Page 1

ANO 18 - No 200 - Novembro 2009

A REVISTA PARA SÍNDICOS, CONDÔMINOS E ADMINISTRADORAS

Sustentabilidade nos condomínios Garanta boa imagem na tevê dos moradores Rio Preto: condomínios horizontais em alta

Revista Secovi_ED200.indd 1

07/11/2009 14:00:12


Revista Secovi_ED200.indd 2

07/11/2009 14:17:15


Revista Secovi_ED200.indd 3

07/11/2009 14:15:06


ÍNDICE

Agosto 2009

20

Vida de Síndico Maria Aparecida dos Santos, do condomínio misto Vale dos Pássaros, cortou despesas trocando a rede de água

18

Manutenção Confira as dicas de instalação da antena de tevê do condomínio, para garantir boa recepção nas unidades

40

30

Capa Ações sustentáveis são cada dia mais comuns nos condomínios horizontais e verticais

06 09 10 14

É bom saber Espaço do leitor Lazer Saúde e bem-estar

16 24 29 39

Dia a Dia Paisagismo Opinião 1 Opinião 2

Interior São José do Rio Preto conta hoje em dia com quase 20 condomínios horizontais, onde mora cerca de 7% da população local

44 47 51

Tira-dúvidas Carta do presidente Guia de produtos e serviços

4

Revista Secovi_ED200.indd 4

06/11/2009 20:17:24


R. Dr. Bacelar, 1.043 – CEP 04026-002 – São Paulo/SP Tel. (11) 5591-1300 – Fax (11) 5591-1301 e-mail: secovi@secovi.com.br – Portal: www.secovi.com.br

Recado da

DIRETORIA

editora

A

sustentabilidade é um assunto em alta no mundo

Presidente: João Crestana Vice-presidentes Cláudio Bernardes, Ricardo Yazbek, Ely Wertheim, Flavio Prando, Basílio Jafet, Caio Portugal, Carlos Alberto C. Camargo, Carlos Borges, Ciro Scopel, Elbio Fernández Mera, Flavio Amary, Hubert Gebara Conselho editorial Hubert Gebara, Sergio Mauad, Paulo André Jorge Germanos, Ricardo Yazbek e Sergio Ferrador

todo. De olho nas sucessivas tragédias naturais, como tufões e tsunamis, e com o firme propósito

de assegurar um futuro tranquilo para as próximas gerações, a sociedade discute meios de preservar seus recursos naturais. A sustentabilidade já é realidade também nos condomínios. A onda começou pelos empreendimentos comerciais e desembarca nos condomínios residenciais via coleta seletiva de lixo, reuso de água, utilização racional de água e de energia elétrica. Na matéria de capa mostramos as ações que o síndico pode implementar para participar dessa cruzada sustentável: instalação de lâmpadas econômicas e de sensores de presença, revisão das redes elétrica e de água, individualização do consumo de água, colocação de arejadores para torneiras, descargas de dois fluxos e de controle de vazão para chuveiros, entre outras coisas. A experiência de alguns condomínios mostra que, além de

REPORTAGEM E REDAÇÃO Redação leitor@revistasecovi.com.br Editora responsável Sônia Salgueiro (MTb 15.414) Reportagem e redação Cristina Pupo, Marcos Fernando Queiroz, Maria do Carmo Gregório, Nanci Moraes, Rosana Pinto, Shirley Valentin e Silvia Carneiro Fotos José Carlos T. Jorge Assistentes de redação Elaine Feitosa e Queli Peixoto Colaboradores Luana Garcia e Márcio Pádula (Fontpress Comunicação), Alessandro Mesquita, Carlos Gonçalves, Carlos Alexandre Cabral, João Paulo Rossi Paschoal, Karina Zuanazi Negreli, Maraneide Alves Brock, Marta Cristina Pessoa, Rita de Cássia Guimarães Bracale (Jurídico); Roberto Akazawa, Edson Kitamura, Fabricio Pereira e Daniella Magnani (Economia), Marcelo Bruna (Financeiro), Simone de Souza Rocha (Suprimentos) e Laerte J. T. Temple (Universidade Secovi e Internacional)

PRODUÇÃO E PUBLICAÇÃO Fontpress Comunicação fontpress@fontpress.com.br – Tel. (11) 5044-2557

colaborar com o meio ambiente, a sustentabilidade gera dividendos. É um bom negócio. Prédios paulistanos que aderiram ao reaproveitamento de água de chuva chegam a economizar de R$ 1 mil a R$ 1,5 mil por mês na conta de água. Nesta edição trazemos outras matérias de interesse para síndicos, subsíndicos, zeladores e condôminos. Na seção Manutenção, exibimos um be-a-bá sobre antenas. Temos ainda uma reportagem sobre o mercado imobiliário de São José do Rio Preto. Celebre conosco a edição de número 200 da Revista Secovi-SP Condomínios. Sônia Salgueiro

Arte e diagramação Wagner Ferreira Para anunciar: (11) 5044-2557 / 5041-4715 ou revistasecovisp@fontpress.com.br Tiragem: 30.000 exemplares Impressão: IBEP Gráfica Capa: Wagner Ferreira e ©iStockphoto.com/DN-Group Os artigos assinados são de exclusiva responsabilidade de seus autores. Reprodução de matérias somente após expressa autorização da Redação. Os anúncios publicitários são de inteira responsabilidade dos anunciantes. SECOVI NO INTERIOR Bauru (14) 3227-2616 Campinas (19) 3252-8505 Grande ABC (11) 4523-0833 Jundiaí e região (11) 4523-0833 Santos (13) 3232-6086 São José do Rio Preto (17) 3235-1138 Sorocaba (15) 3211-0730 Vale do Paraíba (12) 3942-9975

CONTATOS SECOVI-SP PABX (11) 5591-1300 Disque Síndico (11) 5591-1234 Eventos (11) 5591-1279 PQE (11) 5591-1250 / 1339 Universidade Secovi (11) 5591-1284 Câmara de Mediação (11) 5591-1214

5

Revista Secovi_ED200.indd 5

06/11/2009 20:17:28


É BOM SABER

Sucesso de público e

Q

uase 80 mil pessoas visitaram, entre 24 e 27 de setembro, a Semana Imobiliária, megainiciativa que reuniu, no Parque Anhembi, Capital, o Salão Imobili-

ário São Paulo (Sisp 2009), Expo Síndico Secovi Condomínio, Convenção Secovi, Encontro das Administradoras de Condomínios (Enacon) e Ciclo de Palestras para Síndicos, além da Fiaflora ExpoGarden. A ação foi patrocinada pelo Secovi-SP, juntamente com a Reed Exhibitions Alcantara Machado. Cerca de 45 mil pessoas visitaram o Sisp em busca de informações sobre financiamentos, cartas de crédito e compra de imóvel. A Expo Síndico Secovi Condomínio recebeu um público estimado de 5,4 mil pessoas, que percorreram 80 estandes com as últimas tendências em produtos e serviços para o mercado condominial. “A Expo Síndico superou as nossas melhores expectativas. Funcionou como um poderoso balcão de negócios para fornecedores e síndicos de todo o País. Em nenhuma outra edição do evento recebemos tanta gente de outras cidades como neste ano. Foi uma grata surpresa”, diz Hubert Gebara, vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP. Os expositores concordam. “A junção da Expo Sindico Expo Síndico Secovi Condomínio: balcão de negócios

e do Sisp foi uma ótima estratégia para os expositores, que aproveitaram para realizar o intercâmbio de seus públicos”,

Uma lupa sobre os condomínios

A

maior pesquisa já realizada

11% de menções, respectivamente.

nos condomínios residenciais (58%)

no País sobre condomínios

Nos prédios comerciais, a pesquisa

como comerciais (64%). Nos primeiros,

imobiliários identificou que o

detectou que o maior vilão são os ele-

a média de idade do síndico é de 52

principal problema dos condomínios

vadores quebrados (15% de citações).

anos e, nos segundos, de 46 anos. A

residenciais paulistas é a falta de

Mas a falta de manutenção na parte

Toledo & Associados apurou também

manutenção na parte hidráulica, com

hidráulica (8%) e a inadimplência (7%)

que cerca de metade dos síndicos

14% de citações. O levantamento, feito

também aparecem frequentemente.

possuem escolaridade superior com-

pela Toledo & Associados com exclusi-

Realizado durante o mês de julho

vidade para o Secovi-SP, apurou ainda

em 19 municípios paulistas, o levanta-

que a inadimplência e o barulho dos

mento traçou ainda um perfil do síndico

Uma grande diferença entre com-

vizinhos são outros motivos de dor de

paulista. Constatou-se que os homens

plexos comerciais e residenciais foi

cabeça para os síndicos, com 13% e

ocupam a maioria dos cargos tanto

identificada pelos pesquisadores no

pleta: 50% nos prédios residenciais e 52% nos comerciais.

6

Revista Secovi_ED200.indd 6

07/11/2009 15:29:30


o e crítica afirma Marcos André Santos, diretor geral da Ista Brasil, prestadora de serviços de individualização de água em condomínios. “Recebemos visitas de administradoras do interior de São Paulo e de outros Estados e também do poder público, como prefeituras.” Para Alessandro Depercia Salvador, da Ewic Brasil, empresa que atua

Programe-se O Secovi-SP realiza, nas próximas semanas, vários eventos para administradoras de condomínios, síndicos e zeladores. Abaixo você tem as informações básicas sobre alguns. Detalhes e reservas nos telefones (11) 5591-1304 a 1308 ou pelo e-mail universidade@secovi.com.br.

O

Condomínio Explicado para os Síndicos: seu Funcionamento e Principais Problemas – 3ª Tuma, de 16 a 18/11 – O

curso, que acontece das 19 às 22 horas, deseja preparar os par-

em manutenção e modernização de

ticipantes para o exercício das diferentes funções condominiais de forma

elevadores, feiras como essa “comple-

moderna, correta e fundamentada, além de identificar os pontos jurídicos

mentam o trabalho de marketing, ofe-

polêmicos referentes à administração condominial e as respectivas possi-

recendo aos visitantes a oportunidade

bilidades de solução. Indicado para síndicos, subsíndicos, conselheiros e

de conhecer outras empresas com

outros interessados no tema. Segurança Predial, de 23 a 26/11 – Voltado a gerentes prediais, zelado-

soluções ideais e personalizadas”. O Grupo GR, que protege 700

res, porteiros, vigias e seguranças, o conteúdo abordará os seguintes tópi-

condomínios residenciais e comerciais,

cos: organização e estrutura do condomínio, segurança predial e situações

aproveitou o evento para apresentar

contingenciais. Das 19 às 22 horas, na Universidade Secovi.

seu projeto de segurança a síndicos,

A Entrega e Implantação do Condomínio, dias 24 e 25/11 e 1º e 2/12

zeladores e administradoras. A meta,

– Profissionais atuantes nas atividades de pré-entrega, entrega e pós-entrega

contou o diretor comercial, Paulo Ro-

de um empreendimento nas construtoras, incorporadoras e administradoras

berto de Sá, é chegar a uma carteira de

de condomínio são o público-alvo da iniciativa, que ocorre das 18 às 22 horas

900 condomínios até dezembro.

na Universidade Secovi.

Problemas mais frequentes

quesito posse da unidade dentro do condomínio. No caso dos condomínios residenciais, todos os síndicos consul-

Comercial

tados têm imóvel no local, porém, nos

Rede elétrica, geradores

prédios comerciais esse percentual cai para 40%.

Falta de manutenção

pelo síndico, 60% dos que atuam em

na parte hidráulica

da taxa condominial, 11% recebem

7%

remuneração é o benefício mais co-

6%

mum (32% de menções), seguida pela

d

A o&

Fo

: nte

le To

Inadimplência

11%

s

do

cia

o ss

14% 13%

15%

manutenção

domínio. Nos edifícios comerciais, a

na parte hidráulica 4%

8%

Elevadores quebrados,

remuneração e 5% desconto no con-

isenção da taxa condominial (25%).

Falta de manutenção

Inadimplência

Quanto aos benefícios recebidos condomínios residenciais têm isenção

Residencial

Barulho de vizinhos Elevadores quebrados, manutenção

7

Revista Secovi_ED200.indd 7

07/11/2009 15:29:32


É BOM SABER

Natal solidário

C

hegou a hora de colaborar com a Campanha do Brinquedo 2009 do

Projeto Ampliar. Até o dia 7 de dezembro, os brinquedos – novos ou usados, mas em boas condições – poderão ser entregues nos postos de

arrecadação. Dois deles estão localizados nas unidades do Ampliar (Rua Dr. Bacelar, 1.043 – 5º andar – Vila Clementino, e Avenida Brigadeiro Luiz Antonio, 2.344 – 8º andar, Cerqueira Cesar, ambos na Capital). As regionais do Secovi-SP no Interior, Baixada Santista e Grande ABC também funcionam como pontos de coleta. Os endereços podem ser conferidos no site www.secovi.com.br/brinquedo. A meta para este ano é multiplicar a marca do ano passado, de 6 mil unidades. A tradicional carreata pelas ruas dos Jardins acontece em 6 de dezembro. Mais informações podem ser obtidas nos telefones (11) 5591-1246 e 5591-1283 ou pelo e-mail brinquedo@secovi.com.br.

Síndicos em festa

O

18º Encontro de Síndicos do

mestre de cerimônia a jornalista-

Estado de São Paulo, mais

âncora da BandNews Milena Macha-

conhecido como Festa do

do, que conduzirá a programação,

Síndico, acontece em 27/11, a partir

seguida de coquetel, jantar, sorteios

das 19 horas, na Expo Barra Funda

e um show imperdível com a Banda

(Rua Tagipuru, 1.000 - Capital).

Nova Era.

A festa, realizada todo ano pelo

Faça sua reserva, pois os convi-

Secovi-SP para comemorar o Dia do

tes são limitados. Inscrição mediante

Síndico, terá caráter comemorativo,

a doação de um brinquedo para a

informativo e de confraternização

Campanha do Brinquedo do Projeto

entre síndicos e administradores.

Ampliar. Reservas pelos telefones

Neste ano, o evento terá como

5591-1304 a 1307.

Síndicos prestigiaram evento do ano passado

8

Revista Secovi_ED200.indd 8

07/11/2009 13:32:18


É BOM SABER

Jantar Beneficente do Ampliar em 26/11

A

atração principal do even-

“fenômeno cult”. Também haverá

das ações do Ampliar, incluindo

to, a se realizar em 26

sorteio de uma viagem para duas

os cursos profissionalizantes,

de novembro no Esporte

pessoas a Bonito, Mato Grosso

gratuitos, oferecidos a jovens e

Clube Sírio, é o cantor performático

do Sul. O convite-adesão custa

adolescentes em situação de risco.

Francis Bringell, chamado pelo

R$ 180,00 por pessoa, e a renda

Reservas pelo telefone 5591-1300,

jornal O Estado de S. Paulo de

será destinada à manutenção

ramal 1313.

ESPAÇO DO LEITOR Gostaria de obter o e-mail de Suely Canella Cabral, para troca de “informações a respeito de individualização de água e gás. Sou síndica em Sorocaba e gostaria de mais detalhes. ” Malu, de Sorocaba (SP) O e-mail de Suely Cabral já está nas mãos da síndica paulista.

da seção “VidaLi dea reportagem Síndico da edição 197 sobre medição individualizada. Gostaria de entrar em contato com a síndica Suely Cabral para

gentileza de verificar com a síndica Suely Canella Cabral “qualPeçofoi aa empresa que prestou o serviço de medição de água individualizada no Condomínio Edifício Itamaracá. ” Regina Caffaro O telefone da empresa foi enviado.

“ ela fala sobre enquadramento do devedor contumaz por meio de

trocar uma ideia sobre a individualização de água e gás que ela implementou. Sou síndico de dois edifícios em Moema, mas ainda não chegamos a uma solução que contemple custo e benefício.

Lendo a entrevista da síndica Maria Cecília Fonseca (edição 198),

Lupercio R. Haro Jr.,

assembleia. Gostaria de informações detalhadas sobre esse pro-

Park e do Cond Edif. Jardim

síndico do Cond. Edif. The

cedimento.

da Juriti Mizael H. de Moura, síndico do Plaza Diadema

O telefone e e-mail de Maria Cecília foram encaminhados.

Os contatos de Suely Cabral foram repassados ao leitor.

Este espaço é reservado para você se comunicar conosco. Envie seu comentário, ntário, ém pode crítica ou sugestão para o e-mail leitor@revistasecovi.com.br. Você também escrever para Revista Secovi-SP Condomínios – Rua Dr. Bacelar, 1.043 – CEP 04026-002 – São Paulo – SP. Aguardamos seu contato!

9

Revista Secovi_ED200.indd 9

06/11/2009 21:03:31


LAZER Fotos: Caio Pimenta / SP Turis

Por Alessandro Mesquita

Passeio alinhado Criado em 2006, o TurisMetrô é um jeito fácil de conhecer alguns pontos turísticos de São Paulo e se inteirar sobre a história de cada um deles

U

tilizado diariamente por 3,3

do Imigrante, Paulista, Luz, Teatro

roteiro e comprar a quantidade neces-

milhões de pessoas, o metrô

Municipal e Memorial da América La-

sária de bilhetes.” A partir de oito pes-

paulistano é muito mais que

tina). Todos partem da estação Sé e

soas, é preciso fazer agendamento por

uma ponte móvel entre o trabalho e a

contam com guias bilíngues e atores

telefone e encaminhar os nomes por

casa dos passageiros. Aos sábados e

que encenam a história da capital pau-

e-mail. Cada grupo pode ter no máxi-

domingos, é cultura e lazer.

lista. Dependendo da escolha, o custo

mo 25 integrantes. Os itinerários são

O projeto TurisMetrô, parceria

pode variar entre R$ 2,55 e R$ 7,65, o

realizados às 9 e às 14 horas e duram,

entre a São Paulo Turismo (SP Turis)

correspondente a um e três bilhetes do

aproximadamente, três horas. Em dias

e a Companhia do Metropolitano de

metrô, respectivamente.

de chuva, o passeio é cancelado.

São Paulo, nasceu em janeiro de 2006

A coordenadora do TurisMetrô,

Adriano Gomes, analista de turismo

com o objetivo de mostrar a cidade ao

Mariana da Luz Ferreira, explica como

da SPTuris, conta que, durante esses

turista e ao paulistano de forma rápida

participar. “Deve-se ir direto ao guichê

quase quatro anos de existência, o

e barata. No total, são oferecidos seis

do projeto dentro da Estação Sé com

projeto já atendeu mais de 30 mil

roteiros de passeios (Sé, Memorial

30 minutos de antecedência, escolher o

pessoas. “Tem tido um retorno muito

10

Revista Secovi_ED200.indd 10

06/11/2009 20:17:37


positivo”, afirma. Desenvolvido pela

de Janeiro (24), Goiânia (18) e Recife

dos roteiros foi o trajeto da Sé, prefe-

SPTuris, é executado por uma empresa

(17). O TurisMetrô recebeu ainda gente

rência de 43,78% dos participantes.

terceirizada, a Check Point, que venceu

de cidades estrangeiras, como Buenos

Em termos de satisfação com os

uma licitação para realizar o trabalho.

Aires (4), Bogotá (4), Paris (3), Nova

itinerários, a aprovação foi elevada.

Especializada em turismo receptivo,

York (2), Roma (2), Manchester (1) e

Quase 95% qualificaram os roteiros

a companhia é responsável pela con-

Munique (1).

como adequados.

tratação dos profissionais e por toda a

Os guias que conduzem os grupos

logística do TurisMetrô. “Eles cuidam

Divulgação boca a boca

também aparecem bem na pesquisa.

da parte operacional, mas tudo passa

Apesar de a publicidade ser

Em pontos como conhecimento,

pelo crivo da Prefeitura paulistana”,

considerada a alma do negócio, o

objetividade/clareza, informações e

explica Gomes.

boca a boca foi a principal forma de

simpatia, tiveram desempenho de

Relatório de agosto do TurisMetrô,

divulgação. Mais de 53% das pessoas

66,84%, 68,10%, 69,69% e 78,33%,

respondido por 588 pessoas, traça o

tiveram conhecimento dos passeios

respectivamente. “Eles são capaci-

perfil das pessoas que embarcaram na

por intermédio de indicações de

tados”, garante Gomes, opinião que,

caravana durante o mês. Com 65,13%,

conhecidos – segundo a pesquisa,

pelo visto, parece ser compartilhada

as mulheres representaram a maior

aliás, mais de 99% dos participantes

pelo público. Para quem gosta de

fatia de público. Os jovens com idade

recomendariam o roteiro. Entre os

novidades, fica a dica para aguardar

entre 20 e 29 anos foram os que mais

meios de comunicação que mais

por novos itinerários. “A partir de 2010,

prestigiaram o projeto. A maioria dos

ajudaram na divulgação do projeto, a

teremos novos roteiros com temáticas

participantes, 343, era de São Paulo.

internet superou todos, com cerca de

próprias e itinerários diferenciados”,

Na sequência, vieram turistas do Rio

20%. No período, o grande campeão

diz o analista da SPTuris.

11

Revista Secovi_ED200.indd 11

06/11/2009 20:17:43


LAZER Por Alessandro Mesquita

Como participar

s passeios Cronograma do quantidade de (com respectiva lhetes unitários)

Compareça ao balcão do TurisMetrô na Estação Sé com, pelo

bi

menos, 30 minutos de antecedência do horário de saída dos

Sábados (1) 9h – Turismo na Sé o na Luz (1) icipal (1) e Turism 14h – Teatro Mun

grupos. Escolha o roteiro e compre o número de bilhetes unitários necessários. O guichê funciona de segunda a sexta-feira entre 9 e 13 horas e das 14 às 18 horas. Aos sábados e domingos, abre entre 8 e 17 horas. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 2958-3714 ou nos sites www.metro.sp.gov.br/cultura/turismetro/turismetro.asp e www.spturis.com/turismetro

Domingos ulista (3) e Sé, Turismo na Pa 9h – Turismo na ica Latina (3) Memorial da Amér z e Memorial Sé, Turismo na Lu 14h – Turismo na do Imigrante (3)

Roteiros Turismo na Sé

com desconto na visitação). Na Trianon-Masp, pega-se

Da Estação Sé até a São Bento de metrô. Pontos visi-

o metrô de volta à Sé.

tados: Igreja de São Bento*, Largo de São Bento, Praça Antônio Prado, Rua 15 de Novembro, Rua do Comércio,

Roteiro Turismo na Luz

Largo do Café, Praça do Patriarca, Igreja Santo Antônio,

Embarque na Sé com destino à Luz. Pontos visitados:

Rua da Quitanda, Centro Cultural Banco do Brasil*, Pátio

Estação da Luz*, Parque da Luz*, Café Pinacoteca, Pi-

do Colégio*, Capela do Beato Padre Anchieta, Casa

nacoteca do Estado, Museu de Arte Sacra* – Museu do

nº 1, Beco do Pinto, Solar da Marquesa*, Centro Cultural

Presépio. Da estação Tiradentes até a Sé.

da Caixa Econômica, Praça da Sé e Marco Zero – Catedral da Sé*.

Roteiro Teatro Municipal Sé até a Estação Anhangabaú. Pontos visitados:

Roteiro Memorial do Imigrante

Ladeira da Memória, Shopping Light, Teatro Municipal*,

Da Sé até a República de metrô. Pontos visitados:

Monumento a Carlos Gomes e Fonte dos Desejos, Via-

Praça da República, edifícios Copan e Itália e Secretaria

duto do Chá, Praça do Patriarca, Faculdade de Direito

da Educação. De volta à Estação República, de onde se

Largo do São Francisco, Igreja de São Francisco de

parte para a Bresser-Mooca. Pontos visitados: Memorial

Assis*, Igreja da Ordem 3ª de São Francisco, Escola

do Imigrante* e Passeio de Maria-Fumaça (opcional e

de Comércio Álvares Penteado, Igreja de São Gonçalo,

pago à parte). De volta à estação Bresser-Mooca, em-

Fórum João Mendes e Tribunal de Justiça, Capela do

barque rumo à estação República, de onde se retorna

Menino Jesus e Santa Luzia*, Igreja Nossa Senhora da

à Sé.

Boa Morte e Igreja da Ordem 3ª do Carmo. Embarque de volta à Sé.

Roteiro Turismo na Paulista Da Sé com destino à estação Brigadeiro. Pontos visi-

Memorial da América Latina

tados: Casa das Rosas*, Grupo Escolar Rodrigues Alves,

Sé até República. Pontos visitados: Praça da Repú-

Hospital Santa Catarina e Instituto Pasteur. Embarca-se

blica, edifícios Copan e Itália e Secretaria da Educação.

na Estação Brigadeiro até a Trianon-Masp. Locais visi-

Embarca-se com destino à Estação Palmeiras-Barra

tados: Parque Trianon*, Feirinha do Masp* (opcional,

Funda. Local visitado: Memorial da América Latina*

Obs.: O itinerário pode ser alterado sem aviso prévio para melhor operação do roteiro. A marcação com asterisco representa visita interna.

12

Revista Secovi_ED200.indd 12

06/11/2009 20:17:48


13

Revista Secovi_ED200.indd 13

06/11/2009 20:17:51


SAÚDE E BEM-ESTAR Por Carlos Gonçalves

Sombra e água fresca Em dezembro, o sol aparece com força total, mas não abuse para não sentir na pele os efeitos da imprudência

O

verão está chegando.

já que a pele, em constante relação

em pisos constantemente úmidos

E, com ele, temperaturas

com os demais órgãos, pode refletir o

(vestiários e saunas); utilizar somente

elevadas que, geralmente,

funcionamento deles. Quando perde

o seu material de manicure; e evitar

significam muito mais do que praia.

o brilho e a cor, no entanto, é possível

ao máximo calçado fechado, roupas

O calor pode representar o surgimen-

que seja sinal de que algo não está

quentes e justas de tecidos sintéticos.

to de variados problemas de pele. É

funcionando como deveria.

Além de incrementar o cuidado com a

por isso que, nessa época do ano,

As ameaças aumentam durante a

higiene, Pimentel aconselha manter-se

precisamos redobrar a atenção com

estação mais quente do ano e a cútis

longe dos locais com baixa qualidade

a pele, que, grosso modo, funciona

fica vulnerável ao aparecimento de do-

sanitária.

como um protetor.

Embora limpeza seja ponto-chave,

solares; micoses (que são infecções

banhos quentes e demorados devem

nas de agressões externas, vindas de

causadas por fungos); bicho geo-

ser evitados. Eles retiram a oleosidade

bactérias, vírus e raios solares, entre

gráfico, ocasionado por um parasita

da pele. Por sua vez, a água sozinha

outros. Ela também é importante para

encontrado nas fezes e na urina de

não é eficiente. O ideal é usar algum

a aparência, devido ao fator estético.

cães e gatos; alergias a picada de

produto que evite o ressecamento.

Ao olhar científico, porém, reflete o

insetos, que podem ser combatidas

Também é preciso tomar cuidado com

quesito saúde. Estar corado pode ser

com repelentes e telas; e melasma,

o manuseio de lixo, excrementos de

indício de que o organismo anda bem,

um distúrbio pigmentar caracterizado

animais de estimação e substâncias

pelo surgimento de manchas escuras.

químicas, como detergente, água sa-

Eugenio Pimentel, dermatologista do

nitária, cloro e sabão. Usar luvas é uma

Hospital das Clínicas de São Paulo,

solução adequada nessas ocasiões.

Foto - Divulgação

enças típicas da época: queimaduras

A pele resguarda estruturas inter-

ainda acrescenta à lista lesões pré-

Na precaução de boa parte das

câncer e câncer de pele no longo

doenças, é preciso defender-se da

prazo.

ação do sol. Em épocas de altíssimas

Algumas medidas, porém, podem

temperaturas, ele acaba sendo o vilão

evitar boa parte desses males. Na

e, ao mesmo tempo, um personagem

prevenção às micoses, por exemplo,

capaz de revigorar os ânimos, pois

é recomendável secar-se bem após

libera o hormônio que causa boas

o banho, principalmente as dobras

sensações ao organismo, a endorfina.

da pele, como axilas, virilhas e dedos

Segundo Pimentel, a exposição aos

dos pés; não usar objetos pessoais

raios solares deve ser evitada entre

de outras pessoas (roupas, calçados

10 horas da manhã e 5 da tarde, o

e pentes); não andar descalço

que não quer dizer que ela esteja liberada, indiscriminadamente, fora

Érica: frutas e verduras de cores variadas para proteger-se da radiação ultravioleta

desse período.

14

Revista Secovi_ED200.indd 14

06/11/2009 21:16:06


De sol a sol

inúmeras máximas populares. Todas

Trabalhadores que permanecem

questionáveis. Embora discutíveis do

horas sob o sol, como taxistas que

ponto de vista nutricional, alimentos

passam longos momentos parados

como chocolates e doces não são

em congestionamentos, não devem

causadores acintosos de espinhas.

sair de casa sem se precaver. Uma

De qualquer modo, cautela cai

das consequências de ficar quase o

bem em qualquer recei-

dia inteiro dentro do carro é a desidra-

ta. “Refeições muito

tação. A sugestão é utilizar hidratantes,

condimentadas

importantes para manter a maciez da

e gorduro-

pele. Os filtros solares também são

sas, que

outra boa opção. Devem ser de amplo

são ter-

espectro, protegendo das radiações

mogênicas,

ultravioleta A e B.

aumentando a

Na praia, Pimentel recomenda

temperatura corporal,

guarda-sol, chapéu e camiseta. Beber

a transpiração e a sen-

muita água é outra necessidade bási-

sação de calor, devem

ca. Do contrário, aumenta-se o risco de

ser evitadas”, explica

uma insolação. Na busca do bronze-

Érica.

ado perfeito, não se pode estender as

Alguns especialistas apontam para

sessões de banho de sol. Tampouco

o fator hereditário quando o tema em

lançar mão de processos que prome-

questão é cútis bonita e saudável,

tem resultados, como o bronzeamento

deixando para a alimentação um papel

artificial. Este, sim, um vilão completo.

coadjuvante. Independentemente dis-

“É prejudicial e já foi condenado pela

so, o cardápio equilibrado é condição

Sociedade Brasileira de Dermatologia

sine qua non para o bom funcionamen-

e pela Organização Mundial da Saúde

to de todos os mecanismos e órgãos

(OMS)”, diz Pimentel.

do corpo, incluindo a pele. Até porque

Se a pele é reflexo da saúde,

graves deficiências nutricionais serão

mantê-la bem requer alimentação

sentidas, literalmente, nela. A falta das

balanceada. Além disso, não existe

vitaminas A, B e C e de zinco, subs-

nada que opere milagres, como re-

tância encontrada em ostras, carne

gimes da moda. A boa dieta contém

vermelha e nozes, pode ocasionar

quantidade suficiente de vitaminas,

certos tipos de enfermidade.

minerais e proteínas. “Frutas e verduras

O organismo também pode não se

de cores variadas, incluindo verde,

dar bem com determinados alimen-

verde-escuro, vermelho e amarelo, são

tos e gerar, pelo menos, dois tipos

ricas em antioxidantes, que protegem

de alergia: a urticária, com vergões

da radiação ultravioleta do sol e do

aparentes na pele; e o eczema, ca-

envelhecimento cutâneo”, afirma a

racterizado por inflamação local com

doutora Érica Monteiro, nutricionista

descamação, vermelhidão e coceira.

da Universidade Federal de São Paulo

A solução para esses problemas, entre

(Unifesp).

muitos outros, está nas mãos de seu

É nesse terreno que ganham vida

dermatologista.

Por dentro da pele Ela é formada por três camadas. Cada uma tem características e funções diferentes. A mais externa, a epiderme, composta por diversas porções de células, é responsável por proteger o organismo de ataques vindos de fora; a parte intermediária é a derme, cujo trabalho é sustentar e nutrir a cútis; e a camada mais profunda é a hipoderme, na qual estão células de gordura e vasos sanguíneos. Como tudo que constitui o nosso corpo, as camadas da pele envelhecem, mas fatores externos, a exemplo de estresse, fumo, consumo de bebidas alcoólicas, alimentação e exposição ao sol, podem funcionar como catalisadores desse processo.

15

Revista Secovi_ED200.indd 15

06/11/2009 20:18:02


DIA A DIA

Dicas e indicadores que facilitam a administração do seu condomínio Icon Secovi-SP – Índice de Custos Condominiais MÊS: Setembro / 2009

Total Geral PER

Pessoal / Encargo

Var. % ICON

Tarifas

Var. %

Mês

12 Ano meses

ICON

12 Mês Ano meses

Manut. de Equipamentos

Var. % ICON

12 Mês Ano meses

Índice Base Dez/01 = 100,000

ICON

Diversos

Conservação e Limpeza

Var. %

Var. %

Mês

Ano

12 meses

ICON

Var. % ICON

Mês

Ano

12 meses

Mês

Ano

12 meses

set/08

164,639

0,68

3,30

7,34 157,880 0,00 0,30 5,87 167,491 3,43 6,17 6,17 188,058

0,11

8,47

12,31 173,495

0,00

7,74

10,61 163,125 0,00

8,35

12,18

out/08

172,679

4,88

8,34

8,92 171,048 8,34 8,67 8,67 167,491 0,00 6,17 6,17 189,901

0,98

9,53

12,23 175,195

0,98

8,79

10,82 164,724 0,98

9,41

12,11

nov/08

172,833

0,09

8,44

8,86 171,048 0,00 8,67 8,67 167,491 0,00 6,17 6,17 190,623

0,38

9,95

11,88 175,861

0,38

9,21

10,79 165,350 0,38

9,83

11,76

dez/08

172,780 -0,03

8,40

8,40 171,048 0,00 8,67 8,67 167,491 0,00 6,17 6,17 190,375 -0,13

9,81

9,81

175,632 -0,13

9,07

9,07

165,135 -0,13

9,68

9,68

jan/09

172,618 -0,09 -0,09 8,04 171,048 0,00 0,00 8,67 167,491 0,00 0,00 6,17 189,537 -0,44 -0,44

8,14

175,197 -0,25 -0,25

7,86

164,408 -0,44 -0,44

8,02

fev/09

172,898

-0,18

7,85

175,474

-0,09

7,65

164,835 0,26

-0,18

7,73

mar/09 172,626 -0,16 -0,09 7,55 171,365 0,00 0,19 8,54 167,491 0,00 0,00 6,17 188,624 -0,74 -0,92

6,27

174,705 -0,44 -0,53

6,40

163,616 -0,74 -0,92

6,15

abr/09

0,16

0,07

7,91 171,365 0,19 0,19 8,54 167,491 0,00 0,00 6,17 190,030

0,26

0,16

172,575 -0,03 -0,12 7,34 171,365 0,00 0,19 8,54 167,491 0,00 0,00 6,17 188,341 -0,15 -1,07

5,38

174,629 -0,04 -0,57

5,61

163,370 -0,15 -1,07

5,27

mai/09 172,332 -0,14 -0,26 6,78 171,365 0,00 0,19 8,54 166,333 -0,69 -0,69 5,43 188,209 -0,07 -1,14

3,64

174,728

-0,51

4,01

163,256 -0,07 -1,14

3,53

jun/09

172,066 -0,15 -0,41 5,86 171,365 0,00 0,19 8,54 165,192 -0,69 -1,37 3,37 188,021 -0,10 -1,24

1,53

174,524 -0,12 -0,63

2,11

163,093 -0,10 -1,24

1,41

jul/09

172,641

-0,08 5,50 171,365 0,00 0,19 8,54 168,994 2,30 0,90 4,35 187,212 -0,43 -1,66 -0,66 173,841 -0,39 -1,02

0,02

162,391 -0,43 -1,66 -0,77

0,33

0,06

ago/09 172,485 -0,09 -0,17 5,48 171,365 0,00 0,19 8,54 168,994 0,00 0,90 4,35 186,538 -0,36 -2,02 -0,70 172,991 -0,49 -1,50 -0,29 161,807 -0,36 -2,02 -0,81 set/09

173,612

0,65

0,48

5,45 171,365 0,00 0,19 8,54 174,024 2,98 3,90 3,90 187,322

0,42

-1,60 -0,39 173,226

FOLHA DE PAGAMENTO Pisos Salariais: Verificar a Convenção Coletiva de Trabalho da cidade do condomínio no site www.secovi.com.br

ACÚMULO DE CARGO: 20%

0,14

(Setembro/2009)

ADICIONAL NOTURNO: 20%

CESTA BÁSICA: Verificar Convenção Coletiva de Trabalho da cidade do condomínio no site www.secovi.com.br

FGTS – NOVEMBRO/2009 (Data de recolhimento até 07/12/09): 8% sobre o total de remuneração recebida pelo empregado

PIS – NOVEMBRO/2009 (Data de recolhimento até 25/9/09): 1% sobre o total da folha de pagamento INSS – NOVEMBRO/2009 (Data de recolhimento até 18/12/09) * SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO (R$) – ALÍQUOTAS

Atenção: INSS – Contribuição – Riscos Ambient ais do Trabalho – a partir da competência SALÁRIO-FAMÍLIA – NOVEMBRO/2009 junho/2007: 3% Remuneração mensal até R$ 500,40 = R$ 25,66 Remuneração mensal acima de R$ 500,41 até R$ 752,12 = R$ 18,08

= = = =

-1,60 -0,39

ÍNDICES DE PREÇO

HORAS EXTRAS: Cidade de São Paulo e demais municípios: 50%

Até 965,67 De 965,68 a 1.609,45 De 1.609,46 a 3.218,90 Acima de 3.218,90

-1,37 -0,16 162,486 0,42

8,00 % 9,00 % 11,00 % R$ 354,07

* Esses valores correspondem ao mês de novembro/2009 e poderão sofrer

Variação - em% Indicador Mês

Ano

12 meses

IGP-DI

0,25

(1,35)

(0,65)

IGP-M

0,42

(1,61)

(0,40)

IPC/FIPE

0,16

2,91

3,99

INPC

0,16

3,23

4,45

IPCA

0,24

3,21

4,34

INCC-DI

0,15

2,78

4,27

Fontes: FGV, IBGE e Fipe/USP Elaboração: Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP

alterações até a data do vencimento, conforme publicação no Diário Oficial da União.

16

Revista Secovi_ED200.indd 16

06/11/2009 20:18:07


17

Revista Secovi_ED200.indd 17

06/11/2009 20:18:12


MANUTENÇÃO Por Rosana Pinto

Por uma boa imagem Confira as dicas de instalação e manutenção da antena de tevê do condomínio e evite dores de cabeça futuras

A

pesar dos seus quase 60

opções, como a antena parabólica

sobre o produto escolhido, para evitar

anos, a televisão ainda é

ou de tevê por assinatura, originária

surpresas desagradáveis”, aconselha

a companheira de todas as

de alguma parceria fechada durante

Meira.

horas da maioria dos brasileiros. Pela

a obra.”

variedade da programação e

A antena adequada

serviços anexos, como acesso à

A escolha do tipo de antena

internet de banda larga e serviço

a ser instalada – coletiva ou pa-

de telefonia, a tevê por assinatura

rabólica – deve levar em conta a

ganha cada vez mais espaço nos

localização do edifício e o sistema

condomínios paulistas.

de distribuição adequado. A orien-

Avanços tecnológicos à parte,

tação é de Geraldo Bueno, diretor

o sistema convencional, por meio

técnico das Antenas Paraíso, que

de antena coletiva ou parabólica,

atua há 22 anos no mercado.

ainda é bastante utilizado na maio-

Segundo ele, se o condomínio

ria dos prédios, como atesta o engenheiro Sérgio Meira de Castro Neto, diretor de Condomínios do

Bueno: “Com um medidor, posicionamos a antena para obtenção do sinal, evitando interferências, fantasmas e sobreposição de imagens”

optar pelo sistema coletivo, as antenas locais de VHF e UHF são indicadas, preferencialmente,

Secovi-SP. “Em geral, os empreen-

Na falta dessas opções, o síndico

para áreas onde não haja obstrução

dimentos imobiliários são entregues

pode pesquisar os produtos existentes

entre os pontos de transmissão e de

com antena coletiva comum, aberta

no mercado e deixar que os moradores

recepção.

aos canais gratuitos”, revela. “Algumas

decidam qual fornecedor será con-

Ele alerta para problemas envol-

construtoras também oferecem outras

tratado. “O ideal é obter referências

vendo má recepção do sinal, que

18

Revista Secovi_ED200.indd 18

06/11/2009 20:18:13


ocorre em alguns bairros da Capital,

que indica a fixação da antena sobre

Mas 80% dos problemas são in-

principalmente aqueles situados em

uma base pré-moldada de concreto.

ternos, relata Bueno. Muitas vezes, o

região baixa e com grande concen-

“Por causa dos fortes ventos, as hastes

morador – ao ver que a imagem não

tração de prédios, como o bairro da

devem ser bem fixadas, por meio de

está boa – acaba mexendo na tomada,

Aclimação. Em locais onde o sinal

cabos de aço”, destaca.

prejudicando a recepção do sinal das

VHF não tem boa resolução, a

outras unidades. Em alguns pré-

recomendação é optar por uma

dios mais novos, informa Bueno, a

antena parabólica. “Comparado

distribuição é feita nos corredores

com o sistema convencional, o

com uma tomada no respectivo

preço da parabólica é maior, mas

andar e não é preciso entrar no

compensa”, diz o diretor.

apartamento para a manutenção.

“Com base na localização do

A fim de preservar a imagem

prédio, verificamos a melhor posi-

de todos os aparelhos de tevê do

ção das antenas com um medidor

prédio, o morador não deve abrir

de sinais, evitando interferências,

a caixinha da tomada de antena.

fantasmas, sobreposição de imagens. Os dados obtidos indicam a intensidade de sinal e a qualidade

“Em caso de necessidade de Lemos:“Até aves, como urubus, quebram antenas. Por isso elas precisam ser reforçadas”

dos canais recebidos pelas antenas”, explica Bueno.

reparo, consulte o síndico, para ele acionar a empresa que faz a

manutenção”, aconselha Meira.

Manutenção periódica Centelhas perigosas

Com exceção das áreas em que há

Depois de instaladas, as antenas

barreiras entre a transmissão e a recep-

captam, amplificam, misturam e distri-

Com a chegada do verão, aumen-

ção dos sinais, em geral a instalação

buem os sinais para os apartamentos,

ta a quantidade de chuvas fortes e,

da antena coletiva ocorre sem grandes

fazendo com que cheguem iguais

consequentemente, a incidência de

problemas. Por isso, são projetados as

em todos os pontos, do último andar

raios. Por isso, o diretor do Secovi-SP

bases e os mastros.

até o térreo. Bueno observa que, nos

recomenda atenção especial nessa

“A antena não pode ser afixada

prédios mais antigos, a distribuição do

estação.

direto na laje, pois prejudica a imper-

sinal se dá por meio de cabeamento

Instalações profissionais costu-

meabilização da cobertura, provo-

em prumadas que passam dentro dos

mam ser dimensionadas para oferecer

cando até vazamento”, alerta Meira,

apartamentos.

proteção em 99% das descargas. DesHélio Lemos, da Arte

ligando os equipamentos durante as

Circuito Fechado, que

tempestades – cabeçal do VHF e UHF,

também instala e realiza

receptor de satélite do cabo coaxial,

manutenção de antenas

da rede e do televisor –, elas estão

coletivas e parabólicas, diz

praticamente 100% protegidas.

que o ideal é o condomínio

Meira alerta que as antenas preci-

contratar uma empresa respon-

sam ficar mais baixas que a haste do

sável pela manutenção mensal

sistema de proteção contra raios (NBR

da antena. Segundo ele, o desgaste

5419). “Do contrário, mesmo com esse

natural das peças, a ação do vento e

equipamento, a descarga elétrica pode

da poluição influenciam na recepção

atingir os aparelhos elétricos instalados

do sinal. “Até aves, como urubus,

nos apartamentos”, ressalta o enge-

quebram antenas, que precisam de

nheiro. “Quando chega, o raio costuma

reforço”, conta.

causar estragos.”

19

Revista Secovi_ED200.indd 19

06/11/2009 20:18:17


VIDA DE SÍNDICO Por Sônia Salgueiro

Cida: “Era comum ouvir comentários do tipo ‘essa mulher não vai aguentar nem três meses’, mas sobrevivi”

A dona de casa virou

administradora Maria Aparecida dos Santos, a Cida, tornou-se síndica do Condomínio Vale dos Pássaros, de Guarulhos, quando o marido faleceu. Já está há seis anos no comando de um complexo com 140 casas e 204 apartamentos

M

aria Aparecida dos San-

na função naquela época, foi vítima

distribuídos em 17 blocos com 12

tos, a Cida, está à frente

de um infarto no próprio condomínio.

unidades cada; mudou a rede de

do Condomínio Vale dos

Cida, “uma mera dona de casa”, como

água, o que possibilitou reduzir o

Pássaros, localizado no bairro Co-

se autodefinia para outros moradores,

consumo; e mudou a política de

caia, em Guarulhos (SP), há seis

está dando conta do recado. Reduziu

Recursos Humanos do local, contra-

anos. Virou síndica depois que seu

a inadimplência no condomínio, que

tando pessoas que antes ocupavam

marido, há somente um mês e meio

reúne 140 casas e 204 apartamentos,

funções terceirizadas.

20

Revista Secovi_ED200.indd 20

06/11/2009 20:18:19


Como você chegou à função de

cerca de 30% das unidades estavam

nários registrados do condomínio.

síndica?

inadimplentes. Até hoje esse é um pro-

Só recorremos a uma cooperativa de

Desde 1996 moro no Condomínio

blema sério, mas o índice de inadim-

trabalho quando algum dos nossos

Vale dos Pássaros, uma verdadeira

plência caiu para 20%. Para atacar o

funcionários está de licença médica,

minicidade habitada hoje por 1.463

problema, contatei um escritório de

por exemplo.

pessoas. Cheguei à função depois que meu marido, que atuava há apenas um mês e meio como síndico, morreu na quadra de tênis do condomínio vítima de um infarto. Ele tinha lutado muito para

“É muito difícil administrar um condomínio misto. Os moradores dos prédios têm ciúme do pessoal das casas e este dos condôminos dos prédios”

advocacia. Espalhei faixas pelo condo-

A mudança foi vantajosa?

mínio chamando os

Claro. Quando entramos fizemos um

inadimplentes para

levantamento e vimos que registrando

um acordo, mas

todo mundo teríamos uma economia

pouca gente se ma-

mensal de R$ 2.000. Além disso, a

nifestou. Entramos

fiscalização está acompanhando mais

na Justiça para co-

de perto as empresas de terceirização

brar os devedores e,

e, quando elas não cumprem o prome-

perante o juiz, aceita-

tido, a responsabilidade pode sobrar

mos várias formas de

para o condomínio, porque somos so-

condomínio era mal administrado. Era

parcelamento. Em seis anos, consegui

lidários. Com funcionários registrados,

o dia 19 de outubro de 2003. As pes-

reaver R$ 740 mil.

evitamos esse tipo de problema.

lugar dele, diziam que me ajudariam,

A Lei do Protesto de Boletos co-

Para chegar nessa economia, vocês

mas eu era uma mera dona de casa.

laborou de alguma forma nesse

cortaram pessoal?

Estava por dentro de tudo que aconte-

processo?

Não, muito pelo contrário. Contratamos

cia, tinha passado abaixos-assinados

Sem dúvida. Como ninguém quer sujar

um funcionário para atuar principal-

pelo condomínio todo, e resolvi aceitar

o nome, os inadimplentes começaram

mente como ajudante de jardineiro,

o desafio. Assumi em dezembro de

a nos procurar.

mas ele faz outras manutenções tam-

ser eleito, porque o

soas achavam que eu devia ficar no

bém. No total o condomínio conta hoje

2003, após uma assembleia em que ganhei por unanimidade.

Que outras ações implementou no

com 21 empregados, entre porteiros,

Vale dos Pássaros?

agentes de segurança, pessoal de

Foi difícil a sua estreia como sín-

O síndico antigo deixou alguns fun-

limpeza, jardinagem e manutenção.

dica?

cionários – todos seguranças – sem

No começo, corri atrás do prejuízo

registro por algum tempo. Quando

O corte de custos é ideia fixa entre

via aprendizado. Até 2004 absorvi o

assumi, eles foram registrados, mas,

boa parte dos síndicos. Além da

máximo possível de informações. Fiz

ainda assim, metade entrou com ação

contratação do pessoal terceiriza-

um curso de seis meses sobre Admi-

na Justiça do Trabalho. Tivemos que

do, que outras investidas fez para

nistração de Condomínios, participei

pagar quase R$ 100 mil em ações

reduzir despesas?

de muitas palestras no Secovi-SP,

trabalhistas entre 2004 e 2005. Outros

A rede de água estava condenada

especialmente aquelas relacionadas a

R$ 45 mil estão depositados em juízo

porque tínhamos muitos vazamentos.

segurança. Contei, ainda, com a ajuda

no nome de um dos funcionários. Era

Eu mesma cheguei a pagar uma

da nossa administradora. Ela foi uma

comum, em 2004, ouvir comentários

conta mensal de R$ 400 – nas casas,

‘parceirona’. Também sou membro, há

do tipo ‘essa mulher não vai aguentar

a medição é individualizada; nos

dois anos, do Conselho de Síndicos

nem três meses’. Mas sobrevivi.

prédios, não. O nosso relógio central acusava uma perda mensal de 400

do Secovi-SP. O que mudou no condomínio após

metros cúbicos diários de água. Com

Qual foi sua primeira dificuldade

essa experiência traumática?

a troca de rede, nosso consumo diá-

administrativa?

Antes, a limpeza e a segurança eram

rio baixou para 180 metros cúbicos.

A inadimplência. Quando assumi,

terceirizadas. Hoje todos são funcio-

Hoje acompanhamos diariamente

21

Revista Secovi_ED200.indd 21

06/11/2009 20:18:25


VIDA DE SÍNDICO Por Sônia Salgueiro

o consumo e, havendo qualquer anormalidade, fechamos a água para detectar vazamentos. Outra vantagem da troca de rede é que, como colocamos caixas de inspeção em todas as ruas, agora posso fechar a água de uma delas para detectar o problema, poupando os demais moradores. Como a própria Secretaria de Águas e Esgotos (SAE) de Guarulhos constatou que ‘perdíamos’ muita água, nos deu o projeto de presente. Quanto vocês investiram na troca de rede? Tínhamos orçamentos de R$ 140 mil, R$ 180 mil e de mais de R$ 200 mil.

A síndica construiu uma pista de skate no condomínio

Graças à parceria com a SAE, gastamos R$ 60 mil. Como a despesa já es-

mentos arcam com essa despesa. Mas

segurança que instituímos esses pro-

tava aprovada, rateamos o valor e, com

a conta do saco de lixo é rateada entre

cedimentos.

o que sobrou, arrumamos a portaria,

todas as unidades, porque o limpador

inclusive equipando-a com câmeras

recolhe lixo do condomínio todo.

A área comum do Vale dos Pássaros passou por alguma obra

de vigilância, e adquirimos um relógio digital de ponto. Essas obras foram

A senhora teve alguma ação para

recente?

concluídas em 2006.

melhorar a convivência entre os

Na piscina, criamos um solário. Tam-

condôminos?

bém fizemos uma casa de bonecas e

É difícil administrar um condomínio

Até para evitar problemas, melhorei

uma pista de skate, na qual as crianças

misto?

o Regulamento Interno. As pessoas

podem brincar, mas apenas portando

Muito. Até hoje os moradores dos pré-

abusavam. Na piscina, por exemplo,

equipamentos de segurança (luvas, jo-

dios têm ciúme do pessoal das casas

passou a ser proibido entrar com sal-

elheira, etc.). Fizemos antes a casa de

e este dos condôminos dos edifícios.

gadinho, bebida alcoólica e animais.

bonecas para as meninas, e os garotos

O habitante do prédio reclama que

Também instituí o exame médico de

cobraram uma área também.

cada casa tem uma churrasqueira e

quatro em quatro meses. Uma mé-

que todos os edifícios têm um único

dica vem ao condomínio em alguns

Quais são suas próximas metas?

equipamento desses. Na realidade,

sábados e domingos com esse intuito.

Em 2010 vamos priorizar a segurança.

porém, a demanda dos prédios pela

Cada morador desembolsa R$ 7 pelo

Temos câmeras instaladas apenas na

churrasqueira nem é tão grande as-

exame, mas famílias maiores pagam

portaria e queremos colocar outras nas

sim. Também já tivemos problemas

menos por laudo. Também aceitamos

ruas do condomínio e em alguns pon-

no rateio das despesas com material

atestados de convênio médico. Os mo-

tos estratégicos. Já temos os equipa-

de limpeza. Antes de eu assumir, essa

radores são obrigados a passar pela

mentos, mas preciso montar uma sala

conta era rateada igualmente entre

ducha antes de entrar na piscina.

de monitoramento 24 horas. Também pretendo instalar equipamentos mais

casas e apartamentos. Ocorre que quem tem casa precisa comprar seus

Não houve reclamações?

modernos na sala de ginástica. Quero

próprios produtos e isso gerava muita

De forma alguma. Os moradores

fazer algo mais sustentável, provavel-

discussão. Hoje em dia só os aparta-

entenderam que é para sua própria

mente utilizando energia solar.

22

Revista Secovi_ED200.indd 22

06/11/2009 20:18:26


23

Revista Secovi_ED200.indd 23

07/11/2009 14:40:50


PAISAGISMO Por Sônia Salgueiro

Jardim bem planejado Escolha as árvores certas e evite problemas na estrutura do prédio Foto: Evelyn Muller

H

Geiser: “A diversidade é importante para manter os ciclos biológicos naturais”

oje em dia, quando se fala

ções dos especialistas na hora de

em projeto paisagístico de

optar por uma árvore é que a eleita

condomínios, as atenções

faça parte da mata da região. “Quando

estão invariavelmente voltadas para

se pensa em arborizar, plantar e sele-

a área de lazer do edifício. As plantas

cionar espécies, deve-se considerar o

que compõem os jardins têm ficado

ecossistema urbano em que se situa

em segundo plano. Mas é importante

a cidade”, diz o engenheiro agrônomo

que síndicos e condôminos escolham

e paisagista Rodolfo Geiser, sócio, ao

a dedo as árvores que ornamentarão

lado da arquiteta paisagista Christiane

as áreas comuns do prédio, para evitar

Ribeiro, do escritório Rodolfo Geiser -

problemas futuros, como rompimento

Paisagismo e Meio Ambiente.

de estruturas de concreto, quebra de

A Grande São Paulo está em uma

pisos e canos ou comprometimento da

região de floresta ombrófila densa,

fiação ou iluminação do prédio.

lembra Geiser. Campos do Jordão fica

Uma das primeiras recomenda-

em área de floresta estacional mista,

24

Revista Secovi_ED200.indd 24

06/11/2009 20:18:30


ao passo que municípios como

grumixama)”, ilustra Geiser.

Ribeirão Preto e São José do

menos terra, tendendo, portanto, a se

Os problemas costumam

desenvolver menos.” Entre as espécies

Rio Preto ficam em região

aparecer justamente quan-

que ele recomenda para jardins desse

de floresta estacional semi-

do as árvores chegam à

tipo estão alguns tipos específicos de

decidual. Entre as plantas

idade adulta, tempo que

palmeiras, como a Fênix Roebelenii,

características da Grande

pode variar de cinco anos,

que não é muito alta na idade adulta e

São Paulo, o engenheiro

para espécies de menor por-

possui um tronco relativamente fino. Já

te, a dez anos, para árvores

a Phoenix Canariensis, com seu tronco

maiores. “Mas sempre com

mais grosso, não é indicada para um

agrônomo cita árvores como jequitibá, cabreúva, paumarfim, guarantã,

exceções em função de

as madeiras popu-

particularidades do

Relatando que 90% dos jardins

larmente conheci-

local”, emenda o

dos edifícios são construídos sobre

das como canela,

engenheiro agrô-

lajes, Abbud recomenda árvores

além de peroba,

Abbud: “Árvores frutíferas são atraentes para as crianças”

nomo.

ipê, carobão, pitanga e grumixama. De acordo com o arquiteto paisa-

jardim sobre laje.

pequenas para os condomínios. Uma boa pedida para os jardins

Jardins sobre lajes O arquiteto paisagista Eduardo

dos prédios, segundo ele, são as árvores frutíferas, como

gista Benedito Abbud, da Benedito

Fernandez Mera, sócio da

jabuticabeiras, pitanguei-

Abbud Arquitetura Paisagística, esco-

Mera Arquitetura e Pai-

ras e goiabeiras. “É inte-

lher espécies nativas da região poupa

sagismo, ao lado da

ressante também para

o condomínio de dores de cabeça

irmã Beatriz Fernan-

as crianças, porque

e também de trabalho. “A árvore vai

dez Mera, concorda

esse tipo de árvore

necessitar de menos irrigação, pois

que o porte da planta

atrai passarinhos”,

estará ecologicamente adaptada ao

quando adulta tem

comenta.

clima”, justifica.

que ser uma preocu-

Árvores como re-

pação constante, espe-

sedá, pluméria rubra

Diversidade de espécies

cialmente para os jardins

e jabuticabeira se

Rodolfo Geiser diz que, além de

que ficam sobre lajes. “Nes-

adaptam bem a jar-

levar em consideração o ecossistema

se caso, as árvores levam

dins de condomínios

da região, o condomínio deve, na medida do possível, optar por um mix

Flamboyant

Ficus

variado de espécies. “A diversidade é importante para manter os ciclos biológicos naturais, incluindo abrigar a fauna silvestre”, explica. Essa estratégia, segundo ele, minimiza o risco de incidência de pragas que podem dizimar uma determinada espécie em toda a cidade. Ao selecionar as árvores do jardim, é fundamental também ter em conta o tamanho da planta na idade adulta, assim como o espaço disponível. “Há espécies de grande porte, como guapuruvu e paineira, de médio porte (ipês) e de pequeno porte (araçá e

25

Revista Secovi_ED200.indd 25

06/11/2009 20:18:40


PAISAGISMO Por Sônia Salgueiro

e podem ser usadas em jardins sobre

quanto foi estimado o peso da laje.”

laje, na concepão de Eduardo Mera. As

Rodolfo Geiser relaciona algumas

duas primeiras não passam de 3 ou 4

árvores que se adequam aos espaços

metros e não têm raiz muito profunda.

normalmente exíguos dos condo-

“Além de não ter uma raiz agressiva, a

mínios e que são típicas da região

jabuticabeira é frutífera e ornamental”,

metropolitana de São Paulo: palmeiras

diz o especialista. Ele frisa, porém, que

como o coqueiro gerivá, a cereja-do-

há lajes que não comportam qualquer

rio-grande, goiabeiras, ipê-amarelo e

tipo de árvore: só arbustos, forração ou

quaresmeira-da-serra. Em locais um

grama. “O síndico precisa informar-se

pouco maiores, a quaresmeira roxa

com um engenheiro calculista para

também pode ser uma opção.

Raiz perigosa A raiz é a inimiga número

Mera: “Síndico precisa informar-se com um engenheiro calculista sobre peso estimado para a laje”

um das estruturas de concreto e, por isso, é importante ficar de olho nela. Benedito Abbud conta que há uma regra básica que qualquer leigo pode entender: o tamanho da raiz equivale à projeção da copa da árvore no chão. Assim, Jequitibá Rosa

uma espécie como o eucalipto tem raiz profunda e estreita. Já o flamboyant possui uma raiz de maior amplitude, mas mais rasa.

Há, logicamente, árvores que devem ser evitadas. O Ficus é uma delas. Eduardo Mera lembra que o Ficus entrou na moda quando vasos com a planta foram levados para dentro dos apartamentos. “Ela vem bonita, podada e até com trança no tronco, mas começa a se expandir e estoura o vaso. Aí vai para a jardineira e, depois, para o canteiro do prédio”, diz, lembrando que a árvore cresce demais e sua raiz

Jabuticabeira

também. “Em jardins naturais, não há inconveniente nenhum, mas sobre lajes o problema é grande.”

Árvores recomendadas Palmeira Fênix Roebelenii Resedá Jabuticabeira Pluméria Rubra Manacá da Serra Espécies pouco indicadas Flamboyant Figueira Ficus Jatobá Jequitibá Rosa

26

Revista Secovi_ED200.indd 26

06/11/2009 21:24:17


27

Revista Secovi_ED200.indd 27

07/11/2009 14:47:36


28

Revista Secovi_ED200.indd 28

06/11/2009 20:18:56


OPINIÃO Carlos Borges

Desempenho de Edificações - O que significa isso?

C

om a recente publicação da Norma Brasileira de

por exemplo), os critérios quantitativos (como a resistência

Desempenho de Edifícios (NBR 15.575, Partes 1 a

de uma viga) e os métodos de avaliação para a verificação

6), que vigorará a partir de 12 de maio de 2010,

do atendimento ou não do critério.

os sistemas que compõem os edifícios, como as instala-

O grande desafio na utilização da abordagem de

ções hidrossanitárias, estruturas, pisos, fachadas e co-

desempenho na construção civil é a tradução das ne-

berturas, dentre outros, terão de atender obrigatoriamente

cessidades dos usuários em requisitos e critérios que

a um nível de desempenho mínimo ao longo de uma vida

possam ser mensurados de modo objetivo, dentro de

útil. Diversos seminários e estudos têm sido realizados

determinadas condições de exposição e uso, e que sejam

para avaliar o impacto dessa norma para a construção

viáveis técnica e economicamente.

civil, mas afinal o que muda para os usuários de imóveis?

Outro aspecto importante são as condições de

O que significa um bom desempenho de um edifício ou

exposição a que as edificações estão sujeitas e que

dos sistemas que o compõem?

dependem dos agentes que atuarão sobre elas. Estes

Desde a década de 60, nos países desenvolvidos, a

podem ter origem interna (ações dos próprios usuários)

definição de desempenho de edificações está associada

ou externa, serem provenientes de várias naturezas (chu-

ao comportamento dos empreendimentos quando em

vas, ventos, etc.) e envolvem ainda um caráter sistêmico

utilização. O edifício é um produto que deve apresentar

e probabilístico.

determinadas características que o capacitem a cumprir

Já as condições adequadas de uso e operação são

funções para as quais foi projetado, quando submetido a

definidas em projeto, e o seu não-atendimento pelos usu-

determinadas condições de exposição e uso; assim, ele

ários pode afetar diretamente o desempenho esperado.

é considerado “bem comportado” quando atende aos

Da mesma forma, as condições de operação das edifi-

requisitos para o qual foi projetado.

cações, especialmente a implementação de programas

Um marco importante para a aplicação do conceito de desempenho foi a elaboração da ISO 6241, em 1984,

de manutenção corretiva e preventiva, também interferem no desempenho esperado ao longo do tempo.

que definiu uma lista-mestra de requisitos funcionais

Apesar de o Brasil estar atrasado na aplicação prática

dos usuários de imóveis. Essa ISO ainda é válida como

da abordagem de desempenho, é muito bem-vinda a pu-

referência para a consideração dos requisitos de desem-

blicação da Norma Brasileira de Desempenho de Edifícios,

penho a serem atendidos. A lógica é a mesma adotada

que permitirá que os consumidores de imóveis tenham um

na Norma Brasileira de Desempenho, com os requisitos

poderoso instrumento para avaliar e comparar o desem-

enquadrados num nível qualitativo (a segurança estrutural,

penho de unidades produzidas pelo mercado.

Carlos Borges é vice-presidente de Tecnologia e Qualidade do Secovi-SP

29

Revista Secovi_ED200.indd 29

06/11/2009 20:19:00


CAPA Por Maria do Carmo Gregório

De olho no futuro Em busca de eficiência, condomínios começam a ensaiar ações sustentáveis, hoje ainda restritas a iniciativas voltadas à economia de água e energia elétrica, bem como a gestão de resíduos

G

arantir um futuro melhor

Os fenômenos naturais, intensifica-

Palavra de ordem no momento,

para a atual e as próximas

dos gradativamente nas últimas déca-

a sustentabilidade propõe a adoção

gerações, por meio da pre-

das, bem como sucessivas tragédias,

de práticas ecologicamente corretas,

servação dos recursos naturais, do

dão claros sinais das consequências

economicamente viáveis, socialmente

patrimônio histórico e da responsa-

da degradação ambiental e demons-

justas e culturalmente aceitas. Partindo

bilidade social, é dever da sociedade

tram a urgência de se despertar para a

desse conceito, já bastante difundido,

como um todo e de cada cidadão

necessidade de mudanças, sobretudo

nunca é demais lembrar que atitudes

em particular.

de hábitos e de comportamento.

simples podem resultar em significa-

30

Revista Secovi_ED200.indd 30

07/11/2009 13:40:34


tivas transformações na tentativa de

sária na maioria dos casos, é sempre

evitar impactos ao meio ambiente e

mais complicada e traumática para os

melhorar a qualidade de vida.

moradores. Como exemplo, diz que a

Quando se traz essa realidade para

previsão de local para acondicionar

os condomínios, os desafios são pro-

o material da coleta seletiva é um

porcionais aos benefícios que iniciati-

detalhe simples, que pode fazer muita

vas de qualquer natureza oferecem.

diferença.

Casos mais emblemáticos envolvem

Para Ciro Scopel, é fundamental

edifícios comerciais, projetados e

ainda que incorporadoras e loteadoras

construídos de acordo com diretrizes

incluam as administradoras de con-

sustentáveis, considerando aspectos

domínios na fase de concepção do

como eficiência energética, economia

projeto, considerando a experiência

de água, reaproveitamento de águas

que elas têm na pós-ocupação – não

pluviais e águas cinzas, conforto e

só na questão da sustentabilidade,

qualidade do ar interno, manutenção

mas em todos os aspectos. “O ar-

do paisagismo, coleta seletiva do lixo

quiteto apresenta os conceitos e as

e dos resíduos.

administradoras trazem a visão da

Tecnologia de Edificações, a susten-

Scopel: “Noventa por cento das soluções podem e devem ser previstas no projeto”

Nos condomínios residenciais, a

prática, da operação, dos usuários.

tabilidade é uma abordagem nova

gestão sustentável se concentra em

Com certeza, o resultado será um

para empresas e empreendimentos

medidas não menos produtivas, como

projeto de sucesso.”

do mercado imobiliário, que envolve a

coleta de lixo, reuso de águas, uso

Ações sustentáveis durante a

gestão e o desempenho dos negócios,

racional de água e de energia elétrica,

obra, com a utilização de sistemas

considerando os aspectos econômico,

dentre outras que visam basicamente

construtivos mais racionais, também

ambiental e social.

à economia. Portanto, há muito que

já vêm sendo adotadas com vistas a

avançar nessa questão, começando

reduzir ou eliminar eventuais impactos

na concepção do projeto e passando

ambientais. De qualquer forma, na

Como tornar um edifício mais efi-

pela execução da obra, para chegar à

avaliação do engenheiro Roberto de

ciente do ponto de vista sustentável?

fase de pós-ocupação.

Souza, diretor do CTE – Centro de

Souza orienta o síndico a buscar todas

Da ideia à prática

as informações relativas às diretrizes

Vencendo desafios

de sustentabilidade adotadas no

A vice-presidência de Sustenta-

projeto e na construção, verificando

bilidade do Secovi-SP, dentre outros

se constam do Manual de Uso e Ope-

trabalhos, vem desenvolvendo em

ração do Empreendimento.

parceria com a Associação Brasileira

No aspecto social, são fundamen-

dos Escritórios de Arquitetura (Asia), a

tais campanhas de educação ambien-

revisão do Manual de Escopo de Con-

tal para incentivar o uso racional de

tratação de Projetos de Arquitetura,

energia elétrica e de água, bem como

com o objetivo de inserir no documento

programas de coleta seletiva do lixo.

conceitos sustentáveis. “É um passo

Para tanto, é imprescindível envolver

enorme para minimizar problemas na

usuários (caso de edifícios comer-

operação futura dos condomínios. No-

ciais), moradores e funcionários do

venta por cento das soluções podem e

condomínio, uma vez que a sustenta-

devem ser previstas no projeto”, opina

bilidade tem forte componente cultural,

Ciro Scopel, vice-presidente da área, lembrando que a adaptação, neces-

Bernardes: “Se não fizermos nada, o que vamos deixar para os nossos filhos?”

que depende de comportamento. Outra solução econômica é realizar

31

Revista Secovi_ED200.indd 31

06/11/2009 20:46:04


CAPA

Por Maria do Carmo Gregório

retrofit de instalações hidráulicas e elé-

unidades, bem como adquirir apare-

tricas, medida que visa à adequação

lhos e produtos com selo Procel; definir

de sistemas, mas resulta em redução

horário para utilização de equipamen-

no consumo e das taxas condominiais.

tos; reduzir ou desligar iluminação em

Ações de responsabilidade social do

áreas desocupadas; instalar sensores

condomínio junto aos funcionários e à

de presença ou minuteiras; além de

comunidade local também têm efeitos

colocar avisos de ‘desligar ao sair’ em

bastante positivos.

interruptores de luz.

Lâmpada fluorescente garante economia

“É importante entender que a sus-

Bernardes sugere também uma

tentabilidade é um caminho evolutivo,

avaliação na rede elétrica para detectar

que depende da implementação de

possíveis perdas de energia em razão

melhorias contínuas e da definição de

de aquecimento de cabos subdimen-

veiros. “São produtos acessíveis, que

medidas em prol do desenvolvimento

sionados. Indica, ainda, que se faça a

oferecem ótimos resultados.”

do condomínio”, alerta Souza.

medição diária de consumo, sempre

Bernardes explica que o controle

A preocupação não deve se res-

no mesmo horário, a fim de detectar e

de vazão regula automaticamente o

tringir ao aspecto econômico, com-

eliminar com maior rapidez eventuais

fluxo, resolvendo o problema de pres-

plementa o diretor de Sustentabilidade

problemas.

são intensa registrado em andares

Condominial do Secovi-SP, Geraldo

mais baixos, onde há uma fuga muito

Dicas para economizar água

grande de água. Há ainda no merca-

que vamos deixar para nossos filhos?”,

O mesmo procedimento deve ser

do opção de chuveiros reguláveis e

questiona, citando alguns diferenciais

adotado com relação à medição de

automáticos, com controle de fluxo

de mercado do chamado condomínio

água, a fim de identificar antecipada-

de acordo com as necessidades do

verde: não agride o meio ambiente,

mente e solucionar vazamentos sem

consumidor.

permite redução na cota condominial,

que haja grandes perdas do produ-

O diretor adverte para o uso indevi-

to. São essenciais

do da água como ‘vassoura hidráulica’,

para evitar o des-

ação muito comum em prédios que

perdício a individu-

desperdiçam um produto que precisa

alização do consu-

ser preservado. Recomenda, sempre

mo e a instalação

que possível, utilizar águas pluviais e

Bernardes. “Se não fizermos nada, o

possibilita retorno do investimento, tem baixa taxa de vacância e valoriza o patrimônio.

Medidores: leitura diária de consumo ajuda a detectar problemas e evitar desperdícios

Para chegar a

de equipamentos

do lençol freático para limpeza das áre-

isso, há um longo

econômicos tanto

as comuns e dos jardins. Com autori-

caminho a percor-

nas áreas comuns

zação da Sabesp, diz, é possível ainda

rer e o síndico pode

quanto nas unida-

utilizar água de poços artesianos.

começar lançando

des. Dentre eles,

A destinação de pilhas e baterias

mão de uma série

arejadores para

deve ser alvo de preocupação nos

de medidas, algu-

torneiras, que mis-

condomínios, assim como o reapro-

mas simples e ou-

turam ar à água e

veitamento de óleo. Existem empresas

tras mais comple-

reduzem em 50%

e organizações não-governamentais

xas, sem esquecer

o consumo; des-

que recolhem esses produtos e, no

carga de fluxo fixo,

caso do óleo, fornecem os recipientes

de um bom plano de trabalho para implementá-las. No

que libera quantidade adequada de

que se refere à energia elétrica, ins-

água somente quando a pessoa para

“Essas e outras orientações sobre

talar lâmpadas fluorescentes nas

de apertar o botão; descarga de dois

o uso racional da água, de energia

áreas comuns e incentivar os condô-

fluxos, um para líquidos e outro para

elétrica, de gás e coleta seletiva de

minos a fazerem o mesmo em suas

sólidos; e controle de vazão para chu-

lixo podem ser encontradas em ma-

para coleta.

32

Revista Secovi_ED200.indd 32

06/11/2009 20:46:08


Revista Secovi_ED200.indd 33

07/11/2009 15:00:55


CAPA

Por Maria do Carmo Gregório

Manuais de Coleta Seletiva, Uso Racional da Água, de Energia e de Gás são fonte de consulta

de reuso

logias que possibilitarão reduzir esses

ca a capta água

transtornos.”

da chuva

O prédio conta há dois anos com

e d direciona

coleta seletiva e reaproveitamento

para d ua as das quaduas

de óleo. “À época, fizemos um gran-

tr r o ca caix a ix ixas a s d’água, as tro caixas

de trabalho de conscientização por

l na garagem. O produto é uma d delas

meio de avisos nos elevadores e de

nuais específicos, elaborados pelo

utilizado na limpeza de áreas comuns

reuniões com auxiliares domésticas.

Secovi-SP em parceria com espe-

e no jardim, proporcionando economia

Pretendemos retomar, para atualizar

cialistas em cada uma dessas áreas.

de R$ 1 mil a R$ 1,5 mil mensais na

as informações.” Funcionários prepa-

As publicações contêm importantes

conta de água. A síndica explica que a

ram o material previamente separado

informações e são fontes de consulta

preocupação com a questão ambiental

nas unidades, que é levado para um

para síndicos e demais interessados

coincidiu com o elevado gasto e que a

espaço criado especificamente para

em implantar procedimentos nesse

economia de água é constante.

armazenar o lixo reciclável e o óleo,

sentido”, sugere Bernardes. Os manu-

Ela diz que não vai desistir de

ais podem ser adquiridos na Biblioteca

buscar a individualização, cuja implan-

do Sindicato.

tação já foi objeto de estudo, mas, por

A medida mais recente, que vai am-

enquanto, é inviável no condomínio.

pliar as condições de acessibilidade,

Exemplos não faltam

“Como o prédio tem 30 anos, o custo

surgiu a partir de uma série de obras

De olho na economia, na qualida-

da adaptação é alto e inclui reformas

e inovações no condomínio, dentre

de de vida, na preservação do meio

nas unidades, provocando inconve-

as quais a instalação de câmeras de

ambiente, muitos prédios estão se

nientes aos moradores. Mas acredito

segurança, o que acabou resultando

adequando à nova realidade. É caso

que ainda serão desenvolvidas tecno-

na necessidade de reforma da porta-

recolhidos uma vez por semana por uma ONG.

do Condomínio Edifício Monalisa, situado na Vila Madalena, São Paulo, que há alguns anos começou a implantar ações nesse sentido e hoje conta com sistema de reaproveitamento de água da chuva, coleta seletiva e reciclagem de óleo. Desde janeiro de 2009, a síndica Maria Cecília da Veiga Higuchi, 66 anos, conduz estas e outras iniciativas, como a instalação de uma rampa de acesso para portadores de necessidades especiais. E faz questão de ressaltar a valiosa contribuição da subsíndica, Ângela Gouveia Fernandes, que acompanha há oito anos os trabalhos desenvolvidos no prédio. Implantado há três anos, o sistema

Cecília: rampa de acesso está em obras e contará com plataforma para cadeirantes

34

Revista Secovi_ED200.indd 34

06/11/2009 20:46:31


Revista Secovi_ED200.indd 35

06/11/2009 20:46:38


CAPA Por Maria do Carmo Gregório

ria. “O engenheiro responsável pelo

forma consciente.

de progressos e da identificação de

projeto nos falou sobre a rampa de

O diretor do Secovi-SP Geraldo

novas medidas. “É importante realizar

acesso para portadores de necessi-

Bernardes faz coro e defende que,

pelo menos uma reunião mensal para

dades especiais e decidimos fazê-la”,

somente com um planejamento bem

analisar o andamento das iniciativas. E

explica Maria Cecília. “No entanto,

feito, é possível desenvolver iniciativas

voltar ao estágio de envolvimento dos

devido à existência de uma viga no

bem-sucedidas. Até porque a gestão

moradores.” A comissão tem papel

local, resolvemos instalar, além da

do condomínio por si só já demanda

primordial nesse processo, na opinião

rampa de acesso, uma plataforma para

muito trabalho. No entender de Ber-

de Bernardes.

cadeirantes”, complementa.

nardes, além do indispensável com-

“É fundamental construir consenso

prometimento do síndico, é preciso

com um grupo de líderes para que se

Plano de ação

decidir o que se pretende fazer, definir

possa difundir os conceitos e práticas

O sucesso de iniciativas como

etapas de implantação e envolver os

de sustentabilidade no condomínio”,

esta e tantas outras dependem da

condôminos. Os passos seguintes são

reforça Roberto de Souza. Além disso,

elaboração de um plano de trabalho,

a criação de uma comissão de apoio

estabelecer entre esse grupo e a admi-

com o devido acompanhamento

e acompanhamento para apurar o que

nistradora do condomínio um sistema

dos resultados. “Não adianta adotar

pode ser feito e sugerir alternativas,

de governança corporativa do empre-

ações pontuais. É preciso sensibilizar

com posterior análise crítica para

endimento, via mecanismos transpa-

condôminos e mostrar as vantagens

apontar meios eficientes de utilização

rentes de prestação de contas, tomada

de se ter um prédio econômico, sus-

de equipamentos, por exemplo.

de decisões e gestão participativa. Ele

tentável”, afirma Marcelo Sigoli, diretor

Daí, então, parte-se para o plano

propõe ainda a criação de um sistema

executivo da Pense Eco, que atua no

de ação, estabelecendo mudanças,

de indicadores de desempenho am-

desenvolvimento de projetos visando

investimentos necessários, quando

biental e social do condomínio, a fim de

à redução dos custos operacionais, de

e como fazer. A etapa seguinte é a

monitorar consumo, ações e informar

água e energia.

implantação, seguida de avaliação

os progressos obtidos.

Segundo ele, quando se faz planejamento, automaticamente já se traça um panorama das condições de sustentabilidade do condomínio. O plano de ações sustentáveis proposto por Sigoli possui cinco plataformas: insumos (energia e água); resíduos (coleta seletiva e destinação do lixo orgânico); melhoria construtiva (adequação física de áreas comuns; qualidade de vida (acessibilidade e ações de voluntariado no entorno do condomínio); e conhecimento, que envolve conscientização e comunicação, indispensáveis no processo de mudança de comportamento. O consultor explica que, para obter resultados, a utilização de uma ou mais plataformas deve ser feita de

Souza: Sustentabilidade é um caminho evolutivo, que depende de melhorias contínuas

36

Revista Secovi_ED200.indd 36

06/11/2009 20:46:40


37

Revista Secovi_ED200.indd 37

06/11/2009 20:19:31


38

Revista Secovi_ED200.indd 38

07/11/2009 14:55:14


OPINIÃO Hubert Gebara

O CONDOMÍNIO

É SEGURO? F

alar sobre a nova parceria entre o Secovi-SP e a

seguir à risca os decálogos de segurança. Um dos itens

Secretaria de Segurança Pública significa pensar

mais importantes é o condomínio manter a conexão

sobre novos rumos de ação. Embora essa luta

com a força policial e com suas próprias empresas de

esteja apenas começando, ela se encontra num ponto crítico, devido aos números ascendentes de assaltos aos condomínios neste ano.

segurança. Não temos o hábito de procurar saber quem é o titular da delegacia mais próxima. A autoridade policial

Segurança eletrônica de última geração, posição da

também não tem o hábito de interagir com a vizinhança.

guarita, iluminação correta e altura dos muros são itens

Quando procurada, em muitos casos remete ao telefone

que entram no mix. Os manuais que divulgam essas

de três dígitos, como se nada pudesse ser feito fora das

e outras dicas de segurança são importantes. Mas é

emergências.

preciso muito mais. É necessário combater o tráfico de

Para os condomínios, nada é grátis. Se quiserem um

drogas e de armas. E é urgente mudar o Código Penal

sistema de segurança sofisticado, terão de pagar por

e Penitenciário. Essas medidas têm mais força do que

ele. Ainda assim, vale a pena porque é um investimento

decálogos destinados a manter uma rotina que está

que se recupera no curto prazo. A qualidade do corpo

longe de propagar a tolerância zero à insegurança.

de funcionários também tem seu custo. Não podemos

Um jornal da grande imprensa paulistana fez recentemente matéria testando o grau de alerta dos

esquecer que o funcionário do prédio às vezes ganha pouco e mora longe.

condomínios e o resultado não foi o esperado. Ainda é

A ideia da segurança integrada – dois ou mais

fácil entrar nessas comunidades, alegando-se os mais

prédios conectados por uma câmera de tevê – é lu-

diversos objetivos. Os funcionários dos prédios não

minosa, mas qualquer ideia isolada depende de um

estão ainda conscientes do agudo estado de alerta ne-

contexto mais amplo. A pergunta final é a seguinte:

cessário. Podemos afirmar que, se os empregados não

vamos vencer a luta contra assaltantes fortemente

estão prontos para a ação defensiva, o mesmo ocorre

armados e organizados? Vamos vencer a luta contra

com os condôminos.

aqueles que estudam nossos prédios e nossos hábitos

Segurança faz parte hoje do que chamamos de sustentabilidade. Esse conceito não tem razão de ser

de vida, enquanto trabalhamos e assistimos filmes pela tevê a cabo?

se o nosso patrimônio está vulnerável. A ação policial

Não há uma resposta rápida. Mas a sociedade e o

precisa ser mais ostensiva extramuros. Porém, intramu-

poder público precisam ter uma resposta afirmativa à

ros, moradores e funcionários dos condomínios têm de

pergunta: o condomínio é seguro?

Hubert Gebara é vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP

39

Revista Secovi_ED200.indd 39

06/11/2009 20:19:36


INTERIOR Por Marcos Fernando Queiroz

SĂŁo JosĂŠ do Rio Preto revela mercado condominial promissor e aquecido

40

Revista Secovi_ED200.indd 40

06/11/2009 20:19:40


Foto: Paulo Magri

Loteamentos e condomínios horizontais ditam tendência na cidade e região, abrindo vasto campo de trabalho para administradoras e funcionários em condomínios

C

om um Produto Interno Bruto

torno de R$ 500 milhões em obras.

(PIB) de R$ 7,4 bilhões, São

Essa “metrópole” do Oeste paulista

José do Rio Preto ocupa a 2ª

encabeça uma lista de 96 municípios

colocação entre as cidades com me-

que aglutinam um robusto polo tecno-

lhor qualidade de vida no País, segun-

lógico de forte expressão comercial,

do índice da Federação das Indústrias

industrial, turístico, médico-hospitalar,

do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). O

de serviços e de agronegócios.

município destaca-se, também, como

“Assim como o clima riopretense, o

o 40º que mais gera empregos no

mercado imobiliário local também está

Brasil. Localizado a 451 quilômetros

aquecido e receptivo às novas ten-

de São Paulo, guarda proximidade

dências e demandas”, ilustra Joaquim

com os estados de Minas Gerais, Mato

Ribeiro, diretor geral do Secovi-SP na

Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e

cidade. Reflexo disso é o sucesso

Paraná, um promissor “eixo geográfi-

consecutivo da Construweek - Feira

co” ligado às bacias dos rios Grande,

da Construção, Decoração e Negó-

Tietê e Paraná.

cios Imobiliários, que tradicionalmente

Títulos, aliás, não faltam à cidade.

abriga o Encontro Secovi do Mercado

Sua medicina é referência no País e

Imobiliário, que este ano, em sua 5ª

no mundo. No que tange à educação,

edição, recebeu cerca de 35 mil visi-

Rio Preto detém a terceira melhor nota

tantes e movimentou mais de R$ 50

entre as instituições públicas nacionais

milhões em negócios.

(IGC 2008), com uma taxa de alfabe-

Atualmente, Rio Preto conta com

tização de 95% entre os habitantes

420 mil habitantes, 34% deles com

adultos.

menos de 25 anos. Cerca de 94% da

A “capital das piscinas”, como é

população local vive em área urbana,

conhecida, não para de crescer. Tanto

sendo que 79% desse total é de inte-

é que aparece em 6º lugar no ranking

grantes das classes B e C. “Estilos de

nacional em repasses da União,

vida e propostas de habitação diferen-

empreendendo atualmente algo em

tes para cada faixa etária. Aqui, mais

41

Revista Secovi_ED200.indd 41

06/11/2009 20:19:44


INTERIOR Por Marcos Fernando Queiroz

de 40 mil famílias das classes B e C pretendem adquirir um imóvel nos próximos dois anos”, informa Ribeiro.

intimista, mas também mais onerosa”. Para Nadruz, o que ocorre em Rio Preto é a migração

Ainda para ilustrar a movimentação do setor na cidade,

de famílias (das mais variadas classes sociais) que outrora

o mercado de terceiros computou um aumento de 43% no

moravam em residências de ruas para os condomínios ou

último ano. “Outro nicho em grande desenvolvimento é o

loteamentos fechados.

de salas comerciais”, considera ainda o dirigente local do Secovi-SP. Desde 2006, Rio Preto não tem favelas, e já regis-

Carência de mão de obra

tra 162 mil imóveis (123 mil prediais e 39 mil terrenos), um

Como toda grande cidade com vocação de metrópole

aumento de 3% em relação a 2008. Entre os anos de 2007

que assiste a um desenvolvimento acelerado, São José

e 2008, a expedição de habite-se (em metros quadrados)

do Rio Preto ainda sofre certa deficiência de mão de obra

cresceu em mais de 26%.

especializada, tanto para a prestação de serviços, quanto para empregar funcionários em condomínios, como relata

Condomínios e loteamentos fechados

Aderbal Vicente. “Creio que seja um processo natural, mas

A exemplo da maioria daqueles que procuram os con-

o empresário do ramo precisa ficar atento à necessidade da

domínios horizontais ou loteamentos no Interior, as famílias

especialização e aperfeiçoamento, pois o campo é promissor

de Rio Preto desejam imóveis que aliem segurança e lazer,

e também exigente”, revela.

“especialmente com piscinas e quadras”, segundo Alessan-

Ainda de acordo com o administrador, uma das grandes

dro Nadruz, diretor de Condomínios da unidade do Sindicato

preocupações de Rio Preto no momento é com a segurança.

na região e diretor da Nadruz Negócios Imobiliários, há quase

“Por aqui, já sentimos certo movimento de marginais, mas,

trinta anos no mercado.

felizmente, nossa polícia é ostensiva, atuante, eficaz e par-

Algo em torno de 7% da população do município (cerca

ticipativa”, completa.

de 28 mil habitantes) concentra-se nos quase 20 condomí-

Um difusor de idéias, produtos e conhecimento. Assim

nios horizontais locais, com suas 6 mil casas construídas.

o diretor de Condomínios do Secovi em Rio Preto define a

Para 2012, a estimativa é de que 10% da população já esteja

atuação do Sindicato na cidade e região. “O que mais perce-

morando nos mais de 50 empreendimentos desse perfil, que

bemos por aqui é o quanto nosso setor está ávido por infor-

à época deverão abrigar 14 mil residências.

mação. Assim, as iniciativas da Universidade Secovi, do Pro-

“A cada dia, a região prospera e atrai um público de alto

grama Qualificação

poder econômico e cultural”, diz Aderbal Vicente, fundador

Essencial (PQE)

da Metropolitan Assessoria e Administração, que desde 1991

e também a reali-

atua no mercado condominial da cidade. “Hoje, Rio Preto

zação dos encon-

já conta com mais de 500 condomínios, entre horizontais e

tros e eventos

verticais”, reafirma o empresário.

em geral, sejam

Segundo Vicente, administrar um loteamento não é muito

presenciais ou à

diferente de gerenciar um condomínio de fato, a não ser no

distância, surtem

que diz respeito às peculiaridades jurídicas e estatutárias.

grande efeito para

“Além disso, existe um maior foco nas áreas externas e

nós”, finaliza Na-

ajardinadas, e na segurança intramuros”, completa. Em Rio

druz.

Preto, muitos loteamentos fechados praticam a autogestão, que, ainda de acordo com o empresário, pode ser “mais

Ribeiro: “Mercado imobiliário local aquecido e receptivo às novas tendências e demandas” 42

Revista Secovi_ED200.indd 42

06/11/2009 20:19:46


43

Revista Secovi_ED200.indd 43

07/11/2009 15:05:24


TIRA-DÚVIDAS

Área Cível Marta Cristina Pessoa OAB/SP 108.073

O que fazer quando o condomínio possui um empregado fumante? Em quanto tempo prescreve o direito do condomínio de cobrar cotas condominiais em atraso? Estas e outras questões são respondidas pelo Departamento Jurídico do Secovi-SP

1

2

Em se tratando de unidade autô-

O síndico pode conceder desconto no pagamento da cota condomi-

noma pertencente a mais de um

nial ao condômino que efetuar o pagamento na data de vencimento

proprietário, é legitima a divisão da

estipulado pela Convenção Condominial?

fração ideal, para efeitos de paga-

De forma predominante, o entendimento, tanto doutrinário como jurispru-

mento da quota condominial?

dencial, é que a prática consubstancia burla da lei, mais especificamente

O lançamento da cobrança da quota

do limite máximo de 2% de multa moratória constante no art. 1.336, § 1º da

condominial é feito sobre a unidade

Lei nº 10.406/02 (Novo Código Civil).

em nome de seu titular, como única e

Segundo esta corrente de pensamento, o desconto-pontualidade é visto

não fracionada. Nesse caso, a quota

como medida ilegal, por disfarçar multa moratória sob forma de desconto,

deverá ser lançada como única, ca-

ultrapassando, no mais das vezes, o percentual máximo estipulado pela lei. A

bendo aos titulares se entenderem

forma de estímulo à pontualidade funcionaria como um artifício para cobran-

entre si como vão dividir o pagamen-

ça de multa não deferida na Convenção do Condomínio, apresentando-se

to incidente sobre a unidade. Até

como inaceitável meio de obtenção de receita eventual não prevista, fazendo

porque todos respondem por ela in-

resultar para os condôminos impontuais em multa superior ao previsto. Estes

dependentemente do seu quinhão na

perdem o direito ao desconto e ainda têm computada uma multa no valor

divisão da propriedade.

da quota, dando ensejo a uma dupla punição.

3 Em quanto tempo prescreve o direito do condomínio de cobrar as quotas condominiais em atraso? Pela ausência de regra específica, a autorizar a incidência da regra geral, prescreve em dez anos a ação de cobrança de despesas condominiais, quando se referir à quota vencida a partir da vigência do novo Código Civil (art. 205). Como houve redução do prazo, deve ser observado o disposto no art. 2.028 do novo Código, segundo o qual valerão os prazos da lei anterior quando reduzidos pelo atual Código e se, na data de sua entrada em vigor, já houver transcorrido mais da metade do tempo estabelecido na lei revogada. Dessa forma, o síndico deve verificar se existem créditos constituídos antes da entrada em vigor do novo Código Civil, pois, aplicando-se o art. 2.028, a prescrição pode se dar em prazo superior a dez anos.

Este espaço é um canal permanente para que síndicos e administradoras esclareçam questões relacionadas ao dia a dia da gestão condominial. Envie suas dúvidas para o e-mail juridico@secovi.com.br

44

Revista Secovi_ED200.indd 44

06/11/2009 20:19:54


TIRA-DÚVIDAS

1

2

Área Trabalhista

Carlos Alexandre Cabral OAB/SP 97.378

O que fazer com o empregado fumante

O empregado que comparece

no condomínio?

no condomínio apresentando

Sempre foi possível proibir o fumo em áreas

sintomas de gripe suína pode

comuns do condomínio, se tal proibição

ser proibido de trabalhar?

constasse do Regulamento Interno. Com

Sim, o empregador pode proibir

a entrada em vigor, no dia 07 de agosto,

o funcionário de trabalhar, pois,

da Lei nº 13.541, de 07 de maio de 2009

estando contaminado por al-

Qual a implicação de colocar um ape-

(“Lei Antifumo”), que prevê a possibilida-

guma doença que possibilite o

lido carinhoso no empregado?

de de aplicação de multa aos infratores,

contágio, poderá transmiti-la às

No ambiente de trabalho deve ser evitado

recomenda-se endereçar uma circular aos

pessoas do condomínio. Assim,

dar apelidos aos empregados, mesmo

empregados esclarecendo-os a respeito da

recomenda-se que o empregado

que “carinhosos”, pois podem causar

lei e suas proibições. A circular deverá ser

seja dispensado do trabalho na-

constrangimento àqueles que, embora

assinada por todos os funcionários. Feito

quele dia para que se dirija a um

os tolerem durante a relação empre-

isso, se um deles for pego fumando em local

posto de saúde, onde o médico

gatícia, poderão futuramente acionar o

não permitido dentro do condomínio, poderá

vai conceder os dias necessários

empregador, alegando assédio moral,

ser punido com advertência, suspensão ou

para sua recuperação, indicando

requerendo indenização judicial pelo

demissão motivada (justa-causa).

o tratamento adequado.

dano (moral) sofrido no período.

3

45

Revista Secovi_ED200.indd 45

06/11/2009 20:19:59


Revista Secovi_ED200.indd 46

07/11/2009 14:37:33


CARTA DO PRESIDENTE Por João Crestana

Moradia e revolução cultural

E

m outubro foi aprovado por unanimidade o relatório

em 2002, dos bancos ao crédito imobiliário permitiram a

do deputado federal Zezéu Ribeiro (PT-BA) na Comis-

produção de novos imóveis e o financiamento de boa par-

são Especial da Câmara dos Deputados criada pa-

cela da população de média renda. A aprovação da PEC

ra apreciar a Proposta de Emenda Constitucional da Moradia

é a possibilidade de transformar o programa Minha Casa,

Digna (PEC 285-A/2008). Os parlamentares signatários da PEC

Minha Vida em política de estado perene de habitação.

acreditam em sua votação em plenário ainda este ano.

Assim, a população de baixa renda, responsável pela maior

Resultado de decisão conjunta e inédita de empresários, representantes de movimentos populares por moradia, cen-

parte do déficit habitacional, será atendida sem a criação de guetos.

trais sindicais e parlamentares das mais diferentes legendas e

Para tanto, o Secovi-SP defende que habitações popu-

linhas ideológicas, a PEC tem o objetivo de garantir recursos

lares sejam lançadas em áreas com infraestrutura instalada,

orçamentários permanentes para a produção de Habitação

a exemplo do centro da cidade de São Paulo, que possui

de Interesse Social (HIS). Esses recursos corresponderão

condições de abrigar novas moradias e impulsionar a recu-

a 2% das receitas da União e 1% da receita dos estados,

peração de áreas degradadas. O estímulo à produção de

Distrito Federal e municípios para solucionar definitivamente

habitações dignas naquela região tornará o tecido urbano

o déficit habitacional em até 15 anos.

vivo, aproximando moradia do local de trabalho, com melhora

Durante décadas, as famílias de baixa renda ficaram

no trânsito.

relegadas à própria sorte. Com a extinção do Banco Nacio-

Assim como no restante do País, cerca de 80% do dé-

nal de Habitação (BNH), em 1986, deixou-se de produzir e

ficit habitacional paulista está concentrado em famílias que

comercializar ao ano aproximadamente 600 mil unidades.

ganham até três salários mínimos. Por isso a importância

Essa mudança, aliada à alta inflacionária dos anos 1980 e 1990, fez com que os empresários da construção civil

de manter a política de subsídios do programa Minha Casa, Minha Vida.

atendessem predominantemente as classes A e B. Afinal,

A possibilidade real de viver em uma moradia digna trará

não há nada pior para essa indústria do que inflação e

uma verdadeira revolução cultural ao Brasil, país já acostu-

insegurança jurídica.

mado com a solução dos “puxadinhos” e da autoconstrução,

A estabilidade econômica do Plano Real, o controle da inflação, a consolidação de marcos regulatórios e o retorno,

que estimulam a informalidade e o aumento das ocupações em áreas inadequadas e de risco.

João Crestana, presidente do Secovi-SP e da Comissão da Indústria Imobiliária da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC)

47

Revista Secovi_ED200.indd 47

06/11/2009 20:20:05


OPINIテグ Por Milton Bigucci

48

Revista Secovi_ED200.indd 48

07/11/2009 14:43:43


Revista Secovi_ED200.indd 49

07/11/2009 14:31:53


50

Revista Secovi_ED200.indd 50

07/11/2009 14:32:34


ACESSÓRIOS Advento .................................................... pág. 52 Casa das Molas ....................................... pág. 52 Delta Caixas ............................................. pág. 52 Travema .................................................... pág. 52 ADMINISTRADORA Adcip ........................................................ pág. 52 Condovel .................................................. pág. 52 Dellatorre .................................................. pág. 52 FL Administração ..................................... pág. 53 FMoraes ................................................... pág. 53 Holos Adminstração................................. pág. 53 JCN Consultoria e Gestão .......................... pág. 53 M&M Contabil .......................................... pág. 53 Mario Dal Mazio ....................................... pág. 53 Oliva Administração ................................. pág. 53 Predial Lopes ........................................... pág. 53 Sivel .......................................................... pág. 53 Verti........................................................... pág. 54

Crel Elevadores ........................................ pág. 28 CSM.......................................................... pág. 56 Delev ........................................................ pág. 56 Ewic .......................................................... pág. 56 Grambell ................................................... pág. 28 Infolev ....................................................... pág. 27 Korman ..................................................... pág. 56 M & M Conservadora ............................... pág. 28 MDE.......................................................... pág. 56 Mitson ....................................................... pág. 57 Monciel ..................................................... pág. 57 New Serv .................................................. pág. 57 Paulista ..................................................... pág. 56 Primac ...................................................... pág. 28 RC............................................................. pág. 58 Santista..................................................... pág. 57 SPL ........................................................... pág. 57 Tecnew...................................................... pág. 58 Universal................................................... pág. 58 Zapplift ..................................................... pág. 28

ADM. ESTACIONAMENTO Yard Estacionamentos ............................. pág. 54

FILTROS Filtrolar...................................................... pág. 58

AUDITORIA Conaudi .................................................... pág. 54

GÁS Liquigas Distribuidora .............................. pág. 35 Supergasbras ........................................... pág. 49 Supergasbras ........................................... pág. 50 Ultragaz .................................................... pág. 46

BENEFÍCIOS Sodexo ..................................................... pág. 02 CONSULTORIA EM ELEVADORES Dr. Elevador .............................................. pág. 54 CONTROLE DE PRAGAS Desintec ................................................... pág. 54 DESENTUPIDORA Desentupidora Imperio ............................ pág. 54 Desentupidora Jupter .............................. pág. 55 Real Desentupidora Ltda ......................... pág. 54 ELÉTRICA Exclusiva Engenharia ............................... pág. 55 JMC Elétrica ............................................. pág. 33 ELETRÔNICA GGF .......................................................... pág. 55 Locatronic................................................. pág. 13 ELEVADORES Alternativa ................................................. pág. 55 Asselev ..................................................... pág. 55 CBE .......................................................... pág. 55 Convert ..................................................... pág. 28

HIDRÁULICA Hidráulica Eficaz....................................... pág. 58 Technopipe Brasil ..................................... pág. 58 IMPERMEABILIZAÇÃO Lwart ......................................................... pág. 59 Otto Vedacit.............................................. pág. 63 Polican ...................................................... pág. 59 INDIVIDUALIZAÇÃO Ista Brasil .................................................. pág. 03 Sappel ...................................................... pág. 13 Martani Instalações .................................. pág. 39

M.Bergmann............................................. pág. 60 Serpre ....................................................... pág. 61 TAJ Engenharia ........................................ pág. 60 Katec Engenharia ..................................... pág. 60 Rei das Fachadas .................................... pág. 60 Repinte ..................................................... pág. 60 Romavi E Millenium .................................. pág. 61 SEGUROS JK Planos de Sáude................................. pág. 11 JKWX Seguros para Condomínios .......... pág. 62 REFORMAS EM GERAL Fachadex ................................................. pág. 61 SAÚDE E BEM-ESTAR Life Fitness ............................................... pág. 37 Mila Toledo Fitness................................... pág. 61 SEGURADORA Porto Seguro ............................................ pág. 64 SEGURANÇA Eletroseg .................................................. pág. 62 EMS-Blindagens .......................................pág. xx SERRALHERIA Tubo Arte (Girassol).................................. pág. 45 SERVIÇOS Cartucho Agora ........................................ pág. 51 Fema Service ........................................... pág. 62

JURÍDICO Juridico BR ............................................... pág. 59

TAPETES Novo Espaço Tapetes .............................. pág. 62

LIMPEZA Prisma Sol. Contrutivas ............................ pág. 59

TECNOLOGIA D - Link Do Brasil Ltda. ............................ pág. 17

PINTURA Flaiban...................................................... pág. 59 Habitar ...................................................... pág. 61

TERCEIRIZAÇÃO Prata System Segurança ......................... pág. 62 Replace .................................................... pág. 62

SERVIÇOS - CARTUCHO AGORA

51

Revista Secovi_ED200.indd 51

07/11/2009 14:33:39


ACESSÓRIOS - ADMINISTRADORAS ACESSÓRIOS - ADVENTO

ACESSÓRIOS - CASA DAS MOLAS

ACESSÓRIOS - DELTA CAIXAS

ACESSÓRIOS - TRAVEMA

ADMINISTRADORA - ADCIP

ADMINISTRADORA - CONDOVEL

ADMINISTRADORA - DELLATORRE

52

Revista Secovi_ED200.indd 52

07/11/2009 16:16:59


ADMINISTRADORAS ADMINISTRADORA - F. MORAES

ADMINISTRADORA - FL ADM.

ADMINISTRADORA - HOLOS ADM.

ADMINISTRADORA - JCN

ADMINISTRADORA - M&M

ADMINISTRADORA - MARIO DAL MASO

ADMINISTRADORA - OLIVA

ADMINISTRADORA - PREDIAL LOPES

ADMINISTRADORA - SIVEL

53

Revista Secovi_ED200.indd 53

06/11/2009 20:20:21


ADM. - ADM. ESTAC. - AUDITORIA - CONS. ELEVADORES - CONTR. DE PRAGAS - DESENTUPIDORAS ADMINISTRADORA - VERTI

ADM. ESTAC. - YARD. ESTAC.

CONS. ELEV. - DR. ELEVADOR

DESENTUPIDORA - IMPÉRIO

DESENTUPIDORA - REAL

AUDITORIA - CONAUDI

CONTROLE DE PRAGAS - DESINTEC

54

Revista Secovi_ED200.indd 54

07/11/2009 16:17:01


DESENTUPIDORA - ELÉTRICA - ELETRÔNICA - ELEVADORES

S

DESENTUPIDORA - JÚPITER

ELÉTRICA - EXCLUSIVA ENGENHARIA

ELEVADORES - ALTERNATIVA

ELÉTRÔNICA - GGF COM. E EQUIP.

ELEVADORES - ASSELEV

ELEVADORES - CBE

55

Revista Secovi_ED200.indd 55

07/11/2009 16:17:02


ELEVADORES ELEVADORES - CSM

ELEVADORES - MDE

ELEVADORES - DELEV

ELEVADORES - KORMAN

ELEVADORES - EWIC

ELEVADORES - PAULISTA

56

Revista Secovi_ED200.indd 56

06/11/2009 20:20:27


ELEVADORES ELEVADORES - MITSON

ELEVADORES - MONCIEL

ELEVADORES - SANTISTA

ELEVADORES - NEW SERVS

ELEVADORES - SPL

57

Revista Secovi_ED200.indd 57

06/11/2009 20:20:29


ELEVADORES - FILTROS - HIDRÁULICAS ELEVADORES - RC

ELEVADORES - UNIVERSAL

ELEVADORES - TECNEW

FILTROS - FILTROLAR

HIDRÁULICA - HIDRÁULICA EFICAZ

HIDRÁULICA - TECHNO-PIPE

58

Revista Secovi_ED200.indd 58

07/11/2009 16:17:04


IMPERMEABILIZAÇÃO - JURÍDICO - LIMPEZA - PINTURA IMPERMEABILIZAÇÃO - LWART

LIMPEZA - PRISMA SOLUC. CONSTR.

IMPERMEABILIZAÇÃO - POLICAN

PINTURA - FLAIBAN

JURÍDICO - JURÍDICO BR

59

Revista Secovi_ED200.indd 59

07/11/2009 16:17:05


PINTURA PINTURA - M. BERGMANN

PINTURA - KATEC ENGENHARIA

PINTURA - REI DAS FACHADAS

PINTURA - REPINTE

PINTURA - TAJ ENGENHARIA

60

Revista Secovi_ED200.indd 60

06/11/2009 20:20:34


PINTURA - REFORMAS EM GERAL - SAÚDE E BEM-ESTAR PINTURA - HABITAR

PINTURA - ROMAVI E MILLENIUM

PINTURA - SERPRE

REFORMAS EM GERAL - FACHADEX

SAÚDE E BEM-ESTAR - MILA TOLEDO

61

Revista Secovi_ED200.indd 61

07/11/2009 16:17:06


SEGURANÇA - SEGUROS P/ COND. - SERVIÇOS - TAPETES - TERCEIRIZAÇÃO SEGURANÇA - ELETROSEG

SERVIÇOS - FEMA SERVICE

SEG. P/ COND. - JKWX SEGUROS

TAPETES - NOVO ESPAÇO TAPETES

TERCEIRIZAÇÃO - PRATA SYSTEM SEGURANÇA

TERCEIRIZAÇÃO - REPLACE

62

Revista Secovi_ED200.indd 62

07/11/2009 16:17:07


Revista Secovi_ED200.indd 63

06/11/2009 20:20:41


Revista Secovi_ED200.indd 64

06/11/2009 20:20:43


Secovi-SP - Edição 200  

A REVISTA SECOVI-SP CONDOMÍNIOS, a mais completa e conceituada publicação especializadano segmento imobiliário do país, traz reportagens,dad...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you