Page 1

Informativo do Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba # 241 | outubro 2017 | Gestão "Fortes com a Base - Só a Luta Muda a Vida¨ |

escola sem filtro

Magistério dá continuidade à resistência em conjunto com a comunidade escolar para barrar ataques e lutar por uma educação pública de qualidade págs. 4 e 5

es r o s s e f o r P e de a s lt Fa o d a z i r desvalo rregados investimentos Contrataçõeass sobreca à conta-got Licenças Aposentadoria cortadas em risco Falta de profissionais

Onda de assaltos Comunidade escolar se organiza para combater a violência nas escolas

Eleição de diretores pág. 3

A gestão democrática vai pág. 6 além do voto

7º Baile dos Professores Participe e dê um novo ânimo para nossa luta diária! pág. 8


2

| # 241 | outubro 2017

prestaÇÃo de contas

SALDO ATUAL SALDO BANCÁRIO CAIXA INTERNO FUNDO DE GREVE APLICAÇÃO PARA COMPRA DA SEDE TOTAL

149.672,20 12.803,71 967.088,41 1.407.500,00 2.537.064,32

* Em maio e julho, a direção liberada do SISMMAC efetuou em seus salários os mesmos descontos sofridos pelo conjunto da categoria e repassou os valores para o Fundo de Greve. Após o ganho da liminar, dinheiro foi devolvido aos diretores nos meses de maio, junho e julho.

* O apoio a outros movimentos faz parte da política aprovada no último Congresso do SISMMAC. A contribuição mensal de 6,2%, que antes era destinada à CUT, passou a ser utilizada como apoio financeiro para movimentos que atuam de acordo com os princípios da organização por local de trabalho, formação política, autonomia em relação a partidos políticos e independência frente a patrões e governos.

Tabela de Vencimentos do Magistério de Curitiba - Abri/2016 (reajuste de 10,36%) A

Parte Especial

O

magistério está em movimento desde o mês de agosto, quando lançamos a campanha Escola Sem Filtro, para levantar os principais problemas que afetam diretamente o trabalho pedagógico nas escolas. O objetivo da campanha é fortalecer a nossa resistência contra os problemas a partir dos locais de trabalho, denunciando a realidade no dia a dia do chão da escola. Ainda precisamos fazer esse diagnóstico em mais unidades para fazer um documento bem fundamentado e coerente que será entregue junto com a nossa Campanha Salarial que já está iniciando. Se a sua escola ainda não fez o levantamento, veja como e porque realizá-lo nas páginas 4 e 5 desse jornal. Várias escolas sofrem com casos de furto e vandalismo. Na Escola Municipal Irati, na regional do Cajuru, foram 16 assaltos desde o final do ano passado. Já a Escola Municipal CEI Augusto Cesar Sandino, na regional do Boa Vista, sofreu três assaltos em quatro dias. No último, os assaltantes usaram até o sistema de som da escola para amedrontar a vizinhança. Veja na página 3 como essas unidades estão se organizando para enfrentar o problema, com o apoio da comunidade! Além dos problemas vividos no chão da escola, continuamos sofrendo com ataques aos nossos direitos. A criação do CuritibaPREV foi aprovada na Câmara Municipal no dia 19 de setembro, com o apoio da bancada do tratoraço. Esse projeto privatiza a previdência de todos os servidores municipais. Leia na página 6 uma análise sobre o papel da eleição de diretores na consolidação da gestão democrática. As eleições devem ocorrer em novembro, mas até o momento o projeto com as alterações debatidas na comissão não foi enviado à Câmara Municipal. Neste mês, as professoras e professores sindicalizados receberão uma camiseta que estampa um dos maiores enfrentamentos vividos pela nossa categoria. A distribuição das camisetas faz parte da nossa campanha de sindicalização, lançada para divulgar a importância e o funcionamento do nosso Sindicato. Se você ainda não é sindicalizado, venha fazer parte do SISMMAC e fortaleça a luta em defesa de direitos! Seguimos FIRMES na luta!

DEMONSTRATIVO DE DESPESAS DE JULHO DE 2017 Informática Hospedagem/site/internet 691,00 Internet/Onda 22,10 Manutenção 350,00 Aquisições Equipamentos de Informática 5.604,69 Máquinas e equipamentos 3.746,00 Assessorias e Serviços Dieese 808,82 Honorários Advocatícios 8.403,24 Contabilidade 1.362,00 Fotocópias e autenticações 55,72 Locação copiadora 550,00 Serviços de entrega/motoboy 1.370,00 Empresa de segurança 123,06 Assinaturas 69,80 Auxílios Diretoria/alimentação 187,50 Diretoria/Transporte 246,50 Transporte/serviços internos 64,90 Correios 6.245,10 Energia Elétrica/COPEL 809,12 Encargos 31.292,97 Contribuição estatutária/CNTE 10.648,25 Sanepar 476,52 Eventos Reuniões, seminários e cursos de formação 12.997,48 Coletivo dos Aposentados 732,13 Conselho de Representantes 932,72 Campanha de Lutas 110.105,49 Eleições SISMMAC 38.751,84 Trabalhadores Salários e aux. transporte e alimentação 41.712,77 Férias 2.166,67 Assistência médica 10.959,66

Parte Permanente - Graduação

Magistério se manteve firme e engajado na reposição da greve

13º salário 792,29 Ajuda de custo para formação 650,00 Plano odontológico 549,64 Seguro de vida 248,17 Despesas médicas (acidente de trabalho) 1.350,00 Jurídico Gastos processuais 230,51 Sede Material de consumo/limpeza e conservação 4.236,88 Material de escritório 1.279,48 Manutenção e reparos 2.480,74 Aluguel/IPTU 10.845,50 Comunicação Diagramação/arte 5.950,00 Publicaçao de editais 130,00 Telefone VIVO 500,34 TIM 1.590,55 Internet Copel 369,90 Transporte Veículos Combustível 1.622,82 Veículos particulares: combustível/desgaste 1.656,45 Estacionamento/ESTAR 163,00 Manutenção 745,00 Seguro veículos 2.590,05 IPVA/taxas Detran 148,97 Tarifas Bancárias 35,00 Apoio a outros movimentos* Encontro Nacional de Estudantes de Pedagogia 1.800,00 Chapa 1 - Eleições Sinsep 3.000,00 Eleição dos Trabalhadores da Construção Civil de Limeira/SP 937,68 Chapa 1 - Eleição Metalúrgicos de Campinas 2.693,17 Aplicações Compra da sede própria 23.000,00 Devolução do desconto de greve para os diretores liberados* 1.150,28 TOTAL DESPESAS 362.232,47

174.082,94 1.339,62 1.010.697,90 1.384.500,00 2.570.620,46

DEMONSTRATIVO DE RECEITAS DE JULHO DE 2017 Mensalidades sindicalizados 285.027,32 Rateio eventos conjuntos 14.526,50 Desconto de greve dos diretores liberados (Fundo de Greve)* 382,81 Resgate Fundo de Greve 50.000,00 TOTAL RECEITA 349.936,63

Parte Permanente - Especialização

EM João Cabral de Mello Neto | SISMMAC

Saldo do mês de Junho/2017 Saldo Bancário Caixa Interno Fundo de Greve Aplicação para compra da sede TOTAL

Parte Permanente - Mestrado

Resistência no chão da escola prepara início da campanha salarial

Julho/2017

Parte Permanente - Doutorado

EDITORIAL

B

C

D

E

F

G

H

I

100

1.265,48

1.300,91

1.337,33

1.374,78

1.413,27

1.452,85

1.493,53

1.535,34

1.578,33

101

1.622,53

1.667,96

1.714,66

1.762,67

1.812,03

1.862,76

1.914,92

1.968,54

2.023,66

102

2.080,32

2.138,57

2.198,45

2.260,00

2.323,28

2.388,34

2.455,21

2.523,96

2.594,63

103-PME

2.667,28

2.741,96

2.818,74

2.897,66

2.978,79

3.062,20

3.147,94

3.236,08

3.326,69

104-PME

4.265,31

3.419,84

3.515,60

3.614,03

3.715,23

3.819,25

3.926,19

4.036,13

4.149,14

103

--

--

--

--

--

--

--

--

--

104

--

1.918,15

1.971,85

2.027,07

2.083,82

2.142,17

2.202,15

2.263,81

2.327,20

105

2.392,36

2.459,35

2.528,21

2.599,00

2.671,77

2.746,58

2.823,48

2.902,54

2.983,81

106

3.067,36

3.153,24

3.241,53

3.332,30

3.425,60

3.521,52

3.620,12

3.721,48

3.825,69

107-PMI

3.932,81

4.042,92

4.156,13

4.272,50

4.392,13

4.515,11

4.641,53

4.771,49

4.905,09

108-PMI

5.042,44

5.183,63

5.328,77

5.477,97

5.631,36

5.789,03

5.951,13

6.117,76

6.289,05

109-PMI

6.465,15

6.646,17

6.832,27

7.023,57

7.220,23

7.422,40

7.630,22

7.843,87

8.063,50

110-PMI

8.289,27

8.521,37

8.759,97

9.005,25

9.257,40

9.516,61

9.783,07

10.057,00

10.338,59

107

1.673,59

1.720,45

1.768,62

1.818,14

1.869,05

1.921,38

1.975,18

2.030,49

2.087,34

108

2.145,79

2.205,87

2.267,63

2.331,13

2.396,40

2.463,50

2.532,47

2.603,38

2.676,28

109

2.751,21

2.828,25

2.907,44

2.988,85

3.072,54

3.158,57

3.247,01

3.337,92

3.431,38

110

3.527,46

3.626,23

3.727,77

3.832,14

3.939,44

4.049,75

4.163,14

4.279,71

4.399,54

111-PMII

4.522,73

4.649,36

4.779,55

4.913,37

5.050,95

5.192,38

5.337,76

5.487,22

5.640,86

112-PMII

5.798,81

5.961,17

6.128,08

6.299,67

6.476,06

6.657,39

6.843,80

7.035,43

7.232,42

113-PMII

7.434,92

7.643,10

7.857,11

8.077,11

8.303,27

8.535,76

8.774,76

9.020,45

9.273,03

114-PMII

9.532,67

9.799,59

10.073,97

10.356,05

10.646,01

10.944,10

11.250,54

11.565,55

11.889,39

111

1.924,62

1.978,51

2.033,91

2.090,86

2.149,40

2.209,59

2.271,46

2.335,06

2.400,44

112

2.467,65

2.536,75

2.607,77

2.680,79

2.755,85

2.833,02

2.912,34

2.993,89

3.077,72

113

3.163,89

3.252,48

3.343,55

3.437,17

3.533,41

3.632,35

3.734,05

3.838,61

3.946,09

114

4.056,58

4.170,16

4.286,93

4.406,96

4.530,36

4.657,21

4.787,61

4.921,66

5.059,47

115-PMIII

5.201,13

5.346,76

5.496,47

5.650,37

5.808,58

5.971,22

6.138,42

6.310,29

6.486,98

116-PMIII

6.668,62

6.855,34

7.047,29

7.244,61

7.447,46

7.655,99

7.870,36

8.090,73

8.317,27

117-PMIII

8.550,15

8.789,56

9.035,67

9.288,66

9.548,75

9.816,11

10.090,96

10.373,51

10.663,97

118-PMIII

10.962,56

11.269,51

11.585,06

11.909,44

12.242,90

12.585,70

12.938,10

13.300,37

13.672,78

500

2.213,32

2.275,30

2.339,01

2.404,50

2.471,82

2.541,04

2.612,18

2.685,33

2.760,51

501

2.837,81

2.917,27

2.998,95

3.082,92

3.169,24

3.257,98

3.349,21

3.442,98

3.539,39

502

3.638,49

3.740,37

3.845,10

3.952,76

4.063,44

4.177,21

4.294,18

4.414,41

4.538,02

503

4.665,08

4.795,70

4.929,98

5.068,02

5.209,93

5.355,81

5.505,77

5.659,93

5.818,41

504

5.981,32

6.148,80

6.320,97

6.497,95

6.679,90

6.866,93

7.059,21

7.256,87

7.460,06

505

7.668,94

7.883,67

8.104,41

8.331,34

8.564,61

8.804,42

9.050,95

9.304,37

9.564,90

506

9.832,71

10.108,03

10.391,05

10.682,00

10.981,10

11.288,57

11.604,65

11.929,58

12.263,61

507

12.606,99

12.959,99

13.322,87

13.695,91

14.079,39

14.473,61

14.878,88

15.295,48

15.723,76

expediente Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba Rua Nunes Machado, 1577, Rebouças – Curitiba/PR, CEP. 80.220-070 Fone/Fax.: (41) 3225-6729 | Gestão “Fortes com a Base - Só a Luta Muda a Vida” | www.sismmac.org.br Regional Bairro Novo Liberada: Adriano Vieira Permanece em sala de aula: Luciana Kopsch Regional Boa Vista Liberada: Luana Crestani Permanece em sala de aula: Cristiane Bianchini

Dulce Chaves Gislaine Franco Regional Cajuru Liberada: Mariana Navarro Permanece em sala de aula: Ana Claudia Xavier Gabriela Dallago Juliana Zeni Ostroski

Regional Boqueirão Liberada: Wagner Argenton Permanece em sala de aula: Raquel Soares Luciana Kopsch Regional Matriz Liberada: Wagner Batista

Regional CIC Liberada: Viviane Bastos Permanece em sala de aula: Maria das Graças dos Santos Rosana Almeida Sheila Simonsen Cristiane Marques Arthur Zwolinski Prats

Regional Pinheirinho Liberada: Francielly da Silva Costa Permanece em sala de aula: Arthur Zwolinski Prats Regional Portão Liberada: Solange Moreira

Regional Santa Felicidade Liberada: Liliane Tsumanuma Permanece em sala de aula: Ariane Lopes Cristiane Marques Thayana Ribeiro da Cruz

Regional Tatuquara Liberada: Rafael Alencar Furtado Permanece em sala de aula: Gabriel Conte Marilu do Rocio Schwanke Rosana Almeida Aposentada Marisa Tchorney Guimarães

Equipe de Comunicação: Thaíse Mendonça (DRT 8696/PR), Dalane Santos (DRT 10051/PR) e Júlia Trindade Projeto gráfico, ilustração e diagramação: Ctrl S Comunicação (www.ctrlscomunicacao.com.br)


3

outubro 2017 | # 241 |

REALIDADE DA ESCOLA

SISMMAC

Quando a prioridade não é a educação pública, o espaço é preenchido pela

violência

Além do descaso da Prefeitura, as escolas municipais de Curitiba também enfrentam uma onda de assaltos e violência

O

último semestre foi de grandes perdas e de muito susto em várias escolas de Curitiba. A realidade, que não tem filtro de edição para ser mais bonita, fica claramente vulnerável e abandonada pela gestão Greca que, entre outros interesses, vê como prioridade apenas a retirada de direitos dos servidores e a precarização da educação pública.

Falta de segurança também é um problema social

Entre os fatos alarmantes está a falta de segurança, que ocorre desde o entorno até o interior do espaço escolar. Em agosto, segundo dados da própria Secre-

Mães e pais de alunos da Escola Municipal CEI Augusto César Sandino fazem panfletagem para denunciar o descaso da Prefeitura com os problemas da comunidade escolar

taria de Educação Municipal (SME), 505 escolas municipais de Curitiba foram assaltadas desde o início do ano. Entre os locais que sofreram invasões, estão o CMEI Conjunto Mercúrio e a Escola Municipal Irati, ambos no bairro Cajuru. No CMEI, que em apenas três dias foi assaltado duas vezes, foram levados televisores, rádios, cobertores, brinquedos e até os alimentos da dispensa também foram roubados. Já a Escola Municipal Irati, com os assaltos frequentes nos últimos meses, já teve oito televisores e até botijões roubados. Se por um lado temos uma crescente onda de desemprego, retirada de direitos sociais e pouca ou quase nenhuma politiArquivo

Estrago de um assalto na Escola Municipal Irati

ca social de prevenção, por outro, temos a violência aumentada proporcionalmente. Esses acontecimentos ocorrem regularmente quando um governo legisla a favor de poucos que têm muito em detrimento dos direitos da maioria que tem pouco.

Remediar o descaso com mobilização e luta

Nesse cenário em que escolas são arrombadas e assaltadas inúmeras vezes, também temos exemplos de resistência e mobilização. É o caso da Escola Municipal CEI Augusto Cesar Sandino que, em menos de quatro dias foi assaltada três vezes no mês de agosto. No período de 2016, a escola havia sido assaltada sete vezes. No mês de julho deste ano, a escola, por meio de alguns professores e professoras, se mobilizou e entregou panfletos para os pais, pedindo ajuda à comunidade para enfrentar o problema da violência. Após os assaltos subsequentes no mês de agosto, a SME “orientou” aos trabalhadores da unidade que não falassem mais sobre os arrombamentos e assaltos, sobretudo com a imprensa. Foi então que a própria comunidade, mães e pais dos alunos se mobilizaram e fizeram uma panfletagem denunciando o descaso da Prefeitura com os problemas enfrentados pela escola. É ou não é um grande exemplo de mobilização e da relação entre escola e comunidade que precisamos? O exemplo da EM Augusto Cesar Sandino traz uma inspiração da luta diária sobre o chão da escola: quando apresentamos a realidade enfrentada por trabalhadores da escola à comunidade, trazemos outros trabalhadores para o enfrentamento e a resistência. E isso é necessário ao entendermos que pertencemos a uma classe trabalhadora que possui problemas semelhantes, mesmo em diferentes espaços sociais. Em tempos sombrios, a união se faz necessária e somente a luta muda a vida!


4

| |##241 241| outubro | outubro 2017 2017

outubro outubro2017 2017| | # # 241 241 |

Data-base

Eu acredito na Luta! Campanha salarial buscará recuperação da inflação e melhoria nas condições de trabalho

S

e depender da Prefeitura, os servidores municipais podem ficar sem reajuste esse ano. Ao menos, foi isso o que o secretário municipal de Finanças, Vitor Puppi, afirmou no dia 27 de setembro, durante audiência na Câmara Municipal. Com a aprovação do pacotaço, a nossa data-base passou de 31 de março para 31 de outubro. Isso significa que a Prefeitura deveria pagar o reajuste no contracheque de novembro. É por causa desses ataques que estamos diante de uma segunda Campanha de Lutas em 2017. Ano em que a gestão Greca, ainda em seu início de mandato, atacou direitos sociais, como educação e saúde, da maioria da população trabalhadora da cidade. Com a aprovação vergonhosa do pacotaço na Ópera de Arame, Greca deu início à implantação de seu projeto de desmonte do serviço público da cidade. O congelamento dos salários e planos de carreira e o saque de R$ 700 milhões do Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Curitiba (IPMC) abriram caminho para novos ataques, como a terceirização da educação e saúde via Organizações Sociais e a aprovação do CuritibaPREV. Não é à toa que os serviços públicos são o principal alvo dos ataques. Ao economizar em direitos sociais, Greca garante a verba e o aumento de lucros e privilégios para empresários, banqueiros, parlamentares de sua base e comissionados. Esse é o objetivo do prefeito e de seus aliados.

Prefeitura ameaça dar calote no pagamento do reajuste Não aceitaremos mais esse ataque! Além de reivindicar que o reajuste seja pago em novembro, como determina a nova lei, também vamos cobrar a correção da inflação de abril até junho, que é quando a bancada do tratoraço aprovou a mudança da data-base.

Nossa Luta é pela Qualidade na Educação Pública

N

Com criação do CuritibaPREV, Greca coloca em risco nossa aposentadoria BoxA 1:criação Prefeitura ameaça dar na mesma do CuritibaPREV é inspirada estratégia usada pelas empresas estatais, como o calote no pagamento do reajuste

Correios e aessa Petrobras. Essasda empresas criaram rombos (ilustrar com manchete gazeta do nas contas no fundo de previdência público para depois povo, http://www.gazetadopovo.com.br/ vender a ideia de que previdência privada seria a única politica/parana/prefeitura-de-curitibasaída possível. Hoje, a previdência complementar nao-garante-pagamento-de-reajuste-adessas empresas apresenta rombos gigantescos e são servidores-735ntcru3g5rbcx10eai1ximh ) alvo de escândalos de má administração! NãoAaceitaremos mais ataque! Alémservidores, mas mudança atinge deesse imediato os novos deareivindicar que o reajuste seja pago perspectiva do prefeito e de sua turma é quebrar o IPMC empara novembro, como determina a nova que todos os servidores sejam obrigados a migrar lei,para também a correção da do nosso direito à o novovamos plano!cobrar Não vamos abrir mão inflação de abril Vamos até junho, que é defesa quandodoa IPMC! aposentadoria! à luta em bancada do tratoraço aprovou a mudança da data-base.

osso objetivo como professores é a qualidade na educação pública. E, como parte da classe trabalhadora, nosso objetivo maior é a melhora da qualidade dos direitos sociais básicos: educação, saúde, moradia, segurança para todos os trabalhadores. Para alcançar esses objetivos precisamos de um passo inicial: levantar os problemas da nossa escola. Mostrar para comunidade uma Escola sem Filtro para que as mães e pais saibam qual é a realidade da educação pública que seus filhos estão tendo acesso. Nesse processo, é preciso aumentar nossa união enquanto professores e também junto as mães e pais que defendem a qualidade na educação de seus filhos. Pois, só com o aumento do número de trabalhadores envolvidos nessa resistência será possível fazer frente a esse projeto elitista da gestão Greca.

Nossa resistência: Escola sem Filtro

A

lém das ações e atos feitos contra esses ataques e das ações jurídicas que estão em andamento, devemos reforçar nossa organização a partir dos locais de trabalho e para além deles.

O que devemos fazer nesse processo de resistência?

D

evemos centrar nossas ações na construção de uma maior união entre nós professores e com a comunidade com a qual trabalhamos. É o aumento dessa união que possibilitará o aumento de nossa resistência e luta contra esses ataques.

Como?

Levantar os problemas que passamos diariamente nas escolas e denunciá-los à comunidade com a qual trabalhamos. Juntar todos esses diagnósticos na construção de nossa Campanha Salarial de outubro desse ano e cobrar soluções da Prefeitura em um ato público. Construir com a comunidade escolar esse processo, inclusive o ato público, de defesa e recuperação da educação pública de Curitiba.

Para quando?

Para esse mês, quando estaremos em Campanha também pelo pagamento da nossa data-base.

Não é economia, é desmonte dos serviços públicos Mais de 400 professoras e professores tiveram as licenças-prêmio negadas em setembro desse ano. Para justificar, a administração diz que o corte foi uma economia necessária. Será mesmo? Segundo os dados da própria Prefeitura, a substituição desses profissionais por três meses custaria um total de cerca R$ 5,1 milhões. O valor é menor do que Curitiba gasta por mês com cargos comissionados. Só no mês de maio, foram gastos R$ 6,1 milhões com funções gratificadas e salários de ocupantes de cargos comissionados, preenchidos sem concurso público e por indicação política.

1,7

6,1

R$ milhões

R$ milhões

Custo mensal das

Gasto mensal com

443

licençasprêmio negadas

447

cargos comissionados

Garra do magistério na reposição dá o tom da Campanha Salarial

A

Prefeitura fez tudo o que estava ao seu alcance para tentar intimidar, perseguir e dividir as professoras e professores durante a reposição. Mas a nossa categoria não abaixou a cabeça e está dando um show de dedicação aos alunos e de compromisso com a luta em defesa da educação. Esses exemplos de garra e de união são fundamentais para a continuidade da nossa luta em defesa da educação e contra o desmonte dos serviços públicos! Firmes!

5


6

| # 241 | outubro 2017

Gestão democrática

Eleição de Diretores: é preciso ir

além do voto! C

abe a cada um de nós refletir não só em quem votar, mas nos perguntar o que é gestão democrática? Que escola nos é imposta e que escola queremos? Daqui pouco mais de um mês, em novembro, a eleição para as direções das escolas será realizada. Esse é bom momento para refletir qual é o papel da direção e também dos demais professores e professoras da rede, principalmente, em tempos de ataques aos nossos direitos.

Eleição ainda não é regra em Curitiba Em Curitiba, a prática de eleger diretores possui mais de 30 anos. A primeira consulta ocorreu em 1985 e, mesmo assim, somente em 2014 o município aprovou a primeira legislação que garante as eleições nas 185 escolas da rede. Nos mais de 200 CMEIs da rede municipal de ensino esse cenário ainda não é realidade. A direção dessas unidades é indicada pela Prefeitura. Essa situação também acontece com um terço dos diretores de escolas municipais de todo o país.

Eleição para direção das escolas acontecerá em pouco mais de um mês, mas essa não é uma realidade para toda a rede

A eleição garante a gestão democrática?

E o que você pode fazer diante desse cenário?

Há quem acredite que praticar a democracia é apenas exercer seu poder de voto. Nós, da direção do SISMMAC, vamos além e entendemos que a eleição de diretores é um passo para a construção de condições para uma gestão democrática. Uma definição que ainda é bastante frágil na rede. Isso ocorre, primeiro, porque nem todas as unidades possuem o poder de eleger a direção, como é o caso dos CMEIs e CMAEs. Segundo, porque temos um sistema hierárquico na administração. E, dentro desse sistema, há cargos comissionados, que recebem uma gratificação cinco vezes maior do que o salário de um professor, para cumprir o papel de chefia das direções de escola. Os chamados chefes de núcleo não são eleitos e não têm vínculo com a comunidade. Eles coíbem demandas e reivindicações das unidades e, muitas vezes, responsabilizam as direções das unidades para que realizem o repasse das políticas municipais, mesmo quando essas políticas são questionadas pelo conjunto da comunidade. Os conselhos de escolas e as assembleias de pais para debater os problemas estruturais e pedagógicos das unidades não são valorizados e nem incentivados pela administração municipal. E esse descaso com os problemas enfrentados no chão da escola é o terceiro fator que torna a gestão democrática tão frágil na rede municipal de ensino.

Em novembro, acontecerá mais uma consulta para a eleição de diretores das escolas da rede municipal. Já neste mês de outubro deve sair o edital com a convocação do processo eleitoral e, nesse meio tempo, ainda teremos algumas mudanças na lei 14.528/14. Esse será mais um momento para resistir no chão das escolas, avançar na democracia interna e enfrentar o discurso da administração de que somos nós os responsáveis por resolver os problemas estruturais e pedagógicos da unidade. Com esse discurso, a Prefeitura busca nos transformar em vendedores de rifas e pastel, pintores, pedreiros, eletricistas, marceneiros, assistentes sociais, psicólogos, contadores, dentre outros. Enquanto não nos unirmos junto com a comunidade para enfrentar a administração, reivindicar melhorias e denunciar os problemas da educação pública, a gestão Greca seguirá priorizando cargos comissionados e empresários que lucram com o nosso suor. É preciso darmos um basta no famoso jeitinho! A essência do Estado capitalista é tirar cada vez mais de nós, trabalhadores, e garantir o lucro de poucos. E a escola não está imune a isso, pelo contrário, existem políticas nacionais e internacionais propostas por empresários para que nossas condições de trabalho sejam cada vez mais precarizadas. Por isso, cabe a nós resistir. Firmes!


7

outubro 2017 | # 241 |

QUEM TE VIU, QUEM TE Vê O Diário de Classe possui a seção “Quem te viu, quem te vê”, que conta a cada mês a trajetória e história de vida de uma professora aposentada. A seção é um espaço para que essas trabalhadoras compartilhem suas experiências com o conjunto do magistério. SISMMAC

A descoberta de uma vocação Aparecida dedicou boa parte de sua carreira à educação especial, uma vocação que descobriu durante seu trabalho

A

parecida de Vitor Viaro nasceu em São Manoel do Paraná. É formada em pedagogia e ingressou na rede municipal de ensino de Curitiba no ano de 1981. Passou por escolas como CEI Maestro Bento Mossurunga e EM Francisco Hübert. Ela também teve a oportunidade de participar da fundação de novas escolas na época, como EM Sophia Gaertner e CEI Érico Veríssimo. Além de trabalhar na rede municipal, Aparecida teve um padrão na rede estadual por três anos. Durante esse período, uma diretora da escola na qual ela trabalhava notou como Aparecida tinha facilidade para lidar com crianças especiais e começou a incentivá-la para trabalhar mais ativamente na área. Com esse incentivo, ela fez um curso de pós-graduação em Educação Especial. “Sou muito grata por tudo o que essa diretora fez por mim. Graças a ela eu descobri a minha vocação para a educação especial”, lembra a professora. Desde então, Aparecida se dedicou à educação especial e começou a trabalhar em classes e em escolas especiais. Especialmente com alunos com síndrome de down e paralisia cerebral. Aparecida lembra bem de suas partici-

pações na luta contra a retirada de direitos. “Participei da greve dos 40 dias do magistério municipal de Curitiba. Estava lá entre as professoras e professores a todo vapor na praça Oswaldo Cruz e também no Clube do Operário”, diz. Ela era ativa nas atividades organizadas pela Associação do Magistério Municipal de Curitiba (AMMC), e deu continuidade ao seu envolvimento com a luta após a fundação do SISMMAC, em 1988. “Sempre fui representante da minha escola no Sindicato”. No total, Aparecida dedicou 27 anos de carreira à construção da rede municipal de ensino. Se aposentou de seu primeiro padrão em 1998 e participou dos primeiros passos do Coletivo de Aposentados do SISMMAC. No entanto, ela continuou trabalhando com a educação especial e se aposentou do segundo padrão em 2008. Sobre a sua vivência com o Coletivo, Aparecida ressalta a importância do grupo por fazer com que as professoras e professores aposentados mantenham contado com assuntos importantes. “Além das atividades e das amizades que fazemos aqui, somos informadas sobre pautas de interesse da categoria. Eu sempre incentivo as minhas colegas a participarem do Coletivo, pois vale muito a pena”.

Aparecida Viaro também foi uma das primeiras integrantes do Coletivo de Aposentados do SISMMAC

Quando deixou a sala de aula, Aparecida deu continuidade às atividades que ela já gostava, como a dança e seu trabalho voluntário na Pastoral Social do Portão. E, por conta dessa nova etapa de sua vida, ela também se permitiu descobrir uma nova paixão: viajar. “ Já viajei para países como Suécia, Holanda, Dinamarca e Canadá. É cansativo, mas muito bom para a mente. Não dá para se anular nessa fase da vida. É muito importante valorizar a própria liberdade”.

Se você é professor aposentado da rede municipal de Curitiba e ainda não participa do Coletivo de Aposentados do Sindicato, organize-se para acompanhar as reuniões que acontecem na última quinta-feira do mês, às 14h, na sede do SISMMAC! Esse é um espaço importante, que ajuda a manter a categoria unida e mobilizada mesmo após a sala de aula.

seminário

4º Seminário de Aposentados e Pré-aposentados acontece no dia 26 de outubro

N Seminário de Aposentados e Pré-aposentados de 2016

o dia 26 de outubro (quinta-feira), no mesmo dia do encontro do Coletivo de Aposentados, acontece o 4º Seminário de Aposentados e Pré-aposentados do SISMMAC. O evento vai promover palestras e debates durante o dia sobre temas como aposentadoria e saúde mental e física. A programação completa do Seminário será divulgada em breve pelo nosso site: www.sismmac.org.br. O Seminário ocorre anualmente no final do segundo semestre e tem o objetivo de criar um espaço de discussão e experiência para quem já deixou a sala de aula, além de tirar dúvidas de quem ainda está se preparando para a aposentadoria.

As professoras e professores que estão prestes a se aposentar devem fazer a atualização cadastral no site do SISMMAC (www.sismmac.org.br) para receber o Jornal Diário de Classe em casa!


8

| # 241 | outubro 2017

Informe-se

Faça parte do SISMMAC, sindicalize-se!

A

sua participação na construção do SISMMAC é muito importante para o conjunto do magistério. O crescimento da nossa força e da nossa capacidade de reivindicar avanços em nossos direitos está diretamente ligado ao aumento do número de professores sindicalizados. Por isso, faça parte do SISMMAC e fortaleça a luta de todo o magistério em defesa de direitos! Os princípios que orientam as ações do SISMMAC já são conhecidos do magistério e foram aprovados pela categoria em Congresso: trabalho de base, formação política, autonomia de partidos políticos, independência de patrões e governos e solidariedade de classe. Além de fortalecer as lutas do próprio magistério, ao se filiar ao SISMMAC, você também apoia os enfrentamentos do conjunto da classe trabalhadora na construção de um projeto de sociedade emancipada, livre e solidária. Venha fazer parte dessa história. Firmes, professores!

Como se sindicalizar Todos os professores, ativos ou aposentados, podem se filiar ao SISMMAC; Basta preencher e assinar a ficha de sindicalização e enviar ao Sindicato; Ao se sindicalizar, você autoriza o desconto de 1,1% de seu salário por mês para o SISMMAC; Quem tem dois padrões na rede pode optar por se sindicalizar nas duas matrículas.

no cotidiano . .. a i d l e b e r a en

firmes, res!

pro7fesso

baile do professor º

21 de outubro | 22h

Paraná clube

Av. Pres. Kennedy, 2377

| Banda Orbital

Para entrar na festa com um convidado, você terá apenas que apresentar sua carteirinha e um documento com foto. Os sindicalizados poderão adquirir mais convites na sede do SISMMAC ao custo de R$20. Os ingressos são limitados.

realização:

|

choque

Diário de Classe - Outubro de 2017  

Jornal Mensal do Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba