Issuu on Google+

Vila do Conde, 21 de Julho a 5 de Agosto, 2012

35

Feira Nacional de Artesanato de Vila do Conde trente cinquième foire nationale de l’artisanat

thirty fifth handicraft fair

Thirty Fifth Handicraft Fair Pág. 02

Artesanato 35 Anos a Celebrar Pag. 03

Peças Inspiradas Pág. 08

Exposição À Volta das Rendas Pág. 10

Jornadas Gastronómicas Animação Pág. 11

Rendas de Bilros Pág. 12

FNA 2011 em Imagens Pág. 13

Concurso Fotográfico Pág. 14

horários 35ª FNA seg. a qui. 17h30 | 24h sex. e sáb. 15h30 | 00h30 dom. 15h | 24h horário restaurante 19h | 23h informações www.rendasdebilros.org secretariado tel: 252 644 188 Fax: 252 607 505 – 252 248 422

UMA FESTA SEMPRE RENOVADA É com o maior gosto e particular prazer que, na abertura da 35ª edição da Feira Nacional de Artesanato, convidamos os amantes das artes e saberes tradicionais portugueses e o público em geral a visitarem este certame. Venham festejar connosco e com os artesãos de todo o país que aqui se reúnem anualmente, para celebrar a arte e a cultura popular. Junte-se aos cerca de 400 mil visitantes que nos honram com a sua presença e talvez este ano sejamos mais de meio milhão a celebrar o que de mais autêntico e genuíno se faz em Portugal Esta edição da Feira Nacional de Artesanato Vila do Conde tem como divisa as rendas de Bilros, a programação reflecte esta temática e promete encantar os nossos convidados. Mas a feira e a festa não se faz só com artesanato e o cardápio da programação conta com as jornadas gastronómicas e a animação diária. A todos os nossos sinceros votos de uma proveitosa e lúdica visita à mais viva expressão das artes portuguesas.

secretariado.feiras@gmail.com adapvc@gmail.com / www.fna.vconde.org GPS 41º 21' 2'' N / 8º 44' 51'' W

A Organização da FNA


02 35ª FNA

festival’s timetable from monday till thursday 5.30pm | midnight friday and saturday 3.30pm | 00.30am sunday 3pm | midnight restaurant ’s timetable 7pm | 11pm information

DISPLAYED HANDICRAFT

www.fna.vconde.org secretary’s office tel. 252 644 188 Fax.252 607 505 – 252 248 422 secretariado.feiras@gmail.com adapvc@gmail.com horaire de fonctionnement lundi à jeudi 17h30 | 24h00 vendredi et Samedi 15h30 | 00h30 dimanche 15h00 | 24h00 horaire du restaurant 19h00 | 23h00 information www.fna.vconde.org secrétariat tel. 252 644 188 Fax.252 607 505 – 252 248 422 secretariado.feiras@gmail.com adapvc@gmail.com

The National Handicraft Fair is not only an

Some off the most traditional dishes from

element of connection between

Beira Litoral, Beira Interior, Trás-os-Montes

crafts-men, handicrafts, institutional

and Alto Douro, Alentejo, Estremadura,

organisms, public and press, but,

Minho, Douro Litoral and Algarve.

undoubtedly, also a space of the

The entertainment will also let you travel

Portuguese traditional arts and crafts.

through the Portuguese traditional songs

This 35th edition will certainly be different

and sounds, with popular and folkloric

from the previous, but sure similar in its

music groups, which will give the final

authenticity and conception, embracing

touch to the fair’s program, also known as

the most genuine handicraft produced in

the Festival of the Portuguese Handicraft.

Portugal. It will not frustrate the

A visit to the 35th edition of the National

expectations of more than 450 thousand

Handicraft Fair, which takes place from

visitors, among new and regular, who

21st July to 5th August, will be an

honour Vila do Conde with their presence and con-tribute to enlarge the traditional arts and crafts. However, handicraft is not the only thing in this Fair. The Gastronomic Festival, which takes place during the event, will allow a tasty tour through the flavours of the main regions of the national gastronomy.

unforgettable souvenir from Portugal.

Jornal FNA 2013 propriedade Câmara Municipal de Vila do Conde/Associação para defesa do artesanato e património de Vila do Conde (ADAPVC) director Saraiva Dias editor José Almeida produção Meiosdarte meiosdarte@meiosdarte.com design Nuno Cruz créditos fotográficos arquivo municipal de Vila do Conde, Joaquim Gomes, artesãos, concorrentes concurso FNA


35ª FNA 03

Concurso “As rendas de bilros como inspiração”

35 ANOS A CELEBRAR O ARTESANATO Artesãos de todo o país têm encontro marcado em Vila do Conde entre 21 de Julho e 5 de Agosto, numa espécie de ritual que se repete desde 1978 e que há muito transformou a bela cidade da Foz do Ave na maior montra anual do artesanato feito em Portugal. A Feira Nacional de Artesanato (FNA), uma organização conjunta da Câmara Municipal de Vila do Conde e da Associação para a Defesa do Artesanato e Património de Vila do Conde, celebra a sua 35.ª edição ininterrupta. Uma existência já longa para aquele que foi o primeiro certame do género a surgir no país. Na verdade, embora mantendo-se fiel aos propósitos que lhe deram vida, a FNA tem sabido renovar-se e ser sempre diferente, como diferente, única e irrepetível é, também, toda e qualquer peça de artesanato. Assumindo-se como um acontecimento ímpar, a FNA vai reunir cerca de duas centenas de artesãos oriundos das diferentes geografias nacionais, do litoral e do interior, do norte, cento e do sul continentais, mas também das regiões autónomas dos Açores e da Madeira. Esta oferta única em quantidade, diversidade e qualidade, tem-se traduzido numa enorme afluência de público, média de 400 mil visitantes, encontrando-se a organização apostada em ultrapassar, este ano, o meio milhão de visitantes. Sendo embora uma feira de cariz nacional, que visa promover o melhor do artesanato português, a FNA tem anualmente um país convidado. Este ano, porém, tal não vai acontecer. Para celebrar os 35 anos de vida a edição deste ano da FNA vai dar particular destaque às Rendas de Bilros, ex-libris das artes tradicionais

Concurso “As rendas de bilros como inspiração”

vila-condenses que, aliás, esteve na génese da criação da Feira.


04 35ª FNA

Para esta homenagem da FNA às rendas de bilros foi reeditado o “Prémio Joana Maria de Jesus”, aberto a todas as rendilheiras de Vila do Conde que responderam ao desafio de produzir um “pano de tabuleiro retangular”, com a utilização de um máximo de duas cores e dimensões que não ultrapassassem 50x30 centímetros. Ainda no quadro da temática central

E porque Portugal não é apenas rico e

desta edição da feira, as rendas de bilros

diverso no artesanato, a Feira oferece

dão o mote ao Prémio FNA e a

igualmente uma ementa diária rica em

organização lançou o repto a artesãos e

propostas gastronómicas de diferentes

designers para criarem obras inspiradas

regiões e a exibição de grupos musicais

nas rendas de bilros. A adesão foi muito

e folclóricos de várias origens. Assim, em

positiva e o resultado é uma mostra

Vila do Conde, entre 21 de Julho e 5 de

surpreendente de criatividade que é

Agosto, vai ser possível percorrer o país

verdadeiramente imperdível e que, por

com todos os sentidos despertos...

isso, será uma das atrações do certame. No mesmo sentido vai, aliás, uma outra mostra, de origem francesa, que será inaugurada a 27 de Julho no Museu das Rendas de Bilros. Organizada em colaboração com a Fédération des Dentelles et des Broderies, e comissariada por Armel Barraud, a exposição “À Volta das Rendas” convida-nos a descobrir diferentes visões de artistas gauleses que têm nas rendas um elemento comum. A Feira Nacional de Artesanato de Vila do Conde é, no entanto, muito mais do que prémios e exposições. É um verdadeiro museu vivo, anualmente renovado. Aos visitantes é oferecida a possibilidade de, num mesmo local, “viajarem” por todo o país e assim (re) descobrirem o que de melhor este oferece nas artes tradicionais. Podem ver e admirar peças deslumbrantes, muitas das quais produzidas ali mesmo, à vista de todos, pelos artesãos presentes na feira.


06 35ª FNA

PRESENÇAS Abrantes Santarém

Bombarral Leiria

Constância Santarém

Guimarães Braga

Produtos alimentares

Licores

Cerâmica, arte de trabalhar flores secas, presépios em folha de milho

Bordados, olaria, ferro forjado, latoaria

Alcanena Santarém

Braga Braga

Covilhã Castelo Branco

Leiria Leiria

Artefactos em pele e couro

Ferro forjado, têxteis

Têxteis

Cerâmica

Alcobaça Leiria

Bragança Bragança

Espinho Aveiro

Lisboa Lisboa

Cerâmica

Cestaria, artigos em pedra de sabão, instrumentos em madeira

Madeira e cerâmica

Cerâmica

Almada Setúbal

Cabeceiras de Basto Braga

Estarreja Aveiro

Loures Lisboa

Cerâmica

Tecelagem e linhos

Tecelagem, barcos em madeira

Olaria, tecelagem

Almeirim Santarém

Caldas da Rainha Leiria

Estremoz Évora

Lourinhã Lisboa

Têxteis

Cerâmica figurativa, doçaria

Cerâmica figurativa, artefactos em pele

Bijouteria

Almodôvar Beja

Caminha Viana do Castelo

Esposende Braga

Lousã Coimbra

Tecelagem, calçado artesanal e mel e medronho

Ferro Forjado

Cantaria

Trabalhos em xisto, trabalhos em madeira, cerâmica

Amarante Porto

Cantanhede Coimbra

Évora Évora

Lousada Porto

Bordados

Tanoaria, tamancaria

Cerâmica

Bordados

Arganil Coimbra

Castelo Branco Castelo Branco

Fafe Braga

Maia Porto

Colheres de pau, casas em xisto

Bordados

Artigos em palha e arame, bordados, linho e cestaria, tecelagem

Cerâmica, artigos em couro

Arraiolos Évora

Castro Daire Viseu

Felgueiras Porto

Manteigas Guarda

Tapeçaria, mobiliário pintado

Tecelagem, vestuário

Instrumentos musicais, renda em Filet

Mantas e vestuário em lã

Aveiro Aveiro

Cinfães Viseu

Ferreira do Zêzere Santarém

Marco de Canaveses Porto

Cerâmica, doçaria

Latoaria, cestaria, tanoaria e artigos em palha

Cestaria

Cestaria, cerâmica, azulejaria

Barcelos Braga

Coimbra Coimbra

Fornos de Algodres Guarda

Marinha Grande Leiria

Artesanato tradicional de Barcelos

Tecelagem, registos e trabalhos (quadros) escama peixe

Cerâmica

Vidros

Benavente Santarém

Condeixa-a-Nova Coimbra

Gondomar Porto

Matosinhos Porto

Cerâmica, miniaturas de casas regionais

Cerâmica

Filigranas, talha

Filigrana


35ª FNA 07

Miranda do Douro Bragança

Penafiel Porto

Santa Comba Dão Viseu

Valongo Porto

Arte pastoril, artesanato em pardo e surrobeco, cutelaria

Miniaturas em madeira, artigos em linho

Bonecas tradicionais de pano, olaria

Ardósia, brinquedos em madeira e chapa

Mirandela Bragança

Penalva do Castelo Viseu

Santa Maria da Feira Aveiro

Viana do Alentejo Évora

Tecelagem, foles e mel

Latoaria

Madeiras, cerâmica

Olaria

Mondim de Basto Vila Real

Pombal Leiria

Santarém Santarém

Viana do Castelo Viana do Castelo

Artigos em linho, mel

Artigos em madeira

Cerâmica

Bordados, Osso e chifre e Registos

Monforte Portalegre

Ponte da Barca Viana do Castelo

Santo Tirso Porto

Vila do Conde Porto

Artefactos em pele e couro

Artigos em linho, bordados, bainhas abertas

Cerâmica

Rendas de Bilros, lãs, trabalho em madeira, doçaria conventual, vidros e couros

Montemor-o-Velho Coimbra

Ponte de Lima Viana do Castelo

São João da Madeira Aveiro

Vila Franca de Xira Lisboa

Cerâmica

Linhos e cantaria

Esculturas em madeira, pedra e ferro

Calçado tradicional

Nelas Viseu

Portalegre Portalegre

Sardoal Santarém

Vila Nova da Barquinha Santarém

Bonecas em pano, palha e juta, trapo

Cestaria, cortiça

Trapologia

Brinquedos em madeira

Oeiras Lisboa

Portimão Faro

Seia Guarda

Vila Nova de Famalicão Braga

Cerâmica e azulejaria

Amêndoa torrada

Tecelagem, calçado tradicional, produtos alimentares

Cerâmica, trabalhos em madeira e encáustica

Oliveira de Frades Viseu

Porto Porto

Seixal Setúbal

Vila Nova de Gaia Porto

Tanoaria e tamancaria

Cerâmica

Vestuário

Cerâmica, tecelagem, pedra e madeira

Oliveira do Hospital Coimbra

Póvoa de Lanhoso Braga

Sesimbra Setúbal

Vila Verde Braga

Tecelagem

Filigranas

Azulejaria

Lenço de Namorados

Ovar Aveiro

Póvoa de Varzim Porto

Tomar Santarém

Vimioso Bragança

Bonecos tradicionais em pano e malha, produtos alimentares

Tecelagem, tapeçaria, trabalhos em linho, camisolas de lã

Encadernação manual

Rendas, tecelagem, latoaria, cestaria, cobres

Paços de Ferreira Porto

Redondo Évora

Tondela Viseu

Vinhais Bragança

Esculturas em madeira

Olaria

Cerâmica negra

Cestaria, máscaras em madeira e produtos alimentares

Palmela Setúbal

Região Autónoma da Madeira R. A. Madeira

Torres Novas Santarém

Viseu Viseu

Cerâmica

Bordado, cestaria e calçado

Cerâmica

Quadros a ponto de Arraiolos

Paredes Porto

Região Autónoma dos Açores R. A. Açores

Trofa Porto

Bordados

Artefactos de osso e dente de baleia, bordados e registos

Brinquedos em madeira e chapa

Penacova Coimbra

Reguengos de Monsaraz Évora

Vale de Cambra Aveiro

Artefactos em madeira

Olaria

Vestuário em lã, linho e burel, Casas em xisto

JORNADAS GASTRONÓMICAS Evento de referência absolutamente obrigatório quando se fala da FEIRA NACIONAL DE ARTESANATO, as “Jornadas Gastronómicas” conquistaram um lugar de irrecusável prestígio graças à qualidade e rigor das propostas apresentadas. Este ano, ao comemorar os 35 anos do certame, poderão ser apreciados os genuínos pratos da Gastronomia Regional e que por cá, ao longo dos anos, já foram degustados, num irrecusável convite a uma viagem por gostos e sabores ancestrais, onde não faltarão a “sopa de cação”, a “petinga das Caxinas com farinha de pau“, as “tripas à moda do Porto ou a “vitela da região de Lafões”, sem esquecer os doces conventuais. Deixe-se surpreender... e bom apetite! (ver página 12)


08 35ª FNA

1

2

1 Com a realização deste trabalho pretendemos

5 Parábola às Artes e Ofícios Tradicionais

homenagear os saberes de múltiplas gerações

Portugueses, que encontram nas rendas de

de rendilheiras e, paralelamente, os 35 anos da

bilros, nas rendilheiras e no vertiginoso voltear

Feira Nacional de Artesanato de Vila do Conde,

dos bilros a expressão viva de um inestimável

simbolicamente representados nestes 35 bilros.

legado cultural. “E de Josefa, a viúva de Zuñiga,

A pluralidade e criatividade das rendilheiras são

louca de amor por ele, que esteve a ponto de

aqui representadas pela diversidade dos bilros e

lher cortar o bilro com as tesouras de podar, para

paleta cromática dos fios.

que ele não fosse de ninguém embora não fosse dela.” Gabriel Garcia Marques in O amor nos

2 A arte e os saberes das rendas de bilros

tempos de cólera

cruzaram gerações, num processo tão moroso e meticuloso como a notável execução das

6 A linda Ophélia evoca o espírito da Belle

próprias rendas. Na realização desta joia

Époque, os dourados anos 30.

consagramos essas gerações de mulheres, aqui

De formas arredondadas e vestida a rigor,

representadas por três pendentes reproduzindo

com adornos de bilros e penas, a escultura

as rendas de bilros, simbolicamente guardadas e

transmite-nos a luxúria e o encanto de um

preservadas para a posteridade num elemento

período de glamour em que a renda é um

esférico, símbolo de perfeição.

elemento rainha.

3 Manter a forma pela carga simbólica e

7 Evoca-se os bilros como ferramenta das

afetiva do bilro e improvisar novas dimensões e

Rendas. A sua suspensão sobre a taça, criando

usos, foram os prossupostos deste trabalho.

a ilusão de gotas, transmite a leveza do

Experimentação e descoberta para criar

rendilhado. Os materiais escolhidos estão

peças que pelas novas funcionalidades que

simbolicamente ligados à perspectiva

adquirem se mantém no campo

antropológica e estética desta Arte, realçando a

visual do nosso quotidiano, condensando

passagem deste saber-fazer de geração em

valores e preservando tradições que dão

geração e a sua relação com Vila do Conde,

sentido à vida. Um porto à saúde das

onde a água é elemento sempre presente.

3

rendilheiras e aos 35 anos da FNA.

4 Botas desenhadas a partir da bota tradicional de pescador, em tons de azul profundo numa alusão ao mar, onde sobressai a renda de bilro, na orla simbólica como linha de horizonte que separa o mar do céu.

4


35ª FNA 09

PEÇAS INSPIRADAS... 5

As Rendas de Bilros como fonte de inspiração No ano em que as Rendas de Bilros

Com ou sem Rendas de Bilros, foram

Conforme previsto no regulamento as

constituem o tema central da 35ª edição

inúmeras as inspiradas peças

peças apresentadas a concurso, por

da Feira Nacional de Artesanato, a

apresentadas a concurso. A resposta

meia centena de participantes, dão lugar

organização lançou a artesãos, designers

dos artesãos e criadores nacionais foi

a uma exposição/venda que decorrerá no

e outros criativos o desafio de se

ampla e muito diversa, tendo surgido

recinto da feira de 21 de Julho a 5 de

inspirarem nas rendas de Vila do Conde

peças de azulejaria, ourivesaria, em vidro,

Agosto

para produzirem peças originais nos mais

mármore, madeira, cerâmica, joalharia,

Este concurso deu lugar, igualmente, à

diversos materiais, candidatando-as ao

ferro, enfim, numa ampla diversidade de

publicação de um catálogo, disponível na

Prémio FNA.

materiais e de formas. A originalidade e

loja do certame.

criatividade dos participantes foi rica e O regulamento do concurso para

densa na sua ligação às raízes culturais.

mote “As Rendas de Bilros como Fonte

Foram muitos os artesãos, aqueles que

criatividade, valor estético,

de Inspiração”, previa duas modalidades:

tratam a feira por tu pela assiduidade

enquadramento da temática proposta,

uma para peças que incorporassem

com que têm marcado a sua presença

qualidade de execução, design e valor

Rendas de Bilros e uma outra em que

neste certame, que não fugindo à

funcional, no decorrer desta exposição e

estas fossem somente objeto de

temática do concurso, decidiram

atribuirá os prémios previstos no

figuração.

executar peças alusivas aos 35 anos da

regulamento.

Feira Nacional de Artesanato. 6

Peças que pela sua conotação identitária e pela sua criatividade, nomeadamente ao nível da funcionalidade, serão por certo um marco no trajeto do artesanato contemporâneo.

7

O Júri do concurso avaliará as propostas que mais se destacaram pela

atribuição deste prémio, subordinado ao


Menção honrosa 2011

10 35ª FNA

UM OLHAR COMTEMPORÂNEO À VOLTA DAS EXPOSIÇÃO RENDAS DE FOTOGRAFIA “À Volta das Rendas” é o interessante e revelador título da exposição, com inauguração agendada para o dia 27 de Julho, que viajou de França para o Museu das Rendas de

O Auditório Municipal de Vila do Conde acolhe, de 25 de Julho a 5 de Agosto, uma exposição fotográfica que

Bilros, contando com o apoio da Fédération des Dentelles et des Broderies,

resulta duma seleção de alguns dos melhores trabalhos

enriquecendo a programação desta edição da Feira Nacional de Artesanato.

apresentados ao Concurso de Fotografia da Feira Nacional de Artesanato em 2011.

Comissariadas por Armel Barraud, artista que estudou Artes Aplicadas na Escola de Artes Decorativas de Paris, a mostra vai proporcionar ao público português a observação de um conjunto de obras contemporâneas que fazem uso de rendas, nomeadamente de Rendas de Bilros, utilizando diferentes materiais.

Relembre-se que este concurso está aberto ao público em geral, fotógrafos ou amadores, e que “O tema, como não poderia deixar de ser, é o artesanato e ao que de mais “sui generis” se possa passar no decorrer e no espaço da feira.” Ver regulamento na página 14.

Para alguns dos artistas presentes a descoberta das rendas e das suas potencialidades de expressão artística deu-se quando tinham já um percurso artístico feito com a utilização de distintos materiais e técnicas. Outros chegaram à arte contemporânea depois de terem desenvolvido a sua atividade na execução de rendas tradicionais.

Novos instrumentos de análise sobre as rendas de bilros e a arte

Menção honrosa 2011


35ª FNA 11

PROGRAMA DE ANIMAÇÃO

21h30

21 Sábado

Sons d'Outrora VILA NOVA DE GAIA

29 Domingo

Rancho Folclórico da Flor do Monte – Carreira VILA NOVA DE FAMALICÃO

22 Domingo

Rancho Caxineiro VILA DO CONDE

30 Segunda

Rancho Folclórico Santiago de Silvalde ESPINHO

23 Segunda

José Flávio Ensamble PORTO

31 Terça

Grupo de Cantoria da Associação ARADUM MARCO DE CANAVESES

24 Terça

Grupo Etnofráfico do Orfeão de MATOSINHOS

01 Quarta

Rancho da Praça - Rendilheiras de VILA DO CONDE

25 Quarta

Associação Cultural e Recreativa do Rancho do Monte VILA DO CONDE

02 Quinta

Grupo Folclórico Etnográfico de Santa Marinha de Crestuma VILA NOVA DE GAIA

26 Quinta

Grupo de Cavaquinhos de Arcos VILA DO CONDE

03 Sexta

Rancho Folclórico da PÓVOA DE VARZIM

27 Sexta

Rancho Etnográfico de São Tiago de Bougado TROFA

04 Sábado

Tuna de S. Martinho de Pindo PENALVA DO CASTELO

28 Sábado

Grupo Folclórico de Escalos de Cima CASTELO BRANCO

05 Domingo

Grupo Folclórico da Ponta do Sol MADEIRA

JORNADAS GASTRONÓMICAS 21 SAB

22 DOM

23 SEG

24 TER

25 QUA

26 QUI

27 SEX

28 SAB

RIBATEJO / ESTREMADURA

BEIRAS / INTERIOR

DOURO LITORAL

ALENTEJO

Salada de bacalhau à moda da Costa da

Fritos de abóbora, beringelas e xerovias

Tripa enfarinhada

Tábua de enchidos

Caparica

Caldo de castanhas de Sernancelhe

Mexilhões do Convento de Santa Clara

Patanisca de espargos bravos

(Vila do Conde)

Linguiça frita com azeitonas de Elvas

Sopa de peixe do “nosso mar”

Sopa de cação

Petinga das Caxinas com farinha de pau

Bacalhau à moda de Porto Covo

Toucinho frito com migas de pão de milho Sopa de cadelinhas

Couves do lagar Trutas abafadas

Galhofas com bacalhau Fataça à moda de Salvaterra

Vitela assada à moda de Lafões

Bacalhau à Zé do Pipo Borrego do Monte com batatas novas de

Torresmos da Beira (Oliveirinha – Tábua) Arroz de pato de Santa Cita – Tomar Lombo de porco assado no espeto à

Peras bêbadas

moda de Escaroupim

Queijo da Serra da Estrela

Tripas à moda do Porto

S. Lourenço

Carne à São Gião

Carne frita de Odemira Migas de azeite do Baixo Alentejo

Doces do Convento de Stª Clara de Vila Misto de doces conventuais

Espera-marido

do Conde

Pudim das Madres

Vinho quente de Vila do Conde

29 DOM

30 SEG

31 TER

01 QUA

02 QUI

03 SEX

04 SAB

05 DOM

ALGARVE

MINHO

TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO

BEIRA LITORAL

Ervilhas à portimonense

Bolinhos de bacalhau com feijão- frade

Cogumelos recheados

Cebolinhas em fio de azeite

Azeitonas de sal

Caldo verde

Pataniscas de legumes

Mexilhões à moda de Aveiro

Caldo de cebola

Sopa seca de couve-nabo

Sopa seca de bacalhau

Raia com molho de Pitau

Arroz de polvo com filetes do mesmo

Caldeirada

Creme de camarão Bacalhau à Moita Lulas cheias à Monchique

Pescada à Vianense

Atum estufado Cozido de grão à Algarvia

Cozido à Portuguesa

Charriscos da matança

Cabrito à Serra d’Arga

Lombo de vaca maronesa à moda de

Leitão assado à moda da Bairrada

Agunchos

Cabidela de leitão

Mexidos de mel à moda de Cerva

Charcada à moda de Coimbra

Mijadinhas de Vila Real

Rabanadas douradas

Javali da serra em vinho tinto Leite creme Queijinhos de amêndoa Figos cheios

Chila à moda da Venda Velha


12 35ª FNA

RENDAS DE BILROS CONCURSO/EXPOSIÇÃO/VENDA Para celebrar condignamente esta arte

de Bilros tem o direito de opção de

com séculos de existência a organização

compra para assim enriquecer o seu

do certame decidiu reeditar o “Prémio

acervo.

Joana Maria de Jesus”, um concurso/exposição/venda de rendas de bilros subordinado a um tema concreto.

Esta iniciativa que promove as Rendas de Bilros em Vila do Conde no panorama do artesanato nacional, homenageia também

Assim, para esta edição, foi decidido

a figura de Joana Maria de Jesus,

propor às rendilheiras vila-condenses a

rendilheira de Vila do Conde que, em

execução de um “Pano de tabuleiro

1749 é escolhida pelas suas pares para ir

retangular”, em que apenas podiam ser

a Lisboa contestar a pragmática de D.

utilizadas duas cores e tendo como

João V que proibia o uso de rendas. O

medida máxima 30x50 centímetros

objetivo do rei era reduzir a ostentação e

Como era de algum modo previsível,

atravessava uma grave crise económica

o luxo numa época em que o país

numa altura em que as Rendas de Bilros

mas, com isso, estava a colocar em

de Vila do Conde, estimuladas pelas

causa a sobrevivência das rendilheiras de

múltiplas iniciativas empreendidas

todo o país. A missão de Joana Maria de

ganharam um novo fôlego, foram muitos

Jesus, a que se juntaram outras

os trabalhos a concurso, dificultando

iniciativas no mesmo sentido, teve o êxito

assim a tarefa do Júri que selecionou os

desejado, levando o Rei a proibir, apenas,

trabalhos a expor. Apesar de se

a importação de rendas.

destinarem a venda o Museu das Rendas

www.rendasdebilros.com Tendo como objetivo potenciar a divulgação da renda de bilros e a sua história, a Associação para Defesa do Artesanato e Património de Vila do Conde, criou um novo interface, procurando assim atingir públicos que privilegiam os formatos digitais. Divulgação / História / Loja Online


35ª FNA 13

FNA 2011 EM IMAGENS total de 508 trabalhos. O júri do concurso congratulou-se com a qualidade técnica da maioria dos trabalhos

2º Prémio - preto e branco

Os amantes da fotografia mais uma vez responderam ao desafio lançado pela FNA. Em 2011 o concurso Fotográfico contou com 76 concorrentes que apresentaram um

1º Prémio - preto e branco

mas entendeu, por unanimidade, não atribuir o 1.º prémio na categoria de “Cor”, por considerar que nenhuma fotografia se destacou de forma determinante nesta categoria. Na categoria a cor os premiados foram Daniel Castro, com “Mãos rudes de trabalho”, 2º Prémio e Hugo Miguel Carvalho com “Escultura”, 3º Prémio, tendo ainda sido atribuídas oito Menções honrosas. Na fotografia a preto e branco o 1º Prémio foi para Licínio Cardoso pelo trabalho “Light in the shadows”, enquanto Helena Maria Fernandes Flores, os 2.º e 3.º prémios, respetivamente com “Alicia II” e “Piano”, tendo sido ainda atribuída uma Menção Honrosa ao trabalho Dulce – Helena Maria Fernandes Flores.

3º Prémio - cor

2º Prémio - cor

3º Prémio - preto e branco

Menções honrosas


14 35ª FNA

CONCURSO FOTOGRÁFICO

SABOREAR PORTUGAL

REGULAMENTO

XIV FEIRA DE GASTRONOMIA

Como já vem acontecendo desde 1991, a organização da F.N.A. promove um

O Verão em Vila do Conde é sempre animado e multifacetado. Assim, pouco depois

concurso fotográfico aberto a trabalhos a cor ou a preto e branco.

do adeus à Feira de Artesanato os jardins da Av. Júlio Graça voltam a encher-se de

O tema, como não poderia deixar de ser, é o artesanato e ao que de mais “sui generis”

stands para receberem, entre 17 e 26 de Agosto, a 14.ª Feira da Gastronomia, onde

se possa passar no decorrer e no espaço da feira. Para os que ainda não conhecem,

um conjunto de restaurantes e tasquinhas prometem saciar os mais exigentes apetites.

aqui fica o regulamento. A Cozinha Portuguesa, na sua ampla diversidade de produtos e sabores, estará ali 1. TEMA

Um segundo envelope, fechado, indicando

Livre nos procedimentos técnicos a empregar,

no exterior o pseudónimo do concorrente e no

deverá obedecer ao tema genérico “Feira

seu interior:

Nacional de Artesanato 2012”, registando quaisquer pormenores, situações ou

Nome completo do concorrente, morada,

toda concentrada e a reclamar várias visitas para uns petiscos alentejanos ou algarvios, uma jantarada com sabores transmontanos, um desvio até às beiras, enfim, uma oferta ampla que pretende oferecer a todos os que ali se deslocarem uma verdadeira volta gastronómica a Portugal sem sair de Vila do Conde.

n.º contribuinte e telefone e data de nascimento.

acontecimentos, etc., desde que ocorridos

Ali, com o mar aos pés, vai, certamente, valer a pena saborear um bom peixe. Mas

dentro da feira, nomeadamente peças de

5. PRÉMIOS

artesanato, artesãos, público, folclore ou

Fotografias a cor e a preto e branco, em ambas

gastronomia.

as modalidades: 1º Prémio – 750 euros

não faltarão igualmente propostas em que a carne será o centro das atenções. Marcarão igualmente presença os enchidos de diferentes proveniências, queijos com

2. CARTÃO DE IDENTIFICAÇÃO

2º Prémio – 400 euros

distintos paladares, pães variados, doces e biscoitos, azeites e vinagres, vinhos,

Os concorrentes poderão levantar no

3º Prémio – 200 euros

espumantes e outros néctares, um sem número de produtos para degustar no local ou para levar para casa e ir prolongando o prazer ao longo do ano.

Secretariado o Cartão de Identificação, para poder circular no recinto da Feira, não podendo

O Júri reserva-se o direito de não atribuir qualquer

deste modo ser impedidos de fotografar quer as

um dos prémios, assim como de decidir a

peças expostas, que os artesãos que se

atribuição de menções honrosas, cujo valor será

encontram a trabalhar.

de 75 euros. Serão entregues diplomas de participação aos concorrentes seleccionados

3. OBRAS

para a exposição final.

Não é permitida a fotografia manipulada. Para a modalidade cor a medida dos trabalhos a

6. JÚRI

concurso, deverá estar compreendida entre

As decisões do Júri são inalteráveis. Os trabalhos

20cm (limite mínimo) e/ou 45cm (limite máximo).

premiados ficam propriedade da Câmara

Para a modalidade Preto e Branco, as medidas

Municipal de Vila do Conde, a qual se reserva o

dos trabalhos a concurso, deverão estar

direito de os poder reproduzir ou expor sempre

compreendidas entre 18cm (limite mínimo) e/ou

que entenda conveniente. Todos os trabalhos

40cm (limite máximo). Cada concorrente só

poderão ser exibidos numa exposição montada

poderá apresentar um máximo de 10 (dez)

para o efeito. Os trabalhos não premiados

trabalhos a concurso, independentemente da

deverão ser levantados, nos Serviços de Turismo,

modalidade a que concorre.

após a Exposição anunciada no ponto 6 do Regulamento e por um período de 12 meses,

4. PRAZOS E FORMAS DE ENTREGA

findo o qual passarão a ter o mesmo tratamento

Os trabalhos a concurso deverão ser entregues

dos trabalhos premiados.

ou enviados para o Posto de Turismo de Vila do Conde (Rua 25 de Abril, n.º 103 - 4480-722 VILA

7. EXPOSIÇÃO

DO CONDE) até ao dia 15 de Setembro de 2012.

Os trabalhos serão expostos no decurso da

Poderão ser enviadas por correio registado para a

edição da Feira Nacional de Artesanato de 2013.

morada acima indicada. O envelope, onde deverá

São 10 dias a dedicar aos prazeres da mesa. Para deixar que os sentidos se deleitam

escrever-se “Concurso Fotográfico F.N.A. 2012”

Quaisquer informações podem ser solicitadas no

deverá conter: fotografias montadas numa

secretariado da feira ou telefone: 252 248 473,

cartolina, obrigatoriamente, de cor neutra e nas

fax: 252 248 422 ou e-mail: adapvc@gmail.com

dimensões de 50cm x 70cm. No verso de cada trabalho deverá colocar-se: Título Pseudónimo com que concorre (este pseudónimo será o mesmo para todos os trabalhos apresentados pelo mesmo concorrente).

com as múltiplas propostas que restaurantes e tasquinhas terão para oferecer. Vai valer a pena esperar. Mas é melhor marcar desde já na agenda para não se esquecer que de 17 a 26 de Agosto é tempo de voltar a Vila do Conde para se deleitar com a gastronomia nacional.


35ª FNA 15

CAMPO INVADE A CIDADE É ainda em tempo de Verão, entre .... e .... de Setembro, que os jardins da Av. Júlio Graça recebem um outro evento que se vai consolidando na tradição vila-condense: a Feira de Atividades Agrícolas, que vai já na sua nona edição. Durante quatro dias o campo invade a cidade. Mesmo sem recorrerem às agora tão comuns redes sociais para marcarem encontro, muitos animais deixam durante momentos os seus habitat naturais para se mostrarem ao público citadino, dando-se assim a conhecer melhor e chamando a atenção para a importância do campo na vida de todos nós. Esta “manifestação” pacífica visa, naturalmente, promover as potencialidades agro-pecuárias de Vila do Conde, um concelho que concilia a vertente urbana com uma importante área rural. Esta vertente mais profissional alia-se a uma outra, de natureza pedagógica, promovendo o contacto do público mais jovem com realidades que desconhece. Numa mostra em que participam empresários agrícolas e diversas instituições ligadas ao sector, não faltarão produtos da terra e animais em exposição. Mas haverá também espaço para atividades paralelas que contribuirão para trazer maior animação ao certame, como corridas de galgos, demonstrações de ordenha, atividades equestres, venda de produtos da terra e várias outras ações que prometem contribuir para o reforço da notoriedade que a Feira de Atividades Agrícolas de Vila do Conde já alcançou.


PUBLICIDADE 06/2012

POR MUITAS VOLTAS QUE A VIDA DÊ, ESTAMOS SEMPRE AO SEU LADO. Tal como o sol se põe para no dia seguinte se erguer, também as más notícias são sucedidas pelas boas, numa sequência que não termina. É por isso que nos juntamos. Por muitas voltas que a vida dê juntos estamos sempre ao seu lado, porque somos um Banco Cooperativo. Visite-nos e descubra as vantagens em ser nosso Cliente. Soluções: Poupança | Crédito | Investimento | Protecção | Reforma Particulares | Comércio e Pequenos Negócios | Empresas

Para mais informações consulte:

Linha Directa 808 20 60 60 Atendimento 24h por dia. Personalizado de 2ª a 6ª feira das 8h30 às 23h30 e Sábados, Domingos e Feriados das 10h às 23h.

www.creditoagricola.pt


Jornal Oficial da 35ª FNA Vila do Conde