Page 1


Futuro #44 #45 #42 #16 #67 #13 Ă“leo queimado sobre papel, 100x70cm, 2016


Futuro #63 #61 #43 #8 #59 #65 Ă“leo queimado sobre papel, 100x70cm, 2016


Borrão 1 #1 #2#3 Acrílico e óleo queimado sobre papel mata-borrão, montado em tubo acrílico, 50cmx25dim., 2015, Col. Fernando F. Ribeiro


Borrão 1 #4 #10 Acrílico e óleo queimado sobre papel mata-borrão, montado em tubo acrílico, 50cmx25dim., 2015, Col. Fernando F. Ribeiro


Borrão II #3 #5 #6 Acrílico sobre papel mata-borrão, 70x50 cm, 2015


Borrão II #2 #1 #4 Acrílico sobre papel mata-borrão, 70x50 cm, 2015


Desenhos de Castigo (frente) #1 (27x22,5cm), #2 (30x25,9cm), #3 (30x25,7cm) Óleo, acrílico, carvão e cola sobre madeira com perfil de cartão agrafado, 2016


Desenhos de Castigo (verso)


Desenhos Forrados #3 #12 #8 #16 #13 #14 Pastel, grafite, agulha e cola sobre cartolina e papel vegetal, 30x20,5cm, 2016


Desenhos Forrados #1 #17 #9 #7 #6 #4 Pastel, grafite, agulha e cola sobre cartolina e papel vegetal, 30x20,5cm, 2016


Trabalho de ChĂŁo #2, #1, #3 Cola spray, pigmento e tinta sobre papel, 59x42cm, 2015


Trabalho de chĂŁo #4 (100x70cm)#5 (57,5x42cm) #6*(30,5x27,5x4cm) Cola spray, pigmento, grafite e tinta sobre papel ou madeira*, 2015


Preparar papéis #1 Base fixa , Pastel seco e grafite sobre papel, 59,5x42cm, 2015 #2 Muito bons papéis com maus desenhos, Duraglit sobre papel com inscrições de cobre e grafite, 70,5x50cm, 2015 #3 Bons papéis com maus desenhos, Duraglit sobre papel com inscrições de cobre e grafite, 70,5x50cm, 2015


Preparar papéis #5 Prado, Papel com marca de água “PRADO” furado pelo caruncho colado sobre papel veludo 69,5x 49,5cm, 2015 # 4 Preparar papéis para o futuro, um virtuosismo des-com-pensado, Papel 80g colado sobre papel de veludo, 69,5x49,5cm, 2015


Um Excerto, #4 Spray sobre papel furado, 42x29,5cm, 2015 #5 Um dia cortamos com tudo e vamos só passear ao Mundo, (díptico), Grafite, tinta, caneta sobre papel raspado e colado com inscrição em capa de caderno colada, 100x145cm, 2015


Um Excerto #1#2 #3 Grafite sobre papel, 42x29,5cm, 2011


O bรกsico #1 #2 #3 Tinta da china, pรณ de grafite e pastel seco sobre papel, 65x50 cm, 2015


O bรกsico #4 #5 #6 Tinta da china, pรณ de grafite e pastel seco sobre papel, 65x50 cm, 2015


Plano de Decalque Pastel seco e carvĂŁo prensado sobre papel, 2017 #1 (matriz), papel 150g, 140x100cm #3 (cĂłpia), papel 200g, 150x100cm #5 (matriz), papel 150g, 140x100cm


Prelúdio #2, Pastel seco e carvão prensado sobre papel 150g, 210x140cm, 2017 Plano de Decalque #1 (cópia), Pastel seco sobre papel 200g, 150x100cm, 2017 Prelúdio #4, Pastel seco e carvão prensado sobre papel 150g, 210x140cm, 2017


Free Time I’ll start by stating that I’m not in the mood. I’m not in the mood for anything. I don’t approach nor invest in anything at all. I slowly slide through days cursing the tasks and the effort they put me through (which is even worse). This is the painful multiplication of effort. This human invention only demonstrates the need to fill in time, to stuff if like a spicy sausage, to press it, to squeeze it in different time tables! We don’t have time for anything. We need time, so much! Nevertheless, I almost reach silence. And then I ask myself: why do I take silence for void? Why do I mistake everything? And, most relevant: how long does all this will take me? My head is hollow and I truly believe that. I believe that the void fits it in. I ignore for a second any kind of safe arbour. And suddenly, there is a frightening freedom, an epiphany of nothing. There is no tension without breathing. And breathing sometimes is boring - as everything else, by the way. But because we want to release the tension, we end up by breathing. It’s inevitable. An inevitability that was forced on us and – I hate to recall it – an inevitability that jumps at my mouth at every moment. I’m speaking for myself, obviously. I usually burst through bars. Bursting through bars is like bursting through memory. And, oh, how I hate going through memory all the time! I search for people that match my memories – the tones, something harmonious that unmakes the simple clumsy fog that my abilities and my art courses allow me. I disappoint everybody. And I disappoint myself. And I stop believing constantly. After all, it is true: there is an indigent condition for rebellion and fading – and you need to be in the mood for it. And yes: I believe in all the gods. I have that connection. I wish I could call it a gift. But I have no miracles to present. I believe in a genuine and transparent connection – naïve to the point of judging that getting near to books will make me more wise or that entering a church will make me a more pious and merciful being. I convince myself that there is evil here. I cannot say much about it. But that’s the direction I take: to bleed the animal without guilt or hesitation. There are some basic parts that we don’t cut because they have no commercial value. They don’t feed. I’m, as you can tell, a butcher that regrets having stolen peaches, that regrets to having run on the roofs, having broke windows to steal laces – just for the pleasure of stealing. We were, even then, fed up with sensitivity. School was far and distant. School were the older, always winning at all games. I prefer to be alone, vigilant, running to the school of nests in order to kill birds – always quiet; running to the backyards to built unstable houses; running to the heels of animals. Waiting. Today, I’m a salesman. If only I knew. I know this is not the way one defends oneself. None of this has social resonance. It is not adventurous. It does not incite bravery – but it is the way I found to jump away from the merry-go-round – a difficult exercise that brought me many bruises. I bring them all. I have inclusively made a rotary, with no interest whatsoever, unworthy of readable prose. We keep on launching ourselves in time until we reach a certain age. And then time takes care of us. And, oh, how do I fight it! How I try to ignore the way I get the chills every time I can get away from it all and reach a level of concentration where everything seems to tingle around me, moving me. It is important to depart from this minor basis. It is important to depart from that worldly platform that encompasses all. Even tough, I do recognise that some possibilities are juicier and others are more indigest. We have to feed ourselves and, fortunately, there is no lack of food. That’s what I always say to my customers. At butcher’s conventions we don’t talk much. We don’t talk much about this, the quality of the work (that’s how they call it), its provenience and its maker... but when the noise is too much, I leave. Now they use microphones and amplifiers and I stopped going to these conventions. I don’t want to. It became unbearable to go to these butcher conventions. I restrict myself to grains. I prefer the primitive to the beautiful. Children are ridiculous. We give them everything and they take it. I will not say that I was born older – but I was born suspicious. I’m certain that this has spared me to a lot of things in my life, that it prevented me from many fantasies. It has dried my happiness. Is there a more ridiculous thing that the joy of children? Everything is fake! Even age – that only counts when time is boring. Before that, nothing counts and that’s no mystery. It’s a physical transformation, fattening, and secretion. We should despise without adjectives in a seminal state. I do recognise: my flesh is dry. Not because I’m dehydrated, but because it has no joy! I dwell in sadness.

Therefore: Flies attack my pieces of work: the loins, the flank, thighs, bacon. I exasperate but I don’t kill them. I spend all the time waving the air. If we wave the air, it is well known, flies get confused. We forced them to multiple trajectories. Their rest, flavouring and posture, fundamental aspects of their existence, become questioned. I’m sure that this action demotivates them. It leaves them without a goal until they opt for a less agitated solution, a more stable solution, and search another place, another solution. I loose many clients when flies appear. They all dispute the same solution for satisfaction and they are all contrary to any kind of share. Thus, I wave the air all the time. During one of these appearances, during one of these casual meetings among species, the discussion was focused on an exhibition. In the exhibition venues gender, species or evolution is not important. Maybe… It is not important the hierarchical relation. For instance, a large part of animals produces a sound that it is not music. But I don’t know anything about that. But I respect it. I always love to mention nature, to try to describe her – she is so wide that she doesn’t complaint about anything. Or maybe not... No text can sadden her – she can take it. At this so called exhibition, each one verbalized accordingly to what they reasoned. The visual field disappears slowly but, notwithstanding that slowness, it is not possible to apprehend everything it is within it. From the words of the animals that agitate in its cages to the domestic people that sleep in the fringes of tasks and to the big tattooed bullies that parade themselves. Long live exhibitionism! Hurray. Now, the flies, speak: ... I do my judgements superficially. But, contrary to what it used to happen, now I don’t forbid myself of verbalizing them. I dig permanently in the lexical cave in order to elaborate them, in order to feed them – as if it was a technical proposition. As I go further, the light disappears. Is it worthy to go through a path like this? ... the paragraph is the format that I know best. It seems that only through paragraphs I’m able to think. In the meanwhile, I clean my hands on my trousers – I have nothing to do with that – I shake my shirt, I tie my shoe laces – but I’m not on time. I have no emotional clarity. I have only random desires and aspirations that never go beyond – voices that never reach more than an incomplete paragraph. ... I wanted to travel but my routine doesn’t allow me to evaluate destinations. Papers absorb my attention completely. I have several on going investigations and once I don’t establish priorities, everything piles up. Thus, I have my own Himalaya, my own Everest, my own Andes... Do I manipulate temperature? No. Airconditioned runs away my control and blows my imagination. It breaks the serious possibility of my travel, of my wondering. I’m very sensible to climate change. ... our resistance is sufficient. Our self-criticism is not powerful. In stead of corroding, it amuses. If it doesn’t serves, it destroys. It’s an illustrated revolution on paper. ... my childhood is always tormenting me, saving episodes. I have no aversion or regrets about it – but its cage resemblance puzzles me – a cage where some bad boys live together. They snap fragments, each with its own intensity. They hit the ground with a contradictory smoothness. I dedicate much time to these observations. I try to register them, but it is a vain attempt and my grief becomes unbearable for days. ... I start to draw and to write around it until they all disappear in the middle of words, in the middle of written things. I take this as a sign that something is about to happen, a sign that everything is and will be incomplete. ... I promise to be brief. A compromise. I have left the shame that hold me behind a bit and I am not complaining. I have established a pact: I will go to the streets in order to swallow things. I will join the circus, I will show abilities. I have left shame and I copy and spread ads – exotic and rational animals... dysfunctional human animaloids. I keep copying drawings, a long graffiti since 1975, often inconsequent and superficial. But the absence of shame means more than that. I cannot stand to say whatever it is to me. Therefore, I go alone into the crowds and scream (hating it all, and, oh, how do I hate crowds!). In the middle of a crowd all my dreams begin. No fear apart from the evident anguish of being in the middle of a crowd. Part of my thoughts release and become autonomous. It escapes any kind of constraints or, we might say, it finds an escape from where it flourishes a written drawing – a drawn word. ... deep inside, I already recognise the same condemning voices, the same censorial grunts, the same crushing grin of demanding. The fear that then invades me makes me throw everything on the ground, including my body. My body that follows the crowd and that has escaped in the brevity of fear. I dig a hole with no rocks, with no obstacles. From that moment on, I will be able to think: to think and to decide for the creation of sculpture – to kill first in order to create afterwards, to announce the burial in order to exalt the birth. Air takes imperfection away – it asks nothing.

Horas Vagas Começo por dizer que pouco me apetece. Pouco me apetece tudo. Não me abeiro de nada nem invisto em nada. Escorro lentamente pelos dias maldizendo as tarefas e o esforço que é ter que chegar até elas – coisa que é infinitamente pior. É a multiplicação desgostosa do esforço. Denota tão somente esta invenção humana a necessidade de preencher o tempo, de o encher como a um chouriço – prensar, apertar sucessivos horários, esmifrar! Para tudo nos falta tempo, tanta falta nos faz o tempo. Ainda assim, quase chego ao silêncio. Mas pergunto-me: por que confundo o silêncio com o vazio, por que confundo coisa de nada com coisa nenhuma e, mais uma vez, quanto tempo demora isto tudo? Tenho a cabeça oca e acredito piamente que é assim, que o vazio cabe lá dentro. Ignoro por instantes qualquer ancoradouro, qualquer ponto de amarra. E eis que surge uma liberdade assustadora, uma epifania do nada. Não há tensão sem respiração e a respiração por vezes aborrece um pouco, como tudo o resto, aliás. Mas como desejamos aliviar a tensão, acabamos por respirar – uma inevitabilidade! Uma inevitabilidade a que nos votaram e que – odeio relembrar – a todo o momento precioso me salta à boca. Falo por mim, claro. Tenho por hábito irromper pelos cafés. Irromper pelos cafés é como irromper pela memória – e o quanto me irrita estar sempre a pular na memória! Procuro as pessoas correspondentes, os tons, os timbres, qualquer coisa de harmonioso que desfaça a neblina tosca e primária que as minhas capacidades e os meus cursos de artista me permitem. Desaponto-me e desaponto todos; e desacredito permanentemente. Afinal é verdade, existe uma condição indigente de rebeldia e desfalecimento para a qual é necessário estar predisposto. E sim: acredito em todos os deuses, tenho esse vínculo. Gostaria de lhe chamar dom – mas não tenho milagres – acredito numa conexão transparente e genuína, ingénua ao ponto de julgar que aproximar-me de livros é tornar-me sabedor de assuntos ou que entrar numa igreja me transforma num ser misericordioso e bom. Convenço-me da maldade que por aqui existe, ou que é pensada. Pouco conseguirei dizer sobre ela, mas é essa a direcção que tomo: sangrar o bicho sem qualquer culpa ou hesitação. Existem as partes básicas que dispensamos ao corte porque não valem comercialmente, não alimentam. Como se percebe, sou um talhante, um carniceiro, um facínora que lamenta ter roubado alperces, ter corrido acima dos palheiros a partir telhas, ter arrancado as cavilhas das janelas para roubar umas rendas, só por roubar – pois de sensibilidades estávamos já nessa altura fartos. A escola estava longe e fria, a escola eram os mais velhos sempre a ganhar no prego. Eu preferia estar sozinho, vigilante, correndo à escola dos ninhos a matar a passarada – sempre calado – correndo às traseiras das casas a armar precários casebres, correndo aos calcanhares dos animais à espera. Hoje em dia estou para as vendas, pudesse eu imaginar então! Sei que não é assim que uma pessoa se defende. Nada disto tem eco socialmente. Não é aventureiro, não exalta a coragem, mas é a forma que encontrei para saltar do carrocel. Exercício difícil, que trouxe muitas mazelas e pancadas no esqueleto. Trago-as todas. Fiz inclusive um roteiro, manifestamente sem interesse, indigno de prosa capaz. Vamo-nos lançando ao tempo até que chega uma certa idade e ele toma conta de nós. E como eu luto contra isso! Como eu tento ignorar a maneira como me arrepio de cada vez que me consigo abstrair de tudo e atingir um tal grau de concentração que tudo parece tilintar em meu redor, comovendo-me. É importante partir dessa base menor. É importante partir dessa plataforma mundana que tudo alberga. Mesmo assim reconheço que existem possibilidades mais suculentas e outras mais indigestas. Temos que nos alimentar e, felizmente, o alimento não nos falta. Estou sempre a falar disto com os meus clientes. Nas convenções dos carniceiros também se fala muito disto, da qualidade das obras – que é como lhe chamam – da proveniência e do criador... mas quando o barulho é muito vou-me embora! Agora usam microfones e amplificadores e nunca mais fui. Não quero, tornou-se insuportável ir às convenções de carniceiros. Limito-me aos grãos. Prefiro o primitivo ao bonito.


As crianças são ridículas. Damos-lhe tudo e elas aceitam. Não vou dizer que nasci mais velho, mas nasci já desconfiado. Tenho a certeza que isto me poupou a muitas coisas na vida, que me livrou de muitas fantasias. Secou-me a alegria. Há coisa mais ridícula que a alegria das crianças? Tudo é falso! Até a idade que só conta quando o tempo aborrece. Antes disso nada conta e não é mistério nenhum. É transformação física, engorda, secreção. É em estado larvar que deveríamos desprezar sem adjectivos. Reconheço: a minha carne é seca, não por estar desidratada, mas por lhe faltar alegria. É da tristeza que me ocupo. Por isso: as moscas atacam-me as peças, os lombos, as entremeadas, as coxas, os toucinhos. Exaspero mas não as mato. Passo o tempo a agitar o ar. Se agitarmos o ar, é sabido, as moscas ficam confusas. Obrigamo-las a múltiplas trajectórias. O seu repouso, degustação e postura, aspectos fundamentais da sua existência, ficam postos em causa. Tenho a certeza que essa acção as desmotiva, deixa-as sem nexo e objectivo, até que optem por uma solução menos agitada, mais estável e procurem outro local, outra solução. Perco muitos clientes quando as moscas aparecem. Todos disputam a mesma solução de satisfação e são ambos completamente avessos a qualquer partilha. Passo o tempo a agitar o ar. Numa dessas aparições, num desses encontros casuísticos entre espécies, a discussão centrava-se numa exposição. Nos locais de exposição não interessam os géneros, as espécies nem a evolução. Ou talvez... Não interessa a relação hierárquica, por exemplo, a grande maioria dos animais produz um som que não é música... Mas eu disso nada sei... mas respeito... gosto sempre de referir a natureza, de tentar descrevê-la... é tão vasta que de nada se queixa... ou talvez não! Nenhum texto a consegue entristecer – ela aguenta! Na dita exposição, verbalizavam de acordo com o que reflectiam: – O campo visual desfaz-se lentamente mas mesmo com essa lentidão não é possível aprender tudo o que nele está contido, das palavras aos animais que se agitam nas gaiolas aos domésticos que dormitam nas frestas das tarefas, aos latagões tatuados que se exibem, viva o exibicionismo! Viva! Agora vão falar as moscas: ... faço os meus julgamentos superficialmente. Mas ao contrário do que sucedia, não me escuso a verbalizá-los. Esgravato permanentemente na gruta lexical para os elaborar cada vez mais, para os sustentar – como se fosse um parecer técnico. Mas à medida que avanço, a luz desaparece. Será que vale a pena um caminho assim tacteado? ... o parágrafo é o formato que melhor conheço, Parece que só assim é capaz de discorrer um muito mitigado pensamento, aos supetões, aos sobressaltos. Pelo meio limpo as mãos nas calças – não tenho nada com isto – sacudo a camisola, ato o laço do sapato – mas não chego a tempo – não tenho clareza emocional. Só tenho desejos dispersos e aspirações que nunca vão para lá. Vozes que nunca chegam a mais do que um paragrafo esforçado e incompleto.

Hífen & Horas Vagas Rui Horta Pereira agradece a Rosa, Vasco e Isabel Aboim Inglez, Mª Fátima e João Pereira, Rute Pereira , Nuno Miranda, Dom José de Mascarenhas, Isabel Vaz Lopes, Filipe Benjamim Santos, Sérgia Bettencourt Martins, Hugo Pereira Hilário, Pedro Gonçalves, Paulo Esperança, Carlos Faísca, Equipa CAC, Rui Macedo, Margarida Prieto, Manuel Rosa (Documenta), Rui Oliveira (Maiadouro), Fernando Martins, Miguel Bandeira Duarte, Fundação das Casas de Fronteira e Alorna, Câmara Municipal de Ponte de Sor, Centro de Artes e Cultura de Ponte Sor.

... queria viajar mas a rotina impede-me de avaliar os destinos. Os papéis absorvem por completo a minha atenção. Tenho várias investigações em curso e como não estabeleço prioridades, tudo se acumula. Então, tenho um Himalaia, um Evereste só meu, uns Andes... Manipulo a temperatura?! Não! O ar condicionado foge ao meu controlo e rebenta com o meu imaginário. Quebra a séria possibilidade da minha viagem, da minha deambulação. E eu sou muito sensível às alterações climáticas... ... a nossa resistência não está a ser suficiente. A nossa autocritica não é poderosa. Em lugar de corroer, graceja. Se não serve, destrói; uma revolta ilustrada em papel, sem qualquer convicção... ... a minha infância está sempre a atormentar-me, resgatando episódios. Não tenho nenhuma aversão ou má relação com ela mas a sua aparência de jaula intriga-me imenso. Uma jaula onde coabita uma rapaziada má cujo objectivo principal para a existência é a maldade! Estalam fragmentos, cada um com uma intensidade própria, que atingem o chão com uma contraditória suavidade. Dedico muito tempo a estas observações, Procuro registá-las, mas a tentativa é vã e o meu desgosto torna-se insuportável durante dias. ... começo a fazer desenhos e a escrever em seu redor até que desapareçam no meio das palavras, no meio das coisas escritas. Tomo isto como um sinal que algo está para acontecer; que tudo está e é incompleto e que é preciso compor. ... prometo ser breve. Um compromisso. Deixei a vergonha que me tolhia um pouco e não vou queixar-me – estabeleci um pacto: vou para a rua engolir coisas. Dar início ao circo, mostrar habilidades. Deixei a vergonha e vou copiando e espalhando os anúncios – animais exóticos e racionais... humanos animalóides disfuncionais. Vou copiando desenhos, um grafito extenso desde 1975, muitas vezes inconsequente e sem profundidade. Mas a falta de vergonha não fica por aqui. Já não suporto dizer o que seja a mim próprio. Por isso, vou para as multidões e só no meio delas, detestando-as (e como eu as detesto!), grito! No meio da multidão, iniciam-se todos os meus sonhos, sem nenhum receio, a não ser a angústia evidente de estar no meio da multidão. Uma parte do meu pensamento liberta-se e ganha autonomia, foge a todo e qualquer constrangimento ou, poder-se-ia dizer, encontra uma fuga, uma escapatória de onde brota um desenho escrito – uma palavra desenhada. ... ao fundo já reconheço as mesmas vozes repreendedoras, os mesmos grunhidos censórios, os mesmos esgares esmagadores da exigência. O medo que então me invade faz com que atire tudo para o chão, incluindo o meu corpo que vai no arrasto da multidão e que se evadiu na brevidade do receio. Escavo um buraco que não encontra pedras, que não se detém em obstáculos. A partir desse momento poderei pensar... Pensar e decidir pela criação da escultura. Matar primeiro para criar depois. Anunciar o enterro para exaltar o nascimento. O ar leva a imperfeição, não lhe pergunta nada...

Hífen & Horas Vagas são dois projectos expositivos desenvolvidos a convite da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna. Autor Rui Horta Pereira Fotografia Bruno Lopes, Isabel Aboim Inglez Design Carlota Flieg Tradução e Revisão Raquel Fernandes e Rui Pina Coelho Edição Rui Horta Pereira, Documenta, Câmara Municipal de Ponte Sor Tipo de Letra DTL Documenta Papel Munken Lynx Impressão Gráfica Maiadouro Tiragem 360 exemplares ISBN 978-989-8834-70-6 Depósito Legal 425878/17

Ponte de Sor, maio de 2017