Issuu on Google+


apresentamos o nike paul rodriguez 5 com amortecimento lunarlon dynamic

lançamento agosto de 2011

facebook.com/nikesbbrasil

twitter.com/nikesbbrasil

youtube.com/nikesbbrasil


DCSHOES.COM/SKATEBOARDING


The Chris Cole S Black/White Black Black/ White

Halfcab Noseslide 270 Heelflip

Blabac .Photo

SKATEBOARDING


T

AndrĂŠ e Pedro Barros


Mais de 160 skatistas correram atrás do objetivo de estar na final mundial do Red Bull Manny Mania como o representante do Brasil. Uma grande honra, afinal a edição 2011 deste evento vai reunir 34 skatistas selecionados ao redor do mundo para descobrir qual manda melhor sobre duas rodinhas. Empolgados com isso, convidamos Maurício Nava, um dos skatistas mais especialistas neste tipo de manobra para contar um pouco sobre sua relação com o manual. E também um bate-papo com Alexandre Vaz, que acabou sendo o grande vencedor da etapa brasileira.


Meu manual da vida "Eu lembro a primeira vez que vi um vídeo de skate, era de um campeonato gravado na televisão a cabo, peguei emprestado de um amigo que gravou na fitona VHS via todas as manobras, ficava impressionado, claro, o primeiro vídeo né, lembro que deu vontade de sair na rua igual maluco remando, e foi isso que eu fiz depois que o vídeo acabou. Mas antes, numa manobra específica, um dos caras deu um flip e caiu de manual: eu não tinha acreditado, na minha humilde mente de skatista e que não tinha nem dois meses de rolé, não entrava, fiquei muito impressionado, voltei a fita várias vezes e passava em slow, ficava vendo jeito que o cara equilibrava a cada frame. Depois de um tempo fui vendo outros vídeos e foi ficando menos anormal pra mim. Comecei tentando no chão, depois subir guias, depois comecei a passar as calçadas de tail manual, tem uma em especial no meu bairro, que eu passava tarde inteiras ali. Eu fazia a curva numa árvore que tem ali até hoje. Eu andava muito sozinho ali, depois chamava os amigos pra ver os combos, hehe. Por um certo lado foi bom, porque manual é um exercício de concentração pessoal, equilíbrio do corpo, os braços junto com os pés, mas também da mente, porque se tu tentas umas combinação complicada, ela tende a não dar certo por várias tentativas, mas se você ficar nervoso, começar a tacar skate no chão e xingar, é ainda pior, porque naturalmente você perderá o controle primeiro de si mesmo e posteriormente da manobra. Manual basicamente é controle, é pra mim é um dos jeitos que eu mais gosto de me expressar, é aonde eu me sinto mais a vontade, posso fluir mais, posso num dia só mandar 40 manobras diferentes de manual,


não igual um gap ou corrimão na rua, que você desce ou pula dois e já esta exausto. Acho legal o paralelo que podemos traçar entre o “manny” com as nossas vidas. Tudo que a gente possa fazer, temos que ter um equilíbrio, tanto do nosso trabalho, como no nosso laser, nas atividades diárias, nos compromissos, manter sempre um equilíbrio em todas elas e em tudo que agente gosta de viver pra estar cada vez mais feliz com nós mesmo e todos que estão ao nosso redor! Era disso!" Maurício Nava


Alexandre Vaz, legítimo representante do IAPI, local que recebeu a final do Red Bull Manny Mania, foi consagrado o grande vencedor da etapa brasileira do evento. A final teve a presença dos 8 melhores, Ademar Luquinhas, Jonatan Mentex, Jeferson Bill e Daniel Marques ficaram pelo caminho. Douglas Molocope ainda persistiu por mais uma bateria, mas foi Murilo Romão, em terceiro, e LP Aladin, em segundo, que completaram o pódio. Confira abaixo um pouco mais sobre o grande vencedor. Já caiu a ficha que você ta indo pra Nova Iorque, correr o maior campeonato amador do mundo? Alexandre Vaz: Pô, as vezes eu fico pensando nisso como as coisas acontecem mesmo. Um domingo de muito skate amigos e diversão me proporcionou realizar um dos meus maiores sonhos que é ir pra NY! E ainda participar do Red Bull Manny Mania que é um evento mundial de manual muito style! Acho que a ficha vai cair quando eu chegar lá mesmo. (risos) Manual é tua área mesmo? Alexandre Vaz: Eu sempre me identifiquei com manual pela forma tranquila de se praticar. E rolou aquela motivação, é claro. Estavam vários amigos ali torcendo por mim, cada passada alguém me falava “se concentra que as manobras tão no pé”. Então o que eu precisava era ficar focado nas manobras e executar. E foi o que aconteceu, deu tudo certo graças a Deus. Estou praticando todos dias, colocando manobras no pé, aprendendo algumas também e o resto vai da criatividade na hora né. Depois do Manny em NY, qual é o plano? Alexandre Vaz: Depois do Manny pretendo ficar mais uns dias por lá, tentar render umas fotos, filmar mostrar meu skate. E continuar nesse ritmo, produzir mais coisas no Brasil junto com meus patrocínios, estar sempre divulgando meu skate aonde estiver e me divertindo, que é a essência do skate!


CARLOS RIBEIRO

BADGE

NOLLIE HEELFLIP / FOTOS: KYLE CAMARILLO


Vista 37