Page 1

nº 121 – maio de 2018

Recomposição

Salarial Todos juntos na Assembleia

Rodrigo Bellizzi

Páginas 4 e 5

Entenda o que muda no IPE com a reformulação aprovada no governo Sartori Páginas 6 e 7


Diretoria Executiva

Paulo Sebastião Gonçalves Olympio Presidente

Luís Fernando Alves da Silva 1º Vice-Presidente

Dione Vargas Pinto Burlamarque 2ª Vice-Presidente

Aguinaldo Sotto Mayor Prates 3º Vice-Presidente

Sandra Regina Frantz Füelber 4ª Vice-Presidente

Paulo Chiamenti Secretário-Geral

Marisa Comin 1ª Secretária

Valentina Emilia Martignago 2ª Secretária

Luciane Canella Tesoureira-Geral

José Carlos Felippin 1º Tesoureira

Geraldo Fumo Warth 2º Tesoureiro

Conselho Fiscal

Ana Maria Torres Porto Eduardo Santos da Silva Luiz Gonzaga Rodrigues Souza Nair Bez Zélio Antonio Freitas dos Santos Titulares

João Carlos Lopes Brum Kathia Rejane Faria Prado Marcio Bressane Suplentes

Conselho Deliberativo

Gilson Renato Fernandes de Azevedo João Batista Colle Fenalti Roco Antonio Cosenza Rimolo Vera Beatriz Seelig Franzen Titulares

Jornalista Responsável: Carolina Jardine (Reg. Prof. 9.486) Colaboração: Bruna Karpinski, Luciana Radicione, Letícia Breda, Camila Silva e Letícia Szczesny Projeto Gráfico: Rodrigo Vizzotto Produção e Editoração Eletrônica: Samuel Guedes - stastudio.com.br Impressão: Ideograf Tiragem: 4.000 exemplares Fechamento dessa edição: 04/05/2018 As informações publicadas nesse jornal são de responsabilidade da ASJ

2

Editorial

Sede Administrativa: Rua Vigário José Inácio, nº 630/502 Fones: (051) 3224-4421e 3221-4585 CEP: 90020-110 - Porto Alegre RS www.asjrs.org.br e-mail: asj-rs@via-rs.net

T

Um histórico das nossas perdas

odo mundo sabe que a crise econômica pegou o Brasil de jeito e corroeu o poder de compra da população brasileira. Mas também é verdade que a iniciativa privada só começou a sentir o cinto apertar nos últimos tempos, depois de anos de crescimento. O mesmo, infelizmente, não se pode dizer do serviço público. O gelo que ora é vivido pelos trabalhadores brasileiros já é realidade no setor público há muito mais tempo do que ditam governos ou políticas econômicas. Recente levantamento realizado pela ASJ constatou que as perdas acumuladas dos servidores do Judiciário superam 95%. O cenário é triste para não dizer desesperador. Porque a opinião pública não olha para o servidor como um colaborador do sistema, mas restringe-se a acreditar em quem alega, maldosamente, que a máquina necessita ser enxugada. É preciso que nós servidores sejamos o alicerce de divulgação de nossas qualidades. Sugerimos aqui um momento de reflexão. Porque não basta que nossas famílias, muitas vezes privadas de nossa presença por excesso de trabalho nas comarcas,

Frases

Expediente

saibam da importância do servidor público. É hora de mostrar à sociedade que, sem os servidores, não há Estado, não há políticas públicas, não há segurança, não há educação, não há saúde e não há justiça. Então, afinal, por que segue-se rechaçando os pleitos e a própria categoria se ela representa, em sua essência, os anseios mais importantes da população? Por um simples motivo: é isso que nos querem fazer crer. O interesse econômico e político das elites transforma o povo em seu maior inimigo. Transforma seus próprios sonhos e objetivos em alvo de ataque. Atordoados, os cidadãos perdem o foco. Atiram no outro porque veem nele algo que hoje não têm. A lógica deve ser inversa. Precisamos lutar por melhores condições a todos. Enquanto o povo continuar se auto segregando e disseminando a teoria do ódio desprovido de reflexão estaremos fadados a perder, perder e perder. Até que o Estado seja tão mínimo que ninguém mais queira viver em sociedade. Junte-se a nós na luta por seus direitos. Fale sobre o seu trabalho a amigos, a vizinhos e até para o rapaz da padaria. Mudar mentes é algo que exige ações diferentes. Inove.

“A dignidade não consiste em possuir honrarias, mas em merecê-las.” Aristóteles “Dominar o outro é força; dominar-se é o verdadeiro poder.” LaoTsé, filósofo chinês “Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugna-la-íamos, se a tivéssemos. O perfeito é desumano, porque o humano é imperfeito.” Fernando Pessoa, poeta português


Eleições

Como votar em

2018? que ele cumpra o que prometeu durante a campanha. Se não cumpriu, isso lhe dá direito a recomeçar e tentar uma melhor escolha na eleição seguinte. Agora, se você, assim como milhares de brasileiros, não sabe em quem votar, uma boa dica é começar a estudar. Avalie os currículos dos pré-candidatos, veja seus históricos de decisões e tente traçar uma linha ideológica de seus atos. Porque uma coisa é preciso levar em conta: partidos políticos são cada vez mais “espaços” miscigenados e que reúnem diferentes correntes. Antes de votar, saiba como pensa o seu candidato. É ele que defenderá seus interesses seja no Senado, na Câmara Federal, na Assembleia Legislativa ou na Presidência da República.

Em se tratando de servidores do Poder Judiciário, é importante atentar para os recentes embates travados pela categoria no Poder Legislativo e, principalmente, sobre a condução de alguns assuntos pelo próprio Executivo. É na hora do voto que os parlamentares terão uma resposta por suas decisões e acordos. Não podemos deixar esquecer das recentes políticas que incriminam o serviço público, que transformam o servidor concursado no algoz da crise do Rio Grande do Sul. Sejamos sensatos. Agora é hora de apoiar quem nos apoiou, de estar do lado de quem enxerga as reais mazelas do Estado e do País e está disposto a enfrentá-las pelo bem de todos. Estude e vote com consciência. Rawpixel/Istock

E

m outubro deste ano os brasileiros irão às urnas eleger novos representantes para o Poder Legislativo e Executivo nas esferas federal e estadual. Apesar da proximidade do pleito, o que mais se ouve é sobre a desesperança com o futuro político do país e sobre a ausência de candidatos que mereçam realmente o voto do povo brasileiro. Mas o que se pode fazer afinal? Omitirse nesse momento de caos político pode parecer o caminho mais fácil, mas não o é. Isso porque é dever do cidadão exercitar seu voto e, a partir dele, exigir dos políticos que indicam os rumos do país um futuro melhor. Tão importante quanto votar é acompanhar o que o seu candidato, se eleito, está fazendo. Exigir

3


Salário

Parecer trava projetos de recomposição

D

4

epois de sucessivas postergações, o que os servidores do Judiciário temiam pode realmente acontecer: a apreciação do projeto de recomposição (PL 218/2017) corre risco de ficar para depois das Eleições 2018. O temor se tornou real depois que o procuradorgeral da Assembleia Legislativa (AL), Fernando Batista Bolzoni, emitiu parecer que relata a ilegalidade da tramitação das matérias em período pré-eleitoral. A posição, que tumultuou a sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do dia 24 de abril, refere-se também aos PLs dos servidores do Ministério Público, Defensoria Pública e Tribunal de Contas. O argumento utilizado pelo procurador, e reafirmado pela base governista, é que projetos de revisão geral estão impedidos pela Lei Nacional 9504. “Essa não é uma comissão de mérito, é uma comissão de constitucionalidade”, contextualizou o deputado líder do governo Gabriel Souza (PMDB), durante a sessão. A posição foi combatida pelas categorias e pela oposição, gerando impasse entre os deputados. Os relatores dos projetos Ronaldo Santini (PTB) e Gilmar Sossella (PDT) ficaram de estudar a questão levantada pelo procurador-geral e buscar alternativas que embasem a constitucionalidade. Segundo o presidente da ASJ, Paulo Olympio, a matéria vem sendo conduzida pela base do governo com viés positivo de forma a inviabilizar a tramitação. “Querem é arquivar todos os PLs, mas esquecem que a recompo-

sição é um direito dos servidores e que não vem sendo cumprida”, pontuou o líder classista que vem acompanhando as sessões semanalmente. Segundo ele, o momento deve ser de pressão por parte dos servidores de forma a mobilizar apoio entre os parlamentares. E foi além. Segundo Olympio a legislação eleitoral é contra o abuso do poder econômico e contra o abuso do poder administrativo. “O Poder que tem eleição nessa época é o Executivo. O Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública e Tribunal de Contas não têm eleições. Está havendo um mal entendimento da questão jurídica”, argumentou. Presença constante nas reuniões da CCJ e em articulações junto às bancadas, o presidente da ASJ acredita que o momento é de união tanto da categoria quanto com as demais que também têm projetos similares em tramitação na Casa para derrubar o parecer do procuradorgeral dentro da CCJ. “A nossa primeira estratégia é pressionar os parlamentares para que ocorra um acordo na reunião de líderes partidários para levar o PL ao Plenário. Enquanto isso, seguimos negociando e explicando sobre a importância de manter os vencimentos dos servidores. Porque, na verdade, precisamos enfatizar que não se trata de aumento, mas de manutenção de poder de compra", afirmou. Para tratar do assunto, Olympio e outros líderes de categoria estiveram reunidos com a 1º vice-presidente do Tribunal, Maria Isabel de Azevedo Souza.

Saiba mais O Projeto de Lei 218/2017 foi encaminhado à Assembleia Legislativa pelo Poder Judiciário e prevê recomposição salarial de 5,58% aos servidores. Para poder ser apreciado em plenário, ele precisa passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde já foi lido parecer favorável. Contudo, há semanas a matéria não tem encaminhamento e chegou a ter pedido de vista pelo deputado Vilmar Zanchin (PMDB). No dia 24 de abril, o procuradorgeral da Assembleia Legislativa (AL), Fernando Batista Bolzoni, emitiu parecer que aponta que a tramitação da matéria é ilegal em período eleitoral.


5

Fotos: Camila Silva


IPE

Governo patrola servidores e aprova projetos Paulo Olympio em negociação com Otomar Vivian e o deputado João Fischer

D

6

epois de meses de articulação, o governo do Estado aprovou, no mês de março, os Projetos de Lei 206/2017, 207/2017, 211/2017 e 212/2017, que reestruturam o Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (IPE). As duas primeiras matérias, que criam a estrutura do IPE Prev, órgão gestor da previdência dos servidores estaduais, e estabelecem novas normas para concessão de benefícios, foram votadas no dia 6 de março na Assembleia Legislativa. Os textos foram aprovados com 32 votos a favor e 22 contra, terminando com a paridade do Conselho Deliberativo do Instituto, atualmente presidido pelo vice-presidente da ASJ, Luís Fernando Alves da Silva. Segundo o servidor, que acompanhou a votação ao lado de representantes da ASJ e demais líderes classistas, apesar de o texto trazer uma aparente paridade, na prática, ela não existirá uma vez que o governo deterá a capacidade de eleger o presidente do colegiado com voto de qualidade, ou seja, pode desempatar votações. Além disso, de acordo com Silva, a decisão dos deputados gaúchos também concedeu mais força ao Poder Executivo para reger os caminhos e poder exacerbado ao presidente do IPE para determinar o futuro de milhares de servidores. Uma semana depois, o governo emplacou a aprovação de outros dois projetos (211/2017 e 212/2017) que tratam de mudanças no IPE Saúde. Com a decisão, os deputados deram ao governo do Estado poderes para definir usos e até vender os diversos imóveis hoje de posse do Instituto. Segundo o presidente da ASJ, Paulo Olympio, que acompanhou a votação em plenário, os textos representam um ataque à autonomia do Instituto e um prejuízo a milhares de servidores e usuários.

Ciro Simoni informa sobre emendas apresentadas aos projetos


Perdas minimizadas Contudo, as matérias relacionadas à área da saúde não passaram sem resistência. Para garantir a aprovação, o governo fez concessões, adotando dois emendões construídos em conjunto com a oposição, um em cada PL. Segundo o presidente do Conselho Deliberativo, com as emendas, garantiu-se o não aumento da contribuição das pensionistas, a automaticidade de inscrição do servidor no IPE Saúde sem termo de adesão, a conservação do modelo de Plano Principal, PAC e PAMES e a vedação de cobrança nas internações hospitalares e tratamentos ambulatoriais. "O governo fez mais uma vez seu trator funcionar como na semana passada", desabafou Silva. O emendão ao projeto 211 também trouxe concessões: os conselheiros continuam indicados pelas entidades, foram restabelecidas competências do Conselho Deliberativo e garantiu-se atribuições de diretoria em composição colegiada.

Diretores da ASJ acompanharam votação em plenário

Articulação em favor dos servidores na Assembleia Legislativa

Como fica o IPE Saúde • A inscrição no Plano de Saúde do IPE segue automática para novos servidores • Ficam mantidos os planos PAC e Pames • O governo ficou autorizado a abrir novos planos especiais com mensalidades específicas dentro do IPE • Servidor que sair do plano terá que cumprir carência ao regressar • Em caso de famílias com dois servidores segurados, o com menor salário poderá ser dependente do outro. • Há possibilidade de ingresso de advogados no Plano de Saúde • Ficou mantida a cobertura integral para internações hospitalares • Revisões no valor da mensalidade podem ocorrer a cada dois anos, assim como da tabela de honorários paga pelo plano aos médicos.

Começa a transição do IPE-Prev

Luís Fernando Alves da Silva participou de articulação com parlamentares e movimentos

Em sua primeira reunião após a publicação dos projetos de reformulação do IPE, o Conselho Deliberativo do Instituto assumiu, em 11 de abril, as atribuições do Conselho de Administração do IPE-Prev até que seja composto o novo órgão. A administração da autarquia tem prazo de até 180 dias a contar de 6 de abril para nomear a gestão do braço previdenciário do IPE. De acordo com o presidente do Conselho Deliberativo e vice-presidente da ASJ, Luís Fernando Alves da Silva, a partir de agora o colegiado passa a desenvolver novos trabalhos, com atribuições focadas no IPE-Prev, em caráter temporário. Os conselheiros decidiram por continuar cumprindo o regimento interno vigente durante o período de transição e, ao mesmo tempo, acatar a nova lei. No dia 6 de abril, as quatro leis que tratam da separação do IPE foram publicadas. São elas: a lei complementar 15.142, que trata do Regime Próprio da Previdência Social dos Servidores Públicos (RPPS-RS); a lei complementar 15.143, que reestrutura o IPE e adota a denominação IpePrev; a lei 15.144, que cria o Ipe Saúde; e a lei 15.145, que aborda o Sistema de Assistência a Saúde.

7


Carnaval Justiça

Impasse envolve servidores Celetistas previdenciário do IPE para o INSS. Foi intermediada negociação com escritório de advocacia e dada orientação a colegas sobre a questão. Em face das dúvidas de como proceder a respeito, a ASJ convocou encontro no dia 7 de fevereiro. A advogada Linda Uflacker Lutz, do escritório Pinheiro Machado Advogados Associados – que cuida da causa – garantiu que a migração não é boa para nenhum dos funcionários, independendo do porte dos vencimentos. Ela representa os servidores em processo administrativo dentro do Tribunal de Justiça, que segue em tramitação. “É um momento difícil, considerando que essa questão atinge servidores com muito tempo de trabalho e às vésperas da aposentadoria”, pontuou o presidente da ASJ, Paulo Olympio. Ao lado do colega de banca Cassiano Castro, a advogada recomendou que quem tiver o tempo de contribuição necessário encaminhe sua aposentadoria o mais breve possível, o que não garante a conquista de direitos adquiridos, mas coloca o servidor em outro patamar. “Com o processo administrativo vamos manifestar nossa irresignação e não concordância com essa posição. Os servidores têm direito à ampla defesa e ao contraditório”, ressaltou Linda. Fotos: Letícia Breda

A

Associação dos Servidores da Justiça do RS (ASJ) auxiliou juridicamente os servidores celetistas atingidos por determinação do Tribunal de Contas do Estado (TCE) que impõe migração do regime

Linda, Olympio e Castro explicaram aos colegas mudanças ocasionadas pela determinação do TCE

8


O presidente da ASJ e vice-presidente da Federação das Associações e Servidores Públicos do RS (FASP-RS), Paulo Olympio, foi empossado, no dia 24 de março, como vice-presidente da 1ª Região (Rio Grande do Sul e Santa Catarina) da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP). A eleição, que também reconduziu Antonio Tuccilio à presidência, marca a formação da administração que conduzirá a entidade no triênio 2018/2020. A Executiva ainda

Alexandre Rosse/CNSP

Nacional

Paulo Olympio é vice-presidente Sul da CNSP conta com Armando Campos de Oliveira na vice-presidência. “É muito importante vermos a representatividade da nossa federação na CNSP. Vamos trabalhar muito em prol dos direitos dos servidores”, enfatizou Olympio. A cerimônia foi realizada no Clube Português, em São Paulo, e contou com a presença de diretores e líderes do funcionalismo. Ao final, a noite foi encerrada com uma confraternização.

Olympio segue à frente das ações da confederação na Região Sul

União Gaúcha vido ao fim das gestões do juiz Gilberto Schaffer (Ajuris) e do procurador Luiz Fernando Barbosa (Apergs) em suas entidades. Nos últimos meses, o colegiado debruçou-se sobre os projetos de reformulação do IPE (PLs 206, 207, 211, 212 e 213), que acabaram sendo aprovados na Assembleia Legislativa e dividiram o instituto em IPE-Prev e IPESaúde. Contudo, emendas propostas pela União Gaúcha amenizaram os impactos negativos da proposta inicial do governo.

Cláudio Martinewski assume coordenação o período 2018/2019. O presidente da ASJ, Paulo Olympio, ficará à frente do conselheiro fiscal. Na oportunidade, os conselheiros também aprovaram os relatórios da gestão 2017/2018. Martinewski já estava na coordenação da União Gaúcha desde 5 de março, quando assumiu interinamente deLeticia Breda

O desembargador Cláudio Martinewski assumiu a Coordenação Executiva da União Gaúcha em Defesa da Previdência Social e Pública em assembleia geral realizada no dia 2 de maio, quando também foram eleitos por aclamação a nova diretoria executiva e o conselho fiscal da entidade para

Diretoria e conselho foram empossados no dia 2 de maio

Diretoria Executiva: Presidente - Cláudio Luis Martineswki (Ajuris) Vice-presidente - Ives Leite Lucas (Afocefe) Secretária-geral - Juliana Coelho Lavigne (Adpergs) Tesoureira - Katia Terraciano Moraes (Sinapers) Conselho Fiscal: Paulo Sebastião Gonçalves Olympio (ASJ) José Alfredo Santos Amarante (ASOFBM) Danilo Krause (Sintergs) Ricardo Silva de Freitas (Ceape/ TCE) Cícero Correia Filho (Sindispge)

9


Tribunal de Justiça

Presidente recebe servidores e indica preocupação com a Previdência

E

10

mpossado para comandar o Tribunal de Justiça do RS pelos próximos dois anos, o desembargador Carlos Eduardo Duro recebeu comitiva de servidores para debater temas de interesse da categoria e relatar projetos no dia 21 de março. Entre as preocupações da nova Administração está o impasse acerca da Reforma da Previdência. O tema também foi alvo do discurso de posse do novo presidente, em ato no dia 1º de fevereiro que contou com diversas autoridades. A Associação dos Servidores da Justiça foi representada por seu presidente Paulo Olympio e pelo secretário-geral Paulo Chiamenti. “É um tema relevante que merece nossa atenção. É uma Reforma que prejudica os servidores, suprime direitos e não há regra de transição”, pontuou Duro. E criticou aqueles que alegam que a Reforma é a única solução para o futuro: “Existe um silêncio generalizado sobre isso, de forma injustificável, responsabilizando os servidores públicos, que acabam penalizados pelas reformas previdenciárias”, considerou, lembrando que a composição de receitas da Seguridade Social transcendem à contribuição previdenciária.

Diretoria da ASJ parabenizou nova Administração


Difini faz prestação de contas Ao se despedir do cargo de presidente do Tribunal de Justiça, o qual desempenhou pelos últimos dois anos, o desembargador Luiz Felipe Silveira Difini apresentou em detalhes os ganhos financeiros e administrativos de sua gestão. A política austera garantiu resultado destacado com aumento de receitas próprias de R$ 549 milhões, em 2015, para R$ 624 milhões em 2016 (crescimento de 13,64%) e para R$ 791 milhões em 2017 (crescimento de 26,87% sobre 2016 e 44,18% sobre

2015). “Hoje, 22,88% do orçamento do Poder Judiciário não advém de recursos do Tesouro, mas de receitas próprias contra 18,76% em 2015", revelou Difini. Logo no início de seu discurso, o desembargador admitiu que sabia que sua gestão seria marcada por tempos difíceis. “Sabíamos que esta seria a gestão da crise”, pontuou. Apesar do impasse ético e moral que o País atravessa, completou Difini, a Administração precisou enfrentar a situação. “Há hora de chegar e há hora de deixar", disse. Letícia Breda

Durante discurso de posse, Duro ainda garantiu que atuará com firmeza pela defesa do Poder Judiciário e de sua autonomia orçamentária. “Não há Poder Judiciário sem autonomia financeira”, ressaltou. Questionado sobre as limitações financeiras do Estado e seu impacto na folha do Judiciário, garantiu que, como está hoje, o orçamento tem recursos para implementação do reajuste em tramitação da Assembleia Legislativa. Natural de Montenegro, Carlos Eduardo Duro tem 31 anos de carreira e será o 49° a ocupar o cargo de presidente do Tribunal de Justiça do RS. Também foram empossados durante a solenidade os desembargadores Maria Isabel de Azevedo Souza (1ª Vice-Presidente), Almir Porto da Rocha Filho (2º Vice-Presidente), Túlio Martins (3° Vice-Presidente) e Denise Oliveira Cezar (CorregedoraGeral da Justiça).

Vera Deboni assume a Ajuris Foi com o auditório do Fórum Central repletos de lideranças classistas, colegas de magistratura e a nova cúpula do Tribunal de Justiça do RS que a juíza Vera Deboni foi empossada, em 1º de fevereiro, presidente da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris). Ela comandará a entidade no biênio 2018/2019, tendo Orlando Faccini Neto como vice-presidente Administrativo; Cristiano Vilhalba Flores como vice -presidente de Patrimônio e Finanças; Madgéli Frantz Machado como vice -presidente Cultural; Patrícia Antunes Laydner como vice-presidente Social; e Felipe Rauen Filho como vice-presidente de Aposentados. O presidente da ASJ, Paulo Olympio, e o secretário-geral, Paulo Chiamenti, acompanharam a solenidade.

Solenidade contou com autoridades e lideranças

11


Na Assembleia

M

Presidente promete valorização do trabalho

atérias importantes para a vida dos servidores do Judiciário carecem do apoio do novo presidente da Assembleia Legislativa. Empossado em 1º de fevereiro, o deputado Marlon Santos (PDT) recebeu o presidente da ASJ, Paulo Olympio, e o secretáriogeral, Paulo Chiamenti, em seu gabinete para confraternização de boas vindas minutos antes da solenidade no Plenário. Com trajetória de lutas compartilhadas na Casa Legislativa,

o parlamentar e os líderes classistas conversaram sobre a importância dos servidores para andamento eficiente do Estado. Segundo Marlon Santos, sua Administração será regida pela valorização de quem trabalha pelo desenvolvimento do Estado. “Contem com a Assembleia. Tudo o que a gente puder fazer para melhorar o lado de quem produz e trabalha pelo Estado a gente vai fazer”, garantiu. Minutos depois, em seu primeiro pronunciamento como chefe do Po-

der Legislativo, Marlon Santos garantiu que continuará sendo o mesmo, “mas ainda mais humilde". E disse que o momento atual precisa ser de respeito institucional, lembrando que todos os deputados e autoridades dos demais poderes têm a preocupação de melhorar o Estado e não são os responsáveis pela crise que o RS enfrenta, apenas a herdaram. “Acredito que é hora de um pouco mais de sensibilidade e de menos ideologismo”, opinou.

Reunião debate urgência de implantar Data base

Paulo Olympio, Marlon Santos e Paulo Chiamenti em encontro no dia da posse

12

Com o objetivo de debater a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 263/2017, o presidente da Associação dos Servidores da Justiça do RS, Paulo Olympio, e representantes de outras entidades reuniram-se,em 1º de março, com a assessoria da deputada Juliana Brizola (PDT). A PEC, proposta pela parlamentar, busca garantir que no dia 1º de março de cada ano o governo do Estado negocie e conceda a reposição inflacionária para os servidores. De acordo com Olympio, a reunião foi positiva e deve auxiliar os colegas que possuem dúvidas sobre o projeto. Além disso, o presidente frisou a importância da expansão e do apoio à PEC. “Existe uma preocupação em nível de inserção dessa conversa entre as entidades”, disse, ressaltando que cada instituição deve fazer sua parte divulgando a causa em seus informativos.


Tupi-Guarani

O mês de abril marcou o retorno do Grupo Escoteiro Tupi-Guarani, dando o pontapé para diversas outras atividades que vão ser realizadas ao longo deste primeiro semestre na sede campestre da ASJ. Alessandra Rychescki

Escoteiros estão de volta às atividades

Lúcia Müller

A primeira a ção acontece u em 7 de ab integrantes d ril, quando d o G.E.Tupi-G ois uarani receb máxima com eram a conq o escoteiros: u is ta Gabriel Ribei rino levaram ro e Marcus Q a Lis de Ouro u i– distintivo d do Ramo Esc e grau máxim oteiro que co o ndecora quem os requisitos. atende a tod Para recebêos lo é necessári ção da Corte o a recomen de Honra e d d a a Chefia da T além da apro ropa Escoteir vação da Dir a , etoria do Gru a homologaçã po Escoteiro o pela Direto e ria Regional.

foi de bastante traO sábado, 14 de abril, coteira Bechuanas, balho para a Tropa Es s de uma usina de que visitou as instalaçõe manhã, e, à tarde, reciclagem no turno da confecção de bancos foram responsáveis pela to de garrafas PET. a partir do aproveitamen

Márcia Carvalho

As atividades prosseguiram no dia 27 de abril, uma se xta-feira, co m o e n g a ja m e n to em um traba lho voluntário pelos escoteiros do Clã Sep é Tiaraju. O trabalho fo i realizado no bairro Restinga com a supe rvisão da chefe Priscila Martyl na Restinga.

Rogério Baldassari

Priscila Martyl

A Tr op a Se ni or Arani também teve um dia inteiro de ap re se nt aç ão de especialidades .

s, dia 28, a Alcateia No último sábado do mê u de uma excursão Guara-Mirim participo so, local que integra guiada ao Morro do Os níticos existentes a cadeia dos morros gra aliza-se próximo à em Porto Alegre e loc a. O local possui margem do Lago Guaíb tural e constitui-se 220 hectares de área na biológico, praticanum importante reduto ização dos bairros mente isolado pela urban quã e Cavalhada. Tristeza, Ipanema, Cama

Fale com o Tupi: Sábados à tarde na Sede Campestre da ASJ – Av. Juca Batista, 2.600 | F.: 51 99908.1539 | facebook.com/GETupiGuarani

13


Fim de Ano

Calor para derreter corações no Natal ASJ

T

ente deixar o celular de lado por algumas horas. Esqueça que você tem Instagram e Facebook e tente viver a vida como antigamente, sem selfies ou batalha de curtidas. Parece impossível? Talvez seja, mas refletir sobre o papel da tecnologia no cotidiano das famílias é essencial em um momento em que as pessoas deixaram de conversar para afundarem-se em bate-papos e debates intermináveis nas redes sociais. O tema foi abordado na peça “Os Três contam o Natal”, encenada na Festa de Fim de Ano da ASJ. A abordagem encantou os presentes e foi apresentada pela Entreteniarte Produções. Duendes do Papai Noel perambularam pelas árvores da sede trazendo alegria e contagiando a todos com o clima de Natal.

Papai Noel Geraldo Warth enfrentou o calor para trazer alegria às crianças que participaram da festa da ASJ

14


Para aliviar o calor, nada melhor do que uma máquina de neve que “congelou” a turma e garantiu a diversão completa. Para finalizar com chave de ouro a festa, a chegada do Papai Noel aconteceu com muita emoção, uma ação que contou com o carinho do servidor Geraldo Warth. O bom velhinho veio na Kombi da ASJ e distribuiu brinquedos aos presentes. “É sempre muito bom ver os associados aproveitando a Sede Campestre e interagindo com suas famílias em momentos como esse”, disse o presidente Paulo Olympio. Além da Festa de Natal, telões e televisores foram instalados para que os sócios pudessem acompanhar a final do Campeonato Mundial de Clubes de Futebol, com transmissão ao vivo do jogo Grêmio e Real Madrid. Foi o caso da família do sócio Alberto Marques, que levou a neta Maria Clara, 2 anos, para aproveitar as atrações do Natal sem que a família perdesse a partida futebolística.

Servidores aproveitam as piscinas da ASJ

Os finais de semana de verão foram de casa cheia na Sede Campestre da ASJ. É o caso da família da pequena Amanda da Silva, 3 anos, que estava equipada para aproveita a piscina infantil, sempre como a mamãe Rosenara e o papai Guilherme de olho. O presidente da ASJ, Paulo Olympio, informa que é importante sempre atentar para a segurança das piscinas das ASJ que, por mais um ano, termina a temporada sem acidentes.

15


Carnaval

Para

sambar e

sorrir Q

16

uem gosta de carnaval sabe que o que importa mesmo em um bom baile é a diversão. Foi assim que sócios e familiares aproveitaram o Carnaval Infantil da ASJ, realizado em março na Sede Campestre. O já tradicional evento sempre conta com concurso de fantasias, desfiles e muita brincadeira. Disputa que motiva as famílias de sócios. Tem gente que planeja as fantasias e se esmera para fazer bonito. É o caso da servidora Cristina Cogo de Melo, que levou as sobrinhas para o baile vestidas de boneca de corda. Gêmeas, as meninas Clara e Catarina Cogo, de dois anos, brincaram na folia do Momo. Assim como no ano passado, o baile infantil de 2018 teve a presença da Corte do Carnaval de Porto Alegre e da Escola Imperadores do Samba. A rainha do Carnaval, Daniela Matos, e a princesa Thauana Lucena dançaram com os pequenos foliões da ASJ. "É muito importante a realização de eventos como esse porque estimulam e valorizam a nossa cultura popular. E misturar o carnaval com a alegria genuína das crianças é lindo e traz muito amor”, frisou Daniele. Segundo o presidente da ASJ, Paulo Olympio, momentos como esse são importantes para integração e é sempre importante contar com o corpo de sócios. Em 2018, a diretoria

da ASJ chegou a organizar uma edição do baile para adultos, atendendo a pedidos. Contudo, a festa foi cancelada devido à baixa adesão.

Paulo Olympio com a rainha e a princesa do Carnaval de Porto Alegre


Premiados de 2018

Destaque Bebê: Bernardo Prestes, 8 meses

Destaque Passista Mirim: Lara Vallejo Lopes, 9 anos (à esquerda) Destaque Simpatia: Maria Eduarda Gutierres, 5 anos (abaixo, à esquerda) Destaque Fantasia: Daniela Vallejo Lopes, 6 anos (abaixo, à direita)

Diversão marcou festa realizada no mês de março na Sede Campestre

Destaque Originalidade: as gêmeas Clara e Catarina Cogo, 2 anos

17


Páscoa

Onde está o

coelho?

O

coelhinho da Páscoa sumiu. Mas não faltaram crianças para enfrentar a chuva, o vento e o frio com muita disposição para encontrá-lo. Foi com empolgação e brincadeiras que a Associação dos Servidores da Justiça do RS (ASJ) promoveu mais uma Festa de Páscoa no dia 24 de março. Apresentação teatral conduziu a caça ao coelho, que contou até com detetive profissional para ajudar nas buscas. Todos queriam saber quem era o culpado por “dar um sumiço” no coelho. Depois de um júri popular sem solução que inocentou o bancário, a professora e a padeira, todos resolveram ir atrás das pistas que levaram até o esconderijo do coelho da páscoa. E ele chegou com muitos doces e chocolates.

Pintura de rosto é sempre uma atração nas festas infantis

18


Detetive guiou crianças pela Sede Campestre em busca de pistas Além dos ovos distribuídos às crianças presentes, neste ano a festa contou com oficina culinária. As crianças foram convidadas a produzir seus próprios doces em uma alegre disputa de decoração de cupcakes. Na sequência, foram orientadas a produzir pirulitos de biscoito confeitados nas mais diferentes cores. Segundo o secretário-geral da ASJ, Paulo Chiamenti, foi um momento de integração e muita diversão. “A festa foi excelente porque estimulou a criatividade e integração entre as crianças”, pontuou Chiamenti ao lado do diretor Geraldo Warth, que também acompanhou a folia.

Paulo Chiamenti e Geraldo Warth comandaram a festa

Adultos e crianças se divertiram e saborearam guloseimas

19


Benefícios

nº 121 – maio de 2018

Cartão permite descontos em milhares de estabelecimentos

Vecell Card traz rede de vantagens ao servidor

O

s sócios da ASJ já estão recebendo o novo cartão corporativo do Clube de Descontos Vecell. O benefício é resultado de uma parceria inovadora firmada entre a ASJ e a rede Vecell, empresa reconhecida no ramo de cartões e benefícios. O primeiro lote de cartões já está em distribuição e oferece aos servidores descontos em uma rede de mais de 200 empresas em diferentes áreas no Rio Grande do Sul. A lista completa de

benefícios está disponível no site da ASJ e inclui descontos de até 15% em restaurantes, supermercados, bônus para aquisição de móveis planejados e vantagens exclusivas em redes de hotéis na Serra e no Litoral. A relação ainda inclui cursos de idiomas, postos de combustíveis, farmácias, clínicas estéticas, bares, lojas de materiais de construção e vestuário. Para habilitar o cartão de descontos é simples. Basta preencher uma pequena atualização cadastral, que pode ser feita na Secretaria da Sede Administrativa ou

na Sala da ASJ no Fórum Central. Mais informações sobre o processo podem ser obtidas com a funcionária Daiane, na Sala da ASJ no prédio I ou pelo telefone (51) 3221-4196. Associados residentes no interior do Estado poderão contatar a ASJ para ver a melhor forma de receber o cartão. O vice-presidente da ASJ, Luís Fernando Alves da Silva, informa que o cartão está sendo ofertado pela ASJ a todos os sócios que estejam com sua mensalidade em dia, sem custo de adesão ou anuidade. “A Vecell tem ação em diversas regiões do Rio Grande do Sul e está dando início à prospecção de novos parceiros nas cidades onde há maior número de sócios da ASJ”, completou. Segundo ele, o objetivo é oferecer uma opção de compra diferenciada exatamente pelo pertencimento a um grupo coeso que é a Associação dos Servidores da Justiça. Até então, a ASJ tinha uma rede de convênios própria, que seguirá operando nos mesmos moldes e segue com informações disponíveis na aba Convênios do site da associação. Contudo, com o novo cartão Vecell, os associados terão uma rede muito maior de empresas parceiras. Para aproveitar os benefícios, é preciso sempre apresentar o cartão Vecell ao estabelecimento conveniado para leitura da tarja magnética. Alves da Silva ainda explica que o cartão ASJ Vecell poderá funcionar como ferramenta da identificação externa para os associados da ASJ, uma vez que traz o nome do servidor e o logotipo de sua entidade de classe.

Asj ed 121 final  

Jornal da ASJ - Edição 121

Asj ed 121 final  

Jornal da ASJ - Edição 121

Advertisement