Issuu on Google+

Jornal da

UFOPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ Foto: Daniel Ramalho

Ano I, nº 2 - Santarém - Pará, fevereiro de 2011

UFOPA recebe novos alunos Aprovados no primeiro processo de seleção iniciam semestre letivo com disciplinas ofertadas pelo Centro de Formação Interdisciplinar (CFI). Serão cinco módulos multidisciplinares. Páginas 4 e 5

Pós-graduação

Convênios

Educação

PGRNA tem primeira dissertação concluída

Universidade consolida parcerias

MEC avalia curso de Física Ambiental

A pesquisa avaliou o poder antimicrobiano da Lippia grandis Schau (Verbenaceae), conhecida como sálvia-do-marajó ou erva-do-marajó. Página 7

Convênios com a Fulbright, o Instituto Butantan e a Prefeitura de Santarém abrem novas frentes de pesquisa. Página 3

Avaliado com nota “3”, curso deverá ser reconhecido pelo MEC nos próximos meses por apresentar perfil adequado. Página 6


Jornal da UFOPA Audiência

O Reitor da UFOPA, Prof. Dr. José Seixas Lourenço, foi recebido pelo Ministro da Educação, no último dia 4 de fevereiro, em Brasília, na Sala de Cristal do gabinete ministerial. O novo Secretário de Educação Superior (Sesu), e ex-reitor da Universidade Federal de Viçosa, Prof. Luiz Cláudio, esteve presente à audiência. Na ocasião, o Ministro da Educação, Fernando Haddad, recebeu certificado da UFOPA de reconhecimento na implantação da Universidade. Seixas Lourenço apresentou ao ministro os avanços da UFOPA durante o decorrer do primeiro ano de criação. Entre as conquistas estão os 17.585 inscritos no primeiro processo seletivo; a atuação da UFOPA na execução das atividades do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR); os avanços na cooperação nacional e internacional; a atração do significativo número de professores mestres e doutores (mais de 200 estão no quadro); agenda da pós-graduação,

Ministro da Educação, Fernando Haddad (centro), secretário de Educação Superior (à direita) e reitor da UFOPA, José Seixas Lourenço, em Brasília

que mantém o Programa de PósGradução em Recursos Naturais da Amazônia; e o novo Mestrado em Matemática, que inicia aulas ainda neste primeiro semestre. Outro assunto debatido na audiência foi a possível inclusão da cidade de Santarém no roteiro de reuniões preparatórias para a Rio + 20, o que deve ser melhor avaliado durante o mês de abril, quando Seixas Lourenço deve se reunir com integrantes da CAPES em Brasília. A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento

Foto: RP/Cerimonial MEC

Reitor da UFOPA é recebido pelo Ministro da Educação

Sustentável, em 2012, será realizada na cidade do Rio de janeiro. Temas como “economia verde” para o desenvolvimento sustentável e a eliminação da pobreza, com foco sobre a questão da estrutura de governança internacional, serão debatidos na conferência. SESU - A Secretaria de Educação Superior (Sesu) é a unidade do Ministério da Educação (MEC) responsável por planejar, orientar, coordenar e supervisionar o processo de formulação e implementação da Política Nacional de Educação Superior. Reconhecimento

Foto: Elias Rodrigues

Reitor recebe honrarias

Expediente

2

O reitor da UFOPA, Prof. Dr. José Seixas Lourenço, recebeu no dia 17 de dezembro de 2010, em Belém (PA), duas honrarias: a medalha “Grandes Amazônidas”, da organização não-governamental Panamazonia, em reconhecimento ao seu pioneirismo para o desenvolvimento do panamazonismo; e a comenda “Ordem do Mérito Cabanagem”, concedida pela Assembleia Legislativa do Estado do Pará aos cidadãos que contribuem para o engrandecimento do estado. A honraria foi proposta pelo deputado Alexandre Von (à esquerda) em reconhecimento pelos trabalhos realizados durante o primeiro ano de criação da UFOPA e a cerimônia presidida pelo deputado Ítalo Mácola (à direita).

Universidade Federal do Oeste do Pará Reitor: José Seixas Lourenço | Vice-Reitora: Raimunda Monteiro | Pró-Reitor de Ensino de Graduação: Rodrigo de Araújo Ramalho Filho |PróReitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação Tecnológica: José Antônio de Oliveira Aquino | Pró-Reitor de Planejamento Institucional: Aldo Gomes Queiroz | Pró-Reitora de Administração: Arlete Moraes Coordenadora de Comunicação: Alda Lima Fernandes | Jornalistas Responsáveis: Lenne Santos (DRT-PR 3413) e Maria Lúcia Morais (DRT-MG 6261) | Revisão: Júlio César da Assunção Pedrosa | Fotos: Daniel Ramalho, Lenne Santos, Maria Lúcia Morais, Edvaldo Pereira, Livaldo Santos e RP/Cerimonial MEC | Diagramação e Arte Final: Luciana Leal | Impressão: Imprima Soluções Gráficas LTDA. Universidade Federal do Oeste do Pará - Campus Rondon - Coordenadoria de Comunicação - Av. Marechal Rondon, s/n - Caranazal - CEP 68040-070 Santarém – Pará | Comentários, críticas e sugestões: comunicaufopa@gmail.com - (93) 3064-9075 | www.ufopa.edu.br | Twitter: @ufopa


Jornal da UFOPA 3 Convênios Foto: Livaldo Santos

UFOPA celebra parcerias A criação de uma Cátedra de Ciência e Engenharia Ambiental e a aprovação de projeto institucional no programa de assistente de ensino de inglês marcam o início de parceria entre a UFOPA e a Comissão para o Intercâmbio Educacional entre os Estados Unidos e o Brasil (Fulbright), que promove intercâmbio educacional entre brasileiros e norteamericanos. Em parceria com a empresa Alcoa, a cátedra terá duração de cinco anos e recursos no valor de US$ 500 mil para trazer ao Brasil pesquisadores e professores norte-americanos que irão ministrar seminários e cursos de graduação e pós-graduação na UFOPA. “Já iniciamos a seleção de profissionais que pretendem ficar aqui por um certo período, fazendo pesquisa nessa área, formando e capacitando profissionais nossos”, afirma o reitor da UFOPA, Prof. Dr. José Seixas Lourenço. “É um passo importante para uma universidade jovem, como a UFOPA, no sentido de atrair talentos nessa área para a região amazônica”, explica o Diretor da Comissão Fulbright no Brasil, Luiz Loureiro. Além de proporcionar interação de conhecimentos, recrutando os pesquisadores americanos para a UFOPA, a Comissão Fulbright vai acompanhar o andamento das atividades da cátedra. “O intercâmbio de experiências entre os professores norte-americanos e acadêmicos e pesquisadores da UFOPA deverá fortalecer o vínculo entre o Brasil e os Estados Unidos”, disse a conselheira para Assuntos de Imprensa, Educação e Cultura da Embaixada dos EUA, Adele

Parceria com a Fulbright e a empresa Alcoa

Ruppe, durante a assinatura do convênio, ocorrido em dezembro de 2010. ETA - Também resultado de parceria com a Fulbright, a UFOPA contará, a partir do mês de março, com duas bolsistas norteamericanas do Programa Fulbright-CAPES de Assistente de Ensino de Inglês (English Teaching Assistant – ETA). Vinculado ao Programa de Licenciatura em Letras, do Instituto de Ciências da Educação (ICED), o projeto terá duração de quatro anos. Para o primeiro ano foram selecionadas as bolsistas Cláudia MacDonald Seixas, que é formada em História pelo Swartmore College; e Katelyn Mary Omans, formada em Letras pela Suny Cortland. De acordo com as regras do programa, o bolsista deve ser falante nativo, cidadão estaduniense, recém-graduado e com alguma experiência em ambiente educacional e em ensino em sala de aula. Ele deve

motivar os alunos brasileiros no estudo da língua inglesa e supervisionar a participação deles em atividades de comunicação oral em língua inglesa. Butantan - A Universidade também firmou acordo de cooperação técnicocientífica com o Instituto Butantan, referência nacional em pesquisa biomédica. O Instituto já possui uma unidade de pesquisa no município de Belterra, no Oeste do Pará. Publicado no Diário Oficial da União no dia 30 de dezembro de 2010, o acordo terá duração de cinco anos e visa a estabelecer e regulamentar um programa de cooperação entre as duas instituições. “Alguns profissionais do Butantan já colaboravam com a nossa pós-graduação em Recursos Naturais da Amazônia e a celebração deste acordo abre um leque ainda maior de cooperação, no que se refere à pesquisa”, explica Seixas Lourenço.

O reitor da UFOPA, Prof. Dr. José Seixas Lourenço, e a prefeita de Santarém, Maria do Carmo Martins Lima, assinaram no dia 10 de fevereiro convênio de cooperação técnicoacadêmico-científico para promover ações conjuntas, como programas, projetos e atividades de ensino, pesquisa e extensão. Além de aprimorar o intercâmbio entre os parceiros, o convênio deverá priorizar iniciativas inovadoras e criativas, voltadas principalmente ao desenvolvimento sustentável e à divulgação científica, tecnológica e cultural da região. “Esse acordo vem para consolidar e propiciar ações mais efetivas com a prefeitura, pois abre um leque de possibilidades muito grande ”, afirma Seixas Lourenço. “Esse convênio é importante, porque possibilita que os técnicos, mestres e doutores da UFOPA se coloquem à disposição do município. Juntos vamos apresentar à sociedade santarena um trabalho de muita qualidade”, avalia a prefeita de Santarém, Maria do Carmo. Segundo a prefeita, já existem várias propostas de atuação conjunta principalmente nas áreas de Turismo, Meio Ambiente, Educação e Cultura. “Tenho certeza que Santarém só tem a ganhar com toda a proposta de Ciência e Tecnologia que a universidade coloca à disposição do nosso município”.

Foto: Maria Lúcia Morais

Convênio com a prefeitura de Santarém

Prefeita de Santarém e Reitor da UFOPA


Foto: Daniel Ramalho

4 Jornal da UFOPA

Calouros em festa após a divulgação do listão

UFOPA inaugura modelo acadêmico A Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) estrutura-se em um novo modelo de formação acadêmica de nível superior na Amazônia. Pautado na interdisciplinaridade e com foco no desenvolvimento técnico-científico baseado nas potencialidades regionais, o novo modelo prioriza a formação integral. Apesar de ser um modelo diferenciado, já está sendo bem recebido pelos primeiros alunos da universidade que ingressam, neste semestre, a partir da aprovação no primeiro processo seletivo baseado unicamente na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Estudante do Colégio Dom Amando e quarto classificado no processo seletivo, João de Souza Alho Neto afirma estar feliz com sua aprovação. Ele espera conseguir sucesso profissional ao cursar a instituição. “Espero que esse novo modelo acadêmico da UFOPA ajude a desenvolver a nossa região”, afirma.

A oportunidade de entrar no ensino superior público atraiu estudantes de diversas cidades da Região Oeste do Pará, como é o caso de Luana Almeida Santos, 19 anos, que veio de Oriximiná e conquistou uma vaga na UFOPA. “Sou a primeira de três irmãos a cursar uma universidade, melhor ainda porque é pública. Estou muito feliz com essa aprovação”, disse ela durante o processo de habilitação à matricula. A advogada Elci Pereira não escondia a alegria pela aprovação do filho João Victor, de 17 anos. “Ter uma universidade federal aqui em nossa cidade é muito gratificante. Ter o filho ao lado da família cursando um ensino superior é melhor ainda”, disse ela ao acompanhar o filho na habilitação. Estrutura Acadêmica - A UFOPA organiza-se em um centro de formação interdisciplinar e cinco institutos temáticos destinados a produzir ensino, pesquisa e extensão com forte apelo amazônico: Ciências da Educação; Ciências da Sociedade; Ciências e Tecnologia das Águas; Biodiversidade e Florestas; e Engenharia e Geociências.

Organizados em programas, os institutos serão responsáveis pela oferta de 35 formações graduadas - 13 gerais e 22 específicas - assim como pelas formações pós-graduadas lato e stricto sensu. Centro de Formação Interdisciplinar – O Centro de Formação Interdisciplinar (CFI) objetiva garantir aos alunos uma visão integrada da realidade e dos processos que ocorrem na natureza e sociedade – especialmente a Amazônica – e que se voltam para as mais diversas expressões do desenvolvimento nas comunidades e para a promoção humana, além de prover o aluno de informações básicas sobre as ciências e Institutos da Universidade. Ministrada pelo CFI, a Formação Interdisciplinar I é composta por cinco módulos, com 80 horas cada - o que corresponde a 400 horas/aula - distribuídas em um semestre letivo. São eles: Sociedade, Natureza e Desenvolvimento (SND); Origem e Evolução do Conhecimento (OEC); Lógica, Linguagens e Comunicação (LLC); Seminários Integradores (SINT); e Integração de Base Real (IBR).


Jornal da UFOPA 5

Conheça a Estrutura Acadêmica da UFOPA Centro de Formação Interdisciplinar

Formação Interdisciplinar 1 - 400h: semestre obrigatório e comum para todos os alunos

M - 400 + V - 400 N - 400

Institutos

1º Ciclo - Formação graduada Geral: Bacharelados e Licenciaturas Interdisciplinares

2º Ciclo - Formação graduada Específica: Licenciaturas Integradas e Bacharelados

Ciências da Educação

Licenciaturas Interdisciplinares em: - Ciências Naturais e Matemática - Ciências Humanas - Linguagens e Códigos

Ciências da Sociedade

Engenharia e Geociências

Tecnologia das Águas

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências da Educação

Pedagogia: - Educação Infantil - Primeiros anos - Educação Especial - Gestão e Coordenação Pedagógica

Agroecologia

Agronomia Engenharia Florestal Zootecnia

Biotecnologia

Farmácia

Assuntos Jurídicos

Direito

Ciências da Sociedade

Antropologia e Arqueologia Economia (recursos naturais) Planejamento e Desenvolvimento Regional

Ciência e Tecnologia

Engenharia Física

Ciências da Terra

Geofísica Geologia

Ciências da Informação e da Computação

Ciência da Computação

Ciências Biológicas

Biologia (Aquática ou Vegetal)

Ciências e Tecnologia das Águas

Engenharia de Aquicultura Engenharia de Pesca Fonte: PROEN/UFOPA

Fotos: Daniel Ramalho e Edvaldo Pereira

Biodiversidade e Florestas

Matemática-Física Química-Biologia História-Geografia Língua Portuguesa-Inglês


Jornal da UFOPA Avaliação Foto: Maria Lúcia Morais

MEC aprova Curso de Física Ambiental O curso de Licenciatura em Física Ambiental da UFOPA foi aprovado com conceito “3” pelo Ministério da Educação (MEC), por apresentar “um perfil satisfatório de qualidade”, como mostra avaliação realizada em dezembro do ano passado pelos professores Sérgio Luiz Garavelli (UCB-DF) e Alejandro López Castillo (UFSCar). Três aspectos foram avaliados pelo MEC, que utiliza pontuação de zero a cinco: a organização didática pedagógica do curso, que recebeu conceito “3”; o corpo docente, com nota “4”; e as instalações físicas, com conceito “2”. De acordo com a avaliação, “a implementação do curso demonstra suficiente atendimento aos objetivos propostos e expressa os compromissos institucionais em relação ao ensino”. Com este resultado, o curso deverá ser reconhecido pelo MEC nos próximos meses. “O curso foi aprovado com algumas recomendações”, explica o Diretor de Ensino da UFOPA, Prof. Carlos Machado, que também é docente do programa de Física Ambiental. Segundo Machado, a avaliação é positiva, na medida em que aponta as principais falhas tanto do projeto pedagógico do curso quanto da instituição. “Vamos fazer os ajustes pedagógicos sugeridos pelo MEC para harmonizar o funcionamento do curso aos parâmetros exigidos”. Criado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Federal do Pará (UFPA), através da Resolução nº 3.381, de 29 de dezembro de 2005, o Curso de Licenciatura em Física Ambiental destina-se à formação de profissionais com conhecimentos científicos embasados na Física e articulados com áreas correlatas, necessárias para um abrangente entendimento dos processos sistêmicos naturais do meio ambiente, em particular da Amazônia. Atualmente o curso possui 109 estudantes regularmente matriculados e nove professores vinculados diretamente ao curso, todos em regime de dedicação exclusiva. Cerca de 40 alunos das turmas de 2005 e 2006 já concluíram o curso e esperam pela obtenção de diploma reconhecido pelo MEC. Avaliação - Com relação à organização didática pedagógica, foram avaliados os conteúdos curriculares, metodologia e objetivos do curso, além de outros aspectos, como número de vagas, perfil dos egressos e atendimento ao discente. De acordo com a avaliação do MEC, a proposta pedagógica contempla a realidade local onde o curso é ofertado, assim como o perfil dos ingressantes. Na avaliação do corpo docente, que obteve a maior nota, destacam-se “o engajamento dos professores, no sentido de contribuir com a melhoria do plano pedagógico, e a dedicação dos mesmos aos alunos do Curso”, além do corpo técnico-administrativo, que, segundo o relatório, “é composto por profissionais com formação e perfil adequado às demandas da instituição e do curso”.

Raoni e Polari: vencedores

Ex-alunos são aprovados em mestrado do INPA Luciene Santos Ribeiro, Polari Batista Correa e Raoni Aquino Silva de Santana, exalunos do Programa de Física Ambiental da UFOPA, foram aprovados no curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Clima e Ambiente do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). “Esse curso é uma extensão da nossa licenciatura. É uma área com que nós nos identificamos bastante durante a graduação”, explica Raoni Santana. “Fiquei muito feliz e surpreso com o resultado, pois contei apenas com o conhecimento adquirido durante a graduação”. Do total de 53 candidatos inscritos, apenas 11 foram aprovados e classificados para participar do curso de nivelamento, obrigatório do Programa, realizado no período de 31 de janeiro a 25 de fevereiro deste ano em Manaus (AM). “O corpo docente pesou bastante na nossa aprovação”, afirma Polari Correa, que durante a graduação foi bolsista de iniciação científica do PIBIC.

IBEF realiza planejamento estratégico O Instituto de Biodiversidade e Florestas (IBEF) elaborou seu Planejamento Estratégico 20112015, documento que pautará as ações do instituto nos próximos anos. A iniciativa é resultado de workshop realizado em fevereiro, que contou com a participação dos professores e técnicos administrativos do instituto, o primeiro da UFOPA a realizar essa modalidade de planejamento. “A partir de um trabalho coletivo, estamos ajudando a estabelecer a missão e a visão do instituto, além de seus objetivos e metas”, explica o administrador do IBEF, Jorge Tribuzi Neto, que coordenou a atividade.

Foto: Maria Lúcia Morais

6

Com 34 professores, o IBEF possui bacharelados interdisciplinares em Agroecologia e Biotecnologia, além dos cursos específicos de Engenharia Florestal, Agronomia, Zootecnia e Farmácia. “Vamos pautar todas as ações do instituto nos resultados do planejamento estratégico”, afirma o diretor do IBEF, Prof. João Ricardo Vasconcelos Gama. “Temos que pensar o IBEF de forma conjunta e essa foi a maneira que encontramos de reunirmos os professores e sabermos como eles estão pensando o instituto e como eles querem que o instituto atue junto aos alunos e à sociedade”. Metodologia utilizada para identificar os pontos fortes e fracos de uma instituição ou organização, suas ameaças e oportunidades, a partir de uma análise macro e micro ambiental, o planejamento estratégico é uma ferramenta de gestão que possibilita estabelecer, de forma participativa, os objetivos e metas institucionais de curto, médio e longo prazo.

Elaboração do planejamento


Jornal da UFOPA 7 Pós-graduação

Defendida primeira dissertação do programa de Mestrado em Recursos Naturais da Amazônia Em atividade desde 2009, o Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais da Amazônia (PGRNA), coordenado pela Profa. Rosa Helena Veras Mourão, teve a primeira dissertação aprovada no fim do ano de 2010. A aluna Sandra Sarrazin obteve o grau de Mestre em Recursos Naturais, defendendo a dissertação intitulada “Composição química e atividade antimicrobiana do óleo essencial de Lippia grandis Schau (Verbenaceae)”. “Neste trabalho, avaliamos o potencial antimicrobiano do óleo essencial de Lippia grandis Schau frente a microrganismos potencialmente patogênicos, e quais os possíveis compostos químicos responsáveis por essa atividade”, ressalta Sandra. A espécie Lippia grandis Schau, conhecida popularmente como sálvia-do-marajó ou erva-do-marajó, é uma planta com grande ocorrência em todo o estado do Pará. Suas folhas são empregadas na medicina tradicional e no tratamento de doenças do fígado e desordens menstruais, porém a pesquisa concluiu que “a planta também possui potencial antimicrobiano”, esclarece a aluna. “A atividade apresentada pelo óleo essencial de L. grandis contra microrganismos potencialmente patogênicos

(bactérias Gram-positivas, Gram-negativas e o fungo Candida albicans) indica que esta espécie representa uma provável fonte de compostos químicos com potencial terapêutico contra infecções causadas por esses microrganismos”. A pesquisa foi desenvolvida no Laboratório de Bioprospecção e Biologia Experimental da Universidade Federal do Oeste do Pará, hoje coordenado pelos professores doutores Rosa Helena Veras Mourão e Ricardo Bezerra de Oliveira, cuja linha de pesquisa está voltada para o estudo de produtos naturais com fins terapêuticos. “Nossa capacidade no momento é a pesquisa básica, através de metodologias relativamente simples, somos capazes de identificar plantas que apresentam propriedades medicinais e avaliar sua toxicidade. Esperamos que em um futuro breve possamos avançar em técnicas analíticas e, é claro, em capacitação profissional”, ressalta Sandra. A aluna ainda completa: “Os recursos financeiros necessários para darmos os próximos passos ainda são escassos. Estamos com perspectivas de que em um futuro breve

possamos avançar nesta linha de pesquisa que julgo ser de extrema importância para o desenvolvimento econômico e social da região”. O PGRNA, apesar de ser recém-aprovado pela CAPES, já demonstra que sua finalidade é gerar pesquisadores capacitados para contribuir para o desenvolvimento da região. “Sinto-me orgulhosa em ter sido o primeiro fruto gerado do esforço daqueles que acreditam na importância do PGRNA para aprimorar o desenvolvimento científico regional”, comenta a primeira mestra formada pela Universidade Federal do Oeste do Pará. Sobre o Programa O PGRNA foi o primeiro mestrado ofertado pela UFOPA e oferece 20 vagas em três linhas de pesquisa, assim divididas: sete para “Bioprospecção e manejo de recursos naturais da Amazônia”, sete para “processo de interação da biosfera e atmosfera” e seis para “conservação e genética da biodiversidade”. O edital de seleção é divulgados sempre no fim do segundo semestre e as aulas se iniciam no início do ano subsequente.

Pesquisa-mirim

Realizada no dia 14 de janeiro de 2011, a 1ª Mostra Científica do Clube de Ciências da UFOPA contou com a participação de 80 pesquisadoresmirins, que apresentaram o resultado das pesquisas realizadas ao longo de 2010. “O objetivo é integrar a universidade com a sociedade santarena e despertar nos estudantes do ensino fundamental e médio das escolas públicas o interesse pela pesquisa científica e pela UFOPA”, afirmou o pró-reitor de Planejamento Institucional, Prof. Aldo Queiroz, em sua saudação aos integrantes do clube, que estavam acompanhados por seus pais. A Profa. Cláudia Castro, que coordena a iniciativa, ressaltou a importância da parceria com os professores da instituição na realização das atividades do Clube de Ciências. “Estamos muito felizes porque a procura pelo clube foi grande, tivemos quase 200 inscritos. Isso mostra a importância dessa atividade”. Ela disse também que a partir de abril se iniciam as atividades de 2011. A exposição dos trabalhos ocorreu na Biblioteca Central. Cada equipe expôs os resulta-

Foto: Lenne Santos

Clube de Ciências realiza Mostra Científica

Alunos do clube expõem trabalhos

dos das pesquisas realizadas ao longo do semestre. Entre os temas pesquisados estava “A incidência e problemas causados pela radiação solar em mototaxistas de Santarém”. “Detectamos que 90% dos nossos entrevistados já enfrentaram algum tipo de problema relacionado à radiação solar”, afirmou a pesquisadora-mirim Ozenilma Costa. “Tenho um primo que tinha problemas, mas nunca se preocupou com isso. Depois que aplicamos o questionário ele passou a usar protetor solar e a vestir roupas mais adequadas para se proteger

do sol”, completou Nayara Freitas. Questões relativas ao meio ambiente, astronomia e ecologia também estiveram entre os temas pesquisados. O Clube de Ciências foi criado em 1988, logo após a implantação da UFPA na cidade de Santarém. O curso de Biologia doou ao Clube a coleção didática de Zoologia da UFPA/Santarém, formada por animais peçonhentos, répteis, peixes, entre outros animais conservados, a qual a partir de agora vai auxiliar os alunos em suas pesquisas.


Jornal da UFOPA Formação

Santarém, Itaituba, Monte Alegre, Alenquer, Juruti, Oriximiná e Óbidos receberam as rodadas de discussão do I Ciclo de Extensão do Centro de Formação Interdisciplinar (CFI) da UFOPA, que integra a programação dos encontros acadêmicos do Parfor. O evento marcou o encerramento do Ciclo de Formação Interdisciplinar dos 1300 alunos que já atuam como professores leigos do Oeste do Pará. Eles e stã o c u rs a n d o l i c e n c i at u ra s e m Pedagogia, Letras (Português e Inglês); História e Geografia; Química e Biologia; e Matemática e Física.

Em Juruti, debates priorizam desenvolvimento e construção do conhecimento Dez comunicações orais e setenta painéis expositivos com resultados de pesquisas realizadas pelos alunos do PARFOR de Juruti marcaram os debates que abordaram questões relativas à educação à distância no Oeste do Pará e à produção do conhecimento científico. As alunas do curso de Química e Biologia apresentaram o tema “Higiene Corporal e métodos de prevenção das DSTs e gravidez precoce”. Durante a aplicação dos questionários, identificaram que 37% dos adolescentes da escola em que trabalham têm relações sexuais sem usar preservativos. “Biblioteca Itinerante” foi o tema apresentado pelo grupo da comunidade de São Pedro no Mamumuru. Elas desenvolveram o projeto junto a seis escolas. “As distâncias são grandes e a dificuldade para conseguir livros que não sejam os didáticos também, por isso criamos o projeto e conseguimos que a comunidade doasse livros de literatura infantojuvenil que estão sendo usados nas atividades de leitura com os alunos”, afirmou Antonia Maria da Silva. Para chegar em Juruti, ela tem de pegar três tipos de condução. Moto, carro e barco. São quase dois dias de viagens de considerar os contratempos. “Saí da minha casa, quinta-feira, 9h. Cheguei em Juruti no final da manhã de sexta-feira”.

Profa. Terezinha Pacheco ao lado do coordenador do PARFOR em Juruti, Prof. Jailson Novaes

FOTOS

Foto: Lenne Santos

Encontros acadêmicos do PARFOR promovem Ciclo de Extensão

Foto: Lenne Santos

8

Alunos do PARFOR, em Monte Alegre

Monte Alegre terá campus da UFOPA Em Monte Alegre, a UFOPA terá quadro fixo de docentes e técnicos, com aulas regulares já a partir de 2012. O anúncio foi feito pelo pró-reitor de Planejamento, Prof. Aldo Queiroz, durante palestra proferida dentro da programação do I Ciclo de extensão do CFI, ocorrida na escola Orlando Costa, onde foi realizado também o I Salão de Trabalhos Acadêmicos. “Inicialmente vamos implantar dois cursos da área técnica que serão definidos de acordo com o potencial econômico da cidade”. Queiroz afirmou também que já está definida a área onde serão construídas as futuras instalações do campus. I Ciclo de Extensão - Com o tema “Educação e Desenvolvimento”, o I Ciclo trouxe à cidade a Profa. Lucineide Pinheiro, secretária Municipal de Educação de Santarém, e a Prof. Tânia Brasileiro, da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), que coordena o curso de Mestrado em Educação daquela universidade. I Salão de Trabalhos Acadêmicos – O I Salão de Trabalhos Acadêmicos dos alunos do PARFOR reuniu o resultado dos trabalhos elaborados para as disciplinas cursadas durante o primeiro semestre de formação. Ao todo foram expostos 13 painéis. Três equipes optaram pela apresentação oral. Entre os temas expostos destacamos o que tratou de um tema que mais chama atenção na cidade de Monte Alegre: “As pinturas rupestres do Parque Ambiental (PEMA): desafios e possibilidades da educação ambiental”. Orientado pela Profa. Dra. Kátia Correa (Instituto de Ciências da Educação/UFOPA), o trabalho teve como foco os alunos da comunidade do Ererê, que fica no entorno do parque. “Nosso objetivo foi apreender o significado que os alunos atribuem a essas pinturas, ou o que eles realmente conhecem acerca dos desenhos. Queríamos saber também de que forma os professores trabalham essa temática”, disse Arenildo Santos Silva, um dos integrantes da equipe. O coordenador da atividade em Monte Alegre, Prof. Dr. João Feitosa, ficou bastante satisfeito com a qualidade dos trabalhos apresentados. “Essa mostra reflete de maneira surpreendente como os alunos conseguiram captar a proposta da UFOPA e realizaram pesquisas com conteúdo interdisciplinar”. Para muitos professores, cumprir o PARFOR exige dedicação e esforço. É o caso de Raimundo Rodrigues, que dá aulas há 10 anos numa escola rural da comunidade de São Pedro, no município de Prainha, distante 130 quilômetros de Monte Alegre. Ele viaja de carro, moto e barco para chegar à sala de aula. “A viagem até é desgastante, a gente não dorme direito no barco e ainda assim tem de se concentrar na aula. Mas esse sacrifício vale a pena. A proposta da interdisciplinaridade é muito importante para o meu crescimento profissional”.


Jornal da UFOPA - ANO 1, N. 2