Issuu on Google+

» VENDAS DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO CRESCEM 12% EM FEVEREIRO • PÁGINA 6 FUNDADOR:ALUÍZIO ALVES - 1921 - 2006

Ano 60 • Número 001 • Quarta-feira, 24 de março de 2010 EXEMPLAR DO ASSINANTE

[ ELEIÇÕES ] Justiça eleitoral vota,por unanimidade,contra divisão dos apoios partidários entre candidatos ao Governo,Senado,Câmara e Assembleia de diferentes coligações

EXEMPLAR DO ASSINANTE

TRE proíbe desvinculação entre coligações eleitorais O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte limitou as coligações proporcionais às alianças feitas para a chapa majoritária. O voto do juiz federal Marco Bruno Miranda Clementino, relator do processo, foi seguido à unanimidade pelos demais integrantes do

tribunal e confirma o parecer do procurador Regional Eleitoral, Ronaldo Sérgio Chaves. A definição ocorreu em resposta à consulta feita pelo diretório do PR e atinge, também, os planos do PMDB potiguar. O senador Garibaldi Filho, candidato à reeleição e que

apoia Rosalba Ciarlini (DEM) no governo e nomes peemedebistas na Câmara Federal e na Assembleia, “apelou” ao deputado Henrique Eduardo – que apoia Iberê Ferreira (PSB) – para “estarem no mesmo palanque”. HE disse que vai reunir aliados e conversar. [ PÁGINA 3 ]

ALEX RÉGIS

60 ANOS DA TN CONTADOS EM LIVRO ILUSTRADO Seis décadas do jornalismo potiguar registradas nas páginas da TN. Grátis,com esta edição.

TN MOSTRA DESAFIOS DA ECONOMIA E DO JORNALISMO » TRIBUTO Homenagem aos fundadores e

» ECONOMIA Convidado pelo jornal, o

» JORNALISMO Profissionais que fizeram a

colaboradores que ajudaram a vencer obstáculos marcam as comemorações do 60º ano de fundação da TRIBUNA DO NORTE.

economista Gustavo Franco fez palestra sobre os desafios na retomada do crescimento econômico pós-crise e o desempenho brasileiro.

TN, ao longo das últimas seis décadas, contam como o jornal superou desafios e moldou o jornalismo potiguar. [ ESPECIAL 1 A 20 E NO LIVRO“60 ANOS DA TN”]

DIVULGAÇÃO

ESTADUAL

América e ABC têm rodada de decisões

[ DRAMA ] Dona de casa,traumatizada após sofrer aborto espontâneo,entra em maternidade e leva recém-nascida

Mulher é presa após raptar bebê em Apodi

Antes do clássico, América e ABC fazem uma rodada decisiva hoje. No Machadão, o América recebe o Potyguar/CN. O Alvinegro joga em Santa Cruz. [ PÁGINA 16 ]

Cerca de 15 dias após sofrer um aborto espontâneo, a dona de casa Maria das Graças Soares Gomes, de 31 anos, foi presa pelo rapto de uma criança com apenas três dias de nascida. O caso foi em Apodi. [ PÁGINA 9 ] VIOLÊNCIA

Polícia registra Escolas não alta na agressão conseguem contra mulheres reiniciar aulas

[ JORNAL DE WM ] TN sempre atuou, em seis décadas, como escola de jornalismo. [ PÁGINA 2 ] [ ELIANA LIMA ] Surto de toxoplasmose em Natal é mais grave do que se pensa. [ PÁGINA 14 ]

48

TOTAL DE PÁGINAS DESTA EDIÇÃO: páginas

EDUCAÇÃO

» IBERÊ Ainda internado no Hospital Sírio-Libanês (SP), o vice-governador Iberê Ferreira relata que tem aprendido novas lições de vida após diagnóstico de câncer. [ PÁGINA 4 ]

REDAÇÃO:PAUTA

pauta@tribunadonorte.com.br

FALE CONOSCO: PABX: 4006-6100 Redação: 4006-6113

Assinaturas: 4006-6111 Venda avulsa: 4006-6103 Comercial: 4006-6173

Classificados: 4006-6161 Circulação: 4006-6103 Reclamações:4006-6111

Drogas e impunidade, avalia a polícia, estão na origem do crescimento dos casos de agressões contra mulheres. Em Natal, são 10 registros/dia na DEAM. [ PÁGINA 11 ] HOME PAGE:

Escolas estaduais e municipais têm problemas para o reinício das aulas, mesmo após o fim da greve dos professores. Falta material e obras estão atrasadas. [ PÁGINA 12 ]

www.tribunadonorte.com.br

PREÇO DESTA EDIÇÃO:

R$ 1,50


2 | Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte

opinião

Quarta-feira | 24 de março de 2010

TICIANO DUARTE [ jornalista ]

Jornal de WM WODEN MADRUGA - woden@terra.com.br

Memória da TRIBUNA

Q

uando a TRIBUNA DO NORTE circulou pela primeira vez, 24 de março de 1950, eu tinha 13 anos de idade e fazia a terceira série ginasial no Ginásio 7 de Setembro, dirigido pelo professor Antônio Fagundes. Naquele tempo já rabiscava alguma coisa no jornalzinho de lá que tinha como redator Luís Carlos Guimarães fazendo seus primeiros versos. Ano seguinte, aparece no 7 de Setembro um jovem - uns três anos mais velho do que eu - de poucas falas e muito talento, que atendia pelo nome de Francisco Macedo. Trabalhava na redação da TRIBUNA, vindo de Santana do Matos. Matriculou-se na 3ª série e quebrou muito galho de colegas quando das provas parciais. Foi um dos mais competentes jornalistas do Rio Grande do Norte. Acho que Macedo foi das primeiras pessoas a me falar sobre o que era um jornal de verdade. Pouco tempo depois iríamos nos reencontrar pelas redações, uma delas nesta sexagenária TRIBUNA DO NORTE. Passados quatros anos da primeira TN e três anos depois daquelas conversas com Chico Macedo pelos cantos do 7 de Setembro, eu entraria pela primeira vez numa redação de jornal para trabalhar. Foi em 1954. Cheguei ao Diário de Natal, levado por Domício Ramalho, veterano repórter policial, amigo do meu pai. Xavier Pinheiro era o secretário da redação (o que corresponde hoje diretor de redação ou editor geral). Xavier me ensinou as primeiras lições, me abriu as picadas. O Diário era vespertino, a redação ficava na avenida Rio Branco, por trás do Salesiano, já na Ribeira. O principal repórter era Luiz Maria Alves e com ele trabalhei em algumas reportagens. Edgar Barbosa escrevia uma crônica diária, “Imagem do Tempo”, e o doutor Américode Oliveira Costa escrevia os editoriais. Eu tinha 17 anos de idade. Saí do Diário por conta de uma reportagem que escrevi sobre o tarado do Mercado da Cidade Alta. O cara tinha uma banca de frutas e atraía meninas para o seu desfrute. Empreguei a palavra masturbação, depois da expressão “atos libidinosos” (o que seriam hoje atos libidinosos?), descrevendo as sacanagens do velho tarado. Xavier (hoje, juiz federal aposentado) gostou da matéria. Mas, muitos leitores conservadores, não. Houve cartas e telefonemas de protesto. Até o doutor Edilson Varela, superintendente do jornal, já radicado no Rio de Janeiro, na alta direção dos Associados, entrou na história. A Ordem, jornal católico, publicou um suelto contra. Era tempo dos sueltos. Sobrou para o jovem repórter. José Gobat Alves abriu, então,

as portas da Tribuna para o repórter desempregado. Isso foi no final de 1954. Começo do ano seguinte eu teria de servir ao Exército. Não podendo atender ao convite de Gobat, ele generoso como sempre foi, falou: “Quando deixar o Exército, volte aqui”. Voltei. Era o começo de fevereiro de 1966. Chefiava a redação, Waldemar Araújo, que completou as aulas que eu tive com Xavier Pinheiro. Dois meses depois, passaria a assinar a coluna diária “Revista da Cidade” (que seria depois de Berilo Wanderley) trabalhando também na reportagem geral, incluindo polícia. Deixo a Tribuna três anos depois, voltando ao Diário de Natal, convidado por Luís Maria Alves, que acabara de assumir a direção geral dos Associados. Nessa segunda fase do Diário (Rádio Poti, também) fiquei uns cinco anos. Começo de 1964, convidado por Walter Gomes que veio do Rio de Janeiro (Jornal do Brasil) para realizar o projeto da “Nova Tribuna”, retornei à velha redação da avenida Tavares de Lira, 101. Acompanhei o golpe militar de primeiro de abril de 1964, na Peixada Potengi, quase defronte à TN. Surgia o Jornal de WM. Lá se vão 46 anos. Aqui estou desde então. No mesmo canto. Somando os dois períodos tenho meio século na Casa. Sou testemunha ocular desta longa e rica história. Personagem também. Algumas vezes no centro da ribalta; outras, à sombra dos bastidores. Vi, ouvi e participei. Meninos, eu vi. Vi os instantes de festa. Vi e convivi com as horas tristes, às vezes dramáticas, as fases sombrias, quando muitos desaparecem, as calçadas ficam vazias, as salas silenciosas. Destes 60 anos de TRIBUNA DO NORTE, convivi e aprendi com grandes homens. Entre eles, o seu fundador Aluízio Alves. Um grande brasileiro.

Os Outros Em meados de outubro de 1979 a TRIBUNA DO NORTE, comemorando 30 anos, inaugurava seu novo prédio, novos equipamentos e entrava na fase do off-set. Era um jornal moderno. Eu era o EditorGeral. Na edição do dia 16, dois dias após a festa, Aluízio escreveu um texto, com o título “Os Outros”, que transcrevo agora, nesta passagem dos 60 anos do jornal: - Foi inevitável. Na evocação desses trinta anos de luta cotidiana e difícil, todos projetaram o meu trabalho pela responsabilidade maior que sempre exerci na história e nos sonhos da TRIBUNA DO NORTE. - Falta uma palavra aos outros. Porque, sem eles, não teríamos sobrevivido. Uns, dando-nos o prestígio do seu nome, o conselho amigo e prudente, e sempre marcado pela solidariedade emocional. Uns, sustentando a batalha do dia a dia, substituindo os que fraquejavam, convocando os que podiam ajudar, criando razões novas e poderosas para recomeçar, a cada hora, o que antes fora ameaçado ou perdido. - Não tenho como fazer a chamada de todos. Mas, quero que todos saibam que nem mesmo divergências posteriores e separações

Empresa Jornalística Tribuna do Norte Av.Tavares de Lira,101 - Ribeira - Natal/RN CEP:59010-200 Fone: (PABX) 4006-6100 Fax: (0xx84) 4006-6124 Endereço eletrônico: www.tribunadonorte.com.br

inelutáveis apagam a lembrança de uma presença, qualquer que tenham sido, constante ou eventual. - Não podendo falar de todos, falo de alguns que, pelas suas virtudes, pela ação, pela solidariedade, a todos representam. - Na administração-geral, dois nomes: João Medeiros, o patriarca de Jardim do Seridó, o líder da “cidade fiel”, a força telúrica que honra a grandeza humana. Depois, Geraldo Santos, metódico, tenaz, solidário, fazendo o milagre de ser amigo sem precisar proclamar os gestos. - No jornal, dia-e-noite, Agnelo Alves, vencendo os impulsos e as impaciências para construir, nas três décadas, o jornal que é muito seu em devoção, em amor, em competência; José Gobat Alves, organizado, controlado nas emoções, mas vivendo, com a beleza da simplicidade, o papel de sustentar, em crédito e trabalho, a organização que, sem ele, não estaria contando esta história; Woden Madruga, às vezes explosivo, às vezes quase vencido, mas logo se reerguendo pela própria força interior, que se faz de criatividade e inteligência, mas, sobretudo, de honra e de amizade.” Diretor Presidente: Henrique Eduardo Alves Superintendente: José Roberto Cavalcanti Diretor Adm.e Operações: Ricardo Luiz de V.Alves Diretor Financeiro: Agnelo Alves Filho Diretor de Redação:Carlos Peixoto cpeditor@tribunadonorte.com.br Gerente Comercial: Eliane Rocha Gerente de Marketing: Andréia Barandas Gerente de Circulação: Thales Vilar

Uma trajetória histórica

A

história deste jornal que completa 60 anos, está ligada profundamente a um homem que o idealizou, que sonhou com a sua permanência e sucesso, que renunciou grande parte do seu patrimônio, para que ele não sucumbisse ante os inúmeros tropeços e quedas, que foi o seu fundador – Aluízio Alves. Aliás, Aluízio, pode ser lembrado não somente como jornalista pioneiro que fundou jornal, cadeia de emissoras de rádio e televisão, que hoje tem a liderança da imprensa escrita, falada e televisada, mas, como homem público idealista e porque não dizer de bravura e desprendimento, de competência administrativa e política. O senador Garibaldi Filho, em mensagem que enviou à Academia Norte-riograndense de Letras, quando da homenagem póstuma ao fundador da Tribuna do Norte que pertenceu aos quadros daquela instituição cultural, disse entre outras coisas, “Aluízio não nos pertence. Homens como ele, Dinarte Mariz, Djalma Marinho, José Augusto, Juvenal Lamartine, Eloy de Souza, Pedro Velho, Café Filho, Henrique Castriciano, Câmara Cascudo, Alberto Maranhão, Onofre Lopes, Dix-sept Rosado, Sílvio Pedroza, entre tantos outros, venceram o tempo e vivem na alma coletiva do Rio Grande do Norte. São, nessas perspectivas, imperecíveis”. Este jornal tem uma história de luta que o engrandece. Pude, em certo período, talvez o mais delicado de sua trajetória, testemunhar a batalha que se travou aqui pela sua sobrevivência. Destaco nessa jornada grandiosa, os

nomes de José Gobat Alves, que o administrou com paciênEste jornal tem cia, devoção e amor; uma história de Agnelo Alves, que luta que o sofreu, preso, cassaengrandece. Pude, do, processado, mas em certo período, sempre desassomtalvez o mais brado; Woden Madelicado de sua druga, também pertrajetória, seguido, sem medo testemunhar a dos poderosos, brabatalha que se vo; Geraldo Santos travou aqui que emprestou seu pela sua nome e sua respeitasobrevivência. bilidade para segurar os dias difíceis e de luta; Nevaldo Rocha que socorreu o jornal, adquirindo metade das suas ações para sua modernização, sem pedir nada depois; Valdemar Araújo, Francisco Macedo e tantos outros que somaram para conquistar o futuro do órgão de imprensa, hoje vitorioso, na passagem dos seus 60 anos de vida ininterrupta. Os anos de chumbo que caíram sobre este país, no governo dos generais, com a cassação dos direitos políticos de Aluízio e de dois dos seus irmãos, não abateram o ânimo de luta que sempre esteve vivo e presente na alma e no coração dos que comandaram estes anos de sonhos, ideais, lutas, sucessos, vitórias e desventuras. O AI-5 que retirou da vida pública Aluízio Alves, prendeu jornalistas e parlamentares naquele ano de sua edição. Ainda está na lembrança do povo brasileiro as pri-

sões dos deputados Martins Rodrigues (exministro da justiça); David Heren (do MDB e médico do sindicato dos metalúrgicos paulista); Gastão Righi; o líder da oposição, o então deputado Mário Covas; e os jornalistas Carlos Castelo Branco, do Jornal do Brasil e Otacílio Lopes, do Diário de Notícias. Aqui em Natal, os jornalistas Agnelo Alves e Cassiano Arruda Câmara, da Tribuna do Norte. Logo em seguida, pouco tempo depois, quando ocupei a editoria chefe do jornal, instaurou-se um inquérito policial federal, para apurar possíveis crimes contra a segurança nacional, por denúncia do então governador Cortez Pereira, usando as armas da ditadura para calar o jornal que criticara os atos incorretos do seu governo. Na minha defesa argüi a exceção de incompetência, se houvesse crime seria na lei de imprensa, não num monstrengo que era a Lei de Segurança Nacional. A auditoria militar por unanimidade, acolheu a tese levantada pelo meu advogado, Nabor Pires de Azevedo Maia, firmando jurisprudência nacional, na apreciação em seguida, dos processos contra José Aparecido de Oliveira e os diretores do “Jornal da Bahia”. No ano de 1969, o do AI-5, de triste memória, o New York Time, em editorial, denunciou: “A prisão de jornalistas, é justificada com fundamentos legais. Eles violaram a lei de imprensa e a Lei de Segurança Nacional que proíbem a divulgação de notícias que o governo considera lesivas aos seus interesses. Oh! manes da Techo-Eslováquia”.

Amâncio

Cartas Vacinação

Conferência Nacional de Educação

Nesta terça-feira pela manhã, dirigi-me ao posto de saúde de Nova Descoberta e chegando às 10h30, para vacinar meu filho de 7 meses, descobri que o posto de vacinação, informou que está vacinando pela manhã, está distribuindo fichas para a vacinação, mas às 10h30, já não tinha mais fichas, apesar de só ter três crianças na frente do meu filho para se vacinar. Ou seja, como numa campanha nacional, de emergência, para um caso tão grave, os postos estão distribuindo fichas e se recusando a vacinar as crianças, mesmo dentro do horário da vacinação, e como pode uma campanha de vacinação está distribuindo fichas?!

D

Arte

FÁTIMA BEZERRA [ deputada federal PT/RN ]

o próximo domingo a quinta-feira (1º de abril), participarei da 1ª Conferência Nacional de Educação, a ser realizada no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. A Conae foi precedida pelas Conferencias Municipais, Intermunicipais e Estaduais, que ocorreram no decorrer de 2009, em todo o país. Tem como tema central “Construindo um Sistema Nacional Articulado de Educação: Plano Nacional de Educação, suas Diretrizes e Estratégias de Ação”. A Conferência está estruturada em seis eixos: Papel do Estado, Garantia do Direito à Educação de Qualidade: Organização e Regulação da Educação Nacional; Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação; Democratização do Acesso, Permanência e Sucesso Escolar; Formação e Valorização dos Profissionais da Educação; Financiamento da Educação e Controle Social; Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade. Acontecimento ímpar na história da educação brasileira, a Conferência reunirá cerca de 4 mil participantes, entre representantes de entidades de classe, profissionais da educação, gestores públicos, estudantes, pais e mães, para discutir a melhoria da educação. As propostas aprovadas na primeira fase em pelo menos cinco estados farão parte do documento base da etapa nacional. Uma das principais emendas prevê a vinculação imediata de 50% dos recursos arrecadados pelo Fundo Social do présal, para a educação. Do total, 30% ficariam com o MEC e os outros 70% seriam transferidos a estados e municípios com pior renda per capta. A proposta já foi aprovada em pelo menos cinco estados (Ceará, Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e Piauí) e será objeto de discussão dos delegados à Conae. É preciso pensar políticas de Estado para a educação nacional, em que, de maneira articulada, níveis (educação básica e superior), etapas e modalidades, em sintonia com os marcos legais e ordenamentos jurídicos, expressem a efetivação do direito social à educação com qualidade para todos. Tal perspectiva implica na garantia de interfaces das

Classificados: Redação Fax Venda Avulsa Assinatura Natal Reclamações Natal ASSINATURA Mensal (à vista) Semestral (à vista) Anual (à vista)

4006-6161 4006-6113 4006-6124 4006-6100 4006-6111 4006-6111 R$ 43,00 R$ 258,00 R$ 516,00

PREÇO DO EXEMPLAR Rio Grande do Norte 3ª a Sábado Domingo Outro Estado 3ª a Sábado Domingo

políticas educacionais com outras políticas sociais. A ausência de um SisteO sistema deverá ma Nacional de Educação atuar em regime de evidencia a forma fragmencorresponsabilidade, tada e desarticulada do Proutilizando jeto Educacional vigente no mecanismos País. A criação de um sistedemocráticos,como ma nacional articulado de as deliberações da educação passa pela regulacomunidade escolar e mentação de um regime de local,bem como a colaboração, que envolva as participação dos esferas de governo no atenprofissionais da dimento à população em toeducação nos das as etapas e modalidades projetos políticode ensino. O sistema deverá pedagógicos das atuar em regime de co-reinstituições de sponsabilidade, utilizando ensino.” mecanismos democráticos, como as deliberações da comunidade escolar e local, bem como a participação dos profissionais da educação nos projetos políticopedagógicos das instituições de ensino. A Conferência aprovará um documento a ser utilizado como base para a construção do novo Plano Nacional de Educação. A proposta necessitará de tramitação ágil, pois o PNE atual terá sua vigência até dezembro de 2010. O Congresso Nacional deliberará sobre o novo PNE. Deliberar ouvindo a comunidade educacional é uma nova e promissora prática nesses tempos de democracia em expansão. A Conae promoverá a mobilização de educadores e da sociedade civil para fazer um balanço da da educação. As resoluções do evento ajudarão a por em evidência a pauta educacional. As concepções e diretrizes que vimos defendendo mostram que as conquistas e avanços em curso vêm consolidando a perspectiva de mudanças estruturais na educação e, por consequência, na sociedade brasileira. Todo esforço será feito para que, em breve, possamos falar da Educação como um direito de todos, em nosso país.

laurentinoerocha@gmail.com

É vergonhoso os contribuintes pagarem qualquer quantia para ver um herege desrespeitar a fé e a religião de um povo. Recurso para a arte, tudo bem, mas indecência, pornografia, desrespeito, cada um que financie sua imoralidade. emilia_felipe@hotmail.com

Lagoa Segundo o site da Semurb a Cidade do Natal tem 55 lagoas de captação de água e esgotos. A situação exposta na reportagem dessa TRIBUNA espalhase por outras lagoas. A Caern não resolve o seu grave problema e a Prefeitura de Natal limita-se a repetir que vai resolver o seu grave e ampliado processo de degradação ambiental. As questões ambientais do município continuam subindo para o Ministério Público Estadual e para o Judiciário. Isto é péssimo para o município e para o munícipe. Resta saber se essa sofrível qualidade de vida é um bom indicador turístico. ed340ms@ig.com.br Cartas para esta coluna deverão ter no » máximo 40 linhas para cada leitor e endereçadas para a seção Coluna do Leitor - Fone:4006-6100 FAX:4006-61224 - Redação/Tribuna do Norte. Email - tribuna@digizap.com.br

FILIADO AO

R$ 1,50 R$ 2,50

FILIADO AO INSTITUTO VERIFICADOR DE CIRCULAÇÃO

R$ 2,00 R$ 3,20

REPRESENTANTE NACIONAL – Pereira de Souza & Cia Ltda: Rio de Janeiro :(O21)2544-3070 – São Paulo:(011) 3259-6111

FILIADO À ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS

REDE CABUGI DE COMUNICAÇÃO TRIBUNA DO NORTE 4006-6100 Rádio Globo/Cabugi (AM) Natal 4006-6180 104 (FM) Parnamirim 3272-3737 Rádio Difusora de Mossoró (AM) 3316-3181/2181/3317-6167 Rádio Cabugi do Seridó (AM) J.do Seridó 3472-2759 Rádio Baixa Verde (AM)J.Câmara 3262-2498 Pereira de Souza(SP) 11/3259-6111 Pereira de Souza(RJ) 21/2544-3070


política

Quarta-feira | 24 de março de 2010

Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte |

3

[ ELEIÇÕES 2010 ] Resposta do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte à consulta

feita pelo Partido da República mexe com as alianças partidárias para a sucessão estadual

Notas & Comentários colunanotas@tribunadonorte.com.br

Mapa da improbidade no velho Oeste as 35 ações de improbidade administrativa impetradas pela Procuradoria da República em Mossoró no ano passado, nove são contra o ex-prefeito do município de José da Penha, José Josemar de Oliveira. A estatística foi revelada ontem pelo Ministério Público Federal. Nas 35 ações de improbidade, que são recorde anual no MPF de Mossoró, há ex-prefeitos de 15 cidades e quatro atuais prefeitos - os de Água Nova, Viçosa, Pau dos Ferros e Upanema respondendo por recusa em fornecer documentação requisitada pelo Ministério Público Federal, o que pode levar, inclusive, à perda do cargo.

D

CPF inválido Um fato chama atenção no Diário Oficial do Município, edição de ontem. O CPF da prefeita Micarla de Sousa, citado nos convênios publicados, está identificado no site da Receita Federal como “inválido”. Na página 2 do Diário Oficial estão publicados os convênios do Executivo com o Insti-

tuto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, com a Associação dos Amigos dos Deficientes Físicos, com a Associação dos Ostomizados do Rio Grande do Norte e com o Patronato da Medalha Milagrosa. Em todos, o CPF de Micarla de Sousa é identificado com o mesmo número inválido.

Encrenca As relações entre o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Kelps Lima, e alguns auxiliares do primeiro time da prefeita Micarla de Sousa estão estremecidas. O titular da Semob está com problemas provocados por

ingerência de servidores “ungidos” pela borboleta-mor. É coisa séria. Kelps tem confidenciado a amigos que deixará a administração municipal de qualquer jeito: com ou sem candidatura a deputado estadual.

AUXILIARES Nas primeiras fotos de Iberê Ferreira após a cirurgia no Hospital Sírio Libanês, divulgadas ontem pela assessoria de imprensa do vice, uma curiosidade: ele aparece com dois futuros auxiliares da administração: Ezequiel Ferreira e Leopoldo Rosado. Leopoldo será o secretário-chefe da Casa Civil.

Convite O vereador Hermano Morais (PMDB) confirmou que foi sondado pela prefeita de Natal, Micarla de Sousa (PV), para substituir o atual secretário municipal de Educação, Elias Nunes.

Convite recusado. “Agradeci e disse que em função do meu projeto de me candidatar a deputado federal não haveria a possibilidade de aceitar esse tipo de proposta", esclareceu.

Nunca houve negociação com o DEM. Nunca nenhum de nós cogitou com o DEM um nome para vice.”

Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente do Brasil, ressabiado com a prisão de José Roberto Arruda, negando as negociações do PSDB com o DEM para compor a chapa presidencial com José Serra.

FIRO O crescimento da ministra Dilma Rousseff e a estagnação de Serra nas últimas pesquisas de opinião pública, levaram o diretor do Instituto Vox Populi a levantar a possibilidade de vitória da candidata petista no primeiro turno.

Sentença O vice-governador Iberê Ferreira de Souza comparou a notícia que recebeu de que estava com um nódulo no pulmão a uma “sentença”, mas garantiu que enfrentará a dificuldade e destaca que hoje “vê o mundo de outra maneira”. “Sofri, tive momentos difíceis. É como quando a gente recebe uma sentença. A gente en-

frenta as dificuldades e isso me fez vê o mundo de outra maneira. Posso dizer que chegando ao meu Estado, à minha terra, convivendo com o meu povo, sem dúvida, vou ter um olhar mais carinhoso, mais fé, vou olhar o meu povo com mais vontade de ajudar”, disse Iberê Ferreira, no programa de rádio.

Retardatários

Pecebão

Estatística do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte confirma a máxima de que o brasileiro deixa tudo pra última hora. Na revisão biométrica, a cidade que registra o maior comparecimento é São Fernando: 54% do eleitorado. Em Nísia Floresta, apenas 43%. O prazo para o recadastramento termina na próxima terça-feira, dia 30.

O PCdoB comemora 88 anos de luta nesta quinta-feira. Para celebrar a data, o vereador George Câmara e o diretório municipal do partido promovem uma série de atividades. Entre elas, o projeto “Gabinete na Rua” e a concessão de títulos de cidadania natalense aos camaradas Antenor Roberto e Antônio Capistrano.

CENSO Não custa lembrar: termina amanhã o prazo para inscrição presencial no concurso de recenseador do IBGE. Depois disso – e até o dia 4 de abril – só pela internet. AGENDA A governadora Wilma de Faria entrega hoje mais de mil diplomas de capacitação profissional e empresarial às pessoas envolvidas na atividade turística. A solenidade será às 10h30, no Centro de Convenções de Natal.

JULGAMENTO Pauta da sessão de hoje do Supremo Tribunal Federal inclui julgamento de Agravo Regimental numa disputa judicial entre o Sindprevs/RN e o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A relatora é a ministra Ellen Gracie.

TRE/RN limita coligação proporcional à majoritária Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte limitou as coligações proporcionais às alianças feitas na disputa majoritária. A definição ocorreu ontem em resposta à consulta feita pelo diretório estadual do Partido da República (PR). O voto do juiz federal Marco Bruno Miranda Clementino, relator do processo, foi seguido a unanimidade (seis votos, uma vez que o presidente só vota em caso de necessidade de desempate). A Corte determinou que os partidos coligados na majoritária devem estar ligados na proporcional, sendo permitido fazer mais de uma coligação para deputado federal e estadual; com a restrição de que seja o mesmo bloco de partido. O Tribunal definiu que uma legenda que lance apenas o candidato ao Senado só poderá se coligar na proporcional com um partido que não esteja atrelado a nenhuma aliança na majoritária. O magistrado também observou que mesmo o partido estando na majoritária com apenas um candidato ao Senado já é considerada chapa majoritária, portanto, só poderá se coligar na proporcional com a legenda que não tiver nenhuma ligação com aliança majoritária. Na prática, a resposta do Tribunal Regional Eleitoral muda alguns entendimentos que estavam sendo feitos por líderes políticos potiguares. Os presidentes do PMDB, deputado federal Henrique Eduardo Alves, e do PR, deputado federal João Maia, haviam anunciado a coligação na chapa proporcional. A aliança entre PMDB e PR só poderá ser feita em duas situações: caso os dois partidos se coliguem na majoritária ou se o PR não fizer aliança na majoritária. Mesma situação vive o PMDB nas negociações com o Partido

JOANA LIMA

O

Voto de Marco Bruno foi acompanhado pela unanimidade do pleno do Tribunal Regional Eleitoral

Verde. O senador peemedebista Garibaldi Filho e a prefeita Micarla de Sousa vem mantendo conversas para uma aliança na majoritária, com o PV indicando o suplente de Garibaldi Filho. Nesse caso, o PV estaria obrigatoriamente coligado ao PMDB na chapa proporcional. Na decisão de ontem, o Tribunal Regional Eleitoral também observou que as coligações para deputado federal e estadual devem ser as mesmas. Com esse entendimento, a Corte muda os planos do PSDB, que já planejava fazer uma coligação para deputado federal diferente da estadual. Tão logo tomou conhecimento, o deputado João Maia disse a decisão vai obrigar o partido a retomar as conversações políticas. “A decisão do Tribunal Regional Eleitoral veio de encontro à algumas convicções do partido e nos leva a uma nova rodada de conversas e negociações com os outros partidos aliados”.

DÚVIDAS ESCLARECIDAS Perguntas feitas pelo Diretório do Partido da República e respostas do Tribunal Regional Eleitoral O partido político que não participa de nenhuma coligação para eleição majoritária e não tem candidato próprio para eleição majoritária pode celebrar coligação para eleição proporcional com partidos que componham uma coligação para eleição majoritária? Não.Porque os que estão na majoritária estão presos entre si.

?

??

Não é possível igualmente a agremiação que não participa de nenhuma coligação para eleição majoritária e tem candidato ao cargo de senador celebrar coligação proporcional com partidos que tenham coligação na majoritária? Essa foi a mesma pergunta feita ao inverso. Apenas usou o nome de senador porque alguém poderia dizer que senador é majoritária ou proporcional.Mas senador é majoritária.

Henrique vai conversar com aliados Com a decisão do Tribunal Regional Eleitoral vinculando as coligações majoritárias às proporcionais, o reflexo imediato foi uma “convocação” do senador Garibaldi Filho. Em nota oficial ele propôs ao deputado federal Henrique Alves um mesmo palanque em 2010. No comunicado, o senador propõe que o presidente estadual do PMDB se engaje na campanha da senadora Rosalba Ciarlini, que será candidata ao Governo pelo DEM e conta com o apoio do próprio Garibaldi. “Neste momento, penso dever interpretar o pensamento de todos os que são meus aliados no atual processo eleitoral para convidar Henrique Eduardo a conduzir o PMDB e desta forma firmar ampla coligação conosco, nas eleições proporcionais e majoritárias”, escreveu o senador. Na nota, ele lembrou que não apenas a eleição dele para o Senado é prioridade, mas também a reeleição de Henrique Eduardo para deputado federal. “Não fossem os conhecidos obstáculos legais a um livre arco de coligações, creio ser preciso dar nitidez política a nossas posições, sem dubiedades que possam atingir o nosso comum patrimônio político. A reeleição de Henrique Eduardo é também absoluta prioridade do PMDB. E é igualmente prioridade minha”, escreveu o líder peemedebista. Garibaldi Filho lembrou da história política em comum entre ele o deputado federal Henrique Eduardo e destacou a estreita ligação familiar e de amizade entre os dois. “Quando iniciávamos os entendimentos para as próximas eleições, este ano, Henrique Eduardo compreendeu minha posição, com ela concordou generosamen-

GERALDO MAGELA

Quando iniciávamos os entendimentos para as próximas eleições, este ano, Henrique Eduardo compreendeu minha posição, com ela concordou generosamente”

FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM

Garibaldi toma a dianteira com esse gesto de preocupação com o partido e comigo, oferecendo uma saída para a proporcional. Mas, essa decisão não é só minha”

GARIBALDI FILHO senador

HENRIQUE ALVES deputado

te, nada obstante ele tenha pensamento diferente em alguns pontos. A ele sou grato por isso: pelo permanente incentivo à minha candidatura e seu obstinado propósito de torná-la efetivamente a prioridade do PMDB”, diz Garibaldi Filho, reconhecendo que a liberdade pretendida pelos dois líderes peemdebistas foi impedida pelas definições da legislação eleitoral. Presidente estadual do PMDB, o deputado federal Henrique Eduardo Alves disse que não poderia responder de pronto ao convite feito pelo senador Garibaldi Filho para firmar coligação no palanque da senadora Rosalba Ciarlini. Ele firmou que irá conversar com os aliados para depois anunciar a decisão. “Agradeço a Garibaldi. Foi um gesto de solidarie-

dade, de parceria, de preocupação com a interpretação da legislação que poderia deixar o PMDB na chapa proporcional em dificuldade”, disse o deputado federal. Ele admitiu que o PMDB formando uma coligação sozinho na majoritária e proporcional poderia trazer dificuldades para o pleito. “Garibaldi toma a dianteira, com esse gesto de preocupação com o partido e comigo, oferecendo independente de posição já assumida, uma saída formal, jurídica e legal, para a chapa proporcional. Mas essa decisão não é só minha, é dos meus companheiros e do quadro político que pertenço. Vamos ver o que há”, completou. Ele disse que não poderia antecipar a decisão política antes de conversar com os aliados.

?

?? O partido político que não integra coligação majoritária e não tem candidato próprio à eleição majoritária pode celebrar coligação para proporcional com um partido que tenha candidato próprio para eleição majoritária e não componha coligação majoritária? Pode.Porque nesse caso não tem coligação para majoritária e também não tem candidato próprio para majoritária.Então pode estar em coligação na eleição proporcional com partido que tenha candidato na majoritária. São possíveis coligações para deputado federal e estadual diferentes? Não.

BATE-PAPO Bruno Miranda »juizMarco relator O partido sozinho na majoritária pode fazer qualquer coligação na proporcional? Desde que com um outro partido que não esteja coligado na majoritária. O que amarra é a majoritária. Quem tiver feito uma coligação na majoritária só pode se coligar dentro da majoritária. O que a lei diz é que todos estejam juntos na proporcional. Se tem uma coligação com três partidos na majoritária, na proporcional esses três podem originar duas coligações proporcionais. Majoritária se entende mesmo se for apenas um candidato a senador? Sim. Porque senador é majoritária. A coligação proporcional para deputado estadual deve ser exatamente igual a de federal? Sim. Aí é uma coligação só. Se o partido decidir fazer a coligação diferente do que traz essa resposta do TRE? Ele corre o risco de ter o registro indeferido. A consulta não está vinculando ninguém. Consulta é um instrumento que a Justiça Eleitoral possui e tem previsão no Código Eleitoral justamente para dar maior segurança aos partidos, já que essa é uma questão muito delicada. O partido X que só tenha um candidato ao Senado pode se coligar com um partido que não tenha majoritária? Poderá se coligar com um que não esteja preso na majoritária. O princípio é: quem estiver junto na majoritária prende os outros.


4 | Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte

política

[ CÂMARA ] Mudança no auxílio-transporte

vai tramitar normalmente nas comissões

Quarta-feira | 24 de março de 2010

[ TRATAMENTO ] Paciente recebe autorização para almoçar no restaurante do hospital e mantém contatos políticos antes de retornar a Natal para a posse, no final do mês

JOÃO MARIA ALVES

Vice-governador deve antecipar retorno a Natal vice-governador Iberê Ferreira de Souza (PSB) disse ontem que a recuperação da cirurgia a qual foi submetido na última quinta-feira tem sido tão satisfatória que já pensa na possibilidade de antecipar o retorno ao Rio Grande do Norte para o próximo domingo. Iberê permanece internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde se recupera do procedimento cirúrgico para retirada de um nódulo do pulmão esquerdo. A alta hospitalar deve ser dada já na próxima sexta-feira. “Dia 31 estarei tomando posse, às 16 horas, na Assembleia Legislativa. De lá, iremos para o Palácio da Cultura onde haverá a transmissão do cargo pela governadora”, frisou, otimista. A assessoria da AL informou que está tudo pronto para a cerimônia de posse do vice-governador. Enquanto permanece em São Paulo, Iberê Ferreira segue as reuniões com alguns assessores no apartamento do Hospital. Ontem, se reuniu com o marqueteiro da campanha eleitoral, Alexandre Macedo, e também com o futuro chefe do Gabinete Civil Leopoldo Rosado. O telefone do vicegovernador não tem parado de tocar e muitos detalhes da futura administração estadual estão sendo resolvidos via celular. Antes do almoço foi surpreendido pelos médicos que o autorizaram a fazer refeição no restaurante Solarium, no primeiro andar do prédio onde está internado, em companhia do filho Joca Ferrei-

KENIA CRISTINA HERNANDES

O Dickson acha que proposta será derrubada na Câmara Municipal

Projeto polêmico não terá regime de urgência s vereadores da Câmara Municipal de Natal (CMN) resolveram encaminhar para as Comissões da Casa três projetos, lidos ontem, de interesse do funcionalismo municipal. As matérias dispunham sobre a reestruturação da Orquestra Sinfônica, o reajuste da data base para 4,5% e, o mais polêmico, que transfere o auxílio-transporte dos servidores de cartão para dinheiro. Os servidores participaram da sessão e fizeram um apelo para que os projetos fossem votados em regime de urgência, mas o presidente da Casa, vereador Dickson Nasser (PSB), garantiu que não há previsão para apreciação das matérias em plenário. “Não posso dar prazo para que esses projetos sejam votados porque eles devem seguir o caminho normal. Eu acredito inclusive que seja derrubado de novo”, declarou Dickson. A matéria a que se referiu o presidente da CMN como sendo passível de derrubada é a inicialmen-

O

te proposta pela vereadora sargento Mary Regina (PDT), alvo de polêmica durante o período legislativo de 2009, e que foi encaminhada novamente para apreciação do Legislativo, nos últimos dias, por meio de mensagem governamental. Trata-se do projeto da transferência do auxílio-transporte de cartão para dinheiro. Ainda durante a sessão, os parlamentares mantiveram os dois vetos parciais da prefeita Micarla de Sousa (PV) ao projeto que dispunha sobre a organização administrativa da CMN e também o que criava a Ouvidoria Legislativa do Município. Durante a apreciação das matérias, foi necessário anular uma das votações, uma vez que o número de votantes – 19 era superior ao número de parlamentares em plenário – 18. Houve troca de acusações dos vereadores Adenúbio Melo (PSB) e bispo Francisco de Assis (PSB) com o vereador Luiz Carlos (PMDB) que presidia a sessão.

Iberê, com familiares, descrevendo o diagnóstico médico:“É como receber uma sentença”

ra e também do casal ex-deputado Ezequiel Ferreira e Letícia Ferreira. O deputado federal Ciro Gomes, pré-candidato do PSB à presidência da República, telefonou para o vice-governador e disse que o mesmo vencerá “pela força moral que tem”. Durante o dia, visitaram Iberê Ferreira no Hospital Sírio-Libanês o prefeito de Santa Cruz, Péricles Rocha, o presidente da Emparn, Henrique Santana e o ex-secretário de Desenvolvimento Econômico, Marcelo Rosado. Durante a visita, o médico Riad Younes, que acompanha

o líder pessebista, disse que já poderia ser dada alta hospitalar, mas não havia pressa para tal. “Ele disse que ainda queria ver o vicegovernador jogando bola”, disse a assessora de imprensa, Juliana Celli. Em entrevista à rádio 98 FM, de Natal, ontem à noite, o vice-governador afirmou mais uma vez que permanece focado no processo anteriormente traçado para sua caminhada política este ano. Ele assinalou que fará um tratamento complementar à cirurgia de retirada do nódulo – a quimioterapia e radioterapia. Iberê disse também

que a descoberta da doença o tornou “mais sensível na hora de lidar com a pessoa humana”. “Não existe pessoa nenhuma no mundo que da forma como eu recebi a notícia não olhe as coisas com menos frieza e tenha uma visão mais humana e fraterna”. Antes disso, em outra entrevista, o vice comparou a notícia que recebeu de que estava com um nódulo no pulmão a uma “sentença”. “Sofri, tive momentos difíceis. É como quando a gente recebe uma sentença. A gente enfrenta as dificuldades e isso me fez vê o mundo de outra maneira.

[ ELEIÇÕES 2010 ] Fundador do PV lamenta que bandeiras históricas

como a descriminalização das drogas fiquem de fora do debate

Ministro critica guinada à direita do Partido Verde ão Paulo (AE) - O ministro da Cultura, Juca Ferreira, disse ontem que o Partido Verde vai deixar de lado bandeiras históricas, como a defesa de uma política de combate às drogas, por medo de afastar o eleitorado da pré-candidata do partido à Presidência, senadora Marina Silva (AC), e voltou a criticar a guinada para a direita da legenda. “Os candidatos do PV não falarão disso nessa eleição com medo de um impacto negativo sobre sua representação. Is-

S

so é um recuo”, afirmou. Embora tenha evitado fazer críticas a Marina, Ferreira disse que a parlamentar é limitada na defesa dessas mesmas bandeiras históricas. “Marina é um dos melhores quadros da República, um símbolo da luta ambiental, mas tem alguns limites em outras áreas que não a sustentabilidade”, afirmou. Após participar, em São Paulo, de um debate no lançamento de um livro sobre políticas de combate às drogas, Ferreira disse não ver desenvoltura em Marina para

tratar do assunto. Ele lembrou que o PV foi a primeiro a defender a necessidade de criar uma política de redução de danos e de descriminalização das drogas. Um dos fundadores do PV, o ministro se licenciou do partido por um ano por conta do que ele definiu como uma “escoliose para a direita” na legenda. Ele critica as alianças que o PV está montando para as próximas eleições e defende que os verdes estejam no palanque da pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff.


geral

Quarta-feira | 24 de março de 2010

Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte | 5

A ideia de apresentar um projeto específico sobre o rateio dos recursos obtidos com a compensação financeira só será colocada na mesa se os esforços para a construção de um novo entendimento dentro do Senado falharem

[ ROYALTIES ]

Governo quer nova proposta de divisão rasília (AE) - O governo quer construir no Senado uma alternativa que garanta, ao mesmo tempo, o estabelecimento de uma nova divisão de royalties do petróleo e a aprovação dos quatro projetos que formam o marco regulatório do pré-sal, antes das eleições de outubro. A ideia de um projeto específico sobre o rateio dos recursos obtidos com a compensação financeira só será colocada na mesa se os esforços para a construção de um novo entendimento falharem. Segundo o líder do governo no

B

Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), a estratégia inicial é tentar construir, nos próximos 45 dias, uma proposta que substitua o mecanismo de divisão aprovado na Câmara. Essa solução precisa garantir que os Estados produtores - como Rio de Janeiro e Espírito Santo não sofrerão as perdas imputadas pela chamada emenda Ibsen e aumente o volume de dinheiro a ser rateado entre os demais Estados, que pelas regras atuais recebem pouco ou quase nada de royalties, uma compensação devida pelas

[ EXPORTAÇÕES ] Conselho Nacional das

ZPEs analisará o segundo projeto do Estado ADRIANO ABREU

Flávio Azevedo, da Fiern: expectativa quanto ao novo projeto

ZPE de Macaíba será discutida na quarta

A

criação da Zona de Processamento de Exportações (ZPE) de Macaíba pode começar a virar realidade na quarta-feira da próxima semana. O assunto deverá fazer parte da pauta da reunião do Conselho Nacional das ZPEs, marcada para o próximo dia 31, e havendo a aprovação da criação dessa área durante o encontro, o início de sua instalação efetiva passará a depender apenas da sanção do presidente Luís Inácio Lula da Silva. Políticos e representantes do setor industrial do Rio Grande do Norte, contam com a avalização da área daqui a uma semana e acreditam que esse é um projeto de extrema importância para o fortalecimento da economia do estado. O deputado federal Henrique Eduardo Alves diz estar confiante na aprovação da ZPE de Macaíba durante a primeira reunião do Conselho Nacional em 2010. Tanto que Alves tem planos de viabilizar uma visita do presidente Lula ao Rio Grande do Norte em breve, para que ele sancione, a criação dessa ZPE em um ato formal, juntamente com a área já aprovada para operar no Vale do Açu. Apesar de revelar a intenção de trazer o presidente ao estado, o deputado fala que ainda não pode estimar uma data provável para que isso ocorra, uma vez que a vinda de Lula ao RN só será tratada após a reunião do conselho. “O mais importante para o RN não é que o presidente o visite, mas que ele aprove a criação das duas ZPEs. Vou trabalhar para que isso se torne realidade nos próximos meses”, destaca. Quem também declara acreditar na aprovação do distrito industrial voltado à exportação em Macaíba, no próximo dia 31 de março, é o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco de Paula Segundo. Na visão dele, apoiar a criação de ZPEs no estado é essencial, uma vez que as áreas trarão emprego e renda para o estado, fortalecendo a economia potiguar. “Seria muito bom que o presidente viesse sancionar os projetos de Macaíba e do Vale do Açu conjuntamente, pois acredito que isso ainda não ocorreu no caso da ZPE do Sertão por questões burocráti-

cas”, afirma o titular da Sedec. A mesma expectativa é demonstrada pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (Fiern), Flávio Azevedo, ao afirmar que, como colaborador do projeto, espera ver a criação da ZPE de Macaíba entrar na pauta da reunião do Conselho Nacional das ZPEs, com sua consequente aprovação. Azevedo lembra que o estudo para a implantação da área no município de Macaíba é o mais antigo, entre todos os levantamentos feitos acerca da viabilização de uma ZPE em solo brasileiro, datando de 1988. De acordo com ele, a Fiern colaborou com estudos de viabilidade, identificando como lugar ideal para a implantação um terreno pertencente à administração municipal. “Mas houve um atraso no

O mais importante para o RN não é que o presidente o visite, mas que ele aprove as duas ZPEs” HENRIQUE EDUARDO ALVES deputado federal

processo de criação e quando decidiu-se efetivamente implantá-la, o terreno não estava mais disponível, sendo preciso irmos em busca de outro local. Agora já existe um novo terreno disponível e podemos dar andamento ao projeto”, conta o presidente da Fiern. VALE DO AÇU Aprovada pelo Conselho Nacional no dia 8 de dezembro do ano passado, a ZPE do Vale do Açu, também chamada ZPE do Sertão, ainda aguarda a sanção presidencial. O prefeito de Assu, Ivan Júnior, lamenta a demora no andamento do projeto em solo potiguar, bem como o fato de Pernambuco ter conseguido a assinatura do presidente Lula, aprovando a implantação da ZPE de Suape antes do projeto norte-riograndense, mesmo com a aprovação das duas áreas tendo ocorrido simultaneamente.

empresas que exploram petróleo. Se nesse prazo nenhuma solução for apresentada, Jucá defende o desmembramento do projeto, o que significaria que a questão dos royalties seria tratada em uma proposta específica após as eleições. “Essa questão não se resolve de véspera. Vamos tentar construir um entendimento novo e, se não conseguirmos, partiremos para o desmembramento durante a votação em plenário”. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontrou ontem à noite

com os líderes dos partidos da base aliada no Senado e reiterou o apelo para que a Casa encontre uma solução que evite a batalha entre Estados e, ao mesmo tempo, garanta a votação dos projetos do pré-sal, antes do início da campanha eleitoral. Segundo Jucá, a preocupação do presidente é ter condições de iniciar, ainda em 2011, os leilões de novas áreas de exploração de petróleo. “É preciso ampliar os investimentos no Brasil e acabar com esse clima de guerra entre Estados”.

Durante o encontro, o líder governista defendeu a manutenção da proposta de elevação da alíquota dos royalties, de 10% para 15%, nas áreas do pré-sal que ainda não foram licitadas. Além disso, o senador Antônio Carlos Valadares, líder do PSB, sugeriu o estabelecimento de regras de aplicação para os recursos obtidos com os royalties para todos os Estados e municípios, o que foi aceito pelos participantes do encontro. A ideia é determinar que o dinheiro obtido seja aplicado em obras de infraestrutura, ciência e

tecnologia, saúde e educação, disse o senador, evitando que os recursos sejam aplicados apenas com gastos corriqueiros. As dificuldades para construção de uma nova sistemática de rateio dos royalties passam não somente pela posição dos Estados não-produtores como também pela divisão de posições dentro da própria base aliada. A situação dentro do PMDB, por exemplo, é preocupante, relatou um dos participantes da reunião de segundafeira com o presidente Lula.


economia

6 | Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte DÓLAR PARALELO Compra R$ 1,83 Venda R$ 1,97

DÓLAR TURISMO Compra R$ 1,733 Venda R$ 1,883

Quarta-feira | 24 de março de 2010

DÓLAR COMERCIAL Compra R$ 1,776 Venda R$ 1,777

EURO Compra Venda

R$ 2,399 R$ 2,401

POUPANÇA

0,5000%

CDB

[ VAREJO ] Redução do IPI e Minha Casa, Minha Vida ajudaram a

Negócios &Finanças

TAXA SELIC SAL. MÍNIMO BOVESPA

8,60 %

8,75% R$ 510,00 + 0,31%

IMPOSTO DE RENDA

manter o setor aquecido. Abramat avalia que vendas cresceram 19%

Pergunte

ao

JÚNIOR SANTOS

leão A área de lazer do nosso condomínio

LUIZ ANTÔNIO FELIPE laf@tribunadonorte.com.br

residencial foi alugada para festas.

Negócio de futuro

Como são tratados esses rendimentos? No caso de condomínio edilício,o pagamento pela ocupação ou uso de partes comuns

álculos preliminares indicam que o mercado mundial de energias limpas deverá movimentar em 2020 aproximadamente US$ 3 trilhões e o Brasil poderá beneficiar-se de exportações adicionais de US$ 20 bilhões por ano, apenas de bens e serviços para a indústria de energia a partir da biomassa. As projeções levam em conta que o mundo estará fortemente empenhado em reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa e que o Brasil aproveitará sua atual posição de vanguarda no desenvolvimento de energias limpas a partir da biomassa. O Rio Grande do Norte já oferece amplas possibilidades de investimentos em energia eólica e da biomassa.

C

(salão de festas,piscinas,churrasqueiras,etc.) pelos próprios condôminos não é considerado rendimento de aluguel. Entretanto,no caso de a locação do espaço físico ter sido paga por terceiros,as quantias recebidas constituem-se em rendimentos dos próprios condôminos,devendo ser oferecidas à tributação por cada um,na proporção do quinhão que lhe for atribuído, ainda que não tenham recebido em espécie quando,por exemplo,o valor recebido se incorpora a um Fundo ou quando diminui o

CARBONO O negócio de crédito de carbono exporta US$ 476 milhões e sobe para 17º lugar entre as exportações brasileiras, em valor. Para especialistas, o mercado de créditos de carbono do Brasil está longe de ser desprezível. Divaldo Rezende, da CantorCO2 e Brasil, acredita que o mercado é promissor.

valor do condomínio cobrado mensalmente. Os rendimentos sujeitam-se ao recolhimento mensal obrigatório (Carnê-Leão) se recebidos de pessoa física,ou à retenção na fonte se

Lojas em Natal confirmam crescimento nas vendas e esperam um mês de março ainda melhor

recebidos de pessoa jurídica,e ao ajuste na Declaração Anual.

Cadastro (I)

Cadastro (II)

Vale uma leitura atenta pelos investidores, no cadastro lançado pelo Sebrae/RN. É um sinalizador para quem deseja investir. Mostra, por exemplo, os problemas enfrentados pelas empresas no acesso ao crédito, principalmente, para capital de giro. Esse problema é apontado por 52,3% dos empreendedores pesquisados. Outros reclamam de maus pagadores e até da concorrência.

O Cadastro Empresarial do Rio Grande do Norte (CEMP) revela ainda que o meio empreendedor no Estado é predominantemente masculino. Cerca de 67% das empresas formais são dirigidas por homens, enquanto 33% são comandadas por mulheres. Nos negócios informais, no entanto, a predominância feminina é maior, em torno de 41,2%, enquanto os homens representam 58,8%.

CRÉDITO No momento, há escassez de crédito no Brasil, para a micro e pequena empresa. Segundo o Banco Central, o estoque total de crédito no Brasil cresceu 0,8% em fevereiro, alcançando 44,9% do Produto Interno Bruto (PIB). As novas concessões de crédito subiram 12,6% no mês passado, considerando a média diária, para R$ 7,831 bilhões.

1

O Senac/RN começa a formar turmas em parceria com o Prodetur. Hoje, às 11h30, haverá uma solenidade para entrega dos certificados a mais 449 gestores de equipamentos turísticos e 559 profissionais formados pelo Senac-RN em um total de 13 cursos oferecidos pela instituição. Os cursos são de Gestão Empresarial, Gestão do Artesanato, Informática, Inglês, Espanhol e Italiano

2

A Rodada Nordestina Rumo à Copa 2014, vai acontecer em Fortaleza, hoje e amanhã. A iniciativa do Ministério dos Esportes reúne comunicadores, presidentes de entidade de classe, lideranças comunitárias, reitores universitários, membros do Executivo, Legislativo e Judiciário. Em Natal será nos dias 30 e 31.

3

A área de recepção dos hotéis é um dos setores beneficiados pelo programa de qualificação para atendimento ao turista que será realizado no Ceará. Serão 450 cursos em até 14 municípios, beneficiando 9.600 pessoas entre trabalhadores e empreendedores, visando a Copa de 2014.

INAUGURAÇÃO O ministro do Turismo, Luiz Barreto, e a governadora Wilma de Faria inauguram hoje os novos investimentos do Centro de Convenções de Natal, o complexo ABC. À tarde, no auditório da Fiern, participam do Fórum do Turismo do RN, com a participação de empresários e palestrantes convidados pela Empresa Potiguar de Turismo (Emprotur).

Indicadores econômicos A inflação medida pelo IPCA15, da mesma forma como o IGP-M, se desacelerou de uma alta de 0,94% em fevereiro para alta de 0,55% em março, segundo o IBGE. O grupo educação, principal pressão no IPCA15 de fevereiro, desacelerou os

reajustes para 0,55% em março, ante 4,55% no mês anterior. Por outro lado, o juro do cheque especial recuou em fevereiro. A taxa de juro bancário médio caiu em fevereiro para 34,3% anuais, ainda elevada para uma inflação estimada de 4,7%.

INOVAÇÃO A Usiminas, Caixa Econômica Federal e Prefeitura de Volta Redonda/RJ assinaram ontem, um convênio nos moldes do programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida” para a produção de seis edifícios com estrutura em aço, fornecida pela siderúrgica. É o primeiro projeto com estrutura em aço. VAREJO A venda de material de construção subiu 19% em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, mas recuaram 4,15 por cento em relação a janeiro. Os dados são da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat). No acumulado do primeiro bimestre do ano, a alta é de 16,31%.

PESCADO O preço do pescado varia 176%, de um mesmo produto. Para quem deseja abrir mão de estrutura maior e conforto, pesquisas mostram que adquirir alguns produtos em peixarias localizadas em mercados públicos ainda é a melhor opção, uma vez que os valores nesses locais, na maioria das vezes estão mais em conta pela estrutura ser mais simples.

COPA Das 12 cidades que abrigarão jogos da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, apenas duas devem ter déficit de leitos: Cuiabá e Manaus. Segundo matéria do jornal Valor, publicada ontem “Para ver futebol em 2014, hotel é que não vai faltar”. O estudo foi feito pelo Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), cujos 26 associados administram 500 hotéis, com 77 mil quartos.

Vendas de material de construção sobem em fevereiro s vendas de materiais de construção cresceram 19% em fevereiro deste ano, em relação ao mesmo mês de 2009, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat). A entidade espera uma continuidade no crescimento ao longo dos próximos meses, estimando que o ano feche com um incremento de 15% nas vendas, em relação a 2009. Entre as lojas potiguares do setor o aquecimento vem sendo percebido, com a desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) no material de construção e a expansão do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida sendo apontados como principais fatores a impulsionar as vendas do setor. O incremento do setor de construção civil nos primeiros meses deste ano, em comparação com o início de 2009, significou um crescimento de 12% no volume de vendas do Armazém Pará durante fevereiro, de acordo com o gerente de uma das lojas da empresa, Silvano Mousinho. Para este mês, é esperado um incremento ainda maior, podendo chegar a 25% na comparação com março

A

de 2009, com os clientes da rede procurando principalmente por pisos e revestimentos, metais hidráulicos e tintas. O diretor da Rede A Construtora e da loja Saci, Marcelo Rosado, diz ter percebido um aumento nas vendas durante os últimos meses, mas não possuir uma estimativa de

Acredito que não chegará a faltar nenhum produto, porque o mercado está se adaptando” MARCELO ROSADO empresário

quanto teria sido esse crescimento. De acordo com ele, atualmente, a maior procura é por materiais básicos, que fazem parte do início da obra, como cimento, tijolos, telhas, areia e aço, o que vem fazendo com que o preço de alguns desses produtos esteja começando a subir. Segundo Rosado, a tendência é que as vendas continuem fortes ao

longo de 2010, sendo possível que até o final do ano os consumidores vejam alguns produtos, como cimento e aço, ficarem escassos nas lojas. “Acredito que não chegará a faltar nenhum produto, porque o mercado está se adaptando. As lojas estão aumentando o estoque e as indústrias já passaram a produzir mais, por causa da grande procura”, avalia. Para ambos, as iniciativas do Governo Federal em criar o programa Minha Casa, Minha Vida e instituir a desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) que incide nos materiais de construção têm sido medidas fundamentais para manter o setor aquecido. IMPOSTO Em março do ano passado, o Governo Federal reduziu as alíquotas do IPI para materiais de construção, chegando a zero para alguns produtos. No mês de abril, a lista de produtos contemplados com a redução do tributo foi ampliada e em novembro houve a prorrogação do incentivo, previsto até dezembro do ano passado, mas permanecerá até 30 de junho de 2010.

As perguntas desta coluna são respondidas por técnicos da Delegacia da Receita Federal em Natal.Envie suas dúvidas com nome,e-mail e telefone para irpf@tribunadonorte.com.br

[ PETRÓLEO ]

Royalties do Estado sobem 32% em março epois de vários meses de queda, os royalties pagos na Bacia Potiguar voltaram a subir. Segundo relatório de março da Agência Nacional de Petróleo (ANP), o pagamento pela atividade de exploração e produção de petróleo e gás natural totalizou R$ 25,84 milhões ao governo estadual e 94 prefeituras do Rio Grande do Norte. O número representa uma alta de 32% na comparação com o mesmo período do ano passado. Do montante pago em março, R$ 13,73 milhões foram destinados ao Governo do Estado e R$ 12,11 milhões aos municípios. Os valores são relativos à exploração realizada em janeiro deste ano. Neste ano, os repasses já superam a quantia de R$ 79,2 milhões, sendo R$ 39, 88 milhões ao governo do estado e R$ 39,35 aos municípios. A cidade de Macau continua despontando como o primeiro lugar em royalties recebidos. Em março, os pagamentos ultrapassaram R$ 1,87 milhão. O segundo lugar ficou com Guamaré, cujo total recebido foi de R$ 1,63 milhão, seguido por Mossoró, com R$ 1,57 milhão.

D


geral

Quarta-feira | 24 de março de 2010

Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte |

7

[ CUSTOS ] Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil vai solicitar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade ao STF para suspender os direitos da lei que reajusta tabelas em 100%

Cláudio Humberto E-mail: ch@claudiohumberto.com.br - www.claudiohumberto.com.br

Agenda de Jeany Mary capa – um desenho da “Pequena Sereia”, de Walt Disney – sugere que é de uma menina, e não de uma mulher suspeita de agenciar garotas de programa, a agenda de Jeany Mary Corner, de 75 páginas, contendo telefones de mulheres e clientes, entre os quais muita gente famosa. Há nomes como Jucelino, que o MP acredita ser Juscelino Dourado, ex-auxiliar de Antonio Palocci, suposto cliente de Jeany Mary.

A

São Paulo, Rio e Espírito Santo estão errados”

Governador Jaques Wagner (BA), ao defender a nova divisão dos royalties do petróleo

FORNECEDORA Jean Mary Corner enviava garotas à “mansão de Ribeirão Preto”, usada em Brasília por lobistas ligados a Antônio Palocci.

Testemunha

Poder

Na “mansão de Ribeirão Preto” trabalhava um cidadão que se indignou com o que testemunhava. Era o caseiro Francenildo dos Santos Costa.

Jeany Mary Corner tinha relações muito próximas com a Polícia Militar. Na sua agenda consta o telefone de vários oficiais: de capitão a coronel.

POPULAR,PERO NO MUCHO O Banco Popular, criado por Lula para tirar o povo da m..., amargou prejuízo de R$ 12,4 milhões em 2009. Faz companhia ao “Fome Zero”.

Ameaças no DF A Corregedoria-Geral do Distrito Federal já investiga as denúncias de ameaças até de morte do secretário de Transportes, Gualter Tavares Neto, contra pessoas que o acusam de beneficiar empresas amigas na instalação

de “lacres eletrônicos”. A CGDF já recebeu uma caixa de Sedex, carta e várias fotos que foram os supostos instrumentos de uma das ameaças. O material foi encaminhado à Polícia Civil para perícia.

VOLTOU ATRÁS

RAINHA DA BATERIA

Gualter Tavares contra-atacou apresentando declaração de Zilda Xavier, uma das denunciantes, onde ela nega o que disse ao Ministério Público.

A embrionária OSX, de Eike Batista, estreou na Bolsa com baixa de 12,5%. Vai ver faltou uma boa dose de silicone na novata.

TÔ FORA Helio Doyle, um dos jornalista mais respeitados de sua geração, deixou a assessoria do candidato petista ao governo do DF, Agnelo Queiroz.

A FALÊNCIA DOS CORREIOS A ECT no fundo do poço: anos atrás, carta do Recife era entregue no Rio às vezes em 24 horas. Estes dias, um envelope do Senado levou seis dias percorrer 15 km, em Brasília. Um telegrama, 48 horas.

A LIÇÃO DO CORREGEDOR A frase lapidar é do ministro Gilson Dipp, do STJ, corregedor nacional de Justiça, durante palestra em Lisboa, no I Congresso de Advogados de Língua Portuguesa: “Juiz tem que ser magistrado e não majestade”.

Palanque para Dilma Lula vai a Itabuna (BA) sexta-feira inaugurar gás e abrir licitação para a ferrovia LesteOeste. Os ministros (Transportes, Desenvolvimento e Minas

e Energia) não foram convidados. Quem vai é Dilma Rousseff, que nada tem a ver com o caso, mas tem tudo a ver com as eleições.

Conselheiro biônico Demitido por suspeita de corrupção, o secretário de Justiça do DF, Flávio Lemos, tinha boa reputação de ex-conselheiro da OAB-DF. Mas não elei-

to: na democrática OAB, vagas no conselho são preenchidas pelos conselheiros. Seu eleitor foi o deputado Alírio Neto (PPS).

IGUATEMI BRASÍLIA Sexta (26), às 10h, Carlos Jereissati Filho, presidente do Iguatemi, fará a apresentação do novo shopping do grupo, no Lago Norte, bairro de classe média alta de Brasília. Será inaugurado nas próximas semanas.

JUSTIÇA A JATO O Tribunal de Justiça do Rio promoveu por merecimento quatro desembargadores, dois deles a jato: uma excontraparente de ministro do Supremo, já falecido, ‘voou” sobre 34 à sua frente. O filho de um ex-corregedor do TJ ultrapassou 45 que o precediam na antiguidade.

RUIM DA BOLA Um leitor gaúcho, que só bebe chimarrão, compara Lula ao jogador paraguaio Cabañas, que levou um tiro na cabeça: sabe o nome, o dos pais e sua profissão, mas não lembra o que fez no dia anterior...

DE GRÃO EM GRÃO... Já passou da hora de o Ministério Público do Rio investigar a prática disseminada até em grandes redes de varejo: “a falta de troco” de até R$ 0,5. Quem protesta, recebe. Em outros países isso é roubo.

OAB-RN diz que reajustes de cartório ferem a Constituição JÚNIOR SANTOS

Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Norte (OAB-RN) vai solicitar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspensão dos direitos da lei que reajusta em 100% os valores das tabelas de custas e emolumentos judicais, que passa a vigorar em 1º de abril, determinada pelo Tribunal de Justiça do RN. O pedido será feito por meio do Conselho Federal da OAB, em Brasília, e até que seja julgado o mérito da questão, será solicitada uma liminar que impeça que a lei entre em vigor no Estado. A OAB-RN considera o reajuste abusivo e vai solicitar ainda que o Conselho articule uma assembleia no STF para debater como a lei do reajuste, 9.278/09, fere os princípios constitucionais. Um relatório sobre o impacto das novas custas no comércio foi entregue em audiência ontem (23) pela Câmara dos Dirigentes Lojistas de Natal (CDL). Todo o material levantado pela OAB-RN será encaminhado está semana ao Conselho Nacional. Segundo Jorge Mota, membro da Comissão Especial na OAB-RN, criada para discutir o assunto, os cálculos mostram discrepância de valores para um mesmo serviço. Para se ter uma ideia, na compra de dois imóveis, sendo um de R$10 mil e outro de R$2 milhões, por exemplo, pela nova tabela o comprador pagará pelo registro de cada um no cartório, R$194,00 e R$27 mil, respectivamente. “O cartório vai cobrar valores diferentes em um mesmo serviço, feito na mesma matriz do computador, bastando mudar o nome e valor do imóvel”. Isso porque vai considerar o valor de avaliação da Prefeitura para cobrar o Imposto de Transmissão Intervivos (ITIVI). “Já é absurdo que o credor, no caso a Pre-

A

Paulo Teixeira diz que vias de negociação foram esgotadas quando TJ-RN descumpriu acordo

Ora, eu, como cidadão, pago meus impostos e ainda tenho que pagar para reaparelhar o TJ? JORGE MOTA membro da Comissão da OAB-RN

feitura, faça a avaliação e diga quanto vai querer receber, independente do valor real pago pelo proprietário. Agora, para piorar, o cartório cobrará o serviço a partir do valor estimado pela Prefeitura”, diz ele, e afirma a prática ser inconstitucional. “A constituição diz claramente que não se pode cobrar uma taxa de serviço tomando por base um valor que serviu para cobrança de imposto”, explica. Em outro exemplo prático, um imóvel avaliado em R$500 mil e comprado por R$200 mil, o proprietário terá que pagar o registro no cartório pelo valor cal-

culado em cima do ITIVI. “Vem sendo assim há muito tempo. Mas a partir do dia 1º de abril, estarão embutidas nos serviços dos cartórios, duas novas taxas”, disse. Uma delas é para a fiscalização dos cartórios pelo Tribunal de Justiça, e a segunda é para o reaparelhamento do órgão. Tomando como base os R$27 mil para registro do imóvel pela nova tabela, desse total, R$20 mil iriam para o cartório, R$5 mil seriam para a taxa de fiscalização e os R$2 mil restantes para o fundo de reaparelhamento. “Ninguém entendeu o que são essas taxas. Ora, eu, como cidadão, pago meus impostos e ainda tenho que pagar para reaparelhar o Tribunal?”, questiona. Durante a inspeção do Conselho Nacional de Justiça ao Tribunal de Justiça potiguar, em fevereiro, a OAB-RN pediu auxílio do CNJ para sensibilizar o TJ-RN a voltar atrás sobre o reajuste. “Me assusta o Tribunal, formado por pessoas do Direito, montar isso para cobrar do povo, ferindo a Constituição”, completa.

Presidente se diz surpreso com medida do TJ-RN Paulo Teixeira, presidente de OAB-RN, diz que no momento em que o TJ-RN descumpriu o acordo feito em audiência, tendo apenas prorrogado o reajuste ao invés de rediscutir os valores, esgotou as vias de negociação. “Fomos surpreendidos pela medida”, disse. Ele lembra que aumento considerado abusivo foi aplicado também pelo Tribunal de Justiça da Paraíba, mas o STF julgou inconstitucional. Após contato com um representante da OAB no CNJ, Paulo Teixeira foi informado que o relatório que será encaminhado para o STF pedindo uma assembleia para discutir o assunto pode demorar pelo menos um mês para ser expedido. “Mas a liminar poderá garantir que a medida não entre em vigor”.

[ PÁSCOA ] Produtos tradicionais da Semana Santa estão sendo verificados pelo órgão em supermercados das maiores cidades do Estado. Procon Natal divulga sua segunda pesquisa

Ipem vistoria pescado e ovos upermercados de 15 municípios potiguares terão seus estoques de pescado e ovos de páscoa vistoriados pelo Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte (Ipem) até a próxima sexta-feira, dentro da Operação Páscoa. As equipes de fiscais verificam se os produtos estão de acordo com as normas estabelecidas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), apresentando informações precisas na embalagem, principalmente em relação ao peso. A fiscalização começou ontem por Natal e Mossoró. O coordenador operacional do Ipem, Vicente Zacarias, explica que a fiscalização é voltada para pescados e ovos de páscoa, por esses serem os dois produtos mais comercializados no

DIVULGAÇÃO

S

Fiscalização segue até sexta-feira em 14 municípios do RN

período que antecede a Semana Santa. “No caso dos ovos de chocolate, verificamos ainda se aqueles brindes contidos em alguns possuem o selo do Inmetro,

o que é obrigatório”. Nos casos em que a irregularidade é comprovada, o órgão solicita a apresentação da nota de compra ao supermercado, para

que o Ipem responsabilize o fabricante. Ontem, oito supermercados foram vistoriados, tendo sido apreendidas 10 unidades de um tipo de ovo, pelo brinquedo contido nele não ter o selo de certificação exigido. PREÇOS O Procon Natal divulgou ontem a segunda pesquisa de preços de ovos de chocolate e pescados. Os primeiros tiveram um pequeno reajuste de 0,18% na média geral, em relação à semana passada; comparando com 2009 notase que os preços estão 1,86% mais altos. No caso do pescado e bacalhau foi constatado aumento médio de 5,76% para os peixes, em relação ao mesmo período do ano passado.


8

geral

Natal | Rio Grande do Norte| Quarta-feira | 24 de março de 2010

[ CASO ISABELLA ] No segundo dia do julgamento do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, delegada Renata Pontes fez acusações contundentes. Depoimentos continuam hoje

[ EVENTO ] Evento será realizado até a próxima

sexta-feira no Praia Mar Hotel, em Ponta Negra

Delegada diz que Nardoni sempre questionou perícia D

Seminário nacional sobre a exploração começa hoje

ão Paulo (AE) - A delegada do 9º Distrito Policial, Renata Pontes, afirmou em depoimento ontem que Alexandre Nardoni, acusado de matar a filha dele, Isabella, em março de 2008, questionou o trabalho da perícia desde a noite do crime. O segundo dia do julgamento terminou com o depoimento do médico legista Luiz Eduardo Carvalho, arrolado como testemunha de acusação. Ontem, também foi ouvido o médico-legista Paulo Sérgio Tieppo Alves. Os trabalhos foram suspensos pelo juiz Maurício Fossen e serão retomados hoje pela manhã no Fórum de Santana, em São Paulo Renata disse que esteve presente no prédio onde o casal Nardoni morava, na noite do dia do crime, e que não encontrou com Alexandre ao chegar no local. A delegada, então, conversou com seis moradores do condomínio que disseram que o pai de Isabella havia informado que o apartamento tinha sido arrombado. Depois, Alexandre chegou ao prédio acompanhado do pai, Antônio Nardoni, e questionou o trabalho feito pela polícia. Ele teria perguntado: “Já prenderam o ladrão? Já pegaram as impressões digitais?”. A delegada disse ainda que, embora Alexandre tenha afirmado que o apartamento tivesse sido in-

ERNESTO RODRIGUES/AE

S

Durante todo o dia, manifestantes e jornalistas fazem vigília na porta do Fórum em São Paulo

vadido, ele não contou isso à polícia quando prestou depoimento. Na ocasião, ele disse que alguém teria usado uma cópia da chave para entrar no apartamento. Pontes destacou que os legistas constataram que Isabella sofreu asfixia por esganadura e que ela tinha um ferimento na testa, sendo que nenhum desses ferimentos foi proveniente da queda que ela sofreu do 6º andar. O juiz Maurício Fossen perguntou se podia dispensar Renata, mas

o advogado de defesa do casal, Roberto Podval, disse que ela precisaria ficar à disposição da Justiça. O depoimento de Renata durou quatro horas e terminou às 14h10, quando os trabalhos do julgamento foram suspensos para almoço. CERTEZA Renata Pontes afirmou que já esteve em 136 locais de crime em sua carreira e que só indiciou Alexandre e Anna Carolina porque

“tem 100% de certeza que eles cometeram o crime”. No depoimento, o promotor Francisco Cembranelli pediu para que a delegada relatasse onde havia marcas de sangue visíveis no apartamento. Ela respondeu que elas estavam na entrada do apartamento e no lençol do quarto dos filhos do casal O restante das manchas - encontradas no carro e perto do sofá - só foram visíveis com o uso de reagente químico.

e maio de 2003 a fevereiro de 2010, o Disque Denúncia Nacional fez mais de 2 milhões de atendimentos e encaminhou mais de 119 mil denúncias em todo o país. A média de denúncias diárias caiu - em 2009 eram 82 por dia e este ano está em 76 ligações diárias - mas a situação ainda preocupa, principalmente porque em 31% dos casos o motivo é a violência sexual contra crianças e adolescente. Observando apenas as vítimas meninas, o índice sobe para 82% das denúncias. Para tratar do assunto, será realizado de hoje (24) até sexta-feira (26) um Seminário Nacional no Praiamar Hotel, com presença de especialistas de renome no país e no mundo, que vão compartilhar as práticas na área. O evento inicia com duas conferências. Uma será ministrada pelo Dr. Feizi Milani, Presidente do Instituto Brasileiro de Estudos, Pesquisas e Formação para a Inovação Social (Ibepis). Em seguida, a convidada será Tereza Amorim, do Departamento de Proteção da Infância da ONG Groupe Développement (França). Após as palestras, será realizada uma homenagem a cinco personalidades in memoriam que trabalharam em prol do bem estar das crianças e adolescentes, entre elas o Padre Ramiro (Movimento de apoio aos Meninos de Rua), morto em 2009 por um adolescente, e Zilda Arns, Coordenadora Inter-

nacional da Pastoral da Criança, morta no início do ano em terremoto no Haiti. Ao final do evento será elaborada uma “Carta de princípios das instituições de atuação interdisciplinar a crianças e adolescentes em situação de violência sexual”. Os tópicos do documento, de caráter ético, educativo e preventivo, vão orientar a atuação das instituições governamentais e nãogovernamentais no atendimento às vítimas de exploração sexual. Segundo Dilma Felizardo, vicepresidente do Ibepis, que realiza o evento juntamente com as Ong´s Groupe Développement e Dka Austria, a ideia é promover a capacitação e troca de experiência entre os participantes. “Também buscamos fortalecer e articular o trabalho entre as instituições que atuam em âmbito regional, nacional e estrangeiro, inclusive para a formulação de políticas públicas capazes de combater o problema”, explica.O evento inicia logo mais às 16h30, com o credenciamento, e as inscrições estão abertas no local. SERVIÇO Seminário Nacional - “Exploração Sexual contra crianças e adolescentes e outros contextos de violências – um paradigma” Data:24 a 26 de março Início:16h30 (credenciamento) Local:Praiamar Hotel,em Ponta Negra Inscrições abertas no local


natal

EDUCAÇÃO

Maria da Conceição Braga reclama da falta de professores. PÁGINA 12

TEMPO HOJE

TÁBUA DE MARÉS

FEIRAS LIVRES

Nublado com pancadas de chuvas Máx.: 30ºC Mín.: 26ºC

Preamar 11h11 -1.9 Baixa-mar 04h49 -0.9- 17h54 -0.7

Panorama: hoje 332 bancas/196 feirantes Planalto 186 bancas/97 feirantes

BALNEABILIDADE Impróprias Mãe Luíza Pium Pirangi do Norte Redinha

FASES DA LUA Crescente: hoje Cheia: /29/03 Nascer do sol: 5h21 Pôr do sol: 17h19

Editora: Yara Okubo e-mail: yokubo@tribunadonorte.com.br

NATAL • RIO GRANDE DO NORTE Quarta-feira • 24 de março de 2010 CEDIDA

[ APODI ] Suspeita entrou na maternidade, ludibriou funcionários

e a mãe da recém-nascida, para depois fugir levando a criança

Mulher sofre aborto espontâneo e sequestra bebê ANDREY RICARDO Jornal de Fato

erca de 15 dias após sofrer um aborto espontâneo, a dona-de-casa Maria das Graças Soares Gomes, 31, foi presa em flagrante por ter sequestrado uma criança com três dias de nascida. Ela confessou aos policiais que entrou no Hospital Maternidade Claudina Pinto, na Baixa da Alegria, e pegou a criança sem nenhuma dificuldade, passando despercebida pela segurança e pelos funcionários. Porém, depois se arrependeu e abandonou a criança dentro de uma sacola, por trás de sua casa. O sumiço de uma criança do sexo feminino, filha da dona-de-casa Iaskara Katayane Silva de Góis Benevides, 32, foi descoberto por volta das 7h30 de ontem. A partir de então, todas as forças de segurança da cidade foram mobilizadas para tentar localizar a criança e, consequentemente, prender a pessoa

C

que sequestrou o bebê. Desde as primeiras horas, a polícia já tinha suspeitas de que Maria das Graças teria levado a garota, o que veio a ser confirmado no início da tarde. A menina havia sido abandonada dentro de uma sacola, em um cômodo de uma casa que estava em construção. Ela mesma teria ligado para a Central de Operações da Polícia Militar (COPOM) e informou que uma criança havia sido abandonada. A criança foi conduzida para o hospital e após análise da equipe médica, foi constatado que a menina não apresentava nenhum problema de saúde. A partir de então, segundo o delegado regional de Mossoró, Caetano Baumman de Azevedo, que está respondendo pela Polícia Civil em Apodi, a polícia concentrou sua atenção na localização da suspeita. À polícia, Maria das Graças confessou que realmente tinha sequestrado a criança, mas disse que se arrependeu logo depois. A mulher contou que tinha ido ao hospital

apenas para verificar sua pressão e que ao ver a criança, lembrou do bebê que havia perdido e resolveu levá-la. “Mas quando chegou em casa, segundo o que ela nos disse, viu que aquela criança não era sua, se arrependeu e ligou para a Polícia Militar ”, comentou o delegado Caetano, que autuou a suspeita por sequestro e cárcere. Pelo que informaram os policiais que tiveram contato com Maria das Graças, ela ainda estava visivelmente abalada, horas depois da prisão e, provavelmente, portava sequelas do aborto espontâneo. “Ela está chorando muito aqui. Não parou de chorar um só minuto. Dá para ver que ela ficou com algum tipo de problema psicológico”, disse um dos policiais, ressaltando, que mesmo assim, a suspeita foi autuada em flagrante e será encaminhada hoje para a Segunda Delegacia de Polícia Civil de Mossoró, que funciona de maneira improvisada como uma espécie de prisão feminina.

Sequestro deixa à mostra a fragilidade na segurança do Hospital-Maternidade Claudina Pinto

Fragilidade da segurança fica visível A fragilidade da segurança no Hospital Maternidade Claudina Pinto, em Apodi, foi exposta ontem após o sequestro de uma criança recém-nascida, que foi levada de dentro da unidade. De acordo Conceição Pinto, técnica em enfermagem daquela unidade hospitalar, o local não dispõe de nenhum tipo de dispositivo de segurança, como sistema de câmeras ou até mesmo seguranças particulares durante o horário de funcionamento. A única segurança do local é um vigilante que trabalha somente durante o horário noturno. Se o sequestro de ontem tiver sido

uma ação casual, como disse a suspeita, a falta de segurança é ainda mais perceptível. Ainda segundo Conceição, Maria das Graças chegou cedinho ao hospital, dizendo que ainda estava grávida e que, aos poucos, foi enrolando funcionários e a mãe da criança, Iaskara. Depois de ganhar a confiança de todos, Maria das Graças pediu para segurança a criança e aproveitou quando a mãe estava sendo medicada por funcionários para fugir do hospital. Ela saiu com a criança nos braços, sem ser percebida por ninguém. Ontem, o diretor geral do hos-

pital, o médico João Pinto, e o diretor administrativo, Josinaldo Cardoso, estavam na Delegacia de Polícia Civil da cidade prestando esclarecimentos sobre o sequestro do bebê de três dias. Ainda não há uma previsão de que o esquema de segurança do hospital passe mudanças depois do ocorrido, mas a técnica em enfermagem daquela unidade, diz acreditar que haverá melhorias para evitar outros casos. “Aqui nunca houve isso. Apodi é uma cidade tranquila, acho que por isso a gente nunca se preocupou com essas coisas”, disse a funcionária do hospital.


10

| Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte

natal

Quarta-feira | 24 de março de 2010

Serviços diversos

Telefones diversos

Cartão Amarelo Amâncio e Everaldo

AVIÕES Tam Av.Afonso Pena - 844 - Tirol Fone:3201-2020 - Fax:3201-1391 ■ Natal/Porto Alegre (escala: Recife/Salvador/Rio/São Paulo/Curitiba/Florianópolis — 06h. ■ Natal/Brasília/São Paulo (Congonhas) — 13h55 (diariamente). ■Natal/Salvador/São Paulo (Guarulhos) — 16h40 Trip Aeroporto Internacional Augusto Severo - Loja 02.Fone: 3644-1129 / 3643-1450 / 0800842747, Natal/Fernando de Noronha Saída:8h/ 11h Tap air portugal Aeroporto Augusto Severo, Loja 01 - Fones:3087-1384 0800-210-6060

Natal/Lisboa - Saída:20h40 Lisboa/Natal - Saída:16h30 TAXIS ■ Cooptax.Rua Pastor Eustáquio L.da Silva,941 - Dix-sept Rosado 3205-4455 ■ Disk Táxi.Rua dos Canindés, 1266.sala 202,Alecrim – 32237388. ■ Natal Táxi.Rua Antônio Basílio, 2137, Lagoa Nova – 3213-6800. ■ Rádio Táxi. Zona Norte.Rua Tijuca,2902 - .Conj.Santa Catarina – 3214-2392. ■ Rádio Táxi Relâmpago.Rua dos Caicós,1402.Sala 202 Alecrim – 3223-5444. ■ Rádio Táxi.Rua Projetada nº 100- Morro do Tirol.Fone 32215666/3222-5666 ■ Ligue Táxi Praça das Flores.Pça. Aristófanes Fernandes Petrópolis - 3202-7333/32023075 ■ Cidade Táxi (Ambulância 24

■ Itep

hs) - R.Pres.José Bento,810 Alecrim - Fone:3223-6488

3232-6916/3232-6917

■ Aeroporto Internacional Augusto Severo

3644-1000

■ Brasilgás (Plantão)

FARMÁCIAS Farmácias que atendem 24 horas com entrega em domicílio

800-2005 0800 840195

■ Caern (Informações) ■ Cosern (Teleatendimento)

116

■ Coleta de Lixo

3232-9999

■ Drogaria Globo/Guararapes

■ Corpo de Bombeiros

- Prudente de Morais com Bernardo Vieira,3213-2424Estrada de Ponta Negra,fone: 3217-2424, ■ Drogaria Globo - Disk Saúde, fone:3217-9500, ■ Farmácias Pague Menos Prudente de Morais,fone:32154600 (Lagoa Seca);Prudente de Morais,fone:3215- 4590 (Candelária);Nilo Peçanha, fone:3215-4545 (Petrópolis); Tomaz Landin,fone:3215-4570 (Zona Norte) ■ Farmácia Rio Grande - Av. Prudente de Morais com Lima e Silva ■Telefarma, fone:3231-2424.

■ Delegacia de Acidentes

193

■ Delegacia de Furtos e Roubos

3221-2326 3232-1548/3214-4830

■ Delegacia de Menores

3232-1536

■ Delegacia da Defesa da Mulher

3232-2526

■ Delegacia de Plantão

3232-6305 3213-5005

■ Funerária São Francisco ■ Procon Municipal

3232-9050/51/52

■ Centro de Velório

3221-1642

■ Floriculturas 24 horas

3222-1016/3223-8052 4009-0000/SPC 4009-0707

■ CDL Natal ■ Borracharia

3221-1434

■ Polícia

190

■ Antissequestro

0800 - 841536 0800-2814050

■ STTU - plantão ■ PRF - emergência

191/4009-1555

[ JULGAMENTO ] Professor Vanildo Pereira da Fonseca, que está sendo

[ JUDICIÁRIO ]

responsabilizado pela morte de um estudante, foi ouvido ontem

Paciente em Natal será indenizado em R$ 30 mil

MARCELO BARROSO

U

Estudantes da UFRN montaram cartazes e faixas em apoio ao professor de geologia indiciado

Sentença para professor sairá em dois meses A

sentença do julgamento do professor de Geologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Vanildo Pereira da Fonseca, deve sair dentro de dois meses. Na tarde ontem, o juiz da 2ª Vara Criminal Federal, Mário Jambo, tomou o depoimento do professor – que está sendo responsabilizado pela morte do estudante Vinícius Santana da Silva, atingido na cabeça por uma pedra enquanto participava de uma aula de campo no Pico do Cabugi, no município de Lajes, em 2006. Segundo o professor Vanildo Pereira da Fonseca, o juiz Mário Jambo deu uma prazo de 15 dias para cada uma das partes – defesa e acusação – fazer as suas alegações finais. Só depois é que o magistrado vai analisar essas alegações e proferir a sentença.“Acredito que deve demorar ainda uns dois meses. A nossa preocupação é com a questão da culpa jurídica, pois já ficou comprovado que não existe culpa técnica. O Vinícius se afastou de nós e avançou por outra trilha diferente da que estávamos fazendo”, disse o professor. Vanildo Pereira da Fonseca foi inocentado numa sindicância interna feita na UFRN. “É muito difícil julgar onde está a culpa e o que pode ter acontecido de errado

juridicamente. Tenho a consciência de que não fiz nada de errado”, disse o professor. Cerca de 50 alunos da UFRN e do IFRN compareceram à sede da Justiça Federal, na tarde de ontem, para dar apoio ao professor. Com faixas e cartazes eles pediam a absolvição de Vanildo. “O que aconteceu foi uma fatalidade e todos nós estamos sujeito a esse tipo de coisa. O professor tomou todos os cui-

Tenho a consciência de que não fiz nada de errado” VANILDO PEREIRA professor

dados necessários, alguns alunos, infelizmente, não seguiram as recomendações e acabou acontecendo essa tragédia. Acreditamos na inocência dele”, disse o presidente do Centro Acadêmico de Geologia da UFRN, Álvaro Crisanto. A possibilidade de condenação do professor está provocando apreensão entre os docentes da UFRN que temem a realização de aulas de campo. “Qualquer conde-

nação do professor Vanildo colocará em xeque a realização de atividades extra-classe porque os docentes não querem e nem podem ser responsabilizados por acidentes que venham a acontecer nessas aulas. E isso vai acabar comprometendo os alunos, que ficarão sem essa importante ferramenta de aprendizado”, disse o diretor do Centro de Ciências Exatas e da Terra, Jasiel Martins de Sá, ao qual está vinculado o curso de Geologia. O presidente da Associação de Docentes da UFRN (Adurn), João Bosco Araújo da Costa, explicou que a universidade não possui um documento que defina as responsabilidades do professor nesse tipo de aula. “Não existe uma segurança jurídica para o docente, que acaba sendo responsável por qualquer coisa que venha acontecer com os alunos durante essas aulas, mesmo quando são tomadas todas as precauções, como no caso do acidente no Pico do Cabugi”, disse João Bosco. Por enquanto, as aulas de campo, obrigatórias na maioria dos cursos universitários, não deixaram de acontecer. Mas por medida preventiva, o professor Vanildo Pereira da Fonseca, deixou de realizar as aulas de campo desde maio de 2007, quando o processo foi protocolado na justiça.

m paciente examinado por um falso médico será indenizado em R$ 30 mil pelo Município do Natal por danos morais. A parte ré ainda terá que custear os honorários advocatícios do autor da causa, no valor de R$ 1 mil, porém, o município pode recorrer da decisão. Cristovão José de Oliveira teria sido examinado pelo servidor Aurivan Duarte Barbosa em um posto de saúde municipal, no dia 22 de julho de 2002. A decisão pela indenização foi do juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública, Virgílio Fernandes de Macêdo Júnior, que na semana passada assumiu o cargo de desembargador do Tribunal de Justiça. Nos autos do processo, Cristovão Oliveira disse que estava com complicações intestinais e procurou auxílio no posto de saúde. Lá, teria aguardado por atendimento médico, até que ao indagar ao servidor Aurivan Duarte Barbosa se este era médico, o funcionário respondeu afirmativamente, logo em seguida, lhe conduziu ao consultório. A vítima teria relatado nos autos que dentro da sala, o servidor trancou a porta e realizou um exame verificando o abdome, onde foi constatado que a barriga do paciente estava inchada, verificou os membros inferiores e superiores. Em seguida, Aurivan solicitou que tirasse as calças e a cueca. Cristovão atendeu o pedido. A partir daí foi realizado o exame de próstata causando dores ao paciente que desconhecia o objeto introduzido por estar de costas. Após deixar o consultório Cristovão descobriu que Aurivan não era médico. A vítima relatou que ao sair, encontrou um conhecido identificado pelo nome de Moisés que o levou até à nutricionista Maria Goretti, com o intuito de realizar os exames. Momento em que Cristovão revelou que já havia feito os exames com um médico da unidade. Maria teria dito que no posto não havia nenhum médico. Ainda de acordo com os autos, a comunidade onde Cristovão morava soube do fato ocorrido no posto de saúde e, por este motivo, a vítima teve a saúde ainda mais abalada. Cristovão ficou com síndrome do pânico. Diante do que ocorreu, a vítima também se separou da companheira. Aurivan Duarte Barbosa é servidor da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) e estava cedido à Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Na sentença, o juiz Virgílio Macêdo lembra que “a condenação por dano moral deve ser fixada em quantia que venha a servir às finalidades da reparação, mas deve conter a parcimônia necessária a fim de evitar que tal quantia, também não se desvirtue, se constitua fonte de enriquecimento sem causa”.


Quarta-feira | 24 de março de 2010

natal

Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte |

11

[ VIOLÊNCIA ] Atualmente, são registrados 10 boletins na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, nove deles referentes a agressões físicas contra o sexo feminino

Coluna do Consumidor pauta.tn@tribunadonorte.com.br

Remédios controlados Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) vai discutir em audiência pública nesta quarta-feira (24), em Brasília, a inclusão dos antibióticos orais e injetáveis na lista de remédios controlados. A intenção é ampliar o controle sobre as vendas desse tipo de medicamento com medidas mais restritivas para a prescrição e comércio. Entre as ações que podem ser adotadas pela Anvisa estão a exigência de retenção de receita, alterações nos dizeres de rotulagem e bula e escrituração de alguns antibióticos nas farmácias e drogarias. A agência pretende, ainda, publicar uma consulta pública com o detalhamento da proposta. De acordo com a Anvisa, a ampliação do controle pretende reduzir os casos de resistência bacteriana e contribuir para o uso racional de medicamentos no país. Em nota, a agência diz que a resistência microbiana é um fenômeno biológico natural, mas que o uso indiscriminado de antibióticos e a automedicação potencializam esse processo e reduz a eficácia dos medicamentos, dificultando e encarecendo o tratamento.

A

(FONTE: FOLHA ONLINE)

Despesas de saúde O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por unanimidade no dia 17 de março, que os cidadãos brasileiros têm amplos direitos à saúde, independentemente de terem condições de financiar medicamentos, tratamentos, exames de diagnósticos e até períodos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Os ministros do Supremo confirmaram a validade de nove decisões do presidente da Corte, Gilmar Mendes, que recusaram pedidos de governos municipais, Estados e da União para que fossem desobrigados de pagar remédios, tratamentos e serviços de diagnósticos. As ações analisadas pelo tribunal foram protocoladas na Justiça por pacientes portadores de doenças neurodegenerativas, leucemia, Alzheimer, diabetes tipo 1 e problemas cardíacos. Em todos os casos, foi determinado que o poder público arcasse com os custos dos tratamentos.

Em relação à paciente com leucemia linfocítica crônica, o tratamento quimioterápico consumiria R$ 162.707,16. Em uma outra ação analisada pelo tribunal, foi determinado ao Estado de Pernambuco que ajudasse o município de Petrolina a melhorar as condições de um hospital municipal. Frequentemente o Judiciário é criticado quando determina que governos paguem os custos de tratamentos, medicamentos e construção de UTIs. Normalmente, as ações são propostas pelos pacientes contra os municípios, unidades da federação onde estão as autoridades mais próximas aos doentes. Mas como o Sistema Único de Saúde (SUS) é integrado, há um entendimento corrente no Judiciário segundo o qual a responsabilidade deve ser solidária dos governos federal, estaduais e municipais. (FONTE: AGÊNCIA ESTADO)

Saber consumir Evitar o desperdício, entender de onde vem o alimento que colocamos na mesa, comprar só o que for realmente necessário, dispensar o uso de sacolas plásticas e usar de maneira inteligente os recursos naturais são os primeiros passos para tornar-se um consumidor consciente. O consumo consciente está baseado naquilo que especialistas chamam de tripé dos três Rs: reduzir, reutilizar e reciclar. É isso mesmo: se até bem pouco tempo atrás a palavra de ordem era reciclar, agora a discussão é bem mais ampla. Por isso, consumir não é apenas aquilo que fazemos quando abrimos a carteira na feira, no supermercado ou no shopping. Todas as nossas ações, desde a hora em que acordamos até a hora em que vamos dormir, envolvem algum tipo de gasto. Usamos água, gás e energia elétrica para praticamente todas as atividades diárias: escovar os dentes, dar a descarga, fazer café, lavar e passar roupas, limpar a casa, preparar o almoço, e por aí vai. É a maneira como usamos esses recursos que faz a diferença. (FONTE:WWW.PORTALDOCONSUMIDOR.GOV.BR)

Telefones úteis ■ CDC - Centro de Defesa do Consumidor e-mail:cdcdorn@gmail.com - blog:www.cdcrn.blogspot.com; Telefones:3205-6331 / 9985-7308 ■ Procon Municipal Av.Eng.Roberto Freire,Central do Cidadão - Praia Shopping - Fone 3232-9050 ■ Procon Estadual Delegacia de Defesa do Consumidor Av.Tavares de Lira,109 - Ribeira.Fone:3212-1218/1815 ■ Juizado de Pequenas Causas Av.Afonso Pena,893 - Tirol.Fones:3201-0447 ■ IPEM - Instituto de Pesos e Medidas Rua Olinto Meira,1036 -Barro Vermelho ■ Covisa Municipal Av.Rio Branco,Ed.Ducal - 4º andar ■ Casa da Cidadania Av.Paulistana,132 - Panatis - Fone:3214-8090 ■ Promotoria de Defesa do Consumidor Av.Tavares de Lira,102/104 - Ribeira.Fone:3232-7180. ■ Vigilância Sanitária Estadual.Fone:3232-2557

Aumenta número de casos de agressão contra mulher EMANUEL AMARAL

ampanhas publicitárias e os trabalhos na área de educação social não estão sendo suficientes para diminuir o número de casos registrados de violência contra a mulher. Dos aproximadamente 10 boletins de ocorrência registrados por dia na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (DEAM), nove deles são referentes a agressões e violência contra o “sexo frágil”. Isso, é resultado da impunidade e do uso de drogas. Esse número de boletins, por sinal, representa um aumento, ainda que sensível, em relação a 2009. No ano passado, a DEAM da Zona Sul, onde há mais registros, fechou com 3.579 ocorrências. Neste ano, até a manhã de ontem, já haviam sido registrados 306. Uma média diária de 9,8 em 2010, contra 9,6 em 2009. “Posso dizer que 90% desses casos são referentes à violência doméstica”, afirmou a chefe de investigação da DEAM da Zona Sul, Cláudia Davim. Apesar de não haver uma estatística que aponte para o número de pessoas presas, é possível perceber que há sim um sentimento de impunidade para agressores deste tipo. “Entre 25% e 30% das mulheres retiram a queixa pouco depois. Às vezes por voltar com o marido, em outros casos por depender dele e isso acaba por causar um sentimento de impunidade no agressor”, contou a investigadora. Além disso, outro problema na investigação de um caso de agressão contra a mulher é a convocação de testemunhas. “Poucos querem prestar depoimento e isso tem que ser feito, basicamente, através de intimação. As pessoas precisam ser judicialmente convocadas para aceitarem ajudar na investigação”, afirmou. As que não retiram queixa e que conseguem testemunhas levam, muitas vezes, o agressor a pecar pela reincidência. Ele é preso em flagrante, mas pode sair com o pagamento de fiança - que varia de R$ 150 a R$ 1.500, dependendo do caso. Quando ele sai, geralmente, é feito um termo protetivo em que o acusado não pode ficar a determinada distância da vítima ou das testemunhas do processo. Ao descumprir isso e ser denunciado, o acusado é novamente detido e, desta vez, sem direito a fiança.

C

Noventa por cento dos casos registrados nas delegacias da mulher são referentes à violência doméstica

QUADRO DE OCORRÊNCIA Veja abaixo os registros de ocorrências nas Delegacias da Mulher Números:

306

boletins tinham sido registrados até a manhã de ontem na DEAM da Zona Sul,na Ribeira.

6.229

ocorrências registradas em 2009, somando Zona Norte, Zona Sul e Parnamirim

25

mulheres foram assassinadas.Seis desses casos foram por motivos/autores desconhecidos, em 2009

“Temos atualmente 30 presos por crimes contra a mulher. Destes, quase todos são reincidentes, apesar de alguns ainda estarem lá simplesmente porque não conseguiram pagar a fiança”, explicou a chefe de investigação. Esses que não conseguem pagar a fiança são, a maioria, viciados em drogas, outro fator que tem causado o aumento

Temos atualmente 30 presos por crimes contra a mulher. Quase todos são reincidentes” CLÁUDIA DAVIM chefe de investigação

dos registros de agressão. Na DEAM da Zona Sul não existem celas, mas isso não chega a ser um problema, pois os infratores detidos ou são conduzidos para a 14ª Delegacia de Polícia, em Felipe Camarão, ou para o Presídio Provisório Raimundo Nonato Fernandes, na zona Norte de Natal. Problema mesmo é a quantidade de agentes da Polícia Civil. Desde agosto de 2006, quando entrou em vigor a Lei Maria da Penha, que aumenta o rigor das punições das agressões contra a mulher quando ocorridas no âmbito doméstico ou familiar, as denúncias cresceram bastante, mas o número de agentes diminuiu. “Antes, tínhamos cerca de 40 inquéritos policiais por ano. Agora, com a lei, chegamos a 600”, avaliou Cláudia Davim. Atualmente, a DEAM conta com 13 agentes no quadro e, para poder seguir a determinação da Secretária Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), de funcionar durante 24 horas, vai ter que esperar que os aprovados no concurso público de 2008 assumam. A falta de agentes tem prejudicado, inclusive, a obtenção de números mais concretos sobre a violência contra a mulher. Sem alguém que fique responsável por isso nas DEAMs da Grande Natal, não é feito um balanço desse tipo desde 2007.


12 | Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte

natal

Quarta-feira | 24 de março de 2010

Seja por falta de professores, carteiras e até merenda escolar, em muitas escolas das redes municipal e estadual os alunos ainda não iniciaram o ano letivo, causando revolta e desespero dos pais, além de muitas transferências

[ EDUCAÇÃO ]

Fim da greve não garante aulas FOTOS:ALEX RÉGIS

studantes fardados ocupando calçadas, em vez de sala de aulas. Pais retornando com os filhos antes do horário. Escolas vazias. O cenário que remete ao período de greve, continua a ser encontrado nas escolas da rede estadual apesar do fim da paralisação. Seja por falta de professores, carteiras e até merenda escolar, o fato é que para algumas escolas o ano letivo, que deveria ser iniciado no dia 1º e foi adiado devido à greve para o dia 15, ainda não tem previsão para começar. Sem ter a quem recorrer, a dona de casa Terezinha de Jesus do Nascimento, 75, bisavó de Sabrina, 7, estudante do 1º ano da Escola Estadual Monsenhor Alfredo Pegado, em Mãe Luísa, conta que todos os dias a bisneta, acorda cedo para ir à escola e volta para casa meia hora depois com a promessa de que “só na próxima segunda-feira”. “O problema é que tem segunda-feira toda semana e eu não sei mais o que fazer”, disse a senhora que cuida de outros dois netos, que passam o dia na rua com a falta de aulas. “Pior que a gente sabe o que espera por eles fora da escola”, acrescenta. Sabrina é apenas uma das cerca de 400 estudantes de um total de 560 matriculados, que estão sem professores. Cinco turmas iniciaram as aulas. Devido o atraso, Maria José da Silva, mãe de uma estudante do Ensino de Jovens e Adultos, optou por transferir a filha para a E. E. Selma Lopes, na Guanabara. “Não dá mais para esperar, mesmo sendo a noite e longe de casa é melhor do que ficar sem estudar”, disse. O déficit de professores na E. E. Mons. Alfredo Pegado chega a 11 profissionais, apenas cinco são do quadro. Segundo a professora

Escola Santos Reis está pronta

E

Na Escola Estadual Monsenhor Alfredo Pegado a falta de professores impediu o reinício das aulas para cerca de 400 estudantes

Silvamara Araújo Barros Laurentino, ao contrário do esperado, a Secretaria Estadual de Educação está com inscrições abertas para selecionar estagiários para preencher as vagas. “É uma situação complicada, porque não aderimos à greve e as aulas estão prejudicadas. Sem falar que, devido ao estigma de violência, muitos selecionados desistem quando sabem que é para trabalhar em Mãe Luísa”, observa a pedagoga. Ainda em Mãe Luísa, a Escola Estadual Severino Bezerra de Melo também está devolvendo os alunos. Além do quadro de professores incompleto, a escola pa-

dece da falta de carteiras para acomodar os estudantes. Mãe de dois alunos, Lúcia Cristina da Silva conta que está prejudicando o trabalho porque não tem com quem deixar os filhos. Um deles, Carlos Daniel, 10, frequenta no contraturno aulas de reforço. “Está aqui o que ele aprendeu esse ano. Uma vergonha”, mostra o caderno em branco do filho. Na escola, a direção não foi encontrada e não autorizou funcionários a receber a equipe de reportagem. A falta de merenda e insuficiência de carteiras reduziu o tempo de aulas em uma hora na Escola Estadual Lauro Castro, em

Cidade da Esperança. Para não prejudicar ainda mais os estudantes, o aprendizado é feito em tempo corrido, das 7h às 10h. A situação força os alunos a dividirem carteiras ou mesmo remanejarem de sala em sala, as desocupadas e em bom estado. “É um troca-troca de carteira, um senta, depois levanta para dar lugar ao outro. Arrasta de uma sala para outra e assim vai”, disse uma educadora. A dispensa vazia, segundo professores que preferiram não se identificar, se deve à mudança na gestão, o que demanda trâmites burocráticos para renovação da assinatura e compra dos alimentos.

NÚMERO

700

alunos.Essa é a capacidade da Escola Municipal Santos Reis

Não há como se dizer se de fato vai começar, porque falta a limpeza e os móveis” LINÉLIA MARIA diretora

Subcoordenadora garante que repasse de saldo foi efetuado De acordo com a subcoordenadora de assistência ao educando da SEEC Socorro Duarte, os repasses de saldo reprogramado (sobra do ano anterior) foram repassados às escolas uma semana antes do início das aulas. O depósito do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) deverá ser feito até o dia 29 deste mês. “Se falta o que eles comerem é por má administração, porque os recursos estão lá”, disse. A reportagem tentou contato com os coordenadores do setor de recursos, Pedro Guedes, e do departamento de manutenção de patrimônio Paulo Pires, mas não obteve sucesso. A assessoria de imprensa da SEEC também não deu retorno sobre medidas adotadas. A falta de professores na Escola Estadual Hegésipo Reis, em Nova Descoberta, tem causado transtornos para além-muros da pequena instituição. De acordo com a mãe de aluno Maria da Conceição Braga do Nascimento, o atraso nas aulas tem aumentado o índice de violência e situações de riscos a que os estudantes estão expostos. “Cresceu a criminalidade. Se não tem aula, eles ficam aí nas ruas. O meu não quer aguardar em casa, mas o que a gente vê é crian-

ça envolvida com drogas. Se as aulas já tivessem começado eles estariam com esporte e educação garantidos”, disse Conceição. Segundo a assistente social, o prejuízo recai em outro âmbito. Boa parte dos alunos sequer tem o que comer em casa e se vale do lanche servido na escola como primeira refeição do dia. “Às vezes é a única que alguns deles tem”, afirma. Reconhecida por abrigar projetos pedagógicos de sucesso, a E. E. Hegésippo Reis possui 120 alunos, do 1º ao 5º matriculados, aguardando a seleção de estagiários para começar o ano letivo. A escola funciona à base de contratos anuais, uma vez que o Estado não contrata mais professores para educação infantil e ensino fundamental. Os pais protocolaram um documento de indignação na última segunda-feira, na SEEC. “O que percebemos é que o tempo da Secretaria de Educação é diferente do tempo da necessidade destas famílias. Porque ficou o processo de contratação para a última hora. Quando sabem que nossa necessidade é de concurso público e não envio de professores temporários”, disse a coordenadora Cláudia Santa Rosa.

Atraso em obras prejudica estudantes

“A previsão que deram foi abril, mas não se sabe. O impasse maior é que os professores não aderiram à greve e estão trabalhando desde o início e os alunos, quando começar as aulas, terão que cumprir 200 dias letivos”, disse a professora. Uma semana após o fim da greve, as escolas da rede municipal normalizaram o calendário. Os repasses foram regularizados e com eles, as aulas. Na E. M. Ulisses de Góis em Nova Descoberta, e no CMEI Marize Castro, em Cidade Nova, problemas como a falta de merenda, de material de apoio e limpeza foram resolvidos.

O atraso nas obras de reforma no anexo da E. M. Emília Ramos, em Cidade Nova, que abriga uma nova escola, ainda sem nome e direção definidos, deixou sem aula 350 alunos do 4º ano, do ensino fundamental. O espaço segundo uma professora que não quis se identificar, seria desativado, mas em meio à demanda será transformada em nova instituição.

Escola Estadual Professor Severino Bezerra de Melo não tem professores nem carteiras para os alunos

Uma escola novinha, com estrutura para atender 700 alunos, em 10 salas de aulas amplas e arejadas, quadra de esporte coberta e rampas de acessos e nenhum estudante. O desperdício de dinheiro e espaço público é atestado na Escola Municipal Santos Reis, no bairro homônimo, que há dois anos, quando foi concluída, aguarda que alunos da rede pública povoem seus espaços vazios. Do outro lado, cerca de 750 estudantes aguardam em casa, o início das aulas. Isso porque, o antigo prédio onde estudavam, o Grêmio Beneficente de Pescadores de Santos Reis, não recebeu os reparos nem carteiras suficientes para funcionar este ano, sob a promessa da Prefeitura do Natal de que a transferência para o prédio ocioso, seria realizada em tempo hábil. O impasse é a ligação da energia elétrica que, segundo a diretora Linélia Maria de Albuquerque, está prevista para ocorrer até o dia 31, prazo dado pela SME para o início das aulas. “Não há como dizer se de fato vai começar, porque falta a limpeza, a pintura da fachada que já está pichada e a colocação dos móveis. Esperamos abrir rápido, porque a impaciência é grande tanto por parte dos professores quanto dos pais e estudantes”, disse. Desde o período previsto para o início das aulas, 18 de fevereiro, a escola já perdeu cerca de 50 alunos. “Não começa e os pais vem e pedem transferência e esse número pode aumentar, se atrasar mais”, disse a vicediretora maria de Lourdes Oliveira Ferreira. As gestoras aguardam o início das aulas para discutir com a SME como será cumprido o calendário. “Não começamos porque houve a ordem de não ser feito pedido de material, porque a transferência era para logo e continuamos sem funcionar aqui e lá. Mas, estamos com tudo em dia”, disse a vice-diretora. Segundo ela, o quadro de professores está fechado e os repasses financeiros para manutenção da escola foram efetuados.

CONTATOS

Escola Municipal Emília Ramos, localizada em Cidade Nova, sofreu um atraso nas obras da reforma

Durante todo o dia as equipes de reportagem da TRIBUNA DO NORTE tentaram ouvir as explicações de ambos os secretários de Educação. Tanto do Estado,Otávio Augusto Tavares,quanto do município,Elias Nunes. Na parte da tarde,o contato foi tentado através dos telefones celulares,mas os auxiliares não atenderam ou retornaram às ligações.Os telefones das assessorias de imprensa também foram tentados,mas nem assim a TN conseguiu ouvir o outro lado da história e obter os detalhes dos problemas,assim como as soluções que talvez estejam sendo adotadas.

O que percebemos é que o tempo da Secretaria de Educação é diferente do tempo das necessidades”

Escola Estadual Hegésipo Reis está sem aulas também por não contar com professores

CLÁUDIA SANTA ROSA coordenadora pedagógica


natal

Quarta-feira | 24 de março de 2010

Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte | 13

[ TRANSPORTE ]

[ ESPANHOL ]

DER vai acompanhar a Oceano

Polícia investiga ligação com tráfico

Durante 60 dias, equipe do DER acompanhará o serviço prestado pela Oceano, empresa que pediu suspensão definitiva de sete, das nove concessões a que tem direito

MARCELO BARROSO

O

Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DERRN) informou que vai acompanhar a operação das linhas de transporte intermunicipal por parte da Expresso Oceano, durante os 60 dias em que a empresa tem de prestar o serviço até a suspensão definitiva de sete das nove concessões a que tem direito na região Agreste. “É um direito que a empresa tem de deixar a operação das linhas, conforme as suas alegações”, disse a diretora de Transportes da autarquia, Valéria Arruda Câmara. Ao fim desse período, segundo Valéria Arruda, o DER “vai solucionar o problema de forma emergencial” até que se abra uma licitação pública para a concessão das linhas que fazem, diariamente, o percurso entre Natal e dez municípios da região Agreste. Valéria Arruda explicou que com relação à fiscalização do transporte clandestino e mesmo o transporte regular, o DER “tem feito o possível dentro de sua estrutura” para coibir o transporte ilegal de passageiros. “Nossa estrutura não é grande para atender todo o Estado”, acrescentou ela, a respeito do fato de que a autarquia só dispõe, atualmente, de 36 fiscais. Ela informou que outros dez fiscais cedidos de outro órgão público estão se incorporando à equipe de fiscalização, mas explica que essa não é uma atividade de competência exclusiva do DER, “não fiscalizamos rodovias federais nem onde o trânsito é municipalizado, como em Natal”. A diretora de Transportes do DER também explica que uma parte da fiscalização é de competência da Polícia Rodoviária Estadual, embora reconheça todo um planejamento de fiscalização do sistema de transporte seja feito em conjunto - “na medida do possível’ – com todos esses órgãos, os quais, afirma, “também tem suas prioridades”. Valéria Arruda admitiu que a área de transporte do DER, a exemplo de muitos órgãos públicos, necessita de uma reestruturação. Ela ainda confirmou que existe um estudo para a realização de uma concorrência pública para todo o sistema de transporte intermunicipal de passageiros, que está na fase de preparação de editais por intermédio de uma consultoria privada. A diretora do DER lembra que a gestão do sistema de transporte intermunicipal veio em 1992 da Secretaria Estadual de infraestrutura (SIN), a antiga Stop, para o DER. Segundo ela, a diretoria de Transportes não foi estruturada em termos

polícia investiga a possibilidade do espanhol Anxo Anton Valiño Gonzales, 46 estar envolvido com o tráfico de drogas. A informação foi repassada pelo delegado Odilon Teodósio, titular da Delegacia Especializada em Narcóticos (Denarc). O delegado não tem dúvidas que na casa onde Anxo foi detido funcionava uma boca de fumo. Odilon auxilia o delegado Antônio Pinto, da 5ª Delegacia Regional de Polícia de Macau, nas investigações. Além de Anxo foram presos também o policial militar Josivan Silva Barbosa, 36 - lotado no Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), em Natal, o motorista Fábio Guimarães Silva, 30 e o servente de pedreiro Valmir Soares dos Santos, 27. “Não temos dúvida de que naquele local se vendia entorpecente”, enfatiza o delegado. Teodósio revelou que Valmir, assim que foi preso se apresentou como sendo Valdecir Soares dos Santos. “Ele tem passagem pela polícia e por isso deu outro nome”. Odilon explicou que após ter sido divulgada a foto do preso na imprensa, os policiais da 7ª Delegacia de Polícia reconheceram o acusado. “Descobrimos que Valmir é foragido do regime semi-aberto onde cumpria pena por latrocínio (onde mata-se para roubar)”. O delegado lembrou também que o preso responde processo criminal na 3ª Vara da zona Norte e em maio de 2009 foi preso por ter participado de um assalto à loja Atacadão dos Eletros em Parnamirim. Na época, foram roubados eletroeletrônicos e aparelhos celulares. Além de posse ilegal de arma, Valmir vai responder na justiça por falsidade ideológica. Anxo está preso no Presídio Provisório Raimundo Nonato desde sábado passado. O Provisório possui hoje 410 apenados. A unidade foi construída para 160 presos. Após algum tempo, a capacidade aumentou para 200 apenados. Agora está superlotada. A TRIBUNA DO NORTE apurou que no passado, o espanhol teria se envolvido em uma briga e por isso está sendo mantido em uma cela “especial”.

A

Oceano atua em nove concessões na região Agreste, mas está suspendendo sete, com a justificativa de não ser viável financeiramente

SETRANS O Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Rio Grande do Norte (Setrans) já ganhou,em duas instâncias,as ações judiciais para obrigar o Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER-RN) a adotar todos os procedimentos que forem necessários para cessar e proibir qualquer tipo de serviço de transporte intermunicipal de passageiros sem a devida concessão,permissão ou autorização do poder público. Numa das ações que começou a tramitar em julho de 2002,o DER foi condenado a pagar uma multa diária de R$ 5 mil,em 13 de março de 2008,caso não cumprisse a sentença. Em outra ação que começou a tramitar em novembro de 2006, o DER também foi condenado a cumprir a fiscalização do sistema de transporte intermunicipal de passageiros dentro de Natal,sob pena de pagamento de multa diária de R$ 2 mil por parte do gestor público,conforme decisão judicial de 7 de março de 2008.

de equipamentos e pessoal, mas já foi feito o encaminhamento de uma proposta para a sua reestruturação a fim de preparar o DER “para a nova configuração do sistema de transporte que está para vir”.

Empresários criticam a ineficiência da fiscalização A queixa dos empresários do setor de transporte intermunicipal de passageiros, é quanto à ineficiência da fiscalização dos operadores “clandestinos”, que atuam no setor sem contribuir com taxas e impostos e a um custo bem inferior ao das 12 empresas concessionárias dos serviços no Rio Grande do Norte. O presidente do Setrans, João Carlos Queiroz, diz que por conta dessa concorrência desleal, “que não é de hoje”, cinco empresas deixaram de operar no sistema intermunicipal de passageiros, como a Viação Oeste, Unidos, Brandão, Transul e Queiroz e Melo. Segundo ele, as empresas empregam cerca de 1.700 trabalhadores no Estado - “são quatro empregos por ônibus” -, mas têm de concorrer com automóveis com mais de dez anos de uso e sem condições de oferecer segurança aos usuários, que não

pagam a profissionais, como motoristas, cobradores, despachantes, mecânicos, manobristas e pessoal administrativo e de recursos humanos. Para João Queiroz, o que ocorreu com a Expresso Oceano “é uma gota d’água” do que pode vir no futuro, pois todas as empresas de ônibus estão operando no limite, porque enquanto o sistema regular de transporte é, obrigado a oferecer a gratuidade ao idoso e 50% no abatimento do valor da passagem para os estudantes, o transporte clandestino não oferece nada disso. Segundo Queiroz, já existe um exemplo anterior da Transul, que fazia a linha de transporte de Vila Flor e Baía Formosa, por exemplo, e já deixou de operar nesses municípios. Ele disse que o preço da passagem que custava R$ 8,00, depois que o transporte regular deixou de ser operado e o serviço passou a ser pres-

tado pelos clandestinos, subiu para R$ 15,00. Além disso, segundo Queiroz, o transporte clandestino não se obriga horários de saída a partir da Estação Rodoviária da Cidade da Esperança, sai em qualquer hora e ainda toma os passageiros que estão esperando pelos ônibus ao longo do percurso de saída até à BR-101. “As linhas regulares vem se dissolvendo e quase nenhuma linha hoje é rentável”, diz o diretor administrativo da Oceano, Julierme Gomes, que reclama do fato de que se uma empresa deixar de pagar ao DER a chamada “Remuneração de Serviços de Fiscalização e Gestão do Serviço de Transporte”, no valor de 11.580,54 por mês, “começa a sofrer retaliações”. Por conta da concorrência desleal de automóveis que transportam passageiros, com o tempo de uso de mais de dez anos e que, por isso, não pagam nem IPVA, é que, segundo ele, a Oceano que tinha 25 ônibus nas nove linhas da região Agreste, hoje reduziu a sua frota a 16 ônibus.


natal

14 | Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte

Quarta-feira | 24 de março de 2010

Eliana Lima elianalima@tribunadonorte.com.br

Neste momento, penso dever interpretar o pensamento de todos os que são meus aliados no atual processo eleitoral para convidar Henrique Eduardo a conduzir o PMDB e desta forma firmar ampla coligação conosco, nas eleições proporcionais e majoritárias” Do senador Garibaldi Filho, em nota à imprensa, ontem

» O PERIGO...

A situação da toxoplasmose em Natal é muito mais séria do que se pinta. Para se ter uma pequena ideia, entre novembro de 2001 e janeiro de 2002, o Brasil registrou o maior surto da zoonose do mundo, ocorrido no município de Santa Isabel do Ivaí, no Paraná, com 462 pessoas infectadas, sendo sete gestantes. Em Natal, neste momento, já foram registradas 15 gestantes infectadas, uma a mais que o dobro de Santa Isabel. Pior, aqui: um recém-nascido com sorologia positiva para a zoonose. Infectado, o bebê pode adquirir anomalias graves, como cegueira, surdez, etc. Os dados foram repassados à coluna por um especialista. A toxoplasmose é conhecida como ‘doença do gato’, mas, na verdade pode ser transmitida por todos os mamíferos e aves.

MARLIO FORTE

MARLIO FORTE

» ...TEMPOS...

» TV...

Na inauguração da InterTV Cabugi Digital, o mandachuva Fernando Camargo em bate-papo descontraído com a governadora Wilma, anteontem

Na ocasião, o deputado Henrique Alves recebe a prefeita Micarla, o ministro Hélio Costa (Comunicações), o senador Garibaldi e o prefeito Klaus Rêgo (Extremoz) CANINDÉ SOARES

MARLIO FORTE

» BOTÕES

Setores wilmistas observam as estratégias da prefeita Micarla de Sousa em torno do apoio à governadora Wilma ou ao senador Garibaldi Filho, e veem como meta o quem dá mais pelo segundo voto. Assim sendo, aconselham a guerreira a não entrar no jogo. “Primeiro, porque nada do que Garibaldi prometer em termos de apoios (e recursos) federais, não terá qualquer concretude”, diz um dos wilmistas. Explica: “Imagine se Lula (presidente) vai liberar verbas, entrar em uma negociata para tirar voto de Wilma, sua candidata preferencial no RN...”. Continua com a análise em conjunto: “Segundo, porque a tendência demonstrada nas últimas pesquisas e projeções aponta como sendo mais fácil obter votos em Natal ficando longe da prefeita, que hoje é o maior caboeleitoral do ex-prefeito Carlos Eduardo (insatisfeito, o povo estaria querendo o retorno dele...). Viiixeee...

E o final de semana foi mesmo de entreveros em festas chiques na capital dos magos-socialites. Numa festa só para a tchurma teen, eis que um fortinho se achou no direito de socar um dos convidados. Justamente na hora em que adentraram ao recinto três, digamos assim, rapazes pós-teen. Logo, pensaram se tratar de mosqueteiros para colocar ordem. Mas, logo viram que eram os tios da Sukita, na tentativa de jogar charme e conquistar as gatinhas da festinha.

» ALERTA GERAL

Potiguar com cargo de diretor na Agência Nacional de Águas-ANA, Paulo Varella foi mais uma vez ao Congresso Nacional. Dessa vez na Comissão do Meio Ambiente do Senado, ontem, Dia Mundial da Água. Ocasião em que foram discutidas as águas subterrâneas.

» ...RONDA

Fala-se muito que o motivo da contaminação é o açaí, fruta tícipa da Amazônia. Mas, especialistas discordam. Dizem que pode haver uma coincidência das pessoas infectadas terem consumido o suco da fruta. Atentam que o problema pode estar na água, contaminada com fezes de gato, por exemplo. Como sabemos que o lençol freático de Natal está comprometido...faz sentido. Alertam que é necessário provar se o problema vem mesmo do açaí.

» PEIPOW

» ...MODERNOS

O encontro dos amigos em tempos de Governo de Todos: Marcelo Rosado e Rubens Lemos Filho, na InterTV Cabugi Digital

» MAIS SOFRIMENTO

Sobre a falta de medicamentos na Unicat – que anualmente recebe cerca de R$ 100 milhões para a compra dos produtos -, e-mails chegaram aos muitos à coluna. O coro foi um só: socorro pela falta de remédios necessários. A coluna escolheu este de uma neta angustiada com a situação da avó. Com mal de Alzheimer, a senhora precisa de medicamentos continuamente para a doença, mas desde o dia 15 de fevereiro passado que a neta tenta receber sem sucesso o Seroquel 100mg. Todos os dias liga para a Unicat e a resposta é a mesma: faltando e sem previsão de quando chega. Questiona e lamenta: “O pior é que sempre assisto propagandas na TV dizendo que a Unicat atende a todos que precisam de medicamento. Fica a minha pergunta: cadê o da minha avó? O Estado deve garantir a todos o direito de ter no mínimo uma vida melhor, ou seja, ajudar aqueles que precisam do básico, como medicamentos, a ter uma vida digna”.

» AZEDUME

A origem da natureza é sábia e já cantada há anos e anos e anos em verso e prosa: água e óleo não se misturam. Quando dois extremos se encontram...corram que vai pegar. É o que acontece entre petistas e democratas. Não adianta juntar num mesmo espaço, mesmo que em momento festivo...

COLMEIA

» HISTÓRIA

» É hoje a inauguração

A emoção do jornalista Bosco Afonso nos festejos dos 23 anos da TV Ponta Negra, que por muitos anos ele dirigiu. Deixou, para comandar a Urbana

da Le Lis Blanc no Midway Mall.

» Na Siciliano-Midway, a

» ÁPICE

É hoje o dia tão esperado pelo juiz Virgílio de Macedo Júnior. Às 14h, no plenário do Tribunal de Justiça do RN, ele toma posse como desembargador da Corte.

» CONTRAMÃO

Por falar no TJ, por duas vezes o Tribunal decidiu pela progressão do regime fechado para o semiaberto ao espanhol Anxo Anton, condenado pelo assassinato do empresário Paulo Ubarana. Certo do perigo, e inconformado, o juiz Marcus Vinícius Pereira Jr., de Nísia Floresta, resolveu pedir um exame criminológico para progredir de regime. Na decisão, o juiz observou que o espanhoel foi “condenado pela prática de crime hediondo, considerado pela sociedade como ato profundamente repugnante, imundo, horrendo, sórdido, ou seja, um ato indiscutivelmente nojento, segundo os padrões da moral vigente, é necessário um período maior de encarceramento em regime fechado, possibilitando ao reeducando a reflexão acerca dos fatos cometidos, bem como para dar uma resposta à sociedade em relação aos autores de crimes hediondos”. O TJ, então, ordenou novamente a soltura. O juiz, então, pediu informações à Polícia Federal sobre o espanhol e se constatou que ele estava ilegal no país. Continuou preso. Daí veio a decisão da ministra Laurita Vaz, do STJ, concedendo habeascorpus a Anxo. Solto desde 2008, sexta-passada ele foi preso portando armamento pesado.

paraibana Lídice Canella lança hoje, às 19h, o livro ‘Viagens do Rei Salomão ao Rio Amazonas’.

» Caicó será palco,

sábado, do encontro regional preparatório para o 7º Congresso Estadual dos Profissionais do Sistema Confea/Crea. Inscrição é gratuita.

» O Projeto Salve o

Samba retorna sábado ao Seis em Ponto Bar e Petiscaria. Será realizado no útimo sábado de cada mês.

COLABORAÇÃO: ANNA CLAUDIA COSTA

Marizelma Ribeiro Balduíno foi sequestrada na Prudente de Morais, na tarde de segunda-feira, e só foi liberada às 5 horas da manhã de terça-feira, em Recife. A vítima conta que foi ameaçada com um faca-peixeira

[ SEQUESTRO ]

Gerente vive momentos de terror oram momentos de medo e terror que Marizelma Ribeiro Balduino, 39, gerente da imobiliária Caio Fernandes passou nas mão de três sequestradores, sendo dois homens e uma mulher. A gerente foi sequestrada às 14h50 da segunda-feira (22), a 200 metros da Caixa Econômica Federal da Ave-

F

nida Prudente de Moraes e só foi liberada por volta das 5 horas da manhã da terça-feira (23), no Terminal Integrado de Passageiros Antônio Farias (TIP), em São Lourenço da Mata, região metropolitana de Pernambuco. Os sequestradores exigiram que a família da vítima depositasse R$ 5 mil na conta

de Marizelma. Segundo informações da polícia de Pernambuco, o montante não chegou a ser depositado. Os criminosos conseguiram retirar da conta bancária de Marizelma R$ 300, quando estavam na cidade de Goiana (PE), na divisa com o Estado da Paraíba. A gerente foi ameaçada e teve

uma faca peixeira colocada na cintura pela sequestradora. Agentes da Delegacia de Repressão ao Roubo e ao Furto de Pernambuco ao serem acionados foram até o local onde Marizelma havia sido deixada pelos sequestradores. A vítima foi conduzida para a sede da unidade policial, no bairro Tejipió, em

Recife onde foi ouvida pelo delegado em exercício Darcon Pereira. De acordo com informações repassadas pela Secretária de Segurança Pública de Pernambuco, Marizelma apenas prestou um termo de declaração sobre o que de fato ocorreu quando estava com os bandidos. Boa parte da manhã

de ontem, a vítima aguardava a chegada de parentes e de policiais do RN para voltar para Natal. Segundo o delegado Darcon Pereira, a vítima não disse se os bandidos estavam munidos de revólveres ou pistolas. “No depoimento ela não especificou as características dos sequestradores” .


esportes

Quarta-feira | 24 de março de 2010

Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte |

15

[ CAMPEONATO CARIOCA ] A equipe cruzmaltina vive um momento difícil na competição e pode até ficar fora da fase semifinal caso venha a tropeçar mais uma vez no certame

Apito Final EVERALDO LOPES - elopes@tribunadonorte.com.br

Hora de dar o troco? ão está longe a 4ª rodada do primeiro turno do Estadual, quando o América FC havia acabado de acertar a rescisão de contrato com Paulo Moroni, sobrando o time para Carlos Moura. O resultado não podia ser mais desastroso, pois perdeu por 2x1 para o Potyguar. As consequências não foram piores porque, na rodada seguinte aconteceu a vitória sobre o ABC. Hoje, é no Machadão. A equipe vem de uma vitória sobre o Alecrim, aliviando um pouco a sucessão de maus resultados. Perder pontos para o time curraisnovense não tem sido novidade, porém, dessa vez, Moura espera dar mais sorte do que no primeiro turno. Ali, foi sua estreia, já que não esperava ser tão rápida a passagem de Moroni pelo clube. Enquanto isso, o líder isolado vai encarar o Santa Cruz no Iberezão.

N

ABC repete 83

ABC repete (2)

Um dado curioso é levantado pelo pesquisador Newton Alves – e confirmado nas minhas anotações. Prende-se ao bom saldo de gols da equipe abecedista este ano nos primeiros 12 jogos deste Estadual, repetindo a bonita campanha de 1983, quando o Alvinegro fez mais de 100 gols naquele campeonato, com Silva marcando 32 gols e Marinho Apolônio 31.

Nos 12 primeiros jogos deste ano, o ABC assinalou 31 gols, com a média excelente de 2,58 gols por partida, exatamente a mesma dos 12 primeiros jogos de 83. A equipe base do time era esta: Lulinha, Alexandre Cearense, Joel Celestino, Alexandre Mineiro e Luiz Antônio, Nicácio, Dedé de Dora e Apolônio, Curió, Silva e Reinaldo. Técnico era Erandy. Silva e Marinho, juntos, assinalaram 63 gols.

CHUMBO GROSSO A turminha que tem levado pavor aos estádios (e fora dele) pode estar com seus dias contados. O Senado está aguardando apenas o destrancamento da pauta atual, para que comece a apreciar o projeto oriundo do governo. O ministro Orlando Silva garante que a moleza de prender desordeiros e soltar logo depois, vai acabar. Vamos aguardar.

Dono do clube O que já é bastante comum na Europa, pelo menos aqui no Brasil ainda não vingou. Estranho até a causa. É o da compra de um clube por empresários, donos de milhões de dólares.

Atualmente, na Inglaterra, dois eternos rivais – Manchester United e Liverpool têm suas torcidas unidas numa campanha sem precedentes contra os forasteiros.

DONO (2)

O Manchester United é propriedade do americano Malcon Grazeer, enquanto o Liverpol tem como proprietários os também norte-americanos George Gillett e Tom Hicks. O perigoso nisso tudo é que a força da torcida chega ao ponto de querer assumir o comando do clube. A polícia sabe que vai ter dores de cabeça, diante da violência com que agem as facções inglesas. Se não conseguirem derrubar os forasteiros, prometem abandonar os estádios ingleses.

E o ABC x América? Os pesquisadores do futebol brasileiro estão em polvorosa levantando números sobre a dúvida: qual o clássico mais vezes jogado, no mundo? Os paraenses garantem que o Re-Pa (Remo x Paysandu) teve domingo sua 704ª edi-

ção. O nosso ABC x América vem desde 1918, mas não chegou ainda nesse total. Se depender da FNF, ninguém saberá jamais, pois as velhas súmulas há muito foram para o espaço. Quem pode salvar somos nós, os pesquisadores.

HAJA DESCONTO Assim fica quase difícil fazer futebol. No clássico Poti-Ba de domingo, a arrecadação bruta chegou a R$ 24.296,00, e os descontos atingiram R$ 10.956,00, dos quais 10% foram para o cofre da Liga local. Para os dois clubes, sobraram R$13.340,00, ou R$ 6.670,00 para cada um. Ao que consta, a arbitragem, hoje, custa R$ 1.400,00.

Moroni x ABC Esta vai ser a primeira vez em que Moroni enfrenta o ABC este ano. No primeiro turno, Moroni deixou o América na terceira rodada, sendo substituído

por Carlos Moura, e logo a seguir chegou Francisco Diá. Na quarta rodada, Paulo Moroni ainda estava acertando o ingresso no Santa Cruz.

AZARES DO FUTEBOL Duas coincidências do futebol e dois lances de azar envolvendo dois jogadores do Alecrim FC: 1) no primeiro turno, Alecrim 2x2 América, o zagueiro Ivson foi rebater e jogou a bola contra sua própria meta, empatando a partida. No returno, 1x0 para o América, Saulo chutou, a bola desviou no mesmo Ivson, enganando o goleiro. Duplo azar do zagueiro.

AZARES (2) Outro instante de pura falta de sorte do time alecrinense. Dessa vez envolvendo o goleiro Rodrigo Mineiro. No turno, em Caicó, contra o Corinthians, ele deu um tremendo azar ao chocar-se com um adversário e necessitar sofrer 12 pontos na perna. Domingo, contra o Centenário, não se contundiu, mas foi considerado culpado de três dos quatro gols que deixou passar.

APOSTA Os rubro-negros Emídio Pereira e José Tavares pedem para a coluna decidir uma aposta. Querem que publique o time do Fla que conquistou o tricampeonato carioca no dia da decisão do tri 53-5455. Anotem: Aníbal, Servilio e Pavão, Jadir, Dequinha e Jordan, Joel, Paulinho, Índio, Dida e Zagalo. 4X1 sobre o América/RJ. Gols: Paulinho (3), Dida (2) Joel.

Vasco tem um desafio duplo contra o Americano e a crise io de Janeiro (RJ) - O Vasco entra em campo nesta quarta-feira, às 21h50, pela sexta rodada da Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca, tendo que enfrentar dois adversários. O Cruzmaltino vai encarar o Americano e a crise que ronda a Colina desde a derrota de 1 a 0 para o Olaria, no sábado passado, que deixou o técnico Vágner Mancini balançando no cargo. Atualmente os vascaínos estão na terceira colocação do Grupo B, com nove pontos ganhos, e um tropeço pode afastar as chances de disputa das semifinais. Vágner Mancini tem minimizado os riscos de uma possível demissão, deixando como prioridade a melhora da equipe e a classificação para as semifinais, que ele promete que será concretizada. O treinador destacou a importância de os jogadores manterem a calma dentro das quatro linhas, pois as cobranças serão grandes. “Vamos precisar mudar a nossa atitude dentro de campo e isso vai exigir maturidade da nossa equipe.”, disse Mancini. Os jogadores vascaínos concordam com o comandante e entendem que todo cuidado contra os campistas será pequeno. “Contra o Olaria tomamos um gol cedo e as coisas se complicaram, pois tivemos que nos abrir e ficamos muito expostos”, disse o goleiro Fernando Prass.

MARCELO RÉGUA

R

FICHA TÉCNICA VASCO AMERICANO Fernando Prass,Elder Granja,Thiago Martinelli,Titi e Márcio Careca; Nilton,Rafael Carioca,Léo Gago e Jefferson;Rafael Coelho e Elton. Técnico:Vágner Mancini

Fred,Jader,Índio, Nirley e Rafinha; Paulo Henrique, Dudé,Willian e Renato Xavier; Leandro Melino e Evandro.Técnico: Toninho Andrade

Estádio:São Januário Horário:21h50 Árbitro:Carlos Eduardo Braga (RJ) Assistentes:Silbert Sisquim (RJ) e Luiz Antônio de Oliveira (RJ)

O goleiro Fernando Prass exigiu mais atenção contra o Olaria

Sem poder usar o Maracanã, Flamengo joga no Engenhão Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ) - Ainda sem poder jogar no Maracanã por conta da polêmica de ingressos, o Flamengo recebe o Tigres do Brasil nesta quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), no Estádio Olímpico Joião Havelange, o Engenhão, no Rio de Janeiro, pela sexta rodada da Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca. O Rubro-Negro, que vem de empate por 2 a 2 com o Botafogo, lidera o Grupo A com 13 pontos e vai ficar muito perto da classificação se vencer seu jogo. Andrade, técnico do Flamengo, conversou com seus jogadores sobre a necessidade de uma vitória nesta quarta-feira. O treinador quer deixar a classificação bem encaminhada neste compromisso, pois pretende poupar alguns titulares no duelo de domingo, contra o América. Tudo por conta do jogo do meio da próxima semana, quando o Rubro-Negro precisa superar a Universidad de Chile pela Copa Libertadores. “Temos que garantir o mais rapidamente possível a nossa classificação para a segun-

da fase da Taça Rio para não corrermos riscos nas rodadas finais. Até porque teremos uma Copa Libertadores novamente pela frente na próxima semana e queremos chegar tranquilos neste jogo contra a Universidad de Chile. É importante somar três pontos contra o Tigres e deixar a classificação bem encaminhada”, afirmou Andrade. FICHA TÉCNICA

Fluminense quer garantir a classificação Depois de derrotar o Resende por 2 a 1, chegar aos 13 pontos no Grupo A e deixar a classificação para as semifinais da Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca, muito bem encaminhada, o Fluminense volta a campo pela sexta rodada nesta quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), quando encara o Madureira, no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. Em caso de triunfo o Tricolor praticamente assegura a vaga na etapa seguinte do torneio. Cuca, técnico do Fluminense, pediu aos seus comandados que joguem nesta quarta-feira como se o time estivesse em uma decisão. Isso porque o treinador deseja ver a classificação praticamente assegurada, uma vez que na próxima rodada o rival será o Vasco e, em clássico, tudo pode acontecer. “Temos que nos comportar contra o Madureira como se a partida fosse a mais importante em termos de classificação para a segunda fase da Taça Rio. Não podemos tropeçar, pois depois teremos o clássico contra o Vasco, sempre um jogo encardido, e depois restará apenas a última rodada, quando não é bom jogar a sorte”, disse Cuca. FICHA TÉCNICA

FLAMENGO

MADUREIRA

TIGRES DO BRASIL

FLUMINENSE

Bruno,Leonardo Moura,Ronaldo Angelim,Fabrício e Juan;Maldonado, Willians,Kléberson e Petkovic;Vágner Love e Adriano Técnico:Andrade

Rodolpho,Edson Barbosa,Paulo Cesar,Zé Carlos e Celico;Leão,Denis, Giovanni e Daniel Silva;Clayton e Gilcimar Técnico: Sorato

Estádio: Engenhão Horário: 19h30 Árbitro: Djalma Beltrami (RJ) Assistentes: Rodrigo Joia (RJ) e Gilberto Pereira (RJ)

Marcio,Valdir, Arthur,Victor Silva e Baiano;Rodrigo, Wagner,Bruno e Jeffinho;Fábio e Obina Técnico: Antônio Carlos Roy

Rafael,Gum, Dalton e Cássio; Mariano,Everton, Diguinho,Darío Conca e Júlio César;Alan e André Lima Técnico:Cuca

Estádio:Raulino de Oliveira Horário:19h30 Árbitro:Eduardo Guimarães (RJ) Assistentes:Vinícius Pampurre (RJ) e Marcos Bastos Júnior (RJ)

[ CAMPEONATO PAULISTA ] Palmeiras, São Paulo

LIBERTADORES

ESPANHA

e Corinthians têm compromissos difíceis

CRUZEIRO RECEBE O DEPORTIVO ITÁLIA

BARCELONA ENCARA OSASUÑA

O Cruzeiro disputa uma partida que pode ser considerada a mais importante do clube na temporada até aqui. Nesta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), a equipe celeste recebe o Deportivo Itália, no Mineirão pela Copa Libertadores. Mesmo em segundo lugar, a Raposa faz uma campanha instável na competição. Em três jogos, a equipe perdeu um, na estreia para o Vélez Sarsfield, por 2 a 0, na Argentina; venceu outro, o Colo Colo, no Mineirão, por 4 a 1, e empatou com o Deportivo Itália, por 2 a 2, na Venezuela. A situação do Cruzeiro no grupo 7 é a seguinte: o clube está em segundo, com quatro pontos, mesma pontuação do Colo Colo, mas a equipe mineira leva vantagem no saldo de gols. O líder o Vélez tem sete tentos.

Depois de derrotar o Zaragoza por 4 a 2 no fim de semana, o Barcelona volta a campo pela 28ª rodada do Campeonato Espanhol nesta quarta-feira, quando atuará diante de seus torcedores, no Estádio Nou Camp, em Barcelona, disposto a vencer o Osasuna e dormir na liderança isolada. Atualmente o Barça divide a ponta com o Real Madrid, ambos com 68 pontos, mas os merengues levam vantagem nos critérios de desempate. Na 13ª posição, com 31 pontos, o Osasuna não deve ser páreo para o atual campeão mundial e por isso os anfitriões admitem que apenas a vitória será considerada um bom resultado.

Os “grandes” da capital entram em campo hoje ão Paulo, Palmeiras e Corinthians entram em campo hoje para mais uma rodada do Campeonato Paulista. Dos três, o Alvinegro é quem vive o momento mais complicado. O time do Parque São Jorge enfrenta o Paulista. Já o Alviverde tem pela frente o Rio Branco, fora de casa, enquanto que o São Paulo viaja à Bragança para jogar contra o Bragantino. Quatro equipes ameaçam o lugar do Corinthians na zona de classificação do Campeonato Paulista na 16ª rodada. Após a derrota para o Grêmio Prudente, vencer o Paulista às 21h50 (de Brasília) desta quarta-feira, na Arena Barueri, passou a ser ainda mais importante para a equipe comandada por Mano Menezes. Com 26 pontos ganhos, o Corinthians começou a semana na quarta colocação e sob a ameaça de Portuguesa, Botafogo-SP, Grêmio Prudente, os três com 25 pontos, e Ponte Preta, que soma 24. Segundo análise do matemático Tristão Garcia, a situação do clube do Parque São Jorge é bem menos confortável se comparada com a dos outros integrantes do G-4, com 40% de chances de classificação (o terceiro colocado São Paulo, por exemplo, tem 84%).

S

PALMEIRAS Contra a previsão dos matemá-

ticos, o Palmeiras reinicia às 19h30 (de Brasília) desta quarta-feira, diante do Rio Branco, na Fonte Luminosa, sua saga em busca da classificação para as semifinais do Campeonato Paulista. Será o primeiro dos quatro últimos jogos da equipe, distante quatro pontos do G-4. A conta é simples: somar o máximo de pontos possível - torcendo por tropeços adversários -, mas especialmente vencer as duas próximas partidas, que garantiriam sobrevida ao menos para a disputa dos seis pontos finais. Por isso, o elenco segura a toalha e nega que a prioridade já seja a Copa do Brasil. SÃO PAULO Clássico contra o Corinthians. Duelo com o Monterrey pela Copa Libertadores da América. Os dois compromissos são suficientes para motivar o elenco do São Paulo. Porém, antes de duelar com o rival e de viajar para o México, o Tricolor precisa se concentrar para o duelo com o Bragantino, na noite desta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), pelo Campeonato Paulista. Apesar de toda a expectativa que cerca os dois duelos seguintes, o grupo do técnico Ricardo Gomes garante que consegue só pensar no compromisso de Bragança Paulista.


esportes 16

| Natal | Rio Grande do Norte | Quarta-feira | 24 de março de 2010

Depois de um período conturbado, equipe rubra conseguiu vencer o Alecrim e respirou na competição. Objetivo dos jogadores na partida de hoje, contra o Potyguar de Currais Novos, é conquistar mais uma vitória e encostar nos líderes

[ CAMPEONATO ESTADUAL ]

América enfrenta mais uma decisão e as equipes tivessem cumprido a missão que se esperava delas, a partida de hoje, às 20h30, no Machadão teria uma importância moderada. Porém, devido ao mau começo de América e Potyguar de Currais Novos no 2º turno do Campeonato Estadual o encontro de logo mais a noite ganhou um verdadeiro contorno de decisão. Quem perder praticamente estará dando adeus as chances de lutar pelo título estadual e o empate será ruim para os dois. No América, o desfalque fica por conta do volante Rafael Paraná, que não se recuperou a tempo da contusão na coxa direita. Com isso, Júlio Terceiro continua no time titular, formando a dupla de volantes com Elielton. O zagueiro Edson Rocha, que reclamava de dores no tórax, se recuperou e está confirmado na zaga. Mesmo em má fase, o atacante Adriano Magrão continua prestigiado com o técnico Carlos Moura e continua entre os titulares. Mas, a cobrança não assusta o camisa 9 americano. Para Magrão, o mais importante é que o time rubro vença a partida e continue brigando pelo título do segundo turno do estadual. “Sempre entro em campo tentando marcar gols e infelizmente isso não vem acontecendo. Mas, estou tranquilo. Não importa que faça os gols. Pode ser os zagueiros, volantes, qualquer um. O mais importante mesmo é que o América consiga vencer o Potyguar. Se aparecer a oportunidade, vou tentar marcar”, disse Adriano. Como o América vem pecando nas finalizações nas últimas partidas, o treinador americano, Carlos Moura, dedicou o último treinamento antes da partida de hoje as finalizações. E o comandante alvirrubro gostou do que viu. “Os atletas pediram para que não fosse realizado o coletivo por se sentirem cansados devido a maratona de jogos. Aproveitei e fiz um treinamento leve, de fundamentos, principalmente de finalizações e gostei do que vi. Espero que os atletas consigam ter o mesmo aproveitamento no jogo de amanhã (hoje)”, revelou Moura. A diferença de cinco pontos para o líder do segundo turno, o ABC, não tira a confiança dos jogadores americanos. Para o lateral-esquerdo Rogerinho, chegou a hora do time conseguir uma sequência de bons resultados para encostar nos líderes. “No primeiro turno também estávamos passando por essas dificuldades e o time conseguiu virar o jogo. Essa vitória diante do Alecrim levantou a moral dos jogadores e todos aqui estão com o pensamento de vencer as próximas partidas”, afirmou Rogerinho.

FOTOS:RODRIGO SENA

Rodada vai apontar quem fica na briga

S

POTYGUAR/CN O time de Currais Novos não vai poder com o zagueiro Everaldo, que levou o terceiro cartão amarelo na vitória diante do ASSU e vai cumprir a suspensão automática. FICHA TÉCNICA AMÉRICA POTYGUAR/CN Rodolpho;Thony, Edson Barros, Robson e Rogerinho; Júlio Terceiro, Elielton,Saulo e Assis;Adriano Magrão e Waguinho. Técnico:Carlos Moura.

Alexandre;Leandro Carioca,Roquete e Hamilton;Leandro Macaxeira,Tércio, Fred, Vaninho e Gildázio;Quirino e Cláudio Tauá. Técnico:Cícero Ramalho

Estádio: Machadão Horário: 20h30 Árbitro: Paulo Jorge R.Brandão Figueira Assistentes:Valdomir Antônio de Araújo Júnior e Edson Trajano da Cruz

Preocupado com a queda repentina do Alecrim, o técnico Wassil Mendes advertiu o grupo para necessidade de interromper a trajetória de queda após duas derrotas consecutivas e voltar a pontuar na competição. Com isso, a partida diante do ASSU, no estádio Edgarzão, tem caráter fundamental para o Verdão, que terá diante de si um adversário em situação idêntica e com a mesma obrigação de vitória. A partida tem o início previsto para às 20h30. Wassil espera que as duas derrotas não abalem o grupo, uma vez que mesmo perdendo, o Alecrim realizou duas boas apresentações. Contra o Camaleão, o objetivo será jogar em cima do erro dos adversários, que vão atuar em casa e certamente serão pressionados pelos torcedores para partir para cima em busca dos três pontos. A ideia é tirar proveito da velocidade dos homens de frente para surpreender nos contra-ataques.

O atacante Adriano Magrão volta ao time do América num jogo em que o time precisa dos gols para sonhar com o título do 2º turno

ABC luta para manter a liderança no Iberezão Líder do 2º turno, o ABC sabe que não pode relaxar no momento e vai para Santa Cruz com a missão de conquistar a quarta vitória consecutiva. Se a condição dentro de campo passa um pouco de tranquilidade para o grupo, ao mesmo tempo a proximidade do Potiguar de Mossoró na classificação, praticamente proíbe o grupo de tropeçar, uma vez que a derrota no Iberezão pode significar a perda da primeira colocação. Em relação a equipe que vinha atuando, o técnico Leandro Campos fará apenas uma modificação, improvisando Marquinhos na lateral-direita. A partida terá início às 20h30. Vivendo uma situação completamente inversa a do turno inicial, o Alvinegro apesar de atuar fora de Natal, não pretende modificar seu sistema de jogo. Leandro Campos aprovou o comportamento do grupo diante do Centenário e acredita que o ABC está no caminho certo dentro da competição. Quem espelha bem o atual momento da equipe é o atacante João Paulo. Ele que vinha enfrentando dificuldades para se firmar como titular, chegando inclusive a ter a qualidade questionada, se transformou no atacante mais importante da equipe. Com o moral elevado, o artilheiro abecedista (dez gols na competição), acredita num bom desempenho diante do Santa Cruz. “Realmente o segundo turno está sendo diferente para o ABC, se antes faltava um pouco mais de atitude dentro de campo, ago-

POTIGUAR Satisfeito com rendimento na vitória contra o Baraúnas, o técnico do Potiguar de Mossoró, Júnior Xavier deve repetir a formação da equipe na partida de hoje, às 20h30, no Nogueirão, contra o Coríntians de Caicó. Para ele, o time mostrou confiança, jogou mais solto e também se tornou ofensivo principalmente com a entrada do meia Silas, jogador de 19 anos emprestado pelo Vitória/BA. Até momentos antes do jogo, o comandante deve definir se mantém o garoto ou opta pela experiencia de Márcio Silva, que dá ao grupo uma postura mais defensiva. “São situações que vou definir, até porque não sei das reais condições de Márcio e também depende de como virá o adversário. Mas existe a possibilidade de manter a estrutura do time com base no jogo domingo, com dois volantes, porque me agradou muito”, disse Xavier.

Artilheiro do ABC,com 10 gols,o atacante João Paulo credita a melhora da equipe à chegada dos reforços

FICHA TÉCNICA SANTA CRUZ ABC Bruno,Ângelo, Puxa,Jefferson e Jaime;Célio, Hercules, Fernandes e Fabiano (Damião); Somália e Amoroso.Técnico: Paulo Moroni

Welligton; Marquinhos,Tiago Garça,Leonardo e Renatinho;Bileu, David,Claudemir e Cascata;João Paulo e Ederson. Técnico:Leandro Campos.

Estádio: Iberezão Horário: 20h30 Árbitro:Andrielly Elkeitt de Oliveira Assistentes: Lourival Cândido das Flores e Luciana da Silva

KART

COPA 2010

JOHILTON COMPETE NO SUL-BRASILEIRO

ÁFRICA PROMETE TRANQUILIDADE

O piloto potiguar Johilton Pavlak viaja hoje para Farroupilha, Rio Grande do Sul. A cidade gaúcha receberá os melhores kartistas do Brasil para realização da primeira etapa do Campeonato SulBrasileiro de Kart que será entre os dias 25 e 28/03. O campeonato será dividido em seis baterias, sendo disputado em três etapas com duas baterias cada. O “grid” da primeira bateria será determinado pela tomada de tempo enquanto o da segunda será de acordo com as posições obtidas na primeira bateria.

A mandatária da província de Gauteng, a mais populosa da África do Sul, defendeu nesta terça-feira os preparativos para a Copa do Mundo, que começa em 11 de junho, e disse que o país tem trabalhado mais do que os anfitriões dos Mundiais anteriores. A primeira ministra de Gauteng, Nomvula Mokonyane, afirmou que sua província, onde estão as sedes de Johannesburgo e Pretoria, está pronta, apesar das preocupações que causaram uma greve de transportes, a escassez de quartos e a alta criminalidade.

ra esse problema não afeta mais o nosso grupo. Estamos bem, a partida é importante e temos de continuar mostrando essa mesma vontade para sairmos de campo com um bom resultado”, disse João Paulo. A subida de produção do elenco, pode ser medida exclusivamente pela produção do ataque. O ABC que em todo primeiro turno marcou 17 gols, em apenas três rodadas neste segundo turno já marcou 14 e João Paulo credita essa subida de produção as chegadas de Cascata, Claudemir e Ederson. “O entrosamento ainda vai melhorar mais entre eu e o EderPROGRAMAÇÃO DA TV 10 horas - Copa do Mundo de Ginástica Artística;SporTV 2 16h45 - Campeonato Italiano:Inter de Milão x Livorno;SporTV 16h45 - Campeonato Italiano:Parma x Milan;ESPN Brasil 16h45 - Campeonato Inglês: Portsmouth x Chelsea;ESPN Internacional 19h30 - Libertadores:Universidad Católica x Caracas;SporTV 2 e BandSports 19h30 - Campeonato Paulista:Rio Branco x Palmeiras;SporTV 21h50 - Campeonato Paulista: Bragantino x São Paulo; Bandeirantes 21h50 - Libertadores:Cruzeiro x Deportivo Itália;SporTV e BandSports 21h50 - Vasco x Americano - Globo

son, mas a entrada do Cascata e do Claudemir se aproximando muito dos jogadores na frente, tem facilitado o nosso trabalho e o resultado é esse grande volume de gols marcados e oportunidades criadas”, destacou. Vindo de uma derrota, o Santa Cruz tem obrigação de vencer o ABC para manter as chances de disputar a final do turno. O técnico Paulo Moroni acredita que o grupo pode repetir a partida que fez diante do América e bater também o Alvinegro. A ordem é marcar forte e pressionar o adversário desde o primeiro minuto.

CENTENÁRIO Disposto a recuperar posições após a derrota para o ABC, o Centenário vai para cima do Baraúnas, que está na lanterna do 2º turno e caso não vença não alimentará mais qualquer sonho de lutar pelo título. O técnico Berguinho não poderá contar com o zagueiro Pipoca, que terá de cumprir suspensão após a expulsão no jogo passado. Essa partida começa às 19 horas, no estádio 9 de Janeiro, em Pau dos Ferros.

ESTADUAL 2010

» CLASSIFICAÇÃO (2º TURNO) Time 1) ABC 2) Potiguar/M 3) Centenário 4) Assu 5) América 6) Alecrim 7) Coríntians 8) Santa Cruz 9) Potyguar/CN 10) Baraúnas

» ÚLTIMA RODADA ABC 3x1 Pauferrense Potyguar/CN 2x1 ASSU América 1x0 Alecrim Coríntians 3x0 Santa Cruz Baraúnas 0x3 Potiguar/M

PG 9 7 6 4 4 3 3 3 3 1

J 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3

V 3 2 2 1 1 1 1 1 1 0

E 0 1 0 1 1 0 0 0 0 1

D 0 0 1 1 1 2 2 2 2 2

GP 14 6 9 3 2 4 6 1 3 1

GC 4 2 6 3 2 5 8 4 7 8

SG 10 4 3 0 0 -1 -2 -3 -4 -7

»PRÓXIMOS JOGOS Assu x Alecrim Potiguar/M x Coríntians Centenário x Baraúnas Santa Cruz x ABC América x Potyguar/CN

% 100 77 66 44 44 33 33 33 33 11


especial Natal • Rio Grande do Norte • Quarta-feira • 24 de março de 2010

festa e planos

o celebrar os 60 anos de sua fundação – a primeira edição circulou no dia 24 de março de 1950 – a TRIBUNA DO NORTE optou em oferecer ao público convidado uma palestra que tem relação direta com a sua visão de futuro: postura crítica, ação consciente e planejamento estratégico. Enquanto Gustavo Franco, economista e expresidente do BC, analisava os rumos da economia e o que é preciso fazer para retomar o crescimento pós-crise financeira, o jornal encarta, nesta edição de aniversário, 20 páginas especiais sobre como funciona, os serviços que oferece e a atenção que dá aos seus leitores. Leitores que também estão sendo presenteados, hoje, com um livro onde toda a trajetória da TN é mostrada, em texto, fotos e reproduções de capas. Parabéns!

A


2

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

Lideranças políticas e empresariais, além de um público convidado para a palestra do economista Gustavo Franco, participaram de evento comemorativo pelo 60º aniversário da TN

parabéns

CONVIDADOS FELICITAM O JORNAL

GUSTAVO FRANCO FOI RECEPCIONADO PELA DIRETORIA DA TN

PALESTRA DESPERTOU ATENÇÃO DE UMA PLATEIA ATENTA

GUSTAVO FRANCO FALOU SOBRE OS DESAFIOS DA ECONOMIA

mpresários e políticos se reuniram ontem à noite na festa de aniversário dos 60 anos da TRIBUNA DO NORTE, quando assistiram a uma palestra do ex-presidente do Banco Central no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, Gustavo Franco, no Auditório Cidade do Sol do Pirâmide Natal Resort & Convention. O secretário de Comunicação do Governo do Estado, jornalista Rubens Lemos Filho, representando a governadora Wilma de Faria, disse que a TRIBUNA hoje está entre os melhores jornais do País e que desempenhou um papel importante durante a ditadura militar, abrigando entre seus redatores opositores do regime, co-

vocam nele muitas e boas lembranças da época em que ele escrevia textos para o jornal nas antigas máquinas de escrever. “É muito gratificante cultivar lembranças tão positivas de um grande empreendimento editorial como a TRIBUNA”, destacou o senador. Empresários também estiveram presentes ao evento. Um dos diretores da rede Nordestão de Supermercados, José Geraldo, saudou a TRIBUNA DO NORTE de forma obejtiva: “Neste País só o fato de uma empresa conquistar 60 anos já é motivo de comemoração”. Ele lembrou que a própria rede que ele ajudou a fundar chegou aos 37 anos com muita vitalidade, seguindo os passos de superação dados por empresas co-

"O POUCO QUE CONSEGUI, O QUE EU FUI ATÉ HOJE EU DEVO À TRIBUNA DO NORTE, FOI LÁ QUE ACREDITARAM EM MIM PRIMEIRO”

E

mo o seu pai, Rubens Lemos. Rubens Lemos Filho lembrou que a TRIBUNA foi o primeiro jornal a publicar um texto seu, 22 anos atrás, e esta é uma lembrança carinhosa que ele tem pelo jornal que completa seis décadas de existência. O secretário de Comunicação da prefeita Micarla de Sousa, Jean Valério, destacou o alto nível de maturidade da TRIBUNA DO NORTE e que 60 anos de vida representam um grande marco na história do Rio Grande do Norte. “Sempre antenada a realidade de seu estado e do país, a TRIBUNA é uma referência importante para todos os potiguares”, acrescentou Valério. O senador Garibaldi Alves, disse que os 60 anos da TRIBUNApro-

mo a TRIBUNA. O presidente da Fecomércio, Marcelo Queiroz, destacou a importância do conteúdo da TRIBUNA, “que com suas reportagens bem elaboradas, têm contribuído para a formação de um mercado varejista forte. A alegria por poder contar com um jornal sério ao lado das forças produtivas deste estado deve ser inteiramente nossa”, concluiu. Adelmo Freire, superintendente da Câmara de Diretores Lojistas de Natal (CDL), representando o presidente Ricardo Abreu, lembrou o papel da TRIBUNA junto ao varejo, repercutindo todos os eventos importantes do comércio local, como o Liquida Natal, cujo apoio do jornal é decisivo.

RUBENS LEMOS FILHO Sec Estadual de Comunicação

“AS INFORMAÇÕES PUBLICADAS DIARIAMENTE PELA TRIBUNA, PRINCIPALMENTE O NOTICIÁRIO ECONÔMICO, NOS AUXILIAM NA TOMADA DE DECISÕES E ENRIQUECE TODA A INICIATIVA PRIVADA” FRANCISCO SEGUNDO DE PAULA Secretário estadual de Desenvolvimento Econômico

HENRIQUE EDUARDO, PRESIDENTE DO JORNAL, AO LEMBRAR DA HISTÓRIA DA TN E DA POLÍTICA: “EU E GARIBALDI SOMOS UMA COISA SÓ”

“Eu imagino, hoje, a alegria de Aluízio” O deputado federal Henrique Eduardo Alves, presidente da TRIBUNA DO NORTE, abriu a solenidade dos 60 anos do jornal com um discurso emocionado. E antes de iniciá-lo, fez questão de chamar o primo, senador Garibaldi Alves Filho, para que ficasse ao seu lado. “Em toda essa história, em que se incluem a minha vida e a dele, nós sempre estivemos juntos. Então eu me sinto muito protegido com ele ao meu lado. Ele que conhece tanto ou mais essa história do que eu”. Na tônica das frases de Henrique, o caráter de resistência e coragem do jornal ao longo dos anos, e a homenagem a Aluízio

Alves, idealizador do jornal. O deputado também ressaltou o companheirismo de Agnelo Alves e José Gobat, que fundaram a TN juntamente com Aluízio. O líder do PMDB no Congresso Nacional lembrou a liderança política que o pai representou para o RN, mas ressaltou a paixão que ele tinha pelo jornalismo. “Eu imagino hoje a alegria de Aluízio, que sei, está num bom lugar. Ah, meu velho, 60 anos depois desse jornal ser fundado pelo seu idealismo, pelo seu sonho, por você e o grupo de abnegados, de amigos, 60 anos depois, estão aqueles amigos e tantos outros, representando uma

cidade, um estado inteiro, a reconhecer, a aplaudir, a se emocionar, a engrandecer aquilo que você fez”. Mesmo frisando a saudade de Aluízio, Henrique falou do orgulho e da satisfação de comemorar 60 anos da TN. E citou os tempos difíceis que o jornal viveu, tanto em tempos antigos, com a falta do aparato tecnológico, como com a perseguição política e as dificuldades financeiras. Mas lembrou dos elogios que ouve de tantas pessoas em outros Estados do país. “Elogios da qualidade gráfica, do conteúdo, da formatação, das matérias, da responsabilidade. Sem dúvi-

da nenhuma, sem falsa modéstia, um dos melhores jornais do país”. O presidente da TN agradeceu aos presentes e pediu desculpas pelo entusiasmo e se valeu da ocasião para dar um recado aos especuladores da política. “Antes de encerrar, gostaria de dizer que eu e Garibaldi somos uma coisa só. As pessoas não se enganem no Rio Grande do Norte. Ele, muito melhor. Eu, seguidor dele. Mas, na luta somos e seremos uma coisa só”. E encerrou o discurso dizendo que se pedissem para que citasse algo para relembrar e imortalizar Aluízio Alves, em meio a tantos símbolos, escolheria: “TRIBUNA DO NORTE”.

"SEMPRE ANTENADA À REALIDADE DE SEU ESTADO E DO PAÍS, A TRIBUNA É UMA REFERÊNCIA IMPORTANTE PARA TODOS OS POTIGUARES" JEAN VALÉRIO jornalista e secretário de Comunicação na Prefeitura de Natal

Gustavo Franco diz que teremos “mais do mesmo” Ex-presidente do Banco Central no primeiro governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, o economista Gustavo Franco, mostrou a importância de se manter o foco nos assuntos conjunturais da economia global. Franco, cuja atuação no Banco Central produziu resultados elogiados até hoje por economistas de outras correntes ideológicas e políticas, ressaltou que ainda importa e muito os resquícios da crise bancária americana e a situação econômica na Grécia, que ameça a estabilidade do euro. Em termos de Brasil, Franco abordou o temas da moda - se o crescimento brasileiro se dá dentro de parâmetros saudáveis ou não; se o balanço de pagamento produzirá cenários danosos ou não ao país a médio e longo prazo; se a condução do Banco Central está acertada - e a julgar por suas declarações, ontem, está; a situação dos juros e do câmbio no Brasil. Para Gustavo Franco, a crise econômica internacional ainda está presente em muitos países e não pode ser totalmente ignorada pelos brasileiros. “Não é um tsunami que está chegando a uma praia distante, mas a crise internacional ainda provoca reflexões importantes quando se fala em economia nos países emergentes”, declarou. Fundador e estrategista-chefe da Rio Bravo Investimentos, uma gestora de recursos focada em investimentos de longo prazo, Gustavo Franco, comentou com cuidado as atuais metas do Governo Federal. Ele acredita que, no Brasil, a democracia deve dar os maiores e melhores exemplos, ao acrescentar que “sim, o Banco Central do Governo Lula está num bom caminho”. Para o futuro imediato, Franco acredita que teremos “mais do mesmo”. E acentuou que a simples mudança de gestores, mesmo que venham a ser de um mesmo partido, já antecipa mudanças importantes para a economia. Mas ressalva: “Isso, se a candidata do Governo realmente conquistar a vitória nas próximas eleições”. Gustavo Franco, professor da PUC e doutor por Harvard, costuma dizer que a economia retrata de forma transparente o comportamento humano. “Nada consegue demonstrar melhor o que sentimos do que o nosso consumo”, afirma. E considera que para entendê-la é preciso estudar história, filosofia, psicologia, artes e outras ciências.


Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

3

As mudanças tecnológicas foram estupendas, sem dúvida – transformaram o jornal num produto bonito, fácil de ser lido, agradável. Todavia, as relações interpessoais sofreram.

emanuel barreto

JORNALISTA PROFESSOR DA UFRN

ComoosenhorentrounaTRIBUNA? Em meados de 1975, o jornalista Djair Dantas trocou o Diário de Natal pela TRIBUNA DO NORTE. Quinze dias depois ele me ligou, convidando para trabalhar com ele. Djair, então correspondente da revista Veja e um profissional muito respeitado, era uma espécie de publisher na TRIBUNA. Eu era um repórter de polícia doido pra largar o ofício. Foi assim que entrei na TRIBUNA DO NORTE.

Como era a linha editorial da TRIBUNA nessa época? Era de um jornal bastante opinativo em matéria de política local, sem descuidar do noticiário nacional, à cargo então do jornalista Francisco Macedo, que veio a ocupar a cadeira de professor do curso de Comunicação da UFRN. Macedo, como a maioria dos jornalista dessa época, era um polivalente, pois trabalhava o jornal em qualquer instância, dos processos mais simples aos mais sofisticados. Tinha um temperamento agressivo, mas era imensamente competente. Infelizmente, não está mais entre nós. Que mais havia na TRIBUNA? Nessa época tínhamos, sempre muito brilhante, a coluna de Woden Madruga; de Agnelo Alves e Ticiano Duarte – e, como eu já disse, era um jornal eminentemente opinativo, especialmente na política. E fazia uma oposição frontal ao Governo do Estado, mantendo relações cordiais com o Governo Federal. Lembro que republicávamos, por meio da tesoura press, a coluna de Carlos Castello Branco, do Jornal do Brasil. Os leitores da época sabem que Castello não emitia opiniões e sim construía comentários a partir de dados factuais que muitas vezes só ele tinha acesso. E assim ele passava todo um conteúdo que queria nas entrelinhas. O senhor esteve mais de uma vez na TRIBUNA... Sim. Na primeira vez, fiquei pouco tempo – de 1975 a 1977.

A cobertura da TRIBUNA foi isenta? Era impossível pensar em isenção na época. Ao contrário, foi uma cobertura totalmente parcial a favor do Dr. Aluízio. E eu diria que foi uma cobertura militante, a exemplo do que a Folha de S. Paulo fez com a campanha das “Diretas Já”. Não foi uma cobertura que distorcia fatos, mas foi cobertura doutrinária. Preenchia os interesses de campanha de Aluízio Alves, mas era principalmente rica ao sugerir o enfraquecimento do regime militar. Por que? Dr. Aluízio repetiu em 82 o que fizera em 60, ao se eleger governador: empreendeu uma a grande marcha de Natal até Macaíba. Olha, não é brincadeira -fazer uma multidão caminhar quilômetros de uma cidade até outra. Lembro que uma fotografia da primeira marcha foi publicada na TRIBUNA como chamariz para a passeata de 82. E foi um sucesso. Ao final da campanha, o editor Manoel Barbosa fez uma página antológica na qual a primeira página era a última e a última página, a primeira. Uma edição conceitual. Tudo isso era totalmente avesso ao que pregavam os militares na época.

Saiu-se bem como repórter de Polícia? Embora não fosse a minha primeira opção, sim. Inclusive, cheguei a cobrir alguns crimes terríveis na época, como o monstro de Capim Macio e a morte da amante de Mansinho, que levou mais de 55 facadas..foi bom ter chegado à TRIBUNA para cobrir matérias na Editoria de geral. E geral era geral mesmo – você fazia tudo que aparecia. Na época só havia as editorias de Esporte, Política e Geral. Como era a TRIBUNA nesta época em que o senhor praticamente iniciava na profissão? A TRIBUNA era um jornal profundamente envolvido com a questão política. O fundador e diretor da TRIBUNA, o ex-Ministro Aluízio Alves, estava com seus direitos políticos cassados e vivíamos o auge da repressão da ditadura. Contudo, a TRIBUNA mantinha duas posições em sua linha editorial: de tranquilidade em relação à Brasília, mas de oposição aberta ao então governador Cortez Pereira, indicado pelo regime militar.

uma resposta democrática ao regime militar.

Foi quando sai para assumir um cargo na Fundação José Augusto. Fiquei ali por dois anos, mas o apelo do jornalismo me puxou de volta às redações. E voltei exatamente para a TRIBUNA como copy, o sujeito encarregado de ler e reescrever matérias, quando necessário. Em 1979, a TRIBUNA recebeu Miranda Sá, contratado para fazer a reforma gráfica e editorial do jornal, um jornalista paraibano radicado no Rio e trazido pelo Dr. Aluízio, com a indicação de uma cooperativa de jornalistas da época. Acompanhando Miranda veio David Fishel, responsável pela execução da reforma gráfica.

ra subir à Redação. Entre eles havia um sujeito que apelidamos de Galego. porque era muito loiro, e que transformamos numa espécie de ícone dos grevistas. Com isso, Miranda, que era um homem de esquerda, fez a reconciliação com os grevistas. O senhor achava que isso fazia sentido? Nossa preocupação, apesar das limitações evidentes, era sempre evidenciar o fato, claro para nós, que o regime militar estava nas últimas. Reforçar esse fato com situações ilustrativas era o que mais gostávamos de fazer.

O senhor se lembra de algum exemplo desse estilo de trabalho? Lembro que um dia ouvimos falar da existência de disco voadores no interior do estado. Por causa disso, cogitamos enviar uma equipe com uma barraca para passar a noite e tentar avistar um desses OVINIs. A matéria acabou não se concretizando. Um outro exemplo do estilo Miranda. Pouco depois dele chegar a Natal, em fins dos anos 70, houve um pequeno movimento grevista de motoristas de ônibus. Lembro que o jornal deu uma nota que foi mal interpretada pelos grevistas e alguns deles chegaram a invadir a redação, que na época ficava na Tavares de Lira.

Como funcionava a redação dos anos 70? A Redação da época, que funcionava na rua Tavares de Lira, era tão pobre que todos os jornalistas trabalhavam sobre uma única mesa grande sobre a qual havia mais máquinas de escrever quebradas do que funcionando. O problema era tão frequente que precisávamos sempre recorrer a um profissional conhecido como “Pilão”, responsável pela reposição de tipos. Ele aportava no jornal trazendo uma parafernália de tipos em chumbo e fazia o reparo ali mesmo. Era uma época difícil, andávamos de ônibus para cumprir as pautas. Só depois ganhamos uma Kombi, que fazia o transporte coletivo. Além da redação, haviam pequenos cubículo mais reservados onde trabalhavam Woden Madruga em um, Ticiano Duarte em outro, e Macedo em outro. Moacir Oliveira, grande diagramador, ocupou o último cubículo disponível. Telefone, havia um único para toda a redação, com um fio, que tinha talvez oito a dez metros, para atender toda a Redação. Trabalhavam na época ali umas 20 pessoas. Todos gostaram muito quando foram transferidos para onde hoje funciona a Redação da TRIBUNA.

O que aconteceu? Miranda pediu que eles formassem um pequeno grupo pa-

Em que momento a TRIBUNA dá o seu grande salto? Foi na época em o que jornal

Foi um bom tempo para a TRIBUNA? Miranda era um grande puxador de redação - foi ele quem me ensinou a editar jornal. Em pouco tempo, de copy passei a editar páginas. Miranda, que era uma personalidade solar, tinha uma qualidade: valorizava tanto os grandes temas nacionais como os assuntos locais aparentemente menores. Creio que isso conferiu um estilo bem pessoal ao seu trabalho.

Mas, afinal, o jornal não trouxe os votos esperados para Aluízio Alves... Para mim, jornal impresso não transfere voto, especialmente a TRIBUNA, que já era conhecida de longa data como um jornal de partido. Um jornal bonito, renovado, que tinha a mais bela diagramação de Natal, mas que não transferiu os votos que Dr. Aluízio necessitava. Foi uma grande lição para a TRIBUNA - decisiva para pavimentar o que ela é hoje, um jornal profissional, que sabe dividir as coisas e quase nunca comete exageros editoriais.

passou para offset, em 1979. Tempo de uma aproximação política entre as famílias Alves e Maia, fato conhecido como a “Paz Pública”, durante a qual a TRIBUNA registrou um grande progresso. Não sei até que ponto uma coisa está ligada a outra – o crescimento econômico com a paz pública. Não me considero apto para falar dessa época. Como era a TRIBUNA do ponto de vista gráfico antes da chegada da impressão offset? Era um jornal em transição. O Caderno de Cultural da TRIBUNA era impresso na gráfica do jornal A República, enquanto o outro caderno saia da gráfica própria do jornal. Isso produziu uma dicotomia visível a olho nu. Enquanto o primeiro caderno, impresso na TRIBUNA, tinha aspecto envelhecido, o caderno de Cultura impresso na gráfica oficial do estado tinha uma aparência clara e radiante – era literalmente o casamento do velho com o novo. Seja como for, isso foi uma espécie de treinamento para o pessoal da TRIBUNA, que antecedeu a chegada ao jornal da impressora offset. Tinha início então um longo processo de consolidação da TRIBUNA DO NORTE, deixando de ser um jornal de partido para ser um jornal- empresa. O senhor foi editor de Política da TRIBUNA em que seu fundador, Aluízio Alves,perdeu a eleição ao Governo do Estado. Como foi essa experiência? Na campanha de 1982, eu realmente era editor de política de jornal. Era uma editoria pequena: eu e Luciano Herbert. Na disputa estavam Dr. Aluízio Alves e José Agripino, da família Maia. Portanto, já estava desfeita a “Paz Pública” e os Maia voltaram a ser inimigos dos Alves. Venceu José Agripino com mais de 100 mil votos de diferença. A equipe da TRIBUNA cobriu aqueles eleições com muita vibração, pois tinha a consciência que aquele pleito, acima da disputa política, era

De lá para cá,o ambiente do jornal impresso no RN sofreu mudanças importantes? Acho que houve mudanças para melhor e para pior. É aquela história – nada é completamente bom ou completamente mal. As mudanças tecnológicas foram estupendas, sem dúvida – transforaram o jornal num produto bonito, fácil de ser lido, agradável. Todavia, as relações interpessoais sofreram com isso. Na minha época – vou novamente usar essa expressão que pode soar saudosista -, os jornalistas eram confrades e o jornalismo uma confraria. A Redação era um lugar muito unido, solidário e isso acabou. Hoje, o jornalista é a peça de uma engrenagem, cumprindo o que mais se assemelha a um ofício. O entusiasmo ainda existe, mas o jornalista hoje é um refém do deadline.

NOSSA PREOCUPAÇÃO, APESAR DAS LIMITAÇÕES EVIDENTES, ERA SEMPRE EVIDENCIAR O FATO, CLARO PARA NÓS, QUE O REGIME MILITAR ESTAVA NAS ÚLTIMAS. REFORÇAR ESSE FATO COM SITUAÇÕES ILUSTRATIVAS ERA O QUE MAIS GOSTÁVAMOS DE FAZER.

Como o senhor viu o fim do diploma profissional de jornalista? O fim do diploma profissional de jornalismo foi muito ruim porque, além de um problema ético e técnico, criou uma questão trabalhista na medida em que esmigalhou uma categoria que, por si só, sempre foi muito dividida. O jornalista nunca se considerou como uma classe para si e sim como uma classe em si. Que destino o senhor vê para o jornal impresso? Digam o que quiserem, mas a importância documental do jornal é algo muito forte. Uma coisa é ver o atentado de 11 de setembro estampado na primeira página do The New York Timese outra é ver a mesma manchete na tela do computador. A diferença está ai e explica porque, durante muitos anos, as pessoas ainda darão preferência ao papel. Porque é palpável e faz com que elas sintam literalmente a notícia em suas mãos.


4

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

parceria UMA RELAÇÃO,ANTES DE TUDO,PROFISSIONAL

o mercado publicitário, a qualidade da relação entre veículos e agências de propaganda sempre pautou a saúde do segmento da propaganda como um todo. Para o presidente do Sinapro o Sindicato das Agências de Propaganda do RN -, Rogério Nunes, o relacionamento entre a TRIBUNA DO NORTE e as agências é um exemplo a ser seguido. “Apesar do DNA político da TRIBUNA DO NORTE desde a sua fundação, o jornal soube se profissionalizar e separar as coisas, tornando-se um veículo cujo grau de liderança é algo inédito no Rio Grande do Norte”, diz Nunes. Para o publicitário Arturo Arruda, ex-presidente do Sinapro até o ano passado e diretor da ArtC, o comportamento comercial da TRIBUNA DO NORTE sempre é citado nas reuniões do sindicato como parâmetro de “ética e correção”. “Tanto isso é verdade que hoje,

N

“A TRIBUNA TEM, HOJE, UM GRAU DE LIDERANÇA QUE É INÉDITO NO RIO GRANDE DO NORTE” ROGÉRIO NUNES

antes de lançar um produto, a TRIBUNA segue uma prática que não é tão comum entre os veiculos de comunicação. Ela pesquisa a receptividade junto às agências e faz dos anunciantes um parceiro na decisão a tomar”, lembra. O resultado, acrescenta Arturo Arruda, é que as agências “também consultam a TRIBUNA em muitas de suas ações, por por ver nela uma verdadeira líder de mercado em seu segmento”. Depois de dois mandatos consecutivos, Arturo Arruda foi substituído por Rogério Nunes à frente do Sinapro. O anúncio foi feito em fins de 2009 por ocasião da entrega dos prêmios Bárbaro, o Oscar da publicidade local e uma homenagem ao publicitário Everaldo Porciúncula, que ajudou a construir a história da propaganda potiguar. O nome do prêmio que foi criado em maio de 1990, é homenagem ao falecido Everaldo Porciúncula, oprimeiro presidente do Sinapro.


Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

escola DE JORNALISMO ALBIMAR FURTADO Jornalista

o primeiro emprego a gente também nunca esquece. Principalmente quando se transforma em régua e compasso na vida profissional. E se isto acontece é porque foi, além de emprego, escola. Comigo foi assim que aconteceu. Num tempo muito breve fui professor de uma escola primária e depois de me submeter a uma seleção, participei, ensinando/aprendendo, da experiência do método Paulo Freire, de alfabetização de adultos em 40 horas, em Natal, começo dos anos 60. Mas o primeiro emprego mesmo, carteira assinada, expediente pela manhã e à tarde, foi na Tribuna do Norte. No começo, em abril de 1967, um estágio. Um irmão meu, Auridan, que já trabalhava na empresa, sentiu o drama de um rapaz nordestino sem dinheiro no bolso, reprovado no vestibular de medicina, e o indicou a Cassiano Arruda e Wodem Madruga. Coragem do mano porque seu indicado sequer sabia datilografia. Primeiros exercícios: sentar à mesa e datilografar as matérias do jornal em circulação. A experiência, apesar de ser um exercício de paciência, acabou favorecendo o estagiário. Dias depois, o repórter de polícia – e que repórter formidável, Pepe dos Santos-, afastou-se da redação porque precisava submeter-se a uma cirurgia. Dei sorte em começar pelo jornalismo policial, durante muitos anos a grande escola do jornalismo brasileiro. Mais sorte ainda porque tive dois professores que transborda-

D

vam talento e sensibilidade jornalística: Luis Carlos Guimarães, nosso copidesque, e Abmael Moraes, o editor de polícia. De Luís Carlos os repórteres todos tinham aulas diárias e individuais. Chamava a cada um, apontava as deficiências do texto, do ponto de vista da técnica do jornalismo e da gramática e discutia a forma correta de trabalhar a matéria. Sou, entre muitos de uma geração de repórteres, devedor dos ensinamentos dele. De Abmael aqueles repórteres, todos muito jovens, tinham exemplos de entusiasmo pelo trabalho realizado na redação, de sua irreverência inteligente e de seu texto livre e leve. Pela necessidade de ter um salário e já sentindo ser aquela uma atividade prazerosa (a pretensão da medicina começava a desaparecer), tratei de mostrar trabalho. Fernando Pinto, repórter paulista, acabara de lançar o livro “O 7 Pecados da Juventude sem Amor”, com o belíssimo prefácio de Alceu de Amoroso Lima. Nele, o repórter , depois de ter vivido a dura realidade da periferia paulistana, abria a discussão fazendo indagações sobre as transgressões de uma juventude que começava a freqüentar as

páginas policiais dos grandes jornais. Sem o talento necessário para criar, sugeri aos editores fazer a cópia. Trabalhar uma série de entrevistas com delinqüentes de pouca idade, isolados do mundo na penitenciária de Petrópolis, hoje o Centro de Turismo. Terminada a série e já tendo alguma agilidade como dedógrafo, Wodem e Cassiano defenderam junto a José Gobat, o Diretor da Tribuna do Norte, a minha contratação. Fui, de fato, um principiante que contou com a sorte. Encontrei uma redação liderada por Wodem e Cassiano, ainda jovens mas já sabedores do bom jornalismo; a experiência, a serenidade, e a competência de Francisco Macedo (conhecia tudo na feitura do jornal); a inteligência de Sebastião Carvalho inovando nos títulos e nas diagramações; a sensibilidade e entusiasmo de Abmael Morais nas editorias de polícia e esporte. Mais: na redação do meu aprendizado recebi de todos a amizade e o incentivo: Dailor Varela, Ana Maria Cocentino, Alexis Gurgel, Nathanael Virgínio, Ânderson Lino, Hélio Cavalcanti, José Wilde, Ariadne França, Ewerton Alexandrino e Ricardo Curioso. Time que logo em seguida foi fortemente reforçado com Djair Dantas (fizera jornalismo no Rio de Janeiro) e Rejane Cardoso (acabara de chegar de uma temporada em Paris). Muito presente em todos nós, repórteres, a figura e a sabedoria de Luis Carlos Guimarães. Foi muita sorte para um estagiário só. Sobre a Tribuna do Norte, nestes seus 60 anos, pode-se elencar grandes lutas, dificuldades e vitórias. Lembrar as figuras marcantes de José Gobat e Aluízio Alves. O heroísmo, resistindo ao massacre e perseguições de um governo autoritário. O sucesso de hoje. Outros, com mais competência e conhecimento, abordarão estas questões. Preferi falar sobre uma escola de jornalismo, dar um testemunho e, nele, agradecer ao aprendizado que se não foi maior a culpa coube às limitações do aluno.

5


6

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

Hoje, todo o repórter do jornal impresso é também um colaborador das edições online, onde o conteúdo ganha espaço no site www.tribunadonorte.com.br

a redação

REPÓRTERES, CHEFES DE REPORTAGENS E EDITORES ALIMENTAM UM FLUXO CONSTANTE DE PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS PARA OS LEITORES DAS EDIÇÕES IMPRESSAS DA TRIBUNA DO NORTE E A VERSÃO ONLINE DO JORNAL. A EQUIPE É FORMADA POR MUITOS JOVENS, COM MÉDIA DE IDADE ENTRE 25 E 30 ANOS.

ONDE A TRIBUNA GANHA VIDA

Redação da TRIBUNA DO NORTE representa, hoje, mais de 30% de toda a força de trabalho da empresa, composta no total por 300 pessoas. Isso dá mais de 90 profissionais, entre editores e chefias, repórteres de texto, repórteres fotográficos, colunistas, diagramadores, pessoal de apoio e estagiários. A média de idade da equipe é entre 25 e 30 anos, o que caracteriza uma equipe bem jovem. O expediente na redação começa cedo e, ao contrário dos outros departamentos, nunca segue o horário comercial nem sempre observa feriados e domingos. Apesar da TN não circular, com a versão impressa, na segundafeira, há plantões todo fim de semana para a produção da versão online do jornal e também com reportagens que vão circular em outros dias. “Uma das primeias coisas a aprender no ofí-

A

cio de jornalista é que aqui só temos hora para chegar. Para sair, tem sempre uma outra história para apurar”, vaticina um diretor de redação, Carlos Peixoto. A imagem mais apropriada para o trabalho da redação, lembrada por Peixoto, é a de um rio. “Sabe aquela parábola de Heráclito, do rio sempre em mudança? Esse é um espírito com que se trabalha em uma redação: um fluxo contínuo de informações que se renovam, que precisam ser retrabalhadas. Claro, chega a hora que é preciso parar esse fluxo, decidir fechar o jornal com o que se conseguiu até ali... mas o ideal de toda redação é alimentar e prolongar o máximo possível esse fluxo de informações”. Os pauteiros, chefes de reportagem e repórteres são os primeiros a impulsionar esse fluxo de que fala Peixoto. O trabalho é sempre em equipe. Os assuntos a ser levantados para que virem

notícias são organizados em “pautas” - um resumo com informações básicas e fontes sobre o assunto - , já preparadas, em parte, no dia anterior. Como a realidade é dinâmica, essas pautas sofrem interferências durante o dia. E mesmo durante o levantamento que o repórter está fazendo sobre o assunto. Não é raro uma “pauta” mudar completamente o foco que se pensou dar a determinado assunto. “Essa possibilidade de sempre encontrar uma novidade em qualquer assunto que se vai reportar é bem interessante no trabalho de jornalista”, avalia a repórter Carla França, há trê anos na profissão (ela começou na TN como estagiária). “Mas, o que é legal mesmo é você tem a oportunidade de ser util ao leitor e para isso nem precisa ser através de uma grande reportagem, às vezes uma simples nota já cumpre esse objetivo”, acrescenta Car-

la. “A notícia mais importante nem sempre é aquela que é inédita, o assunto novo. O mais importante é o que é mais útil para o leitor. E isso pode vir do detalhamento de um assunto já conhecido”, explica a editora de Natal, Yara Okubo, jornalista desde 1985 e há 15 anos na TN. “É importante ter isso em mente, na hora de encaminhar os assuntos para o jornal, principalmente nas reportagens maiores, que precisam conter informações mais completas e uteis para o leitor do que a cobertura diária, mais corrida e nem sempre completas por causa do tempo limitado para produzi-la”, explica Yara. Essas reportagens maiores, via de regra, estão quase sempre nas edições dominicais da TN. Por terem uma carga publicitária maior, essas edições permitem mais espaço para o conteú-

do editorial. Na linguagem da redação, essas pautas mais longas são chamadas de “especiais” pela equipe de jornalistas e são escolhidas durante reuniões de planejamento. “Jornalista, quando não está falando sobre outros jornalistas, está conversando sobre trabalho”, brinca Peixoto. E trabalho, para quem vive o dia a dia de uma redação, é praticamente todos os assuntos. Dos problemas da cidade às últimas performances artísticas. A equipe de repórteres mescla o talento de jovens a de antigos profissionais. É na lida diária que eles estabelecem a sinergia responsável pelo conteúdo das edições impressas e no on line da TRIBUNA. Hoje, todo o repórter do jornal impresso é também um colaborador das edições on line, onde o conteúdo ganha espaço no site www.tribunadonorte.com.br.

Como o jornal é produzido

2

4

A rotina das reuniões serve para situar os editores,chefes de reportagem e secretários de redação acerca de conteúdos a serem perseguidos.São as suítes que,em francês,quer dizer série, sequência.Em jornalismo,designa a reportagem que explora os desdobramentos de um fato que foi notícia na edição anterior e rememora os fatos já divulgados.

1

O conteúdo das edições impressas e a linha de atuação da TN online é discutido em duas reuniões diárias na sala do Diretor de Redação.A primeira,a das 13 horas,tem a presença obrigatória dos chefes de reportagem da manhã e da tarde,dos secretários de redação e de editores.O conteúdo desse primeiro encontro poderá ganhar correções de rumo em outra que acontece às 17h00.É nesta que matérias podem ser “derrubadas”– para usar a expressão das redações -;retificadas ou ratificadas e,outros assuntos de última hora,priorizados.

Todas as sextas-feiras,o volume de trabalho aumenta consideravelmente, pois é o dia em que,junto com a edição do sábado,parte do jornal de domingo é antecipado.Na media em que a tarde passa,os editores cumprem a rotina de “fechar”páginas. Com acesso aos diretórios dos repórteres,os editores capturam e editam as matérias produzidas pela manhã.Por vezes,a produção gerada nesse período é complementada à tarde por outro repórter,quando necessário.

3

O jornalismo diário vive muito de acontecimentos novos,mas uma base importante do conteúdo diário estão nas consequências de um determinado fato que virou notícia.Uma parte importante da informação que será veiculada pelo jornal é a opinião de pessoas comuns,gente que está vivendo aquele acontecimento ou tem interesses relacionados.A presença de personagens na notícia é um dos elementos da informação pelo qual a TN tem a maior atenção.Equipes de repórteres vão às ruas para ouví-los.


Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

7

Trabalho, para quem vive o dia a dia de uma redação, são todos os assuntos: de problemas da cidade às últimas performances artísticas

Um momento ímpar PAULO TARCÍSIO CAVALCANTI Jornalista

firmo sem pestanejar: trabalhar na TN foi um momento ímpar na minha vida. Não apenas sob o ponto de vista profissional. Na minha vida. Foi o primeiro jornal que eu li. Foi o primeiro jornal em que entrei. Agora, vendo-a chegar aos 60 anos – nova, pujante, viva, cada vez mais cheia de esperança, envaidece-me saber que fui um pequeno tijolinho dessa construção que, a cada dia, se agiganta. Minha primeira passagem foi rápida, meteórica até, posso dizer. Um pequeno estágio não remunerado que eu mesmo apressei. Não sei se pela necessidade premente de um adolescente recém-casado ter que buscar o sustento; se pelo susto do iniciante ao se deparar com uma equipe de “cobras”, convocada a dedo pelo chefe de redação da época, Walter Gomes. Walter já era um mestre do jornalismo, ainda jovem, e chegara à TN com carta branca pra fazer um jornal moderno e vibrante. Cercara-se, então, do que melhor existia na época e eu acho que isso, de alguma forma, me intimidou. Era um tempo de efervescência política: 1963, se não estou equivocado. Ainda me lembro das duas primeiras matérias que me foram pautadas – Uma movimentação estudantil pelas “reformas de base”; e uma greve afetando o mais eficiente canal de comunicação da época – a Western Telegraph. O meu retorno à TRIBUNA já como profissional, foi em 1985, quando passei a integrar a equipe de outro grande mestre – Doryan Jorge Freire. Cheguei recomendado pelo fundador do jornal e então ministro da Administração, Aluízio Alves. Puxa vida... Eu nunca me senti tão importante, tão valorizado. Até porque, jamais poderia imaginar que, um dia, eu teria a chance de estar com Aluízio naquelas circunstâncias. Ele era um dos dois líderes políticos de maior talento que eu havia conhecido. O outro, era o saudoso senador Dinarte Mariz, que tinha morrido no ano anterior. Além do mais, agora, Aluízio era também um dos homens mais poderosos do país, na condição de ministro da Administração e amigo pessoal do presidente da República. Posso dizer que, desde então, a minha admiração por ele só fez aumentar. Imagino que, dito isso, dê para se imaginar o quanto era honroso, pra mim, trabalhar na empresa que era e sempre foi, na realidade, a menina dos seus olhos. Seja qual fosse a posição funcional que me fosse destinada. Por coincidência, 1985 foi também um ano de efervescência política. Pela primeira vez em 21 anos, tínhamos um presidente civil e, depois de 20 anos, as capitais dos estados voltavam a ter o direito de escolher, pelo voto direto, os seus governantes. Foi nesse ano que Garibaldi se elegeu prefeito de Natal. Algum tempo depois da eleição, Doryan Jorge Freire me comunicou que estava pensando em deixar a direção de redação. Ainda amadurecia a idéia, mas queria que eu soubesse que, dependendo dele, eu é que seria o seu substituto. Ponderei que o cargo não me atraía. Eu sempre fui avesso à responsabilidade de comandar. Na realidade, nunca aprendi a comandar. Eu não sei mandar ninguém fazer nada. Eu não sei demitir. Mas, tudo bem, se eu tiver que assumir, assumirei até que arranjem uma pessoa mais adequada para o lugar. O certo é que substitui Doryan. Ao longo de um ano e pouco que eu já tinha na TRIBUNA, tinha construído uma relação de apego, de afinidade, de respeito, de admiração com todos os colegas da redação, das oficinas; aliás, de todos os departamentos da empresa e também com todos os integrantes da família Alves com atuação no jornal. Nunca fui de freqüentar a casa de nenhum deles, a não ser quando chamado. Mas de todos eles – Dr. Gobat, Agnelo e os meninos – especialmente os mais presentes na empresa (Zé Roberto, Ricardo, Agnelinho) sempre recebi não apenas atenção e respeito profissional, mas muitas lições de companheirismo, solidariedade e correção. Até os que iam menos ao jornal – Henrique, Ana Catarina, Garibaldi e Carlos Eduardo – também devo incluir nessa lista. Não me lembro quanto tempo exerci a direção de redação. Foram duas oportunidades. Essa primeira, sucedendo Doryan e, mais tarde, sucedendo Alfredo Lobo. Foram apenas passagens. Circunstâncias. Para mim, como disse, o importante era trabalhar na TRIBUNA. E essa oportunidade nunca me faltou, seja sob o comando de Doryan Jorge Freire, de Alfredo Lobo, de Osair Vasconcelos e de Carlos Peixoto. Nossa. Quanto eu devo a esses colegas, quanto eu aprendi com eles, é coisa que não tem dinheiro que pague. Minha gratidão, a eles que foram meus chefes e a todos os colegas com quem tive o privilégio de conviver na TRIBUNA, minha gratidão é permanente. Neste registro pelos 60 anos bem vividos do jornal, o meu desejo era poder citar aqui o nome de cada um numa homenagem de reconhecimento pelo que me legaram e pela contribuição decisiva que ofereceram à construção da data que celebramos na história da comunicação social do Rio Grande do Norte.

A

À casa o filho torna

“NÃO PODERIA DEIXAR DE LEMBRAR DA FIGURA DE RUBENS LEMOS SENTADO DIANTE DE UMA VELHA MÁQUINA REMINGTON, ESCREVENDO COM UMA RAPIDEZ FANTÁSTICA.AO LADO, O INSEPARÁVEL “COMPANHEIRO” IMPREGNAVA O AMBIENTE COM SUA FUMAÇA CINZENTA” EDILSON BRAGA

Edilson Francisco Braga – Braga ou Braguinha para os amigos – é uma espécie de referência recorrente da TRIBUNA. Referência porque ele já ocupou, entre fins da década de 80 e começo de 90, o cargo de EditorChefe, o equivalente hoje do Diretor de Redação. E recorrente porque é a terceira vez que Braga volta ao mesmo jornal onde começou a vida como fotógrafo, no começo dos anos 70. Hoje, um dos secretários da redação, Braga é de um tempo em que produzir um jornal diário era um desafio épico – que se repetia todos os dias. Hoje, com a informática, o trabalho está mais ágil. Quando entrou na TRIBUNA pela primeira vez, há 40 anos, como fotógrafo, foi estimulado por Rubens Lemos e Francisco Macedo a deixar a fotografia e abraçar a redação de textos, as coisas eram muito diferentes. Imensamente mais difíceis do que são hoje. Naquela época do jornalismo romântico, tinha-se hora para entrar, mas não para sair. Woden Madruga, o então Editor Chefe, precisava mandar capturar os repórteres nos bares com o argumento elementar de que era preciso colocar o jornal nas ruas no dia seguinte. Nos primórdios, matérias eram feitas pelos repórteres usando o ônibus como meio de transporte, até que este fosse substituído por uma Kombi, que distribuía o pessoal pelos pontos de pauta. Anos mais tarde, depois de voltar do Mestrado em Comunicação, na capital paulista, Braga retornou à casa para ser uma espécie de faz tudo na Redação. Copy (aquele que reescrevia o textos dos repórteres), editor e pauteiro. “Hoje não é comum, mas na-

quela época eu precisava entrevistar o repórter para redigir o texto”, lembra o jornalista que voltaria a deixar a TRIBUNA em 93 para assumir o cargo de chefe de gabinete e chefe da Comunicação do sistema Fiern. De volta em março do ano passado, Braga é a testemunha viva que a TRIBUNA é um ambiente onde o mundo dá voltas. “Vejam como são as coisas: antigamente eu fui chefe do Carlos Peixoto quando ele era repórter e hoje ele é o meu chefe como diretor de Redação da TRIBUNA; Woden Madruga foi meu chefe e posteriormente fui seu editor. Mas ele conta que a sua ascensão à editoria geral da TN deveu-se à indicação feita, pelo então editor-chefe Paulo Tarcísio, ao doutor Aluízio Alves. Com sua longa experiência e contatos construídos ao longos das última décadas, o jornalista e bacharel em Direito Edilson Braga voltou à TRIBUNA para retomar um história antiga que casou uma vida a uma profissão.

Rubens Lemos, velho companheiro EDILSON BRAGA

Cheguei à Tribuna do Norte, pela primeira vez, na década de 1970. Todos me receberam com urbanidade, o que facilitou o meu trabalho como fotógrafo. Tive grandes incentivadores. Francisco Macedo, o Chico Macedo, Woden Madruga, Abmael Morais, Natanael Virgínio e Rubens Manoel Lemos, Rubão, entre tan-

6

8

Cada notícia,com fotos ou outro tipo de imagem que possa dar suporte e complementar a informação (desenhos,mapas,infográficos, tabelas etc),é alvo de um planejamento gráfico,decidido entre os editores e o setor de Arte e Diagramação.

5

A produção dos textos das notícias é complementada pelas fotos.Na TN, todo o processo de produção, seleção e tratamento das imagens que serão utilizadas nas edições impressas e na versão on-line do jornal foi informatizado há mais de 10 anos.As equipes de repórteres fotográficos trabalham com máquinas digitais e,não raro,saem às ruas equipadas com laptops para a transmissão das imagens em tempo quase real.

tos outros grandes nomes do jornalismo. Mas, por afinidade, diria que Rubão e Chico Macedo foram decisivos na minha carreira. Macedo, porque, como editor-chefe, disse que não aceitaria mais meu trabalho como fotógrafo. Eu deveria me dedicar só à produção de textos jornalísticos. Já Natanael Virgínio me orientou a dar os primeiros passos na elaboração da notícia e como fazer um lead e um sublead, isto é, colocar nos dois primeiros parágrafos da notícia os fatos mais importantes. Antes disso, ao acompanhar Rubão como fotógrafo, recebia orientação deste de como enveredar por um caminho dos mais difíceis do jornalismo: a arte da entrevista. Me chamava muito a atenção o domínio que ele tinha da entrevista, de como conseguia arrancar o máximo do entrevistado sem esbanjar eloquência, que tinha de sobra, nem soberba. Para ele, e me dizia sempre isso, a figura central da entrevista era o entrevistado, sempre o entrevistado, nunca o repórter. Um outro ensinamento que Rubão me deu – aliás, não só a mim, mas a quem na redação o procurasse para conversar sobre jornalismo, era que o repórter deveria anotar o mínimo possível. Ele dizia que o repórter tinha que exercitar a memória, armazenando tudo o que o entrevistado dissesse, anotando apenas as declarações mais fortes. Já repórter de texto, quando chegava à redação com as entrevistas do dia, passava com Rubão as poucas anotações que tinha, rememorava o que o entrevistado havia dito e recebia dele a orientação de como melhor produzir o texto. Hoje, quando a Tribuna do Norte completa 60 anos, não poderia deixar de lembrar da figura de Rubens Lemos sentado diante de uma velha máquina Remington, escrevendo com uma rapidez fantástica. Ao lado, o inseparável “companheiro” impregnava o ambiente com sua fumaça cinzenta.

A TN modernizou também o seu processo industrial de pré-impressão, eliminando algumas das etapas e ganhando em qualidade gráfica.Com a aquisição do sistema Computer to plate - CTP,a transmissão dos dados sobre as páginas é direta,entre os terminais da paginação, para a gravação as chapas que serão usadas na impressora. O sistema aumenta a precisão da gravação e reduz,consideravelmente,os erros nesta etapa do processo.

7

Consolidadas as matérias,os editores entregam o material para o setor de Artes e Diagramação,chefiado por Carlos Bezerra,o designer gráfico responsável pela primeira página e pela aplicação do projeto gráfico do jornal.As páginas são “montadas”,conferidas pelos editores,pelas revisoras e só então liberadas para o departamento de pré-impressão,onde começa o processo industrial de produção das edições diárias no formato impresso.


8

ESPECIAL 60 ANOS

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010


Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

ode e elegia SANDERSON NEGREIROS screver sobre os 60 anos de um jornal é desenhar, o mais nítido possível, a história de uma geração inteira. Ingressei no “Diário de Natal”, a convite de Woden Madruga, aos 17 anos. Andei me aventurando a resenhar alguns livros num suplemento de “A República”, o que deve ter chamado a atenção de WM. O “Diário de Natal” estava em debacle total. Luís Maria Alves foi chamado para soerguê-lo e o fez, principalmente entregando a Woden a total liberdade de criar algo novo. E ele começou talvez o primeiro caderno 2 de um jornal, no Nordeste. Nem o “Jornal do Comércio” — o maior da região — havia tentado isso. Mais tarde, fui servir ao Exército e, como soldado estafeta, tinha um expediente livre para trabalhar na minha coluna, que já se chamava “Quadrantes”. Depois, Woden e eu fomos para a “Tribuna do Norte”. Aí, vem outra história. Éramos mais: Berilo Wanderley, Newton Navarro, Luís Carlos Guimarães e o chefe de redação, Walter Gomes. Logo depois, chega um adolescente, que agitava a redação com seu entusiasmo inconti-

E

“ESTA TRIBUNA DO NORTE REPRESENTA — E SIGNIFICARÁ SEMPRE PARA MIM — A GRAVAR-SE COMO INAPELÁVEL ODE DE LOUVOR EM MEU ESPÍRITO E ELEGIA EM UM CANTOCHÃO DE SAUDADE”

do: Cassiano Arruda Câmara. Havia o hoje nonagenário Bira Macedo — bondosa figura inesquecível —Sebastião Carvalho, um talento incomum, e um menino de Açu, que ascendia as calçadas do sucesso provinciano, João Batista Machado. E outra presença: a tesoura. Faltou notícia, Waldemar Araújo, o eterno secretário, estava a postos para usá-la, recortando jornais. O sonho vingou. Parece que foi o grande sonho que não feneceu de AA — fazer um jornal, aqui, ele que ajudou a construir “A Tribuna da Imprensa”, de Carlos Lacerda, no Rio de Janeiro. Como todo espaço é breve e a vida é longa, aponto a Ribeira libérrima, centro generoso e sentimental da cidade, como ponto verdadeiro para se escrever o grande romance do que acontecia: a novidade na urbe que, de província acanhada, alcançava status de quase metrópole. O dia nascia na madrugada de Antonio Lamas e Carlos Lima, que chegavam às suas lojas às 5 da manhã. Na rua Doutor Barata, vi a figura de João Alves de Melo, expondo a riqueza de suas fotos. Albimar Marinho e Navarro fazendo planos para devassar a

9

noite — e estavam sem provisão financeira. Acompanhei Câmara Cascudo — ele passava em frente à redação do jornal — e me chamava: “Vamos comigo ao Banco do Brasil”. Nesse tempo, o BB ficava no começo das Rocas melancólicas. Alinhadíssimo, casimira inglesa, às vezes de colete branco, bela gravata; e caminhávamos. Até chegar ao Banco, gastava-se uma hora ou mais. Cascudo parava, de vez em quando, para cumprimentar todas as pessoas que o reconheciam. Voltávamos na direção infalível da Peixada Potengi. Havia uma mesa enorme e comprida. Baixavam as cervejas nas tardes calorentas. Ele olhava para mim e para o motorista, que ficava à sua disposição, e não resistia: “Vou falar sobre pimenta do reino”. Era magnífico. De outra vez, encarou-me: “Vou lhe falar sobre Poesia, seu analfabeto”. E começou pelo Egito e terminou no mexicano Amado Nervo, por sinal o poeta que Luís Maria Alves considerava o maior do mundo. Cansava da longa aula. As mulheres iam chegando de seus sobrados adjacentes para tomar o caldo de peixe; ficavam extasiadas com a conversa genial. Então, o velho Mestre entoava: “Agora, já é noite. Vamos para o Tirol”. Atravessávamos estradas de areia de praia — tudo era longe —, aportávamos na casa noturna célebre e dizia Cascudo: “Tudo por minha conta. Adeus”. E desaparecia entre sombras e luzes dramáticas. É por tudo isso que esta “Tribuna do Norte” representa — e significará sempre para mim — a gravar-se como inapelável ode de louvor em meu espírito e elegia em um cantochão de saudade.


10

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

Durante a última década, mudanças importantes ocorreram, provenientes quase todas dos avanços da informática e do fenômeno internet, que interferiu na produção editoral.

o autor UM POUCO DA HISTÓRIA Q

“HOJE CADA PROFISSIONAL DA REDAÇÃO JÁ SABE MUITO BEM COMO OTIMIZAR O SEU TEMPO,VALENDO-SE DAS FERRAMENTAS DISPONÍVEIS” NELSON PATRIOTA

uando Nelson Patriota recebeu o convite para organizar e escrever a história dos 60 anos da TRIBUNA, não teve o sobressalto de 10 anos antes, quando abraçou o trabalho de reconstituir o cinquentenário do jornal, juntamente com o colega Tácito Costa. “Foi bem mas tranquilo agora”, confessa o jornalista e hoje servidor do Ministério da Saúde, emprestado à Editora da UFRN, onde se dedica ao resgate da obra de importantes pensadores potiguares. Dono de um conhecimento trazido da época em que foi funcionário da Redação, ocupando vários cargos de chefia, restou a Patriota reelaborar o conteúdo já apurado há 10 anos e se dedicar às mudanças ocorridas no jornal na última década. E foi o que ele fez, produzindo uma edição digna de qualquer biblioteca que preze a história do Rio Grande do Norte. Nos últimos 10 anos, Patriota constatou mudanças importantes na TRIBUNA, provenientes quase todas dos avanços da informática e do fenômeno internet, que interferiu dramaticamente na produção editoral. Com mais rapidez e responsabilidade sobres os ombros, editores e repórteres se viram obrigado a ser mais minudenciosos na tarefa de apurar as informações e mais objetivos ao escrever os textos em seu dia a dia. Um movimento normal, segundo Patriota, pois com computadores mais poderosos e acesso à WEB, a produção editorial ganhou uma agilidade sem precedentes na história recente da profissão. “Hoje, os jornalistas produzem mais do que antigamente, quando manejavam as máquinas de escrever, mas trabalham menos em relação aos profissionais que os precederam nas décadas anteriores”, afirma. Ele deve saber, está nas redações desde o começo dos anos de 1970, quando assumiu o primeiro trabalho no extinto jornal “A República”. Na TRIBUNA, Patriota ocupou várias funções, de “copy desk” à editor e, posteriormente, secretário de Redação. Para quem não sabe, um “copy desk” daquela época era o jornalista encarregado de corrigir ou reescrever os textos de colegas menos experientes, comprando briga com os mais tarimbados quando fazia a mesma coisa. “Em geral eu manda o sujeito refazer tudo quando estava ruim”, comenta hoje, aos 60 anos. Patriota veio de uma época romântica da profissão em que era comum participar da produção e depois da impressão do jornal, já de ma-

drugada. Ainda sobrava tempo para as famosas reuniões em bares onde o cardápio eram os principais fatos do dia. Desse tempo ele não tem nenhuma saudade. Isso, seja como for, acabou. As redações hoje são ocupadas por muita gente jovem, que divide o tempo entre um segundo curso universitário e o trabalho ou empregos em assessoria de imprensa. Na época mais romântica, muitos intelectuais de nome trabalhavam ou fraquentavam as redações como colaboradores. E foi assim até bem depois do advento das rotativas offset, quando a impressão do jornal passou a se dar em matrizes sobre papel-bobina, abrindo caminho para as grandes tiragens a um custo por mil progressivamente menor. Esse processo, iniciado a partir dos anos 70, sucedeu os linotipos, que fundiam em bloco cada linha de caracteres a serem impressos. Era um trabalhão. Patriota, embora ainda jovem, pegou o reinado das Olivetti, as pesadas máquina de escrever, das laudas datilografas e composição de textos em tiras adesivas, emendadas com auxilio de um estilete no past- up (montagem manual das páginas). Mas essa era uma realidade que já não existia mais na TRIBUNA por ocasião do cinquentenário, quando a diagramação já feita por programas gráficos de computador. A redação também já havia se livrado das Olivetti, mas ainda se adaptava às recentes mudanças. Para Nelson Patriota, a TRIBUNA fez bem a lição de casa. “Hoje cada profissional da redação já sabe muito bem como otimizar o seu tempo, valendo-se das ferramentas disponíveis”, afirma. (Antigamente, quando, para pesquisar, recorria-se a enciclopédias e outros documentos em papel e a perda de tempo era imensa). Hoje, qualquer dado complementar está na ponta dos dedos, abrindo vários ambientes simultaneamente. Mas, antes, lembra Patriota, os “focas”, assim conhecidos os iniciantes na profissão, eram adotados por jornalistas mais velhos, que os orientavam nos primeiros passos. Agora, por força do corre-corre das redações, os estagiários ou profissionais iniciantes devem são soltos antes no mundo e devem trazer das Universidade um preparado maior a algo que nunca deixou de existir nas redações – a pressão. A edição especial preparada por Nelson Patriota mostra um pouco de tudo isso no livro 60 anos da TRIBUNA DO NORTE.

þþþ Impresso em tamanho 28,5 cm x 41 cm,o livro “60 Anos da Tribuna do Norte”,é um trabalho gráfico de rara qualidade e valor evidente para a história do jornalismo local. São 164 páginas em papel branco.Além da narrativa histórica,estão incluídos também reproduções de capas – uma para cada ano da TN – e registros de fatos relevantes que marcaram o mundo nas últimas seis décadas e como o jornal manteve seus leitores bem informados sobre eles. Dividida em seis capítulos – Os Fundadores;Lutas e Ideais;Um Novo Tempo;Os Profissionais;As Capas e Líderes de Leitura – a história da TRIBUNA DO NORTE é narrada através de registros e depoimentos dos personagens que vivenciaram o cotidiano e os principais fatos que marcaram a trajetória do jornal. Todos os assinantes,e também o leitor que comprar a edição desta quarta-feira da TN,receberão um exemplar do livro.A venda avulsa é proibida.


Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

11

Ao amanhecer, aconteça o que acontecer, os exemplares da TRIBUNA devem estar à disposição dos leitores e, principalmente, na casa dos assinantes

a circulação

O SETOR QUE NÃO DORME

THALES VILLAR, GERENTE DE CIRCULAÇÃO, COMANDA A EQUIPE RESPONSÁVEL POR FAZER CHEGAR O JORNAL AOS MILHARES DE ASSINANTES E A MAIS DE 600 PONTOS DE VENDAS EM TODO O RN

gerência de Circulação da TRIBUNA DO NORTE é insone, não dorme nunca. Quando as famílias estão reunidas em casa para o jantar e a novela, 18 encartadores treinados para não perder tempo se preparam para a rotina de casar milhares de cadernos saídos das impressoras. É um trabalho disciplinado, que exige atenção. Ele começa quando o primeiro caderno do jornal finalmente deixa a diagramação e passa pelo crivo da revisão final, que detecta erros e discrepâncias de títulos e legendas. É o final de um dia de trabalho que começou 14 horas antes e envolveu todos as áreas do jornal. Entre eles, um apêndice fundamental da Gerência de Circulação – o Telemarketing (Ver matéria nesta página). Como qualquer empresa, a TRIBUNA inicia seu expediente normal às 8 da ma-

A

nhã. Só que aqui, o final de uma tarefa sempre prenuncia o início de outra. Como o elo de uma corrente, um departamento de um jornal diário não existiria sem o outro. Noite e dia, dia e noite. E a Gerência de Circulação fecha o ciclo diário da engrenagem que não descansa. Com a chegada da informática e da internet, essa rotina que já dura 60 anos passou a exigir mais produtividade de todos os setores – a Circulação é o exemplo palpável disso, embora não seja o único. Jornal impresso e encartado é o produto final sobre o qual estão depositados o trabalho de 300 profissionais. Todos se esforçaram ao máximo para conceber e criar o produto do dia. Mas quem o entrega ao consumidor é a Circulação. E ela é quem determina a tiragem do jornal – que varia todos os dias, diretamente influenciada por acontecimentos cotidianos.

“Vestibular, decisão de campeonato, um evento jornalístico de grande repercussão, tudo isso pode jogar para cima uma tiragem”, lembra Thales Vilar, gerente de Circulação da TRIBUNA há 18 anos. Incontáveis vezes ele já foi obrigado a sair de casa no começo da madrugada para alterar a tiragem (número de jornais a serem impressos) por causa de situações repentinas e imprevisíveis. “Uma vez o primeiro caderno impresso, o processo é irreversível”, lembra. O destino dos jornais são hoje 550 pontos de vendas só em Natal e outras centenas em 75 dos mais importantes municípios do Rio Grande do Norte cobertos por três rotas: Oeste, Seridó e Agreste. Já ao amanhecer, aconteça o que acontecer, os exemplares da TRIBUNA devem estar à disposição dos leitores e, principalmente, na casa dos assinantes.

Só o melhor para o leitor Da tiragem total diária da TRIBUNA DO NORTE, 70% são de assinantes e 30% leitores que adquiriram seu exemplar em pontos de venda e gazeteiros. O tratamento dispensado a ambos os grupos, porém, é democrático. Mas o assinante recebe alguns mimos adicionais, com entrega de jornal em domicílio e reposição em caso de danos causados na hora da entrega. Ele também é beneficiado com promoções especiais, pois representa o leitor assíduo do produto editorial. Mas a Gerência de Circulação não abrange apenas o encarte de cadernos e a entrega do jornal diário. É bem mais do que isso. Controla a logística de trans-

porte da TRIBUNA como um todo, atendendo às necessidades de todos os setores da empresa e fornece a autorização para o uso de veículos como taxis e motos. Gerencia de Circulação administra também, em conjunto com a Gerência de Marketing, os chamados “produtos agregados”, que são as coleções, como dicionários, literatura, Cds e DVDs vendidos complementarmente em edições da TRIBUNA. Com a chegada da informática às redações, a Circulação passou a ser regida por planilhas de controle diário, que facilitaram e muito o trabalho de gerencia-

mento do serviço. Mas na medida que adicionaram à rotina uma ferramenta poderosa de gestão, a Circulação tornouse mais exigente em relação aos próprios resultados e metas. Hoje, explica Thales Vilar, sabemos exatamente quais são os ganhos e eventuais perdas de cada ponto de venda, esteja ele em uma banca, loja de conveniência ou supermercado que distribua o nosso jornal. “Nessa atividade é importante ouvir a menor reclamação que venha do leitor em relação à qualidade da entrega. E, pode ter certeza, nós levamos muito a sério essa tarefa”, garante.

TURMAS DE OPERÁRIOS CUIDAM DA ENCADERNAÇÃO E DA SAÍDA DOS JORNAIS PARA PONTOS DE VENDAS

Telemarketing feito para o cliente

“NESSA ATIVIDADE É IMPORTANTE OUVIR A MENOR RECLAMAÇÃO QUE VENHA DO LEITOR EM RELAÇÃO À QUALIDADE DA ENTREGA.E, PODE TER CERTEZA, NÓS LEVAMOS MUITO A SÉRIO ESSA TAREFA” THALES VILAR

Responsável pela venda de assinaturas e pelo SAC – Serviços de Atendimento ao Cliente -, o Telemarketing irriga a Circulação de mais trabalho. É de lá que saem novos pontos de entrega do jornal e as solicitações e reclamações dos clientes. É um setor tão importante da empresa que existe há mais de 20 anos. Elecinda de Sousa, uma ex-operadora promovida a supervisora do departamento há dois anos, conta que em média as 14 funcionárias do setor chegam a realizar 1.400 chamadas por expediente de seis horas corridas. Esse é o teto de ligações que elas podem realizar. Cada nova operadora admitida já concluiu um curso de Telemarketing e, em geral, já vem de uma experiência anterior. Mesmo assim, é avaliada por 30 dias para ver se assimilou bem o sistema do jornal e quanto à sua performance junto ao público. “Para isso, ela precisa conhecer muito bem a TRIBUNA, suas editorias e colunistas e estar antenada com o que o jornal publica diariamente”, acrescenta Elecinda Sousa. Os estímulos a um trabalho competente são premiações semanais, quinzenais e mensais por desempenho no cumprimento de metas.

ENTREGA DOS JORNAIS PORTA A PORTA NA CAPITAL É TERCEIRIZADA, MAS ATENDIMENTO É DA TN


12

ESPECIAL 60 ANOS

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010


Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

o arquivo ONDE MORA A MEMÓRIA DO JORNAL

esponsável pela guarda da “memória” do jornal, o Arquivo da Tribuna do Norte tem alcançado níveis de organização reconhecidos por diversos pesquisadores locais. Administrado pela arquivista Francisca Lucia Fernandes, que chegou a TN no início da década de 1980, esse é um setor onde – segundo ela mesma define, poeticamente - “as informações já publicadas não são para ser jogadas fora. Elas ficam aqui e, quando necessárias, voltam a servir aos jornalistas e aos leitores”. Lírica, mas também exigente com o trabalho que realiza, “Lucinha” como é mais conhecida no jornal – tem catalogadas todas as noticias e fotos publicadas pela TNnos últimos 24 anos. São milhares de fichas datilografadas que, já há algum tempo, vem sendo repassadas para um sistema informatizado de arquivo. Desde 2006, todas as edições diárias da TRIBUNA DO NORTE

R “AS INFORMAÇÕES JÁ PUBLICADAS NÃO SÃO PARA SER JOGADAS FORA. ELAS FICAM AQUI E, QUANDO NECESSÁRIAS, VOLTAM A SERVIR AOS JORNALISTAS E AOS LEITORES.” LÚCIA FERNANDES

passaram a ser armazenadas em um sistema digital. “Isso permite que um pesquisador ou qualquer leitor interessado venha aqui e adquira, em formato A4, qualquer página ou até mesmo uma edição anterior completa do jornal”, explica Lucinha. O sistema digitalizado não aboliu, no entanto, a prática de encadernar em grandes livros todas as edições de um mês. “Um dos princípios básicos do arquivamento é que você precisa ter sempre mais de uma plataforma para guardar as informações. Quantos mais suportes você tiver para arquivar, melhor. Mais seguro a gente fica”, ensina a chefe do arquivo, em meio a estantes de aço onde grande livros de capas azuis guardam a memória impressa de 60 anos de jornalismo feito pela TRIBUNA DO NORTE. Na equipe do Arquivo, trabalham ainda Rita de Cássia Carvalho Silva, Daniel Gurgel e Euzilene Rodrigues dos Santos.

13


14

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

O maior jornal do RN conquistou o respeito e a admiração do mercado publicitário tratando com respeito e responsabilidade seus anunciantes

o comercial

O TERMÔMETRO DO SUCESSO

Gerência Comercial da TRIBUNA cultiva um grande apreço por todos os clientes da TRIBUNA e um respeito especial pelas agências de propaganda, desbravadoras do mercado publicitário. Com mais do dobro de exemplares da TN, distribuído diariamente em relação ao concorrente mais próximo, não poderia ser diferente. “Clientes diretos são acolhidos, bem tratados pelo veículo e quando aumentam suas verbas de publicidade, nós mesmo os aconselhamos a buscarem uma agência para cuidar de sua mídia”, diz Eliane Rocha, gerente comercial da TRIBUNA. Nessa via de mão dupla, as agências de Natal vem mostrando todo o seu potencial e talento, criando peças publicitárias vencedoras e organizando as estratégias de seus clientes. “É assim que se conquista profissionalismo e resultado no mercado”, assegura Eliane Rocha. Líder absoluto em circulação paga, segundo pesquisa Easy Mídia 3 Jornal, realizada recentemente e que confere à TRIBUNA a liderança em participação de mercado e a preferência entre os leitores, 2010 começou com uma meta importante: incorporar à cesta de produtos editoriais a edição eletrônica disponibilizada pelo portal www.tribunadonorte.com.br. Com sete contatos comerciais altamente especializados, a Gerência Comercial nunca cessa de prospectar novos anunciantes, para os quais trabalha na linha das “soluções” e não simplesmente focando a “ven-

A

Classificados de tradição Com uma apreciável carteira de clientes ativos, a gerência de Classificados é dona de uma tradição de bons serviços que remonta há 40 anos. Comandada por Manoel Belo, desde 1998, os Classificados da TRIBUNA e a Circulação foram pioneiras na venda de pequenos espaços por telefone – mais conhecido como Classifone

da” como objetivo final. “Queremos clientes para sempre e não apenas por uma ou outra edição”, diz Eliane. O produto eletrônico da TRIBUNA, resultado da convergência promovida em conjunto com a plataforma do impresso, há um ano, está à cargo hoje da própria gerente comercial, tendo como seus maiores promotores os contatos que hoje atendem as agências de propaganda. Ao fazer isso, a TRIBUNA buscou otimizar o tempo dos contatos, mas, principalmente, aumentar a cesta de soluções do anunciante. “Trata-se de um trabalho complementar que não pode gerar competição entre o impresso e o eletrônico”, avisa Eliane Rocha. O resultado da sinergia e o estímulo com que trabalha toda a equipe de sete profissionais – sem contar pessoal de apoio – escreve um importante trecho da história de sucesso da TRIBUNA. No ano passado, em plena crise financeira internacional, produtos como o Caderno Imobiliário, apresentaram faturamento superior à edição de 2008. E esta, por sua vez, bateu recorde em relação à edição do ano anterior. Idêntica situação tem experimentado outros produtos editoriais de sucesso, como a revista TOP Natal, os Cadernos do vestibular e a série “Motores do Desenvolvimento do RN”, cujos seminários já trouxeram ao estado vários ministros do Governo Federal e nomes importantes da iniciativa privada e do mundo acadêmico.

ELIANE ROCHA COMANDA EQUIPE DE CONTATOS QUE ATENDEM AGÊNCIAS E CLIENTES

Hoje, com 26 funcionários na operação, os Classificados da TRIBUNA estão presentes em pontos fixos na Ribeira, Shopping Via Direta e no centro da cidade. “Produzimos facilidade mas, principalmente, resultados”, alegra-se Belo, que ingressou na TRIBUNA DO NORTE em meados do anos 70. No ano passado, todo o pessoal dos Classificados beneficiou-se de um intenso trabalho de capacitação promovido pela consultora de empresas, Adriana Benavides. “Depois disso, ficamos ainda mais afiados em prestar um serviço de qualidade ao público”, diz Belo. MANOEL BELO,GERENTE DE CLASSIFICADOS,ESTÁ NO JORNAL HÁ MAIS DE DUAS DÉCADAS

Os vigilantes do espaço Toinho e Taco, ambos com 20 anos de TRIBUNA, e mais recentemente Lenuza, com 10 anos recém-completos, pilotam um setor na TRIBUNA cuja responsabilidade é uma mistura de um corretor da Bolsa com controlador de vôo. Antônio Manoel dos Santos Neto, o Toinho, e Lenuza Bezerra Silva, pertencem a um apêndice da área comercial responsável pela programação dos anúncios nas páginas do jornal. Sem o endosso deles – e só deles – os anúncios não saem, o contato publicitário que fez a venda não recebe a comissão e o jornal não fatura a venda. Francisco Xavier Dantas, o Taco, por sua vez, é a ponte entre o departamento de Toinho e Lenusa com a redação. É conhecido também com o porta-voz das boas (e más) notícias aos editores, responsáveis pelo fechamento de páginas editoriais. Especialmente a partir de quinta-feira, quando o fechamento comercial do fim de semana tem início, está sob a responsabilidade de “Taquinho”, como também é conhecido, comunicar aos editores de Cidade, Política, Geral, Economia, entre outros, quanto de trabalho os espera até o encerramento geral da edição. O efeito em cascata dessa informação é crucial. Com maior número de anúncios previstos, o jornal como um todo pode aumentar ou diminuir. E muito. Assim, como a Circulação depende dos eventos do dia para saber quantos jornais serão impressos à noite, a Redação depende do trio Toinho-Taco-Lenuza para saber quantos páginas serão fechadas em deter-

minada edição. Diz Toinho: “As agências mudam programações de reserva de anúncio quase todos os dias e precisamos estar antenados a esse movimento”. Um movimento sutil, diga-se de passagem, pois a simples notícia de que um problema qualquer prejudicou o abastecimento de energia da região, por exemplo, provocará uma página de esclarecimento paga pelo Governo Federal. “Esses problemas sempre acontecem à noite, bem depois do horário limite para o recebimento de anúncios de última hora”, lembra Toinho. Esse problema vai bater diretamente em Taco, pois está entre as suas responsabilidades deslocar anúncios para acomodar outros ou consultar a diretoria para a abertura de um novo caderno e resolver a situação de espaço. E isso, é claro, altera diretamente a rotina da Redação. Reservas de anúncios de última hora são os problemas mais comuns da vida de Toinho, Lenusa e Taco. Sua arma para resolver os problemas do dia a dia é muita paciência e bom humor. Taco lembra que essa postura faz parte da boa vontade que o próprio jornal tem em relação a todo o anunciante, independentemente do valor de sua veiculação comercial. “Nós nunca publicamos uma página em branco porque o anunciante, que comprou o espaço, não enviou a arte do anúncio”, lembra. “Preenchemos o espaço e depois o Toinho e a Lenuza vão saber o que aconteceu”, acrescenta.

ANTONIO MANOEL,O TOINHO; LANUZA E “TACO”:SIMPATIA E EFICIÊNCIA NO ATENDIMENTO

A relação de Toinho e Lenuza abrange todos os anunciantes da TRIBUNA do país. Isso implica em uma ampla rede de contatos que vai de um pequeno anunciante local ao mídia de uma grande agência nacional em São Paulo, Rio, Belo Horizonte ou Brasília. “Pode nos comparar à ponta de um funil para onde todos os anúncios convergem, necessitando de uma saída”, diz Toinho. Jogo de cintura é a ferramenta mais importante dessa turma, além da boa comuni-

cação entre os colegas e a informática. Sem tirar um minuto os olhos do monitor de seu computador, Toinho conta que é preciso antecipar as dificuldades antes que elas se concretizem. E, mais do que isso, ter malícia para matar problemas na raiz. Nessa categoria estão pequenos anúncios difamando pessoas ou informações, que precisam ser vetados prontamente. “Até nisso a gente precisa estar antenado”, admite Toinho.


Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

15

Presente em todas as áreas do jornal, a visão mercadológica faz dos produtos corporativos da TRIBUNA DO NORTE um sucesso

o marketing A INTERATIVIDADE

oda a vez que a TRIBUNA DO NORTE lança ou reedita um produto editorial com a participação da área comercial e de circulação, a assinatura da Gerência de Marketing está presente. Da promoção de um produto agregado, a ações de fidelização do assinante, passando pelo planejamento e execução da logística dos eventos institucionais de interesse do jornal, o Marketing desempenha um papel gestor em tudo o que faz. Criada há 15 anos e comandada há 11 por Andréia Barandas, arquiteta formada pela UFRJ, com pós graduação em Marketing pela PUC do Rio, a Gerência de Marketing é um das áreas mais diversificadas do jornal. Com quatro experientes auxiliares, todas com curso superior com muitos anos de setor, a primeira tarefa ali é jamais perder o

T

controle da situação. Afinal, a rotina de atender a todos os projetos anuais da TRIBUNA, que vão da distribuição de ingressos de cinema e teatro aos assinantes à organização de eventos promocionais para centenas de pessoas, é prova de que hoje não é mais possível funcionar sem o apoio decisivo desse departamento. Aprovação de um logotipo, coordenação do conteúdo corporativo de publicações de interesse comercial e uma infinidade de ações presentes em datas como Dia das Mães, dos Namorados, Natal, entre outras, fazem da Gerência de Marketing um apêndice essencial à imagem do próprio veículo de comunicação perante o público. Andréia Barandas explica que seu setor é tão especializado em TRIBUNA DO NORTE que o calendário de eventos editoriais já se

tornou um velho conhecido de todas as áreas do jornal. “Sempre com muita antecedência trabalhamos os produtos a serem lançados, pois em geral envolvem a colaboração de todos”, lembra. Entre os exemplos de ações da Gerência de Marketing está a revista TOP Natal, que entra em sua nona edição. “Todos os anos, as empresas mais lembradas pelo consumidor natalense são premiadas num evento para centenas de convidados”, lembra. “Quem organiza, do convite ao buffet é o Marketing, contratando fornecedores e discutindo orçamentos ”, exemplifica. Uma revista em cores e um caderno de jornal, anunciando os vencedores do prêmio, fazem parte do cardápio anual do TOP Natal. Tudo e mais a confecção dos troféus também estão incluídos no planejamento da Gerência de

Marketing. O ciclo de seminários anuais “Motores do Desenvolvimento do RN” é outro projeto desenvolvido em conjunto pela Redação, Gerência Comercial e pelo Marketing da TRIBUNA. Sucesso desde a sua primeira edição, há dois anos, é um evento capaz de mobilizar ministros de Estado e importantes empresários. Este ano, haverá dois eventos do ciclo “Motores do desenvolvimento”: o primeiro logo em maio e o segundo em novembro, após as eleições, tratando respectivamente dos temas Educação e Exportações. Todos os produtos especiais, fora da rotina do jornal diário, são hoje examinados por Andréia Barandas, uma especialista em conteúdo corporativo. Ao longo dos últimos 11 anos, ela não só aperfeiçoou o desempenho do Marketing, como tam-

“SEMPRE COM MUITA ANTECEDÊNCIA TRABALHAMOS OS PRODUTOS A SEREM LANÇADOS, POIS EM GERAL ENVOLVEM A COLABORAÇÃO DE TODOS” ANDRÉIA BARANDAS

bém tornou o departamento referência organizacional dentro da TRIBUNA – uma empresa cujos setores funcionam com precisão e regularidade. Cada pequeno brinde, livro, CD ou DVD ofertado em uma promoção ao longo desses anos é cuidadosamente guardado e exibido numa estante na sala de Andréia. Todos os cadernos especiais editados pela TRIBUNA estão protegidos e alguns até reproduzidos em tamanho ofício e encadernados para facilitar o manuseio. Mas o Marketing também participa do planejamento estratégico da empresa, ajudando a pensar, a curto, médio e longo prazos, nas ameaças e oportunidades que permanentemente surgem no ambiente editorial. Esse processo, que implica numa visão abrangente do modelo de negócios abraçado pela TRIBUNA, faz com que o Marketing esteja permanentemente antenado ao trabalho desenvolvidos por todos os departamentos da empresa, na busca e na consolidação dos business ideais para cada momento. Tudo isso faz da Gerência de Marketing uma área primordial para a TRIBUNA como um todo, onde uma cultura de trabalho meticuloso ganhou o respeito de todos os outros departamentos.

ANDRÉIA BARANDAS, À FRENTE DA EQUIPE RESPONSÁVEL PELAS PROMOÇÕES QUE AGREGAM VALORES AO CONTEÚDO EDITORIAL DO JORNAL, APLICA A POLÍTICA DE “INFORMAÇÃO E UTILIDADE”

Dona Nelma das boas notícias Nelma Maria de Farias chegou à TRIBUNA para preencher uma ficha de empregos no dia da mentira, 1º de abril de 1979. Na época, com 34 anos, ela teve medo de não conseguir o trabalho. “A vida era mais difícil e as empresas já olhavam com desconfiança as pessoas com mais de 30”, lembra. Com a assinatura de três empresas na carteira de trabalho, todas situadas na Ribeira, essa exmoradora das Rocas entrou na TRIBUNA e não saiu mais. Hoje, dona Nelma, como a chamam os colegas de trabalho e até mesmo quem a nunca viu, cuida de todos os pagamentos e recebimentos da Tesouraria – e, portanto, ele é quem faz a alegria de funcionários e fornecedores. Sempre respeitosa e gentil com todos, Dona Nelma é de um tempo no jornal onde o coleguismo e a solidariedade deixam saudade. Da época em que ela foi admitida para cá, a TRIBUNA triplicou seu número de funcionários e as relações profissionais tornaram-se

mais pragmáticas. Há 30 anos, o trabalho era extenuante porque todos os preenchimentos de documentos eram feitos à mão e havia expediente até no sábado da tesouraria. No entanto, dona Nelma arrisca um palpite: hoje se trabalha bem mais. “Somos escravos dessa máquinas aqui” - diz, apontando para o computador. E, de fato, quem passar pela Tesouraria da TRIBUNA terá a nítida impressão que não se pára. O setor funciona como um relógio digital. Entre as recordações boas que ela guarda de quando entrou na TRIBUNA, ela dedica um carinho especial à figura do saudoso José Gobat, um dos fundadores e diretor financeiro da TRIBUNA por muitos anos. “Quando Dr. Gobat não podia atender a um pedido, ele avisava que não podia e pronto - era um não definitivo; agora, se a resposta fosse sim, podia chover canivete – ele cumpria”.

NELMA MARIA, 31 ANOS DE EMPRESA NO DIA 1º DE ABRIL

TELEMARKETING, O ATENDIMENTO PERSONALIZADO


16

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

Repórteres fotográficos da TRIBUNA DO NORTE ganharam prêmios com imagens publicadas

as imagens

FOTOGRAFIAS PREMIADAS

VIVEIROS Foto premiada pelo Idema e pelo Banco do Nordeste, mostra desenvolvimento sustentável no Nordeste. Feita em São José do Seridó pelo fotográfo Jr.Santos

PESCADORES Premiada como “A Melhor Foto de Cultura Popular Nordestina”. Feita em Ponta Negra pelo fotográfo Alex Régis

PALHAÇOS Foto premiada no concurso “Rubens Lemos de Jornalismo Cultural”. Feita no Circo Grock,pelo fotográfo Rodrigo Sena.


Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

17

A necessidade de modernizar rotinas e procedimentos começou no setor gráfico, mas hoje já está disseminada em todas as gerências e departamentos da TRIBUNA

a impressão A PODEROSA

TRIBUNA DO NORTEtem hoje a mesma tecnologia industrial dos principais jornais do País. O processo é totalmente informatizado e digital. A rotativa DEV Horizon da TRIBUNA, de fabricação norteamericana, é capaz de imprimir 50 mil exemplares de jornal/ hora com dois cadernos de oito páginas com cor na capa e contracapa e as páginas quatro e cinco também em policromia. O sistema ainda oferece outras opções - pode também rodar 12 páginas com cor na capa e contra-capa e miolo em preto e branco; 16 páginas com cor na primeira e na última e, ainda, é capaz de produzir dois cadernos de seis páginas cada com cor nas páginas 1, 3 e 6. As rotativas foram adquiridas do Jornal do Commércio do Recife há alguns anos e fazem parte do processo de modernização do jornal, cuja fase mais recente foi a eliminação parcial dos fo-

A

NOVO PARQUE GRÁFICO DA TRIBUNA DO NORTE POSSIBILITA A IMPRESSÃO DO JORNAL COM MAIS RAPIDEZ: 50 MIL EXEMPLARES/HORA

tolitos, otimizando a produção. Trata-se do CTP (Computerto-Plate). A chapa gravada laser e controlada por computador, permite que ela (a chapa) seja gerada diretamente de um arquivo digital, sem a necessidade da produção de um fotolito intermediário. Este processo garante o aumento da qualidade final da imagem gravada. Embora o sistema de fotolitagem ainda não tenha sido suprimido por completo na TRIBUNA, as soluções digitais tenderão se impor cada dia mais. Hoje, graças às inovações da Tecnologia da Informação e da Internet, o repórter já pode cobrir e enviar notícias urgentes, remotamente, a poucos minutos do fechamento do primeiro caderno. Ou seja, a Redação terá condições de cobrir com mais agilidade a pauta de assuntos que o leitor acompanhará no dia seguinte. Toda essa revolução teve inícios em 1979, quando a TRIBUNA começou a imprimir em Off Set, abandonando a linotipia. De lá para cá, as inovações não pararam mais, atingindo todas as gerências e departamentos do jornal. A necessidade de modernizar rotinas e procedimentos começou no setor gráfico, mas hoje já está disseminada em todas as gerências e departamentos da TRIBUNA.


18

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

nei leandro de castro TRIBUNA:UMA PRESENÇA MARCANTE o início dos anos 1960, fui editor do suplemento literário da TRIBUNA DO NORTE. Foram poucos meses de trabalho, mas guardo daquele tempo belas recordações. Newton Navarro e Berilo Wanderley derramavam lirismo em suas crônicas. Woden já assinava o Jornal de WM. Luís Carlos Guimarães era revisor e fazia parte da redação. Dois jovens talentosos, Moacy Cirne e Paulo de Tarso Correia de Melo, estreariam um pouco mais tarde, com uma coluna muito modesta intitulada de “Nós e o mundo”. Sanderson Negreiros, depois de

N

uma curta temporada no jornal da Tavares de Lira, foi contratado para o Diário de Natal. Além de editar o suplemento literário, eu escrevia crônicas e tinha a pretensão de um dia conseguir escrever tão bem quanto Sanderson Negreiros. Numa tarde de inspiração, tive a idéia de publicar no suplemento literário uma série de crônicas sob o título de “Roteiro sentimental dos bares da cidade”. Reuni uma turma, expus a idéia e todos toparam participar do projeto. Escrevi a primeira crônica sobre o Granada Bar, de Nemesio Mourque-

“A MEMÓRIA AFETIVA DAQUELE RAPAZ MAGRO, SONHADOR, QUE COMEÇAVA A FAZER INCURSÕES PELOS CAMINHOS MISTERIOSOS DA POESIA, NÃO ESTARÁ COMPLETA SEM A PRESENÇA DO JORNAL E A TURMA DE AMIGOS QUE O FREQUENTAVA” NEI LEANDRO DE CASTRO

cho, um dos bares de mais sedução e magia que conheci em minha vida. Nemesio ficou satisfeito com a crônica e promoveu uma boa farra para o escriba e seus acompanhantes. A turma toda padecia de falta de dinheiro e a alegria foi imensa, contagiou toda a Cidade Alta e arredores. Depois disso, o roteiro sentimental passou a ser escrito com segundas intenções: todos tinham a intenção de ganhar rodadas de cerveja e muito tira-gosto no bar homenageado. Quando chegou a vez de Luís Carlos Guimarães, o poeta, ingenuamente, escreveu sobre o Tabuleiro da Bahiana, que estava de portas fechadas havia muito tempo. Lula quase foi linchado pelos outros escribas, ávidos de festança gratuita. Em frente à Tribuna ficava a Peixada Potengi, inacessível ao meu bolso. Eu vivia pensando: quando tiver dinheiro, vou entrar na peixada na hora do almoço e sair depois da janta. O tempo passou, tomei outros rumos e jamais fiz uma refeição na Peixada Potengi. Viáveis ao meu bolso eram as tripas assadas servidas num barzinho da 15 de Novembro. Preço tão baixo quanto o das mulheres de vida di-

fícil que nos acolhiam de mau humor, mal vestidas e mal despidas, em suas camas estreitas de lençóis encardidos. Meu relacionamento com a TRIBUNA DO NORTE tem muito a ver com lembranças inesquecíveis, mesmo sem dinheiro para a Peixada Potengi e outros luxos como o Wunderbar, por exemplo. A memória afetiva daquele rapaz magro, sonhador, que começava a fazer incursões pelos caminhos misteriosos da poesia, não estará completa sem a presença do jornal e a turma de amigos que o frequentava. Em certo período, a TN foi uma espécie de fuga quando aquele rapaz, num gesto que beirou a insanidade, resolveu se casar na hora errada, com a mulher errada. O recém-casado, cavaleiro de tristíssima figura e sem nenhum heroísmo, muitas vezes se refugiou no calor humano que emanava do jornal. Tenho um apreço todo especial pela TRIBUNA DO NORTE. Mesmo morando no Rio de Janeiro, durante muitos anos, eu a lia diariamente. Ocupar um pequeno espaço deste jornal, às sextas-feiras, é prazer, muito prazer.

jomar morais DE REPÓRTER IMPROVISADO A PRÊMIO ESSO aneiro de 1967. Jomar Morais não tinha ideia do que o futuro lhe reservara no jornalismo - editor especial da Editora Abril, repórter, colunista e editor político no Jornal do Brasil, Folha de S. Paulo, Veja e Istoé, redator em O Estado de S. Paulo, correspondente de Exame e o primeiro editor especial para o Nordeste da “Superinteressante”. Até um prêmio Esso “acidental”, por uma reportagem em equipe, ele conseguiu. Foi o primeiro jornalista brasileiro a publicar uma coluna na Internet. Aos 14 anos, porém, caminhando à noite por uma das ruas escuras onde está plantada hoje a Catedral Metropolitana de Natal, Jomar só pensava onde poderia conseguir um trabalho de office boy. Foi quando ouviu pela primeira vez o som de um impressora em pleno funcionamento. Vinha das instalações do semanário católico A Ordem, jornal destinado a informar aos fiéis o que se passava em todos os setores da sociedade. Recebido pelo vigia, Jomar pôde falar diretamente com Tarcísio Monte, um dos responsáveis pela publicação. “Estou procurando um trabalho de office boy”, disse. “De office boy não temos nada. Mas, na semana que vem, vai abrir uma vaga para repórter. Interessa?”, respondeu o sobrinho de Dom Nivaldo Monte.

J

Depois de engolir alguns manuais de jornalismo, o predestinado Jomar Morais recebeu quatro tarefas monumentais para um garoto de 14 anos – entrevistar o então prefeito de Natal, Agnelo Alves, sobre o incêndio do Mercado Municipal; entrevistar o Reitor Onofre Lopes sobre os institutos básicos que estavam sendo implantados na UFRN; entrevistar o governador Walfredo Gurgel sobre um assunto que nem ele se lembra mais e, a tarefa mais fácil, entrevistar o Rei Momo Paulo Maux. “Eu acabei dando conta do recado!”, comemora ele, mais de 43 anos depois. Nem é preciso dizer que, depois disso, Jomar foi inoculado pelo vírus do jornalismo. Uma doença fácil de diagnosticar em pessoas com a mente aberta, curiosas e que necessitam reinterpretar o mundo todos os dias. Não seria fácil de outro modo. Afinal, envergando um terno que dava dois dele, Jomar era visivelmente um menino brincando de gente grande. “E, para isso – ele reconhece – foi preciso boa dose de generosidade de todos para com aquele jovem projeto de jornalista. Deu certo. Aos 57 anos, a grande aventura vivida por Jomar Morais transcendeu fronteiras, o levou para vários países, e produziu o único exemplo raro de ser visto –

“SEM ESSA EXPERIÊNCIA ACUMULADA DESDE OS TEMPOS DE A ORDEM E TRIBUNA DO NORTE, MINHA TRAJETÓRIA SERIA MUITO MAIS DIFÍCIL” JOMAR MORAIS

do editor remoto . Jomar foi o primeiro – e até agora único – editor de uma revista de circulação nacional, da mais importante editora brasileira, a manter o cargo de editor, morando em Natal. A revista: Superinteressante, da Editora Abril. Aposentado desde 2006, ele ainda produz textos para alguns de seus antigos empregadores hoje à título de colaborador. Dono de um site na internet (o planetajota.jor.br), o jornalista trabalhou na TRIBUNA entre 1970 e 1972, breves dois anos que ele considerou decisivos em sua rica vida profissional. “Sem essa experiência acumulada desde os tempos de A Ordem e TRIBUNA DO NORTE, minha trajetória seria muito mais difícil”, reconhece Jomar. Entre outras atividades, Jomar Morais lecionou Jornalismo na Escola de Comunicações e Artes da USP e na Faculdade Cásper Líbero (SP). Hoje, Jomar tem visões e opiniões bem fundamentadas sobre os desafios que o estilo de vida “antenado”, a Internet e as necessidades modernas criaram, não só para o jornalismo, mas também para o leitor. Abaixo, o que ele tem a nos dizer sobre o assunto (o título é da TN).

“Quem lê tanta notícia? - CAETANO VELOSO

A cultura pós-moderna decretou: é chique ser antenado. Antenado é o indivíduo que está informado sobre tudo o que se passa, aquele que você nunca consegue surpreender com uma novidade, pois ele já viu, já leu e já teclou tudo antes que você. Ser antenado virou sonho de consumo e de sta-

tus, mas isso contém uma armadilha. Numa época em que notícias jorram sem parar, através de múltiplos canais, cresce o número de pessoas ágeis em acumular informes, mas permanecem escassas, muito escassas, as que são capazes de uma reflexão mediana sobre a realidade, uma leitura de contexto, um exercício de previsão. Tem-se informação, a comunicação pura e simples de um evento ou de uma experiência, mas não se consegue elevá-la ao patamar do conhecimento, onde o dado isolado aparece em sua relação contextual e com uma intencionalidade. A overdose de informação caótica, aliás, acaba contribuindo para o aumento da perplexidade e da ansiedade, fatores estimulantes de transtornos como o da violência, seja esta uma briga doméstica ou um crime hediondo. É nesse ambiente de perigosa superficialidade que o jornal e os jornalistas são convocados a intervir, com sensibilidade e talento, em favor da produção de conhecimento – essencial para que tenhamos cidadãos conscientes e participativos - e da própria sanidade coletiva. Não basta imprimir notícias, dar eco a palavras e números. A TV, o rádio, a internet e o celular já nos entregam, a todo instante, montanhas de informações que, mal digeridas, nos deixam um saldo de apreensão e pessimismo. Do novo jornal e do novo jornalista esperase a perspicácia para distinguir na montanha de dados o que é relevante do que é frívolo e, a partir daí, articular elementos, perceber as relações de causalidade e, sempre que possível, antecipar o que nos reserva a curva adiante. Espera-se um outro olhar, acima e além do senso comum, apto a observar com clareza e a interpretar, apoiado em valores éticos universais.


Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

19

abmael morais UM VIRTUOSE DO ESTILO Eu, um produto exportação da TRIBUNA Já fui repórter pau de arara na Cidade Maravilhosa. (Tempo bom aqueles, Jornal do Brasil, O Globo com mordomia e tudo, claro) que por conta da TRIBUNA). Aluízio me deu essa colher de chá e Woden tirou: “Manda Abmael de volta se não ele fica o resto da vida!” Verdade que eu estava fora pra passar somente um mês e já ia com quase um ano. Sob o argumento de que era necessário, (a impressão era imprescindível pela veemência), voltei à TN. Imaginem aí: com seis meses de casa somente, já um estágio de quase um ano no Rio, entre o JB e o Globo, era demais para um foca. O começo foi mesmo na Tribuna do Norte. Walter Gomes, um rival de colégio que quase perdia pra mim nas provas de redação, chegara a Natal para dirigir o jornal a convite de Aluízio, vindo do Jornal do Brasil. Àquela época o grande mito (e espelho) do jornalismo brasileiro. Inovando, mudando tudo sempre sobre égide do modelo JB. (Imaginem: o cara deu uma foto de meia página, na primeira do jornal, com as pernas do Jorginho, só as pernas, em cima de uma bola, na véspera de um dos últimos ABC x América que o professor disputou). Me convidou para fazer jornal, em meio a um porre na Peixada Potengi, fazendo parte da mesa Luís Carlos Guimarães e Berilo Wanderley. Não sei se foi a estratégia psicológica do local, ou a companhia ilustre, o fato é que no dia seguinte, acordei repórter da TRIBUNA, em companhia de Cassiano Arruda, que entrava no mesmo dia, sem o detalhe do porre. Lá já estavam o indefectível Woden Madruga, Francisco Macedo, Ubirajara Macedo, José Machado, Sebastião Carvalho, Gutemberg Mota e outros menos lembrados. De alguns me separei pouco tempo depois por causa da “Redentora de 31 de março” e de outros, muito tempo mais tarde, de uma vez por todas, pela morte. A revolução, graças a Deus, devolveu os primeiros, pra mim não perder de todo. Walter, inteligentemente, promoveu logo, de cara, uma briga profissional entre eu e Cassiano. A cada um, separadamente, garantia: “Você é a maior estrela jornalistica do momento”. E nós dois, engolindo corda, brigando quase as tapas para ser o detentor da manchete da primeira e última página. E o jornal lucrando com a disputa. Naquela época era comum fazer a constatação: - A TRIBUNA DO NORTE é uma verdadeira escola de jornalismo. E eu que já havia ingressando na Faculdade de Jornalismo, naquele ano, sob a influência do batente diário, constatei isso na prática. - O que aprendia no jornal, desaprendia na Faculdade. A ponto de um dia ser expulso da sala de aula – veja só, na Faculdade! - por ter tido a ousadia de redigir um lead (bons tempos aqueles que existia lead) considerado revolucionário pelo professor de Técnica de Redação, seguindo os preceitos jotabianos de Walter Gomes (...) Na Tribuna fui tudo: repórter policial, da geral, esportivo, chefe de reportagem, editor adjunto e editor chefe. Cheguei ao cume, mas não cheguei a cumieira. - Não cheguei a dono. Que era o que Aluízio me prometia, quando os salários atrasavam e eu reclamava. “Isto aqui um dia vai ser seu, meu filho”. E o pior é que eu saia liso e conformado, mas sentindo a sensação de fi-

Abmael Moraes, natural de Ouro Branco, veio para Natal e começou no jornalismo pela redação da TRIBUNA DO NORTE, nos primeiros anos da década de 1960, quando ainda cursava a Escola de Jornalismo Eloy de Souza e o jornalista Walter Gomes era o secretário de redação do jornal. Talentoso, leitor voraz, brincalhão e farrista, Abmael era um repórter nato em qualquer área sobre a qual se proponha escrever. Inventivo, bem dentro do espírito do jornalismo daquela época, não se furtava em “criar” detalhes para alguns dos fatos que narrava. É antológica a “cobertura sobre o lobisomem” que, na década de 1970, ele e o colega Carlos Moraes, do jornal A República, criaram e alimentaram durante dias nas edições dos dois jornais. Depois de se transferir para Belém (PA), onde escreveu e ocupou editorias no jornal O Liberal, se fixou em João Pessoa (PB). Nos jornais paraibanos, criou e manteve durante anos, uma série de reportagens intitulada “Perfis de Corpo Inteiro”, onde entrevistou várias personalidades locais, regionais e nacionais. Em outubro de 1979, Abmael já em Belém, escreve sobre o evento da offset na TN. O texto é exemplar do estilo que marcou o repórter e encantou leitores do jornal. Nestes 60 anos, a TN homenageia, na lembrança de Abmael Moraes, todos os seus repórteres. Os de ontem, os de hoje.

lho e dono. Quem não correu o risco, numa oportunidade porém, foi Sanderson Negreiros que, convidado pelo Diário para ganhar o dobro que faturava no jornal, ao apresentar a carta de demissão, recebeu o conselho de Woden, já editor do jornal na ocasião: - Não faz isso, Sanderson. Espera Aluízio, que chega, essa semana, e como por sinal gosta muito de você entrega pra ele, explicando sua posição. - Tá louco Woden? Se eu fizer, isso não somente Aluízio me convence a ficar, como a diminuir meu ordenado. E foi. Eu, já não fui tão feliz. Depois de um estágio no JB, conseguido por ele, e no Globo, recebi uma proposta para ficar no Rio. Naquela época, setecentos cruzeiros (eu ganhava oitenta). Num almoço a três – eu, Aluízio e Acir Mera, do Globo - ele reagiu indignado com a proposta que o jornal de Roberto Marinho me fazia: - Quer prostituir profissionalmente o menino? Eu, timidamente, quis informar: Governador, eu só ganho oitenta e eles me oferecem 700. - Ganhava! Satisfeito, me imaginei ganhando 700 em Natal. Mas quando recebi 100 ao final do 1º mês da volta, não somente me convenci, depois das explicações de Aluízio de que havia sido aumentando, como que os cem de Natal valiam mais do que os 700 do Rio. E fiquei satisfeito. Descobriram um dia que, eu tinha vocação polivalente – ganhava para Cláudio Coutinho – seria a solução para o problema eterno da editoria da polícia. Woden, o autor da descoberta. E lá vou eu, solteiro, boêmio, cobrir a noite na Delegacia de Plantão de Plantão, estrategicamente localizada na Quinze, zona do meretrício. Ficava no Bar da Tripa, em frente a Delegacia, pra registrar a última chegada da viatura da RP. Numa delas, veio o mestre Luis da Câmara Cascudo que, ao se re-

cusar a ser corrigido pela polícia num local das Quintas profundas, onde fazia sua pesquisa folclórica/sociológica , foi trazido até a pedido seu, para a DP. Na sua santa ignorância, o cabo comandante atendeu. E aí o problema passou a ser do delegado de plantão, um tenente novo, que foi trazido às pressas, quase que de calças na mão, da alcova de uma amante garantida na Pensão Paris, pelo prestígio de sua função. - Depois das desculpas e ver o espinafrado em cima do cabo, o Mestre exigiu a volta ao local do crime, usando o mesmo transporte. E eu me “furei” voluntariamente, divertido com as cenas que havia em tão pouco tempo testemunhamento. E se não me arrependo disso, me arrependo de não ter sido irresponsável o suficiente, para aceitar o convite de acompanhá-lo de volta (...) (Woden) cobrava (resultados). Ele não dizia, apenas olhava. Olhar, eu acho, percussor desse olhar do professor meio amalucado do Planeta dos Homens, embora acrescido da “risada de desprezo”. E o que é pior: funcionava. (Até hoje não consegui na prática utilizar essa teoria). Ou essa prática na teoria, o que dá no mesmo. Vivia me cobrando. “Essa polícia não está funcionando. Faz tempo que não temos um bom assunto. Como é Abmael? Tem que fazer jus aos seus 20 cruzeiros a mais” (Ai sensibiliza né? 20 cruzeiros a mais? Naquela época valia dinheiro. Hoje é que não se faz dinheiro valorizado como antigamente!). Pressionado, criei. A Mulher que recebia marido morto depois de dez anos. - Marido morto aparece depois de dez anos e encontra mulher casada. Olha o sucesso! Aí, Woden, cobrando: “quero suíte (continuação) e fotos”. Quanto a primeira parte, tudo bem. Janete Clair não amarra a minha chuteira pra criar, mas já a segunda pedida estava fora do meu alcance. Mesmo porque o Anderson

Lino não podia ajudar. Fotografar, tá certo, mas criar, nunca entrou na sua seara. Dois dias ainda aguentei a peteca, me explicando com ele pela falta de fotos. Quando o cerco se fechou mais, mandei o marido de volta e fiz com que a mulher continuasse com o marido atual, que chegou a abdicar do seu direito em favor do que voltava. No final, ficou todo mundo satisfeito, menos Woden que até hoje me cobra essas fotos (...) Da minha turma, hoje, resta pouca gente. Um deles é o Nathanael Virginio, que de notícia – era um menino vendedor de bombons na calçada do Banco do Brasil, 13 ou 14 anos, eu acho, naquela época, mas que lia Kafka, Niestch, Satre, Freud, etc, virou catador de notícias, por invenção da turma na redação. Para fugir da rotina, começou na reportagem policial. E eu me lembro, nitidamente, da primeira missão jornalística de Nathanias: aparecerá um cadáver de mulher na praia, então deserta, Cotovelo e ele foi lá, cobrir. Na volta, essa beleza de texto: - O cadáver encontrado ontem na Praia de Cotovelo , dava sinais evidentes de que havia tomado banho recentemente. E depois de autopsiado, deslocou-se para o necrotério. E nada mais escreveu, nem lhe foi cobrado. Em dez anos passados na casa, vi passar muita gente. Aqueles que a gente sentia logo que dava e outros que desistiam por si só. Assim nesse período, foram colegas meus o Hélio Cavalcanti, o Marcos Aurélio de Sá, Wellington Medeiros e João Batista Machado, o Antônio Melo, e sim, o Lula. O vereador Luis Sérgio. Esse era uma parada. Não havia quem fizesse o Lula escrever uma matéria com mais de dez linhas. Precisava se ver o jogo dos copy desks, empurrando de uma pra outro, sem ninguém querer as matérias de Lula. Mas um dia alguém teve uma ideia luminosa:

- Manda Lula fazer uma entrevista com Aluízio. Quero só ver ele chegar aqui com dez linhas de matéria. Quem apostou nessa tese, ganhou. Lula, finalmente, trouxe uma matéria com mais de dez linhas. Três horas depois de entrevistar Aluízio, trouxe 15 linhas. Pô, Lula, só quinze linhas? É que eu já trouxe copidescada. Uma vocação que se perdeu em benefício da política... Nem tudo foi flores nestes dez anos. Houve, e como houve, a época das vacas magras. Pagamento a gente perdia a noção da periodicidade: de quinzenal passou a ser mensal, a trimestral e perdeuse no tempo e no espaço. Lourdes, a tesoureira, e Djalma, o gerente, uma das muitas invenções de Agnelo, eram campeões de popularidade, na redação. Nós debitávamos a eles toda a situação. Até que resolvemos fazer uma greve. Ana Maria Concentino, em meu nome, já que como editor interino, não podia assumir, foi a líder. Um movimento que tinha tudo pra ser vitorioso. Azar nosso foi Aluízio se encontrar na paróquia. Mandou chamar todo muito no seu escritório lá em cima do Banco Real e foi aquele papo. - Dinheiro mesmo ninguém recebeu. Mas, em compensação saiu todo mundo rico em perspectivas. Tinha até nego querendo comprar Mustang por conta. Quem não se lembra do prédio de tantos andares que Aluízio sempre prometia construir? Andar pra redação, andar pra rádio, andar pra televisão, andar para direção e uma sirene. Que era pra anunciar os grandes assuntos que dariam manchete no dia seguinte. E eu estou vendo que afora a TV, que está vindo por aí, e a sirene (que deve ter sido ultrapassada no tempo) o edifício foi construído. Só que na horizontal. Ah, sim, teve o caso da Frontfead (é assim que se escreve?). Uma firma que a Tribuna contratou pra ajeitar as coisas. No ca-

so, organizar. Pois bem: três meses depois, nada. Ai, aparece que foi Agnelo - ou já foi Zé Gobat? - cobrou o homem. - Como é que é? - O problema está só em encontrar o epicentro. Engraçado, agente tava ali o tempo todo e nem sabia o que era aquilo e o homem queria encontrar em três meses. Foi devidamente dispensado, com os agradecimentos penhorados dos Desorganizadores Futebol Clube (...) Nessa corrida, quatro ficaram no meio do caminho: o velho Lauro, o bom Berilo, o gênio Sebastião Carvalho e o diretor Alexis. Por motivos vários diferentes era muito ligado a todos, ao velho Lauro, por uma efetividade nascida nas batalhas com a oficina, por ter nele sempre um aliado leal e sempre disposto aos sacrifícios que as nossas limitadas condições técnicas exigiam. E eu conseguia trazer o velho Lauro para dialogar comigo, como se não existisse uma diferença de idade de quase quarenta anos. Berilo, é chover sobre o molhado, falar sobre ele. Guardo dele o desligamento pelas coisas fúteis da vida. Aos valores que muitos davam e que ele não conseguia encontrar em certas coisas. E poderia, de Berilo, até contar o episódio em que ele foi suspenso, pela primeira vez – e talvez a única, na sua carreira jornalística, ao tentar, de porre, cobrir uma falha minha: a produção do Grande Jornal B-5, na Poti. (Eu mais de porre ainda não pude chegar lá e Birilo foi para o sacrifício). Ele foi suspenso e os locutores premiados, por terem conseguido ler a algarrávia que ele produziu. Já sebastião, sempre o respeitei e admirei por sua capacidade. Malandro, durante muito tempo, segurou só pra só, a condição de único diagramador do jornal. Com isso não somente se garantia no emprego, como garantia também os porres, sempre dispensados em função do 2que ele representava para o jornal. Morreu de uma maneira violenta, mas coerente com a vida que resolveu assumir. O que, em absoluto, não obscurece seus inegáveis méritos. Do último – Alexis – é muito difícil pra mim falar. Era meu irmão afetivo. Menos por destino e mais por escolha. Era, inclusive, um dos meus dois filhos profissionais de que assumo a paternidade. Começou pelas minhas mãos e seguindo a minha orientação, até chegar a um ponto em que o professor , orgulhoso,l tinha que render homenagem ao talento do ex-aluno. Foi-se também estupidamente, de maneira revoltante. As drogas consumiram um dos maiores talentos jornalísticos que o nosso meio já produziu. Ei, gente, não dá pra se jogar uma bomba de hidrogênio em cima desses traficantes de drogas? Ou convocar Henfil para uma praga daquelas? O outro meu filho jornalístico, Carlos Morais, está aí. Meu filho, meu primo, meu irmão. Um dos dois que pedi a Agnelo pra compor a minha equipe, quando convidado recentemente, pra reassumir a Editoria de Esportes do novo jornal. Não fui, ele foi, e Alexis não pôde ir. Daqui de Belém, em O Liberal, acompanhado a nossa TN à distância. Me fazendo presente em pensamento, já que fisicamente estou comprometido com Rômulo Maiorana. E a quem vou representar nessa festa de inauguração do off-set, uma festa que é muito minha pelo que passei esperando por ela. (Abmael Morais – Tribuna do Norte – 17 de outubro de 1979).


20

Natal • Rio Grande do Norte Quarta-feira • 24 de março de 2010

ESPECIAL 60 ANOS

“Que bom que o jornal de papel existe. Ele faz parte de um estilo de vida que não vai se acabar”.

o leitor ASSINANTE ESTÁ COM A TRIBUNA HÁ DÉCADAS

leitor está para o jornal como a torcida para o time de futebol – é a sua razão para exestir. Como toda a torcida tem seu representante mais antigo e fiel, o jornal tem seu leitor mais constante. No caso da TRIBUNA, leitores há muitos – entre eles, José Miqueias Antas Gouveia, professor universitário e servidor federal aposentado, há mais de 20 anos assinante do jornal. Indiferente à Internet cuja escalada global promove uma revolução sem precedentes na informação, José Miquéias mantem a predileção por impressos. Ele assina dois jornais e uma revista de circulação nacional. E a TRIBUNA está entre os seus hábitos mais antigos. “Se as pessoas resolverem trocar tudo pela internet, vão deixar de ir à biblioteca, parar de ver tevê, deixar de comprar livros e não sair mais da frente da telinha”, diz. Por isso mesmo, acrescenta: “Que bom que o jornal de papel existe, pois ele faz parte de um estilo de vida que não vai se acabar tão cedo”. Que o diga Francisco Laércio Bezerra, que em 1972, ao 17 anos, comprou a banca de revistas Tio Patinhas, na Avenida Rio Branco, entre as mais antigas do centro da cidade. Hoje, com 56 anos, Laércio madruga todos os dias, com a TRIBUNA batendo à sua porta. “Às 5 e meia da madrugada ela já está empilhada na frente da banca, sem nunca ter falhado”, diz o empresário que lembra de todos os encontros informais já mantidos com dois ilustres fundadores do jornal, Aloizio Alves e José Gobat. Em comum entre o leitor José Miquéias e o dono de banca Laércio, a ausências de problemas. “Nunca deixei de receber a TRIBUNA em casa nesses anos todos”, diz o professor. “Não me lembro de te não ter recebido a TRIBUNA nesses 38 anos em que sou dono de Banca”, completa Laércio. Em ambos, a crença de que a confiança das pessoas em páginas escritas continua mais firme do que nunca. “Ainda há muito espaço para o jornal impressa, aquele que espera a gente na porta todos os dias de manhã”, diz Miquéias. E, com a mesma simplicidade, completa: “Dizem que o CD e DVD pirata acabaram com a indústria fonográfica e cinematográfica, mas hoje é a internet que está derrubando a pirataria”.

O


viver FILME NA TV A "Super Tela" exibe o filme inédito "Juno".No ar,às 23 h, na Record. PÁGINA 2

OPINIÃO Prof.Carlos Newton Jr.escreve em defesa da Cooperativa Cultural Universitária. PÁGINA 2

LIVRO Lisbeth Lima lança hoje na Aliança Francesa o novo livro “Vasto”. PÁGINA 2

PÓS-CONFERÊNCIA

Ked Mendes e Nil Moura fazem balanço do circo e do artesanato potiguar. PÁGINA 3 TURNÊ Moby desembarca no Brasil, em abril,com turnê “Wait For Me”. PÁGINA 5

SHOW Rodrigo Maranhão se apresenta pela primeira vez no TAM,no aniversário de 106 anos. PÁGINA 2

Editora: Cinthia Lopes e-mail: cadernoviver@tribunadonorte.com.br

NATAL | RIO GRANDE DO NORTE Quarta-feira | 24 de março de 2010


2 | Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte

viver

Quarta-feira | 24 de março de 2010

[ LANÇAMENTO ] Autora paraibana Lisbeth Lima lança hoje em Natal, em noite poéticamusical, na Aliança Francesa, seu quarto livro de poemas “Vasto”, pelo Sebo Vermelho

[ MÚSICA ] Cantor e compositor carioca, de

raízes potiguares, apresenta show “Bordados” DIVULGAÇÃO

Síntese das imagens nos poemas de Lisbeth Lima MARIA BETÂNIA MONTEIRO repórter

s esquinas de Natal, repletas de poetas-profetas dos sentimentos humanos, não só contagiam os leitores como também faz surgir novos poetas a todo instante. Foi assim que aconteceu com a paraibana Lisbeth Lima, doutoranda em Literatura Comparada, na UFRN. Lisbeth foi fisgada pelo lirismo potiguar e lança em Natal seu quarto livro de poemas “Vasto”, pelo Sebo Vermelho. “Considero-me poeta potiguar porque foi aqui no Rio Grande do Norte que vim publicar meus poemas”, diz Lisbeth e não esconde o orgulho de percorrer o mesmo caminho de Zila Mamede, outra paraibana. O lançamento acontece no hall da Aliança Francesa, hoje às 19h. Na ocasião haverá apresentação da cantora mineira Lysia Condé e do violonista Elio Perez, trazendo para o público o melhor da música brasileira. “Ela pensava que estava num plantio/ vasto e violeta, que não terminava nunca/ Era possível sentir o cheiro/ daquele campo sagrado de flores/ de minúsculas inflorescências perfumadas”, estes versos do poema “Lavan-

A

da”, segundo Lisbeth são o ponto de partida para sua obra. “Vastos é feminino sem ser feminista”, diz a autora. O livro trata em versos, das coisas do cotidiano, que segundo Lisbeth, pode ser o de todos nós. O livro é dedicado a “Seu Davi”, encadernador há 20 anos, ele trabalha na rua Dr. Barata na Ribeira e ensinou a poeta o seu ofício. A ele, Lisbeth dedicou um poema chamado rua Dr. Barata, que versa sobre livros, tempo e gratidão. Os poemas, segundo a poetisa são imagéticos, ou seja, são uma tentativa de colocar em palavras, uma imagem capturada com os olhos ou mesmo forjadas pelos sentimentos, como pode ser visto no poema “Luxo”. Nele a poeta escreve: “As pérolas verdadeiras, nos brincos/ deixaram há muito o mar/Mas vieram parar nas orelhas/conchas/que em ondas/ressoam cantigas de lá”. “Como sou graduada em jornalismo, faço uso constante das imagens e da síntese”, diz Lisbeth. De acordo com a poetisa, ela lan-

ça um olhar diferente sobre os fatos e escolhe as melhores palavras para descrevê-los. Uma característica, que, aliás, perpassa toda a sua obra. O primeiro livro de Lisbeth, “Dormência” foi lançado pelo Sebo Vermelho após ter recebido o prêmio Othoniel Menezes em 2001. O livro, que é uma reunião de 60 poemas, fala dos sentimentos calçados nas memórias de infância, na maternidade. Os poemas, segundo a autora são considerados sementes, por tratarem do primeiro da vida humana. E é justamente Dormência, que inaugura a trilogia da autora. “Felice”, lançado em 2004 e “Romã”, lançado em 2008 são os outros dois títulos da trilogia. Em Felice a autora fala exclusivamente de amor. Vivida a infância em Dormência, a autora fecunda o amor com Felice e em Romã expõe o resultado dos sentimentos engendrados. “Dormência é a semente; Felice, a flor; e Romã, o fruto”, explica Lisbeth. Lisbeth Lima é graduada em

jornalismo pela UFPB, universidade que também lhe concedeu o título de mestre em Biblioteconomia. Na UFRN a poeta desenvolve tese de Doutorado, na linha de pesquisa em Literatura Comparada, sob orientação do professor Francisco Ivan. Vasto será distribuído nas livrarias de Natal e também estará disponível no Sebo Vermelho. O livro custa R$ 20,00. SERVIÇO Lançamento “Vasto”, de Lisbeth Lima.Hoje,19h,no hall da Aliança Francesa de Natal - rua Potengi,459 - Petrópolis. DIVULGAÇÃO

Maranhão canta no palco construído pelo seu bisavô

Rodrigo Maranhão faz show na festa do TAM cantor, compositor e instrumentista carioca Rodrigo Maranhão, se apresenta em Natal pela primeira vez, numa noite entre sentimento e música. Bisneto do ex-governador e patrono do TAM, AlbertoMaranhão, Rodrigo sobe ao palco às 19h. A noite marca o aniversário do teatro, que completa 110 anos de história. No palco o artista, o violão e suas memórias. “O Show será bem intimista. Levarei apenas o violão e cantarei as músicas do disco ‘Bordado’ e algumas do novo disco”, disse Rodrigo em entrevista publicada aqui no VIVER, semana passada. As músicas inéditas, que serão apresentadas ao público natalense fazem parte de seu novo disco “Passageiro”, que está em fase de reprodução e deve ser lançado nacionalmente entre os meses de abril e maio. O disco segue a mesma linha do anterior, que é um trabalho livre do cantor e compositor. Passageiro traz um pouco de samba, xote, coco e tantos outros ritmos do caldeirão cultural, chamado Rio de Janeiro. “Fiz este disco com minha rapaziada”, disse. Já o disco de estreia – “Bordado” (MPB/Universal) – Rodrigo Maranhão reúne canções que compôs ao longo de sua carreira.

O

JUNIOR SANTOS

Paraibana com o coração potiguar, Lisbeth lança novo livro em Natal

Entre elas “Caminho das águas” e “Recado” (ambas gravadas por Maria Rita), “Olho de Boi” (por Roberta Sá) e “O Osso” (gravada pela estreante Anna Luisa). O primeiro disco do cantor é um disco autoral com assinatura de compositor onde Rodrigo apresenta de modo intimista a música crua como veio ao mundo. “É um disco artesanal, manufaturado”, expõe. “Bordado”, que prioriza a voz suave e o violão do compositor, é um disco de Música Popular Brasileira: o músico descarta de seu repertório tudo que não seja MPB. O compositor que conquistou grande respeito no meio artístico e recentemente ganhou o Grammy de melhor canção brasileira de 2006 por “Caminhos das Águas” (gravada no segundo disco da cantora Maria Rita) começou a despertar curiosidade ao ser gravado por Ryta de Cássia em 1998. Entre as intérpretes de Maranhão estão Verônica Sabino, Fernanda Abreu, Zélia Duncan, Maria Rita, Roberta Sá e Anna Luísa. SERVIÇO Show Rodrigo Maranhão - hoje, 19h, no TAM. Informações: (84) 3222-3669 / 3232-9704

[ OPINIÃO ] Carlos Newton Júnior - professor da UFPE e ex-presidente da Cooperativa Cultural

A nossa Cooperativa Cultural á três anos morando longe de Natal, venho recebendo notícias – ora através dos jornais, ora através de amigos, em uma ou outra passagem pela cidade – que têm me deixado profundamente triste. Notícias sobre a nossa Cooperativa Cultural Universitária. O “nossa”, aqui, é apenas modo de dizer. Não estando mais vinculado à UFRN, perdi, consequentemente, a condição de sócio da Cooperativa. Mas é que tenho pela Cooperativa uma afeição tão grande, construída ao longo dos dezessete anos em que lecionei na UFRN, seis dos quais exercendo a função de presidente do seu conselho administrativo, que ainda não me acostumei a tratá-lo de outra maneira. Daqui, do Recife, ainda me sinto como se estivesse fazendo parte do seu quadro societário, e é nesse sentido que escrevo esse artigo (eu que sempre detestei polêmicas pelos jornais), numa espécie de apelo a todos os sócios de bom senso. Ao longo dos seus mais de trinta anos de existência, a Cooperativa construiu uma tradição de

H

diálogo com os seus sócios e com toda a comunidade acadêmica da UFRN, uma tradição que, pelo visto, está se dissolvendo como sal na água. Foi essa tradição que procurei honrar, à frente do conselho administrativo da instituição. Posso não ter sido um bom presidente. Mas ninguém poderá me acusar de ter tomado qualquer atitude sem consultar os membros do conselho, os sócios mais presentes, os clientes da nossa livraria e, sobretudo, os nossos funcionários, que sempre procurei integrar a Cooperativa à UFRN, fazendo com que os membros da comunidade acadêmica – sócios ou não – participassem, na medida do possível, dos nossos projetos, ajudando-nos em nossas decisões. Adotemos de vez a primeira pessoa do plural e fiquemos num único exemplo: certa vez, quando decidimos modernizar a loja, solicitamos o apoio do laboratório de ambientação do Departamento de Arquitetura, para que os estudantes, devidamente orientados pelos seus professores, pudessem elaborar o projeto, enriquecendo sua experiência acadêmica com um trabalho a mais no

ARQUIVO TN

Cooperativa Cultural precisa da união de seus associados

campo da prática. Em contrapartida, compramos alguns equipamentos de que o laboratório necessitava, como forma de pagamento pelo trabalho realizado. Ora: na condição de arquitetos, tanto eu quanto o então vice-presidente, meu querido amigo Fernando Costa, poderíamos ter realizado tal projeto, sem consultar absolutamente ninguém. Não foi esta, porém, a nossa opção. Preferimos fazer da Cooperativa um campo de estágio para os estudan-

tes de arquitetura – como já havíamos feito antes, aliás, com os estudantes de Cooperativismo, que recebíamos semestralmente para estagiarem conosco. Ao que parece, a atual administração da Cooperativa vem adotando temos visto ocorrer nos últimos dois ano? Funcionários com anos de casa demitidos sem qualquer motivo; decisões intempestivas e sem qualquer planejamento, tomadas no calor da hora; ações que têm colocado em ris-

co, inclusive, a saúde financeira da Cooperativa. Sem a menor necessidade, a logomarca da instituição foi modificada, logomarca cujo desenho, agora, curiosamente, lembra uma pizza. A marca já havia sido modernizada em nossa gestão, por ninguém menos do que Elizabeth Raulino, referência, em Natal, no campo da programação visual. Ressalte-se que Elizabeth tomou partido dos dois pinheiros que são a marca universal do cooperativismo. A administração atual esqueceu-se disso – como, aliás, parece ter esquecido de que a Cooperativa é uma cooperativa. Para completar, perdemos Luiz Damasceno. Um dos maiores livreiros em atividade no país (não custa repetir: no país) não aguentou e pediu as contas. Precisaria dizer mais? A mais recente noticia dá-nos conta de que a atual administração pretende encerrar as atividades da Cooperativa no turno da noite. Mais do que um contra-senso, uma vez que a UFRN vem ampliando a oferta de vagas nos cursos noturnos, tal decisão, se colocada em prática, fere frontalmente um dos princípios

da parceria que a Cooperativa mantém, desde a sua origem, com a UFRN. Lembramos que a Cooperativa recebe da administração central da UFRN incentivos substanciais para que atenda, da melhor maneira possível, a todos os membros da comunidade acadêmica – o que inclui, evidentemente, os alunos do turno da noite. Volto, então, à primeira pessoa do singular e à ideia inicial exposta nessas linhas tão atropeladas e escritas após muita hesitação – afinal de contas, conheço alguns membros do atual conselho e os tenho na condição de amigos. Faço um apelo aos sócios para que se posicionem em relação a tudo isso. A eleição dos novos conselhos (administrativo e fiscal) será no dia 30 de março. Li, na TRIBUNA, que alguns sócios, certamente aqueles que compartilham essas preocupações, se movimentam para apoiar o retorno do ex-presidente José Wellington Germano. Sem querer menosprezar qualquer outro nome que possa surgir no decorrer do processo eleitoral. Wellington é um nome excelente para reconduzir a Cooperativa ao caminho que ela infelizmente abandonou.


Quarta-feira | 24 de março de 2010

viver

Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte | 3 FOTOS:ELISA ELSIE

Ambulantes

da arte MARIA BETÂNIA MONTEIRO repórter

falta de reconhecimento do trabalho de artistas circenses e artesãos no Rio Grande do Norte impulsionou dois representantes da cultura local à defesa destes seguimentos artísticos nacionalmente. Nil Moura, artista circense, diretor do Circo Grock e da Escola Potiguar das Artes do Circo, e a artesã Ked Mendes foram

A

“Circo é patrimônio cultural”

De acordo com Nil,o Plano Diretor de Natal não prevê espaços destinados aos circos de grande porte.

um circo”, afirma Nil e completa “o circo vai aonde o povo está”. Aimportância dos circos, naturalmente percebida pela população antes do desenvolvimento dos grandes centros de compra e lazer, retorna com o olhar lançado por pesquisadores das universidades, mas este também é um processo lento. O Rio Grande do Norte é praticamente anônimo em matéria de circo. “É como se não existisse o circo do RN para o Brasil”, conta Nil Moura. Segundo ele, a Fundação Nacional de Artes – FUNARTE — tinha apenas os registros do Circo Grock e da Tropa Trupe. A constatação veio quando Gena Leão, artista que interpreta a palhaça Ferrugem, parceira de Nil dentro e fora das lonas, fez inscrição para participar de um encontro nacional de palhaças no ano passado. “Ninguém lá fora sabe qual é a cara do nosso circo”, disse ela, na ocasião. De acordo com o membro do Conselho

os dois representantes da cultura do Rio Grande do Norte escolhidos para definirem, junto ao Ministério da Cultura – MINC, as políticas públicas culturais do Governo Federal. A escolha feita durante a II edição da Conferência Nacional de Cultura, ocorrida entre os dias 11 e 14 de março, em Brasília, repercute de forma incisiva na produção cultural do Estado, nos setores do circo e do artesanato. O VIVER conversou com os dois representantes, que falaram sobre a produção cultural local e a pauta dos novos projetos.

KED MENDES

NIL MOURA

Nil fala que o circo deve ser considerado como patrimônio cultural da humanidade. Ele lembra que o circo é batizado como a mãe de todas as artes, e que antes do surgimento dos grandes veículos de comunicação ditos de massa, era o circo quem levava para o público a música, a dança, o esporte e até o zoológico. “A cidade tem igreja, tem praça, tem teatro; então a cidade também precisa ter

APÓS REPRESENTAR O RN NA CONFERÊNCIA DE BRASÍLIA,A ARTESÃ KED MENDES E O DIRETOR DO GROCK,NIL MOURA,SE UNEM EM BUSCA DE UM MELHOR FUTURO PARA A ARTE CIRCENSE E O ARTESANATO

de Cultura do Ministério da Cultura, um dos motivos dessa ausência é a falta de articulação política no setor. Para o artistam o Rio Grande do Norte é um dos Estados menos articulados do País com relação à arte circense. “O RN está numa posição inferior à Pernambuco, que já tem uma política pública delineada. Lá já existem editais voltados exclusivamente para o circo”. Nil Moura explica que, de forma geral, as decisões públicas de favorecimento ao circo são incipientes em todo o país. “É claro que no Rio de Janeiro e em São Paulo é um pouco diferente. Como nestes Estados existem escolas de circo de grande porte, cooperativas e associações, a difusão da arte acaba sendo maior”. PLANO DIRETOR NÃO PREVÊ A ATUAÇÃO DE CIRCOS A falta de espaço para a atuação de circos é um grande problema. De acordo com Nil, o Plano Diretor de Natal não prevê espaços destinados aos circos de grande porte. “O Brasil tem mais de 2 mil circos registrados. Destes, 80 são de grande porte. São circos para um público de 4 mil pessoas por exemplo. E nenhum destes circos chega em Natal, simplesmente porque não cabe no Largo do Machadão”. Mas a falta de espaço não inviabiliza apenas a rotatividade de circos de grande porte em Natal. Também a fixação de espaços destinados ao pensar circense, como o próprio Circo Grock, do é diretor. O Grock é um exemplo desta falta de planejamento dos espaços públicos. Abriga a Escola Potiguar das Artes do Circo (Epac) mas foi removido de Candelária no final do ano passado por estar em lugar de área verde. Hoje, o circo está no prolongamento da Pudente de Morais. Nil Moura fala que o seu trabalho estará focado na educação. Ele pretende, junto a outros artistas circenses, criar um programa para promover a reciclagem, mas antecipa não ser um trabalho de colonização. “Faremos como um diretor de teatro, que procura limpar a peça”.

“Artesanato não é só trabalho e renda” O Artesanato, que anteriormente era visto como uma atividade de geração de renda passa a ser compreendido como atividade cultural, como explica Ked Mendes. Segundo ela, o fato de o Ministério da Cultura ter abarcado a atividade, nesta última conferência nacional é motivo de grande comemoração. Ked Mendes explica que o olhar para o artesanato apenas do ponto de vista econômico, facilita uma rápida desconfiguração do fazer artístico. Pois o comércio acaba interferindo não só ao determinar as características dos produtos, como também de seu modo de produção. Sendo agora uma cadeira do Ministério da Cultura, o artesanato terá um longo caminho a percorrer em uma nova estrada. Para Ked, é preciso de certa forma resgatar o artesanato, como sendo uma arte, um modo de fazer aprendido e repassado para diversas gerações. “Artesanato não é trabalho e renda. Artesanato é cultura”, diz Ked Mendes. ONDE ESTÁ O ARTESANATO POTIGUAR? A produção local de artesanato tem sido nestes últimos anos, engolida pelos estados vizinhos. Segundo Ked Mendes, nas feiras fixas de artesanato em Natal, como a do Centro de Turismos e a de Ponta Negra (que fica na praça que dá acesso ao conjunto residencial) os produtos comercializados são adquiridos na Paraíba, no Ceará e em Pernambuco. “Até a areia colorida, que surgiu nas praias de Tibau passou a integrar o artesanato cearense”, conta ela, concluindo que “no Estado podemos falar exclusivamente das bordadeiras de Caicó, que resistiram ao industrionato”. O local fixo para escoamento do artesanato norte-rio-grandense era o

Centro de Artesanato Papa-Jerimum, em Petrópolis. Segundo Ked o local esta fechado e não tem previsão para ser aberto. A única forma de escoamento do artesanato seriam as grandes feiras. “Acontece que as feiras não acontecem durante o ano todo e como fica os artesãos nos meses que não tem feira?” questiona.

ATIVIDADE NÃO É REGULAMENTADA Outro problema enfrentado pelos artesãos é a falta de regulamentação profissional da atividade. Segundo Ked existe um projeto de regulamentação, mas há dez anos ele está parado.

Até a areia colorida, que surgiu nas praias de Tibau, passou a integrar o artesanato cearense” KED MENDES artesã

Ked Mendes já comemora a participação do artesanato como riqueza cultural e não mais como comércio


4 | Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte

Hoje na TV

viver

Quarta-feira | 24 de março de 2010

Canal ZAP Flávia Cirino E-mail para esta coluna: canalzap@cartaznoticias.com.br

DIVULGAÇÃO JORGE RODRIGUES JORGE/CZN

GLOBO 05h00-Telecurso Educação Básica 05h15-Telecurso Profissionalizante 05h35-Telecurso Ensino Médio 05h50-Telecurso Ensino Fundamental 06h05-Sagrado 06h07-Globo Rural 06h25-Bom Dia RN 07h15-Bom Dia Brasil 08h08-Radar 08h13-Mais Você 09h37-Globo Notícia 09h41-TV Globinho 12h00-RN TV - Primeira Edição 12h45-Globo Esporte 13h15-Jornal Hoje 13h45-Vídeo Show 14h30-Vale a Pena Ver de Novo 15h45-Sessão da Tarde - A Herdeira da Máfia 17h32-Globo Notícia 17h35-Malhação ID 18h05-Cama de Gato 18h55-RN TV - Segunda Edição 19h10-Tempos Modernos 20h15-Jornal Nacional 20h45-Viver a Vida 21h30-Big Brother Brasil 21h35-Futebol 2010 23h50-Jornal da Globo 00h25-Programa do Jô 01h30-Intercine - Escolha o filme

■ O “Cinema em Casa”exibe a animação “O Gigante de Ferro”. No ar às 14:15 h, no SBT.

Foi bem O “Proteste Já”, do “CQC”, da Band.O quadro foi conciso e sério do início ao fim.

Foi mal

“Fantasminha” nada camarada

A luta livre que passa nas madrugadas da Rede TV!. Violento e exagerado. Não há justificativa para mantê-lo com uma audiência baixíssima.

Em “Bela, A Feia”, Bela, de Giselle Itié, entra escondida na clínica psiquiátrica onde Olga, interpretada por Ângela Leal, está internada e se disfarça de enfermeira. Ela vai ao quarto da governanta e a ameaça, exigindo que ela pare de pressionar Rodrigo, de Bruno Ferrari, para que ele volte com Cíntia, vivida por Carla Regina. Olga se apavora ao ver Bela na sua frente e diz para a “assombração” ir embora. Bela sai, mas avisa que irá atormentar Olga para o resto da vida, caso ela não faça o que ela está mandando. A cena está prevista para ir ao ar hoje.

BAND 07h00-Primeiro Jornal 08h00-Band Kids 10h00-Dia Dia 11h15-Jogo Aberto 12h30-Local 15h00-Boa Tarde 16h00-Márcia 17h30-Brasil Urgente 18h50-Local 19h20-Jornal da Band 20h15-Quase Anjos 21h00-Show da Fé 21h30-Futebol 2010 23h45-Apito Final 00h15-Jornal da Noite 01h00-A Noite é uma Criança 02h15-Vida Vitoriosa

RECORD 06h30- Direto da Redação 07h20-SP no Ar 08h30-Fala Brasil 09h30-Hoje em Dia 12h00-Record Notícias 14h30-Tudo a Ver 16h00-Jogos Sul-Americanos de Medellin 18h30-SP Record 20h10-Jornal da Record 21h00-CSI Investigação Criminal 22h00-Bela a Feia 23h00-Super Tela: Juno

SBT 06h00-Jornal do SBT - Manhã 07h00-Auto Show 08h00-Carrossel Animado 09h00-Bom Dia & Cia 10h45-Repórter Cidadão 11h00-Tudo de Bom 11h30-60 Minutos 12h20-Patrulha da Cidade 13h20-Jornal do Dia 14h00-Versátil 14h15-Cinema em Casa 16h00-Série - Chuck 17h00-Casos de Família 18h00-Programa do Ratinho 19h15-Jornal do Dia 2ª Edição 19h30-SBT Brasil 20h15-Novela - Uma Rosa Com Amor 21h15-Série - Smallville 21h50-Boletim de Ocorrências 22h00-Esquadrão da Moda 23h00-Um Contra Cem 00h15-SBT Repórter 00h30-Jornal do SBT - Noite 02h00-Série - OZ 02h45-Pegadinhas Picantes 03h15-TELE Seriados I 04h00-Encerramento

TVU 00h10-Sertão Glauber- Milagres/ O ano do Dragão 06h30-Telecurso TEC 06h45-Novo Telecurso- Ensino Fundamental 07h00-Novo Telecurso- Ensino Médio 07h15-Telecurso TEC 07h30-Interesse Público 08h00-Pingu 08h15-Little People 08h30-Cocoricó 09h00-Vila Sesamo 09h30-Jim no Mundo da Lua 10h00-Pink Dinky Doo 10h30-Jaker’s! As Aventuras de Piggley Winks 11h00-Pink Dinky Doo 11h30-Zoboomafoo 12h00-Repórter Eco 12h25-Jornal Visual 12h30-Notícias do Rio 13h00-A Turma do Pererê 13h30-Castelo Rá Tim Bum 14h00-Janelinha Janelinha 14h30-Um Menino Muito Maluquinho 15h00-Lá Vem Animação 15h15-Curta Criança 15h30-Clifford 16h00-Sem Censura 18h00-De Coração:Qualidade nos Tratamentos Intensivos. 18h30 TVU NOTÍCIAS 19h00-Café Filosófico:Márcio ValençaGeografia-UFRN 19h30-A Oriente do Oriente- Muita terra pouco índio. 20h00-Diversidade Cultural- Viva os Brincantes 1 20h30-Re-Corte Cultural 21h00-Repórter Brasil-ao vivo 22h00-Nordestinos- Recife 3 x 4- Frutas do Brasil 22h40-Diálogo Brasil 23h40-Conversa Afiada- Déa Trancoso

SIM TV 05h00-Igreja Mundial do Poder de Deus 06h00-Igreja Mundial do Poder de Deus Natal 07h00-Concessão 08h00-TV Criança 08h30-Leitura Dinâmica - Primeira Edição 09h00-Manhã Maior 11h30-Redetvesporte 11h55-Vida Boa - Ao Vivo - Apresentação Annie Majorie 13h00-Igreja da Graça RN 13h30-Ritmo Brasil - Reapresentação 14h00-Igreja Universal- Natal 15h00-A Tarde é Sua 17h00-TV Criança 17h30-Pokemon 18h30-Igreja Mundial do Poder de Deus Natal 19h00-Sim Esportes 19h22-Sim Notícias 19h45-TV Fama 20h45-Redetvnews 21h45-Superpop 23h30-Leitura Dinâmica 00h00-Programa Amaury Jr. 01h30-Interligado 02h45-Igreja da Graça Nosso Lar 04h45-Super Papo

■ “A TV Que se Faz no Mundo”vai mostrar que a televisão dos argelianos tem recordes de audiência quando o assunto é programas humorísticos. No ar às 20:30 h,na TV Brasil.

Flagra tardio inalmente, Helena, de Taís Araújo, vai descobrir que já foi traída em “Viver a Vida”. A modelo vai flagrar uma conversa entre Marcos, seu ex-marido vivido por José Mayer, e Dora, de Giovanna Antonelli. “Eles vão conversar sobre a paternidade do filho de Dora. Os dois vão dar de cara com a Helena e ela vai mandar os dois se calarem”, adianta Taís. Dora vai se desesperar e pedir desculpas aos prantos para a amiga, que vai responder: “Já ouvi o suficiente. Não tem mais nada o que dizer”. A cena está prevista para ir ao ar na próxima sexta.

F

Hoje nas novelas

■ A Globo exibe a partida Vasco x Americano.Em São Paulo a emissora transmite o jogo Bragantino x São Paulo. No ar às 21:35 h, na Globo. ■ A “Super Tela” exibe o filme inédito “Juno”. No ar às 23 h, na Record.

Resgate de personagem Depois de reclamar de sua relação com a Globo, Chico Anysio ganhará mais destaque no “Zorra Total”. O humorista ganhará o quadro “O Condomínio dos Vampiros”, onde encarnará seu antigo personagem Bento Carneiro.

Novos perfis Já está confirmado: esta temporada de “Malhação” termina em julho devido ao baixo ibope. Para a próxima fase da novelinha, Ricardo Hofstetter, autor, já definiu alguns personagens: um menino jogador de futebol, uma aspirante a modelo e um artista que fica famoso no mundo virtual.

Intimidade No próximo sábado, em “Viver a Vida”, Felipe e Renata, vividos por Rodrigo Hilbert e Bábara Paz, terão seu primeira noite de amor. O casal sai para tomar um suco depois de Renata ter bebido e perdido um trabalho. O aventureiro consola a atriz, que o chama para passar a noite em sua casa.

Ajuda de especialistas Luísa Parente e Virna, ex-ginasta e ex-jogadora de vôlei, respectivamente, assinaram com a Record. As duas vão integrar o time de comentaristas esportivos da emissora.

Cinema ★ RUIM ★ ★ REGULAR ★ ★ ★ BOM ★ ★ ★ ★ ÓTIMO ★ ★ ★ ★ ★ EXCELENTE lESTRÉIA

MALHAÇÃO Cissa pede para Arnaldo conseguir a bolsa de estudos.Cristiana fica animada ao ser convidada por Arnaldo para estudar em uma escola na Itália. Cissa diz a Bia que vai apoiar seu namoro com Bernardo.Victor explica algumas gírias para Tânia.Valentina incentiva Cristiana a seguir para a Itália.Bruno fica admirado ao ver Samira de saia. Nanda conta para Bernardo sobre a bolsa de estudos que Cristiana ganhou. CAMA DE GATO Consuelo conta a Alcino e Rose o que aconteceu com o marido.Verônica liga para seu advogado em Paris e manda que ele movimente sua conta no exterior.Alcino tenta beijar Rose,mas ela o manda embora.Geni avisa Verônica que já fez o serviço que ela mandou.Almeida fala sobre o que aconteceu com Jair e Antônio dentro de suas celas,e o delegado pensa em qual será a próxima vítima de Verônica. TEMPOS MODERNOS Hélia coloca Iolanda contra a parede.Deodora conversa com Niemann para tentar descobrir o que ele andou fazendo no observatório,mas ele não revela.Goretti diz a Faustaço que ele está proibido de ir à casa de Leal.Miranda coloca Iolanda contra a parede e a questiona sobre seus sentimentos em

relação a Leal.Nelinha mostra para Zeca a sua nova casa e ele fica enciumado ao saber que foi Renato quem o ajudou a encontrar o imóvel. UMA ROSA COM AMOR Claude avisa Dádi que casou.O empresário sente pena de Serafina.Janete diz a Egídio que Serafina vai chegar atrasada.Terezinha acha o cheque na bolsa de Serafina e descobre a verdade sobre o casamento.Amália vê o valor do cheque e se assusta.Serafina afirma para a mãe que recebeu o dinheiro honestamente e que vai usá-lo para comprar o casarão.Egídio reclama do atraso para Serafina.Claude a defende. VIVER A VIDA Mia e Isabel falam com Marcos sobre a viagem que pretendem fazer.Tereza vai ao salão de beleza se preparar para o jantar com Jean. Gustavo pede para Carú ligar para Malu e fica decepcionado ao ouvir que ela quer que ele se afaste definitivamente dela.Regina cuida de Renata.Isabel pergunta se Marcos sente ciúmes de Jean.Gustavo fica furioso ao ver que Malu colocou um cartaz na portaria da emissora para impedir sua entrada.Dora combina de se encontrar com Helena mais tarde.Dora fala com a Rafaela e avisa que só deve voltar para Búzios no dia seguinte.

Filmes na TV O GIGANTE DE FERRO SBT - 14h15 - Cinema em Casa Algo enorme está no horizonte.Hogarth Hughes, de 9 anos,há pouco salvou um robô que caiu das estrelas na terra.Agora o jovem Hogarth tem um amigo muito grande e um problema maior: Como manter em segredo um gigante de ferro com enorme apetite por carros de ferro-velhos? A HERDEIRA DA MÁFIA Globo - 15h45 - Sessão da Tarde EUA,2004.Brooke é uma criativa e desajeitada estudante de moda,cujo avô,um poderoso mafioso que ela sequer conhecia,deixa em suas mãos o controle dos negócios da família.Como se

não bastasse,o novo aluno de sua escola,por quem ela se interessa,é um agente do FBI que está disposto a destruir o seu recém adquirido império. JUNO Record - 23h00 -Super Tela Juno MacGuff (Ellen Page) é uma jovem de 16 anos que acidentalmente engravidou de Paulie Bleeker (Michael Cera),um grande amigo com quem transou apenas uma vez.Inicialmente ela decide fazer um aborto,mas ao chegar na clínica muda de ideia.Ela passa a procurar em jornais um casal a quem possa entregar o bebê assim que ele nascer,já que não se considera em condições de criá-lo.

★★ SIMPLESMENTE COMPLICADO (14 anos,legendado) Moviecom 1.Sessões 14h45,17h05,19h24, 21h45/Cinemark 3.Sessões 11h20 (sab/dom), 16h15,18h55,21h40, e 0h25 (sáb) Jane é uma mãe de três filhos que tem uma relação amigável com o seu ex-marido,Jake,após dez anos da separação.A convivência entre eles acaba se tornando um romance,sendo que Jake, no momento,está comprometido com uma moça. Agora,Jane vive um dilema,já que se tornou a amante de seu antigo marido.Direção:Nancy Meyers. ★ PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (Livre,dublado) Moviecom 2.Sessões 16h45,21h25/Cinemark 5. Sessões 11h (sab/dom),13h45. O arteiro Percy Jackson está encrencado na escola,mas esse nem de longe é seu maior desafio.Estamos no século 21,mas os deuses do Olimpo saem das páginas dos livros de mitologia grega de Percy e entram em sua vida.Zeus,rei de todos os deuses,acusa Percy de roubar seu raio,a primeira arma de destruição em massa.Agora, Percy tem de se preparar para a maior aventura de sua vida.Direção:Chris Columbus. ★★O AMOR ACONTECE (12 anos,legendado) Moviecom 2.Sessões 14h35,19h15/Cinemark 4. Sessões 12h35 (sab/dom),17h40,e 23h (sab) Burke Ryan (Aaron Eckhart) é um escritor viúvo, autor de um livro sobre como lidar com as perdas. Seu trabalho logo se torna um best seller,o que o torna guru da auto-ajuda.Em uma viagem a negócios para Seattle,ele conhece Eloise Chandler (Jennifer Aniston) e por ela se apaixona. Só que,ao assistir o seminário de Burke,ela percebe que na verdade ele ainda não conseguiu superar a morte da esposa.Direção:Brandon Camp. ★★★★GUERRA AO TERROR (14 anos,legendado) Moviecom 3.Sessões 13h50,16h25,19h,21h35. Oscar de Melhor Filme.Para um grupo de soldados americanos,alguns dias os separam do retorno para casa.As forças armadas precisam de especialistas não só nos campos de combate mas também no dia a dia,na proteção do grupo contra insurgentes que promovem atentados,matando milhares de cidadãos.Direção:Kathryn Bigelow. UM SONHO POSSÍVEL (10 anos,legendado)

Fique nos bastidores,posição mais vantajosa para você ocupar nestas semanas.Sem atrair a atenção para si,poderá ter a liberdade de pesquisar,sondar e se situar melhor no ambiente e ai,sim,tecer suas estratégias.Lua em Câncer solta a sua língua, cuidado com as palavras...

★★★★A ILHA DO MEDO (14 anos,legendado) Moviecom 7.Sessões 13h40,16h20,19h, 21h40/Cinemark 1.Sessões 11h50 (sab/dom), 14h50,17h50,20h50, e 23h50 (sab) 1954.Teddy Daniels (Leonardo DiCaprio) investiga o desaparecimento de um paciente no Shutter Island Ashecliffe Hospital,em Boston.Ele descobre que os médicos realizam experiências radicais com os pacientes,envolvendo métodos ilegais e anti-éticos.Teddy busca mais informações,mas enfrenta a resistência dos médicos em lhe fornecer os arquivos que possam permitir que o caso seja aberto.Quando um furacão deixa a ilha

Libra 23/09 a 22/10

Astral de oscilações pressiona bolas e economia;negócios acanhados e intenções ousadas.Lua cheia em Libra:29/3

Touro 21/04 a 20/05

l O LIVRO DE ELI (16 anos,legendado) Moviecom 6.Sessões 15h,17h20,19h40, 22h/Cinemark 7.Sessões 12h25 (sab/dom),15h10, 17h55,20h35,e 23h15 (sab) Num mundo pós-apocalíptico Eli (Denzel) é um homem solitário que tem de proteger um livro sagrado que pode conter a resposta para salvação da humanidade,mas como todo herói tem seu algoz nessa história não é diferente e para poder obter o livro,um tirano prefeito de uma pequena cidade (Gary Oldman) fará de tudo,mesmo que para isso tenha de matar Eli.Direção:Albert Hughes e Allen Hughes.

Atenção total ao desempenho profissional,a uma conversa com o chefe,a reunião com um cliente importante.Sinta o clima,suas antenas irão captar o necessário para que você se situe super bem.Simpatia e empatia essenciais agora! Cautela não atrapalha as escolhas,só ajuda!

Horóscopo Mantenha sua integridade e liberdade cuidando melhor dos deveres assumidos com parceiros, sócios e clientes.Cuide de sua casa,tenha tempo pra relaxar e ter um mínimo de aconchego ali. Reformas e modificações em planos prévios no setor doméstico.Ajustes e avaliações.

★★★LEMBRANÇAS (14 anos,legendado) Moviecom 5.Sessões 14h50,17h10,19h30, 21h50/Cinemark 5.Sessões 16h25,19h,21h30,e 0h (sab) Tyler Roth,um jovem rebelde de Nova York,tem uma relação tensa com seu pai, desde que uma terrível tragédia separou sua família.Tyler não acredita que alguém no mundo poderia entender o que ele sente até o dia em que conhece Ally, através de uma reviravolta incomum do destino. Direção:Allen Coulter.Com Robert Pattinson e Pierce Brosnan.

Gêmeos 21/05 a 20/06 Sínteses que são buscadas,mas o foco está difuso em mil assuntos diferentes concentre-se no campo material, financeiro,cotidiano,naquilo que depende apenas de você cuidar,pessoalmente.Planos pessoais dependem disso de uma maneira muito poderosa e misteriosa.

Câncer 21/06 a 21/07 Chamamento profissional mais e mais forte atordoou,mas hoje você já pode dizer que se lembra de seus objetivos principais,e de como eles realmente espelham suas intenções originais. Sem violentar sua integridade! Cuide de si hoje, dando-se momentos de quietude.

sem comunicação,diversos prisioneiros conseguem escapar e tornam a situação ainda mais perigosa.Direção Martin Scorsese. ★★★ A GAROTA DE MÔNACO (16 anos,legendado) Cinemark 3.Sessões 14h. Mônaco.Bertrand Beauvois é um famoso advogado,que chega acompanhado de seu guarda costas Christopher Abadi com o objetivo de defender um criminoso.Logo ele conhece Audrey Varella,uma garota sexy pela qual fica fascinado.Cada vez mais seduzido por ela, Bertrand deixa de ouvir os conselhos de Christopher e se envolve em uma grande armadilha.Direção:Anne Fontaine. ★★ IDAS E VINDAS DO AMOR (14 anos,legendado) Cinemark 4.Sessões 115h,20h05. Em ‘Idas e Vindas do Amor’, dez diferentes histórias de pessoas comemoram o Dia dos Namorados em uma interseção em Los Angeles.Direção: Garry Marshall. ★★★ AVATAR (10 anos,dub/leg) Cinemark 6 3D.Sessões 20h55,e 0h10 (sáb) Jake Sully ficou paraplégico após um combate na Terra.Ele é selecionado para participar do programa Avatar,onde poderá voltar a andar.Os avatares são híbridos geneticamente produzidos de DNA humano e DNA dos nativos de Pandora,os Na’vi.Renascido em sua forma avatar,Jake consegue voltar a andar.Ele recebe a missão de se infiltrar entre os Na’vi,que se tornaram obstáculo à extração de um precioso minério.Ocorre que uma bela Na’vi,Neytiri,salva a vida de Jake,o que muda tudo.Jake é acolhido pelo clã de Neytiri,e aprende a ser um deles depois de passar por vários testes e aventuras.O relacionamento de Jake com Neytiri se aprofunda,e ele passa a respeitar o jeito de viver dos Na’vi,e por fim passa a ocupar seu lugar no meio deles.Direção:James Cameron. ★★★★ TOY STORY 2 (Livre,dublado) Cinemark 6 3D.Sessões 11h35 (sab/dom),14h25, 16h35,18h45. Desta vez,Woody tenta salvar um brinquedo que acaba indo parar num bazar de usados e termina por ser sequestrado por um colecionador de brinquedos,que pretende vendê-lo a um museu japonês.Na casa do sequestrador,descobre que foi o protagonista de um famoso seriado da TV de décadas atrás e conhece os demais integrantes de sua coleção.Enquanto isso,os demais brinquedos, liderador por Buzz Lightyear,partem numa atrapalhada operação de resgate.Direção:John Lasseter.

Atenção:Este caderno não se responsabiliza pela mudança de horário e de preços de ingressos para os cinemas.Ambos são fornecidos pelas assessorias das redes Cinemark e Moviecom.Antes de ir ao cinema,certifique-se dos horários através dos telefones:Tel.:3236 3350 (Praia Shopping) ou 3620-3530 (Midway Mall).

Bárbara Abramo

Áries 21/03 a 20/04

Moviecom 4.Sessões 14h10,16h40,19h10, 21h40/Cinemark 2.Sessões 13h40,16h30,19h20, 22h10 O adolescente Michael Oher sobrevive como um sem-teto,quando é encontrado na rua por Leigh Anne Tuohy (Sandra Bullock).Tomando conhecimento de que o garoto é colega de turma de sua filha,Leigh insiste que Michael deixe-a resgatá-lo do frio.Sem hesitar,ela o convida a passar a noite em sua casa.O que começa com um gesto de bondade evolui para algo maior,pois Michael passa a fazer parte da família.Direção: John Lee Hancock.

Leão 22/07 a 22/08 Clima astral bom pra ficar calado e assuntar por ai,sem falar nada sobre seus interesses e metas. Observe,sinta.Em outro dia será capaz de juntar todas as peças e chegar a um entendimento. Viagens e estudos em alta,envie energia para essas aspirações.Convites.

Virgem 23/08 a 22/09 Negócios conjuntos estão com tudo nestas semanas! Quanto mais você se concentrar em acordos e alianças,melhor, a época é produtiva para isso.Quebre a rotina com amigos.Aceite convites para eventos. Popularidade,aceitação social.Sua mensagem será ouvida.Sucesso.

Escorpião 23/10 21/11 Tolerância e humor estável são metas para você se dar bem com qualquer pessoa hoje.Sonhos importantes,capacidade de ver e antever além. Anote tudo.Viagens e assuntos correlatos em alta.Estudos idem.Tios e amigos podem ajudar você a descobrir solução em caso obscuro.

Sagitário 22/11 a 21/12 Fertilidade maior nos assuntos financeiros,especialmente se você unir forças com outras pessoas.Para tanto,apele para o sentimento delas,deixando de lado considerações técnicas demais.No amor,um dia especial para mergulhar fundo no conforto íntimo criado a dois.

Capricórnio 22/12 a 20/01 Bom dia para você se recordar de que vive em um mundo habitado por outras pessoas,que também têm desejos,inclinações e preferências,nenhuma delas baseada na lógica ou na razão.Assuma esse mistério orgânico que compõe o ser humano e seja bem mais feliz! Aquário 21/01 a 19/02 Clima astral bom pra cozinhar, cuidar da casa,chamar os amigos pra um encontro gostoso,e tornar-se mais simpático com um colega de trabalho.Você pode encantar e seduzir com as palavras,mas esteja certo de que emite os sinais corretos de interesse.Seja bem honesto.

Peixes 20/02 a 20/03 Tudo tão vasto,tantas possibilidades,tantos sonhos! Filhos,criatividade,diversão,amor, jogo da conquista,sorte e desafios interessantes são atraentes além da conta hoje.Por causa dessas motivações,você chegará a conclusões bacanas sobre trabalho,profissão e postura.


Quarta-feira | 24 de março de 2010

viver

Tribuna do Norte | Natal | Rio Grande do Norte | 5

FOTOS:DIVULGAÇÃO

Moby desembarca no Brasil UM DOS MAIS CRIATIVOS ARTISTAS DA MÚSICA POP MUNDIAL CHEGA EM ABRIL PARA UMA GRANDE TURNÊ NACIONAL, TRAZENDO UMA BANDA COM SEÇÃO DE CORDAS E METAIS. POR JOTABÊ MEDEIROS

ão há quem não concorde que Moby se tornou, a partir dos anos 1990, um dos artistas do universo pop mais hábeis em criar ambientes sonoros etéreos e climáticos, paisagens emocionais caracterizadas por grande afinidade com a melancolia. A bordo de seu novo disco, “Wait for Me” (2009), Moby desembarca no País em abril para uma grande turnê nacional, trazendo uma banda com seção de cordas e metais. O cantor e guitarrista, nascido Richard Melville Hall, e que descende diretamente de Herman Melville (o autor do clássico literário

N

conheço, mas que tinha grande vontade de conhecer porque é uma obra-prima do arquiteto Oscar Niemeyer, de quem sou grande fã. A imagem de Yoko Ono (que disse que Brasília parece uma cidade que parece deixada ali no meio do nada por um disco voador) soa perfeita para mim, é a mesma impressão que tenho. “Moby Dick”, daí seu apelido), tem uma bela folha corrida de serviços prestados ao pop: em 1999, com “Play”, acelerou a fusão entre gospel e eletrônico; em 2002, com “18”, fincou pé na ambient music; em 2007, flertou com o rock em “Hotel”; em 2008, acabouse na pista de dança com “Last Night”, big beats para as massas. Agora, é a vez de voltar aos climões com sangue de soul music. Com canções de clássico romantismo, como “Pale Horses”, e outras de quase pregação religiosa, como “Study War”, o disco “Wait for Me” mostra Moby no auge de sua capacidade de criador de baladas espirituais. Você está vindo para tocar em cinco cidades brasileiras,desta vez. O fato de você ter estudado teatro ajuda na hora de criar um personagem,uma persona? Já estive no Brasil cinco vezes, a primeira em 1992 ou 1993, não tenho certeza. Conheci Curitiba, Porto Alegre. A novidade é que desta vez vou a Brasília, que não

Você disse que foi uma frase do diretor David Lynch,que defendia a invenção como uma beleza em si,que norteou todo o seu novo disco “Wait for Me”. Pode falar um pouco sobre esta inspiração de Lynch? No curso de minha carreira, eu fiz todo tipo de música. Fiz música clássica, hip-hop, house music, fui punk. Não esperava ter sucesso, e nem mesmo esperava ter uma carreira fazendo música. Tudo que queria era fazer algo o mais popular possível, algo que pudesse me manter em contato direto com uma hipotética plateia. Não gosto de música comercial, meu trabalho é fazer tudo com integridade e algum senso de beleza. Não é feito com a intenção de tocar no rádio. Então, quando Lynch disse aquilo, ele me remeteu ao meu instinto mais básico, e isso foi uma espécie de força no disco. Um jornalista do“Guardian”,um tal de Simpson, disse outro dia que seu disco soava como o trabalho de alguém que parecia ter acabado de sair de uma festa sel-

vagem, e que agora procurasse por redenção e luz.Concorda? Felizmente, minha música é sempre a expressão das minhas melhores intenções, e é isso que tento colocar no palco. É diferente, às vezes, fazer música com o apelo de um estádio e fazê-la para tocar num pequeno teatro. Mas eu sou sempre o mesmo cara, e quando estou tocando sempre me parece que estou tocando numa festa em que servem coquetéis. Meu objetivo, falando de um jeito simples, é fazer as pessoas felizes. Nunca subo ao palco para impressionar, para fingir que sou algo que não sou. Estou ali para melhorar a noite das pessoas. Você também sempre expressa abertamente suas opiniões políticas e sua militância vegetariana. Como lida com a necessidade de transmitir suas opiniões de ativista por meio da música? Grande parte dos meus heróis na música eram pessoas que grande militância política, como Joe Strummer, Neil Young, Chuck D. Faço da música uma forma de expressão pessoal, e certamente minhas crenças e meu ativismo transparecem por meio dela, mas não é uma intenção deliberada. Dequalquermodo,nessenovodisco você soa mais contemplativo e maisafirmativo.Consideraoálbum uma mudança também filosófica no seu jeito de ver o mundo? É uma grande mudança. Meu diagnóstico é que nós vivemos num mundo e numa cultura em que prevalece a seguinte visão: se tivermos bastante dinheiro, muitas namoradas e muita fama, estaremos felizes. O materialismo é OK, cada um vê o mundo do seu jeito, mas o materialismo não providencia felicidade. É um equívoco. Em vez de olhar sempre para as coisas externas, para as aparências, temos de começar a olhar mais dentro de nós mesmos.

[ FILOSOFIA ] Edi��ão de 2010 dos Diálogos Criativos estreia com o contador de histórias Maurício Camargo Panella, que apresentará o seu livro Grande Árvore, Muitas Histórias

Diálogos Criativos volta dia 31, na Siciliano a próxima quarta-feira, 31 de março, começa a edição de 2010 do projeto cultural Diálogos Criativos: encontros abertos a todos para conversar sobre as mais diversas temáticas, trocar idéias e experiências e partilhar bom momentos de livre pensar. É uma iniciativa do jornalista, educador e agitador cultural Antonino Condorelli em parceria com a Livraria Siciliano e o Café Genot e com o apoio cultura da TRIBUNA DO NORTE. Os Diálogos Criativos têm entrada franca e acontecem duas vezes por mês às quartas-feiras no Auditório da Livraria Siciliano, na Avenida Bernardo Vieira, 3775, Piso L3, Shopping Midway Mall. Todos os encontros contam com a participação de um facilitador convidado que introduz a

N

temática do dia de maneira aberta e criativa. Após uma breve apresentação do tema, todos os participantes são convidados a dialogar em plano de absoluta igualdade, trocando suas impressões, intuições, experiências, idéias e contribuindo juntos na construção de novos olhares sobre a realidade. Parac os participantes, o Café Genot vai oferecer de cortesia um café gourmet, que poderá ser degustando antes ou depois do evento nas agradáveis mesas da cafeteria ao lado do auditório da Livraria Siciliano. A edição de 2010 dos Diálogos Criativos estréia com um encontro no qual o contador de histórias Maurício Camargo Panella apresentará o seu livro Grande Árvore, Muitas Histórias, que reúne escritos e dados pesquisados por grandes pensadores da história norte-riograndense, histó-

rias contadas pelos habitantes de Pirangi do Norte e imagens fotográficas e videográficas do acervo do Memorial do Litoral. Se trata de um livro-árvore em cujo interior habitam raízes, troncos, ramos, folhas, flores e frutos distintos e que convida a instigantes vôos e fascinantes pousos na ancestralidade cultural deste rincão do litoral potiguar. O encontro contará com uma pequena exposição de banners fotográficos, uma apresentação musical, apresentações de vídeos e todos os presentes serão convidados a partilhar deste clima mágico e ancestral de contação de histórias. SERVIÇO Diálogos Criativos.Dia 31,no auditório da Livraria Siciliano,na avenida Bernardo Vieira,3775,piso L3,Shopping Midway Mall.

MEMÓRIA

FESTIVAL

RENATO RUSSO TEM HOMENAGEM NA MTV

FEST BOSSA & JAZZ É NOTÍCIA EM O GLOBO

No dia 27/03, sábado, Renato Russo faria 50 anos. Líder da Legião Urbana, ele revolucionou a cena do rock brasileiro com suas composições, que aparecem até hoje como fonte de inspiração e influência outros artistas e muitos fãs que seguem fiéis à banda. Em homenagem ao aniversário do cantor, a MTV Brasil reapresenta dois programas para lá de clássicos, que entraram para a história. Um deles é o Acústico MTV Legião Urbana, com duas horas de duração. A audiência vai conferir canções como “Pais e Filhos”, “Índios”, “Eu sei”, “Há Tempos” e “Faroeste Caboclo”, todas tocadas em versões desplugadas. O outro programa, exibido originalmente em 93, é A Entrevista, apresentado por Zeca Camargo. Ele conversou com Renato Russo na casa do cantor, que revelou o que pensava sobre a carreira, violência nos shows, sexo e suas composições. Imperdível.

Assinada pelo crítico Tom Leão, a coluna Discolândia do Jornal o Globo, na edição de ontem, dedicou texto a alguns festivais de jazz que acontecem nos próximos dias pelo Brasil — “Jazz que roda longe do Rio”. O Fest Bossa & Jazz, que acontece aqui em Natal entre os dias 15 e 18 de abril, no Vila Hall foi um dos citados pelo colunista, que enumenou algumas atrações de desta: “músicos brasileiros e estrangeiros se apresentam no festival, como Scott Feiner (foto) e Pandeiro Jazz, Lenny Andrade, Leo Gandelman, Donny Nichillo e Lerry MaCray”.


CARPE DIEM!

viver 6

“Tudo na vida é ilusão e só a ilusão é verdadeira” (JOÃO DO RIO)

Natal | Rio Grande do Norte | Quarta-feira | 24 de março de 2010

PARABÉNS! O nosso abraço de parabéns para a ex-primeira dama e musa do senador José Agripino Maia, d. Anita Catalão Maia que amanhece hoje em idade nova, passando a data em Brasília. Também na sessão vivas da coluna: Ana Regina Bezerra Motta, Porcino Júnior, jornalista Antônio Roberto Rocha, fotógrafo Giovanni Sérgio.

BAIXINHOS Comemorando o 1º aninho da primogênita

Jota Oliveira

Maria Fernanda,Elinton Albuquerque Jr.e Débora pilotam festa às 18h,na área de lazer do Terra Brasilis.

jotaoliveira@tribunadonorte.com.br CEDIDA

RONINHO DANTAS

RONINHO DANTAS

GOLD Esta TRIBUNA DO NORTE oferece aos seus leitores e assinantes um presente em comemoração aos seus 60 anos de fundação. A revista especial “Tribuna do Norte 60 anos”, traz 60 capas marcantes deste periódico (uma de cada ano), num trabalho editorial primoroso dos jornalistas Carlos Peixoto e Nelson Patriota. Confira!

CORTA-FITAS Com coquetel logo mais às 19h, a Le Lis Blanc Deux inaugura loja no 3º piso do Midway. No espaço de mais de 400 m², que segue novo conceito na ambientação com projeto assinado pelo arquiteto Sig Bergamin, serão comercializadas todas as linhas da marca, inclusive a Home. Noite no melhor estilo “glamrock”, que é o tema da coleção, com trilha exclusiva do DJ Dilvan e produção da dupla Érika Nesi e Lu Toscano. Take a note!

VIAJANTES Cyndra/Victor e Joaci Potiguar afivelando as malas para dias em andanças por Londres, onde visitam Henrique, em temporada de estudos na terra da Rainha, aproveitando para comemorar em família o aniversário de Joaci, próxima segunda, dia 29.

|

Em sessão parabéns: Roninho Dantas,Taty Bulhões,Thaísa Barros, Adélia Cristina e Andrea Cariello

Verônica Motta Nepomuceno e Manuela Bezerra em vivas para Adélia Cristina

|

JOÃO NETO

JOÃO NETO

|

Bolinhas em resenha e tintins: Lula Barreto, Thales Rosado e Fred Queiroz

BATENDO PONTO

WINTER

O Congresso Nacional brasileiro poderia se espelhar no congresso americano, que passou o último fim de semana reunido para votar a emenda da Saúde do presidente Obama. Por aqui, quando muito, trabalham é de terça a quinta.

E o inverno já tá bombando na Donna Donna. Depois da movimentação no lançamento da coleção outono/inverno, com os looks da Lily Sarti, NK Talie e Florbella sendo as vedetes da ocasião. No piso superior, os ternos Ricardo Almeida e as polos da VR encheram os olhos dos bolinhas que circularam no pedaço.

INTERNACIONAL O otorrinolaringologista Rodolpho Penna Lima e a fonoaudióloga Danielle Penna Lima estarão apresentando trabalhos científicos na área de implante coclear no 30º International Congress of Audiology que será realizado em São Paulo, entre 28 março e 01 de abril.

NA MASSA Mesa com muiiita resenha, assim foi a noite de segunda, na Mama Itália – Praia do Meio. Bons papos entre o quarteto Paulo Roberto Alves, Ricardo Alves, deputado líder Henrique Alves e Mário Barreto.

ESPERTINHO Enquanto comerciantes e clientes passam sufoco com o Via Livre, em especial na av. Afonso Pena, tem neguinho faturando e aparecendo, aproveitando o ano eleitoral...

Toque

EXPANDINDO Abraços com vivas para d. Anita e o senador José Agripino Maia. Ela em idade nova

Celebrando a vida, Alexandre Tinoco e Duda Bulhões com as respectivas Gina e Gerlane

MOVIMENTO » Em temporada natalense,segunda passada,Cintya e Eudes Varela formavam mesa no almoço do Talher.» A Toli está enviando kit press para apresentar a coleção inverno da marca.Veja a foto no www.jotaoliveira.blog.br.»Ainda no nosso blog,conheçam a bolsa Constance,novo mimo lançado pela Hermès.» O Guinza faz a opção de programa da noite com cardápio da cozinha internacional.

A Castelo Casado Iluminações ampliando sua área de atuação. Recentemente, o grupo foi responsável pela iluminação de evento da Natura, promovido no Blunele Buffet, em João Pessoa. Próximo dia 31, volta à capital paraibana onde darão show de iluminação numa festa de 15 anos, no Passo dos Leões Recepções.

AI QUE TUDO AS NOITES DAS SEGUNDAS MAIS FELIZES E DIVERTIDAS COM A VOLTA DO CQC. PENSE NUM PROGRAMA LITERALMENTE LEGAL. A-DO-RO!

TENDÊNCIAS Dobradinha da Vogue com a Seda, na banca Cidade do Sol, a edição Vogue Brasil Especial Passarelas. No recheio, tendências para o inverno 2010, em roupas, acessórios, make-up e cabelo ditadas por estilistas brasileiros. Tudo numa linguagem simples e descomplicada.

LIVROS & CULTURA

CARLOS DE SOUZA fcarlos@tribunadonorte.com.br

Livros técnicos com sabor de arte FOTOS: DIVULGAÇÃO

oje vou comentar só livros técnicos, daqueles que só interessam a quem estuda o assunto ou é muito curioso e tem sede de conhecimento. Estou terminando de ler o(s) livro(s) de Civone para comentar nos próximos dias. Quero começar com A Atualidade de Walter Benjamin e de Theodor W. Adorno, de Márcio Seligmann-Silva, Civilização Brasileira, 144 páginas, R$29,90. Quando entrei no curso de Comunicação Social da UFRN era suprema heresia não conhecer a obra desses dois grandes pensadores da Escola de Frankfurt. Com o passar do tempo foram sendo esquecidos e hoje poucos professores ainda falam na teoria dos dois. Apesar de pertencerem à mesma escola há um a diferença fundamental entre Benjamin e Adorno. O primeiro é poético, doce, soturno e mesmo assim profundamente otimista com relação aos homens. O segundo é sério, radical e pessimista ao extremo. O primeiro trata das imagens do pensamento, judaísmo, melancolia, teoria da linguagem, romantismo, violência, a famosa aura na obra de arte e o conceito de experiência, a

H

história como ruínas. O segundo trata do esclarecimento, indústria cultural, música, o sublime, o conceito do inumano e a redenção. Pensando bem , os dois estão atualíssimos, se não levarmos em conta o radicalismo de Adorno que não aceita qualquer tipo de música que não seja a clássica. Ele tinha pavor de jazz. Walter Benjamin cometeu suicídio na fronteira entre a Espanha e a França, fugindo dos nazistas. Adorno não viveu para ver a revolução tecnológica dos meios de comunicação. Da mesma coleção é Ficção Brasileira Contemporânea, de Karl Erik Scollhammer, Civilização Brasileira, 176 páginas, R$29,90. “A tentativa aqui será flagrar o que acontece de significativo na ficção brasileira atual, de maneira a enxergar as continuidades e, principalmente, as rupturas produzidas pelos escritores pelos escritores contemporâneos”, explica o autor. Para tanto o leitor percorrerá as obras de Bernardo Carvalho, Rubem Fonseca, Nélida Piñon, Milton Hatoum, Luiz Rufato, Adriana Libos, João Gilberto Noll, André Sant’Ana, Silviano Santiago e Cristóvão Tezza, por exem-

plo. Assim, o autor apresenta um mapeamento das últimas gerações até chegar ao que ele denomina de Geração 00. Isso faz com que ele comente o pós-modernismo, o hiper-realismo, o novo regionalismo, o miniconto, a literatura marginal e por aí vai. Interessante leitura para estudantes de Letras. Na mesma linha Ruptura e Subversão na Literatura para Crianças, de Maria Lucia Maches, Global Editora, 176 páginas, R$ 29,00, analisa a trajetória da revista Recreio, que circulou no final dos anos 60 no Brasil e lançou autores infantis como Ruth Rocha, Ana Maria Machado e Joel Rufino dos Santos. São autores que “renovaram a maneira de falar às crianças, usando as palavras para romper a ordem estabelecida, transformando a linguagem e propondo outras maneiras de lidar com a realidade”. Para encerrar as dicas de hoje apresento Literatura Eletrônica – Novos Horizontes para o Literário, de N. Katherine Hayles, Global Editora, 208 páginas, R$ 39,00. Não é novidade que mais e mais autores estão surgindo dos blogs da internet, alguns alcan-

çando alturas e outros naufragando. Mas o que importa é que este é decididamente um novo meio de se publicar livros. Outro dia eu vi na televisão que existe um site intitulado Gato Sabido, que publica qualquer autor, desde que sigam determinações do site. Há também um e-book para a divulgação deste textos. Não demora muito e teremos na nossa cidade os famosos Kindle que são e-books capazes de armazenar verdadeiras bibliotecas. Eu estou só aguardando que essa tecnologia amadureça mais no Brasil e ofereça melhores condições de compra e leitura dos livros que me interessam. Isso vai fazer com que minha biblioteca de livros de papel diminua consideravelmente, ficando só os mais íntimos e amados. O site Substantivo Plural, que é daqui de Natal mesmo, também publica livros inéditos. Basta que o autor entre em contato com o editor Tácito costa e viabilize a publicação virtual. Mesmo assim, ainda acho imprescindível o livro de papel que posso levar para a cama ou qualquer outro local igualmente confortável.

ê

Mais vendidos na Siciliano (15 a 21/03/10)

FICÇÃO 01 - O Ladrão de Raios Rick Riordan (1-3) 02 - A Cabana William P.Young (3-74) 03 - Mar de Monstros Rick Riordan (4-5) 04 - A Batalha do Labirinto Rick Riordan (2-3) 05 - A Maldição do Titã Rick Riordan (6-5) 06 - O Símbolo Perdido Dan Brown (10-16) 07 - A Menina que não sabia ler John Harding (0-1) 08 - Diários do Vampiro 3 - A Fúria L.J.Smith (7-2) 09 - Lua Nova Stephenie Meyer (0-67) 10 - Alice - Aventuras de Alice no País das Maravilhas Lewis Carroll (5-2) NÃO-FICÇÃO 01 - Padre Cícero – Poder,fé e Guerra no Sertão Lira Neto (3-12) 02 - Comer,Rezar,Amar Elizabeth Gilbert (5-89) 03 - 501 Grandes Escritores Julian Patrick (0-1) 04 - Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil Leandro Narloch (2-12) 05 - O Código da Vida Saulo Ramos (0-75)

06 - Mais Você – 10 Anos Ana Maria Braga (1-13) 07 - Chico Buarque – Histórias de Canções Wagner Homem (0-1) 08 - 1808 Laurentino Gomes (10-102) 09 - 501 Grandes Artistas Stephen Farthing (0-1) 10 - Mentes Perigosas Ana Beatriz Barbosa Silva (6-53) EDIÇÕES REGIONAIS 01 - Dicionário de Potiguês Kadmo Nonato (2-48) 02 - Expressões Populares Kadmo Nonato (1-38) 03 - No Rastro dos Cangaceiros Iaperi Araújo (0-5) 04 - Guia das Belezas do Rio Grande do Norte Márcia Monteiro e Erich Ettensperger (0-9) 05- Dos Bondes ao Hippie Drive-in Fred Sizenando (0-15) 06 - Natal - Luzes da Cidade Fernando Chiriboga (3-11) 07 - A Fortaleza dos Vencidos Nei Leandro de Castro (0-13) 08 No Outono da Memória Nélson Patriota (5-3) 09 - O Maníaco do Circo Leonardo Barros (0-5) 10 - Lábios-Espelhos Marize Castro (0-2)

OBS: Ao lado do título encontra-se a posição do livro na semana anterior e quantas semanas, não-consecutivas, o mesmo figura na lista.

(a-b) a) posição do livro na semana anterior há quantas semanas o livro aparece na lista


Tribuna do Norte - 24/03/2010