Page 1

A BATALHA PELAS FOLHAS SAGRADAS TEXTO: FLÁVIO JOSÉ ROCHA DA SILVA ILUSTRAÇÕES: ROSALI INES PALOSCHI


Silva, Flávio José Rocha da A batalha pelas folhas sagradas/Flávio José Rocha da Silva; Ilustrações: Rosali Ines Paloschi – 1ª Ed. - São Paulo: Edição do Autor. 2017 ISBN E-BOOK: 978-85-922818-0-9 Ficção - Literatura infantojuvenil I. Meio Ambiente, II. Título.

2


Este ĂŠ o elefante branco. Ele pensa que ĂŠ o chefe da floresta.

Cada floresta tem um elefante branco que tem o domĂ­nio sobre todos os outros animais.

3


Esta é Maria. Ela acredita que formigas não tem valor algum e que o elefante branco é o verdadeiro chefe da floresta. Maria faz tudo o que o elefante manda, pois ela tem muito medo dele.

- Todas as florestas tem muitas formiguinhas. Somos pequenas, frágeis e trabalhamos muito. Eu preciso tomar muito cuidado para não ser pisoteada pelos outros animais. Já vi muitas formigas serem mortas e tenho medo de que o mesmo aconteça comigo. Vida de formiga não é fácil!

4


Todos os dias o elefante branco diz aos tamanduĂĄs:

- TamanduĂĄs, vigiem as formigas e vejam se elas estĂŁo cumprindo todas as minhas ordens.

5


A única coisa que alegra Maria é quando ela chega em casa no final do dia e se encontra com as amigas. Algumas vezes elas vão para o grande buraco e fazem uma festa.

- E aí amiguinhas, vamos ver televisão e aprender a nova dança da moda? Assim nós não faremos feio no próximo Festival das Folhas em fevereiro.

6


O que Maria não sabe é que o elefante branco não tem todo o poder que ela imagina, pois ele é dominado pela águia.

- Eu vejo tudo o que acontece na floresta quando estou voando e por isso sou muito bem informada. O elefante branco sabe disso e ele sempre faz tudo o que eu quero em troca das informações que eu lhe passo para que ele governe este lugar.

7


Sempre que a águia conversa com o elefante branco, ela faz questão de deixar bem claro que ele só tem poder por causa da ajuda dela.

- Lembre-se de que eu passo todas as informações sobre os bichos que não gostam de você para que você possa dar um fim neles. Não tente impedir que eu me aposse de qualquer coisa desta floresta.

8


Um dia, a águia decidiu que queria as folhas da única árvore sagrada da floresta somente para ela e para as suas amigas.

- Não permita que nenhum outro animal chegue perto da árvore sagrada. Apenas eu e as outras águias comeremos as folhas daquela árvore a partir de hoje.

9


A formiga Maria e as suas amigas comiam as folhas daquela árvore todos os dias. Quando a árvore sagrada passou a pertencer somente a águia, as formigas tinham que caminhar uma longa distância para conseguir comida. Isso não era um problema para alguns animais, como o macaco Charles, pois ele trabalhava para o elefante branco e podia comprar as folhas vindas de outras florestas. - Eu não tenho dinheiro e não trabalho para o elefante branco, como você. Consegui estas folhas bem longe daqui. Não aguento mais caminhar tanto para conseguir comida. - Você parece cansada. Por que você não compra folhas de outra floresta como eu faço?

10


Cansada de tanto caminhar para conseguir comida, Maria teve uma ideia.

- Acho que a águia conseguiu a permissão para ter a árvore somente para ela porque ela é elegante. A partir de hoje eu vou me vestir como a águia para enganar o elefante branco. Ele nem vai perceber quando eu pegar algumas folhas para mim. Irei sozinha, pois as minhas amigas não sabem vestir-se com elegância e eu devo pensar somente em mim neste momento. É uma questão de sobrevivência.

11


No dia seguinte, Maria começou a se comportar de modo estranho. Primeiro ela passou a vestir roupas diferentes. Depois começou a imitar a fala da águia. Por fim, não queria mais caminhar com as outras formigas pela floresta.

- Hello friends! Please, não falem comigo na frente dos outros animais. Não quero que saibam que somos amigas.

12


Certa manhã, Maria decidiu que era chegado o momento de saber se o seu plano daria o resultado esperado. Ela foi até a árvore sagrada e pegou algumas folhas para levar para o seu buraco. A águia, que estava voando por ali naquele momento, viu aquela criatura minúscula em sua árvore e correu para avisar ao elefante branco sobre o que acabara de ver.

- Elefante, seu incompetente, seus tamanduás não estão vigiando a minha árvore e tem uma formiga invasora roubando as minhas folhas. Mande matá-la imediatamente para que as outras formigas não tentem fazer o mesmo.

13


O elefante branco chamou o seu subordinado, o macaco Charles, e deu ordens para que prendesse quem estava fazendo desordem e desrespeitando as leis que ele criou para a floresta.

- Chaaaaaarles! Prenda aquela formiga desobediente. - Sim, irei agora mesmo Majestade.

14


Na manhã seguinte quando Maria estava novamente pegando algumas folhas sagradas, o macaco Charles chegou seguido pelos tamanduás e a surpreendeu dando voz de prisão. Enquanto os tamanduás começaram a amarrar as pernas de Maria, Charles gritava para ela:

- Formiga invasora, você está presa por desobedecer as leis e quebrar a ordem da nossa floresta!

15


Quando Maria viu a confusão em que estava metida, tentou explicar ao macaco Charles porque estava fazendo aquilo.

- Você conhece a lei e sabe que é proibido comer as folhas sagradas desta árvore. Tudo que o elefante faz é para o desenvolvimento da nossa floresta. Você deveria comprar folhas como eu e os meus companheiros tamanduás.

- Mas eu já lhe disse que não tenho dinheiro. Se a águia decidir que a água do nosso rio pertence a ela, sabe o que vai acontecer? O senhor não poderá matar a sua sede aqui na floresta. Se o Senhor perder este emprego, entenderá porque estou fazendo isto.

16


Aquela conversa mexeu com o macaco Charles e ele decidiu não prender Maria. Voltou para o palácio do elefante branco para conversar com ele. - Não consegui prendê-la, Majestade. A coitada não tem dinheiro e nem um emprego e por isso desobedeceu as leis da floresta. Isso pode acontecer com qualquer animal.

- Este é o sistema. Se você não estiver contente, outros macacos podem substituí-lo no seu trabalho. Amanhã eu mesmo irei esmagar aquela formiguinha invasora para dar o exemplo.

17


Ao voltar para o seu buraco, a formiga Maria contou tudo o que aconteceu para suas amigas.

- Peço perdão por negar as minhas origens de formiga e me afastar de vocês. Proponho que amanhã peguemos as folhas sagradas, pois elas também nos pertencem. Juntas teremos mais força para enfrentar os tamanduás.

- Vai ser muito perigoso! Não sei se tenho coragem para ir. Muitos tamanduás estarão lá para proteger a árvore.

Eu vou!

18


No dia seguinte, muitas formigas foram até a árvore sagrada juntas. Quando estavam pegando as folhas, elas foram surpreendidas pelo elefante branco.

- O que vocês pensam que estão fazendo? Vocês sabem que a lei deve ser cumprida para o desenvolvimento da floresta. Vocês têm que entender que a águia é um animal de grande importância para manter o equilíbrio e a paz aqui e por isso ela tem o direto de ter a árvore somente para ela.

- Se a águia tem o direito a estas folhas sagradas, nós também temos. A árvore sagrada é nossa também.

19


O elefante branco ficou furioso e decidiu mostrar o seu poder esmagando uma das formigas. Ele pensou que matando uma delas, todas as outras ficariam amedrontadas e isso faria com que elas fugissem.

- Tome isto sua formiga desordeira!

- Ele matou Clara. Cuidado com este monstro!!!

20


Foi entĂŁo que Maria recordou uma frase que alguĂŠm falou certa vez.

- Formigas amigas, todo poderoso tem um ponto fraco.

21


Maria correu até o elefante e mordeu a perna dele pensando que lá estava o seu ponto fraco, mas o elefante sentiu apenas uma pontada e olhou para ela com desdém. Quando as outras formigas viram o que Maria fez, todas correram ao mesmo tempo para cima dele.

- Vamos todas atacá-lo de uma só vez! Ele não vai aguentar tantas mordidas ao mesmo tempo.

22


Depois de escalarem aquele corpo enorme, todas elas começaram a mordê-lo. A princípio ele não sentiu muita dor, mas depois de um tempo ele começou a perder as forças até que escorregou pelo barranco, caiu no rio que estava ao lado da árvore e foi levado pela correnteza para bem longe.

- O que é isso? Formigas miseráveis! Estão me mordendo. Ai! Ai! Aii! Vou cair, vou cair. Socooorro!!!!

23


Quando perceberam que o elefante branco estava sendo carregado pelo rio, as formigas começaram a celebrar.

- Vencemos! Vencemos! Formigas unidas, jamais serĂŁo vencidas!

24


O macaco Charles, que estava escondido e viu tudo o que aconteceu, correu para parabenizar as vencedoras e dar a sua opinião.

- Maria para governadora!

- Parabéns formigas! Agora temos um problema. A floresta precisa urgentemente de um novo comandante ou então cada animal fará o que quiser e este lugar será um caos. Eu sugiro que Maria seja a nova governadora da floresta.

25


A águia, que assistia a tudo lá do alto, decidiu descer para também felicitar as formigas. - Parabéns Maria! Você foi muito corajosa. Agora eu vou trabalhar para você. Conte comigo para o que precisar.

- Fora daqui, já! Você não quer nos ajudar, você quer apenas mandar em todas nós e tirar proveito da nossa floresta. Você causou todos os nossos problemas e não é bem vinda aqui. E não tente nos espionar. Não temos medo de você e de suas amigas águias. Fora já daqui!

26


E Maria vendo a รกguia voar para longe, gritou bem alto para as suas amigas formigas.

- A partir de hoje a รกrvore sagrada pertence a todos os bichos que vivem aqui. A nossa floresta serรก governada por um Conselho dos Animais.

27


Todas as formigas começaram a cantar para celebrar a vitória sobre o elefante branco e sobre a åguia. TambÊm comemoravam o fato de que a floresta seria comandada por um Conselho dos Animais. Finalmente todos teriam o direito de partilhar o poder e organizar a floresta da maneira como desejassem.

Viva! Viva! Viva!

28


Sobre os autores: Flávio José Rocha da Silva, paraibano, é Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP. Desenvolve trabalho como educador popular, terapeuta holístico e multiplicador do Teatro do Oprimido. É autor de Dom Helder Câmara: meditações pela integridade da criação (Sal da Terra, 2010). Rosali Ines Paloschi, catarinense, é pedagoga. Fez pós-graduação Lato Sensu em Abordagem transdisciplinar: Ecologia, Educação e Teologia no Instituto Teológico Franciscano – Petrópolis. Atua no Projeto Semear o Bem no bairro Jardim Capela, em São Paulo.

29

A Batalha pelas folhas Sagradas  

Em uma floresta distante viviam um elefante branco mandão, uma formiga muito trabalhadora chamada Maria, uma águia egoísta e outros animais....

Advertisement