Page 1


A Última Coisa Que Ele Precisa A Última Coisa Que Ele Precisa 01 J.H. Knight Tommy O'Shea está criando seus sete irmãos e irmãs mais jovens sem qualquer ajuda de seu pai e madrasta, que abusam de drogas. Desde que ele

2


tinha quinze anos, ele conseguiu manter as crianças alimentadas e fora do cuidado adotivo. Ele ocupa cada centavo de sua energia e a última coisa que ele precisa é de um romance complicando sua vida ainda mais. O policial novato Bobby McAlister não pertence ao mundo duro de Tommy, mas Tommy não pode empurrá-lo para fora. Quando sua improvável amizade se transforma em uma tentativa de relacionamento, eles enfrentam a tempestade diária da vida de Tommy com um monte de risos e mais do que alguns argumentos. Tommy não está acostumado a confiar em pessoas de fora, e ele nunca pediu ajuda em sua vida. Mas quando uma tragédia atinge a família O'Shea e ameaça tudo o que ele lutou, ele terá que aprender a fazer as duas coisas para se recuperar do golpe brutal.

3


0.5 - Ben & Gavin 1 - A Última Coisa Que Ele Precisa 1.5 - Tudo o Que Ele Precisa

4


Capítulo 1 Inclinando a cabeça para trás contra a parede fria de tijolos, Tommy O'Shea tentou bloquear o fedor do depósito de lixo e o som fraco brilhando à sua esquerda. Ele não era um fã de ratos. Ou baratas. Ele ouviu um gemido sufocado vindo da boca lentamente trabalhando seu pênis, mas não se incomodou em olhar para baixo. Esta era apenas mais uma noite, outro truque para sair depois do trabalho antes de ir para casa para Deus só sabia o quê. Vamos lá, eu não tenho a noite toda... Não era culpa do estranho ansioso de joelhos. Era a mente de Tommy correndo. Esperando que Colleen tenha se lembrado de desligar o fogão quando terminou de fazer o jantar. E, Jesus, se Mike não lavar os pratos, como eu disse, eu vou bater em seu traseiro na parte da manhã. E assim foi por vários minutos, fazendo as coisas demorar muito mais tempo do que normalmente. “É isso aí...” ele sussurrou finalmente, engolindo em seco quando o cara, qual era mesmo o seu nome? Engoliu-o alguns centímetros extras, enquanto ele brincava com as bolas de Tommy. "Sim, não pare," ele adicionou, mais para si mesmo do que para o outro cara, forçando-se a balançar os quadris um pouco, tentando entrar no momento e fora de todos os outros cenários espiralando através de sua cabeça. Imagino que tipo de besteira eu vou para casa esta noite? Ele não sabia o que seria, mas sabia que seria algo. Cheryl, sua madrasta, poderia ter feito

5


alguns amigos em qualquer calha que ela e seu pai estivessem e trouxe-os de volta para a casa. Podiam estar transando no sofá da sala. As crianças poderiam estar lá, vendo tudo, ou escondidas lá em cima. Ele poderia chegar a casa para encontrar a polícia já em sua porta. Poderiam até serem os mesmos dois policiais que costumam aparecer nos momentos mais inoportunos. Eles estiveram na casa dele tantas vezes, arrastando seus pais para casa da rua ou respondendo a outra perturbação doméstica, as crianças todas os conheciam pelo nome. O oficial Sanders era um cara mais velho que não parecia se importar de uma forma ou de outra, contanto que ele não estivesse sendo baleado ou chateado. Mas o oficial McAlister, Bobby, como Tommy o conhecera brevemente na escola, ainda era um novato e sempre parecia um pouco aborrecido, um pouco preocupado cada vez que ele tinha a desgraça de lidar com Cal e Cheryl O'Shea. Bobby era outra coisa, algo puro, limpo e bonito, com aqueles olhos azuis impressionantes e aquela pele clara, até os cabelos eram encaracolados e loiros. Cristo, ele era até um menino do coral quando eram crianças. Bobby era um anjo realmente. Ainda é um anjo: guardando, protegendo, preocupando-se com os problemas dos outros. Tentador. Tommy pensou por um momento, lembrando-se de Bobby na pista da escola, sua pele lisa com um brilho de suor limpo, sua respiração batendo forte enquanto seus pés seguiam um ritmo pesado que ninguém pudesse alcançar. Tommy quase riu. Inferno, ele até mesmo voava como um anjo. O humor suavemente zombador morreu um segundo depois, quando se

6


lembrou dos dois no vestiário após o ginásio. Molhado com sabão e água quente, vapor aumentando, músculos definidos e eu nervoso... Ele veio com um grunhido, mordendo o lábio tanto que quase tirou sangue. O cara na frente dele educadamente o colocou de volta em sua calça jeans. Tommy começou a se perguntar se ele tinha falado seu nome para começar, porque pela vida dele, ele ainda não conseguia se lembrar. Ele estava prestes a perguntar antes que seu bolso traseiro começasse a zumbir. “Merda,” Tommy murmurou, assentindo um agradecimento para o cara e se preparando para „empurrá-lo‟ por seus esforços mesmo quando ele puxou seu telefone livre e abriu. "O que há de errado?" Ele perguntou, sentindo a tensão subindo pelos ombros enquanto o cara sem nome se cobria dos joelhos e olhava para ele com expectativa. "Nada está errado, exatamente, mas..." A voz suave de uma de suas irmãs mais novas parecia hesitante, como se não tivesse certeza se isso era algo que o incomodaria. Ela tinha apenas onze anos e era aquela com o coração mais suave de todos eles. Tommy às vezes pensava que ele estava mais preocupado com ela, mas realmente, ele se preocupava com todos eles por razões diferentes em dias diferentes. "O que está acontecendo, Carrie?" Ele tentou aliviar seu tom quando ele pegou o nome dele e começou a puxar o botão do jeans do cara. "Somente... Desculpe incomodá-lo, mas Max esta chorado por meia hora e ele está puxando em seu ouvido novamente, e Zoe está com febre. Nós estamos sem as gotas para eles, e eu não acho...”

7


Tommy ainda tinha seus dedos enrolados em torno do pênis do cara, mas seu progresso tinha parado, mesmo com o cara tentando se mover e empurrar contra ele. “Quão alta é a febre dela?” “Trinta e oito ponto dois. Não é ruim, mas..." "Sim, Cristo, o doutor disse que se Cheryl e Pai parassem de fumar ao seu redor, eles não teriam as malditas infecções de ouvido. Você não os colocou com suas mamadeiras, não é?" Ele lentamente puxou sua mão livre do outro cara e tentou parecer arrependido. "Não, juro por Cristo, Tommy, paramos quando a enfermeira da clínica disse que faria seus dentes ficarem podres." Os bebês tinham sete meses de idade e havia tanto o que fazer e não fazer quando se tratava de criá-los, mesmo que Tommy tivesse dificuldade em manter tudo em ordem. “Boa menina, Carrie. Logo estarei em casa e pego algumas coisas na farmácia. Posso falar com Colleen?” "Ela esta dando banho em Max e Zoe, tentando ver se isso ajuda." "'Kay, bom, eu estarei em casa logo. Bom trabalho.” Tommy fechou o telefone e olhou para o rosto de um estranho muito desapontado, pensando que seria uma péssima forma pedir ao sujeito que o emprestasse vinte até o dia do pagamento. "Desculpe." Ele enfiou o telefone no bolso interior de sua jaqueta de trabalho azul escuro. "Odeio, bem, deixá-lo assim." Tommy conseguiu enterrar o seu sorriso enquanto ele olhava para o provavelmente doloroso duro e ereto cara rezando pra que ele fosse esportivo. "As crianças precisam de mim, tenho que ir."

8


"O que? Agora?” O cara estava um pouco indignado, mas quem não estaria? “Você tem filhos?” Tommy riu então. "Sim, sete deles. Estou tentando ter o meu próprio time de beisebol." E com isso, Tommy O'Shea acendeu um cigarro e caminhou rapidamente para fora do beco atrás do Pub Smarty's, onde ele tinha acabado de lavar um monte de pratos e conseguiu seu pau chupado. Ele virou a esquina até a madrugada da primavera, esperando que ele pudesse encontrar uma farmácia ainda aberta. A coisa mais próxima que ele encontrou entre a Rua 212 e minha casa era um posto de gasolina de dia e noite, mas eles tinham uma pequena loja de conveniência anexada. Ele esperava que fosse. Entrecerrando os olhos sob as luzes fluorescentes brilhantes, Tommy não perguntou onde nada estava, mas se moveu um pouco. Ele sabia que tinha quase oito dólares com ele, mas não tinha ideia de quanto o material custaria. Ele, como metade do bairro, também sabia que a câmera no canto não funcionava. Conveniente de fato. Ele pensou que provavelmente parecia desconfiado em sua calça jeans apertada e botas pesadas, com seu cabelo escuro pendurado em seu rosto e cobrindo seus olhos verdes claros, mas isso não podia ser ajudado. Tommy caminhou até o corredor de doces e desceu o corredor aos pedaços, de volta pelos refrigerantes e, em seguida, o pequeno corredor automotivo. Tommy pegou uma lata de refrigerante, a venda por menos de um dólar, e, em seguida, um pequeno saco de chips, apenas um dólar esse. Então ele vagou

9


para o corredor com analgésicos, para medicação para aliviar dores de síndrome pré-menstrual, absorventes e fraldas. O cara atrás do balcão nem sequer se preocupou em vê-lo, provavelmente não daria uma merda, desde que ninguém puxasse uma arma. O remédio de ouvido para bebês era mais de nove dólares. O sensor eletrônico na porta se fechou quando ela abriu. Tommy não olhou para ver quem era, mas pegou duas caixas de acetaminofeno e esperou que o funcionário tivesse olhado para o novo cliente em vez de em direção a Tommy. A indiferença só iria levá-lo mais longe e levantar alguma suspeita em vista não era uma chance que ele queria tomar. Quando colocou as caixas no bolso do casaco, ouviu uma voz familiar e sentiu um calor atrás dele. “Coloque-o de volta, Tom.” McAlister. Cristo. De todos os lugares para parar-e-roubar nesta cidade de merda, ele teve que escolher este? Tommy soltou um suspiro, os ombros caindo um pouco. "Eu não posso." Ele apertou os dentes, as bochechas flamejando com o calor, não sobre o fato de que ele não poderia pagar por algo assim, mas porque ele tinha sido pego. E Bobby McAlister tinha acabado de chamá-lo de Tom em um sussurro rouco. Sua respiração tocou contra a pele na parte de trás do pescoço de Tommy. "Por que diabos não?" Bobby perguntou calmamente, parando um pouco mais perto do que ele precisava. Então ele percebeu que Bobby estava bloqueando a visão do balconista dele.

10


"Zoe e Max estão doentes e precisam dessa merda e eu não tenho o suficiente para pagar por isso. Até que eu seja pago,” acrescentou com uma inclinação desafiadora do queixo. Bobby estreitou os olhos e estendeu a mão para fora, exigindo sem uma palavra que Tommy passasse-os. “Cristo, você vai me levar por isso?” Tommy se eriçou, sentindo raiva agora. Seu irmãozinho e irmã estavam em casa em necessidade, e esse cara, esse mesmo cara que ele pensava ser um anjo há quinze minutos, estava em seu caminho. O riso de Bobby foi inesperado, e Tommy entregou as duas caixas. "Eu te entreguei quando você bateu a merda sempre amorosa dos irmãos Hopkins?" Ele perguntou seus lábios contraindo-se em um sorriso. "Ei, aqueles caras tiveram isso vindo pelo que eles fizeram para..." "Para Colleen, sim, eu sei. Olhei para o outro lado e não o empurrei quando eles não fizeram acusações, certo? Ou o momento em que eu peguei você e Mikey roubando peças sobressalentes do carro daquele morto?” “Ele estava morto, não era como se ele precisasse delas.” Bobby balançou a cabeça, mas ele riu. Ele se virou para o balcão da frente, com o remédio na mão. Ele parou para pegar um pacote de carne, uma caixa de donuts cobertos de chocolate e um pacote de chicletes. Tommy pensou distraidamente que era provavelmente o que ele tinha vindo fazer em primeiro lugar. Com um pequeno empurrão da cabeça de Bobby em direção ao balcão, Tommy caminhou atrás dele, indo colocar as batatas fritas e refrigerante de volta. “Esses também,” disse Bobby ao balconista.

11


"Ei, não... Eu não tenho o suficiente para isso, ok." Bobby pareceu divertido, mas ao mesmo tempo deu a Tommy um olhar que o fez colocar as coisas no balcão. Depois que eles pagaram tudo e saíram da loja, Bobby caminhou até seu carro, não para a viatura que Tommy geralmente o via, mas um pequeno mustang preto que brilhava mesmo no escuro. "Vou te dar uma carona." "Não, eu estou bem, são poucos quarteirões." Bobby levantou a sacola, lembrando a Tommy que ainda não tinha o que precisava. Bobby clicou no controle remoto para destrancar as portas. Ele sorriu enquanto deslizava atrás do volante. “Bastardo” murmurou Tommy, revirando os olhos quando entrou no carro. "Mudou de ideia?" O tom de Bobby era brincalhão, provocando, enquanto ele colocava o cinto de segurança antes de ligar o motor. "Eu tive uma escolha?" "Há sempre uma escolha, Tom." Tommy não queria responder a isso. Outras pessoas tinham escolhas, ele tinha conseguido, necessitava e não queria. Ele esperava que o carro saísse, para que eles estivessem na estrada, mas ele ficou lá ronronando, como se Bobby estivesse esperando alguma coisa. "O que?" "Cinto de segurança."

12


"Sim? Eu... Oh, certo." Ele não podia deixar de revirar os olhos novamente quando ele se estendeu sobre ele e puxou a correia para baixo, curvando-se. “Seguro e seguro, oficial. Ou você também tem um capacete para mim?” “Ei, você não tem ideia de quantos idiotas eu encontro com a pele e cabelo

no

para-brisa,

os

dentes

no

painel,

apenas

porque

eram

demasiadamente estúpidos, bêbados ou orgulhos para colocar um maldito cinto.” Ele começou a fazer o backup, e depois acrescentou, "Eu vi você, você sabe. Você sempre faz com que as crianças usem as deles.” "Sim, bem, Cristo, eles são crianças, eu não quero que eles..." Tommy se cortou, não querendo fazer o ponto do McAlister de Segurança para ele. Bobby só levantou uma sobrancelha, mas sua expressão estava cheia de triunfo presunçoso. A casa, normalmente escura e silenciosa há esta hora, parecia brilhante do meio-fio. A ansiedade começou a percorrer o sistema de Tommy, sabendo que não podiam pagar por outra visita médica, já que Cheryl esteve muito alta ou preguiçosa, ou ambas as coisas, para assinar os formulários para levar as crianças ao serviço médico e manter os vale-refeição. Ele tinha preenchido tudo por ela, tudo o que ela tinha que fazer era assinar as malditas coisas. "Parece que todo mundo ainda está acordado" observou Bobby enquanto desligava o carro. "Cristo, eles não deveriam estar acordados até tarde, todos eles terão escola amanhã. Davey tem dois testes e Carrie está suposto fazer uma apresentação na revista Science.” Ele estava falando para si mesmo, pensando

13


em voz alta em sua frustração, mas Bobby olhou para ele, seu rosto ilegível no escuro. “Tudo bem, Tom. Nós vamos resolver as coisas lá." Antes que Tommy pudesse protestar, Bobby estava fora do carro, com o saco na mão, e caminhando para os degraus da frente como se ele pertencesse ao local. A porta da frente se abriu antes que estivessem a meio caminho da varanda. Colleen estava com um bebê em um quadril e outro em volta de sua perna. Obediente ao seu núcleo, ela nunca reclamou, nunca pensou por um momento sobre si mesmo. Dois dias atrás, quando ela tinha dezessete anos, Tommy desejara-lhe um feliz aniversário, o mais que qualquer um deles conseguiu quando os aniversários passavam. Ela só olhou para ele como se tivesse esquecido e depois respondeu com um sorriso e um encolher de ombros. Agora, com seu cabelo castanho-avermelhado reto puxado para trás em um rabo de cavalo esfarrapado e uma expressão tensa em seu rosto, Tommy poderia dizer que ela estava exausta. "Desculpe as coisas ainda não foram resolvidas, Tommy, só..." Ele a beijou na testa enquanto ele passava, curvando-se para levantar o pequeno Max em seu caminho através da porta. "Não se atreva a pedir desculpas, Col." A casa estava mais confusa do que ele geralmente a encontrava depois do trabalho, mas ele poderia entender por quê. Max soltou um pequeno gemido quando ele deixou cair à cabeça no ombro de Tommy. “Ele também sente calor.”

14


Colleen caminhou atrás deles, atualizando-o em tudo enquanto ia. "Sim, ele só começou a subir. Zoe esteve correndo um fora por todo o dia, mas começou a piorar cerca de uma hora atrás." Quando ela notou Bobby, ela sorriu para ele por cima do ombro. "Ei, Bobby, bom te ver." “Que bom ver você também, Colleen. Onde estão todos?" Ele perguntou, olhando em volta da casa. Tommy sentiu um pequeno lampejo de constrangimento, sabendo que sua casa não era exatamente apta para companhia mesmo nos melhores dias. A TV estava precariamente em uma prateleira improvisada montada com blocos de concreto e tábuas, um aparelho de DVD que Davey tinha "encontrado" um dia, estava debaixo dela. Um cabo de elástico curto segurava a TV na parede na esperança de que não esmagaria os bebês se ela caísse. Queimaduras de cigarro e manchas polvilhavam os tapetes. Quase tão ruim, o sofá tinha buracos usados no tecido e um cobertor esfarrapado atirado sobre as costas. Mas seria preciso uma luva branca para encontrar qualquer poeira e as janelas eram cristalinas. Eles podiam não ter as coisas mais agradáveis, a casa podia ser muito pequena e degradada, mas eles tentaram mantê-la limpa. Tommy poderia estar orgulhoso disso, se nada mais. “Provavelmente, em uma sarjeta em algum lugar, como de costume,” respondeu Colleen sem rancor, apenas uma afirmação de fato como se pertencesse a um simples conjunto de verdades neste mundo: o céu é azul, o sol nasce e se põe, Calvin e Cheryl O'Shea são bons-para-nada além de serem vagabundos que passam seus próprios fluidos corporais em uma base regular.

15


Bobby não riu, mas provavelmente sabia que não era uma piada. Ele olhou ao redor da sala por mais um minuto, e Tommy percebeu que ele estava fazendo uma contagem de cabeças quando Bobby perguntou: "Onde estão Davey e Carrie?" Colleen e Bobby entraram na cozinha e Tommy o seguiu, notando novamente como Bobby agia como se ele morasse lá. Isso não o incomodava, exatamente, mas isso o fazia sentir-se inquieto e frustrado de alguma forma que não podia nomear. “Mandei-os para a cama. Mikey está se preparando para fazer o mesmo. Não consigo mover Collin do sofá, no entanto. Diz que quer terminar o filme que ele está assistindo, e eu não tenho em mim para discutir com ele mais esta noite.” Bobby colocou a mão no saco e passou os medicamentos para Colleen exatamente quando Zoe tentou se soltar dos braços dela. “Obrigada” disse ela, pegando as caixas e passando Zoe para Bobby. O bebê estendeu a mão para ele. Tommy também poderia ter rido. Zoe não gostava de estranhos, mas Bobby tinha feito tantas visitas à sua casa, em negócios oficiais, que ela o tratava como se fosse uma família. "Não há problema", ele murmurou, pressionando um pequeno beijo no cabelo de Zoe, assim como Tommy tinha feito quando ele pegou Max. Ele começou a andar de um lado para outro, saltando o bebê em seus braços e sussurrando para ela, "Tudo bem, pegamos seu remédio, você vai se sentir melhor logo."

16


Zoe ainda estava choramingando, parecendo cansada e desconfortável, mas ela estava se sentando sob os tons suaves de Bobby e passos suaves. A imagem fez Tommy recuperar a respiração. Ele torceu e apertou algo em seu peito que parecia que poderia quebrar agora. "Vou levá-lo para a cama," Tommy disse sua voz um sussurro áspero, não sabendo o que fazer com ele mesmo com essa nova pessoa na mistura. Colleen acenou com a cabeça enquanto começava a ler a parte de trás da pequena garrafa, servindo uma dose para cada um dos bebês. Ele podia sentir os olhos de Bobby sobre ele quando ele voltou para a sala de estar com Max ainda em seus braços. Collin estava profundamente adormecido, enrolado no sofá com o controle enfiado em sua mão. Um velho filme de ficção científica tocava na TV, em preto e branco, com uma garota gritando enquanto corria pelo bosque com uma luz brilhante perseguindo-a. Ele murmurou uma maldição enquanto desligava a televisão antes de chegar para cutucar seu irmãozinho. "Levante e brilhe garoto." Tudo o que conseguiu em troca foi um murmúrio e uma ligeira agitação antes que Collin mudasse e se virasse. Tommy balançou a cabeça, sorrindo com carinho e pensando que Collin era muito mais doce quando estava dormindo e não enganando colegas de classe com seu dinheiro de leite ou pegando alguma coisa na traseira de um caminhão de entrega com Davey. O garoto não o preocupava. Collin estava crescendo para ser um gênio ou um bandido. Tommy odiava, mas sabia em que direção apostaria seu dinheiro.

17


Ele calmamente vagou de volta para a cozinha, evitando uma pequena pilha de brinquedos em seu caminho. "Eu tenho essas para as crianças amanhã" ele ouviu Bobby dizer enquanto ele virou a esquina. Bobby estava passando a caixa de donuts para Colleen. “Mal para os dentes” Tommy apontou, sem sequer saber por que ele estava sendo um idiota tão ingrato. Bobby pareceu tímido por um instante de segundo, como um garoto sendo pego fazendo algo desprezível, mas então ele deu de ombros e torceu um sorriso culpado para Tommy. Colleen lançou um olhar para seu irmão e depois se virou para Bobby. “Obrigado, Bobby. Vou deixar que eles saibam que foi você que os deu.” Tommy poderia dizer que Zoe já tinha tomado sua dose quando Colleen veio para dar Max a ele. O bebê se inquietou em seus braços quando viu o dispensador pequeno cheio com o líquido roxo, mas Tommy acariciou suas partes traseiras e ele silenciou, e o menino deixou sua irmã dar-lhe o remédio. "Aí" sussurrou Tommy, pressionando outro beijo leve na têmpora de Max. "Nós pegamos." Colleen começou a limpar os balcões. Mike tinha feito os pratos, mas as coisas ainda estava uma bagunça. “Collin vai para a cama?” "Não, ele está acordado como uma luz. Vou carregá-lo depois que eu tiver os gêmeos na cama. Você vai para cima, você parece abatida", ele disse a ela, acenando com a cabeça em direção à porta.

18


Tommy sabia pelo olhar em seus olhos que ela era grata a ponto de chorar, mas também disposta a ficar acordada e certificar-se de que tudo fosse feito se ele quisesse. Quebrou o coração um pouco. "Tenho certeza que vou chutar sua bunda se você não chegar lá em cima e for para a cama." "Obrigado, Tommy." Pausando quando ela começou a passar por ele, Colleen pressionou um pequeno beijo em sua bochecha, então para a de Max. O bebê parecia quase tão cansado quanto ela, suas pálpebras caídas, então se encaixando de volta, seu polegar enfiado entre seus lábios. "Os medicamentos estão prontas para eles, se eles forem pegar qualquer coisa desta vez." "Eu entendi, você continua." Ela lhe mostrou um sorriso mais cansado. "Noite." Ela olhou para Bobby e acrescentou, "E boa noite, Bobby, obrigado por parar aqui." Ela desapareceu pela porta como se temesse que alguma emergência nova a arrastasse de volta e a mantivesse de sua cama. "Noite, Colleen," Bobby disse tarde demais. A garota já se foi. "Você pode continuar, eu tenho isso." Tommy embalou seu irmão em seus braços. "Você esta brincando comigo? E perder esses carinhos? De jeito nenhum." Ele sorriu como se fosse uma piada, mas ele segurou Zoe mais perto e se sentou em uma cadeira na mesa de pinho esfregada.

19


Tommy só podia balançar a cabeça, perguntando-se o que estava errado com um cara que poderia estar deitado, mas decidiu ficar e dar de comer a um bebê doente. "Ou você festeja demais," Tommy disse a ele enquanto passava uma das mamadeiras para Bobby, "ou não quase o suficiente, se essa é sua ideia de diversão". Bobby riu enquanto pegava a mamadeira. "Há muitos tipos de diversão." Ele inclinou Zoe em seus braços para que ela pudesse alcançar sua mamadeira e sorriu de novo quando ela tomava avidamente. "Esta é um delas." "Se você diz isso." Tommy tinha sentado a mesa com Max em seu colo e estava alimentando-o também. A mão de Max enrolou a mamadeira por um momento, e então ele estendeu a mão para tocar o rosto de seu irmão. Tommy roçou um pequeno beijo aos dedos minúsculos e gordurosos, balançando-o sem sequer perceber que estava fazendo isso no começo. Ele nunca admitiria isso em voz alta, e ele não acharia este um divertimento exatamente, mas havia certo conforto a partir dele, como se essas crianças o mantiveram tão seguro quanto ele significava para mantê-los. “Sim” murmurou Bobby, olhando para Tommy e depois para Zoe. Ele a apertou, como se quisesse mantê-la sozinha. Em pouco tempo, os dois bebês dormiam tranquilamente, parecendo confortáveis e precisando do resto. "Eu odeio colocá-los na cama, não quero acordá-los..." Tommy sussurrou quando ele começou a se levantar do seu assento.

20


"Eles vão dormir melhor em suas próprias camas." Bobby ficou com ele. “Para onde?” Outro aperto de mal-estar em Tommy. Ele não queria que alguém que tivesse o ouvido nos serviços sociais visse qualquer coisa em sua casa, muito menos os pequenos quartos com muitas camas espremidas neles. "No andar de cima." Ele engoliu seu nervosismo enquanto guiava o caminho. Os gêmeos compartilhavam o que seria um quarto principal com Collin, Davey e Mike. Um berço e dois beliches. Os bebês já eram grandes demais para compartilhar o berço, mas eles dormiam melhor quando estavam juntos, e inferno, não havia lugar para eles em nenhum outro lugar. Quando Max era mais velho, ele podia pegar o beliche de baixo, e Zoe podia entrar no quarto de Colleen e Carrie, mas até então, era isso. Inclinando-se sobre a grade do berço, Tommy gentilmente colocou seu irmão no berço. Encontrou a manta de Max e colocou-a sobre ele antes de afastar ternamente os cabelos do rosto. Bobby fez o mesmo com Zoe, em seguida, ficou para trás enquanto Tommy levantou ao lado novamente, bloqueando-o no lugar antes de desligar a pequena lâmpada na cômoda ao lado deles. “Vou pegar Collin,” disse Bobby, começando a sair do quarto. "Não, ele vai virar e se ele acordar e você estiver carregando-o, ele vai pensar que está sendo levado novamente." Bobby parecia ter a intenção de dizer algo significativo, mas tudo o que saiu foi "Oh, certo."

21


Todos se lembravam da única vez que os meninos haviam sido removidos da casa. Collin tinha apenas três anos na época, mas mesmo sete anos depois, ele ainda pôs um frio em seus olhos sempre que eles falavam sobre isso. O menino tinha lutado como um leão, furioso contra o assistente social, enquanto tentava pegá-lo e levá-lo ao carro. Collin mordeu o inferno fora dela. Deixou seu temperamento brilhar com uma maldição totalmente não profissional. Tommy, apenas quinze na época, não tinha idade suficiente para detêla, mas tinha idade suficiente para entender, e eu disse à mulher que ela deveria ter se importado com seu próprio negócio e deixá-los em paz. Então ele acrescentou que isso era o que você tinha quando se metia com um O'Shea, e Collin era um bom menino. Passaram-se vários meses antes de voltarem para casa. Estavam em piores condições nas mãos do estado do que em casa, e isso dizia muito. Tanto quanto ele se ressentia com Cal e Cheryl, ele tinha que ser grato a eles por agir com tempo suficiente para obter as crianças de volta. Cheryl poderia ter facilmente resgatado. Ela tinha sido apenas uma parte de sua família por alguns meses curtos, e Cristo sabia que ela não se importava com nenhum deles. Na primeira noite em que voltaram para casa naquele verão, Tommy prometeu que nunca mais o deixaria acontecer. Uma coisa estúpida para um garoto de quinze anos prometer, mas até agora, ele tinha feito bem isso. “Eu vou nos manter juntos, ou eu vou morrer tentando”, ele lhes havia dito.

22


"Eu estava lá naquele dia," Bobby soltou de repente enquanto eles se arrastaram para o corredor. Confuso, Tommy olhou para ele. "O que?" "Naquele dia... o dia em que os serviços sociais os apanharam. Eu estava correndo por perto e parei quando eu vi a polícia e outras coisas. Eu...” Bobby olhou para o chão antes de olhar para Tommy. Havia aquele meio sorriso de novo. "Eu fiquei feliz que você não tivesse uma arma." Ele bufou uma risada e acrescentou: "Eu não tinha certeza de quem você teria atirado primeiro, o assistente social ou a polícia tirando seus pais." Tommy aceitou isso, ignorando o leve brilho do constrangimento tentando acender dentro dele. “O assistente social. Ela tinha as crianças.” Ele sabia que era uma coisa dura a dizer, mas ele se lembrou como ele se sentiu naquele dia. Ele nunca estivera tão zangado e assustado. Ele afastou a lembrança e calmamente desceu as escadas. Ele encontrou Collin ainda dormindo no sofá e o pegou com um pequeno grunhido. O garoto faria dez anos em poucas semanas, e em breve ele seria muito grande para arrastar. Tommy deu uma volta em torno de Bobby no pé da escada e levou seu irmão para a cama. Quando voltou, Bobby ficou de pé, desajeitadamente, na porta, trocando de pé a pé e, Tommy podia jurar, corando levemente. Tinha a carne empalhada na mão. "EU... Bem, acho que é melhor eu ir. A não ser...” Não terminando o que quer que ele fosse dizer, ele parecia estranhamente esperançoso e nervoso ao mesmo tempo.

23


"Sim, eu preciso bater o saco em breve. Os gêmeos provavelmente estarão de novo quando essas coisas desaparecerem.” "Certo." Bobby começou a virar-se para a porta, então hesitou e deu outro passo antes de voltar para Tommy. "Olha, eu..." "Ei, sim, espere." Tommy foi para a cozinha e revirou através do armário embaixo da pia. Ele teve que empurrar o braço e já estava doendo, mas ele encontrou o saco de plástico sob uma tira de fita adesiva e descascouo da parede. Seu dinheiro de emergência tinha diminuído para dezenas em vinte anos, em vez de algumas centenas em cinquenta, mas ele tinha o suficiente. Graças a Cristo, Tommy pensou quando ele se virou de joelhos. Ele quase saltou de sua pele quando encontrou Bobby de pé sobre ele. "Jesus, avise um cara em vez de esgueirar-se sobre ele." Ele bufou para fora uma pequena risada enquanto ele puxou uma nota de vinte dólares da bolsa e passou-a para Bobby. Tommy captou uma expressão, rápida e surpreendente no rosto de Bobby, algo que parecia quase ferido quando viu Tommy passar o dinheiro para ele. "Oh... não, eu não..." "Eu não sou um caso de caridade, Bobby. Eu cuido dos meus." Ele sabia que era um estiramento, considerando o alívio que ele sentia cada vez que eles conseguissem cupons de comida, e ele nem sequer piscava levantando algo que um dos garotos precisava, mas havia limites e ele preferia o bem, Roubo honesto e apoio estatal sobre o dever de qualquer pessoa. Sempre.

24


"Então por que você estava... se você tinha dinheiro aqui..." Bobby parecia confuso quando ele pegou o dinheiro e enfiou-a no bolso. "E eu não pensei que fosse caridade, apenas... Eu faria isso por um amigo, você sabe?" Tommy levantou-se, sabendo que não poderia ter mantido seus olhos no rosto de Bobby com as pernas de Bobby a centímetros de seu nariz. “Porque levaria mais uma hora para voltar para casa, pegar o dinheiro, e voltar... Os bebês precisavam mais cedo, não mais tarde. Colleen e Mikey eram necessários aqui e Davey, Carrie e Collin são muito jovens para sair nas ruas às duas horas da manhã." Ele respondeu todas as perguntas de Bobby em uma respiração e optou por ignorar o comentário do amigo, pensando que eles estavam longe de ser amigos. Ele não fazia amizade com pessoas que pudessem jogá-lo na prisão. "Sim, isso... isso faz sentido, claro. Eu..." Quando Bobby parou de novo, Tommy o observou por um minuto. Ele meio se perguntou o que estava acontecendo dentro da cabeça de Bobby, e ao mesmo tempo ele tentou se forçar a não se importar. "Mas de qualquer maneira, obrigado pelo empréstimo e pela ajuda e... tudo isso. Apenas... obrigado.” "Sim, a qualquer hora, Tom, eu... bem, inferno, a qualquer hora." Havia aquele olhar novamente, como se Bobby tivesse mais a dizer, mas não conseguia decidir como dizê-lo. Depois de outra longa pausa, ele se virou e se dirigiu para a porta da frente.

25


Capítulo 2 O despertador teria sido ruim o suficiente, mas um acidente e uma maldição e um cacarejar alto o acordaram nem sequer duas horas depois. Tommy xingou e esfregou as mãos sobre o rosto antes de afastar as cobertas e sair da cama. Ele não estava dormindo muito bem de qualquer maneira. Ele estava sonhando com Bobby McAlister de pé sobre ele em sua cozinha com ele de joelhos. Só que ele não estava passando uma nota de vinte até Bobby em seus sonhos. Ele estava estendendo a mão para fora, puxando a calça jeans ajustada e acariciando o pênis de Bobby, sentindo seu comprimento duro passar por seus dedos. Não era o sono mais repousante, mas muito melhor do que descer às quatro e meia da manhã e lidar com as duas desculpas inúteis para a vida, que ele teve o privilégio de chamar seus pais. Eles nem sequer conseguiram fechar a porta, não chegaram até a sala de estar. Cal e Cheryl estavam esparramados na entrada, rolando e rindo como os idiotas da cidade. Um vaso de plantas tinha quebrado e derramado em torno deles. Tommy amaldiçoou novamente, sabendo o quão duro Carrie tinha trabalhado para conseguir esses potes para plantar e Davey tinha levantado potes para ela plantá-los dentro. Era uma coisa pequena agradável que ela queria fazer depois de aprender sobre plantas e sementes e merda na escola. Deixar Cal e Cheryl arruinar algo tão simples e inocente quanto isso. Apertando os punhos enquanto estava sobre os dois, Tommy deu um leve chute ao pai. "Cale a boca", disse ele, estendendo a mão para fechar a porta. Ele saltou para trás quando viu um estranho na varanda.

26


O cara parecia mais embaraçado do que perigoso. "Eu só preciso do meu pagamento." Ele enfiou as mãos nos bolsos da jaqueta e olhou para Cheryl e Cal como se fossem um show maluco. "Você esta me sacaneando." Tommy estava falando com o taxista, mas ele olhou para seu pai e madrasta. "Eu... não, eles saíram e disseram que alguém lá dentro pagaria. Eu..." “Você deve ser novato,” Tommy murmurou, balançando a cabeça. Qualquer pessoa dentro de um raio de cinquenta quilômetros de sua casa sabia melhor do que dar uma carona para seus pais sem ver o dinheiro em primeiro lugar. “Só estou na cidade há algumas semanas,” disse o motorista, ainda olhando para Cal e Cheryl, enquanto tentavam se levantar. Nenhum deles conseguiu. Tommy debruçou-se sobre Cheryl e enfiou os dedos sob a borda superior da blusa dela. Ele encontrou um pequeno maço de notas dobradas em seu sutiã. Ela protestou e deu uma tapa em sua mão, mas Tommy ignorou. Quando ele olhou por cima do ombro para o motorista, Tommy percebeu os olhos arregalados e as sobrancelhas que alcançam para a linha do cabelo diluindo. Ele não conseguia se importar com o que um estranho pensasse dele ou do resto de sua família. "Quantos?" “Hum, 30. Eles me prometeram uma boa gorjeta, mas...“ Tommy contou trinta dólares do dinheiro e passou-o. “Promessa é uma promessa, mas a palavra é para o sábio,”ele acenou com a cabeça, “eles nunca engane-o novamente, peça para ver o dinheiro primeiro. Você pode não ter

27


tanta sorte da próxima vez, e é um pé no saco quando você tem que chamar a polícia para esse tipo de merda.” O taxista murmurou um agradecimento e praticamente desceu os degraus, como se ele estivesse fugindo com sua vida e nada mais. Tommy conseguia identificar. Cal e Cheryl tinham esse efeito nas pessoas. “Dê-me meu dinheiro de volta.” Cheryl exigiu em um insulto choroso. "Eu preciso disso." “Sim, bem demais infernalmente ruim, seus filhos precisam mais.” Tommy nunca tinha sido tão grato por um pouco de dinheiro. Com cerca de oitenta dólares na mão, ele poderia levar os gêmeos para a clínica assim que ela abrisse. “Você me dá isso de volta!” Ela gritou, passando para ele. “Você não sabe o que eu tive que fazer para isso!” Cal

parecia.

Completamente.

inconsciente

de

qualquer

coisa

acontecendo ao seu redor, e Tommy perguntava o que mais estava em seu sistema, porque bebida nunca fez esse silêncio antes. Ele voltou sua atenção de volta para sua madrasta. "O que? Chupando pau na parada de caminhões? Sim, eu sei, e eu não dou a mínima. Os bebês estão doentes, e eles precisam ver o médico, por isso considero essa sua boa ação do caralho para o dia.” Ele ficou furioso, sussurrando para baixo em seu rosto na esperança de que os gêmeos pudesse dormir um pouco mais. Raiva fria deslizou através dele sabendo que eles estavam fora ficando bêbados quando dois de seus filhos estavam sofrendo, doentes e tristes. Não era novo, não foi uma surpresa, mas era o tipo de coisa que o fez ver vermelho.

28


“Eu estou doente também! Eu preciso disso.” “Doente da cabeça,” ele ofereceu, ainda olhando para ela. “E cale a boca porque, eu juro por Deus, se você acordar os gêmeos e eu vou trancar você e Cal no maldito porão até vocês murcharem e morrerem.” Seu tom era assassino, e Cheryl deve ter acreditado nele, porque isso foi o último pio que ouvi dela a noite toda. Quando ele subiu até as escadas, ele perguntou a si mesmo por que ele não fez isso. Prendeu-os no porão, parecia um truque fora de uma comédia, mas o inferno, seria uma maneira em torno de sua besteira. Todo mundo já estava em movimento quando ele se levantou novamente. Os gêmeos só tinham se agitado durante a „Hora da Comedia de Cheryl e Cal, e ele conseguiu levá-los de volta ao sono e pegar um pouco mais para si mesmo. Passando por cima de seus pais e tropeçando em um caminhão de brinquedo enorme na sala de estar, Tommy quase foi atropelado por Carrie enquanto ela passou por ele com um pedaço de pão na mão. Ele foi para a cozinha para uma xícara de café. Colleen estava lá. Os bebês estavam sentados em cadeiras altas e trabalhando em pequenas porções de farinha de aveia, ficando mais na bandeja do que em suas bocas. “Que horas são?” Ele perguntou, se alongando e pegando a sua caneca. “Quase sete.” Colleen passou uma pequena caixa. Apontando para a sala de estar, Tommy perguntou: “De onde veio o caminhão?”

29


Davey sorriu orgulhosamente enquanto ele pegava mais aveia de sua tigela. “Eu encontrei-o.” Ele tinha acabado de completar treze anos e seu cabelo loiro e covinhas o faziam parecer muito mais inocente do que ele realmente era. Tommy se aproximou de seu irmão. “Encontrei-o onde?” “Do outro lado da cidade,” Davey respondeu amigavelmente. “Ele estava apenas no quintal de alguém. Imaginei que os bebês poderiam gostar dele.” Uma „torneira‟ fraternal pousou na nuca de Davey e ele se encolheu. "O que? Eu encontrei!" “Você não roubou merda de crianças. Jesus, Davey. Se você vai roubar algo, que seja algumas fraldas e leite.‟‟ “Eu peguei leite.” Davey soava indignado. Tommy queria rir. Em vez disso, ele olhou severamente para Davey. "Leve-o de volta." "O leite?" “O caminhão. Cristo." Davey não pareceu apreciar o pedido. “Mas se eu for pego colocando de volta algo que roubei em primeiro lugar?” Ele fez questão que nenhum dano foi feito, mas havia aqueles limites de novo, e era ruim o suficiente Tommy deixar as crianças roubar coisas como comida e papel higiênico. Roubando alguém em sua própria rua era uma linha que não queria nenhum deles cruzando. “Leve Collin com você. Ele é jovem o suficiente, se você diz que seu irmão levou-o e ele voltou para

30


devolvê-lo e pedir desculpas, ele só vai obter um tapinha na cabeça ou um dedo sacudiu em seu rosto.” Davey estreitou os olhos, mas ele resmungou um “Tudo bem” quando ele terminou o seu café da manhã. Olhando para Colleen, Tommy perguntou: “Você não tem escola hoje? Você não está nem vestido.” “Eu ia pegar um turno no restaurante. Percebi que eu tinha acabado de largar hoje.” Tommy tinha feito metade do caminho para uma cadeira, mas ele parou e voltou para Colleen. "Com licença?" “O quê?” Ela perguntou distraidamente enquanto ela escrevia quanto ela tinha dado aos gêmeos da sua medicação naquela manhã. Ela enfiou o bilhete na geladeira e olhou para Tommy. “Eu estou levando a minha GED neste verão de qualquer maneira. Não importa se eu não aparecer para a aula.” “Nós ainda não decidimos isso, Col, e importa sim.” Ele sabia que não tinha nenhum direito de dizer que ela estava terminando o ensino médio, especialmente quando ele saiu aos dezesseis anos e começou a trabalhar onde e quando ele poderia manter as luzes acesas e os impostos sobre a casa paga, mas ele estava firme com ela. Ele não queria que ela arruinasse suas chances de sair de lá. Ele sempre esperou que ela seria a primeira deles a quebrar o ciclo. “Precisamos do dinheiro, Tommy.”

31


Isso era verdade. Mesmo com seus bicos, ela não fez muito, e Tommy ganhava apenas alguns dólares ao longo de salário mínimo. Eles sempre precisavam de dinheiro. “É mais um ano, Colleen, Cristo. Apenas... vá à escola e me dê uma chance de descobrir alguma coisa, ok? Por favor." Ela suspirou e parecia duvidosa. “Tudo bem, mas juro por Deus, Tommy, não estamos indo fazê-lo mais um ano assim.” “Eu vou encontrar algo que pague melhor ou... alguma coisa, só... vamos trabalhar neste verão, que vamos economizar um pouco. Vai ficar tudo bem, ok?” “Tudo bem, mas é uma opção, ok?” "Não, não é. Agora vá se arrumar.” Ela olhou para o relógio. “Merda, agora eu vou chegar atrasada.” Tommy observou-a correr para fora da sala e deixou-se rir. Eles eram um pequeno clã fodido, mas eles eram dele. Era assim que ele via, de qualquer maneira. Mikey passou por em seu caminho através da cozinha. Quase quinze anos, ele era alto e esguio com um esfregão de cachos castanhos flutuando sobre a testa. “Onde você está colocando o caixote do lixo?” Tommy perguntou-lhe. “Eles estão começando a se mexer, e eu não estou limpando novamente.” “É a sua vez” Davey disse ele.

32


Tommy podia dizer pelo tom de voz de Davey tinha medo e Mike estava tentando se sair da tarefa. “Sim, e se isso funciona, quando for a sua vez, você se lembre disso.” Mike bateu a lata. “Encontre-nos uma nova hoje depois da escola. Este será o caixote oficial de vômito de Cheryl e Cal.” Ele parecia excessivamente satisfeito com o seu novo plano como ele tamborilava o caixote plástico e andava com um salto em seu passo para a sala de estar. A porta da cozinha foi aberta sustentada e Tommy podia ouvi-lo enquanto Mikey estava sobre seus pais. “Ei, acorda, velho. Isto é para você e a madrasta, entendeu? Vomite no chão novamente, e eu estou usando seus rostos para limpá-lo.” Rindo enquanto ele tomava um gole de café, Tommy perguntou se deveria chegar para Mike sobre ele falar com eles dessa forma. Ele decidiu que respeito deve ser conquistado, e nenhum deles estava ainda na corrida para isso. “Você quis fixar a roda no carrinho da criança?” Lembrou-se de repente, pedindo Davey se ainda era utilizável. “Sim, na semana passada, por quê?” “Tenho que levar as crianças para o Doc.” “Cento e vinte e oito malditos dólares e eles têm a coragem de chamá-lo de uma clínica gratuita,” Tommy murmurou para os gêmeos quando ele se agachou na frente deles. A roda do carrinho se soltou novamente e ele estava tentando corrigi-lo enquanto os carros do meio-dia passavam correndo por

33


ele. “Eles devem chamá-lo de clínica 'foda-se na bunda'”, ele resmungou, tocando a roda de trás e dando-lhe uma boa batida. “Ou vamos deixá-lo morrer se você não apagar na frente da clínica.” Ele cerrou os dentes, sua mão queimando quando ele finalmente conseguiu a roda de volta no lugar. "Ou..." “A 'é melhor tratá-la a si mesmo' de clínica?” Tommy pulou ao som da voz de Bobby atrás dele. “Jesus, fizeram você relaxar fora da força ou algo assim?” Ele olhou para Bobby, que estava ao seu lado como se ele tivesse estado lá o tempo todo. “Eu tenho o direito de alguns dias de folga por semana, você sabe.” Bobby riu quando ele enfiou a mão no pequeno saco de papel que ele carregava com ele. Ele pegou dois biscoitos e passou-os para os bebês. “Você realmente deve perguntar antes de ir distribuindo doces e biscoitos. E se o médico disse que não pode ter doces, ou são alérgicos, ou...” “Ou você simplesmente não quer me fazer agradável com eles?” “Sim, ou aquilo.” Tommy se levantou e chutou a roda uma vez para se certificar de que ficou bom antes de se inclinar para destravar o freio. Bobby riu, mas ele parecia ferido ao mesmo tempo. “Por que não, Tom? O que há de errado em ser bom para eles?” “Eu só não gosto de pessoas... mergulhando dentro, é tudo.” Ele começou a andar, esperando que Bobby fosse continuar em outra direção, mas ele não teve sorte em tudo hoje aparentemente. “Eu, rusga?” Perguntou Bobby, acompanhando, quase ao lado de Tommy. “Eu sou um não-bem-vindo agora?”

34


“Isso não é sequer uma palavra.” “Nem é 'não é'.” Bobby mastigava um biscoito, tentando oferecer um para Tommy. “Não quero ficar com um intestino ruim, e apodrecer os dentes com essa merda.” “Mas obrigado pela oferta...” Bobby acrescentou calmamente para ele. “Por que a clínica de cento e vinte dólares apenas para olhar para os seus ouvidos?” “Eles precisavam de suas doses de reforço, e eles me deram alguma merda rosa para matar a infecção no ouvido, mais eu lhes devi vinte pela última vez que eu tive que levá-los. Merda acrescenta-se rapidamente.” “Será que você tem... Quer dizer, é que vai... você...?” “Jesus, eu não sabia que você gaguejava.” Tommy olhou-o por um minuto, sabendo aonde Bobby queria chegar. “Olha, eu aprecio a noite passada e você ser legal sobre a merda o tempo todo e ser agradável para as crianças e... toda essa merda. Eu, juro por Deus, mas... por quê?” Bobby parou quando Tommy parou, e ele olhou para os gêmeos como se ele fosse encontrar a resposta em seus rostos. “Por que não?” Ele respondeu, olhando para trás para os olhos de Tommy. “Você não pode responder a uma pergunta com uma pergunta,” Tommy bufou, remexendo na capa do carrinho quando sentiu alguns pingos quentes de chuva começarem a cair.

35


“Eu apenas fiz.” O sorriso estava de volta no rosto de Bobby e Tommy não tinha certeza se ele queria beijá-lo ou chutá-lo fora. “Sério, por que não pode alguém ser apenas... agradável?” “Porque ninguém é agradável por nenhuma razão. Todo mundo tem um ângulo, todo mundo tem uma razão para fazer merda.‟‟ Bobby fez um som de zumbido rápido, sinalizando uma resposta errada. "Besteira. Por que você faz o que faz? Você tem vinte e dois anos de idade. Você poderia pegar e sair, fazer um caminho para si mesmo, sair e se divertir ou ir para a faculdade ou... alguma coisa, só para você. Em vez disso, você age como um pai solteiro de quarenta anos de idade. Você poderia despejar tudo no colo de Colleen, mas você não. Você não precisa nem dizer a Cheryl e Cal para ir se foder e cuidar de seus próprios filhos, porque você e eu sabemos que as chances dos dois serem bons são escassos.” Ele fez uma pausa para respirar, então, perguntou: “Então, qual é o seu ângulo?” Tommy olhou para ele por um longo minuto, realmente não tendo uma resposta. Em seus piores dias, os dias em que ele se odiava por ele pensar apenas em sumir, dizendo-lhes a todos boa sorte e até mais vê-los! Mas ele nunca faria isso, nem sequer dar-lhe-ia consideração honesta. “É diferente com a família.” Tommy tinha certeza sobre essa coisa se nada mais. Ele colocou a mão no topo da cabeça de Max sob o capô do carrinho. “A família que você está dado e o que você escolhe. É diferente." Eles começaram a andar novamente, só porque Tommy ainda estava tentando escapar. Ele amaldiçoou o fato de que eles tinham um carro para todos os oito.

36


“Eu continuo a dizer: besteira,” Bobby disse ele, continuando na mesma linha. “Está escuro lá fora, tarde da noite, você vê uma mulher idosa em uma parada de ônibus, de bruços na lama. Sua bolsa está aberta, o dinheiro saindo. Você pega o dinheiro e corre ou liga para o 911?” Tommy parou e olhou para ele, então, sentindo um lampejo de raiva que Bobby tivesse sequer que perguntar. “Ligo para o 911, idiota.” “Então, o que está lá para ganhar para você? Fazer algo de bom desse jeito e tudo.” “Isso não é bom, isso é apenas... Cristo, você não deixa alguém morrer.” “Ok, seu vizinho, qual é o nome dela? Farah ou qualquer outra coisa? Sua energia é cortada, você tem algum dinheiro e ela não, você a deixa sentada no escuro, ou você empresta para ela até que ela possa pagar de volta?” “Eu empresto. Ela mantém um olho sobre a casa, se Colleen e eu não pudermos obter turnos opostos.” “Essa é a única razão? Mesmo?" "Foda-se." “Uau, você teria que equipe de debate balanceada.” “Você ainda não respondeu à minha pergunta, Bobby.” “Eu fiz, você simplesmente não percebeu isso ainda.” Tommy parou de novo e olhou para Bobby. “Você acabou de me chamar de estúpido? Jesus fodido Cristo, que bolas!” “Eu diria mais como propositadamente obtuso.”

37


“Eu... isso é uma forma de me chamar de estúpido.” Bobby riu seu sorriso tão brilhante como o sol. “Não estúpido, só não me ouve, porque você não quer.” “Você tem esse direito.” Tommy começou a andar novamente. Ainda ao lado de Tommy, Bobby disse: “Eu só... eu me tornei um policial por uma razão, sabe? Eu vi onde eu poderia fazer a diferença, e eu fui para ela.” “Então você acha aparecendo e desmaiando rosquinhas vai fazer a diferença para nós?” “Eu acho que a bondade sempre faz a diferença. Não há muito disso por aqui, e isso ajuda sim.” Tommy murmurou baixinho, uma maldição colorida, então, perguntou: “Então, qual é, vindo de Natal você vai ser o nosso segredo de Papai Noel agora? Jesus." A casca genuína do riso escapou de Bobby antes que ele dissesse seriamente, “Se eu pensasse que eu pudesse fazer isso e manter minhas bolas para o ano novo, eu faria.” “Eu sei o que você garante fazer. Você não tem esse tipo de dinheiro à disposição ao redor. E eu iria ter suas bolas por isso.” A imagem enviou uma faísca rápida de calor através de Tommy, e ele podia sentir-se nivelado para ele, feliz que ele estava olhando para frente com o rosto inclinado para baixo para evitar a chuva, que foi ficando mais pesada. Ele podia ouvir Bobby murmurar algo ao lado dele, mas não o pegou. Ele esperava que fosse, pelo menos, o fim do debate. “Onde está seu carro?” Ele perguntou de repente,

38


perguntando-se por que o cara estava andando quando o céu parecia prestes a tempestade. “Em volta da padaria. Eu me senti bem para uma caminhada.” “Está mais como se você se sentisse bem me perturbando.” “Isso também.” Bobby riu, divertido. Tommy não tinha percebido o quão longe eles tinham chegado. Eles estavam quase em casa agora. “Falando nisso, como diabos você pagou esse carro com o seu salário? Como você cobre?” Ele perguntou quando eles se voltaram até a entrada para a casa. Bobby praticamente bufou com isso. "Eu? Sério?” Ele andou até a varanda quando ele estendeu a mão para ajudar a levantar o carrinho pelas escadas da frente. “Eu, hum... Eu vivo com a mãe, por isso tenho alguma renda disponível.” Tommy parou no meio do caminho em seus passos e riu alto. “Você vive com a sua mãe?” Foi a vez de Bobby estreitar os olhos. “Não é assim.” Ele puxou o carrinho de modo que Tommy começaria a se mover novamente. Eles dois levantaram os bebês de forma que eles passaram facilmente para a varanda. “Quando meu pai morreu, ela estava tendo um tempo sozinha, não poderia manter a casa por si mesma, então me mudei de volta.” Abrindo a porta da frente, Tommy empurrou-a e foi tirar Max do carrinho de criança, mas Bobby já tinha o menino em seus braços. Ele pegou Zoe em vez. “Você não tem irmãos e irmãs que poderia ajudar?” Ele perguntou, tentando não se sentir tão curioso por quem ele realmente era.

39


“Não, apenas eu. Eles sempre quiseram uma grande família, mas eu fui tudo o que tiveram.” “Não é um mau negócio,” Tommy murmurou para si mesmo. Ele parou em seu caminho quando encontrou Cheryl e Cal ainda de bruços no chão em quase meio-dia. “Cristo” ele sussurrou, o som de derrota e frustração pairou no ar quando ele exalou. Ele deixou Bobby e fechou a porta. “Levante-se.” Tommy bateu em Cal com o pé. “Preguiçoso da porra... Cristo, o que eu não daria...” Ele continuou a murmurar para si mesmo quando ele caminhou através da casa, colocando Zoe sentada em uma pequena pilha de brinquedos na sala de estar. “Trouxe meu dinheiro de volta, Tommy?” Perguntou Cheryl. Ela levantou-se de joelhos e olhou ao redor da sala como se doesse estar vivo. Seu cabelo loiro descorado estava emaranhado embaixo em um lado de seu rosto e sua camisa estava aberta em cima dos seios flácidos e sutiã feio. “Não, eu dei ao médico para que seus filhos pudessem obter os seus medicamentos.” A casa cheirava a vômito e atingiu-o como um soco mesmo a partir de seis metros de distância. “Você usou a lata de vômitos para você?” Cheryl piscou em confusão e, em seguida, virou a lata olhando para dentro. “Acho que sim” ela murmurou. “Onde está o meu dinheiro, Tommy? Você não pode simplesmente roubar de mim.” Ela olhou para Bobby. “Ele é um policial, não é? Você, diga a ele para me dar o meu dinheiro de volta.” “Ela não pode sequer se lembrar dos seus malditos nomes em metade do tempo, mas eu pegar o dinheiro para pagar o doutor, isso ela se lembra,” Tommy rosnou para Bobby quando ele foi para a cozinha.

40


Bobby ainda segurava Max como ele não confiava em colocá-lo para baixo perto de Cheryl. Tommy o ouviu perguntar a ela, “Hum... você tem a prova de ter tido o dinheiro? Prova de onde você conseguiu isso?” “O quê?” Ela perguntou confusa, com a cabeça, obviamente, ainda girando. “Se eu vou fazer alguém devolver o seu dinheiro, dinheiro que teria sido levado de você, eu tenho que saber o quanto ele era, onde manteve, onde você conseguiu, ver um recibo de pagamento... esse tipo de coisa." Tommy soltou uma risada, percebendo que Bobby estava mexendo com ela, e gostando. “Cai fora.” Cheryl se levantou com um tropeço enquanto Cal começou a levantar a cabeça do tapete da frente. “Eu preciso de uma bebida,” ela disse para Cal. “Nós estamos fora” Tommy informou-lhe quando ele veio da cozinha com dois copinhos e uma pequena tigela de biscoitos e bananas cortadas. "Fora? Como poderíamos estar fora?” “Porque você bebe como se amanhã o mundo fosse acabar? Porque você não sabe quando parar? Porque…" “Porque você gasta todo o meu dinheiro em alguma merda que nem sequer precisa?” Cheryl cuspiu de volta antes que ela se dirigisse para a cozinha. Tommy podia ouvir seus armários sendo abertos, a geladeira. Ele sabia que era melhor não tentar impedi-la.

41


“Merda não precisamos, como fraldas, leite e medicina e, oh, eu não sei, eletricidade e porra de comida?” Tommy gritou pela casa. Os gêmeos olharam para ele com os olhos arregalados enquanto ele entregava o copo para Zoe e colocava o seu lanche sobre a mesa de café. “Não grite! Minha cabeça dói, porra!”Cheryl gritou da cozinha. “E eu também,” Tommy disse calmamente. Ele olhou para Bobby e, talvez pela primeira vez em sua vida, se sentiu envergonhado por aquilo que ele via. Cheryl voltou em seguida, olhando, com as mãos tremendo visivelmente. “Eu deveria vender esses dois.” Ela acenou para os gêmeos. “Tudo o que fazem é chorar, merda, e custam dinheiro.” Tommy cerrou os punhos, inclinando a cabeça para baixo como um touro prestes a cobrar quando ele deu um passo na direção dela. “Se você sequer pensar sobre isso algum dia, eu vou...” Ele não conseguiu terminar sua advertência porque Bobby cortou. “Isso é um crime” disse a ela enquanto ele se colocou entre Tommy e Cheryl. Passou Max a Tommy como se ele soubesse que era a única maneira de resolver a situação. “Sério, um crime federal. Se alguma coisa acontecer com qualquer um deles agora, você vai ser a primeira pessoa que prenderemos, Sra. O'Shea.” Acrescentou o último com um pequeno grunhido que Tommy não teria pensado que ele fosse capaz. Ele nunca pareceu mal educado levemente como tipo agora. Ele parecia zangado, como se ele desejasse que ele pudesse derrotá-la. Tommy passou a gostar dele um pouco por isso também.

42


Cheryl deixou que isso se afundasse nela. Parecia que ela estava criando um plano b em sua lista mental. “Eu só preciso de uma maldita bebida!” Tommy sabia que a bebida era sua segunda droga de escolha. Ela usavaa para ajudá-la a descer qualquer outra coisa que ela tinha tomado. Com um suspiro, Bobby enfiou a mão no bolso de trás e tirou sua carteira. Ele tirou uma nota de vinte e passou-a para Cheryl. “Você e Cal vão. Divirtam-se. Por mim." Tommy revirou os olhos com tanta força que realmente feriu, mas ele não disse nada até que Cheryl colocou os braços ao redor do pescoço de Bobby para lhe agradecer, seu comportamento mudando instantaneamente. “Você é como um cavalheiro”, ela disse a ele, tentando alcançar a sua boca com um beijo, mesmo quando Bobby rapidamente se afastou dela e respondeu. “Eu sou grato por isso, prometo.” “Só se você não estiver com medo de ficar com gonorréia,” Tommy sussurrou, colocando Max ao lado de Zoe antes dele começar a pegar brinquedos, roupas e livros em toda a sala. Por um instante, Cheryl pareceu magoada. “Foda-se, Tommy.” “Eu vou passar” ele disse, sem rodeios, olhando por cima do ombro enquanto Cheryl foi despertar Cal. Assim como havia uma promessa de uma garrafa no canto da loja de bebidas, Cal já estava de pé, cambaleante, mas de pé. “Leve o caixote com você. O lugar todo cheira... bem, cheira a você. Jesus." O cabelo castanho escuro de Cal estava gorduroso e manchado de prata, sua pele enrugada e suja, e seus olhos verdes bordados em vermelho. Ele odiava admiti-lo, mas Tommy sabia o que ele poderia ser igual a vinte ou

43


trinta anos na estrada, se ele não cuidasse de si mesmo. Cal piscou para seu filho mais velho, em seguida, foi para baixo, para o caixote do lixo a seus pés. "Oh, certo. Bem pensado, Filho”, ele disse, passando as mãos pela frente, verificando se havia vômito ou tentando suavizar as rugas, Tommy não sabia. “Certo, Pai.” “Como estão os menores?” Perguntou Cal, e Bobby parecia tão chocado que Tommy pensou que ele poderia cair. “Melhor, obrigado por perguntar.” Cal deu um tapinha no topo da cabeça de Zoe ao passar por ela. “Certo, bem... Acho que estamos saindo.” “Boa liberação”, Tommy murmurou sombriamente quando Cal pegou a lata e Cheryl puxou-o para fora da porta. Ele só levou mais um minuto para terminar de se limpar e quando ele terminou, Bobby tinha sentado confortavelmente no sofá. Ele estava observando os gêmeos mastigarem sua comida e brincarem com seus brinquedos. “Eu entendo por que você nos ajudou ontem à noite, mas... quê? Dandolhes dinheiro para que eles possam sair e fazer tudo de novo? Não há uma palavra para isso?” “Ativando.” Bobby esticou as pernas, joelhos um pouco abertos. Tommy teve que desviar o olhar. “Não, eu acho que é chamado estupidez.” Bobby riu, depois sacudiu a cabeça. “Você realmente queria os dois aqui o dia todo? Além disso, foi só vinte dólares.”

44


"Ponto justo." “Deveria mantê-los ocupados por um tempo, pelo menos.” Tommy balançou a cabeça. “Meia hora, no máximo. Mas eles pegarão uma carona até a parada de caminhões de modo que Cheryl possa ganhar algum dinheiro, e eles terão muito o que fazer depois disso.” “Deus, Tom,” Bobby começou suavemente, sem nenhum traço de pena em sua voz, apenas um olhar sutil de tristeza ecoando ao redor dos olhos. “Será que ela já trouxe Johns para casa?” Tommy podia sentir-se tenso, sua mandíbula apertada, mas ele encontrou algo estranhamente relaxante na ideia de descarregar tudo isso em alguém. “Estou dizendo Oficial McAlister, ou...” “Um amigo, apenas... um amigo. Fora do Registro.” “Ok, amigo...” Tommy riu suavemente, provocando, mas ele estava começando a gostar da ideia disso, começando a se perguntar por que eles nunca saíram na escola. Bobby era alguns anos mais velhos do que ele, mas ele não teve amigos no ano de Bobby. “Às vezes, sim. Muitas vezes não, mas... isso aconteceu.” “Isso não é bom, merda.” “Isso é notícia? Eu sei que não é bom.” “Isso causou dano aqui alguns meses atrás, aquele cara que você estava lutando com...?”

45


“Sim, Cheryl trouxe para casa. Acho que o cara não queria pagar um motel , e ele começou a farejar Colleen, não deixei, então eu tive que colocá-lo em seu lugar.” A risada de Bobby era um pouco sarcástica. “Você quebrou sua mandíbula com um pé de cabra.” “Bem, se você tentar transformar minha irmã em uma prostituta, então, aparentemente, o seu lugar é no chão em uma pequena poça de seu próprio sangue.” Tommy riu, mas ele não estava brincando. “É justo.” Bobby assentiu com a cabeça, como se ele secretamente concordasse. “Por que não simplesmente fez um boletim de ocorrência?” “E ter a Proteção de Menores rastejando na minha bunda? Você viu, a forma como eles são, não há nenhuma maneira, no inferno, que eu iria manter as crianças.” Os dois sabiam que ele não poderia pedir a custódia como as coisas estavam, e Bobby nem sequer perguntou. “Só tenho mais alguns anos como este. Eu tenho tudo planejado, você sabe? Colleen pode terminar a escola, talvez conseguir um bom emprego quando ela sair, Mikey a mesma coisa. Em seguida, nós três, vamos ter bastante dinheiro e empregos bons o suficiente, e talvez então nós podemos obter as crianças. Três adultos cuidando de outros cinco.” “Poderia funcionar.” Bobby parecia cansado e frustrado. “Monte de merda para percorrer até então, apesar de tudo.” Tommy ficou tenso novamente. “Bem, eles valem a pena.” “Eu quis dizer para eles. Colleen tem o quê? Dezesseis?"

46


“Dezessete no outro dia.” Tommy não gostou onde a conversa estava indo. “Ok, dezessete anos.” Bobby assentiu. “Quando foi a última vez que ela teve um encontro ou foi a uma escola de dança ou uma festa? Ou Mikey? E Davey gosta de roubar merda, você já pode ver isso nele, ele é um viciado em adrenalina. Carrie age um pouco como uma mãe para os outros três, o tempo todo desejando que ela tivesse um seu próprio...” Os grilhões de Tommy estavam subindo, em parte porque o que Bobby disse era verdade. “Você perguntou a eles, perguntou a Colleen ou a Mikey se eles preferem estar fora festejando e transando ou indo ao cinema com os amigos. Pergunte-lhes se eles teriam um bom tempo fazendo essa merda se eles soubessem que seus pequenos irmãos e irmãs estavam em uma casa do Estado ou sendo deixados para Cal e Cheryl. Pergunte a eles mesmo, porque eu já sei a resposta.” “Eu sei a resposta também, Tom. Só estou dizendo que tem que haver uma outra maneira.” “Bem, de onde eu me sento, é isso ou orfanato. Quando você vir para cima com porta de número três, você me avise.” “Cuidados na casa Foster não é sempre...” “Se você quer ser meu amigo, é melhor você parar aí.” Tommy sentouse mais alto e se aproximou dos gêmeos. “Você sabe o que aconteceu quando fomos para promover o cuidado lá, gênio?” Bobby balançou a cabeça, olhando envergonhado enquanto Tommy continuou. “Mike e Davey foram tratados como escravos porra, não comiam nada, apenas grãos e batatas porque a

47


mulher pegou o dinheiro que ela recebeu do Estado para eles e jogou. Colleen acabou com algum pervertido que a fez sentar no colo dele enquanto ele assistia pornô e sentia-a, pergunte-lhe por que ela não vai a encontros e foda só Deus sabe o que aconteceu com Carrie e Collin, porque eram tão jovens, eles nem mesmo saberiam o que me dizer se houvesse algo para contar. Então você pode pegar o seu orfanato e enfiá-lo na sua bunda, Oficial." Após um longo silêncio, Bobby balançou a cabeça novamente. "Eu estou… Cristo, eu não sabia, Tom. Eu... Meus pais me levaram para as crianças adotivas quando eu era mais jovem, era... agradável. Foram bons para nós. Eles adoraram lá, eu...” “Bem, é uma questão de sorte, e como você pode ver, não temos muita sorte por aqui.” "Eu sei, me desculpe. Foster está fora da mesa de forma permanente, ok? Eu não tinha ideia de como foi ruim para eles, só...” “Está tudo bem.” As palavras saíram como um grunhido, mas isso era em parte porque a cabeça de Tommy realmente estava machucada e ele estava cansado até os ossos. Ele levantou do sofá e começou a limpar os gêmeos. Ele foi até a cozinha para colocar seus antibióticos na geladeira para que ele pudesse tirar o seu cochilo. Bobby se aproximou dele. “Alguma coisa que eu possa fazer...?” Tommy bufou uma risada, pensando que ele realmente tinha medo de Bobby dizer a palavra ajuda. “Sabe como mudar uma fralda?” Ele perguntou por cima do ombro quando ele começou a carregar a máquina de lavar

48


louça. “É quase tempo para suas sestas, o meu também, mas eu tenho que limpar aqui. Não posso deixá-lo assim para Colleen.” Olhando chocado quando Tommy lhe permitiu realmente fazer algo útil, como se fosse um privilégio, Bobby perguntou imediatamente: “Onde está o material?” “Oh.” Tommy virou-se, com as mãos molhadas, a água pingando no chão, quando ele apontou para a cozinha para um pequeno armário. “Os lenços umedecidos, fraldas, pomada e outras coisas estão todos lá. Você pode simplesmente mudá-los no chão. Nós não somos realmente exigentes sobre isso.” “Não tem problema.” Bobby sorriu enquanto recolhia os suprimentos. Tommy revirou os olhos. No momento em que a cozinha estava limpa e tudo estava de volta onde pertencia, Tommy saiu para encontrar a sala de estar vazia. Ele sentiu uma rápido onda de pânico, até que viu Bobby descendo as escadas com os seus pés descalços e camisa de flanela que ele estava usando anteriormente retirada. A camiseta branca cobria o peito bem definido. “Você deveria ter me avisado que Max gostava de fazer xixi depois de retirar a fralda.” Tommy não devia ter rido, mas ele fez. “Pegou você bem, não é?” “Oh, sim, você vai lavar a minha camisa para mim.” Tommy apontou para o cesto no corredor. “Jogue-a na pilha.”

49


Ele começou a passar por Bobby para ir para cima, mas Bobby parou. “Eles estão dormindo. Eu coloquei o trilho lá em cima e deixei a porta aberta para que você possa ouvi-los.” “Oh.” Ele ficou desapontado e não teve uma chance para escondê-lo. “Eu costumo ler para eles no período da tarde até eles domirem. Será que eles o bajularam?” “Nem um pouco, mas Zoe pegou um livro quando ela tirou a roupa e mudou. Tomei a sugestão, eles não perderam a sua história.” “Bem,” Tommy tentou brincar. “Agora eu nunca vou saber a quantas anda cachinhos dourados.” “Felizes para sempre, eu prometo.” Bobby piscou-lhe um sorriso maroto quando ele se sentou no sofá. Tommy olhou-o por um momento. “Sinta-se em casa” ele disse sarcasticamente, mas juntou-se a Bobby na outra extremidade do sofá. “Não importa se eu faço.” Bobby estava sorrindo novamente, seus dedos entrelaçados atrás da cabeça, descansado, pernas esticadas confortavelmente. “Eu posso ver isso.” O silêncio na sala era pacífico, não estranho ou pesado, e Tommy teve que gastar alguns minutos lembrando-se de que Bobby ainda era mais policial do que amigo e, apesar de quão incrivelmente bonito ele era, provavelmente hetero. “Como sua mãe está agora? Quer dizer, depois de seu pai e tudo.”

50


Bobby pareceu surpreso com a pergunta, mas respondeu: “Ela está melhor. Foi difícil no começo, sabe? Trinta e seis anos de casamento e estar sozinho, de repente... Mas tem sido mais de um ano e ela está indo muito bem agora.” “Porque garotinho voou e fez a diferença,” Tommy apontou, parte provocação, parte admiração. Bobby riu, em vez de se ofender. "Está certo. Oficial Swooper resgatado Ma a partir de...” Sua brincadeira morreu em seus lábios e parecia a Tommy como se tudo o que ele estava prestes a dizer teria batido muito perto de casa. “Bem, o que eu salvei. Apenas feliz que ela ainda está por perto para cuidar.” “O comércio o quer?” Tommy brincou, cutucando Bobby com o dedo do pé, depois de ter tirado os sapatos antes. Um pouco de risada que Tommy estava começando a encontrar muito cativante saiu. “Sobre o meu cadáver.” Bobby mudou então ele estava de frente para Tommy agora. “O que aconteceu com sua mãe, afinal? Eu sei que Cheryl é apenas... o que ela é.” “Morreu de uma overdose quando eu tinha…” Ele parou por um minuto, apertando os olhos enquanto tentava lembrar. “…quase treze. Collin tinha acabado de nascer e, logo que ela o teve, ela foi em um dobrador real.” “Ela ficou limpa quando ela estava grávida? Isso é impressionante.” A expressão de Bobby disse a Tommy quanto ele quis dizer com isso. “Bem, ex limpa, eu acho. Eu sei que ela ainda bebeu um pouco e fumou maconha, provavelmente, apenas o suficiente para manter o vicio controlado.

51


Ela não era como Cheryl. Quer dizer, ela era uma bagunça fodida também, mas ela nos amou, queria coisas boas para nós. Papai também, quando éramos pequenos, mas Jesus, vício. O que você vai fazer?" “É um milagre que nenhum de vocês tiveram Síndrome Alcoólica Fetal ou algo assim.” “Milagre e genes irlandeses, eu estou supondo. Acho que deve ter desenvolvido algum tipo de resistência no útero.” Ambos os homens riram, Bobby se moveu um pouco mais para baixo no sofá. Se Tommy não soubesse de nada, ele teria pensado que parecia com o final de um encontro agradável. Não que ele teve qualquer um desses, pois achava que ele não era apenas certo para ficar com alguém, quanto mas para conhecer alguém, mas ele iria se sentir muito parecido com este encontro no sofá. Silencioso e fácil, um tipo descontraído de diversão com um pequeno fervor de calor sob a superfície. Eu devo estar mais cansado do que eu pensava . “Você se saiu bem, Tom. Considerando com tudo o que você tem que lidar, você faz um trabalho incrível disso.” Bobby não disse isso como se Tommy tivesse a sorte de ter a sua aprovação ou como se ele precisasse de ninguém, mais como ele pensou que estava prestes a ser a única maldita vez que alguém disse isso. “Basta fazer o que tenho que fazer”, Tommy murmurou, sentindo suas pálpebras inclinando-se. O sono foi subindo sobre ele. Em algum lugar dentro, um calor se espalhando para fora de seu núcleo, algo desfraldando dentro dele que o fazia sentir, talvez pela primeira vez em sua vida, feliz por estar vivo.

52


“Você diz isso, mas você não tem ideia de quantas pessoas eu vejo na sua situação que não fizeram. Você optou por isso, Tom. Você escolhe todos os dias não virar as costas e sair por aquela porta. Há sete pessoas que só poderiam vivem aqui por causa de você.” “Assim como você, cobre?” Tommy provocou, mas ele estava meio adormecido já, bocejando enquanto ele falava. “Melhor do que eu, Tom.” As palavras eram um sussurro, mas elas foram a última coisa que Tommy ouviu antes de finalmente afundar em um confortável sono, repousante. A voz de Bobby perseguido calorosamente através de seus sonhos com pequenas risadas e carinhos suaves. Quando Tommy acordou, viu-se sob o cobertor que eles mantinham sobre as costas do sofá. A casa parecia vazia, e ele sabia que Bobby tinha ido. Ele não queria pensar na pesada decepção que ele ficou com isso. Em vez disso, ele piscou abrindo os olhos e subiu as escadas para verificar os gêmeos.

53


Capítulo 3 “Você quer fazer o que?” Tommy não queria parecer irritado, mas ouvir sua irmã lhe dizer que queria ir em um encontro de verdade pela primeira vez em sua vida foi uma primeira coisa de choque na parte da manhã. “Formatura.” Colleen olhou como se ela deveria ter vergonha. “Nós não teríamos de gastar dinheiro em um vestido ou qualquer coisa. Farah disse que eu poderia pegar emprestado algo bonito. E eu sei que é, provavelmente, em uma noite de trabalho, mas o verão está chegando e eu vou ser capaz de trabalhar mais turnos no restaurante em breve. Eu só…" Tommy cortou. “Não é isso, Col, juro, eu só... Tem certeza disso? Quero dizer, você sabe mesmo quem é esse cara? Como é que eu nunca ouvi você falar sobre ele?” “Você já ouviu falar dele” ela insistiu, revirando os olhos. “Você o conheceu algumas vezes. Ele era meu parceiro de laboratório no semestre passado, lembra?” Estreitando seus olhos quando ele imaginou o garoto calmo, nerd que estava sentado em sua mesa de cozinha e rabiscava notas entre olhares em Colleen, Tommy quase riu. “Esse cara te convidou para sair?” Ele estava de pé na cozinha de cueca, servindo-se ovos fritos e torradas. “Eu nem sabia que ele poderia falar.” Colleen pegou o leite da geladeira e começou a colocar em copos, adicionando água como sempre fizeram. “Sim, ele fala. Ele simplesmente não

54


fala com você, porque tudo que você fez foi ficar ao redor de cara feia para ele.” Antes de Tommy tomar um gole de sua caneca de café, ele murmurou sobre a borda, “Eu não gostei da maneira como ele olhou para você.” Ela revirou os olhos novamente. “Ele é muito bom e ele é muito inteligente e ele me perguntou e eu quero ir”, disse ela com firmeza. Ela deu um passo para trás quando Davey e Mike correram para a cozinha e pegaram seus pratos. Tommy soltou um suspiro de resignação. “Ok, deixe-me saber quando e eu vou tirar a noite de folga.” Ele acrescentou rapidamente, “No entanto, eu quero encontrá-lo novamente. Ele estará te pegando aqui em casa e ele vai trazer você em casa por uma hora decente, ou juro por Deus, eu vou atrás dele.” Ele beijou sua testa e tentou sorrir. “E ele melhor que seja bom.” Quando a campainha tocou, Colleen colocou a cabeça para fora do banheiro. Um ferro de ondulação estava em sua mão quando ela gritou para Tommy, “Merda, ele veio cedo! Deixe-o entrar, por favor.” Tommy passou por ela em seu caminho pelo corredor, balançando a cabeça. “É tipo rude mostrar-se cedo para algo como isto...” Ele foi principalmente provocando. Ele e Mike tinha feito um reconhecimento no encontro de Colleen e a pior coisa que puderam encontrar foi que ele às vezes ignorava em massa para jogar jogos de vídeo. De todos os rapazes do ensino médio de Colleen, que poderiam tê-la convidado para sair, ele era provavelmente o mais seguro.

55


Ele abaixou-se para pegar alguma roupa suja jogada no fundo das escadas e jogou-a no cesto ao virar da esquina quando ele foi abrir a porta. Tommy teve a certeza que a surpresa foi clara em seu rosto quando ele encontrou Bobby em sua porta. Ele tinha um saco de pano de compras em uma mão e dois DVDs na outra. “É ele?” Collin correu para a sala de estar. “Será que ele conseguiu uma limusine?” “Ele não está aqui ainda”, Tommy respondeu por cima do ombro antes de olhar para Bobby. Vestido com uma camiseta preta apertada e uma calça jeans preto ainda mais apertado, Bobby pareceu tão bom que Tommy queria estender a mão e tocá-lo. Em vez disso, ele perguntou: “O que está acontecendo?” Com um sorriso torto, Bobby disse: “Eu estava no bairro.” “Você está sempre no bairro,” Tommy falou, não ficando de lado para deixá-lo entrar. "Verdade. Vai me deixar passar pela porta? Essa sacola é meio pesada...” “O que você está fazendo aqui?” Confuso, Tommy ainda não se moveu para fora do caminho de Bobby. Bobby levantou os dois filmes. “É sexta-feira à noite e eu ouvi que você estava em patrulha com as criança, achei que poderíamos assistir a um filme e talvez tomar algumas cervejas.” “Onde você ouviu isso?” Tommy finalmente se moveu para deixar Bobby entrar.

56


Bobby sorriu quando ele entrou. “Eu tenho minhas fontes.” Quando Colleen desceu as escadas em seu roupão de banho, Tommy adivinhou quem eram as 'fontes'. “Oi, Bobby”, disse ela sem fôlego enquanto corria por eles para a cozinha. “Oi, Col,” Bobby gritou atrás dela, mas ela já tinha ido. “Vamos lá dentro.” Tommy conduziu-o através de casa e fechou a porta, quase tropeçando em uma mochila abandonada. “Davey, pegue o seu equipamento do chão. Você deveria estar fazendo sua lição de casa!” “Eu estou!” Davey disparou de volta de algum lugar lá em cima. Tommy abaixou-se para pegar a mochila e olhou para dentro. “Sem os seus livros?” Gritou ele subindo as escadas. “Traga seu traseiro aqui em baixo!” Segundos depois, Davey estava descendo os degraus batendo. Ele tentou pegar a mochila das mãos de Tommy, mas Tommy segurou mais apertado para que ele não pudesse levá-la. "Quero dizer. Quero todo o seu dever de matemática feito esta noite e faça seu dever de Inglês no papel.” Davey caiu. “É sexta-feira!” “Sim, assim comece a sua merda feita ou você está de castigo para o fim de semana.” Tommy foi firme pois ele sabia que Davey precisava de um chute na bunda, às vezes. Seu irmão deixou escapar um suspiro frustrado, mas ele não discutiu. Bobby ainda estava de pé, perto da porta, observando com um olhar divertido no rosto enquanto Tommy e Davey tinham sua conversa. Colleen esvoaçou passado por eles novamente quando ela correu de volta até as escadas sem dizer uma palavra.

57


“Está um zoológico aqui esta noite” Tommy disse a ele enquanto caminhavam para a sala. Max e Zoe estavam sentados no sofá entre Collin e Mike, assistindo a um desenho animado, enquanto Carrie colava pequenos pedaços de vidro liso em um pedaço de papelão. De cócoras ao lado de Carrie, Bobby perguntou: “O que você está trabalhando?” Ela sorriu para ele, inclinando o papelão para que ele pudesse ver melhor. “É um mosaico” ela disse a ele antes de voltar sua atenção de volta para o projeto, fazendo a triagem em um prato para outro pedaço de vidro. “O verde é a água, ver? E eu estou usando as rochas marrons para a areia, e então eu vou fazer o céu.” “Isso vai ser muito bom quando você tiver feito.” Bobby passou a mão pelo cabelo escuro, antes dele se levantar novamente. “Lembre-se de manter essas outras peças no chão para que os bebês não se engasguem com elas, tudo bem?” Tommy o lembrou quando ele foi para cozinha. Bobby seguiu, ainda carregando os sacos e os DVDs. “Posso colocar a cerveja na geladeira?” Ele já tinha aberto a porta e colocando o pacote de seis dentro. Tommy perguntou por que Bobby se preocupou em perguntar. “Eu trouxe alguns petiscos e outras coisas também.” Dando-lhe um olhar fulminante, Tommy decidiu que não valia a pena discutir. “Basta colocar o seu material no balcão por hora. Você pode comer seus deleites depois do jantar, homem doce.”

58


Sorrindo em resposta, Bobby fez o que foi dito, mas ele chegou perto de Tommy e inclinou-se. “As guloseimas são para nós.” Algo sobre o tom da voz de Bobby fez o coração de Tommy dar um pontapé contra seu peito. Sua boca ficou seca de repente, quando sentiu seu pau se agitar em sua calça jeans. Tudo o que podia fazer era acenar e tentar fingir que não estava tão perto de Bobby que podia sentir calor saindo dele. Ele se virou, abrindo a porta do forno e tirando uma panela de ravioli cozido. Ele teve que limpar a garganta com uma pequena tosse antes que pudesse falar. “Faça-se útil e ponha a mesa. O jantar sai em dez minutos.” Ele não podia olhar, mas ele estava certo de que Bobby estava sorrindo quando ele começou a recolher pratos e garfos. Tommy estava passando a salada para baixo na mesa, dizendo a Mike que ele ia comê-lo ou usá-lo, quando a campainha tocou. Todas as crianças pareciam que eles estavam prestes a saltar de seus assentos, mas Tommy se levantou primeiro. “Comam seu jantar” disse-lhes. “Não há necessidade de todos nós para entrar e se aglomerar ao redor dele.” Bobby ainda estava cortando o ravioli para Zoe em sua bandeja na cadeira alta quando Tommy passou por ele. “Não o assuste,” Bobby sussurrou, um olhar provocante iluminando seu rosto. “Não há tal coisa como assustar muito um cara muito,”Tommy respondeu quando ele entrou na sala de estar. Assim que ele estava acima do limite, ele podia ouvir cadeiras ruidosas e sabia que todos eles estavam fazendo fila para assistir a partir da esquina. Ele não pôde deixar de rir.

59


Quando ele abriu a porta, ele encontrou um garoto alto, magro em um terno, pelo menos, um tamanho muito grande para ele. “Umm, oi. Colleen está aqui? Eu sou Wyatt.” Ele estendeu a mão tão rápido que Tommy quase saltou para trás até que ele percebeu que Wyatt estava tentando um aperto de mão formal. Tommy sentiu uma vontade de estreitar os olhos, mas ele apertou a mão de Wyatt. “Assim como em Earp1?” Tommy perguntou sem querer. “Como no tio favorito da minha mãe juntamente com sua grave falta de previsão” disse Wyatt com uma risada nervosa. “Eu acho que pelo tempo que ela mim teve, ela tinha esquecido como as crianças eram na escola.” Tommy olhou para ele por alguns segundos antes dele recuar e deixar Wyatt entrar. “Colleen ainda está se preparando.” Ele observou enquanto Wyatt mudava seu peso inquieto de um pé para o outro. Ele parecia inquieto segurando a caixa de plástico transparente com uma flor na mesma. “Você estará dirigindo esta noite?” Tommy não gostou da ideia de sua irmã em um carro sozinha com um menino ou na estrada com uma turma de adolescentes bêbados dirigindo ao redor. “Uh, não, Senhor. Meu, hum, irmão do amigo do pai tem um serviço de limusine, e ele nos deu realmente um bom negócio por esta noite. Colleen e eu estamos dividindo com dois dos nossos amigos, então...”

1

Wyatt Earp: policial norte americano

60


Tommy teve que lutar contra um sorriso quando Wyatt o chamou de Senhor. Havia algo quase cativante sobre o quão duro ele estava tentando. Isso não parou Tommy de se inclinar e sussurrar contra a orelha de Wyatt, “Aqui está a coisa. Tenho certeza que você já ouviu as palestras sobre como tratar uma menina, o que fazer e o que não fazer.” Tommy esperou por um aceno de Wyatt antes de prosseguir. “A coisa que você tem que lembrar esta noite, Wyatt, é que Colleen não é apenas qualquer garota e não somos apenas qualquer família. Você me entende?” Wyatt assentiu novamente. “Eu sei onde você mora, eu sei por onde você vai para a escola, eu sei onde você trabalha. Eu até sei o nome do seu cão. Se você fizer qualquer coisa para Colleen, apenas como olhar para ela de uma forma que ela não goste, eu vou fazer você ficar tão mal que até a sua mãe vai sentir isso.” “Tommy!” Colleen olhou para ele a partir do pé da escada. Ele não saltou, mas ele se afastou para olhar para ela. “Nós estávamos apenas...” Ele não poderia terminar seu pensamento, porque sua irmã estava lá em um vestido de corte pequeno e delgado em um ângulo alto de um lado e terminando em um ponto oscilante em seu outro tornozelo. Seu cabelo castanho avermelhado estava enrolado e penteado com pentes com stress, e elos estavam caindo ao redor do rosto. Cada fio de cabelo na cabeça, cada cílio, cada unha estava perfeita. Ele nem sabia que ela pudesse olhar assim. “Jesus, Col, você está incrível.” Ela o lembrava de uma fada fora de um dos livros de histórias de Max e de Zoe. Sua expressão mudou de homicida para lisonjeada em menos de um segundo. “Obrigada, Tommy.”

61


Wyatt parecia que ele não conseguia respirar. “Oi, Colleen, você, hum... Você está maravilhosa.” Ele soltou outra risada nervosa. “Eu tenho você...” Em vez de terminar a frase, Wyatt levantou a caixa e começou a abrila. “Eu trouxe para você uma daquelas flores de pulso para o seu vestido ou qualquer coisa.” Ele corou furiosamente quando ele pegou uma pequena flor com as mãos tremendo. Tommy pensou que talvez Colleen ficaria bem esta noite. Wyatt era o adolescente menos ameaçador que ele já tinha conhecido. Ele pensou que Carrie poderia levá-lo em uma luta. “É lindo,” Colleen disse quando ela deu o último passo. “Eu tenho um para você também.” Tommy não tinha notado que ela estava segurando uma pequena caixa, uma simples rosa para combinar com seu vestido e gravata de Wyatt. Tommy deu um passo para trás e esbarrou em Bobby. “Jesus, Bob, você é um pequeno bastardo sorrateiro, você sabe disso?” Bobby não puxou para trás quando Tommy esbarrrou contra ele. Em vez disso, ele riu baixinho no ouvido de Tommy e deu a volta para mostrar o seu telefone na mão. “Pensei que você pudesse querer tirar algumas fotos.” Isso ainda não tinha ocorrido a Tommy, e ele se sentiu como um idiota por isso. “Obrigado” ele murmurou, dando um passo para fora do caminho enquanto Wyatt e Colleen se preocupavam com suas flores e ficou em posição. Bobby tirou algumas fotos com seu telefone. Antes deles terminarem, Tommy inclinou-se para Bobby e sussurrou: “Uma apenas Colleen também.” Bobby assentiu e ajustou seu ângulo para cortar Wyatt da última foto.

62


Quando eles terminaram, Colleen agarrou seu envoltório de ombro no cabide perto da porta. Tommy olhou para Wyatt. “Lembre-se do que falamos, tudo bem?” Wyatt assentiu e Tommy acrescentou: “Eu a quero em casa à meia-noite.” Colleen lançou um olhar para Tommy quando ela disse a Wyatt, “Não dê ouvidos a ele. Eu posso voltar para casa quando eu quiser.” Wyatt parecia aliviado, sorrindo quando ele perguntou: “Oh, a sua casca é pior do que sua mordida?” Poderia ter sido o alto “ha!” De Bobby ou o olhar penetrante no rosto de Tommy. Talvez fosse a maneira que Colleen agarrou o braço de Wyatt e começou a puxá-lo para fora da porta. Mas quando saíram, Tommy tinha certeza de Colleen voltaria para casa sã e salvo muito antes do amanhecer. Tommy observava pela janela enquanto Colleen e Wyatt desciam a gasta passarela e mergulhavam na limusine juntos. A voz de Bobby soou por cima do ombro. “Você me faz lembrar de um pai superprotetor limpando sua espingarda na frente do encontro de sua filha.” “Se ele machucá-la, eu não vou matá-lo. Isso seria rápido demais.” “Eu vou fingir que não ouvi isso.” “Você, provavelmente, deve fazer isso mais vezes do que não por aqui.” Às dez horas, a casa estava limpa, as crianças estavam todos em seus quartos, e os gêmeos estavam dormindo. A noite tinha sido boa, embora Tommy odiasse admiti-lo. Eles terminaram o jantar como uma família depois

63


de Colleen sair. Bobby foi a estrela do show, conversando com as crianças e ajudando Max e Zoe com a comida. Todos lavaram os pratos juntos, rindo e contando histórias, fazendo o trabalho levando muito mais tempo do que o necessário. Mas cada vez que Bobby pegava um dos gêmeos ou ajudava Davey com sua lição de casa, Tommy foi inundado com uma série de emoções, algumas das quais ele não queria nem nomeá-las. Uma pontada de ciúme coçava dentro dele, como ele não estava acostumado a outras pessoas que terminavam a noite enquanto ele vinha para as crianças. Sentia-se vestígios de contentamento, também, que ele não queria ver. Havia até mesmo um pouco de saudade como eles limparam a casa juntos. Tommy encontrava cada vez mais dificuldade em se lembrar de que Bobby não era apenas um amigo, mas um policial. Mesmo se ele fosse gay, o que Tommy estava começando a se perguntar sobre, Bobby estava fora dos limites em mais de um sentido. Agora, com a casa tão silenciosa que quase se sentia vazia, as luzes se apagaram, e o brilho suave da televisão manteve-os como companhia, Tommy e Bobby relaxaram no sofá juntos. Um dos filmes de ação que Bobby tinha trazido passando enquanto conversavam. “Onde está sua gente?” Bobby estendeu um pouco mais, o braço nas costas do sofá quase envolvendo em torno dos ombros de Tommy. Tommy soltou uma risada, desejando não inclinar-se mais perto de Bobby. “Quem sabe? Eles não estiveram em torno de um par de dias.”

64


“Você tem um arquivo de pessoas desaparecidas?” Quando Tommy lançou um olhar incrédulo em sua direção, Bobby riu. “Não importa, pergunta estúpida.” “É sempre bom quando ficam fora por um tempo,” Tommy disse devagar, segurando uma garrafa de cerveja importada em sua mão, pegando no rótulo. “Mas é quando... Recebo tudo configurado e no caminho certo e estamos fazendo o bem, você sabe? Em seguida, eles voltam, e é uma porra de desastre de novo.” Bobby tomou um longo gole de sua própria cerveja antes de defini-lo em cima da mesa. Quando ele passou a fazer isso, Tommy não pôde deixar de notar que eles estavam mais próximos no sofá do que tinham sido. “Sua situação é injusta em um monte de níveis, Tom.” Respirando uma risada suave, Tommy tomou um gole e disse: “Você está me dizendo. Mas nunca ninguém disse que a vida era justa, certo?” “É verdade,” Bobby sussurrou, olhando para ele de novo. “Você tem outra família? Tias ou tios ou qualquer pessoa que pode ser capaz de... ajudar?” Tommy riu novamente, amando e odiando ao mesmo tempo a maneira como Bobby sempre quis consertar as coisas, corrigi-las. “Entre papai e minha mãe, há cerca de uma dúzia de tias e tios em todo o país, e acredite ou não, Cal e minha mãe, pelo menos, antes de morrer, eram o melhor de todos eles.” Parecia que Bobby não podia se impedir de perguntar: “Como é que é possível?”

65


Tommy riu alto então. “Seu palpite é tão bom quanto o meu.” Ele passou a explicar: “Há pelo menos dois em registros de agressores sexuais, um casal cumprindo pena por merda insignificante. Oh, exceto por o meu tio no lado da minha mãe ele está cumprindo quatro penas de prisão perpétua por matar uma família por vinte e sete dólares. Minha avó do lado da minha mãe morreu há mais de uma década, e a melhor coisa que posso dizer sobre ela é que não somos sem-teto.” Ele ergueu a mão e acenou vagamente ao redor da sala. “Eu venho de uma longa linha de usuários e abusadores, Bobby. Você deve correr agora, enquanto você ainda pode.” A expressão de Bobby era ilegível, e Tommy não estava certo do que dizer depois disso. Eles ficaram em silêncio por um momento antes de Bobby falar novamente. “Isso pode ser onde você veio, Tom, mas não é para onde você vai acabar.” Sua voz era áspera e tranquila, soando a Tommy como se ele estivesse dominado pela emoção, apesar de não se mostrar no rosto de Bobby. “Eu não sou um homem de apostas, mas se eu fosse, eu ia colocar cada centavo em você e nas crianças.” Antes de Tommy pudesse responder a isso, Bobby levantou-se abruptamente e foi até a cozinha. Até o momento que Bobby voltou, Tommy tinha mudado o filme. A cerveja estava quente em sua mão e seu pulso pulsava em suas veias como um trem de carga. Ele não conseguia descobrir por que estar em torno de Bobby era um misto de terror e conforto. Ele não podia negar a estar atraído por

66


Bobby, mas ele foi atraído por um monte de caras. Ele não podia negar ser um pouco cauteloso demais, considerando o que Bobby fazia para viver. Mas ouvir de alguém como Bobby que ele e as crianças valiam a pena apostar, valia a pena dar uma chance, e isso fez coisas para Tommy, e ele odiava. “Perdi o fim?” Perguntou Bobby, de pé sobre Tommy e passando-lhe uma cerveja fresca e um saco de batatas fritas. Confundido com a pergunta, Tommy olhou para ele enquanto ele tomou a cerveja oferecida. “Hum?” Bobby arqueou mais um daqueles meio sorrisos e acenou para a televisão. “Oh sim, percebi que eu coloquei outro,” disse Tommy, pegando o controle remoto e apertando o botão. Quando Bobby sentou-se novamente, ele não sentou no lado oposto do sofá como tinha antes. Ao contrário, ele estava perto de Tommy, não muito emocionante, mas dentro do alcance. Tommy sentiu uma onda de pânico crescer nele e pegou algumas batatas. “Eu vou sentir dor de estômago eu continuar a sair com você.” Ele estava tentando brincar, tentando encontrar o equilíbrio novamente, mas não estava funcionando muito bem. Bobby olhou para ele, seus olhos azuis brilhantes aparente na penumbra enquanto seu olhar caia sobre Tommy. Por um segundo Tommy pensou que ele ia dizer algo sujo, alguma coisa barata vindo que iria ter os dois alcançando um para o outro, puxando o outro para um beijo duro, mas Bobby riu após uma longa pausa e disse: “eu vou trazer uma trilha mista da próxima vez, ok?” “Eu vou fazer pipoca.” "Combinado."

67


A televisão estava de volta na tela principal do DVD quando Colleen chegou. Quando a porta rangeu, Tommy agitou-se e olhou para Bobby. Ele estava dormindo, seu braço sobre sua cabeça, os pés na mesa de café. Tinham acabado compartilhando o cobertor e ambos estavam cochilado antes do filme terminar. Não pela primeira vez naquela noite, Tommy queria inclinar-se e beijá-lo. “Eu acordei você?” Colleen perguntou depois ela fechou a porta atrás dela. Tommy esfregou os olhos com as duas mãos, tentando afastar os pensamentos loucos que ele estava tendo sobre Bobby. “Não, eu estava apenas levantando-me.” Ele se levantou e deu uma boa olhada em sua irmã. "Você se divertiu?" Colleen assentiu, parecendo cansada e animada e talvez um pouco confusa. “Me diverti sim. Wyatt é muito bom.” De repente, ela mordeu o lábio e parecia que ela estava prestes a chorar. Tommy cerrou os punhos e estava prestes a correr atrás de Wyatt, mas primeiro ele perguntou: “O que aconteceu, Col?” Ela balançou a cabeça e fungou. “Nada”, ela sussurrou, olhando para Bobby dormindo no sofá e depois de volta para Tommy. “Foi tão... agradável. Eu não posso explicar isso, Tommy. Só senti tão bom sair com ele e dançar e me divertir e não... Ele foi tão grande. Quando estávamos dançando e sua mão estava na minha cintura, eu lhe disse que eu não gostava de ser tocado lá e ele moveu a mão para cima, não perguntou por que ou disse nada, apenas fez com que eu ficasse confortável, você sabe? A noite inteira ele só fez com

68


que eu ficasse feliz e com que eu me sentisse bem e que eu estivesse me divertindo e... Eu não sabia que vocês poderiam ser assim.” Tommy estendeu a mão para ela e passou os braços ao redor de seus ombros magros. Sua voz era suave quando ele sussurrou contra o topo de sua cabeça, “É assim que todos eles deveriam ser, mana. Especialmente com você.” Ele beijou o cabelo dela, agradecido que tinha corrido bem e que ela tinha tido um bom tempo. Ele esteve temendo ela voltar para casa, com medo de que ela estaria em lágrimas, dizendo-lhe alguma história de horror sobre o que aconteceu. Ele tinha visto muitos filmes de bailes. Colleen concordou e fungou contra seu peito antes dela se afastar com um sorriso. “Wyatt é sempre assim.” “Então vocês dois tem uma coisa firme agora, ou...?” Ela realmente corou então, sorrindo para ele. “Sim, ele disse que gostaria de ter.” O rosto dela caiu um segundo mais tarde antes de ela acrescentou: “Eu não sei, no entanto. Ele vai para a faculdade no próximo ano, e...” Ela não teve que terminar o resto de sua sentença. Tommy sabia o que ela queria dizer. Se ele pudesse levá-la a terminar o ensino médio no próximo ano seria um milagre. Levá-la para a faculdade era tão longe no seu mapa que não suportará considerar. “Vocês dois podem descobrir alguma coisa se ele realmente quer estar com você” ele disse a ela suavemente. Ele lhe deu mais um abraço antes dele deixá-la ir. “Se começar a mudar e acertar o saco. Eu vou ressuscitar os mortos lá e expulsá-lo.”

69


Colleen parecia ouvir a piada em sua voz e olhou para Bobby. “Você poderia simplesmente deixá-lo dormir aqui esta noite.” “Os vizinhos já falam o suficiente sobre nós. A última coisa que eu preciso é um policial dormindo aqui.” Ela lhe deu um sorriso incrédulo e perguntou: “Desde quando que um O'Shea se importa com o que os vizinhos vão pensar?” Tommy soltou uma risada. “Desde que contamos com eles tanto quanto eles contam conosco. Se o velho Morris ficar nervoso sobre a companhia que temos, ele não vai deixar passar, e se avisar aos Kelly que temos um policial dormindo no nosso sofá, você acha que ela vai confiar em mim para vender seus extras? Nem mesmo Bobby conseguiria desviar o olhar sobre isso.” Ambos sabiam do que ele estava falando. Kelly não era um traficante de grande porte, mas ela tinha uma cultura saudável de maconha crescendo em seu porão, e quando ela não tinha os compradores para ele, ela às vezes deixava Tommy fazer algumas ofertas por ele e pagava em dinheiro. Não era a vida mais honesta, mas era diferença entre o supermercado e o banco de alimentos para eles, por isso valeu a pena, legal ou não. Bocejando, Colleen concordou com a cabeça. “Você provavelmente está certo,” ela murmurou enquanto ela esticou os braços e se virou para as escadas. Tommy observou-a ir antes de voltar sua atenção de volta para Bobby. O que diabos ele deveria fazer com um cara assim? Ele sabia o que queria fazer, mas caiu na categoria “De jeito nenhum, não vai acontecer.” Ele chutou o pé

70


de Bobby para despertá-lo. “Acorde, sol. Tempo para todos os poucos bons Bobs irem para a casa e suas próprias camas.” Bobby respirou fundo e piscou os olhos abertos. Ele sorriu quando viu Tommy de pé sobre ele. Ele esfregou os olhos antes de esticar os braços sobre a cabeça. “Que horas são?” Sua camiseta subiu e exibiu uma mancha impressionante de pele dourada e os músculos abdominais agudos. Tommy olhou para longe. “Depois de uma” disse ele, recolhendo as garrafas de cerveja e sacos vazios de chips e doces que ele e Bobby tinham compartilhado. “Merda.” Bobby sentou-se, balançando a cabeça como se tivesse água em seus ouvidos quando ele agarrou seus sapatos e puxou-os. “Você está em patrulha amanhã?” Perguntou Tommy, odiando que ele estava realmente curioso e não apenas passando o tempo com conversa fiada. Bobby ficou de pé. “Não até as cinco, mas eu tenho algumas coisas para fazer em casa amanhã.” Como ele vestiu sua jaqueta e tirou as chaves do bolso, ele perguntou: “Será que Colleen veio bem?” Tommy assentiu, gostando muito da maneira que Bobby pensou em perguntar por ela. “Sim, ela está lá em cima se preparando para dormir.” “Ela se divertiu?” “Sim, ela teve um grande momento. Disse que Wyatt foi mais do que um perfeito cavalheiro.” Bobby riu. "Graças a Deus. Eu estava com medo que eu teria que prendê-lo se ele não fosse.” Ele fez uma pausa enquanto se dirigia para a

71


porta, acrescentando: “Apesar de, com a sua pequena conversa, ele teria sido um verdadeiro idiota se ele tivesse tentado algo com ela." “Todos os adolescentes são idiotas.” Bobby concordou com um aceno de cabeça e outra risada suave, e então ele surpreendeu o inferno fora de Tommy. “Ouça, próxima vez que ambos tiverem uma noite de folga, você quer sair? Talvez jogar sinuca ou algo assim?” Tommy mordeu o canto da boca com tanta força que pensou que iria tirar sangue, pensando muito tempo antes de responder. Ele já tinha começado a questionar seriamente a sexualidade de Bobby, mas ele não tinha certeza de como muito do que era ilusão. Bobby estava começando a olhar envergonhado para pedir e enviou uma onda de culpa por meio de Tommy, algo que ele não estava acostumado. “Parece bom, cara. Deixe-me saber sua programação e eu vou trocar com alguém no pub.” Ai Jesus. O sorriso que ele deu para isso quase bateu em Tommy. “Isso seria ótimo,” Bobby disse enquanto Tommy o acompanhou até a porta. Ambos hesitaram, olhando-se, Tommy queria beijá-lo. Parecia uma coisa tão normal para fazer, e isso assustou ele. “Eu vou... ver você em breve.” Tommy assentiu em resposta, tentando não prender a respiração, o seu coração batendo mais rápido quando ele controlou o desejo de empurrar Bobby mais próximo e se imprensar contra ele, sentir o gosto dele. “Não se eu vê-lo primeiro” brincou, tentando sorrir.

72


Bobby deu uma risada e saiu pela porta. Tommy esperou até que Bobby tivesse dado alguns passos para baixo da passarela antes dele fechar a porta e trancá-la, mas ele viu através da janela como ele fez com Colleen mais cedo naquela noite, certificando-se de Bobby entrou em seu carro com segurança, esperando até que ele se afastasse do meio-fio. Ele murmurou uma maldição e deixou cair a cortina fechada quando Bobby acenou para ele antes de ir embora. Tommy tinha sido pego assistindo Bobby sair, como um adolescente ansioso. “Eu preciso ficar com alguém”, disse a si mesmo quando ele apagou as luzes antes de ir para cima para cair na cama.

73


Capítulo 4 “Ei, Tommy!” A voz de Gene soou do bar. Tommy olhou por cima do ombro da mesa que ele estava limpando. Gene era atarracado, em quase sessenta anos com cabelos grisalhos zumbindo e olhos azuis lacrimejantes. “Está lento esta noite, quero sair mais cedo?” Seu chefe era um cara legal, sempre disposto a deixá-lo trabalhar, mesmo se não houver muito a fazer, mas ele sempre deu a Tommy a escolha. Na verdade, eles poderiam usar o dinheiro. Inferno, eles poderiam sempre usar o dinheiro, mas tinha sido mais de dois meses desde que ele sentiu a mão de ninguém sobre ele, mas a sua própria. As crianças estavam cobertas para a noite, não esperando por ele em casa até depois das duas quando o trabalho acabasse, e pela primeira vez ele tinha o carro. Ele decidiu que iria usar as três horas e descobrir uma maneira de fazer algum dinheiro extra mais tarde, se ele aceitar isso. “Eu acho que eu vou”, disse a Gene quando ele colocou o último dos pratos sobre a pia. “Você quer que eu termine de lavar primeiro lugar?” Gene olhou ao redor do pub vazio com uma risada e acendeu um cigarro. Era contra a lei, mas não parecia que alguém iria pegá-lo esta noite. “Não, deixe-os, isso vai me dar algo para fazer até fechar.” Tommy riu e pegou o lixo na cozinha antes de pegar sua jaqueta. Pensou em chamar Bobby para ver se ele estava fora, mas decidiu ir contra isso. Os dois vinham gastando muito tempo como esse juntos. As últimas três noites

74


eles dois saíram, eles acabaram jogando sinuca e bebendo algumas cervejas antes de ir para casa e passar tempo com as crianças. Ele adorava assistir Bobby inclinar-se sobre a mesa de bilhar para alinhar uma tacada. Ele gostava especialmente a forma como Bobby ficava perto dele e sussurrava em seu ouvido se o bar fosse barulhento. Mas muitas vezes, ele pensou que poderia pegar Bobby, fixá-lo para baixo, e beijá-lo até que nenhum deles conseguisse respirar. Ele estava começando a conduzir Tommy a parede. Ele tinha uma meia onça de erva daninha de Kelly sob o banco da frente do carro e decidiu que ia parar no único bar gay dentro de vinte e cinco quilômetros, e compensar as horas perdidas. E com alguma sorte, ele tiraria Bobby McAlister de sua cabeça. Por um tempo, pelo menos. Mesmo para uma sexta-feira à noite, o clube estava lotado. Tommy foi capaz de fazer a sua ligação dentro de dez minutos e fez um acordo precipitado em um dos boxes do banheiro dos homens. Agora ele estava no bar e observava a multidão, na esperança de ter um acordo mais satisfatório no mesmo boxe do banheiro. Ele balançou a cabeça em frustração quando ele percebeu que todos os caras que ele foi visitar parecia suspeitosamente como seu policial favorito de cabelo loiro e de olhos azuis. Ele assobiou uma maldição e bebeu sua bebida. Ele estava prestes a pedir outra quando uma voz muito familiar soou contra a sua orelha. "Posso te pagar uma bebida?" Mesmo sobre a música alta e o caos de risos e conversas, Tommy reconheceu a voz de Bobby. Várias questões correram pela sua mente ao mesmo tempo. Tinha Bobby obtido alguma promoção a vice? Ele estava lá disfarçado? Tinha Bobby retomado a segui-lo ao redor para se certificar de

75


que ele não estava se metendo em problemas? Ou eram os olhares e as pausas mais real do que Tommy tinha deixado de acreditar? Ele ainda não tinha respondido, mas ele ainda podia sentir o peito de Bobby pressionado contra suas costas no meio da multidão. Ao invés de dizer qualquer coisa, Tommy virou-se para encará-lo. As expressões que apareceram no rosto de Bobby disse a Tommy que ele não sabia com quem ele estava falando. Primeiro Bobby parecia confuso, então embaraçado, e depois um pouco apavorado. As palavras pareciam perdidas para ele quando ele abriu a boca e depois fechou de novo. Tommy nunca o tinha visto tão perturbado. Ele gostou. Inclinando-se, Tommy finalmente perguntou contra a orelha de Bobby, “Você está aqui em missão oficial?” Se Bobby estivesse lá para uma emboscada, o que parecia improvável no melhor, Tommy não queria estragar isso por ele. Bobby parecia se recompor, arqueando uma sobrancelha e olhando-o diretamente nos olhos. “E você?” Tommy sorriu para ele, provocativo e predatório, ao mesmo tempo. “Meu negócio já está feito, agora eu só quero aquela bebida que me ofereceu.” Bobby abriu caminho para o bar e espremido ao lado de Tommy, sinalizou para o bartender para dois de tudo o que Tommy estava bebendo. “Eu quero saber?” Bobby perguntou depois de as bebidas estavam na frente deles.

76


Tommy entendeu sem pedir esclarecimentos. Ele virou-se para o bar novamente quando ele respondeu: “Você provavelmente não, mas é melhor do que não fazer.” Sem olhar para ele diretamente, apenas a captura seu olho no espelho atrás das prateleiras de garrafas de licor, Bobby assentiu. “É justo.” Ele tomou a sua bebida e colocou o copo no balcão de madeira polida. “Você vem sempre aqui?” Rindo alto, Tommy brincou, “Essa é a sua melhor linha? Espero que para o inferno você esteja aqui em alguma missão disfarçado.” Bobby lhe lançou um olhar de soslaio. "Eu não estou. E isso não era uma linha. Eu estava apenas curioso, já que eu nunca te vi aqui antes.” Bem. Agora você tem, gente. Tommy levou um momento para processar a informação nova, mas seu pênis pareceu entender muito mais rápido, crescendo duro em sua calça jeans e ficando esperançoso. “Você sabe quase tão bem quanto eu que eu não saio muito.” Ele estava curioso agora e amaldiçoando-se por ele. "E você?" Bobby olhou para ele de novo, molhando os lábios cheios antes de falar. “Um tempo de casal por um mês.” Ele disse as palavras como se estivesse confessando um pecado, e Tommy teve que verificar-se. Houve uma explosão de algo queimando quente e indesejado na boca do estômago. Ciúmes? Mesmo? Era ridículo e ele sabia disso. Bobby ajudou a apertar para baixo o fogo se espalhando por ele acrescentando: “Esse cara que eu tenho saído com ele muito ultimamente, mas eu não tinha certeza se ele era gay.”

77


Trabalhando duro sua garganta apertada em torno de uma andorinha, Tommy lhe disse: “Talvez ele esteja se perguntando a mesma coisa sobre você.” Bobby virou-se para olhar para ele, em seguida, se apoiou no bar e sorriu. “Um cara pode esperar.” Quando Tommy não respondeu a isso, Bobby perguntou: “Sério, porém, qual era o seu negócio aqui?” Tommy ouviu uma nota de preocupação com a curiosidade, e ele odiava a si mesmo por querer dizer a Bobby tudo isso. Ele sabia que Bobby não seria capaz de olhar para o outro lado, e se o fizesse, iria roer Bobby e na sua amizade antes do tempo. Ele odiava isso, acima de tudo, odiava saber como improvável que era eles estarem juntos, o quão ruim de uma ideia que era. Ele se irritou, e ele deixou-o transparecer em seu tom quando ele respondeu. “Você não é meu protetor, Bobby. Se você me confiar em tudo, a confiança de que você não queira saber todos os detalhes sobre a porra da minha vida ou o que eu tenho que fazer, por vezes, para sobreviver, ok?” Isso rendeu um olhar de desprezo de Bobby e Tommy podia vê-lo tenso antes dele morder uma resposta. “Você está me brincando?” Bobby pegou a carteira e pagou sua conta do bar, batendo o dinheiro com tanta força a palma da mão, provavelmente picado depois. “Você acha que eu sou apenas, o quê? Ser curioso? Você acha que eu nunca esqueço que eu não tenho permissão para as transações privadas de Tommy O'Shea? Ou que você vive cada dia com mais merda no seu prato do que a maioria das pessoas tem que lidar em uma vida?” Ele estava empurrando para longe, mais irritado do que Tommy já tinha visto ele. Parecia que ele estava virando e saindo, mas em vez disso Bobby se

78


aproximou, agressivo, poderoso, apesar de ter de olhar para cima para ver o rosto de Tommy quando ele rosnou: “Se você ainda acha que eu sou apenas alguma tarefa superprotetora, bom e tudo que eu quero é colocar meu nariz onde não pertenço, então foda-se Tommy.” Foi a ferocidade das palavras e a maneira como seu corpo roçou Tommy. Foi o calor desenfreado e talvez até mesmo o olhar de mágoa nos olhos de Bobby quando ele falou. Que Tommy não poderia ajudar-se, não podia pensar com clareza suficiente para parar. Ele sabia que deveria ter empurrado Bobby longe, virado e trancado Bobby fora de sua vida para o bem, mas ao invés disso ele cerrou a mão na frente da camisa de Bobby e o puxou para um beijo. Esse primeiro toque de seus lábios não estava cheio de romance e faltava toque. Foi atração animal e necessidade, fúria combinado com saudade, e fez algo explodir dentro de Tommy. Quando Bobby gemeu em sua boca, Tommy abriu para mais, deslizou a mão livre pelas costas de Bobby, e pressionou seus quadris juntos. Naquele momento, cercado por curiosos, pessoas dançando e rindo, bebidas sendo engolidas e espirrando no meio da multidão, Tommy e Bobby poderia muito bem terem estado sozinhos. Tudo o que Tommy conhecia era a sensação do corpo de Bobby, o calor, a força, e a sensação de sua própria língua quando ela deslizou contra os dentes de Bobby para o escorregadio calor de sua boca. Eles estavam sem fôlego quando se separaram, e Bobby ainda parecia que ele estava procurando briga, um brilho selvagem em seus olhos. Tommy perguntou-se se talvez Bobby pensou que era uma má ideia também, uma

79


ideia tão ruim que só poderia ter um final trágico. Ou, pelo menos, acabar com a carreira de Bobby no banheiro. Não havia adivinhar o que seria, mas algo certamente ia morrer se eles decidirem deixar esse relacionamento ao vivo. Bobby trabalhou sua mandíbula como se ele estivesse tentando mastigar vidro, mas, eventualmente, ele disse: “Vamos.” As palavras eram desafio e parte fundamento, e Tommy respondeu tanto, tomando a mão de Bobby e puxando-o rudemente para a saída. Bobby tinha tomado um táxi para o clube. Eles não se preocuparam com tateares lúdicos e beijos rápidos no caminho para o carro de Tommy. Ambos tinham os olhos fixados em um único objetivo, e Tommy sabia que se ele se deixasse tocar Bobby novamente, ele não seria capaz de parar. Pelo menos o trajeto no carro foi curto e misericordiosamente silencioso. Arriscou alguns olhares em Bobby nos semáforos e sinais de parada, mas nenhum deles fez contato visual. Parecia mais como ir para a batalha ou andar em um ringue de boxe do que dirigir para casa para uma longa foda agradável com o cara que você estava querendo há meses. Anos, se ele estivesse sendo honesto. Tommy tinha que saber se Bobby via da mesma maneira. Dado o olhar de concentração no rosto de Bobby, ele imaginou que estava perto da marca, se não morto. Eles mantiveram uma distância segura em seu caminho para a casa. Tommy não precisava de fofocas voando ao redor, e Bobby parecia entender

80


sem ser dito. As janelas estavam escuras, a maioria das luzes apagadas, e era tarde o suficiente, ele tinha certeza de que as crianças estavam na cama. Depois de alguns atrapalhadas com sua chave, Tommy finalmente abriu a porta, e ambos caíram dentro. Ele fechou a porta para o mundo lá fora e se deixaram respirar pelo que parecia ser a primeira vez desde que Bobby tinha se oferecido para comprar-lhe uma bebida. Ele ficou de frente para a porta da frente, resistindo à vontade de descansar sua testa nele e dar-se um momento para considerar seu próximo movimento, quando Bobby se aproximou. O peito de Tommy se contraiu quando sentiu a mão de Bobby em sua cintura. Tommy virou-se lentamente. Eles olharam um para o outro por um longo momento, seus rostos pouco visíveis no brilho suave da única luz acesa no corredor. Nenhum dos dois falou ou tentaram chegar mais perto. Eles simplesmente olharam um para o outro, suspensos lá no espaço entre o certo e o errado, o espaço entre a felicidade e o desastre. Tommy não tinha certeza de muita coisa, mas ele sabia que isso ia acabar mal, no entanto, ele foi para baixo. Ele sentiu uma onda de raiva e amargura na garganta quando ele amaldiçoou sua vida, amaldiçoado Bobby também. Em outro mundo eles poderiam ter se conhecido no colégio, jogado ao redor, talvez até ficarem juntos depois. Mas aqui e agora Bobby era apenas um espectador inocente no acidente de trem que Tommy chamava de vida. A tensão na sala foi subindo tão longe e tão rápido que era palpável. Tommy deixou toda essa raiva e todo o ressentimento, todo o medo, subir com ele. Ele puxou Bobby em um beijo tão duro e tão feroz que parecia uma punição.

81


Bobby surpreendeu o inferno fora dele por reunir-se, com a mesma força descontrolada, os dois praticamente lutavam juntos na entrada. Eles pegaram o outro freneticamente, rasgaram as roupas um do outro, e lutaram pelo domínio. Tommy deixou seus dentes raspar tão agudamente contra o lábio de Bobby que ele sabia que tinha que doer, mas Bobby não puxou para trás. Ao contrário, ele baixou a cabeça no ombro de Tommy e mordeu. Ele pegou a pele sensível do pescoço de Tommy. Um pequeno som escapou do fundo da garganta de Tommy quando uma emoção intensa saltou através dele. Ele teve certeza de que Bobby tinha deixado uma marca nele que picaria durante dias. Ele finalmente se afastou para olhar para Bobby. Seus olhos se encontraram antes que Tommy o beijasse novamente. Ambos estavam sem fôlego quando Tommy arrastou-o até as escadas para o quarto. O quarto de Tommy tinha sido um grande armário de linho. Mal tinha espaço suficiente para a sua cama de casal, ele teve que enfiar o criado-mudo entre ele e a parede. Ele não tinha uma janela ou uma cômoda, apenas uma lâmpada exposta no teto e um lugar privado para reclinar a cabeça à noite. Uma vez que Tommy fechou a porta, ele sussurrou aproximando, “Tenho que ficar quieto.” Bobby não disse nada, mas ele se aproximou, empurrando Tommy baixo em outro beijo. Não foi exatamente gentil, mas não foi com a mesma brutalidade como anteriormente. Bobby enfiou os dedos nos cabelos de Tommy e puxou apenas o suficiente para Tommy separar os lábios com uma

82


respiração rápida. Bobby aproveitou e deslizou sua língua na boca de Tommy facilmente, como se tivesse sido o seu plano o tempo todo. Os dois se encontraram no meio, pela primeira vez naquela noite, dando e recebendo na mesma medida enquanto eles pressionavam juntos no espaço claustrofóbico. A boca de Tommy estava seca com o nervosismo quando ele arrastou suas mãos para baixo nos lados de Bobby, puxando-o para mais perto e deslizando as mãos sob a camisa de Bobby. Ele sentiu os músculos sob a pele quente de Bobby estremecendo e apertando, e ele gostou. Ele gostou de saber que tudo o que ele teve foi um toque simples e Bobby não conseguia se controlar. Os olhos de Bobby se fecharam quando Tommy deixou a mão derivar mais baixo. Mergulhou os dedos na borda da calça jeans de Bobby, sentindo sua bunda enquanto ele puxou Bobby mais perto, pressionando suas ereções entre eles. Ele arrastou os lábios sobre o pescoço de Bobby com beijos lentos que fizeram Bobby choramingar. Tommy gostou daquele som, e ele sorriu contra o pulso de Bobby antes dele se afastar para retirar a camisa de Bobby. Como se estivessem jogando um jogo de olho por olho, Bobby empurrou a própria camisa de Tommy para cima e sobre a cabeça. Ele deixou-a cair no chão antes de beijar Tommy novamente. Ficaram ali por um longo momento, tranquilos e quase curiosos, tocando pele quente com toques suaves. Bobby puxou a calça jeans de Tommy aberta e deslizou a mão para dentro. Quando Bobby envolveu seus dedos ao redor de seu pênis, foi a vez de Tommy choramingar. Bobby deu-lhe um curso longo, lento como uma recompensa.

83


Em questão de segundos, eles tinham uma pilha de roupas e sapatos no chão ao lado da cama. Tommy não se incomodou com preâmbulo ou mesmo outro beijo antes dele empurrar Bobby de volta para o colchão e cair sobre ele. Suas ereções juntas, molhadas de pré-sêmen, quando Bobby enredou os dedos no cabelo de Tommy quando ele caiu em torno de seu rosto. Ele puxou Tommy mais perto, seus olhos presos juntos quando Bobby murmurou, “Preservativo.” Não era uma pergunta. Bobby não estava perguntando se eles precisavam de um, ele estava dizendo a Tommy que tinham chegado tão longe quanto eles estavam indo para ir sem um. Tommy não poderia culpá-lo, e se ele estivesse pensando claramente, ele teria se sentido da mesma maneira. Tommy se afastou com um aceno rápido, abrindo sua mesa de cabeceira. Ele teve que procurar um pouco desde que ele não usava preservativos com muita frequência. Ele não se incomodava em usar um para um boquete e masturbação, e isso era tudo o que ele teve em mais de um ano. Levantando a cabeça, Bobby disse: “Há um em minha calça jeans se…” “Eu achei.” As palavras foram cortadas e parecia irritadas quando ele percebeu que não queria pensar sobre Bobby assim. Ele não queria pensar sobre Bobby fora nos clubes ou no banco de trás do carro de um cara deixando alguém tocá-lo. Ele afastou o pensamento e, finalmente, viu o que ele estava procurando. Enterrado sob uma antiga Playgirl e o Bongo que ele tinha sido expulso por fazer na aula de cerâmica quando ele tinha quatorze anos, Tommy encontrou uma tira de preservativos. Felizmente o lubrificante estava mais acessível.

84


Erguendo-se sobre os joelhos, ele olhou para Bobby. A pele de Bobby estava corada de rosa sobre seus músculos tensos, seus cachos curtoscortados de pé em picos quando ele mordeu o lábio. Bobby acariciou a si mesmo, uma mão forte movimentando em longos movimentos suaves sobre seu pênis, os quadris balançando sutilmente em seu próprio toque. Suas coxas estavam abertas, pés descalços descansando ao lado das pernas de Tommy. Parecia mais uma estrela pornô que um policial, e Tommy quase riu. Algum anjo que acabou por ser. Bobby surpreendeu quando ele falou. “Se você só quer ver, eu vou continuar com isso.” Ele estava brincando, mas Tommy podia vê-lo apertar seu aperto, correndo-se o comprimento do seu pênis da raiz às pontas, melando o líquido claro que ele tocava. “Eu diria a você para manter a calça, mas...” Tommy deu uma risada suave para isso. Bobby balançou a cabeça e estendeu a mão para ele com a mão livre. “Cale a boca e me foda, idiota.” Sorrindo, Tommy perguntou: “Isso é uma ordem, Oficial?” Ele estava rasgando o invólucro do preservativo, querendo tocar Bobby, querendo estar dentro dele, mas ele queria desenhar as coisas, enquanto ele poderia também. “Eu deveria denunciá-lo por assédio sexual.” Bobby bufou. “É melhor começar com o assédio, ou nós vamos trocar de lugar.” Apenas a ideia enviou um pico de desejo através do sangue de Tommy. Ele só tinha sido fundo algumas vezes, e ele nunca realmente gostou, mas o pensamento de Bobby estar dentro dele era muito mais atraente do que ele

85


queria admitir. Ele rolou o preservativo para baixo em sua ereção, sentindo o rubor da pele, o calor rastejando sobre seu peito e ombros, indo para suas bochechas. Ele deu a si mesmo um aperto sólido sobre o látex enquanto Bobby pegava o lubrificante. “Você teria que lutar comigo para isso.” Havia muito pouca convicção na voz, no entanto. Ele estava distraído, observando Bobby Preparar-se, alisando seus dedos com lubrificante e empurrando-os para dentro de si mesmo. Tommy gemeu e mordeu os lábios entre os dentes. Bobby ainda estava acariciando-se com uma mão enquanto lubrificavase com a outra. Tommy estava hipnotizado pela visão, incapaz de fazer muito, além de assistir. Com um pequeno suspiro, Bobby puxou sua mão para trás e acenou com a cabeça. “Talvez da próxima vez”, ele sussurrou. No início Tommy não tinha certeza do que Bobby estava falando, seus pensamentos demasiadamente centrados no fato de que ele estava prestes a transar com Bobby McAlister. Tommy se moveu na cama e estendeu a mão para ele. Ele começou a virar Bobby ao redor, e Bobby pegou a deixa. Ele rolou para seu estômago e levantou-se ligeiramente sobre os joelhos. Tommy pensou que poderia ser mais fácil se concentrar se não estivesse olhando nos olhos de Bobby e tentando ler cada expressão que cruzava seu rosto. Ele tomou seu tempo quando ele pressionou mais perto por trás de Bobby. Ele passou a mão para baixo na curva da bunda de Bobby enquanto

86


ele acariciava a cabeça de seu pênis contra a entrada de Bobby. Tommy poderia dizer que ele estava frustrante. Ele balançou para trás contra Tommy e tentou ter mais contato. Depois de mais um longo momento, Bobby disse: “Eu não sou virgem, Tom.” O travesseiro abafava suas palavras, e isso fez Tommy rir antes dele oferecer um empurrão firme passado o anel tenso do músculo. Bobby assobiou uma maldição quando Tommy rolou seus quadris e deslizou mais profundo. “Jesus,” Tommy murmurou, sentindo o calor apertado ao redor de seu pênis enquanto ele entrava em Bobby. “Você tem certeza disso?” Ele estava tentando provocar até mesmo enquanto sua voz estava se esforçando, seu corpo vibrando com a necessidade de movimentar mais duro. Bobby parecia tão torturado, mas ele riu enquanto falava. "Eu prometo." Ele se moveu sob Tommy e apertou novamente, encontrando o lento balanço dos quadris de Tommy. Tommy empurrou mais profundo. Ele não parou até que ele estava debruçado sobre Bobby e seus corpos estavam tocando em cada ponto possível. Ele queria pegar os gemidos e maldições de Bobby em sua boca, mas era impossível, então ele deixou um beijo caloroso, aberto no ombro de Bobby. “Preciso de mais, Tom,” Bobby ofegou. Tommy não poderia dizer se era dor ou ganância que ouviu na voz de Bobby, mas ele se afastou e penetrou profundo. O movimento foi acentuado e rápido, e quando Bobby gemeu e estremeceu, Tommy sabia que era o que Bobby queria que ele fizesse isso de novo.

87


Eles começaram um ritmo áspero juntos, seus quadris balançando, os músculos se contraindo, gemidos aquecidos após o outro, os dois nus, transpiração, arcas exigente sob a luz dura acima deles. Não demorou muito antes de Bobby tentar fazer com que a mão entre seu corpo e o colchão. Tommy puxou para trás para dar-lhe mais espaço, e quando isso não pareceu ser o suficiente, ele sentou-se nos calcanhares e puxou Bobby com ele. Bobby soltou um suspiro surpreso quando ele estava todo o caminho no pau de Tommy. Seus corpos se encaixaram perfeitamente Bobby de joelhos flexionados, costas pressionadas para o peito de Tommy. Tommy dando beijos rígidos sobre o lado do pescoço de Bobby quando ele passou o braço em volta da cintura de Bobby. Ele enfiou a mão na parte inferior e agarrou a ereção de Bobby. Tommy passava a palma da mão em movimentos curtos e rápidos que combinavam com seu ritmo desajeitado quando Bobby inclinou e entrelaçou os dedos nos cabelos de Tommy. A libertação de Tommy estava cobrando por ele em alta velocidade, tencionando os músculos e chutando seu batimento cardíaco até níveis perigosos. Quando a voz de Bobby começou a transportar, ficando cada vez mais alto com cada impulso dos quadris de Tommy, cada curso sobre seu pênis, Tommy estendeu a mão e cobriu a boca de Bobby. Bobby deixou a cabeça cair para trás sobre o ombro de Tommy então, e Tommy podia sentir a respiração

88


de Bobby contra a sua pele em sopros quentes. Bobby clamou contra a palma de Tommy quando ele gozou duro através dos dedos da outra mão de Tommy. Tommy estava no limite, e a maneira como Bobby se moveu e os sons que ele fazia quando ele gozou foram suficientes para arrastar Tommy com ele. Ele se inclinou para frente novamente e empurrou Bobby no colchão quando ele pegou o ritmo, empurrando em movimentos carentes quentes até que ele estava vindo também. Tommy caiu sobre Bobby, ofegante contra sua pele lisa, beijando a sua nuca. Foi um gesto terno que Tommy nunca quis oferecer a alguém antes. Que parecia tão natural que era quase alarmante, mas Tommy preferiu não pensar nisso. Em vez disso ele se afastou para tirar o preservativo. Ele deixou-o cair no chão por falta de coisa melhor para fazer com ele. Levantando a cabeça, Bobby riu enquanto observava. “Eu sei que é um pequeno, mas eu aposto que você poderia colocar um cesto de lixo aqui em algum lugar...” Caindo de costas, exausto, Tommy deu-lhe um pequeno empurrão. “Se eu soubesse como essa noite ia acabar, eu teria preparado um pouco melhor.” Os dois riram, e Bobby se moveu na pequena cama para se aproximar de Tommy, ou talvez ele só queria sair da mancha molhada. De qualquer maneira, ele não esperou por um convite. Ele não precisa de um, e Tommy se perguntou se Bobby já sabia disso. Tommy deixou os olhos deslizar fechados quando Bobby passou um braço sobre suas costelas e descansou a cabeça no peito de Tommy. Eles não se preocuparam com um cobertor desde que o ar era sufocante o suficiente lá.

89


“Você faz isso frequentemente? Traz caras pra casa, eu quero dizer?” Perguntou Bobby, seu rosto ainda escondido no ombro de Tommy como se envergonhado por sua própria pergunta. “Nunca, nunca pensei que eu iria,” Tommy admitiu. “Eu nunca confiei em ninguém em torno das crianças antes...” Bobby levantou a cabeça, em seguida, olhou para Tommy enquanto ele perguntou: “Será que eles sabem? Quero dizer, você está fora para a família?” Balançando a cabeça, Tommy explicou. “Sim, bem, Colleen sabe. Não é como se eu esteja me escondendo do resto deles, só não surgiu.” Seus dedos estavam ansiosos por um cigarro, mas ele não queria se levantar e ir pegar um. "E você? Você está fora da força e essas merdas?” Bobby passou a mão calmamente sobre o peito e estômago de Tommy, como se ele entendesse que Tommy estava ansioso e compreendendo o quanto Tommy não queria conversas profundas de coração para coração. "Na verdade não. O meu parceiro sabe, alguns superiores na estação sabem, mas só eles é que sabem sobre isso. Eu disse aos meus superiores quando eu estava em treinamento, e ele sugeriu que eu mantivesse minhas preferências privadas.” Tommy sentiu-o dar de ombros quando Bobby baixou a cabeça novamente. “Eu prefiro estar fora e orgulhoso e marchando em desfiles em meu uniforme e toda essa baboseira, mas eu tenho que trabalhar com esses caras, sabe?” “Sim, eu entendo. Você não me vê postar um sinal no quintal ou colando algum adesivo bandeira do arco-íris sobre o carro.” “Será que Cal sabe?”

90


Tommy soltou uma risada em resposta. “Ele não está em casa o suficiente ou sóbrio o suficiente para perceber ou se importar com o que eu faço com meu pau.” “Bom ponto”, disse Bobby com uma pequena risada. Ficaram em silêncio por um momento antes de Bobby falar de novo, respondendo a uma pergunta que Tommy estava tentando não perguntar. “Minha mãe sabe. Ela ficou um pouco decepcionada, eu acho. Ela sempre quis netos desde que ela nunca teve a grande família que queria.” Tommy apertou seu braço em torno de Bobby sem querer. Algo sobre esse pequeno sussurro, o som da voz de Bobby quando ele disse que achava que sua mãe estava desapontada, fez o peito de ficar Tommy apertado. Ele odiava a sensação, mas ele não resistiu a ela sequer. “Você ainda pode lhe dar seus netos. Gays adotam o tempo todo,” Tommy disse a ele, em uma necessidade para fazer Bobby se sentir melhor correndo por ele. “Ou você poderia começar com uma daquelas meninas que tem um para você. Como eles chamam?” “Substituta”, Bobby disse suavemente, se movendo para mais perto. “Sim, é isso.” Tommy riu, em seguida, voltando-se para que ele estivessem de frente para Bobby, os dois enrolados juntos. “Diga a sua mãe que eu tenho alguns que ela pode pedir, se ela estiver sozinha,” brincou. Ele podia sentir o sorriso de Bobby contra seu pescoço, e ambos ficaram tranquilos depois disso. A respiração de Bobby se nivelou e ficou suave contra a pele de Tommy. Ele sabia que deveria acordar Bobby, chutá-lo para fora, e colocar algumas regras básicas, mas dane-se tudo, era bom ficar assim com

91


Bobby. Ele se sentiu seguro e confortável. Como ele sempre imaginou que seria a sensação de uma verdadeira casa. Tommy se afastou por alguns minutos, voltando em torno de Bobby e sentindo que a sua vida pode valer alguma coisa apesar de tudo. Mas a luz do teto ainda estava ligada, e sua pele estava pegajosa. Demorou algum tempo, mas ele conseguiu desembaraçar-se e sair da cama. Ele jogou um lençol sobre Bobby, não querendo que ele acordasse exposto e sozinho no quarto desconhecido, antes dele vestir uma cueca e apagar a luz. Sentado no passo atrás, Tommy deu uma longa tragada em seu cigarro. Ele sabia que Bobby não fumava, mas Bobby não parecia importar-se do gosto dele quando eles se beijaram ou o cheiro dele em suas roupas. Talvez ele devesse deixar. Não era como se ele já tivesse pago por eles, mas ele sabia que eles faziam mal pra ele. Para não mencionar o exemplo que ele estava dando para as crianças. Colleen já estava fumando, e ele sabia que Mike fumava de vez em quando. Droga. Ele quase pulou o passo quando a porta se abriu. Colleen estava ali vestida com uma camiseta e um shorts, seu cabelo parecia selvagem, olhos pesados. “Você está bem, Tommy?” Ela se sentou ao lado dele e pegou o cigarro entre os dedos antes de puxar um trago. Ele estreitou os olhos e agarrou-o de volta dela. "Sim, por quê?" “Você não acorda normalmente tão cedo.” Ela ficou em silêncio por um minuto antes dela acrescentar, “eu notei Bobby em sua cama quando desci...” Merda. “Ele não acordou ainda?”

92


“Dormindo como um bebê. Você vai me dizer o placar?” Tommy riu. “Ele está apenas dormindo, hoje à noite, não é grande coisa.” "Besteira." Sentindo sua frustração fervendo dentro dele, Tommy passou a mão pelo cabelo antes que ele jogou o alvo em uma lata ao pé da escada. “Besteira e uma má ideia, mas ele está aqui, no entanto.” “Vocês dois, como... um casal agora? Ou…?" Tommy soltou uma risada. “Acho que se qualificar como um 'ou' para agora.” Um casal. Ela estava falando sério? “Ele é um cara bom,” acrescentou como um adendo, deixando bom demais para mim não dito. Descansando a cabeça no ombro de Tommy, Colleen deu um beijo ali, suas palavras calaram quando ela falou. “Assim é você, Tommy.” Ele colocou seu braço ao redor dela e a puxou para mais perto. Ele não agradeceu a ela pelo comentário, mas parte dele queria. “Como estão as coisas com você e Wyatt?” Ele perguntou, querendo mudar de assunto. Colleen levantou a cabeça e sorriu. "Bem. Ele estará deixando a escola em algumas meses, mas ele disse que iria corrigir o meu telefone para mensagens de texto livre e outras coisas antes que ele vá.” Tommy riu. “Merda, deixe-nos para corromper o único bom garoto no bairro. Como diabos ele aprendeu a fazer isso?” Encolhendo os ombros, Colleen lhe disse: “Ele sabia como fazê-lo antes de nós o conhecermos. Eu disse que ele era inteligente.”

93


“Mente criminosa,” Tommy provocou. O sol não apareceu totalmente e a rua estava tranquila. “Você vai tirar Bobby daqui antes que as crianças se levantem?” “Você acha que eu deveria?” Tommy estava quase com medo de qual sua resposta poderia ser. A voz de Colleen foi firme enquanto ela falava. "Não, eles tem idade suficiente para entender provavelmente não vão se importar, e os bebês já amam Bobby.” “Mais uma razão para apressá-lo para fora da porta antes de se levantar. Eu não quero que ninguém se apegue.” “Eles já estão ligados a ele, Tommy.” Colleen revirou os olhos. "E você também. Você devia deixá-lo entrar, ver o que acontece.” Tommy considerou o conselho dela, mastigando o lábio antes de falar. “Eu não jogo jogos de azar, Col, especialmente quando se trata de vocês.” “Nem eu, mas Jesus, Tommy. Algumas apostas valem o risco. Bobby é um cara bom. Ele não vai fazer nada para nos prejudicar.” “Talvez eu esteja preocupado sobre nós sermos ruins para ele.” Ele não estava apenas jogando de advogado do diabo e Colleen parecia saber disso. “Talvez você deve deixá-lo decidir por si mesmo se ele está disposto a correr esse risco.” Com um profundo, resignado suspiro, Tommy se levantou. “Acho que ambos devemos tentar dormir mais um pouco, então. Nós estamos tendo uma festa de debutante amanhã.”

94


Capítulo 5 A casa já estava cheia de movimento e ruído. Tommy não tinha ideia de que horas eram ou quanto tempo ele conseguiu dormir. Tudo o que sabia com certeza era que Bobby não se moveu e as crianças passaram rasgando a casa como um relâmpago. Ele tinha deixado a porta entreaberta para deixar um pouco de ar entrar, esperando que não fossem sufocar durante o sono e serem encontrados mais tarde, dois corpos nus cobertos de sêmen. A ideia não o fez rir. Bobby levantou a cabeça do travesseiro que ele e Tommy estavam compartilhando. Ele estava dormindo em seu estômago e sua posição não tinha mudado muito durante a noite, mas ele conseguiu afastar o lençol. O corpo nu de Bobby foi destacado pelo raio de luz vindo do corredor. Tommy não gostou da ideia deles serem pegos desse jeito. “Provavelmente devemos vestir algumas roupas, se nós não quisermos que às crianças nos pegue nus.” Tommy se esticou antes que ele estendesse a mão para arranhar suas bolas e seu pênis. Levou demasiado interesse na bunda de Bobby. Erguendo-se sobre os cotovelos, Bobby perguntou: “Posso te beijar pela primeira vez?” Tommy lutou um sorriso. “Se eles entrarem aqui, eu não acho que você me beijando seja a primeira coisa que vão notar.” Mesmo que tenha soado como um não, Tommy se inclinou e tocou os lábios de Bobby. O beijo foi o

95


primeiro que tinham compartilhado, silencioso e lento. Bobby abriu para ele, deslizando sua língua na boca de Tommy quando Tommy estendeu a mão para ele e puxou-o para mais perto. Tommy ainda estava usando o pijama que ele colocou na noite anterior, mas seus peitos nus estavam pressionados juntos, e Tommy queria ele mais uma vez. Ele deslizou a mão pelas costas de Bobby e começou a esfregá-lo antes de lembrar-se e sentar-se. Bobby soltou um rosnado frustrado e depois riu. “A próxima festa do pijama é na minha casa.” Isso respondeu uma pergunta para Tommy. Este não era um caso de uma noite ou dois amigos vendo o quão bom os benefícios seriam depois de algumas cervejas. “Você prefere que a sua mãe nos pegue nus?” Ele brincou quando ele começou a ficar de pé. Rindo de novo, Bobby seguiu-o, levando a cueca de Tommy quando eles pegaram as suas roupas do chão. “Não é como se eu vivesse no meu antigo quarto, Tom. Eu converti a garagem em um apartamento,” explicou ele, balançando a cabeça antes de puxar sua camisa. Tommy grunhiu no entendimento, mas ele estava trabalhando nos detalhes de uma viagem durante a noite para Bobby e pensando sobre tudo o que podiam fazer para o outro com tanta privacidade e que muito tempo juntos. Ele não estava fazendo muito para o estado de sua ereção, que estava mais duro com cada imagem mental que conjurou. Eles ainda estavam vestindo as roupas quando Colleen enfiou a cabeça pela porta aberta. Ela corou e desviou o olhar de Bobby, que não tinha conseguido encontrar a calça ainda.

96


“O café da manhã está pronto,” disse ela. “Se vocês dois estiverem com fome, é melhor você chegarem lá. Davey trouxe um pouco de bacon, e eles estão prestes a fazer uma revolta sobre ele.” “Deixe-os comerem. Eu vou querer torradas,” Tommy disse a ela quando ele abriu a porta mais longe. “Onde Davey obteve o bacon?” Colleen deu-lhe um olhar antes que ela disse: “Quanto menos se sabe, melhor para todos nós. Ele provavelmente encontrou-o na traseira de um caminhão de entrega, se eu tivesse que adivinhar.” Ela afastou os olhos para Bobby então, com um olhar de pânico no rosto. Bobby riu e colocou uma mão. “Eu estou de folga. Não ouço nada.” Colleen pareceu relaxar com as palavras de Bobby, mas Tommy ainda tinha um nó no estômago. Bobby deve ter pego a expressão de pavor no rosto porque ele se aproximou e sussurrou no ouvido de Tommy: “Se você vai me pedir para confiar em você, Tom, você tem que confiar em mim um pouco.” Tommy assentiu com a cabeça. Colleen havia escapado pelo corredor novamente, provavelmente para dar-lhes um pouco de privacidade. “Estou tentando.” Tommy nunca tinha aprendido a dobrar e não quebrar, e este era um território novo para ele. Seu suspiro foi ponderado, pesado, com todas as coisas que ele desejava que ele pudesse ter e todas as coisas que ele sabia que não deveria se incomodar mesmo querendo. Bobby sorriu, inclinando-se e pegando um beijo rápido. “Tenha bondade.” Antes dele sair para o corredor, acrescentou, “por agora.” O cheiro da comida de Colleen cumprimentou-os antes que eles descessem as escadas. Tommy teve que olhar através da sala de estar para não

97


tropeçar sobre os brinquedos e livros espalhados pelo chão. Parecia que as crianças tinham abandonado tudo e fizeram uma corrida para ela quando a comida estava pronta. Não era como se eles nunca comessem, mas geralmente era apenas farinha de aveia ou de cereais e um ovo se tivessem tempo. Bobby estava em seus calcanhares e quase esbarrou nele quando Tommy parou quando ele abriu a porta da cozinha. Rabanada e ovos mexidos, frutas e bacon, até mesmo suco de laranja, tinha sido colocado em cima da mesa. “O inferno?” Ele olhou para Davey, que estava sentado do outro lado da sala. “Eu sei que você não apenas encontrou tudo isso.” Era uma coisa olhar para o outro lado quando Davey trazia algo necessário ou talvez um pouco de luxo de cada vez, mas não havia necessidade de ele apertar tanto apenas para que eles pudessem ter uma grande refeição que não precisava. “Relaxe, Tommy.” Colleen se afastou do fogão com um grande frigideira na mão, começando a servir ovos sobre os pratos. “Eu trabalhei ontem, lembra? Ryan me deu o pão, porque era muito velho para servir aos clientes, e eu comprei os morangos e outras coisas com algumas das minhas gorjetas.” “Tudo bem.” Tommy pegou duas canecas de café. Ele colocou um para si e outro para Bobby, acrescentando o creme para seus e dois açúcares para Bobby. Ele revirou os olhos para si mesmo quando ele percebeu o que estava fazendo. Ele tinha fodido Bobby McAlister na noite passada, e agora ele estava fazendo seu café do jeito que Bobby gostava. Deveria ter sido ele na cozinha preparando o café da manhã em vez de Colleen. A ideia o colocou de mau humor. Ele resmungou, “Ainda assim não deve desperdiçar seu dinheiro em

98


coisas como esta. Nós não precisamos comer metade de tanto no café da manhã.” Colleen estreitou os olhos para ele, mas ela não fez nenhum comentário. Ele achou que alguém teria notado que Bobby estava lá agora, mas então ele se lembrou que Bobby havia se tornado uma presença frequente em torno da casa. Collin olhou para Tommy com uma expressão de esperança e perguntou: “Desde que os gêmeos poderiam se engasgar com o bacon, eu posso comer o deles?” “Não seja ganancioso.” Tommy disparou a seu irmão um olhar severo. “Temos companhia para o café da manhã, Colleen e Mike trabalharam para cozinhar isso para vocês, então se alguém comer extra, deve ser eles.” Ele ouviu Davey murmurar sobre seu copo de suco, “Eu fui o único que o encontrou.” Bobby foi até Tommy e pegou sua xícara de café com um sorriso. Ninguém prestou atenção a qualquer outra pessoa depois disso. Todos os olhos estavam sobre Bobby. Carrie sorriu para ele. “Você pode sentar-se aqui, Bobby.” Ela deu um tapinha na cadeira de madeira frágil ao lado dela. Bobby sorriu. “Obrigado, amendoim.” Depois que ele colocou sua xícara de café sobre a mesa, ele puxou seu rabo de cavalo e se sentou. Zoe estendeu a mão para ele assim que o viu, até que Colleen se distraiu com uma colher de ovos em sua bandeja.

99


“Quando você chegou aqui?” Perguntou Collin, comendo a sua comida, embora Colleen ainda estava colocando. “Eu, hum...” Bobby olhou diretamente para Tommy. Certo. Sua casa, sua família. Ele deveria assumir a liderança aqui. “Ele passou a noite,” Tommy disse casualmente, encostado na pia e tomando um gole de café. Tommy observava seus rostos. Carrie não achou nada disso, ou pelo menos ela não deixou transparecer. Collin deu de ombros e voltou para a sua comida. Ele deveria saber que Davey seria o único a pegar de onde a história saiu de curso. "Onde?" Limpando a garganta e erguendo os ombros, Tommy disse: “No meu quarto.” Mike bufou uma risada. “Você teria ficado melhor no sofá, Bobby.” Bobby parecia envergonhado como o inferno. Até mesmo seus ouvidos estavam rosa, mas ele conseguiu dar um sorriso para Mike antes dele evitar a conversa, comendo o seu café da manhã. Mike olhou de Tommy para Bobby e depois de volta novamente. O reconhecimento parecia que madrugou nele então. “Espere, então, vocês estão como…” Collin levantou os olhos do prato e cortou Mike fora. "O que?" Davey falou, porém, Deus ajude a todos. “Besteira” foi tudo o que disse no início, fazendo como Mike tinha feito e olhando para Tommy, então para Bobby, depois de volta para Tommy. "De jeito nenhum."

100


“O quê?” Collin perguntou de novo, obviamente confuso. Quando Tommy acenou para Davey, Mike soltou um alto riso e disse: “Bom. Desde quando?" Tommy não tinha certeza se Mike queria saber quanto tempo ele e Bobby vinha fazendo um com o outro ou quanto tempo Tommy era gay. Ele não teve a chance de descobrir porque Davey deixou escapar: “Vocês são bichas?” Se Tommy estivesse de pé ao lado dele, ele provavelmente teria batido em Davey na parte de trás da cabeça e calado a boca. Bobby parecia que estava considerando a mesma ideia. Colleen foi quem assumiu, no entanto. Ela estava de volta no fogão e bateu a frigideira com tanta força que fez todo mundo pular. Ela investiu sobre o seu irmão e apontou um dedo na cara de Davey. “Ele é gay. Não é bicha. O cara que mantém um teto sobre sua cabeça e mantém os alimentos no seu prato e ajuda-o com sua lição de casa e mantém você longe da assistência social é gay. E, então me ajude Cristo, se eu ouvir uma palavra fora de você sobre isso, eu vou chutar o seu traseiro e, em seguida, jogá-lo no conselho tutelar eu mesma.” Os olhos de Bobby eram enormes, observando Colleen perder o controle. Tommy queria rir quando Davey colocou ambas as mãos para cima. "Eu só estava perguntando! Não tenha sua calcinha amarrado sobre ele. Jesus." Colleen ainda parecia assassina. “E eu estava apenas me certificando de que você entendeu.” Ela disse as palavras como se ela estivesse pensando em bater Davey em sua bunda só para ter certeza que ele entendeu a mensagem.

101


Tommy deu um passo atrás dela, esfregando os ombros e tentando não rir. “Calma, boxeadora.” Ele a puxou de volta de Davey, que lhe deu um olhar agradecido. Colleen afastou o cabelo do rosto. “É aquele maldito neo-nazista que sai com ele.” Ela ainda estava furiosa quando ela empurrou sua cadeira para trás da mesa e sentou-se pesadamente. “Eu gostaria de torcer o pescoço daquele pequeno bastardo.” “Ele não é um neo-nazista!” Davey defendeu seu amigo. “Ele tem piolho e discute o tempo todo com sua mãe que lhe faz a barba todos os outro dia!” Carrie colocou as mãos para cima e cobriu seu cabelo. “Eu prefiro ele sendo um skinhead!” Isso teve um riso de Colleen, e Tommy figurou Davey e seu, possivelmente amigo skinhead cheio de piolhos era seguro para o momento. Ele puxou um banquinho até a mesa e pegou seu prato. “Como está o seu café da manhã, Bobby?” Ele perguntou com um sorriso, pensando que Bobby não tinha qualquer ideia no que ele estava se metendo. Quando as crianças terminaram de comer, Tommy enviou-os para fazer as tarefas e lembrou-lhes para obter os seus quartos limpos e suas camas feitas se eles não tivessem feito isso já. Nenhum deles parecia emocionado sobre isso, mas eles foram sem discutir, para o qual ele foi grato. Colleen tinha começado a recolher os pratos, e Mike estava ajudando limpar a mesa. “De jeito nenhum,” disse-lhes. “Vocês dois cozinharam, saiam daqui.”

102


Mike não esperou Tommy mudar de ideia, ele saiu da cozinha como se alguém tivesse incendiado. Colleen sorriu para Tommy e perguntou: “Você tem certeza? Está uma grande bagunça.” “Tenho certeza disso, Col.” Ele sabia que ela tinha o dia de folga e acrescentou: “Vá sair com Wyatt ou tirar uma soneca ou algo assim. Você me deixa cansado só de ver você.” Ela assentiu com a cabeça e pegou o telefone dela quando ela saiu pela porta dos fundos. Bobby já estava de pé, assumindo que Mike havia parado, limpou os pratos na lixeira e enxaguou os pratos. Eles estavam sozinhos juntos depois de um longo café da manhã, muito estridente. Tommy ficou atrás de Bobby, perto, mas não muito comovente. “Você não precisa fazer isso.” Bobby olhou por cima do ombro. "Eu sei." Tommy bateu seu ombro contra as costas de Bobby. “Se você quiser sair, é legal, sabe?” Ele não esperou por uma resposta. Em vez disso, ele abriu a máquina de lavar louça e começou a carregá-lo. Bobby passou-lhe um prato lavado. “Seria legal se eu não quisesse sair?” Considerando sua resposta para uma batida, Tommy deixou seu olhar sobre o corpo de Bobby, sentindo uma corrida rápida de querer andar através dele. Ele se aproximou novamente e baixou a cabeça para que seu rosto estivesse quase tocando o de Bobby. Ele inalou e, em seguida, sussurrou no ouvido de Bobby, “Claro, mas tomar um banho. Você cheira a sexo.” Ele podia ouvir o fôlego de Bobby.

103


“Quais são as chances de nos recebermos privacidade o suficiente para você se juntar a mim?” Bobby parecia que ele já tinha esquecido os pratos. Tommy grunhiu uma risada. “Acho que nenhum.” Ele deslizou outro prato na máquina de lavar. “Mesmo se as crianças tiverem ido embora, eu não quero arriscá-los voltando para casa e nos pegar. Além disso, você sabe, um banheiro, oito pessoas. Dez, se Cal e Cheryl estiverem ao redor.” Olhando resignado, mas não infeliz, Bobby se virou para enxaguar os pratos. “Bom ponto.” Ele passou outro prato para Tommy e perguntou: “Você já ouviu falar deles? Cal e Cheryl, quero dizer.” “Eles foram embora por algumas semanas, mas eles apareceram novamente na outra noite.” Tommy não poderia ajudar um bufo de irritação ao se lembrar do telefonema às três da manhã. Seu pai tinha sido desperdiçado e Cheryl foi lamentar-se para Tommy para uma carona para casa. Ele desligou o telefone, mas eles ainda conseguiram encontrar o caminho de volta. “Não tenho certeza onde estão agora, mas eu tenho certeza que vamos aparecer uma outra visita em breve. Eles são piores do que o herpes, não pode se livrar deles por muito tempo.” Bobby riu quando ele disse: “Eu espero que você não esteja falando por experiência.” “Acho que você vai ter que esperar e descobrir.” “Cretino,” Bobby falou; Parecia que ele sabia que Tommy estava lhe dando merda e estava preparado para dar-lhe de volta. “Eu acho que eu deveria ter mencionado isso ontem à noite, mas eu peguei um caso de fúria de

104


caranguejos ou menos uma semana atrás. É provavelmente tudo esclarecido, mas...” “Agora quem é o idiota?” Tommy bateu no traseiro de Bobby por isso, rindo quando ele saltou. Os pratos lavados, tudo limpo. A cozinha não era perfeita, mas era boa o suficiente. “Acho que você está passando para mim.” Bobby estava encostado ao balcão, secando as mãos em um pano de prato. Tommy se aproximou, puxando o pano dos dedos de Bobby quando ele se pressionou contra ele. “Eu sei o que eu gostaria de estar...” Ele se inclinou e estava prestes a beijar Bobby quando a porta da cozinha se abriu com um estrondo. Tanto ele quanto Bobby se encolheram com o barulho, mas não se afastaram um do outro. Tommy teve que se lembrar que ele não estava fazendo nada de errado e não havia razão para as crianças não dever vê-lo ficar perto de Bobby ou mesmo beijá-lo. “Não bata a porta assim” disse a Collin, que estava arrastando um saco de lixo através da cozinha. “Desculpe, Tommy.” Collin fez uma pausa para olhar para eles, sua expressão indecisa por um minuto, mas depois ele deu de ombros e continuou pela porta dos fundos e saiu para as latas de lixo lá fora. Tommy observou ir antes de voltar sua atenção de volta para Bobby. “Você tem certeza que quer ficar aqui o dia todo?” Ele sorriu e beijou Bobby rapidamente antes que eles pudessem ser interrompidos novamente.

105


Bobby relaxou contra ele, fazendo um som em sua garganta que deixou acelerado o pulso de Tommy. Ambos gemeram e se afastaram quando ouviram a porta abrir novamente. Collin se arrastou através e não lhes qualquer atenção, mas o momento foi perdido. “Eu tenho certeza.” Bobby se afastou do balcão. “Mas eu acho que eu sou uma bola dentro vou para um banho rápido e me trocar e, em seguida, estarei de volta.” Não gostando da forma como o seu estômago caiu com as palavras de Bobby, Tommy assentiu. "Parece um bom plano. Você trabalha hoje à noite?” “Eu estou de folga até segunda-feira. Este é o meu fim de semana garantido por mês.” Bobby olhou esperançoso quando ele perguntou: “E você?” Tommy foi se encostar ao fogão, que estava oposto a Bobby. Não havia muito espaço entre eles, mas era mais do que ele gostava. Agora que ele tinha dado a si mesmo permissão para tocar e beijar Bobby, era tudo que ele queria fazer quando eles estavam na mesma sala juntos. “De nove até as duas.” Ele trabalhou o lábio entre os dentes antes de acrescentar: “Estou de folga amanhã, apesar de tudo.” Bobby levantou-se reto em suas palavras. Tommy podia dizer pelo olhar no rosto de Bobby que ele estava formulando um plano. “Alguma chance que você pudesse simplesmente voltar para minha casa depois do trabalho hoje à noite?” Ele perguntou, dando um passo mais perto de Tommy, colocando as mãos na cintura de Tommy. Ele queria dizer que sim. "Para a noite?"

106


Bobby inclinou o rosto e beijou o queixo de Tommy. “Por enquanto você pode,” ele sussurrou. Outra onda de desejo correu por Tommy com a ideia, mas uma noite longe da casa era um plano ruim por muitas razões. "Eu não sei. Se o pai e Cheryl voltar para casa no meio da noite, ou se algo der errado aqui e eu não estou por perto...” Suspirando de novo, Bobby se afastou e chamou a atenção de Tommy. “Que tal se certificar de que Colleen tem os meus números, e se seus pais se aparecerem antes de sair do trabalho, nós abortamos o plano. Mas se eles não aparecerem e tudo estiver bem por aqui, você cai por algumas horas após o seu turno?” Tommy estava grato que Bobby parecia estar sugerindo uma alternativa, não empurrando-o. “Tudo bem, eu acho que podemos balançar isso.” Bobby lhe deu outro beijo rápido para a sua resposta. "Bom. Agora eu vou correr para casa e me limpar.” Ele se afastou antes que alguém tivesse a oportunidade de entrar na cozinha. “Precisa de uma carona?” Ele sorriu para Tommy e disse: “Eu vou correr. É preciso de uma corrida de qualquer maneira.” Tommy riu. Ele só corria quando ele estava sendo perseguido. Tommy tinha conseguido obter a casa em ordem, conectar-se com Kelly para se certificar de que ela tinha a sua parte do dinheiro de seu negócio na noite anterior, foi fazer a barba, chuveiro, e lavar roupa antes de Bobby

107


voltar. Nada mal para por algumas horas. Ele estava sentado no degrau da frente fumando um cigarro quando Bobby parou em frente da casa. Max e Zoe estavam brincando no quintal, e Bobby parou para cumprimentá-los, pegando Zoe quando ela estendeu a mão para ele. Ele a levou até a passarela. “Parece que você tem uma garota fã,” Tommy apontou, rindo. Ele deu mais uma tragada no cigarro, soprando a fumaça para longe deles, antes que ele esmagasse-o e deixasse-o cair no balde de areia que ele mantinha lá fora para suas pontas. “Talvez eu devesse mantê-la.” Bobby se afastou para olhar para o rosto de Zoe. “Eu posso colocá-la no meu bolso.” Ele beijou sua mão quando ela tentou agarrar seu nariz e disse em voz brincalhão, “Você quer me ajudar a pegar bandidos durante todo o dia, Zoe?” Quando Tommy lhe lançou um olhar, Bobby se corrigiu. “Os verdadeiros bandidos. Não os caras que estão apenas tentando sobreviver.” Alguns pensamentos correram pela cabeça de Tommy. Ele considerou acusar Bobby de mergulhar novamente, e ele tentou afastar o medo que deslizou através dele na pequena piada sobre Bobby mantê-la. Em vez disso, ele disse, “Cuidado com o que você vai colocar em suas cabeças. Mike e Davey já tem registros. Eu duvido que eles passem quando fizerem a verificação de antecedentes, se eles decidiram se inscrever.” Tommy se levantou e caminhou até o último par de passos para Max. Ele pegou e beijou sua bochecha. Bobby olhou em algum lugar entre dor e preocupado antes de falar. “Registros juvenis podem ser excluídos,” disse Tommy enquanto se dirigiam

108


para a casa. “Eles só precisam

ter cuidado à medida que envelhecem”,

acrescentou, ainda soando como todo um batalhão de policiais O'Shea era uma possibilidade se eles próprios aplicada. Quando Tommy parou e olhou para ele, Bobby perguntou: “O quê?” Tommy balançou a cabeça e riu quando ele colocou Max para baixo pela cesta do brinquedo. "Nada." “Não, o quê?” Bobby pressionou ele, olhando brincalhão, mas curioso. Tommy desistiu e disse Bobby que ele estava realmente pensando. “Você é muito otimista para ficar pendurado por aqui.” “Talvez vocês precisem de um pouco de otimismo” Bobby respondeu, assumindo o desafio. “Essa é a última coisa que precisamos. Quem você acha que tem que pegar as peças quando suas esperanças começam a subir e, em seguida, tem o tapete puxado debaixo deles?” Tommy não estava irritado, suas palavras não foram com raiva, mas ele sentia fortemente sobre o que ele estava dizendo. Bobby ainda estava segurando Zoe perto, olhando para Tommy como se não pudesse acreditar no que estava ouvindo. “E se o tapete não for puxado debaixo deles?” Ele perguntou suavemente, sentando-se no sofá surrado e saltando Zoe no joelho. “Olhe ao seu redor, Bobby.” Tommy bufou em frustração. “Toda a nossa vida é um cenário de merda após o outro.” Quando parecia que Bobby estava prestes a comentar sobre isso, Tommy interrompeu-o antes de Bobby poderia começar. “A melhor chance que eu tenho é Colleen se formar no ensino médio, colocar Mike e Davey em uma escola de comércio, em algum

109


momento, e me certificar-se que eles saibam como fazer algo que vá mantêlos. Eles vão ser encanadores ou mecânicos ou alguma merda, mas pelo menos eles não serão vagabundos preguiçosos. Supondo que eu possa mantêlos na escola e fora da prisão por tanto tempo, que é sensível ao toque e ir, se você não tenha notado.” Bobby estava tranquilo, parecendo que ele discordava, mas não estava disposto a discutir, então Tommy acrescentou: “Isso é mais próximo ao otimismo que eu consegui.” Quando Bobby poderia ter oferecido mais sobre o tema, Collin veio correndo para dentro de casa, perseguindo Davey. Tommy podia dizer pela forma como eles se comportavam e seguravam seus braços sobre seus estômagos que estavam escondendo alguma coisa, tentando esgueirar-se. “Congele!”Ele gritou. Ambas as crianças derraparam até parar. Eles estiveram se movendo muito rápido no início para Tommy ver a protuberância sob a camisa de Collin. Ele mexeu. Collin parecia algo saído de um filme de terror, como se um aliem estivesse prestes a estalar fora de seu estômago. “O que é?” Tommy já tinha adivinhado, mas ele queria dar-lhes uma chance de se explicar. Collin respirou fundo e, em seguida, gritou. Tommy poderia dizer que Bobby estava tentando não rir enquanto Collin estremeceu e levantou a camisa. Um pequeno gato estava colado ao peito, as garras de Collin cavando em sua pele. “Podemos mantê-lo, Tommy?”

110


Davey puxou um saco de comida de gatinho debaixo de sua jaqueta, em seguida, e disse rapidamente, “Nós vamos cuidar dele, e ele não será nenhum problema.” Quando Collin tentou retirar o animal, o gato começou assobiar e rosnar, se contorcendo em seu aperto. Tommy saltou para trás quando o gato cuspiu nele. “Jesus, onde você encontrou essa coisa?” Davey respondeu animadamente, “Lá embaixo, naquela velha casa abandonada em Mimosa. Há, como, eu não sei, vinte deles lá em baixo.” Tommy pegou o gato quando parecia que poderia arrancar os olhos de Collin fora. “Me dê isso,” ele disse, tentando levá-la de seu irmão. O gato miou mais, arranhou e mordeu Tommy. “É um animal selvagem, pelo amor de Deus. Você não pode criá-lo para ser um animal de estimação. Cristo. O que eles estão chamados?” Ele olhou para Bobby, que não estava mesmo tentando esconder sua diversão por mais tempo. “Feral” Bobby respondeu, rindo. “Você deveria limpar os arranhões, Collin, e manter um olho em uma infecção.” Tommy ainda estava lutando com o gato quando ele tentou chegar até a porta. “Sim, nós sabemos o que fazer.” Quando ele jogou o gato para o quintal, ele decolou como um morcego fora do inferno, subindo a cerca e arremessando através da rua tão rápido que era um borrão. As mãos de Tommy estavam sangrando. Ele nivelou um olhar condenando a Collin. “Você tem sorte que coisa não chegou aos gêmeos.” Ele não se preocupou em continuar o sermão porque Collin e Davey perceberam o

111


quão ruim teria sido. “Vão se limpar.” Ele soltou outra maldição quando ele olhou para seus próprios ferimentos e foi para a cozinha, mas o telefone tocou e ele parou para responder. Colleen estava na outra extremidade da linha, parecendo virada. “Tommy?” Ela estava fungando. O medo aterrou Tommy no estômago quando ele lhe respondeu: “O que há de errado?” Bobby colocou Zoe no chão e se levantou, caminhando até Tommy. “Nada...” Ela parecia que ela ainda estava tentando entender o que estava errado exatamente. “Quer dizer, eu não sei. Eu estou na delegacia. Alguns caras pularam em nosso caminho, meu e de Wyatt, de volta do parque.” "Delegacia de polícia? O que aconteceu, Col?” Tommy queria amaldiçoar ou chutar alguma coisa, mas ele se forçou para manter a calma. Ela parecia que ela estava prestes a perdê-lo. "Eu não sei. Quer dizer, eles saltaram em nós, e eles estavam tentando bater em Wyatt, e eu peguei o meu bastão e fui atrás deles, e...” Ele teve que engolir o pânico enquanto se perguntava o que mais tinha acontecido. "Você está bem?" “Eu acho que sim, mas você pode vir me pegar?” Ela soou como quando ela tinha oito anos e foi pego furtando na loja da esquina. O proprietário não tinha chamado a polícia, mas Colleen estava aterrorizada, e Tommy foi o único em casa quando ela ligou.

112


Tommy deu um suspiro, dizendo com firmeza: “Basta esperar, Col. Eu estarei aí assim que eu puder. Você precisa salvar o dinheiro? Será que eles o prenderam?” "Acho que não. Eles disseram que só queriam ter a minha declaração, mas eles estão perguntando, onde está pai, e...” “Ok, apenas relaxe. Eu estarei aí em breve, tudo bem?” Ela estava chorando quando ela desligou. Tommy desligou o telefone e rosnou, “Jesus. A porra da minha vida.” Ele começou a correr a mão pelo cabelo e me lembrei que estava sangrando. Ele chutou a porta da cozinha aberta, e Bobby seguiu. Tommy estava murmurando para si mesmo enquanto lavava as mãos na pia, falando sobre sua imã e problemas. “Está vendo?” Ele se virou para Bobby enquanto secava as mãos. “Um cenário de merda após o outro.” Ele não acrescentou que isso era o que Bobby teria se ele ficasse preso ao redor. Ele não disse a Bobby que ele deveria sair enquanto era bom, mas ele pensou isso. Então ele notou que Bobby pegou o seu telefone celular pressionado em sua orelha, seu dedo no outro para que ele pudesse ouvir. Bobby franziu a testa enquanto ele falava. “Certo, Colleen O'Shea, ela esta ai.” Ele ficou em silêncio por um minuto e depois acenou com a cabeça antes de dar pequenos sons afirmativos no telefone. "Ok. Alguém apresentou queixa?” O estômago de Tommy deu uma guinada, perguntando o que exatamente tinha acontecido. "Típico. Alguns idiotas tentam roubar alguma menina e seu namorado e, em seguida, são presos quando tentam se defender.” Ele riu de tudo o que a pessoa do outro lado disse antes que ele

113


falou de novo: “Obrigado, Sue. Eu te devo uma. Sim, seus pais estão fora da cidade agora, mas seu irmão mais velho está no comando. Ele vai estar aí em pouco tempo para buscá-la.” Quando Bobby deslizou seu telefone de volta no bolso, Tommy olhou para ele com expectativa. "Bem?" “Nada para se preocupar, Tom.” Bobby estendeu a mão para ele, suas mãos quentes e fortes sobre os ombros de Tommy. “Ela e Wyatt estavam caminhando de volta de algum jogo de bola. Ela está bem, eles não a machucaram, mas ela se defendeu bem.” Tommy soltou um suspiro profundo. "Eu aposto. Eles pegaram os caras que fizeram isso logo abaixo no bloqueio?”, Ele perguntou enquanto Bobby puxou para mais perto. “Apenas um.” Bobby riu quando ele acrescentou: “Os outros dois estão no hospital. Colleen se defendeu muito bem.” Ele não podia deixar de sorrir. "Bom. Os pequenos bastardos.” O inchaço de orgulho pela sua irmã morreu repentinamente. “Ela não está em nenhum problema por isso?” "Provavelmente não. Parece bastante claro que foi autodefesa, mas eles tiveram que investigar e tomar sua declaração, já que os caras que tentaram roubá-los, eles estavam apenas cuidando de seu próprio negócio e ela atacou. Houve testemunhas que o viram descer e a apoiaram, e ela não colocou ninguém em UTI ou qualquer coisa, então eu acho que ela vai ficar bem.”

114


Tommy estava com raiva de novo. Ele sabia disso de sua irmã, sabia que ela nunca fez mal a ninguém, a menos que a provocassem. E a ideia de Wyatt indo atrás de três homens com um taco de beisebol, ou qualquer outra coisa, era ridícula. “Obrigado por verificar ela.” “Não tem problema.” Bobby puxou Tommy e beijou-o. Quando ele se afastou, ele disse, “Vá lá embaixo, eu vou ficar com as crianças até você voltar.” Tommy não agradeceu-o novamente. Sua mente foi inundada com todas as coisas que ele ainda tinha que fazer antes de sua mudança começar. “Tenho que alimentar as crianças, e Cristo, eu provavelmente deveria chamar e ver se alguém pode trocar comigo no pub.” Ele soltou uma maldição afiada. “Eu nem sei se temos gasolina o suficiente para ir até a delegacia e voltar.” Tommy começou a procurar as chaves. “Pegue o meu.” Bobby estendeu as chaves. “Apenas vá, Colleen precisa de você lá.” “Certo, obrigado.” Tommy ficou um pouco surpreso. Por alguma razão o sexo, flertando e limpeza da cozinha juntos e gostar do namorado não parecia quase tão grave quanto Bobby deixá-lo usar seu carro amado. Collin e Davey correram para a cozinha naquele momento, pronto para mostrar que tinham limpado os arranhões. Tommy disse a eles, “Collin, você fique aqui e ajude Bobby com os gêmeos. Eu tenho que ir buscar Colleen. Davey, você vai encontrar Mike e Carrie em casa. Ela está na rua na casa de não sei quem. Eu quero todos aqui enquanto eu estiver fora.”

115


Bem treinado e acostumado a acatar ordens sem perguntar quando Tommy parecia sério, Davey saiu pelas portas dos fundo, e Collin entrou na sala onde os bebês estavam jogando. Tommy não gostava de deixar as crianças nas mãos de outra pessoa, mas ele não tinha muita escolha. Seu humor estava tão escuro e pesado como nuvens de tempestade, e uma dor de cabeça se contraiu nas têmporas. Ele entrou no carro de Bobby e não tentou acelerar o seu caminho para a delegacia.

116


Capítulo 6 “Você está bem, Col?” Tommy tinha seu braço envolto em torno de sua irmã enquanto a levava para o carro. Ela ainda estava chorando, apesar das garantias de que todos eles falaram que ela não tinha feito nada de errado. As testemunhas contaram a sua história, e, eventualmente, o cara que eles tinham

pego contou tudo. Foi autodefesa, pura e simples. Até mesmo o

policial que puxou os depoimentos tinha dito que não havia tal coisa como força excessiva quando em desvantagem como aconteceu. Ela assentiu com a cabeça em seu ombro. “A mãe de Wyatt veio buscálo. Eu acho que eu me apavorei por ele.” “Ele vai superar isso. Se ele tivesse sido esfaqueado ou espancado por esses caras, teria ficado assustado mais. Colleen pareceu concordar, mas ela não disse mais nada por um longo minuto. Tommy perguntou se ela estava esperando até que eles estivessem fora do alcance da voz das pessoas indo e vindo enquanto se dirigiam para o estacionamento. Ele estava certo. Assim que eles estavam sozinhos, Colleen parou e jogou os braços ao redor dos ombros de Tommy. “Eles me tocaram,” ela sussurrou. Era uma afirmação simples, mas Tommy sabia exatamente o que ela queria dizer e só podia adivinhar o que deve ter sido para ela. “Eles apareceram do nada e um deles saltou sobre Wyatt e foi socá-lo e procurar dinheiro em seus bolsos, e os outros dois...”

117


Tommy não podia deixar de silenciá-la, segurando-a como se ela fosse uma menina, como se ela fosse Carrie ou Zoe. “Você quer falar sobre isso?” Ela balançou a cabeça. “Eu não sei.” Sua voz soava abafada contra seu ombro, e ele passou a mão pelo cabelo, querendo ajudar a aliviar a dor e fazêla se sentir segura novamente. “Que bem falar sobre isso faz?”Ela perguntou quando ela se afastou o suficiente para ver seu rosto. Tommy não tinha muito de uma resposta para ela. “Talvez seja melhor do que mantê-lo para si mesmo?” Seus olhos estavam inchados e brilhantes, nariz escorrendo em cima dele quando ele a abraçou novamente. Colleen estremeceu antes dela continuar. "Eles só... Eles me pegaram, e eu acho que no início eles queriam apenas verificar meus bolsos, sabe?” Tommy balançou a cabeça, segurando-a com força enquanto ela continuava. “Então eles começaram a me tocar, e eu só... me perdi.” Ela fez uma pausa, dando outro suspiro. “Quando isso aconteceu antes, eu era muito jovem, sabe? Eu não sabia como pará-lo ou o que o cara estava fazendo, nem nada. Eu só sabia que me fez sentir suja. Mas desta vez... eu sabia o que eles iam fazer se eles tivessem a chance, e então... Eu só não ia deixar. Eu mal me lembro.” “Você fez bem,” ele sussurrou, desejando que ele tivesse estado lá, desejando que ele pudesse ficar cinco minutos a sós com os caras. Quando ela se afastou, seu queixo tremia, colocando-o na mente dela quando ela era um bebê. Ela disse baixinho: “Obrigado, Tommy.” O que ele poderia dizer? Tommy assentiu e conduziu-a até o carro de Bobby, apertando o botão duas vezes para destravar as portas. “Quer fugir

118


para o México?” Ele estava esperando conseguir um sorriso dela. “Tem um tanque cheio de gasolina e eu estou disposto a apostar que ele tem algum dinheiro escondido lá dentro.” Sua risada era mais ferida do que alegre. “O Canadá está mais perto.” "Muito frio. Eu quero uma praia quente e margaritas.” Apesar das piadas sobre fugir de casa, Tommy a levou cuidadosamente de volta para casa e estacionou o carro de Bobby na frente, certificando-se de travá-lo e ligar o alarme antes que ele e Colleen começassem a subir as escadas. Quanto mais se aproximavam da porta da frente, mais óbvio se tornava que algo não estava certo. Um motim de ruído cumprimentou-os e as janelas tremiam quando as coisas batiam em torno da casa. Ele podia ouvir Max e Zoe chorando de algum lugar lá dentro. “Jesus, eu me fui por uma hora...” Tommy resmungou, enquanto ele subia as escadas. Colleen se arrastava atrás dele, parecendo pronta para o que os aguardava. Quando chegaram à porta aberta, a casa parecia que um tornado tinha batido nele. Móveis foram desviados, uma das cortinas estava no chão, livros e brinquedos estavam espalhados de um lado da casa para o outro. Quando ele viu Bobby em pé no meio da sala de estar com os braços cruzados sobre o peito e um olhar de raiva mal contida em seu rosto, Tommy sabia sem perguntar o que tinha acontecido. Nenhuma maneira que os seus irmãos tinha feito isso. "Onde ela está agora?"

119


Bobby olhou para ele e balançou a cabeça em direção à porta da cozinha. Um estrondo soou do outro lado. Para crédito de Bobby, ele nem sequer pestanejou. “Cozinha,” disse ele categoricamente. “Eu costumo estar com uma arma quando eu tenho que lidar com pessoas assim.” Tommy quase riu. “Onde estão as crianças?” “Enviei-os para cima e não deixei descer até lá.” Tommy poderia dizer que ele estava tentando manter a calma, mas parecia que Bobby estava prestes a perder a calma a qualquer segundo. “Eu pensei sobre levar todos eles daqui, mas eu não queria deixar Cheryl aqui sem vigilância, e eu não queria que você voltasse e encontrasse a casa vazia.” Tommy assentiu em entendimento, grato que Bobby sabia melhor do que sair com as crianças, sem aviso prévio. Assim quando ele estava prestes a dizer isso, ele ouviu um grito alto da cozinha e, em seguida, Cheryl gritou: “Raios, Tommy! Onde você colocou-o?” Ele sabia exatamente o que ela estava falando, logo que ela disse isso. A última vez que Cheryl e Cal tinha feito uma aparição, Tommy encontrou um pequeno saquinho do que parecia ser metanfetamina. Ele não se preocupou em investigar ainda mais. Ele jogou-o no vaso sanitário logo que tinham deixado. Rosnando quando ele começou a perseguir em direção à cozinha, Tommy parou quando ouviu Bobby dizer: “Colleen, vá buscar as crianças e coloque-as no meu carro, arrumem o resto no seu. Nós vamos sair.”

120


Ela já estava começando a subir as escadas para pegar as crianças. Tommy virou-se para Bobby e disse: “Tenho que ir ao posto de gasolina primeiro, estamos na reserva.” Ele pegou a carteira e passou para Bobby vinte e as chaves do carro de Bobby. “Dê o dinheiro para Colleen para algum gás. Eu vou encontrar com vocês daqui a pouco.” Ele acrescentou: “Deixe-me saber onde você está indo.” Cheryl ainda estava fazendo todos os tipos de ruído do outro lado da porta. Tachos e panelas estavam caindo no chão, ou estavam sendo jogados contra paredes, Tommy não tinha certeza. “Estou levando-os para jantar.” Bobby trabalhou sua mandíbula novamente, parecendo que ele estava esperando pelo argumento de Tommy. “Não podemos permitir isso.” "Eu posso. A psicopata lá decidiu procurar seu esconderijo no molho de espaguete que eu e Carrie fizemos. As crianças precisam comer, Tom.” Tommy xingou baixinho, esfregando as pontas dos dedos sobre a testa, tentando afastar a dor de cabeça. “Não é como se isto fosse nada de novo para eles, Bobby. Obter longe dela por uma noite não vai mudar suas vidas.” “Provavelmente não, mas eu vou ser amaldiçoado se eu vou sentar e ouvir isso, enquanto eles estão chorando em cima e com fome.” “Ninguém pediu para você!” Tommy rugiu. Ele estava assim tão cansado de sua vida, tão cansado de todas as pessoas que tropeçavam nele e fodia com ele quando eles estavam administrando. Total de estranhos, Cal, Cheryl, e agora Bobby. Ele sabia que era injusto, sabia que Bobby era mais ajuda do que Tommy gostava de

121


admitir, mas Jesus. A última coisa que ele precisava era estar lá ouvindo Cheryl rasgar a casa distante enquanto ele discutia com alguém sobre o que era certo e errado para as crianças e de onde sua próxima refeição estava vindo. Ele alimentava-os. Ele mantinha-os a salvo. Ter alguém atacando, sim, atacando, e dizendo-lhe como ele lidar com as coisas isso teve Tommy chateado. Ele não precisa da ajuda de ninguém. Bobby olhou para ele por um longo minuto, impassível e inflexível. “Ninguém disse que você pediu.” Sua voz era alta o suficiente apenas para ser ouvido sobre a cacofonia vindo da cozinha. “Deus me livre que você nunca deve pedir a alguém por qualquer coisa, Tom.” Muito barulho, muito para lidar, e muitas catástrofes malditas por um dia fez Tommy irritável. “Você está fodendo certo: Eu não pedi nada! Eu não pedi por isso”, ele gritou, agitando os braços ao redor da sala destruída. “Eu não pedi por aquilo,” Tommy pontuou o comentário dele com um dedo apontado para a porta da cozinha. “E eu não pedi por você.” Esse último comentário foi longe demais, nem era inteiramente verdade, e ele sabia disso, mas ele não podia levá-lo de volta também. Ele ainda estava furioso e não estava pronto para desistir ainda. Ao contrário, ele se aproximou de Bobby, quase em seu rosto, e sussurrou: “Eu não pedi nada por uma razão.” Bobby não inclinou para trás. Colleen se arrastou escada abaixo com Zoe em seus braços e o resto das crianças no reboque. Bobby atirou-lhe as chaves do seu carro e, em seguida, olhou para Tommy novamente. “Chega um ponto, Tom, onde o martírio para seu próprio bem é mal aconselhado.” Ele deu um passo para trás então, mas apenas para tomar Max de Carrie quando

122


eles chegaram ao final das escadas. Com o bebê se acalmando, Bobby olhou para Tommy novamente. “Quando você estiver pronto para deixar de ser um prego na cruz que você carrega, me avise.” Tommy demorou menos de um minuto para se recompor e perceber que o barulho na cozinha tinha parado. Ele precisava falar com Bobby, provavelmente, pedir desculpas pelo que ele disse, mas como de costume, não houve tempo para nada disso. Nunca havia tempo para qualquer coisa que ele precisava ou queria, e este dia, como merda como estava, tinha sido bom para uma coisa. Foi ilustrar para Bobby exatamente o que Tommy queria dizer quando ele disse que não podia. Ele não podia fugir com Bobby por uma noite. Ele não conseguia tirar os olhos de sua família por um segundo. E ele não podia ceder e deixar alguém cuidar das coisas, mesmo durante uma hora. Ele tentou isso, não tentou? E olhar para a ruína esperando por ele quando chegou em casa. “Mártir, minha bunda” ele murmurou enquanto ele chutou a porta da cozinha aberta. Cheryl estava sentada no meio do chão coberto de molho vermelho, parecendo que o vomitara. Ele tinha visto a mesma coisa acontecer com os gêmeos quando estavam cansados demais e lutavam contra o sono enquanto comiam. Eventualmente eles vomitavam, porque os seus pequenos corpos só poderiam levá-la por tanto tempo. Ele não gostava de pensar de Cheryl na mesma luz, então ele tentou empurrar a ideia à distância. Ele observou isso ele entrou quando ele entrou na cozinha. “Onde está pai?” Comida e vidros quebrados estavam espalhados por todo o chão. Levaria horas para limpar, e só Cristo sabia como ele estaria substituindo a comida que não podia salvar.

123


“Hum?” Cheryl parecia confusa, piscando para Tommy como se ela não sabia que ele estava lá. “Oh, ele esta na lata.” Tommy balançou a cabeça e deu um passo mais longe dela e a bagunça. Ele voltou para a porta e subiu as escadas para o banheiro. Cal tinha desmaiado no chão de ladrilhos, usando o tapete do banheiro como um cobertor. Pelo menos ele estava fora do caminho. Voltando para a cozinha, Tommy encontrou Cheryl no mesmo local. Ela estava sentada, mas ela parecia uma boneca de pano, flácida e caída sobre tudo. Ela estava chorando, e Tommy tentou não se importar. “Você sabe” Cheryl enxugou o cabelo para trás de seu rosto, manchando de molho com isso, “eu fui muito bonita uma vez, Tommy.” Ela soltou uma risadinha quebrada em meio às lágrimas. Tommy estava tentando descobrir se ela tinha um ponto ou se ela estava muito alta ou muito bêbada e não podia deixar de divagar. No final, ele decidiu que não importava. “Uma espectadora real. No ensino médio, eu era a coisa mais linda que você já viu.” Inclinando a cabeça e tentando imaginá-lo, Tommy ficou surpreso quando ele quase podia vê-lo. Sua pele estava manchada e enrugada de muito sol e muita bebida e provavelmente de toda a metanfetamina e heroína. Seu cabelo estava tão branqueado que parecia palha, as raízes escuras exibidas, e ela tinha apenas cerca de metade dos dentes, mas ele poderia imaginar. Cheryl de volta antes da vida que ela viveu ter comido afastado para ela, antes que ela estivesse coberta de marcas de faixa, antes que dela estar destruída.

124


Tommy poderia imaginar. Ele quase perguntou a ela o que tinha acontecido, mas ele já sabia. Ele estava começando a limpar a bagunça na mesa e as bancadas quando Cheryl falou novamente. Desta vez, soou como se tivesse esquecido que ele estava lá. “Um dos garotos mais bonitos me convidou para sair. Deus, ele era tão bonito. E seus pais eram ricos. Ele me convidou para ir ver um filme, e depois de nosso encontro, ele me levou para a praia e fomos para uma longa caminhada pelos trilhos do trem.” Tommy parou frio e virou-se para olhar para ela novamente. Ele sabia onde isso ia, e ele não ia ouvi-lo, mas ele não podia dizer a ela para calar a boca também. A voz de Cheryl era suave, quase um sussurro. “Havia quatro deles. Amigos dele. Ele deve ter planejado isso. Eu tinha uma reputação, você vê. Eu nunca fiz com ninguém. Eu estava me guardando, você sabe? Para alguém especial, talvez até mesmo até que eu me casasse.” Ela olhou para Tommy, em seguida, rindo novamente, meleca escorrendo pelo rosto. “Estúpido, hein? As pessoas não fazem mais isso, não é?” Ele não sabia o que dizer, então ele apenas ficou calado. “Eles me disseram que eu era uma picada-provocadora e eu tinha que pagar. Eles me deixaram lá depois que eles terminaram. Eu estava congelando. Eles rasgaram o meu vestido. Isso era tudo que eu poderia pensar, sabe? Meu vestido bonito foi arruinado, e eu sabia que minha mãe ia colocar a culpa em mim por isso.”

125


Parte dele nunca tinha odiado Cheryl, mais. Ele não podia acreditar que ela tinha encontrado uma maneira de fazê-lo querer cuidar dela e ajudá-la. Jesus. Tudo o que podia pensar era em Colleen e aqueles três caras naquela tarde. E se tivesse acabado de forma diferente? E se ela não estivesse segurando um taco de beisebol e eles não tivesse sido muito estúpido para viver? E se… “A polícia me encontrou no dia seguinte.” Cheryl quebrou a linha de pensamento com outra risada ferida. “Meu pai me disse que eu provavelmente pedi por isso, e minha mãe não quis prestar queixa porque ela estava muito envergonhada.” Mais lágrimas derramadas pelo rosto, deixando manchas claras na bagunça em seu rosto enquanto ela suspirava. “Depois disso eu nunca disse não novamente. Eles vão ter o que eles quiserem de qualquer maneira, certo? Poderia muito bem ganhar algo por isso.” Congelado. Tommy sentiu-se congelado até o fim de seu sangue. Ele não sabia o que dizer a ela. Não era uma história nova. Uma menina é estuprada ou abusada e tenta anestesiar a dor com álcool e drogas, e, em seguida, sua vida desliza para baixo em um buraco de coelho que não há saída. Acontecia o tempo todo. Todos os dias, se ele tivesse que adivinhar. Poderia ter acontecido com Colleen com aquele no orfanato. Inferno, isso ainda poderia acontecer com ela. Ou Carrie. Ou Zoe. Qualquer um deles, na verdade. Mas o que estava ficando para Tommy naquele momento, o que estava segurando-o ali como se ele fosse uma estátua, era sua própria mãe. Ele nunca perguntou sobre o porquê iniciou com a bebida e as drogas. Era simplesmente parte de quem ela era, parte de quem seu pai era também. Ele sempre figurou que estava predeterminado no código genético, que os atingi como uma chave

126


girando na fechadura. Eles tentaram imaginar, que eles gostavam, e então eles não podiam parar. Pela primeira vez em sua vida, porém, ele queria saber qual era a verdadeira história de sua mãe. Pena que ela não poderia dizer-lhe. De algum modo estranho, Tommy estava feliz que Cheryl lhe tinha dito. Ele estava feliz que ela não ia levar isso para a sua sepultura. Eventualmente um cara iria cortar sua garganta no lado da estrada, ou ela iria ter uma overdose, ou... alguma coisa. Mas pelo menos agora, ele podia olhar para ela e saber o que aconteceu e por quê. Ele tinha que se lembrar de não desculpá-la de qualquer coisa. Um cão que foi espancado e abusado e morde todos que cruzam seu caminho ainda é um perigo para a sociedade. Cheryl era da mesma maneira. Ele poderia deixar-se pena dela, no entanto. “Por que nós não limpamos você?” Finalmente capaz de se mover, ele aproximou-se dela. “Chuveiro quente vai melhorar as coisas.” “Sim.” Ela pegou a mão dele quando ele ofereceu. Quando ele a puxou de pé, apoiando-a com um braço ao redor da cintura dela, Cheryl perguntou: “O que você fez com o meu esconderijo, Tommy?” “Eu acho que você usou tudo, Cher.” "Talvez. Talvez eu devesse parar por um tempo de qualquer maneira.” Ele sabia que não iria durar. A desintoxicação não tinha definido ainda. Quando o fez, quando ela não podia ver diretamente da dor e ela não podia fazer nada além de vomitar, mijar e chorar, ela mudaria de ideia. Ele não podia culpá-la. Ele não sabia se ele seria capaz de suportá-lo também. “Depois que você estiver limpa, você quer que eu te leve para o hospital? Ver se eles

127


tem uma cama na reabilitação?” Ele não tinha nada melhor para oferecer a ela. Ela olhou para ele e sorriu seu sorriso com irregulares dentes marrons. Eles estavam de pé na porta do banheiro, tentando não tropeçar sobre seu pai. “Não, tudo bem, Tommy. Eu posso fazer isso sozinha. Eu não preciso de qualquer ajuda de ninguém.” Suas palavras caíram sobre ele como água gelada. Demorou quase duas horas para chegar a cozinha em ordem novamente. Tommy tinha colocado Cheryl para a cama depois de seu chuveiro e, em seguida, arrastou seu pai em seu quarto. Que dia do caralho. Ele estava trabalhando na sala quando o telefone tocou. Era Colleen. Ela deixou-o saber onde estavam e perguntou se ele estava indo se juntar a eles. Ele disse a ela que tinha que terminar de limpar e manter um olho sobre Cheryl e Cal. Ela entendeu, mas pareceu desapontada. “Como estão as crianças?” Ele não estava realmente preocupado com elas, mas ele perguntou. Colleen riu. "Eles estão bem. Eu não acho que Bobby sabia o quanto eles poderiam comer. Davey e Mike comerão seis cachorros quente com pimentão entre eles.” “Isso vai ensiná-lo.” Tommy riu suavemente enquanto ele continuava a pegar as coisas ao redor da sala. “Como, hum, como é que Bobby está fazendo? Ele parecia um pouco abalado quando vocês saíram.” “Você quer dizer se ele ainda está chateado com você?” “Sim, isso.”

128


“Provavelmente, mas ele não deixou as crianças verem. Quando ele pegou Davey com jogos livres da máquina de pinball, ele o colocou no canto e disse que ele deveria ter pedido por algumas fichas. Quando Davey disse que ele não pede dinheiro ou não pede nada a ninguém, Deus, você deveria ter visto o rosto de Bobby.” Colleen estava rindo quando ela lhe contou a história. “Ele ficou lá na frente de Davey para que ele não pudesse fugir, os braços cruzados, todo policial-gostoso, dizendo: 'Eu continuo esquecendo que iria matá-lo cara se pedir algo. Eu não vou morrer no cumprimento do dever. Não. Vai ser a teimosia dos O'Shea que vai me matar,” Colleen parou por outra risada antes de acrescentar: “Então ele disse: 'Juro por Deus, se eu conseguir apenas que um de vocês peça uma mão apenas uma vez, eu 'Vou ter uma morte justa'. Eu quase fiz xixi

de tanto rir. Disse-lhe que iria

pessoalmente requerer a sua santidade.” Dada a forma que tinham deixado as coisas, Tommy não deveria ter rido, mas ele fez. “Diga-lhe que Carrie pode projetar sua medalha.” “Eu tenho certeza que ela saltará a chance.” Ele podia ouvir o sorriso de Colleen em seu tom do outro lado da linha. “Você quer que a gente traga algo para casa para você?” “Não, eu estou bem.” As palavras de Cheryl cerca de não precisar de ajuda e o comentário de Bobby sobre ele não pedir nada percorreu a cabeça e forçou-o a reconsiderar. “Você sabe, pensando bem, eu só tenho a cozinha limpa, e eu não quero fazer outra confusão lá dentro. Você poderia trazer um hambúrguer e algumas batatas fritas?” Colleen estava tão quieta que ele se perguntou se sua chamada caiu até que ela disse: “Claro, Tommy.”

129


Depois que desligou o telefone, Tommy voltou a trabalhar. No momento em que as crianças estavam chegando a casa ficaram quase todos de volta juntos. Não era perfeito, mas não parecia uma zona de guerra, pelo menos. Colleen segurava Max, e Mike

seguravaZoe em seus braços. Davey

passou para Tommy um saco gorduroso e um copo com o que parecia ser um shake de manteiga nele. Collin e Carrie entraram atrás deles, mas não Bobby. “Eles ainda estão aqui?” Colleen olharam ao redor da casa tranquila. "Andar de cima. Eles estão dormindo. Minha aposta é que eles terão ido embora antes do meio dia.” Tommy olhou para fora da janela. Bobby estava encostado em seu carro, com os braços cruzados sobre o peito como se tivessem sido assim várias vezes naquele dia. “Você tem isso por alguns momentos? Eu preciso falar com Bobby.” Colleen lhe deu um meio sorriso. "Melhor correr. Eu não acho que ele vai esperar muito tempo por você.” Tommy estava descalço quando ele começou a descer os degraus. Bobby tinha estacionado em frente da casa. Ele pareceu surpreso ao ver Tommy, e isso doeu em algum nível que Tommy não podia ver. Seu primeiro impulso foi a inclinar-se e beijar Bobby, ali mesmo, na frente de todos os vizinhos. Mas ele decidiu ir contra isso, principalmente porque ele não tinha certeza se Bobby daria um soco nele por isso. Ele ainda parecia chateado.

130


Tommy se inclinou, colocando uma mão no carro ao lado de Bobby, não prendendo-o muito lá, mas na esperança de mantê-lo no lugar o tempo suficiente para dizer o que ele precisava dizer. “Olha.” Tommy olhou para o chão antes de encontrar o olhar de Bobby e segurou. “Eu vou dizer duas palavras para você que eu só nunca disse para as crianças, ok?” “Ok.” Bobby era estoico, mas ele escutou. "Eu sinto muito." Não foi a coisa mais fácil que ele já tinha feito, mas não tão ruim quanto ele pensava que seria. Bobby não parecia impressionado, no entanto. "Ok." "Certo, o que?" “Ok, você está arrependido.” Estreitando os olhos, Tommy bufou e balançou a cabeça. "Jesus. Você não precisa nem tentar torná-lo fácil para um cara.‟‟ “E você faz?” Tommy considerou isso. "Ponto justo." Isso teve um pequeno riso fora de ambos e a pressão entre eles diminuiu. “Eu não estou dizendo que sou a pessoa mais fácil de lidar, e eu não estou dizendo que eu só vou deixar rolar e deixá-lo assumir, mas...”

131


Esta foi a parte que iria prejudicar a dizer em voz alta e até mesmo Bobby parecia saber isso. Ele estendeu a mão para Tommy e escovou os dedos contra o peito de Tommy. Um toque simples, discreto, e espero que difícil ver por alguém assistindo. “Você estava certo. Eu não peço ajuda e eu não gosto e eu não... respondo bem quando é oferecido.” Ele bufou uma risada para isso, mas Tommy continuou. “Eu sou uma bagunça, minha família é uma bagunça, minha vida está uma bagunça, e se eu não fosse um bastardo egoísta, eu diria a você para sair correndo. Eu diria a você para esquecer que já nos conheceu, mas Jesus, eu não quero fazer isso. Eu não sou fácil, e eu sou um pé no saco, mas se você estiver disposto a ficar por aqui, eu estou disposto a tentar, e eu estou disposto a confiar em você, e eu estou disposto” Bobby interrompeu-o, colocando ambas as mãos no rosto e puxando-o para um beijo tão forte e tão forte que chupava o ar para fora dos pulmões de Tommy. Depois de um momento, Bobby deixou-o ir, sua expressão intensa quando ele puxou de volta. Tommy perguntou: “Isso foi um adeus, obrigado por ontem à noite, idiota? Ou era que você vai ficar ao redor?” Os lábios de Bobby se curvaram em um sorriso. "Acho." “Tudo bem, espertinho.” Tommy riu. “Vejo você nos próximos, ou...?” “Será que seus pais saíram?” “Não, eles estão desmaiados.”

132


“Eu acho que vou para casa, então.” Bobby parecia arrependido por um segundo e, em seguida, acrescentou: “Que tal eu balançar no início da tarde e nós levar juntos com as crianças até o lago ou algo assim?” “Você não teve o seu preenchimento de nós ainda?” “Nem de perto.” Bobby sorriu, antes de olhar para a casa e depois rir. Tommy virou-se e viu todas as crianças no andar de cima, com os rostos pressionados contra as janelas. Bobby acenou para eles, e todos, menos Carrie e Colleen saltaram e fugiram. Carrie sorriu e acenou de volta, e Colleen deulhe um polegar para cima. “Eu aposto que você amava circo quando você era criança.” Divertindose, Tommy voltou sua atenção para Bobby. Bobby arqueou uma sobrancelha em resposta. “Como você sabia?” “Se você não estiver entrando ou indo para casa.” Tommy puxou de volta, mas ele não foi longe. “Meus pés estão frios.” Bobby olhou para baixo e, em seguida, se voltou para chamar a atenção de Tommy. “Um dia desses eu vou pegar você sozinho por mais de três horas.” “Isso é uma promessa, eu cobro?” “Sim.” O calor estava nascendo entre eles, mas não havia nenhuma maneira que poderia fazer nada sobre isso esta noite. “Agora entre e coma sua comida antes que esfrie.” “É para isso que serve o micro-ondas.” Tommy pensou em abrir a porta do carro e empurrar Bobby dentro, tomando-o logo ali na frente da casa, mas

133


decidiu ir contra isso. Ao contrário, ele se inclinou e roçou seus lábios. Foi um beijo carinhoso, e aqueceu Tommy por dentro. “Obrigado pelo jantar.” “A qualquer hora, Tom.” "Vejo você amanhã." Bobby ecoou as palavras de Tommy das semanas anteriores. “Não se eu vê-lo primeiro.” "Bundão." “Tem que ser um para conhecer um.” Com isso, Bobby empurrou de volta com um empurrão juvenil, rindo. “Eu te ligo mais tarde.” Tommy se sentou no sofá com seu hambúrguer frio e shake derretido. Ele ainda estava com fome o suficiente para isso se provar como a melhor coisa que ele já tinha comido. Colleen se sentou ao lado dele, parecendo exausta. “As crianças estão todas abrigadas.” Ela pegou o controle remoto da televisão e ligou. “Eu não posso acreditar que você ainda está de pé.” Ela se virou para ele com um sorriso cansado no rosto. “Só preciso relaxar um pouco.” Tommy compreendia. Ele estava cansado, mas ele não estava pronto para ir para a cama ainda. “Bobby quer nos levar até o lago amanhã com ele.” “Parece bom. O tempo deve ser quente o suficiente...“ “Quer ver se Wyatt quer vir junto?” Ele perguntou, cutucando seu ombro.

134


“Eu não sei.” Ela mordeu o lábio e olhou para Tommy. “Eu pensei que talvez eu deveria dar-lhe algum espaço depois do que aconteceu.” “Nada disso foi culpa sua. Se ele tem um problema com isso, ele não vale o seu tempo, Coronel” Ela suspirou. "Eu sei. Eu só... Ele foi muito bom.” Tommy beijou o topo de sua cabeça. “Ele ainda é. Dê-lhe uma chance, veja o que ele diz.” Concordando, Colleen perguntou, “Você toma seu próprio conselho por uma vez?” Ele tomou o último gole de seu shake e olhou para ela por um minuto antes de responder. “Estamos indo para o lago amanhã com meu novo namorado policial. Eu acho que isso responde sua pergunta, não é?” Colleen riu, descansando a cabeça em seu ombro. "Acho que sim."

135


Capítulo 7 O calor agradável se transformou em um verão em fúria. A grama verde exuberante tinha ficado marrom. Ele enfiou os pés descalços nas trilhas empoeiradas deixadas a cada passo. Não havia brisas, nenhuma ruptura de um calor subindo, sendo assim a umidade sufocou o fôlego de Tommy cada vez que ele se afastava da pequena janela do ar condicionado que Mikey tinha encontrado e Davey montou. Desta vez, isto realmente foi um achado, sentado na beira da estrada à espera de ser pego pelos coletores de lixo. Tommy não sabia onde Davey tinha encontrado suas peças para a reparação, mas decidiu não perguntar. Todos eles estavam limpos em seus atos um pouco. Tommy dispensou Kelly algumas vezes quando ela perguntou se ele queria estar em um negócio. Eles ainda tinham algumas coisas para fazer aqui e ali para sobreviver, mas ele tentou se manter na faixa de contravenção ao invés de delito grave. Bobby estava se tornando um elemento permanente em suas vidas, e Tommy estava lutando contra o desejo de se sentir seguro em seu relacionamento. Não porque ele não queria isso, no fundo, no fundo de seu coração, mas porque ele não poderia imaginar algo tão bom e tão certo que nunca aconteceu com ele... Aconteceu com eles. As crianças estavam de férias da escola e fazendo bicos como podiam. Mike e Davey estavam cortando gramados, e Collin limpava por dinheiro extra. Colleen trabalhava em tempo integral no restaurante, e Tommy saia

136


para trabalhar no pub direto quando ela chegava em casa à noite. Não tínhamos quaisquer férias em família ou viagens para a praia, mas todos foram alimentados, as contas estavam pagas, e as suas moedas somando no fundo de emergência saudável escondido debaixo da pia da cozinha. Isso foi mais do que Tommy geralmente se deixava esperar, então ele pensou que as coisas estavam indo bem, bem demais. Cal e Cheryl desapareceram por quase três semanas, o que sempre tornava as coisas melhores. Ele sabia que eles iam aparecer novamente em breve, sabia que eles precisam de um lugar livre para voltar quando sua droga ou o seu dinheiro acabasse, quando quem quer que eles estivessem dando o golpe fossem sensatos e os chutassem para o meio-fio. Mas pelo momento, Tommy estava feliz. Ou o mais próximo de feliz como ele já esteve, e isso era bom o suficiente para ele. “Podemos comer pizza hoje à noite?” Perguntou Bobby, escondendo-se atrás de Tommy na pia da cozinha. Ele deslizou seus braços ao redor da cintura de Tommy e deu um beijo na parte de trás do seu pescoço. Tommy pensou que nunca ia se acostumar com esse sentimento, à corrida quente do fôlego contra sua pele que fazia sua pele formigar e o sangue pulsar. Ele inclinou a cabeça para o lado e disse o que ele pensou que Bobby sabia que ele ia dizer. “Não é possível pagar, mas eu peguei um pouco de frango mais barato e temos batatas.”

137


Bobby soltou um som pequeno, frustrado e balançou a cabeça, mesmo quando ele estava apertando seus braços em volta de Tommy. “Meu deleite. Só desta vez." “Eu posso alimentar meus filhos, Bobby.” Os braços de Bobby caíram da cintura de Tommy e ele deu um passo para trás. “Você diz isso como se fosse notícia.” “Sim, bem...” Tommy estava murmurando mais para si mesmo do que para Bobby quando ele desligou a água e limpou as mãos em um pano de prato maltrapilho, mas ele virou-se para encontrar os olhos de Bobby. “Às vezes você age como se fosse novidade para você.” Ele podia ver Bobby se eriçar e sabia que eles teriam uma luta. “Que diabos é que isso quer dizer? Você acha que eu esqueci por um segundo que você não é um caso de caridade e não precisa de nada de mim se eu não estou sugando seu pau?” Tommy decidiu deixar o comentário passar pelo momento. “Talvez você se esqueça de que nós não precisamos de pizza e sobremesa e viagens para o lago. Nós não precisamos de quaisquer apostilas malditas de ninguém!” Bobby balançou a cabeça e deixou escapar um som de desgosto, algo próximo a uma risada, mas faltava qualquer sinal de diversão. “Alguma vez lhe ocorreu que talvez eu só queira uma pizza? Ou talvez eu esteja sendo um idiota egoísta, porque eu quero passar um tempo com você esta noite e não ver você cozinhar e limpar antes de sair para o trabalho? Talvez eu queira sentar sob o ventilador e assistir filmes em vez de transformar este lugar em um forno maldito. Você já pensou que talvez fosse sobre mim e não você?”

138


“Bem, ok! Você não tem que gritar!” Tommy jogou a toalha sobre a bancada e cruzou os braços sobre o peito, mas ele podia sentir a tensão entre eles quebrar. Bobby estava à beira de risos e Tommy não poderia culpá-lo. “Eu acho que o calor está começando a chegar até nós, hein, Bobby?” Bobby deu um passo mais perto de Tommy. O sorriso brincando nos cantos de sua boca disse que Tommy estava indo para algumas provocações. “Pode ser o calor” disse ele lentamente, pegando a mão para Tommy, puxando-o para longe do balcão que ele estava encostado. “Ou talvez sua atitude teimosa, hipócrita sobre a pizza e sorvete.” Tommy se deixou ser puxado, mas ele não deixou cair os braços de seu peito. “Talvez eu só não queira que você pense que eu sou fácil de conviver. Não seria justo enganá-lo ou qualquer coisa assim.” Bobby sorriu, em seguida, se inclinou para mais perto até que as pontas de seus narizes se tocaram. “Ou talvez você seja apenas um idiota.” “Isso também,” disse Tommy com uma pequena risada. Ele relaxou contra Bobby e passou os braços ao redor dele. “Isso foi uma coisa muito merda que você disse.” "Qual parte? Que você é um idiota? Porque ninguém que conheceu você pode afirmar o contrário...“ Tommy ficou sério, e ele mastigou o interior de sua bochecha quando ele decidiu se ele deveria dizer o que ele estava pensando. Ele inclinou a cabeça para trás distante o suficiente para que ele pudesse ver o rosto de Bobby e disse sério “que eu só tenho usado você, se você estiver chupando meu pau.”

139


Por uma fração de segundo, Tommy pensou que Bobby poderia fazer uma piada, disser que ele tinha um uso para ele se sua bunda estivesse no ar também. Em vez disso, Tommy viu o olhar de reconhecimento nos olhos de Bobby, expulso rapidamente por um olhar de profundo pesar. “Cristo, Tom,” ele sussurrou, deixando cair à testa no ombro de Tommy. “Me desculpe, eu disse isso.” Tommy deslizou a mão pelas costas de Bobby e passou os dedos pelo cabelo loiro curto de Bobby. Ele deixou seus olhos se fecharam enquanto ele sussurrava, “Eu sinto muito se eu alguma vez fiz você se sentir assim.” Ele não tinha certeza se Bobby tinha ouvido em primeiro lugar. Suas palavras eram tão suaves e tão tranquilas, tão dispostas a serem ditas em voz alta. Mas quando Bobby levantou a cabeça e olhou-o nos olhos, ele sabia que Bobby tinha pegado cada uma. “Você faz.” Bobby sussurrou a admissão do concurso, e parecia a Tommy que ele se sentiu culpado por sequer dizer isso. “Nem sempre, mas às vezes. E eu sei que é só por que... você é você.” Isso deixou todo um mundo de coisas falar. Um mundo feio, cheio de demônios de Tommy e otimismo de Bobby. Um mundo cheio de pesar, dor, perda de oportunidades e que todas as cadelas maliciosas chamavam de esperança. Era demais para Tommy pensar. Pode ser sempre muito, então ao invés de erguer a tampa da caixa de Pandora e deixar todo o mal do seu mundo voar na cara de Bobby novamente, Tommy deu um sorriso lento. “Agora quem é o idiota?” "Ainda você."

140


Enquanto Bobby fez a chamada para pedir três pizzas grandes, sobremesas, e dois litros de refrigerante, Tommy enviou Mike até a loja da esquina para pegar um sorvete. Bobby arqueou a sobrancelha e deu-lhe um sorriso torto. Ele cobriu o telefone com a palma da mão e sussurrou: “Você não pode mesmo me deixar comprar o sorvete?” Tommy sabia que era ridículo. Ele sabia que estava sendo estúpido e, assim como Bobby tinha dito, teimoso, mas não, ele não podia deixá-lo. “Se você pagar, você vai escolher o sabor.” Tommy sabia que era uma desculpa fina na melhor das hipóteses. “E eu sempre escolho de manteiga amendoim e chocolate,” Bobby respondeu, acrescentando com um sorriso maroto: “Seu favorito.” Tommy não teve a chance de responder, porque Bobby voltou sua atenção para o telefonema. “Sim, eu ainda estou aqui.” O jantar chegou, assim quando Colleen chegou à casa do trabalho. Ela parecia abatida, começando a briga pela camisa rasgada que usava. Tommy sentiu a mesma pontada de culpa que ele sempre sentia quando ele olhava para ela depois de um longo turno. Aos dezessete anos de idade nunca deveriam sempre parecer como uma mãe solteira de meia-idade com cabelos opacos e bolsas sob os olhos. Ele odiava isso. Ela praticamente caiu na cadeira em frente a Tommy quando ela pegou uma fatia de pizza. “ Rocky me disse que ele poderia me usar na pista de boliche em meus dias de folga. Ele tinha duas pessoas que iriam parar esta semana, e Rhonda vai ter seu bebê a qualquer momento. Ele está muito desesperado, me disse que ele ia começar a me deixar sair de doze a uma hora.”

141


Tommy pensou sobre isso por um minuto. Nenhuma maneira que ele poderia deixá-la ter um segundo emprego. As coisas estavam bem. Não havia espaço para extras, mas tudo estava coberto. “Isso é muito mais do que o seu horário no restaurante. Você poderia simplesmente sair e trabalhar para Rocky tempo integral.” Colleen deu de ombros e terminou sua pizza antes de responder. “Eu fiz as contas. Quando você levar em minhas pontas e a comida eu ainda terei o jantar livre, que é quase o mesmo. Talvez menos.” Ela tirou os tênis com um suspiro de alívio antes de continuar. “Mas pegar algumas mudanças lá seria bom, sabe? Talvez até mesmo para ter um verdadeiro Natal deste ano ou algo assim.” Collin ouviu suas palavras e seu rosto se iluminou, e Tommy poderia dizer que Carrie estava tentando não parecer esperançoso com a ideia de mais do que um presente sob uma árvore de Natal que eles não teriam que roubar. Bobby estava fazendo o seu melhor para manter a boca fechada sobre todo o assunto, e Tommy teve que dar-lhe crédito. Provavelmente estava matando-o por não oferecer qualquer saída. “Eu vou falar com ele amanhã. Talvez ele possa me dar o trabalho em torno da minha agenda no pub.” Tommy seguiu o olhar de Colleen quando ela cortou os olhos para Bobby. A mandíbula de Bobby estava rígida, e ele olhou para sua fatia de pizza como se ela tivesse feito algo para ofendê-lo. O olhar que ela deu a Tommy era duro e apontou quando ela disse: “Você está trabalhando mais de quarenta horas desde que o verão começou. Você está pensando em desistir de dormir?”

142


“Você está trabalhando em tempo integral também. Além disso, não seria a primeira vez que eu fico sem dormir.” O comentário de Tommy tirou um bufo de Bobby. Ele levantou-se da mesa e jogou o guardanapo e comida pela metade comida na lixeira. Tommy pensou por um minuto que Bobby ia passar a noite, talvez algumas noites. Ele parecia cansado. Ele durou mais tempo do que eu pensava que ele iria... “Que tal mover isto para a sala e colocar um filme?” Perguntou Bobby, dando tapinhas no ombro de Carrie antes dele libertar Max de sua cadeira alta. As crianças todas pularam, agarrando os restos do jantar, copos de refrigerante, e mais guardanapos quando eles foram. Levou um momento para limpar a sala antes de Colleen e Tommy ficarem sozinhos. Colleen esperou que a porta da cozinha fosse fechada antes de dizer qualquer coisa. “Vocês mal veem um ao outro algumas horas por dia como quer. Às vezes, nem isso.” Tommy pegou as azeitonas pretas de sua pizza e fez uma careta. “Ele está aqui o tempo todo maldito.” “Besteira.” Colleen não parecia zangada. Ela parecia cansada, mas disposta a defender sua posição. “Ele passa metade do seu tempo no trabalho, e o resto ele tenta dividir entre sua mãe e você. Se alguém está ficando sem dormir por aqui, é provavelmente Bobby.” Colleen tinha um ponto e Tommy sabia disso. Ele frustrou o inferno fora dele. Ele esfregou a mão sobre o rosto e soltou um suspiro profundo. “O que diabos eu deveria fazer, Col? Ir a cidade em alguma escapadela romântica?

143


Dizer foda-se todos e vamos morrer de fome para que eu possa passar algum tempo com ele?” “Eu não sei, mas o cara está implorando por sua atenção. Ele sabe que é o número dez em sua lista de prioridades e ele aceita isso, mas ele não vai ficar ao seu redor e esperar para sempre, sabe?” "Sim, eu sei. Mas saber não me deixa mais perto de corrigi-lo.” Colleen ofereceu-lhe um sorriso triste quando ela o cutucou por baixo da mesa com a ponta do pé. “A história de nossas vidas, não é?” Tommy se levantou da mesa, em seguida, pegou as sobrar das crianças e limpou a bagunça. “Essa é a porra da verdade de Deus”, disse ele, sentindo-se tolo pelo ressentimento que sempre descansou sob a superfície. O ressentimento por seu pai, o ressentimento por sua mãe, um pouco demasiadamente ressentindo por Bobby. Se ele e Bobby pudessem ter feito apenas a sua ligação de alguns anos a partir de agora, quando as coisas fossem mais estáveis, quando Tommy tiver conseguido a guarda dos filhos, quando Colleen estivesse fora da escola e talvez em um trabalho melhor com menos horas e melhor pago, quando ele não tivesse dois bebês para cuidar acima do resto das necessidades. As coisas seriam diferentes. As coisas poderiam ter sido mais fáceis. Se ele só tivesse nascido de alguém que tivesse algum senso de decência, algum sentido de responsabilidade, tudo teria sido diferente. “Poderia, seria, deveria, certo?” Tão cansada como ela obviamente estava, Colleen ficou de pé. Ela assumiu o lugar de Tommy na limpeza e inclinou a cabeça em direção à sala de estar. “Só não deixe que Bobby se enquadre nessa categoria, tudo bem?”

144


Tommy apertou o guardanapo na mão como se ele estivesse tentando sufocá-lo. "Tudo certo." Tommy pôs as coisas em ordem, trocou de roupa, e encontrou os sapatos debaixo da cama antes de ir para a sala onde Bobby estava esparramado no sofá com Carrie enrolado ao lado dele em um lado, Collin por outro com Max e Zoe sentados alegremente em seu colo. Deve ter sido o filme escolhido por Carrie porque era um desenho animado que estava passando, um com fadas e uma princesa em apuros. Davey e Mike estavam se escondendo dos „filmes-piolhos-de-garotas‟ em seu quarto, mas Collin parecia contente em assistir, provavelmente sabendo que era a sua vez de pegar o próximo. A imagem que eles faziam era tão acolhedora e tão doce, que Tommy pensou em se juntar a elas. No final, porém, ele decidiu que Bobby provavelmente precisava falar mais do que ele precisava simplesmente segurar a mão de Tommy enquanto as crianças disputavam sua atenção. Ele se inclinou sobre o encosto do sofá e sussurrou no ouvido de Bobby, “Eu odeio arrastá-lo para longe de seu fã-clube, mas temos que conversar.” Ambos sabiam que Bobby tinha uma mudança insanamente cedo, e eles tinham decidido anteriormente que ele iria sair da casa deTommy para ir ao trabalho antes de ir para casa para a noite. Bobby virou o rosto para Tommy. Ele não parecia que estava pronto para mais uma luta, mas Tommy sabia em primeira mão como alguns minutos com Max, Zoe e Carrie, e até mesmo Collin quando ele não estava fazendo algo fatal, poderiam ter esse efeito em alguém. Bobby se moveu e

145


colocou os bebês entre Carrie e Collin, deu um beijo na bochecha de Carrie e disse-lhe para ser bom, e depois saiu pela porta com Tommy. Nenhum deles disse nada no começo. Bobby não parecia mais com raiva, mas ele parecia reconciliado, e Tommy não conseguia decidir se isso era uma coisa boa ou não. Ele finalmente quebrou o silêncio. “Eu não vou assumir outro emprego.” Bobby parecia pensativo quando ele disse: “Eu não disse que você não deve Tom.” “Eu sei.” Tommy se mexeu na cadeira e olhou para Bobby. "Estou apenas dizendo." “Eu sei como as coisas são apertadas para você.” O suspiro de Bobby parecia aflito. “Isso só me deixa louco que eu não sou nem permitido a fazer uma sugestão ou tentar dar uma mão ou... qualquer coisa.” Tommy deixou o comentário sobre emprestando um rolo de mão sem observação, mas ele perguntou: “Você tem uma sugestão? Porque agora, juro por Deus, Bobby, eu sou todos ouvidos.” As mãos de Bobby ficaram mais apertadas no volante, e ele olhou para Tommy. "Não. Isso é parte do que me irrita pra caramba.” A risada que ele deixou escapar provavelmente não foi apreciada. “Bemvindo à minha vida de pobre.” Bobby riu, também, em seguida, e disse: “Eu estou bem familiarizado com ela, mas obrigado.”

146


Quando Bobby parou atrás dele, espertalhão, eles compartilharam um beijo longo, aquecido. Ele deixou Tommy se sentindo solitário, e ele não queria sair do carro. Eles não tinham tido qualquer tempo juntos que não envolvessem as crianças em dias. “Eu te ligo amanhã”, Bobby sussurrou, olhando como ele se sentia da mesma maneira. Tommy se sentou na varanda da frente. Em quase cinco horas da manhã, ele sabia que deveria estar na cama. Ele estava olhando para a ponta do cigarro, pois brilhava com raiva no escuro. Ele estava pensando cada vez mais em desistir de fumar ultimamente e tinha cortado para menos meia embalagem por dia, mas ele esteve fora do trabalho por mais de duas horas, e ele não podia dormir. Ele pensou sobre o que Colleen tinha dito no início da noite sobre Bobby. Ele sabia que ela estava certa. Bobby não iria ficar e esperar por sua atenção para sempre. Sim, ele conseguiu obter alguns minutos a sós com Bobby, mas não foi suficiente. Algo ia ter que mudar em breve, e Tommy odiava pensar o que poderia ser. Na maioria dos dias ultimamente ele sentiu como tudo o que ele queria da vida era ter os seus irmãos em segurança e felizes, bem alimentados, e ter um lugar calmo, sozinho com Bobby pressionou contra ele. Ele riu com a ideia, pensando que ele era velho demais para estar tomado de desejos para o céu noturno. Tommy deu uma longa tragada em seu cigarro todo o caminho até o filtro antes de esmagá-lo. Ele estava prestes a levanta-se quando os faróis brilharam na rua. O carro de Bobby rolou lentamente até parar na frente de sua casa. Tommy se levantou, imaginando o que poderia estar errado que traria Bobby

147


para ele no meio da noite, quando ele deveria estar trabalhando em menos de uma hora. Ele já em seu uniforme foi quando ele saiu do carro. Tommy nunca tinha tido um interesse em homens de uniforme antes, especialmente policiais. Mas a forma como Bobby parecia no seu, a forma como a calça encaixava em sua bunda, a maneira como seu distintivo brilhou em seu peito, fez o sangue de Tommy cantar para olhar para ele. Quando Bobby começou a subir as escadas, Tommy perguntou em voz baixa: “Você veio aqui para me prender, Oficial?” “Estou aqui para perguntar-lhe o que diabos você ainda está fazendo acordado.” Bobby sorriu quando ele pulou as escadas e, em seguida, estendeu a mão para Tommy. Tommy baixou a cabeça e roçou os lábios contra Bobby antes de dizer qualquer coisa. “Você primeiro,” ele sussurrou e depois beijou Bobby novamente. “Eu estava a caminho para o trabalho e o vi sentado aqui fora.” “Seu trabalho fica a quase três quilômetros em outra direção.” Bobby olhou para baixo como se ele estivesse envergonhado, mas então ele chamou a atenção de Tommy. “Eu passo por aqui algumas vezes por noite, se eu estou de serviço, me certificando que tudo pareça bem.” “Sim?” Tommy sabia que algo estava mudando, porque, em vez de ficar irritado e dizer a Bobby que eles não precisavam dele olhando por eles, ele percebeu que ele gostou da ideia.

148


“Você vai me dizer para parar com isso?” Bobby deu mais um passo, de pé na varanda perto de Tommy. “Vai parar se eu disser?” Tommy inclinou-se quando ele falou a sua pergunta, deixando sua respiração tocar contra o pescoço de Bobby com suas palavras. Ele podia sentir Bobby engolir em seco antes de responder. “Provavelmente não, não.” Tommy já estava no espaço de Bobby, sua mão no quadril de Bobby sobre seu coldre. Ele chegou mais perto e perguntou: “Então, por que eu deveria me preocupar?” Parecia que Bobby tinha esquecido o que eles estavam falando. Quando Tommy moveu os seus quadris e deslizou a outra mão entre eles, ele podia sentir o pênis de Bobby. Bobby não disse nada, mas ele fez um pequeno som e deu uma respiração afiada. Tommy sorriu e soltou beijos por sua garganta até que ele pegou a boca de Bobby com a sua própria. Eles ficaram por um longo momento na varanda escura, beijando e tocando um ao outro. A ereção de Tommy estava ficando dolorosa em sua calça jeans. Ele se afastou para respirar um pouco e perguntou: “Quanto tempo você tem?” O gemido de Bobby era mais de frustração do que emoção. “Menos de vinte minutos.” “Eu posso trabalhar com isso.” Tommy agarrou-o pela camisa e puxou-o para a porta. Eles não tinham tempo para pensar ou até mesmo fazer muito, mas eles precisavam de um lugar seguro onde as crianças não poderiam acordar e

149


tropeçar sobre eles. Tommy o arrastou pela sala, na cozinha, e, em seguida, ao virar da esquina para a lavanderia. O espaço era pequeno, apertado e quente, mas não havia nenhuma maneira que alguém iria encontrá-los lá. Tommy fechou a pequena porta atrás deles e empurrou Bobby contra o secador. “Trata-se de uma nova torção que você está escondendo? Fetiche „lavar e passar‟?” Tommy já estava tentando abrir o cinto de Bobby e colocar a mão dentro de sua calça, mas ele riu com a pergunta. “Talvez você devesse parar de falar antes que eu mude de ideia.” Bobby aceitou o aviso e não disse nada por alguns minutos. Quando Tommy lutou com as várias fivelas em sua farda, Bobby empurrou as mãos dele com um toque de impaciência. Ele destrancou o cinto dever, puxou aberto o cinto da calça, e, finalmente, abriu o zíper de sua calça quando Tommy inclinou-se para um beijo desleixado. Tommy deslizou sua mão dentro da cueca de Bobby e começou a empurrá-la para baixo de seus quadris. Bobby já estava empurrando a calça jeans de Tommy, e ele soltou um gemido quando ele percebeu que era tudo o que Tommy estava usando. Tommy puxou para trás com um sorriso predatório e perguntou: “Você gosta disso?” Quando Bobby assentiu Tommy não se preocupou em dizer que ele iria ficar sem cueca e não tinha tido tempo para lavar qualquer um. Ele passou os dedos ao redor do pênis de Bobby e começou um movimento lento. A cabeça da ereção de Bobby roçou contra Tommy com

150


cada passagem de sua mão, e tudo o que podia pensar era nos dois se unindo, derramando-se em calor branco um sobre o outro, ficando pegajoso e confuso. Como se Bobby estivesse lendo sua mente, ele passou os dedos em torno de ambos os pênis, acariciando-os juntos. “Oh Deus, Bobby, você se sente tão bom,” Tommy assobiou. Outro som desesperado escapou quando o bloco de polegar áspero de Bobby circulou a cabeça do pênis de Tommy, alisando seu fluido claro. “Não pare”, ele sussurrou enquanto balançou os quadris com mais força, forçando um ritmo mais rápido na mão de Bobby. Os toques de Bobby ficaram mais ásperos, cheios de intenção, e Tommy sabia que Bobby estava tentando fazê-los gozar em uma corrida, rápida e da forma que estavam acostumados, a maneira como eles precisavam ser esta noite. Ele estava pronto para deixar Bobby levá-lo ao longo da borda, movendo contra a sensação quando ele deslizou suas mãos para baixo os lados de Bobby. “Espere” ele sussurrou, empurrando Bobby de volta. Eles estavam prestes a fazer uma bagunça no uniforme de Bobby, e Tommy não achava que ir para a estação com sêmen em toda farda de Bobby chamaria atenção de seus superiores. Embora conhecendo Bobby, ele provavelmente mantinha uma sobressalente no carro. Talvez fosse o comentário de Bobby anteriormente sobre ter apenas uso para ele quando Bobby estava chupando o pau, ou talvez fosse o simples fato de que Tommy estava se deixando verdadeiramente apreciar quanto muito mais Bobby merecia. "Deixe-me…"

151


Ele não explicou ao invés disso ele caiu de joelhos na frente de Bobby. Bobby parecia que ele não poderia ter falado, se ele quisesse, mas ele deu um pequeno aceno de cabeça e descansou uma mão no secador quando ele se inclinou de volta contra ela. O piso de concreto ia fazer Tommy se arrepender de manhã, mas, pela primeira vez desde que tinham estado juntos, ele queria fazer isso para Bobby. Tommy nunca explicou seu desagrado geral para dar boquete, mas Bobby nunca questionou. Não foi culpa de Bobby que uma noite de joelhos para alguns velhos feios quando tinha dezesseis anos foi o suficiente para obter o poder ligado novamente. Não foi culpa de Bobby que Tommy se sentiu sujo, usado e desgostoso com sua vida e com ele naquela noite. Não foi culpa de Bobby que ele nunca realmente descartou essa possibilidade como uma opção se as crianças precisavam de algo que ele não poderia roubar ou trabalhar duro para tê-la, se isso significava a diferença entre eles sobreviverem e ficarem juntos ou eles passarem fome. Nem sequer era culpa de Bobby que Tommy nunca lhe dissera. Ele só não achava que ele poderia suportar o olhar que ele veria no rosto de Bobby. Não seria bem desgosto, mas um ódio profundo e puro para o que Tommy teve que fazer em uma idade muito jovem. Era mais fácil, menos doloroso, deixar Bobby achar que ele era um canalha egoísta, que não gostava de retribuir. Mas não esta noite. Algo sobre Bobby tornou mais fácil deixar ir de todas as coisas feias que ele tinha visto e feito. Bobby colocou-se com a sua besteira. Ele olhou depois para sua família se Tommy estava lá ou não. Ele fez Tommy rir, e ele nunca recuou. O bastardo implacável tinha se cavado tão

152


profundamente no coração de Tommy, não havia como tirá-lo. Ele assustou o inferno fora dele, mas ele estava apenas tendo que deixar ele entrar. Ele entreabriu os lábios ao redor da cabeça do pênis de Bobby e sorriu antes de abrir mais a boca. Bobby empurrou lentamente, como se ele ainda estivesse à espera de permissão. Tommy deslizou sua mão sobre o cabelo dourado que cobria as coxas de Bobby até que alcançou sua bunda. Ele deixou os dedos trilharem contra os músculos por um longo minuto antes de ele puxar Bobby mais longe, incentivando-o a ir mais fundo em sua boca. O som que Tommy ouviu dele era selvagem, descrente, e oprimido. Bobby começou a balançar os quadris mais duro quando Tommy envolveu sua mão livre em torno da base do pênis de Bobby, acariciando-o com cada movimento, ao mesmo tempo, não o deixando ir muito fundo. Ele soltou um gemido abafado contra Bobby quando ele apertou seu aperto em torno de seu pênis e enfiou um dedo contra a entrada de Bobby. Com a nova sensação, Bobby empurrou seus quadris em um piscar de olhos afiados. “Oh, merda, Tom,” ele murmurou. Seu tom de voz não coincidia com as palavras. Era quase apologético, e Tommy podia sentir Bobby entrelaçar seus dedos em seu cabelo, acariciando suavemente, como se estivesse tentando acalmar Tommy com o toque. Tommy gemeu em resposta, movendo-se com Bobby, tentando levá-lo mais profundo e dando-lhe mais, porque ele estava percebendo que Bobby merecia tudo e mais um pouco. O queixo de Tommy estava começando a doer já, e seus lábios estavam molhados com saliva quando ele alisou a boca sobre o pênis de Bobby,

153


movendo-se mais rápido e mais duro e tentando ter uma coisa certa. Ele sabia que Bobby estava perto quando seu ritmo começou a gaguejar, seus quadris contraíam descontroladamente, e Bobby soltou aquele mesmo som estrangulado que ele sempre fazia bem antes dele gozar. Tommy poderia ter puxado para fora, poderia ter facilmente acariciado Bobby para liberar sêmen por todo o rosto, mas ele não o fez. Ele largou a mão na própria ereção dolorosa e tomou Bobby tão profundo em sua boca quanto pôde. Ele estava ofegante, quase sufocando, mas ele não quis retirar. Ele acariciou-se mais rápido quando Bobby inundou sua boca. Ele deixou o orgasmo de Bobby puxar seu próprio clímax dele. Tommy tocou a cabeça de seu próprio pau e gozou duro ao som de um grito agudo que rasgou da garganta de Bobby. “Pelo amor de Deus,” Bobby sussurrou sem fôlego para a escuridão. Tommy levantou-se lentamente e puxou sua calça jeans antes de limpar a mão sobre eles. Ele deixou Bobby se recompor antes dele se inclinar e beijálo profundamente. “Isso foi muito grande,” Bobby murmurou contra os lábios de Tommy. “Fico feliz que você parou por esta noite, então?” Bobby bufou uma risada e beijou o lado do pescoço de Tommy. Ele arrastou os dedos sobre a garganta de Tommy, tocando suave sobre o pomo de adão de Tommy. Tommy poderia dizer que ele estava pensando em alguma coisa, tentando decidir se ele deveria dizer isso em voz alta ou não. A votação de Tommy, quando confrontados com um debate interno semelhante,

154


geralmente era 'não', a não ser absolutamente necessário, mas Bobby não tinha esse problema. “Eu pensei que você não gosta de dar cabeça2.” Não era realmente uma pergunta, não que fosse uma acusação, apenas uma declaração, um quebra-cabeça que Bobby estava tentando resolver. E aí estava. “Eu normalmente não gosto,” Tommy respondeu honestamente. Quando Bobby se afastou e procurou o rosto de Tommy nas sombras difusas, parecendo que mais perguntas estavam prestes a cair fora de sua boca, Tommy sorriu e acrescentou: “Parece que você é a exceção à maioria das minhas regras.” Essa simples resposta pareceu satisfazer tudo para Bobby. Ele sorriu estupidamente e se aproximou. Tommy pensou que ele iria inclinar para um beijo, mas Bobby parou pouco antes de seus lábios roçarem juntos e sussurrou: “Eu estou levando isso como se você dissesse isso em um bom caminho.” Então ele beijou Tommy. “Talvez eu faça,” Tommy murmurou contra a boca de Bobby. Ele estava tentando provocar, mas era a verdade. A verdade irrealista, assustadora que, provavelmente, obteria um ou ambos se machucando à longo prazo, mas sendo honesto desta vez não iria fazer mais dano do que qualquer outra coisa que já tinha feito.

2

Gíria usada nos Estados Unidos que significa boquete

155


Capítulo 8 “Esta noite você estará trabalhando?” Colleen perguntou quando ela colocava alguns mantimentos. Ela tinha que ficar na ponta dos pés para fazêlo, mas ela não deixaria Tommy ajudar. Ele teve de rir. Ela era mais parecida com ele do que qualquer um deles gostaria de admitir. Ele estava de plantão nos perecíveis, classificando os produtos enlatados das coisas que precisavam ir para o freezer. “Não”, ele respondeu distraidamente. “Imaginei que você pudesse precisar de alguma ajuda esta noite se as crianças estão indo para a cama na hora certa. Eu troquei com Shawna.” O verão tinha passado por ele como tudo na vida de Tommy, em uma corrida estressante. Ele tinha finalmente se forçado a parar de fumar, mas ele ainda pegou o pacote com cada nova crise. Tommy já podia sentir o aperto de perder seu trabalho de verão, apesar de saber que os contracheques dariam para uma ou duas semanas. Ele e Colleen tinha trocado sobre trabalhar turnos extras na pista de boliche. No final, ela tinha ido contra a sua vontade e feito de qualquer maneira. Ela trabalhava e dormia, e que foi assim nos últimos dois meses. Isso fez seu coração doer, mas mais tarde ele percebeu que ela tinha usado isso como uma maneira de colocar alguma distância entre ela e Wyatt. A meio caminho através de seu frenesi de dois turnos, ele foi para a faculdade, em outro estado. Tommy poderia dizer que ela estava fazendo seu pior não perder ele.

156


Ele não conseguia pensar em nada para dizer que iria torná-lo melhor, tornálo mais fácil para ela, então ele não tinha dito nada. Colleen estava prestes a terminar com metade dos mantimentos, e Tommy estava colocando uma dúzia de ovos na geladeira. “Vou subir e deixar todos prontod. Eles ficaram acordados até o amanhecer”, disse ele, franzindo o cenho para a pequena poça rastejando sob o refrigerador. “Nós vamos conseguir.” Com um encolher de ombros, Tommy agarrou uma toalha suja da pilha sobre a máquina de lavar roupa e passou sob o gotejamento de água. “Sempre faço.” “Bobby vem hoje à noite?” Tommy não poderia evitar de sorrir. “Não, ele está em patrulha hoje à noite, mas nós temos um encontro para o tempo da sesta de manhã.” Colleen lhe lançou um sorriso malicioso. “Ele é provavelmente o único por aqui ansioso para as aulas.” “Eu não estou exatamente chorando sobre qualquer coisa.” Tommy riu junto com ela. “O dinheiro e trabalho extra é bom, mas tirando Davey do meu cabelo por algumas horas por dia vai ser melhor.” Ele se sentiu mal, logo que ele disse isso. Davey era um bom garoto, especialmente tendo em conta as circunstâncias. Sim, ele gostava de correr riscos e aumentar um pouco o inferno, não gostava de fazer sua lição de casa ou suas tarefas, mas Tommy tinha bastante certeza que a maioria na idade de treze anos era do mesmo jeito. Por outro lado, deixando os professores de Davey mantê-lo fora do reformatório durante o dia era um alívio muito

157


necessário. “Você falou com Wyatt ultimamente?” Perguntou Tommy. Ele sabia que não deveria trazê-lo, mas ele queria que ela falasse se ela estivesse disposta. “Ele me mandou uma mensagem algumas vezes.” A voz de Colleen era tão suave como fumaça, pronta para cair no ar e desaparecer. “Você enviou um texto para ele de volta?” O olhar de culpa em seus olhos respondeu a sua pergunta. “Estive ocupada, você sabe?” Tommy deu um passo em sua direção, colocando a mão para seu ombro enquanto ele falava. “Col, você não pode só...” “Tommy! Venha aqui!" A voz de Collin cortou através de tudo o que ele estava prestes a dizer. O garoto parecia em pânico e Tommy saiu correndo da cozinha com Colleen seguindo em seus calcanhares. Ele encontrou todas as crianças na sala de estar olhando para a televisão. Max e Zoe foram os únicos que não estavam olhando. “Qual diabos é o problema?” Collin apontou para a tela em resposta. Tommy olhou para uma vista aérea tirada de um helicóptero com uma legenda em negrito sob ela que dizia “ÚLTIMAS NOTÍCIAS” em letras vermelhas brilhantes. Carros de polícia e unidades de ajuda estavam espalhados por toda a estrada, pessoas sendo levadas em macas, alguns em sacos para corpos.

158


O corte de notícias para a mesa do âncora, e um velho com uma cara de mau e uma gravata listrada foi fazer o anúncio. “Pelo que se pode reunir até agora, o tiroteio começou cerca de sete e quinze desta noite. Tudo começou quando a polícia investigava o que eles pensavam que era um distúrbio doméstico perto de prédios abandonados na esquina da Houser e Pine.” Ele limpou a garganta e olhou para o monitor atrás antes de virar o rosto de volta para a câmera. “Os primeiros oficiais na cena estavam entrando em cena quando um dos suspeitos abriu fogo. As coisas se degradaram rapidamente lá.” O locutor parou novamente e colocou a mão em seu ouvido sobre o que Tommy assumiu era um fone de ouvido. Mike apontou para a tela novamente. “Bobby é um daqueles caras?” Tommy olhou para a foto. “Não é possível dizer a partir daqui. Ele vai nos chamar quando ele puder.” Tommy tentou parecer despreocupada, mas sabia que ele falhou. Seu coração estava batendo no peito com tanta força que senti como uma marreta contra as costelas. O âncora olhou para a câmera novamente e parecia que o coração de Tommy de repente parou de bater por completo. Se perguntou, em algum lugar no fundo da sua mente, se isso era mesmo possível. Se alguém pudesse obter notícias tão ruins que poderia cair mais mortos do choque e da dor. Parecia possível para ele naquele momento. “Nós temos a confirmação agora. Havia, de fato, quatro policiais feridos no local. Dois ainda estão em estado crítico neste momento. Oito civis foram

159


feridos também. A maioria está na condição estável, embora houvesse pelo menos uma fatalidade. Nomes dos feridos e mortos não estão sendo liberados para o público. A polícia está agora afirmando que este era, como nós estávamos pensando, o grupo relacionado. “Vamos retomar emissões regulares agora, mas manteremos os canais definidos para KWRH para mais notícias e não se esqueça de assistir o nosso Noticiário das Onze para mais detalhes do tiroteio de hoje à noite, bem como a previsão desta semana.” Tommy não podia acreditar que o cara estava sorrindo para ele. Sorrindo como se ele tivesse acabado de anunciar um conjunto de ganhadores de loteria. Sorrindo como se o chão sob os pés de Tommy não tivesse movido. Ele sentiu a mão de Colleen em seu ombro. Ele podia ouvir a voz dela, mas as palavras não faziam muito sentido: “Talvez possamos chamar o hospital, ou...” “Eu não sei” ele murmurou enquanto ele passou a mão pelo cabelo. “Eu não tenho a porra de uma ideia do que fazer. Eu...” Uma parte de seu cérebro chutou, e ele pegou o seu telefone, ligando o número de Bobby no piloto automático. Foi direto para o correio de voz. "Cristo!" Ele jogou seu telefone através do quarto e nem sequer pensar que seria grato quando não o quebrasse em pedaços contra a parede. Carrie tinha se enrolado em uma pequena bola no chão em frente ao sofá. Ela tinha lágrimas silenciosas escorrendo pelo rosto, e ela balançou a si mesma como ela tinha feito quando ela era pequena e tinha um pesadelo.

160


Tommy sabia que deveria ir até lá, abraçá-la, fazê-la se sentir melhor, mas ele ainda não conseguia pensar. Tudo estava se movendo em câmera lenta. Tudo o que ele tinha era um amontoado de problemas com nenhuma solução clara. Sua vida inteira era problemas sem respostas, mas isso? Este foi jogando-o para um laço tão forte, ele não sabia se ele iria voltar com ele. Davey sentou ao lado de Carrie e colocou o braço em torno do seu ombro. Ele beijou sua cabeça e lhe disse: “Eu tenho certeza que ele está bem. Bobby sempre foi cuidadoso.” Ela assentiu com a cabeça em resposta, mas não se parecia como se ela acreditasse nele. Seus olhos estavam brilhando e cheios de medo quando ela olhou para Tommy. “Vá descobrir Tommy. Por favor?" Ele soltou um suspiro que ele não percebeu que ele estava segurando e acenou com a cabeça. “Ok, Carrie. Vou descer para o hospital e ver o que posso descobrir tudo bem?” Carrie passou o braço sobre o rosto, limpando as lágrimas com a manga. O lábio ainda estava tremendo, mas ela não deixaria outra lágrima cair. Ele teve que admirá-la, ela era uma O'Shea por completo. “Ok, Tommy.” Ele sentiu Colleen pressionar as chaves do carro na palma da sua mão, mas ele nem sequer olhou para ela enquanto se dirigia para a porta. O carro não queria começar em primeiro lugar. Ele continua firme e assobiou e soou como se ele não pudesse fazê-lo durante a noite, e muito menos o resto do ano. Tommy parou de tentar por um minuto. Ele baixou a cabeça para o volante e fez algo que não fazia há quase vinte anos. Ele orou. Não uma oração suave, não um pedido gentil para obter ajuda. A oração de

161


Tommy estava cheia de raiva, raiva e ódio por um Deus que ele não achava que existia. Porque se Deus fosse real, se havia alguma coisa lá fora, deveria cuidar dele e de sua família, eles foram caindo sobre o trabalho. Para Tommy, Deus era pior, um traidor maior do que seu próprio pai. “Vamos lá, seu filho da puta!” Ele gritou tão alto e tão duro que sua garganta estava crua. “Você para a porra de carro bem agora!” Ele bateu a mão no volante até que ele pensou que poderia quebrar seus ossos. “Se você me der uma coisa do caralho em toda a minha vida miserável, dê-me isto!” Ele soltou outro grito estrangulado e ele podia sentir o pico quente de lágrimas construindo por trás de seus olhos, mas ele tentou o carro novamente. Milagrosamente - ou, mais provavelmente, coincidentemente - o carro ligou, e Tommy arrancou da calçada como se um demônio beliscasse em sua sombra. A sala de emergência estava pior do que ele já tinha visto. Cada canto da sala de espera estava cheia de gente chorando, torcendo as mãos, e falando em sussurros urgentes. Médicos e enfermeiros estavam se movendo através dos corredores como velocistas olímpicos, e o balcão de recepção estava lotado com as pessoas interessadas, Tommy não podia contá-los todos. Ele ficou ali, com as unhas cortando as palmas das suas mãos, porque os punhos estavam muito apertados, por pelo menos meia hora. Ele correu através de sua lista mental de contatos, tentando pensar em alguém que ele conhecia que poderia ser capaz de obter informações mais rapidamente. Não havia ninguém. Qualquer pessoa em sua vida, seus amigos, seus vizinhos, não eram de nenhuma ajuda para algo como isto. Se ele precisasse de uma arma, se ele precisava de ervas daninhas ou, inferno, até mesmo heroína, ele sabia

162


de algum cara que conhecia um cara. Se ele precisasse de um fiador ou uma identidade falsa, ele poderia fazer uma chamada e teria algumas opções em dez minutos. Ele provavelmente poderia encontrar alguém na parte da manhã para dar uma olhada em seu carro que trocaria ou faria isso próximo a algo. Mas isso? Ele tinha que ficar e esperar e esperar como todos os outros no mundo. Quando ele chegou à frente do balcão, a mulher atrás da mesa parecia que ela tinha cerca de seis horas de seu tempo de ruptura sem nenhum alívio à vista. Ele tentou resolver a si mesmo e não tirar alguma coisa sobre ela, mas seu fusível foi cortado. “Oi, eu estou aqui sobre alguém”, disse ele, tentando manter a sua voz calma. “Nome?” Ela só olhou para ele antes de olhar para a tela do computador. “Bobby, hum, Robert McAlister.” Ela digitou rapidamente e apertou o botão de entrada cerca de oito vezes antes de olhar para Tommy novamente. “É da família?” “Eu...” Ele pensou em simplesmente mentir para ela e dizer sim. O que eles poderiam fazer? Como eles deveriam provar se ele não era? Mas no final, ele disse, “Uh, não, apenas um amigo.” Ela soltou um suspiro pesado e recitou o que ela provavelmente tinha a dizer mil vezes já naquela noite. “Sinto muito, Senhor, eu não estou autorizado a divulgar qualquer informação a ninguém menos que eles sejam família.”

163


Ele mordeu o lábio em frustração e tentou lembrar a si mesmo que era uma coisa boa eles manterem pessoas aleatórias de obter informações pessoais sobre os pacientes. “Você pode pelo menos me dizer se ele está aqui?” Ela olhou diretamente nos olhos e repetiu-se com firmeza. “Sinto muito, Senhor, eu não estou autorizado a divulgar qualquer informação a ninguém a menos que eles…” “Família,” Tommy cortou. “Certo, eu entendi.” Ele se sentia como se estivesse arrancando os cabelos para fora, mas ele saísse da linha. Quando ele estava tentando decidir o que fazer, se perguntando se ele poderia talvez obter algum tipo de informação pela persistência na sala de espera por tempo suficiente, ele sentiu um toque suave em seu ombro. Ele quase pulou para trás e deu um tapa, mas quando ele se virou, ele viu um rosto familiar olhando para ele. Era a mãe de Bobby. “Tommy?” Ela disse seu nome suavemente, insegura. Eles só se conheciam na periferia. Ele a tinha visto em torno da cidade, sabia quem ela era, mas se ela passasse por ele, ele não saberia se ele poderia apontá-la em uma linha de outras pequenas mulheres de cinquenta ou alguns anos de idade, com cabelo preto curto grisalho nas têmporas, segurando bolsas. Ele apostou que ela teria o mesmo problema de pegá-lo para fora de uma multidão de outros jovens rapazes com cabelo escuro que era muito longo e calça jeans que tinha muitos buracos.

164


"Sra. McAlister,” ele respondeu, afastando-se do balcão na recepção quando ela puxou-o suavemente em direção a ela. "Ele está aqui?" Parecia que ela estava segurando um soluço quando ela concordou. “Um dos policiais vieram pela minha casa e me trouxe aqui. Eles disseram que não é ruim, mas eu ainda estou à espera de ouvir o médico.” Não é ruim. Isso poderia significar qualquer coisa desde precisar de alguns pontos até ele não poder andar novamente, mas ele viveria. Tommy não podia levar-se a perguntar o que ela queria dizer. Ela parecia que estava pronto para se abrir e voar além. “Se importa se eu esperar com você?” Ela deu-lhe um sorriso triste quebrado cheio de mágoa e preocupação. “Eu gostaria disso.” Ela entrelaçou seu braço fino através de Tommy e levou-o em direção a um corredor que não tinha muitas pessoas remanescentes nele. “Eu tenho dito a Bobby durante meses que ele devia trazer você e as crianças para casa algum dia.” Ela parou para olhar em sua bolsa e tirou um lenço de papel. “Ele disse que achava que você não estava pronto para isso.” Seu tom era livre de acusação, mas Tommy se sentiu culpado de repente. Ela sabia sobre ele, sabia sobre as crianças e a louca bagunça fodida que ele trouxe para seu filho, mas ele mal a reconheceu. Ele tentou sorrir para ela, e então ele riu de si mesmo. “Eu acho que estou preparado agora.” Ela parecia que estava prestes a dizer mais, mas ele perguntou: “Como, hum... quanto Bobby disse?” Ela arqueou as sobrancelhas para ele e parecia tanto com seu filho que doía pra Tommy manter os olhos sobre ela. “Ele me disse que ele está vendo você” ela disse cuidadosamente. Tommy pensou que poderia ser feito, mas ela

165


continuou. “Ele me contou sobre as crianças, sobre o quanto você trabalha, o quão duro você tenta mantê-los juntos. Ele está orgulhoso de você.” Ela acrescentou a última em uma respiração tranquila antes de dizer com mais firmeza: „Ele é apaixonado por você‟ De todas as coisas que ele pensou que ela pudesse dizer, não era isso. Tommy sentiu o sangue em sua cabeça, e ele esperou para o chão saltar para cima em seu rosto quando ele desmaiasse, mas isso não aconteceu. Ele ficou lá por um longo momento, sentindo-se instável em seus pés e incapaz de olhar nos olhos dela. Cristo, essas palavras. Ele pensou que ele mesmo algumas vezes amava Bobby, mais e mais recentemente, mas porra se ele já tinha dito em voz alta. A mãe de Bobby tinha acabado de apontar o dedo para o seu pior medo e chamá-lo para fora do canto que ele manteve escondido. “Ele disse isso?” Ela riu então. Não era um silencioso, som em causa, mas um verdadeiro, honesto riso. Como se ela tivesse se deixado esquecer que seu filho estava em algum lugar atrás de portas giratórias, possivelmente em cirurgia, possivelmente morrendo. “Não”, ela disse, balançando a cabeça. “E eu estou supondo pelo olhar em seu rosto que ele não lhe disse ainda.” Tommy mordeu os lábios entre os dentes e balançou a cabeça. "Não nós… Não há muito tempo na minha vida para isso.” Ao invés de comentar sobre isso, ela perguntou: “Você precisa se sentar? Parece que você viu um fantasma.”

166


Ela estava mais perto da marca do que ela provavelmente sabia, mas Tommy balançou a cabeça novamente. "Estou bem. Foi apenas uma noite estressante você sabe?” “Não é por causa da verdade?” Ela suspirou e recostou-se contra a parede. Ficaram em silêncio por um momento, a multidão em torno deles empurrando. Tommy observou-a colocar o lenço no seu nariz com o tecido que ela tinha puxado de sua bolsa antes. “Eu tive Colleen na minha classe de primeiro grau. Você sabia disso?" Ele tinha esquecido que ela era professora antes dela se aposentar logo após a morte do marido. "Eu não fazia ideia." Tommy deixou-se sorrir, lembrando sua irmã nessa idade. Ela tinha seis anos, e ele tinha onze anos. A mãe ainda estava viva, seu pai ainda estava segurando sua cabeça acima da água, e eles eram quase uma família normal naquela época. Ela assentiu com a cabeça e continuou. “E Mike alguns anos depois disso. Todo mundo disse que eu esquivei uma bala por não ficar sobrecarregado com você.” Ela estava brincando com ele, e Jesus, se ele não visse de onde Bobby tirou aquele sorriso. Ela pareceu perceber o que ela disse e sussurrou algo em voz baixa. Uma maldição ou uma oração, Tommy não poderia dizer. “Balas,” ela murmurou amargamente. “Eles estavam certos” disse ele, tentando distraí-la. Eles eram quase uma família normal naquela época, mas Tommy tinha sido bem no seu caminho para delinquente juvenil.

167


Ele estava começando a se sentir impaciente, inquieto com o quanto ele desejava que ele pudesse ter um cigarro. Ninguém lhe disse que desistir de algumas semanas anteriores o faria se sentir como perfurar um buraco através de uma parede em dias como este. “Penso que devemos perguntar se há alguma notícia, Sra. McAlister?” “Judy, por favor,”, ela disse suavemente antes de responder-lhe. “Mas, não.” Ela inclinou a cabeça para um pequeno amontoado de pessoas na sala de espera. Um médico estava de pé na frente de uma mulher curvilínea, com longos cabelos ruivos. Ela estava chorando e parecia que ela ia gritar. “Há uma grande quantidade de pessoas recebendo muito pior notícia do que estamos indo para obter esta noite. Espero que, de qualquer maneira.” O olhar no rosto de Judy quando ela disse isso correu uma ampla gama de emoções. A culpa foi na frente e no centro. “Eu me sinto terrível esperando algo parecido.” “Não há razão para se sentir mal por isso.” A voz de Tommy estava cheia de convicção. “Nós não desejamos isso a qualquer um deles, e Bobby se machucou tentando pará-lo.” Judy deixou escapar um suspiro de resignação. “É verdade,” ela concordou. “Como mãe, este é o pior tipo de dia.” Ela olhou para Tommy antes de acrescentar: “Embora eu suponha que é para você também.” Tommy nunca se deixou debruçar sobre isso por muito tempo. Na superfície, ele sabia que a carreira de Bobby era mais do que dirigir em torno de seu carro de patrulha e pegando bêbados na rua, verificando vagabundos nas portas, ou assustando a merda fora de ladrões de doze anos de idade.

168


Tommy passava na maioria das noites tentando ignorar quando qualquer chamada aleatória que Bobby respondia poderia terminar em derramamento de sangue. “Eu odeio o seu trabalho.” Suas palavras eram simples e diretas ao ponto, mas elas eram tão verdadeiras em tantos níveis, significava mais do que ele queria admitir. “Eu também,”disse Judy, deixando cair a cabeça para trás contra a parede. “Ele queria fazer a diferença no mundo, queria salvar vidas, ajudar as pessoas. Eu disse que ele poderia fazer isso em um monte de maneiras. Ele poderia ser um professor, um advogado, um médico, mesmo um padre.” Ela riu de si mesma. “Mas a partir do momento que ele era um garoto, tudo que ele queria...” As lágrimas começaram a escorregar dos cantos dos olhos dela, e ela sussurrou uma pequena maldição quando ela limpou. Tommy descobriu, assim como intrometido e tanto quanto de uma dor na bunda estavam à sua família, eles precisavam de polícia mais do que precisavam de sacerdotes. Ele simplesmente odiava que Bobby fosse um deles. Antes que Tommy pudesse dizer qualquer coisa, um jovem médico em batas verdes escuras caminhou para eles. Ele parecia exausto. "Sra. McAlister?” Ele perguntou, olhando diretamente para Judy. “Sim.” Ela ficou mais reta. “A mãe de Robert McAlister.” Ele acenou com a cabeça e olhou para o gráfico antes de encontrar seu olho novamente. “Ele está fora da cirurgia, e ele está saindo muito bem. Nós removemos a bala de seu braço. Ele perdeu muito sangue, mas não fez grandes danos ao músculo, e não atingiu o osso. Precisamos prestar atenção

169


para sinais de infecção ao longo dos próximos dias, mas esperamos que ele tenha uma recuperação completa.” Ele parou ali, como se para deixar o bom dissipador de notícias entrar. “Ele vai ficar de molho por algumas semanas. Um cirurgião plástico fechou a ferida, mas ainda pode haver uma cicatriz.” O médico virou a pasta de metal fechada e acrescentou: „Ele teve muita sorte‟. Tommy pensou que era a maldita hora de algo dar certo em seu caminho. Judy soltou um grito abafado que ela obviamente estava segurando e se benzeu quando ela sussurrou, “Oh, obrigada, Deus.” Ela olhou para o médico com uma expressão esperançosa. “Obrigado, doutor. Podemos vê-lo?” “Família somente, mas posso levá-lo de volta agora.” Tommy queria gritar. Ele queria pegar o médico que tinha acabado de lhe dar a melhor maldita notícia de sua vida e quebrar seu pescoço. Judy afastou-se do médico quando ela disse: “Vamos, Tommy” e puxouo pela mão. O médico lhe lançou um olhar interrogativo, mas o olhar em seu rosto era severo e inflexível. Ninguém protestou quando eles foram escoltados até os elevadores. Bobby parecia pálido e magro contra os lençóis brancos em sua cama de hospital. A bolsa IV pendurado acima da cabeça de Bobby, o tubo e uma válvula gravada para baixo em sua mão direita. Seu braço esquerdo tinha uma vasta bandagem enrolada em volta dele com uma mancha marrom escuro que fez

o

estômago

de

Tommy

apertar. O

monitor

cardíaco

buzinava

uniformemente no fundo, medindo sua respiração, o pulso, e seus níveis de

170


oxigênio, enquanto ele dormia. A TV estava ligada, suspensa sobre a cama de Bobby com o som desligado. Tommy perguntou se eles deveriam talvez sair e voltar mais tarde. Ele não queria acordar Bobby, e de certa forma, agora que ele sabia que ia dar tudo certo com Bobby, ele não queria enfrentá-lo. Judy não tinha tais escrúpulos. Ela entrou no quarto como ela estava prestes a repreendê-lo. Tommy sorriu e fechou a porta, observando quando Judy passou a mão pelo cabelo de Bobby, acordando-o. “Ei, Ma.” Bobby tossiu sobre as palavras quando ele tentou sentar-se. “Você me assustou até a morte,” ela disse a ele, raiva e preocupação em guerra pelo domínio em suas expressões. Quando voltou a falar, ela parecia enojada. “Tiro no cumprimento do dever.” Ela olhou para ele, mas sua testa estava enrugada, e seus olhos estavam brilhando com mais lágrimas. Bobby estremeceu quando tentou sentar-se melhor na cama. “Eu estou bem, mas obrigado por perguntar.” Ele estava tentando provocar e, Tommy poderia dizer, aliviar o clima, mas Judy não estava pronta para isso. Ela olhou atentamente para seu filho, pairando sobre ele. Tommy se perguntou se sua própria mãe alguma vez olhou para ele assim. Se ela tivesse, ele nunca percebeu. O pensamento enviou uma pontada através dele, uma dor silenciosa que ondulava para dentro como mais uma gota no balde de memórias dolorosas que levava ao redor com ele. Judy procurou o rosto de Bobby como se estivesse à procura de respostas para muitas perguntas ou tentando ver se mais danos se escondiam

171


debaixo da superfície. O tipo de danos da cirurgia e médicos e que a medicina não poderia fixar. Bobby pareceu sentir o que ela estava fazendo. Ele disse suavemente, “Eu estou bem, mãe.” Ela não se parecia como se ela acreditasse nele, e ele continuou. “Foi uma noite difícil. Isso me assustou demais. Meu parceiro está na UTI agora, e não sabemos como isso vai passar. Quase perdemos Parker, e eu tive que atirar em dois adolescentes na linha do dever.” Bobby mordeu os lábios, em seguida, respirou fundo. “Mas eu fiz o meu trabalho, e eu tenho que ficar bem com isso.” As lágrimas estavam descendo pelo seu rosto, mas ela balançou a cabeça e deu-lhe um beijo na testa. Tommy se sentiu como um intruso observando os dois juntos, ouvir Bobby dizer-lhe coisas que ele provavelmente não deveria contar a ninguém ainda. Judy disse suavemente, “Ok, então.” Ela se endireitou e enxugou os olhos quando ela se afastou um olhar determinado em seu rosto. “Eu vou me encontrar com Robin e ver se posso obter mais notícias sobre Andrew.” Tommy sabia que Andrew era o parceiro de Bobby. Ele era um homem mais velho com filhos e uma esposa, e ele era um bom rapaz. Ele era amigo de Bobby, e ele observava as costas de Bobby. Tommy tinha certeza a culpa que Bobby deve estar sentindo era insuportável. “Obrigado, Ma.” Então ela olhou para Tommy. Bobby seguiu seu olhar. Ele não parecia tão surpreso quanto Tommy pensou que ele iria estar, mas ele parecia grato

172


ao vê-lo ali. “Eu encontrei ele na sala de espera. Eu estava com medo que ele poderia estrangular alguém, se ele não chegasse a vê-lo.” Bobby riu e tentou alcançar a mão para Tommy. Parecia que ele se lembrou tarde demais que era seu braço ferido, e ele puxou-a de volta rapidamente. Judy bateu no ombro de Tommy quando ela passou por ele antes de deixá-los sozinhos. “Ela é muito perspicaz,” Tommy disse enquanto caminhava ao redor da cama para o outro lado de Bobby. Ele pegou uma cadeira e puxou-a perto. Bobby riu. “Sim, ela é. Quanto perto da verdade ela estava? Você estava procurando alguém para tomar como refém para que você pudesse obter algumas respostas?” Tommy levou cuidadosamente a mão de Bobby em sua própria, consciente do IV, e fez algo tão concurso que embaraçava. Ele beijou cada junta e, em seguida, pressionou os dedos de Bobby contra sua bochecha. "Bastante." Bobby colocou a mão contra o rosto de Tommy, como se estivesse tentando acalmar Tommy. O cara com o buraco de bala estava tentando fazer Tommy se sentir melhor. Era ridículo. Tommy levantou os olhos para encontrar Bobby. “Vimos tudo sobre a notícia. Assustou o inferno fora de mim e as crianças.” “Eu sei,” Bobby sussurrou. “Eu liguei para casa logo que me fez resolvido aqui. Colleen me disse onde você estava. Falei com todos e disse-

173


lhes para ir para a cama porque não podiam usar o meu funeral como uma desculpa para não ir à escola amanhã.” Quando Tommy olhou para ele, Bobby perguntou com falsa inocência, “Cedo demais?” “Isso nunca vai não ser muito cedo para uma piada assim, imbecil.” Bobby riu novamente, e soou seca e rouca. “Eu acho que eu realmente vou ficar bem se você já está me chamando de nomes.” Tommy se levantou e se aproximou dele. Ele pegou o pequeno jarro cheio de água gelada e derramou um pouco em um copo. “Beba”, disse ele. “Você parece uma merda.” Bobby não discutiu. Ele tomou um longo gole pelo canudo flexível e então suspirou quando ele deixou sua cabeça cair para trás contra os travesseiros. “Eles tiveram que me entubar para a cirurgia. Minha garganta se sente como eu tivesse engolido vidro.” “Isso é o que você tem quando você se deixa levar um tiro.” Tommy sentou-se novamente e pegou a mesma mão que ele estava segurando. Desta vez, ele atou seus dedos juntos. “Eles não estão dando-lhe qualquer coisa para a dor?” “Eles estão usando agora, e eu não deixei abrirem o pequeno botão do gotejamento.” Tommy revirou os olhos, pensando que ele merecia a dor se ele era muito estúpido para evitar os medicamentos.

174


Bobby explicou, “É Demerol, ele me derruba, e eu queria estar acordado quando você entrasse aqui.” Essas palavras mais do que qualquer outra coisa naquela noite fez o coração de Tommy saltar uma batida. Bobby levou um tiro virou seu mundo de cabeça para baixo. O encontro com a mãe de Bobby colocou as coisas em uma perspectiva para Tommy que ele não queria ver. Descobrir que a primeira coisa que Bobby fez quando ele estava fora da cirurgia foi chamar a casa para dizer que ele estava bem, que ele falou com todas as crianças para se certificar que soubessem, tinha significado mais para Tommy do que ele gostaria de admitir. Mas isso? Sentado lá, desconfortável, com dor, entrando e saindo de sono agitado e esperando para ver Tommy depois de ser baleado? Isso foi o suficiente para derrubá-lo em sua bunda permanentemente. Tommy soltou a mão de Bobby e se aproximou dele. Ele encontrou o botão ligado a um IV e ligou de uma vez. Então ele se inclinou para perto e olhou fundo nos olhos de Bobby. Sua voz quebrou em um tremor enquanto falava, e ele não se importa quão fraco ou como vulnerável, ou quão estúpido o som se fez. Ele tomou o rosto de Bobby em suas mãos e disse: “Eu te amo, você estúpido filho da puta.” Ele não deu a Bobby uma chance de responder. Em vez disso, ele tomou a boca de Bobby em um beijo, feroz que parecia que nunca iria acabar. Quando ele se afastou, os olhos de Bobby estavam vidrados e não parecia que ele pudesse falar. Tommy sentou-se novamente, e Bobby arrastou um dedo contra o rosto de Tommy. Ele saiu molhado. Tommy não tinha sequer percebido que havia lágrimas em seu rosto, não tinha deixado a si mesmo reconhecê-lo.

175


“Merda,” Bobby disse, soando apedrejado e cansado. “Eu acho que estou tendo alucinações.” Com os olhos fechados, Tommy riu.

176


Capítulo 9 Até o momento em que Tommy chegou a casa, o sol já tinha ido. Ele encontrou Colleen na cozinha tomando uma caneca de café. Ela parecia uma criança pequena brincando de casinha como ela estava embaralhada com uma túnica puída e um par de chinelos rasgados. “Como está Bobby?” Ela perguntou enquanto ela começou a fazer sanduíches e enchendo-as em sacos de papel. As crianças provavelmente obteriam almoços grátis na escola, uma vez que Cheryl tinha finalmente assinado na papelada para cupons de alimentos, mas eles estavam sempre cuidadosos no primeiro dia do ano, não querendo que as crianças passassem fome se houvesse uma confusão. “Uma confusão dormindo quando o deixei.” Tommy pegou duas canecas de café do armário e esperou impacientemente para a panela para preparar. “Alguma notícia sobre Sanders?” O parceiro de Bobby era importante para ele, então por extensão, ele era importante para o resto da família. Tommy concordou com ela, enquanto observava o café no pote. “Ele é uma floresta esgotada, mas eles querem mantê-lo mais alguns dias.” “Eu aposto que Bobby está aliviado.” Colleen olhou para Tommy, e sua expressão disse que ela estava muito aliviada também. “Você provavelmente deve descansar um pouco antes de nós termos que ir para a escola.”

177


Ele sabia que Colleen estava certo, mas ele não achava que ele poderia dormir muito nesse ponto. Ele continuou tocando cada detalhe das últimas onze horas de volta em sua cabeça. O que era uma montanha-russa. “Eu tirei um pequeno cochilo na cadeira lá. A enfermeira me expulsou quando ela entrou para verificar Bobby.” Colleen movia-se rapidamente, como sempre fazia. Ela terminou os almoços, em seguida, começou a pegar as coisas para o café da manhã. Nada extravagante - torradas e ovos, mas ela trabalhou com uma resolução tranquila. Ela trabalhou como ela sabia que isso era toda a sua vida e sempre ia ser. “Deixe-me fazer isso,” Tommy disse a ela. A ideia de sua vida de escravidão para o resto de sua vida o tornava doente. “Beba um pouco de café e coloque os pés para cima por alguns minutos. Jesus!" Parecia que ela podia argumentar com ele, mas ela não o fez. Em vez disso ela colocou para si e outro para Tommy. Ela pôs o seu ao lado do fogão e a própria a mesa da cozinha. “Wyatt ligou na noite passada” disse ela calmamente. "Sim? Você falou com ele desta vez?” Ela tomou um longo gole antes de responder. “Sim.” Ela franziu a testa quando ela continuou. “Seus pais o havia chamado, e ele viu o tiroteio no noticiário. Ele queria perguntar se Bobby tinha sido ferido e garantir que todos estivessem bem.” Tommy deixou escapar uma risada. “Soa como uma desculpa para falar com você, se você me perguntar.”

178


Colleen concordou e riu com ele. “Achei o máximo, mas com tudo o que acontecia eu não podia simplesmente ignorá-lo, sabe?” “Bom.” Tommy foi bater os ovos em uma tigela grande. “Você cortou o pobre rapaz dando algum tempo?” “Eu tentei terminar com ele.” Tommy colocou a tigela no chão e olhou para ela muito antes dela continuar. “Ele me disse que não era um rompimento se eu não tiver uma boa razão. Então eu disse a ele que meus motivos era o fato de que vivemos em estados diferentes e eu tinha responsabilidades aqui e teria por um longo tempo e que ele deveria sair e conhecer garotas e encontrar alguém.” “E?” Lembrando-se de que ele tinha uma tarefa na mão e tinha a manteiga fora da geladeira. “E ele me disse que eram motivos de merda, e ele discordou.” Ela riu antes de prosseguir. “Então ele disse que estaria em casa para a Ação de Graças em alguns meses, e eu estava indo para vê-lo e falar com ele, se não ele faria um acampamento no nosso gramado e me seguiria para o trabalho.” Tommy não poderia deixar de rir. “Só Wyatt poderia dizer isso e não soar assustador.” "Eu entendi direito?" “Você vai dar-lhe uma pausa?” "Eu tentei." Tommy estreitou os olhos para ela. “Ele é um menino grande, Col. Deixe-o decidir por si mesmo o que ele quer.” Ele não podia acreditar que ele

179


estava dizendo, mas Tommy continuou. “Wyatt te trata bem, ele se coloca com a nossa besteira e toma todas as suas... coisas no tranco. Ele é mais compreensivo sobre tudo que você já passou do que qualquer garoto de sua idade tem o direito de ser, você sabe?” Colleen soltou um suspiro cansado. Ela já parecia derrotada. Nem mesmo dezoito anos ainda, e ela parecia que o mundo a tinha vencido e ela estava pronta para jogar a toalha. “Eu sei” ela disse suavemente. “Ele só tem tanta coisa acontecendo para ele. Ele é um cara tão bom e ele é...” Ela parou de falar quando Tommy bateu a porta do armário tão duro que os pratos no interior se agitaram. “Você me escute, Col.” Tommy apontou o dedo para ela e olhou enquanto falava. “Você é a melhor maldita pessoa que eu conheço. Você é inteligente, você é rápida, e você é boa. Você cuida do seu próprio lugar. Sua vida é um grande pé no saco, mas não é uma porra de santo, e qualquer um que não ver quão incrível garota você é, alguém que não tem espaço para a bagagem que foi amarrada a isso, não porra merece limpar os seus sapatos, muito menos tê-la em seu canto.” Tommy estava pronto para bater em alguém apenas para fazer-se sentir melhor. A ideia de sua irmã sentada lá e se sentir como se ela não fosse boa o suficiente para alguém fazia seu sangue ferver. Colleen deu uma pequena fungada sobre sua caneca de café e acenou com a cabeça. Quando ela olhou em seu olho, ela perguntou: “Você nunca sequer ouviu a si mesmo, Tommy?” “Todo o tempo” disse ela, tentando brincar. “Eu sou o único que faz qualquer sentido maldito por aqui.”

180


Quando ela se levantou, ela deu a volta no balcão e pegou o suco de laranja da geladeira. “Você simplesmente não o obtém”, disse ela, pegando uma pilha de pratos e colocando-os sobre a mesa. “Eu poderia dizer tudo isso sobre você. Eu não sou melhor do que você, Tommy. Inferno, pelo menos eu tive o exemplo a seguir.” Ele não sabia o que dizer em primeiro lugar. O que ela disse era tecnicamente verdade. Eles foram cortados do mesmo pano, e ambos fizeram sacrifícios semelhantes todos os dias. “Então eu acho que nós dois estamos muito bom para o resto do mundo”, ele brincou. Colleen sacudiu a cabeça. “Você é um idiota.” “Então me disseram. Estou pensando em tê-lo impresso em uma camiseta.” “Confie em mim,” Colleen riu. “Você não precisa dele em uma camisa. A maioria das pessoas pode dizer a primeira vez que você abrir a boca.” Tommy virou e voltou para fazer café da manhã. Ele olhou para ela quando ela perguntou: “Você já disse a Bobby que você irá apenas deixá-lo decidir o que ele quer e com o que ele pode lidar?” “Não tão longe.” Ele ia deixar o assunto morrer ali, mas ele deixou escapar: “Eu disse a ele que o amava ontem à noite.” Tommy podia sentir suas bochechas ir quente como ele disse as palavras. “Ele estava consciente?” “Sim.” Mais ou menos.

181


Colleen se aproximou e colocou um braço ao redor de seus ombros. Ela beijou sua bochecha e disse: “Bom.” Quando ela se afastou, ela acrescentou: “Só pode haver esperança para você ainda.” Tommy estava observando os gêmeos brincarem juntos, desejando que fosse hora de suas sestas. Zoe se levantou apoiando na mesa do café, olhando excessivamente satisfeita consigo mesma, e deu alguns passos vacilantes antes que ela se jogasse de volta no chão e decidisse rastejar em direção a ele. Ela e Max tinham dado os seus primeiros passos no início da semana, menos de uma hora de intervalo. Max tinha olhado para Zoe com espanto e então decidiu tentar. Bobby estava lá para ele. Ele estava tão orgulhoso de ambos, ninguém assistindo teria assumido que ele não era seu pai. Ele fez vídeo dele em seu telefone. Tommy percebeu que eles foram, provavelmente, os únicos em toda a família que tinha como um marco registrado para a posteridade. A menos que você contasse a foto do baile de Colleen, que também foi obra de Bobby. Ou primeira foto de Tommy que foi disparada a partir de quando ele tinha doze anos e tinha sido pego roubando leite, cereais e um pão porque os armários em casa estavam vazios. Ele tinha aprendido a ser mais cuidadoso depois disso. Quando Zoe estendeu a mão para ele, Tommy levantou-a para o seu colo. “Quem é a nossa menina?” Ele perguntou quando ela acariciou seu rosto. Ele pegou uma de suas pequenas mãos e beijou a palma da mão. “Você está quase pronta para uma sesta?” Ele fez cócegas em seu lado e beijou sua

182


bochecha gordinha. "Eu estou tão pronto para uma soneca, você não iria acreditar, garota.” Ela riu e deitou a cabeça no ombro dele. Max parecia que queria está dentro nos afagos, mas quando ele começou a fugir e tropeçar seu caminho para o sofá houve uma batida na porta. Tommy se lembrou com pesar que ele e Bobby fossem supostos ter um encontro de tarde por cerca desse tempo. Judy não tinha ligado, e ele não tinha ouvido falar de Bobby, então ele só poderia assumir que Bobby ainda não tinha tido alta. Ele carregava Zoe em seus braços enquanto ele foi para a porta. Quando ele conseguiu abri-la, tudo o que podia ver era metade de uma pessoa escondida atrás de uma pilha de pratos de caçarola e um cobertor de bolo. Ele olhou por segundos antes de dizer: “Hum, eu acho que você está na casa errada.” Judy inclinou a cabeça para o lado para ver em torno dos pratos que ela estava carregando. “Eu nunca bato na casa errada”, disse ela alegremente. Tommy tinha cerca de seis respostas todas lutando pelo primeiro lugar na ponta da língua. Um deles era sobre não precisar de comida grátis, e outra foi sobre a quem Bobby tinha puxado. Ele fez uma careta e fechou a boca em todas as suas observações. “Abaixe o bebê e me dê uma mão, certo?” Ela perguntou. Ele podia ouvir um sorriso em seu tom, e Tommy estava imaginando o que sua vida poderia ter sido como se ele a tivesse por uma mãe. Ele colocou Zoe sobre o tapete e começou a pegar as coisas nas mãos de Judy.

183


Tommy abriu o caminho para a cozinha depois que ele fechou a porta atrás dela. Ela carregava dois pratos de vidro longos em seus braços, e ele tinha mais três apenas com ele, juntamente com, aparentemente, um bolo. “Bobby terá alta esta tarde,” ela explicou quando ela se arrastou atrás dele. Nunca em sua vida tinha sido tão grato que ele tinha se dado ao trabalho de limpar a casa logo depois do café. “Eu pensei que você poderia querer ir buscá-lo,” acrescentou ela, colocando os pratos sobre o balcão da cozinha. “E você imaginou que eu estaria realmente com fome?” Judy riu. “Não”, ela disse, indo até a geladeira como se ela vivesse lá. Ela estava colocando as coisas fora e falando sobre seu ombro para Tommy. “Quando eu não sei o que fazer comigo mesmo, eu cozinho. Quando eu não posso cozinhar mais, eu trago a comida para alguém que vai ter pena de mim e se sinta obrigado a conversar por um tempo.” Tommy tentou deixá-la ir. Ele tentou dizer a si mesmo que ela estava inquieta e isso não ia se tornar uma coisa que ela fizesse. Mas ele também percebeu que ele deveria definir alguns limites “Escute, Sra. McAlister” “Judy”, ela o corrigiu gentilmente. “Judy.” Tommy mordeu o interior de sua bochecha, tentando obter algum controle antes de prosseguir. “Isso foi muito bom e tudo, mas nós estamos bem aqui. Nós não precisamos de qualquer...”

184


“Quem falou em necessidade?” Ela perguntou com um vago aceno de mão, como se pudesse descartar suas palavras com o gesto. “Ninguém precisa de bolo de chocolate, mas isso não significa que ele não deve ser compartilhado quando asso um.” Tommy ainda estava tentando encontrar o equilíbrio. “Certo, mas... Isso é demais, sabe? Estamos cobertos e tudo, e...” Ele teve que parar de falar quando Judy virou-se para encará-lo. Sua testa franziu e as mãos estavam em seus quadris. Parecia que ela estava pronta para suportá-lo no canto. “Sinto muito, Tommy, mas você está tentando discutir comigo?” De repente, ele sentiu como se ele tivesse seis anos, que parecia estranhamente apropriado dado o fato de que ela era uma professora da primeira série. "Não Senhora." Judy sorriu brilhantemente em seguida, e bateu-lhe no rosto. “Bom”, ela disse enquanto se virava para a porta que levava de volta para a sala de estar. Ele a seguiu.“Bobby disse que poderia ser...” Ela fez um gesto com a mão sobre seu ombro. “...difícil, por vezes, sobre essas coisas.” Tommy sentiu que estava sendo varrido por um tornado. Ele havia perdido todo o controle da situação e de sua casa. Ele iria chutar a bunda de Bobby, logo que ele estivesse fora do hospital. "Que coisas?" “As pessoas sendo boas para você.” Ela sussurrou a palavra “boas” como se fosse sujo quando ela sentou-se no chão da sala perto de Max. Zoe se agarrou a Tommy como ela fazia quando via estranhos. Ela agarrou a sua perna e começou a se levantar. Ela não tinha qualquer interesse

185


em conhecer novas pessoas que valsava dentro da casa. Mesmo as pessoas que vinham carregadas com alimentos que... Tommy teve que admitir, mesmo que apenas para si mesmo, cheirava incrível. Quando ele pegou Zoe e deixou-a esconder o rosto no ombro dele, ele percebeu que Max não tinha tais problemas. O pequeno traidor poderia ser comprado com uma fatia de bolo e não iria dar-lhe um segundo pensamento. Ele já estava subindo no colo de Judy e tentando agarrar seu colar. “Oh Deus, você é um doce, não é?” Judy estava falando com Max. Ela usou os mesmos tons que as mulheres de todo o mundo usava quando confrontado com um bebê que gostava de flertar. Ela olhou para Tommy e perguntou: “Eles estão com cerca de um ano, não são?” Tommy tentou enterrar seu aborrecimento e acenou com a cabeça. "Mês passado." Judy voltou sua atenção para Max. “Você gosta disso?”Ela perguntoulhe quando ele pegou no seu colar. “Olha”, ela disse suavemente, pegando suavemente de suas mãos. “Abre-se” ela explicou enquanto ela abria o fecho e tirava o medalhão aberto. Quando Max fez um som feliz e disse: “Babo!” Judy riu. Tommy ficou curioso, então, saber o que Max e Zoe chamando Bobby. Judy sorriu para Max e passou a mão pela sua confusão de cachos. "Está certo. Você é um menino tão inteligente.” Ela apontou um dedo fino, bem cuidado para um lado do quadro e disse: “Isso é Bobby quando ele tinha a sua idade.” Então ela apontou para o outro lado do quadro e disse “E isso é ele crescido.”

186


Tommy viu-se sentado ao lado de Judy. Ele queria ver a foto de bebê de Bobby tanto como Max fez. “Por favor, me diga que ele está nu em um tapete de pele de urso” brinquei com ele, pensando que Judy parecia ser o tipo de mãe que tomaria grande alegria em mortificar seu único filho. “Isso é sobre a lareira” disse Tommy com uma risada antes de virar o medalhão para que Tommy pudesse ver. Havia Bobby vestido de azul, provavelmente na escola. A outra foto era de Bobby quando ele era um bebê. Um dente se mostrava na foto, o queixo brilhante de baba. Ele estava vestindo um terninho de marinheiro. “Então, ele sempre parecia bom em um uniforme,” Tommy brincou. Ele percebeu um segundo tarde demais que o comentário poderia ter sido inapropriado, mas Judy riu novamente. “A maioria dos homens fazem, querido.” Zoe tinha decidido dar a Judy uma tentativa. Ela deve ter percebido ninguém era fresco o suficiente para carregar uma imagem de Bobby valia a hora do dia. Ela saiu do colo de Tommy e pegou Judy. “Eles são mais bonitos do que gatinhos”, disse Judy, sorrindo para Zoe e mostrando fotos de seu Bobby. Tommy tinha que concordar, mas ele disse: “Não deixe que eles te enganem. Estes dois são infernais quando eles querem ser. Não poderia leválos a dormir ao mesmo tempo nos primeiros três meses. Ele quase me matou.” “Oh, eu posso imaginar.” Judy saltou Zoe no colo quando Max tentou se contorcer em seu caminho entre ela e Tommy. “Quando eu estava

187


trabalhando meu caminho através da faculdade, passei um verão ou dois trabalhando em uma creche.” Parecia que ela estava se lembrando dele, todos aqueles anos atrás. “Eu tive que sair depois de um tempo. Eu fiquei com medo que eu nunca quisesse meus próprios filhos.” Com uma risada, Tommy concordou. “Sim, isso faria isso.” Ele se inclinou e beijou o topo da cabeça de Max, cheirou seu cabelo com um suspiro. "Você quer mais? Um dos seus próprios filhos?” Perguntou Judy. Tommy ficou impressionado com a facilidade com que ela deslizou de pequena conversa inútil para o potencial filho. “Sete não é suficiente?” Ele perguntou, pensando que ele precisava sair do jejum do quarto. “Não diga 'não é', querido. Não é uma palavra real.” Tommy olhou para o relógio na parede e perguntou se Bobby iria ser lançado em breve. Era tempo para a sua sangria. “Bem, sete é o suficiente para mim,” disse ele, deixando escapar um suspiro e encostando-se ao pé do sofá. “Se eu conseguir colocar todos na escola, e em verdadeiros postos de trabalho, e em suas próprias casas, eu posso morrer feliz. Eu não preciso de outro para cuidar quando passar através de tudo isso.” “E você começou do zero com esses dois, não é?” Judy perguntou, parecendo curiosa. “Praticamente.” Tommy não sabia onde tudo isso estava acontecendo, mas ele desistiu de se afastar dela. “Eu cuido das crianças desde que a nossa mãe morreu. Provavelmente antes disso, na verdade. Max e Zoe desde o

188


primeiro dia. Cheryl não é exatamente...” Ele não poderia entrar em todas as coisas que Cheryl era e não era. Judy sorriu para ele. “Eu suponho que sete é o suficiente, então.” Ele pensou que ela ia finalmente deixar cair o assunto, mas acrescentou: “Você é um pai melhor do que a maioria dos homens dez anos mais velhos do que você.” Tommy deu uma risada incrédula. “Pergunte a eles em quinze anos que trabalho esplêndido que eu fiz.” Zoe pousou a cabeça no ombro de Judy. “Ninguém vai ter que perguntar a eles, tenho certeza.” Ela balançou Zoe em seus braços. Max tinha se enrolado em torno de si mesmo em Tommy e bocejou. Essa era a sua sugestão. “Eu acho que é tempo da sesta,” ele disse a ela quando ele ficou de pé. “Eu acho que você está certo.” Judy teve um tempo difícil para sair do chão com Zoe em seus braços, mas ela conseguiu. Ela passou o bebê para Tommy e sentou-se no sofá. “ Eu vou esperar aqui enquanto você tenha tudo resolvidos.” Tommy lutou contra a vontade de revirar os olhos enquanto ele carregava os gêmeos para o andar de cima. Tommy levou o seu tempo colocando Max e Zoe na cama. Ele esperava secretamente que Judy pudesse se cansar e ir embora. Então ele percebeu que ela provavelmente iria limpar a cozinha ou colocar em uma carga de roupa em seu lugar. Isso é o que Bobby faria se ele pensasse que poderia fugir com ela.

189


Judy não parecia que ela se importaria se Tommy se queixasse ao redor da casa e dissesse-lhe para cair fora. Ela estava sentada no sofá fazendo algo com seu telefone quando ele voltou para a sala. “Bobby mandou uma mensagem há um minuto”, disse ela. “Ele deve estar pronto para sair em uma hora ou assim. Ele está apenas esperando o médico para assinar os papeis para liberação.” “Graças a Deus”, disse Tommy, passando a mão pelo cabelo enquanto ele tentava pensar em uma maneira educada de dizer “acho que você deve ir agora!” “Por que você não vai lá e o pega?” Judy solicitou. Tommy ia ter de tomar um curso intensivo de como lidar com as pessoas que gostavam de matar com bondade. “Eu não posso,” ele disse quando ele se sentou no braço do sofá. “Colleen está com o carro e, você sabe, não gostaria de acordar os bebês de qualquer maneira.” “Bobagem” disse ela, sorrindo para ele. “Eu vou ficar aqui com os anjos. Eles provavelmente vão dormir o tempo todo que você se for. Você pode ir buscar Bobby, levá-lo para casa e levá-lo resolvido, e depois volte aqui com o meu carro.” Ela disse como se fosse à solução mais óbvia do mundo. Como se as pessoas sempre deixassem seus bebês indefesos com pessoas que mal conheciam e iriam para executar tarefas. Ocorreu a Tommy depois de um segundo que as pessoas costumavam fazer isso. Lembrou-se que era a mãe de seu namorado, que também passou a ser uma professora e trabalhadora de

190


creche aposentada, era provavelmente mais qualificada para cuidar de Max e Zoe do que ele. Ele queria chutar alguma coisa. “Sim, tudo bem,” ele rosnou. Ele foi tentado a apertar sua mão e empurrá-la para fora da porta. Foi uma coisa muito próxima. Mas Judy riu de sua reação e passou-lhe um conjunto de chaves do carro. “É o PT estacionado em frente.” Claro que é. Tommy pegou a carteira da mesa ao lado da porta e disse: “Eu não vai demorar muito.” “Tome seu tempo, querido. Certifique-se de que Bobby esteja tomando remédios antes de voltar.” Tommy saiu pela porta, murmurando, “Não deixe a porta batê-lo ao sair.” “Sua mãe é uma loucura” disse Tommy, logo que viu Bobby. Levara cerca de cinco minutos para descobrir como ligar o maldito carro, em seguida, ele levou o dobro do tempo que deveria ter de carro para o hospital. Ele estava com medo que ele o destruísse no caminho. Bobby ficou surpreso quando Tommy invadiu seu quarto. “O que ela fez?” “Ela apareceu em casa! Ela tinha comida suficiente para alimentar um exército, então ela me colocou para fora para vim buscá-lo. Ela esta com Max e Zoe como reféns.” Tommy poderia dizer que Bobby estava fazendo seu melhor para não rir.

191


“A cadela,” Bobby disse sarcasticamente. “O nervo da mulher. Entrando e trazendo bolo, havia bolo, certo?” Quando Tommy assentiu, Bobby continuou. “Isso é uma merda mulher-diabo confusa. Pensando que ela pode deslizar sob seu radar assim! Isso parece como um conto de fadas de Grimm. Talvez ela vá tentar cozinhá-los!” Bobby deixou-se rir então. Ele segurou seu braço esquerdo como se fosse matá-lo, mas ele não conseguia parar de rir de Tommy. “Tudo bem, continue, imbecil.” Tommy deixou-se cair na cadeira ao lado da cama de hospital de Bobby. Ele se inclinou e beijou Bobby, apesar do fato de que Bobby ainda estava rindo dele. Depois que Bobby prendeu a respiração, ele perguntou: “Você tentou apenas dizer-lhe que não?” “Você conhece a mulher?” Bobby considerou a questão e parecia que ele concordava, mas ele disse: “Ela não é totalmente irracional, Tom.” "O que, você está brincando comigo? Ela é você. Só que é impossível discutir com alguém que é tão agradável, de idade e uma mulher. Especialmente uma que é tão maldita obsessivamente determinada. É como se alguém jogasse Pollyanna, Mary Luz do sol, e Mussolini em um liquidificador e cuspiu sua mãe para fora.” “Você esqueceu Madre Teresa.” “Sim, ela também. Graças a Deus não temos lepra.”

192


Bobby riu de novo por isso, mas ele estendeu a mão para Tommy. “Ela só precisa cuidar de todos. Você deve deixá-la, ela é boa nisso.” Tommy inclinou-se, em seguida, sorrindo de má vontade quando ele disse, “Pelo menos agora eu sei onde você obteve isso.” Antes de Tommy ter a chance de beijá-lo novamente, houve uma pequena batida na porta. Ele se afastou quando uma enfermeira entrou com alguns papéis. “Parece que você está saindo daqui hoje, Oficial McAlister.” “Por favor, diga-me que são os meus formulários de liberação,” Bobby perguntou esperançosamente enquanto se sentava mais longe na cama. A enfermeira deu-lhe um sorriso e, em seguida, um biquinho falso. “Você não gostou de visitar a gente?” Bobby tentou devolver o sorriso, mas Tommy poderia dizer que foi forçado. “Vocês são ótimos, obrigado, mas entre o cateter de ontem e a camisão com bunda de fora, estou pronto para ir para casa.” Ela já estava trabalhando em seu IV, puxando-o com cuidado e colocando um pequeno curativo sobre o dorso da mão. “Eu acho que não posso culpá-lo” disse ela com outro sorriso. Parecia uma conversa ensaiada, e Tommy percebeu que ela provavelmente teve essas conversas semelhantes várias vezes ao dia com pessoas diferentes. Ela cortou a pulseira do hospital do pulso e gravou com as formas. “Vou deixar isso aqui com sua papelada. Se você precisar voltar por qualquer razão em tudo, tente trazer isso com você.”

193


Bobby assentiu, mas Tommy adivinhou que se fosse necessário para trazê-lo de volta por qualquer coisa, Bobby poderia perder a paciência e começar seu próprio tiroteio. “Aqui está a sua informação sobre o cuidado com a ferida em casa e o que procurar como sinais de infecção. Você precisa de acompanhamento com o seu médico regular em três dias.” Ela apontou para a página. Bobby olhou para ela e acenou com a cabeça novamente. “E” ela enfiou a mão no bolso e tirou um pequeno saco de papel marrom e defini-o sobre a mesa por sua cama, “estes são os seus analgésicos. Você tem que usar, mas você provavelmente não vai precisar de alguma coisa mais forte do que o ibuprofeno após a primeira semana.” “Entendi,” disse Bobby, tentando levantar-se. Ela o fez assinar e rubricar mais papéis e, em seguida, virou-se para sair. "É isso? Posso ir agora?” “Você pode se vestir agora. Estarei de volta em poucos minutos para levá-lo até o estacionamento,” disse ela alegremente. “Eu levei um tiro no braço. Tenho certeza de que posso andar até a garagem.” A enfermeira jogou o cabelo loiro de seu ombro e riu. “É política do Hospital. Pense nisso desta maneira: se você tropeçar e bater a cabeça no seu caminho para o carro, nós teríamos que mantê-lo outro dia.” “Cadeira de rodas então.” Bobby começou a empurrar o cobertor de volta, mas ele esperou que ela deixasse o quarto primeiro.

194


Tommy se inclinou para trás e esperou também. Ele não via a hora sair do hospital em breve. Ele não tinha sido um fã deles antes, mas depois de ontem à noite ele pensou que poderia ficar toda a sua vida sem pisar em outro. “Eu acho que ela está apenas decepcionada que ela não possa lhe dar um banho de esponja.” Bobby riu e olhou por cima do ombro enquanto ele saiu da cama. “Enrique, um enfermeiro assustadoramente atraente, se aproximou.” Tommy cobriu o rosto com a mão, sentindo uma onda de desejo para a imagem. “Eu não posso decidir se eu deveria ficar com ciúmes ou pedir imagens de vídeo.” “Nem, confie em mim.” Bobby disse quando ele vestiu a calça jeans que tinham sido enviadas a partir de casa. “Foi uma das coisas menos sensuais que já aconteceu para mim. Mesmo que eu fosse solteiro, eu não acho que eu pudesse obtê-lo com a ideia.” Tommy observou-se vestir. Ele estava tão aliviado por estar sentado lá, tendo essa conversa, qualquer conversa, com Bobby, que ele não conseguia pensar direito. Quando Tommy não comentou, Bobby olhou por cima do ombro novamente. “Você ainda está comigo?” Tommy saiu da cadeira e caminhou para Bobby. “Em nenhum lugar que eu preferiria estar agora” disse ele, a honestidade descarada nem mesmo fazendo-o recuar. Bobby apenas conseguiu vestir a sua calça jeans. Sua camisa estava amontoada em um punho e ele parecia tão chocado com as palavras de

195


Tommy que foi quase divertido. Tommy passou os braços em torno de Bobby e o puxou para perto. Ele não gostou do cheiro, era tudo errado. Era o cheiro de sabão estéril e outras pessoas e uma pitada de sangue de uma ferida que mal tinha começado a cicatrizar. Ele respirou fundo de qualquer maneira. “Estou tão feliz que você esteja bem.” Entre a falta de sono e o terror da noite anterior, Tommy sentiu que estava pronto a desmoronar. “Eu não vou a lugar nenhum, Tom,” Bobby sussurrou-lhe. O choque parecia ter desaparecido, e Bobby passou o braço em volta dele. “A maioria dos policiais no nosso distrito não veem mesmo tanta ação como eu fiz na noite passada. Não há nenhuma maneira que isso vá acontecer duas vezes para mim, ok?” Tommy tinha o rosto enterrado no pescoço de Bobby. Ele não disse nada, mas ele acenou com a cabeça. Ele odiava cuidar tanto sobre outra pessoa. Ele odiava ter a vida de Bobby nas mãos de estranhos a cada dia. Ele odiava que ele não pudesse mudar a maneira como ele se sentia. “Ok,” ele sussurrou em uma respiração áspera. Bobby estava prestes a dizer algo mais, mas a porta se abriu, e a enfermeira entrou com uma cadeira de rodas. “Bate, bate, seu carro está pronto.” Ela parou quando os encontrou embrulhados em torno de si. “Precisa de um minuto?” Seu rosto era tão impassível que Tommy percebeu que ela ficou um pouco ofendida com o que ela tinha visto. Foda-se se ela não gostou.

196


“Não, nós estamos bem”, ele disse a ela quando Bobby se esforçou para puxar a camisa sobre a cabeça com um braço bom. A enfermeira empurrou a cadeira no quarto e virou-se para encarar a porta. “Tem todos os seus pertences pessoais?” Tommy estava pegando as coisas que ele conhecia que eram de Bobby e colocou-as no saco plástico grande que o hospital tinha fornecido. “Entendi tudo bem aqui.” Ele olhou ao redor novamente e perguntou a Bobby, “Onde está seu uniforme?” “Eles tiveram que cortar a camisa e a calça esta... Vou pegar um novo. Meu sargento deu meu crachá a mamãe para levar para casa.” “Tudo bem.” Tommy poderia dizer que Bobby ainda não era ele mesmo, mas ele achou que era de se esperar. Muitas pessoas não viveram o que ele tinha, e aqueles que viveram tinha o direito de estarem um pouco abalados, tanto quanto Tommy estava preocupado. “Parece que você está pronto para ir, então.” Bobby sentou-se na cadeira de rodas. Ele parecia mais cansado do que Tommy já tinha visto nele. Ele imaginou que Bobby tinha direito a isso também. Demorou alguns minutos para pegar o carro para onde Bobby estava esperando com a enfermeira. Ele puxou com cuidado para o meio-fio e saiu para abrir a porta para ele. “Mamãe deve gostar de você,” Bobby disse enquanto se levantava. “Ela ainda não me deixou dirigir seu carro.”

197


Tommy fechou a porta do passageiro para Bobby antes de ficar atrás do volante. “Ela pode mantê-lo. Eu sinto que eu estou tentando pilotar uma nave espacial nesta coisa.” Bobby tinha fechado os olhos e inclinou a cabeça para trás contra o assento de couro, mas ele estava sorrindo. Ele cuidadosamente estendeu a mão e apoiou-o na coxa de Tommy enquanto Tommy dirigia.

198


Capítulo 10 Tommy só esteve no apartamento de Bobby uma vez no tempo em que estiveram juntos, a qual foi no meio da noite após um longo turno no pub, mas lembrou-se do caminho. “Este lugar parece menor durante a noite”, disse ele quando ele puxou para a calçada. “É por causa de todas as árvores.” Bobby estudou a casa que ele tinha crescido como se estivesse vendo pela primeira vez antes dele abrir a porta do passageiro. “Elas escondem metade da casa no escuro.” Tommy pegou as coisas de Bobby do banco de trás e trancou o carro antes dele seguir Bobby em torno da casa de Judy ao seu pequeno apartamento na garagem ao lado. “Eu posso ver por que ela estava tendo um momento difícil de manter o lugar sem você. É enorme." Bobby tentou dar de ombros, mas pareceu pensar melhor nisso enquanto ele revistava os bolsos vazios da calça jeans. Tommy percebeu o que estava fazendo e lhe entregou o anel de chaves de Judy, assumindo que ela tinha uma chave para o seu lugar. “Obrigado,” Bobby murmurou enquanto abria a porta. “E a casa não é realmente tão grande. Apenas quatro quartos.” Apenas quatro quartos com um grande quintal e um deck que envolvia em torno da casa. A fogueira em um círculo de árvores e um balanço ajustado nas costas a qual Tommy mal conseguia ver o topo da garagem.

199


Tommy seguiu-o e tirou os sapatos quando Bobby fez. As cortinas estavam fechadas, por isso Tommy encontrou o interruptor de luz perto da porta. O apartamento de Bobby era bom, considerando que uma vez tinha sido uma garagem. Na sala principal, havia um pequeno sofá com uma capa de veludo azul escuro sobre ele em frente à parede de tijolos onde Bobby tinha montado sua televisão de ecrã plana. No canto tinha um bar com uma pia e um forno elétrico, um micro-ondas e um frigobar. O outro lado da sala tinha sido dividida com telas que, Tommy se lembrava da última vez, escondia a cama queen-size3 de Bobby e a cômoda. O banheiro abrigava somente um pequeno chuveiro e um vaso sanitário. Não era realmente um grande, era apenas um apartamento, mas estúdio de bacharel era tranquilo e limpo, e me senti como em um pequeno oásis de Tommy, um em que ele desejou muitas vezes que ele pudesse passar mais tempo nele. Bobby desapareceu atrás das telas que compunham seu quarto. “Você precisa voltar para casa agora?” Sua voz era abafada e Tommy assumiu que ele estava mudando suas roupas. Na verdade, parte dele queria ir direto para casa. Ele não gostava de sair e deixar Max e Zoe com qualquer pessoa em qualquer circunstância. Ao mesmo tempo, porém, o resto das crianças não estaria em casa por algumas horas e os gêmeos, mesmo se eles acordassem, seriam, pelo menos, bem alimentados com Judy. Se Cal e Cheryl se mostrassem, poderia ser... Bem, Tommy realmente não queria pensar sobre como isso poderia ser, mas ele descobriu que as chances eram escassas. Eles já tinham feito sua aparição, 3

Cama gigante

200


poucos dias antes, e Cal lhe tinha dito que eles estavam indo para o sul para ver a irmã de Cheryl. Tommy tinha pena de sua irmã, mas não o suficiente para tentar dissuadi-los de saírem da cidade por um tempo. “Sua mãe disse que eu deveria me certificar de que você estivesse bem acomodado.” Bobby enfiou a cabeça ao redor da tela, com um sorriso no rosto. "Oh sim?" Tommy simplesmente assentiu antes de se aproximar. “Ela até me disse para tomar meu tempo” ele sussurrou, quando ele chegou perto o suficiente para tocar Bobby. Bobby ficou na frente dele sem camisa e calça jeans desabotoadas. “Eu tenho pelo menos três horas antes de Colleen chegar em casa com as crianças, então...” “Então...” Bobby ecoou e se inclinou para um beijo. “Você quer me ajudar a colocar algo sobre este curativo para que eu possa tomar um banho rápido?” “Você quer dizer a mim mais sobre isso de banho de esponja que recebeu esta manhã?” “Isso depende,” Bobby disse a ele, tomando-o pela mão e levando-o para a pequena cozinha. Encontrou algum filme plástico debaixo da pia e passou para Tommy. “Você vai se juntar a mim no meu chuveiro?” O chuveiro com box era apenas suficientemente grande para os dois se encaixarem juntos, mas Tommy não se importava. A água estava quente quando ela pulverizou sobre eles, e Bobby estava tão perto que Tommy não teve escolha de tocá-lo. Ele pegou a garrafa de xampu da prateleira pendurada no canto e derramou um pouco na palma da mão enquanto Bobby molhava o

201


cabelo. “Aqui,” ele murmurou, virando Bobby suavemente até que estava de costas para Tommy. Tommy trabalhou em uma espuma rica no cabelo de Bobby, os dedos fortes massageando até o couro cabeludo, o pequeno espaço preenchido com o cheiro que Tommy estava desaparecido. O vapor cheirava como limões e algo terra que Tommy não podia nomear, mas era familiar e fez sorrir enquanto lavava o cabelo de Bobby. Bobby soltou um suspiro profundo e relaxado contra Tommy. Ele baixou a cabeça para á frente sob a água corrente quando Tommy deslizou as mãos mais abaixo. Tommy esfregou ombros e pescoço de Bobby e encontrou pequenos nós sob a pele, aliviando-os com os polegares. Tommy teve o cuidado com a ferida no braço de Bobby e evitou-a completamente, mas ele idealizou todos as outras partes do corpo. “O

seu

banho

de

esponja

foi

melhor?”

Tommy

perguntou

provocativamente. Bobby riu suavemente. "Nem mesmo perto." Ele se apertou contra Tommy enquanto o sabão escorria pelas costas. Tommy já estava duro, e não demorou muito incentivo para levá-lo a balançar seus quadris contra o calor manchado da pele de Bobby. Ele amaldiçoou o fato de que eles não tinham pensado em trazer um preservativo com eles. Teria sido tão fácil de segurar Bobby lá e deslizar para dentro. Um leve gemido escapou da garganta de Bobby e Tommy envolveu os braços ao redor dele. Ele abraçou e pressionou o rosto contra o ombro de Bobby. O chuveiro estava inclinado apenas para a direita, e Tommy estava

202


grato por isso, embora ele imaginasse se ele se afogaria esta era a única maneira que seria pena. Ele se apertou contra o traseiro de Bobby, seu pênis rígido através de água e sabão antes de deslizar entre os músculos. Tommy soltou um gemido áspero, e ele podia sentir sua ereção tocando contra a abertura de Bobby, mas ele inclinou seus quadris e balançou contra ele em seu lugar. Bobby ofegava e gemeu e se contorceu nos braços de Tommy antes de pegar uma das mãos de Tommy e puxando-o para baixo de seu peito. Ele guiou Tommy à sua ereção quando Tommy começou a empurrar contra ele. “Faça-me gozar, Tom.” As palavras por si só poderia ter sido um comando suave, mas soou mais como um apelo quando Tommy passou os dedos ao redor do pênis de Bobby e começou a acariciá-lo. “Não”, respondeu ele, não dando a Bobby muito mais do que um aperto quente para empurrar para dentro. Ele beijou a nuca de Bobby e depois beliscou com os dentes. "Por quê?" Tommy quase riu. O tom de Bobby era puro aborrecimento e necessidade. “Porque,” ele sussurrou, pegando a orelha de Bobby em seus dentes enquanto ele se movia com mais força contra ele. “Eu quero que você me foda.” Ele deixou as palavras se sentar lá por um minuto enquanto Bobby ofegava para respirar, e Tommy lutou contra outro gemido antes de prosseguir. “Em sua cama.”

203


Bobby assobiou entre os dentes e, em seguida, murmurou uma maldição afiada. “Estamos limpos o suficiente,” ele disse quando ele abruptamente desligou a água. Tommy ainda estava dolorosamente duro porque Bobby havia se afastado segundos cedo demais, mas ele achou que era justo, considerando todas as coisas. Eles mal se incomodaram com a toalha, sua pele ainda úmida quando Bobby puxou-o pela mão, para o quarto improvisado. Ao pé da cama, Bobby passou a mão em cima do ombro de Tommy e passou os dedos em seu cabelo. "Tem certeza disso?" Tommy se aproximou e se apertou contra Bobby, deixando Bobby sentir sua ereção entre eles. "O que você acha?" Ele podia entender a hesitação de Bobby. No tempo que estiveram juntos, ele só foi fundo para Bobby uma vez. Bobby tinha assumido que Tommy era um topo, porque é assim que as coisas geralmente funcionavam entre eles, e Tommy não se preocupou em corrigi-lo. Demorou muito para levá-lo a relaxar o suficiente, mesmo com Bobby, para aproveitar a vulnerabilidade de ser fundo. Ele se inclinou e roçou os lábios contra Bobby antes dele sussurrar: “Eu gosto da maneira como se sente ao ter você dentro de mim, Bobby. Mesmo que eu não goste de admitir isso.” Bobby não disse nada sobre isso. Ele beijou Tommy novamente e deslizou as mãos para baixo pelos lados de Tommy até que alcançou seus quadris. Ele puxou-os bem juntos e moveu apenas o suficiente para deixar seus pênis esfregar.

204


Tommy sentiu como se estivesse indo cair ou vir ou ambos, se eles não parassem em breve. Ele puxou Bobby para baixo em cima da cama e quebrou o beijo tempo suficiente para subir mais no colchão. Bobby seguiu-o, apoiando-se com o braço direito, enquanto ele cuidadosamente deslizou a outra mão para baixo do corpo de Tommy. Eles pressionaram juntos por longos minutos, simplesmente tocando e beijando um aos outro, até que Bobby se inclinou para trás. “Eu não posso chegar à cabeceira, mas...” Tommy entendeu e se virou. Ele abriu a gaveta do criado mudo e encontrou uma tira de preservativos e uma garrafa de lubrificante bem em cima. Tommy quase riu, pensando na bagunça que era seu próprio lugar sendo comparado com o de Bobby. Tudo sobre Bobby era limpo e arrumado. Havia um lugar para tudo na vida de Bobby, e tudo estava em seu lugar. Ele começou a se perguntar onde exatamente era o lugar de Tommy em tudo isso, mas ele decidiu que era melhor não ir por esse caminho. “Venha aqui,” Bobby sussurrou e Tommy voltou para ele. Tommy arrastou os dedos pelo peito de Bobby enquanto ele deslizava seus pés descalços contra Bobby. “Nós vamos gozar logo, se não formos cuidadosos.” As palavras eram mais para si mesmo do que Bobby enquanto ele lutava para manter suas outras responsabilidades em seu radar. Foi difícil de fazer quando Bobby estava deitado ao seu lado, sorrindo para ele, e movendo-se lentamente para outro beijo.

205


Ele podia sentir o sorriso de Bobby contra seus lábios enquanto Bobby sussurrou, “Pare de protelar, então.” Ele quase se atirou em cima de Bobby, mas ele se lembrou de que seria uma dor para Bobby para se sustentar nessa posição. Ao contrário, ele perguntou: “Quem está parando?” E virou para o lado. Ele podia sentir Bobby exalar contra o ombro dele, sentir os dedos de Bobby deslizando sobre sua pele, mas ele ainda quase saltou quando Bobby correu um dedo liso contra sua entrada. “Tudo bem?” Perguntou Bobby, deixando um rastro de beijos sobre o ombro de Tommy e até seu pescoço. “Agradável” disse ele, quase envergonhado quando Bobby respirou uma risada contra seu ouvido. “Talvez eu devesse amarrá-lo em algum momento”, Bobby disse a ele quando ele escorregou seu dedo mais para dentro. “Não deixar que você goze por horas.” Tommy perdeu a noção do que mais Bobby estava fazendo atrás dele e ficou preso nas palavras de Bobby. Ele nunca se sentiu confortável o suficiente com ninguém para deixá-lo amarrá-lo antes, e Cristo sabia que ele nunca tinha tido esse tipo de privacidade, mesmo se ele tivesse se disposto. Mas, a ideia dele e Bobby sozinho por um dia inteiro juntos, de deixar Bobby fazer o que quisesse, enviou um choque de calor elétrico através de Tommy que foi uma distração tão perversamente, que ele mal notou Bobby empurrando para dentro dele até que a cabeça do pênis de Bobby passou pelo anel de músculos.

206


“Santa Mãe de Deus,” Tommy gemeu. Seu corpo ficou tenso por um segundo até se lembrar de respirar e deixar que isso acontecesse. Bobby fez uma pausa, e Tommy podia sentir todo o corpo de Bobby tremendo atrás dele. “Tudo bem?” Bobby perguntou de novo, com a voz tensa, e Tommy poderia apenas acenar em resposta. “Eu posso ir mais devagar ou...” Tommy fez um som frustrado e empurrou de volta contra ele. “Eu pedi que você me fodesse, não me provocasse.” Bobby soltou outra risada ofegante, como se soubesse que Tommy estava sendo teimoso. Ele não empurrar com mais força ou se mover mais rápido, mas ele moveu os seus quadris até que ele estava dentro. Quando Tommy gemeu e pressionou de volta, Bobby perguntou: “Melhor?” Tommy podia imaginar o sorriso no rosto de Bobby, e ele podia sentir os lábios de Bobby inclinando-se contra a parte de trás do seu pescoço. “Melhor” ele concordou quando eles começaram a se mover juntos. Como eles caíram em um ritmo aquecido, Tommy deixou-se ir. Para uma das primeiras vezes em sua vida, que ele não pensou sobre as suas obrigações ou o que poderia estar esperando por ele quando ele chegasse em casa. Ele não pensou sobre a sua família ou a sua sorte de merda ou que ele e Bobby eram tão errados um para o outro. Ele não pensou sobre as maneiras que ele tinha mudado desde que tinham estado juntos ou as maneiras que Bobby tinha mudado. Deixou-se sentir Bobby dentro dele. Ele deixou Bobby assumir o controle de uma vez. Em vez de orientar Bobby e empurrar Bobby e

207


exigindo algo de Bobby, Tommy deixou tudo cair e saboreou a experiência de se perder com ele. Tommy sentiu a mão deslizando de Bobby sobre seu peito e estômago. “Goze para mim, Tom.” A voz de Tommy saiu em um grunhido acentuado nas palavras, e ele envolveu seus dedos ao redor de seu pênis. Ele começou lentamente a princípio, fora de sincronia com o movimento dos impulsos de Bobby, mas depois de um momento, ele não poderia levá-lo e começou a corresponder cada unidade dos quadris de Bobby. Ele trabalhou seu pênis movendp até que ele pudesse dizer a Bobby que estava no limite. Seus movimentos tornaram-se desleixados, fora de controle, e mais desesperados enquanto eles trabalharam para gozar. Com um gemido áspero no ouvido de Tommy, Bobby bateu duro para ele, e ele empurrou Tommy sobre a borda. Ele gozou com um grito abafado, respirando com dificuldade como seu estômago e o lençol debaixo dele foi revestido no líquido branco e espesso. “Oh Jesus, Tom,” Bobby murmurou e abaixou a cabeça no ombro de Tommy. Tommy pressionou contra ele e tentou mover-se com ele, mas as sensações foram muitas, e no final, ele deixou Bobby empurrar para ele por um longo momento até que Bobby gozou dentro dele. Eles ficaram presos juntos, Bobby segurando-o com força enquanto ele ofegava contra o cabelo de Tommy. Tommy entrelaçou os dedos pelos de Bobby e puxou a mão para cima, deixando apoio para as mãos de Bobby

208


contra seu peito, cobrindo o batimento cardíaco. “Eu deveria deixar você fazer isso mais vezes” ele sussurrou enquanto seus olhos se fecharam. A risada suave de Bobby o fez sorrir. “Sim, você deveria. Talvez algum tempo quando eu não estiver em recuperação de cirurgia.” “O que fizeram com você quase não se qualifica como cirurgia,” Tommy disse para ele, rindo com Bobby. “A única razão que não era um procedimento de ER foi porque eles queriam que o cirurgião plástico para costurá-lo. Não seja um bebê.” Bobby soltou uma gargalhada antes de dizer: “Você é um idiota.” Ele se afastou então e alcançou entre eles enquanto ele cuidadosamente se retirou de Tommy. Tommy não se preocupou em virar-se ou até mesmo se mover. Ele se sentia muito bem onde ele estava mesmo com a mancha molhada esfriando contra seu estômago. Ele olhou por cima do ombro quando Bobby levantou-se, mas ele não prestou muita atenção depois disso. Tudo ficou em silêncio em sua mente, e antes que ele percebesse, ele estava acordando ao som da voz de Bobby. “Tom”, Bobby sussurrou. Tommy virou-se e se envolveu em torno de Bobby. “Eu provavelmente deveria começar a me mexer”, ele murmurou, ainda querendo voltar a dormir, sem saber se ele já tinha estado fora por um minuto ou uma hora já. “Que horas são?” Perguntou ele, embora parte dele não quisesse saber a resposta. “ Passa das duas,” Bobby disse a ele depois de uma pausa.

209


Tommy podia sentir os dedos de Bobby se movendo em sua pele em um padrão suave e quente. Bobby jogou com seu cabelo e acariciou seu ombro em varreduras do concurso. “Merda,” Tommy levantou a cabeça preguiçosamente e riu. “Se eu chegar em casa depois que as crianças cheguem, sua mãe vai aprender da maneira mais difícil a não se oferecer para tomar conta novamente.” “Ela é mais resistente do que você pensa.” “Devido o fato de que você é exatamente como ela, eu não duvido.” Foi a vez de Bobby rir antes dele se inclinar e pegar a boca de Tommy em um beijo. Algo parecia fora de Tommy, e ele estava tentando decidir se ele teria tempo suficiente para descobrir o que era exatamente. A memória da noite anterior e o que sentiu quando ele pensou que ia perder Bobby para o bem o fez perguntar: “Você está bem aí, cobre?” “Sim” respondeu Bobby, mas ele não chegou a conhecer a atenção de Tommy. “Você tem certeza disso?” Tommy sabia que não devia imprensar. Ele odiava quando as pessoas o empurravam para respostas que não queria dar, mas ele estava curioso agora, e preocupado, e um monte de outras coisas que ele não estava disposto a nomeá-las. Bobby assentiu e se afastou para deixar Tommy se levantar. “Sim, apenas... Você deveria ir.” Isso não era o que Bobby tinha estado a ponto de dizer, e Tommy sabia disso.

210


“Mas...?” Tommy solicitou quando ele tomou a sugestão de Bobby e puxou para trás também. Ele se sentou e começou a procurar as suas roupas. Quando Bobby não se expandiu em qualquer coisa ou até mesmo respondeu, Tommy perguntou: “Você se assustou sobre a noite passada?” Ele tinha ouvido falar de estresse pós-traumático, e ele sabia que, por vezes, a reação de uma pessoa para algo poderia ser adiada. Bobby não parecia o tipo para isso, mas quem diabos sabia? Tommy não tinha certeza de como ele iria lidar em levar um tiro. Ou ter que atirar em alguém. Tommy vestiu a calça jeans quando ele encontrou em uma pilha no chão perto do outro lado da cama. Ele e Bobby não tinham sido cuidadosos sobre onde eles jogaram suas roupas quando eles tinham ido para o chuveiro mais cedo. Ele olhou para cima fechando o botão da calça jeans quando Bobby falou. “Eu não sei, realmente não. Talvez eu devesse estar, mas... Sim. Eu quis dizer o que eu disse, Tom. Foi difícil, foi assustador, mas eu fiz o meu trabalho, e eu estou bem com isso. Eu fui treinado para isso. Eu vou saltar através dos aros do departamento, e eu vou ver o psiquiatra quando me enviarem. Vou me sentar na minha bunda por um tempo até que os doutores me liberarem para o trabalho, mas eu estou bem.” “Você ainda parece um pouco assustado.” Foi um comentário improvisado enquanto Tommy procurava os sapatos, não que ele esperasse uma resposta a isso.

211


Bobby soltou uma risada. “Se alguma coisa está me assustando aqui, é você.” Tommy parou o que estava fazendo e olhou para Bobby. Ele estava tentando descobrir se Bobby estava brincando ou não, mas o olhar em seu rosto lhe disse que Bobby estava sendo completamente honesto. “Que diabos eu fiz?” "Você é apenas... Eu não sei mesmo o que você é. Durante os últimos seis meses eu tive que lutar com unhas e dentes por cada polegada com você, e agora, desde ontem à noite, você olha para mim como um filhote de cachorro com corações dos desenhos animados tremulando sobre sua cabeça. Isso está me assustando muito.” Bobby não gritou, mas as palavras me fizeram sentir como um tapa, e irritou Tommy instantaneamente. “Você está me gozando? Você esteve me dizendo há meses que eu deveria me abrir, que eu deveria apenas desfrutar o que temos, que eu deveria deixá-lo ser mais, e agora você está me dizendo que isso está deixando você louco quando eu realmente tomo o seu conselho maldito?” Tommy encontrou a camisa do outro lado da cama, e ele puxou-o em cima da cabeça como se a coisa estivesse chateado. Bobby conheceu a agressão e se levantou. “Um pouco, sim!” Ele pegou a calça de moletom da sua gaveta da cômoda e vestiu antes de continuar. “Quero dizer, inferno, Tom, se eu soubesse desde o início que tudo o que eu tinha a fazer era receber uma bala para você chegar ao meu canto, eu teria tentado meses atrás!”

212


Tommy só tinha conseguido encontrar um sapato até agora. Ele segurou na sua mão quando ele se aproximou de Bobby e disse: “Ah, é? Como é isso, Bobby? Foda-se!” “Foda-me? Foda- me? Foda-se, Tommy! Você não poderia agir assim, há uma semana, não é? Não. De jeito nenhum. Porque Deus não permita que você realmente admita dar a mínima para nada até a hora final.” "Sim? Bem, talvez eu não queira pensar sobre isso até então. Talvez fosse o suficiente para assustar a merda fora de mim. Talvez eu esteja esperando que não seja a hora final, e talvez eu pensei que você deveria saber como me senti no caso da próxima bala você tomar não seja uma ferida na carne maldita!” Parecia que Tommy com suas palavras tinham atingido algo em Bobby. Ele congelou onde ele se levantou e limpou a garganta. Tommy voltou a olhar para o sapato perdido. “Talvez você esteja certo,” Bobby disse suavemente. Ele parecia que feria admiti-lo. Tommy parou sua busca e olhou para Bobby. “Eu estou sempre certo” disse ele com os dentes cerrados. Bobby riu em uma respiração. “Se por sempre quer dizer quase nunca.” “Foda-se.” As palavras podem ter soado cruel, mas Tommy temperou-as com o seu sorriso. Ele deu um passo mais perto de Bobby, ainda segurando o único sapato na mão. Bobby andou até meio e colocou seu braço ileso volta do pescoço de Tommy. “Não há tempo para isso, idiota.”

213


Quando Tommy baixou a cabeça para tocar seus lábios com os de Bobby, ele sussurrou “Isso é muito ruim. Eu acho que tenho direito a um boquete de desculpas agora.” “Você provavelmente tem, mas eu vou ficar te devendo uma.” “Eu vou me lembrar disso mais tarde” disse Tommy com uma risada antes de ele tocar boca de Bobby em um beijo suave. Quando ele se afastou, ele chamou a atenção de Bobby e segurou-a por um longo momento. “Ei,” Bobby sussurrou. “Eu também te amo, Tom.” Bobby decidiu voltar para a casa com Tommy. Ele disse que não queria ficar trancado em casa, porque ele iria ficar agitado, mas Tommy pensou que ele provavelmente queria ver as crianças. Eles chegaram antes de Colleen e os outros com apenas alguns minutos de sobra. Enquanto caminhavam até os degraus da frente, Tommy disse: “Sem gritos, o que tem que ser um bom sinal, certo?” Bobby riu e colocou uma mão reconfortante no ombro de Tommy. “Tenho certeza que eles estão bem, Tom.” Ele estava certo, é claro. Quando chegaram lá dentro, Judy estava sentada no chão com os gêmeos, que estavam bem acordados e que pareciam felizes. Ela estava cantando a música “ABC” para eles e usando sua placa do alfabeto quebra-cabeça, mostrando-lhes cada letra quando ela ia. Eles foram cativados. Ela só acenou para eles quando eles entraram e terminou sua canção antes de finalmente olhar para cima com um sorriso. “Você deveria estar em casa descansando,” ela repreendeu seu filho quando ela se levantou.

214


Max se levantou e cambaleou atrás dela com as mãos levantadas, mas Zoe fez um caminho rápido para Bobby. “Estou bem, mamãe, eu prometo. Vou descansar bastante nos próximos dias.” Judy parecia que ela queria protestar, mas mudou de ideia quando ela pegou Max e olhou para Tommy. “Eles foram trocados e eu os alimentei com um pequeno lanche. Eles dormiram apenas até uma hora ou mais.” “Muito obrigado, Sra...” Quando Judy levantou a sobrancelha para Tommy, ele se corrigiu. “Judy. Obrigado por cuidar deles.” Ela sorriu brilhantemente quando Tommy disse o nome dela. "Qualquer hora querido." Bobby pegou Zoe pela mão e caminhou até o sofá com ela. Ela subiu em seu colo, e eles estavam jogando calmamente. Judy continuou. “Eu quero dizer isso. Eu adoraria cuidar deles novamente se você decidir que quer se dar uma pausa.” “Eu vou manter isso em mente.” Era uma mentira, e Judy parecia que ela sabia disso. Ela ainda revirou os olhos para ele exatamente como Bobby teria. Antes que ele pudesse dizer qualquer outra coisa, a porta se abriu, e Carrie correu para dentro da casa. Davey e Mike estavam atrás dela com Colleen e Collin atrás. Os dois últimos não tinha passado na porta antes de Carrie estar falando. “Tommy, quando Colleen nos pegou, Davey estava em uma luta!”

215


Tommy não precisava da atualização, ele podia ver o olho roxo de Davey antes que as palavras saíssem de sua boca. “O que diabos aconteceu?” Perguntou ele, esquecendo-se que havia mais alguém na casa. Ele aproximouse Davey e inclinou o queixo para cima. “Alguém socou bem.” Davey estremeceu. “Dói, também.” "Eu aposto. Derrame,” Tommy insistiu. Quando Davey estava prestes a girar seu conto, Collin entrou com Colleen. Ele deu uma olhada para Judy com Max nos braços, olhou ao redor da sala para seus irmãos e irmãs, e voltou-se para fora da porta em grande velocidade. Colleen chamou-o, mas ele nem parou. “Isso é uma droga,” Tommy murmurou e olhou para Judy. “Ele acha que você é uma assistente social.” O ar ainda estava quente, não era completamente outono, quando Tommy perseguiu Collin como se sua vida dependesse disso. Ele sabia que seu irmão poderia superar quase qualquer um, e ele não era exceção. “Collin Joseph O'Shea!” Ele gritou. “Você traga a sua bunda aqui agora!” Tommy tinha um ponto a seu lado, e ele teve que parar de correr para recuperar o fôlego. Ele deu alguns passos e olhou em volta. Seu irmão estava longe de ser visto. Em seu bairro, Collin sabia que os becos e arbustos para se esconder atrás como ninguém. Se ele queria desaparecer, ele não teria qualquer dificuldade em fazê-lo. Ele ouviu a voz de Collin de algum lugar atrás dele.

216


“Você tem que voltar lá e pegar Max!” “Jesus,” Tommy murmurou, sua voz cheia de desespero e irritação. Ele pensou que ele sabia porque Collin correu, e doeu em muitos níveis. “Ela é a mãe de Bobby, Collin, agora venha aqui!” Ele estava gritando para o sol da tarde, porque ele ainda não conseguia ver seu irmão. Um movimento chamou sua atenção e Tommy viu Collin abaixar a cabeça por trás de um galpão de armazenamento em um dos pátios do vizinho. Ele examinou a área como se estivesse à espera de uma emboscada e depois deu um passo hesitante saindo do seu esconderijo antes de vir para Tommy. Tommy podia sentir suas narinas dilatadas. Ele estava com raiva, e ele deixou-o fora em sua voz quando ele disse: “Você acha que alguém está vindo para levá-lo para longe de mim e você corre?” Ele estava lutando contra o desejo de sacudir Collin. Ele ficou de joelhos na frente dele. “Você deixa suas irmãs e Max à própria sorte?” Ele perguntou, sabendo que seus olhos estavam escuros enquanto olhava para Collin. “Isso não está certo, Collin. Você nunca vira as costas para a família. Pensei que você fosse melhor que isso.” Ele esperava ver Collin olhar para baixo na vergonha com suas palavras, mas sim seu irmão levantou o rosto e encontrou os olhos de Tommy. “Eu não faria isso!” Gritou e fechou os punhos. “Eu tenho um plano, Tommy. Se eles vierem atrás de nós de novo, eu vou correr. Vamos precisar de alguém de fora para obtê-los todos de volta.”

217


Collin mordeu o lábio enquanto esperava por Tommy dizer alguma coisa. Tommy estava lutando com suas emoções e não tinha certeza de como responder a qualquer uma delas. Por um lado, ele estava condenado orgulhoso de Collin. O garoto era um lutador e sempre tinha sido. Ele estava disposto a fazer qualquer coisa que o levasse para manter sua família unida, e ele usava sua lealdade como um distintivo de honra. Ao mesmo tempo, porém, Tommy odiava que eles tinham o tipo de vida em que uma criança de dez anos de idade, sentia a necessidade de fazer esse tipo de plano de backup. Ele envolveu Collin em seus braços e o abraçou com força. “Isso é o que você tem a mim para, garoto.” Ele podia sentir Collin acenar contra o ombro dele, ele continuou. “Eu sou o único que vou trazer todos de volta se isso precisar ser feito, ok?” Quando Tommy se afastou, Collin assentiu novamente. “Eu pensei que você pudesse precisar de alguma ajuda, no entanto.” “Eu vou” ele insistiu, apontando o dedo para o peito de Collin. “Eu preciso de você para estar com Max e Zoe e cuidar deles. Vocês três são os mais jovens, e eles tentam manter vocês juntos, certo?” Quando Collin parecia duvidoso, Tommy continuou. “Eu tenho Mike e Davey para cuidar de Carrie e você estará lá para Max e Zoe, tudo bem? Eu tenho que descobri ok?” Era uma mentira, e Collin provavelmente sabia disso lá no fundo, mas Tommy se lembrou da experiência o valor de uma mentira reconfortante sobre a dura verdade, às vezes. Ele imaginou que Collin queria acreditar nele, assim o fez.

218


Ele abraçou Collin mais uma vez antes dele se levantar. “Devemos voltar lá antes que Judy comece a cozinhar novamente.” Quando Collin lançou-lhe um olhar interrogativo, Tommy disse: “Você vai ver.” Quando voltaram para a casa, Bobby estava sentado com Carrie e Max. Soou como se Carrie estivesse dizendo a ele sobre seu primeiro dia de escola. Ela parecia animada, mas realmente, Tommy pensou que sua excitação era sobre Bobby estar lá em vez do hospital. Ele podia ouvir ruído da cozinha e adivinhou que o resto da família estava lá dentro. Collin se separou dele para se aproximar de Bobby enquanto Tommy continuou pela casa. Davey estava sentado à mesa segurando um saco de ervilhas congeladas em seu olho, enquanto Mike e Colleen mastigavam cenouras de uma bandeja vegetal que Judy tinha trazido. Zoe estava sentado feliz no colo de Judy enquanto ela, Colleen e Mike estavam aparentemente se lembrando dela de quando ela foi sua professora. Tommy sentou-se ao lado de Davey. “Agora que eu lidei com seu irmão, você vai me dizer o que aconteceu?” “Um cara me bateu depois da escola, Tommy.” Tommy estava cético e suas suspeitas foram justificadas quando Colleen bateu em Davey na parte de trás da cabeça do outro lado da mesa. “Ai!” “Agora diga-lhe o resto sobre o porquê que um cara decidiu aleatoriamente saltar em você.” Ela parecia que poderia acertá-lo novamente para uma boa medida.

219


Davey se deixou cair em sua cadeira e olhou para Tommy com um olho. “Ele era o irmão mais velho de alguma criança. Ele descobriu que eu ganhei do seu irmão no jogo de dados todos os dias na semana passada e ganhei a sua grana.” “Que criança?” Ele perguntou, sabendo que não era realmente a principal prioridade, mas ele estava curioso. "Como diabos eu deveria saber? Eu joguei com um monte de crianças na semana passada.” Tommy bufou um suspiro de frustração e revirou os olhos. “Então, o irmão veio para obter o seu dinheiro de volta para ele, ou ele simplesmente tirou-o da sua pele?” “Ele queria o dinheiro, mas eu lhe disse que já havia gastado.” "Você gastou?" “Não. Está no fundo de emergência.” “Então você levou uma surra em vez de apenas dar-lhe de volta?” Davey olhou para ele como se Tommy tivesse perguntado a mais estúpida pergunta possível. “Claro Tommy. Essa é a nossa energia elétrica neste inverno. O que você teria feito?" Foi um ponto justo, e todos sabiam disso, mas Tommy disse: “Eu não teria enganado crianças pequenas com dados carregados para começar.” Ele beliscou a ponte de seu nariz e soltou um suspiro profundo. “Você pode descobrir quem era o miúdo?” "Provavelmente."

220


“Faça-o, então, e dê-lhe o seu dinheiro de volta.” Parecia que Davey estava prestes a protestar, mas Tommy interrompeu-o antes que ele se fosse. “Não me dê qualquer merda, Davey. Uma coisa é pegar algo que realmente precisamos, mas roubar de pessoas - de crianças - é pior. Eu não posso explicá-lo, mas é pessoal, e isso dói em uma pessoa de uma forma que no papel higiênico de uma prateleira não, ok?” Davey assentiu, mas parecia que ele ainda não concordava com a lógica. “Agora vá buscar seus dados e todos os cartões de truque de jogo ou qualquer outra coisa que você tem escondido.” Davey levantou-se como se estivesse indo cumprir, mas primeiro ele disse: “É uma boa lição para eles. Eles sabem que não devem jogar.” Ele se virou e saiu da cozinha. “Ou isso vai transformá-los em viciados em jogos de azar ou configurálos para serem vítimas para o resto de suas vidas!” Tommy falou depois dele. “Você quer isso em sua cabeça, Davey?” Ele não obteve uma resposta, mas ele não esperava uma. Tommy se inclinou para frente e bateu com a cabeça na mesa. “Ele vai se transformar em algum ladrão de banco ou algo assim, eu juro por Deus.” Tommy tinha se esquecido de que Judy estava sentada ao lado dele até que ouviu sua voz. “É uma fase”, disse a ele. Tommy saltou com suas palavras e Judy riu. “Bobby foi expulso na quinta série por levar uma revista suja que tinha encontrado em uma lixeira para a escola.” Ele levantou a cabeça quando Mike e Colleen riram. Tommy sorriu. “Eu estou tão apaixonado por essa história, eu não posso agradecer o suficiente.”

221


Judy riu também, mas Tommy continuou. “Esta não é uma coisa de uma única vez para ele, no entanto. Este é o seu MO4, você me entende?” Judy concordou quando ela entendeu e, para a surpresa de Tommy ela deixar a pseudo palavra “não é” ir sem comentário, mas ela disse: “Ele faz essas coisas pelas razões certas, Tommy. Ele só faz más escolhas em como alcançar seus objetivos. Isso é algo que pode ser tratado, e você está fazendo isso. Ele não vai ser um criminoso na vida se ele tem você como um exemplo.” Tommy não estava disposto a admitir o quanto ele apreciava suas palavras, mas ele deu-lhe um pequeno sorriso.

4

Modus Operanti

222


Capítulo 11 O clima ficou mais frio e os dias ficaram mais curtos. Bobby estava de volta em serviço regular, e Wyatt tinha saído da sua ameaça. Ele voltou para casa na Ação de Graças e não deixou Colleen se afastar com suas desculpas. Eles estavam juntos novamente, mesmo com ele vivendo tão longe. Para grande desgosto de Tommy, Judy começou a aparecer por mais e mais vezes. Lembrou-lhe de Bobby aparecendo sem ser convidado em sua porta uma noite, há uma vida, com filmes e cerveja. Judy nem sequer trazia cerveja. Ela aparecia para ver como estavam as coisas. Ela aparecia porque ela tinha biscoitos recém-assados e havia muito para ela manter. Ela aparecia quando Bobby tinha mencionado um projeto da escola que uma das crianças estava trabalhando e ela teve uma ideia para torná-lo pop para o crédito extra. Ela aparecia porque ela sentia falta dos bebês. Ela aparecia porque ela queria trazer algo mais para Colleen. Ela poderia dar uma desculpa para qualquer ocasião, e ela fez isso com facilidade. As primeiras vezes que isso aconteceu, Tommy mordeu a língua e tentou não ser rude. Depois de várias visitas, ele tentou dizer algo para ilustrar educadamente que ele não gostava de visitas surpresa de ninguém. Seu protesto, o que era reconhecidamente fraco foi recebido com uma sobrancelha arqueada e um encolher de ombros. “Se eu chamar primeiro, você teria tempo para fazer uma desculpa,” Judy disse a ele.

223


“Não é esse o ponto de chamar primeiro? Para deixar alguém de fora se eles não querem lidar com alguém?” Judy inclinou a cabeça como se estivesse considerando as palavras de Tommy. “Eu suponho que isso seja verdade. Mas só entre você e eu, quantas vezes você diria que você estava livre e eu poderia vim?” Ele não respondeu, porque ambos sabiam o que ele diria se ele tivesse a coragem de admitir isso. “Então por que você continuar fazendo isso, se você já sabe que eu não gosto?” Ela riu em resposta. “Primeiro, eu acho que você está menos incomodado por isso do que iria admitir.” Isso era verdade, mas não havia maneira de Tommy ir dizer isso em voz alta. Judy iria tentar mover-se em seguida. “E segundo, eu acho que você fazer um trabalho fantástico com essas crianças. Sua vida é um pouco áspera em torno das bordas, mas há um monte de amor e um tipo estranho de respeito no cerne desta família.” Ela fez uma pausa, e Tommy podia sentir um mas... “No entanto, eu não acho que é uma coisa ruim para os seus irmãos saberem que têm outros adultos de confiança em suas vidas que eles podem recorrer se em caso de necessidade.” Tommy respirou fundo e estava prestes a protestar quando Judy deteve. "Coisas acontecem. As pessoas ficam doentes ou feridos, e quem está lá para eles, se isso acontecer?”

224


“Colleen e Mike podem cuidar até que eu esteja bem” Tommy disse a ela com firmeza. Ele odiava essa conversa, pelo menos em parte, porque Judy estava certa. “E se você não se recuperasse? Se algo sério acontecesse com você? Se você fosse atropelado por um carro ou... caísse num poço de elevador, o que fariam então?” Tommy podia sentir os músculos de sua mandíbula se contrair. “Colleen iria assumir e Mikey está bem atrás dela. Estamos fazendo isso desde sempre, Senhora.” Ele sabia que ele parecia irritado, mas as coisas estavam ficando fora de controle. Ao invés de recuar ou iniciar uma luta como Bobby teria feito, Judy balançou a cabeça e disse: “E agora vocês todos tem outro recurso que você pode confiar.” Obviamente, as coisas eram tão simples como isso no mundo de Judy. Ela não reconhecia que ela mudasse de ideia a qualquer momento e deixasse as pessoas que começaram a confiar nela alto e seco. Ela não tinha sequer conhecido Cal e Cheryl e não sabia o mundo de complicações e dores de cabeça que ela estava se oferecendo para ter. Ela pensou que poderia intervir e oferecer uma mão para sete crianças “adoráveis”. Ela não sabia o quão ruim poderia conseguir se Tommy parasse de tentar mudar sua mente. Às vezes era melhor parar e dar a alguém corda suficiente para que eles pudessem se enforcar.

225


Ele nunca disse as palavras “você ganha”, mas ele e Judy ambos sabiam que ela tinha. Sua vitória foi clara para todos quando o Natal rolou. Ele nunca foi um grande negócio em sua casa. Mesmo quando sua mãe estava viva e seu pai ainda era um bêbado feliz, falador, eles não fizeram muito para as férias. Os trajes de Halloween eram tudo o que as crianças puderam usar por conta própria. Ação de Graças era um peru seco e caçarola de feijão verde que ninguém gostava, mas eles sempre comiam de qualquer maneira. Natal era uma árvore falsa que seu pai tinha encontrado no lixo de alguém, em algum momento, com enfeites de plástico e alguns brinquedos das lojas de um dólar imitações baratas embrulhado em papel de embrulho colorido. Pelos últimos anos, tinha sido um pouco melhor. Mike e Davey sempre conseguiram obter uma árvore real, e Tommy e Colleen saiam do seu caminho, fazendo algo, para garantir que as crianças mais jovens tivessem pelo menos uma coisa nova para abrir na manhã de Natal. Colleen e Mike eram melhores cozinheiros do que a sua própria mãe tinha sido, portanto, jantar era presunto se eles pudessem pagar ou um peru agradável que Colleen geralmente teria como parte de uma gratificação de Natal de seu chefe. Havia inhame e purê de batatas, cenouras no mel, e rolos de jantar de verdade, não apenas pão branco com manteiga sobre ele. Era algo que eles fizeram uma vez por ano, algo que Tommy se sentia orgulhoso. A árvore ainda tinha os antigos enfeites de plástico, e não havia muito para manter debaixo dela, mas era um trabalho duro, e Tommy esperava lembrarem-se disso à medida que envelhecessem como algo agradável e especial, mesmo que não fosse muita coisa.

226


Judy, por outro lado, fez saber no início da temporada que o Natal ia ser um grande negócio. Ela insistiu em todos ir ao shopping juntos logo após a Ação de Graças e obter uma foto tirada com papai Noel. Seu deleite. Claro. Tommy geralmente evitava o shopping em todos os custos, especialmente nos feriados. Não só eles não tinham dinheiro suficiente para comprar qualquer coisa, mas ele não confiava nos dedos pegajosos de Davey lá. O garoto era como uma pega, e Tommy não tinha certeza se Davey poderia resistir a todos os objetos brilhantes. A última coisa que Tommy precisava era que ele fosse arrastado para fora por seguranças do shopping

antes do

Natal. Só de pensar nas multidões e no barulho foi suficiente para dar a Tommy uma dor de cabeça. Principalmente, ele não gostava de levá-los a lugares cheios de coisas que eles queriam, mas não podiam ter. Max e Zoe eram os únicos jovens o suficiente para acreditar em um elfo gigante que caia de uma chaminé que não tinham para deixar brinquedos e doces para eles, e eles eram muito novos para se importar. O resto tinha aprendido em uma idade jovem que Papai pulava a sua casa, e depois eles perceberam mais jovem do que a maioria de seus colegas, que Noel não era real. Apesar de tudo isso, Carrie e Collin ficavam em linha com uma pequena lista preparada, seus olhos brilhando com o que Tommy pensava como perigosa amarga esperança. O retrato era apenas suposto serem as crianças. Mas quando Max e Zoe viu um homem estranho em um terno vermelho e os elfos em vez de descontentes aparências, os dois começaram a gritar como loucos. É assim que Tommy acabou em um lado da foto e Bobby, de outro. Demorou quatro tentativas para tirar uma foto decente. Max foi escolhendo seu nariz no

227


primeiro, e Zoe tinha tirado a barba de Papai no segundo. Mike estava revirando os olhos na terceira foto, mas o quanto, Tommy odiava admitir, foi emocionante. As crianças estavam vestidas com suas melhores roupas, apenas camisas e calça jeans, mas eles pareciam agradáveis e limpos. Eles estavam todos sorrindo para a câmera e Bobby estava sorrindo, seu rosto de perfil, porque ele estava olhando diretamente para Tommy. Olhando para a foto, ninguém poderia ter adivinhado que eles eram um bando de ladrões e vigaristas, e filhos de uma prostituta. Tommy gostou e até pagou um par de dólares para um quadro barato para que ele pudesse colocá-lo em uma prateleira na sala de estar, mas que a imagem era uma mentira, e ele sabia disso. Na semana seguinte, Mike e Davey voltaram para casa com uma árvore de Natal pequena. Tommy nunca perguntou onde eles “encontraram” suas árvores. Eles geralmente só apareceram nas primeiras horas da manhã, mas este ano os meninos estavam saltando através da porta com um no meio da tarde. “Tommy!” Mike gritou, enquanto ele e Davey lutavam para arrastá-lo através da porta. "Adivinha!" “Você tem uma árvore,” Tommy respondeu antes de tomar um gole de sua xícara de café. Ele teria que trabalhar mais tarde e já estava desejando que ele pudesse tirar um cochilo. Mike revirou os olhos. “Obviamente. Mas nós temos um trabalho também.” “Você?” Perguntou Tommy, caindo no sofá. “Você tem escola.”

228


Davey acenou com a mão e disse: “É quase férias de inverno.” “Sim, e além disso, o cara disse que só poderia ser algumas horas no período da tarde,” explicou Mike. “Nós trabalhamos para ele hoje, amarrando as árvores para as pessoas, e colocando em seu carros e ele nos deu uma de graça.” “E dez dólares para cada um!”Acrescentou Davey. Tommy sempre tinha pensado que Davey gostava de roubar, mas aparentemente era o dinheiro que ele gostava não os meios que trouxe. Mike desapareceu na cozinha e voltou alguns minutos depois com um velho balde cheio de pedras e água. Davey parecia ler sua mente e começou a colocar a árvore nele. “Eu escondi o dinheiro embaixo da pia,” Mike disse quando ele e Davey tentavam arrumar a árvore. “Vá buscá-lo de volta” Tommy disse a ele. Ao ver o olhar chocado no rosto de Mike, Tommy acrescentou: “É como o dinheiro é encontrado. Nós não planejamos com esse, portanto os dois devem manter o que vocês ganharam.” Mesmo Davey parecia que ele ia protestar, então Tommy disse: “Eu estou orgulhoso de vocês dois. Vocês não levantaram-na, vocês não tiraram vantagem de ninguém, e vocês descobriram uma maneira de ganhar algum dinheiro no processo. Vocês devem mantê-lo." Os meninos tinham lutado com a pequena árvore no lugar e ambos se levantaram, limpando a seiva de suas mãos em sua calça jeans. Eles tinham olhares culpados em seus rostos, e Tommy perguntou qual era a história real, mas ele não teve que perguntar.

229


“Veja, a coisa é...” Mike começou. Davey bufou e intensificou. Ele estava mais acostumado a ter de confessar seus crimes para Tommy do que Mike estava. “O cara nos viu olhando um presente e ele veio para nós. Ele disse que nos pegou em vídeo nos últimos dois anos roubando uma árvore de Natal. Ele nunca nos denunciou porque pensou como uma criança estava desesperada o suficiente para roubar uma árvore...” Quando Davey fez uma pausa, Tommy perguntou: “E?” “E, bem, ele disse que no ano passado ele decidiu que se ele nos pegasse roubando, ele ia ver se estávamos dispostos a trabalhar por isso em vez de apenas roubar.” Davey deu de ombros e acrescentou: “Nós estávamos.” Tommy pensou sobre isso por um minuto antes de dizer qualquer coisa. “Então ele ia denunciá-los se vocês recusassem a oferta?” “Não” disse Mike. “Ele é apenas um cara legal. Ele disse que nós poderíamos ter a árvore de qualquer forma, mas ele queria nos oferecer algum trabalho se quiséssemos.” Tommy não sabia o que dizer sobre isso. Ele sabia que havia pessoas legais no mundo. Ele era até mesmo amigo de mais de alguns. Mas esse cara era estranho. Que tipo de cara oferecia um emprego para alguém que roubava dele? A maioria das pessoas, Tommy incluído, teria, provavelmente, chutado suas bundas. Um pensamento alarmante derrapou em sua mente antes que ele tivesse a chance de pará-lo. Ele se perguntou se ele poderia descobrir uma maneira de pedir a Judy para conhecer o cara. Eles foram feitos um para o outro.

230


Ele tinha ouvido alguém dizer uma vez que um verdadeiro sinal de estar no amor era um desejo de parceria para as pessoas. Ele revirou os olhos para si mesmo e finalmente disse: “Você ainda deve ficar com o dinheiro, tudo bem?” “Metade” Mike disse com firmeza. “Vamos manter a metade para nós e o restante vamos guardar para qualquer outra coisa, ok?” Em geral, eles eram um pé no saco. Eram às vezes imprudentes, às vezes impensados, e nenhum deles gostavam de fazer o que foi dito. Mas ali com o sol de inverno derramando pela janela atrás deles, olhando justamente orgulhosos de si mesmos, porque eles tinham trabalhado e feito algo bom para uma mudança, bom para toda a família, Tommy teve que admitir que eles eram bons, não, grandes crianças. Eles iriam crescer como bons homens, mesmo se isso matasse Tommy. “Tudo bem, temos um acordo. Vocês dois ficaram com a metade e farão algo por si mesmos.” Ele limpou a garganta quando suas emoções ameaçaram sufocá-lo. “Vocês mais do que ganharam.” Davey deu um olhar diabólico a Mike e disse: “Agora você pode comprar um presente de Natal para sua namorada.” A bolha mágica de „Melhores Crianças‟ estourou quando Mike perfurou Davey no braço e disse a ele bruscamente para calar a boca. “Ela não é minha namorada.” “Nada de bater hoje,” Tommy disse a eles. “Eu não tenho tempo para ver besteira se vamos montar a árvore antes de eu sair para o trabalho.” Ele terminou seu café antes dele perguntar a Mike: “Quem é a menina?”

231


Mike olhou para seus sapatos. “Apenas uma menina na escola.” “Você se lembra das regras, certo?” Tommy perguntou enquanto ele estreitou os olhos em Mike. “Não bata qualquer um”, disse Mike com um aceno. “Eu nem sequer perguntou-lhe ainda, então eu não preciso me preocupar com isso tão cedo.” “Qual é a outra regra?” Tommy levantou, ficando entre os dois, este era mais importante. “Tire as mãos até que eu saiba que é legal com ela e não significa, talvez, continue tentando, ” Mike recitou. Tinham tido essa conversa mais de um ano atrás, mas Tommy estava contente em saber que Mike lembrava cada palavra. Mike passou a dizer, um tanto timidamente, “Ela toca violoncelo e ela gosta da minha poesia.” Tommy não conseguia esconder sua surpresa. “Você escreve poesia? Desde quando?” Com outro encolher de ombros, Mike disse: “Nós fizemos uma unidade em Inglês, e eu gostei um bocado.” “Vai me deixar ler?” Perguntou Tommy, observando Davey com o canto do olho. O garoto estava afastando as agulhas soltas e afofando os ramos. Ele estava muito danado orgulhoso daquela árvore. "Certo. Judy esta com a minha pasta agora, no entanto.” Mike mudou em seus pés como ele estava envergonhado. “Ela disse que ia colocá-los em

232


um livro ou algo assim, para que eu pudesse mantê-lo e lê-lo quando eu estiver mais velho.” Essa ideia nunca teria ocorrido a Tommy. “Isso é muito legal da parte dela. Certifique-se de agradecer-lhe por isso, sabe?” "Eu vou. Quer dizer, eu já fiz, mas vou novamente quando ela fizer.” Mike parou e mordeu o lábio, parecendo que ele estava pensando muito sobre algo. “Ela é muito legal, como... Eu acho que é como uma avó deve ser. Assando biscoitos e fazendo coisas legais como essas.” Davey estava buscando no armário sob as escadas quando Mike sentouse ao lado de Tommy. “Você provavelmente está certo,” Tommy concordou. Avó O'Shea tinha morrido antes de qualquer um deles nascer. Cirrose do fígado, é claro. Mas ele e Mike tinham idade suficiente para lembrar-se da sua avó por parte de sua mãe. Tommy percebeu que ela nunca pareceu como uma definição de avó, mas como média como uma serpente, seu retrato estaria lá com ele para referência. Ela tinha um cão minúsculo que ela incitava-o sobre eles quando eles eram pequenos, porque ela pensava que era engraçado como o inferno quando eles corriam dele gritando pela casa dela. Essa velha morcego ria como uma maníaca quando chorávamos e corríamos para seu pai para ser apanhados. Ela gostava de bater em Tommy com a bengala por nenhuma razão em tudo, e ela uma vez disse a Colleen, quando era um pouco mais velha do que Zoe no momento, que ela era a criança mais feia que já tinha visto e ela deveria ter sido afogada no nascimento. Tommy tinha sete anos na

233


época, e ele disse a ela que um dia ele ia matá-la em seu sono. Que, por qualquer motivo torcido, fez de Tommy o seu favorito. Ela ainda não era boa para qualquer um deles, mas ela disse que ele tinha pelo menos bolas, o que era mais do que podia dizer sobre o seu pai. Tommy odiava. Ela finalmente morreu quando ele tinha doze anos de idade, e Tommy limpou sua caixa de joias e vendeu as poucas quinquilharias em uma casa de penhores. Ele tinha levado Colleen e Mike para tomar sorvete e escondeu o resto do dinheiro. Mike o tirou dos seus pensamentos quando ele disse: “Sabe, às vezes eu acho que talvez Bobby e Judy sejam, bem como, uma maneira de Deus pedir desculpas por quantas coisas merda nos deus.” Tommy deixou o comentário sobre Deus ir. Ele descobriu que ele ainda devia uma para o cara pela noite que Bobby foi baleado. Ou talvez ele não lhe devesse uma, mas talvez eles eram quase o mesmo. “Eram?” Perguntou Tommy, rindo enquanto ele olhava em torno de sua pobre casa. Parecia que tanto Tommy como Mike estava tentando decidir se ele quis dizer isso. “Sim” disse Mike depois de um momento. “As coisas estão melhores, e eles continuam melhorando, sabe?” Tommy não se preocupou em apontar que havia uma série de maneiras de que as coisas ainda poderiam ir para o inferno. Ele não disse a Mike, começando onde eles tinham as coisas cada vez melhores não era necessariamente progredir, era mais como flutuando sobre merda na direção certa pela primeira vez.

234


Mike estava olhando para sua vida como se pudesse ver uma luz no fim do túnel. Tommy poderia também, ele simplesmente não podia dizer se era o sol ou uma locomotiva se preparando para bater neles para o bem. Ele decidiu deixar Mike manter a promessa de um futuro melhor, que ele estava começando a acreditar. Ele decidiu deixar o espectro de esperança assombrá-los por um tempo. “Talvez por isso, garoto.” Tommy não se surpreendeu quando a campainha tocou horas mais tarde. As crianças estavam procurando através de decorações de Natal velhas e se preparando para arrumar a árvore. Colleen tinha acabado de chegar em casa do trabalho, e Tommy precisava sair em breve para o seu turno. Tommy levantou-se do chão, mas Carrie saltou na frente dele. Ela tinha uma guirlanda vermelha envolto por cima do ombro como um lenço e alguns enfeites velhos de Natal velhos em seu cabelo. Judy estava na varanda com um sorriso brilhante no rosto. Ela tinha uma coroa de flores pendurada em seu braço e alguns recipientes plásticos Tommy tinha certeza que tinha - cookies5 e fudge6 neles. Bobby estava atrás dela olhando mais culpado do que Tommy já tinha visto ele. Ele estava vestindo um chapéu de Santa7. Judy também, e seguindo nesse assunto, ela tinha uma pilha deles em cima de suas bandejas.

5

6 7

Refere-se ao chapéu de Papai Noel

235


“Fomos informados de que havia uma festa arruma árvore,” Judy disse alegremente. Carrie estava praticamente pulando na frente dela. "Há sim! Existe!” Gritou ela quando ela levantou os braços para pegar as bandejas de Judy. Tommy deu um passo para trás e abriu mais a porta. Ele não sabia que as crianças tinha dado o número à Judy, mas ele estava considerando desligar o telefone da casa. Quando Carrie fugiu com os deleites, Judy virou-se e colocou a coroa de flores em um prego enferrujado na porta da frente. Ela olhou para Tommy e disse: “Não me dê qualquer merda, Tommy O'Shea.” Ele fechou os seus olhos em choque. A coisa mais próxima de uma maldição que ele já tinha ouvido ela falar ela foi a noite em que se conheceram, quando a condição de Bobby ainda era um grande ponto de interrogação. Ela continuou. “Pela primeira vez, você poderia simplesmente dizer 'É bom vê-la, Judy. Vamos entrar. ' E talvez me dar um abraço?” Bobby enfiou a cabeça em cima do ombro e disse a Tommy, “Ela tomou três gemadas perfurantes. Você pode querer fazê-lo.” Tommy soltou uma gargalhada e passou os braços ao redor de seu corpo pequeno, dando-lhe o abraço que ela pediu. “É bom vê-la, Judy. Venha”, disse ele obedientemente. Quando ele se afastou, ele acrescentou: “Eu gosto um bocado de você deste jeito, Sra. M. Você está toda mal-humorada.” Judy riu, mas disse: “Você só está contente por que você finalmente me fez beber.”

236


“Isso também.” Ele a deixou entrar na casa. Ele não podia ter certeza, mas ele pensou que ele a ouviu murmurar a palavra idiota quando ela se afastou. Bobby ainda parecia um pouco culpado, mas ele estava sorrindo. "Eu dirigi." Tommy riu e se inclinou para um beijo, mas Bobby o deteve com a mão em seu peito. “Não fique bravo, Tom.” “Basta dizer o que me disse que há algo para obter realmente louco por isso, Bobby.” Bobby se encolheu, mas em vez de dizer qualquer coisa, ele deu um passo para o lado para que Tommy pudesse ver as duas sacolas com presentes embrulhados em si. Tommy fechou os olhos e soltou um longo suspiro quando ele contou até dez em sua cabeça. "Eu preciso de um cigarro." "Você desistiu." “Eu ainda preciso de um.” A risada que Bobby deixou escapar não ajudou muito. Tommy abriu os olhos, e Bobby disse: “Eu trouxe um pouco de visco, se isso ajuda.” “Se você acha que eu estou beijando algum de vocês esta noite, você perdeu sua mente.”

237


Bobby riu novamente. Parecia que ele poderia dizer que Tommy foi se colocando em um protesto para o bem dela, e não com a esperança de ganhar algum terreno. “Que tal se eu lhe der o beijo?” Ele perguntou, dando um passo mais perto. Tommy não podia deixar de revirar os olhos para Bobby. “Mantenha-o em sua calça, cobre. Aparentemente, nós estamos tendo uma festa.” Antes que Bobby pudesse dizer alguma coisa, Judy chamou da sala de estar. “Tommy, você ajudaria Bobby com as malas? E fechem a porta, vocês dois, vocês estão deixando o frio entrar.” Tommy grunhiu em resposta, mas ele fez o que ela pediu e pegou um dos sacos. Quando chegaram lá dentro, todas as crianças estavam usando os seus chapéus. Judy estava no chão com Zoe, enquanto Carrie tirava os ornamentos da caixa. Ela estava mostrando um para Judy, um duende pequeno vestido de azul. Apenas um pequeno pedaço de plástico com guarnição difusa branca. Seu terno azul costumava ser confuso também, mas tinha sido ajustado tanto que tinha desfiado ao longo dos anos. “Este tem estado na nossa família há gerações”, disse Judy solenemente. “Está um pouco velho, mas é o meu favorito. Papai me disse uma vez que era da sua grande-avó.” Tommy odiava aquele ornamento. Principalmente porque ele se lembrava do dia em que ele entrou no posto de gasolina com seu velho para comprar um maço de cigarros, e Cal tinha guardado no bolso uma pequena

238


exibição de decorações de Natal de noventa e nove centavos. Mesmo assim, Tommy não conseguia descobrir por que Cal pegou. Ele tinha dinheiro suficiente no seu casaco para comprar os cigarros e uma garrafa de bebida, mas porque ele roubou aquela pouca coisa? Era um mistério para ele. Fato mais amargo alguns anos mais tarde, depois que Carrie e Collin vieram juntos, quando ouviram Cal dizendo-lhes a história de como ele era especial e como ele tinha vindo todo o caminho da Irlanda em um navio com um de seus antepassados queridos falecidos. Tommy nunca tinha encontrado uma forma ou um tempo para contar a verdade para Carrie, e tanto quanto ela amava a maldita coisa, ele nunca teve certeza se ele deveria. O olhar no rosto de Judy quando ela olhou para Tommy fez pensar que ela tinha adivinhado a verdade também, mas ela não deu indícios para Carrie. Ela disse: “Isso é lindo, querida. É necessário um local especial, não é?” Carrie concordou com um aceno. “Depois das luzes se apagarem.” Um fio de luzes já estava na árvore, e os rapazes estavam tentando desvendar o resto. “Claro,” disse Judy com um sorriso. Quando Tommy colocou as sacolas no chão perto dela, Judy abriu uma e tirou a única caixa e desembrulhou. “Esta não é uma herança de família como a sua, mas é muito especial para mim.” Judy falou tão suavemente, Tommy se aproximando para ouvir. “Foi dada a mim por um amigo querido que ficou conosco por um tempo quando eu era uma garotinha, mais jovem do que você.” Ela colocou a caixa na mão de Carrie.

239


Carrie puxou cuidadosamente a parte de cima da caixa. Ela olhou para Tommy, como que para se certificar de que estava tudo bem. Obrigou-se a sorrir para ela, e ela tirou o que parecia ser uma bola redonda. Tinha brilho branco cintilante abaixo do topo. Quando Carrie transformou-o, Tommy podia ver que eram ocos com um pequeno pássaro dentro, suas asas envolvida em torno de cinco outros. A faixa vermelha se destacava em suas penas pretas e estava sobre uma pilha de brilho que parecia neve. “Esse na bolota é um pica pau,” disse Judy, apontando para dentro. “Seu canto soa como uma risada, e quando uma fêmea põe os ovos em uma árvore oca ela tem ajudantes, por vezes, é os irmãos dos novos ovos, para incubá-los e alimentá-los uma vez que eles chocarem.” “É tão bonito,” Carrie sussurrou. Ela segurou-a em volta de Max enquanto ele tentava alcançá-la, mas ela teve certeza de que ele ainda podia vê-lo. “Você não deve dar a ele, no entanto.” Judy sorriu e tocou na ponta do nariz de Carrie com a ponta do dedo. “As coisas que fazem seu coração cantar,” ela disse calmamente, “são as coisas que devem ser compartilhadas.” Tommy podia sentir Bobby de pé perto, e ele estendeu a mão para ele. Bobby deslizou o braço em volta da cintura de Tommy e segurou-o. Droga essa mulher. Tommy estava perto fungando, pelo amor de Deus. “Sua mãe assiste a filmes de registro, não é?” Ele sussurrou. Bobby riu. “Todo Natal.” Levou apenas uma hora para decorar a árvore, quando acabaram cobriram o seu balde com uma folha vermelha envolvida em torno da base,

240


cintilando orgulhosamente. Carrie tinha colocado o ornamento de Judy perto do topo, ao lado do anjo. Falaram tantas vezes com os gêmeos para não tocálo até que Max sentou-se e manteve as mãos para si mesmo. Havia oito pequenos presentes sob a árvore, tudo a partir de Judy. Tommy percebeu que estava tudo bem desde que ele tinha um pouco para adicionar aos dias mais perto do Natal. As crianças tinham comido todo os biscoitos que Judy trouxe e estavam sentados na sala de estar falando e rindo quando chegou a hora de Tommy sair para o trabalho. Ele vestiu o casaco perto da porta e ficou sob o visco de Bobby. Eles furtivamente, se beijaram, um beijo longo, e Tommy ficou quente de dentro para fora quando foi a hora dele ir. Judy chamou-o de seu lugar no sofá. “Está frio, Tommy. Não se esqueça do seu chapéu!” Ele estava prestes a dizer-lhe que nem sequer possuía um chapéu quando ela levantou a mão e segurou um chapéu vermelho brilhante de Santa para ele. Normalmente ele teria enfiado no bolso ou talvez apenas dispensado com a mão suspensa no ar, mas ao invés disso ele foi até ela e empurrou a coisa para baixo em sua cabeça. Ela parecia surpresa, mas satisfeita, como se ela finalmente o ensinou um novo truque. Tommy se abaixou e beijou o topo da cabeça dela. “Agradecimentos por parar perto esta noite, Judy.” Ele poderia dizer que ela estava prestes a chorar então ele fez uma corrida para a porta.

241


Uma semana depois, Cal e Cheryl apareceram, o que foi o fim do elogio do feriado de Tommy.

242


Capítulo 12 Em meados de janeiro, a neve começou a cair uma noite e depois não parou. O mundo inteiro parecia brilhar e brilhar e até sua antiga casa caindo de podre parecia mais bonita em um cobertor de branco. Bobby tinha colocado algumas luzes de Natal nas janelas mais de um mês atrás, mas Tommy os tinha deixado. Quem se importava que já era Ano Novo e as férias acabaram? Essas estúpidas pequenas luzes cintilantes o fazia sorrir, então ele imaginou que poderiam ficar até que desistisse e saísse por conta própria. A única coisa que Tommy odiava sobre a neve era andar nela. Até o momento em que ele chegou em casa do trabalho na maioria das noites, ele estava refrigerado por dentro. Ele temia que pudesse perder um dedo do pé em suas botas, mas só o fez andar mais rápido. Uma tarde escura e congelada, Carrie entrou na cozinha parecendo preocupada. “O que há, Carrie?” Perguntou Mike. Ele estava no fogão fervendo água para o chocolate quente. Tommy olhou para ela e esperou pela resposta dela. “Nós não vimos Judy em três dias,” ela disse quando ela caiu em uma cadeira. “Tenho certeza que Bobby teria mencionado se houvesse alguma coisa errada.” Tommy realmente tinha certeza disso. Embora ele fizesse parecer estranho para ele que ela iria passar meses dando uma cotovelada nele e

243


depois cair fora da vista sem uma palavra. “Ela está provavelmente apenas ocupada.” Quando a cozinha esvaziou, Tommy pegou o telefone e ligou para Bobby. Ele estava em patrulha, mas Tommy sabia por experiência que ele responderia se ele não estivesse realmente prendendo alguém. E, às vezes, mesmo que ele estivesse. “Como está a sua rosquinha, cobre?” Tommy perguntou quando Bobby disse-lhe que tinha parado para tomar um café. Bobby riu, mas depois disse categoricamente: “Você é tão engraçado, Tom. Eu nunca ouvi falar disso.” Tommy sorriu ao telefone. Tinha sido uma semana desde que eles tiveram qualquer tipo de tempo a sós, e ele sentia falta de poder beijar e tocar Bobby. Não foi por isso que ele chamou, no entanto. “Ouça, não leia qualquer coisa nisto ou qualquer coisa, mas o que está acontecendo com sua mãe?” "O que você quer dizer? O que ela fez?” “Nada, mas para ela isso é meio estranho em si mesmo. Ninguém aqui tem notícias dela há alguns dias e ela não atende ao telefone”. Após uma longa pausa Tommy pode ouvir Bobby suspirar do outro lado da linha. “É apenas nesta época do ano. Ela fica um pouco deprimida.” “Depressão Pós-Natal?” Tommy não entendia. Bobby soltou outra respiração suave que poderia ter sido uma risada se não tivesse soado tão triste. “Não, só... Meu pai morreu há alguns anos e

244


estamos chegando no aniversário. No ano passado, ela se sentou ao redor da casa em seu roupão de banho e chorou por cerca de uma semana.” Ele fez outra pausa e então disse, “Ainda é difícil para ela, mas ela vai sair disso depois que ela olhar através de todas as fotos antigas e passar por seu álbum de casamento algumas centenas de vezes. Então ela vai visitar sua sepultura e colocar flores para ele, e ela vai ficar bem.” “Jesus,” Tommy murmurou, sentindo o peso da dor de outra pessoa e não gostando da sensação. “Isso é péssimo.” “Sim, isso é.” Bobby não adicionou a isso, mas o que mais ele poderia dizer? “Escute, eu tenho que ir. Acabamos de receber uma chamada.” O estômago de Tommy apertou com essas palavras. Ele odiava. "Tudo certo. Seja cuidadoso." "Sempre. Te amo." "Amo você também. Mantenha todas as suas partes unidas para que eu possa mostrar-lhe o quanto mais tarde.” Tommy tentou não parecer preocupado. “Eu vou fazer o meu melhor.” Bobby terminou a chamada. Tommy olhou ao redor da cozinha por um longo momento. Um dos vasos de bolo de Judy estava vazio e lavado no balcão, juntamente com alguns outros pratos dela. O relatório de história de Davey ele tinha conseguido um A, com a ajuda de Judy, estava pendurado na geladeira. Zoe entrou com a boneca pouco mole que Judy tinha lhes dado para o Natal. Ele passou a mão sobre o rosto e soltou um suspiro de frustração. “Maldição”, ele murmurou.

245


Zoe olhou para ele como se ele tivesse falado com ela, e Tommy riu quando ele a pegou. “Você quer sair?” Perguntou ela. Quando ela acenou com a cabeça, seu cabelo encaracolado saltou em seu rosto. Eles demoraram menos de uma hora para preparar alguns brownies,8 enviar Davey até a loja para pegar (e pagar) um pequeno buquê de flores, arrumar as crianças, e colocar todos dentro do carro. As flores eram uma extravagância que mal podíamos pagar, e não havia assentos suficientes para todos os oito na perua. Tommy sabia que era errado, mas ele deixou Collin sentar no chão na parte de trás. Ele dirigiu lentamente e constante até a casa de Judy. Ele tocou a campainha quatro vezes e estava pronto para começar a bater quando Judy atendeu a porta. Ela estava vestindo seu robe, amarrado firmemente ao longo um pijama. Seus olhos e nariz estavam inchados e vermelhos. Se Tommy não tivesse já sabendo dos detalhes por Bobby, todo mundo poderia ter pensado que ela tinha um resfriado. Ela tentou sorrir para as crianças, mas ela se virou para Tommy e disse: “Isso realmente não é...” “Não é um bom momento?” Ele perguntou quando ele a cortou. “É um pouco chato ter pessoas à sua porta sem avisar?” Judy colocou as mãos nos quadris como ela fez quando ela estava indo para dar-lhe o discurso “não discuta comigo”, mas ele não a deixou chegar tão longe. Ele deu um passo para trás para Max poder cortar seu caminho através

8

246


da multidão. Max mostrou as flores até ela e disse seu nome. A expressão de Judy mudou e seu sorriso parecia mais fácil, mas ainda era de dor e Tommy compreendia. Ela pegou Max e beijou sua bochecha antes de ficar de lado para deixar as crianças entrar. “Trouxemos brownies,” Carrie disse a ela quando ela foi passado. Eles estiveram na casa de Judy algumas vezes ao longo dos últimos meses e eles estavam familiarizados com a casa. Judy abaixou a Max e pediu a Colleen para ajudá-la a colocar as flores em um pouco de água. Quando ela e Tommy estavam sozinhos, ela fechou a porta atrás dele. “Isso foi um golpe baixo.” Ele olhou para ela por um longo momento e pensou em fazer uma piada, mas no final ele disse seriamente, “Nós cuidamos dos nossos. E ninguém deve ficar sozinho em dias como estes.” Judy colocou os braços ao redor dele em um abraço forte e sussurrou: “Você é um bom menino.” Ele podia ouvi-la fungando em seu ombro. “Eu não iria tão longe, mas eu sei quando é hora de aparecer por aqui sem chamar primeiro.” Judy soltou uma risada molhada e, em seguida, inclinou para trás, enxugando os olhos. Fotos estavam espalhadas sobre a mesa de café ao lado de um álbum de recortes aberto no meio. As crianças estavam fazendo os bonecos de neve no quintal enquanto Tommy sentou-se com Judy no sofá. Ela mostrou-lhe fotos de Bobby quando ele era um bebê e algumas fotos de outras crianças que tinha ido e vindo quando Judy ainda estava cuidando de crianças adotivas.

247


Ele olhou para suas fotos de casamento e foi surpreendido por o quanto Bobby parecia com seu pai. Ele tinha os maneirismos de sua mãe, mas o cabelo loiro de Bobby e os olhos azuis vieram de seu pai. “Você sabe” disse Judy, ainda virando as páginas do álbum, “o engraçado é que, Warren teria odiado isso.” Ela fechou o livro e se apoiou contra a almofada. “Sempre que eu faço isso eu sei que ele está em algum lugar olhando. Eu posso ouvir a sua voz na minha cabeça me dizendo para parar com isso.” Sua risada estava triste e cheia de memórias, mas ela não chorou então Tommy imaginou que eles estavam fazendo progresso. Tommy pensava que mortos não tinham o direito de fazer exigências da sepultura, mas ele não disse isso. “Você talvez queira que a gente vá com você quando você for visitar o cemitério?” Ele perguntou hesitante. Os olhos de Judy se encheram de lágrimas novamente, e Tommy se chutou por dizer a coisa errada na hora errada. Ela pegou a mão dele e descansou a cabeça em seu ombro. “Eu acho que eu gostaria muito disso.” Eles ficaram no sofá por um longo tempo. Eles observaram as crianças construir toda uma família de neve no quintal até que fosse hora de entrar e se aquecer junto à lareira. Em algum momento da noite, Judy trocou de roupas e estava vestindo um terno de veludo que lembrava rosa. Sua roupa era suave e parecia

248


confortável, mas Tommy achava que era um passo acima do pijama de flanela e um robe chenille9. Bobby chegou enquanto as crianças estavam ajudando a cozinhar o seu jantar. “O que é tudo isso?” Ele perguntou a Tommy quando ele puxou-o de lado. Tommy passou os braços ao redor da cintura de Bobby e beijou-o antes de responder. “Sua mãe precisava de uma intervenção.” Judy riu da cozinha e um dos garotos pediu toalhas de papel. “Parece que ela funcionou,” Bobby disse feliz, beijando Tommy novamente. Ele colocou seu rosto contra o pescoço de Tommy, e Tommy percebeu que ele estava escondido, com vergonha, quando ele sussurrou: “Obrigado.” Tommy podia sentir a respiração de Bobby contra a sua pele, e ele apertou os braços em torno de Bobby. “Eu não sei o que fazer quando ela está assim. Eu apenas tento dar-lhe espaço e deixá-la só.” “Ela tem muito espaço. Eu acho que ela precisava de uma distração de seu sofrimento. As crianças são grandes em distrair as pessoas.” “Sim, eles são,” Bobby concordou, afastando-se para chamar a atenção de Tommy. “Eles me salvaram de asfixiá-lo algumas vezes.”

9

Tecido atoalhado

249


“É por isso que os mantenho ao redor,” Tommy brincou, puxando Bobby mais longe da cozinha. Bobby sorriu. “Onde exatamente você está me levando?” “Armário de linho? Banheiro? Eu quero testar suas habilidades em manter a atenção de sua mãe.” Dois dias após a visita à Judy, Cheryl apareceu em sua porta. O tempo ainda estava miseravelmente frio e o gelo tinha uma aparência letal que pendiam das calhas. Tommy estava cuidado com pá limpando as etapas e mantendo o sal na passagem da frente, mas ninguém na vizinhança se incomodava com as calçadas. Quando ele descobriu Cheryl com um hematoma em sua testa, esparramada no tapete de boas vindas molhado, ele assumiu que ela tinha tomado um tombo ou dois em seu caminho. Ele tinha os gêmeos com ele. Eles estavam usando roupas de todas as outras crianças e alguns dos vizinhos. Eles pareciam caminhar em colchas de retalhos, mas eles estavam quentes. Tommy tinha uma sacola de compras em um braço e a outra mão segurava firmemente a coleira amarrada aos gêmeos. Uma merda quem pensava que essas coisas eram desumanas. Deixando um deles ser atropelado por um carro, porque eles se afastaram dele na rua seria muito pior. “Ei, Tommy,” Cheryl disse, não em saudação, mas como uma reclamação. “Você mudou as fechaduras ou algo assim?” Tommy reprimiu um gemido quando ele ajudou Max e Zoe a subir os degraus. Cheryl não comentou sobre o quão grande seus dois filhos estavam ou o quão rápido eles estavam crescendo, mas não o surpreendeu. Ela estava

250


em torno tão raramente que nem sequer iriam para ela ou chamava de „mama‟. ”Eu tive que mudar a última vez que você perdeu as suas chaves,” ele disse a ela enquanto ele enfiou a mão no bolso para o seu chaveiro para que ele pudesse destrancar a porta. Cheryl piscou para a chave na mão e disse: “Oh. Acho que encontrei a antiga.” Tommy olhou para baixo. “Essa é uma chave de carro, Cher. Não teria funcionado de qualquer maneira.” "Ha. Onde diabos eu peguei isso?” Ela fez a pergunta como se ela realmente achava que ele pudesse responder por ela. Tommy assumiu que pertencia a algum pobre coitado que teve um boquete e um assalto bônus em uma parada de descanso fora da cidade em algum lugar, mas ele não disse isso em voz alta. Ele descobriu que os gêmeos sabiam o suficiente sobre sua mãe, eles não precisavam de mais alguma informação sobre sua personagem. Tommy abriu a porta e bloqueou Cheryl enquanto Zoe e Max começaram a entrar. Ele não ajudou Cheryl a levantar do chão, mas ele perguntou: “Onde está Papai?” “Como diabos eu vou saber?” Várias respostas correram pela cabeça de Tommy de uma só vez. Você está casada com o vagabundo... e merda tende a atrair moscas... estavam entre elas, mas ele não disse nada. “Deixe-me,” ela exigiu. “Está mais frio do que tetas de uma bruxa aqui fora.”

251


Tommy entrou, e Cheryl se arrastou atrás dele. Os seus bebês de dois anos de idade estavam mais constante em seus pés do que ela. “Pensei que Cal poderia estar aqui.” “Não o vi desde que os dois voaram na gaiola no Natal.” O que tinha sido em uma fodida duas semanas. A vida com o pai e Cheryl sempre foi confusa em altos e baixos, mas parecia ainda pior quando todos estavam felizes e fazendo bem, e ficando com as coisas até que eles apareciam. Tommy quase tinha chegado às vias de fato com seu pai duas noites antes do Natal, quando ele chegou em casa do trabalho e encontrou-os enchendo um saco de lixo grande com os presentes de debaixo da árvore. Ele sabia que eles eram tanto inúteis em muitos, talvez todos os níveis, mas roubando de seus próprios filhos no Natal parecia ainda menor do que o habitual. No dia seguinte, Cal e Cheryl foram embora. Os presentes ainda estavam lá, e Tommy encontrou algo no balcão da cozinha que balançou o seu núcleo. Uma nota de vinte dólares ao lado de uma nota dirigida ao Tommy escrito em garranchos instáveis de seu pai. Ele dizia: Não é muito, mas talvez ele vá ajudar. Diga às crianças que eu os amo e Feliz Natal. Isso tinha sido tão fora do personagem para o seu velho homem, que isso tinha enviado um calafrio através de Tommy. Era algo que ele poderia ter feito uma ou duas décadas antes, quando ele ainda estava no estágio do pai de merda e não na degeneração total.

252


Cheryl foi cambaleando até a cozinha, e Tommy seguiu. “Quando foi a última vez que você o viu?” Perguntou. Ele tinha uma sensação desconfortável agora. Ela vasculhou os armários e tirou um pacote de miojo. “Eu não tenho certeza.” Parecia que ela não conseguia se lembrar de qual o próximo passo para preparar a comida, por isso Tommy achava que era notável que ela não tinha notado que Cal não tinha estado ao redor. “Poucos dias, talvez?” Ela começou a abrir o saco de plástico e Tommy perguntou se ela iria comê-los direito do pacote. Então ela perguntou: “Você tem algum doce ou alguma coisa?” Em fevereiro, a neve tinha começado a cair novamente. Desta vez, cobrindo como uma folha espessa de gelo sobre as estradas e passeios. O trânsito estava uma bagunça e o negócio no pub estava lento. Como de costume, Gene ainda deixava Tommy trabalhar, mas depois de algumas noites seguidas com muito pouco a fazer, ele estava começando a sentir como se fosse caridade. Ele decidiu sair cedo e ir para casa. Cheryl esteve em torno da casa mais frequentemente do que não, e eles ainda não tinham ouvido falar de seu pai. Tommy imaginou que quanto mais tempo que passava em casa mantinha um olho nas coisas, melhor. O telefone na parede estava tocando enquanto Tommy se empacotava com o cachecol e luvas que Judy lhe fez para o Natal. Gene estava por perto, claramente ignorando-o. “Você quer que eu atenda?” Tommy perguntou após o quinto toque. Gene revirou os olhos e olhou irritado. “Provavelmente é só Danny. Ele esteve chamando seis vezes esta noite à procura de sua esposa.”

253


Essa era uma rotina bastante habitual e nunca terminou bem. A última vez que Danny ligou naquela noite, Gene tinha quase arrancado o telefone da parede. Ter alguém o culpando por problemas com o álcool de um ente querido provavelmente o faria velho rápido. Tommy se sentiu mal por ele, mas ele riu quando Gene andou até o telefone e levantou-o do gancho antes de batê-lo novamente, desligando em quem tinha sido chamado. Depois que ele tinha andado a poucas quadras abaixo da estrada, Tommy pegou seu telefone. Bobby tinha uma mudança naquela noite, e ele queria checá-lo. A maldita coisa estava fora por minutos, e ele não tinha ideia de quanto tempo esteve assim. Tommy pensou em parar no posto de gasolina para obter um cartão de telefone, mas ele estava com frio e cansado. O cartão podia esperar. Menos de um quilômetros de casa, Tommy podia sentir o cheiro de fumaça no ar, e ele pensou em como seria bom para sentar-se na frente de uma lareira quente e descongelar. Ele decidiu que iria passar despercebido para a cozinha e ligar o forno assim que ele conseguisse passar através da porta. Sirenes à distância foram a primeira coisa a chamar sua atenção. E não era a fumaça de uma chaminé. Estava ficando mais espessa a cada passo. Quando ele virou a esquina no final da sua rua, Tommy podia ver os carros de bombeiros, unidades de EMT, e carros de polícia. A noite escura estava piscando com a cor quando as luzes dos veículos de emergência dançavam contra o brilho alaranjado de um grande incêndio.

254


Tommy começou a correr, em seguida, diminuindo o tempo suficiente para passar sob a fita amarela que seccionava fora do bloco. Seu peito estava apertado enquanto ele apertou os seus pés com cada passo escorregadio. Não poderia ser sua casa. Era um vizinho. Era um sonho ruim. Era qualquer outra coisa. Tommy tinha aprendido em uma idade dolorosamente jovem a esperar algumas coisas da vida. Ele deveria estar cansado. Ele esperava que sua família sempre oscilasse no fio da navalha entre a sobrevivência e o esquecimento. Ele esperava que as coisas nunca iriam seguir o seu caminho por muito tempo. E ele aprendeu que apenas três coisas importavam: manter as crianças seguras, mantê-las alimentadas, e manter um teto sobre suas cabeças. Suas pernas cederam sob ele quando chegou a sua casa. Chamas estavam atacando de todas as janelas no andar de cima, subindo pelas paredes e sobre as calhas, comendo as telhas. Nuvens de fumaça preta grossa estavam rodando e empurrando para fora de cada fenda. Parecia para Tommy como se o próprio diabo tivesse finalmente reivindicado eles. O inferno se levantou do chão e levou de volta o que pertencia a ele. Enquanto observava uma maca coberta por um lençol branco que está sendo rodado na frente dele, Tommy se sentiu como se tivesse de repente perdido a cabeça. Ele sabia que ele estava gritando. Ele podia sentir as lágrimas escorrendo em faixas quentes contra sua pele, agora quentes do calor irradiando sua casa. Ele podia ouvir vidro quebrando, mas ele não tinha certeza se era as janelas caindo de suas molduras carbonizadas ou se era o

255


som de sua própria vida explodindo em um inferno de calor e terror na calada do inverno. Ele não tinha percebido que ele estava se movendo novamente até que sentiu dois bombeiros puxando-o para trás. Ele estava tentando entrar, tentando encontrar alguém, qualquer um que ainda estivesse vivo lá dentro. Se não estivessem vivos, ele queria ser deixado sozinho. Ele queria desaparecer em uma pilha de cinzas quentes e queimado nos escombros com eles. “Tom!” Ele reconheceu a voz, mas em meio ao caos de sua mente, Tommy nem sequer olhou. Seus olhos ainda estavam situados na casa, uma vez que começou a cair sobre si mesmo. As mangueiras de incêndio estavam pulverizando para baixo nas chamas, quando um dos bombeiros orientava. Ele estava balançando a cabeça enquanto ele tirou o capacete e o respirador. Tommy sentiu a picada afiada de um tapa no rosto, e seu nome foi gritado novamente. Era Bobby. Tommy estava dormente, em pânico

e quebrado. “Quem é aquele,

Bobby?” Ele perguntou, apontando para o corpo sob o lençol. “É Cheryl, Tom. É Cheryl.” A voz de Bobby parecia mais suave agora e seu braço estava em torno do ombro de Tommy. “As crianças estão bem, Tom. Tentei te ligar quando eu cheguei aqui.” Levou um longo tempo para palavras de Bobby afundar-se. As crianças estão bem. As crianças estão bem. Elas correram em um pulo no ouvido de

256


Tommy, e ele não tinha certeza se Bobby estava dizendo-lhe uma e outra ou se ele estava tentando dizer a si mesmo. Ele estava tão tonto de alívio, que ele teve que fechar os olhos e concentrar-se, pois estava difícil de falar. "Onde eles estão?" Tommy não gostou quanto tempo Bobby levou para responder. Ele abriu os olhos e perguntou novamente: “Onde estão as crianças, Bobby?” “Uma van chegou até aqui cerca de dez minutos atrás.” Tommy esperou. Ele sabia que tinha de haver mais do que isso, quando Bobby não encontrou seus olhos. “Eles estão esperando na delegacia para uma colocação de emergência.” Tommy estava errado. Pensando que as crianças pudessem ter ido todos para fora em uma chama do fogo do inferno não foi a pior coisa que poderia acontecer com ele. Isso teria sido simples. Ele teria morrido também. Problema resolvido; fim de jogo. Mas não. Ele sabia que nada em sua vida jamais seria tão fácil. Em vez do pensamento escuro reconfortante de acabarse ali mesmo no local, Tommy tinha outro monte de merda para lidar com ele. Seus irmãos estavam no vento. Eles não tinham nenhuma casa. Seu pai estava desaparecido e sua madrasta estava morta. Tommy não gostava de abusar da sorte, mas ele tinha certeza de que ele finalmente atingiu o fundo do poço. Bobby ainda estava falando, mas Tommy não podia ouvir uma palavra do que ele disse. Ele queria bater em alguma coisa, fazê-lo sangrar e doer como ele estava. Ele empurrou Bobby de volta dele com um empurrão rápido e Bobby gritou: “Porra, Tom, você vai me ouvir?”

257


Tommy foi recuando mais longe e balançando a cabeça. “Eu não posso,” disse ele. “Eu não posso agora, Bobby. Eu só não posso.” Quando Bobby parecia que ele poderia segui-lo, Tommy levantou a mão em sinal de advertência. “Você tem que ficar longe de mim agora.” Tommy vagueou pelas ruas em silêncio, devastado. Ele não sabia para onde ir desde que a maioria dos lugares estavam fechada para a noite. Ele considerou ir para a delegacia de polícia para ver se ele poderia obter qualquer informação, certificar-se que as crianças soubessem que ele estava trabalhando nisso e ele descobriria alguma coisa. Mas ele sabia que seria uma mentira. Estiveram em alguns lugares apertados em suas vidas, mas esta foi a mãe de todas as barreiras insuperáveis, e Tommy não sabia por onde começar. Após uma hora de deriva, ele encontrou-se abaixo na estação de qualquer maneira. Ele tentou se recompor quando ele subiu os degraus da frente. As luzes dentro se sentiu chocante e muito brilhante quando as pessoas em punhos foram guiados por ela para baixo em diferentes corredores. Policiais estavam por toda parte, e Tommy sentiu que o instinto enraizado para correr e ficar o mais longe que podia deles. Ele se forçou o passo até a recepção. Um homem mais velho com uma barriga redonda suave salientando os botões do seu uniforme estava sentado na frente de Tommy. O olhar em seu rosto dizia a Tommy que ele provavelmente amou o seu trabalho uma vez e agora ele odiava tudo sobre ele.

258


“Posso ajudá-lo?” Ele perguntou sem olhar para cima da tela do computador. Tommy perguntou distraidamente se os policiais nas mesas assistiam pornografia na Internet no trabalho. “Sim, uh, Thomas O'Shea. Algumas crianças foram levados em uma hora ou assim em uma necessidade de colocação de emergência. Eu queria saber se você poderia me dar alguma informação sobre eles.” O oficial olhou para ele, em seguida, e voltou para o seu computador. Ele bateu alguns botões e clicou o mouse algumas vezes e perguntou: “Você é da família?” Tommy estava aprendendo a odiar essa pergunta. Alguém só perguntava isso quando não era uma boa notícia. “Sim, eu sou seu irmão.” Tommy pegou sua RG de sua carteira e deslizou-a no balcão na frente do oficial. “Último nome mesmo?” "Sim, Senhor. Há sete deles. A mais velha é Colleen O'Shea.” O policial bateu mais algumas chaves e disse: “Eles foram colocados, hoje à noite, em uma habitação de emergência. Pode levar até setenta e duas horas para eles irem para uma colocação permanente.” Ele parou e escreveu algumas coisas para baixo em um pedaço de papel e, em seguida, continuou. “Este é o seu número de caso. Segunda de manhã você pode ir até o Departamento de Família e Serviços para Crianças e tentar obter mais informações.”

259


Tommy queria gritar para ele. Eles não eram um número de caso, eles eram seus irmãos. Ele amassou o pedaço de papel e empurrou-o no bolso. “Obrigado por toda sua ajuda.” Tommy não tentou esconder o sarcasmo em sua voz. O céu estava cinzento perolado pelo tempo que Tommy tornou mais distancia no centro da cidade. Ele não sabia quanto tempo tinha andado, mas ele mal podia sentir mais seus pés. Em algum ponto no meio da noite, ele tinha mergulhado em uma loja de conveniência para se aquecer e comprou um maço de cigarros. Ele já tinha fumado metade. Era a primeira vez em sua vida que ele pagou por eles, e ele se sentiu como um idiota por isso. Mesmo que ele não tivesse nenhum plano consciente em sua cabeça, não tinha qualquer lugar em particular para ir, ele encontrou-se seguindo a trilha habitual de seu pai. Ele sabia quais eram a maioria dos becos e cortiços que seu velho homem se escondia dentro, ou, mais precisamente, desmaiado nele. No momento em que o sol estava chegando, Tommy estava de pé sob um viaduto, aquecendo as mãos pelo fogo em um barril de metal e perguntando a seu pai pelo nome. Quando todos eles disseram que não tinha visto Cal em semanas, Tommy ficou lá de qualquer maneira. Ele tinha chegado ao fim da linha. Não havia outro lugar para olhar, em nenhum outro lugar ele poderia ir. Ele olhou para as faíscas e brasas na lata e viu sua casa lá na pilha brilhante de papel e madeira. Ele sabia que podia ir para casa de Bobby. Ele poderia enrolar-se na cama de Bobby e deixar Bobby tentar confortá-lo. Deixar Bobby tentar ajudá-

260


lo. Ele imaginou antes disso tudo acabar, ele poderia vir para baixo a depender de Bobby de uma maneira que ele nunca se deixou antes. Porém, mesmo com a ajuda de Judy e de Bobby apoiando, ele não tinha certeza de que tipo de dificuldades eles teriam que saltar através até obter uma visita com as crianças, e muito menos ficar com a custódia. Tommy imaginou que ele devia a Bobby algumas desculpas graves pela forma como ele o deixou, também, mas, no momento, ele não poderia enfrentar qualquer uma delas. Ele deixou o calor do acampamento improvisado na passagem subterrânea e deixou seus pés levá-lo de volta para a cidade. Seus passos comiam os poucos quilômetros entre lá e o pub, e Tommy pousou na porta inteligentemente enquanto eles estavam abrindo-o para a manhã.

261


Capítulo 13 “Tommy?” Ele podia ouvir a voz de Gene, mas estava muito longe, difusa. Tommy lembrava onde esteve apoiado em um banquinho no pub. Ele tinha estado lá durante todo o dia, comprando bebidas em uma guia que teria que cobrir mais tarde. Ele nunca esteve realmente, realmente bebido antes. Ele estava começando a entender o apelo. “Tommy,” Gene tentou novamente. Tommy finalmente piscou os olhos abertos e olhou para o seu chefe. “Bart me disse que você esteve aqui desde que abriu.” Ele não ouviu nenhum julgamento por trás das palavras. Como com os olhos turvos como Tommy estava, ele pegou a preocupação gravada no rosto de Gene. “Que horas são?” Perguntou ele, as palavras mal pronunciadas quando ele se esticou e pegou a caneca de vidro. Ele esvaziou a última cerveja antes de desmaiar. Gene estava atrás do balcão, limpando um copo de cerveja vazio. “Depois das duas,” disse ele, colocando-o na prateleira. Tommy olhou ao redor. Todas as cadeiras já foram colocadas para cima, o chão varrido, as mesas varridas para baixo. Foi bem depois de fechar. “Shawna cobriu seu turno. Você pode querer agradecê-la mais tarde.”

262


Tommy passou a mão sobre o rosto, como se pudesse enxugar sua vergonha e sua dor de cabeça quando ele ficou de pé. Ele cambaleou um pouco e teve que pegar no bar. “Cristo,” ele murmurou, sentindo-se tolo. “Esqueci que eu tinha que trabalhar hoje à noite.” “Não se preocupe com isso.” Gene tirou o seu avental e colocou atrás do bar. “Eu tenho você coberto toda a semana. Apenas até que as coisas estarem resolvidas.” Ele fez uma pausa, e ele olhou para Tommy como se ele quisesse fazer algumas perguntas, mas não queria erguer qualquer uma. Aparentemente, ele decidiu erguer. “Eu ouvi que o dano foi ruim,” Gene começou devagar, limpando a garganta antes de continuar. “Eu estou real sentido sobre Cheryl. Eu sei que ela não era exatamente...” Como alguém poderia terminar essa frase? “Você tem um lugar para ficar?” Tommy não queria pensar nisso. Ele não queria pensar sobre onde ele estava indo para ficar ou como ele chegou onde ele estava. Ele não queria pensar em um funeral para uma prostituta viciada em drogas, ou uma casa em ruínas, ou onde ele poderia achar o seu pai. Ou se o velho estava morto em uma sarjeta em algum lugar. Ele não queria pensar sobre seus irmãos e irmãs em um orfanato, espalhados por todo o inferno em volta em colocações de emergência. Ele não queria pensar sobre a casa do grupo ou em Mike provavelmente se acabando no lugar ou se preocupar com o tipo de pervertidos que estaria com seus irmão.

263


E ele particularmente não queria pensar sobre Bobby e a longa lista de coisas que ele precisava para pedir perdão por elas. Ele foi ficando sóbrio, e tudo que ele queria pensar era em uma garrafa para que ele pudesse apagar tudo de novo. Era a única coisa que ele poderia ter qualquer controle maldito mais, e, mais do que o álcool era o vazio que ele oferecia, que era o que ele mais queria. Ele queria algo que pudesse controlar algo que ele poderia dobrar a sua vontade, algo que ele não teria com que lutar. Ele teve que pensar muito antes que ele pudesse responder, porque ele já estava perdendo o controle da conversa. “Não,” disse ele, finalmente, tomando uma respiração profunda. “Eu provavelmente poderia ficar em Farah ou o lugar de Kelly, mas...” Ele pensou que era tão tarde, que ele tinha perdido um dia inteiro aqui, e como ele estava, como ele provavelmente cheirava. “Posso ficar no sofá no escritório?” Tommy odiava saber que tinha chegado a isso. Ele estava finalmente em uma posição onde ele teve que pedir uma noite em um sofá de baixa qualidade apenas para que ele pudesse limpar sua cabeça. Gene parecia que já sabia qual seria sua resposta, mas ele não disse nada de imediato. Ele pegou as chaves e apagou as luzes atrás do bar antes dele vestir o casaco. “Eu tenho um negócio fora da cidade, por isso o meu quarto de reposição está ocupado, mas eu tenho um sofá que não vai quebrar as costas, como o do escritório. Por que você não vem para casa comigo e você pode ficar lá até que você comece a resolver sua merda, certo?”

264


O que ele poderia dizer? Tommy tinha atingido um ponto em sua vida onde ele não tinha escolha a não ser aceitar a caridade foi oferecido a ele. Se ele não tivesse já sido entorpecido com bebidas e tristeza, isso poderia ter rasgado um novo buraco em algum lugar, mas no momento, ele só fez xingar uma risada suave. “Obrigado, Gene. Eu te devo uma." Gene acenou com a mão para as palavras e balançou a cabeça enquanto ele e Tommy saiu pela porta. “Você faria isso por mim, não é, filho?” Pelo menos isso era verdade. Tommy sabia, sem dúvida que ele iria ajudar Gene em qualquer maneira que pudesse. Parecia menos como caridade quando Tommy pensou nisso naquele prisma. As luzes estavam acesas no apartamento de Gene quando chegaram. Enquanto subiam os degraus, Gene disse por cima do ombro, “Eu tenho alguns pijamas se você quiser tomar um banho e trocar de roupa.” Tommy não sabia o que dizer, então ele não disse nada. Gene continuou quando ele abriu a porta da frente, “Não se importe com Ben. Ele parece mais assustador do que ele é.” Tommy estava prestes a perguntar o que Gene quis dizer com isso, mas ele compreendeu logo que entrou pela porta. Um homem estava deitado no sofá da sala. Ele era enorme. Não de gordura, mas muscular. Cada polegada de pele mostrando sob seu colete de couro estava coberta com tatuagem, e Tommy achou que ele era bem mais de dois metros de altura. Tommy não se considerava pequeno, mas olhando para o amigo de Gene, Tommy se sentia como uma criança muito pequena.

265


Ben pegou o controle remoto e desligou a televisão antes dele olhar na direção de Gene. "Você voltou." A voz de Ben era como veludo rico, profundo e suave. Tommy quase riu, porque ele já estava pensando em Ben como um ursinho de pelúcia tatuado gigante. “E eu venho trazendo sustento,” Gene disse a ele, rindo enquanto ele tirava os sapatos e trancava a porta depois de Tommy entrar. Eles caminharam até a sala juntos, e Gene colocou um saco de sanduíches sobre a mesa. “E jovens sem-teto rebelde?” Ben perguntou quando ele se levantou do sofá e se esticou, olhando para Tommy com um sorriso brincalhão. Se fosse qualquer outra pessoa, Tommy poderia ter se virado pela observação. Ben tinha pelo menos seis centímetros a mais e uma centena de quilos a mais que ele, então ele decidiu dar de ombros e rir e deixar resposta de Gene para ele. Gene afastou-se para apresentá-los. “Cala a boca, idiota. Este é Tommy. Ele vai ficar comigo por um tempo”. Os olhos castanhos de Ben se arregalaram e Tommy viu um traço de tristeza refletido em sua expressão. “Merda, eu sinto muito, cara.” Ben sacudiu a cabeça e estendeu a mão a Tommy. “Gene me contou o que aconteceu. Maldita terrível,” acrescentou quando Tommy apertou sua mão. Mais uma vez, Tommy não sabia o que dizer, então ele só ofereceu um aceno de cabeça.

266


Gene tinha desaparecido na cozinha e voltou com três garrafas de cerveja. Quando ele passou uma para Tommy, ele disse: “Eu diria que você precisa de água, mas você pode me mandar me foder.” Ben riu e bateu em Tommy na parte de trás. Sua mão se sentia como um pedaço de carne batendo no ombro de Tommy. “Meu tipo de cara.” Tommy quase cambaleou para frente com a força do gesto amigável. Ele levantou a garrafa para Ben em um brinde simulado antes de tomar um gole dele. Gene se sentou em uma cadeira e começou a distribuir a comida. Tommy sentou-se no sofá quando Ben caiu para trás ao lado dele. “Como foi hoje?” Gene perguntou a Ben antes de comer o seu sanduíche. Ben já tinha dado uma mordida e estava falando em torno de sua comida. “Bem,” disse ele, acenando animadamente. “Será que cerca de vinte pessoas, fez alguns contatos assassinos, e levaram para casa o troféu de melhor design.” “Nada mal para um dia de trabalho.” Gene sorriu para o amigo. Ele deve ter visto a pergunta de Tommy em seu rosto, porque Gene explicou, “Ben é um artista. Ele está na cidade para uma convenção de tatuagem.” Tommy não tinha nada a oferecer na conversa que não seja um sorriso tranquilo quando Ben disse: “Não foi o maior, mas ainda houve alguma competição dura e alguns realmente bons artistas lá. Grey X tinha um estande criado ao lado do meu e eles têm alguns dos melhores nos negócios.” “Você quis ir contra qualquer um deles?” Perguntou Gene.

267


“Dois dos seus artistas foram para as mesmas categorias que eu. Chocou a merda fora de mim quando eu os venci.” Ben sorriu, obviamente, satisfeito consigo mesmo, mas não de uma forma presunçosa, Tommy notou. “Eu aposto que seu homem está orgulhoso de você”, Gene acrescentou antes de dar uma mordida de seu sanduíche. Ben lançou um olhar para Tommy e depois voltou para Gene, e Gene riu. “Hum, Tommy é do seu grupo.” Ben pareceu relaxar, mas Tommy estava confuso. Rindo quando ele olhou para Tommy, Gene disse intencionalmente, “Gay”. Tommy quase cuspiu sua cerveja. “Como você sab…” Gene riu novamente. “Eu tenho olhos, não é? Você acha que eu nunca percebi quando você escapava por trás do meu pub após o seu turno?” Tommy estava prestes a dizer alguma coisa. Ele não tinha certeza do que exatamente, mas algo. Gene continuou em seu lugar. “Você acha que eu não percebi quando você parou de fazer isso? Logo depois que um certo oficial da lei chamado Bobby começou a tirar suas pausas para jantar com a gente em suas noites...”. Seu apetite desapareceu com a menção do nome de Bobby. Tommy afundou no sofá e tomou outro gole de sua cerveja. “O que Bobby faz é da sua conta. Não tem nada a ver comigo.” “É por isso que ele ligou nove vezes perguntando por você hoje à noite?” Gene estreitou os olhos para Tommy com a resposta.

268


Havia uma dúzia de coisas que Tommy poderia ter dito sobre isso, mas ao invés disso ele perguntou: “O que você disse a ele?” Gene bufou uma risada. “Eu disse a ele que não tinha estado em torno. Não foi muito longe da verdade, pois eu não acho que nenhum de vocês precisava disso agora.” Alguma sensação de alívio inundou Tommy então, e ele deixou escapar um pequeno suspiro. Não deveria importar, mas ele não queria que Bobby pensasse nele na mesma luz como seu pai. “Obrigado, Gene.” Gene se levantou com o lixo do seu jantar. Ele bateu no joelho de Tommy antes de chegar para pegar sua garrafa vazia. “Não me agradeça, garoto, é só pegar suas coisas juntos e não estragar as poucas coisas boas que tem.” Tommy considerou discutir com ele ou perguntar a Gene exatamente quais eram as coisas boas que foram deixados, mas deixou o assunto morrer. Na verdade, Tommy teve que admitir que eram conselhos sólidos. “Eu vou colocar algumas toalhas no banheiro para você,” Gene disse a ele quando ele voltou pela sala. “Eu estou saindo para a cama.” Ele desligou algumas luzes enquanto ele seguiu pelo caminho pelo corredor. Ben parecia contente em ficar onde estava. Suas longas pernas estavam esticadas para fora na frente dele, os joelhos abertos, dedos entrelaçados atrás da cabeça no encosto do sofá. Ele tomava quase metade.

269


“Há quanto tempo você e seu cara estão juntos?” Tommy não era normalmente um cara de conversa fiada, mas ele estava inquieto e necessitava ignorar seus próprios problemas por um tempo mais longo. “Ficamos juntos por três anos.” Ben sentou-se e pegou sua cerveja. Ele virou-se para Tommy. “Separamos há poucos dias. Eu não disse a Gene ainda.” Tommy sentiu como sua própria vida fosse muito de uma dor de cabeça para pensar, então ele perguntou: “O que aconteceu?” Ben encolheu os ombros em um dar de ombros volumoso. “Gavin era jovem demais para mim.” Se Tommy teve que colocar uma idade em Ben, ele diria que em algum lugar em seus trinta e tantos anos, mas ele com certeza não ia perguntar. "Quão jovem?" Ben riu da pergunta, um ronco suave de ar através de um sorriso brilhante. “Muito jovem. Ele tinha dezessete anos quando nos conhecemos, apenas dezoito anos quando fomos morar juntos, uma bagunça total. Mas ele juntou sua merda, e ele está na faculdade agora, e... é hora dele seguir em frente.” Talvez ele ainda estivesse um pouco bêbado, mas Tommy estava genuinamente curioso. “Por que se separar depois que ele colocou a sua merda juntos?” “Essa não foi a razão, apenas, ele tem vinte e um agora, você sabe? Eu adorava ser tão jovem e tão estúpido. Eu ia a clubes toda noite, fodendo tudo que se movia.” Ben estava olhando para a garrafa de cerveja na mão, pegando

270


no rótulo. Ele disse calmamente: “Eu sou a única pessoa com que Gavin já esteve, é que apenas parece... errado, de alguma forma. Ele é praticamente uma criança, e em vez de sair para festas, ele está em casa estudando e fazendo caçarolas para o jantar.” Ele baixou a cabeça para trás no sofá e suspirou. “Ele não deve se sentir como uma dona de casa dos anos cinquenta.” Tommy não se importava de uma forma ou de outra, se alguém tivesse estado com uma ou cento e uma pessoas, mas ele entendeu por que isso preocupava Ben. “Por que não abrir a relação? Deixá-lo jogar ao redor e ver se ele ainda volta para casa.” Ben passou a mão pelo cabelo desgrenhado. "Eu pensei sobre isso. Quer dizer, eu não sei se eu poderia lidar com isso, mas eu pensei que talvez um arranjo sem perguntas ficaria bem. Quando eu trouxe-o à tona, ele pensou que era porque eu queria sair mais.” Sua voz ficou quieta e ele limpou a garganta. “Acho que realmente feri seus sentimentos. Tivemos uma grande discussão, e eu lhe disse que ele deveria apenas embalar suas coisas e ir embora quando eu chegasse em casa.” Tommy se deslocou para a borda do sofá. Ele sabia que o que estava prestes a dizer poderia levá-lo a bater na sua bunda, e ele provavelmente mereceria. “Ok, eu tenho que tomar um banho e dormir um pouco para que eu possa lidar com a porra do desastre que é a minha vida agora. Mas eu tenho que saber, você alguma vez lhe perguntou se ele queria estar fora festejando e chupando estranhos toda noite?” Ele se preparou para um golpe, mas ele não veio. Ben pareceu surpreso com a pergunta. “Você já pensou que talvez ele meio que quer ser uma dona

271


de casa dos anos cinquenta? Porque eu admito, eu não conheço você de merda, mas parece-me que você é o único com um problema no relacionamento.” Ben sentou-se e apoiou os cotovelos sobre os joelhos. "Porra." Quando Tommy se levantou, ele deu uma tapinha no ombro de Ben. “Desculpe, cara, mas estou feliz em saber que não sou o único que atira no próprio pé de vez em quando.” Ben soltou uma risada curta para isso. Tommy disse: “Faça-se um favor e ligue para Gavin. Pratique seu rastejar antes de vêlo.” Ben olhou para cima com um sorriso. “Talvez eu possa ter algumas indicações de você. Parece que você vai ter que fazer alguma mendicância própria quando você chamar seu Bobby, cara.” “Talvez possamos ter uma aula juntos antes temos que enfrentá-los.” Tommy encontrou algumas toalhas e uma muda de roupa, juntamente com uma garrafa de aspirina no balcão do banheiro de Gene. Ele conheceu Gene desde que era criança. Quando seu pai iria desmaiar no bar de Gene, era trabalho de Tommy, mesmo tão jovem como com nove anos de idade, para ir até lá e arrastá-lo para casa. Anos mais tarde, quando Tommy esteve frenético lutando para obter as crianças fora do orfanato, Gene tinha ajudado a rastrear Cal e Cheryl. Quando ele completou dezoito anos e já tinha obtido o hábito de enganar as pessoas e roubar para sobreviver, Gene tinha lhe oferecido um emprego estável, honesto. Mesmo na época, Tommy não achava que Gene precisava de um ajudante de garçom ou uma máquina de lavar louça, mas Gene insistiu. Ele disse a Tommy que ele estaria fazendo um favor a ele, e

272


Tommy estava desesperado o suficiente para deixar-se acreditar. Quando Tommy completou vinte e um, Gene tinha lhe dado um conjunto de chaves para o pub e disse que ele poderia aprender a ser um bartender se ele quisesse. Ele tinha dado a Tommy um pequeno aumento a cada ano, mesmo quando havia vezes em que ele não tinha certeza se poderia manter seu negócio aberto. Gene foi mais do que apenas um chefe. Inferno, enquanto Tommy estava lá e fez o lapso de tempo ao longo dos últimos doze anos ou mais, ele percebeu que Gene era mais do que um amigo. Gene foi a coisa mais próxima que ele já teve como pai, e Tommy ia ter de agradecer a ele, encontrar uma maneira de pagar-lhe de volta algum dia. Uma coisa de cada vez. A desvantagem de nunca ter bebido em sua vida foi que Tommy não tinha ideia de quão ruim se sentiria uma verdadeira ressaca. Quando ele acordou nas primeiras horas da manhã, sua cabeça latejava a cada batida do seu coração, e ele não tinha certeza se podia levantar-se sem cair novamente. Sua boca estava repugnante, o que só o fez ter náuseas. Ele piscou abrindo os olhos e olhou ao redor da sala de estar. O apartamento estava calmo e quieto, então ele só poderia assumir que Gene e Ben não acordaram ainda. O leitor de DVD de Gene mostrava seis e quinze, mas quem diabos sabia se pra começo de conversa ele acertou o relógio? Tommy sabia que tinha de se levantar e começar a resolver sua merda junto. Se o relógio estava certo, o Departamento de Família e Serviços para Crianças iria abrir em

273


breve. Ele precisava chamar Bobby e checa-lo, mas essa ideia fez sua cabeça doer pior. Quando ele finalmente sentou-se no sofá, Tommy perguntou-se se ele tinha pulado a propensão para o alcoolismo. Naquele momento, ele não tinha certeza se ele já teria até outra cerveja. Seu estômago se encolheu em cada flashback do dia anterior, cada dose de uísque que ele bebeu. Obrigou-se a ficar de pé, cambaleou quando a dor de cabeça disparou por sua espinha e eletrificou cada membro, e depois deu passos lentos e instáveis para a cozinha, onde ele conseguiu beber um copo de água, e depois ele decidiu, ele tentaria ir para um chuveiro. Apesar de ter tido um algumas horas antes, Tommy sentia como se a bebida das últimas vinte e quatro horas estivesse vazando dos seus poros, e ele queria lavar. Ele também queria encontrar uma escova de dente. Inferno, um pano que ele pudesse lavar a sua língua. Levou mais tempo para fazer as coisas. Ele teve que se mover com cautela pela casa. Cada passo levou algum foco, mas ele conseguiu entrar no banheiro sem tombar. Ele era um idiota e ficou sob a água quente até que estava quase desaparecido, mas ele sentiu-se quase humano quando ele abriu uma das gavetas do banheiro e encontrou uma escova de dentes fechada. Ele descobriu que ele gostaria de acrescentar isso a lista de coisas que ele devia a Gene. Até o momento ele que ele estava finalmente vestido, Tommy decidiu que ele não teria tempo para chamar Bobby. O escritório estava indo para abrir em breve, e ele tinha tempo suficiente para caminhar até lá e esperar que ele seria uma das primeiras pessoas na porta. Ele não reconheceu que ele estava, pelo menos em parte, adiando o telefonema.

274


Mesmo em cinco minutos para oito, uma fila de pessoas aguardavam em frente ao escritório do departamento de Assistência Social. Não era uma multidão enorme, mas Tommy não seria o primeiro ou mesmo quinto. Ele não tinha nenhum compromisso, e ele estava lá em 'outros negócios', então ele teria que ter um número. Quando ele chegou lá dentro, ele deu o seu nome no balcão e, em seguida, sentou-se perto da frente. Ele observou as pessoas saltar para cima quando seus nomes eram chamados, assistiu mães lutarem com seus filhos, observava as pessoas vindo e indo desde a sala de Serviços de trabalho com computadores onde poderiam procurar listagens de trabalho. Ele estava há mais de uma hora quando uma mulher em uma blusa roxa e uma jaqueta bege chamou o seu nome por trás de um computador. Ela estava sentada em um balcão abaixo, e Tommy sentou-se na frente dela. “Thomas O'Shea?” Ela perguntou, olhando para ele com algo parecido com um sorriso. “Sim, Senhora.” Tommy limpou a garganta e fez uma pausa. Quando a mulher não disse mais nada, ele explicou: “Eu estou aqui para saber mais sobre meus irmãos e irmãs. Eles foram levados pela assistência social em algum momento no início da manhã de domingo.” “Eu vou precisar ver a licença de motorista ou o RG.” Tommy pegou a sua carteira e entregou-lhe sua licença. Ela se levantou e foi até a máquina de fotocópia atrás dela e depois voltou para ele. Quando ela sentou-se novamente, ela virou-se em sua cadeira para encarar a tela do

275


computador e perguntou: “Você tem um número do caso ou seus número social?” Tommy puxou o pedaço de papel do bolso e acertou no número. O assistente digitou pelo que parecia ser um ano, batendo nas teclas com traços rápidos e curtos. Depois de um longo tempo, ela disse: “Aqui estão eles. Eles foram levados para a colocação de emergência.” Ela fez uma pausa para ler mais, e Tommy apertou sua mandíbula bem fechada. Quase duas horas e até agora só foi dito a ele o que ele já sabia. “E você ainda não localizou seu pai?” Ela perguntou, ainda lendo a tela na frente dela. "Não Senhora." “Parece que não temos tido alguma sorte também, embora, geralmente em casos de abandono, não fazemos esforços extraordinários. Podemos obter mais informações sobre ele hoje.” Ela estreitou os olhos como se ela não entendesse o que ela estava olhando. “Isso é estranho. Havia uma nota aqui, mas ele não está aparecendo no meu sistema. Eu vou ter que olhar isso.” Ela puxou um bloco de notas amarela de sua mesa e escreveu alguma coisa. Tommy soltou uma respiração presa e disse: “Há algo que você possa me dizer sobre vê-los em breve? Ou, eu não sei, talvez ficar com a custódia?” Ela deslizou sua cadeira para trás de sua mesa e deu a volta. Quando ela se virou para Tommy novamente, ela tinha duas grandes pilhas de papel branco e algumas outras formas. Ela colocou-as na frente dele. “Este é o papel que você precisa preencher para que possamos ter uma visitação. Pode levar setenta e duas horas para processar quando você terminar de preenche-lo.”

276


Tommy assentiu quando ela passou-lhe o papel, mas ele sentiu uma queimadura ácida subindo em sua boca. Ele já tinha estado longe a muito longo. “Este é o pacote que você precisa preencher para obter a custódia, mas vou avisá-lo agora, ele vai ser um longo caminho, vários meses a um ano.” Ela passou o pacote para ele e, em seguida, entregou-lhe um pedaço rosa de papel. “Este detalha alguns dos seus direitos e responsabilidades. Como um membro da família, as crianças seriam filhos adotivos em seu cuidado. Você teria que fornecer comprovante de renda e comprovante de residência. Existem orientações para a quantidade de espaço que você precisa ter para que todas as crianças vivam com você. Você vai ter que provar parentalidade, e você será visitado por um assistente social para uma inspeção antes das crianças serem colocadas com você e pelo menos a cada três meses, uma vez que as crianças estejam em sua casa.” Ele não tinha uma casa. E olhando para as informações na frente dele, aquelas que tinha estado em não era grande o suficiente por seus padrões. Ele tentou manter a calma. Ele sabia que ela era uma das muitas coisas que estão entre ele e as crianças. “Você pode pelo menos me dizer onde eles estão agora?” Ela parecia realmente apologética quando ela disse: “Sinto muito, Senhor. Mesmo se eu tivesse a sua localização, eu não seria capaz de lhe dizer neste momento. Precisamos de todas as informações e os formulários preenchidos em primeiro lugar.”

277


Ele estava lutando metade de sua vida para manter as crianças seguras e alimentadas, mas agora tudo se resumia a preencher os formulários corretos. “Obrigado,” ele disse enquanto se levantava. Quando Tommy decidiu que era hora de chamar Bobby, lembrou-se ele ainda estava sem crédito no telefone celular pré-pago. Ele mergulhou na sétima com a décima primeira e comprou o cartão mais barato que eles tinham, mas quando ele foi para carregar os minutos, a sua bateria estava descarregada. O carregador estava em uma pilha de plástico derretida dentro de algum lugar nos restos carbonizados de sua casa. Tommy nunca sentiu mais vontade de gritar de raiva em sua sorte de merda. Tudo o que tinha em seu nome era um telefone sem valor, as roupas que vestia, e cerca de doze dólares em sua carteira. Ele precisava se sentar em algum lugar tranquilo e preencher as pilhas de formulários que ele tinha dobrado debaixo da jaqueta. Ele precisava encontrar uma maneira de fazer muito mais dinheiro e alugar uma maldita casa bastante grande e descobrir como acelerar o processo de levar as crianças de volta com ele. Setenta e duas horas para uma visita e até um ano para levá-los de volta? Isto era como um pesadelo. Ele não sabia mais para onde ir, então ele voltou para Gene. Tommy sabia que Gene não ia ao trabalho até o almoço hora do rush, e ele podia pelo menos usar o telefone lá para chamar Bobby. Se ele nunca encontrasse suas bolas. Tommy estava saindo quando uma viatura passou por ele. A condução policial não parecia familiar, mas ele olhou para Tommy e depois tirou um

278


telefone celular. Tommy não pensou muito nisso no momento, mas cerca de quinze minutos depois, quando Tommy estava a menos de três quarteirões do apartamento de Gene, um mustang preto brilhante parou, levantando gelo e areia ao lado de Tommy na calçada. A porta se abriu, e Tommy podia ver Bobby inclinando-se sobre o banco do passageiro. “Entre,” disse ele bruscamente. Tommy estava prestes a pedir desculpas por não chamar. Ele queria explicar sobre o telefone e sobre o que ele tinha lidado com essa manhã, mas quando ele abriu a boca, Bobby puxado para trás e colocou as mãos no volante. “Entre no carro maldito, Tom.” Bobby não teve que pedir novamente.

279


Capítulo 14 O calor no carro estava cheio de explosão quando Tommy deslizou no assento de couro e fechou a porta do passageiro. Bobby arrancou do meio-fio e puxou uma meia-volta no meio da rua congelada. As correntes dos pneus mastigaram através da neve como um cortador de grama em excesso de zelo na grama fresca. Tommy tentou falar novamente, mas Bobby levantou a mão para detêlo. Sua mandíbula estava apertada, e Tommy podia ver os músculos e uma veia em seu pescoço pulsar. Bobby estava pronto para explodir. “Há tantas coisas que eu preciso dizer a você, eu nem sei por onde começar.” As palavras de Bobby eram sílabas curtas cortadas que ele cuspiu em Tommy. “Nunca na minha vida eu fiquei tão chateado com uma pessoa. E isso inclui o cara que atirou em mim!” Ele bateu com o punho no volante e apontou para Tommy. “Você tem alguma ideia… Não, você mesmo deu uma merda que você me fez passar no último dia e meio?” Isso dói. Ele podia ver como Bobby podia ler suas ações como não se importar, mas ainda doía em ouvir. “Sim, eu estou me desculp…” “Cale-se, Tom. É hora de adulto falar.”

280


Ok, Tommy tinha se sentido mal pela forma como ele lidou com as coisas, mas isso foi um dedo do pé sobre a linha, mesmo que ele tinha sido o único errado. “Olha, se você vai ser um idiota, eu posso apenas pular para fora e continuar com as coisas, Bobby.” Bobby virou no estacionamento de um supermercado perto da parte dos fundos. Ele se virou para Tommy. “Oh não, você não. Você não consegue apenas atacar de novo.” Tommy estava prestes a dizer-lhe que ele não ia fazer exatamente isso. Toda a sua vida tinha desmoronando diante de seus olhos, e ele estava tentando envolver a cabeça em torno disso. Bobby parecia ler seus pensamentos, e ele suavizou o tom. “Eu entendo, Tom, sei que você estava surtando e devastado, eu sei.” Ele respirou fundo. “Eu até tentei entender por que você me empurrou, mas honestamente, se você tivesse apenas me ouvido, você poderia ter salvo nós dois dessa tristeza.” Tommy empurrou-se mais na cadeira. "Por quê? Porque você tem tudo planejado já? Você trabalhou algum grande esquema para obter a merda de volta sob controle?” “Você sabe,” Bobby disse lentamente, como se estivesse fazendo uma decisão. “Eu vou deixar você torcer. Você pode descobrir tudo sobre isso por si mesmo e fazer tudo à sua maneira, porque eu serei amaldiçoado se eu vou ser quem você culpa por tudo.” Ele poderia ter deixado então. Tommy sabia que ele poderia sair do carro e ir embora, deixar tudo pela extremidade lá em um estacionamento de

281


gelo. Mas a verdade era amarga, tudo o que ele queria era descansar a cabeça no ombro de Bobby e deixar levar um pouco de sua angústia. A realidade de amar alguém nunca foi mais clara para Tommy do que naquele momento. Eles eram uma bagunça juntos, eles lutavam, e eles batiam cabeças sobre tudo, desde o que têm para o jantar até o que fazer à longo prazo. Mas Tommy o amava tanto que a ideia de perdê-lo o feria, quase tanto como a dor muito real que sentia por ter perdido as crianças. Havia momentos em que a coisa certa a fazer era cortar suas perdas e salvar a todos de muita dor de cabeça, mas isso não era esse tempo. Este era o tempo para cavar seus calcanhares e lutar até o final sangrento, e Tommy sabia disso. “Eu não culpo você por qualquer coisa, Bobby.” Ele não olhou para Bobby, mas ele esperava que ele estivesse ouvindo. “Nada dessa merda é culpa sua.” Bobby ficou em silêncio por um longo minuto, e então ele perguntou: “Será que você ainda dirá isso se eu te disser que eu fui à pessoa que colocou as crianças na assistência?” Tommy levantou a cabeça, e olhou com raiva para Bobby. “Você quer explicar isso?” Bobby riu, mas não era um som feliz. “Eu tenho tentado ligar para o pub desde a noite de sábado.” Tommy esperou, mas ele sentiu como se talvez ele estivesse errado um momento atrás. Talvez Bobby e este desastre de uma relação não valia apena, muito menos lutar.

282


“Mesmo agora, todos esses meses mais tarde, você ainda não confia em mim, não é?” Perguntou Bobby. A dor em sua expressão atravessou a raiva de Tommy e seu medo e, sim, até mesmo sua desconfiança. “Eu estou tentando como o inferno, mas você dizer algo como isso não se torna mais fácil.” “É justo,” Bobby disse suavemente. Levou tanto tempo para dizer qualquer outra coisa que Tommy pensou que Bobby só poderia deixá-lo lá. Bobby mordeu o interior de sua bochecha quando ele se sentou em silêncio antes de dizer: “Naquela noite, eu fui o segundo a chegar no lugar da cena. As crianças já estavam fora de casa quando eu cheguei lá. Tive certeza que estava tudo bem, contei-os dezoito vezes antes de fazer qualquer outra coisa. Max e Zoe estavam com muito medo, Carrie não conseguia parar de chorar. Eles não precisavam estar lá e assistirem a casa queimar, Tom.” Tommy fechou os olhos contra as imagens pintadas por ele. Doeu demais pensar neles passando por isso, e ele provavelmente nunca se perdoaria por não estar lá naquela noite. Bobby continuou enquanto Tommy tentava ouvir e não se deixar ser ingerido em arrependimento. “Eu sabia que podia deixar alguém segurá-los, mas eu chamei uma amiga nos Serviços de Família. Ela me prometeu que ela poderia vir até a delegacia e que ela olharia as crianças até que eu fizesse algumas chamadas.” “Chamadas para quem?” Tommy perguntou confuso. “Minha mãe, para começar. Ela ainda está certificada para um orfanato, Tom. Ela já passou por todas as suas besteiras e burocracia.”

283


Tommy tinha pensado nisso, mas ele não sabia que as pessoas poderiam simplesmente intensificar em situações como a deles. Ele não sabia o que poderia ser tomado cuidado com alguns telefonemas e alguns favores. Embora, ele percebesse agora o que Bobby queria dizer para Tommy apenas ouvi-lo. “Eles estão com Judy esse tempo todo?” Bobby olhou para ele com uma expressão que claramente lia-se: Finalmente, idiota. “Como eu disse, se você tivesse me escutado desde o início, em vez de ficar embebedando-se ontem, eu poderia ter dito.” Na questão que ele deve ter lido nos olhos de Tommy, Bobby disse: “Gene é um grande cara, mas ele é um péssimo mentiroso. Você realmente acha que eu não sabia?” Tommy não poderia mesmo responder a isso. Ele baixou a cabeça contra o assento e pressionou as palmas das mãos nos olhos. A queimadura de lágrimas não derramadas arrepiou sob o toque. Ele não sabia que uma pessoa poderia estar tão aliviada que elas realmente choravam. Tommy exalou um longo gemido de dor. "Jesus Cristo." Ele estava fungando quando ele deixou suas mãos cair em seu colo e olhou para Bobby novamente. “Foi tão simples?” Bobby olhou para baixo e parecia que ele estava prestes a confessar uma coisa. “Eu não diria 'simples'. Eu tive que pedir muitos favores e puxar algumas cordas. Tivemos que mentir sobre o tamanho da casa, mas vai ser descoberto no momento em que for inspecionada.” Ele molhou os lábios e acrescentou: “Nada sobre nós é simples, Tom.”

284


Temor lavou através de Tommy a essas palavras. As crianças estavam bem, mas o que dizer sobre Bobby? “Quão ruim foi que eu fodi tudo?” Bobby riu. “Praticamente, maldito ruim.” Ele ligou o carro e saiu do estacionamento antes de falar novamente. “Eu provavelmente vou perdoá-lo eventualmente, mas agora você tem sete O'Sheas preocupados lá fora que se recusaram a ir para a escola hoje. Você deve estar mais preocupado com desculpar-se com eles primeiro.” Quando eles pararam em frente à casa de Judy, Tommy estava quase com medo de enfrentá-los. Bobby tinha dito que eles estavam putos, e tinham todo o direito de estar. Antes que eles saíssem do carro, ele perguntou: “Você contou? Quero dizer, sobre ontem, e...” Tommy tinha estado remexendo em seu lenço, e Bobby estendeu a mão e pegou a mão dele. “Não,” ele respondeu suavemente. “Eu não acho que eu deveria acrescentar nada ao que já estavam lidando.” Tommy balançou a cabeça e soltou um suspiro trêmulo. Bobby continuou. “ Eu acho que Colleen pode ter adivinhado. Ela parece mais magoada que com raiva.” Essa era a única coisa que Bobby poderia ter dito para fazer Tommy se sentir pior. “É melhor eu falar com ela primeiro,” ele sussurrou, mais para si mesmo. Bobby concordou com a cabeça. “Vou chamá-la.”

285


Ambos saíram do carro, mas Tommy permaneceu na soleira da porta quando Bobby entrou. Ele tinha visto Colleen ferida muitas vezes ao longo dos anos. Ela era mais frágil do que ela gostava de admitir, e quando algo chegava a ela, no fundo, o olhar em seu rosto era suficiente para destrinchar Tommy. Sabendo que ele tinha sido o único a machucá-la desta vez foi ainda pior. Tommy esperava vê-la em lágrimas, ao vê-la tremendo no frio. Esperava ela olhar para baixo e tentar esconder sua dor dele. O que ele não imaginava foi ver uma mulher com raiva. Colleen não disse uma palavra a ele em primeiro lugar. Ela desceu abaixo a um passo da porta e bateu seu punho contra seu braço. Ela estava chutando-o e atingindo-o mais duro do que ele jamais teria pensado que ela fosse capaz de fazer. No começo, ele estava lá e tomou. Então ela começou a gritar. “É isso, Tommy?” Ela chutou novamente. “É isso que você quer ser agora? Você vai se transformar em papai e apenas nos deixar sozinhos?” Ela não tinha parado de lhe bater e ela pontuava cada pergunta com outro golpe até que Tommy passou os braços em volta dela. Ele puxou apertado e não a deixou em movimento, mas ela ainda tentou. Sua voz ficou abafada contra seu ombro quando ela perguntou: “Você só vai deixar todo mundo limpar enquanto você desaparece?” Então ela começou a chorar. Ele não podia dizer nada num primeiro momento. Ele segurou mais apertado e tentou recuperar o fôlego.

286


“Não, Col,” ele sussurrou depois que seus estremecimentos e soluços tinham acalmado. “Juro por Deus, isso não vai acontecer.” Tommy tinha certeza de que era a verdade. Mesmo com as coisas em um naufrágio que tinha sido naquela manhã, o estresse, e confusão, e pressão de tudo o mais, uma vez, ele não foi sequer tentado a voltar para o bar e ver quanto tempo Gene iria deixá-lo vagabundear em bebidas gratuitas antes que ele lhe desse um pontapé. Fazer isso era a coisa mais distante de sua mente. Quando Colleen puxou a cabeça para ver o rosto dele, o que ele viu foi um medo cauteloso em seus olhos quando ela olhou para ele, Tommy sabia que nunca iria acontecer novamente. Ele até perguntou se havia algum tipo de programa preventivo de doze passos que ele poderia se inscrever. Ela fungou como se ela estivesse com raiva de si mesma por chorar. "Você tem certeza? Porque, juro por Deus, Tommy, estaremos melhor sabendo agora, se for assim que você vai agir.” “Eu tenho certeza” disse ele com convicção. Colleen enxugou as lágrimas em seu rosto quando Tommy afrouxou seu controle sobre ela. “Se algum dia eu deixar você de lado novamente, você pode me matar.” “Oh, eu vou.” Seu tom disse a ele que ela queria dizer, mas ela riu depois que ela disse isso. Tommy sentiu que deveria explicar. Ele sabia que não podia desculpar nada, mas ele disse: “Olhe, eu quero dizer, só para você saber, eu fui até a delegacia depois que eu descobri. O cara me disse que ninguém poderia me ajudar até segunda-feira.” Colleen estava escutando, mas ela não parecia convencida. “Depois que eu sai de lá e procurei por papai toda a noite.”

287


“No fundo de uma garrafa?” Como se ela percebesse o que havia dito, ela acrescentou com outra risada, “Eu quero dizer, isso é provavelmente o lugar onde vamos encontrá-lo, mas você não tem que mergulhar nisso para procurá-lo, não é?” Tommy ainda sentia vergonha de suas escolhas e ele não achava que nunca ia embora. “Não, eu não.” Colleen murmurou, “Bastardo estúpido.” "Eu sei." “Sim, bem, contanto que estamos claros sobre isso.” Tommy assentiu. “Completamente claro.” Ele enfiou a mão no casaco e tirou a papelada. “Ajudaria a todos, se eu dissesse que me levantei antes do amanhecer e arrastei a minha bunda gorda até DFACS10 para tentar descobrir o que fazer?” Seus olhos verdes procuraram os dele por um longo momento e então ela olhou para os papéis na mão. “Talvez” disse ela em um tom relutante. "Um pouco." Tommy era estúpido o suficiente para se sentir aliviado com suas palavras, até que ela o lembrou, “Mas se você tivesse se incomodado de falar com Bobby, você saberia onde estávamos para começar, você seu idiota.” “Eu sei, eu sei.” Ele baixou a cabeça contra a parede atrás dele. “Eu prometo, de agora em diante eu vou verificar com Bobby antes mesmo de eu limpar minha bunda, ok?” 10

Divisão de Serviços Familiares e Infantis

288


“Para as pessoas normais eu diria que era excessivo, mas no seu caso...” Ambos estavam rindo quando Tommy puxou para um abraço e beijou-a no topo da cabeça. Quando ele a soltou, ele perguntou: “E sobre Mike e Davey?” Colleen soltou um suspiro exasperado. "E eles?" “Será que eles sabem onde eu estava, ou...” Ela encolheu os ombros e disse: “Mike percebeu que tinha ido em um carro da polícia. Davey disse que, provavelmente, tinha, mas que você deseja obter sua merda juntos. Carrie não disse o que pensava, mas ela estava com medo como o inferno. Collin era o único que insistiu que não havia nenhuma maneira que você faria qualquer coisa estúpida. Ele disse que você foi provavelmente apenas descobrir as coisas, e você não estava falando com Bobby porque você sabia que ele tinha chamado os Serviços de Família para nós.” “Então, Davey bateu o prego na cabeça.” Tommy pensou que era engraçado dado a maneira como eles sempre rodava e rodava sobre as coisas. Ele pensou sobre Collin e sua crença inabalável de que ele estava lá fora, fazendo o que precisava ser feito. “Quantos anos eu estive cuidando de todos vocês? E só um de vocês teve alguma fé em mim em tudo.” A culpa brilhou nos olhos de Colleen e ela parecia que ela estava prestes a pedir desculpas, mas então ela disse: “Espere um minuto, imbecil. Você só tem que puxar esse tipo de merda quando assumimos o pior e estamos errados.”

289


Ela tinha um ponto. Ao invés de tentar combatê-lo, Tommy perguntou: “Podemos ir antes de nós dois congelarmos até a morte?” Voltando nas boas graças era mais fácil com o resto das crianças. Carrie tinha sido a primeira. Ela o abraçou com força e contou como ela estava assustada. Mike perguntou se ele tinha começado a sua merda juntos e parecia levar Tommy em sua palavra quando ele disse que ele tinha. Davey sorriu para ele e disse: “Eu estava certo, não estava?” Tommy bateu-lhe suavemente na parte de trás da cabeça e disse-lhe para desfrutar da sensação enquanto durasse. Então, ele o abraçou. Collin, é claro, nunca tinha duvidado dele então não havia nada a perdoar, e os gêmeos estavam subindo em cima dele a partir do momento em que ele entrou. Bobby e Judy tinha lhes dado alguns minutos a sós. Quando as coisas tinham se acalmado, Judy entrou na sala e disse a Tommy: “Por que você não vem para a cozinha e come chilli11?” Tommy pensou que soou como código para: você foi devidamente chutado por bancar o burro e é a minha vez, mas ele foi assim mesmo. Quando ele foi servido de chilli caseiro e uma pilha de biscoitos à espera no balcão. Judy ficou com os braços cruzados, olhando para ele. Ela não parecia tão irritada quanto Bobby esteve anteriormente. Parecia que ela estava contemplando o que fazer com um aluno indisciplinado que ficou ligeiramente abaixo da inteligência média.

11

Comida mexicana apimentada

290


Quando ele não disse nada, ela perguntou: “Você aprendeu alguma coisa com tudo isso?” Ele sabia que ele devia ignorar a comida, mas ele ainda estava frio, e ele não tinha comido nada desde os sanduíches com Gene e Ben na noite anterior. Ele pegou a taça e encostou-se ao balcão com ela antes dele dar uma mordida. Ele pensou por um momento antes de responder. “Eu acho que sim.” As sobrancelhas de Judy ergueram e ela esperou. Tommy não disse mais nada, e ela perguntou: “E isso é...?” Algumas piadas e uma ou duas observações irreverentes vieram à mente, mas Judy não parecia de bom humor para esse tipo de resposta. Ele disse seriamente, “Eu aprendi que a coisa mais estúpida que eu posso fazer é não confiar em Bobby.” Ele ia se calar, mas depois ele acrescentou: “E em você.” Parecia que ela estava pensando sobre sua resposta, tentando decidir se ele passou no teste. Judy se aproximou dele e deu a Tommy um beijo na bochecha. “Nós cuidamos de nossa própria família também, Tommy.” Então ela deu o mesmo rosto um leve toque e acrescentou: “Você, idiota teimoso.” A ideia de alguém como ela reivindicar ele e as crianças, como parte de sua própria família tornou difícil para Tommy respirar. Ele descobriu que ele e Deus fossem o mesmo agora. Talvez ele ainda devesse ao cara um ou dois. “Entendi” disse ele calmamente.

291


Bobby falou atrás dele. “Bom” disse ele quando ele se aproximou e colocou o braço em volta da cintura de Tommy. Tommy tinha pulado ao som de sua voz. “Jesus, cobre. Há quanto tempo você está aí? “Tempo suficiente.” Bobby sorriu em um pequeno beijo. Quando Judy saiu da cozinha, ela estava sorrindo. Ela também estava carregando um prato de biscoitos com ela para a sala de estar. Tommy observou ela ir, e disse: “Eles vão ter que andar e começar a escovar os dentes três vezes por dia.” “Eles são biscoitos de aveia orgânicos feitos com mel.” “Praticamente alimentos saudáveis, hein?” Perguntou Tommy. Ele colocou a sua tigela sobre o balcão. Ele ainda estava com fome, mas ele precisava mais de Bobby. Quando Tommy passou os braços ao redor dele, Bobby relaxou contra ele. “Ela é conhecida por esconder espinafre em brownies12 também” disse Bobby, ainda falando sobre a grande variedade de guloseimas que Judy gostava de produzir. “E aquele bolo de chocolate que eles gostam tanto tem abacates nele.” Tommy não poderia se ajudar com uma risada com isso. “Por favor, me certifique de que esteja na sala, se você disser isso a Collin.”

12

292


“Você tem a minha palavra.” Bobby beijou-o novamente e, em seguida, disse: “Eu perdi alguma coisa importante?” "Como o quê?" "Gostar... Será que a mãe falou sobre suas opções ou alguma coisa?” Tommy podia sentir a tensão rastejando por ele como uma videira espinhosa. Lembrou-se de sua conversa com Judy e disse a palavra confiança em sua cabeça. "Ainda não. Eu mal posso olhar para tudo o que a papelada do estado diz antes que meu cérebro dê um curto-circuito.” Ele poderia dizer que Bobby estava prestes a dizer algo, mas Colleen enfiou a cabeça ao virar da esquina. “Reunião familiar” “Opções, hum?” Tommy saiu atrás de Bobby tempo suficiente para comer o almoço arrefecendo rapidamente em sua boca. Quando ele terminou, ele pegou a mão de Bobby e puxou-o para a sala. Mike, Judy, e Colleen estavam sentados ao redor da sala. Mike tinha reivindicado uma cadeira perto da janela, e Judy sentou-se na borda de sua mesa de café. Colleen tinha puxado os pés para cima no sofá e apoiou o queixo nos joelhos, e Tommy sentou-se no chão perto dela. Bobby sentou-se do outro lado de Tommy no sofá. “Onde estão as crianças?” Perguntou Tommy, olhando para o resto da família para que eles pudessem começar. Judy olhou para ele e disse: “Davey está escrevendo um ensaio de uma página sobre a importância da gramática.” O jeito que ela disse isso, Tommy adivinhou que não era uma tarefa de casa, mas que ela havia lhe dado por dizer algo como “não é”.

293


Judy continuou. “Collin e Carrie estão na sala de família com Max e Zoe.” Ela parecia um pouco mais eficiente do que o habitual, mas Tommy percebeu que era razoável, já que tinha muita coisa para resolver. “Achei que você três, sendo os mais velhos, poderiam estar aqui agora, e quando você todos tiveram a oportunidade de discutir as coisas, você poderia falar com as crianças.” Tommy olhou para Mike quando ela disse isso. Ele estava tão acostumado a pensar em Mike como um irmão, de alguma forma ele esqueceu que Mike tinha a mesma idade que Tommy tinha quando ele começou a resolver as coisas. Ele completou quinze anos a quase um ano. Parecia tão maldito jovem do outro lado. Mas Judy estava certa. Mike era velho o bastante para estar nas grandes decisões. “Então, o que acontece a seguir?” Perguntou Judy. “Bem...” ela começou devagar, como se estivesse decidindo a melhor maneira de dizer tudo. “Temos algumas opções, embora elas sejam um pouco limitadas.” Tommy não gostou do som disso, mas ele esperou que ela continuasse. Mike e Colleen ficaram em silêncio, e Tommy podia sentir a mão de Bobby quando ela caiu sobre seu ombro. “A primeira, e, na minha opinião, a pior, é olhando para isso como uma colocação temporária. Uma vez que encontrar um arranjo mais permanente para todos, as crianças iriam para o sistema e seriam colocadas com outra família. Eles, provavelmente, seriam divididos.”

294


“Isso está fora de questão,” Tommy disse com firmeza. Ele não tinha a menor ideia de onde todos eles iriam ou como eles iriam chegar lá, mas se isso era tudo o que tinham, ele iria levá-lo e sairiam no meio da noite. Judy surpreendeu com uma risada. “Eu sei,” disse ela. “A segunda, terceira e quarta opções são inteiramente até você.” Tommy esperou e Judy passou a dizer: “Com algumas pequenas modificações na casa, as crianças podem ficar aqui por tempo indeterminado. Vamos precisar colocar uma parede no quarto da família para fazer um quarto extra, mas não há espaço suficiente no papel para satisfazer as exigências legais. Eles ainda seriam crianças adotivas, mas eles estariam sob meus cuidados. Nós teríamos que ser vigiados pelo Estado e ter visitas trimestrais de seu assistente social. No entanto, eles estariam recebendo alimentação, assistência médica, e uma quantia mensal pequena do estado para

seus

cuidados.” “Isso não soa tão ruim, Tommy,” disse Mike de seu canto da sala. Tommy tinha que concordar, mas tinha que haver algo mais. “Mas se algo acontecer com você...?” Judy sorriu e acenou com a cabeça. “Sim, se algo acontecer comigo, então eles vão voltar para o sistema. Nesse ponto, Bobby teria que solicitar a certificação adotiva. Ele teria a casa, de modo que seria o único obstáculo real, mas isso pode levar algum tempo e não sabemos se eles poderiam continuar a viver aqui nesse ínterim.” Ela riu e acrescentou: “No lado positivo, eu tenho excelente saúde.”

295


Antes de Judy poderia continuar, Mike perguntou: “Espere, o que acontece com Tommy? Onde é que ele vai estar?” “Não se preocupe comigo agora” respondeu Tommy. “Temos que descobrir o que é melhor para vocês e depois eu vou descobrir o meu próximo passo. Gene me disse que eu posso ficar no seu lugar, desde que eu precise.” Ele sentiu uma tapa na parte de trás de sua cabeça quando ele disse isso. Esperava que fosse Colleen, mas foi Bobby. “O que foi isso?” Ele perguntou, olhando para o rosto descontente de Bobby. “Você não vai ficar com Gene. Jesus, Tom.” Bobby cruzou os braços sobre o peito e olhou irritado. “Você vai ficar na minha casa.” “É assim que você me pede para morar com você?” Tommy perguntou quando ele esfregou as costas de sua cabeça. “Você estava esperando luar e rosas?” Bobby perguntou, mas ele estava sorrindo agora. “Eu estava esperando a pergunta, você sabe, uma pergunta. E talvez não uma concussão.” Colleen riu dos dois. “Você vai durar uma semana, antes de um de vocês matar o outro.” Bobby sorriu e olhou para ela. “Eu estou armado.” Judy cortou em seguida. “Então, arranjos da vida de Tommy estão resolvidos.” Ela olhou divertida. “Suas outras duas opções, tanto quanto as crianças irem, são um pouco mais complicado.” Judy olhou de Mike para Colleen e finalmente para Tommy. “Eu tenho certeza que eles lhe disseram

296


esta manhã, mas você pode pedir para manter as crianças em seu cuidado. É um processo muito longo, mas pode ser feito. E sendo que você é seu irmão, vai ser um pouco mais brando em alguns dos regulamentos do que eles seriam com estranhos.” “E a última opção?” Perguntou Colleen. “A última opção” repetiu Judy. Ela parecia hesitante. “Eu faria uma petição para adotar as crianças.” Tommy mordeu o interior de sua bochecha, enquanto tentava decidir como se sentia sobre isso. Ele sabia que Judy não teria tocado no assunto, se não houvesse uma boa razão. Ele manteve o tom mesmo quando ele perguntou: “Por que é que essa está na lista?” “Se as crianças são adotadas, não temos as visitas de Estado,” Judy disse claramente. Tommy não poderia dizer pelo jeito que ela tinha dado a eles a lista de opções qual ela prefere. “E mais importante, se algo acontecer comigo, seria até me aonde as crianças iam, não para o Estado. Você seria seu tutor legal.” Tommy pensou sobre isso por um longo minuto. “Não pode ser assim tão fácil.” “Pode ser, mas primeiro nós teríamos que encontrar o seu pai e levá-lo a assinar sobre seus direitos parentais” disse Judy. Ela alterou sua declaração um momento depois. “Bem, nós podemos pedir aos tribunais sem isso, mas se ele lutar pela custódia, as crianças podem ter de testemunhar contra ele, e não importa como eles se sentiriam sobre ele, isso seria difícil.”

297


“Sim, eu não gosto do som disso,” Tommy disse sombriamente. Mike perguntou em voz baixa: “Será que temos de manter o nosso nome?” “Claro, querido,” Judy respondeu gentilmente. “O outro problema com ele é um pouco mais complicado.” Ela parou e pegou um biscoito do prato ao lado dela e começou a morder. Quando Tommy olhou-a nos olhos, ela disse: “A principal questão é, se eles se sentem como se estivessem ganhando alguma coisa, algum maior sentido de família com a adoção, ou se eles se sentem como se tivessem perdido alguma coisa?” Tommy sentou-se e encostou-se a perna de Bobby. Ele passou as mãos pelo cabelo e disse: “Eu não posso responder isso.” Judy parecia um pouco triste quando ela disse, “Nem eu posso. Podem não ter a sua própria resposta até anos mais tarde, depois que seja tarde demais.” Colleen soltou um riso amargo. “Eu posso dizer a minha resposta agora.” “Você está com quase dezoito anos, Col,” Tommy disse, sorrindo para ela. “Eu não acho que isto importe tanto pra você.” Ela revirou os olhos e disse: “Sim, bem, cinco anos atrás, se alguém tivesse me perguntado se eu queria ser filha do papai ou pertencer a alguém que realmente dava a mínima para mim e iria certificar-se de que havia comida e eletricidade, eu sei o que eu teria dito.”

298


Tommy concordou, mas ele não disse nada. “O importante agora é fazer com que a papelada seja arquivada na minha finalidade, e obter as crianças colocadas sob meus cuidados em uma base mais á longo prazo,” disse Judy. Ela olhou para cada um deles novamente. Quando seus olhos pousaram sobre Tommy, ela disse: “O resto, você tem muito tempo para pensar.” Depois acrescentou com uma risada, “Se você esperar muito tempo, as crianças serão consultadas e você não terá que decidir nada.” Judy levantou-se da cadeira a mesa de café e foi para a cozinha. Tommy olhou para Mike e Colleen. "Alguma ideia?" Mike surpreendeu quando disse: “Eu não acho que agora é a hora de tomar grandes decisões.” Ele fez uma pausa e olhou ao redor da sala antes de encontrar o olhar de Tommy. “ Judy parecia feliz o suficiente para deixar todos nós ficarmos aqui, estamos juntos, e estamos seguros. Isso sempre será bom o suficiente para nós.” Era verdade. Eles sempre tinham estado muito bem contanto que eles estivessem juntos. “Você está certa,” Tommy disse suavemente. “É um muito em que pensar, então, apenas fale se você chegar a qualquer coisa, certo?” “Vamos fazer”, Mike disse enquanto se levantava. Ele parou na frente de Tommy, e acrescentou: “Apenas deixe a poeira assentar primeiro, você sabe? Talvez agora seja o tempo para desfrutar e não vivermos como cães na corrida.” Tommy sorriu para seu irmão. Foi a primeira vez que Mike havia dito algo para fazer Tommy achar que ele realmente era um poeta de coração.

299


Talvez Mike estivesse certo. Talvez fosse hora para eles recuperarem o fôlego e verem o caminho em que o vento ia soprar. Colleen se levantou e disse: “Vou verificar as crianças.” Ela afagou a cabeça de Tommy quando ela passou, observando quando Mike saiu da sala. “Eu concordo com ele, por isso não se preocupe em perguntar o que penso agora.” Tommy pegou sua mão e beijou-a. "Justo." Quando estavam sozinhos de novo, Tommy olhou para cima de seu lugar no chão, Bobby. Eles ainda tinham algumas coisas para resolver, e Bobby provou isso quando disse: “Nós precisamos conversar.” Aquelas eram possivelmente as piores palavras que alguém poderia atirar em uma pessoa, e foi muito pior quando o telefone tocou antes que pudesse dizer qualquer outra coisa. Bobby olhou para o seu telefone celular e disse: “Eu tenho que atender.” Ele se levantou e saiu da sala. “Cristo,” Tommy murmurou e deixou cair à cabeça para trás contra o sofá. Ele sabia que ele provavelmente deveria se levantar e fazer alguma coisa, mas ele não tinha ideia do que isso seria. Judy voltou e sentou-se na frente de Tommy novamente. Ela passou um biscoito, mas não disse nada. Ele deu uma mordida e pensou que biscoitos não era uma coisa tão mal. Ele perguntou a ela: “Tem certeza que está tudo bem com você?”

300


Ela riu como se fosse uma pergunta estúpida, mas ela respondeu de qualquer maneira. “Tenho certeza disso, Tommy.” “Estávamos meio que forçado em você.” “Se eu achasse que eu poderia ter fugido com isso, eu teria oferecido meses atrás,” ela confidenciou. “Só lamento as circunstâncias serem tão... traumáticas.” “Você e eu,” Tommy murmurou. Ele olhou para ela e sorriu. “Bobby disse que você sempre quis uma grande família.” Quando Judy concordou, ele disse: “Acho que você tem o que você pediu.” Sua risada era brilhante e jovem, cheia de vida. “Eu certamente o fiz, não foi?” Tommy não teve a chance de responder, porque Bobby estava caminhando ao longo com um olhar sério sobre o seu rosto. “Tom” disse ele. “Nós encontramos seu pai.”

301


Capítulo 15 Bobby dirigia enquanto Tommy tentou recolher seus pensamentos. “Diga-me outra vez, lentamente” disse ele. “Porque eu tenho certeza que eu ouvi errado na primeira vez.” Eles estavam indo para um hospital do outro lado da cidade. Bobby riu antes de responder. “Ele está em reabilitação há seis semanas.” “Veja,” Tommy começou a explicar. “Não é a reabilitação, porque ele já foi mais de uma vez. É a parte onde ele se conteve com isso. Tem certeza sobre isso?” “Isso é o que eles disseram.” Tommy não poderia caber esse pedaço de informação em seu mundo, então ele tentou se reservar. “E ele quer me ver?” Bobby assentiu, mas ele manteve os olhos na estrada. A situação toda me parece surreal. “Ele sabe sobre Cheryl?” Tommy podia ouvir a voz sentida Bobby com a menção de seu nome. Bobby ainda lamentava as pessoas como Cheryl. “Eu não tenho ideia, Tom,” Bobby disse calmamente. Ele olhou para Tommy antes de olhar para a estrada. “Você pode ter que dizer-lhe por você mesmo.” Depois de uma longa pausa, ele acrescentou em um sussurro, “Eu sinto muito.”

302


Ele não sabia se Bobby estava oferecendo condolências ou se era simplesmente porque Tommy teria quer dar a notícia para Cal. De qualquer maneira, Tommy não sabia o que dizer. O silêncio se estendeu entre eles por um longo momento antes de Bobby perguntar: “Você está bem?” “Eu não tenho ideia.” Era a única resposta honesta que ele tinha. Quando eles pararam em frente ao hospital, poucos minutos depois, Bobby encontrou uma vaga de estacionamento. “Você está pronto para isso?” Tommy soltou uma risada amarga. “Não.” Mas ele saiu do carro. Levou-lhes alguns minutos para encontrar o andar certo e checar em como visitantes. Bobby disse que ele iria ficar na sala de espera e deixar Tommy ter alguma privacidade com seu pai. “Tem certeza que é uma boa ideia?” O tom de Tommy estava brincando, mas ele questionou sério se ele deveria ficar sozinho com Cal. Bobby colocou os braços sobre os ombros de Tommy e o beijou. "Tenho certeza. Há um guarda de segurança lá dentro.” Tommy puxado para trás e virou para a porta quando a enfermeira abriu-a completamente. "Apenas minha sorte." Cal parecia melhor do que Tommy já tinha visto ele. Ele estava limpo, seu rosto estava barbeado, e parecia que ele sabia onde ele estava. Ele estava sentado a uma mesa, mas ele se levantou quando viu Tommy. “Oi, meu filho.”

303


Por um momento, parecia que Cal iria apertar a mão de Tommy, mas ele parou o movimento com um empurrão e sentou-se quando Tommy olhou para ele. “Você está vivo.” Era a única coisa que me veio à mente, por isso Tommy disse ele. Cal bateu os dedos sobre a mesa, como se tivesse encontrado um novo hábito nervoso. “Isso eu estou” disse ele. “Essas palavras nunca foram mais verdadeiras.” Tommy não tinha resposta para isso, então ele perguntou: “Você soube de Cheryl?” Cal olhou para suas mãos e colocou cuidadosamente sobre a mesa sobre uma pequena pilha de envelopes. Tommy não se preocupou em perguntar o que eles estavam prestes a fazer enquanto esperava por uma resposta. “Ouvi, sim.” Depois de uma pausa, Cal acrescentou: “Eu preciso fazer alguns tipo de arranjos, mas eu realmente não estou no estado de espírito certo para isso.” Tommy conseguia identificar, mas provavelmente por razões diferentes. Ele só tinha poupado alguns minutos para pensar sobre Cheryl desde que tudo aconteceu. Ele sabia que precisava fazer alguma coisa para ela, mas ele não tinha ideia do que. Dois anos atrás, ele poderia ter simplesmente se afastado dela completamente, mas agora que era real e ela se foi, Tommy sentiu como se a família devesse ter um memorial para ela, enterrá-la, alguma coisa. Ela tinha lhes dado Max e Zoe, e mesmo que essa fosse a única coisa boa que ela fez com toda a sua vida, valia a pena reconhecer.

304


“Nós vamos resolver isso para ela,” Tommy contou a seu pai. As palavras eram espinhosas na boca. Seu pai deveria ser o único a fazê-lo, a fazer o esforço, e para lamentar sua morte, mas como qualquer outra coisa, Tommy teria que fazer isso por Cal também. Cal examinou as pontas dos dedos por um longo minuto. “Obrigada, meu filho.” Ele ficou em silêncio por tanto tempo, Tommy pensou que poderia ser ela. Ele estava pensando em levantar-se quando Cal falou novamente. “Eu ainda não sei como me sinto sobre... sua morte. Eu preciso trabalhar nisso no grupo um pouco, eu acho.” Tommy resistiu à vontade de revirar os olhos. Ele não tinha perguntado como seu pai se sentia, e, francamente, naquele momento Tommy não dava a mínima. “Você esta aqui há seis semanas?” Ele perguntou. “Sim.” Cal acenou com a cabeça e olhou para Tommy no olho. “Depois do Natal, eu... Naquela noite, quando nos encontrou tentando...” “Roubar de seus filhos?” Tommy forneceu acidamente. Cal acenou com a cabeça novamente. “Sim, isso.” Ele podia ver seu pai engolir em seco, como se a memória fosse dolorosa, mas Tommy não queria pensar sobre o quão difícil era para ele. “Foi, assim, eles continuam chamando-o de um momento de clareza, e isso era a maneira mais precisa que posso descrevê-lo.” “Cheryl disse que tinha sido apenas alguns dias desde que ela tinha visto você.” “Bem, você sabe que ela poderia... perder a noção do tempo.”

305


“Sim, meth13 pode fazer isso com uma menina.” Talvez ele fosse um idiota por dizer isso, mas Tommy não se importava. Cal mordeu os lábios e desviou o olhar de Tommy. “É possível” ele concordou antes de olhar para ele. Ele finalmente perguntou: “Como estão as crianças?” Tommy podia sentir seu temperamento subindo. “ Oh, você se lembra deles?” “Eu lembro,” Cal sussurrou. “Será que eles têm um lugar para ficar? Alguém se machucou?" “É bem real de que você pergunte depois por eles e tudo, mas não darlhe outro pensamento, tudo bem, pai?” Tommy cuspiu as palavras de seu pai. “Eles estão indo muito bem. Nós sempre ficamos bem por nossa própria conta.” Não se passaram seis semanas que Cal tinha estado sumindo e Tommy fora. Foi mais de vinte anos de sua besteira empurrando Tommy sobre a borda. Ele ainda estava tentando descobrir se a coisa reabilitação era real ou se seu pai tinha descoberto uma maneira de roubar blocos de receita ou ficar carregado com metadona ou algum outro golpe. O dinheiro de Tommy estava no esconderijo, mas ele não disse isso. “Por que você quer me ver, pai?” Parecia a Tommy que esta era a parte que Cal estava temendo. Ele levou um momento para responder. “Eu queria que você soubesse que eu estava aqui, e eu queria que você soubesse que era porque eu queria estar. Ou, bem, porque eu preciso estar.” 13

Alusão a metanfetamina

306


Cal parou lá, talvez esperando por Tommy dizer alguma coisa. Mas o que poderia Tommy dizer? Grande trabalho, apenas vinte anos de atraso. Sim. Quando Tommy somente olhou para ele, Cal disse: “Um dos meus passos é fazer as pazes.” Ele mexeu com os envelopes na frente dele. Tommy não conseguia parar a risada que escapou. Um dia, anos mais tarde, talvez ele fosse se sentir culpado por isso, mas não agora. “Eu sei que não pode compensar o que eu fiz ou mudar nada agora, mas eu queria que você soubesse que estou tentando.” “Tentar o quê?” Perguntou Tommy, sentindo a amargura turvar a raiva em seu sangue. “Tentando se desculpar? Tentando dizer pra mim que está arrependido e que você gostaria que você pudesse ter tudo de volta?” Cal sentado ali, parecendo que ele estava pensando muito sobre algo. “Eu desejo isso. Mas não é disso que se trata.” "Então o que?" “Olha, filho, eu sei que não tenho qualquer direito de lhe pedir isso, mas... Eu escrevi cartas para você e as crianças e eu estava esperando que você pudesse dar-lhes a eles. Ou, pelo menos, ler a sua.” Tommy teve que respirar fundo para não se atirar sobre a mesa para o pai. “Olhe pai, se você ainda estiver limpo e sóbrio em um ano, se você tiver sua merda junta até lá, tiver um emprego de verdade, ficar fora da prisão e fora das ruas... Se você ainda quiser fazer as pazes... você nos procure entregue as cartas você mesmo.” Ele se levantou e se inclinou sobre a mesa, sua voz grossa com raiva quando ele sussurrou: “Mas eu juro por Deus, se

307


você tentar estragar o que as crianças têm agora, se você fizer algo louco como tentar obter a custódia de volta, eu vou assinar minha própria confissão em seu sangue sobre seu corpo morto. Está me ouvindo, velho?” Bobby não esteve brincando sobre o guarda de segurança lá dentro. Ele parecia tomar conhecimento quando Tommy mudou. Ele se aproximou quando as coisas ficaram mais aquecidas. Mas Tommy recuou. Ele olhou para á guarda e disse: “Eu terminei aqui.” Ele nem sequer olhou para o pai enquanto ele espreitava em direção à porta e esperou que a enfermeira do outro lado o deixasse sair. Bobby esteve esperando por ele quando ele chegou ao lobby, mas ele não disse nada para Tommy. Provavelmente porque Tommy estava murmurando para si mesmo e andando rápido em seu caminho para a saída. Quando estavam lá fora, Bobby finalmente perguntou, “Tudo bem?” Tommy estava mexendo nos bolsos da jaqueta, orando que houvesse um cigarro dentro. Claramente, descobrindo que as crianças estavam bem e que Bobby, provavelmente, iria mantê-lo em torno por um pouco mais de tempo era o último pouco de sorte que Tommy ia ficar por um tempo. Os bolsos estavam vazios. “Você sabe, alguma parte estúpida da minha pessoa tinha pensado por um minuto no caminho para cá que talvez - apenas talvez – ele havia se recomposto e ele fosse levantar-se e assumir a responsabilidade.” Tommy ficou na frente do hospital, apontando para as portas. “Mas o que? Essa é a última porra de coisa que eu preciso.”

308


Ele virou-se para caminhar em direção ao carro e Bobby o seguindo. Tommy ainda estava rosnando. “Tudo que eu preciso é para ele ficar junto o tempo suficiente para estragar o nosso mundo novamente e então você sabe o que vai acontecer?” Tommy olhou para Bobby, mas ele continuou falando sobre qualquer coisa que Bobby poderia ter dito. “Ele vai descarrilar novamente e arrastar a todos na vala com ele.” Bobby abriu o carro e esperou Tommy entrar antes que ele fizesse o mesmo. Ele ligou o carro e, como se tivesse estado à espera para se certificar de Tommy tinha terminado, ele finalmente perguntou: “O que ele queria?” “Ele queria fazer as pazes.” Tommy falou cada palavra com tanto desprezo como elas pudessem realizar. Quando Bobby não disse nada, ele continuou. “Ele nos escreveu cartas, você vê. Mas ele tem coragem de entregálas? Não. Ele queria que eu fizesse isso por ele. Assim como qualquer outra coisa maldita em sua vida.” Bobby puxou para fora do estacionamento. “Eu estou supondo que você disse para ele ir se foder?” “Você acha que eu não deveria ter dito?” “Eu não disse isso, Tom.” “Eu disse a ele que, se ele tivesse a sua merda junto e ficasse limpo por um ano, ele podia nos entregar ele mesmo.” Quando Bobby seguiu para a autoestrada voltando para a casa de Judy, ele disse: “Isso não é um pedido razoável, Tom. Seu pai tem muito a enfrentar, tanto em si mesmo quanto com sua família. Você dizendo que ele

309


precisa provar a si mesmo por mais do que algumas semanas em uma instalação, não é injusto.” “Eu não dou a mínima se é justo ou não.” “Devido o você passou com ele,” disse Bobby com um pequeno sopro de uma risada. “Eu diria que é muito justo também.” Tommy não disse a Bobby como a sua mensagem de despedida para Cal tinha sido. Ele decidiu que ainda havia algumas coisas que Bobby simplesmente não precisava saber. Eles não falaram muito o resto do caminho de casa. Tommy estava feliz com a paz até que ele se lembrou das palavras de Bobby anteriormente. Precisamos conversar. Quando ele puxou para a entrada de automóveis, Tommy decidiu que era melhor resolver tudo em um dia. Ele se virou para Bobby. “Você ainda precisa falar?” Bobby virou o carro e olhou para ele. “Eu preciso, mas pode esperar até mais tarde.” “Não,” Tommy disse quando ele saiu do carro. Quando Bobby saiu, Tommy continuou. “Vamos apenas colocar tudo para fora, ok?” Se Bobby discordou, ele não disse isso. Em vez de ir para a porta da frente de Judy, ele levou Tommy para a porta do lado da garagem e deixou-os no seu apartamento. Parecia menor e menos amigável para Tommy do que tinha sido antes. Ele estava esperando que fosse apenas sua imaginação. Ele se perguntou se Bobby tinha mudado de ideia sobre Tommy morar com ele. Ele se perguntou se Bobby tinha mudado de ideia sobre ele em geral.

310


Ele observou enquanto Bobby tirou os sapatos e colocou as chaves no balcão da pequena cozinha. Quando Bobby caminhou ao redor do sofá para o quarto improvisado, Tommy seguiu. Bobby deitou-se na cama com um travesseiro sob a cabeça, e ele sorriu para Tommy. “É 'falando' o novo eufemismo?” Perguntou Tommy. “Porque eu não me importo de falar tanto se for.” “Não é,” Bobby disse a ele com uma risada. “Os últimos dois dias eu estive preocupado fora da minha mente, então eu estava chateado, e então eu simplesmente sentiu sua falta.” Tommy inclinou para desamarrar as botas e depois se arrastou sobre a cama para onde Bobby estava esperando por ele. Eles deitaram e ambos ficaram em posição confortável. Bobby estava de costas e a cabeça de Tommy estava em seu peito. Bobby puxou um cobertor colocou sobre eles. Tommy desejou que ele pudesse tirar um cochilo, mas não era por isso que estavam aqui também. “Esta era a sua ideia,” disse Tommy. “Fale, cobre isso.” Bobby correu os dedos pelos cabelos de Tommy e ficou em silêncio por um minuto antes dele perguntar: “Como você se sente sobre mim, Tom?” Tommy levantou a cabeça e olhou para Bobby. “Nós estamos apaixonados por aqui, e você ainda sente que precisa me perguntar isso?” “Eu sinto, sim.”

311


Por

alguma

razão,

ouvir

Bobby

dizer

essas

palavras

feriu

profundamente em um lugar dentro que Tommy nem sequer sabia que existia. Bobby continuou. “Eu sei que você me ama, mas... Eu quero um parceiro, e eu preciso saber se você quer também.” Ele provavelmente não deveria ter levado tanto tempo para responder. Ele podia sentir Bobby ficando nervoso enquanto esperava, mas esta era uma resposta que Tommy tinha de acertar. Ele sabia o que a palavra “parceiro” destinava-se para Bobby. Ele era um policial. Isso significava mais do que apenas alguém que você compartilhar sua vida com ele. Ele dependia de seu parceiro para assistir as costas e mantê-lo seguro, para tomar uma bala por ele. Tommy descobriu que, para Bobby, um parceiro era o cara que estava sempre lá para você, quem iria ouvi-lo e tomar o seu conselho e te tirar de uma situação difícil. Um parceiro era o cara que o deixaria ir para os dois lados. Dar e receber. Tommy em dar e receber, e ambos sabiam disso. Ele deve ter levado muito tempo, porque Bobby disse: “Eu não quero ser apenas o cara que você fode e 'oh pela forma como' amor.” Tommy sabia disso. Ele limpou a garganta e disse cuidadosamente, “Eu quero que você seja ele para mim, ok?” Bobby somente olhou para ele. “Eu quero um parceiro também, mas,” Tommy parou lá e então disse suavemente, “Eu preciso que você me ensine a ser.” Ele não chegou a dizer a palavra “ajude”, mas era perto o suficiente, e Tommy podia sentir o medo em suas palavras.

312


Bobby apertou os dedos no cabelo de Tommy e puxou-o para mais perto. “Eu posso fazer isso” ele sussurrou. O beijo que compartilharam então foi longo, quase dolorosamente lento. Quando Tommy puxou para trás, ele pode sentir o rubor de sangue sobre a superfície de sua pele. Ele estava sem fôlego e de repente necessitado, e ele esperava que a conversa estivesse encerrada. Bobby pareceu concordar. Ele rolou sobre Tommy e abriu as pernas para que eles pudessem mover os seus quadris juntos. A respiração de Tommy pegou um suspiro quando Bobby deslizou as mãos sob a camisa e começou a empurrá-la por cima da sua cabeça. Eles estavam se movendo mais ou menos, a tentar obter através das camadas de roupas, tiraram a calça de brim, e nada estava indo rápido o suficiente para Tommy. Ele queria tanto Bobby como queria o ar. Não era uma pergunta, era uma ordem, um instinto correndo tão profundo dentro dele parecia primal. Depois que eles descartaram suas roupas e Tommy pode finalmente tocar a pele de Bobby, ele passou longos minutos arrastando os dedos sobre cada parte. Ele beijou o braço de Bobby onde a pequena cicatriz ainda parecia rosa e lívida depois de mais de cinco meses. Ele traçou a cada curva, cada ângulo agudo do corpo de Bobby, como se estivesse memorizando ele, mapeava cada músculo. Tommy fechou os olhos enquanto eles exploraram um ao outro, ofegando quando Bobby raspou os dentes contra a garganta de Tommy. Bobby interrompeu os toques gananciosos e pequenos gemidos. “Você já foi testado ultimamente?”

313


Tommy quase disse a ele toda a sua vida foi um teste, mas ele sabia o que significava para Bobby. “Cerca de um mês atrás.” Testes de HIV foram uma das poucas coisas que eram realmente livres na clínica. "Você?" “A cada três meses, como um relógio.” Isso não surpreendeu Tommy em tudo. Bobby ficou em silêncio por um momento. O sangue de Tommy estava vibrando em suas veias na velocidade da luz. Ele queria parar de falar novamente. Bobby parecia que ele estava prestes a fazer uma pergunta que não queria saber a resposta. Tommy quase o parou, mas em vez disso ele deixou Bobby perguntar: “Já esteve com mais alguém?” Tommy procurou os seus olhos. Ele queria dizer a Bobby quão estúpido essa pergunta era, mas sabia que Bobby estava pedindo mais do que as razões óbvias. Tommy sussurrou: “Eu não toquei mais ninguém desde a primeira vez que eu toquei em você.” “Bom.” Os lábios de Bobby estavam sensíveis enquanto eles roçaram os de Tommy com a palavra. Ele não disse mais nada, mas Tommy não se importava. Ele sabia que era o mesmo para Bobby, e ele não tinha necessidade de ouvir as palavras para ter certeza. Quando Bobby se afastou e enfiou a mão na mesa de cabeceira, ele não cpegou um preservativo, apenas o frasco de lubrificante. Ele se aproximou, beijou Tommy outra vez, e simplesmente perguntou: “Ok?” Aquilo parecia ser um compromisso maior do que qualquer outra coisa que tinham feito. Morando junto, transar sem camisinha, Bobby ajudando-o

314


a

cuidar

das

crianças

não

parecia

um

compromisso

tão

grande

comparativamente. Bobby estava pronto para confiar Tommy com sua vida e sua saúde e seu futuro, e ele queria ter certeza que Tommy estava pronto para fazer o mesmo. “Ok,” Tommy sussurrou em resposta. Uma pergunta, uma resposta, uma palavra de cada um deles, e foi resolvido. Não havia como voltar atrás. Eles se tocaram, a ereção de Tommy estava doendo, com pré-sêmen brilhando contra a cabeça, quando Bobby montou seus quadris novamente. Ele abaixou-se devagar e olhou atentamente para o rosto de Tommy quando ele engasgou e gemeu e balançou no pau de Tommy. Ele sempre se sentia incrível com Bobby. Mesmo uma masturbação rápida no banheiro às quatro da manhã sentia incrível com ele. Mas naquela noite, olhando para o rosto corado de Bobby, olhando em seus olhos talvez pela primeira vez desde quando eles estavam juntos, Tommy entendeu cada canção de amor que ele nunca tinha ouvido falar, cada sonho que ele estava com medo de ter, cada memória de qualquer coisa boa que já tinha acontecido com ele, estava tudo embrulhado em Bobby. Ele foi a música, ele era o sonho, ele era o amor, e... Ele era a esperança. Tommy O'Shea, finalmente, entendeu. Eles se moviam juntos lentamente no início, quase em silêncio, como se estivessem ambos com suas próprias revelações. Tommy correu a mão no peito de Bobby, passou os dedos ao redor da nuca de Bobby, e puxou-o para

315


perto, querendo saboreá-lo. Bobby se inclinou para baixo, ele roçou os lábios contra Tommy e sussurrou: “Eu te amo, Tom.” Alguns novos espaços se abriram dentro de Tommy, então. Eles tinham dito essas palavras um ao outro dezenas de vezes, mas, em seguida, naquele momento, parecia que alguém acendeu uma luz dentro dele. “Eu também te amo, Bobby.” Ele sorriu, e Bobby riu antes de beijar Tommy novamente e sentouse. Ele começou a tocar Tommy como se ele não pudesse fazer mais nada. Tommy agarrou o quadril de Bobby com os dedos mordendo contra os músculos e passou a outra mão para baixo no corpo de Bobby. Ele passou os dedos ao redor do pênis de Bobby e começou a acariciá-lo firme. Eles sabiam como levar um ao outro até a borda, e depois de alguns momentos, parecia que eles estavam competindo entre si. Bobby caiu mais e mais rápido, batendo para baixo sobre Tommy, tomando-o profundamente dentro com cada movimento, e a mão de Tommy tocando com mais urgência sobre o pênis de Bobby. Em pouco tempo Tommy estava levantando seus quadris em golpes afiados, encontrando cada movimento que Bobby fez. Quando Bobby gemeu no fundo de sua garganta e seus quadris começaram a empurrar, Tommy sabia o quão perto ele estava. Bobby derramou quente sobre o peito de Tommy, até seu pescoço. Tommy soltou um grito irregular em seguida, murmurando o nome de Bobby quando ele gozou duro, enterrado dentro de Bobby.

316


A respiração de Tommy estava ofegante, quando Bobby caiu sobre ele. Bobby pressionou o rosto contra o pescoço de Tommy, e Tommy podia sentir a batida rápida do coração de Bobby fora do ritmo contra o seu próprio. Ele arrastou os dedos pela espinha de Bobby, traçou o padrão de cada vértebra enquanto eles ofegavam juntos. “Eu só percebi uma coisa,” Tommy sussurrou sua voz áspera e rouca. Quando Bobby levantou a cabeça, olhou curioso. “Eu conseguirei dormir uma noite inteira com você. Começo ao fim.” Ele acrescentou com uma risada, “Inferno, eu conseguirei dormir todas as noites com você agora.” Bobby sorriu. Inclinou-se, pegou o lábio inferior de Tommy em seus dentes, e depois o beijou. “Bem, eu estou no primeiro turno amanhã. Tenho que sair muito cedo.” Tommy considerou aquilo por um minuto. Ele gostou da ideia de assistir Bobby se preparar para o trabalho no início da manhã, talvez levantar-se e tomar uma xícara de café com ele. “Você vai ter que se preparar mais cedo.” "Por quê?" “Então você vai ter tempo para se vestir novamente, depois que eu te despir,” Tommy disse a ele com um sorriso e uma tapinha na bunda de Bobby.

317


Epílogo O estádio estava lotado e quente, e os gêmeos estavam ficando inquietos. Estavam com quase quatro anos de idade, comeram todo o biscoito e tinham ficado cansados de jogar com o telefone de Bobby. Felizmente, os formandos foram entrando e tomando seus lugares. Eles desembarcaram pontos muito bons, considerando o tamanho do lugar, mas Tommy ainda estava à procura de Mike em meio ao mar de vestidos de azul escuro e borlas vermelhas. “Você o vê?” Perguntou Zoe. Ela levantou-se de joelhos entre ele e Bobby para dar uma olhada melhor. Max fez o mesmo. Ele se inclinou seu pequeno braço no ombro de Bobby e olhou para a multidão. Cal estava sentado do outro lado de Tommy, e ele disse: “Eu acho que é ele, Zoe. Ele está na quarta linha de frente.” Judy estava ao lado de Gene. Ela estava tirando fotos como uma fotógrafa louca enquanto Carrie, Colleen, Davey, e Collin falavam calmamente entre si. Sua família foi através do inferno e voltaram, e dias como hoje lembravam a Tommy de quanta sorte eles realmente tinham. Eles nunca tinham tomado a grande decisão sobre o que fazer com as crianças, mas eles ainda estavam sob os cuidados de Judy, pelo menos no papel. Tommy ainda agiu como seu pai e Bobby também. Eles haviam se casado no ano anterior.

318


Tommy nunca se imaginou casando, mas nunca amou alguém como Bobby, de modo que estava bem. Cal tinha aparecido em sua porta, quase exatamente um ano após Tommy o ter visitado na reabilitação. Ele tinha as cartas com ele. Não foi uma cura mágica. Não enxugou os anos de dor e frustração que Cal tinha criado, mas mesmo na época, Tommy teve que lhe dar crédito por aparecer em tudo. Ele ainda não confiava em seu pai e provavelmente nunca o faria, mas ele deixou Cal ter visitas supervisionadas com as crianças apenas a qualquer momento que quisesse. Ele até convidou mais Cal para churrascos familiares e feriados. Embora a primeira vez tinha sido principalmente a ideia de Judy. Colleen estava trabalhando em seu grau de associado na faculdade da comunidade, e Mike surpreendeu o inferno fora de todos eles, quando ele ganhou uma bolsa para Berkeley. Era fora do estado, e apenas começando ele lá ia ser uma dor muito cara na bunda. Tommy odiava vê-lo ir tão longe de casa, mas quando Mike tinha dito que ele não ia para que pudesse ficar com a família, Tommy tinha quase o chutado pela porta. Era apenas quatro anos. Eles poderiam levá-lo. Carrie e Davey eram ambos, classes A na escola. Tommy estava tão orgulhoso deles que doía. Collin estava se saindo tão bem no colegial. Ele ficava depois da escola, dois dias por semana, para ajudar como tutor de crianças com dificuldades de aprendizagem. Quem sabia? Com Max e Zoe começando a pré-escola agora, Tommy estava tentando decidir o que fazer com ele. Gene tinha dito a ele que se ele tomasse algumas

319


aulas de negócio, ele ofereceria a Tommy o cargo de gerente, talvez levá-lo como um parceiro. Gene disse que estava ficando velho e ele não tinha ninguém para quem passar o seu bebê. Tommy não sabia se ele queria trabalhar na casa de Smarty o resto de sua vida, mas ele sabia que parte dele sempre pertenceria a esse lugar, como parte dele sempre pertenceria às crianças e Bobby. Quando pensava nisso, ele meio que gostava da ideia de estar lá, talvez fazendo para alguém que Gene tinha feito por ele. Ele falaria sobre isso com Bobby em breve e veria o que ele pensava. Suas vidas não eram perfeitas. Sua família não era perfeita. Assim como as roupas de inverno de Max e Zoe, não era há muito tempo, sua família era uma tapeçaria de remendos e fio barato. Partes do padrão eram muito feios para olhar, e algumas partes eram tão bonitas que poderia trazer lágrimas aos seus olhos. Todos eles nadassem através das águas rochosas da vida e do perdão e esperava que juntos, com apenas alguns solavancos e arranhões ao longo do caminho. Tommy percebeu que era, exatamente, como isso devia ser.

Fim

320

A última coisa que ele precisa_ J.H KNIGHT (Homo)  

Tommy O'Shea está criando seus sete irmãos e irmãs mais jovens sem qualquer ajuda de seu pai e madrasta, que abusam de drogas. Desde que ele...

A última coisa que ele precisa_ J.H KNIGHT (Homo)  

Tommy O'Shea está criando seus sete irmãos e irmãs mais jovens sem qualquer ajuda de seu pai e madrasta, que abusam de drogas. Desde que ele...

Advertisement