Page 1


Com os Olhos Abertos Trina Solet Jacob e seu filho, Toby, acabam de se mudar para uma pequena cidade. Tudo está indo bem até agora, com exceção de uma coisa, com quem Toby fala no jardim dos fundos? Não há ninguém lá. Ian está se perguntando a mesma coisa. Ele está tirando um tempo longe da faculdade para ficar com seu pai. Um dia ele vê o menininho agindo estranhamente, e ele decide investigar o assunto. Enquanto Ian está tentando resolver o mistério do que Toby está vendo, ele e Jacob se aproximam. Jacob é um homem em quem Ian pode confiar e apoiar-se em um momento difícil. Jacob tem algumas reservas sobre Ian, mas seus sentimentos são muito fortes para serem negados. Mesmo quando eventos inexplicáveis os cercam, esses dois não podem ficar longe um do outro. Uma coisa boa, porque quando Ian encontrar as respostas que ele está procurando, ele vai precisar de Jacob mais do que nunca.

2


Capítulo 1 Ian observava seu pai dormindo inquieto na poltrona perto da janela. Ele tinha aquele cobertor feio, de xadrez, sobre ele, e seus olhos e suas mãos se contraíam á cada poucos segundos. A luz do sol que entrava pela janela era fraca. Ian se preocupou que seu pai pudesse estar frio mesmo com o cobertor. Ele dormia muito pouco hoje em dia. Ian não queria perturbar seu

3


descanso apenas para cobri-lo melhor. Sabendo que seu pai não gostaria de acordar e encontrar Ian olhando por ele, ele foi dar uma volta. Logo depois de voltar da universidade para o verão, Ian recebeu as más notícias sobre seu pai. Seu pai não queria lhe dizer imediatamente. Mas em uma pequena cidade como Blystone, ele não tinha chance de mantê-lo em segredo. A palavra deu a volta e, eventualmente, a Sra. Lincer parou Ian na rua. Ela perguntou como seu pai estava fazendo e se ofereceu para fazer um "chá de especiarias" para ele. Disse que era seu próprio remédio caseiro especial para ajudar com a náusea da quimioterapia que seu pai estaria tendo logo. Ian ficou atordoado, mas ele conseguiu agradecê-la de qualquer maneira. Ele andou alguns passos, então correu direto para casa. Ele chegou lá tão sem fôlego que ele nem sequer podia falar para perguntar ao pai por que ele não lhe disse. Isso tinha sido no início de suas férias de verão. Agora era o outono, tempo para Ian voltar para a escola, mas ele ainda estava aqui. Com seu pai lutando por sua vida, Ian não ia a lugar nenhum. Com seu pai descansando, Ian decidiu ir para a cidade. Nos dias de hoje ele se viu explorando Blystone como ele fazia quando era menino e essa pequena cidade era seu mundo. Parecia imenso para ele então. Agora ele poderia andar de um extremo da cidade para o outro em dez minutos. A parte mais longa da sua caminhada era chegar à cidade em si. A casa de Ian estava

4


fora da cidade, onde um punhado de grandes estâncias velhas estavam espalhadas entre os campos. Ian caminhou ao longo do lado da estrada curva, olhando para as vistas familiares como para se certificar de que ainda estavam lá. O solo sob seus pés era gramado e macio. Os arbustos cresciam mais, marcando os campos. Esta área era propensa a inundações por isso uma vala correu ao lado da estrada para recolher o escoamento. Depois que ele passou a parada de ônibus na encruzilhada com Stoneway Road, ele viu a espantosa visão do memorial improvisado de Lorna Hayes. De lá, não demorou muito até que ele alcançou o sinal que dizia Bemvindo a Blystone. Esse sinal não havia mudado enquanto Ian podia se lembrar. Uma vez que o sinal estava atrás dele, ele veio através das primeiras casas bem na borda da cidade. Essas casas eram algumas das mais bonitas da cidade, com grandes jardins atrás das cercas altas. Uma casa em particular chamou a sua atenção, número 211. Ian tinha sido atraído para aquela casa desde que ele era menino. A casa era velha e tinha ficado abandonada por um par de décadas. Alguns disseram que era assombrada. Claro que um garoto seria atraído por ela. Mas para Ian, era mais do que isso. O lugar chamou-o e o repeliu ao mesmo tempo. Recentemente, a casa e o jardim foram arrumados para os novos proprietários. O lugar teve uma nova camada de pintura, mas a vibração era a mesmo. Ela empurrou e puxou para ele. Ele se aproximou onde alguns

5


arbustos altos sempre cresceram bem contra a cerca. Enquanto ele ficava fora da vista, Ian olhou para as pessoas que haviam se mudado para trás. Atrás de uma cerca de ferro cravada, um garotinho estava rastejando no chão enquanto seu pai se sentava a mesa próxima. Ian não queria espionar, mas vendo um pai e um filho juntos assim, não podia tirar os olhos deles. Sua própria infância voltou a ele em flashes. Ele estava correndo pelo campo atrás da sua casa enquanto seu pai estava sentado na varanda dos fundos. Ele estava lendo ou escrevendo, e sempre que ele levantava a cabeça, ele acenava para Ian. Esta era uma cena muito semelhante. O menino era loiro e cerca de quatro ou cinco. Seu pai tinha o cabelo castanho claro, mas os mesmos olhos azuis claros. O homem tinha vinte e poucos anos, vestia-se conservadoramente com uma camisa branca e calça cinza. Não o tipo de Ian, mas ele era muito bonito, magro, ombros largos, com uma mandíbula afiada e uma boca beijável. Ele estaria bem se ele não parecesse com totalmente rígido. Ian poderia alegar que o cara estava a quilômetros longe do que ele procurava em um cara, mas ele não conseguia tirar os olhos dele até que o garotinho chamou sua atenção. O garoto estava curvando a cabeça e observando de perto algo. Depois de pouco tempo, Ian percebeu que o menino estava assistindo um inseto verde, um dos poucos que ele provavelmente encontraria nessa época do ano. As folhas secas de duas

6


grandes árvores cobriam o jardim. O menino as erguia sempre que o inseto se arrastava para se esconder debaixo delas. Finalmente, perdendo-o de vista, ele se arrastou longe. "Eu o perdi!" Ele disse e se virou para seu pai como se ele quisesse que ele organizasse uma festa de busca. Seu pai sorriu. "Você vai caçá-lo, eu vou preparar o almoço," disse ele e entrou. Ian estava pronto para seguir em frente quando viu o rapaz se virar e ofegar. Ele saltou e correu para o outro lado do jardim. Havia um banco de pedra no fim do jardim. Sentou-se sob uma parede caiada que separava o jardim da propriedade ao lado. O menino parou ao lado do banco e olhou para cima. Ian se perguntou se havia algo na parede ou no outro lado que chamou sua atenção. Não havia nada lá, mais o menino parecia estar olhando para um ponto no ar a cerca de cinco metros do chão. Então ele balançou a cabeça e disse algo. Ele estava muito longe para Ian ouvir as palavras, mas ele continuou falando. Às vezes ele parecia estar ouvindo. Talvez tivesse um amigo imaginário. De repente, o pai do menino chamou de dentro da casa. "Toby, o almoço está pronto!" "Eu tenho que ir", o garotinho disse ao seu amigo invisível alto o suficiente para Ian ouvir. Quando o garoto se moveu para ir, ele parou com o

7


braço estendido para trás. Era quase como se alguém estivesse tentando mantê-lo de volta. O rapaz voltou-se para o banco. "Não, eu tenho que ir almoçar agora", disse ele em uma voz queixosa. "Você não quer que eu me meto em apuros, não é? Eu voltarei mais tarde, prometo." Ele ainda segurou a mão e puxou-a como se estivesse se soltando do aperto de alguém. Ele puxou sua mão para trás e acenou. Quando o garoto correu para dentro, Ian olhou até o fim do jardim. Não havia nada ali, é claro. Ele ainda olhou fixamente, mesmo depois que o menino desapareceu há muito tempo. Não podia acreditar em seus olhos. Como um menino poderia representar uma luta falsa tão convincente? Ian juraria que algo segurou a mão do garotinho, e ele teve que se livrar. Enquanto se afastava, Ian sacudiu a cabeça. Ele não sabia o que acabava de ver, mas decidiu ir à cidade e fazer algumas perguntas. Toby entrou pela porta dos fundos como se alguém estivesse perseguindo-o. Então ele tentou tomar um assento na mesa da cozinha imediatamente. "Você lavou as mãos?" Jacob perguntou, embora a resposta fosse óbvia. De pé ao lado da sua cadeira, Toby virou as mãos algumas vezes para examiná-las. "Elas parecem muito limpas", decidiu ele. "Eles não estavam sob um microscópio, você estava brincando com

8


insetos, vá lavar as mãos." Toby bufou desde que Jacob estava sendo completamente irracional. Quando voltou, subiu na cadeira. Ele estava prestes a pegar o sanduíche quando olhou para cima do seu prato. Ele olhou para seu pai com suspeita. Ele então levantou o pedaço de pão e não encontrou nada suspeito. Ele levantou a alface e o encontrou. Uma pequena fatia de tomate estava escondida no meio do seu sanduíche. "Você é sorrateiro", Toby disse ao tomate e ao seu pai. "Dê uma chance aos tomates. Você aprenderá a gostar deles," Jacob lhe disse. "Eles estão molhados", Toby reclamou. "Assim é o suco de uva e você gosta de suco de uva", Jacob apontou. Toby não teve um argumento para bater isso, mas ele ainda balançou a cabeça. Depois de olhar para o copo de suco como se o tivesse traído, mordeu o sanduíche e fez uma careta. No final, ele comeu tudo sem muita confusão, a pequena fatia de tomate incluída. Jacob sorriu para ele, orgulhoso do garoto. Não eram apenas os tomates que não conseguiam derrotá-lo. Toby se ajustou muito bem para se mudar para Blystone. Tinha sido uma grande mudança. Ambos tinham deixado para trás seus amigos, bem como a família. Jacob tinha sua irmã em Lambton, e Toby fazia amigos rapidamente.

9


Jacob nunca esperava fazer uma mudança para uma cidade pequena, mas agora que ele estava aqui, ele se sentia em casa. Encontrar alguém agora seria um grande desafio. Ele gemeu enquanto pensava em encontrar alguém on-line, dirigindo quilômetros só para encontrá-lo pessoalmente e não sentir conexão. Mas que outra escolha ele tinha? Em uma pequena cidade como esta, não era provável virar uma esquina e correr em um homem que poderia capturar seu coração depois que tantos falharam.

10


Capítulo 2 Enquanto ia procurar informações, Ian se lembrava de ter ouvido falar de uma pessoa que tinha visto algo estranho em 211. Há alguns meses, o trabalhador local, o Sr. Vinik, afirmou ter visto algo. Ele tinha sido contratado pelo agente imobiliário para consertar o local um pouco, limpar o jardim coberto de mato e fazer alguma obra em torno do lugar. Então ela o despediu quando ele começou a falar sobre o lugar sendo assombrado. Depois de perguntar ao redor pelo Sr. Vinik, Ian avistou seu caminhão na frente de uma casa do outro lado da cidade. O homem estava em uma escada. Ele era uma visão familiar, corpulento, calvo, com aquele colete vermelho e inchado que sempre vestia. Parecia que estava limpando as calhas da velha Sra. McKay. Ian esperou que ele terminasse, em seguida, convidou-o para o Bar Carlton para uma cerveja. Uma vez que eles estavam sentados com uma cerveja para o Sr. Vinik e um café para Ian, que era um ano demais jovem para ter a idade de beber, eles falaram sobre a saúde do seu pai por um tempo. Então Ian perguntou sobre o que tinha visto. "E por que você quer saber sobre isso?" Perguntou o Sr. Vinik. Enquanto esperava do lado de fora da Sra. McKay, Ian tinha chegado com uma razão que ele esperava fosse plausível. "É para a escola, eu queria

11


escrever algo para a minha aula de história. Eu decidi por uma história de fantasmas, então eu queria descobrir sobre fantasmas de alguém que os viu. Você viu algo, certo?" O Sr. Vinik sacudiu a cabeça, e Ian pensou que estava prestes a negá-lo. Mas ele tomou um gole da sua cerveja e disse: "Eu vi, ouvi, e senti isso até meus ossos. Eram como dedos frios alcançados através de mim, agarrado em meus ossos e me sacudindo." Vinik sacudiu o punho no ar para demonstrar. "E o que você viu e ouviu?" Ian perguntou. "A moça, Lorna, essa coitadinha." O Sr. Vinik fez uma careta. "Ela está fria como a sepultura agora, e se você se aproxima dela, você certamente vai sentir isso, eu não vi muito dela, apenas o suficiente para saber o que eu estava olhando. E eu não a ouvi, era mais como se eu tivesse entrado em um túnel de vento ou algo assim. Ela era alta. Eu não podia respirar. Eu pensei que poderia ser o fim de mim. Mas uma vez eu consegui chegar dentro da casa, eu estive bem novamente." "Então isso não aconteceu dentro da casa?" Ian perguntou. "Oh, não, ela chegou até mim quando eu estava limpando o jardim na parte de trás. Não cheguei a terminar. A Sra. Hughes no escritório imobiliário disse que devia ter sido bêbado no trabalho e me despediu. Eu vi o que eu vi, e se você não tem vontade de aceitar a minha palavra, não sou só eu", disse Vinik, ficando furioso agora.

12


"Quem mais a viu?" Ian perguntou. "A própria avó de Lorna, ela não sobreviveu a ela muito, mas ela também viu a garota, e assim como eu, ninguém acreditou nela também. Todos achavam que era pena ou que ela estava se perdendo." "Então ela está assombrando a casa desde que ela morreu?" Ian disse, sem saber se conseguia acreditar em algo assim. "Conte-me mais sobre Lorna, como ela acabou morta." "Você viveu aqui praticamente toda a sua vida. Você ouviu as histórias," disse Vinik. Ian tinha ouvido, mas queria que sua memória fosse renovada. "Eu ouvi partes e pedaços desde que eu era criança. Coloque tudo junto para mim." "Lorna veio morar aqui quando ela era pequena, quatro ou cinco anos, depois que seus pais morreram, sua avó a levou e a criou, e Lorna foi para a faculdade e voltou grávida da faculdade. Ela estava perto de entregar, talvez algumas semanas de distância, ela morreu fora da cidade. Tem sido nesta época do ano, vinte anos atrás agora. Ela conseguiu dar à luz seu bebê antes de morrer. Você sabe o local, onde alguém colocou esse memorial." O Sr. Vinik apontou através das janelas do bar em direção ao lado oeste da cidade. "Alguém?" Ian disse. "Ninguém sabe quem, na noite anterior não estava lá, havia apenas algumas flores que as pessoas deixavam no chão e uma pequena e branca

13


cruz. Na manhã seguinte, aquele memorial estava lá com o nome de Lorna. Apenas outro mistério não resolvido para você. O caso de quem a matou nunca foi resolvido. Não é de admirar que ela assombra o lugar da sua avó. Os espíritos que não recebem a justiça não podem descansar facilmente." "Quem você acha que a matou?" Ian perguntou, apenas por curiosidade. "Oh, não cabe a mim dizer." "Qual é a opinião mais popular sobre o assunto?" Ian perguntou, tentando ultrapassar sua relutância em acusar alguém de assassinato. Vinik suspirou. "A única pessoa que tinha algum motivo para prejudicála e ao seu bebê era o pai daquela criança. Ele era seu namorado da faculdade, um garoto rico que desejava enriquecer se casando com uma garota com dinheiro sério. Não queria ser selado com Lorna e seu filho assim ... " ele parou. O resto era óbvio. "O que aconteceu com o bebê de Lorna?" "A avó de Lorna cuidou dele, mas a pobre velha não durou muito tempo, quando a avó de Lorna não estava bem o suficiente para cuidar dele, o bebê foi enviado para morar com parentes em algum lugar do Centro-Oeste." Terminando o último da sua cerveja, o Sr. Vinik seguiu seu caminho. Ian foi deixado para refletir sobre o que ele lhe disse e se perguntar por que ele estava tão determinado a ouvi-lo. A maior parte do que o Sr. Vinik disse era coisas que ele já sabia, mas pelas quais nunca prestou muita atenção. Não

14


era nada que ele precisasse saber. Talvez Lorna estivesse assombrando a casa da sua avó. Talvez esse garotinho estivesse brincando. Por que isso importava? Depois dessa conversa com o faz-tudo, Ian pensou que poderia ser o fim. Ele satisfez sua curiosidade. Agora ele podia largar tudo. As coisas estranhas não tinham nada a ver com ele. Mas todas as vezes que ele passava pelo jardim dos fundos do 211, ele parou e olhou para o local junto ao banco. O que ele tinha visto simplesmente não o deixava em paz. Jacob estivera ocupado com o jantar enquanto Toby fazia o dever de casa do jardim de infância. Uma vez que Toby terminou, ele saiu para brincar no jardim. Claro que ele se queixou quando Jacob o fez vestir o casaco. As noites estavam frias agora. As folhas estavam caindo. Jacob se sentiu como se estivesse raspando o jardim todos os dias. Toby esteve lá fora por quase uma hora agora, enquanto o frango, batatas e abóbora cozinhavam. Vendo que as coisas da escola de Toby ainda estavam na mesa da cozinha, Jacob decidiu chamá-lo para entrar para limpálas e colocar a mesa. Seria muito mais fácil fazê-lo sozinho, mas ser parente não era sobre o que era mais fácil. Enquanto olhava para Toby pela janela da cozinha, Jacob o viu levantado ao banco de pedra. Parecia que ele estava falando com alguém. Toby sacudiu a cabeça e disse algo que Jacob não conseguia ouvir. Da janela da cozinha, Jacob tinha uma boa vista do jardim, e não havia ninguém lá.

15


Saindo, Jacob estremeceu. Estava muito mais frio do que ele esperava. O frio o fazia sentir falta de ar e o som do vento era muito alto em seus ouvidos. Na verdade, não havia vento. Ele não podia dizer de onde o som estava vindo, só que era desconcertante. Isso fez sua mandíbula se apertar. Jacob chamou Toby para entrar. Ele ficou aliviado quando entraram na casa. Ali estava muito mais tranquilo e quente. "Você não estava com frio lá fora?" Perguntou Jacob enquanto observava Toby tirar o paletó. "Não está frio," disse Toby enquanto pendurava sua jaqueta no encosto de uma cadeira. "Pegue suas coisas e me ajude a colocar a mesa", Jacob lhe disse, então ele perguntou sobre o que ele tinha visto. "Com quem você estava falando lá fora?" "A senhora," disse Toby enquanto enfiava as coisas na sacola de livros. "Uma senhora, como ela é?" Perguntou Jacob. Com o queixo levantado, Toby pensou nisso. Jacob estava meio esperando que ele dissesse que ela era invisível, mas Toby simplesmente disse: "Ela tem um vestido azul." "Algo mais?" "Como o quê?" Perguntou Toby.

16


Jacob escolheu um pedaço de informação aleatoriamente. "Qual a idade dela?" "Ela é uma adulta, mas ela não é muito velha." "Ok, ela é sua amiga?" Jacob queria dizer seu amigo imaginário, mas ele não achava que era a maneira correta de conversar com ele sobre isso. "Sim. Acho que ela está sozinha, então eu vou contar para ela o que aconteceu no jardim de infância e na Ruth. Mas ela nunca ri de nada, nem mesmo quando é realmente engraçado," Toby disse irritado. "Eu sei, e qual é o nome da dama?" "Eu perguntei a ela, mas ela nunca me disse." "Você não pode dar um nome para ela?" Toby parecia perplexo com essa sugestão. "As crianças não podem dar nomes aos adultos, podem?" "Mas ela não é um adulto regular," Jacob disse, embora não tivesse certeza se Toby percebeu isso. "Acho que não, vou pedir seu nome de novo, mas ela não é boa em falar," disse Toby. "Ok," Jacob disse e o ajudou a colocar a mesa. Ele queria saber mais sobre isso, mas não sabia como fazer as perguntas certas. Ter amigos imaginários não era incomum. Era um pouco estranho que

17


Toby não a mencionasse antes. Além disso, não podia deixar de pensar por que Toby teria uma namorada como uma amiga imaginária.

18


Capítulo 3 Embora ele não pudesse deixar passar o número 211 sem olhar, Ian não teve tempo de ficar obcecado com a casa que poderia ou não, ser assombrada. Ele tinha coisas mais importantes para se preocupar, como a saúde de seu pai. Pensar que no início de suas férias de verão, ele nem sabia sobre o câncer de seu pai. Seu pai arrastou os pés e disse apenas a Ian que não estava se sentindo bem. "Os médicos estão fazendo testes, mas provavelmente peguei um vírus", disse ele. A verdade era que seu pai tinha acabado de ser diagnosticado com câncer de pulmão no estágio 4, mas ele não queria que Ian se preocupasse. Ian esteve em choque por semanas depois que ele o descobriu. Seu pai sempre teve problemas em lhe dar qualquer tipo de más notícias. Quando seus pais estavam se separando, tinha sido sua mãe quem lhe contou o que estava acontecendo. Desta vez, Ian teve que chamá-la para deixá-la saber o que estava acontecendo com seu pai. Ele mal conseguiu dizer as palavras. Elas ficaram presas em sua garganta e o sufocaram. O pensamento que ele poderia perder seu pai assustou-o mais do que qualquer coisa nunca tinha antes. Mas enquanto houvesse ainda uma pequena chance, Ian tinha que juntar tudo e ajudá-lo a lutar. Ele levou seu pai

19


para suas sessões de quimioterapia e depois cuidou dele quando chegou em casa. Todo o tempo, seu pai nunca parou de tentar convencê-lo que ele estava bom, sempre dizendo que ele poderia gerenciar por conta própria. Ele estava empurrando Ian para voltar para a escola. Parecendo tão pálido e fraco, ele continuava dizendo que ele estava indo bem. Ele fez isso de novo hoje. "Eu estou bem, você realmente não precisa se preocupar comigo, não é tarde demais para você voltar para a escola." O homem era como um disco quebrado, mas ele queria dizer bem. "Você é um cara engraçado, pai, eu vou fazer um pouco de chá de gengibre ao limão, mas enquanto você está tentando se livrar de mim, você se lembre do que está esperando por você naquele frasco." Abrindo a geladeira, Ian apontou para o frasco de geleia de uva na parte de trás da prateleira superior. Era o concentrado caseiro de chá de especiarias da Sra. Lincer. Cada especiaria conhecida do homem estava ali, e o resultado era vil. Seu pai fez uma careta, lembrando-se do gosto. Estava sentado no banco da janela, fora da cozinha. Quando estava mais quente, ele se sentava na varanda das traseiras. Agora o assento da janela era a coisa a mais próxima a seu ponto favorito. Ele gostava da vista do prado no fundo de sua casa. Enquanto fazia o chá, Ian pensou no que era que seu pai estava olhando. Então ele percebeu que seu pai estava examinando seu próprio reflexo no vidro. Enquanto Ian se lembrava, o cabelo de seu pai sempre tinha

20


sido fino. A quimioterapia tinha deixado ele com tão pouco, que ele só raspou tudo. "Acho que fico melhor sem cabelo, tipo Vin Diesel1, certo?" Seu pai disse. "Neste exato momento, eu não consigo nem contar a você, eu estava me perguntando: Devo fazer uma xícara de chá extra para o Vin Diesel ou o quê? Papai, você está soprando minha mente, é como se você fosse seu gêmeo." Seu pai sorriu para ele. Ele estava tentando muito manter seu próprio espírito e Ian também. O mínimo que podia fazer era devolver o favor. Enquanto seu pai cochilava, Ian andou um pouco ao redor da casa. Seu pai nunca tinha sido bom em cuidar com algumas coisas, e agora ele não tinha energia. Olhando ao redor para o que precisava ser feito, Ian assumiu o familiar, velho lugar. A casa era a casa da família do pai voltando várias gerações. Ele estava realmente ligado a ele e sua história. Não era de admirar. Papai era um aficionado da história profissional. A Guerra Civil era a sua especialidade. Até que ele ficou doente, ele ganhou a vida escrevendo livros sobre isso e dando palestras. Muitas vezes levava Ian com ele em suas viagens de pesquisa e

1

21


passeios. Em seguida, foi voltar para casa para escrever o seu coração para fora. Ian não compartilhava sua paixão pela escrita, história ou mesmo a casa onde cresceu. Durante sua infância, a casa era uma pista de obstáculos de móveis antigos com um corrimão em que ele não tinha permissão para deslizar para baixo, mas ele o fez de qualquer maneira. Mas sendo tão velha, não era uma surpresa que a casa estava um pouco sombria. Era assim que parecia a Ian de qualquer maneira, especialmente depois que sua mãe se mudou. Ele estava na escola e dividiu seu tempo entre o lugar de seu pai e o de sua mãe. O contraste entre suas casas não fazia nada à casa de seu pai. Nos últimos dois anos, Ian passou a maior parte do seu tempo fora da escola. Tinha sido estranho voltar aqui. Não apenas na casa. Dentro da casa e por milhas ao redor, todo o caminho até Blystone, Ian tinha espalhado pedaços da sua infância. Os pedaços da sua infância que o obsedaram agora tinham a ver com aquela casa, número 211. Quando ele estava crescendo, ele se lembrava que estava abandonada, cercada por um quintal coberto de vegetação. Com seus portões fechados, ela chamou qualquer garoto ou garota aventureiro para saltar a cerca se eles se atrevessem. Ian tinha feito isso apenas uma vez. O que aconteceu depois que ele passou pela cerca não estava claro para ele. O jardim estava fresco e escuro. As árvores e os arbustos haviam crescido. Elevando-se acima da cabeça de um

22


menino de oito anos, eles sufocaram a luz do sol. Mas não poderia ter sido tão escuro e frio quanto ele lembrou. Não era verão? E por que ele não podia respirar? Ian tentou se lembrar, mas estava escuro. Ele bateu em uma parede vazia quando tentou se concentrar na memória. Ele se lembrava de fugir de lá, assustado, sem fôlego, correndo sem parar até chegar em casa.

23


Capítulo 4 Quando ele encontrou o pai e filho que moravam no número 211, Ian já tinha ouvido algumas coisas sobre eles. O pai tinha se mudado para lá para trabalhar. Ele era algum tipo de supervisor no HCL Testing Service Lab em direção a Lambton. A criança ia para o jardim de infância local e para a creche de Ruth Miller. Esse era outro dia em que Ian vagava pela cidade e pelo campo, tentando limpar a cabeça de todas as suas preocupações com o pai. Ele dormia melhor se ele fazia isso. As tardes eram um bom momento. Foi quando seu pai descansou calmamente. Em sua caminhada sem rumo pela cidade, Ian virou uma esquina e quase colidiu com o pai e seu menino em frente ao portão da frente de Ruth. Parecia que eles tinham acabado de sair da creche. "Oh, vocês", disse Ian. Ele virou os olhos do garoto loiro para o cara que ele só tinha visto de longe até agora. De perto, ele era meio deslumbrante. Seu rosto estava cinzelado. Seus olhos eram azuis claros, pegando flashes de ouro do sol da tarde. Ian estendeu a mão para um aperto de mão. "Olá. Sou Ian Warwick, eu vivo no fim da estrada e você é Jake Conroy, certo?"

24


"É Jacob," corrigiu ele, apertando a mão. "Oh, desculpe." "Eu sou Toby", disse o filho, olhando para Ian, não querendo ficar de fora. "Prazer em conhecê-lo, Tony," disse Ian. Toby fez uma careta para ele. "Ele também tem o meu nome errado", queixou-se com o pai. "Eu acho que ele está apenas brincando", Jacob lhe disse com um sorriso. "Uma boa piada?" Toby disse a Ian. Ian lhe deu uma piscadela. Ele decidiu caminhar junto com eles enquanto eles foram em direção a sua casa. Toby caminhou à frente, explorando os arbustos e cutucando sebes. Ele era um garotinho em uma missão. "Ele está procurando sapos e gafanhotos, qualquer coisa que salta, mas eles estão todos desaparecidos,"Jacob lhe disse. Ele olhou para seu filho e sorriu. Os dois não eram muito parecidos, exceto pelos olhos. Seus olhos eram exatamente os mesmos. Isso levou Ian a perguntar: "Como você conseguiu ele?"

25


Jacob fez uma careta para ele. "Conseguir ele?" "Você é gay, não é? Você estava casado uma vez ou algo assim? Com uma mulher, quero dizer." Jacob não confirmou que ele era gay, mas ele olhou para Ian como se estivesse se perguntando quanto ele sabia. Ele respondeu sua pergunta sobre seu filho. "Eu o tive com a ajuda da fecundação em vitro e um substituto." "Eu poderia dizer que ele era seu por causa dos olhos," Ian disse. Ele se perguntou até onde isso ia. O que Jacob Conroy viu quando seu filho conversou com pessoas invisíveis no jardim dos fundos? "E você mora aqui?" Perguntou Jacob, talvez apenas para impedir a Ian de encará-lo. "Não. Estou tirando um ano de folga da escola para ficar com meu pai, ele está doente, câncer de pulmão." "Eu sinto muito." "Eu não preciso de condolências, ele vai superar, ou assim eu espero. Ele nunca foi bom em cuidar de si mesmo. Ele ignorou a sua saúde, não importa o quão ruim ele se sentia. No momento em que ele foi diagnosticado, o seu cancro já tinha se espalhado." "É bom que você fique aqui com ele." "Eu sei onde eu preciso estar, mas meu pai continua tentando me mandar de volta para a escola. Eu não vou a lugar algum. Nós temos ajuda, a

26


Sra. Astor vem verificá-lo. Ela é uma enfermeira aposentada, por sorte ela vive no final da estrada, nossa casa está fora da cidade, então nós não temos vizinhos muito vizinhos." Ian continuou, mas Jacob não parecia se importar. "Uma daquelas casas antigas que você pode ver longe da estrada?" Jacob disse. "Se você quiser entrar, procure o nome Warwick na caixa de correio," disse Ian com um sorriso. E lá estava ele, flertando. Jacob lhe deu um olhar irado, não exatamente avisando-o, mas quase. Quando ele chegou pela primeira vez na cidade, Jacob só tinha alguns dias antes de começar seu trabalho. Ele tinha o jardim de infância resolvido, mas ele tinha que ir e verificar o lugar de creche. Toby adorou a primeira vista. Não o lugar tanto quanto os dois cães que veio para cumprimentálos. Enquanto Toby brincava com os cães, Ruth, a proprietária da pequena creche, disse a Jacob: "Não sou eu quem cuida deles, são os cães". Isso não deu a Jacob uma tonelada de confiança, mas o lugar tinha uma grande reputação e os cães eram dois doces, pequenos terrier. Toby já os amava. Descobriu-se que eles realmente eram úteis quando se tratava de assistir as crianças. Os cães foram treinados para latir se as crianças foram em qualquer lugar perto do portão. Essa não era a maneira como uma creche deveria ser executada, mas em uma pequena cidade, Jacob imaginou que ele teria que aturar algumas

27


pequenas peculiaridades da cidade. Pelo menos Toby gostava de lá, e essa era a principal coisa. Depois do trabalho, quando ele caminhou até Ruth para pegar seu filho, Jacob conseguiu vê-lo por si mesmo. Ele sempre ficava ali por alguns minutos e observava Toby brincar com as outras crianças. Ele era um menino feliz. Hoje era suposto ser outro dia rotineiro de trabalho, em seguida, pegar Toby da creche e ir para casa. Mas então o dia de Jacob atingiu um problema e agora nada estava indo do jeito que era suposto. Primeiro ele não conseguia se lembrar de como destrancar o telefone, porque os olhos azuis escuros de alguém pareciam demasiado fixos nos dele. Com aqueles olhos nele, era impossível lembrar-se do seu próprio nome. Jacob ficou parado na porta da frente, tentando se lembrar de um padrão que ele usava inúmeras vezes ao dia. Finalmente conseguiu, e conseguiu não se trancar fora do telefone. Fazer o jantar transformou-se em um grande desafio também. Passou cerca de meia hora procurando a carne moída na geladeira e no congelador. Finalmente ele percebeu que ele nunca a comprou. Isso não teria acontecido se ele não estivesse imaginando o que Ian poderia cheirar. Ele usava um casaco de ervilha negra, e o espaço entre o colar e o pescoço era irresistível. Jacob poderia apenas enterrar seu rosto lá e respirá-lo para sempre. Depois que ele decidiu cozinhar o peru, ele queimou as almôndegas e encheu a casa com um mau cheiro terrível. Ele tinha que servir espaguete simples e molho. Sendo um grande fã de almôndegas, Toby não estava feliz

28


com ele. E era tudo porque Jacob conhecera aquele jovem intenso na caminhada para casa. Desalinhado, cabelos castanhos escuros, olhos azuis escuros, alto e nervoso, e possivelmente gay, quase certamente gay, ele era definitivamente uma má notícia. Por que ele teve um efeito tão forte sobre ele? Jacob tinha esperado encontrar um sujeito gay por perto, mas alguém assim não era o que ele tinha em mente. Esse cara não podia ter mais de vinte anos, e Jacob estava procurando alguém que quisesse ficar sério. Depois de apenas uma conversa rápida, esse cara já estava causando-lhe problemas. Ok, talvez não fosse justo culpá-lo por sua própria imaginação hiperativa. Talvez ele só precisasse de se deitar. Neste ponto, ele mataria por uma masturbação. Mas não a dele. Droga. Tarde demais. Agora ele estava pensando sobre a mão desse cara envolvida ao redor de seu pênis. Apostava que seu aperto seria solto no início, em seguida, lento e apertado,

enquanto

seus

olhos

queimavam

nele

como

maçaricos.

Masturbação. Por que se contentar com um trabalho de mão? Sua boca seria ainda melhor. Larga e expressiva, ele se sentiria incrível em seu pênis. E é assim que as almôndegas se queimam. Bolas. Não pense em bolas. Jacob olhou para o prato de espaguete e depois para o lixo cheio do jantar arruinado. Ele precisava ter um aperto. Firmeza. Não. Um aperto apertado em seu pênis. Não e não. Por que a língua inglesa era uma armadilha estupida. Ainda bem que a palavra estupida não fez nada para ele.

29


"Nenhum sanduíche de almôndega para o almoço", Toby disse enquanto Jacob começava a limpar a mesa. "Desculpe", Jacob lhe disse. "Vou tentar de novo amanhã, talvez tenhamos sanduíches de almôndega para o jantar." "Sim. Tente fazer um bom trabalho e não mexa de novo," instruiu Toby. Então lhe contou uma história, ou pelo menos uma série de palavras. Quando ele veio da creche, Toby sempre estava cheio de histórias. Derramaram-se dele em uma torrente alta, interrompida por risos. Jacob nunca poderia entender mais da metade do que ele estava falando. Hoje, Jacob não tinha nenhuma esperança de dar sentido a nada disso. Como poderia se encontrar com algum cara aleatório quebrando seu cérebro assim? "Posso ir brincar lá fora? " Perguntou Toby. Jacob não tinha razão para dizer não, mas hesitou. "Ajude-me com os pratos e vamos juntos. Podemos chutar a bola de futebol ao redor. Nós não queremos que você se esqueça de como jogar," Jacob lhe disse. Toby costumava jogar futebol em seu pré-escolar. Seu jardim de infância aqui não era muito para o futebol. Isso tornou o futebol a sua atividade especial filho e pai. Mas hoje Jacob só tinha utilizado isso como desculpa. Desde que ele tinha visto Toby falando com seu amigo imaginário lá fora, deixando-o sozinho no jardim o deixava inquieto.

30


Capítulo 5 "Por que você está sorrindo?" Seu pai perguntou-lhe enquanto Ian estava limpando depois do café. Ian endireitou com os pratos na mão. "Eu não sabia que eu estava," disse ele. Seu pai deu-lhe um sorriso. Enquanto colocava os pratos na máquina de lavar louça, Ian percebeu quão pouco seu pai comeu do seu prato. Isso era o que deveria estar em sua mente. Em vez disso, Ian estava imaginando a linha exata da boca de Jacob, em seguida, em traçar sobre ela a ponta do dedo, em seguida, a língua. Vendo Jacob pessoalmente lembrou a Ian que lhe tinha faltado desde meses. Quão bom era o corpo sob as roupas conservadoras? Ian estava morrendo para descobri-lo. Jacob parecia muito bom. Ian viu os indícios de um corpo tônico com boa definição. Um corpo que iria sentir tão bem pressionado contra ele, em cima dele, batendo nele. Se só ele poderia tirá-lo daquelas roupas e fazer uma inspeção completa. Para fazer isso da maneira certa, suas mãos não seriam suficientes. Ian necessitava deixar seus lábios rastrear todos os contornos, cada mergulho ao redor de cada músculo, e cada veia. Seus dentes podiam precisar entrar em ação, e sua língua teria de provar cada centímetro.

31


Chega disso. Se ele se manteve pensando nisso enquanto limpava os pratos, ele não precisaria de se preocupar com um sorriso errante no rosto. O problema seria mais ao sul e muito mais embaraçoso. Ele não esperava que o encontro um cara, que não era mesmo o tipo dele, teria um impacto tão forte. Além disso, atendendo Jacob e seu filho não tinha feito uma coisa para aliviar a obsessão de Ian com as coisas estranhas que aconteceram na sua casa. Sempre que ele andava nessa direção, ele não poderia passar sem parar em seu portão de trás e tentar avistar algo que não estava lá. Hoje não era diferente. Enquanto seu pai cochilava, Ian tinha ido para a cidade. Uma vez que ele estava à beira do quintal de Jacob, ele fez uma pausa e olhou para a parede de trás do jardim. Desde o dia em que viu pela primeira vez Toby falar com ninguém, Ian não tinha parado de questionar o que ele tinha visto. Não importava quão duro ele olhou, o banco, a parede, as sombras das árvores não lhe deram qualquer resposta. Pouco antes de seguir em frente, ele viu algo fora do canto do olho. Ele olhou para trás. Houve uma mancha azul acima do banco de jardim. Ian se esforçou para convencer a si mesmo que era apenas um pouco de tinta azul na parede. Talvez a pintura tinha lascado. Mas não era isso. O patch de azul não estava pintado, e agora ele estava se espalhando. Ian não podia evitá-lo. Ele teve que chegar mais perto. Deixando-se pela porta de trás, ele entrou no quintal de Jacob. Ele caminhou em direção ao banco lentamente. Seus pés estavam pesados. Eles se arrastaram e sua

32


respiração ficou curta. Ao se aproximar, viu o brilho de azul crescer mais. Era como se alguém estivesse pintando um quadro no ar, mas estava manchado. Quando um estrondo encheu seus ouvidos, Ian olhou para a forma que estava se formando em frente dele. Ele olhou como se sua vida dependesse disso. Talvez era assim. Tomando cada respiração tornou-se um enorme esforço. Seu peito estava apertado, não deixando espaço suficiente para seus pulmões tomar ar ou para o seu coração bater. Suas mãos se sentiam frias e insensíveis. Um arrepio se espalhou em seus braços, em seguida atingindo dentro dele. Um tremor nos seus ossos fez até sua mandíbula se apertar e os seus dentes bater. Mas ele ainda ficava olhando. Mesmo quando sentiu todo seu corpo tremer e ele estava ofegante, ele queria ver a forma que estava lentamente sendo revelada. Então, assim como ele tinha certeza que era uma mulher, o ruído nos ouvidos tornou-se insuportavelmente alto. Quase soaram como palavras, mas eram dolorosamente altas e incompreensíveis. Então, de repente, a forma tinha ido embora e ele podia respirar novamente. Ele estremeceu, mas o frio extremo estava deixando seu corpo. Ele ficou lá por um tempo e olhou, respirando com dificuldade. Não havia nada a ver. A fraca luz solar do outono descia filtrava entre os ramos e jogava por cima do muro. Algumas folhas amarelas tinham caído pelo gramado. Era apenas um calmo dia de outono, e Ian estava invadindo.

33


Após sua experiência no jardim, Ian não conseguia parar de pensar sobre a terrível sensação que o segurou durante o encontro. Ele não podia explicar o que aconteceu, mas isso o fez se preocupar com aquele menino. Ele não podia ignorar isso. Mesmo se ele acabou soando como um maluco, ele tinha que falar com Jacob. Ele não sabia o que ele lhe diria, mas de alguma forma ele tinha que deixá-lo saber para manter um olho sobre Toby. Determinado a fazer um tolo de si mesmo, Ian foi no próximo domingo. Era um dia ensolarado. Patches de sol do meio da manhã entre todos os verdes e amarelos tornavam o jardim alegre. Ele estava com sorte. Toby e Jacob estavam em seu quintal, aproveitando do bom dia. Ou um deles estava. Jacob estava recolhendo as folhas, e Toby estava ajudando-o chutando algumas folhas ao redor. Toby foi o primeiro a notar Ian espreitando atrás da cerca. Ele apontouo a seu pai. "É aquele cara que tem nossos nomes errado," disse Toby. Jacob acenou para ele e Toby correu para Ian. "Vocês parecem ocupados," disse Ian. "Estamos varrendo as folhas. Papai odeia as folhas," Toby o informou. "Eu não as odeio. Eu odeio varrê-las," Jacob resmungou. "Nesse caso, não olhe para cima", Ian lhe disse. Havia uma abundância de folhas deixadas nos ramos acima deles. "Há muito mais onde aquelas

34


vieram." "Você quer vir para o almoço?" Jacob lhe perguntou. "É apenas sanduíches, peru e queijo suíço." "Parece bom," Ian disse e saiu pela porta de trás. Estando naquele jardim de novo, ele não podia não pensar sobre a última vez que ele esteve lá. Mas depois de alguns passos, esse pensamento voou fora da sua cabeça. Ele estava cara a cara com Jacob, e seu coração estava batendo mais difícil do que já fez em sua vida. Ian queria justificar isso com não ter visto muitos homens atraentes, ultimamente, não em carne de qualquer maneira. Mas o sentimento ao ver Jacob de perto teve a intensidade de um soco. Ele desencadeou tal desejo irresistível. Roubou-lhe o fôlego. Ian tentou ignorá-lo. Não era o momento para isso. Acompanhando Jacob e Toby, quando iam para a cozinha, Ian estava surpreso que ele acabou sendo convidado. Ele deveria ter atraindo Jacob em algum lugar para que eles tivessem uma chance de falar. Isso podia torná-lo mais fácil. Ele só tinha que esperar por uma oportunidade. Na cozinha, Ian podia ver um pouco da sua casa. Tinha nela uma sensação de casa de campo A decoração estava um pouco abafada, mas não tão ruim quanto a casa de seu pai. No geral era acolhedora com Toby marcando seu território com brinquedos em todos os lugares.

35


Voltando sua atenção para a cozinha, Ian se ofereceu para ajudar com o almoço, mas Toby tinha coberto isso. Enquanto seu pai colocava os pratos para os sanduíches, Toby colocava os ingredientes juntos. Ele estava entregando a Jacob ingredientes improvisados como geleia de uva e xarope de panqueca e rindo. Quando Toby entregou para seu pai uma garrafa de ketchup, Ian tinha certeza que era uma piada também. Mas não era. Jacob colocou um pouco sobre o menor dos três sanduíches. "Ketchup no peru? Isso não pode estar certo", disse Ian. "Eu gosto de ketchup," Toby lhe disse. "Não sobre o peru", disse Ian. "Sim", Toby insistiu. Vendo seu pai fechar a garrafa de ketchup, Toby disse: "Mais." Jacob a entregou a ele e ele colocou um pouco mais, enquanto Ian balançou a cabeça. "Isso é um crime." Com um prato e uma bebida na mão, os três saíram para comer. A brisa era legal. Descendo entre os ramos desbastados, o sol os aqueceu onde eles se sentaram à mesa ao ar livre. As manchas de sol se moviam quando os galhos de árvores balançavam com a brisa. Como um gato, Toby continuou tentando golpeá-los. Terminou de comer seu sanduíche primeiro, e voltou a brincar. Depois de um tempo, Ian notou que ele estava comendo e, em seguida,

36


tirou algo do bolso. "O que ele está fazendo?" "Eu lhe disse como os esquilos enterram as nozes para o inverno, então ele está ajudando-os. Ele está enterrando amendoim", Jacob lhe disse. "Amendoim? Ele é uma criança doce," Ian disse, em seguida, ele voltou sua atenção para Jacob. Durante todo o almoço, Ian tinha sido olhando para o outro lado do jardim, onde estava o banco. Surpreendeu-o pegar Jacob fazendo a mesma coisa. "Como é que você ficou olhando lá?" Ian perguntou. Ele sabia por que seus próprios olhos se desviaram nessa direção a cada poucos minutos. Agora, ele se perguntou se Jacob tinha visto algo também. "Toby tem um amigo imaginário, eu acho. Ele fala com ela. Ele diz que ela vem de lá." Se essa era a sua explicação para o que estava acontecendo, não havia razão para usar uma expressão tão pesada. "Ele o preocupa", disse Ian. Era óbvio que ele fez. Jacob assentiu. "Eu o vi falar com ela algumas vezes agora. Parece estranho, e a maneira como ele a descreve soa estranho também." "O que ele disse que seu amigo se parece?" Ian perguntou, talvez um pouco demasiado ansioso.

37


Jacob não pareceu notar o seu forte interesse. Ele disse a Ian, "Ele disse que seu amigo é uma senhora. Eu não recebi muito mais do que isso. Conseguir uma descrição de uma criança de cinco anos de idade, não é fácil. Ele disse que ela era uma adulta e que ela estava usando um vestido azul." Ouvindo isso, Ian prendeu a respiração. Ele tentou não agir estranho e perguntou: "O que incomoda você sobre isso?" "É estranho. Talvez seja apenas um estereótipo, mas por que um menino de cinco anos de idade tem uma senhora como seu amigo imaginário e não um brontossauro ou algo assim?" "Você acha que é outra coisa?" "Eu... eu não sei. Eu só sei que me preocupa, mas talvez não deveria", disse Jacob com um encolher de ombros. "Você acha que poderia ser um fantasma?" Ian deixou escapar. Ele sabia quando ele começou a falar disso que em nenhuma maneira ele não acabaria soando como um lunático. Mas ele simplesmente não podia deixar Jacob descartar o que estava acontecendo, porque estava preocupado também. Jacob se virou para ele com um olhar desconfiado. "Porque você disse isso?" "Nenhuma razão." Disse Ian. Ele estava um pouco nervoso, agora que Jacob estava olhando para ele tão fortemente com aqueles incríveis olhos azuis.

38


"Sério? Você já viu um fantasma?" Jacob lhe perguntou. Seu tom cético estava desafiando-o a dizer sim. "Por quê? Você?" Ian disse, não querendo arriscar seu pescoço. Mas então ele teve que confessar. Com medo que Jacob ia dizer-lhe para apenas dar o fora, quando Ian estava avançando em direção à verdade. "Eu poderia ter visto alguma coisa. Talvez até aqui." "Se você viu alguma coisa, eu quero saber. Isto é sobre o meu filho," Jacob exigiu severamente. "Eu vi algo ali." Ian apontado para a parede traseira. "Apenas uma forma azul que desapareceu." "Isso não significa nada. Poderia ter sido apenas um truque da luz." Ambos olharam para as formas em que a luz do sol dançava na parede descendo entre as folhas amareladas. "Parecia uma mulher com um vestido azul e me deu um arrepio." "O tempo está ficando frio,"disse Jacob, inexpressivo. "Não esse tipo de frio." "Eu sinto que é mais frio aqui do que deveria ser, às vezes. Normalmente, quando Toby está falando com seu amigo. Ele não parece senti-lo embora", disse Jacob, preocupado novamente. Ian foi aliviado que Jacob não estava chamando-o louco. Talvez eles

39


poderiam até descobrir isso, mas primeiro ele queria saber mais sobre o que Jacob experimentou. "Você já ouviu falar de alguma coisa?" "Talvez", disse Jacob. Ele não estava ansioso para compartilhar, mas, em seguida, ele admitiu: "Houve um som de vento. Ele parou de repente, mas poderia ter sido qualquer coisa." "Como um avião indo em cima? E talvez seu quintal ficou tão frio quanto o Ártico por uma razão perfeitamente lógica. Ou você pode ter percebido a presença do mesmo fantasma que seu filho está vendo," disse Ian. Jacob não ia aceitar essa explicação tão facilmente. "Ou talvez eu estou fazendo pensamento sobre um frio no ar e um ruído inexplicável ou dois." "Ou talvez você é louco", Ian jogou. "Talvez nós dois somos loucos", Jacob lhe disse com um olhar irônico. Então ele ficou sério. "Eu prefiro pensar que eu sou louco do que acreditar que Toby está falando com um fantasma." Ian respirou fundo. "Ok, mas o que se eu te dizer que eu acho que sei quem é esta senhora?" "Quem?" Jacob disse mesmo se não queria necessariamente ouvir a resposta. Ian disse a ele de qualquer maneira. "Havia uma garota que vivia aqui, nesta casa. O nome dela era Lorna Hayes. Isso foi cerca de vinte anos atrás." "Ela não morreu aqui, não é?" Era claro que ele temia um sim.

40


"Não. Ela foi assassinada à direita da estrada, onde está esse memorial de estrada. Ela estava grávida, e ela viveu o tempo suficiente para dar à luz um bebê. Eu acho que pode ser por isso que ela está interessada em seu filho." "Você acha que Toby está vendo esta Lorna Hayes? Como isso pode mesmo ser real?" Jacob disse, desanimado. Ian não tinha todas as respostas. "Eu acredito no que vejo. E eu meio que a vi. Só por um segundo. Ela vestia um vestido azul como Toby disse." Jacob estava balançando a cabeça. "Você me disse que sentiu coisas estranhas também," Ian lhe disse. "Mas acreditar..." Sem esperar por ele dizer o quão louco isso era, Ian lhe disse o que mais ele sabia. "Eu acho que ela está aqui desde que ela morreu. Sua avó disse que a viu. Isso foi logo depois que ela foi morta. Então, mais recentemente, o faztudo que o escritório imobiliário contratou para consertar a serra ouviu alguma coisa enquanto ele estava trabalhando aqui." Jacob abriu a boca para falar, mas só então Toby voltou correndo. Ele estava jogando no lado da casa e olhando ansiosamente para á frente. "Quando Franny está vindo?" Ele pediu ao seu pai. "Em poucos minutos," Jacob lhe disse depois que ele checou seu telefone. Ele então se virou para Ian. "Ele vai com ela e seus filhos para visitar algumas galinhas que ela está alimentando."

41


"As galinhas são engraçadas," disse Toby. Poucos minutos depois, Franny James estava lá, com ela havia SUV cheio de crianças. "As crianças gostam realmente das galinhas, hein," Ian disse ao vê-los todos animados quando Toby entrou. "Eu acho que eles só gostam de se reunir e conduzir Fran louca. Ela pareceu ter envelhecido dez anos quando ela trouxe as crianças de volta de um passeio na semana passada. Essa valente, mulher altruísta,"disse Jacob. Ficou claro que ele não a invejava. Uma vez que eles viram Toby sair, ele e Jacob caminharam ao redor do lado da casa e voltaram para o jardim das traseiras. Ian estava pensando que talvez ele deveria ir, mas ele realmente não queria. Jacob ficou pensativo, quase taciturno. Era um olhar sexy nele. Ian só queria olhar para suas feições e em seus olhos azuis claros. Era provavelmente por causa disso que ele fez sua proposição. "Quer ver se podemos avistar aquele fantasma?" "Você quer dizer ficar ao redor no meu quintal, sentindo-se como idiotas e depois? Ligar para o nome de Lorna Hayes três vezes?" Ian não tinha pensado nisso. "Isso é algo que poderíamos tentar." "Não vamos. Sinto-me estúpido o suficiente apenas considerando a possibilidade de que ela seja real."

42


"E o que você sente quando está morrendo de frio aqui fora e você ouve um estrondo que fica cada vez mais alto em seus ouvidos?" Ian estremeceu ao pensamento. Jacob fez também, mas ele tentou não o deixar transparecer. Ian não o culpava para lutar contra a ideia. Ele sabia que este era um grande negócio para ele. Este era sobre o seu filho. Ian só desejou poder fazer algo para ajudar, ou pelo menos poder dizer alguma coisa para fazê-lo se sentir melhor. Por enquanto eles só estavam ao redor no quintal, mantendo um olho na parede de trás. Nada aconteceu. O jardim ficou agradavelmente fresco e ensolarado. Os únicos ruídos eram perfeitamente naturais, folhas se sussurrando com a brisa e o canto de um pássaro solitário em algum lugar acima. "É loucura pensar que quando você decide ver um fantasma, um vai aparecer", disse Jacob. "Quem sabe? Mas se ela faz um show, desta vez nós dois vamos vê-la, e eu vou me sentir um pouco menos louco." "Vou fazer tudo o possível para fazer você se sentir melhor", disse Jacob se ofereceu. Ian estreitou os olhos para ele. "Um cara como você não deveria fazer uma oferta como essa." "Eu fiz uma oferta? Eu acho que você pode estar ouvindo coisas de novo.

43


E o que você quer dizer um cara como eu?" “Quente, mas tudo abotoado, reprimido e pronto para explodir," Ian resumiu. "Você é perigosamente baixo na credibilidade e perde mais a cada segundo", disse Jacob. "Como você sabia que eu era gay, afinal?" "Você estava morrendo de vontade de me perguntar isso, não é?" Ian disse, então, ele lhe contou como ele se entregou. "Assim que você colocou os olhos em mim, você me revisou da cabeça aos pés. Aquele olhar era apenas um pequeno palpite. Então você juntou um pouco de oh, sim, eu faria ele.'" "Eu não fiz nada disso," Jacob reivindicou. "Você fez tudo isso. E eu aprecei o elogio." "E você está fora por aqui?" Jacob perguntou-lhe em um tom de vamos mudar de assunto. "Estou em casa, mas eu não tenho certeza se a palavra tenha chegado ao redor. Eu saí para o meu pai, antes de ir para a faculdade. Eu disse: Pai, eu sou gay. Está bem? E ele disse: Você está bem comigo, não importa o quê." "E como é que ele está fazendo?" Jacob pediu mais sério. "A quimioterapia não está retrocedendo exatamente o câncer. Principalmente está mantendo-o de ficar pior. Ele tem alguns dias ruins, mas ele não piorou muito."

44


"Isso é provavelmente graças a você." "Você pensa?" "Enquanto pai, eu estou absolutamente certo disso." Maldição, ele era sexy, mesmo quando ele tinha aquele olhar afeiçoado, paternal no rosto. Esse cara estava indo para deixá-lo louco. Ian decidiu dar um ou dois passos para longe dele antes de pular nele e ser chutado para o meio-fio. Jacob inclinou-se na parede de tijolo da casa, enquanto Ian andava para trás na frente dele. No momento, não era o fantasma que tinha Ian toda ferido. Estar sozinho com Jacob estava agitando-o. Olhando para Jacob, você pensaria que ele estava cem por cento à vontade. Mas sua pose só parecia relaxada. Havia algo sobre ele de enrolado, apertado. Apenas sob a superfície espreitava algo quente e vivo, uma besta musculosa pronta para atacar. Embora tivesse estado olhando para ele com o canto do olho, quando ele atacou, foi um choque. Jacob se moveu rápido. Ele agarrou o braço de Ian para puxá-lo para encará-lo. Em um momento, Ian estava olhando para seus incríveis olhos azuis, então no momento seguinte ele estava sendo virado e empurrado contra a parede. Suas pernas estavam dobradas, preparando-se para o impacto do corpo de Jacob quando este bateu nele. A parede era dura contra a parte de trás da sua cabeça, e a boca de

45


Jacob estava roubando seu folego. Sua língua estava lambendo Ian. Ian foi empurrado e puxado e dilacerado pela força daquele beijo. Preso à parede pelo aperto brutal de Jacob em seus ombros, Ian gemeu. A língua de Jacob empurrou em sua boca. Os tijolos de um lado, o corpo duro como rocha de Jacob do outro, Ian estava perdido. Enquanto a boca de Jacob era áspera e urgente na dele, todo o corpo de Ian latejava. Jacob estava movendo nele como se quisesse esmagá-lo. Suas ereções friccionavam entre a calça jeans. Isso só significa que eles tiveram que empurrar com mais força. Não importava se feria enquanto ele podia sentir a dureza do pênis de Jacob. Ele estava cavando para ele, quase através dele enquanto a boca de Jacob o sufocava docemente. Jacob gemeu, em seguida, arrancou-se afastado com um grunhido irritado. Eles ficaram ali, olhando-se mutuamente com uma luxúria insatisfeita, como duas metades de uma coisa sendo despedaçada. Ofegante, Jacob se acalmou um pouco e parecia estar se perguntando o que tinha feito. "Desculpe, me empolguei," ele disse a Ian. "Você só me surpreendeu. Sabia que era um animal pronto para atacar," disse Ian. Ele estava ofegante enquanto falava. Isso não era o tipo de beijo depois do qual você poderia respirar tranquilamente. Era o tipo de beijo que matava você. Mesmo quando ele estava tentando recuperar-se, Ian tinha uma suspeita que ele nunca o faria.

46


Jacob tinha acordado uma dor inquieta dentro dele. Agora ele estava tentando minimizĂĄ-la, agir casualmente novamente. Mesmo se ele enviou Ian para casa logo depois, o que tinha feito era tĂŁo bom quanto uma promessa. Ian estava contando com ele para perder o controle novamente.

47


Capítulo 6 Depois que Ian se foi, Jacob ficou sóbrio apenas o suficiente para amaldiçoar a si mesmo pelo que ele fez, mas não o suficiente para querer leválo de volta. Ele queria saber o que diabos deu nele. Ele nunca tinha feito um movimento tão violento em um cara. Mas não era uma coisa passageira. Ele queria Ian muito mais agora. A maneira em que Ian o acolheu em seus braços lhe disse que era algo mútuo. Era como se ele estivesse esperando Jacob para fazer exatamente isso, e cada centímetro dele estava pronto para seu duro beijo e cada segundo. Agora a necessidade de Jacob para ele era tão elevada, que o fez querer gritar. Essa necessidade esmagadora o levou para Ian. Era como se ele queria quebrar os dois. Ele queria quebrar essa coisa entre eles com o beijo mais duro que ele já havia colocado em alguém. Na ausência de Ian, Jacob esperou a sensação para passar, mas isso não aconteceu. Ele estava tão desesperado por Ian quanto tinha sido quando ele o bateu em naquela parede de tijolos e colidiu com ele. A cada segundo, o sentimento cresceu e tornou-se cada vez mais uma parte dele. Felizmente, alguns dias se passaram antes que Jacob viu Ian novamente. Outra coisa boa era que Toby estava lá para acompanhá-los desta vez. Ele e Toby estavam fora dando um passeio pelos campos na periferia da

48


cidade. Não havia muito para ver por lá, mas á cada poucos passos Toby encontrou algo que lhe interessava. Toby estava olhando para o chão e Jacob estava olhando em volta quando viu Ian. Ele estava do outro lado da estrada a partir deles. Jacob acenou para ele. "Parece que ele pode chover. Vocês são corajosos," Ian disse vindo até eles. Jacob tinha notado que o céu estava quase cinza. "Estamos a explorar o campo." "E o que Toby está fazendo?" Ian perguntou. Toby estava alguns metros de distância, absorvido no que estava fazendo. Ele nem percebeu Ian, talvez porque ele não era algo pequeno, arrepiante e se arrastando. "Ele encontrou uma concha de caracol vazia. Ele acha que há um caracol por aqui que está faltando sua concha. Eu não tive o coração para dizer-lhe que o caracol estava morto." Jacob suspirou, em seguida, virou-se de Toby para Ian. "Falando de mortos. Eu conversei com Toby pouco mais sobre seu amigo, e ele me disse algo interessante. Ele só viu ela no quintal, nunca dentro da casa." "Mesmo?" Ian se surpreendeu. "Isso é bom, eu acho. Mas ela viveu lá por anos. Por que ela não aparece dentro também?" Ele se perguntou.

49


"Toby me disse que é porque a Vovó está dormindo." "A avó de Lorna? É ela que a mantem para fora da casa?" Jacob deu de ombros. "Isso é o que Toby disse." "Eu sei que a avó de Lorna morreu logo depois dela", disse Ian com uma expressão pensativa. "Desde que Toby disse que ela estava dormindo, ela poderia ter morrido na casa?" Jacob perguntou. "Eu não sei, mas eu vou perguntar ao redor", disse Ian. "Isso significa que você está finalmente cem por cento comprando esta teoria do fantasma?" "Nem mesmo cinquenta por cento", disse Jacob, virando-se. "Você seria se você a tivesse visto," Ian previu. "Eu prefiro não." Jacob decidiu que era hora de distrair Toby da sua busca inútil. Ele o chamou: "Ei, Toby, veja quem se juntou a nós." Toby levantou a cabeça e correu ansiosamente. "Quer me ajudar a encontrar um caracol?" Ele perguntou a Ian. Sabendo que era impossível, Ian disse: "Que tal se fizermos alguma coisa? Será que você foi até a ponte ainda?" Toby balançou a cabeça. "Então vamos lá juntos," Ian sugeriu.

50


Eles atravessam o campo até que chegaram a uma antiga ponte de pedra que se curvava sobre uma fina corrente. Em ambos os lados da ponte, havia uma estrada de terra. Chegando à estrada, eles cruzaram para o meio da ponte. Jacob levantou Toby para que ele pudesse olhar para baixo para o lado, não que houvesse muito para ver. O fluxo tinha apenas alguns metros de largura. Andando no resto do caminho sobre a ponte, eles circularam ao redor de um caminho que levava ao riacho. "O fluxo é maior na primavera e no verão. Agora podemos saltar para a direita sobre ele", disse Ian. "Não. Não você," Jacob advertiu Toby que parecia pronto para tentar. "Posso ir pescar?" Toby perguntou enquanto estavam mesmo à beira do riacho. "Claro, por que não?" Jacob lhe disse mesmo se ele não viu nenhum sinal de qualquer peixe. Toby correu ao redor até que encontrou um pedaço de pau. Ele acenou com ele no ar triunfante, em seguida, o enfiou na água. "É assim que ele vai pescar?" Disse Ian. Jacob deu de ombros. "Depois que eu aprender a pescar, eu vou dar a volta para ensinar-lhe." "Meu pai me ensinou. Ele era terrível e eu também," disse Ian com um sorriso orgulhoso.

51


Olhando para ele, Jacob se tornou melancólico. Talvez daqui a alguns anos, Toby soaria assim quando ele iria falar sobre o que Jacob lhe ensinou. Ele só podia esperar. Com Toby ocupado na pesca, os dois caminharam alguns passos para ficar bem debaixo da ponte. Eles olharam para o lado de baixo. Jacob podia ver as plantas que cresciam nas fendas entre as pedras. "Muitas delas secaram, mas é tudo verde no verão. Como alguma selva de cabeça para baixo," disse Ian. "Há todos os tipos de coisas legais por aqui. Eu não me importaria de mostrar a Toby todos os pontos legais que eu descobri quando era um menino. Eu vou lhe salvar uma tonelada de trabalho braçal." "Onde está a diversão nisso?" Jacob perguntou e olhou para Toby, que estava olhando com expectativa para a água. Jacob se perguntou o que ele achava que ia acontecer. Quando Jacob virou notou Ian olhando para ele. "Eu não posso vê-lo deixá-lo correr da maneira solta em que eu o fiz." "Você ainda acha que eu sou muito antiquado." Ian balançou a cabeça, em seguida, ele se aproximou. "Mas você sempre pode provar que estou errado." Em sua jaqueta de veludo, cabelo bagunçado do vento, a pele corada pelo ar fresco, Ian era tão vívido e de alguma forma muito real. Jacob sentiu

52


que ele nunca tinha visto nada tão claramente quanto o viu naquele momento. Ele estava perto o suficiente para Jacob pudesse respirar nele. Alguns centímetros para á frente e ele poderia estar beijando-o, chegando sob o paletó e passando as mãos em cima dele. Jacob não foi tão longe, mas ele deixou Ian colocar as mãos sobre o peito. "Eu estou morrendo para ver o que você se parece sem tudo isso." Os olhos de Ian se tornaram afiados como se eles estivessem cortando as roupas de Jacob. Ele então olhou para cima do peito de Jacob para os olhos. Ele inclinou a cabeça para cima e abriu os lábios ligeiramente, um desafio que Jacob não podia deixar passar. Seu olhar afundou nos olhos azuis escuros de Ian, ele se inclinou e só deixou seus lábios tocar nos dele. Em seguida, ele se endireitou, enquanto Ian balançou a cabeça para ele e sorriu com tristeza. O toque de seus lábios levou apenas um segundo, mas Toby não estava longe. Ele só tinha que parar de picar ao redor no fluxo, virar, e ele iria ver... O quê? Seu pai agindo como um idiota, enlouquecendo por um jovem rapaz que encheu sua cabeça com ideias estranhas e seu coração com sentimentos que não podia resistir. Não havia futuro com Ian. Isso não poderia acontecer, mas estava acontecendo de qualquer maneira. Ele nunca deveria ter deixado os seus lábios tocá-lo. Agora suas cabeças estavam se inclinando, as bocas alinhando,

53


os lábios se encontrando. Ambos tomaram um último suspiro, em seguida, o seguraram. Quando parecia uma coisa certa que o que aconteceu antes aconteceria de novo, Toby salvou Jacob de si mesmo. Ele escolheu esse momento para saltar para cima e correr para eles. "Eu não peguei nenhum peixe," anunciou ele, mas não parecia infeliz com isso. Com um pequeno suspiro, ele olhou para o céu. As aves estavam mergulhando em cima, todo um bando deles provavelmente a caminho para o sul. Toby os assistiu em transe. Havia tantas coisas neste mundo interessando-o, por que ele tinha que ver as coisas de outro mundo? Naquela noite, depois do jantar, Toby estava assistindo TV, e Jacob estava limpando na cozinha. O que ele realmente estava fazendo era pensar sobre Ian. Ele deveria colocá-lo fora da sua cabeça. Ou pelo menos ele deveria deixar de ter pensamentos dele para se masturbar. Não havia nenhuma razão para pensar sobre ele constantemente. Com Toby para se preocupar, como ele poderia mesmo considerar uma paixão louca com um garoto de faculdade? A resposta veio a ele quando ele pensou novamente em seu beijo e deixou os olhos de Ian dançar sobre ele maliciosamente. Ele desejava Ian sob ele e ao lado dele. Ele queria transar com ele, mas ele também queria ele na cozinha agora, mesmo se tudo o que ele fez era falar sobre fantasmas.

54


Jacob gemeu da sua própria estupidez e agarrou o saco de lixo da cozinha. Ele o amarrou e levou-o para fora. Talvez um pouco de ar frio em seus pulmões iria ajudar a limpar sua cabeça. Ele despejou o saco na lata de lixo ao lado da casa e olhou para cima. O céu azul escuro lhe lembrou dos olhos de Ian. Bem, este não estava funcionando. Ele podia sentir a forma da sua boca e seu sabor. Ele podia ouvir sua voz, baixa e rouca. Jacob respirou fundo o ar fresco da noite. Ele estava tentando afastá-lo, mas Ian ainda estava demorando em sua mente, dando-lhe um sorriso maroto. Aquele sorriso estava implorando por um beijo duro para limpá-lo. Distraído, Jacob vagou no jardim. De repente, ele percebeu que ele tinha caminhado em direção ao banco de pedra sem perceber. Ele parou alguns metros longe dele. Olhando à frente dele, ele não tinha certeza se ele estava esperando para ver alguma coisa ou para não a ver. Pelo amor de Toby, ele precisava tentar confirmar se isso era real. Mas estar ali e olhar realmente duro era suposto conseguir isso? Sentindo-se estúpido, Jacob estava pronto para ir para dentro quando de repente sentiu muito frio. Enquanto seus ouvidos se enchiam com o estrondo que ele reconheceu, seu peito se sentiu dolorosamente apertado. Cada respiração que ele tomou era uma luta, como se o ar fosse muito grosso

55


para respirar. Sua visão estava ficando preta. Então ele viu. Um ponto brilhante floresceu na escuridão espessa. Enquanto olhava, uma forma apareceu lentamente no ar, a mão de uma mulher. Era tão nebulosa que ele não podia se fixar sobre ela corretamente. O ponto brilhante expandiu-se em um pedaço de azul que se assemelhava vagamente uma mulher cujo rosto estava na sombra. Olhando para a forma, Jacob se sentiu como se houvesse algo de errado com a sua visão, mas não era isso. A imagem estava piscando dentro e fora rapidamente. Isso o fez sentir-se tonto. O ruído que ainda inundava seus ouvidos mudou para algo parecido com um discurso truncado. Era muito alto, mas incompreensível. Se ela queria dizer-lhe alguma coisa, ele não conseguia entendê-la. "O que você quer com meu filho?" Ele engasgou. Em resposta, só havia mais barulho. A pressão em sua cabeça e em seus pulmões era tão intensa, que ele pensou que poderia desmaiar. Mas, assim que ele pensou que estava atingindo seu limite, tudo parou. Jacob olhou ao seu redor. A luz da rua iluminou o espaço, mostrando apenas as coisas que deveriam estar lá. Era apenas um jardim comum, que precisava ser varrido de novo. Jacob respirou mais fácil, mas seu coração ainda estava batendo muito rápido e duro. Esta era a sua prova sobre o que estava acontecendo, mas a

56


experiência inquietante o deixou com mais perguntas do que respostas. Pareceu-lhe que ela tentou falar com ele, mas ele simplesmente não conseguiu entendê-la. Mesmo sem obter qualquer resposta dela, Jacob agora sabia o que tinha que ser feito.

57


Capítulo 7 Não tinha sido difícil encontrar a informação sobre a morte da avó de Lorna. Era de conhecimento comum entre os moradores mais velhos de Blystone. Indo para casa de Jacob no dia seguinte, Ian estava ansioso para compartilhar o que ele descobriu. Era hora de Jacob sair para ir trabalhar então ele correu para pegá-lo. Seu carro ainda estava lá, então ele tinha que estar em casa. Ian foi até a porta e bateu. Todas as vezes que ele viu Jacob, ele ficou impressionado com quanto lindo era o homem. Vê-lo quando ele abriu a porta lhe tirou o fôlego de novo, mas ele não podia se debruçar sobre isso. Levantado em sua porta, ele começou a falar antes que Jacob tivesse a oportunidade de cumprimentá-lo. "Você estava certo. A avó de Lorna morreu nesta casa. Ela morreu em seu sono. E bom dia", acrescentou. "Eu queria saber se ela poderia ser um fantasma também? Toby já a viu?" Em vez de convidar Ian para entrar, Jacob saiu e trancou a porta. "Eu já lhe perguntei se esta senhora era a única pessoa que ele viu que não estava sempre lá. Eu não tinha certeza de como colocá-lo. Ele disse que ela era a única", disse Jacob. "Será que ele sabe a diferença entre ver uma pessoa viva e uma morta?

58


Será que ele sequer percebe que Lorna está morta?" Ian se perguntou andando com Jacob até seu carro. Jacob sacudiu a cabeça. Ian poderia dizer que ele estava frustrado com tudo o que ele não sabia sobre o que estava acontecendo com seu filhinho. Mas Ian não percebeu quão longe as coisas tinham ido até que Jacob lhe disse o que ele estava planejando. "Eu não posso arriscar ficar aqui. Eu decidi sair da casa. Eu não posso ter Toby aqui com o que está acontecendo." Ian agarrou seu braço como se Jacob ia fugir logo em seguida. "Espere. O que mudou?" Jacob franziu a testa profundamente quando ele se virou em direção a ele. "Eu a vi. Mas não era tanto sobre vê-la. Ela não era muito distinta. Foi o sentimento. Eu não conseguia respirar. Eu me senti paralisado e frio. A sensação foi muito debilitante." "Mas Toby não experimenta nada disso, não é?" Ian perguntou. "Não, eu perguntei a ele, e ele não o faz. Mas isso é muito mais real para mim agora. Eu preciso tirá-lo daqui." "Talvez as crianças têm uma conexão mais natural do que os adultos," Ian disse, enquanto se perguntou porque Toby parecia ter uma experiência diferente. "Talvez, mas isso não importa agora. Eu preciso Toby para ser seguro,"

59


Jacob disse com firmeza. "Existem casas disponíveis por aqui?" Ian tentou pensar em lugares que poderiam ser alugados. Ele não queria Jacob e Toby para ter que se mover muito longe. "Nós não estamos ficando em Blystone," Jacob lhe disse. "Em qualquer lugar na cidade ou na área seria muito perto. Minha irmã tem um apartamento em Lambton. Ela praticamente foi morar com o namorado. Ela disse que podemos ficar em seu lugar." "Eu não sabia que você estava se movendo tão longe", disse Ian. "Não é muito longe. É apenas um pouco mais longe do meu trabalho. Mas eu sinto muito em ter que tomar Toby fora do jardim de infância e da creche aqui. É muito perturbador." "Droga. Quando vocês estarão indo embora?" "Amanhã", disse Jacob. Ele parecia tão infeliz com isso quanto Ian se sentia. "Tão cedo?" "Eu estaria fora de aqui hoje se eu pudesse." O rosto de Jacob era sombrio. "Ok. Vou parar para vê-lo," Ian lhe disse e então ele o deixou ir para o trabalho.

60


Quando Jacob se foi embora, Ian apenas ficou lá. Ele queria xingar e gritar. Ele olhou para a casa de Jacob e depois para o jardim na parte de trás. Se ele só pudesse descobrir isso, Jacob e Toby não precisariam sair. O que diabos queria aquela mulher morta? No dia seguinte, Ian mandou uma mensagem para Jacob e descobriu que ele estaria em casa até a tarde. Ele apareceu por volta do meio dia, e Jacob o deixou entrar. Assim que ele entrou, Ian viu as malas prontas esperando na porta. Algumas outras coisas estavam em uma caixa. Era isso por agora, mas Ian descobriu que, eventualmente, eles iriam arrumar tudo e ir embora para sempre. Fazia-o insuportavelmente triste. "Tirei o dia de folga. Eu vou pegar Toby do jardim de infância e nós estaremos indo para Lambton a partir daí," Jacob lhe disse, quando iam para a cozinha. "Posso ir com você para ver ambos?" "Parece bom. Você quer almoçar? Eu não posso comer, mas se você quiser algo..." "Não,

eu

estou bem." Ian

não tinha

muito

apetite

naquelas

circunstâncias. Ele só queria gastar tanto tempo com Jacob quanto podia. "Eu vou te fazer companhia até que é hora de ir. Você precisa de ajuda com alguma coisa?" "Eu só estou recebendo algumas coisas prontas", Jacob disse,

61


apontando para uma caixa que continha pratos e copos que tinham personagens de desenhos animados sobre eles, bem como alguns brinquedos. "Eu pensei que seria melhor fazer isso enquanto Toby estava no jardim de infância. Eu quero que ele gaste tão tempo aqui quanto possível, então eu estou fazendo as malas para nós dois. Deus me ajude se eu esqueço de levar algum brinquedo crucial." Jacob então tirou alguns snacks do armário e enfiou-os em uma caixa diferente. "Você estará de volta para o resto das suas coisas, certo?" Ian não queria aceitar que esta era a última vez que ele estaria vendo-o. "Talvez não. Eu só poderia contratar alguém. Eu preciso encontrar um lugar mais permanente do que o apartamento de minha irmã embora." "Eu realmente sinto muito que isso aconteceu", disse Ian, não escondendo quanto ele estava chateado. "Eu também." Ian olhou para ele e se perguntou se ele poderia se arrepender de sair pela mesma razão que ele fez. "Você não esteve aqui tempo suficiente para perder o lugar." Ian apontou ao redor, mas Jacob apenas olhou para ele. Era um olhar triste, intenso que o fez estremecer. "Nós mal conhecemos um ao outro,"Jacob disse, com a voz baixa e crua. Isso foi inesperado. Ian foi pego tão desprevenido, que ele nem poderia dizer para trás que ele sentia o mesmo. Jacob aproximou-se dele e por um

62


momento apenas olhou, seus olhos azuis claros de lobo. "Nós temos um pouco de tempo", ele sussurrou. Para Ian, o tempo parou. Jacob estava tão perto e ele cheirava tão bem. Mas o que ele quis dizer? Enquanto Ian questionava a realidade do que estava acontecendo, Jacob tocou seu rosto e passou as pontas dos dedos em seus lábios. Ele então se aproximou ainda mais e deixou Ian sentir quão excitado ele estava. Ian não estava confuso mais. Ele se inclinou para Jacob e grunhiu para a sensação dele. Lentamente as mãos de Jacob deslizaram ao redor da cintura de Ian na sua parte inferior das costas. Com uma mão, ele o puxou para mais perto. A outra mão estava puxando para baixo a parte de trás da calça de brim de Ian. Ian gemeu com o contato. Os dedos de Jacob empurraram para baixo na fenda da sua bunda. Enterrando seu rosto na curva do pescoço, Jacob rosnou. A ponta do seu dedo médio encontrou o buraco de Ian e pressionou. Gemendo, Ian agarrou Jacob quando ele pressionou mais. Então Jacob parou, retirou a mão e recuou. Ian olhou para ele, atordoado e tremendo. "Dispa-se. Eu quero ver você", Jacob ordenou-lhe quase com raiva. Mais do que feliz em fazer o que lhe foi dito, Ian sorriu e obedeceu. Apressados, eles não tiveram tempo para sutilezas. Ele tirou as botas. Seus

63


jeans e boxers foram para baixo, para fora e os chutou no chão. Ele puxou seu capuz sobre a cabeça e jogou-o de lado. Ele estava levantado nu na frente de Jacob em um apartamento minuto. E esse foi todo o tempo que Jacob lhe deu antes de estar em cima dele novamente. A urgência de saber que ele estava deixando fez Ian louco. Com os dedos trêmulos, ele baixou o zíper de Jacob e libertou seu pênis. Droga, era grande e duro, e isso o preocupava. Ele mordeu o lábio inferior. "Volto já", Jacob lhe disse. Enquanto se afastava, ele puxou a camisa sobre a cabeça e a jogou de lado. Sua calça jeans estava escorregando para baixo em seus quadris. Ian gemeu. Porra, ele era lindo. Seus ombros eram largos. Suas costas ondulavam enquanto se movia. Os músculos dos seus braços estavam duros e bonitos. Ian realmente se sentiu intimidado enquanto esperava que ele voltasse. Ian era magro, tinha definição sim, mas seu corpo definitivamente não ganhava diante um pedaço assim. Ele não se sentia mais à vontade quando Jacob voltou. Os olhos de Ian viajaram de seu peito surpreendentemente esculpido até seus abdominais e, em seguida, mais baixo. A calça jeans de Jacob estava aberta com o seu pau espeitando para fora. Ele era uma visão. E se isso não o assustou, o olhar nos olhos de Jacob era mortal. Ele tinha lubrificante e preservativos em uma mão e ele colocou ao lado de Ian no balcão da cozinha. Com as mãos livres, ele agarrou o rosto de Ian e o beijou profundamente e com força. Ian empurrou para longe dele, engolindo ar.

64


"Eu acho que tivemos o suficiente de beijos. Vire-se," disse Jacob. Ele guiou Ian para inclinar-se sobre o balcão ao lado da pia, onde não havia nada para ele bater a cabeça. A bancada de pedra estava fria, mas a boca de Jacob arrastando beijos pelas costas estava quente. Ian suspirou. Em seguida, ele ouviu a tampa do frasco de lubrificante se abrindo e sentiu os dedos lisos de Jacob em seu buraco. Ian gemeu quando os dedos de Jacob pressionaram sem pausa. Ele os bombeou dentro e fora enquanto Ian deu um tapa no balcão com a mão e gritou. Ele estava a segundos de gozar, mas, em seguida, os dedos de Jacob tinham desaparecido. Ian choramingou. Olhando para trás, Ian viu Jacob respirar com dificuldade, rolando em um preservativo, em seguida, acrescentando lubrificante. "Eu não quero você assim", Jacob lhe disse. Ele puxou-o e o fez virar. "Eu quero aqueles olhos em mim." "Sim, senhor", Ian disse e pulou em cima do balcão, sua bunda direito na borda. Ian enfiou as mãos na borda do balcão quando Jacob empurrou seus pés acima. O pênis de Ian estava contra seu abdômen, mais duro do que nunca. Ele olhou para Jacob quando ele baixou a cabeça olhando para seu pênis. Quando levantou os olhos, eles estavam brilhando com luxúria. Ele

65


estendeu a mão sobre o corpo de Ian, deslizando a mão até seu peito. Conectando a mão no ombro de Ian, ele começou a empurrar. Ian ofegou, sentindo a pressão insistente do pênis de Jacob até que seu corpo cedeu a ele. Tão grosso, seu pau ainda não deslizava facilmente. Ian teve que lutar contra o seu instinto de se afastar dele. Mas mesmo enquanto doía, ele queria mais. Ele queria ser empurrado sobre a borda de tudo o que já sentiu. Ele queria Jacob para possuí-lo e ser seu tudo. Jacob não estava tomando seu tempo, e Ian sentiu a pressa de ser levado duro. A mordida de dor desses primeiros impulsos não era nada. Eles eram sufocados pela felicidade absoluta de ter Jacob dentro dele. Ian tinha os pés em cima dos ombros de Jacob. Seus olhos estavam fixos nos de Jacob e ele soltou um grito cada vez que Jacob bombeou nele. Com o aumento da velocidade, Jacob empurrou cada vez mais duro. Ian gritou o nome dele e o amaldiçoou. Dobrado apertado, seu pênis saltando contra o seu abdômen , era pura felicidade. Era de fato era o céu. Ian queria que nunca parasse. Mas o fez. Ele terminou em uma explosão de prazer inacreditável e gritos em seus ouvidos, os seus e de Jacob. Seus gritos ficaram roucos quando Jacob caiu sobre ele. De olhos arregalados, Ian olhou para o teto. Ele segurou Jacob perto contra ele, envolto em seus braços, suas pernas ao redor da sua volta. "Você vai sentir a minha falta?" Ian perguntou, sentindo seus lábios tocar o ouvido de Jacob.

66


"Agora eu vou", Jacob suspirou em seu pescoço. "Isso mesmo," Ian disse, mas estava matando-o que Jacob estava saindo. Isso não poderia ser o fim de tudo. Tinha sido muito bom, melhor do que qualquer fantasia ou sonho. Ele tinha que estar com Jacob novamente.

67


Capítulo 8 Não foi fácil dizer a Toby que eles teriam de se mudar. Ele já estava fazendo amigos no seu jardim de infância e na creche de Ruth. Embora Jacob tentou dar a notícia tão gentilmente quanto podia, Toby não gostou de ouvir sobre o seu movimento. Uma das suas razões era o seu amigo no jardim. "Nós não podemos deixá-la sozinha," Toby disse melancolicamente. "Sinto muito. Temos." Ele era um bom rapaz, gentil e Jacob estava orgulhoso dele para isso, mas era o seu trabalho protegê-lo. Ele esperava que Toby iria começar a gostar de Lambton, desde que, além de viver lá, eles iriam começar a ver Heather com mais frequência. Heather tinha um apartamento de um quarto. Toby conseguiu seu quarto enquanto Jacob levou o sofá. Era duvidoso que ele estaria dormindo muito de qualquer maneira. Era apenas a segunda noite no apartamento, outra sem dormir por Jacob. Depois que Toby estava na cama, Jacob se ocupou de tentar descobrir o que fazer com a casa em Blystone. Isso seria mais fácil se ele pudesse pensar direito, mas os pensamentos de Ian se intrometiam. Ele era muito real. Cada memória atravessou-o com clareza dolorosa. A

68


maneira em que Ian apertou os dentes quando entrou nele voltou para ele tão nitidamente quanto a maneira em que suas entranhas o tinham agarrado. Jacob podia sentir seu corpo nu e a pressão dos seus pés contra seus ombros. Ele foi preenchido com o som dos seus gemidos e o jeito em que ele gritou o nome de Jacob quando ele gozou. Jacob queria beber nele, nunca se esquecer dele. Mas ele não queria levar as coisas tão longe. Deixou-se perder o controle e agora ele estava pagando por isso. Era como se ele queria tornar sua vida mais difícil. Com tudo o que ele tinha em sua mente, ele estava louco para ser obcecado com Ian. Parecia que o coração nunca estava ocupado demais para a autotortura. Exteriormente, Jacob estava calmo. Ele tinha que ser por amor de Toby. Deixar sua nova casa era bastante difícil para ambos, mas deixar Ian... Jacob não poderia se debruçar sobre isso. Ian não estava tão longe de qualquer maneira. Ele ainda poderia vê-lo. Mas agora Jacob queria estar dentro dele, e em qualquer outro lugar era longe demais. Afundar em seu corpo quente, incrivelmente apertado o obcecava. Mas era mais do que isso. Ian não voltou a ele apenas como um corpo que ele tinha fodido. Ele podia ver seu irônico olhar de olhos, azul. Como isso poderia ser o fim quando os olhos de Ian contaram a história de toda a sua vida juntos? Jacob se levantou do sofá e andou. Indo para a cozinha, ele recebeu uma garrafa de água. Ele não estava com sede. Ele só queria limpar a mente de

69


Ian. Toby era a sua prioridade número um e tudo no que ele deve estar pensando. Toby tinha sido na cama por horas agora. Jacob estava na cozinha quando ouviu a voz de Toby. Ele não estava chamando-o embora. Parecia que ele estava falando com alguém. Jacob pensou que talvez ele estava apenas falando em seu sono. Não, ele apenas esperava que fosse assim. Indo pelo corredor em direção ao quarto, Jacob ouviu sua voz novamente e mudou-se mais rápido. A porta do quarto estava aberta. A luz do corredor lançava a sombra de uma mulher na parede acima da cama de Toby. Jacob se apressou e acendeu a luz do quarto. O quarto era muito frio. Ele olhou ao redor, mas não havia nada lá agora. Sentando-se na cama grande, Toby olhou para ele com surpresa e piscou para o brilho repentino. "É de manhã?" Ele perguntou, confuso. "Não, ainda não. Toby, com quem você estava falando?" Jacob perguntou, com medo que ele já soubesse a resposta. "A dama." "A Senhora do jardim? Ela está aqui?" Sentado na cama, Jacob olhou para Toby de perto. Ele parecia estar bem. "Ela veio me ver. Ela não queria ficar lá sozinha," disse Toby. "Você disse que sua avó estava lá."

70


"Ela está dormindo." Jacob ficou olhando ao redor, mas ele não viu ou sentiu alguma coisa estranha. A temperatura do ambiente já tinha voltado ao normal. "Ok. Você deve voltar a dormir agora." Mais uma vez Jacob o enfiou sob as cobertas, beijou o topo da sua cabeça e observou-o adormecer. Mas desta vez ele não se atreveu a deixá-lo sozinho. Ele passou toda á noite sentado e tomando conta dele.

Desde Ian era um miúdo, o memorial de Lorna sempre tinha sido algo acessível para ele. Ele mal olhou para ele quando ele passava. Com tudo o que aconteceu, ele não poderia passar na mesma maneira que ele costumava fazer. Ele parou, olhou para ele e se perguntou quem o havia posto ali. O memorial tinha estado lá tanto tempo quanto ele podia se lembrar, mas nem sempre estava levantado. Era algum tipo de suporte de metal em forma de um tripé que tinha prateleiras para a realização de vasos de flores e vasos. Sendo uma estrutura frágil, improvisado, não podia levantar-se para a natureza, nem mesmo com os picos que a prendiam no lugar. Mas sempre que ela caiu, ela estava sempre corrigida por algum bom samaritano. Ian lembrou que costumava haver uma placa castigada pelo tempo na parte superior que tinha o nome de Lorna riscado nela. Devia ter caído. Olhando mais de perto, Ian viu que apenas as flores de plástico estavam em

71


boa forma. Os vasos de flores tinham sido tomados por ervas daninhas. Um pequeno grupo de flores tinha secado em um vaso de plástico, enquanto outros vasos estavam vazios. Sua mãe costumava deixar flores lá. Logo antes que ela se mudou para Hershing, ela deixou uma rosa branca em um plantador. A rosa não sobreviveu embora. O vento pegou então parou. Tudo estava muito quieto. O silêncio completo fez Ian se sentir como se tivesse ficado surdo. Um pote quebrou de repente e Ian saltou. Olhando para as peças amarelo espalhadas na grama, ele viu sua respiração sair em um nevoeiro. As palavras eu tenho tanto frio foram realizadas em uma rajada de vento. Elas pareciam muito próximas. As palavras podiam ter se formado em sua própria cabeça. Ian olhou em volta. Era ela? Era Lorna? Ian deu um passo mais perto do memorial, mas nada mais aconteceu. Esse memorial era uma visão triste, mas nunca tinha sido assombrado antes, tanto quanto ele sabia. Ele se perguntou se o status quo foi perturbado quando Jacob levou Toby longe. Lorna não poderia ser feliz com isso. Ela poderia estar vagando ao redor, procurando por ele. No dia anterior, quando Ian visitou seu túmulo, ele não tinha notado nada de estranho. Seu túmulo era mantido em um estado mais ordenado do

72


que o memorial. As palavras Amada filha, neta e mãe estavam esculpidas em pedra branca. Não havia flores ou vasos vazios. Agora que ele tinha tomado uma olhada em ambos os lugares, Ian tinha a impressão que o túmulo de Lorna era simplesmente um triste, tranquilo lugar. A presença de Lorna era mais forte no lugar da estrada, onde ela tinha morrido. Não era nada como o que sentia, no entanto, na casa de Jacob. Quando ela aparecia lá, sua presença tinha um peso esmagador. Ian tinha sido tentado de voltar para a casa de Jacob e arriscar um encontro com ela novamente. Ele ainda esperava poder descobrir por que ela estava lá e, eventualmente, torná-la segura para Jacob e Toby voltar. Lorna não era a única razão para querer ir invadindo a propriedade de Jacob. Se ele foi lá atrás, sua razão seria Jacob, o que eles fizeram, e tudo o que não conseguiram fazer. Rondando a casa de Jacob não o traria de volta embora. Ian tinha que respirar através da dor que sentia em cada pensamento dele. Passando esse ponto trágico no lado da estrada, Ian continuou seu caminho para a cidade e tentou não pensar sobre Jacob. Se apenas eles não tivessem fodido, Ian não iria sentir falta dele tão duramente. Ele seria atormentado por aquilo que poderia ter sido, mas não por essa dor latejante que estava criando raízes dentro dele. Agora ele perdeu Jacob de uma forma muito real, física. Ele perdeu cada centímetro duro dele.

73


A necessidade dolorosa, desesperada dentro dele na primeira vez que Jacob o beijou. A necessidade era muito forte. Agitando seu pau como um brinquedo, rasgando o seu coração, deixando-o impotente. O sexo só intensificou seus sentimentos. Aquele homem era agora a obsessão de Ian e o centro do seu mundo. E ele se foi. Jacob não disse que ele iria chamá-lo, nunca prometeu se manter em contato. Tomando sua liderança, Ian também não chamou. Ele não sabia quanto tempo ele seria capaz de permanecer firme e não chamar Jacob só para ver como ele estava fazendo. Talvez oferecer para passar por ali. Por enquanto, ele era orgulhoso demais para perseguir um homem que não lhe deu mesmo o menor indício que ele queria ser perseguido. Ian não tinha ideia de quanto tempo isso iria durar. Já, ele se imaginou cair de joelhos na frente de Jacob, dizendo-lhe para fazer o que quisesse com ele. Ele estava vendo o futuro ou simplesmente entregando-se a uma fantasia? Ele não sabia. Jacob tinha sido o primeiro cara que jamais o fez sentir tão louco e desesperado. Ele se sentiu capaz de qualquer coisa heroica, suja ou depravada. Mas principalmente, se sentiu esmagado.

74


Capítulo 9 Como de costume nos fins de semana, as ruas de Blystone estavam bastante ocupadas. Era sábado, e Ian estava a caminho para fazer algumas compras. Ele não tinha pressa. A Senhora Astor estava jogando cartas com seu pai. Indo para a mercearia McMillan, Ian agarrou uma cesta e caminhou entre as ilhas lentamente. Então, olhando para o lado de uma prateleira, ele não conseguiu acreditar em seus olhos. Vê-lo foi tão inesperado, Ian apenas ficou boquiaberto. Havia Jacob com um carrinho de compras de sua autoria. Quando ele chegou até ele, Ian estava morrendo de vontade de jogarse em seus braços. "O que você está fazendo aqui?" Ele perguntou. "Shopping. Uma vez que estamos de volta eu preciso abastecer o frigobar", disse Jacob como se não fosse grande coisa. Pode não ser um grande negócio para ele, mas Ian estava radiante. Para se parar de começar a chorar ou fazer qualquer outra coisa estúpida, ele olhou para a cesta de Jacob. Ele viu ovos, leite e pão. "Você está de volta", disse Ian, ainda tentando superar o choque. Ele olhou para ele novamente. Vendo o rosto sombrio de Jacob, ele tentou não

75


demonstrar quanto estava feliz. "Não é por uma boa razão", Jacob lhe disse com um suspiro. "Enquanto estávamos fora, eu descobri que ela não está assombrando a casa. Ela está assombrando Toby." "O que você quer dizer?" "Ela nos seguiu para o apartamento de Heather. Toby a viu, e eu meio que o fiz também. Eu vi uma sombra levantada sobre a cama de Toby. Naquele momento eu queria levá-lo ainda mais longe. Mas temo que deixar o meu emprego e se mover para o outro lado do país não faria qualquer bem. Ela disse Toby que ela estaria sempre com ele". "Você ouviu isso?" Ian perguntou. "Não Toby estava falando com ela. Ele me disse." Quando Jacob sacudiu a cabeça e esfregou os olhos, Ian notou quão cansado ele parecia. "Eu pensei que nós poderíamos fugir, mas eu acho que não importa onde vamos." "Isso não significa que você tinha que vir aqui. Este é o lugar onde tudo começou," Ian não apontou que aqui era exatamente onde ele queria que eles fossem. "Não vejo uma boa razão para ficar longe", disse Jacob e desviou o olhar de Ian. Aquilo foi estranho. Quando ele se virou para ele, ele parecia um pouco envergonhado. "Indo embora não fez bem, mas talvez eu possa fazer algum bem aqui. Eu acho que você estava no caminho certo. Este é o lugar

76


onde eu tenho a melhor chance de descobrir isso. Estamos melhor aqui de qualquer maneira. Ela nunca entra na casa. No apartamento, ela estava no quarto de Toby, levantada direito sobre sua cama. A menos que eu a imaginei." "Você disse que Toby estava falando com ela," Ian disse razoavelmente, não deixando Jacob afundar na negação. "Ainda é difícil para mim acreditar em algo assim." "Mesmo depois de vê-la por si mesmo?" "Sim. Mesmo depois disso." “Suas razões não podem ser boas, mas estou feliz por você estar de volta", Ian confessou. "Toby também. Eu o deixei em Ruth. Ele e os filhotes tiveram um reencontro feliz. Eu ainda quero ele fora de casa, tanto quanto possível, de modo que o contratei para a creche nos sábados também." Caminhando para o registo, Ian reparou em quanto sombrio Jacob parecia. "Não fique tão deprimido. Lembre-se que você não está sozinho. Eu quero ajudá-lo a descobrir isso." "Seu prato esta bastante completo," disse Jacob. "Como está seu pai?" "Não é ótimo. Mas ele está pendurado lá. Eu estava apenas lhe

77


procurando alguns limões frescos para o seu chá", disse Ian segurando um carrinho de compras com uma meia dúzia deles. "Papai sempre me dá o crédito por fazê-lo viver bem. Ele parou de beber e fumar quando ele e minha mãe me adotaram. Mas eu acho que era tarde demais." "Não me diga que você se culpa por isso?" Jacob perguntou-lhe maliciosamente. "Eu acho que é estúpido. Meu pai sempre foi terrível em cuidar de si mesmo. Agora eu me sinto como se eu nunca sei como ele está realmente fazendo. Ele está sempre tentando esconder o que ele está passando." "Ele é pai", Jacob disse uniformemente. "Ouça você, está no lado dele." "Somos pais temos que ficar juntos", disse Jacob com um sorriso. Ian esperou Jacob para pagar, em seguida, eles caminharam juntos em direção a sua casa. Uma vez que eles estavam na frente dela, ambos pararam e olharam. Ian poderia dizer que Jacob estava temendo sua própria porta da frente. "Você tem medo de ir para lá?" Ian lhe perguntou. "Não exatamente. Eu só não sei como consertar isso," ele disse entrando em seu jardim da frente e Ian o seguiu. "Quando você a viu, você tem certeza que ela não lhe deu nenhuma pista

78


sobre o que ela queria?" Ian perguntou enquanto eles caminharam até o caminho para a porta da frente. "Nós não temos uma conversa," Jacob disse categoricamente. Quando eles entraram na casa, ele parou apenas dentro. Ele franziu a testa profundamente. "Há algo do que eu não falei com você. Essa não foi a primeira vez que eu vi alguém que estava morto." Ele não disse mais por um tempo. Então, enquanto eles estavam na cozinha, e Jacob estava guardando os mantimentos, ele falou. "Algo aconteceu comigo quando eu era criança. Desde então, o tenho praticamente colocado fora da minha mente. Até poucos dias atrás, eu não tinha certeza que nada disso era real. Eu pensei que talvez eu estava lembrando algo que eu imaginei quando era criança," disse Jacob. "Tudo o que aconteceu naquela época parece tão irreal para mim, como se eu o sonhei. O que está acontecendo agora me forçou a lembrar." Jacob pegou duas cervejas da geladeira e entregou uma a Ian. Sentaram-se à mesa da cozinha enquanto Jacob disse-lhe mais. "Eu tinha a mesma idade de Toby quando comecei a me deparar com poças de água ao redor de nossa casa, eu podia ver a água gotejando e ondulando, mas não estava vindo de qualquer lugar. Quando eu fui mais perto, a água desaparecia. Então, um dia, eu vi um par de pés descalços na água."

79


"Isso deve ter sido aterrorizante", disse Ian. Jacob sacudiu a cabeça. "Na verdade, não. Eu lembro que eu estava confuso, mas não com medo. Depois de um tempo, eu vi a quem os pés pertenciam. Era um menino. Suas roupas estavam sujas, e ele estava sempre pingando. Ele parecia um pouco mais velho do que eu. Ele só queria falar comigo, mas eu tinha problemas para entender o que ele estava dizendo. Eu costumava lhe perguntar: Por que você está todo molhado? Não está chovendo. Eu realmente não entendia que era algo que eu não deveria ver. Não até que eu disse aos meus pais. No início, eles o descartaram como apenas a minha imaginação hiperativa. Mas quando eu insisti que o vi, eles me levaram para um psicólogo infantil. Não demorou muito tempo para descobrir que eu não deveria falar sobre o que eu vi. Depois de alguns meses, não havia nada para falar. Eu parei de ver o menino. Ele começou a desvanecer-se, em seguida, ele desapareceu completamente. Depois disso, eu nunca vi qualquer tipo de espírito ou o que você quiser chamá-lo." "E aquele menino que você viu? Ele lhe disse seu nome? Ele era alguém que vivia na casa?" "Eu perguntei o nome dele, mas eu não tenho certeza se ele sabia disso. Toby perguntou a Lorna seu nome também, mas ela nunca lhe disse. Pelo que me lembro sobre aquele menino, ele nunca respondeu a nenhuma das minhas perguntas diretamente. Sempre que eu tinha para sair, me lembro dele dizendo: não vá. Mas a maior parte do que ele dizia não fazia muito sentido."

80


"Você fez alguma pesquisa sobre quem o menino poderia ser?" "Eu não sabia, mas houve um caso bem conhecido. Um menino que vivia em nossa casa vinte anos antes. Ele desapareceu, em seguida, dias depois, seu corpo foi retirado do rio envolto em um lençol. O caso nunca foi resolvido." "Ele te deu alguma pista ou..." perguntou Ian. "O quê? Você quer tentar e resolver um assassinato de quatro décadas de idade?" "Talvez", Ian admitiu. "Ele só me disse que estava escuro e que ele estava frio. Lembro-me de tentar dar-lhe o meu casaco. Ele me disse para estar atentoo para o homem mau, mas nada específico." Jacob sacudiu a cabeça. "Me deixa tão triste agora. Quando eu era pequeno, eu não entendia o quão terrível tinha sido seu destino. Não que eu entendo muito agora. Deus, eu me sinto tão perdido. Como é que eu vou ajudar Toby?" Jacob passou as mãos pelos cabelos em frustração. "Pense de volta", Ian lhe disse. "Você não teve uma experiência ruim com o seu fantasma, certo? Foi a maneira que seus pais reagiram que assustou você." "Verdade. Então você está dizendo que eu não deveria assustar Toby?" "Eu não acho que é necessariamente uma coisa boa ele estar falando

81


com pessoas mortas," Ian admitiu. "Mas ele não está chateado. Ele não parece estar em perigo." "Ainda não." "Isso pode ser um problema que vai resolver-se. Ela pode desaparecer como o seu amiguinho", Ian disse otimista. "E eu vou continuar a investigar e tentar descobrir por que ela está aqui." "Você acha que há uma resposta? Como encontrar o assassino ou algo assim?" Jacob perguntou. "Ou seu filho. Ele foi enviado para viver com parentes, mas não consigo descobrir onde. Ninguém parece saber. Há uma boa chance que filho é a razão pela qual ela está aqui, e é por isso que ela é tão focada em Toby. Vou continuar investigando. Mas você deve tentar se comunicar com ela, descobrir o que ela quer." Jacob não estava otimista sobre essa ideia. "Minha experiência com ela não era nada, parecido com o que aconteceu comigo quando eu era criança. Pode ser uma habilidade que eu perdi." "Você a viu no jardim. Você a viu sobre Toby em seu quarto." "Eu vi alguma coisa, mas na maioria eu senti a presença dela ou o que quer que fosse. E só havia uma sombra no apartamento." "Eu acho que você deveria se esforçar mais para vê-la e ouvi-la," Ian lhe disse.

82


"Eu não sei o que eu quero. Eu ainda quero acreditar que isso não é real." Jacob esfregou os olhos. Mais uma vez Ian notou que ele parecia cansado. "Tente de qualquer maneira. Precisamos de mais pistas." "E se ela está simplesmente atrás de Toby?" Jacob perguntou. Ian descartou a ideia. "Ela estava assombrando o lugar antes dele ter nascido. Outra coisa está mantendo-a por perto." Ian levantou-se da mesa, pronto para ir para casa com o seu saco de limões. Quando ele se levantou, Jacob o agarrou. Com as mãos nos ombros de Ian, ele o puxou para perto e beijou-o. Uma das suas mãos foram para a parte de trás da cabeça de Ian, agarrando um punhado do seu cabelo para atraí-lo ainda mais perto. Foi um bom beijo, duro, que disse a Ian que Jacob sentiu falta dele. Quando ele o beijou de volta, Ian não foi gentil e doce também. Seu beijo empurrou para trás. Foi necessitado e áspero, tentando abafar o medo de quase perdê-lo. Ian não queria deixá-lo ir, mas de alguma forma Jacob ainda se afastou dele. "Eu tenho que ir pegar Toby em breve", disse Jacob, sem fôlego. Ian balançou a cabeça, também sem fôlego. Eles olharam um para o outro, nenhum dos dois querendo se mover. Um momento atrás, Ian estava pronto para sair, mas agora parecia tão impossível. Sem dizer nada, ele tentou

83


dizer a Jacob quanto ele o queria e tudo o mais que ele sentia. Andando pelo caminho da frente, Ian olhou para trás uma última vez antes de voltar para a calçada. Talvez ele estivesse certificando-se que Jacob ainda estava olhando para ele. E ele estava. Jacob só foi capaz de fechar a porta uma vez que Ian estava fora de vista. Era ridículo. Ele se sentiu como se estivesse na escola e completamente à mercê dos seus sentimentos. Agora que ele o tinha despedido, Jacob estava quase dolorosamente duro para Ian. Eles tinham compartilhado outro duro, apertado abraço. Culpa dele novamente. Ele se perguntou se eles nunca iriam partilhar um beijo suave. Talvez quando eles tiveram mais tempo. Mas havia algo selvagem e desinibido sobre Ian. Toda vez que eles se tocavam, Jacob sentiu como se ele estivesse levando-o por um caminho escuro. Ele tinha que saber se ele estava apenas utilizando Ian para tomar sua mente fora do que estava acontecendo. Ian poderia estar com ele pela mesma razão. Jacob não o culpava. Não faria a Ian qualquer bem se debruçar sobre o quão doente seu pai era. Ambos Fran James e Ruth lhe disseram que o câncer tinha se espalhado demais e a quimioterapia não estava funcionando. Jacob odiava pensar em toda a dor que ia desabar sobre Ian. Jacob compreendeu que a necessidade de distração dos problemas não se podia resolver. À noite, Jacob não conseguia dormir por mais de algumas horas. Ele estava inquieto e verificava Toby constantemente. Agora que ele

84


tinha visto essa sombra sobre a cama de Toby, ele nunca poderia ser capaz de descansar facilmente de novo. Pensar em Ian ocupou a horas insones da noite. Seus tempestuosos, olhos azuis escuros sempre pareciam falar com Jacob. Sentia-se como se ele precisava de uma vida inteira para entender tudo o que estava neles. Esse era um pensamento assustador, mas se pudesse, ele nunca ficaria longe dos olhos de Ian. A mente de Jacob demorou em cada parte de Ian, por sua vez. Sua boca voltou para ele, cedendo à de Jacob, sua língua sondando, seus gemidos abafados, o gosto tão doce na boca de Jacob. Fora da sua janela, o vento forte através dos ramos fazia um barulho ruidoso. Os olhos de Jacob se abriram para a escuridão do seu quarto. O som lembrou-lhe do que estava lá fora e o puxou fora das suas fantasias. Enquanto observava as árvores lançar sombras inconstantes nas paredes, Jacob não sabia como eles poderiam ficar nesta casa. Ele não sabia onde eles poderiam se esconder. Por enquanto, ele estava disposto a ir junto com a abordagem de Ian para o problema. Em vez de correr dela, ele iria tentar descobrir Lorna Hayes como se fosse um quebra-cabeça. Procurando por pistas, ele pensou de volta para a sua própria experiência de infância. Tudo o que lhe ensinou foi que os fantasmas desaparecem a partir da percepção do indivíduo ou da realidade. Se a sua própria experiência era qualquer coisa para ir perto, Toby só poderia crescer

85


fora dele ou optar por não ver o que não era suposto estar lá. Até então, Jacob tinha que fazer o seu melhor para protegê-lo.

86


Capítulo 10 Não importava quão duro ele tentou manter suas expectativas realistas e seus sentimentos sob controle, Ian ficou muito feliz que Jacob estava de volta. Claro que ainda havia o problema de Lorna Hayes, mas eles iriam resolvê-lo, talvez até mesmo juntos. Juntos, que o fez sorrir, mas ele estava ficando muito à frente de si mesmo. Ele e Jacob tinham algo, mas o que diabos era isso exatamente? Por agora, Ian não ia questionar. Ele estava indo para tomar o que ele poderia obter. Hoje, isso significava passar para Jacob para o almoço de domingo. O primeiro a recebê-lo quando ele chegou à casa de Jacob era Toby. Ele tinha um grande sorriso em seu rosto quando ele abriu a porta. "É bom ver você de volta", Ian lhe disse. Ele estava muito feliz de ver o rapaz novamente. "Você também! Você vai almoçar conosco?" Toby perguntou. "Você precisa de ajuda?" "Sim. Há muito," disse Toby fazendo um grande círculo com os braços. "Seu pai deve estar fazendo algo bom. O que há para o almoço?" Ele perguntou seguindo Toby para a cozinha.

87


Jacob estava pairando sobre uma grande panela fervendo no fogão. Ian olhou por cima do ombro. Parecia e cheirava bem, qualquer coisa fosse. "Nós praticamente vivemos de sanduíches," Jacob lhe disse. "Mas eu pensei que eu deveria cozinhar uma refeição adequada. É frango e guisado de batata-doce." "Cheira bem. Posso fazer alguma coisa? Colocar a mesa?" Ian ofereceu, apontando para a mesa na cozinha. "A mesa já está pronta," Jacob lhe disse. "Vamos comer fora. Mas você pode pegar duas cervejas para nós." Com duas cervejas realizada em cada mão, Ian abriu a porta dos fundos e ambos saíram. "Nós estamos realmente indo comer aqui?" Ian perguntou, vendo os pratos e utensílios colocados em cima da mesa no jardim. "Temos comido aqui desde que nos mudamos. Não tanto agora que o tempo está mais frio. Ela não nos incomodou," Jacob lhe disse. Ian estava surpreso que ele não estava mais preocupado em passar o tempo lá fora. Ele olhou para o jardim e não viu nada, mas folhagem virando amarelo e marrom. "É um bom dia para isso", disse Ian. O jardim podia ser assombrado, mas não havia sinal disso em um dia tão bonito, ensolarado. Ele notou que Toby não estava lá com eles.

88


"Você está mantendo Toby aqui?" "Eu lhe disse que ele só pode estar de volta aqui quando estou com ele. Até agora nada aconteceu enquanto eu estava por perto", disse Jacob. Toby veio para se juntar a eles em breve depois disso, e o ensopado resultou ser muito bom. Ian estava levando um pouco para casa, para seu pai. Após o almoço, Jacob enviou Toby dentro para lavar as mãos. Ian ajudou a limpar a mesa. Ele levou suas tigelas para a cozinha e notou um cartão de aniversário em cima do balcão. "De quem é o aniversário?" Ele perguntou a Jacob quando eles voltaram para fora. Ele sentou-se à mesa novamente, e ele e Jacob terminaram suas cervejas. "É da minha mãe. Estou enviando-lhe flores e Toby está lhe preparando um cartão. Toby é o melhor filho e o melhor neto," Jacob disse enquanto Toby correu para se juntar a eles. Ele o puxou para um abraço. "Eu acho que o aniversário da sua avó é na próxima semana," disse Ian. "Sim. Eu estou fazendo-lhe um cartão!" Toby disse, emocionado, em seguida, correu para dentro da casa novamente. Logo ele voltou com papel cartão e uma caixa de lápis de cor. "Eu acho que esteja animado," disse Ian, vendo-o pronto para começar a trabalhar.

89


Escalando sua cadeira, Toby cuidadosamente escolheu seu primeiro lápis, de um verde brilhante, e olhou para o pai. "Coloque um H aqui", Jacob disse, apontando para um ponto no papel. Toby virou para Ian e lhe disse: "H é a escada2." Ele, então, chamou duas linhas que chegou perigosamente perto de um V e as cruzou com outras duas linhas. "Por que você não preencher o espaço entre essas duas linhas de modo que parece mais como um H," Ian sugeriu. "Está certo?" Toby perguntou a seu pai. "É uma boa ideia", o pai confirmou. Apenas ajudando-o a escrever "Happy" pareceu levar um milhão de anos, e o resultado foi... criativo. Vendo que ambas as suas garrafas de cerveja estavam vazias, Ian perguntou: "Será que vamos precisar de mais cerveja para a próxima palavra?" Jacob pareceu querer dizer que sim, mas depois ele balançou a cabeça. "Melhor não. Nós vamos ter que concluir o trabalho." "Toby é o único a fazer o trabalho duro," disse Ian. Ele olhou para ele e viu-o escrevendo muito mais rápido do que ele fez antes. "Eu pensei que ele não poderia escrever. Ei!" Ian disse quando ele percebeu que isso não era natural. Levantou-se como fez Jacob. 2

Eu acho que ele se refere à forma da letra H que é semelhante a uma escada com apenas uma estaca.

90


A escrita de Toby tinha ido de um instável, infantil rabisco para linhas irregulares desenhadas com firmeza, mas sobrepostas. A escrita formava palavras que Ian não conseguia ler. Ele e Jacob ambos prenderam a respiração. Jacob estendeu a mão lentamente para pegar a mão de Toby e colocar um fim a isso. A mão de Toby continuou se movendo, mas a de Jacob não. Ele olhou para a mão dele onde esta tinha parado no ar. Ian instintivamente pegou nela. A mão de Jacob se sentiu fria. Ian se moveu lentamente para Toby. Ele colocou a mão sobre Toby e a escrita parou. Ele notou que sua mão estava um pouco fria também, mas não tão ruim quanto a de Jacob. Jacob estava esfregando sua mão. Ele parecia apavorado. "O que ela diz?" Toby perguntou olhando para o que tinha escrito. Ian franziu a testa para a escrita, mas estava sobreposta demais e ele ainda não poderia entender. "Não tenho certeza." Jacob olhou para ela também. "Diz sair três vezes", disse ele. "Por que você escreveu isso, Toby?" "Não fui eu. Eu não posso escrever", Toby disse razoavelmente. "Foi a sua mão,"Jacob apontou. "Ela a estava segurando," Toby lhe disse.

91


"Ela? A senhora?" Toby assentiu. "O que ela quer?" Ian perguntou. "Escrever," Toby respondeu. "Interrogá-lo é divertido", disse Ian, mas Jacob parecia extremamente perturbado por isso. Ele estava se mantendo sob controle, mas apenas mal. "Ela lhe disse alguma coisa?" Jacob perguntou a Toby. "Não, mas ela estava chateada." "Com você?" Jacob perguntou e cerrou o punho. "Não. Ela nunca está chateada comigo. Ela está com raiva de você, Ian," disse Toby se virando para ele. "Você sabe por quê?" Ian perguntou para ele. Toby balançou a cabeça.

92


Capítulo 11 Eles entraram e Jacob disse a Toby para não ir para fora em tudo, mesmo não com ele. Ele enviou Toby para seu quarto para desenhar a frente do cartão em um pedaço limpo de papel. "Obviamente passar o tempo foi um grande erro," disse Jacob com os dentes cerrados, uma vez que Toby se foi. Ele caiu em uma cadeira na cozinha e passou os dedos pelo cabelo. "Tenha em mente que ela não o machucou. Ele não estava nem com medo. E esse sair, sair, sair era para mim", Ian lembrou. "Ela não gosta que eu estou aqui. Ela está com ciúmes?" "Você acha que ela está com ciúmes que você está gastando tanto tempo com Toby?" Jacob perguntou. "Ou com você? Vocês três fazem uma pequena e acolhedora família," disse Ian. Jacob fez uma careta. "Dificilmente." "Ela não pode vê-lo dessa forma. Eu pedi um pouco mais sobre o que aconteceu com seu bebê e aqueles parentes que o levaram, mas eu não tenho nada até agora. Ninguém pode lembrar quaisquer parentes vindo para qualquer funeral de Lorna ou sua avó. O escritório do xerife não sabe nada

93


sobre eles também." "Será que eles iriam lhe dar essa informação?" Jacob perguntou. "Não formalmente, mas eu pedi ao Vice Jenkins. Ele tem estado ao redor desde sempre. Ele estava seguro que eles não tinham registro de nenhum parente." Jacob esfregou a mão. "Ainda é fria?" Ian perguntou. Ele pegou a mão de Jacob na sua e começou entrelaçando os dedos juntos. "Não. Está tudo bem. Mas continue fazendo isso." Ele estava dando a Ian um olhar pernicioso, mas um minuto depois ele ficou pensativo novamente. "Será que vai fazer nenhum bem manter Toby fora do jardim de volta? Ela o visitou no lugar de Heather. Ela poderia segui-lo em qualquer lugar." "Talvez ela não pode aparecer em qualquer lugar?" Ian disse, tentando soar esperançoso. "Toby não a viu em qualquer outro lugar até que você foi ao apartamento de sua irmã." Jacob se inclinou para frente, com a cabeça entre as mãos. "Deus, como é que eu vou protegê-lo de algo assim?" Ian se inclinou para frente também e colocou a mão no bíceps de Jacob. "Lembre-se que ela não é hostil com Toby ou você, só comigo. Isso não vai durar para sempre. Nós vamos descobrir isso."

94


Jacob

levantou

a

cabeça. "Obrigado.

Acho

seu

tatear

muito

reconfortante." Ian puxou a mão de volta. "Eu não estava tateando." Ian se inclinou para trás, indignado enquanto Jacob lhe deu um sorriso malicioso. "Você nem sabe o que é tatear. Se eu tivesse tateado você, você não estaria sentado ali sorrindo. Você estaria me enfrentando no chão e rasgando minha calça." "Talvez outra hora," Jacob disse ainda olhando presunçoso. "Eu vou considerar esse um convite aberto para saltar em você," Ian o avisou. Em seguida, o olhar incerto no rosto de Jacob o fez sussurrar, "É fácil se livrar de mim. Só me diga que você não sente o que eu sinto." Jacob olhou em seus olhos, em seguida, sacudiu a cabeça. "Eu não vou mentir apenas para me livrar de você." Ian olhou para ele, se perguntando se ele ouviu direito. Será que ele sabe o que Ian sentiu? Ele não podia. O sentimento era muito forte e muito louco. Jacob estaria correndo ao saber o quão ruim Ian estava preso com ele. Jacob ficou mais sério de novo. "É melhor eu ir ver o que Toby està fazendo," ele disse e se levantou. Ian levantou-se também. "E melhor eu ir aliviar a Senhora Astor." Quando ambos ficaram bem onde tinham se beijado antes, Ian olhou nos olhos de Jacob um pouco longo demais e então ele não conseguiu desviar o olhar. Inferno, ele não queria nem respirar. Como da última vez, era como

95


se o tempo tivesse parado, e algo tinha que acontecer para começar de novo. Em câmera lenta, Jacob inclinou-se e deu-lhe um suave, rápido beijo nos lábios. Os olhos de Ian se fecharam. Ele se inclinou para ele, mas Jacob se afastou. "Uma provocação", Ian sussurrou. Ele abriu os olhos para ver Jacob levantado um pouco para trás dele. Poderia ter sido o que ele considerava uma distância segura. O sorriso desapareceu do seu rosto. Seus olhos tinham um brilho intenso antes dele se virar para chamar Toby para vir e dizer adeus a Ian. Durante todo o caminho para casa, Ian se sentiu fora de equilíbrio. Era como se aquele beijo suave tinha mudado permanentemente o seu centro de gravidade. Ele tinha outras razões para se sentir perturbado. Aquela coisa com Lorna dizendo-lhe para deixar não combinava com ele. Ele com certeza não ia desistir de Jacob ou Toby por causa de um fantasma. Quando ele chegou em casa, ele se perguntou o que seu pai iria pensar sobre tudo isso especialmente sobre Ian vendo uma mulher morta. Mas ele não queria falar com ele sobre a morte. A morte não tinha nada a ver com seu pai. Isso era o que ele tinha que acreditar. Algumas horas mais tarde, Ian estava arrumando a mesa para o jantar quando notou seu pai olhando para ele. "O que?" Ian perguntou.

96


"Você parece mais alegre," disse o pai. "Eu?" Ian disse evasivo e desviou o olhar. "Alguma razão especial?" "Você está insinuando algo?" Ian o acusou. "Quem eu?" Seu pai sorriu. "Eu só estou percebendo. Sendo observador. É algo bom de olhar em você. Eu estou feliz que cheguei a vê-lo." "Ver o que?" "Meu Ian apaixonado." Ian ficou boquiaberto. "Ei, não faça declarações sobre mim." "Estou errado?" Seu pai perguntou, mas sabia que ele estava certo. "Eu não sei. É muito cedo para isso," Ian disse defensivamente. "Não é muito cedo se é o que você sente." "Os sentimentos são perigosos," disse Ian em voz sombria. Seu pai riu dele. "Você deve tê-lo." "Pare de ser certo, pai." Ele estava feliz porque seu pai estava gostando de ver ele enlouquecendo sobre Jacob. Para Ian, havia muita incerteza e tensão no que estava acontecendo entre ele e Jacob. Ele queria Jacob para sentir a mesma coisa que ele sentiu, mas ele não poderia lê-lo. Às vezes havia um olhar em

97


seus olhos que parecia estar avisando-o para se afastar. Claro, ele tinha muito em sua mente. Ian não estava prestes a pressionálo. Jacob não era apenas um objeto do seu desejo. Mas até que ele pudesse pegá-lo, ou apenas pregá-lo novamente, ele iria esperar, sonhar com ele e se masturbar lembrando dele.

98


Capítulo 12 Desde que seu pai estava tão interessado em sua vida amorosa, Ian queria que ele conhecesse Jacob, apenas casualmente, como alguém que se mudou recentemente para a cidade, não uma grande coisa. Ele parou por seu lugar uma noite após o jantar e convidou Jacob e Toby para vir para uma visita rápida. Descobriu-se que Jacob teve uma chamada de conferência no exterior agendada para o trabalho e não podia vir. Ao ouvir o convite, Toby ofereceu seus serviços. "Eu quero ver o seu pai. Você conhece o meu pai. Eu não conheço o seu pai. Isso não é justo," disse ele. "Eu quero te avisar que meu pai está muito doente," Ian disse para ele. "Oh, não. Será que ele esta gripado? Gripe é muito ruim. Papai tinha. Foi terrível." Toby olhou para seu pai com desaprovação por ficar doente. "Não é gripe, mas é muito ruim. Meu pai não pode fazer muito. Você ainda quer vê-lo?" Ian perguntou. Toby balançou a cabeça, não desanimado em tudo. "Posso ir?" Ele pediu ao seu pai. "Claro que você pode", disse ele e deu-lhe um abraço. "Seja bom para Ian. Lembre-se, você é meu cara grande." "Não, você é o meu cara grande," Toby lhe disse.

99


"Sim, eu sou", Jacob admitiu e Toby riu. "Grande cara," disse Toby dando ao seu pai um grande sorriso. Os dois deles partiram com Toby tomando a mão de Ian, logo que saíram da porta. Já estava ficando escuro. O céu ficou azul escuro com uma linha laranja brilhante ao longo do horizonte. Espiando ao redor dele curiosamente, Toby parecia animado, mas um pouco assustado também quando eles saíram após a borda da cidade. Ian segurou sua mão com mais força para tranquilizá-lo. Para distraí-lo, contou-lhe histórias da sua infância. Ao passarem o memorial de Lorna, Ian lhe disse como ele estava tentando pegar um sapo do fluxo, e este saltou sobre a sua cabeça. Toby riu tão duro que ele não poderia pedir a Ian sobre o que era a engenhoca engraçada. Ian não tinha certeza do que ele teria lhe dito nesse caso. Afinal, Jacob não tinha lhe dito que Lorna estava morta. Ian com certeza não ia fazê-lo. Quando eles chegaram na casa, Ian se anunciou da porta, "Ei, pai. Um amigo meu quer conhecê-lo!" Toby sorriu ao ser chamado seu amigo. "Limpe os pés," Ian lhe disse. Seus tênis tinham ficado um pouco sujos ao andar ao lado da estrada. Indo para a cozinha, eles encontraram seu pai sentado em seu assento de janela.

100


Toby correu até ele e tomou um olhar mais atento. "Ian disse que está doente. Quando você está doente, você tem que comer a sopa," Toby o informou. "Eu gosto de sopa", disse o pai de Ian. "Você tem que colocar bolachas de peixe nela. Então é boa." O pai concordou. "Claro. Assim, eles podem nadar." "Sim!" Disse Toby. "Eu nem sequer introduzi vocês, e vocês já estão tagarelando", disse Ian. "Este é Toby. Ele é meu amigo e assim é o seu pai, Jacob." "Somos todos amigos", disse Toby. "E eu sei quem você é. Você é o pai de Ian." "Sim, eu sou. Prazer em conhecê-lo." "Prazer em conhece-lo também!" Toby gritou, em seguida, uma visão para fora da janela chamou sua atenção. Ian e seu pai se viraram para olhar também. Três cavalos estavam aí no prado, dois cinza, um branco. Em uma noite de luar, eles praticamente brilhavam. Toby estava muito animado ao vê-los. "Eles pertencem à Suttons. Eles os trazem para o campo para pastar," papai lhe disse. "Ian pode levá-lo lá fora, para um olhar mais de perto." "Mas não muito perto", disse Ian. Ele podia imaginar Toby querendo ir

101


até eles e acariciá-los. Ele pegou uma lanterna e deu uma para Toby também. Ian o avisou para ver onde ele caminhava. Uma vez que eles estavam fora atrás da casa, Toby apontou sua lanterna em todos os lugares, mas para o chão. Com Ian iluminando o caminho, eles caminharam sobre o campo em direção à cerca. Os cavalos estavam no outro lado, pastando. Ao vê-los, Toby ficou animado e queria escalar o muro. "Os cavalos dão coices," Ian disse a ele. "E eles mordem." Ian ficou aliviado que os cavalos não estavam se sentindo amigáveis. Eles não vieram até eles, mesmo quando Toby os chamou. "Eles não estão vindo", ele se queixou com Ian. "Talvez a gente tem que chamar seus nomes. Você sabe seus nomes?" "Desculpe, eu não sei. Vamos apenas vê-los a partir daqui." Eles fizeram isso por um tempo. Todas as vezes que um dos cavalos virava, Toby acenava e dizia: "Oi!" para eles. Quando um dos cavalos relinchou e sacudiu a juba, Toby disse: "Ele está dizendo oi para." Ian teve um tempo difícil em tentar fazê-lo voltar. "Você vai nos colocar em problemas com o seu pai," disse Toby. Na verdade, ele já mandou uma mensagem para Jacob com as

102


atualizações, especialmente sobre o entusiasmo de Toby com os cavalos. "Você vai ter que lhe pegar um", ele havia dito. "Ok. Os cavalos estão ficando com sono. É melhor irmos," Ian disse, quando ele decidiu que o tempo acabou. "Ah," Toby reclamou. Ele teria ficado lá fora a noite toda. Indo até a porta de trás, Ian abriu e ouviu uma voz familiar, profunda dizer: "É um prazer conhecê-lo, senhor." Em seguida, Ian ouviu seu pai dizer: "Basta me chamar de Larry. Então, você é a razão pela qual os olhos do meu filho estão brilhando." Ian correu para a cozinha para evitar seu pai de envergonhá-lo ainda mais. Ele viu Jacob ali, sorrindo para ele. Toby foi até ele e puxou seu braço. "Você tem que vir ver os cavalos. Eles estão com sono, então você tem que se apressar." "Você não está com sono?" Jacob lhe perguntou. "É quase hora de dormir." "Já?" Toby disse com um beicinho. "Sim." Jacob e Toby disseram adeus ao seu pai. "Coma muita sopa e você vai ficar melhor em breve," Toby disse o pai de Ian, quando estavam saindo.

103


Seu pai lhe deu um sorriso, mas o olhar em seu olho disse a Ian que ele sabia o quão improvável fosse. Ian teve que trabalhar duro para acreditar que seu pai podia se recuperar. Ele teve que ignorar o quão magro e frágil seu pai estava. Ele tinha de ignorar todos os frascos de comprimidos e o tanque de oxigênio que o ajudou a respirar mais e mais frequentemente. A partir da varanda, ele ficou olhando Jacob e Toby andando até o carro de Jacob. Ian queria acreditar que era ele e seu pai. Ele era um garotinho e seu pai era grande e forte. Seu pai iria protegê-lo e nada poderia machucá-lo porque seu pai era invencível.

104


Capítulo 13 No próximo sábado, quando ele soube que Toby estava na creche, Ian foi até Jacob. Ele não fingiu que sua razão fosse inocente. Assim que Jacob abriu a porta, Ian estava sobre ele. "Eu sei que você está preocupado com o fantasma, eu não tenho nenhuma informação nova, mas eu estou aqui em uma missão humanitária... Para ajudá-lo a relaxar," Ian disse quando ele se apertou contra Jacob e chutou a porta da frente fechando-a atrás dele. "Você é tão altruísta," Jacob zombou dele enquanto agia indiferente. "Dê-me em uma base mais regular e eu não vou ter que encontrar desculpas para conseguir o que quero," disse Ian. Ele empurrou Jacob contra a parede. A atitude de Jacob não se alterou até mesmo enquanto Ian estava se esfregando nele. Ele ainda estava agindo indiferente. Isso só fez Ian mais quente e impaciente. Ele empurrou Jacob para a sala e o empurrou para sentar-se no sofá. Tirando sua jaqueta, Ian se sentou ao lado dele. Então ele colocou seu braço sobre o colo de Jacob e deixou sua mão descansar entre seus joelhos. "Apenas fique confortável", Ian disse enquanto se apoiava em seu

105


ombro. Mesmo se Ian tinha uma expressão inocente no rosto, sua mão deslizou para cima entre as pernas de Jacob. Ian apertou seu pau e o sentiu ficar ainda mais duro. Seu contorno estava crescendo tão claro. Ele teve que libertá-lo. Ele tinha que ter isso agora. Ian respirou fundo e abriu o zíper dele. Acariciando seu pênis corretamente, pela primeira vez, Ian olhou firme para Jacob. Seus olhos estavam pesados com o desejo, sua mandíbula apertada como se quisesse lutar contra o que estava acontecendo. Era melhor para ele não tentar. Ele engoliu em seco quando ele se perguntou qual seria o gosto de Jacob. Seu pênis estava duro e pesado na mão de Ian e ele estava morrendo de vontade de trazê-lo à boca. Ian não podia acreditar que eles foderam e ele nunca teve um gosto dele. Ian correu para ajoelhar-se entre suas pernas. Enquanto Jacob mudava seus quadris, Ian se preparou e lambeu os lábios. Seus dedos se enrolaram ao redor do pau e ele inclinou a cabeça sobre o pênis de Jacob. Com água na boca, ele lambeu a cabeça recebendo seu primeiro, salgado, bom gosto de Jacob. Ele tinha que dizer a si mesmo para respirar. Ele não tinha estado tão nervoso em dar um boquete desde a sua primeira vez. Quando ele tomou a cabeça do pênis de Jacob na boca, os olhos de Ian se fecharam. Ele chupou e

106


gemeu contente ao redor do seu pênis enquanto ele o deixava entrar ainda mais em sua boca. Este se sentia muito bem. O foco de Ian estava no pau de Jacob e nada mais. Cada veia em que ele passou sua língua o fez estremecer e ficar mais duro. Isso lhe lembrou que seu próprio pênis precisava de atenção. Ele atrapalhou-se com o seu zíper e libertou seu pênis. Ele deu alguns golpes distraídos enquanto Jacob estendeu a mão para Ian e jogou com seu cabelo. Ele afastou-o longe do seu rosto, e Ian deixou um longo gemido viajar até seu pênis. Jacob jogou a cabeça para trás e arqueou-se para fora do sofá um pouco. Ian não deixou Jacob apressá-lo. Com os olhos fechados, Ian o saboreou, sugando tão lento quanto ele poderia para fazer isso durar. Gostando do controle, Ian aumentou a velocidade eventualmente. Agora Jacob estava se preparando para gozar, e o olhar em seus olhos era quase selvagem pela impaciência. Ian adorou. Ele chupou mais e mais rápido, desesperado para vê-lo gozar e beber seu sêmen. Com um grunhido, os quadris de Jacob balançaram e Ian teve que lutar para se segurar quando ele gozou. Ian gozou também, perdido com o gosto do sêmen de Jacob, o seu nome saiu em um rosnado duro enquanto Jacob agarrava seu cabelo com uma mão e acariciava suas costas com a outra. "Foda-se, Ian," ele disse caindo de volta. Ele parecia menos como um animal agora e mais como um cara que só

107


tinha a vida sugada para fora dele. Ian sorriu para a imagem de um trabalho bem feito. "Orgulhoso de si mesmo", Jacob lhe perguntou, com um olhar penetrante de volta em seus olhos. "Pode apostar", Ian disse levantando-se e subindo em seu colo. Em cima dele, ele se inclinou e beijou-o. Depois de alguns beijos completos, eles se arrumaram e foram para a cozinha. Ian se sentou à mesa, e Jacob fez um sanduíche. "Você não vai ter nada?" "Não estou com fome", Jacob disse colocando o prato com o sanduíche na frente de Ian. Ele então se sentou em frente a ele na mesa da cozinha. "Você não pode deixar o estresse chegar até você. Você tem que comer", Ian o reprendeu. Levantando-se, ele pegou uma faca. Ele cortou o sanduíche e deu uma metade para Jacob. Jacob mordeu nele de má vontade. "Preciso comer. Preciso dormir, mas eu não posso fazer muito de qualquer um." "Você não pode dormir?" "Eu nunca dormi bem." "Eu pensei que eu fiz um bom trabalho lá atrás", disse Ian apontando para trás em direção à sala de estar. "Mas você só olha um pouco mais

108


relaxado. Devo levar outra chance com você?" "Sinta-se livre, mas eu vou estar tenso novamente em segundos. Como isso pode estar acontecendo? Uma mulher morta está assombrando meu filho. Isso não deveria ser real." "Você me quer para lhe explicar os fantasmas?" Ian perguntou, não que ele pudesse. "Você poderia me dizer que tudo isso faz sentido de alguma forma." "Não. Isso é loucura, mas está acontecendo," Ian lhe disse sem rodeios. "Eu só quero que ele pare. Eu quero que o meu menino seja seguro." "Ela não fez nada para machucá-lo ou até mesmo assustá-lo,"Ian lembrou. Em vez de sentir uma presença ameaçadora e terrível, Toby viu algo luminoso e amigável que lhe puxou o coração. Uma vez que você é um caso perdido, eu estou indo para olhar para meu pai," Ian disse enquanto se levantava. Quando ele estava a poucos passos da porta da frente, Ian se virou. "Eu vou sair pela parte de trás," ele disse a Jacob. "Eu quero ver se o seu fantasma tem nada a dizer para mim." "E eu pensei que você estivesse aqui para mim. Devo ficar com ciúmes?" Jacob perguntou. "Eu não me importo se você fica com ciúmes, mas não de um fantasma.

109


Eu quero que você fique com ciúmes loucos de um cara incrível, bonitão que tem tesão por mim." "Existe um cara?" Jacob perguntou, sua expressão se tornando escura. "Só você", disse Ian e sorriu. Ele esperava que Jacob pegar a sua mensagem. Ele não tinha certeza embora. Jacob franziu a testa ao ouvir suas palavras. "Qual é o problema?" Ian lhe perguntou. "Eu estou pronto para levar isso a sério. Por que eu tenho a impressão que você não gosta da ideia?" Ele tinha notado aquele olhar nos olhos de Jacob antes, mas ele não queria empurrá-lo. Agora, ele estava com disposição para empurrar tanto o fantasma que Jacob. "Você sabe mesmo o que você está tomando?" Jacob lhe perguntou. "O melhor filho do mundo. E você também", Ian lhe disse. Ele estava nervoso, logo que ele disse as palavras. E se Jacob ia pará-lo? Jacob pareceu surpreso. "Eu não acho que você sabe o que você está dizendo," disse ele soando mais do que um pouco com medo. "O que tem você tão preocupado sobre mim?" Ian perguntou, mesmo não querendo ouvir. "Não importa o quanto eu te quero, quando eu olho para você, eu vejo um jovem rapaz que não está pronto para o meu tipo de compromisso total," Jacob afirmou.

110


"Isso é porque você não está olhando duro o suficiente," Ian lhe disse, ficando meio louco. Jacob estreitou os olhos para ele. "Eu estou procurando muito duro." "E você não acha que eu sou bom para você?" "Eu não acho que você está pronto. Eu decidi ter Toby porque eu estava pronto para ser pai. Eu estava cansado de estar à espera de um homem que entrasse em minha vida querendo a mesma coisa que eu quero." "Bem, você pode parar de esperar. Estou aqui agora." Jacob não poderia deixar de rir. Ele tentou parecer todo sério de novo, mas o sorriso não ia embora do seu rosto quando ele olhou para Ian. "Isso é um bom começo," Ian disse sorrindo de volta. "Você vai fazer as pazes com a realidade de mim em sua vida, e eu vou sair e falar com o seu fantasma." Ian apontou o polegar para fora da porta para trás e virou para ir embora. "Devo sair lá com você?" Jacob ofereceu. Ian se voltou e deu-lhe um beijo rápido. "O que bom namorado é você. Mas eu acho que é melhor eu tentar por mim mesmo." Ian não esperou por Jacob superar sendo chamado o namorado dele, ele simplesmente saiu. Parecia calmo lá fora, brilhante com sol, mas frio pelo vento que soprava as folhas ao redor. Ian foi até a parte de trás do jardim

111


lentamente, quase como se ele estivesse tentando surpreender qualquer presença fantasmagórica que podia estar escondida lá. A poucos passos do banco, ele o notou. O barulho do vento tornou-se ensurdecedor, mas o ar ficou parado e frio. Tremendo incontrolavelmente, Ian tinha dificuldade para respirar. Obrigou-se a respirar fundo e falar. "Você pode me ouvir? Por que você quer que eu saia?" Ele perguntou. Seus olhos corriam ao redor. Não sendo capaz de vê-la, ele não sabia para onde olhar. "Porque você me odeia?" Ele perguntou. Foi uma loucura esperar uma resposta, mas ele tinha que perguntar. Em meio a todo o barulho, um som áspero estava subindo e descendo. Ela poderia ter tentado falar. Ian ouviu atentamente e tentou decifrá-lo. Então ele ouviu, Pergunte ao seu pai. Era como se o vento estivesse correndo fazendo uma má imitação de fala através das folhas secas e cachoeiras enferrujadas. Mas ele tinha certeza que ele entendeu essas palavras. Que diabos significava isso?

112


Capítulo 14 Depois de contar a Jacob o que ele pensou ter ouvido, Ian foi para casa, confuso. Ele realmente deveria perguntar ao seu pai sobre o fantasma de Lorna Hayes? Seu pai cresceu aqui, mas o que ele poderia saber sobre ela? Pelo que Ian lembrava, sua mãe e seu pai estavam em North Caroline quando Lorna morreu. É aí que o adotaram. Mesmo se parecia improvável, Ian ia perguntar o pai de qualquer maneira. Ele podia acabar parecendo um idiota, mas era importante por causa de Toby descobrir tudo o que podia sobre Lorna. Primeiro Ian se assegurou que seu pai estava bem o suficiente para falar. Ele parecia estar indo bem assim que Ian puxou uma cadeira da mesa do café um pouco mais perto da janela. Em seguida, ele inclinou-se. "Pai, você sabe alguma coisa sobre a casa de Jacob, a número 211? É onde Lorna Hayes costumava viver. Ou sobre sua família ou qualquer outra coisa?" Ian divagava. Ele não tinha certeza do que perguntar. Com as suas palavras, a expressão de seu pai escureceu. "Por que ..." ele gaguejou, então tossiu. "Pai? Você está bem?" Ian pediu e passou a esfregar suas costas. Ele entregou-lhe a garrafa de água.

113


"Por que você me perguntar isso?" Seu pai quis saber uma vez que ele foi capaz de falar. Ian não queria lhe dizer sobre a aparição. "Algo que eu ouvi." "Como você ouviu? Será que sua mãe lhe disse algo?" Seu pai perguntou. Ele estava tão agitado. "Pai, o que ela devia me dizer?" Ian perguntou, confuso. "Nada. Não há nada a dizer." Seu pai parecia tão pálido agora. Ian não queria perturbá-lo. Parecia que sua mãe poderia saber alguma coisa, então ele perguntou: "Pai, eu deveria ligar para a mãe sobre isso?" "Não. Não faça isso." Seu pai se tornou veemente. "Então é melhor você me dizer sobre isso. O que está acontecendo? Mas não se apresse. Vá com calma," Ian disse. Seu pai cedeu. "Sua mãe viveu lá." "O que, onde?" Ian disse, sem entender. "Na 211. Eu pensei que minha mãe se mudou para cá quando vocês dois se casaram." Seu pai sacudiu a cabeça. Ele parecia tão cansado enquanto falava. "Não. Não Beth. A sua mãe biológica." Por um tempo Ian apenas olhou. Seu cérebro não poderia colocar isso junto. O que seu pai disse soava como se sua mãe... "Espere. O que? Você está me dizendo..."

114


"Sua mãe era Lorna Hayes,"disse seu pai em voz baixa. Por um tempo Ian ficou ali sentado, atordoado. Ele olhou para o espaço, em seguida, para seu pai, mas o pai se recusou de encontrar seus olhos. "Por que eu só sei disse agora?" Ian perguntou. Ele estava tentando colocar isso junto em sua cabeça, mas nada fazia sentido. Seu cérebro ainda não podia aceitar o que seu pai disse. "Houve circunstâncias. Eu... Parecia melhor não dizer." "Oh, meu Deus. Eu sou o bebê que ela teve no lado da estrada! Como você pôde não me dizer isso?" Ian estava tremendo agora quando tudo começou a bater nele. "Eu sinto muito." "Você disse que eu tinha sido abandonado em frente a uma estação de fogo na Carolina do Norte,"disse Ian. Essa era a história que seus pais lhe tinham dito. "Era muito difícil dizer a verdade," disse seu pai, sua voz quase um sussurro. "Você mentiu." "Sim. Sinto muito, Ian. Quando você era pequeno, nós não queríamos que você soubesse algo assim. Mais tarde, ficou mais difícil de dizer. Nós ..." Ian cortou. "Eu ando por seu memorial cada vez que eu vou para a

115


cidade. O lugar onde ela morreu, onde eu nasci. Como você pôde manter isso de mim?" "Eu sinto muito." Seu pai baixou a cabeça. "Você poderia me dizer algo diferente de sinto muito? Como isso aconteceu?" Ian exigiu. "Beth e eu tínhamos sido casados por dez anos e nós não tínhamos filhos. Decidimos que talvez era assim que deveria ser. Com o meu problema com a bebida, parecia bem. Então você estava lá, você precisava de pais. Seu grande-avó era seu único parente. Quando sua saúde estava falhando e ela não poderia cuidar de mais nada, fomos para ela e nós nos oferecemos para adotá-lo." "E o meu pai biológico?" Ian perguntou. "Nós fomos atrás dele. Ele estava disposto a desistir dos seus direitos parentais." "Querendo ou ansioso?" Ian disse, lembrando o que o Senhor Vinik lhe tinha dito. Seu pai não lhe respondeu, mas Ian já conhecia a história. "Por que isso teve que ser um segredo?" "Sua mãe e eu pensávamos que fosse melhor. Com o que aconteceu com Lorna, você teria vivido sob uma nuvem. Depois que a sua bisavó morreu, você foi levado pelo advogado que lidou com a adoção. Temos você dele, mas

116


nós não queremos trazê-lo de volta para cá. Nós nos afastamos por um tempo. Eu tomei uma posição de ensino na Carolina do Norte. Quando voltamos para a cidade, já tinham passado dois anos. Ninguém fez uma conexão entre você e o bebê de Lorna. Dissemos que adotamos você enquanto nós estávamos vivendo na Carolina do Norte." "Eu meio que entendo por que você mentiu para todos os outros, mas por que você teve que mentir para mim?" Ian perguntou. Este era um grande segredo para mantê-lo dele. "Foi muito difícil..." "Pare", Ian disse entre dentes. "Dificil ou não, você deveria ter me contado." Ian olhou para seu pai e viu que ele não parecia muito bom. "Eu acho que você deve deitar-se." Ian levantou-se e dirigiu-se para tomar o seu braço. Ele o ajudou a se levantar e ir para a sua cama. Com seu pai se movendo tão lentamente, demorou um pouco. Embora sem folego, seu pai murmurou sinto muito várias vezes. Ian ficou para cuidar de seu pai até que ele caiu em um sono agitado. Saindo na ponta dos pés fora do quarto de seu pai, Ian andou pela casa, tentando absorver o que tinha aprendido hoje. Ele pensou em ligar para sua mãe, em seguida, decidiu que precisava falar com ela pessoalmente. Por enquanto, não havia ninguém com quem

117


pudesse falar. Tudo o que podia fazer era esperar seu pai acordar para que ele pudesse jantar. Seu pai não podia comer muito, mas ele conseguiu manter o pouco que comeu. Depois do jantar, sentou-se junto à janela e observou a paisagem noturna de fora. Foi quando Ian decidiu ir e ver Jacob. Ele o necessitava. Depois de tudo o que ele descobriu, Ian precisava falar com Jacob agora. Ele não podia acreditar o quanto ele precisava vê-lo. Ele praticamente correu para sua casa. Uma vez que ele chegou lá, sem fôlego, ele bateu suavemente. Ele não queria acordar Toby, que estava provavelmente na cama até agora. Jacob abriu a porta. Surpreso ao vê-lo, ele disse o nome de Ian como uma pergunta. Ian não disse nada. Ele estava ocupado segurando-se para trás. Tudo o que ele queria fazer era correr para os braços de Jacob. A partir do olhar em seu rosto, Jacob poderia dizer que algo estava errado. Ele franziu a testa para Ian, preocupado. "Venha aqui," Jacob lhe disse. Quando Ian não se moveu, ele o puxou pelo braço. "Desculpe, eu sei que é tarde," Ian disse enquanto Jacob o levou para o sofá na sala de estar e o fez se sentar.

118


Jacob sentou-se ao lado dele e se virou para ele. "Está tudo bem. O que está acontecendo?" "Eu..." Ian gaguejou. Ele não poderia mesmo dizer isso. Então ele sentiu Jacob segurar a sua mão. Ian lutou para conseguir as palavras entre os dentes. "Eu conversei com meu pai sobre Lorna Hayes. Eu não posso nem mesmo... Eu descobri uma coisa louca. Ela é minha mãe. E eu sou o bebê que ela deu à luz pouco antes de morrer." Jacob ficou em silêncio por um momento. Então, ele apertou a mão de Ian. "Como isso é possível?" "A avó de Lorna deixou meus pais me adotar. Eles esconderam a verdade de todos, especialmente de mim." A mente de Ian cambaleou cada vez que pensava nisso. Jacob ainda estava segurando sua mão. Ele a agarrou com mais força e puxou Ian contra ele. Grunhindo baixinho com surpresa, Ian resolveu contra seu peito, o rosto na curva do pescoço dele. Sentindo o restolho esfregar no queixo de Jacob contra seu templo, Ian gemeu seu nome. Agora que os braços de Jacob estavam ao redor dele, Ian praticamente subiu em seu colo. Ele se aninhou contra ele, empurrando para ele, querendo enterrar-se e esconder-se do tumulto dentro dele. Ele sentiu Jacob envolver seus braços ao redor dele, mais apertados. Droga, se sentiu bem a ser realizado assim, longo e duro como se Jacob

119


nunca o deixaria ir. Ian poderia simplesmente viver nesse abraço apertado para sempre. "O que você vai fazer agora?" Jacob perguntou, esfregando os dedos pelo cabelo de Ian. "Eu estou indo para casa, por agora," Ian disse em voz baixa. "Quero ver como vai o meu pai. Ele está muito chateado. Amanhã eu estou indo para ir ver a minha mãe. Ela mentiu para mim também. Eu quero ouvir o que ela tem a dizer." Enquanto caminhava até a porta, Jacob ainda segurava sua mão. "Eu acho que o seu pai fez uma coisa boa quando ele adotou você." "Vou tentar me lembrar disso." Jacob parou Ian antes que ele pudesse entrar pela porta da frente. Ele segurou a parte de trás da cabeça de Ian para trazê-lo para mais perto e beijou-o. O coração de Ian batia tão forte e alto que suas bocas se encontraram e o beijo se aprofundou. Seus lábios estavam selados. A língua de Jacob empurrava em sua boca. Ele poderia beijá-lo para sempre, mas Toby estava apenas no final do corredor. Eles não podiam arriscar de ser pegos tentando devorar uns aos outros. Ian lentamente puxado para trás até que seus lábios estavam apenas se tocando, e eles estavam inclinados um sobre o outro, respirando com dificuldade.

120


"Eu disse que vocĂŞ era um bom namorado," Ian sussurrou no ouvido de Jacob e o beijou na bochecha. Ele endireitou-se e saiu pela porta. "Eu estou aqui se precisa de mim," Jacob chamou depois dele, provando seu ponto.

121


Capítulo 15 No dia seguinte, Ian queria ver sua mãe, mas ele descobriu que ela estava passando o fim de semana com alguns amigos. Na segunda-feira, ele não poderia falar com ela até que ela voltou do trabalho. Isso o deixou com tempo para matar antes que ele pudesse dirigir para vê-la. Ele decidiu usar o tempo para preencher algumas lacunas em seu conhecimento sobre Lorna Hayes. Quando Ian tentou falar com ele de novo, seu pai ficou chateado e disse-lhe para deixá-lo sozinho. Ian recuou e tentou outras fontes. Ele remexeu nos arquivos na biblioteca da cidade e fiz alguma pesquisa online. A história de Lorna era algo sobre que ele ouviu falar toda a sua vida, mas ele nunca prestou muita atenção a ela. Agora ele sabia que era a sua história, e ele queria saber tudo, por dentro e por fora. Seu pai podia querer mantê-lo no escuro, mas as outras pessoas na cidade não sabiam que ele era o filho de Lorna Hayes. Eles falariam. Ian fui à procura do senhor Vinik. Ele considerou pedir a alguém mais desta vez, mas ele já lhe tinha dado uma desculpa para querer saber sobre Lorna. Ian não queria começar do zero com outra pessoa. Ele não estava no humor para contar mais mentiras.

122


Ao mesmo tempo, ele não estava pronto para ir ao redor da cidade e dizer a todos que Lorna Hayes era sua mãe. Sua própria relutância mostrava por que seus pais tinham mantido isso dele, mas não por que eles mantiveram o segredo por tanto tempo. Ele encontrou-se com o senhor Vinik no Carlton de novo e comprou-lhe uma cerveja. Ian ainda não podia legalmente pedir uma cerveja para si mesmo, embora ele realmente queria uma. Ele sentou-se lá com um café e perguntou ao senhor Vinik para falar das coisas um pouco mais para ele. "Eu queria saber mais sobre o que aconteceu com Lorna Hayes. Você pode me dizer sobre seu namorado?" Ian tinha lido o que havia nos artigos de jornais antigos, mas não era muito. "Você não vai escrever sobre ele," o senhor Vinik avisou. "Seu povo tem dinheiro. E a família da sua esposa tem ainda mais dinheiro. Eles vão arrastálo em tribunal tão rápido..." "Eu não vou. Estou apenas curioso," Ian assegurou-lhe, mas a sua atitude explicou por que ele achou tão pouco sobre ele nos artigos antigos. "Ele era definitivamente o pai da criança ou esse apenas um boato?" Aquele pedaço de informação era realmente importante para Ian. O senhor Vinik confirmou. "A polícia lhe fez fazer um teste de DNA, e com certeza, o bebê era dele. Ele não queria nada a ver com aquela criança embora. Nenhum da sua família queria. Eles só queriam se lavar as mãos da

123


coisa toda, jogar fora o bebê com a água do banho, você poderia dizer. A avó de Lorna ficou mais do que feliz em tê-lo. Ela era uma senhora doce." "Qual era o nome dele?" Ian perguntou. Ele quase esperava ouvir seu próprio nome na resposta. "Ela chamou o bebê Luke." Ian balançou a cabeça e tomou um gole de café para cobrir sua reação. Este uma vez tinha sido seu nome, não Ian. "E o nome do pai era Kurt Dufresne, certo?" "Dufresne é certo. Esse nome ali explica muitas coisas. Nem um dos Dufresne era bom", disse Vinik, balançando o dedo para Ian. "Eles eram todos bastardos arranca dinheiro. O pai de Kurt foi um Senador, você pode ter ouvido falar dele, Randy Dufresne. Um escândalo após o outro." Ian balançou a cabeça, mas a primeira vez que ele se deparou com seu nome tinha sido nos artigos sobre o assassinato não solucionado de Lorna. "Ele serviu alguns meses por defraudar alguma associação de caridade. Isso e ser um senador do estado são suas duas reivindicações à fama. Seu filho só fez uma coisa. Ele se casou com a única filha de Harry Litchfield. Você sabe quem ele é, eu aposto." "Todo mundo faz." "Maldito certo. Os Dufresne eram ricos uma vez, não tanto recentemente. Mas os Litchfield, eles são imundos, fedendo, nojentos ricos,

124


ricos o suficiente para fazer você vomitar." O senhor Vinik bateu na mesa. Então ele tomou um gole da sua cerveja e continuou. "A família de Kurt não queria um garoto ilegítimo estragando suas chances de se casar com esse tipo de dinheiro. Ainda não posso acreditar que a menina Litchfield gostou dele depois do que aconteceu com a pobre Lorna. Mas, ei, quem pode entender a mente das mulheres. Com certeza não eu." Depois que Ian obteve mais algumas informações. Tudo isso contribuiu para fazer de Kurt Dufresne o assassino mais provável. O pensamento deixou Ian doente. Ele odiava a ideia de que este homem viveu no luxo, depois de ter matado sua mãe biológica. Kurt agora vivia em Mapleview. Essa não era uma boa notícia para Ian se ele queria confrontar o homem. Mapleview era uma comunidade exclusiva com segurança em cada porta. Ian estava determinado a ir lá, mas ele não sabia como ele iria entrar. Mesmo enquanto ele dirigia para ver sua mãe ontem à tarde, Ian tentou pensar em uma maneira de entrar em Mapleview. No momento em que ele estacionou na frente da muralha de pedra da casa de sua mãe em Hershing, ele não tinha vindo acima com nada. Ela não estava de volta do trabalho ainda, então ele simplesmente sentou-se nos degraus e esperou. Quando ela chegou, sua mãe saiu do carro com um olhar preocupado. Ela deu passos lentos e cuidadosos para ele. "Seu pai?"

125


Ian se levantou. "Ele é o mesmo. Eu só queria falar com você," disse ele, entendendo agora o que ela estava pensando. Sua mãe relaxou um pouco e colocou a mão sobre o peito em alívio. "Desculpe. Eu não queria assustá-la,"Ian disse a ela enquanto subiam os degraus para o seu lugar. No segundo em que eles estavam dentro, sua mãe colocou uma mão em seu ombro e tirou os saltos. Toda a sua vida Ian tinha sido dizendo-lhe: "Basta usar sapatos normais." "Essas pernas foram feitas para saltos altos. Basta olhar para elas", ela lhe diria. Nesse ponto, Ian faria tudo, menos verificar as pernas de sua mãe. "Mãe, deixe de ser orgulhosa das suas pernas. É estranho." "Elas são a minha melhor característica. Pergunte ao seu pai," ela dizia quando eles ainda estavam casados. Foi quando Ian gemia. Então seu pai diria, "Não se preocupe, filho. Eu amo a sua mãe por sua mente brilhante." Ian estava no corredor da casa de sua mãe, surpreso com o quão feliz todos eles estavam uma vez. Tinha sido real? "O que está errado?" Sua mãe perguntou-lhe. Ambas as mãos estavam

126


em seus ombros agora. Ian encontrou seu olhar preocupado e respondeu para ela com um nome. "Lorna Hayes." Sua mãe se encolheu afasdando-se dele. "É tão ruim que eu sei?" Ian perguntou, vendo a reação dela. Ela olhou para ele estranhamente por um momento, e Ian se perguntou se havia algo sobre isso que ele não entendia. Então, sua mãe balançou a cabeça. "Não. Seu pai lhe disse?" "Ele fez, mas só porque eu ouvi algo que me fez lhe perguntar sobre Lorna. Como você pôde esconder isso de mim?" Sua mãe olhou arrependida. "Vamos nos sentar," ela disse. "Meus pés estão me matando." Ian quase lhe disse a coisa sobre o utilizo de sapatos normais. Sem dizer nada, ele seguiu até a sala de estar decorada em creme e azul claro e algumas coisas jogadas aqui e ali. Sua mãe sentou-se no sofá com um suspiro. Ian se sentou ao lado dela. "Não é fácil agitar mundo inteiro de alguém, especialmente quando é seu próprio filho. Você está me perguntando por que nós não encontramos fácil tirar a sua paz de espírito?" "Mas uma vez que eu era velho o suficiente...", disse Ian.

127


"Você ainda era meu bebê. Assim como você é meu amor agora", disse sua mãe com as lágrimas nos olhos. Ian olhou para baixo. Ele queria estar bravo com ela, mas ela tornou isso muito difícil. Toda a sua vida a sua mãe tinha sido assim, cócegas quando ele estava prestes a fazer uma birra, desenhos engraçados para ele quando ele era ranzinza. Agora ela tomou sua mão. "Devemos ter lhe contado. Nós o ignoramos por muito tempo," disse a ele e apertou sua mão. "Este é o pior momento possível para você descobrir. Eu sinto muito." "Eu sei que tenho que pegar leve com papai", ele assegurou. "Você quer algo para comer?" Ela perguntou. "Não, eu quero voltar para o pai. Desculpe, se eu te surpreendi", disse Ian e se levantou. "Se você quiser endoidecer e, desabafar com alguém, eu estou aqui. Ok?" Ian a abraçou em sua vez. "Eu te amo, mãe", disse ele e saiu. Na noite seguinte, Ian encontrou tempo para ir ver Jacob. Foi depois do jantar. Toby estava ocupado com trabalhos de casa do jardim de infância, e Ian estava sentado com Jacob na sala de estar. A TV estava no mudo, sua luz cintilando sobre eles.

128


Ian já tinha mantido Jacob atualizado. Ele mandou uma mensagem em traços largos, agora ele estava preenchendo os espaços em branco. "Eu sei que é loucura pensar que eu possa descobrir quem a matou depois de todo esse tempo", disse Ian, balançando a cabeça. "Uma das coisas que eu descobri foi a razão pela qual Lorna estava lá fora tão tarde. Eram dez da noite quando ela morreu. Sua avó disse à polícia que tiveram uma briga. Lorna saiu para uma caminhada. Ela gostava de ir até a ponte, aquela que eu lhe mostrei. No momento em que ela foi morta, ela deve ter sido em seu caminho de volta para a cidade. Ela estava grávida de oito meses. Isso provavelmente a fez demorar." "Como é que o assassino a encontrou em uma estrada à noite?" Jacob perguntou. "É a estrada principal para a cidade. Se Kurt ou alguém da sua família estava vindo para vê-la, eles poderiam apenas tê-la visto no lado da estrada." "Então, foi um crime de oportunidade? O assassino apenas teve sorte?" Jacob parecia cético, mas era a única explicação em que Ian poderia pensar. "Eu olhei para tudo o que encontrei sobre o caso online. Houve alguma publicidade sobre isso, mas não muito sobre Kurt estar envolvido. Eu acho que os jornais locais tinham medo da sua família. Pelo que eu consegui encontrar, ele tinha um álibi frágil. Dois dos seus amigos alegaram que ele estava com eles no momento, mas eles poderiam facilmente ter mentido para ele. A polícia nunca conseguiu colocá-lo em qualquer lugar perto de Blystone

129


embora. Além de provar que ele era meu pai, eles não tinham um caso contra ele." Ian estremeceu pensando nisso de novo. Como ele pôde fazer isso? Talvez não tenha sido ele. O pai de Kurt, talvez? Vendo como ele estava chateado, Jacob esfregou suas costas. "Com tudo isso, eu posso compreender que eles não queriam dizer a uma criança sobre o que aconteceu com Lorna e sobre quem poderia tê-la matado." Jacob soou demasiado razoável para o gosto de Ian. Percebendo o olhar sujo que ele estava lhe dando, Jacob disse: "Desculpe. Estou apenas me colocando no lugar dos seus pais." "Mas mais tarde, quando eu estava com idade suficiente para ser capaz de lidar com isso, eles deveriam ter me contado." Jacob sacudiu a cabeça. "Eu não seria capaz de dizer a uma criança a história do seu nascimento se fosse sido como o seu, não importa quantos anos tinha. Eu não ouvi você anunciar a notícia a todos em Blystone," Jacob apontou. Ian apenas resmungou. Então ele disse a Jacob o que mais ele tinha encontrado. "Eu fiz alguma pesquisa sobre onde Kurt está agora. Ele está vivo. Eu não sei que tipo de respostas posso esperar dele, mas eu estou indo para ir vê-lo. Alguma ideia de como eu posso entrar em Mapleview?" "Mapleview." Jacob assobiou. "Eu não gosto das suas chances. Talvez tente se aproximar dele em outro lugar."

130


Ian tinha sido olhando para isso também. "Um monte de empresas tem Kurt Dufresne listado como um membro do conselho. A reunião do conselho está marcada para a próxima semana nesta firma de imóveis comerciais. Se eu jogo fora do lugar, eu poderia pegar Dufresne saindo da reunião. Mas eu não quero esperar até a próxima semana." "É uma opção melhor do que tentar passar pela segurança no Mapleview. A menos que você acha ter a segurança dizendo a Dufresne que seu filho está no portão, como você vai conseguir entrar?" "Tenho certeza que isso iria de manter-me fora, não me fazer entrar. Eu acho que vou ter que esperar até a próxima semana. Droga." "Você disse uma palavra ruim?" Perguntou Toby. Ele tinha chegado furtivamente até eles. Ele estava parado lá segurando um desenho. "Quer me mostrar o seu desenho?" Ian pediu para contornar a questão da má palavra. Toby parecia muito animado com isso. Ele correu para Ian e mostroulhe... alguma coisa. Ou três coisas? Graças a Deus ele as identificou antes que Ian teve que perguntar. "São os cavalos!" "Oh. Muito bons. E essas são as estrelas." Ian apontou para as muito grandes estrelas cercadas por linhas azuis escuras. "Eu vou tirando uma foto dele. Eu vou mostrar para o meu pai." Enquanto Jacob admirava o desenho, Ian pegou seu telefone.

131


"Você acha que seu pai vai gostar?" Toby perguntou. "Claro que ele vai," Ian disse tirando algumas fotos dela. "Dê este a ele", disse Toby e ofereceu a Ian o desenho. "Obrigado", disse Ian e lhe deu um abraço. Toby parecia muito feliz. Ian decidiu tomar algumas fotos dele segurando o desenho. Toby sorriu, segurou o desenho em uma mão e acenou com a outra.

132


Capítulo 16 O desenho dos cavalos amarelos contra um céu azul escuro, cheio de grandes estrelas de Toby estava apoiado na borda da janela do seu pai. Ele ficou encantado quando Ian o deu a ele. "Você costumava fazer desenhos terríveis também. Sem mencionar todos esses projetos de artes e técnicas. Não há nada mais bonito do que algo feito pela mão de uma criança", disse o pai com as lágrimas nos olhos. Ele estava descansando agora, e Ian estava limpando os pratos do jantar. Ian estava em um estado constante de tensão à espera da reunião do conselho da próxima semana. Ele queria falar com Kurt Dufresne agora, mas não havia nenhuma maneira de fazer isso. Ainda bem que ele poderia contar com Jacob para distraí-lo. Ele chamou Ian muitas vezes, e só ouvir sua voz empurrava tudo fora da sua cabeça. O telefonema de hoje à noite foi ainda melhor do que os outros. "Toby está dormindo da Fran esta noite. Ela só o pegou. Você acha que você pode querer parar por aqui?" Jacob perguntou. "Eu vou para aí. Essa medalha como melhor namorado vai ser sua." Ian correu lá, tomando o carro pela primeira vez. Ele não queria perder um minuto de tempo que poderia ser gasto com Jacob. Assim que Jacob abriu

133


a porta da frente, Ian se jogou em seus braços, e sem cuidado também. Jacob grunhiu e depois o beijou. "Eu acho que é melhor ajudá-lo a se livrar de algum desse estresse antes de quebrar meus ossos", disse Jacob. "Querendo me ajudar assim, você é tão generoso." Jacob apenas sorriu maliciosamente. Quem pensaria que um pai tão bem-educado poderia obter um olhar tão predatório em seus olhos? Ele beijou Ian novamente e arrastou-o para o seu quarto. Sua primeira vez lá e Ian quase não teve a chance de olhar ao redor. Tudo o que viu foram cores escuras, móveis tradicionais. Oh, inferno, ele não se importava, especialmente quando Jacob estava segurando-o perto e beijando seu pescoço e apalpando-o em todos os lugares. Ian estendeu a mão sob a camisa de Jacob, precisando senti-lo. Jacob estava escovando os lábios sobre a orelha de Ian, em seguida, beijando o lado do seu rosto. Quando ele virou a cabeça e sua boca encontrou a de Jacob, Ian baixou o zíper. Jacob fez o mesmo com ele. Ele puxou para baixo a calça de brim de Ian aproximadamente até que ele libertou seu pênis. Ele o agarrou e apertou-o apenas uma vez antes de puxar a calça de Ian todo o caminho. Ian teve que agarrar seus ombros para se apoiar para não cair. Então ele saiu da sua calça. A mão de Jacob estava de volta em seu pênis, mas leve como uma

134


pluma. "Isso é bom", Jacob rosnou em seu ouvido. Com seus dedos soltos, ele estava bombeando seu pênis muito levemente. A caricia torturante, suave dos seus dedos fez Ian querer puxar e empurrado em sua mão, mas ele simplesmente não conseguia atrito suficiente. "Oh, foda-se", disse Ian enfiando a mão na frente da calça de Jacob. Ele não era gentil em tudo. Jacob gemeu. "Você é tão doce. O que devo fazer com essa boca suja?" Jacob beijou o lábio inferior, e Ian caiu de joelhos na frente dele. As bolas de Jacob entraram em sua boca uma depois a outra. Em seguida, seu pau festava deslizando sobre a língua de Ian, enchendo sua garganta. Jacob gemeu longo e baixo. Ian cantarolou sobre seu pênis. Gemendo e balançando ao ritmo da sua sucção, Jacob deixou Ian saber quanto ele gostava. Mas então ele advertiu Ian: "Não se empolgue." Ele pegou o rosto de Ian e empurrou-o de volta, enquanto observava seu pênis estalar fora da sua boca. Ele correu o polegar sobre os lábios de Ian enquanto seus olhos azuis brilhavam com desejo. Ele deu um passo em direção à cama e tirou a camisa, a calça e os boxers fora. Ainda ajoelhado, Ian assistiu fascinado enquanto seu corpo surpreendente era revelado. "Levante-se", Jacob lhe disse bruscamente. Ian poderia ter se ajoelhado aos seus pés, adorando-o para sempre com

135


a boca e os olhos. Quando Ian se levantou, Jacob se sentou na beira da cama e o puxou em seu colo. Ian respirou duramente explorando Jacob com um leve toque. Aquele corpo firme, cinzelado e duro sob suas mãos era um sonho. "Este é todo meu," Ian disse passando as mãos em cima dele desde o peito para baixo em seu abdômen e sobre suas coxas, tudo duro e musculoso, perfeito. Jacob tateava sua bunda, apertando e penetrando os dedos nela. "Eu me sinto da mesma maneira sobre esta." Ian mordeu seu ombro. "Então é melhor levá-la antes de eu comê-lo vivo." Jacob rosnou e roçou o pescoço com os dentes. Ele agarrou o lubrificante sobre a mesa de cabeceira e alisou os dedos. Em seguida, Ian experimentou mais tortura. Acariciando-o para ele por um longo tempo, Jacob esfregou em seu pescoço. "Você está pronto para mim?" Jacob perguntou cruelmente. "Eu estou pronto para rasgá-lo em pedaços, se você não me fode," Ian ameaçou até mesmo enquanto se contorcia no colo, afastando-se dos dedos e tentando não gozar. A mão de Jacob tateou para baixo em seu corpo. Alcançando seu pênis, ele o agarrou e o esfregou descuidadamente. Ele tratou o corpo de Ian como se fosse o dono dele. Sugando a língua de Jacob profundo em sua boca, Ian

136


empurrou em sua mão. Não era o suficiente. Beijando sua mandíbula, Jacob tocou em sua barba por fazer em Ian. "Diga-me o que você precisa", Jacob sussurrou asperamente em seu ouvido. "Você", Ian disse antes que ele pudesse nem sequer pensar. Ele queria dizer "foda-me". Mas a parte mais verdadeira dele disse: "Eu preciso de você." Ian se afastou de Jacob para que ele pudesse vê-lo. Ele era uma visão. A intensidade em seus olhos era assustadora. Gemendo com a necessidade, olhando para Ian como se quisesse arrancá-lo, ele era incrivelmente quente. Com o preservativo colocado, Jacob puxou-o para á frente e Ian se inclinou para trás. Ele tinha um aperto duro nos ombros de Jacob quando se empalou em seu pênis. Centímetro por centímetro, ele empurrou para baixo, levando-o nele. O pau de Jacob era um sonho, mas Ian tinha que descer devagar ou ia ser dividido ao meio. Jacob deve ter perdido a paciência com ele. Ele virou por cima dele e em cima da cama. Ian levantou as pernas para envolver em sua cintura enquanto Jacob empurrava de volta. Ian queria mostrar-lhe que ele não era um covarde. Ele empurrou seus quadris para cima, tomando o pau de Jacob mais profundo. Talvez ele fosse um covarde. Por um momento, ele ficou tão emocionado, só poderia ofegar e se contorcer. Já era demais quando Jacob empurrou uma última vez entrando todo o caminho. Quando Jacob o encheu

137


completamente, Ian gemeu e choramingou. "Eu tenho você agora," ele disse a Jacob. "Eu tenho você." "Por mim tudo bem," Jacob lhe disse. Ele abaixou a cabeça e beijou-o profundamente e com força. Foi um daqueles beijos para roubar o fôlego, um que empurrou Ian direito através do colchão. Jacob estava se preparando para lhe mostrar que ele possuía ele também. Enquanto o beijo continuava, o corpo de Jacob puxava duro contra o dele, não deixando que ele se movesse. Ian necessitava se mover. Ele precisava fazer algo acontecer. A pressão dentro dele se tornou insuportável. Ele iria estourar. Ele morreria. "Por favor," ele implorou Jacob. Satisfeito com a palavra mágica, Jacob puxou para trás, em seguida, empurrou dentro. As costas de Ian se arquearam da cama e ele engasgou. Então era isso que Jacob queria. Ele queria dividi-lo com um impulso longo e profundo. Ele enviou Ian direito fora da sua mente. "Obrigado. Oh, Deus. Sim," Ian se ouviu ofegar. Quando isso acabou, ele estava indo fazer Jacob pagar por lhe fazer dizer isso. Por agora, ele estava apenas grato por cada estocada dura do pau de Jacob dentro dele. Pressionando para baixo sobre as costas das coxas de Ian, ele começou a foder Ian duro o suficiente para abalar a cama, o quarto e o mundo inteiro de

138


Ian. Ian estava gritando mais alto o tempo todo. Ele sentiu-se desamparado, levantando-se o tempo todo em direção a um orgasmo que iria quebrá-lo. Seu corpo apertou e Jacob amaldiçoou quando Ian chamou o seu nome. Ian gozou com um grito que rasgou sua garganta. Em seguida, com uma mão na bunda de Jacob e a outra na parte de trás do seu pescoço, ele olhou para ele, pronto para gozar. Olhos azuis como gelo, mandíbula apertada, Jacob olhou para ele e bateu nele. "Você é meu," Ian lhe disse e Jacob gozou com o estremecimento e um rugido. "Eu gosto das coisas que eu descobri sobre você," Ian disse quando ele e Jacob caíram esparramados em sua cama. Eles haviam se limpado, mas eles ainda estavam nus. "Como o quê?" A mão de Jacob estava preguiçosamente acariciando seu cabelo enquanto Ian estava deitado sobre seu peito. Ian levantou a cabeça para olhar para ele. "Que você fode como um louco", disse ele com um sorriso satisfeito. "Eu não consigo me parar", disse Jacob com um leve franzir do cenho, como se ele não estivesse orgulhoso da sua performance. Ian o beijou. "Não era uma queixa. Mas eu vou olhar para á frente para o que você vai fazer comigo quando temos muito tempo." O sorriso de Jacob estava cheio de promessas maliciosas. Ele deu a Ian

139


um longo e profundo beijo, que o levou selvagem, mas ele acabou antes que as coisas ficassem fora de controle. Ian saiu de Jacob. "Não me beije assim quando eu tenho que ir." "Eu disse que eu não posso me parar. Eu só quero fazer coisas más com você", Jacob disse olhando para Ian enquanto ele estava debruçado para pegar suas roupas. "Eu não acredito nisso nem por um segundo," Ian lhe disse puxando sua calça jeans. "Você é um bom rapaz com um grande coração." Jacob saiu da cama e também começou a vestir as suas próprias roupas. Ele ficou pensativo, como se talvez ele ainda tivesse algumas dúvidas sobre os dois. Ian se aproximou e enganchou seu braço em volta do pescoço de Jacob. "Você já esqueceu que você é meu?" Ian disse, olhando em seus olhos. "Eu quis dizer o que eu disse. Eu não deixei escapar nada que não queria dizer durante o sexo." Ian beijou-o com força, mostrando-lhe o que ele poderia fazer, que ele poderia lhe roubar o fôlego e sua alma se quisesse. Mas mesmo quando ele agiu valente, ele estava tão assustado. Ele não era páreo para Jacob. Ian estava em seu poder. Seu peito se apertava dolorosamente sempre que via a dúvida nos belos olhos de Jacob. Seu mundo inteiro ameaçava sair do controle. Apesar da sua demonstração de confiança, um olhar, uma palavra de Jacob poderia esmagá-lo.

140


Capítulo 17 Ian desejou poder gastar todo o seu tempo convencendo Jacob que eles estavam destinados a ficar juntos, mas ambos tinham outras preocupações ocupando seu tempo. Com esta questão espinhosa de Lorna entre eles, Ian ainda tentou não ficar com raiva de seu pai. Ele estava muito preocupado com a sua saúde. A última coisa que ele queria fazer era tornar as coisas mais difíceis para seu pai quando ele estava sofrendo e lutando por sua vida. Ele fez o seu melhor para agir normal e não trair sua obsessão com o que ele tinha descoberto. Mas ouvir Lorna falar com ele não lhe deu apenas uma pista sobre quem ele era, também desenterrou algo em sua memória. Nas últimas noites, Ian acordou dos sonhos do que aconteceu quando ele era criança e saltou sobre a cerca no número 211. Como de costume nos dias de hoje, ele realmente queria falar com Jacob sobre isso. Na verdade, ele só queria vê-lo e estar com ele o tempo todo. Quando eles estavam separados, doía. O desejo era constante, como se Jacob fosse agora uma parte dele. Enquanto seu pai descansava, Ian foi para a cidade e andou sem rumo. Era meio-dia de domingo e algumas pessoas estavam passeando. Na frente da Padaria Heartstone, Ian cheirou algo fresco cozido. Ele entrou para verificá-lo e chamou Jacob.

141


"Posso me convidar para o almoço?" "Claro. Venha", disse Jacob. "Grande. Eu estou parado na padaria, e o rolos Kaiser3 acabaram de sair do forno." "Traga-os. Acho que temos tudo que precisamos." Quando Ian voltou para Jacob com dois sacos em seus braços, Toby abriu a porta para ele. "Eu sabia que era você", Toby disse entusiasmado. "Você bate duas vezes, em seguida, uma vez. E papai me disse que você estava vindo." Ian riu do seu trabalho de detetive. "Eu queria estar com vocês. E olha o que eu trouxe." Ian mostrou-lhe os dois tomates da herança4 havia adquirido juntamente com os pães frescos. "Olham engraçados, não é? Eles são da estufa do Senhor Brewer." Vendo os dois tomates, Toby não parecia satisfeito. "Você não gosta de tomates?" Ian perguntou. Toby balançou a cabeça.

3

Também chamados de rolos de Viena, é um rolo de pão redondo tipicamente crocante, originário da Áustria. Um tomate de herança (também chamado de tomate da família no Reino Unido) é um tomate não híbrido. Eles são cultivados por diversas razões, tais como alimentos, interesse histórico, acesso a variedades mais amplas e por pessoas que desejam salvar sementes de ano para ano, bem como pelo seu gosto, que é amplamente percebido como melhor do que Tomates "convencionais". Eles geralmente têm uma vida útil mais curta, mas são geralmente mais resistentes a doenças do que a maioria dos tomates comerciais, exceto para doenças específicas, para as quais um híbrido comercial foi criado para ser resistente. 4

142


"Os tomates são bons." "Você pode comê-los", Toby disse abrindo o caminho para a cozinha. "Eu vou. Mas eu quero que você tenha algum também. Você vai gostar tomates. O ketchup é feito a partir dos tomates," Ian disse enquanto colocava as sacolas no balcão da cozinha. "Não!" Toby disse, chocado com esta notícia. "Sim. Por que você acha que há um tomate na etiqueta?" Ian disse puxando uma garrafa de ketchup na geladeira, bem como outros ingredientes para o sanduíche. Toby encolheu os ombros. Ian virou a garrafa de ketchup para mostrar a Toby a etiqueta na parte de trás. "Leia os ingredientes. Veja, ele diz que tem tomates." "Eu não posso ler", disse Toby. "Então você vai ter que tomar minha palavra para isso. Você não pode odiar os tomates se você gosta do ketchup," Ian lhe disse. Toby parecia estar em conflito. Quando seu pai entrou na cozinha, disse-lhe a coisa chocante que ele tinha acabado de aprender sobre onde o ketchup. "Você nunca mencionou isso a ele?" Ian perguntou a Jacob. "Eu não queria arruinar o ketchup para ele."

143


"Não seja louco. Nada pode arruinar o ketchup," Ian lhe disse. Ao vê-lo vasculhar na geladeira, Jacob perguntou: "Posso ajudá-lo a encontrar algo?" "Você disse que tinha tudo, não vejo pepperoni," Ian reclamou. "Sim. Devemos ter pepperoni," Toby concordou. "Eu não sabia que pepperoni era um ingrediente essencial para fazer um sanduíche. Talvez uma pizza", Jacob disse começando a cortar os rolos. "Podemos ter pizza?" Toby perguntou. "Abasteça alguns pepperoni para a próxima vez. Não vão apenas na pizza. Toby gostaria de pepperoni em seu sanduíche, certo?" Ian disse e olhou para Toby. Toby assentiu. Eles estavam de acordo sobre pepperoni, mas ele ainda não estava convencido sobre os tomates. Enquanto Ian e Jacob fizeram os sanduíches, Toby olhou para as fatias de tomate ansiosamente. Seu amor pelo ketchup ganhou o dia, e ele disse ok para deixar entrar uma fatia fina de tomate em seu sanduíche. Ian colocou uma bola de ketchup bem sobre a fatia de tomate para fazê-la descer mais fácil. Após o almoço, Ian perguntou a Jacob para ir no jardim de volta com ele. "Então, por que estamos aqui? Será que você quer tentar falar com ela de novo?" Jacob perguntou.

144


Ian olhou ao redor e tentou pensar no que o local acostumava parecer quando ele era um menino. "Só refrescar a minha memória. Eu estava pensando, há algo que nos faz esquecer de ter visto fantasmas enquanto meninos?" "Oh?" "Alguma coisa voltou para mim. Quando eu era criança, eu tive uma experiência assustadora neste jardim." "Você se lembrou?" "Lembrei-me de algo do passado, de subir para o jardim. Lembrei-me de ser assustado com alguma coisa e fugir. Eu não me lembro o que aconteceu entre o tempo que pulei a cerca e quando eu comecei a correr eu pensei que era apenas... um ruído ou algo que me assustou. Mas ouvir a voz de Lorna trouxe tudo de volta. Eu percebi que não era a primeira vez que ela falou comigo." "O que ela disse?" "Algo que faz sentido para mim só agora. Mais ou menos." Quando ele tinha oito anos, o jardim não estava do jeito que estava agora. A casa tinha ficado ali, abandonada por anos. O jardim era uma bagunça. Tudo estava crescendo selvagem e fora de controle. Uma vez que Ian estava por cima da cerca e no meio dela, tudo o que podia ver era verde. No inicio, Ian tinha ficado ao mesmo tempo assustado e curioso. Mas o

145


mais profundo ele foi, mais ele se sentiu cortado a partir do que ele deixou para trás, seus amigos, de tudo o que era real. Ele andou em linha reta, mas o caminho de volta não parecia claro para ele. Depois de apenas alguns passos, nada ao redor dele era o mesmo. Ficou escuro. Ele não sabia onde toda a luz do sol foi tão rápido. Estava muito frio e o ar era muito espesso. As sombras eram ameaçadoras, aglomerando-se sobre ele. Ele não sabia qual caminho percorrer. Ele não conseguia ouvir nada, nem os pássaros ou o vento nos ramos, ou carros que passavam na rua. Seus amigos não estavam chamando um ao outro mais. Tudo tinha sido tirado até que o mundo se tornou um silêncio preto. Ele foi engolido. Perto dele, a escuridão se alterou, ameaçando mudar de forma. Enquanto ele ficou congelado, ele podia ouvi-la respirar. O som ficou mais alto, até se tornar tão alto quanto uma tempestade. O barulho empurrou-o para baixo. Ele queria enrolar em uma bola. Em seguida, ele ouviu um som de fragmentação e viu uma mancha de luz. A forma estava borrada, mas ele pensou que era quase como uma mulher. Ele manteve os olhos sobre ela, com medo de desviar o olhar. Pelo menos ela era brilhante, mesmo se a sua luz estava fria e piscando como se fosse perto a queimar. Ela estava se aproximando. Ian não queria isso, mas ele não podia se

146


mover. Um som áspero encheu seus ouvidos, vindo de muito perto dele, mesmo se não havia nada lá. Ian a viu se aproximando o tempo todo, mas nunca chegar. Ele não poderia fazê-la parar. Em seguida, ela tentou falar. Suas palavras chegaram de muito longe, e no início elas não faziam qualquer sentido. De repente, ela piscou desaparecendo e Ian estava sozinho em uma escuridão mortal. Em seguida, dentro da escuridão ouviu uma voz. Baixa e rouca, cortando para dentro e para fora, lhe dizendo: "Você me deixou sozinha." Quando ele saiu, quando ele pulou a cerca, Ian não sabia. Ele só se lembrou de fugir, seus pulmões doendo. Ele estava correndo o tempo todo até que ele chegou em casa. Durante semanas ele teve que dormir com as luzes acesas, mas ele não disse aos seus pais por que. Depois que Ian terminou de lhe contar o que aconteceu com ele, Jacob parecia sombrio. "O que aconteceu com a sua teoria que as crianças estão mais sintonizadas com fantasmas e têm um relacionamento amigável com eles?" Ele perguntou. "Eu acho que isso não se aplica a mim,"disse Ian. Ele realmente não entendia. "Eu não era apenas qualquer criança. Ela sabia quem eu era então, e ela me culpou por deixá-la sozinha, para viver quando ela morreu." "Você acha que ela culpa você por isso?" Jacob perguntou. Era óbvio

147


que ele achou isso difícil de acreditar, talvez porque ele era um pai. "Eu não acho que podemos esperar um fantasma para ser sã e razoável," Ian apontou. "Eu ainda estou lutando com o fato que eles existem", disse Jacob. "Tarde demais para isso." Ian olhou para ele e se perguntou se ele era a pessoa mais teimosa do planeta ou o quê. "Não pode ser fácil sabendo que ela é sua mãe", disse Jacob. "E que ela me odeia. Mas ela parece ter encontrado um substituto em Toby." "Meu Toby é o garoto mais doce do mundo. Mas eu gostaria que ela não tivesse gostado dele." "Especialmente quando a coisa real está bem aqui. Será que ela ainda me culpa como antes ou talvez ela nem sequer me reconheceu?" Ian perguntou. "E Deus sabe como meu ausente, pai biológico vai reagir a me ver. Já para não falar que ele é o suspeito mais provável para sua morte. Quanto confuso é isso?" "Se você está determinado a vê-lo..." "Eu sou. Eu tenho que fazer isso." "Eu não estava tentando convencê-lo a desistir. Eu quero ir com você," disse Jacob.

148


Isso foi inesperado e muito grande, vindo dele. "Isso é o que separa um bom namorado de um namorado que está ficando acordado com um boquete para o resto da sua vida." Jacob resmungou, em seguida, tentou minimizar o seu gesto incrível. "Não é um grande negócio. Posso chamar doente." Ian sorriu para ele. "Ok. Eu acho que seria bom. Eu sinto que tenho muitas coisas vindo para mim de uma vez." "Você faz," Jacob concordou e o puxou para um abraço. "Você sabe que está valendo a pena investigar apenas para os benefícios de um abraço. Tudo o resto é apenas molho." "Minhas proezas sexuais não são lisonjeadas." Ian se afastou e sorriu. "Eu prometo agradá-las mais tarde."

149


Capítulo 18 Segunda-feira, Jacob veio buscá-lo ao meio-dia. Sua 4runner Toyota era um carro maior do que o necessário, estritamente falando. Ian se perguntou se ele estava planejando ter um monte de crianças para encher este carro. Ele sorriu ao pensar em um monte de pequenos clones de Jacob tagarelando na parte de trás. Eles chegaram na estrada e o passeio foi suave. Sentado ao lado de Jacob, Ian estava tenso, mas ele ainda conseguiu desfrutar da sensação de estar com ele. Em uma viaje normal, ele teria tido suas mãos em cima dele. Preocupado com um confronto que podia até não acontecer, Ian olhava pela janela preocupado. À distância o céu estava muito azul, mas baixas nuvens cinzentas com bordas irregulares, passavam por cima. Para sua esquerda, Mapleview estava chegando à vista. "Sempre que nós dirigimos por aqui, um amigo meu costumava perguntar: Quem você tem que matar para viver lá? Agora eu estou pensando que a resposta é a sua namorada grávida," Ian disse amargamente. "Você não sabe disso." "Não, mas não há uma longa lista de suspeitos, e a maioria deles têm o sobrenome Dufresne."

150


Da autoestrada, Mapleview parecia uma pequena cidade picaresca com mansões cercadas pela beleza serena de quilômetros de campos de golfe. Não havia nenhuma maneira de entrar sem passar por um portão bem guardado. Era por isso que eles estavam passando-a e indo para a sede da Lambton e Newacre Imóveis, em sua vez. Lambton beneficiou muito de estar tão perto de Mapleview. Ele se espalhou muito. As pessoas que não conseguiam pagar para Mapleview viveram lá. Tudo estava um pouco mais polido e tecnológico, incluindo os edifícios dos escritórios. Jacob estacionou seu carro na rua à direita em frente à sede da Newacre Real Estate. Chegar dentro do prédio de escritórios teria sido um desafio, mas esperar fora não era um problema. Jacob ficou no carro e Ian saiu. Ele caminhou até a calçada e pendurou em volta, mas não tão perto do edifício para atrair a atenção da segurança. Ele manteve um olho nos degraus da frente do edifício para poder se aproximar a Dufresne, logo que ele saiu. Ele sabia o que se parecia por sua busca na Internet. Passados os passos, ele podia ver a entrada da garagem. Havia um portão e um guarda de segurança de plantão. Ian tinha certeza que ele não precisava prestar atenção para Dufresne vindo de lá. Ele já tinha notado quatro carros executivos esperando lá fora na curta entrada circular dos automóveis. Ian estava disposto a apostar que um deles estava esperando por Kurt Dufresne.

151


Acabou por ser uma aposta ruim. Dez minutos depois, Ian viu várias pessoas entrar nos carros à espera, e nenhum deles era Dufresne. Onde diabos ele estava? Talvez ele nem sequer chegou à reunião. O coração de Ian estava afundando. Olhando em volta freneticamente, Ian viu Dufresne sair da garagem em um carro esportivo preto. Ian fez sinal a Jacob para seguir o carro. Jacob pareceu estar prestes a fazer uma volta para pegá-lo, mas Ian lhe fez sinal para ele continuar e seguir Dufresne. Observando o carro esportivo, seguido pelo carro de Jacob, desaparecer pela rua, Ian começou a caminhar na mesma direção. Talvez Dufresne estava apenas indo para casa. Se ele não parasse em algum lugar, tudo isso teria sido uma grande perda de tempo. Poucos minutos depois, Jacob chamou. "Ele está no Juniper. É um bar a quatro quarteirões em linha reta até a rua de onde eu deixei você, então um bloco de direita. Você quer que eu venha para buscá-lo?" "Não, eu estou no meio do caminho. Fique e tenha certeza que ele não deixa. Eu estarei lá em breve." Ian começou a correr. Graças a Jacob, eles o tinham. Juniper era um bar chique. A decoração era ultramoderna e a iluminação tinha um brilho gelado detestável. Ian não tinha certeza se poderia pagar uma bebida lá mesmo se ele não fosse muito jovem para comprar uma. Sem mencionar que ele não se encaixava em seu perfil de

152


cliente. Correr não tinha feito nada para fazê-lo parecer mais apresentável. Xingando um pouco e olhando desalinhado, Ian esperava não ser chutado para fora do lugar. Ninguém prestou atenção a ele, porém, nem mesmo Dufresne quando ele se sentou em uma das mesas e olhou para fora das janelas. Isso deu a Ian a chance de olhar para ele. Crescendo, Ian esteve sempre ciente que ele não se parecia com seus pais. Ele não se parecia com as imagens de Lorna Hayes que tinha visto. Ela tinha cabelo loiro mel e olhos castanhos. Ela era bonita, mas não espetacularmente bonita ou qualquer coisa. As fotos de Dufresne já o haviam informado. Era com este homem que ele se parecia, sobrancelhas espessas, olhos azuis escuros, cabelo castanho espesso que não podia ser domado se ele cresceu mais do que alguns centímetros. Enquanto Ian deixou seu cabelo crescer selvagem, Dufresne tinha trazido o seu sob controle. Tinha sido cortado curto e penteado para trás com algum produto. Mesmo sendo sentado, Ian poderia dizer que Dufresne era mais alto do que ele. Ele não era magro também. Ele tinha o corpo de um atleta se tornado macio. Havia algo preguiçoso e insinuante sobre ele, como se ele nasceu para vender carros e perdeu a sua vocação ao se casar bem. Ian foi até ele e parou ali. Ele não se incomodou com conversa fiada.

153


"Eu sou Ian Warwick. Esse nome não significa nada para você, mas Lorna Hayes foi minha mãe biológica. A palavra é que você é meu pai," Ian disse, em seguida, esperou ele reagir. Dufresne levantou-se. Fazendo-o ele quase se elevou sobre Ian. Atordoado, ele olhou para Ian de cima para baixo. "Você é.… não é.…" disse ele enquanto olhava para Ian perto. Ele então agarrou-o pelos ombros. "Ei," Ian protestou. Ele tentou se afastar dele, mas em vez de deixá-lo ir Dufresne o puxou para um abraço. Foi tão inesperado, Ian apenas ficou lá. Era uma recepção muito melhor do que ele esperava, mas ele não poderia retornar exatamente o abraço enquanto se perguntava se o homem tinha matado sua mãe. Uma vez que Dufresne o deixou ir, ele e Ian se sentaram. Ian estava nervoso com a maneira em que ele olhou para ele e sorriu, como se não pudesse acreditar em seus olhos. "Senhor Dufresne..." "Você pode me chamar de Kurt, se você quiser", disse ele timidamente. "Deixe-me ser claro. Não estou aqui porque eu quero nada de você exceto respostas. Eu estou bom quando se trata de pais", Ian lhe disse. "Eles são bons para você?" Kurt perguntou.

154


Ian apenas olhou para ele por um minuto. "Pergunta oportuna, vinte anos depois que você me borrou. Sim, eles são bons para mim. Eles são ótimos pais. Mas eu quero saber sobre você e Lorna." Pela primeira vez, Kurt olhou para longe dele. Ele olhou para sua bebida, que ele não tinha tocado desde que Ian chegou. Agora ele a pegou e esvaziou o copo. "Eu conheci minha esposa, minha futura esposa. Foi o que aconteceu. Eu podia ver toda a minha vida de forma tão clara. Lorna não estava nela. Ou você. Eu terminei com ela. Eu lhe disse que lhe daria dinheiro para ... o bebê, mas ela não quis." Ian podia adivinhar que ele devia ter lhe oferecido o dinheiro para um aborto. "Você veio para Blystone para vê-la?" Ian perguntou mesmo se ele não esperava que ele dissesse a verdade. Kurt abanou a cabeça. "A última vez que falei com ela foi na escola." "Eu não estou perguntando se você falou com ela. Eu estou perguntando se você veio e a matou?" Kurt caiu para trás e balançou a cabeça novamente. Ele não disse nada, mas ele olhou para Ian com um olhar magoado. Ian o pressionou. "A polícia não encontrou nenhuma evidência que você marcou um encontro. Eu estou pensando que você dirigiu até Blystone e você

155


só acabou por vê-la no lado da estrada. Vocês tiveram uma luta ou você acabou de ver sua chance de ser livrar dela e você a matou." "Eu não estava lá. Eu estava com meus amigos", disse Kurt, parecendo cansado. "Amigos mentem." "Eu não a matei. Essa acusação sempre vai cair sobre mim. Mas você tem que acreditar em mim. Eu não a machuquei," disse Kurt e estendeu a mão por cima da mesa como se ele iria colocar as mãos sobre as de Ian novamente. Ian recuou. "E o seu pai ou alguém da sua família?" "Minha mãe e meu pai estavam no Caribe no momento." "Em seguida, tudo volta para você." Ian levantou-se. "Desde que você quer que eu acredite em você, você acha que pode organizar uma reunião entre mim e os amigos que estavam com você naquela noite?" "Dave está no Japão, mas você pode chamá-lo. Vou dizer a ele para atender a sua chamada. Mas Neil morreu em um acidente de avião há cinco anos." O único cara com que ele poderia falar ainda era íntimo com Kurt. Ian já podia ouvi-lo repetir o álibi de Kurt de anos atrás. Ian suspirou amargamente e se virou para ir embora.

156


"Espere. Como faço para me manter em contato com você?" Kurt perguntou. Ian se voltou para ele, incrédulo. Kurt se levantou e ele estava chegando para Ian novamente. Ian fez questão de ficar fora de seu alcance. "Você não vai. A não ser que você tem algo novo para me dizer?" Ian perguntou. Mostrando aquele olhar magoado, Kurt só agitou sua cabeça, e Ian saiu. Na viagem de volta, Ian deu a Jacob a versão curta da reunião com Kurt. Ele estava cansado de toda a coisa, e realmente, não havia muito para dizer. Ele não descobriu nada de novo. Depois de dar-lhe um beijo, Jacob o deixou na frente da sua casa. Era por volta das quatro da tarde, mas Ian sentiu como se fosse muito mais tarde. Essa reunião inútil com Kurt tinha tomado mais dele do que ele esperava. Saindo pela porta da frente, Ian encontrou seu pai levantado na sala de estar. Ele estava curvado, sem fôlego, inclinando-se pesadamente no encosto do sofá. "Você está bem? Onde está a senhora Astor?" Ian perguntou aproximando-se dele. As palavras de seu pai saíram hesitantes. "Enviei-la para casa." "Você está se sentindo enjoado?" Ian perguntou, em seguida, ele cheirou a bebida. "Pai, você não pode beber."

157


Na mesa de café, viu uma garrafa de scotch ao lado de um copo. "Não é possível até mesmo beber da maneira que eu costumava fazer. Não posso fazer nada direito", o pai lamentou. "Não fale assim", Ian disse. Tomando o braço de seu pai para firmá-lo, ele o levou para á frente do sofá. "Eu nunca fiz nada. Eu estou morrendo e eu nunca fiz nada de bom na minha vida, não uma coisa boa. Nada." Seu pai suspirou as palavras. "Vem sentar-te aqui." Ian baixou-o para o sofá suavemente quando ele lhe disse: "Você fez muito. Você tem o seu trabalho e você tem sido um grande pai." "Não", seu pai protestou e se afastou dele. "Sim, você o fez. Agora tente se acalmar. Você está bem. Está tudo bem." "Eu não me sinto bem." "Isso é porque você não pode beber", Ian lhe disse. Sentou-se no sofá com seu pai, colocando os braços em volta dele, ele encorajou-o a inclinar-se contra ele. "Vamos apenas sentar aqui e vai dar tudo certo." Com a cabeça no ombro de Ian, seu pai lhe disse: "Você é um bom filho. Eu queria ser um bom pai para você." "Você é." Ian colocou seu braço ao redor dele apertando mais, sentindo

158


quanto magro ele tinha se tornado. Não demorou muito para que seu pai se inclinasse para trás e caísse no sono ali mesmo no sofá. Ian se sentou com ele até escurecer.

159


Capítulo 19 Algumas horas mais tarde, Ian foi para a cidade. As palavras de seu pai o incomodavam. Por que ele achava que ele não fez nada de bom? Além disso, o seu encontro com Kurt pesava sobre ele. Ele não podia fazer nada sobre seu pai ou Kurt, mas talvez ele pudesse resolver essa coisa com Lorna e dar um pouco de paz para Jacob e Toby. Parando na porta de Jacob, ele bateu levemente. Ele imaginou que Toby devia estar dormindo agora, e ele não queria perturbá-lo. "Você está bem?" Jacob perguntou assim que ele abriu a porta. "Eu acho", disse Ian, não tendo certeza de como responder. Ele entrou e tentou explicar por que ele estava lá. "Deixei meu pai dormindo. Eu queria vir aqui e tentar algo. Quero ver se consigo falar com Lorna. Talvez eu possa levála a me dizer o que vai demorar para ela deixar Toby sozinho." Ian sabia que ele parecia agitado e quase louco. Jacob franziu o cenho enquanto estavam no corredor da frente. "Você parece cansado. Não quer dormir um pouco? Você pode fazer isso amanhã." "Não, eu não quero esperar. Eu li on-line que é melhor tentar entrar em contato com espíritos durante a noite. E eu prefiro fazer isso com Toby na cama, dormindo. Eu não quero que ele pegado no meio se tudo fica

160


desagradável." "Você espera que ela se torne desagradável?" Jacob perguntou. Ian balançou a cabeça. "Eu não sei. Ela parecia hostil para mim antes. É como se ela sabe quem eu sou, mas ela não sabe o que significa. Eu estou pensando que se eu posso levá-la a reconhecer plenamente que eu sou seu filho, isso poderia consertar as coisas." Jacob suspirou e, em seguida, assentiu. Eles foram para a cozinha. Jacob se sentou a mesa da cozinha e Ian saiu. A luz acima da porta dos fundos estava brilhando no jardim, bem como aquelas da rua. As copas das árvores ainda tinham folhas suficientes para engolir um pouco dessa luz. Ian respirou fundo o frio ar da noite. Ele não queria realmente se encontrar com Lorna, mas ele só precisava fazer alguma coisa. Não tendo certeza de estar pronto, ele caminhou em direção ao banco. Ele não viu nada, mas o ar frio de repente ficou mais frio. Ian sentiu a pressão nos ouvidos e, em seguida, um som de fragmentação se converteu no estrondo familiar. Parecia pior do que antes e ele só foi capaz de respirar com muito esforço. "Você sabe quem eu sou?" Ele perguntou. Era como se ele estava gritando contra o vento que estava lhe roubando o fôlego. Ele continuou olhando para ela, mas ele não viu nada, apenas escuridão.

161


Foi quando ele percebeu que o jardim tinha virado quase preto. Este era um sinal claro que ela estava lá. "Por que você não me responde?" Ele demandou. A escuridão na frente dele engrossou. Ele sentiu algo muito próximo e ele se sentiu tonto. O ruído em seus ouvidos ficou insuportavelmente alto. Então ela falou. Ao invés de romper o som correndo, sua voz estava tecida nele. Ian mal conseguia distinguir as palavras. "Você fede como o homem que me matou." Ian não podia ouvir claramente, mas ele tinha certeza que era o que ela disse. Ele tentou falar, para pedir-lhe para confirmar isso, mas ele não podia. Por um momento ele viu uma forma azul brilhante. Em seguida, ela tinha desaparecido. A pressão, o ruído, o frio, eles se foram todos embora. Ian caiu no chão ofegante e Jacob saiu da casa e correu para ele. Levantando Ian, ele olhou para ele de perto. Ele tirou as mãos e as esfregou para aquecê-las. "Você a ouviu?" Ian perguntou. Ele estava olhando em volta dele e piscando. Novamente do jeito que estava, o jardim parecia estranho para ele. "Não. Ela disse alguma coisa?" Jacob perguntou, apertando as mãos de Ian nas suas. Ian parou de olhar e virou-se para Jacob. "Sim. Ela disse que eu cheirava como seu assassino. Isso significa que ele era Kurt Dufresne." Ian se

162


surpreendeu. Ele quase se convenceu que ele não o fez. Kurt não lhe pareceu como alguém que poderia matar uma menina grávida. A percepção e que ele matou Lorna, bateu duramente em Ian. "Você não pode ter certeza que é o que significa," Jacob lhe disse. "Mas eu sou. Por que ela disse isso só hoje. Porque quando eu fui ver Kurt, ele me abraçou. Foi quando seu cheiro ficou em mim. Sua colônia era muito forte. Ela deve ter reconhecido isso." "Colônia? Ele não pode usar a mesma colônia que ele usava vinte anos atrás", Jacob disse razoavelmente. "Eu não sei. Mas ela disse isso. Ela disse que ele a matou." "O que você vai fazer?" Jacob perguntou colocando um braço ao redor dele e levando-o para dentro. "Neste momento, ir para casa, certificar-me que meu pai está bem. Vou descobrir o que fazer sobre Kurt amanhã. Eu não posso nem pensar agora, mas sei que a acusação de um fantasma não é algo que eu possa levar para a polícia. Vou ter que olhar para uma prova. Agora é melhor eu ir ver meu pai. Ele está em pior forma do que nunca." "Eu sinto muito." "Eu o estressei. Ele estava bebendo." "Você está levando demasiado, culpa e tudo. Basta ir para casa e dormir", Jacob lhe disse.

163


Ele o mandou para casa com um beijo. Ian encontrou seu pai sentado no sofá. Ele parecia pálido e fraco, mas mais como ele mesmo. Ian foi até dar uma olhada para ele. "Como você está se sentindo?" "Você está bem?" Seu pai perguntou, ignorando a pergunta. Sentindo-se pesado e cansado, Ian sentou-se ao lado dele. "Não muito bem. Descobri que Kurt Dufresne matou Lorna. Ela estava no caminho, e eu também. Ele tentou se livrar de nós dois. Ele a matou, e eu vou provar isso", disse Ian. O conhecimento o deixava doentes e com raiva também. Ele não podia deixá-lo fugir com isso. "Não. Deixe-o em paz", disse seu pai e agarrou seu braço. "O que você quer dizer com deixá-lo em paz? Não. Eu não posso. Eu vou atrás dele. O homem é um assassino." "Ele não o fez. Não foi ele." Seu pai apertou seu braço, em seguida, o deixou ir. Ian se virou completamente para ele. "Como você sabe?" Seu pai fechou os olhos com força, então ele falou. "Fui eu." Foi apenas um sussurro rouco. Ian não tinha certeza se ouviu direito. Ele sentiu as têmporas pulsar e seu coração bater devagar, mas em voz alta disse: "O que?"

164


"Eu matei Lorna, mas foi um acidente. Estava escuro. Ela estava andando no lado da estrada. Eu estava dirigindo para casa. Eu estava bêbado. Estava escuro e eu não a vi." Ouvindo tudo isso, Ian pensou que poderia vomitar. "Você a atropelou?" "Eu não. Eu nunca realmente bati nela. Eu tive problemas para ficar na estrada. Eu me mantive desviando. Eu não a vi e fiquei muito perto dela. Ela tentou sair do caminho e caiu. Ela caiu na vala e bateu a cabeça em uma pedra." "Você foi embora?" Ian perguntou, Ele temia ouvir a resposta. "Não. Eu saí do carro e foi até ela. Ela estava quase inconsciente. Então ela começou a entrar em trabalho de parto. Eu não sabia o que fazer. Eu não podia deixá-la. Filho, eu vi você nascer." "E depois?" "Eu estava com medo de movê-la. E eu não sabia o que fazer com o cordão umbilical. Mesmo se eu soubesse, eu estava muito bêbado. Eu não confiava em mim mesmo para fazer qualquer coisa. Eu fu pedir ajuda." "Você saiu." "Eu tinha que fazê-lo. Meu telefone quase nunca tinha sinal. Eu não conseguia movê-la ou você. Eu coloquei você em seus braços. Eu não sabia mais o que fazer. Eu fui para o telefone público no ponto de ônibus. Eu chamei uma ambulância. Então..." Seu pai ficou em silêncio.

165


Ian terminou por ele. "Você a deixou para morrer." "Eu não. Eu pedi ajuda." "Você voltou para verificá-la, para estar com ela?" "Não. Não podia. Eu estava dirigindo bêbado." "Oh Deus." Ian se inclinou para frente. Agora ele tinha certeza que iria vomitar. Era isso o que Lorna entendia. Antes era o álcool da bebida de seu pai, esse tinha sido o cheiro do que ela estava falando. Deve ter ficado em Ian quando ele o tinha segurado antes. Esse era o cheiro que ela reconheceu daquela noite. Do homem que a matou. "Sinto muito. Sinto muito", disse seu pai, mas Ian ouviu apenas remotamente. "Você me adotou pela culpa," Ian percebeu. "Eu não conseguia parar de pensar em você. Quando sua bisavó ficou doente, eu só queria cuidar de você." "E a mãe? Será que a mãe sabe sobre tudo isso?" "Não. Mas, eventualmente, eu tive que lhe dizer a verdade. É a razão pela qual ela se divorciou de mim. Quando você completou quinze anos, ela queria dizer-lhe sobre sua mãe biológica. Foi quando eu finalmente disse a ela a verdade sobre o que tinha feito. Depois disso, ela não podia sequer olhar para mim."

166


"Mamãe me levou para o memorial ao redor desse tempo, logo antes que ela se mudou. Ela disse que só queria dar um passeio, mas ela me fez levar uma pequena rosa branca em um vaso. Ela disse que queria deixá-la no memorial desde que ela estava se afastando. Mas ela me fez colocá-la lá, e me pediu para cuidar dela. A rosa morreu durante o inverno." Ian pensou na engenhoca de metal instável. "O memorial? Quem o colocou?" " Eu bebi mais depois da noite em que Lorna morreu. Uma noite, eu fui para o local. Eu vi todas as flores e bugigangas que as pessoas estavam deixando para ela. Lembrei-me da plataforma que tinha no porão, enterrada sob um monte de lixo velho. Eu não sabia para o que servia, mas tinha prateleiras. Eu a peguei e a levei para o local onde ela morreu. Não teria ficado ali todos esses anos, mas alguém colocou picos no chão para segurá-la. Alguém anexou uma placa arborizada com seu nome, mas esta já se foi." Por um tempo, eles se sentaram em um silêncio quebrado apenas pela tosse de seu pai e sua respiração irregular. Ian se perguntou se seu pai comeu algo no café da manhã. Ian se levantou, não tendo certeza de poder ficar levantado e não cair, mas ele o fez. Ele ouviu seu pai fazer um barulho estrangulado. Ian se virou para ele. Sua cabeça estava abaixada e os ombros tremiam. "Eu já volto. Eu vou lhe trazer café da manhã e um chá. Você precisa comer alguma coisa."

167


Ian acendeu a luz na cozinha. Foi incrivelmente doloroso para os olhos, mas ele não podia ver sem ela. Ele tinha dificuldade para lembrar onde estavam as bandejas do café da manhã. No começo, ele não conseguia segurar o bule. Suas mãos tremiam tanto, que elas eram inúteis. Conseguindo manter um pouco sob controle, serviu o chá morno um pouco de cada vez para não o derramar. Então ele voltou para seu pai. Ele ainda não conseguia levantar a cabeça. "Você vai ter que comer um pouco," Ian lhe disse. Seu pai olhou para cima. Seus olhos estavam molhados e ele estava tremendo. "Você precisa comer,"Ian lhe disse e o fez sentar-se. Colocando bandeja do café da manhã na sua mão, Ian observou-o enquanto ele comia. Seu pai só podia comer uma pequena porção de cada vez. Depois de cada mordida, Ian entregou-lhe o copo com o chá. Ele teve que firmar sua mão para que ele não o derramasse. Quando ele terminou, Ian o colocou para a cama. Em seguida, ele ficou até que ele simplesmente não conseguia manter os olhos abertos mais. Ian acordou na poltrona em frente à cama de seu pai. Era de madrugada. Seu pai estava em cima dele, tocando seu cabelo. "Você sempre teve muito disso", disse o pai. "Você deveria ir para a cama agora."

168


Ian começou a chorar. Ele não quis. Ele só não poderia se segurar mais. Tão rapidamente quanto conseguiu ficar sob controle, ele parou e respirou. Seu pai havia se inclinado para abraçá-lo. Ele beijou o topo da sua cabeça e, em seguida, alisou o cabelo. "Eu sinto muito, Ian."

169


Capítulo 20 Após sua confissão, as coisas entre ele e seu pai se tornaram tensas. Ian tinha que se controlar e segurar tudo o que ele queria dizer. Se seu pai não estivesse doente, Ian poderia ter se enfurecido, se mudado, recusado a vê-lo. Tudo isso estava fora de questão. Seu pai estava lutando por cada respiração. Ele mal podia dar um passo sem ajuda, e ele utilizava o tanque do oxigênio mais do que nunca. Mesmo quando a senhora Astor estava lá, Ian odiava deixá-lo. Seu pai teve que pedir-lhe para sair da casa. "Vá ver o seu amigo", disse Ian. Ian finalmente ouviu. Quando ele foi à casa de Jacob, ele parou na frente do memorial de Lorna. "Sinto muito," ele disse a ela. "Meu pai também sente muito. Ele realmente está arrependido." Suas palavras pairavam no ar. Ele olhou e ouviu, mas não havia nada para ver ou ouvir. O vento aumentou por um momento, e Ian prendeu a respiração, mas nada aconteceu. Era apenas uma noite fria no lado da estrada. Ian olhou para seus pés. Ele nasceu aqui. Será que seus gritos encheram a noite enquanto sua mãe estava morrendo? Por mais que ele desejava que

170


seu pai tivesse voltado para a cena e aceitado a responsabilidade pelo que fez, Ian não desejava apagar toda a sua vida. Sua mãe e seu pai o amavam sem dúvida. Mesmo sabendo o que seu pai fez e o que sua mãe manteve dele, ele ainda os amava. Era tarde da noite quando ele chegou a porta de Jacob. Quando Jacob abriu a porta ele estava limpando as mãos em uma toalha de cozinha. "Eu estava apenas lavando os pratos, o jantar ainda está quente, você quer um pouco?" "Não, obrigado", disse Ian. Vendo Jacob, ele sentiu como se seu coração fosse explodir. Seus olhos eram tão azuis. Mesmo franzindo a testa para Ian, preocupado, ele era lindo. Ian só queria lhe dizer, "Abrace-me e faça tudo ir embora." Jacob olhou para ele. Ele poderia dizer que algo estava errado. Depois de deixar Toby dizer oi para ele, Jacob o enviou para seu quarto para fazer sua lição de casa. Isso os deixou sozinhos para conversar. Sentado no sofá de Jacob, Ian não sabia como conseguir as palavras. Ele estava dormente. Debaixo disso, sua cabeça estava cheia de tantas contradições que ele só queria gritar. Depois de algumas paradas, ele conseguiu contar tudo. Depois que Ian terminou de falar, ele só respirou por um tempo, nada mais. Foi quando ele descobriu que Jacob estava segurando-o. Como tinha

171


acontecido? "Eu acho que estou meio enlouquecido por isso," disse Ian, puxando para trás. "Eu sinto muito," Jacob disse ele. "Eu olho para o meu pai, e eu simplesmente não consigo ver o homem responsável pela morte de Lorna. Eu apenas vejo o meu pai. Eu deveria odiálo pelo que ele fez. Mas ele está tão doente. Estou com muito medo de perdêlo para odiá-lo," disse Ian. "Ninguém está pedindo para você odiá-lo", Jacob lhe disse. Ian discordou. "Eu acho que Lorna está. Pela maneira em que ela o vê, meu pai a matou e depois roubou seu filho." "Você não pode odiar seu pai, porque um fantasma quer isso de você," disse Jacob, sempre tão racional. Foi quando Toby se aproximou. "Ian pode assistir a desenhos animados com a gente!" Ele disse com entusiasmo. "Eu acho que você terminou seu dever de casa", disse Jacob. Toby balançou a cabeça, em seguida, sentou-se entre eles. Ian assistiu TV com Jacob e Toby por um tempo. Eles falaram sobre o traje que Toby ia usar no Halloween. Ele ia ser uma tartaruga Ninja,

172


especificamente Leonardo. "Você deve vir fazer truque ou deleite com a gente. Mas você tem que vestir uma fantasia ou você não vai conseguir qualquer doce," Toby lhe disse. Ian não estava fazendo nenhuma promessa sobre um traje, mas ele disse a Toby que em casas tinham bons doces. Depois de tudo o que ele aprendeu sobre sua família, ele lhe fez muito bem apenas para se sentar com Jacob e Toby assim. Sem segredos, sem confissões, adorou. Então chegou a hora de Toby dormir, e ele foi deixado sozinho com Jacob novamente. Ian se inclinou contra ele, e Jacob o puxou para um abraço. Com os braços de Jacob ao redor dele, inclinando o rosto contra seu ombro, Ian se sentiu tão bom. "Você vai ficar bem?" Jacob lhe perguntou. "Não por um tempo," Ian lhe disse honestamente. Exceto para Jacob e Toby, ele não via nada de bom à frente. Era por isso que ele disse para Jacob, "eu não consigo parar de pensar em você. Mas eu tenho medo que você pode me esquecer assim que eu estiver fora." "Você está indo a algum lugar?" A voz de Jacob saiu quase dura. "De volta à escola em algum momento", disse Ian. "Oh, Ok. Você tinha me preocupado. Eu já sinto sua falta a cada

173


segundo que você se foi. Se você deixasse, realmente saísse, eu iria persegui-lo até os confins da terra", disse Jacob, falando em um profundo, sério sussurro. Por um momento, Ian ficou sem fôlego para falar. "Você poderia ter me dito. Eu não tinha certeza de como você se sentia. Todo esse tempo eu tenho jogado com calma." "Quando aconteceu isso exatamente?" Jacob perguntou. Ian inclinou a cabeça para cima para ver um olhar irônico em seus olhos. "Não tente brincar comigo. Você não é legal sabe. Estou surpreso que estou mesmo gostando de um cara demasiado sério como você." "E os elogios continuam chegando. Você sabe que eu vou fazer você pagar por dizer porcaria como essa." Agora o olhar em seus olhos era positivamente mortal. Ian poderia dizer apenas uma coisa a uma ameaça como essa, "Você pode fazer o que quiser comigo. Eu sou todo seu." "Você é?" Quando ele fez a pergunta, a intensidade em seu olhar assustou Ian. "Se você quer que eu seja." "Estou falando sério. Você pode dizer a mesma coisa?" Jacob perguntou severamente. Droga, era uma expressão assustadoramente quente esta que ele estava mostrando.

174


"Sim. Quando estou com você, eu sinto que minha alma está em chamas e os meus ossos estão derretendo. Isso é o que você faz para mim. Mesmo se você não me quer, eu seria seu para sempre." Jacob lhe deu um sorriso lento. Então ele o agarrou pela parte de trás da cabeça e lhe deu um beijo profundo. Um gemido baixo viajou entre eles de boca em boca. Ian levou apenas um momento para respirar e disse: "Eu te amo" antes de voltar a beijar Jacob. Ele esfregou as mãos sobre o cabelo curto de Jacob enquanto os dedos de Jacob se emaranharam no seu. Eles mantiveram suas mãos acima da cintura, agarrando as roupas um do outro, mas sem se atrever a expor qualquer pele. Sem fôlego, eles puxaram para trás para evitar que as coisas fossem longe demais com Toby dormindo no final do corredor. "Você me ouviu dizer que eu te amo, certo?" Ian perguntou. "Eu estava ocupado, mas sim, eu ouvi," Jacob disse friamente. Ian lhe deu um soco no braço. "Você não precisa dizer isso de volta, mas você precisa apreciá-lo." "Eu também te amo", disse Jacob. Ele sorriu para Ian e seus olhos pareciam tão felizes. Enquanto Ian olhou para ele com os olhos arregalados, Jacob se inclinou e beijou-o. Ian não podia acreditar que ele disse isso, mas aquele beijo não o deixou pensar. Dificilmente o deixou respirar.

175


Jacob o amava.

176


Capítulo 21 Depois da hora do almoço. Ian viu que seu pai ainda estava cochilando. Se seu pai conseguia dormir, Ian não gostava de acordá-lo. Mas desta vez era diferente. Ian foi até ele lentamente. Cada passo que Ian tomou parecia levar uma eternidade. Suas pernas estavam pesadas. Seu coração batia dolorosamente lento, como se fosse para parar. Ele colocou a mão no ombro de seu pai e realmente olhou para ele. Com a mão trêmula, ele procurou um pulso. Finalmente ele colocou a cabeça em seu peito. Ele ficou assim, ouvindo por um longo tempo, mesmo se não houvesse nada para ouvir. Seu pai tinha ido embora. Ian se endireitou. Ele queria gritar com ele. Ele queria sacudi-lo até acordá-lo. Mas ele só se sentou ao lado dele e estendeu a mão. Ele se foi. A coisa que ele nunca quis enfrentar tinha acontecido. Ele havia perdido seu pai. Houve telefonemas dolorosos e procedimento para fazer. Foi tudo um borrão até que ele de repente estava nos braços de Jacob e ele começou a soluçar incontrolavelmente. Jacob segurou-o por um longo tempo, murmurando em seu cabelo até

177


que Ian voltou em si. Ele mal se lembrava do telefonema gaguejando que ele fez para Jacob, dizendo-lhe o que tinha acontecido. Jacob ainda estava no trabalho. Ian percebeu que ele devia ter deixado o trabalho cedo. Ele estava tão grato. Sem o pai, a casa estava tão vazia e Ian se sentia tão perdido. "Seu coração não estava bom. Os médicos tinham medo disso," Ian lhe disse quando ele foi finalmente capaz de falar. "Eu sinto muito." "Você não tem que pegar Toby?" Ian perguntou, vendo que horas eram. "Vou ligar para Ruth e pedir-lhe para mantê-lo mais um pouco", disse Jacob e puxou seu telefone. "Sinto muito. Eu estava meio fora. Eu não percebi que horas eram. Vá pegá-lo. Eu vou ficar bem," Ian lhe disse. "Por que você não vem comigo? Você pode ficar durante a noite", disse Jacob, correndo as mãos sobre os braços de Ian. "Obrigado, mas eu acho que eu quero ficar aqui. Eu preciso dizer adeus ao meu pai. Eu não sei como fazer isso ainda. Eu tenho que descobrir." "Se você tem certeza." "Eu estou. Minha mãe está chegando. Ela estará aqui em breve." Antes de sair, Jacob lhe disse: "Apareça no café da manhã então. Traga a sua mãe."

178


"Ok,vou tentar." Jacob odiava deixá-lo lá por si mesmo, mas ele entendeu que ele precisava de um tempo sozinho. Ele deixou a casa de Ian desejando poder levar toda a sua dor. Ao mesmo tempo, ele temia a tarefa à sua frente uma vez que ele teria Toby casa. Depois do jantar, ele sentou-se com Toby e lhe disse: "Eu tenho uma má notícia para lhe dizer. O pai de Ian morreu." "O pai dele?" Toby franziu a testa e balançou a cabeça. Seu lábio inferior tremeu. "Não, os papais não podem morrer", disse ele com uma voz trêmula, em seguida, ele caiu em prantos. Jacob segurou-o e alisou seu cabelo. Toby levantou a cabeça do ombro dele. Em meio das lágrimas, ele disse: "Você nunca vai morrer?" "Não por muito tempo." "Não. Nunca. Prometa", Toby exigiu. "É natural morrer." "Não." "É. Desculpe," Jacob lhe disse e beijou o topo da sua cabeça. Naquela noite, Toby teve problemas para dormir. Jacob ficou com ele mesmo depois que ele cochilou. Ele queria protegê-lo de tudo e fazer cada promessa que ele precisava ouvir.

179


Ele também desejou poder estar com Ian para tentar ajudá-lo com o que ele estava passando. Um dia em breve, ele poderia ser capaz de estar com suas duas pessoas favoritas ao mesmo tempo. Ian queria compartilhar sua vida. Quando o conheceu, parecia impossível. Ian era muito jovem. Mas, desde então, Ian o tinha convencido que um monte de coisas loucas eram possíveis. Na parte da manhã, Jacob fez panquecas e Toby ansiosamente esperou Ian chegar. Quando ele mandou uma mensagem que ele estava em seu caminho, Toby estava fora de si. Jacob abriu a porta para Ian e o abraçou de imediato. "Ian!" Toby lamentou quando ele entrou. Ele correu até ele e olhou melancolicamente. "Seu pai..." ele começou a dizer, então ele não conseguiu terminar. Parecia que ia chorar. Ian o pegou. Toby apertou os dentes, mas ele não chorou. Se ele tivesse, Ian parecia prestes a chorar também. "Você é um menino corajoso," Ian lhe disse. "Não, eu estou triste", Toby respondeu. "Eu também, mas estou feliz que você conheceu meu pai.’’ Toby assentiu. "Ele gostava de sopa." "Sim, ele gostava. E ele gostava de você e seu pai também. Ele me disse."

180


Quando Toby piscou para conter as lágrimas, Ian segurou-o e Jacob esfregou suas costas. "Então o que vamos comer no café da manhã?" Ian pediu para distraí-lo da sua tristeza. Eles foram para a cozinha onde a mesa estava posta com um lugar extra. "Você não trouxe sua mãe," Jacob disse removendo a placa extra. "Eu perguntei a ela, mas ela disse que não queria se intrometer. Ela ficou na casa. Está cheia de memórias para ela também. Ela quer conhecer você e Toby. Mostrei-lhe o retrato de Toby com o desenho. Ela me perguntou se eu tinha algum de você. Quando eu disse que não, ela perguntou seu telefone está quebrado, querido? Ela encontrou uma série de razões para me perguntar isso. Ela quer que eu envie um texto com o que eu tenho para café da manhã, almoço e jantar." "Diga a ela que estamos tendo panquecas," Toby disse amavelmente quando todos eles tomaram seus assentos. "Eu vou fazer melhor do que isso. Eu vou enviar-lhe uma foto de você comendo uma panqueca, que tal?" Ian lhe disse. Toby posou com uma pilha de panquecas na frente dele e um sorriso bobo no rosto. Ian recebeu um texto logo depois. Olhando para o seu telefone, ele disse Toby, "Minha mãe disse algo assustador. Ela disse que poderia te comer no

181


café da manhã." "O que?" Disse Toby. "Porque você é tão bonito," Ian lhe disse. Agora Toby parecia tímido. Quando Ian arrumou o telefone e começou a comer, Toby olhou para seu prato com desaprovação. Sua panqueca é solitária por si só. Você tem que ter duas," Toby disse. "Eu não sabia que havia uma regra, " disse Ian. "Há," Toby insistiu. Ian adicionou outra panqueca e Toby sorriu. Jacob sabia que ele provavelmente não sentia vontade de comer. Quando terminaram de comer e Toby deixou-os sozinhos, Jacob disse a Ian, "Obrigado por fazer um esforço para Toby." "Eu não tenho muito apetite nos dias de hoje," Ian admitiu. "Eu estava comendo

principalmente

para

não

preocupar

meu

pai.

Agora

eu

provavelmente vou ter que comer para não preocupar minha mãe." "E você comeu a segunda panqueca pelo amor de Toby. Eu acho que é uma maneira de mantê-lo alimentado," disse Jacob. Ian estava ajudando a limpar a mesa, mas Jacob tomou os pratos das suas mãos. Aproveitando do seu momento de privacidade, Jacob o tomou em seus braços e tentou beijar cada centímetro do seu rosto. Ele queria beijar

182


cada centímetro do resto dele também, mas isso teria que esperar. "Eu não sabia que eu iria me transformar em um idiota ao me apaixonar," Jacob sussurrou enquanto segurava Ian perto. "Qual é o problema?" "Eu quero te dizer que eu te amo cada segundo, mesmo quando você está triste e só precisa ser abraçado." "Isso é terrível." Ian puxou de volta. "Você não esteve apaixonado antes?" "Não. Eu tive algumas relações decentes, mas eu não sabia que eu podia sentir qualquer coisa tão dolorosa e boa, exceto por Toby." "Falando no diabo," Ian disse enquanto Toby entrava. Vendo que ele quase os pegou juntos, Jacob decidiu morder a bala. "Eu esqueci de te dizer uma coisa", ele disse a Toby. "Eu tenho algumas boas notícias. Ian é meu namorado." Toby engasgou. Ian era quase tão surpreso. Toby veio a olhar para Ian. "Você gosta do meu pai?" Ele perguntou. "Sim. Eu gosto muito dele," Ian confirmou e sorriu para Jacob. Toby virou-se para Jacob. "Pai, ele gosta de você." Jacob desejou que ele não parecesse tão surpreso. "Então ele deve ser definitivamente o meu namorado", Jacob disse.

183


Toby assentiu. Ele deu para ambos um grande sorriso. "Eu gosto de uma boa notícia." Ian e Jacob ambos o abraçaram. "Vai escovar os dentes", Jacob lhe disse. Depois que ele se foi, Ian se aproximou. Ele colocou seus braços em volta dele. Deixando cair uma mão em seu cabelo e para baixo na parte de trás do seu pescoço, Ian o beijou. "Você nos fez sorrir. Obrigado," ele disse, seus olhos brilhando com lágrimas felizes. Jacob colocou as mãos em sua cintura, as deslizou ao redor e bloqueou os braços atrás dele. "Eu deveria ter lhe dito antes. E a você também." "Não, esse é o momento perfeito. Toby precisava de alguma notícia feliz", disse Ian. Jacob tinha acabado de se inclinar para um beijo quando Toby correu de volta para a cozinha. Toby olhou entre eles. "O que significa? Agora que Ian é um namorado, o que vamos fazer?" "Nós vamos fazer um monte de coisas juntos", Ian lhe disse. "Como comer panquecas?" Perguntou Toby. "Sim. E outras coisas divertidas também."

184


"Ok", Toby disse e correu para fora de novo. "Ele provavelmente vai voltar com mais perguntas", Jacob previu. "É melhor eu ir antes de acabar envolvidos," disse Ian com um sorriso malicioso. "Sim, é melhor", Jacob brincou com ele, em seguida, deu-lhe um beijo na porta. "Obrigado por finalmente admitir que você é meu namorado. Eu realmente gostei de ouvir isso." Ian tinha um olhar tão tímido no rosto. "Eu te amo." Jacob não conseguiu deixar de dizer. "Você diz as melhores coisas," disse Ian e puxou-o para mais perto. "Eu também te amo." Com essas palavras e um último beijo, ele deixou. Observando-o ir, Jacob sabia que Ian tinha muito mais dor para passar. Era inevitável, mas ele estava determinado a estar lá com ele a cada passo do caminho.

185


Capítulo 22 Os carros estavam alinhados fora do cemitério. As pessoas se reuniram sob as folhas amarelas e um céu ensolarado. Ian conhecia bem o lugar. Ele costumava jogar aqui. Ele e seus amigos iriam saltar, escalar as lápides, às vezes tentando assustar um ao outro. Mesmo com todas as sepulturas dos Warwick, incluindo seus avós, o cemitério era apenas mais um parque infantil para ele quando ele era criança. Agora era mais um lugar onde ele iria tentar dizer adeus a seu pai. Todo esse tempo sabendo que seu pai provavelmente não iria sobreviver, e Ian não tinha sido capaz de nem sequer começar a deixá-lo ir. Ele ainda não podia. Sentia que quando ele finalmente iria deixar seu pai ir, algo iria quebrar dentro dele para sempre. Ian respirou com a dor em seu peito enquanto ele tentava não chorar. Sua mãe estava ao seu lado e um bom número de pessoas tinham vindo de fora da cidade para o funeral de seu pai. Olhando para todos os enlutados, Ian ficou surpreso ao ver Jacob e Toby. Toby vestia uma camisa e gravata azul, sob uma jaqueta fechada. Ele carregava um pequeno ramo de flores amarelas. Jacob deu um abraço em Ian e, em seguida, Ian se agachou ao nível de Toby. Toby inclinou-se para abraçá-lo, em seguida, considerou as flores na mão. Olhando para seu pai, ele entregou as flores para ele para as custodiar.

186


Então Toby passou os braços ao redor de Ian e inclinou a cabeça em seu ombro. Assim que ele deu um passo atrás, ele estendeu a mão para as flores que Jacob estava segurando para ele. "O que você tem aí?" Ian perguntou. "Flores para o seu pai. Será que ele gosta de amarelo?" Toby perguntou em voz baixa. "Claro. Ele vai amá-las. Obrigado." A mãe de Ian se aproximou para cumprimentar Jacob e Toby. Eles já tinham se conhecido quando eles fizeram uma rápida visita à casa. Ela estava louca por Toby. Até que ela o conheceu, ela tinha algumas reservas sobre Ian namorando alguém com uma criança. Jacob fez uma boa impressão também. "Imaginei que você acabaria com um cara desalinhado com piercings e muito cabelo", disse a Ian. "Você fez bem, querido." Agora, sua mãe estava em profunda conversa com Toby sobre quem eram todas as pessoas que vieram para o funeral. Uma estátua chamou a atenção de Toby, e mãe de Ian se ofereceu para levá-lo ao longo dela para um olhar mais atento. Ian sabia que ela estava apenas dando-lhe um momento a sós com Jacob. "Estou surpreso que você trouxe Toby", disse Ian. Ele sabia que Jacob estava chegando, mas ele pensou que Toby poderia ser muito jovem. "Eu trouxe ela," Jacob lhe disse. O olhar sombrio em seu rosto deu a Ian

187


uma dica sobre quem ele queria dizer. "Lorna? Você acha..." Ian olhou ao redor como se esperasse vê-la aparecer fora do ar nesta multidão e em plena luz do dia. Jacob sacudiu a cabeça. "Eu não sei. Mas eu disse a Toby para pedir-lhe para vir. Espero que esteja tudo bem." "Talvez possa ajudar. É bom. Eu acho." Se isso ia ajudá-la a desistir da sua fixação em Toby, Ian estava disposto a tentar qualquer coisa. Seus olhos corriam ao redor. Ele se perguntou se ela poderia realmente estar lá. Finalmente ele se concentrou em Jacob. "Vendo vocês faz tudo melhor. Eu acho que Toby também animou minha mãe." "Ele é meu menino doce." Jacob olhou para Toby, que estava circulando a estátua de um velho soldado apoiado em uma muleta. Foi quando ele percebeu quem mais estava lá. "Não é…?" Jacob disse reconhecendo Kurt Dufresne atrás de todos. Ian já tinha reparado nele. Kurt lhe deu um sorriso cauteloso, mas não se aproximou dele. Estava bem. "Sim. Eu não posso acreditar que ele está aqui." "Você falou com ele?" "Eu não estou pronto para lidar com ele", disse Ian. Ele ainda se sentia como se pudesse ficar esmagado sob o peso de tudo o que ele havia descoberto e perdido em tão pouco tempo.

188


Jacob apertou seu braço. "É bom que ele veio." "Eu acho." O serviço começou logo depois disso, e Ian foi para ficar com sua mãe na frente. Toby foi para seu outro lado e segurou sua mão. Tendo essa pequena mão na sua fez Ian querer chorar, mas ele segurou as lágrimas. Toby ainda tinha as flores amarelas na outra mão. Jacob estava perto dele e manteve a mão ao redor dos seus pequenos ombros, segurando-o perto. Ian realmente não ouviu qualquer coisa que foi dita durante o serviço. Ele só percebeu quando começaram a baixar o caixão no chão. Uma vez que o túmulo estava coberto, Jacob levou Toby para á frente para colocar as flores. Toby colocou as flores com grande cuidado. Observando-o, Ian se sentiu como se estivesse vendo a si mesmo como uma criança dando a seu pai uma última prova do seu amor. O rapaz pequeno em Ian precisava dizer adeus a seu pai também. Então Jacob levou Toby para o lado para dar a Ian e sua mãe um momento a sós junto ao túmulo. Quando sua mãe tomou sua mão, Ian de repente sentiu a outra mão ficar fria. Ele sentiu a pressão, como se os dedos frios estavam apertando sua mão. Segurando o fôlego, ele ouviu um barulho familiar como o barulho do vento. A pressão sobre a mão diminuiu, e ele poderia jurar que ouviu a voz de uma mulher. Era agradável, mas ilegível. Ela desapareceu, e a palavra adeus se formou dentro do som do vento correndo. Ian se perguntou se ele a tinha

189


imaginado. Em seguida, tudo voltou ao normal, e só uma mãe estava segurando sua mão. No final do mesmo, Ian achou difícil ficar levantado. Seus pés se sentiam presos ao chão. Ele não queria deixar o pai sozinho. Dizendo a si mesmo que ele não estava realmente lá, não pareceu ajudar. Mesmo enquanto ele estava sobre seu túmulo, Ian não tinha certeza de onde ele deve dizer adeus a seu pai. Aqui? Em seu estudo na casa onde ele estava sentado por muitas horas de trabalho, quando ele estava bem? No assento da janela onde ele tinha passado tanto tempo desde que ele ficou doente? Nenhum lugar. Ele não queria dizer adeus em tudo. Ele não podia. "Eu vou voltar para ver você em breve,"ele disse ao seu pai, e ele ainda mal conseguiu se afastar.

190


Capítulo 23 A mãe de Ian tinha tirado alguns dias de folga do trabalho. Agora era hora para ela de voltar para casa. O pôr-do-sol estava virando o céu corado e o ar frio. Ele e sua mãe estavam levantados ao lado do carro, dizendo adeus, e Ian tirou o casaco mais perto ao seu redor. "Sinto muito que você teve que saber de tantas coisas terríveis", disse sua mãe. "Pelo menos eu vou seguir em frente com os olhos abertos." Ele não sabia como, mas de alguma forma ele teria apenas que fazer a paz com tudo sobre seus pais e quem ele era. Sua mãe tocou seu rosto e sorriu tristemente. "Eu teria desejado que o seu pai e eu tivessem uma história mais feliz para lhe contar. Nós só temos querido protegê-lo. Eu ainda quero tirar toda essa dor longe de você." Ian podia ver o quanto ela ainda queria protegê-lo. "Eu posso lidar com isso," ele assegurou. "Meu pequeno cara durão," ela disse e apertou-o em um abraço firme. "Mãe," Ian reclamou. "Você conseguiu algo de bom disso. Fico feliz que você encontrou o pedaço e seu filhinho", disse ela dando um passo para trás.

191


"Em vez de 'pedaço', você pode simplesmente chamá-lo Jacob," Ian disse a ela. "Eu, simplesmente, não posso acreditar que você está em um relacionamento tão sério. Você cresceu, rapidamente, nos últimos meses," disse ela com um triste, mas orgulhoso olhar em seus olhos. Depois que ela foi embora, Ian trancou a porta da frente e foi para Jacob. Enquanto Jacob estava fazendo o jantar, Ian descobriu que era impossível ficar fora do quintal. Ele saiu lá enquanto Toby pendurava na porta. "É Ok para você ir lá fora, com Ian,"Jacob lhe disse. Toby correu para ele. As copas das árvores amarelas ainda estavam brilhantes com a luz solar. "Há muitas folhas para recolher!" Toby informou seu pai chutando ao redor delas. "Eu sei", disse Jacob grunhiu desde o interior. Ele estava mantendo a porta aberta. Estava quente por isso estava bem. Mesmo depois do que aconteceu no funeral, Ian ainda não sabia onde ele estava com Lorna. Tinha sido ela? Será que ela realmente disse adeus? Ao vê-lo olhando para o banco, Toby puxou sua manga. "Ela se foi embora. A senhora. Ela tinha que ir," Toby lhe disse. "Você a viu sair?" Ian perguntou.

192


"Sua avó veio para pegá-la," Toby disse, como se o fantasma tivesse sido pego como uma criança no final de um dia de escola. "E ela a levou embora em algum lugar?" "Sim. Sua avó disse: Deixe essas pessoas agradáveis viver. É hora de descansar. Você acha que ela queria dizer como uma soneca?" Toby perguntou. "Mais ou menos. É bom que ela vai estar com sua avó agora." "Sim", Toby concordou. "Ela não vai ser solitária. E eu e meu pai temos você agora." Ian sorriu com as palavras dele, mas estava surpreso que ouvir que ela se foi o deixou tão triste. Ele sabia que a Lorna que permaneceu aqui era apenas um fantasma, e não a pessoa real, que uma vez tinha sido sua mãe. Era a verdadeira Lorna que Ian desejou poder encontrar. Ele desviou os olhos do espaço vazio no jardim para trás e olhou para o céu à noite. Havia um pássaro cantando em algum lugar no alto das copas das árvores, entre as folhas secas. Ele piscou para conter as lágrimas, Ian não sabia o que ele deveria sentir sobre qualquer coisa. Foi quando Toby pegou sua mão. Ian olhou para seus olhos brilhantes e tudo se tornou simples e claro. "Eu acho que eu gostaria de ser pai algum dia," Ian lhe disse. Ele viu Jacob levantado na porta, escutando.

193


"Primeiro você tem que ter uma criança", Toby o informou. "É assim que funciona?" Ele assentiu. Ian desejou que ele pudesse dizer-lhe que ele queria ser seu pai. Quanto mais tempo ele passou com Jacob e Toby, mais ele queria entrar e exigir um lugar na sua pequena família. Jacob sabia o que Ian estava dizendo. Ele estava sorrindo, então talvez ele poderia aceitar a ideia de que mesmo alguém tão jovem como ele poderia ser um pai decente. Depois do jantar, eles foram para uma caminhada e, em seguida, Ian passou uma noite tranquila com Jacob e Toby. Quando chegou a hora de dormir de Toby, Jacob convidou Ian para passar a noite. Toby ficou muito feliz ao ouvir Ian dizer sim. Estava no quarto de hóspedes e Ian enfiou a cabeça lá algumas horas mais tarde, quando ele e Jacob estavam prontos para encerrar a noite. "O que você está fazendo aí?" Jacob lhe perguntou. "Eu odeio estragar tudo por apenas uma noite", disse Ian vendo a cama arrumada. "Eu poderia simplesmente dormir no sofá." "Do que você está falando? Você está dormindo comigo," Jacob lhe disse. Ele parecia meio mandão. "E se eu não quiser," Ian brincou.

194


"Mesmo?" "Não, não realmente," Ian admitiu. Ele precisava do conforto de estar com Jacob mais do que ele poderia dizer. "Eu já disse a Toby você é meu namorado, e eu também lhe disse que os namorados dormem juntos," Jacob disse quando foi para seu quarto. Ian pensou que poderia não querer dormir com ele por causa de Toby, mas aquele homem estava sempre surpreendendo-o. Jacob estava no banheiro, enquanto Ian se despiu, tirando toda as suas roupas. Ele decidiu ficar na cama e esperar por Jacob lá. Deitar-se em sua cama, sabendo que ele estava indo para passar a noite, deu-lhe uma sensação muito boa. Quando Jacob se juntou a ele e viu que ele estava nu, ele lhe disse: "Nós não temos que fazer nada." "Sim, nós temos. Eu preciso de você", Ian respondeu. Embora ele apreciasse quanto atencioso Jacob era, todo o ser de Ian estava doendo para ele. "Lembre-se de ficar quieto", Jacob lhe disse. "Você também." Ian estendeu a mão e libertou Jacob do seu pijama. Agora seu magnífico corpo era de Ian para tocar e beijar todo. Seus lábios, sua língua, suas mãos deslizaram sobre cada centímetro dele enquanto seu corpo estava pressionado

195


contra Jacob, esfregando nele. O toque de Jacob eletrificava sua pele, o fazia tremer com uma necessidade quase dolorosa. Pegando os preservativos e lubrificante com as mãos trêmulas, Ian lhe disse: "Foda-me como só você pode." Jacob não disse nada. Ele só o beijou tão duro que Ian sentiu que estava afundando no esquecimento. Em seguida, os dedos ficaram ocupados. De costas, com as pernas empurradas para cima, Ian se contorcia, impotente, enquanto os dedos lisos de Jacob apenas circulavam em seu buraco. A dança provocante terminou com a pressão lenta dos dedos de Jacob até o corpo de Ian lhes permitiu entrar. Desta vez Jacob o preparou mais suavemente do que nunca. Então, por que era mais insuportável? Porque Ian queria seu pau e Jacob não estava deixando-o ter. Ia ser uma noite de tortura. Foram apenas alguns minutos, mas pareceram uma eternidade. Então Jacob o estava alertando para ficar quieto e se preparando para entrar nele. Ian apertou sua mandíbula e sua respiração ofegou no primeiro impulso. Ele tomou centímetro após centímetro em silêncio, apenas respirando com dificuldade e olhando nos olhos de Jacob. Naquela noite, Jacob fez amor com ele com golpes lentos, longos que duraram para sempre. Ian só poderia sussurrar seu nome. Ele não podia gemer. Ele não podia gritar. Sabendo que se atrasar era uma agonia, Jacob se

196


inclinou e beijou-o. Ian se sentiu como se ele nunca tivesse existido antes deste momento. Jacob estava beijando-o enquanto seu pênis estava dirigindo choques de prazer dentro dele. Ian estava perdido. Cada um dos seus sentidos, seu corpo e alma, tudo dele pertencia a Jacob. Ele nunca soube que alguém poderia ficar tão profundamente dentro dele, ou que ele poderia dar-se a qualquer pessoa com tal amor e confiança, com nada retido. Mesmo quando Jacob parou de beijá-lo, sua ligação ficou ininterrupta. "Você sempre será meu", Jacob disse como se ele tivesse ouvido Ian silenciosamente prometendo a si mesmo ser ele. "Sim", Ian respondeu, mesmo se não tinha sido uma pergunta. Jacob começou a bombear com mais força. Um impulso poderoso seguido do outro, cada um tirando um gemido silencioso e um tremor fora dele. O tempo todo os quadris de Ian puxando por mais, porque com Jacob, não havia tal coisa como suficiente. Havia apenas eu te amo e o nome de Jacob sussurrado mil vezes enquanto Ian afogava no azul sem fundo dos seus olhos. Ninguém nunca tinha olhado para ele daquele jeito. Como ele fosse perdido no olhar turbulento de Ian, Jacob só existia para ele. Ele possuía e adorava apenas ele. Eles suaram e ficaram tensos juntos, e criaram este

197


perfeito, puro momento. Mas seus corpos não podiam ser negados. Chegando mais perto ao seu orgasmo, Jacob queria adiar o momento. Mas seu pênis estava preso no aperto do corpo de Ian, e ele não teve escolha senão para gozar. Sentindo o seu corpo começar a apertar debaixo dele, ele bombeou mais duro. Todo o corpo de Ian estava tenso, tão perto de gozar, e Jacob estava ali com ele. Seus corpos bateram juntos. Cada som e movimento silencioso combinados em uma onda de puro prazer que os levantou, elevando-os acima de toda a dor. Ian se ergueu debaixo dele, com a cabeça jogada para trás, os olhos arregalados, seu grito silencioso. Jacob sussurrou o nome de Ian. O som dele era duro, forçado a sair da sua garganta quando ele estava gozando e tentando não gritar seu nome. Pele suada contra pele suada, o êxtase do momento, e no outro, eles estavam intimamente ligados, compartilhando o mesmo prazer. Sentindo-se como se estivesse caindo, Jacob cobriu o corpo de Ian com o dele. Ian tomou o seu peso com um suspiro de satisfação, mas depois Jacob rolou de cima dele. Ian não o deixou chegar longe. Ele passou a mão sobre o braço de Jacob. Entrelaçando os dedos, ele apertou as mãos juntas. Ele descansou a cabeça no peito de Jacob. "Assim é como eu quero dormir", disse Ian. Então Jacob colocou o braço ao redor da sua volta. "Assim é ainda melhor."

198


Jacob não conseguia tirar os olhos dele, enquanto ele dormia. Ele era bonito e ele era seu. Desde que o conheceu, Jacob esteve completamente em seu poder e sob seu feitiço, e ele estaria feliz em permanecer assim para o resto da sua vida. Aquela primeira noite em que Ian dormiu em sua cama foi como um sonho. Embora Ian estava tão triste, esta poderia ter sido a melhor noite da vida de Jacob.

Na manhã seguinte, Jacob desembaraçou-se de Ian, que gemeu infeliz, mas ficou dormindo. Ele foi para o quarto de Toby para vê-lo. Quando ele enfiou a cabeça dentro, Jacob encontrou Toby de lado na cama, enrolado em uma forma que nunca deixou de fazê-lo sorrir. Parecia que ele tinha entrado em uma briga com seu cobertor. Boca aberta, lençóis derramando para fora da cama, travesseiro debaixo de um braço, ele era seu pequeno, doce garoto. Jacob decidiu tirar vantagem da sua insônia e fazer panquecas para o café da manhã. Não esperando que Ian acordasse em breve, ele levou o seu tempo e reproduziu a noite passada mais e mais em sua cabeça. Num momento ele estava duvidando que poderia ter sido tão boa quanto ele se lembrava. No momento seguinte, ele estava tremendo com a lembrança dela. Depois que Toby estava acordado e morrendo de vontade de comer as panquecas, Jacob foi acordar Ian. Ele odiava fazê-lo, mas ele se sentou na beira da cama e beijou seu rosto até que os olhos de Ian abriram.

199


Com sua voz rouca de sono, Ian disse: "Bom dia." Ele envolveu-se ao redor de Jacob e tentou puxá-lo para baixo na cama com ele. "Eu não estou aqui para isso. Eu estou te chamando para o café da manhã," Jacob disse, resistindo a força e a atração desse corpo quente que ele amava. "Foda-se o café da manhã", disse Ian fazer outra tentativa de ir para lá. Ele tentou puxar Jacob para a cama, mas não conseguiu. Quando Ian apareceu na cozinha vestido, mas com os olhos turvos, Jacob lembrou-lhe: "Você disse que um dos seus deveres como um namorado era comer panquecas com a gente." "Nós podemos ter panquecas todos os dias," disse Toby. Ele já estava sentado à mesa, uma garrafa de xarope de panqueca ao lado dele, sem tampa e pronto para usar. "Será que você não se cansa de panquecas?" Ian lhe perguntou. Toby balançou a cabeça e deu-lhe um olhar incrédulo. "Isso não pode acontecer", ele assegurou para Ian. "Em seguida, nos inscreva para panquecas todos os dias," Ian brincou com Jacob, que resmungou. "Pare de encorajá-lo", disse Jacob.

200


"Quem deve parar de encorajar quem?" Ian perguntou. "Vocês dois." Enquanto Jacob terminou a última panquecas e desligou o fogão, ele sorriu para si mesmo. Sua vida parecia muito mais doce agora. Ao mesmo tempo, ele pensou que poderia fazer a paz com os relacionamentos de curto prazo e anexos fugazes, desde que ele tinha Toby. Mas ele não sabia o que estava faltando. Se ele tivesse sabido que havia um cara lá fora que poderia fazê-lo se sentir assim, ele teria destruído o mundo inteiro à procura dele. Pensando em quanto maravilhoso era estar com Ian, ele aproximou-se dele. Ian colocou seu braço ao redor dele, beijou-o e o tornou ainda melhor. Acordar na cama de Jacob com Jacob beijando-o tinha sido como um sonho. E era apenas o começo. A partir de agora, eles acordariam se beijando, acordariam um nos braços do outro, acordariam uns aos outros com boquetes. Se apenas Ian não tivesse que voltar para a faculdade no próximo trimestre. Até então, Ian ia estar com Jacob e Toby tanto quanto podia. Era por isso que ele foi junto como Jacob quando ele levou Toby para a escola. Indo a pé, eles deixaram Toby no jardim de infância. Eles caminharam de volta para que Jacob pudesse pegar o carro e dirigir para o trabalho. Não querendo se separar ainda, ficaram na frente da casa de Jacob, de mãos dadas. "Você quer ficar aqui com a gente até que você volta para a escola?" Jacob perguntou.

201


"Eu vou ficar na casa até o início do próximo trimestre." Apesar disso, Ian sabia que seria passar a maior parte do seu tempo com Jacob e Toby. Ele queria obter a casa em ordem, e ele também não queria apressar as coisas. Pensando bem, talvez ele queria. Ele não tinha tempo a perder. Ele deveria voltar para a faculdade. "Eventualmente, teremos de descobrir em qual casa vocês querem viver, nesta casa ou naquela da minha família fora da cidade", disse Jacob. "O que?" Jacob disse, surpreso. Ele sustentou o olhar de Ian em descrença. Ian olhou para ele com firmeza, em seguida, ele disse: "Sem pressa. Eu estarei voltando da faculdade muito para ver vocês. Minha casa pode ser o nosso ninho de amor. Então, podemos ser tão altos quanto nós queremos." O que não colocou Jacob à vontade em tudo. "Com certeza está fazendo um monte de planos," ele reclamou. "Só para deixar você saber como vai ser a partir de agora." "Eu odeio pensar em você indo embora para a escola. É muito tempo separados. Mesmo um minuto é muito tempo", disse Jacob, ficando sério. Ian agarrou a frente da sua jaqueta e o puxou para perto. "A espera vai valer a pena. Eu prometo." "Ok. Você mencionou comer panquecas. Como meu namorado, o que mais você se vê fazendo?" Jacob perguntou como se fosse uma entrevista de

202


emprego. Ele deu a Ian um olhar desafiador. Com quem ele pensava que estava lidando? "Eu vou ficar com você tarde da noite, quando você não consegue dormir. Quando você estiver frio, porque o cobertor caiu da cama, eu vou mantê-lo quente. Vou lhe dizer o quão bom você cheira então eu vou lamber você e dizer-lhe quão bom você gosta. Quando ..." "Você sabe que eu tenho que ir ao trabalho. Será que esta lista tem um fim?" "Não. Ela vai para sempre. Há coisas grandes e pequenas coisas nela, e eu vou continuar a adicionar mais até eu morrer." "Você sabe como seduzir um cara", disse Jacob, dando-lhe uma dica de que ele estaria pensando nele o dia todo. "É eu e você para sempre." Ian se jogou em seus braços e o beijou. Jacob segurando-o ainda mais apertado contra ele, disse: "Eu nunca quero deixar você ir." Então ele se inclinou. Seus lábios roçaram o rosto de Ian e, em seguida, seu ouvido. "Você quer se casar comigo?" Jacob sussurrou as palavras como um segredo. Ian engasgou e recuou. "Seu filho da puta. Sim!" Ian disse e riu através das lágrimas quando Jacob o beijou. "O casamento não vai acontecer por um tempo. Você ainda é muito jovem, e nós não nos conhecemos desde muito tempo. Nós só poderíamos

203


implodir. Considere-se em liberdade condicional", Jacob lhe disse, ficando todo mandão e racional. "Não tente mandar em mim. Você está em liberdade condicional. Vá trabalhar," Ian lhe disse com um último beijo, rápido. Ele observou Jacob entrar no carro e acenou para ele. Então ele pensou melhor, e deu-lhe o dedo. Ia ser divertido se casar com ele. Ian iria apostar que ele poderia se casar antes do Natal. Enquanto Ian caminhava para casa, o ar da manhã estava frio, mas o céu estava claro. Ian pensou sobre seu pai e sobre Lorna. Ele foi para casa todo confuso, feliz , triste, amando e comprometido.

Fim

204

Com os olhos abertos_ Trina Solet  

Jacob e seu filho, Toby, acabam de se mudar para uma pequena cidade. Tudo está indo bem até agora, com exceção de uma coisa, com quem Toby f...

Com os olhos abertos_ Trina Solet  

Jacob e seu filho, Toby, acabam de se mudar para uma pequena cidade. Tudo está indo bem até agora, com exceção de uma coisa, com quem Toby f...

Advertisement