Issuu on Google+

Hist贸ria da Arte Prof. Tatiana Martins Material de apoio Fotografia - Jacques Henri Lartigue


Jacques Henri Lartigue Franรงa, 1894 - 1986


Na banheira com meu hidroplanador de hélice eólica. Foto tirada com minha black-note Gaumont apoiada numa tábua, obturador disparado por Dudu, Paris, rua Cortambert, 40, 1904


“Hoje eu me perguntei se não poderia fazer fotografias de fantasmas transparentes como os das histórias que ouvimos ontem à noite, quando estávamos à mesa.” Diário, 1905


Zissou vestido de fantasma, vila “Les Marroniers”, Chatêl-Guion, julho de 1905


“Nos dia de Prix de Drags [corrida de cavalos], em Auteuil, ninguém se incomoda quando eu faço minhas fotos de moda, e as senhoras gostam de ser fotografadas; às vezes elas até param para posar, como quem não quer nada. Hoje havia muitas sombrinhas chiques e, como sempre, chapéus divertidos, imensos e ridículos.” Diário, 1910


Dia do Prix de Drags nas corridas de Auteiul, Paris, 23 de junho de 1911


Max de Cazavent atrรกs de seus amores, avenida do Bosque, Paris, 15 de janeiro de 1911


Arlette Prevost, ou Anna la Pradvina, e seus c達es Chichi e Gogo, na Avenida do Bosquem Paris, 15 de janeiro de 1911


“Papai quis um carro sem capota nem para-brisa.” Diário, 1908


Lilian Mue e Ninette no meu carro, Paris, agosto de 1915


Zissou e Madeleine Thibault num bobsleigh. À direita, madame Folletête, Tatane, mamãe. Corrida de bobsleighs, Rouzat, 20 de setembro de 1911


Durante uma corrida de bobsleighs: da traseira do ZYX 17 de dois lugares, eu fotografo George no momento da ultrapassagem, Rouzat, 16 de agosto de 1911.


Automóvel Delage, Grande Prêmio do Automóvel Clube da França, circuito de Dieppe, Le Tréport, 26 de junho de 1912


“Em 1905 eu sonhava em levantar voo. Falava-se nos jornais de um aeroplano capaz de decolar sozinho. Diziam que ele havia ‘tocado a atmosfera’.” L’Ceil de l’oiseleur (Paris, Desclée de Brouwer, 1985), pp. 89-90


O ZYX 24 levanta voo... Piroux, Zissou, Georges, Louis, Dédé e Robert tentam levantar voo também. Rouzat, setembro de 1910.


Zissou no vento da hĂŠlice do Amerigo, Buc, 9 de novembro de 1911


Minha prima Bichonnade, Paris, Rua Cortambert, 40, 1905


Zissou, Rouzat, julho de 1908


Suzane Lenglen, Nice, Maio de 1921


“A vida é essa coisa maravilhosa que dança, pula, voa, ri... E passa! E essa matéria animada, mutável, eu gostaria de imobilizá-la, capturar em pleno voo a imagem (feliz) de um instante, de um curto fragmento de tempo que daí em diante será algo eterno.” Mon livre de Photographie (Paris: Flammarion, 1977). pp. 54-55


Coco, Hendaye, 1934


RenĂŠe Perle, Biarritz, agosto de 1930


SĂŠrie A sombra e o reflexo: Bibi, Hendaye, agosto de 1927


Dédé, Rouzat, 1911


Zissou, Rouzat, 1911


VĂŠra e Arlette, Cannes, maio de 1922


Bibi e Michèle, lago de Aix-les-Bains, maio de 1928


“A fotografia: uma espécie de esporte, como capturar uma borboleta em pleno voo. É preciso ser rápido. Fui campeão de tênis, tenho o olho alerta.” Le Point, 18 de março de 1985


Yvonne, Koko e Bibi, Royan, julho de 1924


Jeannine Lehmann, Royan, setembro de 1926


GĂŠrard Willemetz e Dani, Royan, julho de 1926


Guitty, Marguerite Bourcart, (prima do monsieur FolletĂŞte), Biarritz, 1905


A bordo do pod贸scafo: Rico Broadwater, Gugy Kuhn e Lisbeth Thomas. Deauville, agosto de 1917


Bibi, Arlete e Irène, Tempestade em Cannes, maio de 1929


Sala na rocha Virgem, Biarritz, agosto de 1927


Bibi, Castelo de Garoupe, 1920


Agenda 1914, dias 10 e 11 de fevereiro


Pergunto-me o que reteriam para a próxima geração minha memória e meu olho de espectador. Se este ainda estivesse aberto naquele momento. Diário, fevereiro de 1969

Série Enquanto ainda tenho sombra, Opio, 1980


Jean-Loup Sieff, Retrato de Jacques Henri Lartigue, Paris, 1972


Jacques Henri Lartigue