Page 1

DOMINGO MACEIĂ“ - ALAGOAS 14 DE OUTUBRO DE 2012 NÂş 1571 R$

3,00

SANDRO LIMA

TRIBUNA

INDEPENDENTE

EXEMPLAR DO ASSINANTE

tribunahoje.com

O que os derrotados nas urnas vão fazer da vida Os candidatos a prefeito de Maceió que não conseguiram sucesso nas urnas seguem suas vidas. Jeferson Morais retorna à Assembleia e à TV, Nadja Baía volta à Defensoria Pública na Paraíba, Alexandre Fleming reassume o magistÊrio, SÊrgio Cabral farå atividades comunitårias e Rosinha da Adefal retoma o mandato na Câmara dos Deputados. Apenas Ronaldo Lessa e Galba Novaes não sabem o que farão. Pà GINA 3

RUI PALMEIRA

‘Alagoas precisa se unir em torno de um projeto de crescimento’

COMO VAI FUNCIONAR A LEI DAS COTAS NO ENEM 5HSUHVHQWDQWHVGDVXQLYHUVLGDGHVS~EOLFDVLQFOXVLYH GD8IDOVHUH~QHPHP%UDVtOLDSDUDGHEDWHUHVWDVHPDQD FRPRVHUiDSOLFDGDD/HLGDV&RWDVDSURYDGDHPDJRVWR

2SUHIHLWRHOHLWR5XL3DOPHLUD GHIHQGHXDXQLmRGDVIRUoDV SROtWFDVDODJRDQDVHPIXQomR GHXPSURMHWRGHFUHVFLPHQWRGR (VWDGR(OHGLVVHWDPEpPTXH QmRJXDUGDPiJRDVGRVVHXV opositores na campanha eleitoral.

PĂ GINA 11

PROJETO DE LEI 30% DAS CRIANÇAS ALAGOANAS ESTĂƒO ACIMA DO PESO

PĂ GINA 2

PĂ GINA 9

PREFEITOS EM FIM DE MANDATO SERĂƒO ALVOS DE FISCALIZAĂ‡ĂƒO PĂ GINA 4

DISTÚRBIOS DA VOZ PROFESSORES DEMORAM MUITO PARA PROCURAR AJUDA MÉDICA Pà GINA 12

LEI DAS COTASUHSUHVHQWDLPSRUWDQWHDYDQoRVRFLDOHUHVJDWHGRGLUHLWRGHRSRUWXQLGDGHV

BNB FINANCIA INVESTIMENTOS HOSPITALARES EM ALAGOAS

DAVI SALSA

Pà GINA 13 AVISO AOS LEITORES E ANUNCIANTES Por razþes tÊcnicas, nosso caderno de classi¿FDGRVFLUFXODUiQDHGLção de terça-feira (16). COSMÉLIA RULHQWDPRUDGRUHVGDJURWDVREUHVHXVGLUHLWRV TEMPO

ROBERVAL DAVINO

Bom a parcialmente nublado com possiblidades de chuvas em ĂĄreas isoladas

MĂ­nima

20Âş

MĂĄxima

28Âş

MarĂŠs

02:21 08:39 14:45 20:53

2.2 0.1 2.2 0.1

FINANÇAS DÓLAR COMERCIAL R$ 2,03 R$ 2,03 DOLAR PARALELO R$ 2,07 R$ 2,19 OURO: R$ 116,00 POUPANÇA: 0,4273%

MULHER COMANDA EQUIPE DE SEGURANÇA COM 32 HOMENS $HPSUHViULD:\OO\DQH$OPHLGDHUDVHJXUDQoDGHHYHQWRVTXDQGRGHFLGLXDEULUR SUySULRQHJyFLR'HQWURGDHPSUHVDHODVHVHQWHUHVSHLWDGDSRUVXDHTXLSHTXH HPEUHYHGHYHHOHYDUVHXFRQWLQJHQWHGHSDUDKRPHQV

PĂ GINA 10

‘A TĂ TICA DE HOJE E DO FUTURO É A DO JOGADOR DE MĂšLTIPLAS FUNÇÕES’

EXEMPLAR ADVOGADA LEVA CIDADANIA À GROTA DO MOREIRA

SANTOS X VASCO FAZEM O PRINCIPAL JOGO DA RODADA DESTE DOMINGO

A advogada CosmĂŠlia FĂ´lha, da ComissĂŁo de Direitos Sociais da OAB/Alagoas, leva conhecimento e cidadania aos moradores da Grota do Moreira, em MaceiĂł, com o projeto “Em %XVFDGR([HUFtFLR3OHQRGRV Direitos Sociaisâ€?.

PĂ GINA 16

PĂ GINA 5

PĂ GINA 15 CAMPEONATO BRASILEIRO


2 POLĂ?TICA MACEIĂ“ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012

“

PolĂ­tica

TRIBUNAINDEPENDENTE

Vamos respeitar os recursos públicos. E, fundamentalmente, vamos valorizar o servidor público, porque não se faz gestão pública sem servidor público motivado, capacitado e remunerado dignamente� RUI PALMEIRA PREFEITO ELEITO DE MACEIÓ

‘Vou governar para todos’, diz Rui

3UHIHLWRHOHLWRHP0DFHLyFRQÂżUPDTXHQmRWHPPiJRDVGH-HIHUVRQ0RUDLVPXLWRPHQRVGH5RQDOGR/HVVD

ESPLANADA LEANDRO MAZZINI - FRQWDWR#FROXQDHVSODQDGDFRPEU

Planalto: 13 mil decretos por desastres em 8 anos

L

HYDQWDPHQWRFRPSUHIHLWXUDVSURYDTXHRVGHFUHWRVSUHVLGHQFLDLVPRWLYDGRVSRUGHVDVWUHVQDWXUDLVVmRVRWHUUDGRVSHOD IDOWDGHSODQHMDPHQWRS~EOLFRHRGLQKHLURYDLSRUiJXDDEDL[R$V WUDJpGLDVVmRDFDGDDQRSLRUHVSRUTXHRVJRYHUQRV³IRFDPDUHFRQVWUXomRHQmRDSUHYHQomR´H[SOLFDRSUHVLGHQWHGD&RQIHGHUDomR1DFLRQDO GRV0XQLFtSLRV3DXOR=LXONRVNLUHVSRQViYHOSHODSHVTXLVD$&10 HQFRQWURXPLOGHFUHWRVGHHPHUJrQFLDRXFDODPLGDGHQRV~OWLPRV DQRV(RSLRUFRPDEXURFUDFLDVyGDVYHUEDVVmRH[HFXWDGDV XPDQRDSyVDWUDJpGLD

Soterramento... 6HJXQGR=LXONRVNLVmRPHVHVGHVGHRLQYHQWiULRGDVSHUGDVQDV FLGDGHVSDVVDQGRSHOD'HIHVD&LYLOHVWDGXDODWpFKHJDUj6HFUHWDULDGH 'HIHVD&LYLOGD,QWHJUDomRHRXWUDWUDJpGLDMiDFRQWHFHX

RÂżFLDO 'RVGHFUHWRVGHDVmRHPHUJHQFLDLVHGHFDODPLGDGH6HPFRQWDURVGHVWHDQR&RPDOLEHUDomRDFRQWDJRWDVKRXYH FDVRVGHFLGDGHTXHWHYHFDVRVVHJXLGRVGHFDODPLGDGH

ZĂŠ gotinha 1DWHUoDD&kPDUDDSURYRXD03TXHOLEHURX5PLOK}HVSDUD R0LQLVWpULRGD'HIHVDFRPSUDUFDPLQK}HVSLSDVSDUDGLVWULEXLomRGH iJXDQR1RUGHVWHTXHVRIUHFRPDVHFDGHMDQHLUR

3OHQRVSRGHUHV 1RVEDVWLGRUHVGR6XSUHPR7ULEXQDO)HGHUDOWHPJHQWHGL]HQGRTXHD SULPHLUDPHGLGDGRPLQLVWUR-RDTXLP%DUERVDFRPRQRYRSUHVLGHQWHGD FRUWHVHUiGHVWLWXLURFDUJRGHYLFHSUHVLGHQWH&RPRVHVDEHRHOHLWR IRLRVHXGHVDIHWRSHVVRDOHFUtWLFRIHUUHQKR5LFDUGR/HZDQGRZVNL%ULQFDGHLUDVjSDUWHRVWRJDGRVSHUFHEHUDPTXH%DUERVDHVWiPDLVFRQWLGR QRV~OWLPRVGLDV

Entregou 2H[GHSXWDGR3DXOR5RFKD 373$ UpXGR0HQVDOmRSRUODYDJHPGH GLQKHLURQmRSUHFLVDGHDFXVDGRU6HXDGYRJDGRGLVVHTXHRPLQLVWUR /XL])X[VHFRQIXQGHDRTXHUHUFRQGHQDUVHXFOLHQWHVHPSURYDVTXDQGRQDYHUGDGHHOHÂľFRPHWHXDSHQDVFRUUXSomRSDVVLYDÂś

'HIHQVRULDUXUDO 0HVPRDIDVWDGRSRUWUDWDPHQWRFRQWUDFkQFHURPLQLVWURGD$JULFXOWXUD 0HQGHV5LEHLUR 30'% UHFRPHQGRXDRQRYRSUHVLGHQWHGD(PEUDSD 0DXUtFLR/RSHVTXHLQWHQVLÂżTXHDVDo}HVQRSODQRLQWHUQDFLRQDOHDSRLR DRGHVHQYROYLPHQWRGDVSURSULHGDGHVUXUDLVEUDVLOHLUDV

Ring 9DLFRPHoDUXPDEULJDIHLDQR5LRSyVHOHLo}HV2VHQDGRU/LQGEHUJK 37 DFXVDR30'%GHPDQREUDUVXDFRQGHQDomRSRULPSURELGDGH DGPLQLVWUDWLYDTXDQGRSUHIHLWRGH1RYD,JXDoX

(XVRXRFDUD 26HQDGR)HGHUDOSUHSDUDXPDH[SRVLomRVREUHROHJDGRGH-RVp 6DUQH\ 30'%$3 SDUDRSDtVRDWXDOSUHVLGHQWHGD&DVD1HQKXPD FLWDomRDRXWURVFRPDQGDQWHVGR&RQJUHVVR

3LDGLVWD (FRORJLVWDFRQYLFWRGHVGHTXHGHL[RXRSRGHURH[YLFHSUHVLGHQWH DPHULFDQR$O*RUHGHSDVVDJHPSRU6mR3DXORPRVWURXLPDJHQVGH WHUP{PHWURVHPYiULDVFLGDGHVGRPXQGRFRPWHPSHUDWXUDVGHž QD&KLQDžQR,UDTXHHžQR.XZDLW0DVGRV(8$QDGD

(IHLWRSDUDOHOR 1RFDORUGRMXOJDPHQWRGRPHQVDOmRRVDGYRJDGRVS~EOLFRVIHGHUDLVGH WRGRRSDtVGHEDWHPHP%UDVtOLDGHTXDUWDDVH[WDRFRPEDWHjFRUUXSomRQXPHQFRQWURQDFLRQDOFRPSUHVHQoDGRMXULVWDHVSDQKRO1LFROiV 5RGULJXH]*DUFLDDXWRULGDGHQRDVVXQWR

2OKHLUR 2SUHVLGHQWHGD$XWRULGDGH3~EOLFD2OtPSLFD0DUFLR)RUWHVSDVVRX SRU3RUWR$OHJUHSDUDDVVLVWLUDRVHPLQiULRGD)LIDVREUH6HJXUDQoDH 7UDQVSRUWH&RQVLGHUDWHPDVFKDYHSDUDRV-RJRVGH(P IRL)RUWHVFRPRPLQLVWURGDV&LGDGHVTXHPDVVLQRXR3$&GD0RELOLGDGHGD&RSD

&REHUWXUDMDSRQHVD 2VPLOPHWURVTXDGUDGRVGDFREHUWXUDGRQRYRHVWiGLRGH%UDVtOLD HVWmRHPFRQVWUXomRQXPDSHTXHQDFLGDGHGR-DSmR6HUmRHPEDUFDGRVGHQDYLRHPGRLVPHVHVSDUDR%UDVLO

3RQWR)LQDO $RFRQFHGHUSUrPLR1REHOGH/LWHUDWXUDDFDGDDQRFRPYLpVPDLV SROtWLFRD$FDGHPLD5HDOGD6XpFLDPRVWUDTXHQmRFRQKHFHQDGDGD OLWHUDWXUDEUDVLOHLUD

Com 0$UFRV6HDEUDH9LQLFLXV7DYDUHV ZZZFROXQDHVSODQDGDFRPEU FRQWDWR#FROXQDHVSODQDGDFRPEU TZLWWHU#OHDQGURPD]]LQL

SANDRO LIMA

CADU EPIFĂ‚NIO EDITOR DE POLĂ?TICA

O

prefeito eleito de MaceiĂł e ainda deputado federal Rui Palmeira (PSDB) jĂĄ tem em mente como serĂĄ sua gestĂŁo na capital alagoana. O tucano nĂŁo tem medo algum de qualquer comparação com o maior lĂ­der do PSDB em Alagoas, o governador Teotonio Vilela Filho. Rui faz questĂŁo de enfatizar que vai aproveitar o melhor deixado por CĂ­cero Almeida, chefe do Executivo municipal que dĂĄ adeus a Prefeitura apĂłs quase oito anos de gestĂŁo, assim como irĂĄ aprender com outras gestĂľes municipais espalhadas pelo paĂ­s. MĂĄgoas de ‘fogo amigo’ ou de adversĂĄrios polĂ­ticos, o prefeito eleito de MaceiĂł garante que nĂŁo tem. Ao seu estilo, cortĂŞs e calmo, Rui Palmeira dĂĄ sinais que nĂŁo pretende governar de modo pirotĂŠcnico e chamativo. Desde jĂĄ anunciou que vai priorizar o servidor pĂşblico da Prefeitura de MaceiĂł, alĂŠm de tentar reverter os perversos Ă­ndices da SaĂşde municipal. Respeitando as biograĂ€DVGHVHXSDL*XLOKHUme Palmeira - e seu tio - Vladimir Palmeira - de correntes ideolĂłgicas distintas, Rui, como herdeiro do legado de ambos, diz que hoje o povo quer saber de resultados, nĂŁo de correntes polĂ­ticas. “O que vale ĂŠ posto de saĂşde atendendo decentemente, transporte pĂşblico de qualidade e resultadosâ€?.

Tribuna Independente - Algo da gestĂŁo de CĂ­cero Almeida(PSD) serĂĄ reaproveitado pelo sr.? Rui Palmeira - SĂŁo inegĂĄveis os avanços da gestĂŁo do prefeito CĂ­cero Almeida, com destaque para algumas obras viĂĄrias. Nossa gestĂŁo serĂĄ uma gestĂŁo comprometida com o bem-estar de nossa população, com foco e atenção especial ao desenvolvimento humano, com investimentos essenciais em infraestrutura e um visĂŁo de que planejamento e respeito aos recursos pĂşblicos sĂŁo componentes vitais de qualquer administração pĂşblica. Neste sentido as experiĂŞncias de sucesso da atual gestĂŁo serĂŁo, sim, preservadas. Vamos avançar nas conquistas, de mĂŁos dadas com a sociedade. T.I. - Depois de receber ataques de Ronaldo Lessa (PDT), o acusando de ‘força do atraso’, e atĂŠ do fogo amigo, do colega de base palaciana Jeferson Morais (DEM), alguma mĂĄgoa ou UHVVHQWLPHQWRĂ€FRX" Rui Palmeira - Em toda a campanha respeitei todos os adversĂĄrios, sem exceção, porque sempre considerei e considero todas as candidaturas dignas de respeito. Alagoas conhece minha trajetĂłria polĂ­tica e a trajetĂłria polĂ­tica de minha famĂ­lia. 6HPSUH Ă€]HPRV SROtWLFD

“““ Rui avisou que serĂĄ o prefeito de todos os maceioenses e nĂŁo vai distinguir classes ou segmentos

Não temo comparaçþes [Com Vilela]. Tenho o apoio do governador, assim como de outras lideranças políticas de destaque em Alagoas. Nosso estado precisa se unir�

Pretendo deixar Maceió com indicadores sociais e humanos melhores que os atuais e com uma infraestrutura apta ao GHVDÀRGHVHUXPDFLGDGH com mais de 1 milhão de habitantes�

RUI PALMEIRA PREFEITO ELEITO DE MACEIĂ“

RUI PALMEIRA PREFEITO ELEITO DE MACEIĂ“

para o bem do povo e sem mĂĄgoas, sem ressentimentos. Fizemos uma campanha propositiva, limpa, apresentando propostas viĂĄveis e necessĂĄrias para MaceiĂł. Nossa vitĂłria foi a vitĂłria da democracia e da vontade da maioria dos eleitores. Serei o prefeito de todos e trabalharei por todos. T.I. - Alagoas agora tem seus dois modelos de gestĂŁo mais destacados - MaceiĂł, por ser a capital, e o governo do Estado, por motivos Ăłbvios - baseados na liberal democracia tucana. O que de certo no Estado pode ser aplicado no MunicĂ­pio. E o que de errado pode servir de exemplo a nĂŁo ser seguido? Rui Palmeira - Como disse, serei o prefeito de todos e trabalharei por todos, aproveitando experiĂŞncias de gestĂŁo de sucesso, nĂŁo sĂł alagoanas. É preciso ampliar esta anĂĄlise, porque nĂŁo se trata de “certoâ€? ou “erradoâ€?, ou de nos enquadrarmos em modelos de gestĂŁo. Nossa administração terĂĄ pilares. Por exemplo, um deles serĂĄ a atenção integral ao desenvolvimento humano, com investimentos e melhoria na saĂşde, na educação e na assistĂŞncia social. Vamos investir em infraestrutura, com planejamento, sustentabilidade e visĂŁo de longo prazo. Vamos respeitar os recursos pĂşblicos. E, fundamentalmente, vamos valorizar o servidor pĂşblico, porque nĂŁo se faz gestĂŁo pĂşblica sem servidor pĂşblico motivado, capacitado e remunerado dignamente.

T.I. - O sr. se considera um tucano nato, de bico longo, ou um tucano mais a esquerda, mais vanguardista e aberto a opiniþes. Pois dentro de casa, hå dois exemSORVXP*XLOKHUPH3DOPHLra - seu pai - de Centro - e seu tio, Vladimir Palmeira, um dos ícones do movimento esquerdista brasileiro. Rui Palmeira - Com humildade, considero-me um político que busca o diålogo e a inovação, agregando ideias e pessoas. Creio que não se faz política de outra forma. Tenho imenso orgulho das KLVWyULDVHGDVELRJUDÀDVGH meu pai e de meu tio. Acredito tambÊm que determinados rótulos não se adequam mais à realidade política e às necessidades das gestþes públicas modernas. O povo quer resultados, que se traduzem em postos de saúde funcionando decentemente, avanços na educação, transporte público de qualidade com tarifa digna... Vejo que felizmente os partidos políticos brasileiros estão amadurecendo e o foco tem que ser promover melhorias para a população. T.I. - O sr. teme comparaçþes com o governo Teotonio Vilela? Rui Palmeira - O governador Teotonio Vilela assumiu o governo com uma siWXDomR ÀVFDO GLItFLO H WHP VH esforçado ao måximo para promover os avanços que Alagoas tanto almeja. Não temo comparaçþes. Tenho o apoio do governador, assim como de outras lideranças políticas de destaque em

O povo quer postos de saúde funcionando, avanços na educação, transporte de qualidade com tarifa digna. Vejo que felizmente os partidos estão amadurecendo e o foco tem que ser promover melhorias� RUI PALMEIRA PREFEITO ELEITO DE MACEIÓ

Alagoas. Nosso Estado precisa se unir em torno de um projeto de desenvolvimento, unindo todos, inclusive, nossa bancada federal. E Maceió serå uma das cidades líderes neste processo. T.I. - Jå vislumbra seu principal obståculo na Prefeitura? Rui Palmeira - Hå deVDÀRV H HQWUH HOHV R IDWR de que as soluçþes necessitam ser estruturadas, integradas e planejadas, e isso não se faz da noite para o dia. Mas minha motivação Ê maior do que qualquer obståculo. Nossa equipe, nossos servidores e nossa população farão, juntas, uma grande gestão. Não tenho dúvidas. T.I. - E seu principal sonho? Algum projeto audacioso, inovador, guardado na manga? Rui Palmeira - Meu sonho Ê ver Maceió e nossa gente com uma melhor quaOLGDGH GH YLGD DR ÀQDO GH nossa gestão. Na campanha apresentei vårias propostas, todas viåveis, todas necessårias. Para alÊm destas, vamos agregar, somar e unir esforços com projetos que façam nossa cidade avançar. T.I. - Como pretende deixar Maceió após sua saída? Rui Palmeira - Pretendo deixar Maceió com indicadores sociais e humanos melhores que os atuais e com uma infraestrutura DSWD DR GHVDÀR GH VHU XPD cidade com mais de 1 milhão de habitantes. Nossa cidade merece o melhor. E Ê isso o que vamos fazer.


TRIBUNAINDEPENDENTE

Conjuntura

FLAVIO GOMES DE BARROS - ÀDYLRJE#LJFRPEU

Resposta Ă altura

A

SURSyVLWRGDFDUWDS~EOLFDGH0LUXQD*HQRtQRHVFUHYHX0DULD Helena Rubinato Rodrigues de Sousa: “Embora solidĂĄria com seu sofrimento, como uma das cidadĂŁs a quem sua carta ĂŠ dirigida, nĂŁo posso me furtar a respondĂŞ-la com muita franqueza. Estranho seria se vocĂŞ, que teve um pai amoroso e que vĂŞ esse pai ser um avĂ´ dedicado e apaixonado por seus netos, nĂŁo o defendesse. Mas pare e pense: vocĂŞ acredita mesmo que nossa Imprensa odeia o governo /XODDSHQDVSRUTXHHVVHFLGDGmRHUDXPRSHUiULR"9RFrUHDOPHQWH acha que todos os membros da Imprensa nacional sĂŁo aristocratas que RGHLDPDSOHEH"6HUiTXHYRFrQmRVHOHPEUDGDIRUoDHGDWRUFLGDGD maior parte da Imprensa pela anistia e do prazer com que ela relatou a YROWDGRVH[LODGRV"ej,PSUHQVDDRVVHXVMRUQDOLVWDVHUHSyUWHUHVTXH devemos, em grande parte, a maior parte, aliĂĄs, a queda da ditadura. Se nossos jornalistas nĂŁo encampassem a luta contra os militares, nĂłs DLQGDHVWDUtDPRVVREVHXMXJR$LQGDKiDOXFLQDGRVTXHJULWDP6HOYD Mas veja vocĂŞ que a grande Imprensa nĂŁo lhes dĂĄ guarida. Seu pai cometeu um grave erro: seguir cegamente uma ideologia e acreditar que o PT seria o partido certo para implantar essa ideologia. E nĂŁo perceber que estava seguindo dois homens que tinham um interesse apenas: o poder pessoal. A qualquer preço. VocĂŞ jĂĄ se perguntou para que eles TXHULDPHVVHSRGHU"&RQYLYHFRPHOHV"6mRKRPHQVSURERVWDOTXDO VHXSDL"9LYHPYLGDVLPSOHVHUHJUDGDFRPRVHXSDLHVXDIDPtOLD"(OHV VHGLVSXVHUDPDLQRFHQWDUVHXSDLFRQIHVVDQGRHPMXt]RTXHHOHIRL YtWLPDGHXPHVTXHPDWHQHEURVR"1mROKHSDVVDSHODFDEHoDTXHVHX SDLIRLPXLWRLQJrQXR"6LQWRPXLWRSHORVHXVRIULPHQWR0DVSHQVRTXH VXDFDUWDGHYHULDVHUGHVWLQDGDDR/XODHDR-RVp'LUFHX´

Constatação Sempre com votaçþes bem expressivas, Galba Novaes, presidente da Câmara Municipal de Maceió, demonstrou mais uma vez ser bom de XUQD'HSRLVGHYiULRVPDQGDWRVODQoRXR¿OKR Galba Neto sucessor (foi o 3º mais votado) e resolveu ser candidato a prefeito. Ficou em 3º lugar, atrås de Rui Palmeira e do candidato do 3'7 5RQDOGR/HVVD-XUDQGLU%yLD FRP votos, mesmo sem estrutura e sem apoio.

Civilidade (VIULDGRVRVkQLPRVGDFDPSDQKDRSUHIHLWR&tFHUR$OPHLGDUHFHEH DPDQKmjVKRUDVHPVHXJDELQHWHRVHXVXFHVVRU5XL3DOPHLUD (PSDB). A agenda prevê conversaçþes sobre o processo de transição SDUDDJHVWmRDVHULQLFLDGDHPMDQHLURGHeRSULPHLURHYHQWR SROtWLFRGHTXH5XLSDUWLFLSDGHVGHTXHIRLDQXQFLDGRHOHLWR

PĂŠ quente O Clube Amigos de Ipioca se deu bem de novo nas urnas. Eduardo &DQXWRHP0DFHLyH$OELQR-~QLRUHP3DULSXHLUDIRUDPHOHLWRVPDLV uma vez para exercer mandato de vereador. E o deputado federal Rui 3DOPHLUDTXHSDUWLFLSDYDGR&$,TXDQGRHVWDYDQD$VVHPEOHLD/HJLVODWLva, deve voltar a campo, agora eleito prefeito de MaceiĂł.

Novidade A grade da TV Mar passa a contar, a partir de amanhĂŁ, com o programa “Conjunturaâ€?, com entrevistas sobre temas atuais, a ser exibido todas as VHJXQGDVIHLUDVGDVjVKRUDV2SULPHLURHQWUHYLVWDGRp7HRWRQLR Vilela Filho. O governador analisa o resultado das eleiçþes em Alagoas e fala sobre as perspectivas do Estado.

Na real 3DUDRVSUHIHLWRVSDVVDGDDHOHLomRDYH]pGHIDODUGHFULVHÂżQDQFHLUD (VVHpRWHPDGDUHXQLmRGHDPDQKmjVKRUDVQD$VVRFLDomRGRV 0XQLFtSLRV$ODJRDQRV8PWpFQLFRGD&RQIHGHUDomR1DFLRQDOGRV0XQLFtSLRVLUiIDODUVREUHDVLWXDomR3DUDRSUHVLGHQWHGD$0$3DOPHU\ 1HWRRVSUHIHLWRVHVWmRHPGLÂżFXOGDGHVSDUDIHFKDUDVFRQWDV

Nos ares A partir de amanhĂŁ, MaceiĂł ganha mais um voo regular diĂĄrio, com o LQtFLRGDVDWLYLGDGHVGD$YLDQFDÂŹVKRUDVQRDXGLWyULRGR$HURSRUWR =XPELGRV3DOPDUHVRVGLULJHQWHV-RVp(IURPRYLFKH7DUFtVLR*DUJLRQLH RJRYHUQDGRU7pR9LOHODLUmRFRQFHGHUHQWUHYLVWDÂŹVKRUDVQR&HQWUR GH&RQYHQo}HVRFRUUHUiRODQoDPHQWRRÂżFLDO

Bom negócio 0DLVXPDFRQTXLVWDGD%UDVNHP$HPSUHVD¿UPRXFRQWUDWRFRPD2$2 1RYDWHNVHJXQGDPDLRUSURGXWRUDGHJiVGD5~VVLD$SDUWLUGHVVH negócio, poderå importar um milhão de toneladas de nafta produzidas QRFRPSOH[RSHWUROtIHURGH8VW/XJD&RPLVVRD%UDVNHPYDLUHFHEHU matÊria-prima e qualidade, com preços competitivos.

“

Quando vota, o ministro procede de acordo com sua consciência, apenas isso. Não tem por que seguir o voto da maioria se não concorda com ele. Louve-se sua independência. E respeite-se suas escolhas.� RICARDO NOBLAT -RUQDOLVWDHPVHXEORJQR*ORERRQOLQHDLQGDD respeito do julgamento do Mensalão

2FDQWRUHFRPSRVLWRUDODJRDQR-~QLRU$OPHLGDFRPTXDVHDQRVGH carreira, ĂŠ o personagem de hoje do programa “Aplausoâ€?, das 10 horas DRPHLRGLDQD(GXFDWLYD)01RVHXSUy[LPRiOEXP-~QLRUWHUiD SDUWLFLSDomRGH1H\0DWRJURVVR *AmanhĂŁ, no programa “Pauta Especialâ€?, Ă s 20 horas, na TV Educativa, o jornalista Elias Ferreira entrevista Adriano Aubert Barros, que ĂŠ o coordenador do ObservatĂłrio AstronĂ´mico do Cepa. Em pauta, os corpos celestes e o fenĂ´meno do Ăşltimo dia 22. *A Prefeitura de MaceiĂł estĂĄ oferecendo 831 vagas no concurso para a iUHDGHVD~GH$VLQVFULo}HVVHUmRHQFHUUDGDVDPDQKmQRVLWHZZZFRSHYHXIDOEU$VYDJDVVmRSDUDRVQtYHLVIXQGDPHQWDOPpGLRHVXSHULRU $SURYDpHPGHQRYHPEUR *A Secretaria de Estado da Pesca e de Aquicultura realiza, de 5 a 8 de novembro, o SeminĂĄrio Alagoano de Aquicultura, no Centro de Convençþes, em JaraguĂĄ. O tema do evento ĂŠ “Empreendedorismo em aquiculturaâ€?. Informaçþes:www.pesca.al.gov.br. *â€?ComĂŠdia em Preto e Brancoâ€?, com Marcelo Marrom e Rodrigo Capella, pDDWUDomRGHKRMHDSDUWLUGDVKRUDVQR7HDWUR*XVWDYR/HLWHGR Centro de Convençþes de MaceiĂł. Mais informaçþes: 8821-7727.

0$&(,Ă?'20,1*2 DE OUTUBRO DE 2012

POLĂ?TICA

3

PĂłs-eleiçþes: derrotados seguem com a vida Fracasso nas urnas nĂŁo abateu candidatos e eles retomam sua rotina diĂĄria REPRODUĂ‡ĂƒO

NIGEL SANTANA REPĂ“RTER

R

epensar erros, avaliar acertos, voltar Ă rotina normal. Essa ĂŠ a situação de quem nĂŁo conseguiu ĂŞxito na disputa SHOD 3UHIHLWXUD GH 0DFHLy na recente eleição, hĂĄ exatamente uma semana. NĂŁo adianta achar culpados ou nomear inocentes. O jogo da polĂ­tica ĂŠ este mesmo, com e sem contestaçþes. O primeiro candidato a deixar as eleiçþes na capital, sem sequer ter seu nome FRQĂ€UPDGR QDV XUQDV IRL Ronaldo Lessa (PDT), que se deparou com a manutenomRGRLQGHIHULPHQWRGHVXD candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Como disse em coletiva GH LPSUHQVD VHX IXWXUR D Âś'HXV SHUWHQFH¡ QR HQWDQWR Lessa deixa em aberto seu IXWXUR SROtWLFR DSyV R GXUR JROSHTXHVRIUHX “NĂŁo dĂĄ para abandonar a militância. É algo impossĂ­vel. Precisamos rever alguns conceitos polĂ­ticos para o IXWXUR SRUpP FRP D LQWHUvenção direta do JudiciĂĄrio DVLWXDomRĂ€FDPDLVHPEDUDoRVDÂľ SRQGHURX /HVVD DSyV D SURFODPDomR GD YLWyULD GH Rui Palmeira (PSDB), eleito SUHIHLWRGH0DFHLy

Jeferson Morais retorna a Assembleia e volta a TV; Apenas Ronaldo Lessa nĂŁo sabe o que irĂĄ fazer

O quarto colocado nas eleiçþes, o deputado estaduDO -HIHUVRQ 0RUDLV '(0  QmRID]PXLWRPLVWpULRVREUH VXDYLGDSROtWLFDDSyVRSOHLWR 0RUDLV UHWRUQD QD SUyxima semana à Assembleia Legislativa do Estado (ALE) e deve se dedicar aos as-

VXQWRVUHODFLRQDGRVjVD~GH S~EOLFDDOJRTXHHOHSUHVHQciou durante a campanha. Como deputado estadual, o democrata garante que estarĂĄ engajado na ComissĂŁo de Constituição e Justiça, da qual ĂŠ membro. “Tramita na ALE de cin-

do a seis projetos de minha autoria. Preciso saber como estå o andamento dessas TXHVW}HV¾DQDOLVD-HIHUVRQ AlÊm da labuta legislatiYD0RUDLVYROWDDFRPDQGDU o programa Fique Alerta em novembro, na TV Pajuçara, DÀOLDGDGD5HGH5HFRUG

BOM DESEMPENHO

&DQGLGDWRVDFUHGLWDPTXHQmRœÀ]HUDPIHLR¡ REPRODUĂ‡ĂƒO

Durante a campanha a GHSXWDGD IHGHUDO 5RVLQKD GD $GHIDO 37GR%  FRQVHguiu conciliar sua agenda na Câmara Federal, participando inclusive de sessþes. 2 ÀP GDV HOHLo}HV HP QDGD PRGLÀFDRULWPRGHWUDEDOKR da parlamentar que volta esta semana a Brasília. Na Câmara, Rosinha, que REWHYHSRXFRPDLVGHGH]PLO votos, deve concentrar seus HVIRUoRV QDV UHXQL}HV GDV comissþes de Seguridade Social e Família; e Direitos +XPDQRV H 0LQRULDV (P ambas, a participação da SDUODPHQWDUpHIHWLYDWHQGR em vista que as comissþes WUDWDP GH WHPDV UHIHUHQWHV DRV SUREOHPDV HQIUHQWDGRV SHORVGHÀFLHQWHV O saldo das eleiçþes Ê considerado positivo pelo 336 3HOD SULPHLUD YH] R partido elegeu vereadores nos três principais colÊgios eleitorais de Alagoas, sendo dois em Arapiraca, um em 0DFHLyHRXWURHP3DOPHLUD Najda Baia, Alexandre Fleming e Rosinha da Adefal se disseram satisfeitos com o resultado dos �ndios. A participação Agora, Nadja retorna as GH $ODJRDV ,IDO  (OH YROWD mostra que a esquerda não de Nadja Baía, então candiGDWD D SUHIHLWD HP 0DFHLy DWLYLGDGHV GH GHIHQVRUD S~- a lecionar esta semana em IH] DSHQDV FUtWLFDV ´$SUHsentamos propostas para 0XULFL WDPEpPIRLEHPDYDOLDGD$ blica na Paraíba. Na conjuntura política, uma verdadeira mudança. Jå Alexandre Fleming conquista de 5.582 votos, segundo o partido, revela que (PSOL), tido como uma das Fleming disse estar mui- O PSOL Ê outro partido gramuita gente queria dignida- revelaçþes da política em WR IHOL] FRP RV  YRWRV ças a essa campanha que GH SDUD 0DFHLy  VORJDQ GD 0DFHLy p SURIHVVRU GH KLV- recebidos. Ele analisa que deu muito trabalho aos adWyULD GR ,QVWLWXWR )HGHUDO D FRQÀDQoD QHOH GHSRVLWDGD versårios�, declarou. (N.S) candidata do PPS.

INDEFINIĂ‡ĂƒO

BENEDITO BENTES

Galba Novaes (PRB) foi o terceiro candidato mais votado das eleiçþes para o Executivo GH0DFHLy&RPR¿PGHODV Novaes voltarå a comandar as sessþes ordinårias da Câmara de Vereadores da capital, que em decorrência do pleito não vinham acontecendo. Galba ainda não se pronunciou o que farå em 2013, quando encerra o seu mandato. No entanto, ele não deixa a Câmara por inteiro. 6HX¿OKR*DOED1RYDHV1HWR (PMDB) foi eleito para exercer o seu primeiro mandato.

$SHVDUGHWHUÂżFDGRHP~OWLPR lugar nas eleiçþes, SĂŠrgio CabralGRQHyÂżWR33/DQDOLVD que sua candidatura foi uma H[SHULrQFLDJUDWLÂżFDQWHPHVPR com as adversidades a exemplo do tempo de guia eleitoral. A rotina do “SerjĂŁoâ€?, como ĂŠ conhecido no bairro do Benedito Bentes ĂŠ voltada a algumas atividades sindicais, como sempre revelou durante sua campanha. No bairro em que reside, WDPEpPDÂżUPDTXHLUiDWXDU mais em prol dos moradores da regiĂŁo alta de MaceiĂł.

Galba tambĂŠm nĂŁo sabe como serĂĄ 2013

Cabral vai se dedicar Ă parte alta da cidade


4

TRIBUNA,1'(3(1'(17(

POLĂ?TICA 0$&(,Ă?'20,1*2'(2878%52'(

%$572/20(8'5(6&+EDUWRORPHXBGUHVFK#KRWPDLOFRPEU

A depressĂŁo no mundo

D

HDFRUGRFRPD2UJDQL]DomR0XQGLDOGD6D~GHPDLVGHPLOK}HVGHSHVVRDVHPWRGRRPXQGRVRIUHPGHGHSUHVVmR6HJXQGR DVHVWLPDWLYDVGDHQWLGDGHDGRHQoDDFRQWHFHHPWRGDVDVUHJL}HV GRSODQHWDHQR~OWLPRDQRPDLVGHGDSRSXODomRVRIUHXFRPDHQIHUPLGDGH$LQGDGHDFRUGRFRPD206DVPXOKHUHVVmRPDLVSURSHQVDVDVRIUHUFRPDGHSUHVVmRGRTXHRVKRPHQVSRULVVRRQ~PHURGH PXOKHUHVDIHWDGDVpPDLVHOHYDGRTXHRGRVKRPHQVHLVVRVHGHYH SULQFLSDOPHQWHjGHSUHVVmRSyVSDUWRTXHDIHWDDWpXPDHPFDGDFLQFR PXOKHUHV$GHSUHVVmRpGLIHUHQWHGDVPXGDQoDVGHKXPRUPDLVFRPXQV (ODVHPDQLIHVWDSRUXPVHQWLPHQWRGHWULVWH]DTXHGXUDDWpGXDVVHPDQDVHLPSHGHDSHVVRDGHOHYDUXPDYLGDQRUPDO$LQGDGHDFRUGRFRP D206DGRHQoDpRUHĂ€H[RGHGLYHUVRVIDWRUHVVRFLDLVSVLFROyJLFRVRX ELROyJLFRV3RUYH]HVHVWiUHODFLRQDGDDSUREOHPDVItVLFRVFRPRGRHQoDV FDUGLRYDVFXODUHV3RGHDLQGDVHUFDXVDGDSRUSUREOHPDVHFRQ{PLFRV GHVHPSUHJRFDWiVWURIHVQDWXUDLVHDWpFRQĂ€LWRV1RVFDVRVPDLVDJXGRV DGHSUHVVmRSRGHOHYDUDRVXLFtGLR&HUFDGHXPPLOKmRGHSHVVRDVVXLFLGDVHDFDGDDQRQRPXQGRERDSDUWHHPGHFRUUrQFLDGDGHSUHVVmR2 WUDWDPHQWRGDGRHQoDFRPHoDFRPRSDFLHQWHDGPLWLQGRRSUREOHPDH EXVFDQGRDX[tOLRTXHSRGHVHUGRWLSRSVLFRVVRFLDOHIDUPDFROyJLFR2 WUDWDPHQWRH[LJHDSDUWLFLSDomRGHIDPLOLDUHVGRSDFLHQWHHGDVXDERD YRQWDGHHPEXVFDUDFXUD

Cuidados do pĂŠ diabĂŠtico 3URÂżVVLRQDLVPpGLFRVLQWHJUDQWHVGRSURJUDPD 6D~GHGD)DPtOLD 36) HVWmRVHQGRFDSDFLWDGRV SDUDGLDJQyVWLFRHWUDWDPHQWRGRVSDFLHQWHVGR FKDPDGRSpGLDEpWLFR(P0DFHLySURÂżVVLRQDLVMiÂż]HUDPR&XUVRGH$WHQomR,QWHJUDODR3DFLHQWHFRPR3p'LDEpWLFRHDWpIHYHUHLURGH DPHVPDFDSDFLWDomRDWLQJLUiRVSURÂżVVLRQDLVGR 36)GH6DQWDQDGR,SDQHPD3DOPHLUDGRVĂ‹QGLRV 3HQHGR$UDSLUDFDH&RUXULSH3DUDDUHDOL]DomR GRFXUVRIRLÂżUPDGRXPFRQYrQLRGDVHFUHWDULDGH(VWDGRGD6D~GHSRU LQWHUPpGLRGRVHFUHWiULR$OH[DQGUH7ROHGRGD$VVRFLDomR0pGLFD%UDVLOHLUD $0% SRUPHLRGRGLUHWRUGuilherme PittaHGR&RQVHOKR5HJLRQDO GH0HGLFLQDFRPRSUHVLGHQWH)HUQDQGR3HGURVD

Cuidados do pĂŠ diabĂŠtico 2 2(VWDGRGH$ODJRDVpRFDPSHmREUDVLOHLURHPDPSXWDo}HVHRSpGLDEpWLFRWRUQRXVHXPSUREOHPDGHVD~GHS~EOLFDGDtDQHFHVVLGDGHGRV SURÂżVVLRQDLVWUDWDUHPDGRHQoDFRPHÂżFLrQFLD2&XUVRYDLFRQWHPSODU DOpPGRVPpGLFRVRVHQIHUPHLURVWpFQLFRVHDX[LOLDUHVHPHQIHUPDJHP DOpPGRVDJHQWHVGHVD~GH$GRHQoDVHFDUDFWHUL]DSRUDOWHUDo}HVH FRPSOLFDo}HVRFRUULGDVLVRODGDPHQWHRXHPFRQMXQWRQRVSpVHQRV PHPEURVLQIHULRUHVGRVGLDEpWLFRV2IDWRVHGHYHDRVSUREOHPDVLPXQROyJLFRVGHFLFDWUL]DomRRQGHXPSHTXHQRIHULPHQWRSRGHVHWRUQDUD SRUWDGHHQWUDGDSDUDLQIHFo}HVTXHVHQmRIRUWUDWDGDDGHTXDGDPHQWH SRGHUHVXOWDUHPDPSXWDomR

Inscriçþes para supletivos )RUDPSURUURJDGDVDWpRSUy[LPRGLDDVLQVFULo}HVSDUDRVLQWHUHVVDGRVHPFRQFOXLURVHVWXGRVSRUPHLRGRV([DPHV6XSOHWLYRVFXMDV SURYDVVHUmRDSOLFDGDVQRVGLDVHGHQRYHPEUR$LQVFULomRpJUDWXLWDHSRGHVHUIHLWDQRVPXQLFtSLRVGH0DFHLy6mR0LJXHOGRV&DPSRV 3DOPHLUDGRVĂ‹QGLRV9LoRVD$UDSLUDFD6DQWDQDGR,SDQHPD8QLmRGRV 3DOPDUHV3mRGH$o~FDU3HQHGR3RUWR&DOYR'HOPLUR*RXYHLDH5LR /DUJR3DUDRVH[DPHVGR(QVLQR)XQGDPHQWDODLGDGHPtQLPDH[LJLGD pGHDQRVHSDUDR(QVLQR0pGLR(VWDpDVHJXQGDRSRUWXQLGDGH TXHD6HFUHWDULDGH(GXFDomRUHDOL]DRVH[DPHVVXSOHWLYRVQHVWHDQR GH2HGLWDOGRH[DPHHDRPDQXDOGRFDQGLGDWRHVWmRQRVLWHZZZ HGXFDFDRDOJRYEU

O preço do lazer 2VJDVWRVFRPRVSURGXWRVWtSLFRVGROD]HUGREUDVLOHLURÂżFDUDPEHP PDLVFDURVQRVSULPHLURVQRYHPHVHVGHVWHDQRVHJXQGRR,%*('H XPDOLVWDGHSURGXWRVHVHUYLoRVGHFRQVXPRHVSHFLDOPHQWHHPGLDV GHIROJDVXELUDPDFLPDGRtQGLFHGHLQĂ€DomRQRDFXPXODGRGHMDQHLUR DVHWHPEUR2VGRLVSURGXWRVTXHWLYHUDPRVPDLRUHVDXPHQWRVIRUDPR VRUYHWH  HDFHUYHMD  0DVWDPEpPDXPHQWRXEDVWDQWHR HVWDFLRQDPHQWR  RFLQHPD  HDUHIHLomRIRUDGHFDVDTXH VXELXHPPpGLD7RGRVHVWHVSURGXWRVVXSHUDUDPR,3&$TXHpR tQGLFHRÂżFLDOGDLQĂ€DomRHTXHVXELXQRPHVPRSHUtRGR

Ração alagoana 2r[LWRREWLGRQDLPSODQWDomRGRSURMHWRSLORWRGR3URJUDPDGH$YLFXOWXUD)DPLOLDUGHVHQYROYLGRHQWUHD8QLYHUVLGDGH)HGHUDOGH$ODJRDVH DYLFXOWRUHVGH6DQWDQDGR,SDQHPDDFDERXSURSRUFLRQDQGRRXWUDVDo}HV FRQMXQWDV8PDGHODVIRLDIRUPDHQFRQWUDGDSDUDEDUDWHDURFXVWRGD DOLPHQWDomRGDVDYHVDGTXLULGDVQRGHFRUUHUGRSURJUDPD)RLGHVHQYROYLGDXPDUDomRjEDVHGHH[WUDomRGHQXWULHQWHVGDVIROKDVHGDUDL]GD PDFD[HLUDPLVWXUDGRVDLQJUHGLHQWHVFRPRPLOKRHIDUHORGHVRMD SDUD TXHQmRKDMDLQVX¿FLrQFLDGHYLWDPLQDVHQXWULHQWHV 2DOLPHQWRSRVWHULRUPHQWHpPLVWXUDGRjUDomRFRQYHQFLRQDOHGLVWULEXtGRjVDYHV&RPR DFXOWXUDGDPDFD[HLUDpEDVWDQWHH[SUHVVLYDQR$JUHVWHDODJRDQRKRXYH XPVHQVtYHOEDUDWHDPHQWRGRVFXVWRVGHDOLPHQWDomR

NeurĂ´nios da memĂłria 3HVTXLVDGRUHVGD8QLYHUVLGDGH)HGHUDOGR5LR*UDQGHGR1RUWHHGD 6XpFLDGHVFREULUDPTXDLVRVQHXU{QLRVTXHFRQWURODPDPHPyULDRTXH SRGHUiVHUPXLWR~WLOQDEXVFDGHUHPpGLRVPDLVHÂżFD]HVFRQWUDGRHQoDV DLQGDVHPFXUDFRPRR0DOGH$O]KHLPHUHDHVTXL]RIUHQLD2HVWXGRIRL IHLWRHPODERUDWyULRFRPFDPXQGRQJRVWUDQVJrQLFRVTXHSURGX]HPXPD SURWHtQDGHDOJDVHQVtYHOjOX]RTXHUHVVDOWDRVQHXU{QLRVHVWXGDGRVQR KLSRFDPSRUHJLmRGRFpUHEURRQGHÂżFDDPHPyULD(VWDVFpOXODVTXDQGR HVWLPXODGDVID]HPFRPTXHDVPHPyULDVVHMDPDWLYDGDV$VFpOXODV WDPEpPVmRVHQVtYHLViQLFRWLQD2GHVDÂżRpSURGX]LUXPPHGLFDPHQWR SDUHFLGRFRPDVXEVWkQFLDPDVVHPVHXVHIHLWRVQRFLYRV ‡6HH[LVWHDOJRDVHUGHVWDFDGRQHVWH%UDVLOHLUmRpDH[FHOHQWHSDUWLFLSDomRGHMRJDGRUHVTXHMiXOWUDSDVVDUDPDEDUUHLUDGRVDQRV(OHV VmRQRUPDOPHQWHRVGHVWDTXHVGHVHXVWLPHVTXHUSHODUHJXODULGDGH TXHUSHODFDSDFLGDGHWpFQLFDHDWpSHODH[SHULrQFLD ‡$SDUWLFLSDomRGHOHVQRFDPSHRQDWRDFDEDFRPDPi[LPDGHTXHR MRJDGRUDRSDVVDUDFDVDGRVDQRVFRPHoDDVHUÂłXPH[FUDTXH DLQGDHPDWLYLGDGH´2VH[HPSORVHVWmRDt5RQDOGLQKR*D~FKR-XQLQKR 3HUQDPEXFDQR'HFR/HRQDUGR6LOYD6HHGRUIHWDQWRVRXWURV ‡3DUDDOJXQVÂżVLRORJLVWDVQmRH[LVWHMRJDGRUYHOKRPDVVLPMRJDGRUPDO FXLGDGR(PWHUPRVÂżVLROyJLFRVGHPDWXUDomRGRVLVWHPDQHUYRVRHPXVFXODURMRJDGRUFKHJDDRDXJHDRVDQRV(QWmRGHSRLVGLVVRDLQGDp SRVVtYHOMRJDUHEHPDOpPGRV ‡&RQÂżUDDOJXQVH[HPSORVGR&DPSHRQDWR%UDVLOHLURGHVWHDQR6HHGRUI DQRV %RWDIRJR -XQLQKR3HUQDPEXFDQRDQRV 9DVFR 5RQDOGL QKR*D~FKRDQRV $WOpWLFR0* *LOEHUWR6LOYDDQRV *UrPLR =p 5REHUWRDQRV *UrPLR )HOLSHDQRV 9DVFR  ‡(DLQGD/HRQDUGR6LOYDDQRV $WOpWLFR0* 'HFRDQRV 9DVFR  (PHUVRQ6KHLNDQRV &RULQWKLDQV *XLQD]XDQRV ,QWHUQDFLRQDO  5HQDWR %RWDIRJR Ă‹QGLRDQRV ,QWHUQDFLRQDO 'LHJR)yUODQ DQRV ,QWHUQDFLRQDO 0DUFRV$VVXQomRDQRV 3DOPHLUDV 

MP de Contas na cola de prefeitos e vereadores 3DUDHYLWDUGHVOL]HVHP~OWLPRDQRGHPDQGDWRyUJmRVHVWmRGHROKRQRVJHVWRUHV ANDREZZA TAVARES 5(3Ă?57(5

D

ois mil e treze serĂĄ um ano de mudanças nos municĂ­pios de todo o paĂ­s, onde as prefeituras vĂŁo receber novos gestores ou aqueles que seguirĂŁo para seu segundo mandato. Preocupados com a transparĂŞncia das contas das prefeituras, sobretudo, neste Ăşltimo ano das gestĂľes, o MinistĂŠrio PĂşblico de Contas em Alagoas, vai recomendar a todos os prefeitos alagoanos e presidentes de Câmaras de Vereadores, que cumpram a cartilha do Tribunal de Contas do Estado, intitulada â€œĂšltimo ano de mandatoâ€?, alĂŠm da divulgação da folha de pagamento deste mĂŞs de outubro. A notĂ­cia foi dada em primeira mĂŁo pelo procurador do MP de Contas, Ricardo Schneider. “A recomendação ĂŠ para evitar que haja prejuĂ­zos para os futuros gestores e que eles nĂŁo encontrem a prefeitura ou a Câmara com irregularidades. NĂłs vamos ID]HU XPD Ă€VFDOL]DomR ULJRrosaâ€?, declarou o procurador. Segundo Schneider, a recomendação do MP de Contas chegarĂĄ aos prefeitos e presidentes das câmaras a

partir da prĂłxima semana, por meio de ofĂ­cio. “Vamos RĂ€FLiORV SHVVRDOPHQWH H eles terĂŁo atĂŠ 20 dias, apĂłs o recebimento, para nos fornecer a folha de pagamento deste mĂŞsâ€?, esclareceu o procurador, informando ainda que a partir daĂ­, as outras folhas (novembro e dezembro de 2012) deverĂŁo ser disponibilizadas em portais de transparĂŞncia como determina da Lei de Responsabilidade Fiscal, para municĂ­pios acima de 50 mil habitantes. “A divulgação das folhas de pagamento ĂŠ importante para acompanharmos a evolução das folhas, sabendo inclusive, o quanto foi gasto com cargos comissionados e prestadores de serviçosâ€?, contou Schneider. O procurador ressaltou que ĂŠ obrigação de todos os prefeitos apresentarem a prestação de contas anual. As contas de 2012 deverĂŁo ser apresentadas atĂŠ abril do ano seguinte, caso haja algum equĂ­voco, gestores receberĂŁo sançþes. “Dependendo da irregularidade, o prefeito pode ter as contas reprovadas, entrando para a OLVWDGRVœÀFKDVXMD¡WRUQDQdo-se inelegĂ­velâ€?, explicou Schneider quer evitar desmandos de reeleitos e derrotados Schneider.

â€˜ĂšLTIMO ANO DE MANDATO’

TCE disponibiliza cartilha para prefeitos em site Uma das recomendaçþes do MinistĂŠrio PĂşblico de Contas de Alagoas ĂŠ que os prefeitos cumpram a cartilha do Tribunal de Contas do Estado, disponibilizada em seu site: www.tce.al.gov. br, intitulada â€œĂšltimo ano de mandatoâ€?. A cartilha foi desenvolvida pelo TCE para orientar os prefeitos no derradeiro ano Ă frente dos municĂ­pios, e contĂŠm obrigaçþes e restriçþes do Poder Municipal prevista em lei. Para o Tribunal de Contas, o Ăşltimo ano de mandato requer uma atenção redobrada e cuidado com a autorização de despesas e outros atos administrativos. Dentre as restriçþes estĂŁo: a concessĂŁo de vantagens, aumento, reajuste ou adequação de remuneração; criação de cargo, emprego ou função; alteração de estrutura de carreira; provimento de cargo pĂşblico, admissĂŁo ou contratação de pessoal a qualquer tĂ­tulo; e contratação de hora extra. Todas essas restriçþes sĂŁo determinadas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e aquele que descumSULU SRGHUi Ă€FDU LQHOHJtYHO

por quatro anos. Extrapolação do limite para as despesas com pessoal no Ăşltimo ano de mandato tambĂŠm ĂŠ uma restrição que deve ser observada pelos gestores. AlĂŠm da Lei de Responsabilidade Fiscal, a cartilha destaca as vedaçþes da Lei Eleitoral, dentre elas: efetuar distribuição gratuita de bens; ceder ou utilizar bens mĂłveis ou imĂłveis do Poder PĂşblico; ceder servidor ou empregado pĂşblico ou usar os serviços destes em causas eleitorais; alĂŠm de realizar despesas com publicidade que excedam os limites permitidos. O procurador do MinistĂŠrio PĂşblico de Contas, Ricardo Schneider, informou que essa ĂŠ uma preocupação de todos os Tribunais de Contas do paĂ­s. “Com a cartilha do TCE, afasta a ideia da falta de informação por parte dos prefeitos, assim todos terĂŁo conhecimento da Leiâ€?, enfatizou. A cartilha â€œĂšltimo ano de mandatoâ€? ĂŠ curta e de fĂĄcil entendimento. Ela ĂŠ um guia para que os gestores municipais andem em cumprimento da Lei. (A.T.)

DĂ?VIDAS

LRF foi motivada por håbito cultural A Lei de Responsabilidade Fiscal /5) R¿FLDOPHQWH/HL&RPSOHPHQWDUQžp XPDOHLEUDVLOHLUD TXHWHQWDLPSRUR FRQWUROHGRVJDVWRVGHHVWDGRVH PXQLFtSLRVFRQGLFLRQDGRjFDSDFLGDGHGHDUUHFDGDomRGHWULEXWRV GHVVHVHQWHVSROtWLFRV7DOPHGLGDIRLMXVWL¿FDGDSHORFRVWXPHQD SROtWLFDEUDVLOHLUDGHJHVWRUHVSURPRYHUHPREUDVGHJUDQGHSRUWH QR¿QDOGHVHXVPDQGDWRVGHL[DQGRDFRQWDSDUDVHXVVXFHVVRUHV $/5)WDPEpPSURPRYHXDWUDQVSDUrQFLDGRVJDVWRVS~EOLFRV

SANDRO LIMA

VANDALISMO

Âś(OHVTXLPDPWXGRQRĂ€P GHPDQGDWR¡GL].DVSDU\ Mesmo com as leis que tratam sobre as restriçþes e obrigaçþes dos prefeitos, inclusive em seu Ăşltimo mandato, hĂĄ uma preocupação tambĂŠm, em relação aos prefeitos que nĂŁo conseguiram se reeleger nas eleiçþes municipais deste ano. “Eles queimam tudo no Ă€QDO GH PDQGDWR TXHEUDP cadeiras, tomadas, computadores... tudoâ€?, enfatizou a procuradora federal Niedja Kaspary, em recente entrevista Ă Tribuna Independente. Segundo a procuradora, os atos de vandalismo acontecem por que eles perderam eleição para seus adversĂĄrios polĂ­ticos e quebram tudo em sinal de revolta. â€œĂ‰ inconcebĂ­vel. NĂŁo existem em lugar nenhumâ€?, DĂ€UPRX.DVSDU\VDOLHQWDQdo que este tipo de conduta deve ser coibida e os ĂłrgĂŁos GH Ă€VFDOL]DomR GHYHP Ă€FDU atentos a essas transferĂŞncias de mandato. Niedja Kaspary contou que dentro do MinistĂŠrio PĂşblico Federal nĂŁo existe algo HVSHFtĂ€FR SDUD FRLELU HVVDV prĂĄticas, mas ressaltou que seria mais pertinente que o MinistĂŠrio PĂşblico Estadual

MARCO

Lei mudou modo de governar no paĂ­s $/5)REULJDTXHDVÂżQDQoDV VHMDPDSUHVHQWDGDVGHWDOKDGDPHQWHDR7ULEXQDOGH&RQWDV2 yUJmRSRGHDSURYDUDVFRQWDV RXQmR(PFDVRGDVFRQWDV VHUHPUHMHLWDGDVVHUiLQVWDXUDGDLQYHVWLJDomRSRGHQGR UHVXOWDUHPPXOWDVRXPHVPR QDSURLELomRGHWHQWDUGLVSXWDU QRYDVHOHLo}HV&ULDGRGXUDQWH RJRYHUQRGHFernando Henrique CardosoD/5)SURYRFRX XPDPXGDQoDVXEVWDQFLDOQD PDQHLUDFRPRpFRQGX]LGDD JHVWmRÂżQDQFHLUDGRVWUrVQtYHLV GHJRYHUQR

atuasse nesses casos, pois o ĂłrgĂŁo estĂĄ presente nos municĂ­pios. HISTĂ“RICO Para Denivaldo Targino, ex-presidente do Conselho Regional de Economia, caVRV GH SUHIHLWRV HP Ă€P GH mandato que queimam documentos ou depredam o patrimĂ´nio pĂşblico ĂŠ antigo. â€œĂ€ medida que a sociedade vai se desenvolvendo, vĂŁo cobrando dos prefeitosâ€?, contou. Um dos exemplos da histĂłria recente de Alagoas, aconteceu no municĂ­pio de Barra de Santo AntĂ´nio, no Litoral Norte do Estado, onde documentos de 2010 e 2011, da Câmara de Vereadores foram extraviados. De acordo com o advogado Pedro Jorge Bezerra, o ex-presidente do Legislativo Municipal, Marcos Rios, levou todos os documentos pĂşblicos da Casa. Crimes como este devem ser denunciados ao MP, para que ele possa entrar com açþes criminais e de improbidade administrativa. “Agora com a Lei da Ficha Limpa, essas açþes vĂŁo ter XP UHĂ H[R PDLRUÂľ OHPEURX Niedja Kaspary. (A.T.)


TRIBUNA,1'(3(1'(17(

0$&(,Ă?'20,1*2'(2878%52'(2012

POLĂ?TICA

5

‘Somos mais humanos, mais gente’ )UDVHpGHPRUDGRUDGD*URWDGR0RUHLUDEHQHÂżFLDGDSRUSURMHWRGD2$%$/TXHFRQFRUUHDR3UrPLR,QQRYDUH

Cotidiano LININHO NOVAIS - contato@lininho.com

1mRFDEHPDLV

O

s discursos agressivos de outrora estão sendo execrados paulati namente da vida política. Os juízes eleitorais coibiram essa pråtica de animosidade. Em seu lugar, a apresentação de propostas foi XPDWHQXDQWHGXUDQWHHVVHSHUtRGR7RGRVVDEHPTXHHVVHVGLVFXUVRV LQÀDPDGRVID]HPSDUWHGRUHSHUWyULRGHDOJXQVGHSXWDGRVHVWDGXDLV Em contrapartida, eles tiveram as respostas nas urnas quando o eleitor decidiu votar em quem tem projetos.

Anjos da guarda $PDQKmFRPHPRUDVHR'LDGR3URIHVVRUXPDGDWDTXHGHYHULDVHU festejada de forma honrada e com reconhecimentos por parte de todos os FLGDGmRVDHVWHVSUR¿VVLRQDLV,QIHOL]PHQWHDGDWDPXLWDVYH]HVSDVVD despercebida e sem muita importância. A todos os combatentes e lutado UHVTXHMDPDLVHVPRUHoDPGLDQWHGRVGHVD¿RVGDYLGDHSDUDEpQVSHOD data tão importante.

Desavença A família Beltrão conseguiu fazer quatro das cinco prefeituras que GLVSXWRXQR/LWRUDO6XOGH$ODJRDV2TXHHUDSDUDVHUXPFOLPDGHIHVWD DFDERXVHWRUQDQGRXPDVLWXDomRFRQÀLWXRVD2SUREOHPDpTXHHP&R ruripe entrarå o deputado federal Joaquim Beltrão (PMDB) para exercer o mandato de prefeito. Com isso, sai Marx Beltrão (PMDB), atual gestor, pronto para angariar votos para tentar se eleger deputado federal. A ideia não Ê muito benquista por Joaquim, que chegou à disputa na cidade porque basicamente não conseguiram fazer um sucessor.

Perigo A Polícia Federal divulgou um balanço das açþes que podem se trans formar em inquÊrito. E essas investigaçþes podem dar muita dor de cabeça aos eleitos. O crime mais citado, claro, foi o de compra de votos. E a suposta pråtica que mais chamou a atenção foi em Coruripe quando os agentes da PF entraram na residência do presidente da Câmara de 9HUHDGRUHVGDFLGDGHHDSUHHQGHUDP5PLOHPHVSpFLH0HVPRFRP o ato, o vereador, conhecido como Mesaque Padilha foi eleito. Caso se comprove o crime de compra de votos, ele pode atÊ perder o mandato.

Eu vou! 2YHUHDGRU&DUORV5RQDOVD 33 FRQVHJXLXHOHJHUVHX¿OKRHP0DFHLy para lhe suceder. Ele seria candidato a prefeito em Piaçabuçu, e atÊ jå estava se familiarizando com os moradores da pacata cidade. Com a HQWUDGDGH'MDOPD%HOWUmRQRSOHLWR5RQDOVDSHUGHXHVSDoR$R¿PGDV eleiçþes, Djalma não conseguiu retomar à prefeitura a qual geriu durante TXDWURDQRV&DUORV5RQDOVDSRUVXDYH]JDUDQWLX³1DSUy[LPDHOHLomR eu vou. E vou para vencer!�.

Renova OAB $FKDSD5HQRYD2$%HQFDEHoDGDSHORVDGYRJDGRV7KLDJR%RQÂżPH(G naldo Maiorano, realizarĂĄ, neste domingo (14), um evento em comemora omRDR'LDGDV&ULDQoDVHPHVSHFLDOSDUDRVÂżOKRVGHVHXVDSRLDGRUHV A festa, que ĂŠ gratuita, contarĂĄ com brinquedos e muita diversĂŁo, e acon WHFHUiDSDUWLUGRPHLRGLDQDVHGHGRFRPLWr5HQRYD2$%ORFDOL]DGRQD $YHQLGD6LOYLR9LDQD3RQWD9HUGHDRODGRGDFDIHWHULD1DNDIID

Apenas dois 'DDWXDOFRPSRVLomRGRSDUODPHQWRPXQLFLSDOHP3DOPHLUDGRVĂ‹QGLRV apenas dois vereadores conseguiram a reeleição – França JĂşnior e Marta Gaia. Os demais foram derrotados nas urnas, e dizem os especialistas que essa ‘onda do novo’ atingiu outras Câmaras municipais pelo interior.

Falando nisso... 2YHUHDGRUUHHOHLWR)UDQoD-XQLRU 36'% GHFODURXHPDOWRHERPVRP que sua vitória foi graças a sua família e tambÊm ao prefeito de Arapiraca, Luciano Barbosa (PMDB). França jå declara que estå com Barbosa para o que der e vier, e não importa a opinião de nenhum cacique da política alagoana.

Canto da derrota Muitos dos candidatos derrotados nas eleiçþes deste ano irĂŁo buscar instrumentos jurĂ­dicos para tentar de toda e qualquer forma comandarem ‘seus’ municĂ­pios. O Ăşnico alerta aos derrotados nas urnas ĂŠ que a Justiça jĂĄ demonstra nĂŁo interferir na vontade soberana que emanou do povo.

Em alta 2*RYHUQRGR(VWDGRWHPLQYHVWLGRPDFLoDPHQWHQDSXEOLFLGDGHGD6H FUHWDULDGH(GXFDomRÂąFRPDQGDGDSRU$GULDQR6RDUHV%DVWDGHPRUDU alguns minutos em frente Ă telinha para se deparar com uma “enxurradaâ€? de anĂşncios e divulgaçþes das açþes oriundas da pasta que mais sofre DWDTXHVQDJHVWmRGH7HRWRQLR9LOHOD

Acessado 2'HSDUWDPHQWR(VWDGXDOGH7UkQVLWRGH$ODJRDV 'HWUDQ$/ SRVVXL o site mais visitado dos ĂłrgĂŁos que compĂľem o Governo do Estado de $ODJRDVFRPXPDPpGLDGHPLOYLVLWDVPHQVDLVGHDFRUGRFRPR OHYDQWDPHQWRGLYXOJDGRSHOR,QVWLWXWRGH7HFQRORJLDHP,QIRUPiWLFDH,Q IRUPDomR ,WHF 2Q~PHURpGH]YH]HVPDLRUTXHRGRVHJXQGRFRORFDGR TXHpRVLWHGD6HFUHWDULDGH(GXFDomR

VITĂ“RIA

CosmĂŠlia conseguiu aval de Omar CosmĂŠlia FĂ´lha confessa que nĂŁo botava fĂŠ em seu projeto ser aprovado pela OAB/AL, pois segundo ela, advogados famosos disputavam o referendo do presidente Omar CoĂŞlho. Em 2010, ela conseguiu a aprovação e o projeto estĂĄ sendo tocado. Para se ter uma ideia da importância e do respeito do projeto na comunidade, a major Valdenize, do Programa de Erradicação das Drogas da PM, o Proerd, sĂł desceu a Grota, na companhia da advogada. “Antes a PM nem descia lĂĄâ€?, conta.

&257(6,$&'62$%$/

CADU EPIFĂ‚NIO (',725'(32/Ă‹7,&$

O

ÀOyVRIR JUHJR 3ODWmR DRHVFUHYHUR0LWRGD &DYHUQD Oi QD DQWLJXLGDGH GRV WHPSRV TXLV GL]HU TXH D VRFLHGDGH VHP FXOWXUD VHP LQIRUPDomR HVWi IDGDGD D HVFXULGmR D XPD YLGD PDUJLQDO H SHUYHUVD(RQGHLPSHUDDIDOWD GHLQIRUPDomRGHGLUHLWRVH GHYHUHVUHLQDDYLROrQFLDD GHVRUGHP 3RUpP QRV GLDV GH KRMH DLQGD WHPRV SHVVRDV TXH OXWDP SDUD TXH D OX] FKHJXH RQGH HOD GHYH FKHJDU &RVPpOLD ){OKD p XPD MRYHP DGYRJDGD SUHVLGHQWH GD &RPLVVmR GH 'LUHLWRV6RFLDLVGD2UGHPGRV $GYRJDGRV GR %UDVLO HP $ODJRDV &'6 GD 2$%$/  'HÀQLWLYDPHQWH HOD HVWi DMXGDQGR D OHYDU FRQKHFLPHQWR DRV PRUDGRUHV GD *URWD GR 0RUHLUD HP 0DFHLyHSRUWDEHODGHYROYHQGR VRUULVRVDRURVWRGHFULDQoDV VDOYDQGRDV GH XP GHVWLQR FUXHOHKDELWXDODWXDOPHQWH &RVPpOLD WRFD SUDWLFDPHQWHVR]LQKDRSURMHWR´(P %XVFDGR([HUFtFLR3OHQRGRV 'LUHLWRV 6RFLDLV¾ QD *URWD GR 0RUHLUD 'HVGH MXOKR GH   IDPtOLDV  VHQGR SHVVRDVDGXOWRV LGRVRV H  FULDQoDV  HVWmR UHFHEHQGR DSRLR GLUHWR

CosmĂŠlia FĂ´lha ĂŠ a responsĂĄvel por projeto que estĂĄ mudando a vida de 60 famĂ­lias na Grota do Moreira, em MaceiĂł

GRV DGYRJDGRV PHPEURV GD FRPLVVmR QR WRFDQWH GRV GLUHLWRV FLYLV TXH HOHV WrP ( QmR p GLItFLO VH HPRFLRQDU D FRQKHFHU D UHDOLGDGH GHVWH SURMHWR &ULDQoDV QmR WLQKD UHJLVWUR FLYLO H SDVVDUDP D WHUFRPDVRULHQWDo}HVGRSDOHVWUDV TXH D DGYRJDGD SURPRYHQDFRPXQLGDGH 1R UHODWyULR DSUHVHQWDGR SHOD FRPLVVmR &RVPpOLD UHODWRXLQFOXVLYHRFDVRGHXPD

FULDQoDFRPGHÀFLrQFLDPHQWDO TXH Vy FRQVHJXLX DFHVVR D XPD LQVWLWXLomR GH HQVLQR HVSHFLDOL]DGD SRU PHLR GH XPDSDUFHULDÀUPDGDFRPD 6RFLHDGH3HVWDOR]]LGH$SRLR D FULDQoDV HVSHFLDLV ´,VVR p TXHpJUDWLÀFDQWH¾GL]DDGYRJDGD &RPR QmR Ki UHPXQHUDomRQRSURMHWRRVHQYROYLGRV RID]HPGHIRUPDYROXQWiULD $ UHVSRQViYHO H[SOLFD TXH

HOHV ÀFDP FRQKHFHQGR GH IDWR FRPR R PXQGR p GLIHUHQWH GD YLROrQFLD TXH OKHV p WmR SUHVHQWH &RVPpOLD ){OKD KRMH FRPHPRUD RV UHVXOWDGRV DOFDQoDGRV FRP R SURMHWR TXH p LQRYDGRU HP WRGDV DV VHFFLRQDLV GD 2UGHPQR%UDVLO´1mRID]HPRV DVVLVWHQFLDOLVPR p XP SURMHWR TXH VHPSUH TXLV ID]HU DMXGDU DV SHVVRDV¾ GHL[RX FODUR

INNOVARE

,QLFLDWLYDFRQFRUUHDSUrPLRQDFLRQDO &RVPpOLD){OKDKRMHHVWi DQVLRVDHDWpVXUSUHVDFRPR DOFDQFHTXHVHXSURMHWRWHYH 2 ´(P %XVFD GR ([HUFtFLR 3OHQR GRV 'LUHLWRV 6RFLDLV¾ HVWi FRQFRUUHQGR DR 3UrPLR ,QQRYDUH FULDGR SDUD LGHQWLÀFDU SUHPLDU H GLYXOJDU SUiWLFDV LQRYDGRUDV GR 3RGHU-XGLFLiULRHDÀQV $ HPRomR GD SUHVLGHQWH YHP D WRQD TXDQGR HOD VHQWH D PXGDQoD GH SRVWXUD H FRPSRUWDPHQWR GRV FRQWHPSODGRV ´4XDQGR R GU 0DUFHOR %UDER >FRQVXOWRU

,QQRYDUHSDUD$ODJRDV@GHVFHX D JURWD H VHP QLQJXpP SHUJXQWDUTXHPHUDRSRYR GLVVHœpGRSURMHWRGD2$%" 1RVVDVHQKRUDDJRUDDJHQWH VH VHQWH PDLV KXPDQR PDLV JHQWH PHVPR¡ ,VVR IH] DVOiJULPDVGHVFHUHP¾HPRFLRQRXVH&RVPpOLD (OD FRQWD DLQGD TXH VH VHQWHUHDOL]DGDFRPRWUDEDOKRHQDUUDRXWUDKLVWyULDSHFXOLDUGRSURMHWR´$RLUHPDR 7HDWURGR6HVLQD3DMXoDUD DSDJDUDP D OX] H HOHV ÀFDUDPDVVXVWDGRVQmRVDELDP

R TXH ID]HU SHQVDYDP TXH HUD PLQKD FDVD QmR FRQKHFLDP QHP YDVR VDQLWiULR¾ UHVVDOWDQGR R DOWR tQGLFH GH YXOQHUDELOLGDGHVRFLDOGHOHV $WpSDUDD3ROtFLD0LOLWDU LU SDOHVWUDU VREUH FLGDGDQLD IRL GLItFLO ´4XDQGR HOHV VRXEHUDP TXH D 30 LD SDOHVWUDUPXLWDVFULDQoDVFKRUDUDPPDVWLYHTXHH[SOLFDU TXH HUD XPD SROtFLD FLGDGm TXHLULDGHIHQGrORV¾VDOLHQWRX &RVPpOLD GHVFUHYHQGR D GLÀFXOGDGHTXHIRLQRLQtFLR (QWUHWDQWR p QtWLGR TXH R

WUDEDOKRHVWiYDOHQGRDSHQD H DV EDUUHLUDV HVWmR FDLQGR ´HVWDPRV PXGDQGR KiELWRV FRVWXPHVHVWDPRVPRVWUDQGRFRPRpDYLGDVHXVGLUHLWRV H OHYDQGR FLGDGDQLD D HVVHSRYRTXHWDQWRSUHFLVD¾ 9HUGDGHLUDPHQWH QmR Ki SDODYUDV SDUD GHVFUHYHU R EHP TXH R SURMHWR HVWi OHYDQGR DR SRYR GD *URWD GR 0RUHLUDSRUpPÀFDRH[HPSORGHDEQHJDomRHLQLFLDWLYD SRSXODU TXH &RVPpOLD WHYH ´1mR Ki QDGD TXH SDJXH R TXHHVWDPRVID]HQGR¾ &(


6

OPINIAO

TRIBUNAINDEPENDENTE

MACEIĂ“ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012

OpiniĂŁo

Redução dos casos de AVC

D

ados do MinistÊrio da Saúde apontam redução de 32% da taxa de mortalidade por Acidente Vascular Cerebral (AVC) em pessoas de atÊ 70 anos, faixa etåria que concentra o maior número de mortes prematuras pela doença. Nos últimos dez anos, a taxa caiu de 27,3 para 18,4 mortes para cada 100 mil habitantes, o que representa uma redução mÊdia anual de 3,2%. Foram registrados 33.369 óbitos em 2010 nesta faixa etåria. No Brasil, esta doença estå entre as principais causas de morte. Este ano, o MinistÊrio da Saúde ampliou a assistência no Sistema Único de Saúde (SUS) às vitimas de AVC isquêmico e hemorrågico. Entre as novidades, estå a incorporação do trombolítico alteplase e a reestruturação dos serviços para tratamento e assistência. Aproximadamente 200 hospitais têm condiçþes de realizar atendimentos a pacientes com AVC, podendo ser habilitados como centros ou unidades que tratam as vitimas da doença. AlÊm disso, esses locais podem usar o medicamento alteplase para o tratamento às vitimas de AVC isquêmico. Com o aprimoramento da rede de atendimento, o MinistÊrio da Saúde quer intensiÀFDU D UHGXomR GD WD[D GH PRUWDOLGDGH SRU AVC. Pela política do MinistÊrio da Saúde, que instituiu este ano a Linha do Cuidado do AVC, o tratamento deve incluir, necessariamente, a rede båsica de saúde, SAMU 192,

unidades hospitalares de emergĂŞncia e leitos de retaguarda, reabilitação ambulatorial, ambulatĂłrio especializado, programas de atenção domiciliar. AtĂŠ 2014, serĂŁo investidos R$ 437 milhĂľes para ampliar a assistĂŞncia a vĂ­timas de AVC. Do total de recursos, R$ PLOK}HVYmRĂ€QDQFLDUOHLWRVKRVSLWDODUHV SerĂŁo criados 1.225 novos leitos nos 151 municĂ­pios onde estĂŁo os 231 prontos-socorros, responsĂĄveis pelo atendimento de urgĂŞncia e emergĂŞncia especializado em AVC. A aberWXUD GRV QRYRV OHLWRV VHUi GHĂ€QLGD HQWUH R governo federal, juntamente com estados e municĂ­pios. Outra parcela, R$ 96 milhĂľes, serĂĄ aplicada na oferta do tratamento com o uso de alteplase. O AVC ĂŠ uma das principais causas de mortes no mundo. Popularmente conhecido como derrame, a doença atinge 16 milhĂľes de pessoas no mundo a cada ano. Destes, seis milhĂľes morrem. Para enfrentar a epidemia silenciosa que ocorre no mundo, a Organização Mundial de SaĂşde (OMS) recomenda a adoção de medidas urgentes para a prevenção e tratamento da doença, com o objetivo de colocar o tema em destaque na agenda global de saĂşde. Os sintomas mais comuns para LGHQWLĂ€FDUR$9&VmRDSHUGDGHIRUoDPXVcular de um lado do corpo, fala enrolada, desvio da boca para um lado do rosto, sensação de formigamento no braço, dores de cabeça sĂşbita ou intensa, tontura, nĂĄusea e vĂ´mito.

EDUARDO GUIMARĂƒES Jornalista

NĂŁo calarĂŁo JosĂŠ Dirceu  GH RXWXEUR GH  Ă€FDUi registrado na histĂłria do paĂ­s como o dia infame em que um seu cidadĂŁo foi condenado politicamente pela mais alta instância do JudiciĂĄrio brasileiro, por um tribunal que deveria tĂŞ-lo julgado por critĂŠrios estritamente tĂŠcnicos. AtĂŠ as condenaçþes de certos membros do dito “nĂşcleo polĂ­ticoâ€? da Ação Penal 470 ainda se podia buscar algum resguardo factual em “atos de ofĂ­cioâ€?, ainda que “tĂŞnuesâ€?, como diria o procurador-geral da RepĂşblica. No caso de JosĂŠ Dirceu, porĂŠm, nĂŁo hĂĄ condenação tĂŠcnica possĂ­vel. Contra Dirceu nĂŁo hĂĄ contratos assinados, nĂŁo hĂĄ saque de dinheiro, nĂŁo hĂĄ nada alĂŠm do testemunho de seu maior inimigo, uma operação imobiliĂĄria regular feita por sua ex-esposa e um emprego que ela conseguiu. É possĂ­vel uma dĂşvida razoĂĄvel sobre o inimigo de Dirceu ter mentido e sobre sua mulher ter conseguido um emprĂŠstimo e um emprego sem interferĂŞncia dele? Duvido que atĂŠ os juĂ­zes que o condenaram neguem que essa dĂşvida existe. Na dĂşvida, o Direito Universal exige que os tribunais decidam a favor dos rĂŠus. No caso de Dirceu, essa dĂşvida ĂŠ muito maior do que para os outros condenados. Jamais o STF usou para um polĂ­tico critĂŠrio sequer parecido com os que foram inaugurados para Dirceu acima de qualquer outro rĂŠu daquela Ação Penal. A condenação dele, entenda-se, foi uma exceção Ă norma daquele Colegiado. O Tribunal de Exceção que

condenou Dirceu deixou clara a sua natureza ao dar tratamento diverso à ação penal correlata àquela em que o ex-ministro foi julgado, mas que envolve o ex-presidente do PSDB Eduardo Azeredo. Durante anos, Dirceu não desfrutou, nem por um segundo, do benefício constitucional de presunção da inocência. É tratado como condenado desde 2005, quando sua pena começou DVHUFXPSULGDRÀFLRVDPHQWH Os juízes de Dirceu foram devidamente pressionados, intimidados com ataques da mídia, quando não se submeteram, e subornados com exposição positiva quando obedeceram aos ditames midiåticos. E, se faltasse alguma prova da manipulação desse julgamento pela mídia em favor de partidos de oposição ao governo federal do PT, declaraçþes da acusação a Dirceu e dos juízes que o condenaram confessaram o objetivo político do processo, tal como veio sendo conduzido. Neste momento, boa parcela da classe política jå se deu conta do que essa politização da Suprema Corte de Justiça do país representa para a democracia. Quando grupos de pressão se apropriam do Judiciårio, ninguÊm mais estå a salvo de julgamentos de exceção. O Brasil verå a manipulação vergonhosa que foi esse julgamento quando o STF julgar – ou quando não julgar, por prescrição – o mensalão do PSDB. E, mais adiante, quando for julgar – ou não – a ação que serå proposta contra o governador Marconi Perillo pela CPI do Cachoeira. Pelos critÊrios que o STF

usou para Dirceu, DelĂşbio Soares, JosĂŠ Genoino e JoĂŁo Paulo Cunha, o ex-presidente do PSDB e hoje senador Eduardo Azeredo e o governador de GoiĂĄs, Marconi Perillo, terĂŁo que ser condenados. AtĂŠ porque, contra eles hĂĄ muito mais do que “domĂ­nio de fatoâ€?. AlguĂŠm acredita que isso ocorrerĂĄ? E, se ocorresse, alJXpPĂ€FDULDVDEHQGRVHPOHUD blogosfera e as redes sociais? A mĂ­dia faria versĂŁo explicativa para crianças via histĂłria em quadrinhos? O Jornal Nacional gastaria atĂŠ metade da duração de suas ediçþes para acusar os tucanos? VĂŁo esperando sentados que de pĂŠ cansa. É nesse contexto que a nota que recebi da assessoria do ex-ministro JosĂŠ Dirceu, e que UHSURGX]R DR Ă€P GHVWH SRVW constitui um alento. Nela, ele promete que nĂŁo conseguirĂŁo calĂĄ-lo com essa condenação infame. É disso que o Brasil precisa, de forma que quero registrar meu apoio e solidariedade ao ex-ministro. Conto com a força GHVVH KRPHP TXH Mi GHVDĂ€RX uma ditadura bem pior do que a do STF, uma ditadura que nĂŁo assassinava sĂł a honra dos seus inimigos. Conte comigo, ZĂŠ, enquanto vocĂŞ lutar para que o Brasil, um dia, tenha, entre tudo mais que lhe falta, um JudiciĂĄrio que trate a todos de acordo com critĂŠrios rotineiros, nĂŁo usando exceçþes nem para amigos, nem para inimigos polĂ­ticos. Fecho o texto com uma curiosidade: 9 de outubro ĂŠ o dia em que Che Guevara foi assassinado.

OLĂ?VIA DE CĂ SSIA CORREIA DE CERQUEIRA Jornalista - http://oliviadecassia.blogspot.com

Sem rumo e sem direção

INOCĂŠNCIO NĂ“BREGA Jornalista inocnf@gmail.com

Em nome de Che

As campanhas de libertação latino-americanas, inclusos os períodos de colônia e neocoloniais, muito devem a correntes migratórias internas. Calcadas nas nossas Companhias de Emboscada, que perseguiam o elemento estrangeiro, modernizaram-se nas estratÊgias de guerrilha. A alternativa de insurreição popular, para desmonte de governantes do reino, foi a preferiGD SHORV LQFRQÀGHQWHV GH 0LQDV Gerais, liderados por Tiradentes, alÊm de levantes, levados a cabo em vårios recantos do Brasil. San Martin, Simón Bolívar, Francisco de Miranda, Santander e outros comandantes escolheram a tåtica das guerras convencionais, dando origem a países americanos, cujas batalhas repercutiam em territórios vizinhos. Em nome do futuro Che o pernambucano Abreu e Lima, tão rebelde como o pai, padre Roma, mårtir da Revolução de 1817, no ano seguinte alista-se capitão no exÊrcito bolivariano, fazendo-se

lugar-tenente de seu comandante, destacando-se pela bravura e idealismo, que lhe eram peculiares. O eixo da hegemonia luso-espanhola passou para os ingleses e norte-americanos, mudando os objetivos dos combates para a efetividade das autonomias conquistadas. O maior expoente da nova causa Ê, sem dúvida, o argentino Ernesto Che Guevara, que ajudou a construir o socialismo de Cuba e impulsionar grupos guerrilheiros na Bolívia, em 1965. Sua ação revolucionåria foi sustada, ao ser capturado em 8.10.1967, e morto no dia seguinte, por soldados do do governo RenÊ Barrientos, sob orientação de agentes da Cia. No local, entre os vilarejos de Vallagrande e La Higuera, estå erguida uma eståtua, e no gabinete do presidente Evo Morales uma foto, caprichosamente reproduzido em folhas de coca. Fotografado anteriormente pelo escritor Alberto Korda, sua imagem corre o mundo em camisetas

TRIBUNA

INDEPENDENTE

Rua da Praia, 134 - sala 303 - centro - Maceió Alagoas Endereço Comercial: Av. Menino Marcelo - 10.440 - Serraria Maceió - Alagoas - CEP: 57.083.410 CNPJ: 08.951.056/0001 - 33

HVREGLYHUVDVIRUPDVMiTXHÀFRX impresso na consciência dos povos, que o consideram verdadeiro ícone contra as injustiças sociais. Luiz Renato, gaúcho de Formigueiro, viu a epopeia da Campanha da Legalidade, de Leone Brizola, Jovem, ainda, assume posiçþes de vanguarda. Em janeiro de 64 Ê eleito, em Congresso na Paraíba, presidente da União de Estudantes AgrotÊcnicos. Meses depois eclode o golpe militar e engaja-se em algum tipo de enfrentamento armado. Impaciente com a demora dessa ação decide emigrar para Bolívia. Ali, se junta a grupos guerrilheiros, oriundos de outros países. A coluna, da qual fazia parte, propunha a travessia do rio ChiPDWHDÀPGHDOFDQoDUHPWHUUDV andinas, porÊm, a 1º .09. 1970 Ê surpreendida por militares, resultando na sua divisão. A partir dessa data o bravo brasileiro nunca mais foi visto, nome TXH WDPEpP ÀFD QD KLVWyULD GD rebeldia continental.

FILIADO AO

Jorgraf UM PRODUTO:

Cooperativa dos Jornalistas H*UiÂżFRVGRHVWDGRGHDODJRDV

Caminho sem direção e desequilibrada; meus tombos jå são visíveis e inevitåveis. Olho ao meu redor e não encontro mais ninguÊm. Daqui a algum tempo não poderei PDLVÀFDUVR]LQKDHPFDVDH vou precisar de alguÊm para me auxiliar nas tarefas mínimas que sejam. Tomara que isso demore a acontecer, ou que não aconteça comigo, como se fez com meus familiares. Chego do trabalho em casa e arrumo algumas coisas que estão na bagunça feita pelos meus gatos. Eles fazem a festa, correm pela casa toda, derrubam tudo e o galo da Estação Ferroviåria canta lå adiante. É madrugada de såbado e hå quase silêncio na rua. Sigo pensando na vida; tem horas que isso Ê inevitåvel. Procuro espantar um pensamento que seja de tristeza e não pensar no pior, porque jå adotei um comportamento de positividade e motivação em minha vida. $SHVDU GDV GLÀFXOGDGHV HX não vou reclamar.

PRESIDENTE Antonio Pereira Filho DIRETOR ADMINISTRATIVO FINANCEIRO: JosĂŠ Paulo Gabriel dos Santos Editor geral: Ricardo Castro

NĂŁo posso deixar que a tristeza apareça e me abata; eu preciso ser feliz, aproveitar o que a vida ainda tem para me oferecer de melhor e mais bonito. Preciso disso com a maior urgĂŞncia. Sou parte de um todo confuso e desfocado. Olho nos quatro cantos da minha casa e constato o quanto de desarrumação estĂĄ no local. Parece atĂŠ que perdi o gosto de arrumar e deixar tudo no seu lugar. Faz tempo que nĂŁo me dedico Ă minha casa. NĂŁo nasci para ser do lar. É tĂŁo difĂ­cil para mim essa tarefa que Ă s vezes eu avalio que sou de outro mundo, de outra galĂĄxia. Talvez um extraterrestre suburbano que nĂŁo aprendeu a viver ainda. NĂŁo fui treinada para isso, para ser uma dona-de-casa. Ă€s vezes penso que nasci numa ĂŠpoca errada, por que ainda quero desfrutar de coisas da juventude. Gosto de festas, de passeios, de mar. ‘O mar que ĂŠ das gaivotas, que nele sabem voar’. Que seria de nĂłs se nĂŁo hou-

vesse o mar? De repente alguns sabores me vêm à memória. Tem coisa que não sai da mente da gente, feito uma tatuagem daquelas bem destacadas e chamativas. Engraçado o que acontece comigo: tem comida que tem sabor da infância, outras têm os da adolescência e por aí vai nosso pensamento, voando distante, atÊ chegar na direção que a gente deseja. Desejos e sonhos, vontades contidas pela voz da razão. Às vezes a gente cria situaçþes na nossa memória e vai dando corpo àquelas que mais nos atraem. São histórias impossíveis de se tornarem reais e fazem parte apenas da nossa imaginação fÊrtil e de uma vida cheia de carências afetivas. Nossos quereres de hoje são bem diferentes dos de ontem, mas muitas vezes eles se confundem e nos confundem tambÊm. Penso na utopia do sonho, no desejo do corpo e nos quereres da alma. Vida que segue sem respostas. Bom domingo!

Nosso noticiĂĄrio nacional ĂŠ fornecido pelas agĂŞncias: AgĂŞncia Folha e AGĂŞncia Nordeste PABX: 82.3311.1338 COMERCIAL: 82.3311.1330 - 3311. 1331 REDAĂ‡ĂƒO: 82.3311.1328 - 3311.1329 CENTRAL DE ASSINANTE: 82.3311.1308 - 3311.1309 comercial.tribunaindependente@gmail.com redação.tribunaindependente@gmail.com

ricardocastro@tribuna-al.com.br

DIRETORA COMERCIAL: Marilene Canuto

OS ARTIGOS ASSINADOS SĂƒO DE RESPONSABILIDADE DOS SEUS AUTORES. NĂƒO REPRESENTANDO, NECESSARIAMENTE, A OPĂ?NIĂƒO DESTE JORNAL.


TRIBUNA,1'(3(1'(17(

0$&(,Ă?'20,1*2'(2878%52'( BRASIL 7

&DVRVUDURVDSDUHFHPQRVWHVWHV UHDOL]DGRVSHODLPSUHQVDHVSHFLDOL]DGD

Europa e Estados Unidos jĂĄ trabalham SRUHÂżFLrQFLDHQHUJpWLFDGRVYHtFXORV

São raros os casos de modelos avaliados nos últimos seis anos que obtiveram médias de consumo próximas ou tão boas quanto às exigidas pelo novo regime automotivo. O caso mais recente foi o do Volkswagen Fox BlueMotion, que, em condições favoráveis (vidros fechados, ar-condicionado desligado), cravou média de 21,3 km/litro de gasolina. O carro, que é uma YHUVmRGR)R[YROWDGDjH¿FLrQFLDHQHUJpWLFDQmRIRLLQFOXtGRQDPHGLDomR do Inmetro para 2012. Já o Volkswagen Gol BlueMotion, que segue a mesma SURSRVWDWHYHGHVHPSHQKRPHQRVH¿FLHQWHREWHQGRNPO2PRGHOR GDIDPtOLD%OXH0RWLRQWHVWDGRSHOR,QPHWURIRLR3RORTXHWHYHQRWD$

$EULJDSRUPDLVHÂżFLrQFLDHQHUJpWLFDHWDPEpPSRUHPLVV}HVPHQRUHVGH gases poluentes e do efeito estufa -- jĂĄ ĂŠ uma realidade na Europa e nos Estados 8QLGRVPDVXPDLOXVmRGLVWDQWHHPSDtVHVHPHUJHQWHVFRPR&KLQDHĂ‹QGLD2 Brasil, parece, decidiu seguir o melhor exemplo. NĂŁo ĂŠ Ă -toa que, nos Ăşltimos meVHVVXUJLUDPWDQWDVQRWtFLDVVREUHQRYRVPRWRUHVVHQGRGHVHQYROYLGRVSRUIDEULFDQWHVFRPR)RUGH9RONVZDJHQQRWDGDPHQWHXQLGDGHVGHWUrVFLOLQGURVHEDL[D FDSDFLGDGHPDVFRPHOHPHQWRVWHFQROyJLFRVTXHJDUHQWHPHQWUHJDGHSRWrQFLD HWRUTXHLQWHUHVVDQWHVeRTXHVHFKDPDGHGRZQVL]LQJ8PGRVPHOKRUHVFDUURV GRDQRR+\XQGDL+%WHPXPDYHUVmRFRPPRWRUWUrVFLOLQGURV

Carros nĂŁo atingem ‘meta’ do governo 1HQKXPYHtFXOREUDVLOHLURFXPSUHRXFKHJDSHUWRGDVQRYDVUHJUDVGHFRQVXPRGHFRPEXVWtYHO

N

enhum dos carros que atualmente detêm as melhores notas do Inmetro no quesito consumo de combustível sequer chega perto de cumprir as metas do Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores, o Inovar-Auto, mais conhecido como Regime Automotivo, que foram anunciadas pelo governo federal. De acordo com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e ComÊrcio Exterior, Fernando Pimentel, atÊ 2017 o objetivo Ê que o consumo mÊdio de gasolina melhore para 17,26 km/ litro. No caso do etanol, o consumo mÊdio deve chegar a 11,96 km/litro. Segundo ele, os proprietårios de veículos que cumpram essas metas poderão ter economia mÊdia anual de R$ 1.150 com combustível. No entanto, mesmo os 17 carros mais econômicos de oito fabricantes (Fiat, Ford, Honda, Kia, Peugeot, Renault, Toyota e Volkswagen) que jå aderiram voluntariamente ao Programa de Etiquetagem Veicular do Insti-

tuto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) passam bem longe da meta de consumo estabelecida para daqui cinco anos. O Inmetro vai divulgar, durante o SalĂŁo do AutomĂłvel de SĂŁo Paulo (abre no prĂłximo dia 24), os novos resultados do programa de etiquetagem. 2 PRGHOR PDLV HĂ€FLHQWH

para o ano 2012, segundo a tabela do Inmetro, ĂŠ o Fiat Mille Economy, que obteve nota A na etiquetagem devido ao consumo de 8,9/10,7 km/litro (etanol, em circuitos urbano/rodoviĂĄrio) e 12,7/15,6 km/litro (gasolina, idem). TambĂŠm agraciado com nota A, o Renault Duster tem consumo de 10,2 km/ litro de gasolina na estrada.

Mesmo um dos raros carros híbridos vendidos no Brasil, o Ford Fusion Hybrid, VyDJDVROLQDÀFRXXPSRXco abaixo dos 14 km/litro. As fabricantes que conseguirem atingir as metas de consumo receberão incentivo por meio da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A adesão ao programa de

etiquetagem do Inmetro serå obrigatória atÊ 2017. MAIS SEGURANÇA O novo regime automotivo prevê o investimento das montadoras em tecnologias mais modernas de produção, FRP PRWRUHV PDLV HÀFLHQtes, menos poluentes e com peças mais leves. O governo quer tambÊm estimular a fabricação de veículos mais

seguros, equipados com controle de estabilidade (ESC) para evitar capotamentos e com sistemas de prevenção de acidentes por meio de alerta de colisĂŁo iminente. Atualmente, o ESC ĂŠ item extremamente raro em carros com preço abaixo de R$ 50 mil. E, embora “alerta de colisĂŁo iminenteâ€? seja uma descrição pouco conclusiva, os sistemas de segurança ativa (que entram em ação antes de um acidente) desse tipo costumam ser encontrados apenas em carros premium, de marcas como Audi, Mercedes-Benz e Volvo. Como o novo prevĂŞ incentivo tambĂŠm Ă s empresas que nĂŁo produzem, mas apenas vendem os veĂ­culos no Brasil, essas exigĂŞncias podem colaborar para diminuir a carga de impostos sobre seus produtos. De resto, para serem beneĂ€FLDGDV HVWDV IDEULFDQWHV tambĂŠm terĂŁo de assumir o compromisso de importar veĂ­culos mais econĂ´micos. Quanto Ă  segurança, jĂĄ em 2014 todos os carros vendidos no Brasil deverĂŁo contar com airbags e sistema ABS (antitravamento dos freios) como itens de sĂŠrie.


8

PUBLICIDADE MACEIÓ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012

TRIBUNAINDEPENDENTE


TRIBUNAINDEPENDENTE

0$&(,Ă?'20,1*2'(2878%52'(

Cidades

CIDADES

9

Estilo de vida com menos atividades fĂ­sicas ĂŠ o ‘vilĂŁo’ do peso ideal Quando os pais começam a notar aumento de peso na criança ĂŠ preciso procurar assistĂŞncia mĂŠdica logo no inĂ­cio do problema. O mĂŠdico pode ser um pediatra ou um endocrinologista. A endocrinologista MaĂ­ra 9LpJDVDÂżUPDTXHRDXPHQWRGHFULDQoDVREHVDVQR%UDVLOHQRPXQGR pFRQVHTXrQFLDGRHVWLORGHYLGDPHQRVDWLYRHPDLVF{PRGRSDUDRV SDLVTXHWUDEDOKDPPXLWRHWrPSRXFRWHPSRFRPRVÂżOKRVÂł$QWHVDV FULDQoDVEULQFDYDPQDVUXDVGHSXODUFRUGDKRMHDVFULDQoDVÂżFDPHP FDVDDVVLVWLQGR79HMRJDQGRYLGHRJDPHDVEULQFDGHLUDVPXGDUDP´

Alagoas tem 90 mil crianças acima do peso

“

(VVHWRWDOHVWiQDIDL[DHWiULDHQWUHFLQFRHQRYHDQRVPDVWDPEpPpDOWRHQWUHRVDGROHVFHQWHVGHDWpDQRV ALANA BERTO 5(3Ă?57(5

M

udança no ritmo de vida, ausência de atividade física, fatores genÊticos, alimentação cada vez menos saudåvel, todos esses são fatores que fazem com que o número de crianças acima do peso aumente no Brasil. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que em Alagoas mais de 90 mil crianças com idade entre cinco e nove anos estão acima do peso recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo MinistÊrio da Saúde. O total representa 30% da população alagoana nessa faixa etåria, que tem atualmente o pior índice. Na faixa etåria de 10 a 19 anos, o problema atinge 21,7% das crianças e adolescentes, ou seja, 141.227 alagoanos com essa idade. A Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) alertou que o excesso de peso atinge quase 12 milhþes de crianças e jovens de 10 a 19 anos no Brasil.

A família e os educadores são fundamentais na prevenção da obesidade� MA�RA VIÉGAS Endocrinologista

A endocrinologista Maíra ViÊgas explicou que hå uma diferença entre estar acima do peso e estar obeso, e os pais devem cuidar para evitar que o peso se torne um problema mais grave. Para diagnosticar a obesidade em uma criança acima de cinco anos Ê preciso que o índice de massa corpórea seja maior ou igual a 95% e o sobrepeso seja de 85% a 95%. Jå em uma criança abaixo de cinco anos, o índice de massa corpórea seria maior ou igual a 97% e o sobrepeso seria de 85% a 97%. A mÊdica coloca que entre 2008 e 2009 a porcentagem de meninos obesos foi de 16,6% e de 11,8% das meninas na faixa etåria de

cinco a nove anos. Entre 10 e 19 anos, a porcentagem de meninos obesos foi de 5,9% e de meninas, de 4%. A endocrinologista destacou que quando o pai e a mĂŁe sofrem de obesidade, a criança tem 80% de chances de ser obesa. Quando apenas um dos genitores ĂŠ obeso, a criança tem 40% de chance de ficar acima do peso. “A famĂ­lia e os educadores sĂŁo fundamentais na prevenção da obesidadeâ€?, salientou. A mĂŠdica ainda acrescentou que a reeducação alimentar precisa ser feita junto aos pais, estimulando uma alimentação saudĂĄvel e uma atividade fĂ­sica. “O tratamento ĂŠ dieta, atividade fĂ­sica. Muitas vezes a criança precisa fazer psicoterapia, quando tem compulsĂŁo alimentar ou quando as crianças nĂŁo aceitamâ€?, emendou. MaĂ­ra ViĂŠgas acrescentou que a chance de depressĂŁo e ansiedade ĂŠ trĂŞs vezes maior em crianças obesas, por elas se sentirem excluĂ­das. “Muitas crianças sofrem atĂŠ bullyingâ€?. $66(6625,$6$17$&$6$

$'$,/621&$/+(,526

Obesidade - que difere do sobrepeso - atinge 16,6% dos meninos e 11,8% das meninas de 5 a 9 anos

ALIMENTAĂ‡ĂƒO DA MĂƒE

Prevenção da obesidade infantil deve ser iniciada ainda no útero

Endocrinologista Maíra ViÊgas diz que apenas 1% das obesidades têm relação com causas genÊticas

A endocrinologista MaĂ­ra ViĂŠgas frisa que a prevenção da obesidade tem que começar da vida intrauterina. “Quando a mĂŁe ĂŠ obesa, existe a tendĂŞncia de a criança ser obesaâ€?. AlĂŠm disso, ela afirma que o aleitamento materno ĂŠ muito importante para a prevenção da obesidade infantil. “O leite materno contĂŠm a medida exata de todos os nutrientes essenciais para o bebĂŞâ€?, esclareceu. A endocrinologista contou que recebe muitas crianças com obesidade em seu consultĂłrio e que o nĂşmero de crianças acima do peso tem crescido muito. “Medidas preventivas

precisam ser tomadas urgentementeâ€?, alertou. Quando os pais começam a notar aumento de peso na criança ĂŠ preciso procurar assistĂŞncia mĂŠdica. “Primeiro temos que fazer o diagnĂłstico descartando doenças. Geralmente o pediatra encaminha a criança para um endocrinologistaâ€?, relatou. O tratamento da obesidade infantil exige mudanças comportamentais. Segundo a endocrinologista, em alguns casos o tratamento pode ser feito com medicamentos em prĂŠ-adolescentes a partir de 12 anos. Caso a obesidade seja endĂłcrina, pode ser causada por

hipotireoidismo – que Ê a deficiência dos hormônios produzidos pela glândula tireóide. Ou pela síndrome de Cushing – tumor na hipófise, que eleva os níveis de cortisol. De acordo com a endocrinologista, as causas genÊticas correspondem a 1% das obesidades. A obesidade traz complicaçþes mÊdicas como diabetes, dislipidemia, hipertensão, síndrome metabólica, asma, apneia do sono, distúrbios do sono, gordura no fígado (esteatose hepåtica), distúrbios psicológicos, e nas adolescentes pode causar síndrome do ovårio policístico. (A.B.) $'$,/621&$/+(,526

PREVENĂ‡ĂƒO

Escola adota merenda saudåvel após ação do MinistÊrio da Saúde Pensando no aumento do número de crianças com obesidade, o Governo Federal intensificou as açþes de promoção à saúde do Programa Saúde na Escola, que Ê desenvolvido pelos MinistÊrios da Saúde e Educação, desde 2007. No início deste ano o programa foi realizado em 92 escolas públicas de Alagoas com o tema prevenção da obesidade na infância e na adolescência e teve resultado. Os alunos da Escola Eulina Alencar, localizada no Jacintinho, podem dizer que adotaram bons håbitos de educação alimentar. No mês de abril, a escola dedicou uma semana a palestras, atividades físicas e pråtica da boa alimentação, orientando alunos e professo-

res sobre a importância de se alimentar bem, como uma maneira de prevenir a obesidade infantil. “Os alunos e os professores assistiram a vĂ­deos e palestras e nĂłs colocamos em prĂĄtica o projeto, mostrando a importância de uma alimentação saudĂĄvelâ€?, disse MarilĂşcia Almeida, que ĂŠ diretora da escola. Os estudantes passaram por uma consulta para que fossem analisados altura e peso de cada um. Depois esse levantamento foi encaminhado para o MinistĂŠrio da SaĂşde, para que os alunos que estiverem acima do peso recebam atendimento mĂŠdico. A diretora afirmou que o cardĂĄpio ĂŠ fornecido pelas

nutricionistas da Secretaria Municipal de Educação. “O cardĂĄpio ĂŠ variado; os alunos comem canja, sopa, cachorro quente, salada de frutas, macaxeiraâ€?, disse MarilĂşcia. Ela colocou, porĂŠm, que na escola existem alguns alunos que estĂŁo acima do peso. “NĂłs sempre orientamos os pais nas reuniĂľes sobre a importância de uma alimentação saudĂĄvel, pois tem que ser uma parceria com os paisâ€?, afirmou. As verduras e os legumes usados para fazer a merenda saem da horta da escola, que os alunos ajudam a colher. “Usamos as verduras daqui, que nĂŁo tĂŞm agrotĂłxicoâ€?, disse. Para MarilĂşcia, hoje a merenda estĂĄ mais saudĂĄvel. (A.B.)

Merenda ĂŠ feita com verduras e legumes cultivados na horta da escola, com a ajuda dos estudantes


10

CIDADES

MACEIÓ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012

TRIBUNAINDEPENDENTE

Mulher comanda equipe de segurança com 32 homens Praticante de defesa pessoal, empresária conquista mercado liderado por eles DAVI SALSA

DAVI SALSA REPÓRTER

A

rapiraca (Sucursal) - Diz a letra de uma música que a mulher é sexo frágil, mas não foge à luta. Essa frase tem tudo a ver com o cotidiano profissional da empresária e praticante de defesa pessoal Wyllyane Almeida, 23. Apesar da pequena estatura, medindo apenas 1,56 metro de altura, a jovem lidera uma equipe com 32 homens na área da segurança pessoal e de eventos na cidade de Arapiraca. Proprietária da empresa Águia Segurança, Wyllyane Almeida conta que sempre teve o sonho de ser policial. “Cheguei até a estudar para fazer concurso na área, mas nunca fui adiante”, lembra ela, revelando que já trabalhou como cabeleireira e vendedora. A empresária relata que, há cerca de dois anos, surgiu a oportunidade de trabalhar em uma empresa de segurança de eventos. “Passei quase um ano aprendendo a lidar com as mais varia-

Wyllyane trabalhou como segurança de eventos e, após experiência, decidiu montar o próprio negócio

das situações, e depois tive a ideia de montar o meu próprio negócio”, frisa. Wyllyane Almeida explica que, no começo, as pesso-

as não acreditavam que uma mulher pudesse comandar uma equipe de segurança, mas ela enfrentou as críticas.

“Sofri e ainda sofro muito preconceito. Às vezes, algumas pessoas me perguntam: ‘quem é seu chefe’?”, desabafa a jovem empresária.

EM CRESCIMENTO

Preconceito não desanima empresária VICTOR SOARES / AGÊNCIA BRASIL

A empresária Wyllyane Almeida cita como exemplo do preconceito que sofre por chefiar uma equipe de homens em uma atividade vista como masculina um fato ocorrido recentemente, durante um evento artístico e musical, na cidade de Arapiraca. “Eu estava passando no meio do público e um homem levantou meu cabelo e disse algumas palavras grosseiras. Na mesma hora, apliquei um golpe e o imobilizei. Ele chegou a pedir socorro, pois já estava começando a ficar com falta de ar. A equipe de segurança chegou e retirou o homem do local”, relembra Wyllyane Almeida. Apesar de enfrentar esses pequenos problemas, ela assegura que o mercado está em expansão na cidade e região. “Todos da equipe me respeitam, e a procura pelos serviços aumenta a cada dia. Já penso em ampliar a equipe para 60 homens, com aquisição de veículos e motocicletas, a fim de continuar oferecendo um serviço de qualidade e segurança para

Principal participação das mulheres no comando de empresas é no setor de vestuário e acessórios

a clientela de toda a região”, completa a empresária. ESPAÇO DELAS Uma pesquisa do Sebrae mostrou que o número de mulheres à frente de microempreendimentos

tem crescido muito no Brasil, especialmente no que diz respeito ao comércio e à prestação de serviços. Entre as atividades mais frequentes entre as mulheres em todo o Brasil está o varejo de

artigos de vestuário e acessórios, que registra 75% de participação de mulheres no comando. É a prova de que as brasileiras estão entre as mais empreendedoras do mundo.

BRASIL

Elas já são metade dos empreendedores VALOR ECONÔMICO

Economista diz que a mulher está mais preparada e planeja mais

A última grande pesquisa feita sobre o assunto, da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), mostrou ainda que as as mulheres são metade dos empreendedores brasileiros (49,3%), o que representa 10,4 milhões de mulheres comandando suas empresas. Um outro levantamento feito pelo Sebrae aponta que de cada 100 Microempreendedores Individuais (MEI), 45 são mulheres. E cerca de 61 mil delas estão à frente de uma franquia, que fatura até 32% a mais do que as lojas gerenciadas por homens, segundo a consultoria Rizzo Franchise, especializada nesse tipo de negócio. Ao todo, as mulheres são responsáveis pelo sustento de 35% dos lares brasileiros. ECONOMIA O aumento da participação feminina na vida econômica do

país está intimamente ligado ao avanço delas na formação educacional e também nas mudanças na estrutura familiar. Hoje, as famílias possuem menor número de filhos e novos valores relativos à inserção da mulher na sociedade. As mulheres investem no empreendedorismo pela mesma razão que os homens, ou seja, visando o sustento de si mesmas e de suas famílias, o enriquecimento de suas vidas com uma carreira e pela independência financeira. Segundo a economista e pesquisadora Gina Paladino, que acompanhou o estudo GEM 2010, entre as principais características femininas no empreendedorismo estão um maior nível de preparo: elas planejam melhor e procuram compreender mais o mercado onde atuam.


TRIBUNAINDEPENDENTE

MACEIĂ“ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012

CIDADES

11

Ufal debate Lei das Cotas em Brasília Questão Ê polêmica e ainda divide opiniþes com mudança aprovada em agosto para ingresso em universidades públicas

N

o final de agosto de 2012, a aprovação de uma lei polêmica alterou a forma de ingresso nos cursos superiores das instituiçþes de ensino federais. A chamada Lei das Cotas obriga as universidades, institutos e centros federais a reservarem para candidatos cotistas metade das vagas oferecidas anualmente em seus processos seletivos. Essa determinação deve ser cumprida atÊ o vestibular para ingresso em 2016, mas jå em 2013, as instituiçþes têm que separar 25% da reserva prevista, ou 12,5% do total de vagas para esses candidatos. Esta semana, representantes das universidades públicas, inclusive da Ufal, se reúnem em Brasília para debater a questão. Mas, quem tem direito a essas vagas? Pelo texto da lei, são considerados cotistas todos os candidatos que cursa-

ram, com aprovação, as trĂŞs sĂŠries do ensino mĂŠdio em escolas pĂşblicas, sejam elas federais, estaduais ou municipais. Os estudantes com bolsa de estudo integral em colĂŠgios particulares nĂŁo sĂŁo beneficiados pela lei, assim como quem concluiu o ensino mĂŠdio por meio do certificado emitido pelo Exame Nacional do Ensino MĂŠdio (Enem). DISTRIBUIĂ‡ĂƒO DAS VAGAS

A lei tambĂŠm define que, dentro do sistema de cotas, metade das vagas deverĂĄ ser preenchida por estudantes de baixa renda e a outra metade por candidatos negros, Ă­ndios e pardos. Considera-se de baixa renda pessoas pertencentes a famĂ­lias com renda mensal per capita de atĂŠ um salĂĄrio mĂ­nimo e meio, ou seja, em uma famĂ­lia de quatro pessoas, a renda total nĂŁo pode passar de R$ 3.732, em 2012, ou R$ 4.025,70, em 2013.

A distribuição das vagas da cota racial serĂĄ feita de acordo com a proporção de Ă­ndios, negros e pardos do Estado onde estĂĄ situado o campus da universidade, centro ou instituto federal, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e EstatĂ­stica (IBGE). Isso significa, por exemplo, que um Estado com um nĂşmero maior de negros terĂĄ mais vagas destinadas a esse grupo racial. O texto da deputada Nice LobĂŁo, autora da lei, ĂŠ vago no que diz respeito Ă verificação da cor do candidato. NĂŁo existe nenhum instrumento para determinar se o estudante ĂŠ negro ou pardo. Geralmente, as universidades exigem uma carta de autodeclaração dos candidatos, que depois passam por uma banca avaliadora. Apesar disso, a liberação para concorrer pelas cotas raciais nĂŁo deixa de ser, em parte, subjetiva. DIVULGAĂ‡ĂƒO

DIVULGAĂ‡ĂƒO

Distribuição GDVYDJDVGDFRWDUDFLDOVHUiIHLWDGHDFRUGRFRPDSURSRUomRGHtQGLRVQHJURVHSDUGRV

PROJETO DE LEI

Candidatos cotistas serĂŁo avaliados exclusivamente pelo Enem

Deputada Nice Lobão: ³3URIHVVRUHV¿QJHPTXHHQVLQDPHDOXQRVID]HPGHFRQWDTXHDSUHQGHP´

O projeto de lei definia que o critÊrio de seleção dos candidatos cotistas deveria ser o Coeficiente de Rendimento obtido pela mÊdia aritmÊtica das notas do ensino mÊdio. No entanto, a presidente Dilma Rousseff vetou esse texto e definiu que os candidatos cotistas deverão ser avaliados exclusivamente pelo Enem, com ou sem a utilização do Sistema de Seleção Unificada (SiSU).

Sendo assim, os beneficiados pela lei nĂŁo precisam fazer as provas do vestibular. JUSTIFICATIVA De acordo com a deputada Nice LobĂŁo, o Brasil estĂĄ longe de propiciar educação pĂşblica de qualidade. Na rede pĂşblica, passou a valer a regra em que “os professores fingem que ensinam e os alunos fazem de conta que aprendemâ€?. Os estudantes de escolas pĂşblicas concluem

o ensino mĂŠdio sem condiçþes de competir com os alunos de colĂŠgios particulares e, por isso, acabam desistindo de entrar na universidade ou ingressam em faculdades particulares. A deputada tambĂŠm criticou a qualidade das instituiçþes de ensino superior privadas, “cujo objetivo ĂŠ a mercantilização do ensino, sem qualquer preocupação com a qualidadeâ€?.


12

CIDADES

MACEIĂ“ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012

TRIBUNAINDEPENDENTE

Professores relutam em buscar ajuda Tratamento de distúrbios vocais começa apenas quando o problema se encontra em graus mais avançados

D Junqueiro faz bonito

E

nfim uma notĂ­cia boa envolvendo a ĂĄrea educacional. Vejamos: uma dissertação propondo uma relação entre a letra do hino nacional e os desafios que o Brasil e os “filhosâ€? do municĂ­pio de Junqueiro tĂŞm em comum deu Ă aluna da Escola Estadual Padre AurĂŠlio Gois, Layane Rayelly da Silva Barbosa, o primeiro lugar no“Jovem Senador: 5Âş Concurso de Redação do Senado Federalâ€?. Com o tĂ­tulo “Brasil, uma mĂŁe gentil para os filhos de seus municĂ­piosâ€?, a redação da estudante foi destaque entre as 27 que representaram cada um dos estados brasileiros.

O tema

ComissĂŁo julgadora

Aluna do segundo ano do Ensino MĂŠdio, Layane Barbosa, de 16 anos, recebeu orientação da professora Rutineide Batinga. Com o tema “Meu MunicĂ­pio, Meu Brasilâ€?, o concurso foi realizado em 191 escolas estaduais, seguindo duas etapas: a primeira delas consistiu em uma seleção realizada na prĂłpria instituição de ensino, quando foi escolhida uma redação para representĂĄ-la.

De acordo com Jair Porto, gerente de Desenvolvimento das PrĂĄticas PedagĂłgicas da Secretaria de Estado da Educação (SEE), os textos selecionados pelas escolas foram encaminhados Ă comissĂŁo julgadora, composta por tĂŠcnicos pedagĂłgicos da pasta, e uma foi selecionada para concorrer Ă  etapa nacional. “As secretarias de estado assinam um termo de adesĂŁo e ÂżFDPUHVSRQViYHLVSHODFRRUGHQDomR e divulgação do concursoâ€?, comenta o gerente.

istĂşrbios vocais sĂŁo uma das maiores causas de faltas ao trabalho entre professores. Cerca de 30% dos profissionais jĂĄ tiveram alguma ausĂŞncia relacionada a esse tipo de problema. No entanto, o tratamento sĂł começa quando a doença atinge grau mais avançado. Os motivos para essa demora, geralmente, tĂŞm natureza social. “A disfonia causa vĂĄrios inconvenientes que podem interferir no relacionamento dos professores com seus colegas e na busca por tratamentoâ€?, afirma a fonoaudiĂłloga Adriane Mesquita de Medeiros, autora de tese defendida no Programa de PĂłs-Graduação em SaĂşde PĂşblica da Faculdade de Medicina da UFMG. Adriane analisou os dados de 1.980 professores da rede municipal de ensino de Belo Horizonte, por meio de questionĂĄrio sobre as condiçþes de saĂşde e de trabalho, incluindo os distĂşrbios vocais. AlĂŠm disso, entrevistou 18 professores encaminhados para tratamento no AmbulatĂłrio de Fonoaudiologia do Hospital das ClĂ­nicas da UFMG. Os resultados mostram que os professores relutam em procurar ajuda. Em ge-

ral, a primeira consulta acontece apenas quando o problema jĂĄ estĂĄ grave ao ponto de limitar a atuação em sala de aula. “Professores que perceberam piora na qualidade da voz, ruĂ­do elevado na sala de aula e que tiveram alguma ausĂŞncia recente devido a problemas na voz foram os que mais buscaram assistĂŞnciaâ€?, afirma a autora. SĂŁo vĂĄrios os motivos para essa demora. Na rotina puxada dos professores, que muitas vezes trabalham em dois turnos, procurar tratamento jĂĄ ĂŠ um transtorno. As consultas periĂłdicas, normalmente no horĂĄrio de trabalho, podem exigir reorganização da escola para cobrir essas faltas, situação associada a desgaste com os colegas e diretoria. As ausĂŞncias recorrentes tambĂŠm podem comprometer o aprendizado dos alunos, que percebem o ambiente conturbado. Em casos mais graves, pode atĂŠ ser necessĂĄrio diminuir a carga horĂĄria de trabalho ou o afastar-se complemente do ambiente escolar. “Assumir que estĂĄ doente implica encarar problemas para o prĂłprio professor e para a escolaâ€?, explica a autora. “A negação ĂŠ uma forma de nĂŁo enfrentar essas situaçþesâ€?.

Aumento nas inscriçþes

DIVULGAĂ‡ĂƒO

A diretora de Apoio Pedagógico das Escolas, Rosineide Urtiga, explica que o concurso de redação em Alagoas, nesta edição, contou com a participação de mais de 2.200 alunos do ensino mÊdio, com idade entre 16 e 19 anos. Segundo a diretora, as inscriçþes deste ano tiveram um aumento de 100% em relação ao ano passado.

Parceria

“Realizamos, em parceira com as Coordenadorias Regionais de Educação e as escolas, um trabalho pedagĂłgico de incentivo Ă leitura e escrita que consideramos fundamental para o sucesso desse concurso no Estado e imprescindĂ­vel para o avanço desses jovens na aprendizagem, inclusive, dos outros componentes curricularesâ€?, destaca. “Nosso propĂłsito para o prĂłximo ano ĂŠ superar, mais uma vez, o nĂşmero de inscritos e continuar fomentando o interesse dos estudantes na leitura e na escritaâ€?, enfatiza Rosineide Urtiga.

Premiação

Vencedores

2V¿QDOLVWDVGRFRQFXUVRVHUmR premiados com notebook, medaOKDFHUWL¿FDGRHSXEOLFDomRGD sua redação no livreto produzido pelo Senado Federal. As escolas dos três primeiros colocados na etapa nacional ainda serão premiadas com computadores para uso coletivo. A premiação ocorrerå no dia 19 de novembro, em cerimônia a ser realizada no Palåcio do Congresso Nacional.

AlÊm disso, os vencedores participarão do Projeto Jovem Senador, uma simulação de como Ê o processo de criação de leis no nosso País. A legislatura terå duração de três dias, iniciando-se com a posse dos jovens senadores e a eleição GD0HVD¿QGDQGRVHFRPD redação dos autógrafos, aprovação dos projetos na Ordem do Dia e a consequente publicação no Diårio do Senado Federal. Ambiente escolar quase sempre contribui com o desgaste da voz

A Prefeitura de Arapiraca, por meio da Secretaria de AssistĂŞncia Social e Centro de ReferĂŞncia em AssistĂŞncia Social (Cras), realiza o “Dia das Criançasâ€?, com o objetivo de promover ação continuada e intersetorial para meninos e meninas que vivem em situação de vulnerabilidade social no municĂ­pio. As crianças, por meio deste projeto sociocultural, contam com um espaço de lazer, entretenimento e atividades culturais.

EM BUSCA DE SOLUĂ‡ĂƒO

O deputado Ronaldo Medeiros (PT) fez uma visita na quinta-feira, 11, aos quilombolas do Alto do Tamanduå, em Poço das Trincheiras, que foram vítimas de racismo e agressão física por parte dos correligionårios do prefeito da cidade, Gildo Rodrigues.

Quilombolas Segundo o Deputado Ronaldo Medeiros os quilombolas denunciaram o prefeito por denegrir a imagem deles falando palavras de baixo calĂŁo e humilhando os moradores. “Estamos denunciando as autoridades por se tratar de um absurdoâ€?, disse o deputado, lembrando que no povoado o prefeito perdeu a eleição.

Pronunciamento Na terça-feira, 10, na tribuna da Casa de Tavares Bastos, o deputado fez um pronunciamento em defesa dos quilombolas agredidos e falou do comportamento exaltado do prefeito reeleito por Poço das Trincheiras. O caso de agressão citada pelo deputado Ronaldo Medeiros (PT) foi parar na Delegacia Regional de Santana do Ipanema, onde foi feito um Boletim de Ocorrência.

... O petista disse que o prefeito de Poço das Trincheiras agiu indevidamente e que vai pedir ao secretĂĄrio DĂĄrio CĂŠsar que intervenha nesse caso. “Sabendo que o prefeito jĂĄ tem um passado de violĂŞncia, isso para um homem pĂşblico nĂŁo ĂŠ nada bomâ€?, disse Medeiros. ... A informação estĂĄ no portal 7segundos: A mĂŁe de um bebĂŞ recĂŠm-nascido, acusada de matar a criança a tesouradas, foi transferida, na quinta-feira (11), para os sistema prisional. Aline da Silva, de 22 anos, ÂżFDUiLVRODGDGDVRXWUDVSUHVDVSRUPHGLGDGHVHJXUDQoD ... A morte da criança foi esclarecida por uma equipe de policiais civis da delegacia regional de UniĂŁo dos Palmares, coordenada pelo delegado Valdeks Pereira da Silva. O recĂŠm-nascido foi encontrado no lixĂŁo da cidade de UniĂŁo dos Palmares, no dia 25 de setembro deste ano. ... ApĂłs 14 dias de investigaçþes, os policiais descobriram que o crime foi praticado por Aline da Silva Santos, 22, mĂŁe do recĂŠm-nascido. O corpo apresentava vĂĄrias perfuraçþes, inclusive no pescoço.

O carro e a cobra do Romildo

N

ascido na Paraíba na dÊcada de 30 e radicado em Alagoas hå mais de 50 anos, Romildo Freitas de Araújo continua sendo, no rådio, o maior apresentador de programas sertanejos do Brasil. NinguÊm, atÊ hoje, conseguiu superå-lo, apesar de alguns colegas tenham se esforçado nesse sentido. Romildo Freitas estacionou em Maceió, em meados dos anos 50, integrando um conjunto regional de forró, na condição de cantor e zabumbeiro. Nessa Êpoca, a saudosa Odete Pacheco, a única mulher a comandar um programa de auditório na Rådio Difusora de Alagoas (que ficava situada na rua Pedro Monteiro, centro da cidade) interessou-se pela atração e a contratou para realçar o espetåculo semanal, que ia ao ar aos domingos, na parte da tarde. Concluído o contrato, a banda musical foi embora mas o Romildo ficou, porque encantou-se pelas belezas naturais de Maceió. Ademais, caiu nas graças de Pacheco que o requisitou para a assessorå-la na Difusora, acumulando, inclusive, a função de locutor comercial da atração domingueira da famosa radialista. Na Terra dos Marechais, Romildo Freitas casou-se duas vezes, fez um monte de filhos (hoje em dia todos bem encaminhados na vida), atuou em todos os prefixos da capital e em Penedo, onde conheceu sua primeira mulher, a professora Teresinha Nunes. Um dia, Freitas teve a atenção voltada para a atividade policial e surpreendeu a todos quando apareceu na emissora onde então trabalhava, a Rådio Gazeta, fardado de guarda civil. Daí, passou a dividir o seu tempo entre as duas funçþes - radialista e policial. Anos depois, extinta a GC, ele passou a exercer, no âmbito da segurança pública, o cargo de agente de polícia, especializando-se informação e contrainformação. Na årea de inteligência foi um dos melhores.

O seu grande xodĂł

“Dia da criançasâ€?

Alto do TamanduĂĄ

AĂ?LTON VILLANOVA ailton.villanova@gmail.com

Condiçþes de trabalho nĂŁo ajudam a mudar a rotina Apesar de nĂŁo procurar ajuda, os professores conhecem os riscos de forçar a voz e quais os cuidados devem ser tomados. As condiçþes de trabalho, no entanto, costumam dificultar a adoção de uma rotina mais saudĂĄvel. “Uma turma indisciplinada pode obrigar o professor a usar a voz para se impor, desgastando-se maisâ€?, exemplifica a fonoaudiĂłloga Adriane Mesquita de Medeiros. “Outras situaçþes fora de seu controle, como obras na escola durante as aulas, tambĂŠm forçam o uso inadequado da vozâ€?, afirma. A saĂ­da, de acordo com a autora, seria a intervenção direta no ambiente de trabalho. Disponibilizar microfones, por exemplo, seria uma maneira de poupar a voz dos professores sem atrapalhar as aulas. A substituição dos quadros de giz por quadros brancos ĂŠ outra medida eficaz para reduzir a ocorrĂŞncia de problemas respiratĂłrios - fator tambĂŠm relacionado a faltas e ao aumento na busca por assistĂŞncia vocal.

“O investimento em recursos didĂĄticos que auxiliem no melhor uso da voz ajudaria bastante a diminuir o absenteĂ­smo - ausĂŞncia no trabalho - e o adoecimento de professores dentro da escolaâ€?, afirma Adriane. DEPRESSĂƒO Outro problema muito comum entre os professores ĂŠ a depressĂŁo. Uma pesquisa do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de SĂŁo Paulo (Apeoesp) revela que 40% dos docentes afastados por problemas de saĂşde tiveram algum tipo de transtorno psiquiĂĄtrico. Os diagnĂłsticos mais comuns foram ansiedade e depressĂŁo. O problema ĂŠ agravado, segundo a categoria, pelo excesso de trabalho e pela falta de respeito na sala de aula. Passar as tarefas, tirar dĂşvidas e ainda pĂ´r ordem na sala. O desafio ĂŠ diĂĄrio e a saĂşde pode nĂŁo resistir. Mas de acordo com o estudo, os problemas nas cordas vocais e as dores musculares deram espaço ao desânimo, aos pensamentos perturbadores e Ă s mĂŁos trĂŞmulas.

O grande sonho de consumo de Romildo Freitas era o automĂłvel Dodge. “Um dia eu ainda possuo um...!â€? – repetia sempre. Quando a oportunidade lhe surgiu, adquiriu um “Doginhoâ€? importado. NĂŁo era um veĂ­culo novo, mas dava pra quebrar o galho. E Romildo o exibia com LQGLVIDUoiYHORUJXOKR$R'RJLQKRIDOWDYDDGHÂżQLomRGDFRUPRWLYRSHOR qual nĂŁo conseguiu o respectivo registro no Detran. O carrinho, de duas portas, tinha uma delas vermelha e outra amarela. O capĂ´ era verde e os para-lamas, tricolores, eram azul, branco e marrom. Os bancos nĂŁo tinham forro e a parte de trĂĄs inspirava terror – explico adiante. Apesar desses probleminhas, o Doginho era o xodĂł do Romildo. Ah, faltou falar dos pneus! Bom, eles eram... digamos assim, despadronizados: um possuĂ­a o aro 15, outro o aro 13 e os dois restantes, aros 10. Todos carecas. De modo que o veĂ­culo nĂŁo deslizava pelo asfalto. Ele manquitolava. Mas Romildo o adorava. Certa ocasiĂŁo, o colega Juracy CĂŠsar e Silva, delegado de polĂ­cia aposentado, caiu na besteira de pedir uma carona ao Romildo. Bom coração, ele cedeu ao apelo, mas o Jura sofreu um grande prejuĂ­zo ao descer do carro, mais adiante: teve o fundilho das calças rasgado e sujo se Ăłleo. Na parte destinada ao banco traseiro do Doginho do Romildo Freitas acumulavam-se, atĂŠ o teto, as coisas mais incrĂ­veis e interessantes: caixas de papelĂŁo, pneus de bicicletas, sapatos velhos, livros, revistas, bola de futebol... o diabo a quatro. Sim, tinha lĂĄ um pequeno gramado, um pezinho de tomate, outro de coentro e mais outro de sambacaitĂĄ. No SRUWDPDODVYHUGDGHLUDĂ€RUHVWD Mas o colega tinha um ciĂşme enorme do carro.

Serpente, a grande surpresa!

Romildo Freitas havia saĂ­do da RĂĄdio Gazeta para trabalhar na Difusora, contratado que fora para comandar um programa regional matutino, que veio a se tornar, bem depressa, na maior audiĂŞncia do horĂĄrio. Uma parte dessa audição, que iniciava Ă s 5 da matina, era gravada na tarde anterior e o sonotĂŠcnico encarregado desse trabalho HUDRÂżQDGR3DXOR%DUWRORPHXSRUGHVLJQDomRGRVHXFKHIH&KLFR0DgalhĂŁes, tambĂŠm de saudosa memĂłria. Rigorosamente pontual, Freitas chegava Ă  emissora com, no mĂ­nimo, meia hora de antecedĂŞncia. Paulo %DUWRORPHXQmRÂżFDYDDWUiV0DVXPGLDHOHHVTXHFHXDVFKDYHVGR estĂşdio de gravação em casa, e teve que apelar para a solidariedade do Romildo: - Companheiro, me faça um favor... - SĂł se for agora! – respondeu Romildo – Diga o que sente! - Esqueci as chaves do estĂşdio em casa! Me empreste o seu carro para eu ir lĂĄ buscĂĄ-la! Romildo fez mil recomendaçþes para emprestar o Doginho: - Olha, rapaz! Tenha cuidado com o meu carrinho! NĂŁo corra muito, nĂŁo aperte demais o pedal dos freios, nĂŁo buzine pra nĂŁo gastar bateria... Bartolomeu entrou no carro pisando leve. Morador do bairro de Bebedouro, ele desceu a ladeira do Bom Parto com um pĂŠ do lado de fora, amortecendo a velocidade com o calcanhar, para nĂŁo acionar os freios. Voltou rĂĄpido, mas nervoso, transpirando muito, mal podendo falar. Romildo foi ao seu encontro: - E aĂ­, foi tudo bem? Paulo Bartolomeu balançou a cabeça e disse: - SĂł nĂŁo foi tudo bem por causa daquela cobra maldita! Quase bati com o carro no muro do campo do CSA! - Cobra?! Que cobra, rapaz?! – indagou Romildo. - Aquela cobra enorme que estĂĄ lĂĄ dentro! Eu vim dirigindo com um olho na pista e outro nela. De vez em quando ela me dava um bote...! Que sufoco, meu Deus! - Mas no meu carro nĂŁo tem cobra nenhuma! - Tem, sim. E ela quase me mordeu! – insistiu Bartolomeu. Foram ver a cobra. Romildo abriu a porta do carro e deu de cara com uma “papa-ovoâ€? que nĂŁo tinha mais tamanho. Matou-a a tiros.


TRIBUNA,1'(3(1'(17(

0$&(,Ă?'20,1*2'(2878%52'(

Economia

ECONOMIA

13

3HWUREUDVFRQÂżUPDH[LVWrQFLDGHSHWUyOHROHYH HPQRYRSRoRQD%DFLD6HUJLSH$ODJRDV $3HWUREUDVFRQÂżUPRXQDVH[WDIHLUDDH[LVWrQFLDGHSHWUyOHROHYHQR %ORFR6($/0ORFDOL]DGRHPiJXDVXOWUDSURIXQGDVGD%DFLD6HUJLSH $ODJRDVQD5HJLmR1RUGHVWH$GHVFREHUWDRFRUUHXGXUDQWHDSHUIXUDomR GHXPSRoRDPHWURVGHSURIXQGLGDGH6HJXQGRD3HWUREUDV RSHUDGRUDGREORFRFRPGHSDUWLFLSDomRMiIRUDPSHUIXUDGRVPDLVGH PLOPHWURVHRWUDEDOKRFRQWLQXDUiDWpRVPLOPHWURV2SRoRHVWiD TXLO{PHWURVGRPXQLFtSLRGH$UDFDMXHDTXLO{PHWURVGDDFXPXODomR GH%DUUDRQGHMiKDYLDVLGRIHLWDDSULPHLUDGHVFREHUWDVLJQLÂżFDWLYDGHJiV HPiJXDVXOWUDSURIXQGDVQD%DFLD6HUJLSH$ODJRDV

Banco do Nordeste ÀQDQFLDVHWRUGH saúde em Alagoas

',98/*$d­2

6mRFOtQLFDVKRVSLWDLVHHPSUHVDVGRVHJPHQWRTXH EXVFDP%1%SDUDLPSXOVLRQDUDSUHVWDomRGHVHUYLoRV

D

iversas clínicas, hospitais e empresas relacionadas ao setor de saúde de Alagoas buscam o Banco do 1RUGHVWHSDUDÀQDQFLDPHQWRV destinados à ampliação dos estabelecimentos, melhorias nas instalaçþes e, principalmente, para a compra de måquinas e equipamentos utilizados na realização de diagnósticos e outros procedimentos mÊdicos, sendo este último um dos itens mais caros na implantação ou manutenção de um empreendimento nessa årea. Recentemente, a Diagnose – Centro de Diagnóstico por Imagem -, em Maceió, contratou mais de R$ 2 milhþes,

por meio da Agência Maceió Centro do BNB para a aquisição de um aparelho de ressonância magnÊtica, conhecido como Magnetom Espree, que oferece mais conforto para o paciente, alÊm de maior precisão diagnóstica. O equipamento tem capacidade para pessoas com atÊ 250 quilos e, na maioria dos casos, permite que o paciente permaneça com a cabeça fora do scanner, essencial para quem sofre de claustrofobia. $Wp R ÀQDO GR DQR PDLV R$ 7 milhþes devem ser contratados com empresas do setor na capital alagoana. São operaçþes voltadas à compra

de aparelhos de precisĂŁo diagnĂłstica por imagem ou ampliação do empreendimento. '(6&(175$/,=$d­2 No entanto, o Banco do Nordeste vem notando uma descentralização do crĂŠdito voltado para o setor, apontando uma expansĂŁo desses clientes no interior, antes concentrados na capital. O gerente do BNB de Arapiraca, Carlos VirgĂ­lio, ressalta o aumento da procura de empresas do segmento pelo crĂŠdito do Banco naquela regiĂŁo. “Esse ano, jĂĄ contratamos com a Casa de SaĂşde e Maternidade Nossa Senhora de FĂĄtima para modernização e aquisição de no-

0DJQHWRQ(VSUHHHÊ aparelho usado para ressonância magnÊtica com mais conforto e precisão

vos equipamentos, com vistas para nova contratação ainda esse ano�. Ele destaca tambÊm o Centro MÊdico Santa FÊ, que foi implantado com ÀQDQFLDPHQWR GR %DQFR GH cerca de R$ 1,4 milhão, e a Clínica Oftalmológica de AraSLUDFDTXHÀQDQFLRXPDLVGH R$ 513 mil para modernização tecnológica do empreendimento. Os principais clientes ala-

goanos do setor saúde jå contrataram com o BNB cerca de R$ 30 milhþes, destacando-se a implantação do Hospital do Coração de Alagoas, ampliação da Medradius e do Hospital de Olhos Santa Luzia, modernização da Diagnose e da Angioneuro, entre outros. Segundo o gerente da Agência Maceió Centro do BNB, Enildo Lemos, entre as vantagens do crÊdito oferecido

pelo Banco estão os juros dessas operaçþes, amparadas pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), que vão de 6,5% a.a para microempresas atÊ 10% a.a para grandes empresas, incidindo ainda bônus de adimplência sobre os juros, de 25% para empreendimentos localizados no semiårido e de 15% para empreendimentos localizados fora do Semiårido.

(/(752%5$6

Consumidores de baixa renda têm direito à tarifa social A Eletrobras Distribuição Alagoas informa que os inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, que posVXDP R 1~PHUR GH ,GHQWLÀcação Social (NIS), renda familiar per capta de atÊ meio salårio mínimo, consumidores que tenham o Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC), indígenas e quilombolas têm o direito de usufruir da Tarifa Social. A medida Ê uma determinação da Lei 12.212/2010, regulamentada pela Resolução 414/2010 da Agência Nacional de Energia ElÊtrica (Aneel). A tarifa social Ê um desconto fornecido pelo Governo

Federal na conta de energia SDUD WRGDV DV FDVDV FODVVLĂ€cadas como Residencial de Baixa Renda, e estĂĄ incluĂ­da tambĂŠm nos programas sociais oferecidos pelo Governo Federal por meio do CAD Ăšnico. Os tĂŠcnicos da Eletrobras HVWmRLGHQWLĂ€FDQGRRVFRQVXmidores que se enquadrem QR SHUĂ€O GH SHVVRDV TXH GHvem ter acesso ao programa, com o objetivo de contribuir para a redução das vulnerabilidades sociais a que essas famĂ­lias estĂŁo expostas. “A empresa jĂĄ realiza esse trabalho de orientação, PDV DJRUD HVWi LQWHQVLĂ€FDQdo essa informação junto aos clientes de baixo poder aquisitivo que, caso nĂŁo façam

parte do Cadastro do MDS, procurem o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) ou a Secretåria Municipal de Assistência Social da sua cidade, para ter acesso e assim poder usufruir de todos os benefícios do CAD Único�, disse Edson Lima, gerente do Departamento Comercial da Eletrobras. Representantes da Eletrobras Distribuição Alagoas se reuniram com tÊcnicos do MinistÊrio do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e estabeleceram uma parceria, no sentido de que o Governo Federal alcance a meta de não deixar de fora do Cadastro Único nenhuma família que tenha direito a todos os benefícios sociais.


14

PUBLICIDADE

MACEIÓ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012

TRIBUNAINDEPENDENTE


TRIBUNAINDEPENDENTE

MACEIÓ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012

'DYLQRFRQÀDQWHQD ¶PLVVmRSHUPDQrQFLD· A

lagoano, regatiano e vencedor. Roberval Davino chegou ao CRB com a missão de evitar uma queda para a Série C. O treinador estava em Maceió, após uma passagem pelo Paysandu, e não tinha objetivo de voltar a trabalhar esse ano com o futebol. A meta era uma preparação para 2013. Mas o coração de torcedor e o desejo de ajudar grande amigos fez com que ele aceitasse o desafio. Agora ele tem uma missão: a permanência do Galo da Segundona. “A partir de agora serão nove batalhas e vamos com tudo em todas”. Davino é formado em Educação Física pela Universidade de Alagoas, também é pós-graduado em Ciência e Técnica do Futebol pela PUC-Campinas, além de especialista em Ciência do Desporto, com ênfase em futebol, pela Universidade Gama Filho-RJ. O experiente treinador foi presidente da Associação de Atletas Profissionais de Alagoas (1976 a 1981) e dirigiu a Associação dos Professores de Educação Física Alagoana (1982 a 1986). Como técnico de futebol, já comandou 40 equipes. “A evolução tática é muito grande. Hoje o futebol requer que o seu treinador tenha conhecimento de estratégias de jogo, seja dinâmico, muitas variações táticas, como 4-4-2 e 3-5-2. O que está predominando praticamente é 70% de preparação física muito forte e preenchimento de espaços durante o jogo. A tática de hoje e do futuro é a do jogador de múltiplas funções. O jogador ter condições de exercer qualquer função, em qualquer espaço que ele estiver no momento, com ou sem a bola”, explica Davino. E nestes anos todo no mundo da bola, o treinador coleciona algumas curiosidades. Em 1999, ele dirigiu o Mirassol na Série A2 e o Araçatuba na Série A1 ao mesmo tempo. Durante a manhã, Davino treinava um time e, à tarde, após 110 km de estrada, treinava o outro. E conseguiu sair vitorioso nas duas equipes: salvou o Araçatuba do rebaixamento à Série A2 e classificou o Mirassol para a segunda fase da competição que disputava. “Em primeiro lugar você tem que ter conhecimento do adversário, da sua equipe. Daí você passa a trabalhar forte em cima de sua equipe, em cima dos pontos fracos do adversário. Dá uma globalização a nível de futebol para sua equipe. Tudo isso é importante para que você tenha um time equilibrado

Técnic o trabalh fala sobre o o n poder no CRB e c ovo á ser o mo ¿QDOG vitorioso no D6pULH %

Digo ao torcedor regatiano que aqui também tem um torcedor que deixou de lado um dejeso pessoal para se dedicar ao clube do coração

Vamos fazer com que esses jogadores possam render tudo que renderam no passado” ROBERVAL DAVINO Técnico do CRB

na partida”, diz ele. Em entrevista à Tribuna Independente, o treinador falou da motivação de voltar ao clube do coração e de como vai ser vencedor na missão de deixar o CRB na Série B. “Recebi o comunicado do presidente para este plano e não estava pensando em voltar ao futebol. Mas minha história aqui é muito grande e eu não podia recusar o pedido em uma hora tão difícil como essa que o clube vive. Disse a eles que esgotasse outras situações (outros treinadores) e se não desse certo eu aceitava. Ainda não sei nem quanto vou receber (risos). Vou dar minha contribuição da melhor maneira possível. Manter esse time vai ser um prêmio para o CRB, para o torcedor e para mim, que faço parte desta história bonita que faz 100 anos”. O tempo foi curto e Davino já fez sua estreia contra o América-RN na semana passada e empatou de 3x3, apóis uma virada heróica. Ontem (sábado) encarou o Avaí. Mas mesmo assim o professor já tem uma real noção do que tem nas mãos de material humano para trabalhar. “Estou de olho na matemática e nos nossos adversários. Todos os profissionais que passaram, o Fonseca (Roberto), o Pintado, todos deram sua contribuição e são grandes treinadores e só vieram para cá pois têm uma grande história em um outro lugar. Vamos fazer com que esses jogadores possam render aquilo que renderam no passado. Com a força do torcedor alagoano, fazer bem feito dentro de casa, acredito que poderemos ser vitoriosos nessas últimas batalhas que faltam”, destacou. Do atual grupo que está trabalhando, Davino conhece de outros clubes a maioria dos atletas como Ednei, Anderson, Marcinho Guerreiro, Cristiano, Jadilson, Angelo, Chulapa, Gleidson entre outros. “Destes eu lancei muitos e tivemos jun-

ESPORTES 15

ROBERVAL DAVINO Técnico do CRB

ÚLTIMOS JOGOS 16/10 CRB x Boa 20/10 Joinville x CRB 23/10 CRB x Vitória 27/10 Ipatinga x CRB 03/11 CRB x Barueri 06/11 CRB x Paraná 10/11 Ceará x CRB 17/11 CRB x Guarani 24/11 ASA x CRB

tos em momentos diferentes e agora é uma situação de união. Já passou duas semanas de trabalho e todo mundo já está conhecido”. Sobre a filosofia de trabalho que vai adotar, Davino sabe que precisa melhorar o sistema defensivo. “O CRB é um time que toma quase dois gols por jogo e isso precisa mudar. Vamos trabahar esse setor defensivo e criar situações de contra-ataques. Vamos manter a posse de bola. O sistema de jogo que adoto é dentro da necessidade que vejo. Cada adversário é uma situação. Vamos tentar melhorar essa média de gols”, explicou. Ao torcedor alagoano, Davino abre o coração e fala do desejo de fazer a felicidade dos regatianos, assim como ele, que no passado brilhou com a camisa do CRB e agora quer fazer com que estes homens em campo possam fazer a mesma coisa. “Digo ao torcedor que aqui tem também um torcedor que deixou de lado um desejo pessoal para se dedicar ao clube do coração. Confiem neste grupo que teremos um resultado de sucesso no futuro. Vejo que tenho uma história no Galo e também já tirei times dessa situação negativa. Mas também não consegui êxito em outras situações. Foram 40 times e já vivi de tudo. Tem todo um somatório de experiência. Precisamos contar com apoio da fantástica torcida regatiana. Digo ao torcedor que lutem, compareçam, ajudem. Cada um tem um tipo de aceitação. Tem jogador que se abate com vaias e tem outros que crescem”, lembrou. Roberval Davino já foi técnico do clube na Série B em 1998, 2001 e 2008, e sua volta ao comando do CRB foi estudada de forma criteriosa, sezundo o presidente Marcos Barbosa. A diretoria do clube aposta no técnico, que já rendeu vitórias ao time anteriormente. Na próxima rodada o Galo encara o Boa Esporte em Maceió, terça-feira (16), às 21h50, no Estádio Rei Pelé.


16

ESPORTES

MACEIÓ - DOMINGO,14 DE OUTUBRO DE 2012

Esportes

TRIBUNAINDEPENDENTE

Felipe Massa motivado para buscar mais um pódio no GP da Coreia do Sul Um Felipe Massa bastante motivado e sorridente no paddock de Yeongam para o GP da Coreia do Sul de F-1. A largada acontece às 3h da madrugada deste domingo. O motivo foi o pódio conquistado no Japão, há uma semana, que acabou com um jejum que durava desde a prova coreana de 2010. “Estou muito feliz com o resultado que consegui e chego ainda mais motivado para esta corrida para tentar mais pódios como aquele e vitórias também”, disse o ferrarista, segundo coloFDGRHP6X]XND³$FKRTXHGHVGHDVIpULDV¿FRXFODURTXH¿]GRLVFDPSHRQDWRV diferentes e, mesmo que os resultados não fossem o que eu queria, já nas últimas corridas eu estava mostrando um bom desempenho. O problema é que sempre acontecia alguma coisa. Acho que é um pouco de sorte também”, disse.

Santos encara o Vasco com desfalques Peixe não contará com Neymar, André e Bernardo e técnico Muricy Ramalho mantém esquema defensivo de três volantes O Santos não terá dois importantes jogadores de frente no confronto deste domingo às 16h, contra o Vasco, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Brasileiro. O atacante André, suspenso, e o meia Bernardo, por força contratual, serão desfalques na partida em que o Peixe seguirá sem Neymar, que está na seleção brasileira. André recebeu o terceiro cartão amarelo contra o Botafogo e terá de cumprir suspensão. Ele também não vai enfrentar o Atlético-MG, na rodada seguinte, por força contratual, já que veio da equipe mineira.

Com Bernardo acontecerá a mesma coisa no duelo contra o Vasco. Ele está emprestado pela equipe carioca e, desta forma, terá interrompida a sequência prometida pelo técnico Muricy Ramalho. Sem a dupla, Muricy deve manter três volantes na equipe, formação que terminou o duelo contra o Botafogo, com Adriano, Henrique Arouca e Felipe Anderson no meio. Como companheiro de Miralles, autor do outro gol, na frente, Muricy poderá escalar Bill, o favorito por ter características semelhantes a André.

TERRA

Para o Vasco o jogo vale a reabilitação e a briga por uma vaga na Libertadores. No meio de semana o time perdeu para o São Paulo, adversário direto na tabela, e agora vai buscar pontos fora de casa. “Isso poderia acontecer no campeonato, porque é muito difícil e equilibrado”, disse o técnico Marcelo Oliveira. OUTROS JOGOS 16h São Paulo x Figueirense 16h Atlético-MG x Sport 16h Coritiba x Bahia 16h Náutico x Palmeiras 18h30 Fluminense x P.Preta 18h30 Grêmio x Botafogo

Muricy Ramalho e Marcelo Oliveira se encontram neste domingo no duelo entre Santos e Vasco na Vila Belmiro pelo Brasileirão 2012

MUNDIAL NO BRASIL

Ministro Aldo Rebelo preza pelo futebol popular na Copa Os atrativos no turismo e os diversos hotéis são pontos fortes para que as seleções possam escolher Alagoas em 2014 NIGEL SANTANA REPÓRTER

O ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, esteve em Alagoas para participar de um encontro entre torcidas organizadas do Norte e Nordeste. Afora esse debate de suma importância, Rebelo acabou

mencionando a atual situação do futebol brasileiro e consequentemente da Copa do Mundo em 2014. Um assunto destacado pelo ministro foi a construção de arenas para os jogos da Copa. Para ele, após o torneio mais importante para as seleções, o futebol no Brasil pode ganhar

conotação elitista, assim como na década de 20 e 30, respectivamente. “O futebol é popular. Vai o rico, o pobre, o negro, o branco. Todos os torcedores precisam ter acesso aos jogos. Futebol no Brasil tem raízes sociais. Foi por meio desta prática que o povo pobre e o negro foram

resgatados”, avalia. Mesmo com Maceió distante de sediar jogos da Copa do Mundo, a capital pode se contentar em ser sub-sede. Rebelo garante que infraestrutura existe, principalmente quando se fala em hotéis. No entanto, a possibilidade de receber uma seleção mun-

dial ainda é uma incógnita. “Não há nada garantido. Maceió foi uma das escolhidas para figurar como sub-sede por seus atrativos turísticos e hoteleiros. Temos um litoral belíssimo e há recursos para a reforma do Estádio Rei Pelé. Entretanto, a única seleção garantida na Copa é o Brasil,

país responsável pela realização do evento. As outras seleções ainda estão jogando as eliminatórias. As comissões das equipes é quem vão decidir se querem ficar em Maceió”. justifica. O ministro dos Esportes, torce para que uma seleção escolha a capital alagoana.


TRIBUNAINDEPENDENTE

MACEIÓ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012 VEÍCULOS 17

Veículos

Volkswagen vai lançar edição especial do Touareg na Europa

A Volkswagen anunciou o lançamento do Touareg X (foto), na Europa. Trata-se de uma edição especial do SUV que celebra os 10 anos da chegada do modelo ao mercado. O Touareg X vem com rodas de liga-leve de 19 polegadas, teto solar panorâmico e faróis bi-xenônio. Por dentro, o acabamento é feito em ébano, enquanto o banco é de couro Nappa. Cinco combinações de motor e câmbio estão disponíveis, incluindo uma híbrida. Os preços partem de 61.025 euros, tendo como opção inicial aquela com motor V6 TDI de 201 cavalos de potência.

Toyota Etios traz mais agilidade para vida urbana Um carro esperto, ágil, tem boa arrancada e retomada. Não há lombada que tire o seu bom humor na cidade

O TOYOTA ETIOS 1.5 XLS custa R$ 42.790,00 e chega com objetivo de disputar segmento competitivo

LUXO

Utilitário esportivo por R$ 50 mil Você já pensou em comprar um utilitário esportivo de luxo? Um Hyundai Santa Fé, um Honda CRV, um Jeep Grand Cherokee, um Toyota Rav 4, um Land Rover Discovery, carros equipados com o que há de mais moderno em tecnologia de segurança, conforto, mecânica, conectividade. Muito caro? Depende: se for zero quilômetro um carro desses custa uma pequena

fortuna, mas como essa categoria tem um alto grau de depreciação, em alguns anos o preço pode cair pela metade e então o carro que você nem sonhava em ter na garagem, se transforma numa boa oportunidade de compra. Veja o caso do Hyundai Santa Fé. Novo, custa cerca de R$ 100 mil em sua versão mais barata, mas o modelo 2006 é cotado no mercado, conforme a Molicar, por R$ 52

mil. Que tal um Volvo XC90 2005 com motor 2.5 turbo, automático, completíssimo, por R$ 60 mil? Pelo mesmo preço é possível comprar um Land Rover Discovery 2004, com tração 4 X 4 e motor turbo por preço de carro pequeno. No mercado de novos, com esse dinheiro - R$ 50 mil a R$ 60 mil - você não encontra mais do que as versões básicas do Ecosport e do Duster ou um Tucson.

O

Etios 1.5 recupera o prazer de dirigir no centro urbano. Acelera bem, é um carro esperto, ágil, tem boa arrancada e retomada. Não há lombada que tire o seu bom humor. É simples no acabamento e nos instrumentos. Espartano. O hodômetro - com marcações total e parcial - é parecido com o de uma moto. O desenho do painel também não é atraente, bem comportado assim como as linhas externas. Rústico, o Etios também não prima nas forrações das portas. Ao serem fechadas, você percebe o

barulho de lata na batida. É curioso: um carro que já vem, com airbag, ABS, ar-condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricas, não tem nem como opcional o retrovisores elétricos. Um equipamento banal, deixa o carro manco. Você precisa se esticar todo para regular o espelho no lado do passageiro, e muitas vezes só é bem sucedido após muitas tentativas. Falta também um simples sistema de regulagem de altura do banco do moWRULVWD 1D FRQÀJXUDomR topo de linha avaliada, ele vem também com rádio

com MP3, rodas de alumínio “15”, faróis de neblina e ajuste de direção. É espaçoso: tanto o motorista como os passageiros - inFOXVLYH RV GH WUiV  ÀFDP confortáveis. O que falta é espaço para bagagem: o porta-malas - com capacidade para apenas 270 litros - é muito apertadinho. O Toyota Etios 1.5 XLS custa R$ 42.790,00. É muito pelo que ele oferece. É a invasão do segmento mais disputado do mercado brasileiro. Marcas que antes não atuvam no setor começam a disputar espaço e prometem muitas novidades. Falta ter preço competitivo.


18

VEĂ?CULOS

MACEIĂ“ - DOMINGO, 9 DE OUTUBRO DE 2012

TRIBUNAINDEPENDENTE

Honda em SumarĂŠ completa 15 anos FĂĄbrica no interior de SĂŁo Paulo ĂŠ um marco na histĂłria da empresa no mercado de automĂłveis em solo brasileiro

A

Honda Automóveis do Brasil (HAB) comemorou no último ViEDGR RV  DQRV GD LQDXJXUDomR GH VXD IiEULFD ORcalizada no município de SuPDUpLQWHULRUGH6mR3DXOR O ano era 1997 e o primeiro PRGHOR IDEULFDGR SHOD +RQGDQRSDtVIRLXP&LYLF&RP uma produção de apenas 20 unidades diárias e 400 funcionários, a empresa iniciou sua trajetória de sucesso QR %UDVLO $WXDOPHQWH D IiEULFD FRQWD FRP PDLV GH  FRODERUDGRUHV H SURGX]  XQLGDGHV SRU GLD A data acontece apenas dois meses após a Honda atingir outra marca históriFD QR%UDVLO(P  GH DJRVto, a empresa comemorou

a produção do milionÊsimo FDUURHPWHUULWyULRQDFLRQDO Assim como o primeiro carro IDEULFDGR SHOD HPSUHVD HP 1997, o milionÊsimo Honda EUDVLOHLURIRLXP&LYLF 3DUD 3DXOR 7DNHXFKL GLretor de Relaçþes Institucionais da Honda, as duas daWDVSRVVXHPLPSRUWkQFLD´2 DQR GH  VHUi OHPEUDGR por todos da Honda durante PXLWRVDQRV7DQWRDSURGXção do carro de número um milhão como o aniversårio GH  DQRV GH QRVVD IiEULFD mostram o compromisso da HPSUHVD FRP R %UDVLO (QIUHQWDPRV PXLWRV GHVDÀRV mas o esforço valeu a pena e temos muito orgulho de terPRVFRQTXLVWDGRDFRQÀDQoD GRVEUDVLOHLURV¾

FIBRAS NATURAIS

Ecosport 2013 usa HFRĂ€EUD

COM 15 ANOS DE PRODUĂ‡ĂƒO NACIONAL, a Honda AutomĂłveis do Brasil se mantĂŠm atenta aos avanços

PROJETOS

5HQDXOW1LVVDQH'DLPOHUDPSOLDPFRODERUDomR Um dos objetivos Ê acelerar o desenvolvimento de grupos motopropulsores mais econômicos O projeto, coordenado em conjunto pela Renault e a Daimler, diz respeito ao desenvolvimento em conjunto de uma nova linha de motoUHVGHFLOLQGURVDJDVROLQD Ao aliar tecnologia de ponta em uma estrutura comSDFWD R PRWRU WXUER FRP injeção direta serå projetado SDUD DWLQJLU EDL[RV QtYHLV de emissão de poluentes e

reduzir de maneira signiÀFDWLYD R FRQVXPR GH FRPEXVWtYHO As montadoras estão prevendo produzir os novos motores em conjunto para equipar veículos Daimler, 5HQDXOWH1LVVDQHP O projeto de desenvolvimento de uma nova caixa GH FkPELR VHUi FRPDQGDGR pela Daimler, que concede-

rå uma licença tecnológica à Nissan, para que ela possa incluir as novas caixas de FkPELR QRV YHtFXORV 1LVVDQ H,QÀQLWLDSDUWLUGH $ -DWFR VXEVLGLiULD GD Nissan, deverå produzir esWDV QRYDV FDL[DV GH FkPELR VRE HVWD OLFHQoD QR 0p[LFR A nova transmissão incluirå as tecnologias do tipo start & stop e park & shift

E\ ZLUH ´(VWHV QRYRV FRPponentes são o testemunho da råpida evolução de nossa cooperação e de sua extensão, que estå sustentada por SURMHWRV EHP GHÀQLGRV SURporcionando vantagens reais para os nossos clientes�, H[SOLFRX&DUORV*KRVQ ´1RVVR UHODFLRQDPHQWR VH estende de forma orgânica HOyJLFD¾´(VWHDQRHVWDPRV

vivenciando uma reviravolta em nossa parceria, com a chegada dos primeiros veículos e motores provenienWHV GR QRVVR WUDEDOKR HP conjunto�, falou entusiasPDGR'LHWHU=HWVFKH ´$OpP GLVVR QRVVRV HQgenheiros estão atentos a QRYDV iUHDV GH FRODERUDomR em potencial, sem restrio}HV¾

O EcoSport 2013 Ê equipado FRP HQFRVWR GR EDQFR WUDVHLUR SURGX]LGR FRP HFRÀEUD DXWRmotive, matÊria-prima reciclåYHOTXHFRPELQDSROtPHURVFRP ÀEUDVQDWXUDLV2FRPSRQHQWH foi desenvolvido pela Artecola, empresa que produz laminados e adesivos especiais para diversos segmentos de mercaGRHVSHFLDOPHQWHRDXWRPRELOtVWLFR  $ HFRÀEUD p IDEULFDGD FRP matÊrias-primas atóxicas, da IDPtOLD GDV SROLROHÀQDV H FRP ÀEUDVQDWXUDLV(ODpFRQVLGHrada um dos primeiros materiais que permitem reciclagem tanto das aparas resultantes GR SURFHVVR GH IDEULFDomR GDV SHoDV FRPR GR GHVFDUWH ÀQDO GRSURGXWRQRÀPGDVXDYLGD ~WLO $OpPGDVYDQWDJHQVDPELHQWDLV D HFRÀEUD WHP EDL[R FXVto de produção, Ê leve, de fåcil PROGDJHP WHP à H[LELOLGDGH de aplicaçþes e proporciona um DFDEDPHQWR GH DOWR SDGUmR 2 PDWHULDO WHP ERD UHVLVWrQFLD D LPSDFWRV H j XPLGDGH H ERD DEVRUomRGHUXtGRV 1D LQG~VWULD DXWRPRELOtVWLFD D HFRÀEUD p XVDGD SDUD D IDEULFDomR GH ODWHUDLV H PHGDlhþes de portas, porta-pacotes e revestimentos internos e externos, entre outros compoQHQWHV

2013

EDIĂ‡ĂƒO

Em fevereiro de 2013 São Paulo vai ganhar mais uma feira no setor de veículos, o VUC Fair - Salão dos Veículos Comerciais Leves -, entre os dias 25 e 28 no PaYLOKmR2HVWHGR$QKHPEL A expectativa Ê reunir montadoras, importadoras, EDQFRV DGPLQLVWUDGRUDV de consórcio, seguradoras, companhias de petróleo e GLVWULEXLGRUDV DFHVVyULRV implementos rodoviårios, LQG~VWULD H GLVWULEXLGRUDV de autopeças, pneumåticos, sistemas de gerenciamento, de monitoramento e de rastreamento, entre outros VHJPHQWRV $SUHYLVmRpUHFHEHUHQWUH 17 mil a 20 mil visitantes, FRPR SURÀVVLRQDLV GD iUHD empresas frotistas e empreendedores, que depenGHP GRV YHtFXORV XUEDQRV de carga em seus processos GH GLVWULEXLomR QDV JUDQGHV FLGDGHV EUDVLOHLUDV RQGH RV FDPLQK}HV Mi HVWmR SURLELdos de circular ou não são adequados para esse tipo de VHUYLoR ´6H FRPSDUDUPRV os dados de emplacamentos de 2011 em relação a 2010, os VUCs cresceram 13,77% enquanto os caminhþes anotaram aumento de 9,64%�, revela Gianfranco Linder, GLUHWRUGDIHLUD

A Nissan apresenta no Salão do Automóvel a edição limitada March Rio 2016, em ação relacionada aos Jogos Olímpicos e PaUDROtPSLFRVQR3DtV Com um pacote de equipamentos escolhido com EDVH HP SHVTXLVDV FRP consumidores, a novidade serå vendida com motores  H  H YDL VHU LGHQWLÀFDGD SRU XP ORJRWLSR QD tampa do porta-malas e QDVODWHUDLV AlÊm da nova versão do March, a Nissan tem outras açþes relacionadas aos esportes olímpicos e SDUDROtPSLFRV (QWUH HODV R ´7LPH 1LVVDQ¾ JUXSR GH 30 atletas com potencial de medalhas patrocinado pela HPSUHVD Os integrantes dessa HTXLSH UHFHEHP D RULHQtação dos mentores HorWrQFLD 0DUFDUL tFRQH GR EDVTXHWH EUDVLOHLUR H PHdalhista olímpica, e Clodoaldo Silva, um dos maiores medalhistas paraolímpicos de todos os tempos e que foi integrante da equipe EUDVLOHLUD GH QDWDomR QRV Jogos Paraolímpicos em /RQGUHV Serão muitas novidades QR6DOmRGR$XWRPyYHO

VUCs e picapes terĂŁo SalĂŁo

March especial Rio 2016

NISSAN APRESENTA NO SALĂƒO DO AUTOMĂ“VEL a edição limitada March Rio 2016, em ação relacionada aos Jogos OlĂ­mpicos e ParaolĂ­mpicos

MOTORES

7pFQLFRVEXVFDPPDLVHÀFLrQFLDFRPHWDQRO  $ HÀFLrQFLD GH PRWRUHV D etanol no Brasil deverå ser estimulada pelo novo regime automotivo, segundo avaliação de pesquisadores reunidos no Workshop InWHUQDFLRQDOVREUH$SOLFDo}HV do Etanol para Motores Automotivos, em São Paulo, evento promovido pela FaSHVS Para esses especialistas, o desenvolvimento de tecnologias que melhorem a HÀFLrQFLD GH PRWRUHV D HWDnol vem atÊ regredindo nos

~OWLPRVDQRV2VSDUWLFLSDQtes do encontro acham que o iOFRRO SRGH WHU XPD HÀFLrQcia maior do que a gasolina, mas esse potencial não estå VHQGR DSURYHLWDGR )UDQFLVco Nigro, professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola PolitÊcnica da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador QDiUHDGHFRPEXVWtYHLVQDtivos do Instituto de PesquiVDV 7HFQROyJLFDV GR (VWDGR GH6mR3DXOR ,37 GLVVHTXH XP GRV REMHWLYRV GR 3UR-

grama Nacional do à lcool HUD R DXPHQWR GD HÀFLrQFLD energÊtica e foram criados &HQWURV GH $SRLR 7HFQROyJLFR &$7V  SDUD DMXGDU HPSUHVDVGRUDPRGHUHWtÀFDD fazer a conversão de motores que operavam originalmente com gasolina para funcionar FRPiOFRRO'LVVHTXHDHÀFLrQFLDHQHUJpWLFDGRVPRWRUHV a etanol chegou a ser 16% maior do que os movidos a JDVROLQD Com a queda dos preços do petróleo em 1990, segundo

o professor, a indústria voltou a investir na atualização tecnológica dos carros a gasolina, o que resultou na redução da vantagem enerJpWLFD GRV YHtFXORV D HWDQRO Com o uso do catalisador, a vantagem energÊtica do FDUUR D iOFRRO FDLX  ´e fundamental aumentar o deVHQYROYLPHQWRGHFDOLEUDomR de motores a etanol porque DV QRYDV SROtWLFDV S~EOLFDV para diminuir as emissþes de CO2 pelos automóveis devem aumentar�, diz NiJUR

PURE

NSC 2015

EUA

A Land Rover anunciou uma novidade para a linha 2013 do Range Rover. Agora, o Evoque Pure (foto), modelo de entrada da marca, passa a ter preço de US$ 41 995, cerca de US$ 2 mil mais barato do que o atual. Dentre as alteraçþes que resultaram na diminuição do preço, destaque para a troca do teto solar de sÊrie por um teto de alumínio padrão. AlÊm disso, o revestimento em couro sai de cena, dando lugar a um material sintÊtico.

A Nissan (foto), apresentou na CEATEC 2012, uma feira de tecnologia realizada no JapĂŁo, um carro high tech capaz de encontrar por vaga e estacionar sem contar com um humano no volante. O NSC 2015 realiza a tarefa com sistema de monitoramento remoto, composto por sensores. Ele funciona como um carro convencional, ou seja, seu motorista pode dirigi-lo atĂŠ o trabalho. Ao chegar, a pessoa deixa o veĂ­culo e segue normalmente para o seu compromisso.

A Mercedes-Benz anunciou o recall de 432 unidades de veĂ­culos da Classe SL (foto), nos Estados UniGRV2PRWLYRpDLGHQWLÂżFDomRGH um problema com um componente refrigerante do sistema de ar-condi-

Novidade para Range Rover 2013

Nissan mostra carro que acha vaga sozinho

Mercedes: recall de carros da Classe SL cionado. Foi descoberto que, em casos de colisĂŁo severa, o lĂ­quido poderia vazar e cair no compartimento do motor, provocando incĂŞndio. As unidades afetadas foram produzidas entre 19 de dezembro de 2011 e 31 de maio de 2012.


TRIBUNAINDEPENDENTE

MACEIĂ“ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012 VEĂ?CULOS 19

Caminhão e reboque aerodinâmicos reduzem consumo

CHEVROLET

Apresentação mundial do Onix

O REBOQUE AERODINÂMICO ECONOMIZA 2.000 litros de diesel e 5 toneladas de emissão de CO2 por ano, um avanço importante para o setor em busca do uso de energia

O novo Chevrolet Onix continua o processo de renovação da linha Chevrolet no mercado brasileiro. Baseado na arquitetura global de veĂ­culos pequenos que gerou modelos como Sonic, o Onix chega para impor novos referenciais de dirigibilidade, ergonomia, conforto e design. Com design inovador e tecnologia de ponta, o Onix foi 100% desenvolvido no Brasil, seguindo referĂŞncias globais. O modelo, que ĂŠ um dos mais esperados do mercado brasileiro, traz em suas linhas robustez e jovialidade. “O brasileiro adora carros e, no que se refere ao design, o Onix possui um sentido de apreciação diferenciado. Sempre trabalhamos visando atender aquilo que o cliente espera, mas com o Onix fomos alĂŠmâ€?, garante Carlos Barba, diretor executivo de Design da GM AmĂŠrica do Sul. Carregado de linhas e pontos que lhe conferem identidade prĂłpria, alinhada com o DNA global da marca, o Onix ĂŠ resultado do trabaOKRGHPDLVGHSURĂ€VVLRnais do Design da General Motors do Brasil, que nĂŁo se limitaram a pensar apenas em conceitos tradicionais empregados no desenvolvimento de um carro. Puramente brasileiro, o desenho do Onix foi concebido com modernidade e inovação. AlĂŠm dos designers, o Onix ĂŠ resultado do trabalho dos engenheiros de desenvolvimento de produtos.

HĂ?BRIDOS

MINICARRO

Modelos mostram que resistĂŞncia do ar caiu 18% e o consumo de combustĂ­vel em 5%

D

aimler lança iniciativa “CaminhĂŁo & Reboque Aerodinâmicosâ€? para reduzir ainda mais o consumo de combustĂ­vel nestas combinaçþes. Duas soluçþes inovadoras, prĂĄticas, de fĂĄcil implantação e de curto prazo foram desenvolvidas pela marca. O novo reboque aerodi-

nâmico da Mercedes-Benz pode economizar aproximadamente 2.000 litros de diesel anualmente, fazendo com que o operador economize quase 3.000 euros. AlÊm disso, o modelo reduz a emissão de CO2 em mais de cinco toneladas por ano. Em termos reais, caminhþes sujeitos a cobrança de pedågio nas estradas

Sistema V2H gera energia para carro e atÊ residência O desenvolvimento de veículos híbridos consome boa parte dos investimentos das grandes montadoras, cada vez mais interessadas nessa tecnologia. Apesar de jå existirem algumas propostas interesVDQWHV GLÀFXOGDGHV HP WRUno da autonomia e a inexisWrQFLD GH YDQWDJHQV ÀVFDLV ou tributårias para os interessados impedem sua disseminação em maior escala. Enquanto o assunto ainda ganha corpo, fabricantes

apresentaram novas propostas, como ĂŠ o caso do sistema V2H (Vehicle to Home) da Toyota, que permite compartilhar a energia do carro elĂŠtrico com a casa onde ele estĂĄ sendo carregado. Segundo a empresa, trata-se de um conversor de corrente capaz de transformar a energia da bateria do veĂ­culo em adequada ao uso domĂŠstico. A Toyota estima que a energia contida nas baterias de um Prius possa alimentar casa por quatro dias.

alemãs (12 t e acima) rodam cerca de 25 bilhþes de quilômetros, o que corresponde a 300 milhþes de litros de diesel que podem ser economizados em um ano, assim como mais de 800.000 toneladas de emissþes de CO2. O segundo veículo, o caminhão aerodinâmico da Mercedes-Benz, economiza

de 300 a 600 litros de diesel anualmente e atÊ 1,5 toneladas de CO2. O reboque e o caminhão aerodinâmico foram apresentados durante o Salão Internacional de Veículos Comerciais (IAA) – a maior feira do setor do mundo. O reboque aerodinâmico projetado e desenvolvido pela Mercedes-Benz dimi-

nui a resistência do ar em aproximadamente 18%. Isso resulta em uma redução do consumo de combustível em jornadas longas de 4% a 5%. As mediçþes foram feitas em túnel de vento em condiçþes reais. Não só um conceito futurista, o reboque aerodinâmico da Mercedes-Benz estå pronto para uso diårio, sem quaisquer restriçþes.

LANÇAMENTO

Toyota Etios sedã Ê um carro leve, silencioso e espaçoso

Quem quer se aproveitar da mesma fórmula a partir de agora Ê a Toyota, com o lançamento do Etios sedã. Disponível em três versþes de acabamento e com preços a partir de R$ 36.190, o popular quer abusar do porta-malas gigante para cativar RS~EOLFRGHVWHSHUÀO O Etios Ê um carro leve, seja qual for a carroceria. Com os 980 kg da versão avaliada, o motor 1.5 responde

bem à vontade do motorista, auxiliado tambÊm pelos comandos precisos do câmbio (manual de cinco marchas). A 120 km/h, o modelo rodava em quinta marcha com o motor na casa das 2.500 rpm e a impressão Ê de que havia algo maior do que um motor de 1,5 litro sob o capô. O silêncio da cabine era a maior surpresa: o preparo acústico do interior do carro Ê o quesito mais notåvel do

carro. O espaço traseiro Ê melhor que o do hatch, graças aos 11 cm a mais de entre-eixos (2,46 m no dois-volumes e 2,55 m no sedã). Nele cabem três pessoas sem briga, com bom espaço para pernas e cabeças. Duas pessoas vão tão bem quanto em um sedã mÊdio. Assim como o hatch, o Etios sedã Ê oferecido com três anos de garantia.

COOPERATIVO

Parceria produzirĂĄ novo compacto na IndonĂŠsia Daihatsu Motor Co., Ltd. (Daihatsu) e Toyota Motor Corporation (Toyota) anunciam um novo negĂłcio cooperativo, na IndonĂŠsia, em que as duas empresas estĂŁo, respectivamente, no mercado com suas marcas Daihatsu e Toyota para o novo carro compacto de lĂĄ. A Daihatsu “Aylaâ€? e Toyota “Agyaâ€? foram concebidos tendo em conta o carro verde de baixo custo (Low Cost Green Car -

LCGC) política, que estå atualmente sob revisão do governo indonÊsio. Daihatsu fornecerå suporte para a Toyota com o Agya com um acordo de OEM. Planejamento e desenvolvimento de veículos serå realizado pela Daihatsu e a produção acontece na nova fåbrica P.T. Astra Daihatsu Motor de Suryacipta, IndonÊsia, subsidiåria indonÊsia da Daihatsu.

TOYOTA ETIOS É UM carro leve, seja qual for a sua carroceria, no caso do modelo sedã são 980 kg

ElĂŠtrico tem alcance de 100 km

Pioneira no desenvolvimento de automĂłveis hĂ­bridos com o Prius, a Toyota agora entra no ramo dos carros elĂŠtricos. A marca apresentou, recentemente, no JapĂŁo, o iQ EV, um minicarro para atĂŠ quatro ocupantes e com motor de 64 cv e 16,6 kgfm de torque.

O modelo, porĂŠm, ainda nĂŁo serĂĄ vendido de forma convencional. Segundo a fabricante, 100 unidades do veĂ­culo serĂŁo vendidas em dezembro para autoridades governamentais e clientes especiais no JapĂŁo e Estados Unidos. Cada um custa US$ 46 mil, o equivalente a R$ 93.170 (livre de impostos). Segundo a Toyota, que nĂŁo economizou na modĂŠstia, o iQ EV traz o “melhor motor elĂŠtrico do mundoâ€? para acelerar do 0 aos 100 km/h em 14 segundos e atĂŠ 125 km/h de velocidade mĂĄxima. JĂĄ a autonomia que as baterias de Ă­on lĂ­tio proporcionam ao veĂ­culo gira em torno de 100 km.

POTĂŠNCIA

INUSITADOS

JUSTIÇA

O Audi S4 (foto), serĂĄ apresentado ao pĂşblico no SalĂŁo do AutomĂłvel em SĂŁo Paulo, e serĂĄ vendido no Brasil em duas versĂľes: Limousine, que custa R$ 345 mil e Avant ao custo de R$ 350 mil. A Audi explora a tecnologia embarcada no carro, anunciando um “carro que combina tecnologia avançada com um alto grau de funcionalidadeâ€?. O motor 3.0 TFSI V6 entrega 333 cv de potĂŞncia mĂĄxima e faz de 0 a 100 km/h em 5,3 segundos.

A Toyota apresenta um dos protótipos mais inusitados que se tem notícia, em feira de tecnologia. Trata-se do INSECT (Information Network Social Eletric City Transporter, algo como veículo urbano elÊtrico ligado à rede de informaçþes). O modelo conceitual se parece um com inseto (foto), com suas portas abertas para cima como se fossem pequenas e leves asas. Mas se você pensa que a aparência Ê o ponto mais interessante, precisa saber o que esse carro Ê capaz.

A Volkswagen bate o pÊ querendo deter somente para ela a sigla GTI (foto), em países como SuÊcia, BÊlgica, Holanda, Luxemburgo, Itålia, França e à ustria, mas o Tribunal de Justiça da União Europeia pensa diferente e D¿UPRXTXHRXVRGDVLJOD não induz a confusþes entre o Suzuki Swift GTI e o Volkswagen Golf GTI, argumentando que outras marcas, não apenas a Volkswagen, têm usado a abreviatura GTI para seus modelos.

S4 chega trazendo mais tecnologia

Um protĂłtipo inspirado em inseto

Volks perde briga para Suzuki pela sigla GTI


SOCIAL 20

PUBLICIDADE MACEIÓ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012 VEÍCULOS

TRIBUNAINDEPENDENTE


TRIBUNAINDEPENDENTE

MACEIĂ“ - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012 DIVERSĂƒO&ARTE

5LKDQQDDSDUHFHQXDHPFDSD GHQRYRiOEXPÂľ8QDSRORJHWLFÂś

)LOKDGH:KLWQH\+RXVWRQFRQÂżUPD QRLYDGRFRPRLUPmRDGRWLYR

'HSRLVGHODQoDURVLQJOHÂł'LDPRQGV´QRÂżPGHVHWHPEURRihanna divulgou os primeiros detalhes de seu 7Âş ĂĄlbum de estĂşdio. Sucessor de “Talk That Talkâ€?, de 2011, o novo trabalho da cantora se chamarĂĄ “Unapologeticâ€? (“Sem remorsoâ€?, em tradução livre). Previsto para novembro, PDVDLQGDVHPGDWDGHODQoDPHQWRFRQÂżUPDGDRiOEXPWUD]5LKDQQD completa nua na capa, cobrindo os seios com os braços. Gravado durante os Ăşltimos meses, “Side Effectsâ€? terĂĄ participação de Ne-Yo. A cantora deve dar inĂ­cio Ă turnĂŞ do disco em março de 2013.

'HVGHDJRVWRTXHDPtGLDLQWHUQDFLRQDOGHVWDFDRQDPRURGH%REEL.ULVWLQD¿OKD de Whitney Houston, com Nick Gordon, seu irmão adotivo. Após ela aparecer XVDQGRXPDQHOFRPXPDVD¿UDHQRUPHVXUJLUDPUXPRUHVGHXPQRLYDGR$JRUDDSUySULD%REELFRQ¿UPD6HJXQGRR³(2QOLQH´DJDURWDGHDQRVDVVXPLX ³(VWDPRVQRLYRV´GL]ULQGRQRUHDOLW\VKRZ³7KH+RXVWRQV2Q2XU2ZQ´TXH estreia no dia 24 de outubro na rede de televisão americana A&E, e mostra as polêmicas da família da cantora, falecida em fevereiro. Os parentes estão em choTXHFRPRHODPHVPDD¿UPRX³(OHVTXHUHPTXHGHVLVWDPRV0DVQmRYDPRV´

CONTROVERSO Escritor chinĂŞs Mo Yan, pouco conhecido no Ocidente (e atĂŠ mesmo no Oriente), dono de uma escrita que namora com o realismo fantĂĄstico chinĂŞs, ĂŠ o vencedor do PrĂŞmio Nobel de Literatura e causa polĂŞmica e dura crĂ­ticas em seu paĂ­s

O

1

olhar alegĂłrico para o passado, com direito a doses de realismo mĂĄgico, conquistou a Academia Sueca e rendeu ao romancista e ensaĂ­sta chinĂŞs Mo Yan, de 57 anos, o PrĂŞmio Nobel de Literatura deste ano. O anĂşncio foi feito esta semana, em Estocolmo, e pode ajudar a popularizar um escritor respeitado, mas pouco conhecido no Ocidente: Yan nem ao menos tem obras publicadas no Brasil, e ĂŠ mais famoso por ter sido autor do livro que deu RULJHPDRĂ&#x20AC;OPH´6RUJR9HUPHOhoâ&#x20AC;?. InĂŠdito no Brasil, ele era um dos autores mais cotados das bolsas de apostas para o prĂŞmio. Ainda assim aparecia atrĂĄs do grande favorito, o japonĂŞs Haruki Murakami, do hĂşngaro PĂŠter NĂĄdas e do irlandĂŞs William Trevor. Segundo a Academia Sueca, 0R<DQIRLUHFRQKHFLGR´SRU fundir, com realismo alucinatĂłrio, contos populares, a histĂłria e o lado contemporâneoâ&#x20AC;?. Ele vai receber oito milhĂľes de coroas suecas, o equivalente a R$ 2,4 milhĂľes. Ă&#x2030; o segundo chinĂŞs que ganha o Nobel de Literatura --Gao Xingjian foi premiado em 2000. ´$SDUWLUGHXPDPLVWXUDGH fantasia e realidade, perspectivas histĂłricas e sociais, Mo Yan criou um mundo que lembra a complexidade de autores como William Faulkner e Gabriel Gar-

cĂ­a Marquez, ao mesmo tempo em que encontra um ponto de partida na literatura chinesa antiga e na tradição oral. AlĂŠm de seus romances, Mo Yan publicou diversos contos e ensaios sobre vĂĄrios temas e, apesar de sua crĂ­tica social, ĂŠ visto em sua terra natal como um dos mais importantes autores contempoUkQHRVÂľDĂ&#x20AC;UPDDELRJUDĂ&#x20AC;DGR autor divulgada pelo Nobel. No ano passado, o Nobel de Literatura foi para o poeta sueco Tomas TranstrĂśmer. AmanhĂŁ, a Academia Sueca encerra a semana de anĂşncios com o Nobel da Paz. O escritor chinĂŞs manifestou Ă LPSUHQVDRĂ&#x20AC;FLDOVXDDOHJULDSHOR SUrPLRPDVGLVVHTXH´JDQKDU QmRVLJQLĂ&#x20AC;FDQDGDÂľHTXHVHJXLUi ´FRQFHQWUDGRQDFULDomRGHQRYDV REUDVÂľ´&RQWLQXDUHLWUDEDOKDQGRGXURJUDoDVDWRGRVÂľDĂ&#x20AC;UPRX em uma breve entrevista Ă  agĂŞnFLDRĂ&#x20AC;FLDO´&KLQD1HZVÂľ ´(OHHVWDYDHPFDVDFRPVHX pai. Estava muito feliz e assusWDGRÂľDĂ&#x20AC;UPRX3HWHU(QJOXQG presidente da Academia, Ă  televisĂŁo sueca. Sobre a importância do prĂŞmio para a literatura chinesa, <DQDĂ&#x20AC;UPRXTXH´D&KLQDWHP muitos autores excelentes, cujos trabalhos de destaque tambĂŠm poderĂŁo ser reconhecidos no mundoâ&#x20AC;?. VIDA E OBRA

0R<DQTXHVLJQLĂ&#x20AC;FD´QmR faleâ&#x20AC;?, ĂŠ na verdade o pseudĂ´nimo

de Guan Moye. Filho de fazendeiros, nasceu em 1955 e cresceu em Gaomi, na provĂ­ncia chinesa de Shandong. Aos 12 anos, durante a ReYROXomR&XOWXUDOHOHGHL[RXD escola para trabalhar, primeiro na agricultura e, mais tarde, em uma fĂĄbrica. Em 1976, ele entrou para o ExĂŠrcito de Libertação Popular e, na mesma ĂŠpoca, começou a estudar literatura. A primeira histĂłria de Mo Yan foi registrada em um jornal literĂĄrio em 1981 e seu romance GHHVWUHLD´7RXPLQJGHKRQJ luoboâ&#x20AC;?, foi publicado em 1986 QD)UDQoDVDLXFRPR´/H5DGLV GH&ULVWDOÂľHP Sua obra mais recente ĂŠ o roPDQFH´:DÂľSXEOLFDGRQD&KLQD em 2009 e na França em 2011, FRPR´*UHQRXLOOHVÂľ´UmVÂľVREUH as consequĂŞncias da polĂ­tica do Ă&#x20AC;OKR~QLFRHPVHXSDtV2OLYUR venceu o Mao Dun Literature Prize, prĂŞmio de literatura mais importante de seu paĂ­s, no ano passado. Ă&#x2030; tambĂŠm autor de ´3HLWR*UDQGH$QFDV/DUJDVÂľ (publicado em Portugal em 2007 pela editora Ulisseia), entre outras sagas familiares. Nenhuma publicação do escritor foi editada no Brasil. No entanto, muitos de seus livros ganharam versĂľes em francĂŞs e na lĂ­ngua inglesa, entre eles ´6DQGDOZRRG'HDWKÂľWUDGXomR GH´7DQ[LDQJ[LQJÂľ  H´/LIH and Death are Wearing Me Out: D1RYHOÂľWUDGXomRGH´6KHQJVL

pilaoâ&#x20AC;? (2006). O professor de literatura FKLQHVD+RZDUV*ROGEODWWTXH traduziu muitas das obras de Mo Yan para o inglĂŞs, comparou o autor a Dickens em entrevista UHFHQWHDR´&KLQD'DLO\ÂľDĂ&#x20AC;UPDQGRTXHDPERVWrP´JUDQGHV e ousados trabalhos com escrita Ă RULGDHSRWHQWHHIRUWHFyGLJR moralâ&#x20AC;?. No Ocidente, ĂŠ conhecido SULQFLSDOPHQWHSHODREUD´+RQJ Gaoliang Jiazuâ&#x20AC;? (1987), publicaGRHPQD)UDQoDFRPR´/H &ODQGX6RUJKRÂľ RFOmGRVRUJR  HQRV(8$HPFRPR´5HG 6RUJKXPÂľ´VRUJRYHUPHOKRÂľ2 OLYURGHXRULJHPDRĂ&#x20AC;OPH´6RUJR 9HUPHOKRÂľGLULJLGRSRU=KDQJ Yimou. PRINCIPAIS OBRAS

´7RXPLQJGHKRQJOXRERµ (1986) ´+RQJJDROLDQJMLD]Xµ 

´%DR]KD¾ 

´7LDQWDQJVXDQWDL]KLJH¾ (1988) ´+XDQOHVKLVDQ]KDQJ¾ 

´6KLVDQEX¾ 

´-LXJXR¾ 

´6KLFDRMLD]X¾ 

´'DRVKHQSLDR¾ 

´)HQJUXIHLWXQ¾ 

´+RQJVKXOLQ¾ 

´6KLIX\XHODL\XH\RXPR¾ (2000) ´7DQ[LDQJ[LQJ¾ 

´&DQJEDRWX¾ 

´6LVKL\LSDR¾ 

´6KHQJVLSLODR¾ 

´:D¾ 


2

DIVERSÃO&ARTE

TRIBUNAINDEPENDENTE

0$&(,Ï'20,1*2'(2878%52'(

Rappa em Jaraguá $SURGXomRORFDOGRVKRZGDEDQGD25DSSDHP0DFHLyFRQ¿UPRXDGDWDGDDSUHVHQWDomRSDUDRSUy[LPRGLDDSDUWLUGDVKQD FDVD9R[5RRPHP-DUDJXi2VKRZGHYHULDWHUDFRQWHFLGRQR~OWLPRGLDžGHVHWHPEURPDVIRLDGLDGRGHYLGRDSUREOHPDVGHVD~GH GRFDQWRU0DUFHOR)DOFmR$P~VLFDGHDEHUWXUD¿FDSRUFRQWDGDEDQGDDODJRDQD/3UHoRV5 SLVWD H5 IURQW 9HQGDV QRVHVWDQGHV9LYD$ODJRDV 0DFHLy6KRSSLQJ H)ROLD%UDVLO *%DUERVD6WHOD0DULV 0DLV,QIRUPDo}HV

Exposição de Esculturas 2WUDEDOKRGDDUWLVWDSOiVWLFD0DUWD$UUXGDSHU PDQHFHHPH[SRVLomRDWpRGLDGHRXWXEUR GHQR6HVF$UDSLUDFDQRKRUiULRVGDV jVK7HOHIRQH

Suwigue baiano $FDQWRUD&OiXGLD/HLWWHYROWDD0DFHLyHP JUDQGHVKRZPDUFDGRSDUDDPDQKmQD0XVL TXH$QRLWHWHUiDLQGDDSUHVHQWDomRGH$QGUp /HOLVHGH'-V2VLQJUHVVRVMiHVWmRjYHQGD QD/RMD+,7 -DWL~FD &KLOOL%HDQV 0DFHLy 6KRSSLQJ3iWLR0DFHLy H)ROLD%UDVLO *%DUER VD6WHOOD0DULV 2VYDORUHVSDUDRSULPHLURORWH GHLQJUHVVRVpGH5 9,3 SLVWDHVWXGDQ WH 5 9,3 SLVWD±LQWHLURH0H]DQLQR )URQVWDJH5HVHUYDGHPHVDVH LQIRUPDo}HV

Brahma Show $VEDQGDV&KLFOHWHFRP%DQDQD*DURWD6D IDGDHR'-%RE(VWUHODIDUmRJUDQGHVKRZQR GLDGHQRYHPEURQD3UDLDGH-DWL~FDDRODGR GR+RWHO0DFHLy$WODQWLF2VLQJUHVVRVSRGHP VHUFRPSUDGRVSHORVLWHGD6KRZGH,QJUHVVRV KWWSVKRZGHLQJUHVVRVFRPEUEUDKPDVKRZ  SHORSUHoRGH5 FDPDURWH H5 SLVWD 

Araketu $EDQGD$UDNHWXFRPDQGDR/XDXGR%DUXQRGLDGHQRYHPEURDSDUWLUGDVK$QRLWHDLQGDFRQWD FRPRVRPGDVEDQGDV(VTXDGUmRGH%DOOL1MHLWRV$PRGDH'-3LWmR1D%DUUD1RYDHP0DUHFKDO 'HRGRUR0DLV,QIRUPDo}HV

Caravana

Comédia 5RGULJR&DSHOODH0DUFHOR0DUURP DSUHVHQWDPXPHVSHWiFXORFKHLRGHLP SURYLVRHVTXHWHVHP~VLFDQRSUy[LPR GLDDSDUWLUGDVKRUDVQR7HDWUR *XVWDYR/HLWH$SHoDFKDPDGDGHFR PpGLDHPSUHWR EUDQFRpXPFRQYLWH SDUDERDVJDUJDOKDGDVMXQWRDRVDWRUHV $SHVDUGHWHUXPURWHLURWUDoDGRFDGD HVSHWiFXORp~QLFRHH[FOXVLYRPDUFD SUHVHQWHGRVDUWLVWDVTXHSDVVDUDP SHOD&LDGH+XPRU'(=QHFHVViULRV

Júnior Almeida 1RSUy[LPRGLDGHRXWXEURjVKR FDQWRUHFRPSRVLWRU-~QLRU$OPHLGDRFXSD RSDOFRGR7HDWUR*XVWDYR/HLWH &HQWUR GH&RQYHQo}HV-DUDJXi SDUDODQoDUR WmRHVSHUDGRWUDEDOKRµ0HPyULDGD)ORU¶2 GLVFRFRQWDFRPDSDUWLFLSDomRHVSHFLDOGH 1H\0DWRJURVVRTXHHVWHYHHP$ODJRDV SDUDJUDYDURFOLSGDP~VLFD3UHoRV5 H5 PHLDHQWUDGD 9HQGDVQR HVWDQGH6XH&KDPXVFD

2LOXVWUDGRUDODJRDQR+HUEHUW /RXUHLURDSUHHVHQWDVXD SULPHLUDH[SRVLomRVRORLQWL WXODGD&DUDYDQD±QmRSHUFD DEDQGHLUDYDLDWpDRGLDž GHQRYHPEURQD3LQDFRWHFD GD8QLYHUVLGDGH)HGHUDOGH $ODJRDV 8IDO &DUDYDQDp GLYLGLGDHPGXDVYHUWHQWHV RQGHRYLVLWDQWHHQFRQWUDUi LPDJHQVGRIROFORUHEUDVLOHLUR HRVULWXDLVGDYLGDFRPR QDVFLPHQWRFDVDPHQWRVH[R HPRUWHLPDJLQDGRVSRUPHLR GHWUrVSHUVRQDJHQVHPXP WULkQJXORDPRURVR$H[SRVL omRFRQWDFRPXPDPpGLD GHREUDVHQWUHDTXDUHOD ERUGDGRVWHODVHXPDWpFQL FDFRPYLGURVVREUHSRVWRV HVWHV~OWLPRVH[SHULPHQWD o}HVGRDUWLVWD

Tête à tête

Forró e Brega

)RWRVHWHODVGRVDUWLVWDV6XHOH /RFLFNVHVWDUmRH[SRVWDVQDJDOHULD &HVPDFGHDUWH)HUQDQGR/RSHV$ H[SRVLomR¿FDUiDEHUWDDRS~EOLFR GDVKjVK$JDOHULD¿FDORFDOL ]DGDQD5XD&{QHJR0DFKDGRQR EDLUURGR)DURO0DLVLQIRUPDo}HV  

&KDPDGRGHµ2*UDQGH(QFRQWUR¶ RVKRZQDFDVD0XVLTXH 6WHOOD 0DULV YDLUHXQLU-RVp2UODQGR*DOm GR%UHJD0DQR:DOWHUH&DYDORGH 3DXeDQRLWHGRIRUUyHOHWU{QLFR HGREUHJDUDVJDGR1RGLDGH QRYHPEUR9HQGDVQRHVWDQGH)ROLD %UDVLO *%DUERVD6WHOOD0DULV  0DLV,QIRUPDo}HV

2¿FLQD

$GLUHWRUDHURWHLULVWDFDULRFD/RO\ 1XQHVUHDOL]DHP0DFHLyXPD R¿FLQDGH3URGXomRH$GPLQLVWUD omR7HDWUDOGHDGHVWHPrV$ LQLFLDWLYDpXPDSDUFHULDHQWUHD'L UHomRGH7HDWURVGH$ODJRDV 'LWHDO  HD)XQDUWH2VLQWHUHVVDGRVYHP PDQGDUHPDLOSDUDKKRPHDOH[# JPDLOFRPFRPFXUUtFXORVXFLQWR

Blues $IRUWHYR]GH'DYH5LOH\pWUDGLFLR QDOGRVJUDQGHVQRPHVGR0LVVLV VLSSLRQGHQDVFHX6XDVFDQo}HV VmRRULJLQDLVFRPXPGHVHPSHQKR HQYROYHQWHTXHGLYHUWHGHVGHQRYD WRVGREOXHVDRVRXYLQWHVH[SHULHQ WHV(RPHOKRUHOHVHDSUHVHQWD HP0DFHLyQRSUy[LPRGLDD SDUWLUGDVKQR2UiNXORSUDoD 5D\ROHP-DUDJXi3UHoRV5 NJGHDOLPHQWRQmRSHUHFtYHO0DLV ,QIRUPDo}HV

Dorgival Dantas $P~VLFDHVWiJDUDQWLGDQR SUy[LPRGLDDSDUWLUGDV KQDFDVDGHVKRZV0XVLTXH 6WHOOD0DULV $QRLWHFRQWDFRP RIRUUR]HLUR'RUJLYDO'DQWDV RULWPRGRVEDLDQRVGRJUXSR )LOKRVGH-RUJHHDEDQGD)RUUy GR%RP9HQGDVGHLQJUHVVRVQR HVWDQGH)ROLD%UDVLO *%DUERVD 6WHOOD0DULV 0DLV,QIRUPDo}HV 

FALE CONOSCO$$JHQGDpXPVHUYLoRJUDWXLWRGHRULHQWDomRDROHLWRU2VLQWHUHVVDGRVHPGLYXOJDUHYHQWRVVKRZVHH[SRVLo}HVSRGHPHQYLDUPDWHULDODWUDYpVGRHQGHUHoRWLDJHQGD#KRWPDLOFRP


TRIBUNAINDEPENDENTE

0$&(,Ă?'20,1*2'(2878%52'( DIVERSĂ&#x192;O&ARTE

3

SilĂŞncio em cima

FLĂ VIO RICCOFRODERUDomR-RVp&DUDORV1HU\ZZZWZHWWHUFRPĂ&#x20AC;DYLRULFFR

SBT vai gravar â&#x20AC;&#x2DC;Carrosselâ&#x20AC;&#x2122; e parte de â&#x20AC;&#x2DC;Chiquititaâ&#x20AC;&#x2122; ao mesmo tempo

TV TUDO SilĂŞncio em cima

A

VJUDYDo}HVGDSUy[LPDQRYHODGR6%7´&KLquititasâ&#x20AC;?, serĂŁo iniciadas simultaneamente ao encerramento dos trabalhos de â&#x20AC;&#x153;Carrosselâ&#x20AC;?. E o detalhe ĂŠ que a equipe atual, comandada pelo diretor 5H\QDOGR%RXU\Ă&#x20AC;FDUiUHVSRQViYHOSRUHVVHPDODEDrismo todo. Mas vale informar que nĂŁo foi uma condição imposta por ninguĂŠm. Na verdade, Iris Abravanel, hoje quem solta e manda prender na teledramaturgia da emissora, se reuniu com todo o pessoal e falou sobre a possibilidade de entregar â&#x20AC;&#x153;Chiquititasâ&#x20AC;? a uma produtora independente â&#x20AC;&#x201C; que poderia ser a do empresĂĄrio JosĂŠ Paulo Valone â&#x20AC;&#x201C; para nĂŁo comprometer o andamento de â&#x20AC;&#x153;Carrosselâ&#x20AC;?. PorĂŠm, chegou-se Ă conclusĂŁo que serĂĄ possĂ­vel, sim, utilizando-se das condiçþes atuais, tocar as duas dentro da prĂłpria Anhanguera, sem que isso possa representar algum risco Ă  qualidade de uma e de outra. E assim serĂĄ.

(PPHLRDWXGRQLQJXpPQR6%7 VHDUULVFDDGL]HUTXDOTXHUFRLVD VREUHRSUy[LPRWUDEDOKRGR7LDJR 6DQWLDJR3DVVDDLPSUHVVmRGH XPDFRLVDSURLELGD &RPRVHVDEHHOHMiHQWUHJRXGRLV SURMHWRVXPDVpULHFRPIRFRQDV 0LOH8PD1RLWHVHXPDQRYHOD HVWUHODGDSRUFULDQoDVHMRYHQV VXSHUSRGHURVRVTXHVHXQHPSDUD defender a Terra de um ataque DOLHQtJHQD0DVQDGDVHIDODVREUH HOHVSRUHQTXDQWR

Futebol 2(VSRUWH,QWHUDWLYRPRYLPHQWDQGRWRGDDVXDHTXLSHGHVGHMi SURPHWHDPSODFREHUWXUDGD&RSD GR1RUGHVWHWRUQHLRFRPFOXEHV TXHVHUiGLVSXWDGRHQWUHGH MDQHLURHGHPDUoRGRDQRTXH YHP %DKLD6SRUW9LWyULDH6DQWD&UX] VHUmRRVFDEHoDVGHFKDYH

(PPHLRDWXGRQLQJXpPQR6%7VHDUULVFDDGL]HUTXDOTXHUFRLVDVREUHRSUy[LPRWUDEDOKRGR7LDJR6DQWLDJR 3DVVDDLPSUHVVmRGHXPDFRLVDSURLELGD&RPRVHVDEHHOHMiHQWUHJRXGRLVSURMHWRVXPDVpULHFRPIRFRQDV 0LOH8PD1RLWHVHXPDQRYHODHVWUHODGDSRUFULDQoDVHMRYHQVVXSHUSRGHURVRVTXHVHXQHPSDUDGHIHQGHUD 7HUUDGHXPDWDTXHDOLHQtJHQD0DVQDGDVHIDODVREUHHOHVSRUHQTXDQWR

Futebol

Humor

Pau na mĂĄquina

2(VSRUWH,QWHUDWLYRPRYLPHQWDQGRWRGDDVXDHTXLSHGHVGHMi SURPHWHDPSODFREHUWXUDGD&RSD GR1RUGHVWHWRUQHLRFRPFOXEHV TXHVHUiGLVSXWDGRHQWUHGH MDQHLURHGHPDUoRGRDQRTXH YHP %DKLD6SRUW9LWyULDH6DQWD&UX] VHUmRRVFDEHoDVGHFKDYH

Voltando de Cannes, a número um GR$UWtVWLFRGD5HGH790{QLFD 3LPHQWHOGHYHGHFLGLUDGDWDGH HVWUHLDGRQRYRKXPRUtVWLFR³)HLUD GR5LVR´TXHMiHVWiHPSURFHVVR GHJUDYDomR $LGHLDTXHH[LVWHGHVGHRFRPHoR pFRORFDURSURJUDPDQDVQRLWHVGH TXLQWDIHLUD

(P³$YHQLGD%UDVLO´RWUDEDOKRQmR SDUD2HOHQFRFRQWLQXDJUDYDQGR QRUPDOPHQWHHDVVLPGHYHVHU DWpTXDUWDRXTXLQWDIHLUDSDUDD JUDQGHPDLRULDGRVDWRUHV eD~OWLPDVHPDQDGDQRYHODHR segredo em torno do seu desfecho pPXLWRJUDQGH

Mais uma da sÊrie /tYLD$QGUDGHGR6%7IRLDVVLVWLUDRVKRZGDEDQGD7LWmVHP6mR3DXOR HSDUHFHTXHJRVWRXEDVWDQWH $SRQWRGHH[WUDYDVDUQR7ZLWWHU³6KRZGR7LWmQVVHQVDFLRQDO´&RPRVH YLXHODQmRFRUUHXULVFRV6HFHUFRXFRPRWLOHR³Q´QRQRPHGRJUXSR

PrĂłxima parada 1

PrĂłxima parada 2

'HSRLVGHYLYHUREDQGLGR5DPyQHP ³$YHQLGD%UDVLO´:LOOLDP9LWDDJRUDYDL ID]HUXPDSDUWLFLSDomRHP³8PD5XD6HP 9HUJRQKD´QRYDVpULHGD&RQVSLUDomR )LOPHVSDUDRFDQDO0XOWLVKRZQRSDSHOGH XPJLJRO{$SURGXomRpEDVHDGDQROLYUR KRP{QLPRGH&OiXGLR+HQULTXHVREUHD UXD3UDGR-XQLRUHP&RSDFDEDQDFRQKHFLGRUHGXWRGHSURVWLWXLomR

(PHVPRSDUWLFLSDQGRGH WUDEDOKRVQD79SDJDRX ID]HQGRWHVWHVSDUDRXWUDV SURGXo}HVGDSUySULD*ORER :LOOLDP9LWDDLQGDQmRSRGH UDVSDURELJRGH7iSURLELGR SHODGLUHomRGH³$YHQLGD %UDVLO´ eTXHH[LVWHDSRVVLELOLGDGH GHHOHYROWDUjFHQDSDUD DWRUPHQWDU6XHOHQ,VLV 9DOYHUGH2SHUVRQDJHP morreu, mas, em TV, tudo SRGHDFRQWHFHU

Humor Voltando de Cannes, a número um GR$UWtVWLFRGD5HGH790{QLFD 3LPHQWHOGHYHGHFLGLUDGDWDGH HVWUHLDGRQRYRKXPRUtVWLFR³)HLUD GR5LVR´TXHMiHVWiHPSURFHVVR GHJUDYDomR $LGHLDTXHH[LVWHGHVGHRFRPHoR pFRORFDURSURJUDPDQDVQRLWHVGH TXLQWDIHLUD

'HVHUWRĂ&#x20AC;RULGR 6REUHDPLQLVVpULH Âł-RVpGHHVFUDYRD JRYHUQDGRU´MiHP SURFHVVRGHJUDYDomR IRUDPOLEHUDGDV externas no deserto GH$WDFDPDFRQVLGHUDGRRPDLViULGRGR SODQHWD O elenco embarca SDUDR&KLOHQDSULPHLUDVHPDQDGHQRYHPEURpSRFDHPTXHDV Ă&#x20AC;RUHVDSUHVHQWDPXP FRORULGRLQHVSHUDGR

Volta ao ar 6DOYRTXDOTXHUVXUSUHVDGH~OWLPD KRUDR³0XLWR0DLV´GD$GULDQH *DOLVWHXYROWDUiDVHUDSUHVHQWDGR QHVWDVHJXQGDIHLUDQD%DQGGHSRLVGHXPDVHPDQDIRUDGRDU 2VHXHVSDoRIRLFHGLGRSDUDDH[LELomRGHXPDSURJUDPDomRLQIDQWLO

Mais uma da sĂŠrie

Primeiro dia

/tYLD$QGUDGHGR6%7IRLDVVLVWLUDRVKRZGDEDQGD7LWmVHP 6mR3DXORHSDUHFHTXHJRVWRX EDVWDQWH$SRQWRGHH[WUDYDVDUQR 7ZLWWHU³6KRZGR7LWmQVVHQVDFLRQDO´&RPRVHYLXHODQmRFRUUHX ULVFRV6HFHUFRXFRPRWLOHR³Q´ QRQRPHGRJUXSR

+RMHFRPDVIpULDV do Cleber MachaGR0LOWRQ/HLWH SDVVDDFRPDQGDU o futebol da Globo SDUD6mR3DXOR (DVVLPVHUiGXUDQWHRVSUy[LPRV GLDV&RPHoD ORJRPDLVDSDUWLU das 4 da tarde com 1iXWLFRH 3DOPHLUDVGLUHWR GR5HFLIH

Salvo qualquer surpresa de Ăşltima hora, o â&#x20AC;&#x153;Muito Maisâ&#x20AC;?, da Adriane Galisteu, voltarĂĄ a ser apresentado nesta segunda-feira, na Band, depois de uma semana fora do ar. O seu espaço foi cedido para a exibição de uma programação infantil

PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br Definiu o mapa do Brasil, em 1750

Š Revistas COQUETEL 2012

Jogo infantil com figurinhas Ganhador do Oscar de Melhor Tocantins Ator Coadjuvante por (sigla) "O Vencedor" (2011)

Ă&#x2030;douard (?), pintor impressionista francĂŞs Aumentar a Mecânica velocidade (abrev.)

Tema de dicas de professores em colunas de jornal Sinal de despedida Entrelaça os fios Estrutura formada pelas falanges (Anat.) Rei persa derrotado por Alexandre, o Grande Deusa romana da agricultura (Mit.)

Cada som ouvido na salva Policial (gĂ­ria) Falta do que fazer

(?) BabĂĄ, herĂłi da Literatura ĂĄrabe

Portal de templos xintoĂ­stas Uma das carĂŞncias do mendigo Thiago Lacerda, ator de "Viver a Vida"

IrmĂŁ de Maggie Simpson ConclusĂŁo

A origem Håbito do do gato ditador angorå (?) de emissão, informação do RG

Alvorada Adolescente, em inglĂŞs

Vento brando (pl.)

Fruto nordestino Universidade paulista

Adulterar (a informação)

Educandårio para crianças de atÊ 6 anos

4/teen â&#x20AC;&#x201D; tori â&#x20AC;&#x201D; umbu. 5/ceres â&#x20AC;&#x201D; manet. 6/matina. 8/dario iii. 13/christian bale.

22

Solução T G R A T A D O D C E M A D R I P

D

T E E N

A M C E E C L E DO R A R R E M A T E

M B A T I C A N O H F T E I R O T O R I C A S A L I T L I O I I I S A A T I N A U M B U U R P A R S C O L A P A R E S

BANCO

Aos (?): em grupos de dois

Pau na måquina (P³$YHQLGD%UDVLO´RWUDEDOKRQmR SDUD2HOHQFRFRQWLQXDJUDYDQGR QRUPDOPHQWHHDVVLPGHYHVHUDWp TXDUWDRXTXLQWDIHLUDSDUDDJUDQGH PDLRULDGRVDWRUHVeD~OWLPD VHPDQDGDQRYHODHRVHJUHGR HPWRUQRGRVHXGHVIHFKRpPXLWR grande.

Bate-rebate ¡Gustavo Reiz jĂĄ foi autorizado pela Record para reescrever â&#x20AC;&#x153;Dona Xepaâ&#x20AC;?. Ă&#x201A;$SURGXomRGDQRYHODGHYH FRPHoDUDLQGDHVWHDQRSDUD HVWUHDUQRSULPHLURVHPHVWUHGR SUy[LPR ¡Os amigos do Ronaldo - pessoal do poker - garantem que nĂŁo existe nenhum jogo de cena. Ă&#x201A;0HVPRTXDQGR0iUFLR$WDOODRXD HTXLSHGRÂł)DQWiVWLFR´QmRHVWmR SRUSHUWRHOHHVWiVHQGRULJRURVR QRVHXUHJLPH ¡Ellen Jabour esteve na Record. Mas foi apenas gravar um programa. Nada mais que isso. Ă&#x201A;/HRQD&DYDOOLpPDLVXPDGR HOHQFRGHÂł*DEULHOD´HVFDODGDQD SUy[LPDQRYHODGR:DOF\U ¡Agora chega a informação que a Bandeirantes vai exibir a 1ÂŞ e 2ÂŞ temporadas da sĂŠrie â&#x20AC;&#x153;The Walking Deadâ&#x20AC;? em janeiro. Ă&#x201A;8PDQDVHTXrQFLDGDRXWUD ¡Edna Velho tambĂŠm recebeu convite para integrar o elenco da sĂŠrie â&#x20AC;&#x153;Uma Rua Sem Vergonhaâ&#x20AC;?. Ă&#x201A;'HSRLVGR&DUORV$OEHUWR5LFHOOL TXHIH]XPDSHTXHQDPDVVLJQLÂżFDWLYDSDUWLFLSDomRHPÂł*XHUUDGRV 6H[RV´SRGHVHUDYH]GH%UXQD /RPEDUGL ¡Existem dois autores da Globo interessados.

&¡HVWĂ&#x20AC;QL -iHVWiGHÂżQLGRTXHDSDUWLUGRGLD DÂł)D]HQGDGH9HUmR´VHUiDSUHVHQWDGDjVKGHSRLVGRÂł-RUQDO GD5HFRUG´HVSDoRGHÂł5HEHOGH´ $UHSULVHGHÂł25HL'DYL´HQWUDUi ORJRGHSRLVGLVVRSRUYROWDGHGD QRLWH )LFDPRVDVVLP0DVDPDQKmWHP PDLV7FKDX

HORĂ&#x201C;SCOPO Ă RIES - (21/3 a 19/4) â&#x20AC;&#x201C; A atual tensĂŁo que a Lua estabelece com 0HUF~ULRDEDODVHXFLUFXLWRVRFLDO 1HVWDIDVHpLPSRUWDQWHFRQWURODU VHXVJDVWRVHEXVFDUVHGLYHUWLUFRP DWLYLGDGHVTXHQmRVHMDPWmRFDUDV TOURO â&#x20AC;&#x201C; (20/4 a 20/5) â&#x20AC;&#x201C; A quadUDWXUD/XD0HUF~ULRSHGHTXHYRFr WHQKDPDLVSDFLrQFLDFRPRVRXWURV HWHQWHFRPSUHHQGHUDVGLIHUHQoDV &XLGHGDVVXDVUHODo}HVIDPLOLDUHV HSHQVHEHPDQWHVGHMXOJDURVRXWURV1RDPRUDSURYHLWHRGLDSDUD PXGDUVXDVDWLWXGHVHVHQWLPHQWRV DROLGDUFRPRVFRQĂ&#x20AC;LWRVDPRURVRV )DoDFRPTXHDVTXHVW}HVSHVVRDLV WHQKDPPDLVLPSRUWkQFLDHFRQWUROH VXDVHPRo}HV GĂ&#x160;MEOS â&#x20AC;&#x201C; (21/5 a 21/6) â&#x20AC;&#x201C; O PRPHQWRQmRpERPSDUDFRQYHUVDV VpULDVSRLVD/XDH0HUF~ULRIRUPDPTXDGUDWXUDHQWUHVXDWHUFHLUD HVH[WDFDVDVePHOKRUGHL[DUSDUD GHSRLVDUHVROXomRGHSUREOHPDV 3URFXUHVHIRUWDOHFHUSULPHLUR1R DPRUHYLWHSHQVDPHQWRVGHVIDYRUiYHLVDRVVHXVSODQRVQR WUDEDOKRHQRDPRU7HQWHDGPLQLVWUDUDVPXGDQoDVGRGLDDGLDTXH SUHFLVDPGHXPDFRQVFLrQFLDPDLRU dos rumos de seu romance. CĂ&#x201A;NCER Âą D Âą9RFr SUHFLVDPHOKRUDUDDGPLQLVWUDomRGH VXDVHPRo}HVIUHQWHjVGLÂżFXOGDGHV GRGLDDGLD8VHDFRQYHUVDHR FDULQKRQDEXVFDGHRXWURVPRGRV GHHQFDUDURVREVWiFXORV LEĂ&#x192;O â&#x20AC;&#x201C; (23/7 a 22/8) â&#x20AC;&#x201C; A entrada da /XDHPVHXVLJQRSHGHTXHYRFrVH GHL[HOHYDUPDLVSRUVHXVLPSXOVRV XVDQGRPDLVVXDVLQFHULGDGH$ TXDGUDWXUDFRP0HUF~ULRSHGHTXH YRFrGrPDLVDWHQomRDRVRXWURV 1RDPRUpQHFHVViULRTXHYRFr UHSHQVHVHXPRGRGHDJLUFRPDV SHVVRDVTXHULGDVHSDVVHDVROXFLRQDURVFRQĂ&#x20AC;LWRVTXHID]HPYRFr SHUGHUDFDEHoD3ULRUL]HDFRQYHUVD SDUDGHPRQVWUDUVHXDIHWR VIRGEM â&#x20AC;&#x201C; (23/8 a 22/9) â&#x20AC;&#x201C; A tensĂŁo HQWUHVXDiUHDGHFULVHHVHXVHWRU FRPXQLFDWLYRSRGHOKHPRVWUDU DQHFHVVLGDGHGHHQIUHQWDURV SUREOHPDVGRSDVVDGR2PRPHQWR SRGHVHUSRVLWLYRSDUDVXSHUDU GLÂżFXOGDGHV LIBRA Âą D Âą5HSHQVH DVVXDVDWLWXGHVQHJDWLYDVHGHPRQVWUHDQLPDomRSDUDDGPLQLVWUDUVHXV FRQĂ&#x20AC;LWRVSHVVRDLV)LTXHORQJHGRV

SUREOHPDVDPRURVRVHIRUWDOHoD VHXURPDQFH5HVSHLWHDRSLQLmRGH VHXSDU ESCORPIĂ&#x192;O â&#x20AC;&#x201C; (23/10 a 21/11) â&#x20AC;&#x201C; A quadratura que a Lua estabelece FRP0HUF~ULRLQGLFDTXHYRFrSRGH WHUSUREOHPDVSDUDGLYLGLUVHXWHPSR HQWUHWUDEDOKRHYLGDSHVVRDO7HQWH EXVFDUXPDVROXomRSDUDGDUFRQWD de tudo! No amor, a chegada dos DVWURVTXHSURPRYHPPXGDQoDV DIHWLYDVWUD]DQHFHVVLGDGHGHVH DSUR[LPDUGHVHXJUDQGHDPRU (YLWHRVGHVHQWHQGLPHQWRVGRGLD DGLD SAGITĂ RIO â&#x20AC;&#x201C; (22/11 a 21/12) â&#x20AC;&#x201C;A HQHUJLDGD/XDSDVVDDWUDQVLWDUSRU VXDiUHDHVSLULWXDOHSRGHOKHID]HU SHQVDUPDLVVREUHVXDYLGD1R HQWDQWRDTXDGUDWXUDFRP0HUF~ULR SRGHID]HUFRPTXHYRFrSHQVH VRPHQWHQRVSUREOHPDV7HQWHVH DQLPDU1RDPRUPXGHRMHLWRGH GHPRQVWUDUVHXDPRUHGHL[HDV DOWHUDo}HVEUXVFDVGHKXPRUGH ODGR7HQKDFXLGDGRDRVHHQYROYHU HPDVVXQWRVGHOLFDGRV(QFDUHRV SUREOHPDVHSULRUL]HRGLiORJRQR amor. CAPRICĂ&#x201C;RNIO â&#x20AC;&#x201C; (22/12 a 19/1) Âą9RorYDLHVWDUPDLVVHQVtYHOH FRPYRQWDGHGHHVWDUVy5HVSHLWH HVVHPRPHQWRSDUDQmRPDOWUDWDU RVRXWURVVHPPRWLYRV1RDPRU EXVTXHPDLVKDUPRQLDGLDQWHGH VXDFDUDPHWDGH0RVWUHVXDLQWHQomRHPPXGDUVHXMHLWRGHOLGDUFRP DYLGDDIHWLYD,QYLVWDQDVTXHVW}HV DPRURVDVPDQWHQGRRVLOrQFLR DQWHVGHDJLU AQUĂ RIO â&#x20AC;&#x201C; (20/1 a 18/2) â&#x20AC;&#x201C; A quadratura que a Lua forma com 0HUF~ULRSHGHTXHYRFrVHMDPDLV Ă&#x20AC;H[tYHOSULQFLSDOPHQWHQRVVHXV UHODFLRQDPHQWRVtQWLPRV5HVSHLWDU DRSLQLmRGRRXWURpIXQGDPHQWDO 1RDPRUGLÂżFXOGDGHVGHFRQYtYLR SRUPHLRGDVPXGDQoDVHPVHX PRGRGHDJLU7UDQVIRUPHDFRQYLYrQFLDHPXPPDUGHURVDV PEIXES â&#x20AC;&#x201C; (19/2 a 20/3) -O moPHQWRSHGHFXLGDGRHDWHQomRHP VXDVUHODo}HVGHWUDEDOKR(YLWH SUREOHPDVVHQGRPDLVĂ&#x20AC;H[tYHO1R DPRUKRMHYRFrWHQGHDHQIUHQWDUD QHFHVVLGDGHGHGDUPDLVDWHQomR DRVHXSDUHDVVXQWRVGRURPDQFH $GPLQLVWUHPHOKRURVHXWHPSRSDUD FXUWLUPDLVPRPHQWRVDRODGRGH sua cara-metade.

DIREITOS

Stan Lee Media processa Disney por uso de personagens da Marvel

A

Stan Lee Media, empresa que diz deter os direitos sobre personagens da Marvel como HomemAranha e Homem de Ferro, abriu um processo judicial contra a Disney, pleiteando â&#x20AC;&#x153;bilhĂľes de dĂłlares em lucrosâ&#x20AC;?. O desenhista Stan Lee, que nĂŁo ĂŠ mais ligado Ă Stan Lee Media, criou muitos dos persoQDJHQVĂ&#x20AC;[RVGD0DUYHO A empresa alega que Lee cedeu em 1998 os direitos desses personagens, mas que um mĂŞs depois entregou os mesmos direitos Ă  Marvel Enterprises. Em 2009, a Disney adquiriu a Marvel Enterprises, entĂŁo rebatizada de Marvel Entertainment, por 4,3 bilhĂľes de dĂłlares. A Stan Lee Media foi fundada em 1999, com

o objetivo declarado de â&#x20AC;&#x153;abrir processos para recuperar danos ao seu patrimĂ´nioâ&#x20AC;?. â&#x20AC;&#x153;A Walt Disney Company representou ao pĂşblico que ela, de fato, possui os direitos sobre esses personagens e sobre centenas de outros personagens criados por Stan Leeâ&#x20AC;?, diz a ação, protocolada num tribunal do Colorado. O foco da ação sĂŁo Ă&#x20AC;OPHVGD'LVQH\FRP personagens da Marvel, como â&#x20AC;&#x153;Os Vingadoresâ&#x20AC;?, que arrecadou mais de 1,5 bilhĂŁo de dĂłlares nas bilheterias do mundo todo. Em nota, a Disney disse que â&#x20AC;&#x153;a ação nĂŁo tem mĂŠritoâ&#x20AC;?, e â&#x20AC;&#x153;decorre de alguns fatos e alegaçþes judiciais que jĂĄ foram rejeitados por trĂŞs juĂ­zes de tribunais federaisâ&#x20AC;?.


4

DIVERSĂ&#x192;O&ARTE

TRIBUNAINDEPENDENTE

MACEIĂ&#x201C; - DOMINGO, 14 DE OUTUBRO DE 2012

Quer Saber?

â&#x20AC;&#x153;A beleza ĂŠ a Ăşnica coisa preciosa na vida. Ă&#x2030; difĂ­cil encontrĂĄ-la mas quem consegue descobre tudoâ&#x20AC;? Fotos by Chico BrandĂŁo

Chanel

A

Chanel acaba de divulgar o catĂĄlogo de seu verĂŁo 2013 e alĂŠm dos acessĂłrios-desejo, que passaram nas passarelas da maison, na Ăşltima semana, a cartela de cores-delĂ­cia e os cliques by Karl Lagerfeld arrancam suspiros de qualquer fashionista, que se preze! Entre as apostas da maison para a estação que chega, estĂŁo peças de silhueta â&#x20AC;&#x153;Aâ&#x20AC;?, comprimentos mĂ­ni, pĂŠrolas (ĂŠ claro) e muitos chapĂŠus â&#x20AC;&#x201C; tudo em clima navyvintage com ares de cruise collection. Glamour! SĂŠrgio ParaĂ­so

FĂĄtima TenĂłrio, leia-se System Tours, uma empresĂĄria que enaltece a classe feminina em nosso Estado , sempre merecerĂĄ os nossos aplausos pelo grande valor que possui

nte, um lipe Cavalca nos Helena e Fe s os amigos cidade, estão Parabenizamo enta sucesso em nossa ento do Iloa, na res casal que rep ivos para o grande lançam rat últimos prepa o Miguel Barra de Sã

Cleide Mero, uma amiga muito querida e uma artista talentosa quando falamos em artes manuais, fabrica peças lindas para a casa no seu ateliê na Ponta Verde. ParabÊns, amiga!

Pontes HotĂŠis & Resorts

Marinheiros de primeira viagem

A

garota, uma paulista de 19 anos, jĂĄ havia ido para Nova York, Londres e Paris, mas nesse carnaval seria sua primeira vez no Rio de Janeiro. NĂŁo ĂŠ incrĂ­vel? Pois ĂŠ mais comum do que se imagina. EstĂĄ cheio de gente que jĂĄ viajou para o exterior, mas que nĂŁo conhece nada do Brasil. Entusiasmada, ela me conta TXHYDLDVVLVWLUDRVGHVÂżOHVGDVHVFRODVGHVDPEDHTXHGHSRLVÂżFDUiSRUPDLVXQVGLDV5HFRPHQGRHQWmR TXHQmRGHL[HGHLUDR3mRGH$o~FDUHDR&RUFRYDGR(ODROKDSDUDPLPGHVFRQÂżDGDHULFRPRVHHX estivesse brincando. â&#x20AC;&#x153;Imagine sĂłâ&#x20AC;?, diz ela, â&#x20AC;&#x153;isso ĂŠ coisa de turista!â&#x20AC;? Fiquei pasma com a reação! E o que ela pensa que ĂŠ? Uma pessoa que vai pela primeira vez passear e conhecer um lugar ĂŠ um turista. E. portanto, um marinheiro de primeira viagem que faria muito melhor se preparasse sua visita para nĂŁo perder tudo de bom que a ida a uma cidade desconhecida pode proporcionar. Minha primeira dica ĂŠ ajam como turistas. Comprem um mapa para se localizar e um bom guia, conheçam seus hĂĄbitos, perguntem antes a quem jĂĄ esteve quais os bons restaurantes, como ĂŠ a comida tĂ­pica, onde ouvir a boa mĂşsica local. Procurem ir a todos os lugares cinco estrelas recomendados nos guias â&#x20AC;&#x201C; sĂŁo sempre bons. E uma Ăşltima dica: nĂŁo deixem de ir ao mercado municipal da cidade. NĂŁo tem jeito melhor de conhecer um lugar do que ver o que as pessoas comem. Embarcar na atitude esnobe do tipo â&#x20AC;&#x153;nĂŁo vou a lugares de turistasâ&#x20AC;? ĂŠ uma bobagem sem tamanho, uma garantia de voltar para casa sem ter aproveitado metade do que podia. E vocĂŞs sabem, nada como uma viagem para aumentar a taxa de civilidade.

Four Bistrot

G

Vida

publicitåria de Acampanha lançamento do Deo Parfum GHVSHUWDUiRGHVHMRGHVR¿VWLFDomR nas mulheres. O produto Ê uma co-criação da perfumista da Natura, Veronica Kato, e do perfumista da International Flavors and Fragrances (IFF), Yves Cassar. Unimos a alta qualidade da perfumaria internacional à brasilidade dos nossos óleos essenciais exclusivos e, com isso, criando um cheiro único da perfumaria Natura. O Deo Parfum Natura Una estå disponível para compra por meio das Consultoras e Consultores Natura desde o dia 26 de setembro.

A Glam trouxe para os homens bacanas da cidade a coleção verão da Zapälla, que aposta nas cores para estação. Yvettinha e Lourdinha Brêda recebendo milhares de elogios pelas peças

Primeiro voo

Golas

M S

em dar sinal de perder forças, a moda de jogar uma gola avulsa para completar o look continua dominando as ruas. O estilo Peter Pan continua sendo o mais popular. Estas golas agora vêm com paetês, plumas e babados.

C

aceió, o novo destino da Avianca Brasil, receberå o voo inaugural da companhia aÊrea na próxima segunda, 15, às 11h44. Para detalhar sua mais nova operação, que ligarå Maceió com Salvador e São Paulo e, a partir do dia 28 de outubro, com Brasília e Rio de Janeiro (Galeão), todos com voos diårios, o presidente da Avianca Brasil, JosÊ Efromovich, concede coletiva de imprensa, às 13h, no auditório do Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares. Efromovich estarå acompanhado do Vice-Presidente Comercial e de Marketing, Tarcísio Gargioni.

Royal Mariner

Parceria

Arena

om o intuito de estimular a prĂĄtica de atividades ao ar livre e celebrar a chegada da Primavera, nos dias 14, 21 e 28 de outubro, o GBarbosa montarĂĄ uma Arena Esportiva na praia de Pajuçara. Como principal atração, haverĂĄ uma quadra poliesportiva LQĂ&#x20AC;iYHOSUySULDSDUDDGLVSXWDGH partidas de vĂ´lei, basquete e futebol de sabĂŁo. Com capacidade para 10 pessoas, o espaço funcionarĂĄ das 8h Ă s 16h e serĂĄ cobrada uma taxa de entrada simbĂłlica de R$ 1, valor que serĂĄ destinado Ă  Casa do Pobre, instituição de longa permanecia para idosos.

A

Construtora Norcon acaba de fechar parceria com a empresa Mídia Nova Assessoria, da jornalista Renata Pais, para atendimento das demandas locais de imprensa. A parceria faz parte das estratÊgias de comunicação adotadas pela FRQVWUXWRUDSDUDLQWHQVL¿FDUXP trabalho de qualidade focado na promoção do relacionamento com a imprensa, no planejamento estratÊgico de divulgação e na conquista de espaços de mídia espontânea.

Assine a Tribuna Independente e esta coluna

pelo telefone (82) 3311-1308

Acesse o portal Tribunahoje.com e leia na Ă­ntegra a coluna Top News no Blog Elenilson Gomes

elenilsontopnews@gmail.com

Imaginarium

e você Ê daqueles que não abrem mão de presentear com estilo e bom gosto não podem deixar de conferir as novas peças da coleção primavera/verão da Imaginarium, da amiga Mårcia Marques. Por lå, você encontra despertador/ telefone, luminårias de sorvete, alÊm de uma LQ¿QLGDGHGHPRFKLODVVXSHU divertidas para o seu petit. Uma excelente opção para esse dia das crianças.

Deo Parfum

estaurante aconchegante, super requintado, localizado na Rua Abdon Arroxelas, na Ponta Verde, o Four Bistrot uniu os talentos do chef Thiago Maia e do empresårio Jonas Araújo e criou uma casa incrível, que tem entre os atrativos um menu que muda de acordo com a estação do ano, alÊm de uma maravilhosa carta de vinhos. A GLFDGHVWH¿PGHVHPDQDpRSUDWR camarþes marinados ao molho picante tailandês cozidos a vapor na folha de bananeira. Reservas pelo telefone 82 4141-1004.

aruaru, cidade localizada no Agreste pernambucano e conhecida por promover o maior SĂŁo JoĂŁo do mundo, bem como, pelo artesanato e seu mais famoso artesĂŁo, Mestre Vitalino, tem se destacado tambĂŠm pelo potencial de negĂłcios. Foi apostando na demanda de hospedagem de executivos na regiĂŁo, que a â&#x20AC;&#x153;capital do Agresteâ&#x20AC;? foi escolhida pela Y HotĂŠis (Your Hotel), braço da rede Pontes HotĂŠis & Resorts, como o primeiro lugar para abrigar um empreendimento da nova linha de meios de hospedagem do grupo hoteleiro. A empresa pernambucana adquiriu uma propriedade com localização estratĂŠgica ao lado do North Shopping Caruaru. Segundo o gerente comercial, da cadeia Pontes HotĂŠis & Resorts, SĂŠrgio ParaĂ­so, as obras se iniciam em 2013 e a previsĂŁo ĂŠ que atĂŠ 2015 o hotel esteja em pleno funcionamento. O novo empreendimento da marca Y HotĂŠis promete atender toda a demanda de executivos que a cidade tem capacidade de receber atĂŠ 2020.

S

uarde bem esse nome: Vida. Um nome que expressa qualidade de vida, viver feliz, viver bem, sangue saudåvel, vida feliz e longa. Tudo isto estarå muito em breve à mão dos nossos amigos, que estarão vendo e ouvindo esse nome no bairro da Ponta Verde. Guarde bem esse nome, ele veio SDUD¿FDUGH¿QLWLYDPHQWH1mR esqueçam!

R

C

O

Iofal

dado ĂŠ da Organização Mundial de SaĂşde e chama a atenção: a cada cinco segundos XPDSHVVRDÂżFDFHJDQRPXQGR Em relação Ă s crianças, a mĂŠdia ĂŠ de uma criança cega a cada minuto. E ĂŠ para chamar a atenção para os cuidados que devem ser permanentes com a nossa saĂşde ocular que o IOFAL alerta sobre as principais patologias que podem comprometer a sua qualidade visual. O alerta se dĂĄ em função do dia â&#x20AC;&#x2DC;Dia Mundial da VisĂŁoâ&#x20AC;&#x2122;, comemorado toda segunda quinta-feira do mĂŞs de outubro.

Sucesso entre as fashionistas, a marca de beachwear à gua de Coco inaugura mais uma loja em Maceió, na terça-feira (16), a partir das 16h. Desta vez, a Galeria Ponta Verde se tornarå o novo ponto de encontro para garimpar as melhores peças e arrasar no verão. Nas araras, a última FROHomRGHV¿ODGDQDSão Paulo Fashion Week promete fazer a cabeça da mulherada, tudo regado a um coquetel badalado, claro. Capitaneada pelos empresårios Ricardo e ZÊlia Wanderley, a marca encontrou um novo ponto estratÊgico e badalado para apresentar suas lindas peças de moda praia.

J

O

s empresårios Luiz Arthur, Rodrigo e Kalerges Guerra comemorando o sucesso da inauguração da 3ª representação da Royal Mariner Nordeste$ORMDLQDXJXUDGDQR¿QDOGHVHWHPEUR¿FD localizada na Avenida Gustavo Paiva e disponibiliza modelos como o RM 240 de 24 pÊs , RM 270 e RM 230, alÊm de outras embarcaçþes fabricadas pela Royal Mariner, que possui quatro anos de sucesso no Brasil. ParabÊns pelo empreendedorismo.


Edição número 1571 14 de outubro de 2012  

edicaodigital-jornaltribunaindependente-tribunahoje.com

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you