Page 1

Contas Nacionais Trimestrais

Maio de 2018

1º Trimestre de 2018

No 1º trimestre de 2018, a economia brasileira, segundo dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, registrou crescimento de 0,4% (com ajuste sazonal) em relação ao trimestre anterior. Na comparação com o 1º trimestre de 2017, verificou-se crescimento de 1,2%. No acumulado de quatro trimestres (taxa anualizada), o PIB registra crescimento de 1,3% em relação ao ano anterior. (Ver gráfico abaixo). Para todo o ano de 2018, a previsão do mercado (Relatório Focus) é que o PIB apresente crescimento de 2,37%.

Sob a ótica da demanda, no acumulado de 12 meses terminados no 1º trimestre de 2018, o Consumo das Famílias cresceu 2,1%, ante a redução de 3,3% em igual período de 2017. O Consumo do Governo (Despesa de Consumo da Administração Pública) registrou queda no período em análise (-0,6%, contra -0,1%). A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) apresentou queda menos acentuada (-0,1%, contra -6,8%). As Exportações de Bens e Serviços registraram resultado positivo de 6,2% e as Importações de Bens e Serviços apresentaram crescimento de 4,6%, contra decréscimo de 2,6% em 2017.

SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

1


Do lado da oferta, a Agropecuária apresentou crescimento de 6,1% e a Indústria crescimento de 0,6% no período. Entre as atividades industriais, Indústria de Transformação, Extrativa Mineral e SIUP (Eletricidade, Gás, Água, Esgoto e Limpeza Urbana) obtiveram crescimento de 2,8%, 1,6% e 0,1%, respectivamente, enquanto a Construção Civil permaneceu em queda (-3,9%). O setor de Serviços registrou crescimento de 1,0% no período, ante queda de 2,1% em 2017, influenciado positivamente pelo resultado do Comércio (3,4%).

SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

2


O PIB no 1º trimestre de 2018 (a preços de mercado) alcançou R$ 1.641 bilhões, sendo R$ 1.400 bilhões referentes ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 240 bilhões aos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios. Considerando o valor adicionado a preços básicos, notase que a Indústria perdeu participação relativa, passando de 21,1% para 20,8%, no período em análise. O setor de Serviços ganhou participação no PIB, 71,9% nos anos de 2017 para 72,5% em 2018. A Agropecuária perdeu participação relativa no PIB, passando de 7,0%, em 2017, para 6,7% em 2018. Quanto ao desdobramento do PIB pelos componentes da demanda a preços de mercado (inclusive impostos), o Consumo das Famílias totalizou R$ 1.046 bilhões, o Consumo do Governo R$ 305 bilhões e a FBCF R$ 263 bilhões (16,0% do PIB, contra 15,5% em 2017). As Exportações e as Importações de Bens e Serviços alcançaram R$ 210 bilhões e R$ 208 bilhões, respectivamente, enquanto a Variação de Estoques positiva em R$ 24 bilhões no 1º trimestre de 2018. O resultado do PIB no 1º trimestre de 2018 registra um processo de recuperação tímida da economia brasileira. No acumulado de 12 meses, este é segundo resultado positivo após uma sequência de onze quedas. Assim como o segmento agropecuário, o consumo das famílias, manteve trajetória de recuperação e contribuiu positivamente para o bom resultado da atividade econômica. Mesmo com o resultado favorável, aliado às expectativas positivas de crescimento em 2,37%, projetados pelo mercado (Relatório Focus, 25/05), a ocorrência da greve dos caminhoneiros e suas derivações políticas passa a trazer dúvidas quanto a capacidade de retomada mais robusta da economia, dado os prejuízos incalculáveis gerados pelo movimento e seus efeitos sobre as expectativas.

SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

3

Nota Técnica - PIB 1º trimestre de 2018  

Nota Técnica - PIB 1º trimestre de 2018

Nota Técnica - PIB 1º trimestre de 2018  

Nota Técnica - PIB 1º trimestre de 2018

Advertisement