Issuu on Google+

CIDADES tituloxxxxx 00 EXEMPLAR DO ASSINANTE

DOMINGO

MACEIĂ“ - ALAGOAS - 27 DE NOVEMBRO DE 2011 - NÂŞ 1304 - R$ 3,00

tribunahoje.com CREDITO

CHAPEU

‘Em Alagoas, açþes contra juĂ­zes nĂŁo prescrevem’

O que se passava em Alagoas quando eclodiu a insurreição comunista de 1935 Suplemento

Milena Toscano estĂĄ pronta para encarar maldades em ‘Fina Estampa’ Suplemento

Emprego, imĂłveis, automĂłveis e mais de 2.600 anĂşncios para vocĂŞ Suplemento

Livro resgata o papel de Alagoas durante invasão dos holandeses AUTOEXAME das mamas pode detectar precocemente o câncer e possibilitar sua cura

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) alerta: a doença continua avançando a cada ano e, para 2012, a expectativa Ê de que sejam diagnosticados em Alagoas quatro mil novos casos de câncer. No Brasil, o prognóstico Ê de 520 mil novos

AILTON VILLANOVA Formado em Medicina em Salvador da Bahia, e graduado em direito no Recife, doutor ThomĂĄs TenĂłrio Villanova, exerceu por pouco WHPSRDSULPHLUDSURÂżVVmR Dedicou-se Ă ... PĂĄg. 00

COTIDIANO

É de impressionar as constantes reclamaçþes sobre a situação do trânsito na capital. Todos os dias enxurradas de denúncias sobre o tråfego e o silêncio da SMTT Ê de incomodar... Påg. 5

REAĂ‡ĂƒO FAMILIAR ELEIÇÕES

Justiça proĂ­be Quem perde e livro em que quem ganha LampiĂŁo ĂŠ gay com ataques A Justiça sergipana proibiu a venda do livro “LampiĂŁo - o Mata Seteâ€?, do juiz aposentado Pedro de Morais. A ação judicial foi movida pela famĂ­lia do “rei do cangaçoâ€?, que se sentiu ofendida porque num dos capĂ­tulos ele ĂŠ apontado como homossexual e sua companheira Maria Bonita, como adĂşltera.

Suplemento

Alagoas terå 4 mil novos casos de câncer em 2012

HISTĂ“RIA

Qual teria sido o papel histĂłrico desempenhado por Alagoas Ă  ĂŠpoca dos 24 anos da invasĂŁo holandesa a terras brasileiras? É esse tema, capaz de suscitar discussĂľes, que o livro “A Presença Holandesa – A HistĂłria da Guerra Vista por Alagoasâ€?, dos historiadores Douglas Aparato e Carmem LĂşcia Dantas, tenta contextualizar. “Alagoas participou ativamente do desdobramento dessa ocupaçãoâ€?, dizem os autores. D&A / 1

Na administração do porto, um toque de charme, beleza e inteligência

O corregedor-geral de Justiça, desembargador James Magalhães, afastou qualquer possibilidade de haver prescrição de processos investigatórios de magistrados alagoanos. Påg. 2

casos. A previsão foi feita a propósito da celebração, neste domingo, do Dia Nacional de Combate ao Câncer, que mobilizarå profissionais de saúde e pessoas que venceram a doença ou lutam contra ela, numa manifestação na orla marítima

de Maceió com distribuição de informativos com orientação sobre como prevenir o câncer. A realização de exames frequentes Ê apontada por especialistas como grande aliada na detecção de casos que, em sua maioria, no início são curåveis. 00

RETA FINAL DE CAMPANHA

Os ataques aos adversårios, que não raro evoluem para baixo nível, tornaram-se lugar-comum nas campanhas políticas. Em muitas situaçþes, essa estratÊgia Ê movida pelo ódio. A Tribuna Independente ouviu especialistas, que mostram que, nesse vale-tudo, quem sai perdendo Ê o povo. 0

FRED, artilheiro do Fluminense, receberå marcação direta de DedÊ, novo ídolo vascaíno

5RGDGDSRGHGHÀQLURFDPSHmREUDVLOHLURGH A penúltima rodada do Brasileirão poderå apontar o campeão neste domingo. Todos os jogos começam às 16h (em Alagoas). O Corinthians vai a Florianópolis enfrentar o Figueirense no Estådio Orlando Scarpelli. Uma vitória do Timão pode lhe garantir a taça 2011. Mas para que isso aconteça o clåssico entre Fluminense e Vasco precisa terminar empataGRRXFRPYLWyULDGR7ULFRORU3RUpPVHR&RUtQWKLDQVSHUGHUHR9DVFRYHQFHU¿FDUiWXGR HPERODGRHDGH¿QLomRVREUHTXHPVHUiRFDPSHmR¿FDUiSDUDD~OWLPDURGDGD1DSDUWH de baixo da tabela a briga Ê entre Cearå e Cruzeiro para evitar o rebaixamento. Påg. 00 TEMPO

Bom a parcialmente nublado com possiblidades de chuvas em ĂĄreas isoladas

MĂ­nima

20Âş

MĂĄxima

28Âş

MarĂŠs

04:53 11:00 17:04 23:26

2.0 0.2 2.0 0.1

FINANÇAS DÓLAR COMERCIAL R$ 1,88 R$ 1,88 DOLAR PARALELO R$ 1,91 R$ 2,04 OURO: R$ 102,00 POUPANÇA: 0,5658%

ODONTOLOGIA

Maceió investe R$ 4,5 milhþes em materiais de saúde bucal A Coordenação de Saúde Bucal, da Secretaria Municipal de Saúde de Maceió, vai investir R$ 4,5 milhþes na aquisição de materiais odontológicos a serem utilizados em 2012 e 2013.

O investimento ĂŠ suficiente para atender 240 pacientes por mĂŞs durante os dois anos. SĂŁo materiais para uso diĂĄrio como luvas, mĂĄscaras, anestĂŠsicos, gorros e vĂĄrios outros. 00

SAFRA DA CANA

CREDITO

Em apenas três meses, 7 mortes nas usinas Desde que a safra da cana-de-açúcar deste ano foi iniciada, em agosto, o MinistÊrio do Trabalho jå contabilizou cinco acidentes de trabalho e sete mortes em usinas diferentes. Påg. 10

OPERĂ RIO caiu de veĂ­culo na pista e foi atropelado e morto


2 POLรTICA MACEIร“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

โ€œ

Polรญtica

TribunaIndependente

-iร€FRXSURYDGRHPDOJXQVHVWDGRV TXHRtQGLFHGHPDJLVWUDGRVFRP HVWDGRFUtWLFRGHVD~GHpDODUPDQWH'HYHVHYHUDOpPGRVPDJLVWUDGRVPDVRVHUKXPDQRWDPEpPยต JAMES MAGALHรƒES CORREGEDOR-GERAL DE JUSTIร‡A

Corregedor afasta prescriรงรฃo de Alagoas

โ€œ โ€œ

Desembargador James Magalhรฃes enfatiza que Corregedorias estรฃo fazendo seu papel, porรฉm metas o preocupa CADU EPIFร‚NIO EDITOR DE POLรTICA

E

sta semana um processo administrativo contra um magistrado do Maranhรฃo, acusado de praticar trabalho escravo, estรก parado desde 2007. Outro processo, agora contra um juiz do Amazonas, datado de 2005, prescreveu. Em Alagoas, corremos esse risco? O corregedor-geral de Justiรงa, desembargador James Magalhรฃes, respodeu nossa pergunta e falou mais sobre a atuaรงรฃo dos magistrados alagoanos. Segundo ele, se fosse escolher hoje, nรฃo seria mais juiz. Acompanhem. Tribuna Independente โ€“ Em Alagoas, existe algum caso de processo contra algum juiz que corra o risco atualmente de prescrever? James Magalhรฃes โ€“ Com relaรงรฃo a Alagoas, o que eu SRVVRDร€UPDUpTXHQmRH[LVWH HVWH WLSR GH SUHRFXSDomR TXDQWR DR HIHLWR SUHVFULWLYR 2TXHVHULDDSUHVFULomRSRU DVVLP GL]HU" e TXDQGR R (VWDGRSHUGHRGLUHLWRGHSXQLU (VVDSUHRFXSDomRQyVWHPRV GHVGH TXH DVVXPLPRV R FDUJRGHMXL]3RUTXHRMXL]WHP TXH WHU R GHYHU GH REVHUYDU WRGRV RV SURFHVVRV TXH HVWmR VRE R VHX FRPDQGR HYLWDQGR MXVWDPHQWHHSULQFLSDOPHQWH QD iUHD SHQDO D RFRUUrQFLD GD SUHVFULomR ( R SURFHVVR DGPLQLVWUDWLYR DVVHPHOKDVH DR SURFHVVR SHQDO 1R (VWDGRQyVWHPRVHPWUDPLWDomR DWXDOPHQWH  SURFHVVRV HP VLQGLFkQFLD H QRYH SURFHVVRV MiHQFDPLQKDGRVDR7ULEXQDO 4XDQGR QyV HQFDPLQKDPRV RVSURFHVVRVDR7ULEXQDOHOHV VmR UHPHWLGRV DR 3OHQR e R FRUUHJHGRU LQGLFDQGR D DEHUWXUD GH SURFHVVR DGPLQLVWUDWLYR &RP UHODomR D HVWHV  SURFHVVRV HP WUDPLWDomR QD &RUUHJHGRULD WHPRV DSHQDV XP GH  >R PDLV YHOKR@ TXHLQFOXVLYHMiHVWiFRPGHFLVmRQRVVDSHORDUTXLYDPHQWR SRUQmRWHUSURFHGLGRDUHFODPDomR 7HPRV RXWUR GH  TXHHVWiVHQGRDQDOLVDGR T.I. โ€“ Como nascem os processos de investigaรงรฃo de magistrados? -DPHV 0DJDOKmHV  1mR VLJQLร€FD GL]HU TXH WRGDV DV UHFODPDo}HV VHMDP WUDQVIRUPDGDV HP SURFHVVR $ UHFODPDomR FKHJD H QyV D DSXUDPRV(ODSDVVDHQWmRSRUXP SHQWHร€QR(HVVDGHFLVmRPLQKDGRFRUUHJHGRUHQWmRHOD pHQFDPLQKDGDDR&1->&RQVHOKR1DFLRQDOGH-XVWLoD@2 &1- WHP R FRQWUROH GH WXGR TXH DFRQWHFH QDV FRUUHJHGRULDVGRSDtV4XDQGRHXDTXL FRP D PLQKD HTXLSH RSLQR SHOR DUTXLYDPHQWR HVVD GHFLVmRWHPTXHVHUIXQGDPHQWDGD H FRPXQLFDGD DR &1- 6HQyVFKHJDUPRVjFRQFOXVmR TXH HVWD UHFODPDomR p SURFHGHQWH HOD p HQFDPLQKDGD DR 7ULEXQDOHRSUHVLGHQWHDHQFDPLQKD DR 3OHQR (X VRX R UHODWRUQDWXUDOGRSURFHVVRQR 3OHQR ( R 3OHQR HQWmR YRWD 'HSHQGHQGR GD YRWDomR LQVWDODVHRSURFHVVRRXDUTXLYDVH R SURFHVVR 3RUWDQWR HVVD SUHRFXSDomRGHSUHVFULomRGH SURFHVVRV FRQWUD PDJLVWUDGRVSHORPHQRVDTXLHP$ODJRDVQmRH[LVWH T.I. โ€“ Como tem sido a apuraรงรฃo dos velhos e novos processos? James Magalhรฃes โ€“ DesGH TXH FKHJXHL DTXL QD &RUUHJHGRULD>IHYHUHLURGH@

RICARDO CHAGAS/CORREGEDORIA

1R(VWDGRQyV WHPRVHPWUDPLWDomR DWXDOPHQWHSURFHVVRVHPVLQGLFkQFLDHQRYHSURFHVVRV MiHQFDPLQKDGRVDR 7ULEXQDOยต JAMES MAGALHรƒES CORREGEDOR-GERAL DE JUSTIร‡A

Mas estamos traEDOKDQGRSDUDTXH RVMXt]HVWUDEDOKHP SDUDTXHHOHVPHOKRUHPVXDSURGXomR 1mRHQWUDQDFDEHoD GHQLQJXpPXPSURFHVVRFRPFLQFRVHLV GH]DQRVSDUDGRยต JAMES MAGALHรƒES CORREGEDOR-GERAL DE JUSTIร‡A

HVWDPRV DSXUDQGR RV SURFHVVRV TXH Mi HQFRQWUDPRV H DEULQGR QRYRV SURFHVVRV 3RU TXH FRP D UHYLWDOL]DomR TXH ร€]HPRVQD2XYLGRULD>GR7ULEXQDOGH-XVWLoD@DGHPDQGD TXH Mi H[LVWLD QRUPDOPHQWH DXPHQWRX $XPHQWDUDP SULQFLSDOPHQWH DV UHFODPDo}HVSRUFRQWDGDGHPRUDSURFHVVXDO4XHQHPVHPSUHLVVR VLJQLร€FD GHVtGLD RX LQIUDomR DGPLQLVWUDWLYD T.I. โ€“ Sobre as puniรงรตes aos magistrados, o sr. as acha brandas, pequenas? James Magalhรฃes ยฒ 1D UHDOLGDGHRPDJLVWUDGRpXP VHUYLGRUS~EOLFRLJXDODRXWUR TXDOTXHU (QWmR FRPR VHUYLGRU VHMD HOH PXQLFLSDO HVWDGXDORXIHGHUDOHOHWHPGXDV HVIHUDV SDUD TXH VHMDP DSXUDGDVSRVVtYHLVWUDQVJUHVV}HV GLVFLSOLQDUHV 3RU H[HPSOR R VHUYLGRU UHFHEHX SURSLQD (OH YDL SULPHLUR UHVSRQGHU DGPLQLVWUDWLYDPHQWH HP VHJXLGD RX SDUDOHOR YDL UHVSRQGHUSHQDOPHQWH1RJHUDO D PDLRU SHQD DGPLQLVWUDWLYD p D GHPLVVmR TXH LQGHSHQGH GDSXQLomRSHQDO&RPRPDJLVWUDGR p DSHQDV XP SRXFR GLIHUHQWH (OH QmR p XP VHUYLGRULJXDOpXPVHUYLGRUGLIHUHQFLDGR(OHpXPPHPEUR GR 3RGHU >-XGLFLiULR@ DVVLP FRPRRJRYHUQDGRUHVHXYLFH UHSUHVHQWDPR([HFXWLYRHRV GHSXWDGRV R /HJLVODWLYR R MXL]pSDUWHLQWHJUDQWHGR3RGHU-XGLFLiULR(OHpR3RGHU VHP HOH QmR H[LVWH R 3RGHU -XGLFLiULR1yVID]HPRVR3RGHU 3RUWDQWR FRPR SXQLo}HV DGPLQLVWUDWLYDV SDUD RV PDJLVWUDGRVWHPRVDGYHUWrQFLD FHQVXUD UHPRomR FRPSXOVyULDGLVSRQLELOLGDGHHDSRVHQWDGRULDFRPSXOVyULD(OHSRGH DWp VHU GHPLWLGR FDVR KDMD XPD FRQGHQDomR SHQDO &DVR VHMD WLSLร€FDGR XP FULPH QD HVIHUDSHQDOR0LQLVWpULR3~EOLFR WHP R GHYHU GH GHQXQFLDUHHOHLUiUHVSRQGHU6HQGR FRQGHQDGR HOH p GHPLWLGR DXWRPDWLFDPHQWH

โ€œ โ€œ

(XWHQKRDQRVGHPDJLVWUDWXUD(DTXLHP$ODJRDVKiPXLWRWHPSR YHPVHDSOLFDQGRSXQLo}HV0HVPRDQWHVGR&1-MiSXQtDPRV 7HPRVSURFHVVRVTXHSXQLUDPGHVHPEDUJDGRUMXL] JAMES MAGALHรƒES CORREGEDOR-GERAL DE JUSTIร‡A

>SXQLomR@&RPRPDJLVWUDGRpDSHQDVXPSRXFRGLIHUHQWH(OHQmRpXPVHUYLGRULJXDOHOHpR3RGHUยต JAMES MAGALHรƒES CORREGEDOR-GERAL DE JUSTIร‡A

T.I. โ€“ Jรก tivemos em Alagoas algum caso de puniรงรฃo a algum membro do Judiciรกrio? James Magalhรฃes ยฒ (X WHQKR  DQRV GH PDJLVWUDWXUD ( DTXL HP $ODJRDV Ki PXLWRWHPSRYHPVHDSOLFDQGR HVVDV SXQLo}HV 0HVPR DQWHV GR &1- QyV Mi SXQtDPRV7HPRVSURFHVVRVTXHSXQLUDP GHVHPEDUJDGRU MXL] 7HP MXL] DSRVHQWDGR SRU SXQLomR &RP HVVH FRQWUROH H[WHUQR GR &1- JDQKRXVH XPD PDLRU ร€VFDOL]DomR 3RLV

HOHSUHWHQGHXQLIRUPL]DUHP WHUPRV GH SURFHGLPHQWRV ร€VFDOL]DWyULRV(HXJDUDQWRDV &RUUHJHGRULDV (VWDGXDLV HVWmRID]HQGRRVHXSDSHO&RP DSHQDVDOJXPDVH[FHo}HV(P $ODJRDVGHVGHTXHHXPHHQWHQGR SRU PDJLVWUDGR QXQFD KRXYH RPLVVmR SRU SDUWH GD &RUUHJHGRULD T.I. โ€“ E a celeridade no andamento dos processos? James Magalhรฃesยฒ$TXL HVWDPRVGDQGRXPDQGDPHQWRPXLWRUiSLGRDRVSURFHVVRV 7DQWR p TXH RQWHP >WHUoD-

IHLUD@UHFHELXPPDWHULDO GR&1-HMiFKDPHLXPMXL] FRQYHUVHL H Mi GLVWULEXL FRPSHWrQFLD&RPXUJrQFLD T.I. โ€“ O papel da Ouvidoria, tem contribuรญdo SDUD D ร€VFDOL]DomR GRV magistrados? James Magalhรฃes โ€“ ImSRUWDQWtVVLPR 7HP FRQWULEXtGR EDVWDQWH SDUD WDO $ PDLRU LQFLGrQFLD SRU H[HPSORpDGHPRUDQRDQGDPHQWR SURFHVVXDO (VWDPRV GHVLJQDQGR MXt]HV SDUD FXPSULU GLOLJrQFLDV HP FDUWyULRV SDUD

LQVSHFLRQiORVIRUDPHFRQWLQXDP VHQGR ( RV UHODWyULRV HVWmRFKHJDQGR'DQGRSUD]R SDUDFXPSULPHQWRGHVWHVUHODWyULRV GH DSUHFLDomR GHVWHV SURFHVVRV(QRSUy[LPRDQR YRX DSURIXQGDU HVVHV UHODWyULRV e LQFRQFHEtYHO TXH XP SURFHVVR GHPRUH GRLV WUrV TXDWUR FLQFR DQRV VHP XP GHVSDFKR T.I. โ€“ De quem รฉ a culpa desta demora processual? James Magalhรฃes ยฒ e SHTXHQDDFXOSDGRPDJLVWUDGR p TXDVH LUULVyULD 3RUpP R QRVVR PDLRU SUREOHPD p D IDOWD GH SHVVRDO GH DSRLR 2 Gpร€FLW GH MXt]HV HP $ODJRDV QmRWmRDODUPDQWHpDWpHTXLOLEUDGR3RUpPDOLDURGHVLQWHUHVVH GR PDJLVWUDGR FRP D IDOWDGHSHVVRDODtVLPUHVXOWD QD GHPRUD TXH D VRFLHGDGH UHFODPD 0DV HVWDPRV WUDEDOKDQGR SDUD TXH RV MXt]HV WUDEDOKHPSDUDTXHHOHVPHOKRUHPVXDSURGXomR1mRHQWUDQDFDEHoDGHQLQJXpPXP SURFHVVR FRP FLQFR VHLV GH] DQRVSDUDGR T.I. โ€“ E as cobranรงas? James Magalhรฃes โ€“ 2OKHVHIRVVHKRMHHXMDPDLV IDULD FRQFXUVR S~EOLFR SDUD MXL] GH 'LUHLWR 1mR IDULD e XPD GDV SURร€VV}HV PDLV FREUDGDV GR %UDVLO 3DUWLFLSHL GH XP &RQJUHVVR HP %UDVtOLD H Oi UHFHEL GH] PHWDV GD &RUUHJHGRULD H PDLV FLQFR GR&1-DOpPGDVPHWDVTXH HX TXHUR S{U SDUD PLP DTXL HP $ODJRDV 2 MXL] HQGRLGD 2 &1- GHYHULD FRPHoDU D VH SUHRFXSDU FRP RV SUREOHPDV ItVLFRV H PHQWDLV GRV PDJLVWUDGRV,VVRFULDXPQHUYRVLVPR GH DWLQJLU PHWDV H PDLV PHWDV (QWmR R QtYHO GH HVWUHVVHYDLFUHVFHQGRVXELQGR TXHHOHQmRDJXHQWD-iร€FRX SURYDGR HP DOJXQV HVWDGRV TXH R tQGLFH GH PDJLVWUDGRV FRPHVWDGRFUtWLFRGHVD~GHp DODUPDQWH'HYHVHYHUDOpP GRV PDJLVWUDGRV PDV R VHU KXPDQR WDPEpP 1yV WHPRV QRVVDVOLPLWDo}HV


TribunaIndependente

Recolheram a vassoura

D

H*XLOKHUPH)LX]DQDUHYLVWD´eSRFD¾´-iHVWDYDÀFDQGR GHVDJUDGiYHOYHUDSUHVLGHQWHHVHXSDUWLGRUHEDWHQGRDFXVDo}HVGHDSDUHOKDJHPGDPiTXLQDS~EOLFD,VVRDFDERX 2JRYHUQRGR37QmRSUHFLVDUiPDLVUHEDWHUHVVHWLSRGHDFXVDomR&RPDFRUDMRVDGHFLVmRGHEDQFDURPLQLVWUR/XSLHVXDUHGH privada de sucção orçamentåria, Dilma tirou a aparelhagem da FODQGHVWLQLGDGH$JRUDpRÀFLDODRFXSDomRGR(VWDGRSHORVFRPSDQKHLURVpOHJtWLPD2ÀVLRORJLVPRVDLXGRDUPiULR&DUORV/XSL pROLEHUWDGRU6HTXHVWURXXPPLQLVWpULRWUDQFRXRQRFDWLYHLURGR VHXSDUWLGRXVRXRSDUDWURFDGHIDYRUHVFRP21*VDEXVRXGHOH FRPFHQWHQDVGHFRQYrQLRVREVFXURVHFLIUDVREVFHQDV$SDQKDGR HPà DJUDQWHSHODLPSUHQVDDYLVRXTXHQmRLDGHYROYHURPLQLVWpULR6yVHHVWRXUDVVHPRFDWLYHLURjEDOD$SULQFtSLRDTXLOR SDUHFHXXPGHVDÀRjSUHVLGHQWHGD5HS~EOLFD$ÀQDORPLQLVWpULR sequestrado pertence ao governo dela. Mas foi um mal-entendido. /XSLHVWDYDGHVDÀDQGRDLPSUHQVDHDRSRVLomR'LOPDSHORTXH se viu depois, não tinha nada contra o sequestro. Muito pelo contrårio. Diante da cachoeira de delitos e mentiras perpetradas pelo PLQLVWURGR7UDEDOKRDSUHVLGHQWHWRPRXXPDGHFLVmRGHHVWDGLVWDPDQWHYHRQRFDUJR¾$ID[LQDIRLLQWHUURPSLGD

Quem sabe... Pode parecer coisa do outro mundo, mas em política tudo Ê possível. Quem hoje Ê inimigo na próxima eleição vira amigo de infância, dependendo dos acertos. A recíproca Ê verdadeira. Daí não poder se descartar a hipótese, que circula nos bastidores, da seguinte aliança: Fernando Collor de Mello para prefeito de Maceió, TÊo Vilela para senador e Renan Calheiros para governador. Alagoas jå viu situaçþes semelhantes.

Entrave TĂŠo Vilela estĂĄ concluindo o quinto ano de mandato e, politicamente, sua JHVWmRQmRVHHQFRQWUD$OpPGHGLÂżFXOWDURDFHVVRDRFKHIHDVVHVsores e membros do primeiro escalĂŁo divergem bastante, na base do “cada um faz o que bem entenderâ€?. A falta de reuniĂľes frequentes com a equipe desagrega ainda mais.

Missão Estå anunciada para a próxima 6ª feira, 2 de dezembro, às 16 horas, a posse de Marcelo Teixeira como procurador-geral do Estado, em substituição a Charles Weston FidÊlis Ferreira. O novo PGE tem, de cara, uma questão a resolver: controlar futuros colegas de governo que adquiriram o håbito de denegrir a instituição.

SaĂ­da

Necessidade

Para JosÊ Pinto de Luna, superintendente da SMTT, a melhoria no trânsito de Maceió Ê questão de investimento em abertura de mais vias de circulação de veículos, não apenas controle de tråfego e ¿VFDOL]DomR1RTXHHVWiDRVHX alcance, acredita que possa melhorar com realização de concurso e capacitação de pessoal.

O governo estadual vai ter de realizar concurso, no próximo ano, para diversas åreas. É uma reivindicação de praticamente toda a equipe da administração direta. Hå casos de carência total de SUR¿VVLRQDLV'LItFLOpFRQFLOLDUD necessidade com a falta de recursos e o compromisso de melhorar o salårio de vårias categorias.

à gua. Começa hoje, e prossegue atÊ a próxima 5ª feira, dia 1º, o XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, no Centro de Convençþes de Maceió. É o maior evento do setor no país, organizado pela Associação Brasileira de Recursos Hídricos. Abertura às 19 horas. Informaçþes no portal http:// www.acquacon.com.br/xixsbrh/.

Acerto Amanhã, às 9 horas, no Fórum do Barro Duro, serå aberta a Semana Nacional de Conciliação, para agilizar o julgamento de processos. A solenidade serå comandada pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Sebastião Costa Filho, com a presença de Bruno Dantas, membro do Conselho Nacional de Justiça.

“

Se o governo jå estava sem gosto e VHPEULOKRDJRUDFRPHoDDFKHLUDU mal� OLAVO CALHEIROS Deputado estadual do PMDB, sobre o fato de a secretaria estadual da Educação pagar serviços sem licitação, contrariando a Procuradoria Geral do Estado

* O homenageado do programa “Aplausoâ€? de hoje, na RĂĄdio Educativa FM, ĂŠ o compositor, cantor, humorista e ator Adoniran Barbosa. Das 10 horas ao meio-dia, com produção de Givaldo Kleber e apresentação de Elias Ferreira. * No programa “Pauta Especialâ€? de amanhĂŁ, na TV Educativa, Elias Ferreira entrevista Roosevelt Patriota, novo presidente do Crea/AL e presidente da Funasa no Estado. Ă€s 19 horas. A partir de 4ÂŞ feira, disponĂ­vel no portal www.cadaminuto.com.br. * De amanhĂŁ atĂŠ a prĂłxima 6ÂŞ feira, dois de dezembro, tĂŠcnicos de aquicultura de diversos estados estarĂŁo reunidos no Ceraqua SĂŁo Francisco, centro tecnolĂłgico da Codevasf em Porto Real do ColĂŠgio. ParticiparĂŁo de capacitação em anĂĄlises. * Por conta da interdição do JĂ Mangabeiras, os setores de Consumidor, Contestação e Criminal, da Defensoria PĂşblica, passam a atender na sede do ĂłrgĂŁo, na Avenida Comendador LeĂŁo, no Poço. O atendimento ĂŠ das 8 Ă s 12 horas, de 2ÂŞ a 5ÂŞ feiras. * O Vasco da Gama ĂŠ exemplo de superação, este ano, no futebol brasileiro. Teve um inĂ­cio de ano ruim, ganhou a Copa do Brasil e disputa, com boas chances, o Brasileiro e a Copa Sul-americana. Sem o tĂŠcnico, Ricardo Gomes, e sofrendo com desfalques.

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

POLĂ?TICA

3

2012: PDT alinha forças para as próximas eleiçþes Presidente do partido na capital apresenta estratÊgia para fortalecer a legenda SANDRO LIMA

NIGEL SANTANA REPĂ“RTER

H

ĂĄ duas semanas o mĂŠdico Jurandir BĂłia foi aclamado presiGHQWH GD ([HFXWLYD PXQLFLpal do Partido DemocrĂĄtico 7UDEDOKLVWD 3'7  H DOJXmas metas estĂŁo traçadas, DH[HPSORGHFRORFDUDVLJOD nos trilhos, distante das divergĂŞncias polĂ­ticas internas. Tal prioridade pode dar ao PDT um caminho menos ardiloso rumo Ă  Prefeitura de MaceiĂł em 2012. Jurandir nĂŁo esconde TXH DV HOHLo}HV GR SUy[LPR DQR SRGHP VHU R Ă€HO GD EDlança para a legenda, que tem como presidente estadual o candidato derrotado ao governo de Alagoas, em 2010, Ronaldo Lessa. “NĂŁo temos outro nome no PDT. Por ter sido prefeito de MaceiĂł e governador do Estado, Ronaldo Lessa ĂŠ tido como prioridade para sair candidato a prefeito. No entanto, como o cenĂĄrio das eleiçþes ainda estĂĄ se formando vamos aguardar. A aliança partidĂĄria ĂŠ outro fator que pesa, pois, se nĂŁo tivermos candidato, estaremos apoiando alguĂŠm. Uma coisa ĂŠ certa: em MaceiĂł o eleitorado vota no PDT para prefeitoâ€?, garante Jurandir BĂłia. 2XWUDTXHVWmRTXHSDUHFH QmR SUHRFXSDU D ([HFXWLYD municipal do partido ĂŠ a votação da Lei da Ficha Limpa, que deve ocorrer em 2012 QR 6XSUHPR 7ULEXQDO )HGHral (STF). Em 2010, Lessa foi enquadrado na lei pelo 7ULEXQDO 5HJLRQDO (OHLWRUDO (TRE). “NĂŁo temos notĂ­cia de que a Ficha Limpa possa nos prejudicar. Na realidade quem jĂĄ passou pela administração S~EOLFDWHPGLYHUVRVSURFHVVRV D H[HPSOR GR 5RQDOGR /HVVD$QWHVGRH[SUHVLGHQte Lula, o Fernando Henrique Cardoso foi presidente, e hoje responde mais de 90 processos. Isso nĂŁo quer dizer que o Lessa serĂĄ condenado. Por mais cauteloso que YRFr VHMD VHPSUH H[LVWH XP escorrego, mas que se ressalte que nĂŁo ĂŠ por mĂĄ-fĂŠ. 6DEHPRV TXH R FHQiULR SROttico estĂĄ desgastado e apoio o Ficha Limpa, mas nĂŁo temos medoâ€?, declara. Com relação a novos militantes, Jurandir BĂłia disse que o PDT deve se ater para FRQVWUXLU EDVHV HOHLWRUDLV em toda a capital alagoana. Essa ĂŠ a tendĂŞncia para que o partido tente se fortalecer em 2012. “Estruturar o partido. Muitos podem perguntar como, porĂŠm, ĂŠ preciso criar RVQ~FOHRVGHEDVHHDXPHQtar o nĂşmero de militantes no PDT. Levar os nossos ideais Ă s periferias. Queremos cinco pessoas compromissadas com o PDT em cada comunidadeâ€?.

ENCABEÇANDO

ValÊrio do INSS pode ser carro-chefe Se a meta do PDT Ê fazer cinco vereadores em Maceió, tenha a certeza de que para um deles a candidatura pode ser dada como certa. O professor ValÊrio do INSS, como Ê conhecido, deixou o Partido dos Trabalhadores (PT) após algumas rusgas com a direção municipal, principalmente depois que ele foi detido pela Polícia Federal, na Operação CID-F, por irregularidades em aposentadorias. Bóia citou o nome de ValÊrio como um dos candidatos fortes e que pode ser eleito.

Jurandir Bóia quer a presença do PDT nas comunidades, no entorno de Maceió, e aglutinar líderes

PMDB: O FIEL

“Alianças partidĂĄrias podem decidir eleiçþesâ€?, acredita BĂłia Em todas as eleiçþes as coligaçþes tĂŞm sido um divisor de ĂĄguas para que no apurado das urnas, saia um vencedor. Em 2012, o Ă€HO GHVVD EDODQoD SDUHFH mesmo ser o PMDB, atualmente na vice-PresidĂŞncia GD 5HS~EOLFD 2 SDUWLGR GR senador Renan Calheiros ĂŠ aguardado por outras legenGDVHR3'7WDPEpPHVWiQD Ă€ODGHHVSHUD 2 SUHVLGHQWH GD ([HFXtiva municipal, Jurandir %yLDUHOHPEUDTXHDDOLDQoD entre PDT/PMDB/PT/PTB nĂŁo foi desfeita. Vale ressal-

tar que uma das prioridades do PMDB nacional ĂŠ colocar em campanha um candidato do prĂłprio partido para disputar a sucessĂŁo do prefeito CĂ­cero Almeida (PP). “A nossa ideia ĂŠ que os partidos da Ăşltima eleição estejam conosco, independente de o PDT lançar o QRPH GR H[JRYHUQDGRU 5Rnaldo Lessa ou nĂŁo. NĂŁo estĂĄ descartado o partido caminhar junto com um candidato que o PMDB tenha SUHIHUrQFLDHVHIRUXPERP nome, estaremos marchanGRMXQWRVÂľH[SOLFD

,17(5,25 Mesmo com o comando da ([HFXWLYD HP 0DFHLy %yLD aponta alguns nĂşmeros que podem fortalecer a legenda. No total, o partido estĂĄ presente em 86 municĂ­pios, e ao menos 30 candidatos o PDT terĂĄ em disputa. “Algumas candidaturas jĂĄ estĂŁo sendo sinalizadas, mas em alguns diretĂłrios nĂłs precisamos dar uma injeção de ânimo. Em Arapiraca, eu sinto que o partido nĂŁo tem crescido R VXĂ€FLHQWH ( SDUD TXHP TXHU WHU YLVLELOLGDGH Oi p fundamentalâ€?, avalia. (N.S)

VEREADORES

Para a Câmara, PDT acredita em reeleição de Corintho e Amilka 2 DXPHQWR SRGH VHU SHqueno, mas o nĂşmero de vereadores que o Partido DePRFUiWLFR 7UDEDOKLVWD TXHU fazer em 2012, em MaceiĂł, revela como o terreno estĂĄ sendo preparado. A reeleição do vereador Paulo Corintho ĂŠ dada como certa, no entanto, outros nomes devem surtir efeito nas urnas, ĂŠ o que aguarda Jurandir BĂłia. “A Câmara de Vereadores vive um novo momento. SĂŁo mais dez vagas, e consequentemente o nĂşmero de vereadores que o PDT SRGHUi ID]HU DXPHQWD 2

partido quer eleger cinco, no entanto, se o Ronaldo Lessa for o candidato a prefeito, esse número pode aumentar por causa do voto de legenGD TXH DMXGD EDVWDQWH 2 vereador Paulo Corintho e a vereadoara Amilka Melo devem ser reeleitos, principalPHQWHSHORWUDEDOKRTXHHOHV YrPGHVHQYROYHQGR2VSURjetos que chegam da prefeiWXUDHVWmRVHQGRPXLWREHP avaliados, e Corintho tem se posicionado fortemente para defender os anseios da sociedade�, comenta Jurandir Bóia.

Com uma postura mais retraída, a vereadora AmiOND 0HOR WDPEpP p XPD GDVH[SRHQWHVGRSDUWLGRHP Maceió. Tendo as pretensþes de eleger cinco vereadores, o partido ainda deve entrar em um consenso para decidir quantas candidaturas devem ser lançadas. Ao todo, 68 pessoas jå colocaram seus nomes à disposição para uma vaga na Câmara de Maceió, entretanto, XPœSHQWHÀQR¡GHYHVHUSDVVDGR SDUD VDEHU TXHP WHP reais condiçþes de conseguir sair eleito em 2012. (N.S)

SUCESSĂƒO

Sigla quer apoio de Cícero Almeida Para não sair candidato à Prefeitura de Maceió, o PDT tem esperanças de que Ronaldo Lessa ganhe um recurso na Justiça e tire o mandado do governador Teotonio Vilela Filho (PSDB), reeleito QRDQRSDVVDGR&DVRVXDFDQGLGDWXUDVHMDFRQ¿UPDGDRSDUWLGR almeja ainda o apoio do prefeito Cícero Almeida (PP) que marchou com Vilela na eleição passada. Para Jurandir Bóia, essa aliança com Almeida Ê possível, principalmente por conta de sua aprovação no eleitorado.


TribunaIndependente

4 POLĂ?TICA MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

BARTOLOMEU DRESCH bartolomeu_dresch@hotmail.com.br

O valor de madrugar

N

ormalmente somente se då valor ao håbito de acordar cedo, quando se chega a mais da metade da vida. Mas cada vez mais, a ciência considera que estar em pÊ nas primeiras horas da manhã tem um valor inestimåvel. Segundo pesquisadores da Universidade de Roehamptom, no Reino Unido, este valor estå associado a mais saúde e qualidade de vida. Um estudo realizado naquela instituição com mais de mil voluntårios mostrou que as pessoas que acordam cedo são mais magras, mais felizes e mais saudåveis do que aquelas que gostam de esticar um pouco mais a permanência na cama. Por meio de questionårios múltiplos os pesquisadores analisaram o bem-estar, a consciência e o comportamento alimentar dos voluntårios e concluíram que pular da cama logo cedo deixa as pessoas mais dispostas e mais comprometidas com a saúde do corpo (o que não Ê nenhuma novidade!). Normalmente, no mundo todo, inclusive Maceió, quem acorda cedo chega antes no trabalho, não enfrenta o trânsito pesado e estressante da Fernandes Lima, diminui a ansiedade do dia e acaba tendo mais tempo para comer sem pressa, realizar as atividades sem correria e ainda Ê possível atÊ mesmo fazer alguns exercícios como caminhar e aproveitar as praias da Ponta Verde e da Pajuçara. Quer algo melhor? Quem acorda cedo pode se alimentar melhor, transformar o dia em seu aliado e valorizar a vida pelo que ela representa para cada um de nós.

Aperto no Gaúcho As parcerias fechadas entre a Prefeitura de Porto Alegre (RS) e o Instituto Ronaldinho Gaúcho estão sendo investigadas e supostas irregularidades têm sido detectadas. Com isso a Câmara Municipal da capital gaúcha estå prestes a abrir uma Comissão Especial de InquÊrito (CEI). A prefeitura jå chegou a pedir a devolução de R$ 354 mil referentes a um convênio com a instituição do jogador do Flamengo. Outros R$ 500 mil tambÊm podem ser restituídos. O Instituto desenvolve atividades esportivas e reforço escolar junto a comunidades carentes. Entre 2007 e 2010, período da SDUFHULDD21*GR*D~FKRUHFHEHXYiULRV¿QDQFLDPHQWRVXPGHOHV com a prefeitura foi de R$ 2,9 milhþes. Em outro, com o MinistÊrio da Justiça, foram R$ 2,3 milhþes.

Aperto no Gaúcho 2 2VYHUHDGRUHVHVSHFLDOPHQWHRVGDRSRVLomRGHVFRQ¿DPTXHKRXYH superfaturamento. Nesta semana o assunto foi discutido na Comissão de Educação da Câmara da capital gaúcha, e surgiram denúncias de QRWDVIULDVSDUDMXVWL¿FDUJDVWRV2PXQLFtSLRQHJDTXHWHQKDH[LVWLGR må-fÊ nos convênios, assim como representantes do Instituo desmentem a possibilidade de qualquer tipo de irregularidade. No período citado, o Instituto Ronaldinho Gaúcho atendeu 2.400 crianças e adolescentes, e garante que o dinheiro repassado foi totalmente utilizado na compra de material de uso nas atividades, alÊm de computadores e outros equipamentos.

Eis o feliz Ano-Novo

Aspirina moderna

Jå imaginou entrar 2012 com R$ 170 milhþes no bolso? Para ser verdade basta acertar as seis dezenas da Mega Sena da Virada cujas apostas podem ser feitas a partir desta segunda-feira (28). O prêmio a ser sorteado na noite do dia 31 de dezembro deve ser o maior jå pago na história das loterias da Caixa Econômica Federal. A previsão do valor citado Ê feito a partir de estimativas dos tÊcnicos da CEF, que jå tem R$ 58 milhþes reservados, resultado do acumulado de 5% do total de cada prêmio pago durante o ano todo. O restante vem com as apostas da população, Cå prå nós a arrecadação total da Mega da Virada deve superar a casa dos R$ 500 milhþes, mas aí entra o IR, os programas sociais, os tributos do governo e etc. e tal.

As estatinas, medicamentos utilizados no combate ao mau colesterol (LDL), estĂŁo sendo consideradas como “a aspirina do sĂŠculo XXIâ€? por causa do seu benefĂ­cio na redução dos riscos de doenças cardiovasculares. VĂĄrias pesquisas tĂŞm sido feitas por cientistas americanos e europeus e o resultado ĂŠ o melhor possĂ­vel no que diz respeito Ă  redução em casos de doenças cardiovasculares, inclusive apĂłs o tĂŠrmino do tratamento. As estatinas tĂŞm proporcionado aos detentores de sua patente, vendas anuais de mais de US$ 20 bilhĂľes. O medicamento atua no bloqueio de uma enzima do fĂ­gado que transforma molĂŠculas gordurosas e entopem as paredes arteriais.

Vagas na ComissĂŁo 1 A Ăşltima palavra na formação da ComissĂŁo da Verdade, criada para apurar crimes contra os direitos humanos praticados na ditadura militar, caberĂĄ Ă  presidente Dilma Rousseff, mas a pressĂŁo ĂŠ grande. Grupos de ex-presos polĂ­ticos tentam emplacar alguns nomes, entre os sete a serem escolhidos. É o caso do “Tortura Nunca Maisâ€? que uniu esforços em torno do nome de Marlon Weichert, Procurador regional da RepĂşblica em SĂŁo Paulo. O nome de Weichert tambĂŠm ĂŠ defendido por outro grupo, o “ComitĂŞ Paulista pela MemĂłriaâ€? que tenta indicar ainda &ODULFH+HU]RJ YL~YDGH9ODGLPLU H-RmR9LFHQWH*RXODUWÂżOKRGRH[ presidente JoĂŁo Goulart.

Vagas na Comissão 2 Outros nomes que estão sendo indicados para compor a Comissão são Aton Fon Filho (ex-preso político), Francisco Sant’anna (jornalista e professor universitårio), Expedito Solaney (secretårio nacional da CUT), Fåbio Konder Comparato (jurista), Jonathas Moreth (vice presidente da UNE), JosÊ Henrique Rodrigues Torres (juiz de direito), Kenarik Boujikian (juíza de direito), Lincoln Secco (historiador e professor da USP), Narciso Pires (Grupo Tortura Nunca Mais do Paranå) Noaldo Meireles (advogado da CPT da Paraíba) e Stanley Calil (Associação dos Anistiados). Jå o Movimento Nacional dos Diretos Humanos fechou o apoio ao SURIHVVRUJD~FKRGH¿ORVR¿D3DXOR&pVDU&DUERQDUL

‡$SDUWLUGHVWDVHJXQGDIHLUDDWpRSUy[LPR6iEDGR  DFRQWHFHD6Hmana Alagoana de Astronomia, com diversas atraçþes para os interessados e adeptos. ‡(QWUHDVGLYHUVDVDWLYLGDGHVSUHYLVWDVHVWmRDVREVHUYDo}HVFRP WHOHVFySLRVRSODQHWiULRGLJLWDOODQoDPHQWRGHIRJXHWHVR¿FLQDVGH SODQLVIpULRH[SRVLo}HVGHDVWURVSRHVLDVHDVWURIRWRJUD¿DV ‡$EDVHGHVWDVDWLYLGDGHVVHUiR2EVHUYDWyULR$VWURQ{PLFR*HQLYDO leite Lima, localizado no Centro de Estudos e Pesquisas Aplicadas (Cepa). ‡$6HPDQDGH$VWURQRPLDDFRQWHFHVHPSUHQRSHUtRGRSUy[LPRDR QDVFLPHQWRGH'RP3HGUR,,SDWURQRGD$VWURQRPLDQR%UDVLOVHJXQGR RFRRUGHQDGRUGR2EVHUYDWyULRSURIHVVRU$GULDQR$XEHUW%DUURV ‡$VDWLYLGDGHVVHUmRGHVHQYROYLGDVVLPXOWDQHDPHQWHHDVHVFRODV que estiverem interessadas em participar podem fazer contato pelos telefones 3315-3837 e 9981-5724.

Como o Ăłdio na polĂ­tica ĂŠ usado em nome do voto Candidatos delegam a seus rivais sentimento que descamba para alĂŠm das urnas CADU EPIFĂ‚NIO EDITOR DE POLĂ?TICA

D

LVFXUVRV LQĂ DPDGRV acusaçþes a adversĂĄrios, dedos em riste, palavras incisivas, dentes cerrados, tudo que o caro leitor certamente jĂĄ conhece e viu em palanques eleitorais. Dentro da polĂ­tica, o contrĂĄrio sempre ĂŠ hostilizado, porĂŠm com a presença das redes sociais o debate de ideias sai de cena dando lugar a uma rivalidade extremista que beira o Ăłdio e de forma exposta, bem exposta. Terminado o pleito, tal sentimento dĂĄ lugar a um revanchismo perigoso, seja Ăłdio, mĂĄgoa, LQGLIHUHQoD DOJR Ă€FD DSyV os palanques desarmados. A reportagem da Tribuna Independente ouviu marqueteiros e uma psicanalista para ajudar a entender como o Ăłdio ĂŠ utilizado na polĂ­tica. Um teĂłrico alemĂŁo chamado Carl Von Clausewitz disse certa vez que “a guerra ĂŠ uma extensĂŁo da polĂ­ticaâ€?, entretanto, em tempos modernos essa richa polĂ­tica ganha o Facebook, Twitter, EORJVHQĂ€PRVSROtWLFRVVLP e seus seguidores tambĂŠm destilam o veneno que os candidatos a cargos eletivos manifestam em cima dos palanques, nĂŁo nas redes.

Algozes e vítimas se misturam. Uma avalanche de denúncias, acusaçþes, xingamentos de parte a parte fazem das campanhas políticas uma rinha de galo, porÊm sem cerca protetora, pois sobra para todo mundo. AtÊ o público, que neste caso Ê o povo. Marchinhas, musiquinhas, jingles provocativos. Tudo isso faz parte. É o

ARMAS

“A polĂ­tica de hoje ĂŠ outraâ€?, segundo Wilmar Bandeira Para entender melhor como funciona essa histĂłria do acirramento dos ânimos nos palanques eleitorais conversamos com Wilmar Bandeira Soares, 45, consultor de marketing polĂ­tico e pĂşblico. Ele trabalha em campanhas eleitorais desde 1998. Wilmar Bandeira atuou em dez majoritĂĄrias para governador, prefeito e senador e dezenas de candidaturas proporcionais para deputados federais e estaduais. Segundo Wilmar, numa estratĂŠgia eleitoral as armas sĂŁo vĂĄrias, mas um dos VXEVtGLRVHĂ€FD]HVGRGLVFXUso baseia-se, sem dĂşvidas, no enaltecimento das inĂşmeras virtudes (do seu canGLGDWR HGRVLQĂ€QLWRVGHIHLtos (dos seus adversĂĄrios). “Mas, diferente do passado, essa dicotomia de construção e desconstrução de imagem nĂŁo ĂŠ exposta aleatoriamente, de forma impensada ou por impulso, e sim, atravĂŠs de meios e mensagens VHOHWLYRV H GHĂ€QLGRV QXPD estratĂŠgia, embasada pela experiĂŞncia e por pesquisas de opiniĂŁoâ€?, disse. Banderia lembra que

“muita coisa mudou nas prĂĄticas eleitorais na Ăşltima dĂŠcada devido Ă s novas tecnologias de informação e de comunicação que criaram uma multiplicidade de acessos do cidadĂŁo comum a conteĂşdos informativosâ€?. Hoje, de acordo com ele, “os fantasmas dos dossiĂŞs nĂŁo assombram mais como no passado, pois toda instituição SDUWLGiULD H SURĂ€VVLRQDLV de marketing tĂŞm memĂłria com registros exclusivos de textos, de ĂĄudios e de vĂ­deos da vida pregressa dos principais polĂ­ticos e, sem dĂşvida, um substancioso dossiĂŞ pode ser formatado em seis horas de pesquisa nas entranhas do Googleâ€?. Ainda de acordo com WilPDUHVVHQRYRSHUĂ€OGDFRmunicação nas campanhas se dĂĄ graças Ă  dinâmica da polĂ­tica, pois “vivemos uma UHDOLGDGH RQGH D LQĂ€GHOLGDde partidĂĄria ĂŠ cotidiana e os polĂ­ticos se reversam com naturalidade em posicionamentos e grupos, um dia ĂŠ adversĂĄrio, no outro aliado. Diante disso, Ăłdio na polĂ­tica pode virar ocasionalmente respeito, e assim o defeito vira virtudeâ€?. (C.E)

jogo. Quem nĂŁo se lembra de 2010? Quando nas redes sociais espalhou-se a expressĂŁo: â€œĂ‰ assim, buzinou, ĂŠ 14; deu rĂŠ, ĂŠ 12; acelerou ĂŠ 45!!!!!!â€?. Onde se fazia alusĂŁo aos nĂşmeros dos candidatos do pleito daquele ano. As mazelas de cada candidato sĂŁo expostas. Suas feridas e segredos sĂŁo apresentados por marqueteiros polĂ­ticos que ganham para desconstruir

CIRCUNSTANCIAL

Desconstrução de rivais ĂŠ comum, mas deve ser dosada A desconstrução da imagem de seu oponente polĂ­tico ĂŠ uma ferramenta comum nas campanhas eleitorais, sejam de qualquer natureza. Falar mal de seu rival ĂŠ algo atĂŠ compreensĂ­vel. Wilmar Bandeira diz que “se for usado de forma descontrolada e sem limites pode nĂŁo gerar um resultado esperado. AtĂŠ adverso, com o feitiço retornando ao feiticeiroâ€?. Outro especialista que tambĂŠm compartilha com esse pensamento ĂŠ o paulista Einhart Jacome, 58, atuou em diversas campanhas majoritĂĄrias dentro e fora do paĂ­s. Pode parecer piegas, mas ĂŠ a mais pura verdade, cada eleição tem uma histĂłria, nĂŁo hĂĄ fĂłrmuODV ´,QĂ XHQFLDU QmR p XPD FLrQFLD H[DWD 3UHĂ€UR PH cercar de Ă­ndices, pesquisas, GDGRV SDUkPHWURV SHUĂ€V qualitativos e quantitativos para me nortearâ€?, frisou. Einhart adverte que atacar por atacar tambĂŠm tira voto do candidato. “O ataque ĂŠ circunstancial. Tem TXH VH FRQĂ€DU QR feeling do SURĂ€VVLRQDO GH PDUNHWLQJ H Ă€FDU VHPSUH GH ROKR QDV pesquisas de opiniĂŁo. Ver o

DICA

HISTĂ“RIA

O prĂłprio candidato deve contribuir para que o trabalho seja exitoso. “Se um candidato realizou um bom trabalho de marketing antes da eleição, foi um administrador bem avaliado, ĂŠ um parlamentar de credibilidade, tem baixa rejeição ou se lidera com folga as pesquisas de intenção de votos, indiscutivelmente, sĂŁo vantagens competitivas relevantes, mas tudo ĂŠ decidido na imprevisibilidade da guerra eleitoralâ€?, completa Wilmar Bandeira.

Em 1954, o entĂŁo presidente GetĂşlio Vargas enfatizou em sua carta-testamento, pouco antes de suicidar-se: “O Ăłdio, as infâmias, a calĂşnia nĂŁo abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora vos ofereço a minha morteâ€?. A pedra no sapato de Vargas era o governador da Guanabara – antigo estado do Rio de Janeiro - , jornalista Carlos Lacerda, que diariamente por meio de seu jornal “Tribuna da Imprensaâ€?, atacava implacavelmente o presidente apelidado de pai dos pobres.

Currículo e atuação ajudam candidatos

um candidato e dar luz a uma ideia, mas nĂŁo ĂŠ sĂł isso. Este tipo de estratĂŠgia – desconstrução - ĂŠ utilizada nĂŁo para apresentar seu cronograma de governo, seus planos, promessas. NĂŁo! O ataque mira na quantidade de pessoas que podem ‘desgostar’ do candidato atacado, mas nĂŁo se enganem, o ataque deliberado tira votos tambĂŠm do caluniador.

GetĂşlio Vargas foi vĂ­tima do Ăłdio

desempenho de seu candidato mediante seus ataques ou sua indiferença quanto aos ataques de seu adversĂĄrio. Por isso que nem sempre ĂŠ necessĂĄrio bater. Tem que ter cabeça fria e segurar os ataques, em alguns momentosâ€?. Agora, vale salientar, H[LVWHP SURĂ€VVLRQDLV TXH tendem a levar o candidato a cometer erros grotescos em cima dos palanques. “A agressividade em excesso ĂŠ prejudicial, pois vai descambar para o Ăłdio. Tudo em excesso ĂŠ ruim, o amor ou o Ăłdioâ€?, ressaltou Einhart UHDĂ€UPDQGRTXHWXGRLVVRp papel do marqueteiro. A falta de tino, de jeito em lutar politicamente com seu oponente pode custar muito mais que a eleição, pode rotular o acusador. â€œĂ€s vezes o que se apresenta como uma bomba destruidora de efeito moral de um adversĂĄrio, nĂŁo se propaga com relevância aos pĂşblicos. Ă€s vezes um gesto, um xingamento ou uma atitude discriminatĂłria desapercebida podem decidir uma campanhaâ€?, explicou Wilmar Bandeira. (C.E)


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

POLĂ?TICA

5

O segredo nĂŁo ĂŠ bater, ĂŠ quando bater Dois marqueteiros de primeira linha que conhecem o cenĂĄrio polĂ­tico alagoano comentam as facetas de campanha

Cotidiano LININHO NOVAIS - contato@lininho.com

Um caos na capital

É

de impressionar as constantes reclamaçþes sobre a situação do trânsito na capital, todos os dias enxurradas de denĂşncias sobre o trĂĄfego e o silĂŞncio da SMTT ĂŠ de incomodar. Nos horĂĄrios de pico as avenidas Fernandes Lima, Via Expressa, &DPERQDĂ€FDPGHHQORXTXHFHUTXDOTXHUFLGDGmR1RVĂ€QDLVGH VHPDQDDĂ€VFDOL]DomRSRUSDUWHGDVXSHULQWHQGrQFLDSDUHFHQmR existir, basta trafegar pela orla da capital que podemos constatar veĂ­culos estacionados irregularmente, transformando ruas tranquilas numa verdadeira zorra. SĂŁo carros em cima das calçadas, ocupando um espaço que seria para os pedestres e ainda com GLUHLWRDWpDVHJXUDQoDSULYDGDMiTXHD´PiĂ€DGRVĂ DQHOLQKDVÂľ estĂĄ por todo lugar. Um absurdo Ă s claras e que parece a cada dia estar ganhando novas dimensĂľes. E a SMTT, por onde anda? Com a palavra o “Super-Intendenteâ€?!

Uma Vanusa em Alagoas Durante evento que reunia jovens na capital alagoana, foi executado o Hino do Estado de Alagoas por uma cantora que nĂŁo viveu um bom momento, pois no decorrer da mĂşsica ela esqueceu da letra e foi o maior “Deus nos acudaâ€?. A bela jovem foi salva pelos alunos de uma escola estadual que participavam do evento e seguraram o coro.

Perguntar não ofende Serå que o Cesmac vai mesmo ofertar o curso de medicina e assim ser a primeira faculdade privada a oferecer tal curso? Ou essa historia serå LJXDODRIDPRVRHGLVSXWDGRHVWDOHLUR"(VSHURTXHVHMDUHDOLGDGH$¿QDO ambas as realizaçþes são muito importante para nosso Estado.

Líder da bancada Durante encontro do tucanato realizado na sexta-feira, dia 25, em 0DFHLyXPHYHQWRTXHUHXQLXYiULDV³HVWUHODV´GRSDUWLGRIRLFRQ¿GHQciado que o deputado federal Rui Palmeira serå o líder da bancada na Câmara dos Deputados em 2012. Apesar de nenhum cacique de alta SOXPDJHPFRQ¿UPDURVUXPRUHVMiVmRSRVLWLYRV6HULDHVVDLQGLFDomR SDUWHGRSURMHWRGRQLQKRWXFDQRSDUDGDUPDLRUYLVLELOLGDGHDR¿OKRGR ex-ministro Guilherme?

Um clamor atendido 2VHQDGRU5HQDQ&DOKHLURVFRQ¿UPRXTXHDDJRQLDGRVPRWRULVWDVTXH precisam chegar à capital pela BR-101 estå com os dias contados, pois ele jå garantiu como emenda de bancada a construção do viaduto na Policia Rodoviåria Federal. Atualmente, trafegar por esse trecho tem sido uma via-crúcis.

Prefeitos vencedores O Instituto CidadĂŁo anunciou na Ăşltima sexta-feira, dia 25, os cinco vencedores do PrĂŞmio JosĂŠ AprĂ­gio Vilela de GestĂŁo PĂşblica ResponsĂĄvel e Empreendedora, apĂłs a conclusĂŁo dos trabalhos das equipes tĂŠcnicas encarregadas do julgamento. Este ano de 2011 os municĂ­pios agraciados com o disputado trofĂŠu e o “Diploma da Cidadaniaâ€? sĂŁo: Arapiraca, Atalaia, Cajueiro, Junqueiro e Piranhas. A premiação acontecerĂĄ no prĂłximo dia 9 de dezembro, no Centro de Convençþes de MaceiĂł.

Primeiro-ministro Em Ibateguara, o ex-deputado JoĂŁo Caldas ĂŠ quem dĂĄ as ordens, isso mesmo! Ele resolveu “comandarâ€? os destinos da cidade que tem sua esposa Eudocia Caldas como prefeita. Primeiro ele “pediuâ€? a cabeça de todos os secretĂĄrios municipais, fazendo uma verdadeira dança das cadeiras; agora orientou na mudança da feira livre da cidade. Eis o grito do campo!

Oposição desmotivada Apesar de ser a mais bem colocada para enfrentar o atual prefeito da bela Jequiå da Praia, a peemedebista Rosinha Jatobå não anda motivada para a disputa eleitoral na cidade em que ela governou por dois mandatos. O grupo que ela comanda, apesar de reunir nove partidos, parece não ter outro nome para o pleito eleitoral. Enquanto isso o prefeito Marcelo Beltrão vai caminhando para a reeleição.

João Sampaio, o vice Isso mesmo! João Sampaio, vereador de Jequiå da Praia desistiu da reeleição e agora almeja ser candidato a vice-prefeito numa possível composição com Rosinha Jatobå. O detalhe Ê que dos atuais nove vereadores da Câmara jequiaense, cinco deles juram por tudo que não irão disputar; sabe Deus o por quê!

Foi pra onde? Dizem que o motivo foi um compromisso sobre o estaleiro, mas ninguĂŠm FRQÂżUPDRSRUTXrGDDXVrQFLDGRJRYHUQDGRU7HRW{QLR9LOHODGXUDQte o seminĂĄrio que reuniu todo o ninho tucano em Alagoas na Ăşltima semana.

A qualquer modo 2VHFUHWiULRGHLQIUDHVWUXUDGH0DFHLy0RVDUW$PDUDOFRQ¿UPRXTXH atÊ meados de 2012 serå inaugurada a praça da juventude no bairro GR%HQHGLWR%HQWHV(D¿UPRX³(VVDREUDVDLDTXDOTXHUPRGRDRV trancos e barrancos�. Palavra Ê uma dessa!

O

marqueteiro Einhart Jacome citou como exemplo a variedade de aplicação dos ataques ou nĂŁo em eleiçþes – sejam elas municipais, estaduais ou atĂŠ fora do paĂ­s. Ele conta uma experiĂŞncia sua na Espanha, onde em uma campanha para o governo de Madrid – o Estado – o PP, partido de direita, estava lançando uma candidata, que jĂĄ entraria no pleito apenas para disputar, sem pretensĂŁo alguma de vitĂłria, segundo Einhart. A candidata concorreu nas eleiçþes com um partido de extrema esquerda, o PSOL, “bem agressivoâ€?, completa. “Para ganhar votos para nĂłs e tirarmos votos deles, começamos com uma masVLYD FDPSDQKD GH SDQĂ HWDgem – jĂĄ que nĂŁo se tinha campanha na TV. AtĂŠ entĂŁo o tal partido jamais tinha XWLOL]DGR SDQĂ HWDJHP PXLto menos de ataque. Pois batemos muito, acabamos ganhandoâ€?. Ou seja, ĂŠ relativo, pois em Alagoas por exemplo em 2010. Einhart fez parte da campanha tucana. “No segundo turno das eleiçþes majoritĂĄrias, o candidato Ronaldo Lessa (PDT), faltando uma semana para terminar a campanha começou a atacar fortemente. Percebi nas pesquisas que Teotonio Vilela

DIVULGAĂ‡ĂƒO

Einhart Jacome acumulou vasta experiĂŞncia em campanhas polĂ­ticas locais e no estrangeiro

não caia nas pesquisas. Ele ÀFRXRPLVVRTXDQWRDRVDWDques. E assim permaneceu atÊ o dia. Vilela só teve uma OLJHLUDTXHGDQRÀQDOPDVDt só era esperar e pronto. Foi vitorioso�. Portanto, bater em seu oponente em política Ê totalmente circunstancial

ĂŠ necessĂĄrio saber o momento certo e a ocasiĂŁo certa. “O momento eleitoral ĂŠ decisivo e qualquer erro de ambas as partes pode comprometer um possĂ­vel ĂŞxito, por isso o marketing polĂ­tico, atento aos riscos e as oportunidades, aos pontos fracos

e fortes dos concorrentes, leva ao campo de batalha eleitoral, suas estratÊgias e tåticas jå experimentadas e comprovadas�, relembrou Wilmar Bandeira sobre a importância da experiência que o marqueteiro deve ter. (C.E)

VAIDADE

Ego de polĂ­tico ĂŠ atingido com ataques NinguĂŠm estĂĄ livre dos golpes que sĂŁo desferidos abaixo da linha da cintura dentro de uma campanha eleitoral. Essa deslealdade do vale tudo acaba provocando como jĂĄ disse atĂŠ o deputado federal Roberto Jeferson (PTB), “os sentimentos mais primitivosâ€?. Tais sentimentos sĂŁo o Ăłdio, a raiva, e por aĂ­ vai. Para a psicanalista Gabriela Moura a reação a um ataque de um adversĂĄrio polĂ­tico vai depender muito da carga emotiva de cada pessoa.

“Cada pessoa reage de um modo bem diferente, depende de sua histĂłria de vida, sua cultura, sua bagagem. É muito relativoâ€?, enfatiza a especialista. Gabriela parte do pressuposto de que ao proferir um ‘ataque’ Ă quele que disputa uma vaga eletiva com vocĂŞ, “aquele que almeja seu posto, seu posicionamento na campanha, nas eleiçþes, HQĂ€P LVVR p XP DWDTXH DR narcisismo do outro. Ele gostaria de estar no lugar do outroâ€?.

Quando a especialista colocou o narcisismo atingido do ofendido Ê que em geral, os políticos têm por si Vy XP HJR PDLV LQà DGR TXH a cidadão comum, isso Ê um transtorno de personalidade narcisista. Segundo a psiquiatria, indivíduos com o transtorno julgam-se grandiosos e possuem necessidades de admiração e aprovação de outras pessoas em excesso. O narcisismo não Ê apenas uma condição patológica, mas tambÊm um protetor

do psiquĂ­smo. Um narcisismo “que promove a constituição de uma imagem de si XQLĂ€FDGD SHUIHLWD FXPSULda e inteiraâ€?, percebam que pEHPRSHUĂ€OGRSROtWLFRTXH sempre se acha inatingĂ­vel e inabalĂĄvel - principalmente em eleiçþes. Portanto, quando ele se sente atingindo, abalado, ofendido, a reação ĂŠ quase imediata, chega o Ăłdio, o revanchismo. “Essa dose varia de pessoa para pessoa. Depende muito da bagagem de vidaâ€?, esclareceu a psicanalista. (C.E)


6

OPINIAO

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

OpiniĂŁo

ResĂ­duos sĂłlidos

A

Câmara sediarå nas próximas terça e quarta-feira (29 e 30) a 12ª Conferência das Cidades. O evento Ê organizado anualmente pela Comissão de Desenvolvimento Urbano. Neste ano, o tema principal do debate Ê a Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída no ano passado (Lei 12.305/10).Os prefeitos têm atÊ o próximo ano para ter seus planos municipais e intermunicipais aprovados. AlÊm disso, têm atÊ agosto de 2014 para extinguir os lixþes a cÊu aberto. A comissão promoveu cinco seminårios preparatórios para a conferência, em vårias regiþes do País,

EDUARDO GUIMARĂƒES Jornalista

com o objetivo de preparar os gestores públicos para a Política Nacional de Resíduos Sólidos. A lei estabelece metas de redução, reutilização e reciclagem, para redução do volume dos resíduos. TambÊm cria metas para aproveitamento dos gases gerados em aterros sanitårios, para eliminação e recuperação de lixþes e para a conversão desses locais em aterros capazes de minimizar os danos ambientais.Durante a conferência, cinco municípios brasileiros receberão o selo Cidade Cidadã: Sertânia (PE), Miguel Pereira (RJ), Sertãozinho (PB), e Rio Grande e Novo Hamburgo (ambos no RS).

RODRIGO VIANNA Jornalista

Infância erotizada Andar pela casa com os sapatos de salto alto da mãe, colocar seus brincos e pulseiras, batom e perfume‌ Que menina nunca fez isso? Que menina não quis vestir os signos da mulher adulta e imitå-la? É assim que crescemos, nos espelhando nos outros; buscando, por meio dos gestos copiados, um modelo a seguir, uma orientação para ser. A mola mestra da vida estå em seguir exemplos. Fazemos isso com pais e mães, mas tambÊm FRP DUWLVWDV SURIHVVRUHV HQÀP com aqueles que chamam a nossa atenção e provocam o nosso interesse. Mesmo jå adultos, são os outros que nos inspiram e que imitamos: nos vestimos como se vestem os SURÀVVLRQDLV GD QRVVD iUHD SRU exemplo. Agimos e falamos como eles, frequentamos os mesmos luJDUHVHDGRWDPRVSDUDQyVRVÀQV e valores que eles têm. Portanto, brincar de ser adulto, sob essa ótica, não só Ê algo corriqueiro para as crianças como tambÊm esperado. Não nos causa estranhamento desde que, nesse terreno, não adentre nenhum toque de sexualidade, como no caso das fotos da menina de 10 anos, Thylane Blondeau, para o mundo da moda. Ensaio de modelo e de que mais? A mim, particularmente, as fotos incomodaram por terem um toque bizarro. A sexualidade antecipada de Thylane Ê uma fantasia que ela enverga como se fosse sua mais original realidade. Uma sexualidade, ao mesmo tempo, postiça e natural. Sem dúvidas, precoce. Fruta verde colhida cedo demais. Fiquei me perguntando, ao olhar as fotos, o que tudo aquilo VLJQLÀFDULDSDUDDSUySULD7K\OD-

ne. E se ela entenderia os olhares que certamente a contemplariam. Compreenderia o desejo sexual? 6DEHULD GHFRGLĂ€FDU H OLGDU FRP D SHGRĂ€OLD"6DEHULDRVLJQLĂ€FDGRGH ser criança-mulher-objeto? Puro produto de consumo? E a anorexia? Saberia que ĂŠ uma doença e nĂŁo um padrĂŁo estĂŠtico? Nas fotos, seus bracinhos compridos parecem modelados por ela. Seu corpo todo controlado pelos critĂŠrios do mundo da moda: a escassez. Penso que nĂŁo sĂł o corpo, mas toda sua vida deve ser parametrada pelas necessidades e ritmos da carreira escolhida (nĂŁo -certamente por ela): horĂĄrios de dormir e acordar, alimentos que consumir, fĂŠrias, tempo para a escola, brincadeiras, companhias, interesses, REMHWLYRVVHQWLGRGDYLGDHQĂ€P Temo que Thylane construa sua identidade a partir de uma circunstância de trabalho. E de uma circunstância que a condiciona a ser corpo em serventia, principalmente para os interesses anĂ´nimos do consumo. Seria uma identidade recolhida da sua condição prematura de mercadoria: sem vontade prĂłpria nem destino pessoal. Uma identidade a serviço do desejo (do outro), dos interesses (do outro), da admiração (do outro), da cobiça (do outro)‌ As “Thylanesâ€? da moda sĂŁo meras imagens vestidas de erotismo e vendidas como tal. Mas, se o mercado da moda chega a tanto, ĂŠ porque recebe da sociedade seu consentimento. Nessas pequenas modelos se apresentam as duas consignaçþes mais presentes em nossa sociedade: sexualidade e juventude. A elas, de um modo ou de outro, todos nos curvamos e por elas somos atingidos.

A sexualidade tem sido a exigência capital para quase todas as situaçþes. Ela substitui o amor, a honra, a inteligência, a honestidade, o interesse pelo bem comum‌ E Ê requisito para a conquista de empregos, namoros e casamentos, autoestima, posição social etc. No dia a dia, são essas convocaçþes da sexualidade que nos fazem frequentar academias, fazer dietas, nos equilibrar em saltos desconfortåveis e danosos, escolher o estilo das roupas. O insuportåvel Ê não ser (sexualmente) desejåvel. A juventude tem sido o que rege a busca desenfreada pelas plåsticas. Aos 30 anos jå são muitos os que recorrem a ela, não para corrigir imperfeiçþes, mas para esconder os primeiros sinais da idade. O estilo do vestuårio Ê todo determinado pelo gosto juvenil e os tamanhos pautados por essa faixa etåria. A juventude, porÊm, tem de ser cada vez mais extensa. Ela não Ê vista como um estiramento para a longevidade, mas em direção à infância. E quanto mais jovem aparentarmos ser, mais desejåveis seremos. Ser desejåvel Ê ser jovem, quase uma criança – assim Ê que sexualidade e juventude se conciliam. Vestindo a criança com a moda adulta, podemos ter a ilusão de que Ê a vida adulta que impþe padrþes à infância e a obscurece. Mas, se olharmos de perto, e com calma, compreenderemos que Ê da infância que a vida adulta tem retirado os padrþes de seu comportamento e aparência. Não Ê apenas a criança que se torna, atravÊs da sexualização precoce, adulta mais rapidamente. São os adultos que sonham em não crescer.

FILIADO AO

Jorgraf UM PRODUTO:

Rua da Praia, 134 - sala 303 - centro - Maceió Alagoas Endereço Comercial: Av. Menino Marcelo - 10.440 - Serraria Maceió - Alagoas - CEP: 57.083.410 CNPJ: 08.951.056/0001 - 33

Cooperativa dos Jornalistas H*UiÂżFRVGRHVWDGRGHDODJRDV

TrĂŞs perguntas sobre Belo Monte Esse debate sobre a usina de Belo Monte ĂŠ alvo de uma tĂĄtica de quem ĂŠ contra a obra de complicar a discussĂŁo para nĂŁo ter que se explicar. Recebi links de matĂŠrias com opiniĂľes de “especialistasâ€? que comprovariam que a obra nĂŁo deve ser feita, mas sĂł RTXHHQFRQWUHLIRUDPDĂ€UPDo}HV sem provas de que FHC, Lula e Dilma querem que a nova usina seja construĂ­da porque se mancomunaram com JosĂŠ Sarney, com as empreiteiras e atĂŠ com a China para dilapidarem o patrimĂ´nio nacional e torturarem alguns Ă­ndios. OpiniĂľes polĂ­ticas e ilaçþes sobre o carĂĄter e as intençþes supostamente obscuras dos dois Ăşltimos ex-presidentes da RepĂşblica, da atual governante do paĂ­s e – como nĂŁo poderia deixar de ser – de JosĂŠ Sarney e de todo aquele abecedĂĄrio de polĂ­ticos que nĂŁo hĂĄ um dia em que nĂŁo estejam sendo malhados pela mĂ­dia foram tudo o que me deram. Nada alĂŠm de ataques a polĂ­ticos e meras opiniĂľes em lugar das respostas a questĂľes objetivas que se fazem os cidadĂŁos que querem o melhor para o paĂ­s, e que sĂŁo as seguintes: 1 – Pode faltar energia elĂŠtrica ao Brasil nos prĂłximos anos se a oferta dessa energia nĂŁo for ampliada? 2 – Se houver necessidade urgente de mais energia, hĂĄ alternativa mais barata, limpa e viĂĄvel do que a energia hidrelĂŠtrica? 3 – Se houver necessidade urgente de mais energia e se nĂŁo houver alternativa Ă  energia hidrelĂŠtrica, hĂĄ como construir a usina em outro lugar sem causar danos ambientais e sociais? HĂĄ cerca de uma dĂŠcada, o Brasil teve que racionar energia elĂŠtrica por quase um ano e ainda teve que pagar muito mais caro por ela. Os danos que aquele racionamento causou ao paĂ­s nĂŁo foram apenas desligar ar-condicionado ou tomar banhos curtos. Conheci indĂşstria com cem funcionĂĄrios que quebrou porque mudou de sede para crescer e

não conseguiu energia nem para fazer funcionar as måquinas que jå tinha. Resultado: desemprego. Não estou inventando nada. Jå aconteceu. Seria um desastre para 190 milhþes de brasileiros, portanto, se tivÊssemos que passar DE NOVO pelo que jå passamos. Ainda mais em um momento de ouro para a economia brasileira, em um momento em que legiþes de jovens cidadãos chegam ao mercado de trabalho, em um momento que Ê o passaporte desta nação para o futuro. Hå quem ache que esse momento Ê uma invenção, mas essas pessoas perderam a eleição do ano passado, por mais que não queiram se conformar com isso. Alguns dizem que Ê tudo ilusão, que colocaram em nossas cabeças essa coisa de falta de energia iminente. Bem, se foi ilusão o que vi acontecer hå uma dÊcada no meu segmento de atividade, em minha vida privada e na de todos os que conheço por conta do DSDJmR GR ÀP GR JRYHUQR )+& aquela foi uma ilusão para lå de real. Creio, portanto, que as respostas que o governo Lula e o governo Dilma Jà DERAM às três questþes objetivas que elenquei acima, esgotam a discussão. Essas questþes foram feitas em audiências públicas e depois foram terçadas na Justiça. O país, que tem instituiçþes, decidiu sobre o assunto de forma democråtica. Porque não estamos falando do parque de diversþes ecológico de um bando de celebridades do Jet set internacional ou dos interesses que se escondem SRU WUiV GR ÀQDQFLDPHQWR TXH governos estrangeiros, segundo a Abin, têm dado a ONGs para combaterem, aqui no Brasil, a construção de Belo Monte; trata-se do interesse maior de toda uma nação. Apesar de entre os antagonistas da usina proliferarem os especialistas de ocasião que, sem credenciais para fazerem tais decretos, tratam questão dessa complexidade como se seus argumentos fossem incontestå-

veis, nĂŁo ĂŠ bem assim. O governo sustentou suas respostas Ă s trĂŞs questĂľes acima em incontĂĄveis audiĂŞncias pĂşblicas e o que tem sido oposto a elas sĂŁo nada mais do que meras suposiçþes sobre intençþes “perversasâ€? desse governo quanto aos Ă­ndios e ao meio ambiente. Justiça, Congresso e Poder Executivo jĂĄ responderam Ă s queixas dos descontentes, mas hĂĄ quem diga que as respostas nĂŁo sĂŁo satisfatĂłrias. Contudo, quem diz o faz atravĂŠs de ilaçþes. Repito, pois: dizer que Dilma (sĂł SDUDĂ€FDUQRDWXDOJRYHUQR TXHU vender a AmazĂ´nia a empreiteiras, Ă  China, ao bigode do Sarney e, de quebra, quer judiar de alguns Ă­ndios, ĂŠ pouco – ou nada. E nĂŁo ĂŠ sĂł para mim. A obra vai sair porque tem licenças, tem anuĂŞncia dos poderes constituĂ­dos, tem estudos, tem respostas. NĂŁo ĂŠ porque ONGs e governos estrangeiros (que tĂŞm interesses nĂŁo confessos na AmazĂ´nia) contestam que o Estado brasileiro tem que se curvar. Este paĂ­s elegeu Dilma e o processo legal para construir a usina foi empreendido. Todos podem contestĂĄ-lo, atĂŠ, mas indo ao JudiciĂĄrio e/ou ao Legislativo. Podem acampar no meio da obra, mas terĂŁo que sair porque ĂŠ assim que funciona na democracia. Dei um mandato a Dilma e sĂł aceito que ela nĂŁo possa executar o programa de governo aprovado nas urnas se a derrotarem legalmente. Agora, sempre se pode construir o conhecimento. Quem tiver respostas objetivas a essas questĂľes, que as apresente. Nada de links, nada de enrolar. SĂŁo trĂŞs perguntas que podem ser respondidas em poucas linhas. Se alguĂŠm tiver essas tais respostas tĂŁo Ăłbvias, pode postar que tratarei de levĂĄ-las a quem pode respondĂŞ-las e me comprometo a colocar o resultado aqui. E garanto que, se surgirem respostas convincentes, apesar de isso nĂŁo mudar nada importante, poderĂĄ mudar minha opiniĂŁo. Basta me convencer.

OLĂ?VIA DE CĂ SSIA CORREIA DE CERQUEIRA Jornalista - http://oliviadecassia.blogspot.com

Pela harmonia e boa convivĂŞncia

Uma tarde quente essa de hoje. Daqui a pouco viajo para União dos Palmares. Estou aguardando uma carona e enquanto espero divago em pensamentos. A vista jå não ajuda muito, os olhos lacrimejam e WHQKRGLÀFXOGDGHVSDUDDMXVWDU o foco. A danada da miopia me incomoda e quando chega a idade avançada, as complicaçþes aumentam. Paciência. Ontem liguei para Jam, para saber como ele estå de saúde. Fazia tempo que a gente não conversava; pela voz dele deu para perceber que não estå muito bem. A voz arrastada transmitindo um pouco de dor. Disse-me que viajou e onde estava teve uma crise renal; teve que voltar. É sÊrio o problema de cålculo renal, ele deve passar por mal bocados com isso. Jå não sofro mais com a ausência dele, o tempo vai tratando de acomodar os sentimentos, desviar a gente e encaminhar o pensamento e o foco da vida para outras situaçþes. Temos que seguir em frente, deixar os problemas de lado ou enfrentå-los de forma amadurecida. 1mR Gi PDLV SDUD ÀFDU ODmentando o que perdi, pois o passado não volta, mesmo que a gente sinta saudade de algo ou de alguÊm. Saudade, dizem os

PRESIDENTE Antonio Pereira Filho DIRETOR ADMINISTRATIVO FINANCEIRO: JosĂŠ Paulo Gabriel dos Santos Editor geral: Ricardo Castro

poetas, Ê uma expressão apenas da língua portuguesa, Ê um sentimento único nosso. Em outros tempos a notícia da saúde de Jam me deixava desesperada, eu não tinha controle sobre isso. Tomara que ele ÀTXHEHPHWHQKDVRUWHQDYLGD Restou um carinho, uma amizade e a lembrança dos bons momentos que nós tivemos juntos. Não adianta remoer mågoas e ressentimentos, isso faz mal para a alma da gente. Perdoar Ê sublime. Não digo que eu tenha esquecido ou deletado de mim toda a nossa história, eu estaria PHQWLQGRVHDÀUPDVVHLVVR3URcuro encarar a realidade como algo que foi e Ê inevitåvel. Mais um dia 20 de novembro passou e cada ano a festa da Consciência Negra acontece de forma diferenciada. As energias da gente se renovam e hå na Serra da Barriga uma energia que QRV SXULÀFD (X PH VLQWR PDLV leve e feliz, me encanto quando subo lå; um local que presenciou tanto combate, tanta luta e desejos de liberdade, planos e batalhas por uma sociedade mais justa, livre do preconceito, dos grilhþes e das amarras. A Serra da Barriga Ê um solo sagrado, um templo onde estão depositados tantos segredos, magia, confrontos e dores. A

luta de Zumbi e seus guerreiros e guerreiras deveria ser um exemplo para que muita gente se refaça, se livre da opressão e das amarras culturais. Precisamos de um mundo de paz e harmonia, onde o convívio dos contrårios seja possível, onde reine a tolerância e o amor fraterno. Não då mais para a gente conviver com tanta violência e intolerância, seja ela religiosa ou de qualquer tipo. A sociedade vive amedrontada e insegura. A construção da paz começa dentro de cada um de nós, a partir do momento que aceitamos e passamos a respeitar o outro, o nosso próximo que pensa e Ê diferente de nós. NinguÊm Ê obrigado a ser igual, mas onde existe o respeito, hå tambÊm a harmonização e a convivência SDFtÀFD É possível a gente viver sendo mais compreensivo e observando as diferenças. Existe uma situação menos dolorosa quando hå compreensão, tolerância, maturidade e seriedade de propósitos. 7HQKR UHà HWLGR PXLWR VREUH isso: O 20 de novembro faz a gente perceber a multiculturalidade do nosso povo alegre. Uma prova de que onde existe cultura, existe alegria e bem viver.

Nosso noticiĂĄrio nacional ĂŠ fornecido pelas agĂŞncias: AgĂŞncia Folha e AGĂŞncia Nordeste PABX: 82.3311.1338 COMERCIAL: 82.3311.1330 - 3311. 1331 REDAĂ‡ĂƒO: 82.3311.1328 - 3311.1329 CENTRAL DE ASSINANTE: 82.3311.1308 - 3311.1309 comercial.tribunaindependente@gmail.com redação.tribunaindependente@gmail.com

ricardocastro@tribuna-al.com.br

DIRETORA COMERCIAL: Marilene Canuto

OS ARTIGOS ASSINADOS SĂƒO DE RESPONSABILIDADE DOS SEUS AUTORES. NĂƒO REPRESENTANDO, NECESSARIAMENTE, A OPĂ?NIĂƒO DESTE JORNAL.


TribunaIndependente

MACEIÓ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

PUBLICIDADE

7


8

PUBLICIDADE

MACEIÓ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

TribunaIndependente


TribunaIndependente

MACEIÓ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

Cidades

CIDADES

9

Médico mastologista dá dicas de como prevenir o diagnóstico de cânceres O médico mastologista José Roberto Fígaro Caldeira, explica que as pessoas devem estar atentas às medidas preventivas do câncer, pois quanto mais precocemente o câncer é diagnosticado, maiores são as chances de cura e de realização de tratamentos menos agressivos. O médico relaciona algumas ações importantes de prevenção: praticar atividades físicas, manter uma alimentação de qualidade (muitas frutas, legumes e verduras, além de evitar carnes vermelhas com gorduras), evitar bebidas alcoólicas, especialmente as destiladas, não abusar de hormônios para o tratamento da menopausa (quando indicados), evitar o tabagismo e, se possível, ter ¿OKRVDQWHVGRVDQRVHDPDPHQWDUGXUDQWHRSULPHLURDQRGHYLGDGREHEr

Quatro mil alagoanos terão câncer em 2012 Previsão é baseada em estatísticas deste ano e de anos anteriores, que apontam crescimento do número de casos DANIEL MAIA REPÓRTER

N

este domingo, todas as atenções estarão voltadas a um debate sobre a saúde dos 192 milhões de brasileiros. É que se celebra hoje o Dia Nacional de Combate ao Câncer. A forma com que a doença vem ganhando espaço é estarrecedora, mas com a busca por esclarecimento e bons hábitos de saúde é possível tratá-la. Nesta semana, o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), revelou que, 520 mil novos diagnósticos de câncer farão parte da realidade dos brasileiros de 2012 a 2013. Em Alagoas a previsão é que os casos cresçam para quatro mil. A previsão para 2012 é a de que, nos homens, apareçam 440 casos de câncer de próstata que ainda é o mais comum. Serão também 420 novos casos de câncer de pele, ‘não melanoma’, 100 casos de câncer de traquéia, brônquio e pulmão, 70 de câncer de estômago, 60 casos de leucemias, 70 de cavidade oral e 50 de cólon e reto. Nas mulheres, os tipos mais cogitados são os de pele ‘não melanoma’, com 580 casos, colo de

útero, com 50, pulmão, 80, glândula tireóide 80, e cólon e reto, com 60. Para quem acha que a estimativa é puro pessimismo, o médico e coordenador do Núcleo de Prevenção e Controle do Câncer da Secretaria Estadual de Saúde, João Aderbal, explica que a crescente sempre é estipulada levando em consideração a incidência da doença sobre cada 100 mil pessoas. “De todos os fatores, o que mais favorece o aparecimento da doença é o cigarro. Ele representa um terço das causas do câncer. Alimentações bastante salgadas e mal armazenadas também contribuem. É necessário ter uma alimentação saudável, com frutas e legumes. As pessoas também devem tomar cuidado com a exposição ao sol”, listou. Em se tratando dos casos em que as pessoas são cautelosas com a saúde e, mesmo assim, adquirem algum tipo de câncer, o oncologista explica. “Ninguém está isento do câncer. Os fatores ambientais também podem contribuir. É como uma equação multifatorial. Por isso que é sempre importante ir regularmente ao médico, pois quanto mais cedo a doença for detectada, mais chances de cura o paciente terá”.

ASSESSORIA

Médico diz que o cigarro é responsável por um terço dos casos, mas excesso de sal e alimentação sem frutas e legumes podem levar à doença

AOS POUCOS

População procura mais ajuda médica REPRODUÇÃO

HOJE

Orla de Maceió será ponto de encontro para debater doença Médicos, enfermeiros, pacientes e a sociedade civil organizada devem participar de um ato público em celebração ao dia Nacional de Combate ao Câncer hoje. A manifestação contará com a GLVWULEXLomRGHSDQÁHWRVQD Rua Silvio Viana, localizada no bairro da Ponta Verde e na orla da Pajuçara. A mobilização, que este DQRVHUiLQWHQVLÀFDGDSHORV SURÀVVLRQDLV GD 6HFUHWDULD Estadual de Saúde (Sesau) e integrantes do Núcleo de Prevenção e Combate ao Câncer de Alagoas, acontece desde 1988, sendo recomendada pelo Ministério da Saúde. De acordo com o médico João Aderbal, a iniciativa é regida por lei federal e vem novamente chamar a atenção dos alagoanos para as práticas preventivas e de tratamento do câncer, sendo abordado de maneira geral. O ato vai contar com panÁHWDJHP H HVFODUHFLPHQWRV com relação à doença. Na

Essa é uma determinação do Ministério da Saúde para marcar o Dia Nacional de Combate ao Câncer, que é instituído por lei. O objetivo é lembrar a data com ações de prevenção” JOÃO ADERBAL Gerente do Núcleo de Prevenção e Controle do Câncer

ocasião, a população vai poder tirar dúvidas sobre diversos tipos de câncer, além dos sintomas e tratamentos. O médico João Aderbal ressalta que todos os estados brasileiros estarão envolvidos em ações do tipo. “Essa é uma determinação do Ministério da Saúde para marcar o Dia Nacional de Combate ao Câncer, que é instituído por lei. O objetivo é lembrar a data com ações de prevenção”, diz ele.

Saiba o que fazer para prevenir cada um dos cinco tipos de câncer

Para o médico e coordenador do Núcleo de Prevenção e Controle do Câncer de Alagoas, João Aderbal, embora a previsão para 2012 indique a presença de 520 mil novos casos da doença no Brasil, com o avanço da medicina e o fortalecimento do debate em nível nacional, as pessoas estão procurando ajuda mais rápido e encarando o tratamento com mais otimismo. “Atualmente as pessoas, quando descobrem que têm câncer, estão mais otimistas para tratar da doença. É claro que um estranhamento é sempre natural. A primeira coisa que se deve fazer é ir ao médico regularmente para fazer exames. Se o câncer for diagnosticado, o paciente receberá tratamento HVSHFtÀFR FRP UHODomR D VXD idade e biotipo”, informou o coordenador do núcleo. O oncologista ressalta que o Estado de Alagoas dispõe de hospitais que podem servir no tratamento de tumores. São eles, o Hospital do Açúcar, também conhecido como ‘Usineiros’, localizado no bairro do Farol, a Santa Casa de Misericórdia, no Centro e o Hospital Universitário, no Tabuleiro. Segundo o médico, em

Arapiraca também é possível encontrar centros de tratamento ao câncer. “Nesses lugares os pacientes poderão ter acesso aos três elementos de tratamento do câncer que são a radioterapia, quimioterapia e a cirurgia oncológica”, garante. INFANTO-JUVENIL A equipe do Centro de Oncologia Pediátrica do Hospital do Açúcar também participa hoje das ações de prevenção de câncer em Alagoas. Segundo dados publicados no site dncci.org.br, o câncer infanto-juvenil já é a principal causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 5 a 19 anos. A boa notícia é que ele tem cura, em mais de 70% dos casos, com diagnóstico precoce e tratamento em centros TXDOLÀFDGRV H HVSHFLDOL]Ddos. Para explicar detalhes do tipo de câncer, a equipe estará em ação externa durante todo o domingo, na orla da Ponta Verde (em frente ao clube do Pirata). Na programação está prevista orientação médica, distribuição de informativos com orientação sobre a prevenção da doença, além da participação dos palhaços de plantão. (D.M. com assessoria)


10

CIDADES

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

Em trĂŞs meses, safra registra sete mortes de trabalhadores )DOWDGHHTXLSDPHQWRVGHVHJXUDQoDRXGHTXDOLÂżFDomROHYDDRVDFLGHQWHV DANIEL MAIA REPĂ“RTER

P

or trås das grandes lavouras de cana-de-açúcar que movimentam a economia do Estado de Alagoas existe um sacrifício que Ê consentido pela maioria dos trabalhadores das usinas e negligenciado pelos empresårios. Atividades de manutenção continuam sendo realizadas sem as qualificaçþes e equipamentos de segurança adequados. Sem orientação devida, muitos trabalhadores do setor sucroalcooleiro convivem com o risco eminente de acidentes e com o drama de verem seus companheiros perder a vida

ou ficar inabilitados.De acordo com o auditor fiscal do MinistĂŠrio do Trabalho e Emprego (MTE), Gilberto Vasconcelos, somente no perĂ­odo de trĂŞs meses de safra, que se iniciou em agosto de 2011 e vai atĂŠ março de 2012, foram registrados cinco acidentes de trabalho e sete mortes, em usinas diferentes. Os municĂ­pios com maiores incidĂŞncias, e que estĂŁo recebendo a notificação do MTE, sĂŁo os de Porto Calvo, Igreja Nova, Coruripe e Rio Largo. “Em 2010 tambĂŠm houve cinco acidentes, mas todos foram na mesma empresa. SĂł que este ano, a quantidade de mortes estĂĄ sendo maior, e ainda temos quatro meses de safra

Ă  frenteâ€?, relata o auditor, ao informar que o perĂ­odo da colheita, que estĂĄ començando, tem os maiores Ă­ndices de acidentes por conta do aumento de trabalhadores e a intensa movimentação nas lavouras e usinas. O auditor fiscal revela que, quando hĂĄ acidentes que resultam em mortes, os trabalhadores se sentem mais inseguros para trabalhar. Gilberto fez questĂŁo de relatar como foram os cinco acidentes deste ano. “SĂŁo mortes terrĂ­veis. Este ano tivemos um caminhĂŁo de uma empresa que se chocou com um Ă´nibus. Outro foi colocar a telha acima da caldeira, estava sem cinto de proteção e morreu. Recentemente, hou-

ve uma explosĂŁo em Coruripe que mutilou um funcionĂĄrio. Os dois outros funcionĂĄrios que estavam presentes, chegaram a desmaiar ao ver o estado do corpo do companheiroâ€?, conta. “Em Rio Largo, um operador de reboque perdeu o controle do veĂ­culo e caiu em uma ribanceira, vindo a falecer. Detalhe: esse trabalhador estava em seu primeiro dia de trabalho e nĂŁo tinha recebido curso de aprimoramento. Por Ăşltimo, tambĂŠm em Rio Largo, um trabalhador rural estava sendo transportado em um reboque com cabine e, ao descer, escorregou e o pneu do reboque passou por cima deleâ€?, relata o auditor fiscal. ADAILSON CALHEIROS

Em uma das mortes UHJLVWUDGDVQHVWDVDIUDWUDEDOKDGRUHVWDYDVHQGRWUDQVSRUWDGRHPUHERTXHTXDQGRHVFRUUHJRXFDLXHIRLDWURSHODGR

DESCONFORTO

OperĂĄrios recusam equipamentos O secretĂĄrio do setor de Assalariados da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Alagoas (Fetag), AntĂ´nio Torres, apontou como um dos fatores principais das causas de acidentes no setor sucroalcooleiro as rejeiçþes por parte dos trabalhadores de formas de trabalho consideradas seguras pelo MinistĂŠrio PĂşblico do Trabalho (MPT). “Um equipamento que ĂŠ recomendado e classificado como apropriado para o uso, nem sempre dĂĄ conforto na hora de trabalhar. Um Ăłculos de proteção, por exemplo, pode nĂŁo confortar o

trabalhador, mas Ê considerado pelo MPT mais apropriado. Dessa forma, quando usam o equipamento, os trabalhadores alegam que não vão se sentir a vontade para desempenhar as suas funçþes e o risco de acontecer um acidente pode aumentar. Mas se o trabalhador não usar, a empresa Ê quem leva multa e o funcionårio Ê demitido�, reflete o secretårio. A procuradora chefe do MinistÊrio Público do Trabalho, Rosemeire Lôbo, se diz sensibilizada com a situação de muitos trabalhadores que perdem a capacidade de trabalhar após um

acidente. Ela destaca que as atividades de prevenção a acidentes estĂŁo sendo retomadas, mas que ĂŠ de responsabilidade da empresa preparar o empregado para a atuação. “O principal problema ĂŠ a falta de treinamento. Se nĂŁo houver o treinamento do manuseio, claro que o prĂłprio equipamento pode servir para o acidente. Por isso que a empresa conta com organismos sociais de qualificação de treinamento como o Senai [Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial] e o Senac [Serviço Nacional de Aprendizagem Comer-

cial]. Cabe Ă  empresa preparar o empresĂĄrio e preparar aquele ambiente, com uma fase pedagĂłgicaâ€?, disse. “Estamos voltando nas empresas e revendo as condiçþes de estrutura. Pretendemos fazer uma inspeção maior nesse perĂ­odo da safra, pois os acordos com as empresas foram firmados em 2008 e jĂĄ estĂĄ na hora de observar. Vamos ver as questĂľes ambientais, o corte de cana, os equipamentos e orientar os trabalhadores que muitas vezes nĂŁo gostam de utilizar o equipamentoâ€?, ressalta. (D.M.)

ACIDENTES

Fetag afirma que nĂşmero vem reduzindo Uma mĂŠdia de 300 acidentes de trabalho jĂĄ foi registrada no setor sucroalcooleiro, segundo o secretĂĄrio do setor de Assalariados da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Alagoas (Fetag), AntĂ´nio Torres. Segundo ele, “a situação jĂĄ esteve piorâ€?. “Os acidentes vĂŞm diminuindo. NĂŁo estĂĄ cem por cento maravilha porque o serviço continua sendo pesado e perigoso. Na maioria dos casos, os acidentes sĂŁo pequenos e tambĂŠm acarretam afastamentos menores, de um ou dois diasâ€?. O secretĂĄrio falou com a Tribuna Independente em uma reuniĂŁo na sede da instituição com agricultores e representantes da categoria. O objetivo era requerer elementos bĂĄsicos para o trabalho dos agricultores, como aquisição de ĂĄgua gelada para quem trabalha em ambientes de temperatura elevada nas lavouras de cana-de-açúcar, aquisição de equipamentos de segurança para trabalhar, segurança de ir e vir, melhoria na qualidade

dos transportes, revisĂŁo das datas bases de reajuste de salĂĄrio e participação justa no processo de repartição da produção. “Atualmente, temos transportes velhos e sem muita oferta de segurança. Estamos tambĂŠm lutando para conquistar ĂĄgua gelada. A ĂĄgua potĂĄvel jĂĄ ĂŠ uma conquista nossaâ€?, relembra. Ao acompanhar os casos de acidente de trabalho no setor sucroalcooleiro, o auditor fiscal Gilberto Vasconcelos aponta que as responsabilidades devem ser direcionadas ao lado patronal e do empregado. “Tem um equilĂ­brio entre a imprudĂŞncia e a responsabilidade da empresaâ€?. Ele ainda ressaltou que, em cada caso de morte, os familiares podem receber R$ 250 mil de indenização, em ação movida pelo MinistĂŠrio PĂşblico Estadual e o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS). “Acredito que mais de R$ 1 milhĂŁo jĂĄ foram gastos somente este anoâ€?, deduz. (D.M.)

DANIEL MAIA

Auditor GL]TXHDVUHVSRQVDELOLGDGHVVmRGDHPSUHVDHGRIXQFLRQiULR


TribunaIndependente

MACEIÓ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

DIVULGAÇÃO

CIDADES

11

Ingerir paracetamol em excesso pode levar à morte Consumo repetido é ainda mais perigoso do que overdose única, segundo estudo

I Relação inversa entre depressão e enxaqueca não foi descartada

80% MAIS

Pessoas com enxaqueca têm mais chance de apresentar depressão Pessoas que têm enxaquecas podem apresentar maior risco de desenvolver depressão clínica, sugere um estudo feito na Universidade de Calgary, no Canadá. A pesquisa, publicada no periódico Headache, também sugeriu que essa relação possa ser inversa, e pessoas com depressão talvez tenham maiores chances de ter enxaquecas. Os pesquisadores analisaram dados do Exame Nacional de Saúde da População do Canadá. Ao todo, 15 mil pessoas foram examinadas a cada dois anos entre 1995 e 2007. Ao final do estudo, 15% dos voluntários apresentaram depressão e 12%, enxaquecas. Das pessoas que sofriam de enxaqueca, 22% também

apresentaram depressão. Entre quem não tinha enxaqueca, o índice de depressão foi menor: 14,6%. Esses dados revelam que pacientes com enxaquecas têm 80% mais chances de passar por um quadro depressivo. O estudo também observou que pessoas com depressão são 40% mais propensas a desenvolver enxaquecas. Porém, os pesquisadores afirmam que esse resultado pode ter sido uma coincidência ou então não ter tanta força, já que a pesquisa não considerou se essas pessoas tiveram estresse na infância. Segundo os pesquisadores, esse problema em crianças pode alterar a forma como o cérebro responde ao estresse mais tarde na vida.

ngerir paracetamol em excesso repetidamente, mesmo que apenas um pouco acima do limite recomendado, pode ser fatal. De acordo com pesquisadores da Universidade de Edimburgo, a overdose da droga é difícil de ser percebida, mas deve ser contornada o quanto antes, uma vez que o paciente corre o risco de sofrer uma falência no fígado que pode levá-lo à morte. A pesquisa foi publicada no periódico British Journal of Clinical Pharmacology. O consumo da droga em excesso repetidamente é ainda mais perigoso do que uma overdose única. E costuma acontecer quando a pessoa sente dor e toma por várias vezes um pouco mais de paracetamol do que precisaria. “Não é uma overdose maciça, do tipo ingerida por pessoas que tentam se matar, mas com o tempo os danos se acumulam e podem ser fatais”, diz Kenneth Simpson, um dos responsáveis pelo estudo. Um dos problemas com a overdose é que os médicos normalmente mensuram o risco do paciente por exames sanguíneos, para saber o quanto da substância está presente no organismo. No caso de uma overdose única, o exame sanguíneo de fato consegue dar informações valiosas ao médico. Pessoas com overdoses sucessivas, no entanto, podem ter níveis

DIVULGAÇÃO

Adultos podem ingerir no máximo dois comprimidos a cada quatro ou seis horas para evitar overdose

baixos de paracetamol no sangue, mesmo que estejam em risco iminente de falha no fígado e de morte. Levantamento de dados Durante a pesquisa, foram analisados 663 pacientes que haviam sido admitidos no centro médico Royal Infirmary, em Edimburgo, entre 1992 e 2008, com dano no fígado causado por paracetamol. Descobriu-se, então, que 161 deles haviam tomado overdoses sucessivas, normalmente para aliviar uma variedade de dores comuns, como dores abdominal, muscular, de cabeça e de dente. “Na admissão no hospital,

esses pacientes com overdoses múltiplas eram mais suscetíveis a terem problemas no fígado e no cérebro, precisavam de diálise renal ou ajuda para respirar. Eles tinham mais riscos de morrer do que aqueles pacientes que haviam tido apenas uma overdose”, diz Simpson. O problema é ainda mais sério para aqueles pacientes que chegam ao hospital mais de um dia após a overdose. Eles têm ainda mais riscos de precisarem de um transplante de fígado. Segundo o especialista, como mensurar o paracetamol no sangue é uma avalia-

ção ineficaz do real estado do paciente em casos de overdoses múltiplas ou de internação tardia, é preciso que se desenvolvam novas maneiras de se fazer o diagnóstico e o tratamento. O paracetamol, assim como qualquer outro remédio, deve ser ingerido apenas com supervisão médica. Normalmente, cada comprimido contém cerca de 500 mg de paracetamol e recomendações gerais indicam que adultos podem ingerir até, no máximo, dois comprimidos a cada quatro ou seis horas - um máximo de oito comprimidos por dia.


12

CIDADES

TribunaIndependente

MACEIÓ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011 DIVULGAÇÃO

Cordel ensina educação no trânsito para crianças “Cartuxo” começou a produzir Literatura de Cordel aos 54 anos e publicou 12 cartilhas DAVI SALSA REPÓRTER

A

Literatura de cordel teve origem em países da Europa na Idade Média

rapiraca (Sucursal) Com mais de 100 trabalhos já publicados, o ex-bancário e cordelista Valdemir Ferreira, o “Cartuxo”, (se escreve com o xis mesmo), dá o exemplo de que a poesia popular nordestina, mais especificamente a Literatura de Cordel, pode ser uma importante ferramenta na educação de crianças e também de adultos. Autor de 12 cartilhas em cordel, Cartuxo está lançando este mês o seu mais recente trabalho: o “ABC Infantil Especial Para Educação no Trânsito”.

Na cartilha, o cordelista arapiraquense traduz em texto simples e divertido as principais lições de educação para o trânsito, incluindo as formas seguras de atravessar as ruas, obedecer e respeitar os sinais de trânsito e trafegar com bicicletas, motos e outros veículos. Valdemir Cartuxo mantém a tradição do cordel antigo com versos rimados e estrofes curtas, mas está inovando o trabalho com a escolha de temas ligados à ecologia, educação alimentar, combate à prostituição infantil e até um cordel traduzido para a língua inglesa. “Acredito que, por meio da literatura de cordel, posso resgatar uma tradição nordestina

e incentivar o hábito da leitura entre as crianças e adultos”, explica o cordelista. Ele conta que nunca havia escrito nada ligado à literatura ou poesia. Cartuxo revela que a ideia de produzir literatura de cordel surgiu de repente, após completar 54 anos de idade. O escritor diz que as xilogravuras são feitas pelo amigo e parceiro Paulinho da Julita, que mora na cidade de Girau do Ponciano. “Meu maior objetivo é investir na literatura de cordel ensinando os jovens a valorizar o conhecimento da região, e a receptividade das pessoas tem sido muito boa, sobretudo as crianças. Quero ver os jovens lendo coisas boas, ao invés de

assistir a alguns programas de tevê que deturpam os valores da nossa sociedade”, comenta. Ele disse que já lançou recentemente um blog para divulgar seus trabalhos. Apesar disso, Cartuxo reclama da falta de apoio para produzir seus livros de cordel. “Faço tudo com muito esforço e não recebo nenhuma compensação financeira por isso. Meu sonho é contar com o apoio de empresários e prefeituras da região, para poder confeccionar os livros e distribuir nas escolas”, completou o cordelista, que pretende publicar um cordel contando a história de Arapiraca e participar da Bienal do Livro, no próximo ano em Minas Gerais. DAVI SALSA

Valdemir Cartuxo ensina educação no trânsito para crianças como toda a leveza da literatura de cordel

CORDEL

Folhetos eram expostos em varais de barbante para venda A Literatura de Cordel é o nome dado às histórias do romanceiro popular do Sertão do Nordeste do Brasil (em especial Pernambuco, Paraíba e Ceará). A origem do nome “Literatura de Cordel” está em folhetos de impressão precária e expostos à venda pendurados em varais de barbante. O nome vem de Portugal, onde esse tipo de folheto de literatura popular também era produzido. Também eram encontrados em países como Espanha, França, Itália e Alemanha. Esse tipo de folheto surgiu na Idade Média, por volta dos séculos 11 e 12. Com a invenção da imprensa (1450), essa literatura que até então era oral e recitada por jograis e menestréis ambulantes, passou a ser vendida em folhetos de papel ordinário e preço barato. Surgia, assim, a literatura de folhetos.

A literatura de cordel chegou ao Brasil com nossos colonizadores, instalando-se na Bahia e nos demais estados do Nordeste, onde encontrou um terreno fértil. Por volta de 1750, apareceram os primeiros poetas populares que narravam sagas em versos, visto que a maioria desse povo, sequer sabia ler e as histórias eram decoradas e recitadas nas feiras ou nas praças. Às vezes, acompanhadas por música de violas. Portanto, surgiu também no Brasil, como literatura oral, característica fundamental da cultura popular. Na riquíssima literatura de cordel nordestina há uma grande variedade de temas, tradicionais ou contemporâneos, que refletem a vivência popular, desde os problemas atuais até a conservação de narrativas inspiradas no imaginário ibérico (incluída aí a tradição que remonta a

invasão da Península pelos mouros). Assim, não é difícil compreender histórias de cavaleiros medievais, nem um folheto como o “Romance do Pavão Misterioso”, onde encontramos nítidas influências das celébres “Mil e Uma Noites”. Mas não há limite na escolha dos temas para a criação de um folheto, que tanto pode narrar os feitos de cangaceiros, as espertezas de heróis como João Grilo e Pedro Malasartes ou uma história de amor, ou ainda acontecimentos importantes de interesse público, como o suicídio de Getúlio Vargas, em 1954. Também são comuns os temas sobrenaturais, como a chegada de Lampião no Inferno ou a realização de profecias de Antônio Conselheiro. Com o advento dos meios de comunicação de massa, os astros da TV também passaram a aparecer como personagens de cordel.


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

Aposentado pode manter plano de saĂşde da empresa

CIDADES

13

DIVULGAĂ‡ĂƒO

DecisĂŁo da AgĂŞncia Nacional de SaĂşde tambĂŠm leva benefĂ­cios aos trabalhadores que forem demitidos

A

ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) publicou na sexta-feira resolução que assegura aos demitidos e aposentados a manutenção do plano de saúde empresarial com cobertura idêntica à vigente durante o contrato de trabalho, que entra em vigor em 90 dias. A possibilidade de manutenção do plano coletivo (normalmente mais barato que o individual) jå era prevista na legislação, mas havia pontos pouco claros que geravam dúvidas a respeito de quem tinha direito. O benefício Ê garantido quando o ex-empregado for demitido sem justa causa, tiver contribuído no pagamento do plano de saúde e tenha o contratado a partir de janeiro de 1999 --tambÊm Ê vålido no caso daqueles que foram adaptados à Lei 9.656, de 1998. Segundo a ANS, os empregados demitidos poderão permanecer no plano de saúde por um período equivalen-

te a um terço do tempo em TXHIRUDPEHQHĂ€FLiULRVGHQtro da empresa, respeitando o limite mĂ­nimo de seis meses e mĂĄximo de dois anos. “JĂĄ os aposentados que contribuĂ­ram por mais de dez anos podem manter o plano pelo tempo que desejarem. Quando o perĂ­odo for inferior, cada ano de contribuição darĂĄ direito a um ano no plano coletivo depois da aposentadoriaâ€?, informou em nota. Segundo Carla Soares, diretora-adjunta de Norma e Habilitação dos Produtos da ANS, a empresa poderĂĄ manter os aposentados e demitidos no mesmo plano dos funcionĂĄrios ativos ou fazer uma contratação exclusiva para eles. “Se a empresa preferir colocar todos no mesmo plano, o reajuste serĂĄ o mesmo para empregados ativos, demitidos e aposentados, caso contrĂĄrio, poderĂĄ ser diferenciadoâ€?. A diretora explica ainda que, no caso de planos esSHFtĂ€FRVSDUDDSRVHQWDGRVH

demitidos, o cålculo do percentual de reajuste tomarå como base todos os planos de ex-empregados na carteira da operadora. A norma prevê tambÊm a portabilidade especial, que poderå ser exercida pelo demitido e aposentado durante ou após o tÊrmino do seu contrato de trabalho. Com a portabilidade, o beneÀFLiULR SRGHUi PLJUDU SDUD um plano individual ou coletivo por adesão sem ter de cumprir novas carências O custo de manutenção do plano de saúde para o funcionårio pagar sozinho depois que se desligar da empresa deverå ser apresentado a ele no momento da sua contratação ou adesão ao plano de saúde. Dessa forma, o funcionårio poderå ter uma ideia de TXDQWRSDJDUiSDUDÀFDUQR plano quando se aposentar. Mas não são todas as empresas que oferecem planos de saúde aos funcionårios que permitem que eles continuem no plano GHSRLV GR ÀP GR YtQFXOR AposentadosIRUDPEHQH¿FLDGRVSHODPHGLGDGD$16VREUHFRQWLQXLGDGHGRSODQRGHVD~GHGDHPSUHVD

TIRE AS DĂšVIDAS

Veja as perguntas e respostas feitas pela ANS sobre a decisão Quem tem direito a manter o plano de saúde? Resp Empregados demitidos sem justa causa e aposentados que tenham contribuído com o plano empresarial. Para quais planos valem as regras? Resp - Para todos os planos contratados a partir de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei 9.656 de 1998. Hå alguma condição para a manutenção do plano? Resp - Sim, o ex-empregado deverå ter contribuído no pagamento do plano e assumir integralmente a mensalidade após o desligamento. Por quanto tempo o ex-empregado poGHUi ÀFDU QR SODQR" Resp - Os demitidos sem

justa causa poderão permanecer no plano de saúde por um período equivalente a um terço do tempo em que contribuíram com o plano, respeitado o limite mínimo de seis meses e måximo de dois anos ou atÊ conseguirem um novo emprego que tenha o benefício de plano de saúde. Os aposentados que contribuíram por mais de dez anos podem manter o plano pelo tempo que desejarem. Quando o período for inferior, cada ano de contribuição då direito a um ano no plano coletivo depois da aposentadoria. Como serå feito o reajuste? Resp - A empresa poderå manter os aposentados e demitidos no mesmo plano dos ativos ou fazer uma con-

tratação exclusiva para eles. No segundo caso, o reajuste serå calculado de forma uniÀFDGDFRPEDVHQDYDULDomR do custo assistencial (sinistralidade) de todos os planos de aposentados e demitidos da operadora de saúde. Quem foi demitido ou aposentado antes da vigência da norma tamEpP VHUi EHQHÀFLDGR" Resp - Sim. A norma regulamenta um direito jå previsto na Lei 9656 de 1998. A contribuição feita pelo empregado antes da vigência da Lei 9656 de 1998 tambÊm conta? Resp - Sim, o período de contribuição Ê contado independente da data GH LQJUHVVR GR EHQHÀFLårio no plano de saúde.

PROPOSTA

Fundo para plano de saĂşde dos aposentados sairĂĄ ano que vem  $Wp R Ă€P GR DQR RX QR mĂĄximo, no inĂ­cio de 2012, a AgĂŞncia Nacional de SaĂşde (ANS) deve apresentar formalmente a proposta de criação do fundo de capitalização que bancarĂĄ os planos de saĂşde dos aposentados. O presidente do ĂłrgĂŁo regulador, MaurĂ­cio Ceschin, disse Ă  AgĂŞncia Brasil que esse fundo receberĂĄ contribuiçþes de empresas e de trabalhadores em atividade para “evitar um LPSDFWR Ă€QDQFHLUR PXLWR grandeâ€? na data da aposentadoria e, consequentemente, perda de renda. MaurĂ­cio Ceschin acrescentou que, ainda neste mĂŞs, a ANS publicarĂĄ resolução normatizando uma sĂŠrie de pontos da Lei 9656/98, que

trata do funcionamento dos planos e seguros privados de saúde, pendentes de regulamentação do órgão. Entre eles estå a possibilidade de aposentados e trabalhadores demitidos sem justa causa manter os planos de saúde oferecidos pela empresa. No caso dos trabalhadores demitidos sem justa causa, pela proposta em estudo, a empresa continuaria pagando o plano de saúde por um período de seis meses a dois anos Esse tema foi debatido, hoje, na Comissão de Direitos Humanos do Senado com a participação de sindicalistas, representantes das operadoras de planos de saúde e da ANS. A resolução em anålise

hĂĄ um ano prevĂŞ “alguns avançosâ€?, como a possibilidade de inclusĂŁo de novos cĂ´njuges e dependentes; a possibilidade de o aposentado ou pensionista migrar para outro plano que nĂŁo o oferecido pela empresa, sem a necessidade de cumprimento de carĂŞncia. No entanto, a lei prevĂŞ que, ao se aposentar, o trabalhador poderĂĄ continuar com o seu plano desde que tenha contribuĂ­do por um perĂ­odo mĂ­nimo de 10 anos. $Wp R Ă€P GR DQR RX QR mĂĄximo, no inĂ­cio de 2012, a AgĂŞncia Nacional de SaĂşde (ANS) deve apresentar formalmente a proposta de criação do fundo de capitalização que bancarĂĄ os planos de saĂşde dos aposentados.


14

CIDADES

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

Universidade terå que informar situação de curso Candidato à vaga terå direito de saber no ato da inscrição ao vestibular se curso estå em situação legal perante o MEC

A

“Pegou o beco�

O

ex-vereador Sidney Geni ĂŠ simplesmente um desses polĂ­ticos que nĂŁo tĂŞm papas na lĂ­ngua. Diz o que pensa, fala o que quer. Pois bem. Geni se avistou com a deputada CĂŠlia Rocha durante a visita do governador Teotonio Vilela a Arapiraca, ocorrida no inĂ­cio da semana. Sem meias palavras, o ex-vereador protestou: “Deputada, a senho-

ra foi fazer a cabeça do governador para nĂŁo apoiar RogĂŠrioâ€??! “NĂŁo houve nada dissoâ€?, desconversou a experiente polĂ­tica, que deixou o local em meio a abraços e beijos de fiĂŠis correligionĂĄrios. Aos amigos mais prĂłximos, que nĂŁo ouviram o “diĂĄlogoâ€?, Geny conversou ao pĂŠ do ouvido: Ă”xi, homi. A deputada nĂŁo quis conversa e pegou o becoâ€?!!! Diga aĂ­, pode uma coisa dessas?!

Estå no påreo O presidente da Câmara de Vereadores de Porto Calvo Ê prÊ-candidato a prefeito da cidade, Juvenal Veiga, tem uma parceria com o prefeito Marcos 0DGHLUDTXHFRPSUHHQGHTXHOiQDIUHQWHXPDSHVTXLVDTXHYDLGH¿QLU quem estarå melhor posicionado. AtÊ que isso ocorra, Juvenal Veiga e Marciano Madeira estarão unidos para alcançar um único objetivo. 3RUWDQWRHP3RUWR&DOYRDGH¿QLomRDLQGDQmRH[LVWHDSHQDVDXQLmR do grupo em torno de um projeto que compreende Juvenal, Madeira e Marciano.

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou esta semana uma proposta que obriga as instituiçþes de ensino superior a informar aos candidatos, no ato da inscrição para o vestibular, a situação legal de seus cursos junto ao MinistÊrio da Educação (MEC) e às secretarias estaduais e municipais de Ensino. As informaçþes são da Agência Câmara. As instituiçþes que deixarem de cumprir a medida receberão multa de R$ 175. Caso haja reincidência, a penalidade sobe para R$ 525 por dia de atraso. O projeto tambÊm foi aprovado pela Comissão de Educação e Cultura e agora segue para anålise do Senado. Na semana passada, o MEC divulgou o resultado do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes

(Enade) 2010. De acordo com o Ă?ndice Geral de Cursos (IGC), calculado a partir do exame, apenas 1,2% das universidades ĂŠ considerada de excelĂŞncia. Das 2.176 instituiçþes analisadas, 683 apresentaram desempenho insuficiente. Em Alagoas, 13 faculdades foram reprovadas pelo MEC, de acordo com o IGC, e duas foram punidas pelo MinistĂŠrio por apresentarem conceito baixo por dois anos seguidos. A partir desses dados, o MEC planeja cancelar 50 mil vagas oferecidas por universidades, faculdades e centros universitĂĄrios de baixa qualidade atĂŠ o fim deste ano. Desde a quinta-feira, jĂĄ foram suspensas 514 vagas em cursos de Medicina e outras 60 universidades estĂŁo proibidas de ampliar a oferta de graduação e pĂłs-graduação. DIVULGAĂ‡ĂƒO

É prÊ-candidato 236'UHXQLXWRGRVRVVHXV¿OLDGRVGRVPXQLFtSLRVGD5HJLmR1RUWH1D oportunidade as lideranças do partido, Messias Lino, Nilton Lins, o deputado Dudu Hollanda e o neto de João Lyra, Fernando Lyra, recepcionaram todos os integrantes do partido na Região Norte. 2DQ¿WULmR-XYHQDO9HLJDIDORXHPQRPHGHWRGRVHDJUDGHFHXRDSRLRGR partido para a sua prÊ-candidatura a prefeito de Porto Calvo.

Partidos

JoĂŁo Lyra

“Agradeço aos partidos aliados. Temos em Porto Calvo o apoio de oito partidos e cinco vereadores que estĂŁo fortalecendo o nosso nome como prĂŠ-candidato a prefeito de Porto Calvo. Por isso, estimulo aos meus pares da RegiĂŁo Norte que abracem a idĂŠia e consolidem os seus nomes como prĂŠ-candidato a prefeito SDUDIRUWDOHFHUR36'´DÂżUPRX Juvenal Veiga.

E a campanha rumo Ă  Prefeitura Muncipal de Porto Calvo jĂĄ começou: o deputado federal JoĂŁo Lyra jĂĄ GHÂżQLXTXHPYDLDSRLDU&RPRQmR SRGHULDGHL[DUGHVHURVHXFDQGLGDWR ĂŠ Juvenal Veiga. Para o deputado JoĂŁo Lyra, o nome de Juvenal Veiga ĂŠ receptivo e representa bem o PSD. “Juvenal ĂŠ sem dĂşvida o nosso prĂŠ-candidato a prefeitoâ€?, revelou JoĂŁo, por meio de sua assessoria de imprensa.

AĂ?LTON VILLANOVA ailton.villanova@gmail.com

Sem objeção alguma!

F

ormado em Medicina em Salvador da Bahia, e graduado em Direito no Recife, doutor Thomås Tenório Villanova exerceu por pouco tempo a primeira profissão. Dedicou-se à advocacia e, mais tarde, à judicatura, tendo, antes, exercido o cargo de tabelião público no interior de Pernambuco. Doutor Thomås era um homem alto, mais de 1 metro e 90 centímetros de altura, cabelos sempre assanhados e sobrancelhas grossas. Falava muito pouco. Todas as suas grandes decisþes eram tomadas na base da escrita. Como juiz de Direito, atuou em quase todas as cidades do Sertão pernambucano. Entre os seus 20 irmãos, havia um que era bastante famoso, o padre Nildo. Depois que se aposentou, inventou de ser político e elegeu-se prefeito de à guas Belas, sua cidade natal. Fez uma administração austera, conforme era o seu jeito de ser. Dos seus auxiliares de confiança , Chiquinho Tenório Guimarães, por sinal seu primo e afilhado de batismo, era o que tinha a liberdade de frequentar a sua casa a qualquer hora do dia ou da noite. Bem dizer, morava lå. Certa noite, o velho, jå no terceiro sono, eis que bateu na sua porta o veterinårio Adílio Bonfim. O afilhado Chiquinho foi atender: - O que Ê que hå, doutor Adílio? O senhor por aqui esta hora deve ser coisa sÊria! - Seríssima, meu filho. CadÊ o prefeito? - Ele tå dormindo com dona Alicinha! - Pois acorde ele. A esposa... você deixa ela dormir um pouco mais! - Deus me livre, doutor! Não då pra resolver amanhã? - Não, meu filho. Vå acordå-lo, vå! É assunto de morte! Ao escutar essa palavra, o rapaz correu pro quarto do padrinho e o acordou. Doutor Thomås chegou à sala montado nas chinelas: - Espero que o senhor tenha uma boa razão pra me tirar da cama a esta hora, doutor Adílio. – rugiu o alcaide. - E tenho, prefeito! - Pois vå falando! - É que o doutor George, do posto de saúde, acabou de morrer! Serå que eu posso ficar no lugar dele, prefeito? O Alcaide franziu a testa, botou uma cara de enfado e respondeu: - Bem, se o dono da funeråria não reclamar, pra mim estå ótimo!

Santo paciente

Delmiro Gouveia O Projeto de Lei de autoria do vereador delmirense Edvaldo Nascimento, que considera de utilidade pĂşblica o Clube de Diretores Lojistas de Delmiro Gouveia, foi aprovado em primeira votação na sessĂŁo desta quinta-feira (24). O parlamentar considerou ser de grande importância o reconhecimento da instituição. “NĂŁo tenho dĂşvida de que este reconhecimento sĂł fortaOHFHRFRPpUFLRGRQRVVRPXQLFtSLRTXHVHPRGHUQL]DDFDGDGLDHpXP dos grandes impulsionadores da economia localâ€?, ressaltou o vereador. A VHJXQGDYRWDomRGR3URMHWRGH/HLGHYHUiVHUUHDOL]DGDQDVHVVmRGRGLD žGHGH]HPEUR

Recadastramento A Prefeitura de Arapiraca, atravĂŠs da Secretaria Municipal de AssistĂŞncia 6RFLDOGDUiLQtFLRQDPDQKmGDSUy[LPDVHJXQGDIHLUDjTXDUWDHWDSD GRUHFDGDVWUDPHQWRSDUDRVEHQHÂżFLiULRVGR%ROVD)DPtOLD 1HVWDHWDSDDDWXDOL]DomRGRFDGDVWURpSDUDRVEHQHÂżFLiULRVTXH UHVLGHPQRVEDLUURV&DFLPEDV2OKRGÂśĂˆJXDGRV&D]X]LQKDV*XDULEDV 2XUR3UHWR3ULPDYHUD6mR/XL],H6mR/XL],, =RQD8UEDQD H0DWDGD 8PEHOLQDH0XOXQJ~ =RQD5XUDO  O recadastramento estarĂĄ acontecendo no GinĂĄsio da Escola de Tempo Integral Professor Benildo Barbosa de Medeiros, no bairro Primavera, e SURVVHJXHDWpRGLDGHGH]HPEUR

Marechal 1

Marechal 2

A cidade de Marechal Deodoro foi mencionada de forma positiva e durante a abertura do Congresso Federalagoas, na manhã da última quarta-feira, no Centro de Convençþes, em Maceió. A Abertura do evento, que contou com a participação de cerca de mil empreendedores de todo o Estado, teve a presença do governador Teotonio Vilella Filho e do secretårio Estadual de Emprego e Renda, Herbert Mota. Foi ele quem mencionou que Marechal, atravÊs do prefeito Cristiano Matheus, foi a cidade que mais gerou emprego e renda em Alagoas nos anos de 2010 e 2011.

Em seu discurso de abertura, o governador Teotonio citou algumas açþes de sua administração para a geração de emprego e renda. ³0DVWXGRRTXHVHID] para o pequeno e micro empreendedor ainda Ê pouco. Porque são eles que realmente geram emprego e distribuição de renda em qualquer economia do mundo�, disse.

Marechal 3 2VHFUHWiULRGH(PSUHJR+HUEHUW0RWDFLWRXYiULDVYH]HV0DUHFKDO Deodoro em seu discurso. AlÊm de citar a cidade para ilustrar de forma positiva a geração de empregos, o secretårio tambÊm destacou o prefeito &ULVWLDQR0DWKHXVFRPR³H[HPSORGHMRYHPHPSUHHQGHGRUTXHHVWi ID]HQGRXPDyWLPDDGPLQLVWUDomRVHUYLQGRGHH[HPSORSDUDRVGHPDLV prefeitos que querem seguir a legislação e desenvolver uma cidade�.

... A informação ĂŠ do jornalista Wadson Correia: “O trabalho da Prefeitura GH0DWD*UDQGHQmRSDUD'HVVDYH]RSRYRDGR6DQWD&UX]GR'HVHUWR IRLREHQHÂżFLDGR2Q~PHURGHIDPtOLDVTXHUHFHEHPOHLWHIRLGREUDGR DWUDYpVGHXPQRYRUHFDGDVWUDPHQWRQDUHJLmRGH6DQWD&UX]7HUUD 1RYD%DUULJXGD&UDtEDVHRXWUDVORFDOLGDGHV2SUHIHLWR-DFRE%UDQGmR HVWHYHSUHVHQWHQDGLVWULEXLomRFRQYHUVDQGRFRPDVPmHVEHQHÂżFLDGDV

Projeto surge depois que 13 instituiçþes de Alagoas foram reprovadas

'RXWRU&tFHUR5RFKDIRLXP FOtQLFRTXHYLYHXHP0DFHLyGXUDQWH GpFDGDV(UDXPSUR¿VVLRQDOFRPSHWHQWH e bastante sincero. Quando lhe apetecia VDELDVHUPRUGD]FRPRQLQJXpP&HUWR dia, apareceu-lhe um ricaço muito chato, que disse que pretendia submeter-se a um checape: *RVWDULDTXHRVHQKRUPHH[DPLnasse de cabo a rabo, doutor! - Hum... hum... - Ando mal, sabe? Veja o que estå errado em mim. E o mÊdico: - Vamos começar pelas perguntas que julgo essenciais. - Tå bem. - O senhor bebe? E o chato: - à lcool, eu? Deus me livre, doutor! Eu nunca pus uma gota dessa infelicidade na minha boca! - O senhor fuma?

- QuiÊÊÊiiisso, doutor? Fumo ID]PDOjVD~GH7HQKRSULQFtSLRVPXLWR UtJLGRVHHVWHVHXUHVSHLWRGHPDLV(XVRX uma pessoa consciente. Fumo, jamais! 0XLWREHP(DVXDYLGDVH[XDO" ÇSD(VSHUHDtGRXWRU6H[Rp pecado e eu sou abstêmio. 'RXWRU&tFHURGHXXPDSDUDGDQRLQWHUURJDWyULRFRoRXRFDYDQKDTXHIUDQ]LX os olhos e sapecou: - O senhor tem dores de cabeça? O sujeito respondeu: 0XLWD0XLWDGRUGHFDEHoD7HUUtYHLV dores de cabeça! - Então Ê isso. - Isso o quê, doutor? - Sua aurÊola. Sabe o que Ê aurÊola? É aquela rodinha luminosa que os anjos carregam na cabeça. - Aaaahhhh... - A sua estå muito apertada. Por isso as dores de cabeça!

Finalmente, a grande descoberta! $PLJRVGHVGHFULDQoDpSRFDHPTXH¿]HUDPMXQWRVRFXUVRSULPiULRQR*UXSR(VFRODU &LQFLQDWR3LQWRQR%RP3DUWRRVGLVWLQWRV-RVp5DLPXQGRH/XtV3HUHLUDGHFLGLUDPTXH seriam sócios numa loja de bugigangas, no mercado público da Levada. Deram-se tão bem QDHPSUHVDTXHUHVROYHUDPH[SDQGLOD'HPRGRTXHDOXJDUDPXPLPyYHOQR-DFLQWLQKR RQGHLQVWDODUDPXPD¿OLDO $JRUDDJHQWHVySUHFLVDGDUXPSXOLQKRQR5HFLIHHXPDSDVVDGLQKDHP)RUWDOH]D SDUDDVFRPSUDV¹DQLPRXVH=p5DLPXQGR eLVVRDtDPLJmR¹&RQFRUGRX/XOD3HUHLUD - E quando Ê que a gente viaja? 1DVH[WD7iERP" (VWDYDyWLPR(PDVVLPVHQGRPRQWDUDPQXPDFDPLQKRQHWDGD¿UPDHVHPDQGDUDPSUD5HFLIHH)RUWDOH]D&KHJDUDPQHVVDVGXDVLPSRUWDQWHVFDSLWDLV¿]HUDPDV compras necessårias e iniciaram viagem de volta a Maceió, na terta-feira seguinte. Carro FRUUHQGRQDSLVWDHDPDGUXJDGDFKHJDQGR$tGL]=p5DLPXQGR - Acho bom a gente parar pra descansar. Viajar de madrugada, não då pÊ, meu irmão! - Tå legal! – concordou o outro. Os dois sócios encostaram o carro na porta de um pensionato, na cidade de Alecrim, HHQWUDUDP1R~QLFRTXDUWRGLVSRQtYHOVyKDYLDXPDFDPDDYLVRXDJRVWRVXUDTXHRV DWHQGHXQDSRUWDULD&DQVDGRVFRPRHVWDYDPFRUFRUGDUDPHPGRUPLUMXQWRVH¿FDUDP espremidos numa cama estreita. 1RPHLRGDPDGUXJDGD/XtV3HUHLUDDFRUGRXOLJDGmRHFRPHoRXDVHPDVWXUEDU FRPRSHQVDPHQWRYROWDGRSDUDDUHFHSFLRQLVWD8PDKRUDGHSRLVRVyFLRHDPLJR=p Raimundo deu um pulo da cama, puto da vida: - QualÊ, Lula? - QualÊ o quê? - Como a gente se engana com as pessoas, meu Deus! Eu lhe conheço desde FULDQoDHQHPGHVFRQ¿DYD 'HVFRQ¿DYDGRTXrSRUUD" - Que você Ê bicha! - Bicha?! É a puta que o pariu! Que onda Ê essa? Eu sou Ê macho! 0DFKRp")D]PDLVGHXPDKRUDTXHYRFrHVWiPHPDVWXUEDQGR 3XWDTXLSDULX(QWmRHUDRWHXSDX"$JRUDHVWRXHQWHQGHQGRSRUTXHHXQmRJR]DYD nunca!


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

Economia

ECONOMIA

15

4XDOL¿FDomRHQYROYHiUHDVGDLQG~VWULD FRPpUFLRHVHUYLoRVQR(VWDGR $VXSHULQWHQGHQWHGH4XDOL¿FDomR3UR¿VVLRQDOH6RFLDOGD6HFUHWDULDGR7UDEDOKR(PSUHJRH4XDOL¿FDomR3UR¿VVLRQDO6WHOOD$OEXTXHUTXHD¿UPDTXHR 3URJUDPD4XDOL¿FD$ODJRDVRIHUHFHQHVWHSULPHLURPRPHQWRYDJDVVHQGR QDFDSLWDOHDVGHPDLVHPPXQLFtSLRVDODJRDQRV³(OHVHVWmRVHQGR FRQWHPSODGRVQDViUHDVGDLQG~VWULDFRPpUFLRHVHUYLoRVQRVFXUVRVGHFDPDUHLUDHOHWULFLVWDLQVWDODGRUSUHGLDOHOHWURPHFkQLFDIUHQWLVWDJDUoRPPHFkQLFD LQGXVWULDOPHFkQLFDGHERPEDVSHGUHLURSRUWHLURGHFRQGRPtQLRHVHJXUDQoD QRWUDEDOKRUHFHSFLRQLVWDHPPHLRVGHKRVSHGDJHPWpFQLFDVGHYHQGDVFRP UHSRVLWRUHVWRTXLVWDWRUQHLURPHFkQLFRHWUDQVIRUPDomRGHSROtPHURV´GL]

Mais 819 prontos para o mercado em AL 3URJUDPDGHTXDOLÂżFDomRHQYROYHWXUPDVIRUPDGDVSHOD(VFRODGR3OiVWLFRLQDXJXUDGDKiXPDQRQRSRORLQGXVWULDO

P

or meio da parceria entre a Secretaria de Estado do Trabalho, (PSUHJR H 4XDOLĂ€FDomR 3URĂ€VVLRQDO 6HWHU  FRP R Plano Territorial de QuaOLĂ€FDomR 3ODQWHT  UHDOLzado pelo governo federal, R SURJUDPD 4XDOLĂ€FD $ODgoas estarĂĄ formando, no prĂłximo dia 12 de dezemEUR  SHVVRDV TXH IRUDP capacitadas para o mercado de trabalho no Estado. (QWUH RV IRUPDQGRV TXH UHFHEHUmR VHXV FHUWLĂ€FDGRV HVWmR RV  DOXQRV GD (VFRla do PlĂĄstico. Eles particiSDUDP QD VH[WDIHLUD   da Ăşltima aula antes da VROHQLGDGH GD FHUWLĂ€FDomR TXH VHUi UHDOL]DGD QR &HQWUR&XOWXUDOHGH([SRVLo}HV 5XWK&DUGRVRFRPDSUHVHQoD GR JRYHUQDGRU 7HRWRQLR Vilela Filho e do secretĂĄrio do Trabalho, Hebert Motta. Localizada no Polo Multissetorial Governador Luiz &DYDOFDQWHQR7DEXOHLURGR Martins, a Escola do PlĂĄstico pertence ao NĂşcleo de 7HFQRORJLD GR 3OiVWLFR 17-

3OiV  LQDXJXUDGR HP RXWXbro de 2010 com o objetivo de suprir a necessidade de PmR GH REUD SDUD DWHQGHU D &DGHLD 3URGXWLYD GD 4XtPLFD H GR 3OiVWLFR &343  Um dos formandos, JosĂŠ Roberto da Silva atualmente trabalha na ĂĄrea de seJXUDQoD PDV VH HPSROJRX com os trĂŞs meses no curso GHWUDQVIRUPDomRGHSROtPHros. “O curso foi maravilhoso e espero ser aproveitado QD iUHD GR TXtPLFRSOiVWLFR DSyV D FHUWLĂ€FDomRÂľ GLVVH HOH DFUHVFHQWDQGR TXH QmR HVWDYD WUDEDOKDQGR TXDQdo se habilitou para a vaga. '(32,0(1726 2XWUR TXH WDPEpP HVWi HQWUH RV  IRUPDQdos do curso de transIRUPDomR GH SROtPHURV p :DOIUDQ &HViULR GH /LPD “Minha perspectiva ĂŠ GDV PHOKRUHV SRLV $ODJRas estĂĄ se credenciando a receber vĂĄrias indĂşstrias QR VHWRU GR SOiVWLFRÂľ GLVVH :DOIUDQ TXH DWXDOmente estĂĄ desempregado. 2 LQVWUXWRU GR 6HUYLoR

1DFLRQDO GD ,QG~VWULD 6HQDL  H GD (VFROD GR 3OiVWLFR -RVp 3HWU~FLR LQIRUPRX TXH os alunos participantes tiveram 160 horas/aulas prĂĄWLFDV H  KRUDV GH JHVWmR “Os alunos aproveitaram GD PHOKRU IRUPD SRVVtYHO o curso e tĂŞm, agora, uma IRUPDomR IXQGDPHQWDO SDUD serem absorvidos pelo mercado do plĂĄstico, principalPHQWH SRUTXH R (VWDGR WHP SHOR PHQRV  HPSUHVDV QR UDPR TXH HVWmR QR SURFHVVR GH LQVWDODomRÂľ GHVWDFRX Segundo ele, desde a inauJXUDomRGD(VFRODGR3OiVWLFRMiIRUDPFHUWLĂ€FDGDVFHUFD de 200 pessoas em cursos de TXDOLĂ€FDomRSURĂ€VVLRQDODSHUIHLoRDPHQWR H DSUHQGL]DJHP O NTPlĂĄs foi criado por meio da parceria entre Governo do Estado, Sistema FedeUDomR GDV ,QG~VWULDV6HQDL Sebrae, Braskem, Sindicato das IndĂşstrias do PlĂĄstico de $ODJRDV$VVRFLDomRGDV(PSUHVDVGRV3RORV/XL]&DYDOFDQWH H -RVp $SUtJLR 9LOHOD e as empresas Krona e DebPDTTXHGRDUDPPiTXLQDV DIVULGAĂ‡ĂƒO

DIVULGAĂ‡ĂƒO

-RVp5REHUWRpXPGRVIRUPDQGRVTXHVDLUiGDiUHDGHVHJXUDQoDSDUDLQG~VWULDVGRVHWRUSOiVWLFR

0$&(,Ă?

$UWHVDQDWRDODJRDQRFKDPD DWHQomRGHWXULVWDVQRSRUWR

3URGXWRVHPSDOKDHVFXOWXUDVGHEDUURIHUURHPDGHLUDSHoDVGHURXSDVHGHFRUDomRHPÂżOpHVWmRH[SRVWDV

$ GLYHUVLGDGH GH SURGXtos do artesanato alagoano FKDPRX D DWHQomR QD LQDXJXUDomR GD WHQGD FOLPDWL]Dda, armada no cais do Porto de Maceió, para oferecer esWUXWXUD EiVLFD EDQKHLURV telefone, ågua, lanches e FRQIRUWR  DRV SULPHLURV WXULVWDVGDWHPSRUDGDTXHHGHVHPEDUFDP HP $ODJRDV SRU PHLRGRWUDQVSRUWHPDUtWLPR $ RUJDQL]DomR GD H[SRVLomR GRV SURGXWRV DUWHVDQDLV pGR3URJUDPDGR$UWHVDQDWR %UDVLOHLURHP$ODJRDV 3$% $/  FRRUGHQDGR SHOD 6HFUHtaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento (FRQ{PLFR 6HSODQGH  (Vculturas de barro, madeira, sucata, ferro e atÊ palito de IyVIRURSHoDVGHURXSDVERUGDGDV FRP R DXWrQWLFR ÀOp

alagoano, rendendê, taboa H ELOUR GH GLYHUVRV PXQLFtpios alagoanos representam a identidade cultural do Estado e destacam as potenFLDOLGDGHV WXUtVWLFDV ORFDLV Segundo a tÊcnica do 3$% 6LOYDQD 3RQWHV DSHQDV DOJXQV SURGXWRV VHUmR comercializados no local. ´$OJXPDV DVVRFLDo}HV GH UHQGHLUDV FRPHUFLDOL]DUmR VXDV SHoDV HP GLDV DOWHUQDGRV 2V YLVLWDQWHV TXH VH interessarem por algum proGXWR HP H[SRVLomR GHYHUmR SURFXUDU D RUJDQL]DomR GR ORFDO TXH GLVSRQLELOL]DUi R FRQWDWRGRDUWHVmRUHVSRQViYHOSHODFRQIHFomR¾H[SOLFRX $$VVRFLDomRGRV$UWHVmRV do Pontal da Barra foi escoOKLGDSDUDDFRPHUFLDOL]DomR dos seus produtos no primei-

ro dia de funcionamento da WHQGD $ SUHVLGHQWD 0DULD /tJLD 0LQLP GH /LQV Ă€FRX satisfeita com a oportunidade de apresentar o trabalho UHDOL]DGR QD UHJLmR SDUD RV turistas. “O artesanato alagoano ĂŠ uma das principais atividades geradoras de emprego e renda no Estado e PHUHFH VHU LQFHQWLYDGR $ tenda tem um importante SDSHOQDGLYXOJDomRGRVSURdutos da terra para os visitantes, pois garante maior FUHGLELOLGDGHÂľ SRQWXRX $ WHQGD Ă€FDUi PRQWDGD DWp R GLD  GH PDUoR SDUD a temporada 2011/2012, onde devem aportar 42 FUX]HLURV $SUHVHQWDo}HV IROFOyULFDV H SDOFR DUWtVWLco tambĂŠm fazem parte da SURJUDPDomR GR HVSDoR


16

PUBLICIDADE

MACEIÓ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

TribunaIndependente


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

Esportes

ESPORTES 17

Coruripe negocia com jogadores para o Campeonato Alagoano e Copa do Brasil 0HVPRVHPVDEHUTXDODGYHUViULRDGLUHomRGR&RUXULSHMiSURMHWDXPFRQIURQWRFRPXPFOXEHGHTXDOLGDGHQD&RSDGR%UDVLO2WLPHGROLWRUDOFRQtratou o tÊcnico Carlos RabeloSDUDR(VWDGXDOHSDUDDFRPSHWLomRQDFLRQDO ³(VWDPRVQHJRFLDQGRFRPMRJDGRUHVGHERPQtYHOSDUDDVGXDVFRPSHWLo}HV -iDQXQFLDPRVRWUHLQDGRUHHOHWDPEpPHVWiDMXGDQGRQDLQGLFDomRGHMRJDGRUHV´FRQ¿UPRXRYLFHSUHVLGHQWHGHIXWHEROGR+XON5RVHZHOOLQJWRQ7DYDUHV R3DWR&DVRRDGYHUViULRVHMDXPFOXEHGHJUDQGHWRUFLGDFRPRIRLRFDVRGR )ODPHQJRHVVHDQRFRQWUDR0XULFLDGLUHomRSRGHUiDWpWUDQVIHULURMRJRGR (VWiGLR*HUVRP$PDUDOSDUDR7UDSLFKmRHP0DFHLy

CSA quer recuperar o tempo perdido &OXEHDQWHFLSDSUpWHPSRUDGDHFRQÂżDQRWUDEDOKRGH&HOVR7HL[HLUDSDUDYROWDUDÂżJXUDUHQWUHRVPHOKRUHVGH$ODJRDV $6&20&6$

Todo elenco do CSA estå realizando trabalhos físicos no Estådio Senador Teotônio Vilela, em Viçosa, jå visando a temporada 2012

O

CSA ĂŠ hoje o Ăşnico clube alagoano que estĂĄ em perĂ­odo de prĂŠ-temporada para 2012. Os outros estĂŁo contratando elenco ou ainda jogando as competiçþes deste ano. Essa antecipação toda tem um propĂłsito: recuperar o tempo perdido. Depois do tĂ­tulo estadual de 2008, mais um rebaixamento manchou a histĂłria azulina e a direção atual quer proporcionar Ă  torcida dias de glĂłria. Para isso, o presidente Jorge VI lançou o Projeto CentenĂĄrio. O CSA sĂł faz 100 anos em 2013, mas as açþes jĂĄ começaram. Primeio, foi a contratação de Celso Teixeira. Ele tem a missĂŁo de levar o time Ă s vitĂłrias. O elenco estĂĄ sendo contratado com muito critĂŠrio e os trabalhos foram levados para o municĂ­pio de Viçosa, para dar uma maior tranqulidade e harmonia ao grupo. EstĂŁo trabalhando no EstĂĄdio Senador TeotĂ´nio Vilela 24 atletas. Aos poucos novos reforços estĂŁo chegando. 1RGLDGDDSUHVHQWDomRRĂ€cial ele foi o mais aplaudido. “O CSA ĂŠ um time diferente.

É uma torcida diferente. Para jogar aqui tem que ter sangue nas veias, sangue na chuteira, sangue em todos os órgãos�, disse o comandante azulino. Neste domingo acontecem atividades nos dois períodos. Na agenda divulgada pela assessoria do Azulão, o elenco faz pela manhã um treino funcional e pela tarde um descanso recuperativo. Uma coisa que a direção ainda pensar em tenter reverter Ê a suspensão de seis jogos de Celso Teixeira. Ele foi expulso no jogo do CSA contra o União na última rodada da Segunda Divisão deste ano. No Campeonato Alagoano 2012 ele só poderå comandar o CSA à beira do campo no dia 5 de fevereiro contra o Corinthians Alagoano, pela sÊtima rodada. O departamento jurídico do Azulão jå tentou reverter a punição mas não conseguiu. O pedido foi negado pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD). Os últimos reforços que chegaram foram os atacantes Roni, Edson Di e Lindoval, e o lateral Cearå. $'$,/621&$/+(,526

NOVO TIME

ASA começa pensar a temporada 2012 &RPR¿PGD6pULH%GLUHomRGHYHHVWXGDUDUHIRUPXODomRGHWRGRRHOHQFR Mal terminou a passagem pelo Campeonato Brasileiro da SÊrie B e a direção do ASA jå trabalha para a reformulação do elenco para a temporada 2012. O clube terå no mês de janeiro o início do Campeonato Alagono e tambÊm a Copa do Brasil. Por isso o presidente executivo, JosÊ de Oliveira, o ZÊ da Danco, estå estudando junto com outros dirigentes os nomes para compor este

novo grupo de jogadores. Dos que participaram da SĂŠrie B, muitos jĂĄ anunciaram que estĂŁo de saĂ­da, como o zagueiro Toninho e o goleiro Gilson, que devem atuar no futebol paulista. Alguns atĂŠ jĂĄ foram desligados antes do Ăşltimo jogo, como foi o caso do lateral Gilberto Matuto, que fechou com a Chapecoense, e o zagueiro Thiago Alves, que foi para o Mogi Mirim.

Mais dipensas devem acontecer. “Este ĂŠ um perĂ­odo de muitas negociaçþes e todos os jogadores querem buscar os melhores contratos para a temporada que vem. Vamos sentar com os conselheiros e dirigentes para fazer um time de qualidade, como sempre fazemos todos os anos. NĂŁo ĂŠ Ă -toa que ASA sempre estĂĄ disputanGRDVĂ€QDLVGR(VWDGXDOQRV Ăşltimos dez anos. Os atletas

SÉRIE C

que se destacaram e que estão dentro da nossa realidaGHÀQDQFHLURSDUDRDODJRDno nós faremos propostas�, lembrou o presidente Alvinegro. O ASA estreia no Campeonato Alagoano no Estådio Coaracy da Mata Fonseca no dia 14 de janeiro (såbado), às 16h, contra a equipe do CEO, com transmissão ao vivo da TV Pajuçara/Rede Record.

Presidente -RVpGH2OLYHLUDMiHVWiSHQVDQGRQDWHPSRUDGD 75$3,&+$2&20

CRB entra na última semana decisiva Após o jogo de ontem (såbado) contra o Joinville, no Trapichão, o elenco do CRB ganhou folga neste domingo. Os trabalhos visando a última e decisiva partida do Campeonato Brasileiro da SÊrie C começam apenas nesta segunda-feira. O tÊcnico Paulo Comelli terå poucos dias para fazer treinamentos e ajustes, jå que a viagem do grupo para Joinville serå na quinta-feira pela manhã. O comandante espera poder contar com o lateral-direito Diogo, que foi vetado pelo departamento

mĂŠdico regatiano com uma lesĂŁo na coxa direita. “Estamos todos conscientes de que o trabalho foi bem feito e o objetivo foi alcançado, que foi o acesso para a SĂŠrie B. O sonho do tĂ­tulo ĂŠ uma consequĂŞncia de tudo que foi feito. Este grupo merece todo crĂŠdito e tambĂŠm a gestĂŁo do presidente Marcos Barbosa. Quando fui convidado para vir ao clube sabia GR GHVDĂ€R (QFDUHL H JUDoDV a Deus venciâ€?, revelou o diretor Alarcon Pacheco, que DLQGD QmR GHĂ€QLX VH Ă€FD QR CRB em 2012 ou volta para

seu clube de origem, o Cornthians Alagoano. Todas as providências para esta semana decisiva jå foram tomadas pelo supervisor Marcos Lima Verde. Os jogadores se reapresentam e fazem treinamentos nos dois períodos atÊ quarta-feira. COMELLI A diretoria do CRB se reuniu com o tÊcnico Paulo Comelli e apresentou a proposta do clube para a renovação de contrato com o comandante tÊcnico alvirrubro visando a temporada 2012. Comelli avaliou e fez uma

contra-proposta a ser apreciada pela direção, que deverå se pronunciar na próxima semana. AlÊm de Comelli, o comando executivo regatiano tambÊm trabalha na possibilidade de fechar com dois patrocinadores que venham bancar a contratação do atacante Val Baiano. Em entrevista ao repórter Luciano Costa da Rådio Jornal AM, o jogador elogiou a atual administração e disse estar disposto a se adequar à UHDOLGDGHÀQDQFHLUDGRFOXEH para voltar ao CRB em 2012. Dirigente$ODUFRQ3DFKHFRYLYHH[SHFWDWLYDGD¿QDOGD6pULH&


18 ESPORTES

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

TribunaIndependente

Emoçþes e possível despedida marcam o GP do Brasil

EFE

Na pista, a briga pelo vice-campeonato entre Alonso, Weber e Button; Rubinho pode dar adeus a F-1

O

GP do Brasil, Ă s 13h (de MaceiĂł), em Interlagos, pode ser o Ăşltimo da carreira de Rubens Barrichello na FĂłrmula 1. O piloto da Williams sabe disso, mas nĂŁo tem mostrado incĂ´modo com a situação. “Eu nĂŁo estou implorando para correr. NĂŁo estou desesperado atrĂĄs de uma vaga, pedindo ‘pelo amor de Deus’. Se alguma equipe quiser me contratar, FRQĂ€DUQRPHXWUDEDOKRyWLmo. Se nĂŁo acontecer, bola SUD IUHQWHÂľ DĂ€UPRX R EUDsileiro, que ĂŠ o piloto mais

experiente da histĂłria do Mundial, com 325 GPs disputados em 19 temporadas. Questionado se nĂŁo sentiria falta de uma festa de despedida Ă  altura, caso de fato deixe de competir em 2012, Barrichello dispensou qualquer tipo de homenagem. “Eu nĂŁo preciso de uma festa especial. Faço minha festa com a torcida todos os diasâ€?, disse. RECORDE NEGATIVO Felipe Massa tem no GP do Brasil a derradeira chance de se livrar de um recorde negativo de 30 anos: ser o

primeiro piloto a fazer uma temporada completa pela Ferrari desde 1981 e terminar o ano sem um pĂłdio sequer. O Ăşltimo a nĂŁo levar nenhum trofĂŠu para casa foi o francĂŞs Didier Pironi que, naquela ocasiĂŁo, viu o companheiro Gilles Villeneuve vencer em MĂ´naco e na Espanha.. BRIGA PELO VICE Jenson Button, Fernando Alonso e Mark Webber estĂŁo na briga pelo vice-campeonato, jĂĄ que Sebastian Vettel foi campeĂŁo antecipado.

VÔLEI MASCULINO

Brasil encara Argentina na abertura da segunda fase da Copa do Mundo Após a vitória apertada contra a China, na Copa do Mundo de Vôlei, por 3 sets a 2, a seleção brasileira mira agora o confronto diante da Argentina, na primeira partida do time na terceira fase da competição. Focado na partida, marcada para as 3h (de Maceió)

deste domingo, o tĂŠcnico Bernardinho espera um duelo duro diante dos rivais sul-americanos. “A Argentina ĂŠ um rival tradicional do Brasil. Uma equipe que, historicamente, sempre foi uma pedra no sapato e que, em muitas disputas importantes, venceu o

Brasil. É uma equipe jovem, com grandes jogadores que VmR ÀOKRV GDV DQWLJDV JHUDçþes vencedoras da Argentina, e muito bem comandada pelo Weber�, disse Bernardinho. A partida disputada em Hamamatsu, no Japão, serå o quarto confronto entre as duas equipes neste ano.

Rubens Barrichello poderĂĄ se despedir da FĂłrmula 1 neste domingo, no Grande PrĂŞmio do Brasil


TribunaIndependente

MACEIÓ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

PUBLICIDADE

19


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

Esportes

ESPORTES 17

Coruripe negocia com jogadores para o Campeonato Alagoano e Copa do Brasil 0HVPRVHPVDEHUTXDODGYHUViULRDGLUHomRGR&RUXULSHMiSURMHWDXPFRQIURQWRFRPXPFOXEHGHTXDOLGDGHQD&RSDGR%UDVLO2WLPHGROLWRUDOFRQtratou o tÊcnico Carlos RabeloSDUDR(VWDGXDOHSDUDDFRPSHWLomRQDFLRQDO ³(VWDPRVQHJRFLDQGRFRPMRJDGRUHVGHERPQtYHOSDUDDVGXDVFRPSHWLo}HV -iDQXQFLDPRVRWUHLQDGRUHHOHWDPEpPHVWiDMXGDQGRQDLQGLFDomRGHMRJDGRUHV´FRQ¿UPRXRYLFHSUHVLGHQWHGHIXWHEROGR+XON5RVHZHOOLQJWRQ7DYDUHV R3DWR&DVRRDGYHUViULRVHMDXPFOXEHGHJUDQGHWRUFLGDFRPRIRLRFDVRGR )ODPHQJRHVVHDQRFRQWUDR0XULFLDGLUHomRSRGHUiDWpWUDQVIHULURMRJRGR (VWiGLR*HUVRP$PDUDOSDUDR7UDSLFKmRHP0DFHLy

CSA quer recuperar o tempo perdido &OXEHDQWHFLSDSUpWHPSRUDGDHFRQÂżDQRWUDEDOKRGH&HOVR7HL[HLUDSDUDYROWDUDÂżJXUDUHQWUHRVPHOKRUHVGH$ODJRDV $6&20&6$

Todo elenco do CSA estå realizando trabalhos físicos no Estådio Senador Teotônio Vilela, em Viçosa, jå visando a temporada 2012

O

CSA ĂŠ hoje o Ăşnico clube alagoano que estĂĄ em perĂ­odo de prĂŠ-temporada para 2012. Os outros estĂŁo contratando elenco ou ainda jogando as competiçþes deste ano. Essa antecipação toda tem um propĂłsito: recuperar o tempo perdido. Depois do tĂ­tulo estadual de 2008, mais um rebaixamento manchou a histĂłria azulina e a direção atual quer proporcionar Ă  torcida dias de glĂłria. Para isso, o presidente Jorge VI lançou o Projeto CentenĂĄrio. O CSA sĂł faz 100 anos em 2013, mas as açþes jĂĄ começaram. Primeio, foi a contratação de Celso Teixeira. Ele tem a missĂŁo de levar o time Ă s vitĂłrias. O elenco estĂĄ sendo contratado com muito critĂŠrio e os trabalhos foram levados para o municĂ­pio de Viçosa, para dar uma maior tranqulidade e harmonia ao grupo. EstĂŁo trabalhando no EstĂĄdio Senador TeotĂ´nio Vilela 24 atletas. Aos poucos novos reforços estĂŁo chegando. 1RGLDGDDSUHVHQWDomRRĂ€cial ele foi o mais aplaudido. “O CSA ĂŠ um time diferente.

É uma torcida diferente. Para jogar aqui tem que ter sangue nas veias, sangue na chuteira, sangue em todos os órgãos�, disse o comandante azulino. Neste domingo acontecem atividades nos dois períodos. Na agenda divulgada pela assessoria do Azulão, o elenco faz pela manhã um treino funcional e pela tarde um descanso recuperativo. Uma coisa que a direção ainda pensar em tenter reverter Ê a suspensão de seis jogos de Celso Teixeira. Ele foi expulso no jogo do CSA contra o União na última rodada da Segunda Divisão deste ano. No Campeonato Alagoano 2012 ele só poderå comandar o CSA à beira do campo no dia 5 de fevereiro contra o Corinthians Alagoano, pela sÊtima rodada. O departamento jurídico do Azulão jå tentou reverter a punição mas não conseguiu. O pedido foi negado pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD). Os últimos reforços que chegaram foram os atacantes Roni, Edson Di e Lindoval, e o lateral Cearå. $'$,/621&$/+(,526

NOVO TIME

ASA começa pensar a temporada 2012 &RPR¿PGD6pULH%GLUHomRGHYHHVWXGDUDUHIRUPXODomRGHWRGRRHOHQFR Mal terminou a passagem pelo Campeonato Brasileiro da SÊrie B e a direção do ASA jå trabalha para a reformulação do elenco para a temporada 2012. O clube terå no mês de janeiro o início do Campeonato Alagono e tambÊm a Copa do Brasil. Por isso o presidente executivo, JosÊ de Oliveira, o ZÊ da Danco, estå estudando junto com outros dirigentes os nomes para compor este

novo grupo de jogadores. Dos que participaram da SĂŠrie B, muitos jĂĄ anunciaram que estĂŁo de saĂ­da, como o zagueiro Toninho e o goleiro Gilson, que devem atuar no futebol paulista. Alguns atĂŠ jĂĄ foram desligados antes do Ăşltimo jogo, como foi o caso do lateral Gilberto Matuto, que fechou com a Chapecoense, e o zagueiro Thiago Alves, que foi para o Mogi Mirim.

Mais dipensas devem acontecer. “Este ĂŠ um perĂ­odo de muitas negociaçþes e todos os jogadores querem buscar os melhores contratos para a temporada que vem. Vamos sentar com os conselheiros e dirigentes para fazer um time de qualidade, como sempre fazemos todos os anos. NĂŁo ĂŠ Ă -toa que ASA sempre estĂĄ disputanGRDVĂ€QDLVGR(VWDGXDOQRV Ăşltimos dez anos. Os atletas

SÉRIE C

que se destacaram e que estão dentro da nossa realidaGHÀQDQFHLURSDUDRDODJRDno nós faremos propostas�, lembrou o presidente Alvinegro. O ASA estreia no Campeonato Alagoano no Estådio Coaracy da Mata Fonseca no dia 14 de janeiro (såbado), às 16h, contra a equipe do CEO, com transmissão ao vivo da TV Pajuçara/Rede Record.

Presidente -RVpGH2OLYHLUDMiHVWiSHQVDQGRQDWHPSRUDGD 75$3,&+$2&20

CRB entra na última semana decisiva Após o jogo de ontem (såbado) contra o Joinville, no Trapichão, o elenco do CRB ganhou folga neste domingo. Os trabalhos visando a última e decisiva partida do Campeonato Brasileiro da SÊrie C começam apenas nesta segunda-feira. O tÊcnico Paulo Comelli terå poucos dias para fazer treinamentos e ajustes, jå que a viagem do grupo para Joinville serå na quinta-feira pela manhã. O comandante espera poder contar com o lateral-direito Diogo, que foi vetado pelo departamento

mĂŠdico regatiano com uma lesĂŁo na coxa direita. “Estamos todos conscientes de que o trabalho foi bem feito e o objetivo foi alcançado, que foi o acesso para a SĂŠrie B. O sonho do tĂ­tulo ĂŠ uma consequĂŞncia de tudo que foi feito. Este grupo merece todo crĂŠdito e tambĂŠm a gestĂŁo do presidente Marcos Barbosa. Quando fui convidado para vir ao clube sabia GR GHVDĂ€R (QFDUHL H JUDoDV a Deus venciâ€?, revelou o diretor Alarcon Pacheco, que DLQGD QmR GHĂ€QLX VH Ă€FD QR CRB em 2012 ou volta para

seu clube de origem, o Cornthians Alagoano. Todas as providências para esta semana decisiva jå foram tomadas pelo supervisor Marcos Lima Verde. Os jogadores se reapresentam e fazem treinamentos nos dois períodos atÊ quarta-feira. COMELLI A diretoria do CRB se reuniu com o tÊcnico Paulo Comelli e apresentou a proposta do clube para a renovação de contrato com o comandante tÊcnico alvirrubro visando a temporada 2012. Comelli avaliou e fez uma

contra-proposta a ser apreciada pela direção, que deverå se pronunciar na próxima semana. AlÊm de Comelli, o comando executivo regatiano tambÊm trabalha na possibilidade de fechar com dois patrocinadores que venham bancar a contratação do atacante Val Baiano. Em entrevista ao repórter Luciano Costa da Rådio Jornal AM, o jogador elogiou a atual administração e disse estar disposto a se adequar à UHDOLGDGHÀQDQFHLUDGRFOXEH para voltar ao CRB em 2012. Dirigente$ODUFRQ3DFKHFRYLYHH[SHFWDWLYDGD¿QDOGD6pULH&


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011 VEĂ?CULOS 17

VeĂ­culos

BMW vai reforçar investimentos QR6*/&DUERQSDUDREWHU¿EUD A BMW, que tem 49% das açþes da SLG Automotive Carbon Fibers (foto), e que conta com 51% do SGL Group, anunciou investimento de QD6*/&DUERQ$SURSRVWDpXVDUSOiVWLFRUHIRUoDGRGH¿EUD de carbono na fabricação de carros. Por enquanto a empresa não estå divulgando valores da transação. A parceria das duas empresas MiUHVXOWRXQDFRQVWUXomRGHXPDIiEULFDGH¿EUDGHFDUERQRHP0Rses Lake, no Estado de Washington, EUA. A fåbrica faz parte da estraWpJLDQDSURGXomRGHSOiVWLFRUHIRUoDGRGH¿EUDGHFDUERQRXOWUDOHYH que inicialmente serå usada na construção de carros conceitos.

Venda de motos cresce quase 20%

Para o acumulado do ano a Abraciclo trabalha com comercialização de 1.753.211 unidades; elevação serå de 21%

A

primeira quinzena de novembro foi positiva para o setor de duas rodas. Os dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motos - Abraciclo -, as vendas aumentaram 18,4% em relação ao mesmo período de outubro. Enquanto foram vendidas 77.861 unidades em novembro, na primeira quinzena de outubro as vendas chegaram a 65.754 motos. Se a comparação for feita com a primeira quinzena de novembro de 2010, o crescimento foi de 9%. Com base nas vendas diårias, que foram de 8.651 motos, a previsão Ê que o mês feche com um crescimento acima de 18% em

relação a outubro. A entidade prevĂŞ o emplacamento de 173.025 motos no mĂŞs. Isto daria um crescimento de 9% em relação ao mesmo mĂŞs do ano passado. Para o acumulado do ano a Abraciclo trabalha com vendas de 1.753.211 unidades, o que representaria uma elevação de 21% atĂŠ o mesmo perĂ­odo do ano passado. “Os primeiros nĂşmeros de novembro compensam a baixa apresentada nos emplacamentos do mĂŞs anterior. O crescimento do setor, em comparação com o ano passado, ĂŠ evidente quando analisamos os nĂşmeros no acumuladoâ€?, DĂ€UPD 5REHUWR $NL\DPD presidente da entidade.

Mercado alagoano O mercado alagoano de motocicletas acompanha a tendĂŞncia nacional e segue com vendas em alta. A demanda ĂŠ crescente e as empresa do setor buscam de todas as formas atender sua clientela. Tanto na venda, atravĂŠs do financimento, como nos consĂłrcios, a facilidade do crĂŠdito resultou neste aumento das vendas. LĂłgico que a maioria dos negĂłcios ocorrem com as motos de atĂŠ 150 cilindradas. Mesmo assim as revendas jĂĄ registram crescimento na procura por modelos de maior potĂŞncia.

As motocicletas Dafra se destacam no mercado alagoano e em pouco tempo conseguiram seu espaço

ESTUDO

Som, bolsa e estepe são os objetos mais furtados no carro Um estudo realizado pela Carglass Brasil, na semana de 17 a 21 de outubro, mostrou que o sistema de som Ê o objeto mais roubado dos carros. Mesmo com as melhorias em relação à segu-

rança, como a remoção da frente do rådio e a integração do aparelho. Ele representa 36% das razþes das quebras de vidros laterais atendidas pela empresa no período. A pesquisa considerou os

clientes que solicitaram abertura de sinistro para vidros laterais das portas (foram 187 relatos, ou 19% do total de atendimentos em 60 cidades de 17 estados) e informaram o motivo da quebra sendo

furto ou roubo de objetos do interior do veĂ­culo. Em segundo lugar na preferĂŞncia dos ladrĂľes estĂĄ a bolsa, razĂŁo de 24% dos roubos e furtos. A empresa considerou surpreendente o nĂşmero

de ocorrĂŞncias de roubo do estepe: nada menos do que 14% do total. Aparecem ainda com altos Ă­ndices de roubo com quebra de vidros laterais o GPS (9,6%) e o aparelho celular, com 6%. O roubo do estepe sur-

preende cada vez mais vĂ­timas, que, na maioria dos casos, sĂł nota a falta ao precisar utilizar o pneu. Pelos relatos, os criminosos quebram o vidro lateral, para tirar o estepe do porta-malas.


18

VEĂ?CULOS

REDE

Renault: 200 concessionĂĄrias no PaĂ­s

A Renault escreveu na Ăşltima terça-feira mais um importante capĂ­tulo em sua histĂłria no Brasil. A marca chegou Ă  sua concessionĂĄria de nĂşmero 200 no paĂ­s. Batizado de “Iesaâ€?, o novo ponto de venda atenderĂĄ a cidade de OsĂłrio, no Rio Grande do Sul. A rede de concessionĂĄria da Renault do Brasil começou o ano com 176 pontos de vendas. O objetivo, segundo Gustavo Schmidt - vice-presidente comercial da Renault do Brasil -, ĂŠ encerrar 2011 com 204 concessionĂĄrias da marca. “O nosso plano de desenvolvimento da nossa rede de concessionĂĄrias permitiu que 20 cidades que nĂŁo tinham concessionĂĄrias Renault passassem a contar com os serviços de um ponto de venda da marca. NOVA AlĂŠm disso, tambĂŠm trabalhamos para reforçar a marca em municĂ­pios/regiĂľes em que nĂłs jĂĄ estĂĄvamos presentesâ€?, explica o executivo. Desde o lançamento do Duster, em outubro passado, a Renault tem mantido a mĂŠdia de inaugurar uma nova concessionĂĄria por semana, “o que revela a importância dada pela empresa ao PHUFDGREUDVLOHLURHRĂ€UPH propĂłsito de atender cada vez melhor os brasileirosâ€?, constata Gustavo Schmidt. A “Iesa OsĂłrioâ€? ĂŠ a primeira concessionĂĄria na cidade gaĂşcha e a 21ÂŞ no Estado. Com ĂĄrea total construĂ­da de 976 m², apresentando amplo e moderno showroom.

NOVO

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

Lamborghini Aventador LP 700-4

Nissan jĂĄ disponibiliza o March com motor 1.6 JaponĂŞs popular tem trĂŞs anos de garantia, sem limite de quilometragem

O

primeiro carro popular japonês a ser vendido no Brasil jå estå nas concessionårias com nova motorização, Ê o March1.6 16V. O carro estå sendo vendido em três versþes de acabamento: 1.6S, 1.6SV e 1.6SR. A versão de entrada custa R$ 35.890,00. Apesar de ser de entrada, tem de sÊrie: airbag duplo, direção elÊtrica progressiva, ar-condicionado, ajuste de

altura do banco do motorista, vidros dianteiros e traseiros com acionamento elĂŠtrico e computador de bordo. O carro tem trĂŞs anos de garantia sem limite de quilometragem. O seu motor gera 111cv de potĂŞncia a 5.600 rpm e torque de 15,1 kgfm a 4.000 rpm. Ele vai de 0 a 100 km/h em 9,88 segundos com gasolina e 9,49 segundos com ĂĄlcool. A sua velocida-

de mĂĄxima ĂŠ de 191 km/h. A versĂŁo 1.6SV custa R$ 37.900,00 e tem tambĂŠm acionamento do alarme por meio de controle remoto, rodas de alumĂ­nio de 15 polegadas e rĂĄdio CD player com MP3 e entrada auxiliar. A versĂŁo 1.6SR, que serĂĄ vendida por 39.990,00 tem saias laterais, espĂłilers dianteiros e traseiro e aerofĂłlio, ponteira de escapamento cromada, retrovisores exter-

nos personalizados e rodas de alumĂ­nio de 15 polegadas. Em todas as versĂľes, se o consumidor quiser pintura metĂĄlica terĂĄ que pagar mais R$ 720,00. A Nissan divulgou os valores das revisĂľes: 10 mil km - R$ 149,00 20 mil km - R$ 299,00 30 mil km - R$ 249,00 40 mil km - R$ 499,00 50 mil km - R$ 249,00 60 mil km - R$ 299,00

VersĂŁo 1.6SV custa R$ 37.900,00 e tem tambĂŠm acionamento do alarme por meio de controle remoto e rodas de alumĂ­nio de 15 polegadas

PERSONALIZADO

Customização para o urbano Ka

A Ford oferece as personalizaçþes Storm e ST para o Ka 1.0, para clientes que O novo Lamborghi- desejam veĂ­culos customini Aventador LP 700-4 jĂĄ zados. Visual diferenciado, o estĂĄ Ă  disposição dos bra- modelo Storm traz uma apasileiros. O presidente da rĂŞncia aventureira, enquanempresa, Stephan Winkel- to o ST amplia ĂŠ esportivo. “O novo design da Linha mann, veio ao Brasil para a apresentação do carro, 2012 ĂŠ um dos diferenciais lançado em SĂŁo Paulo para do Ford Ka no segmento de o mercado sul americano. hatches de entrada. Os noPara Winkelmann “o vos kits permitem destacar Brasil ĂŠ um mercado novo ainda mais as suas linhas acrescentando no qual acreditamos mui- modernas, to. Prevemos que as ven- um toque pessoal de estilo. AlĂŠm disso, vĂŞm com gadas no paĂ­s deverĂŁo dobrar em relação a 2010â€?. rantia de qualidade e preAtĂŠ agora, foram ven- servam a originalidade do didas sete unidades do carroâ€?, diz Andre Leite, geAventador, que serĂŁo en- rente de Produto da Ford. O Ford Ka 2012 foi lançaWUHJXHV DWp R Ă€QDO GR PrV A demanda por Lam- do em julho e trouxe muitas borghini cresce em todo novidades, entre as quais o o mundo. As encomendas 1.6 Sport, que jĂĄ vem com para o Aventador LP 700- um visual diferenciado de 4 jĂĄ atingiram 18 meses sĂŠrie. “Agora, ampliamos de produção. É um super- as opçþes de personalização -esportivo equipado com tambĂŠm para os modelos motor 6.5 V12 de 700 HP. 1.0â€?, completa o executivo Destinado a todos os caO Aventador LP 700-4 ĂŠ um novo padrĂŁo da indĂşs- tĂĄlogos 1.0 do modelo 2012, tria de carros super-espor- o kit Storm, aventureiro, ĂŠ tivos em termos de tecno- composto por apliques dos logia, potĂŞncia e desenho. para-choques dianteiro e

traseiro em material injetado, rack de teto estilizado e adesivos laterais e traseiro, com preço público sugerido de R$ 1.230, sem instalação. Jå o ST, esportivo, inclui aplique do para-choque dianteiro em material in-

GUANGZHOU

ALLTRACK

A Chery (foto) mostrou no Salão de Guangzhou o face-lift do QQ. O modelo reestilizado deve chegar por aqui em 2012. Por fora, os para-choques são novos, assim como os faróis, que agora integram as luzes de seta. A grade frontal foi redesenhada para passar um aspecto mais robusto ao carro. Na lateral, destaque para os novos frisos plåsticos e ao novo desenho das rodas aro 13. O LQWHULRUUHFHEHXDSHQDVUHYHVWLPHQWRVPRGL¿FDGRVQRSDLQHOGDV portas e na alavanca de câmbio.

Onda aventureira caiu nas graças da Volkswagen alemã. Depois das versþes off-road de Polo e Golf, a marca apresentou, este mês, a Passat Variant Alltrack (foto). A perua segue a receita dos aventureiros, com suspensão elevada e para-choques redesenhados com apliques plåsticos, molduras pretas nos para-lamas e saias laterais. A Alltrack serå oferecida com quatro opçþes de motorização, duas movidas a gasolina (1.8 TSI de 160 cv e 2.0 TSI de 210 cv) e as demais a diesel (ambas 2.0 TDI com 140 cv ou 170 cv).

Chery mostra QQ reestilizado no SalĂŁo

Hatch com o melhor custo-benefício do mercado jå vem com sistema de imobilização antifurto da Ford

jetado, saias laterais, faixas laterais, coluna B com o logo ST, adesivos traseiros ST, aerofĂłlio e tem preço pĂşblico sugerido de R$ 1.125, sem instalação. “A linha Ka tem uma tradição em acessĂł-

VersĂŁo para aventura do VW Passat Variant

rios de personalização. Os novos kits foram desenvolvidos especialmente para a carroceria atual e tambÊm vêm com a garantia de qualidade dos Acessórios Originais Ford�, acrescenta Leite.

SALĂƒO

Ford mostra Mustang 2013 em Los Angeles

A Ford resolveu aproveitar o Salão do Los Angeles, que termiona neste domingo (27), para apresentar a linha Mustang 2013, que começarå a ser vendido apenas no segundo trimestre do próximo ano, nos Estados Unidos. E pela primeira vez o carro foi apresentado com três versþes. AlÊm do Boss 302 e Boss Laguna Seca, haverå ainda o Shelby GT500 com motor de 659 cv, capaz de acelerar a mais de 320 km/h. 2 YLVXDO ÀFRX PDLV agressivo com sua grade e o capô redesenhados, mas ele terå tambÊm mais tecnologia embarcada. Nos modelos V6 e GT, os faróis HID são acompanhados por duas barras de LEDs. As soleiras agora são da cor da carroceria e a traseira ganhou um painel em preto brilhante e lanternas com LEDs e lentes fumê, que mantêm a luz de pisca sequencial. Os retrovisores têm projetor de luz, que formam a imagem do cavalinho no chão quando se destrava o veículo. O Mustang com motor 5.0 passa a ter 426 cv e a opção de transmissão automåtica de seis velocidades SelectShift, que tambÊm permite trocas manuais. A versão com câmbio manual tem assistência de partida em rampa, tela de LCD de 4,2 polegadas que mostra as informaçþes de desempenho e consumo. Os Mustangs Boss 302 e Boss Laguna Seca 2013 podem ter agora a cor amarela com listras HVFXUDV UHà HWLYDV ID]HQGR uma homenagem ao modelo que competiu no Trans-Am Championship em 1970, com o piloto Parnelli Jones.

CORES

Branco e prata são preferidas da maioria A ditadura do branco e prata como cores que predominam hå anos na preferência do consumidor, parece que ainda vai ter vida longa. A edição 2011 do Global Automotive Color Popularity Report, baseada no relatório da Dupont, mostrou que houve um aumento substancial da preferência pela cor branca nos carros, superando as rivais preta e prata. No ano passado o branco estava em terceiro lugar, com 16%, mas a sua preferência aumentou na AmÊrica do Norte, Europa, China, CorÊia, AmÊrica do Sul e à frica do Sul, elevando a preferência mundial para 22%. Preto e cinza caíram para terceiro e quarto lugares, respectivamente, com vermelho e azul mantendo quinto e sexto lugares. Enquanto o branco tem sido historicamente uma cor popular para veículos, vimos uma mudança na sua popularidade neste ano, índice maior do que a Dupont esperava.

NO BRASIL

O pneu mais råpido do mundo O título de pneu produzido em sÊrie mais råpido do mundo (foto) credencia a Michelin Pilot Super Sport ao sucesso, jå que tem tambÊm como ponto positivo o fato de frear atÊ três metros antes do que a geração anterior. Ele Ê o preferido de marcas como Ferrari, Porsche, BMW e Mercedes. Este pneu foi projetado para competiçþes e conseguiu 13 vitórias consecutivas nas 24 Horas de Le Mans. O pneu estå chegando ao Brasil e custarå ao consumidor R$ 1,5 mil.


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011 CIDADES VEĂ?CULOS 19

MaceiĂł vai invetir R$ 4,5 mi em saĂşde bucal

Orçamento ĂŠ para 2012 e 2013 e vai garantir atendimento a 240 pacientes por mĂŞs durante os dois anos condiçþes de trabalho. “SĂŁo luvas, mĂĄscaras, gorros, anestĂŠsicos, denrganização para um tre outros materiais que melhor atendimento o dentista necessita para ĂŠ o lema da Coorde- o trabalho diĂĄrioâ€?, infornação de SaĂşde Bucal de mou Emerson Vieira, da MaceiĂł, da Secretaria Mu- equipe tĂŠcnica da Coordenicipal de SaĂşde (SMS). O nadoria de SaĂşde Bucal. plano de ação para os dois A pretensĂŁo da CoprĂłximos anos jĂĄ estĂĄ sen- ordenadoria ĂŠ efetuar a GR Ă€QDOL]DGR LQFOXLQGR XP compra dos materiais e pregĂŁo de licitação para a distribuir ainda este ano. aquisição de materiais od- “Tudo depende dos trâmiontolĂłgicos de insumos que tes burocrĂĄticos do pregĂŁoâ€?, serĂŁo utilizados em 2012 e relatou Emerson Vieira. 2013, cujo montante serĂĄ O cirurgiĂŁo dentista conde R$ 4,5 milhĂľes. O inves- ta ainda que o almoxarifado WLPHQWR p VXĂ€FLHQWH SDUD foi desmembrado do almoxaatender 240 pacientes por rifado farmacĂŞutico central mĂŞs durante os dois anos. GRPXQLFtSLRSDUDĂ€FDUMXQO pregĂŁo de licitação to da Central de Abastecivai comprar material do mento FarmacĂŞutico (CAF). dia-a-dia para que os pro´1RVVRV PDWHULDLV ÀÀVVLRQDLV GD VD~GH EX- carĂŁo mais prĂłximos de cal possam ter melhores nĂłs, o que tornarĂĄ mais ANDREZZA TAVARES REPĂ“RTER

O

ASSESSORIA

rĂĄpido o acesso a eles. Vamos organizar um Ă X[R GH GLVWULEXLomRÂľ H[plica Emerson Vieira. De acordo com o dentista, os auxiliares de saĂşde bucal deverĂŁo solicitar os materiais que necessitam para um mĂŞs todo dia 20 e, entre os dias 21 e 25 de cada mĂŞs, os materiais serĂŁo entregues nas unidades. COMPRAS EMERGENCIAIS O cirurgiĂŁo dentista informou que foram comprados equipamentos odontolĂłgicos de forma emergencial, para substituir os que jĂĄ existem e que estĂŁo em mau estado de conservação. “Foram compradas 20 cadeiras completas, 50 canetas de alta rotação e 30 de baixa rotação, que serĂŁo distribuĂ­das de acordo com as necessidades. ASSESSORIA

Atendimento serå melhorado com a substituição de materiais odontológicos que estavam em mau estado de conservação

CRIANÇAS E GESTANTES COMO PRIORIDADE

Equipes tĂŞm como meta 380 procedimentos todo mĂŞs

Projeto Resgatando Sorrisos Ê um dos que fazem parte das açþes de Saúde Bucal no município

“

Atualmente, a Coordenadoria de SaĂşde Bucal, da Secretaria Municipal de SaĂşde, conta com 30 equipes, que, juntas, tĂŞm como meta realizar 380 procedimentos mensais e atender 240 pacientes. Crianças e gestantes tĂŞm prioridade no atendimento. De acordo com Emerson Vieira, cirurgiĂŁo dentista e tĂŠcnico da Coordenadoria de SaĂşde Bucal, a EstratĂŠgia de SaĂşde da FamĂ­lia preconiza o atendimento a crianças e gestantes, alĂŠm de hipertensos e idosos. “A criança de hoje ĂŠ o adulto de amanhĂŁâ€?, declarou Emerson, acrescentando

que a coordenadoria trabalha com prevenção e promoção da saĂşde bucal e tem o projeto Resgatando Sorrisos, para melhorar o atendimento nos postos de saĂşde na ĂĄrea de saĂşde bucal. A coordenadoria faz um trabalho integrado em parceria com a Educação. “Vamos Ă s escolas, damos SDOHVWUDV DSOLFDPRV Ă ~RU fazemos escovação. Esse ĂŠ um trabalho de formiguinha. A criança ĂŠ um agente multiplicador. Ela chega em casa e jĂĄ passa para os pais e demais membros da famĂ­liaâ€?, explica Emerson Vieira. Para Emerson, esse

trabalho de prevenção ĂŠ muito importante para a saĂşde bucal. â€œĂ‰ costume as pessoas sĂł procurarem um dentista quando estĂŁo FRP GRU GH GHQWHÂľ DĂ€UPD Para agendar o atendimento, os pacientes tĂŞm que ir pessoalmente aos postos de saĂşde, em compensação, jĂĄ saem do consultĂłrio odontolĂłgico com o retorno marcado. “Uma GDV GLĂ€FXOGDGHV QR DWHQdimento, ĂŠ que as pessoas agendam e nĂŁo comparecem no dia marcado, impedindo que mais pessoas sejam atendidasâ€?, revela o tĂŠcnico da coordenadoria. (A.T.)


20

VEĂ?CULOS SOCIAL

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

LĂ­lian

PIEDADE O Chefe do Gabinete Civil, Ă lvaro Machado, ĂŠ um dos mais entusiastas conterrâneos, com a homenagem que vai ser prestada a Linda Mascarenhas, fundadora da ATA, pela grande colaboração prestada ao teatro alagoano. Quando fundou a ATA, que tinha suas reuniĂľes semanais realizadas nas salas de sua residĂŞncia, lĂĄ na Ladeira do Brito, ela entusiasmava a todos (inclusive a colunista, que fazia parte da entidade). Linda deixou muita gente orgulhosa, tendo sido aplaudida de pĂŠ quando recitou “As MĂŁos de EurĂ­diceâ€?.

etorno

e

A amiga e modelo Dany Figueiredo embarca dia 2 para Madri, para estudar, e retorno dia 5 de janeiro (Natal em Paris e rĂŠveillon em Roma)

A galera do Red Power curtinçdo a abertura do verão Lopana

DOAĂ‡ĂƒO Para animar aos doadores que se dispuserem a este ato de amor, o Hemoal promoveu uma sĂŠrie de eventos que culminaram na sexta-feira. Mesmo sem mimos, solicitamos Ă  população que continue a colaborar com a campanha, ajudando a salvar vidas.

LILIAN PRESSE GERALDINHO GONÇALVES (leia-se Buffet Pajuçara) anda louco de preocupação e jĂĄ acorda contando nos dedos o nĂşmero de funcionĂĄrios que terĂĄ de contratar para atender a todos os pedidos que recheiam sua agenda, para a Ceia de Natal. Quem manda ser bom... VISITAR PELO menos uma vez por mĂŞs um salĂŁo de beleza deveria ser obrigatĂłrio na agenda de uma mulher elegante. Falando em salĂŁo, lembramos que o Paulo Ariza, lĂĄ na Avenida AmĂŠlia Rosa, possui um salĂŁo elegantĂŠrrimo, de bom gosto e que suas mĂŁos sĂŁo quase “divinasâ€? quando executam seu trabalho. As mulheres saem de lĂĄ belĂ­ssimas e sorridentes, porque sabem que seu astral estĂĄ em alta. LIXO OU ARTE? Sugestivo o tĂ­tulo que Raimundo Brito escolheu para batizar sua exposição, que atĂŠ o dia 20 de janeiro poderĂĄ ser visitada lĂĄ na Pinacoteca da Ufal, na Praça Sinimbu. UM COMENTĂ RIO que surgiu numa roda social jĂĄ ganhou espaço atĂŠ na internet. Certo jovem bonito e que estĂĄ sempre bem vestido ĂŠ campeĂŁo do chulĂŠ. Ele sĂł troca de meias no dia 18 de cada mĂŞs. Coisa feia...

Gabriele Marinho ĂŠ a nossa Miss Teen World 2011

Ed Lincoln e Lidiane Alves festejaram aniversårio de namoro no último dia 25 de novembro. Comemoração a dois, lógico

A AALAMAGIS, que vem a ser a Academia Alagoana de Letras e Artes de Magistrados, vai realizar uma sessĂŁo solene no auditĂłrio do Pajuçara Praia Hotel, para homenagear com Diploma de SĂłcio Correspondente e Medalha DecenĂĄria os ministros Humberto EustĂĄquio Soares Martins, Humberto Gomes de Barros e Pedro da Rocha Acioli. MericĂ­ssimo como reconhecimento pelos relevantes serviços prestados Ă  cultura jurĂ­dica nacional. NOSSA HOMENAGEM ao Corpo de Bombeiros, uma das mais acreditadas instituiçþes, pelo 64Âş aniversĂĄrio que completa. CONSELHOS DA Danuza LeĂŁo em seu oitavo livro: “NĂŁo comprar vestido tubinho de paetĂŞs (junte todas as forças e resista), nunca sair sem sutiĂŁ (mesmo que seus peitos sejam lindos), ĂŠ frescura mostrar a foto dos netos (as crianoDVHPIRWRVVmRWRGDVLJXDLV HPDLVHODGHÂżQHDLGDGH entre 45 e 55 anos como a “idade de ouroâ€?. USAR JEANS COM apenas uma sĂł bijuteria; pode usar o azul marinho no lugar do preto e mais outras importantes proibiçþes. O DIA 20 DE NOVEMBRO foi escolhido para ser celebrado como o “Dia da ConsciĂŞncia Negraâ€?, pois, foi justo no dia 20 de novembro do ano de 1695 que aconteceu o assassinato de Zumbi, o Rei do Quilombo dos Palmares, (1655 a 1695) a mando dos escravistas portugueses de Pernambuco. LINDA MASCARENHAS, a “Dama do Teatro de Alagoasâ€? vai ganhar, com muita justiça, um memorial, “made in Prefeitura Municipal, que integra o Projeto Novas Estradas, da ATA - Associação Teatral das Alagoas - execução do secretĂĄrio de Comunicação e Propaganda, Oswaldo ViĂŠgas.

Karina Gomes clicada com estilo por Dressa Mello

Denyse Fernandes clicada por Vânia Novais


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011 DIVERSĂƒO&ARTE

.DW\3HUU\GHYHLQWHUSUHWDU 0DULO\Q0RQURHHPPXVLFDO

1RYR¿OPHVREUH%DWPDQVHUi ³pSLFR´GL]GLUHWRU&KULVWRSKHU1RODQ

2SURGXWRU+DUYH\:HLQVWHLQGLVVHHPHQWUHYLVWDDRVLWH(TXHTXHUDFDQWRUD .DW\3HUU\QRSDSHOGH0DULO\Q0RQURHHPXPPXVLFDOGD%URDGZD\LQVSLUDGR QR¿OPH³0\:HHN:LWK0DULO\Q´1RORQJD0DULO\QpLQWHUSUHWDGDSHODDWUL] 0LFKHOOH:LOOLDPV³6HR¿OPHIRUEHPYDPRVID]HUXPPXVLFDOVREUHHOHHHX JRVWDULDGHWUDEDOKDUFRP.DW\QLVVR$FKRTXHHODSRGHVHUXPDERD0DULO\Q QRSDOFRGD%URDGZD\DFKRTXHHODVHULDLQFUtYHOGLVVH:HLQVWHLQ8PUHPL[ GRKLW³7KH2QH7KDW*RW$ZD\´FDQWDGRSRU3HUU\HVWiQRWUDLOHUGR¿OPH

Em entrevista Ă  edição de dezembro da revista inglesa “Empireâ€?, o diretor norte-americano Christopher Nolan deu algumas dicas VREUHRÂżOPHÂł%DWPDQ2&DYDOHLURGDV7UHYDV5HVVXUJH´ Âł'DUN .QLJKW5LVHV´ TXHWHPHVWUHLDSUHYLVWDSDUDMXOKRGRDQRTXHYHP QR%UDVLO6HJXQGR1RODQWRGDDHTXLSHHQYROYLGDQDSURGXomRGR ÂżOPHHVWiWHQWDQGRID]HUFRPTXHHOHVHMDÂłpSLFR´DVVLPFRPRRV TXDGULQKRVRULJLQDLV

1

UMA ALAGOAS HOLANDESA

&RPROLYURÂł$SUHVHQoDKRODQGHVDÂąDKLVWyULD GDJXHUUDGRDo~FDUYLVWDSRU$ODJRDVÂł RVKLVWRULDGRUHV'RXJODV$SUDWWRH &DUPHP/~FLD'DQWDVID]HPMXVWLoDDXPDSDUWHGD KLVWyULDDODJRDQDTXHpVHPSUHGHL[DGDSDUDGHSRLV

D

urante 24 anos os holandeses estiveram no Brasil na condição de invasores. Entre 1630 e 1654 eles se instalaram na capitania de Pernambuco, onde o territĂłrio de Alagoas estava. As duas GpFDGDVIRUDPVXĂ€cientes para deixar marcas profundas no Nordeste. Uma herança carregada de histĂłrias e lendas. Entretanto, muita coisa ĂŠ repetida e pouco ĂŠ dito de fato da importância desse povo. Uma lacuna histĂłrica, que a partir de terçafeira começa a ser preenchida, quando os historiadores Douglas Apratto e Carmem LĂşcia Dantas lançarem “A presença holandesa – a histĂłria da guerra do açúcar vista por Alagoas“. Com o livro, que teve patrocĂ­nio do Sebrae, os historiadores pretendem contextualizar a participação de Alagoas durante esses anos da presença holandesa em terras brasileiras. “Nessa histĂłria, aparentemente, temos uma histĂłria marginal inexpressiva. Mas Alagoas, entĂŁo preferia do nĂşcleo polĂ­tico- administrativo principal, participou ativamente do desdobramento desta ocupação batava e ĂŠ necessĂĄrio que a memĂłria desses fatos seja feita tambĂŠm sob a Ăłtica alagoanaâ€?. Escreveram os historiadores logo na introdução da obra. Segundo eles, o livro, apesar de responder algumas perguntas

“

Nessa história, aparentemente, temos uma história marginal inexpressiva. Mas Alagoas, então preferia do núcleo político- administrativo principal, participou ativamente do desdobramento desta ocupação batava e Ê necessårio que a memória desses fatos seja feita tambÊm sob a ótica alagoana� '28*/$6$35$772( &$50(0/Ò&,$'$17$6 $725(6'2/,9526

e revelar fatos histĂłricos pouco conhecidos e no Estado, tem FRPRLQWHQomRĂ€QDOVXVFLWDUD discussĂŁo, a pesquisa e ampliar

o conhecimento desse perĂ­odo da histĂłria alagoana que ĂŠ sempre relegado ao decalque, como se nĂŁo tivesse ocorrido fatos releYDQWHVHTXHĂ€]HUDPSDUWHGD construção do Estado. E as lacunas vĂŁo sendo preenchidas no decorrer do livro, a cada folhear da bem diagramada obra, que estĂĄ recheada de pinturas feitas por artistas holandeses. Fatos pitorescos como anotaçþes que descrevem o espanto de uma comitiva holandesa ao percorrer o litoral alagoano e se deparar com a enseada da Pajuçara ou a descoberta de campos “impressionantementeâ€? fĂŠrteis em territĂłrio onde hoje estĂŁo Anadia e SĂŁo Miguel dos Campos. Outros fatos sĂŁo surpreenden-

tes: poucas pessoas sabem que Madalena da Lagoa do Sul, hoje Marechal Deodoro, - lugar estratÊgico para a capitania – foi invadida e incendiada. Moradores tiveram que se refugiar nas matas, alguns fugiram para outras regiþes e houve alguns mortos. Mas tarde, quando os holandeses tentaram invadir Santa Luzia do Norte enfrentaram a resistência ferrenha dos moradores de lå. Não contentes em contar essa parte da história, os dois escritores colocaram no livro uma espÊcie de roteiro ilustrado que mostra ao leitor por onde ir em Alagoas em busca da presença holandesa no Estado. É só procurar para descobrir que Alagoas tem muito mais para contar.


2

TribunaIndependente

DIVERSĂƒO&ARTE MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

Música no interior Na segunda etapa do Festival da Música do Sesc, os 14 artistas selecionados na edição 2011 começam uma maratona de apresentaçþes em diversas cidades do interior de Alagoas. A segunda primeira bateria de shows acontece de 6 a 10 de dezembro. Os artistas, datas, horårios e locais das apresentaçþes estão no site www.sescalagoanos.com.br

Estacionamento de JaraguĂĄ

ClĂĄssico

A banda Natiruts tambÊm passa por Maceió na temporada de shows do verão. A apresentação estå marcada para o dia 10 de dezembro na Vox (Estacionamento de Jaraguå). A noite ainda conta com bandas e DJs convidados. Preços: pista R$ 25 e camarote R$ 50 no 1º lote. Vendas: Lojas Tchuk Jhones, Point Radical, Jameika e standes Maceió Ingressos e Folia Brasil. Mais informaçþes: (82) 3031-1750.

Corujão Uma nova madrugada serå tomada pela sÊtima arte, no Cine Sesi. Quando a noite do dia 3 de dezembro cair, Ê chegada a hora de se preparar para espantar o sono SRUyWLPRVPRWLYRVFXUWLU¿OPHVH música em mais uma edição do Corujão Sesi Ufal. A partir das 23h VHUmRH[LELGRVRV¿OPHV6XEPDULQR&RQWUDR7HPSRHXP¿OPH surpresa. Na música, as atraçþes são as bandas Rockabeat e Projeto Nós e o Violão. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Vendas a partir do dia 2 de dezembro, às 16h, no Centro Cultural Sesi (Pajuçara). Telefone: 3235-5191.

Lixo ou Arte?

O Ballet Eliana Cavalcanti apresenta, pela primeira vez em Maceió, o balÊ O Quebra-Nozes completo. É uma grande produção que conta com três FHQiULRVHXPULFRHYDULDGR¿JXULQR'LUHomRHDGDSWDomRGH(OLDQD&DYalcanti. No Teatro Gustavo Leite (Centro de Convençþes). Nos dias 2, 3 e 4 de dezembro. Contato: 3241-1308.

Em Arapiraca

Sorriso em Dobro

O Sesc estå com inscriçþes abertas atÊ o próximo dia 30 para a temporada 2012 da Galeria de Artes do Sesc Arapiraca, para produçþes em artes plåsticas, intervenção, videoarte, performance, instalação ou outras experimentaçþes no campo das artes visuais. As inscriçþes são gratuitas e podem ser realizadas no Sesc-Centro (Rua Barão de Alagoas, 229, Centro), das 9h às 18h. O edital estå disponível no site www. sescalagoas.com.br

O projeto Sorriso em Dobro oferece ao público duas comÊGLDVHVFUDFKDGDVQHVWH¿PGH semana. Hoje tem Branca de Neverrr e as 7 Pecinhas. Ambas às 20h, no auditório do Ifal (antiga Escola TÊcnica Federal de Alagoas). Ingressos antecipados custam R$ 5 e R$ 10 (+ 1 kg de alimento não perecível). Vendas nas agencias da Aeroturismo e estande Folia Brasil (G Barbosa do Stella Mares). Mais informaçþes: 3032-2234 e 8874-4602.

Os salþes de arte contemporânea oferecem ao público a exposição Lixo ou Arte? (que nem roupa), do artista carioca Raimundo Brito, radicado em Belo Horizonte. Abertura às 20h e visitação atÊ 20 de janeiro de 2012. A mostra pretende questionar a consciência ecológica de cada cidadão ao descartar objetos que podem ser reaproveitados evitando, desta forma, o acúmulo de rejeitos no planeta Terra.

2Ă€FLQD

Deus Ê brasileiro Considerado um dos maiores nomes do cinema brasileiro, o cearense Mårcio Câmara realizarå em Maceió o curso de som direto, que acontece de 28 de novembro a 7 de dezembro, com inscriçþes gratuitas. O curso tem o objetivo de tratar da importância do som em obras audiovisuais, incentivando o processo de captura de som no momento em que as cenas são gravadas. No Teatro Jofre Soares (Sesc-Centro). Das 14h às 18h. Vagas: 20. Inscriçþes gratuitas. Mais informaçþes: 3326-3133.

Nos dias 3 e 4 de dezembro, o cineasta Hermano Figueiredo estarå na cidade de $UDSLUDFDSDUDUHDOL]DUXPDR¿FLQDJUDWXLWDGH)RUPDomR&LQHFOXELVWD$VDWLYLdades acontecem das 8h às 18h, no auditório da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura. Vagas limitadas. Mais informaçþes e inscriçþes: (82) 3521-5313.

FALE CONOSCO - A Agenda Ê um serviço gratuito de orientação ao leitor. Os interessados em divulgar eventos, shows e exposiçþes podem enviar material atravÊs do endereço: tiagenda@hotmail.com


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011 DIVERSĂƒO&ARTE

3

5('(79',98/*$d­2

FLĂ VIO RICCOFRODERUDomR-RVp&DUDORV1HU\ZZZWZHWWHUFRPĂ€DYLRULFFR

Jogador Neymar tem um pĂŠ no samba

Iris Stefanelli deseja, em 2012, dar um rumo diferente na vida. Formada recentemente na Faculdade GH$UWHV&pOLD+HOHQDHP6mR3DXOR DUHSyUWHUGR³79)DPD´SUHWHQGH fazer cinema.Ainda não existe nada DFHUWDGRRXFRQYHUVDGRFRPQLQJXpP Mas trata-se de algo que ela quer colocar em pråtica no decorrer dos próximos meses.

TV TUDO Tem uma coisa

A

6HSRUDFDVR5RQQLH9RQGHL[DU D79*D]HWDQRFRPHoRGRDQR como alguns chegam a especular, o �Todo Seu� simplesmente deixarå de existir. Entre outras coisas, porque a SUySULDGLUHomRGDHPLVVRUDDGPLWH TXH³RSURJUDPDpDFDUDGHOH´ 1HPWHPFRPRVXEVWLWXLU

presença do jogador Neymar, nos seus momentos de folga, em diversos espetĂĄculos ou programas musicais, tem merecido destaque da mĂ­dia, atĂŠ pela sua amizade com algumas das maiores personalidades da nossa mĂşsica. Dança nos gramados, agora atĂŠ na TV e, vez ou outra, sem a mesma categoria com a bola nos pĂŠs, Indicativo tambĂŠm se arrisca a cantar. Ainda sobre a mesma questĂŁo, E quem o vĂŞ em shows, atĂŠ pode imaginar fontes muito prĂłximas admitem que DLQVDWLVIDomRGR5RQQLHFRPD que isso ĂŠ obra dos organizadores. Que ĂŠ alguma caitituagem. Nada disso. É o prĂłprio *D]HWDpQRWyULD Para complicar, ele nĂŁo teria Neymar quem se convida, e faz questĂŁo de gostado de ceder parte do seu KRUiULRSDUDH[LELomRGHÂłSURJUDPDV marcar presença. Algo natural, pela idade e experimentaisâ€?. Se sĂŁo “experimenfacilidades. Quem vai dizer nĂŁo pra ele? taisâ€?, entende-se, a faixa nobre nĂŁo AliĂĄs, a sua presença jĂĄ estĂĄ praticamente deveria se prestar para isso. certa no Festival de VerĂŁo – Salvador 2012. Falam inclusive que o prĂłprio jogador jĂĄ colo- Viagem de volta cou um jatinho Ă  sua disposição. Em meio a 7HUPLQRXRQWHPDFRQYHQomRGD Band... em Portugal. Parece piada. isso, tambĂŠm chama alguns adversĂĄrios pra Agora todos devem deixar o hotel, dançar. EXVFDUOXJDUHVQRVDYL}HVHYLDMDU

Bate-rebate Claudia Leitte vai gravar, nesta segunda-feira, a sua participação na vinheta de carnaval do SBT. ¡ Os trabalhos, como todos que acRQWHFHUDPDWpDJRUDHVWmRPDUFDGRV SDUDRVHVW~GLRVGD79$UDWX ¡ Silvio Santos encerrou as gravaçþes dos seus programas atĂŠ o ano que vem. JĂĄ estĂĄ em fĂŠrias. ¡ “Amor & Sexoâ€?, da Fernanda Lima, WDPEpPMiWHPOXJDUUHVHUYDGRQD JUDGHGD*ORERQRDQRTXHYHP ¡ Ainda nĂŁo hĂĄ na Record nenhum projeto em estudos sobre lançamento de novo programa de humor. ¡ AliĂĄs, tudo que diz respeito Ă  grade do ano que vem sĂł a partir de agora serĂĄ discutido mais intensamente. ¡ NĂŁo existe nenhuma outra novidade, alĂŠm do que jĂĄ foi intensamente divulgado, como “Ă?dolosâ€?, “Fazendaâ€?, “O Aprendizâ€? e, provavelmente, um talk show do Roberto Justus. Ă‚$*ORERPRELOL]RXPDLVGHSURÂżVVLRQDLVQRVGRLVGLDVGHJUDYDo}HVGR HVSHFLDOÂł6KRZGDYLUDGD´QR&UHGLFDUG Hall, em SĂŁo Paulo. ¡ Em relação Ă  parte musical, foram mais de 40 artistas. Ă‚6HJXQGRRGLUHWRU$OR\VLR/HJH\TXH reconhece que foi impossĂ­vel atender a todos os pedidos, participaram dessa HGLomRRVQRPHVTXHKRMHHVWmRQR topo das paradas de sucesso. ¡ No programa, alĂŠm de 16 câmeras da Globo, ele tambĂŠm contou com equipamentos independentes.

de volta ao Brasil, depois de trĂŞs dias conversando por lĂĄ sobre os problemas daqui.

A propĂłsito... O que mais se ouviu, especialmente nos interiores da prĂłpria Band em SĂŁo Paulo nesses Ăşltimos dias, foram as piadas sobre essa tal ÂłFRQYHQomR´HP3RUWXJDO $OLiVWDPEpPFRQKHFLGDSRUDTXL como “a farra do bacalhauâ€?.

SÊrie da Record 1 0LOKHP&RUWD]ID]HQGRXP policial linha dura, serå o proWDJRQLVWDGH³&KDSDTXHQWH´ título provisório do próximo seriado do Marcílio Moraes, que a Record vai realizar com DSURGXWRUDSDXOLVWD*XOODQH 7RGDDSURGXomRVHUiDPELHQWDGDQR5LRGH-DQHLUR

SÊrie da Record 2 (PFDGDHSLVyGLRGH³&KDSD Quente�, no total de quatro, um crime serå investigado e resolvido, mostrando como o funcionamento da cidade interliga todos os tipos de moradores e visitantes. *UDYDo}HVSUHYLVWDVQRSULPHLUR trimestre de 2012.

&¡HVWÀQL Desejo

Problema

&RORFDUXPDQRYHODQRDUDSDUWLUGH janeiro, para evitar os complicados PHVHVGHQRYHPEURHGH]HPEURpR GHVHMRGHTXDOTXHUDXWRUGD*ORER( FRP*OyULD3HUH]QmRVHULDGLIHUHQWH (pSRUDtTXHHODSUHWHQGHFRPHoDU o seu prĂłximo trabalho, depois do -RmR(PDQXHO&DUQHLURQDIDL[DGDV 21 horas, que serĂĄ ambientado na Turquia.

Para que a nova novela da *OyULDFRPHFHHPMDQHLURGH 2013, ela precisarå contar – antes de tudo – com a FRODERUDomRGRVHXDQWHFHVVRU RSUySULR-RmR(PDQXHO ³$YHQLGD%UDVLO´MiGH¿QLGD para estrear em abril do ano que vem, terå que ser espichaGDDWpOi

4XLQ]p0DOYLQR6DOYDGRUH7HRGRUD &DUROLQD'LHFNPDQQYmRSURWDJRQL]DU cenas quentes nos próximos capítulos GH³)LQD(VWDPSD´QD*ORER7LSRWHPSHUDWXUDPi[LPD,VVRpXPDFRLVD $RXWUDpTXHDSHUVRQDJHPGD &DUROLQDDOJXPWHPSRGHSRLVWHUi concorrência. Entrarå em cena uma outra mulher, que o autor Aguinaldo Silva ainda não UHYHODTXHPpSDUDIRUPDUXPWULkQgulo amoroso. (QWmRpLVVR0DVDPDQKmWHPPDLV Tchau

HORĂ“SCOPO PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br

Š Revistas COQUETEL 2011

Agência da ONU que Fechar luta contra a fome com rolha São inafiançåveis, segundo a Justiça brasileira

Cantor canadense que começou sua carreira postando seus vídeos no "You Tube" Madeira de móveis de luxo

A de Lula iniciou-se em 1982, em SP Controle alimentar realizado no spa

Alisar ou desgastar pela fricção Ameaçadores; provocantes Meio de regulação tÊrmica do corpo

O "colarinho" do chope (pl.)

A maior do Brasil ĂŠ a de MarajĂł

Assento sem encosto ou braços

Equipes A de professor ĂŠ "prof."

Quente, em inglĂŞs Prova automobilĂ­stica

Parte mais preciosa do esturjĂŁo

Ausentase do recinto

O

AnĂ­sio Teixeira, educador

Instrumento semelhante ao violino

V A Criaçþes do redator de humor Juiz que antecedeu Samuel (Bíb.) Combustível obtido de óleos vegetais

Mapa, em inglĂŞs Cauda

Ă cido do Lance de disputa, cĂłdigo genĂŠtico no basquete (abrev.)

Tomba Cidade natal de Beethoven

O indivĂ­duo de quem se fala

Rocha, em francês O leão, Tamanho em rela- intermeção ao gnu diårio de roupas Cozinheiro de grande habilidade (pop.)

3/hot — map — roc. 4/bonn. 8/predador. 9/jacarandå — tamborete. 10/mestre-cuca.

94

Solução P A P T S

F J A U O S T A I M N B R I A E L B I E R E L M E

H E D I O N D O S ES

C R I M

T A R A P L H A B O R S O T V I AT A S R D I E N O B A D O T T R E

C N D A U I R E R E T E S A I P R U R A M A P A B O S E L C A I R T O N I C U CA

BANCO

Sufixo de Causa aflição "etanol" (?) Garrido, ator e cantor fluminense

Ă RIES - (21/3 a 19/4) – A partir de hoje MercĂşrio pode atravancar seus caminhos por causa da falta GHFODUH]DHGHÂżQLo}HVDUHVSHLWR de viagens e deslocamentos em geral. Tenha copias de documentos importantes. RevisĂŁo de trabalhos na universidade. Dica do Dia: Prepare-se para reabsorver antigas atividades que se encontram estagnadas, elas precisam ser reativadas. TOURO – (20/4 a 20/5) – MercĂşrio YDLPH[HUFRPVXDVÂżQDQoDVDWp meados de dezembro. A partir de hoje, pode haver atraso no pagamento de valores com os quais vocĂŞ estĂĄ contando. Reveja tudo FRPDWHQomRQmRGHL[HSDVVDURV detalhes. O erro estĂĄ neles. Dica do Dia: Hora de cuidar do que pPDLVQHFHVViULRHTXHQmRSRGH PDLVÂżFDUVHQGRGHL[DGRGHODGR GĂŠMEOS – (21/5 a 21/6) – Seu UHJHQWH0HUF~ULRFRPHoDDUHWURDJLU a partir de hoje. O fato astral mexe bastante com sua vida; vocĂŞ entra num pique de revisĂŁo geral. SĂłcios e parcerias podem voltar atrĂĄs em projetos e iniciativas. Dica do Dia: Fique na sua e dĂŞ o mĂĄximo de si SDUDSRGHUUHVROYHUTXHVW}HVTXH QmRSRGHPÂżFDUPDLVVHPVROXomR CĂ‚NCER – (22/6 a 22/7) – Problemas de saĂşde podem ser de difĂ­cil diagnostico com MercĂşrio retroagindo a partir de hoje em SagitĂĄrio. 6HULDERPYHULÂżFDUFRQWUDWRVFRP VXEDOWHUQRVWDPEpPFRUUHo}HV serĂŁo necessĂĄrias. 7DUHIDVWHUmRGHVHUUHIHLWDVDWp 13/12. Dica do Dia: Problemas com custos HÂżQDQoDVSRGHUmRWUD]HUXPGLD WHQVRPDVSDUWLQGRSDUDVROXo}HV LEĂƒO – (23/7 a 22/8) – MercĂşrio promete trazer de volta amores do passado, e duvidas a respeito dos atuais. Seu movimento de retroJUDGDomRWHPWXGRDYHUFRPLVVR HGXUDDWp9DOHDSHQDWHU paciĂŞncia e saber discriminar melhor o que vocĂŞ deseja. 'LFDGR'LD3UHVWHPDLVDWHQomR ao seu lar e tente atender aquelas VLWXDo}HVTXHVyYRFrSRGHHGHYH fazer. VIRGEM Âą D Âą9HOKRV temores retornam para azucrinar

vocĂŞ, trate de resolver suas pendĂŞnFLDVSDUDSRGHUÂżFDUPDLVOLYUH Dica do Dia: Dia de voltar atrĂĄs para resolver pendengas, nĂŁo se LUULWHDSHQDVpSUHFLVRID]HULVVR LIBRA – (23/9 a 22/10) – Muito cuidado a partir de hoje com tudo o que falar, escrever, assinar; 0HUF~ULRUHWURDJHHP6DJLWiULRDWp DWUDSDOKDQGRDFRPXQLFDomR com seu meio ambiente. Palavras suas podem ser usadas contra vocĂŞ. Pense bem antes. Dica do Dia: Aproveite o clima de sentimentalismo para colocar as VXDVHPRo}HVHPGLDHDSURYHLWH SUDUHYHUVLWXDo}HVHVWDJQDGDV ESCORPIĂƒO – (23/10 a 21/11) – Fim de perĂ­odo com aquele brilho e carisma pessoal, retomada da vida normal e tarefas pendentes. Dica do Dia: Fase de reencontros com coisas nĂŁo resolvidas que SUHFLVDPGDVXDDWHQomRHYLWHIXJLU delas. SAGITĂ RIO – (22/11 a 21/12) – Freios acionados, vocĂŞ vai precisar cuidar de antigos detalhes que HVWmRLPSHGLQGRRVHXDYDQoR Dica do Dia: Prepare-se para o impacto da parada em seus objetivos e para rever coisas passadas, dedique-se a resolvĂŞ-las. CAPRICĂ“RNIO – (22/12 a 19/1) – Hora de revolver o passado e tirar do baĂş velhas pendĂŞncias que SUHFLVDPWHUXPUHVXOWDGRÂżQDO Dica do Dia: Recarregue as suas EDWHULDVSDUDWHUGLVSRVLomRVXÂżciente para atender a todos os seus compromissos. AQUĂ RIO – (20/1 a 18/2) – Depois do sucesso vĂŞm as contas a serem pagas, momento GHID]HUEDODQoRVHUHDYDOLDUD VLWXDomR1RDPRUVHQWLPHQWDOLVPR poderĂĄ deixar vocĂŞ esgotado. Dica do Dia: Hoje o lar e as tarefas SHQGHQWHVH[LJHPDVXDDWHQomR DFDOPHVHHGrDDWHQomRGHYLGD PEIXES Âą D 3pÂżQFDGR QRFKmRHPXLWDVFREUDQoDVSDUDDV SHVVRDVHPUHODomRDFRLVDVTXH QmRHVWmRFHUWDV1RDPRU5HWRUQR GDSDL[mRQDUHODomRRVVHQWLPHQtos estarĂŁo mais valorizados. Dica do Dia: Evite desgastes e sentimentalismos exagerados, as pessoas tĂŞm que ter mais consciĂŞncia e responsabilidade.

NOVO POKÉMON

Cena de “Amanhecerâ€? provoca convulsĂŁo em espectadores

U

PDFHQDGRĂ€OPH “Amanhecer - Parte 1â€?, que estreou no mundo todo na Ăşltima sexta-feira, tem provocado convulsĂľes em espectadores nos Estados Unidos, informa a CBS. Segundo relatos vindos de diversas partes do paĂ­s, uma cena em que luzes vermelhas, pretas e brancas piscam na tela leva espectadores Ă  mesma reação. Uma fonte mĂŠdica de Sacramento &DOLIyUQLD DĂ€UPDTXHD cena pode desencadear epilepsia fotossensĂ­vel, que ĂŠ uma condição rara que pode ser provocada em pessoas com predisposição genĂŠtica. A convulsĂŁo ĂŠ provocada pelas luzes vermelhas piscantes. Segundo a CBS, trata-se do mesmo mecanismo que levou crianças a sofrer convulsĂľes ao assistir um episĂłdio do desenho “PokĂŠmonâ€? na TV na dĂŠcada de 1990.

VESTIDO As lojas CHNY, da Carolina Herrera, vĂŁo passar a vender no ano que vem vestidos de noiva com o mesmo estilo do usado pela personagem Bella Swan HPVHXFDVDPHQWRQRĂ€OPH “Amanhecer - Parte 1â€?, da saga “CrepĂşsculoâ€?. O vestido branco com um laço nas costas foi feito especialmente para a atriz Kristen Stewart pela estilista nova-iorquina, que disse WHUĂ€FDGROLVRQMHDGDTXDQGR recebeu a encomenda e se sentiu pressionada a desenhar uma peça que agradasse aos fĂŁs de “CrepĂşsculoâ€?. “Eu queria criar um momento mĂĄgico para eles no casamentoâ€?, disse Herrera Ă  Reuters, durante a estreia GRĂ€OPHQDVHPDQDSDVVDda. “Ela ĂŠ uma garota inocente que estĂĄ encontrando seu primeiro amor verdadeiro, portanto, hĂĄ romance, hĂĄ magia, hĂĄ tudo junto.â€?


4

DIVERSĂƒO&ARTE

felipe1camelo@gmail.com

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2011

felipecamelo@saladaonline.com.br

camelofelipecamelo.blogspot.com

2JRYHUQRHDSUHIHLWXUDHVWmRID]HQGRDSDUWHGHOHVRÂľWUDGHÂś WXUtVWLFRWDPEpPWUDEDOKDPRDQRWRGRSUDDWUDLUWXULVWDVPDVVHD SRSXODomRQmRFRORFDUROL[RQROL[RPDQWHQGRUXDVHSUDLDVOLPSDV HRVSUHVWDGRUHVGHVHUYLoRVQmRH[DJHUDUHPQDVFREUDQoDVH[SORUDQGRHOHVQmRYROWDP1D~OWLPDÂ?SDVVDQGRSHOD$YHQLGDGD Paz, lĂĄ tava o Grand CelebrationDEULQGRDWHPSRUDGD1DFHQD LQDXJXUDomRGRSURYLVyULRWHUPLQDOGHSDVVDJHLURV(VSHURTXHR GHÂżQLWLYRVHMDLQDXJXUDGRHPEUHYHMiTXHDFUHGLWRQDIRUoDGR WXULVPRFRPRSURJUHVVR

Tava cortando os cabelos quando Duarte Miranda recebeu superconvite; ¿TXHLLQFUtYHOFRPD criatividade e beleza. JosÊ Ivon, Paulo Fernando, Ana Paula H)DPtOLDVFRQYLGDQGRSUDFRPHPRUDção dos 80 anos de Maria das Dores Tenório Maia, carinhoVDPHQWHFKDPDGD Dorinha. A Sereia, a Catedral, a Fazenda HR*RJyGD(PD reperesentando a RULJHPDODJRDQD O Cristo Redentor, os Arcos da Lapa, o -DUGLP%RWkQLFRR Pão de Açúcar, representando o Rio de -DQHLURRQGHPRUD a vida toda. Os presentes, doaçþes pra 1 instituição daqui e outra de lå. Que seja ainda + feliz

Foto Arte 26DOmRGH)RWRJUDÂżDGD)XQGDomR3LHUUH Chalita destina-se a fotoartistas residentes em Alagoas e serĂĄ aberto no dia 19 de janeiro de ÂżFDQGRHPFDUWD]DWpRGLDGHPDUoR VHJXLQWH$VREUDVIRWRJUiÂżFDVQmRHVWDUmR sujeitas a qualquer tipo de critĂŠrio, tema, assunto ou tĂŠcnica adotada, sendo garantida ao autor a mais ampla liberdade de criação nos limites das determinaçþes previstas no regulamento. O jĂşri serĂĄ composto por 5 integrantes FRPFRQKHFLPHQWRGDIRWRJUDÂżDQDFLRQDOH internacional, nĂŁo ligados a quaisquer dos PHPEURVÂżOLDGRVDR6DOmRGH)RWRJUDÂżDGD Fundação Pierre Chalita. - 1Âş lugar: PrĂŞmio Braskem – R$ 3.000,00; 2Âş lugar: PrĂŞmio Fundação Pierre Chalita – R$ 1.000,00; 3Âş lugar: PrĂŞmio Fundação Pierre Chalita – R$ $VREUDVFODVVLÂżFDGDVGRžDRž OXJDUUHFHEHUmRFHUWLÂżFDGRVGHÂł0HQomR +RQURVD´FRQFHGLGRVSHOR6DOmRGH)RWRJUDÂżD da Fundação. As inscriçþes, desde o Ăşltimo dia 19, a 10 de janeiro, mediante a entrega do material a ser exposto na Fundação Pierre Chalita, situada na Praça Manoel Duarte, 77 – JaraguĂĄ. De 2ÂŞ a 6ÂŞ, no horĂĄrio comercial e sĂŁo gratuitas. +, no fundacao@fundacaopierrechalita.com.br e www.fundacaopierrechalita.com.br. No comando de tudo, Solange Lages Chalita. Na cidade, pra participar da XXVIII 6HPDQD7HRW{QLR9LOHODFXMDDEHUWXUD DFRQWHFHXQD)XQGDomRHP-DUDJXiQD ~OWLPDÂ?Lena Vilela nĂŁo perde a oporWXQLGDGHSUDPDQWHURSLTXHHRULWPR A trilha sonora, das + variadas. “Gosto GHWXGR&DPHOR´PHFRQÂżGHQFLRXEHP KXPRUDGDFRPRVHPSUH

Muitas Novidades

Os pequenos HeloĂ­sa & HeitorFKHJDUDPDQWHVGD KRUDPDVFRPVD~GHH DV*UDoDVGH'HXV'HÂ? YLDJHPWaleska Nobre & Edivaldo de Mello babando HPGRVHGXSOD$OLiVDIDPtlia toda

ASSESSORIA

DTA 12 “Hoje fazemos 12 anos de mercado, de luta e persistĂŞncia, de trabalho sĂŠrio. Agradecemos o carinho de todos que trilham conosco esse caminho, que curtem a nossa marca, que nos dĂŁo o prazer de participar de suas vidas. A DTA MaceiĂł agradece a conÂżDQoDGHFDGDXPHVHRUJXOKD PXLWRGDFRQÂżDQoDTXHFDGD um de vocĂŞs deposita em nĂłs. Muito obrigada!!!!!!!â€?. Pelo facebook na Ăşltima 6ÂŞ, querida Paula Farias retribuindo e comemorando. ParabĂŠns, querida, inclusive por esta data...

Coordenadora tÊcnica da IntercoiffuUH%UDVLO1RUWHH Nordeste, Mônica CasadoHDV¾KDLU stylists’ Marcela Normande e Aline Oliveira e D¾PDNHXSDUWLVWœ Monique Casado GLSORPDGD0HPbro da Intercoiffure Mundial) estiveUDPHP6mR3DXOR QD$VVHPEOHLD 6HFomR%UDVLO(P 2012, a reunião anual reunirå DTXLHP0DFHLy WRGRVRV0HPEURV Intercoiffure do 3DtVXPDV SHVVRDV)DPtOLD &DVDGRVyWHP feras

O diretor de criação da OC Promo, Rafael Machado, serå 1 dos palestrantes do Adobe Camp Brasil 2012. O publicitårio foi convidado pelo CEO da Action Creations, organizadora do evento, pra falar sobre as novidades das versþes dos softwares de design que serão lançados em abril e sua utilização na criação promocional, alÊm de 1 abordagem sobre o Marketing Promocional. O encontro acontece nos dias 27 e 28 de abril de 2012, no auditório do Ritz Lagoa da Anta. 2º dados da empresa organizadora, em 2010 o evento, que era chamado de Flash Camp, registrou 300 participaçþes; em 2011 o nº de presenças dobrou, e pra 2012 a expectativa Ê atingir 1.000 participaçþes. Dentre os assuntos que serão discutidos, destacamse as últimas novidades da Adobe, design e development pra dispositivos móveis, plataformas e app stores disponíveis no mercado, 3D e Games, futuro da interatividade e interação humana apresentadas por líderes mundiais no assunto, entre outros. Haverå ainda 1 concurso inÊdito no Brasil de Vídeo Digital, Motion Graphics, Design, )RWRJUD¿D,OXVWUDomRH&ULDomRGH$SOLFDWLYR pra dispositivos móveis. +, no www.adobecampbrasil.com.br. Da CBS Comunicação, Camila Barini e Deise Lima informando. Ah! As vagas são limitadas.

IaiĂĄ Cozinha de VĂł “NĂŁo precisa ir tĂŁo longe para saber que a paixĂŁo da chef Michelle Welker pela cozinha jĂĄ faz parte da sua histĂłria hĂĄ tempos. Ainda menina, na cidade de Petrolina, no SertĂŁo de Pernambuco, Michelle se encantava com as artes nas panelas feitas pela avĂł, Dona Maria MercĂŞs, de um jeito bem simples. Hoje, os sabores aprendidos na infância servem de inspiração para o cardĂĄpio do mais novo espaço gastronĂ´mico de MaceiĂł, IaiĂĄ Cozinha de VĂł, que serĂĄ inaugurado nos prĂłximos dias, no coração do Stella Maris. No cardĂĄpio farto do IaiĂĄ Cozinha de VĂł, delĂ­cias como Pernambucanamente cozido (tradicional cozido de carne), Pintado (mungunzĂĄ salgado com carnes, milho e feijĂŁo de corda), De Carneiro? E apois!(carneiro guisado), alĂŠm dos petiscos como panelinha de miĂşdo de galinha, Caldinho de MocotĂł, Bolinho de Kitut e, Kibe de cuscuz, e das sobremesas deliciosas como Doces em compota, Bolo de rolo e, ‘Din-din’ (aqui, conheFLGRFRPRĂ€DX $SDUWLUGHòGLDHò,DLi&R]LQKDGH9yDEULUiVXDVSRUWDV especialmente para receber a imprensa. Em clima descontraĂ­do, a chef Michelle Welcker vai apresentar aos jornalistas convidados algumas das fartas delĂ­cias que compĂľem o cardĂĄpio da casaâ€?. Texto da jornalista Lis Nunes badalando a cena. Ah! No 370 A da Eng. Paula BrandĂŁo Nogueira, (ao lado do Divina Gula).

1D~OWLPD�IXLžD6DQWD+RQGHPerla de Melo GomesUHFHELDFRPHPRUDQGRDQLYHUViULR GH%HWKkQLD'XFDUPR'HOi¾1DWDOGR0DFHLy Facilities Record’ onde a arquiteta Ceres Vasconcelos assina + 1 inspirado trabalho (roubando a cena dos avós-coruja, à lvaro e Ceres, a pequena Anita 'HOiFRUULSUD3UDoD6LQLPEXRQGHD reitora Ana Dayse Dórea UHFHELDKRPHQDJHQV de despedidas pela aposentadoria, abrindo a ([SRVLomR¾/L[RRX$UWH" TXHQHPURXSD œGH Raimundo Brito, e DSUHVHQWDYDVXSHUFDWiORJR¾SLQDFRWHFDXQLYHUVLWiULDQDDUWHGRVpFXOR;;,œ'HOtFLDGHQRLWH 5DURPRPHQWRHPTXHDIRIDHWDOHQWRVDFKHI0LFKHOOH:HONHUQmR HVWiSLORWDQGRIRUQRIRJmRPLVWXUDQGRWHPSHURVHPSDQHODVH FDoDURODV$YLGDJDVWU{GDFLGDGHJDQKDHVWUHOD7LP7LP,DLi


Edicao numero 1304 - 27 de novembro de 2011