Page 1

Pegadas de felino vulnerável são registradas em passagem de fauna da BR-448

Página 3

Página xx

BOLETIM 47 janeiro/fevereiro/março 2015 Transplantadas mais de 400 corticeiras na construção da BR-448

Cultura Projeto Verão Cultural tem a participação das gestões ambientais Página 4

Gestão Ambiental Água subterrânea na região da BR-448 passa por controle da Página 5 qualidade

Exposições

Página 2

Instalações artísticas das “Árvores de lixo” e “Endereçar” contabilizam no trimestre espaços com circulação de mais de 1 milhão de pessoas Página 6


FLORA Corticeiras-do-banhado foram as espécies mais tranplantadas durante a construção da BR-448 tes na área de influência da rodovia e também as mais resistentes aos transplantes, observa a engenheira. “Esta espécie é altamente resistente ao procedimento de transplante e tem a capacidade de emitir brotações pouco tempo após a poda. No entanto ela possui tronco e ramos frágeis, que quebram facilmente e exigem cuidados no momento do transplante”.

Paisagem com as corticeiras transplantadas em área na cidade de Canoas, lote 3 da rodovia, a partir do Arroio das Garças

Para as plantas que não resistem ao processo, são aplicadas as compensações que podem variar. “A compensação se dá nos termos do art. 34° da Lei Estadual nº 11.026/97 (Código Florestal Estadual), que determina o plantio de 15 mudas da mesma espécie pra cada indivíduo imune ao corte que não sobrevive. Porém o órgão ambiental pode atribuir uma compensação maior dependendo do porte, beleza cênica e importância” destaca Sílvia.

A BR-448 – Rodovia do Parque está inserida em uma região do Bioma Pampa próxima ao Parque Estadual Delta do Jacuí, importante Área de Preservação Permanente (APP). No Estudo de Impacto Ambiental (EIA) do empreendimento foram detectadas mais de 200 espécies de plantas, distribuídas em 74 famílias. As estratégias traçadas para minimizar os impactos sobre a flora da região e manter a diversidade, incluiu o transplante de árvores imunes ao corte (corticeiras-do-banhado, figueiras, butiás e jerivás) e a realocação de epífitas (plantas que vivem sobre outras plantas).

Desde a finalização dos transplantes a equipe monitora o estado fitossanitário (saúde) das árvores e definem os resultados obtidos de forma satisfatória. “Os transplantes de árvores protegidas foram finalizados no ano de 2013 e estão sendo monitorados pela equipe de supervisão ambiental. Foram alcançados bons resultados de sobrevivência das árvores”, finaliza Sílvia.

Durante a implantação da rodovia, o DNIT transplantou 476 árvores, destas, 429 corticeiras-do-banhado, como explica a Engenheira Florestal da STE S.A., Sílvia Aurélio. “Ao longo da obra foram transplantadas 476 árvores imunes ao corte ou protegidas pela legislação, sendo: 429 da espécie Erythrina crista-galli (corticeira-do-banhado), 10 Butia capitata (butiazeiro), 17 Ficus sp. (figueiras) e 20 Syagrus romanzoffiana (jerivá)”. Com um índice de pega (sobrevivência) em torno dos 70%, as corticeiras são as espécies mais abundan-

De grande importância ecológica, a corticeira-dobanhado é uma árvore que ocorre desde o Maranhão até o Rio Grande do Sul e está presente em terrenos úmidos e formações abertas secundárias. O interesse por estas espécies deve-se ao fato de serem árvores nativas, com características ornamentais, belo arranjo espacial arquitetônico e por abrigar plantas epífitas (bromélias, cactáceas e orquídeas), no caso da corticeira-do-banhado, atraindo aves e insetos.

Conheça a corticeira-do-banhado

Contate-nos educombr448@stesa.com.br

EXPEDIENTE

Visite nosso site rodoviadoparque.com.br Curta nossas fan pages www.facebook.com/gestaoambiental.rodoviadoparque www.facebook.com/EnderecarBR448

Realização: DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) Execução: STE - Serviços Técnicos de Engenharia S.A. Conselho Editorial: Chaiana Teixeira e Letícia Frantz Jornalista Responsável: Andrea Weschenfelder MTB 10594 Fotografias: Divulgação STE S.A. Projeto Gráfico: FT Design

www.facebook.com/QueArvoreVoceQuerParaOFuturo

2

Um Novo Caminho. Uma Nova Vida


FAUNA Monitoramento mensal da Gestão Ambiental revela presença de mamífero vulnerável na região da BR-448 Em meados da década de 80, a União regulamentou o licenciamento ambiental por meio da Lei nº 6.938/81 – que instituiu a Política Nacional de Meio Ambiente. O artigo 10 estabelece que “a construção, instalação, ampliação e funcionamento de estabelecimentos e atividades utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental dependerão de prévio licenciamento ambiental”. A partir dessa perspectiva, uma nova oportunidade também surgiu para minimizar, por exemplo, o impacto sobre a mortalidade da fauna. Na BR-448, inaugurada há 1 ano, são realizadas campanhas de monitoramento do atropelamento da fauna. Apesar da proximidade da área do empreendimento com uma Área de Preservação Ambiental, a região é bastante descaracterizada, principalmente pela urbanização no entorno. Amparado no Programa de Redução de Atropelamento da Fauna, o DNIT, por meio da Gestão Ambiental (STE S.A.) avalia a funcionalidade das medidas implantadas para a redução do atropelamento da fauna na rodovia. A mitigação do impacto da colisão de animais com veículos é usualmente realizada pela implantação de estruturas que facilitem de forma segura a travessia. Na BR-448 foram construídas três passagens secas de fauna e duas em arroios que permitem a travessia segura dos animais. Durante a realização da campanha de monitoramento do mês de dezembro de 2014, a equipe de fauna registrou na passagem de fauna do quilômetro 8+300, na cidade de Canoas, a pegada de um gato-maracajá. O registro permite avaliar o mecanismo de transposição e certificar que os animais, mesmo com as transformações no habitat, podem ser encontrados na região, e estão utilizando o equipamento de passagem construído na rodovia. Mamífero deixa rastro na BR-448 Em setembro de 2014, o Governo do Estado do RS, através da Fundação Zoobotânica (FZB) com apoio da Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Seades) di-

Rastros das patas posteriores do felino na passagem de fauna da BR-448

Boletim janeiro/fevereiro/março 2015

Imagem do gato Gato-maracajá (Leopardus wiedii) captada por armadilha fotográfica do banco de imagens de fauna

vulgou as espécies da fauna gáucha ameaçadas de extinção. A listagem, primeira atualização feita desde 2002, indica que o Rio Grande do Sul possui 280 espécies da fauna em algum grau de ameaça de extinção (Vulnerável, em Perigo ou Criticamente em Perigo) além de 10 já extintas. Significa que estão ameaçados 22% dos mamíferos, e entre eles o gato-maracajá (Leopardus wiedii), que deixou sua marca na passagem de fauna da BR-448. “As impressões das pegadas registradas, a disposição das mesmas no solo, tamanho e acomodação das almofadas plantares, revelam que o animal ficou em pé dentro do dispositivo, ou seja, apoiado sobre as patas traseiras (posteriores) para se mostrar maior ou simplesmente para saltar em direção a sua presa”, revela a equipe de fauna. De acordo com a Avaliação do Estado de Conservação dos Mamíferos Carnívoros Brasileiros realizado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (CENAP) o Leopardus wiedii possui uma distribuição ampla no Brasil, com exceção do Ceará e sul do Rio Grande do Sul. Apesar disso, o tamanho populacional efetivo calculado é de cerca de 4.700 indivíduos no território brasileiro. Estima-se que nos próximos 15 anos deva ocorrer um declínio de pelo menos 10% desta população, principalmente pela perda e fragmentação de habitat relacionadas à expansão agrícola. Portanto, a espécie foi categorizada como Vulnerável. Conforme a Bióloga da Gestão, Andrea Pedron, o registro do felino na área da Rodovia do Parque e região metropolitana de Porto Alegre evidencia a importância das medidas implantadas para a conservação da biodiversidade local. “A espécie em questão não havia sido registrada nas campanhas de monitoramento pretéritas, assim como nos estudos de diagnóstico, porém o registro comprova que a espécie ainda ocorre na região de abrangência do empreendimento e está utilizando o dispositivo de transposição em questão”, finaliza.

3


FAUNA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PequeninosdaeducaçãoinfantildeCanoasconheceminclusãosocialdaBR-448

Pequeninos da Vó Sara em Canoas atentos à contação

Finalizando o ano letivo, o DNIT, por meio da Gestão Ambiental realizou em dezembro, com os alunos das Escolas Municipais de

Educação Infantil Vó Sara (bairro Mathias Velho) e Carmem Ferreira (Bairro Harmonia) em Canoas a contação da história “Um novo caminho. Uma nova vida” – publicação infantil sobre o processo de reassentamento das famílias da Vila do Dique de Canoas realocadas com a construção da BR-448. A história conta de forma lúdica para as crianças como ocorreu o reassentamento e reforça o processo de transformação social ocorrido com as famílias por meio de três personagens infantis: Dico, Dodô e Luiza. A contação aconteceu em dois turnos, pela manhã em três sessões, os alunos da Escola Vó Sara foram atendidos. À tarde, também três apresentações na Escola Carmem Ferreira, totalizando 200 alunos. Após, os alunos receberam desenhos com os personagens do livro para colorir e comemoraram a vista da mascote João-de-barro. A atividade é parte das ações de educação ambiental com as escolas do entorno da rodovia.

Gestões Ambientais levam cultura e diversão gratuitas para Casa de Cultura

Contação da história “Um novo caminho. Uma nova vida”

O Teatro Bruno Kiefer da Casa de Cultura Mario Quintana, em Porto Alegre, recebeu no dia 28/01, cerca de 80 pessoas para as apresentações gratuitas das Gestões Ambientais da BR-116/RS e BR-448. Os espetáculos, iniciativa do DNIT, integraram a programação da I Mostra Cultural Verão 2015, que seguiu até o dia 08 de fevereiro, com 22 atrações em diferentes formatos. Crianças, adolescentes e adultos assistiram às montagens elaboradas pelas equipes socioambientais do DNIT. Antes da apresentação do Teatro de Bonecos “Mirim e a Gestão Ambiental da BR-116/RS”, a Terapeuta Ocupacional do Programa de Saúde Pública, Marcela Nascimento conversou com o público sobre a duplicação da rodovia. Em seguida, de maneira dinâmica e lúdica, a peça explicou os processos que envolvem as obras e os respectivos Programas Ambientais executados no empreendimento. A gurizada cantou e interagiu com os personagens Vovô, Nina, Pedrinho, Sheila e o Tamanduá-Mirim. Já a técnica ambiental da Gestão, Aline Farias, apresentou a chamada para a contação da história “Um novo caminho. Uma nova vida”. Baseado no livro infantil, os personagens

4

contam o processo de transformação social ocorrido na construção da Rodovia do Parque partilhando diferentes sentimentos, alternando sonho, medo, tristeza e esperança. A encenação tocou Arthur Nunes Fortes, 11 anos, que se identificou com os personagens. O menino faz parte da Organização Não Governamental (ONG) Núcleo Comunitário e Cultural de Belém Novo, da zona sul da Capital. “É a primeira vez que venho ao teatro, achei bem legal o jeito dos bonequinhos e a história”, elogiou. De acordo com a coordenadora do projeto, Isabel Cristina Silveira, a instituição atende cerca de 500 crianças e 200 adultos, com atividades educativas, culturais, profissionalizantes, entre outras propostas. “Contamos com aulas de teatro, dança, música, então esse contato com a cultura é muito importante para eles”, explicou a pedagoga. Ao final das apresentações, a equipe distribuiu livros da hora do conto, máscaras do Tamanduá- Mirim, histórias em quadrinhos e desenhos para colorir.

Público infantil participou da contação

Um Novo Caminho. Uma Nova Vida


O FOTÓGRAFO É VOCÊ

Ponte estaiada da BR-448 vista do Rio Gravatai. Fotografia: Andrea Weschenfelder/STE S.A.

Envie sua foto para o e-mail educombr448@stesa.com.br e participe da coluna O Fotógrafo é Você.

Água tem controle da qualidade

Poços foram construidos para monitorar a qualidade da água

O monitoramento da qualidade das águas é necessário para a identificação, análise e prevenção de problemas, recuperação e melhoria da condição ambiental hídrica. No trecho de influência da BR-448, o DNIT, por meio da Gestão Ambiental verifica mensalmente mais de 15 parâmetros de qualidade da água subterrânea em 05 poços. Esgotamento (secamento) dos poços, coleta de amostra de água e análise laboratorial são os procedimentos que envolvem as campanhas e permitem caracterizar a qualidade dos recursos hídricos na área de influência da rodovia. Conforme a equipe de Supervisão Ambiental, nas amostras da última campanha não foram observadas interferências sobre a qualidade da água subterrânea.

Público infantil participou da contação

Fotos às famílias do projeto Endereçar Com a renovação da exposição Endereçar – projeto da mostra fotográfica itinerante que retrata o processo de reassentamento ocorrido em função da construção da BR-448, novas imagens, com novas famílias, foram produzidas e incorporadas à instalação. Com isso, as fotos foram substituídas e entregues nos dias 06 e 07/02, aos participantes da primeira edição do projeto, pela equipe social e de educação ambiental que atuou diretamente com os beneficiados pelo processo. Reações de surpresa e saudosismo depois de passados mais de dois anos da realocação foram unânimes entre a equipe e as famílias, como conta a agente comunitária da STE S.A., Janaina Pugliese, “apesar das dificuldades familiares e sociais vivenciadas pela grande maioria dos beneficiários, a recepção é sempre muito boa”. Famílias recebem as imagens da mostra

Boletim janeiro/fevereiro/março 2015

5


BOLETIM 47 janeiro/fevereiro/março 2015

TRENSURB e Ministério Público abrigam mostras da BR-448

“Que árvore você quer para o futuro? Não faça do lixo a semente” A instalação já percorreu mais de 45 espaços em oito cidades e três estados do Brasil

O primeiro trimestre de 2015 contabilizou um público circulante em torno das exposições, “Que árvore você quer para o futuro? Não faça do lixo a semente” e “Endereçar”, de mais de 1 milhão de pessoas. Atualmente, usuários e servidores da TRENSURB (Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre) e do Ministério Público do Rio Grande do Sul podem conferir as Mostras culturais do DNIT, realizadas pela Gestão Ambiental. As imagens das famílias beneficiadas pelo Programa de Reassentamento Populacional da BR-448 estão no centro da capital, Porto Alegre, no prédio histórico do Memorial do Ministério Público até o dia 31/03, e as populares “árvores de lixo”, com mais de 3 anos de itinerância agora propõem uma pausa cultural na Estação Santo Afonso, em Novo Hamburgo e permanecem no local até o dia 10/04. ,

e

as

“Endereçar” A mostra destaca a conquista da qualidade de vida das famílias realocadas pela construção da Rodovia do Parque no Ministério Público

Exposição - “Que árvore você quer para o futuro? Não faça do lixo a semente” Local - Estação Santo Afonso da TRENSURB Avenida Primeiro de Março, nº 5300 Novo Hamburgo

Exposição - “Endereçar” Local - Memorial do Ministério Público do RS Praça Marechal Deodoro, nº 110 Centro Histórico Porto Alegre Período da exposição - 27/02 a 31/03/2015

Período da exposição - 11/03 a 11/04/2015 A mostra “Endereçar” e a dir., uma das fotos da exposição

Boletim 47 br 448 jan mar 2015  

Boletim trimestral da Gestão Ambiental da BR-448

Advertisement