Issuu on Google+

www.reporterdomarao.com.pt • geral@reporterdomarao.com.pt • Telf. 255 521 307 •

Preço: 1,00€ IVA 5% incluído

04 a 17 Dezembro 2008 • Quinzenário • Edição n.º 1208 • Ano 25 • Publica-se à quinta-feira • Director: Vítor Almeida • Director Adjunto: Alexandre Panda

O J O R N A L D A R E G I Ã O D O TÂ M E G A E S O U S A

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA AUMENTA EM 2008 Destaque As queixas registadas na região do Tâmega e Sousa já ultrapassaram números do ano passado

MARCO DE CANAVESES

CAVACO SILVA ELOGIOU “ESCOLA FELIZ”

HOSPITAL DE AMARANTE VAI A CONCURSO AINDA ESTE MÊS Secretário de Estado da Saúde Manuel Pizarro anunciou ao RM que ministra da Saúde deverá estar presente

PAG. 08

Baião

Celorico de Basto

Cinfães

Freamunde

Desporto

Investimento de mais de 2 milhões no novo centro de Saúde

Unidade de Cuidados Continuados na próxima semana

Concelho reclama ligação à auto-estrada A4

Capões atraem gastrónomos do Norte e da Galiza

Cinfães sonha com vitória frente ao Porto no jogo da Taça


2

Destaque

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

geral@reporterdomarao.com.pt

AS AUTORIDADES ESTÃO A REGISTAR CADA VEZ MAIS QUEIXAS DE MAUS TRATOS.

Denúncias de violência doméstica aumentam Alexandre Panda As queixas de violência doméstica na região do Tâmega e Sousa aumentaram. Há cerca de um mês, o número de participações registadas nos postos da GNR já tinha atingido o valor total do ano passado. Ainda assim, 2006 foi o ano negro da violência doméstica. Penafiel e logo a seguir Paredes são os concelhos da região onde os casos de violência são os mais denunciados às autoridades, o que não significa que sejam as áreas onde há mais maus-tratos. Os números oficiais da Guarda Nacional Republicana, a que o Repórter do Marão teve acesso, indicam que o terceiro concelho onde mais queixas foram apresentadas foi Amarante, nas áreas da cidade e de Vila Meã. Apesar do ano ainda não ter terminado, nos postos de Penafiel, houve um aumento de 19,6 por cento e em relação a Paços de Ferreira a participação de queixas aumentou 18.8 por cento. Nos restantes concelhos que compõem a região as estatísticas estavam no início do mês de Outubro muito semelhantes à totalidade do ano passado. A nível nacional, a violência doméstica participada às forças de segurança aumentou 31,8 por cento este ano e quase metade das ocorrências são reincidentes e presenciadas por menores. Estes números foram retirados de um relatório divulgado pelo Ministério da Administração Interna, em que é feita uma análise das ocorrências de vio-

lência doméstica participadas às forças de segurança até 31 de Outubro deste ano, face ao período homólogo de 2007. Nesse mesmo documento pode-se ler que GNR e PSP receberam um total de 23.462 queixas, mais 31,8 por cento que em 2007, quando foram denunciadas 17.794. A DirecçãoGeral de Administração Interna destaca que o aumento significativo do número de ocorrências participadas às polícias poderá estar relacionado com as alterações legislativas ocorridas em 2007 e que vieram consagrar no Código Penal o crime de violência doméstica como crime autónomo. Quem são as vítimas e os agressores A violência doméstica é maioritariamente exercida sobre mulheres casadas, com uma idade média de 39 anos e quase três quartos das vítimas não depende economicamente do cônjuge. No entanto, segundo o documento, a vitimação masculina aumentou este ano 15 por cento. O relatório salienta, também, que 47 por cento dos casos reportados às forças de segurança foram reincidências e actos presenciados por menores (46 por cento). Geralmente, os maus-tratos têm como consequências para a vítima ferimentos ligeiros (60,9 por cento). No entanto, em 1,3 por cento dos casos resultaram em ferimentos mais graves, tendo sido registada a morte de nove vítimas. O documento mostra também que geralmente as vítimas não são internadas, nem têm baixa médica, e em cer-

ca de 28 por cento dos casos as forças de segurança entraram no domicílio. Maioritariamente, os autores da violência são do sexo masculino, casados, têm em média 40 anos, não dependem economicamente da vítima, 16,6 por cento utilizaram ou possuíam arma, além de quase metade (47,6 por cento) consumir habitualmente álcool e 12 por cento estupefacientes. Os dados indicam, igualmente, que Agosto foi o mês de maior incidência das ocorrências de violência doméstica e Janeiro o menor. De acordo com a análise, mais de metade das ocorrências passaram-se à noite ou de madrugada, sobretudo no fim-de-semana, sendo o domingo o dia mais crítico. Mais de três quartos dos casos que motivaram a actuação das polícias deveram-se a um pedido da vítima. Núcleo Mulher e Menor da GNR A violência doméstica é um crime que as autoridades estão a tentar combater com a criação de núcleos especializados. O Núcleo Mulher e Menor (NMUME) é um projecto da Guarda Nacional Republicana, concebido no âmbito da reorganização dos

mecanismos de prevenção e investigação criminal encetada a partir de 2002, tendo como referência as problemáticas sociais e criminais que anteriormente não eram sujeitas a um tratamento específico e diferenciado. Neste sentido, criou-se uma valência especialmente dedicada à prevenção, acompanhamento e investigação das situações de violência exercida sobre as mulheres, sobre as crianças e sobre outros grupos específicos de vítimas. Na região, esta estrutura tem sede no Destacamento de Penafiel, mas actua em toda a área do Tâmega e Sousa, à excepção de Celorico de Basto, Resende e Cinfães. Este ano conduziu inúmeros processos que levaram à condenação de agressores, mas também tem um papel informativo e preventivo em relação ao crime de violência doméstica. Muitas são as mulheres e as famílias que procuram conselhos e esclarecimentos junto deste núcleo, formado por três militares.


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

geral@reporterdomarao.com.pt

Destaque

3

O caso que marcou a região Um dos casos que mais marcou a região aconteceu em Junho deste ano na localidade de Lustosa em Lousada. Uma mulher de 28 anos foi baleada na face pelo próprio marido, na habitação do casal, onde também se encontravam os filhos. Sandra Azevedo foi transportada de urgência para o hospital de São João no Porto, onde não resistiu aos ferimentos. O marido foi detido pela PJ do Porto. Já havia meses que as disputas entre o casal eram frequentes, mas numa noite, a violência apenas acabou quando uma bala perfurou a cara da vítima, mãe de três crianças. “Soube do disparo, quando as minhas netas procuraram abrigo em minha casa e a mais velha apenas me disse que a mãe tinha levado um tiro”, contou ao RM na altura, Maria Azevedo, mãe da vítima. A familiar garantiu ainda que a filha vinha sofren-

do maus-tratos infligidos pelo marido sem nunca se queixar às autoridades por acreditar que a relação pudesse melhorar. A irmã da vítima, Eva Azevedo, que se deslocou ao apartamento do casal ao saber do disparo, encontrou a irmã no chão ensanguentada com o marido em lágrimas ao lado do corpo. “Antes de desmaiar, ela apenas me disse para tomar conta dos filhos. Apesar daquilo que o marido lhe fez, a minha irmã ainda queria protegê-lo dizendo que tinha sido ela a disparar, mas ele acabou por confessar tudo à PJ”, explicou na altura, ao RM a irmã. O marido que foi detido pela PJ depois de ter baleado a mulher no quarto do casal permanece em prisão preventiva. A vítima vinha sofrendo maus-tratos infligidos pelo marido há vários meses, sem nunca se ter queixado às autoridades.

Tipos de violência doméstica

Formas de violência doméstica

VIOLÊNCIA FÍSICA: Inclui qualquer tipo de contacto que magoa as vítimas, indo desde a bofetada até o murro ou o pontapé até aos espancamentos ou agressões com objectos e armas. As lesões ou marcas nem sempre são visíveis uma vez que os agressores (uma grande parte) se certificam que as mesmas fiquem escondidas sob as roupas.

O MAU TRATO INFANTIL Os maus-tratos a crianças podem ser definidos como acções, por parte dos pais e outros adultos [e também os irmãos mais velhos], que possam causar dano físico e/ou psicológico ou que de algum modo firam os direitos e as necessidades da criança, no que concerne ao seu desenvolvimento intelectual, psicomotor, afectivo ou moral.

VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA: Quando o agressor tentar levar a vítima a um desequilíbrio mental, inclusive pela minimização de sentimentos e culpabilização, bem como pelo isolamento da família e amigos. Muitas vezes são afirmações que pretendem minar a auto-confiança da vítima, e vão desde os insultos às humilhações em família e em público, às injúrias, intimidações ou mesmo chantagem (servindo-se muitas vezes dos próprios filhos). VIOLÊNCIA SEXUAL: É entendida como qualquer tipo de contacto e/ou comportamento sexual não desejado pela vítima mas que lhe é imposto (agressões sexuais e violação). VIOLÊNCIA FINANCEIRA: Traduz-se no facto das vítimas serem economicamente dependente dos agressores, que utilizam esse factor como forma de exercer pressão sobre as mesmas. O agressor pode mesmo impedir a vítima de arranjar emprego garantindo assim a sua dependência financeira, além de se recusar a dar dinheiro para as necessidades básicas, tais como, comida ou vestuário.

IDOSOS O mau trato de idosos abrange todas as acções e omissões que acarretem um dano físico ou psicológico ao idoso: agressões físicas, verbais e/ou emocionais; desrespeito; descuido na alimentação, habitação ou cuidados médicos; intimidação e ameaças, entre outros. VIOLÊNCIA CONJUGAL A violência conjugal é uma forma de violência que engloba todas as situações de abusos que ocorrem de forma reiterada e com intensidade crescente entre o casal, isto é, a violência conjugal começa frequentemente por uma agressão psicológica e num segundo momento, surge a violência verbal que cria um clima de medo constante, surgindo finalmente a violência física no meio da qual podem aparecer as exigências de carácter sexual e a violação.

O que é a violência doméstica? “Acto ou omissão cometido no âmbito da família por um dos seus membros, que constitua atentado à vida, à integridade física ou psíquica ou à liberdade de um ou de outro membro da mesma família ou que comprometa gravemente o desenvolvimento da sua personalidade.” A violência doméstica compreende todas as formas de abuso, temporário ou permanente, que incluem comportamentos de uma das partes que, por omissão ou acção, provocam danos físicos e/ou psicológicos à outra parte e que ocorrem nas relações intra-familiares: o mau trato infantil, o mau trato de idosos e a violência conjugal.


4

Sociedade

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

geral@reporterdomarao.com.pt

AUTOCARRO COM 12 CRIANÇAS DESPISTOU-SE EM LORDELO PAREDES

“Agarrai-vos que não consigo travar” Alexandre Panda 12 crianças e o motorista de um autocarro ficaram feridos na sequência de um acidente na localidade de Parteira em Lordelo no concelho de Lousada, na manhã da última terça-feira 2 de Dezembro. Pelo que o RM conseguiu apurar no local, as crianças tinham entrado no autocarro no centro de Lordelo e deslocavam-se para a EB 2-3 local. Numa descida acentuada, o motorista não conseguiu travar e foi embater numa valeta situada na EN 209. “Agarrai-vos que não consigo travar. Foi o que nos disse o motorista pouco antes de termos o acidente. Foi um susto muito grande mas ninguém saiu muito ferido”, contou ao RM Adérito Oliveira, um jovem aluno de 14 anos, que saiu com algumas escoriações do acidente. O desastre deu-se cerca das 8h00 de terça-feira, numa altura em que o gelo aumentava o perigo daquela estrada, mas as causas do despiste do acidente estão a ser investigadas pela estrutura especializada da GNR. “A maioria das vítimas estavam muito assustadas e com ferimentos ligeiros. Algumas crianças estavam com hipotermia e assistimo-las no local. Foram todas transportadas para o hospital de Penafiel de onde saíram ao longo da manhã”, adiantou ao RM Miguel Ferreira, comandante dos bombeiros de Lordelo. Segundo as autoridades, o veículo po-

derá ter ficado sem travões já na última paragem, uma vez que algumas testemunhas garantiram que o autocarro já não parou onde era habitual. O pesado descontrolado bateu primeiro na berma da estrada para colidir contra um outro autocarro

da mesma empresa. Só parou por cima de um riacho do outro lado da nacional. “Fui lá buscar o meu filho depois dele me ter ligado a contar o acidente. A minha filha também lá estava. Apesar do susto não tiveram grandes ferimentos”, contou

ao RM Luís Mendes da Silva, um dos primeiros pais a acudir ao local do acidente. O motorista do autocarro, que também foi assistido no hospital de Penafiel, é conhecido por ser experiente e, segundo a população faz aquele percurso há anos.

SEIS ARGUIDOS SÃO ACUSADOS DE VÁRIOS ASSALTOS NA REGIÃO DO TÂMEGA E SOUSA

20 mil euros de material furtado em Castelo de Paiva

Gangue da Audi A4 vai a julgamento em Janeiro

Todo o recheio de um bazar de Castelo de Paiva foi levado por um grupo indeterminado de indivíduos, que também acabaram por vandalizar a loja. As prateleiras que continham bordados, artigos de artesanato, perfumaria e bijutaria foram limpas pelos larápios, que levaram ao todo cerca de 20 mil euros de material. Na última segunda-feira 1 de Dezembro, os proprietários da loja aperceberamse que as grades de protecção estavam abertas e verificaram o furto. “Foram todas as economias da minha vida que levaram. Estou desanimada com o negócio”, contou ao RM Florinda Maio, proprietária do bazar. Para além de terem esvaziado a loja, os indivíduos também defecaram no chão da casa de banho e destruíram todos os elementos que continha a cozinha da loja. “Deixaram tudo estragado. Não se percebe a atitude deste indivíduos. Parece que destruir dá-lhes prazer”, acrescentou a mulher. A loja, aberta há três anos, está situada num prédio voltado ao abandono por causa de um imbróglio jurídico. O único comércio era este bazar localizado num dos corredores exteriores do edifício Memorial, retirado da rua. Pela localização da loja os larápios tiveram muito tempo para trabalhar sem que ninguém desse conta do assalto.

O Tribunal de Valença marcou para 20 de Janeiro o início do julgamento de um grupo de indivíduos acusados do homicídio de um gasolineiro naquele concelho e de vários outros crimes violentos em toda a região Norte, incluído o Vale do Sousa. Apesar de serem acusados de vários assaltos violentos na Região do Tâmega e Sousa, os arguidos serão julgados em Valença, onde foi cometido o crime mais grave, o de homicídio. Homicídio qualificado e na forma tentada, furtos qualificados e dano com violência são os principais crimes imputados ao grupo, constituído por seis arguidos. O crime mais grave foi o homicídio do funcionário de um posto de abastecimento de combustíveis em Arão, Valença, que foi atingido por dois tiros na cabeça durante um assalto, a 19 de Agosto de 2007. Jorge Rocha, de 25 anos, morreu três dias depois, no Hospital de S. João, vítima de traumatismo cerebral. Durante o assalto, em que foram roubados cerca de 1.500 euros, o funcionário foi ainda alvo de um terceiro disparo, feito por um dos assaltantes, quando fugia com o dinheiro. Os autores respondem por homicídio qualificado, punível com uma pena até 25 anos de prisão. As autoridades atribuem aos elementos deste grupo mais de 30 assaltos, que

O gangue é acusado do assalto ao Mc Donald´s de Penafiel

visaram essencialmente restaurantes de fast-food da cadeia McDonalds na zona do Grande Porto e Vale do Sousa e postos de abastecimento de combustíveis. Entre estes últimos, conta-se o assalto a um posto em Mazedo, Monção, a 26 de Janeiro deste ano, onde roubaram mais de 3700 euros. É-lhes imputado ainda o roubo de automóveis pelo método de carkacking. Em inícios de Fevereiro, a Polícia Judiciária (PJ) anunciou a detenção de três indivíduos que alegadamente pertenciam ao grupo responsável pelo homicídio do fun-

cionário de uma bomba de gasolina em Valença. Dois dos indivíduos foram detidos em França e Espanha, enquanto o terceiro foi apanhado na zona do Alto Minho. As autoridades realizaram ainda duas buscas domiciliárias às residências habitadas pelos suspeitos detidos no Alto Minho e na Galiza, tendo apreendido vários objectos utilizados para a prática de roubos, nomeadamente uma viatura de alta cilindrada roubada, duas caçadeiras de canos serrados, diversas munições, gorros e luvas.


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

geral@reporterdomarao.com.pt

Sociedade

5

Filho de 17 anos agride mãe por dinheiro

Encapuzados levam tabaco das bombas de Paços de Ferreira Um grupo de três indivíduos encapuzados assaltou na última segunda-feira 2 de Dezembro o posto de abastecimento da Repsol de Paços de Ferreira de onde limparam a prateleira do tabaco, num valor que ronda os mil euros. Eram cerca das 1h40, quando três encapuzados chegaram as bombas num Fiat Uno. Pegaram num paralelo e começaram a partir o vidro da caixa nocturna. “Uma dentro da loja limitaram-se a esvaziar a prateleira com o tabaco. Serão cerca de 30 volumes de várias marcas”, disse ao RM José Ferreira funcionário das bombas da Repsol.

O alerta foi dado por um vizinho que acordou com o barulho dos vidros partidos e alertou a GNR de Paços de Ferreira. As imagens de vídeo-vigilância das bombas, que encerram à meia-noite, foram entregues às autoridades, para a investigação. O assalto durou pouco mais de dois minutos e presume-se que os assaltantes apenas estavam interessados no tabaco, uma vez que nem sequer levaram o dinheiro que estava na caixa registadora.

Seguranças da noite ilibados da extorsão ao euromilionário de Penafiel Os dois alegados seguranças da noite acusados de terem extorquido um vencedor do euromilhões em Penafiel em Junho de 2007 foram absolvidos pelo colectivo de juízes de Penafiel. José da Silva e Manuel Pereira estavam acusados de três crimes de extorsão contra Adriano Rocha - que levou um prémio milionário enquanto estava emigrado na Suíça em 2005, e segundo a Acusação, estava a ser ameaçado pelos arguidos por ser rico - mas foram absolvidos porque o tribunal considerou que, afinal, o euromilionário estava a pagar um terceiro indivíduo para não apresentar queixa por agressão. Para a absolvição, o colectivo teve em conta o depoimento de José Cerqueira, que foi agredido pelo euromilionário por acreditar que este era o amante da mulher. O tribunal entendeu que,

quando os dois seguranças foram detidos por uma operação montada pelo NIC de Penafiel, os 15 mil euros que Adriano Rocha ia entregar aos acusados, afinal iam servir para que o agredido não apresentasse queixa na GNR. O euromilionário alegava que os dois indivíduos o extorquiam por ele ser rico, mas tinham omitido ao tribunal a agressão a José Cerqueira por ciúmes, o que acabou por convencer o tribunal a absolver os arguidos. Os juízes consideram que os dois seguranças serviram apenas de intermediários: “Adriano Rocha trouxe ao tribunal uma versão no mínimo insólita (…) tendo sido evidente que omitiu factos que efectivamente ocorreram”, pode-se ler no acórdão a que o Repórter do Marão teve acesso.

Na altura os dois seguranças foram detidos no parque do Ecomarché de São Vicente em Penafiel

Um jovem de 17 anos foi detido pela GNR, depois de se ter barricado em casa, por ter agredido a irmã e ameaçado a mãe com uma faca na casa familiar na freguesia de Milhundos em Penafiel porque a progenitora não lhe queria dar dinheiro. O rapaz foi ouvido no tribunal local que lhe aplicou a medida de coação de apresentações periódicas no posto da sua área de residência. A agressão aconteceu no passado dia 24 de Novembro, cerca das 17h00, quando o jovem levou com uma recusa ao pedido que tinha feito à mãe para lhe dar dinheiro, supostamente para ir ao café. Perante a imparcialidade materna, o jovem pegou num faca de serrote e ameaçou a mãe que também levou com um pontapé. A irmã, que estava presente, acabou por ser agredida com dois murros. A jovem de 15 anos que conseguiu fugir à fúria do jovem, teve de receber assistência médica. Quando a GNR chegou ao local, o rapaz estava barricado em casa com a mãe, sob a ameaça da faca. O jovem só abriu a porta quando a irmã lhe disse que tinha dinheiro para lhe dar. Aproveitando a oportunidade os militares detiveram o rapaz que acabou por passar a noite nos calabouços do quartel de Penafiel, onde se mostrou arrependido.

Morreu jovem colhida por comboio em Recezinhos Uma jovem com cerca de 18 anos foi colhida por um comboio junto do apeadeiro de Recezinhos em Penafiel, cerca das 17h00 de segunda-feira 24 de Novembro e acabou por não resistir aos ferimentos no hospital de São João do Porto. A vítima estaria a andar a pé junto da linha do Douro quando por motivos ainda desconhecidos, a jovem foi apanhada pela frente do comboio. Pelo que o RM conseguiu apurar no local, a mulher estava no passeio do lado direito da linha, no sentido Caíde de Rei – Marco de Canaveses e foi projectada para o outro lado da viaférrea. Os bombeiros de Penafiel e uma equipa de médicos do INEM assistiram a vítima no local e transportaram-na para o hospital de São João no Porto. A violência do embate foi tal que a jovem ficou sem o pé direito, esmagado pelas rodas do comboio. Mais tarde a jovem veio a falecer das consequências dos graves ferimentos. A linha do Douro esteve interrompida durante cerca de meia hora e retomou a normalidade. Alguns dos populares que se juntaram no local foram autorizados pelos médicos do INEM a ver a vítima que estava a ser assistida na ambulância, na tentativa de identificar a jovem, o que se revelou infrutífero.

GNR deteve jovem após perseguição Um jovem de 18 anos foi detido pelo Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Penafiel, após uma perseguição na cidade de Paredes, que terminou com o despiste do veículo, furtado no passado dia 25 de Novembro num stand paredense. O jovem conduzia um Peugeot 206 que ostentava matrículas falsas e os militares do NIC de Penafiel tinham montado uma operação para deter o indivíduo. Numa rua central de Paredes, cerca das 11h00 do 26 de Novembro, o jovem apercebeu-se que estava a ser seguido pelos guardas e tentou fugir. Acabou com o carro embutido num murro, fruto de um despiste, provocado pelo excesso de velocidade. O veículo tinha sido furtado num stand de Paredes onde também foi roubado um computador portátil, na madrugada de anteontem. Rapidamente, os militares do NIC identificaram o suspeito. O jovem de 18 anos, natural de Paredes, é referenciado em imensos furtos na região do Vale do Sousa e já tinha sido detido no âmbito do desmantelamento do grupo que


6

Amarante

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

amarante@reporterdomarao.com.pt

Tuna de Fridão vai actuar no Algarve A Tuna de S. Faustino de Fridão, Amarante, vai actuar nos dias 6 e 7 de Dezembro, em Odiáxere e Almadena (Luz), no concelho de Lagos. É a primeira vez que a Tuna de Fridão actua em terras algarvias, embora conte no seu palmarés diversas actuações no estrangeiro, junto de comunidades portuguesas, várias presenças em programas de televisão, um cd e cassete gravados e actuações por todo o país. O grupo faz parte de uma associação, com o mesmo nome, que tem como objectivo principal o ensino da música, sobretudo de cariz tradicional, mas já com algumas “novas roupagens musicais, para cativar uma geração mais jovem”. Em Odiáxere o espectáculo decorre a partir das 21h30 de sábado, dia 6 de Dezembro, nas instalações do Clube Desportivo de Odiáxere, que organiza o evento com apoio da Câmara de Lagos e Junta de Freguesia de Odiáxere. Em Almadena o espectáculo é organizado pelo Grupo de Amigos de Almadena, que comemora desta forma o seu primeiro aniversário e decorre domingo, dia 7 véspera de feriado, às 21h30 no Centro Social, tendo apoio da Câmara de Lagos e Junta de Freguesia da Luz.

Aulas da Universidade Sénior arrancaram com 62 inscritos O presidente da Câmara Municipal de Amarante, Armindo Abreu, saudou os 62 séniores do município inscritos na Universidade Sénior de Amarante e exortou-os a um envolvimento activo nas iniciativas promovidas por aquela escola, que, disse, “tanto podem passar por aulas mais ou menos formais como por visitas e viagens de carácter cultural”. O presidente da Edilidade regozijar-se-ia, ainda, pelo elevado número de inscrições na Universidade Sénior de Amarante (USA), “nascida” na sequência do programa “Amarante Vida Longa”, bem como pelas parcerias estabelecidas pela instituição com outras entidades, que enquadrarão algumas das actividades lectivas. O plano curricular definido para a USA tenta dar resposta às necessidades dos seniores de formação não formal em diversas áreas e de actividades recreativas, contendo um leque diverso de disciplinas, que vão da história ao inglês, francês, ciência política e cidadania, português e psicologia, incluindo também ateliês de artes, expressão e movimento, desporto, informática, visitas de estudo e workshops. Para levar a cabo este projecto a Câmara lançou o desafio aos profissionais formadores de várias áreas, para que, em regime de voluntariado, se inscrevessem e partilhassem os seus conhecimentos e experiências, o que foi conseguido. A Universidade Sénior de Amarante tem sede no edifício da Junta de Freguesia de S. Gonçalo, onde terão lugar as aulas, que se repartem, também, pelo Espaço Internet de Amarante, na componente de Tecnologias da Sociedade da Informação.

A Câmara de Amarante adjudicou a empreitada de construção de uma ecopista no antigo canal da linha do Tâmega, entre a estação de Amarante e o apeadeiro da Chapa, pelo montante de 1,570 milhões de euros. A obra foi entregue à proposta com o preço mais baixo, apresentada pela empresa Higino Pinheiro & Irmão Lda, com sede em Amarante. O projecto prevê a requalificação do antigo canal ferroviário e dos espaços exteriores das estações de Amarante e dos apeadeiros de Gatão

Obras da antiga escola de Rua adjudicadas

Um homem de 70 anos morreu na noite de sábado, em Gondar, Amaran-

A Câmara irá avançar com as obras de adaptação do edifício da antiga escola do ensino básico da Rua, freguesia de Aboadela, a Jardim-de-infância, ficando a execução dos trabalhos a cargo da empresa ANORTE, Construções e Engenharia, Lda, pelo valor de 167.991,41 euros. O edifício caracteriza-se por um único piso, com cerca de 180 metros quadrados, no qual funcionavam, até há alguns anos, duas salas de aula do primeiro ciclo do ensino básico. Estas salas serão transformadas em espaços de actividades e os vestíbulos em gabinete, entrada e instalações sanitárias para as crianças. O projecto prevê, ainda, a demolição das actuais instalações sanitárias e uma ampliação adjacente ao alçado posterior para obtenção de uma área edificada de 250 metros quadrados, na qual será criada uma sala polivalente/ refeitório, copa, I.S. para adultos, despensa e arrumos. Os arranjos exteriores passarão pela regularização do terreno, nova vedação e montagem de um piso amortizante para parque infantil. Esta conversão resulta da proposta mencionada na Carta Educativa do Concelho de Amarante, destinandose a servir as crianças das freguesias de Aboadela, Várzea, Sanche e Ansiães.

Ecopista entre estação e apeadeiro da Chapa avança e Chapa. A ecopista tem 3,50 metros de largura e cerca de 10 quilómetros de extensão. O piso da ecopista será em betuminoso colorido em tons terra, secundado por lancis em madeira tratada, segundo a informação da autarquia, que justifica a opção por este tipo de piso por razões de “conforto, polivalência e baixo atrito”. A ecopista será dotada de mobiliário urbano e sinaléctica e as antigas estações de caminho de ferro serão

igualmente requalificadas para apoio aos utilizadores. A ecopista será iluminada no troço mais urbano – cerca de seis quilómetros entre Amarante e Gatão – permitindo a sua utilização nocturna. O projecto da ecopista de Amarante – que tem pista comum para pedestres e utilizadores de bicicletas e patins – foi candidatado ao Plano Territorial de Desenvolvimento (PTD) da NUTS Tâmega, que poderá financiar a obra em 70 por cento.

Tractorista morreu num despiste em Gondar te, quando conduzia um tractor que se despistou ao circular num caminho

rural, disse fonte dos bombeiros. O acidente ocorreu às 19:00 no lugar de Caleirão, próximo de Vilela, na freguesia de Gondar, Amarante, embora o septuagenário vivesse em Palmazões, na vizinha freguesia de Padronelo. Embora não sejam conhecidas testemunhas do acidente, tudo indica que o tractorista, Manuel Rangel Moura, terá encostado demasiado à berma do caminho, o piso cedeu e o tractor caiu no talude. O tractor foi encontrado na sua posição normal numa leira agrícola situada quatro metros abaixo do nível do caminho, mas o condutor tinha sido projectado e já era cadáver quando os bombeiros de Amarante chegaram ao local do acidente. O tractor não dispõe de arco de segurança nem sequer de cabina do operador. O corpo do tractorista foi transportado para o gabinete médico-legal do hospital de Penafiel para a realização da autópsia.


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

amarante@reporterdomarao.com.pt

Amarante

7

SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE MANUEL PIZARRO AO RM

Hospital de Amarante vai a concurso ainda este mês Jorge Sousa O concurso para a construção do novo Hospital de Proximidade de Amarante, a construir pelo Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), será lançado este mês numa cerimónia que deverá ter a presença da Ministra da Saúde, anunciou ao Repórter do Marão fonte do Ministério da Saúde. O Secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro, que esteve em Baião no passado sábado na apresentação do centro de saúde local, disse ao Repórter do Marão “que o concurso para o novo hospital será lançado durante o mês de Dezembro”. Manuel Pizarro acrescentou que a ministra da Saúde, Ana Jorge, deverá estar presente na cerimónia a realizar em Amarante. Segundo o secretário de Estado, estão a ser feitos acertos de datas para as conciliar com a agenda da titular da pasta da Saúde. O projecto do novo hospital ficou concluído neste semestre, tendo-se seguido a respectiva análise por um grupo de trabalho. A construção do novo hospital regista o desfazamento de alguns meses entre o programa funcional (cronograma de planeamento) aprovado em 2007, entre a autarquia e o Ministério da Saúde, no âmbito do encerramento do bloco de partos, e

o novo cronograma elaborado pela ARS Norte e entregue ao centro hospitalar para execução. Apesar disso, o presidente da câmara de Amarante, Armindo Abreu, que negociou o processo do novo hospital com o anterior ministro da Saúde, Correia de Campos, desvaloriza o atraso. Com este acerto de calendário, a data de abertura do novo hospital de Amarante passa para o final do primeiro semestre de 2011. “Penso que estes dois a três meses de

aparente atraso não são preocupantes”, referiu recentemente o autarca de Amarante. O autarca afirmou em Julho ao RM que tinha a garantia da administração do CHTS de que o concurso da obra seria lançado até ao fim de Dezembro, promessa que o secretário de Estado Manuel Pizarro confirmou ao RM. Hospital de ambulatório com 60 camas O hospitalar vai ser construído em Te-

lões, num terreno de sete hectares, junto à Variante do Tâmega, cedido pela Câmara de Amarante ao Ministério da Saúde no regime de “direito de superfície” por 90 anos, prorrogáveis por períodos de 20 anos. O investimento estimado é de 33 milhões de euros, metade a suportar pelo capital estatutário do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) e o restante através de uma candidatura a fundos comunitários no âmbito do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional). O novo hospital de Amarante substituirá as actuais instalações do Hospital de S. Gonçalo, adaptadas há 46 anos de um antigo quartel militar de artilharia. Das 60 camas previstas, trinta serão destinadas a internamento geral, divididas por 15 enfermarias de duas camas, e as restantes 30 corresponderão a quartos individuais, com instalações sanitárias privativas e possibilidade de permanência de um familiar. Dotado de três salas para cirurgia ambulatória, o novo hospital poderá realizar cerca de 40 intervenções cirúrgicas por dia. Como refere o programa funcional da unidade, o objectivo do novo hospital “é dar um importante contributo na resolução das listas de espera em toda a região Norte”.

POLÉMICA ENTRE CÂMARA E DEPUTADOS DO PSD

Acessibilidades ao quartel dos bombeiros de Vila Meã asseguradas Jorge Sousa A empreitada de supressão da passagem de nível de Ataíde, Vila Meã, Amarante, foi lançada a concurso em Agosto último pela REFER, o que contraria a informação prestada pelos deputados do PSD na visita que efectuaram a Amarante na semana passada. A gestora da rede ferroviária abriu a 19 de Agosto deste ano, data da publicação no Diário da República, um concurso para “supressão da passagem de nível ao km 50+274, em Ataíde-Vila Meã, concelho de Amarante, no alinhamento da sobrecarregada EN 211-1, através da construção de uma passagem inferior rodoviária ao km 50+420 e respectivos restabelecimentos viários”. A empreitada, designada de “Linha do Douro: Troço Caíde / Marco - Supressão da Passagem de Nível ao Km 50+274 - Construção da Passagem Inferior Rodoviária ao Km 50+420 e dos Restabelecimentos 5, 5.1, 5.2, 5.3 e 5.5”, tem como montante estimado 1.907.400,00 euros, a desenvolver em 240 dias. O prazo de recepção das propostas terminou em 30 de Setembro, sendo expectável que as obras arranquem no primeiro

trimestre do próximo ano. “A REFER tem-nos dado a indicação que a adjudicação da empreitada ocorrerá, o mais tardar, até Março”, informou o presidente da Câmara de Amarante, Armindo Abreu. O deputado social-democrata Jorge Costa tinha acusado a Câmara Municipal de Amarante “de estar ausente” na reivindicação de acessibilidades para o novo quartel dos bombeiros de Vila Meã, a seis meses da sua conclusão. “Não concebemos como é possível que numa fase destas, a seis meses de estar terminado, não haver acessos nem haver explicações”, afirmou o deputado do PSD,

eleito pelo circulo eleitoral do Porto, no final de uma visita ao concelho de Amarante. “A conclusão que nós tiramos é que a câmara está ausente nestes casos todos, está ausente na construção dos acessos aos bombeiros, como está ausente nos apoios aos equipamentos especiais ou ao património”. Na opinião do deputado, são áreas em que a autarquia deveria ser “mais actuante” e estar “mais presente” na reivindicação dos investimentos do Governo, como é o caso da empreitada de requalificação da linha férrea entre Caíde, Vila Meã e Marco de Canaveses. Armindo Abreu aconselha deputados do PSD “a estudarem a lição em casa” Relativamente à acusação da falta de acessos para os bombeiros em Vila Meã, o presidente da autarquia, o socialista Armindo Abreu, disse ao RM “que o projecto é da REFER e não da câmara, mas que a autarquia foi chamada a colaborar na aquisição dos terrenos”. Segundo o autarca, os serviços municipais estão a analisar a proposta da REFER, uma vez que se trata de verbas ele-

vadas e negociações complexas com os proprietários dos terrenos. Armindo Abreu assegurou, porém, que o executivo camarário discutirá em breve a proposta da REFER – ainda hoje, em reunião do executivo, prestou essa mesma informação aos vereadores – e que tudo fará para que a nova avenida – paralela ao actual arruamento da vila, lado a lado com a linha férrea – seja construída, garantindo que colocará verbas no orçamento de 2009 para esse fim. Em declarações ao Repórter do Marão, o presidente socialista criticou os social-democratas “por quererem dar a ideia de que controlam alguma coisa, apenas para denegrir o trabalho da câmara municipal”. O autarca afirmou que “o que saiu na imprensa [as acusações dos deputados social-democratas] só se justifica por estarmos a entrar no período eleitoral”. “Os senhores deputados do PSD, antes de virem a Amarante, deveriam ter estudado a lição em casa”, aconselhou Armindo Abreu. “Tenho dito aos bombeiros de Vila Meã que terão acessibilidades condignas quando o quartel estiver concluído”, assegurou o autarca.


8

Baião

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

baiao@reporterdomarao.com.pt

Entrada livre na Fundação Eça de Queiroz no dia de aniversário do escritor Na passada terça-feira 25 de Novembro, passaram-se 163 anos do nascimento de um dos maiores nomes das letras portuguesas: Eça de Queirós. A Fundação Eça de Queiroz (FEQ), situada em Tormes (freguesia de Santa Cruz do Douro, Baião), assinalou a data proporcionando a entrada livre a todos quantos a quiseram visitar. Os que marcaram presença conheceram a Quinta de Vila Nova, outrora pertença do escritor e local onde este se inspirou para escrever “A Cidade e as Serras”, o seu último romance. Referência dessa obra é a mesa do arroz de favas, que pertence ao espólio museológico da FEQ, tal como a mesa alta em que Eça redigia os seus livros, em pé. O visitante pode ainda apreciar quadros, livros e outros objectos outrora pertença do romancista, inclusivamente a sua cama. A responsabilidade de trazer bolo de aniversário ficou entregue aos alunos da EB 2,3 de S. Miguel, da Guarda, que aproveitaram uma visita de estudo para cantar os parabéns a Eça de Queirós. A FEQ existe desde 1990 e tem o estatuto de instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos. Desde Novembro de 1997, data da abertura ao público e até Maio de 2008, a FEQ recebeu perto de 70 mil visitantes. Para além da vertente museológica, a FEQ realiza cursos internacionais de Verão dedicados à vida e obra de Eça, concertos de Música Clássica e conferências. Possui ainda uma vertente editorial (publica a revista Queirosiana), alojamento de Turismo Rural, Serviços Educativos e produz o vinho verde “Tormes”, compotas e outros bens alimentares.

Encontro de de concertinas juntou 40 tocadores O primeiro Encontro de Concertinas de Baião teve lugar no passado domingo 23 de Novembro. O evento, organizado pelo Rancho Folclórico de Baião, com o apoio da Câmara Municipal de Baião, contou com a inscrição de quarenta tocadores, vindos de todo o concelho, onde o instrumento é tradição. Facilmente confundida com o acordeão, a concertina é um instrumento de palhetas livres que são accionadas por meio de um fole que une os dois teclados. O teclado da mão direita produz as notas, enquanto o teclado da mão esquerda produz os acordes e baixos de acompanhamento. Este instrumento tem a particularidade de emitir notas distintas quando se prime uma tecla e se acciona o fole em cada sentido, o que o distingue do acordeão.

SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE FORMALIZOU MAIOR INVESTIMENTO DE SEMPRE NA SAÚDE

Dois milhões para novo Centro de Saúde Jorge Sousa O secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro, disse sábado à noite em Baião que o novo centro de saúde local, que deverá abrir no final de 2010, “honra o Serviço Nacional de Saúde (SNS)”. “No Governo defendemos afincadamente e determinadamente o Serviço Nacional de Saúde e acreditamos que num assunto tão importante como a saúde o Estado tem de ter uma intervenção”, afirmou o secretário de Estado na apresentação pública do projecto do novo equipamento. Para Manuel Pizarro, é necessário que todas as pessoas, independentemente de morarem nas grandes cidades ou no interior do país e tam-

bém independentemente da sua condição económica ou social, “tenham acesso a cuidados de saúde com a dignidade e a qualidade que as evoluções da medicina do século XXI podem oferecer a todos”. “Isso também exige equipamentos e infra-estruturas de qualidade”, defendeu o secretário de Estado da Saúde. Manuel Pizarro considerou ainda “fundamental” e “brilhante” a medida tomada pela autarquia local “de atrair para o concelho jovens médicos ainda no seu período de formação [do Internato]”, de modo que eles “ganhem raízes em Baião”. “É uma medida cuja importância todas as gerações futuras vão reconhecer”, sustentou o secretário de

Estado. A Câmara de Baião e a Administração Regional de Saúde Norte (ARSN) assinaram no passado sábado 29 de Novembro um protocolo para a construção do novo Centro de Saúde, equipamento em que o Estado vai investir mais de dois milhões de euros. O equipamento de saúde está orçado em 1,7 milhões de euros, a que acresce 313 mil euros para a construção de um parque de estacionamento com 76 lugares. O concurso deverá ser lançado após o visto do Tribunal de Contas, sendo expectável que a obra arranque em meados de 2009.

UM RAIO DE SOL EM FINS DE OUTONO DE MÁRIO COUTO

Posto de turismo recebe pintura que diz com a estação O recentemente remodelado Posto de Turismo de Baião acolhe a exposição de pintura “Um raio de Sol em fins de Outono”, da autoria de Mário Couto. A mostra é composta por 22 obras. Pintor e Poeta, Mário Couto nasceu em 1950 em Vila Nova de Gaia e pinta desde 1976. O autor dá preferência aos temas “paisagem” e “figurativo”, a partir de uma abordagem clássica. Em Portugal já expôs em Vila Nova de Cerveira, Viana do Castelo, Póvoa de Varzim, Trofa, Porto, Gondomar, Vila Nova de Gaia, Espinho, Viseu, Coimbra, Figueira da Foz, Leiria, Lisboa, Estoril, Cascais, Valongo, Felgueiras, Vila Real, entre outras localidades. No estrangeiro tem integrado algumas Exposições Colectivas, casos concretos das mais recentes de Florença, Buenos Aires e S. Paulo. Tem feito exposições individuais em Espanha, França, Suíça e Suécia. A exposição tem entrada livre e pode ser vista até 31 de Dezembro.


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

baiao@reporterdomarao.com.pt

Baião

9

JOSÉ LUÍS CARNEIRO TAMBÉM VISITOU OVIL E CAMPELO

Biscoitos da Teixeira têm espaço para degustação

Centenas de pessoas juntaram-se no passado sábado, 22 de Novembro, no lugar da Ordem, na freguesia da Teixeira, Baião, para assistir à inauguração de um espaço de promoção do Biscoito da Teixeira. Neste local, de decoração moderna e ambiente sofisticado, é possível provar aquela especialidade da terra, mas também apreciar os produtos locais, como o vinho verde de Baião. “É fundamental promovermos os nossos produtos tradicionais de modo a preservar a memória colectiva e a identidade do nosso povo. É preciso acrescentar valor a actividades tradicionais, contribuindo para gerar riqueza e dinamizar o sector do turismo”, referiu José Luís Carneiro, que elogiou a capacidade de iniciativa e a inteligência da empresária Sónia Pereira, responsável pelo espaço. O Centro de Promo-

ção do Biscoito da Teixeira representou um investimento na casa dos 40 mil Euros (comparticipado em 50% pelo programa Leader+ através da Cooperativa de Desenvolvimento do Baixo Tâmega Dolmen). Sónia Pereira, por sua vez, referiu que este é um espaço do qual “a freguesia deve estar orgulhosa” porque “dá a conhecer coisas boas que a Teixeira, e o concelho de Baião, têm”. Presentes na iniciativa estiveram individualidades como o presidente da Assembleia Municipal de Baião, Pinho Silva, os vereadores da autarquia, Paulo Pereira e Manuel Durão, e ainda o coordenador executivo da Dolmen, Rolando Pimenta. A abertura deste espaço vem juntar-se a outros, de cariz tradicional, que pretendem divulgar o melhor que há no concelho de Baião. Durante o actual mandato já fo-

ram inaugurados a Casa das Bengalas de Gestaçô, o Centro Interpretativo da Vinha e do Vinho do Mosteiro de Santo André de Ancede, e os monumentos megalíticos (“Dolmens”), do Campo Arqueológico da Serra da Aboboreira foram recuperados. Emoção no regresso às origens No mesmo dia, houve inaugurações de obras da Câmara Municipal de Baião em três freguesias. O ponto alto do dia aconteceu durante a visita de José Luís Carneiro ao lugar de Pinheiro, na freguesia de Campelo, de onde é oriundo. Um tapete de flores de vários metros e o carinho de vários conterrâneos abrilhantou uma cerimónia muito emotiva. A pavimentação do acesso a Pinheiro representou um custo de 15 mil Euros, que permitiu beneficiar 270

metros de pavimento, que servem várias habitações. Antes, o autarca havia visitado os lugares de Matos e Ervins de Baixo, ambos na freguesia de Ovil. Em Matos a câmara municipal investiu 34 mil e 386 Euros na beneficiação de 200 metros de caminhos acidentados e de difícil acesso e na criação de 45 metros de rede pluvial. Em Ervins de Baixo, a empreitada totalizou 17 mil e 111 Euros e consistiu na beneficiação de 250 metros de pavimento. Na freguesia do Grilo foi inaugurada a pavimentação do Caminho Agrícola do Seixo. Esta obra representou um investimento de 51 mil 243 Euros que permitiram pavimentar 830 metros. Foi ainda criada uma rede de drenagem de águas pluviais com extensão de 1121 metros.

CANDIDATO DISSE ESTAR CONFIANTE PARA CAMPANHA

PSD de Baião aprovou José Carlos Póvoas O PSD de Baião indigitou José Carlos Póvoas como candidato às próximas autárquicas de 2009. Após várias intervenções por parte de membros da Comissão Política e outros militantes de Baião, a votação acabou por aprovar o nome de José Carlos Póvoas. O candidato, já depois de ter visto o seu nome aprovado como tal, fez uma intervenção dirigindo-se aos militantes, agradecendo o apoio que ali recebeu, mostrando-se “honrado, com a certeza de vir a ser o futuro Presidente da Câmara Municipal de Baião…preparado para vencer as próximas eleições autárquicas, com a ajuda de todos aqueles que acreditam que Baião não se pode ficar pela mediania, antes pelo contrário, deve reclamar um papel decisivo no panorama distrital e nacional, de acordo com a grande valia das suas gentes, dos seus recursos humanos e naturais”. Estiveram presentes cerca de 50 militantes, que quase encheram a sede. Em representação da Comissão Políti-

ca Distrital do PSD do Porto esteve presente Mário Duarte, Vereador da Câmara Municipal de Valongo e membro do Gabinete Autárquico daquela Distrital. A Comissão Política Concelhia, pela voz do seu presidente, Nuno Sá Costa, fez uma breve resenha do trabalho desenvolvido até então, nomeadamente o número de novos militantes inscritos, cerca de 50, o jantar de tomada de posse com cerca de 250 pessoas, a remodelação da sede concelhia e as actividades distritais em que o PSD de Baião tem marcado presença. Mostrou-se também agradado com a realização de um plenário, primeiro desde há mais de um ano a esta parte, comprometendo-se com os militantes “que, doravante, os estatutos do partido serão para cumprir, nomeadamente na realização de plenários para discussão dos e com os militantes,

apelando à participação de todos”. De seguida, enalteceu as qualidades pessoais e humanas do candidato José Carlos Póvoas, referindo-se à sua condição de militante do PSD desde a primeira hora, pois foi seu fundador, assim como ao seu percurso político, desde o cargo de vereador da Câ-

mara do Porto, passando pelos vários anos como deputado na Assembleia da República, até ao cargo de director de campanha de Cavaco Silva, numa das eleições legislativas a que este se candidatou. Realçou a disponibilidade de um ”político de topo”, como lhe chamou, para o combate político num concelho como o de Baião, normalmente menos apelativo às grandes figuras da política em Portugal. De destacar a presença no plenário de Emília Silva, ex-presidente da Câmara Municipal de Baião, de cuja intervenção se realça o apoio inequívoco à pessoa de José Carlos Póvoas, nele depositando “a esperança do retomar do progresso de Baião e da continuação da sua imensa obra por todo o concelho, agora interrompida, como está à vista de todos, desde que o Partido Socialista venceu as eleições autárquicas de 2005”, referiu a ex-autarca.


10

Opiniões

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

opinioes@reporterdomarao.com.pt

O novo paradigma supramunicipal Alberto Santos* O país desconhece que, neste momento, se assiste a uma alteração do modelo de organização territorial do país, ao nível supramunicipal. Julgo até que, a uma grossa percentagem da população, este assunto pouco importará, tantas são as preocupações derivadas pelo ciclo económico com impacto directo nas carteiras de cada um, para além de serem outras as agendas noticiosas da imprensa nacional sempre ávida de outras parangonas. Mas, por força de uma nova lei, as Assembleias Municipais dos 308 municípios do país estão por estes dias a ser chamadas a pronunciar-se pela adesão obrigatória a uma nova Associação de Municípios denominada Comunidade Intermunicipal, baseada nas NUT

III. Obrigatória porque só por esta via será possível aos Municípios contratualizarem fundos comunitários. O caso da NUT III do Tâmega inclui Concelhos de 4 Distritos: Porto, Braga, Aveiro e Viseu. Assim, estes novos entes de desenvolvimento territorial estão completamente desfasados das lógicas assentes nos Distritos, cuja morte já foi anunciada por vários Governos, mas sem que qualquer dos governantes mostre coragem para a sua concretização. Para que haja coerência no território, julgo que só possível dar espessura política e razão de ser aos olhos dos cidadãos a esta nova organização do território se ela tiver outras consequências. Aqui deixo as sugestões que me parecem mais evidentes: 1º Os círculos eleitorais ajus-

tarem às novas Comunidades Intermunicipais (ou NUT’s III) – só assim os Deputados ficarão vinculados a territórios pertinentes e com utilidade na lógica de desenvolvimento que o Governo lhes quer imprimir; 2º Os próprios partidos políticos deveriam dar o exemplo e ajustarem a sua organização territorial na mesma lógica, acabando com a lógica distrital – dariam assim o seu próprio exemplo; 3º A liderança não deveria ficar num colectivo de presidentes de câmara atarefados com os afazeres dos seus Municípios ou num administrador delegado para o efeito, mas sim num político (ou pequeno grupo de políticos) eleito directa ou pelo menos indirectamente para o efeito – era a forma de haver uma maior eficácia e dedicação na direcção dos assuntos

da região, com responsabilização directa perante quem o elegeu. 4º Ser dotada de meios financeiros efectivos para as políticas transversais à região, e não apenas de competências mais ou menos inócuas. 5º A estabilidade do modelo é também determinante. Não se pode mudar o associativismo supramunicipal sempre que muda o inquilino de São Bento ou a maioria do Parlamento. Julgo que desta forma os cidadãos compreenderiam a real importância da supramunicipalidade, tirariam dela benefícios mais directos e enfocariam de forma mas consciente e exigente a responsabilização democrática de dos seus dirigentes. *Presidente CM Penafiel

Os tempos não correm de feição para o governo socialista Fernando Moura e Silva* Com a crise no sector financeiro que tarda em se resolver, a recessão económica instalada, o desemprego que não pára de crescer, a recente conflituosidade latente na sociedade portuguesa é muito mais que o resultado de várias crises anunciadas. Após um período de tolerância e contenção social pela expectativa criada, em que nunca acreditamos, os portugueses estão numa fase crescente de protesto pelas políticas socialistas e numa espiral de reivindicação. Primeiro na protecção dos direitos que ao longo do tempo adquiriram e ultimamente na procura de alguns privilégios operacionais. A legitimidade a qualquer sector da sociedade defender os seus direitos é natural em democracia, e existem razões fundamentadas e certamente tiveram justificações técnicas e uma luta histórica quando foram adquiridas. A questão não reside na legitimidade dos direitos, reside na consequência da manutenção desses direitos. As mutações na sociedade são constantes e é necessário manter um diálogo que permita manter o nível de vida que conseguimos e padrões sociais conquistados nas últimas três décadas. O modo como o Governo se relaciona com os interesses organizados, e não instalados, na socie-

dade é crucial para perceber da sua robustez, e, quanto a essa dimensão, temo existir bons motivos para nos preocuparmos. Mais do que a existência de dúvidas, basta limitarmos o nosso olhar para a actuação arrogante do Governo na gestão do conflito com os professores. O problema não é apenas o Estado não conseguir satisfazer as expectativas dos cidadãos quanto ao modo como gere os impostos que arrecadou, é também a sua incapacidade para se relacionar com a sociedade e a fragilidade que demonstra no caso concreto do conflito com os professores. A Ministra da Educação diz estar disponível para ouvir os sindicatos, uma atitude de diálogo que contrasta com as constantes declarações de firmeza das ultimas semanas e que indica que pode haver espaço para alterar alguns aspectos do modelo de avaliação de desempenho dos docentes. O problema é que já não se acredita na Ministra. Sabemos que é preciso avaliação, e os professores não a rejeitam, mas este modelo é demasiado complexo, burocrático e coloca docentes uns contra outros. Compreende-se que avaliar o desempenho de professores não é fácil. Mas se este modelo provoca desagrado nos professores e instabilidade nas escolas, porque razão a Ministra mantém a arrogância de que só ela é que

tem razão? A eficácia das formas de protesto é directamente proporcional aos estragos e ao incómodo que causam. As manifestações feitas pelos Professores é um direito legítimo e elementar que ao defenderem os seus direitos, estão também a defender o direito dos alunos. É evidente para todos que as relações entre professores e alunos está azeda e a corda há muito se partiu. Mas em ambiente de natural tensão, podendo a razão não estar do lado da Ministra, é inequívoco que está uma atitude de seriedade, que resulta da disponibilidade para aceitar um balanço do processo de avaliação no final do ano. É um facto a seu favor. Perspectivo que o futuro vai mostrar que os professores estão com vontade de a esticar até arrebentar. Espero que o bom senso prevaleça para que a população se possa colocar cada vez mais ao lado de quem tem razão, os professores. Hoje, parece claro, que o Governo está a empurrar o processo para um beco que pretende sem saída. Com um sistema educativo ingovernável, exige-se uma manifestação de bom senso. Só a cegueira do Governo para a solução do problema, não vê uma Ministra autista e indiferente. O que parece razoável é sus-

pender o actual modelo de avaliação de desempenho dos professores e desde já trabalhar num novo modelo. O essencial é que as escolas funcionem e que a autoridade dos professores seja respeitada. A questão está, portanto, em corrigir o modelo naquilo que ele tem de injusto. Os professores têm que essencialmente dar boas aulas e preparar bem as aulas, em vez de passarem a vida a espiar os colegas e produzir relatórios. Pelo que o modelo tem que ser objectivo. Também não é aceitável haver avaliação por parte de quem não conhece as matérias a serem avaliadas. Além disso, não é possível que umas escolas avaliem e outras não. Este modelo não pode servir um engodo muito do agrado da ministra da Educação, que é promover os professores pelo simples facto de darem boas notas ou facilitarem na análise dos alunos. Pelo contrário, deve promover a exigência. Mas tem ainda a Ministra condições para governar?!!! *Vereador da CM Amarante Presidente da Assembleia Concelhia do CDS/PP


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

desporto@reporterdomarao.com.pt

Desporto

11

I DIVISÃO A.F. PORTO - BAIÃO, 0 - AC. FELGUEIRAS, 1

Minutos iniciais foram fatais para equipa de Baião Jogo no Campo do Prenhô. Árbitro: António Sérgio. BAIÃO - Ernesto, Márcio, Paulo Espanhol, Valério e André (Fábio); Paulinho, Lalas e Rui Batata; Ricardo, Chico e Pedro Vieira. Treinador: Carlos Mendes. AC. FELGUEIRAS - Rui Sampaio, Esteves, Élio, Jorge e Licínio; Rui Coelho (Luís), Raul (Milton) e Vítor Alves (Coelho), Miguel, Quinzinho e Fábio. Treinador: António Lima Pereira. Ao intervalo: 1-0. Marcador: Quinzinho (19’). Cartões vermelhos: (Paulinho, 76’) e Fábio (90’). Apesar do frio que se fazia sentir em Baião e com alguns acessos cortados, muitos foram aqueles que marcaram presença no sintético do Prenhô para assistir a mais uma derrota da formação local, ante a formação do Académico de Felgueiras (0-1). Um golo de Quinzinho, aos 19 minutos, sentenciou uma partida que era aguardada com muita expectativa, por se tratar da visita do segundo classificado que espera deslizes do Leões de Citânia para passar à condição de líder. Os primeiros minutos foram de mau futebol, embora o ‘sinal mais’ pertencesse aos forasteiros que obrigaram, em duas ou três ocasiões, o guardião Ernesto a ter de aplicar os seus reflexos para manter as suas redes invioladas. Numa descida do Académico de Felgueiras, Quinzinho conseguiu levar a melhor sobre os defesas locais e apontar o único golo da partida, numa altura em que o Baião não conseguia encontrar “fio de jogo” e jogava aos repelões. Após o golo, assistiu-se ainda a algumas boas oportunidades dos homens orientados por António Lima Pereira, mas o Baião lá foi equilibrando a contenda e conseguiu evitar que o marcador fosse di-

latado. No segundo tempo, o Baião entrou com uma postura bem diferente e só não restabeleceu a igualdade pela inoperância dos seus dianteiros que estavam numa tarde de pouca inspiração para acertar com a baliza do Felgueiras. Se entrar na grande área da formação adversária já não era tarefa fácil, ainda ficou mais complicado com a expulsão de Paulinho e mais tarde de Fábio. Pelo que fez no segundo tempo o Baião

merecia pelo menos a igualdade. O Académico de Felgueiras ocupa a segunda posição, enquanto o Baião reparte o sétimo lugar com a equipa do Várzea do Douro. Na próxima jornada o Académico de Felgueiras recebe o líder (Leões de Citânia) e o Baião desloca-se ao reduto do Nun´Álvares, quarto classifcado. Cabine da imprensa fechada Numa tarde em que os termómetros

rondavam os zero graus, a cabine de imprensa do campo sintético de Baião estava fechada. Quando o repórter chegou às instalações desportivas foi-lhe dito para se sentar no meio do público. Trabalhar naquelas condições não foi tarefa fácil. Até a constituição das equipas só nos chegou ao intervalo, após um colega do jornal “O Comércio de Baião” interceder junto de um director do Baião. A comunicação social merece mais respeito... Alcino Oliveira

II DIVISÃO NACIONAL - AMARANTE, 1 - SANTANA, 0

Segunda vitória consecutiva do Amarante Jogo no Estádio Municipal de Amarante. Árbitro: Jorge Tavares. AMARANTE - Ricardo, Jorginho, Pinheiro, César, Rochinha, Alex, Brito (Marcos, 60’), Paulo Pereira, Tiago Cintra (Marinho, 92’), Sérgio Vasconcelos (Jorge Moura, 77’) e Hélder. Treinador: Paulo Antunes. SANTANA - Fábio, Ricardo (Daniel, 70’), Zé Pedro, Varandas, Fredinando, Thiery, Roberto, Luís Aurélio, Zé Estrela (Luís Filipe, 60’), Gonçalves, Anderson (David, 24’). Treinador: Gil Cunha. Ao intervalo: 1-0. Marcador: Alex (9’). Após a eleição da Comissão Administrativa, liderada por António Cardoso, o Amarante venceu os dois jogos realizados para o campeonato Nacional da 2ª Divisão.

A primeira vitória aconteceu no Infesta (12) e a segunda no domingo, na recepção à formação madeirense do Santana (1-0). O golo solitário foi apontado por Alex, à passagem dos nove minutos. O domínio dos amarantinos foi avassalador, pecando apenas na finalização. A formação orientada por Paulo Antunes já abandonou os últimos lugares e ocupa agora a oitava posição, com 13 pontos. Na próxima jornada (7 de Dezembro) o Amarante volta a jogar em ‘casa’ e recebe o Arouca, quinto classificado.

III DIVISÃO NACIONAL VILA MEÃ, 2 - OL. DOURO, 2

Pilhas na máxima força O Vila Meã não conseguiu melhor que um empate a duas bolas na recepção à formação do Oliveira do Douro, em jogo a contar para a 10ª jornada do Campeonato Nacional da 3ª Divisão. O Vila Meã logrou adiantar-se no marcador, por Chico, mas dois minutos depois Pilhas restabeleceu a igualdade, resultado com que se atingiu o intervalo. No segundo tempo, os locais adiantaram-se no marcador, por intermédio de Hugo, mas o mesmo Pilhas voltou a estragar a festa à equipa de Eduardo Luís e fixou o resultado numa igualdade a duas bolas. O Vila Meã ocupa a 9ª posição, com 13 pontos, e na próxima jornada deslocase ao terreno do líder, o Paredes.


12

Desporto

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

desporto@reporterdomarao.com.pt

SÓCIOS REGULARIZARAM COTAS EM DÍVIDA PARA GARANTIR LUGAR NO JOGO DA TAÇA DE PORTUGAL

Cinfães anseia por vitória frente ao FC Porto Alexandre Panda Toda a Vila de Cinfães está ansiosa por receber o Futebol Clube do Porto, na próxima eliminatória para a Taça de Portugal. A vinda dos azuis e brancos está na origem de todas as conversas nas ruas e nos cafés. Os cachecóis personalizados para o embate já estão à venda nos estabelecimentos e até o campo do Cinfães está a ser alvo de intervenções para receber mais adeptos e também o exército da comunicação social. As bancadas têm capacidade para receber 5000 pessoas mas a direcção do clube já mandou instalar estruturas amovíveis para poder acolher mais 2400 adeptos. A euforia também se nota na venda dos ingressos, é que os bilhetes ainda não foram postos à venda, mas já há reservas de lugares para o encontro de casa cheia. Em Cinfães, para além do clube da terra, a maioria dos habitantes também é adepta do tri-campeão nacional, o que aumenta as expectativas da festa, para o encontro da Taça de Portugal. “Em tom de brincadeira as pessoas dizem que vamos facilitar, mas nós queremos vencer”, explicou à reportagem do RM Vítor Moreira, técnico do Cinfães, um homem do futebol formado nas camadas jovens do Porto. “O caderno de encomendas de bilhetes está a ficar cheio. Está tudo a ferver pelo jogo. Sabemos que as duas equipas têm imensas diferenças, mas vamos tentar fazer o nosso jogo. Evitar que o Porto marque um golo, com uma defesa bem organizada e aproveitar um lance fortuito será o nosso trunfo”, adiantou Vítor Moreira. A equipa do Cinfães, remete a pressão para o Porto, uma vez que os cinfanenses vão jogar em casa e o treinador já moralizou os jogadores: “disse-lhes para desfrutarem o momento, para entrarem tranquilos no jogo. Com um pouco de sorte, apesar da diferença de estruturas, que é muito grande, podemos dar a volta”. Para o presidente do clube, Joaquim Barbosa, a vinda do Porto vai trazer nome à terra e ao clube. O homem, que para além do Cinfães

Percurso do Cinfães na Taça de Portugal: 1ª eliminatória: Equipa ficou isenta 2ª eliminatória: Vitória em Ribeira Brava, 3-5 após G.P. 3ª eliminatória: Vítoria em Paredes, 1-2 4ª eliminatória: Vitória sobre o Fátima: 1-0 5ª eliminatória: FC Porto a 13 de Dezembro Treinador e presidente do C.D.Cinfães querem ver o estádio cheio

também tem uma parte do coração azul e branca, explicou que este encontro é um evento único da história do concelho: “está a mexer com toda a gente. Há sócios que não pagavam as quotas há 20 anos. Agora estão a regularizar para poder ver o jogo. Estamos a preparar tudo para que seja uma festa grande”. Os bilhetes custam entre 15 e 22 euros, mas para os sócios o preço é de seis euros. Na vila, poucos são aqueles que acreditam na vitória do Cinfães frente ao poderoso Porto, que já garantiu a passagem a fase seguinte da Liga dos Campeões, mas todos querem ver o jogo. “Será difícil a nossa equipa vencer, mas no futebol nunca se sabe. Tudo pode acontecer, e apesar de ser uma terra maioritariamente portista, todos preferem o Cinfães”. A lista de espera para aquisição de bilhetes é enorme

Alcino Dias, simpatizante do Cinfães

Fausto Resende, adepto do Cinfães

Pereira Pinto, Presidente da CM Cinfães

“Não vai ser nada fácil para o Cinfães, mas como o Porto não deve vir com a equipa principal podemos sempre tentar fazer algo. No futebol nunca se sabe o que pode vir a acontecer. Tudo depende de como as equipas vão entrar em campo. Mas pelas diferenças de estruturas aponto para 2-0 a favor do Porto. O certo é que vai ser um dia de festa, para todos os adeptos do Cinfães e também do Porto”.

“Temos de reconhecer o mérito do adversário. Vai ser muito difícil para o Cinfães. Não acredito numa vitória e o meu prognóstico é de 3-1 a favor do Porto. Aqui, a maioria das pessoas são portistas o que anuncia um bom dia de festa porque quer ganhe um ou outro, todos vão ficar satisfeitos. Se fosse o Benfica a deslocar-se cá, a história era outra. Ia haver mais rivalidade. Assim é tudo pacífico”.

“Costumo dizer em tom de brincadeira que Santa Luzia ilumine o Cinfães a eliminar o Futebol Clube do Porto. Mas vai ser muito difícil e por isso acredito que o Porto vença por 1-0. Vai ser uma grande honra para o concelho receber um dos maiores clubes de Portugal e o que importa é que a festa da Taça de Portugal seja grande”.


14

Fecho

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

geral@reporterdomarao.com.pt

II Divisão Nacional

SANJOANENSE, 1 - PENAFIEL, 3 União da Madeira e Penafiel continuam ‘colados’ na Série B do Campeonato da 2ª Divisão Nacional. No domingo, o Penafiel foi ao campo da Sanjoanense arrancar uma excelente vitória (1-3), enquanto a União venceu o Lourosa (4-0). A equipa orientada por Rui Quinta inaugurou o marcador aos seis minutos, por Michel, e a Sanjoanense chegou ao empate por Bobo, a cinco minutos do intervalo. Antes, aos 30 minutos, Zé Eduardo desperdiçou uma grande penalidade para a Sanjoanene. No segundo tempo os penafidelenses puxaram dos galões de favoritos e com alguma facilidade cheram ao 3-1. Primeiro por Ferreira (56’) e 12 minutos depois por Paulo Jorge, na própria baliza. Na próxima jornada o ‘namoro’ da liderança poderá ficar desfeito, uma vez que o Penafiel desloca-se à Madeira para defrontar a União.

III Divisão Nacional

CINFÃES, 1 - S. JOÃO DE VER, 0 O Cinfães, a poucos dias de receber o FC Porto para a Taça de Portugal, continua o seu percurso vitorioso na Série C do Campeonato Nacional da 3ª Divisão. Na última jornada venceu a equipa de S. João de Ver (1-0) e ascendeu à terceira posição, a quatro pontos do líder, o Fiães. O golo, que valeu três preciosos pontos, foi apontado por Filipe Carvalho, aos 35 minutos. O Cinfães beneficiou ainda da derrota do Anadia no campo do Tocha e do empate do Académico de Viseu no terreno do Avanca. Na próxima jornada desloca-se ao Tondela, 11º classificado, a oito pontos dos cinfanenses.

Divisão de Honra - AF Viseu

LAMEGO, 1 - RESENDE, 1 O Lamego e o Resende, últimos classificados na Divisão de Honra da Associação de Futebol de Viseu, dividiram os pontos (1-1), numa jornada que teve dois jogos adiados devido à neve que caiu na região. Após 10 jornadas realizadas, o Resende ocupa o antepenúltimo lugar, com seis pontos, enquanto o Lamego é o “lanterna-vermelha”, com cinco pontos.

Atletas da A.D.Amarante destacaram-se no corta-mato de abertura em Penafiel Os atletas da ADA voltaram a evidenciar-se, ao classificar-se entre os primeiros, no corta-mato de abertura da Associação de Atletismo do Porto, em Penafiel. Sónia Carvalho, em juniores, e Luís Moura, em infantis, venceram a prova. Tiago Monteiro, em juvenis, foi 2º classificado, e Flávio Nunes, em juniores, e Sandra Moura, em Benjamins, ficaram em 3º nas respectivas provas do cortamato. Filipe Paiva, em juniores, foi sexto, Mário Jorge, em juvenis, foi sétimo, Tiago Nogueira, em juniores, foi nono. O juvenil Marco Magalhães foi 11º, Samuel Ribeiro, 12º, Miguel Nogueira, 16º.

Felgueiras recebeu campeonatos regionais de natação A Piscina Municipal de Felgueiras acolheu, nos dias 21, 22 e 23 de Novembro de 2008, os Campeonatos Regionais de Natação, destinados à categoria de juniores e séniores, numa organização da Associação de Natação do Norte de Portugal e com o apoio da Câmara Municipal de Felgueiras. A prova desenvolveu-se ao longo dos três dias, no último fim de semana, e contou com a presença da 14 clubes, entre os quais, o FOCA - Clube de Natação de Felgueiras, num total de 190 atletas participantes. O público aderiu com forte participação e teve oportunidade de assistir a momentos muito altos da competição.

Banda Musical de Amarante comemorou o 154º. Aniversário

Alunos da Escola António Lago Cerqueira em visita de estudo

No dia 1 de Dezembro, a Banda Musical de Amarante festejou o seu 154º. Aniversário. As comemorações começaram bem cedo e nem o frio afastou os seus membros de promoverem o tradicional arruado de saudação pela cidade e a romagem ao cemitério onde foi prestada homenagem aos amigos e sócios da Banda falecidos este ano. Às 11 horas, teve lugar no Mosteiro de São Gonçalo uma Missa em Acção de Graças pelas almas dos fundadores, directores, regentes, executantes, sócios e amigos, missa essa celebrada pelo novo pároco, Padre José Manuel Ferreira, e pelo anterior presidente da Assembleia Geral da colectividade, Padre Pacheco. Da parte da tarde, realizou-se na sua sede um concerto dirigido pelos maestros Manuel Fernando Marinho e Armando Teixeira. As instalações foram pequenas para todos os que quiseram assistir ao regresso da Banda a sua casa após um ano de interregno e ao novo reportório. O ponto alto do concerto teve lugar aquando da execução do trecho “The Typewritter”, de Leroy Anderson, onde a Banda se fez acompanhar pelo som e musicalidade de uma tradicional máquina de escrever. As comemorações terminaram com um jantar de confraternização entre músicos, familiares, associados e amigos, no Edifício Top do Restaurante “A Grelha”, que contou ainda com as presenças dos Presidente da Câmara Municipal de Amarante e Junta de Freguesia de São Gonçalo. Texto/Fotos: pauloteixeira.net

No dia 20 de Novembro, as turmas AC04 e SC19 da Escola Profissional António Lago Cerqueira, sob a orientação de Paula Santos e Angélica Ferreira, docentes das disciplinas PACC e SPV, respectivamente, realizaram uma visita de estudo ao Museu da Moeda. Esta visita teve como objectivos permitir aos alunos entender a evolução da moeda e da actividade comercial; conhecer espaços de promoção comercial, que abrange iniciativas como: mostras comerciais, leilões, exposições das mais variadas índoles; consolidar conhecimentos adquiridos; incrementar a capacidade de observação e espírito crítico; estimular a iniciativa, conversação e interesse dos alunos; desenvolver a sensibilidade estética e a criatividade; A visita foi acompanhada por dois guias, que surpreenderam pela amabilidade em conduzir as turmas durante toda a actividade. Inicialmente os alunos visionaram um filme sobre a evolução da moeda. Seguidamente, puderam visualizar uma exposição constituída por mais de 5000 miniaturas de automóveis. Posteriormente, os alunos puderam deliciar-se com uma maquete do Douro onde não faltava a presença do comboio a percorrer a linha do Tua. Depois, cada aluno foi fotografado para a sua foto ser inserida numa nota. A visita de estudo terminou com a visionamento de uma vasta exposição de moedas de papel, onde foi possível encantarem-se com a história do Senhor Alves Reis, o maior burlão Português. A todos os que possibilitaram esta oportunidade, que se revelou muito enriquecedora, um muito obrigado! Artigo elaborado pelos alunos

Vítor Pascoal: Desilusão com meta à vista no Rali Casinos do Algarve Terminou de forma inglória a participação do Amarante Rallye Team no Rali Casinos do Algarve, com a desistência na última prova especial quando ainda poderia chegar ao primeiro posto. Depois da realização da Super Especial no Autódromo Internacional do Algarve, onde a equipa se classificou na terceira posição perante os cerca de dez mil espectadores presentes, o rali desenvolveu-se na Serra de Monchique, percorrendo mais sete “especiais”. Fazendo uma prova isenta de erros e com o Peugeot 207 S2000 a não demonstrar qualquer problema até à última especial, Vitor Pascoal e Joaquim Duarte desde cedo assumiram

a segunda posição. À partida para a última classificativa apenas 1,5 segundos separavam a dupla de Amarante da liderança, o que faria com que dessem o tudo por tudo por uma possível vitória: “Partimos para a última especial ao ataque. Tínhamos a noção que era uma óptima oportunidade para atingirmos a vitória, pelo que não poderíamos deixar de fazer um forcing. Estavamos com um ritmo realmente elevado quando fomos surpreendidos com a quebra de uma suspensão, o que nos impossibilitou de continuar. Tivemos realmente bastante azar, mas a competição automóvel também depende desse factor.” Com a conclusão do Campeonato de Portugal de Ralis 2009, o balan-

ço do piloto é, naturalmente, positivo: “Penso que só poderemos estar satisfeitos com o resultado deste ano. Terminamos na 3ª posição do Campeonato e como a melhor equipa privada, o que evidentemente nos deixa orgulhosos. Foi possível levar este projecto a bom porto e mostramos a nossa evolução ao longo da época. Certo que tivemos alguns momentos menos bons, mas é muito gratificante para nós ter conseguido estar na luta pela vitória frente a uma equipa oficial. Considero que houve uma grande dedicação por parte de toda a equipa a quem não posso deixar de agradecer, bem como a todos os sponsors que viabilizaram este projecto.

Detido ladrão de comida em Amarante Um indivíduo de 34 anos foi detido pelo Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Amarante no passado dia 21 de Novembro, por furto de bens alimentares numa escola. A detenção foi efectuada quando o indivíduo estava a entregar os alimentos - cerca de 30 quilos - ao receptador. Alguns já estavam no interior de uma viatura. Os indivíduos foram presentes ao Tribunal Judicial de Amarante que lhe decretou a prisão preventiva, e os artigos – em bom estado de conservação - entregues a uma associação humanitária de Amarante.


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

geral@reporterdomarao.com.pt

Fecho

15

PROJECTO VAI LUTAR CONTRA O INSUCESSO ESCOLAR

Cavaco Silva aplaude projecto “Escola Feliz” no Marco O Presidente da República elogiou, quarta-feira, o projecto “Escola Feliz”, lançado pela autarquia do Marco de Canaveses, realçando que ele contribui para a diminuição do insucesso escolar. O Chefe de Estado inaugurou na ocasião o Parque Fluvial do Tâmega e as Piscinas da Vila de Alpendurada. “O projecto Escola Feliz pretende melhorar as condições em que as crianças aprendem, desde a mais tenra idade. Aí está um bom exemplo de combate ao insucesso escolar e de empenho da sociedade civil”, declarou o Presidente da República na cerimónia de assinatura da primeira fase do projecto, que envolve duas dezenas de empresários. O programa “Escola Feliz” é um projecto em que empresários do concelho apadrinham salas de aula e contribuem para a aquisição ou fornececimento de material escolar e didáctico para apetrechar as salas de aulas do concelho do Marco de Canaveses. “Os órgãos autárquicos e os empresários que aceitaram ajudar as escolas estão de parabéns. Desde o início do meu mandato que incentivo empresários a participar activamente no combate ao insucesso escolar. Esta é uma iniciativa que merece o aplauso do país”, declarou o Chefe de Estado. Durante a sessão solene que marcou a segunda visita de Cavaco Silva ao Marco de Canaveses durante o mandato do actual presidente da câmara, Manuel Moreira, Cavaco Silva recebeu o título de cidadão honorário do concelho. Na primeira passagem pelo Marco de Canaveses, em Julho de 2006, Cavaco Silva veio prestar homenagem às vítimas de violência doméstica. Nesta quarta-feira, o Presidente da República aproveitou para relançar o tema da violência doméstica: “todos os dias ouvimos falar de homicídios, de maus-tratos no seio das famílias. Hoje conseguimos ultrapassar a barreira do silêncio, mas ainda vivemos

vial do Tâmega e das piscinas de Alpendurada, representam duas infra-estruturas que irão desenvolver o turismo e a prática do desporto no concelho. Apesar da chuva, muitos populares aguardaram a chegada de Cavaco Silva à porta da câmara Municipal do Marco de Canaveses. Entre a multidão um grupo de professores do concelho veio pedir auxílio ao Presidente da República para que intervenha no dossier da avaliação dos professores. O Chefe de Estado acolheu as críticas da comunidade escolar precisamente no dia na greve dos professores e prometeu estudar a questão. AP

ANÚNCIO DE CONCURSO PÚBLICO 1 – IDENTIFICAÇÃO E CONTACTOS DA ENTIDADE ADJUDICANTE: Designação da entidade adjudicante: Câmara Municipal de Amarante.

numa realidade que ainda nos envergonha”. Manuel Moreira, presidente da câmara de Marco de Canaveses, aproveitou a presença do Presidente da República para fazer uma balanço sintético da realidade do concelho a que preside: “temos tido imensas dificuldades mas queremos lutar por um Marco melhor, mais desenvolvido, moderno e solidário”. Para o presidente da câmara do Marco de Canaveses os investimentos do Parque Flu-

Greve dos professores acima dos 90 por cento A greve de professores de quarta-feira mobilizou mais de 90 por cento dos professores, garantiram os sindicatos, enquanto o Ministério assegura que a maioria das escolas esteve aberta. “A adesão é muito acima dos 90 por cento. O desafio era fazer desta a maior greve dos últimos 20 anos, mas temos aqui a maior de sempre em Portugal”, afirmou na altura o porta-voz da Plataforma, Mário Nogueira, em declarações aos jornalistas. De acordo com o também secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), os sindicatos já dispõem de dados relativos à adesão ao protesto em “largas dezenas de escolas”, tendo apenas informação de uma escola com uma participação abaixo dos 90 por cento. Já o secretário de Estado Adjunto e da Educação, Jorge Pedreira, garantia que “a maioria das escolas estava aberta”, apesar de reconhecer que a paralisação contavacom “elevados níveis” de participação. ME admite prolongar modelo simplificado O Ministério da Educação (ME) admitiu quarta-feira a possibilidade de aplicar o modelo simplificado de avaliação de desempenho não apenas neste ano lectivo, como tinha anunciado, mas também nos próximos, desde que os sindicatos aceitem negociar. “Estamos disponíveis para estender a aplicação deste regime transitório por mais algum tempo, para o próximo ano lectivo ou até mais, no sentido de criar confiança junto dos sindicatos, desde que eles aceitem negociar e abdiquem de uma posição de tudo ou nada”, disse à Lusa

Serviço de contacto: Repartição de Contencioso e Património da Divisão de Administração Geral. Endereço: Alameda Teixeira de Pascoaes. Código Postal: 4600-011 Localidade: Amarante Telefone: 00351 255420257 Fax: 00351 255420201 Endereço electrónico: amarante@cm-amarante.pt 2 – OBJECTO DO CONTRATO: Designação do contrato: Concessão da exploração de um bar, designado por “Bar da Estação Rodoviária do Queimado”. Identificação e localização. O Bar da Estação Rodoviária do Queimado, devidamente descriminado e identificado em planta anexa ao Regulamento de presente concurso, localiza-se na Estação Rodoviária do Queimado, dita na Rua dos Combatentes do Ultramar, na cidade de Amarante. 3 – ACESSO ÀS PEÇAS DO CONCURSO E APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS: 3.1 – Consulta das peças do concurso Designação do serviço da entidade adjudicante onde se encontram disponíveis as peças do concurso para consulta dos interessados: Divisão de Administração Geral. 3.2 – Preço a pagar pelo fornecimento das peças: 10,00 €, acrescido de IVA à taxa legal. 4 – CAUÇÃO: Para garantir o exacto e pontual cumprimento das obrigações, o adjudicatário deverá prestar uma caução, no valor de mil e quinhentos euros, através de depósito em dinheiro ou garantia bancária à primeira solicitação, a favor do Município de Amarante, até ao dia de celebração do contrato. 5 – ADJUDICAÇÃO: A adjudicação será efectuada ao concorrente que apresente o melhor preço.

o secretário de Estado Adjunto e da Educação, Jorge Pedreira. A confirmar-se a disponibilidade do Ministério, a avaliação dos professores no próximo ano lectivo poderia continuar a ser feita sem ter em conta os resultados dos alunos e sem observação de aulas, nem qualquer outro aspecto da componente científico-pedagógica, mas apenas com base na auto-avaliação, assiduidade, formação contínua e participação em projectos e na vida da escola. Com as medidas de simplificação anunciadas pelo Governo há duas semanas, será este o modelo a aplicar este ano, excepto no caso dos docentes que ambicionarem obter as classificações de Muito Bom e Excelente, para as quais a observação de aulas se mantém como critério indispensável.

6 – RECEPÇÃO DAS PROPOSTAS: As propostas devem ser apresentadas, até às 16h30, do dia 10 de Dezembro de 2008, directamente, contra recibo, na Divisão de Administração Geral – repartição de Contencioso e Património, sita na Alameda Teixeira de Pascoaes, 4600-011 Amarante ou emitidas por correio registado para o mesmo endereço, desde que a recepção ocorra dentro do prazo suprafixado. 7 – DATA E LOCAL DA ABERTURA DE PROPOSTAS: As propostas serão abertas pelas 15h do dia imediato ao termo do prazo para a sua presentação, no salão Nobre da Câmara Municipal de Amarante, sito do Edifício dos Paços o Concelho, Alameda Teixeira de Pascoaes, 4600-011 Amarante. Paços do Município de Amarante, 19 de Novembro de 2008 O Presidente da Câmara Municipal de Amarante, (Dr. Armindo José da Cunha Abreu) REPÓRTER DO MARÃO • Nº 1208 • 2008/12/04


16

Celorico de Basto

celoricodebasto@reporterdomarao.com.pt

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

NOVA ESTRUTURA VAI FUNCIONAR 24 HORAS

Autarquia promoveu fórum sobre incentivos empresariais Celorico de Basto recebeu no sábado, dia 22 de Novembro, no auditório da Quinta do Prado, um fórum subordinado ao tema Celorico de Basto, Mais Incentivo às Empresas. Com esta iniciativa, promovida pela Empresa Municipal Qualidade de Basto, com o apoio da autarquia, e que contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Albertino Mota e Silva, bem como, do Presidente da empresa municipal Qualidade de Basto, EM, Joaquim Mota e Silva, pretendeu-se proporcionar aos empresários do concelho uma sessão de esclarecimento sobre os apoios existentes no QREN, com o objectivo de apresentar possíveis soluções para o crescimento económico. Tendo como orador convidado Jorge Oliveira, do IAPMEI, foram abordadas questões relacionadas com o Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico nas Empresas, o Sistema de Incentivos à Inovação, bem como à Qualificação e Internacionalização de PME’s. Também os temas PME Investe II e III fizeram parte desta sessão, que contou com a presença de inúmeros empresários do concelho. A iniciar esta sessão, Joaquim Mota e Silva apelou para a importância destes apoios, e incentivou os empresários a adoptar uma atitude pró-activa, no sentido de fazer frente à crise económica. Salientou ainda para o facto de, tendo em conta o panorama nacional, Celorico de Basto ter em curso vários projectos empresariais, o que denota que o concelho tem condições para crescer quer a nível económico quer a nível social. Na continuidade, Albertino Mota e Silva, Presidente do Município, reforçou esta tendência, tendo congratulado todos os empresários que têm apostado nesta terra de Basto, bem como, o papel desempenhado pela Empresa Municipal enquanto entidade dinamizadora das actividades económicas. Referiu ainda que “não é empresário quem quer, mas sim quem sabe”, e é necessário estar atento e saber aproveitar as oportunidades existentes. Ainda durante esta sessão, foi apresentada a 2ª fase do Programa Operacional de Investimento Privado em Celorico de Basto (POIP), que engloba dez novas empresas, nas áreas da indústria, comércio e turismo. Com um investimento total de cerca de nove milhões de euros, este programa prevê a criação de 126 novos postos de trabalho.

Unidade de Cuidados Continuados de Convalescença arranca na próxima semana

O Secretário de Estado da Saúde, Francisco Ramos esteve em Celorico de Basto, para adiantar que a Unidade de Cuidados Continuados Integrados do Centro de Saúde começa a actividade a 9 de Dezembro. A Unidade de Internamento custou cerca de 550 mil euros, tem 19 camas é pioneira, já que é a primeira unidade que está integrada no Serviço Nacional de Saúde, ao contrário de todas as outras que são de gestão privada. Esta Unidade de Internamento está integrada no Centro de Saúde de Celorico e funcionará 24 horas, com um acompanhamento de uma equipa de três médicos e vários enfermeiros. Esta Unidade de Cuidados Continuados de Convalescença é de internamentos programados em que o doente só pode estar naquela unidade no máximo de 30 dias. Durante a visita, o Secretário de Estado da Saúde deixou claro que a proposta que a autarquia fez ao Mi-

nistério da Saúde e à ARS Norte foi aceite, há três semanas, e que os doentes que têm sido encaminhados via Fafe, Guimarães - Porto continuarão a sê-lo e os utentes que têm sido encaminhados para Amarante e Vale do Sousa serão atendidos pelos mesmos serviços, tal como até agora. Refira-se que o autarca celoricense defende que “a questão da saúde não se rege pelos princípios das NUT já que as mesmas estão em grande parte associadas às candidaturas aos fundos comunitários, não se reconhecendo, quer antes através das Comunidades Urbanas, quer agora através das NUT, um ordenamento do território devidamente consolidado”. O Secretário de Estado da Saúde, Francisco Ramos, elogiou o trabalho da autarquia ao nível de saúde e salientou que conta com o presidente da câmara para a “vigilância” constante no trabalho desta nova unidade de grande importância para a população do concelho.

O presidente da Câmara sublinhou a importância da unidade de saúde para a população ‘’Esta unidade é um bom exemplo daquilo que se deve fazer para cuidar e prestar atenção de forma humana aos habitantes do nosso concelho’’. O presidente da Câmara de Celorico de Basto apelou ao Secretário de Estado da saúde, para falar sobre a orientação dos utentes, sobretudo das populações celoricenses da zona alta do concelho. O secretário de Estado da saúde realçou que a população pode ficar tranquila porque ninguém será prejudicado.

Esta Unidade de Internamento está integrada no Centro de Saúde de Celorico e funcionará 24 horas, com um acompanhamento de uma equipa de três médicos e vários enfermeiros.

Banco de Voluntariado abriu no concelho SUSPEITAS DE FAVORECIMENTO LEVARAM PJ A INVESTIGAR A Câmara Municipal de Celorico de Basto inaugurou um Banco de Voluntariado que se situa na Praça Albino Alves Pereira e tem como objectivos sensibilizar os cidadãos para o voluntariado, suprir as necessidades básicas das famílias mais carenciadas do concelho através da recolha de bens doados por empresas ou particulares e facilitar e apoiar as acções de voluntariado dos cidadãos e das instituições. “Ser solidário é dar a mão a quem mais precisa” é esta a frase que caracteriza o Banco de Voluntariado de Celorico de Basto mais um equipamento que surge no âmbito da Câmara Amiga inaugurado no passado dia 26 de Novembro. Na sessão de apresentação o Vereador da Acção Social, Joaquim Mota e Silva, realçou o que define o projecto. “Câmara Amiga é o conceito de uma Câmara que tem de se preocupar com as pessoas e que deve fazer algo por elas. Com este projecto que visa a recolha e distribuição de bens queremos ver amenizadas as dificuldades das pessoas mais carenciadas”.

Arquivado o caso da concessão do bar municipal do Freixieiro O Ministério Público (MP) do Tribunal de Celorico de Basto arquivou uma queixa sobre a concessão do bar do Parque Lúdico do Freixieiro, propriedade da autarquia local, considerando não haver suspeitas de favorecimento. O inquérito, realizado pela PJ de Braga, investigava a possibilidade de ter havido favorecimento no prolongamento da concessão do bar, por parte da empresa municipal “Qualidade de Basto”. Ao Repórter do Marão, o vereador Joaquim Mota e Silva, responsável pelo sector na autarquia de Ce-

lorico de Basto, considerou que “não estava à espera de outro desfecho”. “Todo o processo foi feito de acordo com as regras legais e com toda a transparência”, disse. O autarca social-democrata atribuiu a investigação do MP a denúncias anónimas de pessoas ligadas ao líder local do PS, Lopes Machado. “É baixa política”, lamenta. No inquérito agora arquivado estava em causa a concessão, em 2003, por concurso público da exploração do bar a uma firma, e que foi prolongada em 2008, no termo do prazo por deliberação municipal.

A PJ, que recebeu uma denúncia sobre o caso, tentou saber se houve ou não ilegalidade no prolongamento da concessão, nomeadamente devido à não realização de novo concurso público, tendo concluído que nada de ilegal aconteceu. Confrontado com as críticas do vereador social-democrata, o presidente do PS local, Lopes Machado disse que “não foi o PS quem apresentou queixa na PJ sobre o assunto”. “É fácil saber-se, através do processo, quem fez a denúncia”, acrescentou.


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

cinfaes@reporterdomarao.com.pt

Cinfães

17

PRESIDENTE DA CÂMARA, PEREIRA PINTO, REIVINDICA LIGAÇÃO À AUTO-ESTRADA

“Gostaríamos de pagar portagem para a A4” Alexandre Panda Com a adesão à nova região administrativa do Tâmega e Sousa, o velho anseio da população de Cinfães de ter uma ligação à A4, ganha agora um novo fôlego. Há cerca de 15 anos que o município de Cinfães quer ter um melhor acesso à auto-estrada, que atravessa o Vale do Sousa para terminar em Amarante. Em Fevereiro deste ano Pereira Pinto, presidente da Câmara de Cinfães, deslocou-se a Lisboa para reivindicar a ligação do seu concelho à auto-estrada A4 na zona de Marco de Canaveses, por ser para a margem direita do Rio Douro que os munícipes mais se deslocam. Foi recebido pelo ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Mário Lino, para lhe dar conta dos “graves problemas de acessibilidades” para fora do concelho, que se arrastam há décadas. Em entrevista ao RM, Pereira Pinto revelou que o Mário Lino se mostrou sensibilizado, mas não saiu de Lisboa com uma promessa defini- região administrativa para o ajudar na reivindicação da via de acesso ao tiva. “O rio Douro nunca separou as Marco de Canaveses, considerada esduas populações. A vida comercial, os truturante para Cinfães. “Três ou quatro freguesias de Cinpróprios bombeiros, os estudantes, todos tendem a deslocar-se mais para fães limítrofes a Castelo de Paiva irão estar ligadas aos grandes o Marco de Canaveses e centros através do futuro para a área do Grande “O rio Douro IC35, mas o grande voluPorto, através do Baixo nunca separou me de trânsito faz-se por Tâmega”, considera PeCarrapatelo, e por isso reira Pinto. as duas temos de continuar a reiAgora com a criapopulações” vindicar o acesso”, explição da Comunidade Incou Pereira Pinto. termunicipal do Tâmega Um rápido acesso à A4 é visto e Sousa, o autarca espera poder ter uma nova força para reivindicar este como uma potencialidade que podeacesso. Nas diversas reuniões que os rá vir a desenvolver a economia lo12 presidentes de câmara tiveram, cal. Recentemente o município consPereira Pinto já manifestou o dese- truiu uma zona industrial, onde para jo: “gostaríamos de pagar portagens já, apenas uma empresa, oriunda do para a A4. enquanto que outros pre- concelho mostrou-se interessada em sidentes preocupam-se com o fim das se instalar. “É obvio que com os acSCUT’s e o consequente pagamen- tuais acessos não temos capacidade to de portagens. Nós cinfanenses até para atrair empresas para a nossa ansiamos por poder ter essa despe- zona industrial. Estou convicto que sa”, gracejou o presidente da câma- uma ligação a A4 irá trazer novos inra, na entrevista ao Jornal Repórter teressados e na luta pela instalação de empresas, Cinfães já não será audo Marão. Pereira Pinto acredita na solida- tomaticamente colocada de parte”, riedade dos outros municípios da nova adiantou Pereira Pinto.

Autarquia à espera da requalificação da EN 225 A EN 225 é uma das vias que o Estado pretende desqualificar e entregar às autarquias a sua manutenção. O município de Cinfães não é contra a ideia mas quer primeiro que o Governo melhore a estrada. “Estamos dispostos a tomar conta daquela via e ela passar a ser municipal mas neste momento teríamos que gastar grande parte do orçamento da câmara para requalificá-la”, adiantou ao RM, Pereira Pinto. A autarquia de Cinfães entende que o Estado tem de melhorar a estrada primeiro e até chegou a proporse para elaborar o projecto de requalificação, uma vez que era, entre os quatro municípios atravessados pela EN225, o que maior troço tinha. “Neste momento a tutela quer municipalizar a estrada mas Cinfães não está disponível para isso enquanto não chegarmos a acordo sobre o melhoramento da via”, rematou Pereira Pinto.

Associação de Espadanedo inaugurou Centro de Actividades Ocupacionais O Centro de Actividades Ocupacionais e a Sede Social da Associação de Solidariedade Social de Espadanedo (ASSE) foram inaugurados no passado dia 22 de Novembro. Os serviços da ASSE, única instituição do concelho de Cinfães dedicada à valência da deficiência, estão já em funcionamento desde 13 de Outu-

bro, depois de assinado um acordo de cooperação com a Segurança Social. As instalações da ASSE foram cedidas pela Junta de Freguesia de Espadanedo. Actualmente, a Associação presta apoio, incluindo transportes e refeições, a 16 pessoas portadoras de deficiência, oriundas de nove freguesias do concelho. Cinfães é constitu-

ído por 17 freguesias, numa área de cerca de 238 km2. Um dos convidados de honra da ASSE foi Armando Costa, atleta paralímpico natural do concelho, vencedor de várias medalhas na modalidade de Boccia, entre as quais uma de bronze nos Jogos Paralímpicos de Pequim 2008, em pares, classe BC3.

Autarquia paga vacina “Prevenar” a crianças do concelho A autarquia de Cinfães está a oferecer a vacina Prevenar a todas as crianças residentes no concelho para aliviar as famílias do preço de cada dose, que custa cerca de 70 euros. A “Prevenar” - que não faz parte do Plano Nacional de Vacinação - é uma vacina pneumocócica de sete valências, “indicada para a imunização activa de lactentes e crianças contra a doença invasiva (incluindo bacteriémia, sepsis, meningite e pneumonia bacteriémica) causada pelo streptococcus pneumoniae”, segundo o Infarmed. Por se ter apercebido que o elevado custo das doses da “Prevenar” impedia muitos pais de vacinarem os filhos, a autarquia decidiu suportá-lo, ao abrigo de um protocolo formalizado, com a sub-região de Saúde de Viseu e Centro de Saúde de Cinfães. O presidente da Câmara de Cinfães, Pereira Pinto, explicou que até agora apenas 48 por cento dos pais levavam os seus filhos ao centro de saúde para ministrar esta vacina, o que poderá ser justificado pelo facto de cada uma das suas quatro doses necessárias (uma série primária de três doses e a quarta, de reforço, no segundo ano de vida) custar 71 euros. Esta decisão da autarquia em custear a “Prevenar” foi conhecida em Junho e, desde então, muitos pais se têm mostrado interessados. “As pessoas têm-se abeirado de mim para saber o que têm de fazer. É um sinal evidente do interesse”, contou o autarca. Como a “Prevenar” é administrada exclusivamente por prescrição médica, os pais interessados devem dirigir-se ao centro de saúde, para que o seu médico de família a prescreva se entender ser o momento conveniente. Atendendo ao número de nascimentos registados no concelho nos últimos cinco anos, Pereira Pinto prevê que dos cofres da autarquia duriense, situada no Norte do distrito de Viseu, saiam anualmente “entre 50 a 60 mil euros” para pagar a vacina. “Nascem anualmente entre 180 a 200 crianças, mas o número tem vindo a diminuir. Vamos esperar que esta medida de alguma forma contribua para o aumento da natalidade”, frisou. Segundo o autarca, esta ideia de pagar a vacina “Prevenar” já andava a ser amadurecida há muito tempo, em conversas com uma vereadora que é enfermeira. Recentemente, dois casos de meningite ocorridos no concelho, ainda que não tenham sido de gravidade, reforçaram a sua ideia de que a autarquia devia garantir que a vacina fosse administrada a todas as crianças.

CPCJ promoveu acção de formação “Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) / Escolas – Interacção” é a acção de formação que se realizou, no passado dia 28, na Escola Secundária de Cinfães. A iniciativa foi da responsabilidade da CPCJ de Cinfães, em colaboração com a equipa de apoio às escolas do Douro Sul, e destinou-se aos presidentes dos Conselhos Executivos, coordenadores dos directores de turma, coordenadores dos conselhos de docente e elementos das CPCJ de Cinfães, Moimenta da Beira, S. João da Pesqueira, Sernancelhe, Tabuaço e de Vila Nova de Foz Côa.


18

Marco de Canaveses

marcodecanaveses@reporterdomarao.com.pt

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

NA LINHA DO DOURO ENTRE CAÍDE E MARCO

Concurso para a recolha do lixo gera polémica O Partido Socialista de Marco de Canaveses despoletou uma polémica com um comunicado em que acusa a câmara de ter escolhido a proposta mais cara para o município, relativamente a um concurso de recolha de resíduos sólidos urbanos. A concelhia socialista liderada por Artur Melo acusa a autarquia de ter escolhido uma proposta mais cara em 1,6 milhões para os cofres municipais, apresentada pela empresa Focsa, num contrato que terá a duração de sete anos. “O processo da concessão tem sido um percurso de equívocos nos procedimentos adoptados e de desconfiança sobre os serviços técnicos da Câmara por parte da maioria do PSD”, diz o líder socialista. Para Artur Melo, “é difícil entender como a maioria do PSD tenha onerado a autarquia em mais de 1 milhão e 600 mil euros, quando repetida e sistematicamente justifica a sua inacção com a falta de dinheiro. Já Bento Marinho, vice-presidente da autarquia marcoense e presidente do júri do referido concurso, defende que “a Câmara Municipal escolheu a proposta que oferece a melhor relação qualidade/ preço, uma proposta aliás, que foi elaborada pelo Departamento de Ambiente da UTAD - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, entidade que foi proposta pelo júri à câmara e que os vereadores aprovaram por unanimidade, em reunião de 8 de Novembro de 2007”. Bento Marinho reconhece que a empresa Focsa não detinha o preço mais baixo (33,87€ por tonelada), mas “na análise das propostas o preço do serviço a prestar só tinha um peso de 50 por cento, e os restantes 50, resultaram da avaliação técnica à qualidade da proposta, à garantia de boa execução e à valia da equipa técnica que apoiará o serviço. Aliás, os critérios de adjudicação foram aprovados pelo júri do concurso, por proposta do senhor Eng. Almir Silva”. O autarca acrescentou que “ser melhor neste concurso não é apresentar o melhor preço, senão teríamos um só critério: o preço. Ser melhor é apresentar a proposta mais vantajosa, aquela que reúne o conjunto da melhor relação custo/ benefício, isto é, aquela que nos permite beneficiar mais por menos dinheiro, é aquela que nos interessa mais.” O PS do Marco de Canaveses, pela voz do seu presidente, Artur Melo e Castro, informou que vai enviar para a Inspecção Geral do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAOT) e para a Procuradoria Geral da República (PGR) o processo de adjudicação da recolha de lixos, “após a autarquia ter escolhido uma proposta mais cara 1,6 milhões de euros (Focsa) do que o montante do concorrente que apresentou o valor mais baixo”, refere o líder dos socialistas. A queixa surge “devido à falta de resposta por parte da autarquia marcoense às questões levantadas pelo PS”, no comunicado emitido, nomeadamente “qual a razão de ter sido escolhida a empresa com o valor mais caro para a recolha do lixo” e pretende que estas entidades, IGAOT e a PGR, “apurem todas e quaisquer responsabilidades no processo de adjudicação da recolha e transporte de resíduos sólidos”, independentemente de os concorrentes eventualmente lesados virem a recorrer ao tribunal.

Comissão de utentes quer resposta à falta de electrificação A Comissão de Utentes da Linha do Douro vai pedir a todos os candidatos à Câmara do Marco de Canaveses, nas próximas eleições autárquicas, para darem uma resposta à falta de linha eléctrica na ligação Caíde/ Marco de Canaveses. Se existisse esta linha eléctrica, há muito prometida, cada utente pouparia, por ano, 15840 minutos o que corresponde a 264 horas, ou seja, 21 dias. A Comissão de utentes elaborou um documento que foi enviado à secretária de Estado dos Transportes, à CP, à REFER e à Câmara do Marco de Canaveses, Amarante e Penafiel, no sentido de obterem uma resposta sobre a situação. O mesmo documento será enviado a todos os candidatos à Câmara do Marco de Canaveses, num momento em que se avizinham as eleições autárquicas. Um ano depois da secretária de Estado dos Transportes Ana Paula Vitorino, ter visitado a zona e dado sinais de que havia vontade governamental de estender a electrificação do troço de via-férrea entre Caíde e Marco de Canaveses as obras continuam paradas. Em 2005 o Ministro das Obras Públicas Mário Lino, mandou elaborar um estudo de procura para avaliar o investimento. Segundo a Comissão de utentes o estudo já foi elaborado e os terrenos pagos mas “as obras não avançam”. “O que dizem é que não há dinheiro mas são apenas 16 km de linha eléctrica”, afirmou uma fonte da comissão de utentes. “Em Espinho foram investidos milhões e na Trofa a mesma coisa. Para o Douro é que não há nada”, acrescentou. Das obras que faziam adivinhar uma linha eléctrica, com um maior número de comboios na ligação Marco de Canaveses/Porto, apenas se vê a colocação de travessas na linha. Para a Comissão de utentes, a REFER “usa a desculpa da falta de clientes nesta zona” mas “o Marco não perdeu clientes, a questão é que muitas pessoas vão de carro até Caíde ou Penafiel”. Esta situação deve-se ao facto da linha do Douro estar electrificada apenas entre o Porto e Caíde, o que obriga a que a ligação desde Caíde até ao Marco de Canaveses tenha de ser feita numa composição com motor a diesel. Chegando a Caíde os passageiros são obrigados a fazer um transbordo onde deixam o comboio movido a electricidade e passam para uma composição a diesel. O transbordo de passageiros nessa estação faz com que os 16 quilómetros se traduzam em mais 30 minutos de viagem o que ao fim de um ano corresponde a 264 horas. Diariamente existem apenas 18 comboios que fazem a ligação do Marco de Canaveses ao Porto, facto

que leva a que muitos utentes se desloquem até Caíde ou Penafiel. Na estação de Caíde existem por dia 25 ligações ao Porto e em Penafiel cerca de 41 havendo assim um maior número de comboios. Muitos estudantes e trabalhadores marcoenses deslocam-se diariamente até Penafiel para apanharem o

Para estar no Porto por volta das 09:00 os utentes têm de sair do Marco de Canaveses no comboio das 7h04 que chega às 08:25. Este é o único comboio que chega ao Porto mais próximo das 09:00. Apanhando o comboio em Penafiel os utentes têm sete comboios numa média de 10 minutos de diferença entre cada um.

comboio para o Porto. “Eu levo o carro até Penafiel porque assim tenho mais comboios e não demoro tanto tempo porque não é preciso trocar de comboio como em Caíde”, disse uma estudante. Para estar no Porto por volta das 09:00 os utentes têm de sair do Marco de Canaveses no comboio das 7h04 que chega às 08:25. Este é o único comboio que chega ao Porto mais próximo das 09:00. Apanhando o comboio em Penafiel os utentes têm sete comboios numa média de 10 minutos de diferença entre cada um. “Se fizessem a linha eléctrica até ao Marco era muito melhor porque tínhamos mais comboios e não gastávamos tanto dinheiro em nos deslocarmos até Penafiel”, disse um utente. A electrificação do troço entre Caíde e Marco de Canaveses é um projecto antigo da REFER, mas tem vindo a sofrer atrasos. Segundo a REFER desde o início de 2006 foram suprimidas 19 passagens de nível num troço com 27, o que corresponde a um investimento de 10 milhões de euros. Em 2009 e 2010 serão suprimidas mais cinco passagens de nível sendo que as três restantes deverão aguardar pela definição das soluções a adoptar para a intervenção na via. As obras para a electrificação da via que liga Marco de Canaveses a Caíde ainda não têm data para avançarem.


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

marcodecanaveses@reporterdomarao.com.pt

Marco de Canaveses

19

DIRECÇÃO REGIONAL DE CULTURA DO NORTE DÁ PRIORIDADE A PROJECTOS MAIS CARENCIADOS

Edifício pronto há três anos continua encerrado na Área Arqueológica do Freixo O edifício está pronto há três anos, custou centenas de milhares de euros, mas as peças que permitirão ‘ver’ como viviam os habitantes da antiga cidade romana de Tongobriga permanecem empacotadas nos armazéns da Área Arqueológica do Freixo. “O mais difícil está feito, o edifício está pronto há três anos. Neste momento, não há nenhuma decisão, mas gostaríamos que pudesse ser aberto ao público, pelo menos, em 2010, quando se completam 30 anos sobre o início das escavações neste local”, afirmou Lino Tavares Dias, director da Área Arqueológica do Freixo. Esta zona arqueológica, situada nos arredores do Marco de Canaveses, a cerca de 40 quilómetros do Porto, estende-se por 50 hectares de zona classificada, tendo já permitido descobrir alguns dos segredos de Tongobriga, a última cidade romana construída no território que actualmente é Portugal. A divulgação desses segredos é o objectivo do edifício envidraçado construído há três anos, com uma área de 250 metros quadrados, onde serão expostas peças descobertas nas escavações. “Pretende-se mostrar, através dos materiais descobertos, como era a vivência do quotidiano num sítio como este, que era uma cidade romana há cerca de 1.900 anos”, salientou o arqueólogo.

Contactada pela Lusa, a Direcção Regional de Cultura do Norte admitiu que o edifício está pronto, acrescentando que permanece encerrado porque, na gestão das verbas disponíveis, tem sido “dada prioridade a outros projectos mais carenciados em termos de apoio aos visitantes”. As escavações realizadas desde Agosto de 1980 permitiram identificar uma cidade romana que teria cerca de 2.500 habitantes, onde antes existia um povoado castrejo. “No final do século I, foi construída

uma grande estrutura urbana, com casas e bairros de arquitectura claramente romana, fórum e termas públicas, que se desenvolveu no espaço envolvente, onde foram construídas vilas (quintas agrícolas)”, salientou Lino Tavares Dias. Para uma melhor compreensão do espaço, foi decidido criar uma zona de exposição dedicada às peças do quotidiano e outra que abordará os rituais da morte, existindo ainda uma cafetaria/restaurante, com vista directa sobre o enorme espaço

do antigo fórum romano. “A riqueza deste sítio é ter concentrados no mesmo local aspectos desde a cultura castreja do século I até à cristianização do século V, passando pela forte fase romana”, frisou o arquitecto. Apesar deste potencial, o edifício de exposição dedicado ao quotidiano da vida neste local está pronto há três anos mas continua fechado, enquanto o que vai acolher a mostra dedicada aos rituais da morte ainda nem sequer começou a ser construído. Quanto à cafetaria/restaurante, que já tem mesas, cadeiras, louça e talheres, também aguarda a abertura. No total, os projectos e as obras de construção do edifício para a exposição da vida quotidiana e da cafetaria/restaurante custaram 1,1 milhões de euros. A cidade romana de Tongobriga estendia-se por uma área com mais de 30 hectares, numa zona privilegiada de ligação entre o Tâmega e o Douro. A dimensão do fórum, a grandeza do espaço termal e o complexo sistema subterrâneo de esgotos permitem aos arqueólogos pensar que se tratou de uma povoação importante para a época. A cidade, que era servida pela estrada que vinha de Braga, atravessava o Tâmega e o Douro e fazia ligação a Mérida, foi a última que os romanos construíram na região.

Ministério Público deixa esgotar prazo de inquérito que visa presidente da Câmara O Ministério Público (MP) de Marco de Canaveses deixou esgotar o prazo legal de oito meses para concluir um inquérito desencadeado pela queixa de um cidadão local contra o presidente da Câmara, Manuel Moreira (PSD). Documentação do processo, consultada hoje pela Lusa, refere que em causa está um eventual crime de dano e introdução em local vedado ao público. Em resposta a um pedido de aceleração processual do queixoso, que foi indeferido, a Procuradoria-Geral da República (PGR) emitiu um despacho em que reconhece que o prazo legal para encerramento do inquérito “está objectivamente ultrapassado”. No despacho, a PGR assume os seus poderes de supervisão, reclamando novas informação sobre o estado dos autos dentro de dois meses, limite do prazo adicional que o MP do Marco de Canaveses julga necessário para realização de “outras diligências de inquérito”. A denúncia para efeitos de procedimento criminal foi apresentada em 09 de Março de 2007. Perante a PGR, o MP de Marco de Canaveses apontou como “causa determinante” para a demora no encerramento do inquérito o “elevado volume processual da comarca” e a “insuficiência de funcionários ao serviço do Ministério Público”.

O denunciado [presidente da câmara] foi constituído arguido e interrogado, foram inquiridas as testemunhas indicadas pelo queixoso e obtida documentação, mas o MP entende serem necessárias outras diligências. Na origem deste caso está um protocolo celebrado em 08 de Abril de 2002, entre a Câmara Municipal do Marco de Canaveses e o cidadão António Arnaldo Magalhães, que visava garantir terrenos para construir uma passagem superior sobre a Linha do Douro, mas que foi denunciado pelo cidadão em 20 de Setembro de 2006. Em troca da cedência dos terrenos, o munícipe poderia construir uma urbanização em franjas sobrantes. O protocolo foi celebrado durante o último mandato de Avelino Ferreira Torres, eleito pelo CDS, e denunciado quando a autarquia passou a ser liderada pelo social-democrata Manuel Moreira Apesar da denúncia do protocolo, que invocava várias nulidades, a Câmara Municipal do Marco de Canaveses apropriouse dos terrenos e cedeu-os à Rede Ferroviária Nacional (REFER), disse à Lusa o denunciante.

EB1 da Picota foi a primeira escola a receber o projecto “Escola Feliz” A EB1 da Picota, situada na freguesia de Tuías, foi a primeira escola a receber o projecto “Escola Feliz”, iniciativa da Câmara e Assembleia Municipal de Marco de Canaveses, cujo objectivo é melhorar e equipar as 155 salas das escolas EB1 do concelho com material informático e didáctico. As cinco salas da EB1 da Picota foram contempladas, na última terça-feira, com vários materiais didácticos e um computador para cada sala, oferta dos “Padrinhos” Farmácia Nova, Grupo MCoutinho e Fundação Belmiro de Azevedo. Os docentes não esconderam a sua satisfação ao receberem todo o material, estando agora melhor equipados para ensinar através dos materiais didácticos e

desportivos oferecidos. Na porta de cada sala instalou-se um quadro com o nome de cada “Padrinho” e na entrada da escola um painel, elucidativo que aquela já é “uma escola feliz”, como referiu Gorete Monteiro, vereadora da Educação, durante a entrega dos materiais. Presentes nesta escola estiveram também Manuel Moreira, presidente da Câmara do Marco, António Coutinho, presidente da assembleia municipal, Estrela Miranda, representante do 1.º ciclo do Agrupamento de Escolas de Marco de Canaveses, bem como os respectivos “Padrinhos”. Até final de Dezembro, o projecto pretende chegar a mais sete escolas, estando previsto a sua implementação total em Maio de 2009.


20

Resende

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

resende@reporterdomarao.com.pt

“Caixas-Biblioteca” percorrem estradas do concelho No âmbito do protocolo entre a Câmara Municipal e o Plano Nacional de Leitura, no que respeita à Rede de Bibliotecas Escolares, o município irá dar continuidade durante este ano lectivo à promoção da leitura e apoio às bibliotecas escolares, iniciadas no ano passado. Assim, para além da integração das bibliotecas da Escola Secundária/3 Dom Egas Moniz, da Escola do Ensino Básico do 2.º Ciclo de Resende e do Centro Escolar de S. Martinho de Mouros na Rede de Bibliotecas Escolares, o município vai dar continuidade ao trabalho colaborativo com as equipas destas bibliotecas, vai reforçar os fundos das caixas-biblioteca (baús de leitura itinerantes), alargando esta actividade aos jardins-de-infância e vai iniciar ateliês de leitura e pesquisa às turmas do 4º ano do Centro Escolar de S. Martinho de Mouros. Para além destas actividades, de destacar a “Hora do Conto” que vai visitar os Jardins-de-Infância, estando já agendadas as seguintes sessões: 14 de Janeiro - Resende nº 1; 21 de Janeiro - Resende nº 2; 28 de Janeiro – Mímico; 4 de Fevereiro - Santa Casa da Misericórdia; 11 de Fevereiro - S. Romão; 18 de Fevereiro - S. Cipriano; 4 de Março – Miomães; 11 de Março – Freigil; 18 de Março – Felgueiras.

TRIBUNAL DO TRABALHO DE PENAFIEL 1º JUÍZO

Milhão e meio de euros para estradas municipais O Município de Resende vai investir 1,5 milhões de euros na beneficiação de seis estradas municipais, numa extensão total de 32 km, que vai dotar o concelho de uma rede de estradas mais seguras. Assim, vão ser alvo de beneficiação as seguintes Estradas Municipais: Resende - Cárquere e Cárquere - S. Romão; S. Cipriano – Freigil – Miomães – EN222; cruzamento de S. Cristóvão – Panchorra; Resende – Mirão – Mercê – EN222; EN 222 – Bernardo (Barrô) – Limite do concelho e Moumis - Paus. A Estrada Municipal (EM) entre Resende - Cárquere e Cárquere S. Romão é uma via com elevada importância na ligação entre a sede do concelho e a freguesia de S. Romão, com passagem pelo local de culto Igreja Matriz de Cárquere, monumento medieval com grande tradição histórica na região. A EM entre S. Cipriano – Freigil – Miomães – EN 222 é uma via de grande relevância para aquelas freguesias, tanto de ligação entre elas, como de ligação à estrada nacional. A EM entre o Cruzamento de S. Cristóvão e a Panchorra é uma via preponderante para esta freguesia, pois trata-se da sua principal via de comunicação. A EM Resende – Mirão – Mercê – EN 222 permite a ligação entre a Vila de Resende e a margem sul do Rio Douro, passando pelas povoações de Mirão e Mercê. A EM entre EN 222 – Bernardo – limite do concelho permi-

ANÚNCIO Processo: 614-A/1995 Execução de Sentença – Quantia Certa N/Referência: 1555528 Data: 12-11-2008 Exequente: José Maria Alves Executado: José António Pinto Ribeiro Correm éditos de 20 dias para citação dos credores desconhecidos que gozem de garantia real sobre os bens penhorados ao(s) executado(s) abaixo indicados, para reclamarem o pagamento dos respectivos créditos pelo produto de tais bens, no prazo de 15 dias, findo o dos éditos, que se começará a contar da segunda e última publicação do presente anúncio. Bens penhorados: TIPO DE BEM: Imóvel Art. Matricial: N.º 800 DESCRIÇÃO: Imóvel sito no lugar de Agrela, “Bouça Nova”, freguesia de Castelões – Penafiel, inscrito na matriz urbana sob o n.º 800, da mesma freguesia. PENHORADA A: EXECUTADO: José António Pinto Ribeiro. Documentos de identificação: NIF – 808247450. Endereço: Lugar da Agrela, Vila Boa de Quires, 4630-000 Marco de Canaveses O Juiz de Direito, Dra. Rita Maria Pereira Romeira O Oficial de Justiça, Maria Ondina Barbosa Pereira REPÓRTER DO MARÃO • Nº 1208 • 2008/12/04 • 1ª Publicação

ACRIBAIMAR – ASSOCIAÇÃO CRIADORES DE GADO BAIÃO / MARCO ASSEMBLEIA-GERAL ORDINÁRIA CONVOCATÓRIA Nos termos estatuários, convocam-se os senhores Associados da Acribaimar – Associação de Criadores de Gado Baião/Marco para reunir em Assembleia-geral ordinária, a realizar no dia 20 de Dezembro de 2008, pelas 9h30, na Casa do Povo de Fornos, sita em Marco de Canaveses, com a seguinte ordem de trabalhos: 1 – Leitura e aprovação da Acta anterior; 2 – Outros assuntos de interesse; 3 – Eleição dos Corpos Sociais para o triénio 2009/2011. Marco de Canaveses, 20 de Novembro de 2008 O Presidente da Mesa da Assembleia-Geral (Eng.º Carlos Azeredo Pinto Melo) Se à hora marcada não se encontrar presente mais de 50% dos Associados, a Assembleia reunirá em segunda convocatória, 30 minutos depois. Nota: 1. As listas candidatas a sufrágios devem ser remetidas para a sede desta Associação dirigidas ao Senhor Presidente da mesa da Assembleia-Geral, até ao oitavo dia anterior da data designada para a Assembleia-Geral, para confirmação dos dados dos Associados. Muito Importante: Para exercer o direito de voto os Senhores Associados terão de se fazer acompanhar do cartão de sócio e, ainda, do seu Bilhete de Identidade ou, na sua falta, de qualquer outro documento válido que o identifique. REPÓRTER DO MARÃO • Nº 1208 • 2008/12/04

te a ligação entre aquela estrada nacional e a margem sul do rio Douro, nos limites do concelho, tornando-se uma via importante para o turismo e lazer já que permite o acesso ao Cais Fluvial de Bernardo. A EM Moumis – Paus é uma via fundamental para as povoações locais residentes na freguesia de Paus. A faixa de rodagem de todas estas estradas encontrase degradada e o pavimento necessita de trabalhos de conservação, sendo que a inexistência de valetas revestidas levou a uma mais rápida degradação do mesmo. A intervenção prevê o revestimento de valetas, a limpeza de aquedutos existentes, a execução de passagens de água, a regularização e consolidação da caixa nas zonas actualmente não pavimentadas, a sinalização horizontal e vertical e a colocação de uma camada de betão betuminoso com 5 cm de espessura em toda a sua extensão. As obras na Estrada Municipal entre Resende – Cárquere e Cárquere – S. Romão já estão no terreno e as respeitantes às outras vias encontram-se em processo de concurso. Estas obras vêm na sequência do esforço realizado pelo Executivo Camarário liderado por António Borges, sendo de referir que já em 2004 foram beneficiadas 5 vias municipais, numa extensão de cerca de 40 km. Com estas intervenções, a rede viária que serve todo o concelho irá ficar beneficiada, dotando Resende de melhores acessibilidades e de uma rede de estradas mais seguras.

DIRECÇÃO REGIONAL DE ECONOMIA DO NORTE ÉDITOS Faz-se público que, nos termos e para os efeitos do Art. 19º do regulamento de Licenças para Instalações Eléctricas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 26 852, de 30 de Julho de 1936, com redacção dada pela Portaria n.º 344/89, de 13 de Maio, estará patente na Secretaria de MUNICÍPIO DE AMARANTE e na DIRECÇÃO REGIONAL DA ECONOMIA DO NORTE, Rua Direita do Viso, 120. 4269-002 PORTO, todos os dias úteis, durante as horas de expediente, pelo prazo de quinze dias, a contar da publicação destes éditos no “Diário da República”, o projecto apresentado pela EDP DISTRIBUIÇÃO – ENERGIA, SA, DIRECÇÃO DE REDE E CLIENTES NORTE, para o estabelecimento da LN Aérea a 15 KV, PT 371 TELÕES – CASTENHEIRA D’ALÉM, na(s) freguesia(s) de Telões, concelho(s) de Amarante, a que se refere o processo n.º EPU/33066. Todas as reclamações contra a aprovação deste projecto deverão ser presentes na Direcção Regional de Economia do Norte ou na Secretaria daquele município, dentro do citado prazo. Direcção Regional de Economia do Norte, 16-10-2008 O Director Regional (Manuel Humberto Gonçalves Moura) REPÓRTER DO MARÃO • Nº 1208 • 2008/12/04


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

valedosousa@reporterdomarao.com.pt

Vale do Sousa

21

TODOS OS ANOS, NO DIA 13 DE DEZEMBRO

Feira do capão em Freamunde toma conta da freguesia Alexandre Panda Cada 13 de Dezembro, a terra dos capões enche-se de apreciadores do galo, mas não só. A feira única do género no país, em que o capão é “rei e senhor”, mas em que aparece de tudo, coincide com a data em que a liturgia católica venera Santa Luzia, a protectora da visão e das doenças dos olhos, devoção que atrai muita gente também a esta cidade e faz encher a capela de Santo António, onde está a imagem da homenageada. Aqui vinham ter turistas e negociantes de todo o lado e até da Galiza. Os espanhóis vinham oito dias antes. No início do século ficavam na Pensão Cardoso e outras. Muitas vezes traziam rendas para comerciar. Os de Paços diziam “vamos à feira aos espanhóis?”. Instituída por provisão régia d’ElRei D. João V, a 3 de Outubro de 1719, há notícias de que a Feira dos Capões já se realizava no Séc. XV, no terreno e devesas da Confraria de Santo António, que usufruía com isso, grandes benefícios. A Semana Gastronómica do “Capão à Freamunde” criada em 2006, numa parceria entre a Câmara Municipal de Paços de Ferreira, Junta Freguesia de Freamunde, Associação Juvenil ao Futuro (AJAF) e Associação de Criadores de Capões, tem por objectivo a promoção desta nossa iguaria ímpar. No dia 12 de Dezembro (véspera da Feira do Capão) realiza-se um jantar para cerca de 300 convidados, onde os restaurantes que participam

O Jardim-de-Infância da Sede nº 2, na cidade de Penafiel, inaugurou, na passada segunda-feira, 24 de Novembro, um parque desportivo. A obra, realizada com o apoio dos pais dos alunos que frequentam aquele estabelecimento de ensino, Junta de Freguesia de Penafiel e Câmara Municipal, já fez as delícias dos mais pequenos. O presidente da Câmara Municipal de Penafiel elogiou esta parceria, afirmando que não “está em causa a envergadura da obra, mas a sua importância para a comunidade”. Alberto Santos acrescentou que “esta parceria é demonstrativa do significado que têm os meios colocados ao dispor dos alunos”.

Paredes: Autarquia junta idosos em Festa de Natal

na Semana Gastronómica são sujeitos ao Concurso Gastronómico “Capão à Freamunde”. Concurso este que teve início em 1991. Capão à Freamunde, a receita tradicional Embriaga-se o capão, com um cálice de vinho do Porto e passada meia hora, mata-se, depena-se, abre-se e lava-se. Depois de estar em água fria com rodelas de limão, cerca de uma hora, põe-se a escorrer e mergulha-se em “vinha d’alhos” (molho de vinho branco, algumas colheres de azeite, sal e pimenta, e vários dentes de alho esmagados). Deve ficar neste molho, de véspera, e proceder-se a diversas viragens, esfregando o capão.

No dia de o consumir, põe-se ao lume uma caçarola com azeite, gordura de porco e cebolas às rodelas. Quando a cebola está estalada, deita-se uma boa colher de sopa de manteiga, meio quartilho (2,5 dl) de vinho branco e sal q.b. Escorre-se o capão, esfrega-se todo com este novo molho e recheiase com “farófia” e um picado feito com os “miúdos” do capão e bocadinhos de salpicão e presunto. Coloca-se na assadeira, de preferência uma “pingadeira” de barro, e leva-se ao forno a assar lentamente, picando-se com um garfo de vez em quando, ao mesmo tempo que se rega com o molho da assadeira. A operação de picar com o garfo deve ser cuidadosa para não ferir a pele que deve ficar estaladiça e loura.

Câmara de Castelo de Paiva prestou homenagem aos autarcas falecidos A Câmara Municipal de Castelo de Paiva prestou homenagem, em cerimónia pública realizada no espaço do Auditório Municipal, aos autarcas do concelho falecidos desde Abril de 1974 a Novembro de 2008. Tratou-se de um acto singelo, mas de grande significado, realizado precisamente no dia em que, há 495 anos, o Rei D. Manuel II entregava o Foral ao concelho de Castelo de Paiva. A cerimónia contou com a actuação ao piano de uma aluna da Academia de Musica de Castelo de Paiva e, ao todo, foram oito dezenas de ex-autarcas, oriundos das nove freguesias do município paivense que serviram o concelho nas Assembleias e Juntas de Freguesia, na Câmara e Assembleia Municipal, que agora foram justamente reconhecidos e recordados pela edilidade de Castelo de Paiva, presidida por Paulo Teixeira. Lopes de Almeida, presidente da Assembleia Municipal, referiu na sua intervenção que, esta é uma homena-

Penafiel: Jardim-de-infância da Sede nº 2 inaugurou parque

gem justa e de grande dignidade, tendo em conta que, “os nossos autarcas foram homens e mulheres que deram o melhor de si em prol da defesa dos interesses do Município e dos seus concidadãos”. Paulo Teixeira começou por falar no significado do Poder Local Democrático, e na forma como este se afirmou nestas três décadas de Democracia, “onde se operaram profundas transformações sociais, com intervenção na melhoria de vida da população, superando enormes carências”, realçando depois que, “passados que foram estes 34 anos de intervenção do Poder Local, também em Castelo de Paiva não foi diferente do resto do País e o concelho sofreu uma alteração radical, orientada para a melhoria do bem - estar da população”. O edil paivense falou, de seguida, no trabalho desenvolvido em Castelo de Paiva e nas obras concretizadas nos últimos anos nos mais diversos sectores de actividade, enaltecendo

a postura, dedicação e empenhamento de todos estes autarcas que estiveram envolvidos na vida autárquica, “sempre com grande dedicação e com o objectivo de servir a comunidade”. O edil paivense evidenciou que, “todos os setenta e nove autarcas, agora recordados e homenageados pela autarquia, e eleitos após a Revolução de Abril, contribuíram decisivamente para a consolidação da democracia e do Poder Local, dando o melhor de si para o bem estar das populações que representaram, muitas das vezes com sacrifício pessoal e familiar”. No final, todos os representantes das famílias dos homenageados, que encheram o espaço municipal, receberam um diploma, a carta heráldica do concelho e uma brochura com o nome, foto e um pequeno historial da vida de todos os ex-autarcas já falecidos e agora recordados pela edilidade paivense.

O pelouro de Desenvolvimento Social da Câmara Municipal de Paredes vai levar a cabo, nos dias 6 e 13 de Dezembro, mais uma edição do Encontro Entre Nós – Natal/2008. Recorde-se que a autarquia paredense realiza, anualmente, esta festa de Natal destinada às pessoas mais carenciadas, com idade igual ou superior a 60 anos, portadores do Cartão Sénior. A actividade vai decorrer no Salão de Festas dos Bombeiros Voluntários de Paredes e contemplará cerca de 1500 pessoas das 24 freguesias. A concretização desta actividade conta com a colaboração das Juntas de Freguesia, que também divulgam o evento e aceitam as inscrições dos participantes.

Animação de Natal nas ruas da Vila de Lousada A chegada do Natal traz mais animação e cor às ruas da de Lousada. A iluminação alusiva à época festiva e a música ambiente proporcionam um passeio diferente pelas principais artérias da vila. “Compre no Comércio de Lousada” volta a ser o desafio lançado a toda a população para que troque a confusão dos grandes centros pela calma, boa disposição, animação e qualidade no atendimento que é possível desfrutar sempre que se visita um estabelecimento comercial no concelho. Tendo em vista a disponibilidade dos compradores, os estabelecimentos comerciais, no centro da Vila, vão alargar o horário de funcionamento e, a partir do dia 15, abrem à noite, de segunda a sábado, das 21H00 às 23H00 e, aos domingos, das 14H00 às 20Horas. Assim, para tornar mais agradável esta ida às compras, a autarquia em colaboração com a Associação para o Desenvolvimento Integrado e Económico de Lousada (ADIEL) promovem mais uma edição do concurso de montras de Natal, onde um júri diversificado analisa a originalidade e bom gosto dos lojistas, entre os dias 17 a 21 de Dezembro. As cinco montras melhores classificadas recebem um prémio monetário. Os compradores habilitam-se ainda a um sorteio que inclui seis prémios, entre eles uma viagem a Paris, roupa, perfumes, material de decoração e de artesanato. Assim, quem efectuar compras de valor igual a 20€ deve preencher um cupão com dados pessoais. No final, vai ser efectuado o sorteio de seis cupões, na segunda semana de Janeiro.

Paços de Ferreira: Projectos dinamizam comércio tradicional A Associação Empresarial de Paços de Ferreira lançou um conjunto de projectos destinados a promover as compras nas lojas de rua, estimulando este sector de actividade fragilizado pela actual crise económica que assola Portugal e o mundo. Assim, aproveitando a época natalícia, a AEPF decidiu promover um sorteio entre todos os clientes do comércio tradicional, realizar um “stock off ” para vestuário, calçado e acessórios de moda conjuntamente com a feira “Mobifree” e propor um horário alargado nos fins-de-semana e feriados de Dezembro para facilitar as compras aos habitantes de Paços de Ferreira.


22

Dúvida&Cartoon

DÚVIDA PÚBLICA

geral@reporterdomarao.com.pt

Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

Cartoons de Santiago

Dúvida Pública é um espaço do Repórter do Marão onde os leitores podem colocar perguntas que a redacção procurará responder publicamente. As suas dúvidas devem ser enviadas por e-mail para duvidapublica@reporterdomarao.com.pt Nesta edição, Madalena Freire, de Amarante, enviou um e-mail à nossa redacção sobre o computador Magalhães. Esta mãe, ainda não teve oportunidade de saber quais eram as condições e que computador era distribuído as crianças, nomeadamente se tinha de celebrar um contrato de ligação à Internet para que o filho possa receber o computador. Aproveitamos a pergunta para responder aos porquês do Magalhães. Não. Ao contrário do e-escolas o Programa não contempla acesso à Internet ligado ao portátil, o que não invalida que os pais acabem por optar por o incluir. A TMN está a disponibilizar o acesso ADSL do SAPO ou a banda larga móvel TMN. A Zon Multimédia também se associou ao programa com a Internet por cabo. O Magalhães é o nome de um computador portátil especialmente concebido para as crianças com idades entre os 6 e os 10 anos. É baseado no design Classmate da Intel e mediante um acordo com duas empresas portuguesas é fabricando em Portugal. Destina-se às crianças do primeiro ciclo do ensino básico mas também vai ser vendido nas lojas, podendo ser comprado por outro tipo de utilizadores. Dentro do Programa do Governo o custo do Magalhães depende do rendimento das famílias, que está reflectido nos escalões da Acção Social Escolar (ASE). Assim os do primeiro escalão não pagam nada pelo portátil os do segundo escalão pagam 20 euros e os alunos não abrangidos pela acção social Escolar pagam 50 euros. O portátil vai também estar à venda nas lojas, custando 285 euros. Já existe informação no site e-escolinhas e no site e-escola, onde está disponível um formulário que pode ser preenchido com o uso de um código fornecido pela escola. Está também prevista a possibilidade de serem preenchidos formulários de candidatura em papel nas escolas, com o apoio dos professores. Como o programa é muito recente é possível que nem todas as escola tenham ainda informação completa. Se for esse o caso pode ir insistindo. Os operadores móveis asseguram a logistia do programa, mesmo que os computadores não tenham ligação à Internet. Assim recolhem os pedidos, contratam as compras dos portáteis e asseguram a sua distribuição nas lojas. Está previsto que o Ministério da Educação certifique uma série de conteúdos educativos que serão colocados no Portal da Escola e também pré-carregados no Magalhães.

Fundado em 1984 Quinzenário Regional • Publica-se à quinta-feira Registo/Título: ERC 109918 Depósito Legal: 26663/89

Ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues

Director: Vítor Almeida (C.P. 5286) Director Adjunto: Alexandre Panda (C.P. 8276) Redacção: , Jorge Sousa (C.P. 1689), Sandra Teixeira, Alcino Oliveira (C.P. 4286) Empresa Editora: Média Marco Publicações, Lda. - NIF 504 850 725 Sede Redacção: Rua Manuel Pereira Soares, 80 1º Esq. Apartado 12 - 4634-909 Marco de Canaveses Telef. 255 521 307 - Fax: 255 534 850 E-mail: geral@reporterdomarao.com.pt Propriedade: Baião Repórter / Sociedade Editorial, Lda. NIF: 501475320 Sede Social: Rua Camões - Apartado 1 - 4640 Baião Partes sociais superiores a 10% do capital: Jorge Manuel Soares de Sousa, Marta Cláudia Amaro de Sousa Cap. Social: 5.000 Euros Impressão: Gráfica Diário do Minho - Braga Tiragem desta edição: 7.000 exemplares

Receba o seu exemplar comodamente em casa.

Envie os seus dados pessoais para: assinaturas@reporterdomarao.com.pt Forma de Pagamento: Cheque ou Vale Postal à ordem de Média Marco Publicações, Lda. Assinatura só será validada após recepção do pagamento

As opiniões expressas nos artigos assinados podem não corresponder necessariamente à opinião da Direcção deste jornal.


Repórter do Marão 4 Dezembro 2008

patrimonio@reporterdomarao.com.pt

O Nosso Património

23

Biscoito da Teixeira É conhecido de todos mas poucos conhecem a terra que lhe deu o nome. O Biscoito da Teixeira nasceu há cerca de 300 anos naquela localidade do concelho de Baião. O bolo quase derrete na língua, mas quando aliado à beleza da paisagem ímpar de verdura e monte, o Biscoito da Teixeira solta-se pela boca toda para deliciar a alma e o corpo. Alexandre Panda “O meu avó já fabricava o doce, a minha mãe também. Eu, em criança, só queria brincar à volta deles. Fui ajudando na confecção até apanhar o jeito e agora sou eu quem faz perdurar no tempo uma tradição familiar que já vai na terceira geração”. Sónia Pereira tem 33 anos, está a estudar comunicação social na Universidade de Aveiro, e está a aplicar os seus conhecimentos académicos na defesa do património da freguesia, que acaba por se confundir com a tradição familiar. A jovem criou recentemente um espaço na freguesia, o Centro de Promoção do Biscoito da Teixeira que representou um investimento de cerca de 40 mil euros, comparticipados em 50 por cento por fundos da União Europeia. O espaço está situado por baixo da casa familiar junto da cozinha de onde saem os doces que vão deliciar as bocas dos habitantes da região e não só. Muitos são os emigrantes portugueses que querem levar nas A RECEITA malas para o estrangeiro, o Ingredientes: Açúcar, bolo que lhes dá um cheiriFarinha, Ovos, Sal, Limão nho de Portugal: “é uma forma de matar saudades. AlPREÇOS guns até ficam com o plástico Quadradinho: 1 Euro da embalagem para continuPequeno: 1,50 Euro ar a sentir o doce depois de Médio: 2,50 Euro comido”, contou ao Repórter Grande: 3 Euros do Marão, Sónia Pereira. “Um dos objectiA jovem está a tratar da vos da certificação certificação do produto, poré que o nome não que diz que há quem esteja a aproveitar-se saia da freguesia de Teixeira. Há uma firdo afamado Biscoito da Teixeira para ven- ma que está a tentar imitar o método, mas der um produto que não tenha a verdadei- não consegue. A receita é de cá, o segrera receita local. Várias empresas situadas do é de cá e por isso também a fama tem em concelhos limítrofes de Baião estarão de cá ficar para que a freguesia possa bea utilizar o nome que não lhes pertence: neficiar do único produto que tem e que dá

S ENVIE-NOS A NS SUAS IMAGE DE NATALrra nes-

leza da sua te Divulgue a be as suas ia. Envie-nos ta época natalíc reporl@ o e-mail: gera imagens para om.pt terdomarao.c

Neve na Aboboreira O forte nevão que atingiu o Norte e Centro de Portugal chegou também ao distrito do Porto, cobrindo a serra da Aboboreira, entre Amarante, Baião e Marco de Canaveses de um vasto manto branco que fez as delícias da população durante o passado fimde-semana prolongado.

nome à freguesia. Desde há 300 anos para cá que muita gente depende deste produto para viver. Não podemos deixar que este produto tradicional fuja para outras terras”. O medo que “os de fora” desvirtuem o doce também levou a jovem empresária a iniciar o processo de certificação de qualidade do produto que depois de concluído terá de ser elaborado apenas com a receita

de Baião. Os habitantes não têm qualquer tipo de problema em divulgar os ingredientes para a fabricação do doce até porque o segredo está na confecção, no trabalhar e no tempo de cozedura, num forno a lenha, claro. “Já experimentei a luz e a combustível, mas não adianta de nada, o melhor e a verdadeira obriga a isso, em de ser com lenha”, afirmou a jovem empresária.



Jornal Repórter do Marão - 4 Dezembro 2008