Page 82

O Diálogo entre as Religiões e os Direitos Humanos: “Andando em Círculos”

de discordar de quaisquer interpretações teológicas, estar numa zona de tensão em que é tolerada, porque está dentro da divergência positiva do uso. Penso que este exercício de reunir a colheita dos vossos ateliers é extremamente promissor e penso que precisa de ser complementado com algo que ainda não foi feito, e que é tentar reunir a lei branda existente que diz respeito às religiões e às responsabilidades dos líderes religiosos. E aqui tenho que dizer que os mecanismos independentes são mais rápidos na identificação das aplicações dessas responsabilidades sem as conceber num quadro teórico, o que poderia ser, no final, uma coisa boa. Vamos aprender com a prática. Um certo número de pessoas da Comissão dos Direitos da Criança e da Comissão para a Prevenção da Discriminação contra as Mulheres dirige-se diretamente a vários líderes religiosos. Por isso, se juntarmos, na prática, todos estes conjuntos de normas, se lhes acrescentarmos os comentários gerais e as iniciativas da sociedade civil, penso que ficaremos positivamente surpreendidos pelo facto de que temos aquilo que é preciso a partir desses padrões. Só precisa de ser colocado em conjunto e, em seguida, submetido a uma discussão e esta regra preparatória requer tanto as Nações Unidas como a sociedade civil; é claro que os Estados são muito importantes, mas não é um exercício de estabelecimento de normas; não acrescenta novas obrigações. Só é preciso uma pesquisa nas nossas normas já existentes e também as lições aprendidas da sociedade civil. Há também uma abordagem esporádica entre a resolução 16/18 e uma série de outras iniciativas, porque nesta resolução há um relatório anual que é apresentado e que requer a apresentação e a coleta de boas práticas. Assim, uma série de resoluções poderia, conjuntamente, fornecer a matéria-prima para um roteiro para o futuro da questão de definir e melhorar as responsabilidades dos líderes religiosos. Então contamos com o seu trabalho [Adama Dieng], e estamos felizes por colaborar da maneira que considere mais adequada; e muito obrigado pelos seus contínuos esforços e por esta oportunidade. Moderador: Muito obrigado, Ibrahim, por nos lembrar da importância do Plano de Ação de Rabat. Na realidade, quando Navy Pillay era a Alta-Comissária para os Direitos Humanos, lançámos o plano aqui nesta mesma sala e foi, claro – como você disse – o trabalho que tinha sido feito por vários especialistas com a contribuição do meu Gabinete. Desde o primeiro dia após a sua adoção, decidimos também identificar pelo menos uma área na qual falou durante a sua

81

Profile for AIDLR AIDLR

Consciência & Liberdade 30 (2018)  

Consciência & Liberdade 30 (2018)  

Profile for aidlr
Advertisement