Page 1

TEI OSO edição trimestral . nº

7 . Janeiro 2013


ÍNDICE 2

EDITORIAL

4

FESTA DE NATAL

5

DECORAÇÃO DE NATAL

8

CEIA DE NATAL

9

VÉSPERA DE NATAL

11

BOM NATAL

13

“A VOZ DA ESCOLA”

14

FALCÕES MATEMÁTICOS

18

PRÉMIO ESCOLAR JOSÉ DA SILVA PARDALEJO

20

DIA NACIONAL DA CULTURA CIENTÍFICA

22

90 ANOS DE JOSÉ SARAMAGO

24

150 ANOS DE AMOR DE PREDIÇÃO

25

AUTOR DE MÊS

26

VISITA DE ESTUDO A COIMBRA

28

VISITA DE ESTUDO AO MUSEU DO CÔA

29


30

DIA DO IDOSO

32

BOMBEIRO POR UM DIA

33

NA MAGIA DO CONTO

34

DIA MUNDIAL DA FILOSOFIA

35

DIA DA TOLERÂNCIA

36

DIA DOS DIREITOS HUMANOS

37

BIBLIOTECA ESCOLAR

38

HALLOWEEN

44

FEIRA DAS TRADIÇÕES

48

LENDAS

49

PINHEL

56

A TELEVISÃO

58

TER UM AMIGO É BOM

59

TRANSPLANTE DE CÉREBRO

60

DESPORTO ESCOLAR

61

PASSATEMPOS

64

ÍNDICE

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO

3


Caros leitores: É com prazer que estamos de novo convosco. Com os alunos, com os professores, com os pais. O triângulo perfeito para que a escola possa funcionar. Já aqui temos falado do papel destes três vértices. De quão importantes eles são. Não nos cansamos em continuar a chamar a atenção dos pais para a grande importância que têm na educação dos filhos. Ouve-se com frequência que os alunos não cumprem as regras escolares e que nem sempre fazem os trabalhos propostos. É preciso que os pais supervisionem os filhos, em casa e vindo à escola. Assim, os professores terão o caminho aberto para o desenvolvimento profícuo dos trabalhos escolares e os alunos chegarão ao final com melhor aproveitamento. Todos serão mais felizes, pois hão de sentir que o seu tra-

EDITORIAL

balho frutificou. Saibamos merecer o que de bom trouxe a escola pública à sociedades atual: a educação para todos, a igualdade de oportunidades. Esperamos que as próximas gerações possam continuar a beneficiar desta democratização do ensino. Esperamos também que continuem a enviar as vossas notícias para os

4

lugares habituais ou para teimosojornal@gmail.com e que tenham um Ano Novo muito, muito próspero. A equipa de “O Teimoso” FICHA TÉCNICA Jornal Escolar “O Teimoso” Propriedade do Agrupamento de Escolas de Pinhel Colaboradores: Alunos e Professores do Agrupamento Redação e composição: Professora Carminda Monteiro Machado


FESTA DE NATAL

Festa de Natal 2012

Realizou-se nos dias 13 e 14 de dezembro, nas vĂĄrias escolas do Agrupamento de Escolas de Pinhel, a tradicional Festa de Natal, que encerra o primeiro perĂ­odo de atividades letivas.

5


FESTA DE NATAL

A festa foi uma apresentação de trabalhos realizados nas várias disciplinas e que permitiram uma homenagem à quadra mágica que é o Natal. Para lá dos trabalhos desenvolvidos por alunos e professores, o Pai Natal continuou a fazer a sua especial aparição, o que constitui sempre motivo de ani-

6

mação, sobretudo dos mais pequenos. Também os representantes da Direção do Agrupamento de Escolas de Pinhel estiveram presentes, deixando votos de Boas festas a toda a comunidade educativa. Ficam algumas imagens das atividades.


FESTA DE NATAL

7


Decoração de Natal Este ano a decoração de Natal da Biblioteca esteve a cargo da professora Célia Cardoso e da Assistente Operacional da Biblioteca Eugénia Cor-

DECORAÇÃO DE NATAL

reia.

8


Ceia de Natal Agrupamento de Escolas de Pinhel. Professores, auxiliares de educação e respetivas famílias partilharam

CEIA DE NATAL

Realizou-se no dia 18 de dezembro, a tradicional ceia de Natal do

este momento de confraternização que culminou numa refeição confecionada pelos auxiliares de educação e servido pelos alunos dos CEF de Restauração e Bar que, zelosos do seu trabalho, mostraram o profissionalismo que os tem acompanhado. Por fim os membros da Direção subiram ao palco para desejarem as boas festas aos presentes e homenagear os profissionais de educação reformados ao longo do ano. Ficam algumas imagens para recordar.

9


10

CEIA DE NATAL


Patrícia Morgado – 6ºB

VÉSPERA DE NATAL

Nas vésperas de Natal, Romeu e sua mãe saíram para fazer compras. Numa das lojas encontraram um Pai-Natal. Romeu, sem perder tempo, correu para ele, sentou-se no seu colo e cochichou o que queria receber. A mãe do Romeu quis saber o que ele pedira ao pai-natal, mas ele não quis contar. Andaram, andaram e não compraram nada. Estava tudo muito caro! Então, entraram numa loja onde também estava um homem de roupa vermelha e barbas brancas. O Romeu ficou espantado, mas pensou que o pai-natal talvez tivesse saído da outra loja e entrado nesta. Contudo, percebeu a diferença, pois este era um pouco mais magro e tinha a barba mais comprida. Assim, quis fazer tudo outra vez. Esperou na fila, sentou-se no colo deste pai-natal e segredou, pensando:

11


- Se o outro se esquecer do que lhe pedi, este há de lembrar-se! Andaram mais um pouco e a mãe do Romeu já queria voltar para casa. Mas ele viu outro pai-natal noutra loja. Então, teve uma ideia. Pediu à mãe para escrever em vários papelinhos a lista de presentes que ele queria. Deu um papelinho a este pai-natal, a outro que estava numa esquina e a todos os que encontraram pelo caminho. A mãe tentou explicar ao menino por que havia tantos senhores de

Patrícia Morgado – 6ºB

roupa vermelha e barba branca espalhados pela cidade, mas ele foi

12

dizendo: - Eu sei! É porque há muitas crianças no mundo e um sozinho não conseguiria entregar tantos presentes! Não sabemos se Romeu recebeu os presentes mas …se ainda acredita na magia do Natal… aguarde os seus e …tenha um feliz natal!


Formação Cívica—5ºB

Quero que todos os dias,

Também os outros reis magos,

Sejam dias de Natal.

O Melchior e o Baltazar…

Para todos felicidade,

Tragam a todos os homens

A ninguém lembrar o mal.

A conjugação do verbo amar.

Ó menino, não te esqueças

Lá da gruta de Belém,

De me trazer um presente:

Jesus, José e Maria,

Transforma todos os dias

Conduzi a nossa estrela,

Em Natais p’ra toda a gente.

Dai-nos um ano de alegria.

Em Natais quentes de amor Com cestos cheios de pão. Com luzes, sinos e febres, Em cada homem um irmão. Que o Gaspar tenha a bondade De se lembrar de todos nós. De mandar o subsídio, Para comprar as filhós.

13


Programa de Rádio “A VOZ DA ESCOLA” O Agrupamento das Escolas de Pinhel continua a desenvolver o programa de Rádio “A Voz da Escola” em colaboração com a Rádio Elmo. O programa vai já no seu 3º ano e é apresentado por alunos e professores dos vários ciclos de ensino. Continue a ouvi-lo de 15 em 15 dias , às quintasfeiras das 11h às 12horas ou, não podendo neste horário, na repetição do sábado seguinte das 13 às 14 horas. Neste ano letivo 2012/2013 o cronograma é o seguinte:

“A Voz da Escola”

Local: Rádio Elmo Jardins/Escolas

8 de novembro 10 de janeiro 21 de fevereiro 2 de maio

22 de novembro 24 de janeiro 7 de março 16 de maio

6 de dezembro 7 de fevereiro 11 de abril 30 de maio

25 de outubro e 13 de junho (conjunto aos 4 Ciclos)

14

1º Ciclo

X

2º Ciclo 3º Ciclo/ Secundária/ Jardim

X X

Solicita-se aos alunos a sua inscrição nos vários programas e a apresentação de trabalhos para os mesmos, no que devem pedir a colaboração dos professores. No sentido de recordar os programas que decorreram já este ano letivo 2012/2013 ficam algumas imagens.


“A Voz da Escola”

15


16 “A Voz da Escola”


17

“A Voz da Escola”


Falcões Matemáticos A fim de criar nos alunos deste Agrupamento o gosto pela Matemática realizámos, no dia 19 de Outubro, a 1º atividade dos “Falcões Matemáticos” apenas com os alunos do 3º e 4º ano da E.B.1 de Pinhel. Esta atividade consiste na resolução de alguns desafios matemáticos que os alunos têm de resolver, sem finalidade avaliativa. Terá a periodicidade de duas vezes por período. A próxima será no dia 16 de Novembro e nela participarão todos os alunos do Agrupamento de Escolas de Pinhel do 3º e 4º ano de escolaridade.

Profª Matilde Bispo

A abertura dos “Falcões Matemáticos” teve a presença do Sr. Diretor do

18

Agrupamento de Escola de Pinhel Dr. José Vaz.


novembro, pelas 14h e 30 min., na Escola Sede do Agrupamento de Escolas de Pinhel mais uma sessão dos “ Falcões Matemáticos” para

“ Profª Matilde Bispo

Decorreu, no dia 16 de

os 136 alunos do 3º e 4º ano de escolaridade, de todo o Agrupamento. São desafios matemáticos, com a finalidade de criar nos alunos o gosto pela matemática.

19


PRÉMIO ESCOLAR JOSÉ DA SILVA PARDALEJO No decorrer do 22º aniversário da sua criação, foi presenteado o Agrupamento de Escolas de Pinhel com mais uma atribuição do Prémio Escolar José

Prémio Escolar José da Silva Pardalejo

da Silva Pardalejo, que se realizou no dia 8 de novembro. Instituído pela Família Pardalejo, que via em seu pai um homem de bem e inteligência, mas que nunca pudera ir muito além, academicamente, por falta de recursos económicos, assim surgiu o Prémio José da Silva Pardalejo. A Drª Fátima Lencastre e o Sr. Artur Pardalejo, filhos do homenageado, bem como sua esposa D. Etelvina Pardalejo , estiveram presentes e reafirmaram as características do prémio: que possa servir de incentivo a um aluno com boas capacidades intelectuais, educado de seu comportamento mas de parcos recursos económicos e que tenha finalizado o 2º Ciclo do Ensino Básico. O prémio agora entregue, respeitante ao ano letivo 2011/2012, foi para a aluna

20

Rosa Filipa Fernandes Peixe, que frequenta atualmente o 7º ano no Agrupamento de Escolas de Pinhel. O prémio de melhor diploma, elaborado para o ato, foi atribuído à aluna Paula Sofia Batista Martins, Estiveram ainda presentes, para lá dos membros da Direção e dos familiares das alunas premiadas, o presidente do Conselho Geral, o vice-presidente do Município, alunos, professores e funcionários do Agrupamento. Que este prémio possa servir de incentivo à Rosa, que a conduza até onde o Sr. José da Silva Pardalejo não pôde chegar. Pode consultar o regulamento deste prémio na página do Agrupamento de Escolas de Pinhel www.aepinhel.pt.


Prémio Escolar José da Silva Pardalejo

21


DIA NACIONAL DA CULTURA CIENTÍFICA 24 de Novembro foi o Dia Nacional da Cultura Científica. Este dia coincidiu com dia de aniversário de Rómulo de Carvalho (mais conhecido pelo pseudónimo literário António Gedeão). Dia Nacional da Cultura Científica

Rómulo de Carvalho nasceu a 24 de Novembro de 1906 em Lisboa. Rómulo de Carvalho escreveu os seus primeiros poemas aos 5 anos e decidiu completar “Os Lusíadas” aos 10. Apesar do seu gosto e aptidão para as letras, formou-se em Ciências Físico-químicas na Universidade do Porto, e concluiu o curso de Ciências Pedagógicas na Faculdade de Letras da mesma cidade. Durante a sua vida profissional foi professor, pedagogo, investigador de História da ciência em Portugal, divulgador da ciência e poeta, escrevendo os seus poemas sob o pseudónimo António Gedeão. Apesar do seu talento invulgar para a poesia, decidiu publicar o seu primeiro livro de poesia aos 50 anos. Isto porque Rómulo de Carvalho desva-

22

lorizava a sua obra e o seu talento. Foi o autor de poemas como “Pedra Filosofal”, “Lágrima de Preta” e “Poema para Galileu”. Rómulo de Carvalho morreu em 1997. Em 1998 o Ministério da Ciência e da Tecnologia escolheu a data do seu nascimento, 24 de Novembro para a comemoração do Dia Nacional da Cultura Científica.


Dia Nacional da Cultura CientĂ­fica

23


90 Anos de José Saramago

90 Anos de José Saramago

No dia 16 de Novembro de 2012 José Saramago faria 90 anos. Em Portugal e em algumas cidades estrangeiras estão a decorrer inúmeras atividades promovidas pela Fundação José Saramago e pela editora

24

Caminho/Leya, às quais se associaram a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas. A Caminho/Leya encontra-se a preparar o concurso ‘José Saramago Um Percurso Com 90 Anos’, uma iniciativa destinada a promover a escrita em torno da vida e obra de José Saramago. O concurso estará disponível online e pode ser consultado a partir do blog do Agrupamento de Escolas de Pinhel. Nas Bibliotecas Escolares e na Biblioteca Municipal de Pinhel há muitos livros do autor que passou pela escola Secundária de Pinhel no ano de 2003.


150 Anos de Amor de Perdição Camilo Castelo Branco

150 Anos de Amor de Perdição

A biblioteca da Escola Secundária/3 de Pinhel assinalou os 150 anos da publicação do livro de Camilo Castelo Branco “Amor de Perdição” com uma pequena mostra bibliográfica das obras existentes na biblioteca escolar. Camilo Castelo Branco é “um dos escritores mais importantes e conhecidos da literatura portuguesa. Escreveu à pena, mais de duzentas e sessenta obras, com uma média superior a seis por ano. Camilo Castelo Branco (1825-1890) nasce em Lisboa no dia 16 de Março, filho ilegítimo de Manuel Joaquim Botelho e Jacinta Maria. Frequentou a sociedade portuense, dedicando-se ao jornalismo, e teve uma vida romanticamente agitada, desde vários casos amorosos e prisão. Sentindo-se cego, suicida-se com um tiro na cabeça na casa de São Miguel de Seide. Amor de perdição é o título de uma novela de Camilo Castelo Branco escrita em 1862. É o romance mais famoso do autor e foi inspirada nas suas desventuras e casos amorosos”.

25


O ESCRITOR DO MÊS O “Escritor do Mês” é uma rubrica da Biblioteca Escolar em colaboração com os professores de Língua Portuguesa. Em cada mês é selecionado um escritor e publicitado, para que os alunos tenham conhecimento da sua vida e da sua obra. Depois, ou nas aula de Língua Portuguesa— quando possível—ou por iniciativa dos alunos, procura ler-se um livro do referido escritor. No final os alunos fazem uma ficha de leitura da obra lida. O objetivo desta atividade é levar os alunos a conhecer mais escritores e, sobretudo, a criar hábitos e leitura e escrita e assim desenvolver estas competências. O aluno pode familiarizar-se com os livros de uma forma agradável e atingir o sucesso escolar

O ESCRITOR DO MÊS

de forma mais fácil.

26

Faz-nos chegar a tua ficha de leitura/resumo para veres publicado o teu trabalho.


A FORÇA DAS PALAVRAS

Acendi as brasas - que grande braseiro! Soltei quatro berros - armei um berreiro.

O ESCRITOR DO MÊS

Juntei várias letras - escrevi um letreiro.

Juntando formigas Fiz um formigueiro. Será que com carnes Se faz um carneiro? Luísa Ducla Soares

A BRUXA CASTANHA Numa casa muito estranha Toda feita de chocolate Vivia uma bruxa castanha Que adorava o disparate. Punha os copos no fogãp As panelas na banheira. Os sapatos nas gavetas, As meias na frigideira. Escrevia com fios de água Dormia sempre de pé Cozinhava numa cama E comia no bidé. Varria a casa com garfos Limpava o pó com farinha, Deitava 100 gatos na sala E dormia na cozinha. António Mota

27


Visita de Estudo a Coimbra Os alunos do 6º ano da Escola Básica do 2º Ciclo de Pinhel realizaram uma visita de estudo a Coimbra no passado dia 12 de outubro. Os alunos partiram de Pinhel cerca das 8 horas da manhã, chegando à rotunda D. Dinis, por volta das 11 horas. O objetivo: visitar o Museu da Ciência, para onde se deslocaram, e onde perceberam algumas transformações da Reforma do Ensino, operada pelo Marquês de Pombal, no século XVIII. Com o mesmo objetivo, dirigiram-se em seguida ao Jardim Botânico, onde se deliciaram com as iguarias levadas por todos para o almoço. Na parte da tarde visitaram o Paço das Escolas da Universidade, apre-

Matilde Silva – 6ºA

ciando as maravilhas do Estilo Barroco na Biblioteca Joanina e na Capela

28

de S. Miguel. Em seguida, visitaram o espaço da Reitoria: Sala dos Capelos, Sala do Exame Privado, Sala dos Archeiros e a grande varanda que permite uma das mais belas vistas sobre a cidade do Mondego.


Alunos do 7º ano

Visita de Estudo ao Museu do Côa

No dia 19 de Outubro de 2012, sexta-feira, os alunos do sétimo ano de escolaridade, acompanhados por 7 docentes de várias disciplinas, visitaram o Museu do Coa. Nesta visita de estudo, organizada pelo Departamento de Ciências Sociais e Humanas, com o apoio da Biblioteca Escolar da ES/3, participaram cerca de 75 alunos e professores. No Museu do Coa, os alunos e professores ouviram as explicações dos guias acerca das gravuras e das pinturas elaboradas pelos homens do Paleolítico e do Neolítico nas margens do rio Coa ao longo de vários milénios. Aconselha-se a visita aos que ainda não tiveram oportunidade de a fazer.

29


DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO

Dia Mundial da Alimentação

No dia 16 de Outubro de 2012, comemorou-se, como é habitual, o Dia Mundial da Alimentação. No nosso Agrupamento esse dia foi assinalado com diversas iniciativas. A preocupação com o assinalar desse dia tem a ver com a necessidade de desde cedo se criarem hábitos alimentares corretos, para se assegurar um desenvolvimento pleno de todas as faculdades. Não esqueçamos que é nestas idades que se criam hábitos que, por vezes, perduram e condicionam toda a nossa vida. Imbuídos deste espirito, houve nesse dia um cesto de fruta, distribuída pelo programa de educação para a saúde, para que todos pudessem pelo menos nesse dia consumir um dos melhores alimentos que a Mãe Natureza nos oferece – os frutos. Os alunos da E.B.1 de Pinhel, festejaram o “Dia da Alimentação”, dia

30

16 de outubro, com uma “Roda Humana de Alimentos”. Cada aluno tinha um chapéu que o identificava com um alimento diferente. Todos os alunos tinham de saber a que grupo pertenciam e onde se enquadravam na Roda: Grupo dos cereais, hortícolas, frutos, carnes e peixes, leguminosas, laticínios ou gorduras, nas devidas proporções. Cantaram-se canções e no final todos os alunos da E.B.1 e os pequenitos do Jardim de Infância, puderam saborear uma deliciosa espetada de fruta. Na sequência da importância alimentar, decorreram ainda para os 5º e 7º anos, sessões sobre “Alimentação e Comportamento Alimentar”, organizadas pelo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais e tendo como apresentador, o nutricionista do Centro de Saúde de Pinhel, Dr. Luís Matos.


Com o objetivo de promover hábitos alimentares saudáveis e, de acordo com o Plano de Atividades do PES, realizaram-se nos dias 28 de novembro e 5 de dezembro de 2012, sessões formativas sobre “Alimentação e Comportamento Alimentar”, promovidas pelo Dr. Luís Matos, nutricionista do Centro de Saúde de Pinhel. As sessões programadas, de acordo com o calendário abaixo indicado, tiveram a duração de 50 minutos e como público-alvo os alunos dos 5º e 7º anos de escolarida-

Dia Mundial da Alimentação

ALIMENTAÇÃO E COMPORTAMENTO ALIMENTAR

de.

Turma 5º A 5º B 5º C 5º D

Disciplina

Hora

Sala

Professor(a)

F. Cívica

16.40

Beatriz Santos

E.F.

14.40

Filipe Ribeiro

E.V.

13.45

José Martins

F. Cívica

8.45

Amílcar Silva

31 Turma

7º A

Disciplina Ed. Físic a

Hora 9.40

E.V

14.40

E.V

10.45

7º D

Geografia

11.40

7º E

Ed. Física

8.45

7º B

7º C

Sala sala audiovisuais sala audiovisuais sala audiovisuais sala audiovisuais sala audiovisuais

Professor Marco Martins

Luís Matos

Luís Matos

Baltazar

Marco Martins


Dia do idoso No dia 1 de outubro de 2012, a E.B.1 de Pinhel, abriu as portas, para uma atividade um pouco diferente. Uma atividade muito simples, dedicada não só ao idoso, mas aos nossos avós. E porquê aos avós? Alunos da EB1 de Pinhel

Sim, porque o dia dos avós é celebrado, como todos sabem em julho, já durante as férias e por isso, achámos que, o dia do idoso, seria o dia ideal, para os convidarmos a estarem presentes na nossa escola e dedicarlhes uma pequena homenagem. Os avós assumem um papel fundamental na vida dos seus netos. Ser avós é compartilhar a vida com orgulho, coragem, determinação e procurar transmitir os valores morais e outros aos nossos descendentes. É estar com eles ajudando-os a compreender e dar-lhes a conhecer a razão da sua existência.

32

Neste dia, houve algumas canções, danças e até pequenas representações. O nosso obrigado aos avós que vieram participar e aos idosos do lar de Santo António de Pinhel que nos alegraram também com a sua presença. A escola, pretende pois, abrir as portas a outras iniciativas e a uma maior participação da família. Este ano, com o tema da Feira das Tradições: “Lendas, Contos e Canções Tradicionais”, um tema muito aliciante para novos desafios, os avós são convidados a participar, trazendo o seu contributo e o seu saber.


Alunos da EB1 de Pinhel

Bombeiro por um Dia

Por altura do centenário dos Bombeiros Voluntários de Pinhel, 8 meninos foram passar a noite do dia 26 de outubro e o dia 27, ao Quartel dos Bombeiros de Pinhel e participar nas atividades agendadas para esse dia. Da E.B.1 de Pinhel participaram dois alunos por turma dos 4ºs anos e da E.B1 de Alverca da Beira também dois alunos. Foi uma experiência diferente e inesquecível, em que os alunos foram bombeiros por um dia. Desde já os parabéns aos Bombeiros e que continuem a ser um incentivo para os nossos alunos e uma ajuda preciosa para a população.

33

Monumento ao bombeiro


NA MAGIA DO CONTO… O

Departamento

da

Educação Pré Escolar vai este ano desenvolver com o seu Plano Anual de Ativida-

Departamento de Educação Pré-escolar

des, “na Magia do Conto…” diversas atividades, orientadas de forma a promover o desenvolvimento pessoal e social da criança, com base em

experiências

de

vida

democrática, numa perspetiva de educação para a cidadania, reconhecendo a importância do meio que nos rodeia. Depois de uma receção calorosa aos “caloiros, meninos de 3 anos, e de uma adaptação ao meio educativo, vão ser trabalhados provérbios, lendas, contos, e canções tradicionais. Pretende-se que estas aprendizagens sejam feitas nos locais de referência que os (as) inspiraram. Também irão

34

ser realizadas atividades de forma a conhecer momentos determinantes da nossa história. Para tudo isto, contamos com a participação das famílias e da autarquia, valorizando a sua intervenção no processo educativo. Já estão previstos alguns encontros, um por trimestre, a realizar em Pinhel, com todos os Jardins de Infância. Para além destes, estão previstas atividades de articulação com outros Ciclos, principalmente com o Primeiro. Ao longo do ano e ao ritmo do Programa de Rádio a “Voz da Escola” e da publicação do jornal escolar “O Teimoso”, iremos dar a conhecer algo do que vai acontecendo na “Magia do Conto”.


Desde 2002 que a UNESCO o solenizou. O grupo disciplinar de Filosofia, como em anos anteriores, desenvolveu algumas atividades nas turmas do 10.º e 11.º anos, entre elas a criação de frases e cartazes, nas turmas das Artes, sobre esta temática. A prática da filosofia é um proces-

Departamento de Ciências Sociais e Humanas

No dia15 de novembro comemorou-se o Dia Mundial de Filosofia.

so que beneficia a sociedade como um todo. Ajuda a construir pontes entre as pessoas e reforça a exigência de uma educação de qualidade para todos. A UNESCO quer, por isso, mobilizar a comunidade das ciências humanas para estimular o gosto pela filosofia desde a infância. A filosofia estimula o respeito pela diversidade cultural, pela troca de opiniões e pelos benefícios da ciência. Neste dia, é importante mobilizar este admirável potencial transformador da filosofia. A atividade filosófica, o exercício do pensamento crítico e a liberdade de expressão são vitais na busca coletiva de respostas duradouras para o progresso educacional do Homem. No âmbito das comemorações deste Dia o Webinar da Direção Geral da Educação propôs o tema “Ensinar e Aprender Filosofia no mundo atual”. As questões tratadas são relativas ao Ensino da Filosofia, a Filosofia no feminino, a Filosofia para crianças, entre outras. Este webinar fica-

35


Educação Moral e Religiosa Católica

36 No dia 16 de novembro comemorou-se “O Dia da Tolerância”. Os alunos de Educação Moral e Religiosa Católica elaboraram cartazes alusivos ao tema. Na Biblioteca da EB2 encontrámos um cartaz com a fábula de La Fontaine “O Leão e o Rato”, cuja moral aponta para a necessidade de perdoar hoje, para colher os frutos amanhã. Pode ver esta fábula na Internet e… seja tolerante!


DIA INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS O dia 10 de Dezembro foi proclamado, em 1950, pela Organização das Nações Unidas, “Dia Internacional objetivo era alertar os governantes de todo o mundo para o cumprimento da Declaração Universal e assegurar a igualdade de todos os cidadãos e todas as cidadãs. Assegurar-lhes o direito a uma vida digna, o direito ao trabalho e à segurança, o direito à saúde e à educação, o respeito pela diversidade e pela dignidade de todas as pessoas. A propósito do “Dia Internacional dos Direitos Humanos”, a biblioteca da Escola Secundária c/3º ciclo de Pinhel associou-se à iniciativa da Amnistia Internacional participando nas atividades “Maratona de Cartas” e “Acenda uma Vela pelos Direitos Humanos”. Em pleno século XXI ainda há pessoas, muitas pessoas, que sofrem por não serem respeitados os direitos humanos. Narges Mohammadi, ativista de direitos humanos e Presidente Executiva do Centro de Defensores de Direitos Humanos de Teerão (capital do Irão), foi condenada a seis anos de prisão, em 2011, por causa do seu trabalho pelos direitos humanos. Tem sofrido de graves problemas de saúde e a Amnistia Internacional apela à sua imediata libertação.” Está a decorrer uma petição online, a apelar à libertação de Narges Mohammadi, aqui: “Ajude-nos a proteger Narges Mohammadi” (http://www.amnistiainternacional.pt/index.php ) Que a Declaração Universal dos Direitos Humanos seja cumprida, para bem de todos nós!

Biblioteca da Escola Secundária c/ 3º ciclo

dos Direitos Humanos”, O grande

37


O mês de outubro é o Mês Internacional das Bibliotecas Escolares e é também o mês em que se comemora o Dia do Professor (5 de outubro). A Biblioteca da Escola Sede do nosso Agrupamento não o deixou passar em branco e lançou dois passatempos aos alunos. Assim, tomando por base um poema de Carlos Drummond de Andrade, os alunos foram convidados a escrever uma frase sobre o que é ou o que significa para si o professor. O poema de Carlos Drummond de Andrade foi o seguinte: "O professor disserta sobre ponto difícil do programa. Um aluno dorme, Cansado das canseiras desta vida.

Biblioteca Escolar

O professor vai sacudi- lo? Vai repreendê-lo? Não. O professor baixa a voz, Com medo de acordá-lo." Esta atividade contou com larga adesão dos alunos, mas a vitória coube a Inês Saraiva e a Inês Nascimento, do 8º D, com a frase “Ser professor é ser o

38

portal do conhecimento e o caminho da sabedoria.” Se não tiveste oportunidade de participar, não fiques triste. Vai à Biblioteca da Escola Sede e participa no segundo passatempo, subordinado ao tema “Bibliotecas Escolares: uma chave para o passado, presente e futuro”. Escreve uma frase sugestiva sobre o que é para ti a Biblioteca Escolar.


É bem verdade que as bibliotecas são uma chave para o passado, porque sem memória e transmissão do conhecimento seria impossível receber a herança e património de saberes, que hoje nos identifica a todos; uma chave para o presente, porque só através do domínio da informação e gestão do conhecimento, que configuram a nossa era, podemos dar continuidade a

este dependerá sempre da ação, expectativas e capacidade de gerir as mudanças com que o desejamos tecer. E porque as iniciativas não param, no dia 22, data escolhida para assinalar formalmente o Dia da Biblioteca Escolar em Portugal, a Biblioteca da Escola

Biblioteca Escolar

esse legado, enriquecê-lo e projetá-lo no tempo; uma chave para o futuro, porque

Secundária entregou os prémios aos melhores leitores do ano letivo de

39

2011/2012. Estes prémios foram atribuídos aos alunos que requisitaram mais livros no ano letivo passado naquela biblioteca. Os vencedores foram a Daniela Costa, o Diogo Oliveira e a Carla Santos que leram 64, 57 e 30 livros respetivamente. Sem dúvida números de fazer inveja. Estão de parabéns! Quem serão os próximos vencedores? Esperemos que sejas tu!

Ler é Saber Mais!


Ainda no âmbito das comemorações da

das Bibliotecas,

Mês

na escola EB2 de

Pinhel, a Biblioteca Escolar ofereceu a todos os alunos do 5º ano o desdobrável sobre literacia de informação intitulado “Como Estruturar um Trabalho Escrito”. Pretendeu, assim, comemorar a efeméride e alertar para uma boa

Biblioteca Escolar

escrita desde os primeiros anos.

40

“Ler mais na Biblioteca”

é uma atividade desenvolvida no

âmbito das atividades de enriquecimento curricular para o 2º ano da escola básica do 1º ciclo de Pinhel. Desde o início do ano letivo que estas atividades de leitura têm deliciado estes pequenos leitores e continuarão, certamente, a incentivar o seu gosto pela leitura.


41

Biblioteca Escolar


Na continuação do protocolo celebrado entre a biblioteca escolar e os jardins-de-infância da Santa Casa da Misericórdia de Pinhel e da Fundação Dona Teodora de Freixedas, a equipa da biblioteca escolar da eb2 organizou uma atividade em que a partir da leitura e das imagens associadas, os pequenitos puderam estimular a sua criatividade e dar respostas às perguntas finais. Nos mais velhos (de cinco anos) cada um escolheu ainda uma imagem e a partir das várias imagens criaram uma histó-

Biblioteca Escolar

ria.

42

A Lenda da Casa Grande foi contada com um teatro de sombras, já a pensar no tema da Feira das Tradições


No âmbito do mês das Bibliotecas Escolares a equipa da biblioteca escolar do 2º ciclo foi as salas dos 1º ano ler o livro 123 de Luísa Ducla Soares e

duas histórias: O

da letra U do livro 100 histórias do outro mundo de Sara Rodrigues.

Biblioteca Escolar

planeta da letra I e O planeta

43


Halloween

Halloween

O Halloween também não foi esquecido entre os alunos do Agrupamento de

Biblioteca Escolar

Escolas de Pinhel. Tradição inglesa, foi juntamente com os professores da

44

disciplina de Inglês que os alunos decoraram a escola e usaram os adereços específicos . A Profª Célia Cardoso, juntou-se ao evento na decoração da biblioteca escolar do 2º ciclo.


Halloween Halloween

45


Halloween

Na atividade “Ler mais na Biblioteca” comemorou-se o Halloween com a leitura da história “A bruxa Mimi” e a realização de marcadores de livros.

46


Halloween Os alunos do 1º ciclo desfilaram pela Avenida Carneiro de Gusmão e de tudo se viu um pouco: das fadas às bruxas, dos diabretes aos zorros ou até à morte em carne e osso. Para os mais pequenos é uma delícia, nos tempos que correm, onde o tempo para as brincadeiras é cada vez menos e os jogos são cada vez mais de ...computador.

47


Alunos da EB1 de Pinhel

Este ano o tema da Feira das Tradições, como já é do conhecimento de todos é “Contos, Lendas e Canções Tradicionais Portuguesas”. É um tema muito bonito, que poderemos trabalhar nas nossas escolas, através da recolha de informação oral e no terreno, junto dos nossos avós e

48

familiares. Pretendemos pois, desenvolver o conhecimento e o apreço pelos valores característicos da identidade, língua, história e cultura portuguesa, valorizando neste caso as lendas, contos, canções das nossas terras, as suas tradições e costumes, tendo sempre presente que o esforço será recompensado pelo valor pedagógico que o trabalho poderá produzir, despertando nos alunos o gosto pela sua Terra e tudo o que a caracteriza, envolvendo todos os elementos da escola/família e da comunidade mais ancestral. Pinhel, não deixa de ser rico de todo este património, tantas vezes esquecido e desconhecido.


Certo dia de Verão o mestre que dirigia a obra da Casa Grande adoeceu, caindo de cama. Impossibilitado de continuar o trabalho, o mestre decide mandar chamar um dos seus oficiais explicando-lhe que deveria ir até aos "carrascos", nome dado à pedreira situada numa mata de vegetação a

Mariana Brites—6º A

A LENDA DA CASA GRANDE

poucos quilómetros de Pinhel, buscar o granito que faltava para continuar as obras da casa. Foi então que, exigindo-lhe segredo, lhe ordenou que com ele levasse um livro e, chegado ao local da pedreira o abrisse, pois desde logo, trabalhadores saídos das páginas o iriam ajudar a levar as pedras para Pinhel e continuar assim a obra. O homem assim fez, seguiu viagem com o livro a tiracolo, mas quando ia já perto da Póvoa d'el Rei, a curiosidade atiçou-o e num golpe de coragem abriu o livro. Enquanto isso o sol pousava no horizonte. A tentação fora mais forte do que as ordens do mestre. E, logo das páginas do alfarrábio se precipitaram figuras demoníacas e burlescas, gritando e gesticulando de forma desordenada: "Que queres que façamos?", perguntaram-lhe. Ainda atordoado com os insólitos acontecimentos o oficial de pedreiro apenas se lembrou de mandar cortar os silvados que o rodeavam. Assim foi feito. Diz a lenda que o próprio Diabo, "em carne e osso", comandou os seus diabretes no trabalho. Assustado, o oficial de pedreiro fecha o livro e corre apressadamente para Pinhel sem mais o abrir. No dia seguinte, não houve pedra para continuar a obra. O mestre de obras, entretanto recuperado, ficou furioso com o seu oficial e acabaria ele próprio por se dirigir à pedreira com o livro. Reza a estória que foi o Diabo, em pessoa, que comandou os diabretes, transportando a pedra para obra. E foi assim que a Casa Grande surgiu, levantada pelos operários com a pedra do Diabo e dos seus diabretes”. Acrescentamos nós que esta casa pertenceu ao último conde de Pinhel e durante muito tempo serviu de instalação à Câmara Municipal. Diz o povo que tem tantas portas e janelas como dias tem o ano.

49


LENDA DA FONTE D’AMADA

Beatriz Cardoso—6º A

Aquando das lutas de Pinhel, entre cristãos e mouros, ficou como refém dos cristãos, uma formosa moura que se deixou enamorar por um jovem cavaleiro da cruz. Era junto de uma fonte de águas cristalinas, que a jovem moura ia esperar ou despedir-se do seu amigo, do seu amado, que, como cavaleiro de Cristo, andava sempre em jornadas guerreiras. Um dia, ao despedir-se do seu amado, a moura sentiu que alguma coisa de estranho ia suceder ao cavaleiro do seu coração. Passaram largos meses até que um dia, ao caminhar pela estrada, o

50

tropel de montadas chegou aos seus ouvidos. Quando os cavaleiros se aproximaram, a moura reparou que não vinham alegres, como era seu costume. Toldaram-se de lágrimas os olhos da linda moura, arfou-lhe o coração de dor, crispou as mãos num temor convulsivo e tombou morta junto à fonte dos seus amores. Desde então, a fonte onde tantas vezes se ouviu falar de amor, cantar as aves e rumorejar as águas, passou a chamar-se “Fonte d’Amada” e daqui derivou “Damada”, nome que se dá ao vale vicejante produtivo que se estende até à Ribeira das Cabras e ao bairro que o encima.


Segundo a lenda, na característica Fonte de Marrocos, coeva da construção da antiga vila de Pinhel, “habitava” desde então uma “moira”, mulher de raça árabe que não recebeu na fronte a água do batismo. É uma mulher estranha que, perdida na multidão, faz as suas compras nas feiras da cida-

Mauro Dias—6º A

LENDA DA FONTE DE MARROCOS

de e depois se recolhe ao seu tugúrio. “Vê” quem passa perto da sua habitação, mas ninguém a vê, esconde-se sob a densa ramagem da hera que decora a fonte. Mas viram-na noutros tempos os olhos de muita gente, que achando estranho procedimento, a seguiram num dia das suas costumadas visitas à feira da vila. Mas quando desciam o caminho que da porta de S. João estabelece a ligação à fonte, a ”moira“ lhes desapareceu da vista, envolta numa nuvem que a fez sumir.

51


André Saraiva—6ºA

Lenda do Senhor d'Assomada Lameiras

52

Conta a lenda, que apareceu uma escultura em granito de cristo crucificado nos outeiros (Lameiras). Como era muito pesada, tiveram de a transportar para a Igreja Paroquial, num carro de bois. Os bois que puxavam o carro eram muito bravos, mas depois de transportarem o cristo, ficaram mansos. Por isso dizem na aldeia: " Senhor d'Assomada, Quem te trouxe dos outeiros? - Foram os bois do Manuel Antunes, Que ficaram mansos que nem cordeiros" Depois de ter sido colocado na igreja paroquial de Lameiras, o cristo crucificado reapareceu nos outeiros no dia seguinte. Então o povo decidiu construir uma pequena capela no meio do caminho, entre a igreja paroquial e os outeiros.


Conta-se que no tempo das invasões francesas, os invasores que saqueavam as igrejas, tinham o intuito de roubar as imagens dos santos. Na aldeia de Vendada como não conseguiram fazê-lo, serraram a imagem de Nossa Senhora e destruíram a igreja.

Miguel Marques—6ºA

Lenda da Senhora da Broa - Vendada

Os anos que se seguiram foram de seca. Faltava o pão. Fosse centeio, trigo ou broa. Então as pessoas começaram a fazer orações e procissões até à igreja destruída. Quando chegavam tinham por costume, fazer um monte de pedras, para que de seguida chovesse. E assim acontecia. Para que deixasse de chover, tinham de derrubar o monte das pedras. Como a chuva que caía veio aliviar a fome que se arrastava, regando os campos, o povo lembrou-se de construir uma capela em ação de graças a Nossa Senhora e chamar-lhe Senhora da Broa.

53


Filipa Canotilho—6ºA

Lenda da Capela de Nossa Senhora da Menina

54

Conta a lenda que uma menina órfã de mãe era obrigada pela “madrasta” a ir, todos os dias, guardar e apascentar as vacas de seu pai para o “Cabeço da Menina”, levando consigo muitas maçarocas para à noite trazer em meadas. Mas, como era em muita quantidade, a infeliz não conseguia ensarilhar tanta meada, e ao chegar a casa era enchida de pancada pela “madrasta” que, ainda por cima, lhe mandava um pão e lhe ordenava que comesse o miolo sem tocar na côdea, sem que assim o pudesse comer. Um certo dia a menina, na sua fraqueza, provocada pelos maus-tratos da “madrasta”, chorou pedindo à Mãe do Céu ajuda. Eis senão quando uma Senhora lhe aparece e lhe diz: Para comeres o miolo sem tocares na côdea do pão, espeta-o no corno de uma vaca e roda-o, que o miolo sairá para tu comeres. E para o fim do dia dares feito todo o trabalho, ensarilha as meadas nos cornos de uma vaca… E assim a menina passou a comer o pão e a ensarilhar as meadas sem grande esforço. O caso foi tomado como miraculoso e desde então se ergueu o culto à Senhora sob a invocação de Nossa Senhora da Menina.


Conta-se que há muitos, muitos anos, passaram pelo Lamegal três pobres mendigos “sem eira nem beira”. Não tendo onde abrigar-se das intempéries do Inverno foram esconder-se dentro da capela de Santo António.

Miguel Marques—6ºA

Lenda da Capela de Santo António ou Lenda dos Três Mendigos

O primeiro, colocou-se atrás do altar, o segundo ficou atrás da porta e o terceiro meteu-se dentro de uma urna/esquife vazia que estava no meio da capela, tendo combinado, caso surgisse algum imprevisto ajudarem-se mutuamente. A altas horas da noite, passa pelo mesmo local, uma quadrilha de ladrões que resolvem utilizar a referida capela para ali fazerem a divisão dos seus roubos. Os pobres mendigos, assustados, assistem à cena da divisão das riquezas, sonhando como seria bom se a eles lhes tocasse uma pequena parcela! Entretanto, os ladrões, tinham roubado um punhal em prata e todos o queriam. Não sabendo como partilhá-lo, disse um: - O punhal é para aquele que for capaz de o espetar no “cu do morto” que está dentro do esquife. Os dois mendigos entram então em acção em defesa do seu amigo. No momento em que um dos ladrões se preparava para espetar o punhal no cu do morto, eis que exclama o mendigo que ia ser apunhalado: - Levantai-vos Santos todos! Responde o que estava atrás da porta: - Pronto! Responde o que está atrás do altar: - Aí vamos! Aí vamos! A quadrilha ficou de tal maneira assustada que fugiram e deixaram todas as riquezas à disposição dos mendigos.

55


PINHEL: Um Pouco de História O nome "Pinhel" deriva da grande quantidade de pinheiros existentes nesta zona. A proximidade de Pinhel à Espanha fez com que esta fosse um fulcro de um dos mais avançados centros fortificados até à assinatura do Tratado de Alcanizes. A origem da cidade pinhelense é atribuída, sem grande certeza, aos Túrdulos, por volta do ano 500 a.C.. O concelho de Pinhel recebeu foral de Dom Sancho I em 1209, detendo

Matilde Silva—6ºA

funções de organização militar e jurisdição. Deve-se a D. Dinis a reedificação do Castelo de Pinhel, constituído por duas torres, e a construção da histórica muralha que rodeava a vila da época (atual zona histórica), constituída por seis portas - Vila, Santiago, S. João, Marrocos, Alvacar e Marialva. Tornou-se sede de diocese e cidade em 1770, durante o reinado de Dom José I, por desanexação da Diocese de Lamego, mas em 1881 a Diocese de Pinhel foi extinta pela Bula Papal de Leão XIII e incorporada na diocese da Guarda.

56

Pinhel tem como símbolo o Falcão, presente também como distintivo no seu brasão. O Falcão simboliza o patriotismo dos pinhelenses que lutaram pela defesa da independência nacional, numa altura em que estes aderiram ao movimento patriótico do Mestre de Avis e que Portugal estava sob ataques de Castela, nomeadamente na Beira Alta (1383-1385). O falcão foi assim um talismã arrebatado ao rei de Castela por parte dos pinhelenses. D. João I (o Mestre de Avis), agraciou a cidade com o honroso epíteto: “Pinhel Falcão, Guarda-Mor do Reino de Portugal.” Pinhel é rico em património edificado, mas o castelo e o pelourinho são, ainda hoje, os ex-líbris” da cidade.


Beatriz Cardoso—6ºA

PINHEL, MEIGA CIDADE! Pinhel, meiga cidade, Rica de sol, de vinho e de amor. Terra de História e caridade, De campos belos e de giestas em flor

Terra altiva e ninho de falcões, De simbolismos em glória consagrados. Terra de heróis e de guerreiros, Os primeiros na ala dos namorados.

Pelourinho

Terra de palácios e brasões, Duma nobreza sem igual, Cidade de castelos e torreões, Vigias da História de Portugal.

Terra da minha saudade, A nobreza em ti perdura.

Igreja Matriz

Pinhel, ó meiga cidade Rincão de formosura.

Igreja de Sta Maria

Antigo Paço Episcopal

57


Texto de opinião “A Televisão”

Hoje vamos falar de televisão. Das coisas boas e também das coisas más que ela nos proporciona. Sim, porque a televisão tem aspetos positivos e aspetos negativos na Oficina da Escrita—6ºA

sua utilização. Querem ter ideia de alguns? Começamos pelos positivos. - É

58

que eu cá gosto muito de televisão. – Para lá dos desenhos animados, há programas musicais, humoristas, de História, da Vida Selvagem…tantos filmes, cada um mais interessante do que o outro… mas não só…também os telejornais e as novelas!... Enfim, a televisão faz-nos passar bons momentos e ajuda-nos a crescer. Sem ela, o nosso conhecimento era muito mais reduzido. Depois da escola, talvez, juntamente com a Internet, sejam os dois meios que mais nos ensinam. Contudo, é necessário pensar que todas as coisas têm algo de negativo e será ótimo sabermos distinguir o bem do mal para podermos dizer não, ao que de facto, não interessa: Sabemos que a obesidade é um mal dos países desenvolvidos. Para lá da alimentação errada, o sedentarismo é também um dos grandes responsáveis por tal flagelo. Assim, vamos cuidar de nós! Ver televisão sim, mas não substituir as nossas caminhadas, os nossos desportos favoritos, o nosso exercício físico, pelo sofá, envolto em snacks e refrigerantes. Há também programas que não são para a nossa idade e devemos compreender os nossos pais quando nos alertam para o facto. Crescer saudável é também crescer com valores e atitudes morais.


- Como todos sabemos há amigos mais chegados do que outros. Há os amigos da escola, os amigos da família, os amigos da vizinhança, os amigos de perto e os amigos de longe. Às vezes os amigos não fazem as coisas certas e magoam. Mas… quem nunca magoou ninguém? Temos de saber perdoar… porque os amigos dão-nos ideias geniais, fazem-nos rir, brincam connosco… E tudo isto sem pagar! Assim dizia a mãe da Rita quando esta chegou da escola aborrecida com a sua melhor amiga, a Mariana. - Ela já não é minha amiga! Riu-se de mim por seu não responder certo ao que a professora de Inglês perguntou. E no final ainda disse que foi por eu pronunciar mal as palavras. - É melhor não pensar mais nisso! Olha, vai lanchar. Depois estudas um bocadinho mais Inglês e amanhã será outro dia. Outro dia, no dizer da mãe da Rita era ser um dia melhor. A Rita sabia disso mas parecia que o mundo ia acabar ali. Lanchou, fez os trabalhos da escola e à noite foi dormir mais cedo. Sonhou que a Mariana ia para outra cidade e ela não poderia vê-la. Acordou aflita. Isso não. Podia estar aborrecida com a Mariana mas separar-se dela, não podia ser. No dia seguinte ao chegar à escola a Mariana aproximou-se mas a Rita estava ainda ressentida. - Desculpa aquilo de ontem. – Disse a Mariana.- Não me devia ter rido de ti. Não foi por mal, mas sei que não ficaste contente. - Pois… eu, de facto, não gostei. Eu pensava que tu eras a minha melhor amiga… - E sou. Desculpa. Aquele “desculpa” serviu para reafirmar ainda mais a amizade de ambas. Prometeram não mais se aborrecer, porque, afinal, ter um amigo é a melhor coisa do mundo.

Tatiana Ferreira e Tatiana Lourenço—5ºB

Ter um amigo é bom

59


É POSSIVEL FAZER UM TRANSPLANTE DE CÉREBRO? A neurologia é a parte da medicina que estuda o sistema nervoso e suas doenças. É uma das áreas mais complexas da medicina, se não a mais complexa, pois o sistema nervoso ocupa o corpo todo, mas concentra-se num só lugar, no cérebro. Por

Beatriz Cardoso—6ºA

mais que a medicina tenha avan-

60

çado, não estamos nem perto de entender tudo o que acontece com o nosso sistema nervoso. O médico neurologista tem um grande papel, pois o cérebro está ligado a toda e qualquer parte do corpo humano e, quando é necessário a intervenção cirúrgica, é a neurocirurgia a responsável. Na nossa cabeça existem neurónios que são os responsáveis por todo o funcionamento do nosso corpo, desde a fala até à personalidade. Já pararam para imaginar como seria se um dia a medicina fosse capaz de realizar um transplante de cérebro? O certo é que é muito comum ouvir falar de transplante de coração, rim, pulmão. Porém, nunca se ouviu falar de transplante de cérebro, pois este é o órgão mais individual que se conhece. Várias doenças como a esclerose múltipla, parkinson, alzheimer, tumores cerebrais, têm tratamento, mas não têm cura… e seria o transplante (se fosse possível) a solução para alguns destes casos. Pelo facto de não existir cura para estas doenças, a neurologia descobriu que o melhor a fazer é prevenir com uma boa alimentação, exercício físico e visitas médicas regulares.


da Educação Física, em todo o Agrupamento. Assim, passamos a apresentar: 

Uma equipa de xadrez, da responsabilidade do professor Marco Martins;

Uma equipa de ténis de mesa, da responsabilidade do Prof. Alberto Cruz;

Quatro equipas de futsal (duas masculinas e duas femininas), da respon-

Desporto Escolar

O Desporto Escolar apresenta este ano variadas modalidades ao nível

sabilidade dos Profs Filipe Ribeiro e Vítor Correia; 

Quatro equipas de voleibol (três femininas e uma masculina) da respon-

sabilidade dos Profs. Ana Santos e Amílcar Silva. A calendarização dos quadros competitivos, a realizar ao longo do ano letivo, pode ser vista nas páginas do Agrupamento. Contudo, no dia 13 de novembro realizou-se já um torneio de futsal, iniciados femininos, que decorreu no pavilhão gimnodesportivo da escola sede do Aepinhel. Recordamos o resultado da nossa equipa: Pinhel 10 – Escola Afonso de Albuquerque 1; Pinhel 12 – Trancoso 4. No Interturmas de futsal da Eb2 foram campeãs as seguintes turmas: 5º Ano Femininos-5ºA

5º Ano Masculinos-5ºB

6º Ano Femininos –6ºA

6º Ano Masculinos –6ºD

61


62 Desporto Escolar


Desporto Escolar

63


Descansa em Dezembro para trabalhares em Janeiro

Inverno geral é sempre um mês antes do Natal.

Cava fundo em Novembro para plantares em Janeiro.

Em Janeiro sobe ao outeiro; se vires verdejar, põe-te a chorar, se vires nevar, põe-te a cantar. Janeiro molhado, se não cria o pão, cria o gado.

Passatempos

1. Estou muito embrulhadinho E enfeitado com um laço Quando me recebem Dão um beijo e um abraço. 2. Tu sabes, tu sabes, Melhor do que ninguém. Vieram coroados, Em camelos montados, Adorá-lo a Belém.

Soluções: 1. Presente; 2. Reis Magos

64


Passatempos

65


"O Teimoso" nº7  

Jornal Escolar

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you