Issuu on Google+

Revista da

Unimed ANO 37 | Nº 178 | Trimestre 01 - 2013 | www.unimedvtrp.com.br Av. Benjamin Constant, 1058 - 5º andar - CEP 95900-000 - Lajeado/RS

Inimigo silencioso

Pág. 6

Existe vida fora do Facebook?

Pág. 10

Unimed VTRP: a melhor operadora de planos de saúde do Brasil

Pág. 16


Expediente Unimed – Cooperativa de Serviços de Saúde dos Vales do Taquari e Rio Pardo Ltda.

Fotos: Atelier Fotográfico (capa), Carolina Leipnitz, divulgação e arquivo pessoal

04

Olha o aviaozinho... l

Revista da Unimed – publicação que substitui o Jornal da Unimed, lançado em agosto de 1977 – circulação trimestral

Projeto gráfico e diagramação: TAOS Propaganda

Jornalistas responsáveis: Josiane Rotta (Mtb/RS 11834) José Renato Ribeiro (Mtb/RS 12968) Equipe editorial: Dr. Paulo Roberto Jucá, Danielle Harth, Josiane Rotta, Aline Tonini, Viviane Bertolo e José Renato Ribeiro. Impressão: Grafocem Impressos Gráficos Tiragem: 34.000 exemplares Circulação dirigida: distribuição gratuita para colaboradores Unimed, cooperados, empresas conveniadas, clientes de planos familiares, serviços credenciados, coirmãs, entidades médicas, entidades culturais. Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião dos responsáveis por este jornal. E-mail: imprensa@unimedvtrp.com.br www.unimedvtrp.com.br

08

Inimigo

silencioso

Existe vida fora do facebook?

14

10

Unimed VTRP é avaliada como a melhor operadora de planos de saúde do país

Notícias Unimed Comercialização e Administração de Planos de Saúde Assistenciais. Comercialização de Programas de Saúde Ocupacional.

Há quem não resista a um dia sequer sem acessar a Internet. Os mais conectados acordam e, ainda deitados na cama, checam e-mails e redes sociais pelo celular. Exagero? Vício? Doença? Estudos recentes já colocam essa dependência obsessiva na lista de transtornos mentais. E é sobre isso que trata a matéria de capa desta edição da Revista Unimed. O leitor recebe dicas de segurança na rede e um alerta para ficar de olho nos acessos das crianças e adolescentes. Mas atenção: de nada adianta repreender seu filho se você também passa horas em casa em frente ao computador. Quando possível, desligue a máquina e vá curtir momentos ao ar livre com sua família. Seu corpo e sua mente, com certeza, agradecerão.

Clientes da Unimed VTRP agora recebem descontos especiais na Panvel

Atenta às oportunidades no mercado da saúde, a Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo (Unimed VTRP) optou por focar seus objetivos no negócio principal: planos de saúde. Esta decisão motivou uma parceria com a rede Panvel e, consequentemente, o encerramento das atividades, no final de dezembro, da Fundação Medicamentos para a Saúde em Lajeado e Santa Cruz do Sul. Clientes que apresentam o cartão do plano assistencial Unimed VTRP podem comprar produtos na rede Panvel com preços especiais nos pagamentos à

vista. O desconto é de 30% em todos os genéricos e 6% em todos os chamados medicamentos de marca. Além disso, há uma lista específica com 1,4 mil medicamentos, nos quais a redução fica em 18%. O convênio com a Panvel possibilita a aquisição de produtos nas 291 lojas da rede, situadas em toda a região Sul do país. Na área de abrangência da Cooperativa, há unidades em cinco municípios: Charqueadas, Estrela, Lajeado, Rio Pardo e Santa Cruz do Sul. Entre outras vantagens da rede, há o programa de fidelidade, com sistema

de pontuação na aquisição de produtos e posterior troca por itens de higiene e beleza. Mais informações podem ser obtidas no www.panvel.com. Para os clientes do Cartão Mais Benefícios da Unimed VTRP, seguem valendo os descontos no preço de produtos da rede e-Pharma, em todo Brasil.

Espaço Vida divulga calendário de palestras para o próximo trimestre Empenhada em promover a saúde e qualidade de vida de seus clientes, a Unimed VTRP realiza uma série de palestras nas quatro unidades do Espaço Vida. Agende-se e participe!

Memória em silêncio

SAC: 0800 051 1166

editorial

19

06

Modelo da capa: Patrícia Pinheiro

Redação: Josiane Rotta e José Renato Ribeiro

notícias Unimed

16 19

Convide as crianças para um piquenique no quintal, uma tarde na pracinha ou um passeio de bicicleta pelas ruas do bairro. Exemplo também é algo importante na hora de fazer as crianças comerem “direitinho”, tema de outra matéria desta edição. Esses são apenas alguns dos assuntos abordados nesta revista. E por último, mas não menos importante, destacamos também um grande reconhecimento que a Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo (Unimed VTRP) recebeu recentemente: entre as grandes operadoras de planos de saúde, obteve a maior nota do país no Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS). O que isto quer dizer? Que a melhor operadora da planos de saúde do Brasil cuida de você.

Lajeado Data - Horário - Tema 09/03 9h Comportamento preventivo em neoplasias 13/03 18h30min Gripes e resfriados 22/03 14h30min Saúde bucal 08/04 18h30min Obesidade: causas e efeitos 16/04 8h30min Envelhecimento saudável 09/05 18h30min Cuide sua saúde mental 17/05 14h30min Dificuldades respiratórias 25/05 9h Riscos e doenças cardiovasculares

Venâncio Aires Data - Horário - Tema 11/03 19h Gripes e resfriados 23/03 9h Comportamento preventivo do câncer 26/03 14h Saúde Bucal 09/04 14h Obesidade 25/04 19h Envelhecimento saudável 09/05 19h Cuide sua saúde mental 15/05 14h Dificuldades respiratórias 25/05 9h Riscos cardiovasculares

Santa Cruz do Sul Data - Horário - Tema 07/03 14h Saúde bucal 21/03 19h Gripes e resfriados 28/03 19h30min Relações familiares 04/04 19h Obesidade 18/04 19h Envelhecimento saudável 09/05 14h Dificuldades respiratórias 18/05 9h Riscos cardiovasculares 23/05 19h Cuidados com a saúde mental

Encantado Data - Horário - Tema 06/03 19h Gripes e resfriados 20/03 14h Saúde Bucal 21/03 19h Alergias 26/03 19h Comportamento preventivo do câncer 11/04 19h Obesidade 24/04 14h Envelhecimento saudável 09/05 19h Cuidados com a saúde mental 18/05 9h Riscos cardiovasculares 27/05 14h Cuidados com o inverno

Junte lacres de alumínio e colabore para a compra de cadeiras de rodas Sabe o lacre das latinhas de alumínio, que geralmente colocamos fora? Ele pode contribuir na aquisição de cadeiras de rodas. Interessados em colaborar podem depositar esses anéis nas garrafas pet que se encontram nos pontos de atendimento da Unimed VTRP. Trata-se da campanha “Eu ajudo na lata”, uma iniciativa da Unimed Brasil, que pretende reverter o

dinheiro da venda do material para a aquisição de cadeiras de rodas para instituições da região. A campanha segue até o dia 30 de junho. Outras informações podem ser obtidas na Unimed VTRP, com a área de Gestão de Responsabilidade Socioambiental, pelo e-mail responsabilidadesocial@unimedvtrp.com.br ou pelo telefone (51) 3714-7135.


Expediente Unimed – Cooperativa de Serviços de Saúde dos Vales do Taquari e Rio Pardo Ltda.

Fotos: Atelier Fotográfico (capa), Carolina Leipnitz, divulgação e arquivo pessoal

04

Olha o aviaozinho... l

Revista da Unimed – publicação que substitui o Jornal da Unimed, lançado em agosto de 1977 – circulação trimestral

06

Modelo da capa: Patrícia Pinheiro Projeto gráfico e diagramação: TAOS Propaganda

Redação: Josiane Rotta e José Renato Ribeiro Jornalistas responsáveis: Josiane Rotta (Mtb/RS 11834) José Renato Ribeiro (Mtb/RS 12968) Equipe editorial: Dr. Paulo Roberto Jucá, Danielle Harth, Josiane Rotta, Aline Tonini, Viviane Bertolo e José Renato Ribeiro. Impressão: Grafocem Impressos Gráficos Tiragem: 34.000 exemplares Circulação dirigida: distribuição gratuita para colaboradores Unimed, cooperados, empresas conveniadas, clientes de planos familiares, serviços credenciados, coirmãs, entidades médicas, entidades culturais. Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião dos responsáveis por este jornal. E-mail: imprensa@unimedvtrp.com.br www.unimedvtrp.com.br

08

Inimigo

silencioso

Existe vida fora do facebook?

14

Memória em silêncio

SAC: 0800 051 1166

Unimed VTRP é avaliada como a melhor operadora de planos de saúde do país

Notícias Unimed Comercialização e Administração de Planos de Saúde Assistenciais. Comercialização de Programas de Saúde Ocupacional.

editorial

10

Há quem não resista a um dia sequer sem acessar a Internet. Os mais conectados acordam e, ainda deitados na cama, checam e-mails e redes sociais pelo celular. Exagero? Vício? Doença? Estudos recentes já colocam essa dependência obsessiva na lista de transtornos mentais. E é sobre isso que trata a matéria de capa desta edição da Revista Unimed. O leitor recebe dicas de segurança na rede e um alerta para ficar de olho nos acessos das crianças e adolescentes. Mas atenção: de nada adianta repreender seu filho se você também passa horas em casa em frente ao computador. Quando possível, desligue a máquina e vá curtir momentos ao ar livre com sua família. Seu corpo e sua mente, com certeza, agradecerão.

16 19

Convide as crianças para um piquenique no quintal, uma tarde na pracinha ou um passeio de bicicleta pelas ruas do bairro. Exemplo também é algo importante na hora de fazer as crianças comerem “direitinho”, tema de outra matéria desta edição. Esses são apenas alguns dos assuntos abordados nesta revista. E por último, mas não menos importante, destacamos também um grande reconhecimento que a Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo (Unimed VTRP) recebeu recentemente: entre as grandes operadoras de planos de saúde, obteve a maior nota do país no Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS). O que isto quer dizer? Que a melhor operadora da planos de saúde do Brasil cuida de você.


alimentação saudável

Olha o aviaozinho...

04

l

A

mamãe escolhe as frutas mais bonitas da feira, faz aquela papinha caprichada, enche a colher – de alimento e expectativa – e, ao invés de abrir um bocão, o filhote cerra os lábios em negativa. Por mais que os pais se esmerem, fazer os pequenos comerem “direitinho” nem sempre é tarefa fácil. Entretanto, devem insistir em uma alimentação equilibrada desde a infância, para a formação saudável de uma criança e, consequentemente, de um adulto com bons hábitos alimentares. “Apresente diferentes opções de frutas e legumes e varie o cardápio. Mas não adianta pedir ao teu filho para comer beterraba se tu faz cara de nojo quando chega perto de uma”, alerta a pediatra Silvia Roos, de Candelária. Exemplo é o que não falta para Felipe Petry Winkel, de oito meses, de Lajeado. A mãe e

- Dê exclusivamente leite materno, no máximo, até os seis meses, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento; - A partir dos 6 meses de idade, ofereça - de maneira lenta e gradual - outros alimentos, mantendo o leite materno até os 2 anos de idade ou mais; - Também a partir dos 6 meses, dê alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, frutas e legumes) três vezes ao dia se a criança receber leite materno, e cinco vezes ao dia, se estiver desmamada; - A alimentação complementar deve ser de acordo com os horários de refeição da família, a intervalos regulares e de modo a respeitar o apetite da criança; - A alimentação complementar deve ser

educadora física Gisele Petry, 33 anos, costuma manter a casa abastecida com frutas e ter três opções de saladas nas refeições. “Desde que ele parou de mamar no peito, aos quatro meses, tentamos oferecer de tudo, em se tratando de frutas e verduras. Na primeira tentativa, às vezes, faz cara feia. Mas depois acaba comendo ou pelo menos provando”, conta a mãe, acrescentando que as frutas preferidas dele são manga, melão, banana e pêra. Entre as estratégias de Gisele para fazer Felipe “pegar gosto pelas frutas”, às vezes deixa ele comer sozinho, segurando com suas próprias mãozinhas mesmo que isso implique em uma baita lambança. “Quero que seja uma pessoa sem restrições alimentares, com uma vida saudável”, completa a mãe, que aos poucos – e com orientação do pediatra – também está incluindo alimentos integrais nas refeições do bebê.

espessa desde o início e oferecida na colher. Comece com consistência pastosa (papa ou purê) e aumente gradativamente a consistência até chegar à alimentação da família; - Ofereça à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida; - Estimule o consumo diário de frutas, verduras e legumes; - Evite açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Use sal com moderação; - Cuide da higiene no preparo e no manuseio dos alimentos, garantindo armazenamento e conservação adequados dos alimentos;

- Estimule a criança doente a se alimentar oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando sua aceitação; - Três princípios básicos devem ser considerados no preparo das papas salgadas: a textura, o sabor e o equilíbrio em nutrientes. As papas devem ser feitas com três alimentos: 1. carnes, 2. cereais, 3.legumes e verduras; - Este último item pode ter mais de um alimento. Os bebês são muito sensíveis ao sal e aos temperos, por isso devem ser usados com moderação; - Quanto as gorduras, opte pelos óleos vegetais (azeite de oliva, milho soja, girassol), adicionando apenas 1 colher de sobremesa.

Dos 2 aos 12 anos

Gisele: oferece frutas ao filho desde os quatro meses

Sinais de alerta A pediatra Silvia Roos aconselha os pais a não substituírem as refeições. “Se a criança se negar a almoçar, por exemplo, não sirva leite. Deixe-a com sensação de fome para que ela saiba que não adianta fazer manha para conseguir o alimento desejado. No outro dia, saberá que não vai resolver fazer chantagem

Ate os 2 anos de idade

para ganhar o leitinho”, orienta ela. Para os pais, às vezes é difícil ter noção se o que os filhos estão comendo é o suficiente. Silvia chama atenção para alguns sinais de alerta. Crianças pálidas, prostradas e sem apetite podem estar com anemia. Já a ingestão excessiva de água e a eliminação excessiva xixi, pode

indicar diabetes. Para evitar o sobrepeso, não deixe guloseimas e bolachas à vista dos pequenos. Uma criança obesa provavelmente será um adulto obeso, com propensão a desenvolver, entre outros problemas, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e baixa autoestima.

- Ensine a criança a ter horários regulares para se alimentar, evitando que fique beliscando o dia todo; - Não gratifique para que ela coma tudo do prato, pois nem sempre a quantidade que os pais acreditam ser necessária é o que a criança precisa; - Observe o sono da criança. Ela deve dormir de 10 a 12 horas por noite, pois isso influência no ganho de peso; - Reuna a família na hora das refeições. Ver os pais comendo saladas e frutas motiva as crianças a fazer o mesmo; - Procure oferecer uma mesa colorida, com verduras e legumes preparados com criatividade para estimular a curiosidade; - Reduza o tempo dela na

frente da TV. Além de diminuir a exposição aos comerciais de comida, ganha-se tempo para atividades físicas. Estabeleça limites do tempo de computador e videogames; - A criança precisa ser ensinada a respeito do sobrepeso e não forçada a uma redução não havendo necessidade de castigos e privações severas; - A família deve se envolver na reeducação alimentar, pois geralmente o hábito dos filhos é moldado pelo convívio com os pais; - Antes de desistir da oferta do alimento não desejado pela criança, ofereça no mínimo por 10 vezes preparando de maneiras diferentes.

Fonte: Guia Alimentar para a Criança Menor de 2 anos, Nutrição da Gestação ao Envelhecimento e nutricionistas do Espaço Vida Unimed


alimentação saudável

Olha o aviaozinho...

04

l

A

mamãe escolhe as frutas mais bonitas da feira, faz aquela papinha caprichada, enche a colher – de alimento e expectativa – e, ao invés de abrir um bocão, o filhote cerra os lábios em negativa. Por mais que os pais se esmerem, fazer os pequenos comerem “direitinho” nem sempre é tarefa fácil. Entretanto, devem insistir em uma alimentação equilibrada desde a infância, para a formação saudável de uma criança e, consequentemente, de um adulto com bons hábitos alimentares. “Apresente diferentes opções de frutas e legumes e varie o cardápio. Mas não adianta pedir ao teu filho para comer beterraba se tu faz cara de nojo quando chega perto de uma”, alerta a pediatra Silvia Roos, de Candelária. Exemplo é o que não falta para Felipe Petry Winkel, de oito meses, de Lajeado. A mãe e

- Dê exclusivamente leite materno, no máximo, até os seis meses, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento; - A partir dos 6 meses de idade, ofereça - de maneira lenta e gradual - outros alimentos, mantendo o leite materno até os 2 anos de idade ou mais; - Também a partir dos 6 meses, dê alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, frutas e legumes) três vezes ao dia se a criança receber leite materno, e cinco vezes ao dia, se estiver desmamada; - A alimentação complementar deve ser de acordo com os horários de refeição da família, a intervalos regulares e de modo a respeitar o apetite da criança; - A alimentação complementar deve ser

educadora física Gisele Petry, 33 anos, costuma manter a casa abastecida com frutas e ter três opções de saladas nas refeições. “Desde que ele parou de mamar no peito, aos quatro meses, tentamos oferecer de tudo, em se tratando de frutas e verduras. Na primeira tentativa, às vezes, faz cara feia. Mas depois acaba comendo ou pelo menos provando”, conta a mãe, acrescentando que as frutas preferidas dele são manga, melão, banana e pêra. Entre as estratégias de Gisele para fazer Felipe “pegar gosto pelas frutas”, às vezes deixa ele comer sozinho, segurando com suas próprias mãozinhas mesmo que isso implique em uma baita lambança. “Quero que seja uma pessoa sem restrições alimentares, com uma vida saudável”, completa a mãe, que aos poucos – e com orientação do pediatra – também está incluindo alimentos integrais nas refeições do bebê.

espessa desde o início e oferecida na colher. Comece com consistência pastosa (papa ou purê) e aumente gradativamente a consistência até chegar à alimentação da família; - Ofereça à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida; - Estimule o consumo diário de frutas, verduras e legumes; - Evite açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Use sal com moderação; - Cuide da higiene no preparo e no manuseio dos alimentos, garantindo armazenamento e conservação adequados dos alimentos;

- Estimule a criança doente a se alimentar oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando sua aceitação; - Três princípios básicos devem ser considerados no preparo das papas salgadas: a textura, o sabor e o equilíbrio em nutrientes. As papas devem ser feitas com três alimentos: 1. carnes, 2. cereais, 3.legumes e verduras; - Este último item pode ter mais de um alimento. Os bebês são muito sensíveis ao sal e aos temperos, por isso devem ser usados com moderação; - Quanto as gorduras, opte pelos óleos vegetais (azeite de oliva, milho soja, girassol), adicionando apenas 1 colher de sobremesa.

Dos 2 aos 12 anos

Gisele: oferece frutas ao filho desde os quatro meses

Sinais de alerta A pediatra Silvia Roos aconselha os pais a não substituírem as refeições. “Se a criança se negar a almoçar, por exemplo, não sirva leite. Deixe-a com sensação de fome para que ela saiba que não adianta fazer manha para conseguir o alimento desejado. No outro dia, saberá que não vai resolver fazer chantagem

Ate os 2 anos de idade

para ganhar o leitinho”, orienta ela. Para os pais, às vezes é difícil ter noção se o que os filhos estão comendo é o suficiente. Silvia chama atenção para alguns sinais de alerta. Crianças pálidas, prostradas e sem apetite podem estar com anemia. Já a ingestão excessiva de água e a eliminação excessiva xixi, pode

indicar diabetes. Para evitar o sobrepeso, não deixe guloseimas e bolachas à vista dos pequenos. Uma criança obesa provavelmente será um adulto obeso, com propensão a desenvolver, entre outros problemas, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e baixa autoestima.

- Ensine a criança a ter horários regulares para se alimentar, evitando que fique beliscando o dia todo; - Não gratifique para que ela coma tudo do prato, pois nem sempre a quantidade que os pais acreditam ser necessária é o que a criança precisa; - Observe o sono da criança. Ela deve dormir de 10 a 12 horas por noite, pois isso influência no ganho de peso; - Reuna a família na hora das refeições. Ver os pais comendo saladas e frutas motiva as crianças a fazer o mesmo; - Procure oferecer uma mesa colorida, com verduras e legumes preparados com criatividade para estimular a curiosidade; - Reduza o tempo dela na

frente da TV. Além de diminuir a exposição aos comerciais de comida, ganha-se tempo para atividades físicas. Estabeleça limites do tempo de computador e videogames; - A criança precisa ser ensinada a respeito do sobrepeso e não forçada a uma redução não havendo necessidade de castigos e privações severas; - A família deve se envolver na reeducação alimentar, pois geralmente o hábito dos filhos é moldado pelo convívio com os pais; - Antes de desistir da oferta do alimento não desejado pela criança, ofereça no mínimo por 10 vezes preparando de maneiras diferentes.

Fonte: Guia Alimentar para a Criança Menor de 2 anos, Nutrição da Gestação ao Envelhecimento e nutricionistas do Espaço Vida Unimed


imunidade

06 Recomendações

I

magine um país pacífico, mas permanentemente cercado por inimigos variados, muitas vezes desconhecidos. Digamos que esse território muito cobiçado por bactérias, parasitas, vírus e toxinas diversas seja o corpo humano. Para defender-se de potenciais agressores, essa nação precisa de um exército bem aparelhado, pronto a responder a qualquer agressão. Esse é o papel do sistema imunológico. Como um grupo de super-heróis, ele entra em ação para combater organismos hostis ao corpo humano. “O sistema imunológico é o responsável pela resposta a alterações relacionadas a infecções, tumores, alergias e outras inflamações”, explica o infectologista Marcelo Carneiro, de Santa Cruz do Sul. Entre as células do sistema de defesa, encontramos os glóbulos brancos ou leucócitos. Existem vários tipos de glóbulos brancos, com funções imunológicas específicas e diferenciadas, nomea-

Cuidados Existem características que apontem para um sistema de defesa comprometido? Na realidade, um exame único não é capaz de detectar se a pessoa está com a imunidade prejudicada. O ideal é procurar um médico ao perceber sintomas. “Evitar a automedicação, especialmente de corticóides, é uma medida geral importante, além de contrair alguma doença infecciosa que diminua a imunidade como a imunodeficiência adquirida”, relaciona o infectologista. “Uma alimentação saudável e o cuidado com o corpo são básicos”, complementa. Corticóide ou corticosteróide (popularmente chamado de cortisona) é um medicamento usado no tratamento das

damente: os linfócitos, os neutrófilos polimorfonucleares, os eosinófilos, os basófilos e os monócitos. Algumas células de defesa têm a função de fagocitar: elas engolem, trituram e digerem os inimigos. “As nossas células de imunidade são formadas na medula óssea e ativadas por outras substâncias ou moléculas internas ou externas”, completa o cooperado da Unimed VTRP, com a descrição sobre o arsenal utilizado nessa espécie de guerra em prol da saúde. Essas células reconhecem os invasores (conhecidos antígenos) por meio das substâncias químicas. Não é difícil a identificação: tais substâncias inexistem no organismo. Ou seja, o uniforme do inimigo é inconfundível. Certas bactérias, como as pneumococci da pneumonia, ao longo da evolução aprenderam, porém, a se camuflar e a passar despercebidas. Contra isso, os vertebrados inventaram há 400 milhões de anos uma resposta formidável: as célu-

doenças alérgicas e é sintetizado a partir de um hormônio produzido por uma pequena glândula chamada supra-renal, pois se localiza logo acima do rim. Este hormônio – chamado de cortisol - é essencial para a vida, contribuindo para manter o equilíbrio no organismo humano. Atua como um potente anti-inflamatório natural, além de ter influência em funções do organismo. Por exemplo, no metabolismo ósseo, de açucares, sais minerais, gorduras, proteínas, exercendo também ação estimuladora no cérebro. Os corticóides são utilizados de forma sintética em medicamentos usados em muitas doenças e na alergia. O uso deste medicamento acarreta melhora de crises agudas de asma, rinite, urti-

las linfócitos B. Assim que uma bactéria da pneumonia tenta invadir o corpo pelo pequeno corte, os linfócitos B disparam seus mísseis teleguiados que se encaixam na molécula da bactéria, ou de qualquer outro invasor infeccioso, bloqueando-a para que não contamine outras células do organismo. Essas proteínas são os tão falados anticorpos. Sua função principal, porém, é típica dos serviços de contraespionagem: desmarcar os inimigos camuflados. A técnica funciona às mil maravilhas. Ao combinar-se com o odiado antígeno, o anticorpo chama a atenção do macrófago para a presença do estranho. Os antígenos são substâncias que não são reconhecidas pelo sistema imunológico como próprio do corpo. Podem ser uma bactéria ou um fragmento dela, um vírus ou até uma substância qualquer. Quando o sistema imunológico apresenta uma resposta acima da considerada normal se diz que a pessoa apresentou uma alergia.

cária, eczemas, farmacodermias e da anafilaxia. Conhecendo as ações dos hormônios corticosteróides, fica mais fácil compreender seus principais efeitos colaterais, em especial quando utilizados de forma sistêmica por via oral (comprimidos e xaropes) ou injetável. Os principais efeitos colaterais são: aumento de peso com deposição central de gordura (giba de búfalo); tendência a aumentar a pressão arterial; retenção de água (edema); tendência ao aumento do açúcar no sangue (diabetes); aumento da acidez estomacal (azia, gastrite); perda de cálcio ósseo (tendência à osteoporose); insônia e agitação; aparecimento de cãibras; acne e surgimento de pelos na face.

O sistema imunológico parece pedir ajuda quando ocorrem complicações de maneira repetida no organismo e que demoram a passar. A redução da resistência orgânica propicia condições para o desenvolvimento de doenças. Assim, se a pessoa apresentar um problema por diversas vezes deve procurar um médico. Mas detectar essa situação é complexo, pois repetir demais uma complicação não é certeza de uma queda na imunidade. Por exemplo: é possível ter unhas fracas durante meses e o problema ser apenas consequência de má higiene ou falta de alguns nutrientes na alimentação. Em uma batalha assim, conhecer os efeitos da ação inimiga é essencial para chegar à vitória. “O sistema imunológico possibilita o corpo mediar os processos inflamatórios de todos os tipos”, indica o infectologista.

Dez dicas 1. Pneumonias Os sintomas da infecção no pulmão: febre alta, calafrios, tosse com expectoração, falta de ar, dor no peito, vômitos, prostração, perda de apetite e dores no corpo. A dica é prestar atenção à incidência de duas ou mais pneumonias no último ano. 2. Otites A inflamação é provocada pelo acúmulo de líquido no ouvido, que pode apresentar dor intensa, diminuição da audição, secreção, coceira, febre e falta de apetite. Nesse caso, a atenção maior tem foco em oito ou mais registros no ano. 3. Estomatites de repetição / monilíase A estomatite pode ser percebida por lesões na boca e gengivas. Já a monilíase é uma infecção causada por fungos com pontos brancos e escamosos em na área da região bucal: língua, bochechas, gengivas ou lábios. Os casos merecem cuidados ainda maiores quan-

do o período for de dois meses ou mais. 4. Abscessos de repetição ou ectima O acúmulo de pus na pele em determinada área do corpo é conhecido por abscesso, também chamado de furúnculo. A ectima é uma infecção bacteriana que ocorre, normalmente, por falta de higiene. As lesões costumam acontecer com maior frequência nas pernas e nos pés. 5. Meningite, osteoartrite ou septicemia A meningite é uma inflamação das meninges (membranas do encéfalo e da medula espinhal) e pode ser causada por vírus ou bactérias. Já a osteoartrite é caracterizada por problemas que alteram as juntas dos joelhos, quadris, mãos e coluna vertebral, o que prejudica o movimento corporal. A septicemia, por sua vez, é uma infecção generalizada que se espalha por todo o organismo devido a bactérias que infectam o sangue. 6. Infecções intestinais de repetição ou diarreia crônica Problemas no funcionamento do intestino podem ocorrer por alimentação ruim e até por problemas emocionais. No entanto, frequentes diarreias e disfunções intestinais, com relação a infecções, são

ainda mais preocupantes e podem ser indícios de imunodeficiência. 7. Asma grave, doença do colágeno ou doença autoimune A doença do colágeno e a autoimune representam um grupo que faz o organismo produzir anticorpos contra ele mesmo, o que provoca uma queda na imunidade. 8. Efeito adverso à BCG e/ou infecção por microbactérias A situação atinge crianças que têm reação da vacina BCG, contra tuberculose. A pele pode não cicatrizar após a vacina ou o problema pode ser com a própria bactéria que resulta na tuberculose. 9. Quadro clínico associado à imunodeficiência O profissional médico pode suspeitar de acordo com o histórico do paciente e da predisposição genética. 10. História familiar de imunodeficiência Pessoas que possuem casos na família de baixa imunidade também devem ficar mais atentas às respostas do organismo para doenças. De preferência, devem fazer uma avaliação médica.


imunidade

06 Recomendações

I

magine um país pacífico, mas permanentemente cercado por inimigos variados, muitas vezes desconhecidos. Digamos que esse território muito cobiçado por bactérias, parasitas, vírus e toxinas diversas seja o corpo humano. Para defender-se de potenciais agressores, essa nação precisa de um exército bem aparelhado, pronto a responder a qualquer agressão. Esse é o papel do sistema imunológico. Como um grupo de super-heróis, ele entra em ação para combater organismos hostis ao corpo humano. “O sistema imunológico é o responsável pela resposta a alterações relacionadas a infecções, tumores, alergias e outras inflamações”, explica o infectologista Marcelo Carneiro, de Santa Cruz do Sul. Entre as células do sistema de defesa, encontramos os glóbulos brancos ou leucócitos. Existem vários tipos de glóbulos brancos, com funções imunológicas específicas e diferenciadas, nomea-

Cuidados Existem características que apontem para um sistema de defesa comprometido? Na realidade, um exame único não é capaz de detectar se a pessoa está com a imunidade prejudicada. O ideal é procurar um médico ao perceber sintomas. “Evitar a automedicação, especialmente de corticóides, é uma medida geral importante, além de contrair alguma doença infecciosa que diminua a imunidade como a imunodeficiência adquirida”, relaciona o infectologista. “Uma alimentação saudável e o cuidado com o corpo são básicos”, complementa. Corticóide ou corticosteróide (popularmente chamado de cortisona) é um medicamento usado no tratamento das

damente: os linfócitos, os neutrófilos polimorfonucleares, os eosinófilos, os basófilos e os monócitos. Algumas células de defesa têm a função de fagocitar: elas engolem, trituram e digerem os inimigos. “As nossas células de imunidade são formadas na medula óssea e ativadas por outras substâncias ou moléculas internas ou externas”, completa o cooperado da Unimed VTRP, com a descrição sobre o arsenal utilizado nessa espécie de guerra em prol da saúde. Essas células reconhecem os invasores (conhecidos antígenos) por meio das substâncias químicas. Não é difícil a identificação: tais substâncias inexistem no organismo. Ou seja, o uniforme do inimigo é inconfundível. Certas bactérias, como as pneumococci da pneumonia, ao longo da evolução aprenderam, porém, a se camuflar e a passar despercebidas. Contra isso, os vertebrados inventaram há 400 milhões de anos uma resposta formidável: as célu-

doenças alérgicas e é sintetizado a partir de um hormônio produzido por uma pequena glândula chamada supra-renal, pois se localiza logo acima do rim. Este hormônio – chamado de cortisol - é essencial para a vida, contribuindo para manter o equilíbrio no organismo humano. Atua como um potente anti-inflamatório natural, além de ter influência em funções do organismo. Por exemplo, no metabolismo ósseo, de açucares, sais minerais, gorduras, proteínas, exercendo também ação estimuladora no cérebro. Os corticóides são utilizados de forma sintética em medicamentos usados em muitas doenças e na alergia. O uso deste medicamento acarreta melhora de crises agudas de asma, rinite, urti-

las linfócitos B. Assim que uma bactéria da pneumonia tenta invadir o corpo pelo pequeno corte, os linfócitos B disparam seus mísseis teleguiados que se encaixam na molécula da bactéria, ou de qualquer outro invasor infeccioso, bloqueando-a para que não contamine outras células do organismo. Essas proteínas são os tão falados anticorpos. Sua função principal, porém, é típica dos serviços de contraespionagem: desmarcar os inimigos camuflados. A técnica funciona às mil maravilhas. Ao combinar-se com o odiado antígeno, o anticorpo chama a atenção do macrófago para a presença do estranho. Os antígenos são substâncias que não são reconhecidas pelo sistema imunológico como próprio do corpo. Podem ser uma bactéria ou um fragmento dela, um vírus ou até uma substância qualquer. Quando o sistema imunológico apresenta uma resposta acima da considerada normal se diz que a pessoa apresentou uma alergia.

cária, eczemas, farmacodermias e da anafilaxia. Conhecendo as ações dos hormônios corticosteróides, fica mais fácil compreender seus principais efeitos colaterais, em especial quando utilizados de forma sistêmica por via oral (comprimidos e xaropes) ou injetável. Os principais efeitos colaterais são: aumento de peso com deposição central de gordura (giba de búfalo); tendência a aumentar a pressão arterial; retenção de água (edema); tendência ao aumento do açúcar no sangue (diabetes); aumento da acidez estomacal (azia, gastrite); perda de cálcio ósseo (tendência à osteoporose); insônia e agitação; aparecimento de cãibras; acne e surgimento de pelos na face.

O sistema imunológico parece pedir ajuda quando ocorrem complicações de maneira repetida no organismo e que demoram a passar. A redução da resistência orgânica propicia condições para o desenvolvimento de doenças. Assim, se a pessoa apresentar um problema por diversas vezes deve procurar um médico. Mas detectar essa situação é complexo, pois repetir demais uma complicação não é certeza de uma queda na imunidade. Por exemplo: é possível ter unhas fracas durante meses e o problema ser apenas consequência de má higiene ou falta de alguns nutrientes na alimentação. Em uma batalha assim, conhecer os efeitos da ação inimiga é essencial para chegar à vitória. “O sistema imunológico possibilita o corpo mediar os processos inflamatórios de todos os tipos”, indica o infectologista.

Dez dicas 1. Pneumonias Os sintomas da infecção no pulmão: febre alta, calafrios, tosse com expectoração, falta de ar, dor no peito, vômitos, prostração, perda de apetite e dores no corpo. A dica é prestar atenção à incidência de duas ou mais pneumonias no último ano. 2. Otites A inflamação é provocada pelo acúmulo de líquido no ouvido, que pode apresentar dor intensa, diminuição da audição, secreção, coceira, febre e falta de apetite. Nesse caso, a atenção maior tem foco em oito ou mais registros no ano. 3. Estomatites de repetição / monilíase A estomatite pode ser percebida por lesões na boca e gengivas. Já a monilíase é uma infecção causada por fungos com pontos brancos e escamosos em na área da região bucal: língua, bochechas, gengivas ou lábios. Os casos merecem cuidados ainda maiores quan-

do o período for de dois meses ou mais. 4. Abscessos de repetição ou ectima O acúmulo de pus na pele em determinada área do corpo é conhecido por abscesso, também chamado de furúnculo. A ectima é uma infecção bacteriana que ocorre, normalmente, por falta de higiene. As lesões costumam acontecer com maior frequência nas pernas e nos pés. 5. Meningite, osteoartrite ou septicemia A meningite é uma inflamação das meninges (membranas do encéfalo e da medula espinhal) e pode ser causada por vírus ou bactérias. Já a osteoartrite é caracterizada por problemas que alteram as juntas dos joelhos, quadris, mãos e coluna vertebral, o que prejudica o movimento corporal. A septicemia, por sua vez, é uma infecção generalizada que se espalha por todo o organismo devido a bactérias que infectam o sangue. 6. Infecções intestinais de repetição ou diarreia crônica Problemas no funcionamento do intestino podem ocorrer por alimentação ruim e até por problemas emocionais. No entanto, frequentes diarreias e disfunções intestinais, com relação a infecções, são

ainda mais preocupantes e podem ser indícios de imunodeficiência. 7. Asma grave, doença do colágeno ou doença autoimune A doença do colágeno e a autoimune representam um grupo que faz o organismo produzir anticorpos contra ele mesmo, o que provoca uma queda na imunidade. 8. Efeito adverso à BCG e/ou infecção por microbactérias A situação atinge crianças que têm reação da vacina BCG, contra tuberculose. A pele pode não cicatrizar após a vacina ou o problema pode ser com a própria bactéria que resulta na tuberculose. 9. Quadro clínico associado à imunodeficiência O profissional médico pode suspeitar de acordo com o histórico do paciente e da predisposição genética. 10. História familiar de imunodeficiência Pessoas que possuem casos na família de baixa imunidade também devem ficar mais atentas às respostas do organismo para doenças. De preferência, devem fazer uma avaliação médica.


cuidado

08

Q

Inimigo

uantos adultos estão agora no seu lado? Caso a conta some contigo pelo menos três pessoas, pense na seguinte estimativa: de cada três adultos no Brasil, um é hipertenso. Quando a população é de idosos com mais de 60 anos, essa proporção salta para 60%. As informações da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH) podem até assustar, mas servem principalmente de alerta para sua saúde: mude seus hábitos. A hipertensão

silencioso

atinge mais de 36 milhões de brasileiros adultos, participando direta ou indiretamente de 50% dos óbitos por doenças cardiovasculares (dados do DATA SUS/ 2010). E a orientação vale também para os jovens, ao contrário do que o senso comum possa sugerir. A SBH estima que 5% da população com até 18 anos tenham hipertensão. Ou seja: são 3,5 milhões de crianças e adolescentes brasileiros. Os prejuízos ainda atingem os cofres nacionais: a doença é responsável por cerca de 40% dos casos de aposentadoria precoce e de ausência no trabalho.

Popularmente chamada de pressão alta, a hipertensão arterial sistêmica (HAS) caracteriza-se pela presença de níveis elevados de pressão arterial (PA maior ou igual a 140/90 mmHg). Estudos indicam que em até 90% dos casos, a causa da hipertensão arterial é primária e desconhecida. Nos demais, a hipertensão é secundária, ou seja, quando uma determinada causa predomina sobre as demais (como doenças renais, cardiovasculares, síndrome da apneia do sono e hipersecreção hormonal).

RISCOS – Pessoas com história familiar de hipertensão podem apresentar maior risco para a doença. Pesquise se em sua família existem hipertensos. “Caso faça parte deste grupo, procure orientação sobre como começar a prevenir a hipertensão”, orienta a cardiologista Adriana Werner Babinot, de Encantado. Níveis elevados de pressão arterial são facilitados por: elevada ingestão de sal, baixa ingestão de potássio, excessivo consumo de álcool, alta ingestão calórica e sedentarismo. “Sabe-se também que o consumo crônico e elevado de bebida alcoólica aumenta a pressão arterial de forma constante. As pessoas que fazem uso excessivo de bebida alcoólica têm risco maior de acidente vascular encefálico e também apresentam maior dificuldade de controlar a hipertensão arterial, com redução do efeito dos anti-hipertensivos”, acrescenta. SILENCIOSO – Na maioria dos casos, não são observados sintomas. Quando estes ocorrem, são comuns a

outras patologias (como dor de cabeça, tontura, cansaço). Por isso, a hipertensão arterial é conhecida como uma doença silenciosa. “Isto pode dificultar o diagnóstico ou fazer com que os pacientes esqueçam de usar os medicamentos necessários para controlar a pressão arterial e também reforça a importância das revisões médicas periódicas”, completa a médica. O diagnóstico é feito pela medida cuidadosa da pressão arterial mais de uma vez, obtidas em ambos os membros superiores, na posição sentada. Em caso de diferença, utiliza-se sempre o braço com o maior valor de pressão para as medidas posteriores. As medidas devem ser realizadas por profissionais experientes e usando um equipamento devidamente calibrado. Deve ser feita uma avaliação clínica e complementar criteriosa e adequado monitoramento dos níveis de pressão arterial e tratamento. Os médicos podem recorrer também ao uso da Monitorização Ambulatorial da Pressão

Arterial (MAPA) ou Monitorização Residencial da PA (MRPA). MUDANÇA – Uma alimentação rica em frutas, verduras e vegetais, o controle da ingestão de sal, combate ao sedentarismo e à obesidade, redução do consumo de álcool e abstenção do cigarro colaboram para a redução da pressão arterial e para a diminuição do risco cardiovascular. Conforme a cardiologista, exercícios físicos de forma regular por cerca de 30 minutos diários melhoram nosso preparo físico e ajudam no controle dos fatores de riscos. “A perda de peso correlaciona-se com reduções da pressão arterial e melhora das alterações metabólicas associadas”, destaca. A orientação é atingir uma circunferência abdominal menor que 102 centímetros para homens e 88 centímetros para mulheres. O tratamento depende fundamentalmente de mudança comportamental e da adesão a um plano alimentar saudável.

Obesidade A relação entre aumento de peso e pressão arterial é quase linear. A prevalência de hipertensão é quase três vezes maior em obesos e estimase que 80% dos obesos apresentem hipertensão arterial associada à intolerância a glicose. Estima-se também que 85% de todos os diabéticos com mais de 55 anos sejam hipertensos e obesos. Existem fortes evidências da relação entre excesso de peso, hipertensão arterial, alteração dos níveis de colesterol e resistência à insulina. O aumento de 4,5 quilos no peso promove elevação da pressão arterial sistólica em 4,4 mmHg.


cuidado

08

Q

Inimigo

uantos adultos estão agora no seu lado? Caso a conta some contigo pelo menos três pessoas, pense na seguinte estimativa: de cada três adultos no Brasil, um é hipertenso. Quando a população é de idosos com mais de 60 anos, essa proporção salta para 60%. As informações da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH) podem até assustar, mas servem principalmente de alerta para sua saúde: mude seus hábitos. A hipertensão

silencioso

atinge mais de 36 milhões de brasileiros adultos, participando direta ou indiretamente de 50% dos óbitos por doenças cardiovasculares (dados do DATA SUS/ 2010). E a orientação vale também para os jovens, ao contrário do que o senso comum possa sugerir. A SBH estima que 5% da população com até 18 anos tenham hipertensão. Ou seja: são 3,5 milhões de crianças e adolescentes brasileiros. Os prejuízos ainda atingem os cofres nacionais: a doença é responsável por cerca de 40% dos casos de aposentadoria precoce e de ausência no trabalho.

Popularmente chamada de pressão alta, a hipertensão arterial sistêmica (HAS) caracteriza-se pela presença de níveis elevados de pressão arterial (PA maior ou igual a 140/90 mmHg). Estudos indicam que em até 90% dos casos, a causa da hipertensão arterial é primária e desconhecida. Nos demais, a hipertensão é secundária, ou seja, quando uma determinada causa predomina sobre as demais (como doenças renais, cardiovasculares, síndrome da apneia do sono e hipersecreção hormonal).

RISCOS – Pessoas com história familiar de hipertensão podem apresentar maior risco para a doença. Pesquise se em sua família existem hipertensos. “Caso faça parte deste grupo, procure orientação sobre como começar a prevenir a hipertensão”, orienta a cardiologista Adriana Werner Babinot, de Encantado. Níveis elevados de pressão arterial são facilitados por: elevada ingestão de sal, baixa ingestão de potássio, excessivo consumo de álcool, alta ingestão calórica e sedentarismo. “Sabe-se também que o consumo crônico e elevado de bebida alcoólica aumenta a pressão arterial de forma constante. As pessoas que fazem uso excessivo de bebida alcoólica têm risco maior de acidente vascular encefálico e também apresentam maior dificuldade de controlar a hipertensão arterial, com redução do efeito dos anti-hipertensivos”, acrescenta. SILENCIOSO – Na maioria dos casos, não são observados sintomas. Quando estes ocorrem, são comuns a

outras patologias (como dor de cabeça, tontura, cansaço). Por isso, a hipertensão arterial é conhecida como uma doença silenciosa. “Isto pode dificultar o diagnóstico ou fazer com que os pacientes esqueçam de usar os medicamentos necessários para controlar a pressão arterial e também reforça a importância das revisões médicas periódicas”, completa a médica. O diagnóstico é feito pela medida cuidadosa da pressão arterial mais de uma vez, obtidas em ambos os membros superiores, na posição sentada. Em caso de diferença, utiliza-se sempre o braço com o maior valor de pressão para as medidas posteriores. As medidas devem ser realizadas por profissionais experientes e usando um equipamento devidamente calibrado. Deve ser feita uma avaliação clínica e complementar criteriosa e adequado monitoramento dos níveis de pressão arterial e tratamento. Os médicos podem recorrer também ao uso da Monitorização Ambulatorial da Pressão

Arterial (MAPA) ou Monitorização Residencial da PA (MRPA). MUDANÇA – Uma alimentação rica em frutas, verduras e vegetais, o controle da ingestão de sal, combate ao sedentarismo e à obesidade, redução do consumo de álcool e abstenção do cigarro colaboram para a redução da pressão arterial e para a diminuição do risco cardiovascular. Conforme a cardiologista, exercícios físicos de forma regular por cerca de 30 minutos diários melhoram nosso preparo físico e ajudam no controle dos fatores de riscos. “A perda de peso correlaciona-se com reduções da pressão arterial e melhora das alterações metabólicas associadas”, destaca. A orientação é atingir uma circunferência abdominal menor que 102 centímetros para homens e 88 centímetros para mulheres. O tratamento depende fundamentalmente de mudança comportamental e da adesão a um plano alimentar saudável.

Obesidade A relação entre aumento de peso e pressão arterial é quase linear. A prevalência de hipertensão é quase três vezes maior em obesos e estimase que 80% dos obesos apresentem hipertensão arterial associada à intolerância a glicose. Estima-se também que 85% de todos os diabéticos com mais de 55 anos sejam hipertensos e obesos. Existem fortes evidências da relação entre excesso de peso, hipertensão arterial, alteração dos níveis de colesterol e resistência à insulina. O aumento de 4,5 quilos no peso promove elevação da pressão arterial sistólica em 4,4 mmHg.


alerta 10

I

magine um mundo sem internet. Parece estranho? Abdicaria do Facebook? Do Twitter? Ficaria quantos dias sem verificar seus e-mails antes de dormir? Já reparou que muitas atitudes que adotamos na nossa rotina diária estão diretamente associadas ao uso da Internet? Estudos atuais tentam avaliar o impacto dessa nova realidade às nossas vidas. Segundo especialistas, passar horas na frente do computador conectado à rede e esquecer da vida real pode ser um problema. Anna Laura Neumann, 21 anos, estuda Publicidade e Propaganda na Universidade de Santa Cruz do Sul. A jovem mora em Arroio do Meio e trabalha em uma empresa de Lajeado que atua na área de Tecnologia da Informação. “Utilizo a Internet uns seis dias por semana, de cinco a oito horas, muitas delas seguidas e principalmente no período da tarde e noite”, descreve uma realidade que exemplifica o cotidiano de muitos outros jovens de sua idade. “Ultimamente acesso muito mais o Facebook. Nele encontro links que me interessam. Blogs, por exemplo. É como um filtro onde encontro tudo de interessante que anda acontecendo por aí”, completa. Aliás, por falar em Facebook: você logicamente tem o seu, não é? Afinal, confessar hoje em dia que não se tem uma conta na mais famosa rede social da atualidade é quase que uma heresia. Dizer que nunca acessou é se tornar alvo de expressões da incredulidade alheia. Afirmar que não precisa então é como assinar a confissão de um crime. Mas acredite: houve um tempo em que Facebook e a própria Internet não existiam. Mais: o mundo seguiu assim mesmo. A estranheza em imaginar um mundo sem correios eletrônicos, e-mails e redes sociais é prova de um novo momento que vivemos. “A tecnologia está sendo incorporada no nosso cotidiano em uma velocidade assustadora e de uma forma tão intrincada que já é impossível pensar o dia a dia sem ela. De toda forma, esse caminho parece ser inevitável”, acredita o psiquiatra Alex Resende Terra, que atende em Venâncio Aires, que completa com um alerta sobre o imediatismo tão característico do mundo virtual. É exatamente nessa velocidade de retor-

Existe vida fora do facebook? no, de satisfação de nossa necessidade que está a grande armadilha. “Esse mecanismo de prazer imediato está presente em todas as substâncias e atividades que criam dependência”, enfatiza. “Só enxergo um impacto positivo das redes sociais na minha vida. É com ela que trabalho, que faço contatos importantes relacionados aos meus hobbies, é onde reclamo dos problemas da minha cidade (e consigo encontrar pessoas que pensam da mesma maneira), que marco encontros com amigas, até para falar com a mãe durante o dia”, sorri Anna ao arguANNA: usa internet até 8 horas por dia mentar sobre os motivos para passar até o equivalente a Já existem dados confirmando essa dois dias seguidos semanalmente (48 tendência”, justifica o médico, com horas) em frente à tela de um computabase em estudos que apontam: aproxidor conectada. madamente 5% dos jovens que utilizam redes sociais e jogos online têm critérios que se enquadram em comportamento de dependência, trazendo prejuízos na performance escolar, nos relacionamentos sociais e familiares. Meninos são mais inclinados a jogos online e meninas às redes sociais. Vários profissionais consideram que ficar muito tempo diante da máquina virtual transmitindo e recebendo emails, conversando virtualmente ou trabalhando, pode configurar depenAnna Laura Neumann, 21 anos dência à Internet. “Obviamente, não podemos nos comportar com a tecnologia como nos comportamos com as Estudos tão recentes quanto à nova drogas, banindo-as e proibindo-as, era internética apontam para anotar o pois as tecnologias estão intrinsecauso extrapolado da rede na lista de mente ligadas ao desenvolvimento e doenças. “Dentro desse panorama, as evolução da nossa sociedade. No tecnologias, com sua capacidade de entanto, podemos desenvolver medinos satisfazer de forma imediata, sem das protetoras em relação à perda de esperas, são fortes candidatas a procontrole na utilização das ferramentas duzirem o fenômeno da dependência. tecnológicas”, considera o médico de

Na virada de ano, fiquei sem acessar nada! Quando volto é sempre a primeira coisa que faço!

Venâncio Aires. A palavra vício pode até parecer forte demais para o uso frenético da Internet. Mas comparar o tempo afastado dela ao período de abstinência é inevitável. A falta de acesso à rede incomoda. “É possível, mas não muito agradável. Na virada do ano, por exemplo, fui para a praia e fiquei de sábado até quarta sem acessar nada! Fiquei tranquila... É bom esse tempo completamente em off, para desligar e descansar. Mas quando volto é sempre a primeira coisa que faço!”, confessa a integrante de uma geração envolvida desde a infância com a tecnologia.

“Vício é meio forte. Acredito que isso não.

Esse mecanismo de prazer imediato está presente em todas as substâncias e atividades que criam dependência Alex Terra, psiquiatra A Internet e as redes sociais são apenas coisas de que gosto muito e que atual-

mente fazem parte da minha vida em diferentes aspectos, mas não que seja um vício, uma doença ou algo do tipo”, afirma. Conforme especialistas, o vício em Internet tem quatro componentes principais: uso excessivo (frequentemente associado à perda da noção do tempo ou negligência de impulsos básicos); sentimentos de irritação, tensão ou depressão (caso o computador esteja inacessível; necessidade de computadores melhores, mais softwares ou mais horas de uso; e reações negativas como brigas, isolamento social e fadiga ligados ao uso do computador.

Transtorno deve constar em guia internacional em maio A crescente expansão das novas tecnologias virtuais fomenta um novo fenômeno: o da compulsão ou dependência à Internet. Casos assim já constam no rol de enfermidades psíquicas que exigem um tratamento psiquiátrico. Muitos estudiosos já consideram este vício tão nocivo quanto o das substâncias entorpecentes, do tabaco, do álcool e do jogo. Ficar tempo demais em frente a um computador traz implicações por vezes inimagináveis, com graves doenças. A lista inclui a Trombose Venal Profunda, que pode desencadear uma Embolia Pulmonar, distúrbio geralmente fatal. A próxima versão do Guia Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, publicação internacional dirigida a pro-

fissionais da área de saúde, deve incluir o vício em Internet na lista de distúrbios psiquiátricos. O objetivo é acelerar o diagnóstico de crianças e jovens com o transtorno. A previsão é que a veiculação ocorra em maio deste ano. O distúrbio ficará listado como “recomendado para estudo futuro”. e-INFÂNCIA - A principal preocupação dos especialistas ao solicitar a inclusão do vício em Internet no manual é com as crianças. Com mais profissionais de saúde estudando o transtorno mental, seria mais fácil o diagnóstico dos pacientes (na maioria jovens). A experiência com o uso da Internet que tem o coordenador da área de Tecnologia de Informação da Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo, Jean Fuchs, permite uma afirmação: a rede é uma valiosa ferramenta, mas seu uso exagerado Riscos expõe também ncia violê fia, Conteúdo inadequado – Pornogra de maneira mais e autodestruição; ampla crianças e adolescentes. al, intimidação Contato indesejado – Assédio sexu “Hoje a Internet por colegas; faz parte da nossa vida. Em de ra Mistu – a sejad Propaganda agressiva ou inde pouco tempo, ões informaç conteúdo e propaganda, pedido de ela evoluiu para s; iaçõe pessoais em troca de prem um importante meio de interade s rama prog e er Outros – Vírus, ataque hack ção e de atividacomputador (softwares) maliciosos. de social. Muitos jovens não conheceram um mundo sem

Internet”, destaca. “Em geral, o lado positivo é muito maior que seus riscos. Mas eles existem e devem ser conhecidos. Desde cedo, crianças e adolescentes precisam conhecer os perigos”, acrescenta com o alerta. A orientação aos pais é contrabalançar o uso das tecnologias pelos filhos, dando atenção à sua vida pessoal, conhecendo aquilo que o filho utiliza, dando exemplo de uso racional e equilibrado da tecnologia, estimulando o convívio em família e determinando limites claros para o uso dessa ferramenta. Estar atento ao desenvolvimento de dependência é muito importante. Alguns sintomas são típicos: - Preocupação com a Internet (fica pensando na última atividade e antecipando a próxima); - Abstinência (humor alterado, ansiedade, irritabilidade e tédio depois de alguns dias sem Internet); - Tolerância (aumento significativo do tempo de uso da Internet para ter prazer); - Desejo persistente e/ou tentativas sem sucesso de controlar, diminuir ou descontinuar o uso da Internet; - Manutenção do uso apesar do reconhecimento de ter um problema físico ou emocional causado ou agravado pelo uso da Internet; - Perda de outros interesses, hobbies e outras diversões em decorrência do uso da Internet; - Uso da Internet para escapar dos problemas ou aliviar humor disfórico (ex: sentimentos de desesperança, culpa, ansiedade).


alerta 10

I

magine um mundo sem internet. Parece estranho? Abdicaria do Facebook? Do Twitter? Ficaria quantos dias sem verificar seus e-mails antes de dormir? Já reparou que muitas atitudes que adotamos na nossa rotina diária estão diretamente associadas ao uso da Internet? Estudos atuais tentam avaliar o impacto dessa nova realidade às nossas vidas. Segundo especialistas, passar horas na frente do computador conectado à rede e esquecer da vida real pode ser um problema. Anna Laura Neumann, 21 anos, estuda Publicidade e Propaganda na Universidade de Santa Cruz do Sul. A jovem mora em Arroio do Meio e trabalha em uma empresa de Lajeado que atua na área de Tecnologia da Informação. “Utilizo a Internet uns seis dias por semana, de cinco a oito horas, muitas delas seguidas e principalmente no período da tarde e noite”, descreve uma realidade que exemplifica o cotidiano de muitos outros jovens de sua idade. “Ultimamente acesso muito mais o Facebook. Nele encontro links que me interessam. Blogs, por exemplo. É como um filtro onde encontro tudo de interessante que anda acontecendo por aí”, completa. Aliás, por falar em Facebook: você logicamente tem o seu, não é? Afinal, confessar hoje em dia que não se tem uma conta na mais famosa rede social da atualidade é quase que uma heresia. Dizer que nunca acessou é se tornar alvo de expressões da incredulidade alheia. Afirmar que não precisa então é como assinar a confissão de um crime. Mas acredite: houve um tempo em que Facebook e a própria Internet não existiam. Mais: o mundo seguiu assim mesmo. A estranheza em imaginar um mundo sem correios eletrônicos, e-mails e redes sociais é prova de um novo momento que vivemos. “A tecnologia está sendo incorporada no nosso cotidiano em uma velocidade assustadora e de uma forma tão intrincada que já é impossível pensar o dia a dia sem ela. De toda forma, esse caminho parece ser inevitável”, acredita o psiquiatra Alex Resende Terra, que atende em Venâncio Aires, que completa com um alerta sobre o imediatismo tão característico do mundo virtual. É exatamente nessa velocidade de retor-

Existe vida fora do facebook? no, de satisfação de nossa necessidade que está a grande armadilha. “Esse mecanismo de prazer imediato está presente em todas as substâncias e atividades que criam dependência”, enfatiza. “Só enxergo um impacto positivo das redes sociais na minha vida. É com ela que trabalho, que faço contatos importantes relacionados aos meus hobbies, é onde reclamo dos problemas da minha cidade (e consigo encontrar pessoas que pensam da mesma maneira), que marco encontros com amigas, até para falar com a mãe durante o dia”, sorri Anna ao arguANNA: usa internet até 8 horas por dia mentar sobre os motivos para passar até o equivalente a Já existem dados confirmando essa dois dias seguidos semanalmente (48 tendência”, justifica o médico, com horas) em frente à tela de um computabase em estudos que apontam: aproxidor conectada. madamente 5% dos jovens que utilizam redes sociais e jogos online têm critérios que se enquadram em comportamento de dependência, trazendo prejuízos na performance escolar, nos relacionamentos sociais e familiares. Meninos são mais inclinados a jogos online e meninas às redes sociais. Vários profissionais consideram que ficar muito tempo diante da máquina virtual transmitindo e recebendo emails, conversando virtualmente ou trabalhando, pode configurar depenAnna Laura Neumann, 21 anos dência à Internet. “Obviamente, não podemos nos comportar com a tecnologia como nos comportamos com as Estudos tão recentes quanto à nova drogas, banindo-as e proibindo-as, era internética apontam para anotar o pois as tecnologias estão intrinsecauso extrapolado da rede na lista de mente ligadas ao desenvolvimento e doenças. “Dentro desse panorama, as evolução da nossa sociedade. No tecnologias, com sua capacidade de entanto, podemos desenvolver medinos satisfazer de forma imediata, sem das protetoras em relação à perda de esperas, são fortes candidatas a procontrole na utilização das ferramentas duzirem o fenômeno da dependência. tecnológicas”, considera o médico de

Na virada de ano, fiquei sem acessar nada! Quando volto é sempre a primeira coisa que faço!

Venâncio Aires. A palavra vício pode até parecer forte demais para o uso frenético da Internet. Mas comparar o tempo afastado dela ao período de abstinência é inevitável. A falta de acesso à rede incomoda. “É possível, mas não muito agradável. Na virada do ano, por exemplo, fui para a praia e fiquei de sábado até quarta sem acessar nada! Fiquei tranquila... É bom esse tempo completamente em off, para desligar e descansar. Mas quando volto é sempre a primeira coisa que faço!”, confessa a integrante de uma geração envolvida desde a infância com a tecnologia.

“Vício é meio forte. Acredito que isso não.

Esse mecanismo de prazer imediato está presente em todas as substâncias e atividades que criam dependência Alex Terra, psiquiatra A Internet e as redes sociais são apenas coisas de que gosto muito e que atual-

mente fazem parte da minha vida em diferentes aspectos, mas não que seja um vício, uma doença ou algo do tipo”, afirma. Conforme especialistas, o vício em Internet tem quatro componentes principais: uso excessivo (frequentemente associado à perda da noção do tempo ou negligência de impulsos básicos); sentimentos de irritação, tensão ou depressão (caso o computador esteja inacessível; necessidade de computadores melhores, mais softwares ou mais horas de uso; e reações negativas como brigas, isolamento social e fadiga ligados ao uso do computador.

Transtorno deve constar em guia internacional em maio A crescente expansão das novas tecnologias virtuais fomenta um novo fenômeno: o da compulsão ou dependência à Internet. Casos assim já constam no rol de enfermidades psíquicas que exigem um tratamento psiquiátrico. Muitos estudiosos já consideram este vício tão nocivo quanto o das substâncias entorpecentes, do tabaco, do álcool e do jogo. Ficar tempo demais em frente a um computador traz implicações por vezes inimagináveis, com graves doenças. A lista inclui a Trombose Venal Profunda, que pode desencadear uma Embolia Pulmonar, distúrbio geralmente fatal. A próxima versão do Guia Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, publicação internacional dirigida a pro-

fissionais da área de saúde, deve incluir o vício em Internet na lista de distúrbios psiquiátricos. O objetivo é acelerar o diagnóstico de crianças e jovens com o transtorno. A previsão é que a veiculação ocorra em maio deste ano. O distúrbio ficará listado como “recomendado para estudo futuro”. e-INFÂNCIA - A principal preocupação dos especialistas ao solicitar a inclusão do vício em Internet no manual é com as crianças. Com mais profissionais de saúde estudando o transtorno mental, seria mais fácil o diagnóstico dos pacientes (na maioria jovens). A experiência com o uso da Internet que tem o coordenador da área de Tecnologia de Informação da Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo, Jean Fuchs, permite uma afirmação: a rede é uma valiosa ferramenta, mas seu uso exagerado Riscos expõe também ncia violê fia, Conteúdo inadequado – Pornogra de maneira mais e autodestruição; ampla crianças e adolescentes. al, intimidação Contato indesejado – Assédio sexu “Hoje a Internet por colegas; faz parte da nossa vida. Em de ra Mistu – a sejad Propaganda agressiva ou inde pouco tempo, ões informaç conteúdo e propaganda, pedido de ela evoluiu para s; iaçõe pessoais em troca de prem um importante meio de interade s rama prog e er Outros – Vírus, ataque hack ção e de atividacomputador (softwares) maliciosos. de social. Muitos jovens não conheceram um mundo sem

Internet”, destaca. “Em geral, o lado positivo é muito maior que seus riscos. Mas eles existem e devem ser conhecidos. Desde cedo, crianças e adolescentes precisam conhecer os perigos”, acrescenta com o alerta. A orientação aos pais é contrabalançar o uso das tecnologias pelos filhos, dando atenção à sua vida pessoal, conhecendo aquilo que o filho utiliza, dando exemplo de uso racional e equilibrado da tecnologia, estimulando o convívio em família e determinando limites claros para o uso dessa ferramenta. Estar atento ao desenvolvimento de dependência é muito importante. Alguns sintomas são típicos: - Preocupação com a Internet (fica pensando na última atividade e antecipando a próxima); - Abstinência (humor alterado, ansiedade, irritabilidade e tédio depois de alguns dias sem Internet); - Tolerância (aumento significativo do tempo de uso da Internet para ter prazer); - Desejo persistente e/ou tentativas sem sucesso de controlar, diminuir ou descontinuar o uso da Internet; - Manutenção do uso apesar do reconhecimento de ter um problema físico ou emocional causado ou agravado pelo uso da Internet; - Perda de outros interesses, hobbies e outras diversões em decorrência do uso da Internet; - Uso da Internet para escapar dos problemas ou aliviar humor disfórico (ex: sentimentos de desesperança, culpa, ansiedade).


Fique por dentro Facebook é uma rede social acessada via Internet que foi lançada em 4 de fevereiro de 2004. Ou seja, ainda não tem 10 anos. Em outubro de 2012, o Facebook atingiu a marca de 1 bilhão de usuários ativos. Mais de 300 mil pessoas se cadastram por dia no Facebook desde sua criação. Os usuários devem se registrar antes de utilizar o site. Após isso, podem criar um perfil pessoal, adicionar outros usuários como amigos e trocar mensagens, incluindo notificações automáticas quando atualizarem o seu perfil. Além disso, podem participar de grupos de interesse comum de outros utilizadores e categorizar seus amigos em listas como "as pessoas do trabalho" ou "amigos íntimos". A tradução literal para o português é “Livro de Caras”. O nome vem do livro dado aos alunos no início do ano letivo por algumas adminis-

trações universitárias nos Estados Unidos para ajudar os estudantes a conhecerem uns aos outros. O Facebook permite que qualquer um declare ter pelo menos 13 anos possa se tornar usuário registrado do site. O Facebook foi fundado por Mark Zuckerberg e por seus colegas de quarto da faculdade Eduardo Saverin, Dustin Moskovitz e Chris Hughes. A composição do site foi inicialmente limitada pelos fundadores aos estudantes da Universidade de Harvard, mas foi expandida para outras faculdades. Blog (contração do termo inglês Web log = diário da rede) é um site cuja estrutura permite a atualização rápida a partir de acréscimos dos chamados artigos ou posts. Estes são, em geral, organizados de forma cronológica inversa, tendo como foco a temática proposta

do blog, podendo ser escritos por um número variável de pessoas, de acordo com a política do blog. Twitter é um microblog que permite aos usuários enviar e receber atualizações pessoais de outros contatos em textos de até 140 caracteres, conhecidos como tweets. Criado em 2006 por Jack Dorsey, o Twitter ganhou extensa notabilidade e popularidade por todo mundo. Spyware é um programa automático de computador que recolhe informações sobre o usuário e seus costumes na Internet e transmite essa informação a uma entidade externa na Internet, sem o seu conhecimento nem o seu consentimento. Traduzindo ao pé da letra, Spyware significa "programa espião".

nográficos, violentos). 6. Faça o download de um serviço de reputação de sites e os visite Faça o download de um serviço gratuito de reputação de sites, como o TrendProtect, e visite cada site da sua lista, verificando se eles são seguros e não possuem ameaças à segurança digital. Esse tipo de serviço também informa continuamente se o site visitado não contém nenhum tipo de software malicioso que pode se instalar no seu computador sem seu conhecimento. 7. Leia as políticas de conteúdo, de privacidade e de segurança dos sites que seus filhos frequentam Analise se o conteúdo dos sites é apropriado à idade deles. Certifique-se de ter entendido como e quais tipos de informações pessoais podem ser requisitadas pelo site e como elas serão usadas. 8. Converse com seus filhos sobre fornecer informações pessoais quando estão online Oriente-os a ficar somente nos sites combinados e a não dar informações pessoais, como nome, endereço, telefone ou idade. Se eles precisarem dar alguma informação devido a alguma

Compartilha mento de ar quivos – mús jogos e outro icas, vídeos, s arquivos podem ser por meio de compartilha serviços ile dos gais ou sem correta, o q a configuraç ue permite acesso por ão outras pesso as

Quando estiver em redes sociais, salas de bate-papo, blogs ou fóruns:

Cartilha de Segurança Veja algumas atitudes simples que você pode tomar para proteger seus filhos das ameaças virtuais: 1. Mantenha o computador em área comum Um local onde você esteja presente quando seu filho usar o computador, para que seja possível saber se ele está acessando sites adequados à sua idade e com quais pessoas ele conversa. 2. Combine os limites de tempo para o uso da Internet e todos os dispositivos sociais Por dia, semana, horário. 3. Mantenha atualizado o software de segurança Certifique-se de comprar, instalar e manter atualizado o software de segurança para proteger seu computador contra vírus, spyware e spam. 4. Combine os sites que seus filhos podem visitar (para crianças menores) Crie uma lista de sites adequados à idade deles – por exemplo, muitos dos sites de redes sociais exigem uma idade mínima. 5. Use filtragem de URL Estabeleça uma filtragem de URL para garantir que as crianças não vejam ou acessem conteúdos inadequados (por-

O que os jo vens comp artilham co m o mundo Informaçõe s pessoais – podem se alguém com r usadas por más intenç ões Comentário s – podem ser e racistas. Ainda inclue difamatórios, perversos m intimidaç amigos, par ão de coleg entes as,

competição, pesquisa de opinião ou formulário de associação, peça que conversem com você primeiramente e só continuem após a sua permissão e envolvimento. Isso pode abrir portas para spam ou algo mais danoso, como um spyware. 9. Ignore contatos indesejados com pessoas que nunca encontrou Contatos online indesejados geralmente cessam quando não respondidos. Se persistirem, oriente seus filhos a contar para você ou a algum adulto. Você deve relatar isso ao site ou serviço usado para manter contato com seu filho e também às autoridades se achar que você ou seu filho estão de algum modo em perigo. 10. Faça uma verificação manual com seu software de segurança e reveja o histórico do navegador Após eles usarem o computador, faça uma verificação manual para garantir que não foi infectado. Você pode ensiná-los a fazer isso e deixá-los fazerem sozinhos quando tiverem idade suficiente. Se quiser, também avise-os que você irá verificar o histórico do navegador quando eles terminarem, a fim de garantir que não visitem sites indevidos.

1. Use um apelido ou outro nome É recomendável não usar seu nome real nem nomes sexualmente sugestivos ou ofensivos aos outros. Isso ajuda a diminuir a probabilidade de ser ameaçado online. 2. Mantenha seu perfil privado Os sites de rede social podem ser uma ótima maneira de manter contato com os outros. Um bom modo de estar seguro quando se usa esses serviços é definir seu perfil como privado – assim só as pessoas que você convidou podem ver o que você postar. 3. Não divulgue informações pessoais É recomendável não divulgar seu endereço, número de telefone ou outras informações pessoais para estranhos no ambiente online. Não revele sua localização real, nem quando ou onde planeja estar. 4. Pense bem sobre o que você posta Tenha cuidado com o compartilhamento online de fotos ou detalhes íntimos, até mesmo com pessoas que você conheça, por meio de e-mail particular ou conversa de texto. A informação ou conversa pode ser copiada e divulgada por alguém que você compartilhou – e é

difícil de ser removida. Lembre-se: o que você diz numa sala de bate-papo ou em mensagens instantâneas é ao vivo e não pode ser desfeito ou excluído depois. 5. Mantenha seu software de segurança sempre atualizado Os sites de rede social são muito populares, por isso os criminosos digitais usam táticas furtivas para infectar os computadores dos usuários. 6. Leia “nas entrelinhas” Pode ser divertido conhecer novas pessoas online para amizades ou romance, mas lembre-se de que, embora existam pessoas legais, algumas só agem assim porque querem alguma outra coisa. Mensagens bajuladoras e de apoio podem ser manipulação e não amizade ou romance. 7. Evite encontrar alguém pessoalmente A única forma de alguém agredir você fisicamente é se vocês estiverem no mesmo local, por isso, para estar totalmente seguro, não marque encontros pessoais. Se realmente precisa encontrar alguém que você “conheceu” online, não vá sozinho.

Marque o encontro em algum lugar público, diga a seus pais ou a alguém que realmente possa ajudar se precisar e leve algum amigo junto. 8. Quando estiver online, seja educado Haja corretamente no mundo online. Trate as pessoas como você gostaria de ser tratado. Ameaçar ou intimidar alguém online pode até mesmo ser considerado crime. 9. Pense antes de responder Se alguém disse ou fez algo que deixou você desconfortável, bloqueie-o e não responda. Se ele continuar, conte aos seus pais ou a outro adulto. Se a mensagem for ameaçadora de algum modo, grave-a e conte a seus pais, pois isso pode ser considerado crime. 10. Ao usar um celular, seja esperto Todas as dicas para computadores também valem para celulares. Exceto que os celulares estão onde você está, muitas vezes longe de casa e de seus sistemas de proteção usuais. Tenha cuidado ao dar seu número de celular, usar o GPS ou outras tecnologias que podem mostrar sua localização física.


Fique por dentro Facebook é uma rede social acessada via Internet que foi lançada em 4 de fevereiro de 2004. Ou seja, ainda não tem 10 anos. Em outubro de 2012, o Facebook atingiu a marca de 1 bilhão de usuários ativos. Mais de 300 mil pessoas se cadastram por dia no Facebook desde sua criação. Os usuários devem se registrar antes de utilizar o site. Após isso, podem criar um perfil pessoal, adicionar outros usuários como amigos e trocar mensagens, incluindo notificações automáticas quando atualizarem o seu perfil. Além disso, podem participar de grupos de interesse comum de outros utilizadores e categorizar seus amigos em listas como "as pessoas do trabalho" ou "amigos íntimos". A tradução literal para o português é “Livro de Caras”. O nome vem do livro dado aos alunos no início do ano letivo por algumas adminis-

trações universitárias nos Estados Unidos para ajudar os estudantes a conhecerem uns aos outros. O Facebook permite que qualquer um declare ter pelo menos 13 anos possa se tornar usuário registrado do site. O Facebook foi fundado por Mark Zuckerberg e por seus colegas de quarto da faculdade Eduardo Saverin, Dustin Moskovitz e Chris Hughes. A composição do site foi inicialmente limitada pelos fundadores aos estudantes da Universidade de Harvard, mas foi expandida para outras faculdades. Blog (contração do termo inglês Web log = diário da rede) é um site cuja estrutura permite a atualização rápida a partir de acréscimos dos chamados artigos ou posts. Estes são, em geral, organizados de forma cronológica inversa, tendo como foco a temática proposta

do blog, podendo ser escritos por um número variável de pessoas, de acordo com a política do blog. Twitter é um microblog que permite aos usuários enviar e receber atualizações pessoais de outros contatos em textos de até 140 caracteres, conhecidos como tweets. Criado em 2006 por Jack Dorsey, o Twitter ganhou extensa notabilidade e popularidade por todo mundo. Spyware é um programa automático de computador que recolhe informações sobre o usuário e seus costumes na Internet e transmite essa informação a uma entidade externa na Internet, sem o seu conhecimento nem o seu consentimento. Traduzindo ao pé da letra, Spyware significa "programa espião".

nográficos, violentos). 6. Faça o download de um serviço de reputação de sites e os visite Faça o download de um serviço gratuito de reputação de sites, como o TrendProtect, e visite cada site da sua lista, verificando se eles são seguros e não possuem ameaças à segurança digital. Esse tipo de serviço também informa continuamente se o site visitado não contém nenhum tipo de software malicioso que pode se instalar no seu computador sem seu conhecimento. 7. Leia as políticas de conteúdo, de privacidade e de segurança dos sites que seus filhos frequentam Analise se o conteúdo dos sites é apropriado à idade deles. Certifique-se de ter entendido como e quais tipos de informações pessoais podem ser requisitadas pelo site e como elas serão usadas. 8. Converse com seus filhos sobre fornecer informações pessoais quando estão online Oriente-os a ficar somente nos sites combinados e a não dar informações pessoais, como nome, endereço, telefone ou idade. Se eles precisarem dar alguma informação devido a alguma

Compartilha mento de ar quivos – mús jogos e outro icas, vídeos, s arquivos podem ser por meio de compartilha serviços ile dos gais ou sem correta, o q a configuraç ue permite acesso por ão outras pesso as

Quando estiver em redes sociais, salas de bate-papo, blogs ou fóruns:

Cartilha de Segurança Veja algumas atitudes simples que você pode tomar para proteger seus filhos das ameaças virtuais: 1. Mantenha o computador em área comum Um local onde você esteja presente quando seu filho usar o computador, para que seja possível saber se ele está acessando sites adequados à sua idade e com quais pessoas ele conversa. 2. Combine os limites de tempo para o uso da Internet e todos os dispositivos sociais Por dia, semana, horário. 3. Mantenha atualizado o software de segurança Certifique-se de comprar, instalar e manter atualizado o software de segurança para proteger seu computador contra vírus, spyware e spam. 4. Combine os sites que seus filhos podem visitar (para crianças menores) Crie uma lista de sites adequados à idade deles – por exemplo, muitos dos sites de redes sociais exigem uma idade mínima. 5. Use filtragem de URL Estabeleça uma filtragem de URL para garantir que as crianças não vejam ou acessem conteúdos inadequados (por-

O que os jo vens comp artilham co m o mundo Informaçõe s pessoais – podem se alguém com r usadas por más intenç ões Comentário s – podem ser e racistas. Ainda inclue difamatórios, perversos m intimidaç amigos, par ão de coleg entes as,

competição, pesquisa de opinião ou formulário de associação, peça que conversem com você primeiramente e só continuem após a sua permissão e envolvimento. Isso pode abrir portas para spam ou algo mais danoso, como um spyware. 9. Ignore contatos indesejados com pessoas que nunca encontrou Contatos online indesejados geralmente cessam quando não respondidos. Se persistirem, oriente seus filhos a contar para você ou a algum adulto. Você deve relatar isso ao site ou serviço usado para manter contato com seu filho e também às autoridades se achar que você ou seu filho estão de algum modo em perigo. 10. Faça uma verificação manual com seu software de segurança e reveja o histórico do navegador Após eles usarem o computador, faça uma verificação manual para garantir que não foi infectado. Você pode ensiná-los a fazer isso e deixá-los fazerem sozinhos quando tiverem idade suficiente. Se quiser, também avise-os que você irá verificar o histórico do navegador quando eles terminarem, a fim de garantir que não visitem sites indevidos.

1. Use um apelido ou outro nome É recomendável não usar seu nome real nem nomes sexualmente sugestivos ou ofensivos aos outros. Isso ajuda a diminuir a probabilidade de ser ameaçado online. 2. Mantenha seu perfil privado Os sites de rede social podem ser uma ótima maneira de manter contato com os outros. Um bom modo de estar seguro quando se usa esses serviços é definir seu perfil como privado – assim só as pessoas que você convidou podem ver o que você postar. 3. Não divulgue informações pessoais É recomendável não divulgar seu endereço, número de telefone ou outras informações pessoais para estranhos no ambiente online. Não revele sua localização real, nem quando ou onde planeja estar. 4. Pense bem sobre o que você posta Tenha cuidado com o compartilhamento online de fotos ou detalhes íntimos, até mesmo com pessoas que você conheça, por meio de e-mail particular ou conversa de texto. A informação ou conversa pode ser copiada e divulgada por alguém que você compartilhou – e é

difícil de ser removida. Lembre-se: o que você diz numa sala de bate-papo ou em mensagens instantâneas é ao vivo e não pode ser desfeito ou excluído depois. 5. Mantenha seu software de segurança sempre atualizado Os sites de rede social são muito populares, por isso os criminosos digitais usam táticas furtivas para infectar os computadores dos usuários. 6. Leia “nas entrelinhas” Pode ser divertido conhecer novas pessoas online para amizades ou romance, mas lembre-se de que, embora existam pessoas legais, algumas só agem assim porque querem alguma outra coisa. Mensagens bajuladoras e de apoio podem ser manipulação e não amizade ou romance. 7. Evite encontrar alguém pessoalmente A única forma de alguém agredir você fisicamente é se vocês estiverem no mesmo local, por isso, para estar totalmente seguro, não marque encontros pessoais. Se realmente precisa encontrar alguém que você “conheceu” online, não vá sozinho.

Marque o encontro em algum lugar público, diga a seus pais ou a alguém que realmente possa ajudar se precisar e leve algum amigo junto. 8. Quando estiver online, seja educado Haja corretamente no mundo online. Trate as pessoas como você gostaria de ser tratado. Ameaçar ou intimidar alguém online pode até mesmo ser considerado crime. 9. Pense antes de responder Se alguém disse ou fez algo que deixou você desconfortável, bloqueie-o e não responda. Se ele continuar, conte aos seus pais ou a outro adulto. Se a mensagem for ameaçadora de algum modo, grave-a e conte a seus pais, pois isso pode ser considerado crime. 10. Ao usar um celular, seja esperto Todas as dicas para computadores também valem para celulares. Exceto que os celulares estão onde você está, muitas vezes longe de casa e de seus sistemas de proteção usuais. Tenha cuidado ao dar seu número de celular, usar o GPS ou outras tecnologias que podem mostrar sua localização física.


alzheimer

14

E

em a i r ó m e M silêncio

stou velho. Isso é um fato. O espelho faz questão de gritar essa realidade sempre que encaramos um ao outro. Mas ter minha idade não é um fardo. Ao contrário: tenho amigos que relembram suas façanhas em tempos joviais quando ocorrem nossos encontros periódicos. Uma turma de senhores e senhoras ávidos pelas recordações que fazem de cada um de nós tão especial pelo número de aniversários que alcançou. Independe se a história remete à nossa juventude ou a horas antes. O importante é darmos motivos de sorrisos às vidas que temos. Infelizmente, para mim isso é distante. Não sou uma criança. Tenho muitas histórias. Vivi bastante. Mas não lembro delas. Não lembro de nomes. De situações corriqueiras. Às vezes sinto que minha vida está em silêncio às explosões de felicidade que observo ao meu redor, originadas por pessoas que amo. Mas algumas não consigo lembrar o nome... Outras chegam a sorrir para mim e a puxar conversa... E eu nem recordo da fisionomia... Vejo fotos e descubro que são familiares meus... Minhas histórias... Minha vida em silêncio... O autor do parágrafo acima poderia ser um dos idosos que tem o Mal de Alzheimer em cada 20 pessoas com 65 anos. A proporção é maior ainda conforme avança a idade: as estimativas apontam que aos 80 anos, um em cada cinco tem a doença. Aos 90 anos, metade das pessoas tem algum sintoma característico. “Alguns testes neuropsicológicos podem revelar muitas deficiências cognitivas até oito anos antes de se poder diagnosticar o Mal de Alzheimer por inteiro”, observa o neurocirurgião e neurologista Marcos Rogério de Castro Frank. A doença de Alzheimer, caracterizada

pelo neuropatologista alemão Alois Alzheimer em 1907, é uma afecção neurodegenerativa progressiva e irreversível de aparecimento lento, que acarreta perda da memória e diversos distúrbios cognitivos. O principal sintoma primário é a perda de memória de curto prazo (dificuldade em lembrar fatos aprendidos recentemente). “O paciente perde a capacidade de dar atenção a algo, a flexibilidade no pensamento e o pensamento abstrato. Pode ainda começar a perder a sua memória semântica. A apatia também é um sintoma bastante comum”, esclarece o especialista. Estudos ainda indicam uma certa desorientação de tempo e espaço. “A pessoa não sabe onde está nem em que ano está, em que mês ou que dia”, completa. BATALHA - O envelhecimento é o fator de risco mais conhecido e importante para a forma esporádica da doença de Alzheimer. Os resultados das pesquisas colaboram para um cenário de batalha constante na busca de melhorar a qualidade de vida dos pacientes. “Estudos indicam relações entre fatores alteráveis como dietas, risco cardiovascular, uso de produtos farmacêuticos ou atividades intelectuais e a probabilidade de desenvolvimento de Alzheimer da população”, detalha o médico. “Mas só mais pesquisas, incluindo testes clínicos, revelarão se realmente esses fatores podem ajudar a prevenir o Alzheimer”, emenda. A inclusão de frutas e vegetais, pão, trigo e outros cereais, azeite, peixes e vinho tinto pode reduzir o risco de Alzheimer. O risco cardiovascular, derivado de colesterol alto, hipertensão, diabetes e o fumo, está associado com maior risco de desenvolvimento da doença. Mas estatinas (fármacos para fazer descer o colesterol) não tiveram sucesso em prevenir ou melhorar as condições do paciente durante o desenvolvimento

da doença. No entanto, o uso a longo prazo de anti-inflamatórios nãoesteroides (AINEs) está também associado à menor probabilidade de desenvolvimento de Alzheimer em alguns indivíduos. “Já não se acredita que outros tratamentos farmacêuticos, como substituição de hormônios femininos, previna a doença”, aponta o neurologista que atende em Lajeado, no Vale do Taquari. DICAS - Atividades intelectuais como ler, escrever com a mão contrária, disputar jogos de tabuleiro, palavras cruzadas, tocar instrumentos musicais ou socialização regular também podem atrasar o início ou a gravidade do Alzheimer. Outros estudos mostraram que muita exposição a campos magnéticos e trabalho com metais, especialmente alumínio, aumentam o risco da doença. A credibilidade de alguns desses estudos tem sido posta em causa até porque outras pesquisas não encontraram a mínima relação entre as questões ambientais e o desenvolvimento de Alzheimer. “Enquanto as pesquisas avançam é importante reduzir ao máximo o contato de alimentos com o alumínio”, orienta o profissional médico.

Estimativas

Tratamento

Idade 65 anos - Cerca de cinco em 100 pessoas têm doença de Alzheimer. 80 anos - um em cada 5 pessoas têm o Mal de Alzheimer. 90 anos - metade de todas as pessoas tem algum sintoma.

Revista da Unimed – Existe tratamento para o Mal de Alzheimer? Dr. Marcos Frank - Atualmente, a base da estratégia terapêutica está alicerçada em três pilares: retardar a evolução, tratar os sintomas e controlar as alterações de comportamento. Quando há sintomas comportamentais faz-se uso de anti-psicóticos atípicos.

Sexo Embora a doença de Alzheimer afete tipicamente pessoas com mais de 65 anos, ela pode também afetar pessoas mais novas. Mulheres são mais propensas a desenvolver a doença que os homens. Em parte porque mulheres vivem mais. Hereditariedade Apenas 3% de todos os casos de Alzheimer têm uma ligação hereditária comprovada. A hereditariedade desempenha um papel muito maior na doença de Alzheimer de início precoce (antes dos 65 anos): 40% das pessoas que desenvolvem Alzheimer de início precoce registram uma história familiar da doença. Mesmo quem tem familiares com Alzheimer não é certo que vá desenvolver a doença. Estudos Pesquisadores ligaram a forma mais comum de Alzheimer, de início tardio, à proteína apolipoproteína E. Todas as pessoas tipicamente herdam duas cópias deste gene. Se carregar uma variação particular desse gene, o risco aumenta para doença de Alzheimer. Sintomas perda de memória, confusão e desorientação; ansiedade, agitação, alucinação, desconfiança; alteração da personalidade e do senso crítico; dificuldades com as atividades da vida diária como alimentar-se e banhar-se; dificuldade em reconhecer familiares e amigos; dificuldade em tomar decisões; perder-se em ambientes conhecidos; falta de apetite, perda de peso, incontinência urinária e fecal; dificuldades com a fala e a comunicação; movimentos e fala repetitiva; distúrbios do sono; problemas com ações rotineiras; dependência progressiva.

Mulheres são mais propensas a desenvolver a doença

Revista da Unimed – Pela experiência do senhor, qual a relevância da família e cuidadores nesse processo? Dr. Marcos Frank - Conforme a doença avança, aumentam as dificuldades para os familiares que se veem tendo que cuidar, acompanhar e ajudar no tratamento de um familiar que não mais reconhece as pessoas e depende a maior parte do tempo do auxílio de alguém, até para realizar suas necessidades fisiológicas mais básicas. Os cuidadores são fundamentais para o tratamento do idoso com Alzheimer no ambiente domiciliar, mas nem todos os familiares estão preparados física e psicologicamente para conviver e cuidar de alguém que não os reconhece nem valoriza seus esforços. Por isso é importante o acesso às informações sobre a patologia e apoio psicossocial aos cuidadores.

Revista da Unimed – Que orientações podem ser repassadas nesse sentido? Dr. Marcos Frank - É recomendada a participação do cuidador em programas de cuidado ao idoso com Alzheimer para esclarecer dúvidas sobre a doença, acompanhar o tratamento, dar apoio psicológico e social para atenuar o esgotamento e o estresse gerados pela convivência com uma pessoa que a cada dia vai precisar de mais cuidado e atenção no ambiente domiciliar.

Pesquisa Cientistas espanhóis, em parceria com a Universidade de Saragozza, iniciam neste ano testes clínicos em humanos de uma vacina contra o Alzheimer. A pesquisa já passou pela fase de experimentação em animais. Agora, será avaliada em 400 pacientes. Estudos preliminares indicam que o tratamento deva ser utilizado na fase inicial da doença. Mesmo com esse avanço, a melhor opção continua sendo a descoberta antecipada.


alzheimer

14

E

em a i r ó m e M silêncio

stou velho. Isso é um fato. O espelho faz questão de gritar essa realidade sempre que encaramos um ao outro. Mas ter minha idade não é um fardo. Ao contrário: tenho amigos que relembram suas façanhas em tempos joviais quando ocorrem nossos encontros periódicos. Uma turma de senhores e senhoras ávidos pelas recordações que fazem de cada um de nós tão especial pelo número de aniversários que alcançou. Independe se a história remete à nossa juventude ou a horas antes. O importante é darmos motivos de sorrisos às vidas que temos. Infelizmente, para mim isso é distante. Não sou uma criança. Tenho muitas histórias. Vivi bastante. Mas não lembro delas. Não lembro de nomes. De situações corriqueiras. Às vezes sinto que minha vida está em silêncio às explosões de felicidade que observo ao meu redor, originadas por pessoas que amo. Mas algumas não consigo lembrar o nome... Outras chegam a sorrir para mim e a puxar conversa... E eu nem recordo da fisionomia... Vejo fotos e descubro que são familiares meus... Minhas histórias... Minha vida em silêncio... O autor do parágrafo acima poderia ser um dos idosos que tem o Mal de Alzheimer em cada 20 pessoas com 65 anos. A proporção é maior ainda conforme avança a idade: as estimativas apontam que aos 80 anos, um em cada cinco tem a doença. Aos 90 anos, metade das pessoas tem algum sintoma característico. “Alguns testes neuropsicológicos podem revelar muitas deficiências cognitivas até oito anos antes de se poder diagnosticar o Mal de Alzheimer por inteiro”, observa o neurocirurgião e neurologista Marcos Rogério de Castro Frank. A doença de Alzheimer, caracterizada

pelo neuropatologista alemão Alois Alzheimer em 1907, é uma afecção neurodegenerativa progressiva e irreversível de aparecimento lento, que acarreta perda da memória e diversos distúrbios cognitivos. O principal sintoma primário é a perda de memória de curto prazo (dificuldade em lembrar fatos aprendidos recentemente). “O paciente perde a capacidade de dar atenção a algo, a flexibilidade no pensamento e o pensamento abstrato. Pode ainda começar a perder a sua memória semântica. A apatia também é um sintoma bastante comum”, esclarece o especialista. Estudos ainda indicam uma certa desorientação de tempo e espaço. “A pessoa não sabe onde está nem em que ano está, em que mês ou que dia”, completa. BATALHA - O envelhecimento é o fator de risco mais conhecido e importante para a forma esporádica da doença de Alzheimer. Os resultados das pesquisas colaboram para um cenário de batalha constante na busca de melhorar a qualidade de vida dos pacientes. “Estudos indicam relações entre fatores alteráveis como dietas, risco cardiovascular, uso de produtos farmacêuticos ou atividades intelectuais e a probabilidade de desenvolvimento de Alzheimer da população”, detalha o médico. “Mas só mais pesquisas, incluindo testes clínicos, revelarão se realmente esses fatores podem ajudar a prevenir o Alzheimer”, emenda. A inclusão de frutas e vegetais, pão, trigo e outros cereais, azeite, peixes e vinho tinto pode reduzir o risco de Alzheimer. O risco cardiovascular, derivado de colesterol alto, hipertensão, diabetes e o fumo, está associado com maior risco de desenvolvimento da doença. Mas estatinas (fármacos para fazer descer o colesterol) não tiveram sucesso em prevenir ou melhorar as condições do paciente durante o desenvolvimento

da doença. No entanto, o uso a longo prazo de anti-inflamatórios nãoesteroides (AINEs) está também associado à menor probabilidade de desenvolvimento de Alzheimer em alguns indivíduos. “Já não se acredita que outros tratamentos farmacêuticos, como substituição de hormônios femininos, previna a doença”, aponta o neurologista que atende em Lajeado, no Vale do Taquari. DICAS - Atividades intelectuais como ler, escrever com a mão contrária, disputar jogos de tabuleiro, palavras cruzadas, tocar instrumentos musicais ou socialização regular também podem atrasar o início ou a gravidade do Alzheimer. Outros estudos mostraram que muita exposição a campos magnéticos e trabalho com metais, especialmente alumínio, aumentam o risco da doença. A credibilidade de alguns desses estudos tem sido posta em causa até porque outras pesquisas não encontraram a mínima relação entre as questões ambientais e o desenvolvimento de Alzheimer. “Enquanto as pesquisas avançam é importante reduzir ao máximo o contato de alimentos com o alumínio”, orienta o profissional médico.

Estimativas

Tratamento

Idade 65 anos - Cerca de cinco em 100 pessoas têm doença de Alzheimer. 80 anos - um em cada 5 pessoas têm o Mal de Alzheimer. 90 anos - metade de todas as pessoas tem algum sintoma.

Revista da Unimed – Existe tratamento para o Mal de Alzheimer? Dr. Marcos Frank - Atualmente, a base da estratégia terapêutica está alicerçada em três pilares: retardar a evolução, tratar os sintomas e controlar as alterações de comportamento. Quando há sintomas comportamentais faz-se uso de anti-psicóticos atípicos.

Sexo Embora a doença de Alzheimer afete tipicamente pessoas com mais de 65 anos, ela pode também afetar pessoas mais novas. Mulheres são mais propensas a desenvolver a doença que os homens. Em parte porque mulheres vivem mais. Hereditariedade Apenas 3% de todos os casos de Alzheimer têm uma ligação hereditária comprovada. A hereditariedade desempenha um papel muito maior na doença de Alzheimer de início precoce (antes dos 65 anos): 40% das pessoas que desenvolvem Alzheimer de início precoce registram uma história familiar da doença. Mesmo quem tem familiares com Alzheimer não é certo que vá desenvolver a doença. Estudos Pesquisadores ligaram a forma mais comum de Alzheimer, de início tardio, à proteína apolipoproteína E. Todas as pessoas tipicamente herdam duas cópias deste gene. Se carregar uma variação particular desse gene, o risco aumenta para doença de Alzheimer. Sintomas perda de memória, confusão e desorientação; ansiedade, agitação, alucinação, desconfiança; alteração da personalidade e do senso crítico; dificuldades com as atividades da vida diária como alimentar-se e banhar-se; dificuldade em reconhecer familiares e amigos; dificuldade em tomar decisões; perder-se em ambientes conhecidos; falta de apetite, perda de peso, incontinência urinária e fecal; dificuldades com a fala e a comunicação; movimentos e fala repetitiva; distúrbios do sono; problemas com ações rotineiras; dependência progressiva.

Mulheres são mais propensas a desenvolver a doença

Revista da Unimed – Pela experiência do senhor, qual a relevância da família e cuidadores nesse processo? Dr. Marcos Frank - Conforme a doença avança, aumentam as dificuldades para os familiares que se veem tendo que cuidar, acompanhar e ajudar no tratamento de um familiar que não mais reconhece as pessoas e depende a maior parte do tempo do auxílio de alguém, até para realizar suas necessidades fisiológicas mais básicas. Os cuidadores são fundamentais para o tratamento do idoso com Alzheimer no ambiente domiciliar, mas nem todos os familiares estão preparados física e psicologicamente para conviver e cuidar de alguém que não os reconhece nem valoriza seus esforços. Por isso é importante o acesso às informações sobre a patologia e apoio psicossocial aos cuidadores.

Revista da Unimed – Que orientações podem ser repassadas nesse sentido? Dr. Marcos Frank - É recomendada a participação do cuidador em programas de cuidado ao idoso com Alzheimer para esclarecer dúvidas sobre a doença, acompanhar o tratamento, dar apoio psicológico e social para atenuar o esgotamento e o estresse gerados pela convivência com uma pessoa que a cada dia vai precisar de mais cuidado e atenção no ambiente domiciliar.

Pesquisa Cientistas espanhóis, em parceria com a Universidade de Saragozza, iniciam neste ano testes clínicos em humanos de uma vacina contra o Alzheimer. A pesquisa já passou pela fase de experimentação em animais. Agora, será avaliada em 400 pacientes. Estudos preliminares indicam que o tratamento deva ser utilizado na fase inicial da doença. Mesmo com esse avanço, a melhor opção continua sendo a descoberta antecipada.


Unimed

16

Unimed VTRP é avaliada como a melhor operadora de planos de saúde do país Na categoria grande porte, a Cooperativa figura no topo do levantamento da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Os vales do Taquari, Rio Pardo e região do Jacuí são referência no país, na área da saúde, graças à atuação da Unimed VTRP. Esta é a área de abrangência da operadora de planos de saúde que foi melhor pontuada, entre aquelas com mais de 100 mil beneficiários (grande porte), em levantamento divulgado, no final do ano passado, pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Este órgão, vinculado ao Ministério da Saúde e responsável por regular o setor, avaliou 1.239 operadoras em todo o país - divididas em pequeno, médio e grande porte. A projeção nacional foi obtida pelo Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS), que é calculado anualmente pela agência, e cujo mais recente resultado se refere ao ano-base 2011. Em uma escala de 0 a 1 – sendo esta a nota máxima- , a Cooperativa Médica sediada em Lajeado conquistou a nota 0,85. O índice leva em conta os desempenhos de atenção à saúde, econômico-financeiro, estrutura de operação e satisfação dos beneficiários.

O resultado do IDSS foi apresentado pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e pelo diretor presidente interino da ANS, André Longo Araújo de Melo, em sessão solene, no Rio de Janeiro. “Estamos dando ao cidadão mais uma ferramenta de transparência, facilitando o acesso à informação na hora de escolher ou trocar o plano”, comentou Padilha. O índice integra a política de qualificação da saúde suplementar e busca atingir melhores práticas por parte das operadoras e, consequentemente, uma melhora no atendimento ao usuário. Na mesma data, a agência lançou em seu portal o Espaço da Qualidade, no qual os beneficiários de planos de saúde podem consultar informações e indicadores de qualidade da saúde suplementar. O acesso é pelo www.ans.gov.br. 10 primeiras na categoria grande porte Operadora

Resultado do IDSS

Unimed VTRP Unimed BH Unimed Londrina Petrobras Unimed Santa Catarina Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi) Unimed Campinas São Francisco Clínicas Unimed São José do Rio Preto Unimed Goiania

0,85 0,8299 0,8274 0,8157 0,8139 0,8092 0,8026 0,801 0,7991 0,7945

Fonte: Revista Exame.com

Aspectos considerados na formação do índice Quarenta por cento do valor do IDSS é formado pelo desempenho da operadora na dimensão Atenção à Saúde; 20% pela Econômico-financeiro; 20% pela Estrutura e Operação e 20% pela Satisfação dos Beneficiários. Confira as notas da Unimed VTRP e os aspectos considerados em cada um deles: Atenção à Saúde: 0,8167 (equivale a 40% da nota final) Avalia a qualidade da atenção, buscando avaliar as ações de promoção, prevenção e assistência à saúde prestada aos beneficiários de planos privados de saúde.

Você conhece a ANS? O levantamento que deu à Unimed VTRP a melhor nota entre as operadoras de plano de saúde de todo o país – na categoria grande porte – foi feito pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Trata-se de um braço do governo federal, assim como a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que regulam seus respectivos setores. Vinculada ao Ministério da Saúde, a ANS é responsável por normatizar, controlar e fiscalizar as atividades das empresas que comercializam planos de saúde. Dessa forma, cabe a ela garantir a qualidade da assistência prestada aos beneficiários e a sustentabilidade do setor de saúde suplementar. Tem sede no Rio de Janeiro e 12 núcleos de atendimento nas cinco regiões do Brasil. O atendimento ao cidadão sobre planos de saúde é feito pela Central de Atendimento ao Consumidor na internet, pelo DisqueANS 0800 701 9656.

Econômico-Financeiro: 0,8132 (equiva le a 20% da nota final) Acompanha o equilíbrio econômicofinanceiro das operadoras de plano de saúde sob o ponto de vista das condi ções de liquidez e solvência, avaliando a capacidade de manter-se em dia com suas obrigações financeiras junto a seus prestadores para o atendimento com qualidade e de forma continua a seus beneficiários. Estrutura e Operação: 0,8860 (equivale a 20% da nota final) Afere as condições da oferta de rede de consultórios, hospitais, ambulatórios, laboratórios e centros diagnósticos ofe

recidos pelas operadoras de planos de saúde para o atendimento de seus bene ficiários. Além disso, avalia o cumpri mento das obrigações técnicas e cadas trais das operadoras junto a ANS. Satisfação dos Beneficiários: 0,9176 (equivale a 20% da nota final) Utiliza indicadores de permanência como forma de avaliar a satisfação dos beneficiários nas operadoras. Também mede a o índice de reclamações dos beneficiários e a gravidade das infra ções à legislação cometidas por parte das operadoras. Fonte: Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)


Unimed

16

Unimed VTRP é avaliada como a melhor operadora de planos de saúde do país Na categoria grande porte, a Cooperativa figura no topo do levantamento da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Os vales do Taquari, Rio Pardo e região do Jacuí são referência no país, na área da saúde, graças à atuação da Unimed VTRP. Esta é a área de abrangência da operadora de planos de saúde que foi melhor pontuada, entre aquelas com mais de 100 mil beneficiários (grande porte), em levantamento divulgado, no final do ano passado, pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Este órgão, vinculado ao Ministério da Saúde e responsável por regular o setor, avaliou 1.239 operadoras em todo o país - divididas em pequeno, médio e grande porte. A projeção nacional foi obtida pelo Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS), que é calculado anualmente pela agência, e cujo mais recente resultado se refere ao ano-base 2011. Em uma escala de 0 a 1 – sendo esta a nota máxima- , a Cooperativa Médica sediada em Lajeado conquistou a nota 0,85. O índice leva em conta os desempenhos de atenção à saúde, econômico-financeiro, estrutura de operação e satisfação dos beneficiários.

O resultado do IDSS foi apresentado pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e pelo diretor presidente interino da ANS, André Longo Araújo de Melo, em sessão solene, no Rio de Janeiro. “Estamos dando ao cidadão mais uma ferramenta de transparência, facilitando o acesso à informação na hora de escolher ou trocar o plano”, comentou Padilha. O índice integra a política de qualificação da saúde suplementar e busca atingir melhores práticas por parte das operadoras e, consequentemente, uma melhora no atendimento ao usuário. Na mesma data, a agência lançou em seu portal o Espaço da Qualidade, no qual os beneficiários de planos de saúde podem consultar informações e indicadores de qualidade da saúde suplementar. O acesso é pelo www.ans.gov.br. 10 primeiras na categoria grande porte Operadora

Resultado do IDSS

Unimed VTRP Unimed BH Unimed Londrina Petrobras Unimed Santa Catarina Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi) Unimed Campinas São Francisco Clínicas Unimed São José do Rio Preto Unimed Goiania

0,85 0,8299 0,8274 0,8157 0,8139 0,8092 0,8026 0,801 0,7991 0,7945

Fonte: Revista Exame.com

Aspectos considerados na formação do índice Quarenta por cento do valor do IDSS é formado pelo desempenho da operadora na dimensão Atenção à Saúde; 20% pela Econômico-financeiro; 20% pela Estrutura e Operação e 20% pela Satisfação dos Beneficiários. Confira as notas da Unimed VTRP e os aspectos considerados em cada um deles: Atenção à Saúde: 0,8167 (equivale a 40% da nota final) Avalia a qualidade da atenção, buscando avaliar as ações de promoção, prevenção e assistência à saúde prestada aos beneficiários de planos privados de saúde.

Você conhece a ANS? O levantamento que deu à Unimed VTRP a melhor nota entre as operadoras de plano de saúde de todo o país – na categoria grande porte – foi feito pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Trata-se de um braço do governo federal, assim como a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que regulam seus respectivos setores. Vinculada ao Ministério da Saúde, a ANS é responsável por normatizar, controlar e fiscalizar as atividades das empresas que comercializam planos de saúde. Dessa forma, cabe a ela garantir a qualidade da assistência prestada aos beneficiários e a sustentabilidade do setor de saúde suplementar. Tem sede no Rio de Janeiro e 12 núcleos de atendimento nas cinco regiões do Brasil. O atendimento ao cidadão sobre planos de saúde é feito pela Central de Atendimento ao Consumidor na internet, pelo DisqueANS 0800 701 9656.

Econômico-Financeiro: 0,8132 (equiva le a 20% da nota final) Acompanha o equilíbrio econômicofinanceiro das operadoras de plano de saúde sob o ponto de vista das condi ções de liquidez e solvência, avaliando a capacidade de manter-se em dia com suas obrigações financeiras junto a seus prestadores para o atendimento com qualidade e de forma continua a seus beneficiários. Estrutura e Operação: 0,8860 (equivale a 20% da nota final) Afere as condições da oferta de rede de consultórios, hospitais, ambulatórios, laboratórios e centros diagnósticos ofe

recidos pelas operadoras de planos de saúde para o atendimento de seus bene ficiários. Além disso, avalia o cumpri mento das obrigações técnicas e cadas trais das operadoras junto a ANS. Satisfação dos Beneficiários: 0,9176 (equivale a 20% da nota final) Utiliza indicadores de permanência como forma de avaliar a satisfação dos beneficiários nas operadoras. Também mede a o índice de reclamações dos beneficiários e a gravidade das infra ções à legislação cometidas por parte das operadoras. Fonte: Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)


Gestão da saúde com foco no cliente Foi com muita alegria e satisfação beneficiários” foi destaque, que o presidente da Unimed VTRP, conquistando 0,91. De acordo com médico Carlos Antonio da Luz Rech, Rech, essa pontuação é reflexo da forte recebeu a notícia. “Este resultado relação estabelecida com os clientes, mostra que estamos no caminho certo. que prima pela ética e pelo respeito. Como organização, nossa Visão é estar Outro ponto que merece destaque, é entre as melhores cooperativas a Cooperativa ser formada por médicas em gestão da saúde. E esta médicos. “Nossa diretoria conhece os pontuação sinaliza que fomos além, detalhes técnicos do negócio e detém uma vez que o levantamento da ANS conhecimentos de gestão, o que a engloba o setor de saúde torna capaz de gerir um suplementar, incluindo empreendimento de todas as operadoras, não saúde com bastante enfrentamos somente as cooperativas”, êxito”, observa Rech. É analisa o presidente. por isso que a Unimed situações que às Segundo ele, a conquista VTRP, através do vezes podem fugir merece ser muito trabalho qualificado de do nosso controle, comemorada, pois o seus médicos e negócio planos de saúde é colaboradores, mas trabalhamos extremamente complexo. preocupa-se tanto em para diminuir ao “Nesta área, enfrentamos promover a saúde e a máximo estes situações que às vezes qualidade de vida de podem fugir do nosso seus clientes, ao invés casos controle, mas trabalhamos de simplesmente tratar para diminuir ao máximo estes casos. as doenças. Estamos sempre preocupados em Desde que aderiu ao Programa melhorar a entrega do nosso serviço ao Gaúcho da Qualidade e Produtividade cliente, para que seja cada vez mais (PGQP), há 18 anos, a Unimed VTRP humanizado, considerando o fato de mantém o Sistema de Gestão da ele impactar diretamente na vida das Qualidade, com premiações que pessoas”, completa o médico. atestam que o sistema de gestão da No entender do dirigente, um fator de Cooperativa é consistente e está de sucesso é a Cooperativa ter uma acordo com os critérios de excelência gestão voltada ao cliente, sempre do programa reconhecido buscando o melhor atendimento em internacionalmente. “Mas sempre cada caso. Isto fica evidente na análise estamos aprimorando nossa gestão, detalhada do índice da ANS. Nos por isto agora buscamos a quatro pilares do IDSS todas as notas acreditação”, completa o presidente da da Unimed VTRP foram acima de 0,80, Cooperativa. mas no quesito “satisfação dos A adesão ao processo de

notícias Unimed

19

Rech: Sempre buscamos o melhor atendimento em cada caso

acreditação é voluntária. Esta certificação foi instituída pela ANS em novembro de 2011, pela Resolução Normativa (RN) 277, com o intuito de aperfeiçoar a gestão das operadoras de planos de saúde no Brasil. Em setembro do ano passado, a Unimed VTRP iniciou os ajustes necessários a esta resolução, por intermédio de um diagnóstico realizado por uma assessoria contratada para este serviço. Atualmente, a Cooperativa está trabalhando na adequação de suas práticas aos requisitos exigidos.

A Cooperativa em números A Unimed VTRP foi fundada há 41 anos, completos em 11 de dezembro; Abrange 59 municípios dos vales do Taquari, Rio Pardo e região do Jacuí; Conta atualmente com 649 médicos cooperados em 45 especialidades médicas;

Clientes da Unimed VTRP agora recebem descontos especiais na Panvel

Atenta às oportunidades no mercado da saúde, a Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo (Unimed VTRP) optou por focar seus objetivos no negócio principal: planos de saúde. Esta decisão motivou uma parceria com a rede Panvel e, consequentemente, o encerramento das atividades, no final de dezembro, da Fundação Medicamentos para a Saúde em Lajeado e Santa Cruz do Sul. Clientes que apresentam o cartão do plano assistencial Unimed VTRP podem comprar produtos na rede Panvel com preços especiais nos pagamentos à

vista. O desconto é de 30% em todos os genéricos e 6% em todos os chamados medicamentos de marca. Além disso, há uma lista específica com 1,4 mil medicamentos, nos quais a redução fica em 18%. O convênio com a Panvel possibilita a aquisição de produtos nas 291 lojas da rede, situadas em toda a região Sul do país. Na área de abrangência da Cooperativa, há unidades em cinco municípios: Charqueadas, Estrela, Lajeado, Rio Pardo e Santa Cruz do Sul. Entre outras vantagens da rede, há o programa de fidelidade, com sistema

Espaço Vida divulga calendário de palestras para o próximo trimestre Empenhada em promover a saúde e qualidade de vida de seus clientes, a Unimed VTRP realiza uma série de palestras nas quatro unidades do Espaço Vida. Agende-se e participe! Lajeado Data - Horário - Tema 09/03 9h Comportamento preventivo em neoplasias 13/03 18h30min Gripes e resfriados 22/03 14h30min Saúde bucal 08/04 18h30min Obesidade: causas e efeitos 16/04 8h30min Envelhecimento saudável 09/05 18h30min Cuide sua saúde mental 17/05 14h30min Dificuldades respiratórias 25/05 9h Riscos e doenças cardiovasculares

Venâncio Aires Data - Horário - Tema 11/03 19h Gripes e resfriados 23/03 9h Comportamento preventivo do câncer 26/03 14h Saúde Bucal 09/04 14h Obesidade 25/04 19h Envelhecimento saudável 09/05 19h Cuide sua saúde mental 15/05 14h Dificuldades respiratórias 25/05 9h Riscos cardiovasculares

Santa Cruz do Sul Data - Horário - Tema 07/03 14h Saúde bucal 21/03 19h Gripes e resfriados 28/03 19h30min Relações familiares 04/04 19h Obesidade 18/04 19h Envelhecimento saudável 09/05 14h Dificuldades respiratórias 18/05 9h Riscos cardiovasculares 23/05 19h Cuidados com a saúde mental

Encantado Data - Horário - Tema 06/03 19h Gripes e resfriados 20/03 14h Saúde Bucal 21/03 19h Alergias 26/03 19h Comportamento preventivo do câncer 11/04 19h Obesidade 24/04 14h Envelhecimento saudável 09/05 19h Cuidados com a saúde mental 18/05 9h Riscos cardiovasculares 27/05 14h Cuidados com o inverno

Junte lacres de alumínio e colabore para a compra de cadeiras de rodas

Tem 520 colaboradores; São mais de 220 mil clientes espalhados em diferentes regiões do país; Em 2012, a Cooperativa recebeu 13 premiações em diferentes áreas, como gestão, cooperativismo, relacionamento com clientes e responsabilidade socioambiental. A Unimed VTRP, sediada em Lajeado, destacou-se na categoria grande porte

de pontuação na aquisição de produtos e posterior troca por itens de higiene e beleza. Mais informações podem ser obtidas no www.panvel.com. Para os clientes do Cartão Mais Benefícios da Unimed VTRP, seguem valendo os descontos no preço de produtos da rede e-Pharma, em todo Brasil.

Sabe o lacre das latinhas de alumínio, que geralmente colocamos fora? Ele pode contribuir na aquisição de cadeiras de rodas. Interessados em colaborar podem depositar esses anéis nas garrafas pet que se encontram nos pontos de atendimento da Unimed VTRP. Trata-se da campanha “Eu ajudo na lata”, uma iniciativa da Unimed Brasil, que pretende reverter o

dinheiro da venda do material para a aquisição de cadeiras de rodas para instituições da região. A campanha segue até o dia 30 de junho. Outras informações podem ser obtidas na Unimed VTRP, com a área de Gestão de Responsabilidade Socioambiental, pelo e-mail responsabilidadesocial@unimedvtrp.com.br ou pelo telefone (51) 3714-7135.


Gestão da saúde com foco no cliente Foi com muita alegria e satisfação beneficiários” foi destaque, que o presidente da Unimed VTRP, conquistando 0,91. De acordo com médico Carlos Antonio da Luz Rech, Rech, essa pontuação é reflexo da forte recebeu a notícia. “Este resultado relação estabelecida com os clientes, mostra que estamos no caminho certo. que prima pela ética e pelo respeito. Como organização, nossa Visão é estar Outro ponto que merece destaque, é entre as melhores cooperativas a Cooperativa ser formada por médicas em gestão da saúde. E esta médicos. “Nossa diretoria conhece os pontuação sinaliza que fomos além, detalhes técnicos do negócio e detém uma vez que o levantamento da ANS conhecimentos de gestão, o que a engloba o setor de saúde torna capaz de gerir um suplementar, incluindo empreendimento de todas as operadoras, não saúde com bastante enfrentamos somente as cooperativas”, êxito”, observa Rech. É analisa o presidente. por isso que a Unimed situações que às Segundo ele, a conquista VTRP, através do vezes podem fugir merece ser muito trabalho qualificado de do nosso controle, comemorada, pois o seus médicos e negócio planos de saúde é colaboradores, mas trabalhamos extremamente complexo. preocupa-se tanto em para diminuir ao “Nesta área, enfrentamos promover a saúde e a máximo estes situações que às vezes qualidade de vida de podem fugir do nosso seus clientes, ao invés casos controle, mas trabalhamos de simplesmente tratar para diminuir ao máximo estes casos. as doenças. Estamos sempre preocupados em Desde que aderiu ao Programa melhorar a entrega do nosso serviço ao Gaúcho da Qualidade e Produtividade cliente, para que seja cada vez mais (PGQP), há 18 anos, a Unimed VTRP humanizado, considerando o fato de mantém o Sistema de Gestão da ele impactar diretamente na vida das Qualidade, com premiações que pessoas”, completa o médico. atestam que o sistema de gestão da No entender do dirigente, um fator de Cooperativa é consistente e está de sucesso é a Cooperativa ter uma acordo com os critérios de excelência gestão voltada ao cliente, sempre do programa reconhecido buscando o melhor atendimento em internacionalmente. “Mas sempre cada caso. Isto fica evidente na análise estamos aprimorando nossa gestão, detalhada do índice da ANS. Nos por isto agora buscamos a quatro pilares do IDSS todas as notas acreditação”, completa o presidente da da Unimed VTRP foram acima de 0,80, Cooperativa. mas no quesito “satisfação dos A adesão ao processo de

notícias Unimed

19

Rech: Sempre buscamos o melhor atendimento em cada caso

acreditação é voluntária. Esta certificação foi instituída pela ANS em novembro de 2011, pela Resolução Normativa (RN) 277, com o intuito de aperfeiçoar a gestão das operadoras de planos de saúde no Brasil. Em setembro do ano passado, a Unimed VTRP iniciou os ajustes necessários a esta resolução, por intermédio de um diagnóstico realizado por uma assessoria contratada para este serviço. Atualmente, a Cooperativa está trabalhando na adequação de suas práticas aos requisitos exigidos.

A Cooperativa em números A Unimed VTRP foi fundada há 41 anos, completos em 11 de dezembro; Abrange 59 municípios dos vales do Taquari, Rio Pardo e região do Jacuí; Conta atualmente com 649 médicos cooperados em 45 especialidades médicas;

Clientes da Unimed VTRP agora recebem descontos especiais na Panvel

Atenta às oportunidades no mercado da saúde, a Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo (Unimed VTRP) optou por focar seus objetivos no negócio principal: planos de saúde. Esta decisão motivou uma parceria com a rede Panvel e, consequentemente, o encerramento das atividades, no final de dezembro, da Fundação Medicamentos para a Saúde em Lajeado e Santa Cruz do Sul. Clientes que apresentam o cartão do plano assistencial Unimed VTRP podem comprar produtos na rede Panvel com preços especiais nos pagamentos à

vista. O desconto é de 30% em todos os genéricos e 6% em todos os chamados medicamentos de marca. Além disso, há uma lista específica com 1,4 mil medicamentos, nos quais a redução fica em 18%. O convênio com a Panvel possibilita a aquisição de produtos nas 291 lojas da rede, situadas em toda a região Sul do país. Na área de abrangência da Cooperativa, há unidades em cinco municípios: Charqueadas, Estrela, Lajeado, Rio Pardo e Santa Cruz do Sul. Entre outras vantagens da rede, há o programa de fidelidade, com sistema

Espaço Vida divulga calendário de palestras para o próximo trimestre Empenhada em promover a saúde e qualidade de vida de seus clientes, a Unimed VTRP realiza uma série de palestras nas quatro unidades do Espaço Vida. Agende-se e participe! Lajeado Data - Horário - Tema 09/03 9h Comportamento preventivo em neoplasias 13/03 18h30min Gripes e resfriados 22/03 14h30min Saúde bucal 08/04 18h30min Obesidade: causas e efeitos 16/04 8h30min Envelhecimento saudável 09/05 18h30min Cuide sua saúde mental 17/05 14h30min Dificuldades respiratórias 25/05 9h Riscos e doenças cardiovasculares

Venâncio Aires Data - Horário - Tema 11/03 19h Gripes e resfriados 23/03 9h Comportamento preventivo do câncer 26/03 14h Saúde Bucal 09/04 14h Obesidade 25/04 19h Envelhecimento saudável 09/05 19h Cuide sua saúde mental 15/05 14h Dificuldades respiratórias 25/05 9h Riscos cardiovasculares

Santa Cruz do Sul Data - Horário - Tema 07/03 14h Saúde bucal 21/03 19h Gripes e resfriados 28/03 19h30min Relações familiares 04/04 19h Obesidade 18/04 19h Envelhecimento saudável 09/05 14h Dificuldades respiratórias 18/05 9h Riscos cardiovasculares 23/05 19h Cuidados com a saúde mental

Encantado Data - Horário - Tema 06/03 19h Gripes e resfriados 20/03 14h Saúde Bucal 21/03 19h Alergias 26/03 19h Comportamento preventivo do câncer 11/04 19h Obesidade 24/04 14h Envelhecimento saudável 09/05 19h Cuidados com a saúde mental 18/05 9h Riscos cardiovasculares 27/05 14h Cuidados com o inverno

Junte lacres de alumínio e colabore para a compra de cadeiras de rodas

Tem 520 colaboradores; São mais de 220 mil clientes espalhados em diferentes regiões do país; Em 2012, a Cooperativa recebeu 13 premiações em diferentes áreas, como gestão, cooperativismo, relacionamento com clientes e responsabilidade socioambiental. A Unimed VTRP, sediada em Lajeado, destacou-se na categoria grande porte

de pontuação na aquisição de produtos e posterior troca por itens de higiene e beleza. Mais informações podem ser obtidas no www.panvel.com. Para os clientes do Cartão Mais Benefícios da Unimed VTRP, seguem valendo os descontos no preço de produtos da rede e-Pharma, em todo Brasil.

Sabe o lacre das latinhas de alumínio, que geralmente colocamos fora? Ele pode contribuir na aquisição de cadeiras de rodas. Interessados em colaborar podem depositar esses anéis nas garrafas pet que se encontram nos pontos de atendimento da Unimed VTRP. Trata-se da campanha “Eu ajudo na lata”, uma iniciativa da Unimed Brasil, que pretende reverter o

dinheiro da venda do material para a aquisição de cadeiras de rodas para instituições da região. A campanha segue até o dia 30 de junho. Outras informações podem ser obtidas na Unimed VTRP, com a área de Gestão de Responsabilidade Socioambiental, pelo e-mail responsabilidadesocial@unimedvtrp.com.br ou pelo telefone (51) 3714-7135.


Revista da

Unimed

Dúvidas do leitor

ANO 37 | Nº 178 | Trimestre 01 - 2013 | www.unimedvtrp.com.br Av. Benjamin Constant, 1058 - 5º andar - CEP 95900-000 - Lajeado/RS

O contratante pode solicitar a alteração de seu endereço e telefones de contato, além da atualização de seus dados das seguintes formas: - Através do Portal de Serviços ao Cliente (www.unimed.com.br); - Em algum de nossos pontos de atendimento, nas cidades dos Vales do Taquari, Rio Pardo e Jacuí; - Contatando nossa Central de Atendimento ao Cliente - 0800 051 1166 - atendimento 24 horas; Para atualização cadastral, é fundamental informar o CPF (dependentes acima de 16 anos), nome da mãe e Cartão Nacional de Saúde.

Inimigo silencioso

Pág. 6 USO EXCLUSIVO DOS CORREIOS

Mala Direta Postal 9912219372 - DR/RS UNIMED VALE DO TAQUARI

CORREIOS

Existe vida fora do Facebook?

Pág. 10 DEVOLUÇÃO GARANTIDA

CORREIOS

REMETENTE: UNIMED - Av. Benjamin Constant, 1058 - 5º andar CEP 95900-000 - Lajeado/RS

Unimed VTRP: a melhor operadora de planos de saúde do Brasil

Pág. 16


Revista da

Unimed

Dúvidas do leitor O contratante pode solicitar a alteração de seu endereço e telefones de contato, além da atualização de seus dados, das seguintes formas: - Através do Portal de Serviços ao Cliente (www.unimed.com.br); - Em algum de nossos pontos de atendimento, nas cidades dos Vales do Taquari, Rio Pardo e Jacuí; - Contatando nossa Central de Atendimento ao Cliente - 0800 051 1166 - atendimento 24 horas; Para atualização cadastral, é fundamental informar o CPF (dependentes acima de 16 anos), nome da mãe e Cartão Nacional de Saúde.

ANO 37 | Nº 178 | Trimestre 01 - 2013 | www.unimedvtrp.com.br Av. Benjamin Constant, 1058 - 5º andar - CEP 95900-000 - Lajeado/RS

Mala Direta Postal 9912219372 - DR/RS UNIMED VALE DO TAQUARI

DEVOLUÇÃO GARANTIDA

CORREIOS

CORREIOS

REMETENTE: UNIMED - Av. Benjamin Constant, 1058 - 5º andar CEP 95900-000 - Lajeado/RS

USO EXCLUSIVO DOS CORREIOS

Vale a pena ter Unimed A Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo (VTRP) é uma das cooperativas médicas mais antigas do sistema Unimed. Atua em 59 municípios nos vales do Taquari, Rio Pardo e região do Jacuí. Oferece aos seus clientes mais de 600 médicos cooperados em mais de 30 especialidades, além de 270 clínicas, laboratórios e hospitais credenciados.

A Unimed VTRP possui planos de saúde especiais para empresas e famílias e a modalidade pode ser escolhida de acordo com a necessidade. Um plano pode ser:

Modalidade Ambulatorial - consultas e exames; Ambulatorial/Hospitalar consultas, exames e internação hospitalar.

Cobertura Regional - nos 59 municípios dos vales do Taquari, Rio Pardo e Região do Jacuí; Nacional - em todo o Brasil.

Coparticipação Com taxa - para consultas e exames (permite que o valor da mensalidade do plano seja menor); Sem taxa - já está incluída no valor da mensalidade.

Inimigo silencioso

Benefícios

Pág. 6

• Atendimento de urgência e emergência, em todo o país, independente do tipo de plano; • Seguro de vida - beneficia o cônjuge que estiver cadastrado como dependente do plano; • Benefício família - se o cliente titular vier a falecer, os dependentes terão direito ao plano por cinco anos; • UniAir - serviço de remoção aéreo ou terrestre entre hospitais, que garante total segurança ao paciente em situações de emergência; • Espaço Vida Unimed - desenvolve programas de promoção à saúde, prevenção de doenças, recuperação e reabilitação.

Existe vida fora do Facebook?

Pág. 10

Unimed VTRP: a melhor operadora de planos de saúde do Brasil

Pág. 16

Dúvidas, reclamações e elogios, contate

SAC 0800 051 1166

sac@unimedvtrp.com.br

Todos os dias!


Revista Unimed 1º Trimestre de 2013