Revista SINDIPI nº 75

Page 1

FECHAMENTO AUTORIZADO, PODE SER ABERTO PELA ECT.

Revista edição n° 75 Novembro / Dezembro de 2020

Sindicato dos Armadores e das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região

SINDIPI

Lança Manual de Boas Práticas inédito no Brasil Retrospectiva 2020

Entrevista com Patricia Serafini

Relembre revisões e mudanças Normativas



Índice

04

05

Palavra do Presidente

SINDIPI lança Manual Inédito no Brasil

09

14

Entrevista com Patricia Serafini

Malha Miúda

23

26

Retrospectiva 2020

SINDIPI no Radar

Expediente Jornalista responsável Jéssica Martinez Feller (SC 3670/JP) comunicacao@sindipi.com.br Diagramação ED Creative Studio Coordenadoria Técnica Luana Arruda Sêga, Luiz Carlos Matsuda

Revisão / Correção Sérgio Eduardo Feller Comercial atendimento@sindipi.com.br Tiragem 1.000 Todos os direitos reservados. É proibida sua reprodução total ou parcial. A produção da revista não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios

e mensagens publicitárias. Sindicato dos Armadores e das Indústrias de Pesca da Itajaí e Região. Rua Lauro Muller, nº 386 Centro / Itajaí (SC) CEP: 88301-400 / Fone: 47 3247-6701 www.sindipi.com.br


Palavra do Presidente

Prezado (a) Leitor (a),

C

hegamos ao final de 2020, um ano repleto de desafios para todos nós. Não foi fácil, mas ao invés de lamentarmos, nos adaptamos, trabalhamos duro para encontrar formas de continuar nosso trabalho, tão primordial para o Setor Pesqueiro. Em retrospectiva, fico orgulhoso com tudo o que realizamos e essa satisfação é o que desejo que cada um de vocês sinta ao repensar este ano que logo chegará ao fim. Foquem nas vitórias, mesmo que pequenas, nos obstáculos superados e nas alegrias que encontraram ao longo desse período. Logo essa tempestade irá passar e os bons frutos semeados nestes momentos difíceis irão aparecer, tenham fé nisso. Aproveito esse espaço, para agradecer a cada um de vocês, associados, autoridades, colaboradores e parceiros que trabalharam junto com o SINDIPI em prol da nossa cadeia produtiva neste ano. Quando penso em 2021, idealizo a grande alegria que será voltar a receber

todos vocês em nossa casa, a sede do SINDIPI, quando pudermos realizar eventos e reuniões, celebrarmos parcerias e momentos especiais. Foco nesse sentimento e me despeço deste ano, agradecido pelas lições e com as esperanças renovadas para o próximo ano. Nos vemos em 2021! Um abraço fraterno, Jorge Neves - Presidente do SINDIPI

Editorial

Tradicionalmente a edição de novembro e dezembro da Revista SINDIPI traria a cobertura fotográfica da confraternização de final de ano da entidade, mas, como nada em 2020 foi típico, essa edição fugiu da regra. Assim, preparamos uma retrospectiva especial, com algumas das principais ações realizadas, uma forma de registrar, celebrar e nos despedir deste ano. Mas não só de saudosismo essa edição foi feita, entrevistamos Patricia Pereira Serafini, analista ambiental no Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres, sobre

o Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Albatrozes e Petréis (PLANACAP). Os oceanógrafos da Coordenadoria Técnica, Luana Sêga e Luiz Carlos Matsuda, prepararam um conteúdo incrível para a Malha Miúda. E por fim, mas não menos importante, apresentamos nossa mais nova publicação, o Manual de boas práticas de higiene e manuseio do pescado a bordo, elaborado pelos engenheiros de alimentos e assessores técnicos das Indústrias, Estevam Martins e Geraldine Coelho. Desejo a todos uma ótima leitura! Jéssica Martinez Feller - Editora da Revista SINDIPI

4 | Edição 75


Capa

SINDIPI lança Manual Inédito no Brasil

1 2 3 4

Edição 75 | 5


Capa

N

o mês de outubro, o SINDIPI publicou um material inédito no Brasil, o “Manual de boas práticas de higiene e manuseio do pescado a bordo”. Produzido pela equipe técnica da entidade, o projeto envolveu muitas pessoas, meses de trabalho, extensa pesquisa e algumas dezenas de reuniões. Todo esse esforço foi empreendido com o intuito de levar aos associados uma publicação de qualidade, unindo a teoria e Instruções Normativas, com a prática da atividade pesqueira. Há anos, países que atuam na pesca industrial utilizam Manuais neste sentido, mas no Brasil

6 | Edição 75

ainda não havia sido produzido um material como este. O objetivo era ser fiel a realidade da cadeia produtiva brasileira e comunicar da melhor forma possível com nosso público-alvo: os armadores e pescadores. O conteúdo inclui, informações sobre a alteração do pescado pós captura e orientações sobre como manter o pescado fresco e em bom estado; medidas que devem ser tomadas para a correta manipulação e conservação do pescado a bordo; normas de higiene para as embarcações, equipamentos e materiais de pesca; bons hábitos de higiene da tripulação; boas práticas de pesca.


Material Didático Desde o início dos trabalhos, a equipe buscou formas de adaptar o denso conteúdo técnico de uma forma didática, por isso, o Manual é 100% ilustrado. Para a elaboração dessas, a equipe técnica do SINDIPI reuniu imagens, diagramas e muitas indicações, que foram interpretadas com maestria pela designer gráfico, Mariana Olsen. Os associados já receberam exemplares do Manual, mas em breve terão também a op-

ção de oferecer aos seus tripulantes um treinamento ministrado pelos engenheiros de alimentos e assessores técnicos do SINDIPI, Estevam Martins e Geraldine Coelho. O curso será gratuito para as tripulações das embarcações associadas à entidade e incluirá certificação. Devido à pandemia da COVID-19, os treinamento ainda não foram iniciados, mas em breve vamos informar sobre a logística de inscrições, datas disponíveis, entre outras.

Edição 75 | 7


Capa

Reconhecimento O SINDIPI enviou exemplares do Manual para diversas autoridades como a ministra da Agricultura Tereza Cristina, o Capitão de Mar e Guerra e Capitão dos Portos de Santa Catarina, Alexandre Lopes Vianna de Souza, o secretário de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Júnior, o oficial sênior da Indústria Pesqueira da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura - FAO, Marcio Castro

8 | Edição 75

de Souza, bem como, deputados federais e estaduais, senadores, prefeitos, entre outras figuras ligadas direta e indiretamente ao Setor Pesqueiro. A resposta não poderia ser mais positiva, a entidade recebeu diversas mensagens de parabenização pela iniciativa e repercussão na imprensa especializada. Agradecemos a todos pelo incentivo e reconhecimento ao nosso trabalho.


Entrevista

Entrevista com

Patricia Serafini

A

entrevistada desta edição é Patricia Pereira Serafini, analista ambiental no Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Na edição passada (nº74) na seção Malha Miúda (pg. 15) fizemos uma breve explanação sobre o Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Albatrozes e Petréis (PLANACAP), que foi o tema dessa entrevista. Nosso objetivo, é informar os armadores e pescadores sobre o Plano, pois acreditamos que uma boa comunicação entre os órgãos reguladores e o Setor Produtivo é fundamental para a criação de soluções viáveis, com foco na sustentabilidade do ecossistema marinho que promove o nosso sustento. Revista SINDIPI: Quais as principais diferenças entre albatrozes e petréis, como morfologia e ciclo de vida, por exemplo? Patricia Serafini: Albatrozes e Petréis são aves de hábitos pelágicos, ou seja, passam a maior parte de seu ciclo de vida nos oceanos utilizando ambientes terrestres apenas para se reproduzir. Para sua sobrevivência neste ambiente oceânico possuem adaptações incríveis e características anatômicas que os distinguem das demais aves, como por exemplo a presen-

ça de tubos nasais. Entre as diferenças principais entre albatrozes e petréis podemos citar que nos albatrozes as narinas se abrem em dois tubos nasais, sendo um em cada lado do bico. Já nos petréis, as narinas estão situadas na parte superior do bico unidas em um único tubo nasal separadas por um septo mediano. Nas espécies de petréis de pequeno porte, os tubos nasais podem ser curtos mas sempre identificados na parte superior do bico. Acredita-se que a função destes tubos nasais está relacionada ao olfato apurado destas aves, que

Edição 75 | 9


Entrevista

é essencial na busca pelo alimento, bem como para a excreção do sal. Tanto os albatrozes quanto os petréis fazem parte da ordem dos Procellariiformes (do latim, procella = tempestade), só que em diferentes famílias. Os albatrozes e piaus são da família Diomedeidae, os petréis, pardelas, faigões, bobos e grazinas da família Procellariidae, esta ordem inclui adicionalmente também os painhos e almas-de-mestre (famílias Hydrobatidae e Oceanitidae) e os petréis-mergulhadores (família Pelecanoididae). São aves com alta longevidade e baixa taxa reprodutiva, que atingem a maturidade sexual tardiamente. Por passarem a maior parte do tempo em alto-mar, estas aves são bastante suscetíveis aos impactos humanos em ambientes marinhos, incluindo a captura incidental por artefatos de pesca (sobretudo em pesca de espinhel), rarefação de recursos pesqueiros devido à sobrepesca, poluição marinha (contaminação por petróleo e ingestão de plástico), mudanças climáticas e intoxicações por algas tóxicas. Estas características, fazem com que estejam entre os grupos de aves mais ameaçadas do mundo.

Thalassarche melanophris. Foto: Patricia Serafini (2018)

10 | Edição 75

Revista SINDIPI: Quantas espécies estão no Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Albatrozes e Petréis (PLANACAP)? Entre elas, quais interagem com a pesca da região Sudeste e Sul? Patricia Serafini: O PLANACAP abrange e estabelece estratégias prioritárias de conservação para sete espécie de aves marinhas consideradas ameaçadas de extinção constantes da Lista Nacional (Portaria MMA nº 444/2014): duas na categoria CR (Criticamente em Perigo): o albatroz-de-Tristão (Diomedea dabbenena) e o albatroz-errante (Diomedea exulans); duas na categoria EN (Em Perigo): o albatroz-real-do-norte (Diomedea sanfordi) e o albatroz-de-nariz-amarelo (Thalassarche chlororhynchos); três na categoria VU (Vulnerável): o albatroz-real (Diomedea epomophora), a pardela-preta (Procellaria aequinoctialis) e a pardela-de-óculos (Procellaria conspicillata). Estabelece de maneira simultânea, estratégias para conservação de outros cinco táxons de aves migratórias contempladas no Acordo para a Conservação de Albatrozes e Petréis, da Convenção sobre Espécies Migratórias - ACAP/CMS: o albatroz-de-sobrancelha (Thalassarche melanophris), o bobo-grande-de-sobre-branco (Ardenna gravis), o petrel-gigante-do-sul (Macronectes giganteus), o petrel-gigante-do-norte (Macronectes halli) e o albatroz-arisco (Thalassarche steadi). Todas as espécies constantes do plano interagem com a pesca industrial em águas brasileiras na região Sudeste e Sul. Revista SINDIPI: O PLANACAP é um instrumento de gestão construído para o ordenamento e a priorização de ações para a con-


servação da biodiversidade e seus ambientes naturais, mas em termos de ordenamento, observamos somente medidas voltadas para a pesca. E quanto aos outros ambientes, quais ações que visam esse tipo de ordenamento? Patricia Serafini: Embora um grande número de espécies de albatrozes e petréis sejam registrados no Brasil, a grande maioria é considerada migratória (espécie cuja ocorrência no país ocorre de forma regular todos os anos, preferencialmente em determinada época do ano). Albatrozes, no entanto, não reproduzem em nosso país e, portanto, não temos de lidar com suas ameaças terrestres, tais como a predação de filhotes nos ninhos por espécies exóticas invasoras como ratos. Por não termos espécies do atual PLANACAP reproduzindo no país, nossa obrigação para desenvolver medidas nos ambientes terrestres de nidificação não constam entre as medidas de ordenamento necessárias para sua conservação em nível nacional. É importante lembrar que indivíduos jovens de albatroz-de-sobrancelha-negra, por exemplo, ocorrem durante todo o ano na costa sul e sudeste do Brasil, podendo também ocorrer em associação com outras espécies. Por este forte motivo, de uso exclusivo de ambientes oceânicos aquáticos brasileiros por estas aves, e não de ambientes terrestres, o PLANACAP direciona seu trabalho exclusivamente a minimizar as ameaças no ambiente marinho. Neste ambiente, trata-se de consenso no mundo inteiro que a principal causa de mortalidade de albatrozes e petréis é a captura incidental na pesca industrial, ou seja, aquela em que acidentalmente a ave morre fisgada por um anzol ou espinhel ao interagir com embarcações em

suas atividades pesqueiras. A poluição dos oceanos e outras ameaças também possuem ações e medidas específicas contempladas no PLANACAP. O foco do Plano é bastante claro no sentido de concentrar a maior parte de seu esforço em orientar, ordenar e auxiliar o setor produtivo pesqueiro, e a sociedade, a produzir minimizando o impacto na captura de aves e melhorando suas taxas de capturas de peixes, uma vez que os espinhéis não estarão ocupados por espécies não-alvo da pescaria. A conservação de albatrozes e petréis é, portanto, benéfica para a sociedade como um todo, incluindo o setor pesqueiro – que indiscutivelmente deve ser o principal aliado nestas estratégias de redução das mortalidade para que sejam de efetivo sucesso. Revista SINDIPI: Na sua opinião, qual o maior desafio enfrentado no PLANACAP? Patricia Serafini: É conseguir a compreensão e a adesão do setor produtivo pesqueiro sobre a importância da adoção das medidas que reduzem a captura de albatrozes e petréis. A captura dos albatrozes e petréis na largada do espi-

Fragmentos plásticos encontrados no trato digestório. Foto: Gabriel Nascimento

Edição 75 | 11


Entrevista

nhel, ocorre quando estas tentam se alimentar de iscas lançadas com o material de pesca e leva as aves ao afogamento, de modo que ao recolher o material, é inviável a soltura da ave viva. A mortalidade é inerente neste tipo de captura incidental e irreversível, sendo a principal ameaça pois acomete anualmente milhares de albatrozes e petréis no mundo inteiro. Como é muito bem conhecida esta ameaça, e ocorre nas atividades de pesca industrial em tantos países simultaneamente, há décadas diversos gestores, pesquisadores, pescadores e instituições envolvidas na conservação das aves marinhas têm trabalhado juntos para desenvolver formas para resolver o problema. Foram desenvolvidas então as medidas mitigadoras da captura incidental de albatrozes e petréis, discutidas e consensuadas tanto no ACAP ( Acordo Internacional para a Conservação de Albatrozes e Petréis) quanto na ICCAT (Comissão Internacional para a Conservação do Atum do Atlântico), e que foram atualizadas no Brasil pela Instrução Normativa Interministerial INI MMA/MPA nº 07/2014, que apresenta o uso simultâneo de três recomendações que visam evitar a captura das aves ameaçadas no momento da largada do espinhel. Sendo elas, o uso da linha espanta-aves (toriline) formado por fitas suspensas para espantar as aves na hora de lançar o espinhel; a largada do espinhel no período noturno, que é o período do dia em que há um número menor de aves marinhas à espreita; e o uso de um sistema de peso padronizado, que faz o anzol afundar mais rapidamente. Importante lembrar também, que os primeiros modelos de toriline desenvolvidos 12 | Edição 75

foram feitos por pescadores, buscando evitar o roubo de iscas pelas aves marinhas. No Brasil, o primeiro modelo de toriline foi pensado pelo senhor José Ventura, pescador de Espinhel, conhecedor da arte de pesca com que trabalha e que foi homenageado em reunião do ACAP em Florianópolis no ano de 2019. O modelo atual, proposto na IN 07/2014, é baseado em pesquisas desenvolvidas em parceria com o setor pesqueiro, condição fundamental para garantir a viabilidade do uso em condições comerciais de pesca. O toriline é utilizado independente da direção do vento, com o deslocamento da embarcação o dispositivo de arrasto que fica submerso garante a tensão para que a linha espanta-aves se mantenha esticada e que as fitas coloridas cubram a área de maior risco de captura acidental. Revista SINDIPI - Além da conservação dos albatrozes e Petréis, qual a importância do PLANACAP? Patricia Serafini: Apesar de ter sido criado com foco nas aves, desde sua primeira edição em 2006, o PLANACAP tem grande importância por trazer à tona a discussão em relação à produção pesqueira compatível com a conservação da biodiversidade dos oceanos. Como também possui foco e ações que se concentram na redução da poluição dos oceanos e outras medidas que tornam os ambientes pelágicos brasileiros mais saudáveis, tem grande importância por favorecer não apenas as aves marinhas, mas toda a biodiversidade e também as pessoas que precisam do ambiente marinho.


Momento da Captura. Foto: Fabiano Peppe (Projeto Albatroz)

Revista SINDIPI: Tirando as medidas mitigadoras, quais outras ações necessárias para salvar albatrozes e Petréis? Patricia Serafini: A presença massiva de plástico nos oceanos pode ser considerada no Brasil a segunda maior ameaça aos albatrozes e petréis atualmente. No PLANACAP existem ações específicas para lidar também com este problema importante para as aves marinhas e para a saúde do ambiente marinho como um todo. Protocolos específicos para estudar o quanto os plásticos estão impactando as aves têm sido implementados no âmbito do Plano e a padronização de metodologia de avaliação do quanto os plásticos ingeridos são absorvidos e o que causam, foram recentemente publicados como diretrizes do ACAP com a participação do Brasil e do PLANACAP e estão vigentes como recomendações para todos os países que compartilham parte do ciclo de vida destas aves migratórias e são

membros do ACAP (mais informações em: www.acap.aq). Revista SINDIPI: Qual o status de ameaça para albatrozes e Petréis, que habitam (em determinados períodos) nossa região (SE/S)? Patricia Serafini: Das 22 espécies de albatrozes e piaus (Diomedeidae) existentes no mundo, 10 ocorrem em águas brasileiras e concentram-se principalmente em nossa região sudeste/sul. Sendo nove destas espécies classificadas como ameaçadas de extinção em algum grau segundo a lista da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) e a Lista Oficial das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção (MMA). Para as demais espécies (Procellariidae, Hydrobatidae, Oceanitidae e Pelecanoididae), das 32 espécies que ocorrem no Brasil, oito estão ameaçadas de extinção. Edição 75 | 13


Malha Miúda

Plano Regional para Conservação e Uso Sustentável do Tubarão Mangona Nos dias 16, 18 e 20 de novembro, aconteceu a segunda parte da Oficina Regional para Elaboração de um Plano Regional para Conservação e Uso Sustentável do Tubarão Mangona (Carcharias taurus). O evento, que aconteceu de forma virtual através da plataforma Zoom, teve como finalidade a definição dos Objetivos e das Ações do Plano. A primeira parte da Oficina aconteceu em agosto e a última está programada para o início de 2021, onde o Plano será finalizado e publicado. Essa Oficina conta com a presença de órgãos públicos, academia e setor produtivo da Argentina, Uruguai e Brasil e o SINDIPI é representado pela oceanógrafa da Coordenadoria Técnica, Luana Sêga.

14 | Edição 75


IV Congresso Brasileiro de Direito do Mar

Os oceanógrafos da Coordenadoria Técnica do SINDIPI, Luana Sêga e Luiz Carlos Matsuda, participaram entre os dias 26 e 28 de novembro, do IV Congresso Brasileiro de Direito do Mar. O evento foi organizado pelo Centro de Estudos em Direito do Mar da Universidade de São Paulo – CEDMAR/USP e contou com palestrantes de vários países. Dentre os principais temas discutidos no evento, podemos destacar: direito internacional, direito marítimo, organizações internacionais, pesca ilegal, resíduos sólidos no mar, soberania das águas nacionais, Acordo Internacional da Biodiversidade Além da Jurisdição Nacional– BBNJ, políticas públicas de conservação marinha, direito do mar e recursos pesqueiros, planejamento espacial marinho, agenda 2030 e aspectos jurídicos da gestão dos recursos econômicos marinhos.

Edição 75 | 15


Malha Miúda

Tainha Após um período de baixa captura no ano de 2020 a expectativa do Setor Pesqueiro é que a safra da tainha de 2021 seja melhor. Neste ano eventos oceanográficos adversos influenciaram a produtividade pesqueira e ambas as modalidades de pesca controladas por cotas de captura não atingiram o limite permitido. Portanto, espera-se que a cota de captura da safra de 2021 seja maior do que foi este ano (627,8 t), uma vez que o esforço de pesca foi menor e a biomassa do estoque desovante foi conservada acima do esperado. Uma novidade para a safra de 2021 está na

possibilidade do Setor participar na definição de cotas da tainha. Diferente dos outros anos, a SAP estuda a criação de um Grupo de Trabalho para discutir com o setor as definições de cota para a próxima safra. Outras informações e recomendações para a próxima safra (2021) estão disponíveis no Relatório Final do Grupo de Trabalho de Acompanhamento da Temporada de Pesca da tainha de 2020. O Relatório está disponível na página eletrônica da Secretaria de Aquicultura e Pesca (SAP) e no site do SINDIPI em Coordenadoria Técnica. Confira abaixo algumas das recomendações do SINDIPI que constam nesse relatório:

1 - Retomada do CPG Pelágicos SE/S; 2 - Revisão da divisão de cotas; 3 - Cota de captura para as frotas não controladas; 4 - Fiscalização em toda região Sudeste e Sul, não apenas no Estado de Santa Catarina; 5 - Acompanhamento in loco da safra pelos órgãos competentes, tanto de ordenamento quanto de fiscalização.

16 | Edição 75


Implementação da Pesca de Cardume Associado A modalidade de pesca de sombra ou cardume associado está regularizada no país desde 2018, através da Portaria Interministerial nº 59-A, de 09 de novembro de 2018. Em 2019 essa pescaria foi regulamentada em consonância com as regras internacionais de ordenamento pesqueiro, visto que os atuns e afins são geridos no âmbito da Comissão Internacional para a Conservação do Atum do Atlântico – ICCAT, da qual o Brasil é signatário. O Edital das inscrições para seleção de embarcações de pesca, visando a emissão de autorização para essa modalidade foi publicado no Diário Oficial da União – DOU em outubro de 2019. Foram disponibilizadas 200 vagas para embarcações

nas regiões Norte e Nordeste do Brasil e 50 vagas para embarcações nas Regiões Sudeste e Sul. Dentre as embarcações permissionadas no Sudeste e Sul do Brasil, cerca de 10 são associadas ao SINDIPI. Com as atividades já regulamentadas em 2020, estima-se que hoje em dia essa modalidade de pesca seja uma das mais numerosas atuando como frota industrial de pesca no litoral do Brasil, com mais de 200 embarcações, chegando próximo aos números de embarcações de modalidades tradicionais do país como arrasto e emalhe. Para obter mais informações sobre as regras de Ordenamento, Registro e Monitoramento, acesse a área da Coordenadoria Técnica no site do SINDIPI.

Retrospectiva 2020 Implementação dos Mapas de Bordo Digitais Nesse ano foram implementados, no âmbito do Novo Sistema de Registro Geral da Atividade Pesqueira – SISRGP 4.0, os Mapas de Bordo Digitais. Atualmente eles já estão em funcionamento para 04 modalidades (armadilha, cardume associado, cerco e linha/vara isca viva), e em breve devem ser liberados para as outras. Na edição nº 73 de nossa revista você encontra um passo a passo detalhado de como utilizar esse sistema.

Edição 75 | 17


Malha Miúda

Retrospectiva 2020 Revisão da Instrução Normativa Interministerial nº 10/2011 O ordenamento pesqueiro nacional é definido principalmente pela INI nº 10/2011, que aprova as normas gerais e a organização do sistema de permissionamento de embarcações de pesca para acesso e uso sustentável dos recursos pesqueiros, com definição das modalidades de pesca, espécies a capturar e áreas de operação permitidas. Entre os meses de setembro e novembro de 2019, a Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – SAP/MAPA, disponibilizou uma consulta pública com objetivo de uma construção coletiva para a revisão e alteração dessa INI. O SINDIPI, sabendo da importância dessa revisão, visto os problemas que o Setor já vem enfrentando desde a sua publicação, não mediu esforços para que todos os seus Associados pudessem trazer suas considerações para a discussão. Com esse objetivo, foram realizadas 10 reuniões durante esse período com as

Retrospectiva 2020 Consultas Públicas Através da Portaria nº 146/2020 de 1º de junho, a Secretaria da Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – SAP/MAPA, divulgou uma consulta pública para uma Instrução Normativa com o objetivo de permitir a utilização do lambari (Astyanax sp.) oriundo de cultivo, como isca-viva na pesca da modalidade de permissionamento linha/vara e isca-viva, direcionada 18 | Edição 75

diferentes Câmaras Setoriais do Sindicato, onde estiveram presentes armadores, pescadores, representantes das indústrias e despachantes. Além das possíveis soluções para as incoerências dessa normativa, que foram enviadas pelo SINDIPI através da consulta pública, o Sindicato também marcou presença no Workshop para a revisão da INI nº10/2011, que aconteceu em Brasília nos dias 17, 18 e 19 de fevereiro deste ano. Na ocasião, a SAP informou que o próximo passo seria a compilação de todas as sugestões analisadas no Workshop e posterior divulgação para o setor. A consulta pública aconteceu há um ano, porém, ainda não obtivemos nenhuma publicação de nova normativa e nenhum resultado das discussões feitas em fevereiro. Assim, o Setor Pesqueiro segue aguardando uma solução para vários dos problemas enfrentados hoje, baseada nas considerações feitas durante todo esse processo.


para a captura do bonito-listrado (Katsuwonus pelamis) e fauna acompanhante previsível. O SINDIPI se manifestou positivamente a essa IN, visto que essa já é uma demanda antiga do setor e levando em consideração os bons resultados obtidos através do Projeto Lambari

(mais informações na edição nº 72 da nossa revista). Até o momento não obtivemos nenhuma resposta sobre nossas considerações, que envolviam também o uso do lambari em outras modalidades, e nenhuma nova publicação sobre o tema.

A Instrução Normativa Interministerial nº 12/2012 também entrou em processo de consulta pública, em janeiro de 2020. Essa INI dispõe sobre critérios e padrões para o ordenamento da pesca praticada com o emprego de redes de emalhe nas águas jurisdicionais brasileiras das regiões Sudeste e Sul, e apresenta algumas questões que, na visão do nosso Setor, precisam

ser alteradas. Nesse contexto, ainda em janeiro, o SINDIPI realizou uma reunião com a Câmara Setorial de Emalhe para discutir essa revisão com seus Associados e posteriormente enviar suas considerações para à consulta pública. A consulta foi prorrogada para agosto de 2020, devido à pandemia, e ainda não tivemos nenhuma resposta ou publicação sobre a mesma.

Retrospectiva 2020 Camarão Diversos temas importantes para o Setor Pesqueiro foram objetos de consultas públicas em 2020. Em janeiro a Secretaria de Aquicultura e Pesca – SAP/MAPA consultou o setor para alteração do período de defeso dos camarões da região SE/S do País - uma demanda bastante antiga. Até o presente momento não houve manifestação de qual período será adotado pela Secretaria nem quando ele será alterado. A proposta encaminhada pelo SINDIPI na consulta pública é para que o defeso dos camarões seja alterado para o período de 15 de dezembro a 15 de março. Durante a Oficina Regional do Projeto REBYC II – LAC, realizada em março deste ano em Brasília e que contou com a parti-

cipação do SINDIPI, a inadequação do período de defeso do camarão foi elencada como uma das principais causas da pesca ilegal. Estavam presentes nesta reunião armadores e pescadores de toda a região Sudeste e Sul do Brasil.

Edição 75 | 19


Malha Miúda

Retrospectiva 2020 Sardinha A atualização do período de defeso da sardinha-verdadeira também era uma demanda antiga. Em reunião com o Setor Pesqueiro em maio deste ano, a Secretaria de Aquicultura e Pesca (SAP) propôs três alternativas de períodos de defeso para a espécie. Após discussão e análise técnica das alternativas foi definido que o novo período de defeso fosse de primeiro de outubro a 28 de fevereiro, totalizando 151 dias de paralisação de pesca direcionada a sardinha-verdadeira. Ainda durante a reunião, que contou com a participação de representantes de armadores, enlatadoras e especialistas sobre o tema, definiu-se que o defeso deve ter monitoramento técnico e científico até junho de 2021. Fato consolidado com a publicação da Instrução Normativa nº 18, de 10 de junho de 2020. No entanto, cabe destacar que passado quase três meses do início do novo período de defeso da sardinha o seu monitoramento ainda não foi iniciado e encontra-se em tratativas. Importante frisar que a alteração do período de defeso seguiu a preocupação do setor com a sustentabilidade da pescaria e manutenção do estoque de sardinha-verdadeira. O defeso de inverno que havia, foi estabelecido para proteger o recrutamento dos juvenis (menores que 17

20 | Edição 75

cm) ao estoque. Ocorre que a legislação vigente já protege essa parcela da população ao determinar o tamanho mínimo de captura em 17 cm. Além disso, a própria indústria pesqueira rejeita indivíduos menores que 17 cm devido a questões logísticas de operação. Portanto, com a extinção do defeso de inverno que era ineficaz e ampliação do período de defeso para reprodução da espécie, progredimos significativamente no objetivo de garantir a sustentabilidade biológica da espécie.


Retrospectiva 2020 Alterações importantes no ordenamento da modalidade de Cerco Além da Instrução Normativa nº 18, de 10 de junho de 2020 que alterou o período de defeso da sardinha-verdadeira, outras duas normativas importantes para o cerco foram publicadas esse ano: a Instrução Normativa nº14, de 30 de abril de 2020 e Portaria SAP/MAPA nº226, de 14 de setembro de 2020. Juntas essas normativas incluíram mais de 25 espécies na autorização complementar de cerco (modalidades 4.1, 4.2 e 4.3 do Anexo IV da INI MPA/MMA nº10, de 10 de junho de 2011).

Retrospectiva 2020 ICCAT O mundo inteiro precisou se adaptar à nova realidade desencadeada pela pandemia, e com a Comissão Internacional para a Conservação do Atum do Atlântico – ICCAT, não foi diferente. As reuniões agendadas para esse ano foram todas remarcadas e algumas até canceladas, porém, após uma organização, as reuniões foram sendo retomadas de maneira virtual. Nenhuma reunião da Comissão aconteceu ainda, mas as reuniões científicas, super importantes para o desenvolvimento das atividades, estão acontecendo. São nessas reuniões que a equipe científica define avaliações de estoques, rendimentos máximos sustentáveis e outras pesquisas fundamen-

tais para a gestão e ordenamento pesqueiro. Será também de maneira virtual que irá acontecer o Simpósio do Programa de Marcação de Atuns Tropicais do Oceano Atlântico – AOTTP, o qual nos últimos cinco anos tem desenvolvido trabalhos de marcação desses peixes. O Simpósio está programado para acontecer entre os dias 12 e 14 de janeiro de 2021 e os resultados a serem apresentados incluem: técnicas experimentais de marcação, idade e crescimento dos atuns, estudos de mortalidade e abundância, os impactos que os Dispositivos Agregadores de Peixes – DAPs causam e avaliações e gestão/manejo dos estoques.

Edição 75 | 21


Malha Miúda

Retrospectiva 2020 - A pesca do Polvo A Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – SAP/MAPA, realizou em julho de 2020, uma reunião com o Setor Pesqueiro da modalidade de potes, direcionada para o polvo. O objetivo da reunião foi a revisão da Instrução Normativa nº 26/2008, que estabelece critérios e procedimentos para o ordenamento das operações relacionadas com a pesca do polvo (Octopus spp.), nas águas marinhas sob jurisdição brasileira. A principal solicitação de alteração foi em relação à profundidade permitida para essa atividade, porém, essa alteração pode ter conflitos com outras modalidades, como a pesca de arrasto. Nesse sentido, a SAP realizou, em outubro de

2020, uma reunião com o Setor Pesqueiro da modalidade de arrasto para que fossem discutidos e solucionados os possíveis conflitos resultantes da alteração dessa normativa. O SINDIPI participou dessas reuniões, onde os Associados de cada modalidade puderam fazer suas considerações, e segue no aguardo de um posicionamento da Secretaria sobre a revisão da IN nº 26/2008.

Retrospectiva 2020 - Consolidação de atos normativos O Decreto nº 10.139, de 28 de novembro de 2019, que dispõe sobre a revisão e a consolidação dos atos normativos inferiores a decreto editados por órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, institui em seu art. 12º que os órgãos e as entidades publiquem, por meio de portaria de seu dirigente máximo, até 30 de setembro de 2020, a listagem completa dos atos normativos inferiores a decreto vigentes. Nesse sentido o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, publicou, em 28 de setembro, a Portaria nº 319, de 23 de setembro de 2020, que divulga a listagem completa dos atos normativos inferiores a decreto vigentes e que dis-

22 | Edição 75

ciplinam as atividades de sua competência. No âmbito dessa Portaria também está inclusa a Secretaria de Aquicultura e Pesca – SAP, que conta com mais de 1.480 atos normativos em vigência, que podem ser consultados através do link: https://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-319-de-23-de-setembro-de-2020-279794586. Outros Ministérios e suas respectivas entidades também publicaram suas consolidações, como é o caso do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis do Ministério do Meio Ambiente – IBAMA/MMA, que através da Portaria nº 2.275, de 28 de setembro de 2020, divulgou mais de 400 atos normativos vigentes.


Retrospectiva 2020

Retrospectiva 2020 O ano de 2020 com certeza entrará para a história mundial como um dos mais desafiadores da era moderna. A pandemia da COVID-19 teve reflexos em todos os aspectos das nossas vidas e assim como o Setor que representa, o SINDIPI teve que se adaptar e buscar novas formas de trabalhar em prol da Pesca. Reuniões, eventos sociais e científicos foram transferidos para o formato digital. Nossas come-

morações, referente aos 40 anos de fundação da nossa entidade e a tradicional Festa de Final de Ano, tiveram que ser canceladas. Mas não nos deixamos esmorecer e muito menos parar, continuamos trabalhando e produzindo apesar de todas as adversidades. Por isso, achamos pertinente que a última edição do ano da Revista SINDIPI, contemplasse uma breve retrospectiva das principais ações realizadas. Confira!

40 anos Entre as ações comemorativas, uma publicação especial alusiva a data, que registra a história mais recente da entidade; a distribuição dos copos eco com a logo comemorativa, que inicialmente seriam utilizados em um evento social; a divulgação da campanha institucional de fortalecimento da marca e propósito da entidade.

Edição 75 | 23


Retrospectiva 2020

Campanhas A fim de promover pautas importantes para o Setor Pesqueiro da nossa região, o SINDIPI realizou campanhas ao longo de todo o ano através das nossas redes sociais, site, out-

door lateral da sede. Além disso, produziu vídeos educativos e diversos informativos para os associados e seus respectivos colaboradores.

Publicações Além do Manual de boas práticas de higiene e manuseio do pescado a bordo, que ilustra a capa desta edição, os colaboradores do SINDIPI também produziram diversos artigos publicados não só em nossa Revista e site, mas também no portal da Seafood Brasil. Além disso, publicamos o Guia Fotográfico das principais espécies de raias capturadas no Sudeste e Sul do Brasil, nas pescarias comerciais, que foi distribuído gratuitamente para nossos associados e suas tripulações.

24 | Edição 75


Brindes O SINDIPI preparou dois brindes especiais para nossos associados e parceiros, todos receberão via correios o calendário 2021, que conta com receitas deliciosas das principais espécies de pescados comercializadas por nossos armadores e indústrias, e um display de mesa com frases escolhidas a dedo por nossa equipe e que com certeza irão lhe motivar durante todo o novo ano.

Melhorias na sede Aproveitando a atípica ausência de reuniões e eventos presenciais, a atual diretoria do Sindicato oportunamente fez a manutenção e melhorias na estrutura da sede. Entre elas, a manutenção, lavação e pinturas dos telhados do 2º e 5º andares; pintura e revitalização da sala anexa ao auditório que sofreu deterioração com infiltrações; reformas no auditório, como

a pintura geral, a modernização da iluminação e a troca de carpete por piso; reorganização do arquivo físico do sindicato; digitalização do arquivo de clipagens da assessoria de imprensa; troca dos aparelhos de ares-condicionados da sede que estavam apresentando defeitos, devido ao tempo de uso. Além da aquisição de móveis novos para a cozinha do 4º andar.

Edição 75 | 25


SINDIPI no Radar

SINDIPI no Radar O presidente do SINDIPI, acompanhado da secretária executiva Mirian Cella, recebeu no dia 28 de outubro a visita institucional do coordenador do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Marinha do Sudeste e Sul - CEPSUL, Harry Boss e do analista ambiental Antônio Alberto. Na ocasião, Jorge Neves aproveitou para entregar pessoalmente as últimas produções técnicas do SINDIPI, o “Manual de boas práticas de higiene e manuseio do pescado a bordo” e o “Guia fotográfico das principais espécies de raias capturadas no Sudeste e Sul do Brasil, nas pescarias comerciais”, sendo que este, contou com o apoio técnico do CEPSUL.

No dia 10 de novembro, foi realizada uma reunião com a diretoria do SINDIPI. Estavam presentes na ocasião, o presidente Jorge Neves, o vice presidente Luzaldo Pscheidt, o secretário Edemilson Miguel De Jesus e a secretária executiva Mirian Cella.

O SINDIPI foi saudado na 88ª Sessão Ordinária da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, realizada no dia 10 de novembro. Através da moção MOC/0515.4/2020 o deputado estadual, Felipe Estevão, cumprimentou a Diretoria do SINDIPI, pela passagem da 40º aniversário de fundação da referida entidade, celebrado no presente ano.

26 | Edição 75


O presidente Jorge Neves, acompanhado dos oceanógrafos da Coordenadoria Técnica, Luana Sêga e Luiz Carlos Matsuda, participaram no dia 24 de novembro de uma reunião do Grupo de Trabalho do Projeto de Lei º 6.969 de 2013, que institui a Política Nacional para a Gestão Integrada, a Conservação e o Uso Sustentável do Sistema Costeiro-Marinho (PNGCMar). O encontro teve o objetivo de preparar a apresentação do relatório final do Grupo de Trabalho para a Câmara Setorial da Produção e Indústrias de Pescados.

O presidente do SINDIPI, Jorge Neves, participou no dia 26 de novembro da 11ª reunião ordinária da Câmara Setorial da Produção e Indústria de Pescados. Entre as pautas do encontro, a apresentação feita pela oceanógrafa Luana Sêga, na ocasião representando o CONEPE, sobre o parecer do grupo de trabalho do Projeto de Lei n. 6.969/2013 (mais informações na nota acima); e a explanação do engenheiro de alimentos e assessor das indústrias do SINDIPI, Estevam Martins, sobre a exigência de ter um técnico responsável pelos controles de embarcações pesqueiras, que realizam congelamento de camarão a bordo. Os demais assessores técnicos do SINDIPI, Geraldine Coelho e Luiz Carlos Matsuda também participaram da reunião.

Edição 75 | 27


SINDIPI no Radar

No dia 27 de novembro a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo- FIESP, promoveu a “Superlive do Pescado”. A convite, o SINDIPI participou do evento através do coordenador da Câmara Setorial de Camarão Rosa, André Mattos, que preparou uma receita para o segmento gastronômico; e da assessora de comunicação, Jéssica Feller, que entrevistou o capitão de pesca Daher Jorge, brasileiro que trabalha na região do Alasca. O evento está disponível na íntegra no canal do Youtube da FIESP.

Entre os dias 01 a 03 de dezembro, foi realizado o II International Fish Congress e a II Fish Expo Brasil 2020. Devido à pandemia da COVID-19 o evento foi em realizado formato híbrido, ou seja, os palestrantes realizaram suas apresentações em um estúdio montado em Foz do Iguaçu (PR) e o público assistiu as transmissões online. A convite de Altemir Gregolin, ex ministro da pesca e presidente do IFC Brasil, a secretária executiva do SINDIPI, Mirian Cella, participou virtualmente da cerimônia de abertura, representando o presidente Jorge Neves. Já o ciclo de palestras foi acompanhado pela oceanógrafa, Luana Sêga e a assessora de comunicação, Jéssica Martinez Feller.

O presidente do SINDIPI, Jorge Neves, esteve no dia 02 de dezembro no escritório da Unidade Técnica de 2º Nível do IBAMA em Itajaí. Na ocasião, conversou com o chefe substituto da Unidade, Eduardo Nuber e o analista ambiental, Rodrigo Fontoura, sobre questões pertinentes à Pesca em nossa região.

28 | Edição 75


Convênios

Convênios disponíveis para associados do SINDIPI Para mais informações, acesse: www.sindipi.com.br/convenios

Academia Class Time (Desconto de 15% no plano semestral e anual) Rua José Siqueira, 286 – Ressacada | Itajaí Fone: (47) 3083-4100

Clínica Cem (Descontos Variados) Rua Estefano José Vanolli, 1190 - São Vicente | Itajaí Fone: (47) 3349-5186 ou (47) 99647-9883

Agro Ambiental Consultoria, Adm. E Serviços Ambientais Eireli. (Descontos variados) Av. Presidente Castelo Branco, 401 – Retiro – Petrópolis/ RJ Fone: (24)99931-7778

Clínica Pediátrica Pequenos Vencedores (Descontos de 20%) Rua Pedro Joaquim Viera, 338 – São Judas | Itajaí Fone: (47) 2122-9038 Clínica de Saúde Magnificat (Desconto de 20% a 30% nos procedimentos) Rua Santo Agostinho, 409 – Cordeiros | Itajaí Fone: (47) 3361-7195 e/ou (47) 99936-2014

Alimentação Saudável 2 Marias (Desconto de 10%) Rua Lauro Muller, 935 – Fazenda – Itajaí/SC Fone: (47)99705-0059 Bagatini e Berhamaschi Advogados Desconto de 10% em serviços advocatícios Av. Padre Anchieta, 1057 – Centro – Encantado/RS (51) 3751-3928 / (51) 3751-1862/ (51) 98141-8368 (51)98224-8393 Guilherme / (51)98141-8292 Ricardo Belfort Ortoimplantes (Descontos Variados) Rua Félix Malburg, 213 – São Vicente – Itajaí/SC Fone: (47) 99907-9223 Centro Universitário Católica de Santa Catarina (Desconto de 15%) Shopping Itajaí – Piso L3 (Em frente ao cinema) Fone - 47 98415-2968 Clínica Affinite (Desconto de 20%) Av. Marcos Konder, 1313, Sala 109 – Centro | Itajaí Fone: (47) 3414-4322 (47) 99219 2797 Clínica Ame Consultas (Descontos de 20%) Rua Heitor Liberato, 2150, Sala 01 – São João – Itajaí/SC Fone: (47) 3311-4011 Clínica Bom Jesus Itajaí (Descontos Variados) Rua Indaial, 1389 - São João | Itajaí | Fone: (47) 3045-1927 (47) 3046-1827 ou (47)99775-3123

Clínica Médica e Odontológica Amor e Saúde (Descontos Variados) Rua Pedro Ferreira, 180 – Centro | Itajaí Fone : (47) 3021-3647 Clínica Dentária União (Desconto de 10%) Rua Hercílio Luz, 491 – Centro | Itajaí Fone: (47) 3346-3126 Cliomed – Medicina do Trabalho (Descontos Variados) Itajaí: Rua Sete de Setembro, 219 – Centro Fone: (47) 3344-0051 / Balneário Camboriú: 3ª Avenida, 271 Centro | Fone (47) 3360-6777 Colégio Salesiano (Desconto 5%) Itajaí: R. Felipe Schimidt, 87 - Centro Fone: (47) 3390-3300 Balneário Camboriú: R. Alvim Bauer, 4° Avenida - Centro Fone: (47) 3514-6775 Site: www.salesianoitajai.g12.br www.salesianobc.g12.br Consultório De Dermatologia Dra. Giane Pelegrini (Desconto de 50% na consulta ficando R$150,00) Itajaí: Rua Dr. Nereu Ramos, 197 Esquina com Av. Marcos Konder (ao lado do Hospital Marieta) | Edifício Seixas Business Tower. Sala 805 Fone: (47)3311-3223 - Celular WhatsApp: (47)988668336

Edição 75 | 29


Convênios

Consultório Odontológico Dr. Luis Ricardo Prevedelo (Descontos Variados) Itajaí: Rua Felipe Schimidt, 384, Centro Fone: (47) 3348 – 6387 Consultório Odontológico Dra. Fabíola Scolari Schreiber (Descontos Variados) Itajaí: Av. Marcos Konder, 1207, Sala 18 – Ed. Embraed Fone: (47) 3348 – 2972 / (47) 98863-8416 Consultório De Psicologia Dra. Izadora Paulini (Desconto de 15%) Atendimento Itajaí e Brusque Rua Felipe Schmidt, n. 31 sala 105, Centro | Brusque. Fone (47)99660-8766 Contorno Sul Medical Center (Desconto de 33%) Rua Exp. Carlos Costa, 351 – Dom Bosco | Itajaí Fone: (47) 3348-0852 CP Soluções (Descontos Variados) Rua São Pedro, 166, Sl 124 – Centro | Estância Velha/ RS | Fone: 51 982740164 - 53 997012626 - 53 9 81434356 Dedetização RH (Descontos Variados) Itajaí: Rua Cargelino Francelino, 607 – Bairro São Vicente Fone: (47) 99975-6140 Dr. Samir Farah (50% de Desconto) Balneário Camboriú: Rua 300, n° 31 – Bairro Centro Fone: (47) 3367 7857/99217 5130 Edimed Clínica Médica e Medicina do Trabalho Ltda (Descontos Variados) Rua 2300 , n° 527 – Balneário Camboriú Fones: (47) 3363-1987 Avenida Governador Celso Ramos N:569 – Porto Belo / Bairro: Perequê Fone: (47) 3369-9209 (47) 9933-1572 Emersul Corretora de Seguros Ltda. (Desconto de 10% nos serviços) Av. Getúlio Vargas, 64, sala 3C – Vila Operária | Itajaí | Fone: (47) 3349-9704 Escola Elite – Cursos Profissionalizantes (Desconto diversos) Rua Silva, 197 – Centro | Itajaí | Fone: (47) 3348-8844 Escola de Idiomas Rockfeller – Franquias Itajaí e Navegantes (Desconto de 25% nos cursos oferecidos) Franquia Itajaí: Rua Brusque, 337 – Centro | Itajaí | Fone: (47) 2122-5600 GoldenMED – Clínica Geral e Segurança e Medicina do Trabalho (Descontos Variados) Rua Samuel Heusi, 586, – Centro | Itajaí | Fone: (47) 30457216

30 | Edição 75

Harmonie Clínica Integrada (Desconto de 15%) Av. Osvaldo Reis,3385 Edifício Riviera Concepet, Salas 1305/1306– Praia Brava – Itajaí – Fone: (47) 3348-9542 / (47) 99724-1581 Hauschild Advogados Associados (Desconto de 20%) www.hauschildadvogados.adv.br Fones: Brasília (61) 3024-8446 / São Paulo (11) 2628-6756 Porto Alegre (51) 3226-9330 HB Produções Audiovisuais (Desconto de 10%) Rua Guilherme Albani, 169 – Bairro Dom Bosco | Itajaí | Fone: (47) 99998-0050 Hotel Estação 101 Ltda. (10% no hotel e descontos variados no restaurante) Br 101 – KM 118 – Bairro Espinheiros | Itajaí | Fone: (47) 3390-0101 Hotel Hilton Garden Inn (Desconto de 15%) Avenida Osvaldo Reis, 3385 | Praia Brava | Itajaí | Fone: (47) 3514-4110 Integral Soluções Em Engenharia (Descontos Variados) Rua Tiradentes, 262 - Edifício Gabriela - Centro, Ibirama/SC - Fone: (47) 3310-0134 Jormin Ótica Ltda (20% de Desconto à Vista e 10% à Prazo) Praça Vidal Ramos , 197 – Centro – Itajaí – Fone: (47) 3348-6891 Lex Experts Soluções em Alimentos (Desconto de 8%) Rua São Paulo, 250 – Apto 201 – Bairro: São Judas – Itajaí/ SC – Fone : (47) 98856-2714 Lobo Comércio e Indústria de Artefatos de Ferro (Descontos Variados) Rua Dr. Alvim Teixeira Aguiar, 379 – Sorocaba – SP – Fone: (11) 98558-5834 Loja Flor de Amora (Desconto de 20% à vista e 15% a prazo em todos os artigos da loja) Rua José Querino, 566 – São João | Itajaí | Fone: (47) 3348-1731 Mareste Equipamentos e Serviços de Telecomunicação Ltda (Desconto de 12%) Rua Leandro Martins, 22 – Sala 905 – Centro - Rio de Janeiro – Fone: (21) 3549-024 Master Trainer Treinamento (Desconto de 10% em treinamentos de prevenção de combate a incêndio e segurança no trabalho) Av. Sete De Setembro, 707, Centro, Itajaí Fone: (47) 98876-2126 / e-mail: mastertrainerjw@gmail. com


Maxipas Saúde ocupacional (Descontos variados) Av Cel Marcos Konder nº1177, Ed. Pasteur- Sala 501– Centro | Itajaí | Fone: (47) 3348-4742 MCI – Medical Center Image (Descontos variados) Rua: Samuel Heusi, 178 – Centro | Itajaí | Fone: (47) 33904700 MOB Laboratório de Análises Clínicas – Ghanem Laboratório Clínico (Anexo a Clinica Bom Jesus) (Descontos variados) Rua Indaial, 1389 – São Judas | Itajaí | Fone: 0800 000 3001 (47) 984581299 WhatsApp Mugnaini Advogados Associados (Desconto de 20%) Rua José Joaquim dos Santos, 205 – Centro – Itajaí Fone (47) 3344-6060 Navitec (Desconto de 15%) Av. Victor Konder, 188 – Centro – Itajaí – Fone (47) 3344 2946 / (47) 99150 8287 Neto Lavacar Estacionamento e Borracharia (Descontos variados) Rua Pedro Ferreira, 282 – Centro, Itajaí/SC – Fone: (47) 99192-0101 O&C Contabilidade e Consultoria (Desconto de 25%) Rua São Benedito, 1031 – Serraria – São José – SC – Fone: (47) 99212-4670 Óticas Morais (Desconto de 20%) Rua Das Azaléias, 426, Sala 03 – Cidade Nova – Itajaí – Fone (47) 3344-1837 / Rua Doutor Pedro Rangel, 320, Sala 01 – São João – Itajaí – Fone (47) 2125-0451 Ótica São João (Descontos Variados) Rua Emilia Dos Santos, 14 – São João – Itajaí Fone (47) 30452283 / Rua Manoel Fernandes 66, - Centro Navegantes – Fone (47) 30655093 Podóloga – Tânia Regina Pereira (Desconto de 10%) Av. Sete de Setembro 707 - Centro | Itajaí | Fones: (47) 3348-1751 e/ou (47) 99987-2425 Pousada Três Pinheiros (Desconto de 10%) Rua F. G. Bier, 2088 – Gramado - RS Fone: (54) 3295-1006

Quevedo Ótica (Desconto de até 25%) Itajaí: Rua Samuel Heusi, 234 – Centro Fone: (47) 3348-7781 Demais franquias: Florianópolis, São José, Biguaçu Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, Tubarão Balneário Camboriú Royale Odontologia E Estética Ltda (Desconto de 10%) Rua Joinville, 419 – Centro – Itajaí/SC Fone: (47)3045-1777 / (47)99209-1779 Santa Saúde Cartão de Benefícios (Desconto de 20%) Av. Sete de Setembro, 242 – Centro Itajaí/SC | Fone: (47) 3514-5514 Sete Locações Ltda (Desconto de 20%) Av. Gov Adolfo Konder, 2720 – Cidade Nova Itajaí/SC – Fone: (47) 3514-5312 Sua Energia – Soluções Em Energia Sustentável (Desconto de 5%) Rua Alberto Werner, 220 – Vila Operária – Itajaí/SC Fone: (47) 3021-7103 Solução Card Convênios (Descontos Variados) Rua Manoel Vieira Garção, 10 – Centro Itajaí/SC | Fone: (47) 99658-8072 UniFCV (Descontos de 45%) Rua Jorge Tzachel, 83, Fazenda – Itajaí Fone: (47) 3514-3499 Uniodonto (Descontos Variados) Rua Vitória, 123 – Centro – Blumenau/SC Fone: (47) 3041-8070 | (47) 98414-8009 Univali – Universidade do Vale do Itajaí (Descontos Variados) Rua Uruguai, 458 – Centro – Itajaí/SC Fone: (47) 3341 7814 Wagner Camilo e Umpierre Advogados (Desconto De 20%) Rua Albino Gugelmin, 384 – Barra Do Rio – Itajaí Fone: (47) 3021-6729

Prómais Consultas e Exames Ltda (Desconto de 20%) Av. Estado Dalmo Vieira, 2525, 1º Piso, Centro |Balneário Camboriú | Fone: (47) 3311-6212

Edição 75 | 31



Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.