, contra aessa arte plastificada que estão nos empurrando goela abaixo”

Página 8-15


Alexandre De Maio Claudemir Gilberto Ramos, uma liderança sobrevivente ao Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995, em Corumbiara, Rondônia, região norte do Brasil. O militante que pede socorro e clama para que o governo brasileiro enxergue a sua situação. Claudemir também luta por justiça pelo assassinato de seu pai, Adelino Ramos, militante na luta por reforma agrária e regularização fundiária no país.

André Carvalho Claudemir Gilberto Ramos, uma liderança sobrevivente ao Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995, em Corumbiara, Rondônia, região norte do Brasil. O militante que pede socorro e clama para que o governo brasileiro enxergue a sua situação. Claudemir também luta por justiça pelo assassinato de seu pai, Adelino Ramos, militante na luta por reforma agrária e regularização fundiária no país.

Beatriz Monteiro Claudemir Gilberto Ramos, uma liderança sobrevivente ao Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995, em Corumbiara, Rondônia, região norte do Brasil. O militante que pede socorro e clama para que o governo brasileiro enxergue a sua situação. Claudemir também luta por justiça pelo assassinato de seu pai, Adelino Ramos, militante na luta por reforma agrária e regularização fundiária no país.

CarlosCarlos Claudemir Gilberto Ramos, uma liderança sobrevivente ao Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995, em Corumbiara, Rondônia, região norte do Brasil. O militante que pede socorro e clama para que o governo brasileiro enxergue a sua situação. Claudemir também luta por justiça pelo assassinato de seu pai, Adelino Ramos, militante na luta por reforma agrária e regularização fundiária no país.


Clara Calderia Claudemir Gilberto Ramos, uma liderança sobrevivente ao Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995, em Corumbiara, Rondônia, região norte do Brasil. O militante que pede socorro e clama para que o governo brasileiro enxergue a sua situação. Claudemir também luta por justiça pelo assassinato de seu pai, Adelino Ramos, militante na luta por reforma agrária e regularização fundiária no país.

Keila Baraçal Claudemir Gilberto Ramos, uma liderança sobrevivente ao Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995, em Corumbiara, Rondônia, região norte do Brasil. O militante que pede socorro e clama para que o governo brasileiro enxergue a sua situação. Claudemir também luta por justiça pelo assassinato de seu pai, Adelino Ramos, militante na luta por reforma agrária e regularização fundiária no país.

Suzanna Ferreira Claudemir Gilberto Ramos, uma liderança sobrevivente ao Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995, em Corumbiara, Rondônia, região norte do Brasil. O militante que pede socorro e clama para que o governo brasileiro enxergue a sua situação. Claudemir também luta por justiça pelo assassinato de seu pai, Adelino Ramos, militante na luta por reforma agrária e regularização fundiária no país.

Wilheim Rodrigues Claudemir Gilberto Ramos, uma liderança sobrevivente ao Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995, em Corumbiara, Rondônia, região norte do Brasil. O militante que pede socorro e clama para que o governo brasileiro enxergue a sua situação. Claudemir também luta por justiça pelo assassinato de seu pai, Adelino Ramos, militante na luta por reforma agrária e regularização fundiária no país.



Protestos porque?