Page 1

Hélio Luís Jorge Abade Monica Mindelis Patrícia Oliveira Ricardo De Campos Sara Maia

PALIMP SESTOS


PALIMP SESTOS HÉLIO LUÍS (n.1980) JORGE ABADE (n.1974) MONICA MINDELIS (n.1978) PATRÍCIA OLIVEIRA (n.1983) RICARDO DE CAMPOS (n.1977) SARA MAIA (n.1974)

28 de setembro a 16 de novembro de 2019 September 28 to November 16, 2019

PALIMPSESTOS

| 01


TECHNICAL INFORMATION

Palimpsestos Exposição Coletiva // Collective Exhibition 28 de setembro a 16 de novembro, 2019 September 28 to November 16, 2019

Artistas // Artists Hélio Luís Jorge Abade Monica Mindelis Patrícia Oliveira Ricardo de Campos Sara Maia Curadoria // Chief Curator Helena Mendes Pereira Comunicação // Head of Communication Catarina Martins Comunicação e Produção // Communication and Production Vanessa Ribeiro

Tradução // Translation Rita Oliveira // Photography and Video

// Catalog Print

// Number of Copies 300 exemplares // 300 copies

02 | PALIMPSESTOS


PALIMP SESTOS

E pronto, não tenho mais a dizer, julgo que estamos perto do fim porque a chuva abrandou e nenhum som nas telhas, gotas que rareiam talvez, nuvens mas insignificantes, altas, não ameaçando ninguém, tudo se transforma à minha volta e não me refiro à casa somente, ao meu passado onde novas memórias sem relação com as anteriores se demoram um momento e vão-se, uma senhora a rir e os braços cheios de duplos queixos, tanto prazer naquele corpo enorme e eu a bater palmas feliz, pedaços de recordações que a cabeça ilumina tornando a perdê-los sem que me despeça deles, serei uma criatura a sério ou uma invenção de quem escreve, uma marioneta, se calhar pensou. 1

Que Cavalos São Aqueles Que Fazem Sombra no Mar? é um romance complexo de António Lobo Antunes (n.1942) que versa sobre a estória de uma família, camuflada no desvio, no vício, no perjúrio e na infelicidade, pela aparência dada pela riqueza e pela propriedade. Avassalador e sagaz, o escritor manipula o leitor que, ao longo de 375 páginas não sabe o que é a verdade, a mentira, e muito menos sabe de que lado posicionar-se sobre estas personagens que se escondem, em ações e mentiras, do terrível confronto com o que realmente são. De onde viemos? O que somos? Para onde vamos? (D’où Venons Nous / Que Sommes Nous / Où Allons Nous) eram já as perguntas que Paul Gauguin (1848-1903) fazia, em 1897, no seu óleo sobre tela de 139×375cm, porque talvez fosse e seja este o caminho interior que falta à espécie, de forma generalizada, no exercício sempre doloroso de sermos muito para além daquilo que parecemos. Como escreveu Rosa Montero (n.1951): “A cultura é um palimpsesto e todos nós escrevemos sobre o que os outros já escreveram.”2 E o que pode a Arte sobre a verdade? Continua Rosa Montero: “O processo de sociabilização, aquilo a que chamamos educar, ou amadurecer, ou crescer, consiste precisamente em podar as florescências fantasiosas, em fechar as portas do delírio, em amputar a nossa capacidade de sonhar acordados; e ai daquele que não saiba selar essa fissura com o lado de lá, porque provavelmente será considerado um pobre louco.”3 Devolvo: e a Arte encontra a verdade? Talvez. Pelo contrário, como escreveu Gaston Bachelard (1884-1962), a imposta azáfama, a imposta competição, o imposto consumo e outras imposições sociais da pós-modernidade, nomeadamente as que dizem respeito à moral e aos bons costumes de uma persistente e resistente oligarquia feudal, disfarçada de tolerância e democracia, impedem-nos de tomar o livre pensamento como primeira premissa existencial. Ao contrário, a vida ativa, a vida animada pela função do real, é uma vida fragmentada, fragmentada fora de nós e em nós. Ela nos atira para fora de todas as coisas. Então, estamos sempre fora. Sempre em face das coisas, em face do mundo, em face dos homens de humanidade variegada. Salvo nos grandes dias dos amores verdadeiros, salvo 1

ANTUNES, António Lobo – Que Cavalos São Aqueles Que Fazem Sombra No Mar? Alfragide: Publicações Dom Quixote, 2009. Página 251.

2 3

MONTERO, Rosa – A Louca da Casa. Lisboa: Livros do Brasil, 2016. Páginas 14 e 15. MONTERO, Rosa – A Louca da Casa. Lisboa: Livros do Brasil, 2016. Página 15. PALIMPSESTOS

| 03


nas horas do Umarmung4 novalisiano5, o homem é uma superfície para o homem. O homem oculta a sua profundeza.”6 Palimpsesto é, do grego antigo original, reescrever, raspar e escrever por cima, numa referência mais direta a um pergaminho ou papiro que, já entre os séculos VII e XII, era raspado com pedra-pomes para que fosse reaproveitado. Justificada pelo elevado custo do suporte, tal prática levou à perda de uma parte considerável de textos greco-romanos, ao mesmo tempo que inscrevia na matéria natural uma nova camada de informação, camuflando a anterior, ainda que não fosse possível a sua eliminação total. A reescrita era uma nova verdade que ignorava o pensamento anterior pré-cristão, procurando instituir uma nova ordem, com uma nova classe no domínio do poder. Em pleno século XXI, e num (des)alinhamento do caminho feito pela Humanidade, hoje em velocidade cruzeiro, tudo é máscara: a informação veiculada pelos meios de comunicação social e pelas redes sociais, por exemplo, é manipulada para alarmar ou aligeirar o real. Cada um de nós quer revelar o melhor de si, partindo do pressuposto que o erro é altamente censurável, quase criminoso, num tempo em que, não obstante as novas liberdades conquistadas, há uma pressão social para que sejamos perfeitos, mesmo que infelizes. Por mais que uma pessoa se esforce em contrário, a vida é passada na companhia da incerteza. Cada decisão tende a permanecer arbitrária; ninguém estará livre de riscos e seguro contra o fracasso e desapontamento posteriores. Para cada argumento em favor de uma escolha, podemos encontrar um contra-argumento não menos considerável. Independentemente do brilho da nebulosa, ele não nos vai proteger contra a eventualidade de sermos forçados a, ou querermos, retornar ao ponto de partida. Ao embarcar na nossa jornada para uma vida decente, digna, satisfatória, valorosa (e, sim, feliz!), tentamos evitar erros e fugir da incerteza confiando numa estrela, escolhida pelo seu brilho tranquilizador, para nos guiar. Tudo isso, porém, só para descobrir que a nossa escolha da estrela-guia foi, no final de contas, a nossa escolha, cheia de riscos como todas as escolhas, feita por responsabilidade nossa, até ao fim…7 Zygmunt Bauman (1925-2017) deixa o alerta mas por mais que se beba a sociologia, sabemos que não nos é permitida a incerteza, a inquietude ou a dúvida, mesmo que sacrificando a felicidade e, como escreveu Marcel Proust (1871-1922), algures em Em Busca do Tempo Perdido (1914-27), “Tornamo-nos morais quando somos infelizes.” PALIMPSESTOS, enquanto exercício de curadoria é, primeiro que tudo, um combate de armas em punho, à falsa moral e aos moralistas de algibeira. PALIMPSESTOS é, também, um processo de compleição estética de camadas de experiências e das (in)verdades que a pós-modernidade nos convida, quotidianamente, a ver. Nada

4 5

Palavra em alemão para “abraço”.

Novalis, pseudónimo de Georg Friedrich Philipp Freiherr von Hardenberg (1772 – 1801), foi um poeta, teólogo, filósofo e escritor alemão. 6 7

04 | PALIMPSESTOS

BACHELARD, Gaston – A Poética do Devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 2009. Páginas 156 e 157. BAUMAN, Zygmunt – A Arte da Vida. Lisboa: Relógio de Água, 2008. Páginas 78 e 79.


é o que parece e o que é está no subsolo da superficial plêiade de imagens que a urbe despeja à ânsia do nosso olhar. Sara Maia (n.1974), Jorge Abade (n.1974), Hélio Luís (n.1980), Patrícia Oliveira (n.1983), Ricardo de Campos (n.1977) e Monica Mindelis (n.1978) propõem-nos camadas plásticas, de diletância processual entre a pintura, o desenho, a escultura, a instalação, o vídeo e a performance, que abordam a maternidade, o trabalho, a sexualidade, o pós-colonialismo e a visão do outro, a natureza e o sonho, numa tangente e numa ilusão que nos desafia a contemplar, interagir e reagir. O discurso expográfico, desta vez, permite e promove contágios entre protagonistas e propõe reflexões cruzadas sobre questões filosóficas e existenciais macro, mas que, na tendência de vermos o mundo a partir do nosso próprio umbigo, nos parecem de micro escala, apenas nossas, esquecendo-nos que somos a ínfima parte de um todo plural e brutal. Patrícia Oliveira (n.1983) parte da escultura, do lugar de pertença e da relação do corpo com os agentes naturais desse mesmo lugar. No seu trabalho, o caminho é mais importante que o destino e o que nos apresenta integra a (bio)complexidade da natureza e do domínio dos materiais e das tecnologias. Numa leitura transversal que começa com a performance e termina com o vídeo, a lampreia, símbolo do Alto Minho, de onde provém e onde reside, é objeto de contemplação e estudo. Patrícia Oliveira trabalha nas margens do confronto com o fim de vida do animal que atravessa o seu percurso. Estuda-os, descobre-os, esculpe-os e parte da sua sugestão de forma para a obra. Em PALIMPSESTOS combina o cheio das formas do corpo do animal, ora em gesso, cerâmica, sabão ou lã, com o vazio em vidro soprado. O que se esconde é revelado pelo vídeo e amplificado pela performance, perdendo-se o sinestético da descoberta das possibilidades e do confronto destas com a condição ergonómica feminina. A obra é depois devolvida ao habitat do animal e a fotografia acrescenta a camada da alteração de perceção entre o que é e o que parece ser. Hélio Luís (n.1980) expande o pensamento para telas em grande formato onde explora, através do óleo, temáticas pós-coloniais e uma visão do outro que se difundiu, ainda, no Portugal de hoje e que nos faz considerar uma certa e errónea superioridade. Cada tela, de expressivas dimensões, é condicionada pela insatisfação de não se saber a obra acabada, sofrendo o suporte o peso da matéria que se sobrepõe sobre matéria até que, como no caso da série Selva aqui apresentada, os ambientes nos convidem a imergir no cenário. Pintura plena, influenciada pelo plano contínuo do cinema e, ao mesmo tempo, pelas aprendizagens mais clássicas do saber fazer, a paleta tem temperatura e a figuração humana confunde-se com a natureza, sendo luz e sombra ao mesmo tempo. O conjunto de pinturas, técnicas mistas sobre tela, que Ricardo de Campos (n.1977) expõe na zet gallery são resultado da expressão social do seu trabalho ao longo dos últimos anos que tem na mulher e nos seus desafios a sua essência. Lado a lado, o ser sexual e o ser doméstico provocam o espetador. Há desejo e há trabalho; há prazer e há tarefa. No vigor neoexpressionista e experimental que caracteriza a sua obra, Ricardo de Campos é, também, um agregador de resquícios do têxtil e um provocador descomplexado. Há palavras de ordem e há o desenho que se assume, em propostas cada vez mais depuradas e sem medo do erro. A narrativa interrompe-se com a sacralização da queda ou perda do poder totalitário de outrora, tema de profunda atualidade quando o país prepara a musealização do legado do homem por detrás do tempo do medo. PALIMPSESTOS

| 05


Partindo da pintura, Jorge Abade (n.1974) apresenta em PALIMPSESTOS uma quase instalação saturada de pinturas e objetos em que a hiper-realidade se ficciona em combinações de elementos que evocam o corpo, o sexo, o trabalho e que são o ironizar de um modo de ver condicionado que aceitamos sem perguntas. Numa simbiose, tecnicamente exemplar e múltipla, entre a realidade e o ready made, a mão é o elemento predominante e simbólico, que coloca no artista o fazedor do belo e o manipulador da história e das narrativas. Outra das particularidades da participação de Jorge Abade neste exercício coletivo de pensamento, chamado exposição, é a relação estabelecida com as peculiaridades da arquitetura do lugar, num jogo de quase esconde-esconde conceptual que obriga o espectador a multiplicar-se em capacidade de apreensão. Entre as telas circulares, em que universo poético e mágico da sua pintura se evidencia, e o (quase) excesso de objetos que se expandem pelas paredes e chão, que se misturam com a intervenção site specific com tinta e palavras de ordem, o artista apresenta uma quase síntese da sua produção, em muitas situações revista e reconfigurada mas que marcam a profundidade do seu pensamento e a extrema poesia dos seus gestos. É inegável, quando contemplamos a pintura de Sara Maia (n.1974), não referenciarmos Paula Rego (n.1935), da mesma forma que é inegável o reconhecimento do seu intenso domínio do desenho e do poder de uma imaginação que combina, em camadas de estórias para contar, a emergência da maternidade, a convivialidade e as metáforas da vida animal, em acrílicos sobre papel ou tela que são uma viagem superlativa ao mais íntimo de nós. A obra de Sara Maia toca o pagão, quase obsceno, de contos e lendas, quase bíblicos e cuja mensagem exprime sempre uma moral. A artista, quer nas composições mais densas, quer nas de desenho dominante que deixam sentir a respiração do suporte, trabalha uma paleta de luz e deixa antever o seu gesto e a sua corporalidade. As suas imagens inquietam-nos e penetram no desconhecido e não visto; são subterfúgios da obrigação do belo e são objetos anti imaculados. A brasileira Monica Mindelis (n.1978) é, entre os seis protagonistas de PALIMPSESTOS, a que mais se afasta da figuração, ainda que o seu trabalho, profusamente experimental e filosófico, parta de referenciais reais e estabeleça uma ligação clara com as dimensões do seu próprio corpo, como é exemplo o objeto-casulo que se posiciona centralmente na mostra. Partimos dele para a exploração de linhas e fios de diferentes materiais que depois servem de base ao desenho e de definição do conjunto que deambula entre o “sonho de voo” da metapoética de Bachelard e o purgatório de Dante Alighieri (1265-1321). Em PALIMPSESTOS, a artista apresenta um conjunto inédito de trabalhos, que dialogam, nomeadamente, com os de Sara Maia e que reúnem reminiscências conceptuais de tempos e espaços partilhados pelos demais protagonistas. Esta é, assim, uma exposição que revela e esconde, partindo de uma seleção de artistas que deambulam nos caminhos da figuração e que partem de universos filosóficos próximos e, ao mesmo tempo, conceptualmente antípodas. Deve ser lida como um todo de várias partes e, sobretudo, como um grito pela emancipação da verdade invertida que, desatentos, todos ajudamos a proliferar. Ou como escreveu Guy Debord (1931-1994): “Emancipar-se das bases materiais da verdade invertida, eis no que consiste a autoemancipação da nossa época.” 8 Helena Mendes Pereira 8

06 | PALIMPSESTOS

DEBORD, Guy – A sociedade do espectáculo. Lisboa: Antígona, 2012. Página 136.


PALIMP SESTOS

And that’s it. I have nothing more to say, I believe we are coming close to the end because the rain has slowed down and there is no sound on roof tiles, rare drops maybe, clouds though insignificant, high, posing no threat, everything transforms around me and I am not referring to the house only, to my past where new memories with no connection to old ones linger for a moment and vanish, a lady laughing and arms full of double chins, so much pleasure in that huge body and me happily clapping, pieces of memories that the brain rekindles, losing them without me being able to say goodbye, am I a real creature or an invention of the writer, a puppet, he pondered. 1

What Horses Are Those That Shade the Sea? is a complex novel by António Lobo Antunes (born in 1942) that tells the story of a family disguised in deviance, vice, perjury and unhappiness, by the appearance given by wealth and property. Overwhelming and wise, the writer manipulates the reader who, for 375 pages, is unaware of what the truth or the lie is, much less which side to take in regards to these characters who hide, in actions and lies, from the terrible confrontation of their true selves. Where did we come from? What are we? Where are we going? (D’où Venons Nous / Que Sommes Nous / Où Allons Nous) were the questions already asked by Paul Gaugin (1848-1903), in 1987, in his 139x375cm oil on canvas, maybe because that was and still is, in general, the interior path missing from the species, within the painful exercise of always being more than what we appear. As Rosa Montero (born in 1951) wrote: “Culture is a palimpsest and we all write about what others have already written.” 2 What power has Art over the truth? Rosa Montero continues: “The process of socialization, which we call educating, or maturing, or growing, consists precisely in trimming blossoming fantasies, in closing doors to delirium, in amputating our ability to daydream; and unfortunate is the one who cannot seal that fissure for he will probably be considered a poor fool. ” 3 I return: does Art find the truth? Perhaps. On the contrary, as Gaston Bachelard (1884-1962) wrote, the imposed bustle, the imposed competition, the imposed consumerism and other social impositions of the postmodernity, namely those concerning the ethic and good morals of a persistent and resistant feudal oligarchy disguised as tolerance and democracy, prevent us from taking free thought as the first existential premise. On the contrary, active life, the life sparkled by reality, is a fragmented life, both outside and inside us. It projects us outside all things. Hence, we are always elsewhere. Always in the face of things, in the face of the world, in the face of men of variegated humanity. Except in the great days of true love, except in the hours of the Novalisian3 Umarmung5, man is a surface to man. Man conceals his depth.” 6

1

ANTUNES, António Lobo – Que Cavalos São Aqueles Que Fazem Sombra No Mar? Alfragide: Publicações Dom Quixote, 2009. Page 251.

2 3 4

MONTERO, Rosa – A Louca da Casa. Lisboa: Livros do Brasil, 2016. Pages 14 and 15. MONTERO, Rosa – A Louca da Casa. Lisboa: Livros do Brasil, 2016. Page 15.

Novalis, pseudonym of Georg Friedrich Philipp Freiherr von Hardenberg (1772 – 1801), was a German poet, theologian, philosopher and writer.

5 6

Word in german to “hug”. BACHELARD, Gaston – A Poética do Devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 2009. Pages 156 and 157. PALIMPSESTOS

| 07


Palimpsest comes from the original ancient Greek and it means rewriting, scraping and writing over a parchment or a papyrus that, between the seventh and twelfth centuries, had already been scraped with pumice stone to be reused. Justified by the high cost of support, such practice led to the loss of a considerable portion of Greco-Roman texts, while inscribing a new layer of information into natural matter, camouflaging the previous one, even though it could not be completely eliminated. The rewrite was a new truth that ignored previous pre-Christian thinking, seeking to institute a new order, made up of a new class within the realm of power. In the 21st century, and in a (mis) alignment of the path traced by humanity, everything is a mask: the information conveyed by the media and social networks is, for example, manipulated to alarm or lighten reality. Everyone wants to reveal their best on the assumption that error is highly reprehensible, almost criminal, at a time when, despite new conquered freedoms, there is still social pressure to be perfect, even if unhappy. However hard one tries to the contrary, life is lived in the company of uncertainty. Each decision is bound to remain arbitrary; none will be free of risks and insured against failure and belated regrets. For every argument in favour of a choice, a counter-argument, no less weighty, can be found. However bright the light of the nebula might be, it will not insure us against the eventuality of being forced, or the desire to return to the starting point. Tracing a new path to a decent, dignified, satisfying, worthy (and, yes, happy!) life, we try to avoid errors and escape uncertainty by trusting upon a star, chosen for its reassuring brightness, to guide us. All that, however, only soon to find out that our choice of the guiding star was after all, full of risks as all choices are made at our own risk until the end…7 Zygmunt Bauman (1925-2017) warns us but regardless of how much we draw from sociology, we are not allowed uncertainty, restlessness or doubt, even if sacrificing happiness and, as Marcel Proust (1871-1922) wrote, somewhere in In Search of Lost Time (1914-27), “We become moral when we are unhappy.” PALIMPSESTS, as a curatorial exercise, is first and foremost a fight against false morals and moralists. PALIMPSEST is a process of aesthetic organization of layered experiences and (un) truths that the postmodern daily invites us to see. Nothing is what it seems, and what it really is can only be seen underneath the surface of the superficial selection of images that the city feeds our eager eyes. Sara Maia (born in 1974), Jorge Abade (born in 1974), Hélio Luís (born in 1980), Patrícia Oliveira (born in 1983), Ricardo Campos (born in 1977) and Mónica Mindelis (born in 1972) introduce us to plastic layers of processual dilettantism between painting, drawing, sculpture, installation, video and performance, which address motherhood, work, sexuality, postcolonialism and a different outlook, nature and the dream, in a tangent and an illusion that challenges us to contemplate, interact and react. The expographic speech, not only allows and promotes new connections among protagonists but it also proposes cross-reflections on macro philosophical and existential issues, that seem micro to us due to our tendency to see the world from our own perspective, thus forgetting that we are only a very small part of a plural and brutal whole. 7

08 | PALIMPSESTOS

BAUMAN, Zygmunt – A Arte da Vida. Lisboa: Relógio de Água, 2008. Pages 78 and 79.


Patrícia Oliveira (born in 1983) derives from sculpture, from the place of belonging and from the relation of the body with the natural agents of that same place. In her work, the journey is more important than the destination and what she presents to us integrates the (bio) complexity of nature and the mastery of materials and technologies. In a study that begins with performance and ends with video, the lamprey, emblem of the Alto Minho, where it spawns, is the object of study and contemplation. Patrícia Oliveira works on the borders of confrontation with the end of the animal’s life once it reaches its course. She studies them, discovers them, sculpts them. In PALIMPSESTS the artist combines the fullness of the animal’s body shapes, sometimes in plaster, ceramics, soap or wool, with the emptiness of blown glass. The hidden is revealed by the video and is amplified by the performance, losing the synesthetic of the discovery of possibilities and their confrontation with the female ergonomic condition. The work is then returned to the animal’s habitat and photography adds the layer of altered perception between reality and appearance. Hélio Luís (born in 1980) widens views to large-scale canvases where he explores, through the use of oil, postcolonial themes and other people’s outlooks that have spread throughout Portugal today and make us consider a certain and erroneous superiority. Each canvas, of expressive dimensions, is confined by the dissatisfaction of the unfinished work, supporting the weight of matter over matter until, as noticeable in the series SELVA presented here, the environments invite us to immerse in the scenario. Lavish painting, influenced by the evolution of the cinema and, simultaneously by the most classical learnings of savoir-faire, the palette has temperature and the human figuration blends in with nature, becoming light and shadow all at once. The set of paintings and mixed techniques on canvas, that Ricardo de Campos (born in 1977) exhibits in zet gallery are the result of his work’s social expression over the last years that hold its essence in the woman and her challenges. Side by side, the sexual and the domestic being tease the viewer. There is both desire and work; pleasure and labor. In the neoexpressionist and experimental vigor that characterizes his work, Ricardo de Campos is also an aggregator of textile remnants and an uncomplicated inciter. There are slogans and assumed designs in increasingly refined proposals without fear of error. The narrative is interrupted by the sacralization of the fall or loss of the once totalitarian power, a theme of deep relevance when the country prepares for the musealization of man’s legacy behind the time of fear. Starting off with painting, Jorge Abade (born in 1974) presents in PALIMPSESTS an almost saturated installation of paintings and objects in which hyper-reality is fictionalized in combinations of elements that evoke the body, sex and work that are a mockery of a conditioned view we accept without questioning. In a multiple and technically exemplary symbiosis between reality and the ready made, the hand is the predominant and symbolic element that places the artist as the creator of beauty and the manipulator of history and narratives. Something else to note in Jorge Abade’s participation in this collective exercise of thought, called exhibition, is the relationship established with the peculiarities of the place’s architecture, in a game of conceptual almost hide and seek that forces the viewer to multiply in capacity for apprehension. Among the circular canvases, in which the poetic and magical universe of his painting is evident, and the (almost) overflow of objects that expand through PALIMPSESTOS

| 09


the walls and floor, which mix with the site specific intervention with ink and slogans, the artist presents an almost synthesis of his production, in many situations revised and reconfigured but that mark the depth of his thought and the extreme poetry of his gestures. When contemplating the painting by Sara Maia (Born in 1974) it is hard not to reference Paula Rego (born in 1935), in the same manner that we must acknowledge her intense mastery of drawing and her power of an imagination that combines, in layers of storytelling, the urgency of motherhood, conviviality and metaphors of animal life, in paper or canvas acrylics which are a beautiful journey to our innermost selves. Sara Maia’s work touches upon the pagan, nearly obscene, of tales and legends which are almost biblical and whose message always expresses a moral statement. In her densest compositions as in those where the drawing is predominant and allow the support to breathe, the artist works a palette of light and allows us to foresee her gesture and her corporality. Her images disturb us and penetrate the unknown and unseen; they are subterfuges of the obligation for beauty and they are anti-immaculate objects. Brazilian Mónica Mindelis (born in 1978) is, among the six protagonists of PALIMPESTS, the one who moves the furthest away from figuration, even though her work, profusely experimental and philosophical, derives from real references and establishes a clear connection with the dimensions of her own body, as in the example of the cocoon object which is centrally positioned in the display. We stem from it towards the exploration of lines and threads of different materials which then serve as basis to the drawing and definition of the set that wanders between the “air and dreams” of Bachelard’s metapoetics and Dante Alighier’s (1265-1321) purgatory. In PALIMPSESTS the artist presents a set of unique masterpieces which interact namely with Sara Maia’s work and which bring together conceptual reminiscences of times and spaces shared by other protagonists. Hence, this is an exhibition that reveals and conceals, from a selection of artists that wander through the paths of figuration and that depart from both philosophical and conceptually antipodal universes. It must be read as a whole made up of various parts and, above all, as a cry for the emancipation of the inverted truth which we all unknowingly help to proliferate. Or as Guy Debord (1931-1994) once wrote: “Emancipating oneself from the material basis of the inverted truth is ultimately what self-emancipation of our time is all about.” 8 Helena Mendes Pereira

8

10 | PALIMPSESTOS

DEBORD, Guy – A sociedade do espectáculo. Lisboa: Antígona, 2012. Page 136.


n.1980

HÉLIO LUÍS

PALIMPSESTOS

| 011


12 | PALIMPSESTOS


Hélio Luís Selva IV, 2019 Óleo sobre tela Oil on canvas 216 x 186 cm

Hélio Luís Selva V, 2019 Óleo sobre tela Oil on canvas 275 x 200 cm PALIMPSESTOS

| 13


14 | PALIMPSESTOS


Hélio Luís Selva III, 2019 Óleo sobre tela Oil on canvas 370 x 240 cm PALIMPSESTOS

| 15


Hélio Luís Selva VI, 2019 Óleo sobre tela Oil on canvas 210 x 200 cm 16 | PALIMPSESTOS


n.1974

JORGE ABADE

PALIMPSESTOS

| 17


Jorge Abade Abrigo, 2008 Fibra, Resina de polyester, pvc e tinta Fiber, polyester resin, PVC and ink 88 x 82 x 10 cm 18 | PALIMPSESTOS


Jorge Abade Cry! Cry! Cry!, 2008 Série Hang / Hang Serie Aço inox, resina de poliuretano e tinta Stainless steel, polyurethane resin and ink 137 x 18 x 14 cm PALIMPSESTOS

| 19


Jorge Abade Rompimento/Vermelho, 2011 Madeira, tela, resina de poliĂŠster e tinta de Ăłleo Wood, canvas, polyester resin and oil 10 x 70 x 90 cm 20 | PALIMPSESTOS


Jorge Abade Rompimento/Complementar, 2011 Madeira, tela, resina de poliĂŠster e tinta de Ăłleo Wood, canvas, polyester resin and oil 100 x 50 x 13 cm PALIMPSESTOS

| 21


Jorge Abade Encéfalo, 2015 Óleo sobre tela Oil on canvas Diâmetro/diameter 195 cm 22 | PALIMPSESTOS


n.1978

MONICA MINDELIS

PALIMPSESTOS

| 23


Monica Mindelis E fez-se música, I, 2019 Acrílico e lápis de cor sobre papel Fabriano Acrylic and crayon on Fabriano paper 160 x 150 cm 24 | PALIMPSESTOS


Monica Mindelis E fez-se música, II, 2019 Acrílico e lápis de cor sobre papel Fabriano Acrylic and crayon on Fabriano paper 160 x 150 cm PALIMPSESTOS

| 25


Monica Mindelis O fazer aéreo, II, 2019 Caneta hidrográfica e lápis de cor s/ papel Fabriano Hydrographic pen and crayon on Fabriano paper 60 x 47 cm 26 | PALIMPSESTOS


Monica Mindelis In Vedere, 2019 Rรกfia, gesso e fio de estanho Raffia, plaster and tin wire 60 x 47 cm PALIMPSESTOS

| 27


Monica Mindelis Quinto Elemento,, 2019 Série Sonho de Vôo Colagem e acrílico sobre madeira Collage and acrylic on wood 150 x 150 cm 28 | PALIMPSESTOS


n.1983

PATRÍCIA OLIVEIRA

PALIMPSESTOS

| 29


30 | PALIMPSESTOS


Patrícia Oliveira Ensaio#2 entre o vazio e o cheio, 2019 Escultura em vidro soprado e gesso Blown glass sculpture and plaster 19 x 33 x 29 cm

Patrícia Oliveira Ensaio#6 entre o vazio e o cheio, 2019 Escultura em vidro soprado Blown glass sculpture 19 x 28 x 26 cm

PAG 32/33 Patrícia Oliveira Ensaio#3 entre o vazio e o cheio, 2019 Escultura em vidro soprado e cerâmica Blown glass sculpture and pottery 22 x 31 x 27 cm PALIMPSESTOS

| 31


Pag. 30 | 31 Manuela Pimentel As Paredes Têm Ouvidos, 2013 Tríptico / Triptych 70 x 30 cm + 100 x 100 cm + 25 x 25 cm 32 | PALIMPSESTOS

Manuela Pimentel Dentro da parede há os suspiros dos amantes esperando e as traições ao serviço do futuro. RG, 2017 Néon + acrilico e verniz s/cartazes de rua s/tela Neon, acrylic and varnish on street posters on canvas 110 x 80 cm


Manuela Pimentel Cuidado com o Cão, 2019 Acrilico e verniz s/cartazes de rua s/tela Acrylic and varnish on street posters on canvas 130 x 100 cm PALIMPSESTOS

| 33


Patrícia Oliveira Ensaio#4 entre o vazio e o cheio, 2019 Escultura em vidro soprado e sabão Blown glass sculpture and soap 27 x 31 x 28 cm 34 | PALIMPSESTOS

Patrícia Oliveira Ensaio#5 entre o vazio e o cheio, 2019 Escultura em vidro soprado e grês Blown glass sculpture and stoneware 14 x 19 x 18 cm


n.1977

RICARDO DE CAMPOS

PALIMPSESTOS

| 35


36 | PALIMPSESTOS


Ricardo de Campos Surpreende-me. 2019 Técnica mista sobre tela Mixed media on canvas 145 x 130 cm

Ricardo de Campos Senhora na mesa, 2019 Técnica mista sobre tela Mixed media on canvas 145 x 130 cm PALIMPSESTOS

| 37


Ricardo de Campos Fuego en mis venas 1, 2019 Técnica mista sobre tela Mixed media on canvas 145 x 130 cm 38 | PALIMPSESTOS


Ricardo de Campos Fuego en mis venas 2, 2019 Técnica mista sobre tela Mixed media on canvas 145 x 130 cm PALIMPSESTOS

| 39


Ricardo de Campos Dumb show four you, 2019 Técnica mista sobre tela Mixed media on canvas 145 x 130 cm 40 | PALIMPSESTOS


n.1974

SARA MAIA

PALIMPSESTOS

| 41


Sara Maia Sem título / Untitled, 2011 Acrílico sobre tela Acrylic on canvas 200 x 200 cm 42 | PALIMPSESTOS


PALIMPSESTOS

| 43


Sara Maia Sem título / Untitled, 2012 Acrílico sobre tela Acrylic on canvas 200 x 200 cm 44 | PALIMPSESTOS


Fotografia da performance Readymade Choices por Sónia Carvalho Performance Photography Readymade Choices by Sónia Carvalho Impressão em acrílico Print on acrylic 21 x 29,5 cm PALIMPSESTOS

| 45


Sara Maia A cadeira do Van Gogh foi vendida no eBay Tinta da china e acrílico sobre papel Ink and acrylic on paper 150 x 111 cm 46 | PALIMPSESTOS

Sara Maia O vento que não pedia licença para soprar Tinta da china e acrílico sobre papel Ink and acrylic on paper 150 x 110 cm


Sara Maia Retrato com pai e mãe Acrílico sobre tela Acrylic on canvas 200 x 200 cm PALIMPSESTOS

| 47


Horário // Opening time 14:00 | 19:00 · segunda a sábado (exceto feriados) Outros horários mediante marcação 2:00 pm | 7:00 pm · monday to saturday (except holidays) Other schedules by appointment

Contactos // Contacts info@zet.gallery (+351) 253 116 620 www.zet.gallery

Morada // Address Rua do Raio, 175 4710-923 Braga Portugal

48 | PALIMPSESTOS


Profile for zetgallery

PALIMPSESTOS  

PALIMPSESTOS  

Advertisement