Issuu on Google+

cmyb

Quinta-feira

TRIBUNA DO VALE 12 DE JANEIRO DE 2012

DIRETOR: BENEDITO FRANCISQUINI

290 180

ANO XVI - N0 2061 - R$ 1,00

www.tribunadovale.com.br

S.A.PLATINA

Número de homicídios é quase três vezes maior que o aceitável Arquivo

Os índices de violência em Santo Antônio da Platina atingiram níveis de ‘epidemia’. Em 2011, foram 12 homicídios registrados, número quase três vezes maior que o aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que trabalha com o limite de 10 mortes a cada 100 mil habitantes. O tolerável para o município de 42 mil habitantes seria, no máximo, quatro assassinatos. Santo Antônio lidera o ranking no Norte Pioneiro concentrando 41% dos 29 casos registrados nas 22 cidades de abrangência da 12ª Subdivisão Policial de Jacarezinho, além de ficar à frente de municípios como Ourinhos (SP) que, com uma população de 102 mil habitantes, teve apenas oito crimes do gênero em 2011.  PÁG. A6

JACAREZINHO Prefeita acusa Santa Casa da Misericórdia recebe Chiquinho de R$ 56 mil de incentivos atrasados pedir cargo em troca de apoio

Antônio de Picolli

A prefeita de Santo Antônio da Platina, Maria Ana Pombo (PT), acusa o vereador Francisco de Proença Júnior (PPS), o Chiquinho, de pedir cargo político em troca de apoio aos projetos do Executivo na Câmara Municipal. Maria Ana afirma que o vereador a teria procurado para pedir que o ex-conselheiro tutelar, Geraldo Silva, fosse empossado como secretário de Assistência Social. Em troca, Chiquinho daria apoio aos projetos na Câmara. O vereador, porém, nega as acusações.  PÁG. A3

CAMBARÁ

Prefeitura abre 137 vagas em concurso público 

PÁG. B1

O Hospital Santa Casa da Misericórdia, de Jacarezinho, recebeu uma quantia de R$ 56 mil na última sexta-feira, valor referente ao acumulado dos meses de julho, agosto, setembro, outubro

VOLTA ÀS AULAS

Antecipação de compras do material escolar movimenta papelarias Antônio de Picolli

Faltando menos de um mês para volta às aulas, o movimento das papelarias e lojas do ramo em Santo Antonio da Platina se intensificou durante esta semana. Com a lista em mãos, muitos pais encararam a maratona dos orçamentos e já iniciaram a pesquisa de preços, aproveitando o período mais calmo para antecipar as compras.  PÁG. B1

e novembro de 2011 do Incentivo de Adesão à Contratualização (IAC), que estavam atrasados. A verba foi repassada pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).  PÁG. A8

SAFRA

Governo prepara medidas para reduzir impacto da estiagem 

PÁG. A5

FÉRIAS

Sesc Verão promove recreação em Santo Antonio e Jacarezinho 

PÁG. A8

IBAITI

Prefeitura recebe R$ 199 mil para reforma de ginásio 

PÁG. B1

cyan magenta yellow black


A-2 Opinião

TRIBUNA DO VALE

Governo e empresários do setor têm muito o que conversar para a legislação avançar de forma a atender aos interesses e, principalmente, servir à comunidade, razão de sua existência.” Dirceu Cardoso

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Religiões, ideologias, costumes e interesses presidiram mudanças radicais e nem sempre acertadas. Podemos dizer que hoje temos o resultado de séculos de experimentações, incompreensões, entendimentos e desentendimentos.”

A RTIGO

E DITORIAL

Dirceu Cardoso *

Oxigênio da sociedade Política é a arte ou ciência da organização, direção e administração de nações ou Estados. Ela está presente em todas as nossas ações e sua finalidade é o aperfeiçoamento e a consequente harmonia da sociedade na busca constante de melhores condições de vida. A palavra vêm desde a ação dos gregos em suas cidades-estado, denominadas “polis” e surgidas no século VIII a.C. Os cidadãos – então chamados “politikos” - se reuniam na praça e decidiam os destinos e as melhorias da comunidade. As cidade de então eram pequenas. O crescimento tornou impossivel a prática pessoal, e o caminho encontrado foi o da representação. Num determinado dia, o povo é chamado a votar em eleições e escolhe, entre centenas ou até milhares de candidatos, os concidadãos para representá-lo no Executivo e no Legislativo. No Brasil, elegemos presidente da República, governadores e prefeitos para cuidar do Poder Executivo e senadores, deputados federais e estaduais e vereadores para compor o Poder Legislativo. Da polis até nossos dias, muita água passou debaixo da ponte. Os pensadores gestaram inúmeras formas de governo, outras se impuseram por conta de guerras e revoluções e muita coisa – boa e ruim – aconteceu. Religiões, ideologias, costumes e interesses presidiram mudanças radicais e nem sempre acertadas. Podemos dizer que hoje temos o resultado de séculos de experimentações, incompreensões, entendimentos e desentendimentos. Política, no sentido original do termo, é o oxigênio do ar que se respira na sociedade mundial. A atividade está presente em HORÁRIO DE FECHAMENTO

22:10

todos os pontos onde há a presença humana e não se restringe à ação partidária. Todo ato de relacionamento entre indivíduos, grupos, ideologias, crenças e interesses é exercício político. A política começa no lar, através do relacionamento entre pai, mãe, filhos e irmãos e estende-se por sendas infinitas e inimagináveis. É através dela que as empresas, entidades sociais, organizações religiosas, agremiações esportivas e todas as áreas de interesse humano interagem e se desenvolvem. Desde a antiga Grécia, o homem é considerado um animal político, e assim continuará enquanto viver em sociedade. Todos os seus atos são políticos, mesmo que ele não se dê conta disso. Infelizmente, a política e político partidário tornaram-se palavrões na opinião de expressiva parcela da população brasileira. Resultado de desmandos cometidos por maus políticos e falta de uma boa solução aos seus agravos. A própria política, no entanto, pode levar à solução dos erros com a mais justa e transparente aplicação das sanções aos errantes. Para tanto, a sociedade, como titular e destinataria de todas as “políticas” precisa estar permanentemente mobilizada para, por seus meios, cobrar o cumprimento de boas políticas na administração pública, no Judiciário, na igreja, no clube, no local de trabalho, na vizinhança e em toda parte. Em vez da cômoda postura de desgostar, se afastar ou até odiar os políticos partidários, cada um do povo, deve a fazer a sua “política”, pela melhoria de suas condições de vida e da dos seus semelhantes. Quanto aos errantes a força politica da própria sociedade organizada será suficientemente forte para expurgá-los.

C HARGE

NESTA EDIÇÃO TEM

22 PÁGINAS CADERNO PRINCIPAL - OPINIÃO - POLÍTICA - GERAL - CIDADES - COTIDIANO - ESPORTES - AGRONEGÓCIO

A 01 - 08 A 02 A 03 A 04 A 05 A 06 A 07 A 08

2ª CADERNO - AGRONEGÓCIO - ATAS & EDITAIS - SOCIAL

B 01 - 08 B 01 B 02 - 07 B 08

3º CADERNO - ATAS & EDITAIS

C 01 - 06 C 01 - 06

Editorial

PREVISÃO PARA HOJE

290 1 80

A organização e a liberdade de imprensa A concessão e a regulação dos meios de comunicação já renderam muitas críticas e desconfianças, principalmente porque, durante muito tempo, as outorgas de prefixos de rádio e tv constituíram moeda de troca política. Daí o grande número de parlamentares e caciques políticos, mesmo sem qualquer vínculo anterior ao setor, hoje deter jornais, estações e até redes de radio e tv em suas áreas de atuação política. Agora, o avanço da tecnologia – especialmente a internet – mudou o perfil do setor e muitas empresas que detinham apenas jornal, rádio ou televisão, passaram a operar os três modais, muitas vezes dentro de um mesmo portal. A realidade já instalada por todo o país coloca por terra as restrições até hoje vigentes para a propriedade simultânea de vários formatos. Na prática, ela já existe, no âmbito da internet e não há mais razão para não se abrir o mercado também para a outorga de prefixos e o funcionamento dentro de bases legais e de consenso. O tema é sério, relevante e deverá propiciar profundas mudanças no Ministério das Comunicações e seus órgãos. Governo e empresários do setor têm muito o que conversar para a legislação avançar de forma a atender aos interesses e, principalmente, servir à comunidade, razão de sua existência. A presidente Dilma Rousseff foi bastante clara, em seu discurso de posse, quanto ao seu propósito de manter a mais cristalina liberdade de comunicação no país. Isso é muito bom para a democracia e difere do comportamento de setores do governo passado que, a seu modo, pretendiam fazer o controle estatal dos meios de comunicação. É importante que o novo “status” das concessões seja resultado da mais ampla troca de informações para evitar desequilíbrios e vícios do passado. As outorgas têm de ser direcionadas àqueles que melhor possam operar os veículos de comunicação e com eles servir à comunidade, não aos que possam garantir maioria no Congresso ou algo do gênero. O desenvolvimento do país e a manutenção da própria democracia passam naturalmente por esse caminho. É preciso ter claro que os veículos de comunicação constituem meios de informação, cultura, educação e lazer do povo. Suas páginas e programação devem conter espaços para a divulgação e discussão dos problemas comunitários e disponibilização de informações que possam melhorar a vida da população. Podem até funcionar como pêndulo e acabar por influir na eleição de governantes e membros do legislativo, mas isto como conseqüênc ia de todo um trabalho de base. Nunca como missão principal e até única, como já se viu. Para ser bom, um jornal, rádio ou televisão – dizia um amigo, decano das comunicações – têm de ter vida própria, como reflexo da comunidade a que serve, independente até do que pensam os seus controladores. Se não for assim, é melhor que o povo recorra a panfletos, cartazes e até à comunicação boca-a-boca para defender seus interesses. Espera-se que os encarregados da nova legislação sejam capazes de oferecer a melhor organização ao setor e suficientemente inteligentes para, em momento algum, esbarrar no sagrado direito do povo ser bem e livremente informado. *Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves ‒ dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

A RTIGO SANTO ANTÔNIO DA PLATINA

André Lobo Faro *

A RTIGO

O que esperar do agronegócio em 2012?

Pedro Cardoso *

Toda crítica à rede mundial de computadores, conhecida popularmente como internet, só seria justa se ela não fosse colocada como agente. Ela não passa de uma ferramenta de informação que instrui, facilita a pesquisa e a aquisição de informações. O mau uso dela é como o mau uso do celular, do carro, que muitos utilizam até para matar. Ainda que óbvio, devese reforçar que o mal não está na ferramenta. Mas a internet sempre paga pelo que algumas pessoas devem. Quando os crimes de saidinha de banco crescem, proíbe-se o uso de celular; quando os presos pagam a agentes corruptos e se libertam, cortam-se os sinais de celular na região do presídio. Assim, as autoridades atuam firmes contra as ferramentas de comunicação, enquanto a criminalidade cresce descontroladamente. Apesar dos abusos na sua utilização, a internet tem uma grande valia para todos. Recentemente, recebi uma corrente,

Corrente do bem

e-mail eleatório de autoria desconhecida, com cinco informações importantes. Primeiro, informava sobre a existência do saite www. cartorio24horas.com.br, no qual se pode tirar, de qualquer lugar, uma cópia das certidões de nascimento e de casamento; de óbito, de imóveis e protestos, além de outros documentos. Recomendava a existência do telefone gratuito 0800 2800102 para obter informação, não divulgado pela empresa Telefônica, que divulga em demasia o número 102, pelo qual se paga R$ 1,20 por ligação. Em seguida vinha a informação da possibilidade de se tirar uma segunda via da carteira de habilitação, de identidade e licenciamento de veículos, pelos quais se mencionava o valor respectivo de, R$ 42,97, 32,65, e 34,11. É preciso apresentar cópia sem autenticação de boletim de ocorrência por furto ou roubo. Não havia a informação em qual estado não era cobrado esse va-

TRIBUNA DO VALE

O Diário da nossa região - Fundado em agosto de 1995 Editora Jornal Tribuna do Vale LTDA CNPJ 01.037.108/0001-11 Matriz: Rua Tiradentes 425, Centro Santo Antônio da Platina, PR Fone/Fax: 43 3534 . 4114

Diretor Responsável Benedito Francisquini - MTB 262/PR tribunadovale@tribunadovale.com.br tribunadovale@uol.com.br

lor, mas a lei 3.051/98 pertencia ao estado do Rio de Janeiro. Depois vinha um esclarecimento sobre a possibilidade de não se pagar nada por infração de trânsito leve ou média. Desde que não se tenha cometido a mesma falha nos últimos 12 meses, basta levar uma cópia da notificação da multa e da carteira de habilitação ao DETRAN do seu estado. Como faço agora, trazia a descrição do artigo 267 do Código de Trânsito Brasileiro, Lei Ordinária Federal nº 9.503/1997, “poderá ser imposta a penalidade de advertência por escrito à infração de natureza leve ou média, passível de ser punida com multa, não sendo reincidente o infrator, na mesma infração, nos últimos doze meses, quando a autoridade, considerando o prontuário do infrator, entender esta providência como mais educativa”. Em 30 dias recebe-se a advertência por escrito, com a perda dos pontos equivalente, mas não paga. Da quinta não tomei conhecimento

por trazer um vídeo apontando como as jornalistas da Globo ficavam em forma. Antes, é preciso que o brasileiro tome a decisão interior de agir e intervir. Não ficar com a bunda no sofá a dizer que “não vale à pena” ou que “não vai adiantar mesmo”. Adianta, ajuda a despertar outros hibernados, mas deveria acrescentar a cobrança por solução de outros fatos ou apenas não deixar cair no esquecimento. Como exemplo: como andam os rapazes que tocaram fogo no índio pataxó Galdino em Brasília; do afogamento de Edison Tsung Chi Hsueh na Universidade de São Paulo; como andam os moradores do morro do Bumba, em Niterói, no Rio de Janeiro, que perderam suas casas numa das tragédias decorrentes das chuvas de todo ano. Mas cada um deveria ter sua relação pessoal para não deixar cair no esquecimento. *Pedro Cardoso da Costa ‒ Interlagos/SP - Bacharel em direito

Representação: MERCONET Representação de Veículos de Comunicação LTDA Rua Dep. Atílio de A. Barbosa, 76 conj. 03 - Boa Vista - Curitiba PR Fone: 41-3079-4666 ¦ Fax: 41-3079-3633 Vendas Assinatura Anual R$ 200,00 Semestral R$ 100,00

Impressão e Fotolito: Editora Jornal Tribuna do Vale Fone/Fax : 43 3534 . 4114

A confiança no agronegócio brasileiro está alta, e não é por menos, já que o país sustenta o apelido de “celeiro do mundo”, devido a sua grande abrangência de exportação de produtos do campo. Para se ter uma ideia da boa fase, o PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio, que caiu 5,51% em 2009 em razão da crise mundial, saltou para 7% em 2010, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Em 2011, o PIB do agronegócio brasileiro cresceu 6,12%, totalizando R$ 822,9 bilhões. A Husqvarna, multinacional sueca líder em equipamentos para o manejo de áreas verdes, está de olho em três importantes setores do agronegócio: o campo, pela sua potência em oferecer produtos de qualidade para o país e para o mundo; o plantio e manejo de árvores, por ser um dos maiores setores em expansão, que atua como segunda fonte de renda para os produtores rurais e abastece mercados importantes, além de ser o reflorestamento um meio de preservar as florestas nativas; e os trabalhos em jardins residenciais, já que a empresa sempre esteve atenta às tendências de paisagismo, disponibilizando para o usuário doméstico conforto e produtividade ao cuidar do seu jardim. Crescimento no campo No agronegócio iremos focar no promissor setor de alimentos, já que, no cenário mundial, a produção precisa crescer 20% nos próximos dez anos para dar conta da demanda. No segmento cafeeiro, por exemplo, a Husqvarna oferece o Kit Café, composto por equipamentos de alto desempenho e facilidade no manuseio, ideais para profissionais que buscam produtividade no processo de plantio, colheita e manejo do café. Em 2012 a Husqvarna reforça a sua linha com produtos de alta tecnologia para oferecer o que há de melhor aos produtores rurais, para a manutenção das áreas verdes de suas propriedades. Florestas plantadas: uma solução inteligente Um dos últimos boletins da Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas (ABRAF) afirma que a área de reflorestamento de eucalipto apresentou um forte crescimento no Brasil, chegando a 32,3% em 2009. E de olho neste cenário, encontramos oportunidades para a expansão de vendas de nossos equipamentos que são referência em manejo de áreas verdes.

*André Lobo Faro é Gerente Nacional de Vendas da Husqvarna, líder no fornecimento de equipamentos para o manejo de áreas verdes. Circulação: Abatiá ¦ Andirá ¦ Arapoti ¦ Bandeirantes ¦ Barra do Jacaré ¦Cambará ¦ Carlópolis ¦ Conselheiro Mairink ¦ Figueira¦Guapirama ¦ Ibaiti ¦ Itambaracá ¦ Jaboti ¦ Jacarezinho Jaguariaíva ¦ Japira ¦ Joaquim Távora ¦ Jundiaí do Sul ¦ Pinhalão ¦ Quatiguá ¦ Ribeirão Claro ¦ Ribeirão do Pinhal ¦ Santo do Itararé ¦Santana do Itararé ¦Santo Antônio da Platina ¦ São José da Boa Vista ¦ Sengés ¦ Siqueira Campos ¦Tomazina ¦ Wenceslau Bráz

Filiado a Associação dos Jornais Diário do Interior do Paraná

* Os artigos assinados não representam necessariamente a opinião do jornal, sendo de exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.


Política A-3

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

O próprio Joel foi quem me procurou, pedindo que eu sugerisse um nome para a secretaria” Francisco Faustino de Proença

P anorama Regional B. Francisquini

Quem paga a conta O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Ricardo Lewandowski, e o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, irão firmar nesta quintafe i r a ( 1 2 ) p arc e r i a qu e facilitará a recuperação judicial de recursos gastos pelo Erário com as chamadas eleições suplementares, que são realizadas sempre que a eleiç ão regu l ar é anulada, em razão do indeferimento do registro da candidatura do eleito ou da cassação do seu mandato.

A partir de informações do TSE, o custo será cobrado pela AGU do candidato que deu causa à anulação do pleito. Por meio do convênio a ser assinado, o TSE informará à AGU o gasto ext ra com c ad a el e i ç ã o suplementar e fornecerá cópia do processo que levou à anulação do pleito, o que permitirá a identificação do candidato que teve o registro indeferido ou o mandato cassado, além dos motivos que levaram à condenação

Responsabilização Com os dados encaminhados pela Justiça Eleitoral, a Advocacia Geral da União pretende responsabilizar judicialmente àqueles que deram causa a anulação da eleição e cobrar destes candidatos os valores gastos. Desde as eleições municipais de 2008, foram realizadas 176 eleições suplementares e outras quatro estão marcadas para os três primeiros meses deste ano. Eleições Suplementares A Justiça Eleitoral realiza eleições suplementares sempre que o candidato eleito com mais de 50% dos votos tiver o registro indeferido ou o mandato cassado por prática de alguma irregularidade ou crime eleitoral. Alguns exemplos são compra de votos, abuso de poder político ou econômico, utilização indevida dos meios de comunicação, entre outros. Isso porque a condenação gera anulação do próprio resultado do pleito. Despesas A realização desse novo pleito resulta em custos para a Justiça Eleitoral, que tem seus recursos provenientes do Erário da União. É necessário o pagamento de despesas com auxílio alimentação dos mesários, transporte de urnas eletrônicas, entre outras medidas. Recursos protelatórios Desde 2009, é grande o numero de eleições suplementares. No ano anterior, o TSE alterou o seu entendimento acerca da invalidação dos votos do candidato que teve o registro indeferido, o que tornou mais difícil a permanência do político no cargo por meio de recursos protelatórios. Consulta Em sessão plenária realizada no dia 19 de dezembro de 2008, ao analisar uma consulta do TRE do Piauí, a Corte entendeu que não seria necessário aguardar o julgamento de todos os recursos apresentados pelos candidatos contra o indeferimento do registro de sua candidatura. Ou seja, no momento da totalização esses votos seriam desprezados e tidos como inválidos, estivesse o candidato com algum recurso pendente ou não. Caso esses votos representem mais de 50% dos votos válidos, uma nova eleição deve ser convocada. Mudança O entendimento anterior, que foi aplicado às Eleições 2004, era no sentido de aguardar o trânsito em julgado, ou seja, somente após o julgamento de todos os recursos apresentados pelo candidato é que seus votos poderiam ser invalidados. Curiosidade mórbida O povo tem um gosto pelas informações picantes e isso explica porque algumas colunas fazem sucesso ao focar apenas as polêmicas envolvendo figurões da política e economia. Ontem choveu telefonemas e mensagens na internet querendo saber quem é o empresário que teria apanhado da mulher. O fato ocorreu, mas não divulgaríamos os nomes porque é um problema familiar, que envolve pessoas da mesma família. Mas, se alguém sabe, conte para a coluna. Chocante Causou estupefação em muitos juristas e cidadãos comuns, a publicação de um artigo na edição de ontem dando conta da absolvição, em duas instâncias, de um homem acusado de manter relações sexuais com uma garota de 12 anos. O juiz de primeira instância e a câmara de desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, entenderam que não houve crime pelo fato da menina ter concordado com o relacionamento, assinalando, ainda, que ambos mantinham status de “namorados”. É de assustar simplesmente porque a lei sobre o assunto diz exatamente o contrário das decisões.

Prefeita acusa Chiquinho de tentar trocar cargo por apoio político na Câmara POLÊMICA Francisco de Proença Junior, o Chiquinho (PPS), adversário da prefeita Maria Ana, nega as acusações Benedito Francisquini

O vereador Francisco Faustino de Proença, o Chiquinho do Macarrão Net, PPS, desde que assumiu na Câmara Municipal de Santo Antônio da Platina, vem sendo um adversário feroz da prefeita Maria Ana Vicente Guimarães Pombo (PT), a quem desafiou na eleição para a presidência do Legislativo, lançando-se candidato e vencendo Celso de Souza Schmidt, na época no PMDB e hoje no PT, então candidato de preferência do Executivo. O perfil de opositor, no entanto, parece que não combina com a realidade, já que, na semana passada, Chiquinho tentou convencer a prefeita a disponibilizar-lhe a secretaria de Assistência Social em troca de seu apoio na câmara. Na tarde da última sextafeira, 6 de janeiro, Maria Ana recebeu em audiência, em seu gabinete, o vereador Chiquinho e se surpreendeu com o conteúdo do assunto que o levara ao local. Ele sugeriu que a prefeita nomeasse para ocupar pasta da Assistência Social, o exconselheiro tutelar Geraldo Silva, irmão do ex-vereador e empresário José Otávio da Silva; Em troca, ele garantiu que passaria a apoiar Maria Ana nos projetos que ela enviasse ao Legislativo. A prefeita, na conversa que manteve com o verea-

dor, admitiu uma eventual nomeação de Geraldo seria bem vista pela população por se tratar de pessoa séria e respeitada na cidade, porém, estaria disposta a atender a indicação desde que para um cargo de menor importância, mas sem a necessidade de troca de apoio, pois isso contrairia sua postura administrativa e política. Francisco de Proença foi irredutível, fazendo questão de condicionar a indicação para a secretaria. Ele acabou deixando o gabinete na mesma condição que entrou, “adversário da prefeita”, revelou o chefe de gabinete, Joel Rauber, que confirmou as informações obtidas pela Tribuna do Vale. Fisiologismo O vereador Chiquinho do Macarrão Net, ao propor a troca de apoio político pela nomeação de um amigo, repete uma prática antiga na politica brasileira, denominada fisiologismo, que vem sendo combatida a décadas pelos movimento por mais ética na gestão pública. Segundo a Wikipédia, enciclopédia livre editada na internet, “fisiologismo é um tipo de relação de poder político em que as ações políticas e decisões são tomadas em troca de favores, favorecimentos e outros benefícios a interesses individuais. É um fenômeno que ocorre freqüentemente em parlamentos, mas também no poder

executivo, estreitamente associado à corrupção política. Os partidos políticos podem ser considerados fisiologistas quando apoiam qualquer governo independente da coerência entre as ideologias ou planos programáticos”. Na concepção de um jurista que pede anonimato, embora o fisiologismo seja prática antiga e usual na política, o ato pode ser encarado como uma falta grave, podendo ser classificada como quebra do decoro parlamentar, passivel de punião com a cassação do mandato caso comprovado por comissões de investigação e processante. “Se o fisiologismo é uma forma de corrupção, portanto, se comprovado, o vereador Chiquinho poderia ser cassado por seus colegas por quebra de decoro”, asseverou o advogado. Outro lado O vereador Chiquinho esteve na redação do jornal Tribuna do Vale no final da tarde de ontem. Com todas as letras e bem claramente, Chiquinho negou todas as acusações da prefeita Maria Ana e do chefe de gabinete, Joel Rauber. Chiquinho, inclusive, disse que foi o próprio chefe de gabinete que teria pedido ao vereador a indicação de um nome para assumir a Secretaria de Assistência Social. “O próprio Joel foi quem me procurou, pedindo que eu sugerisse um nome para a

secretaria”, disse Chiquinho. “Então eu fui até a prefeitura e disse: “Se vocês não tem um nome, eu tenho. Foi quando eu sugeri o nome do Geraldo Silva, que foi o braço direito da Terezinha (Reinuti (PSDB)) quando ela foi a responsável pela pasta. Na ocasião, os dois fizeram um grande trabalho frente à secretaria, que é uma das mais importantes. Disse a eles que o nome dele (Geraldo Silva) era um excelente nome”, contou. “Eu apenas pensei no bem da cidade. A secretaria está sem responsável desde o desligamento do Aguinaldo (do Carmo, ex-responsável pela pasta) e a cidade não pode ficar assim, à deriva”, completou. Segundo Chiquinho, Geraldo Silva foi um dos fundadores da Promoção Humana, importante instituição social do município. O vereador ainda negou veementemente que tenha proposto, em troca da nomeação, apoio aos projetos do Executivo na Câmara. “Quando eu sugeri o nome para o Joel, eu ainda ressaltei que não deixaria de criticá-la quando eu achasse necessário. Disse claramente que aquilo não seria um cala a boca pra mim”, disse. “Pra finalizar, estou atrás de uma melhora para Santo Antônio da Platina. Não estou atrás de cargo nem à procura de emprego para ninguém. Pra mim, quem está fazendo jogo sujo são eles”, finalizou.

JUSTIÇA

Camara recorre para derrubar liminar Benedito Francisquini

A Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Santo Antônio da Platina, através da Assessoria Jurídica do Legislativo, interpôs junto ao Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), na tarde da última terça-feira (10) recurso denominado Agravo de Instrumento, na tentativa de cassar a liminar concedida pelo juiz substituto da comarca, Ernani Mendes Filho, que suspendeu os trabalhos da Comissão processante, que apurava supostas irregularidades em gastos com publicidade realizados pela prefeita Maria Ana Vicente Guimarães Pombo (PT). A informação foi passada pelo presidente da Câmara de Vereadores, Antônio Cesar de Camargo, o Cezinha (PR), na redação da Tribuna do Vale, quando apresentou sua resposta a uma reportagem publicada na edição de ontem em que a prefeita faz graves acusações contra o vereador. Além do Agravo Regimental interposto no TJ, Cezinha esclareceu que o Legislativo também apresentou sua defesa ao juizo da comarca, esclarecendo questionamentos apresentados pelo juiz e responde as acusações apontadas no Mandado de Segurança interposto pela prefeita.

Cezinha responde Segue a íntegra do texto apresentado como defesa pelo presidente da câmara vereador Antônio Cesar de Camargo: “Sobre a CPI instaurada na Câmara, é importante esclarecer que a prefeita impetrou um Mandado de Segurança e obteve uma decisão liminar para suspender os trabalhos da Comissão Processante. Os advogados da Câmara já responderam ao Mandado de Segurança e interpuseram Agravo de Instrumento no Tribunal de Justiça com o fim de revogar a decisão liminar. Sobre a matéria vinculada no Jornal Tribuna do Vale de que eu falei que o Juiz Ernani Mendes Filho não conhece “integralmente a questão”, esclareço que a intenção foi de preservá-lo, pois, até então, o Juiz somente conhecia o Mandado de Segurança impetrado pela prefeita, sendo que a Câmara não havia respondido ao Mandado de Segurança, não tendo sido julgado o mérito da causa. R ess a lto que ten ho o maior respeito pelo Dr. Ernani Mendes Filho, assim como por todos os operadores do direito que atuam na Comarca e que a decisão final será acatada pela Câmara. Quero deixar bem claro que a CPI instalada está base-

ada em investigações sérias e técnicas, sendo conduzida de forma íntegra e transparente pelo seu presidente Sebastião Carlos Bianchi. Por fim, e a respeito dos trabalhos conduzidos por mim na Câmara, quero informar a população da minha satisfação em estar conduzindo, com meus colegas vereadores, um trabalho que ficará registrado nos anais desta legislatura. A esse exemplo, cito o empenho do Legislativo em aprovar, somente no ano de 2011, aproximadamente 130 projetos de leis encaminhados pelo Executivo, ou seja, todos os projetos que foram colocados em votação no Plenário. Temos também atuado para reduzir as despesas no âmbito do Legislativo, bem como fornecer serviços eficientes aos cidadãos, uma vez que todos os funcionários da Casa, com exceção do Assessor Jurídico da Mesa Diretiva, são concursados. O site da Câmara, que pode ser acessado pelo endereço eletrônico www.camarasap.pr.gov.br, contém todas as informações relacionadas a transparência do legislativo, como prestações de contas, leis aprovadas, repasses ao Executivo, sendo que em 2011 foi devolvido um milhão, trezentos e onze mil,

oitocentos e oitenta e cinco reais e trinta e um centavos ao Executivo. Tais informações estão lá dispostas como um verdadeiro mural da transparência. Lembrando também que a legislatura atual, contrariando a maioria das Câmaras, manteve o número de nove vereadores e não fez projeto de aumento de salário para os mesmos. Representantes das Câmaras da região têm visitado o nosso Legislativo, o qual é um modelo para as demais da região do norte pioneiro. Hoje, 11/01/2012, estaremos recebendo a visita do Presidente da Câmara de Cambará, Sr. João Antônio Tinelli e a Assessoria Jurídica, Dra. Débora Gonçalves Tomita. Quero convocar você, cidadão, para visitar o Legislativo Municipal para conhecer o nosso trabalho e constatar a seriedade com que conduzimos as atividades da Câmara e a responsabilidade com que gastamos o dinheiro público. Tenham a certeza de que deixaremos um marco para a posteridade, no qual ficará demonstrado a nossa preocupação em fazer da política uma coisa séria, voltada a população e conduzida de forma transparente e por representantes sérios, honestos e trabalhadores. Muito obrigado!”


A-4 Geral

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Loterias registram maior arrecadação da história CAIXA Em 2012 apostas poderão ser feitas pelo site do banco e o bolão será regulamentado

Da Assessoria

As L oter ias da C aixa Econômica Federal arrecadaram em 2011 R$ 9,73 bilhões em apostas. Esse número é o maior resultado já obtido pelas Loterias e representa um crescimento de 10,5% em relação ao ano anterior. Ainda neste primeiro semestre, a CAIXA implantará sistema que vai permitir ao apostador fazer suas apostas pela Internet no site oficial do banco. Também em breve, grupos de pessoas poderão fazer suas apostas em conjunto – bolão – sendo que, cada um, terá em mãos o recibo de acordo com a sua participação (quotas). A informação é do vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da CAIXA, Fábio Cleto. Segundo Cleto o desempenho das Loterias da CAIXA em 2011 bateu diversos recordes. “O resultado avançou mais de 10% em relação a 2010, que já tinha sido

Loterias totalizaram R$ 4,6 bilhões em apostas; valor arrecadado em 2011 é 16% maior do que o de 2010

um ano muito bom para o segmento” afirma. De acordo com o levantamento da área, a Mega-Sena foi, pelo quarto ano consecutivo, a responsável pelo desempenho recorde das Loterias, totalizando R$ 4,6 bilhões em apostas. O valor arrecadado em 2011 é 16% maior do que o registrado em 2010. Entre os fatores que ajudaram no crescimento da arrecadação em 2011 destacase, ainda, a criação da Quina de São João, concurso especial nos mesmos moldes da Mega da Virada e que apurou R$ 61,8 milhões. Este ano, a Quina de São João pagou um prêmio de R$ 67,3 milhões. Outra novidade que também contribuiu para o resultado do segmento foi a criação da

Loteria Instantânea de Bens que inovou com a distribuição de prêmios (casas, carros e motos), além da premiação em dinheiro. A nova modalidade comercializou 67,2 milhões de bilhetes. Em dezembro, o resultado global das Loterias da CAIXA atingiu R$ 1,37 bilhão que representam a maior venda mensal da história das Loterias CAIXA no país. Para Fábio Cleto, os números refletem o esforço da CAIXA em criar um portfólio diversificado, sempre investindo em segurança, tecnologia e inovação. “Nos próximos anos vamos continuar forte nessa direção”, afirma o vice-presidente da CAIXA, ao referir-se às novidades que serão imple-

mentadas ao longo de 2012 – apostas pela Internet, bolão, entre outras. Mega da Virada A edição especial de fim de ano da mega-sena registrou o recorde de vendas para um único concurso, totalizando R$549,3 milhões, além da maior emissão de bilhetes em um só concurso (88 milhões). Em relação a 2010, a arrecadação teve um incremento de 26%. O sorteio realizado em 31 de dezembro pagou o segundo maior prêmio da história das Loterias da CAIXA (R$177,6 milhões). Em 2010, o valor re corde de R$194,3 milhões foi impulsionado pelo acúmulo de seis concursos consecutivos, que elevou o prêmio principal.

11/01/12

CÂMBIO

11/01/12

DÓLAR COMERCIAL

INDICE BOVESPA Alta: 0,26%

59.962 pontos

Volume negociado: R$ 5,52 bilhões 59.364 58.546 58.600 59.082 59.805 59.962

Estável Compra Venda

EURO

Var. janeiro: -3,59% R$ 1,799 R$ 1,801

DÓLAR PTAX (Banco Central) Alta: 0,03% Compra Venda

DÓLAR PARALELO

BOLSAS NO MUNDO Londres Frankfurt Paris Tóquio

OURO - BM&F 11/01

% +0,04 +0,76 +0,06 +0,14 +1,51 +3,06 +2,16 +1,79

R$ 22,91 39,81 31,77 35,65 24,25 17,83 12,79 14,23

5.670,82 6.152,34 3.204,83 8.447,88

-0,45 -0,17 -0,19 +0,30

%

var. dia

R$ 93,60 /grama

IR

+0,43%

JANEIRO

BASE (R$)

Alíquota Parc. a % deduzir Até 1.637,11 De 1.637,12 até 2.453,50 7,5 122,78 De 2.453,51 até 3.271,38 15 306,80 De 3.271,39 até 4.087,65 22,5 552,15 Acima de 4.087,65 27,5 756,53

Deduções: a) Assalariados: 1-R$ 164,56 por dependente; 2 - pensão alimentícia; 3 - contribuição à Prev. Social; 4 - R$ 1.637,11 por aposentado a partir de 65 anos; 5 - contribuições à previdência privada e aos Fapi pagas pelo contribuinte; b) Carne Leão: itens de 1 a 3 mais as despesas escrituradas no livro-caixa.

SELIC/IR IR 2011 - A oitava parcela venceu em 30/11.

No pagamento desta e outras parcelas atrasadas há em janeiro Selic de 8,58% + multa. MÊS TAXA SELIC Out/11 0,88% Nov/11 0,86%

Agência Estado

Pesquisa da Serasa Experian divulgada ontem, 11, mostra que para 60% dos empresários brasileiros o faturamento em 2011 foi melhor que em 2010. Já para 22%, o resultado foi igual e para 18%, inferior. Entre os executivos que responderam à Pesquisa de Expectativa Empresarial que o faturamento aumentou em 2011, a maior parcela veio de grandes empresas (66%), enquanto nas médias o patamar ficou em 63% e nas pequenas, em 59%. De acordo com a pesquisa, 62% dos empresários do setor de serviços notaram crescimento do faturamento em 2011 ante o ano anterior. No comércio, foram 58% e na indústria, 50%. Além disso, a Região Norte registrou a maior parcela de empresários que teve seu faturamento em 2011 superior ao de 2010 (74%), seguida por Nordeste (70%), Sudeste (59%), Centro-Oeste (58%) e Sul (49%). A crise econômica internacional teve impacto no resultado de 2011 para 41% dos entrevistados pela Serasa Experian, sendo que esse abalo foi sentido por 43% dos executivos das grandes companhias, 41% das médias e 40% das pequenas empresas. Segundo o assessor econômico da entidade, Carlos Henrique de Almeida, o empresário espera influência menor da crise neste ano. “Para 2012 os empresários acreditam que haverá impacto, mas em menor nível do que ano passado porque eles estão olhando o mercado interno”, afirmou. O maior impacto da crise foi sentido na indústria, setor em que 54% dos empresários notaram danos causados pela crise, contra 50%

no comércio, 40% nas instituições financeiras e 35% nos serviços. “O desempenho do setor de serviços é decorrente da melhoria da situação do consumidor, que quer acesso à TV a cabo e um serviço melhor de telefonia”, explicou Almeida, para quem o setor de serviços é o que melhor tira proveito do fortalecimento do mercado interno brasileiro. Expectativa A pesquisa mostra ainda que 65% dos executivos brasileiros vão rever a previsão de faturamento de suas empresas no primeiro trimestre deste ano, sendo que 82% farão essa revisão para cima e 18%, para baixo. Os mais otimistas são os pequenos empresários: 82% deles vão rever seu faturamento para cima. Os médios e grandes empresários estão um pouco mais cautelosos, já que 75% e 64%, respectivamente, farão essa revisão para cima no primeiro trimestre do ano. O setor de serviços abriga o maior porcentual de empresários que irão rever para cima a previsão de faturamento nos três primeiros meses de 2012 (84%), enquanto no comércio a parcela corresponde a 81% e na indústria, 68%. “A indústria é o setor que mostra expectativa mais baixa porque ainda enfrenta problemas de câmbio”, afirmou Almeida. Ainda de acordo com a pesquisa, 26% dos entrevistados pretendem ampliar o quadro de funcionários, ante 30% verificado no trimestre anterior. “Para o primeiro trimestre do ano é normal que haja um volume menor de otimistas em relação ao último trimestre do ano anterior, que envolve a contratação de funcionários temporários por conta da sazonalidade”, disse o economista.

Var. janeiro: -5,57% R$ 2,2871 R$ 2,2881

Var. janeiro: -2,00% R$ 1,76 R$ 1,96

Baixa: 1,22% Compra Venda

Var. janeiro: -5,08% R$ 2,28 R$ 2,43

OUTRAS MOEDAS X REAL Iene Libra esterlina Peso argentino

R$ 0,0235 R$ 2,77 R$ 0,42

TR, TBF, POUPANÇA TR MÊS Novembro/11 Dezembro/11 Janeiro/12

POUPANÇA MÊS Novembro/11 Dezembro/11 Janeiro/12

% 0,06 0,09 0,09

ano 1,11 1,21 0,09

12 m 1,26 1,21 1,22

% 0,56 0,59 0,59

ano 6,82 7,45 0,59

12 m 7,50 7,45 7,45

TAXAS DIÁRIAS % Período 10/12 a 10/1 11/12 a 11/1 12/12 a 12/1 13/12 a 13/1 14/12 a 14/1 15/12 a 15/1 16/12 a 16/1 17/12 a 17/1 18/12 a 18/1 19/12 a 19/1 20/12 a 20/1 21/12 a 21/1 22/12 a 22/1 23/12 a 23/1 24/12 a 24/1 25/12 a 25/1 26/12 a 26/1 27/12 a 27/1 28/12 a 28/1 29/12 a 29/1 30/12 a 30/1 31/12 a 31/1 1/1 a 1/2 2/1 a 2/2 3/1 a 3/2 4/1 a 4/2 5/1 a 5/2 6/1 a 6/2 7/1 a 7/2 8/1 a 8/2 9/1 a 9/2

TR 0,0609 0,0895 0,1386 0,1280 0,1296 0,1090 0,0651 0,0684 0,0873 0,1090 0,1320 0,1050 0,0932 0,0624 0,0704 0,0998 0,1281 0,1255 0,1286 0,1004 0,0705 0,0675 0,0864 0,1400 0,1263 0,1155 0,0974 0,0567 0,0693 0,0883 0,1312

TBF 0,8114 0,8502 0,8696 0,9190 0,9206 0,8999 0,8256 0,8189 0,8580 0,8898 0,9130 0,8758 0,8539 0,8229 0,8309 0,8706 0,9191 0,9265 0,9296 0,8812 0,8410 0,8180 0,8571 0,8710 0,9073 0,8864 0,8681 0,8071 0,8198 0,8590 0,9122

POUP 0,5612 0,5899 0,6393 0,6286 0,6302 0,6095 0,5654 0,5687 0,5877 0,6095 0,6327 0,6055 0,5937 0,5627 0,5708 0,6003 0,6287 0,6261 0,6292 0,5868 0,6407 0,6269 0,6161 0,5979 0,5570 0,5696 0,5887 0,6319

LOTES - ATACADO

11/01/12

SOJA - saca 60kg PRAÇA Paranaguá Ponta Grossa Maringá Cascavel Sudoeste Guarapuava

TRIGO - saca 60kg

R$ 50,00 47,50 46,50 46,50 46,50 46,50

SEM -1,6% -2,1% -2,1% -2,1% -2,1% -2,1%

30 d. 9,9% 9,2% 6,9% 8,1% 6,9% 6,9%

11,1% 15,4% 11,5% 8,2% 11,5% 11,5%

22,4% 33,3% 31,8% 31,8% 28,9% 28,9%

MILHO - saca 60kg Paranaguá Sudoeste Cascavel Maringá Ponta Grossa Guarapuava

30,00 30,00 29,00 29,00 29,00 29,00

PRAÇA Curitiba Ponta Grossa Maringá Cascavel

R$ 27,50 27,00 27,00 27,00

SEM 0,0% 0,0% 0,0% 0,0%

MÊS TAXA SELIC Dez/11 0,91% *Jan/12 1,00%

*No mês corrente a Selic é sempre 1,00% Indicadores Econômicos: elaboração da agência Dossiê:Dinheiro. Fone: (41) 3205-5378

DÓLAR TURISMO Estável Compra Venda

Var. janeiro: -2,04% R$ 1,735 R$ 1,925

US$ 1 É IGUAL A: Iene Libra esterlina Euro

76,99 0,6512 0,7888

ÍNDICES DE INFLAÇÃO

Índices em % INPC (IBGE) IPCA (IBGE) IPCA-15 (IBGE) IPC (FIPE) IPC (IPARDES) IGP-M (FGV) IGP-DI (FGV) IPA-DI (FGV) IPC-DI (FGV) INCC-DI (FGV)

jul 0,00 0,16 0,10 0,30 0,15 -0,12 -0,05 -0,13 -0,04 0,45

ago 0,42 0,37 0,27 0,39 0,46 0,44 0,61 0,77 0,40 0,13

set 0,45 0,53 0,53 0,25 0,30 0,65 0,75 0,94 0,50 0,14

REAJUSTE ALUGUÉIS Índice INPC (IBGE) IPCA (IBGE) IGP-M (FGV) IGP-DI (FGV)

nov 1,0666 1,0697 1,0695 1,0678

dez 1,0618 1,0664 1,0595 1,0556

jan 1,0608 1,0650 1,0510 1,0500

* Correção anual. Multiplique valor pelo fator acima

PREVIDÊNCIA

out 0,32 0,43 0,42 0,39 0,23 0,53 0,40 0,48 0,26 0,23

nov 0,57 0,52 0,46 0,60 0,39 0,50 0,43 0,34 0,53 0,72

dez 0,51 0,50 0,56 0,61 0,59 -0,12 -0,16 -0,55 0,79 0,11

ano 6,08 6,50 6,56 5,81 5,81 5,10 5,00 4,12 6,36 7,49

12m 6,08 6,50 6,56 5,81 5,81 5,10 5,00 4,12 6,36 7,49

OUTROS INDICADORES nov dez jan BTN + TR 1,563033 1,564041 1,565506 TJLP (%) 6,00 6,00 6,00 Sal. mínimo 545,00 545,00 622,00 FGTS (%) 0,3087 0,3112 0,3405 TAXA SELIC ANUAL: 11,00%

COMPETÊNCIA DEZEMBRO

Vencimento: empresas 20/01 e pessoas físicas 16/01. Após multas de 4% a 100% e juros (Selic)

Empresário/empregador

Facultativo

PRODUTO Bezerro (1) Boi gordo (2) Café (3) Algodão (4)

R$ 726,57 97,92 504,65 168,21

DIA MÊS 0,18% -1,37% 0,25% -3,57% 2,68% 4,01% 0,30% 2,22%

Contribui com 11% sobre o pró-labore, entre R$ 545,00 (R$ 59,95) e R$ 3.691,74 (R$ 406,09), através de GPS.

Contribui com 20% sobre qualquer valor entre R$ 545,00 (R$ 109,00) e R$ 3.691,74 (R$ 738,34), através de carnê.

Autônomo

Assalariados

1) Quem só recebe de pessoas físicas: recolhe por carnê 20% sobre os limites de R$ 545,00 (R$ 109,00) a R$ 3.691,74 (R$ 738,34). 2) Quem só recebe de pessoas jurídicas: a empresa recolhe 11% sobre o máximo de R$ 3.691,74 (R$ 406,09) e desconta do autônomo. 3) Quem recebe de jurídicas e físicas: têm desconto de 11% sobre o que recebe de jurídicas, até R$ 3.691,74 (R$ 406,09). Se não atingir este teto, recolhe 20%, via carnê, sobre a diferença até R$ 3.691,74. 4) Aut. especial: recolhe 5% por carnê, sobre R$ 545,00 (R$ 27,25), mas só se aposenta por idade.

Salários até 1.107,52 De 1.107,53 até 1.845,87 De 1.845,88 até 3.691,74

8,00% 9,00% 11,00%

Empregados domésticos Alíquota % R$ mín R$ máx Empregado 8 a 11 43,60 406,09 Empregador 12 65,40 443,01 Total 20 a 23 109,00 849,10

SALÁRIO FAMÍLIA - NOVEMBRO/2011 Salário de até R$ 573,91 Salário de R$ 573,92 a 862,60

R$ 29,43 R$ 20,74

1- preço médio no MS, unid. de 8 a 12 meses; 2 -média à vista da arroba no Estado de SP; 3 - valor à vista saca 60kg posto SP Capital, arábica, bica corrida, tipo 6; 4 - em pluma, cent/R$ por libra-peso (453 gr), posto SP Capital.

Soja, milho e trigo: fonte Dossiê:Dinheiro; Cepea/Esalq: mais informações em www.cepea.esalq.usp.br

PREÇO AO PRODUTOR

Produto

média var. var. var. C.Proc. Jacar. PR - R$ diária 7 dias 30 dias R$ R$ SOJA saca 60 kg 43,49 -0,7% 0,8% 8,0% 43,00 46,00 MILHO saca 60 kg 22,96 0,6% 5,8% 13,5% 22,70 26,35 TRIGO saca 60 kg 23,25 0,1% -0,7% -1,7% 23,00 FEIJÃO CAR. saca 60 kg 145,19 3,2% 32,5% 46,6% - 210,00 BOI GORDO arroba, em pé 96,15 -0,2% -0,4% -1,9% 97,00 94,00 SUÍNO kg, vivo 2,43 0,0% -2,4% -2,8% 2,60 2,80 FRANGO kg, vivo 1,71 -0,6% -3,4% -5,0% 2,15 CAFÉ BEN. beb. dura, 60kg 434,54 0,1% -0,6% -1,0% 420,00 440,00 CAFÉ kg, em coco 6,95 0,1% -0,9% -2,0% 7,15 6,70 Fonte: Sima/Deral/Seab. Os preços nas praças referem-se aos valores “mais comuns” apurados

MERCADO FUTURO BOLSA DE CHICAGO (CBOT) SOJA - US$cents por bushel (27,216 kg)

MILHO

Cont. FECH. *DIF. 1 SEM. 1 MÊS jan/12 1.197,50 -26,25 -2,0% 8,2% mar/12 1.203,00 -29,00 -2,2% 7,7%

Cont. mar/12 mai/12

FARELO - US$ por tonelada curta (907,2kg)

TRIGO - US$cents por bushel (25,4 kg)

jan/12 mar/12

mar/12 mai/12

310,00 312,80

-9,00 -9,70

-2,4% 12,0% -2,4% 11,2%

11/01/12 - US$cents por bushel (25,4 kg)

FECH. 651,50 658,25 641,00 660,25

Fonte: Sinduscon/PR e Sinduscons regionais R$/m2 NOV DEZ %m %ano %12m Paraná 993,75 995,55 0,18 8,59 8,59 Norte 970,12 971,73 0,17 8,24 8,24 Noroeste 971,61 973,85 0,23 9,70 9,70 Oeste 996,77 997,52 0,08 8,82 8,82

Cont. mar/12 mai/12

Cont. mar/12 mai/12

SAL. MÍNIMO - PARANÁ

Cont. jan/12 mai/12

Grupo 2 R$ 736,00 Serviços administrativos, domésticos e gerais, vendedores e trab. de reparação.

Grupo 3 R$ 763,26 Trab. produção de bens e serviços industriais Grupo 4 R$ 817,78 Técnicos nível médio. * Valores válidos de maio/2011 a abril/2012

*DIF. 1 SEM. 1 MÊS -0,50 -1,1% 9,6% -1,00 -1,3% 9,2% 1,25 -1,4% 1,25 -1,2%

7,6% 6,9%

*Diferença sobre dia anterior. 1,00 ponto = US$ 0,01 na soja, milho e trigo e US$ 1,00 no farelo

ALGODÃO

Grupo 1 R$ 708,74 Trab.s na agricultura.

11/01/12

unidade

BOLSA DE NOVA YORK (NYBOT) CAFÉ - US$cents/libra peso (0,453 kg)

CUB PARANÁ

30 d. 0,0% 0,0% 0,0% 0,0%

INDICADORES CEPEA/ESALQ

ECONOMIA

04/01 05/01 06/01 09/01 10/01 11/01

Ações Petrobrás PN Vale PNA Bradesco PN ItauUnibanco PN Brasil ON Usiminas ON MRV ON OGX Petróleo ON

Baixa: 0,82% Compra Venda

EURO TURISMO

Var. janeiro: -3,79% R$ 1,8041 R$ 1,8048

Estável Compra Venda

Faturamento em 2011 foi melhor para empresários de serviços

Mercado Agropecuário

Indicadores Econômicos BOVESPA

 NEGÓCIOS

FECH. 234,90 237,55

*DIF. 1 SEM. 1 MÊS 8,95 3,6% 4,6% 8,75 3,5% 4,3%

11/01/12 - US$cents/libra peso (0,453 kg)

FECH. 96,87 96,43

*DIF. 1 SEM. 1 MÊS -0,09 1,0% 7,1% -0,09 0,7% 7,1%

*Diferença s/ dia anterior. 1,00 ponto = US$ 0,01 no café e algodão.

BOLSA DE MERCADORIAS DE SÃO PAULO (BM&F) MILHO - R$/saca 60 kg SOJA FINANCEIRO - US$ saca 60 kg C 27,35

VP -0,55

CN CA 332 2.637

BOI GORDO - R$/arroba jan/12 out/12

96,95 100,83

0,05 -0,17

Cont. jan/12 mar/12

C 31,07 28,42

VP -0,03 -0,32

11/01/12 CN CA 599 2.980 1.500 6.161

CAFÉ - US$/saca 60 kg (arábica) 1.497 2.833 77 2.415

mar/12 313,65 set/12 301,75

9,90 9,50

2.056 277

3.042 2.850

C-cotação de fechamento (ajuste diário); VP-variação diária (1 ponto = US$ 1,00 ou R$ 1,00); CN - contratos negociados no dia; CA-contratos em aberto.


Cidades A-5

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Beto Richa vai auxiliar agricultura familiar para evitar impacto social CLIMA Governo prepara medidas para reduzir impacto da estiagem

Agência Estadual

O governador Beto Richa convocou, para hoje, às 10 horas, uma reunião com lideranças da região Sudoeste para propor medidas que reduzam os efeitos da estiagem, principalmente para pequenas propriedades rurais. “A maior preocupação do governo é poder auxiliar os agricultores familiares, que sofrem o maior impacto social. Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para auxiliar e atender a esses agricultores”, declarou Richa.

O governador se reuniu nesta ontem com os deputados estaduais Ademar Traiano e Augustinho Zucchi, que representam o Sudoeste do Estado na Assembléia para acertar a agenda com outras autoridades da região. Ficou acordado que a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e a Defesa Civil vão apresentar um plano de trabalho a prefeitos e lideranças para reduzir os problemas sociais e econômicos nas lavouras e áreas urbanas. Clima De acordo com o Simepar, as chuvas de dezembro ficaram abaixo de 50% da média esperada para o mês e, desde o começo do ano, não ocorrem precipitações significativas. Em Francisco Beltrão, por exemplo, a média é de 167 milímetros de chuva, mas, no mês passado, choveu apenas 60 milímetros, 35,9% do volume esperado. A situação é pior em Pato Branco, onde a chuva ficou em 24%

Governador se reuniu com lideranças para propor medidas que reduzam os efeitos da estiagem

da média de 187 milímetros, com 45 milímetros. Em São Miguel do Iguaçu, choveu 71 milímetros, 43,8% da média de 162 milímetros. Para o meteorologista Pau-

 PLANEJAMENTO

lo Barbieri, do Simepar, até o fim da estação devem ocorrer períodos de chuva, mas não o suficiente para normalizar a situação das regiões atingidas pela seca. Uma frente fria se

aproxima, pelo Rio Grande do Sul e Santa Catarina, e deve fazer chover forte nos próximos dias, mas domingo o volume de água se reduz a pancadas isoladas. “A ten-

dência é que as precipitações fiquem abaixo da média até o fim do verão”, comentou Barbieri. Safra O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura, divulgou semana passada, o primeiro levantamento de perdas da safra de verão 2011/12. Estima-se até agora redução de 2,55 milhões de toneladas de soja, milho e feijão que, aos preços de hoje, significa um prejuízo financeiro de R$ 1,52 bilhão. A quebra da produção representa 11,5% da safra paranaense de grãos de verão, que era estimada em 22,13 milhões de toneladas. De acordo com o diretor do Deral, Otmar Hubner, de maneira geral as condições das lavouras estão heterogêneas. Há registros de áreas em condições ruins com perdas significativas e irreversíveis e ao mesmo tempo lavouras que apresentam bom desempenho.

 FEBRABAN

Empresários se mobilizam Consumidor pagou mais caro para atrair montadoras ao PR por 10 tarifas bancárias em 2011 Agência Estado

Fornecedores da BMW, Cássio Taniguchi e Beto Richa: estratégicas para atrair empresas multinacionais Agência Estadual

Executivos representantes de empresas fornecedoras de peças automotivas formalizaram na última terça-feira, 10, uma carta de apoio ao Paraná, reforçando que o Estado reúne todas as condições para sediar grandes montadoras. Eles reuniram-se com o governador Beto Richa no Palácio das Araucárias para dar início a uma força-tarefa formada por 20 empresários que vão trabalhar para atrair empresas multinacionais. O secretário estadual do Planejamento e Coordenação Geral, Cassio Taniguchi, também participou do encontro. Um dos investimentos que terá atenção prioritária do grupo é o da montadora alemã BMW, que planeja ins-

 RELIGIÃO

talar uma fábrica no Brasil. O governador Beto Richa, destacou a importância do envolvimento das empresas fornecedoras neste processo de captação de investimentos para o Paraná. “As empresas que já atendem a BMW na Europa, por exemplo, têm conhecimento de mercado e para nós o apoio de todas elas é fundamental”, disse. Richa disse que o Paraná se transformou em um importante pólo industrial automotivo, não só pela quantidade de indústrias e fornecedores, como também pela qualidade da mão de obra, localização geográfica estratégica e aspectos logísticos em constante aprimoramento. “Essas vantagens certamente credenciam o Paraná a receber uma monta-

dora como a BMW”, afirma. O governador afirmou que no último ano o Estado atraiu investimentos que somam R$ 9 bilhões e que o objetivo do governo é captar empreendimentos produtivos que promovam a geração de emprego e renda e a melhoria da qualidade de vida da população em todas as regiões paranaenses. O secretário Cassio Taniguchi afirmou que encontro entre governo e empresários é a prova de uma nova visão em favor do desenvolvimento do Paraná. Ele destacou que para garantir um bom ambiente de negócios o governo estadual está trabalhando e investindo nas áreas estruturais como portos, aeroportos, estradas, tecnologia e pesquisas.

Vereadores apelam a Papa pela permanência de capuchinhos Maurício Reale

O presidente da Câmara dos Vereadores de Santo Antônio da Platina, Antônio César de Camargo, o Cesinha (PR), informou na tarde de ontem que encaminhará um requerimento ao Papa Bento XVI pedindo a permanência dos

freis capuchinhos na Paróquia Santo Antônio de Pádua. O documento será elaborado hoje depois da reunião pública que acontecerá às 20 horas na Câmara. “Será um ato público pela permanência dos freis e pelo reconhecimento do trabalho social desenvolvido por eles”, explicou o presidente.

Cesinha também afirmou que todos os vereadores apóiam os freis e que também enviará o requerimento ao Núncio Apostólico no Brasil, dom Lorenzo Baldisseri – que vai deixar o cargo dentro de 30 dias, já que foi nomeado pelo Papa como secretário para congregação para bispos no Vaticano.

Balanço da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) divulgado ontem, mostra que das 29 tarifas mais utilizadas pelos consumidores de ser viços b ancár ios, de z s of reram au me nto e m 2 0 1 1 , du as tiveram queda e 17 permaneceram inalteradas. Os dados são do Sistema de Divulgação de Tarifas de Serviços Financeiros (Star), que faz uma média das tarifas cobradas por 14 bancos. De acordo com a Febraban, apenas a tarifa relativa a fornecimento presencial do extrato mensal de cont a c or re nt e e p o up a n ç a apresentou aumento - de 7,19% - acima inflação medida pelo Índice de Preços ao C onsumidor Amplo (IPCA) em 2011, de 6,5%. “Mas os valores foram reajustados por três grandes bancos após permanecerem estáveis em 2008, 2009 e 2010”, afirmou a entidade

em nota divulgada à imprensa. Tiveram reajuste abaixo do IPCA a taxa de exclusão de emitentes de cheque sem fundos (4,83%); saque presencial de dinheiro de conta corrente e poupança (0,70%); saque em caixa eletrônico (3,49%); fornecimento de extrato de conta corrente e poupança no autoatendimento ou outros meios eletrônicos (4,74%); fornecimento presencial do extrato de conta corrente e poupança por um determinado período (6,08%); fornecimento do extrato para determinado período em caixa eletrônico ou internet (3,07%); fornecimento de microfilme ou microficha de cheques (1,98%); ordem de pagamento (0,9%) e, no caso de operações de crédito e arrendamento mercantil, a tarifa de concessão de adiantamento a depositante (1,94%). As que d as o cor reram nas tarifas de transferência de contas dentro da mesma

instituição financeira (recuo de 14,53%) e transferência realizada pelo caixa eletrônico ou meios eletrônicos (queda de 12,16%). Ficaram estáveis em 2 0 1 1 a s t a r i f a s d e c on fe cç ão de c ad ast ro p ara novo cliente; fornecimento de segunda via de cartão com f unç ão de débito e poupança; contra ordem e sustação de cheque; folhas de cheque; cheque administrativo; cheque visado; saque de conta corrente ou poupança via correspondente não bancário; depósito identificado; consulta de extrato mensal de conta corrente ou poupança para um período específico via correspondente não banc á r i o ; f o r n e c i m e nt o d o e x t r at o m e n s a l d e c on t a c or re nt e e p o up a n ç a v i a c or re s p on d e nt e n ã o bancário; transferência de valores (DOC/TED) e transferência agendada feita pessoalmente, pelo caixa eletrônico e internet.

 ENSINO SUPERIOR

Inscrições para o Sisu terminam hoje Agência Brasil

Os estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2011 têm até hoje, 12, para se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Para o primeiro semestre de 2012 estão disponíveis 108 mil vagas em 95 instituições públicas de ensino superior, que serão distribuídas a partir das notas dos candidatos no exame. Até a última terça-feira, 10, o sistema registrou 2,6 milhões de inscrições de 1,3 milhão de participantes – cada candidato pode escolher até dois cursos. O Rio de Janeiro é o estado com o maior número de inscrições até o momento: 321 mil. Em seguida, vêm Minas Gerais ( 288 mil),

São Paulo (226 mil), o Ceará (196 mil) e o Rio Grande do Sul (182 mil). Ao acessar o sistema, o estudante deve escolher duas opções de curso, indicando a sua prioridade. É necessário informar o número de inscrição e a senha de cadastro do Enem 2011. Diariamente, o sistema divulga a nota de corte preliminar de cada curso com base na nota do Enem dos candidatos que pleiteiam as vagas. Durante esse período, o participante pode alterar essas opções se achar que tem mais chances de ser aprovado em outro curso ou instituição. O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 15 de janeiro. Os estudantes aprovados deverão comparecer às instituições de ensino de 19 a 20 para

fazer a matrícula. O participante que foi selecionado para a primeira opção de curso é retirado automaticamente do sistema e perde a vaga se não fizer a matrícula. Aqueles que forem selecionados para a segunda opção ou não atingirem a nota mínima em nenhum dos cursos escolhidos podem participar das chamadas subsequentes. A segunda chamada está prevista para 26 de janeiro, com matrículas nos dias 30 e 31. Caso ainda haja vagas disponíveis, o sistema gera uma list a de esp era que será disponibilizada para as instituições de ensino preencherem as vagas remanescentes. O candidato interessado em participar dessa lista deverá pedir a inclusão entre 26 de janeiro e 1° de fevereiro.


A-6 Cotidiano

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Santo Antônio da Platina fecha ano com epidemia de homicídios CRIMINALIDADE Índice de assassinatos na cidade é quase três vezes maior que o aceitável pela OMS, de 10 mortes a cada 100 mil habitantes Celso Felizardo

Santo Antônio da Platina fechou 2011 com uma taxa epidêmica de homicídios. Foram 12 assassinatos registrados, índice quase três vezes maior que o aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que trabalha com o limite de 10 mortes a cada 100

mil habit antes. C omo o município possui 42 mil habitantes, o aceitável ser i a , no má x i mo, qu at ro assassinatos. Além de liderar o ranking de homicídios no Norte Pioneiro, concentrando 41% dos 29 casos registrados nas 22 cidades de abrangência da 12ª Subdivisão Policial de Jacarezinho, Santo Antônio da Platina aparece à frente de municípios mais populosos como Ourinhos (SP). Com população de 102 mil habitantes, as autoridades do Sudoeste paulista registraram oito casos em 2010. Cornélio Procópio, com 47 mil habitantes, teve sete ocorrências. Em números proporcionais, a taxa média de homicídios em Santo Antônio da Platina seria de 28,5 casos a cada 100 mil habitantes. A cidade de São Paulo, por exemplo, tem um índice de 10,8 homicídios por 100

Onda de violência ligada ao tráfico de drogas assusta moradores de Santo Antônio da Platina

m i l . O s d a d o s m o s t r am u m a n ov a t e n d ê n c i a d a criminalidade: a migração para o interior. Estudos como o Mapa da Violência, do Instituto Sangari, mostram que a disseminação das drogas, principalmente

o crack, são os principais responsáveis pelo aumento da violência nas cidades de pequeno e médio porte. O delegado da 38ª Delegacia Regional de Polícia (DRP) de Santo Antônio da Platina, Fátimo de Siqueira,

assumiu a delegacia no final do ano passado e priorizou a redução do número de homicídios, porém na sexta-feira, 6, um atentado a tiros provocou a morte – três dias depois – de Juarez Roberto Félix Filho, 21, o

Saddam. A polícia acredita que o crime esteja relacionado ao tráfico de drogas, característica comum de pelo menos 60% das vítimas de 2011. Um ponto positivo é que mais de 90% dos casos de homicídios do ano passado foram solucionados. Apreensões A apreensão de armas e drogas em operações intensificadas é a estratégia usada pela 4ª Companhia do 2º Batalhão d a Po l í c i a M i l i t a r p a r a tentar reverter o quad r o. O c o m a n d a n t e d a 4ª Cia, capitão Márcio Jaquetti, apontou a falta de programas sociais e a desunião fami liar como os maiores causadores de a s s a s s i n at o s . “O h o m i cídio é um crime difícil de pre ver onde e quand o v ai a c onte c e r. É u m problema social que tem de ser combatido dentro de casa, com educação e espiritualidade”, defende.

IBAITI

População planeja manifestação por lombadas em trevo da morte Da Redação

A população de Ibaiti está programando uma manifestação para a manhã do próximo sábado. O objetivo popular é lutar pela instalação de lombadas no chamado ‘trevo da morte’, localizado no quilômetro 105 da BR-153, trecho entre Ibaiti e Japira. Um dos organizadores da manifestação é o advogado Cesar de Melo, morador do município. Melo afirmou que a manifestação será de caráter popular, apesar de atingir todas as camadas da sociedade. “Será um movimento popular que vai abranger a sociedade como um todo, a Associação

Comercial e Empresarial de Ibaiti, a Câmara Municipal e outras autoridades”, disse. O advogado disse que a população está cansada de esperar por uma solução no trevo, que já matou nove pessoas em acidentes automobilísticos nos últimos cinco anos. “Vamos novamente solicitar ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) e ao Departamento de Estradas de Rodagens (DER) a instalação de redutores velocidade. O histórico de mortes no trevo preocupa a população”, concluiu. Melo disse ainda que não entende o motivo do trecho não ter lombadas. “Todos os

Antônio de Picolli

Trevo localizado no km 105 da BR-153, entre Ibaiti e Japira, foi responsável por nove mortes em cinco anos

trevos em entradas de cidades e nos perímetros urbanos ao longo da BR-153 possuem

TRÁFICO

lombadas, só aqui que não”, completou. A manifestação viria para pressionar as auto-

ridades responsáveis. Histórico Como disse Melo, o trevo

localizado entre os municípios de Japira e Ibaiti foi o responsável por, pelo menos, nove óbitos nos últimos cinco anos. O último aconteceu na manhã da última terça-feira. Na ocasião, o motorista Maciel Cardoso, 60, que dirigia um Volkswagen Gol, que havia saído de Jaboti, morreu após chocar-se contra um caminhão que carregava compensados de madeira, justamente no trevo da BR-153. Cardoso chegou a ser encaminhado pelo Samu ao Hospital Municipal de Ibaiti, mas não resistiu aos ferimentos. O filho de Cardoso, Cirley Cardoso, 37, que também estava no carro, saiu do acidente sem ferimentos.

SEGURANÇA

PM prende adolescente com 30 Governador reafirma compromissos pedras de crack na Vila Ribeiro com o combate à criminalidade

Beto Richa com o secretário de Segurança Pública, Reinaldo de Almeida César SESP

Poucos dias após deixar internamento no Cense, adolescente é preso por tráfico Da Redação

Uma equipe do Serviço d e Int e l i g ê n c i a ( P 2 ) d a Po l í c i a Mi l it ar pre n d e u no final da tarde de ontem um adolescente de 17 anos com 30 pedras de crack e R$ 228,00 em dinheiro trocado na rua Rotary, na Vila Ribeiro, em Santo Antônio da Platina. Ele estava em

frente ao Bar do Coelho e tentou fugir, mas foi dominado pelos policiais. O adolescente havia saído do Centro de Socioeducação (Cense) de Santo Antônio da Platina há poucos dias. Ele coleciona uma extensa ficha criminal, com passagens por tráfico de drogas, furtos, roubos, golpes e até uma suspei-

ta de homicídio. No ano passado, ele foi pego com m ai s d e 1 0 moto s e u m carro com dívidas de prestações, apelidados de NP (não pago). Sem poder pagar, os donos revendiam os veículos para ele por preço irrisório. Até as 19 horas, ele permanecia na 38ª Delegacia Regional de Polícia.

O governador Beto Richa se reuniu no final da tarde de terça-feira com o secretário de Segurança Pública, Reinaldo de Almeida César, para tratar de assuntos relacionados ao programa Paraná Seguro, lançado em agosto do ano passado. O encontro aconteceu na sede da secretaria. Durante a visita, o governador reafirmou os compromissos para a implantação das medidas previstas no programa, garantiu prioridade a ações de combate à criminalidade, tráfico de drogas e enfatizou a alocação de um investimento de R$ 500 milhões

a mais para o setor neste ano. “Vamos perseguir as metas de redução da criminalidade com medidas inteligentes e efetivas, e levar mais segurança a todas as regiões do Paraná”, disse o governador. Na reunião, o governador conheceu o projeto final da delegacia cidadã, das novas unidades do Instituto Médico Legal, Instituto de Criminalística e das unidades da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Ele também foi atualizado sobre os processos de contratação de novos policiais e reequipamento das forças de segurança do Estado. De acordo com o secretário da Segurança Pública, o encon-

tro com o governador também foi uma oportunidade para avaliação das ações previstas para este ano em Curitiba, na região metropolitana e também no interior. “Tudo que projetamos vai representar de investimentos consistentes na área de segurança pública”, disse Almeida César. Richa afirmou que a instalação de Unidades do Paraná Seguro na região da capital deve ter atenção especial, assim como o início da implantação dos módulos móveis. “Alcançamos bons resultados em 2011, entre eles a redução de mais de 8% nos homicídios em Curitiba. Pedi que o trabalho siga com a mesma seriedade demonstrada até aqui”.


Esporte A-7

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012 Alegando problemas particulares, o atacante Vagner Love não se reapresentou ao CSKA, da Rússia. Embora em negociação complicada, o jogador ainda tenta aproveitar este período no Brasil para acertar sua volta ao Flamengo, clube por onde atuou rapidamente em 2010.

O técnico Vágner Mancini demonstrou insatisfação com a diretoria do Cruzeiro pela demora em contratar os reforços pedidos para esta temporada. Segundo ele, o ideal seria fazer a pré-temporada com o elenco completo, mas o comandante cruzeirense disse entender as dificuldades para contratações.

Treinado para não chorar, Marcos se emociona ao falar dos pais

Arquivo

DESPEDIDA O tchau oficial do ídolo palmeirense aconteceu na tarde de ontem Gazeta Esportiva

O motivo da ausência de Marcos no anúncio oficial de sua aposentadoria, feito pelo gerente César Sampaio, na semana passada, foi finalmente revelado pelo ídolo palmeirense ontem. Conhecido pelas declarações espontâneas durante as entrevistas, o agora exjogador admitiu que precisou de um treinamento emocional para conseguir conter o choro em seu comunicado oficial. "Eu estou treinando há uma semana. Aquele dia que o Sampaio foi dar o anúncio, eu acordei para chorar. Não apareci lá para ganhar uma semana e treinar o meu psicológico", brincou o ex-atleta antes de

dar lugar à voz embargada e às lágrimas que insistiam em escorrer de seu rosto. Apesar de cumprir a tarefa imposta a si mesmo com êxito durante boa parte da entrevista, Marcos não conteve a emoção quando lembrou de sua humilde origem e da criação dada por seus pais. Filho de Ladislau Silveira Reis e Antônia Reis, o exjogador sofreu em 2008 com o falecimento de seu pai e revelou que apenas visitou sua mãe em duas ocasiões no ano passado. Interrompendo suas falas para tomar goles de água e suspirar antes de recordar os conselhos que recebeu, Marcos arrancou uma sonora salva de palmas ao lembrar da imagem simples que sua família sempre passou. "Acho que meu pai está feliz comigo. Ele era uma pessoa muito simples, como a minha mãe. Ele sempre falava que quando você chegar no túmulo, poderia ter todos os defeitos do mundo, mas as pessoas lembrariam de você por ser um cara honesto, com bom nome na praça. Toda família é assim, tenta preservar muito o nome.

N OTAS Gringo à vista O Vasco está bem próximo de contratar mais um argentino para reforçar seu plantel na disputa da Copa Libertadores de 2012. Tratase do meio-campista Jesús Dátolo, que atualmente defende as cores do Espanyol, de Barcelona. A informação foi revelada ontem pelo site espanhol Mundo Deportivo. Reforço dos EUA A diretoria do Cruzeiro acertou, na tarde de ontem, a contratação do lateral-direito Jackson, do Dallas, time dos Estados Unidos, que disputa a Major League Soccer (MLS). O jogador de 23 anos defenderá a Raposa por empréstimo de um ano e seus direitos pertencem ao São Paulo.

Ídolo palmeirense, o pentacampeão com a Seleção Brasileira 2002 se emocionou em sua despedida oficial

Muita coisa boa que eu fiz não foi com medo da diretoria, torcida ou imprensa, e sim por medo de decepcionar os meus pais. Foi desse jeito que eu tentei vencer na carreira e, pelo que fizeram para mim hoje, deu tudo certo", declarou o "santo". Agora, o ex-goleiro espera aproveitar o tempo longe dos gramados para se dedicar a sua própria família. Casado

com Sônia Almeida e pai de Luca, de 12 anos, e Ana Júlia, de oito, Marcos garantiu que se dedicará a tarefas de um pai comum e acompanhará de perto a formação e o crescimento de seus filhos. "Vamos ver como vai ser a vida de aposentado agora. O tempo que eu fiquei em casa foi muito pouco e não deu para ter nenhum problema. Mas eu vou

tentar ir mais vezes na escola dos dois, ver como eles estão. Eu não vi meu filho crescer e espero recompensar agora. Eu ainda estou devendo assistir o filme dos Smurfs com a Juju. O problema é que quando a gente vai assistir, eu acabo dormindo. Isso sempre termina com ela brigando comigo", completou o ex-goleiro, com seu característico bom humor.

Marcação A visita de Neymar a Barcelona, na Espanha, para a gravação de um comercial da Nike, na última terça-feira, movimentou a imprensa local. A montagem da peça publicitária foi acompanhada de perto por jornalistas espanhóis e, segundo o periódico catalão Sport, a "marcação cerrada" de um dirigente do Barça ao atacante do Santos chamou a atenção durante as gravações.

NOVELA

Indefinição sobre Montillo atrasa apresentações de reforços corintianos

Revés e crescimento Titular durante a participação do Santos no último Mundial de Clubes da Fifa, no Japão, o zagueiro Bruno Rodrigo garantiu que a derrota para o Barcelona na final do torneio em Yokohama ainda não saiu da cabeça dos jogadores do Peixe. Com uma análise ponderada sobre a perda do título mundial, o defensor santista acredita que o revés para o Barça pode impulsionar o crescimento de sua equipe nesta temporada.

Arquivo

Choro e gargalhada Marcos chegou a chorar em sua primeira entrevista como ex-jogador, ontem, mas também teve tempo para gargalhar. Uma das causas da alegria do ídolo palmeirense foi a fantasia do radialista Pepe Reale, que apareceu vestido de padre para convocar torcedores para a procissão de "canonização de São Marcos", que vai ocorrer no próximo sábado, data do amistoso com o Ajax, e sairá da frente do Palestra Itália às 11 horas.

As negociações envolvendo Corinthians e Cruzeiro por Montillo continuam emperradas Gazeta Esportiva

Os dirigentes do Corinthians têm evitado conceder entrevistas. Indiretamente, a maioria dos reforços já contratados para 2012 também. Como o presidente em exercício Roberto de Andrade e a sua cúpula não querem se posicionar outra vez sobre o imbróglio para tirar o meia Montillo do Cruzeiro, o goleiro Cássio, o zagueiro Felipe, o meia Vitor Júnior e o atacante Élton ainda não posaram para as tradicionais fotos com o uniforme do clube. O único reforço que o Corinthians apresentou de forma oficial, até o momento, foi o atacante Gilsinho. Há exatamente uma semana, o jogador vindo do japonês Jubilo Iwata

recebeu a camisa do clube das mãos do gerente de futebol Edu Gaspar. O dirigente falou tanto quanto ou mais do que o atleta na ocasião, na maioria das vezes para se posicionar sobre Montillo. De acordo com o Corinthians, não há nenhuma novidade em relação à possível contratação do argentino e, portanto, não é necessário expor a diretoria a outras perguntas sobre o assunto. O clube já deixou de negociar com o Cruzeiro, que não aceita vender Montillo por menos de € 15 milhões (R$ 35,2 milhões), e incumbiu o meia de conseguir convencer o presidente Gilvan de Pinho Tavares a aceitar a transação. Para o técnico Tite, Mon-

tillo não é imprescindível ao Corinthians, que conta com muitas alternativas para compor o seu setor ofensivo. O treinador ainda espera, contudo, qualificar o elenco com as chegadas do argentino e a do volante Cristian, do Fenerbahce, da Turquia. Enquanto a negociação com Montillo não tem um desfecho, Cássio, Felipe, Vitor Júnior e Élton continuam concentrados no CT Joaquim Grava, treinando normalmente com os seus novos companheiros. "As pessoas sempre cobram uma grande contratação, mas o Corinthians já tem uma base muito boa e ganhou alguns jogadores. A manutenção do elenco foi o maior reforço", opinou o experiente meia Alex.

RANKING

Espanhol é eleito melhor campeonato do mundo e Brasileirão fica em 3º Lancenet

O Campeonato Espanhol foi declarado o mais competitivo do mundo em 2011 pela Federação Internacional de História e Estatística do Futebol (IFFHS), enquanto o Brasileirão figurou como o terceiro melhor. Assim como na edição

passada, a Primeira Divisão espanhola mantém a liderança, mas caiu a vantagem sobre o Campeonato Inglês, em segundo colocado. Desde 1991, o IFFHS faz o ranking dos campeonatos nacionais mais fortes, com base nos resultados dos clubes em torneios nacionais e internacionais.

Esportivo O zagueiro Ediglê, 33 anos, é o novo reforço do Esportivo para a disputa da Segunda Divisão do Campeonato Gaúcho. O jogador foi campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes com o Internacional em 2006, quando era reserva de Índio e Fabiano Eller. Futebol de pegada Apresentado como novo reforço gremista, o zagueiro Naldo, ex-Cruzeiro, já está com o elenco tricolor para participar da pré-temporada do clube, em Bento Gonçalves. Contratado por conta da saída do zagueiro Sorondo, que voltou a sofrer uma lesão no joelho e teve seu contrato rescindido, o defensor chegou com um discurso modesto, prometendo mostrar seu "futebol de pegada".


cmyb

A-8 Cidades

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Santa Casa da Misericórdia recebe R$ 56 mil de incentivo atrasado

JACAREZINHOValor é referente ao Incentivo de Adesão à Contratualização (IAC) dos meses de julho, agosto, setembro, outubro e novembro de 20110 Felipe Peres com Agência Estadual

O Hospital Santa Casa da Misericórdia, de Jacarezinho, recebeu da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), na última sexta-feira, um valor de aproximadamente R$ 56 mil. O reajuste é re fe re nte a o a c u mu l a d o dos meses de julho, agosto, setembro, outubro e novembro de 2011 do Incentivo de Adesão à Contratualização (IAC), que estavam atrasados. S egundo o diretor da entidade, Paulo Diniz, a verba que foi depositada na conta do hospital vai ser utilizada para o pagamento das próprias despesas da Santa Casa da Misericórdia. “Esse dinheiro será empregado para os plantonistas à dist ância que prest am serviços para o hospital e

para o pagamento de outras despesas da entidade”, resumiu o diretor. Diniz ainda comemorou o acerto do incentivo do Estado com a entidade filantrópica. “O pagamento desse incentivo estava atrasado desde a metade do ano passado. Agora o valor referente aos cinco meses de atraso foi depositado em parcela única”, completou. 27 entidades Ao todo, a Secretaria de Estado da Saúde concedeu o reajuste a 27 hospitais filantrópicos do Estado, dentre eles a Santa Casa da Misericórdia de Jacarezinho. Com isso, foram injetados cerca de R$ 2,5 milhões para as entidades do Paraná. A Sesa informou ainda que o pagamento de todo o montante referente ao atraso foi pago em parcela única a todas as casas de saúde.

Aumento nos repasses A Sesa informou ainda que concedeu um reajuste médio de 45% nos repasses para hospitais filantrópicos do Estado. Segundo a própria Sesa, o último reajuste concedido para esses fins havia acontecido há cerca de três anos, em dezembro de 2008. De acordo com o diretor da Santa Casa de Jacarezinho, que figura entre as entidades que receberam o aumento nos repasses, o aumento de 45% dos reajustes aumentou a verba que o hospital recebe mensalmente de R$ 15 mil para R$ 21 mil. Incentivos e qualidade Nos últimos seis meses, os hospitais filantrópicos do Paraná tiveram aumento significativo de recursos financeiros, iniciando em ju l ho p elo Prog rama de Apoio e Qualificação de Hospitais Públicos e Filantrópicos do Sistema Único de Saúde (SUS) no Paraná (HospSUS). A finalidade é melhorar a qualidade do atendimento, aumentar a oferta de leitos hospitalares à disposição do SUS e reduzir o tempo-resposta nos ser viços de urgência

JACAREZINHO

e os índices de morbidade por causas externas, entre outros objetivos. “Com o reajuste do IAC e os recursos do HospSUS os hospitais filantrópicos têm sua importância reconhecida e irão ampliar seus esforços para que os serviços prestados à população tenham b oa qualidade e sejam cada vez mais resolutivos”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Michele Caputo Neto. O valor do incentivo é definido conforme a produção hospitalar de média complexidade dos hospitais. “A partir do recebimento da produção de dezembro de 2011 o aumento estará incorporado nas parcelas mens ais re cebidas p elos hospitais”, explica o superintendente de Gestão de Sistemas de Saúde da secretaria, Paulo Almeida. O IAC é um dos componentes dos recursos financeiros destinados à implantação do Programa de Reestruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos do SUS, instituído pela Portaria 1.721 de 21/09/2005, do Ministério da Saúde.

Antônio de Picolli

Enfermeira caminha por um dos corredores da Santa Casa de Jacarezinho; entidade vai passar a receber R$ 21 mil por mês

CRIANÇAS

Postos de combustíveis doam Sesc Verão promove recreação de mais de R$ 25 mil para entidades férias em Santo Antonio e Jacarezinho Jivago França

Irmãos Hochscheidt durante entrega de doações à Ajadavi e Asilo São Vicente de Paulo Jivago França

Os irmãos e empresários, Jair e Sadir Hochscheidt, donos da rede de postos de combustível Jacaré I e II doaram em seis meses da promoção “Abasteça e Doe”, mais de R$ 25 mil para a Associação Jacarezinhense de Atendimento ao Deficiente Auditivo e Atendimento ao Deficiente Visual (AJADAVI) e o Asilo São Vicente de Paulo. As duas entidades juntas receberam a quantia de R$ 25.309,61. Os dois empresários de Jacarezinho iniciaram a promoção em julho que tendo

como iniciativa a doação de um centavo a cada litro de combustível vendido nas duas lojas. Segundo Sadir, a promoção foi idealizada depois de uma visita dos irmãos as crianças da Ajadavi. “No primeiro semestre teremos que pagar os impostos, mas a partir de junho ou julho já devemos começar novamente. Iremos estudar certinho”, diz o empresário ao se referir a promoção que deve continuar ainda neste ano de 2012. Na manhã da última terça-feira, 10, a Ajadavi recebeu o valor de R$ 1.821.59 referente ás vendas de de-

zembro do posto Jacaré II. O Asilo São Vicente de Paulo recebeu R$ 2.368.50 das vendas do posto Jacaré I. Jair mostra confiança na população em relação a campanha implantada pelos irmãos. “Nesta primeira etapa, foi muito bom. De mês em mês a participação da população abastecendo só foi aumentando. Assim o valor repassado também subia a cada mês”, afirma Jair. “A nossa idéia foi fantástica, se cada comércio ajudasse as entidades com apenas um centavo de cada item, seria o suficiente”, acredita Sadir.

Assessoria

O Sesc Verão oferece oficinas de cultura e atividades recreativas para crianças de 4 a 12 anos Da Redação

O Serviço Social do Comércio (SESC) está promovendo este mês o SESC Verão 2012, recreação de férias para crianças de 4 a 12 anos. As atividades começaram ontem no Sesc de Jacarezinho e vão até 27 de janeiro. Em Santo Antonio da Platina o programa vai de 16 a 27 de janeiro na Upe Clube de Campo das 13h ás 17 horas. De acordo com o técnico de atividades do Sesc Alexandre Pereira este é o quinto ano que a atração é promovida e informa que todos os anos há

uma grande participação das crianças. “Quando iniciamos as atividades de férias contávamos com apenas15 vagas, para esta edição de verão estamos oferecendo mais de 50 em Santo Antonio da Platina. Já em Jacarezinho que têm uma sede maior do Sesc o programa conta com mais de 100 crianças”, relata. O Sesc Verão oferecerá durante este dias oficinas de cultura, atividades recreativas, palestras educacionais e lanche todos o dias. O evento contará com sete monitores que cuidarão durantes as atividades. “O principal objetivo do projeto

é fazer com que o Sesc possa proporcionar aos filhos dos comerciários e dependentes atividades com qualidade durante o período de férias escolares e mesmo que indiretamente, aumentar a socialização dos inscritos entre si e também com a comunidade local. Nosso diferencial este ano são as atividades segmentadas para cada faixa etária, desenvolvendo assim melhor participação das crianças”, afirma. As inscrições custam R$15 para associados e R$25 para não associados e podem ser feitas na sede do Sesc nas respectivas cidades.

INTERNET

Claro inicia cobertura 3G em Jacarezinho e Cornélio Procópio Da Assessoria

A operadora de telefonia Claro acaba de promover a ampliação de sua cobertura 3G no Paraná e estendeu os serviços de terceira geração a Jacarezinho e Cornélio Procópio. Com as novas adições, a operadora está presente com sua rede 3G também em aos

municípios de Cianorte, Campo Mourão, Francisco Beltrão, Mandaguari, Almirante Tamandaré, Piraquara, Irati e Marechal Cândido Rondon totalizando a cobertura em 33 cidades paranaenses. Líder em inovação, a Claro lançou em 2007 os serviços de terceira geração (3G), que permitem navegar na internet em

Para a Claro, inovação e qualidade são fundamentais e por isso a empresa investe constantemente em ações de melhoria”

alta velocidade, sem fio, seja pelo celular ou pelo computador. Às altas velocidades de conexão da terceira geração permitem tam-

bém realizar videochamadas e fazer downloads. “Para a Claro, inovação e qualidade são fundamentais

e por isso a empresa investe constantemente em ações de melhoria, seja de infraestrutura, serviços ou produtos”, avalia o diretor regional da Claro para Paraná e Santa Catarina, Eduardo Coutinho. “Prova disso é o investimento de mais de R$ 3,5 bilhões anunciados pela operadora até o fim de 2012 no país. O valor está sen-

do investido, principalmente, na preparação da rede para a tecnologia 4G, a ser adotada em breve no país”, afirma. Considerada líder em telefonia celular no Brasil, atua nacionalmente e atende a mais de 58 milhões de clientes. A operadora está presente atualmente em mais de 3.560 municípios com as tecnologias GSM e 3G.

cyan magenta yellow black


cmyb

TRIBUNA DO VALE Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Cidades

B-1

www.tribunadovale.com.br

Pais antecipam as compras do material escolar

Antônio de Picolli

VOLTA ÀS AULASPesquisa de preços movimenta lojas e papelarias de Santo Antonio da Platina Aline Damásio

Faltando menos de um mês para volta às aulas, o movimento das papelarias e lojas do ramo em Santo Antonio da Platina se intensificou durante esta semana. Com a lista em mãos, muitos pais encararam a maratona dos orçamentos e já iniciaram a pesquisa de preços, aproveitando o período mais calmo para antecipar as compras. A dona de casa Elizabete Barbosa saiu esta semana para fazer pela primeira vez a compra do material escolar da filha de cinco anos. “Estou indo de loja em loja, pesquisando os preços e a qualidade dos produtos. Mesmo sendo a primeira lista, pretendo economizar e comprar somente o necessário”, diz. A auxiliar administrativa Martha Ximenes, conta que percebeu uma ligeira alta em alguns produtos. “As mochilas subiram de preço consideralmente, percebi uma diferença de pelo menos 10%, comparado ao ano passado. Mesmo assim pretendo gastar um pouco mais em uma mochila

BASTIDORES

Papelarias já registram grande movimento de pais e alunos à procura de material escolar

de melhor qualidade, assim meu filho pode até reutilizá-la no próximo ano”, afirma. Proprietária de uma papelaria, Neide Maria Bubna conta que muitos pais anteciparam as compras para aproveitar ainda o 13° salário. “Existem muitos produtos que mantiveram o mesmo preço do ano passado, e com dinheiro no bolso, o pessoal está aproveitando para comprar no início do mês e evitar o tumulto das lojas na última hora”, relata. De acordo com a empresária, a procura maior tem sido por materiais com preços intermediários. “Cadernos de marca geralmente são comprados por pais de classe média enquanto os mais simples são adquiridos por pessoas mais humildes, mas a grande maioria das vendas é de produtos bons de preço e de qualidade”, afirma. A lista de materiais é grande e a variedade de preços é maior

ainda. Na hora de comprar, a pesquisa ainda é a melhor solução. Em um levantamento feito pela Tribuna do Vale nas papelarias de Santo Antonio da Platina, alguns produtos da mesma marca chegam a custar mais que o dobro entre uma loja e outra. Um exemplo é o caderno de capa dura pequeno de 48 folhas. Enquanto em uma papelaria o valor é de R$ 3,30, em outra loja, o mesmo, chega a custar R$ 7,95, uma diferença de 140%. A caixa de lápis de cor com 24 unidades mais barata tem o preço de R$ 7,20, algumas marcas chegam a custar R$ 33,45, quase cinco vezes mais. Orientações Para alertar os pais, o Procon-PR esclarece que a lista de material só pode exigir artigos que sejam de uso pedagógico do aluno. Itens de higiene e limpeza e relativos à infra-estrutura não podem ser pedidos na lista. O órgão torienta que na hora do

pagamento, consumidor também deve levar em conta os preços à vista e a prazo e, neste caso, é preciso saber qual a taxa de juros praticada e, em caso de promoção, conferir a veracidade da oferta. A nota fiscal, ticket ou cupom é um direito do consumidor e é o principal documento para a troca, garantia ou reclamação. O consumidor pode exigir que na nota fiscal, quando o pagamento for efetuado com cheques pré-datados, estejam especificadas as datas de apresentação dos mesmos. Esta é uma forma de garantir o depósito na data prometida pela loja. Sobre os direitos na hora da compra do material escolar, o Procon-PR norteia que os pais são assegurados pelo Código de Defesa do Consumidor, mesmo quando o produto é importado. O prazo de reclamação de defeitos em itens não duráveis é de 30 dias e para os duráveis é de 90 dias.

IBAITI

Ibaiti recebe R$ 199 mil para Magazine Luiza inaugura mais reforma de Ginásio de Esportes uma loja virtual na região Da Redação com Assessoria

A prefeitura de Ibaiti recebeu, na última terça-feira, uma quantia de R$ 199 mil, verba destinada do Ministério do Esporte e que será empregada na reforma do Ginásio de Esportes Antônio dos Santos, popularmente chamado de Petézão. A liberação da verba teve o apoio do deputado federal Zeca Dirceu (PT). Ao todo, projeto elaborado pela prefeitura para a reforma do centro esportivo prevê um orçamento d R$ 450 mil, com uma contrapartida de R$ 100

Visita: Na manhã ontem a prefeita platinense Maria Ana Pombo recebeu a visita do Padre Rosinei Tonietti, que assumirá a Paróquia Santo Antônio de Pádua. Padre Rosinei conheceu a estrutura da prefeitura e convidou a prefeita para assistir a missa de sua posse, que acontecerá no dia 1º de fevereiro na Igreja Matriz. O padre adiantou à prefeita que os assuntos da área social, que envolvem a parceria com a prefeitura continuarão a ser realizados, mas que em outra oportunidade tratarão dos detalhes de manutenção das entidades assistidas pelos projetos em andamento no município.

mil do município. Segundo informações da prefeitura, o Ministério do Esporte autorizou o pagamento das duas primeiras parcelas, uma no valor de R$ 75 mil, no dia 28 de dezembro, e a outra de R$ 124 mil, no dia 30 de dezembro. O saldo restante será liberado consecutivamente. O projeto, segundo informações da prefeitura vai envolver a readequação da cobertura, do piso, das arquibancadas, das luminárias e dos vestiários. Com isso, a obra vai abranger a reforma quase que total do ginásio. “Será pratica-

mente um novo ginásio, com novas instalações e muito mais espaço para o público”, disse o prefeito de Ibaiti, Luiz Carlos dos Santos Peté (PSDB). De acordo com o Secretário de Obras da prefeitura de Ibaiti, Carlos Alberto Maia Tabalipa, as obras preveem ainda a ampliação do complexo esportivo. “O ginásio será reformado por inteiro. Além disso, o projeto vai também ampliar a estrutura do ginásio”, finalizou. O secretário, porém, está de férias e não soube informar mais detalhes sobre a ampliação do ginásio. Priscila Mota

Maurício Reale

O grupo Magazine Luiza inaugurou na manhã de segunda-feira, 9, em Ibaiti, mais uma loja na região. É quinta cidade do Norte Pioneiro onde foram abertas lojas virtuais nas antigas instalações das lojas do Baú da Felicidade. Segundo a assessoria da rede varejista, todas as lojas virtuais abertas pelo grupo mantêm o quadro de funcionários do Baú. De acordo com a assessoria do grupo, nas lojas virtuais o cliente tem todas as informações de como adquirir um produto orientado pelos funcionários. Com a tecnologia atual é possível mostrar um produto de vários ângulos, via internet, além de todas as informações

inerentes ao seu uso. Desde que o Baú da Felicidade encerrou suas atividades em junho de 2011, as 121 lojas da antiga rede varejista do empresário Silvio Santos foram adquiridas pelo Magazine Luiza. Desde então, nos municípios com menos de 100 mil habitantes, ou bairros populosos de grandes cidades, as unidades adquiridas da extinta rede varejista passaram a ser utilizadas como lojas virtuais – prática usada pelo Magazine Luiza há mais de uma década. No Norte Pioneiro, além da recém inaugurada loja de Ibaiti, dede outubro funciona uma loja virtual em Arapoti. Em novembro foi inaugurada uma loja em Andirá e em dezembro em Cambará e Bandeirantes.

Todas as lojas virtuais possuem um centro de convenções dedicado à promoção de diversos cursos, degustações, aulas de culinária e eventos gratuitos oferecidos à comunidade. A rede Atualmente o Magazine Luiza – fundado em 1957 - possui 728 lojas e nove centros de distribuição localizados em 16 Estados : São Paulo – sede –, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Goiás, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí e Maranhão. Para adquirir as lojas do Baú da Felicidade, o Magazine Luiza desembolsou R$ 83 milhões. As lojas adquiridas representam um aumento de 11% em relação ao que a rede já possuía.

CAMBARÁ

Prefeitura abre inscrições para concurso público Da Redação

A prefeitura de Cambará iniciou esta semana as inscrições para o concurso público que ofertará 137 vagas, com salários que variam de R$ 574,71 à R$ 3.014,42. As inscrições tiveram início no dia 09 e vão até 24 de janeiro, através do site www. omconsultoria.com.br ou na Agência do Trabalhador de Cambará, situada na Rua Monsenhor João Belchior, 503.

Entre as vagas disponíveis estão os cargos de Advogado (2), Agente de Manutenção – Masculino (8), Agente Operacional – Feminino (17), Assistente Administrativo I (3), Auxiliar Administrativo I (7), Auxiliar de Vigilância Sanitária (1), Bibliotecário (a) (1), Contador (2), Coveiro (2), Desenhista (1), Enfermeiro (2), Engenheiro Civil (1), Farmacêutico (1), Fiscal (2), Fonoaudiólogo (1), Gari – Masculino (6), Inspetor de Alunos

(5), Instrutor de Informática (3), Motorista em Geral (4), Operador de Máquinas Rodoviárias (2), Pedreiro (6), Psicólogo (4), Recepcionista (5), Soldado para a Guarda Municipal (3), Técnico em Enfermagem (9), Técnico Contábil (1), Técnico Desportivo (5), Professor de Arte (4), Professor de Educação Especial (4), Professor de Educação Física (3), Professor de Educação Infantil (10) e Professor de Ensino Fundamental (15).

cyan magenta yellow black


B-2 Atas&Editais ALUGA-SE Sala comercial, com wc, situada à R. 13 de maio, 425 centro Santo Antonio da Platina- Pr Contato :(43) 9977- 6824 REQUERIMENTO DE RENOVAÇÃO DE LICENÇA DE OPERAÇÃO CERÂMICA DE TELHAS SANTA BÁRBARA LTDA., torna público que requereu ao IAP renovação da Licença de Operação nº 9714, validade 29/05/2012, para extração de argila no local denominado Piranhinha (Fazenda Maria Zilda), no município de Guapirama, no estado do Paraná. REQUERIMENTO DE RENOVAÇÃO DE LICENÇA DE OPERAÇÃO A. RODRIGUES DA SILVA – ARENITO - ME, torna público que requereu ao IAP renovação da Licença de Operação nº 21170, validade 11/05/2012, para extração de arenito no local denominado Fazenda Monte Claro, no município de Ribeirão Claro, no estado do Paraná. RECEBIMENTO DE LICENÇA DE OPERAÇÃO FRANCISCO DE MORAES LUSTRE - ME, torna público que recebeu do IAP Licença de Operação nº 5759, validade 17/07/2012, para extração de arenito no local denominado Fazenda Santo Antônio de Água Santa, no município de Ribeirão Claro, no estado do Paraná. REQUERIMENTO DE RENOVAÇÃO DE LICENÇA DE OPERAÇÃO FRANCISCO DE MORAES LUSTRE, torna público que requereu ao IAP renovação da Licença de Operação nº 5759, validade 17/07/2012, para extração de arenito no local denominado Fazenda Santo Antônio de Água Santa, no município de Ribeirão Claro, no estado do Paraná. PREFEITURA MUNICIPAL DE ANDIRÁ EXTRATO DE TERMO ADITIVO DE CONTRATO PARTES: MUNICÍPIO DE ANDIRÁ - PARANÁ SOCIEDADE HOSPITALAR BENEFICENTE DE ANDIRÁ CLÁUSULA PRIMEIRA – DO PRAZO DE VIGÊNCIA O prazo de vigência previsto na cláusula sétima do contrato origina, firmado pelas partes em 24/10/2011, fica prorrogado até 31/01/2012 a contar de 01/01/2012, conforme preceitua o Art. 57, inciso II, da Lei 8.666/93 e suas alterações Continuam em pleno vigor as demais cláusulas do contrato original, não modificadas pelo presente aditivo e, por estarem justas e pactuadas, as partes assinam o presente aditivo em 03 (três) vias de igual forma e teor. DATA: 28/12/2011 ASSINATURAS: JOSÉ RONALDO XAVIER – Prefeito PEDRO ANDRÉ FERNANDES JUNIOR – Representante Legal PREFEITURA MUNICIPAL DE ANDIRÁ ERRATA DO RESULTADO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 008/2011 O Resultado de Licitação do Convite nº 013/2011, publicado no Jornal Tribuna do Vale, no dia 06/12/2011, página B-4, deve ser retificada, ou seja, ONDE SE LÊ: R$ 145.944,91 (Cento e quarenta cinco mil, novecentos e quarenta quatro reais e noventa um centavos). LEIA-SE: R$ 145.944,01 (Cento e quarenta cinco mil, novecentos e quarenta quatro reais e um centavos). Andirá, 12 de Dezembro de 2011. PREFEITO: JOSÉ RONALDO XAVIER PREFEITURA MUNICIPAL DE CONSELHEIRO MAIRINCK EXTRATO DE DISPENSA Nº 001/2012 OBJETO: “Aquisição de 01 (uma) Impressora e 01 (um) computador para atender às necessidades do Conselho Tutelar através de recursos oriundos da Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social (SEDS) do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente – CEDCA e do Fundo Estadual para a Infância e a Adolescência (FIA), no valor de R$ 1.650,00 (Mil seiscentos e cinquenta reais). Atesta-se que o preço em tela está de acordo com o praticado no mercado. CONTRATANTE: Município de Conselheiro Mairinck/PR/ Prefeitura Municipal. CONTRATADO: ALTEK INFORMÁTICA – ALÉX BRITO DE OLIVEIRA – CNPJ: 08.640.337/0001-75 BASE LEGAL: Art.24, Inciso II da Lei nº 8.666/93. Conselheiro Mairinck, 11 de janeiro de 2.012 JUAREZ LÉLIS GRANEMANN DRIESSEN PREFEITO MUNICIPAL CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO DO VALE DO RIO CINZAS - “CIVARC” - CNPJ 08.976.528/0001-02 EXTRATO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO N. 002/2011 EXTRATO DO CONTRATO N° 021/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO: N.º 012/2011 PA RT E S : C O N S Ó R C I O I N T E R M U N I C I PA L PA R A O DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO DO VALE DO RIO CINZAS - “CIVARC” e DAYANA MORENO DE ARAUJO BUENO OBJETO: prestação de serviços na área de saúde na especialidade de EDUCAÇÃO FÍSICA para os municípios integrantes do CIVARC VALOR CONTRATUAL: R$ 10.000,00 (dez mil reais) VIGÊNCIA: 04 (quatro) meses a partir da assinatura do contrato. FORO: Comarca de Ibaiti, Estado do Paraná Japira, 09 de dezembro de 2011. JOÃO RENATO CUSTODIO – PRESIDENTE CIVARC Contratante DAYANA MORENO DE ARAUJO BUENO Contratada PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAPIRAMA DECRETO Nº 586/2012 SÚMULA: Exonera servidor aprovado em concurso publico do Município de Guapirama e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Guapirama, no uso das atribuições legais, nos termos do Inciso VII do Artigo 69 da Lei Orgânica do Município. DECRETA Art 1º - Fica exonerado o Sr JOZIMAR BISPO, brasileiro, solteiro, residente e domiciliado em Guapirama, Estado do Paraná – Pr., portador da Cédula de Identidade RG nº 10.822.971-3 SSP/PR, inscrito no CPF/ MF sob o nº 067.350.679-75, do cargo efetivo de Auxiliar de Obras e Serviços Públicos, a partir de 11 (onze) de Janeiro de 2012. Art 2º- Este Decreto entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Edifício da Prefeitura de Guapirama, Estado do Paraná, aos 11 (onze) dias do mês de Janeiro de 2012. EDUÍ GONÇALVES Prefeito Municipal

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAPIRAMA - PR LICITAÇÃO - MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL Nº 002/2012 TIPO: MENOR PREÇO POR LOTE O Município de Guapirama, Estado do Paraná, torna público que, fará realizar licitação na modalidade Pregão Presencial sob o nº 002/2012, que tem por objeto a AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES, DESTINADOS AO DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO MUNICIPIO DE GUAPIRAMA, conforme os lotes descritos no edital, valor máximo de 574.902,32 (quinhentos e setenta e quatro mil e novecentos e dois reais e trinta e dois centavos), assim distribuídos: LOTE I – R$ 165.227,35 (cento e sessenta e cinco mil duzentos e vinte e sete reais e trinta e cinco centavos). LOTE II – R$ 70.741,00 (setenta mil e setecentos e quarenta e um reais). LOTE III – R$ 179.234,43 (cento e setenta e nove mil duzentos e trinta e quatro reais e quarenta e três centavos). LOTE IV –R$ 12.138,86 (doze mil cento e trinta e oito reais e oitenta e seis centavos). LOTE V –R$ 7.267,80 (sete mil duzentos e sessenta e sete reais e oitenta centavos). LOTE VI – R$ 140.292,88 (cento e quarenta mil duzentos e noventa e dois reais e oitenta e oito centavos). Data e Horário da Sessão Pública: 26 DE JANEIRO DE 2012 às 09:00 HORAS, na sede da Prefeitura Municipal de Guapirama, sito a Rua Dois de Março, 460. O edital completo e informações estão disponíveis aos interessados na Secretaria Geral do Município de Guapirama, na Rua Dois de Março, 460, nos horários das 08:00 às 11:00 e das 13:00 às 16:00 horas, tel: (0xx43) 3573-1122. A pasta técnica, com o inteiro teor do edital e seus respectivos modelos, adendos e anexos poderão ser examinados no endereço, acima indicado, no horário comercial, ou pelo endereço eletrônico www. guapirama.pr.gov.br. Informações adicionais, dúvidas e pedidos de esclarecimento deverão ser dirigidos à Comissão de Licitação no endereço acima mencionado – fone/fax: (0**43) 3573-1122. Guapirama (PR), 11 de janeiro de 2012 ANGELA SOARES DE OLIVEIRA PREGOEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE CONSELHEIRO MAIRINCK EXTRATO DE DISPENSA Nº 049/2011 OBJETO: Aquisição, montagem e deflagração de fogos de artifício para o final de ano, no valor de R$ 6.090,00 (seis mil e noventa reais), nos termos da lei nº 8.666/93; CONTRATANTE: Município de Conselheiro Mairinck/PR/ Prefeitura Municipal. CONTRATADO: Benedito Carlos de Souza – Tabacaria Mineira, CNPJ nº 79.964.789/0001-50, Rua Antonio de Moura Bueno, 808 – Ibaiti – Pr, Fone – 43-3546-1222 ou 43 – 9958-9998, no valor R$ 6.090,00 (seis mil e noventa reais) BASE LEGAL: Art.24, Inciso II da Lei nº 8.666/93 Conselheiro Mairinck, 30 de Dezembro de 2011. JUAREZ LÉLIS GRANEMANN DRIESSEN PREFEITO MUNICIPAL PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAPIRAMA DECRETO Nº 585/2011 SÚMULA: Exonera servidora pública do Município de Guapirama e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Guapirama, no uso das atribuições legais, nos termos do Inciso VII do Artigo 69 da Lei Orgânica do Município, c.c. o Inciso XIV, do Art. 2º e Art. 59, ambos da Lei Municipal nº 062/06, DECRETA Art 1º - Fica exonerada a Srª MARIA APARECIDA CORREA, brasileira, solteira, residente e domiciliada em Guapirama, Estado do Paraná – Pr., portadora da Cédula de Identidade RG nº 1.329.523 SSP/PR, inscrita no CPF/MF sob o nº 374.407.139-15, do cargo comissionado de DIRETORA DE ESCOLA, a partir de 31 (dezembro) de 2011. Art 2º- Fica revogado o Decreto nº 499/2011 de 08/07/11, Este Decreto entra em vigor nesta data. Edifício da Prefeitura de Guapirama, Estado do Paraná, aos 27 (vinte e sete) dias do mês de Dezembro do ano de 2011. EDUÍ GONÇALVES Prefeito Municipal PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAPIRAMA PORTARIA Nº 002/12 O cidadão EDUI GONÇALVES, Prefeito Municipal de Guapirama, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais, nos termos do Inciso II, do Artigo 95, e Incisos VII do Artigo 69, da Lei Orgânica do Município, com observância no disposto no Artigo 14, c.c. Art.90 da Lei Municipal nº 238/93. RESOLVE Art. 1º - Conceder Licença-Prêmio por Assiduidade a Servidora MARLENE CAZAGRANDE DE MELLI, brasileira, casada, residente e domiciliada em Guapirama, Estado do Paraná, inscrita no cpf/mf sob nº 778.716.509-04, a partir de 10.01.12 á 10.04.12. Art. 2º - A presente portaria entra em vigor nesta data. Edifício da Prefeitura Municipal de Guapirama, Estado do Paraná, aos 10(dez) dias do mês de Janeiro de 2012. EDUI GONÇALVES Prefeito Municipal PREFEITURA MUNICIPAL DE JOAQUIM TAVORA – PARANA EXTRATO DO CONTRATO Nº 177/2011 REFERENTE AO PREGÃO PRESENCIAL Nº 049/2011 PARTES: MUNICIPIO DE JOAQUIM TAVORA e ITAU UNIBANCO S.A. OBJETO: Contrato para a operação com exclusividade dos serviços de processamento e gerenciamento de crédito provenientes das folhas de pagamento de salários, proventos e pensões da Administração Direto do Município de Joaquim Távora, pelo período de 60 (sessenta) meses. VALOR CONTRATUAL: R$ 12.500,00 (doze mil e quinhentos reais), referentes à epígrafe. VIGÊNCIA: 12 (doze) meses, a partir da assinatura do contrato. FORO: Comarca de Joaquim Távora, Estado do Paraná. Joaquim Távora (PR), 26 de dezembro de 2011. CLAUDIO REVELINO - PREFEITO MUNICIPAL - CONTRATANTE ITAU UNIBANCO SA - CONTRATADA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 002/12 A Prefeita Municipal de Santo Antônio da Platina, Estado do Paraná, no uso das atribuições que lhe são conferidas por Lei e, de conformidade com o ofício nº 015/12 do Secretário Municipal de Saúde , protocolado sob nº 000302/12, em 06/01/12, resolve: I – CONVOCAR o candidato abaixo relacionado, aprovado no Concurso Público Municipal, homologado através do Decreto nº 002/12, de 04 de janeiro de 2012, para comparecer na Divisão de Recursos Humanos desta Prefeitura Municipal, no prazo de 05 (cinco) dias, contados da data da publicação, como segue: RELAÇÃO DO CONVOCADO Cargo: FARMACÊUTICO 1. PRICILA BALDUCO BATISTA II – O candidato convocado deverá comparecer munido dos seguintes documentos: 1. Certidão constando que, em exercício da função pública, não sofreu penalidade por prática de atos desabonadores. 2. 02 (duas) fotos 3 x 4; 3. CTPS; 4. Fotocópia autenticada do RG, do CIC, do PIS/PASEP, da CTPS, do Título de Eleitor (com comprovante de votação na última eleição), da Certidão de Nascimento (se for solteiro), ou de Casamento (se for casado), do comprovante de escolaridade, da Carteira da Ordem de Classe, do Certificado de Reservista ou de quitação com o Serviço Militar (se for do sexo masculino e menor de 45 anos), da Certidão de Nascimento dos filhos (se os possuir); 5. Atestado de saúde expedido pelo Órgão Municipal de Saúde. 6. Certidão Negativa de Antecedentes Criminais, expedida pelo órgão competente da região de seu domicílio; 7. Declaração de acúmulo ou não, de emprego, cargo ou função pública nas esferas municipal, estadual ou federal; 8. Declaração de que não percebe proventos de aposentadoria do Regime Próprio da Previdência Social, em atendimento ao disposto no § 10, do Artigo 37 da Constituição Federal e da Emenda Constitucional nº 20/98. GABINETE DA PREFEITA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA / ESTADO DO PARANÁ / PAÇO MUNICIPAL DR. ALÍCIO DIAS DOS REIS, aos 11 de janeiro de 2012. MARIA ANA VICENTE GUIMARÃES POMBO Prefeita Municipal

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA DECRETO Nº 006/12 A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE SANTO ANTONIO DA PLATINA, Estado do Paraná, no exercício de suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 104, inciso I, alínea “e” da Lei Orgânica do Município, combinado com os artigos 5º, letra “d” e 6º do Decreto-Lei Federal no 3.365, de 21 de junho de 1941, e o artigo 5º, inciso XXIV, da Constituição Federal, decreta: Art. 1º - Ficam declaradas de utilidade pública pelo Município de Santo Antonio da Platina, Estado do Paraná, para a finalidade de instituír servidão administrativa, por via amigável, uma área de terras de 5 m² (cinco metros quadrados), de propriedade do Senhor Vicente Bianchi e sua esposa Josefina Maria Mazini Bianchi, localizada na Rua João Benedetti, 48, Distrito do Monte Real. Parágrafo único - O imóvel em tela está matriculado sob nº 5.172 no Cartório de Registro de Imóveis de Santo Antônio da Platina, Estado do Paraná. Art. 2º - A Servidão Administrativa de que trata este Decreto destinase à instalação de poço artesiano para abastecimento de água dos moradores do Distrito do Monte Real. Art. 3º - O Município nada terá que indenizar, salvo quando houver danos ou prejuízos que o uso de propriedade pelo Poder Público efetivamente causar ao imóvel serviente, os quais deverão ser devidamente comprovados. Art. 4º - Para que seja este ato efetivado, faz-se necessária a inscrição no Registro competente para conhecimento e validade, conforme estipula a Lei 6.015/73, de Registros Públicos. Art. 5º - Este ato entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário.GABINETE DA PREFEITA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA / ESTADO DO PARANÁ / PALÁCIO DO PODER EXECUTIVO, aos 06 de janeiro de 2012. MARIA ANA VICENTE GUIMARÃES POMBO Prefeita Municipal PREFEITURA MUNICIPAL DE ABATIÁ AVISO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA O Prefeito Municipal de Abatiá, no uso de suas atribuições legais, convida a população Abatiaense para participar da Audiência Pública para APRESENTAÇÃO e DISCUSSÃO de propostas para alterações orçamentárias para o Exercício de 2012. Data:12/01/2012. Horário:15:30. Local: Câmara Municipal de Vereadores, Avenida João Carvalho de Mello, 324 – Abatiá – Paraná. Abatiá-PR, 11 de janeiro de 2012. Irton Oliveira Müzel Prefeito Municipal

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ – PARANÁ AVISO DE LICITAÇÃO MODALIDADE: Concorrência nº 05/2012, para o Registro de Preços, do tipo Menor Preço Por Item. SÍNTESE DO OBJETO: AQUISIÇÃO DE PRODUTOS DE GÊNERO ALIMENTÍCIOS, PARA DIVERSOS SETORES DA PREFEITURA MUNICIPAL, conforme especificações contidas no anexo I, do edital. VALOR MÁXIMO: O valor total máximo da licitação é de R$ 178.354,10 (Cento e Setenta e Oito Mil Trezentos e Cinqüenta e Quatro Reais e Dez Centavos). DATA DA EMISSÃO DO EDITAL: 11/01/2012 DATA DE APRESENTAÇÃO DOS ENVELOPES: 13/02/2012 DATA DA SESSÃO DE JULGAMENTO: 13/02/2012 O edital e seus anexos poderão ser retirados no setor de licitações da Prefeitura Municipal de Barra do Jacaré, sito a Rua Rui Barbosa, nº 96, Bairro Centro ou através do email pmbj@uol.com.br, mais informações pelo Fone/Fax (43) 3537-1212. Prefeitura Municipal de Barra do Jacaré - PR, em 11 de Janeiro de 2012. PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATIGUÁ-PARANÁ AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 01/2012-SRP Objeto: Registro de Preços para futuras aquisições de gêneros alimentícios e produtos de higiene, limpeza, copa e cozinha. Credenciamento: 25/01/2012 das 08h00min às 09h00min. Abertura: Após credenciamento. Informações sobre a retirada do edital através do site: www. quatigua.pr.gov.br, ou através do e-mail: pmqlicitacoes@uol.com.br. Quatiguá-PR, em 10 de janeiro de 2012. Gilvan de Oliveira – Pregoeiro. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBARÁ TOMADA DE PREÇO No 01/2012 EMISSÃO 10/01/2012 - ABERTURA 30/01/2012 A Prefeitura Municipal de Cambará – Estado do Paraná, torna público para conhecimento de interessados, que, com base na Lei no 8.666/93, bem como da Lei Complementar n.º 123/2006, Lei Complementar Municipal 008/2007 e alterações posteriores, encontra-se aberta Licitação, na modalidade Tomada de Preço, do tipo MENOR PREÇO, apresentando preço para execução, sob REGIME DE EMPREITADA POR PREÇO GLOBAL, de obra, conforme especificados no objeto, mediante as condições estabelecidas neste ato convocatório e seus anexos. I - DO OBJETO: Fornecimento de materiais e mão de obra para construção um ginásio de esportes a ser construído na escola Angelina R. Vezzozo, neste município, conforme anexos. II – DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA: As despesas com a contratação correrão à conta do convênio nº 2920110527, realizados entre a ESTADO DO PARANÁ – SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO e o Município de Cambará – PR e da dotação orçamentária nº 1236.1101.01090. Construção Ampliação e Reforma de Escolas. F. R. 1000. III – PREÇO MÁXIMO ADMITIDO: 810.754,85 (oitocentos e dez mil, setecentos e cinquenta e quatro reais e oitenta e cinco centavos).. IV - DO EDITAL: A Pasta Técnica, com o inteiro teor do Edital e seus respectivos modelos, adendos e anexos, poderá ser examinada e adquirida no Prédio da Prefeitura Municipal, no endereço Avenida Brasil no 1082, Centro, Fone (43) 3532-8800, junto ao Departamento de Licitação, à partir do dia 13 de janeiro de 2012, no horário comercial e será fornecida mediante a apresentação do recibo de pagamento no valor de R$ 10,00 (dez reais). V - DA ABERTURA: Os envelopes deverão ser entregues na sede da Prefeitura até o dia 30/01/2011 às 14:15 horas, para o julgamento às 14:30 horas do mesmo dia. Gabinete do Prefeito Municipal de Cambará – Estado do Paraná, 10 de janeiro de 2012. JOSÉ SALIM HAGGI NETO PREFEITO MUNICIPAL DE CAMBARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATIGUÁ DECRETO Nº. 002/2012 O Prefeito Municipal de Quatiguá, Estado do Paraná, no uso das atribuições que lhe são conferidas por Lei e pelos dispositivos da Lei: RESOLVE: Art. 1º - Contratar e nomear a aprovada no concurso público nº 01/2009, para ocupar o respectivo cargo conforme abaixo:

Art. 2º - Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, com efeitos retroativos a partir de 11 de janeiro de 2012. Gabinete do Prefeito Municipal de Quatiguá, em 11 de janeiro de 2012. Efraim Bueno de Moraes Prefeito Municipal


serviços de manutenção de estradas rurais e vicinais. NAT

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

P

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATIGUÁ LEI Nº. 1.746/2012.

Súmula: Inclui Metas a Programas no Plano Plurianual e nas Diretrizes Orçamentárias e dá outras providências. A Câmara Municipal de Quatiguá, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei Artigo 1º - Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a proceder a inclusão de metas aos programas abaixo discriminados, no Plano Plurianual do município, período 2010 a 2013, de que trata a Lei Municipal nº. 1.587/2009: 21 – PROGRAMA DE SERVIÇOS URBANOS - Infraestrutura turística em vias públicas

NAT P

PRODUTO

- Realização de pavimentação asf��ltica nas vias que contornam as Praças: Expedicionário Eurides Fernandes do Nascimento e Monsenhor Celso. 2012 UNIDADE DE MEDIDA METAS VALOR

Pavimentação

M2

5.455,97

205.000,00

- Execução de pavimentação poliédrica em vias urbanas, através do Programa RECAP do Governo Estadual

P

VALOR

Equipamento

unidade

1

250.000,00

Atas&Editais B-3

Artigo 2º - Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a proceder a inclusão de metas aos programas abaixo discriminado, na Lei de Diretrizes Orçamentárias/2012 do município, de que trata a Lei Municipal nº. 1.738/2011. 21 – PROGRAMA DE SERVIÇOS URBANOS - Infraestrutura turística em vias públicas

NAT P

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Pavimentação

M2

5.730

115.000,00

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Pavimentação

M2

5.455,97

205.000,00

- Execução de pavimentação poliédrica em vias urbanas, através do Programa RECAP do Governo Estadual

P

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Pavimentação

M2

5.730

115.000,00

- Implantação de iluminação em praças e calçadões NAT P

- Implantação de iluminação em praças e calçadões

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Praça / calçadão

unidade

8

90.000,00

21 - SERVIÇOS URBANOS

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Praça / calçadão

unidade

8

90.000,00

- Execução de pavimentação poliédrica, drenagem e urbanização de passeios em vias urbanas, através do de recursos de operação de crédito e próprios do município. NAT

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

P

Pavimentação

M2

6.215

78.185,00

P

Drenagem

M

25

3.761,42

P

Meio fio e sarjeta

M

2.035

10.638,01

P

Urbanização de Passeio

UN

10

51.250,30

21 - SERVIÇOS URBANOS - Execução de pavimentação poliédrica, drenagem e urbanização de passeios em vias urbanas, através do de recursos de operação de crédito e próprios do município. NAT

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

P

Pavimentação

M2

6.215

78.185,00

P

Drenagem

M

25

3.761,42

P

Meio fio e sarjeta

M

2.035

10.638,01

P

Urbanização de Passeio

UN

10

51.250,30

37 - ATENDIMENTO GERAL A SAÚDE - Conclusão do Centro de Saúde Básico de Atendimento Integral à Mulher e à Criança NAT P

- Realiza pavimentação asfáltica nas vias que contornam as Praças: Expedicionário Eurides Fernances do Nascimento e Monsenhor Celso.

21 - SERVIÇOS URBANOS

21 - SERVIÇOS URBANOS

P

2012 METAS

21 - SERVIÇOS URBANOS

PRODUTO

NAT

UNIDADE DE MEDIDA

NAT

21 - SERVIÇOS URBANOS

NAT

PRODUTO

37 - ATENDIMENTO GERAL A SAÚDE - Conclusão do Centro de Saúde Básico de Atendimento Integral à Mulher e à Criança NAT P

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Clinica

M2

256,62

198.582,18

34 - INCENTIVO A CULTURA

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Clinica

M2

256,62

198.582,18

- Reestruturação do Centro de Eventos

- Execução de obras de reestruturação visando proporcionar a população local e regional mais um ponto turístico e cultural apto a realizar shows artísticos, de dança, rodeios e outros eventos de interesse regional.

34 - INCENTIVO A CULTURA - Reestruturação do Centro de Eventos

NAT P

- Execução de obras de reestruturação visando proporcionar a população local e regional mais um ponto turístico e cultural apto a realizar shows artísticos, de dança, rodeios e outros eventos de interesse regional. UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Centro de Eventos

un

01

288.499,22

- Conclusão de Escola

- Conclusão de escola para atendimento da Educação Infantil – Pró Infância

PRODUTO

2012 METAS

VALOR

Escola

unidade

01

605.499,76

P

PRODUTO

2012 METAS

VALOR

Programa

un

01

61.000,00

unidades - Construir unidades habitacionais com área construída de aproximadamente 43,00 m2.

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

Unidades habitacionais

unidade

10

VALOR

NAT P

288.499,22

- Conclusão de escola para atendimento da Educação Infantil – Pró Infância

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Escola

unidade

01

605.499,76

- Implantar e desenvolver o programa: - Desenvolver ações socioeducativas de Apoio à Família e Idosos em Grupos de apoio à família e idosos em grupos de Convivência. convivência.

A

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Programa

un

01

61.000,00

- Construção habitacionais.

P

de

unidades - Construir unidades habitacionais com área construída de aproximadamente 43,00 m2.

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

Unidades habitacionais

unidade

10

- Aquisição de rolo compactador

NAT

- Adquirir rolo compactador para execução de serviços de manutenção de estradas rurais e vicinais.

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Equipamento

unidade

1

250.000,00

VALOR 120.000,00

48 - APOIO AGROPECUÁRIO

120.000,00

48 - APOIO AGROPECUÁRIO - Aquisição de rolo compactador

01

P

NAT

NAT

un

22 – AÇÕES DE PLANEJAMENTO E DE GESTÃO URBANA

UNIDADE DE MEDIDA

de

Centro de Eventos

- Conclusão de Escola

22 – AÇÕES DE PLANEJAMENTO E DE GESTÃO URBANA - Construção habitacionais.

VALOR

NAT

- Implantar e desenvolver o programa: - Desenvolver ações socioeducativas de Apoio à Família e Idosos em Grupos de apoio à família e idosos em grupos de Convivência. convivência.

A

2012 METAS

046 - ASSISTÊNCIA SOCIAL GERAL

UNIDADE DE MEDIDA

046 - ASSISTÊNCIA SOCIAL GERAL

NAT

UNIDADE DE MEDIDA

NAT

30 - EDUCAÇÃO INFANTIL

P

P

PRODUTO

30 - EDUCAÇÃO INFANTIL

PRODUTO

NAT

NAT

P

- Adquirir rolo compactador para execução de serviços de manutenção de estradas rurais e vicinais.

PRODUTO

UNIDADE DE MEDIDA

2012 METAS

VALOR

Equipamento

unidade

1

250.000,00

Artigo 3º - Fica o Executivo autorizado a abrir junto ao Orçamento Geral do Município, crédito adicional especial no valor de R$ 1.767.438,25 ( um milhão, setecentos e sessenta e sete mil, quatrocentos e trinta e oito reais e vinte e cinco centavos), conforme segue: 05 – Secretaria Municipal de Obras, Viação e Serviços 05.003 – Divisão de Serviços 15.695.0021.1.115 – Infraestrutura Turística Fonte 31752 – Convênio 754971/2010-MTUR – Exercício Corrente 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações.........................................................................R$ 195.000,00 Continua na próxima página

Artigo 2º - Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a proceder a inclusão de metas aos programas abaixo discriminado, na Lei de Diretrizes Orçamentárias/2012 do município, de que trata a Lei Municipal nº. 1.738/2011.


B-4 Atas&Editais

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Fonte 03501 – Alienação de Ativos – Exercício Anterior 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações.............R$ 10.000,00 05 – Secretaria Municipal de Obras, Viação e Serviços 05.003 – Divisão de Serviços 15.451.0021.1.064 – Pavimentação Centro/Jardim Primavera 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações Fonte 31756 – Convênio SEDU/Programa RECAP – Exercício Corrente...............R$ 101.000,00 Fonte 03501 – Alienação de Ativos – Exercício Anterior 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações...............R$ 14.000,00 05 – Secretaria Municipal de Obras, Viação e Serviços 05.004 – Seção de Serviços de Utilidade Pública 15.452.0022.1.114– Implantação de iluminação em praças e calçadões 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações Fonte 03507 – Cosip – Contribuição de Iluminação Pública – Exercício Anterior......R$ 80.000,00 33.90.30.00.00 – Material de Consumo Fonte 03507 – Cosip – Contribuição de Iluminação Pública – Exercício Anterior......R$ 10.000,00 05 – Secretaria Municipal de Obras, Viação e Serviços 05.003 – Divisão de Serviços 15.451.0021.1.116 – Pavimentação Poliédrica em Vias Urbanas 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações Fonte 41605 – Operação de Crédito Infra Estrutura Urbana – Exercício Corrente.........R$ 78.185,00 15.451.0021.1.074 – Construção de Galerias Pluviais e Caixas de Captação 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações Fonte 41605 – Operação de Crédito Infra Estrutura Urbana – Exercício Corrente.........R$ 3.761,42 15.451.0021.1.018 – Colocação de Meio-Fio e Sarjeta 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações Fonte 41605 – Operação de Crédito Infra Estrutura Urbana – Exercício Corrente.......R$ 10.638,01 15.451.0021.1.085 – Urbanização de Passeios 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações Fonte 41605 – Operação de Crédito Infra Estrutura Urbana – Exercício Corrente......R$ 51.250,30 07 – Secretaria Municipal de Saúde e Saneamento 07.001 – Fundo Municipal de Saúde 10.301.0037.1.112 – Construção da Clinica da Mulher e da Criança 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações Fonte 31333 – Convênio SESA 05/2010 – Exercício Corrente ..............................R$ 198.582,18 06 – Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esportes 06.001 – Seção de Pedagogia 12.365.0030.1.094 - Construção de Escola para Educação Infantil Fonte 33123 – Convênio MEC/FNDE/Pró-Infância – Exercícios Anteriores 44.90.51.00 – Obras e Instalações........................R$ 356.522,12 06 – Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esportes 06.004 – Seção de Cultura 13.695.0034.1.108 – Reestruturação do Centro de Eventos Fonte 31745 – Convênio MTUR/Centro Evento nº. 030221028 – Exercício Corrente 44.90.51.00 – Obras e Instalações..............R$ 216.333,00 Fonte 33745 – Convênio MTUR/Centro Evento nº. 030221028 – Exercício Anterior 44.90.51.00 – Obras e Instalações..................R$ 58.851,00 Fonte 03000 – Rec. Ordinários Livres – Exercícios Anteriores 44.90.51.00 – Obras e Instalações ................R$ 13.315,22 08 – Divisão de Assistência Social 08.001 – Seção de Assistência Social/FMAS 16.482.0022.1.121– Construção de Unidades Habitacionais Fonte 03000 – Rec. Ordinários Livres – Exercícios Anteriores 44.90.51.00.00 – Obras e Instalações....................R$ 120.000,00 09 – Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Meio Ambiente e Turismo 09.001 – Seção de Agricultura e Pecuária 20.601.0048.1.118 – Aquisição de Rolo Compactador 44.90.52.00 – Equipamentos e Material Permanente Fonte 31758 – Convênio MAPA/Rolo Compactador – Exercício Corrente.............R$ 243.750,00 Fonte 03000 – Rec. Ordinários Livres – Exercícios Anteriores...............................R$ 6.250,00 Artigo 4º - Para dar cobertura aos créditos acima, serão utilizados os seguintes recursos: Excesso de Arrecadação: Recursos do Convênio nº. 744971/2010/MTUR.....................R$ 195.000,00 Recursos Convênio SEDU/Programa RECAP nº. 239/2010.....................................R$ 101.000,00 Recursos Convênio SESA 05/2010 .............................R$ 198.582,18 Recursos Convênio MEC/FNDE/Pró-Infância ............ R$ 356.522,12 Recursos Contrato Repasse nº. 0302210-28/2009/MTUR.............................. .........R$ 216.333,00 Recursos Contrato Repasse nº. 0366775-09/2011 MAPA/Rolo Compactador..........R$ 243.750,00 Superávit Financeiro: Fonte 501 – Receita de Alienação de Ativos.......... R$ 24.000,00 Fonte 507 – Cosip – Contribuição de Iluminação Pública..........................................R$ 90.000,00 Fonte 745 - Contrato Repasse nº. 0302210-28/2009/MTUR..............R$ 58.851,00 Fonte 000 – Recursos Livres .............................R$ 139.565,22 Recursos Operação de Crédito..................................R$ 143.834,73 Artigo 5º - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário. Quatiguá, em 11 de janeiro de 2012. Efraim Bueno de Moraes Prefeito Municipal



                                                                                 ���       



    





































































 















































 



























 













































 





































 

































































































 



























          

 

                                                                          

    



 

























































 





































































 











































 







































 



 

 

 

 

 

 













���



































































































































Continua na próxima página


 



  













 

















 

























































































































































TRIBUNA DO VALE 

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012 

 





























































































  







































Atas&Editais B-5 









































































































































































































    

































 



 

 

 

 

 

 



   

 

 

 

 























































































































 



















































































































































 

























































































 





































   















































































































 































































































 









































































































 







 

 







 



 

  









 





































































 















 









  















 





























































 





















































































































































































 

 



































































���

































































  































 























































































 

















































































































































































 



































































































 





  





 









































































 













































































































































































































































































































Continua na próxima página


 





 

 













































































































 



















































































































 

































































































  

 

 

 













































































































































































































 





















































 













































 































 

   





































  





















TRIBUNA DO VALE

12 de janeiro de 2012  Quinta-feira, 



 









 





  







B-6 Atas&Editais

 



































































































































































































































































 



    



 

 

 

 



 

















���



















































































































































































 



 















































































 

  

 

     



































































 























































































































































































































  

 





















































































































































  

    



  











 







  





    



















































 











 













 

















































































































































���























































































































































































 

 















































 





 

















































   























































































































Continua na próxima página


Atas&Editais B-7

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012 

    

















































































































































































































































































 

Ação dos psicopatas nas empresas





 





































































































































































    







  

































































���

































































 











 

  













  















































































































































PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBARÁ E S T A D O

D O

P A R A N Á

Av. Brasil, 1.082 – Cambará-PR – 86390-000 – (43) 3532-8800 – pjmcambara@visaonet.com.br

o

LEI N 1.487/2012 Autoriza a doação de área urbana, lote 1, da quadra nº 15, com área de 2.700,00 m2, situado no bairro Morada do Sol, nesta cidade, de propriedade do Município de Cambará, Estado do Paraná, ao TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ – PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO – UNIÃO FEDERAL, para a construção da sede do Fórum Eleitoral e dá outras providências. A Câmara Municipal de Cambará, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1º – Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a proceder à doação ao TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ – PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO – UNIÃO FEDERAL, pessoa jurídica de direito público, inscrita no CNPJ/MF sob nº 03.985.113/0001-81, com sede e foro à rua João Parolin nº 224, na cidade de Curitiba-PR, da área urbana, a ser destacada da Matrícula nº 1.018, do Cartório de Registro de Imóveis, lote 1, da quadra nº 15, com área de 2.700,00 m2, situado no bairro Morada do Sol, nesta cidade, onde deve ser construído o Fórum da Justiça Eleitoral.

Art. 2º – Além da doação, o Município de Cambará, efetuará os serviços de aterro e compactação do solo. Art. 3º - O imóvel doado se destina exclusivamente à construção da sede do Fórum Eleitoral, cujas despesas correrão por conta da dotação orçamentária da União Federal. Art. 4º - O imóvel fica gravado com cláusula de inalienabilidade e de reversão automática, incluindo-se as construções acessadas, caso não seja atendido o prazo de 180 (cento e oitenta) dias para o início das obras e o prazo máximo de 02 (dois) anos para sua conclusão, a contar da publicação desta lei. Art. 5º - Por ocasião da emissão do título definitivo de propriedade ou da lavratura da escritura pública de doação, eventuais despesas correrão por conta do donatário, bem como poderão ser estipuladas outras obrigações convencionadas pelas partes. direito.

Art. 6º - O imóvel descrito no artigo 1º desta lei, fica desafetado para os fins de Art. 7º – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

2012.

Luiz Antonio Silva





 

A RTIGO

Gabinete do Prefeito Municipal de Cambará, Estado do Paraná, em 11 de janeiro de

José Salim Haggi Neto Prefeito Municipal

Quando nos propomos a falar da Ação dos Psicopatas nas Empresas, antes de tudo precisamos saber de quais pessoas estamos falando, porque a grande maioria das pessoas que causam problemas às empresas são mais ignorantes do que propriamente maldosos. É importante perceber que há uma grande diferença entre o que nós classificamos como pessoas desequilibradas e os verdadeiros representantes da psicopatia nas empresas. Se houvesse uma reunião de líderes e diretores na empresa na qual um psicopata colocasse sua real forma de agir , seria mais ou menos assim: Se você como líder da reunião dissesse: “Seja bem vindo colega!”. Ele responderia: “em primeiro lugar não sou seu colega, em segundo lugar eu conheço o seu sentimento. Sei que você não gosta nem das pessoas que trabalham com você, que dirá de mim que você não conhece verdadeiramente. Por isso duvido que eu seja bem vindo aqui”. O líder ficaria desconcertado, porém, diria: “mas meu amigo, veja bem, isto aqui é uma empresa, com objetivos definidos”. Ele responderia: “muito bem, agora você vai dizer que eu sou o “fora de foco” e que você vai “me lembrar algumas coisas”, não é isto?”. “Pois bem, e quem garante para você que eu sou um “fora de foco?” Só porque eu penso diferente de você? Aliás, o que a faz acreditar que possa me aconselhar? Quem é que cuida de você? Porque suponho que quando alguém vai cuidar do outro, este alguém esteja melhor que o outro e, francamente, eu não vejo que você esteja melhor que eu. Porque eu faço o diferente? Porque sou combatente das ideias de hipocrisia? Sim, é verdade, mas admito isto, e assumo, enquanto que você faz o mal tanto quanto eu e se disfarça de líder bonzinho”. Outro participante da reunião poderia intervir: “meu amigo, é preciso união, sinergia”. O representante da psicopatia nas empresas responderia: “Acabou o argumento. Quando vocês vêm com esta ladainha que é preciso união, sinergia, é que vocês não têm mais argumentos”. “Mas isso não é ladainha, meu amigo”. “Se isso não é ladainha por que o senhor não vai praticar isso com seu filho na sua casa? Aliás, um filho que o senhor não tem relacionamento há anos. Se o senhor não consegue conviver com o seu filho que é sangue do seu sangue, como é que o senhor quer falar de união e sinergia comigo? O senhor nunca se interessou em me conhecer realmente. Viriam tentativas de outros participantes da reunião de cúpula e a história se repetiria até que, por último, viria um líder verdadeiro, e com muita calma diria: “Não é necessário que o senhor fique atirando estas verdades em nossas faces. Nós temos plena consciência daquilo que somos. Sabemos que ainda somos crianças em liderança e que precisamos aprender muito”. “O psicopata responderia: “até que enfim alguém com coerência neste grupo, até que enfim alguém disse uma verdade. Concordo com você, realmente vocês são crianças empresariais e como crianças não deveriam se meter a fazer trabalho de gente grande, porque vocês não dão conta”. COMOAGEMOSPSICOPATAS EM NOSSAS EMPRESAS? Como vimos, os verdadeiros psi-

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBARÁ E S T A D O

D O

P A R A N Á

Av. Brasil, 1.082 – Cambará-PR – 86390-000 – (43) 3532-8800 – pjmcambara@visaonet.com.br

LEI COMPLEMENTAR Nº032/2012 Altera dispositivo da Lei Complementar nº029/2011, para extinguir o Cargo em Comissão de Diretor Financeiro. A Câmara Municipal de Cambará, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DOS CARGOS EM COMISSÃO Art. 1º - Fica revogado o § 3º do art. 1º da Lei Complementar nº 029/2011 de modo a extinguir o Cargo em Comissão de Diretor Financeiro, lotado no Departamento de Contabilidade, símbolo CC-1. Art. 2º - Em consequência do disposto no artigo 1º desta Lei, fica excluído o cargo de Diretor Financeiro dos Anexos I e II da Lei Complementar nº029/2011. Art. 3º - Permanecem inalteradas as demais disposições da Lei Complementar nº029/2011. Art. 4º - Esta Lei Complementar entrará em vigor na data de sua publicação. Gabinete do Prefeito Municipal de Cambará, Estado do Paraná, em 11 de janeiro de 2012. José Salim Haggi Neto Prefeito Municipal

copatas além de maldosos são, também, extremamente inteligentes. São “profissionais” que não estão muito preocupados com as empresas. São pessoas que poderiam estar envolvidas, por exemplo, na 1ª e 2ª guerras mundiais e no ataque às Torres Gêmeas nos Estados Unidos. Poderiam ser assessores intelectuais de Bin Laden, de Sadam Hussein e de inúmeros outros ditadores que já passaram pelo mundo, porque eles têm um plano muito bem elaborado, que é o do poder. Os grupos de profissionais comuns não apresentam tanto perigo para eles. Esses psicopatas estarão sim, atacando núcleos e pessoas desde que o núcleo e as pessoas que os compõem realmente representem algum perigo para as suas intenções. Portanto, quando nós falamos das inteligências do mal nós estamos falando destas pessoas que têm uma capacidade mental e intelectual muito acima da média em geral. Normalmente eles não estão preocupados com os nosso trabalho na empresa, a não ser que nossos líderes estejam bem equilibrados, com ética, (o que é muito difícil ), estes representam algum perigo para eles. Nós que vivemos e trabalhamos numa empresa sabemos bem dos problemas encontrados nas atividades de grupos e células. Para ilustrar vamos raciocinar em cima de uma situação numa empresa, que poderia ser verídica. Um desses psicopatas pediria a palavra numa reunião da empresa e diria para o grupo: “Eu quero informar que não vamos mais prejudicar vocês. Estamos nos afastando e vamos para outro grupo”. Haveria silêncio até que alguém perguntasse: “Vocês não vão mais nos prejudicar, por quê?”. O psicopata responderia: “existe nesta empresa, tanta maledicência, tanta preguiça, tanto atrito, tantas brigas pelo poder, tantas pessoas pregando aquilo que não praticam, que nós, o grupo de ação das trevas, não precisamos nos preocupar com vocês, você mesmos são obsessores uns dos outros”. OR QUE REALIZAR UM TREINAMENTO RESSALTANDO A AÇÃO DOS PSICOPATAS NAS EMPRESAS? FALAR DO MAL NÃO É AJUDAR O MAL A CRESCER? No livro a “Arte da Guerra” (de Sun Tzu) está escrito: “se você vai para uma guerra e conhece mais o seu inimigo que a você mesmo, não se preocupe, você vai vencer todas as batalhas. Se você conhece a si mesmo, mas não conhece o inimigo, para cada vitória você terá uma derrota. Porém, se você não conhece nem a si mesmo e nem ao inimigo, você vai perder todas as batalhas”. Infelizmente, a grande maioria dos líderes não conhecem nem a si mesmos. Têm medo da reforma intima, não fazem a viagem interior, têm medo do que vão encontrar dentro de si. Negam a transformação comportamental. Precisamos falar das “trevas” para conhecermos as “trevas”. Se não conhecermos como eles manipulam os profissionais comprometidos, como é que vamos saber nos defender deles? Para isso é preciso refletirmos nesta condição de nos conhecermos, até porque todo campo de ação que os psicopatas nas empresas encontram para agir é um reflexo das trevas que nós carregamos dentro de nós. É preciso realmente realizarmos a nossa mudança interior para sairmos da

sintonia desse pessoal. E COMO É QUE FICA? Não podemos esquecer que há uma lei que respeita o nosso livre arbítrio. Uma empresa com pessoas éticas e conscientes possui o seu campo de proteção psíquica, um campo de força, porém, quem mantém ligado estes campo de força são os profissionais dessa empresa. Toda vez que há brigas dentro do trabalho, toda vez que há grupos inimigos conflitando-se, toda vez que há maledicências, onde se dá campo para os desequilíbrios comportamentais, é como se houvesse um curto circuito neste campo, como se houvesse uma queda de energia, e as ideias do mal entram. Muitas vezes, o campo é religado, mas, os “representantes e colaboradores das trevas” já entraram. O grande problema é que quase sempre nós não estamos sintonizados com o bem, e sim preocupados em satisfazer nosso egoísmo. A ação do bem, e a nossa postura diante da vida é fundamental. Por exemplo: o sofrimento, a dor, as decepções, as traições, não é causa, isso tudo é efeito. Só existe o mal, aquela energia pesada e inferior que parece que está cercando a empresa, porque aqueles que lideram e trabalham dentro dela têm sentimentos medíocres e inferiores. No dia que a empresa evoluir esta energia ruim desaparece, porque ela é consequência. Por isso que não podemos nos esquecer que as energias ruins que estão em nosso ambiente profissional (e familiar também), são apenas uma extensão das nossas trevas interiores. Existe, sim, a proteção espiritual nas empresas e lares, porém, a espiritualidade respeita o nosso livre arbítrio. COMO É QUE OS GRUPOS EMPRESARIAIS PODEM SE DEFENDERDOS“REPRESENTANTES DAS TREVAS?” • Investindo em treinamentos que priorizem consciência profissional e relações humanas, formando fomentadores do crescimento pessoal e profissional. • Insistindo na prática da inteligência emocional, e, principalmente, muito autoconhecimento, entre todos os colaboradores do grupo. • Relembrando sempre a missão, a visão, e os valores da empresa, para gerar muito comprometimento e cumplicidade com o planejamento programado. • Realizando, periodicamente, uma avaliação dos resultados obtidos, para verificar se os três itens anteriores estão realmente acontecendo. • Em tempo: você encontrará em nosso site dicas, informações, leituras, e reflexões de como trabalhar tudo isso. Visite-nos! Diariamente abastecemos você de ferramentas para se livrar dos psicopatas e representantes das trevas na sua vida e na sua empresa. Luiz Antonio Silva• Diretor e palestrante da PHAROL.• Credenciado pelo Sescoop.• Consultor de RH e facilitador do Sebrae-SC por dez anos.• Formador de equipes e executivo do Banco Itaú S/A por 18 anos.• Capacitador em Inteligência Emocional e Coaching em Liderança.• Fundador da 1ª Cooperativa de Qualidade de Vida/SC.• Estudou medicina ayurvédica.• Formado em BioPsicologia- www.visaofuturo.org.br -supervisão drª Susan Andrews


cmyb

TRIBUNA DO VALE

Quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

E-mail: social@tribunadovale.com.br

FERNANDA DINIZ Arquivo Pessoal

Fernanda Diniz/ TV

Conquista A platinense Michelle Parpinelli Lemes Arruda, 14 anos, comemora aprovação, em 1º lugar, no Instituto Federal do Paraná, no curso de Técnologia de Alimentos em Jacarezinho. Michelle recebe os parabéns pela conquista, de toda sua família, em especial dos pais Rose e Edivaldo Arruda e do irmão Mateus, todos com ela na foto. Sucesso!

Bodas O Diretor do Departamento Municipal de Cultura de Santo Antônio da Platina Carlos Alberto e sua esposa Maria Helena completaram na último terça-feira, 37 anos de feliz união. Os parabéns vêm dos filhos, netos e demais familiares. Felicidades!

Pense nisso A satisfação está no esforço e não apenas na realização final. (Mahatma Ghandi)

Arquivo Pessoal

Brother Daniel Echaniz, um dos últimos BBBs a entrar na casa mais vigiada do Brasil, é modelo e já posou ao lado de Isabeli Fontana para a Vogue Francesa. Recentemente, Daniel recusou um trabalho na África do Sul para tentar o prêmio de R$ 1,5 milhão. (Ego)

Blush Para afinar o rosto redondo, o primeiro passo é aplicar um blush mais escuro no canto externo das maçãs, próximo às orelhas. Depois, esfume até o meio do nariz e da boca, usando um tom mais claro. Já rostos com o formato oval tende a ser mais marcado na região das bochechas, o recomendado é começar a aplicar o blush nas maçãs do rosto, esfumado com o pincel em direção às têmporas. (Lunna)

Casamento Ana Mara e Kleber Luís trocaram alianças, recentemente, em Santo Antônio da Platina. O casal recebeu as bênçãos do pastor José Fabrício na Igreja Metodista. Amigos e familiares felicitam os noivos!

Cuidado com as madeixas Prender com elástico faz aumentar a quebra dos fios, além de favorecer a queda. Prefira os modelos específicos para cabelo, largos e macios, ou até mesmo piranhas. E faça rabos de cavalo mais soltinhos.

H ORÓSCOPO PARA HOJE Áries Dinamismo e capacidade de fazer as coisas acontecerem é o tema de hoje. Seu regente Marte forma hoje aspecto poderoso com o Sol, acrescentando altas doses de disciplina e ambição aos seus propósitos. Exercite-se também. O amor está em alta.

Gêmeos Basta você tomar uma decisão hoje e ir adiante, porque Sol e Marte estão ao seu lado numa contenda, disputa ou desafio de qualquer natureza. Vo c ê c o n t a c o m m a i s pericia e só precisa confiar mais no seu valor! No amor, certo afastamento.

Leão Nada parece atrapalhar seu caminho e todas as portas estão abertas, esperando que você chegue pra entusiasmar a turma com novas proposições. Mas La no fundo bate aquele cansaço. Vá adiante, em breve poderá relaxar.

Libra Um dia de muita fé, de muita garra, em que você conta com a ajuda de pessoas poderosas também, para defender o que tem valor. Pratique esportes, tome uma decisão difícil. Mercúrio em Capricórnio até 28/1 garante também foco nas metas.

Sagitário O clima astral está um tanto oscilante no campo amoroso e afetivo pra você de hoje a sábado, mas com muitas oportunidades de viagem, estudos e novas relações sociais que darão um bom impulso ao seu trabalho ou profissão. Foque nisso!

Aquário Nada de divagar demais por ai, hoje e amanhã são dias bons pra você buscar apoios concretos a suas ideias! Haverá quem o escute, mas você tem de ser um tantinho mais formal e respeitar os prazos burocráticos. No amor, baixa geral.

Touro A fase cheia da Lua é propicia para você conversar com as pessoas sobre todos os pontos que não lhe agradam, discutir relacionamentos faz parte disso também. Até as relações de trabalho entram numa fase boa para renovação. Muito amor!

Câncer Se tem gente que o considera pouco combativo, hoje vai se espantar com sua perseverança e disposição para defender uma idéia, uma pessoa etc. Em poucos dias isso tudo será motivo de reflexão para você também, que está aprendendo muito!

Virgem Alguns percalços no dia devemse a má vontade dos outros em seguir suas minuciosas orientações. Se você se mostrar mais impaciente ainda, pior. Respire fundo e decida: ou resolva tudo sozinha, ou não cobre de ninguém.

Escorpião Um dia de astral privilegiado pra você, pois nosso astro rei e o seu regente Marte formam por alguns dias um lindo aspecto, sinalizando o poder de realização das metas que dependem de coragem e propósito bem definido. Use como quiser.

Capricórnio Você está mais popular hoje e parece que enfim, alguém com o pique suficiente pra resolver os problemas surge em sua vida! Assim, o que estava parado se resolverá rápido. Marte revela todo o poder de um amor cotidiano e presente.

Peixes Poucos dias no mês tão entusiasmados como os que começam hoje! Principal destaque para o cônjuge, o sócio do negocio, o cliente. São eles que irão abrir seus olhos para novas possibilidades, capazes de mudar de vez seu cotidiano.

cyan magenta yellow black


TRIBUNA DO VALE EDIÇÃO Nº 2061