Issuu on Google+


06

Os notรกveis USA 2013


30 10

Apresentando-se pela segunda vez em Nova York, mas estreando na cidade como recitalista, Simone Leitão, que também é fundadora e diretora artística da Brasil Classical, se apresenta na quinta-feira, 30 de janeiro, as 8 PM, no Weill Recital Hall, do prestigiado Carnegie Hall, uma das mais importantes casas de

espetáculos do mundo. O programa escolhido por Simone é o reflexo de sua trajetória como pianista recitalista. Entre os compositores, estão os universais Bach e Beethoven, os quais a artista tem se dedicado ao longo da carreira. Para Bach, Simone escolheu uma das suítes

que toca, e preparou ela mesma, no cravo, os ornamentos das repetições. A sonata de Beethoven será bem pianística e menos sinfônica. “Mostrará mais a essência do estilo do autor”, explica Simone. Grande Baião de Concerto, de André Mehmari foi escrita especialmente para a pianista, pensando em suas características

técnicas. André e Simone pensaram na obra juntos, como se fosse a trilha sonora de Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa. A Sonata Ginastera faz parte do repertório de Simone há cinco anos. “Quis terminar o recital com uma obra que para mim é como se fosse um velho amigo”, afirma a pianista.

O grande compositor da história da música clássica Ludwig van Beethoven


Social News

Brazilian Endowment for the Arts, convida a comunidade para um evento especial com Beti Rozen


E-mail walther_autor@hotmail.com

Conitos na Globo

Boni diz que atores aparecem em excesso nas novelas

Perdeu o lugar


Brasileiro ĂŠ alvejado a sangue frio em Connecticut, mas sobrevive

O brasileiro foi alvejado ao reagir ao assalto a sua casa


BRAZILIAN TIMES www.braziliantimes.com

Column

Monday, January 20, 2014

17

Múltiplas emergências foram grande teste para o sistema global humanitário em 2013

D

ezenas de milhões de pessoas estão começando 2014 como deslocados internos ou refugiados, alertou a chefe do Escritório da ONU de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), Valerie Amos, nesta quinta-feira (2). Ela pediu apoio para todos que foram expulsos de suas casas pela violência ou por causa de desastres naturais. “2013 foi um verdadeiro teste para o sistema humanitário global e não há nenhuma indicação de que 2014 vá ser diferente”, disse, acrescentando que a ONU será mais necessária do que nunca neste ano. Em 2013, conflitos étnicos e religiosos tomaram conta de vários países do mundo. No Sudão do Sul, 194 mil pessoas tiveram que deixar suas casas em duas semanas e 57,5 mil estão sob a proteção da missão da ONU no país. As organizações humanitárias estão tendo dificuldade de acessar algumas áreas do território, enquanto graves violações dos direitos humanos acontecem livremente. Na Síria, mais de 120 mil pessoas morreram, 6,5 milhões estão deslocadas e 2,3 milhões estão refugiadas desde o início do conflito em março de 2011. Na República Centro-

Africana, Amos observou que a violência e a instabilidade tem como pano de fundo a pobreza extrema e o colapso do Estado, com cerca de 800 mil deslocados – mais de um sexto da população – e meio milhão de famintos. No Sudão, a crise em Darfur está quase completando dez anos e, na República Democrática do Congo, os deslocamentos continuam sendo uma grande preocupação, já que 2,7 milhões de pessoas tiveram que sair de suas casas. Estima-se que 6,3 milhões de congoleses não tenham acesso regular a alimentos, resultando em metade de todas as crianças menores de cinco anos de idade no país sendo consideradas cronicamente desnutridas. Amos disse que as reformas da ONU postas em prática há dois anos estão tendo resultados reais, mas que é necessário mais trabalho para superar seus diferentes elementos. Há duas semanas, as Nações Unidas fizeram um apelo humanitário de quase 13 bilhões de dólares, o mais alto da história da Organização, para ajudar as vítimas de conflitos e desastres naturais em 2014. Cerca de metade dessa quantia vai para socorrer as vítimas da crise síria.

FHC busca "cenários alternativos" para o combate às drogas Ex-presidente do Brasil quer levar o tema à próxima Sessão Especial da Assembleia Geral da ONU, em 2016; Fernando Henrique Cardoso preside a Comissão Global sobre Políticas de Drogas.

P

residindo a Comissão Global sobre Políticas de Drogas, Fernando Henrique Cardoso busca uma nova abordagem para o combate ao problema, que tenha como foco o usuário e não o traficante. O ex-presidente do Brasil lidera o painel, formado por figuras do cenário internacional, como o ex-SecretárioGeral da ONU, Kofi Annan o ex-presidente de Portugal, Jorge Sampaio e os escritores Mario Vargas Llosa e Paulo Coelho. Espaço na ONU FHC destacou que espera levar o tema a uma sessão especial da Assembleia Geral da ONU, agendada para 2016. "Colocar na cadeia o usuário simplesmente aumenta a potencialidade dele ficar na mão dos

Fernando Henrique Cardoso. traficantes. Então nós nova Sessão Especial da temos que dar uma virada Assembleia Geral das nesse modo de encarar as Nações Unidas seja coisas. Estou muito possível abrir espaço para esperançoso que nessa experiências alternativas,

que já estão ocorrendo no Uruguai, em Portugal e no próprio Estados Unidos." Na Comissão Global sobre Políticas de Drogas, Fernando Henrique Cardoso quer "mostrar que existem outros mecanismos para a redução do consumo" de narcóticos. O sociólogo explica qual foi a motivação inicial do grupo. Consumo "Nos preocupamos com o caminho que estava dada a questão, que era uma ênfase maior na repressão e menor na redução do consumo, na prevenção, nos tratamentos de saúde, questões dessa natureza. E tanto é assim, que na OEA (Organização dos Estados Americanos) agora, o presidente da Colômbia propôs – e todos os presidentes da nossa região concordaram – de fazer uma revisão dessa matéria e ver cenários alternativos." FHC lembra que uma das iniciativas da comissão foi a produção do documentário "Quebrando o Tabu", baseado no problema das drogas no Brasil e no mundo.


SOCIAL NEWS

Novo visual

Fique por dentro do Brasil por Claudia Carmo

Foto: Francisco Cepeda/Agnews

Fazendo a festa

C

uem também se divertiu muito na feira foi AdrianeGalisteu. Ela dançou, tirou fotos com os fãs e ainda conferiu as novidades da Couromoda. Foto: Francisco Cepeda/ Agnews

Q

Foto: Francisco Cepeda/ Agnews

Foto: Francisco Cepeda/ Agnews

om o final da novela “Amor a Vida”, Carol Castro começa a circular pelos grandes eventos que acontecem entre São Paulo e Rio. Esta semana, a atriz foi conferir as novas tendências para outono/inverno da Couromoda em São Paulo.

O S

galã ator Sérgio Marone também foi o sucesso entre as mulheres na feira. Com muita simpatia tirou fotos e conversou com as fãs.

uzana Vieira, aos 71 anos, mostra que está em boa forma. Ela é capa da revista Ana Maria deste mês e depois de terminar o namoro de 4 anos, diz estar super bem resolvida em sua vida tanto emocionalmente quanto fisicamente.“Eu estou em uma idade na qual não posso mais me censurar. Eu tenho que fazer o que eu gosto e dizer o que me incomoda sem medo. Eu pago meus impostos, sou digna, sou correta, então não tenho por que ficar fingindo que sou boazinha ou tímida”, disparou.

Top aos 70


amroque02@hotmail.com


30 10

Paul Tucci Ros達ngela Tucci, juntos a 11 Anos e casados a 9 anos


30 10

Social News


Com novo visual, Sabrina Sato participa de coletiva de imprensa, em SĂŁo Paulo

A emissora nĂŁo forneceu o resumo do capĂ­tulo



Ny 1672