Page 1

EVENTO Desenvolvimento industrial é debatido no SMetal

OPINIÃO Os desafios da classe trabalhadora

SOROCABA Crespo é alvo de protestos de trabalhadores

PÁG. 2

PÁG. 3

PÁG. 2

Informativo do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região

Nº 903 2ª edição de maio de 2018 Rua Júlio Hanser, 140 Lageado - Sorocaba/SP

CEP 18030-320 Filiado a CUT, CNM e FEM

EFEITOS PÓS-GOLPE

Reforma trabalhista completa seis meses e desemprego só aumenta ARQUIVO

Do golpe de 2016 para cá, a taxa de desemprego subiu para 13,1% da população e a informalidade supera o índice de trabalhadores com carteira assinada. Praticamente toda a base do SMetal conta com a cláusula de salvaguarda contra a aplicação da reforma sem negociação com o sindicato, mas é preciso estar atento e qualquer irregularidade deve ser denunciada. PÁG. 3

A luta por terra e trabalho: O assentamento de Iperó completou 26 anos com ato político-

cultural, nesta quarta-feira, dia 16. O evento contou com a presença de Gilmar Mauro, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), de lideranças que acompanharam a ocupação da área em 1992 e do ex-metalúrgico e presidente estadual do PT, Luiz Marinho. PÁG.

4


Página 2

Folha Metalúrgica - Maio de 2018 - Ed. 903

editorial

Só a unidade dos trabalhadores provoca mudanças Duas categorias diferentes de trabalhadores saíram às ruas na quinta-feira, 10, e nesta segunda, 14, para protestar contra ações do prefeito de Sorocaba, Antonio Caldini Crespo (DEM). Por volta das 19h, mais de quatro mil servidores municipais se concentraram em frente à Estação Ferroviária e seguiram em passeata até a Praça 9 de Julho, numa mobilização contra a terceirização da educação e da saúde, que pode causar desemprego, precarização e prejudicar a população que necessita do atendimento público e gratuito. A manifestação gigante, conduzida pelo Sindicato dos Servidores Municipais, não ganhou nenhuma linha, nenhuma foto, no jornal centenário da cidade. Motivo que gerou repúdio da população e dezenas de críticas, com repercussão nacional. E que inclui também ameaças de cancelamentos de assinatura do jornal. Já na segunda-feira, 14, uma ameaça de demissão feita pelo prefeito Crespo a um motorista da linha Cajuru gerou indignação na categoria, que protestou no início da noite com a paralisação do transporte público. Os motoristas estacionaram os ônibus por três horas no Parque das Águas e o Sindicato dos Ro-

São governos autoritários, que desrespeitam os trabalhadores e que, portanto, representam interesses de um estado enxuto em direitos doviários promoveu uma assembleia com a categoria. Caso ocorra novos atos de desrespeito aos motoristas, os trabalhadores reagirão novamente, seja na forma de protesto ou paralisação por tempo indeterminado. Crespo abordou motoristas que estavam dirigindo ônibus lotados e ameaçou punir com demissão por justa causa por eles não terem parado nos pontos. Foi o próprio governo de Crespo que cortou 20% dos horários dos ônibus. Não adianta querer causar conflito e jogar a culpa nos trabalhadores, prefeito.

As duas manifestações de trabalhadores de Sorocaba, num prazo de cinco dias, demonstra ser verdadeira a afirmação do jornalista José Arbex Jr, que estará no SMetal, no dia 22, para uma palestra sobre a conjuntura nacional e internacional em relação à mídia. Ele, que cobriu como repórter a queda do Muro de Berlim, diz que “ninguém controla a história”. Se um mês antes, alguém comentasse que o muro cairia ninguém acreditaria. Assim como ninguém acreditaria se, em maio, alguém comentasse que no mês seguinte dois milhões de pessoas sairiam às ruas no Brasil em 2013. Por outro lado, essas manifestações dos trabalhadores demonstram também o desgoverno de Crespo que representa o mesmo projeto político dos governantes do Estado de São Paulo, Marcio Franca (PSB) e de Temer, na esfera nacional. São governos autoritários, que desrespeitam os trabalhadores e que, portanto, representam interesses de um estado enxuto em direitos. A classe trabalhadora sempre foi e continua sendo a única que pode mudar os rumos da história e agir por melhorias nas condições de vida, tensionando a relação capital-trabalho. O desejo de mudança vale a luta!

Trabalhadores protestam contra Crespo

DESENVOLVIMENTO

10/05

Foguinho

Encontro no SMetal busca fortalecer a indústria local e regional

14/05

A atuação do SMetal vai além da representação no local de trabalho. As ações da diretoria também focam no desenvolvimento regional. Um dos eixos do planejamento dos dirigentes - a defesa da indústria e do desenvolvimento regional - foi discutido em reunião no período da manhã de sábado, dia 12, na sede do Sindicato. Além dos dirigentes do SMetal, participaram do encontro o diretor do Ciesp, Erly Domingues de Syllos, o presidente do Instituto Trabalho Indústria e Desenvolvimento (TID-Brasil), Rafael Marques e o presidente da Federação dos Sindicatos Metalúrgicos de São Paulo (FEM/CUT), Luiz Carlos Dias. O presidente do SMetal, Leandro Soares, deu início à análise de conjuntura industrial, com dados da base do SMetal. Na sequencia, o diretor do

Ciesp expôs a necessidade de se pensar as mudanças impostas pela nova legislação trabalhista e pela inovação com a Indústria 4.0 e parabenizou o sindicato de propor essa discussão em conjunto. Rafael Marques ressaltou o contexto político da crise, desencadeada pelo golpe e pela perseguição aos trabalhadores organizados. A provocação deixada pelo presidente da FEM/CUT, Luiz Carlos Dias, é a de como equilibrar a relação capital-trabalho. “Crescemos com a concepção de que o movimento sindical e as indústrias eram como duas paralelas. Mudamos esse entendimento?” Após as exposições dos representantes das entidades, um novo encontro deve ser marcado para elencar prioridades e dividir responsabilidades.

Na quinta-feira, dia 10, aproximadamente quatro mil servidores públicos municipais protestaram contra a terceirização da saúde e da educação promovida pelo prefeito Antonio Caldini Crespo (DEM). E na noite desta segunda-feira, dia 14, os motoristas de ônibus de Sorocaba pararam 100% da frota contra o assédio moral praticado por Crespo, que ameaçou um motorista da linha Cajuru por não ter parado num ponto de ônibus, mesmo com superlotação. O Sindicato dos Rodoviários lembra que a prefeitura cortou 20% dos horários da frota e é a responsável pela superlotação.

Comunicação SMetal Diretoria Executiva SMetal Presidente Leandro Candido Soares Vice-presidente Valdeci Henrique da Silva Secretário-Geral Silvio Luiz Ferreira da Silva Secretário de Administração e Finanças: Tiago Almeida do Nascimento

Folha Metalúrgica, Portal SMetal, Revista Ponto de Fusão, redes sociais, comunicação visual e assessoria de imprensa

Jornalista responsável: Fernanda Ikedo

Sede Sorocaba: Tel. (15) 3334-5400

Redação e reportagem: Daniela Gaspari Fernanda Ikedo

Sede Araçariguama: Tel. (11) 4136-3840

Fotografia: José Gonçalves Filho (Foguinho) Projeto Gráfico e Editoração: Lucas Delgado

Secretário de Organização: Izídio de Brito Correia Diretor Executivo: Francisco Lucrécio Junior Saldanha Diretor Executivo: Antonio Welber Filho

Sindicato do Metalúrgicos de Sorocaba e Região Rua Júlio Hanser, 140 - Sorocaba SP - www.smetal.org.br

Sede Iperó: Tel. (15) 99667-5418 Sede Piedade: Tel. (15) 3344-2362 Folha Metalúrgica Impressão: Bangraf Publicação: Semanal Tiragem: 20 mil exemplares


Folha Metalúrgica - Maio de 2018 - Ed. 903

Página 3

direito trabalhista

Seis meses da Reforma Trabalhista aumentam informalidade e desemprego atendo ainda sobre os contratos temporários, que aumentam o tempo para que o trabalhador seja efetivado na empresa e pode resultar em menores benefícios ou mesmo ficar sem PPR”, conta o secretário geral do Sindicato dos Metalúrgicos (SMetal), Silvio Ferreira.

Denuncie Ele lembra que grande parte da categoria está protegida com a cláusula de salvaguarda na Convenção Coletiva (CCT), que proíbe a aplicação de mudanças previstas na reforma sem negociação com o Sindicato. “Mas mesmo com a salvaguarda, o trabalhador deve se atentar a qualquer irregularidade na empresa ou pressão por parte do patrão, seja na produção ou para assinar algum tipo de documentos, e deve denunciar imediatamente ao SMetal”, alerta.

DIVULGAÇÃO

Gerar mais empregos foi o ‘pretexto’ utilizado pelo governo de Michel Temer (PMDB) e os deputados da bancada aliada para aprovar às pressas a Reforma Trabalhista. Passaram-se seis meses da vigência do ataque à CLT e nada há o que comemorar, muito pelo contrário. A taxa de desemprego no País nos últimos meses subiu de 11,8% para 13,1%. Foram quase 100 mil vagas com carteira assinada perdidas e, pela primeira vez na história, a informalidade superou o número de empregos formais no Brasil. O desligamento mediante acordo direto entre empresa e trabalhador continua aumentando – muitas vezes por pressão do patrão –, no qual o trabalhador abre mão de direitos, como o FGTS completo, parte da multa e seguro desemprego, além de outras manobras. “O trabalhador tem que estar

SAIBA MAIS

Para realizar uma denúncia, o trabalhador pode ir até uma das sedes do SMetal, procurar um representante do Sindicato na empresa ou utilizar o campo ‘Denuncie’, no Portal SMetal (www.smetal.org.br/denuncie)

OPINIÃO

DOIS ANOS DO GOLPE: desemprego e corrupção Na semana passada, o golpe que derrubou a presidenta Dilma completou dois anos. Traída por Temer e o PMDB, e acossada pelo PSDDB, Dilma previu no dia em que foi afastada que o Brasil iria entrar numa era em que os mais pobres e trabalhadores seriam os que mais sofreriam com o seu impedimento, Dito e feito. Basta olhar nas ruas o crescimento da miséria e pobreza em Sorocaba e na região. Os golpistas acabaram com todas as políticas de desenvolvimento nacional, inclusive, o da indústria e no seu lugar implantaram um caos alimentado pela compra de deputados durante as votações da reforma trabalhista, lei da terceirização, na emenda da morte que restringiu por 20 anos investimentos na saúde, educação, segurança pública e na quase aprovação da reforma da previdência, que eles ainda tentarão concretizar após as eleições de 2018. Todas essas iniciativas tiveram apoio dos deputados federais da região como Vitor Lippi, Herculano, Muse e Jefferson Campos. A categoria metalúrgica que até 2014 estava com 45 mil trabalhadores na base, hoje luta para manter 35 mil pessoas dentro das fábricas. Se de um lado temos o alento dos

empregos gerados pela Toyota, por outro, temos a preocupação dos fechamento de milhares de postos nos setores Por Izídio de Brito, secretário que fornede organização do SMetal ciam para a cadeia do petróleo e gás. O desemprego na indústria também ocasionou um efeito dominó na economia de Sorocaba com fechamento de padarias, comércios e grandes shoppings centers e consequentemente mais gente nas ruas. Na nossa categoria a situação só não está pior porque o Sindicato dos Metalúrgicos foi um dos poucos no país que conseguiu, junto com os trabalhadores, clausula de salvaguarda nos acordos coletivos para que os direitos fossem mantidos, sem a imposição da reforma trabalhista. Essa mesma disposição teremos que manter para a próxima campanha salarial. É preciso ainda urgente que o país retome uma política de retomada da produção industrial e da geração de emprego e renda. Vamos continuar mobilizados.

Sindicato Cidadão, investindo na formação do trabalhador SAIBA MAIS EM: www.smetal.org.br


Página 4

Folha Metalúrgica - Maio de 2018 - Ed. 903

campo e cidade

Foguinho

Gilmar Mauro e Luiz Marinho reforçam a luta por alimento sem veneno na mesa

Conjuntura: Pela manhã, Marinho e Gilmar Mauro estiveram no SMetal conversando sobre o cenário político atual

O integrante da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Gilmar Mauro, participou de uma atividade com sindicalistas no SMetal, na manhã desta quarta-feira, dia 16. Junto com o presidente do PT Estadual (SP), Luiz Marinho, do Partido dos Trabalhadores (PT), Gilmar fez uma análise de conjuntura e discutiu propostas de políticas públicas para a agricultura familiar no Estado de São Paulo. A atividade aconteceu no período da manhã, antes de seguirem para o ato político-cultural de comemoração de 26 anos do assentamento da Fazenda Ipanema, em Iperó. Gilmar e Luiz Marinho, acompanhados pelos pré-candidatos a deputado federal Izídio de Brito e os pré-candidatos a deputado

CICLO DE FORMAÇÃO

É preciso repensar os meios de comunicação Censura, manipulação e notícias falsas existem tanto nas redes sociais como em jornais de grande circulação. Recentemente, o jornal Cruzeiro do Sul não publicou nenhuma linha sobre uma passeata com mais de quatro mil servidores públicos. Um texto sobre a ocupação dos prédios da UFSCar, em Sorocaba, publicado no jornal Estadão, foi alvo de crítica de uma estudante do campus que foi citada, mas afirma não ter dado entrevista ao jornalista. Ao ler os impressos e assistir os jornais da TV é preciso olhar crítico para questionar e checar se as informações não estão sendo manipuladas ou se não são falsas (fake news). Para debater uma outra comunicação e para analisar esse período no qual o Brasil vive, de golpe, o SMetal promove mais uma atividade do Ciclo de Formação “Na Batalha das Ideias: da resistência à ofensiva”, no próximo dia 22, às 19h, no SMetal.

O evento conta com o jornalista e professor da PUC/SP, José Arbex Jr, fundador do jornal Brasil de Fato (BdF) e da revista Caros Amigos, e com a jornalista da editoria de internacional do BdF, Vivian Fernandes. As inscrições para o evento são gratuitas. Basta enviar nome completo, RG e telefone para o e-mail: ciclodeformacao@smetal.org.br

AULA PÚBLICA

UFSCar promove ciclo de debates no SMetal Neste sábado, dia 19, das 10h às 13h, ocorre a aula pública “Políticas Culturais”, no auditório do quarto andar do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal). A aula integra o Ciclo de Debates “O Golpe de 2016 e o futuro da democracia no

Brasil”, promovido pelo Depto de Ciências Humanas e Educação (DCHE) da UFSCar Sorocaba. A participação é gratuita. Basta comparecer. O Sindicato fica na rua Julio Hanser, 140, Lageado, próximo da rodoviária.

estadual Hamilton Pereira e Luiz Turco, conversaram com os assentados e destacaram a importância da reforma agrária e da luta contra os agrotóxicos que contaminam as mesas dos brasileiros. Inclusive, ressaltaram que é preciso pressionar o Congresso Nacional para não aprovarem o projeto de lei da bancada ruralista que facilita a liberação de agrotóxicos no país, que já é líder mundial em contaminação de alimentos.

SAIBA MAIS Leia mais sobre o assentamento de Iperó em www.smetal.org.br/ assentamento26 Projeto de Lei do “pacote de veneno” é encomenda do setor de agrotóxicos à bancada ruralista

notas Outono na Ilha Comprida Ilha Comprida oferece eventos com atrações musicais e gastronomia típica da Ilha no mês de junho. De 31 de maio a 3 de junho ocorre a “Ilha Viola e Cachaça” e, de 15 a 17 de junho, o evento é o “Ilha Samba e Pagode”, no Espaço Cultural Plínio Marcos. As entradas são gratuitas. Para aproveitar os eventos, o SMetal está recebendo inscrições para a Colônia de Férias, que fica de frente para o mar e que passou por reforma recentemente. Os períodos que podem ser aproveitados pelos associados e dependentes são: de 6 a 10; de 13 a 17; de 20 a 24 e 27 a 1 de julho. Mais informações pelo (15) 3334-5400.

Folha Metalúrgica nº 903  

2ª edição de Maio de 2018

Folha Metalúrgica nº 903  

2ª edição de Maio de 2018

Advertisement