Page 1

16a edição | 1o Semestre 2019

Uma missão

extraordinária

Quais são os grandes desafios enfrentados pelas famílias nos tempos modernos?



Com 119 anos de presença no Rio Grande do Sul, a atuação dos Colégios e das Unidades Sociais da Rede Marista se dá, atualmente, em 14 cidades gaúchas e em Brasília. São 26 Colégios e nove Centros Sociais, que atendem, diariamente, mais de 21 mil crianças, jovens e adultos.

Presidente da Rede Marista Ir. Inacio Nestor Etges

Vice-Presidente da Rede Marista Ir. Odilmar Fachi

COLÉGIOS E UNIDADES SOCIAIS

COLÉGIOS Colégio Marista Aparecida maristaaparecida.org.br | 54 3449 2600

Colégio Marista São Pedro maristasaopedro.org.br | 51 3290 8500

Colégio Marista Assunção maristaassuncao.org.br | 51 3086 2100

Colégio Marista Vettorello maristavettorello.org.br | 51 3086 2100

Colégio Marista Champagnat maristachampagnat.org.br | 51 3320 6200

Escola Marista Santa Marta escolamaristasantamarta.org.br | 55 3211 5200

Colégio Marista Conceição maristaconceicao.org.br | 54 3316 2700

Superintendente Executivo Rogério Anele Gerente Educacional Luciano Centenaro Gerente Social Ir. Luciano Barrachini Coordenadora de Comunicação e Marketing Daniela Cidade

Colégio Marista Graças maristagracas.org.br | 51 3492 5500

ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Marista Aparecida das Águas escolamaristaaguas.org.br | 51 3203 1676

Colégio Marista Ipanema maristaipanema.org.br | 51 3086 2200

Marista Menino Jesus escolamaristameninojesus.org.br | 51 3058 0603

Colégio Marista Irmão Jaime Biazus maristairmaojaime.org.br | 51 3086 2300

Marista Renascer escolamaristarenascer.org.br | 51 3366 2844

Colégio Marista João Paulo II maristajoaopauloii.org.br | 61 3426 4600

Marista Tia Jussara escolamaristatiajussara.org.br | 51 3203 1622

Colégio Marista Maria Imaculada maristaimaculada.org.br | 54 3278 6100

SEDE MARISTA R. Ir. José Otão, 11 - Bonfim Porto Alegre/RS cep: 90035-060 Tel.: 51 3314 0300 / 0800 541 1200 colegios.redemarista.org.br social.redemarista.org.br

Colégio Marista Medianeira maristamedianeira.org.br | 54 3520 2400

CENTROS SOCIAIS Marista Aparecida das Águas maristaaparecidadasaguas.org.br | 51 3203 1676

Colégio Marista Pio XII maristapioxii.org.br | 51 3584 8000

Marista Boa Esperança maristaboaesperanca.org.br | 51 3711 9309

Colégio Marista Roque maristaroque.org.br | 51 3724 8100

Marista da Juventude maristadajuventude.org.br | 51 3241 4722​

Colégio Marista Rosário maristarosario.org.br | 51 3284 1200

Marista Ir. Antônio Bortolini maristabortolini.org.br | 51 3072 1940

Colégio Marista Sant’Ana maristasantana.org.br | 55 3415 2900

Marista Mario Quintana maristamarioquintana.org.br | 51 3043 1633

Colégio Marista Santa Maria maristasantamaria.org.br | 55 3220 6300

Marista de Porto Alegre (Cesmar) cesmar.org.br | 51 3026 2300

Colégio Marista Santo Ângelo maristasantoangelo.org.br | 55 3931 3000

Marista Santa Isabel maristasantaisabel.org.br | 51 3387 6594

Colégio Marista São Francisco maristasaofrancisco.org.br | 53 3234 4100

Marista Santa Marta maristasantamarta.org.br | 55 3211 5200​​

Colégio Marista São Luís maristasaoluis.org.br | 51 3713 8500 Colégio Marista São Marcelino Champagnat maristaejachampagnat.org.br | 51 3584 8000

POLO MARISTA Polo Marista de Formação Tecnológica polo.cesmar.org.br | 51 3086 2300

16a Edição | 2019 TIRAGEM 23.882 SUPERVISÃO EDITORIAL Guilherme Endler CONSELHO EDITORIAL Loide Trois, Luiz Carlos Selbach, Patricia Saldanha e Simone Martins JORNALISTA RESPONSÁVEL Daniela Cidade (MTB 8630)

EDIÇÃO Supervisão editorial: Maria Fernanda Rocha Redação: Fernanda Brun e Helena Carnieri Edição de arte: Julyana Werneck REVISÃO Thalita Uba

Envie comentários, críticas e sugestões sobre a revista para o e-mail faleconosco@maristas.org.br

PROJETO GRÁFICO Estúdio Sem Dublê | semduble.com

ILUSTRAÇÃO DA CAPA Shutterstock © Todos os direitos reservados. Todas as opiniões são de responsabilidade dos respectivos autores.


Índice capa

8

Reunimos mães e profissionais para montar um panorama da vida em família nos dias de hoje.

1a impressão

5

Rogério Anele, superintendente dos Colégios e Unidades Sociais, destaca os desafios da maternidade e paternidade nos dias atuais e os principais assuntos desta edição.

Dia a dia

Entrevista

Olhar

6

Famílias maristas e pedagogas falam sobre como dar conta de toda a rotina durante a semana.

14

A pedagoga Josiane Pareja fala da importância do manuseio de diferentes tipos de material na primeiríssima infância.

34

Curiosidade

Solidariedade

Como fazer

36

38

40

Em meio a tantas atividades e possibilidades, manter o equilíbrio na agenda dos filhos pode ser uma tarefa desafiadora.

Aprender música amplia o contato com a cultura e aprimora inúmeras habilidades.

Conheça ações e grupos engajados em acolher com empatia e carinho migrantes que buscam um novo lar.

Como incluir a sustentabilidade de forma prática (e interessante) no dia a dia das crianças?

Compartilhar

Essência

Quiz

42

44

45

Nesta edição, reunimos alguns dos principais museus da França que oferecem tours virtuais. Acesse e saiba mais sobre o país onde a missão marista teve início.

Na celebração de dez anos da PJM, o convite é para que os jovens reflitam sobre o projeto de vida.

Embarque com a gente em uma jornada pelo mundo e teste seus conhecimentos sobre museus.


U m olhar sobre os desafios

1a impressão

do nosso tempo

Uma ótima leitura!

Nós, adultos, temos o desafio de nos adaptarmos a essa complexidade sem deixar que também sobrecarregue crianças e adolescentes.

© Foto: Divulgação / Comunicação e Marketing

A rotina do século 21 nos exige capacidade de agir, pensar e até mesmo de estar presente (tanto virtual quanto presencialmente) em lugares diferentes, ao mesmo tempo e de formas múltiplas. Nós, adultos, temos o desafio de nos adaptarmos a essa complexidade sem deixar que também sobrecarregue crianças e adolescentes. É a partir dessa compreensão que a reportagem principal da Em Família Marista traz uma reflexão sobre os aspectos que envolvem a maternidade e a paternidade nos dias de hoje. Por meio das percepções de mães, educadores e profissionais da saúde, reunimos sugestões para ajudar a conciliar as diferentes atribuições com a vida em família, como a importância de se ter uma rede de apoio e de fortalecer a conexão com os filhos, por exemplo. Em sintonia com a reportagem de capa, a editoria Dia a dia compila dicas de nossas pedagogas para otimizar a rotina semanal, tanto para famílias com filhos na Educação Infantil quanto nos Anos Iniciais, passando pelos adolescentes dos Anos Finais e do Ensino Médio. Da mesma forma, o artigo da psicóloga Renata Dipp, disponível na seção Olhar, reforça que brincar também é aprender – e por isso deve sempre fazer parte da agenda das crianças. Esta edição também trata sobre dois aspectos inerentes à missão marista: a espiritualidade e a solidariedade. Essa última é abordada na editoria homônima, trazendo relatos de educadores, estudantes e voluntários que uniram forças para acolher os imigrantes venezuelanos que chegaram ao nosso estado no ano passado. Na editoria Essência, o coordenador de Pastoral da Rede Marista, José Jair Ribeiro, convida a juventude a refletir sobre projeto de vida, à luz da celebração dos dez anos da Pastoral Juvenil Marista (PJM). Que esses conteúdos sirvam de apoio e inspiração no restante do ano letivo.

Rogério Anele Superintendente dos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista

5


© Foto: Acervo Marista Rosário

Dia a dia

Saiba como enfrentar melhor a rotina entre

casa e escola Os comerciais de margarina não contam toda a verdade. Antes dos domingos ensolarados, com a família toda sorridente ao redor da mesa, existem as noites de dia de semana, em que é preciso dar conta de fazer o dever de casa, jantar, tomar banho, arrumar a mochila para o dia seguinte e receber o longo beijo de boa noite. E quem melhor do que mães e pais para contar um pouco desses “bastidores”? “Normalmente, eu acabo cronometrando meus minutos”, desabafa Andresa Silveira. Mãe da Marcela, 7 anos, estudante do 2o ano EF, e do Henrique, 5 anos, do Nível 2 da Educação Infantil, ambos no Colégio Marista Rosário, em Porto Alegre (RS), ela e o marido precisaram colocar os filhos na linha para que a rotina funcionasse. Como as crianças estudam de manhã, a alvorada acontece cedo: às 6h. A correria é grande para os dois estarem na sala de aula antes de o sinal tocar. Após o retorno para casa e o almoço, a corneta toca de novo: o dever de casa tem que ser feito já depois de escovar os dentes. “No começo, minha filha não queria fazer depois do almoço, preferia deixar para a noite. Mas fomos explicando e mostrando o quanto era melhor ter mais tempo para as outras atividades”, conta Andresa.

6

Andresa e o esposo Fábio Gomes com os filhos Marcela e Henrique, estudantes do Marista Rosário.

Tarefas, mochila, refeições, banho, uniforme: quem dá conta? Por Helena Carnieri

Após um ano de adaptação, hoje nem é preciso mandar: a menina corre fazer a tarefa sozinha, para depois poder brincar.

DECISÃO DIFÍCIL As dicas dos pais e mães ouvidos pela reportagem da revista Em Família Marista para otimizar a rotina semanal têm um ponto em comum: envolvem um pouco de sacrifício. Sophia Oliveira, que dá aulas ao 2o ano EF do Colégio Marista Champagnat, em Porto Alegre (RS), conta que precisou tomar uma decisão difícil quando teve o primeiro filho, Isaque, hoje com 7 anos. “Quando ele nasceu, optei por trabalhar só um turno, uma escolha que alterou completamente o orçamento familiar. Mas foi a opção mais acertada e não me arrependo”, conta. Mesmo tendo um turno em casa para organizar as coisas, a rotina precisou ser bem estruturada para dar conta das crianças, que se multiplicaram: vieram também a Alice, hoje com 5 anos, e a Angelina, de 2 anos. Uma dica importante de Sophia é que o casal mantenha a mesma rotina todas as noites, mesmo que um deles esteja fora, em algum compromisso. Isso vale para a ordem das tarefas e o horário de ir para a cama.


SUPERDICAS!

pais e as mães também podem facilmente acabar “sugados” pelas atrações digitais e negligenciar o diálogo e o bom funcionamento da rotina em casa.

Naiori Cumán. Quando não é época de provas, a família tenta sempre jogar algum jogo em casa ou sair juntos, porque a distração e os momentos de lazer também são fundamentais.

ADOLESCENTES E será que a coisa fica mais leve quando eles crescem? De certa forma, sim. Na casa da Paula da Rocha, 17 anos, estudante do 3o ano EM no Marista Rosário, a organização é em prol do tempo de estudos e concentração da vestibulanda. Desde pequena, os pais a orientaram a evitar a televisão e outras distrações para dar conta das tarefas, mas havia sempre essa tentação. O que ajudou bastante foi adaptar uma mesa de estudos no quarto, onde ela pode se concentrar. “Quando tenho prova, fico mais no quarto, porque na sala a TV ficava ‘me olhando’”, brinca Paula. “Depois de conversarmos muito, notamos, neste ano, um grande amadurecimento dela”, comemora a mãe,

© Foto: Arquivo pessoal

Outra sugestão é atribuir às crianças tarefas no cuidado com a casa desde cedo. “Cada um tem sua responsabilidade, como arrumar a cama, levar o lixo e buscar água. Até minha filha menor leva a fraldinha no lixo”, conta Sophia. “Sempre lembro que ninguém está ‘ajudando’, pois é todo mundo participante da mesma casa”, afirma. Como o casal acredita que um grande inimigo das noites em família é o celular ou o tablet, as crianças não usam nenhum dos dois. E aqui entra uma dica para quem tem dúvidas de como gerenciar a questão tecnológica: o costume desde cedo é que vai ditar o nível de apego das crianças aos gadgets. “O Isaque ganhou um videogame no Natal, mas como ele nunca teve o costume de brincar com tecnologia, nem pede para jogar durante a semana. Só joga nos fins de semana, com o pai”, conta a professora. É importante ressaltar que o celular não é um problema só quando as crianças têm acesso a ele, pois os

Paula e sua família: apoio na concentração para os estudos.

© Foto: Arquivo pessoal

FAXINA COLETIVA

A família de Sophia Lundgren: meio-período ajuda na organização.

Como conversam constantemente com as famílias, as pedagogas da Rede Marista têm sugestões valiosas para qualificar seu tempo em casa. Confira:

FILHOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS:

FILHOS NOS ANOS FINAIS E ENSINO MÉDIO:

• Priorize a conversa e a troca de ideias, e sempre questione o que as crianças estão pesquisando, estudando e projetando.

• Ajude-o a elaborar uma rotina semanal de estudos e não se esqueça de destinar momentos para lazer, leitura, esportes e convívio com amigos e família.

• Desligue celular, tablet, computador, jogos eletrônicos e televisão. Assim, vocês podem conversar, brincar, além de fazer um carinho e dar boas risadas juntos. • Organize um ambiente adequado, com iluminação apropriada, livre de ruídos e com material sempre à mão para evitar distrações. • É melhor estudar e fazer o tema à noite, porque, no dia seguinte, a criança pode esquecer ou ficar sem ninguém para apoiá-la. • Tente priorizar o acompanhamento das tarefas e pesquisas dos seus filhos. • Um hábito de estudo vai além de fazer o dever de casa. Pesquisem juntos, leiam muito e assistam a documentários sobre o que as crianças estão estudando.

• Não deixe seu filho adiar a hora do estudo para muito tarde, quando o corpo e o cérebro já estão se preparando para o descanso. • Oriente seu filho para começar com períodos mais curtos, fazer pausas e retomar. Aos poucos, ele poderá ampliar os momentos de concentração. • Peça que desligue o celular e eletrônicos para não atrapalhar a concentração. • Indique a ele que priorize os componentes curriculares em que tem mais dificuldade. • Recomende revisar o conteúdo no mesmo dia das aulas: isso transforma a memória de curto prazo. • Dê a dica de gravar áudios contando o que aprendeu e depois ouvi-los. Ele pode fazer grupos de estudos e, assim, auxiliar alguém a aprender também. Estabeleça com ele um local para colar tudo de forma visível: mapas mentais, palavras-chave, datas e cronogramas de estudos. • Nos dias de avaliação, não permita que ele estude até a madrugada. Oriente para que se alimente bem e durma cedo. Uma dica para relaxar é sugerir que ele vá para a escola ouvindo uma música calma, e que fique tranquilo, afinal vocês construíram um percurso de estudos valioso.

Fonte: Rosenara Frederich, coordenadora pedagógica da Educação Infantil e Anos Iniciais e Rayane Recchi, coordenadora pedagógica dos Anos Finais e do Ensino Médio do Marista Santo Ângelo (RS).

7


Capa

Uma missão

extraordinária Redes sociais, sucesso profissional, tempo com os amigos, desenvolvimento, cultivo pessoal e tempo para brincar. O que envolve a intrigante e encantadora tarefa de ser mãe/pai nos dias de hoje? Por Fernanda Brun

8

Quando recebeu a notícia de que estava grávida de trigêmeos, a médica fisiatra Luciana Schwan organizou a rotina para conciliar os projetos pessoais e profissionais com a nova fase, flexibilizando seus horários de trabalho em benefício dos filhos, Gustavo, Arthur e Vinícius, hoje estudantes do 3o ano EM do Colégio Marista Rosário. “A maternidade era o meu foco”, conta a profissional liberal. O planejamento e o equilíbrio das expectativas permitiram que ela tivesse uma visão mais tranquila sobre os diferentes momentos da nova realidade: ela entendeu que os primeiros períodos seriam de muitas demandas e tarefas, mas que, com o tempo, seu dia a dia retornaria à normalidade. Para Luciana, o grande desafio da vida moderna é justamente equilibrar o trabalho com a maternidade – que pode, seguramente, ser fonte de ansiedade e estresse, principalmente quando conciliada com a vida em uma grande cidade, o que acarreta em falta de tempo para os filhos e a família. “Precisamos estar junto dos filhos para educar e estabelecer com eles laços de confiança, para dar exemplos de como se comportar na sociedade e de como se relacionar com o próximo, ensinar gentilezas e corrigir as atitudes erradas. E precisamos estar juntos também para não fazer nada. Para isso, necessitamos de tempo. As famílias devem ficar atentas para que, com todas as atribuições da vida moderna, não haja um abandono dos filhos”, reflete. Além do planejamento, ter uma rede de apoio também se mostrou indispensável. Ter por perto familiares, amigos e uma escola que estejam em acordo com os princípios da família ajuda os pais a terem mais segurança sobre a educação e o futuro dos filhos. “É o apoio que faz com que uma família numerosa tenha boa saúde mental”, afirma Luciana.


9 Š Foto: Shutterstock


FUN DA MEN TAL 10

© Foto: Arquivo pessoal

Capa

Luciana Schwan e o esposo Renato juntos dos filhos Gustavo, Arthur e Vinícius, estudantes do Colégio Marista Rosário.

OS BENEFÍCIOS DA REDE DE APOIO “Fundamental”. É essa a palavra que Marta Lucion, médica psiquiatra com especialidade em Psiquiatria da Infância e Adolescência e doutora em Psiquiatria e Ciências do Comportamento pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), usa quando se fala em “rede de apoio” na maternidade/paternidade. Para a profissional, esse é o caminho mais saudável para manter o equilíbrio entre as expectativas e necessidades pessoais e as demandas que surgem com os filhos. “Costumamos viver de forma isolada, pois temos uma tendência natural de cuidar de nossos próprios problemas. Em geral, todo mundo está se esforçando para ser o melhor pai e a melhor mãe possível. Apoio e empatia são essenciais”, explica. Ao fazer um comparativo com a maternidade/paternidade de outros tempos e a atual, Marta entende que existe, hoje, uma valorização maior das vontades e da personalidade dos pequenos. “Hoje, fala-se muito que as crianças já são capazes desde muito cedo. Que são criativas, pensantes, que entendem o meio em que estão. Essa visão é muito boa, mas pode causar uma sobrecarga”, lembra. Para ela, um dos grandes desafios é a

velocidade de consumo de informação – é como se houvesse uma checklist a ser cumprida, uma série de atividades que os filhos precisam realizar, características que necessitam desenvolver. “É preciso se respeitar e respeitar os filhos, nossas características pessoais, quem somos, no que acreditamos, o que representamos. Essas identificações são muito importantes para que não entremos em uma rotina de cobranças e comparações”, indica Luciana.

A INFLUÊNCIA DA MENTE NO CORPO “Mais do que gerar alterações no funcionamento do nosso corpo, o estresse pela maternidade pode causar transtornos psiquiátricos que muitas vezes se associam a questões físicas”, afirma a médica. Quando a mente está cansada, ela manda sinais de atenção para o corpo e nos faz sentir dores e sintomas que nem sempre estão vinculados a problemas que podem ser identificados em exames e consultas de rotina. “Azia, cefaleia, problemas no intestino, dores musculares. A sobrecarga emocional se manifesta pelo corpo e nem sempre será possível relacioná-la a um problema específico de algum órgão”, alerta a profissional.


As famílias devem ficar atentas para que, com todas as atribuições da vida moderna, não haja um abandono dos filhos. Luciana Schwan, médica e mãe

ALGUNS SINTOMAS QUE PODEM SIGNIFICAR SOBRECARGA EMOCIONAL: Alteração no padrão de sono. Cansaço desproporcional. Deixar de ver graça no que antes gostava de fazer. Não conseguir mais valorizar momentos que antes eram prazerosos.

e, hoje, vejo que meu maior conflito com os adolescentes são as redes sociais. Acho que a garotada perde um tempo de vida precioso nelas. Precisamos aceitar a evolução da comunicação, mas não podemos ficar escravizados por elas”, afirma Luciana. “A internet tem um lado negativo na medida em que cria modelos e dissemina informações não verdadeiras”, afirma Adriane Arteche, professora adjunta do programa de pós-graduação em Psicologia da PUCRS e doutora em Psicologia do Desenvolvimento. Por outro lado, a profissional afirma que também existem vantagens, à medida que as famílias que compartilham das mesmas angústias podem trocar experiências. Além disso, a tecnologia torna a busca por informação técnica adequada cada vez mais fácil e acessível. “Entendo que as mídias sociais promovem a cultura da ‘família de comercial de margarina’, em que apenas momentos positivos são compartilhados. No entanto, espaços para discussão das dificuldades cotidianas da maternidade e da paternidade também têm sido cada vez mais divulgados”, explica Adriane. Novamente, o uso dessas ferramentas como canal para uma rede de apoio faz dela um instrumento muito mais positivo do que negativo.

Bruxismo.

QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS PAIS DE HOJE?

Problemas de digestão e intestino.

1.

Maior compartilhamento de tarefas em relação ao cuidado e à educação dos filhos.

2.

Conhecimento teórico sendo transmitido aos pais e, às vezes, entrando em colisão com aprendizados intrafamiliares (como o não uso de práticas de punição física que antes eram recorrentes, por exemplo).

3.

Centralização nos pais como responsáveis pelo cuidado e pela educação e minimização do papel da família extensa.

A GRAMA DO VIZINHO É REALMENTE MAIS VERDE? Casas arrumadas, sorrisos no rosto, roupas combinando, barriga chapada um mês depois do parto. As redes sociais são fonte constante de cobranças e comparações que podem agir de forma prejudicial para quem vive a maternidade/paternidade. No Brasil, o peso é ainda maior: de acordo com dados de um estudo realizado pelo Hootsuite com a We Are Social, somos o segundo país do mundo que passa mais tempo conectado à internet. A média do brasileiro é ficar cerca de nove horas e 29 minutos online por dia. E 62% da população do país está ativa nas redes sociais. “Quando meus filhos nasceram, ficava pensando em qual seria o meu choque de geração com eles

QUAIS SÃO AS DIFICULDADES E ANGÚSTIAS CARACTERÍSTICAS DESTA GERAÇÃO DE PAIS? 1.

Dar conta de conciliar as demandas de trabalho com estimulação apropriada e criação de vínculo com os filhos.

2.

Proteger os filhos dos perigos do mundo atual (violência; mídia inadequada; alimentação não saudável; excesso de demanda eletrônica) e promover autonomia e independência ao mesmo tempo. Fonte: Adriane Arteche, doutora em Psicologia do Desenvolvimento.

11


© Foto: Arquivo pessoal

Capa

Karla e o esposo João Batista juntos do filho Athos, estudante do Colégio Marista Champagnat.

A IMPORTÂNCIA DA CONEXÃO Com uma facilidade tão grande em estar conectado com pessoas, lugares e informações de todas as partes do mundo, a conexão próxima e pessoal acaba ficando de lado. “Uma solução para as dificuldades da maternidade/paternidade é oportunizar espaços de interação entre pais e filhos desde a primeira infância”, afirma Adriane. “Digo para mim mesma que o que vale é a qualidade do tempo que passamos juntos”. A frase é de Karla da Silva. Mãe de Athos, estudante do Marista Champagnat, ela conta que seu compromisso com o filho é estar presente, seja qual for a hora. E é nessa conexão que se criam laços de confiança, segurança, transparência e amor. Para Marta Lucion, esse tempo dedicado exclusivamente à interação com as crianças e os adolescentes é fundamental para uma relação saudável entre pais e filhos. “O que os filhos querem é a atenção dos pais, um tempo de qualidade. Um momento para que eles façam o que têm von-

12

tade, seja brincar, conversar sobre o dia, fazer uma refeição juntos. É preciso criar oportunidades para construir essas pontes”, indica a profissional. Manoela de Oliveira, doutora em Psicologia pela UFRGS, com experiência como orientadora profissional e consultora de carreira, aponta algumas reflexões importantes resultantes de pesquisas realizadas no Grupo de Estudos sobre Desenvolvimento de Carreira da PUCRS: o trabalho excessivo interfere, sim, na família – e a percepção dessa interferência pode levar à intenção de deixar o emprego. “Esse resultado sugere que, além de prejuízos percebidos na vida familiar dos executivos, o conflito entre papéis resultante do trabalho excessivo pode refletir de forma negativa em outras dimensões, como a saúde mental e física”, aponta a profissional. De forma geral, Manoela esclarece que tanto experiências no trabalho quanto momentos familiares podem ser enriquecedores, mas como a primeira não demanda “bater ponto”, pode acabar deixada de lado.

“A SOCIEDADE É CRUEL, COBRA RESULTADOS, PRODUTIVIDADE, PRESENÇA. MAS ACHO QUE A PIOR COBRANÇA É A GENTE MESMO QUE FAZ. MUITAS VEZES, QUANDO, EM UMA SEGUNDA-FEIRA, SAIO ÀS 6H50 E RETORNO SÓ ÀS 23H E O ATHOS JÁ ESTÁ DORMINDO, CHEGO PERTO DA CAMA DELE, PUXO AS COBERTAS, CUBRO, BEIJO A TESTA, SINTO O CHEIRO E CHORO! CHORO E ME PERGUNTO SE É ESSE O CAMINHO – TRABALHAR TANTO, MESMO QUE SEJA PARA DAR AS MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA PARA ELE. ACHO QUE TODA A MÃE SENTE ISSO.” Karla da Silva


TRABALHO E MATERNIDADE/ PATERNIDADE: COMO CONCILIAR EXPECTATIVAS? Durante o século 20, várias mudanças influenciaram as relações familiares e profissionais e mais mulheres precisaram se inserir no mercado de trabalho, assumindo o papel de provedores. Como consequência, os homens passaram a se envolver mais em tarefas relacionadas à casa e à família. Todo esse movimento deu origem a casais em que ambos se dedicam tanto ao ambiente familiar quanto ao profissional. “Considerando esse cenário, é possível pensar que ser pai/mãe nos dias atuais significa administrar as demandas originadas tanto na família como no trabalho a fim de obter uma vida saudável e satisfatória, o que exige adaptabilidade e capacidade de gerir o tempo e tomar decisões”, afirma Manoela.

AMOR: SENTIMENTO ATEMPORAL “O Athos jamais me cobrou nada! E sempre me diz: ‘és a melhor mãe do mundo, jamais escolheria outra.’ A frase vem recheada de tanto amor, de tanto sentimento que acho que devo estar fazendo alguma coisa certa nesses 16 anos. Mesmo que, às vezes, eu duvide”, conta, emocionada, Karla. É nesse amor que a maternidade e a paternidade encontram a motivação para, independentemente da época, buscar o equilíbrio. “A maternidade é um dos melhores papéis da minha vida. Sem sombra de dúvida, é o que me completa! Ser mãe é uma aventura constante, uma aprendizagem diária. Não tem mapa ou manual de como ser mãe. Vamos nos constituindo, mãe e filho, ao mesmo tempo. Amo ser a Karla filha, a Karla esposa, a Karla profissional, mas amo muito mais ser a Karla mãe”, finaliza.

O que os filhos querem é a atenção dos pais, um tempo de qualidade. Um momento para que eles façam o que têm vontade, seja brincar, conversar sobre o dia, fazer uma refeição juntos. É preciso criar oportunidades para construir essas pontes. Marta Knijnik Lucion, médica psiquiatra

O QUE FAZ OS PAIS PERDEREM O SONO? Uma pesquisa realizada anualmente pelo C. S. Mott Children's Hospital, nos Estados Unidos, com pais de jovens de diferentes idades, apontou que as principais preocupações em relação à saúde de seus filhos, em 2017, foram... (era possível assinalar mais de uma resposta): 1. Bullying/cyberbullying (61%) 2. Não fazer exercícios o suficiente (60%) 3. Alimentação não saudável (57%) 4. Uso de drogas (56%) 5. Segurança na internet (55%) 6. Abuso e negligência em relação às crianças (53%) 7. Suicídio (45%) 8. Depressão (44%) 9. Gravidez na adolescência (43%) 10. Estresse (43%) Por Manoela Ziebell de Oliveira, doutora em Psicologia

13


Entrevista

Brincadeira saudável inclui

diversidade de materiais © Foto: Divulgação

A pedagoga Josiane Pareja pesquisa a riqueza do manuseio de diferentes elementos

Já viu criança pequena valorizar brinquedo caro? Elas gostam mesmo é da caixa, não é mesmo? A pedagoga Josiane Pareja tem uma explicação para isso: “A caixa é um material ‘aberto’, que coloca a criança diante de muitas transformações”, ensina. Por meio de suas pesquisas com diferentes materiais, Josiane tem verificado, em seu Ateliê Carambola, em São Paulo (SP), que as crianças de até 5 anos precisam manusear e transformar livremente os objetos – daí a importância de se oferecer uma diversidade de materiais, de preferência que possam ser moldados. É uma forma pela qual elas organizam seu “mundo” interior e se inserem no contexto que as cerca. “A caixa pode virar um carro, um avião, um esconderijo, um bracelete, o que a criança imaginar!”, exemplifica. Confira, nas próximas páginas, o que mais ela compartilhou na conversa com a revista Em Família Marista.

14

© Foto: Arquivo pessoal

Por Helena Carnieri

Josiane Pareja, pedagoga e fundadora da Ateliê Centro de Pesquisa e Documentação Pedagógica e da Escola de Infância Ateliê Carambola (SP).


Os materiais são fundamentais na primeiríssima infância, ou seja, de 6 meses a 5 anos, porque é nesse momento que a criança inaugura um universo de descobertas. Chamamos isso de período heurístico, palavra que vem do grego descobrir. Deve-se oferecer diferentes materiais, sejam eles plástico, madeira, metal ou tecido, porque a criança bem pequena está construindo sentidos e significados, e tudo isso a partir das experiências que ela tem. Ela entrelaça, durante as brincadeiras, o que vive na família, e traz para a brincadeira, a partir dos 3 anos, o jogo simbólico. Mas ela só será capaz de brincar de forma saudável se tiver repertório.

© Foto: Divulgação

Qual a importância de se usar uma diversidade de materiais na primeira infância?

Que materiais Os materiais não estruturados são são os mais considerados os melhores objetos na indicados? primeiríssima infância, porque esse

é o momento em eles estão ampliando as possibilidades criativas e inventivas. Muitas vezes, o melhor brinquedo é um objeto qualquer. Você compra um superbrinquedo e a criança brinca com a caixa – afinal, é um material aberto, que coloca a criança diante de muitas transformações. A criança bem pequena precisa de um tempo de exploração. Tempo para explorar o objeto das mais diferentes maneiras: batendo, pondo na boca, encaixando, empilhando, alinhando, colecionando… E só depois dessa exploração é que ela busca uma “transformação” daquilo. Pode virar um carro, um avião, um esconderijo, um bracelete, o que a criança imaginar!

Qual a diferença Cada material tem sua materialidade, de “material” e que é o “adjetivo” da matéria. Por exem“materialidade”? plo, o papelão é poroso, leve, tem cer-

to cheiro; ele vira o que a criança imagina, dissolve em água, mas é resistente, não rasga fácil, aguenta ser esfolado, pode virar um tapete, uma capa… É a potência dos materiais. Em que eu posso transformar esse objeto? E, nesse processo, a criança também se transforma – internamente, mentalmente. Ela ganha qualidade de pensamento.

15


Entrevista

Como você aplica sua pesquisa no Ateliê Carambola?

Na Carambola, trabalhamos com o jogo heurístico, uma metodologia das pesquisadoras Elinor Goldshmied e Sonia Jackson, que destacam a importância de usar diferentes materiais em coleções, para empilhar, usar em ambientes internos e externos, e o uso de materiais não contáveis, como a areia. Esse é um foco bem forte que usamos com as crianças de 0 a 3 anos. Com os maiores, vamos para o quintal, onde tem areia, terra, e as crianças podem construir os mais diversos cenários de jogos simbólicos.

Como é feita a condução das crianças nesses momentos?

16

O que a gente observa é que algumas crianças podem não querer mexer em areia ou tinta, o que é natural, porque são bem pequenas, estão tendo essa experiência pela primeira vez. O que ocorre, no início, é o desconhecimento e, por isso, a criança pode ficar mais distante no começo. O que nós garantimos é tempo e permanência, para que essas crianças possam trabalhar o reconhecimento e efetivamente participar no momento em que estiverem dispostas. Inclusive, consideramos “estar junto” uma forma de participação, mas mais passiva. Respeitamos o tempo delas, sem forçar a barra, sem pegar na mão.

Qual a relação Para poder escutar as crianças, é preentre “ensinar” ciso compreendê-las. Entender que e “escutar”? estão passando por um momento

de inaugurações, de se constituírem como sujeitos, em que precisam de paciência e companheirismo. A escuta nasce de uma relação genuína de respeito ao desenvolvimento, mas sem se abster de intencionalidades. A escuta só vai aparecer em uma escola que entende os diferentes momentos da infância. Escutar é uma metáfora da relação humana.

© Foto: Divulgação

É fundamental que não seja só o plástico, porque esse é o tipo de material que nós mais temos nas escolas, por vezes muito colorido, e isso tira da criança o que ela tem de mais potente, que é a transformação. O plástico não se permite ser moldado, ele é rígido. Do jeito que você colocar, ele vai ficar. Não oferece capacidade de transformação. Por outro lado, é possível usá-lo para empilhar, alinhar, colecionar. Nada contra o plástico! Mas, por uma perspectiva mais sustentável, sabemos que é o material que a natureza leva mais tempo para transformar em natureza de volta.

A criança bem pequena precisa de um tempo de exploração. Tempo para explorar o objeto das mais diferentes maneiras: batendo, pondo na boca, encaixando, empilhando, alinhando, colecionando... E só depois dessa exploração é que ela busca uma 'transformação' daquilo. © Foto: Divulgação

Existe um risco de oferecer apenas brinquedos de plástico?


EXPEDIENTE COLÉGIO MARISTA ROSÁRIO Praça D. Sebastião, 2 Porto Alegre - RS Fone: 51 3284-1200 colegio.rosario@maristas.org.br DIRETOR Ir. Onorino Moresco VICE-DIRETORA EDUCACIONAL Leia Raquel de Almeida VICE-DIRETOR ADMINISTRATIVO Maurício Erthal COMUNICAÇÃO E MARKETING Juliana de Matos, Juliana Spilimbergo, Patrícia dos Santos e Paola Piacini. JORNALISTA RESPONSÁVEL Daniela Cidade (MTB 8630)

Ponto de vista em movimento

22

Tiago Pavinato Klein, professor de Ensino Religioso dos Anos Finais, conta sua experiência no Voluntariado da Rede Marista em Lábrea, no sul do Amazonas.

Com a palavra

Educação Infantil

Caleidoscópio

18

19

20 24 28

Ensino Fundamental

Gente nossa

Ensino Médio

23

26

27

Direção destaca a Escola Marista como espaçotempos de relações e aprendizagens.

Planejados com intencionalidade e afeto, os espaços potencializam a aprendizagem das crianças.

EI EF EM

Cobertura dos principais projetos e atividades desenvolvidos no primeiro semestre letivo.

Conheça alguns dos recursos tecnológicos utilizados para intensificar o processo de ensino-aprendizagem.

A ex-aluna Luiza Cerveira Kampff relembra suas memórias rosarienses.

Saiba como as práticas de investigação científica favorecem o desenvolvimento da autonomia intelectual.

Diz aí

Em foco

APM

30

31

32

Estudantes contam como organizam a rotina de estudos e de lazer no dia a dia.

A partir do tema Seu olhar sobre a escola, estudantes registram a própria percepção sobre o cotidiano escolar.

Confira algumas iniciativas promovidas pela Associação de Pais e Mestres.


Com a palavra

Escola marista espaçostempos

como

de relações e aprendizagens

18

Colégio Marista Rosário

É nesse mundo complexo e mergulhado em urgências e informações que a escola busca tornar sua proposta pedagógica viável. Para isso, em cada ação educativa, reconhece seu desafio em responder às demandas do contexto sem perder seu propósito, garantindo a perenidade de sua história e do carisma marista.

Leia Raquel de Almeida Vice-diretora educacional do Colégio Marista Rosário

© Foto: Acervo do Colégio

Concebemos a escola marista como um espaçotempo de aprendizagens por meio das relações sociais e produções acadêmicas e formativas que circulam nos tempos, espaços e lugares específicos constituintes do próprio Colégio. Para tanto, investimos em iniciativas pedagógicas que buscam oportunizar um ambiente criativo, responsivo, que dialogue com o contexto atual e com as demandas legais, e que seja aberto a novas proposições na resolução de problemas. É nesse mundo complexo e mergulhado em urgências e informações que a escola busca tornar sua proposta pedagógica viável. Para isso, em cada ação educativa, reconhece seu desafio em responder às demandas do contexto sem perder seu propósito, garantindo a perenidade de sua história e do carisma marista. O Colégio, dessa forma, busca desenvolver habilidades e competências através de iniciativas que possam contribuir para a aprendizagem e a história de um sujeito que faz escolhas o tempo todo, que influencia e é infuenciado pela forma que cultiva seus valores, administra seu tempo e investe em seu conhecimento. Exemplos dessas iniciativas são os projetos dinamizados pelo Serviço de Orientação Educacional (SOE) e pela Pastoral Escolar, que se desdobram em vivências com os estudantes em rodas de conversas, assembleias escolares e em momentos formativos, desenvolvendo o respeito, a empatia e a comunicação não violenta, de forma especial, na interação entre os pares e na resolução dos conflitos. Essas habilidades transcendem o projeto da escola quando os estudantes conseguem expressá-las no dia a dia, responsabilizando-se pelos seus atos, administrando seu tempo de estudo e sua forma de respeitar e cultivar as relações humanas no convívio social e no ambiente virtual, tão presente na vida de todos nós. Como espaçotempo de produção de conhecimento, destacamos práticas que colaboram para o desenvolvimento de olhares, iniciativas e posturas criativas frente aos problemas sociais que necessitam de intervenção solidária. Atitudes como essas transcendem as aptidões acadêmicas e técnicas, ampliando para o desenvolvimento de competências políticas e valorativas dispostas a educar uma nova geração de homens e mulheres capazes de construir e conviver em uma sociedade inclusiva, ética e solidária. Contribuir para que cada estudante se torne competente para lidar com as inúmeras informações a que tem acesso e com a resolução de problemas das mais diversas ordens está no centro de nossas reflexões, nos mobilizando para as opções pedagógicas e pastorais que propomos e perseguimos nos espaçotempos que, cotidianamente, reinventamos.


© Foto: Acervo do Colégio

Educação Infantil

Com formas geométricas, botões e miçangas, os estudantes utilizam a imaginação para criar robôs.

Espaços educadores para a

aprendizagem das crianças A Educação Infantil é uma etapa em que cada detalhe é importante para a construção do repertório de significados das crianças. No jeito marista de educar, os ambientes são considerados parte essencial do projeto curricular e pensados de forma a proporcionar momentos que incentivam a imaginação, a criatividade, a socialização, a descoberta e a autonomia. “Os espaços pedagógicos educadores formam um dos alicerces das nossas diretrizes”, afirma Loide Trois, supervisora pedagógica dos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista. Desse modo, os estudantes são convidados a assumir o lugar de protagonistas para, acompanhados dos educadores, terem liberdade de expressar suas ideias – em um ambiente educador que os empodera e valoriza suas maneiras de participar e interagir. “Acreditamos que o espaço escolar deve transmitir afetividade, mesmo sendo uma estrutura física”, explica Loide. “Precisa ser habitado

de valores e princípios ao mesmo tempo em que aguça a curiosidade e desperta o desejo de aprender”, complementa. Em sintonia com essa proposta, as salas de aula são compostas por mobiliários versáteis, que permitem diferentes arranjos e harmonizações. Também contam com materiais naturais e neutros que oferecem elementos sensitivos importantes, como luzes, cores, texturas, cheiros e sons.

APRENDER BRINCANDO Segundo a coordenadora pedagógica da Educação Infantil, Caroline Brandelli Garziera, os ambientes têm o propósito de atender a uma intencionalidade, suscitando interações e possibilitando construções que ampliam o repertório dos estudantes. A partir dos espaços educadores do Marista Rosário, as crianças se desenvolvem e aprendem brincando. No prédio da Educação Infantil, ao circular pelos corredores e áreas de convivência, é possível observar

os territórios organizados a partir de temáticas de interesse das turmas. “Um exemplo é o Espaço Exploração da Mesa de Luz, onde os estudantes podem exercitar o processo criativo”, afirma Caroline. A intenção é convidar as crianças à interação e à construção, enriquecendo suas vivências com novas aprendizagens.

Acreditamos que o espaço escolar deve transmitir afetividade, mesmo sendo uma estrutura física.

Colégio Marista Rosário

19


Caleidoscópio EI

Dentro da programação da 1a Estação ArteLiterária do Colégio, as turmas participaram da mediação de leitura do livro Dona Baratinha, obra de Ana Maria Machado.

Em maio, é comemorado o Mês das Mães e de Maria. Para marcar a data, as famílias foram convidadas para Momentos de Vivências, quando mães e filhos participaram de diversas atividades, como estações sensoriais, relaxamento, plantio de mudas, customização de telas, almofadas e sacolas.

2019

Tradicional publicação da escola, o Ecos Rosariense foi entregue aos estudantes pelo Periquito, mascote do Colégio. Lançado há mais de nove décadas, o anuário busca eternizar cada ano e criar um vínculo afetivo com a vida escolar.

ACOLHIDA

VIVÊNCIAS

INTEGRAÇÃO

No início do ano, as turmas participam de atividades de integração e adaptação. O objetivo é proporcionar um ambiente escolar acolhedor, familiar e rico em estímulos, facilitando a formação de vínculos entre estudantes e professores, bem como o reconhecimento dos espaços físicos da escola.

© Fotos: Acervo do Colégio

Na primeira reunião de pais do Nível 3, os familiares foram convidados a construir um objeto apenas com caixas de papelão para que os estudantes pudessem brincar ao longo do ano. Na turma N3B, construíram um trem; na turma N3D, uma estrada; e na N3I, um avião. Depois, por meio do contato com estes materiais durante as aulas, surgiram diferentes propostas.

20

Colégio Marista Rosário


A turma N2A estudou as aves e suas casas. Em uma das aulas, construíram um ninho de joão-de-barro utilizando cordão, cola, gesso e anilina. Futuramente, as construções receberão pássaros e ovos moldados em cerâmica.

Utilizando caixas de papelão, a turma N3H construiu o Robótico, um robô que recebeu três motores, além de um sensor ultrassônico que detecta a presença de pessoas. Assim, quando uma criança o abraça, o coração dele bate e ele balança os braços.

NA PRÁTICA

ALIMENTAÇÃO

Dentro do projeto Casa Engraçada, a turma N3F recebeu a visita da engenheira civil Fabiane Ely para explicar como se constroem as moradias. Os estudantes também utilizaram blocos de construção magnéticos para montarem casas usando a criatividade.

O incentivo à alimentação saudável é uma das preocupações do Marista Rosário, seja por meio de projetos pedagógicos realizados em sala de aula, campanhas pontuais ou pelo acompanhamento da nutricionista do Colégio aos lanches dos estudantes.

Colégio Marista Rosário

21


© Foto: Arquivo pessoal

Ponto de vista

Território sagrado Por Tiago Pavinato Klein, professor de Ensino Religioso dos Anos Finais

Conhecer a missão marista na Região Amazônica, vivenciar em comunidade o cotidiano dos Irmãos que lá residem e inserir-se na realidade local. Com essa perspectiva, de 31 de janeiro a 16 de fevereiro de 2019 participei de uma bela experiência: o Voluntariado da Rede Marista em Lábrea, no sul do Amazonas. Enquanto grupo de voluntários, nós realizamos visitas às famílias, oficinas com estudantes de uma escola, atividades pastorais e celebrações com grupos de jovens, além de visitas a aldeias indígenas e comunidades ribeirinhas. Dias de acolhida pelos Irmãos Nilvo e Luís, de compreensão da realidade e da missão e de reflexão sobre a Floresta Amazônica e seus dilemas. A inserção foi bonita, pois conversamos com indígenas, principalmente das etnias apurinã e paumari, mas também de outros grupos, como deni, juma e jamamadi. Dialogamos com lideranças do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e da Comissão Pastoral da Terra (CPT), com funcionários da Fundação Nacional do

22

Índio (Funai) e com agentes de saúde que trabalham especificamente com esses povos. Além da reflexão, a alegria: vivemos a simplicidade das pessoas, navegamos em meio à floresta com a cheia dos rios, partilhamos do alimento e conhecemos a organização de algumas aldeias. Foi possível escutar os desafios da saúde, da educação, da defesa da terra. Acredito que é preciso pisar na terra indígena, conversar com seus representantes para entender a importância do cuidado desses grupos e da floresta. As terras demarcadas garantem uma preservação maior da Região Amazônica, o sentimento é de estar pisando em território sagrado. Na área da educação, ouvimos relatos de professores que trabalham em regiões distantes da cidade. São dias de barco para chegar à escola e cumprir a incrível missão de educar. Muitas vezes, esses profissionais precisam morar em comunidades pequenas e isoladas para se dedicar ao ensino. Também ouvimos partilhas dos jovens da Pastoral da Juventude

Colégio Marista Rosário

e da Juventude Missionária, que nos trouxeram seus sonhos, desafios e perspectivas de vida. Por fim, na volta para casa, o olhar está mais atento, pois o ato de sair da nossa terra traz clareza sobre a nossa própria realidade. Do norte ao sul do Brasil, há muito pelo que lutar na defesa da dignidade humana. Nessa perspectiva, a missão marista consolida-se, pois caminhar com o povo, celebrando sua vida, é uma das formas de seguir os passos de Jesus e de São Marcelino Champagnat.

Do norte ao sul do Brasil, há muito pelo que lutar na defesa da dignidade humana.


© Foto: Acervo do Colégio

Ensino Fundamental

Tablets e outros dispositivos são utilizados para facilitar a busca pelo conhecimento.

Por uma visão integral da

tecnologia na educação Os avanços tecnológicos da última década mudaram a forma pela qual nos relacionamos. As possibilidades cada vez maiores proporcionadas pelos dispositivos móveis e outros gadgets fazem com que o analógico e o digital coexistam em uma dinâmica que o autor, publicitário e empreendedor Walter Longo chama de Era do Pós-Digital. Segundo ele, a presença desse tipo de tecnologia é tão constante no nosso dia a dia que, na maior parte do tempo, não notamos que está lá. Assim como a eletricidade, só percebemos sua existência quando ela falta. Consequentemente, o hibridismo das culturas digital e analógica amplia as oportunidades de aprendizagem. “É necessário ver esses avanços de uma perspectiva não só comunicacional, mas também pedagógica”, afirma o supervisor de tecnologias educacionais dos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista, Ederson Locatelli. Os estudantes maristas são incentivados a construir novos conhecimentos por meio de projetos que envolvem robótica, pensamento computacional, gamificação e realidade aumentada. A partir dessas atividades, experienciam princípios que são importantes ao longo de toda a vida, desenvolvendo a autonomia, o raciocínio lógico e o protagonismo.

APORTES PARA COMPARTILHAR CONHECIMENTOS A tecnologia é um importante aporte pedagógico do Marista Rosário. Nos Anos Iniciais, por exemplo, as turmas de 4o e 5o ano EF têm acesso a uma plataforma online interativa de Matemática. A Matific complementa o

trabalho desenvolvido em sala de aula e conta com mais de 1,5 mil jogos que estimulam os estudantes a solucionar problemas de forma autônoma, desenvolvendo o raciocínio lógico, a experimentação e a descoberta. Segundo a coordenadora pedagógica do nível de ensino, Vanessa Riva, os professores podem selecionar os games de acordo com o planejamento das aulas e acompanhar o desenvolvimento de cada criança. Nos Anos Finais, são realizadas atividades como palestras com profissionais que desenvolvem atividades relacionadas à tecnologia, assembleias conduzidas pelo Serviço de Orientação Educacional (SOE), que tratam sobre o uso das redes sociais de maneira consciente, utilização de notebooks e tablets nas salas de aulas e em outros espaços do Colégio e uso de aplicativos interativos, que facilitam a busca pelo conhecimento. Para a coordenadora pedagógica dos Anos Finais, Vivian Monteiro, a tecnologia está a serviço do conhecimento acadêmico, social e afetivo, facilitando a criação, a correção e a análise das aprendizagens. “Ela deve ser uma facilitadora do processo de ensino-aprendizagem, apoiando o professor na definição de estratégias pedagógicas que possibilitem ampliar os repertórios de aprendizado das turmas. As tecnologias educacionais não substituem o professor – ao contrário, permitem que ele escolha ferramentas que expandam a experiência do aprendizado, tornando o ensino mais dinâmico e interativo para os estudantes”, afirma.

Colégio Marista Rosário

23


Caleidoscópio EF Para oferecer uma educação integral de qualidade em um currículo em movimento, o Marista Rosário inaugurou alguns novos ambientes de aprendizagem, como o Espaço de Experimentos em Ciência da Natureza, que contempla novos laboratórios de Química, Física, Biologia e Ciências.

2019

© Fotos: Acervo do Colégio

Para vivenciar o espírito pascal, a partir de reflexões sobre atitudes pessoais e ações de solidariedade para com o próximo, estudantes participaram de Momentos de cultivo de Páscoa. Nos Anos Iniciais, o tema foi Jesus Cristo é a nossa luz e nos Anos Finais, História da Páscoa e atitudes.

MOMENTOS

ACONTECEU

Para marcar a entrega do primeiro caderno pautado aos estudantes do 1o ano EF, o Colégio promoveu a Festa do Caderno. Familiares registraram mensagens de carinho e incentivo pela passagem dessa etapa tão importante nas primeiras páginas do material.

Com o objetivo de valorizar os momentos de leitura durante todo o ano letivo, o Colégio promove as Estações Arte-Literárias. A primeira edição ocorreu em abril e contou com mediações de leituras, bate-papos, encontro com autores e exposições artísticas.

Durante as aulas da Atividade Complementar de Robótica, estudantes desenvolveram um robôguia e uma mão biônica de Lego que podem auxiliar deficientes físicos. Os projetos participaram do evento POA Geek Week, que ocorreu em maio, na PUCRS.

24

Colégio Marista Rosário


Dentro do projeto Eu vivo Porto Alegre, os estudantes do 3o ano EF participaram do Chá de Memórias e conheceram a história da cidade por meio das vivências de seus familiares. Os cidadãos porto-alegrenses partilharam curiosidades e informações históricas e culturais sobre o município.

NA PRÁTICA

Na Volta às Aulas, as turmas dos Anos Finais participaram de uma atividade de acolhida que contemplou o apadrinhamento dos novos estudantes. A ação foi promovida pelas equipes da Pastoral Escolar, das Coordenações de Turno e Pedagógica, da Orientação Educacional e da Comunicação.

ACOLHIDA

TAÇA ROSÁRIO

Considerando a importância da valorização do hábito de ler e dos clássicos da literatura, as turmas do 7o ano EF leram a obra Viagem ao centro da Terra, de Júlio Verne. Depois, utilizando tablets, realizaram uma atividade avaliativa online no Laboratório de Criatividade (LabCriar), utilizando o site Quizizz.

As atividades esportivas estimulam a organização, a liderança e o espírito de equipe, promovendo a integração e o companheirismo entre os colegas. Pensando nisso, a Taça Rosário, um dos principais eventos esportivos do Colégio, mobilizou estudantes do 6o ano EF ao 3o ano EM em partidas de futsal, voleibol, basquete e handebol.

Colégio Marista Rosário

25


© Fotos: Acervo pessoal

Gente nossa

Diretores dos debates da MUN do Marista Rosário na cerimônia de encerramento do clube.

Minhas memórias rosarienses Por Luiza Cerveira Kampff, ex-aluna

Minha história como rosariense começou em 2004, quando eu tinha 3 anos de idade e estava, na época, no Jardim A (atualmente, Nível 1). Durante os 14 anos em que estudei no Marista Rosário, passei por muitas das atividades extraclasse oferecidas, desde patinação, que pratiquei por sete anos, até a Way American School (escola americana), sem contar as Olimpíadas do Conhecimento e as Viagens Culturais. Se somarmos todas as atividades à carga horária normal da escola, eu passava quase o mesmo tempo no Colégio do que em casa! Em 2016, após participar de uma simulação da Organização das Nações Unidas (ONU), eu e alguns colegas decidimos criar o Clube de Relações Internacionais e Simulações Diplomáticas (Crisd) no Colégio. Quando estava no Terceirão, em 2017, passei a compor o grupo de estudantes que ajudavam na coordenação do Clube. Essa foi, sem dúvida, uma das tarefas mais importantes para o meu desenvolvimento acadêmico e como ser humano. Para além das atividades de debate do Clube, eu ajudava na definição dos temas a serem

26

discutidos, na escola das simulações externas de que participaríamos e na divulgação do Crisd dentro do Colégio. Naquele ano, realizei, ainda, duas viagens com o Clube – uma para Santa Maria (RS) e uma para Angra dos Reis (RJ). Ambas as saídas foram essenciais para a formação de vínculos e amizades que mantenho até hoje. Além disso, ajudar na coordenação do Crisd me fez perceber um outro lado da escola, referente à burocracia, que também me fez gostar ainda mais das pessoas que trabalham no Marista Rosário, por sua determinação em apoiar a iniciativa. Outro fato muito marcante do 3o ano EM foi que, durante um ano cheio de estudo para Enem e vestibular, pude participar da Olimpíada de Geografia com minhas duas amigas e uma professora maravilhosa, indo, inclusive, para a fase nacional em Brasília (DF). Em 2019, participei da primeira MUN (sigla para Model United Nations ou Modelo das Nações Unidas) do Marista Rosário, projeto sonhado desde o início do Clube, como parte da equipe que moderava os debates. Ver o sonho de muitas

Colégio Marista Rosário

pessoas acontecer, inclusive daquelas que não estavam no Clube quando ele foi fundado e nem mesmo quando eu saí do Colégio, foi muito emocionante. Isso me fez ver como passar pela escola abarcou diversas dimensões de mim, tanto pelo fato de que escolhi estudar Relações Internacionais na UFRGS quanto pelas amizades que surgiram nessa época. No Marista Rosário, vivi três quartos da minha vida – e reconheço o quanto sou feliz por ter estudado lá!

A equipe da coordenação estudantil do Clube de 2017 com a camiseta do Terceirão.


A investigação científica como

Ensino Médio

intencionalidade pedagógica pedagógica Camila Fabis. “A capacidade de fazer análises por meio de referenciais científicos é um ponto importante no desenvolvimento da autonomia intelectual”, aponta ela. As iniciativas desenvolvidas são balizadas pelo documento Iniciação científica: Um guia de orientação na Educação Básica. Mais do que desafiar os estudantes a realizar trabalhos para eventos e atividades específicos, o objetivo é tornar a investigação um exercício do cotidiano escolar, preparando os jovens para a vida acadêmica e em sociedade.

UM CONVITE PARA NOVAS DESCOBERTAS No Marista Rosário, a investigação científica é incentivada por meio de projetos como o Salão Científico, além de atividades provenientes da metodologia das Sequências Didáticas, sistematizadas a partir de situações-problema e resoluções, mediante o diálogo entre os componentes de uma determinada área do

conhecimento. Segundo a coordenadora pedagógica do Ensino Médio, Carla Spagnolo, tais ações potencializam aprendizagens significativas com foco na problematização, na pesquisa e no desenvolvimento de habilidades e competências que contribuem para a formação integral dos jovens. Para o estudante do 2o ano EM João Pedro Cabreira, o espaço reservado à iniciação científica do Colégio desperta a criatividade e o pensamento crítico na busca de soluções para situações e problemas do cotidiano. No ano passado, juntamente com outros dois colegas, ele desenvolveu um protótipo de colete salva-ciclista utilizando energia renovável, a partir de uma pesquisa sobre o índice de acidentes com ciclistas na cidade. “Esse tipo de atividade faz com que a gente olhe mais atentamente ao nosso redor, para além dos conteúdos dados em sala de aula. É uma oportunidade de pensar em temáticas de importância social”, ressalta. © Foto: Acervo do Colégio

O jeito marista de educar tem, entre seus pressupostos, a busca pela pergunta, pela reflexão e pela reconstrução de saberes. A partir do compromisso de oportunizar a investigação e a produção de conhecimentos, os Colégios e Unidades Sociais promovem projetos e atividades que instigam os estudantes a conhecer e reconhecer as etapas da pesquisa científica de forma transversal. Os jovens são incentivados a fazer descobertas relacionadas aos seus interesses e curiosidades com uma perspectiva acadêmica, apresentando análise de dados, resultados, sistematização de ideias e referencial teórico. “Essa intencionalidade de desenvolver práticas de investigação científica está presente não só no nosso Projeto Educativo e nas Matrizes Curriculares, mas também em um dos eixos obrigatórios dos itinerários formativos para o Novo Ensino Médio, previsto na legislação nacional vigente”, destaca a supervisora

Estudantes desenvolveram um protótipo de colete salva-ciclista após pesquisa sobre o tema.

Colégio Marista Rosário

27


Caleidoscópio EM Pensando na sustentabilidade ambiental e econômica, o Grêmio Estudantil Rosariense (GER) promoveu a Troca de Livros Didáticos. Os estudantes levavam seus livros usados na sala da agremiação e recebiam um vale para trocar por outra obra.

2019

© Fotos: Acervo do Colégio

Para auxiliar na adaptação ao ambiente escolar, anualmente os novos estudantes participam do projeto Acolhida e adaptação, quando conhecem a equipe do Ensino Médio e as rotinas da escola.

ACOLHIDA

FORMAÇÃO

O programa de Voluntariado oferece diversas atividades que contribuem para a formação de pessoas comprometidas com a promoção da vida e da cultura da solidariedade. Uma das atividades é a Imersão Formativa, realizada em abril, na Casa de Veraneio Jardim do Éden, em Tramandaí.

GER Em maio, estudantes de 2o e 3o anos EM integrantes da Pastoral Juvenil Marista (PJM) participaram da 1a Noite do Projeto de Vida. No encontro, refletiram sobre perspectivas, objetivos e futuro.

Pensando em oportunizar momentos formativos que auxiliem no período de escolha profissional de forma tranquila, as turmas do 3o ano EM participaram de um bate-papo com o professor convidado André Fozzy sobre formas de ingresso nas universidades públicas.

28

Colégio Marista Rosário


Em abril, cerca de 160 estudantes do 9o ano EF e do Ensino Médio de escolas privadas e públicas participaram da 1a MUN do Marista Rosário. O evento é uma simulação diplomática que utiliza o modelo de debate das Nações Unidas, no qual os estudantes representam papéis diplomáticos e abordam temas de abrangência e relevância global.

NA PRÁTICA

Para marcar o Dia da Escola, o Colégio promoveu um debate sobre o fazer escolar, ampliando o diálogo e a escuta entre jovens e educadores. Com a metodologia de world café, foram abordados temas referentes ao cotidiano do Colégio e ao ofício de estudante.

ACONTECEU

Em abril, ocorreu uma oficina do projeto Eu, repórter. Na iniciativa, os jovens produzem matérias para o site do Colégio, realizando coberturas jornalísticas de diversos eventos do calendário escolar, permitindo que os estudantes antecipem experiências que normalmente só teriam durante a graduação. Em março, os ex-alunos do Terceirão 2018 retornaram ao Colégio para um reencontro e para o lançamento do Anuário Ecos. Eles receberam em primeira mão a revista, que retrata seu último ano de escola com imagens e fotos da turma e ainda contém um espaço para recados.

Colégio Marista Rosário

29


Diz aí

administra seu tempo

LUCIANO BEYLOUNI FARIAS 3o ano EM

LUÍSA CARDOSO RODRIGUES 3o ano EM

LUÍSA TABAJARA FRANCHE 3o ano EM

“Ser ‘terceiranista’ exige otimizar meu tempo, o que busco de forma simples: faço tudo o que quero de lazer e diversão, desde que tenha a certeza de que meu desempenho escolar será eficaz. A partir disso, organizo minhas semanas tendo em média duas horas de estudo por dia. Creio que é possível conciliar momentos de descontração com os estudos, tornando a junção dos dois a experiência incrível que configura o Terceirão.”

“Costumo me organizar utilizando um planner, em que anoto absolutamente tudo, desde temas, trabalhos, testes, leituras, atividades complementares, além de aulas extras e saídas de campo. Assim, consigo visualizar meu mês e não corro o risco de esquecer alguma coisa. Em casa, costumo fazer primeiro os temas e trabalhos, depois estudo de 30 a 45 minutos alguma matéria e, em seguida, substituo por outra. Antes de dormir, uso o celular ou leio um livro, desse modo não fica tão cansativo estudar. Aos finais de semana, descanso à tarde, de vez em quando vou ao shopping e cinema com amigos e, eventualmente, a alguma festa.”

“Como o Ensino Médio traz muitas demandas, é essencial buscar um equilíbrio entre o estudo e o lazer. Para isso, entre as aulas, reservo momentos para realizar algum exercício físico, ir à terapia e sair com meus amigos. Ademais, valorizo os momentos de descanso e de alimentação, visto que são necessidades básicas e influenciam na qualidade do estudo.”

30

Colégio Marista Rosário

© Fotos: Acervo do Colégio

?

Como você

Convidamos os estudantes a contar como eles organizam o dia a dia, conciliando a rotina de estudo e os momentos de lazer


Em foco

1... 2... click! Desde 2016, estudantes do Ensino Médio participam do projeto Eu, repórter. Os integrantes escrevem matérias e tiram fotos de diversos eventos do calendário escolar para publicar no site do Colégio. A iniciativa permite aos jovens antecipar experiências que eles normalmente só teriam durante a graduação de Comunicação Social. Confira algumas das fotos feitas pelos participantes do projeto sobre o cotidiano da escola!

“Os Festejos Juninos se espalharam pelos corredores do Colégio.”

MARIANA COUTINHO RAGGIO 1o ano EM

“As mensagens distribuídas pela PJM durante a incrível apresentação da Orquestra Rosariense alegraram o meu dia!”

GABRIELA ATANAZIO 2o ano EM

“A felicidade foi contagiante nos Festejos Juninos.”

LETÍCIA CORRÊA MAIER 2o ano EM

“Em dias como esse, em que todo o Marista Rosário se junta e confraterniza, vemos o espírito de família em cada rosariense.”

EDUARDO PERETTO SCAPINI 1o ano EM

“Free hugs, organizado por integrantes da Pastoral Juvenil Marista (PJM) no dia 20 de maio, Dia do Abraço.”

GABRIELA ORTIZ DA ROSA 1o ano EM

Colégio Marista Rosário

31


APM

Fique por dentro Há mais de sessenta anos a Associação de Pais e Mestres do Marista Rosário (Apamecor) promove ações que visam o crescimento dos estudantes e a formação de vínculos entre as famílias. Confira algumas das atividades já realizadas na sede da Apamecor em 2019!

INTEGRAÇÃO DAS FAMÍLIAS Em abril, ocorreu a integração para as famílias do Nível 3 da Educação Infantil. Na acolhida, pais, crianças e educadores participam de atividades de recreação. Além de aproveitarem o momento de convivência, as famílias exploram os espaços naturais e as instalações disponíveis na sede.

COMEMORAÇÕES

BAZAR DE UNIFORMES O tradicional Bazar de Uniformes contou com uma novidade neste ano: a troca das peças foi realizada na sede da agremiação, uma oportunidade para que a comunidade escolar pudesse conhecer e usufruir do espaço. Ao todo, foram 1.015 peças de roupas arrecadadas, 487 peças trocadas, 528 peças encaminhadas para doação e 174 kg de alimentos não perecíveis arrecadados e encaminhados para doação.

Diversos eventos ocorrem na Apamecor ao longo do ano, como o Almoço de Dia das Mães, realizado no dia 12 de maio, o Almoço de Dia dos Pais, no dia 11 de agosto, e o Farroupilha, em 15 de setembro.

INAUGURAÇÃO DA HORTA O Grupo Escoteiro Tupã-Ci inaugurou uma horta na sede da Apamecor. O objetivo é envolver os escoteiros e outros estudantes rosarienses em uma prática que poucos têm a oportunidade de desenvolver no dia a dia. No local, eles poderão acompanhar o plantio, o crescimento e a colheita de vegetais.

Em março, estudantes do 6o ao 9o ano EF participaram do ECOlhida. A atividade de integração e acolhida em meio à natureza tem como objetivo fortalecer os vínculos, promover o crescimento do grupo e vivenciar os valores maristas por meio de diferentes dinâmicas.

32

Colégio Marista Rosário

© Fotos: Acervo do Colégio

ECOLHIDA



Olhar

BRINCAR

também é aprender

Em tempos de tantas informações e expectativas, como administrar com equilíbrio a rotina das crianças?

Nos últimos anos, as famílias vêm se ocupando cada vez mais em preencher o tempo dos bebês e das crianças com as mais variadas atividades – ocasionando o fenômeno da “criança-agenda”. Quando pensamos em como oferecer uma rotina mais saudável para nossos filhos, o equilíbrio do “meio do caminho” parece ser um desafio para a maioria das famílias. Garantir um espaço de desenvolvimento de habilidades e formação adequadas ao tempo da criança e, ao mesmo tempo, possibilitar um espaço de subjetivação pode ser um tanto complexo. As exigências da sociedade atual hiperinformada, digital, competitiva e fugaz (em que cada vez mais os pais são exigidos a se ocuparem com o mundo do trabalho) fazem com que muitas famílias acreditem que estarão em vantagem se os filhos deenvolverem, desde muito cedo, atividades que estimulem a aprendizagem – além das brincadeiras. Há que se destacar que brincar também é aprender. Desde o tempo da relação mãe/pai-bebê, o

34

Por Renata Dipp*

brincar possibilita que a criança transite entre o real e o imaginário, entre o objetivo e o subjetivo. Reflete a qualidade dos seus recursos, dos seus desejos, das suas ansiedades. Há quem afirme que o brincar é “não fazer nada”. E também pode ser. É preciso que se permita um espaço aos filhos, um momento de tédio, a fim de que dali possam surgir o desejo, a criatividade, a construção de algo novo. Crianças com agendas lotadas, independentemente da idade, não têm espaço para criar, apenas para reproduzir – na pressa das atividades diárias. Isso, paradoxalmente, pode gerar nelas um vazio. Tendem a se entusiasmar menos pela aprendizagem. Podem se tornar adultos mais ansiosos e menos criativos. Por outro lado, a criança que tem excesso de espaço, nenhuma mediação do ambiente ou encorajamento ao processo criativo pode experimentar a angústia de ter de criar absolutamente tudo – podendo gerar um sentimento de desamparo e tornando-se, talvez, um adulto mais inseguro.


Na esteira dessa temática, cabe pensarmos em questões relativas à qualidade da relação que os pais têm com seus filhos. Como é esse vínculo? Para auxiliar as famílias a tomar decisões com desdobramentos mais saudáveis na rotina das crianças, é fundamental que os pais conheçam seus filhos, que reconheçam qual o sentido que determinada atividade terá para eles. Há crianças que têm muita energia. Outras, menos. Sendo assim, existem atividades que têm mais a ver com o jeito de algumas crianças do que de outras. Daí a importância de não se tomar decisões a partir dos ditames sociais.

Diante disso, cabe se fazer as seguintes perguntas: • Esta atividade surgiu como uma demanda de quem? Dos pais ou do filho?

Além da intenção de ofertar às crianças novos estímulos por meio da educação formal (que podem ser uma modalidade esportiva, uma língua estrangeira, uma atividade artística, entre outras), deve-se pensar em possibilidades que “ensinem” habilidades de vida para elas lidarem, desde cedo, com um coletivo absolutamente vasto e diverso. Que atividade física poderia oferecer ao seu filho noções de cooperação e de trabalho em equipe? Que projeto social lhe traria a experiência de demandas de cidadania, de inclusão e de direitos humanos? Que escola de línguas oferece, além do conteúdo, uma proposta de vivência da cultura da comunidade que tem aquele idioma como nativo? Parece-me que não há recomendações possíveis sobre rotinas saudáveis que não passem pela necessidade de conexão com aquilo que há de singular em cada criança.

• Parece ser boa/fazer sentido para o meu filho? • Está no tempo dele? • O que ele diz sobre esta atividade?

© Foto: Arquivo pessoal

© Foto: Freepik

• Como ele se vê com o tempo livre?

Dependendo da idade da criança, é possível que uma boa conversa possa auxiliar na decisão, lembrando que deve ficar claro que ela poderá ser revista em qualquer tempo. Também vale destacar que as atividades escolhidas sejam introduzidas aos poucos, a fim de que se possa observar esse novo tempo em conjunto com a criança.

Crianças com agendas lotadas, independentemente da idade, não têm espaço para criar, apenas para reproduzir.

Renata Dipp é psicóloga, mestre em Psicologia Clínica e especialista em Gestão Empresarial, além de coordenar o Núcleo de Psicologia Escolar do SAPP/ PUCRS. Os temas que atualmente pesquisa vinculamse à psicologia escolar e educacional, à prática do psicólogo escolar, à educação inclusiva ao longo do ciclo vital e a intervenções preventivas e terapêuticas no ambiente escolar.

A cada edição, um especialista é convidado para partilhar sua visão sobre um determinado assunto. Você tem alguma sugestão de tema? Escreva para faleconosco@maristas.org.br e sugira!

35


Música também ajuda no desenvolvimento Capacidade de concentração, coordenação motora e criatividade são alguns dos benefícios do contato com o canto, com instrumentos e todo tipo de sonorização Por Helena Carnieri

36

Quem canta seus males espanta? Para os pesquisadores, muito mais do que isso. A música é considerada um apoio para o desenvolvimento motor e cognitivo, algo fundamental a ser trabalhado nas escolas. A professora Keliezy Netto, que dá aulas de Música no Colégio Marista Champagnat, em Porto Alegre (RS), se emociona ao ver estudantes de 3o e 4o ano EF tocando em grupo, cada um respeitando o tempo do colega, em clima de ajuda mútua. “As atividades musicais podem desenvolver a coordenação motora, o raciocínio, a expressividade, a sensibilidade e a capacidade de trabalhar em grupo”, enumera a docente. “Vemos o potencial pedagógico que a música tem dentro do currículo, com destaque para a capacidade de concentração”, concorda o professor de Música do Colégio Marista Rosário, também em Porto Alegre, e regente da Orquestra Rosariense, Estêvão Neves. “Ao executar atividades de práticas musicais, o cérebro realiza inúmeras sinapses que interagem com diversas seções do campo neural, estimulando a comunicação entre essas áreas – o que contribui para o desenvolvimento de outros componentes curriculares”, explica. Segundo ele, pesquisadores comprovam a influência desses estímulos com o desenvolvimento da sintaxe linguística e o raciocínio lógico. Sem falar na criação de uma escuta ativa, concentrada.

© Foto: Acervo Marista Rosário

Curiosidade


Ao realizar atividades de práticas musicais, o cérebro realiza inúmeras sinapses que interagem com diversas seções do campo neural, estimulando a comunicação entre essas áreas.

DISCIPLINA A estudante Júlia Barradas , do 9o ano EF do Marista Rosário, toca piano e teclado. Ela compartilha um pouco dos bastidores do que considera uma “arte magnífica”. “Enxergo a música como um meio de me expressar. É como falar, por meio da melodia, algo que está dentro de mim”, conta. Mas não é fácil se dedicar aos estudos. “No começo, eu não entendia por que tinha que fazer exercícios no piano… É trabalhoso. Mas vale a pena, acaba sendo prazeroso”, diz. No Colégio, as aula de Música vão da Educação Infantil até o 5o ano EF, além de serem uma opção de atividades extracurriculares, como a orquestra. Da Educação Infantil até o 2o ano EF, o foco é a musicalização, o contato prazeroso com a música. A partir do 3o ano EF, entram os instrumentos, como a flauta doce soprano, e a leitura da pauta, além de outras formas não tradicionais de escrita e registro.

CRIAÇÃO Outro resultado do contato com a música é a ampliação do repertório para abrir caminho à criatividade. “Propomos que os estudantes experimentem a criação de paródias, composições instrumentais e a escrita de letras”, destaca Neves. O contato com a música de outros povos é outro ponto fundamental da atividade musical na escola, já que ajuda a entender um pouco melhor outras culturas. Além disso, a ideia é que o ensino da música esteja integrado às demais matérias. “Ela pode ser um fio condutor, alinhando as temáticas e os assuntos abordados nas diversas disciplinas”, opina Keliezy. Os alunos do 3o ano EF do Marista Rosário, por exemplo, estudam a história de Porto Alegre por meio do contato com artistas e grupos, como Lupicínio Rodrigues, Kleiton & Kledir, Elis Regina e Almôndegas.

Além do aprendizado em aula, as orquestras e bandas dos Colégios trazem experiência de palco e aquele friozinho na barriga que ajuda os jovens a decidirem se irão adiante com a música como profissão ou como hobby. “Na orquestra, todo mundo está lá porque quer”, sentencia Maurício Manica, estudante do 1o ano EM do Marista Rosário, que toca trompete e flauta. “Um dia, uma menina da banda começou a tocar violoncelo, bem na minha frente, e depois um amigo meu começou no clarinete. De repente, criou-se um ar de seriedade, pois tínhamos três instrumentos de orquestra sinfônica”, comemora. Na Orquestra Rosariense, há muitos outros instrumentos, como flauta doce tenor e soprano, flauta transversal, oboé, escaleta, acordeão, saxofone, a lista vai longe. “Nesses encontros, não compartilhamos apenas conhecimentos musicais teóricos e práticos, mas principalmente o espírito de equipe, a coletividade e a liderança entre o grupo”, explica o professor Estêvão Neves, que é o regente. O repertório vai do rock ‘n’ roll a compositores brasileiros, muitas vezes com arranjos criados pelo próprio educador. Para os estudantes, “participar da orquestra também contribui para o orgulho de pertencer, pois eles representam a escola em apresentações externas”, conclui o professor.

MÚSICA COMO ESCOLHA O ex-aluno do Marista Champagnat Diego Ambrozi hoje trabalha como DJ e foi na escola, onde se formou há quatro anos, que aprendeu a trilhar esse caminho. “Quando decidi me dedicar a essa carreira, sempre tive incentivo dos professores”, conta. “Em qualquer evento do Grêmio Estudantil, eu era responsável pela música. Também fazíamos shows de talentos”, relembra. Ele faz questão de afirmar: “hoje vejo a escola não como uma empresa, mas como um grupo de pessoas que me incentivaram.” © Foto: Arquivo pessoal

© Foto: Acervo Marista Rosário

FORMAÇÃO NO PALCO!

37


© Foto: Divulgação

Solidariedade

solidariedade Um lar chamado

Permeados por empatia, carinho e atenção, alunos voluntários se unem a diversas frentes para acolher estrangeiros venezuelanos

Por Fernanda Brun

38

Três milhões e quatrocentos mil pessoas. Esse é o número estimado de venezuelanos que passaram a viver fora de seu país até o final de 2018, de acordo com dados da Organização dos Estados Americanos (OEA). Entre os países que mais recebem os migrantes, o Brasil ocupa o sexto lugar da lista, somando aproximadamente 100 mil em 2018 e posicionado depois de locais como Colômbia, Peru e Chile. Ainda no mesmo ano, deu-se início, no solo brasileiro, a um processo de interiorização desses migrantes e mais de 5 mil já foram atendidos pelo programa oficial – desconsiderando a informalidade. O principal destino é o Rio Grande do Sul, com cerca de mil estrangeiros até o momento.

UNIÃO A Associação do Voluntariado e da Solidariedade (Avesol) é uma entidade sem fins lucrativos fundada em 2002 por iniciativa de um grupo de Irmãos Maristas

e Leigos que passaram a realizar um trabalho voltado especialmente ao apoio a grupos, famílias e comunidades com dificuldades econômicas e sociais. Dentro da associação, o Centro de Referência em Direitos Humanos (CRDH-Avesol) atua desde 2014 na defesa e na implementação dos direitos humanos. Em março de 2018, o Centro realizou o lançamento do Projeto Araguaney, de atenção a migrantes venezuelanos. Entre os campos de atuação estão fornecer informação, prestar assessoria jurídica, atender a necessidades emergenciais básicas (como roupa e alimentação), e prover educação, saúde, moradia e emprego. Na Avesol desde 2015, Patricia de Siqueira, assistente social, conta que a situação da chegada dos venezuelanos ao país é muito variada: alguns já têm contatos, alguém que os possa acolher; outros chegam com histórias mais dramáticas e, por vezes, apenas com o bilhete de vinda.


Em 2018, foi realizada uma campanha de arrecadação de doações que aconteceu nos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista, PUCRS e Hospital São Lucas mobilizando pais, estudantes, professores e colaboradores de todo o estado do RS. Foram arrecadados aproximadamente 8 mil itens, entre roupas, calçados, alimentos, brinquedos e produtos de higiene. Além de beneficiar os migrantes venezuelanos, as doações foram tantas que permitiram também um repasse para imigrantes haitianos e de outras nacionalidades atendidos pelo CRDH-Avesol e outras entidades parceiras. No mesmo ano, a Rede Marista firmou ainda uma colaboração com a ONU, o Ministério de Desenvolvimento Social e a Prefeitura Municipal de Viamão para acolher famílias venezuelanas que chegaram ao Brasil por Roraima. Ao todo, cerca de 40 pessoas residiram na Vila Marista por seis meses. Além do espaço para morar, as famílias contaram com acompanhamento médico, aulas de idioma, auxílio com documentação e colocação no mercado de trabalho.

PARTICIPAÇÃO ATIVA “A partir do momento que soubemos que a Rede Marista, através de uma ação humanitária, estaria recebendo um grupo de refugiados, os alunos se mobilizaram a estudar o contexto, os modos como poderíamos auxiliá-los e, desde então, ficaram muito encantados a cada encontro”, conta Ralph Schibelbein, professor de História e voluntário mediador do grupo de Voluntariado do Colégio Marista Graças, de Viamão (RS). À frente do grupo há cinco anos, desde sua fundação, atualmente Schibelbein acompanha 30 estudantes entre o 9o ano EF e o 3o ano EM. No início de 2019, a atuação com um grupo de refugiados venezuelanos passou a fazer parte das atividades

do Voluntariado, envolvendo encontros semanais em que foram ofertadas atividades lúdicas para as crianças, esportes e oficinas para os maiores e também momentos de formação com os adultos. “Os estudantes participaram ativamente de todo o processo, desde a pesquisa das diferentes realidades, a sugestão dos grupos de trabalho, o planejamento e a realização das ações até a avaliação”, explica o professor. Participante do grupo desde 2017, Micheli da Silva, de 16 anos, é estudante do 2o ano EM. “O Voluntariado foi algo que me transformou desde o momento em que comecei”, conta. Para ela, a experiência foi uma lição de como lidar com as pessoas e com as situações de maneira muito mais cuidadosa, com um olhar mais atencioso tanto para com os outros quanto consigo mesma. “Uma coisa que sempre falamos no grupo é que quando fazemos alguma saída ou alguma ação com as pessoas, na verdade somos nós mesmos é que estamos sendo ajudados. É realmente isso: podem ser desde coisas pequenas até grandiosas, mas nos desenvolvemos pelas ações e reflexões que fazemos com o grupo”, afirma a estudante. Para Micheli, a vivência constante com a solidariedade é transformadora e permanente. Quando questionada se indicaria que outros estudantes fizessem parte de projetos voluntários, a resposta é rápida: com certeza. O relato do professor Schibelbein confirma o engajamento e o comprometimento dos alunos com as atividades. “O participante que passa pelo grupo de Voluntariado vive uma transformação que leva para a vida. É uma oportunidade de exercitar o olhar, encontrar o próximo e um cuidado com o outro e, principalmente, consigo mesmo. É passar a não só acreditar na mudança para um mundo melhor, mas fazer parte dessa mudança”, conclui.

Quando fazemos alguma saída ou alguma ação com as pessoas, na verdade somos nós mesmos é que estamos sendo ajudados. Micheli Viana da Silva

© Foto: Arquivo pessoal

AÇÕES QUE FAZEM A DIFERENÇA

39


Como fazer

© Foto: Freepik

Como eu posso fazer a

DI FE REN ÇA? Incentivar as crianças desde cedo a cuidarem ativamente do meio ambiente gera mais empatia e engajamento Por Fernanda Brun

40

Nove entre dez brasileiros acreditam que a natureza não está sendo protegida de forma adequada. O dado foi divulgado pelo WWF-Brasil, em uma pesquisa realizada pelo Ibope em 2018. A publicação mostra, ainda, que 66% dos entrevistados atribuem aos cidadãos a responsabilidade de cuidar de unidades de conservação (parques, reservas, florestas nacionais), número que subiu 20 pontos percentuais em relação à edição anterior da pesquisa, publicada em 2014. A preservação do meio ambiente sempre esteve na pauta da Rede Marista. Além de apoiar causas voltadas ao meio ambiente, como podemos ser mais ativos na preservação da natureza dentro da nossa rotina? Mais do que isso: como incluir essa preocupação na Educação Infantil? Para Cássia Moura, professora do 3o ano EF no Colégio Marista João Paulo II, de Brasília (DF), especialista em orientação educacional e neuroaprendizagem, a educação ambiental vai além da atenção com os gastos de água e energia: é preciso – e possível – evoluir para uma conversa sobre o consumo consciente e o impacto do consumismo para o meio ambiente. “Fazemos um trabalho constante sobre desejo e necessidade – o que você realmente precisa e o que você quer. Essa reflexão é válida desde o momento de comprar um lanche na Cantina até a hora de pedir um presente de aniversário”, explica. Ensinar educação financeira desde cedo não se resume a falar de dinheiro, mas instruir as crianças sobre consumo sustentável, geração de lixo e exploração de recursos naturais. Segundo a professora, ao compreenderem que podem fazer parte da mudança, as crianças se sentem estimuladas. “Quando o estudante se percebe como um agente modificador, como participante e protagonista, quer participar e fica mais atento ao que pode fazer”, conta Cássia. A profissional reforça, ainda, que o desenvolvimento dessa mentalidade não acontece de uma hora para outra, e não depende apenas da escola. É preciso que o jovem veja uma continuidade dessas ações em casa. “É um trabalho diário e constante. Sinto que os pais estão desejosos por esse tipo de orientação e que se engajam com as informações que os filhos recebem e repassam”, complementa.

A FORÇA DA UNIÃO Para desenvolver a consciência ecológica e o senso de responsabilidade com o tema, Sheyla Werner, professora do 3o ano EF do Colégio Marista Champagnat, de Porto Alegre (RS), aplicou uma atividade: “Neste ano, temos uma árvore em um vaso na sala de aula. Comentei uma única vez que precisávamos regá-la todas as sextas-feiras e ainda não precisei me lembrar de regá-la: a turma recorda e comenta sobre isso várias vezes, e também passou a cobrar uma organização de quem ou qual grupo vai regá-la a cada semana.” A profissional, que atua com crianças há dez anos, nota que a preocupação e, mais especificamente, a preservação têm sido uma prática do dia a dia na escola. “Observo que a relação delas com o meio ambiente tem se tornado cada vez mais uma inquietude que está para além do discurso”, explica.


COMO DESPERTAR O INTERESSE – E A AUTONOMIA – DAS CRIANÇAS SOBRE QUESTÕES AMBIENTAIS: Falar sobre a matéria-prima usada na produção de um brinquedo ou de uma peça de roupa: “o que da natureza foi necessário para que eu tivesse acesso a isso?”.

Fazer cálculos simples de gastos diários – quanto é possível economizar em energia quando apagamos uma lâmpada ou quando escovamos os dentes com a torneira fechada, por exemplo.

Desenvolver uma autonomia financeira, identificando desejos e necessidades e tratando os temas com equilíbrio.

Ter momentos de proximidade com a natureza. Despertar o respeito pelo meio ambiente aproveitando um dia de sol em um parque arborizado. © Foto: Acervo Marista Champagnat

Quando falamos sobre atitudes mais sustentáveis que crianças podem colocar em prática, tanto na escola quanto em casa, Sheyla aponta caminhos que partem para além de cuidados já consolidadas, como a atenção no abrir e fechar a torneira. “Há atitudes que, a cada ano, devemos retomar com as crianças: ter sua própria garrafa de água, evitando copos descartáveis; conferir se há separação de lixo no local, buscando sempre identificar quando que se trata de lixo orgânico e reciclável; reaproveitar materiais para produções artísticas; ou até mesmo a responsabilização por uma planta, árvore ou horta”, explica. Para a professora, à medida que a criança cuida da natureza e esta cresce e responde aos seus cuidados, a conscientização da criança se torna vívida, tangível e recíproca, pois há uma troca nessa relação.

41


Compartilhar

© Foto: Divulgação

A internet nos permite guardar memórias, compartilhar conhecimentos e viajar sem sair de casa. Nesta edição, reunimos alguns dos principais museus da França que oferecem tours virtuais. Acesse e saiba mais sobre o país onde a missão marista teve início!

LOUVRE

Museu mais popular do mundo, o Louvre ultrapassa a marca de 10 milhões visitantes anuais. É possível conhecer alguns dos espaços a partir do próprio portal da instituição, como a seção medieval, a ala com antiguidades egípcias e a Galerie d'Apollon, famosa por seus tetos decorados e em formato de abóbada. Acesse louvre.fr/visites-en-ligne

MUSEU DE BELAS ARTES DE LYON

Com 7 mil metros quadrados e 70 espaços de exibição, é o segundo maior museu do país, ficando atrás somente do Louvre. Seu acervo contém desde peças do antigo Egito até obras de arte moderna, e tem como destaque as duas salas dedicadas aos pintores da cidade. São nomes como Bonnefond, Revoil e Janmot, grandes representantes do estilo trovador – assim chamado pelas suas representações idealizadas da Idade Média e do Renascimento.

© Foto: Corentin Mossière

Acesse bit.ly/visitesLyon

42


© Foto: Divulgação

MUSEU DE ORSAY

Instalado no prédio de uma antiga estação ferroviária da capital francesa, Orsay reúne obras dos principais artistas europeus da segunda metade do século 19 e do início do século 20, como Monet, Van Gogh, Rodin e Daumier. É possível visualizar com detalhes partes do acervo no site do museu, que disponibiliza imagens em alta resolução, além da ficha técnica completa e das histórias (em inglês, espanhol, francês ou alemão) por trás de pinturas, esculturas e objetos históricos.

© Foto: Divulgação

Acesse musee-orsay.fr/collections/Discovery

MUSÉE DES ARTS ET MÉTIERS

Localizado em Paris, abriga a coleção do Conservatório Nacional de Artes e Ofícios, fundado em 1794 como um repositório de instrumentos científicos e invenções. Conta com exposições voltadas para todas as idades, mostrando a evolução de técnicas de engenharia, arquitetura, comunicação e transportes. Acesse bit.ly/ArtsetMetiers

43


Essência

de

anos

A Pastoral Juvenil Marista (PJM) é uma organização juvenil da Rede Marista que proporciona o desenvolvimento integral da pessoa, a formação de lideranças, a socialização, a construção da consciência crítica e a vivência da espiritualidade cristã e do carisma marista. Tem como missão promover a evangelização junto a adolescentes e jovens. Atualmente, a PJM está presente em 24 unidades da Rede Marista. São cerca de 1,9 mil participantes com idades que variam de 12 a 29 anos. Eles estão divididos em 122 grupos, acompanhados por 208 jovens animadores e 34 assessores. Em 2019, a PJM completa dez anos de construção de sua identidade, de procura e criação do seu caminho – um trajeto que não foi cumprido solitariamente. Enquanto PJM, somos filhos e filhas da aliança de amor que Deus, Pai e Mãe, selou com a humanidade, e de São Marcelino Champagnat; somos fruto do sonho de muitos adolescentes e jovens, de muitos assessores, de muitos Irmãos Maristas; somos fruto dos anseios e das necessidades do momento histórico que foi e está sendo vivenciado e da interface com a PJM do Brasil e do Instituto Marista. A ocasião do aniversário é propícia para se perguntar sobre projetos de vida. É a oportunidade para reafirmar uma identidade ou para ressignificá-la. É, também, uma chance para reavaliar seus princípios, seu DNA, seu jeito de ser, pensar e agir e de continuar construindo seu caráter. Nossa identidade tem sua raiz na mística tecida a partir do seguimento de Jesus Cristo e do projeto anunciado por Ele e das descobertas que cada adolescente e jovem faz a partir dos valores, símbolos e lugares maristas. Esse caminho é experienciado pela mística da acolhida, da vivência grupal e da solidariedade. Essa trajetória não é uma escada ou caminho linear. Não se vive um para depois vivenciar o outro; são ações processuais em vista da construção de um projeto de sociedade em que valores como justiça, liberdade, fraternidade e solidariedade sejam realidade para todos. A esse projeto damos o nome de Civilização do Amor, e faz parte do nosso compromisso, enquanto PJM, promover atitudes para tornar concreto esse objetivo. Para contar e celebrar essa história, foi produzida a websérie Sou PJM. Os episódios estão sendo lançados mensalmente, até dezembro de 2019, e trazem, além de aspectos históricos, elementos importantes que formam a identidade e constituem o processo da PJM. Convido a todos a assistir aos vídeos no Facebook (@PJM.RedeMarista) e no YouTube (PJM Rede Marista).

44

Somos fruto do sonho de muitos adolescentes e jovens, de muitos assessores, de muitos Irmãos Maristas; somos fruto dos anseios e das necessidades do momento histórico que foi e está sendo vivenciado e da interface com a PJM do Brasil e do Instituto Marista.

José Jair Ribeiro Coordenador de pastoral da Rede Marista

© Foto: Acervo Rede Marista

PJM:


Diversão

Além de abrigar os registros do tempo, os museus são um veículo a serviço do conhecimento e da informação que contribuem para o desenvolvimento da sociedade. Eles também revelam muitas curiosidades – e podemos descobrir algumas delas agora! Que tal reunir um grupo de amigas e amigos para descobrirem juntos as respostas? Vamos começar? Por Fernanda Brun e Helena Carnieri

1. APROXIMADAMENTE QUANTAS PESSOAS VISITARAM O MUSEU DO LOUVRE, EM PARIS (FRANÇA), EM 2018? A. 8,5 milhões B. 10,2 milhões C. 13,1 milhões

6. QUE MUSEU BRASILEIRO É CONHECIDO POR DISPOR ARTE CONTEMPORÂNEA AO AR LIVRE? A. Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro (RJ) B. Masp, em São Paulo (SP) C. Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG)

2. QUAL É A OBRA DE ARTE MAIS CARA DO MUNDO? A. Salvator Mundi, Leonardo da Vinci B. Les Meules, Claude Monet C. Nu Couché, Amedeo Modigliani

7. QUE COLEÇÃO FOI INCORPORADA AO ACERVO DO MUSEU OSCAR NIEMEYER, EM CURITIBA (PR), EM 2018? A. Múmias do Egito B. Coleção de pedras preciosas da Babilônia C. Coleção asiática

3. CERCA DE QUANTAS ESCULTURAS ESTÃO EM EXIBIÇÃO NO MUSEU SUBAQUÁTICO DE ARTE (MUSA), NO MÉXICO? A. 150 B. 250 C. 500 4. EM QUE CIDADE FICA O MUSEU DAS RELAÇÕES PARTIDAS? A. Zagreb, Croácia B. Munique, Alemanha C. Veneza, Itália 5. APROXIMADAMENTE QUANTOS MUSEUS EXISTEM NO BRASIL? A. 4.500 B. 3.000 C. 1.200

8. QUE MUSEU SE ENCONTRA NA PRAÇA DA ALFÂNDEGA, EM PORTO ALEGRE (RS)? A. Museu de Arte Contemporânea B. Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli C. Museu da Gravura 9. QUE EXPERIÊNCIA INTERATIVA É POSSÍVEL VIVER NO MUSEU DO AMANHÃ, NO RIO DE JANEIRO (RJ)? A. Realidade aumentada B. Passar a noite no museu C. Tomar banho no espelho d´água 10. QUE MUSEU ESTÁ LIGADO À PESQUISA CIENTÍFICA SOBRE A AMAZÔNIA? A. Museu de Manaus B. Mostra itinerante do Rio Negro C. Museu Emílio Goeldi (Belém, PA)

CONFIRA AS RESPOSTAS NO VERSO

45


Diversão

RESPOSTAS Resposta: B Museu mais visitado do mundo, em 2018 o Louvre registrou um aumento de 25% em relação a 2017 e bateu seu próprio recorde de público – 9,7 milhões, em 2012. Apesar dos estrangeiros representarem quase três quartos dos visitantes, os franceses são a principal nacionalidade, quase 25% do total. Resposta: A Atribuída a Leonardo Da Vinci, Salvator Mundi foi leiloada por cerca de U$450 milhões. A obra estaria desaparecida desde que deixou os salões da casa de leilões Christie's, em Nova Iorque. Ela retrata Jesus Cristo segurando uma bola de vidro. Resposta: C Localizado no litoral do México, o museu reúne cerca de 500 obras permanentes. A intenção do espaço é mostrar a interação entre a arte e a ciência ambiental – todas as esculturas são fixadas no fundo do mar e foram feitas com materiais específicos para promover a vida dos corais. Resposta: A Conhecido internacionalmente como Museum of Broken Relationships, o espaço localizado na capital da Croácia exibe dezenas de objetos que fizeram parte de relacionamentos românticos que não deram certo. Entre as peças há cartas de amor, livros, vestidos de noiva e até um machado. Resposta: B O Brasil reúne cerca de 3 mil museus, sendo São Paulo o estado que abriga a maior quantidade – um total de 517, de acordo com levantamento realizado pelo governo em 2010.

46

Resposta: C O Instituto Inhotim é considerado um “complexo museológico”, reunindo uma série de pavilhões e galerias com obras de arte e esculturas em exposição ao longo de jardins. Resposta: C O diplomata Fausto Godoy doou ao MON sua coleção com cerca de 3 mil peças, que reúne obras datadas desde o século 3 a.C. até o século 21, com porcelanas, mobiliário, têxteis, entre outros. Resposta: B O Margs é o principal museu de arte do Rio Grande do Sul, com um acervo de 5 mil obras de arte entre pinturas, esculturas, gravuras, cerâmicas, além da arte digital. Resposta: A Por meio de um aplicativo, é possível “enxergar” baleias e botos no espelho d’água do museu ou ver um tiranossauro no Cubo da Matéria, entre outras experiências. Resposta: C Fundado em 1866, o museu localizado em Belém (PA) concentra suas atividades no estudo da natureza e da sociedade e da cultura amazônicas, além de promover e divulgar acervos da região.


Você e sua família podem viver tudo o que a

oferece

Somos parte da mesma instituição e por isso você pode aproveitar os benefícios exclusivos para quem integra os Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista. Desconto em cursos

Extensão, especialização e idiomas

Valores diferenciados em serviços

Pacotes do Parque Esportivo, acesso ao Museu e mais

Linhas especiais de crédito educativo

Condições diferenciadas, sem juros

Saiba mais em pucrs.br/soumarista



Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.