Page 1


Copyright 2012 por Editora Central Gospel

GERÊNCIA EDITORIAL E DE PRODUÇÃO

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Gilmar Vieira Chaves COORDENAÇÃO EDITORIAL Michelle Cândida Caetano COORDENAÇÃO

MALAFAIA, Silas Instruções de Deus para uma vida vitoriosa Rio de Janeiro: 2012 64 páginas

DE DESIGN Marcos Henrique Barboza

ISBN: 978.85.7689.285-4 1. Bíblia - Vida cristã I. Titulo II.

PESQUISA, ESTRUTURAÇÃO E COPIDESQUE Débora Silvestre

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total

Elen Canto

ou parcial do texto deste livro por quaisquer meios

Friedrich Gustav Schimid Jr.

(mecânicos, eletrônicos, xerográficos, fotográficos etc), a não

Juliana Ramos

ser em citações breves, com indicação da fonte bibliográfica. As citações bíblicas utilizadas neste livro foram extraídas da

REVISÃO FINAL Michelle Cândida Caetano CAPA Eduardo Souza

Versão Almeida Revista e Corrigida (ARC), salvo indicação específica, e visam incentivar a leitura das Sagradas Escrituras. Este livro está de acordo com as mudanças propostas pelo novo Acordo Ortográfico, que entrou em vigor a partir de

DIAGRAMAÇÃO Luiz Felipe Rolim

janeiro de 2009.

IMPRESSÃO E ACABAMENTO Esdeva 1a edição: outubro/2012

Editora Central Gospei Ltda Estrada do Guerenguê, 1851 - Taquara Cep: 22.713-001 Rio de Janeiro - RJ TEL: (21)2187-7000 www.editoracentralgospel.com


Digitalização

SILAS MALAFAIA

Instruções de Deus para uma vida vitoriosa

CENTRAL

GOSPEL


Sumário

Apresentação ...............................................7 Primeira Parte - Instruções de Deus para uma vida vitoriosa ........................................ 9 Capítulo 1 - Edificando a nossa morada e tomando posse dela ......................13 Capítulo 2 - Como ser produtivo e usufruir dos resultados ...............................19 Capítulo 3 - Crescendo e vivendo em paz.............................................................25 Capítulo 4 - Como rejeitar o mal e buscar a Deus ................................................................33 Segunda Parte - A ação de Deus para a vitória em nossa vida ................................. 38 Capítulo 5 - Deus sempre cumpre o que promete...........................................................41


Capítulo 6 - O Senhor restaura o que foi perdido ............................................... 47 Capítulo 7 - A revelação profética do novo tempo no Senhor ............................................ 53


APRESENTAÇÃO

A mensagem apresentada neste livro tem como objetivo mudar a história da sua vida. Reafirmando sempre que Jesus é o Senhor dos senhores, falaremos sobre as instruções de Deus para uma vida vitoriosa. Dividiremos essa exposição em duas partes. Na Primeira Parte examinaremos as instruções que Deus nos concede para alcançarmos a vitória no contexto social. Na Segunda Parte, mostraremos como Deus realiza suas ações diretamente na nossa vida. O texto que serviu de base para a nossa exposição está no livro do profeta Jeremias, capítulo 29, versículos 5 a 14. A partir de cada um desses versículos, pretendemos analisar as instruções e as ações de Deus para uma vida vitoriosa. Quem quer ter uma vida vitoriosa? Sem dúvida, toda pessoa inteligente deseja isso — todos nós queremos viver em meio à vitória. Porém, para que isto torne-se realidade, é preciso entender as instruções que o Senhor nos dá e aceitar sua ação sobre a nossa vida. Na Primeira Parte deste livro, do capítulo 1 ao 4, apresentaremos e comentaremos as instruções que Deus nos legou por intermédio de Jeremias, as quais falam sobre a importância da edificação da nossa vida sobre bases sólidas, da nossa produtividade, do


crescimento em um ambiente de paz, da rejeição ao mal, e de nos guardarmos no Senhor. Já na Segunda Parte, do capítulo 5 ao 7, a ideia básica é mostrar que, se seguirmos essas instruções apresentadas na Primeira Parte de maneira responsável, Deus corresponderá, cumprindo suas promessas, restaurando o que perdemos e nos proporcionando um novo tempo, um futuro de vitória. Portanto, nosso principal intuito ao escrever este livro é transmitir ao leitor a certeza de que a obediência à Palavra revela uma perspectiva muito mais abrangente do nosso papel como cristãos na edificação do Reino de Deus.


PRIMEIRA Parte

Instruções de Deus para uma vida vitoriosa

Todos nós imaginamos como será o futuro que nos aguarda daqui a alguns anos. Quanto a isto, é natural traçarmos planos para sermos bem-sucedidos em tudo. É bom saber que Deus pode nos ajudar nisso. Fie já declarou em sua Palavra que tem planos para todos nós. Muitas vezes, naqueles momentos nos quais estamos caminhando sem direção, perdidos em meio A dúvidas e mal-entendidos, remoendo as nossas tragédias pessoais e a nossa dor, não devemos esquecer que Deus nos reservou um lugar especial. É Deus quem pode direcionar os nossos esforços rumo à vitória, e restaurar tudo aquilo que precisa ser reconstruído em nossa vida. Mesmo quando a nossa esperança parece ter-nos abandonado, devemos nos lembrar que somos peregrinos e servos de Deus, vivendo sob a orientação de sua Palavra. O exemplo do povo de Israel, levado pela primeira diáspora ao cativeiro na Babilônia, é muito importante. Esse povo recebeu diretamente de Deus uma série de instruções para que pudesse ter sua vida vitoriosa restaurada, mesmo encontrando-se em um território hostil.


I N STR U Ç Õ E S

DE DEUS PARA UMA VIDA VIT ORIOSA

No nosso caso, estamos no nosso país e na nossa cidade. Se, em uma terra estranha, Deus promete a vitória, imaginemos o que não é possível receber de Deus estando em nosso próprio país! O lugar onde moramos, no qual trabalhamos e convivemos com os nossos conterrâneos, é certamente um lugar de vitória para toda a nossa vida. Antes de tudo, é muito importante saber até que ponto estamos dispostos a sacrificar-nos pela vitória. Vitória é algo que todo mundo quer. Mas, ela tem um preço. A questão é: será que estamos dispostos a obedecer às instruções que Deus nos traz através de sua Palavra em Jeremias para alcançarmos essa vitória? Entre nós e a vitória estão as nossas atitudes. Por isso, é lamentável o fato de que muita gente, inclusive pessoas da própria igreja, que pertencem ao povo de Deus, pensem que podem ficar descansando, encostadas, esperando que Deus faça tudo por elas. Esse é um grande engano. As instruções que Deus nos legou no livro de Jeremias, 29.5-14 são bem claras. As ações que Ele empreenderá para nos recompensar pela nossa conduta estão em harmonia com essas instruções. O assunto relativo às ações será discutido mais detalhadamente na Segunda Parte. Vejamos, então, o texto bíblico e prossigamos na construção dos capítulos que compõem a Primeira


Parte deste livro, nos quais discutiremos os aspectos mais importantes de cada instrução. Edificai casas e habitai-as; plantai jardins e comei o seu fruto. Tomai mulheres e gerai filhos e filhas; tomai mulheres para vossos filhos e dai vossas filhas a maridos, para que tenham filhos e filhas; multiplicai-vos ali e não vos diminuais. Procurai a paz da cidade para onde vos fiz transportar; e orai por ela ao Senhor, porque, na sua paz, vós tereis paz. Porque assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: Não vos enganem os vossos profetas que estão no meio de vós, nem os vossos adivinhos, nem deis ouvidos aos vossos sonhos que sonhais. Porque eles vos profetizam falsamente em meu Home; não os enviei, diz o SENHOR. Porque assim diz o Senhor: Certamente que, passados setenta anos na Babilônia, vos visitarei e cumprirei sobre vós a minha boa palavra, tomando-vos a trazer a este lugar. Porque eu bem sei os pensamentos que penso de vós, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que esperais. Então, me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. E buscar-meeis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração. E serei achado de vós, diz o Senhor, e farei voltar os vossos cativos, e congregar-vos-ei de todas as nações e de todos os lugares para onde vos lancei, diz o Senhor, e tomarei a trazer-vos ao lugar de onde vos transportei.

Jeremias 29.5-14


CAPÍTULO 1

Edificando a nossa morada e tomando posse dela Jeremias não foi somente profeta e autor — em conjunto com uma série de redatores, dentre eles Baruque, o escriba — do livro bíblico que leva o ieu nome, Jeremias esteve diretamente envolvido nos acontecimentos políticos e religiosos de uma era crucial na história do antigo Oriente Médio. Ele representou uma liderança espiritual influente e ajudou seus conterrâneos a sobreviver a catástrofes, dentre as quais a primeira diáspora, que ocorreu logo após a tomada de Jerusalém pelos babilônios em 586 a.C. e o conseqüente exílio de muitos de seus habitantes, que foram levados para a Babilônia. A leitura do capítulo 52 é muito interessante em termos históricos, e ajuda-nos a entender o contexto em que o livro foi escrito. Em uma carta que Jeremias escreveu aos cativos na Babilônia, e que consiste exatamente no que viria a ser o capítulo 29 de seu livro, ele tenta levar aquelas pessoas a uma espécie de reconciliação com o seu cativeiro, para tornar sua situação mais tolerável. Jeremias transmite a elas diversas instruções de Deus, com o objetivo de que aquele povo vivesse da melhor forma possível em comunidade, mesmo estando longe de sua pátria. Além disso, o profeta também garantiu


ao exilados que Deus restauraria em breve suas vidas e sua liberdade, o que de fato aconteceu. Neste capítulo, veremos a instrução inicial de Deus no versículo 5: Edificai casas

O que Deus quer dizer com isso? Qual é o propósito dessa primeira instrução? A ideia central aqui é de que devemos construir bases sólidas para a nossa vida. Muitos de nós edificamos a nossa vida e a nossa história sobre areia movediça. (...) Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os

que edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Salmo 127.1

Sobre que tipo de bases edificamos a nossa vida? Não estamos nos referindo somente à vida cristã, mas também à nossa vida em sociedade. Qual é a base que sustenta a história da sua vida? Tem gente que está edificando sobre a areia movediça! Sobre o que a sua vida é edificada? Não podemos jamais edificar a morada da nossa vida cristã ou social sobre uma montanha composta de blá-blá-blá, de balelas e de emocionalismo. O correto é que os fundamentos da


SILAS MAÍ.AFAIA

nossa vida sejam construídos sobre as Sagradas Escrituras, por meio da oração, e sustentados pelo ato de servir a Deus. Viver a Palavra no nosso dia a dia é um desafio e tanto. Para conseguir isso, é muito importante entender o que significa construir a nossa vida tendo como base a Palavra de Deus. O próprio Evangelho tem muito a nos dizer sobre isso. Quando a nossa vida é fundamentada em areia movediça, os resultados que obtemos normalmente desastrosos, justamente porque erramos logo no Início (ver Mateus 7.24-27 adiante). Para que possamos construir a nossa vida sobre uma base sólida, é necessário que sigamos um modelo do que é o certo. A Palavra de Deus é esse modelo. Se seguirmos o modelo apresentado em Jeremias, obteremos resultados duradouros. Todavia, antes de começarmos a construir, é preciso ser capaz de compreender de que forma o real significado da Palavra da Deus se encontra incorporado a esse modelo. Nesse quesito, o versículo 5 é muito relevante, porque nos chama a atenção, não somente de uma maneira geral, para o ato de edificar uma casa, uma família ou a sociedade, mas para os fundamentos dessa edificação. Assim, devemos refletir sobre como estamos edificando a nossa família, cujo modelo se desdobra na estrutura que é a sociedade!


Enfim, quais são os fundamentos da sua casa? Quem possui autoridade lá? Será que um pirralho de dez anos ousa apontar o dedo para o seu nariz? Afinal de contas, quem é o pai ou a mãe? Quem manda? E no nosso emprego, na nossa empresa, na nossa profissão? Eles estão sendo edificados com base em quê? O significado do que Deus disse para o Seu povo é muito mais profundo do que estas duas palavras podem aparentemente expressar: Edificai casas. Deus quer dizer com elas, que estão no imperativo, que devemos construir bases sólidas para todos os aspectos da nossa vida. Do contrário, ela será varrida pela primeira tempestade que passar sobre nós. Em Mateus 7.24-27, Jesus também nos diz isso em uma parábola: Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha. E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha. E aquele que ouve estas minhas palavras e as não cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia. E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.

Mateus 7.24-27


Sendo assim, vale a pena perguntar mais uma vez: como a nossa vida está sendo edificada? Como homem, como mulher, como chefe de família, como cidadão, como é que nós estamos edificando a nossa vida? É preciso não apenas pensar, mas também agir de acordo com a resposta a essa pergunta. Porque, a partir da conclusão a que chegarmos, poderemos ou não dar prosseguimento à nossa vida e ao que ela representa àqueles que dependem de nós. Supondo que a resposta tenha sido coerente com os ensinamentos do livro de Jeremias, estaremos aptos a tomar posso dela e a ocupar o espaço que conquistamos na nossa vida. Vejamos, então, a instrução clara de Deus a Seu povo, analisando o versículo 5: Edificai casas e habitai-as

O que Deus quis dizer com isso? Que é preciso ocupar o espaço que conquistamos. Não adianta somente construir algo; é preciso tomar posse daquilo, viver ali. Por exemplo, na nossa profissão, isso é fundamental. Quando realmente nos responsabilizamos por aquilo que estamos fazendo, e trabalhamos 'om atenção e diligência, o resultado é de qualidade superior. E a conseqüência disso será um elogio do nosso cliente ou empregador: "Eu não


INSTRU Ç ÕES D E D E U S P A R A U M A V Í D A V I T O R I O S A

posso deixar de trabalhar com o fulano, porque ele é realmente bom." Assim, devemos tomar posse da nossa profissão, envolvermo-nos com ela. E o mesmo deve acontecer com a nossa casa e com os demais aspectos da nossa vida. Se não fizermos isso, ficaremos à mercê das influências do mundo. Se não for nós mesmos, quem se responsabilizará pela educação dos nossos filhos? O traficante de drogas? E quem tomará posse da nossa família? Bandidos? Portanto, devemos tomar posse do que construímos! Não basta escolher os mais sólidos fundamentos para erguer a nossa vida; é preciso tomar posse dela. Fica

dado aqui o recado.


CAPÍTULO 2 Como ser produtivo e usufruir dos resultados

Depois de compreendermos que, sem fundamentos sólidos, bases firmes, a nossa vida não tem a menor chance de prosperar, devemos prosseguir na nossa análise do texto de Jeremias, com o intuito de entender bem o que Deus quis nos dizer com esse versículo magnífico. Na passagem de Jeremias 29.5, o autor transmite claramente qual é a vontade de Deus para a nossa vida, dando, especialmente aos Jovens, uma lição direta. E qual é o significado dessas palavras? E imprescindível que sejamos produtivos em tudo aquilo que fizermos durante a nossa vida. As pessoas que se aproveitam do trabalho alheio e não se dedicam às atividades em que estão aparentemente envolvidas demonstram um comportamento absolutamente desprezível. Nesse versículo, Deus diz claramente que precisamos ser produtivos. Inclusive, quando Deus criou o homem, antes da Queda, Ele colocou-o no jardim do Éden e instruiu-o a cuidar dele e produzir nele (Gênesis 2.15). É interessante estabelecer paralelos com exemplos do nosso dia a dia, para facilitar o entendimento do que se passa. Algumas pessoas associam o trabalho a algo demoníaco. Essas


pessoas acham que o esforço a que todos nós somos submetidos para garantir o nosso sustento com o trabalho é algo revoltante. O problema é que elas não entendem que a sua insatisfação é lamentável, porque o trabalho foi justamente inventado por Deus, e era uma atividade edificante e prazerosa. O cansaço do trabalho veio, sim, logo após a Queda (Gênesis 3.19). É bom que fique bem claro aqui que não se trata de uma mera punição e que a desobediência de Adão foi um ato isolado. O trabalho, depois da Queda, passou a ser um esforço diário para o homem, esforço que lhe provocaria suor e cansaço. Se antes o trabalho era um prazer constante, após o pecado, a manutenção do Jardim passou a ser algo cansativo e desagradável para o corpo. Além disso, o solo passou a ser praticamente estéril, a menos que fosse adubado antes do cultivo. Se Adão não tivesse cometido o pecado original, não sofreria dessa maneira. Por isso, herdamos o dever de desenvolver um trabalho que, na maioria das vezes, é penoso. Devemos ter cuidado para que a ociosidade não nos desafie e leve-nos a pecar. Assim, o mal-estar e o cansaço com o trabalho passaram a ser a nossa punição justa, à qual temos de nos submeter pacientemente e da qual não devemos nos queixar, uma vez que ela é fruto na nossa própria iniqüidade. O fato é que nos tornamos criaturas frágeis.


Nossa mortalidade vem da escolha errada de Adão omanos5.12). Deus confiou a Adão uma faísca de imortalidade, que ele poderia ter transformado em uma chama eterna, se fosse paciente e fiel. Mas Adão preferiu estupidamente estragar aquela bênção, pondo tudo a perder ao cometer, intencionalmente, o pecado. O salário do pecado é a morte e o afastamento de Deus. Em João 5.17, Jesus diz algo muito interessante sobre o trabalho: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.

Se levarmos em consideração essa afirmativa de Jesus, compreenderemos, claramente, que o Deus a quem servimos é um Deus produtivo! Sendo assim, as pessoas que pensam que vão para o céu e que não terão nada para fazer estão redondamente enganadas. Dá até para imaginar que elas chegariam ao céu pensando em ficar à toa e cantar algo como Céu, lindo céu, céu, lindo céu, eu vou morar no lindo céu, e vou ficar sem fazer nada, passeando com os anjinhos para lá e para cá. Isso é um equívoco monumental. Em Apocalipse 1, podemos ler que Deus nos fez reis e sacerdotes. Isso é uma clara indicação de função a desempenhar no céu, que envolve o trabalho.


I N S T R U Ç Õ E S D E D EU S P A R A U M A V Í D A V I T O R I O S A

A única diferença é que esse trabalho não produzirá cansaço algum, ao contrário do trabalho na terra. Mas, para aqueles realmente interessados no ócio, existe sim um lugar na Eternidade onde jamais existirá o trabalho. Em compensação, ali haverá muito sofrimento. Estamos falando do inferno. Realmente, lá, o trabalho simplesmente não existirá. O único trabalho existente ali será o do pranto e ranger de dentes (Mateus 8.12). O grande exemplo bíblico que nos vem à mente quando estamos falando de trabalho é o momento em que Deus vê Gideão realizando a sua atividade, produzindo com esforço, malhando o trigo no lagar. Nessa passagem de Juizes (6.11), um anjo diz: 0 SENHOR é contigo, varão valoroso.

Se procurarmos com cuidado na Bíblia, jamais encontraremos uma citação sequer que dê a entender que o Senhor tolera pessoas preguiçosas, que não gostam de trabalhar. No nosso caso, podemos selecionar aqueles de nós que têm filhos maiores de idade. Alguns enfrentam uma situação muito comum nos dias de hoje: filhos que não querem trabalhar ou estudar. Esses jovens acomodam-se e vivem das mesadas que alguns pais dão. Isso não está certo! Os pais precisam forçar seus


filhos a trabalhar no que quer que seja, até vendendo laranja, sorvete ou outra coisa! Assim, da mesma forma que nos esforçamos para sermos pessoas produtivas e esperamos que os nossos descendentes também o sejam, podemos ver, no mesmo versículo, uma referência igualmente clara à necessidade humana de usufruir daquilo que produz. Reexaminemos, em Jeremias 29.5, o que a Bíblia diz a respeito disso. Nessa passagem, Deus nos manda alternar nossas atividades em um ciclo que envolve o trabalho e o usufruto dos resultados que alcançamos com Ele. Sabemos bem o que isso quer dizer. Se só acumularmos bens, e não aproveitarmos os benefícios que eles nos trazem, estaremos cometendo uma violência contra nós mesmos. Um exemplo são aquelas pessoas que nunca foram com seu cônjuge a um parque de diversões, cinema, que jamais estiveram em uma pizzaria, pendendo do nível social de cada uma. Enfim, pessoas que em momento algum chegaram a usufruir, em família, do resultado de seu trabalho. Por isso, realmente devemos aproveitar aquilo que Deus nos concedeu. Quando a esposa pede ao marido, ou vice-versa, para ir a uma pizzaria, ele jamais deve responder: "Deixa de bobagem! Eu compro farinha de trigo, e você mesma faz a pizza, porque sai mais barato!". Isso é um comportamento reprovável e desprezível!


Devemos, de verdade, usufruir do que conquistamos. Pode parecer repetitivo, mas a insistência nessa ideia é intencional. Só não devemos cair na armadilha de gastar mais do que podemos, mais do que produzimos, porque, contra a falência, não há oração que resolva! "Pastor, ore por mim, porque o inimigo está furioso comigo!". "Mas, por quê?". "Pastor, Satanás mandou um demônio, um gafanhoto, devorar as minhas finanças!". "Mas, conta aqui para mim, como isso aconteceu?". "Pastor, eu estou pagando de 10% a 12% de juros ao mês no cartão de crédito." "Meu caro, eu já descobri quem é o seu demônio! E a boa notícia é que é fácil resolver o seu problema! Dê-me o 'demônio' aqui, que eu o quebro em pedacinhos, porque esse diabo de cartão dá para quebrar!". Prezados leitores, tudo aquilo que produzimos deve reverter-se ao nosso favor. Se formos produtivos, devemos usufruir dessa nossa capacidade. E isso que Deus nos diz na Sua Palavra. Sendo assim, sejamos

produtivos e não deixemos de usufruir!


CAPÍTULO 3

Crescendo e vivendo em paz Seguir a ordem natural da vida, ou seja, crescer e multiplicar-se, é a próxima instrução do profeta Jeremias aos exilados que veremos. Em hipótese alguma a ordem da natureza deve ser contrariada, mesmo que estejamos sob situações opressivas. Deus leva em consideração a ordem natural das coisas em Jeremias 29.6, pois outras gerações se formam, levando Consideração o consentimento dos pais. Em seguida, o Senhor acrescenta, nas palavras de Jeremias, que o povo não pode deixar-se diminuir, mas, ao contrário, ele deve multiplicar-se. Nesse caso, como o exílio era opressivo, Seu povo deveria garantir que a semente de Abraão não se extinguiria, mesmo sob a privação da liberdade a que aquelas pessoas estavam submetidas. Na verdade, considerando-se que a opressão é uma espécie de morte, a única forma de lutar contra ela era garantindo que a vida tivesse vitória. E a esperança em retornar do exílio na Babilônia ra o combustível necessário para aquele povo se manter fiel a Deus. Assim, o Livro de Jeremias foi muito eficaz ao garantir que a Palavra chegaria a eles como lima mensagem de encorajamento diante daquela adversidade esmagadora. E Deus também mostrou a Sua misericórdia ao dar-lhes força para não se sentirem menores naquele ambiente.


I N S T R U Ç Õ E S D E D EU S P A R A U M A V I D A V I T O R I O S A

Vejamos, então, como o texto bíblico transmitiu essa instrução ao povo no exílio: Tomai mulheres e gerai filhos e filhas; tomai mulheres para vossos filhos e dai vossas filhas a maridos, para que tenham filhos e filhas; multiplicai-vos ali e não vos diminuais. (Jeremias 29.6) Lucas 2.52

Aplicando a Palavra ao nosso contexto e à realidade do nosso dia a dia, o que Deus manda aqui é que precisamos crescer e desenvolver-nos. Porém, mesmo diante dessa ordenança, muita gente diz: "Pastor, meu bisavô era assim, medíocre, amigo do Sr. Coisa Nenhuma, trabalhava para o Sr. João Ninguém. Meu avô também, meu pai também e, pra variar, eu também sou assim". Não devemos e nem temos o direito de reproduzir nenhuma tradição negativa só porque ela é recorrente na nossa família! Como podemos ver, Deus repudia o comportamento conformista e medíocre. Além disso, com o advento de uma série de adventos tecnológicos como a Internet, não temos mais desculpas para chafurdar na ignorância. Nossos antepassados certamente não tiveram as oportunidades que temos hoje. Por isso, é preciso encarar a mensagem deste livro como uma palavra que valoriza a praticidade e a objetividade para a vida. Logo, atualmente, se não formos práticos e se nos acomodarmos e não tomarmos a direção do


crescimento pessoal e espiritual, seremos engolidos por alguém mais novo — e essa pessoa simplesmente nos passará a perna! No nosso trabalho, Por exemplo, não importa se somos empregados, patrões ou profissionais liberais, e não importa se temos 30 anos de experiência; se formos medíocres, turrões e infantis, é óbvio que uma pessoa jovem, motivada e bem articulada nos deixará para trás. Isso também acontece muito na igreja. Cristãos com 30 anos de conversão, muitas vezes, são substituídos por jovens que se juntaram à Comunidade há menos de cinco anos, porque eles cresceram rapidamente e logo se destacam (Lucas 2.52). E quanto a nós? Nosso exemplo deve ser sempre o de Jesus, que, jovenzinho, já discutia teologia com sábios no Templo. Não podemos ter medo de crescer! Esse é o caminho correto, que é bem diferente do lamaçal da acomodação e do conformismo em que algumas pessoas extinguem sua vida, e de onde ficam vendo passar as carruagens. "Pastor, eu entrei na empresa como assistente do quinto carimbador. Hoje, acredito que vou me aposentar como assistente do primeiro carimbador." Meu Deus! Precisamos crescer! Devemos crescer na graça de Deus, no conhecimento, na vida — temos de crescer sem parar. Se notarmos bem, veremos que


I N S T R U Ç Õ E S D E D EU S P A R A U M A V I D A V I T O R I O S A

os fundamentos do evangelho estão em uma ordem de crescimento infinito. Vejamos alguns casos: Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé.

(Romanos 1.17)

Não existe apenas uma fé estática, mas, sim, uma fé dinâmica que se desenvolve de modo que podemos agregar a experiência espiritual à nossa vida cotidiana. Paulo nos mostra que a excelência do Evangelho reside justamente no fato de ele se revelar a nós gradativamente, à medida que o conhecemos mais a fundo. Outra prova de que a Bíblia nos impulsiona a crescer é que Paulo também nos mostra, em 2 Coríntios 3.18, que o Novo Testamento, ao contrário do Antigo, não coloca um véu entre nós e o conhecimento da Verdade de Deus, assim, podemos desenvolver nosso conhecimento a partir desse fato. E Diferentemente do texto de Moisés, as coisas são ditas de uma maneira mais contextual, e por isso, é mais aplicável do que a Lei, uma vez que revela a verdade, e não a impõe: Mas todos nós, com cara descoberta, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.


SILAS M A LA FAI A

Mas essas evidências do crescimento pessoal e do conhecimento de Deus que a Bíblia deseja que alcancemos não se restringem apenas ao Novo Testamento, mas, em Oseias 6.3, aprendemos também que, tão certo quanto a nossa fidelidade a Deus será correspondida, o fim da noite escura será seguido por um amanhecer, que será acompanhado pelo frescor da chuva que renovará o nosso viver com o Senhor: Conheçamos e prossigamos em conhecer o SENHOR: como a alva, será a sua saída: e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.

É por isso que devemos crescer a cada dia, mais e mais, para que a nossa vida melhore, pois o custo de acomodar-nos é muito alto. Gostaria de dar um exemplo que vivencio sobre essa necessidade de crescimento que vejo em diversos cristãos com os quais tenho contato na igreja, especialmente as jovens. Sempre que posso, aconselho-as, especificamente as solteiras — que são muitas —, a encarar a questão da falta de perspectiva sobre o futuro do seu possível marido com muita seriedade, porque é impressionante a quantidade de rapazes que simplesmente não pensa na vida de modo prático. Assim, quando pergunto a um deles: "O que você pretende alcançar na sua vida?", vem aquela resposta absurda: "O que Deus quiser tá bom!". Ora bolas! Como ele pode querer


atribuir a Deus a bomba da sua própria incompetência? Será que, realmente, podemos esquivar-nos das nossas responsabilidades dizendo: "O que Deus quiser tá bom"? As jovens não podem jamais se contentar com uma resposta dessas. Perguntem aos rapazes o que eles pretendem alcançar na vida, quais são as suas aspirações profissionais e pessoais, antes de começar o namoro. E se o indivíduo responder com objetivos claros e práticos, afirmando que vai lutar, pois tem sonhos e quer ser alguém com reconhecimento, não importa se ele for duro, teso e leso, enfim, pobre — é certo que ele vai chegar a algum lugar, pois se trata de um bom partido para a jovem. Mesmo que ela esteja derretida por um elemento bonitão, saradão, um exemplar maravilhoso da espécie humana, ela deve refrear o seu entusiasmo e sondar o rapaz com a célebre pergunta antes de estabelecer j um relacionamento amoroso com ele: "O que você pretende alcançar na vida?". E se a resposta for algo parecido com aquela resposta, ela deve cair fora imediatamente, fugir dele o quanto antes e o mais rápido que puder! Casando-se com um candidato a fracassado como esse, a jovem estará condenada a pedir esmola para, no mínimo, duas pessoas. O crescimento é a nossa razão de ser no mundo e pela qual Deus permitiu que aqui estivéssemos. Por exemplo, aqui, nesta cidade, que é a nossa arena de paz, de acordo com Jeremias


SILAS MALAFAI A.

29.7, uma maneira de demonstrarmos o nosso crescimento é lutando para conquistar os melhores lugares, não apenas para nós, mas para todos. E, em relação a isso, o Senhor em pessoa, e ninguém mais, aconselha-nos a fazer algo que nos parece óbvio, mas que tem uma profundidade avassaladora. Leiamos no versículo 7 de Jeremias 29: Procurai a paz da cidade para onde vos fiz transportar; e orai por ela ao SENHOR, porque, na sua paz, vós tereis paz.

Qual seria o significado real desse versículo? O Senhor nos instrui a agirmos de maneira positiva para influenciar a sociedade em que vivemos. Assim, estamos aqui, na nossa cidade, para influenciar, para trabalhar por uma melhoria de vida em termos gerais. E isso inclui a questão da violência, que ocupa o topo das prioridades das listas de combate de todos os governos seculares. Desse modo, podemos dizer e admiramos o trabalho desses governantes de tentar trazer paz às cidades violentas como as em que vivemos hoje. Contudo, precisamos lembrar, com muita honestidade, que não há polícia civil, militar, federal, exército ou guarda nacional que detenha o poder necessário para neutralizar a violência. E todos nós sabemos o porquê: por trás da violência, existem demônios. E o fato é que todas as importantes forças que mencionamos não sabem lidar com eles.


Já nós, a Igreja do Deus vivo, o povo de Deus, sabemos e devemos estar dispostos a ajudar. Sob a nossa oração, principados e potestades que atuam nessa área serão trancafiados no inferno. Portanto, povo de Deus, orai pela paz da cidade, porque, na sua

paz, vós tereis paz. Entretanto, lembramos que não vamos acabar definitivamente com a violência, a qual é um fruto do pecado. Nossa intenção aqui é amenizá-la a níveis de normalidade permitidos pela convivência social. E isso está garantido na autoridade e no poder da Igreja. Deus

seja louvado!


CAPÍTULO 4

Como rejeitar o mal e buscar a Deus

Desde muito tempo, o povo cristão luta contra 0 mal, a fim de pacificar a sociedade, e essa luta é travada porque rejeitamos a influência do mal sobre nossos pensamentos e atitudes. Nesse sentido, o profeta Jeremias nos entregou uma importante mensagem do Senhor a respeito dos males que nos assolam e que destroem nossa estabilidade social. Não vos enganem os vossos profetas. Jeremias 29.8

A influência de falsos profetas sobre a opinião individual ou pública pode ser muito impactante quando não é bem combatida nem desmascarada totalmente. Entretanto, Deus nos mostra como reagir a esse tipo de ação maligna: rejeitando a influência negativa, a maledicência e tudo o mais que faz parte desse "pacote" de comportamento. De fato, esse comportamento vil é muito fácil de identificar. Basta prestar atenção àqueles que vivem cochichando no ouvido de outras pessoas, inclusive no nosso, dizendo coisas do tipo: "Você quer ser o quê? Quer ser médico? Hahaha! Você deseja ser médico, pobrezinho".


I N S T R UÇ Õ E S D E D FU S P AR A U M A V I D A V I T O R I O S A

Um exemplo disso está no relato dos 12 espias enviados por Moisés para verificar o que havia em Canaã, a Terra Prometida ao povo israelita (Números 13.27,28,31,32). Dentre os espias, foram necessários apenas dez indivíduos para influenciar dois milhões de pessoas e levá-las a perecer no deserto. A influência negativa é algo realmente terrível. Devemos sempre lutar contra a difusão do medo entre o povo de Deus. Sabemos que algo é certo quando temos a confirmação do Espírito Santo. Mas, quando nos dizem que não iremos crescer, que nossas iniciativas jamais darão certo, que somos medíocres e que o nosso objetivo é difícil demais para ser atingido, i devemos rejeitar esse discurso, pois não passa de uma influência maligna! Muita gente tenta colocar empecilhos na nossa vida, na nossa caminhada e no nosso ministério, mas isso é inadmissível! Assim, vamos declarar, profeticamente, que o melhor para a nossa vida está por vir, e ninguém possui a capacidade de impedir que isso aconteça. Portanto, podemos entender a mensagem do profeta Jeremias 29.8 como uma instrução para não perdermos o nosso tempo ao lado de "linguarudos" e fofoqueiros. Fujamos das pessoas negativas, que não acreditam que nossa vitória chegará. Vamos sair de perto dessa gente!


Assim, há uma seqüência de instruções que culminará em uma das mais importantes orientações que o profeta Jeremias nos transmitiu por meio da Palavra. Porém, antes de falarmos sobre essa instrução final, recapitularemos as instruções anteriores, para podermos entender claramente como o Senhor espera que concluamos os passos para uma vida vitoriosa. Primeiro, Deus nos instrui a construir bases sólidas e a tomar posse daquilo que construímos. Em segundo lugar, o Senhor nos orienta a sermos pessoas produtivas e a nunca deixarmos de usufruir daquilo que produzimos. Em terceiro lugar, Ele nos manda crescer, no exemplo de Jesus, e tornar-nos pessoas melhores. Por fim, Deus nos orienta a aproximar-nos sempre das influências positivas, mantendo-nos distantes da maledicência, rejeitando-a. Para complementarmos essa lista, vejamos as palavras do profeta: Então, me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. E buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração. Jeremias 29.12,13

Aqui, o Senhor nos orienta a buscá-lo de todo o coração. Em Salmos, há mais um reforço do que


Í N S T R U Ç O E S D E D EU S P A R A

UMA VIDA VITORIOSA

significa a disposição de espírito que possibilita o aperfeiçoamento de nosso coração: Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus. Salmo 51.17

Não se sabe exatamente do que cada um de nós precisa. Não temos a mínima condição de conhecer todos os sonhos uns dos outros. Podemos não fazer ideia se o nosso vizinho está vivendo a pior crise da sua vida. Porém, de uma coisa temos certeza: se buscarmos a Deus e clamarmos a Ele, será necessário prepararnos, pois não teremos como saber exatamente quando e como as janelas dos céus vão se abrir. O relógio da providência divina não está atrasado nem adiantado, mas na hora de Deus. O Senhor nos mandará uma resposta e alinhará a nossa vida de acordo com o caminho da vitória! E o que precisamos fazer para realizar seus sonhos? Orar. Oremos por nossos irmãos. Quando foi a última vez em que fizemos isso? Você já orou por um irmão seu? Não podemos esquecer-nos de orar por nossos irmãos. E, por fim, quanto tempo precisamos dedicar às orações? É necessário que todos nós entendamos que o desejado "evangelho da facilidade", com receitas de

36


respostas, não passa de uma miragem. Esse evangelho fast-food simplesmente não existe. Sendo assim, qual é a verdadeira finalidade da oração? Elevar nossa voz a Deus! Não podemos contentar-nos com migalhas espirituais, com uma revelação aqui, uma "profetada" ali, e uma visão acolá. Nada disso! Por meio da oração, Deus pode ouvir a nossa voz e nosso clamor. Como a nossa casa está cheia da glória e da unção divina, o Pai quer ouvir o nosso clamor em alto e bom som. E, ao orarmos, devemos dizer exatamente qual é a nossa necessidade e pedir, sem hesitar, a resposta que queremos ouvir. Vamos buscar a Deus!


SEGUNDA parte

A ação de Deus para a vitória em nossa vida As instruções dadas pelo Senhor ao profeta Jeremias consistem, de fato, em um guia inestimável para a edificação de uma vida vitoriosa. Entretanto, essas instruções, por si só, ainda carecem de um elemento que está além do nosso potencial de realizar mudanças por nossa conta. Chega um momento em que a manifestação de Deus conclui a nossa luta, possibilitando o salto final para a vitória. Dessa maneira, na segunda parte deste livro, refletiremos sobre como Deus age, não apenas solucionando diretamente os nossos problemas, mas também acelerando o processo de nossa vitória pessoal e diante da sociedade. É verdade que o Senhor intervém quando quer tirarnos de alguma situação difícil. E Ele faz isso de várias maneiras, entre elas: proporcionando-nos uma direção, usando a nossa potencialidade humana, enviando outras pessoas ao nosso encontro para nos ajudar a encontrar uma saída. Além disso, sabemos que Deus sempre age dentro da dimensão do Seu tempo. Porém, o tipo de ação a que nos referimos é de outra ordem. Neste livro, já se falou sobre a missão de edificar a nossa vida. A certeza mais importante


que jamais devemos abandonar, pois é ela que torna tudo possível, é: Não temais porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te esforço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.

Isaías 41.10

A ação de Deus diante dos nossos problemas é claramente expressada na primeira parte deste versículo. A Palavra de Deus produz vida e esperança, e fala diretamente ao nosso coração, concedendo-nos uma nova dimensão de nossa existência. Devemos ter certeza de que Deus sempre nos mostrará a direção certa, que nos conduzirá à solução vitoriosa do crescimento e da edificação de uma vida vitoriosa. O Pai utiliza várias maneiras para falar conosco e mostrar-nos essa direção. Ele pode revelarse a nós por meio de sua Palavra, falar diretamente ao nosso coração ou usar qualquer outro método para nos orientar a cumprir Sua vontade e a buscar a solução para os nossos problemas. Nos capítulos a seguir, falaremos sobre como Deus sempre cumpre o que promete. Por isso, podemos contar com Ele e confiar que não seremos abandonados, se mantivermos, é claro, uma conduta coerente com a Palavra.


Outro aspecto muito importante de Deus é o fato de Ele ser capaz de proporcionar a restauração de nossa vida. O Senhor também pode restaurar aquilo que perdemos, de restituir-nos o que nos foi usurpado, como fez ao libertar os hebreus do cativeiro na Babilônia. Assim, por meio do cumprimento da sua Palavra e da restauração da ordem no âmbito pessoal e no social, Deus age, instituindo um novo tempo na vida de cada um. Mas é preciso entender que o Senhor não agirá no tempo em que eu e você esperamos, pois somos seres humanos frágeis e mortais. Não devemos agir como se fôssemos super-homens. É necessário aprender a esperar o tempo de Deus com tranqüilidade. Nem sempre é fácil esperar pela ação divina. Há momentos em que desejamos usar nossos próprios recursos para solucionar nossos problemas. O importante é perceber que, em certas situações, a única saída será confiar na ação poderosa e infalível do Senhor. Deus tem muitos métodos de conceder a vitória ao Seu povo e de revelar a vontade divina aos Seus escolhidos. Assim, Ele conduz Seus filhos a realizarem os propósitos divinos e a obterem a maturidade espiritual necessária para desfrutarem do cumprimento de Suas promessas.


CAPÍTULO 5

Deus sempre cumpre o que promete

A fidelidade é o alicerce de todo relacionamento. Como poderíamos pensar em ser fiéis a alguém se não houvesse reciprocidade? Costumamos medir o caráter de um homem por meio da capacidade que tem para cumprir suas promessas. Afinal, essa atitude é característica da ação da graça de Deus nele na medida em que segue o exemplo do Senhor. Deus cumpre Suas promessas e Seus compromissos, e isso pode ocorrer até mesmo quando os seres humanos não conseguem seguir Seus desígnios. O caráter e o valor de Deus nunca mudam. Nas palavras de um dos Seus profetas, Ele exclamou a Israel: Porque eu, o SENHOR, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos. Desde os dias de vossos pais, vos desviastes dos meus estatutos e não os guardastes; tomai vós para mim, e eu tomarei para vós, diz o SENHOR dos Exércitos; mas vós dizeis: Em que havemos de tomar?

Malaquias 3.6,7

Deus sempre realizou e cumpriu promessas maravilhosas, fossem elas dirigidas a pessoas, a nações ou à humanidade. Ele não deixou de cumprir o que


prometera a Abraão, lsaque, Jacó e seus descendentes, os israelitas. O Senhor é totalmente fiel a nós. Ele é a rocha e a fortaleza na qual podemos confiar. Como servos fiéis do Altíssimo, estamos sujeitos à Sua lei e dedicamos os nossos maiores esforços à edificação do Seu Reino. Em contrapartida, nossas expectativas quanto à expansão do Seu Reino são tão altas quanto é nobre a nossa ação e zelo pela glória de Deus nessa obra. Por isso, sempre basta a um homem bom a confiança que ele deposita em Deus, crendo que Ele cumprirá Suas promessas no devido tempo. Assim, uma vez que nossa vitória é certa, em virtude da aliança que temos com o Senhor, não é preciso aspirar a nada mais. E, tendo em vista que Deus realmente cumpre o que promete, não devemos sertão modestos ao ponto de nos contentarmos com menos do que podemos alcançar. Se seguirmos as instruções de Deus, sendo fiéis em nosso compromisso com Ele, eu e você conquistaremos a vitória; o Senhor também será fiel e fará a Sua parte. Vejamos como o profeta Jeremias abordou isso no versículo 10 do capítulo 29: Porque assim diz o SENHOR: Certamente que, passados setenta anos na Babilônia, vos visitarei e cumprirei sobre vós a minha boa palavra, tomando-vos a trazer a este lugar.


Assim, entendemos que, como já afirmamos, aquele que segue todas as instruções de Deus será recompensado com o cumprimento integral do que lhe foi prometido. Não há inimigo que possa impedir o cumprimento daquilo que o Senhor nos prometeu. É desejo de Deus que as Suas promessas para a nossa vida sejam realizadas. Mas, o que garante que isso acontecerá mesmo? Podemos extrair a resposta do seguinte trecho de Jeremias 29.10: E cumprirei sobre vós a minha boa palavra. Portanto, o Senhor é quem nos garante a promessa, o cumprimento da Sua palavra (Números 23.19). Suas promessas se cumprirão em nossa vida, e um sinal disso é a Sua presença, como vemos na continuação do mesmo versículo de Jeremias: Vos

visitarei. A presença de Deus na nossa vida é um sinal de que somos abençoados e de que estamos no caminho certo — rumo à vitória. Afinal, onde Ele está presente certamente há o lugar e o momento adequados à concretização dos Seus desígnios. Nessa circunstância, as portas se abrem sob a vontade de Deus, e milagres são realizados na nossa vida. Mas, não podemos perder de vista a importância de honrarmos o nosso compromisso com Deus. Isso é algo tremendo! Precisamos ter sempre em mente o fato de que a fidelidade, a lealdade, em qualquer relacionamento — e especialmente em uma aliança


— é o que dá a sustentação necessária para torná-lo duradouro. A palavra "lealdade" traz em seu significado um poderoso sentimento de identificação e de solidariedade. Ela implica sempre uma fidelidade incondicional e a nossa inabalável devoção. A nossa fidelidade a Deus está totalmente empenhada nessa relação, e é exclusiva porque assim escolhemos (Josué 24.15). O Senhor, por meio da Sua aliança com Seu povo, estabeleceu a essência da fidelidade (Deuteronômio 7.9). A aliança estabelecida com o Senhor garante ao Seu povo a certeza de que Ele será sempre fiel em Suas promessas. Entretanto, apesar de o pacto de Deus com o homem ser unilateral (o Senhor promete cumpri-lo por si mesmo), Ele faz uma advertência quanto à lealdade por parte do homem. Será, porém, que, se, de qualquer sorte, te esqueceres do SENHOR, teu Deus, e se ouvires outros deuses, e os seguires, e te inclinares perante eles, hoje eu protesto contra vós que certamente perecereis. Deuteronômio 8.19

Assim, se o homem for desleal a Deus, demonstrará, com isso, que não está nele (1 João 3.24), e certamente perecerá. Porém, apesar disso, o Senhor permanece fiel a esse cristão cuja fé enfraqueceu ou


SILAS MALAFAI A

mesmo deixou de existir. Isso porque Ele não pode negar a si mesmo (2 Timóteo 2.13). Da mesma maneira, espera-se que, em nossos relacionamentos, nós sejamos inabalavelmente leais. Sabendo-se que a verdadeira lealdade está acima disso — está em nosso compromisso com Jesus e com o evangelho (Marcos 8.35). O fato é que Deus cumpre mesmo tudo aquilo que promete. Por isso, devemos tê-lo como exemplo para a nossa conduta nos relacionamentos interpessoais. Na relação conjugal, familiar ou com nossos amigos, jamais devemos deixar de cumprir o que prometemos, inclusive se isso pressupor a necessidade de restauração de algo destruído ou perdido.


CAPÍTULO 6

0 Senhor restaura o que foi perdido

Em Jeremias 29.10, encontramos uma referência à restauração da liberdade do povo judeu, o qual se achava exilado na Babilônia. Porque assim diz o SENHOR: Certamente que, passados setenta anos na Babilônia, vos visitarei e cumprirei sobre vós a minha boa palavra, tomando-vos a trazer a este lugar. Jeremias 29.10

É de extrema importância a restauração que Deus efetua na vida de Seus filhos. Por meio dela, Ele nos oferece a base sobre a qual possibilita aos Seus filhos reconstruir um futuro de bênçãos e vitórias. Embora o retorno do exílio babilônico não fosse iminente, o Senhor queria que, no momento certo, após 70 anos, os israelitas estivessem prontos para o cumprimento da promessa. Deus cumpre tudo aquilo que promete. No tempo oportuno, Ele restaurou a identidade de Seu povo e livrou-o do cativeiro. Só Deus é capaz de restaurar-nos verdadeiramente. Ele pode, por exemplo, devolver a paz ao nosso lar e trazer a alegria e os bons tempos de


volta. Se fomos traídos e roubados por um sócio aparentemente de confiança, isso não importa; o Senhor também pode restaurar aquilo que perdemos com o golpe que sofremos, providenciando uma vitória financeira e amigos para ajudar-nos. Para que isso aconteça, precisamos cumprir a nossa parte, pois o Senhor cuidará do resto. A Palavra de Deus é bem clara ao instruir-nos sobre o Seu modo de agir: Porque eu bem sei os pensamentos que penso de vós, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que esperais.

Jeremias 29.11

Vale a pena prestar atenção ao significado desse versículo. Quando disse: Eu bem sei os pensamentos que penso de vós, o Senhor estava falando de pensamentos de paz que tem a nosso respeito. É interessante notar que, muitas vezes, nós não conhecemos os nossos próprios pensamentos, muito menos sabemos o que se passa, de verdade, em nossa mente. Deus, entretanto, jamais experimenta qualquer tipo de incerteza. Seus pensamentos estão sempre trabalhando em função de um propósito: a nossa paz. No devido tempo, Ele cumpre Suas promessas e concede-nos o que necessitamos. Precisamos apenas esperar nele, tendo paciência


e deixando que Ele trabalhe em nosso favor. Os planos de Deus para nós são bons. Mesmo quando parece que estamos enfrentando uma derrota, a mão do Senhor está sempre conosco, orientando-nos para o melhor. Eu queria ser oficial das Forças Armadas. Fiz o concurso, passei e classifiquei-me. Até aí, tudo ia muito bem. Um dia antes da convocação, antes de sair a lista final, resolvemos aproveitar a relação de amizade do meu pai, oficial das Forças Armadas da Marinha, com o então ministro da Aeronáutica. Meu pai ligou para seu amigo e tentou saber se o meu nome estava na lista dos aprovados. "Será que o resultado já saiu? O nome do meu filho está aí na lista?", perguntou. O comandante respondeu o seguinte: "Malafaia, ligue para mim no final do dia, e eu lhe darei uma resposta". Mais tarde, veio a definição: "Olha, seu filho está na lista. São 482, e ele está lá". Eu me lembro muito bem de que, naquela época, quando fiz a prova — queria ser cadete —, eu estava muito feliz. Foi uma época muito boa da minha vida. No dia seguinte, pela manhã, fomos ao Campo dos Afonsos. Eu me sentia "o cara". Ninguém sabia o resultado final ainda, mas eu sabia que o meu nome estava lá. "Tudo bem, tudo bem, eu estou na lista. Eles não sabem, mas eu sei que estou nela", dizia para mim mesmo.


INSTRU Ç ÕES D E D E U S P A R A U M A V I D A V I T O R I O S A

Nunca vou esquecer-me da cena que se seguiu a isso. De repente, um coronel chegou à sala em que estávamos (vale lembrar que vivíamos sob governo militar naquele tempo) e disse o seguinte: "Ontem, no final do dia, o ministro da Aeronáutica baixou uma nova portaria para contenção de despesas, e cortou 110 vagas". Quando ele disse aquilo, eu percebi que estava ouvindo a voz do Espírito Santo falando ao meu coração: "E por sua causa, pois não quero você lá!". Quando o soldado cantou a lista, eu vi que havia sobrado. Foi um dos dias mais tristes da minha vida, porque aquele era o meu sonho, e eu desejava muito aquilo. Passei alguns meses remoendo a minha aparente derrota. "Deus não me ama, tudo aquilo com que sonhei se foi. Estudei como um doido e, agora, vem um miserável desse cortar 110 vagas", dizia cá comigo. Eu rosnava como um pitbull, pois havia ficado realmente irado com aquilo. Mas, o tempo passou, anos se foram, e eu percebi que estaria servindo a um reino inferior ao Reino de Deus, ao qual sirvo agora. Tenho plena consciência de que ser um oficial das Forças Armadas é algo muito digno e respeitável. Conheço essa ocupação bem de perto, pois meu pai é ex-combatente. Respeito muitíssimo a sua bravura e reconheço que se trata de uma ocupação extremamente honrada. Há, contudo, apenas um detalhe a ser mencio50


nado aqui. A minha patente é superior. Sou ministro de um Reino que não terá fim. Quando me dei conta disso, com orgulho e gratidão, eu disse: "Deus, muito obrigado!". Por que, então, não me classifiquei, se aquilo era tudo o que eu queria na vida, e estava preparado, tanto que passei naquela difícil e concorrida seleção? Por que foi assim comigo? E por que é assim com outras pessoas, que enveredam caminhos inesperados, os quais acabam levando-as a um destino imprevisto e surpreendente? É assim porque Deus sempre nos oferece o melhor, mesmo que isso não esteja claro para nós em um primeiro momento. O Senhor nos vê com carinho, reservando-nos Seus melhores pensamentos. Ele guarda para nós o que há de melhor. E a Palavra confirma isso: Para vos dar o fim que esperais (Jeremias 29.11). Qual é o significado de tudo isso afinal? Deus age dessa forma para garantir que Seu projeto final para a nossa vida conduza-nos à vitória. Podemos enfrentar lutas, tribulações, adversidades, mas, no final, a vitória sempre virá. Não importa o que estivermos enfrentando: no fim, a nossa vitória chegará. Louvado seja o nome do Senhor!


CAPÍTULO 7 A revelação profética do novo tempo no Senhor Por fim, chegou a liberdade para o povo de Israel e um novo tempo para o povo de Deus. O cativeiro na Babilônia havia se encerrado, provando aos israelitas que não teria sido correto fincar raízes naquelas terras. A morada do povo de Israel já estava determinada por Deus e lhes foi restaurada, conforme prometido. Com isso, o Senhor mostrou a todos que era instável a edificação espiritual feita sobre o frágil alicerce das palavras dos falsos profetas (Jeremias 29.8,9). E serei achado de vós, diz o SENHOR, e farei voltar os vossos cativos, e congregar-vos-ei de todas as nações e de todos os lugares para onde vos lancei, diz o SENHOR, e tornarei a trazer-vos ao lugar de onde vos transportei.

Jeremias 29.14

O Senhor prometeu restituição ao povo de Israel naquela época. E essa promessa se estende a nós. Portanto, a instrução dada por Ele aos israelitas é dada também a nós: "Não se deixem guiar por quem profetiza aquilo que não condiz com a Minha Palavra, porque são

coisas aprazíveis e


tende para nós enganadoras lisonjas", como está registrado no Livro do profeta Isaías (30.10). O que Deus disse, por meio das palavras de Jeremias, ao povo de Israel foi de um teor profético absoluto. O Senhor determinou que produziria uma mudança capaz de tornar a vida daquele povo muito melhor. E essa profecia é totalmente aplicável à nossa vida hoje. O cumprimento de uma palavra como essa impactaria de forma positiva a vida de todos nós. Devemos esperar por uma grande transformação na nossa vida, na nossa casa, na nossa família, no nosso ministério; será uma mudança para melhor, muito melhor! Recebamos essa Palavra em nome de Jesus.

Amém! E devemos preparar-nos para o novo tempo que o Senhor tem reservado para nós, pois, embora pareça tardar, esse futuro certamente chegará. Afinal, quem prometeu é fiel e Todo-poderoso para cumprir. Ele estabeleceu os tempos e as estações pelo Seu próprio poder (Atos 1.7) e pode interferir na história humana como bem lhe aprouver, a fim de que Seus propósitos se cumpram para Seus escolhidos. Basta crermos e confiarmos na ação de Deus a nosso favor. Nós podemos ter esperança de que há um novo tempo, pois, ainda que na época da sequidão,

54


a Palavra de Deus nos garante que não deixaremos de ser saciados pelo Senhor e de dar bons frutos (Jeremias 17.7,8); Ele não permitirá que os nossos pés sejam presos nos laços armados pelos inimigos (Provérbios 3.26); e, enquanto houver vida, haverá esperança (Eclesiastes 9.4). Além disso, existe a promessa de que, se somos participantes das aflições, também seremos da consolação (2 Coríntios 1.7) e de que a nossa alma será

libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus (Romanos 8.21). Dessa forma, o justo até na sua morte tem esperança (Provérbios 14.32b). Se esperamos e confiamos em Deus, podemos ter uma boa expectativa desse novo tempo, porque, entre outras coisas, o Altíssimo traz paz e salvação aos justos (Salmo 37.37-40); e bom é o Senhor para os que se atêm a Ele, para a alma que o busca (Lamentações 3.25). Assim, a esperança dos justos é alegria (Provérbios 10.28a). Sobretudo, podemos confiar que alcançaremos esse novo tempo porque fomos justificados por Cristo, Jesus nos comprou para Deus e está à destra do Pai intercedendo por nós (Romanos 8.34). Assim, crendo nesse novo tempo de Deus que virá, seremos levados a um patamar mais alto, como aconteceu com os israelitas ao serem libertos


do cativeiro na Babilônia e totalmente restaurados. Viveremos em uma nova estação de bonança. Virá enfim o novo tempo prometido por Deus. Afirmamos isso tendo um propósito, atendendo a um chamado do Senhor. Somos dirigidos por Ele ao profetizar sobre nossa vida. Pisamos nesta terra para declarar que Deus mudará a história do Seu povo e da Igreja. Neste novo tempo que virá, nossas algemas serão rompidas. Principados e potestades estarão repreendidos. Será o novo tempo de Deus, aleluia! Será a estação vindoura, o novo período esperado, um patamar acima, mais perto do Senhor! Desde já, o mover de Deus sobre o Seu povo pode ser percebido. Podemos ver, por intermédio da fé, principados, potestades e hostes malignas batendo em retirada. Declaramos que um novo tempo vem ao nosso encontro! Deus mudará a nossa história. Deus transformará a nossa família. No entanto, para viver esse novo tempo, o povo de Deus precisa conhecer melhor ao seu Senhor, um Deus tremendo, poderoso e comprometido com a construção da história do homem. Só será possível vivenciar essa nova estação se agirmos de acordo com o evangelho. Isso não é difícil. Basta ouvir o Espírito Santo falando ao nosso coração! Lembre-se: aproxima-se um novo


tempo para a nossa vida. Precisamos estar aptos. Oh, aleluia! E essa nova estação é o tempo de maior proximidade com Deus, quando podemos conhecê-lo realmente. Porém, o fato de não conhecermos bem quem somos torna impossível conhecer o Senhor de forma plena. Portanto, não basta que sejamos pessoas absolutamente honestas ou sinceras; é preciso haver transformação de vida, algo tem que mudar em nós, na história da nossa vida e no nível do nosso autoconhecimento, para que, então, possamos estar cada vez mais próximos de Deus. Por isso, a partir de hoje, você deve declarar que Deus tem poder de mudar a história da sua vida. Se você deseja entregar sua vida a Cristo, para que ela seja transformada, ou voltar aos caminhos do Senhor, por favor, desvencilhe-se do laço em que o diabo tenta aprisioná-lo. Nunca acredite no discurso do inimigo, o príncipe deste mundo. Ele tenta fazer-nos acreditar que não conseguiremos reerguer-nos, que a restauração não acontecerá. Mas, lembre-se: o diabo é o pai da mentira. Ao entregarmos nossa vida a Jesus Cristo, essa atitude não deve ser esquecida. Na oração, na evangelização por intermédio da Bíblia, ao estar presente na igreja, em todos os momentos,


I NST RUÇÕ ES DE DEI.

é preciso entender o teor desse compromisso: o encontro com Jesus Cristo realmente nos traz para a novidade de vida, afasta-nos das coisas vis deste mundo e faz-nos renascer. E, nesse renascimento, a nossa vida e a vida daqueles que estão ao nosso lado são extremamente importantes. Elas não têm preço. Uma alma vale mais do que um mundo inteiro. Por isso, na Bíblia, não encontraremos passagens que afirmem que houve alegria no céu porque um paralítico andou, um cego voltou a enxergar ou um morto ressuscitou. Mas, existem registros, na Palavra de Deus, de que há alegria no céu por um pecador que se arrepende. E assim, nós, juntos, seremos o motivo de uma grande festa no céu. Será que não conhecemos pessoas que precisam ser lavadas e remidas pelo sangue de Jesus para que possam estar nessa grande festa? Sabemos que muitos clamam por libertação, pois estão envolvidos nas coisas mais terríveis desta vida. Por isso, devemos rogar para que todas as cadeias que os prendem sejam destruídas. Produzamos frutos na casa do Senhor, vivamos uma nova história a partir de hoje. Pertencemos a Jesus. O mal não terá mais domínio sobre nós! Que os vícios sejam repreendidos, que as cadeias sejam rompidas! Declaremos então a nossa


S f LAS MALAF AI A

vitória, porque Jesus é o Senhor da nossa vida. A vitória é

nossa! Agradecemos por tudo com que o Altíssimo rega o nosso jardim. Porque tudo o que vem de Deus é bom. Afinal, se não fosse o Senhor, não estaríamos aqui. A Ele, todo louvor, honra e glória! Que Deus abençoe a todos nós. Que haja paz em nosso lar, que todos estejamos livres dos laços do inimigo. E que o Senhor nos proteja, porque alcançaremos uma vida de vitória.

A graça de nosso Senhor, o amor de Deus, e as consolações do Espírito Santo sejam com todos, e todos digam: Amém!


Mensagens para edificar e fortalecer sua fĂŠ

Pr. Silas Malafaia

www.editoracentralgospel.com


Profile for Vagner  Marques

Instruçoes de deus para uma vida vitoriosa silas malafaia  

Instruçoes de deus para uma vida vitoriosa silas malafaia  

Advertisement