Agroparque em Goiabeiras - Vicente Gewehr

Page 1


Universidade Federal do Espírito Santo

AGROPARQUE

EM GOIABEIRAS

Vitória, 2018 Vicente Gonçalves Gewehr


FOLHA DE APROVAÇÃO

Capa: figura adaptada pelo autor,

do desenho de Darci Seles.

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APROVADO EM

/

/

.

ata de avaliação da banca

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS avaliação da banca examinadora Trabalho de conclusão de curso apresentado à Universidade Federal do Espírito Santo, como parte das exigências para obtenção do título de Arquiteto e Urbanista

Nota:

Data:

/

/

Prof. Dr. Homero Marconi Penteado

Nota:

Data:

/

/

Profa. Dra. Karla do Carmo Kaser

Nota:

Data:

/

/

Examinador externo

Orientador: Prof. Dr. Homero Marconi Penteado Coavaliadora: Profª Karla do Carmo Kaser

2

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

Vicente Gonçalves Gewehr


A imersão no processo de elaboração de traba-

Aos professores de paisagismo Jonas Bellingrodt e Udo Wei-

lho foi uma jornada de profunda extração do que eu entendia por

lacher da TUM (Technische Universität München) na Alemanha.

zona de conforto: pela dificuldade em projetar em uma área tão

Homero Penteado pela orientação e Karla Kaser pela coorientação

grande, pela ausência de referências projetuais, pela superação ao

deste TCC.

usar com sucesso a plataforma BIM (Archicad) para um projeto de

Ao programa Ciência sem Fronteiras e todos envolvidos neste

paisagismo, pela inexperiência em escrever trabalhos científicos

programa, por proporcionarem essa experiência única e revolu-

e por ter que continuar o projeto com apenas uma mão, durante

cionária na minha vida acadêmica e pessoal, aproveitei cada cen-

três meses, após quebrar o braço. Todos esses fatores demanda-

tavo investido!

ram muito tempo de trabalho e isolamento para reflexão e auto-

A Elaine de Azevedo, Tatiana Tenorio Matuk e Luciane Cris-

conhecimento. Por isso agradeço a todos que compreenderam (ou

tina Ferrareto pelos excelentes trabalhos acadêmicos realizados

tentaram) minha ausência durante o processo.

que foram fundamentais na construção do entendimento sobre o

Em especial agradeço a todo o universo pela oportunidade de poder estar compartilhando tantas vivências na terra. Não é fácil, porém está sendo uma honra!

Sistema Agroalimentar e Agricultura Urbana. A Leandra Postay por ter me auxiliado com a revisão sintática e gramatical de maneira voluntariamente sensacional.

Agradeço à toda minha família pelo apoio, para um estudante

Aos amigos (Júlia Pedruzzi, Leonardo Valbão, Luayza Perim,

se graduar no Brasil ainda é muito difícil, sem vocês eu não conse-

Matheus Bonjour e Tayna Moreschi) que me ajudaram em um

guiria. Vocês são demais!

mutirão quando eu estava desesperado com as finalizações.

Não poderia deixar de homenagear meu avô João Gonçalves in

Às bibliotecárias Cynthia de Andrade Bachir da biblioteca seto-

memoriam e minha avó Olga Dalbem Gonçalves, muito obrigado

rial de artes e Merielem Frassom do incaper que foram excelentes

por tanto carinho e pelo amor mais sincero e lindo que já vi na

profissionais e o auxílio delas contribuiu muito para a realização

vida. Amo vocês eternamente!

deste trabalho.

Os 5 heróis que me ajudaram nos dois meses de recuperação da fratura no Úmero. Mãe, Sú, Guel, vovó e Tia Lene. Muito obrigado mais uma vez! Às professoras de Urbanismo Eneida Mendonça e Daniela Bonatto que revolucionaram o meu entendimento sobre as cidades. A dedicação, responsabilidade e compromisso de vocês está certamente formando um mundo melhor. As Universidades públicas precisam de mais profissionais como vocês!

AGRADE CIMENTOS


SU MÁ RIO

1 2 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6

introdução campo teórico

SISTEMA AGROALIMENTAR CONVENCIONAL  21 A ALIMENTAÇÃO DE VERDADE  24 ABORDAGENS DISTINTAS SOBRE A AGRICULTURA URBANA  27 ESTUDOS DE CASO DA AGRICULTURA URBANA  30 REPERTÓRIO DE AGRICULTURA URBANA  38 PARQUES URBANOS  44

3

o projeto

3.1 3.2 3.3 3.4 3.5

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA  54 CONCEITUAÇÃO PROJETUAL  64 PROGRAMA 65 PARTIDO  66 MACROPROPOSTA  68

ÁREA DE AGRICULTURA URBANA  71

PARQUE LINEAR  82

3.6 GERENCIAMENTO DO PARQUE  108

CONSIDERAÇÕES FINAIS  111 REFERÊNCIAS  115 ANEXOS  120


IN TRO DU ÇÃO


“ 11

Vicente Gonçalves Gewehr

Produzir alimentos é uma das tarefas mais perigosas da existência Humana, perigosa porque você corre o risco que se tornar Livre. [ Dervaes, Jules ]


A alimentação da maioria da população segue um mo-

de ameaça à soberania alimentar, gerando impactos culturais e

delo ditado pelos veículos de comunicação, e a produção desses

socioambientais significativos. Desse modo, a globalização pode

alimentos é realizada de acordo com as premissas de um siste-

ser compreendida sob a ótica da alimentação e também influencia

ma agroalimentar global, dominado pelas grandes corporações

a mobilidade das pessoas e suas ideias sobre culinária, gosto e nu-

interessadas no lucro máximo. Esse modelo atual de alimentação

trição (GREW, 2011 apud AZEVEDO, 2016).

1

regido pelo interesse do capital torna a prática cotidiana de ali-

A urbanização também influenciou os estudos da alimenta-

mentar-se uma ação insustentável e danosa à saúde dessa maioria.

ção. O processo descrito por Verthein e Vázques-Medina (2015

Esses mesmos efeitos negativos são percebidos na produção des-

apud Azevedo, 2016) como desritualização da comida evidencia-

ses alimentos (AZEVEDO, 2016).

-se com a flexibilização de horários, locais e ritmos alimentares

Atualmente, existe uma efervescência de debates sobre a ação

das cidades (mas não restritos ao meio urbano). Também promo-

diária de alimentar-se que transcende os estudos da nutrição, ciên-

veu uma transformação da relação das pessoas com a produção

cias agrárias e ambientais. A alimentação também se configura

de alimentos realizada pelas indústrias do agrobiopoder, concen-

como um legítimo objeto de estudo de análise sociocultural que

trando uma produção monocultora e mecanizada desprovida

possibilita a compreensão do viver em sociedade. Entre muitos pa-

muitas vezes do contato do homem com o plantar (MOREIRA,

péis que a alimentação desenvolve, nota-se o de meio de análise de

2000). Porém, o homem nunca deixou de praticar a agricultu-

fenômenos como a globalização e o poder; pilar de organização so-

ra, mesmo com grande parte da população vivendo em centros

cial; a construção de identidades; os gêneros e as etnias; o estímulo

urbanos onde espaços para a produção alimentar parecem insu-

ao prazer e a lubrificação de interações sociais; as controvérsias

ficientes ou inadequados à chamada de agricultura urbana (AU),

científicas; os questionamentos étnicos; o surgimento de angústias;

prática que sempre esteve presente, todavia geralmente no ano-

a aparição de riscos ambientais; entre outros (AZEVEDO, 2016).

nimato das cidades (FERRARETO, 2015).

Apesar das suas claras relações com a cultura local, a religião,

Segundo Garcia et al (2003), era inevitável que a alimentação se

o gosto, a tradição, o simbolismo e a identidade, a comida tem sido

modificasse com as transformações da sociedade. Como exemplo

produzida como uma mercadoria sob as premissas de um merca-

dessas transformações das relações com o alimento, serão apresen-

do e de uma política agroalimentar de caráter global, dominada

tadas três realidades alimentares no decorrer da história brasileira.

na maioria das vezes por corporações agroalimentares transna-

Segundo Araújo (2010) os índios tinham como alicerce a mandio-

cionais, o que envolve uma forma legitimada de agrobiopoder e

ca, na forma de farinha e de beijus, mas também, frutas, palmito,

1  Neste trabalho usaremos a expressão sistema agroalimentar e sistema alimentar indistintamente, o qual foi profundamente modificado por dois eventos, sendo estes a Revolução Agrícola, ocorrida durante a Revolução Industrial no final do século XVIII, e a Revolução Verde, na segunda metade do século XX.

12

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

13

Vicente Gonçalves Gewehr

pescado, caça, milho, batata e pirões. Uma típica refeição indígena era carne de paca assada em uma panela de barro sobre três pedras (trempe), em um forno subterrâneo (biaribi), era salgada com sal obtido a partir da cinza de vegetais pilado juntamente com pimenta e como acompanhamento tinham a farinha de mandioca.


No que concerne ao Brasil colônia, Cascudo (1989) comparti-

Assim podemos perceber que a alimentação se transformou

espaços recreativos e educacionais relacionados com a temática

lha em seu livro História da alimentação no Brasil o Relato de João

muito desde o Brasil colônia até a atualidade. Mesmo hoje, com

da alimentação, como um restaurante-escola que permite que as

Brígido (1829-1921), capixaba vivendo no Ceará desde 1831, escre-

uma grande variedade de alimentos, as refeições atuais possuem,

pessoas aprendam maneiras de utilizar alimentos locais e susten-

veu “Um almoço de rico, nos sertões, era antes das 7 horas da manhã, o

em geral, 5 alimentos como base, sendo eles trigo e açúcar refi-

táveis e um parquinho infantil que diverte as crianças utilizando

jantar às 12, a ceia ao cair da noite. O primeiro consistia principalmente

nados, milho transgênico, gordura saturada e derivados animais

alimentos.

em carne com pirão, o segundo idem, o terceiro idem, com esta diferen-

oriundos de confinamento/pecuária extensiva. Vivemos também

A estruturação deste trabalho conta com um fragmento teó-

ça que no jantar havia de ordinário, um assado com molho chamado

uma era de modismos alimentares extremamente insustentáveis

rico, que funciona como base, para o desenvolvimento da etapa

de ferrugem, e vinha por último, para cada um, a sua tigela de caldo

ditados pelos veículos de comunicação. O acesso à alimentos sau-

prática: que consiste na elaboração de um projeto apresentado em

da mesma panela. Seguia-se a sobremesa, que era melaço com farinha,

dáveis está cada vez mais restrito a uma parcela limitada da po-

nível de estudo preliminar para uma área subutilizada de aproxi-

ou doce de frutas da terra em mel de rapadura, ou queijo com a dita,

pulação e alimentos refinados e cheios de conservantes à maioria

madamente 330.000m² no bairro de Goiabeiras, em Vitória, Es-

melancia, melão, etc. Uma coisa bem entendia: as mulheres não vinham

menos abastada (MATUK, 2015).

pírito Santo. Será apresentado como esse parque influenciaria

à mesa no copiar. Comiam no fundo da casa, em companhia da dona.”

As práticas agroalimentares devem objetivar, ao invés do lucro,

positivamente as práticas agroalimentares da população e como

Na atualidade, temos a dieta moderna da maioria dos adoles-

o bem estar da população em geral, sendo a comida produzida da

transformaria a realidade dos espaços livres públicos no entorno

centes caracterizada pela preferência por alimentos com elevado

maneira mais sustentável possível, abrangendo os pilares ambien-

e na região metropolitana de Vitória.

teor de gordura saturada, colesterol, sódio e carboidratos refina-

tal, social e econômico. Uma etapa fundamental para um sistema

dos, representados muitas vezes pela ingestão de refrigerantes e

alimentar sustentável é a relação dos consumidores com o alimen-

sucos; balas; chicletes e pirulitos; salgadinhos empacotados (à base

to. Estes que devem se importar com o que estão comendo, sua

de milho e batata); salgados fritos ou assados (coxinha, pastel); bis-

origem e a forma como foi produzido.

coitos recheados; doces em geral; bolos; sorvetes e chocolates. Esse

Da mesma forma que o sistema alimentar segue as demandas

padrão alimentar está associado a comportamentos inadequados

do capital, grande parte dos espaços urbanos são concebidos nas

relacionados a dietas monótonas, modismos alimentares e omissão

cidades. Esses espaços deveriam ser pensados de maneira a aten-

das refeições, principalmente o café da manhã. Infelizmente, parte

der as necessidades da população proporcionando melhorias na

significativa da população adere de forma inconsciente à maneira

qualidade de vida das pessoas, bem estar social, espaços recreati-

de se alimentar semelhante às dietas modernas dos adolescentes,

vos e convidativos que contemplassem usuários em diversidade e

muito distinta da maneira tradicional, com alimentos oriundos

fossem pensados de acordo com a escala humana.

dos vários lugares deste mundo globalizado. Era inevitável que a

O presente trabalho consiste no desenvolvimento de uma cate-

alimentação se modificasse com as transformações da sociedade

goria de parque inédita denominada Agroparque que visa implan-

(GARCIA et al. 2003; OCHSENHOFER et al., 2006; WEICHA et al.,

tar ideais agroalimentares sustentáveis e atender demandas sociais

2006 ROLIM et al., 2007; KOURLABA, 2008).

nos espaços urbanos. Para isso, utiliza a Agricultura Urbana, cria

14

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

15

Vicente Gonçalves Gewehr


CAMPO TEÓ RICO


Não vamos deixar de acreditar que a revolução pode começar no prato, mas para isso não podemos esperar passivamente que as mudanças venham de fora. [ Elaine de Azevedo ]

19

Vicente Gonçalves Gewehr


Neste capítulo, exibiremos a base teórica que serviu como fundamento para a concepção do Agroparque. Inicialmente será abordada uma caracterização da realidade agroalimentar atual, mostrando como a agricultura acontece de maneira insustentável e em decorrência de uma alimentação globalizada

2.1

SISTEMA AGROALIMENTAR CONVENCIONAL

que vem sendo produzida em função do lucro máximo ao invés

A Revolução Industrial transformou o sistema de cultivo e, como

de atender as necessidades da população.

consequência, intensificou a industrialização, aumentando sua pro-

Como resultado da reflexão, objetiva-se mostrar uma alimenta-

dutividade, produzindo mais alimentos com menos terra e menos

ção alternativa às convencionais, que seja mais sustentável, local,

mão-de-obra, ocasionando o êxodo rural e um aceleramento da

saudável e nutritiva, chamada de alimentação de verdade: conceito

urbanização das cidades, que passaram a depender do meio rural

que destaca ações capazes de mudar a situação alimentar atual, a

para garantir suas necessidades alimentares (AZEVEDO e RIGON,

partir do entendimento de que comer é um ato político relaciona-

2016). Por sua vez, a Revolução Verde teve início no Brasil durante

do a consequências sociais, ecológicas e ambientais.

a década de 1960, tendo como principais características uma pro-

Em seguida, as maneiras de melhorar a problemática agroa-

dução marcada pela tecnização, a difusão do uso de sementes hí-

limentar vão ser trabalhadas com mais afinco com um estudo

bridas, o uso de fertilizantes sintéticos, agrotóxicos e drogas vete-

teórico sobre a Agricultura Urbana (AU) e como essa atividade

rinárias, como também o confinamento de animais (MATUK, 2015).

possui capacidade de promover benefícios diversos à sociedade.

A Revolução supracitada resultou em muitos impactos nega-

Para complementar o entendimento da AU, foi efetuada uma pes-

tivos, como a contaminação de recursos naturais, a dependência

quisa de exemplos bem-sucedidos da aplicação dessa prática em

dos agricultores de insumos químicos e de maquinário importado

diferentes realidades na esfera urbana, como jardins de residências

com preço elevado, concentração fundiária e emigração do cam-

e espaços públicos, que apontam a produção de alimentos nos es-

po para as cidades. Também houve a inserção de monoculturas,

paços urbanos como um instrumento que traz consigo diversos

objetivando potencializar o lucro, e espécies exógenas altamente

benefícios para as pessoas que a praticam e para a dinâmica das

produtivas foram adaptadas, substituindo espécies locais e preju-

cidades. A compreensão da AU será finalizada com a elaboração de

dicando assim a diversidade ambiental (ALVES; GIUVANT, 2010;

um repertório que expõe maneiras distintas de aplicá-la na cidade.

AZEVEDO; RIGON 2014).

O campo teórico será finalizado com um estudo que objetiva

Atualmente, o sistema alimentar é marcado pelo distanciamen-

ampliar o entendimento sobre parques urbanos seguido pela expo-

to entre produtores e consumidores, devido ao sistema econômico

sição de dois exemplos de parques que serviram como referência

que demanda mais etapas, como: produção, colheita, armazena-

projetual.

mento, comercialização, processamento, distribuição, venda e consumo, aumentando consequentemente o número de atores envolvidos no sistema alimentar (FAO, 2013 apud MATUK, 2015).

20

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

21

Vicente Gonçalves Gewehr


Até meados do século XX, a produção de hortaliças estava pre-

Azevedo (2016) aponta que os agrotóxicos causam, segundo

e o herbicida Roundup (utilizado nas culturas transgênicas) du-

esses valores os mesmos nos últimos 20 anos, de acordo com uma

sente nos denominados cinturões verdes, ao redor das cidades,

muitos estudos , diversos efeitos à saúde humana, como: alguns

rante 24 meses. O resultado mostrou que o primeiro rato macho

comparação entre os censos agropecuários de 1985, 1995 e 2006

distanciados algumas dezenas de quilômetros. No fim do século

tipos de câncer; imunodepressão; doença de Parkinson; depressão

alimentado com o milho transgênico morreu um ano antes do rato

(AZEVEDO e RIGON, 2016).

XX, a urbanização desordenada estendeu o perímetro dos cen-

e outras desordens neurológicas; aborto e problemas congênitos;

não alimentado com organismo geneticamente modificado (OGM),

Segundo Azevedo e Rigon (2016), a agricultura familiar pro-

tros urbanos e, consequentemente, a produção de alimentos se

tipos de câncer dependentes de hormônio; infertilidade; malfor-

enquanto a primeira fêmea alimentada com o milho transgênico

duz 80% do que é consumido no país, mesmo ocupando apenas

distanciou mais que o dobro da distância original. Os alimentos

mação congênita; sintomas respiratórios e esterilidade em adultos.

morreu oito meses antes. No 17º mês, foram observados cinco ve-

24,3% da área agrícola brasileira. A agricultura familiar, mesmo

passaram a ser transportados por grandes distâncias e com isso

Segundo o Ministério do Meio Ambiente (2018), o Brasil é o

zes mais machos mortos alimentados com milho transgênico do

alimentando quase toda a população brasileira, conta com menos

aconteceu a deterioração da matéria-prima, resultando em perdas

maior consumidor de agrotóxicos do mundo, com aumento de

que os ratos alimentados com a dieta convencional. As fêmeas

recurso público. Tomando por exemplo o ano de 2014, enquanto o

econômicas consideráveis e doenças transmitidas por alimentos.

127% entre os anos de 2003 e 2008, o que representa 19% do mer-

apresentaram macro tumores mamários e problemas hipofisários

agronegócio recebeu das políticas públicas mais de 156 bilhões de

Como solução, foram criadas tecnologias para preservar a quali-

cado mundial. Entre os anos de 2000 e 2010, o aumento no consu-

e renais, enquanto os machos, graves deficiências crônicas hepa-

reais, os agricultores receberam cerca de 21 bilhões de reais.

dade dos alimentos e garantir maior tempo de vida aos produtos

mo de agrotóxicos no país foi de 190% em relação ao crescimento

torrenais. O estudo provocou polêmicos debates que envolviam

A produção de alimentos hoje é dependente das grandes em-

(GERMANO e GERMANO, 2014 apud MATUK, 2015).

de 93% no consumo do mercado internacional. Esse aumento é

as poderosas empresas detentoras da tecnologia transgênica e os

presas, porque estas são as portadoras da tecnologia e dos insumos

Esses avanços tecnológicos, principalmente os agrotóxicos, in-

percebido pelos dados divulgados pelo Conselho Nacional de Se-

especialistas pró e contra liberação dos transgênicos de todo o

necessários à manutenção do modo de produzir contemporâneo.

sumos químicos, transgênicos, trouxeram inúmeros benefícios e

gurança Alimentar e Nutricional (CONSEA), que registra a evolu-

mundo. Embora nenhuma conclusão tenha sido encontrada, o mi-

Como resultado dessa dependência, temos grandes lucros às gran-

malefícios. De positivo, aconteceu um atendimento às demandas

ção da taxa de consumo de agrotóxicos no Brasil de 7,5 quilos por

lho foi liberado em alguns países, inclusive no Brasil, e proibido em

des companhias alimentares e diminuição da renda dos agriculto-

da sociedade moderna, aumentando a capacidade de produção

hectare em 2005 para 15,8 quilos por hectare em 2010. O maior

outros, como na Rússia e no Quênia.

res, estes remunerados com valores que não condizem com seus

de alimentos, com o aumento da expectativa de vida e de saúde

percentual foi verificado nas propriedades rurais com mais de 100

da população, devido ao melhor perfil nutricional, refrigeração,

hectares, das quais cerca de 80% fazem uso dos biocidas.

1

Na agricultura, espécies vegetais foram transportadas e o seu

esforços e necessidades. Também é frequente no ambiente rural

cultivo adaptado em novos ambientes. Boa parte das hortaliças

migração para as cidades e famílias com dificuldade de inserção em

transporte e abertura de mercados, medidas que facilitaram o

A produção de alimentos atual tem sido bastante prejudicial ao

tem sido comercializada ao longo de todo o ano independente da

novos postos de trabalho, devido aos baixos índices de escolariza-

acesso a alimentos durante todo o ano por diversas populações

meio ambiente, pois demanda alto consumo de água e de energia

sazonalidade. A produção de alimentos fora da estação e provindos

ção observados no meio rural (ALVES e GILVAN, 2010; AZEVEDO

(McMICHAEL et al, 2007).

proveniente de combustíveis fósseis e promove também a degra-

de outros países aumenta a necessidade de insumos e as emissões

e RIGON, 2014 apud MATUK, 2015).

Por outro lado, surgiram novos riscos ambientais e à saúde

dação do solo, contaminação dos rios e lagos, poluição aérea, per-

de gases na atmosfera por meio de longas distâncias percorridas

Os desdobramentos do sistema agroalimentar quanto à ali-

dos seres vivos, devido principalmente aos resíduos de agrotóxi-

da da diversidade genética e do habitat selvagem, dentre outros

entre uma região e outra e entre um continente e outros (PREUSS,

mentação atual é um resultado de diversas transformações que

cos, antibióticos e dioxinas (GERMANO e GERMANO, 2014 apud

(McMIchAEL, 2005 apud MATUK, 2015).

2009 AZEVEDO e RIGON, 2014 apud MATUK, 2015).

aconteceram na nossa sociedade. Como principais influências se

MATUK, 2015). Verificou-se também o agravamento do quadro da

Azevedo e Rigon (2016) destacam o mais importante estudo

O sistema alimentar, mesmo sendo essencial à vida humana,

destacam a globalização da economia e o estilo de vida urbano,

pobreza rural, da poluição e do esgotamento dos recursos natu-

sobre transgênicos realizado por um grupo de pesquisadores in-

atualmente baseia-se no lucro e na produtividade máxima. É ainda

responsáveis pelo aumento do consumo de alimentos industriali-

rais, do mesmo modo como a acentuação do padrão alimentar

dependentes do Committee for Independent Research and Informa-

dependente de investimentos em tecnologia e favoreceu a grande

zados e por uma alimentação frequentemente fora do lar. Tal pa-

pouco equilibrado e do comprometimento da diversidade cultural

tion on Genetic Engineering (CRIIGEN). A pesquisa, publicada em

propriedade rural. Segundo informações dos últimos censos agro-

drão alimentar é caracterizado pelo excesso de alimentos muito

(MALUF e REIS, 2013 apud MATUK, 2015; AZEVEDO e RIGON 2016)

2012, envolveu 200 cobaias alimentadas com milho transgênico

pecuários, as propriedades menores de 10 hectares ocupam 2,7%

energéticos, ricos em gordura, açúcar refinado e sal e pobres em

da área total dos estabelecimentos rurais, e as propriedades com

fibras (GARCIA, 2003; DIEZ-GARCIA, 2011 apud MATUK, 2015).

1  Estes estudos possuem as referências listadas em anexo ao fim do volume.

22

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

mais de 1.000 hectares ocupam mais de 43% da área total, sendo 23

Vicente Gonçalves Gewehr


Os alimentos muito valorizados pela praticidade passam a ser vistos como mercadoria, enquanto alimentos considerados como

opta-se por refeições rápidas ou prontas para o consumo (GARCIA,

ciclo de vida de cada um desses tipos. Essas consequências podem

povo brasileiro que passa a ganhar. Adquirimos independência e

variar quanto à origem (animal ou vegetal), grau de processamen-

soberania alimentar, passamos a ser donos das nossas sementes e

“alimento natural” ou “alimento saudável” são comercializados

É possível concluir que o sistema agroalimentar atual, que teve

to, local de origem, respeito à sazonalidade, técnicas utilizadas

florestas, da nossa própria água e nossas ervas medicinais, nossa

com maior preço. Consequentemente, o seu acesso está restrito à

como justificativa erradicar a fome para a criação da revolução

(que envolvem o consumo de energia, o uso da terra e da água,

flora e nossa fauna.

população de maior poder aquisitivo. Em contrapartida, alimen-

verde, não realizou o que se propôs. Da mesma maneira, é nítido

a toxicidade dos pesticidas), os meios de transporte, a distância

Uma alimentação de verdade está atenta às relações do sistema

tos nutricionalmente desequilibrados são consumidos por preços

que não objetiva a promoção da SAN e nem a inclusão social dos

percorrida e o empacotamento. O consumidor final também está

agroalimentar atual, este que é o maior responsável pelos impactos

acessíveis e consequentemente pela maior parte da população

agricultores. As grandes corporações agroalimentares objetivam

inserido nesse processo, uma vez que o transporte do alimento

ambientais (ao considerar que ele acolhe a indústria alimentar).

(AZEVEDO e RIGON, 2014 apud MATUK, 2015).

a manutenção das relações de controle econômico que resulta em

até o lar, o acondicionamento, a preparação e o descarte das so-

Então é preciso que este sistema se volte para formas de agrope-

A pesquisa de doutorado realizada pela Christiane Costa no

uma concentração de capital pelas grandes oligarquias transnacio-

bras também fazem parte do ciclo de vida. Dessa maneira, será

cuária sustentáveis, que não poluam as águas, o ar, o solo e os ali-

bairro Embu das Artes, São Paulo, em 2014, identificou nos bairros

nais desse setor. Estas promovem cada vez mais um controle da

apresentada a alimentação como uma forma diferente de fazer

mentos, que contribuam para o equilíbrio do clima e que respeitem

de perfil de baixa renda que os estabelecimentos comercializavam

área de alimentos, o monopólio de sementes, interferem na sobe-

política, é uma ação que pode ser colocada a serviço do planeta

a biodiversidade, a vida e o meio ambiente.

em grande maioria apenas produtos industrializados e de baixa

rania alimentar dos povos e promovem erosão da agrobiodiversi-

e da humanidade; nos retira dessa inércia social e nos fortalece

Uma alimentação de verdade não ignora a qualidade de vida

qualidade. Também mostra que nesses locais era raro encontrar

dade, obtendo assim o lucro máximo em detrimento da sociedade.

como atores individuais e coletivos. Então, o ato de alimentar-se

e os direitos dos animais, o consumo de carne deve ser preferen-

pode ser visto como ação de ativismo ou de compactuação com o

cialmente eliminado. Caso não seja possível, diminuído significa-

sistema agroalimentar atual.

tivamente. Deve-se entender que o consumo de carne extrapola

frutas e verduras e quando encontradas eram de baixíssima qualidade, ficando a população dessas áreas restrita a pouca diversida-

2003 apud MATUK, 2015).

2.2

A ALIMENTAÇÃO DE VERDADE

Uma alimentação de verdade se preocupa com a vida de quem

a vida dos animais, gera o impacto dos frigoríficos e abatedouros

produz essa comida. No caso do Brasil, temos os indígenas, qui-

que consomem muita água. O consumo excessivo de carne cria

lombolas, ribeirinhos, neoruralistas, agrofloresteiros, pescadores,

impactos consideráveis, como as florestas sendo destruídas para

campesinos e agricultores familiares que produzem comida e segu-

a criação de pastagens, além de esses animais produzirem mui-

Esta seção se apresenta ao leitor em forma de manifesto e busca

rança alimentar e nutricional ao mesmo tempo. São responsáveis

tos gases que promovem o efeito estufa, desequilibrando o clima.

está ligado ao aumento do crescimento demográfico, em vez disso,

reunir ações alimentares para a construção de um sistema agroa-

pela produção de 70% do que comemos com 25% do orçamento

Ainda, dietas hiperproteicas estão ligadas a doenças metabólicas,

é resultado de um apelo mercadológico, em que os cidadãos são

limentar mais sustentável. É um resumo do manifesto da comida

destinado à agricultura. Ao comprarmos comida deles, ajudamos

renais e reumáticas.

incentivados ao consumo excessivo (GARCIA, 2003; McMICHAEL,

de verdade (AZEVEDO, 2016), que segue a mesma estruturação de

a manter os filhos dos agricultores familiares na escola, o indígena

Uma alimentação de verdade promove a vida saudável dos

2005 apud MATUK, 2015).

ideias, exemplificações e dados. Também se apropria do valioso

e o agrofloresteiro na floresta, o quilombola protegendo o rio. As-

produtores: crianças sem autismo, homens e mulheres férteis e

No modelo contemporâneo de alimentação, o preparo de pra-

termo “Comida de Verdade”, cunhado dentro do CONSEA, e lema

sim eles não precisam migrar para as periferias urbanas e viver as

lúcidos, indivíduos sem Alzheimer, depressão e outros problemas

tos típicos ou tradicionais são transferidos para os restaurantes,

da “V Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: Co-

mazelas sociais nas grandes cidades.

neurológicos e dermatológicos, alergias e tumores relacionados

e o preparo caseiro torna-se restrito às ocasiões especiais, como

mida de Verdade no campo e na cidade: por direitos e soberania alimen-

celebrações e festividades, sendo os pratos adaptados ou simplifi-

tar”, realizada em 2015.

de de alimentos e alimentos pouco nutritivos. Tem-se como resultado uma população urbana supernutrida, devido ao aumento da obesidade e das doenças crônicas não transmissíveis. A produção de alimento triplicou enquanto a população mundial dobrou, todavia o aumento da produção de alimentos não

Uma alimentação de verdade é locavórica (baseada em produ-

aos diferentes venenos na agricultura convencional. Devemos es-

tos locais). Devemos procurar alimentos produzidos próximos às

tar atentos a produtos além dos agrotóxicos, como drogas veterinárias, antibióticos e hormônios, fertilizantes e aditivos sintéticos,

cados, como a feijoada, que passa a ser light, e a moqueca de peixe,

Partimos do entendimento de que cada tipo de alimento pode

nossas residências, evitando assim quilômetros de energia à base

que passa a ser feita com leite de coco industrializado. No dia a dia,

causar mais ou menos consequências ao planeta de acordo com o

de petróleo implicados na sua produção. O dinheiro investido é revertido para o desenvolvimento local, rural e urbano. Assim, o

24

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

25

Vicente Gonçalves Gewehr


produtos da irradiação e sementes manipuladas e transgênicas, prezando pela vida, e não pela morte.

Uma alimentação de verdade precisa da ação individual, pa-

enquanto economizamos na comida. Gastar com comida de ver-

(SAN), pelo fato de promover acesso a alimentos em quantidade

rando de consumir alimentos industrializados e colocando pro-

dade é investimento no futuro, na segurança, na saúde e no meio

e qualidade, a sua relação com a saúde dos seus participantes, já

Uma alimentação de verdade está constantemente ligada à cul-

dutos frescos à mesa. Ao invés de desembrulhar, abrir latas, gar-

ambiente. Isso não significa que essa comida deve ser cara e ina-

que estamos tratando de alimentos produzidos sem uso de agro-

tura, não esquecendo da manutenção do patrimônio alimentar, da

rafas plásticas e embalagens tetra park, devemos comprar mais

cessível. Esses gastos podem ser revertidos em bons hábitos que

tóxicos e insumos químicos, que também promovem a realização

territorialidade dos hábitos alimentares e das práticas agrícolas. A

produtos a granel e em vidros e menos produtos embalados em

resultem em um corpo saudável, satisfação pessoal, afetividade e

de atividades físicas e saúde psicológica dos participantes; por fim,

cultura pode ser pensada no sentido de promover a alimentação

plástico, isopor e alumínio. Devemos preferir alimentos locais que

tudo mais que contribua para um estilo de vida mais equilibrado.

a sua relação com a capacidade de superar as dicotomias entre

saudável, pois é a legitimadora deste conceito, com base nas dietas

estragam, mofam e não duram muito tempo porque estão vivos,

O conceito Agroparque engloba os princípios descritos nesta

saudáveis dos povos pré-modernos caracterizadas por alimentos

como nós seres humanos. O tempo de vida na prateleira é um

seção, sendo que todos estes foram levados em consideração na

Os temas mencionados anteriormente serão expostos com

apoiados na sazonalidade, na geografia, nos hábitos e práticas lo-

apelo estratégico que favorece a indústria alimentar.

elaboração do projeto. Desta forma o espaço se apresenta muito

uma abordagem sobre SAN e a relação da pobreza com o acesso

cidade e campo.

cais. Como exemplo, queremos o azeite de oliva para o mediter-

Uma alimentação de verdade necessita de dedicação e inves-

mais do que uma área produtora de alimentos e recreativa, existe

aos alimentos. Depois, vamos ver como o abastecimento alimentar

râneo, o óleo de palma e coco para os trópicos, manteiga e banha

timento de tempo, com o equacionamento do que fazemos com

com importância política e representa atitudes alimentares que

garante a SAN. Sequencialmente, como a alimentação pode reper-

para os locais frios.

o tempo livre. Devemos incluir tempo para ir à feira, além do su-

buscam promover a vida, é uma forma de agir emancipatória, im-

cutir em saúde ou doença. Então, veremos como a inserção da AU

Uma alimentação de verdade está relacionada à retomada do

permercado, tempo para ir à loja de produtos naturais e agroeco-

pactante, pacifista, altruísta, ambientalista, comprometida, cons-

no planejamento urbano pode potencializar a prática. Por fim, será

campo, pautada na distribuição mais igualitária da população para

lógicos, como também à cooperativa de agricultores familiares.

ciente e sem partido construindo um mundo melhor.

abordado como a AU pode realizar uma aproximação da relação

o meio rural e para as cidades pequenas. Mudar o ritmo de vida,

Estimular a família a voltar para o fogão, ensinando os filhos a

ser dono do tempo, rever o conceito de produtividade e qualida-

cozinhar, a apreciar a culinária e os rituais da mesa. Devemos in-

de de vida. Ocupar o território de maneira menos concentrada,

vestir o nosso tempo para passear com a família na feira e para

tomando os campos novamente, cuidando das nascentes e enten-

fazer turismo rural, ensinar os nossos filhos a respeitar o agri-

dendo que “água se planta”, como fala o mestre das Agroflorestas

cultor e a natureza, para se encantar com uma árvore carregada

Ernest Götsch. Assim como devemos produzir e ensinar a produ-

de frutas e o cheiro de uma flor. Tempo para se relacionar com o

zir o próprio alimento.

alimento, aprendendo de onde vêm as abóboras, tempo para lavar

entre o campo e a cidade.

2.3

ABORDAGENS DISTINTAS SOBRE A AGRICULTURA URBANA

A definição de SAN reformulada em 2004, na II conferência Nacional de SAN em 2004, e aprovada em 2006, diz: Segurança alimentar e nutricional consiste na realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente sem comprometer o

Caso você não se encaixe nesta retomada do campo, produza

sua salada, descascar sua fruta, se encantar com o cheiro do pão

seu alimento em hortas urbanas, nos parques, nos espaços de la-

e do bolo saindo do forno e tempo para comer juntos. Todo esse

zer, na varanda e na janela do seu apartamento. Soberania alimen-

tempo investido vai se reverter em aproximação e qualidade de

Neste momento do trabalho, serão apresentadas algumas ações,

diversidade cultural e que seja ambiental, cultural, econômica e

tar e independência significam muito em tempos de crise. Quem

vida, satisfação, saúde, socialização, segurança alimentar e nutri-

temas e conceitos relacionados às práticas de AU, que nos permi-

socialmente sustentáveis. A SAN também está ligada ao princípio

não deseja plantar seu alimento, não se esqueça do seu poder de

cional, não é tempo perdido. Uma alimentação de verdade implica

tem relacionar o cultivo de alimentos na esfera urbana com temas

da soberania alimentar, que consiste na definição pelos povos:

compra de alimentos da agricultura familiar sustentável, que é um

em mudanças no estilo de vida urbano industrial.

como o abastecimento alimentar das pessoas que a praticam e os

suas estratégias de produção e consumo dos alimentos que necessitam.

acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde que respeitam a

poderoso ato político. Capaz de ocasionar o equilíbrio dos preços

Uma alimentação de verdade também está vinculada a um re-

que se beneficiam indiretamente, e como a AU está ligada ao pla-

e garantir acesso a quem não pode comprar alimentos orgânicos

pensar das prioridades: trabalha-se muito para gastos com plano

nejamento urbano, já que estamos nos referindo à produção de

e ecológicos.

de saúde, seguro de vida e de automóvel, roupas e medicamentos,

alimentos nas cidades. Outros três aspectos que são significativos

O autor Josué de Castro (1984) apresenta a fome como um

sobre a AU é a sua relação com a Segurança Alimentar Nutricional

problema socioeconômico e político, e não de insuficiência de ali-

26

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

27

Vicente Gonçalves Gewehr


mentos. Como exemplo disso, temos o Brasil, que, segundo Can-

em formas alternativas de abastecimento, como a produção de

metros por ano para a compra dos alimentos que consomem, com

çado (2009 apud Ferrareto, 2015) é um potencial exportador de

alimentos em áreas urbanas e periurbanas (FERRARETO, 2015).

base em uma realidade urbana inglesa analisada .  2

Agricultura urbana como promotora da aproximação cidade e campo

alimentos em escala global, que possui significativa parcela de sua

Maluf (1999) aponta que a relação do abastecimento alimentar

Diferente dessa realidade descrita anteriormente, o autor

Com a Revolução Industrial, aconteceu, segundo Mougeot (2000

população sem acesso ou com acesso de maneira dificultada aos

com a SAN pode contribuir na produção e distribuição de alimen-

Friedman (1993 apud Ferrareto, 2015) acredita que uma política

apud Ferrareto, 2015), um divórcio entre a agricultura e a cidade,

alimentos básicos necessários. As pessoas vivem em locais com

tos sob formas mais igualitárias. O que significa promover ativi-

alimentar democrática deve dar valor à proximidade na produção

a produção de alimentos e a economia urbana. O autor acredita

quantidade suficiente de alimentos, mas o que lhes falta é o acesso

dades econômicas geradoras de trabalho e de renda sob formas

e no consumo dos alimentos. Friedman e MCMichel (1989 apud

que tal fato se deu pela visão filosófica predominante na Europa

a eles. ROCHA (2013 apud FERRARETO, 2015).

que, simultaneamente, diminuam a diferença social e possibilitem

Ferrareto, 2015) propõem reconectar a produção e o consumo

Ocidental caracterizada pela oposição entre natural e artificial,

Maluf (2007 apud Ferrareto, 2015) aponta que o padrão de

ampliar a disponibilidade de alimentos de qualidade de uma ma-

local. Para isso, seriam viáveis a implementação de ações como

natureza e civilização, homem natural e homem urbano. Mas essa

consumo alimentar atual deve ser repensado e que a SAN deve

neira menos custosa, valorizando e explorando a multiplicidade

educação política dos consumidores e a organização cooperativa

divisão, que surgiu com a revolução industrial, ainda é adequada

ser um eixo ordenador das medidas políticas de um país. O autor

nos hábitos de consumo.

de produtores e empreendimentos locais, vinculando-os aos con-

nos dias atuais? Não é possível ser uma pessoa urbana que vive

sumidores.

no território rural?

também aponta que a produção de alimentos doméstica (nacio-

Uma maneira, de acordo com Maluf (1999), de realizar as me-

nal) seria responsável por fazer os países atingirem a soberania

lhorias supracitadas é aproximar o produtor do consumidor: ação

A AU pode ser associada ao conceito de civic agriculture, criado

Da mesma forma, se nota uma contradição em relação à AU,

alimentar e a SAN.

chamada de circuito curto de produção, distribuição e consumo,

por Thomas Lyson (2004), que segundo o autor (apud Ferrareto,

vista muitas vezes como um resgate do rural, mas outros a veem

Um agente que garante a SAN é o abastecimento alimentar.

tratando-se de circuitos que vinculam a produção a uma maior

2015), pode ser entendido como uma estratégia de promoção da

apenas como um trabalho igual a qualquer outro em perímetro

Este que não é garantido, como entendido geralmente, com a es-

proximidade dos consumidores. Esses circuitos se mostram im-

agricultura sustentável e um sistema alimentar alternativo, cen-

urbano. Levanta-se o questionamento de se existe uma atividade

coação da safra e ampliação de espaços de comercialização. Os

portantes pelo fato de que a comercialização de produtos oriundos

trado em diferentes práticas agrícolas e no estabelecimentos de

apenas rural ou uma atividade apenas urbana, visto que o rural

autores Linhares e Silva (1979 apud Ferrareto, 2015) apontam que

de mercados externos tem prejudicado a população e o mercado

laços comunitários, (re)conectando o lugar às pessoas. O autor

e o urbano estão mais atrelados a modo de vida do que à delimi-

ele envolve também uma série de questões, como a produção, a

local devido aos custos ambientais provocados pelas distâncias

aponta que diversos casos de civic agriculture existem e vão con-

tação territorial.

circulação e o consumo dos alimentos, cabendo ao Estado a fun-

percorridas entre países, pela perda de oportunidades na esfera

tra o processo produtivo em larga escala industrial. São capazes

Até mesmo o conceito “agricultura urbana” já separa a atividade

ção de garantir que as questões citadas aconteçam corretamente.

global da economia, pela extinção de variedades tradicionais e pe-

de resignificar os espaços sociais e econômicos e se articulam a

pelo espaço geográfico. Em vez disso, podemos pensar a agricultura

las alterações na dieta alimentar (FERRARETO, 2015).

consumidores que demandam alimentos frescos, agroecológicos

como uma atividade que pode ser desenvolvida em qualquer loca-

Infelizmente, muitas políticas de abastecimento alimentar atuam de maneira distinta, desconsiderando toda sua complexi-

Segundo Viljoen e Bohn (2007 apud Ferrareto, 2015), os gran-

e produzidos localmente. Sendo uma reorganização da produção

lidade (dependendo da escala) e, dessa maneira, podendo receber

dade, que envolve o processo desde a produção até a comercializa-

des deslocamentos que os produtos percorrem no seu transpor-

agroalimentar, sendo a agricultura vista como parte integrante da

incentivos tanto de políticas públicas voltadas para o desenvolvi-

ção. A prática vem acontecendo com a produção alimentar ligada

te provocam impactos significativos e crescentes no aumento da

comunidade e não apenas como mercadoria.

mento rural quanto para o desenvolvimento urbano. Nesse sentido,

às áreas rurais e a distribuição ligada às áreas urbanas (MALUF,

temperatura, poluição atmosférica e sonora devido aos custos

2001 apud FERRARETO, 2015).

a cidade não pode mais ser entendida como o local onde se desen-

ambientais provocados pelas longas distâncias percorridas entre

2  Com base no artigo “Paisagens urbanas produtivas contínuas: a agricultura

volvem atividades industriais e de serviços e o campo como o local

Assim, acontece no campo o incentivo à produção no local, en-

zonas de produção e zonas de consumo. Os autores ainda con-

urbana como infra-estrutura essencial”, na Revista de Agricultura Urbana

onde se desenvolvem atividades agrícolas. Mais do que nunca, as

quanto a instalação de equipamentos se realiza nas áreas urbanas,

cluíram que os consumidores se deslocam em média 1.500 quilô-

da mesma dforma que a maior parte da distribuição e comerciali-

n.º 15, um estudo encomendado pelo Departamento de Meio Ambiente, Agricultura e Assuntos Rurais do Reino Unido.

zação, sem frequente preocupação com o circuito do alimento ou

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

integrando as políticas de planejamento no território dos municípios como um todo.

em reduzir o trajeto da produção até o consumo, ou ainda pensar 28

cidades estão desafiadas a unir essas realidades (urbano e rural),

29

Vicente Gonçalves Gewehr


Podemos enxergar a AU como uma entre outras ferramentas capazes de superar a dicotomia entre rural e urbano, superando o modelo imposto de industrialização e urbanização para as cidades e o da atividade agrícola como definidora dos espaços rurais. A cidade deve ser vista como um lugar de solo fértil que pode

2.4

ESTUDOS DE CASO DA AGRICULTURA URBANA

e as outras áreas permeáveis do terreno por espécies com utilidade

transformação do solo seco e improdutivo em um solo úmido e

alimentícia.

rico em minerais. Destacam também a satisfação com a própria saúde física e mental e a relacionam com um estilo de vida simples e ativo.

ser cultivado, sem a visão de que se trataria da tranferência de

Serão expostos exemplos bem sucedidos da AU que mostram de

2.4.2 Cidade de Todmorden

uma prática do campo para a cidade, ou seja, não se trata apenas

maneira prática as abordagens teóricas vistas anteriormente. Fo-

Uma relação diferente com alimentação e com a Agricultura Ur-

de uma transposição de um saber fazer, de um modo de ser, do

ram escolhidos exemplos distintos quanto à função da utilização

bana pode ser notada com as ações do grupo voluntário de nome

campo para as cidades ou um resquício indesejado que resulta da

da agricultura urbana, assim como às dimensões do espaço de

Comestível Incrível (original: Incredible Edible). Os ativistas da ali-

urbanização incompleta. A agricultura deve ser vista como uma

produção. O primeiro exemplo é a produção em um espaço pe-

mentação buscaram disseminar a prática de consumir alimentos

prática que faz parte da dinâmica da cidade e, por isso, parece

queno e privado, caracterizado pelo quintal da família Dervaes

locais na cidade de Todmorden, no Reino Unido, para mostrar que

equivocado considerá-la uma anomalia dentro do espaço urbano.

nos Estados Unidos; em seguida veremos o projeto Incredible Edi-

é possível consumir alimentos locais e que não compactuem com

O rural e o urbano extrapolam os limites espaciais tradicionais

ble, na cidade de Todmorden, na Inglaterra, que cultiva alimentos

a poluição ao serem transportados por longas distâncias. Começa-

e tanto os atores que se aproximam do urbano quanto os que se

por toda a cidade em espaços públicos; o terceiro é o projeto

ram a cultivar frutas, ervas e vegetais por toda a cidade em espa-

aproximam do rural tendem a adquirir características específicas

Lavoura, na cidade de Curitiba, que é um exemplo bem-sucedido

de cada espaço, porém, nem sempre essas características levam o indivíduo a se urbanizar ou ruralizar. Podemos ter espaços, ativi-

no Brasil a partir de uma parceria entre sociedade e prefeitura.

ços públicos, sendo a colheita da produção realizada por qualquer FIGURA 1 Quintal da Família Dervaes. Fonte: melhorviver.com.br. Acesso em 27

de março de 2018

pessoa, mudando a relação da cidade com os alimentos. Segundo Hay (2012), o projeto teve início de maneira espon-

dades e pessoas que carregam consigo o rural e o urbano, seja no

2.4.1 Familia Dervaes

Com muito trabalho, após 15 anos de dedicação à agricultura

tânea por parte da população. Os cidadãos organizaram-se pro-

campo ou na cidade. A AU e seus praticantes são prova de que o

Segundo Florios (2017), a família Dervaes, composta pelo pai

urbana, aproveitando ao máximo o espaço de 400m² de maneira

curando ações que viessem a contribuir para uma vida mais sus-

rural e o urbano extrapolam os limites espaciais tradicionais.

e três filhos, vive a cerca de 15 minutos de Los Angeles em um

horizontal e vertical, atingiram a produção anual de aproxima-

tentável. Entendeu-se que atitudes para um mundo melhor aos

Ao fragilizarmos o pensamento disciplinar e dicotômico que

terreno retangular de 20 por 40 metros, cuja residência teve seu

damente 2.700 kg de alimento por ano, produção que no verão

futuros habitantes do planeta não devem depender unicamente

representa 80% e no inverno 55% da dieta da família.

do governo e das grandes empresas.

segrega o rural e o urbano, podemos abrir possibilidades inter-

entorno transformado em uma fazenda urbana (original: urban

pretativas capazes de convencer quanto à existência de diversas

homestead). Este exemplo busca mostrar um aplicação da AU em

Os excedentes são comercializados sem intermediários com

O principal objetivo é disseminar a utilização de alimentos lo-

formas de viver e de se organizar coletivamente, seja na cidade ou

espaços privados e mostra que não é necessário grandes espaços

restaurantes e o material residual das áreas de plantio serve de

cais, prática a qual não é muito frequente nos países de clima frio

no campo, pois suas áreas estão conectadas em vários aspectos.

para produção de alimentos.

alimento às galinhas, patos e cabras, dos quais retiram composto

e desenvolvidos. No Reino Unido, 50% do alimento consumido é

utilizado na fertilização do solo.

importado. Nos Estados Unidos, os alimentos viajam em média

Manejos do solo, em torno dos ciclos naturais, estão presentes

Os Dervaes transformaram o cultivo de alimentos em uma pe-

tanto no campo quanto na cidade, cujos limites são abstrações

quena horta na parte de trás do quintal de maneira despretensiosa.

A família não se arrepende por ter se arriscado na árdua tarefa

mais de 2.400km para chegar à mesa do consumidor, tornando

conceituais que precisam ser revistos para que novos conceitos,

Inconformados com a falta de identificação dos alimentos trans-

de produzir seu próprio alimento, que demanda muito trabalho,

o ato cotidiano de alimentar-se extremamente insustentável. Por

geradores de novas ideias e realidades, possam ser construídos.

gênicos no mercado, decidiram trocar a grama do jardim frontal,

tempo e dedicação. Em vez disso, seus membrosficam satisfeitos

exemplo, para consumir uma caloria de salada, pré-lavada e se-

que gastava muita água e nunca promovia uma satisfação estética,

com o privilégio de se alimentarem de gêneros sazonais e de ori-

lecionada em Nova Iorque, oriunda da Califórnia, são gastas 56

gem conhecida. Entre os muitos benefícios dessa prática, citam a 30

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

31

Vicente Gonçalves Gewehr


calorias com derivados do petróleo utilizado no transporte (NA-

Os envolvidos afirmam que uma das vantagens de plantar em

2.4.3 Cidade de Curitiba

facilitar o acesso ao alimento e reduzir custos com alimentação;

locais públicos é reconectar e conectar as pessoas com o solo, com

Neste estágio será exposto o programa Lavoura, que promove a

promover a educação alimentar através do consumo de

Os voluntários mostram com os canteiros públicos, distribuídos

as alterações climáticas, com o crescimento do alimento e princi-

AU na cidade de Curitiba. O cultivo de alimentos acontece pela

hortaliças e frutas sem uso de agrotóxicos; servir como

pela cidade, diversas possibilidades de alimentação, disseminam e

palmente com as relações de gentileza e bondade, criando possi-

população organizada pela prefeitura. O conteúdo foi apresentado

atividade física e terapêutica; servir como ferramenta

resgatam tradições alimentares perdidas ou desconhecidas, que

bilidades de das pessoas confiarem umas nas outras, pelo lema do

a partir de estudo da dissertação de mestrado de Ferrateto (2015),

pedagógica nas unidades educacionais; gerar renda com a

são mais sustentáveis. Além dos canteiros que ficam, por exemplo,

projeto “se você precisa disso, é só pegar”, encorajando assim as

que aborda a experiência de AU na cidade e adota como metodo-

comercialização da produção; conscientizar as pessoas para

em todas as escolas, postos policiais, estações de transporte públi-

pessoas a ajudarem a si mesmas.

logia: entrevistas com produtores, coordenadores, representantes

a preservação ambiental das áreas urbanas com recuperação

da prefeitura e empresas.

de áreas degradadas; proteção ambiental com a redução

TIONAL FARMERS UNION, 2015; POLLAIN, 2010).

co e do prédio do corpo de bombeiros, os voluntários organizam eventos e festas disseminando a alimentação de verdade.

Em 1986, a prefeitura de Curitiba criou o programa Lavoura,

da impermeabilização do solo urbano; estimular ações

O projeto conta com 200 voluntários que promoveram em

objetivando possibilitar aos moradores, principalmente os mais ca-

comunitárias e de inclusão social; resgate da cultura rural

2017, com o intuito de disseminar os saberes sobre alternativas

rentes, o acesso aos alimentos. O programa destinava-se principal-

no espaço urbano, aproveitando a experiência agrícola dos

alimentares, as seguintes atividades:

mente à criação de hortas em áreas abaixo de fiações, que vinham

moradores locais.

»»

60 tours pela cidade, mostrando a mais de 1000 pessoas

sendo ocupadas ilegalmente por populações carentes, transforma-

onde comprar alimentos locais;

das em lixões ou em locais de práticas ilícitas (FERRARETO, 2015).

Esses objetivos, que são os mesmos desde a criação do progra-

»»

demonstrações culinárias e degustações gratuitas de receitas

A prefeitura realizou o mapeamento dessas áreas públicas li-

ma, demonstram que o conceito de Segurança Alimentar Nutricio-

com ingredientes locais;

vres. Grande parte correspondia a espaços das empresas Eletrosul

nal (SAN) não estava incluído nas pautas, mas na prática sim, ou

»»

palestras e oficinas;

e Capel abaixo de fiações. O projeto era apresentado à comunidade

seja, previa-se o acesso aos alimentos e ainda educação alimentar

»»

um evento chamado de tenda das famílias agricultoras,

pelos técnicos da SMAB, que realizavam as inscrições. Então, os

(FERRARETO, 2015).

promovendo a aproximação das famílias produtoras com os

espaços eram distribuídos, juntamente com ferramentas, mudas

A maioria dos participantes do programa são idosos aposenta-

consumidores;

e sementes, além da permissão para produção de alimentos no

dos ou desempregados organizados em associações de bairro ou

organização e recepção do Encontro de Segurança

espaço indicado (FERRARETO, 2015).

por lideranças locais, havendo uma produção anual em média de 2

»»

Alimentar do Reino Unido (original: United Kingdom Food

Antes de o programa ser criado pela prefeitura, muitos mora-

Sovereignty Gathering).

dores já produziam nas áreas da Eletrosul e Capel. A prefeitura,

FIGURA 2 Os policiais em frente à estação policial orgulhosos

do desenvolvimento dos vegetais cultivados no local. Fonte: usbeketrica.com. Acesso em 27 de março de 2018.

32

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

mil toneladas de alimento (esse volume já chegou a 5 mil toneladas no início dos anos 2000) (FERRARETO, 2015).

em certos casos, só organizava e distribuía insumos. Optaram pela

As hortas são espaços de produção individuais, os canteiros

distribuição de espaços individuais ao invés de coletivos e conta-

(Figura 3) de tamanho padrão são distribuídos e o cultivador re-

vam com o apoio da empresa de assistência técnica e extensão

cebe o canteiro pronto, ou seja, adubado e com kit de sementes,

Rural e o curso de agronomia da Universidade Federal do Paraná,

mudas e acessórios. Desistências são muito raras, os canteiros va-

que prestava assistência técnica às famílias (FERRARETO, 2015).

gos são resultados de falecimento ou quando o cultivador que ti-

Segundo a prefeitura de Curitiba (apud Ferrareto, 2015, p. 72), os objetivos do programa são:

33

Vicente Gonçalves Gewehr

nha horta como alternativa ao desemprego consegue um trabalho (FERRARETO, 2015).


FIGURA 3 Trecho das Hortas do bairro Tatuquara. Fonte: Ferrareto, 2015.

A produção dos alimentos nas hortas acontece com ausência

“Eu sempre quis plantar, queria morar num sítio... Então, quando

de utilização de pesticidas e herbicidas, resultando em alimentos

vi isso aqui, eu quis. Gosto de mexer com a terra, aqui tem

mais saudáveis aos produtores, sua família e para terceiros que

verdura, tem milho... Minha horta é linda e eu já estou comendo

recebem ou compram esses alimentos (FERRARETO, 2015).

o feijão que plantei” (p. 90).

Com objetivo de mostrar a perspectiva da agricultura urbana através de quem a pratica foram selecionados relatos dos partici-

É perceptível que não são apenas pessoas que vieram do cam-

pantes do programa Lavoura, destacados do trabalho da Ferrareto

po que plantam e, portanto, a AU se apresenta como experiência

(2015, p. 90). As falas desses cultivadores confirmam as múltiplas

urbana e não apenas como uma atividade de resgate do passado.

funções da agricultura urbana anteriormente apresentadas. Quanto ao motivo de querer a horta, o mais retratado é o apego à terra e a prática de plantar seu alimento:

O segundo ponto mais destacado pelos cultivadores em relação ao motivo que os fazem querer as hortas é ter mais alimentos em casa. Alguns citam apenas isso, ou seja, ter mais alimento (acesso) e com isso economizar com as compras em supermercados, ou-

“Eu quis a horta porque acho bom plantar... Mais agora

tros destacam a questão do alimento saudável, dando muita ênfase

como estou com problema no coração e meu marido está

ao fato de serem orgânicos. A seguir as falas que elucidam essa

desempregado é ele que cuida, mas eu ainda venho, nem que

questão:

seja só para ficar olhando” (p. 90). “Eu me interessei em ter a horta para ter economia com gastos “Eu morava na roça e sempre quis ter uma horta na cidade, só

na alimentação” (p. 90).

não tinha espaço, quando vi isso aqui, quis na hora” (p. 90). “Eu me interessei por causa da verdura ser melhor, essa aqui é

Cada bairro que participa do programa Lavoura possui um coor-

está se alimentando de forma diversificada e ainda disponibilizan-

“Eu quis porque está no sangue... Quem trabalhou com roça quer

sem veneno. O gosto é tão diferente, minha filha... Fora que no

denador, eleito pelos próprios cultivadores, responsáveis por con-

do (por meio de vendas ou doações) alimentos para terceiros de-

plantar” (p. 90).

mercado não tem muita variedade” (p. 91).

tatar a prefeitura em situações de emergência, fazer o cadastro de

vido ao grande volume de produção (FERRARETO, 2015). As famílias também realizam uma economia ao produzir seu

É possível perceber nas falas a relação que seus enunciadores

Nas falas destacadas, podemos notar que a questão do acesso

O programa beneficia diretamente 773 pessoas, que cultivam

próprio alimento. Segundo dados disponibilizados pela unidade

ainda mantêm com o campo, com as suas origens e com a atividade

é muito presente e, portanto, o autoconsumo como ferramenta

em uma área total de aproximadamente 670. 000 m² dividida em

de agricultura urbana (apud Ferrareto, 2015), as famílias partici-

da agricultura. Entretanto, a relação com a terra não se dá apenas

de abastecimento se faz muito importante. Esse fator é marcante

762 espaços de produção individuais. Segundo dados apresenta-

pantes do projeto gastam em média 100 reais a menos mensal-

com originados do campo, há casos de pessoas mais jovens que

principalmente para os cultivadores mais novos, que ao contrário

dos pela unidade de agricultura urbana (apud Ferrareto, 2015),

mente nas compras de supermercado, e para os que vendem a

nunca haviam plantado, que aprenderam a criar essa aproxima-

dos mais idosos não possuem uma forte relação com a terra, pre-

cada cultivador produz em média 3 kg de alimento por dia, capazes

renda gira em torno de 300 reais por mês, valor geralmente des-

ção nas hortas, e ainda assim destacam como principal motivo a

valecendo para eles a questão do acesso. Ferrareto (2015) relata

de alimentar cerca de seis pessoas, variando entre 15 e 18 espécies

tinado à compra de outros itens da alimentação não produzidos

relação com a terra.

que a produção da horta abastece a casa do próprio cultivador e

diferentes. Dessa forma, a população, em grande maioria carente,

nas hortas.

novos interessados e realocar canteiros vagos (FERRARETO, 2015).

34

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

35

Vicente Gonçalves Gewehr


também de seus filhos e vizinhos, através das doações. Em média, a

“Eu quis porque tenho problema de saúde e quero viver mais.

horta de um cultivador gera alimentos para dez, até doze pessoas.

Isso é terapia, faço exercício vindo aqui. Eu tenho mal de

seus hábitos alimentares, interferindo inclusive na melhoria da

Eu não vejo a hora de dar cinco horas para eu ir na horta. Se

Parkinson e me exercitando, melhora” (p. 92).

saúde. Abaixo algumas respostas que elucidam isso:

meus filhos vão em casa e eu não estou lá, eles já sabem que eu

Outro ponto bastante destacado é o fato de os produtos serem

No entanto, a grande maioria respondeu que a horta mudou

orgânicos, ou seja, não há nenhum tipo de insumo químico na

“Gosto porque é fisioterapia e terapia também...Entretém a gente.

estou na horta” (p. 93).

produção. Podemos observar nos relatos que o discurso do ali-

“Eu trabalhava, daí fiquei doente e a Ivonete que ajudou abrir

“Mudou muito, para meu marido que era ressecado, melhorou

mento orgânico está muito presente, talvez por ter sido colocado

tudo aqui, me chamou para ajudar ela até eu conseguir um

muito, minha pressão ficou mais regulada, tomava dois

como tema forte pela prefeitura, resultando em sua apropriação

espacinho para mim. Eu estava com depressão e a horta até

comprimidos para pressão alta e agora tomo só um. Como muito

alguns tenham se interessado em ter a horta por indicação médica,

por parte dos cultivadores.

diminuiu minha medicação” (p. 92).

mais verdura depois da horta porque o gosto é diferente” (p. 93).

quando questionado se gostam da atividade, eles afirmam que sim

Outra questão importante de apontar, é que, muito embora

e complementam com algo mais, como ter acesso ao alimento, por

O terceiro ponto mais destacado pelos cultivadores sobre os

exemplo.

motivos que os levam a querer a horta é ter uma atividade. Esta

Outra pergunta do roteiro que pode ser associada à questão da

Outro ponto de destaque é que a inclusão das verduras na die-

pode ter caráter físico, já que muitos alegam não quererem estag-

saúde era: “você mudou seus hábitos alimentares depois da hor-

ta, fez com que deixassem ou diminuíssem o consumo de carne,

nação doméstica, e também ter caráter emocional já que muitos

ta?” Muito embora alguns cultivadores tenham respondido que

ou ainda que o consumo de verduras tenha passado a se dar em

"Agora acostumei e gosto de vir, ver o alimento crescer. É lindo”

dizem que ter essa atividade os relaxa e acalma, não raro sendo

não, pois sempre comeram muita verdura, alguns deles reconhe-

grande quantidade. Os entrevistadores passaram a considerá-las

(p. 94).

utilizada a palavra “terapia”. Outros ainda veem essa atividade

ceram que agora a alimentação estava melhor pelo fato de estarem

como comida o que não faziam antes, quando o consumo era res-

como uma opção de lazer, ou seja, a horta como um espaço onde

ingerindo produtos orgânicos ou por estarem fazendo uma dieta

trito a uma ou duas espécies.

podem fazer amigos e conversar. Dessa forma, pode-se destacar

mais diversificada.

“Gosto de tudo. Ajudei abrir valeta e tudo. Gosto de ajudar, me sentir parte, eu me envolvo mesmo e assim me sinto dona de

que, sendo a maioria dos cultivadores aposentados, os trabalhos

“Sim, muito bastante. Agora como muito mais verdura, às vezes

fato. Eu estou sempre envolvida, ajudo a coordenadora no que

na horta os fazem, por fim, se sentir “úteis”. Abaixo algumas das

“Não mudou não, sempre comi muita verdura, só que agora está

nem como comida, só verdura. Escarola mesmo, eu como uma

precisa. É comunitária, né!! então acho que todos devem cuidar

respostas que elucidam essa questão:

mais acessível e tem mais variedades. Tem verdura aqui que a

bacia. Agora é almoço e jantar salada, e antes eu comia bem

e ajudar também, não ficar só na mão dela. Eu doo bastante

gente nem acha no mercado. Lá só tem alface, repolho. Aqui tem

pouca. Agora faço salada americana, misturo tudo, todas as

para a creche as mudas que sobram. Antes eu dava as verduras,

almeirão, escarola, abobrinha, até morango plantamos” (p. 92).

folhas” (p. 93).

agora dou as mudas para que eles mesmos plantem com os

“Eu quis para ter alguma coisa para fazer, isso é terapia para minha cabeça, venho aqui para não matar meu marido” (p. 91).

alunos, porque tem espaço na escola para isso” (p. 94).

Outro ponto importante diz respeito aos hábitos de alguns que,

“Como mais e também estudo sobre os alimentos. Tem alguns

“Para mim o principal motivo foi para o stress, a horta descansa

embora não tenham mudado, reconhecem que para os familiares

que eu não comia e agora que eu sei que faz bem e para o que

a mente e também para bater papo, fazer amizade” (p. 91).

mudaram, inclusive para as crianças:

ele é bom, eu como” (p. 93).

Como última questão do roteiro foi perguntando aos cultivadores se a horta havia mudado algo em suas vidas para além do que já haviam dito. As respostas mais marcantes foram:

O quarto motivo mais citado pelos cultivadores, sobre o por-

Uma das perguntas do roteiro era: “você gosta de trabalhar na

“A minha alimentação continua a mesma, mas para o resto da

quê de eles quererem as hortas, é a questão da saúde. Alguns, in-

família mudou sim. Eles comiam pouca verdura e, quando

horta? por quê?”. Aqui, a maioria dos cultivadores citaram nova-

“Mudou toda a minha vida. Se eu tivesse parado estava morto já.

clusive, mencionam que, com o trabalho nas hortas e com a inges-

comiam, era só alface, agora tem opções” (p. 92).

mente a palavra “terapia”:

Eu vivia doente e hoje não tenho dor, não tomo remédio e até

tão de mais verduras, os medicamentos foram diminuídos. Abaixo

ando de bicicleta”.

algumas das respostas referentes a essa questão: 36

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

37

Vicente Gonçalves Gewehr


“Agora parece que tenho mais ânimo e saúde. Ainda mais depois

Também é possível concluir que a AU praticada nestes bairros

grandes terrenos, estes localizados principalmente na esfera pe-

2.5.2 Pomar Urbano

da operação do útero, muita gente me ajudou, fiz muita amizade.

caracteriza um circuito curto de produção-consumo e apresen-

riurbana. As hortas também acontecem em espaços públicos da

A palavra pomar vem do latim pomum que significa fruta e com-

O povo aqui é muito unido, é bonito, sabe.... A família também

tam-se em outra lógica de abastecimento e consumo, porque inse-

cidade, como parques e espaços residuais urbanos, sendo exem-

preende um terreno dotado de árvores frutíferas localizado em

fica orgulhosa da gente em ver a horta tão bonita. Eu estou até

rem na alimentação dos envolvidos produtos frescos em diversida-

plos canteiros e terrenos baldios. Como não possuem delimita-

área urbana. A presença de pomares urbanos e verifica em muitas

famosa no tal do face...Tem foto minha lá com meus repolhos”.

de, quantidade e em qualidade, apresentando-se como uma prática

ção de tamanho, a aplicação em diversas escalas é possível assim

cidades na implantação de árvore frutíferas em proximidade (Fi-

que pode ser inserida em qualquer cidade e que promove muitas

como uma diversidade de design. Muitas não recebem projeto de

gura 4). Como em Brasília, que das 5 milhões de árvores planta-

melhoras sociais econômicas e ambientais.

implantação, os canteiros caracterizam-se como amontoados de

das, tem 2 milhões são frutíferas (FARIAS, 2016).

A partir da compreensão dos relatos expostos pelos cultivadores de Curitiba, ficam claras as potencialidades da AU e como essa

2.5

prática pode trazer diversas melhorias à população. A prática pode

terra, tendo assim a produção como foco, todavia as hortas também podem receber uma preocupação estética associada à funcio-

REPERTÓRIO DE AGRICULTURA URBANA

nalidade, explorando materiais distintos, recipientes e combinação

ção. Da mesma forma, a agricultura urbana promove a educação

Após o entendimento das múltiplas vantagens da inserção da AU

educativas são aplicadas em escolas e proporcionam educação

alimentar e resulta em um aumento do consumo de vegetais mais

nas cidades foi desenvolvido um repertório de possibilidades de

alimentar, ambiental e conhecimento a respeito do crescimento

diversificados e sem agrotóxico.

aplicações da agricultura, que fosse adequado à realidade da área

e desenvolvimento de vegetais. A produção das hortas também

promover o abastecimento alimentar das pessoas envolvidas assim como dos seus vizinhos e parentes. Consegue promover o acesso aos alimentos mais saudáveis e diversificados para os moradores dos bairros carentes, seja pelo autoconsumo ou por doações. Além de promover a redução dos custos da população com alimenta-

de espécies. Hortas urbanas também possuem uma variedade de objetivos, podendo ser um espaço que pode garantir a segurança alimentar, educativo, recreacional e de interação urbana. Muitas hortas

As práticas da agricultura urbana funcionam como atividade

de inserção do Agroparque. Esses espaços produtores de alimen-

é variável. A autora Florios relata o caso da família Dervaes que

física e terapêutica e também fortalecem os laços de amizade e

tos são horta urbana, pomar urbano, jardim PANC, floresta de

possui uma produção anual de 7,29 kg/ m² no quintal da sua re-

convívio social. Os relatos de melhorias em casos de depressão

bolso e sistemas agroflorestais urbanos e serão expostos em se-

sidência , valor muito superior, por exemplo, quando comparado

e ansiedade mostram como promovem o bem estar social. A AU

guida.

à produção monocultora de milho que produz 0,32 kg/m² de ali-

gera renda com a comercialização da produção e conscientiza a população quanto à preservação ambiental das áreas urbanas. Da

2.5.1 Horta

mesma forma as atividades de produção de alimentos promovem

Espaço de aplicação da agricultura urbana mais usual por sua

inclusão social através do convívio nas hortas e fortalecem os laços

versatilidade e multifuncionalidade. Do latim hortus, horta é um

de amizade. Da mesma maneira que promove um resgate da cul-

lugar onde se cultivam hortaliças e legumes. A existência de hor-

tura rural no espaço urbano, os cultivadores possuem um modo

tas urbanas pode acontecer em diversas situações com diferentes

de vida rural que se adaptou ao modo de vida urbano, inclusive

objetivos. Variam quanto ao local de implantação, tamanho, pro-

adaptando os seus conhecimentos agrícolas. O programa mostra

jeto, produção de alimentos, espaço de aprendizado, entre outros.

que a dicotomia campo-cidade fica cada vez menos marcante nos espaços urbanos. 38

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

mento (EMBRAPA, 2017).

FIGURA 4 Avenida das jaqueiras em Brasília, 2016, constituindo assim um

pomar urbano. Fonte: http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/cidadepomar-brasilia-tem-cerca-de-900-mil-arvores-frutiferas-em-area-publica/

A versatilidade das hortas pode ser percebida pelo local de cultivo variável em espaços privados, como pequenos quintais ou 39

Vicente Gonçalves Gewehr


2.5.3 Jardim PANC

2.5.4 Floresta de Bolso

2.5.5 Sistemas Agroflorestais Urbanos

PANC significa Plantas Alimentícias Não Convencionais, categoria

veitamento depende de diversos fatores como aproveitamento da

Floresta de bolso é uma técnica de restauração da mata atlântica

O Ministério do Meio Ambiente, por meio da Instrução Normati-

que se deve ao seu desconhecimento pela maioria da população.

matéria prima (de produção, cultivo, manejo ou extrativismo),

desenvolvida pelo paisagista Ricardo Cadim, baseada no plantio

va nº 05 de 2009, define Sistema Agroflorestal (SAF) como:

Plantas as quais são nativas no Brasil e têm o seu uso muitas vezes

tecnologia de aproveitamento (criação de derivados e processados

de espécies originais do bioma de acordo com a dinâmica original

negligenciado. Frequentemente, por ocorrerem entre as plantas

destas plantas) e mercado consumidor. Esse potencial permanece

das florestas, exemplificado na Figura 6. Com tamanho adaptado

Sistemas de uso e ocupação do solo em que plantas lenhosas

cultivadas, são denominadas ‘daninhas’, ‘invasoras’, ‘matos’ e ‘in-

ainda subutilizado e muitas vezes desconhecido em razão dos pa-

à dinâmica das cidades, a aplicação é possível em áreas a partir

perenes são manejadas em associação com plantas herbáceas,

festantes’. No entanto, muitas dessas espécies massacradas pelo

drões culturais fortemente arraigados que privilegiam produtos e

de 15m² e tem como objetivo a restauração da biodiversidade ori-

arbustivas, arbóreas, culturas agrícolas, forrageiras em uma

pisoteamento, enxadas e herbicidas são importantes espécies ali-

cultivos exóticos.

ginal, inclusive oferecendo um ambiente favorável à fauna e pos-

mesma unidade de manejo, de acordo com arranjo espacial e

sibilitando o contato da população ao patrimônio nativo e suas

temporal, com alta diversidade de espécies e interações entre

formas, texturas e sabores resgatando a biodiversidade original

estes componentes;

mentícias, que podem garantir a segurança alimentar e são fontes

Os jardins PANC são espaços que utilizam as PANC como ins-

de alimentos nutritivos e possibilitam diversos usos culinários (KI-

trumentos agregadores de valor estético, volumes e formas, maxi-

NUPP e LORENZI, 2017).

mizando a multifuncionalidade de espaços de agricultura urbana,

Segundo Kinupp e Lorenzi (2017), vivemos em uma sociedade

tornando os espaços mais atrativos à população e aos animais e

de analfabetos botânicos que não conseguem ler o que nos rodeia

ampliando as possibilidades paisagísticas, ainda promovendo uma

e assim não usamos dos benefícios que as plantas poderiam acres-

produção de alimentos urbana. Esses jardins podem inserir uma

centar à nossa rotina corriqueira e básica do dia a dia, sendo as

maior diversidade de cores, texturas diversificadas, árvores colo-

PANC uma viável alternativa à alimentação atual: muito básica, ex-

ridas, cactos, flores, palmeiras e coqueiros.

tremamente homogênea, monótona, pouco nutritiva e globalizada. Muitas PANC também são espécies convencionais, entretanto

FIGURA 5 Nesta imagem,

vemos a PANC de nome popular jasmimmanga (Plumeria rubra) amplamente utilizada no paisagismo das cidades que possui as suas flores comestíveis, exemplificando uma das diversas possibilidades de uso das PANC.

no cotidiano. Tais sistemas se destacam pela produção de alimentos que simula a dinâmica de uma floresta: para Götsch (2002), a sucessão das espécies é uma das forças motrizes da vida no planeta. Nos SAF’s, em um primeiro momento, espécies pioneiras ocupam clareiras na mata, em um segundo momento, são substituídas por espécies secundárias e, por fim, em um terceiro momento, o sistema entra em um equilíbrio com a dominância de espécies primárias.

possuem partes, porções ou produtos alimentícios não convencio-

Em Sistemas Agroflorestais, essa sequência é imitada, promoven-

nais, por exemplo, a bananeira e o mamoeiro presentes em quase

do e acelerando a sucessão natural, cultivando plantas de ciclo

todos os estados brasileiros. Da bananeira é possível a utilização

curto, médio e longo, pensando desde o início as espécies do futu-

do coração e do palmito e, do mamoeiro, a utilização da medula,

ro. Garantindo uma colheita diversificada ao mesmo tempo mais

dos frutos verdes, sementes e flores é viável. Esse conhecimento

atrativa para a fauna pela biodiversidade presente. O manejo do sistema pode ser realizado na sombra, por meio

possui também uma viabilidade econômica: no caso do mamoeiro, as grandes culturas após o ciclo economicamente viável, em vez de descartados, os pés poderiam ser cortados, manipulados e processados em doces em calda, farinha ou adicionados à outros doces.

das podas seletivas, para possibilitar o desenvolvimento de plantas FIGURA 6 Implantação de uma floresta de bolso no Parque Cândido Portinari

em São Paulo. Acervo pessoal.

novas e adquirir biomassa de determinadas espécies. Tal biomassa é espalhada nos arredores de onde foi retirada e é utilizada

As PANC variam de espécies extremamente conhecidas a espé-

como serapilheira, ação fundamental na fertilização do solo e na

cies totalmente desconhecidas e totalizam mais de 3.000 espécies

manutenção do mesmo sempre fértil, mostrando-se um sistema

de plantas com potencial alimentício. Também possuem um po-

muito eficiente na recuperação de solos inférteis. As raízes da

tencial de aproveitamento muito grande. Infelizmente, o seu apro-

diversidade de espécies presentes nos SAF’s espalham-se no solo

40

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

41

Vicente Gonçalves Gewehr


de maneira diversificada envolvendo um maior volume de solo,

III – a limitação do uso de insumos agroquímicos, priorizando-se

Todavia, a implantação de SAF’s em APP’s e corredores ecológi-

quando comparado à monocultura, sendo muito viável também

o uso de adubação verde;

cos se mostra muito apropriada por conciliar a preservação de

na recuperação de solos degradados pela erosão 3.

IV – a não utilização e controle de espécies ruderais e exóticas

áreas verdes urbanas e dos corredores ecológicos com a produ-

invasoras;

ção alimentar (KABASHIBA et al., 2009).

Desde 2011, o CONAMA, por meio da Resolução nº 429 permi-

A sua inserção em contexto urbano pode gerar certa estranhe-

te que as atividades de manejo agroflorestal sustentável (SAFs),

V – a restrição do uso da área para pastejo de animais

praticadas na pequena propriedade ou posse rural familiar, sejam

domésticos, ressalvado o disposto no art. 11 da Resolução

za quanto à sua estética para aqueles que não estão culturalmente

aplicadas na recuperação de APPs. Sendo as três metodologias to-

CONAMA Nº 369/06;

acostumados com esse tipo de sistema, mas sempre que possí-

leradas:

VI – a consorciação com espécies agrícolas de cultivos anuais;

vel, pode-se considerar cuidados paisagísticos principalmente em

VII – a consorciação de espécies perenes, nativas ou exóticas

áreas intensamente urbanizadas

I - condução da regeneração natural de espécies nativas;

não invasoras, destinadas à produção e coleta de produtos

Segundo o Manual agroflorestal para a Mata Atlântica de

II - plantio de espécies nativas; e

não madeireiros, como por exemplo fibras, folhas, frutos ou

2007, a distribuição das espécies em SAF’s pode acontecer de di-

III - plantio de espécies nativas conjugado com a condução da

sementes;

versificadas maneiras 4. Iremos destacar a distribuição espacial em

regeneração natural de espécies nativas”

VIII – a manutenção das mudas estabelecidas, plantadas e/

faixas pelo fato de ter sido utilizada na concepção do projeto: é a

ou germinadas, mediante coroamento, controle de fatores de

implantação de espécies por faixas com cultivos de ciclo curto ou

perturbação como espécies competidoras, insetos, fogo ou

cultivos de baixo porte, entre as quais estão dispostas faixas de

outros e cercamento ou isolamento da área, quando necessário”.

espécies de porte mais alto como espécies florestais altas; fruteiras

E no capítulo IV o código florestal estabelece requisitos para a inserção de SAF’s em APP’s:

perenes e espécies de porte bastante alto. “Art. 6º As atividades de manejo agroflorestal sustentável

Além disso a Lei 12.651 de maio de 2012 menciona algumas me-

praticadas na pequena propriedade ou posse rural familiar,

todologias possíveis de serem usadas na recuperação de APPs con-

conforme previsto no Código Florestal, poderão ser aplicadas na

solidadas a saber: o plantio de espécies nativas e/ou a condução

recuperação de APPs, desde que observados:

de regeneração natural de espécies nativas e o plantio intercalado

I – o preparo do solo e controle da erosão quando necessário;

de espécies lenhosas, perenes ou de ciclo longo. Tolera também a

II – a recomposição e manutenção da fisionomia vegetal nativa,

inserção de espécies exóticas com nativas de ocorrência regional,

FIGURA 7

mantendo permanentemente a cobertura do solo;

em até 50% da área total a ser recomposta.

Esquema de SAF com a distribuição espacial em faixas (Manual agroflorestal para a Mata Atlântica, 2007).

2.5.1.1 Agrofloresta na esfera urbana 3  É sugerido aos leitores mais interessados no entendimento sobre os Sistemas Agroflorestais a leitura do trabalho chamado de Sistemas agroflorestais em espaços protegidos dos autores CALDEIRA P., CHAVES produzido pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo em 2011. Disponível em: http:// www.sigam.ambiente.sp.gov.br/sigam3/Repositorio/222/Documentos/SAF_ Digital_2011.pdf. Acesso em 09 dez. 2017.

42

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

As áreas centrais geralmente são bastante urbanizadas e com poucos espaços não edificados, além dos terrenos muito valorizados, caracterizando um ambiente pouco favorável à implantação de SAF’s. Desse modo, a implantação desses sistemas é muitas vezes mais apropriada na esfera periurbana da cidade.

4  Para a compreensão de todas as maneiras de distribuição dos SAF se recomenda a leitura da Apostila Sistemas Agroflorestais, dos autores NARDELE, M., CONDE I. 2010. Disponível em: https://biowit.files.wordpress.com/2010/11/ apostila-agroflorest.pdf. Acesso em 09 de abril de 2018

43

Vicente Gonçalves Gewehr

FIGURA 8 Como exemplo de Sistema agroflorestal urbano, temos o Parque Ecológico Sitiê, o qual surgiu pela transformação de um lixão pelos moradores. Passaram 6 anos retirando 16 toneladas de resíduos do local e viram na implementação de vegetação uma forma de conter o depósito de resíduos. Então passaram a praticar a agricultura urbana e a criar infraestrutura como escadas e taludes nos 8,5mil m² de área. Em 2012 o parque do Sitiê foi reconhecido como a primeira agrofloresta do Rio de Janeiro pela Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal. Fonte: http://misturaurbana.com/2016/02/ moradores-de-favela-alto-vidigal-rj-transformam-deposito-de-lixo-em-parqueecologico/. Acesso em 14/06/2018.


PARQUES URBANOS

2.6

O autor Jan Gehl entende parques como instrumentos que

promovem transformações sociais positivas, por exemplo, com

dor unificador. Interligando os espaços do parque ao eixo central

possibilitam a permanência em áreas públicas e são responsáveis

uma política de saúde pública eficaz, de modo a reduzir a pre-

foram dispostos caminhos secundários (perceptível na Figura 10).

por aumentar as relações sociais entre as pessoas. O autor diz que

valência de sedentários, a aumentar os níveis de atividade física

O primeiro setor inclui instalações esportivas, como pista de

cidades vivas devem proporcionar espaços públicos de qualidade,

e, por consequência, melhorar a qualidade de vida da população

skate, dez quadras (oito poliesportivas e duas de tênis), áreas de

onde as pessoas se desloquem a pé ou de bicicleta, criando nos

(STOKOLS, 1992; SALLIS et al., 2006).

descanso vestiário e pista para caminhada.

Esta seção trata da importância de parques urbanos, o papel des-

bairros mais oportunidades de convívio e caminhos onde as pes-

Cassou (2009) realizou um estudo que mostrou associação

O segundo, denominado Parque Central, possui 95 mil m² que

tes espaços na dinâmica das cidades e as características que ga-

soas se desloquem mais lentamente e se envolvam com o entorno.

entre a frequência de usuários de parques e praças e a qualidade

incluem um conjunto de atrativos para os visitantes na imensa área

Jane Jacobs em Morte e Vida das Grandes Cidades (2011) cita al-

do ambiente. Na medida em que o potencial de qualidade do am-

verde com alamedas, jardins, bosques e árvores frutíferas. As pas-

Segundo Cavaleiro (1992), os parques são compreendidos por

guns motivos que podem fazer um parque populoso ou não. A au-

biente aumenta, maior é proporção de mulheres, pessoas mais ve-

sarelas do tempo do antigo presídio foram preservadas e funcio-

áreas verdes com mais de 100.000 m² destinados ao lazer ativo

tora mostra que a localização e a maneira que esses espaços se rela-

lhas e frequência de utilização. A respeito dos motivos para o uso:

nam como atração aos usuários.

ou passivo, à preservação da flora e da fauna ou dos atributos

cionam com a vizinhança são fundamentais, ao mesmo tempo, um

a maioria dos usuários de parques indicou ser a beleza e presença

O terceiro setor inclui os prédios institucionais e se encontra

naturais que possam caracterizar a unidade de paisagem na qual

entorno com usos variados possui usuários entrando e saindo em

de estacionamento os fatores essenciais, todavia a localização do

próximo à estação de metrô Carandiru facilitando o acesso da po-

o espaço está inserido, bem como promover a melhoria das con-

distintos horários do dia, contribuindo para a utilização do espaço.

parque, beleza geográfica e das estruturas, pista de caminhada/

pulação da Capital.

dições de conforto ambiental nas cidades. Quanto à preservação

Cavalheiro (1992) aponta que para garantir o sucesso de uti-

corrida, estacionamentos, comportamento dos usuários, apoio/

da flora, Scanavaca (2012) diz que com a inserção de áreas verdes

lização dessas áreas públicas os espaços nos parques de uso in-

incentivo dos amigos e a regulamentação do trânsito nos arredo-

os parques podem promover a recuperação de ambientes degra-

tensivo devem possuir uma variedade de atividades, como esta-

res foram percebidos como fatores de estímulo, independente das

dados, e em relação à fauna no meio urbano, mostra que as aves e

cionamentos, áreas de esportes, restaurantes, museus, áreas para

pessoas praticarem ou não atividade física regularmente.

abelhas em geral dependem da arborização para sobrevivência. O

espetáculos culturais, entre outros. Enquanto os espaços de uso

A seguir serão apresentados dois projetos que serviram de

autor conclui dizendo que a existência desses espaços possibilita a

semi-intensivo devem possuir áreas para piqueniques, passeios,

referência projetual. O primeiro é o Parque da Juventude em São

vida desses animais e consequentemente promove uma melhoria

caminhadas, trilhas, apresentando-se como espaços de menor in-

Paulo e o segundo é o Jardin del Turia, na cidade de Valência, na

na qualidade do ar.

terferência humana.

Espanha.

rantem o sucesso dessas extensões.

Martins e Araújo (2014) apontam que os parques também

Corti et al. (1997 apud Szeremeta e Zannin), mencionam que os

possuem funções estéticas e sociais. A função estética aconte-

parques provavelmente estimulariam a atividade física por fatores

2.6.1 Parque da juventude - São Paulo Brasil

ce principalmente pela exuberância das espécies vegetais e pela

relacionados à motivação, uma vez que as pessoas estariam mais

O Parque da Juventude (Figura 9) foi criado no lugar da peniten-

harmonização das distintas construções nas cidades realizada pe-

satisfeitas com os caminhos compostos de vegetação arbórea do

ciária Carandiru após sua desativação. Ele mudou a paisagem da

los espaços propostos. A função social é a democratização dos

que com os espaços vazios. Sendo necessária a presença de uma

Zona Norte de São Paulo, criando um marco cultural e de lazer,

espaços públicos destinados ao lazer e à recreação, melhoras na

infra-estrutura apropriada, programação de atividades, ambientes

renovando a paisagem urbana metropolitana da cidade.

qualidade de vida da população com benefícios físicos, aumento

agradáveis, salubres e facilidade de acesso, entre outros, para que

O projeto do parque foi feito pela arquiteta Rosa Kliass e com-

das interações sociais experiências psicológicas relevantes para a

com isso as pessoas se sintam atraídas e motivadas a frequentar

preende 240 mil m², espaço dividido em três setores: Parque Es-

melhoria da saúde mental.

tais localidades. Esses ambientes com qualidades sócio-ecológicas

portivo, Central e Institucional, extensões organizadas por uma alameda central de pedestres que funciona como eixo estrutura-

44

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

45

Vicente Gonçalves Gewehr

FIGURA 9 Imagem das

antigas passarelas de vigia. Fonte: https://www. archdaily.com.br/br/763644/ arquitetas-invisiveisapresentam-48-mulheresna-arquitetura-paisagismo/ 55007abae58ecee4f10000e7. Aceso em 14/06/2018


de zoo-imersão que leva os visitantes ao habitat dos animais e

FIGURA 12

Interação entre pessoas e animais no Bioparc y Parque de Cabecera >>

não o contrário, como acontece comumente. Podemos entender a Implantação definitiva A. Parque Esportivo B Parque Central C. Parque Institucional D. Área de preservação permanente E. Muralha

ambiência do espaço na Figura 12. Outro espaço marcado pelo conceito de criar um complexo de lazer científico, tecnológico e cultural é a Cidade das Artes e das Ciências, composta por edifícios coerentes com a temática. Como exemplo, destacam-se o Cinema 3D (nome original: El Hemisferic) e o museu de ciência (nome original: Museo de las Ciencias Príncipe Felipe). Assim como a arquitetura destas edificações dialogam a proposta conceitual da área.

FIGURA 10 Esquema de implantação e planta do parque, sem escala. A

figura possibilita observar o grande eixo que conecta todas as áreas do parque. Fonte: https://teoriacritica13ufu.wordpress.com/page/2/. Aceso em 14/06/2018.

El Hemisfèric FIGURA 11 Vista aérea do Jardin del

VISTA

2.6.2 Espaços livres públicos de Valência

reproduzindo o antigo leito do rio Turia, que foi desviado para

O Jardin del Turia (Figura 11) é um dos grandes parques naturais

evitar as contínuas inundações que a cidade sofreu.

urbanos da Espanha, um espaço verde de mais de nove quilôme-

Existem espaços distribuídos ao longo do Jardin del Turia que se

tros transitáveis que ​​ atravessa a cidade com áreas recreativas, es-

destacam por uma releitura e inovação de espaços convencionais

portivas, edificações com atrações distintas e espaços de perma-

como o Bioparc y Parque de Cabecera. Essa zona é uma releitura

nência variados. Esse parque, inaugurado em 1986, foi construído

dos tradicionais Zoológicos, baseada na implantação do conceito

46

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

47

Vicente Gonçalves Gewehr

VISTA

Turia, destaque para Hemisferic e Museo <<

Museo de las Ciencias Príncipe Felipe


O PRO JETO


a produção de alimentos o estar o lazer o permanecer a recreação a contemplação o exercício físico a educação alimentar a interação entre a comunidade o acesso à alimentos mais sustentáveis o contato e experimentação da produção de alimentos.

51

Vicente Gonçalves Gewehr


O presente projeto, idealizado para o bairro de Goiabeiras, se trata de um Agroparque. Essa categoria de parque foi desenvolvida neste trabalho e é definida como um espaço produtor de alimentos, recreativo e educacional, que visa, além do lazer, transformar a relação das pessoas com a alimentação. O espaço escolhido para o projeto foi uma área ociosa de 330.000 m², destacada em vermelho na Figura 13, entre uma via arterial e o manguezal, próximo ao aeroporto de Vitória e à Universidade Federal do Espírito Santo. A via denominada Fernando Ferrari é uma das principais da Região Metropolitana de Vitória, representando uma importante ligação entre Vitória e o município da Serra. ra r

i

Goiabeiras e os bairros do entorno são áreas de

Fe r

população economicamente desfavorecida e com

local busca proporcionar aos moradores da área os benefícios da agricultura urbana (abastecimento alimentar, auxílio na SAN, desenvolvimento da

nd na

AEROPORTO

Av .F er

xos. Dessa maneira, a inserção do Agroparque no

o

espaços livres públicos pouco utilizados e descone-

UFES

economia local, melhora no meio ambiente, maior convívio social entre outros), assim como também visa a democratizar o acesso ao espaço público de qualidade em bairros carentes e, ao mesmo tempo, atender a população da Região Metropolitana. A Figura de número 13 destaca em vermelho a localização da área de projeto em Vitória e nos bairros de Goiabeiras e entorno, sendo possível notar quão significativas são as proporções da área em Vitória.

52

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

53

Vicente Gonçalves Gewehr

FIGURA 13 Posicionamento da área projetual na cidade de Vitória e ampliação do entorno, estando a área do projeto destacada em vermelho em ambas. Fonte: adaptado de googleearth. com.


3.1

VENTO DOMINANTE

MARIA ORTIZ

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA

O bairro de Goiabeiras está localizado na zona continental de Vi-

JABOUR

tória, ao norte da cidade. Segundo o IBGE (2002), possui clima tropical super úmido, vento predominante nordeste e relevo plaÁR

no, com exceção da elevação no interior do bairro, denominada I LIM

de Morro do Sales (destacados na Figura 14). É cortado pelas via

DE

DA N Ç Ã E RV TE IN

TE

veis por proporcionar ruídos oriundos do tráfego automobilístico

O

VER

possui uma conexão direta com diversas vias gerando assim mui-

ET

MORRO DO SALES

nordeste e norte. Ao oeste, a presença do manguezal proporciona

MULTIVIX

RR

AR

I

o visual característico e, ocasionalmente, odor peculiar. Esse ecos-

AN FE

RN

No morro do Sales existe uma área classificada como reserID

A

va ecológica pela Prefeitura Municipal de Vitória (PMV), que é

Existe uma predominância de área com solo descoberto, esta com

BAIRRO REPÚBLICA

AV

EN

uma mata de tabuleiro preservada. Do alto, há ampla visualização

exuberância da preservação do manguezal e do Rio Santa Maria.

FIGURA 14

vegetação de crescimento espontâneo.

MORADA DE CAMBURI UFES

Ao redor da área de intervenção, existem quatro áreas de espaços livres públicos e três grandes empreendimentos se destacam

LEGENDAS

pelas grandes proporções, sendo eles a VIX Transportadora, a Uni-

Acessos

versidade Multivix e a subestação de energia.

Mangue Áreas de Lazer

54

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

A ocupação foi acontecendo de maneira desacelerada nos anos

gião ao redor do bairro ao norte da Avenida Fernando Ferrari são

iniciais, e o primeiro registro do número de moradores é de 1950,

áreas classificadas pela PMV (2010) como bairros com baixo ren-

quando o bairro contava com 642 habitantes (A TRIBUNA, 2010).

dimento nominal médio mensal e elevada densidade habitacional.

Área com predominância de solo descoberto Mata de tabuleiro

Ruídos Via arterial Via coletora

Segundo Vieira (2015), com a ocorrência da Segunda Guerra Mundial, o campo de aviação, existente desde 1930, é adaptado para receber aviões de porte maior. A inauguração do Aeroporto Eurico Salles, em 1946, foi o primeiro empreendimento que possi-

Como método para o desenvolvimento desta subseção foram uti-

bilitou a expansão do bairro, pois a estrada que ligava o aeroporto

lizadas reportagens históricas, sendo assim possível entender mu-

ao centro urbano passou a ter maior fluxo. Na década de 1950 a

danças importantes no bairro e compreendê-las pelo ângulo dos

instalação de empreendimentos ao norte da cidade como a Univer-

habitantes da área.

sidade Federal do Espírito Santo e o Porto de Tubarão influenciou

Segundo o jornal A Tribuna, de 2010, a ocupação do atual bairro

nos anos posteriores a construção de conjuntos habitacionais na

de Goiabeiras iniciou-se na década de 1930. Era uma vila carac-

região da Grande Goiabeiras entregues pela COHAB-ES originando

terizada pela aglomeração de casas de pau a pique e barro em

os bairros Antônio Honório, Sólon Borges e Bairro República.

de gado.

DO

área, funcionar como uma barreira física.

Características da área. Fonte: googleearth. com (adaptado).

pela grande quantidade de árvores homônimas presente na região.

ras, Antônio Honório, Segurança do Lar e Maria Ortiz. Toda a re-

uma baixada cercada por manguezais, mata atlântica e fazendas

FE

sistema deve ser preservado pelo seu valor ambiental, além de, na

município vizinho, e da baía noroeste de Vitória, marcada pela

centrações populacionais compreendidas pelos bairros: Goiabei-

V LO

tas possibilidades de acessos, distribuídos ao sul, sudeste, leste,

da marcante elevação denominada Mestre Álvaro, localizada no

SEGURANÇA DO LAR

INO AN

A área de intervenção, contornada em vermelho na Figura 14,

Tribuna em 2010 dizem que o bairro foi batizado como Goiabeiras

3.1.1 Aspectos urbanos, de evolução urbana, sociais e culturais

NID

SUBESTAÇÃO DE ENERGIA

e também dos principais acessos.

ANTÔNIO HONORÁRIO

VIX TRANSPORTADORA

AV E

arterial Fernando Ferrari e coletora Jerônimo Vervloet, responsá-

EA

Ao leste e ao sul da área de intervenção estão as maiores con-

A partir da década de 1970, com o aumento da industrialização com a instalação do Parque Industrial de Carapina e, consequen-

Segundo relato dos moradores para o jornal A Tribuna (2010),

temente, o aumento populacional devido ao êxodo rural, surgiram

os primeiros habitantes do local tinham uma vida autossuficiente

zonas de ocupação irregulares na Grande Goiabeiras caracteriza-

em relação à produção de alimentos e pouco conectada com o cen-

das pela instalação de barracos e palafitas sobre uma área original-

tro da cidade. Nas décadas de 1940 e 1950, para acessar o centro

mente de mangue, todavia, sujeitada ao depósito de resíduos da

da cidade, era necessário andar mais de três quilômetros a pé até

prefeitura. Sobre essa área de “lixão” acontecia a inserção das habi-

chegar ao bairro Santa Lúcia, onde era possível pegar o bonde. A

tações. É perceptível a partir da comparação entre as Figuras 15 e

escola mais próxima era a Irmã Maria Horta, localizada na Praia do

16, a rápida ocupação dos arredores da área destacada (PMV, 2017).

Canto, e os moradores de Goiabeiras sobreviviam da pesca artesa-

Entre as décadas de 1980 e 1990, visando conter a ocupação do

nal de peixes e mariscos, gado leiteiro, frutas tropicais, silvestres,

bairro sobre o manguezal promovendo assim a proteção ambien-

verduras e legumes oriundos da agricultura de subsistência e da

tal, a prefeitura criou a via de contorno no mangue e, em 1997, o

tradicional produção artesanal da panela de barro.

morro do Salles foi transformado na Reserva Ecológica Municipal

O bairro foi fundado em 1944, ao ser desmembrado do município da Serra. Os moradores mais antigos, em entrevista ao jornal A 55

Vicente Gonçalves Gewehr

Mata de Goiabeiras, visando à preservação da mata nativa na região (PMV, 2017).


Segundo o jornal A Tribuna (2010), em 2003, uma valorização em 30% no valor dos imóveis no bairro foi perceptível, devido à

lar sobre um “lixão”, e Goiabeiras foi parcelada a partir de terrenos

instalação da faculdade brasileira Univix (atualmente Multivix), ao

O espaço da proposição prática deste trabalho compreende

projeto da ampliação do aeroporto e às obras na Avenida Fernan-

áreas livres ou subutilizadas ideais para a inserção dos espaços

do Ferrari. A Multivix começou a funcionar no bairro em 2002 e

lúdicos e de produção de alimentos. O terreno se divide em três

estimulou sua ocupação por moradores de classe média. O aero-

núcleos de acordo com o PDU de Vitória: áreas inseridas na zona

porto Eurico Salles passa a tomar dimensões cada vez maiores e

de parque tecnológico (ZPT), áreas inseridas na zona de proteção

receber projetos de ampliação. A Avenida Fernando Ferrari, por

ambiental 1 e 2 (ZPA 1 e ZPA 2), identificados na Figura 18.

sua vez, concentrava comércios que eram voltados à avenida e não ao interior do bairro. sível entender uma evolução da ocupação marcada pela inexistên-

nológica com objetivo de preservar o meio ambiente e paisagens. A

cia de edificações na área da intervenção. Muitos vazios urbanos

zona localizada em ZPA 2 compreende espaços de conservação do

foram mantidos até 2017, uma realidade diferente do bairro vizinho

ecossistema e recursos naturais, podendo ser usada para estudos,

Maria Ortiz, o qual conta com uma ocupação quase completa. O fato

turismo, recreação e esportes, desde que não prejudiquem o meio

pode ser explicado pois Maria Ortiz se edificou de maneira irregu-

ambiente.

56

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

Zona de Parque Tecnológico (ZPT) Zona de Ocupação Limitada (ZOL)

Zona Especial de Interesse Social (ZEIS 2)

dos e à União e são áreas, segundo o Plano Diretor Urbano de Vitória, destinadas a instalações industriais e de serviço de base tec-

vermelho para a área de intervenção. Fonte: veracidade.com. br (adaptado). FIGURA 16 Goiabeiras e arredores em 1978. Destaque em vermelho para a área de intervenção. É perceptível a grande expansão urbana identificada em oito anos quando

Zona de Proteção Ambiental (ZPA 1)

As áreas localizadas em ZPT pertencem a proprietários priva-

De acordo com a comparação entre as Figuras 15, 16 e 17, é pos-

FIGURA 15 Goiabeiras e arredores em 1970. Destaque em

Zona de Proteção Ambiental (ZPA 2)

privados (A TRIBUNA, 2003).

comparado à vista aérea de 1970 (Imagem 15) urbana no >> atual bairro Maria Ortiz, onde residências foram construídas sobre depósito de resíduos. Assim como a ampliação do aeroporto e novas instalações da Universidade Federal do Espírito Santo. Fonte: veracidade.com.br (adaptado).

Zona de Equimpamentos Especiais (ZEE 3)

FIGURA 18 Zoneamento da área de intervenção. Fonte PMV (2006).

Segundo o censo do IBGE (2010), o bairro conta com 2.633

terial registrado pelo IPHAN. A banda de congo Panela de Barro

habitantes. Enfrenta problemas ambientais, um exemplo foi retra-

reúne parte dos moradores nos ensaios e eventos, sendo uma das

tado na reportagem do jornal A Tribuna (2010), que mostrava que

bandas de congo mais representativas do Espírito Santo. Toda-

o esgoto lançado no mangue proveniente das residências dos bair-

via a relação com a natureza foi insustentável, moradores antigos

ros fronteiros à região de manguezal foi o fator que inviabilizou a

relataram, em entrevista, que no passado era um ato frequente

atividade de coleta das ostras comercialmente.

banhar-se nas águas limpas do manguezal, ação hoje impossível

Atualmente, o bairro de Goiabeiras possui grande importância

pela poluição oriunda principalmente das residências não conec-

FIGURA 17 Goiabeiras e arredores em 2017. Destaque em

na região de Vitória, pelos aspectos culturais preservados, como a

tadas ao sistema de tratamento de águas de Vitória e dos detritos

vermelho para a área de intervenção. Fonte googleearth.com

tradição da produção de panelas de barro e o congo. As panelas e

lançados no curso do rio Santa Maria. Muitas residências foram

acessórios são produzidas de maneira artesanal pelas paneleiras,

construídas em locais destinados à preservação do mangue, o qual,

prática repassada das mães para as filhas, netas e vizinhas, preser-

mesmo afetado pela poluição, ainda é muito importante na biodi-

vando esse saber, da cultura indígena local, que é patrimônio ima-

versidade da região metropolitana de Vitória.

57

Vicente Gonçalves Gewehr


área interditada

3.1.2 Levantamento de espaços livres do entorno

As Figuras de número 21, 22, 23 e 24 são fotografias que complementam o entendimento desses espaços, mostrando a situa-

Objetivando o entendimento da oferta atual de es-

ção deles. A identificação destes espaços nos mapas possibilitou

paços livres públicos no entorno da área de inserção

concluir que são espaços isolados e desprovidos de conexão, não

do Agroparque foram desenvolvidos dois esquemas

representando um sistema de espaços livres integrados. Nas visi-

apresentados nas Figuras 19 e 20. No primeiro, foi

tas, quanto à utilização, foi possível perceber que esses espaços

destacada em vermelho a área de intervenção e nas

são pouco utilizados pelos moradores das proximidades e não se

demais cores os espaços livres públicos existentes

apresentam muitos atrativos à população.

atualmente em Goiabeiras e nos bairros vizinhos ao

Quanto ao público alvo, as ofertas lúdicas são voltadas ao aten-

norte da Avenida Fernando Ferrari.

dimento da comunidade que reside próximo ao local, sendo um en-

O esquema representado na Figura 20 destaca a

tretenimento não convidativo a usuários de bairros mais distantes

área de intervenção em vermelho e os espaços livres

ou outras cidades.

presentes no entorno imediato. Os ícones represen-

Também foi notado que a maioria dos espaços recreativos são

tam as atividades presentes nesses espaços e abaixo

destinados ao entretenimento de usuários do sexo masculino,

o público alvo de cada área recreativa.

adultos e não portadores de necessidades especiais, perceptível pela presença de 2 campos de futebol e uma quadra poliesportiva.

FIGURA 21 Fotografia do espaço livre destacado

FIGURA 22 Fotografia da praça mostrando a

em azul na imagem 20 representa o galpão das paneleiras a direita e deck em construção a esquerda. O galpão das paneleiras é um ponto turístico de Vitória, pois preserva o ofício da criação de panelas de barro de maneira artesanal, sendo esta atividade um patrimônio imaterial reconhecido pela UNESCO Fonte: acervo pessoal (maio 2018).

academia popular e a ao fundo um campo de futebol retratando a área em laranja na figura 20. No campo de futebol acontecem eventos esportivos, na academia do idoso a ausência de sombra impossibilita a utilização do espaço durante o dia Fonte: acervo pessoal (maio 2018).

FIGURA 23 Fotografia do espaço público destacado em amarelo na figura 20, no local existe uma diversidade de oferta recreacional como academia do idoso, boxa, quadra e palco.

FIGURA 24 Fotografia do espaço público representado

Existem duas academias do idosos, desprovidas de sombreamento e possibilidades de assento, o que torna esses espaços pouco utilizados. Outras características desses espaços estão descritas nas legendas das Figuras 21, 22, 23 e 24.

FIGURA 19 Espaços livres do entorno da área de intervenção, esta destacada em vermelho. Fonte: adaptado de googleearth.com (2018) FIGURA 20 Perspectiva com destaque para os espaços livres (em colorido) ao redor da área de intervenção (em vermelho) e ícones representando o público alvo e atividades ofertadas. Fonte: adaptado de googleearth.com (2018).

58

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

em fase de construção

59

Vicente Gonçalves Gewehr

em roxo na figura 20. É possível perceber o campo de futebol society ao fundo e o depósito de resíduos (lixeira) no local, assim como árvores exuberantes e espaços de permanência pouco convidativos.


DIAGRAMA FOTOGRÁFICO DE PERCEPÇÕES Para somar ao entendimento sobre a área, foi realizado um diagrama fotográfico de percepções apresentado nas páginas seguintes, nas Figuras 25 e 26. Este mostra a realidade atual da área de intervenção e do seu entorno.

F3 Vista do Deck em construção (junho 2018) em frente ao galpão das paneleiras

F13 Quem olha este muro não imagina que há um campo de futebol, uma quadra e um parquinho do outro lado

F2 Panelas de barro sendo produzidas e o mangue ao fundo

F6 Urbano ou Rural? Dicotomia?

F15 Lateral norte da empresa Vix Transportadora

F5 Condições de habitação

FIGURA 25 Diagrama de percepções sobre Goiabeiras (1/2).


F7 (esquerda) Protesto vegetal pelo seu espaço

F12 Vista leste do Morro do Sales e a erosão oriunda da modificação planimétrica

F8 Toda forma de plantar é valida

F9 Simples e bonito como sinônimo

F8 (direita) Imagina o responsável por esse jardim plantando nos 330 mil m² do Agroparque!

F11 Cidades para pessoas automóveis

F17 Ruínas de uma fábrica. Ao fundo está o mangue

F10 Natureza resiste

F10 Circuito curto de produção e comércio

F4 Muro que segrega.

F14 Lateral sul da empresa Vix Transportadora

F1 Raízes exuberantes do mangue

FIGURA 26 Diagrama de percepções sobre Goiabeiras (2/2). F16 "No passado sempre tomávamos banho no mangue", disse um morador na captura desta imagem


CONCEITUAÇÃO PROJETUAL

3.2

PROGRAMA

3.3

A elaboração do programa surge visando a indicar os possíveis

Assim, para compor esses espaços e atender às expectativas a

modos de utilização para a área do Agroparque em Goiabeiras,

eles direcionadas, foram vislumbradas diferentes configurações,

A partir das considerações apresentadas sobre os temas observa-

Um Agroparque concilia diferentes conjuntos tipológicos de

baseando-se nos anseios projetuais e nas necessidades e poten-

tais como: três hortas comunitárias, três diferentes tipos de sis-

dos como alicerces para o desenvolvimento do projeto em ques-

produção de alimentos, estes adequados à cada área de inserção

cialidades identificadas no contexto de intervenção. Assim, são

temas agroflorestais, uma área de Floresta de Bolso e um pomar,

tão. Através de contextualizações teóricas e elaboração de aná-

na esfera urbana. Como a agricultura está diretamente ligada à ali-

estipulados os espaços apontados, tipos de agricultura urbana, ati-

estes sendo mais voltados à produção alimentar. Quanto às ati-

lises da área, segue-se para a exposição da proposta que busca a

mentação, esta tipologia de parque também deve existir de forma

vidades, e usos a serem desenvolvidos, estimulando formas de vi-

vidades de caráter educacional, foram pensados: dois auditórios,

conciliação da áreas funcionais de agricultura urbana com áreas

educacional, apropriando-se, informando e difundindo os princí-

vência, percepção e interação entre usuários e o espaço planejado.

uma biblioteca com acervo destinado à temática agroalimentar,

recreativas.

pios da alimentação de verdade (trabalhados no segundo capítulo).

Buscando iniciar a elaboração do projeto, definiu-se como pri-

salas de planejamento dos espaços de produção e de atendimento

Vislumbrando as necessidades e potencialidades, tanto na re-

Assim como apresenta características de parques convencionais,

meiro item do programa a determinação das áreas destinadas à

gião do entorno quanto da região determinada para a proposta,

como áreas de recreação e alimentação, todavia adaptando esses

implantação da agricultura urbana mais adequadas a cada espaço.

Quanto às atividades de caráter mais recreacional foram pro-

estabeleceu-se um programa com funções, atividades e usos con-

espaços ao conceito agroalimentar.

Assim, para compor esses espaços, foram distribuídas áreas mais

postos um restaurante conceitual, um mercado conceito de ali-

voltadas à produção de alimentos e uma área mais recreativa, cha-

mentos sustentáveis e produzidos no agroparque, três trilhas, dois

mada de parque linear.

mirantes, uma academia popular, um espaço recreativo boêmio,

à população.

siderados adequados para serem desenvolvidos na área de inter-

O presente projeto é uma releitura do Plano Diretor Urbano

venção. Seguindo as definições postas em questão e visando uma

de Vitória (PDU), que estabelece o espaço como Zona de Parque

prévia organização espacial das pontuações a serem projetadas,

Tecnológico, a proposta do Agroparque é que seja um espaço de

Todas as áreas do Agroparque são relacionadas com a temática

uma pista de skate/patins volumétrica e uma plana. Quanto à pos-

organizou-se o partido projetual, a partir do qual se apresenta a

transformação, seja esta social: pelo acesso ao alimento saudável,

da alimentação, existindo áreas mais voltadas à produção alimen-

sibilidade de acesso e circulação, é importante salientar que, de

espacialização do programa, que direcionará, em sequência, o de-

pelas melhoras alimentares e pelo acesso ao espaço público de

tar, outras mais educativas ou mais recreativas, gerando espaços

modo geral, o programa prevê uma reorganização da área de inter-

senvolvimento do projeto.

qualidade e democrático; seja econômica: por incentivar um co-

que incitam à produção de alimentos, ao estar, ao lazer, ao perma-

venção, visando a possibilitar uma conexão entre os espaços livres

mércio mais humano, local e sustentável e seja ambiental: pela pre-

necer, à recreação, à contemplação, ao exercício físico, à educação

já existentes no entorno com o Agroparque proposto, este que

3.2.1 Conceito

servação e respeito dos ecossistemas existentes, pela utilização de

alimentar, à interação entre a comunidade, ao acesso a alimentos

também se relaciona com as vias e acessos existentes no entorno

O conceito deste projeto foi a elaboração da categoria de parque

práticas que não degradam o solo, ampliam a diversidade vegetal

mais sustentáveis, ao contato e à experimentação da produção de

e cria novas alternativas de circulação no bairro, sendo dispostas

inédita denominada Agroparque. O nome surge a partir da união

e que atraem a diversidade de fauna.

alimentos.

duas vias que proporcionam o tráfego seguro de ciclistas, cami-

da palavra Agro, definida como campo cultivado ou cultivável

Um Agroparque pode ser entendido não só como uma relei-

nhos para pedestres dentro do parque alternativos às vias existen-

(PRIBERAM, 2018) com a palavra Parque, entendida como espa-

tura do PDU, mas também como um espaço de releitura do estilo

tes, caminhos voltados à contemplação do Agroparque e uma área

ço dentro de uma região urbana, geralmente com abundância de

de vida urbano, das práticas agroalimentares atuais, das relações

de estacionamento, sendo todas as atividades criadas relacionadas

vegetação e áreas não pavimentadas, que propicia o lazer e a re-

insustentáveis, incoerentes e incorretas presentes no nosso coti-

com a temática agroalimentar de alguma forma.

creação dos habitantes da cidade, possibilitando uma apropriação

diano com o meio ambiente, com o tempo, com as relações sociais

lúdica do espaço público (ZANNIN, 2016).

e com as prioridades inventadas.

64

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

65

Vicente Gonçalves Gewehr


PARTIDO

3.4

A partir das definições estabelecidas pelo programa, foi elabora-

Entre o mangue e o SAF de inclusão foi desenvolvida uma

da a proposta de partido para o projeto. Objetiva-se nesta etapa

tipologia de SAF denominada Agrorestinga, que adequa o modo

proporcionar uma noção da ocupação da área, usos, localização

de produção de uma agrofloresta tradicional, criando assim uma

das atividades, e formas de apropriações previstas, em função das

floresta adequada ao espaço de inserção e diversificando as espé-

características do local.

cies em número. A floresta de bolso (em vermelho) foi inserida de

Para a representação do partido, foi desenvolvida uma pers-

forma a criar uma barreira no entorno da subestação de energia.

pectiva axonométrica explodida (Figura 27) que apresenta a área

O Parque Linear foi projetado aproveitando a ampla área dis-

em camadas. A camada mais abaixo é a representação da setori-

posta no sentido norte sul e representou o espaço de concentração

zação das superfícies que representam as diferentes atividades,

das atividades recreativas, apresentadas na perspectiva explodida

na camada superior estão elementos pontuais que representam

como elementos pontuais. Distribuídas ao norte, estão as ativida-

as atrações e na camada do topo as linhas que representam os

des de caráter mais esportivo, ao sul, atividades de aspecto mais

caminhos. O partido é então apresentado de modo a destacar as

recreativo e de maneira central as atividades mais educacionais.

estratégias que configurarão o projeto.

de skate e patins (2), ao sul estão o Espaço Recreativo Boêmio

as áreas voltadas à recreação (em roxo), esta chamada de Par-

(3), o parquinho dos vegetais (4), o restaurante (5), o mercado

que Linear, e as áreas de agricultura urbana (nas demais cores).

(6) e os dois mirantes (8). Na área central está o Prédio principal

Objetivando uma interação entre os transeuntes e moradores do

(7) com dois auditórios, uma biblioteca, salas de planejamento da

entorno com a produção de alimentos e colheita, foram dispostas

agricultura, de atendimento à população, administração do parque

três áreas de horta comunitária (verde) e um pomar (amarelo) no

e um café.

limite entre o parque e o bairro.

das no local levando em consideração a área, aproveitando suas

tons de azul) na área do Morro do Sales e entorno, com objetivo

características morfológicas e naturais, assim como proporcionan-

de conciliar a produção de alimentos com a preservação da mata

do um espaço público, funcional, democrático, inclusivo, acessível

de tabuleiro existente. Nesta área, foi criada uma Agrofloresta de

e transformador.

transição da área de preservação com áreas mais frequentadas.

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

5 4

inclusão margeada por dois SAF de transição, estes realizando a

66

6

3

Todas essas atividades apontadas anteriormente foram inseri-

Foram inseridos diferentes tipos de Sistemas Agroflorestais (em

7

8

Ao norte do parque, estão a Academia Popular (1) e as pistas

No nível das superfícies, foi realizada uma setorização entre

1

2

67

Vicente Gonçalves Gewehr

FIGURA 27 Projeto representado

em perspectiva axonométrica explodida.


MACROPROPOSTA AGROPARQUE

MACROPROPOSTA

3.5

Será apresentado o projeto do Agroparque em Goiabeiras, com

Estas foram planejadas de maneiras distintas, visando atender aos

base na teoria trabalhada no capítulo dois, concebido diante das

moradores pela proximidade das residências ou pela afinidade com

intensões projetuais definidas anteriormente. A prancha denomi-

as características de cada horta. Em relação à localização, as hor-

nada Macroproposta, presente na página ao lado, representa as

tas visam a atender às populações mais próximas. A horta ao sul

decisões projetuais em toda a área de intervenção. O projeto con-

visa a atender principalmente a população de Goiabeiras. A horta

ta com um parcelamento da área entre parque linear (em roxo no

a leste (mais ao sul) visa ao atendimento dos bairros vizinhos, An-

diagrama denominado síntese projetual) e as áreas mais voltadas

tônio Honório e Segurança do Lar, e a horta mais ao norte objetiva

à agricultura urbana (nas demais cores), apresentado na Figura

o atendimento da população de Maria Ortiz.

28. Esse zoneamento considerou a adequação de cada sistema de produção alimentar e levou em consideração as características da área e seu entorno. A explicação do projeto vai acontecer inicialmente com uma explicação das parcelas mais voltadas à produção de alimento, seguida das extensões mais voltadas à recreação. Observou-se que a região delimitada à inserção do projeto poderia ser seccionada em quatro fragmentos: áreas próximas à comunidade (leste), local de acesso mais facilitado e rápido pelos habitantes; a fração a extremo oeste entre o Morro do Sales e o mangue; a região ao entorno da subestação de energia, pela qual a entrada de pessoas não é recomendada, bem como a circulação por sua área; por fim, uma extensão linear central disposta no sentido norte sul, atualmente fragmentada e desprovida de contato direto com a concentração habitacional. Objetivou-se promover, primordialmente, o contato dos moradores e usuários do parque com a produção alimentar, aproxi-

FIGURA 28

mando os espaços de produção das habitações. Para atender esse

Síntese projetual, adaptado de googleearth. com.

objetivo, foram desenvolvidos os espaços Horta Pro Nobis nas áreas próximas à comunidade, que se caracterizam por três hortas comunitárias (em verde) de aproximadamente 7.000 m² cada. 68

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

69

Vicente Gonçalves Gewehr


A leste, próximo às residências e frontal à rua Jerônimo Ver-

segue o conceito agroalimentar e explora o universo da alimenta-

espaços é que foram planejados de maneira a distribuir as frutifi-

outros. Esses espaços podem ser módulos individuais ou podem

vloet, foram identificadas algumas árvores frutíferas, todavia, estas

ção alternativa e mais sustentável. A produção de alimentos des-

cações ao longo do ano, assim, apresentam-se como uma atração

acontecer juntamente a outras edificações, por exemplo, utilizan-

não eram acessíveis devido à quantidade de resíduos descartados

sa área acontece com a combinação das plantas alimentícias não

mutável que estimula os usuários ao desbravamento do parque,

do de um espaço coberto no espaço do prédio principal.

pela população sobre o solo, se tornando uma área inutilizada pela

convencionais (PANC) com espécies alimentícias convencionais.

descobrindo diversas frutificações, florescimentos, aromas, sabo-

Assim, constituiu-se a proposta do Agroparque para Goiabei-

população. Objetivando potencializar essa área, foi implantado um

Em suma, essa região diverge do restante do Agroparque pelo seu

res, texturas e cores. Para o deslocamento no parque foram de-

ras, que combinou a implantação da produção alimentar na esfera

pomar urbano (em amarelo), sendo um espaço produtor de ali-

caráter mais voltado ao lazer e à educação.

senvolvidos além da Alameda das Cores, caminhos com função de

urbana, esta responsável por impulsionar a criação do presente

No Agroparque, as possibilidades de deslocamento foram am-

conectar acessos e aproximar os usuários das espécies vegetais.

projeto, com a área do Parque Linear de caráter mais recreativo.

Os SAF’s (representados na síntese projetual em tons de azul)

pliadas para ciclistas e pedestres com a criação da via Cacauí, da via

Tal como o Circuito Contemplativo, este responsável por oferecer

Como resultado, foi criada essa atração inédita e inovadora.

foram implantados ao redor da área de preservação ambiental per-

Catajé e da Alameda das Cores, responsáveis por fundir o caráter

um trajeto que intersecta as principais atrações e percorre todo

manente (presente no Morro do Sales), e objetivam uma transição

funcional (mobilidade urbana) com o recreativo e conectar toda a

espaço do parque linear.

da floresta com o entorno e também uma conexão da vegetação

extensão do Agroparque. A Alameda das Cores, na área do Parque

As três trilhas (Grumixama, Juçara e Cambucí) promovem o

Serão apresentadas as áreas de agricultura urbana de maneira

desta com o mangue. Na área da floresta existente e protegida, foi

Linear, funciona como um eixo de caráter estruturador do traçado

acesso das pessoas à Mata de Tabuleiro localizada no morro do

mais detalhada de maneira a proporcionar a compreensão sobre

implantado o SAF de inclusão (azul mais claro), sendo que este não

e ordenador das atrações e canteiros, enquanto as duas vias citadas

Sales (área de preservação), cada uma possui cerca de 800m e

a dinâmica das áreas produtoras de alimento na esfera urbana e

interfere na dinâmica dos sistemas remanescentes. Ao redor da

proporcionam alternativas de trajeto mais rápidas e seguras.

termina em dois mirantes no alto do morro. O Mirante Inharé,

posteriormente será retratado o parque linear.

mentos próximo às residências e aberto ao entorno.

3.5.1  Áreas de agricultura urbana

área de preservação ambiental, seria inserido o SAF de transição

As atrações inseridas no parque linear foram pensadas após

com vista para o Mestre Álvaro, e o Mirante Umarí, com vista para

(tom de azul mais vibrante), responsável pela transição da área de

estudos de atividades que se relacionassem com a temática da ali-

preservação com o parque linear (à leste) e a Agrorestinga (à oes-

mentação, com o conceito de Agroparque e também estivessem de

Para criar um espaço público integrado e contínuo, duas edi-

Após o estudo sobre o sistema de produção de alimentos em

te), acontecendo o SAF de transição com uma agrofloresta conven-

acordo com as necessidades das diversas faixas etárias e públicos.

ficações foram desapropriadas e realocadas (representadas em

Agroflorestas, percebeu-se uma necessidade de adaptação desses

cional. A Agrorestinga desenvolvida (azul escuro) foi implantada

Tais atrações foram divididas em três grupos: edificações, atrações

laranja) para uma área disponível, distante 50 metros das antigas

sistemas à realidade da área de inserção do Agroparque e como

a extremo oeste do Agroparque, ao lado do mangue, e permite

ao ar livre e canteiros PANC.

habitações. A via Desembargador Cassiano Castelo foi prolongada

resultado foram desenvolvidos três sistemas sendo eles: SAF de inclusão, SAF de transição e Agrorestinga.

a Baía Noroeste de Vitória.

Sistema agroflorestal (SAF)

uma adequação da agrofloresta à realidade botânica das cidades

As edificações são: o prédio principal, o restaurante-escola

ao lado do pomar, buscando proporcionar um maior contato das

litorâneas, representando as espécies da restinga no Agroparque.

(Nastúrcio Culinária PANC), o Espaço Recreativo Boêmio Sete Co-

pessoas com essa área de produção. Também foi criado um pro-

Na área ao entorno da subestação de energia, foi inserida a

pas e o espaço comercial (Mapati Mercado Conceito). Enquanto

grama de gestão dos resíduos, que realiza a coleta do lixo orgânico

SAF de inclusão

floresta de bolso (em vermelho), com objetivo de impedir a aproxi-

as atrações ao ar livre são o Parquinho dos Vegetais, as pistas de

das residências interessadas e deposita na área de compostagem,

Este sistema de produção é caracterizado pela inserção de espé-

mação de pessoas devido a riscos e também proporcionando uma

skate e patins (Pajurá) e a academia popular (Mutamba).

transformando-o em composto orgânico, este utilizado nas áreas

cies com interesse alimentício na área de mata existente. Com ob-

produtoras de alimento do Agroparque e/ou comercializado.

jetivo de interferir o mínimo na dinâmica da mata de tabuleiro em

restauração da diversidade da flora original, sendo caracterizada

No parque linear entre as áreas de produção de alimentos, edi-

por uma área de maior concentração vegetal e menos propícia ao

ficações e atrações ao ar livre, estão os canteiros PANC, compostos

Pensando na visitação e utilização do espaço público criado,

preservação, foi escolhida apenas uma espécie: o palmito-juçara

acesso humano.

por espécies alimentícias pensadas de forma a atrair os usuários

foram popostos 10 pontos de apoio (representados por pontos em

(Euterpe edulis, ARECACEAE). A implantação foi feita de forma des-

Disposta de maneira central e no sentido norte sul, está a área

pela exuberância das diversificadas espécies vegetais, com desta-

azul escuro), caracterizados por espaços com cobertura que ser-

contínua e circundada por vegetação natural por toda a área da

de Parque Linear (em roxo), com aproximadamente 600m entre

que para as frutificações e florescimentos. O diferencial desses

vem para informação dos usuários e/ou para a realização ativida-

mata de tabuleiro no Morro do Sales, sem a retirada de qualquer

as extremidades. Essa área, que concentra as atrações recreativas,

des práticas, como treinamentos sobre agricultura, oficinas, entre

espécie pré-existente. Esta palmeira é nativa da área, pode atingir

70

71

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

Vicente Gonçalves Gewehr


JUÇARA

CORTICEIRA SERRANA

JUÇARA

até 12m de altura, possui folhagem exuberante, palmito saboroso

a visualização do relevo da região noroeste de Vitória, é possível

e frutos globosos de cor roxo escuro.

entender um desses espaços no corte C10. É importante salientar

LISTA DE ESPÉCIES

A escolha da espécie de palmito juçara deu-se porque extração

que a implantação dos mirantes deve acontecer gerando o menor

do palmito juçara, segundo o biólogo Mauro Galetti, é ilegal e é

impacto possível na área da floresta de tabuleiro em preservação.

1 Adubos verdes Feijão de porco, mucuna preta, mucuna anã, mucuna cinza, feijão guandú, leucina, crotalária jucea, crotalária espectabilis, feijão guandu anão, amendoim forrageiro, pueraria, estilozantes mineirão, estilozante campo grande, trevo branco, tremoço branco, ervilhaca, soja perene, capologonio,

uma das maiores ameaças da Mata Atlântica. Os frutos do palmito correspondem a 80% da biomassa de frutos em todo bioma.

SAF de transição

Apesar da juçara ser parecida com o açaí da Amazônia, que quan-

O sistema agroflorestal de transição margeia a floresta à leste e à

do cortado rebrota, o palmito juçara não rebrota e cada palmito

oeste, ambas implantações utilizaram a distribuição espacial das

comido significa que uma palmeira de 10 metros foi cortada para

espécies em faixas, objetivando proporcionar um grande contato

aproveitamento de menos de 30 centímetros. O palmito juçara

visual dos usuários com a produção alimentar no interior do SAF.

leva pelo menos sete anos para produzir frutos e alimenta cerca de

A seleção de espécies aconteceu de acordo com um estudo

60 espécies de aves e mamíferos na Mata Atlântica. Sem os frutos

que priorizou as culturas predominantes no estado do Espírito

do palmito, muitos desses animais podem desaparecer da mata.

Santo, a partir do boletim da conjuntura agropecuária capixa-

Sem eles para fazerem a dispersão das sementes, outras plantas

ba realizado pelo INCAPER em 2016, este que lista os principais

não conseguem mais ter regeneração natural.

produtos alimentares produzidos no estado. Também foram in-

Optou-se então pelas diversas formas de utilização dos frutos do Juçara, estes que são similares ao açaí-do-pará (Euterpe olera-

CORTE C10

seridas espécies essenciais à dinâmica da agrofloresta e algumas espécies menos populares.

cea, ARECACEAE), todavia mais rica em antocianinas e compostos

Em resumo os espaços de SAF de transição estão de acordo

antioxidantes (KINUPP; LORENZI, 2017) e o os usos culinários tam-

com a cultura alimentar local e ao mesmo tempo inserem espécies

bém muito diversificados. Através da extração da polpa dos frutos

menos conhecidas proporcionando uma maior diversidade de ali-

é possível fazer sucos, geléias, sorvetes, cremes, entre outros atin-

mentos, experiências e nutrientes.

gindo assim um equilíbrio entre a utilização dos frutos e a oferta de alimentos à fauna.

Abaixo foram listadas espécies que são utilizadas frequentemente em SAFs e estas foram dividas em grupos de acordo com

O mestre francês Cézane diz que conhecer os apoios geoló-

suas características produtivas e participação na dinâmica agro-

gicos é essencial para que se possa pintar, fotografar, conhecer,

florestal. Por exemplo o grupo de adubos verdes são responsáveis

respeitar e amar uma paisagem. Assim, foram criados os Mirantes

por fixar nitrogênio no solo, adubando naturalmente o solo e ao

Inharé e Umarí que estão no alto do Morro do Sales e possibilitam

mesmo tempo servindo como alimento. Outro exemplo relevante é o grupo das espécies arbóreas de adubação e massa verde, estas espécies de crescimento rápido servem como produtoras de biomassa que são utilizadas como serapilheira.

72

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

73

Vicente Gonçalves Gewehr

2 Culturas agrícolas Abacaxi, abóbora, algodão, araruta, arroz, banana, bucha, cacau, café, cana de açúcar, cará, cará-moela, côco, chuchu, cúrcuma, dendê, fumo, gergelim, girassol, inhame, mamão, mamona, mandioca, maracujá, melancia, melão, milho, moranga, pepino, piaçava, quiabo, soja, sisal, etc. 3 Plantas medicinais e aromáticas Alecrim, alfavaca, anis, arnica, arruda, assa-peixe, manjericão, mussambê, tansagem, mastruz, confrei, Boldo, Erva-macaé, Saião, Erva-de-bicho, Terramicina, Cinco folhas, Melão-de-São-Caetano, Carobinha, Sabugueiro, Alfazema, Calêndula, Cana-do-brejo, Hortelã, Hortelã-Pimenta, Erva-grossa, Capim-limão, Erva-cidreira, Guaco, Mirra, Ervagambá, Guiné, erva-de-passarinho, Orégano, Vick, Poejo, Babosa, Jurubeba, etc. 4 Hortícolas Agrião, alface, almeirão, batata, batata-baroa, batata-doce, beldroega, berinjela, bertalha, beterraba, brócolis, caruru, cebolinha, cenoura, chicória, coentro, couve, couvechinesa, couve-flor, espinafre, flores, gengibre, inhame, jiló, maxixe, mostarda, nabo, nirá, ora-pró-nóbis, pimenta, pimentão, rabanete, repolho, rúcula, salsa, serralha, taioba, tomate, trapoeraba, trevo, vagem, etc. 5 Arbóreas madeira, sementes e produtos Acácia, andiroba, angico, araticum, araucária, aroeira, bracatinga, camboatá, cambuci, canafístula, candiúva, canela, casca-de-mata, cássia, caxeta, cedro, cerejeira, copaíba, embaúba, eucalipto, figueira, grumixama, guabiroba, guapuruvu, imburana, ingá, ingá- cipó, ipê, jacarandá, jacatirão, jatobá, louro, mamica, mogno, munguba, orelha-demacaco, paineira, palmeiras (açai, jussara, palmeira-real, pupunha), pau-ferro, pauBrasil, pau-mulato, pau-jacaré, pau-cigarra, pau-d’alho, pinus, sombreiro, taiúva, teca, sabugueiro, uvaia, vassourão, etc. 6 Arbóreas frutíferas Abacate, acerola, amora, araçá, atemóia, cajá, caju, caqui, carambola, condessa, cupuaçu, figo, fruta-do-conde, fruta-pão, goiaba, graviola, jabuticaba, jaca, jambo, jamelão, jenipapo, laranja, limão, lixia, manga, mangaba, pitanga, pitomba, sapoti, siriguela, tamarindo, tangerina, romã, umbu, etc. 7 Arbóreas adubaçao verde e massa verde Albízia, gliricídia, eritrina, leucena, samanéia, ingá, urucum, etc.


SAF (Agrorestinga) A agrorestinga foi uma ideia pensada no desenvolver do projeto inserindo entre o Morro do Sales e o mangue uma diversidade vegetal muito presente no litoral do Espírito Santo e explorando

LISTA DE ESPÉCIES

sua capacidade de produção alimentar. A forma da implantação

1 Angelim, FABACEAE Andira legalis 2 Aperta boca, MYRTACEAE Myrcia guianensis 3 Araçá da praia, MYRTACEAE Psidium cattleianum 4 Articum, ANNONACEAE Annona glabra 5 Bacupari, CLUSIACEAE Garcinia brasiliensis 6 Bajiru, CHRYSOBALANACEAE Chrysobalanus icaco 7 Aroeira, ANACARDIACEAE Schinus terebinthifolius 8 Guapebão, SAPOTACEAE Pouteria grandiflora 9 Bapuana, MYRTACEAE Eugenia copacabanensis 10 Caju, ANACARDIACEAE Anacardium occidentale 11 Cambui, MYRTACEAE Eugenia arenaria 12 Canela, LAURACEAE Ocotea notata 13 Maracujá, PASSIFLORACEAE Passiflora alata

dessa massa vegetal aconteceu sem ordenamento lógico, o acesso e utilização da área aconteceria por meio de trilhas. O trabalho denominado Plantas úteis da restinga da região de Arraial do Cabo (2006) é baseado nos saberes dos pescadores, que dependeram por muitos anos desse ecossistema para alimentação e confecção de utensílios. Eles relatam no estudo que seus descendentes caminhavam de Arraial do cabo até Saquarema (aproximadamente 40 km) pela restinga para pescar, durante as longas caminhadas através da restinga, reconheciam muitos frutos comestíveis que saciam a fome e tinham um conhecimento em geral muito amplo das espécies alimentares da restinga. As plantas alimentícias da restinga, hoje pouco exploradas, representam muitas possibilidades alimentares alternativas e complementares às convencionais. Destaca-se o Bajirú a espécies mais lembrada pelos pescadores que chamam o fruto de maçã da praia, que é consumido maduro e cru e também é muito citado como espécie medicinal (KRUEL et al, 2006).

74

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

FIGURA 29 Bajirú com frutos maduros. Imagem de Catarina de Sá. Fonte: KRUEL 2006.

75

Vicente Gonçalves Gewehr

14 Pitanga, MYRTACEAE Eugenia uniflora 15 Pitangubaia, MYRTACEAE Eugenia selloi 16 Saputiquiaba, SAPOTACEAE Sideroxylon obtusifolium 17 Arumbeba, CACTACEAS Opuntia monacanta 18 Gravatá, BROMELIACEAE Neoregelia cruenta 19 Guriri, ARACACEAE Allogoptera arenaria 20 Ingá mirim, FABACEA Inga subnuda 21 Murici, MALPIGHIACEAE Byrsorima sericea 22 Abacaxi-da-campina, BROMELICEAE Ananas ananassoides 23 Ananá, BROMELICEAE Ananas bracteatus 24 Bananinha-do-mato, BROMELICEAE Bromelia antiacantha


CORTE C2

Figura adaptada pelo

autor do desenho de Daci Seles.

No corte C2 se percebe dois Sistemas Agroflorestais de Pro-

espaços de plantio norteou a concepção de projeto dos canteiros,

dução, à direita está o SAF de transição enquanto à esquerda a

que originaram-se a partir do modelo buraco de fechadura. Este

Agrorestinga entre as duas áreas produtoras de alimentos passa a

modo de produção de alimentos foi apontado pelo núcleo de con-

via Catajé, dotada de ciclovia e caminho para pedestres. É impor-

servação da fauna do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (2016)

tante salientar que os SAF possuem produção variada ao decorrer

como um modelo de produção eficiente e adequado às dimensões

do tempo, o corte mostra esse sistema já desenvolvido e algumas

humanas, pelo fato de possibilitar uma manutenção do espaço de

espécies em produção estão representadas.

forma contínua, acessível ao alcance humano e proporcionar bons

Também pode ser notado que como essa opção de cultivo, além

resultados quanto a produção de alimentos.

da produção de alimentos: adiciona diversidade vegetal, não empo-

Na Figura 30 é possível perceber a forma original canteiro bu-

brece o solo, é um espaço favorável ao habitat de animais e pode

raco de fechadura e as adaptações criadas. O espaço destacado em

proporcionar resultados estéticos encantadores.

vermelho é onde as pessoas acessam o interior de cada canteiro e possuem larguras semelhantes representadas pelo x nos 4 canteiros.

Horta pro nobis

Todas as hortas concentraram o espaço de comercialização

O programa chamado de Horta pro Nobis teve nome inspirado na

e socialização no interior do seu espaço, objetivando proporcio-

PANC popularmente conhecida como Ora pro Nobis (Pereskia

nar o contato dos clientes e dos produtores com a produção de

aculeata) que significa do latim ‘ora por nós’ e desta forma o nome

alimentos.

FIGURA 30: Esquema de

concepção do formato dos canteiros das hortas.

do programa pode ser entendido como Horta para nós. Com o intuito de: proporcionar a possibilidade da produção do alimento pelos moradores do bairro, promover o maior acesso ao alimento,

Canteiro da horta buraco de fechadura

Canteiro desenvolvido para a horta das panelas

contribuir para a SAN e estimular relações sociais foram desenvolvidas três hortas comunitárias. Cada uma destas hortas foram idealizadas a partir de conceitos distintos de acordo com a especificidade do local de inserção e do público alvo, sendo o funcionamento independente do restante do parque e das outras hortas. Possuem espaços de plantio, armazenamento de materiais, comercialização dos produtos, recreação dos usuários, como também espaços que possibilitem a permanência como banheiros, armários e vestiários. Seguindo as experiências bem sucedidas do programa Lavoura ARAÇA DA PRAIA

ARUMBEBA

MANDACARU mangue

GURIRI

GRAVATÁ

PIMENTA ROSA

AGRORESTINGA

CICLOVIA CATAJÉ ANANÁ

VIA DE PEDESTRES

CACAU

MADEIRA DE LEI

e cedidos de maneira individual aos moradores. Esta divisão dos

JUÇARA

SAF DE TRANSIÇÃO

de agricultura urbana em Curitiba, os canteiros serão parcelados

Morro do Sales

77

Vicente Gonçalves Gewehr

Canteiro desenvolvido para a horta campo de futebol

Canteiro desenvolvido para a horta das casacas


CORTE C1

Horta das Panelas Este espaço de produção alimentar foi inserida na parte mais

à permanência e interações sociais (entre a horta e a via), assim

tradicional e carente do bairro de Goiabeiras, teve a forma mais

como os canteiros redondos podem ser associados à forma das

próxima ao exemplo original da horta buraco de fechadura. O

panelas de Barro.

formato foi projetado para que, de qualquer lado que esteja você

No interior da horta há um espaço para a comercialização dos

consiga alcançar o outro lado sem a necessidade de pisar nas es-

alimentos produzidos no local, este espaço de venda seria respon-

pécies cultivadas.

sável por concentrar a comercialização diretamente com o consu-

Os canteiros em forma circular que proporcionam continui-

midor, fortalecer o comércio das paneleiras pela atração de pes-

dade do fluxo de trabalho e ainda Possuem inclinação que apro-

soas à área e consequentemente a cultura capixaba. A metodologia

veitam de maneira inteligente a água da chuva. A água que cai na

de vendas sugerida busca um atendimento ao conceito do parque,

parte de cima da espiral vai descendo, isto é sendo absorvida pelos

podendo o consumidor colher e pagar tendo assim contato com o

solos abaixo, e assim levando mais nutrientes. Por isso as ervas que

alimento e a agricultura.

demandam de mais nutrientes são plantadas em baixo e as que necessitam de menos, em cima.

Nesta representação percebemos a Horta das Panelas e sua relação com o espaço das paneleiras. Observa-se, da esquerda

A horta das panelas fica em frente ao galpão das paneleiras

para a direita, os canteiros de produção de alimentos, uma área

(como observado no corte C1), cooperativa que concentra e or-

de passeio e permanência com bancos sombreados por árvores

ganiza a produção de panelas de barro. Com objetivo de dialo-

(propostos) e após a via das paneleiras o Galpão de produção e

gar com esse espaço de comercialização foi destinado um espaço

comercialização das panelas de barro. O espaço proposto dialoga e soma ao existente.

HORTA DAS PANELAS

78

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

CERCAMENTO EM TELA

CALÇADAS COM POSSIBILIDADE DE PERMANÊNCIA

RUA DAS PANELEIRAS

PASSEIO

GALPÃO DAS PANELEIRAS


CORTE C5

Horta das casacas O nome foi escolhido de forma a fazer uma referência ao Congo, símbolo cultural do Espírito Santo e se caracteriza por uma manifestação artística que possui uma representação muito forte no bairro de Goiabeiras, representada pela tradicional banda de Congo panela de barro. Essa horta foi projetada visando atender um público que dispunha de menos tempo e dedicação à horticultura, caracterizado geralmente por jovens e adultos com uma ocupação principal. Os canteiros foram projetados em módulos ortogonais em forma de E, que dispostos lado a lado facilitam a introdução de uma irrigação mecanizada. Ainda pensando nos hortelões, os canteiros são elevados 80 centímetros do solo facilitando o manuseio, perceptível no corte C5. Os canteiros mais próximos ao Parque Linear são voltados ao exterior possibilitando assim uma maior visualização tanto de quem está no parque quanto aos usuários que estão passando para estacionar e no centro foi criada a área de convívio, com ferramentas, banheiro, depósito entre outros. No corte C5 percebemos no primeiro plano a horta das casacas, com a produção de alimentos acontecendo nos canteiros elevados e pessoas utilizando o espaço. Ao lado, pode se perceber a área de estacionamento com espaço para o estacionamento de ônibus e automóveis. Também é possível perceber que a área de circulação de automóveis foi dimensionada com proporções adequadas de maneira a proporcionar um estacionamento fluido e descomplicado. Assim como a ambientação, marcadas por muitas

CALÇADA

árvores, constitui um espaço sombreado e agradável.

HORTA DAS CASACAS

80

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

ESTACIONAMENTO DE ÔNIBUS

ESTACIONAMENTO DE AUTOMÓVEIS

VIX TRANSPORTADORA


Horta campo de futebol

Floresta de bolso

Esta horta está situada próxima ao campo de futebol, um espaço

A área de floresta de bolso visa conter o acesso das pessoas à su-

público já consolidado. A área escolhida para a implantação da

bestação de energia, então o espaço se caracteriza por espécies

horta, situa-se em um fragmento não levado em consideração

vegetais plantadas de maneira espontânea, pouco espaçadas, inse-

no projeto do entorno do campo. Atualmente, caracterizado por

ridas por mudas e semeadura direta. A área está conectada com a

um espaço inutilizado com chão em solo batido e resíduos de

mata em preservação no morro do Sales e funciona produzindo

construções.

alimentos da mesma forma que restaura a biodiversidade original

Os limites norte e sul da horta são muito distintos, ao sul existe

CORTE C6

da mata de tabuleiro (com foco nas espécies alimentícias).

a via Catajé, ciclovia de formato mais linear que visa o atendimento funcional das pessoas realizando deslocamentos mais rápidos. Já

Pomar

na face norte da horta foram criadas reentrâncias no trajeto com

A área do pomar é compreendida pelo plantio de espécies frutí-

opções de permanência e espaços sombreados.

feras convencionais espaçadas de forma a proporcionar o acesso

Segundo Mascaró (2008) a sinuosidade do caminhar estimula

das pessoas às árvores. Neste espaço será possível encontrar fru-

as pessoas a um caminhar mais lento e contemplativo, objetivando

tas distintas durante todo o ano. O espaço também visa promover

uma maior interação das pessoas com a horta. Assim foram defi-

interações sociais e uma permanência das pessoas, por isso foram

nidas as reentrâncias, pensadas estrategicamente de forma a pro-

implantados mobiliários e iluminação urbana. É possível entender

porcionar um visual que valorizasse o plantio no interior da horta.

o funcionamento do pomar no corte C6.

Os canteiros dessa horta também são elevados como na horta das casacas e visam atender o público em diversidade, sendo o espaço dotado de áreas de suporte ao usuário como banheiro,

3.5.2 Parque linear

vestiário e área de comercialização.

Já foram expostas as parcelas mais voltadas à produção alimentar. Neste momento do trabalho será retratado de maneira mais aprofundada o parque linear (mais voltado à recreação). A apresentação vai iniciar com o traçado desenvolvido para o parque e a escolha da vegetação para a área, essas decisões projetuais foram fundamentais para o desenvolvimento da proposta. Em seguida serão abordadas as atrações recreativas presentes na extensão do parque linear.

EDIFICAÇÃO

82

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

PASSEIO

VIA

PASSEIO

POMAR


Traçado

jardins PANC, como manga espada no verão, laranja natal no inverno e pitanga na primavera.

recreativas. A Alameda possui largura constante de 4 metros, tem

A concepção do traçado do Agroparque foi a etapa mais desafia-

Vai cruzar o mangue e poder observar as incríveis raízes cheias de ritmo e beleza, também

início na extremidade sudeste do parque e acaba na extremidade

dora do desenvolvimento do projeto, pelas dimensões do espaço,

acompanhar a mudança deste ecossistema com as mudanças de maré e ver vários crustáceos

oposta. Foi o traço inicial na concepção da proposta e foi respon-

Objetivando o lazer e desfrute do parque, foi criado o circuito contemplativo que se difere

por tentar integrar o parque ao máximo com o entorno e propor-

saindo dos seus abrigos. Em seguida, essa pessoa vai estar entre dois sistemas de produção de

sável por potencializar e fortalecer o interior do parque. A ala-

dos demais por proporcionar uma opção mais voltada à recreação e desbravamento da área do

cionar alternativas de deslocamento mais eficientes para pedestres

alimentos completamente distintos. A Agrofloresta e no seu lado oposto encontrará grande

meda das cores é um espaço singular no parque, funciona como

parque. O traçado foi concebido como uma sequência de linhas que se articulam dançando por

e ciclistas.

No corte C9 podemos notar as espécies escolhidas para as laterais da Alameda das Cores, suas cores e o período do ano em que elas florescem.

parte da flora da restinga, esta de menor altura e com espécies como cactos e bromélias.

um elemento ordenador, tanto pela sua continuidade como pela

toda a extensão do parque linear, passando por todas as ofertas recreativas do parque e possi-

Na Macroproposta é visualmente contrastante, as linhas retas

Seguindo o caminho passará pela horta das panelas, vendo as pessoas cultivando alimentos

implantação da vegetação, esta disposta de maneira alinhada. Seu

bilitando uma diversidade de experiências sensoriais. Segundo Mascaró (2010), cada mudança

(presentes na área do parque linear)e a sinuosidade da via Catajé,

e finalizaria sua experiência com a observação do galpão das paneleiras e o deck atualmente

exuberante florescimento distribui cores e aromas pelo caminho

de sentido no trajeto muda o ponto focal do observador, e assim foi concebido este traço, cada

esta que se adequa a topografia da área oeste e se apresenta na

em construção (junho de 2018).

durante vários momentos do ano. As espécies de tamanho dife-

interrupção na linearidade do trajeto foi posicionada de forma a estimular a observação do entorno e assim o contato com cores, aromas, texturas entre outros.

área mais plana da região. Essa via estabelece a conexão leste e sul,

O traçado acontece na porção do parque linear, de maneira distinta. É perceptível um de-

rentes proporcionam sensações surpreendentes, como a sensação

sua curvatura tênue cria uma margem no limite entre o mangue e

senho desenvolvido a partir de uma lógica geométrica, que forma um traçado constituído por

de andar por debaixo das copas das sapucaias, experimentar uma

O circuito contemplativo é caracterizado por uma fragmentação em seis circuitos que

a agrorestinga estas à oeste e noroeste. Assim como proporciona

retas, com larguras regulares que se interceptam de forma desprovida de ordem resultando

sensação mais aberta passando entre os flamboyanzinhos e passar

levam o nome de espécies marcantes em cada trecho de deslocamento, placas e opções de

uma diversidade incrível de sensações. Uma pessoa oriunda do

em uma trama irregular que gera vazios de ordens triangulares e trapezoidais.

entre as paineiras rosas quando caducas e se encantar com o ritmo

permanência no encontro de cada circuito foram pensadas, objetivando marcar o fim e um

dos galhos.

novo início enquanto educa e informa.

bairro Antônio Honório à leste passando pela via Catajé vai ter

A Alameda das Cores, apresentada no corte C9, e o circuito contemplativo possuem

contato com a área da horta do campo de futebol, quando en-

funções muito importantes na dinâmica do parque e na relação dos usuários com as ofertas

Os demais caminhos constituintes do traçado são conexões, estas são responsáveis pela

trar no parque linear terá contato com muitas frutificações dos

comunicação entre os acessos, espaços recreativos e edificações. Possuem uma frequência de uso menos significante, todavia desenvolvem ligações muito importantes como a via criada com o alinhamento com a via desembargador Cassiano de Melo que torna o prédio principal como ponto focal, estimulando sua observação.

SAPUCAIA

Lecythis pisonis. Florescimento: dez-maio. Cor rosa.

84

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

FLAMBOYANZINHO

Caesalpina pulcherrima. Florescimento: set-fev. Cor: vermelho.

PAINEIRA ROSA

IPÊ AMARELO

Ceiba speciosa. Florescimento: jul-nov. Cor: rosa.

Handronthus chrysotrichus. Florescimento: set-out. Cor: amarelo.

85

Vicente Gonçalves Gewehr

CORTE C9

JASMIN MANGA

Plumeira rubra. Florescimento jul-nov. Cores: rosa amarelo, branco e laranja.


Vegetação

raízes aparentes. A espécie escolhida também visa criar

rísticas, com textura plástica e leveza, incrementando o parque

A escolha da vegetação para a área do parque linear teve como

GRUPO I:

um marco visual marcado pela altura que varia de 30-

com canteiros muito atrativos. Estão localizados ao lado do Espa-

objetivo funcionar como atrativo aos usuários e realizar coerência

ornamental, as espécies selecionadas atingem diferentes tamanhos

40m, sendo um marco visível de vários pontos do Bairro

ço Recreativo Boêmio Sete Copas, ao norte do restaurante escola

com o conceito Agroparque, a partir da implantação de apenas

e possuem diferentes formas, compondo canteiros muito dinâmi-

(KINUPP, LORENZI 2014).

e à nordeste da biblioteca.

espécies alimentares. Os visitantes seriam impulsionados a des-

cos e atrativos com destaque para a verticalidade do Mandacaru e

bravar a área do parque para observar a diversidade dos canteiros

o belíssimo florescimento da Dama da Noite.

As cactáceas possuem aparência encantadora e rico valor

»»

pensados, tal como os florescimentos e as frutificações. A sazonalidade das frutificações foi o que norteou a divisão das

GRUPO J:

As espécies rasteiras foram inseridas de maneira a pos-

espécies em grupos. Assim, os grupos A, B, C, D, E, F e G compõem

sibilitar a contemplação do Morro do Sales e do Mestre Álvaro.

mais de 70% dos canteiros PANC e neles foram inseridas árvores

»»

J1 - ABÓBORA: O

canteiro com diversas espécies de

»»

K2 - CÁSSIA E IPÊ AMARELO:

Espécies que se destacam pelo

GRUPO N:

espécie escolhida objetivando possibilitar uma permanên-

vibrante amarelo no florescimento tiveram a implantação de

cia confortável aos usuários da academia Mutamba e interferir o

um canteiro localizado próximo ao parquinho dos vegetais

mínimo possível na visualização do Mirante Inharé, pelos usuá-

objetivando além da ornamentação um atrativo às crianças

rios na extensão da academia. Justificando a escolha da espécie

que podem brincar com as flores caídas ao solo.

baru com fuste de aproximadamente 6m de altura e copa globosa.

K3 - BAMBU MOSSÔ: os

canteiros de bambu conectam o

Segundo Abbud (2010), o emprego de agrupamento de árvores

dispostas alinhadas, de maneira a proporcionar a visualização das es-

abóboras Possui produção durante todo o ano, com os

restaurante ao parquinho, a ideia foi criar um caminho Com

me maneira heterogênea atrai uma fauna diversificada de pássa-

pécies que estão no interior dos canteiros pelos usuários do parque.

frutos chamativos pelos tamanhos, formas e colorações

uma visualização restrita à estética ornamental do bambu

ros, pequenos animais e borboletas assim como enriquece a com-

diversificadas.

e dos pontos focais no fim do Caminho. Indo em direção

posição plástica paisagística pela variedade de espécies.

GRUPO A, B E C: composto

por espécies de médio e grande porte com

»»

florescimento e frutificação em períodos do ano distintos. GRUPO D, E, F E G:

canteiro das capuchinhas destaca-se pela

»»

Os grupos H, I, J, K, L, M e N são canteiros também alimenta-

ao restaurante é possível a visualização do Mestre Álvaro e

bela folhagem, resistência da espécie às variações de clima e

indo em direção ao parquinho é possível a visualização da

Atrações recreativas

principalmente pela encantadora e deliciosa floração amarela

escultura dos vegetais.

O restaurante-escola, Nastúrcio Culinária PANC, é o espaço res-

e vermelha.

composto por espécies de médio e grande porte

com florescimento e frutificação em períodos do ano distintos.

J2 - CAPUCHINHAS: O

»» O canteiro de radite peludo destaca-se pela

K4 – CORTICEIRA SERRANA: Espécie

que apresenta um

ponsável por colocar em prática as ideias agroalimentares mais

florescimento em vermelho encantados, estas espécies foram

sustentáveis e a alimentação de verdade trabalhadas no segundo

aparência de campo com o amarelo da floração combinado

implantadas nos mirantes Inharé e Umarí proporcionando

capítulo. O espaço apresentaria soluções alimentares baseadas em

com as palmeiras (escolher) alinhadas ao lado do caminho

uma sensação incrível.

alimentos locais, das Agroflorestas, do Projeto Horta pra Nobis e

J3 – RADITE PELUDO:

res, todavia uma finalidade estética e/ou funcional específica. Por

marcando o caminho e com alinhamento seguindo o das

exemplo, o Grupo I composto por cactáceas. Em seguida serão

árvores localizadas na academia popular.

do imenso universo PANC, resultando em receitas saborosas, nuespécies plantadas ao redor do Biergarten foram esco-

tritivas e com possibilidades de preço acessíveis. Além de difundir

lhidas de forma a proporcionar uma permanência agradável aos

a experimentação, o restaurante funcionaria como escola, capaci-

por espécies que foram implantadas de ma-

usuários, por isso foram selecionadas árvores com fuste variando

tando a população interessada, que teria a oportunidade de parti-

neira individual por alguma peculiaridade ou em grupos da mes-

de 5 a 10 m, evitando uma sensação de sufocamento provocada

cipar do processo da produção. Seria então um elemento difusor e

que encantam pela sua exuberância, a combinação destas espécies

ma espécie para ressaltar alguma característica Marcante.

pelas copas muito próximas das pessoas. Outro requisito foi a se-

promoveria o fortalecimento dessa alternativa alimentar.

resulta em uma diversidade de folhagens texturas e frutificações.

»»

leção de árvores com as copas cheias, objetivando assim sombras

apresentados estes grupos de espécies. GRUPO K: Caracterizado GRUPO H:

Grupo de espécies vegetais nativas de regiões tropicais

K1 - SAMAÚMA:

dois canteiros, cada um com uma árvore

Três Canteiros com espécies desse grupo foram distribuídos pelo

no seu interior, localizados próximos ao parquinho dos

Agroparque, um próximo ao parquinho dos vegetais, outro próxi-

vegetais objetivam oferecer uma opção lúdica as crianças

mo ao Nastúrcio restaurante-escola e o último próximo ao prédio

pelo formato singular do tronco e pela altura e beleza das

GRUPO L: As

agradáveis aos usuários.

ceito foi desenvolvida de forma a distribuir a produção gerada na área do Agroparque e também comercializar alimentos sus-

GRUPO M:

estas espécies selecionadas possui um caráter estético

principal.

característico muito encantador, pelas folhas alongadas caracte-

86

87

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

A área de comercialização chamada de Mapati Mercado Con-

Vicente Gonçalves Gewehr

tentáveis. O mercado teria também uma produção de alimentos congelados, padaria etc., oferecendo produtos por preços justos.


O Espaço Recreativo Boêmio Sete Copas foi inspirado nas am-

A academia popular Mutamba, localizada a extremo norte do

biências dos Biergartens tão presentes na cultura do estado da

parque, foi pensada de maneira a atender principalmente o públi-

Bavária no sul da Alemanha. São espaços sombreados geralmente

co de jovens e adultos, visto que já existem duas academias para

por Kastanien (espécie geralmente utilizada – Aesculus carnea) ao

idosos nos arredores do Agroparque. É uma atividade rotineira,

ar livre com mesas compridas, onde as pessoas se sentam para

contribuindo assim com a frequência da população no espaço

conversar, beber e comer. A atmosfera desses espaços é o grande

e, em geral, promotora do bem-estar da população. As pistas de

diferencial, as pessoas que vão até o espaço geralmente estão dis-

skate e patins Pajurá estão ao lado da academia e buscam atender

postas a interagir com as outras pessoas, sendo muito frequente

principalmente jovens e adultos de ambos os sexos, proporcio-

sentar-se com desconhecidos e iniciar conversas, como é possível

nando uma opção lúdica para os interessados nestes frequentes

perceber na Figura 31.

esportes urbanos.

Nesses espaços os usuários são livres para trazer sua própria comida, porém a bebida deve ser adquirida no local, e as pessoas se direcionam até onde são servidas as bebidas. Eles existem há mais de 200 anos e o maior deles é o Hirschgarten em Munique, Alemanha, com capacidade para 8.000 pessoas sentadas. Também é muito comum a existência de apresentações musicais. O espaço pensado foi representado de maneira esquemática na Figura 32 e busca recriar essa ambiência sob árvores nacionais de estrutura semelhante, oferecendo como principal bebida a cerveja produzida e armazenada no local, uma vez que a produção desta poderá ser observada pelos usuários do parque. O espaço contri-

PERSPECTIVA 01

buirá para o aumento da diversidade dos usuários no Agroparque e proporcionará entretenimento às famílias, possibilitando uma permanência mais prolongada.

FIGURA 32 Croqui que representa os anseios para a área de mesas do Espaço Recreativo Sete Copas.

FIGURA 31 Biergarten in Munique.

Fonte: https://br.pinterest.com/ pin/566468459353150228/. Acesso em 10/06/2018

88

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

89

Vicente Gonçalves Gewehr


No corte C3 percebemos da direita para a esquerda a Ciclovia

o desenvolvimento muscular e ganho de força) e uma área de levantamento de peso. O corte

Cacauí, a pista de skate e patins Pajurá, seguido da academia popu-

termina com uma via de circulação de pedestres (acesso ao parque), seguida pelo cercamento

lar Mutamba, esta fragmentada em exercícios calistênicos (exercí-

em gradil, a rua Ouro Preto e as edificações presentes.

CORTE C3

cios de força física que utilizam o peso do corpo dos atletas para

RUA OURO PRETO EDIFICAÇÃO

CIRCULAÇÃO

LEVANTAMENTO DE PESO

ÁREA DE EXERCÍCIOS CALISTÊNICOS

ACADEMIA POPULAR MUTAMBA

CICLOVIA CACAUÍ

PISTA DE SKATE E PATINS PAJURÁ


AMPLIAÇÕES Objetivando mostrar mais detalhadamente as a proposta do Agro-

As árvores de dentro do parque realizam o sombreamento na

parque para Goiabeiras foram elaboradas três ampliações que

área principalmente no período após o meio dia, momento que

mostram espaços de grande relevância no parque. A Ampliação

apresenta desconforto maior devido ao calor oriundo dos raios

01 mostra acesso de pedestres mais importante do parque, em se-

solares. O corte C8 complementa o entendimento da área mos-

guida será apresentada a Ampliação 02: que retrata o parquinho

trando a relação de alturas, como a faixa elevada mantém o nível

dos vegetais e arredores e por fim a Ampliação 03 esclarecendo

da calçada e o cercamento do parque em gradil que possibilita uma

sobre o prédio principal e entorno.

permeabilidade visual entre interior e exterior.

AMPLIAÇÃO 01 A escolha de realizar a ampliação do principal acesso de pedestres ao parque, mais especificamente à Alameda das Cores, busca mostrar com mais detalhes como aconteceria essa área. Uma vez que este acesso é o mais próximo da Avenida Fernando Ferrari, via que contempla grande fluxo de transporte público. A intenção projetual no local foi criar um espaço de transição entre a via Dr. Cassiano Castelo e o Agroparque, este espaço é um ambiente agradável aos usuários, mostra que no local acontece uma entrada e prioriza os pedestres em detrimento dos automóveis. Desta forma foi desenvolvido um espaço à frente da entrada que funciona como uma pequena praça: no local foram dispostos bancos que possibilitam a permanência dos usuários, um bicicletário, iluminação pública e lixeiras. O acesso se destaca devido à um portal com o nome do parque, pela presença da faixa elevada criada e pelas dimensões das sapucaias, que sazonalmente se tornam rosa com muita exuberância (perceptível no corte C8).

92

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

PLANTA BAIXA AMPLIAÇÃO 01


CORTE C8

AMPLIAÇÃO 02 A Ampliação 02 retrata o parquinho dos vegetais e entorno. Está localizado entre a alameda das cores e a via Desembargador Cassiano Castelo e entre o Circuito Samaúma. No centro da imagem está a área de recreação infantil, esta foi idealizada de maneira a promover simultaneamente opções de lazer e um contato com a temática da alimentação pelas crianças. Inspirado no parque Gulliver em Valença, representado nas Figuras 33 e 34, a área recreativa desenvolvida seria formada por esculturas de vegetais de dimensões muito grandes, combinados e manipulados de forma a possibilitarem escaladas, subidas, descidas, entre outros, atingindo aproximadamente 4 metros de altura e com 15 metros de comprimento. O parquinho infantil está à um nível mais baixo do passeio, cria então um espaço mais reservado para as crianças incentivando assim a independência e autonomia delas. Os espaços de permanência ao redor do parquinho destina-se aos responsáveis e demais usuários do parque. Esses espaços possibilitam um estar muito diversificado com bancos lineares, bancos em U, bancos semi sombreados por pergolados, área gramada e também a possibilidade de se sentar nas mesas do Espaço Recreativo Sete Copas. Entre o parquinho dos vegetais e o restaurante Nastúrcio foi projetado uma via diferente das demais do parque: caracteriza-se por um espaço com pouca visualização do céu e pouca amplitude visual lateral, devido à implantação do bambu-mossô nas bordas, este responsável por criar um ponto focal no fim do trecho e en-

VIA DES. CASSIANO CASTELO (COMPARTILHADA)

cantar com a beleza característica da espécie. Esse caminho foi inspirado no Templo Tenryu-ji em Arashiyama, Kyoto, Japão representado pela Figura 35 que ilustra como o espaço aconteceria.

CIRCUITO SAPUCAIA

94

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

SAPUCAIA

ALAMEDA DAS CORES

95

Vicente Gonçalves Gewehr

FIGURAS 33 (acima) Parque Guliver em Valença. Fonte: https://br.pinterest.com/ pin/380554237246578718/. Acesso em 10/06/2018.

FIGURA 34 (abaixo) Parque Guliver em Valença. Fonte: reddit.com/r/architecture/comments/7qoss4/the_parque_ gulliver_of_valenciaphoto_from_2013misc/. Acesso em 10/06/2018.


PLANTA BAIXA AMPLIAÇÃO 02

Além do bambu mossô se inseriu uma vegetação muito diversificada no local: as duas Samaúmas se destacam pelas proporções e pelas raízes parcialmente aparentes, estas encantam pela exuberância e realizam o divertimento de crianças e adultos, como é possível perceber na Figura 36.

FIGURA 35 (acima) Templo Tenryu-ji, Arashiyama,

Kyoto, Japão. Fonte: www.insidekyoto.com/ arashiyama. Acesso em 12/06/2018. FIGURA 36 (abaixo) raízes da Samaúma. Fonte: caliandradocerrado.com.br/2009/05/rainha-dafloresta.html. Acesso em 12/06/2018.

96

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

97

Vicente Gonçalves Gewehr


Ao norte do parquinho dos vegetais estão os canteiros E, F e G

morfológica do espaço ao mesmo tempo que diver-

dotados de árvores de pequeno porte. Esses três espaços totalizam

sificam as texturas e volumetrias existentes.

42 espécies alimentícias diferentes, entre elas graviola, pitanga,

Ao sul temos o grupo B caracterizado por um

romã e laranja. Entre esses canteiros existe um espaço com árvo-

canteiro com gramado aberto dotado de árvores de

res marcadas pelo florescimento amarelo das Cássias e dos Ipês,

grande porte ao redor, dentre as espécies se desta-

estes que pelas dimensões proporcionam uma sombra agradável

cam manga, abacate, jaca e ingá. O espaço aberto

nos bancos em U (perceptível no corte C7).

mencionado anteriormente se mostra como ideal

A oeste do parquinho dos vegetais está o canteiros de abóbora

para interações como jogos e competições.

(vegetação forrageira), seguido dos flamboyanzinhos (arbustos) enfileirados entre a Alameda das Cores, que possibilitam, devido às pequenas dimensões, a visualização do Morro do Sales e também inserem cores ao espaço: com o laranja das Abóboras e o vermelho do florescimento dos arbustos. As três palmeiras Babaçu inseridas

CORTE C7

de modo igualmente espaçado, inserem um ritmo na composição

ALAMEDA DAS CORES

FLANBOYANZINHO

Caesalpina pulcherrima.

ABÓBORA

ÁREA DE CIRCULAÇÂO DE PESSOAS

BABAÇU

Attalea speciosa.

PARQUINHO DOS VEGETAIS

RUA DR. CASSIANO CASTELO

SAMAÚMA

Ceiba pentandra.


PERSPECTIVA 02

PERSPECTIVA 02

ANTES

DEPOIS

100

101

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

Vicente Gonรงalves Gewehr


PLANTA BAIXA AMPLIAÇÃO 03

AMPLIAÇÃO 03 O Prédio Principal está no centro da extensão do parque, localiza-

O prédio principal possui dois pavimentos, sendo no térreo a

do entre a via Cacauí e a Alameda das Cores e dentro do circuito

recepção, os dois auditórios, o Café Uricuri e um vestíbulo. O aces-

Copaíba. À frente das faces oeste, norte e sul encontram-se zonas

so ao segundo pavimento acontece por uma escada ou elevador,

mais destinadas à produção de alimentos como o SAF de transição

garantindo assim o acesso dos portadores de necessidades espe-

e a Floresta de bolso. Enquanto a leste do prédio existe um espaço

ciais em toda área pavimentada do parque. Nesse pavimento está

mais voltado à interação humana e a permanência dos usuários.

a Sala Integrada de Planejamento Cambucí e a Biblioteca Camélia.

A edificação é o centro de suporte teórico sobre as questões

O espaço, que funciona como uma praça, a frente do prédio

agroalimentares, responsável pela propagação dos saberes agroa-

principal é uma extensão pensada de maneira a proporcionar di-

limentares e agroecológicos. Ali estão a Biblioteca Camélia, com

versificadas ações como atividades temáticas e permanência de

acervo sobre alimentação, agricultura entre outros, e os Auditó-

usuários. No espaço estão o Café Uricuri com mesas e comercia-

rios Jenipapo e Nogueira, responsáveis por abrigar apresentações,

lização de alimentos, bancos sombreados, gramados e banheiros.

seminários, palestras entre outros. Tantas áreas de agricultura ne-

A vegetação escolhida para a área é marcada pelo amarelo

cessitam de planejamento, sendo assim criada a Sala Integrada de

oriundo dos Ipês (na alameda das cores) e das forrações de nome

Planejamento Cambucí, setorizada de acordo com as aplicações

Tupinambor e Rosmarina. Canteiros diversificados fornecem fru-

de agricultura, realizando, além do planejamento, o controle da

tos como Jabuticaba, manga e caju ao mesmo tempo que propor-

produção, treinando e atendendo a população em geral.

cionam espaços para piqueniques e recreações diversas.

102

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

103

Vicente Gonçalves Gewehr


SALA DE REUNIÃO

IPÊ AMARELO

SALA DE TREINAMENTO SALA DE ATENDIMENTO À POPULAÇÃO

AUDITÓRIO JENIPAPO

BIBLIOTECA BACUPARI

ACERVO

VARANDA

VESTÍBULO

PAINEIRA ROSA

CAFÉ URICURI

RECEPÇÃO E ADMINISTRAÇÃO

CORTE C4


PERSPECTIVA 03

PERSPECTIVA 03

ANTES

106

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

DEPOIS

107

Vicente Gonรงalves Gewehr


GERENCIAMENTO DO PARQUE

3.6

dos espaços, cercando as áreas, criando os canteiros, fornecendo ferramentas, insumos e treinamento.

A parcela destinada à Floresta de Bolso e o pomar seriam de

famílias envolvidas. Assim como promoveu a autoestima da comu-

responsabilidade do Estado, são espaços que não demandam ma-

nidade com os espaços mais limpos e resgatou jovens envolvidos

Então seriam selecionados os cultivadores (com priorização

nutenção frequente e a implantação é simples. A criação Flores-

em atividades ilícitas com a oferta de empregos (CEPAGRO, 2014).

das pessoas de baixa renda) e os espaços para cultivo individuais

ta de Bolso acontece com o plantio de algumas mudas e muitas

Da mesma maneira foi idealizado o esquema de compostagem

distribuídos. Cada produtor de alimentos receberia um espaço de

espécies por semeadura direta e o Pomar com plantio de mudas

para Goiabeiras e arredores. Com a produção de composto acon-

Esta seção é destinada a explicar o gerenciamento do Agropar-

cerca de 100m² e cada horta contaria com um coordenador. Pessoa

de árvores frutíferas espaçadas. A colheita da produção desses

tecendo à norte da Horta das Panelas e o produto servindo como

que e as atividades nele realizadas, as ideias foram inspiradas em

que organizaria o espaço e os cultivadores, assim como fiscaliza-

espaços seria destinada à usuários do parque e à comunidade, não

adubo nas áreas do Agroparque e/ou comercializado, promovendo

experiências urbanas bem sucedidas e visam o sucesso do espaço

ria as atividades evitando canteiros ociosos, organizaria reparos

objetivando a comercialização.

a conscientização ambiental na comunidade e escolas ao mesmo

planejado.

entre outras atividades. Seria cobrado um valor mensal simbólico

O Estado seria responsável pela realização de um investimento

e acessível de acordo com as demandas de cada espaço, que varia

inicial, preparando a área, fornecendo ferramentas adequadas e

Os espaços de caráter comercial do Agroparque como o merca-

de R$ 0,25 à R$10,00.

auxílio teórico aos produtores, assim como seria responsável pela

do, o restaurante e o espaço recreativo boêmio seriam arrendados

fiscalização das atividades. Ampliando as possibilidades de sucesso

à interessados e os espaços de aspecto educacional como auditó-

das áreas de Agricultura Urbana.

rios, biblioteca e salas de planejamento seriam de responsabilidade

O Agroparque é um espaço público projetado de forma a promover uma integração com o entorno, por isso realiza um conti-

tempo que transforma a relação da comunidade com os resíduos.

nuísmo de muitas vias no entorno imediato, assim conta com 16

Em cada horta seria incentivado a comercialização de maneira

portões de acesso. Estes fundamentais para garantir a interação

direta com o produtor, sendo possível a este colher os alimentos

com os espaços públicos já existentes, promover uma mobilidade

que deseja, possibilitando uma relação com o alimento diferente

Foi pensada uma maneira de produção de composto orgânico

urbana mais eficiente e incentivar o uso do espaço livre público

da forma predominante na esfera urbana. Cabendo a cada hortelão

para o Agroparque. Com inspiração na experiência bem sucedida

Conclui-se o capítulo de gerenciamento do parque com o en-

pela população. Assim, o fechamento não diminui a utilização, pro-

a decisão de como comercializar ou não sua produção. As hortas

do programa chamado de Revolução dos Baldinhos, este respon-

tendimento de que os espaços projetados são destinados à socie-

move a proteção da área do parque e possibilita uma permeabili-

seriam espaços que ficariam abertos durante o dia e a visitação não

sável pela realização da gestão dos resíduos orgânicos com en-

dade, esta que está se transformando constantemente. Por isso

dade visual. As entradas estão marcadas com uma seta que indica

seria desestimulada sob nenhuma hipótese. Cada horta teria um

volvimento comunitário para a realização da agricultura urbana

se entende que muitas atividades propostas podem obter sucesso

o modo de fechamento na prancha da Macroproposta e é possível

banheiro seco, espaço para armazenagem das ferramentas e um

na periferia de Florianópolis em Santa Catarina. Na comunidade,

assim como fracasso, mesmo que tenham surgido a partir de mui-

o entendimento de como seriam as entradas no corte C8.

espaço coberto para eventos sociais, fortalecendo os laços entre

a população sofria com surtos de leptospirose devido a grande

tos estudos, análises e comparações.

os participantes e convidados.

quantidade de lixo presente nas ruas dos bairros (responsáveis

Buscando atender os usuários em diversidade indo realizar atividades laborais ou físicas, foi estipulado um amplo horário de

Nas áreas compreendidas pelos Sistemas Agroflorestais o ge-

por alimentar os ratos), então foi criado o programa de coleta e

abertura dos portões de 5:00 às 23:00 horas e o funcionamento

renciamento acontece de acordo com o zoneamento pensado. O

compostagem que retirou das ruas os resíduos orgânicos que ali-

dos espaços administrativos, auditórios entre outros seria o horá-

SAF de inserção seria de responsabilidade do Estado, este encarre-

mentavam os ratos. Cada morador participante recebeu um balde

rio comercial padrão.

gado do plantio das mudas de Juçara e pela preservação da Mata

onde depositam o lixo orgânico, e então depositam esse resíduo

de Tabuleiro. Os frutos do Juçara nesta área, seriam principalmen-

nos Pontos de Entrega Voluntário (PEV) de onde são recolhidos e

te destinados à alimentação da fauna.

destinados à compostagem no pátio de uma escola no bairro (CE-

Quanto às áreas de AU, foram pensadas maneiras de produção adequadas a cada espaço. Para o programa Horta Pro Nobis se desenvolveu uma dinâmica inspirada na experiência bem sucedida

As extensões de SAF de transição e Agrorestinga seriam arren-

PAGRO, 2014). O composto produzido é distribuído entre a comu-

do programa Lavoura em Curitiba. O primeiro momento seria de

dadas a interessados, estes deveriam seguir os princípios agroali-

nidade e também comercializado. Os resultados da Revolução dos

responsabilidade do Estado, responsável pela preparação inicial

mentares que servem de conceito para o parque.

Baldinhos foram: melhoria da saúde pública, o estímulo ao cultivo de alimentos, a contribuição com a SAN e diminuição de custos das

108

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

109

Vicente Gonçalves Gewehr

pública.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

AGROPARQUES EM DADOS

A proposta do Agroparque para Goiabeiras foi realizada numa

área de 330.000m², espaço que representa 0,35% da extensão de Vitória. A implantação desta área aumentaria em 11% o espaço de

parques na cidade. Também significa um ganho ambiental: Llan-

ganho mensal de aproximadamente R$ 450,00 de cada cultiva-

derte (1982) calculou que 1hectare de área de floresta é responsá-

dor. Economia anual de mais de 5.000 reais por pessoa. Quanto

vel pela remoção de 50t de pó e partículas residuais no ar, os 9,7

a produção, em cada espaço de 100m² das hortas é estimado, de

há de área de floresta adicionados eliminariam quase 500t de pó e

acordo com a experiência de Curitiba, uma produção diária de 3kg

partículas residuais do ar.

de alimento. Sendo assim 13,5 toneladas de alimentos produzidos

Quanto à capacidade de alimentação temos toda a extensão de 330.000m² servindo de área produtora de alimentos, sendo

Segundo Silveira (2016 apud Ribeiro, 2017) uma pessoa con-

alguns espaços mais voltados à produção alimentar (SAF de tran-

sume 3kg de alimentos diariamente entre sólidos e líquidos, se

sição e Hortas) e outros mais recreativos. Segundo a organização

considerarmos que 1/3 dessa quantidade seria oriunda do Agro-

agrofloresta do futuro (2018) os 43.688,35m² de SAF de transição

parque o espaço do SAF de transição seria capaz de alimentar

produziriam aproximadamente 350 t de alimento por ano.

960 pessoas por ano. As hortas teriam a capacidade de alimentar

O programa Horta Pro Nobis concederia a mais de 150 pessoas espaços de cultivo, todavia o número de pessoas que se beneficiariam seria maior, pois consumidores, parentes e vizinhos tam-

1.427 pessoas anualmente.

A partir dos dados apresentados é possível compreender a

capacidade de abastecimento alimentar que o espaço possui. Esses

(2015) aponta que em Curitiba cada cultivador fornece alimentos

dados não consideram os espaços onde acontecem a Agrorestin-

para até 12 pessoas, desta forma estima-se que 1.800 pessoas te-

ga, canteiros PANC (na área do parque linear), Floresta de Bolso,

riam acesso aos alimentos produzidos nas 3 hortas. Considerando

Pomar Urbano e SAF de inclusão, uma vez que não foi encontra-

a economia com compras em mercados e vendas é estimado um

do na literatura parâmetros que apresentassem sua capacidade

1  De acordo com os relatos dos participantes do programa Lavoura em Curitiba

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

467 pessoas por ano. Resultando na possibilidade de alimentar

bém se beneficiariam consumindo alimentos saudáveis. Ferrareto

1

110

mensamente e 170 toneladas anualmente

111

Vicente Gonçalves Gewehr


de alimentação. Da mesma forma, não é possível apresentar em

me interessar pela produção de alimentos agroecológicos e pelo

Vitória à se tornar uma zona de parque tecnológico, de outra for-

números como a qualidade de vida da população do entorno me-

campo. A partir do interesse em entender mais sobre a produção

ma. O campo teórico promove uma ampliação sobre os entendi-

lhoraria, como seriam as interações sociais entre a vizinhança, a

de alimentos e buscar respostas às incompreensões mencionadas

mentos do sistema agroalimentar, os muitos benefícios e formas da

relação com a alimentação, os ganhos na saúde, como seria a SAN

anteriormente tive contato com a agricultura de distintas manei-

produção de alimentos em extensões urbanas e um entendimento

das pessoas que teriam acesso ao cultivo de alimentos e como esse

ras: na produção de alimentos em fazendas orgânicas, em uma

sobre o papel dos parques urbanos. Entendimento fundamental

espaço superaria a dicotomia entre campo e cidade. Todavia a par-

ecovila, em visitas à hortas urbanas, em diálogos com pessoas que

para o desenvolvimento do Agroparque em Goiabeiras.

tir dos estudos de casos da AU da família Dervaes, da cidade de

cultivavam alimentos nos quintais, visitando a família no interior

Este espaço é voltados às pessoas, a partir das múltiplas fun-

Todmorden e principalmente do programa Lavoura da prefeitura

entre outros. Desta forma, realizava comparações e questiona-

ções que a Agricultura Urbana a área promoveria o acesso à ali-

de Curitiba (que mais se assemelha ao Agroparque) foram notadas

mentos frequentemente sobre a vida em centros urbanos e em

mentos em diversidade, quantidade e qualidade, contribuindo para

melhorias nos aspectos mencionados, desta forma consideramos

espaços rurais.

a Segurança Alimentar Nutricional dos envolvidos. Da mesma for-

O desenvolvimento do projeto do Agroparque é um resultado

ma ampliaria as relações sociais, promoveria a educação, saúde e

de buscas próprias somadas ao aprendizado dos seis anos e meio na

ao mesmo tempo potencializaria o entorno pela conexão entre os

graduação de Arquitetura e Urbanismo, onde também se aprende

espaços livres públicos e pela transformação da paisagem. Seria

paisagismo realizada na Universidade Federal do Espírito Santo

um espaço que comprova que a distinção entre cidade e campo

(UFES) e na Universidade Técnica de Munique (TUM). O intercâm-

não faz sentido e mostra que a agricultura pode acontecer em cen-

Este trabalho surgiu a partir de três incompreensões sobre a vida

bio na Alemanha me mostrou que as cidades podem ser diferentes,

tros urbanos e inclusive estar atrelada à recreação populacional.

em sociedade:

principalmente quanto a relação com os espaços livres, uma vez

Tornando-se uma significativa atração na Região Metropolitana

que o país apresenta em geral cidades com muitos parques, praças

de Vitória e uma inovação paisagística em todo o mundo.

que todos esses pontos levantados seriam melhorados e a população em geral seria a principal beneficiada.

CONCLUSÕES

»» Por que não estamos cultivando alimentos em todo lugar na cidade, já que existem pessoas passando fome? »» Por que o espaço urbano tem que ser tão caótica, ao mesmo

e ciclovias em bairros mais afastados e nas áreas mais centrais. A experiência na UFES, entre tantos aprendizados, me mostrou como as cidades deveriam valorizar as pessoas, os espaços públicos serem

tempo que é espaço das oportunidades, e o campo tão

atrativos e confortáveis, a arquitetura deveria levar em considera-

monótono e sem oportunidades de “crescimento” ?

ção o entorno, para quem ela é feita, qual o seu papel no todo. Da

»» Por que a lógica do sistema atual que mata, envenena, polui,

mesma maneira aprendi que as ruas deveriam atrair pedestres, o

destrói, prejudica a saúde mental e física por dinheiro, ainda

transporte individual motorizado (geralmente carros) deveriam ser

não foi substituída por uma que valorize coisas importantes?

desestimulados enquanto ciclovias, calçadas e uma diversidade de transportes públicos deveriam ser valorizados.

Uma das respostas encontradas pelo autor foi a produção de

E esse presente trabalho é a conclusão de um marcante ciclo, o

alimentos agroecológicos oriundos da agricultura familiar, em um

projeto possibilita enxergar o espaço, destinado pela legislação de

evento na Universidade sobre alimentos orgânicos em 2011. Desde então passei a ver as práticas agroalimentares de outra forma e 112

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

113

Vicente Gonçalves Gewehr


REFERÊNCIAS Aeroporto de Vitória será ampliado em 1982. A Tribuna, Vitória-ES, 1981. AGROFLORESTA DO FUTURO, Como é possível uma agrofloresta produzir 80 toneladas por hectare. Disponível em: <https://agroflorestadofuturo.com.br/2018/03/27/como-e-possivel-a-agrofloresta-produzir-ate-80-toneladas-de-alimentos-por-hectare-com-custo-mais-baixo-e-ainda-melhorando-o-solo/>. Acesso em 10/06/2018. ALMEIDA, Luciana. Ostras somem de mangue e famílias ficam sem renda. A Tribuna, Vitória-ES, 2010. Imóveis de goiabeiras tem valorização de 30%. A Tribuna. Vitória, 04 de novembro de 2003. ALMEIDA, VALTER JOSÉ; FAVETTA, LEDA RODRIGUES DE ASSIS. A horta

mana, ambiental e social. São Paulo: Senac, 2012. P. 386. AZEVEDO, E. de.; PELED, S. “Alimentação, sociedade e cultura: temas contemporâneos” Sociologias, Porto Alegre, ano 19, no 44, jan/abr 2017, p. 276-307. AZEVEDO, E.; RIGON, S.A. Sistema alimentar com base no conceito de sustentabilidade. In: TADDEI, J.A. et al. (orgs). Nutrição em Saúde Pública. São Paulo: Rubio, 2014. BOLINA, Leandro. Família Dervaes e a horta urbana na auto-suficiência

ambiental. Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient. ISSN 1517-1256, v.

familia-dervaes-e-a-horta-urbana-na-auto-suficiencia-alimentar/>.

28, janeiro a junho de 2012. Disponível em: <http://repositorio.furg.

Acesso em 09 abril 2018. BRAND, P. MUÑOZ, E. “Cultivando ciudadanos: agricultura urbana desde

Agrofloreta%20Sucessional%20Uma%20Aliada%20na%20Restaura%-

una perspectiva política”. em: Cadernos IPPUR/UFRJ. v. XXI, n.1. Rio

C3%A7%C3%A3o%20Ambiental..pdf?sequence=1>.Acesso em: 10 abril

de Janeiro. 2007. BRASIL. Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012. Disponível em: <http://

ALVES, A.F.; GUIVANT, J.S. Redes e interconexões: desafios para a construção da agricultura sustentável. INTERthesis, Florianópolis, v.7, n.1, p.1-27, jan./jul. 2010 ARAÚJO, Lucas. Alimentação indígena. Disponível em: <indigena-grupo. blogspot.com.br/2010/07/culinaria-indigen.html> Acesso em: 16 mai. 2018.

115

______, E. Alimentos orgânicos: ampliando os conceitos de saúde hu-

alimentar. Disponível em: <http://melhorviver.com.br/2016/11/12/

2018.

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

humana, ambiental e social. 2. ed. Tubarão: Unisul, 2006, p.198.

mandala na agrofloreta sucessional: uma aliada na restauração

br/bitstream/handle/1/3802/A%20Horta%20Mandala%20na%20

114

AZEVEDO, E. Alimentos orgânicos: ampliando os conceitos de saúde

Vicente Gonçalves Gewehr

www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm.> Acesso em: 02 dez. 2017. BRASIL. Resolução CONAMA N° 429 de Fevereiro de 2011. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=644>. Acesso em: 9 dez. 2017.


CADIM paisagismo. Floresta de bolso, o que é?. Disponível em: <http://

CORTI, B., DONOVAN, R. J., HOLMAN, C. D. J. Factors influencing the use of

FLORIOS, Daia. A família que produz 2.700kg de comida por ano em

physical activity facilities: Results from qualitative research. Health

370m Disponível em : <https://www.greenme.com.br/morar/horta-e-

social. 2010. Trabalho final de graduação. Departamento de Arquite-

em 08 dez. de 2017

Promotion Journal of Australia, 7, 16-21, 1997.

-jardim/2306-familia-produz-2-700-kg-comida-por-ano-em-370-m2>.

tura e Urbanismo, Universidade Federal do Espírito, Vitória-ES, 2010.

CALDEIRA P., CHAVES R. Sistemas agroflorestais em espaços protegidos.

CRUZ et al. 1999. Espaçamento e densidade. Disponível em: <http://

Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Coordenadoria de Biodi-

www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/milho/arvore/CON-

versidade e Recursos Naturais. - - 1.ed atualizada. 2ª reimpr -- São Paulo : SMA, 2011. 36 p. : il. color. ; 21 x 30 cm, Disponível em: <http://

Acesso em: 11 dez.. 2017. FORESIGHT. The future of food and farming. Final Project Report. London: Government Office for Science, 2011.

TAG01_49_168200511159.html>.Acesso em 11 dez. 2017. DANIELA, Adil Oliveira de Almeida. ISTO E AQUILO: agriculturas e produ-

FRICKE, G. T.; PARISI, R. S. B. A Gestão Urbana e o Desenvolvimento

HAY, Steve.(2012, 23 de março). Incredible Edible Todmorden – Reportage. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=KGwrcVWI6bw>. Acesso em 09 abril 2018. HÉLIO, Dr visita “Horta Urbana” em Vitória e diz que modelo pode ser

www.sigam.ambiente.sp.gov.br/sigam3/Repositorio/222/Documen-

ção do espaço na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

Regional Sustentável: A Rota Tecnológica 459 e a Região Metropo-

praticado em Mucuri. Disponível em: <http://vereadoresquetraba-

tos/SAF_Digital_2011.pdf>. Acesso em 09 dez. 2017.

438 f. 2016 Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal De

litana de Campinas. Disponível em: <ww.anppas.org.br/encontro/

lhamdeverdade.blogspot.com.br/2017/08/dr-helio-visita-horta-urba-

CANÇADO, Airton Cardoso et al. (Coord.). Economia Solidária e Desenvolvimento Sustentável: resultados da atuação do NESol/UFT no Bico do Papagaio/TO. Goiânia: Graf set Gráfica e Editora Ltda, 2009. CASTRO, Josué de. Geografia da fome: o dilema brasileiro – pão ou aço.

de casa. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/ge-

CAVALHERO, F.; DEL PICCHIA, P. C. D. Áreas verdes: conceitos, objetivos, diretrizes para o planejamento. In: congresso brasileiro sobre arborização urbana, 1., e encontro sobre arborização urbana, 4. Vitória, 13 a 18 de setembro, 1992. Anais, Vitória, 1992. p.29-38. CEPAGRO – Tecnologia social, Revolução dos Baldinhos, (2014) disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=XYhg_PG39j4>. Acesso em 10 jun. 2018. CIDADE pomar: Brasília tem cerca de 900 mil árvores frutíferas em área pública, 2016. Disponível em: <http://congressoemfoco.uol.com.br/ noticias/cidade-pomar-brasilia-tem-cerca-de-900-mil-arvores-frutiferas-em-area-publica/>. Acesso em 11 dez. 2017. Código Florestal: Lei Federal nº 4.771/65. • Lei Federal nº 7.803/89 –

FRIEDMAN, H & McMICHAEL, P. Agriculture and the state system. Sociologia Rurales, 1989.

In: Estudos sociedade e agricultura, n. 17, 2001, p. 33-53. DÍEZ, BEATRIZ. A família que produz toneladas de comida no quintal

Rio de Janeiro: Antares, 1984.

segundo/Papers/GT/GT11/glacir_fricke.pdf> Acesso em: 06 mar. 2015.

Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016. DE PAULA, Silvana. “Quando o campo se torna uma experiência urbana”

CASCUDO, L.C. História da Alimentação no Brasil. São Paulo: Global, 1977.

ral/2016/05/160509_familia_plantacao_lab>. Acesso em 09 abril

FRIEDMAN, H. The political economy of food: a global crisis. New Left Review, 1993. GALETTI, Mauro. Palmito juçara: uma palmeira ameaçada na Mata Atlântica. Disponível em: Disponível em: <http://redeglobo.globo.com/

2018. DUCHTING, Hajo. Paul Cézanne 1839-1906 da natureza a arte. TASCHEN-

globoecologia/noticia/2011/06/palmito-jucara-uma-palmeira-ameacada-na-mata-atlantica.html>. Acesso em 10 abril 2018.

-BR, 2004 FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. The state

GERMANO, P.M.L.; GERMANO, M.I.S. Alimentos e suas relações com a educação ambiental. In: PHILIPPI JR, A.; PELICIONI, M.C.F. (orgs.) Educação

of food and agriculture, FAO, Rome, 2013.

ambiental e sustentabilidade. 2. ed. Barueri: Manole, 2014. p. 863-910.

FARIAS, Fernanda. Árvores frutíferas contam a história de Brasília, que completa 56 anos.Disponível em: <http://www.canalrural.com.br/

GOIABEIRAS terá centro de esportes. A Tribuna, Vitória 18 de abril de 2008.

noticias/rural-noticias/arvores-frutiferas-contam-historia-brasilia-que-completa-anos-61752>. Acesso: 11 dez. 2017.

GOMES DE ALMEIDA, Silvio. Construção e desafios do campo agroecológico brasileiro. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2009.

FERRARETO, L.C. A agricultura Urbana e suas múltiplas funções: a experiência do programa lavoura da prefeitura de Curitiba-PR. 2015

GRAZIANO NETO, Francisco. Questão agrária e ecologia: crítica da moderna agricultura. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

Dissertação (mestrado em Ciências Sociais em desenvolvimento,

altera a redação do Código Florestal e revoga as leis nº 6.535/78 e

agricultura e sociedade) – Universidade Federal Rural do Rio de

7.511/86. Acesso em 09 dez. 2017.

Janeiro, 2015.

GREW, R. The Globalization of Food (review) Technology and Culture, 2011.

117

2003. IBGE. Censo Demográfico, 2010. Disponível em: <www.ibge.gov.br>. Acesso em: 03 de dezembro de 2017 Impasse ameaça parque tecnológico na capital. A Gazeta. Vitória, 14 dez. 2016. INCAPER. Boletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba. Disponível em: Disponível em: <https://biblioteca.incaper.es.gov.br/digital/bitstream/item/2737/1/Boletim-Final-2017.pdf>. Acesso em 10 abril 2018. IPHAN. Ofício das Paneleiras de Goiabeiras. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/51/>. Acesso em 03 dez. 2017. JOHNSTON, J.L. et al. Understanding sustainable diets: a descriptive their impact on health, food security and environmental sustainability. Advances in Nutrition. v.5, p. 418-429, 2014. KABASHIMA, Yukie, et al. Sistemas agroflorestais em áreas urbanas . Artigo publicado em REVSBAU, Piracicaba – SP, v.4, n.3, p.70- 87, 2009. Disponível em: <http://www.revsbau.esalq.usp.br/artigos_cientificos/ artigo85.pdf>. Acesso em: 09 dez. 2017.

Exposição de Motivos no. 003/2013. Brasília, DF: CONSEA, 2013.

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

na-em-vitoria.html>. Acesso em 11 dez. 2017. História de Goiabeiras começou nos anos 50. A Tribuna. Vitória, 07 nov.

analyses of the determinants and processes that influence diets and

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA).

116

GUIMARÃES, Henrique César. Rua, espaço público de comportamento

www.cardimpaisagismo.com.br/projetos/floresta-de-bolso/>. Acesso

2

Vicente Gonçalves Gewehr


LEFEBVRE, Henri. The production of space. Oxford: Blackwell, 1991. LEITE, T.V.P. (2014). Sistemas Agroflorestais na recuperação de espaços protegidos por lei (AAP e Reserva Legal): estudo de caso do Sítio Geranium, DF. Tese de Doutorado em Ciências Florestais, Publicação

MOREIRA, José Roberto. Críticas ambientalistas à Revolução Verde. Estu-

mento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasilei-

Roundup-tolerant genetically modified maize. Food and Chemical

V2/ojs/> Acesso em : 10 dez. 2017.

ra. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 156 p.

Toxicology, 2012.

MOTTA, Regina (2014). Paisagismo: Parque Sitiê: Primeira Agro- Floresta do Rio de Janeiro. Disponível em: <https://paisagismodigital.com/

Brasília, Brasília, DF, 2014.

Noticias/?id=paisagismo:-parque-sitie:-primeira-agro--floresta-do-

abastecimento (1918-1974). Ministério da Agricultura. Brasília. 1979. LYSON, T. Civic Agriculture – Reconnecting Farm, Food and Community. Massachusetts: University Press of New England, Hanover and London, 2004. MALUF, R e COSTA, C. “Diretrizes para uma política municipal de segurança alimentar e nutricional”. en: Revista Pólis,. 1999. MALUF, Renato, MENEZES, Francisco e VALENTE, Flavio L. “Contribuição ao tema da Segurança Alimentar no Brasil” In: Revista Cadernos de Debate (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação/Unicamp), 1996. MALUF, Renato. Políticas Agrícolas e de desenvolvimento rural e segurança alimentar. In: Políticas públicas e agricultura no Brasil. Ed. da UFRGS. Porto Alegre. 2001. MATUK, Tatiana Tenorio, Práticas alimentares (in)sustentáveis: participação, promoção da saúde e educação ambiental - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. McMICHAEL, A. et al. Food, livestock production, energy, climate change, and health. The Lancet, 2007. ______. Integrating nutrition with ecology: balancing the health of humans and biosphere. Public Health Nutrition, 2005. Ministério do meio ambiente do Brasil. Agrotóxicos. Disponível em:

-rio-de-janeiro&in=388> Acesso em: 11 dez. 2017.

PMV. Decreto nº10.029: cria a Reserva Ecológica Mata de Goiabeiras. Disponível em: <http://www.oads.org.br/leis/3287.pdf>. Acesso em 01 de Dezembro de 2017. ______. Histórico de Goiabeiras. Disponível em: <http://legado.vitoria.

MOUGEOT, L. J. A. (ed.) Agropolis: the social, political and environmental

es.gov.br/regionais/bairros/regiao6/goiabeiras.asp>. Acesso em: 01

dimensions of urbanagriculture. Earthscan/IDRC, 2005. ______. “Urban agriculture: definition, presence, potentials and risks” In:

de Dezembro de 2017. POLLAN, MICHAEL (2010, 20 de Outubro). Why Eat Local? Disponível em:

Growing cities, growing food: urban agriculture on the policy agenda

Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=DhaG_Zi6izU>.

– a reader on urban agriculture. Feldafing (Alemanha):Zentrals-

Acesso em 10 abril 2018.

tellefürErnährung und Landwirtschaft (ZEL); Food and Agriculture

PREUSS, K. Integrando nutrição e desenvolvimento sustentável: atribuições a ações do nutricionista. Revista Nutrição em Pauta, nov./dez.,

Development Center, 2000. NARDELE, M., CONDE I. Apostila Sistemas Agroflorestais, 2010. Disponível em: <https://biowit.files.wordpress.com/2010/11/apostila-agroflorest.

REBRAF. Manual agroflorestal para a Mata Atlântica. Classificação, breve caracterização e práticas agroflorestais . Projeto: “Capacitação

SILVA, Clecio Azevedo. “A configuração dos circuitos curtos em sistemas alimentares: tendências evolutivas”. Doc. Anual de geografia. Vol.54. pp.11-32, 2009. SPARKNEWS TV, (2015, 02 de Junho). Incredible Edible Todmorden - Local Collaborative Food Movement. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=T_IeNs_4zHY> . Acesso em 10 abr. 2018. SPOSITO, M.E.B. A questão cidade-campo: perspectivas a partir da cidade. In: Cidade e Campo: relações e contradições entre urbano e rural. Expressão Popular. São Paulo, 2010. options, Food and Agricultural Organization of the United Nations, Rome, 2006. SZEREMETA, B. e ZANNIN, P.H.T. A importância dos parques urbanos e

participativa de agricultores familiares e formação de agentes de

mam depósito de lixo em parque ecológico. Disponível em: <http://

desenvolvimento agroflorestal para difusão de experiências com

áreas verdes na promoção da qualidade de vida em cidades. R. Ra’e

misturaurbana.com/2016/02/moradores-de-favela-alto-vidigal-rj-

praticas agroflorestais no bioma da Mata Atlântica”, 2007.

Ga - Curitiba, 2013.

-transformam-deposito-de-lixo-em-parque-ecologico/> Acesso em:

SCANAVACA, LAERTE . Importância dos parques urbanos: o exemplo do

11 dez. 2017. PEARSON, L. J.; PEARSON, L.; PEARSON, C. J. Guest editorial: challenging,

2009 Trabalho final de graduação. Departamento de Arquitetura e

bana, ANAIS. Uberlândia, 2012. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.

Urbanismo, Universidade Federal do Espírito, Vitória-ES, 2009.

embrapa.br/digital/bitstream/item/76079/1/2012AA002.pdf.> Acesso

Agriculture Sustainability: urban agriculture: diverse acitivities and

em 01/05/2018>.

benefits for city society, Londres, 2010.

SEM AUTOR, (2011, 16 de dezembro ). Incredible Edible: Todmorden’s

PETERSEN, P. Um novo grito contra o silêncio. In: CARNEIRO, F.F. et al.

em 28 mar. 2018.

cos na saúde. Rio de Janeiro/São Paulo: EPSJV/Expressão Popular,

119

VERTHEIN, U.; VÁZQUEZ-MEDINA, A. Os territórios do comer. Cult. Revista Brasileira de Cultura, São Paulo, ano 18, n. 198, pp. 26-29, fev. 2015. VIEIRA, J. E. (2015). Memória e atualidade em Goiabeiras, Disponível em:

local food revolution. Disponível em: <https://www.youtube.com/

<http://www.recuperandohistorias.com.br/endereco/123_Goiabeiras.

watch?v=DLdMcmHXdcA>. Acesso em 10 abr. 2018.

pdf>. Acesso em 01 dez. 2017.

SEM AUTOR. Horta Mandala – Permacultura. Disponível em: <http://

2015. p.27-36.

TROVÃO, A. P. M. Conjunto habitacional uma proposta para Goiabeiras.

parque Alfredo Volpi. XVI Congresso Brasileiro de Arborização Ur-

multidimensional agriculture in cities. In: International Journal of

(orgs). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxi-

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

paulo: rubio, 2016.

NAVILLE, Natt (2016). Moradores da favela do Alto Vidigal no RJ transfor-

2001.

118

SILVA G.; TOLONI MHA. (ORG.). Nutrição em saúde pública. 2o ediçao . são

STEINFELD, H. et al. Livestock's long shadow: environmental issues and

2009.

pdf>. Acesso em 09 abril 2018

<http://www.mma.gov.br/seguranca-quimica/agrotoxicos>. Acesso MINTZ, S.W. Comida e antropologia: uma breve revisão. Rev. Bras. Ci. Soc,

SÉRALINI G.E. et al. Long term toxicity of a Roundup herbicide and a

dos Sociedade e Agricultura. Disponível em: <http://r1.ufrrj.br/esa/

PPGENE.TD, Departamento de Engenharia Florestal, Universidade de LINHARES, Maria e TEIXEIRA DA SILVA, Francisco. História política do

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departa-

VILJOEN, A., e BOHN, K. Continuous Productive Urban Lands capes: Ur-

vivaaarvore.blogspot.com.br/2008/08/horta-mandala-permacultura.

ban agriculture as an essential infrastructure. Revista de Agricultura

html>. Acesso em 16 jun. 2018.

Urbana, 2007.

Vicente Gonçalves Gewehr


ANEXOS REFERÊNCIAS DE ESTUDOS QUE ASSOCIAM A CAUSA DE DOENÇAS À UTILIAÇÃO DE AGROTÓXICOS

alguns tipos de câncer 1  2  3; imunodepressão  4; doença de Parkinson 5 ; depressão e outras desordens neurológicas 7  8; aborto e problemas

6

17  18

alguns tipos de câncer; imunodepressão; doença de Parkinson; depressão e outras desordens neurológicas; aborto e problemas congênitos; tipos de câncer dependentes de hormônio, infertilidade e malformação congênita; sintomas respiratórios e esterilidade em adultos. 9  Pires DX, Caldas ED, Recena MCP. Uso de agrotóxicos e suicídios no Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública 2005; 21 (2):598-605. 10  Baatrup E, Junge M. An Exploratory analysis of the effect of pesticide

1  Abdalla MH, Gutierrez-Mohamed ML, Farah IO. Association of pesticide exposure and risk of breast cancer mortality in Mississippi. Biomed Sci Instrum 2003; 39:397-401. 2  Alavanja MCR, Samanic S, Dosemeci M, Lubin J, Tarone R, Lynch CF, et al. Use of agricultural pesticides and prostate cancer risks in the agricultural health study cohort. Am J Epidemiol 2003; 157(9):800-14. 3  Buckley JD, Robison LL, Swotinsky R, Garabrant DH, Lebeau M. Pesticide exposures in children with non-Hodgkin lymphoma. Cancer 2001; 89(11):2315-21. 4  Dewailly E, Ayotte P, Bruneau S, Gingras S, Belles-Isles M, Roy R. Susceptibility to infections and immune status in inuit infants exposed to organochlorines. Environ Health Perspect 2000; 108(3):205-11. 5  Ascherio A, Chen H, Weisskopf MG, O’Reilly E, McCullough ML, Calle EE, Schwarzschild MA, Thun MJ. Pesticide exposure and risk for Parkinson’s disease. Ann Neurol 2006; 60(2):197-203. 6  Elbaz A, Clavel J, Rathouz PJ, Moisan F, Galanaud J, Delemotte B, et al. Professional exposure to pesticides and Parkinson’s disease. Ann Neurol 2009; 66(4):494-504. 7  Beseler C, Stallones L. Structural equation modeling of pesticide poisoning, depression and safety behaviors among Colorado farm residents. J Agromedicine 2006; 11(3/4):47-58. 8  Baldi I, Lilleul L, Mohammand-Brahim B, Fabriguole C, Dartigues JF, Schwall S, et al. Neurophysical effects of long-term exposure to pesticides: results from the French Phytoner Study. Environ Health Perspect. 2001; 109 (8):839-44.

120

congênitos 9  10  11  12  13; tipos de câncer dependentes de hormônio, infertilidade e malformação congênita 14; sintomas respiratórios 15;esterilidade em adultos 16

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

exposure on the risk of spontaneous abortion in an Ontario farm population. Environ Health Perspect 2002; 109 (8): 851-8. 11  Bell EM, Hertz-Picciotto I, Beaumont JJ. Fetal deaths linked to living close to agricultural pesticide use during weeks 3-8 of pregnancy. Epidemiology 2002; 12(2):148- 56. 12  Schreinemachers DM. Birth defects higher in babies born to families living near farming areas using pesticides. Environ Health Perspect 2003; 111(9):1259-64. 13  Qiao D, Soldier FJ, Tate CA, Cousins MM, Slotkin TA. Fetal chlorpyrifos exposure: adverse effects on brain cell development and cholinergic biomarkers emerge postnatally and continue into adolescence and adulthood. Environ Health Perspect 2003; 111(4):536-44. 14  Siqueira SL, Kruse MHL. Agrochemicals and human health: contributions of healthcare professionals. Rev Esc Enferm 2008; 42 (3): 584-90. 15  Faria NMX, Facchini LA, Fassab AG, Tomas E. Pesticides and respiratory symptoms among farmers.Rev Saúde Pública 2005; 39 (6):973-81. 16  Abell A, Ernst E, Bonde JP. Semen quality and sexual hormones in greenhouse workers. Scand J Work Environ Health 2000; 26(6):492-500. 17  Greenlee AR, Arbuckle TE, Chyou P-H. Risk factors for female infertility in an agricultural region. Epidemiology 2003; 14(4): 429-36. 18  Hanke W, Jurewicz J. The risk of adverse reproductive and developmental disorders due to occupational pesticide exposure: an overview of current epidemiological evidence. Int J Occup Med Environ Health 2004; 17(2):223-43.

GRUPO A (ESPÉCIES DE MÉDIO E GRANDE PORTE):

Manga Espada, ANACARDIACEAE Mangifera indica - PF: nov. – mar. Abacate, LAURACEAE Persea americana – PF: mar. - set. Nespereira, MALOIDEAE Eriobotrya japônica – PF: ago.-nov. Tamarindo, Fabacea Tamarindus - – PF: ago.-out. PANCS: Umari, CACINACEA Poraqueiba sericea Monguba, MALVACEA Pachira aquática Jaca-africana, MORACEA Treculia africana Decne. Camararuana, FABACEAE-FABOIDEAE Dipteryx odorata Uva-do-Japão, RHAMNACEAE Hovenia dulcis Pajurá-da-mata, CHRYSOBALANACEAE Parinari montana Ingá de metro, FABACEAE-MIMOSOIDEAE Inga edulis Mutamba, MALVACEA Guazuma ulmifolia Cacauí, MALVACEA Theobroma speciosum GRUPO B (ESPÉCIES DE MÉDIO E GRANDE PORTE):

Manga Ubá, ANACARDIACEAE Mangifera indica - PF: nov. – mar. Manga Palmer, ANACARDIACEAE Mangifera indica - PF: nov. – mar. Cajá manga, ANACARDIÁCEAS Spondias dulcis- PF: jan. – jun. Fruta pão, MORACEAE Artocarpus communis – PF: ago.-mar. PANCS: Mamão-do-mato, CARICACEAE Vasconcellea quercifolia Nogueira, EUPHORBIACEAE Aleurites moluccana Sapota, MALVACEA Matisia cordata Inharé, MORACEA Helicostylis scabra Guariroba-rugosa, MYRTACEAE Campomanesia schlechtendaliana Mapati, URTICACEAE Pourouma cecropiifolia Taberebá, ANACARDIACEAE Spondias mombin Jacaratiá CARICACEAE Jacaratia spinosa GRUPO C (ESPÉCIES DE MÉDIO E GRANDE PORTE):

Jaca, MORACEAE Artocarpus heterophyllus - PF: nov. - mar. Caju, ANACARDIACEAE Anacardium occidentale – PF: jun. – dez. Jaboticaba, MYRTACEAE Myrciaria cauliflora – PF: set. – out. Caramboleira, OXALIDACEAE Averrhoa carambola - PF: nov. – jan. Manga Tommy, ANACARDIACEAE Mangifera indica - PF: set. – jan. Jambo, MYRTACEAE Syzygium jambos – PF: jan. – mai.

121

Vicente Gonçalves Gewehr

PANCS: Moringa, MORINGACEAE Moringa oleifera Chal-chal, SAPINDACEAE Allophylus edulis Guanandi, CALOPHYLLACEAE Calophyllum brasiliense Maça-de-elefante, DILLENIACEAE Dillenia indica Uxi-coroa, UMIRIACEAE Duckesia verrucosa Cupuaçu, MALVACEAE Theobroma drandiflorum Preciosa, LAURACEAE Aniba canelilla Minifigo, MORACEA Ficus subapiculata Cambuci, MYRTACEAE Campomanesia phaea Rambutã, SAPINDACEAE Nephelium lappaceum GRUPO D (ESPÉCIES DE PEQUENO PORTE):

Mamão, CARICACEAE Carica papaya – PF: o ano todo Goiabeira branca, MYRTACEAE Psidium guajava – PF: jan. – abr. Laranja Natal, RUTACEAE Citrus sinensis – PF: jul. – nov. Tangerinas, RUTACEAE Citrus reticulata – PF:: abr. – jul. Lichia, SAPINDACEAE Litchi chinensis– PF: dez. Amora, MORACEA Morus nigra L. – PF: out. –fev. Seriguela, Anacardiaceae Spondias purpurea– PF: fev. – mar. PANCS: Cacau-de-leite, APOCYNACEAE Ambelania acida Espinafre-arbóreo, EUPHORBIACEAE Cnidoscolus aconitifolius Hibisco, MALVACEAE Hibiscus rosa-sinensis Jaca-de-macaco, MORACEAE Artocarpus lakoocha Araçá-piranga, MYRTACEAE Psidium acutangulum Apuruí, RUBIACEAE Alibertia sorbilis GRUPO E (ESPÉCIES DE PEQUENO PORTE):

Figueira, MORACEAE Ficus lyrata – PF:dez. – abr. Laranja Bahia e Serra d’água, RUTACEAE Citrus sinensis – PF: mar. – jul. Laranja Valência, RUTACEAE Citrus sinensis – PF: set. – jan. Pitanga, MYRTACEAE Eugenia uniflora – PF: out. – jan. Graviola, ANNONACEAE Annona muricata – PF: mar.-abr. e nov. - dez. Abiu, SAPOTACEAE Pouteria caimito– PF: jan. – out. PANCS: Limão-doce, RUTACEAE Citrus limetta Curry Leaves, RUTACEAE Murraya koenigii

LISTA DE ESPÉCIES


Groselia-do-Ceilão, SALICACEAE Dovyalis hebecarpa Erva mate, AQUIFOLIACEAE Ilex paraguariensis Mari mari, FABACEAE-CAESALPINIOIDEAE Cassia leiandra Cacau azul, MALVACEAE Theobroma sylvestre GRUPO F (Espécies de pequeno porte): Ameixeira, ‎ROSACEAE Prunus domestica – PF: nov. – jan. Coqueiro, Arecaceae Cocos nucifera – PF: ago. – mar. Laranja Pera, RUTACEAE Citrus sinensis – PF: mai. – fev. Laranja Sanguínea, RUTACEAE Citrus sinensis – PF: mar. a jun. Laranja Itaboraí, RUTACEAE Citrus sinensis – PF: jul. – set. Tangerineiras, Murcotte, RUTACEAE Citrus reticulata – PF: jul. – out. PANCS: Araça-boi, MYRTACEAE Eugenia stipitata Limão-caieno, OXALIDACEAE Averrhoa bilimbi Jenipapo, RUBIACEAE Genipa americana Murta, RUTACEAE Murraya paniculata Marianeira, SOLANACEAE Acnistus arborescens Bacupari, CLUSIACEAE Garcinia brasiliensis Teca, LAMIACEAE Tectona grandis GRUPO G (ESPÉCIES DE PEQUENO PORTE):

Tangerineiras Poncã, RUTACEAE Citrus reticulata – PF: abr. – set.; Laranja Piralima, Lima e Campista: RUTACEAE Citrus sinensis – PF: mar. a jun.; Pequi, CARYOCARACEAE Caryocar brasiliense – PF: nov. – jan. Romã, LYTHRACEAE Punica granatum– PF: dez. – jan. Acerola, MALPIGHIACEAE Malpighia emarginata – PF: set. – mar. Fruta do conde, ANNONACEAE Annona squamosa – PF: : jan. – mai. PANCS: Goiaba-de-anta, MELASTOMACEAE Bellucia dichotoma Camu camu, MYRTACEAE Myrciaria dubia Borrorô, RUBIACEAE Alibertia patinoi Noni, RUBIACEAE Morinda citrifolia Limoncillo, RUTACEAE Triphasia trifolia Camélia, THEACEAE Camellia japonica GRUPO H (PALMEIRAS):

Macaúva, ARECACEAE Acrocomia aculeata Uricuri, ARECACEAE Attalea phalerata

122

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

Rabo-de-peixe, ARECACEAE Aiphanes aculeata Babaçu, ARECACEAE Attalea speciosa Pupunha, ARECACEAE Bactris gasipaes Butiá, ARECACEAE Butia odorata Butiá do Cerrado, ARECACEAE Butia paraguayensis Juçara, ARECACEAE Euterpe edulis Buritis, ARECACEAE Mauritia flexuosa Guariroba, ARECACEAE Syagrus oleracea Jerivá, ARECACEAE Syagrus romanzoffiana Pata de elefante, ASPARAGACEAE Yucca guatemalensis GRUPO I (CACTOS):

Figo da índia, CACTACEAE Opuntia ficus-indica Pitaya, CACTACEAE Hylocereus undatus Mandacaru, CACTACEAE Cereus jamacaru Dama da noite, CACTACEAE Hylocerus undatus Palma Forrageira, CACTACEAE Napalea cochenillifera GRUPO J (RASTEIRAS):

Abóbora, CUCURBITACEAE Cucurbita moschata, Cucurbita maxima, Cucurbita pepo Capuchinha, TROPAEOLACEAE Tropaeolum majus Radite peludo, ASTERACEAE Hypochaeris radicata GRUPO K (ÁRVORES COM FUNÇÃO MAIS ORNAMENTAL):

Samaúma, MALVACEAE Ceiba petandra Chuva-de-ouro, FABACEAE-CAESALPINIOIDEAE Cassia fistula Corticeira-serrana, FABACEAE-FABOIDEAE Erythrina falcata Bambu mossô, POACEAE Phyllostachys edulis GRUPO L (UTILIZADAS NO ESPAÇO RECREATIVO SETE COPAS):

Pequi, CARYOCARACEAE Caryocar brasiliense Jatobá, FABACEAE-CAESALPINIOIDEAE Hymenaea courbaril 398 Baru, FABACEAE-FABOIDEAE Dipteryx alata Monguba-preta, MALVACEAE Pachira insignis Sete-capotes MYRTACEAE Campomanesia guazumifolia Pitomba SAPINDACEAE Talisia esculenta

GRUPO M (FAMÍLIA MUSACEAE):

Bananeirade-abissínia, MUSACEAE Ensete ventricosum Bananeira de jardim, MUSACEAE Musa velutina Bananeira, MUSACEAE Musa X paradisiaca Sororoca, STRELITZIACEAE Phenakospermum guyannense Bastão-do-imperador, MUSACEAE Etlingera elatior Pacua, ZINGIBERACEAE Renealmia aromática GRUPO N (UTILIZADO NA ACADEMIA MUTAMBA):

Baru, FABACEAE-FABOIDEAE Dipteryx alata

FIGURA 1: Quintal da Família Dervaes, fonte: melhorviver.com.br. Acesso em 27 de março de 2018 FIGURA 2: os policiais em frente à estação policial orgulhosos do desenvolvimento dos vegetais cultivados no local. Fonte: usbeketrica.com. Acesso em 27 de março de 2018. FIGURA 3: Trecho das Hortas do bairro Tatuquara, Fonte: Ferrareto, 2015. FIGURA 4: Avenida das jaqueiras em Brasília 2016, constituindo assim um

figura possibilita observar o grande eixo que conecta todas as áreas do parque. Fonte: https://teoriacritica13ufu.wordpress.com/page/2/. Aceso em 14/06/2018 FIGURA 11: Vista aérea do jardin del turia, destaque para hemisferic e museo FIGURA 12: zoológico. Fonte: www.visitvalencia.com/que-ver-valencia/ jardines-del-turia. Acesso em 14/06/2018.

pomar urbano. Fonte:http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/cidadepomar-brasilia-tem-cerca-de-900-mil-arvores-frutiferas-em-area-publica/

FIGURA 13: Posicionamento da área projetual na cidade de Vitória e ampliação do entorno, estando a área do projeto destacada em vermelho em ambas. Fonte: adaptado de googleearth.com (adaptado).

FIGURA 5: Nesta imagem podemos percebemos a PANC de nome popular

FIGURA 14: Características da área. Fonte: googleearth.com (adaptado).

jasmim-manga (Plumeria rubra) amplamente utilizada no paisagismo das cidades que possui as suas flores comestíveis, exemplificando uma das diversas possibilidades de uso das PANC.

FIGURA 15: Goiabeiras e arredores em 1970. Destaque em vermelho para a área de intervenção. Fonte: veracidade.com.br (adaptado).

FIGURA 6: Implantação de uma floresta de bolso no Parque Cândido Portinari

em São Paulo. Acervo pessoal. FIGURA 7: Esquema de SAF com a distribuição espacial em faixas. (Manual

agroflorestal para a Mata Atlântica, 2007) FIGURA 8: Como exemplo de Sistema agroflorestal urbano, temos o Parque Ecológico Sitiê, o qual surgiu pela transformação de um lixão pelos moradores. Passaram 6 anos retirando 16 toneladas de resíduos do local e viram na implementação de vegetação uma forma de conter o depósito de resíduos. Então passaram a praticar a agricultura urbana e a criar infra estrutura como escadas e taludes nos 8,5mil m² de área.Em 2012 o parque do Sitiê foi reconhecido como a primeira agrofloresta do Rio de Janeiro pela Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal. Fonte: http://misturaurbana.com/2016/02/moradores-de-favela-alto-vidigalrj-transformam-deposito-de-lixo-em-parque-ecologico/. Acesso em 14/06/2018. FIGURA 9: Imagem das antigas passarelas de vigia. Fonte: https://www.

archdaily.com.br/br/763644/arquitetas-invisiveis-apresentam-48-mulheresna-arquitetura-paisagismo/55007abae58ecee4f10000e7. Aceso em 14/06/2018 FIGURA 10: esquema de implantação e planta do parque, sem escala. A

123

Vicente Gonçalves Gewehr

FIGURA 16: Goiabeiras e arredores em 1978. Destaque em vermelho para a área de intervenção. É perceptível a grande expansão urbana identificada em oito anos quando comparado à vista aérea de 1970 (Imagem 15) urbana no atual bairro Maria Ortiz, onde residências foram construídas sobre depósito de resíduos. Assim como a ampliação do aeroporto e novas instalações da Universidade Federal do Espírito Santo. Fonte: veracidade.com.br (adaptado). FIGURA 17: Goiabeiras e arredores em 2017. Destaque em vermelho para a área de intervenção. Fonte googleearth.com(adaptado) FIGURA 18: Zoneamento da área de intervenção. Fonte PMV (2006). FIGURA 19: Espaços livres do entorno da área de intervenção, esta destacada em vermelho. Fonte: adaptado de googleearth.com (2018) FIGURA 20: Perspectiva com destaque para os espaços livres (em colorido) ao redor da área de intervenção (em vermelho) e ícones representando o público alvo e atividades ofertadas. Fonte: adaptado de googleearth.com (2018). FIGURA 21: Fotografia do espaço livre destacado em azul na imagem 20 representa o galpão das paneleiras a direita e deck em construção a esquerda. O galpão das paneleiras é um ponto turístico de Vitória, pois preserva o ofício da criação de panelas de barro de maneira artesanal, sendo esta atividade um patrimônio imaterial reconhecido pela UNESCO Fonte: acervo pessoal (maio 2018).

LISTA DE FIGURAS


FIGURA 22: Fotografia da praça mostrando a academia popular e a ao fundo

um campo de futebol retratando a área em laranja na figura 20. No campo de futebol acontecem eventos esportivos, na academia do idoso a ausência de sombra impossibilita a utilização do espaço durante o dia Fonte: acervo pessoal (maio 2018). FIGURA 23: Fotografia do espaço público destacado em amarelo na figura 20,

no local existe uma diversidade de oferta recreacional como academia do idoso, boxa, quadra e palco.

APA: área de proteção ambiental APP: área de proteção permanente AU: Agricultura Urbana AUP: Agricultura Periurbana COHAB-ES: Companhia de Habitação do Espírito Santo

FIGURA 24: Fotografia do espaço público representado em roxo na figura 20.

CONAMA: conselho nacional do meio ambiente

É possível perceber o campo de futebol society ao fundo e o depósito de resíduos (lixeira) no local, assim como árvores exuberantes e espaços de permanência pouco convidativos.

CONSEA: Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

FIGURA 25: Diagrama de percepções sobre Goiabeiras (1/2). FIGURA 26: Diagrama de percepções sobre Goiabeiras (2/2). FIGURA 27: Perspectiva axonométrica explodida da área. FIGURA 28: Síntese projetual, adaptado de googleearth.com. FIGURA 29: Bajirú com frutos maduros. Imagem de Catarina de Sá. Fonte:

KRUEL 2006. FIGURA 30: Esquema de concepção do formato dos canteiros das hortas. FIGURA 31: Biergarten in Munique. Fonte: https://br.pinterest.com/

pin/566468459353150228/. Acesso em 10/06/2018. FIGURA 32: Croqui que representa os anseios para a área de mesas do Espaço Recreativo Sete Copas. FIGURAS 33: Figura 29: Parque Guliver em Valença. Fonte: https://br.pinterest. com/pin/380554237246578718/. Acesso em 10/06/2018. FIGURA 34: Parque Guliver em Valença. Fonte: reddit.com/r/architecture/ comments/7qoss4/the_parque_gulliver_of_valenciaphoto_from_2013misc/ . Acesso em 10/06/2018. FIGURA 35: Templo Tenryu-ji, Arashiyama, Kyoto, Japão. Fonte: www. insidekyoto.com/arashiyama. Acesso em 12/06/2018. FIGURA 36: Raízes da Samaúma. Fonte: caliandradocerrado.com.br/2009/05/

rainha-da-floresta.html. Acesso em 12/06/2018.

124

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS

IPHAN: Instituto do Patrimônio artístico e Nacional MDS: Ministério do Desenvolvimento Social PANC: Plantas alimentícias não convencionais PMV: Prefeitura Municipal de Vitória SAF: Sistema agroflorestal SMAB: Secretaria Municipal de Abastecimento FAAC: Fundo de Abastecimento Alimentar de Curitiba INCAPER: Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural

LISTA DE SIGLAS


126

AGROPARQUE EM GOIABEIRAS