Page 1

Índice

4 6

ENTREVISTA: ARMADOR JOÃO MANOEL DA SILVA

10

PALAVRA DO PRESIDENTE: ORDENAMENTO PESQUEIRO JÁ CINEMA: “ANA, SONHOS DE PEIXE” EXPOSIÇÃO: AMBIENTE MARINHO

FOTOS DIVULGAÇÃO

EDITORIAL

12 13 14

EMPRESA QUE FAZ: WMB CONSULTING

17

MAPA DE BORDO: NOVA LEI DE PREENCHIMENTO

18 FIESC: RODOVIAS EM SANTA CATARINA 21 BATE-PAPO: COM MAX GEHRINGER

22

REPRESENTATIVIDADE: CÂMARA SETORIAL DE EMALHE

24

CLIMA: PREVISÃO DE EL NIÑO

26

TURISMO: BLUMENAU COM ESTILO GERMÂNICO

30

POPAI: MERCHANDISING NO VAREJO ECONOMIA: ARMADOR X EMPRESA

32 34

PROFISSÃO: O ENGENHEIRO NAS INDÚSTRIAS

36

PNCR: PLANO NACIONAL DE CONTROLE DE RESÍDUOS TILÁPIA: INVESTIMENTOS

E

PESQUISA

40

RESPONSABILIDADE SOCIAL: PROJETO CRESCER FAESC: AGRICULTURA

EM

TRANSE

POLÊMICA: GLAZE NOS PESCADOS

DE

PEIXE

MENSAGEM: FILHOS SÃO CAPA:

42

45 46

CRÉDITO PESQUEIRO: CUSTEIO NA PESCA CULINÁRIA: TORTA

39 FOTO MARCELLO SOKAL

ARTE DE: ALBERTO DUCATI

48

49

COMO

NAVIOS

50

Construção típica alemã, Blumenau, SC / DESIGN: PEU JAPIASSU

FOTO: MARCELLO SOKAL

REVISTA SINDIPI A REVISTA SINDIPI é uma publicação do SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DA PESCA DE ITAJAÍ E REGIÃO Diretoria do SINDIPI: Antônio Carlos Momm (presidente), Dario Vitali (vice-presidente), João Manoel da Silva (tesoureiro) – Departamento Jurídico: Marcus Vinícius Mendes Mugnaini (OAB/SC 15.939) – Sede: Rua Pedro Ferreira, 102, Centro, Itajaí, Santa Catarina – 88301-030; sindipi@sindipi.com.br – Fone: (47) 3348-1083 – Envie suas cartas para: cartas@sindipi.com.br – Coordenação editorial: Antônio Carlos Momm GRUPO ALPHA SUL COMUNICAÇÃO: Rua Argentina, 30, s/301, Balneário Camboriú, Santa Catarina – 88338-055 – Fone: (47) 3263-0590 REVISTA SINDIPI – Jornalista responsável: Daniela Maia (SC.01259-JP); Editor de Arte: Gerson Reis; Diagramação: Briane Dal Cero e Diana Elisa; Reportagens: Rogério Pinheiro; Revisão: Peu Japiassu e Rafaela Silva; Fotos: Marcello Sokal; Para anunciar na Revista SINDIPI: Departamento de Publicidade: Arlete Piccolo – publicidade@grupoalphasul.com.br – Envie suas cartas para: grupo@grupoalphasul.com.br; Impressão: Gráfica Pallotti – Santa Maria, RS – www.pallotti.com.br – Tiragem desta edição: 5.000 exemplares – Circulação: setor pesqueiro nacional AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

3

25/8/2006, 18:16

2006

REVISTA SINDIPI 3


Editorial

FOTO PEU JAPIASSU

Como é bom dividir as informações com os leitores da Revista e também dar oportunidades para que trabalhos, ações, pessoas, sejam reconhecidas. Além disso, todos nós aprendemos, através de exemplos e reflexões. Um bom exemplo de perseverança é do jovem Rodrigo de 16 anos (Responsabilidade Social) que quer aprender e trabalhar em uma indústria de pesca e ajudar toda a família. O armador João Manoel da Silva, que “abre” seu coração e conta detalhes de sua jornada de vida, com belos exemplos de sabedoria. Para um bom passeio cultural, a nossa sugestão é conhecer a cidade catarinense com estilo germânico, Blumenau. Vamos conhecer as “mil e uma utilidades” do profissional engenheiro

4 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

4

nas indústrias. Tecnologias apresentadas pela WMB que garantem a redução no custo do combustível marítimo. O articulista Max Gehringer divide conosco sua sabedoria e bom humor sobre assuntos corporativos. Confira a polêmica do glaze no pescado. Merchandising no ponto-de-venda é um tema que apresentamos com foco no varejo e outras novidades. E nada melhor que aprender uma deliciosa receita preparada pelo Chef José Eduardo do espaço gastronômico Palatare. Para desejar uma boa leitura, me inspirei na mensagem desta edição que trata da: humildade, humanidade, honestidade, disciplina, gratidão e generosidade. Agora sim, uma ótima leitura e até a próxima! Participe: sugestões de matérias encaminhe para redacao@sindipi.com.br

Daniela Maia, editora

2006

25/8/2006, 18:16


AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

5

25/8/2006, 18:16

2006

REVISTA SINDIPI 5


Entrevista: João Manoel da Silva

Uma linda experiência de vida Daniela Maia

FOTO MARCELLO SOKAL

Q

O armador João Manoel da Silva tem muita história para contar, já exerceu mais de 30 atividades, começou a trabalhar na roça, descascar camarão e hoje é conhecido como um grande empreendedor, proprietário da empresa Pescados Açores.

1/2 rodapé

6 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

6

uem conhece bem o armador João Manoel da Silva, conhecido como Joãozinho, reconhece a sua sabedoria adquirida ao longo do tempo. O trabalho faz parte do dia-a-dia de João desde os seis anos de idade. Os ensinamentos vieram bem cedo, heranças da mãe (in memorian), Sabrina Souza da Silva e do senhor Manoel Inácio da Silva, hoje com 94 anos, que coloca em primeiro lugar a honestidade e o esforço no trabalho. João é casado com Natalícia. Sabrina, de 15 anos é o fruto desse amor. Além de saber a opinião do armador sobre a pesca profissional, vamos compartilhar as experiências adquiridas ao longo do tempo, que com certeza nos ensinarão muito.

1/2 rodapé

2006

25/8/2006, 18:16


SINDIPI – Conta um pouco da sua infância. João – Eu nasci em Armação, Penha. Meu pai ainda mora na Armação. Ele trabalhava como pescador, em canoa a vela e na roça. Ele era conhecido como o açougueiro de Armação. Na época, eu trabalhava na roça, ajudava meu pai a matar porco, boi e vendia. SINDIPI – O trabalho iniciou cedo... João – Tive várias atividades, desde cozinhar camarão, abrir vala para enterrar a casca, bater bomba na salga, descascar camarão, vender doce, vender picolé, açougueiro, pedreiro, marceneiro, criador de peru, faxineiro de padaria, ajudante de padeiro, forneiro, balconista, garçom, gerente de restaurante sírio, dono de restaurante, representante de vendas, trabalhei como consultor na empresa Supergasbras, enfim, passei por uma média de 30 atividades. SINDIPI – Durante este período, dedicou-se aos estudos? João – Não gostava muito de estudar, na escola eu adorava colher goiaba, brincar no mato e montar a cavalo. Tenho até o segundo grau incompleto. Adquiri muita experiência de vida desde os seis anos de idade. Hoje conheço as pessoas só pela conversa e já percebo a intenção só no falar. SINDIPI – Quando você veio à Itajaí? João – Vim para Itajaí aos 15 anos de

1/2 rodapé

idade, trabalhar no curtume Fritz Schneider. O curtume já estava extinto, mas lá a gente trabalhava com criação de peru, pato, galinhas, horta e cabrito. Depois de um ano em Itajaí escrevi uma carta para meu irmão Iolando em São Paulo e logo fui para lá. Em São Paulo comecei a trabalhar como faxineiro de uma padaria, no segundo mês já era ajudante de padeiro, no terceiro, forneiro e no quarto eu fui para o balcão da padaria e depois fiz curso de garçom. Fui gerente de um restaurante sírio na Praça da Sé e cheguei a ser sócio de um bar-restaurante. Após dois anos, vendi o bar-restaurante, comprei um carro, vim passear em Itajaí e não voltei mais. SINDIPI – E em Itajaí, começou a trabalhar em que? João – Durante dois anos em Itajaí fiz vários bicos, até trabalhei com fotografia com o profissional Bellini e alguns meses na pesca e logo comecei a trabalhar como representante de artesanato de uma fábrica em Balneário Camboriú. Na época, a fábrica tinha sete funcionários e eu sugeri que o proprietário aumentasse a produção que eu ia conseguir vender seus produtos. No final, fiquei como o vendedor oficial da fábrica, que cresceu e contratou mais 53 funcionários. Depois disso ainda fui representante de uma empresa de calçados de segurança, trabalhei como consultor de vendas na Supergasbras.

SINDIPI – Quando iniciou sua atividade como armador? João – Trabalhando na Supergasbras durante 10 anos, comecei a comprar madeira para fazer a primeira baleeira de 13 metros, “Príncipe do Mar”, isso em 1980. Coloquei a minha primeira embarcação no mar em 1982. Um ano após comecei a fazer a segunda embarcação com 14 metros e coloquei na água em 1985 para capturar camarão sete barbas. Em 1987 eu comprei um cavername de um barco que chamava Pingüim, atual Mar Azul III. Depois eu comprei dois barcos de ferro da antiga Confrio, reformei, trabalhei com esses barcos cerca de cinco anos, depois eu vendi. SINDIPI – Como adquiriu experiência neste ramo? João – Fui aprendendo no dia-a-dia, conforme precisava. Quando fui fazer o primeiro barco eu já tinha contratado um mestre para trabalhar comigo e depois fui fazendo amizade com a turma da pesca e trazendo os melhores para trabalhar. SINDIPI – Ainda está com todos os barcos? João – Vendi as baleeiras e cheguei a ter cinco barcos maiores. Vendendo três barcos no ano passado, hoje possuo duas embarcações de arrasto, o Mar do Sul II e o Del Mar II.

1/2 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

7

25/8/2006, 18:16

2006

REVISTA SINDIPI 7


Entrevista: João Manoel da Silva SINDIPI – Por que resolveu vender as embarcações? João – Eu deixei de investir na pesca há uns 10 anos. Vendi os barcos porque não vejo futuro no setor. Comecei a investir em outros empreendimentos, construí um prédio para Justiça Federal de Itajaí. Tenho um posto de abastecimento náutico arrendado e uma oficina arrendada com maquinários e ferramentas. SINDIPI – Em sua opinião, por que a pesca não tem futuro? João – Há tempo não param de construir embarcações. Eu sempre falo ao IBAMA e à SEAP/PR que embaixo de cada pé de árvore no município de Navegantes está sendo construído um barco e eles não tomam providência. Quanto mais embarcação, mais a pesca será extinta. Lembro da época da SUDEPE, que para construir uma embarcação precisava ter licença prévia. Hoje, como não há fiscalização na construção, virou uma bagunça, há muitos barcos pescando. SINDIPI – Qual a sua avaliação do defeso na categoria de arrasto? João – Estamos discutindo um defeso para 2007. A proposta é parar por três meses a captura do camarão rosa e por dois meses toda a pesca de arrasto, seja boca aberta, bote, lancha, baleeira, barcos de arrasto de peixe, barcos parelha e arrasto de camarão

1/2 rodapé

8 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

8

rosa. É preciso parar tudo, caso contrário, não há como sobreviver. SINDIPI – Por que parar todas as embarcações de arrasto? João – Nós que temos a licença de camarão rosa, vamos preservar, mas as baleeiras de sete barbas, boca aberta e os botes acabam pescando nesta época de defeso o nosso camarão rosa juvenil, dentro das três milhas. A conclusão é simples: se nós pararmos e eles não, nem adianta fazer defeso. SINDIPI – E a fiscalização? João – A fiscalização é muito necessária para que se respeitem o defeso. Infelizmente, o IBAMA não tem estrutura para fiscalizar lá fora (alto mar), só agem aqui na entrada do porto, assim não adianta. Para colaborar, oferecemos barcos para fazer a fiscalização no próximo ano em todas as áreas que possa estar pescando irregularmente. Atualmente, quem respeita o defeso é o maior prejudicado. Há muitas embarcações que se dizem artesanais, a exemplo da baleeira que tem um porão maior que os nossos barcos de camarão rosa. Uma concorrência desleal. SINDIPI – Qual outra dificuldade na pesca? João – O preço do óleo diesel marítimo. Um exemplo: se o litro do óleo diesel está R$ 1,70 e vendemos o pei-

xe a R$ 1,40, pergunto: como sobreviver? Se nós arrastamos 20 dias, e pegamos 30 toneladas de peixe, podemos fazer 40 mil reais, mas a despesa já sai por 30 mil reais. E desses 40 mil, 20% é manutenção para cabo de aço, rede, motor, pintura, guincho, reversão, puxada e reforma geral. No final sobra de dois a três mil reais para dividir entre a embarcação e o pescador. SINDIPI – Mesmo assim há empresas investindo... João – Quem está investindo está pensando em pescar mais em alto mar, em profundidade, mas ainda o futuro é bem incerto, já que não há uma pesquisa da nossa biomassa e ainda tem o alto custo do óleo diesel. SINDIPI – Como parte da diretoria do SINDIPI, quais ações emergenciais que estão sendo tomadas? João – O Sindicato reivindica tudo o que é para reivindicar, só que a SEAP/ PR vira as costas, não dá importância. Quando paramos a barra em novembro do ano passado, foi prometida uma audiência com o Presidente Lula. Fomos até Brasília, mas mandaram o secretário do secretário nos atender e ainda estava com pressa. Nós estamos na batalha, mas quem caneteia e quem está com o recurso é o Governo Federal.

1/2 rodapé

2006

25/8/2006, 18:16


SINDIPI – O que espera da política na área pesqueira? João – Se a SEAP/PR se transformar em Ministério, teria que mudar todas as pessoas. Eles não entendem de pesca e não fazem um esforço para entender. Nós sugerimos propostas para o setor e eles acabam entendendo tudo ao contrário. SINDIPI – Há muitas discordâncias? João – Sim. Só um exemplo: participei da Conferência Nacional da Aqüicultura e Pesca em Brasília e falei com os responsáveis pela área na SEAP/PR sobre a licença de arrastar camarão pitu e cristalino, quando estávamos no defeso do camarão rosa. Eles disseram que nós só poderíamos trazer 3% de peixe de profundidade, porque tinha um esforço de captura grande, inclusive de peixe-galo. E nós sabemos que não há pesca excessiva de peixe-galo, porque não há comércio para esta espécie. SINDIPI – Se fosse Ministro da Pesca, quais suas principais ações? João – Primeiro, dar condições de trabalho para a atividade pesqueira, verificando o custo do óleo diesel. O óleo diesel teria que ser em média R$ 1,00 o litro. Senão for isso a pesca não sobrevive por muito tempo. Em segundo lugar, parar com a construção de barcos de pesca de pequeno e médio porte, não dar mais licença para ninguém e fiscalizar em terra

1/2 rodapé

quem está construindo barcos, alertando sobre as licenças de pesca. Em terceiro lugar, fazer uma descarga de peixe monitorada em cada cidade e reavaliar o preço da descarga do pescado. Em quarto lugar, mudar todo o quadro de funcionários da SEAP/PR. SINDIPI – O IBAMA em sua opinião seria só para fiscalizar? João – Eu já pensei ao contrário, mas hoje eu acredito que o IBAMA deve ficar para fiscalizar e até ser responsável pela licença de pesca. SINDIPI – Qual sua filosofia de vida? João – Sou católico e também colabo-

rador da Seicho-No-Ie no estado de Santa Catarina. Inclusive estou fazendo uma sede que em outubro estaremos entregando. A filosofia Seicho-No-Ie é tão boa que eu me inspiro nela, com atitudes positivas: trabalho com amor, trabalho com dedicação, trabalho com honestidade e agradeço tudo o que vejo e o que tenho. Se nós agradecemos o que temos, estamos felizes e, estando felizes, vêm mais coisas boas. Se você tem felicidade, não tem doença, não temos tempo para pensar nela. Tudo o que a gente tem é o que a gente pensa. O que você pensa hoje é o seu dia amanhã porque fica registrado no subconsciente.

JOGO RÁPIDO Empresários: Attilio Leardini, Luzaldo Pscheidt, Evaldo Kowalsky e o Zequinha da Natubrás. Pesca: Uma bela profissão, que foi lucrativa. Família: A família é o alicerce e a aliança da vida. Itajaí: A cidade do coração. Pai: Nasceu em chão batido, no enge-

nho, alimentou-se de produtos naturais, bebia a água da cachoeira e comia o que plantava. Sempre implantou a honestidade impar e esforço no trabalho. Hobby: Viagem de navio e assistir televisão. Um bom prato: Feijoada. Mensagem: “Este mundo é um palco para expressar alegria”.

1/2 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

9

25/8/2006, 18:16

2006

REVISTA SINDIPI 9


Que País é este sem ordenamento pesqueiro! P

arece ironia, o Presidente do SINDIPI, que representa indústrias e armadores de pesca, afirmar que não há um ordenamento pesqueiro no Brasil. Lamentavelmente, essa é a realidade. Fazer com seriedade um levantamento da frota pesqueira é imprescindível para definir um ordenamento e não ficar em números fictícios como ocorre hoje. Outro dado que deve ser analisado é o número de licenças emitidas para embarcações desativadas ou simplesmente inexistentes. Os órgãos também devem enumerar e fiscalizar as embarcações que detenham mais de uma licença de pesca para modalidades diferentes ou para apetrechos diferentes, optando sim por uma modalidade ou apetrecho. A cada ano, armadores e empresários são surpreendidos com normas que não têm um respaldo estatístico e, é claro, muito menos condizente com a realidade. Como conseqüência de falta de ações como estas, nos deparamos recentemente com um conflito entre as embarcações de emalhe e de cerco, tendo como principal alvo a corvina. Não estou aqui para defender uma ou outra categoria, e sim, com outro propósito, unir forças, idéias, e vontade de exigir mudanças e lutar para que novas medidas estipuladas sejam para fortalecer o setor e evitar a pesca desordenada. Reunimos os Sindicatos que representam a pesca na região Sul e Sudeste e propusemos um ordenamento e uniformização de licenças de pesca nas modalidades caceio emalhar e cerco para que se faça constar em todas as captura de corvina. No caso das licenças de caceio de emalhe, hoje acontece que algumas embarcações são contempladas e outras não. Sendo a corvina única espécie alvo desta modalidade de pesca. Na modalidade cerco, existem embarcações contempladas para captura de corvina e outras não. Assim, busca-se a uniformização das licenças para todas as embarcações de forma precária por um período de um ano. 10 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

10

A sugestão é que se faça um estudo científico pelo período de um ano para avaliar sobre a pesca da espécie, com a participação de técnicos do Governo Federal, universidades e do setor pesqueiro através de seus técnicos indicados. E, após o período de pesquisa estipulado em um ano nas regiões Sul e Sudeste, deverá ocorrer novo ordenamento baseado em dados científicos que o justificam. Nós pensamos no futuro, queremos comprovações científicas através de números e pesquisas, com a participação do armador, que tem experiência na atividade e necessita da pesca para sobreviver. Precisamos de um ordenamento pesqueiro sério e urgente!

Antônio Carlos Momm Presidente do SINDIPI

2006

25/8/2006, 18:16

FOTO MARCELLO SOKAL

Palavra do Presidente


pรกgina inteira

SINDIPI 19.p65

11

25/8/2006, 18:16


Cinema

Filme sobre pescadores vira atração em

FOTOS DIVULGAÇÃO

Cannes J

uscelino (Juce) é um humilde pescador que se maquetes, que batiza de Ana. Apesar da trama se concentrar arrisca no mar todos os dias para ganhar seu sustento. num triângulo amoroso, os aspectos econômicos e sociais do Ana, o amor de sua vida, não quer mais vê-lo ambiente em que vivem são bem retratados. Seja pela correndo riscos e permanecendo na mesma função, sem seqüência de negociação entre os pescadores e o comprador nenhuma perspectiva de melhora. Por isso, a jovem de peixe que os explora, seja pelas cenas em que famílias decide virar sua atenção para Rogério, um guia que leva inteiras se reúnem em torno da televisão para assistir à turistas para passear de buggy. Mas Juce não vai desistir novela. No time dos atores experientes, aparecem Chico Diaz facilmente, e vê uma boa chance de recuperar Ana (Os Matadores) e Phelippe Haagensen (Cidade de Deus). quando a televisão da garota queima. Com uma história Kirill Mikhanovsky, o diretor russo criado nos Estados simples e envolvente, o filme “Ana, Sonhos de Peixe”, foi Unidos, nunca morou no Brasil, mas fala português, explicou a grande a surpresa do Festival de Cannes, na França. A que a idéia do filme nasceu de uma visita ao Rio Grande do produção dirigida pelo russo Kirill Mikhanovsky, foi coNorte como turista há alguns anos. Ana, Sonhos de Peixe produzida por brasileiros e norte-americanos. O longapara ele é, acima de tudo, um retrato humano de um jovem metragem levou cinco semanas para ser gravado. que, como todos os demais, também sonha. Com um elenco formado na sua maioria por pessoas comuns, a história Informações Técnicas passa no povoado de Baía Formosa, no Rio Ana, Sonhos de Peixe - 2006 Grande do Norte e mostra a realidade local. Estúdio: Tristero Filmes, Unison Films (Produção). Juce mergulha a profundidade de trinta Elenco: José Maria Alves (Juscelino); Rúbia Rafaelle da Silva (Ana); Chico Diaz (João); metros para capturar lagostas e raias, sem Phelippe Haagensen (Rogério); Yves Hoffer (Gunther Bass). qualquer equipamento de segurança ou Equipe Técnica: Kirill Mikhanovsky (Diretor, Roteirista); Matias Mariani, Fernanda de treinamento especializado. Ele sonha em ter Cápua, Jakob Michelson, Seth Grossman (Produtores). seu próprio barco, do qual constrói

1/2 rodapé

12 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

12

1/2 rodapé

2006

25/8/2006, 18:16


Exposição

Museu recria ambiente Museu recria ambientemarinho marinho Animais que habitam os mares do Atlântico Sul fazem parte da exposição ecológica da Unesc, Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina em Criciúma

FOTOS DIVULGAÇÃO

E

ntre focas, leões-marinhos, gaivotas, tartarugas, pingüins, golfinhos e o esqueleto de uma baleia-franca com seis metros, os visitantes descobrem o habitat e os costumes desses animais. O acervo é visitado por cerca de mil pessoas por mês. Com função cultural e educativa, a instituição estimula o respeito pelo mar. O ambiente marinho inaugurado em maio deste ano encanta pelos seus detalhes. Areia, conchas e telas com fotos do mar dão uma idéia do habitat desses animais. O museu também tem espécies da mata atlântica, como o tamanduá mirim, sagüis, macaco-prego e bugio. A peça mais recente é um esqueleto de uma baleia-de-bryde, com 14 metros de cumprimento. A estrutura do mamífero deve ser montada até novembro deste ano. A montagem de esqueletos e o processo de taxidermia

Museu de Zoologia de Criciúma

– técnica de empalhamento – são feitos pela universidade. A coordenadora do Museu de Zoologia, professora Morgana Cirimbelli Gaidzinski explicou que entre os animais marinhos, o golfinho foi o que deu mais trabalho para ser empalhado por possuir uma grande camada de gordura. Morgana espera que o museu sirva para alertar as autoridades da região sobre a importância de se investir na preservação das espécies. Os exemplares da exposição foram localizados mortos no litoral sul catarinense. São aves e animais

vítimas de encalhes, redes de pesca e também da poluição do ecossistema local. O trabalho é realizado em parceria com a Polícia Ambiental (10º Pelotão de Polícia Militar de Proteção Ambiental) e o Ibama. O acervo marinho está exposto no hall administrativo da UNESC e pode ser visitado de segunda à sextafeira, das 8h às 22 horas. Aos sábados o horário das visitas é das 8h às 17 horas. A UNESC fica na Av. Universitária, nº 1105, Bairro Universitário, em Criciúma. A entrada é grátis. O telefone para contato é o (48) 3341-2573.

1 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

13

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 13


WMB Consulting traz novidades para a pesca Com experiência no mercado internacional e no setor da construção naval, a empresa WMB aposta no mercado pesqueiro com sistemas de propulsão e dispositivos para melhorar a qualidade do diesel e economia de combustível

1/2 rodapé

14 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

14

Washington Maurojorge, diretor-gerente da WMB Consulting, no evento, em Itajaí, com apoio do SINDIPI

A

WMB Consulting é uma empresa privada, registrada nos EUA, com sede na Flórida, que tem como foco de atuação as regiões da América Latina, Caribe e Estados Unidos. Empresas de grande porte como a Siemens Marine Solutions, Jensen Maritime Arquitetura Naval e Algae-X International fazem parte da clientela da WMB. A proposta da empresa é assegurar suporte técnico e comercial para a implementação de diversos projetos. “Nossas principais atividades incluem consultoria e gerenciamento de projetos ‘business to business’ entre empresas e organizações em nível mundial”, destaca o diretor-gerente da WMB, Washington Maurojorge.

1/2 rodapé

2006

25/8/2006, 18:17

FOTO MARCELLO SOKAL

Empresa que faz


FOTOS DIVULGAÇÃO

A WMB Consulting oferece amplo know-how no mercado internacional de construção naval com 22 anos de experiência nas áreas de arquitetura e engenharia naval, gerenciamento de projetos para novas construções e projetos de reparo naval, engenharia de instalação e operação, geração de energia, indústrias de Oil & Gas e Offshore, além de cursos de treinamento customizados para operação, manutenção e gerenciamento técnico.

Condicionador magnético de óleo diesel ALGAE-X

Pesca de Itajaí e Região, foi lançado, pela primeira vez no Brasil, novas soluções da Siemens Energy & Automations Industrial Solutions and Services Group (I & S). São sistemas de propulsão diesel-elétrica para embarcações comerciais de pequeno e médio portes e de lazer. O lançamento ocorreu no último Diretor da WMB promove dia 28 de junho, durante um café da evento em Itajaí e apresenta manhã no Grand Hotel em Itajaí com um público de 40 participantes, entre novas tecnologias armadores, industriais da pesca e empresários do ramo naval. Através de uma parceria de Durante o evento, o diretordivulgação entre a WMB Consulting e gerente da WMB, Washington o SINDIPI, Sindicato das Indústrias de Maurojorge, apresentou a nova propulsão ELFA da Siemens. Entre as grandes vantagens do sistema ELFA está a integração dos sistemas de comunicação e energia em uma única plataforma, além da redução considerável de consumo de combustível e melhoria do desempenho, manobrabilidade, disponibilidade e segurança da embarcação. Segundo Maurojorge, a Dispositivo Cummins ALGAE-X chegada do sistema de propulsão Workboat Show diesel-elétrico ELFA da Siemens

marca uma nova etapa em matéria de tecnologia de propulsões no mercado naval mundial. “O setor pesqueiro, em particular, tem chances de beneficiar-se desse avanço tecnológico por uma série de fatores, tais como, redução de custos de projeto, construção, instalação, operação e manutenção, esta última praticamente inexistente”, afirma o consultor. No caso das embarcações de pesca, onde maior espaço disponível pode significar aumento do lucro final, o sistema ELFA é particularmente importante, na medida em que a economia de combustível pode chegar até 25%. O sistema consiste na combinação de geradores, motores elétricos e drivers integrados e instalados em qualquer lugar na embarcação. Ele integra os elementos já existentes no barco tais como baterias, conexões externas, thursters ou geradores auxiliares. Com o controle otimizado de motor,

1 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

15

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 15


reduzem-se o desgaste, o ruído do motor e gastos com manutenção. A principal característica é a capacidade de prover uma solução de propulsão flexível e compacta em uma faixa de potência que varia de 150 HP até 1800 HP. Maurojorge ressalta que outra grande vantagem do sistema ELFA é que elimina a tradicional caixa de marchas, fonte de inúmeros problemas para os armadores. Em seu lugar instala-se uma caixa de força, fornecida pela Siemens no conjunto propulsor. O empresário Evaldo Kowasky, de SC, esteve nos Estados Unidos no mês de julho, onde visitou um barco que opera há três anos com o sistema de propulsão. De acordo com o empresário, a conversa com o mestre da embarcação e o armador foi positiva e comprovaram os benefícios do sistema. Outra novidade tecnológica apresentada foi o ALGAE-X condicionadores magnéticos de óleo diesel, a WMB Consulting, Inc. representa o fabricante da linha de produtos e serviços em toda América Latina. Segundo Washington Maurojorge, já foi estabelecida parceria de comercialização dos produtos e serviços da ALGAE-X para toda a região Sul do Brasil com a empresa Motormac, que atua na

1/2 rodapé

16 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

16

FOTO DIVULGAÇÃO

Empresa que faz

O empresário Evaldo Kowasky nos Estados Unidos, em visita a um barco que opera com o sistema de propulsão diesel-elétrico ELFA da Siemens

fácil instalação, em média, menos de 30 minutos por motor, têm garantia eterna e não necessitam de manutenção. O retorno do investimento é praticamente instantâneo”, destaca. Caso seja preciso trocar o motor, pode-se utilizar o mesmo ALGAE-X no próximo motor.

Limpeza de tanques de óleo diesel sem necessidade de parar os barcos.

região há mais de 30 anos. De acordo com Maurojorge, os dispositivos são de fácil instalação e devem ser colocados antes dos filtros de combustível já existente. O resultado é um diesel mais eficaz, revertendo o processo de aglomeração, melhorando o consumo de combustível e prolongando a vida útil dos filtros e componentes dos motores diesel. Maurojorge explica que os dispositivos podem ser instalados em todo tipo de motor diesel, sejam eles de propulsão marítima, veiculares, grupos geradores, agrícolas ou estacionários. “A economia de combustível pode chegar a até 6% , dependendo de vários fatores e sistemas de medição. Em média os resultados na indústria da pesca são de 5%”, avalia. Outro ponto destacado é a instalação. “Os equipamentos são de

A WMB Consulting adicionalmente oferece os serviços de limpeza de tanques de óleo diesel no local. “Este é um serviço inovador e somente é possível devido às soluções tecnológicas que importamos para beneficiar as condições do óleo diesel, começando pelo depósito do diesel a bordo das embarcações e nos diferentes equipamentos”, destaca o consultor Washington Maurojorge. “Novamente os beneficiados com estes serviços são muito mais do que os armadores, pois os tripulantes terão disponíveis as embarcações por mais tempo para efetuar a captura”, analisa. Serviço: WMB Consulting, Inc. – Florida – USA Contato: consultingwmb@yahoo.com Fone: + 1 954-941-0920

1/2 rodapé

2006

25/8/2006, 18:17


Mapa de bordo

Nova lei de preenchimento de mapa de bordo O IBAMA alerta que a fiscalização será intensa ainda este ano. O não preenchimento dos mapas de bordo poderá acarretar até a suspensão do registro do barco

A

partir de novembro deste ano, o IBAMA inicia ampla fiscalização sobre as entregas de mapas de bordo. Na região Sul/ Sudeste a orientação está sendo feita pelo Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul (CEPSUL). As embarcações pesqueiras terão que fornecer as informações de tudo que for capturado, através dos formulários. Os mestres de barcos deverão coletar informações sobre modalidades de pesca, características de embarcação, tipo e quantidade de pescado, locais de pesca, tempo gasto na captura, datas e portos de saída. Assim que desembarcar, o mestre ou o dono do barco terá que entregar o Mapa de Bordo preenchido nos escritórios da SEAP/PR, CEPSUL ou IBAMA, no prazo máximo de sete dias. Caso não façam, as embarcações terão seus registros suspensos por 60 dias consecutivos, contados a partir da data de expedição. A reincidência da não entrega dos mapas de bordo vai ocasionar o cancelamento automático do registro e da respectiva permissão de pesca da embarcação pesqueira. Assim que receber a notificação, o armador terá o prazo de 15 dias, para apresentar a devida justificativa. A aprovação do pedido

fica a critério da SEAP/PR. “Os mapas de bordo geram informações essenciais para o conhecimento das operações das embarcações de pesca e para a avaliação de estoques e, conseqüentemente, para a gestão do uso sustentável dos recursos pesqueiros”, explica o analista ambiental do CEPSUL, Celso Fernandes Lin. O analista disse que haverá intensa fiscalização. “Por enquanto estamos orientando e recebendo esses formulários preenchidos. A partir de novembro vamos cobrar na íntegra a Instrução Normativa”, explica. Como as informações são sobre a pesca, o analista ambiental informou que cabe ao mestre do barco o preenchimento do formulário e reforça que o recibo no ato da entrega do formulário, é a garantia do armador. O ambientalista esclarece ainda

que as informações contidas no mapa de bordo serão utilizadas apenas para pesquisa e não serão liberadas para a fiscalização. “Essas informações são imprescindíveis para poder administrar a pesca. Os dados são sigilosos”. A informação incorreta poderá ter conseqüências negativas para o setor. “Nós estamos preocupados com a sustentabilidade dos recursos pesqueiros para que no futuro não falte”, explica. Lin disse também que a orientação está sendo feita de todas as maneiras. Já avisamos os sindicatos, despachantes marítimos sobre a obrigatoriedade do preenchimento do formulário. As informações podem ser obtidas no IBAMA, CEPSUL, SEAP ou acessando a página da internet dos respectivos órgãos. “Nós estamos entregando a cada armador um disquete com todo os formulários de mapa de bordo”, finaliza o analista ambiental.

O que é mapa de bordo? Mapa de bordo é um formulário específico de registro de dados e informações sobre as operações de pesca de uma determinada embarcação pesqueira. A Instrução Normativa que estabelece os novos procedimentos é: IN Nº 026 de 10.06.2005. No total são 15 anexos, de acordo com cada modalidade.

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

17

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 17


Bate-papo

Recursos Humanos Um bate-papo com Max Gehringer, administrador, ex-executivo, escritor, conferencista, e comentarista de carreiras da revista Época e da Rádio CBN. Também é autor de vários livros: “Relações Desumanas no Trabalho” e “Não Aborde Seu Chefe no Banheiro”, além do “Comédia Corporativa”

FOTO DIVULGAÇÃO

REVISTA SINDIPI - O seu aprendizado no “mundo corporativo” iniciou quando? E qual foi sua primeira lição de vida? MAX - Eu fiz vários bicos muito interessantes entre os 12 e os 15 anos de idade. Trabalhei em rádio, jornal e cinema. Dá a impressão de que fui artista, mas na verdade eu era faxineiro – limpava o cinema após as sessões, e passava cera aos sábados. Meu primeiro emprego com carteira assinada foi aos 15 anos, como office boy de uma grande empresa, a CICA, dos tomates. E eu descobri o quanto minha experiência anterior tinha sido valiosa. Eu sabia falar e escrever razoavelmente bem (por causa do rádio e do jornal). Em menos de um mês, fui promovido a auxiliar de custos. E essa foi a primeira lição que aprendi. Toda experiência na vida é importante. REVISTA SINDIPI - Há como as empresas conhecerem realmente os funcionários, uma radiografia do trabalhador, potencializando

1/2 rodapé

18 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

18

1/2 rodapé

2006

25/8/2006, 18:17


sonamuH sosruceR principalmente suas qualidades? MAX - Qualquer trabalho de rotina pode ser medido. Um operador de

máquina produz um determinado número de peças sem defeito por hora. Um auxiliar de contabilidade digita um determinado número de documentos por hora. Há poucas funções (Marketing é uma delas) em que a mensuração é complicada. Por isso, essas áreas trabalham com verbas, e não com parâmetros de execução. Mas o principal não é medir resultados, isso é até simples. O principal é ter um plano para incentivar melhores resultados. Só ficar cobrando mais produtividade resolve pouco. Muita pressão acaba gerando depressão. R EVISTA S INDIPI Quais as principais

orientações para as empresas continuar crescendo? E quais as ações que devem ser evitadas nos dias de hoje? MAX - Uma empresa precisa conhecer muito bem o seu mercado, os seus clientes e os seus concorrentes. Incluindo os concorrentes potenciais, que podem estar na China ou na Coréia. A história mostra que uma empresa perde o pique (e começa a perder mercado) quando se sente confortável com sua situação e não acredita que possa ser atacada. Esse conforto é percebido quando, por exemplo, a empresa deixa de investir na capacitação de seus funcionários. Ou quando fica para trás em salários e benefícios. REVISTA SINDIPI - Novas técnicas são aplicadas para estimular as pessoas, mas nem sempre funcionam. Por quê? MAX - Em praticamente todos os casos que pude acompanhar na vida,

Max Gehringer foi presidente da Pepsi-Cola Engarrafadora e da Pullman, Santista Alimentos e diretor da Elma Chips e da Pepsico Foods, nos EUA

1/2 rodapé

1/2 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

19

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 19


Bate-papo por falta de bons exemplos práticos de cima para baixo. Em qualquer empresa, discursos bonitos e memorandos criativos só fazem efeito se vierem acompanhados de exemplos pessoais dados pelos dirigentes. “Motivação” é uma palavra que se auto-explica. Ela significa “me dê um bom motivo para ser eficiente, e eu serei eficiente”. Quando o funcionário não vê o bom exemplo, ele se desestimula. REVISTA SINDIPI - Hoje nas empresas há muitos “puxa-sacos”. Como proceder? MAX - Puxa-saco é como corrupto. Ele não existe sozinho. Precisa de um par. Se um puxa-saco se dá bem em uma empresa, é porque existem pessoas que apreciam ter o saco puxado, e incentivam o puxa-saquismo. Mas é bom não confundir “puxar o saco”, que é algo condenável, com “fazer marketing pessoal”, que é algo muito recomendável. O puxa-saco só quer sobreviver até amanhã cedo. J á quem sabe fazer seu marketing é um político, que se relaciona bem com os chefes e sabe divulgar seu trabalho, dentro de limites éticos. A diferença é que o puxa-saco tem vida curta, e quem sabe fazer marketing pessoal constrói uma carreira. REVISTA SINDIPI - Como conseguir o melhor no relacionamento no ambiente de trabalho? MAX - Perguntando aos funcionários o que eles gostariam de ter, e não tentando impor o que a empresa acredita que os funcionários gostariam de ter. Eu já fiz várias pesquisas desse tipo nas empresas por onde passei, e as respostas sempre foram surpreendentes. Porque, na verdade, os funcionários não querem o mundo e o fundo. Eles querem duas ou três coisas simples, que são fáceis de implantar. Outra coisa que aprendi na prática. Quando o funcionário percebe 20 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

20

que a empresa está fazendo alguma coisa pensando nele, o ambiente melhora e a produtividade aumenta. Um exemplo prático. Numa empresa em que trabalhei, tínhamos várias salinhas. Os funcionários, numa pesquisa, disseram que preferiam um salão aberto. Derrubamos as salinhas, e a produtividade aumentou. Um ano depois, em outra pesquisa, os funcionários disseram que era melhor ter salinhas de volta, porque elas davam mais privacidade. Reconstruímos as salinhas, e a produtividade aumentou de novo. REVISTA SINDIPI - Você já teve experiências em empresa de pesca? MAX - Na década de 1980, a organização em que eu trabalhava era dona das Sardinhas Gomes da Costa. Visitei as instalações industriais várias vezes. Lembro-me bem das condições de trabalho, que na época achei horrorosas. Os funcionários de bermuda, alguns deles descalços, e um cheiro terrível. O gerente me explicou que era assim mesmo, e não tinha problema. Eu não acreditei, e fiz uma pesquisa com os funcionários. Resultado: era assim mesmo, e não tinha problema. R EVISTA S INDIPI - Conte uma breve história, ou melhor, uma comédia corporativa que tenha vivenciado e que serve como uma bela lição de vida. MAX - Quando eu tinha 19 anos, eu era apontador de produção. E minha empresa implantou um sistema de jalecos. A diferenciação entre os níveis hierárquicos seria feita pela cor da gola. Os gerentes teriam gola verde, os supervisores teriam gola azul, e por aí vai. Nós, os apontadores, teríamos gola cor de abóbora. E, imediatamente, fomos apelidados de “abobrinhas”. Eu não gostei. E preguei no quadro de avisos da fábrica a seguinte mensagem: “Se a cor da

gola fosse sinal de poder, o palhaço seria o dono do circo”. O Diretor Industrial mandou me chamar na sala dele. E me disse que eu, um dia, iria me tornar um belo cronista do cotidiano das empresas. Mas que, naquele momento, ele ia me dar uma carta de advertência e me suspender por três dias. E eu aprendi algo que carrego no coração até hoje. Bom humor é essencial. Mas tem hora. REVISTA SINDIPI - Em Santa Catarina há várias indústrias pesqueiras. Trocar informações ou esconder. Qual seria a melhor estratégia? MAX - Eu sempre fui muito aberto com meus concorrentes. Nunca enxerguei um concorrente como um inimigo, ou como alguém que precisava ser destruído. Um setor se torna forte quando um ajuda o outro, e se enfraquece quando todos brigam entre si. Quando uma informação era confidencial – por exemplo, estávamos desenvolvendo um novo produto – eu dizia para meus concorrentes que não poderia revelar o que estava fazendo. Mas todos sabemos que 90% das informações das empresas não são secretas, nem confidenciais. REVISTA SINDIPI - Existem segredos para o sucesso de uma empresa? MAX - Cada uma tem o seu. Mas, de modo geral, as empresas de sucesso são as que têm os melhores produtos, as melhores pessoas, e os melhores preços. Isso parece óbvio, mas não é. De cada 10 empresas que eu conheço, 7 gastam muito pouco em pesquisas para avaliar seus produtos contra os dos concorrentes, não investem o suficiente em pessoas, e não têm uma clara noção das o p o r t u n i d a d e s d e re d u ç ã o d e custo. Se a gente analisar bem, as empresas de sucesso são as que têm menos segredos.

2006

25/8/2006, 18:17


FIESC

Federação cobra qualidade no setor de transportes FOTOS ASSESSORIA

Em Santa Catarina as prioridades são os portos de Itajaí, São Francisco do Sul, Laguna e Imbituba e a conclusão ou início de obras nas principais rodovias federais que cortam

O

s recentes investimentos feitos pelo Governo Federal nas rodovias catarinenses, principalmente no trecho não duplicado da BR-101, no sul do Estado, fizeram com que a FIESC, Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, cobrasse mais qualidade na conclusão das obras. “Precisa não só de novas estradas, mas de rodovias bem feitas que usem conceitos modernos de engenharia. De outra forma, o dinheiro dos impostos será desperdiçado e mais vidas serão perdidas em acidentes”, destaca o presidente da FIESC, Alcantaro Corrêa, durante o workshop do Plano Nacional de Logística de Transportes, realizado em julho deste ano, na sede da Federação. No evento, representantes do Ministério dos Transportes ouviram as prioridades do setor privado para os investimentos na área, nos próximos 20 anos. “Não é só fazer rodovia, mas pensar com que engenharia. Hoje, fora de São Paulo não há estradas realmente boas, com manutenção ou sinalização comparáveis ao que

Alcantaro Corrêa, presidente da FIESC e Miguel Masella, secretário executivo do Ministério dos Transportes

vemos em países como Alemanha ou Itália”, disse Corrêa. O presidente ressalta também que a construção de estradas melhores e a manutenção adequada são importantes não apenas para o transporte de pessoas, mas para melhor escoar a produção e trazer as matérias-primas necessárias para as empresas catarinenses. O presidente da Federação ponderou ainda que é positiva a iniciativa do governo de chamar o setor privado para uma discussão sobre os investimentos de logística em transportes em longo prazo. Segundo o secretário executivo do Ministério dos Transportes, Miguel Masella, o plano, a ser concluído em dezembro, é uma agenda de compromissos e

significa o início de um processo de planejamento permanente e em diferentes modais (terrestre, aquaviário e aéreo). Em Santa Catarina, as prioridades apresentadas são os portos de Itajaí, São Francisco do Sul, Laguna e Imbituba, e a conclusão ou início de obras nas principais rodovias federais que cortam o Estado, como a BR-101, BR-116, BR-470, BR-282 e BR-280. Nas ferrovias, o eixo leste – oeste e a ferrovia litorânea. Na parte aérea, os aeroportos regionais. O coordenador técnico do plano pelo Ministério dos Transportes, Marcelo Perrupato, considera o plano a retomada da visão de longo prazo e uma mudança estratégica. AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

21

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 21


Representatividade

Emalhe está preocupada com FOTO DANIELA MAIA

licenças para pesca Benício Marques e Giovani Genázio, coordenadores da Câmara com Antônio Momm

1/2 rodapé

22 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

22

1/2 rodapé

2006

25/8/2006, 18:17


Armadores que atuam em embarcações de emalhe contam com grupo de estudos para defender seus direitos

C

riada em outubro de 2005, a Câmara Setorial de Emalhe, como é denominada, representa uma das categorias pesqueiras do SINDIPI, Sindicato das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região. As embarcações que utilizam rede de emalhe são classificadas em duas categorias: de superfície para a pesca do cação e de fundo, para captura da corvina. Atualmente cerca de 40 armadores participam das reuniões que são realizadas na sede do Sindicato. No final de julho a Câmara reuniu-se para discutir as licenças de pesca. “Hoje existem barcos que têm até três licenças para pescar. Eles podem capturar até três tipos de peixes diferentes. Com a regulamentação da lei, cada armador vai ter que optar por apenas um tipo de pesca. Nós encaminhamos um documento à SEAP/PR, Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República, e no prazo de três meses deve acontecer um recadastramento”, explica o coordenador da Câmara Setorial de

1/2 rodapé

Emalhe, Giovani Genázio Monteiro. O coordenador disse que a tentativa de regularizar as licenças de pesca é o resultado do empenho dos armadores que atuam junto à Câmara Setorial. “Nós tentamos nos organizar, trazer o máximo possível de armadores para que se possa brigar a favor do setor pesqueiro. O pessoal sempre participa, eles estão sempre envolvidos. A gente tenta conversar e trocar idéias e a Câmara nunca toma uma decisão sem ouvir os armadores”, afirma. Além das licenças, outra preocupação diz respeito a modificação da Portaria do IBAMA nº 121 de 24 de Agosto 1.998, que trata do número de rede de emalhe a ser utilizada. “O setor pede que a portaria tenha validade apenas para a pesca de cação na superfície e que não seja vinculada à pesca da corvina e a de outros peixes. Em agosto o IBAMA se reúne com o setor pesqueiro. Será através deste encontro que vamos redefinir a instrução normativa”, completa.

Câmara pede defeso Preocupados com o futuro de algumas espécies, os armadores decidiram pedir um período de defeso para o cação e a corvina, peixes predominantes na produção pesqueira de emalhe. Através de uma votação, 80% dos participantes da Câmara Setorial de Emalhe decidiram pelo defeso. A proposta já foi enviada ao IBAMA e SEAP, que atualmente estudam uma data para o seu início. “A Câmara solicitou um defeso que começaria no dia 01 de novembro e seguiria até o dia 31 de dezembro. Essa data está baseada em relatos de pescadores antigos, mas vamos aguardar um laudo técnico do IBAMA. O pedido de defeso partiu do SINDIPI, através da Câmara Setorial de Emalhe. Os próprios armadores estão conscientes de que é preciso ter um defeso e isso já um ponto muito positivo para o setor pesqueiro”, ressalta o coordenador da Câmara Setorial de Emalhe.

1/2 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

23

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 23


Clima

FOTO MARCELLO SOKAL

Previsão de

no Brasil U

m fenômeno climático que não traz boas lembranças aos catarinenses pode estar a caminho e chegar ao Brasil. Recentemente a OMM, Organização Mundial de Meteorologia, advertiu que detectou um aquecimento progressivo das águas tropicais, no Oceano Pacífico. Este fato pode desencadear o aparecimento do El Niño, nome pelo qual é conhecido o fenômeno climático. Ele provoca o aquecimento da superfície da parte leste do Oceano Pacífico, junto ao litoral do Peru e Equador. Normalmente o fenômeno inicia no meio do ano e termina no fim do ano seguinte. No Brasil, os efeitos de El Niño são menos intensos. As mudanças climáticas mais observadas são secas na Amazônia, principalmente no verão; secas também na estação

O El Niño pode trazer chuva e temperatura acima da média para o sul do Brasil e seca no Nordeste

Para a oceanógrafa Eliane Cristina Truccolo, o fenômeno deve acontecer em 2007

chuvosa no interior do Nordeste (de fevereiro a maio); aumento de temperatura no centro-sul do País e enchentes na região Sul. Segundo a oceanógrafa do CTTMAR, Centro Tecnológico da Terra e Mar, Eliane Cristina Truccolo, há uma possibilidade pequena de ter o El Niño. “Os últimos dados indicam que o fenômeno deve acontecer em 2007, mas de forma bem branda”,

explica. A oceanógrafa disse que a principal conseqüência para pesca é diminuição na safra. “Em condições de águas mais quentes, o fitoplâncton, ou seja, animais e outros seres microscópicos que servem de alimento aos peixes, diminuem”, relata. De acordo com medições da temperatura da água, Truccolo avalia que as águas na costa Sul estão mais quentes. “Fazemos medidas

1 rodapé

24 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

24

2006

25/8/2006, 18:17


constantes da temperatura da água do mar. Na última análise, realizada entre os dias 22 a 25 julho, as águas do Atlântico Sul ficaram entre 0,5 a 1 grau mais quente do que a média histórica, mas não sabemos ainda a causa deste aquecimento e suas conseqüências para o futuro”, ressalta. Segundo o diretor-geral da MetSul Meteorologia, Eugênio Hackbart, o El Niño é um fenômeno que altera a dinâmica do clima em todo o planeta. “Há oscilações equivalentes no Oceano Atlântico, mas sua influência no clima é apenas local. Ainda há muito a entender sobre os fenômenos meteorológicos do planeta” destaca Hackbart. De acordo com o meteorologista do Ciram, Centro de Informações de Recursos Ambientais e Hidrometeorologia da EPAGRI, Maurici Monteiro, ainda não há consenso entre os cientistas sobre as razões que provocam El Niño, mas

o seu mecanismo já é bem conhecido. “Em períodos normais, os ventos no oceano Pacífico sopram fortemente do leste (América do Sul) para oeste (Ásia). As correntes marítimas quentes do Pacífico equatorial têm essa mesma

direção que provoca uma elevação de até 60 centímetros no nível do oceano na costa das Filipinas em relação à do Panamá, além de uma temperatura da água até 8 graus mais elevada na costa asiática”, completa.

Curiosidade O fenômeno El Niño, ou “Menino”, em português recebeu este nome no fim do século 19 por marinheiros de Paita, cidade de 35 mil habitantes, no noroeste do Peru. Os marinheiros associaram a mudança na direção da corrente marítima ao nascimento do menino Jesus, porque o fenômeno é percebido próximo à virada de ano. Mas antes disso, pescadores peruanos já notavam, uma grande redução na farta quantidade de peixes.

Anos com El Niño intenso 1819 – Seca dura quase o ano inteiro no Rio Grande do Sul. 1941 – Enchente catastrófica no Rio Grande do Sul. Em um mês chove 600 milímetros em Porto Alegre e mil milímetros no centro do estado. 1974 – Enchente mata centenas no sul de SC e região de Torres. 1983/1984 – Graves enchentes afetam o sul do Brasil. 1985 – Temperatura alcança quase 43 graus na Grande Porto Alegre, recorde até hoje. 1997/1998 – Graves enchentes voltam a afetar o sul do Brasil.

1/2 página

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

25

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 25


com

ESTILO^

Museus, centros históricos, arquitetura, gastronomia e festas típicas fazem de Blumenau um dos principais cartões postais de SC

GERMANICO 26 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

26

O

clima é quente e chuvoso. A temperatura média varia de 12 a 23 graus no inverno e de 20 a 31 graus no verão. Situada no vale do Itajaí, Blumenau tem hoje cerca de 300 mil habitantes. Vamos conhecer um pouco de Blumenau, destacando lugares turísticos e espaços de cultura e lazer:

2006

25/8/2006, 18:17


Turismo

Opções de lazer e cultura Museu da Família Colonial O Museu da Família Colonial foi aberto ao público em 1967. Ele tem exercido as funções de guardar e preservar a cultura material de diversas famílias que moraram em Blumenau ao longo de sua história, interagindo com a comunidade. O Museu é constituído por um complexo de três casas-museu. Rua das Palmeiras.

Museu de Ecologia Fritz Müller Mantém o acervo de Johann Friedrich Theodor Müller, ou Fritz Müller, sobre a obra e a vida do naturalista alemão. Fundado em 1936, o museu possui um acervo de 66 títulos de periódicos, além de livros, slides, fitas de vídeo, fotografias, coleções de ossos, de animais marinhos e de peles, um insetário, indumentária e utensílios indígenas e alguns móveis e pertences de Fritz Müller. Rua Itajaí, 2195. Sociedade Dramático Musical Carlos Gomes Com a música fazendo parte de sua vida e cultura, os primeiros imigrantes, tão logo chegaram a Blumenau, criaram um pequeno grupo de canto e artes teatrais que deram início ao atual teatro, construído no ano de 1936. Rua XV de Novembro, 1181, Centro.

Museu da Cerveja Localizado junto ao Biergarten, na Praça Hercílio Luz, início da Rua XV de Novembro. Fone: 3326-4463. Museu do Cristal (Glass Park) Inaugurado em 1997, o museu do cristal conta um pouco da sua história, englobando desde a sua produção, até o design e a arte vidreira. Pode-se conhecer a arte de transformar areia e fogo em cristal, acompanhando os processos pelos quais passa o material. Rua Rudolf Roedel, 147 – Salto Weissbach.

FOTOS MÁRIO BARBETTA

Mausoléu Inaugurado em setembro de 1974, abriga os restos mortais do fundador da cidade, Dr. Hermann Bruno Otto Blumenau e seus familiares, trazidos da Alemanha em 1974 por ocasião do sesquicentenário da imigração alemã para o Brasil. Local: Rua XV de Novembro, 161. Macuca Locomotiva utilizada em manobras, quando da construção da E.F.S.C., apelidada carinhosamente por MACUCA. Foi construída na Alemanha e chegou com os primeiros acessórios que deram início às obras de implantação da linha férrea Blumenau Hansa. Praça Victor Konder, junto à Prefeitura Municipal. Biergarten Uma praça histórica, entre a rua e a barranca do Rio Itajaí-Açu, foi transformada no Biergarten – Jardim da cerveja. Com uma vista

O design e a arte dos cristais; A cervejaria Eisenbahn; AO LADO: Teatro Carlos Gomes

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

27

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 27


TURISMO

da Cerveja. Nos fundos da praça está o Porto Fluvial de Blumenau que foi, durante muitos anos, o local de embarque e desembarque de pessoas e mercadorias com destino ao litoral. Rua XV de Novembro, em frente à Fundação Cultural.

à religiosidade. Possui uma majestosa torre com sinos eletrônicos. Foi inaugurada em 1963, passando a ser um dos principais cartões postais da cidade. As imagens de Nossa Senhora, Cristo crucificado, São José e o Cordeiro Pascal, esculpidas em cedro por Gotfried Thaler, incorporam-se à fachada principal da Igreja na Rua XV de Novembro.

Roteiro de compras

Ponte dos Arcos No dia 18 de dezembro de 1954, o Presidente da República João Café FOTOS MÁRIO BARBETTA

Morro do Aipim – Restaurante Frohsinn Elevação no centro urbano de Blumenau, com vista panorâmica do centro da cidade. Os terrenos do Morro do Aipim foram adquiridos pelo Dr. Blumenau do governo do Estado. Em

Ponte Metálica da Estrada de Ferro Teve sua construção iniciada em 1929 com material importado da Alemanha. Foi restaurada pela iniciativa privada e considerada patrimônio histórico pela beleza de suas linhas arquitetônicas e por simbolizar um marco do desenvolvimento econômico de Blumenau e do Vale do Itajaí. Fazia a ligação por trem da cidade de Blumenau ao porto de Itajaí.

Uma das bases da economia blumenauense é a indústria têxtil, com seus artigos de cama, mesa e banho e malhas. Blumenau inclui-se entre os 25 municípios brasileiros mais desenvolvidos e a um dinâmico setor de comércio e serviços. No tripé econômico, o atendimento especializado de saúde e em serviços de informática também são referência, com 380 empresas, das quais, 244 produtoras de softwares.

Gastronomia

Locomotiva Macuca, construída na Alemanha

15 de abril de 1863, recebeu o título definitivo, tendo sido assinado pelo presidente da província Pedro Leitão da Cunha. Em 1909, o filho do Dr. Blumenau, Pedro Hermann, doou o Morro do Aipim à Prefeitura de Blumenau.

Filho e comitiva realizaram uma histórica viagem de trem em direção à estação terminal em Itajaí, inaugurando este importante tronco ferroviário entre as duas cidades. Tem 160 metros de comprimento, com três arcos de 41,65 metros cada um. Igreja Matriz São Paulo Apóstolo Moderno templo católico, tem em seu interior vitrais com efeitos de luminosidade e coloração que induzem

28 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

28

O carro-chefe da gastronomia blumenauense é baseado na herança da colonização alemã. Pratos como o marreco assado e recheado, o tradicional eisbein (joelho de porco) e kassler (costela de porco), o excêntrico chucrute que acompanha vários pratos, além das saborosas salsichas branca e vermelha. Os doces, como o appfelstrudel, torta alemã, e as deliciosas cucas dos mais diversos sabores, agradam aos turistas mais exigentes. Outras especialidades comercializadas são os chocolates, os licores e as geléias. As cervejarias de Blumenau são um charme à parte, pois, além de oferecer a tradicional bebida, permitem ao visitante conhecer a fabricação da cerveja e, depois, degustá-la em seus bares estilosos.

2006

25/8/2006, 18:17


Prefeitura de Blumenau

Arquitetura enxaimel Vila “Europa” Itoupava (Vila Itoupava) Passear pela Vila Itoupava, a 25 km do centro de Blumenau, é conhecer os encantos da cultura alemã mais genuína. A preservação da tradição está presente em toda parte, desde a arquitetura, gastronomia, clubes de Caça e Tiro, e até mesmo na educação das crianças. Das sete escolas em atividade neste que foi o primeiro Distrito de Blumenau – fundado no dia 31 de dezembro de 1943 – quatro delas mantêm vivo o idioma germânico. Os visitantes têm ao seu alcance o sabor e a beleza que faz da Vila Itoupava um pedacinho da Alemanha. E o reconhecimento dessa culinária detalhista foi parar no Guia turístico 4 Rodas.

Eventos Muito mais do que um Papai Noel, assim é o Natal em Blumenau, em 2005 ele começou a brilhar pelas ruas. No feriado do dia 15 de novembro, o Projeto da Secretaria Municipal de Turismo ganhou vida em forma de cores, sons e luzes, acompanhado das vozes indispensáveis da comunidade. Nos 39 dias de programação, os blumenauenses podem conferir o colorido de seis desfiles natalinos e a decoração faz brilhar ainda mais a charmosa Rua XV de Novembro e a beleza da Avenida Beira-Rio, enchendo os olhos da comunidade e visitantes até o dia 6 de janeiro de 2006, seguindo a tradição natalina.

A maior festa alemã das Américas A Oktoberfest teve sua primeira edição em 1984 e logo demonstrou que seria um evento para entrar na história. Em apenas 10 dias de festa, 102 mil pessoas foram ao então Pavilhão A da Proeb – atual Parque Vila Germânica –, número que, na ocasião, representava mais da metade da população da cidade. O consumo de chope foi de quase um litro por pessoa. No ano seguinte, a festa despertou o interesse de comunidades vizinhas e de outras cidades do País. O evento passou, então, a ser realizado em dois pavilhões, e acabou fazendo de Blumenau o principal destino turístico de Santa Catarina no mês de outubro. Mas, para quem não sabe, a Oktoberfest não é só cerveja. É folclore, é memória, é tradição. Durante 17 dias de festa os blumenauenses mostram para todo o Brasil a sua riqueza cultural, revelada pelo amor à música, à dança e à gastronomia típicas, que preservam os costumes dos antepassados vindos da Alemanha para formar colônias na região Sul. É por essa característica que a festa blumenauense, versão consagrada da Oktoberfest de Munique, transformou-se, a partir de 1988, numa promoção que reúne mais de 500 mil pessoas. Este ano, a 23ª

edição da festa será realizada de 5 a 22 de outubro, no Parque Vila Germânica, além de desfiles na Rua XV de Novembro. Para obter mais informações, é só acessar o site: www.oktoberfestblumenau.com.br.

Blumenau inaugura o maior centro de eventos do Estado O Parque Vila Germânica – que conta com o maior centro de eventos de Santa Catarina – é um marco para Blumenau, pois reafirma o papel de vanguarda e o perfil empreendedor do município. A obra foi entregue no dia 30 de abril e a inauguração ocorreu no dia 5 de maio. Para o presidente do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Blumenau, Rodolfo Francisco de Souza Neto, a inauguração do Parque é a melhor notícia dos últimos 10 anos. Segundo o presidente da ACIB, Associação Empresarial de Blumenau, Ricardo Stodieck, trata-se de um avanço muito grande para o turismo de Blumenau.

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

29

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 29


A ARTE DE DUCATI

a arte IMPRESSIONISTA de

Ducati

E

m 1847, em reação ao academismo dos salões oficiais de pintura e escultura, surgem os impressionistas. O nome impressionismo é dado por um crítico a partir de um quadro de Claude Monet chamado: “Impressão: O sol se levanta”. Abandonando temas históricos, os impressionistas saem ao

ar livre para captar o efeito da tonalidade da luz sobre os objetos. Seguindo o mesmo estilo, o gaúcho Alberto Ducati, 62 anos, se inspirou no mar e seus trabalhadores para produzir as obras de arte. Ducati pinta paisagens, onde o movimento e o instante

3030REVISTA REVISTASINDIPI SINDIPIAGOSTO AGOSTO /SETEMBRO /SETEMBRO2006 2006

SINDIPI 19.p65

30

25/8/2006, 18:17


FOTOS MARCELLO SOKAL

Rogério Pinheiro

são mais importantes do que as formas nítidas. “Vou ao local, por exemplo, na Praia do Grant, em Barra Velha, onde tenho uma casa, e observo o ambiente. No mesmo local, ou em casa esboço um desenho e através dele faço a pintura”, explica o artista. Um movimento contínuo de ir e vir. É assim que se pode definir a carreira desse pintor de José Bonifácio/RS, mas residente em Itajaí/SC desde 1983. Quando produziu o primeiro quadro, no inicio da década de 60, até ano de 2001, Ducati nunca pôde dedicar-se à pintura por completo. Da mesma forma que a separava, as circunstâncias da vida sempre levavam a ela, como a onda do mar, que retrata nos seus quadros. Um desses episódios foi a morte do pai. Ducati foi obrigado a abandonar tudo para cuidar da família. “Antes do meu velho morrer ele me disse: Você vai a São Paulo aprender a desenhar melhor do que você desenha, mas ele morreu nesse meio tempo. Parei e não mais fiz coisa alguma. Eu tive que atender o lado financeiro da família”, comenta. Ducati sempre trabalhou com números. Como auditor de empresas nunca parava em casa e não tinha tempo para pintura. Depois da aposentadoria, ele viu na sua antiga

paixão, uma válvula de escape para descarregar os muitos anos de pressão. O artista contou que a vinda para Itajaí, em 2001, fez ele se interessar pela pesca. “Eu vim para cá em 1983, antes disso morava em Chapecó. A pesca é um tema que me agrada. Em qualquer lugar que você vá, a pesca é um assunto que chama atenção. Todo mundo se sente bem”, explica. O pintor não pensa mais em se afastar da pintura. “Ela nunca me abandonou ou eu não abandonei ela (pintura). O tempo passa, mas volto sempre a pintar. Isso aconteceu três vezes: parar e começar de novo. Agora não largo mais, ela está incorporada, é algo que é meu. Ela foi, é, e vai continuar sendo a minha principal atividade”, afirma. Questionado sobre se sentir realizado na pintura, Ducati respondeu ao estilo impressionista. “Ninguém se sente realizado. Eu às vezes olho para um quadro que pintei, acho feio e refaço tudo”.

*Alberto Ducati é formado em ciências contábeis pela Universidade de Chapecó-SC e pós-graduado pela Univali, Universidade do Vale do Itajaí. Foi balconista, radialista, bancário, auditor, consultor, assessor e administrador de empresas. Como pintor ele já teve seus quadros expostos em galerias de Chapecó, Concórdia, Balneário Camboriú e Itajaí. Também tem trabalhos em Porto Alegre/RS e Estados Unidos. AGOSTO AGOSTO /SETEMBRO /SETEMBRO2006 2006

SINDIPI 19.p65

31

25/8/2006, 18:17

REVISTA REVISTASINDIPI SINDIPI3131


Popai

A Presidente do Popai, principal entidade mundial do setor de merchandising, apresenta dicas e tendências de mercado

1/2 rodapé

32 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

32

FOTOS DIVULGAÇÃO

Como atrair o consumidor? M

erchandising do ponto-de-venda, ou melhor, visual merchandising. Uma expressão que significa prioridade no mundo dos negócios. Especialista nesse assunto, Heloísa Omine, presidente do Popai Brasil, tem a proposta de repassar informações para diversos empresários. No Brasil desde 1998, o Popai Brasil – The Global Association for Marketing at Retail é uma entidade sem fins lucrativos, dedicada ao desenvolvimento da atividade do merchandising do ponto-de-venda no País para beneficiar os consumidores, gerar os melhores resultados para os clientesindústria, comércio e empresas de serviços e preservar a ética do setor. Segundo Omine, o visual merchandasing significa uma apresentação orientada de um determinado produto na loja, em sintonia com o consumidor. Na avaliação da Presidente, geralmente o consumidor que quer comprar pescado não pensa primeiro no produto in natura, mas cria um clima imaginário: um jantar, um peixe gostoso, acompanhado de um bom vinho, etc. “Geralmente o consumidor vai às compras e projeta um cardápio e é nesta hora que algumas respostas que parecem simples aos fabricantes podem ter um valioso resultado ao consumidor,

1/2 rodapé

2006

25/8/2006, 18:17


como: a espécie mais adequada para época, o que é preciso para temperar o pescado e o que pode ser consumido com o peixe, e afinal, como fazer uma boa escolha”, relata. A presidente do Popai resume a dica em uma expressão: “ Podemos oferecer um “Kit Festa”, por exemplo”. Heloísa Omine explica que muitas vezes o óbvio significa para o consumidor uma prestação de serviço, criando boas oportunidades de compra. Outra dica são as ações como cross merchandising (venda casada), que podem trazer bons resultados. Um exemplo: uma peixaria que faz uma parceria com uma empresa de talheres, mostrando o porquê daquele talher ser o mais apropriado para consumir peixe. “Mas atenção: a informação clara é primordial, o consumidor deve entender o porquê uma empresa de talher está com exposição em uma peixaria”, alerta.

De acordo com Omine, informações não só nas embalagens dos produtos, mas em posições estratégicas fazem a diferença. E há diversas estratégias: uma mesa arrumada, cenários de mar ou decorações que remetam ao universo marinho, detalhes como cor, iluminação, até a temperatura do ambiente são relevantes, além de instrumentos como banners, displays, lingüetas que saem das gôndolas (estopper e woobler), etc. De acordo com uma pesquisa realizada no Brasil pela entidade em 2004, 81% das decisões na compra de um produto ou marca são tomados no ponto de venda dos hiper e supermercados. A cada ano, o Popai lança um evento “Tendências e Novidades”. Segundo a Presidente da entidade, a tendência 2006/2007 é o uso da tecnologia com LCD e plasma. São as TVs com programação específica para

a loja, um bate-papo direto com o consumidor. Seria um programa de um a dois minutos. De acordo com uma pesquisa do Popai, um consumidor leva em torno de 45 minutos para fazer uma compra total no supermercado. Ou seja, uma média de 3 a 5 segundos para adquirir o que já sabe e na hora de comprar um produto que aprecia, o tempo gasto varia de 1 a 2 minutos, e este tempo é considerado precioso. Há outras novidades e informações técnicas sobre merchandising, além de dicas e resultados de pesquisas sobre o impacto do ponto-de-venda na decisão de compra que podem ser adquiridas através da entidade. Serviço: Contatos para filiação: Fone: (11) 3016.9777 Falar com David ou Juci Site: www.popaibrasil.com.br Endereço: Av. Paulista, 352, 8º andar, cj. 81 CEP 01310-905 – Bela Vista – SP

1/2 página

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

33

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 33


Carga tributária é diferente para o

armador Atualmente o futuro armador tem duas opções: abrir a empresa na pessoa física ou na jurídica. A diferença entre as duas está na quantidade de impostos, taxas e na burocracia

I

ndicada por empresários como uma das vilãs do desenvolvimento e criação de empregos, a carga tributária brasileira ainda é responsável pelo atraso econômico que o País passa em relação ao mercado mundial. Aos poucos, esta realidade começa a mudar. Um bom exemplo vem do setor pesqueiro. Para quem deseja estar legalizado como armador, pode

1/2 rodapé

34 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

34

O Economista Douglas Juliano Rosa

abrir a empresa na pessoa física ou na jurídica. Na pessoa física ele é tributado somente pelo Imposto de Renda. Você trabalha o ano todo para ser tributado no ano seguinte. Eventualmente quando você vender o seu peixe para fora do Estado, é obrigado a antecipar o ICMS. Na

pessoa física, em um único dia o armador abre a empresa e já sai vendendo, enquanto a jurídica passa por todo um processo. Segundo o economista Douglas Juliano Rosa da SDS/Caldas, no qual 95% da clientela são armadores de pesca, para abrir uma empresa na pessoa jurídica é

1/2 rodapé

2006

25/8/2006, 18:17

FOTO MARCELLO SOKAL

Economia


preciso primeiro fazer um contrato social e encaminhar à junta para registro, após o registro na JUCESC encaminhar solicitação do CNPJ, alvará da Prefeitura e inscrição estadual. Depois de todos esses processos, poderá providenciar a confecção de um bloco de notas. Uma maratona que leva cerca de um mês ou mais para concluir, caso não haja pendências. De acordo com o economista Douglas Juliano Rosa, optando pela pessoa jurídica, o armador vai decidir por um regime tributário a ser seguido: o Simples (Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte), Lucro Presumido, ou adotar o Lucro

Real. “Aí entra o trabalho do contador, junto com o armador, que vai analisar, por exemplo, a projeção das receitas que eventualmente a empresa terá e qual o volume de despesa dela.”, destaca. Douglas faz comparações: “Se o cliente tem uma despesa que gira em 80% sobre a receita, logo compensa fazer o lucro real. Se a despesa é muito baixa, então a melhor opção é o Lucro Presumido ou Simples”, disse. Douglas informa que o porte da empresa não faz diferença. Na pessoa física independente do porte, o armador paga o imposto (IRPF) proporcionalmente ao faturamento, você pode faturar R$ 10 mil ou R$ 10 milhões. “Não existe limitação para trabalhar na pessoa física. Se

você vender para fora do Estado, então você é obrigado recolher o ICMS antecipado e essa despesa não tem retorno. Varia entre 7 a 17%”, completa. O economista explicou que a carga tributária em cima dos salários dos funcionários também é diferente para o armador. Hoje uma empresa normal registrada na pessoa jurídica paga, em cima da folha de pagamento dos empregados, um INSS que varia de 20 a 27%. No caso do armador ele paga 2,7%. Em contrapartida o armador paga o INSS sobre a comercialização do produto, ou seja, toda vez que o armador vender para uma pessoa jurídica, deve ser descontado em 2,3% na nota fiscal.

Saiba como fazer a inscrição de uma Empresa física (armador) Primeiro passo: é preciso ter a documentação do barco: título de inscrição, provisão de registro marítimo e registro no SEAP. Verificar serviços com o despachante. Segundo passo: encaminhar ao contador, além da documentação do barco, os documentos pessoais. O contador providenciará o cadastro no sistema. Com o número de inscrição estadual da pessoa física, será emitido o bloco de produtor rural. Em um único dia o armador abre a empresa. Declaração de Renda do Armador: Apesar do armador registrar a empresa na pessoa física e pagar apenas o Imposto de Renda, a declaração anual não é igual de uma pessoa comum. Deve ser preenchido o anexo da atividade rural, sendo relacionado mensalmente as receitas e as despesas.

Exemplo: O programa faz uma apuração para ver o que é mais vantajoso. A primeira pergunta a fazer é: eu só vou tributar 20% do que eu faturei ou meu líquido? Vamos pegar um exemplo de um armador que tenha faturado R$ 100 mil e gasto R$ 70 mil. Logo o líquido será de R$ 30 mil e 20% dos R$ 100 mil, é R$ 20 mil. Após esta conta, analisar o mais benéfico: ou seja, a sugestão é tributar 20% sobre os R$ 100 mil (R$ 20 mil) e não os R$ 30 mil. Os R$ 20 mil será declarado no imposto de renda, que deve ser tributado com uma taxa de 27,5% ou 15%. Informação da Contabilidade SDS Caldas

1 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

35

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 35


Profissão

Engenheiros são o destaque FOTOS MARCELLO SOKAL

no setor pesqueiro

As pequenas e médias empresas de pesca vem buscando suporte técnico através de assessoria com profissionais de engenharia

N

Elizabeth Karsten, Engenheira de Alimentos

o mundo competitivo, as empresas apostam em mão de obra qualificada, inovações, criatividade e outros investimentos. Mesmo com o avanço de novas tecnologias e maquinários, o que seriam das empresas sem os bons profissionais? Por isso, vamos compartilhar com vocês uma profissão que está cada vez mais atuante nas indústrias alimentícias, principalmente no setor pesqueiro; o Engenheiro(a). Um profissional que tem um perfil centrado, com visão objetiva e avaliação de custos, sempre atento ao custo-benefício. Em Santa Catarina há cursos superiores para formação de profissionais habilitados a trabalhar na área de alimentos: engenheiro químico, de alimentos e agrônomo. No nordeste do país, há o curso de engenharia de pesca. De acordo com dados do Conselho Regional de Química de Santa Catarina, habilitados a exercer a profissão no Estado e com registro profissional são mais de 2 mil profissionais, sendo 20% Engenheiros de Alimentos. Esses profissionais trabalham mais nos bastidores e são pouco conhecidos na comunidade. Em contrapartida, são co-participantes na elaboração de diversos produtos que chegam à mesa do consumidor. São eles que se preocupam com a garantia da

3636REVISTA REVISTASINDIPI SINDIPIAGOSTO AGOSTO /SETEMBRO /SETEMBRO2006 2006

SINDIPI 19.p65

36

25/8/2006, 18:17


segurança alimentar, elaborando manuais de procedimentos, processos de controles higiênicos sanitários, entre outros. As funções do engenheiro em uma indústria de alimentos são várias, desde oferecer apoio direto às decisões de diretoria, nas escolhas de processos, equipamentos e embalagens, abrangendo ainda a garantia da qualidade, gerência e supervisão da produção, área comercial (vendas técnicas), perícia, vistoria e avaliação, laudo e parecer técnico, estudo de layout, projetos industriais e a pesquisa e desenvolvimento de novos produtos. Além da responsabilidade técnica, o engenheiro também pode trabalhar com tratamento de água, efluente, controle de pragas, apoio à questão de legislação de produtos, interpretação e aplicação de normas internacionais e toda uma rotina de

Estevam Martins, Engenheiro de Alimentos e Engenheiro Químico

processamento. Em Itajaí, considerado o maior pólo pesqueiro, há diversos engenheiros que atuam nas principais empresas de pesca da região. Na avaliação do Presidente do Sindipi, Antônio Carlos Momm, as pequenas e médias empresas pesqueiras estão buscando suporte técnico através de assessoria com outros profissionais desta área. “Uma das alternativas às pequenas empresas é a prestação de serviços, contratando os serviços de engenheiros para atuar na área de responsabilidade técnica da empresa, realizando todo o ajuste operacional, normas, procedimentos

e outras funções”, constata. Com todas as atuações dos engenheiros nesses últimos anos, o quadro na pesca evoluiu bastante no aspecto de qualidade, desenvolvimento de produto e adoção de normas.

1/2 página

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

37

25/8/2006, 18:17

2006

REVISTA SINDIPI 37


Um exemplo deste crescimento, são as conquistas para o setor. As espécies Tilápia, Catfish, Vannamei tiveram suas exportações viabilizadas pelo empenho dos profissionais engenheiros. Uilians E. Ruivo, licenciado e bacharel em química, com oito anos de pesquisa na área de pescado e 26 anos na indústria de pesca foi o pioneiro na

Tatiana Bergamaschi Costa, Engenheira Agrônoma

viabilização da exportação, contato com produtores e importadores dessas três espécies. O profissional é o co-editor do livro Controle de Qualidade do Pescado e coordenador do Projeto de Atualização do Reiispoa. O engenheiro Estevam Martins, representa o Sindipi em reuniões em Brasília junto a Secretaria de Defesa Agropecuária para discutir os acordos firmados entre Brasil e União Européia em relação ao Programa Nacional de Controle de Resíduos do Brasil (PNCR). Dentro dessas atuações, a mais recente conquista para o setor foi a aprovação do 1º Programa de Monitoramento de Moluscos Bivalves do Brasil, junto ao MAPA. Uma conquista que partiu de uma equipe de engenheiros que criou o Grupo de Estudos de Mariscos, vinculado ao SINDIPI e UNIVALI. Eles foram os responsáveis pela aprovação e o monitoramento nas águas e dos mariscos da Praia Alegre e Enseada do Itapocoroy, no município de Penha, possibilitando o processamento destes moluscos nas empresas pesqueiras. Este grupo de estudos, formado por profissionais engenheiros, se reúne frequentemente para tratar de assuntos de interesse da pesca. Sem dúvida, cabe ao empresário a livre escolha do profissional “habilitado” que melhor atenda os seus objetivos, e quem tem a ganhar é todo o setor pesqueiro.

FOTOS MARCELLO SOKAL

Profissão

Uilians E. Ruivo, licenciado e Bacharel em Química

Geraldine Coelho, Engenheira de Alimentos

Conheça as atribuições do engenheiro em uma empresa de pesca que lançará um produto O profissional engenheiro se preocupa com todas as etapas: realiza estudo de mercado; analisa a viabilidade econômica; faz a engenharia de processo (equipamentos, ingredientes ou aditivos, toda a fase de industrialização); layout de produto e aprovação no Ministério da Agricultura; serviço de atendimento ao cliente; acompanhamento da evolução do produto; faz o feedback entre o consumidor e a empresa.

Karla Hosang, Engenheira Química

3838REVISTA REVISTASINDIPI SINDIPIAGOSTO AGOSTO /SETEMBRO /SETEMBRO2006 2006

SINDIPI 19.p65

38

25/8/2006, 18:18


FOTO MARCELLO SOKAL

PNCR

Estevam Martins (*)

SINDIPI participa da elaboração do PNCR para pescados Mesmo com as atuais dificuldades para a exportação de produtos oriundos da pesca extrativa e aqüicultura, sabemos todos da importância do Mercado Europeu para o setor de Pescados

Estamos passando por um momento muito delicado em relação as nossas intenções em darmos continuidade às exportações para o mercado da UE. O motivo é a falta de um Programa Nacional de Controle de Resíduos em Pescados (PNCR) que atenda os requisitos sanitários deste bloco econômico. Em março deste ano o setor do mel foi excluído da lista de produtos exportados para UE por não possuir um controle de resíduos implantado, o que deixou os outros setores de carnes, inclusive o pescado, ainda mais temerosos com este assunto. No mês de abril, em Brasília-DF, começou a ser discutido pela Divisão de Pescados do MAPA, Secretaria de Defesa Agropecuária e pelas empresas do setor de Pesca e Aqüicultura um plano de equivalência do PNCR às exigências sanitárias da UE. Naquela oportunidade os representantes do PNCR relataram que todos os setores de carnes (aves, suínos, bovinos, eqüinos, ovos, leite e pescados) corriam o risco de banimento das exportações para a União Européia. Esta afirmação foi baseada na cobrança por parte deste parceiro comercial (UE) da aplicação de um Plano Nacional de Controle de Resíduos nos moldes acordados em 2003 entre o MAPA e o FVO (Food

and Veterinary Office). Entre os dias 5 a 7/06/2006 em Bruxelas houve uma reunião entre o MAPA e a FVO, onde foi cobrado do Brasil, sob a ameaça de “Banimento das Exportações” de carnes e seus derivados, a apresentação até setembro deste ano dos resultados de nosso PNCR acordado em 2003. Para cumprimento dessas exigências, várias reuniões foram realizadas com o MAPA, Setor Produtivo (SINDIPI, ABCC, CONEPE, ABTILÁPIA, entre outros) e laboratórios credenciados com o objetivo de atender o acordo firmado em 2003, através da validação de metodologias analíticas, geração de resultados e apresentação destes a UE no prazo já estipulado. As primeiras análises já começaram a ser realizadas. É fundamental que as empresas sorteadas pelo MAPA enviem as amostras solicitadas aos laboratórios credenciados, para que, atendendo às exigências do Mercado Europeu, possamos dar continuidade as nossas exportações.

* Estevam Martins Eng. de Alimentos e Eng. Químico GLOBALSEA – Consultoria em Processamento de Pescados E-mail: estevam@globalsea.com.br Representante do SINDIPI na elaboração do PNCR

1 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

39

25/8/2006, 18:18

2006

REVISTA SINDIPI 39


Tilápia Rogério Pinheiro

EMPREENDEDORES INVESTEM NA U

m peixe pequeno, mas de grande capacidade de adaptação aos ambientes mais variados é a nova promessa da aqüicultura no País. A novidade é a tilápia, que gerou em 2005, aproximadamente R$ 70 milhões ao setor. A produção da espécie cresceu 150% nos últimos cinco anos e tendência dos especialistas, é que cresça ainda mais. Segundo a AB-TILÁPIA, Associação Brasileira da Indústria de Processamento de Tilápia, estima-se que cerca de 100 mil pessoas estejam empregadas, devido à produção do peixe no Brasil. O clima de euforia não pára. Estatísticas indicam que a produção global crescerá 50% até 2010, quando o mundo estará produzindo algo próximo de três milhões de toneladas da espécie. O desenvolvimento 40 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

40

TILÁPIA da atividade no Brasil tende a acompanhar o ritmo do mercado internacional. Sete dos 12 grandes frigoríficos, ligados a ABTILÁPIA, atuam com a exportação do peixe. A previsão da safra 2005-2006 é fechar com mais de mil toneladas de filé de tilápia resfriada exportadas ao mercado norte-americano. Os produtores devem faturar cerca 15 milhões de dólares. Os Estados Unidos recebem o produto brasileiro via aérea. O Brasil exporta também para a Europa, mas em pequena quantidade. “A produção brasileira ainda não cobre nem 20% do mercado norteamericano. O futuro do peixe é promissor, a procura por este tipo da tilápia cresce não só nos Estados Unidos, bem como no mundo inteiro”, explica o ex-presidente da AB-TILÁPIA, o empresário Carlos Alberto Floriani.

2006

25/8/2006, 18:18


O Brasil é o quarto maior exportador de filés frescos desse peixe para os Estados Unidos. O primeiro é o Equador, seguido por Honduras e Costa Rica. Embora, oficialmente o país produza 70 mil toneladas por ano, a AB-Tilápia estima que este valor pode chegar a130 mil toneladas de tilápia, no mercado informal.

Tilápia Modificada Geneticamente Um investimento de US$ 30 milhões no melhoramento genético da tilápia feito pela GenoMar – empresa norueguesa atuante na área de biotecnologia do pescado. No Brasil, a companhia mantém parceria com a Aquabel. Em parceria com a GenoMar, a Aquabel importa todo ano novas matrizes da tilápia Supreme que apresentam uma seleção genética dos pares de DNA economicamente importantes para o melhor desenvolvimento da espécie. A partir daí faz, nas suas unidades os cruzamentos e, também, a reversão sexual pelo processo de incubação artificial dos ovos, garantindo 100% de alevinos machos. A biotecnologia empregada resulta em peixes com maior rendimento de carcaça, com menor consumo de ração, maior resistência a doenças e manejo e

1/2 rodapé

maior velocidade de crescimento. Para se ter um exemplo, a variedade tailandesa cultivada de forma tradicional leva entre 120 e 150 dias para atingir o crescimento ideal, 600 g. Com a variedade Supreme, a Aquabel pretende completar o processo entre 100 e 120 dias, com um crescimento superior, entre 15% e 20%.

Pesquisa testa qualidade do pescado Enquanto o mercado da tilápia se expande, pesquisas são feitas com objetivo de melhorar a qualidade do pescado. Uma delas está sendo desenvolvida no departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição, da ESALQ, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. O projeto visa estabelecer um padrão da cadeia produtiva, onde são identificados a fazenda, a qualidade da água, o manejo, o método de processamento, os resíduos e seus subprodutos, a industrialização e a logística da distribuição para comercialização. O projeto é financiado pela FINEP e envolve vários docentes, pósgraduandos e graduandos. A pesquisa consiste em capturar os peixes, alocados em tanques com capacidade de até 32 unidades por m³,

e submetê-los à depuração em água corrente, onde devem permanecer por pelo menos 24h sem nenhum tipo de alimentação. Diferentemente de outras criações, onde os animais são monitorados individualmente, os peixes só podem ser acompanhados por lotes, fator primordial para que as pesquisas levem em conta, principalmente, a qualidade da água onde vivem. Segundo a professora e coordenadora da pesquisa, Marília Oetterer, para chegar a um estado de qualidade deve se passar por várias etapas. “Os peixes serão submetidos às operações de processamento, quando serão descamados, descabeçados, lavados em água clorada, filetados, embalados e refrigerados. Depois seguirão para as análises organolépticas, microbiológicas e físico-químicas, onde serão avaliadas as substâncias que comprometem, ou não, a segurança do alimento sob o aspecto higiênico e nutricional”. Marília disse também que os produtos devem assegurar a confiança do consumidor por meio de sistemas de certificação, identificação de origem. “Um manuseio adequado e higiênico, do cultivo até o consumo, pode além de evitar a deterioração, garantir a qualidade do peixe”, explica.

1/2 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

41

25/8/2006, 18:18

2006

REVISTA SINDIPI 41


Responsabilidade Social

EMPRESA PESQUEIRA É PIONEIRA NA FORMAÇÃO DE

ALUNOS CARENTES

FOTOS MARCELLO SOKAL

Através do Projeto Crescer, adolescentes terão a oportunidade de aprender, além da capacitação profissional, lições que estimulam a cidadania e seu desenvolvimento pessoal. A empresa Vitalmar Pescados, pioneira do Projeto, ofereceu toda a estrutura no local da empresa

R

odrigo Rudnei de Oliveira, 16 anos, aluno da escola municipal Henrique Mildon é de uma família humilde da periferia de Itajaí. Mora com a mãe, que está desempregada, mais duas irmãs. Rodrigo disse que tem muita vontade de aprender todo o processo em uma indústria pesqueira e manter a estabilidade no serviço. Rodrigo é o perfil de outros milhares de jovens brasileiros. A diferença é que ele recebeu uma oportunidade. Desde agosto, Rodrigo está entre os 40 alunos que participará do curso de qualificação para o primeiro emprego. “A minha família tem esperança que eu possa dar uma vida melhor a todos nós, vou dar o máximo de mim. Quando temos uma oportunidade, precisamos agarrá-la”, diz emocionado. Os alunos foram divididos em dois grupos: área 42 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

42

Renato Hinning, presidente do IBRAEC

2006

25/8/2006, 18:18


Rodrigo de Oliveira, 16, contemplado no Projeto

pesqueira e portuária. O Projeto Crescer trabalha com adolescentes de baixa renda com idade entre 15 e 18 anos e matriculados na rede pública de ensino. A idéia é irradiar primeiro para o estado de SC, depois para o Brasil inteiro. A oportunidade de Rodrigo surgiu a partir da iniciativa do Ibraec, Instituto Brasileiro de Estudos Cooperativistas, mantenedora do Projeto, que tem como proposta fomentar o associativismo, cooperativismo e gerar oportunidades de trabalho e renda, além de atuar na área de responsabilidade social nas empresas. O Ibraec escolheu Itajaí para lançar o Projeto Crescer – Cidadania, Ética e Responsabilidade, que promove subsídios para que o jovem carente descubra e desenvolva suas potencialidades. Através de cursos profissionalizantes, extrahorário escolar, e convênios com empresas que participam do projeto, o aluno tem a chance de ser encaminhado ao primeiro emprego. “Queremos buscar inserir na sociedade jovem de periferia que têm mais dificuldade de entrar no

mercado de trabalho, oferecendo um treinamento adequado”, relata o presidente do IBRAEC, Renato Hinning. A pioneira na área da pesca é a empresa Vitalmar Pescados em Itajaí, que oportunizou toda a estrutura, desde sala de aula, manutenção do espaço, refeições e um gestor para implementar o projeto Crescer para uma turma de 20 alunos. Os outros jovens farão o curso no Porto de Itajaí. Segundo Hinning, as empresas têm muita vontade de participar de projetos desta natureza, mas se

sentem inseguras com relação a efetividade na aplicação dos recursos. “Nós queremos agradecer ao SINDIPI e as empresas que estão participando, são aqueles que acreditaram no projeto e poderão ser orgulhar que no futuro serão os pioneiros do projeto junto ao Ibraec”, enfatiza o presidente do IBRAEC. Na avaliação do vicepresidente do SINDIPI e proprietário da empresa Vitalmar Pescados, Dario Luis Vitali, gerar oportunidades também significa para o setor pesqueiro um alicerce de crescimento qualitativo, que passa principalmente, pela mão de obra. “Não podemos fazer um grande país sem grandes cidadãos. Temos diante de nós uma oportunidade e podemos oferecê-la à sociedade e se não nos preparamos para o futuro, irá faltar mão de obra qualificada”, ressalta. Vitali ainda reforça que o dever do empresário é participar de forma direta e indireta desta transformação. “Nada neste mundo é tão poderoso quanto uma idéia, e essa idéia vem através de

1 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

43

25/8/2006, 18:18

2006

REVISTA SINDIPI 43


Responsabilidade Social

FOTOS MARCELLO SOKAL

AO LADO: Dario Vitali, vicePresidente do SINDIPI; EM BAIXO: Dario VItali, Afonso Pedrini, assessor da Secretaria da Fazenda e Antônio Momm, presidente do SINDIPI

uma oportunidade. E acredito que essa oportunidade chegou”, revela. Em Itajaí o Projeto é coordenado pelas professoras, Maria Elisabeth Bittencourt e Constância da Silva Anacleto. “O objetivo da proposta educacional é criar hábitos, atitudes de convivência e cidadania, assim como atividades básicas para o exercício de uma profissão”, explica Constância. O processo que classificou os 40 adolescentes teve início com uma produção textual, onde participaram cerca de 300 candidatos. Desta avaliação foram pré-classificados 80 nomes que passaram para a fase final de seleção. Na última etapa os candidatos foram visitados em suas residências por uma psicóloga e uma

assistente social que conheceram a realidade destes alunos. Segundo a coordenação, os critérios de avaliação na visita domiciliar observaram a estrutura familiar, o interesse do candidato e da família pelo curso, o interesse do adolescente na inserção do mercado de trabalho e sua motivação pelo crescimento como cidadão. Alunas da escola pública Henrique Midon que freqüentam o Projeto Crescer. DA ESQUERDA PARA A DIREITA: Camila Aparecida, Andra Elize, Camila Kelly, Natasha Becker e Lenise Barbosa

44 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

44

2006

25/8/2006, 18:18


FAESC

AGRICULTURA EM TRANSE José Zeferino Pedrozo Presidente da FAESC, Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC FOTO MARCOS A. BEDIN

O

setor primário da economia brasileira, representado pela agricultura e pela pecuária, vem assegurando ao país crescentes e expressivos superávits na balança comercial, essenciais para sustentar o desenvolvimento econômico nacional. Apesar dessa grande capacidade de contribuir para o futuro da Nação, apesar de ser competitivo e vanguardeiro, o setor é frágil e vulnerável. Isso torna a agropecuária dependente de dois fatores: clima e mercados. A agricultura é assim mesmo, no Brasil, na América do Norte ou na Europa. A natureza dessa atividade e a dependência das condições climáticas criam uma variável imprevisível. Para compensar os desequilíbrios provocados pelo clima, surgiram as políticas agrícolas com medidas de apoio nas áreas de produção, transporte, armazenagem, comercialização, defesa sanitária etc. Criticar a política agrícola oficial tornou-se, no Brasil, uma prática recorrente, um bordão. É inegável, no entanto, que melhorou a qualidade e a dimensão da política agrícola brasileira. Mas também é inegável que falta fazer muita coisa. Poucos governos tiveram sensibilidade para compreender a importância social e política da agropecuária. Essa constatação levou os produtores a ampliar sua representação política no Congresso, onde formaram-se duas atuantes frentes parlamentares – a da agricultura e a do cooperativismo. O gigantesco segmento do agronegócio, que tem como base a agricultura e a pecuária, é responsável por 40% dos empregos,

30% do PIB e 44% da pauta de exportações. O país é o maior exportador mundial de carne bovina, de frango, de soja e de frutas. O orçamento do Ministério da Agricultura deveria refletir essa pujança. Mas, ao contrário, detém apenas 0,28% do orçamento geral da União. Emasculado, as dotações para defesa sanitária animal e vegetal foram reduzidas à insignificância. A agricultura vive mais um momento de extrema dificuldade. As novas condições cambiais e a sobrevalorização do real tornaram as exportações pouco rentáveis. O excesso de grãos no mercado mundial decretou a queda geral nos preços das commodities. Por outro lado, os insumos sofreram forte

encarecimento. O quadro é de intolerável queda de renda e empobrecimento geral dos produtores rurais. Uma política agrícola minimamente eficiente poderia neutralizar parte desses efeitos, com mecanismos de sustentação dos preços agrícolas, melhoria da infraestrutura e sustação das importações predatórias. Problema do campo? Não. Problema de toda a sociedade. As conseqüências da crise já podem ser notadas na redução da atividade econômica e comercial no interior e nas capitais, queda de arrecadação nos Estados, redução no emprego de tecnologia, diminuição da área plantada, queda na produção, queda do PIB, aumento no preço dos alimentos, comprometimento da balança comercial, desemprego e aumento do risco Brasil. O produtor rural e suas instituições estão promovendo manifestações ordeiras e pacíficas em todo o país para revelar e discutir essa situação. Nesse momento, a crise nos impele a promover o “tratoraço” e sustentar reivindicações como amparar os produtos com problemas de comercialização com recursos do Fat; utilizar recursos dos Fundos Constitucionais para financiar títulos de comercialização; prorrogar financiamento, autorizar em caráter de urgência a importação de agroquímicos, implementar o seguro rural, etc. A agricultura reivindica uma política agrícola ampla, consistente, de longo prazo, baseada em princípios da ciência econômica e da administração, sem prejuízo da visão multidisciplinar, social e ecológica. AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

45

25/8/2006, 18:18

2006

REVISTA SINDIPI 45


Polêmica

SINDIPI irá participar do GRUPO DE DISCUSSÃO do GLAZE Com a finalidade de proteger o peixe contra a desidratação, o glazing é tema de discussão entre empresas produtoras e órgãos oficiais. A proposta é informar a porcentagem de glaze nas embalagens e a forma correta Em reunião do setor produtivo: Alexandre dos Reis Inácio de Souza (SIPAG/SP), Michel Tavares de descongelar (SIPAG/SC) e o vice-presidente do SINDIPI, Dario Luis Vitali

O

SINDIPI fará parte do GEPESC, Grupo de Estudos de Pescados Congelados. A decisão ocorreu no último dia 14 de agosto, após reunião com o setor produtivo e integrantes do Ministério da Agricultura. “Como SP é o maior consumidor e SC o maior produtor, queremos traçar uma aliança na questão do pescado congelado”, declara a coordenadora do GEPESC, Ana Maria Pascoal da Cruz. Segundo Ana Maria, a discussão também envolve supermercados e distribuidores. O grupo participa de estudos desde o final do ano passado, com a proposta de determinar um percentual que pode ser absorvido de água durante o processo de produção do pescado. De acordo com o chefe do DIPOA, Lucio Kikuchi, a idéia de formar um grupo partiu com o aumento das denúncias em relação ao peso do pescado congelado, insuficiência de parâmetros legais. 46 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

46

Fazem parte do grupo multidisciplinar, representantes do IDEC, do CONEPE, da Associação Brasileira de Criadores de Camarão, do Instituto de Pesca de São Paulo, do INMETRO e do MAPA, através da inspeção e dos laboratórios, e mais recentemente, o SINDIPI. O teor de água presente nos pescados ou simplesmente sobre o peso líquido dos mesmos é um assunto complexo, mas que exige atenção tanto das empresas quanto dos órgãos federais. Ao INMETRO

compete as questões relacionadas com o peso dos produtos, daí ser ele o órgão oficial de metrologia. Ao MAPA, órgão do Ministério da Agricultura cabe fazer com que não haja um produto fraudado no fim do processamento dentro das fábricas. Antes de esclarecer o ponto de vista do governo e das indústrias, é importante ressaltar que o congelamento é uma tecnologia importante para preservar a qualidade do pescado e cada indústria tem um tipo de

Saiba sobre o glazeamento Ao se mergulhar o peixe, lula ou camarão congelado em uma solução de água e gelo, forma-se uma película de proteção (glacê) de água congelada sobre o produto. Essa “capa” leva o nome de glazing (termo inglês). Seu objetivo é proteger o peixe contra a desidratação (perda de água de composição) durante a estocagem em temperaturas negativas. A maior ou menor incorporação do percentual de glaze depende de vários fatores como: temperatura do produto; temperatura da solução de água + gelo; tempo de imersão; área do produto.

2006

25/8/2006, 18:18


Pescado com glacê

Pescado sem glacê

Santos reforça que o peso líquido do pescado informado na embalagem deve ser sem o glacê, e não colocar porcentagem. “Ao outros processos, impedem de se tirarmos o glaceado está havendo uma chegar a um percentual exato. diferença de peso e já recebemos várias Fatos como estes foram reiterados denúncias”, constata. Na avaliação da na reunião com o Ministério da chefe de divisão do INMETRO, há duas Agricultura. A expectativa do setor orientações aos fabricantes: na produtivo é chegar a um denominador embalagem de pescado deveria ter a comum com a participação de idéias no instrução correta ao consumidor de GEPESC. “Afinal as indústrias querem como descongelar o pescado. O sobreviver, continuar a oferecer fabricante ao inspecionar o produto em empregos e ter interatividade com o sua empresa, deve simular a consumidor, seu público alvo”, metodologia do INMETRO e estar atento à declara Vitali. forma correta de avaliar o peso final, e informar o peso do pescado líquido sem o glaceado na embalagem. Acontece que na realidade, as indústrias justificam que declarar o peso líquido do pescado descongelado é ficção, explicando que variáveis como: espécie de pescado, tempo de permanência do peixe João Riffert, Marcio Brito e Maria Manuela dos a bordo, formas de Santos, representantes do INMETRO na sede do SINDIPI congelamento e

1 rodapé

AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

47

25/8/2006, 18:18

2006

REVISTA SINDIPI 47

FOTOS MARCELLO SOKAL

equipamento, qualidade e velocidade de congelamento. Para tratar deste assunto, o Sindicato também se reuniu com o INMETRO no início de julho, em Itajaí. O setor apresentou como proposta ao orgão, declarar na embalagem do produto, o percentual de glaze utilizado, esclarecendo ao consumidor qual o peso líquido do pescado mais o glaze. Esse já é um método utilizado em outros países. Na Europa, por exemplo, as empresas fornecem listas de preços onde o glaze varia de 10 até 45%. Nos Estados Unidos a porcentagem consta em muitas embalagens. O setor esclarece que a não indicação da porcentagem de água pode acarretar sérios problemas comerciais para o setor. Além disso, muitas indústrias brasileiras abastecem-se de pescado importado do Mercosul, que tem maior regularidade de oferta e preços mais competitivos. Na avaliação do coordenador da Câmara Setorial das Indústrias do SINDIPI, Dario Luis Vitali, o fiscal das empresas é o consumidor “Queremos fornecer alternativas para evitar transtornos comerciais para as empresas e repassar mais esclarecimentos ao consumidor”, destaca. Mesmo assim, a chefe da Divisão de Mercadorias Pré-Medidas do Inmetro, Maria Manuela Mota dos


FOTO JOÃO SOUZA

Crédito pesqueiro

Claudionor Gonçalves (*)

A expectativa da linha de crédito ao armador

As reivindicações do setor pesqueiro junto a SEAP/PR data de Julho/2005 quando encaminhamos àquela Secretaria o documento “Apoio Para Viabilização da Linha de Crédito de Custeio Pecuário Tradicional Para Pesca de Captura Comercial” elaborado e assinado por todas as entidades representativas do setor. Este documento, pela sua importância, foi reproduzido em várias cópias e enviado à SEAP/ PR, Superintendência do Banco do Brasil e aos representantes políticos de Santa Catarina, tanto na Câmara Federal como no Senado. Não cabe aqui apontar quem foi o responsável pela redação da linha de crédito do Custeio Pecuário Tradicional que inclue a pesca com a obrigatoriedade do beneficiário ser sócio de cooperativa ou de colônia de pescadores (cap. 4 – seção 3 – item 8,b do MCR). Esta obrigatoriedade não impede os pescadores artesanais, pois são, na sua totalidade, filiados às colônias,

porém o armador de pesca, pessoa física ou jurídica, por não ser associado a nenhuma cooperativa, ficou impedido de ter o seu custeio financiado pelo crédito rural. O setor pesqueiro não é contra o cooperativismo, porém não pode aceitar uma obrigatoriedade que veda o acesso ao crédito público. Nenhuma atividade produtiva ou extrativa é condicionada à forma cooperativa, para ter acesso ao crédito, portanto a pesca não merece tal tratamento. O impedimento ao crédito já ocorreu na safra 2005/06 e provavelmente ocorrerá também nesta safra 2006/07 que se inicia, tendo em vista que somente agora, a SEAP/PR emitiu a Nota Técnica nº 06/ 2006 (01/06/2006) solicitando ao Banco Central alterações no Manual de Crédito Rural, conforme ofício n°190/2006/ GM SEAP/PR enviado ao presidente do SINDIPI, Sindicato das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região. Por mais otimistas que sejamos, mesmo que o Conselho Monetário Nacional aprove a alteração no Manual de Crédito Rural eliminando a obrigatoriedade do armador ser sócio de Cooperativa, para ter direito ao financiamento de custeio, teremos que esperar no mínimo mais um mês para que seja publicado. Só depois disso é que o Banco do Brasil poderá acolher as propostas de financiamento para Custeio da Pesca. Atualmente o teto máximo por armador é de R$ 150.000,00 com juros fixos

de 8,75% ao ano e amortização em parcela única no final de 1 ano. Recomendamos aos interessados que providenciem seus cadastros junto ao Banco do Brasil para posterior encaminhamento das propostas cujo preenchimento terá a assessoria do SINDIPI. As outras propostas de alterações no Manual de Crédito Rural que constam na Nota Técnica n°06/2006 – COGEC/ SUPLAP/SEAP/PR de 11/05/ 2006 foram recomendadas pelo setor pesqueiro: 1- Exclusão do período de defeso para liquidação do Crédito de Custeio. 2- Exclusão da obrigatoriedade do contrato de garantia de compra do pescado com cooperativas, colônias de pescadores ou empresas que beneficiem o produto. 3 - Inclusão do financiamento de investimentos fixos e semi-fixos destinados à pesca no “Programa de Desenvolvimento do Agronegócio” – PRODEAGRO com recursos equalizados pelo Tesouro Nacional junto ao BNDES, sujeitos às normas gerais do Crédito Rural. 4 - Inclusão do beneficiamento e conservação de pescados oriundos da pesca e compra de embarcações de pequeno e médio porte – Finame Agrícola Especial, para a pesca artesanal e profissional. * Claudionor Gonçalves Engenheiro Agrônomo Msc, Sec. de Aqüicultura e Pesca de Itajaí Diretor de Desenv. e Planejamento diretor_sepesca@itajai.com.br

4848REVISTA REVISTASINDIPI SINDIPIAGOSTO AGOSTO /SETEMBRO /SETEMBRO2006 2006

SINDIPI 19.p65

48

25/8/2006, 18:18


Culinária

Torta de peixe Uma torta prática de fazer, deliciosa e que pode ser feita com vários tipos de peixe da nossa costa. Uma receita preparada pelo chef José Vaz, proprietário e instrutor do Palatare Espaço Gastronômico

Ingredientes: 600 g de filé de peixe (pescada, linguado, abrotea, namorado, robalo, etc) 200 g de camarões médios limpos 400 ml de leite 2 ovos cozidos 300g de purê de batatas ½ cebola média 1 dente de alho 1 folha de louro 1 colher (sopa) de manteiga 1 ½ colher (sopa) de farinha de trigo Noz moscada, cheiro-verde, sal e pimenta a gosto

Modo de peparar Aqueça o leite com os aromatizantes (cebola, alho, louro e noz moscada, sal e pimenta), coloque o peixe e cozinhe por dois minutos junte os camarões e cozinhe por mais um minuto ou até que o peixe se separe em lascas. Retire o peixe e os camarões do líquido, desfaça o peixe em lascas e reserve com o camarão, coe o líquido e reserve separado do peixe. Em uma outra panela coloque a manteiga e a farinha e leve ao fogo baixo e cozinhe por 2 minutos, retire a panela do fogo e, aos poucos, vá juntando o leite em que cozinhou o peixe, mexa até que se torne um creme liso, leve de volta ao fogo e cozinhe por 5 minutos. Em uma vasilha que possa ir ao forno, espalhe metade do creme feito com o leite. Coloque o peixe e os camarões sobre este creme, sobre o peixe os ovos e o cheiro-verde picado, coloque o restante do creme e cubra com purê de batatas, alise com uma colher para que o purê cubra toda a superfície. Polvilhe com queijo ralado e leve ao forno quente para gratinar. Sirva quente. Rendimento: 4 porções Rua 2550, nº 699, Centro, Balneário Camboriú-SC Fones: 3366-3699 / 3367-5946

ERRATAS DA EDIÇÃO XVIII

• Na matéria “Inauguração da embarcação CABRAL

1/2 rodapé

1/2 rodapé

VII”, a identificação correta da primeira foto é: O empresário e sócio do Estaleiro D’leon, Daniel Macarini (pai do Sr. Leonezio Macarini), com o armador Wilson Cabral.

• Na entrevista dos Irmãos Pscheidt, na legenda da foto, o sobrenome correto é: Luzaldo Pscheidt. • O fotógrafo Pedro de Oliveira, do CIITA, colaborou com imagens da visita do candidato Alckmin à Itajaí. AGOSTO/SETEMBRO

SINDIPI 19.p65

49

25/8/2006, 18:18

2006

REVISTA SINDIPI 49


Mensagem

Filhos são como navios que ele esteja em seu lugar mais seguro, protegido. Mal sabemos que ali está em preparação, abastecimento e provisão para se lançar ao mar, ao destino para o qual foi criado, indo ao encontro das próprias aventuras e riscos. Dependendo do que a força da natureza lhes reserva, poderá ter que desviar da rota, traçar outros caminhos, ou procurar outros portos. Certamente retornará fortalecido pelo aprendizado adquirido, mais enriquecido pelas diferentes culturas percorridas. E haverá muita gente no porto, feliz, à sua espera. Assim são os FILHOS. Eles têm nos pais o seu porto seguro, até que se tornem independentes. Por mais segurança, sentimentos de preservação e de manutenção que possam sentir junto aos seus pais, eles nasceram para singrar os mares da vida, correr seus próprios riscos e viver suas próprias aventuras. Certo que levarão consigo os exemplos dos pais, o que eles aprenderam e os conhecimentos da escola, mas a principal provisão, além das materiais, estará no interior de cada um: A CAPACIDADE DE SER FELIZ. Sabemos, no entanto, que não existe felicidade pronta, algo que se guarda num esconderijo para ser doada, transmitida a alguém. O lugar mais seguro que o navio pode estar é o porto. Mas ele não foi feito para permanecer ali. Os pais também pensam que são o porto seguro dos filhos, mas não podem se esquecer do dever de

prepará-los para navegar mar a dentro e encontrar o seu próprio lugar, onde se sintam seguros, certos de que deverão ser, em outro tempo, esse porto para outros seres. Ninguém pode traçar o destino dos filhos, mas deve estar consciente de que, na bagagem, devem levar valores herdados, como: HUMILDADE, HUMANIDADE, HONESTIDADE, DISCIPLINA, GRATIDÃO E GENEROSIDADE. Filhos nascem dos pais, mas devem se tornar cidadãos do mundo. Os pais podem querer o sorriso dos filhos, mas não podem sorrir por eles. Podem desejar e contribuir para a felicidade dos filhos, mas não podem ser felizes por eles. A felicidade consiste em ter um ideal a buscar e ter a certeza de estar dando passos firmes no caminho da busca. Os pais não devem seguir os passos dos filhos e os filhos não devem descansar no que os pais conquistaram. Os filhos devem seguir do ponto aonde os pais chegaram, de seu porto e, como os navios, devem partir para as próprias conquistas e aventuras. Mas, para isso, precisam ser preparados e amados, na certeza de que: “QUEM AMA EDUCA”. “COMO É DIFÍCIL SOLTAR AS AMARRAS” Autor desconhecido

Texto enviado por e-mail por Ciça J. Reis, de São Paulo

PARA SE CORRESPONDER COM A REDAÇÃO DA REVISTA SINDIPI

REVISTA SINDIPI

Serviço de Atendimento ao Leitor: cartas@sindipi.com.br Para anunciar na Revista: Publicidade: Arlete Piccolo – publicidade@grupoalphasul.com.br

50 REVISTA SINDIPI

SINDIPI 19.p65

AGOSTO/SETEMBRO

50

2006

25/8/2006, 18:18

FOTO MARCELLO SOKAL

Ao olhar um navio no porto, imaginamos


SINDIPI 23_0k para COAN.indd 3

1/6/2007 14:16:58

Revista Sindipi Nº 19  

Revista Sindipi Nº 19 - Referente aos meses Janeiro e Fevereiro de 2007.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you