EIA - Campo de Marte (volume 2)

Page 249

Estudo de Impacto Ambiental Aeroporto Campo de Marte/SP Figura 296: Área do aeroporto.

Santana Córrego Tenente Rocha

Cantareira

do

Canal de drenagem

Fonte: VPC/Brasil, 2008.

Na figura anterior, pode-se visualizar o relevo plano da planície aluvial, com a região de Santana e seu relevo mais alto em relação ao aeroporto. Na foto ainda é possível notar a vegetação que margeia o canal de drenagem dentro do aeroporto e o Córrego do Tenente Rocha. Ainda, em último plano na foto pode-se visualizar pequena parte da Serra da Cantareira localizada a norte do aeroporto.

7.1.1.1 Características hidrogeológicas da ADA Em sondagens efetuadas na área do aeroporto (PLANORCON, 2002), foi confirmado que o aeroporto encontra-se instalado sobre solos relacionados com sedimentação aluvionar. Foi detectada a existência de camada de argila escura com matéria orgânica - de consistência mole a muito mole - capeando uma sequência arenosa de granulometria fina a média e compacidade que varia de fofa a compacta. A seguir, a descrição das sondagens relata a presença de silte argilo arenoso com presença de minerais micáceos. Em 2012, foram executadas 33 sondagens investigativas, pela Weber Ambiental para elaboração do Estudo de Investigação Confirmatória, e através do perfis

litológicos

dos

poços,

foram

observadas

as

mesmas

características

anteriormente explanadas pela PLANORCOM. A hidrogeologia da área é representada localmente por um aquífero de caráter livre com nível da água subterrânea variando entre 0,32 a 2,43m, ou seja, o nível ELABORADO POR:

ATUALIZADO POR:

REVISÃO 01

VPC/BRASIL

MESP/ INFRAERO. Coordenação Regional de Meio Ambiental de São Paulo.

Ano de 2013

TECNOLOGIA AMBIENTAL E URBANISMO LTDA.

Página 613 de 1086