Page 1

Ve ja SP

Ve ja RJ

Exam e

Inf o

Co nt igo !

Mde Mulhe r

Mo daspo t

Capricho

Mais sit e s Abril Assine

BUSCAR

Not ícias Assine VEJA

Brasil

Celebridades

SAC

Grupo Abril

ACERVO DIGITAL Temas

Ciência

Lo ja

Economia

Vídeos e Fot os Educação

Esporte

Blogs e Colunist as

Int e rnacio nal

Saúde

Vida Digital

Infográficos

Internacional 23/12/2011 - 09:10 Twe e t

COMPARTILHAR 31

1

Share

1

Recomendar

41

IMPRIMIR

Enviar

Memória

Vaclav Havel: uma vida dedicada à defesa da democracia Ex-president e checo cart ograf ou o f inal do século XX em análises sobre o poder de pessoas comuns para inf luenciar a polít ica - ideias mais at uais do que nunca Vitor Pamplona O f e rt as

PDFmyURL.com


B rand sclub

O f e rt a D e ll

G rand e s marc as c o m até 9 0 % O FF

Mo d a Me nina

Ins p iro n 14 4G B e HD50 0 . 10 x R$ 149 ,9 0 .

Save Me

A p artir d e R$ 15,9 0 . Co mp re já!

Pe rfume s c o m até 9 7% O FF. Co mp re já!

Passare la.co m.b r

Ad id as K o me t

Sap ato Rafarillo 6 x d e R$ 23,33

Mo d a Fe minina

Ad id as Ko me t R$ 130 d e s c ! 10 x R$ 19 ,9 9

C o o kt o p Fische r

Pe ças it c o m até 8 6 % O FF na Co q ue lux!

A trajetória de Vaclav Havel é motivo de orgulho para os checos (David W Cerny/Reuters)

Siga VEJA no Twitter Se g uir @ VEJA

Vaclav Havel, cujo corpo será enterrado nesta sexta-f eira, liderou a revolução que derrubou quatro décadas de comunismo na antiga Checoslováquia, escreveu 19 peças de teatro, padeceu anos na prisão por sua dissidência política e f oi presidente de duas repúblicas por 14 anos, antes e depois do divórcio entre Eslováquia e República Checa, no início da década de 90. Com uma biograf ia inimitável, menos conhecida do que deveria e tão admirável quanto merecia, tornou-se uma f igura de proa na política mundial e um líder idolatrado. As manif estações públicas em Praga e Bratislava desde o anúncio de sua morte, aos 75 anos, domingo passado, são evidências inequívocas de uma personalidade heroica e popular. David W Cerny/Reuters

"Havel f oi uma f igura def inidora da Europa do f inal do século XX", escreveu o historiador britânico Timothy Garton Ash, primeiro escritor do Ocidente a prestar atenção no colapso do comunismo na Europa Oriental. "Ele não f oi apenas um dissidente; ele f oi a epítome do dissidente, como viemos a entender aquele termo novo. Ele não f oi apenas o líder da Revolução de

Fo g ão 4Q Vid ro Branc o : R$ 46 5,0 0

1.4M seguidores

Find us on Facebook

VEJA Like 516,566 people like VEJA.

Ka r e m In d i r aRa Snainl stoosn

Vi r g ín i a

Vi cto r

Ro s a n a Ca s a s Mi ch e l u tti

Fa ce b o o k s o ci a l p l u g i n

Temas em destaque PDFmyURL.com


Em Praga: velas em homenagem a Havel enf eitam a Praça Wenceslas

Veludo; ele f oi o líder da Revolução de Veludo original, aquela que nos deu uma marca aplicada a muitos outros protestos de massa não-violentos desde 1989", destacou ele no jornal inglês Guardian. Mas a autoridade intelectual precede a ressonância revolucionária. Do início da militância política à cadeira de presidente no Castelo de Praga, sede do governo, o dramaturgo delineou em ensaios, cartas e textos políticos uma cartograf ia do sistema comunista, arquitetou alternativas para chegar a uma democracia autêntica e encorajou movimentos políticos em todos os países que orbitavam a União Soviética a se levantar contra o regime sem disparar um tiro, numa época em que a luta armada - e a literatura política - eram discutidas com o entusiasmo hoje dedicado a ídolos pop e times de

» Eleições nos EUA 2012 » Líbia » Revolt as no mundo islâmico » Est ados Unidos » China » Out ros t emas

Saber mais

f utebol. Fuga do assunto - Um dos primeiros textos de Havel a repercutir a leste do Muro de Berlim f oi Sobre o Pensamento Evasivo, que integra a coletânea Open Letters (Cartas Abertas ). Escrito originalmente como um discurso à União de Escritores Checoslovacos em 1965, o texto f oca o hábito que muitos políticos e intelectuais têm de começar um discurso abordando um f ato corriqueiro e terminar discorrendo sobre as perspectivas para o f uturo da humanidade, f ugindo completamente do assunto. Na Checoslováquia comunista da época, um exemplo era o grupo de "médicos, advogados e auxiliares de escritório" responsável por cuidar dos prédios cujos peitoris das janelas estavam caindo em cima das pessoas. Chamada pelo regime de "manutenção socialista pelos inquilinos", a brigada disf arçava na nomenclatura o f ato de que a segurança de moradores e pedestres estava na mão de completos amadores. A lógica do ensaísta era cristalina: "Se é um f ato consumado que um aborígene era capaz de alguma f orma montar um abrigo que não caísse sobre sua cabeça, também deve ser igualmente um f ato consumado que uma sociedade socialista moderna seja capaz de of erecer às pessoas uma passagem segura pelas ruas". Por décadas, a ideia de criar um partido de oposição ao Partido Comunista seduziu os dissidentes. Havel a def endeu durante a Primavera de Praga, em 1968, como um caminho para uma abertura democrática. Pouco tempo depois, estava descrente da solução, o que explica numa entrevista de 1987: "Eu suspeito que o envolvimento no governo inevitavelmente leva à burocratização, corrupção e perda de democracia. Não me oponho à

Blogs e Colunistas D e N o va Yo rk D ip lo macia C aio B lind e r Atual vice e futuro presidente da China, Xi Jinping, visita Obama na Casa Branca

PDFmyURL.com


solidariedade e coesão de vários grupos de pessoas com a mesma opinião. Apenas sou contra qualquer coisa que sirva para ocultar a responsabilidade pessoal ou premiar alguém com privilégios por sua devoção a um grupo particular". Em meio à Primavera de Praga, ele publicou um texto chamado Sobre o Tema de uma Oposição, no qual também analisa a relação entre democracia e opinião pública - com conclusões que se mantém atuais. "A opinião pública (representada pela imprensa, por exemplo) só pode agir como um ef etivo controle do governo se também tiver o poder de inf luenciar o governo. No f im das contas, o poder só ouve o poder e, se é para melhorar o governo, precisamos ser capazes de ameaçar a sua existência, não apenas a sua reputação." Pessoas comuns - A intimidação popular à Odd Andersen / AFP existência de regimes totalitários f oi exercitada em 2011, nos países árabes, numa dimensão inédita desde quando o edif ício do totalitarismo soviético desabou. Havel, que coincidentemente desaparece no mês de aniversário de 20 anos do f im da União Soviética, dedicou à capacidade das pessoas comuns interf erirem na política o seu texto mais inf luente. O impacto de O Poder dos Sem-Poder pode ser medido no depoimento do ativista Z bygniew Bujak, do Revoltas árabes mostram como as ideias de movimento sindical polonês Solidariedade, Havel continuam mais atuais do que nunca que projetou Lech Walesa, o primeiro sindicalista-presidente da história. No f im dos anos 70, quando o ativismo em reuniões públicas e f ábricas parecia não dar resultados na Polônia, Bujak diz que os membros do Solidariedade chegaram a duvidar do que estavam f azendo. "Aí, veio o ensaio de Havel. Lê-lo nos deu o alicerce teórico para nossa ação. Ele manteve nosso ânimo. Nós não desistimos. Quando eu olho para as vitórias do Solidariedade e do Carta 77 (o movimento cívico f undado por Havel na Checoslováquia), vejo nelas um assustador cumprimento das prof ecias contidas no ensaio." O que O Poder dos Sem-Poder tinha de prof ético perdura enquanto lição. O texto é uma análise prof unda da natureza dos regimes comunistas. Havel não os considerava ditaduras comuns porque, entre outras coisas, exigiam uma ideologia precisa, estruturada, compreensível por todos, tão completa e elaborada que beirava quase uma religião laica. Numa parábola, o escritor checo expôs as f issuras do sistema. A cena é de um verdureiro que todos os dias coloca na vitrine da sua quitanda, em meio às "cebolas e cenouras", um cartaz com o slogan "Trabalhadores do mundo, uni-vos!". O que o verdureiro queria PDFmyURL.com


expressar, na verdade, segundo Havel, era: "Eu, o verdureiro f ulano, moro aqui e sei o que devo f azer. Eu me comporto da maneira esperada. Eu sou conf iável e estou acima de qualquer suspeita. Eu sou obediente e, portanto, tenho o direito de ser deixado em paz". Por trás da crença nas palavras do lema comunista, escondia-se a ideologia. Lutando contra ela nos mínimos detalhes da vida cotidiana, def endia Havel, o pilar que sustentava o sistema iria f inalmente ruir. A ideologia era a mentira e Vaclav Havel convocava a viver na verdade, negando todos os rituais e f alsas demonstrações de f idelidade política, com o propósito de minar a harmonia aparente exigida pelo sistema. Timothy Garton Ash resume a essência do poder que não habita os palácios: "Havel captou o insight f undamental no qual toda resistência civil se nutre: que mesmo os regimes mais opressivos dependem de uma aceitação mínima por parte das pessoas que eles governam". Não-violência - Negar a visão ideológica do mundo, pela qual os governos totalitários justif icam sua existência, nunca f oi na luta política de Vaclav Havel o primeiro passo para o conf ronto com os f uzis e tanques do regime. "A atitude dissidente é e precisa ser f undamentalmente hostil à noção de mudança violenta", def endia. Ele não acreditava que mudanças no governo por serem consideradas "f undamentais" - justif icassem o sacrif ício de coisas "menos f undamentais", como vidas Vaclav Havel tinha 75 anos humanas. Em muitos trechos de sua obra, Havel contrapunha os propósitos do totalitarismo aos da vida real, vendo na opressão um movimento contrário à própria natureza. "Enquanto a vida, em sua essência, se move em direção à pluralidade, diversidade, auto-constituição independente e auto-organização, em suma, para preencher sua própria liberdade, o sistema pós-totalitário exige conf ormidade, unif ormidade e disciplina", comparou. David W Cerny/Reuters

Enquanto dissidente com uma voz ouvida e temida, sua vida real f oi demarcada pelos anos que passou na prisão, período retratado em Cartas para Olga, livro que reúne a correspondência para a sua primeira mulher, Olga Havlova. Nele, o analista político e orquestrador de revoluções f az concessão ao amor, à descrição de seu carcereiro, simpatizante do nazismo, e ao que pensava da vida. "Quando uma pessoa escolhe assumir uma certa posição, quando inspira algo para a própria vida, isso lhe dá perspectiva, esperança, propósito." Havel manteve sua posição calma e obstinadamente até derrotar seus opressores. Encarcerado, endereçou à mulher a explicação: "Manter-se numa posição silenciosamente e constantemente signif ica mais do que gritá-la para f ora e, então, PDFmyURL.com


rapidamente abandoná-la. Alguém silencioso, que não se pode prever quando vai f alar, embora seja certo que quando f alar será mais claro do que o bater de um sino, é muito mais capaz de perturbar o mundo".

Recomendar

41 recomendações. Cadastre- se para ver o que seus amigos recomendam.

Links Patrocinados

Mande dinheiro ao Brasil Eco no mize tempo . Envie o nline. Dinheiro dispo nível em minuto s. www.xo o m.co m/brazil

Sign up f or Google Of f ers Find great deals in yo ur city fro m Go o gle Offers. Sign up to day! www.go o gle.co m/o ffers

Music Globo The best o f Brazilian Music, Bo o ks and Mo vies. Buy it fro m: MusicGlo bo www.amazo n.co m

Leia também Temas Europa Mo o dy's revisará qualificação de 114 banco s euro peus 'Grécia já não tem po tencial de risco sistêmico ', diz eco no mista Praticantes de icebo arding surfam em lago co ngelado

Tags europa, república checa

Comentários PDFmyURL.com


VEJ A

N o me :

E- mail:

C o me nt ário :

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais(e- mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário. » Conheça as regras para aprovação de comentários no site de VEJA

Manchetes de VEJA

+ Lidas Just iça

Yuri e Laisa: T V m o st ra ce na de se xo se m co rt e s

Acusação abre debates em dia de decisão do júri Decisão dos jurados deve ser conhecida nesta quinta-f eira. Antes, promotoria e def esa...

Víde o : co nhe ça o se gre do para cult ivar bro m é lia

1 2 3

Lindemberg Alves admite ter atirado em Elo á Pimentel Acusação : "Defesa mo stra desco ntro le e nervo sismo " Seis recurso s que deverão ser intro duzido s no iPad 3

O que f oi destaque 16 /0 2

0 7:46

16 /0 2

Rússia que r alt e rar a re so lução da ONU so bre

0 6 :30

15/0 2

Acusação que r pe na de 6 0 ano s para Linde m be rg

Publicidade

21:29

Me rcado põ e e m xe que cum prim e nt o de supe rávit PDFmyURL.com


Serviços iPho ne & iPad

Andro id

Facebo o k

Orkut

Fo ursquare

Twitter

Go o gle+

RSS

Newsletter

Anuncie

Tempo

Co taçõ es

Assinaturas S e le cione uma re vista C lique e sa iba tudo sobre sua a ssina tura !

O clube que conhe ce e re conhe ce você .

Assine Ve ja e ga nhe me se s a ma is!

Assine Digita l ga nhe me se s

VEJA e a té 12 grá tis!

Assine S UP ER e ga nhe Kit Espe cia is S upe r!

Assine C ARAS por 2 a nos e ga nhe ma la de via ge m!

Assine EXAME e ga nhe me se s a ma is!

Assine por 1 ano e receba + 6 meses grátis! Nome

Nascimento

E- mail

CEP Apenas 10 x R$ 51,48

Notícias Brasil Economia Internacional Celebridades Esporte Vida Digital Educação Ciência Saúde RSS Infográficos

Saber +

Vídeos e Fotos Vídeos Galerias de fotos Galerias de vídeos

Revistas VEJA Os livros mais vendidos Destaques da semana Edições especiais Expediente VEJA São Paulo VEJA Rio Comer e Beber

Blogs e colunistas Antonio Ribeiro, de Paris Augusto Nunes, coluna Betty Milan, sexualidade Caio Blinder, de Nova York Denis Russo, sustentabilidade Diogo Mainardi, coluna Fernanda Furquim, séries de TV Isabela Boscov, cinema Julio Cesar de Barros, música Lauro Jardim, Radar on- line Lucia Mandel, dermatologia Mayana Z atz , genética Paula Neiva, celebridades Reinaldo Az evedo, blog

ENVIAR

Blogs da redação VEJA nas Olimpíadas Enem e Vestibulares Maquiavel, política VEJA Acompanha VEJA Meus Livros, literatura Dez Mais, variedades Vida em Rede, internet Acervo Digital, história Diz o Estudo, ciência + Tech, tecnologia Sobre palavras, Sérgio Rodrigues Enquetes, opinião PDFmyURL.com


Na História Em profundidade Perguntas e Respostas Conheça o país Cronologia Quem é Quem Testes

Comer e Beber VEJA na Sala de Aula

Temas

Renato Dutra, atividade física Ricardo Setti, coluna Sérgio Rodrigues, livros e escritores Tony Bellotto, crônicas

Ponto de vista Sobre Imagens, fotografia Imperdível, variedades Conversa em Rede, internet Testes, conhecimentos gerais

Reportagens, vídeos, infográficos e cronologia de assuntos em destaque no noticiário

Serviços Assine VEJA Busca RSS Twitter Facebook Orkut iPhone Celular Newsletter VEJA Fale conosco Para anunciar Abril SAC Aponte erros Tempo Cotações Redes Sociais Termo de uso Política de Privacidade

Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados 

PDFmyURL.com


Vaclav Havel, uma vida dedicada à democracia  

Um perfil das ideias do ex-presidente tcheco e líder da Revolução de Veludo, Vaclav Havel. Disponível também em http://veja.abril.com.br/no...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you