Page 1

1,5 € (IVA 6%) // Diretor: Manuel Pinho // Ano I // Edição Nº 14 // 3 de Novembro de 2016 • Semanário • www.yeslousada.pt

Boccia:

um recomeço com(vida)

Os super-homens da vida real estiveram em Lodares

Freguesia em Destaque Aveleda Grande Entrevista Fernando Martins

Presidente da Junta de Freguesia de Aveleda Pág. s 9 a 11

Pág. 13

3º aniversário ÓCULOS

- VIZELA

MARCA

COM LENTES INCLUÍDAS

Telf: 255821008 Promoção válida de 20 de Agosto até 30 de Novembro de 2016. Consulte as condições da campanha e oferta na loja.

PAGUE ATÉ 12 MESES SEM JUROS


2|

Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Editorial

Opinião

ANTES

Rute Cunha

Quando damos o que somos

Um jogo, uma nova vida O meu conhecido Joaquim, a Raquel, a Maria Emília, o Manuel Nunes e o campeão em título, José Nogueira, são praticantes de um jogo inclusivo, o Boccia. Os sorrisos, o convívio, a amizade, a dedicação e a competição tornam a experiência única, enriquecedora e, atrever-me-ia a dizer, viciante.

Há um nome que tem marcado a atualidade, e não, não me refiro ao já exímio jogador de esconde-esconde Pedro Dias, nem ao talento musical mais comentado do momento, a afamada Maria Leal. Sobre estes já muito se disse, já muito se especulou, a estes já se dedicou mais tempo de antena do que a quem de facto o merece.

Igreja Matriz de Aveleda

Ora, talvez todos vocês conheçam uma Maria da Conceição, seja a vizinha do lado, a senhora da mercearia, ou a costureira… mas é provável que não conheçam ainda a Maria da Conceição da qual vos vou falar hoje.

DEPOIS

Algures na Ásia, fica um país chamado Bangladesh, o oitavo país mais numeroso do mundo, caraterizado por uma pobreza extrema e onde 52% da população com mais de 15 anos não sabe ler nem escrever. Sendo o destino turístico menos apelativo do mundo, com todos os problemas ambientais, sociais e políticos, foi aqui que a então assistente de bordo Maria da Conceição, aquando de uma escala de 24h, em Daca, capital deste país, decidiu dar, dando-se.

Quando me dirigi ao local para fazer a reportagem sobre o tema, não imaginava o que estava por detrás de um simples jogo. Quantas histórias de esfoço de toda uma vida estão representadas no sorriso de todos estes idosos, jovens no espírito? Fiquei deliciado com a vontade de reviver a juventude, em muitos casos roubada pelas circunstâncias da vida. Numa sociedade cada vez mais envelhecida, os idosos afiguram-se muitas vezes como um fardo. E o ritmo frenético das vidas atribuladas não deixa grande tempo para a atenção aos pais e aos avós. Mas, na verdade, em casos em que não está em causa a dependência física, os nossos idosos precisam apenas de uma oportunidade. O Boccia representa essa janela, que pode, de facto, significar um reinício de uma vida que estava adormecida, confinada ao lar e pouco mais. O mais interessante, no meu ponto de vista, é o convívio intergeracional que se pode conseguir com este jogo, que coloca os filhos ao lado dos pais e os netos ao lado dos avós. É que não está em causa apenas um jogo, estão em causa valores fundamentais, que podem ser cimentados. O resultado será sempre uma sociedade mais solidária e feliz.

Manuel Pinho Diretor

Com 37 anos, esta portuguesa radicada no Dubai, aproveitou aquelas 24h para conhecer a cidade e aquilo com se deparou mudou o rumo da sua vida, imbuindo-a de um verdadeiro espírito de missão. Perante tamanha pobreza, ela, que em pequena tinha sido acolhida e ajudada por uma família que não era a dela, pensou poder fazer a diferença, e agir. Começou por retirar das ruas 39 crianças, proporcionando-lhes a educação de que vinham sendo privadas, iniciando assim a sua jornada de entrega aos outros. Com investimento pessoal, trabalhou no sentido de “dar vida” àquelas crianças, e acabou por criar uma instituição, a Fundação Maria Cristina, nome da sua mãe adotiva.

A fotografia é um testemunho das nossas memórias onde ficam gravados os momentos reais. O Yes Lousada quer reviver a história de Lousada, por isso, pede aos lousadenses para nos enviarem fotos que mostrem a realidade da nossa vila ao longo das décadas. Enviem as vossas fotos para o e-mail : redacao@yeslousada.pt

Dependente de donativos particulares, em 2005, o projeto sofreu com a crise que se instalou e, quando podia baixar os braços e resignar-se com a impossibilidade de prosseguir a sua jornada, Maria da Conceição propôs-se superar-se todos os dias, para angariar fundos que permitissem continuar a sua missão. Foi a primeira mulher a correr sete maratonas, em sete semanas seguidas, nos sete continentes, subiu ao Evereste e, mesmo sem saber nadar ou andar de bicicleta, inscreveu-se no desafio Iroman, onde teve que nadar cerca de 4km no Canal da Mancha. Todos os dias se supera, para superar as dificuldades daqueles que se propõe ajudar, num gesto de extremo altruísmo. Considerada uma herdeira laica de Madre Teresa de Calcutá, esta Maria podia ser uma Maria-vai-com-as-outras, mas preciso é que haja Marias e Maneis que se decidam “ir” com ela, que se proponham superar-se todos os dias, num verdadeiro espírito de missão dando aquilo que são.

FICHA TÉCNICA Diretor: Manuel Pinho diretor@yesnoticias.pt Redação: Elisabete Leal Telma Moreira

Diretor Comercial: Jorge Peixoto Departamento Gráfico: Daniel Sanches Paginação : José Ferreira | Daniel Sanches

Tiragem: 1500 exemplares por edição Periodicidade: Semanário (sai à quinta-feira)

Propriedade: Instantes Famosos, Lda Contribuinte Nº 513 552 898; Registo da ERC n.º 126 876

Contactos: Avenida Combatentes da Grande Guerra, 55 C 4620 Lousada redacao@yeslousada.pt assinaturas@yeslousada.pt www.yeslousada.pt


Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Opinião

Filipe Barbosa

|3

Orçamentos… João Miguel Tavares defende, desde há tempos, uma teoria engraçada que, nos tempos que correm, parece fazer cada vez mais sentido. Segundo ele, o problema de Costa é ser demasiado bom em determinadas áreas. Este aparente contradição ganha sentido se analisarmos alguns factos concretos. É verdade que Costa teve o condão de transformar vitórias em derrotas conseguindo, com isso, derrubar, num golpe democrático, mas palaciano, o seu antecessor como líder do Partido Socialista. De seguida, transformou uma derrota numa estrondosa vitória. Pelo meio conseguiu uma coligação engenhosa e pouco provável entre os Partidos da Esquerda parlamentar. A coligação foi tão inventiva que a assinatura dos diferentes acordos foi feita em separado e com a solenidade de quem assina uma certidão de óbito (lembram-se das imagens da

assinatura em pé com as cadeiras a estorvar?). A habilidade de Costa colou, com saliva, uma coligação negativa sem qualquer projeto coerente para o país. Aliás, como escrevi no último artigo, a realidade já contrariou todo o projeto delineado pelo “mago”Centeno. Tudo falhou. Mas, na verdade, mais uma vez, Costa mostrou toda a sua habilidade. Apresentou um orçamento com quadros em falta para defender reforço de verbas onde, na verdade, havia cortes. Utilizou uma metodologia inovadora na realização do orçamento (comparando os dados da proposta do orçamento com o orçamento anterior e não com a execução conhecida à data) e, com isso, lançou, com uma habilidade perversa, a confusão na opinião pública. A sobrevivência política de Costa, que é disso que se trata

todo este jogo, esquece a realidade e o país. O futuro é, para este político, o caixote do lixo do presente. Daniel Innerarity que, desde há muito tempo, estuda estes fenómenos políticos vê, com grande preocupação, a atuação demagógica que esquece a memória, o tempo e o sacrifício necessário para se delinear e desenvolver um projeto com lógica (embora dinâmica) e sustentabilidade. Em 2016 aprovaremos, penso que a habilidade de Costa garantirá isso, uma ficção orçamental que, apesar disso, fará a Esquerda mais à esquerda engolir uns quantos, para não dizer muitos, sapos.

navegação depois faz-se à vista. A título de exemplo, basta ver as grandes obras previstas para 2017, com a contração de mais empréstimos, para a sua execução. Obras avultadas que não estavam, nem nunca estiveram, em qualquer um dos documentos previsionais, mas indicadores da estratégia e rumo que se pretende para o concelho. O futuro é hoje… amanhã logo se verá!

Em Lousada a questão do orçamento municipal é um remake de anos a fio: um documento sem estratégia e orientação que aparece apenas como imposição legal. A

YES, A sua opinião conta! Perguntas:

António Sousa

Ana Silva

-“Normalmente um Homem gosta de viver na terra em que nasceu e penso que não é preciso dizer mais nada.”

-“Sim, gosto. Porque é um local muito sossegado, com gente boa, somos amigos uns dos outros e pronto. Resumindo, é um local onde toda a gente se conhece e é agradável.”

-“Há muitas valências em falta sem dúvida. Em termos de infraestruturas precisávamos de uma casa mortuária que não temos. Politicamente já está prometida há muitos anos mas ainda não a temos. Precisávamos de um jardim de infância para que as crianças mais novinhas pudessem brincar. Precisávamos de ter espaços mais limpos, que não temos. Temos aí determinadas ruas que deviam ser limpas e não são. Precisávamos de ter um rio mais limpo. Tendo em conta que a nossa freguesia é banhada por esse mesmo rio, devíamos tê-lo mais limpo. Há muitos anos que se tem prometido que vai ser limpo e nunca mais o é. Valências como essas eram bem vindas aqui à freguesia.” -“Para ser muito sincero não vejo muitas diferenças das gentes. Penso que o que destaca a minha freguesia é mesmo o local onde está situada. É uma das freguesias mais bonitas, o Rio Sousa dá-lhe uma beleza ímpar. Uma das coisas que adoraria e é um sonho meu é voltar a ver o rio como estava há cerca de 40 anos. Foi onde aprendi a nadar e já há trinta e tal anos que não se pode mergulhar naquela água, porque está péssima e suja. Não encontro explicação para que em pleno século XXI isto esteja assim .”

-“Sim, talvez nos falte uma Casa Mortuária. Ou até mesmo um Lar de Idosos. Já houve um, mas depois foi fechado, nem sei porque razão. Também fazia falta porque existem bastantes ‘velhinhos’ que estão sozinhos em casa durante o dia porque as famílias trabalham.” -“Se calhar as pessoas que vivem cá. São unidas. Tenho um estabelecimento aberto e dou-me bem com toda a gente. Umas têm umas coisas mais favoráveis, outras têm menos, mas cada freguesia é especial à sua maneira.”

-Gosta de viver em Aveleda? Porquê? -Acha que há alguma valência em falta na freguesia? - Na sua opinião o que torna a sua freguesia diferente das outras?


4|

Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Sociedade

“A fruta vai à escola” a partir de sexta-feira

CM Lousada O projeto “A fruta vai à escola” regressa aos estabelecimentos de ensino do concelho na próxima sexta-feira, dia 4. A primeira sessão vai realizar-se na Escola Básica de Figueiras pelas 9h00. Pelas 13h30 a atividade vai ter lugar na Escola Básica de Casais. Este é um projeto multidisciplinar que engloba áreas como as ciências exatas, a música, a gastronomia e a língua portuguesa. O objetivo principal passa pela promoção de hábitos alimentares saudáveis, com principal enfoque no consumo de fruta. As ativi-

Educação ambiental para todos Dias 11 e 12 de novembro

O

programa BioLousada, promovido pela Câmara de Lousada em parceria com a Universidade de Aveiro, e com apoio da Associação BioLiving, continua este mês com um conjunto significativo de iniciativas. As explorações noturnas de “À descoberta dos anfíbios” rapidamente esgotaram as vagas disponíveis, pelo que se vão realizar duas sessões: nas noites de 11 e 12 de novembro. Após um enquadramento teórico sobre a importância e a ecologia dos anfíbios, os participantes são convidados a descobrir os simpáticos e ameaçados anfíbios que vivem nas massas e linhas de água de Eiras (Meinedo). As ações vão ser dinamizadas por André Couto, o biólogo da Universidade de Aveiro, atualmente residente no concelho a inventariar a fauna, no âmbito do projeto europeu IMPRINT+. Mais do que uma progra-

dades a desenvolver serão adaptadas à faixa etária do público – alvo e, por inerência, ao nível de conhecimentos do mesmo, contemplando crianças com Necessidades Educativas Especiais. Numa fase inicial vai mostrar-se um cesto com frutas da época, estando também em destaque a roda dos alimentos e as espécies vegetais que originam cada fruta, mas também os nutrientes presentes em cada fruta, bem como os benefícios do seu consumo.

CM Lousada

mação de educação ambiental, o programa BioLousada foi pensado como um plano de envolvimento dos cidadãos na valorização e proteção dos valores naturais do território. Tendo como máxima que só se pode proteger aquilo que se conhece, está prevista uma iniciativa mensal dedicada a determinado tema, de acordo com as estações do ano. No próximo mês, no dia 10, o convite é lançado a todos para participarem no arranque do programa “Plantar Lousada” – colaborando no objetivo municipal de (re) plantar o concelho com, pelo menos, 10 mil árvores até ao final do próximo ano. As atividades são grátis e abertas a todos os interessados. Para inscrições e informações adicionais os interessados devem consultar o facebook, facebook.com/ cmlousada, e sítio da Câmara Municipal, www.cm-lousada.pt.

Plantação de árvores no sábado A Associação BioLiving, em colaboração com a Câmara Municipal de Lousada e os voluntários do VO.U. - Associação de Voluntariado Uni-

versitário, vai plantar cerca de 500 árvores, no próximo sábado, dia 5. Os interessados em participar nesta iniciativa podem obter mais informações através do e mail secretariado.

bioliving@gmail.com. Temos ainda alguns lugares num autocarro que sairá do Porto pelas 8h00, com destino à plantação.


Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

|5

Sociedade

Jantar Solidário do Laço Rosa Entrega de cheque à Liga Portuguesa Contra o Cancro

CM Lousada No seguimento das ações que têm sido desenvolvidas no âmbito da Campanha do Laço Rosa foi realizado um jantar que serviu também para angariar fundos e entregar o valor recolhido ao Dr. Manuel Batista Cardoso, representante da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Está a ser desenvolvido um programa de rastreio em Lousada, junto ao Centro de Saúde, até final de janeiro do próximo ano. Para chegar a todas as mulheres com idades compreendidas entre os 45 e 69 anos a Liga Portuguesa Contra o Cancro tem disponível uma unidade móvel onde são realizadas as mamografias, por profissionais credenciados.

“A Câmara associou-se a esta campanha durante o mês de outubro lembrando de modo especial o flagelo que é cancro da mama e que o diagnóstico precoce é essencial, tal como envolver a sociedade na divulgação e informação” – afirma a Dra. Cristina Moreira. Os Laços Rosa estiveram a venda em diversos locais do concelho durante o mês de outubro. De acordo com a Vereadora da Ação Social, Dra. Cristina Moreira, “este jantar foi bastante importante, na medida em que foi o culminar de todas as ações dentro da campanha “Outubro Mês do Laço Rosa”, e que teve como ponto alto a entrega do cheque com o valor recolhido por todas e todos quantos puderam adquirir o seu laço e dar assim o seu do-

nativo que resultou em mais de 500 euros”. Foi também “um momento de sensibilização, que julgo ter reunido consensos no sentido de se repetir todos os anos, pois é preciso dar visibilidade ao facto de que a prevenção e rastreio são as duas armas mais poderosas na luta contra o cancro da mama”- destacou a Vereadora.

O jantar contou com mais de 80 pessoas que se assumem como potenciais veículos de transmissão de conhecimento e de divulgação, mas também são heróis e heroínas que venceram a doença, e através do seu testemunho podem ser um modo de dar encorajamento para outros que estão numa situação mais delicada. Rastreios do Cancro Mama salvam vidas

da

O concelho de Lousada, que integra o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Vale do Sousa Norte tem inscritas nas unidades de saúde do concelho cerca de sete mil mulheres que reúnem os pressupostos da idade. A colaboração da autarquia em todo este processo passa por disponibilizar transporte sempre que for necessário efetuar consultas e exames adicionais na Liga Portuguesa Contra o Cancro.

O rastreio resume-se a uma mamografia, cujo objetivo passa por detetar cancros mamários numa fase precoce. Entre os 45 e os 69 anos o rastreio é mais eficaz, na medida em que há grandes hipóteses de recuperação. As mulheres são convocadas a fazer o rastreio, completamente gratuito, através da Liga Portuguesa Contra o Cancro. De acordo do Diretor do ACES, Dr. Hugo Lopes, “é uma grande conquista termos esta unidade móvel aqui em Lousada, na medida em que é a primeira vez que conseguimos rastrear as mulheres dos três concelhos que constituem o ACES Vale do Sousa Norte. O ideal seria uma adesão de 70% da população do concelho de Lousada que se encontra dentro da faixa etária prevista, porque haveria a certeza de proteção de mais mulheres”. Os rastreios destinam-se às utentes do Centro de Saúde de Lousada e das unidades de saúde de Caíde de Rei, de Meinedo e também de Lustosa. O responsável do ACES relembra ainda que caso não tenham sido contactadas se devem dirigir à sua unidade de saúde e perceber qual o motivo.

“Capital Natural” nas Jornadas do Ambiente Apresentação da revista LUCANUS No dia 11 de novembro, sexta-feira, decorrem as XIII Jornadas do Ambiente de Lousada. O tema do encontro, que se realiza no Auditório Municipal, é o ”Capital Natural: os recursos naturais como fator de desenvolvimento regional”. Em debate vai estar a valorização do capital natural enquanto tema emergente na área do Ambiente e Sustentabilidade. O capital natural pode ser definido como o conjunto de bens e serviços providenciados pelos recursos naturais, incluindo os solos, a água, o ar, a paisagem, e todos os seres vivos. Numa época em que o capital financeiro tenta recuperar de uma crise profunda, faz sentido refletir sobre

estratégias de crescimento alternativas. Da economia à educação, da cultura à saúde, o Capital Natural representa a verdadeira garantia de sustentabilidade ambiental, social e económica, afigurando-se como um fator-chave para o desenvolvimento regional. A sessão de abertura está agendada para as 9h30, com a presença do Secretário de Estado do Ambiente, Dr. Carlos Martins, do Reitor da Universidade de Aveiro, Dr. António Manuel Assunção, e o Presidente da Câmara Municipal, Dr. Pedro Machado. A primeira intervenção será realizada pelo Vereador do Ambiente, Dr. Manuel Nunes, que apresenta o tema “Lousada na rota da sustentabilidade”. Segue-se a apresentação da revista de ambiente e sociedade LU-

CM Lousada CANUS, pelo Dr. João Carvalho, da Universidade de Aveiro. O primeiro painel tem como tema “Capital Natural na agenda de sustentabilidade: a estratégia nacional”. Segue-se o painel relativo à “Valorização do capital natural: áreas protegidas e espaços públicos. Os trabalhos da tarde têm como mote a “Valorização do capital natural: a iniciativa privada”. O último painel tem como tema principal “Educar para Valorizar”. Mais informações e inscrições em www.cm-lousada. pt/pt/jornadasdoambiente. Revista LUCANUS A Lucanus - Revista de Ambiente e Sociedade, que conta com a chancela da Secretaria de Estado do Am-

biente e do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, aborda um conjunto de eixos temáticos nos quais se incluem áreas relacionadas com o Ambiente, a Ecologia, a Conservação dos Recursos Naturais, a Educação Ambiental e a Comunicação e Divulgação da Ciência. Trata-se de um projeto pioneiro a nível nacional que resulta de uma aposta da Câmara de Lousada em estreita colaboração com o Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (DBio-UA). A publicação visa a consciencialização do público para as problemáticas e

as boas práticas ambientais e é vista como um passo em frente rumo à materialização da estratégia ambiental do concelho. A apresentação da publicação vai estar a cargo de João Carvalho do DBio-UA, coordenador editorial da revista.


6|

Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Destaque da Semana

Boccia: um recomeço com(vida)

Manuel Pinho diretor@yeslousada.pt

deles, dá-lhes mais esse sentido útil para a vida. E muitos que aqui estão bem precisam”, afirmou.

O Complexo Desportivo acolheu o IV Campeonato de Boccia Sénior de Lousada, que durante três dias foi disputado por centenas de atletas, que integram os movimentos séniores do concellho. Manuel Coelho, de Cristelos, ficou em 1.º lugar, seguido de Fernando Magalhães e José Maria Lopes, de Lustosa. Os 50 primeiros participantes vão ser selecionados para competições a nível regional e nacional. Conforme já referimos anteriormente no YES Lousada, a modalidade Boccia tem-se implementado com sucesso no nosso concelho. Aproveitamos para conhecer bem mais de perto esta modalidade. Os praticantes são provenientes dos vários movimentos seniores do concelho, “sem os quais seria difícil agregar tanta gente

e tantas vontades”, referiu Eduardo Duarte, responsável pela implementação deste desporto em Lousada. Segundo o técnico, são muitas as vantagens deste desporto para estes atletas, tanto a nível mental, como físico, pois “obriga a pensar, a raciocinar”, capacidades que, “com a idade, se vão perdendo um bocadinho”. A nível físico, também é muito importante, já que “eles têm que fazer um trajeto de 12 metros para trás e para a frente, têm que se baixar, têm que lançar, é uma verdadeira fisioterapia a todos os níveis. É um jogo que toda a gente pode praticar, despertando um enorme sentimento de satisfação”, considerou este profissional. À evolução competitiva do Boccia, alia-se o voluntarismo de todos, sem exceção: “Eles todos são jogadores,

árbitros e exercem as demais funções. Poupamos recursos. Entre nós, conseguimos resolver toda a situação neste jogo”. Eduardo Duarte, orgulhoso pelo crescimento da modalidade, acrescentou: “É uma dinâmica cinco estrelas a todos os níveis. Temos tido excelentes resultados, fomos campeões nacionais a nível individual e já tivemos várias equipas premiadas no campeonato nacional e na taça de Portugal”.

O padre Paulo Godinho também esteve presente nesta iniciativa, confessando ao YES ser um adepto da modalidade: “Eles levam isto muito a sério. Quando os vou visitar, até a mim conseguem transmitir o bichinho para o exercício deste desporto. De facto, o Boccia exige alguma perícia e precisão. É bonito ver o esforço e a dedicação. É uma atividade importante, até porque, para além do exercício e do convívio, cria uma competividade saudável, e isso é importante na idade

Joaquim Alves pertence ao movimento sénior da freguesia de Lustosa e pratica esta modalidade há quatro anos. “Isto torna-se engraçado, sentimos uma simpatia com esta juventude toda e eu gosto disto”, referiu, salientando com orgulho os resultados obtidos anteriormente: “Eu já fui campeão muitas vezes e, hoje, já temos metade da nossa equipa de Lustosa classificada para ir para a próxima fase. Temos uma boa equipa, estamos sempre em grande! Conseguimos levar sempre qualquer coisa para a nossa estante de troféus, que já está bem composta”, concluiu, sorridente. Ao lado do Joaquim, surge Manuel Nunes, de Cris-

telos, praticante de Boccia há três anos, que considera ser esta uma forma ideal


Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

|7

Destaque da Semana

para passar os seus tempos livres: “Convivemos muito com esta modalidade, gosto muito disto”. Também ele exibe bons resultados no Boccia: “Já fiquei em primeiro, segundo e terceiro aqui em Lousada, conseguindo também segundos lugares na Taça e no campeonato”. Muito próxima e sorridente estava também Raquel

Fernandes, de 75 anos, com uma alegria motivada pela nossa presença, dado que o seu filho em Inglaterra acompanha o nosso jornal: “Tenho um filho em Inglaterra que vê muitas coisas que o senhor lá põe, ele é seu amigo”. A função da Raquel é de árbitra de mesa, preferindo a escrita ao jogo em si: “Gosto muito mesmo disto, não jogo, mas sou útil noutras tarefas. É

bom sermos úteis”, disse Raquel. Ao contrário de Raquel, Maria Emília, da freguesia de Boim, com os seus setenta anos menos um, pois, como ela diz, “ninguém quer entrar nos 69”, joga Boccia, estando nesta altura a fazer a função de árbitro, e lá vai dizendo que normalmente tudo corre bem, não deixando de mostrar o seu rigor na

função: “Se eles merecerem, bem ‘mamam’ com a raquete. Para mim, gosto delas mesmo chegadinhas à branca, isso evita as medições e, claro, as reclamações”, asseverou. María Emília, no seu movimento sénior, muitas vezes insiste com os colegas para praticarem Boccia. “A gente entretém-se e com este jogo fazemos ginástica. É para trás e para a frente, elas começam a cansar e eu puxo por elas: ‘Vamos lá! Toca a jogar!’. Depois, quando chega a hora do lanche, já estamos mortos por lanchar, pois temos fome”, con-

160 anos do comboio em Portugal A CP - Comboios de Portugal festejou, no passado dia 28 de outubro, 160 anos da primeira viagem de comboio em Portugal. Uma das iniciativas realizadas para assinalar a data teve a colaboração do Conservatório Vale do Sousa, mais concretamente a atuação de dois quartetos, um de saxofones e outro de clarinetes, nas viagens entre Penafiel e o Porto. O YES Lousada acompanhou os dois quartetos, registando os momentos de tão singulares viagens.

A reação inicial dos utentes foi de curiosidade, mas com o tempo começaram a mostrar sinais de apreço para com esta inciativa. Deixamos aqui alguns comentários: Isto é mesmo da pinta, é original… Cantem outra… ou melhor, toquem outra… Tenho uma filha que gosta de música, pode ser que adira a este grupo… Assim vale a pena vir trabalhar…

cluiu, com regozijo. Por último, o Yes Lousada conheceu o campeão nacional, José Nogueira, de Vilar do Torno e Alentém, que nos relatou a sua experiência neste jogo: “Com boa vontade, há 4 anos comecei a jogar. Com treino comecei a adaptar-me melhor e correu bem. O título foi muito bom. Agora estou a enfraquecer um bocado, pois o braço não está a ajudar, mas quero continuar. Para mim é muito importante isto, é um divertimento, onde todos podemos conviver”, concluiu.

Manuel Pinho diretor@yeslousada.pt

Porque não fazem isto diariamente? Parabéns, tenho pena de não ser todos os dias… Um dos músicos, Diogo Silva, depois de perder a timidez, disse-nos que gostou, achou “muito interessante, uma experiência nova”, que gostava de repetir. Para o professor do Conservatório, Carlos Silva, estas experiências fazem parte do crescimento destes jovens para a música: “É bom para eles enquanto músicos, pois desta forma sentem novos públicos, e faz com que se sintam à vontade para tocar em qualquer contexto e isso é muito bom para a formação deles”. Para Carlos Silva, o trautear das melodias por parte dos utentes é um sinal muito positivo: “Tenho a certeza de que o dia destas pessoas

vai começar certamente de forma diferente, porque a música tem uma grande poder sobre nós”, concluiu. Da parte da CP - Comboios de Portugal, José Magalhães considera que a ação foi “excelente”, contribuindo para a “satisfação dos clientes” e proporcionando “uma experiência diferente”, em que todos puderam “desfrutar destes belos momentos protagonizados por estes jovens músicos”.

Na esteira da criatividade e inovação da Revolução Industrial, o comboio, motor e símbolo de modernidade, foi, desde meados do século XIX, a alavanca para o desenvolvimento económico das sociedades. Evocar a história e os desafios para o futuro é o mote de várias ações realizadas no âmbito das comemorações dos 160 anos da primeira viagem de comboio em Portugal.


8|

Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Socioedade

Dois dias a falar de poesia e de poetas Decorreram na sexta-feira e sábado, as V Jornadas Pedagógicas da Rede de Bibliotecas de Lousada, com o tema “Falemos de Poesia”. Na sessão de abertura o Presidente da Câmara Municipal de Lousada, Dr. Pedro Machado, destacou “a importân-

ofereceu aos alunos. A Dra. Helena Araújo, da Rede de Bibliotecas Escolares, destacou que os alunos podem experimentar o texto poético de uma forma mais prazerosa na Biblioteca da escola do que na sala de aula, sendo o papel do professor bibliotecário de extre-

pode tornar-se prejudicial na aprendizagem pelo gosto da poesia. A poesia, dentro da literatura, é a área onde os alunos sentem algumas dificuldades”. Apresentação de novos projetos destinados aos alunos do concelho

CM Lousada

cenário o ano de 2355, tendo como público-alvo os alunos do 9.º ano de escolaridade. A autoria é de Vítor Oliveira e a ação passa por uma única empresa que controla toda a água potável do planeta. A partir daqui desenrola-se todo o enredo. Vão participar, com obras originais escritas propositadamente para Lousada, António Torrado e José Fanha. A autarquia editou já duas obras, cujos destinatários foram os alunos do 4.º e do 6.º ano, a que a autarquia ofereceu “Contos do rio que corre”, de Álvaro Magalhães, e “O Caderno de JB encontrado em Lousada”, de António Mota, respetivamente.

Testemunhos de escritores nacionais No sábado, segundo dia de trabalhos foram abordados e debatidos temas “Trava-Lengas”, que contou com a intervenção de Adélia Carvalho e o José Pires.

cia das Jornadas em que uma parte significativa dos participantes são professores que lecionam em concelhos vizinhos. Este é mais um exemplo da importância que Lousada dá à Educação, que sempre viu como área prioritária e fundamental ao desenvolvimento”. A Biblioteca Municipal, a Rede de Bibliotecas Escolares e o Plano Nacional de Leitura foram vários dos exemplos elencados pelo Presidente da Câmara, que destacou “serem fundamentais para que o nível de literacia da população seja cada vez maior. Associam-se outros ações com o mesmo sentido, como é o teatro para todos os alunos do concelho, bem como a colaboração da Casa Museu de Vilar que permite uma aproximação das crianças e jovens ao mundo do cinema de animação em contexto real”. Foi avançada ainda a novidade que passa pela criação do Plano Municipal de Leitura, no seguimento do trabalho que te sido desenvolvido ao longo dos nos, nomeadamente com os livros escritos, propositadamente para Lousada, dos reconhecidos escritores António Mota e Álvaro Magalhães e a autarquia

ma importância, na inspiração e condução da leitura de poesia. Ainda de acordo com a representante da Rede de Bibliotecas Escolares “a aposta na poesia infantil é fundamental para que os mais novos possam contactar com este género literário, de modo diferente daquele que se faz em contexto de sala de aula. A função estética da poesia é fundamental em que o texto esteja em primeiro lugar”.

O Vereador da Cultura, Dr. Manuel Nunes, na sua intervenção falou dos projetos que estão a ser trabalhados para alunos dos vários ciclos de en-

“Os poetas sem qualidades” foi o mote para a intervenção de Andreia Faria e pelo José Mário Silva. Frederico Lourenço e o Jaime Rocha falaram sobre “Olhando os clássicos”. “Poesia do Séc. XXI” foi o tema apresentado por Carlos

A tarde terminou com a entrevista a Fernando Dacosta. As Jornadas resultam de uma organização da Câmara Municipal de Lousada, Rede de Bibliotecas e Lousada, Centro de Formação dos Agrupamentos de Escolas Sousa Nascente, Lousada Associação de Eventos Culturais, contando como apoio do projeto europeu E-publisher. Estas V Jornadas Pedagógicas da Rede de Biblioteca de Lousada são acreditadas pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua.

Feira do Livro com atividades para os mais novos A Feira o Livro de Lousada decorreu entre os dias 27 e 30, mais uma vez na Avenida Senhor dos Aflitos, por onde passaram pessoas de várias idades. Os mais pequenos foram um público privilegiado, na medida em que tiveram a oportunidade de participar em atividades como encontros com escritores e ilustradores, apresentação de livros, oficinas e ateliês e sessões de leitura animada. Vários autores de livros para a infância estiveram presentes na Feira do Livro, como Adélia Carvalho, Cátia Vidinhas, Mar-

Na sessão de abertura e conferência inicial marcou presença o Prof. Doutor Fernando Pinto do Amaral, Comissário do Plano Nacional de Leitura, com a reflexão intitulada “Ainda somos um país de poetas?” Na sua explanação começou por evidenciar que “a poesia está sempre onde não esperamos que esteja, sendo o grande desafio cativar os mais e menos jovens para o gosto por este género literário”. O gosto pela poesia aprende-se, mesmo com as dificuldades e os desafios que são colocados. No entanto, como destacou o Prof. Doutor Fernando Pinto do Amaral, “há uma escolarização excessiva dos livros, facto que

sino e que têm como base a literatura. Exemplo disso é a o livro de banda desenhada, cujo título é “Agá”, e que tem como

Tê e Daniel Jonas, a que se seguiu as intervenções de Inês Fonseca Santos e de Álvaro Magalhães que fizeram uma “Evocação a Manuel António Pina”.

ta Madureira, Anabela Dias, Manuela Costa Ribeiro e Carlos Nogueira.


Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

|9

Freguesia em destaque

As raízes românicas de Aveleda

Elisabete Leal redacao@yeslousada.pt

A riqueza histórica em Aveleda está visível nos monumentos e toponímia existente em vários lugares da freguesia. O registo da localidade remonta aos tempos pré-históricos, como prova a existência do lugar do Castro, passando pela Idade Média, com especial relevância na Igreja Paroquial e Ponte românica de Vilela, ambas de importante valor arquitetónico. A freguesia de Aveleda tem uma área geográfica de 3,69 km² e 2073 habitantes (sensos 2011), o que perfaz uma densidade populacional de 561,8 habitantes por quilómetro quadrado. A paisagem rural expande-se pelo horizonte e mistura-se com os focos urbanos, onde se concentram as habitações e comércio locais. Mas é a Igreja do Salvador de Aveleda que mais se destaca por entre as ruas. O ediXVII-XVIII e foi construída no período de crescimento das necessidades de circulação no Vale do Sousa, correspondendo à necessidade de franquia do obstáculo natural constituído pelo Rio Sousa. A Ponte de Vilela é composta por quatro arcos de volta perfeita e estão apoiados em três pegões cegos, reforçados com talhamares triangulares a montante e talhantes quadrangulares a jusante.

fício foi construído no início do séc. XII, uma vez que existiam referências à igreja na doação de Vela Rodrigues ao Mosteiro do Salvador de Paço de Sousa dos bens que possuía em Lousada, herdados de seu pai, Rodrigo Viegas, e dos seus avós, Egas Moniz e Teresa Afonso. O orago da Igreja consta em documento de 1218, bem como nas Inquirições de 1258. O edifício que se encontra visível já foi alvo de importantes reformas na Época Moderna, conservando apenas a nave e a fachada ocidental de características românicas. A Igreja do Salvador de Aveleda é, deste modo, uma construção românica tardia, cujo interior foi

objeto de uma campanha decorativa no decorrer do século XVIII.

podendo corresponder a uma construção mais antiga.

Esta Igreja tem uma lenda associada e está relacionada com um dos degraus que separam a nave da cabeceira da igreja, uma peça decorada, retangular, em granito, na qual foram escavados dois motivos. Nos extremos, há rosetas de seis pétalas enquadradas em círculos e, ao centro, um losango. Pela técnica de esculpir dos motivos representados nesta peça, é possível encontrar semelhanças com frisos encontrados na Igreja de São Torcato, em Guimarães, ou em São Frutuoso de Montélios, em Braga. Esta peça poderá ter influências da arquitetura da Época Visigótica ou Moçárabe,

Também a Ponte de Vilela tem um importante significado histórico para a freguesia de Aveleda. Serve desde a Idade Média para a travessia do rio Sousa, estabelecendo a ligação entre o lugar de Vilela, a Oeste de Caíde de Rei. Considerando as técnicas empregues, esta ponte data dos séculos

Apesar de ser conhecida por Capela de Santo Ovídio e de nela se centrarem os festejos dedicados a este santo, a sua verdadeira invocação é a Nossa Senho-

ra do Rosário. A confusão foi suscitada pelo facto de se ter demolido em 1932 a Capela de Santo Ovídio. Nessa sequência as imagens, incluindo a do santo patrono e as suas celebrações transferiram-se para a Capela de Nossa Senhora do Rosário. Esta, como não tinha romagem, acabou por perder notoriedade para o culto do venerável santo. A Capela de Nossa Senhora do Rosário e o cruzeiro que lhe está em frente formam um conjunto datado do século XVII, onde se festeja atualmente aquele santo a 9 de agosto.


10 |

Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Freguesia em destaque

“Sempre foi um sonho meu contribuir para o desenvolvimento desta freguesia” José Martins José de Jesus Martins é o atual presidente da Junta de Freguesia de Aveleda. O Yes Lousada esteve à conversa com o autarca que fez um balanço dos três anos do seu mandato.

YES: O que o levou a aceitar o desafio de ser novamente presidente de Junta de Aveleda? José Martins (JM): No último mandato em que estive no executivo, foram iniciadas

várias obras que não foi possível concluir. Senti que o executivo que nos sucedeu não lhes deu seguimento, pois não demonstrou espírito de liderança, deixando a freguesia à deriva, e como sempre foi

um sonho meu contribuir para o desenvolvimento desta freguesia que me acolhe há tantos anos, decidi aceitar um novo desafio.

YES: Como é que encontrou a freguesia de Aveleda? JM: Em termos globais, na mesma situação em que estava quando terminei o meu mandato. O executivo anterior limitou-se à manutenção dos serviços básicos da freguesia, apesar de ter gasto todo o dinheiro atribuído pelas entidades responsáveis, não mostrando obras que justificassem o dinheiro gasto e as dívidas contraídas. YES: Conhece bem esta freguesia. Como a caracteriza? JM: Caracterizo-a como uma freguesia simpática, com pessoas humildes e trabalhadoras, acolhedora, quer para os habitantes quer para quem a visita. Nela as pessoas sentem-se acolhidas, não havendo grandes registos de pessoas que a deixem por esta não corresponder às suas expectativas. É também uma freguesia geograficamente bem localizada, com ótimas acessibilidades e vários serviços disponíveis (restaurantes, supermercados, talho, multibanco, indústrias, farmácia) e onde há também alguma atividade agrícola. O facto de termos monumentos integrados na Rota do Românico atrai muitos visitantes, o que a valoriza e divulga.

YES: Qual é a situação financeira da Junta de Freguesia? JM: Estável. Os serviços prestados em todas as obras efetuadas são sempre pagos,

integralmente, após a sua execução. Apesar da estabilidade conseguida, com uma gestão rigorosa e responsável da nossa parte, a dívida herdada do anterior executivo, de aproximadamente 16.000 €, tem causado alguns constrangimentos. As verbas atribuídas são escassas, o que acaba também por impedir a realização ou conclusão de algumas obras que seriam igualmente úteis para a freguesia.

Para si quais são as maiores necessidades da freguesia na atualidade? JM: Há ainda necessidade de melhorar algumas infraestruturas, ao nível da rede viária e dos edifícios escolares, e de concluir a rede de saneamentos. Aguardamos também apoios da Câmara para a construção de um coberto na Escola Básica do 1º Ciclo, do Mourinho, para assim melhorar as condições do recreio, sobretudo nas épocas de outono e inverno.

YES: Que balanço faz destes três anos? Qual ou quais as obras que o marcaram? JM: O balanço é bastante positivo. De forma menos positiva marcaram-me as obras realizadas no âmbito da Rota do Românico, que, aquando da sua realização, apresentavam algumas deficiências que dificultavam o trânsito e a mobilidade das pessoas. Depois de uma batalha travada com os técnicos das obras em causa, conseguimos minorar as consequências negativas, melhorando o projeto inicial, que não tinha devidamente analisado nem acompanhado pelo an-


Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

| 11

Freguesia em destaque

Manuel Pinho diretor@yeslousada.pt

terior executivo. No entanto, há obras positivamente marcantes, tais como a resolução de problemas ao nível do saneamento e das águas pluviais, levantamento de cubos e respetivo alcatroamento na Rua Nova de Agrela, na Rua de Palhais e na Rua do Jogo. Procedemos também ao alargamento e alcatroamento na Estrada de Casal de Baixo e na Rua de Barrimau, entre outras. Iniciámos a organização/ordenamento do Parque de Lazer, que é por nós considerado um espaço muito importante e privilegiado da freguesia, o qual já apetrechamos com água, luz, mesas, bancos e instalações sanitárias. Este é e será um espaço aproveitado diariamente pelos cidadãos da freguesia e por visitantes. O facto de se situar junto de um monumento que integra a Rota do Românico e do Rio Sousa torna-o um local apreciado e aprazível para a população em geral.

YES: Está a um ano do final do seu mandato. O que falta ainda fazer para dinamizar mais a freguesia? JM: Pretendemos, até ao fim do mandato, concluir o Parque de Lazer e, contando com o apoio da Câmara, proceder ao alargamento da Estrada de Santo Ovídeo, à requalificação da Avenida de Agrela, à construção de passeios na Avenida de Gens e ao alcatroamento da Rua/ Travessa do Campo de Futebol. YES: Caracterize o seu mandato destacando as seguintes áreas: educação, ação social, emprego, saúde, sesenvolvimento económico e cultura.

JM: Relativamente à educação, este executivo apoia o transporte escolar de crianças, colabora com a associação de pais, do Infantário e da Escola Básica do 1º Ciclo, sempre que é solicitado o apoio, tem ao dispor de crianças e jovens o Espaço Internet, apoia a realização de momentos de Ginástica/ Dança, assim como a realização de Formação Profissional em vários quadrantes, em parceria com entidades creditadas. Na área de saúde, proporciona a realização de rastreios periódicos (diabetes, colesterol, tensão arterial…), realizados por enfermeiros/ técnicos e, sempre que soli-

citado, realiza o transporte de pessoas carenciadas (ao médico, à fisioterapia, etc). O nosso executivo apoia também as festas realizadas na freguesia, tais como festa em honra de Santo Ovídeo e de S. Bartolomeu. Anualmente organiza-se o passeio da freguesia, gratuito para crianças, jovens estudantes e idosos. Patrocinamos a ida à praia, durante uma semana, com um dia gratuito para todos os interessados.

YES: Caracterize a freguesia a nível associativo. De que forma a junta de freguesia apoia essas associações?

JM: Na freguesia temos a Associação Desportiva e Recreativa de Aveleda, que conta com o apoio da junta de freguesia, que paga as despesas relativas ao fornecimento de água e luz, realiza obras e procede à manutenção do campo de futebol e respetivas instalações e assegura o transporte da equipa para a participação em torneios. YES: Como gostava que os seus eleitores avaliassem o seu mandato? JM: Gostava que os eleitores reconhecessem o empenho e dedicação deste executivo à Freguesia, pois pretendemos sempre ser

inovadores e estamos sempre disponíveis para ouvir as opiniões e sugestões dos habitantes. Estamos disponíveis, a toda a hora, para a resolução dos problemas que vão surgindo e tentamos resolvê-los da forma mais célere possível.

YES: Está disponível para assumir a candidatura nas próximas eleições? JM: Num mandato apenas, dificilmente se consegue concretizar todos os objetivos a que nos propomos e é nesta perspetiva que irei refletir, ponderar e, só depois, decidir.


12 |

Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Freguesia em destaque

ADR Aveleda corre para os títulos Elisabete Leal redacao@yeslousada.pt

sacorpus), António Campos (motorista), pois sem eles não estaríamos no patamar no qual nos encontramos”, agradeceu, referindo depois que as limitações orçamentais ainda não permitem ambições muito alargadas. “A equipa para esta época está formada e não dá para alargar muito mais. Começámos com o Domingos e o Marco, os impulsionadores deste projeto, depois veio o Nuno, Flávio e o Luís. Em agosto entraram a Antónia, a Manuela e o Fernando, irmão da atleta internacional e olímpica Marisa Barros, e o Paulo Ribeiro”, concluiu.

Apresentação dos elementos do atletismo

A Associação Desportiva Recreativa de Aveleda entrou na temporada desportiva com a ambição de conquistar títulos no futebol e avançou, ainda, com uma nova modalidade. A implementação do atletismo foi o concretizar de um objetivo assumido há algum tempo pelos responsáveis do clube e tornado agora possível depois de ultrapassadas todas as questões burocráticas. João Paulo Soares é o presidente da Comissão Administrativa da ADR Aveleda e, em conversa com o Yes Lousada, não escondeu o otimismo para a presente temporada. “Os objetivos passam pela conquista do campeonato da AFA Lousada e tudo iremos fazer para conquistar as restantes provas, nomeadamente na taça D’ Trivela, troféu que ganhámos na última época. Nas provas da Federação de Futebol Popular do Norte, tentaremos ser a primeira equipa de Lousada a chegar à final”, referiu o líder, explicando depois que a introdução de novas modalidades no clube estava a ser pensada há algum tempo. “A prioridade nos últimos anos foi sempre o futebol, mas sempre tivemos o sonho de implementar novas atividades. Claro que precisamos da colaboração de pessoas que estejam já enraizadas noutros desportos, como foi com a pesca e o atletismo”, acrescentou, sublinhando que

as dificuldades financeiras são sempre um entrave. “São problemas que advêm da conjuntura económica do país, tornando tudo mais difícil, quer para a atribuição de donativos quer para os patrocínios. No entanto, com a boa vontade de algumas empresas e amigos, vai-se conseguindo levar o barco a bom-porto. Tenho que realçar o apoio fundamental da Câmara Municipal de Lousada e da Junta de Freguesia de Aveleda, quer monetariamente quer no melhoramento das infraestruturas”, revelou. A escolha do atletismo para nova modalidade da associação tem uma explicação. “Como temos várias pessoas a praticar esta modalidade, lançámos o desafio de criarmos uma equipa. Inicialmente o que começou como uma “brincadeira” é hoje um projeto sólido e com margem de progressão e é de salientar que, durante este primeiro ano, já organizámos a primeira prova de Atletismo na nossa freguesia, tendo sido reconhecido pela crítica como uma excelente organização. Neste ponto, devo ainda distinguir a pessoa que está responsável por todo o projeto e que tem sido incansável, o Bruno Martins, que, apesar de não ser da freguesia, abraçou este projeto com alma e coração”, constatou. João Paulo Soares aproveitou ainda para deixar uma mensagem de gratidão aos associados e adeptos do clube. “O apoio tem sido extra-

ordinário, quer nos jogos em casa quer fora. Neste capítulo, tenho que enaltecer a nossa claque ‘Guerreiros Tricolor’ que têm demonstrado muita garra em apoiar incondicionalmente a nossa associação. Em alguns jogos não ficaram atrás de muitas claques da 1.ª Liga Portuguesa. A todos eles o nosso muito obrigado e tentaremos retribuir com títulos todo o apoio por eles prestado”.

Trilhos certeiros no atletismo

Bruno Martins é o responsável pela secção de atletismo do Aveleda, uma modalidade que já começou a dar frutos, apesar de ainda ter pouco tempo

de atividade. “Os bons resultados devem-se a vários fatores e um deles é divertirmo-nos, sem exigir nada dos nossos atletas”, revelou, admitindo, porém, que “não somos nenhum topo de gama, mas eles tentam dar o seu melhor nas provas e os resultados têm sido excelentes. O espírito competitivo existe fora da equipa, mas dentro sentimos a união que existe entre os atletas”, revelou. A presença da equipa nas provas organizadas deve-se, em parte, à ajuda de algumas pessoas, nomeadamente “o presidente João Paulo, Ricardo Mota (Joma Pacos de Ferreira), César Gonçalves (Lou-

Manuela Sousa natural de Aveleda, 45 anos, residente em Pias, Lousada. Antónia Bessa, 47 anos, natural de Nespereira. Domingos Mendes, natural de Aveleda. Paulo Ribeiro, 44 anos, natural de Pias. Luís Sousa, 30 anos, natural de Boim. Fernando Barros, 41 anos, natural de Paços de Ferreira. Marco Sousa, 33 anos, natural de Aveleda. Flávio Dias, 19 anos, natural Cristelos. Nuno Oliveira, 39 anos, natural de Nespereira. Bruno Martins, 33 anos, natural de Silvares.


Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

| 13

Freguesias

Os super-homens da vida real estiveram em Lodares São recordistas. São fortes e estão sempre dispostos a ultrapassar novos desafios e a superarem-se a si mesmos. Faz ideia de quem são? Alguns dos homens mais fortes do país estiveram na freguesia de Lodares, mais propriamente na Associação Desportiva e Cultural de Lodares, num evento organizado pela direção. Foram centenas as pessoas que, curiosas pela estreante iniciativa, se deslocaram à sede do clube e vibraram com os feitos heróicos dos Strong Man ali presentes. Bruno Leal tem 37 anos e é o responsável pela equipa Bruno Leal Strong Man Team e explicou-nos algumas curiosidades de uma modalidade que parecemos estar mais habituados a ver na televisão, mais concretamente no estrangeiro. Desta vez, os super-homens da vida real deram mesmo espetáculo. “Nós aqui fizemos o levantamento do carro [Car Dead Lift], que é uma prova típica, a puxada do camião [Truck Pull], também ela uma prova típica, o Circus Dumbell, que é efetuada com o haltere do circo, uma prova muito antiga que começou no circo, aqueles homens fortes que levantavam aqueles halteres redondos. O Farmers Walk, que é a caminhada do fazendeiro, o Yoke, uma estrutura que levamos às costas e com a qual caminhamos cerca de 20 metros, o Viking Press, onde levantamos uma pipa acima da cabeça, oriundo dos vikings, e ainda fizemos a prova da bola, que partiu”, disse o portuense, sorrindo, lembrando que ainda existem muitas

outras provas. Bruno, que pesa 125 quilos, revelou por entre sorrisos, quando questionado se era tudo massa muscular, que “não, não é tudo massa muscular, mas gostava que fosse”. A alimentação é fundamental para o sucesso desportivo dos atletas. “Nós comemos praticamente tudo e muito. Muitas quantidades de proteína, de hidratos, muita carne, muito arroz, muita massa”, destacou. Mas como é o dia a dia de um Strong Man, de forma a que consiga ter tanta força durante horas? “Trabalho num ginásio todos os dias, no final da tarde, a seguir ao trabalho treino duas horas por dia, mas agora que me estou a preparar para uma competição, os meus treinos são efetuados de domingo a domingo, sem paragens, para dividirmos os movimentos pelos vários dias e vamos treinando para melhorar e chegar ao dia da prova e estarmos prontos”, referiu.

Há sempre aquela pergunta que todos fazem. Qual foi o maior peso que movimentou? Bruno Leal revelou: “foi um camião de 28 toneladas. Mas estamos sempre dispostos a tentar mais. O que nos propuserem nos eventos, nós tentamos!”, revelou, com orgulho no olhar. Mas o que é um Strong Man? “Um Strong Man é um homem forte, que levanta qualquer coisa, de qualquer maneira, ou movimenta de um ponto A até um ponto B”, explicou muito rapidamente, falando depois dos concursos em que a sua equipa participa. “Costumamos participar em concursos ao nível internacional. Organizei recentemente no Porto o Campeonato Ibérico. Não participei porque organizei. Agora vou à Irlanda em janeiro, competir para o homem mais forte de Belfast e onde irão competir 20 atletas de toda a Europa. Infelizmente temos de nos deslocar quase sempre ao estrangeiro porque temos poucas provas

Elisabete Leal redacao@yeslousada.pt

aqui em Portugal e poucos atletas... então vamos ao estrangeiro, Inglaterra, Espanha (...)”, frisou. Para Bruno Leal, a maior dificuldade para quem pratica a modalidade “são os apoios para nos deslocarmos, como há poucas provas cá, temos que ir ao estrangeiro e isso implica viagens, com alimentação, as dormidas é sempre muito dinheiro que se gasta, com poucos apoios”, disse. Engane-se quem pense que fazer “destas coisas” é algo restrito a um número de pessoas. Lodares recebeu um Strong Man de 51 anos que fez alguns dos movimentos a convite da equipa de Bruno Leal. “Às vezes no ginásio as pessoas ficam muito surpreendidas de nos ver levantar muito peso e têm tendência a experimentar e ‘volta e meia’ aparece um que em determinado movimento tem força e nós quando temos uma exibição trazemos, que é para ter um gostinho de estar à beira das pessoas”, revelou, terminando a explicar que estas tarefas hercúleas requerem certos cuidados. “Temos de proteger sempre as articulações e os movimentos têm técnica para levantar, não é à bruta. Temos de ter posições certinhas para não nos magoarmos. Porque um pequeno deslize... não nos podemos esquecer que estamos a lidar com 300/400 quilos, magoámo-nos e vamos parar ao hospital. Já aconteceu, acontece muitas vezes e é um risco que estamos sempre dispostos a correr para fazer o que gostamos”, concluiu com regozijo.

Catarina Barbosa 16 anos visitante “Achei a iniciativa muito interessante. Como somos um meio pequeno, este tipo de atividades é necessário para o desenvolver. Gostei das demonstrações, principalmente aquela em que puxam o camião. Trata-se de algo diferente, que não se vê muito. É um talento, tal como todos os outros, que requer muito empenho, dedicação e trabalho e é bom mostrar isso, porque as pessoas, pode não ser neste caso em concreto do Strong Man, mas podem usar essa força e essa vontade para se empenharem noutras coisas. Penso que, até pelo facto de ser uma nova direção, fizeram muito bem em apostar neste evento para poderem mostrar que estão empenhados em remodelar os eventos que existem e tornar Lodares num espaço mais atrativo para todas as pessoas do nosso concelho. Confesso que não estava à espera de ver tanta gente. Moro aqui há muito tempo e nunca vi a associação com tanta gente.” A recente direção da ADC Lodares no final da iniciativa mostrou-se satisfeita com a vinda em massa da população à iniciativa. “O balanço foi bastante positivo e a adesão da população superou as nossas expetativas. Tendo em conta que é a primeira vez que aqui realizamos este evento ficamos surpreendidos. Nunca pensámos que tivéssemos tanta gente. Por isso, acho que correu bastante bem”, revelou, dizendo depois qual o objetivo do Strong Man. “Passou por cativar as pessoas à associação, não só para dar a conhecer o evento, mas também para dar a conhecer o futuro trabalho que vai passar por esta nova direção. Ou seja, dinamizar a associação e, principalmente, levar o nome de Lodares ainda mais à avante”, destacou.


14 |

Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Freguesias

Bênção da Casa Mortuária de Lodares nicipal, Dr. Pedro Machado, por todo o apoio disponibilizado para que fosse possível para a construção desta Casa Mortuária, nomeadamente a parte financeira sem a qual não seria possível executar a obra”.

A

freguesia de Lodares tem, desde ontem, Casa Mortuária. O novo equipamento foi apresentado à população ontem, dia 1 de novembro, tendo sido feita a bênção das instalações pelo Padre Joaquim Maia. Estiveram presentes dezenas de pessoas da freguesia que quiseram assistir a este evento que vem colmatar uma necessi-

dade existente. Após a cerimónia de bênção das instalações o Presidente da Junta de Freguesia, Armando Moreira, destacou a importância que “esta obra tem para a população da freguesia de Lodares e que foi possível na medida em que o Padre Joaquim Maia disponibilizou o terreno para este efeito. Tenho de fazer, igualmente, um agradecimento ao Presidente da Câmara Mu-

O Presidente da Junta deixou ainda um agradecimento a várias pessoas da freguesia que se associaram a esta vontade ao apoiarem para o embelezamento do exterior da Casa Mortuária.

tendo que as instituições têm o dever de criar essas condições”. Ainda de acordo com o Dr. Pedro Machado “a autarquia tem feito um esforço financeiro ao apoiar com 80% do investimento para esta finalidade, até ao máximo elegível de 70 mil euros. O apoio da Câmara para a execução desta obra foi de 56 mil euros”. Já no final da cerimónia o Dr. Pedro Machado teve a oportunidade de “felicitar o Presidente da Junta de Freguesia pelo esforço que teve de fazer para su-

CM Lousada perar o valor remanescente. Sei bem que esta obra representa um anseio antigo que vem do tempo do anterior Presidente da Junta. Um outro agradecimento especial ao Padre Joaquim Maia que teve uma posição de vontade em colaborar, sendo este o local ideal pela proximidade à Igreja Paroquial”. A Casa Mortuária de Lodares tem cerca de 140 metros quadrados, sendo composta por duas salas para velório, instalações sanitárias e sala de apoio.

O Presidente da Câmara Municipal, Dr. Pedro Machado, iniciou a sua intervenção afirmando que “este é um equipamento que se destina a dar conforto e dignidade à população em horas de grande dor e pelas quais todos passamos. Se pudermos dar mais conforto e comodidade às pessoas devemos fazê-lo. En-

Halloween Night Run Aparecida

Manuel Pinho diretor@yeslousada.pt

Foram mais de 500 os participantes na primeira “Halloween Night Run Aparecida”, que se realizou no dia 31 de outubro (noite de Halloween). Tratou-se de uma caminhada e corrida de oito quilómetros organizadas pela futura associação Moto Clube Senhora Aparecida, que será criada no próximo dia 19. Filipe Dias é um dos membros da futura direção e explicou ao YES como surgiu a ideia da iniciativa: “Tivemos esta ideia de criar uma prova que não envolvesse motas, neste caso esta prova é de caminhada e atletismo. E, como se vê, superou todas as nossas expectativas. Para o início está muito bom”. Um dos mentores desta nova associação, o Padre José Augusto, considera um sucesso esta “primeira pré-iniciativa do Moto Clube”, que “certamente irá

continuar e possivelmente sempre neste dia”.

o gosto pela participação nestas provas”, concluiu.

Um dos clubes presentes na prova é o clube Lousada Runners. António Augusto, atleta deste clube e vereador do Desporto da Câmara Municipal de Lousada, considera ter sido uma excelente iniciativa a realização da prova noturna: “Eu já corri algumas vezes à noite, nomeadamente a São Silvestre, mas temos de dar os parabéns à organização pelo facto de se ter lembrado de enriquecer esta noite especial com esta atividade. A corrida é um dos elementos da motricidade humana mais básica e tem captado interesse de cada vez mais pessoas. É com prazer que, por um lado, vemos muita gente a correr e, por outro lado, também por surgirem organizações deste tipo de provas, que são um alento para as pessoas participarem. As pessoas participam por gosto, mas se puderem ajudar nalguma causa humanitária, isso aumenta

Elisa Pinto, presidente da Junta de Freguesia do Torno, felicita o futuro Moto Clube pela organização da

inciativa, acreditando ser possível “fazer muitas mais, se as associações trabalharem em conjunto, estiverem unidas”. A participar na prova, Pedro Machado, presidente da CM Lousada, vê este evento com uma “di-

nâmica muito interessante” e que reúne “todas as condições para ser um evento de sucesso”, até porque “a dinamização da prática de desporto, quer seja formal ou informal, é importante paras as pessoas”.


Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

| 15

Freguesias

O futebol em Lousada também se joga no feminino

A

s emoções do futebol feminino regressaram ao relvado do Complexo Desportivo de Lousada. A Associação Desportiva de Lousada fez ressurgir uma equipa feminina, depois de alguns anos de interregno, para participar na série A do Campeonato de Promoção, organizado pela Federação Portuguesa de Futebol. O coletivo tem estado em bom plano na competição, somando 13 pontos em 7 jogos realizados, e tem ainda garantida a presença na Taça de Portugal, estando o seu jogo agendado para 13 de novembro, no terreno do Amorim (Póvoa de Varzim).

ção. Temos muitas despesas com a equipa principal e com a equipa de sub-15”. Lembrando que“estamos a falar de atletas desde os 12 até aos 40 anos e as pessoas é que têm de decidir se gostam ou não de vir para aqui”. Sobre a equipa mais nova, Carlos Gomes referiu que a idade limite são os 15 anos, embora possam ser inscritas até três jogadoras com 16 anos, enquanto nas seniores já integram jovens com 17 anos com “grande capacidade, grande luta e espírito de sacrifício, porque elas estudam, algumas estão na universidade, outras são enfermeiras e fazem um esforço extra para virem aqui e treinar porque gostam”, explicou.

Carlos Gomes é o treinador principal e um dos responsáveis pelo projeto da modalidade. Como está numa fase inicial do projeto, os objetivos passam por “ganharmos experiência e pelas jogadoras gostarem de estar num clube que as está a apoiar pela primeira vez, sendo importante que as ajudemos ao máximo para se integrarem neste projeto. Por isso, as expectativas passam por se divertirem a jogar futebol, porque ainda estamos a começar”, referiu, adiantando, porém, que existe muita qualidade no plantel. “Todas elas têm mais valias, mas tenho aqui duas ou três jogadoras com grandes capacidades para chegar longe no futebol”.

O futebol feminino tem sido notícia nos últimos dias pelo apuramento inédito da seleção de Portugal para uma fase final do Campeonato da Europa. “Foi uma grande vitória para Portugal podermos ir a uma fase final. O crescimento do futebol feminino é visível em todo o país e também tem crescido em Lousada. Temos uma equipa sénior num campeonato que é a segunda divisão nacional e elas já estão a quebrar um pouco o gelo de que as meninas não jogam à bola. Já conseguiram quebrar essa barreira, temos atletas muito boas a jogar e nós queremos chamar muitas mais pessoas, porque há algumas que ainda estão um pouco envergonhadas”.

Para conduzir um projeto aos objetivos propostos são necessários vários suportes, entre eles o financeiro e esse tem sido o mais difícil de gerir. “Temos um orçamento estipulado e é muito importante que as empresas de Lousada ajudem o futebol feminino e toda a forma-

Carlos Gomes aproveitou para explicar como se podem inscrever. “Quem quiser jogar futebol, temos ótimas condições em Lousada e boas horas para treinar. Estamos a treinar às 19 horas, ao contrário de outros clubes, que começam às 22 horas. Os treinos são todas as quar-

tas e sextas feiras das 19 às 20:30 horas. Apareçam, venham divertir-se e estamos aqui para as ajudar e apoiar em tudo o que for possível”. Por fim, o treinador deixou um agradecimento. “Quero deixar uma palavra de especial agradecimento ao Jorge Peixoto, que tem sido excecional, e às minhas meninas”, concluiu.

Jorge Peixoto, diretor do futebol feminino da AD Lousada, falou com o Yes Lousada e revelou como surgiu o projeto do futebol feminino no clube. YES: Como é feita a prospeção das atletas do futebol feminino? Jorge Peixoto: Começámos na época passada com treinos no futebol feminino e com a participação em alguns torneios para começar a preparar uma equipa de Futebol 11 para participar no Campeonato Nacional Promoção Feminino da Federação Portuguesa Futebol. As atletas têm passado a palavra, mas também divulgamos no nosso site e tem corrido bem nesta fase inicial.

YES: É difícil encontrar jogadoras para esta competição? JP: Felizmente a AD Lousada tem duas equipas, uma de Futebol de 11 a jogar na FPF e uma de sub 15 a jogar na AF Porto, e continuam a chegar atletas para os nossos quadros. Não tenho dúvida que vamos, pouco a pouco, ficar com equipas fortes e competitivas, mas nesta fase estamos a crescer e a fazer o melhor que se pode para a primeira participação em campeonatos oficiais.

Elisabete Leal redacao@yeslousada.pt

Temos ainda um técnico excelente, que vai ajudar a crescer e a evoluir em busca dos melhores resultados. Nesta fase apenas podemos pensar “jogo a jogo”, uma vez que esta equipa está a crescer e estamos a iniciar o projeto. Temos talentos, atletas muito competitivas e que desejam ser sempre melhores.

antes passei pelo Meinedo e Freamunde. A maior dificuldade é ao nível financeiro porque não é fácil ter apoios. O apuramento da seleção ajudou a projetar ainda mais o futebol feminino. Gostava de jogar em grandes clubes, porque toda a gente sonha, mas se calhar já passou a minha idade, paciência”.

YES: O futebol feminino tem tido uma grande evolução?

Inês Castro 16 anos (médio)

JP: Existe uma evolução positiva, especialmente no que diz respeito à formação de jovens atletas, devido à maior atenção que a FPF tem dedicado ao futebol feminino. Como sabemos, o futebol sempre foi focado no sexo masculino, mas neste momento temos muitos clubes a apostar no setor feminino, e exemplo disso é a AD Lousada com duas equipas. Tudo isto é possível, mas falta naturalmente mais apoio monetário, falta investimento por parte dos patrocinadores, falta que a imprensa se interesse mais e divulgue mais o futebol feminino, e também acho que falta a aposta dos grandes do futebol português no futebol feminino.

Sara Meneses 18 anos (médio) “É o meu primeiro ano no futebol, mas já jogava futsal há 5 anos. Jogo futebol desde pequena e é uma modalidade que as mulheres também podem jogar, não apenas os homens. Gostava de chegar longe no futebol e trabalho para isso”.

Lili 24 anos (defesa central) “Estou no futebol há 7 anos. Sempre joguei com os rapazes e então decidi entrar no futebol feminino,

“Estou cá desde o primeiro treino e vou continuar a esforçar-me ao máximo. O gosto pelo futebol já vem dos meus avós, estou-lhes a seguir a pisada e agora quero ser a primeira mulher da família a tornar-me futebolista. Gostava muito de chegar à seleção nacional, mas sei que primeiro tenho que me concentrar nos estudos e conciliar com o futebol, mas espero um dia chegar longe”.

Joana Bessa 15 anos (ponta de lança) “Entrei no futebol a convite do Jorge que me viu a jogar, em Figueiras, e disse que eu tinha potencial para ter uma boa carreira, então decidi apostar no Lousada. Um dos sonhos da minha vida e um dos objetivos de estar aqui a jogar é precisamente tentar conseguir chegar à seleção. A maior dificuldade no futebol é ter velocidade e potência no remate. É uma das coisas necessárias para se jogar futebol e geralmente nas mulheres não existe tanto como existe nos homens. Penso que todos os clubes deviam ter uma equipa feminina. Se os homens têm direito a fazer o que realmente gostam penso que as mulheres também têm o direito de realizar os seus sonhos”.


16 |

Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Desporto

AD Lousada perde com o Sanfins Local: Campo da Citânia, em Paços de Ferreira Árbitro: Luís Azevedo Citânia de Sanfins: Maciel; Neto (Pedro 55), Hugo, Gato e Santos (Ruizinho,55); Bruno (Cândido 55), Paulo Miguel e Moura (Pedrosa,20). Treinador: Germano Pereira Lousada: Luís; Rui Marques, Daniel, Vieira e Dias (Dani, 72); Brandão, Reis (Ivo, 60) e China (Orlando 60); Quim, Barbosa (Sérgio, 62) e Luisinho. Treinador: João Pedroso Golos: China (51, pb), Ruizinho (64) e Cândido (88). O Citânia de Sanfins venceu confortavelmente em casa a equipa lousadense por três bolas a zero, ascendendo à liderança da Série 2. O Lousada dominou a primeira parte, tendo os melhores lances ofensivos. De destacar a bola perdida de Vitor, já próximo do intervalo, que, apenas com o guarda-redes pela frente, atirou por cima da baliza. No início da segunda parte, surgiu o lance capital do jogo, num livre do Citânia. China, de cabeça, marca golo na própria baliza. A partir daí, a equipa lousadense procurou reagir, conseguindo algumas oportunidades, mas, em contra-ataque, a equipa pacense

Manuel Pinho diretor@yeslousada.pt

conseguiu marcar o segundo golo através de Ruizinho. Nos últimos minutos, Cândido fechou a contagem para a equipa do Citânia. João Pedroso “Tivemos uma primeira parte superior. Mais uma vez tivemos as melhores oportunidades e não conseguimos fazer o golo. Depois, com o autogolo, tentamos alterar algumas situações, colocar jogadores mais para a frente. Mas eles, em momentos de transição, conseguiram marcar mais uma vez e o terceiro golo já chegou numa fase onde apostávamos tudo. O que fica é o resultado três a zero. Se é exagerado? O que interessa é que eles marcaram e nós não. Hoje, ao intervalo, deveríamos estar a ganhar, não era exagero nenhum e eles foram lá algumas vezes e conseguiram. Temos de melhorar na finalização. Estamos a crescer. Este adversário estava ao nosso alcance mas forarm mais felizes e mereceram esta vitória. Tenho um grupo coeso e unido, vamos dar a volta por cima, vamos arranjar soluções que sejam melhores para o Lousada, sejam elas quais forem”. Germano Pereira “O resultado foi magnífico. É o melhor do jogo mas não foi fácil! Até nós conseguirmos o primeiro golo, as equipas estavam muito iguais e foi um momento de felicidade que definiu quem passava para a

frente. São duas boas equipas. Lousada tem uma excelente equipa. Depois soubemos aproveitar os momentos e nos contras conseguimos marcar o segundo e o terceiro. Mas acho que é uma vitória exagerada. Lousada não merecia, mas hoje fomos mais felizes. Fomos justos vencedores mas não me custa nada dizer que aquele momento de felicidade fez a diferença para o resultado final.”

1ª Divisão Série 2 - AF PORTO


Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Desporto

A.D.R. Macieira, 2-1, UD Lagoas Foi numa tarde solarenga de outono que a ADR Macieira disputou o seu primeiro dérbi do ano, frente ao conterrâneo Lagoas. O jogo foi bem disputado e, logo aos dez minutos, o Macieira chegava à vantagem, na sequência de um penálti, convertido por Tiaguinho. A perder, o Lagoas começava a afirmar-se no jogo e, passados 6 minutos, o árbitro assinala penálti por uma entrada à entrada da área do Macieira, numa jogada que provocou um forte aquecimento na bancada, pois os adeptos pediam a expulsão do adversário. Campelos foi chamado a bater e alterou o marcador para um empate, que se manteve até ao final da primeira parte. Os visitantes iniciaram a segunda parte com uma forte afirmação no meio campo, mas não chegou para segurar o empate, pois Mokeko, na sequência de um rápido contra-ataque, colocou a bola no fundo da baliza. Até ao apito final, as oportunidades foram muitas, tanto para o Macieira como para o Lagoas, mas não foram convertidas em golo devido à brilhante prestação dos guardiões das redes. Terminava o jogo com a vitória para o A.D.R. Macieira sobre o Lagoas, por 2-1.

AF Porto Divisão Honra

II Divisão Futsal Série B

Manuel Magalhães – Diretor Desportivo do A.D.R. Macieira “Penso que assistimos a um dérbi bastante quente e de fortes emoções dentro e fora de campo, mas onde conseguimos alcançar a vitória, com um forte empenho dos nossos onze jogadores em campo.” Nelo Ribeiro – Treinador do Lagoas “Foi um jogo bastante equilibrado. No início da 1.ª parte assumimos que fomos inferiores perante o adversário, com uma grande dificuldade em defender, mas após o golo fixamos o jogo a meio campo, sempre com o pensamento em finalizar com golo. Algo que não foi possível, pois o Macieira esteve bem na sua defesa. Quanto à arbitragem, não gosto de comentar, mas neste dérbi... saliento que a prestação do juiz foi incorreta ao não expulsar o jogador adversário quando assinalou o penálti que nos colocou empatados ao fim do 1.º quarto de hora de jogo.”

Divisão Elite Futsal

2ª Divisão Série 2 - AF PORTO Miguel Matias - Photography MM Team

| 17


18 |

Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Desporto

Estreia de “Pedro e o Lobo” para a família A Jangada teatro estreia o seu novo trabalho na próxima sexta-feira, dia 4 de novembro. “Pedro e o Lobo” é um género de teatro musical com marionetas que se destina às famílias, onde miúdos e graúdos vão certamente divertir-se. “Pedro e o Lobo” é um divertido espetáculo que conta com as interpretações de Luíz Oliveira, Rita Calatré e Vítor Fernandes.

O piano, os chocalhos, as flautas e os tambores vão fazer parte da banda sonora do espetáculo. Os bilhetes estão à venda no Auditório Municipal e na ticketline, com um custo de 3€ para as crianças e de 5€ para adultos. Nos dias 4 e 5 de novembro o espetáculo tem início pelas 21h30 e no dia 6, domingo, às 16h00.

A história que serve de base ao espetáculo tem Pedro e o Lobo em formas animadas desenvolvidas através de figuras bidimensionais e tridimensionais. Os bonecos que vão estar em palco resultam do trabalho de ilustração de Fedra Santos, e vão ser acompanhados pelos atores da Jangada teatro que dão vida às tropelias e mentiras do Pedro.

CAMPANHA

Torne-se assinante do YES LOUSADA e habilite-se a ganhar

óculos de sol todos os meses

Cupão de Assinatura Desejo receber comodamente, no endereço que assinalo, o semanário YES LOUSADA durante 1 ano (50 edições) por: 30€ (Portugal ) // 60€ (Europa) // 90€ (Resto do Mundo) Contribuinte

Nome Morada

Loc.

Telefone

Código Postal Data de Nascimento

E-mail Assinatura

Junto cheque

no valor de

30€

60€

90 € à ordem de Empresa Instantes Famosos, Lda

Pagamento por transferência bancária para o IBAN: PT50 0007 0000 0028 7127 7612 3 (anexar comprovativo) Notas: As assinaturas para a Europa e Resto do Mundo não incluem revistas e suplementos, dadas as limitações de peso. Os dados recolhidos são processados pela Empresa Jornalística Região de Leiria, Lda. e destinam-se Se não pretende receber outras propostas comerciais assinale aqui: 255 718 559 // assinaturas@yeslousada.pt // Avenida Combatentes da Grande Guerra, 55 C // 4620-141 Lousada

// Horário: 9h30 - 12h30 // 14h - 18h


Edição N.º 14 | 3 de Novembro, 2016

Título

Guia Passatempos Palavras Cruzadas

Sudoku

Sopa de Letras Soluções

Sudoku

Palavras Cruzadas

YES Tempo

| 19


Edição n.º14 - Jornal Yes Lousada - 03-11-2016  

Edição n.º14 - Jornal Yes Lousada - Boccia, um recomeço (com vida)

Edição n.º14 - Jornal Yes Lousada - 03-11-2016  

Edição n.º14 - Jornal Yes Lousada - Boccia, um recomeço (com vida)

Advertisement