Issuu on Google+

Tiago Lobo

Com os Anjos P

ais morreram, filhos ficaram órfãos, esposas enviuvaram e ninguém descansou em paz na manhã do dia 11 de setembro de 2001 quando o mundo parou. Mas uns encontraram os anjos. As torres gêmeas do maior conjunto comercial do mundo, o World Trade Center, em Nova Iorque, ruiu após receber o impacto de duas aeronaves Boeing 767, com um total de 157 passageiros a bordo, fruto de uma ação de terroristas árabes. Os aviões decolaram de Boston, às 7h58min com 65 passageiros e às 7h59min com 92. Ambos os vôos iam para Los Angeles. Nesta viagem interrompida, Paul Miller não encontrou o filho e a esposa como esperava, ele parou em Nova Iorque. Agora uma viúva tentava confortar o menino dizendo, com a voz embargada e fina: - O papai está com os anjos, querido. O garoto de 6 anos mantinha a face fixa no vazio, com olhos marejados e a boca entreaberta (Ele não era capaz de compreender). O que aconteceria na sua vida já se imagina: fica arredio, revoltado, regride no colégio, é indicado a acompanhamento psicológico, acorda pela noite com pesadelos e se queixa da ausência do pai. Mas não seria esse seu destino... No colégio, mostra-se aluno exemplar, mas apático. Em casa, prestativo e carinhoso, auxilia a mãe em tudo o que é preciso e não dá muitos sinais pós-traumáticos. Ou dá? Não tem amigos, é um jovem sozinho. Por isso assiste muita televisão, lê jornais diariamente e se interessa por literatura e programas policiais (Mas engana-se o leitor que imaginar que ele desenvolve seu senso de justiça, roubado no dia da morte do pai). Certo dia a mãe é surpreendida ao deparar-se com o menino brincando no quarto com um colega de aula. A brincadeira recria o atentado terrorista e o avião que se choca com as torres improvisadas com caixas é empunhado por Mohamed All Ashraf Jalil, menino muçulmano descendente direto de árabes. O choque é inerente e a reação é surda e muda, e também cega pois a mãe ignora a situação, deixando-os sozinhos. Quando se dá conta do absurdo encontra o menino Mohamed deitado no chão. Ao indagar o filho com os olhos tem a espinha percorrida por um gelo que dispara seu coração, quase a ponto de enfartar. Passa mal, leva a mão ao peito, se agacha apoiada à soleira da porta e seus olhos esbugalham, a boca escancara e o grito escapa. Seu filho sorri e diz, carinhoso e delicado: - Ele está com os anjos, mamãe. ***

Paul Miller, em casa com a família fecha a revista The New Yorker, onde lia uma reportagem com a seguinte chamada: “Como nascem os sociopatas”.


Com os anjos