Page 1


| 2 SETEMBRP


Índice

Nota Abertura

Volvo inicia testes de camiões a Bio-DME Scania inaugura instalações em Leiria Mathias Carlbaum é o novo líder da Scania Ibérica

4

DAF vai iniciar produção do LF Hybrid

5

Mercedes Atego é “Camião do Ano” MAN testa megacamiões na Alemanha Lauren Farmen sucede a Pignatelli na Renault Trucks

6

Carsten Oder (administrador-delegado da Mercedes-Benz Portugal) ao T&N / / Resultados já estão acima do “antes da crise”

7

Mercedes-Benz Portugal “ataca” Cabo Verde Renault para a construção testados em Lyon

8/9 10/11 11

Vem aí o Berlingo First Electrique Berlingo e Partner eléctricos em Vigo Mazda estreia pick-up BT-50

12

General Motors desenvolve furgão híbrido PSA Peugeo Citroën reforça parceria na R.P.China

13

MAN admite chegar este ano às 120 mil entregas Daimler prevê subida de 50% no mercado mundial

14

Vendas de pesados em Portugal sobem 16% em Agosto Vendas de pesados na UE crescem 24%

15

Renault fornece à Patinter 234 Premium Estrada e Magnum DAF lidera mercado europeu de tractores Volvo duplica vendas em Agosto

16

Fabricantes de camiões suspeitos de cartelização no UK Produção nacional triplica em Agosto

17

Continental lança pneumático com índice de carga mais elevado Euroaro com produtos SAM e Autolift Coperol comercializa filtros Dinex

18

FICHA TÉCNICA

Mercedes lança minibus Sprinter City 77

T&N

TRANSPORTES & NEGÓCIOS Registo na D.G.C.S. Nº 123054 Depósito Legal N.º 164047/01

Propriedade: José Fernando Araújo Gonçalves Apartado 30 • 4580 Recarei Editora: Riscos - Sociedade Editora, Lda Direcção: Fernando Gonçalves Redacção: João Cerqueira, Susana Marvão Edição Electrónica: Paulo Costa Departamento comercial: Ana Paula Oliveira

Parcerias para a sobrevivência As dificuldades por que o País passa, e mais ainda aquelas que se adivinham (se que é os poderes da adivinhação chegam tão longe e tão fundo…) não prenunciam nada de bom para o sector dos veículos comerciais. Todos os indicadores apontam para uma estagnação, se não mesmo uma recessão económica, com impacte ao nível do emprego, do consumo, da produção e do comércio. Com os cofres públicos exauridos e o acesso ao crédito cada vez mais dificultado, nem o Estado estará capaz de servir de alavanca ao desenvolvimento, nomeadamente através dos investimentos públicos em infraestruturas - discutíveis uns mas absolutamente necessários outros. Para piorar as coisas, a vizinha Espanha está também em sérios apuros. É, pois, neste ambiente hostil que as marcas têm de viver, ou no mínimo sobreviver. E para tal nada melhor do que transformar as dificuldades em oportunidades. Desde logo, ajudando os seus clientes a tornarem-se mais eficientes e competitivos. Oferecendo-lhes não apenas veículos adaptados às suas necessidades, mas também os serviços e soluções que garantam a máxima disponibilidade dos equipamentos, os menores consumos, etc., etc.. As marcas, há que reconhecê-lo, já estão a fazer a sua parte. Importa que os transportadores aproveitem. Uns e outros só terão a ganhar com isso. FERNANDO GONÇALVES

Redacção, administração, assinaturas e publicidade: Apartado 30 4580 Recarei Tel: 22 433 91 60/1. Fax 22 433 91 62 redaccao@transportesenegocios.com www.transportesenegocios.com

SETEMBRO 3 |


Volvo inicia testes de camiões a Bio-DME

A

Volvo Trucks anunciou o início dos testes de estrada de cinco Volvo FH movidos a BioDME (Di-Methyl-Ether), um combustível produzido a partir de gás natural ou de diferentes tipos de biomassa (neste caso, é produzido a partir de um subproduto de polpa). Os testes serão feitos em toda a Suécia, ao longo de dois anos. Os camiões serão utilizados pela Green Cargo, DHL, Posten Logistiks e pela J-Trans (Volvo Logistics). O arranque dos testes operacionais tornou-se possível com a inauguração da primeira estação de abastecimento de Bio-DME, localizada em Estocolmo. Seguir-se-ão outras, desde logo em Gotemburgo. O combustível será produzido numa unidade industrial participada pela Volvo Technology Transfer.

Novo combustível corta 95% nas emissões de CO2 Os responsáveis da Volvo Trucks consideram o Bio-DME como “um dos mais promissores bio-combustíveis de segunda geração. Garante uma grande eficiência energética e emissões de GEE extremamente baixas”. O Bio-DME produz menos 95% de emissões de CO2, e muito baixas emissões de partículas e de óxidos de nitrogénio. O sucesso do Bio-DME depende, claro, do que seja feito em termos de longo prazo, nomeadamente na produção do biocombutível, no estabelecimento de uma rede de abastecimento e na promoção da procura pelos transportadores.

Mathias Carlbaum é o novo líder da Scania Ibérica

Scania inaugura instalações em Leiria A Scania inaugura em Outubro as suas instalações de Leiria. Ali assegurará a venda de camiões novos e usados, todos os serviços de manutenção e reparação de camiões, autocarros e motores, e de financiamento através da Scania Finance. A unidade também disponibiliza peças e acessórios oficinais de origem e uma equipa afecta ao serviço de assistência na estrada 24 h (Scania Assistance). As novas instalações da unidade ibérica da Scania Região Centro - Leiria estão situadas na Zona Industrial de Zicofe, com fácil acesso à A1 e à A8. Têm | 4 SETEMBRP

uma área total de 11 847 m2, dos quais 2 530 m2 são de área coberta, afecta à oficina, peças e área administrativa. As instalações integram ainda 5 500 m2 de área de estacionamento, 1 000 m2 de área verde e uma zona de circulação com cerca de 3 000 m2. A Scania refere em comunicado que com a abertura destas novas instalações “continua apostada em reforçar o compromisso de um serviço pós-venda com a máxima qualidade, assim como a expansão comercial da marca na região Centro de Portugal”.

No âmbito do plano de reestruturação em curso, Mathias Carlbaum foi nomeado director geral da Scania Ibérica, cargo que ocupa desde o dia 1 de Setembro, em substituição de Ulf Grevesmühl, que transitou para director geral da Scania em Itália. Carlbaum encontra-se ao serviço da Scania desde 1998, tendo iniciado a sua carreira internacional no ano seguinte. No início do novo milénio foi director de vendas para os mercados de Espanha e Portugal e, posteriormente, de vendas e marketing na Scania Hispania. Nos últimos cinco anos serviu a marca sueca na América Latina, tendo ocupado as funções de director de vendas e marketing e de vice-presidente para aquela região do hemisfério Sul e também para Angola. Aos 38 anos de idade, Mathias Carlbaum dá assim mais um passo na sua carreira ao serviço da multinacional sueca, tendo pesado na decisão o facto de dominar as línguas portuguesa e castelhana.


DAF vai iniciar produção do LF Hybrid

A

DAF anuncia para o final do ano o arranque do fabrico em série do LF Hybrid. A produção terá lugar na fábrica inglesa da Leyland Trucks e assinala o fim de dois anos de testes com uma dezena de camiões ao serviço de algumas empresas europeias, em várias aplicações de transporte. O LF Hybrid é um veículo de distribuição, com 12 toneladas de peso bruto, com sistema de propulsão mista diesel/ eléctrica que garante a redução do consumo de combustível e de emissões de dióxido de carbono entre os 10 e os 20%, consoante o tipo de utilização. A tecnologia híbrida diesel/eléctrica utilizada no LF já está a ser comercializada pela Paccar nos EUA, nas suas duas marcas locais de camiões (Kenworth e Peterbilt). Este camião da DAF emprega o chamado sistema híbrido paralelo, que permite funcionar com o motor diesel, com o motor eléctrico, ou com ambos ao

Comercialização arranca no R. Unido, Alemanha, Bélgica, Holanda e França mesmo tempo. O LF Hybrid será equipado com o bloco diesel Paccar FR de 4,5 litros (conforme à norma de emissões EEV sem filtro de partículas), desenvolvendo uma potência máxima de 160 cv, acoplado a uma caixa de seis velocidades automática da Eaton (Autoshift). O motor eléctrico encontra-se instalado entre a embraiagem e a caixa de velocidades. A energia produzida no decurso das acções de travagem é recuperada e armazenada em baterias de iões de litium de 3,4 volts. Em função da carga existente nas baterias, o computador de bordo gere a utilização dos motores diesel e do eléctrico. O LF Hy-

brid integra igualmente o sistema start/ stop. Numa primeira fase de comercialização, a DAF disponibilizará a versão híbrida do LF na Grã-Bretanha, Holanda, Alemanha, França e Bélgica, países onde os estudos de mercado demonstraram uma boa apetência por este novo tipo de veículo. Posteriormente, em função do êxito alcançado nesses países, a DAF decidirá se introduz esta nova versão na gama de produtos standard da marca noutros mercados. A tecnologia híbrida será objecto de desenvolvimentos regulares nos próximos anos, especialmente ao nível das baterias, razão pela qual o LF Hybrid será proposto pela Paccar Financial, acompanhado dum contrato de leasing operacional completo que permitirá ao distribuidor DAF introduzir todas as actualizações programáticas. O LF Hybrid foi desenvolvido em parceria com a Eaton, a Universidade Técnica de Eindhoven e a Leyland Trucks. SETEMBRO 5 |


Mercedes Atego é “Camião do Ano” Reedita vitória de 1999

O

Mercedes Atego foi eleito o Camião Internacional do Ano 2011, superando a concorrência do Volvo FM/FMX e do Scania V8. O prémio foi entregue no decorrer do 63.º IAA - Salão de Veículos Comerciais, em Hannover, na Alemanha. O júri - constituído por jornalistas de 23 media especializados europeus, entre os quais Portugal - premiou o equilíbrio da nova gama média Atego (que

incorpora muitas das capacidades e valências dos Axor e Actros da marca) e também a oferta de um modelo híbrido. Neste particular, os jurados sublinham o facto de a variante híbrida do Atego permitir reduções de consumos na casa dos 10% a 15%, com a correspondente baixa de emissões de CO2. O Atego Hybrid oferece como opção um sistema stop-start, que desliga o motor em caso de imobilizações prolongadas.

O júri valorizou ainda a integração da tecnologia híbrida na cadeia cinemática dos Atego convencionais, o que favorece a adaptação da condução. O Mercedes Atego recolheu 127 votos do júri. O Volvo FM/FMX ficou em segundo lugar, com 82 votos, e o Scania V8 em terceiro, com 45. A vitória do Mercedes Atego agora conseguida repete a proeza da primeira série, vencedora do troféu Camião Internacional do Ano em 1999.

MAN testa megacamiões na Alemanha

Lauren Farmen sucede a Pignatelli na Renault Trucks

A MAN vai participar nos testes de estrada do Programa Modular Europeu, promovidos pelo governo alemão. O fabricante disponibilizará dois megacamiões para participar num projecto que se estenderá ao longo de todo o próximo ano e que irá contar com a participação de mais de 200 empresas. A MAN apoia desta forma o objectivo do governo germânico de combater a crescente intensidade dos transportes de carga na Alemanha com um conceito de transporte que goza de enorme sucesso em países como a Suécia e a Finlândia. Para o CEO da MAN, Georg Pachta-Reyhofen, “os conceitos de veículos comerciais alternativos não só permitem a expansão das infra-estruturas de transporte de acordo com a procura, mas também dão um contributo de enorme importância para aumentar a capacidade de transporte de bens por estrada de uma forma amiga do ambiente. A MAN está convencida que, com os camiões longos, está a testar uma tecnologia de futuro que irá permitir baixar significativamente as emissões de CO2”.

Lauren Farmen é desde 1 de Setembro o novo director geral da Renault Trucks Espanha e Portugal. Substituiu o português Jaime Pignatelli, que dirigia as duas empresas ibéricas da marca francesa há mais de uma década. Farmen encontra-se ao serviço da Renault Trucks há mais de 16 anos, tendo trabalhado em países como a França, Marrocos e México nas áreas comerciais e de marketing. Nos últimos quatro anos ocupou a Direcção Geral da Renault Trucks no Reino Unido. No acto de posse, Farman disse-se apostado em manter a qualidade da atenção ao cliente como valor de eleição, prometendo realizar um esforço para dinamizar as vendas, tanto de veículos novos e usados, como de serviços associados e peças sobresselentes. Segundo a Renault Trucks, esta nomeação reforça a aposta do construtor no mercado ibérico, que continua a ser um eixo estratégico da marca.

| 6 SETEMBRP


Carsten Oder, administrador-delegado da Mercedes-Benz Portugal, ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS

Resultados já estão acima do “antes da crise”

M

anter a liderança no negócio dos autocarros e as margens nas vendas de camiões são as opções e os desafios assumidos pela Mercedes-Benz Portugal. Em entrevista ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS, Carsten Oder, administrador-delegado da marca alemã no nosso país, fala também das dificuldades de financiamento e do negócio Truckstore e deixa as primeiras indicações sobre os resultados do final do exercício. T&N - A liderança da Mercedes-Benz Portugal no mercado de autocarros é para manter até ao final do ano? Carsten Oder - Efectivamente, neste momento somos líderes destacados no mercado nacional de autocarros. Gostaria de destacar o desempenho da EvoBus em Portugal, até mesmo comparativamente com Espanha, o que para nós é muito agradável. Devo dizer também que é uma liderança muito confortável. Temos algumas encomendas em carteira e estamos confiantes de que vamos manter a liderança até ao final do ano. T&N - Contrariamente, no mercado nacional de comerciais pesados a Mercedes continua a regredir, tanto nas vendas homólogas como em quota de mer-

cado. A que se deve? Carsten Oder - É um mercado muito difícil. Nesta crise temos concorrentes que não têm a mesma flexibilidade na produção que nós. São obrigados a vender carros com preços diferentes. No longo prazo só pode ser um negócio ruinoso. Nós não estamos a vender muito em volume mas mantemos margens que nos dão alguma segurança, e esperamos chegar ao final do ano sensivelmente com os mesmos números do ano passado. É melhor mantermos as parcerias com os bons clientes que temos e não vender apenas aos grandes frotistas duma forma ruinosa. Os grandes frotistas em Portugal são muito profissionais, mas só olham para o preço final e não estamos a conseguir convencê-los das vantagens do produto. T&N - Alguns transportadores queixamse de dificuldades na obtenção de crédito para a aquisição de camiões. A Mercedes também sente isso? Carsten Oder - Fazemos um enorme esforço para oferecermos um pacote de financiamento com contratos de serviços e tudo aquilo que é necessário para satisfazer as necessidades dos transpor-

tadores. Temos um financiamento com fundos de Estugarda, mas gerimos o risco que está envolvido. Para garantir os fundos as taxas variam e por vezes são muito altas. O financiamento depende muito das variações de taxas e da visão do risco que temos. T&N - Como está a correr o negócio do Trucstore? Carsten Oder - Temos uma nova gerência no Truckstore. É um negócio que está a correr bem, é sustentável e vai continuar a ajudar-nos a escoar retomas. Esperamos também poder aumentar o nosso volume de vendas com clientes que tenham vontade de comprar veículos de outros mercados através do Truckstore. T&N - A nível global de resultados da Mercedes-Benz Portugal, já é possível adiantar alguma coisa relativamente a 2010? Carsten Oder - A Mercedes-Benz Portugal tem uma estratégia de negócio muito ambiciosa (e também satisfatória, porque num ano de crise, em 2009, as nossas vendas globais baixaram apenas 3%). Neste momento estamos não só a recuperar mas já a crescer. Em 2010 os nossos resultados já estão muito acima de igual período de 2008. SETEMBRO 7 |


A

Mercedes-Benz Portugal acaba de entrar no mercado cabo-verdiano, através do concessionário local Hiperpeças, que tem como maior accionista a portuguesa CS Peças Auto. A marca alemã vai comercializar em Cabo Verde automóveis, comerciais ligeiros e veículos pesados. A Hiperpeças garante não só a comercialização dos veículos novos, mas também todos os serviços de assistência pós-venda e de fornecimento de peças de origem, a par de todas as garantias de manutenção e reparação oferecidas contratualmente, tanto em veículos li-

Mercedes-Benz Portugal “ataca” Cabo Verde geiros como pesados da Mercedes. Ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS, Carsten Oder, administrador-delegado da Mercedes-Benz Portugal, justificou o investimento e avançou alguns dos pla-

nos para o futuro próximo. T&N - A que se deve esta aposta no mercado de Cabo Verde? Carsten Oder - Com o crescimento económico que se regista neste momento em

Um milhão em stock de viaturas A Hiperpeças foi constituída em 2007, desenvolvendo as actividades de comércio de viaturas e de peças e da assistência após-venda multimarca. A CS Peças Auto entrou na sociedade em Fevereiro de 2009, sendo actualmente o seu maior accionista, com 33,3% do capital (o restante está nas mãos de investidores locais: a Hiperpneus do sector automóvel, com 32,42%, a Promotora, do sector bancário, com 16,88%, a companhia de seguros A Garantia, com 7%, e ainda 10,4% dispersos por pequenos investidores). A empresa tem modernas e amplas instalações, com 14 mil m2 de área total, situadas na periferia da Cidade da Praia. As instalações integram dois edifícios distintos, totalizando mais de quatro mil metros quadrados de área coberta. Um deles é essencialmente afecto ao comércio de viaturas, dispondo de três salões de exposições, o maior dos quais está dedicado à concessão Mercedes-Benz. O segundo edifício integra uma oficina mecânica, oficina | 8 SETEMBRP

de chapa e pintura, loja e armazém de peças. “Damos assistência a ligeiros e pesados. A Hiperpeças tem de longe a maior e mais bem equipada oficina de Cabo Verde. O investimento global nas instalações já ultrapassa os 3,5 milhões de euros, e a par disso temos cerca de 300 mil euros de stocks de peças e outro tanto em viaturas, só da primeira encomenda à Mercedes. O objectivo é termos cerca de um milhão de euros em viaturas em stock rotativo”, adiantou ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS Carlos Ferreira, administrador da CS Peças Auto e da Hiperpeças. Para além da Mercedes-Benz, a Hiperpeças é importador da Peugeot: começará a vender ligeiros e comerciais ligeiros da marca francesa em finais de Outubro. “Falta-nos ainda negociar uma terceira marca para podermos comercializar pick-ups e jeeps, um tipo de veículos que tem muita procura em Cabo Verde”, acrescentou Carlos Ferreira.


Adjunto do PM: sinal de confiança na economia

Cabo Verde, consideramos que este é o timing ideal para apostarmos neste mercado. T&N - E porquê a Mercedes-Benz Portugal e não a “casa-mãe” a estabelecer esta nova concessão? Carsten Oder - Quando a CS Peças Auto nos propôs esta parceria, estudámos em conjunto com a sede, em Estugarda, qual a melhor forma de apoiar esta iniciativa e acordámos fazê-lo directamente através da Mercedes-Benz Portugal. Porque dispomos de todos os meios, inclusivamente ao nível da formação e ainda pelo facto da língua oficial ser o português. T&N - A nível de veículos comerciais quais são as principais potencialidades que vêem neste mercado? Carsten Oder - Queremos entrar no negócio de pesados. Com o crescimento do novo porto comercial, com o desenvolvimento acelerado da construção e do turismo e com os novos hotéis, é uma oportunidade interessante. No turismo, temos o Sprinter, o Vito e o Viano; para o mercado dos táxis temos os Classe B, C e E. E Estamos a estudar as diversas possibilidades para o mercado local de transportes.

A entrada da Mercedes-Benz em Cabo Verde é um sinal de confiança na economia do país, avançou ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS o secretário de Estado adjunto do primeiro ministro de Cabo Verde. “O facto duma marca internacionalmente conceituada ter apostado no nosso mercado representa, do ponto de vista do governo, um elevado grau de confiança na nossa economia e nos nossos empresários, para poderem fazer partenariado e explorar em conjunto as oportunidades de negócio que Cabo Verde oferece”, afirmou Humberto Brito. O mercado local é “atractivo e com um bom potencial de crescimento”, acrescentou, revelando que as estimativas do Governo apontam para um crescimento económico do PIB em 2010 “entre os 5% e os 6%”. O secretário de Estado realçou também o enorme esforço de investimento que está a ser feito em infra-estruturas de transportes no país. Em estradas mas não só. “Há nove anos, Cabo Verde não tinha um quilómetro de estrada asfaltada; neste momento já temos cerca de 500 quilómetros. “Temos em curso um investimento na ordem dos 300 milhões de euros para o desenvolvimento das infra-estruturas portuárias. A nível dos aeroportos fizemos também uma evolução fantástica, com um crescimento de 300% e neste momento temos quatro aeroportos internacionais. Estamos a fazer infra-estruturas que suportam o crescimento económico de Cabo Verde e que podem catapultar a nossa capacidade competitiva”, concluiu Humberto Brito.

25% do parque parado por falta de assistência Num mercado completamente dominado pela Toyota, o parque automóvel cabo-verdiano foi estimado em cerca de 70 mil viaturas em 2009. Hoje perto de 18% da população cabo-verdiana possui viatura própria. A ilha de Santiago concentra mais de 50 mil automóveis. Mas como não basta ter carro e as carências são mais que muitas, perto de 25% deste parque encontra-se imobilizado por falta de peças, de infraestruturas oficinais adequadas e de representação local da esmagadora maioria das marcas, tanto ao nível do comércio como da assistência pós-venda. A oferta em Cabo Verde resume-se a menos de meia dúzia de marcas. Para encontrar números oficiais sobre a repartição do parque automóvel há que remontar a 2006, ano em que estavam registados 50 339 automóveis, dos quais 1 065 viaturas táxi (a maioria Toyota Corolla e Avensis), 1 603 autocarros homologados para o transporte de 15 pessoas (carrinhas Toyota Hiace que fazem o transporte de passageiros entre as diversas localidades das ilhas), 142 autocarros urbanos, 725 camiões das gamas ligeira e média, 311 pesados mistos, 926 ligeiros de carga e 1466 ligeiros mistos. SETEMBRO 9 |


nova versão Fiat Doblò II Natural Power já começou a chegar a alguns mercados europeus. Na segunda geração deste utilitário da marca italiana destaca-se o bloco 1.4 T-Jet de 120 cv, que combina gasolina com gás metano. Trata-se dum motor Euro 5 turbocomprimido de alto desempenho, eco-amigável com apenas 134 g/km de emissões de CO2. O modelo conta com um tanque de gasolina de 22 litros e depósitos adicionais de metano que, completamente cheios, podem transportar 16,2 kg daquele gás. Segundo a marca, o metano é o combustível mais rentável do mercado nos dias que correm, podendo encher-se o depósito do Doblò Natural Power com apenas 15 euros e fazer uma viajem de 600 km com apenas 25 euros de combinação combustível. Para além dis

Renault para a construção testados em Lyon O TRANSPORTES & NEGÓCIOS participou nos “Constrution Days” da Renault Trucks, na pedreira de La Vallée Bleue, arredores de Lyon, onde testou a gama de construção da marca francesa.

A principal novidade é o Premium Lander OptiTruck, munido de um sistema que permite, com a simples pressão de um botão no painel de comandos, passar do modo 4x2 ao modo 4x4, graças a dois motores hidráulicos integrados nos cubos das rodas. Não se trata de um sistema 4x4 convencional, pelo que o Premium Lander OptiTruck está direccionado sobretudo para aqueles clientes que não necessitam de um todo-o-terreno puro e duro, mas de um veículo para aplicações mistas em estrada e estaleiro. O sistema funciona até um máximo de 30 km/h, | 10 SETEMBRP

velocidade a partir da qual é automaticamente desactivado. Entre as principais vantagens para o operador, estão o preço de aquisição (mais acessível do que o de um 4x4 convenciona), mais 490 kg de capacidade de carga útil e um mínimo de 10% de poupança de combustível. E tudo isto graças à simples substituição de uma ponte do eixo dianteiro por um eixo de avanço hidráulico. O sistema possibilita também uma altura de engate de quinta roda idêntica à altura dos veículos rodoviários normais 4x2.


Kerax, o topo de gama O Kerax é o topo de gama da Renault para o segmento da construção. Foi lançado em 1997 e completamente renovado em 2006. No processo de desenvolvimento de produto percorreu o equivalente a seis milhões de quilómetros em estradas, saliências alternadas, caminhos, rampas, charcos, etc. O êxito da sua comercialização estende-se a todo o mundo: desde a ilha do Bornéu, onde vende a versão 6x4 de 85 toneladas de peso bruto para o transporte de madeira, até à cordilheira dos Andes, a 4 500 metros de altitude, onde trabalha a versão 8x4 em actividades ligadas à extracção de minério. No total o Kerax oferece 60 modelos distintos, nove configurações - entre rígidos e tractores -, três chassis, três cabinas, 39 distâncias entre eixos e três

capacidades de tandem. O Kerax é um veículo todo-o-terreno por excelência, com uma excepcional distância ao solo graças à sua cuba de ponte plana e à capacidade de vencer rampas de acesso às obras (consegue vencer um grau de inclinação superior a 35%). O ano passado recebeu dois novos blocos Euro 5 que lhe permitem ordens de potência entre os 380 e os 520 cv. Recebeu também a última geração da caixa de velocidades automatizada Optidriver+ que pode ser combinada opcionalmente com o ralenti Voith, objecto de um desenvolvimento especial para os trabalhos da construção pesada, o que permite uma utilização em modo automático em 100% dos casos. Testámos uma versão 8x4 e outra 6x4, ambas com 460 cv de potência.

Premium Lander, o versátil A oferta da gama Premium Lander é proposta pela Renault com 70 modelos distintos, sete configurações entre rígidos e tractores, dois tipos de cabina e três alturas e longitudes possíveis. A nova configuração 8x2x6 permite incrementar a carga útil em 500 kg, aumentar a manobrabilidade graças a um raio de viragem melhorado em 12,5%, e reforçar a poupança de combustível até 10% em relação ao seu homólogo 4x4. Esta configuração destina-se a actividades e usos específicos que requerem maior facilidade de manobra em meios rurais e urbanos. Testámos a versão de 460 cv Euro 5. Por sua vez, o Premium Lander 8x4 Malaxeur Extra-Light encontra-se equipado com pneumáticos Goodyear 495/45 R 22.5 Omnitrac MSD que lhe garantem um aumento de 260 kg de carga útil, EBS de série, travões de disco e sistema de ajuda ao arranque em subida.

Mercedes lança minibus Sprinter City 77 A Mercedes-Benz alarga a sua gama de minibus com o lançamento do modelo Sprinter City 77, especialmente direccionado para o transporte urbano. Trata-se de um minibus de três eixos e 8,7 metros de comprimento, da classe XXL, dotado de eixo traseiro e piso baixo, com capacidade para 40 passageiros, que permite à marca alemã acabar com o fosso existente entre a Sprinter City 65 e o K Citaro. Cerca de um metro mais comprido do que a Sprinter City 65 e com mais dez passageiros de capacidade, o novo modelo tem um peso bruto de 6,8 toneladas. A Sprinter City 77 integra portas duplas, operadas com uma inovadora função de rebaixamento (a qual em conjunto com o piso baixo da plataforma garantem um fluxo rápido de passageiros). Dependendo da configuração, a marca da “estrela” disponibiliza uma baia com rampa para cadeiras de rodas na porta da frente ou na traseira. A Sprinter City 77 tem uma distância entre eixos de 4 100 + 990 mm, garantindo assim, com a largura de apenas 1,99m, uma excelente brecagem, condição essencial para um pequeno autocarro urbano. A motorização de série é a versão mais potente do bloco de 4 cilindros da Sprinter, com 163 cv e um binário máximo de 360 Nm. Estamos a falar dum bloco conforme à exigente norma EEV, acoplado a uma transmissão automática de 5 velocidades. SETEMBRO 11 |


Vem aí o Berlingo First Electrique

A

Citroën prepara-se para alargar a vários mercados europeus a oferta do furgão Berlingo First Electrique, comercializado em França desde meados deste ano, e que já ganhou uma encomenda de 250 unidades da “La Poste”, para serem entregues até ao final do ano. Encontram-se também já algumas unidades em circulação no Reino Unido, ao

serviço de operadores municipais. A versão eléctrica do Berlingo foi desenvolvida com base no modelo com motor de combustão. O motor de propulsão eléctrica, desenvolvido pela Venturi Automobiles, debita uma potência máxima de 42 Kw e tem autonomia para 100 km. Pode atingir uma velocidade máxima de 110 km/h e em carregamento rápido consegue recarregar as baterias em 80% da sua capacidade total em apenas cinco horas. Trata-se duma versão eléctrica plug-in, que pode ser recarregada numa tomada caseira convencional de 220V. A capacidade de carga é de 500 kg.

Berlingo e Partner eléctricos em Vigo A Mitsubishi Motors Corporation (MMC) e a PSA Peugeot Citroën anunciaram um acordo para o desenvolvimento de uma versão eléctrica dos veículos utilitários Peugeot Partner e Citroën Berlingo, a serem fabricados na unidade fabril da PSA de Vigo (Espanha). No âmbito do novo acordo, os dois parceiros irão definir os aspectos técnicos e industriais do projecto, de modo a iniciar a produção destas versões no final de 2012.

Mazda estreia pick-up BT-50 A Mazda Motor Corporation prepara-se para apresentar a nova pick-up BT-50, que irá fazer a sua estreia mundial no “Salão Internacional do Automóvel – Austrália”, agendado para a terceira semana de Outubro, em Sidney. O novo modelo foi desenvolvido de raiz. O design exterior apresenta linhas vincadas e uma presença forte | 12 SETEMBRP

que transmite fiabilidade, para além de novas formas desportivas e dinâmicas. O novo Mazda BT-50 assume-se como um modelo global que também será comercializado na Europa. No Salão da Austrália, a Mazda igualmente apresentará a gama de futuras cadeias cinemáticas SKY Concept, com comercialização prevista a partir de

2011. Destaque para o protótipo do motor SKY-D a diesel e para a transmissão automática SKY-Drive de próxima geração que também irá equipar os comerciais da marca japonesa. O objectivo da estratégia de 2007 da Mazda, denominada “Zoom-Zoom Sustentável”, consiste na redução de 30% da média dos consumos em 2015, tendo como referência o ano de 2008.


General Motors desenvolve furgão híbrido

PSA Peugeot Citroën reforça parceria na R.P. China

A General Motors investiu cerca de cinco milhões de euros na empresa norte-americana Bright Automotive, tendo em vista o desenvolvimento do furgão híbrido Idea, que será produzido pela companhia do estado do Indiana e estará equipado com motor e transmissão do fabricante automóvel americano. O Idea terá tracção dianteira e um motor eléctrico a alimentar o eixo posterior, garantindo assim a tracção total do veículo. Utilizando baterias concebidas pela Bright Automotive, o bloco eléctrico consegue impulsionar o Idea durante 60 quilómetros, autonomia que aumenta para 500 quilómetros em modo híbrido. Apesar de ainda não estar definida a data de chegada ao mercado, a Bright prevê produzir 50 mil unidades por ano deste furgão numa unidade que vai gerar mil postos de trabalho.

Philippe Varin, presidente do conselho de administração da PSA Peugeot Citroën, e Xu Ping, presidente da Dongfeng Motor Group Company (DFM), anunciaram o reforço da parceria através da empresa comum Dongfeng Peugeot Citroën Automobilies (DPCA). O reforço desta parceria abrange cinco áreas distintas, nomeadamente a criação de um sistema de gestão mais eficiente, o reforço do plano do produto com o lançamento de um total de 12 novos modelos pela DPCA nos próximos cinco anos (incluindo veículos comerciais), um plano para veículos não poluentes e a revitalização da gama de motores, o aumento da capacidade de produção (com a abertura de uma terceira fábrica em 2013 na cidade chinesa de Wuham), e o desenvolvimento da rede local de distribuição. Estas iniciativas permitirão à DPCA alcançar uma quota de mercado de 5% na China em 2015.

SETEMBRO 13 |


MAN admite chegar este ano às 120 mil entregas

O

ano está a correr melhor do que o previsto à MAN, adiantou em Hannover o director financeiro do construtor alemão. A MAN deverá superar este ano o objectivo “prudente” de uma taxa de rendibilidade de 6%, afirmou aos jornalistas Frank Lutz. Lutz acrescentou que as previsões da marca apontam agora para que seja atingido um volume de entregas de entre 115 mil e 120 mil veículos. O volume de negócios do grupo alemão deverá aproximar-se dos 15 mil milhões de euros realizados em 2008, antes do eclodir da crise, afirmou. Já o presidente da MAN, Georg PachtaReyhofen afirmou, por seu turno, que a parceria com a Scania está a evoluir rapidamente, mas preveniu que alguns dos resultados só serão visíveis dentro de vários anos (o que não será de estranhar considerando a duração dos ciclos de desenvolvimento de novos produtos na indústria dos veículos pesados). Pachta-Reyhofen rejeitou, outrossim, a ideia de que poderá estar iminente um aumento da posição da Volkswagen no capital da MAN. A VW possui 30% do construtor alemão de pesados desde o início de 2007, e desde então que se especula sobre a possibilidade de aumentar tal posição, mesmo tendo de lançar uma OPA geral sobre as acções da empresa. O presidente da MAN garantiu que actualmente nada deixa prever um tal movimento.

| 14 SETEMBRP

Daimler prevê subida de 50% no mercado mundial As vendas mundiais de pesados de mercadorias deverão crescer 50% até 2015, prevê Andreas Renschler. O director da divisão de camiões da Daimler, número um mundial no sector, avançou que as vendas de pesados de mercadorias deverão progredir nos próximos cinco anos até se fixarem cerca dos três milhões de unidades. Os analistas estimam que o futuro do mercado mundial será ditado pelas

economias dos BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), onde se registam os maiores crescimentos de vendas. Razão por que os principais fabricantes ocidentais estão a investir ali na criação de instalações fabris e redes de após-venda próprias. Depois de um ano de 2009 “para esquecer”, os construtores de pesados de mercadorias estão a registar números de vendas positivos, a aumentar os ritmos de produção e a contratar pessoal.


Vendas de pesados em Portugal sobem 16% em Agosto

E

m Agosto, as vendas de pesados de mercadorias em Portugal atingiram as 196 unidades, mais 16% do que há um ano, divulgou a ACAP. A DAF foi, de novo, a marca que mais veículos matriculou (45), mais do que duplicando o resultado de há um ano, e com isso aproximou-se da liderança de vendas no year-to-date. Com 335 veículos registados, a marca holandesa dista agora apenas três unidades da Renault Trucks, que em Agosto se

ficou pelas 23 matrículas (menos 8%). Depois da DAF, a Mercedes e a Mitsubishi foram as marcas que mais veículos matricularam em Agosto: 27, o que representou crescimentos homólogos de 23% e 69%, respectivamente. A MAN matriculou 18 veículos (menos 14%), a Volvo 17 (mais 13%) e a Scania 16 (o dobro). A pior performance relativa foi a da Iveco, que caiu 82% para apenas seis veículos matriculados. Desde o início do ano, a Renault e a

DAF lideram as vendas, ambas com quotas de mercado na casa dos 18%. Sendo que enquanto a Renault cresce 68% a DAF ainda perde 19% em termos homólogos. Em perda estão também a Volvo e a Mercedes, que ocupam as posições seguintes no ranking, com 256 (menos 21%) e 190 (menos 27%) veículos matriculados, respectivamente. A Mitsubishi é agora quinta marca mais vendida, com 178 unidades (mais 4,1%), tendo ultrapassado a MAN, que soma 170 (menos 1,7%). A Scania conta 157 matrículas (2,6%) e a Iveco destaca-se pela negstiva, com um “afundanço” de 63% para as 1120 unidades. Desde o início do ano foram matriculados em Portugal 1 869 pesados de mercadorias novos, menos 12,8% do que no mesmo período de 2009.

Vendas de pesados na UE crescem 24% Em Agosto matricularam-se 11 508 veículos de mercadorias de +16 toneladas na União Europeia, anunciou a ACEA. Em termos homólogos, verificou-se um crescimento de 34%. A forte subida mensal ajudou a mitigar as perdas acumuladas desde o início do ano. Entre Janeiro e Agosto matricularam-se nos “27” 100 787 veículos +16 t, menos 9% que há um ano. A Alemanha, principal mercado europeu, confirmou essa posição em Agosto, com uma subida de 54% nas

matrículas. De resto, todos os principais mercados estiveram em alta, como foram os casos de França (mais 12%), Itália (mais 41%), Reino Unido (mais 17%) ou Espanha (mais 46%). Em Portugal, as matrículas de camiões +16 t atingiram as 137 unidades em Agosto, menos uma que no mesmo mês de 2009. Considerando os valores desde o início do ano, o quadro geral é bastante diferente, uma vez que apenas a Espanha – e agora a Alemanha – acumulam cres-

cimentos: 12% no país vizinho e 4% na maior economia europeia. Todos os outros principais mercados estão ainda claramente no vermelho, como são os casos de França (a perder 20%), Itália (menos 13%), Holanda (menos 33%) e Reino Unido (menos 14%). O mercado nacional de camiões da gama alta totalizou 1 360 matrículas nos primeiros oito meses do ano, o que compara com os 1 637 registos de há um ano (menos 17% agora). SETEMBRO 15 |


Renault fornece à Patinter 234 Premium Estrada e Magnum

DAF lidera mercado europeu de tractores

A

A DAF atingiu uma quota de mercado recorde de 16,3% a nível europeu, na primeira metade de 2010. A médio prazo, o objectivo é atingir os 20% nas vendas globais de veículos comerciais. No segmento dos tractores, acima das 15 toneladas, a quota da marca holandesa ascendeu mesmo aos 21%, no final de Junho, garantindo a liderança no ranking da UE. A DAF é líder de mercado na Holanda, Bélgica, Reino Unido, Polónia, República Checa e Hungria. Na Alemanha, o maior mercado de camiões da Europa, só é superada pelos fabricantes locais Mercedes-Benz e MAN, tendo consolidado a sua posição de marca líder entre os importados com uma quota de mercado de 12,1%. Em 2010 a Paccar passou também a disponibilizar a gama de produtos DAF na América do Sul, o que constitui, segundo Bob Christensen, vice-presidente sénior da Paccar, “um desenvolvimento entusiasmante, que se espera venha a trazer um substancial aumento das vendas na região, durante os próximos anos”.

Renault Trucks firmou um contrato com a Patinter para o fornecimento de 234 tractores Premium Estrada e Magnum, cuja entrega se tem processado ao longo do ano, devendo estar concluída em Outubro. A mega-encomenda do transportador português foi a maior de todas realizada este ano em território nacional e integra 175 camiões Magnum 480 e 59 Premium Estrada 460, todos eles equipados com caixa automatizada Optidriver+ e destinados ao transporte internacional. Segundo Raquel González, responsável

pela comunicação externa da Renault Trucks nos dois mercados ibéricos, “o mercado português tem uma particularidade interessante: basta um grande transportador efectuar uma encomenda de vulto para ter implicações ao nível do ranking”. Efectivamente, a Renault Trucks chegou ao fim dos primeiros dois quadrimestres do ano à frente do ranking nacional de pesados de mercadorias com 338 unidades entregues e 68,2% de crescimento homólogo. Isto num mercado que caiu 12,8% em relação a um ano que já por si foi muito mau.

Volvo duplica vendas em Agosto Em Agosto, as vendas da Volvo Trucks cresceram 100% em relação ao mês homólogo de 2009. Na Europa, onde a procura continua a recuperar gradualmente, as entregas subiram 90%. Nos primeiros oito meses do ano, a marca sueca entregou a nível global um total de 42 709 veículos, mais 46% do que em igual período do ano passado (29 273). Na Europa, a Volvo registou 15 619 entregas, obtendo uma | 16 SETEMBRP

variação homóloga positiva de 22%. A procura nos mercados da América do Sul continua muito forte, tendo o construtor entregue este ano 11 844 veículos, com um registo de crescimento na casa dos 106%. Na América do Norte, o incremento das vendas chegou aos 51%, com 6 758 unidades. Também na Ásia e no Médio Oriente a Volvo obteve ganhos assinaláveis, de 67% e 85%, respectivamente.


Fabricantes de camiões suspeitos de cartelização no UK

A

s principais marcas europeias de camiões estão a ser alvo de uma investigação levada a cabo pelo Office of Fair Trading (OFT) britânico, por suspeita de concertação de preços. A Mercedes-Benz, a Scania e a Volvo confirmaram estar sob investigação e garantiram a disponibilidade para colaborarem com as autoridades. Já a Iveco limitou-se a dizer, através de um porta-voz, estar ao corrente da investigação e disponível para colaborar, sem especificar se já foi directamente inquirida. O OFT confirmou as investigações mas escusou-se a tecer comentários sobre os resultados até agora obtidos. Igualmente não adiantou o teor das suspeitas. Todavia, uma fonte de uma das marcas investigadas referiu tratar-se de questões relacionadas com a fixação concertada dos preços dos veículos.

De acordo com a legislação britânica que regula a concorrência, o OFT pode impor aos prevaricadores multas até um montante equivalente a 10% da factu-

ração global da empresa. No ano passado as vendas de camiões no Reino Unido recuaram 54%, por causa da crise.

Produção nacional triplica em Agosto Mesmo com menos uma fábrica a laborar, por motivo de férias, a produção nacional de veículos comerciais “disparou” em Agosto, superando os valores de antes da crise. Em Agosto Portugal produziu 1 161 veículos comerciais, mais 201% do que no mesmo mês do ano passado. Desde o início do ano, a produção nacional de comerciais eleva-se a 27 431 unidades, mais 80% do que em 2009. Em Agosto produziram-se 994 comerciais ligeiros (mais 163%), elevando o total do ano para as 24 625 viaturas (mais 81%). Entre os pesados, em Agosto contabilizaram-se 167 veículos de mercadorias (mais 1 988%) e nenhum de passageiros. Desde o início do ano, já são 2 746 camiões (mais 77%) e 60 autocarros (mais 11%). Os resultados de Agosto e do year-

-to-date são melhores do que os verificados em 2009 mas não chegam ainda para fazer esquecer a crise. Os números dos comerciais ligeiros são os melhores dos últimos anos mas ficam a cerca de meio caminho dos verificados ainda em 2006. Nos pesados de mercadorias basta recuar a 2008 para encontrar muito melhor (quase cinco mil camiões produzidos) e o

mesmo se diga relativamente aos autocarros, que têm reduzida expressão. Entre os fabricantes cá instalados, a PSA Peugeot-Citroën é a que tem o melhor comportamento nos comerciais ligeiros, ao passo que nos pesados se destaca a Mitsubishi do Tramagal. Em Agosto a Toyota Caetano não laborou. SETEMBRO 17 |


Continental lança pneumáticos com índice de carga mais elevado A rígida norma de emissões Euro 6, que entrará em vigor em 2013, exigirá aos fabricantes de veículos a construção de novos motores, com tecnologia de limpeza de gases de escape e pós-processamento mais complexa. Os catalisadores, a recirculação de gases de escape, os filtros de partículas e os sistemas de refrigeração consideravelmente maiores aumentarão bastante a carga sobre o eixo dianteiro. Tendo em vista estas novas exigências colocadas aos pneus pesados modernos, a Continental desenvolveu e já está a comercializar as versões da geração de pneus de alta tecnologia HSL 2 ECOPLUS com maior capacidade de carga. Paralelamente, o pneu de longo curso HSL 2 ECO-PLUS XL, recentemente desenvolvido, com uma capacidade de

carga de mais 500 quilogramas por eixo, assume um papel importante em transportes especiais em que a carga sobre o eixo frontal é maior. Aqui incluem-se, por exemplo, transportadores de automóveis, camiões-cisterna e camiõessilo ou veículos com contentores e estruturas modulares. Estas aplicações cons-

Euroaro com produtos SAM e Autolift A Euroaro, do grupo Civiparts, subscreveu parcerias para distribuir em Portugal as gamas de produtos da SAM e da Autolift. O fabricante de ferramentas para oficina manuais SAM conta já com mais de um século de existência, sendo internacionalmente conhecido pela qualidade e flexibilidade dos seus produtos, que vão desde os chamados estojos de primeira intervenção até às mais sofisticadas ferramentas oficinais. Por sua vez, a Autolift disponibiliza no mercado uma vasta gama de elevadores de colunas móveis e de tesoura, que são desenvolvidos com | 18 SETEMBRP

base nas premissas de funcionalidade, mobilidade e flexibilidade operacional. A oferta da Autolift para a oficina abrange as áreas de pesados e ligeiros, máquinas industriais e agrícolas. Estas duas novas parcerias ampliam a oferta que o grupo Civiparts disponibiliza a todos os profissionais do sector da manutenção e reparação.

tituem actualmente um quinto de todos os transportes de longo curso. A distribuição de peso no tractor e semi-reboque sobrecarrega especialmente os pneus do eixo direccional do veículo. O HSL 2 ECO PLUS XL é o primeiro pneu da segunda geração com índice de carga aumentado. Está disponível nas dimensões convencionais 315/70 R 22.5 para aplicações standard com capacidade de carga por eixo máxima de 8 toneladas, e 315/60 R.22.5 para veículos com volume optimizado capacidade de carga por eixo máxima de 7,5 toneladas. Graças aos talões reforçados com fio de aço (produzidos com aço especial de alta resistência) e à estrutura da carcaça reajustada, as forças causadas pelo peso adicional e pelo aumento da temperatura são absorvidas de forma eficaz.

Coperol comercializa filtros Dinex A Coperol é distribuidor oficial em Portugal dos filtros de partículas da Dinex, marca dinamarquesa que produz uma completa gama de material original de escape, encontrando-se já homologada pelo IMTT. Para além de disponibilizar estes filtros na sua rede de lojas, a Coperol procede também à respectiva montagens nas suas oficinas. A operação demora apenas cerca de uma hora, uma vez que o equipamento Dinex tem um design específico que permite a rápida instalação. A Coperol oferece o material de isolamento, sempre que seja necessário isolar as tubagens dianteiras. A instalação de filtros de partículas permite a redução em até 90% das emissões de partículas poluentes, em conformidade com a nova directiva comunitária, aplicável a veículos com motores do tipo Euro 0 a Euro 3. A instalação destes equipamentos neste momento é co-financiada pelo MOPTC, através do IMTT.


SETEMBRO 19 |


| 20 SETEMBRP

T&N Veículos Comerciais  

Edição de Setembro 2010