Page 1

Típica Ano VI • Edição 23 • Dezembro / Janeiro de 2013 Sumaré • Hortolândia • Nova Odessa www.revistatipica.com.br

Turismo

Rio de Janeiro

Saúde Desenvolvimento infantil: parte 2

Os Novos

Prefeitos de

Hortolândia, Sumaré e Nova Odessa Acompanhe como, Meira, Cristina e Bill colocarão em prática os projetos em 2013.


2

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

1 MÊS GRÁTIS

#


3

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


4

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


5

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


Para finalizar o ano, pensamos em colocar uma bela reflexão de Cora Coralina, com o título “Assim eu vejo a vida”. “A vida tem duas faces: positiva e negativa. O passado foi duro, mas deixou o seu legado. Saber viver é a grande sabedoria. Que eu possa dignificar minha condição de mulher, aceitar suas limitações e me fazer pedra de segurança dos valores que vão desmoronando. Nasci em tempos rudes. Aceitei contradições, lutas e pedras como lições de vida e delas me sirvo. Aprendi a viver”. E quando será que nós saberemos viver? Cada um tem uma resposta na ponta da língua e um jeito de vivê-la, entretanto poucos se lembram de que “a minha liberdade acaba quando começa a do outro”. E assim seguimos a vida. O mundo em 21.12.2012 não acabou (fisicamente) por completo, mas quantas vezes no dia destruímos um pouquinho dele? Ou ainda mais: quanto tempo desperdiçamos nossos contados segundos de vida com coisas bobas, a fim de nos desgastar e (pior ainda), prejudicar outra pessoa com a violência de nossas palavras? Quanta coisa boa e ruim somos capazes de promover em tudo que está ao nosso lado. Somos uma máquina sem limites e que em 2013 possamos fazer dela (ou seja, de nós) uma linha de produção composta de diálogo, carinho, atenção, amor, paciência e paz para nós e para todos que estiverem ao nosso redor. Nossas esperanças se renovam a cada virada de ano e quando a administração de nossas cidades caem nas mãos de novos prefeitos, surge uma mistura de receio e expectativa. Para esta edição a matéria de Capa traz uma entrevista exclusiva com os prefeitos de Nova Odessa (Bill), Hortolândia (Meira) e Sumaré (Cristina). Todos defenderam seus projetos e de forma clara mostram como colocarão seus respectivos planos de governo em prática. A ideia da edição passada deu tão certo que novamente preparamos um material de Natal para as crianças, a seção Kids, para que os pequenos se divirtam ao lado dos adultos, que não precisam ter vergonha de voltarem a ser crianças. Na seção Personalidades, descobrimos nossa própria escritora, que em breve, lançará o segundo livro de própria autoria, com poemas, pensamentos e lições de vida. Conheçam Maria do Carmo Araújo Pires, uma mulher guerreira, que aos 81 anos, conta como lutou pelo próprio destino. Na seção cultura, preparamos um material tipicamente brasileiro, resgatando a história da “Dança do Catira”, uma cultura caipira local e regional. Em Saúde, continuamos a falar sobre o “Desenvolvimento Infantil”, agora na faixa dos seis aos dez anos. E para finalizar, na seção Turismo abrimos o leque de como é possível aproveitar ao máximo o nosso eterno Rio de Janeiro, a nossa cidade maravilhosa. Ficamos por aqui desejando sucesso, saúde, paz e amor para os próximos 365 dias do ano. Até a próxima!

A Revista Típica é uma publicação bimestral da Editora Seta Regional. Circula nas cidades de Sumaré, Hortolândia e Nova Odessa no estado de São Paulo, com tiragem de 15 mil exemplares. Mais informações sobre a publicação podem ser encontradas no site www.revistatipica.com.br Edição, Administração e Publicidade: Editora Seta Regional Rua Joaquim de Paula Souza, 05 Jd. Yolanda Costa e Silva - Sumaré/SP Cep: 13172-210 Tel.: (19) 3873.1745 setaregional@setaregional.com.br Site: www.setaregional.com.br Diretoria Executiva Andressa Pirschner Assunção andressa@setaregional.com.br Leandro Perez Ribeiro leandro@setaregional.com.br Editora Chefe Andréia Dorta, MTb: 52.196 andreia@setaregional.com.br Edição de Arte/Diagramação/Ilustração Edinelson Cristiano Prazer edinelson@setaregional.com.br Tatiana Santos tatiana@setaregional.com.br Atendimento/Comercial Leandro Perez Ribeiro leandro@setaregional.com.br Administrativo/Financeiro Andressa Pirschner Assunção financeiro@setaregional.com.br

SOCIAL

Sinara Souza sinara@setaregional.com.br

Quem? Quando? Onde? Ns cidades da região..

TURISMO Aproveite ao máximo da Cidade Maravilhosa, o nosso eterno Rio de Janeiro.

Mais uma etapa das crianças durante o “Desenvolvimento Infantil”, agora na faixa dos 06 aos 10 anos.

Assessoria Contábil Exato Contabilidade

KIDS Novos desenhos e brincadeiras para você e seu pequeno se divertirem juntos.

CULTURA

Importante As informações contidas nesta revista são para fins educacionais e informativos. A Revista Típica não se responsabiliza pela utilização inadequada das informações aqui veiculadas, nem pelas opiniões de nossos colaboradores e anunciantes. “Tudo posso naquele que me fortalece” Filipenses 4: 13

O resgate da “Dança do Catira”, uma cultura caipira tipicamente brasileira

CAPA É hora de colocar em prática. Conheça as propostas e projetos dos novos prefeitos de Hortolândia, Nova Odessa e Sumaré.

A vida da escritora Maria do Carmo Araújo Pires.

Fotógrafo Oficial Ben Hur Photo Studio Impressão Bercrom Gráfica e Editora

SAÚDE

PERSONALIDADES

Fotos, Capa e Matéria de Capa Assessoria de Imprensa

www.revistatipica.com.br


7

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


SOCIAL

Celdri Modas. Mais uma loja em Sumaré, agora no Villa Flora

F

iel as novidades do mercado e principalmente ao bom gosto e requinte de sua clientela, a Celdri Modas busca o que há de

melhor no setor. Seja homem ou mulher, o importante é estar na moda e de bem com a vida. Em Sumaré desde novembro de 2007, a Celdri oferece excelência no atendimento, bem como qualidade nos produtos e as melhores condições de pagamento como parcelamento em até 10x; 25% de desconto à vista, entre outras opções. Os sócios Celso Merith e Adriana Roberta Rojas Rivera Merith comemoram o sucesso da loja e como presente acabam de inaugurar mais uma filial no Villa Flora, também em Sumaré. “Começamos o negócio vendendo nossos produtos de porta em porta, depois no fundo de casa e agora já temos duas lojas. Isso é motivo de comemoração”, confessam os empresários. Hoje a Celdri Modas conta com parceiros como Morena Rosa, Schuts, Zinco, Maria Valentina, entre outros. Mais informações pelo telefone 3832-4536 (loja Dall’Orto), 3043-5095 (loja Villa Flora) ou ainda via e-mail no celdrimultimarcas@hotmail.com.

Coquetel de lançamento Celdri Modas - Vila Flora.

1º Torneio de Truco do Rotary Club Sumaré Villa Flora

E

m 02/12/2012 foi realizado o 1º Torneio de Truco do Villa Flora. O evento contou com

32 participantes, formando 16 duplas, as quais fizeram mais de 30 jogos disputadíssimos com muito barulho. A renda arrecadada com os jogos, venda de bebidas e lanches foi revertida para aquisição de materiais esportivos utilizados pela AMVF.

Vem aí : Porco no Rolete, Costelão de Carnes Diversas dia 17/03/2013 Toda a renda será revertida para entidades da região. Acesse nossa página no Facebook e conheça

Campeões: João Carlos Doro e Carlos Alberto Martins Cardoso.

mais sobre nosso clube.

Vice-Campeões: Marcelo Rodrigues de Lima e Wagner Porfirio.

www.facebook.com/groups/rotaryvillaflora.

Terceiro-Lugar: Lilian Cristina Fantini e Anderson Roberto de Almeida.

Apoio: AMVF (Associação dos Moradores do Villa Flora) Patrocínio: Laboratório São Paulo e C&M Propaganda.


Depósito União. Novidades para o cliente em reinauguração

O

Depósito União Materiais para Construção existe desde 1974 e sob nova direção desde 2008, traz consigo a tradição na conquista dia a dia de seus clientes.

Os materiais se diversificam desde a qualidade, as melhores marcas do mercado, seja do básico ao acabamento quando o assunto é reforma e construção. O Depósito União oferece também equipamentos elétricos, ferramentas, entre outros acessórios. Recentemente a loja foi reinaugurada, tornando-a mais ampla e moderna com as novas instalações, oferecendo produtos disposto ao cliente para um melhor auto atendimento. Os sócios Nilson Fernandes Mendonça e Leonice Tomazin Fernandes Mendonça fazem o impossível para sempre estarem na loja. “Embora tenhamos uma equipe muito bem preparada, estamos sempre presentes para valorizarmos nossa clientela. Esse Depósito foi um presente de Deus para nós e se estamos hoje comemorando esta conquista é unicamente por ele”, revelam. O Depósito União se localiza na Rua Joaquim Ferreira Gomes, 121, no Jd. Marquissolo, em Sumaré. Telefones para contato 3873-9975, 3873-9299 ou ainda via e-mail: depositouniao35@hotmail.com.

Coquetel de lançamento Depósito União.


11

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


Calçadão de Copacabana

TURISMO

Rio de Janeiro A Cidade Maravilhosa texto | Renato Saes Melhado, Pós Graduado Docência Superior,

Típica | Outubro Dezembrode/ 2012 Janeiro de 2013

Guia de Turismo Nacional e América do Sul

12

A

região que ocupa atualmente a cidade do Rio de Janeiro foi descoberta no dia 1º de janeiro de 1502 por uma expedição portuguesa comandada por Gaspar de Lemos, que acreditou ter chegado à desembocadura de um grande rio, assim, batizou a baía com o nome de Rio de Janeiro. Contudo, foram os franceses que primeiro se estabeleceram na região e competiam com os portugueses no comércio madeireiro. Os portugueses estabeleceram serrarias naquela localidade e, em resposta à ameaça da presença portuguesa, os franceses trouxeram colonos para habitar e explorar o lugar, em 1555. Depois de anos de luta os franceses foram expulsos. Como resposta às intenções francesas, no dia 1º de março de 1565, Estácio de Sá funda a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. A cidade possuía ruas irregulares e estilo português medieval. Em 1903, Francisco Pereira passos tornou-se prefeito da cidade. Durante sua administração foram criadas avenidas e parques e também um novo porto, casas sem condições adequadas de higiene foram demolidas levando a população pobre a viver nos subúrbios. A cidade do Rio de Janeiro conheceu seu maior esplendor entre 1920 e 1950, quando pessoas do mundo inteiro vinham atraídas pela sua imagem romântica, seus cassinos e suas belezas naturais. Em 1960, deixou de ser capital do país. Atualmente o destino reúne um dos pontos turísticos mais famosos do Brasil, cartão postal da Cidade Maravilhosa, o Cristo Redentor foi eleito pelos cariocas como a “Maravilha do Rio”, e uma das sete maravilhas modernas do mundo. O monumento fica no alto do morro do Corcovado, a 700 metros de altitude, onde um mirante panorâmico descortina grande parte do Rio de Janeiro. Para chegar lá em cima há duas maneiras: de carro ou de trem. O acesso de automóvel é complicado em função da falta de vagas de estacionamento e excesso de flanelinhas. Prefira o trem - o percurso tem 3.824 metros em meio a jardins temáticos e a viagem dura cerca de 20 minutos. Inaugurada em 1931, a imagem do Cristo Redentor é considerada a maior estátua em estilo art déco do mundo. Visível de diversos pontos da cidade e confeccionada em pedra-sabão, tem 30 metros de altura, 28 metros de uma extremidade à outra e pesa 1.145 quilos.

Outro ponto comumente visitado e apreciado pelos turistas do mundo todo é o Pão de Açúcar, onde a emoção do passeio é de tirar o fôlego, começa bem antes de se chegar ao topo do morro, a 400 metros acima do nível do mar. A aventura tem início com a viagem de bondinho, um teleférico envidraçado que apresenta detalhes e ângulos únicos da perfeita geografia carioca. A primeira parada é feita no Morro da Urca, a 220 metros de altitude. Dali, avista-se a Baía de Guanabara e a Enseada de Botafogo. Na segunda e última parada, o visual panorâmico apresenta, além da baía, grande parte da orla da Zona Sul e de Niterói. No verão, vale a pena subir ao Pão de Açúcar no final do dia para curtir o pôr-do-sol. Considerada pelos cariocas como a Cidade do Samba, foi inaugurado um novo atrativo turístico, o parque temático Cidade do Samba, onde o clima do samba é

bana Praia de Copaca


r Estátua do Cristo Redento

reógrafo Carlinhos de Jesus reúne passistas, ritmistas, baianas e casais de mestre-sala e porta-bandeiras terminando com um mini-desfile de Carnaval. E se falamos de samba, outro lugar imperdível é o sambódromo, inaugurado em 1984 e batizado como Avenida dos Desfiles, o Sambódromo recebe visitantes o ano inteiro, que se contentam em apreciar a passarela do samba de 700 metros completamente vazia. A Praça da Apoteose serve de pano de fundo para as fotografias de recordação. E o futebol, não podemos esquecer dele, palco dos mais importantes jogos, o Maracanã, como é conhecido pelos cariocas é um atrativo cultural e turístico, recebendo visitantes até mesmo em dias

Bondinho - Pã o de Açúcar

em que não há jogos. Para os apaixonados por futebol há tours guiados que conduzem à beira do gramado, às arquibancadas, ao vestiário, ao Hall da Fama - onde estão as marcas dos pés de jogadores famosos - e ao Museu do Futebol, com fotos e imagens das mais belas jogadas feitas no maior estádio do mundo, atualmente algumas áreas estão fechadas a visita devido a reforma para Copa de 2014. Um local pouco conhecido dos turistas, é a Vista Chinesa, a construção em estilo oriental fica a 380 metros de altura em meio à Floresta da Tijuca, descortinando uma das mais bonitas vistas da cidade, tendo o Cristo, a Lagoa, o Pão de Açúcar e as praias da zona Sul como pano de fundo, essa é a minha dica para que todos possam presenciar tamanha beleza do local. Faltou falar sobre o que mais atrai os turistas para o Rio de Janeiro, calor, sol, areia e temos as praias, sendo a mais conhecida a de Copacabana e Ipanema, palcos dos mais diversos eventos e públicos do mundo todo. Agora no Reveillon, fica lotada de gente para comemorar o ano novo, considerado por muitos a praia mais bonita do mundo a de Copacabana e a de Ipanema a mais bonita do continente. Na de Copacabana temos o majestoso Hotel Copacabana Palace. Temos também a Lagoa Rodrigo de Freitas, onde tem a maior Árvore de Natal flutuante do mundo, local este onde são realizados passeios e atividades físicas. De clima tropical, quente e úmido, a temperatura anual fica em média 22º centígrados, no verão passando dos 30º centígrados, obtendo noites frescas na maior parte do ano. Falar do Rio de Janeiro, é falar de uma cidade agitada e vibrante, de gente eclética e multipluralista, de bares e shows diversos, falar do Rio é tudo de bom. O melhor roteiro é você quem faz, viaje, planeje e curta suas férias. Bom Natal e Feliz 2013, até a próxima dica de viagem

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

garantido o ano inteiro, ele ocupa uma área de 114 mil metros quadrados na zona portuária e abriga os galpões das principais escolas de samba do Rio de Janeiro. Através das oficinas é possível acompanhar de perto a produção de carros alegóricos e de fantasias. Nas noites de quinta-feira, um espetáculo dirigido pelo co-

13


SAÚDE

Desenvolvimento Infantil O papel importante dos pais no desenvolvimento de crianças de 06 a 10 anos. texto | Lucimara Mugnos, Psicanalista e Gestão de Recursos Humanos, pós graduada em Gestão de Pessoas

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

O

14

desenvolvimento de uma criança é moldado por experiências posteriores, vivenciadas através da relação recebida pelos seus pais, pessoas que fazem parte do seu mundo e pelo ambiente em que vivem. Na edição anterior, iniciamos um grande desafio, “falar sobre o desenvolvimento infantil”, falamos da fase de desenvolvimento dos 02 a 06 anos idade e agora nessa edição daremos continuidade com a fase dos 06 a 10 anos. Nesta fase chamada pela psicanálise como período ou fase de latência (que ocorre dos 06 anos até o início da puberdade – aos 10 anos), está localizado entre as fases fálica e genital, ou ainda entre a organização sexual infantil e adulta, e compreende uma diminuição do que se pode chamar de atividade sexual, isso significa, numa linguagem jovial, “dar um tempo” na sexualidade, ou seja, estar atento aos estímulos não sexuais, pois é a fase de maior desenvolvimento intelectual, da descoberta de novos interesses. O início desse período é mais tenso e conflituoso que sua finalização, uma vez que a criança vai, aos poucos, interagindo melhor com o mundo que a cerca. Ou seja, a fase de latência corresponde a um aumento gradual no tempo de espera pela satisfação dos desejos da criança. Esta aprende, a partir das frustrações, que nem sempre será imediatamente satisfeita e que isso é importante para que possa se relacionar com outras pessoas. Etimologicamente, latência significa estado do que se acha encoberto, incógnito, não-manifesto, adormecido. Seria o tempo entre o estímulo e a reação do indivíduo. Por isso, que os pais tendem a ficar um pou-

co preocupados nesta fase, pois após a fase fálica, as crianças modificam a forma de se relacionar afetivamente com os pais, e focalizam suas energias nas interações sociais que começam a estabelecer com outras crianças, e nas atividades esportivas e escolares. Com a superação ou suspensão do “Complexo de Édipo e de

Electra”. Neste período após as descobertas e aprendizados da fase anterior, após perceber as diferenças biológicas sexuais, a libido sexual adormece. A criança usa então sua energia para o fortalecimento de seu ego, e para desenvolver o superego. A sexualidade da criança torna-se

ora reprimida, ora sublimada, centrando-se em atividades e aprendizagens intelectuais e sociais, como jogos, escola, e estabelecendo vínculos de amizades que irão fortalecer a identidade sexual de ambos, ou seja as características femininas e masculinas. Começam a ter novos referenciais de identidade, como os professores (que geralmente passam a ser paixão da criança) e também passam a se identificar com os heróis das ficções. Tendem nesta fase, a formar grupos de iguais, intensificando o relacionamento entre crianças do mesmo sexo. É quando se formam os chamados clube do “Bolinha” e da “Luluzinha”. É quando se adquirem os valores e papéis sexuais culturalmente determinados, surgem as brincadeiras de casinha, como “Papai e Mamãe”, entre outras e, é quando, segundo Freud, a criança desenvolve atitudes como a vergonha e a moralidade, que serão determinantes no encaminhamento dos desejos sexuais que serão despertados na puberdade. É importante salientarmos que os preconceitos de gênero e os papéis sociais são uma construção histórica. Culturalmente fomos condicionados a vestir certas roupas, cores, exercer determinadas profissões, fruto do machismo da sociedade patriarcal. Claro que papéis femininos e masculinos que são oriundos da própria natureza biológica, como gerar filhos. Nesta fase é importante que pais e professores orientem as crianças de forma a conduzir à um processo de superação de alguns preconceitos de gênero a que fomos condicionados culturalmente. Como podemos ver é uma das características desta fase a modificação do relacionamento com os pais, sendo assim alguns pais podem sentir que não são mais amados como eram


os pequenos devem ter toda a liberdade para expressar emoções: alegria, afeto, tristeza, medo e raiva, as chamadas emoções autênticas. Se a criança for levada a reprimir suas emoções, desenvolverá uma personalidade combalida, neurótica, plena de tensão, ansiedade, angústia, depressão. Por isso, pedimos aos pais a integração e participação nesta fase com seus filhos, pois eles estão conhecendo referencias externas que podem deixá-los confusos nas novas descobertas, ou seja, precisam de esclarecimentos, as dúvidas surgem a todo o momento. Aconselhamos aos pais e educadores diretos que tenham uma relação aberta e com muito diálogo, não esquecendo também que nesta fase os limites e regras terão que ser estabelecidos com mais eficácia, já que tendem a manipular diversas situações para alcançar seus objetivos. Então a presença dos pais continua sendo fundamental nesta fase de desenvolvimento, lembrando que nesta fase ocorrem os traumas como “bullings”, desenvolvendo complexos de inferioridade, auto estima baixo e outros. Devemos esclarecer que se a criança não

tiver completado as fases anteriores, o período de latência será complexo podendo trazer à tona uma agressividade na criança. Já se os conflitos anteriores foram satisfeitos a criança irá lançar suas energias nas novas atividades e relações. E já com o superego desenvolvido a criança irá adquirir um maior senso de justiça, igualdade, aprendendo a compartilhar e desejar que outras pessoas tenham as mesmas coisas que ela. É nesta fase também que aparecem problemas de relacionamento com a família e social, tais como: timidez, agressividade, aprendizagem, separação dos pais, mudanças de escola, mudanças de cidade, casa, falta de interesse, falta de atenção, é de extrema importância a terapia para as crianças com esses tipos de dificuldades, pois a personalidade é definida na infância e traumas não resolvidos refletem na vida adulta Mais informações pelo e-mail lucimara_ mugnos@hotmail.com ou pelo telefone 19 9518-1554. Como psicanalista, atendo adultos, adolescentes e crianças no Jd. Campos Elíseos em Campinas..

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

antes pelos seus filhos, ou então, que seu filho nem liga para ele, ou ainda, estão diferentes. Pois bem, fiquem tranquilos, não é nada disso, seu filho está se desenvolvendo psiquicamente e se relacionando com o mundo externo, “portanto é natural”. Neste período alertamos a todos os pais ficarem atentos, observando, quem são essas pessoas externas que seus filhos estão se relacionando, e se realmente são pessoas de referencias positivas, pois nesta fase a influência é bem acentuada e isso pode mudar no comportamento e até mesmo na personalidade da criança (devemos lembrar que a personalidade de um ser é definida até os 7 anos de idade). A qualidade das relações entre pais e filhos exerce uma influência determinante na formação psicológica destes. A partir dos primeiros meses de vida, os pais e responsáveis pela criação e educação das crianças devem dedicar toda a atenção ao desenvolvimento de sua auto-estima. É imprescindível oferecer muito afeto e carinho, estimular, elogiar, motivar, para que as crianças construam sua personalidade com base em elevado amor próprio. Da mesma forma,

15


TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013

KIDS

16


17

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


18 TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


19

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


20 TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


21

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


CULTURA

Dança do Catira:

Bem da “Cultura Caipira” Local e Regional texto | Gustavo Esteves Lopes - Historiador, Agente Cultural e Pesquisador do Centro de Memória de Hortolândia

22

O

“Catira”, também conhecido po-

Americana; “Redescobrindo São Paulo”, Par-

pularmente como “cateretê”, é

que da Água Branca, Capital, dentre outros).

expressão coreográfica tipica-

Em nome deste grupo representante da cul-

mente brasileira, encenada ao som de duas

tura caipira local/regional, citem-se a colabo-

violas, ou viola e violão, ritmada pelo soar de

ração e esforço despendidos por Francisco

palmeadas e bate-pés, executada por seis ou

Aparecido Borges e Antonio Geraldelli, po-

mais dançadores divididos em duas filas que

pularmente reconhecidos como Mestre Chi-

se entrecortam. A dança do catira é entreme-

quinho e Mestre Toninho. O primeiro, violeiro

ada pela cantoria de uma moda, momento

e embaixador da Cia. de Santos Reis “Rosa

este de pausa para os catireiros enfileirados

dos Anjos”, aos atuais 59 anos de idade, não

no aguardo ao retorno do bate-pés e palme-

somente promove ação social e evangeliza-

ados, em coreografias de “recortados”, “repi-

dora por meio deste bem cultural emanado

Créditos: Joice Durello - Secretaria de Cultura de Hortolândia

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

Anderson Zotesso Rodrigues - Jornalista, Agente Cultural da Secretaria Municipal de Cultura de Hortolândia

cados” e “corta-jacas”. Na antiga Jacuba (atual Hortolândia), bem como em localidades da chamada “Depressão Periférica Paulista” (Campinas, Sumaré, Nova Odessa, Monte Mor, Piracicaba, Itu, Sorocaba, Tietê, dentre outras), até finais da década de 1950, inícios da década de 1960, a “dança do “Catira” era uma das principais formas de entretenimento em festas familiares, populares, e religiosas, principalmente em propriedades rurais, com a exigência de ser executada em tulhas, com finalidade de obter uma maior amplificação sonora produzida por palmeados e bate-pés dos catireiros, e rasqueados e cantorias dos violeiros. Sua prática fora enfraquecendo desde então, recebendo, pois, uma “injeção de fôlego” à sua sobrevivência, em nível local e regional, com

Créditos: Joice Durello - Secretaria de Cultura de Hortolândia

a criação do grupo hortolandense “Pioneiros do Catira”, em 2006, por muitos dos antigos

do seio da população de tradição cristã, que

do catira” local juntamente com o Mestre To-

catireiros de décadas atrás, novamente “na

extrapola divisas municipais e estaduais do

ninho, com atuais 80 anos de idade, catireiro

ativa”, apresentando-se em diversos proje-

centro-sul brasileiros, mas leva a cabo a co-

remanescente das décadas de quando Hor-

tos culturais e festivais de renome regional

ordenação da Orquestra de Viola “Comitiva

tolândia ainda se chamava Jacuba, afastado

e estadual (“Café Caipira”, em Villa Carioba

da Esperança” e a recuperação da “dança

bairro rural campinense.


especialistas, praticantes e estudiosos, sobre os diversos aspectos da “dança do catira” enquanto forma expressão cultural, sabe-se que: suas origens remontam a meados do século XVI, quando do contato das primeiras missões jesuíticas junto aos povos ameríndios da costa e sertões da América Portuguesa ou Brasil-Colônia; inicialmente, era utilizada como instrumento de catequização, mas com sua popularização, desde as primeiras entradas e bandeiras, entre peões, tropeiros e cavaleiros, esta dança amplamente se disseminou Brasil adentro; por isto, era praticada quase exclusivamente por homens; antigamente, para ser catireiro sua prática deveria ser iniciada, preferencialmente, desde a primeira infância; que, suas indumentárias, mesmo as mais atuais, ainda remetem à “cultura caipira”, “camponesa”, “roceira”, “lavradora”, “tropeira”, devido ao traje composto por botas com solado de couro, camisa com mangas compridas, calças compridas, chapéu com aba larga; atuais gerações de

catireiros reconhecem a formação de grupos femininos ou com participação feminina; e caso não haja ações de salvaguarda desta forma de expressão autêntica brasileira, a “dança catira” perecerá, ou ao menos, terá suas características mais tradicionais destoadas, definitivamente, por setores escusos da “cultura de massa”. E no sentido de dar mais um passo na busca pelo reconhecimento e reapropriação deste bem da cultura caipira, a Prefeitura Municipal de Hortolândia, com o apoio técnico e financeiro do Instituto do Patrimônio Artístico Nacional (IPHAN), executará, no decorrer de 2013, o projeto “Patrimônios Vivos da Cultura Caipira: Violeiros, Foliões e Catireiros”, juntamente aos mestres e grupos da cultura caipira local. Dentre as ações a serem desenvolvidas, citem-se a realização de oficinas gratuitas de “dança do catira” e de “introdução à viola caipira”, a serem ministradas diretamente pelos Mestres Toninho e Chiquinho, respectivamente; além da visitação itinerante de grupos representantes da cultura caipira

local/regional (“Pioneiros do Catira”, Orquestra de Viola “Comitiva da Esperança” e Cia. de Santos Reis “Rosa dos Anjos”) em escolas de nível infantil e fundamental da rede pública municipal (23 EMEF’S e 14 EMEIF’s) no decorrer do próximo ano letivo, acompanhada de educadores patrimoniais, os quais apresentarão a missão do projeto às crianças, pais, educadores e demais servidores da rede municipal. As inscrições para as oficinas de “dança do catira” e de “introdução à viola caipira” se iniciarão em fevereiro de 2013, e estarão abertas ao público maior de 10 anos de idade, de ambos os sexos, residente nos municípios de toda a região. As oficinas serão realizadas no Ponto de Cultura “Caixa de Luzes”, com previsão de início das atividades para março próximo. Contatos: Ponto de Cultura “Caixa de Luzes”/Centro de Memória de Hortolândia. End: Rua Pico da Bandeira, 200, Jd. Everest, Hortolândia. Fone: 19-38093729; e-mail: centrodememoria@hortolandia.sp.gov.br.

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

Apesar do difícil consenso entre mestres e

23


CAPA

"A consciência é a cidadania do universo" Os novos prefeitos da região assumem seus mandatos fotos | Assessoria de Imprensa

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

texto | Andréia Dorta

E

xercer a cidadania não ocorre

expostas e venceram os que melhor con-

suas respectivas cidades às mãos desses

apenas nas eleições, mas princi-

quistaram a confiança dos eleitores. Ago-

prefeitos. Chegada a hora, ambos assumi-

palmente nas atitudes que prati-

ra é o momento dos escolhidos colocarem

rão os postos e nas mãos a responsabili-

camos todos os dias em todos os aspec-

em prática, pelos próximos quatro anos,

dade de cada um de ser fiel aos compro-

tos que podem interferir na liberdade do

os projetos e promessas feitas nas cam-

missos e obrigações cabíveis a autoridade

outro. Sejam elas no trabalho, nos estu-

panhas eleitorais.

de prefeito.

dos, nas ruas e até mesmo em casa, a cidadania “deveria” ser exercida de forma

Na cidade de Hortolândia toma posse o prefeito Antonio Meira (PT).

mais natural, entretanto, passa despercebida por um longo período e infelizmente

Em Nova Odessa assume o prefeito Benjamim Vieira de Souza (PSDB).

só se torna algo consciente em época de eleição. Nesse sentido, 2013 é o início da

A seguir fizemos uma entrevista exclusiva com cada um dos prefeitos de Hortolândia, Nova Odessa e Sumaré, por meio de perguntas iguais e objetivas,

No município de Sumaré assu-

abrangendo as primeiras ações a serem

me a 1ª mulher prefeita Cristina Carrara

concretizadas em 2013. Cada prefeito fi-

(PSDB).

cou livre para expor de que forma traba-

consequência do que foi feito com os vo-

Somando a quantidade de votos

lhará o plano de governo em um espaço

tos na hora da escolha para os prefeitos

dos três eleitos, foram pouco mais de

de até 3.500 caracteres. Acompanhe as

da nossa região. As alternativas foram

131.000 eleitores que confiaram a vida de

definições!

Créditos: Ben Hur Photo Studio

24


Créditos: Julyana Tonin

Hortolândia Prefeito Antônio Meira

Típica: Quais os principais projetos que vão melhorar a vida de quem mora em Hortolândia?

cesso de desenvolvimento

econômico

e

social que se instalou Prefeito Meira:

a partir do governo do PT. Com o novo gover-

no também chegam os novos desafios a serem superados em especial nas áreas de mobilidade urbana, com demandas de pontes que encurtem os trajetos; na saúde queremos inovar e humanizar o atendimento, além de defender a construção

cias. Com isso, ficam sob sua responsa-

meçam a ser implanta-

bilidade o Pronto Socorro Municipal e as

das ainda no primeiro

Unidades de Pronto Atendimento, além do

ano de governo. Na

nosso Hospital Maternidade.

exemplo,

Uma das nossas propostas de go-

já teremos duas fren-

verno foi o subsídio parcial da tarifa do

tes tratando do assunto, a Secretaria de

transporte municipal. Além de levar be-

Saúde de Atenção Básica e a Secreta-

nefícios ao morador que também contará

ria de Saúde de Urgência e Emergência.

com uma frota moderna e mais linhas,

A primeira com foco no diagnóstico e o

teremos mais pessoas circulando na ci-

tratamento da doença. Ela também será

dade e, consequentemente, consumindo,

responsável por seguir o projeto que in-

produzindo trabalho e renda. Estes são

centiva os hábitos saudáveis e contribui

exemplos do que planejamos para 2013,

para a prevenção. Queremos menos pes-

mas temos ainda ações em todas as áre-

soas doentes, este é o objetivo. Já a outra

as do serviço público. Outra providência,

secretaria estará voltada para o atendi-

logo no início do ano letivo, é a entrega do

mento imediato, as urgências e emergên-

material e do uniforme escolar.

Prefeito Meira:

Estamos em um pro-

Algumas iniciativas co-

saúde,

por

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

Cleudice Baldo Meira (esposa de Meira), Meira (prefeito eleito), Renata Belufe (vice-prefeita eleita), Ana Perugini (Deputada Estadual), Angelo Perugini (Ex-Prefeito)

25

do hospital e do Pronto Socorro regional; queremos mais participação do Governo do Estado, em especial na segurança, mas pensamos também na presença de câmeras de monitoramento para inibir o crime. A educação é uma questão que segue como prioridade de governo, com destaque para a Educação em Tempo Integral e medidas de implantação de mais cursos profissionalizantes.

Típica: De todos os projetos, quais são as prioridades para 2013?

Foto de campanha Antonio Meira - PT - Hortolândia.

Créditos: Valéria Oliveira


Foto de campanha Antonio Meira - PT - Hortolândia.

dia-a-dia da cidade, mas que planeja o futuro de Hortolândia. Vimos nestes oito anos que o desenvolvimento traz com Prefeito Meira: ele ônus e bônus, daí a necessidade de planejar. Hortolândia é de grande potencial e o grande desafio é permitir o desenvolvimento e atuar, sobretudo, para que ele seja equânime, com justiça social e qualidade de vida.

Típica: Porque desejou ser prefeito? Créditos: Valéria Oliveira

Típica: O que Hortolândia pode aguardar do Meira?

Um prefeito próximo e pronto para dialogar. Quero ser um prefeito que cuida do

Moro em Hortolândia há 35 anos. Aqui fui criado, formei minha família e me apaixonei pela política ao descobrir nela uma ferramenta de Prefeito Meira: transformação da vida em comunidade. Participei do governo An-

gelo Perugini e aprendi ainda mais. O desejo de ser prefeito surgiu ao longo da minha história com Hortolândia.

Típica: Fique a vontade para acrescentar o que achar pertinente ao assunto. Durante o período eleitoral tivemos a participação do morador de Hortolândia desde a elaboração do nosPrefeito Meira: so Plano de Governo. Quero privilegiar esta proximidade de forma que estejamos sempre juntos dialogando cada decisão. Sei da responsabilidade que tenho como prefeito de uma cidade que tem despontado por seu dinamismo e quero contar com profissionais, moradores e a Câmara Municipal no intuito de seguir este caminho e fazer mais, inovar e avançar.


Nova Odessa Prefeito Benjamim Vieira de Souza (Bill) Foto de Campanha 2012

Depois da posse, vou me reunir com todos os funcionários públicos Prefeito Bill:

municipais

e ouvi-los. A cidade vem sendo governa-

da há muito tempo pelas mesmas ideias e pretendo implantar uma nova forma de gestão. Quero dar mais credibilidade ao concursado para que Nova Odessa possa avançar. Para que uma administração vá bem, o funcionário público precisa estar bem. Paralelo a isso, precisamos avançar em todas as áreas. Vamos trabalhar firme para melhorar todos os setores que têm problemas e estão deficitários, atendendo Assim que assumir a administração, inicio o trabalho com minha equipe de governo para colocar em prática todos os nossos projetos e ideias.

Típica: De todos os projetos, quais são as prioridades para 2013?

A Saúde. A saúde de Nova Odessa, de imediato, não precisa de

Prefeito Bill:

Vamos descentralizar todo o sistema.

investimen-

tos. Atualmente ela

Típica: O que Nova Odessa pode aguardar do Bill?

Hoje, quando você procura o Hospital Municipal, encontra numa mesma sala pessoas com diferentes problemas. É a mãe que vai levar o filho ao pediatra, a pessoa que

Lutei muito para che-

vai visitar a maternidade ou o paciente

gar aqui. Ser eleito com

que passou o dia com dor no corpo e foi

quase 70% dos votos é

procurar um médico.

magnífico. É um reco-

Você mistura sentimentos. No mesmo espaço está a felicidade pelo nascimento de uma criança e a preocupação de outra mãe com o filho doente. No nosso governo vamos ter uma sala para a pediatria, outra para a visita à maternidade e assim por diante. Acho isso importante para dar dignidade e humanizar o atendimento. Vamos avançar ainda com a implantação de outros projetos e programas, como o programa Saúde da Mulher, sem deixar de dar a devida atenção à terceira idade e ao combate a doenças específicas. Foto de Campanha 2012

assim o anseio da população.

grandes

tem problemas na área administrativa.

Prefeito Bill:

nhecimento do povo de Nova Odessa ao nosso

trabalho. Nova Odessa tem muito o que avançar. E pode esperar muito trabalho, dedicação, transparência e força de vontade. É meu foco resolver os problemas que existem hoje. O trabalho vai ser firme para termos uma cidade melhor para todos. Uma administração voltada para o povo. Prefeito Bill: Venho de família humilde, de pai e mãe analfabetos. Sempre trabalhei

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

Típica: Quais os principais projetos que vão melhorar a vida de quem mora em Nova Odessa?

27


Bill e Oscar Bergrren - Campanha 2012

duro para alcançar os meus objetivos. Entrei na política em 2000, quando fui eleito vereador pela primeira vez e fui o mais votado daquela eleição. Nada foi por acaso.

Típica: Porque desejou ser prefeito?

uma equipe qualificada e técnica. Sabemos que vamos enfrentar muitos problemas.

Típica: Fique a vontade para acrescentar o que achar pertinente ao assunto.

Me preparei para esse

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

momento. O meu ob-

28

jetivo como prefeito é trabalhar por uma cidade melhor, para

Assumirei uma admi-

quem

precisa.

nistração com muito

Trabalhar por uma cidade mais justa e

a ser feito. Vamos

igualitária, respeitando todos os cidadãos,

buscar muito apoio de

Prefeito Bill:

mais

independente da classe social. Prefeito Bill: Nova Odessa terá um novo

Prefeito Bill:

deputados para obter verbas e poder dar, en-

governo, com nova mentalidade, novos

fim, a qualidade de vida que os moradores

projetos e ideais. Estou trabalhando com

merecem.


29

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


Sumaré Prefeita Cristina Carrara

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

Cristina Carrara - Após a Vitória

Típica: Quais os principais projetos que vão melhorar a vida de quem mora em Sumaré? Um dos principais projetos é investir na melhoria da gestão, aper-

30

feiçoando-a Prefeita Cristina:

governo do estado e federal, buscando re-

um trabalho organizado, onde envolvere-

cursos nessa esfera para complementar o

mos os funcionários, a população, os con-

que nos falta hoje na cidade em termos de

selhos, e os orgãos da sociedade. Traba-

investimento e prioridades. Vamos atender

lharemos inovando, buscando ser criativo,

aquilo que é mais urgente, sempre pen-

trabalhando com um planejamento muito

sando na qualidade, agilidade, e buscando

bem elaborado, para que a população

projetos inovadores para a cidade.

possa ser bem assistida.

Nossa prioridade para 2013 é a saúde.

Identificaremos como cada unidade atua,

através

de investimentos nos funcionários, sistemas

e organização interna. Trabalharemos para que os serviços se tornem ágeis, para que o cidadão tenha um melhor atendimento. Faremos um grande trabalho em todas as áreas, organizando, cuidando de forma efetiva da manutenção de uma cidade mais cuidada, limpa e organizada. Faremos investimentos também na educação. Aperfeiçoaremos o sistema de segurança, ativando as bases que estavam paralisadas. No primeiro ano teremos muitas dificuldades, pois hoje a prefeitura tem um endividamento muito alto, cerca de 250 milhões comprometidos com fornecedores e obrigações. A previsão do orçamento de 2013 é de 650 milhões de reais. Usa-se como refe-

Assessoria de Imprensa

conhecer o perfil do usuário, criar uma

Típica: De todos os projetos, quais são as prioridades para 2013?

política de integração e identificação na região, com os usuários e os profissionais que atenda a região.

rência que o município invista cerca de

Informatizaremos a rede, agilizando o

10% do orçamento anual em novos inves-

Reorganizaremos

timentos. Com a atual situação, tudo que

gestão

poderíamos investir esta comprometido.

para

que reflita em um me-

Teremos de renegociar e parcelar dívidas

lhor atendimento ao

cumprindo com os compromissos. Faremos um grande trabalho de articulação com o

interna

a

Prefeita Cristina:

cidadão. Realizaremos

agendamento de consultas e criando o histórico de cada paciente agilizando o atendimento quando houver a procura pelo serviço.


Típica: O que Sumaré pode aguardar de Cristina Carrara?

ser uma cidade muito melhor, trabalhando com as ferramentas que permita que Sumaré ocupe uma posição de destaque na nossa região. Eu acredito em um outro estilo, que prio-

Muito trabalho, muito empenho, muita dedicação e seriedade. Uma mulher que tem Prefeita Cristina:

o

compromisso

de

trabalhar diariamente

para fazer o melhor para a nossa cidade, sempre trabalhando em conjunto com a população ouvindo e atendendo as ne-

rize o cidadão, que priorize a qualidade dos serviços com uma boa equipe , um governo mais transparente que procure trabalhar de maneira correta e séria.

Típica: Fique a vontade para acrescentar o que achar pertinente ao assunto.

cessidades para vencermos juntos os de-

Agradeço a população de Sumaré pela oportunidade e pela

Típica: Porque desejou ser prefeita?

colaboração. Também Prefeita Cristina:

safios. Por que tenho um sonho, um projeto. Acredito que Sumaré Prefeita Cristina:

tem potencial para

peço a compreensão de todos, pois tere-

mos um primeiro ano muito delicado, mas conseguiremos corrigir esses problemas, reorganizando e colocando a cidade em condições de ter uma prefeitura funcionando de maneira normal, organizada e atendendo bem o cidadão.

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

Cristina Carrara com os filhos e o pai Geraldo Bredda

31


PERSONALIDADES

A experiência de quem sabe o que queria da vida Aos 81 anos, a escritora Maria do Carmo tem muita coisa para contar texto | Andréia Dorta

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

N

32

ossa saudosa Cora Coralina dizia em um de seus poemas que “Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas. Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silêncio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove. E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”. Tal poema resume de forma precisa e belíssima a vida de nossa escritora sumareense de coração Maria do Carmo Araújo Pires. Quando ela nasceu, na cidade de Santa Cruz, no Rio Grande do Sul, já foi predestinada a desviar-se de tudo o que até aquele momento estava reservado a uma criança de família simples e humilde do interior do Nordeste brasileiro. Logo cedo descobriu o amor pela escrita e pelas pessoas. Ainda pequena, recém alfabetizada, e praticamente a única da família que sabia ler e escrever, assumiu por conta própria uma missão um tanto complexa para uma criança. A tia possuía uma “banquinha” na feira durante os sábados e foi ali que Maria do Carmo percebeu sua importância. Aos poucos ela se colocou a disposição daquela pequena comunidade, escrevendo inúmeras cartas de todos os que desejavam enviar lembranças a parentes, familiares e amigos, entretanto não sabiam escrever, muito menos ler. “Você se lembra daquele filme Central do Brasil?

Poema Eu ediçãe o doVoprcóxêimo livro) rmo na

Ca (autoria de Maria do

e Maria do Carmo

Casinha do sítio ond

viveu.

. e beije e me abrace m a, am e m e qu z Se você di quer, vem comigo. Se você diz que me eio, me faça parte do seu m Se você quer que eu enção. convide e me dê at te em seu quer bem, me acei e m e qu z di cê vo Se meio. roxime gosta de mim, se ap e qu as en ap z di Se você inha mão. que estenderei a m . te e não diga nada as af se a, ei od e m Se e nessa me critica, saiba qu ou , im m de al o m la Se fa do por você, pedind an or r ta es ez lv ta a de todos. hora eu poss e, de sua família e ad id lic fe a su la pe z. a Deus e e caminhe em pa Que Deus abenço


Eu nem sabia, mas quando assisti, me vi no filme. O que a Fernanda Montenegro fazia eu já tinha feito de verdade aos 09 anos. As pessoas me procuravam para que escrevesse por elas. Escrevi muitas cartas e quando elas levaram até o correio, orientava para que confirmasse se havia cartas recebidas. Quando as tinham em mãos, fazia questão de ler cada uma. Era uma coisa que me dava prazer e trazia alegria as outras pessoas”, relembra. Emocionada, Maria do Carmo, aos 81 anos, relembra como eram difíceis os tempos da infância. “A gente ia para a escola muito tarde, porque primeiro a gente tinha que ajudar no serviço de casa e depois, se sobrava tempo, a gente estudava e brincava. Meu pai não ligava muito, mas minha mãe dizia que para ser alguém na vida o jeito era estudar. Eu trabalhei ainda criança até de babá. Lavava e passava a roupa do nenezinho e ganhava um troquinho por isso. Ajudava muito em casa, com ferro de brasa e lamparina. Me via naquela situação, mas não concordava. Lá no fundo queria ser alguém na vida, estudar. Ia de cavalo para a escola e quando fiquei mais moça, mudei para

casa de uns parentes na cidade grande. Lá fui estudar e sempre que tinha tempo acabava escrevendo alguma coisa, esses pensamentos que a gente pensa e fica guardada na memória sobre vários assuntos”. Ao longo desses 81 anos, Maria do Carmo montou um verdadeiro arsenal de palavras. São mensagens, cartas, pensamentos, poemas, desabafos, críticas sobre os mais variados temas. Com tanto material disponível, aos 76 anos lançou o livro “Reflexões de Paz”, que publicou com a ajuda de amigos e da família. Hoje, aos 81 anos, está prestes a lançar o 2º livro, com o título ainda não definido, entretanto muito próximo de algo como “Meus 80 anos”. Será a sobrinha que vai ajudar na escolha. Em relação a esta nova edição, o problema se repete, pois sem ajuda financeira, ainda não conseguiu finalizar a impressão, visto que o projeto demanda de uma considerável quantia, mas mantém a esperança de muito em breve realizar mais esse sonho. Maria do Carmo foi casada e hoje,

viúva, mora com o único filho (Fábio), um dos sócios do Pró Memória de Sumaré. Formada em Auxiliar de Enfermagem, revela que só voltaria no tempo para fazer uma faculdade, a de Direito, pois abomina as injustiças que já viu e ainda vê por aí. Outra coisa que a mantém um tanto triste é o fato da idade ter chegado. “Eu não tenho doença nenhuma. Vou ao médico para consultas de rotina, mas minha saúde é de ferro. Pena que não posso fazer mais nada sozinha. O corpo não acompanhou a minha mente e isso é uma pena”.

Típica | Dezembro / Janeiro de 2013

Maria do carmo recebendo diploma de Auxiliar de Enfermagem

33


34 TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


35

TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013


36 TĂ­pica | Dezembro / Janeiro de 2013

Revista Típica - Edição 23 - Regional  

A Revista Típica é uma publicação da Editora Seta Regional e têm como objetivo levar a seus leitores, entretenimento, tendências, atualidade...

Advertisement