Issuu on Google+


1. APRESENTAÇÃO GERAL DA EMPRESA

total de 1.593, apenas nestas unidades. A questão social é complementa-

Cooperativa Santa Clara

da pela participação ativa de 503 famílias associadas, sendo 181 produtores de leite, em Carlos Barbosa. A atuação da Cooperativa se estende em 98 municípios com captação de leite, contan-

A cooperação norteia a história da

do com a força de 4.805 famílias asso-

Cooperativa Santa Clara. Foi em 1912

ciadas, destas 3.193 de produtores de

que 32 pequenos agricultores do inte-

leite. Estes associados vêem na

rior de Carlos Barbosa se juntaram para

Cooperativa uma forma de viabilizar

instalar uma microempresa de queijo e

suas propriedades, ainda contando

manteiga, visando obter rendimentos

com acréscimos no valor do leite pela

com a produção de leite. Assim surgiu

qualidade da matéria-prima entregue

a Latteria Santa Chiara, que cresceu

e pela quantidade, além de diversos

e difundiu os princípios do cooperati-

outros benefícios.

vismo, valorizando os associados e as comunidades onde está inserida. A Santa Clara conta com 18 uni-

Na gama de produtos Santa Clara, mais de 240 itens de laticínios e frigorífico. Com a preocupação em moderni-

dades de varejo distribuídas nos muni-

zar o sistema produtivo, a Santa Clara

cípios onde a Cooperativa possui asso-

é pioneira em ações como incentivo à

ciados. A maior parte da estrutura física

inseminação artificial, pagamento do

está localizada em Carlos Barbosa,

leite pela qualidade e lançamento de

cidade sede da Santa Clara. No muni-

produtos especiais.

cípio da Serra Gaúcha estão localizadas

O pioneirismo se estende a con-

as indústrias de laticínios e longa vida,

quista da certificação ISO 9000, sendo

frigorífico, suinocultura, cozinha indus-

a primeira indústria do Rio Grande do

trial, fábrica de rações, farmácia, su-

Sul a recebê-la, fruto do investimento

permercado e mercado agropecuário,

em melhorias nos processos, treina-

empregando 1.083 funcionários, do

mento dos funcionários e comprometimento com os clientes, fatores que resultam em produtos de qualidade e aumento da participação no mercado. Atualmente a Santa Clara possui

02

ISO 9001.


ção de máquinas, produtos, insumos, etc, além de atrações culturais e shows nacionais, como Sérgio Reis (2013) e Gian e Giovanni (2011). O evento é uma vitrine para todo o trabalho desenvolvido pela Cooperativa, como o melhoramento genético do rebanho, desde a inseminação

Expoclara

artificial com os melhores touros, iniciada em 1954 – pioneira no Estado –, até a sanidade e o manejo adequado feito diariamente. Os criadores voltam

Considerada a maior exposição de

para casa com novos conhecimentos e

gado holandês do Rio Grande do Sul,

experiências, motivados a continuarem

a Exposição de Gado Leiteiro, Máqui-

se aprimorando em sua atividade.

nas e Equipamentos Agrícolas, Expo-

O evento ainda é uma excelente

clara, é um momento de valorização

oportunidade de negócios. Durante os

do rebanho dos produtores associados,

três dias de Expoclara, passam pelo

especialmente no que diz respeito ao

local mais de 25 mil pessoas. Na ex-

aprimoramento genético deste reba-

posição de máquinas e equipamentos

nho. A última edição foi realizada entre

agrícolas, empresas líderes do setor

os dias 26 e 28 de abril de 2013, no

mostram as novidades e tendências do

Parque de Exposições da Cooperativa

agronegócio. O leilão de raças leiteiras

Santa Clara, em Carlos Barbosa.

é outra oportunidade de fazer negócios

A primeira edição da Expoclara foi

e movimentar capital.

realizada em 1997, com o objetivo de oportunizar aos produtores da Cooperativa mostrarem seus rebanhos, compará-los com os demais e valorizá-los. A partir de então ela é realizada a cada dois anos, sempre no Parque de Exposições da Cooperativa Santa Clara, em Carlos Barbosa, e conta com a exposição, julgamento e leilão de exemplares das raças Jersey e Holandesa, exposi-

03


Os Meninos das Porteiras Paralelo à 9ª Expoclara foi realizada a primeira edição do projeto “Os Meninos das Porteiras”, uma ação cultural destinada aos estudantes de 4ºs e 5ºs anos do ensino fundamental das três redes de ensino: municipal, estadual e particular, do município de Carlos Barbosa, cidade onde está localizada a sede da Cooperativa Santa Clara. O projeto apresentou três temáticas para que os alunos compusessem redações no formato conto: “Histórias, lendas e mitos da vida no campo” que povoam o imaginário da região, “Produção agrícola: histórias que deram certo” e “Homem e natureza: uma relação de cuidado”, com foco no resgate histórico familiar de acontecimentos que abordassem algum dos temas propostos. Os contos deveriam abordar questões referentes à organização sociocultural, associativista, artística e mística do povo do campo, dando ênfase aos valores do ambiente rural conservados pela tradição oral. A partir de uma das histórias foi elaborada a peça teatral

04

“Histórias das Porteiras”, onde também


foram ilustradas as histórias da Cooperativa Santa Clara e do município de Carlos Barbosa. Todos esses valores conjugam o ideal cooperativista e a importância de subsistirmos em uma sociedade mais sustentável, onde o homem possa contruir sem destruir, valorizando seu passado para poder continuar para um futuro onde há qualidade de vida e harmonia. O projeto destaca o conhecimento da cultura do campo pelas crianças envolvidas e familiares, percebendo que uma nova cultura existe está se formando. Nesse contexto há a modernidade e tecnologia convivendo com antigas tradições, onde estas cedem espaço sem descaracterizar o meio. Os produtores rurais buscam meios para minimizar as mudanças para que estas tenham um caráter positivo e tragam mais prosperidade às propriedades, considerando que “tudo pode ser aproveitado” nada é descartado sem haver esgotado todas as possibilidades de utilização. Uma forma simples de aplicar a sustentabilidade. O projeto recebeu apoio através da Lei de Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura, e também de entidades e escolas locais, além de meios de comunicação da região, que cederam espaço para a divulgação gratuitamente.

05


2. CENÁRIO COMPETITIVO

primária, ter interesse em investir no campo.

Jovem está perdendo a identificação com o interior

Atualmente, as áreas rurais são bastante desenvolvidas tecnologicamente, tornando o investimento na propriedade rural economicamente viável e, indiscutivelmente, rentável financeiramente, se for conduzido com profissionalismo. A realidade ainda pouco conhecida é que as proprieda-

A Cooperativa Santa Clara está

des rurais hoje funcionam como pe-

inserida em uma realidade rural, con-

quenas empresas, necessitando que o

vivendo diariamente com as dificulda-

proprietário seja um bom administra-

des dos produtores em permanecer no

dor, assim como ocorre com empresas

campo. O atual cenário de êxodo rural,

de outros ramos.

onde a maior parte dos jovens opta por

Desde sua fundação, em 1912, a

sair das propriedades e viver na cidade,

Santa Clara sempre esteve envolvida

atuando nas indústrias, acaba geran-

com as comunidades nas quais está

do um déficit de mão-de-obra para a

presente com captação de leite ou

atividade leiteira, que exige trabalho

unidades de varejo e indústria. Para a

em lavoura e manejo com os animais

Santa Clara é fundamental posicionar-

diariamente, independente do dia da

se como membro da comunidade,

semana, sendo assim mais exaustivo se

reafirmando seu posicionamento a

comparado a outros setores.

favor do crescimento local e regional,

Há uma dificuldade do jovem da

permitindo ainda mostrar aos jovens

atualidade, que pouco conhece seu

a possibilidade de crescimento que o

passado e suas origens, e outros tan-

meio rural oferece através do incentivo

tos que nunca tiveram contato com o

à produção leiteira.

interior e desconhecem o meio rural e os processos produtivos na atividade

Manter a identificação positiva com a comunidade da qual faz parte é um desafio constante da Santa Clara, e resgatar a história dos fundadores, do meio rural e da comunidade é fundamental para que possamos continuar

06

crescendo.


3. ANÁLISE PFOA

Potencialidades • 101 anos de história; • Pioneirismos em diversos setores; • Credibilidade da marca Santa Clara junto aos consumidores; • Forte identificação com a comunidade local; • Identificação com o município também fora dele, representando Carlos Barbosa em outras regiões do Estado e Brasil; • Reconhecimento pelo público da importância histórica da Cooperativa; • Importância social para a comunidade (a Santa Clara emprega hoje 1.083 funcionários apenas em Carlos Barbosa e 503 famílias de associados, sendo 181 produtores de leite); • Importância econômica para o município e o desenvolvimento de Carlos Barbosa; • Contribuição histórico-cultural, através da preservação cultural e histórica com a criação do Memorial Santa Clara.

Fragilidades • Mão-de-obra cada vez mais madura nas propriedades; • Ampliação das marcas que captam leite localmente e inserção de novas empresas; • Dificuldades para reunir materiais históricos e resgate da história oral.

Oportunidades • Tornar o Concurso perene, dando a possibilidade que se realize novamente em outras edições da Expoclara e até mesmo alheio ao evento; • Incentivar o gosto das crianças e adolescentes pela leitura; • Incentivar o interesse pela história do município e, consequentemente, da Cooperativa; • Ampliar as possibilidades de resgate de fatos e materiais antigos; • Incentivar a produção textual e teatral também entre as crianças; • Divulgar a potencialidade econômica do meio rural; • Proporcionar a exposição e pesquisa da cultura do campo; • Incentivo ao estudo do Cooperativismo em sala de aula e de sua importância social.

Ameaças • Êxodo rural: jovens saem do campo para trabalhar na cidade; • Depreciação da figura do homem do campo, tratado como ultrapassado pela sociedade urbana; • Baixa valoração da memória em registro, passada adiante apenas pela cultura oral.

07


4. OBJETIVOS DE MARKETING

A Cooperativa como parte importante da comunidade

Objetivos Secundários • Ampliar o capital cultural das crianças e jovens atingidos pelo projeto, bem como da comunidade local e público em geral, promovendo a democracia cultural; • Incentivar alunos dos 4ºs e 5ºs anos do Ensino Fundamental a buscarem na tradição oral local histórias para

Objetivos Principais • Fortalecer a imagem da Santa Clara

a produção textual em forma de contos; • Valorizar os artistas e grupos fol-

junto à comunidade, resgatando parte

clóricos locais que se apresentaram

da história da Cooperativa, que atua há

durante a Expoclara Cultural;

101 anos ininterruptos no município e

• Fomentar novas gerações de lei-

da importância cultural e histórica de

tores e escritores com o concurso

sua existência;

“Abrindo as porteiras: Contos de nossa

• Incentivar o hábito da leitura ao

vida”;

aproximar a comunidade de seus refe-

• Estimular os grupos locais a se-

renciais culturais e principalmente do

guirem na qualificação e na profissio-

universo da literatura, do teatro e do

nalização imprescindível na produção

amplo conhecimento que eles ofere-

cultural, a exemplo dos profissionais

cem, explorando o mundo através de

envolvidos no projeto;

uma visão artística; • Incentivar a pesquisa e o resgate

• Criar oportunidade de descoberta e exaltação de talentos entre os parti-

dos costumes e histórias, a conversa e

cipantes, investindo na criação de uma

a valorização da cultura oral;

nova geração de profissionais atualizados nos diferentes campos da cultura e da arte; • Permitir o acesso gratuito a todos os interessados.

08


Crianças receberam livros com os contos premiados após a apresentação teatral

Cena da peça teatral “Histórias das Porteiras”, apresentada no Memorial Santa Clara

09


5. ESTRATÉGIAS DE MARKETING

Da porteira para dentro Para a realização da Expoclara Cultural, a Cooperativa Santa Clara montou o projeto pensando em integrá-lo com as demais atrações da exposição. Entre as principais, a confirmação do show do cantor sertanejo Sérgio Reis deu o toque final: o nome ao projeto. Com inspiração na música “Menino da Porteira” e no cenário de êxodo rural, do jovem deixando o campo para a cidade e de quanto é importante a participação deste jovem na atividade rural, criou-se o projeto “Os Meninos das Porteiras”. O nome no plural foi escolhido para enfatizar a coletividade, consistente

Sérgio Reis durante o show na Expoclara 2013

com o sistema cooperativo no qual a Santa Clara se insere, demonstrando

evento e das atividades culturais pro-

que juntos somos mais fortes.

gramadas, fazendo o convite de que a

Para a divulgação da Expoclara,

Expoclara estaria de “porteiras abertas”

foi produzida uma foto com um casal

para receber a todos. A imagem foi

de crianças em uma porteira, convi-

utilizada em outdoor na RS-446, nos

dando a todos para participarem do

flyers e fôlderes do evento, em cartazes, tanto produzidos para divulgação do Concurso de Contos quanto para a exposição, além de todas as publicações realizadas em jornais da região.

10

O Concurso de Contos foi elabo-


rado pensando em ampliar o interesse

pio, bem como o desenvolvimento de

da juventude pelo que vem do interior

Carlos Barbosa.

e pelas histórias de antigamente, pelo

O caráter principal das ações da

meio ambiente e pela atividade rural,

Expoclara Cultural foi de mostrar que

passando a visão de modernidade pre-

a valorização da cultura local tem a

sente no campo.

capacidade de tornar a sociedade mais

Também foram feitas peças para a

inclusiva, colaborativa e sustentável,

rádio com gravações do cantor Sérgio

propondo ações de valorização em di-

Reis convidando a participar do even-

versas esferas para tornar a sustentabi-

to, sempre com a música “Menino da

lidade uma meta real e demonstrando

Porteira” ao fundo, divulgada nas rá-

que seu conceito casa com os precei-

dios da região. O evento foi divulgado

tos cooperativistas.

nas escolas locais, visando atrair também os pais a participarem das apresentações culturais da Expoclara, além de prestigiar os shows e a exposição, que já são tradicionais. Com a ampla participação da comunidade escolar e da sociedade na preparação da Expoclara 2013, foram divulgadas nos meios de comunicação locais, da região e do Estado, enfocando não só a exposição de gado leiteiro como também as atrações culturais. Para que todos pudessem ter acesso às histórias foi publicado um livro com os contos vencedores, entregue a alunos e professores durante a Expoclara, e também foi apresentada a peça de teatro “Histórias das Porteiras”,

Cartaz do I Concurso Contos, fixado nas escolas de Carlos Barbosa

baseada em histórias e lendas locais, integrada ao Concurso de Contos, que pôde mostrar aos alunos e visitantes da comunidade sobre a importância da Cooperativa para a história do municí-

11


6. PLANO DE AÇÃO

de todo o projeto, foram realizadas oficinas pedagógicas nas escolas, minis-

Estimulando a sensibilidade para o que importa

tradas por uma pedagoga que explicou detalhadamente o projeto para alunos e professores das turmas de 4º e 5º anos do ensino fundamental, além de falar sobre gêneros literários. Nesta etapa, realizada em março de 2013, cerca de 600 crianças de 13 escolas do muni-

O projeto “Os Meninos das Por-

cípio participaram do projeto. Os pro-

teiras” foi idealizado pela Cooperativa

fessores também tiveram participação

Santa Clara com apoio da Steffen Pro-

ativa, dando suporte diretamente aos

jetos e Eventos Culturais, responsável

alunos para a elaboração dos textos.

pela organização de todas as ações culturais da Expoclara 2013. Para montar

Escolas participantes:

o projeto, inicialmente foram realizadas

• E.M.E.F. Alberto Pasqualini, da

entrevistas com pessoas de mais idade sobre a história do município, sobre fatos sobre os quais se lembravam e acontecimentos históricos. Para viabilizar e promover o I Concurso de Contos “Abrindo as Porteiras: Contos de Nossa Vida”, a Cooperativa Santa Clara optou por primeiramente envolver a Secretaria Municipal de Educação de Carlos Barbosa, cidade abrangida pelo projeto, para que o mesmo tivesse respaldo junto às escolas locais. Visando dar suporte à realização

comunidade de Forromeco • E.M.E.F. Nossa Senhora Aparecida, do bairro Aparecida • E.M.E.F. Padre Pedro Piccoli, do bairro Aurora • E.M.E.F. Prefeito José Chies, do bairo Triângulo • E.M.E.F. Salvador Bordini, da comunidade de Cinco da Boa Vista • E.M.E.F. Santa Luzia, da comunidade de Santa Luiza • E.E.E.F. Antônio Adriano Guerra, da comunidade de Santo Antonio de Castro • E.E.E.F. Cardeal Arcoverde, da comunidade de Arcoverde • E.E.E.F. Carlos Barbosa, do Centro • E.E.E.F. Dom Vital, da comunida-

12

de de Torino


• E.E.E.M. São Roque, do bairro

Oficina pedagógica realizada nas escolas participantes do projeto “Meninos das Porteiras”

Ponte Seca • E.E.E.M. Elisa Tramontina, do bairro Vila Nova • Colégio Santa Rosa, do Centro

mato conto, de até 25 linhas, os quais foram avaliados por uma comissão formada pelo presidente da Cooperativa Santa Clara, Rogerio Bruno Sauthier,

A partir daí, os alunos produziram

secretário municipal de Educação de

textos dentro das três temáticas pro-

Carlos Barbosa, Paulo César Bellaver,

postas: “Histórias, lendas e mitos da

e pelo diretor da companhia teatral

vida no campo” que povoam o imaginário da região, “Produção agrícola: histórias que deram certo” e “Homem e natureza: uma relação de cuidado”. Cada aluno produziu um texto no for-

13


“Os Enganadores Produções Artísti-

Comissão julgadora avalia os contos no espaço do Memorial Santa Clara

cas”, Marcelo Bulgarelli. A comissão julgadora selecionou sete textos como

“Melhor Conto para Teatro”, “Nossa

vencedores, sendo três do 4º ano, três

História”, escrito pelo aluno Fernando

do 5º ano e o sétimo considerado o

Daniel Camini, de 9 anos, da Escola

“Melhor Conto Para Teatro”, os quais

Municipal de Ensino Fudamental Padre

integraram o livro “Os Meninos das

Pedro Piccoli, e produzida exclusiva-

Porteiras”, cuja edição foi lançada du-

mente para o evento.

rante a Expoclara 2013. No dia 26 de abril de 2013, ocor-

Além do dia 26, a peça teatral foi apresentada nos dias 27 e 28, fim de

reu a culminância do projeto, com

semana, para demais visitantes da feira,

alunos de 1º a 5º anos de todas as

sendo que no dia 28 também aconte-

redes de ensino do município e alunos

ceu a premiação dos alunos que escre-

da Associação de Pais e Amigos dos

veram os melhores contos. Os premia-

Excepcionais (APAE) participando da

dos tinham entre oito e nove anos e

apresentação da peça teatral “Histórias

estudavam em quatro escolas diferen-

das Porteiras”. A peça inédita foi base-

tes. Os livros foram editados e distri-

ada também no conto vencedor como

buídos gratuitamente entre os alunos visitantes da exposição, escolas, Secretaria Municipal de Educação, Secretaria Estadual da Cultura, Sistema Estadual de Bibliotecas e Biblioteca Municipal

14

de Carlos Barbosa.


Contos escolhidos de 4º e 5º anos:

Santa Rosa;

• “A Mão Branca”, de Vitória Joana

H. Henzel da Silva, 10 anos, 5º ano da

Pegoraro de Souza, 8 anos, 4º ano da Escola Municipal Pref. José Chies; • “A História do Homem e do Cavalo”, de Alana Nicodem, 9 anos, 4º ano da E. M. Prefeito José Chies; • “O Nono Corajoso”, de Pedro Manuel S. Buj, 9 anos, 4º ano do Colégio

• “A Ovelha Fantasma”, de Matheus Escola Estadual Carlos Barbosa; • “As Aventuras do Vovô”, de Maite Moschetta Schmidt, 10 anos, 5º ano da E. E. Carlos Barbosa; • “O Diabinho Pega”, de Kailane Rottoli, 10 anos, 5º ano da E. M. Pref. José Chies.

Crianças que tiveram os contos escolhidos para fazer parte do livro foram homenageadas durante a Expoclara 2013

Aluno Fernando Camini com os pais e direção da Cooperativa Santa Clara na Expoclara

15


7. UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE MARKETING

Da porteira para fora Para a implementação do projeto foram utilizadas diversas ferramentas. Inicialmente, para a divulgação do concurso foi idealizado um cartaz, afixado em todas as escolas participantes e na Secretaria Municipal de Educação do município. Também foi produzido um folder com as datas e horários das

Capa do Livro produzido com os contos vencedores

apresentações teatrais, contando com o cronograma de visita das escolas

Dotta, também deu diversas entrevis-

participantes.

tas para rádios da região falando sobre

No momento do convite aos alunos,

o I Concurso de Contos, conseguindo

uma pedagoga explicou o projeto e as

assim atingir o grande público através

crianças foram incentivadas a comuni-

de mídia espontânea.

car-se com seus pais e avós, em busca

O livro, com 16 páginas, lançado no

de histórias antigas sobre o município,

dia 26 de abril, bem como os demais

o meio rural, a Cooperativa e outros

materiais gráficos, foi todo produzido

temas que pudessem ser relevantes.

em papel reciclado, enfocando tam-

Paralelo à divulgação nas escolas, foi

bém a consciência ambiental junto aos

realizado uma ampla divulgação junto

participantes e a importância de preser-

à comunidade local. Além de matérias

vação do meio ambiente.

publicadas nos jornais locais sobre o assunto, o diretor da Expoclara, José

Posteriormente à realização da Expoclara, o Concurso permaneceu sendo notícia na mídia local.

16


Cenas da peça teatral “Histórias das Porteiras”

17


8. APLICAÇÃO DOS RECURSOS

historiadora), cachês da Companhia Teatral “Os Enganadores Produções

Incentivo para valorização do imaterial

Artísticas” e equipamentos de som e luz para a apresentação da peça. O restante da execução do trabalho foi realizado por colaboradores da Cooperativa Santa Clara, envolvidos com a organização da Expoclara 2013. Para as apresentações da sexta-feira,

A realização do projeto contou com

26, foi utilizado o espaço do recém-

valores captados através da Lei de

restaurado do Memorial Santa Clara,

Incentivo à Cultura (LIC), através de

prédio onde antigamente funcionava a

projeto aprovado junto ao Ministério

indústria e demais unidades.

da Cultura. Foi patrocinado e aplica-

Nos fins de semana o teatro foi apre-

do na execução de todo o projeto R$

sentado em diferentes locações dentro

80,5 mil, pela Lei de Incentivo à Cul-

da Expoclara, abrangendo diferentes

tura (LIC), e R$ 137 mil via Ministério

públicos que visitavam as exposições.

da Cultura, considerando os materiais impressos, profissionais (pedagoga e

Crianças assistem peça teatral no espaço do Memorial Santa Clara

18

Cenas da peça teatral “Histórias das Porteiras”


9. RESULTADOS OBTIDOS

Envolvimento com o passado e o presente O projeto trabalhou diretamente com cerca de 600 crianças dos 4ºs e

Fernando Camini desfila no Sete de Setembro com livro “Meninos das Porteiras”

5ºs anos do ensino fundamental, envolvendo-as com a história do município

levando assim as histórias do municí-

e nos grupos dos quais fazem parte

pio por todo o Estado.

– escola e comunidade – resgatando

O livro produzido também apare-

histórias de seus antepassados e tam-

ceu no Desfile de Sete de Setembro de

bém da Cooperativa, dentro das temá-

Carlos Barbosa, desfilado por um dos

ticas propostas para pesquisa, além de

ganhadores, Fernando Camini, como

incentivar para que tenham atenção a

incentivo a que mais crianças se envol-

temas como cooperativismo, sustenta-

vam em projetos similares.

bilidade e meio ambiente. Das escolas, alunos e pais, o retorno

Participaram das apresentações teatrais um total de 4.000 pessoas, entre

foi positivo, visto que os pequenos fo-

alunos e público que visitou a Expocla-

ram incentivados a buscarem mais co-

ra, demonstrando que a mensagem foi

nhecimentos sobre sua história e estes

além das salas de aula, chegando até

se engajaram, conversando com pais,

pais, familiares e a comunidade como

avós, tios, conhecidos de mais idade,

um todo.

pessoas que pudessem falar sobre isso. Foram recebidos aproximadamente 600 contos, de treze escolas participantes do município de Carlos Barbosa. Com a tiragem de 1.550 exemplares, os livros publicados foram distribuídos para alunos participantes, escolas, professores e autoridades gratuitamente,

19


10. VALIDAÇÃO PELA EMPRESA

faz parte do dia a dia dos barbosenses, crescendo e evoluindo junto com

Os conceitos colocados em prática

o município, o qual desde o início foi sede da Cooperativa e também cidade natal de seus fundadores. Mas não bastava falar apenas da história da Cooperativa. Era preciso ir além, despertar a consciência ambiental, incentivar a valorização da cultura

A Santa Clara viu o projeto como

do campo, a busca por atividades sus-

um importante meio de aproximar

tentáveis, por um mundo mais susten-

ainda mais sua história da comunida-

tável, por novas formas de aproximar a

de. Resgatar suas vivências através das

cidade e o interior em prol de um meio

histórias contadas pelos jovens barbo-

ambiente saudável e com mais qualida-

senses foi uma forma de integrar ainda

de para todos.

mais a cooperativa à sociedade local. São 101 anos em que a Santa Clara

Além dos retornos positivos de todos que participaram do projeto, a Cooperativa percebeu o interesse dos alunos em buscar mais informações históricas sobre o município de Carlos Barbosa e sobre a cultura do tempo dos avós e bisavós. Para elaborar os textos, as crianças conversaram com parentes, buscaram pelos mais velhos, vizinhos e professores, pessoas que pudessem contar essas histórias, lendas e mitos que envolvem todo o passado da região, além da pesquisa feita com o

Apresentação no Memorial Santa Clara

intuito de entender questões que envolvem o município, o meio ambiente e a produção agrícola. O livro publicado traz contos que retratam um pouco do que representa Carlos Barbosa para as crianças, como

20

elas interpretam a cidade em que vi-


vem e sua história, e também a par-

Apresentação da peça teatral “Histórias das Porteiras” no palco principal da Expoclara 2013

ticipação da Cooperativa Santa Clara nesse contexto. Os contos participantes retomaram aspectos diferentes do

onde a Santa Clara possui unidades,

passado, mostrando uma riqueza de

visando assim contar às comunidades

informações pesquisadas, que também

abrangidas por ela, a história da Coo-

puderam ser utilizadas em sala de aula.

perativa de um modo lúdico e interes-

Demonstraram que a juventude perce-

sante, para que todas as crianças des-

beu que o campo já está além do que

pertem o prazer de conhecer o campo,

acreditava, que há tecnologia e desen-

tão importante para todos nós.

volvimento e que é possível viver bem da atividade rural. Pelo projeto ter contato com ampla participação do público alvo, apoio das escolas e respaldo das instituições municipais, a Santa Clara pretende dar continuidade. Os planos da Cooperativa são de apresentar o teatro nas demais cidades

21


DEPOIMENTOS

“A Cooperativa Santa Clara sente-se orgulhosa por fazer parte de um projeto que reúne resgate histórico e educação. Entendemos que, no modelo deste concurso, as crianças participantes estiveram envolvidas e envolveram seus familiares neste processo, trocaram ideias, e cresceram muito. A Santa Clara, hoje com 101 anos, entende que é fundamental conhecer o passado e é muito rica esta troca de experiências. Somos uma cooperativa e grande parte destas histórias fizeram parte da nossa história, das nossas pessoas.” Rogerio Bruno Sauthier, presidente da Cooperativa Santa Clara “O projeto Os Meninos das Porteiras está apoiado no conceito de cultura colaborativa e sustentável e foi criado com objetivo de contribuir para a formação existencial dos alunos, instigando a necessidade de novos saberes através das artes e da literatura.” Daniela Steffen, produtora cultural responsável pelo projeto

22

“Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção. (Paulo Freire) Assim como Freire, acredito que por intermédio da Educação o Projeto oportunizou ao aluno esta construção de conhecimento, bem como, possibilitou aos nossos jovens estudantes uma viagem à sua origem, fê-los buscar na sua história contos já esquecidos e cultuar a memória dos antepassados que tanto contribuíram para o desenvolvimento da nossa querida Carlos Barbosa.” Paulo César Bellaver, Secretário Municipal de Educação “Destaca-se o diferencial proposto de realizar o I Concurso de Contos, assim como criar o espetáculo cênico “Histórias da Porteira”, uma excelente forma de divulgar e valorizar a cultura local, estimulando as artes e a literatura nesta ação cultural. Este projeto tem sua relevância e oportunidade reconhecida por seu caráter inclusivo, colaborativo e sustentável. O fato dos contos abordarem questões referentes à organização sociocultural, a valorização da tradição oral, associativa, artística e mística do povo do campo, dando ênfase aos valores do ambiente rural, propiciará um reconhecimento da comunidade de sua bagagem cultural e proporá ações mais sustentáveis em relação ao seu contexto sociocultural, político, econômico e ambiental” Graziela Saraiva, membro do Conselho Estadual da Cultura, relatora do parecer para obtenção da LIC


Crianças prestaram atenção às apresentações teatrais. Cerca de 1.000 alunos assistiram à peça “Histórias das Porteiras”

23



Top sustentabilidade santa clara