Page 1

Dia da Conservação do Solo é celebrado com ações efetivas na BR-448

Página 3

Página xx

BOLETIM 48 abril/maio/junho 2015 Gestão Ambiental comemora cinco anos do primeiro transplante de butiá da BR-448

Dia do Livro Infantil Mais de 400 alunos de Canoas conhecem publicação infantil da Gestão Ambiental Página 4

Sustentabilidade Licenciamento Ambiental do DNIT e BR-448 são temas de Painel de Sustentabilidade Corporativa Página 5

Exposição Itinerante Instalação artística das “Árvores de lixo” estimula consciência ecológica em alunos de Novo Hamburgo Página 2

Página 6


FLORA Primeiro butiá transplantado para praça da FAB em Canoas completa cinco anos

Praça do V COMAR abriga palmeira transplantada da BR-448

Conhecida como a “terra do avião”, a cidade de Canoas é a Sede do 5º Comando Aéreo Regional, abriga uma Base da Força Aérea Brasileira e também há cinco anos construiu a Praça do V COMAR chamada Praça Força Aérea Brasileira. E foi neste local que por meio da Gestão Ambiental da BR-448 (STE S.A.), foi realizado o transplante de um exemplar de uma palmeira oferecendo leveza e harmonia à paisagem. A árvore da espécie Butia capitata é resultado de uma tratativa entre a Gestão Ambiental e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Canoas. “No início da construção da rodovia em 2010, fizemos o contato com a Secretaria a fim de verificar áreas municipais disponíveis para o recebimento de árvores transplantadas da área de construção da rodovia. Na época a praça do V COMAR também estava em construção e foi sugerido que algum exemplar de caráter ornamental fosse levado para o local e, consideradas as condições de solo, drenagem, espaçamento e paisagismo, optamos pela palmeira”, explica a engenheira florestal da STE S.A. Silvia Aurélio.

Na implantação da Rodovia do Parque foram realizados mais de 470 transplantes de árvores protegidas por lei e dentre a totalidade das espécies, apenas nove foram de Butia capitata, nome científico da palmeira do gênero Butia originária da América do Sul e também uma das espécies da flora ameaçada de extinção no Rio Grande do Sul. “O butiá ou butiazeiro é uma palmeira muito utilizada no paisagismo urbano pela rusticidade da planta e efeito ornamental. A importância ecológica da espécie se dá principalmente pelos frutos, muito apreciados pela fauna. Mas ele também pode abrigar diversas espécies de epífitas no seu estipe (caule), sendo fundamental em projetos de reflorestamento, por exemplo”, explica Silvia. No dia 15/03/2011, era inaugurada a praça, a urbanização incluiu o plantio de grama, mudas de flores, arbustos e a palmeira. O único exemplar de butiá da área de convivência é portanto, resultado do primeiro transplante da espécie. Nos monitoramentos periódicos da equipe da Gestão Ambiental a avaliação do desenvolvimento e saúde da planta são motivo de orgulho. “Hoje, após cinco anos da realização do transplante, o exemplar apresenta excelente desenvolvimento. Nos monitoramentos realizados foi possível verificar as fases de floração e frutificação, comprovando a boa adaptação do exemplar”, finaliza a engenheira. Mais informações: http://www.infoambiente.stesa.com.br

Conheça o butiá Nome botânico: Butia capitata Nome popular: butiá, butiazeiro Angiospermae – Família Arecaceae Origem: Árvore Nativa brasileira ocorre de Santa Catarina ao Rio Grande do Sul

Contate-nos educombr448@stesa.com.br

EXPEDIENTE

Visite nosso site rodoviadoparque.com.br Curta nossas fan pages www.facebook.com/gestaoambiental.rodoviadoparque www.facebook.com/EnderecarBR448

Realização: DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) Execução: STE - Serviços Técnicos de Engenharia S.A. Conselho Editorial: Carlos Türck, Chaiana Teixeira e Letícia Frantz Jornalista Responsável: Andrea Weschenfelder MTB 10594 Fotografias: Divulgação STE S.A. Projeto Gráfico: FT Design

www.facebook.com/QueArvoreVoceQuerParaOFuturo

2

Um Novo Caminho. Uma Nova Vida


SUSTENTABILIDADE Dia da Conservação do Solo e as ações socioambientais na construção da BR-448 No dia 15 de abril, o mundo celebra o Dia da Conservação do Solo. No Brasil o alerta para a data surgiu do avanço da erosão, desertificação, poluição, ocupação indevida, queimadas e das atividades econômicas, como construção, agricultura e pecuária. É impossível discutir sobre o solo sem envolver todos os recursos naturais que garantem a vida na terra como um conjunto de elementos que juntos promovem a sobrevivência das espécies. Buscando um inter-relacionamento entre os recursos, na construção da BR-448, o DNIT, por meio da Gestão Ambiental fomentou a relação entre os meios físico, biótico (flora e fauna) e antrópico (ação humana) através da implementação dos Programas Ambientais e de ações paralelas de preservação e mitigação dos impactos ambientais inerentes a construção da rodovia. A região de construção do empreendimento foi cercada de atenção, a Gestão Ambiental supervisionou e monitorou o transplante de mais de 470 árvores imunes ao corte. A fauna encontrada foi realocada e em alguns casos, reabilitadas e devolvidas à natureza. Os recursos hídricos superficiais e subterrâneos tiveram sua qualidade monitorada trimestralmente contabilizando mais de 20 campanhas sem alterações nos parâmetros de qualidade. O trabalho social envolveu mais de 30 escolas do entorno, a comunidade lindeira e os trabalhadores numa proposta de preservação e ampliação da sensibilização ambiental. A comunidade diretamente impactada pelo empreendimento que vivia de forma carente e irregular na Vila do Dique em Canoas foi atendida e mais de 360 famílias já receberam moradias dignas. A qualidade do ar e dos ruídos (poluição sonora)

Programas destinados aos cuidados com os recursos hídricos foram implementados

também passou por campanhas de monitoramento e supervisão de resultados garantindo a preservação da saúde e do bem estar da comunidade e dos trabalhadores. O solo em especial, contou com as ações específicas dos Programas de Controle de Processos Erosivos, Gerenciamento de Resíduos, Paisagismo e Reposição Florestal. A fim de aprofundar os desdobramentos que surgem com as ações e Programas, a equipe buscou paralela-

Boletim abril/maio/junho 2015

mente transpor os limites do solicitado. Um dos exemplos foi o tratamento ambiental de uma área degradada com acúmulo de resíduos florestais, revertendo-a em banco de sementes. Outro foi o destino correto das 46 mil toneladas de rejeitos descartados pelos moradores da Vila do Dique após a realocação. A solução do encapsulamento geotécnico dos resíduos, no qual os mesmos foram confinados em células projetadas na faixa de domínio da rodovia foi a mais adequada, tanto em relação às características técnicas e legais quanto financeira provando que um grupo técnico qualificado e o apoio do órgão ambiental são importantes. A divulgação dos resultados obtidos pela atuação da equipe nos Programas promoveu o diálogo com a comunidade acadêmica e científica, através da elaboração de artigos técnicos. E visando propiciar vínculos comunicativos entre as áreas de educação, arte e meio ambiente, a equipe criou as exposições itinerantes denominadas “Que árvore você quer para o futuro? Não faça do lixo a semente”, que propõe uma reflexão sobre o descarte irregular de lixo em estradas e rodovias e a “Endereçar” que amplia o olhar sobre o processo de reassentamento das famílias da Vila do Dique mostrando a melhora da qualidade de vida através de relato fotográfico. Todas as ações apresentadas fazem relação direta ou indireta com o solo, ou seja a superfície terrestre em que vivemos, o chão onde pisamos, e dessa forma a Gestão Ambiental comemora a data com ações efetivas assumindo um processo de mudança social, por meio do compromisso com um novo modelo de desenvolvimento, onde as soluções ocorrem através do uso de tecnologias ou métodos mais adequados ao meio ambiente como investimento no futuro.

Ações socioambientais com as famílias da Vila do Dique, em Canoas e ao lado, o projeto de encapsulamento dos resíduos

3


FAUNA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Gestão Ambiental comemora Dia do Livro Infantil com contação de história

Alunos atentos à contação que destaca a inclusão social promovida com a construção da Rodovia do Parque

Para os alunos dos 1ºs, 2ºs e 3ºs anos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Assis Brasil, em Canoas, a contação da História Um Novo Caminho. Uma Nova Vida fez grande parte dos pequeninos reviverem momentos e situações peculiares. A publicação do DNIT, realizada pela Gestão Ambiental e lançada no final de 2014, retrata de forma lúdica o processo de reassentamento populacional da BR-448. História das famílias que ocuparam por décadas e de forma irregular às margens do dique de contenção de cheias na cidade de Canoas (Vila do Dique) e, com a construção da Rodovia do Parque, receberam novas moradias em área regular. O livro vem sendo divulgado nas escolas do entorno do empreendimento como forma de estimular a inclusão social das famílias beneficiadas com a realocação e ao mesmo tempo propor uma reflexão sobre a cidadania. Na maioria das escolas já atendidas pela equipe de Educação Ambiental estão matriculados alunos oriundos dessas famílias. “A história é narrada por três crianças: O Dodô, o Dico e a Luíza que mostram no dia a dia, as dificuldades de viver em uma área de risco e irregular como o Dique, e ao mesmo tempo resgata a solidariedade de três crianças de famílias distintas que convivem com as mais inusitadas situações de carência”, revela a Técnica Ambiental da Gestão, Aline Farias. A contação utiliza bonecos dos personagens com gravação da narrativa e cenários que atraem os olhares e a atenção dos pequenos. “Nas turmas há diversos alunos que viveram o processo de reassentamento e a cada apresentação da história em determinados momentos, em especial a mudança para as casas novas. Eles se reconhecem e percebem que a aquele momento faz parte do passado deles. E isso é muito gratificante”, explica também a Técnica Ambiental da Gestão, Taís Rosa. Para Carlos Mateus dos Santos, 6 anos, “Na casa nova tudo é melhor, é igual a história”, relembra. Já Leonardo Lopes de Melo, 6 anos, conta com um sorriso no rosto sobre os

4

benefícios adquiridos com a mudança e inexistentes no dique. “Minha mãe comprou uma bola para eu jogar. Tem até uma pracinha lá”, finaliza. Após a narração, os alunos são convidados a confeccionar um grande painel com desenhos a partir da história contada e recebem ilustrações do livro para colorir. No mês de abril, a atividade envolveu 399 alunos das Escolas Municipais de Ensino Fundamental Rui Cirne Lima (95 alunos), Assis Brasil (154 alunos) e Leonel Brizola (150 alunos) de Canoas, em 16 Horas do Conto.

Contação da história envolveu mais de 350 alunos, em 16 horas do conto em três escolas.

Ao lado, a criação de desenho coletivo sobre a história Um Novo Caminho. Uma Nova Vida


O FOTÓGRAFO É VOCÊ

Gavião e sabiá na área da BR-448. Fotografia: Rodrigo Torres /STE S.A.

Envie sua foto para o e-mail educombr448@stesa.com.br e participe da coluna O Fotógrafo é Você.

Mais de cem pessoas discutem a sustentabilidade corporativa

Público infantil participou da contação Público conferiu cases corporativos

Nem mesmo a chuva impediu que no dia 28/05, o Auditório Ir. Bruno Ruedell, no Centro Universitário La Salle (Unilasalle), em Canoas lotasse de estudantes, representantes de empresas e interessados em discutir a Sustentabilidade Corporativa. O evento, promovido pela STE S.A. em parceria com o Unilasalle reuniu numa mesma tarde através de um painel com duas mesas de discussões, cases que tem a sustentabilidade como modelo de gestão. A abertura do evento contou com a fala do pró-reitor de Desenvolvimento do Unilasalle, Renaldo Vieira de Souza seguido da Presidente da CICS (Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Canoas), Simone Leite e da representante da CGMAB/DNIT (Coordenação Geral de Meio Ambiente) Vanessa da Rocha que trouxe os aspectos técnicos dos licenciamentos am-

Boletim abril/maio/junho 2015

bientais nas obras de infraestrutura do departamento. Dando segmento as apresentações, o Coordenador do Setor de Meio Ambiente da STE S.A., Adriano Panazzolo falou sobre a Gestão Ambiental da BR-448, destacando a implementação dos Programas Ambientais. Para falar sobre gestão de resíduos sólidos, José Fagundes da Cooperativa Mãos Dadas e Alex Cardoso, da CATAPOA presentearam o público com duas belas experiências iniciadas a partir da informalidade e que atualmente alcança a gestão cooperativada e em rede. Após o fechamento das mesas os presentes se manifestaram esclarecendo dúvidas. A segunda parte mostrou as iniciativas da Embratec com Amanda Kardosh, o CNTL (Centro Nacional de Tecnologias Limpas) com Felipe Magalhães, e a Eco Finance com Eduardo Baltar que trouxe a gestão de gases e efeito estufa em cidades e o trabalho da Cooperativa de Crédito SICREDI com Camila Vilani. No final do evento, o professor e coordenador do curso de Engenharia Ambiental do Unilasalle Canoas, Engenheiro Ambiental, Saulo Chielle e também mediador do painel agradeceu a todos pela participação e a organização do evento. O público presente recebeu atestado de participação.

Curta a página no facebook: www.facebook.com/pscorporativa

5


BOLETIM 48 abril/maio/junho 2015

“Árvores de lixo”da BR-448 instigam visitantes a repensar hábitos

A instalação já percorreu mais de 45 espaços em oito cidades e três estados do Brasil

A mostra instiga os visitantes à reflexão sobre o consumo e o descarte irregular

Vinte e três pequeninos, acompanhados das professoras e carregando cada um o seu caderno chegam à Estação Santo Afonso da Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (TRENSURB) em Novo Hamburgo para uma atividade diferente. A proposta da Escola Municipal de Ensino Fundamental Olavo Bilac de Novo Hamburgo foi abordar a temática ambiental dos resíduos sólidos já trabalhada em sala de aula para mostrar o que acontece nas ruas, e assim, a mostra do DNIT, realizada pela Gestão Ambiental da BR-448, chamada “Que árvore você quer para o futuro? Não faça do lixo a semente” entra em cena de forma artística/lúdica, para promover uma reflexão sobre o descarte irregular de diferentes resíduos sólidos. As populares “árvores de lixo” da BR-448 itineram há 4 anos e contabilizam a estada em mais de 48 espaços com milhares de visitantes. Nesta caminhada, as estações da TRENSURB vêm proporcionando importantes momentos, como as visitações da escola Olavo Bilac. “Com a proposta de levar à sociedade uma preocupação pontual da equipe de Gestão Ambiental da rodovia, criamos a mostra em 2011 no sentido de levar as pessoas a refletirem sobre o seu papel enquanto cidadão e a sua responsabilidade sobre o que consome e como descarta seus resíduos no cotidiano”, explica o responsável pela Educação Ambiental da STE S.A., Engenheiro Carlos Türck. A ideia inicial do grupo foi muito bem aceita pela sociedade e a prova disso está nos livros de assinaturas que acompanham a exposição e nos pedidos para sediar a A mostra “Endereçar” e a dir., uma das fotos da exposição

Crianças e adultos são “tocados” pela Mostra

mostra em diferentes pontos e eventos. “São mais de mil depoimentos em diversas línguas elogiando a iniciativa, e de registros pessoais acerca do impacto dos resíduos sólidos sobre o meio ambiente e o futuro da humanidade. Dessa forma, podemos hoje avaliar que a mostra, vem cumprindo a proposta de instigar o visitante a repensar suas atitudes mesclando arte e educação de forma a ampliar a consciência ambiental”, lembra Carlos. Para a professora Indiara Passos dos Santos, responsável pela turma de 1º ano que chegava para a visita, a Mostra chama a atenção. “Ela é impactante para nós, porque vivemos numa sociedade de consumo. Desde que acordamos, até a hora de dormir somos levados a consumir, e isso está sendo transmitido a eles. Na escola eles passam apenas 4 horas diárias e as 20 restantes eles estão em casa. Portanto, temos que ensiná-los sobre bons hábitos”, finaliza.

Boletim 48 br 448 abril junho 2015  

O Boletim Rodovia do Parque traz as principais ações realizadas pela Gestão Ambiental da BR-448

Advertisement